O bolsonarismo como ecossistema, explica Hamilton Carvalho (Poder360)

poder360.com.br

Fenômeno é mais que um movimento

A produção de certezas é um alívio

Sistema agrupa segmentos distintos

Mortos da covid se tornam um detalhe

O presidente com apoiadores no Palácio da Alvorada: bolsonarismo é melhor entendido como um sistema político-social

Hamilton Carvalho 24.abr.2021 (sábado) – 5h50 atualizado: 24.abr.2021 (sábado) – 7h10 5-6 minutos


Google, Nespresso, Amazon e Magalu. Na chamada economia da atenção, a concorrência hoje é, cada vez mais, entre ecossistemas, geralmente capitaneados por uma grande empresa e que abrigam várias organizações em uma rede de dependência e complementaridade.

Ganha quem conseguir satisfazer mais necessidades dos consumidores dentro do mesmo sistema. Para usar o jargão, quem consegue oferecer uma proposição de valor superior.

A ideia em si não é tão nova assim. O impulso veio com a economia digital, mas é possível identificar ecossistemas nos mais diversos contextos, do mundo do futebol e do crime aos sistemas sociais de educação e saúde. Inclusive no conglomerado de organizações que tem se dedicado ao combate à pandemia, que inclui atores do setor privado (como no caso da recente compra do kit intubação) e que deveria ter sido adequadamente capitaneado pelo governo federal.

Mas cá estamos, rumo a meio milhão de mortos. Bolsonaro poderia ter saído como herói da coisa toda, como Bibi em Israel, mas, vivendo da lógica de bunker, preferiu jogar areia nessas engrenagens desde o início, enquanto o Brasil regride institucionalmente a olhos vistos.

Curiosamente, isso não tem sido suficiente para corroer o lastro que o presidente mantém no pedaço conservador de Brasil, que tem racionalizado sem grandes dificuldades o mar de chorume produzido pela covid.

Encarar o bolsonarismo como ecossistema –mais do que um movimento social apoiado por um exército digital– ajuda a entender o fenômeno. Primeiro porque, como sabemos, a atenção das pessoas se tornou superfragmentada e o mundo não anda fácil de ser entendido.

Ecossistemas político-sociais levam vantagem quando conseguem satisfazer uma necessidade humana básica, o conforto das grandes certezas. Uma boa e sólida certeza vale como um barbitúrico irresistível, dizia Nelson Rodrigues. Em um país com nível educacional baixo, essas certezas podem se dar ao luxo de sapatear na cara da realidade.

O bolsonarismo também dá de bandeja aos seguidores uma identidade carregada de tintas morais e, novamente, não há nada de novo aqui –basta lembrar de exemplos próximos, como o chavismo e o lulopetismo. Em outras palavras, o sujeito se sente superior e ganha uma tribo para chamar de sua.

É essa a atual proposição de valor do ecossistema criado em torno do presidente. Não é pouco, ainda que o conjunto já tenha tido mais força quando esgrimia o discurso contra a corrupção e a lábia liberal.

Em torno desse valor, diversos segmentos se agrupam. Tem aquilo que reportagem no El País chamou de QAnon tupiniquim, gente produzindo fake news e usando robôs para influenciar o discurso nas redes sociais.

Tem aquele segmento empresarial “raiz”, madeireiros na Amazônia, por exemplo, fora aquelas grandes empresas que, assim como o Centrão, estão quase sempre à disposição para uma ovacionada, no matter what.

Tem os políticos, os apoiadores de nicho (como os atiradores), os produtores de conteúdo lacrador, os canais de comunicação e parte (presumo) dos militares e policiais. E se a mexerica toda perdeu os lavajatistas, ganhou de presente um gomo suculento que tem sido crucial para sua resiliência, o dos médicos e influenciadores cloroquiners.

Cada segmento desses têm recursos e competências que usa em prol da causa. Por exemplo, a audiência cativa de uma rádio ou a credibilidade extraterrestre que os brasileiros atribuem aos médicos, mesmo que sejam leigos em medicina baseada em evidências.

Cada um deles desempenha atividades diversas mas complementares, reforçando a proposição de valor (lembremos: grandes certezas e identidade moral superior). A lista é longa e inclui organização de protestos, veiculação de programas de opinião em rádio e os encontros empresariais que lustram a legitimidade do governo com o gel do capitalismo de compadrio.

No que é crítico, cada segmento se apropria de uma parte do valor gerado pelo conjunto. Políticos se apropriam de capital eleitoral. Emissoras, de exclusivas com o presidente e audiência. Médicos cloroquiners ganham chuvas de pacientes. Influenciadores e manipuladores de conteúdo ganham seguidores ou, como suspeita a CPMI das fake news, empregos em gabinetes. Entidades empresariais mantem abertos os canais com Brasília. Os mortos são só um detalhe incômodo na paisagem.

Minha percepção é que a disputa de 2022 deve ocorrer mais nesse nível amplificado. Concorrentes precisam começar a colocar de pé seus ecossistemas desde já, de preferência em torno de valores mais racionais e menos divisivos. Não vai ser fácil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s