Arquivo da tag: Política

In a polarized world, what does ‘follow the science’ mean? (The Christian Science Monitor)

Why We Wrote This

Science is all about asking questions, but when scientific debates become polarized it can be difficult for average citizens to interpret the merits of various arguments.

August 12, 2020

By Christa Case Bryant Staff writer, Story Hinckley Staff writer

Should kids go back to school? 

One South Korean contact-tracing study suggests that is a bad idea. In analyzing 5,706 COVID-19 patients and their 59,073 contacts, it concluded – albeit with a significant caveat – that 10- to 19-year-olds were the most contagious age group within their household.

A study out of Iceland, meanwhile, found that children under 10 are less likely to get infected and less likely than adults to become ill if they are infected. Coauthor Kári Stefánsson, who is CEO of a genetics company tracking the disease’s spread, said the study didn’t find a single instance of a child infecting a parent.

So when leaders explain their decision on whether to send kids back to school by saying they’re “following the science,” citizens could be forgiven for asking what science they’re referring to exactly – and how sure they are that it’s right. 

But it’s become difficult to ask such questions amid the highly polarized debate around pandemic policies. While areas of consensus have emerged since the pandemic first hit the United States in March, significant gaps remain. Those uncertainties have opened the door for contrarians to gain traction in popular thought.

Some Americans see them as playing a crucial role, challenging a fear-driven groupthink that is inhibiting scientific inquiry, driving unconstitutional restrictions on individual freedom and enterprise, and failing to grapple with the full societal cost of shutting down businesses, churches, and schools. Public health experts who see shutdowns as crucial to saving lives are critical of such actors, due in part to fears that they are abetting right-wing resistance to government restrictions. They have also voiced criticism that some contrarians appear driven by profit or political motives more than genuine concern about public health.

The deluge of studies and competing interpretations have left citizens in a tough spot, especially when data or conclusions are shared on Twitter or TV without full context – like a handful of puzzle pieces thrown in your face, absent any box top picture to help you fit them together. 

“You can’t expect the public to go through all the science, so you rely on people of authority, someone whom you trust, to parse that for you,” says Aleszu Bajak, a science and data journalist who teaches at Northeastern University in Boston. “But now you have more than just the scientists in their ivory tower throwing out all of this information. You have competing pundits, with different incentives, drawing on different science of varying quality.”

The uncertainties have also posed a challenge for policymakers, who haven’t had the luxury of waiting for the full arc of scientific inquiry to be completed.

“The fact is, science, like everything else, is uncertain – particularly when it comes to predictions,” says John Holdren, who served as director of the White House Office of Science and Technology Policy for the duration of President Barack Obama’s eight-year tenure. “I think seasoned, experienced decision-makers understand that. They understand that there will be uncertainties, even in the scientific inputs to their decision-making process, and they have to take those into account and they have to seek approaches that are resilient to uncertain outcomes.” 

Some say that in an effort to reassure citizens that shutdowns were implemented based on scientific input, policymakers weren’t transparent enough about the underlying uncertainties. 

“We’ve heard constantly that politicians are following the science. That’s good, of course, but … especially at the beginning, science is tentative, it changes, it’s evolving fast, it’s uncertain,” Prof. Sir Paul Nurse, director of the Francis Crick Institute in London, recently told a British Parliament committee. One of the founding partners of his independent institute is Imperial College, whose researchers’ conclusions were a leading driver of U.S. and British government shutdowns.

“You can’t just have a single top line saying we’re following science,” he adds. “It has to be more dealing with what we know about the science and what we don’t.” 

Rick Bowmer/AP Granite School District teachers join others gathered at the Granite School District Office on Aug. 4, 2020, in Salt Lake City, to protest the district’s plans for reopening. Teachers showed up in numbers to make sure the district’s school board knew their concerns.

A focus on uncertainty

One scientist who talks a lot about unknowns is John Ioannidis, a highly cited professor of medicine, epidemiology, and population health at Stanford University in California.

Dr. Ioannidis, who has made a career out of poking holes in his colleagues’ research, agrees that masks and social distancing are effective but says there are open questions about how best to implement them. He has also persistently questioned just how deadly COVID-19 is and to what extent shutdowns are affecting mental health, household transmission to older family members, and the well-being of those with non-COVID-19-relatedconditions.

It’s very difficult, he says, to do randomized trials for things like how to reopen, and different countries and U.S. states have done things in different ways.

“For each one of these decisions, action plans – people said we’re using the best science,” he says. “But how can it be that they’re all using the best science when they’re so different?”

Many scientists say they and their colleagues have been open about the uncertainties,despite a highly polarized debate around the pandemic and the 2020 election season ramping up. 

“One of the remarkable things about this pandemic is the extent to which many people in the scientific community are explicit about what’s uncertain,” says Marc Lipsitch, a professor of epidemiology and director of the Center for Communicable Disease Dynamics at the Harvard T.H. Chan School of Public Health who is working on a study about how biases can affect COVID-19 research. “There has been a sort of hard core of scientists, even with different policy predispositions, who have been insistent on that.”

“In some ways the politicized nature has made people more aware of the uncertainties,” adds Professor Lipsitch, who says Twitter skeptics push him and his colleagues to strengthen their arguments. “That’s a good voice to have in the back of your head.” 

For the Harvard doctor, Alex Berenson is not that voice. But a growing number of frustrated Americans have gravitated toward the former New York Times reporter’s brash, unapologetic challenging of prevailing narratives. His following on Twitter has grown from around 10,000 to more than 182,000 and counting. 

Mr. Berenson, who investigated big business before leaving The New York Times in 2010 to write spy novels, dives into government data, quotes from scientific studies, and takes to Twitter daily to rail against what he sees as a dangerous overreaction driven by irrational fear and abetted by a liberal media agenda and corporate interests – particularly tech companies, whose earnings have soared during the shutdowns. He refers satirically to those advocating government restrictions as “Team Apocalypse.”

Dr. Lipsitch says that while public health experts pushing for lockdown like himself could be considered hawks while contrarians like Mr. Berenson could be considered doves, his “name-calling” doesn’t take into account the fact that most scientists have at least a degree of nuance. “It’s really sort of unsophisticated to say there are two camps, but it serves some people’s interest to demonize the other side,” he says.

Mr. Berenson, the author of a controversial 2019 book arguing that marijuana increases the risk of mental illness and violence, has been accused of cherry-picking data and conflating correlation and causation. Amazon initially blocked publication of his booklet “Unreported Truths about COVID-19 and Lockdowns: Part 1” until Elon Musk got wind of it and called out the tech giant on Twitter. Mr. Berenson prevailed and recently released Part 2 on the platform, which has already become Amazon’s No. 1 best-seller among history of science and medicine e-books.

He strives to broaden the public’s contextual understanding of fatality rates, emphasizing that the vast majority of deaths occur among the elderly; in Italy, for instance, the median age of people who died is 81. He calls into question the reliability of COVID-19 death tolls, which according to the Centers for Disease Control and Prevention can be categorized as such even without a positive test if the disease is assumed to have caused or even contributed to a death.

Earlier this spring, when a prominent model was forecasting overwhelmed hospitals in New York, he pointed out that their projection was quadruple that of the actual need. 

“Nobody had the guts or brains to ask – why is your model off by a factor of four today, and you made it last week?” says Mr. Berenson, referring to the University of Washington’s Institute for Health Metrics and Evaluation projection in early April and expressing disappointment that his former colleagues in the media are not taking a harder look at such questions. “I think unfortunately people have been blinded by ideology.”

Politicization of science

Amid a sense of urgency, fear, and frustration with Americans who refuse to fall in line with government restrictions as readily as their European or especially Asian counterparts, Mr. Berenson and Dr. Ioannidis have faced blowback for airing questions about those restrictions and the science behind them.

Mr. Berenson’s book installments have prompted criticism that he’s looking for profits at the expense of public health, which he has denied. Dr. Ioannidis’ involvement in an April antibodies study in Santa Clara, California, which purported to show that COVID-19 is much less deadly than was widely believed was discredited by other scientists due to questions about the accuracy of the test used and a BuzzFeed report that it was partially funded by JetBlue Airways’ cofounder. Dr. Ioannidis says those questions were fully addressed within two weeks in a revised version that showed with far more extensive data that the test was accurate, and adds he had been unaware of the $5,000 donation, which came through the Stanford development office and was anonymized.

The dismay grew when BuzzFeed News reported in July that a month before the Santa Clara study, he had offered to convene a small group of world-renowned scientists to meet with President Donald Trump and help him solve the pandemic “by intensifying efforts to understand the denominator of infected people (much larger than what is documented to-date)” and developing a more targeted, data-driven approach than long-term shutdowns, which he said would “jeopardiz[e] so many lives,” according to emails obtained by BuzzFeed

While the right has seized on Dr. Ioannidis’ views and some scientists say it’s hard not to conclude that his work is driven by a political agenda, the Greek doctor maintains that partisanship is antithetical to the scientific method, which requires healthy skepticism, among other things.

“Even the word ‘science’ has been politicized. It’s very sad,” he says, observing that in the current environment, scientific conclusions are used to shame, smear, and “cancel” the opposite view. “I think it’s very unfortunate to use science as a silencer of dissent.”

The average citizen, he adds, is filtering COVID-19 debates through their belief systems, media sources, and political ideology, which can leave science at a disadvantage in the public square. “Science hasn’t been trained to deal with these kinds of powerful companions that are far more vocal and better armed to penetrate into social discourse,” says Dr. Ioannidis.

The polarization has been fueled in part by absolutist pundits. In a recent week, “The Rachel Maddow Show” on MSNBC daily hammered home the rising rate in cases, trumpeted the daily death toll, and quoted Dr. Anthony Fauci, head of the National Institute of Allergy and Infectious Diseases since 1984, while “The Tucker Carlson Show” on Fox News did not once mention government data, featuring instead anecdotes from business owners who have been affected by the shutdowns and calling into question the authority of unelected figures such as Dr. Fauci.

Fed on different media diets, it’s not surprising that partisan views on the severity of the pandemic have diverged further in recent months, with 85% of Democrats seeing it as a major threat – nearly double the percent of Republicans, according to a Pew Research poll from mid-July. And in a related division that predates the pandemic, another Pew poll from February showed that Republicans are less likely to support scientists taking an active role in social policy matters – just 43% compared with 73% for Democrats and Democratic-leaning independents.

“If you have more of a populist type of worldview, where you are concerned that elites and scientists and officials act in their own interests first, it becomes very easy to make assumptions that they are doing something to control the population,” says Prof. Asheley Landrum, a psychologist at Texas Tech University who specializes in science communication.

Beyond following the science

Determining what exactly “the science” says is only one part of the equation; figuring out precisely how to “follow” it poses another set of challenges for policymakers on questions like whether to send students back to school.

“Even if you had all the science pinned down, there are still some tough value judgments about the dangers of multiplying the pandemic or the dangers of keeping kids at home,” says Dr. Holdren, President Obama’s science adviser, an engineer and physicist who now co-directs the science, technology, and public policy program at Harvard Kennedy School.

Dr. Lipsitch echoes that point and offers an example of two schools that both have a 10% risk of an outbreak. In one, where there are older students from high-income families who are more capable of learning remotely, leaders may decide that the 10% risk isn’t worth reopening. But in another school with the same assessed risk, where the students are younger and many depend on free and reduced lunch, a district may decide the risk is a trade-off they’re willing to make in support of the students’ education and well-being.

“Following the science just isn’t enough,” says Dr. Lipsitch. “It’s incumbent on responsible leaders to use science to do the reasoning about how to do the best thing given your values, but it’s not an answer.”

A Imolação do Mito (Diário do Poder)

Mércio Gomes – 15/05/2020 às 23:30 | Atualizado às 08:05

Um ensaio de interpretação mito-antropológica


Apresentação

A campanha política que resultou na vitória eleitoral de Jair Bolsonaro é dos mais brilhantes feitos pessoais já realizados no Brasil. Com o mínimo de recursos financeiros e com a ajuda de alguns amigos e uma penca de seguidores que havia conquistado algum tempo antes, Jair Bolsonaro batalhou pela confiança de milhões de brasileiros usando de uma linguagem simples e direta, que calou fundo na alma de quem há muito sofria de opressão social e cultural e vivia meio desorientado no mar de novidades extravagantes e práticas amorais. Ao final, alcançou uma vitória retumbante nas urnas de 2018. E o Brasil entrou em êxtase para muitos e desespero para os demais.

Como um homem simples, de origem caipira (modalidade italiana), com conhecimento e estudos limitados sobre o Brasil e o mundo, formado sob a disciplina moral e política de uma instituição conhecida pela rigidez doutrinária, conseguiu alçar-se a tão alto posto na política nacional no intervalo de tempo tão curto e tão de súbito, sem nenhum sinal de aviso, premonição, ou desígnio?

Evidentemente porque ele tem dentro de si um gênio intenso e indefinido de percepção humana, sagacidade e astúcia que o faz alcançar em alto grau o entendimento e a comunicação com seus semelhantes, e dar-lhes segurança moral e sentimento de pertinência, além de uma irrefreável vontade de poder que o guia por um caminho estreito e áspero que o fortalece para suportar as agruras do desapreço e os ataques viciosos de toda sorte de inimigos. Esse gênio foi moldado na vivência crua e autêntica da cultura do povo brasileiro rural e semiurbano – intuitiva, desconfiada, modesta, honesta, tinhosa e transcendental. Por fim, ao contrário de tantos outros que almejaram igual destino, Bolsonaro tem fortuna! Aquela fortuna que só uns poucos recebem das forças da natureza e da cultura, que é mérito do acaso e da sorte, que vem dos deuses ou dos espíritos do mundo. Ou, no melhor do entendimento de Bolsonaro, que vem de Deus Todo-Poderoso, criador do Céu e da Terra. Nisso têm razão seus seguidores mais religiosos: Deus derramou suas maiores graças sobre Bolsonaro!

Junto ao gênio irrefreável, ao alcançar esse posto de proeminência inigualável no Brasil, tido popularmente como um homem raçudo, imprudente e desmedido, Bolsonaro se manteve igual, exatamente o mesmo, ao chegar à presidência da República, como se o Palácio da Alvorada fosse sua casa e seu lar, e o Palácio do Planalto seu escritório particular de ofício.

Lutando para cumprir as metas que traçou em sua campanha Bolsonaro vem mantendo seu eleitorado cativo e embevecido, como sempre, por sua verve estridente e contundente, sem fazer concessões aos bons termos de negociação e sem se importar com a liturgia do cargo supremo. Contudo, concomitantemente, incorreu na reação cruenta e depreciativa dos poderosos perdedores, as gentes do establishment social dominante ciosas de seus privilégios e inconformadas com a ascensão de um representante assumido das classes sociais depreciadas por sua origem, sua humildade social e suas carências educacionais (gente brega e grosseira), uma imprensa gananciosa, porém depreciada e desdenhada, as desvigoradas e viciadas instituições da república – um congresso nacional a serviço de si mesmo, um STF opulento, quase solipsista e desarvorado, e um Judiciário de todo desatento ao juízo e ao cumprimento de seus deveres – todas, nos últimos anos, desafiadas a se auto-reconstituírem por uma nova ética e uma nova governança que sejam propícias às exigências dos novos tempos, ainda indefinidos, porém, sem dúvidas, temerários, ou então, a receber o menoscabo da população e o ímpeto indignado do moralista-mor da República.

Sem adotar qualquer estratégia de recuo ou conciliação, resfolegado por sua intuição política, Bolsonaro persistiu com veemência na sua indômita e inglória luta para manter sua palavra firme na execução das políticas públicas prometidas em campanha – desde a mais simples e elementar até as mais ousadas e sofisticadas – e para fazer recuar ou submeter os adversários e os companheiros de jornada à sua inconciliável vontade. Em troca, as forças que se agregaram contra o concebido salvador da pátria se assomaram cada vez mais ousadas e reptilianas para este agraciado da fortuna. Neste meio termo da pandemia que assola o Brasil e a inocente humanidade, maio de 2020, Bolsonaro alcançou seu ápice de efervescência pessoal e moral ao forçar a destituição do seu ministro da justiça, o insigne ex-juiz Sérgio Moro, que fora responsável pelo dinamismo da Operação Lava Jato e, por consequência, entre tantos outros atos de sentenciar, pela condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por incontornáveis provas de corrupção quando no exercício da presidência da República.

No cômputo parcial dessa aventura ainda inconclusa, parece que o bom homem encontrou o momento de sua verdade, da verdade de sua existência e de seu destino. Do nada subiu aos céus, e do alcançado céu parece querer tombar de chofre à mísera terra. A fortuna sorriu-lhe, mas agora parece arreganhar sua cruel carranca. Aspergido tantas vezes pelas benemerências dos deuses mitológicos, filhos desmedidos de Zeus, agora as Parcas estão soltas no seu encalço.

Não sabemos, ninguém pode saber do que acontecerá a Bolsonaro nos próximos meses de seu mandato. Ou bem se segurará como um político habilidoso, capaz de arregimentar forças políticas na população e no Congresso Nacional para apoiá-lo contra os ataques que se acumulam a cada dia desde as consequências jurídicas da demissão do ex-ministro Sergio Moro e do acúmulo disparado de outros atos intempestivos já ocorridos e certamente a ocorrer, ou bem sucumbirá lentamente, ou talvez de súbito, cortado pela foice inescapável de um impeachment.

Nesse tempos de resguardo, entocados em nossas casas, mal vislumbrando o mundo em funesta inação, acompanhando os acontecimentos e mirando para o futuro, vamos excogitar um pouco melhor sobre Bolsonaro, seu gênio e seu caráter brasileiro, sobre o Brasil que Bolsonaro nos arreganhou com seus gestos desabridos, atitudes toscas e lutas quixóticas, um Brasil que teima em rebater e se esquivar de tudo e qualquer coisa para permanecer o mesmo, sem perder nem os dedos nem os anéis, e que não medirá consequências para suprimir os adversários reais e imaginários.CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O mundo caipira do jovem Jair

Bolsonaro menino com o pai, segurando uma vara com um trairão.

Na década de 1950 São Paulo, capital e estado, já haviam se estabelecido como a cidade e o estado mais importantes do país, tanto por sua agilidade política, sua consolidação urbana e afirmação de urbanidade e modernidade, quanto pelo crescimento efetivo e equilibrado, entre pequenas e médias fábricas e uma agricultura e pecuária consistentes, de suas cidades interioranas. A capital e sua área metropolitana atraiam novos imigrantes de todo o Brasil, especialmente dos estados vizinhos e do Nordeste, e logo iriam consolidar uma posição central na industrialização pela concentração de fábricas de automóveis, utensílios domésticos e derivados. Os demais estados brasileiros, em menor escala, também efervesciam em diversificação econômica e ampliação de serviços de todas as naturezas. Desde fins do século XIX São Paulo vinha dando provas irrefutáveis de sua capacidade de crescimento e amplitude, mas foi nos anos pós-guerra que o salto maior ocorreu e transformou cidade e estado nos dínamos do desenvolvimento da nação. São Paulo e o Brasil, nos anos 1950 e seguintes, vivenciaram uma época de criação e criatividade, esperança e oferta de muitas novas oportunidades para a gente pobre e desvalida, rural e semiurbana, que se classificava agora como classe trabalhadora, para as classes médias ansiosas por participação ampliada e, sobretudo, para os jovens de todas as estirpes que cresciam, adquiriam formação e buscavam trabalho, e os meninos e meninas que pululavam num mundo novo e promissor.

Foi em 1955 que nasceu Jair, de uma família de descendentes de quinta geração de imigrantes italianos que haviam chegado ao interior de São Paulo para trabalhar como colonos nas fazendas de café, na esperança de um dia se tornarem proprietários de suas próprias terras, ou de se tornarem negociantes ou mesmo gente de bons modos. Os cafeicultores que dominavam a economia paulista desde meados do século XIX sabiam que o trabalho escravo estava inevitavelmente condenado, tanto pela censura mundial e cada vez mais nacional a esse opróbio, quanto pela certeza de sua ineficiência e baixa produtividade em comparação com o trabalho livre. Por isso, ao pensarem no iminente fim do trabalho escravo, criaram para a lavoura o sistema de trabalho conhecido como “colonato”, pelo qual os trabalhadores seriam gente livre, viveriam em moradias providenciadas pela fazenda, receberiam em adiantamento, cujo valor seria descontado de seu salário e emolumentos, os instrumentos de trabalho, alimentação, utensílios domésticos, vestuário e demais necessidades básicas, e ficariam encarregados de cuidar do plantio, limpeza e colheita de certo trecho da plantação. O sistema permitiu a sobrevivência física e a integração social e cultural dos muitos imigrantes, entretanto, sem favorecer vantagens suficientes para a maioria alcançar algum dia acesso à sua própria terra. Ao longo dos decênios, a melhoria dos meios de produção do café provocou a diminuição da quantidade da mão de obra e assim favoreceu a muitos saírem do regime de colonato. Integrados com os caipiras tradicionais que foram os principais responsáveis pela expansão da nova cultura luso-brasileira pelo interior do país, descendentes da mestiçagem entre portugueses e indígenas subjugados como gente servil, e acrescentados de negros escravos e ex-escravos, que haviam de fato colonizado as terras paulistas pelo seu suor e pela permanência na terra, os italianos e outros imigrantes do final do século XIX se amalgamaram de tal sorte que pouco ficou de suas bases culturais, a não ser a influência gramatical sobre o sotaque, a adaptação do milho à tradicional cozinha italiana e, certamente, um certo modo brincalhão e despachado de ser. Um pouco das características culturais caipiras podem ser conhecidas em livros de romance e de dissertações sociológicas e antropológicas, bem como vistas popularmente em filmes de Mazzaropi, em cantos e toadas caipiras, em Tonico e Tinoco, em Adoniran Barbosa e em muitos outros do nosso mundo mais recente.

A emigração desesperada de italianos e outros europeus se deve ao desenvolvimento da mecanização e a reorganização da produção e comercialização de produtos agrícolas na Europa, que causaram uma diminuição expressiva na necessidade de mão de obra e, em consequência, levaram à perda de muitos postos de trabalho na lavoura e, ao cabo, na saída e até expulsão de uma imensa quantidade de lavradores, camponeses de origens medievais e até romanas, “servos da gleba”, do sistema agrícola europeu.

Crescia, para a grande preocupação da elite política e administrativa das cidades europeias, desde os países nórdicos ao Sul europeu, passando pela Alemanha, Inglaterra e outros países, o contingente de pessoas destituídas de meios de sobrevivência, apesar da crescente industrialização e ampliação de serviços, e aumentava assustadoramente o número de desocupados e esfomeados pelas ruas. Em meio século a Europa iria empurrar para fora cerca de 50 milhões de excedentes populacionais, que migraram para as Américas e Oceania. Uma parte de dois a três milhões tiveram por destino o Brasil. Para alguns historiadores esse largo contingente populacional descartado teria resguardado a Europa de revoltas e rebeliões e quiçá de uma possivelmente inevitável revolução social, muito antes da revolução comunista que criou a União Soviética.

Para os países receptores, como o Brasil, essa nova população remodelou seu perfil racial, social e econômico, dando-lhe feições mais europeias e diminuindo, sobretudo nas regiões Sul e Sudeste, a presença proporcionalmente mais maciça de negros, caboclos e mestiços sobretudo na camada popular. O Brasil embranquecia, para gáudio dos muitos que queriam um país mais europeizado, menos mulato e menos mestiço. Nesse final do século XIX, o Brasil se vergava sob o peso nefasto das ideias e do movimento conhecido com darwinismo social, pelo qual se supunha que as raças e etnias humanas estariam num ordenamento hierárquico de valorização física, intelectual e moral. Os brancos chamados caucasianos estariam no topo da escada evolucionista, que descia pelas ribanceiras dos eslavos, latinos, árabes, asiáticos até alcançar o nadir de valorização racial entre os negros africanos e os indígenas americanos. E o pior é que essa pseudociência construída em ideologia racial propunha ainda que a mestiçagem desvalorizava as raças constituintes, isto é, o mestiço já nascia degenerado e, portanto, inferior aos pais. O Brasil, pela quantidade de negros e mestiços, estaria em tal posição social que, com lamentações despicientes as mais excruciantes, não teria outra saída senão importar estrangeiros de bons genes, ou, na urgência, de qualquer lugar, menos naturalmente da África. Assim, terminaram vindo também, já nos primeiros decênios do século XX, gente do Oriente Médio – judeus, sírios, libaneses, armênios – fugindo dos rigores decadentes do Império Otomano e da sovietização da Europa oriental; e igualmente da China e do Japão, que também sofriam de excesso populacional com parcos meios de sobrevivência.

Assim, juntando a fome com a vontade de comer, a procura por gente europeia e de outros rincões coincidia com sua plena disponibilidade, bem como casava com a política governamental, fruto da pressão dos cientistas da época, de melhoria da raça. Eugenia racial para uma eugenia social, diriam alguns cientistas tomados pela ideologia racial.

Temos então que os antecessores de Jair Bolsonaro vieram da Itália nessa primeira condição de colonos, assentaram sua existência no interior de São Paulo e se agregaram a cultura tradicional de mestiços formados nos períodos históricos anteriores para constituir novas características de mestiçagem cultural brasileira, no caso, o caipira paulista com fortes características indígenas, africanas e europeias. Este é o caldo de cultura em que se desenvolveu a família Bolsonaro nas gerações seguintes até chegar ao pai e à mãe de Jair Bolsonaro que cresceram pelo interior de São Paulo desde então como lavradores em potencial cuidando de pequenas glebas de terra, chácaras, no máximo, quase sempre agregados dependentes do serviço nas grandes fazendeiros. Aqueles que vieram com formação e ofício e decidiram desde cedo a serem urbanos foram abrindo seus espaços nos interstícios da sociedade dominante, adquirindo profissões em ascensão, de engraxates e motoristas a mecânicos em fábricas, mascates, vendedores, até pequenos e grandes empresários. Autonomia e riqueza é o que todos buscavam para suas vidas.

O propósito de embranquecer a população brasileira por meio de imigrantes trouxe benefícios que fizeram intensificar em São Paulo um espírito empresarial singular, uma síntese hiperdialética do bandeirante com o caipira e com o novo imigrante dentro do contexto de mudanças econômicas estruturantes, o qual, talvez, carecia, ou ao menos era menos intenso, em outras regiões do Brasil. São Paulo, já rico do café, estava pronto para dar o salto industrial. Mas a cultura caipira presente no século XIX era já tão sólida e potente que não se desfez nem se desmilinguiu com os imigrantes. Manteve-se firme e forte em suas visões de mundo, em sua fluência social, em sua persistência existencial, em sua virtude moral, em sua sagacidade e em sua desconfiança calejada sobre os poderes constituídos, em sua desarmonia malemolente com a natureza. Esta cultura caipira tradicional, pré-imigrantes europeus e asiáticos, não era constituída exclusivamente do pobre coitado sem-terra, de pé no chão, mascando fumo, pescando traíras nos córregos e caçando tatu nas roças de mandioca, mas se estendia como uma dimensão espiritual da elite local, que mandava nos pobres, certamente, mas também tinha deveres para com eles. Um desses deveres era o cumprimento honrado da palavra dada. Outro era o papel de conciliador e juiz que dirime as controvérsias internas e as disputas entre grupos. Incluída nessa elite estava a sempiterna e ubíqua Igreja Católica, bafejando autoridade em seus dogmas, mas autoritária só de boca para fora, pois dentro de cada vigário dormia uma parte da alma indígena tolerante, do ex-escravo sofrido e benfazejo, de um cristianismo diluído pelas crenças africanas importadas e as crenças dos antigos índios tornado caipiras. E assim essa sólida cultura caipira atraiu os imigrantes, se mesclou com seu jeitão de camponeses desbocados, senza paura, que esperavam mais da vida do que a malemolência, a brutalidade do senhor fazendeiro e a sacanagem fingida dos padres. É aí então que essa mesclagem se torna uma síntese cheia de potenciais de fé, esperança e vontade de lutar, e também de muitas contradições, disputas, desgostos, reclamações e maldades perversas.

Os antepassados de Jair Bolsonaro eram italianos do Vêneto, norte da Itália, gente branca de olhos claros. Eis o seu último e atual rebento, hígido, esguio, lábios finos, olhos esverdeados, cabelos claros e lisos, com quase nenhuma característica indígena ou negra. As trisavós, os bisavós e avós e os pais de Jair parece que em realidade fizeram o possível para não misturar sangue com os caipiras tradicionais. Como assim, que tipo de discriminação é essa? Porque Jair não ganhou nada do negro ou do índio, se é mesmo que não tenha ganhado, pelo aparente que vemos. A convivência dos membros dessa cultura mestiça não traria necessariamente a mistura biológica? Bem, quase certo que sim. Mas não necessariamente em todas as ocasiões e para todos os tipos. Os casamentos entre gente trigueira com brancos italianos aconteceram, sim, de acordo com as circunstâncias amorosas e sociais. Mas sempre houve e permaneceu até os dias de hoje o senso de que brancura é sinal de “nobreza”, alguma nobreza qualquer, alguma distinção biológica qualquer que mostre porque alguém pode se sentir superior a outra. Isso vale, às vezes vale muito, mas às vezes não significa nada. As faces trigueiras, os cabelos pretos e lisos ou encaracolados ou pixains, os narizes e lábios grossos, as maçãs do rosto largas, em comparação com as mesmas características brancas, não perturbam o sono ou a honra das famílias nas comunidades, nos bairros rurais caipiras. Eles apontam para uma ascendência de muito longe, pensam todos, que um dia significou algo, mas que já não têm mais nada a ver com a vida atual e cotidiana. Você, branco de olho azul, quer casar-se com uma igual a si mesmo, tudo bem. Mas no meio do caminho surge uma negrinha ou uma cabrocha que lhe atrai e você sucumbe e muda de ideia sem nenhum problema. A família pode até dizer que a raça vai piorar, mas quando seu filho nascer ele será seu filho lindo, moreninho ou trigueiro. Terá sangue da terra ou da raça.

Evidentemente que nessa cultura caipira pós-imigrante a tez clara da pele continua a ser símbolo de alguma superioridade, de alguma ascendência, ao menos, sobre quem tem a pele escura-preta ou trigueira. Mas, até que ponto da sociabilidade e do bem-estar econômico isto se dá, e que importa, se, ao final, é algum trigueiro quem sobe na vida e carrega consigo filhas e filhos para casar?!

Voltando à família de Jair, não obstante, sempre se pode sugerir que seus pais e seus avós, de algum modo, talvez tivessem uma autoconsciência de sua origem europeia, mesmo que, no decorrer dos anos, essa memória não tenha feito mais qualquer sentido ou não lhes tenha granjeado qualquer vantagem social ou econômica. Esse olhar e esse porte branco-italiano, que vemos nas fotos de Jair e seus irmãos, talvez tenha sido um diferencial para o menino Jair, que, solto no redemoinho do caipiral paulista, tenha tido ganas para subir na vida por saltos quânticos, não por sabedoria caipira, que provavelmente tinham seu pai e sua mãe, mas por aquele quantum de existência passada que o empurrava para sair da vida em que se afundara sua família desde sempre. O camponês italiano quisera se engajar no exército de Garibaldi, o caipira de calça curta que aparece aos seis ou sete anos numa foto com seu pai, exibindo fisgado em uma vara um baita de um trairão, sorriso feliz e atento, parecendo sonhar, sem saber que, por mais que gostasse de tudo que vivia, queria pular fora e procurar outro meio de vida.

Com efeito, alguns anos depois Jair estaria fora da cidadezinha de Eldorado Paulista, localizada no pacato e abandonado vale do Ribeira, zona pobre do sul do estado de São Paulo, para onde seu pai tinha levado a família em busca de melhores condições de vida. Aí, aos 15 anos, em 1970, o adolescente Jair, conhecedor dos lugares ao longo do rio Ribeira, se apresentou para ajudar a uma equipe do Exército a procurar onde estaria o perigoso guerrilheiro Carlos Lamarca e seu grupo que tentavam se instalar na região com o propósito de criar um foco de guerrilha para combater as forças militares da ditadura. Não chegaram a encontrar o guerrilheiro, que logrou fugir para a Bahia, não sem antes furar o cerco bem pelo centro de Eldorado, num tiroteio em que vários se feriram e onde ao lado, no colégio, estava o adolescente Jair Bolsonaro. Lamarca saiu incólume e iria se refugiar no interior da Bahia onde eventualmente iria encarar seu destino final. Nesse interim, Jair se sentiu atraído para entrar no Exército e assim o fez. Sua vida mudaria fatalmente.

O adolescente Jair dá de cara com seu destino

Quando uma tropa de militares do Exército, com suas fardas de caqui, suas botas engraxadas, seus apetrechos e armas tinindo e reluzindo, os óculos escuros, bem treinados para agradar e se impor, chega a uma pequena cidade, abre-se ao seu redor uma aura de poder e mistificação por onde quer que passe. As moças querem ver se são jovens e bonitos, os pais ficam com sentimentos dúbios, os meninos não se envergonham de espiá-los, os homens se sentem ameaçados, e os jovens rapazes partem para o frenesi de saber o que os forasteiros vieram fazer, com que meios, instrumentos e armas, e como poderiam se aproximar para empunhar uma arma com suas próprias mãos, quem sabe dar uns tiros de treinamento, ou, na grande sorte, acompanhar a tropa em alguma expedição. Bem, o rapaz Jair ganhou a sorte grande – fez excursões com a tropa pelo rio e pelo interior da mata bruta, onde tantas vezes foi pescar e caçar, com seu pai ou camaradas. Apesar de jovem, conhecia muitos atalhos nos caminhos, muitos poções de pesca no rio Ribeira e muitas paragens por onde passavam caças grandes e miúdas, alguns coitos ideais para se esconder, talvez.

A cidadezinha de Eldorado tivera desde sempre uma vida pacata de pequenos agricultores, plantadores de bananas, palmiteiros e criadores de gado, uns surtos ocasionais de garimpagem, com um pequeno comércio para atrair freguesia de fora e oferecer serviços urbanos básicos – armazém de secos e molhados, uma ou duas farmácias modestas, armarinhos de miudezas e costura, lojas de materiais de construção, de roupas, de tecidos, de aparelhos domésticos, um modesto tabelionato, um cinema, cabeleireiro, barbearia, e alguns serviços de saúde, um médico com visitas semanais e alguns perdidos ou itinerantes dentistas práticos. Naqueles anos, sua conexão com outras cidades da região era precária por estrada de barro frequentada por tropeiros, cavaleiros e caminhões carregando mercadorias e passageiros. O pai do menino Jair, Sr. Percy Geraldo Bolsonaro, homem sem posses, mas de possibilidades, gostava por tudo de ser caipira, e entre tantas tarefas que seu gênio virador lhe favorecera uma delas era ser prático de dentista, ofício que adquirira como ajudante de dentista quando moravam em Campinas ou Jundiaí, uma das várias cidades em que morou com sua família. Seu filho Jair também se virava bem, desde tenra idade, além de frequentar com entusiasmo a escola, em tirar palmito, pescar para consumo e para vender na rua, roçar, derrubar capoeira, fazer aceiro de roça, capinar por empleitada, tudo em quanto de serviço de roça, e até garimpar pelas barrancas do rio Ribeira e seus córregos, o jovem era capaz de fazer.

Porém, do quê mais gostava em seus jovens anos era pescar e caçar. Gente de cidade grande não faz ideia do que produz na alma do caipira, do caboclo, da gente rural, o entusiasmo de acordar às quatro da madrugada, acender o candeeiro, dar uma checada nas mochilas e trouxas já arrumadas, nas varas de pescar, nos carretéis de linha e anzóis variados, e nas espingardas, conferir no surrado bornal a caixinha de espoleta, os cartuchos de pólvora, os molhos de bucha de cordame e os saquinhos de chumbo, tomar uma xícara de café com rapadura que sua mãe, já desperta, acabara de fazer, e sair no frio da madrugada, sem capote, para se encontrar com colegas e camaradas e partir de montaria ou a pé para o mato, para o rio, para os roçados, para as capoeiras velhas para pescar ou caçar, ou fazer as duas coisas alternadamente, e também aproveitar a viagem para tirar palmito ou colher maracujá do mato. Sentir o frêmito do peixe grande fisgado a puxar forte a linha, arrastar o peixe de supetão e dar-lhe cabo com uma porretada na cabeça; ou enrijecer-se de repente com o estalido de uma folha suavemente pisada por um veado ou uma paca ou uma simples cotia, de retorno à sua dormida diurna no oco de uma centenária árvore caída há dezenas de anos, concentrar toda sua energia sensual nos ouvidos, depois nos olhos, depois paulatinamente agasalhar a espingarda pica-pau entre as mãos e a coronha firme no recosto da junção do ombro com o sovaco, apontar a mira do cano no rumo de onde sentiu vir o crepitar de folhas secas, de repente enxergar o vulto do animal já desconfiado, em passo lento, nervoso, respirar fundo ou não respirar, enquanto a adrenalina sobe ao cérebro e enche o pulmão, garganta seca e olhos que se embaçam e perdem o foco, até que, sem mais se mexer, puxar o cão com o polegar em dois movimentos curtos, mirar para a mancha escura onde imagina esteja o animal, puxar o gatilho duro e sentir o disparo com um estrondo que lhe fere os ouvidos, espirra pólvora queimada nas narinas e o coice da corona no peito e, por um átimo de segundo, já não saber onde está ou o que houve. Breves segundos, pois logo se escuta o estrebuchar das pernas do animal em estertores e corre-se para dar-lhe com uma coronhada ou uma facada na garganta o benefício de pouco sofrimento para a morte.

Muitos brasileiros, exceção aos urbanoides regulamentados, entretanto, tiveram e, pois, ainda podem ter oportunidades de experimentar momentos como esse descrito, momentos que fizeram parte e constituíram elementos essenciais da moral profunda da cultura brasileira, quando ela era ainda íntegra e consistente com a vida urbana e respondia pelos desafios das transformações sociais. Em 1970, só os mais neurastênicos se esquivavam de entender a alegria de caçar, bem como o ato de matar animais domésticos. Em 2020, se contam deles aos milhões. A cultura brasileira está sofridamente dividida entre uma moral tradicional, compatível com um passado construído e, de certo modo, com a moral das culturas tradicionais do mundo inteiro, e uma ética nova, imposta de cima para baixo, de fora para dentro, como tentativa de criar novas modalidades de comportamento que sejam compatíveis com o que se acredita serem as grandes mudanças contemporâneas nascidas da intensidade do desenvolvimento social e econômico e da globalização. Pena e compaixão pelo sofrimento dos animais virou nos últimos tempos horror e nojo pela morte imposta pelos homens aos animais, como se de outro modo fosse possível ao homem encontrar seu alimento fundamental. Essa divisão explica muito da crise brasileira da atualidade.

A chegada dos homens do Exército a Eldorado fez presente toda a verdade do regime político em voga. Que havia um dissenso político no país se sabia por notícias e se sentia à flor da pele. Que havia grupos de guerrilheiros cometendo atrocidades nas cidades, roubando bancos e explodindo quartéis, se sabia pelas notícias televisivas e pelo rádio. Mas que um foco de guerrilheiros estivesse tentando fincar raízes no vale do Ribeira, aproveitando a densidade da mata que caracteriza a região, ninguém fazia ideia, nem por quê, nem precisamente para quê, nem muito menos por que meios. Estaria esse foco de guerrilha criando um exército particular, construindo um forte, cercando uma área de terras, abrindo um campo de aviação? Iria invadir as casas dos moradores, dominá-los, prendê-los, torturá-los, roubá-los, escravizá-los? Teria esse foco poder para invadir São Paulo, tomar o Rio de Janeiro, marchar sobre Brasília? Ou estava simplesmente criando confusão na população, exibindo arrogância e tolices, perturbando a ordem social corriqueira? Se fossem poucos, deveriam ser varridos do seu esconderijo, serem interrogados, torturados, serem mortos, ou, por outra, serem presos, levados para a cidade grande, julgados e condenados à cadeia? A população local nem por um momento cogitou de que os guerrilheiros teriam vindo para liberá-la da opressão ou para criar um experimento social para servir de base a um novo modelo socioeconômico e, quiçá, a uma nova forma de regime político, uma nova democracia com intensa participação dos trabalhadores rurais, da gente oprimida e destituída de seus meios de sobrevivência, quem sabe um regime socialista ou comunista. Tais pensamentos podiam até ter passado pela cabeça de um ou outro, talvez a família de um dos fazendeiros mais abastados e mais bem conectados politicamente, talvez a professora local que fora instruída numa cidade maior e sonhava com ação política no seu município. Para a imensa maioria da população essa notícia de guerrilheiros dentro da mata soara como uma aberração, algo para ser destruído em nome do governo e da paz social.

O certo é que, de acordo com o próprio Bolsonaro, algumas pessoas foram contatadas e se voluntariaram para servir de escoteiros e batedores e levar a equipe do Exército para alguns lugares possíveis de servirem de coito, onde esse bando de guerrilheiros poderia se esconder e se preparar para as futuras batalhas. E o jovem Bolsonaro foi um deles.

A experiência pessoal de Jair nesse acontecimento foi crucial para mudar de rumo na vida, na verdade, encontrar um rumo para a sua vida. Desses soldados e oficiais com olhares confiantes e atitudes concisas e certeiras, com fala de autoridade e visão de futuro, com alojamento, comida e proteção à disposição, havia, sim, um futuro para o jovem sincero, intimorato e virador. Não haveria mais retorno à cidade acanhada, ao desfrute desabrido da natureza, à domesticidade da vida caipira, com suas farras e desafios, suas gozações, suas grosserias rasteiras, seu rastaquerismo, suas impertinências, sua ingenuidade e insciência e, enfim, sua fortitude e capacidade de recuperação diante dos infortúnios. Tudo de bom e de ruim já estavam marcados a ferro e fogo no seu peito e o iriam orientar seus passos nas vitórias e pelos percalços da vida. Jair saberia ver e valorizar nos outros as qualidades e falhas que pareciam com as suas, e confiaria sobretudo em quem lhe parecesse demonstrar ter ares de alma gêmea.

Jair vira militar

A opção de ser militar se ofereceu ao adolescente Jair Bolsonaro como uma benção dos Céus, mas, na verdade, foi, por ironia da História, um presente conjunto da Esquerda revolucionária e da sua nêmese, as Forças Armadas. O salto entre a vida semiurbana do caipiral paulista para a vida da caserna, da ordem unida, da submissão, dos exercícios físicos, da escolaridade sistêmica e positivista, das brincadeiras e gozações entre os cadetes e da grosseria verbal e da forçação física dos sargentos instrutores, da hierarquia formal e da disposição para o desafio individual – não lhe pareceram um salto tão alto e tão desproporcional. Sob muitos aspectos tanto os colegas quanto suas atitudes perante a vida e a ordem unida foram facilmente assimiláveis por um recruta criado como caipira. As brincadeiras de mau gosto se alternavam com a disciplina e a camaradagem necessárias à vida na caserna. O tradicionalismo da caserna se equiparava com o tradicionalismo da cultura de base brasileira. A moral do Exército não divergia da moral da família caipira. Para um recruta com força moral a ideia de auto-sacrifício e dedicação aos outros era uma continuação de seus deveres familiares e obediência aos pais.

O que Bolsonaro aprendeu no Exército foi fundamentalmente que sua vida poderia sempre ser melhor do que fora e do que antes lhe parecera. Dentro de uma disciplina rígida, de um modo de pensar doutrinário, de uma estreiteza comportamental, havia margem para almejar muitas coisas, para ser ambicioso, para sonhar com algo mais – especificamente, para ser líder. E Bolsonaro soube se destacar a cada ano passado como aspirante a oficial na Academia Militar de Agulhas Negras (AMAN), localizada em Rezende, RJ. Depois, como oficial, tenente e até alcançar o posto de capitão, demonstrou ter disciplina, mas também ousadia, a ponto de receber elogios escritos de vários de seus superiores.

Doutrinariamente, Bolsonaro aprendeu que as Forças Armadas são disciplinadas para defender a soberania do Brasil, custe o que custar, inclusive a própria vida de cada militar, e que assim o haviam feito, em conjunto com as forças democráticas, em março de 1964, e continuavam a fazê-lo combatendo grupos guerrilheiros em todas os seus fronts, bem como todos aqueles que pretendessem subverter a ordem política e social. Bolsonaro aprendeu de modo resumido o que estava em jogo na luta política, tanto no plano nacional quanto no plano internacional. Para ele foi ficando claro e decisivo que interessava estar ao lado dos militares contra os subversivos, os comunistas, os liberais irresponsáveis, e toda a chusma canalha dos corruptos – que eram muitos e estavam em todas as partes. A simplicidade dessa doutrina não obscurecia a complexidade de outras questões. Uma delas seria saber que o regime de quartel cria sua própria subversão moral, com uma permanente tendência dos escalões superiores para a pequena corrupção, o aproveitamento de vantagens apenas implícitas, o enrijecimento da hierarquia para uma maior e desnecessária subordinação dos escalões inferiores, e outras coisas mais.

Por fim, o que se via como algo cada vez mais absurdo era a disparidade entre os quadros permanentes e os recrutas, e entre os oficiais de médios e alto escalão em relação aos de patente mais baixa. Os privilégios de direitos de moradia, subvenções, privilégios corporativos, tempo para se reformar eram claramente desproporcionais em favor de altos escalões. O descontentamento sempre existira entre os escalões inferiores, mas agora, já sendo largamente discutido a chegada do prazo de validade do poder dos militares sobre o governo civil, os ressentimentos começavam a aflorar nas reclamações dos baixos escalões, sobretudo em relação às diferenças salariais. Em dado momento, em 1986, o tenente Bolsonaro de repente surge a lume de um modo muito contundente, explicitamente subversivo à ordem. No bojo de reclamações generalizadas por parte do funcionalismo público contra o governo Sarney, o primeiro presidente pós-regime militar, especialmente em relação a defasagem salarial, Bolsonaro escreve uma carta contundente que a revista Veja publica em que denuncia a defasagem salarial como o principal motivo por que tantos aspirantes da AMAN estariam abandonando suas carreiras, e não sendo expulsos por causa de supostos roubos ou indisciplina, ou saindo voluntariamente por outros descontentamentos. O caso catapultou, como diria o próprio anos depois, Bolsonaro ao público e eventualmente à política, e levou o Exército a intervir e disciplinar o tenente Bolsonaro com uma punição de 15 dias de prisão em quartel.

Entretanto, não era mais para Bolsonaro ficar quieto. Quando ele encasqueta com algo, ele vai adiante senza paura, como se não houvesse perigo à frente. Esse comportamento o iria caracterizar na política e na moral pelo resto da vida.

Em 1987, uma jornalista da revista Veja iria fazer uma matéria particularmente escandalosa, e até certo ponto perigosa para a situação política um tanto dúbia em que o novo regime democrático do país ainda se encontrava, em que expunha um certo plano ou esquema feito por dois oficiais egressos da AMAN que objetiva explodir diversos pontos estratégicos na região metropolitana do Rio de Janeiro. Havia inclusive um croquis, supostamente desenhado pelo próprio Tenente Bolsonaro, que delineava explosivos no aqueduto do rio Gamboa, que abastece a cidade do Rio de Janeiro. A jornalista e a revista Veja estavam absolutamente seguros da veracidade da matéria e, na iminência de uma crise entre o Exército e o novo regime político representado pelo presidente Sarney, passado o primeiro passo em que Bolsonaro fora julgado por uma comissão de inquérito do Exército, que empatara na contagem dos votos sobre a inocência do tenente, o caso foi levado ao Supremo Tribunal Militar. Depois de seis meses de idas e vindas, acusações e defesas, matérias e notícias em todos os jornais, Bolsonaro afinal foi considerado inocente. Quer dizer, não teria havido complô algum, o croquis não havia sido desenhado por Bolsonaro, tudo não passara de uma fantasia de uma repórter e da sanha por notícias de uma revista.

Bolsonaro havia se tornado uma figura nacional como um militar que defende a corporação, especialmente justos salários. As Forças Armadas se deram conta de que tinham um problema a resolver e o resolveram promovendo o tenente a capitão e, em pouco tempo, dando oportunidade para ele requerer sua reforma remunerada. Com efeito, Bolsonaro virou capitão em agosto de 1988, já candidato, elegeu-se vereador do Rio de Janeiro em 15 de novembro, com pouco mais de 11.000 votos, e foi reformado em dezembro do mesmo ano.

O legado militar na personalidade de Bolsonaro

Quem vê Bolsonaro em pé, perfilado, hígido como uma estátua, sem pestanejar ou resfolegar, sente que o homem vem da casta militar. A postura perfilada é para Bolsonaro o símbolo máximo de tudo que representa o Exército brasileiro: seriedade, hombridade, auto-sacrifício, doutrinarismo, mando e obediência, submissão e autoridade. Quem o escuta falando em compasso, discursando de improviso ou lendo um discurso redigido, sabe que foi no Exército, lendo a ordem do dia, que ele verdadeiramente aprendeu a ler e a escrever, como se fosse um autômato, um ser da ordem, da corporação. O modo natural de falar em público é proferindo sentenças, rebatendo contradições com firmeza, rebarbativo. Não há diálogo com Bolsonaro, a não ser, talvez, no íntimo de sua família ou entre amigos próximos. Anos de presença política, de fazer campanhas eleitorais e Bolsonaro jamais diminuiu o seu ímpeto rebarbativo com eleitores. Ele não pretende ganhar eleitores pela suavidade e sim pela imposição, e sabe que há muitos e muitos eleitores que querem exatamente isso, essa atitude, pois assim é que são os homens de honra e de palavra.

O positivismo como modo de raciocinar

O positivismo arraigado no militarismo brasileiro que favorece a criação do pensamento como doutrina tem um efeito rígido e inescapável no modo de pensar dos militares ou de quem passa por escolas militares. Já se escreveu bastante sobre esse tema, mas aqui faz-se necessário retoma-lo para darmos um novo foco. A disposição explanativa do positivismo militar pode ser vislumbrada como se fosse um gráfico ou um organograma feitos por um engenheiro ou um administrador de empresas. Aqui temos delineados em caixinhas uma série de conceitos básicos, em geral sem comprovação factual ou abertura à reavaliação, que se distribuem em ordem de causalidade direta, e que vão sendo demonstradas passo a passo até sua conclusão final, a qual vai resultar numa frase grandiloquente que é tomada como a certeza e a verdade doutrinária. Tipo: A soberania nacional depende da guarda das fronteiras. Como se algum país da América do Sul tivesse qualquer peso para invadir o Brasil. Isto vai valer para qualquer tema, desde estratégia e táticas de guerra, passando por concepções da História, até lições de patriotismo, política, ética e religião. Antíteses, nuanças, contradições, ambiguidades, inconsistências e conexões entre os elementos considerados e com outros elementos de natureza díspar a serem incluídos no esquema, e que ganham significado só por meio de outras formas de raciocínio lógico, são necessariamente negados e/ou desconsiderados. Assim o mundo fica claro e compreensível para qualquer um que não se perturbe com a obrigação de se responsabilizar pelos erros e equívocos dessa forma de pensar.

Eis como funciona o positivismo como base lógica na expressão filosófica militar. A bem da verdade, essa forma de raciocínio não é exclusiva aos militares. O positivismo como forma de raciocínio está presente na cultura média brasileira, como se fosse parte do próprio modo de pensar do brasileiro. Ele penetrou e se expandiu na cultura média brasileira com ares de raciocínio intelectual e científico desde o terceiro quartel do século XIX e assim foi responsável pela formação de boa parte da inteligência nacional desde então. Frequentemente o modo positivista de pensar entra em conflito com modos mais complexos ou sofisticados, tais como a dialética e as lógicas da diferença e paraconsistentes, não só em debates epistemológicos nas universidades, mas até em calorosas discussões populares, em mesa de bar, discutindo futebol. Mas a tendência modernosa do brasileiro de não querer discutir quantos anjos cabem na cabeça de um alfinete, ou temas cabulosos e detalhados leva o modo positivista a exercer seu forte apelo de decisão ao resolver as disputas de um modo definitivo. Está mais do que comprovado, isto é verdade, conclui por fim o arguidor vencedor.

No caso Bolsonaro, sua passagem pelo militarismo o assegurou da validade de sua tradição de pensar e argumentar e o fez mais confiante de que discutir nuanças sobre qualquer tema é um desperdício de inteligência. Muitas vezes suas atitudes bruscas parecem autoritarismo em disfarces, mas é só lógica positivista em ação. Quando mais e melhores argumentos lhe são interpostos ele é capaz de recuar de suas opiniões prévias, ponderar e adquirir novas convicções.

A redenção dos militares

Bolsonaro entrou na vida militar em 1972 ao passar num concurso para a Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, SP, onde ficou por um ano até que, em março de 1973, com 18 anos, passou em novo concurso e foi para a AMAN com a ideia de se tornar militar definitivamente. Era um tempo em que o prestígio do governo militar e dos militares estava no auge, com crescimento econômico às alturas e presidente popular frequentando estádios de futebol. Não obstante, a pauleira comia solta pelos interstícios da política nacional, como focos de guerrilha em vários locais, especialmente no sul do Pará, e batidas de grupos oficiais e paramilitares exercendo a repressão sem dó nem piedade. E deixou o Exército, em 1988, nos primeiros anos da redemocratização, ao mesmo tempo em que os militares caíam no fundo do poço em falta de prestígio e respeitabilidade.

Nos 15 anos que passou entre Campinas, Resende, Nioaque (MS), em visitas a batalhões de fronteira na Amazônia e em funções burocráticas ou de treinamento no Rio de Janeiro, Bolsonaro viu a força do militarismo se deteriorar rapidamente ao mesmo tempo em que os próprios militares iam temerosamente se recolhendo em seus nichos de conforto na tentativa de criar novos discursos e novos propósitos que justificassem seu período de domínio da nação e amenizassem o mal-estar sofrido por aqueles que haviam se sacrificado no duro ofício de defensores da pátria. Nessa busca de redenção, Bolsonaro saiu com estardalhaço na frente de todos e partiu para fazer a defesa dos militares sem qualquer temor ou vergonha, seja por corporativismo, seja por plena lealdade e convicção intelectual e moral. Com isso ele subiu no conceito de seus colegas, já reformados, e daqueles que continuavam no serviço.

Bolsonaro efetivamente dá sinais claros de que continua a pensar que a redenção dos militares é essencial para o bem-estar do Brasil. Quer reconhecimento da positividade do papel que exerceram nos anos do regime militar, e briga exasperadamente contra quem continua a atacar esse período. Dá a clara impressão de que acredita que um regime militar, pelo menos daquele tipo que foi exercido no nosso país, é mais eficiente do que uma democracia corriqueira, sobretudo uma como a brasileira. Quando surgiram os primeiros sinais de um complô militar, liderado por Chávez, na Venezuela, Bolsonaro soltou vivas de satisfação. Depois, mudou de opinião, talvez porque visse que tinha características da esquerda comunista.

Entretanto, não parece ser esse gosto pelo militarismo uma convicção natural, e sim reativa, pois suas atitudes individualistas, sua vontade de liberdade para fazer o que for possível dentro de uma medida de respeito a terceiros, parece-lhe ser de mais genuína convicção. Por exemplo: pescar em águas marinhas desde um promontório em Mangaratiba, RJ, é considerado por ele uma atitude de liberdade, enquanto ser multado pelo órgão fiscalizador lhe um ato arbitrário do Estado e suas leis, consideradas um tanto espúrias. Que história é essa de um simples pescador de vara e carretilha ter poder para levar à depleção o estoque de tal ou qual peixe do mar? Ou, por outra, por que de tantos pardais, sinais de multa, nas rodovias, senão só para pegar caminhoneiro distraído?

Enfim, não é que se possa dizer que Bolsonaro seja um democrata convicto, que daria a vida por essa forma de regime político, tal qual um Péricles de Atenas, ou, quem sabe, um Ulysses Guimarães (sic), mas é que Bolsonaro é fruto de uma cultura aberta e dada a extravagâncias individualistas, como o é a cultura caipira paulista, que aceita até autoritarismo, porém sob medida, mas não arbitrariedade aleatória, ao gosto de uma cúpula qualquer de Estado. Essa posição política libertária favorece a Bolsonaro uma flexibilidade para entender e encaminhar ideias morais e comportamentais que o grande segmento do povo brasileiro, que vive a cultura tradicional de base, ou que advém dela e dela sente falta, capta e saca com intensa convicção e força d’alma. Uma dessas ideias é a de que o sentimentalismo, a autocomiseração, o mimimi  são perda de tempo e desrespeito aos outros. Como diz a letra de Vinicius de Moraes, que certamente não estaria com Chico Buarque nesse desprezo a Bolsonaro, “prá que chorar, prá que sofrer, se há sempre um novo amor, cada novo amanhecer …”

A ojeriza ao comunismo aumenta

Por uma tremenda ironia do destino, a redenção dos militares brasileiros que deram o golpe de 1964 e construíram o regime militar, de cunho ditatorial, se revela ultimamente com mais precisão no aumento que se observa no Brasil e mundo afora de uma clara ojeriza ao comunismo, seja como forma de governo, seja como doutrinação. Como forma de governo, todos os países que adotaram ou lhes foram impostos regimes comunistas deles se safaram para seu próprio bem. Até Cuba, que permaneceu por mais tempo na imaginação da sociedade brasileira como um país bom para seu povo, precisamente por ser comunista, vem perdendo essa aura de graça e de modelo, mesmo em festejados aspectos sociais, como escolaridade para todos e medicina popular. O colapso da União Soviética, em 1991, e a reviravolta capitalista da China desmoralizaram a ideia de que regimes comunistas e economias comunistas são ideais para a humanidade, e assim já não fazem a cabeça de qualquer jovem ingênuo entrando em universidade pública brasileira. “‘Pera aí, ainda faz, sim, mas com menos vigor e convicção.”

Pois que, a doutrinação comunista, vista como toda análise derivada dos textos de Karl Marx, seus epígonos e seus debatedores, que trata de questões da sociologia, da ciência política, da antropologia, da filosofia, bem como de suas aplicações nas áreas da psicologia e da pedagogia, predomina nas universidades e continua a ser elaborada na mesma linguagem marxista de desde os anos 1960. Esta doutrinação é reconhecidamente um fenômeno mundial e tem sido comentada por muitos filósofos e sociólogos e outros cientistas sociais de cunho conservador desde talvez a chegada nas universidades europeias e americanas dos textos críticos ao comunismo elaborados por autores como o filósofo polonês Leszek Kolakowski até os últimos escritos do inglês Roger Scruton. Nos últimos tempos, tais comentários e críticas se consolidaram como a base de uma espécie de renascimento de um modo de pensar conservador, que havia sido praticamente rejeitado desde o fim da Segunda Guerra Mundial. No Brasil, que já teve conceituados pensadores conservadores no passado, como Mário Ferreira dos Santos, Miguel Reale e, de certa forma, Antônio Paim, esse renascimento aconteceu graças à inteligência, dedicação e persistência do filósofo Olavo de Carvalho, não sem ter pago um alto preço por sua ousadia intelectual.

Entretanto, o pensamento conservador, que certamente inspirou Bolsonaro nos últimos quatro ou cinco anos de sua vida política, graças à relação de seus filhos com Olavo de Carvalho, é ainda tão somente um ponto de luz azulada na vermelhidão esplendoroso do pensamento esquerdista hegemônico. Pelo tanto que as consequências desse pensamento ocasionou de negativo ao mundo, o fenômeno dessa continuidade se apresenta como um enigma a ser esclarecido. Por que, afinal, depois da debacle comunista, ainda há tanta gente da sociologia e da ciência política que continua a acreditar que as ideias que levam ao comunismo são merecedoras de estudo preponderante e de doutrinação? Há algo nesse mundo da pós-modernidade que necessita da dialética exclusiva para se entender ou se conformar consigo mesmo?

O Capitão Bolsonaro entra para a política

Aos 33 anos de idade, o capitão Bolsonaro se viu subitamente levado a se reformar, não se sabe se a contragosto. Porém, bem ou mal, com uma renda vitalícia, e logo com uma vontade imensa de crescer na política. O privilégio de ganhar uma renda vitalícia em tão tenra idade só se compara com aquele que o futuro presidente da república Fernando Henrique Cardoso recebera por sua aposentadoria compulsória da USP, em 1969, ao arbítrio do AI-5, aos 37 anos de idade.

Efetivamente, o sistema de aposentadoria brasileiro, especialmente nas décadas de 1950 e 1960, tinha as mais generosas garantias, como a do relativamente pouco tempo de serviço, a garantia de aumentos salariais idênticos aos que estavam na ativa e, surpresa!, um adicional de salário para quem se aposentasse sob certas condições. Isto é, era muito vantajoso se aposentar. O sistema era novo, o povo era majoritariamente jovem, se sustentava pelas taxas pagas pelos que trabalhavam e ajudava a população a obter empregos. Deslizou assim facilmente por muitos anos até que, pelo fim do século XX, não conseguia mais se manter nos mesmos termos generosos. A bomba estourou no governo de Fernando H Cardoso, e foi passada adiante, à falta de capacidade política dos governos federais para mudá-lo, e só nesse governo Bolsonaro é que um ministro da economia escolado no neoliberalismo ousou pegar esse touro bravo pelos chifres e empurrar ao Congresso uma lei de previdência social mais condizente com as possibilidades atuais. Já o presidente Bolsonaro se posicionou com toda a força de sua ambiguidade, como pode.

Bolsonaro ainda estava no Exército quando se candidatou e se elegeu na primeira tentativa a vereador do Rio de Janeiro, com mais de 11.000 votos, quase todos obtidos na zona norte e oeste da cidade, particularmente nos bairros onde se encontram instituições, instalações e residências militares. Dois anos depois ele se candidataria a deputado federal e seria eleito com 76.000 votos, e daí por diante sua votação iria ser crescente em quase toda eleição. Quer dizer, ao longo de 29 anos, Bolsonaro manteve e ampliou seu eleitorado pela atenção que lhe dava e pelo tanto de exposição de controvérsias que criou ao longo do tempo. Sua personalidade política se amoldou pela estridência com que apresentava ideias, em geral de ordem comportamental ou moral, rebatia opiniões sobre política e sobre suas atitudes verbais, criticava com veemência a imprensa pelo viés supostamente sempre negativo dado às autoridades, às polícias, enquanto pareciam favoráveis aos criminosos, aos jovens delinquentes, sempre em nome dos direitos humanos. E mantinha-se limpo de qualquer convivência com empresários ou funcionários públicos que lhe pretendesse levar ao caminho da corrupção.

Para quem pertence às classes médias urbanas, com perfil de classe média e alta, sentindo-se possuidor de educação e etiqueta, especialmente no Rio de Janeiro, Bolsonaro parecia um sujeito desequilibrado, com mentalidade autoritária e comportamento fascistoide, defendendo o regime militar, já passado e a ser expungido da história, visto por ele como se tivesse sido a nona maravilha do universo político. Entretanto, para a maioria da população que se sentia cada vez mais excluída das inovações tecnológicas e comportamentais, o comportamento cru e desavergonhado, aparentando honestidade e sinceridade, e as falas francas e diretas de Bolsonaro foram ressoando cada vez mais persuasivas e envolventes, na medida em que a população ia se dando conta de que o desassossego, os crimes e os despautérios que dominavam a vida em seus bairros e comunidades tinham ultrapassado quaisquer atitudes de tolerância ou leniência, independente do papel de ajuda das gangues de bandidos aos que necessitavam, razão pela qual os grupos criminosos tinham crescido e ampliado suas ações nas comunidades e a conformidade por parte da população pobre, desassistida e em geral destituída de razoáveis condições de existência. Os novos e crescentes eleitores de Bolsonaro a princípio aparentavam vir de um estrato social médio-baixo, gente de bairros esquecidos pelo poder público ou desapreciados pelos bairros superiores da cidade, porém em geral com empregos mais ou menos garantidos ou, como se diz correntemente, com capacidade de se virar e criar uma família. Por fim, novos eleitores foram surgindo dos bairros mais pobres e das favelas, onde as condições de vida são duras e sofridas, lugares abandonados pelo serviço público e maltratados pela bandidagem efervescente. Em determinado momento, Bolsonaro alcançou o segmento dos evangélicos pelas posições moralistas contra o aborto e sua veemente contrariedade à leniência do Estado a traficantes, às milícias e a delinquentes em menoridade.

Por um bom tempo, uma boa parte dos eleitores de Bolsonaro sentia que não podia abrir o jogo de ter votado nele ou de gostar de suas posições e opiniões, pelo tanto que eram criticadas na imprensa e pela ojeriza dos segmentos sociais de classe média e alta do Rio de Janeiro.  Comportavam-se com humildade e vergonha diante das críticas e gozações, sem conseguir articular um argumento sequer que não resultasse na condenação e no opróbio de seu vizinho ou colega de trabalho mais fino e educado. Os evangélicos tinham a si mesmos, a proteção grupal, a voz dos pastores e a fé desabrida para encarar as injúrias, e foram eles, efetivamente, que deram um imenso impulso às pretensões mais altas de Bolsonaro. Consequentemente, para Bolsonaro não sobrou nenhuma outra alternativa senão abandonar sua tradicional e cultural religião católica para se imbuir de uma nova fé e da caridade cristãs e se tornar evangélico, pela graça de Deus, o Deus dos judeus, do Velho Testamento. E foi lá, em Israel, nas águas do rio Jordão, que o futuro presidente iria ser ritualmente batizado por um dos mais conceituados e afamados pastores brasileiros.

A mudança de compromisso religioso tem a ver também com a persuasão gentil e de boa fé de uma evangélica que lhe trouxe um novo alento ao coração, sua esposa Michelle Bolsonaro, para quem ele fez até uma operação de reversão de vasectomia para poder gerar uma filha. A trajetória amorosa de Bolsonaro não interessa nesse ensaio, a não ser para registrar o papel de seus filhos em sua carreira política mais recente. Seus três filhos do primeiro casamento, Flávio, Carlos e Eduardo, são há alguns anos políticos e conselheiros do presidente, tendo exercido papéis invulgares na ascensão do pai na campanha presidencial. Seu quarto filho, Renan, do segundo casamento, é ambicioso aluno de uma faculdade de Direito, e sua filha Luiza, já entrando na adolescência, acalenta a benevolência paterna em residência no Palácio Alvorada.

Ao longo de sete eleições consecutivas, com votações crescentes até alcançar o pico de 460.000 votos em 2014, sendo o primeiro mais bem votado deputado federal do estado do Estado do Rio de Janeiro, Bolsonaro trilhou um caminho de atuação parlamentar mais para o lado do medíocre do que de brilhantismo.  Era contado como membro do baixo clero parlamentar, aquele imenso e multipartidário coletivo de deputados que têm muito pouco a dizer ou acrescentar nas pautas legislativas, e que servem muito mais para acompanhar votações distraidamente e fazer número. Os poucos PLs apresentados pelo assíduo, porém infértil, deputado não são dignos de quaisquer comentários airosos. Seu ressalto se dá, de forma consistente, pela discussões que frequentemente provoca, ou de que frequentemente é vítima, nos debates que se dão nas reuniões de comissões sobre temas como violação de direitos humanos, movimentos sociais, políticas protetivas a minorias, feminismo e feminicídio, direitos difusos, ditadura militar, violência policial e, mais recentemente, políticas educacionais para minorias, questões de gênero, direito ao aborto e outros tais temas do mesmo jaez. Nesses debates o Dep. Bolsonaro se destaca pela contundência de suas falas e pela estridência rebarbativa com que se apresenta. Não parece haver meneios e contemporizações entre Bolsonaro e seus debatedores. Ele não parece jamais favorecer espaço para conciliações e meios-termos, nem durante, nem após os debates. Por vezes, o calor dos debates se estende para fora dos salões e chega aos corredores da Câmara dos Deputados. Alguns dos debatedores de Bolsonaro, quase sempre dos partidos de esquerda, também não lhe dão folga, nem remissão, mas aproveitam de toda e qualquer circunstância para atacar e difamar suas posições pelos meios a que têm acesso privilegiado, como as emissoras de rádios e televisão. Alguns deles ficaram notórios nacionalmente graças a esses entreveros pessoais com o deputado. Invariavelmente mal falado, mal comentado e excessivamente vilipendiado como um ser destemperado e de mau caráter, Bolsonaro só começou a melhorar sua posição de contendor na esteira das mídias sociais, o que quer dizer, praticamente, de 2011 ou 2012 ao presente. Aí então o público passou a saber os contextos das discussões, os teores das falas e o valor argumentativo delas, e assim obteve melhores condições, dados e informações para fazer suas avaliações. Bolsonaro passou então a ser mais ouvido e observado e suas falas passaram a ressoar mais substantivas e razoáveis.

Entre os tantos tais entreveros, pode-se destacar dois como de grande contundência. O primeiro é aquele com a Deputada Maria do Rosário, do PT-RS, a propósito do índice de violência a mulher, estupros e feminicídio no Brasil. O debate já fora acalorado na comissão, mas quanto chegou nos corredores a verve de ambos os deputados ganhou ares de briga de botequim. Acusado não só de machista e estuprador, este segundo epíteto evidentemente inaceitável para qualquer inocente, Bolsonaro partiu para os finalmentes ao gritar para a deputada Maria do Rosário que ele, Bolsonaro, só não a estuprava porque ela não valia a pena!

Difícil achar algo de mais escrachado do que essa frase, realmente. Mas houve outro incidente igualmente escandaloso e ominoso, para se dizer o mínimo, quando, durante a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016, o Dep. Jean Wyllis, do PSOL-RJ, se esgueirou entre os colegas deputados e tascou uma cusparada no rosto de Jair Bolsonaro, e rapidamente se desembaraçou por entre os colegas e escapou de uma contra-ataque. Isto aconteceu sob as lentes das câmeras de televisão, divulgando o evento ao vivo. O mesmo deputado depois murmurou aos colegas correligionários, espumando orgulho e satisfação com seu feito, que fizera aquilo para rebater a atitude imperdoável de Bolsonaro, na ocasião de pronunciar seu voto pelo impeachment, ao  homenagear descaradamente o falecido Coronel Carlos Alberto Ustra, que ficara notório pela acusação de ter participado de torturas a presos políticos durante o processo da repressão policial aos guerrilheiros esquerdistas, entre 1967 e 1977, aproximadamente. Esse coronel era médico e também teria coonestado práticas de tortura em diversos outros casos. É certo que Bolsonaro e Jean Wyllis nunca de bom grado viajaram no mesmo voo e jamais iriam se dar bem daí por diante. A esse propósito, e antecipando o que caberia dizer mais adiante, fala-se à boca pequena que o ódio de Jean Wyllis seria tão grande e desvairado que ele pode ter sido o deputado do PSOL que teria incitado, em alguma suposta conversa nas dependências da Câmara dos Deputados – sem querer, querendo – a Adélio Bispo a atentar contra a vida de Bolsonaro, o que viria a acontecer em setembro de 2018, no auge da campanha presidencial, em Juiz de Fora. A política brasileira tem de um tudo, mas assassinatos de figuras expressivas são raros. Desde Pinheiro Machado, notório senador pelo Rio Grande do Sul, apunhalado nas costas, no Rio de Janeiro, em 1918, e João Pessoa, governador da Paraíba, candidato a vice-presidente na chapa derrotada do candidato a presidente Getúlio Vargas, baleado em Recife, em 1930, – que não havia crimes de tão largo porte no Brasil. No caso em tela, Bolsonaro por pouco não morreu, mas sua fortuna o levou à vitória presidencial.

Sendo o primeiro exemplo uma amostra da indignidade explícita do comportamento de Bolsonaro, já o segundo pode parecer um momento de sacrifício e, de algum modo, de redenção. O certo é que ambos os incidentes marcaram um momento do Brasil e da história política de Bolsonaro. Os dois deputados contendores, é certo, perderam bastante votos na eleição de 2018, enquanto Bolsonaro se elegeu presidente, mas ambos foram eleitos. Jean Wyllis, por misteriosas razões desconhecidas, renunciou ao seu mandato e se auto-exilou na Europa. Seu substituto e suplente, David Miranda, também do PSOL, com votação irrisória, igualmente faz parte do movimento gay, sendo casado com o notório jornalista americano, aclamado como divulgador de notícias obtidas de hackeamento de celulares e bancos de dados, Glenn Greenwald.

Para os colegas políticos, Bolsonaro se apresenta como um sujeito afável e bem-humorado, com atitudes e brincadeiras de companheirismo, porém com um certo claro distanciamento ou superficialidade de sociabilidade, ainda que isto pareça algo como timidez ou humildade. O jornalista e ex-deputado Fernando Gabeira traçou em breves linhas um perfil de Bolsonaro, de quem foi colega por três mandatos, ambos do estado do Rio de Janeiro, mesmo sendo oriundos de outros estados, perfil este que acentua as características de cordialidade, interesse e discrição. Além da capacidade de ouvir e absorver considerações. Em nenhum momento Gabeira ou qualquer outro colega deputado ou alguma cigana vaticinante teria conjecturado a possibilidade de Bolsonaro um dia pretender seriamente se candidatar e muito menos se tornar presidente da república, tal vinha sendo considerado seu trabalho parlamentar como abaixo da mediocridade, praticamente reativo, raramente proativo. Mas a história, como sabemos, tem caminhos largos e caminhos estreitos, veredas e atalhos, e poucos têm a fortuna de saber qual deles trilhar e em qual momento. Bolsonaro soube.

Bolsonaro e os partidos políticos

Consta no currículo de Bolsonaro que ele já foi membro de sete partidos, e hoje, maio de 2020, está sem partido, ao que parece à espera do registro no Supremo Tribunal Eleitoral de um novo partido que possa chamar de seu, exclusivo. Realmente, é muito inconsistência partidária, muita indecisão, ou melhor, descrença, sobre em que consistem manifestos, missões, declarações, objetivos políticos, análise de conjuntura e como se comportar politicamente em convivência com colegas. Tudo de partido lhe parece pessoal, altissonante, falso, insincero, mentiroso. Para que fazer o jogo? Com efeito, Bolsonaro não tem nem cultiva correligionários, o que ele tem e espera obter cada vez mais são seguidores, sem ou com pouca capacidade e iniciativa de tomar decisões fora de sua alçada.

Por outro lado, ao que parece, de nenhum desses sete partidos Bolsonaro saiu brigado, intrigado ou com inimigos. Seu conforto e satisfação em cada partido parecem ser de curta duração, e para ele parece indiferente o esforço de, a cada novo momento político, sair à procura de novos companheiros em novos partidos. Difícil imaginar as razões dessa inconsistência, quando é evidente que ele tem uma boa disposição para se manter leal a hábitos, convicções e ideias. Imaginem que Bolsonaro tem se servido do mesmo cômodo e simples barbeiro, localizado num bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, há mais de 20 anos! Por que não uns mesmos colegas políticos?

Os partidos aos quais Bolsonaro foi filiado pertencem àquele lado da política chamada de conservadora, ou de direita. Nesse lado pululam dezenas de partidos, quase todos comandados por uma figura política forte e hábil, ou por um pequeno e seleto grupo de correligionários, isto é, de gente que tem os mesmos interesses político-financeiros. Diversos desses partidos estão no rol daqueles que praticavam com afinco e destreza (até serem surpreendidos com as mãos nas botijas) a arte de dar apoio aos governantes em troca de benefícios em verbas a serem usadas em seus currais eleitorais, empregos para seus apaniguados e vantagens financeiras de ordem pessoal, em tudo e por tudo configurando atos considerados corrupção. Entretanto, em nenhum deles Bolsonaro foi jamais visto como alguém que participou de conluios e acordos para auferir benefícios financeiros, seja para suas campanhas políticas, seja para uso pessoal. São poucos os políticos no Brasil que não caíram nessa tentação tão arraigada. A aura de político honesto corresponde ao figurino.

Pelo tanto de experiência que adquiriu em sua carreira política Bolsonaro certamente conhece os meandros de como se dão as trocas de favores e os meios que produzem a corrupção política. Entretanto, em momento algum ele jamais veio a público para denunciar alguém explicitamente como corrupto, muito menos companheiros de partido. Essa discrição corresponde a uma atitude de autonomia individual e respeito ou indiferença ao que outros políticos pensam e fazem. Bolsonaro tem um forte sentimento de que cada pessoa é responsável por si mesma, em primeiro lugar, e só secundariamente pelo coletivo em que participa. Com os que praticaram corrupção Bolsonaro evita se relacionar politicamente, mas não evita o relacionamento pessoal. Certamente que ele tem certo senso dos motivos mais profundos das falhas humanas e do perdão necessário a ser concedido, após o devido arrependimento, por quem de direito. Deve ter algo de sentido cristão nessa atitude, mas, em relação aos seus folgados e desbocados inimigos, Bolsonaro é bem menos aquiescente. São tantos as contradições e ambiguidades do ser humano!

Ao se sentir acossado com cada vez mais intensidade pela mídias e figuras importantes das instituições públicas e privadas, Bolsonaro tem usado a estratégia de não demonstrar recuo, mas rebater a cada momento que puder. Contudo, tem chegado a tais momentos de estridência e ameaças ao seu mandato que uma turma de ministros e congressistas amigos entram no meio para tentar apaziguar os ânimos e procurar resolver as discordâncias e rabugices pela ideia de que são pendências a serem resolvidas. Tem sido assim sua relação com os presidentes da Câmara e do Senado e com o presidente do STF e até com seus ministros mais importantes, como Sergio Moro e Paulo Guedes. Mas não há paz com dirigentes de órgãos como a Associação Brasileira de Imprensa, a Ordem dos Advogados do Brasil e outras de menor escalão político.

Bolsonaro e as mídias digitais

Foi numa visita de trabalho a Fortaleza, em 2015, que Bolsonaro se deu conta que suas falas e suas atitudes perante as questões nacionais discutidas no Congresso e na mídia tradicional tinham chegado a uma camada da população que normalmente não lê nem vê com assiduidade esses veículos de informação. De onde essa gente o teria descoberto? Por que estavam tão entusiasmados com a chegada dele no Aeroporto Pinto Martins?

As mídias digitais, novidades de comunicação muito recentes, com capacidade de exposição crua e chula de fatos e contra-fatos, com facilidade e meneios para persuadir participantes e ganhar aderentes e militantes—WhatsApp, Twitter, Facebook, YouTube e Instagram, principalmente—têm sido o fator fundamental na divulgação das ideias e atitudes de Bolsonaro. Elas que lhe propiciaram o epíteto “mito”, que é gritado com força de fé pelas multidões que o recebem onde quer que vá. Sua eleição de 2018 se deve em boa parte ao papel exercido por essas mídias. Até 2014, quando teve uma votação expressiva para deputado federal pelo Rio de Janeiro, seu nome circulava na mídia tradicional e no boca a boca ainda como um nome execrado, impronunciável, a não ser com derrisão, nos círculos dos bem-pensantes. As mídias digitais desfizeram esse mal-estar embalando as pessoas a não terem vergonha de serem o que são, de estarem descobrindo o que no fundo sempre sentiram de si mesmas, como numa catarse pisco-sociológica de auto-afirmação de si mesmas. Daí por que a gritaria coletiva— mito, mito, mito!!!!!!— produz um clima de ritual religioso, de afirmação de pertencimento e de fé em alguma coisa, em um movimento coletivo, em Bolsonaro.

Assim, Bolsonaro se tornou, sem qualquer prova real de mérito político e com pouquíssimas evidências de elevação moral, uma figura mítica, digamos, ao menos, à moda americana, “icônica”, no sentido de representar virtudes reais ou potenciais de caráter mágico ou profético.

Tudo isso se deu com uma rapidez estonteante e quase inacreditável. Bolsonaro é realmente um fenômeno da pós-modernidade, da era das incertezas e inconsistências humanas. Como já o fora Lula, em tempo recente e talvez um pouco mais arrastado e demorado.

Hoje, o presidente Bolsonaro não precisa dos jornais tradicionais para dizer o que quiser, para passar a mensagem que bem entender. Ele aparece em qualquer lugar, na rampa do Palácio do Planalto, no portão do Palácio da Alvorada, numa caminhada célere com um grupo de ministros e empresários em direção ao STF, e solta o verbo para ser divulgado de imediato pelas redes sociais. Ele e, por consequência direta, uma penca de seus ministros não precisam mais bajular jornalista tradicional nem pagar propaganda aos jornalões sequiosos de verbas públicas para se manter. Neste caso, é possível que a animosidade indobrável de Bolsonaro contra a imprensa tradicional venha a produzir, por reação, uma imprensa revigorada no Brasil, autônoma em suas convicções por se ter tornada autônoma de benefícios financeiros públicos. Seria uma especial ironia fruto do gênio despiroquetado do capitão.

O que está acontecendo na mídia digital brasileira da atualidade é algo digno de assombro para uma geração de gente mais comportada até um passado bem recente. O Twitter, em especial, é um botequim digital de beira de calçada do mais fino estilo brasileiro. Nenhuma declaração bem colocada, bem desenvolvida em argumentos, ponderada e tolerante, sustenta mais do que três “likes” antes de receber uma troletada de escárnio e palavrões em siglas— fdp e VTCN sendo os mais comuns.

Por sua vez, cada lado do confronto se assume como probo, correto e verdadeiro e pespega no outro lado a pecha de desonesto, enganoso e falso. Notícias fajutas, maquinadas, o tradicional boato e os fuxicos viraram “fake news”, assim ganhando um ar de dignidade pós-moderna, já que ninguém quer se sentir fora da onda globalista de bons modos de comportamento.

As fake news viraram a nova besta-fera da enganação e da mentira, porém só os outros têm esse mal costume de produzi-las e divulgá-las. Declara um lado peremptoriamente que Bolsonaro ganhou a eleição presidencial à base de fake news e com a ajuda maquínica de um novo mensageiro não muito angelical, pois também simulador, o robô da internet, o bot, para os que acompanham o linguajar em inglês. Este é um programinha de computador, com o nome matemático-informacional de algoritmo, que é capaz de simular situações e até diálogos com quem com ele interage, e replicar notícias ou escritos ou gráficos ou GIFs quaisquer por milhares e milhares de vezes (como se fosse um irmãozinho do coronavirus) em milhares de aparelhos receptores ligados no aplicativo onde ele foi gerado. Ou além!

O conteúdo das fake news é onde está o problema filosófico mais caliente, digamos assim, dos nossos tempos. Se antes a busca da verdade era uma prerrogativa de quem fazia muita ascese mental, de quem se dedicava a vida inteira, sob o risco de nem conseguir uma esposa ou um marido digno, ou ao menos ricos, ou uma casa decente para morar, agora os Sócrates brasileiros estão bem refastelados em confortáveis poltronas dirimindo a torto e a direito o que é a verdade dos fatos, o que pode ser julgado notícia verdadeira ou falsa, e como os mensageiros dessas fake news podem ser arrancados e conduzidos de suas casas e escritórios, por ordem judicial ou sob vara de marmelo, se necessário for, destituídos do direito de usar das mídias sociais, apartados, quais bezerros em desmame, da frente de seus computadores e celulares, e arrastados a juízo para serem devidamente escrutinados, julgados e punidos a bem da justeza da nova filosofia fabricada na bancada úpsilon do STF pelos nossos doutores Simões Bacamartes redivivos na magistratura, previamente escoladas nas artes protetoras de seus patrícios e patronos, ungidos na França e na Alemanha, que é onde se fazem grandes causídicos, em plantão permanente, a toda hora do dia e da noite, fins de semana, feriados e licenças médicas e tudo.

Os seguidores de Bolsonaro, mas também os não seguidores, estão pagando um preço por suas ousadias de plantarem fofocas e boatos nas mídias digitais especialmente porque estão transformando todo mundo em zumbis e replicantes de fake news. Só ressuscitando Mikonjequison para fazer uma nova versão de Thriller.

Se isto não for uma infâmia, é muita dedicação ao culto misterioso aos deuses da engabelação nacional.

Bolsonaro e os filhos na política

Muita gente fala que a tríade de filhos do progenitor Bolsonaro – o senador Flávio, o vereador na cidade do Rio de Janeiro, Carlos, e o deputado federal por São Paulo, Eduardo – são, na melhor das hipóteses, calos inflamados nas joanetes políticas do pai. Ninguém mais, a não ser os mais próximos e os cupinchas, tem paciência com eles. O mais velho, o atual senador pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, que começou sua carreira como deputado estadual, fazendo dobradinha com o pai, anda de tal modo encrencado com o processo da “rachadinha” que havia no seu gabinete de deputado estadual que nunca adquiriu a fluidez política para atuar com desenvoltura no Senado Federal. Investigações feitas durante o ano de 2018 demonstram que seu gabinete de deputado era dirigido por um ex-policial militar, Edson Queiróz, que antes trabalhara com o próprio Jair Bolsonaro, ex-colega de Exército, acusado de ter íntimas conexões com milicianos da pesada, controladores de algumas favelas do Rio de Janeiro, como a Favela das Pedrinhas. Queiroz era o encarregado de arrecadar as porcentagens dos salários dos funcionários do gabinete de Flávio para serem entregues ao próprio. Por suposto, com esses recursos Flávio teria amealhado um bom dinheiro com o qual fizera investimentos imobiliários e em uma loja de chocolates.

A notícia estourou antes mesmo da posse presidencial e tem desde sempre mobilizado todas as energias e paciência do senador – e algumas do seu pai – na inglória batalha para fazer sua defesa nos tribunais. Tem sido por isso, ao que parece, que Bolsonaro pai tem feito tantas exigências à Polícia Federal, especialmente ao então ministro Sérgio Moro, para encontrar um desfecho positivo para esse caso. O presidente aumentou o seu desgaste pois, um pouco antes da posse, dissera de público que não acreditava nas acusações contra seu filho, mas que, se ficasse provado que Flávio tivesse cometido algum tipo de crime, que ele pagasse por isso conforme os desígnios da Justiça. Qual o quê, ainda que muitos brasileiros, ao ouvir essa declaração, tenha se sentido enternecido pela dura rigidez moral do pai Bolsonaro, logo ficariam decepcionados pelos sinais de que aquela declaração era só da boca para fora, coisa de político tradicional.

É certo que “rachadinhas” constituem um crime ou dolo menor, no conjunto das obras delituosas da política brasileira, pois tem sido praticado com assiduidade e denodo por muitos políticos em todos os níveis e cargos de carreira. O inquérito que levou à investigação contra Flávio Bolsonaro revelou que havia ao menos 15 deputados estaduais na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro que tinham contas com iguais suspeitas de rachadinhas, algumas com somas que iam até 30 e 40 milhões de reais, quando o caso de Flávio chegava tão-somente a 1,2 milhões de reais. Mal consolo e péssima justificativa, mas é o que sobrará disso tudo, se é que o processo continuará no mesmo passo que vem tendo desde então.

O segundo filho é o Carlos, o “pit-bull” do pai. Dono de uma personalidade exasperada, afeto a rebater toda e qualquer crítica ao pai, sem sopesar relevância ou conveniência, o vereador Carlos começou sua trajetória de escândalos quando se aboletou, contra toda a liturgia da posse do pai Bolsonaro, no mesmo carro em que desfilavam o presidente e sua esposa pela Esplanada de Brasília, no dia 1º de janeiro de 2019, sob a crença alarmista de que só ele seria capaz de fazer a defesa pessoal do pai em caso de atentado. Carlos é o filho que comanda a mídia pessoal do pai, seu Twitter e WhatsApp, e esse comando tem trazido ao pai muitos momentos de embaraço e mal-estar político pelo despropósito de muitas mensagens postadas. É possível que o pai e os demais membros da família acreditem que Carlos tenha um agudo instinto de sobrevivência e percepção e entenda melhor do que a maioria como a maldade humana age ou pretende agir, especialmente em relação ao pai. Este, já entregue aos caprichos e bizarrices do filho, atua com surpreendente condescendência e delicadeza, aparentemente para não o desgostar.

O terceiro filho, Eduardo, foi eleito com a maior votação jamais obtida por um deputado federal na história brasileira, algo em torno de dois milhões de votos, no estado de São Paulo. Nascido e criado no Rio de Janeiro, de índole e hábitos cariocas, sua entrada na política de São Paulo, desde sua primeira eleição a deputado federal, em 2014, demonstra o quanto de capacidade de transferência de prestígio tem o seu pai. Eduardo parece ser um sujeito simpático e diligente, o que talvez tenha levado seu pai a acreditar que ele poderia se tornar o embaixador brasileiro junto ao governo americano, em Washington. O presidente Bolsonaro fez de tudo para viabilizar o filho nesse cargo, inclusive levando-o para uma audiência pessoal com o presidente Donald Trump. O filho fez de tudo para se mostrar apto ao cargo, inclusive fazendo declarações as mais cândidas possíveis, como a de que sua expertise na língua inglesa seria bastante bom porque teria passado algum tempo nos Estados Unidos, inclusive trabalhando em fritar hambúrgueres em uma cafeteria no Colorado. Também estaria tomando lições de história diplomática e política internacional como preparativo para sua audiência com a banca de senadores avalistas das nomeações presidenciais a tão distinto posto diplomático. Após quase três meses de exposição nacional e internacional, na maior parte com críticas ácidas e frequentemente debochadas, o pai, usando de seu melhor alvitre, sentiu que o filho lhe seria mais útil ajudando na liça política interna, e a nomeação foi cancela.

Para o presidente Bolsonaro seus três filhos são uns bons meninos que só querem o bem da nação. Sua complacência parece ser infinita e seu espanto de que os demais brasileiros não sintam o mesmo lhe assombra como injusto, unfair, mas não havia nada mais a fazer. A mídia tem sido bastante cruel com o presidente Bolsonaro, sobre todo e qualquer tema, mas, com os filhos ela amolou sua peixeira ao extremo: não perdoa nem a rachadinha do Flávio, se verdadeiro for, um crime sem dolo que acomete nove em cada dez políticos estaduais de todo o Brasil, nem muito menos a aspereza de Carlos, sua bravura e suas bravatas, enquanto Eduardo é tratado como um bobo alegre que eventualmente contribuirá para envenenar o prestígio do pai no estado de São Paulo. E o show só acabou de começar!

Bolsonaro e o filósofo Olavo de Carvalho

Na noite da vitória do segundo turno da eleição presidencial, 28 de outubro de 2018, Bolsonaro se apresentou em live, de seu modesto quartel-general da campanha, para agradecer e comemorar seu grande feito, tendo visíveis e conspícuos sobre a mesa três livros para mostrar suas inspirações principais. Um livro era a Bíblia Sagrada, naturalmente, o outro uma biografia de Winston Churchill, um pouco surpreendente, e o terceiro um livro de ensaios ou diatribes político-filosóficos chamado “O imbecil coletivo”, do filósofo e escritor Olavo de Carvalho. Mas, que maluquice é essa, deve ter caído o queixo da metade dos brasileiros que se dão a pachorra de ler e acompanhar as discussões sobre temas da cultura, história, política, ideologia, literatura e filosofia brasileiros, por onde o nome de Olavo já teria circulado, para o bem ou para o mal. Como é que Bolsonaro teria chegado a esse cara?

Olavo de Carvalho é antes de tudo aquilo que os ingleses chamam de “critic”, ou talvez, ensaísta, um intelectual de largo espectro, não necessariamente ligado ao sistema acadêmico, capaz de analisar, discutir e propor ideias sobre temas variados como cultura, literatura, política, filosofia, poesia e ciências sociais, além de filosofia. Sua carreira como intelectual começa cedo, quando aos 19 anos, pelos idos de 1966, tendo abandonado os estudos secundários e nunca entrado na universidade, atraído pelas ideias do Partido Comunista Brasileiro, em sua versão mais democrática e corporativa, embarca no ofício de jornalista, a partir das simples tarefas de aprendiz, como editor de textos, repórter, resenhista de livros, indo aos poucos crescendo para redigir seus próprios textos e comentários. Seu primeiro jornal foi a Folha de São Paulo (hoje aquele que tanto ele como Bolsonaro mais detestam) e daí para uma dezenas de jornais e revistas, uma ruma de publicações importantes ou interessantes, até se mudar para os Estados Unidos, em 2005, onde faz residência na cidade de Richmond, capital do estado de Virginia, a cerca de 100 milhas de Washington, DC. Ainda nos anos 1960 renega seus ideais comunistas, passa a se interessar por temas esdrúxulos, como ocultismo, astrologia e islamismo e embarca em aventuras religiosas, parapsicológicas e astrológicas que resultam na publicação de seus primeiros livros. Desse período, que vai até fins da década de 1980 Olavo ganhou dos adversários e inimigos a pecha despiciente de astrólogo e ocultista, algo que ele retruca com correspondente desprezo. Nesse meio tempo dedica-se a ler, estudar as obras e frequentar autores com um viés mais conservador e liberal. Faz amizades com diversos deles, como Antônio Paim, Miguel Reale, Mário Vieira dos Santos e Bruno Tolentino, em São Paulo, e, já morando no Rio de Janeiro, com Paulo Mercadante, Roberto Campos, Padre Stanislavs Ladusans, reitor da Pontifícia Universidade Católica, José Guilherme Merquior, José Mário Pereira e outros mais.

Na década de 1990 é que Olavo de Carvalho surge com extrema ousadia no campo intelectual brasileiro escrevendo artigos críticos sobre temas do momento, com profundidade de intelectual ilustrado e viés liberal para conservador, e depois uma série de livros com grande capacidade de levantar controvérsias e debates, tais como A nova era e a revolução cultural: Fritjof Capra & Antonio Gramsci; O jardim das aflições: de Epicuro à ressurreição de César – Ensaio sobre o materialismo e a religião civil; e O imbecil coletivo: atualidades inculturais brasileiras; todos seguidos de novas edições pelo tanto de polêmicas e interesses que suscitaram. Em 1994, escreve uma primeira versão de seus estudos sobre Aristóteles, que havia tomado como objeto a partir das aulas e seminários que lhe haviam sido dadas pelo Pe. Stanislavs. Em 1996 sai uma versão mais completa desses estudos em que propõe uma visão nova sobre dois livros de Aristóteles que só teriam vindo a lume praticamente no Renascimento, um sobre poesia e o outro sobre retórica, e propõe que eles fazem parte de um possível sistema de discursos (ou lógicas, como veremos) do grande estagirista. Tal ideia brilhou com um ar de novidade e ousadia, um feito digno de um filósofo que precisava ser levado em consideração. Entretanto, dada a disposição do autor à polêmica e a de filósofos e cientistas brasileiros a se enclausurarem em seus feudos, a obra foi recebida com a atitude tradicional da academia brasileira, primeiro, aos tapas e arranhões, depois, pelo silencioso olvido sepulcral. Não obstante, o livro Aristóteles em nova perspectiva: Introdução à teoria dos quatro discursos, publicado pela editora Topbooks, em 1996, não foi enterrado vivo, mas prosperou e tem ganho novas edições ao longo dos últimos 20 anos de sua publicação. É um livro verdadeiramente precioso e original, cuja argumentação de que a Poética e a Retórica fariam parte do sistema lógico de Aristóteles corre em paralelo com as ideias de um outro filósofo brasileiro, Luiz Sérgio Coelho de Sampaio, cuja visão de lógica indica proximidade com esta visão filosófica de Olavo de Carvalho, e que também recebeu a amarga indiferença da academia de filósofos e cientistas sociais. Por esse paralelismo e por ser a única obra brasileira que parece dialogar com a filosofia de Olavo sobre Aristóteles, valerá a pena discorrer um pouco sobre a filosofia de Sampaio.

A obra de Sampaio pretende reestabelecer o sentido original, delineado por alguns filósofos gregos clássicos, entre eles Parmênides, Heráclito, Platão e Aristóteles, do que seria lógica como modo de pensar, não só o modo de pensar “correto”, por meio matemático ou silogístico. Inclui-se também como pensamento lógico o pensamento transcendental ou identitário, o inconsistente e o paradoxal, o sintético ou dialético, o propriamente sistêmico ou “racional”.  Cada uma dessas quatro lógicas, ou quatro modos básicos de se pensar, iluminam certas áreas de um tema ou questão e se complementam, quando bem juntados e ponderados, para produzir um sentido integral da questão. Esse processo de complementação é regido por uma lógica superior, chamada hiperdialética, que é o que podemos chamar de lógica maior do ser humano. Usar da melhor maneira possível da lógica hiperdialética é o que permite uma pessoa obter uma noção mais abrangente e generosa de uma determinada questão. Generosa porque aceita que, nessa visão abrangente, há visões parciais importantes, mesmo que contraditórias, que precisam ser levadas em conta para esclarecer a questão em tela de forma íntegra. Essas ideias estão contidas no livro Lógica Ressuscitada: Sete Ensaios, publicado pela editora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, em 1998.

Bem, para exemplificar na prática como funciona a visão de Sampaio sobre um determinado tema, tomemos a realidade política dos tempos atuais, que serve de pano de fundo ao motivo deste ensaio.  Tal como a vemos hoje no Brasil, a política e seu discurso inevitável, a ideologia, se exercem em quatro modalidades, ou vieses, para usar um termo da moda: há um modo conservador que deseja que o mundo pare ou até retroceda no tempo, ou ao menos tenha uma ordem fixa e, para muitos, predeterminada; há um modo contrário, que concebe o mundo como em eterna mudança, radicalmente anárquico ou sem direção certa, para a direita ou para a esquerda; terceiro, há um modo dialético que pretende confrontar esses dois vieses para criar uma síntese nova, como se fosse um mundo novo – o mundo teria uma ordem ainda que precária e uma direcionalidade provisória; e há o quarto modo, que pretende ordenar o mundo racionalmente, levando em conta os três modos anteriores, de um modo mais ou menos equilibrado. Esses modos podem ser identificados em atores e agentes políticos, ainda que no Brasil eles se apresentem misturados e até desordenados, como é próprio de nossa cultura conflitiva. Ninguém é puro conservador, ou puro voluntarista, seja de direita ou de esquerda, ou puro radical esquerdista, ou puro racionalista liberal – ainda que, grosso modo, seja possível identificar para onde cada agente político pende um pouco mais. A política, que é a qualidade humana coletiva de exercer o poder para decidir o que é melhor para o coletivo, se realiza numa arena de disputa ferrenha e incessante quanto mais for a divisão social entre grupos e classes sociais, e quanto mais houver carência de consensos entre os grupos. É realmente o prato cheio e apimentado ou nauseabundo que se come todo dia no Brasil.

Como o Brasil poderia encontrar um caminho que transcendesse, que fosse além de cada uma desses modos de exercer a política, reconhecendo e valorizando as qualidades que cada um tem em seu devido lugar e para as devidas e apropriadas situações?

Bem, ao ler alguns livros de Olavo de Carvalho, especialmente, mais uma vez, suas reflexões sobre os quatro discursos de Aristóteles, e confrontando essas reflexões com a história de vida do autor, que inclui uma passagem de jovem adulto pela atuação comunista, uma prolongada pedalada pelos mistérios e indefinições da astrologia, ocultismo e até islamismo e uma aderência racional pelo liberalismo filosófico, dá para entender que Olavo exercita seu potencial hiperdialético em sua busca humana por algo certamente indefinível (como quase todos nós também o fazemos) e que sua atual escolha política de cunho conservador, que já dura uns vinte anos ou mais, não desconsidera essas outras visões em sua atuação filosófica. Já sua atuação política são outros quinhentos por estar não no nível epistemológico da concepção de vida e sim no nível praxeológico, onde pensamento (sempre parcial) e atuação são necessariamente consentâneos.

O reconhecimento do talento filosófico e polímata de Olavo de Carvalho cresceu fora ou, no máximo, pelos interstícios da academia brasileira, das faculdades particulares, em especial, e alcançou um público curioso, às vezes, ingênuo, que estava talvez farto de um discurso enfarento por levar todos os temas, invariavelmente, às ideias de Karl Marx e de seus múltiplos epígonos, ideias que haviam inspirado revoltas populares de trabalhadores e revoluções socialistas ou comunistas cujos resultados, após algumas dezenas de anos, tinham se mostrado defectíveis e portanto inviáveis para sociedades humanas, conforme se via nos últimos anos as evidências da debacle dos regimes comunistas na União Soviética, nos países do Leste Europeu e asiáticos, exceto pela tríade atual de China (em toda sua dubiedade economista), Coréia do Norte e a saudosa Cuba. Hoje, Olavo de Carvalho tem um público cativo de mais de 800.000 leitores e ouvintes de suas palestras, aulas e comentários sobre os temas próprios de um polímata brasileiro, algo que não se via talvez desde os anos 1950-60, com figuras brilhantes como Mário Ferreira dos Santos, Wilson Martins, Sérgio Buarque de Holanda, Tristão de Athayde, Otto Maria Carpeaux e diversos outros. Sua bibliografia se ampliou enormemente na medida em que suas palestras divulgadas ao vivo pela mídia digital iam sendo desgravadas e transformadas em livros. São poucos os intelectuais e jornalistas que acompanham tudo que Olavo tem publicado desde o ano 2000. Olavo certamente se transformou num dos escritores mais prolíficos do Brasil de todos os tempos.

Voltando ao tema Bolsonaro e sua personalidade trágica, é curioso indagar como Olavo de Carvalho teria chegado à sua atenção. Provavelmente através de seus filhos, especialmente Eduardo, o aspirante a embaixador, que o acompanhava na mídia como aluno ou interessado, em busca de um caminho para dar alguma ordem ou sentido às ideias mal-ajambradas do pai ou ao menos edulcorar seu discurso político, o qual almeja o bem do país por uma via diferente da via mais conhecida e batida do discurso político tradicional. Pois, fica evidente que Bolsonaro, se não é louco ou psicopata, é um político com ideias insólitas, trazidas do fundo de sua alma, de sua cultura de base, e de sua experiência de tentar redimir o papel político das Forças Armadas durante o regime militar. Olavo de Carvalho viu em Bolsonaro o homem sincero e honesto, repleto de pureza d’alma, extraído como um diamante bruto da cultura de base brasileira, aquela que um dia formara a base do entendimento entre raças e ideias diversas e até opostas, e se consolidara por via da tolerante religião cristã-católica, e sob a égide de um processo político tradicional de domínio de elites estamentais que criaram um Estado nacional como uma casamata onde só entram os trajados de linho e punhos de seda, ou os treinados para limpar botas militares, ou ao menos os que sabem declamar versos altissonantes com salvas à liberdade e à glória do Brasil. Bolsonaro não é nenhum desses tipos, ainda que tenha servido sob o tacão dos militares em seus dias de tomada de consciência política. O que ele almeja é difícil de saber com certeza, mas os sinais estão por toda parte.

A imprensa, os acadêmicos e o público filopetista não se cansam de zombar e escarnecer de Olavo e Bolsonaro, os dois loucos juntos, guru e discípulo, em um abraço de afogados. Cada um de per se, evidentemente, não dá qualquer bola para isso, sabendo que as ofensas e aleivosias fazem parte do mar tempestuoso de críticas que sempre receberam, de diferentes remetentes, agora milagrosamente unidos a serviço da preservação do status quo, subitamente elevado à altura de tudo de bom e digno para o Brasil. Oh, céus!

Pelo que Olavo tanta fala e Bolsonaro raramente comenta, não há muita conversa entre os dois, nunca teria havido. Entendem-se por sinais, seriam almas gêmeas no redemoinho da política e da inteligência brasileiras. Porém, que se comunicam, que Olavo tem discípulos e admiradores dentro do governo Bolsonaro, que buscam influenciar projetos nacionais, atitudes morais e culturais e políticas internacionais, não restam dúvidas. Resta saber se essas atitudes são extemporâneas ao projeto conservador do governo Bolsonaro, fora do eixo básico formado por militares e colegas políticos, com algumas pessoas ilustres, de modo “técnico” em posições estratégicas, ou se realmente dirigem o espírito do governo e poderiam funcionar como articuladores de uma espécie de ideologia conservadora própria. A incerteza está aberta.

Seja o que for, o que bem interessa a todos é saber se Olavo é um democrata brasileiro, considerando todas as vicissitudes desse regime em nossa história republicana, ou se ele por acaso alimenta um pensamento militarista, com tendências ditatoriais, que pudesse ser aplicado na governança do Brasil. E se essa visão encontra abrigo no pensamento do presidente. Ao que sabemos, as ideias apresentadas por Olavo de Carvalho em seus textos e comentários políticos e filosóficos indicam uma expectativa democrática, seja como realidade inescapável, seja como objeto de desejo. A atitude conservadora de Olavo de Carvalho advém de reflexões que lastram na religião cristã e na civilização ocidental, tendo como base real as experiências de países como a Inglaterra e Estados Unidos que desenvolveram sociedade livres e economias à base do capitalismo, com liberdade para os indivíduos decidirem sobre suas opções de vida e com o mínimo de interferência do Estado. Por outro lado, dadas as vicissitudes da democracia brasileira, reconhecidas raivosamente por Olavo de Carvalho, tais como, a consistente manutenção do patrimonialismo, o arraigado corporativismo da classe média, o desvirtuamento de políticas trabalhistas, os inefáveis conluios de corrupção entre empresas e governos, tudo isso trabalhando em conjunto para o bem do pequeno contingente da elite econômica e o grupo mais amplo o qual ele designa pelo termo “estamento burocrático” que, em sua visão, controlam juntos o Estado brasileiro, Olavo tem feito observações um tanto cavilosas indicando que só com força política e participação popular, e quiçá até militar, é que um governo dito popular e democrático, como o seria o governo Bolsonaro, poderia realizar os seus propósitos políticos de manter o povo brasileiro coeso e cristão com possibilidades de diminuir a distância social e elevar a nação à condição de potência mundial. Com essas dificuldades internas, Olavo de Carvalho calcula que a questão democrática pode se perpetuar como um enfeite inútil, um badulaque político, se a melhoria das condições sociais e econômicas e a virada conservadora que a eleição de Bolsonaro significou não forem alcançadas e sim relegadas a segundo plano. Difícil entender até onde esse raciocínio nos pode levar na resolução de um comprometimento estritamente democrático.

O presidente Bolsonaro e seu primeiro ano de governo

Provavelmente jamais houve um governo que nos primeiros cem dias, no primeiro ano de atuação tenha sofrido tantas críticas pelas mídias, especialmente a imprensa tradicional, e tantos protestos por parte dos perdedores. Se alguém algum dia quiser compilar essas críticas vai cansar a beleza de qualquer leitor. Há matéria para todos os gostos, desde as horríveis gozações contra a ministra Damares Alves, por seu cândido relato, quando falava para um grupo de mulheres sobre qual política pública estava pensando em aplicar, de ter sido estrupada e ter-se imaginado, aos oito anos de idade, num diálogo com o próprio Jesus Cristo, em uma goiabeira. Mas também foram extremamente ridicularizados o ministro Ricardo Velez, nos três meses que ficou no Ministério da Educação, por sua visão radicalmente negativa da educação pública brasileira e pela desimportância que com que tratou as associações da casta superior universitária. Sua própria estampa pessoal parecia deslocada, como se tivesse vindo de décadas passadas, em parte por causa de seu sotaque carregado de castelhanismos da Colômbia, sua terra natal. Velez Rodrigues também carregava a pecha negativa de ter sido indicado, a pedido de Bolsonaro, por Olavo de Carvalho, que, por sua vez, logo declarou que nem bem o conhecia, mas recebera a indicação de outro colega, provavelmente o filósofo Antônio Paim. Bolsonaro, naturalmente, ficou com a brocha na mão, e, para não cair, logo o substituiu pela figura inédita de um professor de Direito que, pronto, passou a se apresentar com pantomimas esquisitas, como a que aparece personificando o ator Gene Kelly, com um guarda-chuva, como se estivesse cantando na chuva, e com postagens provocativas contra as universidade e os cursos de ciências sociais nas mídias sociais. Outro ministro que sentiu o peso das acusações foi o deputado federal por Minas Gerias, Marcelo Álvares Antônio, alçado a ministro do Turismo, aparentemente pelo pleito de agradecimento de Bolsonaro por ter sido socorrido com presteza e dedicação na ocasião da facada sofrida em 6 de setembro de 2018, em Juiz de Fora. O ministro Marcelo Antônio foi acusado pelo Ministério Público de Minas Gerais de ter usado de “laranjas”, ou seja, pessoas que recebiam dinheiro para a campanha, mas que na verdade deveriam devolver grande parte do recebido para o chefe da campanha do partido, no caso, o próprio então deputado Marcelo Antônio. O ministro sobreviveu à saraivada de críticas em jornal e continua no cargo sob a grave suspeita.

Contudo, os ministros que mais sofreram críticas trucidantes e cheias de veneno dos políticos perdedores, da mídia encarniçada e do público filopetista foram Paulo Guedes e Sérgio Moro. Também não há comparação na história do Brasil para tamanhas campanhas difamatórias contra as ideias, os propósitos, os programas que esses ilustres homens públicos apresentaram, mas também escrachamento, e por que não mencionar, esculacho contra essas pessoas e seus familiares, especialmente a Sérgio Moro. Em contraposição, cada um deles respondeu em seus próprios estilos. Paulo Guedes encarou raivoso, de frente, em debates na Câmara Federal, petistas e comunistas, com palavras e observações duras e personalizadas. Sobrou até para Lula. Ganhou moral com isso. Já Moro preferiu o silêncio que diz mais que as palavras, retrucando muito raramente a um ou outro deputado mais histriônico, protegido por sua liberdade de expressão, que o xingava de ladrão. Às acusações levantadas pelo site TheIntercept pelo hackeamento de seu celular, Moro respondia em tuítes frios e pontuais.

Paulo Guedes, o abrangente ministro da Economia, com Ph.D. pela Universidade de Chicago, o berço renascentista do liberalismo econômico americano e quiçá mundial, apresentou um programa novo, ousado e consistente que, de pronto, recebeu os opróbrios despeitados dos economistas de linhas diversas, cujas experiências de governo em geral tinham dado errado (os keynesianos) ou dado certo, com limites (social-democratas). Guedes propôs algo radicalmente liberal, na medida do possível para o Brasil, o que excetuava a privatização tão somente da Petrobras e de alguns grandes bancos estatais, como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. E olha lá! O resto deveria, em princípio, cair na malha da privatização generalizada.

Tantos são os projetos econômicos que Guedes e sua equipe apresentaram que não dá para fazer uma avaliação neste contexto ensaístico. O que vale remarcar é a sua ousadia em fazer essas propostas e sua persistente tentativa para convencer não somente o presidente Bolsonaro mas também o público brasileiro, aqueles que poderão vir a estar sob a guarda de um novo regime de aposentadoria ou de salários, bem como os políticos em geral que, com seus malfadados arranjos e contemporizações, gostariam de manter o regime de aposentadorias tal como está, favorável a si mesmos e a quem os apoia. Para eles um regime político-econômico da ordem patrimonialista continua em boa ordem pelas mesmas garantias que vem desde sempre oferecendo às classes médias superiores, ao empresariado e ao patriciado nacional. Especificamente, nenhum político que se elege à base de um discurso de garantias de preservação de direitos corporativos jamais pularia fora dessa caçamba de sustentação. A simples proposta de estabelecer uma idade mínima para a aposentadoria tem sido visto como um anátema à doutrina de direitos imprescritíveis que estariam inseridas como “cláusulas pétreas” na lápide da nossa sexta constituição republicana, já pela metade emendada.

Guedes persistiu e de certo modo prevaleceu. Certamente fez mais do que seus predecessores mais bem protegidos politicamente. E o fez muitas vezes à revelia das desditosas e vacilantes interrupções da parte do seu chefe. É certo que a estridente torcida dos contrários era para Guedes desistir, renunciar, fugir, se mandar para uma Pasárgada em Barbacena ou em Chicago, e gozar a vida à sombra de sua considerável riqueza obtida por sua sagacidade de tarimbado economista.

Já Sérgio Moro sofreu mais em sua alma, sendo homem de estirpe provinciana e personalidade discreta, dito de índole misteriosamente estratégica, e também já cheio de calos escarmentados pela algaravia odienta e rancorosa dos filopetistas quando de sua ação de magistrado. Guedes, nascido no Rio, mas de ascendência mineira, é o mineirinho quase surgido dos traços de Ziraldo, enquanto Moro podia ser uma figura nova na Turma da Mônica. E já com namorada fixa a tiracolo.

A proposta ministerial de Moro tinha duas vertentes. Uma era diminuir, ou arrefecer fundamentalmente, ou dar um choque fatal na corrupção desenfreada que vinha consumindo o Brasil, na alma e no bolso, nos últimos 20 e tantos anos, ainda que a corrupção tenha sido um dos elementos constitutivos da política nacional desde Cabral, corrupção esta que havia sido exposta em seus mínimos detalhes por sua magistratura na Operação Lava Jato, a qual lhe teria dado fama e reconhecimento. A segunda vertente de sua proposta era criar meios institucionais e instrumentos legais para o combate efetivo contra a violência brasileira, que tem causado a morte de, em média, 40.000 a 50.000 pessoas a cada ano desde o fim da ditadura militar. Esse número havia chegado a 62.000 em 2015, a partir de quando começara a diminuir com lentidão. A violência brasileira tem raízes profundas, diz respeito ao controle das populações que compuseram o contingente pobre e oprimido desde a formação da nação. Entretanto, sua amplitude tinha se estendido muito além desse controle e apontava para a organização de grupos criminosos de diversas naturezas, sobretudo o tráfico e a venda de drogas, seus agentes locais, nacionais e internacionais, e o controle de alguns serviços comerciais e infraestruturais nas comunidades e bairros pobres das grandes cidades.

Cada governo que entrava havia prometido acabar com esse flagelo nacional, mas se perdia nas leis, regras, incompetência subjacente, subterfúgios, conluios e na complexidade das relações entre o objeto do crime, os criminosos, bandidos e milicianos, os policiais e o fruto cobiçado dos crimes. Moro viera para desbaratar essa complexidade, expor suas entranhas e concatenar meios e instrumentos para dar um basta na desgraceira e vergonha nacionais. Para isso o ministro Moro e sua equipe de policiais federais, procuradores e defensores públicos, políticos e advogados elaboraram uma série de programas que teriam que serem transformados em lei, isto é, teriam que passar pelo crivo e adesão dos congressistas.  Aí estava um entrave muito sério. Os programas de Moro envolviam entre os pontos mais conhecidos: mudança para 16 anos como idade mínima para prisão e processo criminal; aumento de prisão em alguns tipos de penas; endurecimento nas saídas legais de presos; diminuição de visitas íntimas, junto com distanciamento em certas visitas; distribuição de presos por periculosidade; separação de presos perigosos para prisões de máxima segurança; encarceramento imediato a partir de condenação de réu em segunda instância, e outras mais. Esta última deixou muitos políticos de cabelo em pé e, por consequência, foi rejeitada ipso facto.

As propostas foram enviadas ao Congresso Nacional logo nos primeiros meses do ano e, como era de se esperar, foram recebidas com muita desconfiança e resistência por parte de grande parte dos parlamentares, liderados na Câmara Federal pelo deputado pelo Rio de Janeiro, Rodrigo Maia, e no Senado Federal pelo inesperado e jejuno senador pelo estado do Amapá, eleito presidente do Senado com um voto a mais do que o número real de senadores, o excepcional Davi Alcolumbre. Ao longo dos meses o ministro Moro se apresentou em várias comissões da Câmara e do Senado onde era invariavelmente recebido de um modo minimamente deselegante por parte de uma hoste de deputados e senadores oposicionistas com ganas de nem permitir que as propostas apresentadas tivessem o dom de serem discutidas.

A resistência a quase todos os itens se fez presente de imediato, tanto em declarações de políticos quanto pela mídia tradicional. Os partidos que haviam sofrido condenações por corrupção e que tinham diversos membros em condições de serem presos, ou presos temporariamente, ou em vias de condenação em segunda instância chiaram muito, em altissonantes brados de indignação. Concomitantemente, estava havendo todo um conjunto de manobras por parte de ministros do STF para relaxar a prisão de diversos presos condenados por corrupção pela Operação Lava Jato. Entre eles estava o ex-presidente Lula, encarcerado nas dependências da Polícia Federal, em Curitiba, desde abril de 2018. Tudo esse processo de resistência aos propósitos de combater a criminalidade e a corrupção, bem como os projetos de lei do ministro Moro, culminaram negativamente quando o STF resolveu, por diferença de apenas 1 voto, desfazer o entendimento interno segundo o qual um condenado em segunda instância poderia, a critério do juiz da segunda instância que havia revisado a condenação original, sentenciar pena de reclusão. Fora essa decisão do STF que levara o Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4), em Porto Alegre, a sentenciar Lula à prisão. Agora, com a reviravolta decisória do STF, Lula e dezenas de outros presos por condenação em segunda instância estavam automaticamente libertos. E eis que Lula sai em 9 de novembro de 2019 clamando a população a protestar contra sua prisão e exigindo do STF que ordene novo julgamento por prejuízo de preconceito prévio do então juiz da 13ª Vara Federal, Sérgio Moro.

Em adição, eis que o presidente Bolsonaro, contra todas as explanações de seu ministro Moro, sanciona a lei que estabelece o cargo de juiz de exceção, criando mais um estágio, mais uma dificuldade na luta pelo fortalecimento das leis penais e afrontando um propósito definido por Sérgio Moro como essencial para o exercício proveitoso de seu papel de combater a corrupção e a criminalidade no país. Essa inimaginável decisão de Bolsonaro ressoou pessimamente nas hostes favoráveis ao endurecimento de leis para combater a criminalidade, especialmente de corrupção, mas foi melodia prazerosa aos ouvidos de advogados, bancas advocatícias e políticos com condenações em primeira instância ou indiciados por evidências incontornáveis de crimes, especialmente aqueles que fizeram parte dos governos prévios do PT e PSDB, o que significava uma quantidade bastante grande de deputados e senadores de diversos partidos que haviam feito parte da coalizão petista, e muitos outros que não haviam sido eleitos em 2018.

Neste mesmo final de ano de 2019 outra surpresa desagradável caiu sobre os ombros do ministro Moro vindo diretamente de seu superior Bolsonaro. Era a ideia de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas partes, ficando o titular Sérgio Moro com a Justiça, de um lado, e a Segurança Pública, de outro, com um político do interesse do presidente, sendo que a Polícia Federal ficaria neste ministério adicional. Bolsonaro e um grupo de políticos a ele ligados já vinham falando disso em conchavos, soltando notícias esparsas para testar Moro e outros ministros, especialmente os militares, que tinham muito respeito pelo trabalho de Moro. A pressão ficou grande, mas, afinal, a intenção foi dissolvida por motivos variados, não sem já ter criado um forte sentimento de desagrado e desânimo da parte do ministro Moro. Afinal de contas, não era só que o presidente Bolsonaro, que lhe havia oferecido carta-branca na nomeação e condução desse superministério, condizente com o alto prestígio auferido por Moro na opinião pública, o tivesse abandonado, se não boicotado, em relação aos projetos de lei apresentados por Moro ao Congresso Nacional, mas que, a partir de certo tempo, Bolsonaro tinha adquirido o propósito de retirar do controle de Moro a direção da Polícia Federal e dos instrumentos próprios da Segurança Pública.

Bolsonaro não é homem do tipo ameno e afável, para se dizer o mínimo. E talvez também não tenha claro em sua cabeça o quão longe ele pode ir em suas ousadias, ou o quanto ele precisa saber para recuar. Sobretudo em relação a outros homens igualmente independentes. Mas Moro engoliu em seco mais uma afronta pessoal e permaneceu no governo na entrada do ano. Talvez, afinal, Bolsonaro se desse conta de que a diminuição de 22%, em média, da criminalidade nacional no ano de 2019, vitória essencial, embora não exclusiva, de Moro, já era um produto extremamente valioso politicamente do trabalho do ministro Moro. A população brasileira estava muito satisfeita com esse feito, e o prestígio de Moro se elevara aos píncaros, em certo momento ultrapassando o do próprio Bolsonaro, de acordo com os resultados de diversas pesquisas de opinião pública. Diziam as línguas mais intrigantes que Bolsonaro não suportaria a sombra de Moro por muito mais tempo, mas isso já vinha sendo dito a cada mês em que apareciam pesquisas novas.

Enfim, 2019 foi um ano difícil, de poucas alegrias, algumas vitórias e muita intranquilidade. Jair Bolsonaro aperfeiçoara seu repertório de brincadeiras de mau gosto e soltava uma ou outra a três por dois, até para se divertir, pois em seguida arranjava uma desculpa para desmentir o impropério que havia vituperado um pouco antes.  Concomitantemente, a oposição não arrefecera na sua ânsia de levar Bolsonaro ao desespero e à má governança. Políticos conhecidos, magistrados midiáticos, artistas cansados de velha popularidade, blogueiros jejunos, tuiteiros estridentes, eram muitos os que se enfileiravam para detratar Bolsonaro pelo seu governo, pelos seus ministros, pelas suas propostas, pelos seus filhos, até por sua mulher, acusada de tê-lo traído com um ministro (veja só!), as patacoadas de ministros, os acertos dos ministros, o sotaque paranaense de Moro, a fala ingênua de Damares e, acima de tudo, o espírito autoritário que estava não muito escondido no peito arfante de Bolsonaro – tudo foi motivo para escárnio, críticas e desejos de que logo se conseguissem motivos para abrir um processo de impeachment, uma retirada a camisa de força por motivo de loucura, e, da parte de um descompensado Fernando Henrique Cardoso, sequioso por obter por fim o respeito nacional, a cínica admoestação para que Bolsonaro renunciasse do cargo a bem da nação. Ora vejam!

O presidente Bolsonaro e a COVID-19

O flagelo chinês do coronavirus, caracterizado como pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e nomeada COVID-19, teria baixado no Brasil em 26 de fevereiro de 2019 (embora haja suspeitas de que já estaria circulando em janeiro) através de um portador masculino de 51 anos que voltava da Itália, onde o vírus já grassava com força crescente, e desde então já alcança cifras europeias e fatalidades espanholas. Neste 3 de maio[1], somam-se 101.147 brasileiros infectados, dos quais 42.991 já foram curados, 42,813 estão em condições amenas, 8.318 em situação crítica e 7.025 morreram– em todos os estados da União, sendo São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará e Amazonas os mais atingidos, e aumentando. Em um mês provavelmente esse número estará duplicado em todos os aspectos.

O surto começou na China, em fins de dezembro de 2019, em circunstâncias ainda não esclarecidas. A lenda mais pitoresca é que teria surgido do costume dos chineses de comer sopa de morcego, de onde vêm algumas linhagens de vírus corona. No mês de janeiro era uma epidemia que atingira cerca de 10.000 chineses da província de Hubei, cidade de Wuhan, levando 230 pessoas a óbito, e se espalhando para mais 20 países na Ásia e Europa. Em fins de fevereiro, alarme já dado, virara uma pandemia, o Brasil ainda quase imune, e a China com 79.000 infectados, 2.791 mortos. Assim começaram a prognosticar um desastre mundial de proporções incalculáveis. Alguns epidemiologistas muito respeitados projetavam cifras estratosféricas, como 2.000.000 de mortos só nos Estados Unidos. O governo Bolsonaro reconheceu em pouco tempo que a pandemia iria se alastrar pelo país e poderia fazer um estrago impressionante em vidas perdidas. Assim, declarou estado de emergência, aos 4 de fevereiro, cinco dias após a mesma declaração ter sido emitida pela OMS, em 30 de janeiro. Entretanto, visto que não havia ninguém no Brasil com o vírus, tudo parecia meio sem sentido. Os dias de pré-Carnaval já vinham rolando em blocos nos fins de semana, e a partir da sexta-feira, dia 21 de fevereiro, a festa bombou como nunca em todas as cidades, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro, com os novos governadores sequiosos por se exibirem e os prefeitos caprichando cheios de garra para mostrarem-se dignos da consideração de seus eleitores na eleição programada para acontecer em outubro. O festeiro governador de São Paulo, em certo momento, comemorou o Carnaval de rua como o maior do Brasil! Quem te viu, quem te vê! Até prefeitos evangélicos, como Marcelo Crivella, do Rio de Janeiro, contrário a esbórnias momescas, abriu mão de seus escrúpulos religiosos e aderiu de bom grado à efeméride e à alegria dos foliões. Ninguém falava ainda em “últimos dias de Pompeia”, por assim dizer. Não faltaram, evidentemente, foliões estrangeiros nem recém-chegados da Europa, onde o coronavirus já granjeava suas primeiras vítimas.

Depois que o coronavirus deu as caras em São Paulo, dia 26 de fevereiro, mesmo então ainda não havia grandes preocupações. Fiando-se em declarações de médicos, como o famoso Drauzio Varella, que dissera em janeiro que o vírus não iria provocar mais do que uma resfriado, o presidente Bolsonaro já fazia declarações no sentido de minimizar sua virulência e para que a população não entrasse em pânico. No dia 7 de março, com agenda marcada, Bolsonaro arribou a Miami, Estados Unidos, em uma missão de governo para um encontro de trabalho com o presidente Donald Trump, e regressou dia 11.  No programa Fantástico, da rede Globo, dia 15 de março, Drauzio Varella já vê a epidemia com preocupação, recomenda cautela e considera que o vírus vai passar e provavelmente só afetará as pessoas com mais de 70 anos. Alguns dias depois, cerca de vinte pessoas da comitiva presidencial são diagnosticadas com o coronavirus, entre eles o secretário de comunicações e o chefe do cerimonial da presidência, e logo o General Augusto Heleno e o senador Davi Alcolumbre, que nem haviam ido a Miami. Evidentemente, o círculo íntimo da presidência e da alta burocracia havia sido contaminado, tendo um exame dado negativo para o presidente Bolsonaro. Menos mal.

De qualquer forma, o vírus se espalhara por Brasília e pelos lados da burocracia nacional, talvez até de suas cidades satélites. A coisa já parecia que ia ficar muito ruim. Hoje, 53 dias depois, dia 3 de maio, são 1.649 casos, com 33 mortes, no Distrito Federal (aos 13 de maio eram 3.192 infectados e 47 mortes, sendo este último índice bem abaixo da média nacional). Não se pode dizer que a comitiva do presidente Bolsonaro tenha sido o fulcro único ou principal da disseminação do coronavirus por Brasília e suas cidades satélites, mas pôde-se ter uma noção de como o vírus se espalhou, ao mesmo tempo em que fica demonstrada a capacidade de enfrentamento médico da capital da República. Não parece ter havido caso para alarme e pandemônio, visto até que tem havido aglomerações imensas de partidários do presidente em demonstrações de apoio a suas ações e em reação a inimigos reais e imaginários. Será que o vírus discrimina negativamente os partidários de Bolsonaro? A ver.

A pandemia COVID-19 paralisou o Brasil, fechou as escolas, as lojas, as empresas, as fábricas, a economia de modo geral, fez o governo mudar por completo seus projetos para este ano e se planejar para gastar bilhões de reais além do seu orçamento original, desembolsando compensações a desempregados atuais e futuros e a empresas para ajudá-las a complementar os salários de seus funcionários, sem ter que demiti-los, na medida do tempo possível. E, com certeza, tem aumentado o nível de estresse do presidente Bolsonaro, dos seus ministros e auxiliares, e de seus inimigos, que aumentam em número e efervescência a cada dia.

O fato de Bolsonaro não parecer se conformar com a paralisação da nação o tem feito se comportar de forma extremada em várias ocasiões e por motivos variados, de certo modo açulando ainda mais o fervor dos oposicionistas para derrubá-lo do governo, de algum modo. O mês de abril inteiro se passou com parte da população rancorosa pela derrota sofrida e pelo desprezo a Bolsonaro a fazer panelaços pontualmente a partir da 20:30, ao sinal de abertura do Jornal Nacional, aquele mesmo jornal televisivo tão odiado por todos. A união faz a força, dir-se-ia.

Na ânsia de quase literalmente passar por cima da COVID-19, Bolsonaro tem feito gestões de muitas maneiras para criar alternativas às medidas de isolamento vertical das pessoas, decretadas pelo próprio governo, via Ministério da Saúde, como fechamento de lojas, fábricas e todo tipo de serviço de transporte, de restaurante e lazer, inclusive passeios em praias, parques e calçadões. Nota-se nos bairros vizinhos à Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro, que aves e outros bichos silvestres têm aparecido nos arredores das casas com mais frequência, como se tivessem sentido uma mudança no comportamento dos seus vizinhos humanos. As grandes cidades brasileiras ganharam ares de fantasmas, exceto, verdadeiramente, os bairros pobres, onde fervilham pessoas em lojas e em lazer, inclusive com bailes nos finais de semana.

Por umas duas ou três semanas Bolsonaro tentou de muitas maneiras convencer o Ministério da Saúde, e em especial seu ministro, o ex-deputado Luiz Henrique Mandetta, a instruir os hospitais a prescrever um composto de remédios com base na cloroquina ou no seu derivado hidroxicloroquina, junto com o antibiótico azitromicina e mais um composto de zinco, que curaria todo mundo, particularmente se fosse aplicado nos primeiros estágios da doença, já que estava sendo usado e recomendado por alguns médicos na França e no Brasil. Uma boa parte do país ouviu o Dr. Bolsonaro com atenção, porque, afinal de contas, as recomendações da OMS vinham de um chefe que nem médico era e também era ligado aos interesses chineses, que o haviam eleito cabeça dessa importante organização da ONU. Nisso o Dr. Bolsonaro copiava a fala e a angústia de seu ídolo político, Donald Trump. Já o ministro Mandetta, que estava fazendo considerável sucesso televisivo nas tardes em que aparecia para explicar a evolução da doença no Brasil, e suas possíveis progressões e comparações com outros países, foi acometido daquela conhecida ilusão que bate nos ingênuos de que ele já tinha conseguido um destaque entre os ministros e que podia “peitar” o presidente nas decisões sobre saúde, até que chegou no limite da paciência pouca do seu chefe, que prontamente o demitiu, para a consternação de seus auxiliares e dos oposicionistas que exultavam com a petulância do ministro diante de Bolsonaro.

Em meados de abril, Mandetta pelas costas e um novo ministro, sem devaneios políticos, em vista, havia 30.891 infectados, com 1.952 mortes no Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro à frente de todos. Precisamente os estados governados por políticos jejunos cujas eleições haviam dependido fundamentalmente de suas conexões com o candidato Bolsonaro, mas que desde meados do ano passado ambos haviam se rebelado frontalmente e procuravam se distinguir politicamente e em comportamento do seu prévio eleitor maior. Bolsonaro não acata desafios em posição defensiva e logo partiu para o ataque, o qual consistiu em demonstrar que a pandemia não seria tão grave, que havia a cloroquina para ser aplicada e que a economia não podia ficar parada sob o custo de falir o Brasil. Diante da figura melíflua e ciciante do governador Doria, os partidários mais intensos de Bolsonaro começaram a se movimentar para exigir uma flexibilização maior da quarentena. Assim, diversas passeatas e carreatas foram feitas em São Paulo por consecutivos sábados e domingos, as quais repercutiram em outras grandes e médias cidades brasileiras. Um frenesi de contenda política aumentou a temperatura no país ao ponto de alcançar repercussões dilatadas na imprensa mundial. O que é que está acontecendo no Brasil, afinal? Esse presidente é um louco pior do que o Trump?

Bolsonaro x Moro: Ao rei tudo, menos a honra!

A pandemia COVID-19 vai continuar por mais tempo, talvez até setembro, talvez até que surja uma vacina em massa, piorando aqui e acolá, Manaus com seu sistema de saúde em decomposição, arrefecendo aos poucos nas cidades pequenas e médias, as notícias de melhoras em países europeus augurando um novo amanhecer, a China trotando pelo mundo em empáfia de comprador de baratezas, Trump cada vez mais bisonho com seu toupé alaranjado, e as contendas da política nacional comendo fogo pelo Brasil.

Qual o quê, como se estivesse surfando em uma mar de ondas tranquilas da praia da Barra e começasse a se sentir levemente entediado, Bolsonaro volta suas baterias contra a figura sóbria e autocontida do ministro Sérgio Moro declarando em reunião ministerial que vai demitir incontinenti, amanhã, o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, e nomear alguém de sua inteira confiança para que o mantenha ao par dos processos que lhe interessam, como de fato aparece no dia 24 de abril a exoneração de Valeixo no Diário Oficial da União e a nomeação de Alexandre Ramagem Rodrigues, seu policial federal de confiança, amigo de seus filhos. Ao meio dia, Moro envia sua carta de demissão ao Palácio do Planalto e às 14 horas faz um pronunciamento à imprensa expondo, em linguagem fria e pontuada, porém com conteúdo potencialmente explosivo, os motivos de sua demissão e denunciando os propósitos cavilosos do presidente Bolsonaro. Desponta aí uma nova crise política cujas consequências ainda não estão claras, mas certamente serão duradouras.

A demissão de Moro repercute no Brasil e no mundo, e todos se mostram perplexos diante da assombração. Agora, Bolsonaro cai, dizem uns, agora Moro foi para o espaço, dizem outros. Na verdade, os motivos para sua demissão eludem a razão e a imaginação, exceto as dos néscios, por suposto, pois estão muito intricados no coração misterioso do ex-juiz. Alguns diriam, coração sombrio. Talvez nem ele seja capaz de sopesar tudo que levou em consideração para tomar tal radical decisão, em parte em função de aspectos psicológicos que sua consciência, neste momento de sua vida, nem faz questão de saber. E é muito provável que Sérgio Moro seja do tipo de pessoa que pode até discutir as consequências de seus atos com amigos próximos, mas ao final toma suas decisões por algum ponto misterioso e indecidível que surge no horizonte de seu pensamento, não por clareza objetiva. Moro é também um ser trágico. Vê-se isso no exemplo de sua carreira prévia de juiz, nos atos realizados para desvendar os meandros da atuação da corrupção e no jogo complicado de fatores que o levaram a condenar um monte de gente que mal passava por malandro ou esperto, raramente por corrupto, aos olhos do público brasileiro. E agora vê-se estampado em sua face a sua moira, seu destino, em irresolução. Moro está entregue aos deuses e às Parcas, eles que decidirão, nós nem adivinhar podemos.

Num sentido geral pode-se dizer que Moro se demitiu porque não quis ser humilhado por Bolsonaro, seu superior hierárquico e homem reconhecidamente de valor pessoal, que o convidou para ajudar o Brasil a superar seu declínio na moral e nos bons costumes e seu desafortunado crescimento na criminalidade. Foi a cartada política mais festejada nas hostes bolsonaristas, com repercussão positiva até sobre quem não tinha votado no candidato Bolsonaro, a aceitação de Moro ao convite de Bolsonaro para integrar seu governo. Agora, com resultados expressivos no combate à criminalidade no país, com alto reconhecimento e até popularidade, Moro se viu acossado pela sanha de Bolsonaro em querer ter influência direta sobre a cúpula da Polícia Federal, contrariando seus propósitos de campanha de combate ao crime e à corrupção, e até desmoralizando seu compromisso pessoal com o ministro. Moro ainda tentou, junto com alguns ministros militares influentes sobre Bolsonaro, encontrar um meio termo. Se o problema era Valeixo, ele sairia, mas entraria alguém com eficácia e compromisso equivalente. Não, Bolsonaro queria o cargo para colocar o homem de sua confiança, Ramagem, amigo dos filhos, que iria mudar o superintendente do Rio de Janeiro. E, na madrugada do dia seguinte, está o fato consumado no DOU.

Como na peça clássica “O alcaide de Zalamea”, do dramaturgo espanhol, Calderón de La Barca, o infelicitado Pedro Crespo, ao ser confrontado pelo crime que acabara de cometer, declama, indignado, “Ao rei deve-se entregar tudo, seus bens e sua vida, menos a honra, que pertence à alma, que pertence a Deus”, foi o que restou dramaticamente a Moro fazer. Fiquemos assim com a preservação de sua honra como o motivo principal que levou Sérgio Moro a pedir demissão de seu honroso cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública após um ano e quatro meses de sua nomeação.

Por que Bolsonaro é uma figura trágica

Para ser trágico a pessoa não precisa estar ou fazer parte de uma tragédia. Ela própria pode ser a criadora de uma tragédia ou simplesmente a protagonista inesperada dentro de uma tragédia que acontece num mundo que está longe de ser uma sociedade estável, balanceada e com alguma clareza sobre seu futuro. Ao contrário, pode-se até dizer que o Brasil é um criatório de tragédias coletivas, continuamente condenado, como Sísifo, a rolar uma pedra ladeira acima para, ao menor vacilo de descuido, vê-la rolar ladeira abaixo atropelando o que tinha sido construído. E exclamaríamos em uníssono: Brasil, país das tragédias. Nem tanto, nem tanto.

Os gregos clássicos, em tempos de Ésquilo, Sófocles e Eurípedes, no século V antes de Cristo, é que criaram o gênero literário da tragédia para fazer entender aos seus compatriotas que a vida dos homens não é dirigida de modo algum pela vontade e lucidez de cada um, mas sim, que há forças acima dos homens que os levam a vencer batalhas incríveis, a realizar atos grandiosos ou heróicos para, em pouco tempo descambar do alto do pedestal em derrocada pessoal, carregando consigo a desgraça de muitos, ou a cometer em desvarios incontroláveis atos ignóbeis. O homem que sobe e que desce é sempre o mesmo.

O homem que se eleva no conceito de sua sociedade por atos extraordinários e o faz pensando que é ele o agente único de seus atos se excede em auto-satisfação e acomete daquilo que os gregos chamam de hubris (hybris), isto é, se enche de soberba, o pecado do desmesurado amor a si próprio. Quando isso acontece, na visão dos gregos, os deuses que, por trás, o estavam ajudando a realizar façanhas extra-humanas e atos heróicos, se dão conta de que esse suposto herói foi além da conta, que ele pretende, na verdade, virar um deus ele próprio. E aí os deuses antes benevolentes, se juntam ou até disputam entre si para derrubá-lo de seu alto pedestal inflamado de orgulho e vaidade. Fica claro que a explicação mitológica dos gregos não carece de qualquer enfeite psicológico, muito menos psicanalítico. Ela está muito profundamente aquém desse pântano moderno de justificativas para os atos humanos. Dizendo bem claro, e ao ponto, Bolsonaro não é um homem claramente aloprado porque no fundo sente alguma culpa por seu passado que precisa redimir ou ser perdoado.

Contudo, tampouco pode-se afirmar, sem evitar a fantasia, que Bolsonaro seja um escolhido dos deuses, nem que seja tomado de soberba. Ou pode? O que ele já alcançou a partir de sua humilde posição de caipira paulista, oficial menor do Exército, deputado federal do baixo clero, sem ideias nem liderados, tosco como o quê, ridicularizado por metade da população que o conhecia antes, e por crescente metade que o conhece agora, Bolsonaro é muito mais que qualquer bem-nascido de São Paulo ou do Ceará sonhara ser, não, tivera certeza de que um dia seria. O capitão sem meias palavras, agressivo como um pica-pau, desfazedor de mistificações políticas e sociais, quase um Sócrates expondo as inconsistências dos seus adversários e as hipocrisias dos bem-pensantes, virou MITO num átimo de tempo, num tempo mitológico, não real, tendo combatido minotauros e ciclopes, desprezando sereias e medusas encantatórias, como se fosse Ulisses arribando a Ítaca, aquela Pasárgada onde só os bem-afortunados chegam. Por que, como, por qual merecimento Bolsonaro foi aspergido por tanta graça, tanta fortuna, tanta sorte, tanto carisma para arrebatar multidões de brasileiros com esperança de que ele viria para “salvar” o Brasil de suas desgraças mais recentes – não mais fome, nem deseducação – porém o flagelo mais cruento da violência terrificante, da criminalidade fustigante e da corrupção desmoralizante para toda uma nação. E mais: a incompetência generalizada que degrada a vontade de ser correto, o preconceito aviltante contra os desfavorecidos e especialmente os remediados e os batalhadores que acordaram para exercer suas potencialidades, gente que se orgulha de ser caipira, brega, evangélica, moralista e patriota e que vem sonhando em encontrar seu espaço na civilização brasileira. Não só encontrar, mas também ajudar a modular essa civilização à sua imagem e semelhança. Será difícil para o establishment brasileiro muito ancho de si derrubar Bolsonaro batendo frigideiras por trinta minutos às 20:30 ou gritando que ele é um animal descontrolado.

Os deuses, não os grandes, mas os menores, os invejosos – é que irão desbastar Bolsonaro de sua soberba. E a hora, infelizmente, está chegando ligeira.

Os impasses trágicos do Brasil e sua luta pela superação

Bolsonaro, Moro, Lula são figuras trágicas de nosso tempo, como o foram Getúlio Vargas, Jânio Quadros e uns poucos outros na nossa história recente. Esses antigos subiram alto e caíram desglorificados. Os três primeiros estão sendo perseguidos pelas Parcas. Muitos brasileiros, no seu afã de ser vira-lata, em sua inconsequência em não se saber parte de um todo em transformação, veem o Brasil como um país trágico pelo tanto de oportunidades que ele já teria perdido. Cada qual conta sua versão em seu tempo. Tipos como Bolsonaro, na corda bamba, e, lembrando bem, para o desgosto de alguns, Brizola e Tancredo, são nossos representantes trágicos que não conseguiram levar adiante o andor da história onde deveriam ter chegado. Acabam, como diz a sabedoria popular, nadando, nadando para morrer na praia. E com eles também o Brasil parece morrer na praia.

É muito para lamentar que o presidente Bolsonaro já não conseguirá levar adiante o mínimo que ele prometera que conseguiria. Esse mínimo seria essencial para o país se dar conta de que estava caminhando por dentro de uma bruma parcialmente espargida por nós próprios, pelo suor de nossos corpos em estremecimentos doidivanos, nossa moira, ao que parece, nosso ímpeto autofágico, talvez um tanto desmiolados ou catatônicos caminhando como se fora por uma selva áspera e forte sem ter qualquer noção de onde está o caminho certo e aonde vai dar. Essa bruma não será despargida e o caminho tornado ensolarado enquanto prevalecer o predomínio de uma única visão dominante de nós mesmos, a qual é imposta e instrumentalizada pelo segmento intelectualizado das classes médias como se fora não alguma essência do brasileiro, e sim, um ideal urdido e maquinado daquilo que o brasileiro deve ser.

Os brasileiros que votaram em Bolsonaro em 2018 estão hoje nas ruas sob o perigoso risco de se contaminarem por uma doença traiçoeira e feroz porque não querem abrir mão de uma vitória que os colocou na ribalta do teatro da vida nacional, onde nunca haviam estado. Não há entre eles nenhum Shakespeare, nenhum Álvares de Azevedo, nenhum Dias Gomes, nenhum Nelson Rodrigues para construir uma tragédia como adivinhação, como premonição e como lição. Deles só se há de ouvir impropérios emotivos, versos estridentes desconjuntados, tramas de churrascos e de botequins, como os que saem da boca de seu líder. Entretanto, foram eles em grande parte que construíram o Brasil pelos espaços abertos, fixando corrutelas e arrabaldes por onde quer que passassem, tropeiros do Norte e do Sul tangendo gado e levando cargas de civilização, em busca de um Eldorado que jamais existiu. Eles creem que existirá.

Os tropeiros e assentados de outrora mandaram seus filhos e filhas para as cidades e lá estão eles crescidos buscando seu espaço de liberdade, trabalhando com dureza raramente arrefecida, por muito tempo engurujados em sua timidez e humildade de quem se sente gente de fora, mas agora já cientes de que são gente de dentro, a desafogar toda sua sentida opressão virada mágoa. Não há mais como refreá-los pela engambelação tradicional.

Do lado confortável da vida brasileira, aquele estamento social onde todos se acomodam pelo patrimonialismo, pelos direitos garantidos em cláusulas pétreas e também divinizadas, pelo espírito de corporativismo, pela parentela e pelo clã, há uma mínima minoria que, dizem os economistas, tem o poder real nas mãos, e uma maldizente classe média empoleirada a se bicar por posições mais estratégicas para servir ao poder ou a querer o poder, sem saber como adquiri-lo, sem suportar estar de fora do poder, sem deixar de se consolar olhando de cima para baixo e cagando acintosamente em que passa por baixo.

Uma nação com potencial de grandiosidade não persiste desse jeito, está evidente. A humanidade da atualidade nos olha boquiaberta e a humanidade extemporânea não nos perdoará por vivermos em picuinhas. Bolsonaro, o trágico herói, já mito em vida, sucumbirá como imolação da tragédia e, em remissão, ganhará estátua de bronze nos jardins do nosso Partenon, junto a Bonifácio, Rondon, Getúlio, e luminares como Nelson Rodrigues, Gilberto Freyre, Darcy Ribeiro, Luiz Sérgio Sampaio e outros, como homens que lutaram e se sacrificaram para grudar as juntas e os cacos da nação em um conjunto promissor. Talvez não agora, porém, mais dia, menos dia, isso acontecerá, o sol haverá de brilhar mais uma vez.

[1] No dia 13 de maio, eram 189.157 infectados, 78.494 recuperados, 97.584 em situações amenas, 8.318 em condições críticas e 13.149 mortos.

Mércio Gomes, antropólogo, é autor de O Brasil Inevitável (Topbooks, 2019).

Se os adultos não estragarem as coisas, o COVID-19 pode ter efeito positivo na vida política do Brasil

Renzo Taddei – 25 de março de 2020

Hoje, pela manhã, em conversa por WhatsApp com parentes quarentenados, ao falarmos sobre o pronunciamento do Bolsonaro da noite de ontem, um adolescente da família postou um emoticon de careta e disparou: “qual o problema desse cara?” Mais tarde, encontrei nas redes sociais vídeo postado por um grande amigo argentino, Hugo Partucci, em que ele toca, ao violão, canção composta por seu grupo artístico há alguns anos, e que fala de um adulto que, vivendo a perseguição política da ditadura argentina, coloca uma criança para dormir e deseja a ela que tenha bons sonhos. De repente, numa dessas associações de ideias que aparecem de forma espontânea na mente, ocorreu-me que, se nós, adultos, não estragarmos as coisas, o COVID-19 pode melhorar tremendamente a vida política do Brasil.

A ideia, algo contra intuitiva, reconheço, é a seguinte: as pessoas da minha geração (tenho 47), com margem de variação de menos ou mais quinze anos, viram as coisas darem mais ou menos certo da forma bastante errada na política brasileira, e com isso desenvolveram uma atitude cínica com relação ao processo político, de maneira geral. Este cinismo se manifesta, de forma explícita ou nas profundezas do subconsciente, no pensamento algo recorrente que diz que eleições não servem pra nada, que são um imenso teatro para manter as mesmas elites de sempre no poder. Com o Bolsonaro no Planalto, se a juventude entender o que está acontecendo sem herdar nossos vícios de pensamento e nossas emoções apodrecidas, as coisas podem mudar. Que criança ou jovem que tenha memória, no futuro, do que está acontecendo agora vai pensar que as eleições não são importantes? Ocorre, no entanto, que podemos estragar tudo se não tivermos cuidado.

Quando digo que as coisas deram certo da forma errada, refiro-me especificamente ao fato de que no Brasil, desde o fim da ditadura, as coisas caminham mas nunca segundo as aspirações da população. O país se redemocratizou, mas o movimentos Diretas Já não teve sucesso; posteriormente, o processo democrático se estruturou de forma lenta e insegura, com Sarney, Collor, Itamar e FHC, sem que as elites que defendem políticas excludentes tivessem arredado pé do governo por um segundo sequer. O consolo vinha sempre na forma do mantra “O Brasil é uma democracia jovem”. Com o PT no governo, as ânsias e desejos do passado se reascenderam; houve um período de êxtase na juventude progressista, enquanto o Lula distribuía o excedente do dinheiro do pré-sal, associava-se aos banqueiros e não fazia as reformas necessárias nem uma distribuição de renda estrutural e efetiva. Quando a coisa toda desmoronou, veio junto o que restava de esperança naquela geração de jovens no processo político. Sobrou desesperança e amargura, mesmo que em um país mais rico, mais educado e menos desigual do que há 30 anos.

Tenho amigos e parentes que, antilulisticamente, ajudaram a colocar o Bolsonaro no poder. A grande maioria parou de dizer “ah, mais no tempo do PT…” quando o governo Bolsonaro começou a patinar no seu tratamento da epidemia. Depois do pronunciamento de ontem, praticamente todos eles estão gritando “impeachment” nas redes sociais. E o que está fazendo a maioria dos que sempre foram mais politicamente alinhados comigo? Está postando mensagens de ódio, do tipo “deixa eu avisar que eu lembro de cada pessoa da minha lista de contatos que votou no Bolsonaro”, ou inserindo a expressão “eu avisei” nos seus nomes, em seus perfis de redes sociais. Até ontem, isso não me espantava. Hoje de manhã ocorreu-me que podemos estrar estragando a única oportunidade que nos resta de ver o processo político melhorar.

Em que contexto político um grupo vê o rival mudar para o seu lado, e ao invés de congratular-se, reage com ódio? Nossa geração está destruindo o pouco que sobrou da política – com ajuda dos algoritmos das redes sociais, sem dúvida. Em algum momento paramos de fazer política, aquela estruturada ao redor da ideia de que os outros têm direito de pensar diferente e a melhor forma de lidar com isso é exatamente que eles venham dizer isso na nossa cara, e escutem o que temos a dizer a respeito. O processo político virou a válvula de escape de nossas frustrações e da nossa raiva. No processo eleitoral, parecia que os antipestistas eram os que estavam votando com o sistema digestivo. Depois das eleições, aparentemente todo o país passou a viver a política de forma gástrica, e nada mais. A reação mais natural, por ser espontânea e porque já a naturalizamos, é insultar o Bolsonaro quando temos que mencionar o seu nome.

Ocorre, no entanto, que isso pode ter consequências terríveis a longo prazo. Mudemos um pouco a perspectiva da cena: saia dos teus olhos e entre nos da criança que te observa, enquanto você, aos brados, diz que o presidente é um jumento, um palhaço, um imbecil, um retardado, uma pilha de esterco, um psicopata, um monstro, um assassino, um genocida. O que você acha que está acontecendo no pensamento desta criança?

Se há lições a serem aprendidas com o COVID-19, acredito que uma das mais importantes não seja para a nossa geração, mas para a das crianças e jovens. Se eles entenderem que o que causou isso, de forma mais imediata, foi o voto, e que é pelo voto que isso pode ser evitado, jamais terão atitude cínica como a nossa. O processo democrático no futuro será mais maduro e verdadeiro.

Só não vai acontecer se contaminarmos a percepção que os jovens têm da política, com tanto refluxo verbal, de modo que eles não sejam capazes de perceber que o momento atual mostra, com clareza que minha geração nunca teve, o valor que o voto tem. É preciso que admitamos, então, nossas limitações, para que possamos ajudar as crianças e jovens a construírem realidade melhor do que a nossa.

Para tanto, é preciso tratar dos sentimentos que temos dentro de nós, sobre o governo, sobre o papel que o estado-nação tem em nossas vidas, sobre a forma como nos fizemos dependentes e vulneráveis a coisas que não controlamos; precisamos tentar aprender com quem vive de forma mais autônoma, livre e em paz, e precisamos trabalhar para que a relação entre o estado e as pessoas seja mais saudável no futuro. É possível que não sejamos mais capazes de consertar isso; o que estou argumentando aqui é que talvez nossos filhos o sejam, e não devemos atrapalhá-los com nossas limitações. O elemento mais inconveniente do fato de que nossa reação às ações do Bolsonaro é gastrointestinal é não conseguirmos fazer efetivamente nada que mude as coisas com isso. Há, inclusive, a possibilidade de que isso seja estratégia bolsonarista. Quem consegue pensar de forma politicamente estratégica, hoje, não está dando chilique.

Isso tudo passa, a meu ver, por não alienar os jovens do que está acontecendo, no sentido de “protegê-los”. Quando fazemos isso, estamos apenas materializando o pensamento de que eles não poderão ser melhores do que somos e fomos. Quem pensa assim não está colocando a devida atenção em quem são as crianças e jovens de hoje. Ao invés de pautar sua compreensão da realidade pelo programa do Datena ou do Ratinho, olhe ao seu redor, escute as conversas das crianças e jovens, e compare com o que éramos a três ou quatro décadas. Tenho a impressão forte de que muita gente nesta geração nova é mais capaz de empatia, de colaboração, de amor e de perdão do que éramos (e somos).

É preciso encontrar formas de fazer os jovens entenderem o que está acontecendo sem repetir neles nossas limitações emocionais, nossa incapacidade de manter a serenidade, nossos traumas. Por isso, antes de falar aos jovens sobre o que deveria estar acontecendo e não está, tomemos o tempo de tentar analisar o que se passa com nossas emoções, com nossa necessidade de descarregar as emoções negativas através da política (o que aniquila a capacidade da política ser tudo o que poderia). E trata-se mais de postura afetiva do que de ação: podemos e devemos bater panela, assinar petições pedindo o impeachment, participar de manifestações de rua quando o perigo do COVID-19 estiver controlado, e estarmos preparados para a desobediência civil. Mas agindo com a cabeça, e não com os intestinos. Crianças e jovens são imensamente capazes de perceber o que nos move, e isso pode deixar neles marca profunda, positiva ou negativa.

Se fizermos isso tudo – o que vai tomar algum tempo e não vai ser fácil -, podemos pelo menos contribuir para a formação de uma nova geração que será imensamente mais capaz de viver em comunidade e resolver seus problemas de forma pacífica e colaborativa. O ponto central do meu pensamento, entenda-se bem, não é transferir aos jovens a responsabilidade de resolver algo que não fomos capazes. É apenas aproveitar a intervenção drástica e em escala planetária do COVID-19 para que tratemos nossas feridas politico-emocionais, e sejamos capazes de deixar que a crise seja uma lição de crescimento civilizacional para crianças e jovens. Se isso vai ser amargo ou sereno para eles, depende muito de como nossas emoções embotadas afetarão a mensagem.

The anti-quarantine protests seem spontaneous. But behind the scenes, a powerful network is helping (Washington Post)

washingtonpost.com

Isaac Stanley-Becker and Tony Romm, April 22, 2020

A network of right-leaning individuals and groups, aided by nimble online outfits, has helped incubate the fervor erupting in state capitals across the country. The activism is often organic and the frustration deeply felt, but it is also being amplified, and in some cases coordinated, by longtime conservative activists, whose robust operations were initially set up with help from Republican megadonors.

The Convention of States project launched in 2015 with a high-dollar donation from the family foundation of Robert Mercer, a billionaire hedge fund manager and Republican patron. It boasts past support from two members of the Trump administration — Ken Cuccinelli, acting director of U.S. Citizenship and Immigration Services, and Ben Carson, secretary of housing and urban development.

It also trumpets a prior endorsement from Ron DeSantis, the Republican governor of Florida and a close Trump ally who is pursuing an aggressive plan to reopen his state’s economy. A spokesman for Carson declined to comment. Cuccinelli and DeSantis did not respond to requests for comment.

The initiative, aimed at curtailing federal power, is now leveraging its sweeping national network and digital arsenal to help stitch together scattered demonstrations across the country, making opposition to stay-at-home orders appear more widespread than is suggested by polling.

“We’re providing a digital platform for people to plan and communicate about what they’re doing,” said Eric O’Keefe, board president of Citizens for Self-Governance, the parent organization of the Convention of States project.

A longtime associate of the conservative activist Koch family, O’Keefe helped manage David Koch’s 1980 bid for the White House when he served as the No. 2 on the Libertarian ticket.

“To shut down our rural counties because of what’s going on in New York City, or in some sense Milwaukee, is draconian,” said O’Keefe, who lives in Wisconsin.

Polls suggest most Americans support local directives encouraging them to stay at home as covid-19, the disease caused by the new coronavirus, ravages the country, killing more than 44,000 people in the United States so far. Public health officials, including epidemiologists advising Trump’s White House, agree that sweeping restrictions represent the most effective mitigation strategy in the absence of a vaccine, which could be more than a year away.

Still, some activists insist that states should lift controls on commercial activity and public assembly, citing the effects of mass closures on businesses. They have been encouraged at times by Trump, whose attorney general, William P. Barr, said in an interview with radio host Hugh Hewitt on Tuesday that the Justice Department would consider supporting lawsuits against restrictions that go “too far.”

The swelling frustration on the right coincides with major policy changes in some states, especially those with Republican governors. Georgia, South Carolina and Tennessee have all begun relaxing their restrictions in recent days after bowing to pressure and imposing far-reaching guidelines.

The protests are reminiscent in some ways of the tea party movement and the demonstrations against the Affordable Care Act that erupted in 2010, which also involved a mix of homegrown activism and shrewd behind-the-scenes funding.

For the Convention of States, public health is an unusual focus. It was founded to push for a convention that would add a balanced-budget amendment to the Constitution. That same anti-government impulse is now animating the group’s campaign against coronavirus precautions.

“Heavy-handed government orders that interfere with our most basic liberties will do more harm than good,” read its Facebook ads, which had been viewed as many as 36,000 times as of Tuesday evening.

Asking for a $5 donation “to support our fight,” the paid posts are part of an online blitz called “Open the States,” which also includes newly created websites, a data-collecting petition and an ominous video about the economic effects of the lockdown.

The group’s president, Mark Meckler, said his aim was to act as a “clearinghouse where these guys can all find each other” — a role he learned as co-founder of the Tea Party Patriots. FreedomWorks, a libertarian advocacy group also active in the tea party movement, is seeking to play a similar function, creating an online calendar of protests.

“The major need back in 2009 was no different than it is today — some easy centralizing point to list events, to allow people to communicate with each other,” he said.

Meckler, who draws a salary of about $250,000 from the Convention of States parent group, a tax-exempt nonprofit organization, according to filings with the Internal Revenue Service, hailed the “spontaneous citizen groups self-organizing on the Internet and protesting what they perceive to be government overreach.”

So far, the protests against stay-at-home orders in states including Washington and Pennsylvania have captured headlines and drawn rebukes from some governors and epidemiologists. Experts say a sudden, widespread reopening of the country is likely to worsen the outbreak, overwhelming hospitals and killing tens of thousands.

The protesters so far have not aimed their ire at Trump, though it is his administration’s experts whose guidelines underlie many of the states’ actions.

Trump’s public comments — including his recent tweets calling for supporters to “liberate” states including Michigan, a coronavirus hot spot — have catalyzed some of the broader public reaction. Following those tweets, tens of thousands of people joined Facebook groups calling for protests in states including Pennsylvania and Ohio, where the efforts are coordinated by a trio of brothers who typically focus their efforts on fighting gun control.

In recent days, conservatives have set their sights on Wisconsin, where a few dozen protesters turned out at the Capitol to air their frustrations with Gov. Tony Evers, a Democrat, after he extended his state’s stay-at-home order until late May. Ahead of the demonstration, Moore, the Trump ally, revealed on a live stream that he was “working with a group” in the state with the goal of trying “to shut down the capital.”

Moore, who served as a Trump campaign adviser in 2016, said he had located a big donor to aid in the effort, though he never elaborated. “I told him about this, and he said, ‘Steve, I promise to pay the bail and legal fees for anyone who gets arrested,’ ” Moore said in the video. He likened his quest to the civil rights movement, adding, “We need to be the Rosa Parks here and protest against these government injustices.”

Moore, who has also worked at the right-leaning Heritage Foundation, did not respond to a request for comment.

In Michigan, among those organizing “Operation Gridlock” was Meshawn Maddock, who sits on the Trump campaign’s advisory board and is a prominent figure in the “Women for Trump” coalition. Funds to promote the demonstrations on Facebook came from the Michigan Freedom Fund, which is headed by Greg McNeilly, a longtime adviser to the family of Education Secretary Betsy DeVos.

McNeilly said the money used to advance the anti-quarantine protests came from “grass-roots fundraising efforts” and had “nothing to do with any DeVos work.”

Many of the seemingly scattered, spontaneous outbursts of citizen activism reflect deeply interwoven networks of conservative and libertarian nonprofit organizations. One of the most vocal groups opposing the lockdown in Texas is an Austin-based conservative think tank called the Texas Public Policy Foundation, which also hails the demonstrations nationwide.

“Some Americans are angry,” its director wrote in an op-ed promoted on Facebook and placed in the local media, telling readers in Texas about the achievements of protesters in Michigan.

The board vice chairman of the Texas Public Policy Foundation, oil executive Tim Dunn, is also a founding board member of the group promoting the Convention of States initiative. And the foundation’s former president, Brooke Rollins, now works as an assistant to Trump in the Office of American Innovation.

Neither Dunn nor Rollins responded to requests for comment.

The John Hancock Committee for the States — the name used in IRS filings by the group behind the Convention of States — gave more than $100,000 to the Texas Public Policy Foundation in 2011.

The Convention of States project, meanwhile, has received backing from DonorsTrust, a tax-exempt financial conduit for right-wing causes that does not disclose its contributors. The same fund has helped bankroll the Idaho Freedom Foundation, which is encouraging protests of a stay-at-home order imposed by the state’s Republican governor, Brad Little.

“Disobey Idaho,” say its Facebook ads, which use an image of the “Join or Die” snake woodcut emblematic of the Revolutionary War and later adopted by the tea party movement.

In 2014, the year before it launched the Convention of States initiative, Citizens for Self-Governance received $500,000 from the Mercer Family Foundation, a donation Meckler said helped jump-start the campaign. Mercer declined to comment.

While groups and individual activists associated with the Koch brothers have boosted this far-flung network, Emily Seidel, the chief executive of the Koch-backed Americans for Prosperity advocacy group, sought to distance the organization from the protest activity, which she said was “not the best way” to “get people back to work.”

“Instead, we are working directly with policymakers, to bring business leaders and public health officials together to help develop standards to safely reopen the economy without jeopardizing public health,” Seidel said.

But others see linkages to groups pushing anti-quarantine uprisings.

“The involvement of the Koch institutional apparatus in groups supporting these protests is clear to me,” said Robert J. Brulle, a sociologist at Drexel University whose research has focused on climate lobbying. “The presence of allies on the board usually means that they are deeply engaged in the organization and most likely a funder.”

Brulle said the blowback against the coronavirus precautions carries echoes of efforts to deny climate change, both of which rely on hostility toward government action.

“These are extreme right-wing efforts to delegitimize government,” he said. “It’s an anti-government crusade.”

Yuval Noah Harari: the world after coronavirus (FT)

ft.com

This storm will pass. But the choices we make now could change our lives for years to come.

Yuval Noah Harari – March 20, 2020

Humankind is now facing a global crisis. Perhaps the biggest crisis of our generation. The decisions people and governments take in the next few weeks will probably shape the world for years to come. They will shape not just our healthcare systems but also our economy, politics and culture. We must act quickly and decisively. We should also take into account the long-term consequences of our actions. When choosing between alternatives, we should ask ourselves not only how to overcome the immediate threat, but also what kind of world we will inhabit once the storm passes. Yes, the storm will pass, humankind will survive, most of us will still be alive — but we will inhabit a different world. 

Many short-term emergency measures will become a fixture of life. That is the nature of emergencies. They fast-forward historical processes. Decisions that in normal times could take years of deliberation are passed in a matter of hours. Immature and even dangerous technologies are pressed into service, because the risks of doing nothing are bigger. Entire countries serve as guinea-pigs in large-scale social experiments. What happens when everybody works from home and communicates only at a distance? What happens when entire schools and universities go online? In normal times, governments, businesses and educational boards would never agree to conduct such experiments. But these aren’t normal times. 

In this time of crisis, we face two particularly important choices. The first is between totalitarian surveillance and citizen empowerment. The second is between nationalist isolation and global solidarity. 

Under-the-skin surveillance

In order to stop the epidemic, entire populations need to comply with certain guidelines. There are two main ways of achieving this. One method is for the government to monitor people, and punish those who break the rules. Today, for the first time in human history, technology makes it possible to monitor everyone all the time. Fifty years ago, the KGB couldn’t follow 240m Soviet citizens 24 hours a day, nor could the KGB hope to effectively process all the information gathered. The KGB relied on human agents and analysts, and it just couldn’t place a human agent to follow every citizen. But now governments can rely on ubiquitous sensors and powerful algorithms instead of flesh-and-blood spooks. 

l Colosseo - Roma webcams of Italy project. by Graziano Panfili
The Colosseum in Rome
Piazza Beato Roberto a Salle Pescara webcams of Italy project. by Graziano Panfili
Piazza Beato Roberto in Pescara © Graziano Panfili

In their battle against the coronavirus epidemic several governments have already deployed the new surveillance tools. The most notable case is China. By closely monitoring people’s smartphones, making use of hundreds of millions of face-recognising cameras, and obliging people to check and report their body temperature and medical condition, the Chinese authorities can not only quickly identify suspected coronavirus carriers, but also track their movements and identify anyone they came into contact with. A range of mobile apps warn citizens about their proximity to infected patients. 

About the photography

The images accompanying this article are taken from webcams overlooking the deserted streets of Italy, found and manipulated by Graziano Panfili, a photographer living under lockdown

This kind of technology is not limited to east Asia. Prime Minister Benjamin Netanyahu of Israel recently authorised the Israel Security Agency to deploy surveillance technology normally reserved for battling terrorists to track coronavirus patients. When the relevant parliamentary subcommittee refused to authorise the measure, Netanyahu rammed it through with an “emergency decree”.

You might argue that there is nothing new about all this. In recent years both governments and corporations have been using ever more sophisticated technologies to track, monitor and manipulate people. Yet if we are not careful, the epidemic might nevertheless mark an important watershed in the history of surveillance. Not only because it might normalise the deployment of mass surveillance tools in countries that have so far rejected them, but even more so because it signifies a dramatic transition from “over the skin” to “under the skin” surveillance. 

Hitherto, when your finger touched the screen of your smartphone and clicked on a link, the government wanted to know what exactly your finger was clicking on. But with coronavirus, the focus of interest shifts. Now the government wants to know the temperature of your finger and the blood-pressure under its skin. 

The emergency pudding

One of the problems we face in working out where we stand on surveillance is that none of us know exactly how we are being surveilled, and what the coming years might bring. Surveillance technology is developing at breakneck speed, and what seemed science-fiction 10 years ago is today old news. As a thought experiment, consider a hypothetical government that demands that every citizen wears a biometric bracelet that monitors body temperature and heart-rate 24 hours a day. The resulting data is hoarded and analysed by government algorithms. The algorithms will know that you are sick even before you know it, and they will also know where you have been, and who you have met. The chains of infection could be drastically shortened, and even cut altogether. Such a system could arguably stop the epidemic in its tracks within days. Sounds wonderful, right?

The downside is, of course, that this would give legitimacy to a terrifying new surveillance system. If you know, for example, that I clicked on a Fox News link rather than a CNN link, that can teach you something about my political views and perhaps even my personality. But if you can monitor what happens to my body temperature, blood pressure and heart-rate as I watch the video clip, you can learn what makes me laugh, what makes me cry, and what makes me really, really angry. 

It is crucial to remember that anger, joy, boredom and love are biological phenomena just like fever and a cough. The same technology that identifies coughs could also identify laughs. If corporations and governments start harvesting our biometric data en masse, they can get to know us far better than we know ourselves, and they can then not just predict our feelings but also manipulate our feelings and sell us anything they want — be it a product or a politician. Biometric monitoring would make Cambridge Analytica’s data hacking tactics look like something from the Stone Age. Imagine North Korea in 2030, when every citizen has to wear a biometric bracelet 24 hours a day. If you listen to a speech by the Great Leader and the bracelet picks up the tell-tale signs of anger, you are done for.

Veduta della casa universitaria - Lodi webcams of Italy project. by
Veduta della Casa Universitaria in Lodi © Graziano Panfili
Spiaggia di Porto San Giorgio Mare Adriatico - Fermo webcams of Italy project. by Graziano Panfili
Spiaggia di Porto San Giorgio, Mare Adriatico © Graziano Panfili

You could, of course, make the case for biometric surveillance as a temporary measure taken during a state of emergency. It would go away once the emergency is over. But temporary measures have a nasty habit of outlasting emergencies, especially as there is always a new emergency lurking on the horizon. My home country of Israel, for example, declared a state of emergency during its 1948 War of Independence, which justified a range of temporary measures from press censorship and land confiscation to special regulations for making pudding (I kid you not). The War of Independence has long been won, but Israel never declared the emergency over, and has failed to abolish many of the “temporary” measures of 1948 (the emergency pudding decree was mercifully abolished in 2011). 

Even when infections from coronavirus are down to zero, some data-hungry governments could argue they needed to keep the biometric surveillance systems in place because they fear a second wave of coronavirus, or because there is a new Ebola strain evolving in central Africa, or because . . . you get the idea. A big battle has been raging in recent years over our privacy. The coronavirus crisis could be the battle’s tipping point. For when people are given a choice between privacy and health, they will usually choose health.

The soap police

Asking people to choose between privacy and health is, in fact, the very root of the problem. Because this is a false choice. We can and should enjoy both privacy and health. We can choose to protect our health and stop the coronavirus epidemic not by instituting totalitarian surveillance regimes, but rather by empowering citizens. In recent weeks, some of the most successful efforts to contain the coronavirus epidemic were orchestrated by South Korea, Taiwan and Singapore. While these countries have made some use of tracking applications, they have relied far more on extensive testing, on honest reporting, and on the willing co-operation of a well-informed public. 

Centralised monitoring and harsh punishments aren’t the only way to make people comply with beneficial guidelines. When people are told the scientific facts, and when people trust public authorities to tell them these facts, citizens can do the right thing even without a Big Brother watching over their shoulders. A self-motivated and well-informed population is usually far more powerful and effective than a policed, ignorant population. 

Consider, for example, washing your hands with soap. This has been one of the greatest advances ever in human hygiene. This simple action saves millions of lives every year. While we take it for granted, it was only in the 19th century that scientists discovered the importance of washing hands with soap. Previously, even doctors and nurses proceeded from one surgical operation to the next without washing their hands. Today billions of people daily wash their hands, not because they are afraid of the soap police, but rather because they understand the facts. I wash my hands with soap because I have heard of viruses and bacteria, I understand that these tiny organisms cause diseases, and I know that soap can remove them. 

"a Reggia di Caserta webcams of Italy project. by
The Royal Palace of Caserta © Graziano Panfili
"Lungomare di Forte dei Marmi - Versilia. webcams of Italy project. by
Lungomare di Forte dei Marmi, in Versilia © Graziano Panfili

But to achieve such a level of compliance and co-operation, you need trust. People need to trust science, to trust public authorities, and to trust the media. Over the past few years, irresponsible politicians have deliberately undermined trust in science, in public authorities and in the media. Now these same irresponsible politicians might be tempted to take the high road to authoritarianism, arguing that you just cannot trust the public to do the right thing. 

Normally, trust that has been eroded for years cannot be rebuilt overnight. But these are not normal times. In a moment of crisis, minds too can change quickly. You can have bitter arguments with your siblings for years, but when some emergency occurs, you suddenly discover a hidden reservoir of trust and amity, and you rush to help one another. Instead of building a surveillance regime, it is not too late to rebuild people’s trust in science, in public authorities and in the media. We should definitely make use of new technologies too, but these technologies should empower citizens. I am all in favour of monitoring my body temperature and blood pressure, but that data should not be used to create an all-powerful government. Rather, that data should enable me to make more informed personal choices, and also to hold government accountable for its decisions. 

If I could track my own medical condition 24 hours a day, I would learn not only whether I have become a health hazard to other people, but also which habits contribute to my health. And if I could access and analyse reliable statistics on the spread of coronavirus, I would be able to judge whether the government is telling me the truth and whether it is adopting the right policies to combat the epidemic. Whenever people talk about surveillance, remember that the same surveillance technology can usually be used not only by governments to monitor individuals — but also by individuals to monitor governments. 

The coronavirus epidemic is thus a major test of citizenship. In the days ahead, each one of us should choose to trust scientific data and healthcare experts over unfounded conspiracy theories and self-serving politicians. If we fail to make the right choice, we might find ourselves signing away our most precious freedoms, thinking that this is the only way to safeguard our health.

We need a global plan

The second important choice we confront is between nationalist isolation and global solidarity. Both the epidemic itself and the resulting economic crisis are global problems. They can be solved effectively only by global co-operation. 

First and foremost, in order to defeat the virus we need to share information globally. That’s the big advantage of humans over viruses. A coronavirus in China and a coronavirus in the US cannot swap tips about how to infect humans. But China can teach the US many valuable lessons about coronavirus and how to deal with it. What an Italian doctor discovers in Milan in the early morning might well save lives in Tehran by evening. When the UK government hesitates between several policies, it can get advice from the Koreans who have already faced a similar dilemma a month ago. But for this to happen, we need a spirit of global co-operation and trust. 

Countries should be willing to share information openly and humbly seek advice, and should be able to trust the data and the insights they receive. We also need a global effort to produce and distribute medical equipment, most notably testing kits and respiratory machines. Instead of every country trying to do it locally and hoarding whatever equipment it can get, a co-ordinated global effort could greatly accelerate production and make sure life-saving equipment is distributed more fairly. Just as countries nationalise key industries during a war, the human war against coronavirus may require us to “humanise” the crucial production lines. A rich country with few coronavirus cases should be willing to send precious equipment to a poorer country with many cases, trusting that if and when it subsequently needs help, other countries will come to its assistance. 

We might consider a similar global effort to pool medical personnel. Countries currently less affected could send medical staff to the worst-hit regions of the world, both in order to help them in their hour of need, and in order to gain valuable experience. If later on the focus of the epidemic shifts, help could start flowing in the opposite direction. 

Global co-operation is vitally needed on the economic front too. Given the global nature of the economy and of supply chains, if each government does its own thing in complete disregard of the others, the result will be chaos and a deepening crisis. We need a global plan of action, and we need it fast. 

Another requirement is reaching a global agreement on travel. Suspending all international travel for months will cause tremendous hardships, and hamper the war against coronavirus. Countries need to co-operate in order to allow at least a trickle of essential travellers to continue crossing borders: scientists, doctors, journalists, politicians, businesspeople. This can be done by reaching a global agreement on the pre-screening of travellers by their home country. If you know that only carefully screened travellers were allowed on a plane, you would be more willing to accept them into your country. 

Il Duomo - Firenze. webcams of Italy project. by
The Duomo in Florence © Graziano Panfili
Torre San Giovanni Lecce webcams of Italy project. by Graziano Panfili
Torre San Giovanni, in Lecce © Graziano Panfili

Unfortunately, at present countries hardly do any of these things. A collective paralysis has gripped the international community. There seem to be no adults in the room. One would have expected to see already weeks ago an emergency meeting of global leaders to come up with a common plan of action. The G7 leaders managed to organise a videoconference only this week, and it did not result in any such plan. 

In previous global crises — such as the 2008 financial crisis and the 2014 Ebola epidemic — the US assumed the role of global leader. But the current US administration has abdicated the job of leader. It has made it very clear that it cares about the greatness of America far more than about the future of humanity. 

This administration has abandoned even its closest allies. When it banned all travel from the EU, it didn’t bother to give the EU so much as an advance notice — let alone consult with the EU about that drastic measure. It has scandalised Germany by allegedly offering $1bn to a German pharmaceutical company to buy monopoly rights to a new Covid-19 vaccine. Even if the current administration eventually changes tack and comes up with a global plan of action, few would follow a leader who never takes responsibility, who never admits mistakes, and who routinely takes all the credit for himself while leaving all the blame to others. 

If the void left by the US isn’t filled by other countries, not only will it be much harder to stop the current epidemic, but its legacy will continue to poison international relations for years to come. Yet every crisis is also an opportunity. We must hope that the current epidemic will help humankind realise the acute danger posed by global disunity. 

Humanity needs to make a choice. Will we travel down the route of disunity, or will we adopt the path of global solidarity? If we choose disunity, this will not only prolong the crisis, but will probably result in even worse catastrophes in the future. If we choose global solidarity, it will be a victory not only against the coronavirus, but against all future epidemics and crises that might assail humankind in the 21st century. 

Yuval Noah Harari is author of ‘Sapiens’, ‘Homo Deus’ and ‘21 Lessons for the 21st Century’

Copyright © Yuval Noah Harari 2020

Follow @FTLifeArts on Twitter to find out about our latest stories first. Listen to our culture podcast, Culture Call, where editors Gris and Lilah dig into the trends shaping life in the 2020s, interview the people breaking new ground and bring you behind the scenes of FT Life & Arts journalism. Subscribe on AppleSpotify, or wherever you listen.

Letters in response to this article:

So, Prof Harari, who am I supposed to trust? / From Justin Evans

Let’s be the good ancestors our descendants deserve / From Lord Bird (Crossbench) and others

Yuval Noah Harari: se a epidemia levar a uma cooperação global, teremos vencido (Brasil 247)

Artigo original

Yuval Noah Harari Yuval Noah Harari (Foto: World Economic Forum/Ciaran Mc)

Para Harari, autor dos best-sellers “Sapiens: uma breve história da humanidade e Homo Deus: uma breve história do amanhã”, intensificar a globalização é o caminho para se vencer futuras pandemias

247 – Em artigo publicado no Le Monde, um dos principais jornais franceses, Yuval Noah Harari, historiador e filósofo israelense, alertou para o risco de políticas isolacionistas em decorrência do coronavírus: “[S]em confiança e solidariedade globais, não seremos capazes de parar a epidemia de COVID-19 e provavelmente teremos que enfrentar outras epidemias parecidas no futuro.”

Ele se refere ao discurso dominante no atual momento de pandemia. De acordo com ele, “[N]os últimos anos, políticos irresponsáveis minaram a confiança que se poderia ter na ciência, nas autoridades públicas e na cooperação internacional.”

Por exemplo, declarações como “vírus chinês” de líderes mundiais e teorias da conspiração que visam atacar a China, como a de que a tecnologia 5G é responsável pela transmissão do coronavírus, geram um ressentimento geopolítico que pode levar ao isolacionismo.

Ele continua: “a melhor defesa que os homens têm contra patógenos não é isolamento, é informação. A humanidade venceu a guerra contra patógenos porque, na corrida armamentista entre patógenos e médicos, os patógenos dependem de mutações cegas e os médicos da análise de dados científicos.”

“A verdadeira proteção vem do compartilhamento de informações científicas confiáveis ​​e da solidariedade internacional. Quando um país é atingido por uma epidemia, ele deve compartilhar de forma transparente os dados coletados sobre a infecção, sem medo de desastres econômicos, enquanto outros países devem poder confiar nessas informações.”

Para ele, o mundo globalizado gera uma dinâmica na qual um caso com potencial grave em um país isolado “não apenas ameaça iranianos, italianos ou chineses, mas sua vida também, diretamente. O mundo inteiro tem interesse em não deixar isso acontecer.”

Assim, ele conclui: “Se essa epidemia levar à  uma maior desunião e desconfiança entre os homens, essa seria a maior vitória do vírus. No entanto, se ela levar à uma cooperação mais estreita, aí sim não teremos somente derrotado o vírus, como também todos os outros que estão por vir.”

The New Climate (Harper’s Magazine)

READINGS — From the May 2017 issue

DF contrata Fundação Cacique Cobra Coral para pedir chuvas, diz entidade (G1)

Médiuns da entidade já fizeram convênios com SP e RJ, em tempos de crise hídrica; atuação é gratuita, diz porta-voz. Governo diz desconhecer parceria.


Fotografia de longa exposição de raios e tempestade no Distrito Federal (Foto: Felipe Bastos/Arquivo pessoal)

Fotografia de longa exposição de raios e tempestade no Distrito Federal (Foto: Felipe Bastos/Arquivo pessoal) 

Sem soluções de curto prazo para a crise hídrica, o governo do Distrito Federal recorreu à espiritualidade para reforçar as chuvas e encher os reservatórios. No início de março, a Fundação Cacique Cobra Coral – entidade esotérica que teria o poder de controlar o clima – montou um “quartel-general” em Luziânia, no Entorno, para adiar a chegada da estiagem ao Planalto Central.

A informação foi confirmada ao G1 pelo porta-voz da fundação, Osmar Santos – uma das duas únicas pessoas a entrar em “contato direto” com o espírito do cacique. Segundo ele, a parceria não prevê investimento público, e deve ser publicada em Diário Oficial nos próximos dias. A Caesb e o Palácio do Buriti dizem não ter conhecimento do convênio.

Segundo o porta-voz, a operação será similar à que foi empregada em São Paulo e no Rio de Janeiro, em 2015, para conter a crise hídrica que secou os reservatórios daquela região.

Em fevereiro, o blog “Gente Boa”, do jornal “O Globo”, informou que o prefeito João Doria tinha fechado nova parceria com a fundação. “Quem nos indicou para o governo de Brasília foi o governador [do Rio], Luiz Fernando Pezão, que tocava essa operação por lá”, diz Santos.

Chuva no Eixo Monumental, no centro de Brasília, em imagem de arquivo (Foto: Nilson Carvalho/GDF/Divulgação)

Chuva no Eixo Monumental, no centro de Brasília, em imagem de arquivo (Foto: Nilson Carvalho/GDF/Divulgação) 

“Começamos há uns 20 dias. [A intervenção] Consiste em prolongar esse período chuvoso por mais uns dias, para tornar o outono e o inverno mais úmidos. Também queremos antecipar o período chuvoso já para setembro.”

Em anos “normais”, a temporada de chuvas no DF começa em meados de outubro, e se estende até o mês de março. Se o clamor ao cacique for atendido, as nuvens devem continuar sobre a capital federal por, pelo menos, mais dez dias.

“É um processo gradual, porque você não pode mexer com a natureza de qualquer jeito, causando efeito colateral. Mas vão ser as águas de abril, e não de março, que vão fechar o verão.”

No site da Fundação Cacique Cobra Coral, consta que o espírito que dá nome à entidade “já teria sido Galileu Galilei e Abraham Lincoln”. De acordo com o texto, a missão da fundação é “minimizar catástrofes que podem ocorrer em razão dos desequilíbrios provocados pelo homem na natureza”.

Além do socorro às crises hídricas, a fundação já foi acionada pelos governos estaduais, pela União e até por outros países para garantir o céu limpo em grandes eventos – Rock in Rio, festas de réveillon e Olimpíadas, por exemplo.

No site oficial da Fundação Cacique Cobra Coral, constam extratos de convênios firmados com as cidades de São Paulo e Rio, e com os estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Segundo a entidade, o contrato a ser oficializado com o DF foi feito “nos mesmos moldes”.

Chuva encobre a Torre de TV, no centro de Brasília, em imagem de arquivo (Foto: Toninho Tavares/GDF/Divulgação)

Chuva encobre a Torre de TV, no centro de Brasília, em imagem de arquivo (Foto: Toninho Tavares/GDF/Divulgação) 

Logística

O porta-voz da fundação afirma que a base de operações foi montada em Luziânia, a 60 km do centro de Brasília, por uma questão de logística. Sem dinheiro público, as viagens dos líderes espirituais entre SP, GO, RJ e DF são custeadas por dez empresas privadas desses estados, segundo ele.

“Nós vamos pegar três estações. Chegamos no fim do verão, então devemos pegar o outono, o inverno, até o próximo verão. A fundação funciona como um airbag climático, ou seja, não evita os acidentes. É uma contenção de danos”, diz Santos.

Na última semana, a médium Adelaide Scritori esteve pessoalmente em Luziânia. Filha do fundador Ângelo Scritori – que dizia manter contato direto com o espírito de Padre Cícero –, é ela quem incorpora o Cacique Cobra Coral e faz os pedidos ao plano astral.

Além de porta-voz, Osmar Santos também auxilia no diálogo do espírito com o mundo real. “Ela é uma médium inconsciente, então, o cacique fala comigo através [do corpo] dela”, explica.

Reservatório de Santa Maria, no Distrito Federal, com capacidade cheia, no fim da temporada de chuvas de 2016 (Foto: Toninho Tavares/GDF/Divulgação)

Reservatório de Santa Maria, no Distrito Federal, com capacidade cheia, no fim da temporada de chuvas de 2016 (Foto: Toninho Tavares/GDF/Divulgação) 

G1 tentou contato direto com Adelaide nesta quinta, mas foi informado de que a médium estava “em trânsito” e não poderia atender ao pedido de entrevista. Questionado, Santos afirmou que o Cacique Cobra Coral não envia mensagens específicas, e nem dá conselhos aos governantes.

“Ele cobra que façam a lição de casa. Tipo: ‘não podemos ajudar os homens de maneira permanente, se fizermos por eles aquilo que eles podem e devem fazer por si próprios'”.

A “lição de casa” cobrada pelo espírito, de acordo com Santos, inclui a conclusão das obras de captação de água na Usina Hidrelétrica de Corumbá IV (entre o DF e Goiás) e no Lago Paranoá. O primeiro projeto está parado por suspeita de irregularidades, e o segundo recebeu aporte recente de R$ 55 milhões da União.

81 COMENTÁRIOS

Este conteúdo não recebe mais comentários.

 

Cleuber Rocha

HÁ UM DIA

Porque esse povo não vai la no nordeste tentar fazer alguma coisa,isso no minimo é curioso,mas deixa pra lá…

20

 

Bruno Nobrega

HÁ UM DIA

01/04/2017 kkkkkkkkkkkk

00

 

Cleuber Rocha

HÁ UM DIA

Se vier agua mesmo através deste espiritismo não vejo problema,mas que chega a ser engraçado o governo recorrer a esses tipos de coisa.

00

 

Jean Pereira

HÁ 3 DIAS

Que os índios e caboclos da natureza tragam as águas dos céus.

43

 

Jean Pereira

HÁ 3 DIAS

Que os índios e caboclos da natureza tragam as águas dos céus…

03

 

Rogerio Marques

HÁ 3 DIAS

Isso deve ser uma Piada…..

41

 

Geraldo Barros

HÁ 4 DIAS

Lamentável, quando um Governo desconhece o poderio de Deus, e vai consultar os demônios; é de extrema tristeza a situação!

6641

 

Jean Pereira

HÁ 3 DIAS

Demônio é vc…

85

 

Jean Pereira

HÁ 3 DIAS

E isso aí. Que os índios e caboclos que manejam os elementos da natureza tragam as águas dos céus…

42

 

Jhonnata Medeiros

HÁ 3 DIAS

UÉ. onde está o “estado laico” do poder público? a constituição foi instituída sobre a proteção de Deus correto concurseiros??

54

 

Sergio Santos

HÁ 4 DIAS

Não estou acreditando no que acabei de lê, o povão acreditar nessas bobagens, tudo bem, mas entidades governamentais recorrer a grupos espirituais para resolver problemas , é o fim do mundo, pessoas que acreditam no mundo espiritual só pode ser retardada!!

149

 

Andre Olavo

HÁ 3 DIAS

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

12

 

Carlos Silva

HÁ 3 DIAS

se o meu povo que se chama pelo meu nome se humilhar e orar,e me buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. ll cronicas 7: 14 está ai a receita

4210

 

Hamitlon Júnior

HÁ 3 DIAS

mas não precisa de licitação ou contratação emerencial pra isso né?

24

 

Kelvin

HÁ 3 DIAS

Se macumba desse resultado o campeonato baiano terminava empatado

132

 

Marcio L.

HÁ 4 DIAS

sera que pra trazer chuva os caras vão fazer a dança da chuva kkkkkkkkkkkkkkkk

101

 

Bruno Novais

HÁ 3 DIAS

Lavagem de dinheiro

163

 

Kleiton Barros

HÁ 3 DIAS

É sério isso gente !! ??

171

 

Fernando Gimenez

HÁ 3 DIAS

Não

10

 

Jairo J.gonçalves

HÁ 3 DIAS

quanto isso vai custar…

42

 

Fernando Gimenez

HÁ 3 DIAS

Leia a notícia antes de comentar.

51

 

Warley

HÁ 3 DIAS

vamos enviar para o Piauí e vamos fazer chover la!!!!!!!

201

 

Lúcio Gilbert

HÁ 3 DIAS

E eu pensava que já tinha visto tudo! Que piada de mal gosto!!!!

192

 

Sharles Sa

HÁ 3 DIAS

Sou mais a macumba da minha vó

110

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

Hoje é dia de Meter na secretaria na hora do almoço.. ..

193

 

Kleiton Barros

HÁ 3 DIAS

Bom msm é na hora do Expediente mesmo

102

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

ahahhahaahahahhhaaha

30

 

Rubens Silva

HÁ 3 DIAS

Vergonha!!!

120

 

Valter Soares

HÁ 3 DIAS

Quem sabe de todas as coisas, quem controla nosso universo, é somente DEUS.

323

 

Carlos Silva

HÁ 3 DIAS

hahahahahahahahahahahahahahahahahahahah essa é boa eu vou rir de novo!!!!

122

 

Ton Mota

HÁ 3 DIAS

Parece que o GDF não bastava ser mentiroso e agora apela para crença para enrolar a população.

121

 

Romerio Soares

HÁ 3 DIAS

Depois que começar a seca, pode chamar indi, pai de santo, pastor,padre etc, pois a questão da água era previsível, não fez nada, agora é começar cavar poço igual n inicio do DF.

90

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

Enquanto isso acabei de g o z a r dentro da minha vizinha que tem namorado

197

VER MAIS 2 COMENTÁRIOS

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

Governo incopetente….

90

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

hahahahahaaahhaahhah quando se pode inventar para desviar dinheiro ate danca da chuva tem…..

72

 

Kimmy

HÁ 3 DIAS

E rezar para São Pedro, ainda adianta?

21

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

hahahahahaaahhaahhah quando se pode inventar para desviar dinheiro ate danca da chuva tem…..

21

 

Saulo Weslei

HÁ 3 DIAS

Se preparem para as consequências de seus atos.

41

 

Marcelo Oliveira

HÁ 4 DIAS

Era só o que faltava. Tem que arrumar um enxada para esses a toas capinarem. Brincar com as coisas de Deus. Chama Elias que ele faz chover e descer fogo do céu. É muita falta do que fazer mesmo. Vai procurar uma lavagem de roupa.

545

 

Flavia Souza

HÁ 4 DIAS

Chama quem?

98

 

Alan Souza

HÁ 4 DIAS

Chama aí então, vamos ver se Elias faz chover ao menos um fósforo aceso…

613

 

Augusto

HÁ 4 DIAS

KKKK GDF contrata fundação Cacique. Mas o EnRollemberg disse que quem vai fumar todas para chover no DF é ele. Pois isto ele tem experiência deste o tempo de UNB. Ele disse que se precisar fuma até para chover no Nordeste todo.

142

 

Marcus Bessa

HÁ 3 DIAS

Vão fumar o cachimbo da paz kkkkkk

30

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

Hoje e dia de S E X O com a secretaria…

51

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

IPVA 2017…..

00

 

Ton

HÁ 4 DIAS

Era melhor o GDF pedir ajuda ao espírito do riquínho pra ver se entra dinheiro nos cofres do governo, não aguentamos mais ele usar a desculpa da lei de responsabilidade fiscal. Cuidado Rollemberg, pro caboclo porrete não descer no seu lombo seu incompetente. Falta de uma surra bem dada nesse charlatões

132

 

Gelson

HÁ 3 DIAS

Nao so nele tem tb o povinho da CLDF E DA CAMARA DOS DEPUTADOS CONGRESSO E BURITI

20

 

Edson Rocha

HÁ 4 DIAS

se isso funcionasse vc acha que o nordeste estaria nessa seca?????

471

VER MAIS 1 COMENTÁRIO

 

Leonardo Bezerra

HÁ 4 DIAS

Demônio é tu seu incauto!

513

 

Guilherme Trindade

HÁ 3 DIAS

pois é

00

 

Gabriel Rodrigues

HÁ 4 DIAS

Bobo e estrada ruim não acaba nunca!

40

 

Andre Olavo

HÁ 4 DIAS

SÓ FALTAVA ESSA, QUE DESGRAÇAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

123

 

Andre Olavo

HÁ 4 DIAS

ENFIA A COBRA CORAL NO R@BB, OOO DA TUA MAE ROLLEMBERGFDAPUTTAAAA

323

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Partiu fazer dança da chuva!!! Paga quanto Governo?

232

 

Alan Souza

HÁ 4 DIAS

Não leu que é gratuito?

36

 

Roberto

HÁ 4 DIAS

o irônico que volto a chovendo aqui em Brasilia !!

43

 

Leonardo Bezerra

HÁ 4 DIAS

ahahahhah tá de sacanagem! Se fosse assim eu chamaria os pajés lá da amazônia pra fazer chover! Daria mais certo. Esse Governo de Brasília em vez de trabalhar fica inventando moda!

141

 

Sergio Santos

HÁ 4 DIAS

KKKKKKKKKK, só pode ser piada!!1

120

 

Romeu Reis

HÁ 4 DIAS

O Brasil não é um país sério….

410

 

Geraldo Barros

HÁ 4 DIAS

muito sério, exceto seus governantes que está gastando os bilhões dos cofres públicos, (dinheiro do povo) com consultores de demônios, ‘para que haja chuva’? ehehhe! Só faltava essa …

54

 

Paulo

HÁ 4 DIAS

É piada né?! A saúde do DF esta uma porcaria e esse incompetente vai gastar dinheiro com empresa para ficar dançando; o Brasil é um país de tolos mesmo! O Povo tem que pagar mesmo para aprender. Vai abrir licitação ou vai ser feita de forma emergencial para poder dar mais dinheiro para ser ensacado nos bolsos??

22

 

Dorgival Reis

HÁ 4 DIAS

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. E mais, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…..

30

 

Nestor Ribeiro

HÁ 4 DIAS

Contrata também a Fundação Cacique Rala Bun da para “dança da chuva”

40

 

Joao Campos

HÁ 4 DIAS

Já já a PF DESENCADEIA A OPERAÇÃO COBRA CORAL OU COBRA NAJA OU SERA COBRA DE DUAS CABEÇAS OU SERA…… COBRA DO POVO QUE ELE PAGA .

120

 

Andre Olavo

HÁ 4 DIAS

AGORA É QUE VAI FALTAR ÁGUA MESMO

72

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Partiu fazer dança da chuva!!! Paga quanto Governo?

23

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Partiu fazer a dança da chuva!!! Governo ta pagando bem!

13

 

Kaio Santos

HÁ 4 DIAS

Somente, rir…nada mais!

402

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

72

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Fechem o INMET!!! Não precisamos dele mais!!! Se eu fizer a dança da chuva o governo me paga???

102

 

Cleison Santos

HÁ 4 DIAS

É muita gente falando água, deve ser essa que vai encher as represas.

30

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Fechar o INMET então! Não está servindo pra nada mais!!! !…

20

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Fechem o INMET então! Não está servindo pra nada mais!!! !…..

20

 

Hamitlon Júnior

HÁ 4 DIAS

Fechem o INMET então! Não está servindo pra nada mais!!! Que piada meu!

10

 

Joao Campos

HÁ 4 DIAS

Vai ter licitação ou vai ser dispensado por ser situaçao emergencial. llllll

170

 

Joe

HÁ 4 DIAS

Fake news? HAHAHAHA

00

 

Nei Isau

HÁ 4 DIAS

Isso é uma safadeza! O que não fizeram com ações, querem resolver com espiritualismo!

90

 

Rodrigo Nascimento

HÁ 4 DIAS

Só pode ser piada!

120

Brasília contrata Cacique Cobra Coral para conter crise no desabastecimento de água (O Globo)

POR CLEO GUIMARÃES

30/03/2017 07:45

Congresso Nacional em Brasília

Congresso Nacional em Brasília | Reprodução

Brasília também se rendeu ao Cacique Cobra Coral. Com risco real de desabastecimento de água na cidade, e às vésperas de sediar o Fórum Mundial da Água em 2018, o governo do Distrito Federal decidiu fechar parceria com a fundação esotérica que teria o poder de controlar o tempo. A parceria foi sugerida pelo governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

Segue a história

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, já encaminhou a minuta do contrato para a CAESB (Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal), que ficará responsável pelo convênio com a entidade.

 

8 COMENTÁRIOS (em 3 de abril de 2017, às 15h57)

 

J Figueiredo

HÁ 4 DIAS

QUE PIADA MAIS SEM GRAÇA.

Marco Passos

HÁ 4 DIAS

Esses cars não ficam com medo nem em tempo de lava jato. Tomara que não demore muito a ser preso.

Marco Passos

HÁ 4 DIAS

É muita falta de vergonha.

Vitor Cunha

HÁ 4 DIAS

Certamente a família Maia está levando comissão!

Cristiano Lima

HÁ 4 DIAS

vocês desejam que volte a ter água em qualquer lugar do Brasil, então PLANTE MUITAS ARVORES E A NATUREZA VAI AGRADECER!

Pablo Arceles

HÁ 4 DIAS

Eles teriam o poder de controlar o clima não o tempo, nossa eu que sou burro faria umas reportagens melhores do que alguns jornalistas do Globo.

José Soares

HÁ 4 DIAS

Religião cada um tem a sua… Há quem não tem nenhuma. Outros tantos são agnósticos ou ateus. Não é brinquedo não, prefeitos do Rio César Maia e Paes, e o governador Pezão assinarem contrato com a Fundação Cobra Coral para prestar assistência espiritual a fim de tentar reduzir os estragos causados por temporais; a ONG é comandada por Adelaide Scritori, que afirma ter o poder de controlar o tempo. Dória outsider inteligente foi na onda; o governante da vez é de Brasília. E assim a médium vai faturando, às custas de contribuintes… Vixe!

Roldão Filho

HÁ 4 DIAS

Só falta contratar o Dr. Janot Pacheco para jogar sal nas nuvens para que chova.

Rollemberg diz manter ‘contato informal’ com Fundação Cacique Cobra Coral (G1)

Governador do DF afirmou, em rede social, que relação não prevê contrato ou pagamento; entidade contesta. Fundação diz ter montado ‘QG’ no Entorno para estender temporada de chuvas.


 

Postagem do governador Rodrigo Rollemberg em rede social, com referência à Fundação Cacique Cobra Coral (Foto: Facebook/Reprodução)

Postagem do governador Rodrigo Rollemberg em rede social, com referência à Fundação Cacique Cobra Coral (Foto: Facebook/Reprodução) 

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou nas redes sociais que tem “mantido contatos informais” com a Fundação Cacique Cobra Coral – entidade esotérica que teria o poder de controlar o clima –, em busca de soluções para a crise hídrica que atinge a capital. Segundo Rollemberg, as conversas não incluem contrato ou pagamento, mas “toda ajuda é bem-vinda”.

A publicação foi ao ar nesta sexta-feira (31). Na quinta (30), reportagem do G1 mostrou que a fundação tinha montado um “quartel-general” em Luziânia, no Entorno, para adiar a chegada da estiagem ao Planalto Central. A informação foi confirmada pelo porta-voz da entidade, Osmar Santos, mas, naquele momento, a Caesb e o Palácio do Buriti informavam “desconhecer” o convênio.

Na postagem, Rollemberg diz que, “como católico”, tem “rezado muito para que chova bastante no DF”. As atividades da Fundação Cacique Cobra Coral estão relacionadas a contatos com o plano astral e com o espírito do cacique que nomeia a entidade – e que já passou pela terra como Abraham Lincoln e Galileu Galilei, segundo o grupo.

Questionado pelo G1, Santos disse que a fundação se define como “entidade esotérica científica, ou espiritualista”. Segundo ele, toda operação tem apoio técnico de dois cientistas voluntários – um da Universidade de São Paulo (USP), e um do Centro de Previsões e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/Inpe).

Ao contrário do que afirma o governo, a Fundação Cacique Cobra Coral diz que um contrato será fechado, e terá de ser publicado em Diário Oficial. O acordo não prevê repasse de dinheiro público – as atividades são custeadas por empresários e mantenedores, afirma a entidade.

Fotografia de longa exposição de raios e tempestade no Distrito Federal (Foto: Felipe Bastos/Arquivo pessoal)

Fotografia de longa exposição de raios e tempestade no Distrito Federal (Foto: Felipe Bastos/Arquivo pessoal) 

Fé contra a crise

Segundo o porta-voz, a operação será similar à que foi empregada em São Paulo e no Rio de Janeiro, em 2015, para conter a crise hídrica que secou os reservatórios daquela região.

Em fevereiro, o blog “Gente Boa”, do jornal “O Globo”, informou que o prefeito João Doria tinha fechado nova parceria com a fundação. “Quem nos indicou para o governo de Brasília foi o governador [do Rio], Luiz Fernando Pezão, que tocava essa operação por lá”, diz Santos.

“Começamos há uns 20 dias. [A intervenção] Consiste em prolongar esse período chuvoso por mais uns dias, para tornar o outono e o inverno mais úmidos. Também queremos antecipar o período chuvoso já para setembro.”

Em anos “normais”, a temporada de chuvas no DF começa em meados de outubro, e se estende até o mês de março. Se o clamor ao cacique for atendido, as nuvens devem continuar sobre a capital federal por, pelo menos, mais dez dias.

“É um processo gradual, porque você não pode mexer com a natureza de qualquer jeito, causando efeito colateral. Mas vão ser as águas de abril, e não de março, que vão fechar o verão.”

Além do socorro às crises hídricas, a fundação já foi acionada pelos governos estaduais, pela União e até por outros países para garantir o céu limpo em grandes eventos – Rock in Rio, festas de réveillon e Olimpíadas, por exemplo.

37 COMENTÁRIOS (3 de abril de 2017, 13h57)

  • Lazaro Castro

    HÁ UM DIA

    honrar compromisso que é bom nada né governador lamentável

    130

    • Saulo Weslei

      HÁ 5 HORAS

      Quando um governo é extremamente incompetente recorre a estas coisas.

      40
    • José Rodrigues

      HÁ 2 HORAS

      kkkkkkkk……….é cada piada esse governo imprestável!!!!!

      20
  • Jose

    HÁ 15 HORAS

    Ma che bello administrador ! kkkk

    10
  • Bruno Silva
    HÁ 16 HORAS

    Por que nunca resolveram o problema do sertão nordestino? Precisava transpor o velho Chico com uma “solução” prática dessa?

    30
  • George Rocha

    HÁ 19 HORAS

    Só pode estar desdenhando!

    50

  • Ivam Silva

    HÁ 24 HORAS

    Me recuso a acreditar nessas asneiras. So mesmo nesse Brasilzinho.

    110

  • Laechelndfuchs

    HÁ UM DIA

    Os surdos correm grande risco de serem picados pela cobra coral…

    100

  • Carlos Leonel

    HÁ UM DIA

    kkkkkkkkk

    101
  • Cleanto Sena

    HÁ UM DIA

    ouvi dizer que a tal entidade vai também atuar na saúde ,segurança ,transporte, e economia do DF pois os últimos governantes não deram conta

    152

  • Marcio L.

    HÁ UM DIA

    sera que pra trazer chuva os caras vão fazer a dança da chuva kkkkkkkkkkkkkkkk

    171

  • Renato Abreu
    HÁ 2 DIAS

    Caique coral é uma entidade da bruxaria. Governador, não amaldiçoe ainda mais nossa terra. Vc não faz idéia do mal que vc está se fazendo e a toda população do DF. Vai procurar Deus, vai orar, pede a Jesus Cristo, pq ele sim é quem faz chover para pecadores e justos.

    7441

    • Galega

      HÁ UM DIA

      rindo até 2050 kkkkkkkkkkkkkkk

      263
    • Cesar Schmitt

      HÁ UM DIA

      Te informa direito, antes de dizer besteira,

      312
  • Ricardo Cardoso

    HÁ UM DIA

    Aqui a mallandragem não tem por onde.

    120
  • Milton Oliveira

    HÁ UM DIA

    Governador do DF Rodrigo Rollemberg … é um exemplo do baixo nível dos gestores do nosso dinheiro no Brasil …Energia esotérica contra a crise hídrica ??? Só para um incompetente sair com essa … Vamos varrer essa gente da vida pública

    314

  • Francisco Rocha

    HÁ 2 DIAS

    Parece piada do Sensacionalista.

    432

    • Leandro

      HÁ UM DIA

      pois é, por um momento até achei que tava no portal errado.

      121
  • Andre Ramos

    HÁ UM DIA

    Saravá!!

    74
  • Vicente

    HÁ UM DIA

    Agora, o Brasil inaugurará a CORRUPÇÃO espiritual !!

    173

  • Veterano

    HÁ UM DIA

    A primeira vez que ouvi sobre essa Fundação, faz anos… Foi notícias vindas do RJ, onde o Governo pagava para essa Fundação ajudar a NÃO chover no Réveillon. Demorei um bom tempo para acreditar no que lia, achei que tinha enlouquecido de vez.

    201

    • Veterano

      HÁ UM DIA

      A tal Fundação “trabalhou” no Rock in Rio?! De qual ano??? Em 2011 choveu tanto que pro Guns and Roses tocar tiveram antes que retirar muita água do palco com rodo.

      111
  • Andre Campos

    HÁ 2 DIAS

    Eu sinceramente estou a defecar e a andar para o fato do Rollemberg (e a globo) ter fé em qualquer coisa ou achar isso bonito. Eu quero é que ele cumpra as promessas de governo, que até agora não chegaram em nem 20% do prometido.

    215

    • Loucs Silva

      HÁ UM DIA

      Cara, não tem 5 meses de cargo…

      310
  • Michele Junior

    HÁ 2 DIAS

    No centro espirita, preciso de chuva no distrito federal, atençao caral musical do centro vamos la voce deve esta pensando, ela foi embora, mais ja deve esta voltando, nao demora, ou ela foi pra muito longe, felicidade, felicidade? erramos que maldade, onde esta que nao responde, pois minha ALMA geme por voce, geme geme u por voce geme geme ha, ha ha ha a chuva nao vai chegar

    15

  • Daniel Dutra
    HÁ 2 DIAS

    O que é “contato informal”?

    131

  • José Oliveira

    HÁ 2 DIAS

    É SÓ O QUE FALTAVA, ÍNDIO QUER DINHEIRO E O IDIOTA ACREDITA?

    211
  • Hamitlon Júnior

    HÁ 2 DIAS

    Me paga que eu faço a dança da chuva todo dia ao meio dia!

    300

    • Jane Lucas

      HÁ 2 DIAS

      kkkkkkkk

      80
  • Francisco Silva
    HÁ 2 DIAS

    Manda esta organização pro nordeste,se resolver o problema recebe, se não resolver ela paga o prejuiso.

    305

    • Jane Lucas

      HÁ 2 DIAS

      boa

      81
  • Edson Mendes

    HÁ 2 DIAS

    E muito obscurantismo em pleno século XXl

    282

  • Pedro Passos

    HÁ 2 DIAS

    Só o que faltava! Fala sério?

    281

Como duas pesquisadoras estão derrubando clichês sobre a política no Brasil (BBC)

6 junho 2016

ciencia politica

Nara Pavão e Natália Bueno: pesquisadoras questionam chavões da política no Brasil 

O brasileiro é racista e privilegia candidatos brancos ao votar. Políticos corruptos se mantêm no poder porque o eleitor é ignorante. Quem recebe Bolsa Família é conivente com o governo. ONGs são um ralo de dinheiro público no Brasil. Será?

A julgar pelos estudos de duas jovens pesquisadoras brasileiras em ciência política, não.

Natália Bueno e Nara Pavão, ambas de 32 anos, se destacam no meio acadêmico no exterior com pesquisas robustas que desmistificam chavões da política brasileira que alimentam debates em redes sociais e discussões de botequim.

Natural de Belo Horizonte (MG), Natália faz doutorado em Yale (EUA), uma das principais universidades do mundo. Em pouco mais de oito anos de carreira, acumula 13 distinções acadêmicas, entre prêmios e bolsas.

A pernambucana Nara é pesquisadora de pós-doutorado na Universidade Vanderbilt (EUA). Soma um doutorado (Notre Dame, EUA), dois mestrados em ciência política (Notre Dame e USP), 16 distinções.

Em comum, além da amizade e da paixão pela ciência política, está o interesse das duas em passar a limpo “verdades absolutas” sobre corrupção, comportamento do eleitor e políticas públicas no Brasil.

Eleitor é racista?

O Brasil é um país de desigualdades raciais – no mercado de trabalho, no acesso à educação e à saúde. Atraída pelo tema desde a graduação, Natália Bueno verificou se isso ocorre também na representação política.

O primeiro passo foi confirmar o que o senso comum já sugeria: há, proporcionalmente, mais brancos eleitos do que na população, e os negros são subrepresentados. Por exemplo, embora 45% da população brasileira (segundo o IBGE) se declare branca, na Câmara dos Deputados esse índice é de 80%.

E como a diferença foi mínima na comparação entre população e o grupo dos candidatos que não se elegeram, a conclusão mais rasteira seria: o brasileiro é racista e privilegia brancos ao votar.

politica

Abertura dos trabalhos no Congresso em 2016; pesquisa investigou desigualdade racial na política nacional. FABIO POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

Para tentar verificar essa questão de forma científica, Natália montou um megaexperimento em parceria com Thad Dunning, da Universidade da Califórnia (Berkeley). Selecionou oito atores (quatro brancos e quatro negros), que gravaram um trecho semelhante ao horário eleitoral. Expôs 1.200 pessoas a essas mensagens, que só variavam no quesito raça.

Resultado: candidatos brancos não tiveram melhor avaliação nem respondentes privilegiaram concorrentes da própria raça nas escolhas.

Mas se a discrepância entre população e eleitos é real, onde está a resposta? No dinheiro, concluiu Natália – ela descobriu que candidatos brancos são mais ricos e recebem fatia maior da verba pública distribuída por partidos e também das doações privadas.

A diferença média de patrimônio entre políticos brancos (em nível federal, estadual e local) e não brancos foi de R$ 690 mil. E em outra prova do poder do bolso nas urnas, vencedores registraram R$ 650 mil a mais em patrimônio pessoal do que os perdedores.

Políticos brancos também receberam, em média, R$ 369 mil a mais em contribuições de campanha do que não brancos. A análise incluiu dados das eleições de 2008, 2010 e 2014.

“Se a discriminação tem um papel (na desigualdade racial na representação política), ela passa principalmente pelas inequidades de renda e riqueza entre brancos e negros que afetam a habilidade dos candidatos negros de financiar suas campanhas”, diz.

Corruptos estão no poder por que o eleitor é ignorante?

A corrupção é um tema central no debate político atual no Brasil. E se tantos brasileiros percebem a corrupção como problema (98% da população pensa assim, segundo pesquisa de 2014), porque tantos políticos corruptos continuam no poder?

A partir de dados de diferentes pesquisas de opinião – entre elas, dois levantamentos nacionais, com 2 mil e 1,5 mil entrevistados -, a recifense Nara Pavão foi buscar respostas para além do que a ciência política já discutiu sobre o tema.

politica

Ato contra corrupção no Congresso em 2011; estudo investiga por que corruptos se mantêm no poder. ANTONIO CRUZ/ABR

Muitos estudos já mostraram que a falta de informação política é comum entre a população, e que o eleitor costuma fazer uma troca: ignora a corrupção quando, por exemplo, a economia vai bem.

“Mas para mim a questão não é apenas se o eleitor possui ou não informação sobre políticos corruptos, mas, sim, o que ele vai decidir fazer com essa informação e como essa informação vai afetar a decisão do voto”, afirma a cientista política.

A pesquisa de Nara identificou um fator chave a perpetuar corruptos no poder: o chamado cinismo político – quando a corrupção é recorrente, ela passa ser vista pelo eleitor como um fator constante, e se torna inútil como critério de diferenciação entre candidatos.

Consequência: o principal fator que torna os eleitores brasileiros tolerantes à corrupção é a crença de que a corrupção é generalizada.

“Se você acha que todos os políticos são incapazes de lidar com a corrupção, a corrupção se torna um elemento vazio para você na escolha do voto”, afirma Nara, para quem o Brasil está preso numa espécie de armadilha da corrupção: quão maior é a percepção do problema, menos as eleições servem para resolvê-lo.

Quem recebe Bolsa Família não critica o governo?

O programa Bolsa Família beneficia quase 50 milhões de pessoas e é uma das principais bandeiras das gestões do PT no Planalto. Até por isso, sempre foi vitrine – e também vidraça – do petismo.

Uma das críticas recorrentes pressupõe que o programa, para usar a linguagem da economia política, altera os incentivos que eleitores têm para criticar o governo.

Famílias beneficiadas não se preocupariam, por exemplo, em punir um mau desempenho econômico ou a corrupção, importando-se apenas com o auxílio no começo do mês.

politica

Material de campanha em dia de votação em São Paulo em 2012; receber benefícios do governo não implica em conivência com Poder Público, conclui estudo. MARCELO CAMARGO/ABR

Deste modo, governos que mantivessem programas massivos de transferência de renda estariam blindados contra eventuais performances medíocres. Seria, nesse sentido, um arranjo clientelista – troca de bens (dinheiro ou outra coisa) por voto.

Um estudo de Nara analisou dados do Brasil e de 15 países da América Latina que possuem programas como o Bolsa Família e não encontrou provas de que isso seja verdade.

“Em geral, o peso eleitoral atribuído à performance econômica e à corrupção do governo é relativamente igual entre aqueles que recebem transferências de renda e aqueles que não recebem”, afirma.

A conclusão é que, embora esses programas proporcionem retornos eleitorais para os governantes de plantão, eles não representam – desde que sigam regras rígidas – incentivo para eleitores ignorarem aspectos ddo desempenho do governo.

ONGs são ralo de dinheiro público?

Organizações de sociedade civil funcionam como um importante instrumento para o Estado fornecer, por meio de parcerias e convênios, serviços à população.

Diferentes governos (federal, estaduais e municipais) transferem recursos a essas entidades para executar programas diversos, de construção de cisternas e atividades culturais.

Apenas em nível federal, essas transferências quase dobraram no período 1999-2010: de RS$ 2,2 bilhões para R$ 4,1 bilhões.

ONGs

Cisterna em Quixadá (CE), em serviço que costuma ser delegado a organizações civis; pesquisadora estudou distribuição de recursos públicos para essas entidades. FERNANDO FRAZÃO/ABR

Esse protagonismo enseja questionamentos sobre a integridade dessas parcerias – não seriam apenas um meio de canalizar dinheiro público para as mãos de ONGs simpáticas aos governos de plantão?

Com o papel dessas organizações entre seus principais de interesses de pesquisa, Natália Bueno mergulhou no tema. Unindo métodos quantitativos e qualitativos, analisou extensas bases de dados, visitou organizações e construiu modelos estatísticos.

Concluiu que o governo federal (ao menos no período analisado, de 2003 a 2011) faz, sim, uma distribuição estratégica desses recursos, de olho na disputa política.

“A pesquisa sugere que governos transferem recursos para entidades para evitar que prefeitos de oposição tenham acesso a repasses de recursos federais. Outros fatores, como implementação de políticas públicas para as quais as organizações tem expertise e capacidade únicas, também tem um papel importante.”

Ela não encontrou provas, porém, de eventual corrupção ou clientelismo por trás desses critérios de escolha – o uso das ONGs seria principalmente parte de uma estratégia político-eleitoral, e não um meio de enriquecimento ilícito.

“Esse tipo de distribuição estratégica de recursos é próprio da política e encontramos padrões de distribuição semelhantes em outros países, como EUA, Argentina e México”, diz Natália.

Corrupção é difícil de verificar, mas a pesquisadora usou a seguinte estratégia: comparou ONGs presentes em cidades com disputas eleitorais apertadas, checou a proporção delas no cadastro de entidades impedidas de fechar parcerias com a União e fez uma busca sistemática por notícias e denúncias públicas de corrupção.

De 281 ONGs analisadas, 10% estavam no cadastro de impedidas, e apenas uma por suspeita de corrupção.

How the Active Many Can Overcome the Ruthless Few (The Nation)

Nonviolent direct action was the 20th century’s greatest invention—and it is the key to saving the earth in the 21st century.

By Bill McKibben

NOVEMBER 30, 2016

know what you want from me—what we all want—which is some small solace after the events of Election Day. My wife Sue Halpern and I have been talking nonstop for days, trying to cope with the emotions. I fear I may not be able to provide that balm, but I do offer these remarks in the spirit of resistance to that which we know is coming. We need to figure out how to keep the lights on, literally and figuratively, and all kinds of darkness at bay.

I am grateful to all those who asked me to deliver this inaugural Jonathan Schell Lecture—grateful most of all because it gave me an excuse for extended and happy recollection of one of the most generous friendships of my early adulthood. I arrived at The New Yorker at the age of 21, two weeks out of college, alone in New York City for the first time. The New Yorker was wonderfully quirky, of course, but one of its less wonderful quirks was that most people didn’t talk to each other very much, and especially to newcomers 50 years their junior. There were exceptions, of course, and the foremost exception was Jonathan. He loved to talk, and we had long colloquies nearly every day, mostly about politics.

Ideas—not abstract ideas, but ideas drawn from the world as it wound around him—fascinated him. He always wanted to dig a layer or two deeper; there was never anything superficial or trendy about his analysis. I understood better what he was up to when I came, at the age of 27, to write The End of Nature. It owes more than a small debt to The Fate of the Earth, which let me feel it was possible and permitted to write about the largest questions in the largest ways.

Jonathan Schell

In the years that followed, having helped push action on his greatest cause—the danger of nuclear weapons—that issue began to seem a little less urgent. That perception, of course, is mistaken: Nuclear weapons remain a constant peril, perhaps more than ever in an increasingly multipolar world. But with the end of the Cold War and the build-down of US and Russian weapon stocks, the question compelled people less feverishly. New perils—climate change perhaps chief among them—emerged. Post-9/11, smaller-bore terrors informed our nightmares. We would have been wise, as the rise of a sinister Vladimir Putin and a sinister and clueless Donald Trump remind us, to pay much sharper attention to this existential issue, but the peace dividend turned out mostly to be a relaxing of emotional vigilance.

However, for the moment, we have not exploded nuclear weapons, notwithstanding Trump’s recent query about what good they are if we don’t use them. Our minds can compass the specter of a few mushroom clouds obliterating all that we know and love; those images have fueled a fitful but real effort to contain the problem, resulting most recently in the agreement with Iran. We have not been able to imagine that the billion tiny explosions of a billion pistons in a billion cylinders every second of every day could wreak the same damage, and hence we’ve done very little to ward off climate change.

We are destroying the earth every bit as thoroughly as Jonathan imagined in the famous first chapter of The Fate of the Earth, just a little more slowly. By burning coal and oil and gas and hence injecting carbon dioxide and methane into the atmosphere, we have materially changed its heat-trapping properties; indeed, those man-made greenhouse gases trap the daily heat equivalent of 400,000 Hiroshima-size explosions. That’s enough extra heat that, in the space of a few decades, we have melted most of the summer sea ice in the Arctic—millennia old, meters thick, across a continent-size stretch of ocean that now, in summer, is blue water. (Blue water that absorbs the sun’s incoming rays instead of bouncing them back to space like the white ice it replaced, thus exacerbating the problem even further.) That’s enough heat to warm the tropical oceans to the point where Sue and I watched with our colleagues in the South Pacific as a wave of record-breaking warm water swept across the region this past spring, killing in a matter of weeks vast swaths of coral that had been there since before the beginning of the human experiment. That’s enough heat to seriously disrupt the planet’s hydrological cycles: Since warm air holds more water vapor than cold, we’ve seen steady increases in drought in arid areas (and with it calamities like wildfire) and steady, even shocking, increases in downpour and flood in wet areas. It’s been enough to raise the levels of the ocean—and the extra carbon in the atmosphere has also changed the chemistry of that seawater, making it more acidic and beginning to threaten the base of the marine food chain. We are, it bears remembering, an ocean planet, and the world’s oceanographers warn that we are very rapidly turning the seven seas “hot, sour, and breathless.” To the “republic of insects and grass” that Jonathan imagined in the opening of The Fate of the Earth, we can add a new vision: a hypoxic undersea kingdom of jellyfish.

This is not what will happen if something goes wrong, if some maniac pushes the nuclear button, if some officer turns a key in a silo. This is what has already happened, because all of us normal people have turned the keys to our cars and the thermostat dials on our walls. And we’re still in the relatively early days of climate change, having increased the planet’s temperature not much more than 1 degree Celsius. We’re on a trajectory, even after the conclusion of the Paris climate talks last year, to raise Earth’s temperature by 3.5 degrees Celsius—or more, if the feedback loops we are triggering take full hold. If we do that, then we will not be able to maintain a civilization anything like the one we’ve inherited. Our great cities will be underwater; our fields will not produce the food our bodies require; those bodies will not be able to venture outside in many places to do the work of the world. Already, the World Health Organization estimates, increased heat and humidity have cut the labor a human can perform by 10 percent, a number that will approach 30 percent by midcentury. This July and August were the hottest months in the history of human civilization measured globally; in southern Iraq, very near where scholars situate the Garden of Eden, the mercury in cities like Basra hit 129 degrees—among the highest reliably recorded temperatures in history, temperatures so high that human survival becomes difficult.

Against this crisis, we see sporadic action at best. We know that we could be making huge strides. For instance, engineers have managed to cut the cost of solar panels by 80 percent in the last decade, to the point where they are now among the cheapest methods of generating electricity. A Stanford team headed by Mark Jacobson has shown precisely how all 50 states and virtually every foreign nation could make the switch to renewable energy at an affordable cost in the course of a couple of decades. A few nations have shown that he’s correct: Denmark, for instance, now generates almost half of its power from the wind.

In most places, however, the progress has been slow and fitful at best. In the United States, the Obama administration did more than its predecessors, but far less than physics requires. By reducing our use of coal-fired power, it cut carbon-dioxide emissions by perhaps 10 percent. But because it wouldn’t buck the rest of the fossil-fuel industry, the Obama administration basically substituted fracked natural gas for that coal. This was a mistake: The leakage of methane into the atmosphere means that America’s total greenhouse-gas emissions held relatively steady or perhaps even increased. This willingness to cater to the industry is bipartisan, though in the horror of this past election that was easy to overlook. Here’s President Obama four years ago, speaking to an industry group in Oklahoma: “Now, under my administration, America is producing more oil today than at any time in the last eight years. That’s important to know. Over the last three years, I’ve directed my administration to open up millions of acres for gas and oil exploration across 23 different states. We’re opening up more than 75 percent of our potential oil resources offshore. We’ve quadrupled the number of operating rigs to a record high. We’ve added enough new oil and gas pipeline to encircle the Earth and then some.” Hillary Clinton opened an entire new wing at the State Department charged with promoting fracking around the world. So much for the establishment, now repudiated.

Trump, of course, has famously insisted that global warming is a hoax invented by the Chinese and has promised to abolish the Environmental Protection Agency. His election win is more than just a speed bump in the road to the future—it’s a ditch, and quite likely a crevasse. Even as we gather tonight, international negotiators in Marrakech, stunned by our elections, are doing their best to salvage something of the Paris Agreement, signed just 11 months ago with much fanfare.

* * *

But the real contest here is not between Democrats and Republicans; it’s between human beings and physics. That’s a difficult negotiation, as physics is not prone to compromise. It also imposes a hard time limit on the bargaining; if we don’t move very, very quickly, then any progress will be pointless. And so the question for this lecture, and really the question for the geological future of the planet, becomes: How do we spur much faster and more decisive action from institutions that wish to go slowly, or perhaps don’t wish to act at all? One understands that politicians prize incremental action—but in this case, winning slowly is the same as losing. The planet is clearly outside its comfort zone; how do we get our political institutions out of theirs?

And it is here that I’d like to turn to one of Jonathan’s later books, one that got less attention than it deserved. The Unconquerable World was published in 2003. In it, Jonathan writes, in his distinctive aphoristic style: “Violence is the method by which the ruthless few can subdue the passive many. Nonviolence is a means by which the active many can overcome the ruthless few.” This brings us, I think, to the crux of our moment. Across a wide variety of topics, we see the power of the ruthless few. This is nowhere more evident than in the field of energy, where the ruthless few who lead the fossil-fuel industry have more money at their disposal than any humans in the past. They’ve been willing to deploy this advantage to maintain the status quo, even in the face of clear scientific warnings and now clear scientific proof. They are, for lack of a better word, radicals: If you continue to alter the chemistry of the atmosphere past the point where you’re melting the polar ice caps, then you are engaging in a radicalism unparalleled in human history.

And they’re not doing this unknowingly or out of confusion. Exxon has known all there is to know about climate change for four decades. Its product was carbon, and it had some of the best scientists on earth on its staff; they warned management, in clear and explicit terms, how much and how fast the earth would warm, and management believed them: That’s why, for instance, Exxon’s drilling rigs were built to accommodate the sea-level rise it knew was coming. But Exxon didn’t warn any of the rest of us. Just the opposite: It invested huge sums of money in helping to build an architecture of deceit, denial, and disinformation, which meant humankind wasted a quarter of a century in a ludicrous argument about whether global warming was “real,” a debate that Exxon’s leaders knew was already settled. The company continues to fund politicians who deny climate change and to fight any efforts to hold it accountable. At times, as Steve Coll makes clear in his remarkable book Private Empire, the oil industry has been willing to use explicit violence—those attack dogs in North Dakota have their even more brutal counterparts in distant parts of the planet. More often, the industry has been willing to use the concentrated force of its money. Our largest oil and gas barons, the Koch brothers—two of the richest men on earth, and among the largest leaseholders on Canada’s tar sands—have promised to deploy three-quarters of a billion dollars in this year’s contest. As Jane Mayer put it in a telling phrase, they’ve been able to “weaponize” their money to achieve their ends. So the “ruthless few” are using violence—power in its many forms.

But the other half of that aphorism is hopeful: “Nonviolence is the means by which the active many can overcome the ruthless few.” When the history of the 20th century is written, I’m hopeful that historians will conclude that the most important technology developed during those bloody hundred years wasn’t the atom bomb, or the ability to manipulate genes, or even the Internet, but instead the technology of nonviolence. (I use the word “technology” advisedly here.) We had intimations of its power long before: In a sense, the most resounding moment in Western history, Jesus’s crucifixion, is a prototype of nonviolent action, one that launched the most successful movement in history. Nineteenth-century America saw Thoreau begin to think more systematically about civil disobedience as a technique. But it really fell to the 20th century, and Gandhi, to develop it as a coherent strategy, a process greatly furthered by Dr. Martin Luther King Jr. and his associates in this country, and by adherents around the world: Otpor in Eastern Europe, various participants in the Arab Spring, Buddhist monks in Burma, Wangari Maathai’s tree-planters, and so on.

We have done very little systematic study of these techniques. We have no West Point or Sandhurst for the teaching of nonviolence; indeed, it’s fair to say that the governments of the world have spent far more time figuring out how to stamp out such efforts than to promote them. (And given the level of threat they represent to governments, that is perhaps appropriate.) What we know is what we’ve learned by experience, by trial and error.

In my own case over the last decade, that’s meant helping to organize several large-scale campaigns or social movements. Some have used civil disobedience in particular—I circulated the call for arrestees at the start of the Keystone XL pipeline demonstrations in 2011, and observers said the resulting two weeks of nonviolent direct action resulted in more arrests than any such demonstration on any issue in many years. Others have focused on large-scale rallies—some in this audience attended the massive climate march in New York in the autumn of 2014, organized in part by 350.org, which was apparently the largest demonstration about anything in this country in a long time. Others have been scattered: The fossil-fuel divestment campaign we launched in 2012 has been active on every continent, incorporated a wide variety of tactics, and has become the largest anticorporate campaign of its kind in history, triggering the full or partial divestment of endowments and portfolios with nearly $5 trillion in assets. These actions have helped spur many more such actions: Keystone represented a heretofore very rare big loss for Big Oil, and its success helped prompt many others to follow suit; now every pipeline, fracking well, coal mine, liquid-natural-gas terminal, and oil train is being fought. As an executive at the American Petroleum Institute said recently—and ruefully—to his industry colleagues, they now face the “Keystone-ization” of all their efforts.

And we have by no means been the only, or even the main, actor in these efforts. For instance, indigenous activists have been at the forefront of the climate fight since its inception, here and around the world, and the current fight over the Dakota Access pipeline is no exception. They and the residents of what are often called “frontline” communities, where the effects of climate change and pollution are most intense, have punched far above their weight in these struggles; they have been the real leaders. These fights will go on. They’ll be much harder in the wake of Trump’s election, but they weren’t easy to begin with, and I confess I see little alternative—even under Obama, the chance of meaningful legislation was thin. So, using Jonathan’s template, I’ll try to offer a few lessons from my own experience over the last decade.

* * *

Lesson one: Unearned suffering is a potent tool. Volunteering for pain is an unlikely event in a pleasure-based society, and hence it gets noticed. Nonviolent direct action is just one tool in the activist tool kit, and it should be used sparingly—like any tool, it can easily get dull, both literally and figuratively. But when it is necessary to underline the moral urgency of a case, the willingness to go to jail can be very powerful, precisely because it goes against the bent of normal life.

It is also difficult for most participants. If you’ve been raised to be law-abiding, it’s hard to stay seated in front of, say, the White House when a cop tells you to move. Onlookers understand that difficulty. I remember Gus Speth being arrested at those initial Keystone demonstrations. He’d done everything possible within the system: co-founded the Natural Resources Defense Council, chaired the president’s Council on Environmental Quality, ran the entire UN Development Program, been a dean at Yale. But then he concluded that the systems he’d placed such faith in were not coming close to meeting the climate challenge—so, in his 70s, he joined that small initial demonstration. Because his son was a high-powered lawyer, Gus was the only one of us able to get a message out during our stay in jail. What he told the press stuck with me: “I’ve held many important positions in this town,” he said. “But none seem as important as the one I’m in today.” Indeed, his witness pulled many of the nation’s environmental groups off the sidelines; when we got out, he and I wrote a letter to the CEOs of all those powerful green groups, and in return they wrote a letter to the president saying, “There is not an inch of daylight between our position and those of the people protesting on your lawn.” Without Gus’s willingness to suffer the indignity and discomfort of jail, that wouldn’t have happened, and the subsequent history would have been different.

Because it falls so outside our normal search for comfort, security, and advancement, unearned suffering can be a powerful tool. Whether this will be useful against a crueler White House and a nastier and more empowered right wing remains to be seen, but it will be seen. I imagine that the first place it will see really widespread use is not on the environment, but in regard to immigration. If Trump is serious about his plans for mass deportation, he’ll be met with passive resistance of all kinds—or at least he should be. All of us have grown up with that Nazi-era bromide about “First they came for the Jews, but I was not a Jew…” In this case, there’s no mystery: First they’re coming for the undocumented. It will be a real fight for the soul of our nation, as the people who abstractly backed the idea of a wall with Mexico are forced to look at the faces of the neighbors they intend to toss over it.

Lesson two: These tactics are useful to the degree that they attract large numbers of people to the fight. Those large numbers don’t need to engage in civil disobedience; they just need to engage in the broader battle. If you think about it, numbers are the currency of movements, just as actual cash is the currency of the status quo—at least until such time as the status quo needs to employ the currency of violence. The point of civil disobedience is rarely that it stops some evil by itself; instead, it attracts enough people and hence attention to reach the public at large.

When the Keystone demonstrations began, for instance, no one knew what the pipeline was, and it hadn’t occurred to people to think about climate change in terms of infrastructure. Instead, we thought about it in the terms preferred by politicians, i.e., by thinking about “emissions reductions” far in the future from policies like increased automobile efficiency, which are useful but obviously insufficient. In the early autumn of 2011, as we were beginning the Keystone protests, the National Journal polled its DC “energy insiders,” and 93 percent of them said TransCanada would soon have its permit for the pipeline. But those initial arrests attracted enough people to make it into a national issue. Soon, 15,000 people were surrounding the White House, and then 50,000 were rallying outside its gates, and before long it was on the front pages of newspapers. The information spread, and more importantly the analysis did too: Infrastructure became a recognized point of conflict in the climate fight, because enough people said it was. Politicians were forced to engage on a ground they would rather have avoided.

In much the same way, the divestment movement managed to go from its infancy in 2012 to the stage where, by 2015, the governor of the Bank of England was repeating its main bullet points to the world’s insurance industry in a conference at Lloyd’s of London: The fossil-fuel industry had more carbon in its reserves than we could ever hope to burn, and those reserves posed the financial risk of becoming “stranded assets.” Note that it doesn’t take a majority of people, or anywhere close, to have a significant—even decisive—impact: In an apathetic world, the active involvement of only a few percentage points of the citizenry is sufficient to make a difference. No more than 1 percent of Americans, for instance, ever participated in a civil-rights protest. But it does take a sufficient number to make an impression, whether in the climate movement or the Tea Party.

Lesson three: The real point of civil disobedience and the subsequent movements is less to pass specific legislation than it is to change the zeitgeist. The Occupy movement, for instance, is often faulted for not having produced a long list of actionable demands, but its great achievement was to make, by dint of recognition and repetition, the existing order illegitimate. Once the 99 percent and the 1 percent were seen as categories, our politics began to shift. Bernie Sanders, and to a lesser extent Donald Trump, fed on that energy. That Hillary Clinton was forced to say that she too opposed the Trans-Pacific Partnership trade deal was testimony to the power of the shift in the zeitgeist around inequality. Or take LGBTQ rights: It’s worth remembering that only four years ago, both Barack Obama and Hillary Clinton still opposed same-sex marriage. That’s difficult to recall now, since at this point you’d think they had jointly invented the concept. But it was skillful organizing for many years that changed less the laws of the land than the zeitgeist of the culture. Yes, some of those battles were fought over particular statutes; but the battles in Hollywood, and at high-school proms, and in a dozen other such venues were as important. Once movements shift the zeitgeist, then legislative victory becomes the mopping-up phase; this one Trump won’t even attempt to turn back.

This is not how political scientists tend to see it—or politicians, for that matter. Speaking to Black Lives Matter activists backstage in the course of the primary campaign, Hillary Clinton laid out her essential philosophy: “I don’t believe you change hearts. I believe you change laws, you change allocation of resources, you change the way systems operate.” This is, I think, utterly backward, and it explains much of the intuitive sense among activists of all stripes that Clinton wouldn’t have been a leader. As Monica Reyes, one of the young immigration activists in the Dreamer movement—great organizers who did much to shift public opinion—put it: “You need to change the culture before you can change laws.” Or as that guy Abraham Lincoln once put it: “Public sentiment is everything.”

By forever straddling the middle, centrist politicians delay changes in public sentiment. The viewpoint of the establishment—an appellation that in this case includes everyone from oil companies to presidents—is always the same: We need to be “realistic”; change will come slowly if it comes at all; and so forth. In normal political debates, this is reasonable. Compromise on issues is the way we progress: You want less money in the budget for X, and I want more, and so we meet in the middle and live to fight another day. That’s politics, as distinct from movement politics, which is about changing basic feelings over the great issues of the day. And it’s particularly true in the case of climate change, where political reality, important as it is, comes in a distinct second to reality reality. Chemistry and physics, I repeat, do what they do regardless of our wishes. That’s the difference between political science and science science.

* * *

There are many other points that Jonathan gets at in his book, but there’s one more that bears directly on the current efforts to build a movement around climate change. It comes in his discussion of Hannah Arendt and Mohandas Gandhi. Despite widespread agreement on the sources of power and the possibilities for mobilization, he finds one large difference between the two: Whereas Gandhi saw “spiritual love as the source and inspiration of nonviolent action, Arendt was among those who argued strenuously against introducing such love into the political sphere.” Hers was not an argument against spiritual love, but rather a contention that it mostly belonged in the private sphere, and that “publicity, which is necessary for politics, will coarsen and corrupt it by turning it into a public display, a show.” I will not attempt to flesh out the illuminating arguments on both sides, but I will say that I have changed my mind somewhat over the years on this question, at least as it relates to climate change.

Gandhi, like Thoreau before him, was an ascetic, and people have tended to lump their political and spiritual force together—and, in certain ways, they were very closely linked. Gandhi’s spinning wheel was a powerful symbol, and a powerful reality, in a very poor nation. He emphasized individual action alongside political mobilization, because he believed that Indians needed to awaken a sense of their own agency and strength. This was a necessary step in that movement—but perhaps a trap in our current dilemma. By this I mean that many of the early efforts to fight climate change focused on a kind of personal piety or individual action, reducing one’s impact via lightbulbs or food choices or you name it. And these are useful steps. The house that Sue and I inhabit is covered with solar panels. I turn off lights so assiduously that our daughter, in her Harry Potter days, referred to me as “the Dark Lord.” Often in my early writing, I fixed on such solutions. But in fact, given the pace with which we now know climate change is advancing, they seem not irrelevant but utterly ill-equipped for the task at hand.

Let’s imagine that truly inspired organizing might somehow get 10 percent of the population to become really engaged in this fight. That would be a monumental number: We think 10 percent of Americans participated in some fashion in the first Earth Day in 1970, and that was doubtless the high point of organizing on any topic in my lifetime. If the main contribution of this 10 percent was to reduce its own carbon footprint to zero— itself an impossible task—the total impact on America’s contribution to atmospheric carbon levels would be a 10 percent reduction. Which is helpful, but not very. But that same 10 percent—or even 2 or 3 percent—actually engaged in the work of politics might well be sufficient to produce structural change of the size that would set us on a new course: a price on carbon, a commitment to massive subsidies for renewable energy, a legislative commitment to keep carbon in the ground.

Some people are paralyzed by the piety they think is necessary for involvement. You cannot imagine the anguished and Talmudic discussions I’ve been asked to adjudicate on whether it’s permissible to burn gasoline to attend a climate rally. (In my estimation, it’s not just permissible, it’s very nearly mandatory—the best gas you will burn in the course of a year.) It has also become—and this is much more dangerous—the pet argument of every climate denier that, unless you’re willing to live life in a dark cave, you’re a hypocrite to stand for action on climate change. This attempt to short-circuit people’s desire to act must be rejected. We live in the world we wish to change; some hypocrisy is the price of admission to the fight. In this sense, and this sense only, Gandhi is an unhelpful example, and a bludgeon used to prevent good-hearted people from acting.

In fact, as we confront the blunt reality of a Trump presidency and a GOP Congress, it’s clearer than ever that asceticism is insufficient, and maybe even counterproductive. The only argument that might actually discover a receptive audience in the new Washington is one that says, “We need a rapid build-out of solar and wind power, as much for economic as environmental reasons.” If one wanted to find the mother lode of industrial jobs that Trump has promised, virtually the only possible source is the energy transformation of our society.

I will end by saying that movement-building—the mobilization of large numbers of people, and of deep passion, through the employment of all the tools at a nonviolent activist’s disposal—will continue, though it moves onto very uncertain ground with our new political reality. This work of nonviolent resistance is never easy, and it’s becoming harder. Jonathan’s optimism in The Unconquerable World notwithstanding, more and more countries are moving to prevent real opposition. China and Russia are brutally hard to operate in, and India is reconfiguring its laws to go in the same direction. Environmentalists are now routinely assassinated in Honduras, Brazil, the Philippines. Australia, where mining barons control the government, has passed draconian laws against protest; clearly Trump and his colleagues would like to do the same here, and will doubtless succeed to one extent or another. The savagery of the police response to Native Americans in North Dakota reminds us how close to a full-bore petro-state we are.

And yet the movement builds. I don’t know whether it builds fast enough. Unlike every other challenge we’ve faced, this one comes with a time limit. Martin Luther King would always say, quoting the great Massachusetts abolitionist Theodore Parker, that “the arc of the moral universe is long, but it bends toward justice”—meaning that it may take a while, but we are going to win. By contrast, the arc of the physical universe is short and it bends toward heat. I will not venture to predict if we can, at this point, catch up with physics. Clearly, it has a lot of momentum. It’s a bad sign when your major physical features begin to disappear—that we no longer have the giant ice cap in the Arctic is disconcerting, to say the least. So there’s no guarantee of victory. But I can guarantee that we will fight, in every corner of the earth and with all the nonviolent tools at our disposal. And in so doing, we will discover if these tools are powerful enough to tackle the most disturbing crisis humans have ever faced. We will see if that new technology of the 20th century will serve to solve the greatest dilemma of our new millennium.

What It’s Like Being a Sane Person on the House Science Committee (Gizmodo)

12/23/16 12:00pm

Artwork by Jim Cooke

Congressional Committee tweets don’t usually get much attention. But when the House Committee on Science, Space, and Technology sent out a link to a Breitbart story claiming a “plunge” in global temperatures, people took notice. The takedowns flew in, from Slate and Bernie Sanders, from plenty of scientists, and most notably from the Weather Channel, which deemed Breitbart’s use of their meteorologist’s face worthy of a point-by-point debunking video.

There is nothing particularly noteworthy about Breitbart screwing up climate science, but the House Science Committee is among the most important scientific oversight bodies in the country. Since Texas Republican Lamar Smith took over its leadership in 2012, the Committee has spiraled down an increasingly anti-science rabbit hole: absurd hearings aimed at debunking consensus on global warming, outright witch hunts using the Committee’s subpoena power to intimidate scientists, and a Republican membership that includes some of the most anti-science lawmakers in the land.

The GOP’s shenanigans get the headlines, but what about the other side of the aisle? What is it like to be a member of Congress and sit on a science committee that doesn’t seem to understand science? What is it like to be an adult in a room full of toddlers? I asked some of the adults.

“I think it’s completely embarrassing,” said Mark Veasey, who represents Texas’s 33rd district, including parts of Dallas and Fort Worth. “You’re talking about something that 99.9 percent—if not 100 percent—of people in the legitimate science community says is a threat….To quote Breitbart over some of the most brilliant people in the world—and those are American scientists—and how they see climate change, I just think it’s a total embarrassment.”

Paul Tonko, who represents a chunk of upstate New York that includes Albany, has also called it embarrassing. “It is frustrating when you have the majority party of a committee pushing junk science and disproven myths to serve a political agenda,” he said. “It’s not just beneath the dignity of the Science Committee or Congress as a whole, it’s inherently dangerous. Science and research seek the truth—they don’t always fit so neatly with agendas.”

“I think it’s completely embarrassing.”

Suzanne Bonamici, of Oregon’s 1st District, also called it frustrating “to say the least” that the Committee “is spending time questioning climate researchers and ignoring the broad scientific consensus.” California Rep. Eric Swalwellcalled it the “Science” Committee in an email, and made sure I noted the air quotes. He said that in Obama’s first term, the Committee helped push forward on climate change and a green economy. “For the last four years, however, being on the Committee has meant defending the progress we’ve made.”

Frustration, embarrassment, a sense of Sisyphean hopelessness—this sounds like a grim gig. And Veasey also said that he doesn’t have much hope for a change in the Science Committee’s direction, because that change would have to come from the chairman. Smith has received hundreds of thousands of dollars in campaign support from the oil and gas industry over the years, and somehow finds himself in even greater climate change denial than ExxonMobil.

And of course, it isn’t just the leadership. The League of Conservation Voters maintains a scorecard of every legislator in Congress: for 2015, the most recent year available, the average of all the Democratic members on the science committee is 92.75 percent (with 100 being a perfect environment-friendly score). On the GOP side of the aisle, the average is just over three percent.

(I reached out to a smattering of GOP members of the Committee to get their take on its recent direction. None of them responded.)

Bill Foster, who represents a district including some suburbs of Chicago, is the only science PhD in all of Congress (“I very often feel lonely,” he said, before encouraging other scientists to run for office). “Since I made the transition from science into politics not so long ago, I’ve become very cognizant of the difference between scientific facts, and political facts,” he said. “Political facts can be established by repeating over and over something that is demonstrably false, then if it comes to be accepted by enough people it becomes a political fact.” Witness the 52 percent of Republicans who currently believe Trump won the popular vote, and you get the idea.

I’m not sure “climate change isn’t happening” has reached that “political fact” level, though Smith and his ilk have done their damndest. Recent polls suggest most Americans do understand the issue, and more and more they believe the government should act aggressively to tackle it.

“Political facts can be established by repeating over and over something that is demonstrably false, then if it comes to be accepted by enough people it becomes a political fact.”

That those in charge of our government disagree so publicly and strongly now has scientists terrified. “This has a high profile,” Foster said, “because if there is any committee in Congress that should operate on the basis of scientific truth, it ought to be the Science, Space, and Technology committee—so when it goes off the rails, then people notice.”

The odds of the train jumping back on the rails over the next four years appear slim. Policies that came from the Obama White House, like the Clean Power Plan, are obviously on thin ice with a Trump administration, and without any sort of check on Smith and company it is hard to say just how pro-fossil fuel, anti-climate the committee could really get.

In the face of all that, what is a sane member of Congress to do? Elizabeth Esty, who represents Connecticut’s 5th district, was among several Committee members to note that in spite of the disagreements on climate, she has managed to work with GOP leadership on other scientific issues. Rep. Swalwell said he will try and focus on bits of common ground, like the jobs that come with an expanding green economy. Rep. Veasey said his best hope is that some strong conservative voices from outside of Congress might start to make themselves heard by the Party’s upper echelons on climate and related issues.

An ugly and dire scenario, then, but the Democrats all seem to carry at least a glimmer of hope. “It’s certainly frustrating and concerning but I’m an optimist,” Esty said. “I wouldn’t run for this job if I weren’t.”

Dave Levitan is a science journalist, and author of the book Not A Scientist: How politicians mistake, misrepresent, and utterly mangle science. Find him on Twitter and at his website.

Rise of the internet has reduced voter turnout (Science Daily)

Date:
September 16, 2016
Source:
University of Bristol
Summary:
During the initial phase of the internet, a “crowding-out” of political information occurred, which has affected voter turnout, new research shows.

The internet has transformed the way in which voters access and receive political information. It has allowed politicians to directly communicate their message to voters, circumventing the mainstream media which would traditionally filter information.

Writing in IZA World of Labor, Dr Heblich from the Department of Economics, presents research from a number of countries, comparing voter behaviour of municipalities with internet access to the ones without in the early 2000s. It shows municipalities with broadband internet access faced a decrease in voter turnout, due to voters suddenly facing an overwhelmingly large pool of information and not knowing how to filter relevant knowledge efficiently. Similarly, the internet seemed to have crowded out other media at the expense of information quality.

However, the introduction of interactive social media and “user-defined” content appears to have reversed this. It helped voters to collect information more efficiently. Barack Obama’s successful election campaign in 2008 set the path for this development. In the so-called “Facebook election,” Obama successfully employed Chris Hughes, a Facebook co-founder, to lead his highly effective election campaign.

Using a combination of social networks, podcasts, and mobile messages, Obama connected directly with (young) American voters. In doing so, he gained nearly 70 per cent of the votes among Americans under the age of 25.

But there is a downside: voters can now be personally identified and strategically influenced by targeted information. What if politicians use this information in election campaigns to target voters that are easy to mobilize?

Dr Heblich’s research shows there is a thin line between desirable benefits of more efficient information dissemination and undesirable possibilities of voter manipulation. Therefore, policymakers need to consider introducing measures to educate voters to become more discriminating in their use of the internet.

Dr Heblich said: “To the extent that online consumption replaces the consumption of other media (newspapers, radio, or television) with a higher information content, there may be no information gains for the average voter and, in the worst case, even a crowding- out of information.

“One potential risk relates to the increasing possibilities to collect personal information known as ‘big data’. This development could result in situations in which individual rights are violated, since the personal information could be used, for example, to selectively disseminate information in election campaigns and in influence voters strategically.”

See the report at: http://wol.iza.org/articles/effect-of-internet-on-voting-behavior

O voo dos Gaviões pela liberdade e critica social nas arquibancadas do Brasil (Le Monde Diplomatique Brasil)

Por Sandro Barbosa de Oliveira

04 de Março de 2016

O estopim para que ocorressem tais manifestações talvez seja o fato do deputado estadual Fernando Capez (PSDB) estar envolvido em denúncias sobre o esquema de desvio de verbas das merendas das escolas públicas do estado de São Paulo. Não por acaso que os Gaviões miram em Capez: o inimigo número um das torcidas.

Muito tem se falado sobre as manifestações políticas da torcida Gaviões da Fiel nos jogos do Campeonato Paulista, mas pouco sobre a história que fundamenta tais manifestações. Por isso, esse artigo pretende apresentar alguns elementos que possam contribuir para elucidar esse fenômeno e problematizar os aspectos que envolvem o seu desenvolvimento. Para tanto, inicia com a seguinte pergunta: quando foi que a torcida realizou a primeira manifestação em 2016?

Final da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2016. Os Gaviões da Fiel Torcida, que tomaram parte das arquibancadas do lendário estádio do Pacaembu, decidiram realizar uma festa popular ao acenderem sinalizadores e gás de fumaça para festejar a partida decisiva entre Corinthians e Flamengo, com a presença das duas maiores torcidas do país. Até aí tudo bem se não fosse o fato de sinalizadores e fumaça serem proibidos pela Federação Paulista de Futebol (FPF) e coibidos pela Polícia Militar (PM) do estado de São Paulo. Mas essa não foi uma simples festa popular. Com essa ação, a torcida corinthiana iniciou uma série de protestos políticos contra FPF, o preço dos ingressos e as proibições que sofrem as torcidas para ingressar com bandeiras, faixas e sinalizadores inofensivos nas arquibancadas, fato que fez com que a torcida sofresse outra punição: ficar 60 dias proibida de entrar com faixas e bandeiras nos estádios.

Esse processo de proibições vem desde 1995 e se institucionalizou na forma de punição sobre as torcidas organizadas (elas que representam a organização coletiva e política de seus torcedores) após o infeliz acontecimento decorrente da briga entre torcidas dos times São Paulo e Palmeiras, também na final da Copa São Paulo daquele ano. De lá para cá a imprensa esportiva, o Ministério Público (sob ações do promotor Fernando Capez), a PM e a FPF construíram um discurso e passaram a criminalizar as torcidas organizadas ao realizar ações para que elas perdessem seu espaço nos estádios, com o objetivo de consolidar o padrão de outro tipo de torcedor: o torcedor “família”, consumidor e individual do chamado “futebol moderno”, aquele que consome, porém, não questiona enquanto sujeito político os problemas do esporte nas arquibancadas.

Nesse meio tempo, com as torcidas banidas por um período das arquibancadas e com o discurso da violência nos estádios, a Rede Globo de televisão, aliada de cartolas e dirigentes de clubes, federações e da CBF, estabeleceu a compra das transmissões para consolidar um sistema de transmissão fechado em canais pago, e deter preferência nas transmissões em canal aberto através de privilégios. Ela negociou diretamente com cada clube e estabeleceu contratos que amarram futuras decisões. Com isso, criou-se um público de torcedores que não iam mais ao estádio (com medo das torcidas) e que assistiam no conforto de suas casas, com seus familiares e amigos até que os estádios voltassem a ser “seguros” e compatíveis com certos interesses de classes desses agentes. Ao retornarem aos estádios, as torcidas foram fichadas pela PM e ficaram impedidas de entrar com bandeiras de bambu, sinalizadores inofensivos e com outros adereços.

Recentemente e não por acaso, foi perceptível que antes, durante e após a Copa do Mundo no Brasil em 2014 organizado pela Fédération Internationale de Football Association (FIFA) – entidade maior do futebol que também está manchada por escândalos de corrupção tal como a CBF e a FPF – construiu-se um discurso sobre o tal padrão de torcedor e estádio que deveria ser consolidado no país. A organização local desse torneio impediu que manifestantes se aproximassem dos estádios (chamados agora de arenas) por meio de um forte aparato repressor, ao se passar uma imagem para o mundo de que o país vivia alegre e festivamente a Copa (imagem veiculada pela transmissão oficial). No entanto, outros meios mostravam a real situação nas ruas através das manifestações organizadas pelos Comitês Populares da Copa e que foram reprimidas com violência e prisões, imagens estas veiculadas pelas mídias alternativas na Internet. Nesse momento, os Gaviões da Fiel estiveram calados e sequer se manifestaram contra o processo de elitização no futebol que vinha antes da Copa e que se potencializou com o torneio. Se tivessem se posicionado, teriam o apoio das organizações populares que estavam nas ruas lutando por uma Copa popular.

Mas por que os Gaviões da Fiel se manifestaram somente agora em 2016?

Um dos aspectos que chamam a atenção é o posicionamento da atual diretoria dos Gaviões através de seu presidente Rodrigo Fonseca, o Diguinho, que disse em entrevista ao jornal Brasil de Fato que “Não podemos assistir omissos ao processo de elitização do futebol”. De fato, ele reconhece que “não apenas o Corinthians está passando faz anos e tornando a arquibancada um lugar mais branco e rico que outrora”, e destaca que “CBF, FPF, Rede Globo, diretoria do Corinthians e os tais promotores, todos eles trabalham em conjunto para fazer do futebol um espetáculo de elite”.

Outro aspecto importante é que em 2015 os Gaviões soltaram notas em apoio à greve dos professores da rede pública estadual que durou 90 dias, e aos estudantes que lutaram contra a reorganização escolar e ocuparam com ousadia o coração do espaço público na sociedade – as escolas públicas do estado de São Paulo. Ambas as lutas contra o governo do estado que também puniu as torcidas com uma visão elitista de criminalizá-las. Essas lutas sem dúvida influenciaram os Gaviões e os fez alçar novos voos pela liberdade também nas arquibancadas, ao buscarem em sua própria história e origem o legado da luta contra um sistema opressor em defesa da liberdade e da crítica social nas arquibancadas por meio de um despertar político. Os Gaviões nasceram para fiscalizar e lutar contra os autoritarismos e as censuras impostas pela arbitrariedade de dirigentes e federações no clube e no futebol durante a ditadura militar. Foi a primeira (e talvez única) torcida a levantar em 1979 a faixa pela Anistia ampla aos presos políticos.

Regressando um pouco ao ano de 2007, ano em que a torcida corinthiana protagonizou o Movimento Fora Dualib, o futebol do Corinthians enfrentava crises sem tréguas que culminou com o rebaixamento no Campeonato Brasileiro daquele ano. A crise que estourou no clube foi resultado das tramas entre dirigentes que agiam de maneira oligárquica e o setor financeiro. No ano de 2005 eles realizaram uma parceria com a Media Sports Investment (MSI), representada pelo iraniano Kia Joorabchian, parceria que expressou a chegada de capitais britânicos e russos de origem duvidosa ao futebol brasileiro. A MSI estabeleceu um contrato em que iria realizar investimentos por dez anos no futebol do Corinthians ao contratar jogadores renomados e construir o estádio para o clube. Ela formou um time que auto intitulou de “galácticos” que conquistou o Campeonato Brasileiro de 2005, mas que na temporada seguinte, devido ao desgaste pelo controle do futebol do clube entre Kia e Dualib, deixou de enviar recursos ao clube que gerenciou o departamento de futebol por conta própria e acumulou uma dívida superior aos R$ 70 milhões. A parceria, que ganhou as manchetes e elevou o clube aos noticiários esportivos do mundo, terminou em 2007 nas páginas policiais com a intervenção do Ministério Público Federal e o bloqueio das contas da MSI e de seus representantes acusados de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, aspectos que fizeram com que os Gaviões e as demais torcidas corinthianas se mobilizarem para retirar da presidência o responsável por essa trama: Alberto Dualib.

Mas o que esse episódio na história do Corinthians pode dizer sobre o futebol brasileiro? Em primeiro lugar, o futebol é a expressão da formação social, econômica e política da sociedade brasileira organizada para exportar “produtos primários”, aspecto estrutural de uma economia “voltada para fora” e que foi devidamente analisada pelo historiador Caio Prado Júnior quando desvelou o seu caráter dependente. No caso do futebol, isso implica em dizer que parte dos jogadores preparados aqui tem seus passes “vendidos” precocemente em transações financeiras para os grandes clubes da Europa, o que atribui um papel decisivo a um agente que não existia antes no futebol – o empresário de jogador, aquele que faz a ponte entre o clube daqui com os clubes estrangeiros de lá. O futebol expressa a desigualdade social já que 0,80% dos jogadores recebem salários entre R$ 50 mil a R$ 500 mil e 82,40% não recebem mais que R$ 1.000,00.[1] Em segundo lugar, os clubes que querem formar grandes elencos para a conquista de títulos e não criaram condições próprias para isso, acabam por depender de recursos externos e recorrem aos investidores, patrocinadores e parceiros na execução dos chamados “projetos” para aquela temporada ou para um período maior. O fato é que os clubes de futebol, que são entidades sem fins lucrativos e/ou associações, passaram a depender de agentes do setor financeiro que visam com os seus “investimentos” encontrar fontes mais rentáveis para suas receitas e viram nos clubes um jeito de gerar rentabilidade aos seus capitais livres de impostos. O problema é o descompasso entre os clubes, já que parte ainda são geridos de maneira oligárquica por seus dirigentes, e os agentes financeiros, empresas e pessoas físicas que investem recursos para obter lucro.

Em tal cenário de investimentos de capitais e mercantilização sem riscos as torcidas organizadas passaram a ser um problema, pois elas querem ver seus times com elencos fortes e disputando títulos, e questionam com força quando isso não acontece. Elas entraram também no jogo do “mercado” e deixaram de lado as manifestações política que marcaram suas trajetórias. Então, como o futebol não é uma ciência exata e depende da dinâmica dos jogos e da organização das equipes, nem sempre é provável que o elenco mais caro e forte saia vencedor daquele campeonato. Mas como os clubes brasileiros foram integrados em um mundo de economia globalizada, financeirizada e midiatizada, precisam lidar com “a propaganda como a alma do negócio”. Mesmo que não vençam campeonatos, o importante é a marca aparecer e se autovalorizar, e para isso o marketing dos clubes grandes foi ampliado. Outro aspecto é que as brigas entre as torcidas que expressava a organização das classes populares teria afastado o torcedor-consumidor do ideário liberal-econômico que manteria essa engrenagem funcionando.

Nesse sentido, estaria aí um nexo que articula uma explicação possível para a proibição das torcidas nos estádios em São Paulo: por um lado, altos investimentos de empresas e emissoras de televisão nos clubes grandes e nas federações, para que garantam o monopólio e o privilégio de valorização e transmissão das partidas, por outro, pacificação e aburguesamento nas arquibancadas, expresso inclusive no programa Fiel Torcedor que exclui e individualiza o acesso ao estádio, duplo movimento chamado pelas torcidas de “futebol moderno”, o qual é possível defini-lo por futebol elitizado. O futebol paulista e brasileiro, portanto, faz então um movimento de regresso às suas origens direto para a elitização, mas com os conflitos de nosso tempo histórico, já que o mesmo se popularizou a partir da década de 1930 e se tornou paixão nacional na década de 1950 entre as classes populares nos processos de industrialização da sociedade.

Por isso, e retomando a importância das recentes manifestações, por que os atos nas arquibancadas protagonizados pelos Gaviões ganharam ressonância geral para além do clubismo? Talvez porque a torcida corinthiana decidiu atacar de maneira politizada as raízes do problema que determinou a sua punição no estádio com uma pauta clara e direta. Com faixas nas partidas contra o Capivariano e o São Paulo no Campeonato Paulista de 2016 estabeleceu o seguinte diálogo com a sociedade: “Rede Globo, o Corinthians não é o seu quintal”; “Cadê as contas do estádio?”; “CBF, FPF a vergonha do futebol”; “Futebol refém da Rede Globo”; “Quem vai punir o ladrão de merendas?”; “Ingresso mais barato”. Foi a primeira vez que uma torcida se manifestou explicitamente nas arquibancadas contra essas entidades e emissora. Entretanto, ao denunciar os causadores da falta de liberdade de expressão e de sua punição das arquibancadas, os Gaviões enfrentaram a PM e a FPF que impediam que as torcidas se manifestassem politicamente nos estádios. Ao derrubarem os argumentos das “autoridades” com referência ao próprio Estatuto do Torcedor que seus algozes utilizavam, demonstraram conhecimento de causa e puderam deslegitimar a tentativa da FPF e da PM de criminalizá-los.

Cabe destacar que o primeiro movimento de torcedores corinthianos contra o “futebol moderno” dentro e fora do Itaquerão (estádio do Corinthians) foi protagonizado por um pequeno grupo de dissidentes dos Gaviões e torcedores comuns em 2014, quando resgataram o movimento criado pelas organizadas “Andrés aqui não tem burguês”. Eles se manifestaram com faixas e dizeres do tipo “Ingresso caro = corinthiano de fora”, ao se posicionar contra os ingressos caros no novo estádio e chamar a atenção para a exclusão dos corinthianos das classes populares (preto, pobre e periférico). Contudo, sofreram represália da PM e tiveram suas faixas tomadas sob alegação de que estavam violando a lei. Esse movimento ficou restrito a este grupo pequeno e não teve visibilidade como ocorreu agora com as ações dos Gaviões que sempre foi referência política e de canto na arquibancada. De qualquer maneira, o grupo criticou o ex-presidente Andrés Sanchez, responsável pela gestão do estádio, e conseguiu uma conquista importante já que foi ano de eleição: uma pequena baixa no preço dos ingressos. Só que o preço dos ingressos continuou alto para as condições de vida das classes populares que historicamente frequentaram os estádios, não só em jogos no Itaquerão, mas também em jogos com mando de campo de times do interior.

Mas no atual momento o que defendem os Gaviões?

Os Gaviões defendem o direito à liberdade de expressão e à livre manifestação da coletividade nas arquibancadas desse Brasil a fora. Essa liberdade foi garantida pela Constituição Federal de 1988 que diz que “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição”. Todavia, segundo o Estatuto do Torcedor e o regulamento da FPF, os torcedores podem se manifestar pacificamente nas arquibancadas. Por isso, como disse o jornalista José Trajano “tudo o que eles manifestaram, através das faixas, tem o apoio da maioria da população brasileira. Eles são os nossos porta-vozes. Assino embaixo”. Esse sentimento particular de uma torcida que luta por sua liberdade de crítica social é o sentimento geral de maior parte da população brasileira que se reconhece e se identifica nesse tipo de manifestação, já que o futebol enquanto paixão nacional se tornou um lazer mercantilizado e gerido por dirigentes mafiosos que estão imersos em esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro, dominado por uma emissora de TV e que parecem desconsiderar os valores afetivos e de sociabilidade que os torcedores têm por esse esporte popular.

Ademais, talvez o estopim para que ocorressem tais manifestações agora seja o fato de haver chegado ao público denúncias sobre o esquema de desvio de verbas das merendas das escolas públicas do estado de São Paulo, esquema que teria como principal articulador o promotor e deputado estadual Fernando Capez (Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB). Não por acaso que os Gaviões miram em Capez: o inimigo número um das torcidas e que agora se encontra imerso em denúncias sobre atitudes ilícitas e criminosas de desvio de verbas, aspecto que sempre atribuiu em seus discursos às torcidas organizadas. Ironias da história que não só gira, mas, sobretudo, se desenvolve em um movimento espiral de contradições e conflitos sociais em que os agentes e os acontecimentos se convertem no seu contrário, o bom moço da promotoria está no banco dos réus enquanto que os Gaviões procuram resgatar sua imagem de torcida que faz a festa e manifestações legítimas com forte apelo social.

Por fim, os Gaviões apresentam uma crítica social e não só do futebol ao que ocorreu nas escolas públicas com a chamada propina da merenda escolar e parece conclamar as torcidas, os estudantes e os trabalhadores, já que entoaram o canto “Eu não roubo merenda, eu não sou deputado. Trabalho todo dia, não roubo meu Estado” e de “Ladrão, ladrão, devolve o futebol pro povão”, para lutar contra os desmandos e arbitrariedades da FPF e do partido do governo estadual nesses 21 anos de mandatos, o mesmo partido que proibiu as torcidas de se manifestarem nos estádios, os estudantes de se manifestarem nas escolas e os professores de se manifestarem nas ruas. Tal como analisou Marx, podemos inferir também que a história ocorre por assim dizer duas vezes: a primeira como tragédia, com a proibição das torcidas, reorganização escolar e derrota da greve dos professores, e a segunda como farsa, predominância de torcedores “coxinhas” nas arquibancadas, desorganização escolar camuflada e precarização do trabalho de professores nas escolas. É preciso então haver lutas pela liberdade e crítica social nas arquibancadas, nas escolas e nas ruas para que haja a transformação efetiva da sociedade. As demais torcidas do Corinthians e de outros clubes já estão seguindo o exemplo de politização dos Gaviões e se manifestando nas arquibancadas. Tomara que essas manifestações construa um movimento para além do clubismo e por um futebol que retorne ao poder e apropriação das classes populares.

Sandro Barbosa de Oliveira 

Sandro Barbosa de Oliveira é professor, educador popular, bacharel em Ciências Sociais pelo Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA), mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e doutorando em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Participa do Grupo de Pesquisa Classes Sociais e Trabalho da Unifesp. É também associado e cientista social da Usina Centro de Trabalhos para o Ambiente Habitado.

 

Foto: André Lucas Almeida, Jornalistas Livres

 

Pinguela deixa fórum do clima por discordar de impeachment (OESP)

Giovana Girardi

16 maio 2016 | 16:46

O físico Luiz Pinguelli Rosa, que desde 2004 era o secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, enviou e-mail a Temer pedindo desligamento do cargo por não concordar com o afastamento de Dilma Rousseff. Em entrevista ao Estado, ele explica seus motivos e analisa a gestão Dilma para o clima

Atualizado às 18h55

O físico Luiz Pinguelli Rosa, que desde 2004 atuava como secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, pediu desligamento do cargo na última quinta-feira, 12, depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff. Em carta enviada ao presidente em exercício, Michel Temer, explicou que se recusava a continuar no cargo.

Reunião ordinária do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas com Dilma e Pinguelli em abril de 2012. Crédito: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Reunião ordinária do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas com Dilma e Pinguelli em abril de 2012. Crédito: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

“Reputo de injusto o afastamento da Presidente da República pelo Congresso Nacional com a conivência do Supremo Tribunal Federal, pois não se provou qualquer crime de responsabilidade como estabelece a Constituição”, escreveu em mensagem enviada ao e-mail institucional da vice-presidência.

Ele lembrou que foi nomeado ao cargo em 2004 pelo então presidente Lula e foi mantido por Dilma. “O Fórum teve várias reuniões com o Presidente da República e Ministros apresentando sugestões que foram incorporadas no Plano Nacional de Mudanças Climáticas e na Lei Nacional sobre Mudanças Climáticas, bem como contribuiu para o Compromisso do Brasil na Conferência do Clima da ONU. No momento, o Fórum estava discutindo as propostas para o Plano de Adaptação nos diversos setores em ligação direta com a Ministra do Meio Ambiente”, disse.

O órgão, formado por cientistas de diversos áreas de clima, foi criado em 2000 por Fernando Henrique e teve uma função de destaque especialmente durante o governo Lula para a formulação de políticas de combate às mudanças climáticas.

Professor emérito da Coppe, o instituto de pós-graduação e pesquisa em engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pinguelli foi presidente da Eletrobras no primeiro governo de Lula.

Em entrevista ao Estado, o pesquisador explicou sua decisão. “Não estou fazendo nenhum juízo de valor sobre o governo Temer, mas o fórum é diretamente ligado ao presidente da República e eu não concordo com a mudança dessa forma. Não é uma questão de Dilma, mas de princípio”, disse.

“A tal pedalada é mal definida. Usar verba de banco público que depois é coberto em prazo pequeno é uma trivialidade que qualquer administrador já fez algo parecido. Para falar em crime tem de ser uma coisa séria, tem de ter materialidade, como agir de má fé ou se apropriar de recursos públicos. Quem fez isso foram outros no Congresso e o Supremo Tribunal Federal se fez de bobo. Não me sinto bem em cooperar no nível com o presidente”, complementou.

Mesmo presidindo o fórum, Dilma levou mais de um ano para participar de sua primeira reunião, ainda na primeira gestão, em abril de 2012. Na ocasião, causou polêmica ao dizer, às vésperas da realização da conferência Rio+20, que o evento não iria “discutir a fantasia” das energias renováveis.

“Ninguém numa conferência dessas também aceita, me desculpem, discutir a fantasia. Eu tenho que explicar para as pessoas como é que elas vão comer, como é que elas vão ter acesso à água, como é que elas vão ter acesso à energia. Eu não posso falar: “olha é possível só com eólica de iluminar o planeta”. Não é. Só com solar, de maneira alguma.”

Pinguelli contemporizou o começo meio torto e disse que hoje a situação é outra. “Tivemos problema com etanol, com biodiesel, porque a política energética não foi muito boa, estimulou muito o uso da gasolina em detrimento do etanol. Mas eólica cresceu bastante. A geração já equivale à (que será produzida por) Belo Monte.”

Veja a seguir a íntegra da entrevista:

O que fez o senhor tomar essa decisão?

Não estou fazendo nenhum juízo de valor sobre o governo Temer, mas o fórum é diretamente ligado ao presidente da República e eu não concordo com a mudança dessa forma. Não é uma questão do governo da Dilma, mas de princípio. A tal pedalada é mal definida.O fato de ter um uso de verba de banco público que depois é coberto em prazo pequeno é uma trivialidade que qualquer administrador faz algo parecido. Não significa um crime. Crime é uma coisa séria, tem de ter materialidade, como agir de má fé ou se apropriar indevidamente de recursos públicos. Quem fez isso foram outros que participaram do processo no Congresso. E o Supremo Tribunal Federal se fez de bobo. Não atuou no caso Eduardo Cunha, que se empenhou no processo de impeachment. O STF tinha desde dezembro uma denúncia contra ele do procurador-geral da República e deixou para fazer valer depois de Dilma já ter sofrido a condenação pela Câmara, o que dá uma intenção suspeita ao supremo. Não me sinto bem em continuar cooperando porque minha ligação como secretário do fórum é com o presidente do Fórum, que é o presidente da República. Não na qualidade de um assessor direto do presidente. Espero que outra pessoa mais afinada com esse governo do que eu vá para esse lugar.

Qual é a avaliação que o senhor faz da gestão Dilma em relação às mudanças climáticas?

Eu não posso dizer que o governo Dilma foi muito atuante na questão climática. Acho que o do Lula foi mais. Por causa, particularmente, da intervenção do Brasil na Conferência (do Clima da ONU) de Copenhague (em 2009) e da elaboração do Plano e da Lei Nacional de Mudanças Climáticas, para o qual o fórum foi muito chamado para ajudar. No momento o fórum estava fazendo uma série de debates mais ligados ao Ministério do Meio Ambiente sobre a questão dos planos de adaptação à mudança climática. E fizemos também, para a conferência de Paris, um estudo em cooperação com colegas de universidades em que fizemos um cenário futuro, de modelagem climática aqui da Coppe, sobre a mudança climática que foi aproveitado na discussão em Paris. Fórum teve uma atividade menor no governo Dilma em relação ao governo Lula, mas não era nula.

O Brasil foi bastante elogiado por sua atuação na costura do Acordo de Paris. Como o sr. viu esse momento?

Acho que a Izabella (Teixeira, ministra do Meio Ambiente em todo o governo Dilma) teve uma presença muito atuante na conferência do clima e o fórum acabou tornando-se mais próxima da Izabella (do que da Dilma). Inclusive na conferência de Paris, foi ela que participou da reunião do fórum. Dilma se afastou, mas Izabella não. Na prática, embora o Fórum continuasse ligado à presidente Dilma no organograma, ficamos mais próximo do Ministério do Meio Ambiente. Não era uma função remunerada. Era voltada para atrais ONGs, acadêmicos, mesmo os setores empresariais para a discussão de problemas concretos da questão internacional da mudança climática. Isso foi feito o tempo todo. Até poucos meses atrás, no fim de 2015, houve essas reuniões. Aí houve um interregno com essa crise profunda que o Brasil atravessa.

Nos últimos dias da gestão Dilma, o ministério do Meio Ambiente correu para aproveitar os últimos momentos e lançou uma série de boas ações para o ambiente, inclusive o Plano Nacional de Adaptação, que era esperado desde o ano passado.. O que o sr. achou disso?

Acho que esse movimento foi bom, deixou uma contribuição concreta. O PNA avança, melhora a situação. É preciso lembrar que o Brasil tem climas diferentes de acordo com a região e pode haver enormes impactos, não só nos fenômenos atmosféricos, que afetam o ambiente e as populações, como enchentes, ventos muito fortes, como também a produção agrícola, que depende muito do clima. Mas é verdade que foi meio corrido. Ele é uma contribuição que reuniu o que já tinha à mão, embora pudesse avançar mais. Mas não impede que o novo governo faça isso. O que foi feito é o que tinha à mão. Acho que o governo tinha uma perspectiva de se prolongar um pouco mais para a elaboração desse plano e foi abreviado.

Qual é a expectativa do senhor sobre o novo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, e para a questão climática na nova gestão.

Ele já foi ministro, né? Faço votos para que faça boa gestão. A expectativa é que tenha boa gestão, ele tem condições para isso, tem interesse nessa área. Já estive com ele muitas vezes discutindo questões da mudança climática. Mas me sentia mais identificado com a gestão Dilma. A própria Izabella foi nossa aluna aqui no doutorado da Coppe. Havia uma proximidade maior. Quanto à política do clima, vamos ver. O Sarney Filho tem pedigree de meio ambiente. Mas o ministro de Minas e Energia (Fernando Filho) é um ilustre desconhecido, é de outro ramo, não tem nada a ver.

O governo Dilma teve como bandeira o pré-sal, investindo mais em combustíveis fósseis que em renováveis, enquanto há uma expectativa mundial de descarbonização até o final do século. O sr. esteve à frente de discussões sobre o futuro energético. Como o sr. vê essa questão?

Acho que o Brasil ainda vai usar petróleo por um tempo, mas tem de reduzir, e isso já tem feito usando biocombustível, que já ultrapassou 40% do total de combustíveis. Mas não está tudo perfeito. Tivemos problema com etanol, com biodiesel, porque a política energética não foi muito boa, estimulou muito o uso da gasolina em detrimento do etanol. O preço da gasolina foi colocado abaixo do preço de importação. Houve uma retomada do etanol por volta de 2003 e 2004 com os carros flex e isso permitiu um aumento grande do consumo do etanol. Mas com o estímulo de preço baixo da gasolina, o etanol perdeu a competitividade, houve uma certa redução do consumo.

E nesse momento se discute na Câmara que carro leve use diesel no Brasil.

Isso é ruim. O que devia ser feito era incentivar os carros híbridos (combustível + elétrico), que ainda são muito caros. Devia haver uma política de compensações e redução desse preço.

As metas brasileiras ao Acordo de Paris também não trazem um aumento significativo do uso de etanol e biocombustíveis (prevê uma participação de 16% de etanol na matriz energética total do País até 2025).

Não é uma participação pequena, mas de fato não tem um grande aumento. Concordo que para o futuro, talvez 2040 em diante, deva aumentar, mas para 2020 é mais difícil mudar a tendência porque energia tem uma inércia muito grande. Depois pode aumentar muito. Mas isso depende da política e ultimamente a política não foi muito favorável ao biocombustível. A gente fez a crítica perante a presidente Dilma. Mostramos essa preocupação. Uso de energia eólica cresceu bastante, já igualou à de Belo Monte. Mas infelizmente a de térmica também cresceu por causa das crises hídricas.

Presidente de Portugal quer fazer revisão do novo acordo ortográfico (Folha de S.Paulo)

Giuliana Miranda, 15/05/2016

Oficialmente, o último acordo ortográfico está em vigor em Portugal desde 2009, mas ainda enfrenta resistência em vários setores. Na semana passada, o time dos descontentes recebeu um apoio de peso: o novo presidente português se mostrou favorável à revisão das regras.

Em visita a Moçambique —país lusófono que, assim como Angola, não ratificou as mudanças—, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que a não adesão dos africanos pode permitir a Portugal também rever sua posição no acordo.

Mauro Vombe – 4.mai.2016/Xinhua
O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, (esq.) saúda o colega moçambicano Filipe Nyusi
O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, (esq.) saúda o colega moçambicano Filipe Nyusi

Na quarta-feira (11), a Associação Nacional de Professores de Português e vários membros da organização “Cidadãos contra o Acordo Ortográfico” recorreram à Justiça pedindo a anulação da norma que disseminou o uso da nova ortografia no país.

No cargo há dois meses, Rebelo de Sousa nunca escondeu sua contrariedade sobre o tema. Na década de 1990, ele assinou um manifesto que reuniu 400 personalidades portuguesas contrárias ao acordo ortográfico.

Embora as críticas públicas tenham se abrandado, o livro de imagens de sua campanha à Presidência, “Afectos”, não adota as mudanças ortográficas nem no título.

Em “O Acordo Ortográfico Não Está Em Vigor” (ed. Guerra & Paz), o embaixador e professor de direito internacional Carlos Fernandes diz que o acordo fere também princípios jurídicos e, por isso, não deveria ser adotado.

Segundo Fernandes, além de as regras anteriores não terem sido oficialmente revogadas, o governo português tampouco cumpriu trâmites legais obrigatórios para a entrada em vigor dos novos parâmetros da língua.

O debate sobre uma possível revisão do acordo —há quem defenda até um referendo— provocou uma “caça às bruxas” ortográfica. Vários políticos tiveram currículos, biografias e livros vasculhados em busca de indícios de que são contrários às mudanças na escrita.

CRÍTICAS AO BRASIL

Embora tenha sido assinado em 1990 pelos Estados de língua oficial portuguesa, o acordo precisa passar por ratificação interna em cada país para entrar em vigor. Brasil, Portugal, São Tome e Príncipe e Cabo Verde já promulgaram a decisão.

Já Angola e Moçambique —que concentram a maioria dos falantes do português depois do Brasil— ainda não têm data para ratificar.

O português é a quinta língua mais falada do mundo, com cerca de 280 milhões de falantes, dos quais 202 milhões estão no Brasil, 24,7 milhões em Angola, 24,6 milhões em Moçambique e 10,8 milhões em Portugal.

Entre os críticos portugueses e africanos, as alterações são encaradas como submissão aos desejos do Brasil. A língua oficial do país é várias vezes pejorativamente chamada de “brasileiro”.

Um dos motivos da discórdia é o fim das consoantes mudas presentes em várias palavras de Portugal. Com o acordo, prevaleceu a versão brasileira. Por exemplo: actor vira ator e óptimo, ótimo.

Segundo o Ministério da Educação brasileiro, as mudanças afetaram cerca de 0,8% dos vocábulos do Brasil e 1,3% dos de Portugal.

GOVERNO DEFENDE

O governo de Portugal segue o acordo ortográfico, e vários ministros saíram em defesa das regras.

Considerado o pai do acordo e um dos mais mais influentes linguistas lusitanos, Malaca Casteleiro também tem defendido sua aplicação.

O primeiro-secretário do Brasil em Lisboa, André Pinto Pacheco, afirmou que ” a embaixada acompanha com atenção o assunto, procurando esclarecer o Estado e a opinião pública de Portugal sobre a aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no Brasil”.

Diretor do setor de lexicografia e lexicologia da Academia Brasileira de Letras, Evanildo Bechara minimizou as críticas do presidente português e ressaltou o ritmo da implementação do acordo na comunidade lusófona. “É um processo irreversível.”

“Uma alteração ortográfica não é para a geração que a fez, mas para uma geração futura”, afirmou Bechara. O uso da nova ortografia é obrigatório no Brasil desde 1º de janeiro deste ano.

A importância da laicidade no século 21 (OESP)

15 Maio 2016 | 03h 00

Neste século, cujo primeiro evento de repercussão mundial foram os ataques às torres gêmeas de Nova York, em 11 de setembro de 2001, assistimos ao ressurgimento do papel da religião na vida política. No cenário internacional, são notórios e dramáticos os fatos que complicam a geopolítica mundial, ocasionados por interpretações de caráter fundamentalista de religiões estabelecidas.

No Brasil, a presença da atividade política baseada e dirigida por princípios de fé nunca foi tão marcante. De acordo com o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o pleito de 2014 elegeu uma bancada evangélica de 75 deputados federais; no seu apogeu, em 1962, o Partido Democrata Cristão, de inspiração católica, tinha 20 cadeiras na Câmara dos Deputados.

Nesse contexto, é oportuno retomar a questão da laicidade, seu papel na vida da democracia e dos direitos humanos, seus nexos com a secularização e a tolerância.

A secularização, termo que vem do latim saeculum, do mundo da vida terrena (não da vida religiosa), e a laicidade, do grego laos, povo, como leigo e laico, em contraposição ao clero no quadro de hierarquização da Igreja, foram consequências da dessacralização da sociedade, como aponta Weber.

O processo de diferenciação estrutural e funcional das instituições é a acepção que mais aproxima a laicização à secularização. Os atores sociais não só começaram a se distanciar da força avassaladora das tradições religiosas, mas as relações das religiões com o Estado se alteraram fundamentalmente no correr desse processo que remonta aos ideais do Iluminismo e da Revolução Francesa. Nesse contexto, surge o tema da laicidade do Estado.

Um Estado laico diferencia-se do teocrático, em que o poder religioso e o poder político se fundem, e também do confessional, em que há vínculos entre o poder político e uma religião.

No Brasil Império, a religião oficial era a católica, ainda que outras fossem permitidas e a liberdade de opinião, assegurada. Com a República, deu-se a separação da Igreja do Estado, que se tornou laico, ensejando a igualdade da liberdade dos cultos, a secularização dos cemitérios, o casamento civil e o registro civil para o nascimento e o falecimento de pessoas.

Rui Barbosa, autor da legislação que implantou a laicização do Estado brasileiro, consagrada na Constituição de 1891, explica que sua matriz inspiradora foi norte-americana. O Estado se dessolidarizou de toda a atividade religiosa em função, como diria Jefferson, da prevalência de um muro de separação entre a atividade religiosa e a ação estatal como preconizado pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA. O Estado laico não implica que a sociedade civil seja laica. Com efeito, esta passou a se constituir como uma esfera autônoma e própria para o exercício da liberdade religiosa e de consciência, na qual o Estado não interfere. Abria-se desse modo espaço para o que Benjamin Constant denominou liberdade negativa, não submetida a regras externas provenientes do poder público.

A laicidade, aponta Abbagnano, é expressão do princípio da autonomia das/nas atividades humanas: elas podem se desenvolver segundo regras próprias, não impostas externamente por fins e interesses diversos daqueles que as inspiram e norteiam. É o caso da liberdade de pesquisa, que pressupõe o antidogmatismo e o exame crítico de temas e problemas.

Quando a polarização e as tensões se tornam mais agudas, é importante lembrar que a laicidade é uma das formas de tolerância, ou, mais exatamente, uma das maneiras de responder ao problema da intolerância.

Como ressalta Bobbio, o tema da tolerância surgiu com a desconcentração do poder ideológico (consequência da secularização), pois a tolerância em relação a distintas crenças e opiniões coloca o problema de como lidar com a compatibilidade/convivência de verdades contrapostas (laicidade metodológica, pluralismo, antidogmatismo) e, subsequentemente, com o “diferente” (estrangeiros, pessoas de diversas opções sexuais, etc…). Daí o nexo entre democracia e direitos humanos, pois a tutela da liberdade de crença, de opinião e de posições políticas integra as regras do jogo democrático, para as quais o Outro não é um inimigo a ser eliminado, mas integrante da mesma comunidade política.

Em relação ao “diferente”, lembro que a Constituição (artigo 3.º, IV) estabelece que um dos objetivos da República é “promover o bem de todos sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor e quaisquer outras formas de discriminação”.

Entre os componentes da dicotomia tolerância/intolerância está, no plano interno, a convivência/coexistência de verdades contrapostas (religiosas, políticas), no âmbito das regras do jogo democrático e da tutela dos direitos humanos; no plano externo, a aceitação da pluralidade dos Estados na sua heterogeneidade.

Por essa razão um Estado aconfessional como o brasileiro (artigo 19, I, da Constituição) não pode, por obra de dependência ou aliança com qualquer religião, sancionar juridicamente normas ético-religiosas próprias à fé de uma confissão. Por exemplo: no campo da família, o direito ao divórcio; no critério do início da vida, a descriminalização do aborto e a pesquisa científica com células-tronco.

Num Estado laico, as normas religiosas das diversas confissões são conselhos dirigidos aos fiéis, e não comandos para toda a sociedade. A finalidade da liberdade de religião e de pensamento é garantir ao cidadão uti singuli a máxima diferenciação no campo das ideologias, das religiões e da cultura – ou seja, a liberdade individual.

A finalidade pública da laicidade é criar, nesse contexto, para todos os cidadãos uma plataforma comum na qual possam encontrar-se enquanto membros de uma comunidade política. É essa finalidade que cabe resguardar, para conter o indevido transbordar da religião para o espaço público, que se tornou um dos desafios da agenda política contemporânea.

Neste século, cujo primeiro evento de repercussão mundial foram os ataques às torres gêmeas de Nova York, em 11 de setembro de 2001, assistimos ao ressurgimento do papel da religião na vida política. No cenário internacional, são notórios e dramáticos os fatos que complicam a geopolítica mundial, ocasionados por interpretações de caráter fundamentalista de religiões estabelecidas.

No Brasil, a presença da atividade política baseada e dirigida por princípios de fé nunca foi tão marcante. De acordo com o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o pleito de 2014 elegeu uma bancada evangélica de 75 deputados federais; no seu apogeu, em 1962, o Partido Democrata Cristão, de inspiração católica, tinha 20 cadeiras na Câmara dos Deputados.

Nesse contexto, é oportuno retomar a questão da laicidade, seu papel na vida da democracia e dos direitos humanos, seus nexos com a secularização e a tolerância.

A secularização, termo que vem do latim saeculum, do mundo da vida terrena (não da vida religiosa), e a laicidade, do grego laos, povo, como leigo e laico, em contraposição ao clero no quadro de hierarquização da Igreja, foram consequências da dessacralização da sociedade, como aponta Weber.

O processo de diferenciação estrutural e funcional das instituições é a acepção que mais aproxima a laicização à secularização. Os atores sociais não só começaram a se distanciar da força avassaladora das tradições religiosas, mas as relações das religiões com o Estado se alteraram fundamentalmente no correr desse processo que remonta aos ideais do Iluminismo e da Revolução Francesa. Nesse contexto, surge o tema da laicidade do Estado.

Um Estado laico diferencia-se do teocrático, em que o poder religioso e o poder político se fundem, e também do confessional, em que há vínculos entre o poder político e uma religião.

No Brasil Império, a religião oficial era a católica, ainda que outras fossem permitidas e a liberdade de opinião, assegurada. Com a República, deu-se a separação da Igreja do Estado, que se tornou laico, ensejando a igualdade da liberdade dos cultos, a secularização dos cemitérios, o casamento civil e o registro civil para o nascimento e o falecimento de pessoas.

Rui Barbosa, autor da legislação que implantou a laicização do Estado brasileiro, consagrada na Constituição de 1891, explica que sua matriz inspiradora foi norte-americana. O Estado se dessolidarizou de toda a atividade religiosa em função, como diria Jefferson, da prevalência de um muro de separação entre a atividade religiosa e a ação estatal como preconizado pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA. O Estado laico não implica que a sociedade civil seja laica. Com efeito, esta passou a se constituir como uma esfera autônoma e própria para o exercício da liberdade religiosa e de consciência, na qual o Estado não interfere. Abria-se desse modo espaço para o que Benjamin Constant denominou liberdade negativa, não submetida a regras externas provenientes do poder público.

A laicidade, aponta Abbagnano, é expressão do princípio da autonomia das/nas atividades humanas: elas podem se desenvolver segundo regras próprias, não impostas externamente por fins e interesses diversos daqueles que as inspiram e norteiam. É o caso da liberdade de pesquisa, que pressupõe o antidogmatismo e o exame crítico de temas e problemas.

Quando a polarização e as tensões se tornam mais agudas, é importante lembrar que a laicidade é uma das formas de tolerância, ou, mais exatamente, uma das maneiras de responder ao problema da intolerância.

Como ressalta Bobbio, o tema da tolerância surgiu com a desconcentração do poder ideológico (consequência da secularização), pois a tolerância em relação a distintas crenças e opiniões coloca o problema de como lidar com a compatibilidade/convivência de verdades contrapostas (laicidade metodológica, pluralismo, antidogmatismo) e, subsequentemente, com o “diferente” (estrangeiros, pessoas de diversas opções sexuais, etc…). Daí o nexo entre democracia e direitos humanos, pois a tutela da liberdade de crença, de opinião e de posições políticas integra as regras do jogo democrático, para as quais o Outro não é um inimigo a ser eliminado, mas integrante da mesma comunidade política.

Em relação ao “diferente”, lembro que a Constituição (artigo 3.º, IV) estabelece que um dos objetivos da República é “promover o bem de todos sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor e quaisquer outras formas de discriminação”.

Entre os componentes da dicotomia tolerância/intolerância está, no plano interno, a convivência/coexistência de verdades contrapostas (religiosas, políticas), no âmbito das regras do jogo democrático e da tutela dos direitos humanos; no plano externo, a aceitação da pluralidade dos Estados na sua heterogeneidade.

Por essa razão um Estado aconfessional como o brasileiro (artigo 19, I, da Constituição) não pode, por obra de dependência ou aliança com qualquer religião, sancionar juridicamente normas ético-religiosas próprias à fé de uma confissão. Por exemplo: no campo da família, o direito ao divórcio; no critério do início da vida, a descriminalização do aborto e a pesquisa científica com células-tronco.

Num Estado laico, as normas religiosas das diversas confissões são conselhos dirigidos aos fiéis, e não comandos para toda a sociedade. A finalidade da liberdade de religião e de pensamento é garantir ao cidadão uti singuli a máxima diferenciação no campo das ideologias, das religiões e da cultura – ou seja, a liberdade individual.

A finalidade pública da laicidade é criar, nesse contexto, para todos os cidadãos uma plataforma comum na qual possam encontrar-se enquanto membros de uma comunidade política. É essa finalidade que cabe resguardar, para conter o indevido transbordar da religião para o espaço público, que se tornou um dos desafios da agenda política contemporânea.

*Celso Lafer é professor emérito da Universidade de São Paulo

Comissão do Senado aprova PEC que derruba licenciamento ambiental para obras (Estadão)

André Borges, 27/04/2016

BRASÍLIA – Em meio ao terremoto político que toma conta de Brasília, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira, sem alarde, uma Proposta de Emenda à Constituição que simplesmente rasga a legislação ambiental aplicada atualmente em processos de licenciamento de obras públicas.

A PEC 65/2012, de autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO) e relatada pelo senador Blairo Maggi (PR-MT), estabelece que, a partir da simples apresentação de um Estudo Impacto Ambiental (EIA) pelo empreendedor, nenhuma obra poderá mais ser suspensa ou cancelada. Na prática, isso significa que o processo de licenciamento ambiental, que analisa se um empreendimento é viável ou não a partir dos impactos socioambientais que pode gerar, deixa de existir.

Em um documento de apenas três páginas, os parlamentares informam que “a proposta inova o ordenamento jurídico”, por não permitir “a suspensão de obra ou o seu cancelamento após a apresentação do estudo prévio de impacto ambiental (EIA), exceto por fatos supervenientes”. A mudança, sustentam os parlamentares, “tem por objetivo garantir a celeridade e a economia de recursos em obras públicas sujeitas ao licenciamento ambiental, ao impossibilitar a suspensão ou cancelamento de sua execução após a concessão da licença”.

O licenciamento ambiental, seja ele feito pelo Ibama ou por órgãos estaduais, estabelece que qualquer empreendimento tem que passar por três etapas de avaliação técnica. Para verificar a viabilidade de uma obra, é preciso realizar os estudos de impacto e pedir sua licença prévia ambiental. Este documento estabelece, inclusive, quais serão as medidas compensatórias que a empresa terá de executar para realizar o projeto. Ao obter a licença prévia, o empreendedor precisa, em seguida, obter uma licença de instalação, que permite o início efetivo da obra, processo que também é monitorado e que pode resultar em novas medidas condicionantes. Na terceira etapa, é dada a licença de operação, que autoriza a utilização do empreendimento, seja ele uma estrada, uma hidrelétrica ou uma plataforma de petróleo. O que a PEC 65 faz, basicamente, é ignorar essas três etapas.

“Estamos perplexos com essa proposta. Se a simples apresentação de um EIA passa a ser suficiente para tocar uma obra, independentemente desse documento ser analisado e aprovado previamente, acaba-se com a legislação ambiental. É um flagrante desrespeito à Constituição, que se torna letra morta em tudo o que diz respeito ao meio ambiente”, disse ao ‘Estado’ a coordenadora da 4ª Câmara de meio ambiente e patrimônio cultural do Ministério Público Federal, Sandra Cureau.

O Ministério Público Federal e os estaduais, segunda Sandra, vão adotar um posicionamento contundente contra a proposta. “Temos que mostrar aos parlamentares o absurdo que estão cometendo. O Brasil é signatário de vários pactos internacionais de preservação do meio ambiente. A Constituição tem que ser harmônica, não contraditória em seus incisos”, comentou.

A PEC tem um regime especial de tramitação. Ela precisa ser discutida e votada em cada uma das casas do Congresso Nacional, em dois turnos. Para ser aprovada em ambas, precisa de três quintos dos votos (60%) dos respectivos membros do Senado e da Câmara. A emenda constitucional tem que ser promulgada pelas mesas das duas casas, e não necessita de sanção presidencial.

Em sua análise, o senador Blairo Maggi sustentou que a PEC “visa garantir segurança jurídica à execução das obras públicas”, quando sujeitas ao licenciamento ambiental. “Certo é que há casos em que ocorrem interrupções de obras essenciais ao desenvolvimento nacional e  estratégicas ao País em razão de decisões judiciais de natureza cautelar ou liminar, muitas vezes protelatórias”, declarou.

Segundo Maggi, “claramente se pode observar que a proposta não objetiva afastar a exigência do licenciamento ambiental ou da apresentação de um de seus principais instrumentos de avaliação de impacto, o EIA. Não afeta, assim, o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado e consagra princípios constitucionais da administração pública, como a eficiência e a economicidade”.

Diretoria da Aciesp se manifesta contra as declarações do governador Geraldo Alckmin sobre o fomento à pesquisa científica no Estado

JC 5405, 28 de abril de 2016

Diretoria da Aciesp se manifesta contra as declarações do governador Geraldo Alckmin sobre o fomento à pesquisa científica no Estado

Segundo a Academia de Ciências do Estado de São Paulo, o artigo publicado na revista Veja “mostra a visão parcial e distorcida, que o Governador demonstra ter sobre a íntima relação ciência básica e aplicada e até sobre a ciência em São Paulo, que é motivo de orgulho para o Estado e para o País”

Veja abaixo o texto na íntegra:

A Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp) vê com grande preocupação a nota publicada em 26 de abril de 2016 pela colunista Vera Magalhães da revista Veja, sobre a crítica do governador Alckmin à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Apesar de uma segunda nota, publicada no dia 26, ter desmentido o uso do termo máfia de pesquisadores e de ter havido um bate-boca sobre o assunto durante a reunião do secretariado. O restante do que está no artigo mostra a visão parcial e distorcida, que o Governador demonstra ter sobre a íntima relação ciência básica e aplicada e até sobre a ciência em São Paulo, que é motivo de orgulho para o Estado e para o País, considerando que o impacto da produção acadêmica brasileira no cenário mundial, deve-se em grande parte ao que se produz em São Paulo, devido ao suporte financeiro da Fapesp.

A Fapesp tem sido vista como um exemplo nacional e mundial de financiamento à ciência, tecnologia e inovação, e elogiada em diferentes âmbitos, sendo um exemplo para todos os estados brasileiros, que copiaram o modelo e vêm fazendo com que verba estatal seja mais direcionada a ciência local de cada estado.

O esforço da Fapesp na interação entre os setores acadêmico e produtivo, público e privado tem sido enorme. Em particular, há programas específicos que tratam da interação com o setor produtivo (PIPE, PITE e PAPPE) que visam financiar diretamente iniciativas junto à indústria e/ou de formar novas indústrias em São Paulo. Os esforços nestes programas são comparáveis, em qualidade, ao de países como os Estados Unidos e Alemanha e não há iniciativa comparável na América Latina.

Além destes programas mais específicos, os quatro grandes programas da Fapesp (Bioen, Biota, Mudanças Climáticas, e Computação e Science) congregam a aplicação de milhões de reais para resolver problemas práticos reais que são importantes não somente para São Paulo, mas para todo o Brasil e para o mundo. O foco em energias renováveis, notadamente o etanol, congregado pelo Bioen, avançou o conhecimento científico sobre a cana e o etanol de maneira sem precedentes. Em poucos anos de estímulo a ciência brasileira das energias renováveis está pronta para ser aplicada e mudar o paradigma sobre o etanol de segunda geração. Mesmo com a grande crise que se abateu sobre o setor sucroalcoleiro, a Fapesp nunca deixou de fomentar a pesquisa na área, apoiando os projetos e mantendo o foco. É deste tipo de atitude que o Brasil precisa, ou seja, de consistência nas convicções e, criando uma identidade com base naquilo que fazemos melhor.  No caso do Biota, com mais de 20 anos de existência, o avanço no conhecimento da biodiversidade paulista e brasileira, com reflexos internacionais inquestionáveis, ajuda a nossa sociedade a entender e poder preservar o meio ambiente. Além da preservação há também o uso sustentável da biodiversidade. Por exemplo, as descobertas de compostos que podem se tornar novos fármacos, cosméticos e aditivos de alimentos é enorme. Já o programa de Mudanças Climáticas, irmão mais novo do Biota, se debruça sobre o que tem sido considerado com o problema mais importante que a humanidade já enfrentou: as Mudanças Climáticas Globais. O programa não somente vem gerando modelos climáticos, que são a base para decidir o que fazer para evitar os efeitos extremamente graves que os impactos das Mudanças Climáticas irão produzir, mas também os seus impactos sobre a produção de alimentos, a produção industrial em geral, a saúde da população, entre outros. O Programa de Computação da Fapesp, o mais novo dos quatro, foi montado para preparar a sociedade paulista para a era do big-data, em que temos que aprender a lidar com a imensa produção de informação advinda dos avanços na área de computação.

A aparente distorção da visão do governador sobre a Fapesp é maior quando despreza o financiamento à sociologia. Este é um dos principais focos da pesquisa no Estado de São Paulo, sendo a capital o maior grupo de pesquisadores do Brasil na área. Estes são os pesquisadores que pensam em como melhorar as políticas públicas, o que acontece e porque existem populações pobres e se dedicam a encontrar soluções sobre como podemos solucionar estes problemas. Se abandonarmos as pesquisas em Ciências Sociais, o que será da nossa população?

Na área de ciências da saúde, a Fapesp vem sim investindo em Dengue há muitos anos. Mas é importante lembrar que a pesquisa sozinha não consegue resolver todos os problemas. A Fapesp não tem como missão financiar fábricas que produzem por exemplo vacinas. Estas fábricas tem que ser mantidas pelo Governo. Se o Butantan não tem dinheiro para produzir vacinas, a culpa não é da Fapesp e sim do planejamento do governo que não manteve os Institutos de Pesquisa do Estado de São Paulo em funcionamento adequado. A Fapesp cumpriu sim a sua missão em financiar a pesquisa de como fazer as vacinas.

É preciso que as informações científicas sejam incorporadas pelos políticos da forma mais íntegra possível. É isto que faz com que a probabilidade de erro nas decisões diminua. No caso da crise da água, por exemplo, por mais que os cientistas (tanto da hidrologia e agricultura, quanto da sociologia) tenham tentado avisar o governo do perigo desde a primeira crise em 2009, não houve uma resposta baseada em ciência com a antecedência necessária, mas sim em crenças e em teorias pessoais sem base científica, que levaram São Paulo a atingir uma situação crítica, na qual ainda se encontra.

Mais importante ainda é falta de visão do Governador sobre o que significa a ciência básica, aquela que aparentemente, e só aparentemente, ainda não tem aplicações. É preciso compreender que a ciência básica é a ciência aplicada do futuro e o tempo que separa ambas tem encurtado com o passar dos anos. Sem compreender os fundamentos dos fenômenos da natureza, as aplicações cegas e sem base científica levam a tecnologias fracas e pouco competitivas. Ademais, a própria classificação entre ciências básica e aplicada tem sido cada vez mais questionada.

A Fapesp vem trabalhando incessantemente para encurtar o caminho ente a descoberta básica e a aplicação, principalmente, nas últimas três décadas. As pesquisas aplicadas e de cunho tecnológico só surgem depois que algum pesquisador trabalha em média 10 anos em um problema geralmente sem aplicação aparente. Aí sim surgem as possibilidades de aplicação. E a Fapesp foi sempre sensível a isto, mantendo a pesquisa básica (a nossa galinha dos ovos de ouro) e ao mesmo tempo criando programas cada vez mais focados e que tentam resolver os problemas mais importantes da sociedade contemporânea.

A ciência é um processo lento e a sociedade tem que compreender que não há como acelerar mais do que estamos fazendo, mesmo com investimentos excelentes que a Fapesp vem mantendo em São Paulo. Isto porque a sociedade científica paulista se formou não somente com as verbas para a pesquisa, mas também com as bolsas de estudo para a graduação, pós-graduação e pós-doutoramento, que formam os profissionais em alto nível. Tudo isto leva tempo para conseguir. No caso de São Paulo levamos décadas para chegar ao nível que estamos.

Achar que a dotação de 1% é muito para a pesquisa é uma visão muito perigosa para um Estado que se autodenomina a locomotiva do País. De que adianta uma locomotiva sem combustível?

A Aciesp convoca a população a defender a Fapesp não como um patrimônio dos pesquisadores, mas como um patrimônio de todos os paulistas e brasileiros. Sem a Fapesp o Brasil mergulhará na escuridão e na dependência da ciência e tecnologia feitas em outros países. É isto que a nossa sociedade quer?

Diretoria da Academia de Ciências do Estado de São Paulo

Jornal da Ciência

Leia também:

Anpocs – Nota da diretoria executiva da Anpocs sobre as declarações do governador Geraldo Alckmin acerca do fomento à pesquisa científica

Brasil e mais 169 países assinam acordo sobre mudança climática (Estadão)

Cláudia Trevisan e Altamira Silva Junior – 22 de abril de 201

Dilma: 'O caminho que teremos de percorrer agora será ainda mais desafiador: transformar nossas ambiciosas aspirações em resultados concretos'

Dilma: ‘O caminho que teremos de percorrer agora será ainda mais desafiador: transformar nossas ambiciosas aspirações em resultados concretos’

Representantes de 170 países assinaram nesta sexta-feira, 22, o Acordo de Paris sobre mudança climática, batendo o recorde da história da Organização das Nações Unidas (ONU) de adesão a um tratado internacional em um único dia. Mas todos ouviram o alerta do secretário-geral da entidade, Ban Ki-Moon, de que as boas intenções terão pouco impacto se a convenção não for ratificada pelos países o mais breve possível. Sem isso, o tratado não entrará em vigor.

“Estamos em uma corrida contra o tempo”, disse Ban no discurso de abertura da cerimônia, no plenário da ONU em Nova York. A urgência foi enfatizada por vários chefes de Estado, incluindo os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, e da França, François Hollande.

Dilma assegurou “a pronta entrada em vigor” da convenção, mas essa decisão depende do Congresso. “O caminho que teremos de percorrer agora será ainda mais desafiador: transformar nossas ambiciosas aspirações em resultados concretos”, disse a presidente em seu discurso. E repetiu os compromissos assumidos pelo Brasil durante a negociação do tratado, entre os quais a promessa de reduzir em 37% a emissão de gases poluentes até 2025, na comparação com os patamares registrados em 2005.

Frustração. Carlos Rittl, secretário executivo do Observatório do Clima, disse que Dilma frustrou as expectativas de entidades ambientais que esperavam uma sinalização clara de que o Brasil assumirá metas mais ambiciosas em 2018, quando haverá uma avaliação dos resultados do acordo. “O Brasil precisa reconhecer que deve fazer mais que o prometido no ano passado”, disse. “Todos devem, porque estamos na trajetória de 3ºC de aquecimento.”

Aprovado por representantes de 195 nações em dezembro, o tratado prevê uma série de compromissos nacionais com o objetivo de limitar o aumento da temperatura do planeta a 2ºC até o fim do século, em relação ao patamar anterior ao período industrial. Para que entre em vigor, o Acordo de Paris precisa ser ratificado por pelo menos 55 países que representem ao menos 55% das emissões de gases do efeito estufa.

“A era do consumo sem consequências chegou ao fim. Nós temos de intensificar os esforços para ‘descarbonizar’ nossas economias”, ressaltou o secretário-geral das Nações Unidas. Além do caráter simbólico, a cerimônia desta sexta tinha o objetivo de mobilizar os líderes mundiais em torno da ratificação do acordo, de forma que entre em vigor no próximo ano e não em 2020, como inicialmente previsto.

Primeiro a discursar, o presidente da França lembrou que Paris vivia uma situação trágica em dezembro, sob o impacto dos atentados terroristas que haviam provocado a morte de 130 pessoas no mês anterior. Ainda assim, ressaltou, foi possível fechar o acordo histórico sobre mudança climática.

Médium dá previsão de nuvens sombrias sobre a Esplanada (UOL)

Leandro Mazzini – Coluna Esplanada

04/04 01:10 

A médium Adelaide Scritori, da Fundação Cacique Cobra Coral, que há décadas diz controlar o tempo em trabalho mediúnico, avisou a expoentes dos três Poderes estar atenta.

E mandou um alerta: Ela também está sub judice, não vai poder ajudar muito, porque ninguém tem feito direito seu trabalho. A FCCC já manteve convênio por anos, sem custos, com o Ministério de Minas e Energia, para monitorar os reservatórios das usinas. Desde a Era José Sarney no Palácio.

Que os políticos reparem as nuvens sombrias que se forjam sobre a Esplanada, nas próximas semanas. A conferir.

Vidente do Poder envia e-mail para Cunha e pede renúncia: fatos novos virão (UOL)

Leandro Mazzini – Coluna Esplanada24/11 02:00

A conhecida médium Adelaide Scritori, criadora da Fundação Cacique Cobra Coral, teve visão de nuvens cinzentas que se forjam com “novos fatos” perturbadores para Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados.

Não titubeou em enviar-lhe um e-mail e sugeriu que ele renuncie, antes que seja tarde e vire alvo para valer do STF.

Adelaide é conhecida do circuito do Poder, no eixo Brasília-SP-Rio. Anuncia que sua fundação faz trabalhos espirituais de controle do tempo, e manteve parcerias (diz sem remuneração) com o Ministério de Minas e Energia e Prefeitura do Rio, entre outros clientes mundo afora.

Ficou famosa ao recomendar ao então presidente José Sarney que evitasse uma viagem programada no avião presidencial porque poderia sofrer um acidente. Cauteloso e supersticioso, Sarney acolheu a dica. A FAB teria descoberto depois uma falha numa peça da aeronave.

Ministro da Defesa vai a CPI para constranger antropólogos e defensores de indígenas (Outras Palavras)

Blog do Alceu Castilho

Publicado em 3 de abril de 2016

Em ato voluntário, Aldo Rebelo voltou a se aliar com ruralistas para colecionar delírios que seriam inadequados para um deputado; quanto mais à sua função no governo

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

No que se refere à questão agrária, tema que acompanho de perto, nenhuma vez fiquei tão constrangido ao ver a fala de um político quanto agora, ao assistir o vídeo de Aldo Rebelo na CPI da Funai, na quarta-feira. E olhem que ele tem sérios concorrentes. Tivemos o deputado Luís Carlos Heinze (PP-RS) chamando índios, gays, quilombolas de “tudo que não presta”. E falas absurdas da ministra Kátia Abreu, principalmente do tempo em que era senadora; ou do líder da milícia UDR, hoje senador, Ronaldo Caiado (DEM-GO).

E por que a fala de Rebelo é pior?

Porque ele é ministro da Defesa. Suas curiosas concepções sobre “antropologia colonial” já seriam particularmente bizarras por ele se declarar comunista – ele é um dos líderes do PCdoB. Mas este é um assunto menor: que esses comunistas específicos se virem com sua consciência e com suas leituras, diante das diatribes do ex-deputado. Que se olhem no espelho e tentem encarar, depois disso, uma liderança indígena, um antropólogo sério, sem passar profunda vergonha. Agora, repito: Rebelo é ministro da Defesa. 

E, por isso, sua fala é indefensável. Vejamos.

“Dos três troncos, o indígena é o mais sofrido, o mais esquecido pelo Estado brasileiro. Enquanto os outros troncos alcançaram, de certa forma, seu espaço na construção da sociedade nacional, os índios foram ficando à margem desse processo, e carregando maior as penas e o sofrimento da construção da nossa pátria. Cabe, portanto, esse registro pra que essa injustiça possa ser reparada, para que nós possamos, de forma consequente, socorrer, amparar essa parcela da nossa população. Exatamente para que ela não fique à mercê [eleva a voz] da manipulação de demagogos, da manipulação de interesses espúrios internos e externos, como, lamentavelmente, vem acontecendo.

É preciso que o Estado brasileiro ampare a população indígena do Brasil, para que organizações não-governamentais interesseiras, muitas vezes agentes do próprio Estado, agindo contra o Estado, manipulem o sofrimento e o abandono das populações indígenas. Falo, senhoras e senhores, com a experiência de quem palmilhou, nas fronteiras do Brasil mais remotas da Amazônia, as terras indígenas e quem pôde dialogar com suas populações. E de quem pôde testemunhar, exatamente, aquilo que acabo de dizer. (…)

Nossa tradição, naturalmente, não nega as violências, não nega as brutalidades, não nega as injustiças, não nega tudo que de errado nós fizemos contra as populações indígenas. Mas isso também afirma a natureza da nossa civilização de buscar incorporar, não apenas no sangue, mas na cultura, na história, na literatura, na culinária, no imaginário e na psicologia do nosso povo a presença dos nossos queridos e das nossas queridas irmãs e irmãos indígenas.

Por essa razão, senhores, é inaceitável [eleva novamente a voz] a doutrina esposada por certos setores da antropologia, principalmente da antropologia colonial, antropologia criada na França e na Inglaterra exatamente para melhor realizar o trabalho de dominação das chamadas populações aborígenes. Antropologia que depois foi incorporada pelos exércitos coloniais como parte do esquema de dominação. Essa corrente antropológica neocolonial é que procura apartar da sociedade nacional e da integração à sociedade nacional as populações indígenas. E é preciso que se denuncie com vigor e com coragem, para que o Brasil não se ponha no papel de vítima dos crimes que, de fato, ele não cometeu. Basta aqueles que nós já cometemos.

Essa antropologia que influencia estruturas do próprio Estado brasileiro, que incorpora setores importantes da nossa mídia, que incorpora setores importantes de correntes religiosas trata de estabelecer um abismo entre a sociedade nacional, entre o Brasil e as populações indígenas, contrapondo ao esforço de integração a ideia de segregação. Como se na escala evolutiva da humanidade o índio pudesse ser contido e parado nos estágios anteriores à evolução de toda a humanidade.

Tenho amigos europeus que fazem estudos em populações tribais e que descobriram, aqui na região da Amazônia, como é óbvio, uma população indígena que não sabe contar, que não domina a aritmética como qualquer povo ágrafo. Eu dizia para ele: seus antepassados também não sabiam contar. Contam no máximo 1, 2, 3 e muito. (…) O que eu perguntava para esse amigo antropólogo era o seguinte: as crianças dessa tribo devem ter o direito de aprender matemática? Ou elas devem ter negado esse direito, para que a antropologia continue dispondo de estudo de caso para registrar nas suas teses de mestrado ou doutorado? (…)

A manipulação das causas nobres e justas, como é a causa da proteção dos índios, não é a única no mundo. Ela tem paralelo com a manipulação da causa do meio ambiente. É muito parecido. As potências usam o meio ambiente, as causas indígenas, os direitos humanos, a democracia, a liberdade como usaram o anticomunismo no passado. O que era o anticomunismo? Era o pretexto para se fazer golpes de Estado, para defender interesses econômicos em função da defesa da liberdade e da democracia. Depois que o comunismo deixou de ser o pretexto, porque não era de fato ameaça, eles procuraram outros pretextos: a causa indígena é um deles, o ambientalismo é outro”.   

E assim por diante, como se pode ver no vídeo. De forma voluntária, sem que o ministro Aldo Rebelo tivesse sido convidado ou convocado à CPI, instalada pelos ruralistas para combater direitos indígenas e a reforma agrária. Como porta-voz do governo, portanto?

aldorebelo

Note-se que ele chega a combater a demarcação contínua da Raposa Serra do Sol, em Roraima. Em determinado momento, pergunta: “Quem é índio e quem não é índio onde tudo já se misturou?” E cita um estudo de pedologia na Universidade Federal de Viçosa que considera não existir mais ali uma civilização indígena, “mas uma civilização miscigenada”.

E tem mais: ele se declarou à favor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 215) que transfere ao Congresso o poder de demarcar terras indígenas e quilombolas: “Aldo diz à CPI que é a favor da PEC que muda regras de demarcação de terras“. Uma bandeira de quem? Dos ruralistas.

É como resume o antropólogo Henyo Barretto Filho, do Instituto Internacional de Educação do Brasil: “Se o governo não desautorizar de modo igualmente público e expresso tal depoimento, fica sendo essa a versão do governo sobre os povos indígenas, a política indigenista e o papel da antropologia no reconhecimento dos direitos territoriais”.