Arquivo mensal: dezembro 2015

Surface physics: How water learns to dance (Science Daily)

Pole dancing water molecules: Researchers have seen this remarkable phenomenon on the surface of an important technological material

Date: December 21, 2015

Source: Vienna University of Technology

Summary: From pole dancing to square dance: Water molecules on perovskite surfaces show interesting patterns of motion. Surface scientists have now managed to image the dance of the atoms.


This is a visualization of the dance of the atoms on a crystal surface. Credit: TU Wien

Perovskites are materials used in batteries, fuel cells, and electronic components, and occur in nature as minerals. Despite their important role in technology, little is known about the reactivity of their surfaces. Professor Ulrike Diebold’s team at TU Wien (Vienna) has answered a long-standing question using scanning tunnelling microscopes and computer simulations: How do water molecules behave when they attach to a perovskite surface? Normally only the outermost atoms at the surface influence this behaviour, but on perovskites the deeper layers are important, too. The results have been published in the journal Nature Materials.

Perovskite dissociates water molecules

“We studied strontium ruthenate — a typical perovskite material,” says Ulrike Diebold. It has a crystalline structure containing oxygen, strontium and ruthenium. When the crystal is broken apart, the outermost layer consists of only strontium and oxygen atoms; the ruthenium is located underneath, surrounded by oxygen atoms.

A water molecule that lands on this surface splits into two parts: A hydrogen atom is stripped off the molecule and attaches to an oxygen atom on the crystal’s surface. This process is known as dissociation. However, although they are physically separated, the pieces continue to interact through a weak “hydrogen bond.”

It is this interaction that causes a strange effect: The OH group cannot move freely, and circles the hydrogen atom like a dancer spinning on a pole. Although this is the first observation of such behaviour, it was not entirely unexpected: “This effect was predicted a few years ago based on theoretical calculations, and we have finally confirmed it with our experiments” said Diebold.

Dancing requires space

When more water is put on to the surface, the stage becomes too crowded and spinning stops. “The OH group can only move freely in a circle if none of the neighbouring spaces are occupied,” explains Florian Mittendorfer, who performed the calculations together with PhD student Wernfried Mayr-Schmölzer. At first, when two water molecules are in neighbouring sites, the spinning OH groups collide and get stuck together, forming pairs. Then, as the amount of water is increased, the pairs stick together and form long chains. Eventually, water molecular cannot find the pair of sites it needs to split up, and attaches instead as a complete molecule.

The new methods that have been developed and applied by the TU Wien research team have made significant advances in surface research. Whereas researchers were previously reliant on indirect measurements, they can now — with the necessary expertise — directly map and observe the behaviour of individual atoms on the surface. This opens up new possibilities for modern materials research, for example for developing and improving catalysts.


Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Vienna University of TechnologyNote: Materials may be edited for content and length.


Journal Reference:

  1. Daniel Halwidl, Bernhard Stöger, Wernfried Mayr-Schmölzer, Jiri Pavelec, David Fobes, Jin Peng, Zhiqiang Mao, Gareth S. Parkinson, Michael Schmid, Florian Mittendorfer, Josef Redinger, Ulrike Diebold. Adsorption of water at the SrO surface of ruthenatesNature Materials, 2015; DOI: 10.1038/nmat4512
Anúncios

As duas válvulas

Para ler sem olhar

parturient montes nascetur ridiculus mus

Atribuída a Horácio, mas acho que é de Michel Temer

alckmin beatles

É por isso que evito escrever no calor dos eventos. Logo que Eduardo Cunha aceitou o pedido de impeachment de Bicudo et al, sentei para redigir alguns parágrafos, argumentando que o processo contra Dilma Rousseff seria a oportunidade para vermos se desenrolando a atividade política (eu deveria dizer palaciana) que na maior parte do tempo fica escondida debaixo da mesa. As maiores potências da República, aquelas que comandam a economia e gerem o Estado, sairiam desabaladas para ganhar o quanto pudessem, com a queda ou a permanência de Dilma: certamente algo mudará na relação de forças.

Eu até tinha razão de imaginar que os eventos se acelerariam. O que não imaginei foi que a tensão represada era tamanha. Eis que, quando pus o último ponto final na última frase, quando terminei a última…

Ver o post original 6.270 mais palavras

The Dark Side of Ayahuasca (Men’s Journal)

By   Mar 2013

Every day, hundreds of tourists arrive in Iquitos, Peru, seeking spiritual catharsis or just to trip their heads off. But increasingly often their trip becomes a nightmare, and some of them don’t go home at all.

The dark side of ayahuasca

Credit: Joshua Paul

Kyle Nolan spent the summer of 2011 talking up a documentary called ‘Stepping Into the Fire,’ about the mind-expanding potential of ayahuasca. The film tells the story of a hard-driving derivatives trader and ex-Marine named Roberto Velez, who, in his words, turned his back on the “greed, power, and vice” of Wall Street after taking ayahuasca with a Peruvian shaman. The film is a slick promotion for the hallucinogenic tea that’s widely embraced as a spirit cure, and for the Shimbre Shamanic Center, the ayahuasca lodge Velez built for his guru, a potbellied medicine man called Master Mancoluto. The film’s message is that we Westerners have lost our way and that the ayahuasca brew (which is illegal in the United States because it contains the psychedelic compound DMT) can set us straight.

Last August, 18-year-old Nolan left his California home and boarded a plane to the Amazon for a 10-day, $1,200 stay at Shimbre in Peru’s Amazon basin with Mancoluto – who is pitched in Shimbre’s promotional materials as a man to help ayahuasca recruits “open their minds to deeper realities, develop their intuitive capabilities, and unlock untapped potential.” But when Nolan – who was neither “flaky” nor “unreliable,” says his father, Sean – didn’t show up on his return flight home, his mother, Ingeborg Oswald, and his triplet sister, Marion, went to Peru to find him. Initially, Mancoluto, whose real name is José Pineda Vargas, told them Kyle had packed his bags and walked off without a word. The shaman even joined Oswald on television pleading for help in finding her son, but the police in Peru remained suspicious. Under pressure, Mancoluto admitted that Nolan had died after an ayahuasca session and that his body had been buried at the edge of the property. The official cause of death has not yet been determined.

Pilgrims like Nolan are flocking to the Amazon in search of ayahuasca, either to expand their spiritual horizons or to cure alcoholism, depression, and even cancer, but what many of them find is a nightmare. Still, the airport in Iquitos is buzzing with ayahuasca tourism. Vans from shamanic lodges pick up psychedelic pilgrims from around the world, while taxi drivers peddle access to Indian medicine men. “It reminds me of how they sell cocaine and marijuana in Amsterdam,” one local said. “Here, it’s shamans and ayahuasca.”

Devotees talk about ayahuasca’s cathartic and life-changing power, but there is a dark side to the tourism boom as well. With money rolling in and lodges popping up across Peru’s sprawling Amazon, a new breed of shaman has emerged – and not all of them can be trusted with the powerful drug. Deaths like Nolan’s are uncommon, but reports of molestation, rape, and negligence at the hands of predatory and inept shamans are not. In the past few years alone, a young German woman was allegedly raped and beaten by two men who had administered ayahuasca to her, two French citizens died while staying at ayahuasca lodges, and stories persist about unwanted sexual advances and people losing their marbles after being given overly potent doses. The age of ayahuasca as purely a medicinal, consciousness-raising pursuit seems like a quaint and distant past.A powerful psychedelic, DMT is a natural compound found throughout the plant kingdom and in mammals (including humans). Scientists don’t know why it’s so prevalent in the world, but studies suggest a role in natural dreaming. DMT doesn’t work if swallowed alone, thanks to an enzyme in the gastrointestinal system that breaks it down. In a feat of prehistoric chemistry, Amazonian shamans fixed that by boiling two plants together – the ayahuasca vine and a DMT-containing shrub called chacruna – which shuts down the enzyme and allows the DMT to slip through the gut into the bloodstream.

Ayahuasca almost always induces vomiting before the hallucinogenic odyssey begins. It can be both horrifying and strangely blissful. One devotee described an ayahuasca trip as “psychotherapy on steroids.” But for all the root’s spiritual and therapeutic benefits, the ayahuasca boom is as wild and unmanageable as the jungle itself. One unofficial stat floating around Iquitos says the number of arriving pilgrims has grown fivefold in two years. Roger Rumrrill, a journalist who has written 25 books on the Amazon region, including several on shamanism, told me there’s “a corresponding boom in charlatans – in fake shamans, who are targeting foreigners.”

Few experts blame the concoction itself. Alan Shoemaker, who organizes an annual shamanism conference in Iquitos, says, “Ayahuasca is one of the sacred power plants and is completely nonaddictive, has been used for literally thousands of years for healing and divination purposes . . . and dying from overdose is virtually impossible.”

Still, no one monitors the medicine men, their claims, or their credentials. No one is making sure they screen patients for, say, heart problems, although ayahuasca is known to boost pulse rates and blood pressure. (When French citizen Celine René Margarite Briset died from a heart attack after taking ayahuasca in the Amazonian city of Yurimaguas in 2011, it was reported she had a preexisting heart condition.) And though many prospective ayahuasca-takers – people likely to have been prescribed antidepressants – struggle with addiction and depression, few shamans know or care to ask about antidepressants like Prozac, which can be deadly when mixed with ayahuasca. Reports suggested that a clash of meds killed 39-year-old Frenchman Fabrice Champion, who died a few months after Briset in an Iquitos-based lodge called Espiritu de Anaconda (which had already experienced one death and has since changed its name to Anaconda Cosmica). No one has been charged in either case.

Nor is anyone monitoring the growing number of lodges offering to train foreigners to make and serve the potentially deadly brew. Rumrrill scoffs at the idea. “People study for years to become a shaman,” he said. “You can’t become one in a few weeks….It’s a public health threat.” Disciples of ayahuasca insist that a shaman’s job is to control the movements of evil spirits in and out of the passengers, which in layman’s terms means keeping people from losing their shit. An Argentine tourist at the same lodge where Briset died reportedly stabbed himself in the chest after drinking too much of the tea. I met a passenger whose face was covered in thick scabs I assumed were symptoms of an illness for which he was being treated. It turns out he’d scraped the skin off himself during an understatedly “rough night with the medicine.” Because of ayahuasca’s power to plow through the psyche, many lodges screen patients for bipolar disorders or schizophrenia. But one local tour guide told me about a seeker who failed to disclose that he was schizophrenic. He drank ayahuasca and was later arrested – naked and crazed – in a public plaza. Critics worry that apprentice programs are churning out ayahuasqueros who are incapable of handling such cases.

Common are stories of female tourists who, under ayahuasca’s stupor, have faced sexual predators posing as healers. A nurse from Seattle says she booked a stay at a lodge run by a gringo shaman two hours outside Iquitos. When she slipped into ayahuasca’s trademark “state of hyper-suggestibility,” things got weird. “He placed his hands on my breast and groin and was talking a lot of shit to me,” she recalls. “I couldn’t talk. I was very weak.” She said she couldn’t confront the shaman. During the next session, he became verbally abusive. Fearing he might hurt her, she snuck off to the river, a tributary of the Amazon, late that night and swam away. She was lucky. In 2010, a 23-year-old German woman traveled to a tiny village called Barrio Florida for three nights of ayahuasca ceremonies. She ended up raped and brutally beaten by a “shaman” and his accomplice, who were both arrested. Last November, a Slovakian woman filed charges against a shaman, claiming she’d been raped during a ceremony at a lodge in Peru.

Even more troubling than ayahuasca is toé, a “witchcraft plant” that’s a member of the nightshade family. Also called Brugmansia, or angel’s trumpet, toé is known for its hallucinogenic powers. Skilled shamans use it in tiny amounts, but around Iquitos, people say irresponsible shamans dose foreigners with it to give them the Disneyland light shows they’ve come to expect. But there are downsides, to say the least. “Toé,” warns one reputable Iquitos lodge, “is potentially very dangerous, and excessive use can cause permanent mental impairment. Deaths are not uncommon from miscalculated dosages.” I heard horror stories. One ayahuasca tourist said, “Toé is a heavy, dark plant that’s associated with witchcraft for a reason: You can’t say no. Toé makes you go crazy. Some master shamans use it in small quantities, but it takes years to work with the plants. There’s nothing good to come out of it.”

Another visitor, an engineer from Washington, D.C., blames toé for his recent ayahuasca misadventure. He learned about ayahuasca on the internet and booked a multinight stay at one of the region’s most popular lodges. By the second night, he felt something was amiss. “When the shaman passed me the cup that night, he said, ‘We’re going to put you back together.’ I knew something was wrong. It was unbelievably strong.” The man says it hit him like a wave. “All around me, people started moaning. Then the yells and screaming started. Soon, I realized that medics were coming in and out of the hut, attending to people, trying to calm them down.” He angrily told me he was sure, based on hearing the bad trips of others who’d been given the substance, they had given him toé. “Ayahuasca,” he says, “should come with a warning label.”

Kyle’s father, Sean, suspects toé may have played a part in his son’s death, but he says he’s still raising the money he needs to get a California coroner to release the autopsy report. Mancoluto couldn’t be reached for comment, but his former benefactor, the securities trader Roberto Velez, now regrets his involvement with Mancoluto. “The man was evil and dangerous,” he says, “and the whole world needs to know so that no one ever seeks him again.” Some of Mancoluto’s former patients believe his brews included toé and have taken to the internet, claiming his practices were haphazard. (He allegedly sat in a tower overseeing his patients telepathically as they staggered through the forest.) One blog reports seeing a client “wandering out of the jungle, onto the road, talking to people who weren’t there, waving down cars, smoking imaginary cigarettes, and his eyes actually changed color, all of which indicated a high quantity of Brugmansia in Mancoluto’s brew.”

Shoemaker says that even though the majority of ayahuasca trips are positive and safe, things have gotten out of hand. “Misdosing with toé doesn’t make you a witch,” he says. “It makes you a criminal.” Velez, whose inspirational ayahuasca story was the focus of the film that sparked Kyle Nolan’s interest, is no longer an advocate. “It’s of life-and-death importance,” he warns, “that people don’t get involved with shamans they don’t know. I don’t know if anyone should trust a stranger with their soul.”

See also: Ayahuasca at Home: An American Experience

Related: Bucky McMahon’s goes Down the Monkey Hole on a Ayahuasca Retreat

Read more: http://www.mensjournal.com/magazine/the-dark-side-of-ayahuasca-20130215#ixzz3uxd2HGGI

Derretimento do Ártico atingiu nível recorde (O Globo)

Por Renato Grandelle, 16/12/2015

Embarcação atravessa geleira em setembro: nova rota marítima facilita comércio entre países – Divulgação/Greenland Travel

RIO – Maior vitrine do aquecimento global, o Ártico viu uma elevação recorde de seus termômetros nos últimos meses. A temperatura do ar na região entre outubro de 2014 e setembro de 2015 foi de 1,3 grau Celsius acima da média desde 1900, quando começaram os registros. O aumento total da temperatura neste período foi de 3 graus Celsius.

De acordo com o levantamento “Arctic Report Card 2015”, divulgado ontem pela Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos EUA (Noaa), a expansão máxima do gelo no Ártico ocorreu em 25 de fevereiro, duas semanas antes do normal. Sua extensão foi a menor desde o início dos registros, em 1979.

O gelo remanescente mudou de perfil. É cada vez mais “novo”, e, por isso, fino e vulnerável ao aquecimento. Sua porção que tem menos de um ano de idade é duas vezes maior do que a vista há 30 anos. Em algumas regiões do Alasca e da Groenlândia, a temperatura da superfície do mar aumenta cerca de 0,5 grau Celsius por década desde 1982.

— Não sabemos por que a extensão do gelo ocorreu tão cedo desta vez — admite Martin Jeffries, pesquisador de Previsão Global e do Ártico no Programa de Pesquisa Naval de Arlington, na Virgínia (EUA), e um dos autores do relatório, assinado por 70 cientistas de dez países — Veremos cada vez mais mudanças nos ecossistemas da região, que serão transformados pelo aumento da temperatura do ar.

A Noaa alerta que o Ártico está aquecendo duas vezes mais rápido do que outras partes do mundo. Se a temperatura do planeta avançar 2 graus Celsius — o máximo considerado tolerável pelos cientistas —, os termômetros naquela região se elevariam entre 4 e 5 graus Celsius.

No relatório, o órgão americano afirma que o aumento da temperatura do Ártico tem implicações em áreas como segurança global, clima e comércio. Por isso, é necessário formular projetos de fornecimento de informações para o poder público, a indústria e a sociedade civil.

No auge do verão, mais da metade da superfície da camada de gelo da Groenlândia derreteu — 22 de suas 45 maiores geleiras encolheram, em relação aos registros do ano passado.

— As geleiras perdem massa conforme a água escorre para o oceano — conta Jeffries. — Seu derretimento, mesmo que seja parcial, vai contribuir para a elevação do nível do mar e será uma ameaça global para as comunidades costeiras e diversos ecossistemas.

O permafrost — como é conhecido o gelo permanente sobre o solo — também começa a ceder, especialmente no Canadá e na Sibéria, liberando mais metano e gás carbônico para a atmosfera.

Coordenador-geral do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Jefferson Cardia Simões avalia que o levantamento da Noaa é um retrato do “novo Ártico”:

— Nunca estes fenômenos adversos ocorreram tão rapidamente — alerta. — A mudança principal é a retração do mar congelado durante o verão. Em 20 anos, a extensão mínima do gelo passou de sete milhões para 4,5 milhões de quilômetros quadrados.

Quando há menos gelo marinho, o oceano absorve mais energia solar. Seu aquecimento afeta zooplânctons e fitoplânctons, a base da cadeia alimentar.

Jeffries destaca que espécies maiores, como peixes e morsas, também já sofrem com a mudança da temperatura:

— As morsas são grandes mamíferos marinhos que usam o gelo do mar para o acasalamento, locomoção e abrigo contra tempestades e predadores. Agora, estas atividades estão seriamente prejudicadas — alerta. — Nos últimos anos, um grande número de espécimes teve de se deslocar por terra até o Alasca. Houve problemas como a superlotação e a dificuldade para encontrar alimentos.

Os peixes de regiões temperadas, como o bacalhau e o cantarilho, estão migrando para o Norte, competindo por alimentos com outras espécies que habitam o Ártico.

A migração contínua de peixes para o Norte poderia ser mais um dos motivos para conflito dos países ao redor do Ártico. O derretimento do gelo abriu espaço para cada vez mais atividades econômicas na região, como a pesca oceânica, a extração de petróleo e gás e a navegação.

— O aumento da temperatura do Ártico pode desencadear uma série de questões geopolíticas — assinala Simões. — O mar aberto no verão criou uma nova rota para navegações dos EUA e Europa para a Ásia. Até a China, que não é um país da região, quer se aproveitar deste caminho, o que provoca ressalvas da Rússia. As nações também tentam expandir sua zona econômica exclusiva, para que possam explorar com liberdade os recursos minerais locais. Há mudanças de estratégias militares e questionamentos de soberania.

CONSEQUÊNCIAS NO BRASIL

As consequências climáticas, políticas e econômicas do aquecimento do Ártico atraem países distantes do gelo. O Brasil participou este ano pela primeira vez de uma reunião da ONG Arctic Cicle, financiada pelo governo da Islândia. Simões integrou a delegação nacional:

— Recomendamos que o Brasil monitore como será o futuro da região. O Ártico pode ser palco de muitas transformações que abalarão todos nós. A economia global, por exemplo, será alterada se for viável explorar gás e óleo na região. E ainda devemos estudar se o aquecimento registrado lá pode afetar os trópicos. É possível que haja uma relação entre o desaparecimento do gelo e o regime de chuvas no Brasil.

Para Simões, os relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas foram “conservadores” ao abordar o que pode acontecer com o Ártico.

— Considerando o modo como ele se aquece, e as metas insuficientes estabelecidas por cada país durante a Conferência do Clima, o Ártico pode não congelar mais no verão até 2040 — lamenta. — Muitas alterações atuais ainda são desconhecidas. Mas já vemos que a circulação de ventos está alterada e provoca ondas de frio intensas no Hemisfério Norte.

Acordo de Paris é uma nova Revolução Industrial, diz especialista (Agência Brasil)

O texto final do acordo estabelece o objetivo de manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais e garantir esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC

“É como se fosse uma nova Revolução Industrial”, disse o coordenador do Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima, Tasso Azevedo, na segunda-feira, 14, ao falar sobre o Acordo de Paris, primeiro acordo global sobre o clima, aprovado no último sábado (12) na 21ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21), na capital francesa, por 195 países e a União Europeia, para entrar em vigor em 2020.

“Começamos uma nova era onde as pessoas estão alinhadas sabendo para onde ir. Isso faz com que os investimentos comecem a ser feitos nessa direção e provavelmente daqui a 30 ou 40 anos, vamos lembrar esse final de ano como o momento em que mudamos a forma de se desenvolver. É como se fosse uma nova Revolução Industrial, agora com um objetivo atrelado a um desenvolvimento e tecnologia, que é a sustentabilidade e um clima seguro para todos”, afirmou.

O texto final do acordo estabelece o objetivo de manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2 graus Celsius (ºC) em relação aos níveis pré-industriais e garantir esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC.

Segundo Azevedo, entretanto, as metas atuais levam a um aumento de cerca de 3ºC, mas também definem, claramente, uma direção de trabalho. “O que é importante é que, em Paris, se definiu um modo de operar que faz com que se faça uma revisão, progressivamente, em ciclos de cinco em cinco anos para que os países possam ir aprofundando as metas de forma que nos próximos ciclos possamos caminhar no sentido de limitar a 2ºC”, disse.

As Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas (INDCs) apresentadas pelos países também foram importantes para o sucesso do acordo, segundo os especialistas. “É um acordo aprovado por unanimidade, ninguém deixou de ser escutado. As contribuições foram voluntárias e é aquilo que foi apresentado voluntariamente que se torna, então, obrigatório”, disse Tasso Azevedo.

“Grande parte do sucesso desta COP21 se deve a questões de procedimento. A estratégia das INDCs ajudou a romper a lógica binária de negociações entre países desenvolvidos versus países em desenvolvimento”, diz, em nota, o diretor de Políticas Públicas do WWF-Brasil, Henrique Lian.

Em vídeo divulgado pelas redes sociais, o diretor-presidente do Instituto Ethos, Jorge Abrahão, disse que as empresas privadas também assumiram posições importantes para redução de emissões, mas que ainda existem desafios. Entre eles estão a adaptação, que é uma oportunidade muito grande para as empresas, segundo ele; a questão dos acessos aos financiamentos; a transparência; e a construção de políticas públicas, “é algo que o governo deixa claro, a importância das empresas estarem construindo conjuntamente as políticas públicas”, afirmou.

Segundo Abrahão, entretanto, há outro tema, pouco tratado, que é o estilo de vida da população. “Nosso modo de viver é algo que nos traz desafios, seja do ponto de vista individual, seja do ponto de vista das empresas”, disse.

Para Tasso Azevedo, do Observatório do Clima, as ações do dia a dia são importantes para redução das emissões, quando, por exemplo, as pessoas escolhem andar de transporte coletivo, usar o aquecedor solar ou consumir produtos de origem sustentável. Ele diz ainda que o País pode implementar ações imediatas, como o desmatamento zero, o investimento forte na agricultura de baixo carbono e na recuperação de pastagens degradadas e o investimento em energias renováveis.

Principais pontos do Acordo de Paris, segundo Ministério do Meio Ambiente:

– Fortalece a implementação da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) sob os seus princípios.

– Busca limitar o aumento da temperatura média global a bem abaixo de 2ºC em relação aos níveis pré-industriais e empreender esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC.

– Promove o financiamento coletivo de um piso de US$ 100 bilhões por ano para países em desenvolvimento, considerando suas necessidades e prioridades.

– Estabelece processo que apresenta as contribuições nacionalmente determinadas (INDCs), com metas individuais de cada país para a redução de emissões de gases de efeito estufa.

– Cria um mecanismo de revisão a cada cinco anos dos esforços globais para frear as mudanças do clima.

Agência Brasil

Aquecimento global: um estranho evento em Paris (Outras Palavras)

POR GEORGE MONBIOT

Derretimento de glaciares, cada vez mais comum em diversas partes do mundo. Para Monbiot, Um aquecimento máximo de 1,5ºC, alvo improvável a que agora se aspira, era plenamente realizável quando da primeira conferência sobre mudança climática da ONU em Berlim, em 1995

Cúpula do Clima foi, ao mesmo tempo, avanço e desastre. Formou-seconsenso inédito sobre gravidade da ameaça. Mas lobbies bloquearam as medidas indispensáveis para enfrentá-la

Por George Monbiot | Tradução: Inês Castilho

Comparado com aquilo que poderia ter sido, é um milagre. Comparado com o que deveria ter sido, é um desastre.

Dentro dos estreitos limites em que se deram as negociações, o desenho do acordo sobre o clima na ONU, em Paris, é um grande sucesso. O alívio e autocongratulação com que o texto final foi saudado reconhece o fracasso em Copenhague, há seis anos, quando as negociações correram descontroladamente durante algum tempo, até desmoronar. O acordo de Paris ainda espera a adoção formal, mas sua aspiração ao limite de 1,5ºC para o aquecimento global, depois de tantos anos de rejeição dessa meta, pode ser vista no quadro de uma vitória retumbante. Nesse e em outros sentidos, o texto final é mais forte do que foi antecipado pela maioria das pessoas.

Fora desse quadro, contudo, ele parece outra coisa. Duvido que qualquer um dos negociadores acredite que, como resultado desse acordo, o aquecimento global não irá superar 1,5ºC. Como o preâmbulo do documento reconhece, em vista das débeis promessas que os governos levaram a Paris, mesmo 2ºC seria loucamente ambicioso. Ainda que algumas nações tenham negociado de boa fé, é provável que os resultados reais nos levem a níveis de colapso climático que serão perigosos para todos e letais para alguns. Os governos falam em não onerar as futuras gerações com dívidas. Mas acabam de concordar em sobrecarregar nossos filhos e netos com um legado muito mais perigoso: o dióxido de carbono produzido pela queima contínua de combustíveis fósseis, e os impactos de longo prazo que isso irá exercer sobre o clima global.

Com 2ºC de aquecimento, grandes partes da superfície do mundo irão se tornar menos habitáveis. Os habitantes dessas regiões provavelmente enfrentarão extremos climáticos selvagens: secas piores em alguns lugares, enchentes mais devastadoras em outros, tempestades mais fortes e, potencialmente, graves impactos no abastecimento de alimentos. Ilhas e cidades costeiras correm o risco de desaparecer sob as ondas, em muitas partes do mundo.

A combinação de mares acidificados, morte de corais e derretimento do Ártico pode significar o colapso de toda a cadeia alimentar marinha. Em terra, as florestas tropicais tendem a ser reduzidas, os rios podem minguar e os desertos, aumentar. Extinção em massa será provavelmente a marca da nossa era. Essa é a cara do que os alegres delegados à conferência de Paris enxergaram como sucesso.

Os próprios termos do documento final poderão fracassar? Também é possível. Embora os primeiros rascunhos especificassem datas e percentuais, o texto final visa apenas “alcançar o pico global de emissão de gases de efeito de estufa o mais rápido possível”. É algo que pode significar qualquer coisa e nada.

Para ser justo, o fracasso não deve ser debitado às conversações de Paris, mas a todo o processo. Um aquecimento máximo de 1,5ºC, meta improvável a que agora se aspira, era plenamente realizável quando da primeira conferência sobre mudança climática da ONU em Berlim, em 1995. Houve duas décadas de procrastinação, causadas por lobbies – abertos, encobertos e frequentemente sinistros. Além disso, os governos relutaram em explicar a seus eleitorados que a fixação pelo curto prazo tem custos a longo prazo. O resultado é que três quartos da janela de oportunidade agora se fecharam. As negociações de Paris são as melhores que jamais tivemos. E isso é um sinal terrível.

O resultado, avançado em comparação a todos os anteriores, deixa-nos com um acordo quase comicamente distorcido. Enquanto as negociações sobre quase todos os outros riscos globais buscam enfrentar ambos os lados do problema, o processo climático da ONU preocupa-se inteiramente com consumo de combustíveis fósseis, enquanto ignora sua produção.

Em Paris, os delegados concordaram solenemente em cortar a demanda de petróleo e carvão, mas em casa busca-se maximizar a oferta. O governo do Reino Unido impôs até mesmo a obrigação legal de “maximizar a recuperação econômica” do petróleo e gás do país, com a Lei de Infraestrutura de 2015. A extração de combustíveis fósseis é um fato duro. Mas não faltam fatos suaves ao acordo de Paris: promessas escorregadias e que podem ser desfeitas. Até que resolvam manter os combustíveis no solo, os governos continuarão a sabotar o acordo que acabam de fazer.

É o melhor que se poderia conseguir, nas condições atuais. Nos EUA, nenhum provável sucessor de Barack Obama demonstrará o mesmo compromisso. Em países como o Reino Unido, grandes promessas no exterior são minadas por orçamentos domésticos esquálidos. Seja o que for que aconteça agora, não seremos bem-vistos pelas gerações que nos sucederem.

Então está bem, deixe que os delegados se congratulem por um acordo melhor do que poderia ser esperado. E que o temperem com um pedido de desculpas a todos aqueles a quem a conferência irá trair.

Seca ameaça a Amazônia (Revista Fapesp)

Experimento feito na maior floresta tropical do mundo mostra colapso de árvores com ressecamento do solo 

MARIA GUIMARÃES | ED. 238 | DEZEMBRO 2015

 

Do alto de uma torre de 40 metros, fica visível a mortalidade das árvores maiores,  destacadas acima do dossel

Ao tomar suco por um canudo é preciso cuidado para manter o tubo bem imerso. Do contrário, bolhas de ar se formam e rompem a estrutura do fio líquido que leva a bebida do copo à boca. Aumente a escala para a altura de um prédio de 10 andares e pode imaginar o fluxo de água dentro de uma das gigantescas árvores amazônicas. A transpiração pelas folhas dá origem à sucção que movimenta a água desde as raízes até as imensas copas das árvores, que podem ultrapassar os 40 metros de altura, e lança para a atmosfera uma umidade responsável por entre 35% e 50% das chuvas na região, com impacto importante na hidrologia global. Quando esse sistema falha, o ciclo da água não é o único afetado. As árvores, que até então pareciam funcionar normalmente, subitamente morrem. Um experimento liderado pelo ecólogo inglês Patrick Meir, da Universidade de Edimburgo, na Escócia, e da Universidade Nacional da Austrália, provocou 15 anos de seca numa parcela amazônica e revelou o papel desse mecanismo, de acordo com artigo publicado em novembro na revista Nature.

Para construir o experimento foram necessários 500 metros cúbicos (m3) de madeira, 5 toneladas de plástico, 2 toneladas de pregos e 23 mil horas-homem (10 homens trabalhando de segunda a segunda por um ano), de acordo com o meteorologista Antonio Carlos Lola da Costa, da Universidade Federal do Pará (UFPA). O resultado são 6 mil painéis de plástico que medem 3 metros (m) por 0,5 m cada um, entremeados por 18 calhas com 100 m de comprimento responsáveis por impedir que 50% da chuva que cai chegue ao solo numa parcela de  1 hectare na Floresta Nacional de Caxiuanã, no norte do Pará, onde o Museu Paraense Emílio Goeldi mantém uma estação científica. “O Patrick me procurou em 1999 com essa ideia maluca”, conta Lola. O meteorologista não sabia por onde começar, mas estudou as fotos que Meir lhe mandou de um experimento similar, o Seca Floresta, que estava sendo montado na Floresta Nacional do Tapajós, no oeste do estado, e saiu a campo. “Em um ano estava feito.” Não era um feito logístico trivial. Chegar a Caxiuanã envolve sair de Belém e passar 12 horas a bordo de um barco repleto de redes coloridas apinhadas, até Breves. Foi nessa cidade de cerca de 100 mil habitantes que Lola conseguiu o material para sua empreitada, como os tubos de ferro galvanizado para montar duas torres com 40 m de altura. De lá, 10 horas em um barco menor levam a Caxiuanã, onde o material precisou ser carregado pelo meio da densa floresta.

O experimento conhecido como Esecaflor, abreviação de Efeitos da Seca da Floresta, é o mais extenso e mais duradouro no mundo a avaliar o efeito de seca numa floresta tropical. O único comparável é o Seca Floresta, que abrangeu uma área similar e foi encerrado após cinco anos (ver Pesquisa FAPESP nº 156). Nesta última década e meia, Antonio Carlos Lola tem sido o principal responsável por monitorar a reação da floresta e manter o experimento de pé mesmo quando ele é constantemente derrubado por galhos e árvores que caem, uma empreitada que exige entre R$ 10 mil e R$ 15 mil por mês. Um valor que tende a subir, agora que mais árvores têm sucumbido à seca, destruindo parte da estrutura. “Passo por volta de seis meses do ano no meio do mato, com interrupções”, conta ele, que tem coordenado uma série de projetos de alunos de mestrado e doutorado no âmbito do experimento.

016-021_Amazonia_238

Observação prolongada
Em linhas gerais os resultados dos dois experimentos amazônicos contam histórias semelhantes, como mostra artigo de revisão publicado por Meir e colegas em setembro na revista BioScience: nos primeiros anos a floresta parece ignorar a falta de chuva e mantém o funcionamento normal. Passados alguns anos de seca, porém, galhos começam a cair e árvores a morrer, sobretudo as mais altas e as menores. Experimentos em outros países analisaram uma área menor ou duraram menos tempo – o maior, na Indonésia, funcionou por dois anos.

Fogo experimental no Mato Grosso: em condições normais de umidade, os incêndios têm baixa energia e são pouco destrutivos

O estudo de Caxiuanã traz resultados inéditos por sua longa duração: o colapso das maiores árvores só aconteceu após 13 anos da seca experimental e pode representar um ponto de inflexão em que a floresta muda de cara. Desde 2001 os pesquisadores vêm fazendo medições fisiológicas nas árvores, comparando a área com restrição de chuva e uma parcela semelhante sem intervenção. Nos últimos dois anos, começaram a registrar uma mortalidade drástica entre as árvores mais altas, raras por natureza, que caem causando destruição e transformando a floresta pujante numa mata de aparência degradada. “Das 12 árvores mais altas com diâmetro maior que 60 centímetros, restam apenas três”, conta Lucy Rowland, pesquisadora britânica em estágio de pós-doutorado no grupo de Meir na Universidade de Edimburgo que está à frente do projeto desde 2011. A surpresa foi identificar no sistema hidráulico a causa interna dessa mortalidade. Quando o suprimento de água no solo é reduzido, aumenta a tensão na coluna d’água no interior dos vasos condutores das árvores, o xilema. A integridade dessa coluna, que depende da adesão natural entre as moléculas de água, acaba comprometida por bolhas de ar, um processo que os especialistas chamam de cavitação. A consequência desse colapso, que acontece de repente, é a incapacidade de levar água das raízes às folhas e a morte súbita da árvore. Meir ressalta que essa falha hidráulica funciona como um gatilho que inicia o processo de morte, sem ser necessariamente a causa final – ainda desconhecida.

Outra hipótese favorecida para explicar a morte de árvores em situações de seca é o que os pesquisadores chamam de “fome de carbono”. Quando as folhas fecham os estômatos (poros que permitem transpiração e trocas gasosas) para evitar o ressecamento, também reduzem a absorção de carbono. O mais provável é que os dois processos aconteçam simultaneamente, mas no caso de Caxiuanã os pesquisadores descartaram a falta de carbono como fator principal ao verificar que as árvores continham um suprimento normal desse elemento e não pararam de crescer até a morte.

“Medimos a vulnerabilidade do sistema hidráulico das plantas à cavitação e vimos que ela tem relação com o diâmetro da árvore”, conta o biólogo Rafael Oliveira, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), colaborador do projeto há dois anos. A observação condiz com a preponderância de vítimas avantajadas: 15 árvores com diâmetro maior que 40 centímetros caíram na área experimental, em comparação com apenas uma ou duas na zona de controle, onde não há exclusão de chuva. O impacto é grande, porque essas árvores gigantescas concentram uma parcela importante da biomassa da floresta e do dossel emissor de umidade. Enquanto isso, as de tamanho médio estão crescendo até mais, graças à luz que chega até elas agora que a mata vai se tornando esparsa e cheia de frestas entre as copas.

Painéis de plástico impedem que metade da chuva chegue ao chão...

Oliveira tem estudado as relações entre o solo, as plantas e a atmosfera, e em uma revisão publicada em 2014 na revista Theoretical and Experimental Plant Physiology mostrou que mudanças no regime de precipitação podem causar um estresse hídrico letal por cavitação, mesmo que a seca seja compensada por um período de chuvas intensas, de maneira que o total anual de chuvas não se altere. Para ele, é preciso entender melhor o funcionamento fisiológico e anatômico das árvores nessas condições para prever sua reação às mudanças previstas no clima. Essas particularidades também devem explicar por que a reação varia entre espécies. O estudo de Caxiuanã, por exemplo, aponta o gênero Pouteria como muito vulnerável à seca e o Licania como o mais resistente, entre as árvores examinadas. Os mecanismos usados pelas plantas são diversos, como absorver água pela parte aérea – pelas folhas e até pelos ramos e tronco. “Precisamos ver quais árvores na Amazônia fazem isso”, planeja.

Outro efeito da mortalidade das árvores é o acúmulo de mais folhas e galhos no solo da floresta. “Quem trabalha com fogo chama essa camada de combustível”, brinca o ecólogo Paulo Brando, pesquisador do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e do Centro de Pesquisa Woods Hole, Estados Unidos. Um dos integrantes do Seca Floresta, cujo imenso banco de dados ainda está em análise quase 10 anos depois de encerrado o projeto, ele mais recentemente conduziu um estudo com incêndios florestais num experimento no Alto Xingu, a região mais seca da Amazônia. Segundo os resultados apresentados em artigo de 2014 na PNAS, as árvores resistiram bem à primeira queimada, em 2004, em parte porque a própria umidade da floresta impediu que o fogo atingisse proporções devastadoras. O resultado marcante veio em 2007, quando o incêndio programado coincidiu com uma seca acentuada e representou, na interpretação dos autores, um ponto de inflexão na floresta. “O que vimos foi fogo de grande intensidade que matou tudo, principalmente as árvores pequenas”, conta, concluindo que a interação entre seca e fogo potencializa as forças motrizes de degradação. Menos água no solo, menos umidade no ar e mais combustível no chão agem em conjunto e aumentam muito a probabilidade de fogo. E não se pode esquecer a ação humana nas fronteiras agrícolas, onde o fogo é comum para manejo e se soma aos efeitos do desmatamento, que criam ilhas de floresta com bordas vulneráveis. “A fronteira da floresta com uma plantação de soja, por exemplo, é 5 graus Celsius mais quente do que o interior da floresta, e mais seca”, diz Brando.

...provocando queda de árvores...

Ele é coautor de um estudo feito pela geógrafa Ane Alencar, também do Ipam, que analisou registros de incêndios na Amazônia, por imagens de satélite, entre 1983 e 2007. Os resultados, publicados em setembro na Ecological Applications, mostram que já houve um aumento na ocorrência de fogo florestal em resposta a um clima mais seco. Comparando três tipos de mata no leste da Amazônia, o grupo verificou que a floresta densa é sensível a mudanças climáticas, enquanto as formações aberta e de transição estão mais sujeitas à ação humana por desmatamento.

Futuro
Como não há bola de cristal para enxergar o que vem à frente, vários grupos buscam desenvolver modelos climáticos e ecológicos. Brando participou de um estudo liderado por Philip Duffy, do Woods Hole, que comparou a capacidade de modelos climáticos acomodarem as secas que aconteceram em 2005 e 2010 na Amazônia, tão drásticas que não era esperado que se repetissem num período menor do que um século. Os resultados, publicados em outubro no site da PNAS, preveem um aumento significativo de secas, com um crescimento da área afetada por essas secas na região amazônica. O problema, segundo Brando, é que boa parte dos modelos lida com médias, e o que está em questão são extremos climáticos. Este ano, caracterizado por um fenômeno El Niño mais forte do que a média, a equipe do Esecaflor encontrou, em novembro, uma floresta praticamente sem chuva havia mais de dois meses. A expectativa é, nos próximos anos, acompanhar as consequências desse período.

...calhas levam a água embora numa área de 1 hectare da Floresta Nacional de Caxiuanã

“O relatório de 2013 do IPCC ressaltou nossa falta de capacidade em prever a mortalidade relacionada à seca nas florestas como uma das incertezas na ciência ligada à vegetação e ao clima”, conta Meir. “Nossos resultados indicam qual mecanismo fisiológico precisa ser bem representado pelos modelos para prever a mortalidade das árvores”, explica. Nessa busca por reduzir incertezas e antecipar o futuro, Lucy – que é especialista em usar dados de campo para alimentar modelos – vem trabalhando em parceria com o grupo de Stephen Sitch, na Universidade de Exeter, na Inglaterra, para aprimorar a representação das respostas das florestas tropicais à seca no modelo de vegetação conhecido como Jules. A Amazônia fala claramente sobre a importância de políticas que busquem reduzir as mudanças climáticas, tema que inundou as notícias nos últimos tempos por causa da Conferência do Clima em Paris (COP21), que ocorreu este mês. Os experimentos mostram efeitos localizados, mas secas naturais como as da década passada podem afetar uma área extensa da floresta. Meir ressalta a necessidade de quebrar o ciclo: ao se decomporem, imensas árvores mortas liberam na atmosfera uma quantidade de carbono que tende a agravar o efeito estufa. “É possível desenvolver regras de energia e uso da terra que sejam economicamente benéficas, sem danificar o ambiente no longo prazo”, completa.

Veja mais fotos da pesquisa na Galeria de Imagens

Projeto
Interações entre solo-vegetação-atmosfera em uma paisagem tropical em transformação (n° 2011/52072-0); Modalidade Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (Pite) e Acordo FAPESP-Microsoft Research; Pesquisador responsávelRafael Silva Oliveira (IB-Unicamp); Investimento R$ 1.082.525,94.

Artigos científicos
ALENCAR, A. A. et al. Landscape fragmentation, severe drought, and the new Amazon forest fire regimeEcological Applications. v. 25, n. 6, p. 1493-505. set. 2015.
BRANDO, P. M. et al. Abrupt increases in Amazonian tree mortality due to drought-fire interactionsPNAS. v. 111, n. 17, p. 6347-52. 29 abr. 2014.
DUFFY, P. B. et alProjections of future meteorological drought and wet periods in the AmazonPNAS. on-line. 12 out. 2015.
MEIR, P. et alThreshold responses to soil moisture deficit by trees and soil in tropical rain forests: insights from field experimentsBioScience. v. 65, n. 9, p. 882-92. set. 2015.
OLIVEIRA, R. S. et alChanging precipitation regimes and the water and carbon economies of treesTheoretical and Experimental Plant Physiology. v. 26, n. 1, p. 65-82. mar. 2014.
ROWLAND, L. et alDeath from drought in tropical forests is triggered by hydraulics not carbon starvationNature. on-line. 23 nov. 2015.

Algoritmo quântico mostrou-se mais eficaz do que qualquer análogo clássico (Revista Fapesp)

11 de dezembro de 2015

José Tadeu Arantes | Agência FAPESP – O computador quântico poderá deixar de ser um sonho e se tornar realidade nos próximos 10 anos. A expectativa é que isso traga uma drástica redução no tempo de processamento, já que algoritmos quânticos oferecem soluções mais eficientes para certas tarefas computacionais do que quaisquer algoritmos clássicos correspondentes.

Até agora, acreditava-se que a chave da computação quântica eram as correlações entre dois ou mais sistemas. Exemplo de correlação quântica é o processo de “emaranhamento”, que ocorre quando pares ou grupos de partículas são gerados ou interagem de tal maneira que o estado quântico de cada partícula não pode ser descrito independentemente, já que depende do conjunto (Para mais informações veja agencia.fapesp.br/20553/).

Um estudo recente mostrou, no entanto, que mesmo um sistema quântico isolado, ou seja, sem correlações com outros sistemas, é suficiente para implementar um algoritmo quântico mais rápido do que o seu análogo clássico. Artigo descrevendo o estudo foi publicado no início de outubro deste ano na revista Scientific Reports, do grupo Nature: Computational speed-up with a single qudit.

O trabalho, ao mesmo tempo teórico e experimental, partiu de uma ideia apresentada pelo físico Mehmet Zafer Gedik, da Sabanci Üniversitesi, de Istambul, Turquia. E foi realizado mediante colaboração entre pesquisadores turcos e brasileiros. Felipe Fernandes Fanchini, da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Bauru, é um dos signatários do artigo. Sua participação no estudo se deu no âmbito do projeto Controle quântico em sistemas dissipativos, apoiado pela FAPESP.

“Este trabalho traz uma importante contribuição para o debate sobre qual é o recurso responsável pelo poder de processamento superior dos computadores quânticos”, disse Fanchini à Agência FAPESP.

“Partindo da ideia de Gedik, realizamos no Brasil um experimento, utilizando o sistema de ressonância magnética nuclear (RMN) da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Houve, então, a colaboração de pesquisadores de três universidades: Sabanci, Unesp e USP. E demonstramos que um circuito quântico dotado de um único sistema físico, com três ou mais níveis de energia, pode determinar a paridade de uma permutação numérica avaliando apenas uma vez a função. Isso é impensável em um protocolo clássico.”

Segundo Fanchini, o que Gedik propôs foi um algoritmo quântico muito simples que, basicamente, determina a paridade de uma sequência. O conceito de paridade é utilizado para informar se uma sequência está em determinada ordem ou não. Por exemplo, se tomarmos os algarismos 1, 2 e 3 e estabelecermos que a sequência 1- 2-3 está em ordem, as sequências 2-3-1 e 3-1-2, resultantes de permutações cíclicas dos algarismos, estarão na mesma ordem.

Isso é fácil de entender se imaginarmos os algarismos dispostos em uma circunferência. Dada a primeira sequência, basta girar uma vez em um sentido para obter a sequência seguinte, e girar mais uma vez para obter a outra. Porém, as sequências 1-3-2, 3-2-1 e 2-1-3 necessitam, para serem criadas, de permutações acíclicas. Então, se convencionarmos que as três primeiras sequências são “pares”, as outras três serão “ímpares”.

“Em termos clássicos, a observação de um único algarismo, ou seja uma única medida, não permite dizer se a sequência é par ou ímpar. Para isso, é preciso realizar ao menos duas observações. O que Gedik demonstrou foi que, em termos quânticos, uma única medida é suficiente para determinar a paridade. Por isso, o algoritmo quântico é mais rápido do que qualquer equivalente clássico. E esse algoritmo pode ser concretizado por meio de uma única partícula. O que significa que sua eficiência não depende de nenhum tipo de correlação quântica”, informou Fanchini.

O algoritmo em pauta não diz qual é a sequência. Mas informa se ela é par ou ímpar. Isso só é possível quando existem três ou mais níveis. Porque, havendo apenas dois níveis, algo do tipo 1-2 ou 2-1, não é possível definir uma sequência par ou ímpar. “Nos últimos tempos, a comunidade voltada para a computação quântica vem explorando um conceito-chave da teoria quântica, que é o conceito de ‘contextualidade’. Como a ‘contextualidade’ também só opera a partir de três ou mais níveis, suspeitamos que ela possa estar por trás da eficácia de nosso algoritmo”, acrescentou o pesquisador.

Conceito de contextulidade

“O conceito de ‘contextualidade’ pode ser melhor entendido comparando-se as ideias de mensuração da física clássica e da física quântica. Na física clássica, supõe-se que a mensuração nada mais faça do que desvelar características previamente possuídas pelo sistema que está sendo medido. Por exemplo, um determinado comprimento ou uma determinada massa. Já na física quântica, o resultado da mensuração não depende apenas da característica que está sendo medida, mas também de como foi organizada a mensuração, e de todas as mensurações anteriores. Ou seja, o resultado depende do contexto do experimento. E a ‘contextualidade’ é a grandeza que descreve esse contexto”, explicou Fanchini.

Na história da física, a “contextualidade” foi reconhecida como uma característica necessária da teoria quântica por meio do famoso Teorema de Bell. Segundo esse teorema, publicado em 1964 pelo físico irlandês John Stewart Bell (1928 – 1990), nenhuma teoria física baseada em variáveis locais pode reproduzir todas as predições da mecânica quântica. Em outras palavras, os fenômenos físicos não podem ser descritos em termos estritamente locais, uma vez que expressam a totalidade.

“É importante frisar que em outro artigo [Contextuality supplies the ‘magic’ for quantum computation] publicado na Nature em junho de 2014, aponta a contextualidade como a possível fonte do poder da computação quântica. Nosso estudo vai no mesmo sentido, apresentando um algoritmo concreto e mais eficiente do que qualquer um jamais imaginável nos moldes clássicos.”

Nations Approve Landmark Climate Accord in Paris (New York Times)

LE BOURGET, France — With the sudden bang of a gavel Saturday night, representatives of 195 nations reached a landmark accord that will, for the first time, commit nearly every country to lowering planet-warming greenhouse gas emissions to help stave off the most drastic effects of climate change.

The deal, which was met with an eruption of cheers and ovations from thousands of delegates gathered from around the world, represents a historic breakthrough on an issue that has foiled decades of international efforts to address climate change.

Traditionally, such pacts have required developed economies like the United States to take action to lower greenhouse gas emissions, but they have exempted developing countries like China and India from such obligations.

The accord, which United Nations diplomats have been working toward for nine years, changes that dynamic by requiring action in some form from every country, rich or poor.

Scientists and leaders said the talks here represented the world’s last, best hope of striking a deal that would begin to avert the most devastating effects of a warming planet.

Mr. Ban said there was “no Plan B” if the deal fell apart. The Eiffel Tower was illuminated with that phrase Friday night.

The new deal will not, on its own, solve global warming. At best, scientists who have analyzed it say, it will cut global greenhouse gas emissions by about half enough as is necessary to stave off an increase in atmospheric temperatures of 2 degrees Celsius or 3.6 degrees Fahrenheit. That is the point at which, scientific studies have concluded, the world will be locked into a future of devastating consequences, including rising sea levels, severe droughts and flooding, widespread food and water shortages and more destructive storms.

But the Paris deal could represent the moment at which, because of a shift in global economic policy, the inexorable rise in planet-warming carbon emissions that started during the Industrial Revolution began to level out and eventually decline.

“The world finally has a framework for cooperating on climate change that’s suited to the task,” said Michael Levi, an expert on energy and climate change policy at the Council on Foreign Relations. “Whether or not this becomes a true turning point for the world, though, depends critically on how seriously countries follow through.”

Just five years ago, such a deal seemed politically impossible. A similar 2009 climate change summit meeting in Copenhagen collapsed in acrimonious failure after countries could not unite around a deal.

Unlike in Copenhagen, Foreign Minister Laurent Fabius of France said on Saturday, the stars for this assembly were aligned.

The changes that led to the Paris accord came about through a mix of factors, particularly major shifts in the domestic politics and bilateral relationships of China and the United States, the world’s two largest greenhouse gas polluters.

Since the Copenhagen deal collapsed, scientific studies have confirmed that the earliest impacts of climate change have started to sweep across the planet. While scientists once warned that climate change was a problem for future generations, recent scientific reports have concluded that it has started to wreak havoc now, from flooding in Miami to droughts and water shortages in China.

In a remarkable shift from their previous standoffs over the issue, senior officials from both the United States and China praised the Paris accord on Saturday night.

Representatives of the “high-ambition coalition,” including Foreign Minister Tony de Brum of the Marshall Islands, left, wore lapel pins made of dried coconut fronds, a symbol of Mr. de Brum’s country.CreditJacky Naegelen/Reuters 

Secretary of State John Kerry, who has spent the past year negotiating behind the scenes with his Chinese and Indian counterparts in order to help broker the deal, said, “The world has come together around an agreement that will empower us to chart a new path for our planet.”

Xie Zhenhua, the senior Chinese climate change negotiator, said, “The agreement is not perfect, and there are some areas in need of improvement.” But he added, “This does not prevent us from marching forward with this historic step.” Mr. Xie called the deal “fair and just, comprehensive and balanced, highly ambitious, enduring and effective.”

Negotiators from many countries have said that a crucial moment in the path to the Paris accord came last year in the United States, when Mr. Obama enacted the nation’s first climate change policy — a set of stringent new Environmental Protection Agency regulations designed to slash greenhouse gas pollution from the nation’s coal-fired power plants. Meanwhile, in China, the growing internal criticism over air pollution from coal-fired power plants led President Xi Jinping to pursue domestic policies to cut coal use.

In November 2014 in Beijing, Mr. Obama and Mr. Xi announced that they would jointly pursue plans to cut domestic greenhouse gas emissions. That breakthrough announcement was seen as paving the way to the Paris deal, in which nearly all the world’s nations have jointly announced similar plans.

The final language did not fully satisfy everyone. Representatives of some developing nations expressed consternation. Poorer countries had pushed for a legally binding provision requiring that rich countries appropriate a minimum of at least $100 billion a year to help them mitigate and adapt to the ravages of climate change. In the final deal, that $100 billion figure appears only in a preamble, not in the legally binding portion of the agreement.

Despite the historic nature of the Paris climate accord, its success still depends heavily on two factors outside the parameter of the deal: global peer pressure and the actions of future governments.

The core of the Paris deal is a requirement that every nation take part. Ahead of the Paris talks, governments of 186 nations put forth public plans detailing how they would cut carbon emissions through 2025 or 2030.

Those plans alone, once enacted, will cut emissions by half the levels required to stave off the worst effects of global warming. The national plans vary vastly in scope and ambition — while every country is required to put forward a plan, there is no legal requirement dictating how, or how much, countries should cut emissions.

Thus, the Paris pact has built in a series of legally binding requirements that countries ratchet up the stringency of their climate change policies in the future. Countries will be required to reconvene every five years, starting in 2020, with updated plans that would tighten their emissions cuts.

Countries will also be legally required to reconvene every five years starting in 2023 to publicly report on how they are doing in cutting emissions compared to their plans. They will be legally required to monitor and report on their emissions levels and reductions, using a universal accounting system.

That hybrid legal structure was explicitly designed in response to the political reality in the United States. A deal that would have assigned legal requirements for countries to cut emissions at specific levels would need to go before the United States Senate for ratification. That language would have been dead on arrival in the Republican-controlled Senate, where many members question the established science of human-caused climate change, and still more wish to thwart Mr. Obama’s climate change agenda.

So the individual countries’ plans are voluntary, but the legal requirements that they publicly monitor, verify and report what they are doing, as well as publicly put forth updated plans, are designed to create a “name-and-shame” system of global peer pressure, in hopes that countries will not want to be seen as international laggards.

That system depends heavily on the views of the future world leaders who will carry out those policies. In the United States, every Republican candidate running for president in 2016 has publicly questioned or denied the science of climate change, and has voiced opposition to Mr. Obama’s climate change policies.

In the Senate, Mitch McConnell, the Republican leader, who has led the charge against Mr. Obama’s climate change agenda, said, “Before his international partners pop the champagne, they should remember that this is an unattainable deal based on a domestic energy plan that is likely illegal, that half the states have sued to halt, and that Congress has already voted to reject.”

There were few of those concerns at the makeshift negotiations center here in this suburb north of Paris. The delegates rose to their feet in applause to thank the French delegation, which drew on the finest elements of the country’s longstanding traditions of diplomacy to broker a deal that was acceptable to all sides.

France’s European partners recalled the coordinated Nov. 13 terrorist attacks in Paris, which killed 130 people and threatened to cast a shadow over the negotiations. But, bound by a collective good will toward France, countries redoubled their efforts.

“This demonstrates the strength of the French nation and makes us Europeans all proud of the French nation,” said Miguel Arias Cañete, the European Union’s commissioner for energy and climate action.

Yet amid the spirit of success that dominated the final hours of the negotiations, Mr. Arias Cañete reminded delegates that the accord was the beginning of the real work. “Today, we celebrate,” he said. “Tomorrow, we have to act. This is what the world expects of us.”

Correction: December 12, 2015. An earlier version of this article misstated part of the name of the agency for which Michael Levi works. It is the Council on Foreign Relations, not the Center on Foreign Relations.

Sewell Chan, Melissa Eddy, Justin Gillis and Stanley Reed contributed reporting.

Active ingredient in magic mushrooms reduces anxiety, depression in cancer patients (Science Daily)

Date: December 10, 2015

Source: American College of Neuropsychopharmacology

Summary: Psilocybin, found in magic mushrooms, decreased anxiety and depression in patients diagnosed with life-threatening cancer. New research shows that patients who received a psilocybin dose that altered perception and produced mystical-type experiences reported significantly less anxiety and depression compared with patients who received a low dose of the drug. The positive effects lasted 6 months.


A single dose of psilocybin, the major hallucinogenic component in magic mushrooms, induces long-lasting decreases in anxiety and depression in patients diagnosed with life-threatening cancer according to a new study presented at the annual meeting of the American College of Neuropsychopharmacology.

Patients who receive a cancer diagnosis often develop debilitating symptoms of anxiety and depression. Reports from the 1960s and 1970s suggest that hallucinogenic drugs such as LSD may alleviate such symptoms in cancer patients, but the clinical value of hallucinogenic drugs for the treatment of mood disturbances in cancer patients remains unclear. In this new study, Roland Griffiths and colleagues from the Johns Hopkins University School of Medicine investigated the effects of psilocybin on symptoms of anxiety and depression in individuals diagnosed with life-threatening cancer. Five weeks after receiving a dose of psilocybin sufficiently high to induce changes in perception and mystical-type experiences, patients reported significantly lower levels of anxiety and depression compared with patients that received a low dose of the drug. The positive effects on mood persisted in the patients at 6 month follow-up.

The authors suggest that a single dose of psilocybin may be sufficient to produce enduring decreases in negative mood in patients with a life-threatening cancer.

Medidas de adaptação às mudanças climáticas são anunciadas em Santos (Pesquisa Fapesp)

04 de dezembro de 2015

Samuel Antenor, de Santos | Agência FAPESP – Um estudo internacional sobre a elevação do nível do mar causada pelas mudanças climáticas na cidade de Santos, litoral sul do Estado de São Paulo, resultou em um conjunto de propostas de adaptação, apresentado na terça-feira (01/12) na Associação Comercial de Santos.

No encontro, pesquisadores e representantes da sociedade civil, da Marinha e do Exército  discutiram propostas de ações a serem executadas na cidade nos próximos anos, a fim de enfrentar a elevação do nível do mar e suas consequências na maior cidade portuária do Brasil, ante a perspectiva de aumento da temperatura global acima de 2°C até o final deste século.

As sugestões apresentadas pelo grupo fazem parte da segunda etapa do Projeto Uma estrutura integrada para analisar tomada de decisão local e capacidade adaptativa para mudança ambiental de grande escala: estudos de caso de comunidades no Brasil, Reino Unido e Estados Unidos (Metropole, na sigla em inglês) que inclui pesquisas sobre a elevação da maré em outras duas cidades: Broward, nos Estados Unidos, e Selsey, na Inglaterra. Realizado por pesquisadores do Centro de Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Instituto Geológico de São Paulo, o estudo, que contou com apoio de técnicos da Prefeitura Municipal de Santos, foi feito em parceria com pesquisadores da University of South Florida, dos Estados Unidos, e do King’s College London, da Inglaterra é apoiado pela FAPESP, no âmbito de um acordo de cooperação com o Belmont Forum.

Santos foi escolhida não apenas por suas características geográficas e importância estratégica para o Brasil, mas por reunir os mais completos dados sobre elevação de marés no país, registrados desde 1945 por marégrafos e desde 1993 também por satélite (para saber mais sobre o projeto Metropole leia agencia.fapesp.br/21997/).

“Foi elaborada uma estimativa de tendências de nível médio do mar, com dados de marégrafo e de topografia dinâmica por altimetria de satélites, considerando a confiabilidade, estabilidade e consistência desses dados”, explicou Luci Hidalgo Nunes, pesquisadora da Unicamp e participante do projeto.

Os dados coletados pelos pesquisadores foram inseridos na plataforma COAST (Coastal Adaptation to Sea Level Rise Tool), desenvolvida por uma empresa norte-americana, que ficou também responsável pelo armazenamento dos dados provenientes das três cidades integrantes do Projeto Metropole.

No caso de Santos, além dos dados espaciais georreferenciados e das variáveis relacionadas à elevação do nível do mar, foram consideradas variáveis socioeconômicas.

A partir disso, foram traçados dois níveis de impacto nas regiões sudeste e noroeste da cidade, englobando diferentes áreas do município, em um total de 13 km², onde vivem 117 mil pessoas, e cujas previsões de elevação do nível do mar ficam entre 18 cm e 23 cm em 2050, com projeções de 36 cm a 45 cm até 2100.

Medidas adaptativas

Considerando os cenários atuais, os dados indicam que o regime de chuvas e as ressacas na região de Santos tenderão a ser mais intensos e mais frequentes nas próximas décadas. Isso decorre do aumento de temperatura global e da consequente elevação do nível do mar, além da possibilidade de eventos extremos.

Em Santos, as sugestões para diminuir as vulnerabilidades costeiras, apresentadas após avaliação de diferentes formas de adaptação, incluem obras de infraestrutura.

Além da preservação e recuperação de manguezais, foram sugeridas a implantação de comportas para controle de marés em rios, a construção de canais de drenagem, o aumento da faixa de areia na Ponta da Praia e a construção de quebra-mar na orla leste do município.

Para a zona noroeste do município, as propostas de medidas adaptativas incluem a dragagem de canais, a criação de um sistema de comportas e estações de bombeamento e a recuperação de mangues. Na região da Ponta da Praia, no sudeste santista, a recomendação é que sejam adotadas medidas para engordamento/alimentação artificial da praia, a construção de um muro de proteção e de um sistema de bombeamento e de melhoria de comporta de canais.

Para mensurar os custos da adoção ou não dessas propostas, foram avaliados dois cenários, com e sem as medidas adaptativas. Para chegar a um custo aproximado das adaptações, foram projetados cenários de perdas baseados exclusivamente no valor dos imóveis nas duas regiões. Custos relacionados a outras variáveis, como saúde e mobilidade, não foram computados.

Com projeções de elevação das marés em 45 cm até 2100, os danos chegariam a R$ 236 milhões na zona noroeste e passariam de R$ 1 bilhão na região sudeste do município, caso não sejam adotadas as medidas adaptativas. Com a adoção das medidas, os custos dos danos seriam nulos na orla e cairiam para R$ 64 milhões na região noroeste.

Os cálculos foram feitos com base em projetos internacionais e na tomada de preços para a execução de projetos feita pela própria administração municipal.

“Buscamos fornecer aos tomadores de decisão a melhor informação possível para o planejamento urbano futuro, quais seriam as ações indicadas e seus benefícios”, explicou José Marengo, pesquisador titular do Cemaden e coordenador do projeto no Brasil.

Políticas públicas

Uma das propostas do projeto é utilizar o conhecimento resultante dessas pesquisas para subsidiar medidas de enfrentamento de problemas advindos das mudanças climáticas e ajudar na tomada de decisões e na formulação de políticas públicas. Nesse sentido, a prefeitura de Santos publicou, também no dia 1º de dezembro, um decreto criando uma comissão municipal de adaptação à mudança do clima.

Entre outros pontos, o texto do decreto sugere a criação de estrutura organizacional, envolvendo o poder público, o setor produtivo e representantes da sociedade civil, para a execução das possíveis medidas a serem adotadas com base nas pesquisas.

“Não se deve esperar por uma catástrofe para usar o conhecimento científico sobre as mudanças climáticas para formular políticas públicas, mas agir de forma preventiva”, afirmou Roberto Greco, do Instituto de Geociências da Unicamp e membro do projeto.

Durante o encontro, foram discutidas diferentes formas de financiamento das propostas, além de ações para conscientizar e sensibilizar a população para a urgência do tema. Uma das tônicas da discussão foi justamente a necessidade de encontrar meios de garantir a participação popular na questão.

Os participantes do encontro reforçaram o caráter público e participativo das ações, que precisariam envolver toda a sociedade, permitindo a atuação pública por meio da representação social, incluindo pessoas físicas, no Conselho proposto em decreto pela atual gestão municipal.

“Santos é precursora neste nível de informação no Brasil, e o projeto só pode ser realizado com a ajuda da prefeitura no fornecimento das informações e apoio técnico para utilização dos dados. Seria impossível fazer um projeto como esse sem esse apoio”, afirmou Nunes.

De acordo com os pesquisadores, considerando não apenas a avaliação do nível do mar mas também aspectos relacionados aos ventos e ao clima, é a primeira vez que se faz um estudo desse tipo no Brasil, com uma clara proposta de subsidiar políticas públicas e a tomada de decisão.

A próxima fase da pesquisa será a elaboração de comparativos entre aspectos relacionados nas três cidades pesquisadas, a fim de trocar informações que reforcem o caráter de urgência das medidas de adaptação. 

Inundações costeiras em Santos podem causar prejuízos bilionários

07 de outubro de 2015

Elton Alisson, de Santos | Agência FAPESP – A inundação de áreas costeiras das zonas sudeste e noroeste de Santos, causada pela combinação da elevação do nível do mar com ressacas, marés meteorológicas e astronômicas e eventos climáticos extremos, pode causar prejuízos acumulados de quase R$ 2 bilhões até 2100 se não forem implementadas medidas de adaptação.

A estimativa é de um estudo internacional, realizado por pesquisadores do Centro de Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), dos Institutos Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e Geológico (IG) e das Universidades de São Paulo (USP) e Estadual de Campinas (Unicamp), em parceria com colegas da University of South Florida, dos Estados Unidos, do King’s College London, da Inglaterra, além de técnicos da Prefeitura Municipal de Santos.

Os resultados do estudo, que fazem parte do projeto “Uma estrutura integrada para analisar tomada de decisão local e capacidade adaptativa para mudança ambiental de grande escala: estudos de casos de comunidades no Brasil, Reino Unido e Estados Unidos”, apoiado pela FAPESP, no âmbito de um acordo de cooperação com o Belmont Forum, foram apresentados na última quarta-feira (30/09) a representantes da sociedade civil de Santos.

Durante o encontro, os pesquisadores mostraram às lideranças locais projeções de elevação do nível do mar e de impactos econômicos até 2050 e 2100 nas regiões sudeste e noroeste de Santos – que já têm sido impactadas pelo aumento do nível do mar e atuação de eventos extremos – e discutiram possíveis medidas de adaptação para minimizar os riscos.

“Não é preciso esperar 20 ou 30 anos para sentir os efeitos da elevação do nível do mar. É possível implementar agora medidas de adaptação para minimizar os potenciais danos econômicos”, disse José Marengo, pesquisador titular do Cemaden e coordenador do projeto do lado do Brasil, à Agência FAPESP.

Os pesquisadores constataram por meio de dados sobre mudanças no nível do mar em Santos – obtidos por marégrafos na região no período entre 1945 e 1990 e por altimetria de satélite entre 1993 e 2013 –, que ele aumentou, em média, 3 milímetros nos últimos anos na cidade.

Com base nessa constatação, eles estimaram que o nível do mar na cidade pode aumentar entre 18 e 30 centímetros até 2050 e entre 36 centímetros e 1 metro em 2100.

A combinação dessa elevação  com uma sobrelevação causada por uma ressaca forte (ondas elevadas e maré meteorológica) e numa fase de maré de sigízia (maré astronômica de maior amplitude, que ocorre durante as luas cheia e nova, quando o Sol e a Lua estão alinhados em relação à Terra e há maior atração gravitacional), pode resultar em um rápido aumento do nível do mar em Santos de 90 centímetros até 2050 e 95 cm até 2100.

Nessas condições, as regiões sudeste e noroeste de Santos seriam ainda mais inundadas pelo mar e haveria maior erosão da praia.

“A planície costeira de Santos apresenta declividades muito baixas [menores de 2%] e altimetrias inferiores a 3 metros. Além disso, o nível do lençol freático da cidade é muito raso, o que a torna muito suscetível a inundações provocadas pelo mar e alagamentos devido às chuvas intensas”, explicou Joseph Harari, professor do Instituto de Oceanografia (IO) da USP e participante do projeto.

Aumento de ressacas

Os impactos relacionados com a elevação do nível do mar, combinada com marés meteorológicas e astronômicas e eventos meteorológicos, já estão sendo sentidos em Santos há algumas décadas.

Um estudo realizado por Celia Regina de Gouveia Souza, pesquisadora do Instituto Geológico e participante do projeto, constatou que o número de ressacas registradas na cidade teve um salto a partir do final da década de 1990.

Em 2010, por exemplo, foram registrados na cidade 15 eventos de ressaca, contra um número máximo de 4 por ano entre 1960 e início dos anos de 1990.

A pior ressaca do mar na cidade foi registrada em 2005 e levou a prefeitura municipal a colocar um anteparo de pedra no final da Ponta da Praia – região que tem sofrido com erosão costeira acelerada (perda de faixa de praia) desde o começo da década de 1940, com a construção da avenida à beira-mar sobre a praia.

A ressaca do mar, segundo a pesquisadora, está associada com o desenvolvimento de ciclones extratropicais, formados no sul da América do Sul e que avançam pela região Sudeste do Brasil, gerando ondas de alta energia e sobrelevação do nível do mar (maré meteorológica positiva), além de frentes frias que podem trazer muita chuva nas regiões costeiras.

“A intensidade dos impactos gerados na orla pela conjugação dessas condições com a elevação atual do nível do mar está aumentando, mas ainda não sabemos se a magnitude dos eventos tem se modificado”, afirmou Gouveia.

A região noroeste da cidade, por exemplo – onde estão concentrados imóveis cujo valor venal é, em geral, inferior aos da Ponta da Praia e onde vivem cerca de 83 mil pessoas –, sofre periodicamente com inundações, provocadas por marés positivas e de sizígia, além de enchentes.

Já a região sudeste – onde estão situados os imóveis de padrão mais elevado na cidade e onde vivem cerca de 34 mil habitantes – é afetada por alagamentos, causados por chuvas fortes, mas principalmente pela erosão costeira, que vem se agravando muito na Ponta da Praia.

“Essas duas regiões têm padrões diferentes de uso e ocupação do solo, que geram vulnerabilidades e, portanto, danos e perdas também diferentes em relação às projeções de elevação do nível do mar”, explicou Souza.

Cálculo de perdas

Os pesquisadores estimaram os possíveis danos econômicos de inundações costeiras nas zonas sudeste e noroeste de Santos, causadas pela elevação do nível do mar nos diferentes cenários projetados para 2050 e 2100, combinadas com uma sobrelevação da maré em 1,6 metros em 2050 e 1,66 metro em 2100, provocada por um evento extremo com ocorrência de uma vez a cada 100 anos.

Para isso, eles usaram um software de geoprocessamento chamado COAST (sigla de Coastal Adaptation to Sea Level Rise Tool), desenvolvido por uma empresa americana.

O software mensura os potenciais danos em ativos imobiliários provocados por inundação costeira a partir de dados da elevação do nível do mar, de marés astronômicas e meteorológicas e dados espaciais georreferenciados, cruzados com o valor venal do terreno (a soma do que foi gasto na construção do imóvel com o valor estimado do terreno), fornecidos pela prefeitura.

As projeções indicaram que a zona sudeste da cidade deverá ser a mais impactada nos três diferentes cenários de elevação do nível do mar projetados para 2050 e 2100.

Se não for adotada nenhuma medida de adaptação para uma elevação do nível do mar em um metro até 2100 – em um cenário mais extremo –, os danos econômicos podem ser de R$ 1,3 bilhão na região sudeste e de R$ 483,8 milhões na zona noroeste, estimam os pesquisadores.

“O COAST e outros modelos matemáticos ainda não são capazes de estimar a resiliência e a resistência dos ambientes, como por exemplo, como uma praia responde a uma elevação do nível do mar, ou como um manguezal consegue retardar o avanço do mar sobre áreas estuarinas”, afirmou Souza.

“De qualquer forma, é preciso estudar e adotar medidas de adaptação para minimizar os possíveis impactos socioeconômicos”, ponderou.

Algumas das medidas de adaptação que estão sendo adotadas no mundo para enfrentar as inundações e a erosão costeira causadas pelo aumento do nível do mar são barreiras naturais, como faixas de manguezais, implementadas em Palm Beach, na Flórida; engordamento de praia, como feito em Cuba e Miami; diques flutuantes, adotados em Veneza, na Itália; e readequações nos projetos de casas e prédios, para torná-los mais resilientes ao avanço do mar, como feito em Hamburgo, na Alemanha.

Em Santos, os participantes do workshop discutiram e indicaram algumas medidas de adaptação mais viáveis para a cidade.

As propostas serão incorporadas ao sistema COAST e avaliadas pelos pesquisadores nos próximos dois meses.

As propostas mais indicadas para serem implementadas, em termos de custo e prazo, serão apresentadas em um workshop previsto para ocorrer no dia 1º de dezembro.

“A adaptação é um processo caro. Mas é muito mais custoso se não for feito nada”, avaliou Marengo.

Leia mais sobre o projeto em agencia.fapesp.br/santos_pode_se_tornar_mais_suscetivel_a_inundacoes/21977/). 

The Shaman (Radio Ambulante)

PRODUCED BY Radio Ambulante

 

Unknown

Bogota, Colombia — The intense winter rains of 2011 left thousands of Colombians flooded out of their homes and claimed hundreds of lives. That same year, a man named Jorge Elías González became infamous for taking public money to keep the skies clear over Bogotá. Here’s his story, as reported by Melba Escobar.

 

Pesquisa internacional – Cientistas propõem saídas para evitar avanço do nível do mar em Santos (Assoc. Comercial de Santos)

Investimentos totais para impedir danos podem ultrapassar R$ 238,4 milhões

Encontro foi realizado nesta terça-feira (1) na Associação Comercial de Santos (ACS)


Após preverem que, até 2050, o nível do mar em Santos poderá subir 23 cm e causar prejuízos na área urbana da cidade, cientistas do Projeto Metropole – a mais detalhada pesquisa internacional sobre elevação do nível do mar – apresentaram nesta terça-feira (1) quais as saídas para evitar danos e prejuízos. Os investimentos podem ultrapassar R$ 238,4 milhões. Por outro lado, caso nada seja feito, os gastos podem passar de R$ 1,28 bilhão até 2100.

O grupo se reuniu na Associação Comercial de Santos (ACS), onde representantes da prefeitura anunciaram que, diante dos resultados, foi criado o Plano Municipal de Adaptação à Mudança do Clima.

Conforme apontaram os estudos, na Zona Leste (do Embaré até a Ponta da Praia), com investimentos de R$ 36.514.212,00, seria possível realizar o engordamento das praias (alimentação artificial com areia), construir muros de proteção e um sistema de bombeamento (semelhante à dragagem), além de realizar a melhoria das comportas dos canais.

De acordo com a subcoordenadora do projeto e professora de geografia do Instituto de Geociências da Unicamp, Luci Hidalgo Nunes, a implantação dessas soluções evitaria um prejuízo de R$ 1.043.498.249,00. “O valor do investimento é baixo em relação aos benefícios”.

Já na Zona Noroeste, segundo ela, como não existem informações tão detalhadas quanto na Zona Leste, os resultados não são tão precisos. Mas, já foi possível mostrar que os danos, caso nada seja feito, podem causar o prejuízo de R$ 236.406.111,00 até o ano de 2100.

“As adaptações necessárias vão custar R$ 201.999.540,00 e incluem dragagem, colocação de um sistema de comportas e de estações de bombeamento, além da recuperação do mangue. Nesse caso, na área de mangue, que hoje é ocupada, precisaria ser feita a remoção da população, o que não é um processo simples. Mas, com certeza, o problema é muito mais complicado”.

Decreto

Diante da apresentação das soluções, foi publicado no Diário Oficial do Município o Plano Municipal de Adaptação à Mudança do Clima.

De acordo com o engenheiro Eduardo Kimoto Hosokawa, da Coordenadoria de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de Santos, isso demonstra uma iniciativa do governo municipal perante o tema. “Várias secretarias estarão envolvidas e, no prazo de um ano, será gerado o Plano”.

Início dos trabalhos

O primeiro encontro dos cientistas ocorreu em 30/09, também na ACS, quando foi divulgado, por exemplo, o que aconteceria em dias de tempestade no ano de 2050, caso nenhuma medida seja tomada até lá: ondas de até 1,80 m, somando-se a maré ao aumento do nível do mar.

Após divulgar todos esses dados, os cientistas, juntamente com integrantes da sociedade civil, fizeram uma nova reunião ontem (1) e apresentaram as soluções.

Os pesquisadores mostraram, ainda, como foi feito o mapeamento, com alto grau de precisão, em áreas na cidade que estarão mais sujeitas às mudanças climáticas até 2100. Além de Santos, outras duas cidades fazem parte do estudo: Broward (EUA) e Selsey (Inglaterra).

Sobre o Projeto Metropole

O Projeto Metropole busca alternativas para enfrentar a elevação da maré. No Brasil, o estudo é financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e surgiu a partir de uma chamada sobre vulnerabilidade costeira do Fórum Belmont, em 2012, cujo objetivo é articular esforços e direcionar a pesquisa ambiental para áreas que requerem avaliações mais aprofundadas. A iniciativa tem o apoio da Prefeitura de Santos.

Partindo de cenários de aumento do nível do mar no futuro, devido às mudanças climáticas, o estudo mostra os impactos por meio de ferramentas de visualização apresentadas a pessoas da comunidade, convidadas para opinar sobre quais medidas adaptativas deveriam ser tomadas diante das projeções, apresentadas para 50 e 100 anos.

Ou seja, o objetivo é responder a potenciais riscos ambientais, econômicos e de saúde locais, devido à larga mudança de escala.

Para cada cidade participante, são apresentados cenários utilizando ferramentas de visualização desenvolvidas pelas equipes técnicas do Brasil e dos Estados Unidos. Os dados incluem mudanças no nível do mar, temperatura, frequência de tempestades e ressacas e outras variáveis com projeções de alta resolução para cenários em 2050 e 2100.

 

 

 

Fundação Cacique Cobra Coral dá data para o fim da crise hídrica (Glamurama/UOL)

Osmar Santos, da Fundação Cacique Cobra Coral

Nem só de más notícias vive a presidente Dilma Rousseff. Por intermédio do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, ela tem recebido diariamente informes da Fundação Cacique Cobra Coral, entidade esotérica especializada em fenômenos climáticos, no monitoramento meteorológico e conveniada com o Ministério de Minas e Energia, o governo do Estado do RJ e a Prefeitura do Rio.

Os relatórios apontam uma tendência de elevação nos níveis dos reservatórios do Sudeste antes do verão chegar. Com isso, o governo poderá anunciar em breve a redução nos preços da energia. O informe mais recente diz que, após a antecipação do período chuvoso ainda na primavera, prometido pela entidade em 27 de setembro, mais três poderosos fenômenos voltarão a atuar no Sudeste para ajudar a elevar o nível dos mananciais: Alta da Bolívia, Baixa do Chaco e ZACS (Zona de Convergência do Atlântico Sul).

A região Sudeste vai continuar recebendo um verdadeiro bombardeio de chuva nos próximos dias.

First worldwide survey of religion and science: No, not all scientists are atheists (Science Daily)

Date: December 3, 2015

Source: Rice University

Summary: Are all scientists atheists? Do they believe religion and science can co-exist? These questions and others were addressed in the first worldwide survey of how scientists view religion.


A new survey challenges longstanding assumptions about the science-faith interface. While it is commonly assumed that most scientists are atheists, the global perspective resulting from the study shows that this is simply not the case. Credit: © BillionPhotos.com / Fotolia

Are all scientists atheists? Do they believe religion and science can co-exist? These questions and others were addressed in the first worldwide survey of how scientists view religion, released today by researchers at Rice University.

“No one today can deny that there is a popular ‘warfare’ framing between science and religion,” said the study’s principal investigator, Elaine Howard Ecklund, founding director of Rice University’s Religion and Public Life Program and the Herbert S. Autrey Chair in Social Sciences. “This is a war of words fueled by scientists, religious people and those in between.”

The study’s results challenge longstanding assumptions about the science-faith interface. While it is commonly assumed that most scientists are atheists, the global perspective resulting from the study shows that this is simply not the case.

“More than half of scientists in India, Italy, Taiwan and Turkey self-identify as religious,” Ecklund said. “And it’s striking that approximately twice as many ‘convinced atheists’ exist in the general population of Hong Kong, for example, (55 percent) compared with the scientific community in this region (26 percent).”

The researchers did find that scientists are generally less religious than a given general population. However, there were exceptions to this: 39 percent of scientists in Hong Kong identify as religious compared with 20 percent of the general population of Hong Kong, and 54 percent of scientists in Taiwan identify as religious compared with 44 percent of the general population of Taiwan. Ecklund noted that such patterns challenge longstanding assumptions about the irreligious character of scientists around the world.

When asked about terms of conflict between religion and science, Ecklund noted that only a minority of scientists in each regional context believe that science and religion are in conflict. In the U.K. — one of the most secular countries studied — only 32 percent of scientists characterized the science-faith interface as one of conflict. In the U.S., this number was only 29 percent. And 25 percent of Hong Kong scientists, 27 percent of Indian scientists and 23 percent of Taiwanese scientists believed science and religion can coexist and be used to help each other.

In addition to the survey’s quantitative findings, the researchers found nuanced views in scientists’ responses during interviews. For example, numerous scientists expressed how religion can provide a “check” in ethically gray areas.

“(Religion provides a) check on those occasions where you might be tempted to shortcut because you want to get something published and you think, ‘Oh, that experiment wasn’t really good enough, but if I portray it in this way, that will do,'” said a biology professor from the U.K.

Another scientist said that there are “multiple atheisms,” some of which include religious traditions. “I have no problem going to church services because quite often, again that’s a cultural thing,” said a physics reader in the U.K. who said he sometimes attended services because his daughter sang in the church choir. “It’s like looking at another part of your culture, but I have no faith religiously. It doesn’t worry me that religion is still out there.”

Finally, many scientists mentioned ways that they would accommodate the religious views or practices of the public, whether those of students or colleagues.

“Religious issues (are) quite common here because everyone talks about which temple they go to, which church they go to. So it’s not really an issue we hide; we just talk about it. Because, in Taiwan, we have people [of] different religions,” said a Taiwanese professor of biology.

Ecklund and fellow Rice researchers Kirstin Matthews and Steven Lewis collected information from 9,422 respondents in eight regions around the world: France, Hong Kong, India, Italy, Taiwan, Turkey, the U.K. and the U.S. They also traveled to these regions to conduct in-depth interviews with 609 scientists, the largest worldwide survey and interview study ever conducted of the intersection between faith and science.

By surveying and interviewing scientists at various career stages, in elite and nonelite institutions and in biology and physics, the researchers hoped to gain a representative look at scientists’ views on religion, ethics and how both intersect with their scientific work.

Ecklund said that the study has many important implications that can be applied to university hiring processes, how classrooms and labs are structured and general public policy.

“Science is a global endeavor,” Ecklund said. “And as long as science is global, then we need to recognize that the borders between science and religion are more permeable than most people think.”

The Templeton World Charity Foundation funded the study. The study also received support from Rice University and the Faraday Institute, housed at St. Edmund’s College, Cambridge.

Plantas têm memória, sentem dor e são inteligentes (Portugal Mundial)

Março de 2015

singingplants

Pode uma planta ser inteligente? Alguns cientistas insistem que são – uma vez que elas podem sentir, aprender, lembrar e até mesmo reagir de formas que seriam familiares aos seres humanos. A nova pesquisa está num campo chamado neurobiologia de plantas – o que é meio que um equívoco, porque mesmo os cientistas desta área não argumentam que as plantas tenham neurónios ou cérebros.

Elas têm estruturas análogas“, explica Michael Pollan, autor de livros como The Omnivore’s Dilemma (O Dilema do Onívoro) e The Botany of Desire (A Botânica do Desejo). “Elas têm maneiras de tomar todos os dados sensoriais que se reúnem em suas vidas quotidianas … integrá-los e, em seguida, se comportar de forma adequada em resposta. E elas fazem isso sem cérebro, o que, de certa forma, é o que é incrível sobre isso, porque assumimos automaticamente que você precisa de um cérebro para processar a informação”.

E nós supomos que precisamos de ouvidos para ouvir. Mas os pesquisadores, diz Pollan, tocaram uma gravação de uma lagarta comendo uma folha para plantas – e as plantas reagiram. Elas começam a segregar substâncias químicas defensivas – embora a planta não esteja realmente ameaçada, diz Pollan. “Ela está de alguma forma ouvindo o que é, para ela, um som aterrorizante de uma lagarta comendo suas folhas.”

Plantas podem sentir

Pollan diz que as plantas têm todos os mesmos sentidos como os seres humanos, e alguns a mais. Além da audição e do paladar, por exemplo, elas podem detectar a gravidade, a presença de água, ou até sentir que  um obstáculo está a bloquear as suas raízes, antes de entrar em contacto com ele. As raízes das plantas mudam de direcção, diz ele, para evitar obstáculos.

E a dor? As plantas sentem? Pollan diz que elas respondem aos anestésicos. “Pode apagar uma planta com um anestésico humano… E não só isso, as plantas produzem seus próprios compostos que são anestésicos para nós.” 

De acordo com os pesquisadores do Instituto de Física Aplicada da Universidade de Bonn, na Alemanha, as plantas libertam gases que são o equivalente a gritos de dor. Usando um microfone movido a laser, os pesquisadores captaram ondas sonoras produzidas por plantas que liberam gases quando cortadas ou feridas. Apesar de não ser audível ao ouvido humano, as vozes secretas das plantas têm revelado que os pepinos gritam quando estão doentes, e as flores se lamentam quando suas folhas são cortadas [fonte: Deutsche Welle].

Plant_042913-617x416

Sistema nervoso de plantas

Como as plantas sentem e reagem ainda é um pouco desconhecido. Elas não têm células nervosas como os seres humanos, mas elas têm um sistema de envio de sinais eléctricos e até mesmo a produção de neurotransmissores, como dopamina, serotonina e outras substâncias químicas que o cérebro humano usa para enviar sinais.

As plantas realmente sentem dor

As evidências desses complexos sistemas de comunicação são sinais de que as plantas sentem dor. Ainda mais, os cientistas supõem que as plantas podem apresentar um comportamento inteligente sem possuir um cérebro ou consciência.

Elas podem se lembrar

michael pollan plantas sencientes conscientes inteligência veganismo vegetarianismo burrice errado dó piedade misericórdia

Pollan descreve um experimento feito pela bióloga de animais Monica Gagliano. Ela apresentou uma pesquisa que sugere que a planta Mimosa pudica pode aprender com a experiência. E, Pollan diz, por apenas sugerir que uma planta poderia aprender, era tão controverso que seu artigo foi rejeitado por 10 revistas científicas antes de ser finalmente publicado.

Mimosa é uma planta, que é algo como uma samambaia, que recolhe suas folhas temporariamente quando é perturbada. Então Gagliano configurou uma engenhoca que iria pingar gotas na planta mimosa, sem ferir-la. Quando a planta era tocada, tal como esperado, as folhas se fechavam. Ela ficava pingando as plantas a cada 5-6 segundos.

Depois de cinco ou seis gotas, as plantas paravam de responder, como se tivessem aprendido a sintonizar o estímulo como irrelevante“, diz Pollan. “Esta é uma parte muito importante da aprendizagem – saber o que você pode ignorar com segurança em seu ambiente.”

Talvez a planta estava apenas se cansando de tantos pingos? Para testar isso, Gagliano pegou as plantas que tinham parado de responder às gotas e sacudiu-as.

Elas continuavam a se fechar“, diz Pollan. “Elas tinham feito a distinção que o gotejamento era um sinal que elas poderiam ignorar. E o que foi mais incrível é que Gagliano as testou novamente a cada semana durante quatro semanas e, durante um mês, elas continuaram a lembrar a lição.”

Isso foi o mais longe que Gagliano testou. É possível que elas se lembrem ainda mais. Por outro lado, Pollan aponta, as abelhas que foram testadas de maneira semelhante se esquecem o que aprenderam em menos de 48 horas.

Plantas: seres sentientes?

As plantas podem fazer coisas incríveis. Elas parecem se lembrar de estresse e eventos, como essa experiência. Elas têm a capacidade de responder de 15 a 20 variáveis ambientais”, diz Pollan. “A questão é, é correto de chamar isso de aprendizagem? É essa a palavra certa? É correto chamar isso de inteligência? É certo, ainda, dizer que elas são conscientes? Alguns destes neurobiólogos de plantas acreditam que as plantas estão conscientes – não auto-conscientes, mas conscientes, no sentido que elas sabem onde elas estão no espaço … e reagem adequadamente a sua posição no espaço”.

Pollan diz que não há definição consensual de inteligência. “Vá para a Wikipedia e procure por inteligência. Eles se desesperam para dar-lhe uma resposta. Eles têm basicamente um gráfico onde dão-lhe nove definições diferentes. E cerca da metade delas dependem de um cérebro … se referem ao raciocínio abstracto ou julgamento.”

“E a outra metade apenas se referem a uma capacidade de resolver problemas. E esse é o tipo de inteligência que estamos falando aqui.  Então a inteligência pode muito bem ser uma propriedade de vida. E a nossa diferença em relação a essas outras criaturas pode ser uma questão da diferença de grau e não de espécie. Podemos apenas ter mais desta habilidade de resolver problemas e podemos fazê-lo de diferentes maneiras.”

Pollan diz que o que realmente assusta as pessoas é “que a linha entre plantas e animais pode ser um pouco mais fina do que nós tradicionalmente acreditamos.”

E ele sugere que as plantas podem ser capaz de ensinar os seres humanos uma ou duas coisas, tais como a forma de processar a informação sem um posto de comando central, como um cérebro.

Confira este vídeo de Michael Pollan.

VÍDEO

Protocolo Climático do Estado de São Paulo é lançado internacionalmente na COP21 (Revista Fapesp)

09 de dezembro de 2015

Elton Alisson, de Paris  |  Agência FAPESP – A Secretaria Estadual do Meio Ambiente lançou internacionalmente na terça-feira (08/12), durante um evento paralelo à 21ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21), na Embaixada do Brasil em Paris, o Protocolo Climático do Estado de São Paulo.

O Protocolo visa estimular empresas e entidades estabelecidas no Estado de São Paulo a adotarem medidas de mitigação e adaptação às mudanças climáticas, incluindo iniciativas de redução das emissões de gases de efeito estufa, de aumento da eficiência hídrica e energética e de práticas de responsabilidade socioambiental, com intuito de atender à Política Estadual de Mudanças Climáticas (PEMC).

De adesão voluntária, o Protocolo Climático já conta com a adesão de mais de 60 empresas e entidades, como o Carrefour, a Natura, o Grupo Votorantim, a Dow e Associação Paulista de Supermercados (Apas), entre outras.

“O Protocolo permitirá ao Governo do Estado de São Paulo identificar empresas e entidades líderes em mitigação e adaptação às mudanças climáticas, que podem servir de modelo para outras”, disse Patricia Iglecias, secretária estadual do Meio Ambiente, durante o evento.

De acordo com ela, o Protocolo foi apresentado ao secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, na última sexta-feira (04/12), durante o Climate Summit for Local Leaders – outro evento paralelo à COP21 que reuniu centenas de representantes de municípios, estados e regiões do mundo em Paris, para discutir ações de mitigação e adaptação às mudanças climáticas implementadas por governos subnacionais .

Os estados de Goiás, Rio de Janeiro e o Distrito Federal também manifestaram interesse de replicar a experiência do protocolo, contou Iglecias.

“Esperamos que outros estados também repliquem essa iniciativa. O papel dos governos subnacionais e o engajamento das empresas e da sociedade civil são fundamentais para implementação das medidas de mitigação e adaptação que estão sendo discutidas pelos governos nacionais na COP21”, avaliou.

Durante o evento, 28 empresas e entidades que aderiram ao protocolo climático paulista apresentaram exemplos de medidas de redução de emissões de gases de efeito estufa e de boas práticas socioambientais que implementaram nos últimos anos e assinaram o termo de adesão ao Protocolo.

A Natura, por exemplo, atingiu a meta de reduzir em 33,2% suas emissões de gases de efeito estufa em 2013 por meio de medidas como a substituição de embalagens por versões mais ecológicas.

“Conseguimos uma redução de 41% nas emissões de gases de efeito estufa na produção de uma de nossas principais linhas de produtos por meio da substituição da embalagem por uma versão com refil [que pode ser recarregada]”, disse Keyvan Macedo, gerente de sustentabilidade da fabricante de cosméticos.

O Carrefour, por sua vez, conseguiu reduzir 450 mil quilômetros no transporte de produtos do seu centro de distribuição para as lojas, em razão de um programa de logística inteligente, reduzindo a emissão de poluentes. A empresa estabeleceu a meta de reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 40% até 2025 e 70% até 2040. A Dow, por sua vez, tem um plano para diminuir as emissões de gases de efeito estufa nas Olimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016, segundo representantes da empresa.

“São Paulo produz bens e serviços de alto valor agregado e pode trazer uma considerável vantagem competitiva se passar a produzir cada vez mais com maior eficiência e menor intensidade de carbono”, avaliou Iglecias.

“A transição para uma economia que atenda a essas necessidades pode e deve ser impulsionada por parcerias com o setor privado”, afirmou.

Assinatura de memorandos

Durante o evento, também foi assinado um memorando de entendimento entre a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e o R20 – Regions of Climate Action – uma iniciativa internacional lançada em 2011 pelo ator e ex-governador da Califórnia, nos Estados Unidos, Arnold Schwarzenegger para promover uma economia de baixo carbono – para captação de US$ 50 milhões para o Programa Nascentes, de restauração dos mananciais paulistas.

Também foi lançado no evento um Protocolo de Boas Práticas Sociambientais para o Setor Financeiro com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

O protocolo funcionará como uma regulamentação estadual da normativa do Banco Central a respeito das políticas internas socioambientais de instituições financeiras atuantes no Estado de São Paulo.

“O Protocolo de Boas Práticas Socioambientais para o Setor Financeiro surgiu de um termo de minuta de responsabilidade socioambiental desenvolvido pela Febraban e o Ministério Público Federal em parceria com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente”, explicou Iglecias.

A secretária também anunciou durante o evento o lançamento do Fundo Climático Paulista.

A ideia do fundo é captar recursos para substituição das atuais fontes energéticas de edifícios públicos paulistas por alternativas mais eficientes.

“Queremos que isso traga uma mudança da matriz energética dos prédios públicos do Estado de São Paulo. Entendemos que o setor público também tem que dar sua contribuição para mitigação e adaptação às mudanças climáticas”, afirmou Iglecias.

Participaram do evento o embaixador do Brasil na França, Paulo César de Oliveira Campos, o secretário de mudanças climáticas e qualidade ambiental do Brasil, Carlos Klink, os deputados Ricardo Tripoli e Orlando Morando, e representante de ONGs, órgãos do governo de São Paulo, entidades e associações do Brasil e da França.