Arquivo mensal: outubro 2009

>Como transformar informação em ação? Info-ativismo.

>
10 tactics for turning information into action shows how rights advocates around the world have used the internet and digital technologies to create positive change.

http://www.informationactivism.org/

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=7079347&server=vimeo.com&show_title=1&show_byline=1&show_portrait=0&color=&fullscreen=1
Info Activism from Tactical Technology Collective on Vimeo.

Anúncios

>Rumo a uma Internet mais (linguisticamente) democrática

>
Internet
Órgão regulador aprova ‘maior mudança na internet’ em 40 anos

BBC Brasil – 30 de outubro, 2009 – 02:38 (Brasília)

A Icann (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers), o órgão americano que administra a internet e os nomes dos sites, aprovou nesta sexta-feira, em Seul, na Coreia do Sul, o uso de caracteres não- romanos nos endereços da rede.

A medida está sendo considerada pela Icann como “a maior mudança na internet desde que foi inventada, há 40 anos” e reconhece o caráter global da rede.

A proposta foi aprovada em primeira instância em 2008 e permitirá que endereços sejam escritos em árabe, chinês ou japonês, por exemplo.

A agência passará a aceitar inscrições já em 16 de novembro e os primeiros domínios escritos em outros alfabetos já começarão a aparecer no início de 2010.

‘Identidade’

Segundo o porta-voz da Icann Rod Beckstrom, “mais da metade dos 1,6 bilhões de usuários de internet em todo o mundo usam outros alfabetos que não o latino”.

De acordo com o órgão, a nova medida ajudará esses usuários a manter sua identidade cultural no futuro.

“Esta mudança é muito necessária para os futuros usuários, na medida em que a internet continua a se expandir”, completou.

“O que criamos é um diferente sistema de tradução. Temos confiança de que ele funciona porque o temos testado por alguns anos”, disse Peter Dengate Thrush, da comissão encarregada de supervisionar o processo.

O sistema transforma endereços comuns, como “bbc.co.uk” em uma série de números que são posteriormente traduzidos para outros alfabetos.

Alguns países como China e Tailândia já introduziram sistemas que permitem que usuários escrevam endereços da rede em seus próprios idiomas, mas estas iniciativas não foram aprovadas internacionalmente ou funcionam em qualquer computador.

>Biophysical economics

>
New School of Thought Brings Energy to ‘the Dismal Science’

October 23, 2009
By NATHANIAL GRONEWOLD of Greenwire

SYRACUSE, N.Y. — The financial crisis and subsequent global recession have led to much soul-searching among economists, the vast majority of whom never saw it coming. But were their assumptions and models wrong only because of minor errors or because today’s dominant economic thinking violates the laws of physics?

A small but growing group of academics believe the latter is true, and they are out to prove it. These thinkers say that the neoclassical mantra of constant economic growth is ignoring the world’s diminishing supply of energy at humanity’s peril, failing to take account of the principle of net energy return on investment. They hope that a set of theories they call “biophysical economics” will improve upon neoclassical theory, or even replace it altogether.

But even this nascent field finds itself divided, as evidenced by the vigorous and candid back-and-forth debate last week over where to go next. One camp says its models prove the world is headed toward a dramatic economic collapse as energy scarcity takes hold, while another camp believes there is still time to turn the ship around. Still, all biophysical economists see only very bleak prospects for the future of modern civilization, putting a whole new spin on the phrase “the dismal science.”

Last week, about 50 scholars in economics, ecology, engineering and other fields met at the State University of New York’s College of Environmental Science and Forestry for their second annual conference on biophysical economics. The new field shares features with ecological economics, a much more established discipline with conferences boasting hundreds of attendees, but the relatively smaller number of practitioners of biophysical economics believe theirs is a much more fundamental and truer form of economic reasoning.

“Real economics is the study of how people transform nature to meet their needs,” said Charles Hall, professor of systems ecology at SUNY-ESF and organizer of both gatherings in Syracuse. “Neoclassical economics is inconsistent with the laws of thermodynamics.”

Like Hall, many biophysical economic thinkers are trained in ecology and evolutionary biology, fields that do well at breaking down the natural world into a few fundamental laws and rules, just like physicists do. Though not all proponents of the new energy-centric academic study have been formally trained in economics, scholars coming in from other fields, especially ecology, say their skills allow them to see the global economy in a way that mainstream economists ignore.

Central to their argument is an understanding that the survival of all living creatures is limited by the concept of energy return on investment (EROI): that any living thing or living societies can survive only so long as they are capable of getting more net energy from any activity than they expend during the performance of that activity.

For instance, if a squirrel burns energy eating nuts, those nuts had better give the squirrel more energy back then it expended, or the squirrel will inevitably die. It is a rule that lies at the core of studying animal and plant behavior, and human society should be looked at no differently, as even technologically complex societies are still governed by EROI.

“The basic issue is very fundamental: Why should economics be a social science, because it’s about stuff?” Hall said.

‘Peak oil’ embraced

The modern biophysical economics movement may be relatively young, but the ideas at its roots are not.

In 1926, Frederick Soddy, a chemist who was awarded the Nobel Prize just a few weeks before, published “Wealth, Virtual Wealth and Debt,” one of the first books to argue that energy should lie at the heart of economics and not supply-demand curves.

Soddy also criticized traditional monetary policy theories for seemingly ignoring the fact that “real wealth” is derived from using energy to transform physical objects, and that these physical objects are inescapably subject to the laws of entropy, or inevitable decline and disintegration.

The sharpest difference between biophysical economics and the more widely held “Chicago School” approach is that biophysical economists readily accept the peak oil hypothesis: that society is fast approaching the point where global oil production will peak and then steadily decline.

The United States is held as the prime example. Though the United States is still the world’s third-largest producer of oil, its oil production stopped growing more than a decade ago and has flatlined or steadily fallen ever since. Other once-robust oil-producing countries have experienced similar production curves.

But the more important indicator, biophysical economists say, is the fact that the U.S. oil industry’s energy return on investment has been steadily sliding since the beginning of the century.

Through analyzing historical production data, experts say the petroleum sector’s EROI in this country was about 100-to-1 in 1930, meaning one had to burn approximately 1 barrel of oil’s worth of energy to get 100 barrels out of the ground. By the 1990s, it is thought, that number slid to less than 36-to-1, and further down to 19-to-1 by 2006.

“If you go from using a 20-to-1 energy return fuel down to a 3-to-1 fuel, economic collapse is guaranteed,” as nothing is left for other economic activity, said Nate Hagens, editor of the popular peak oil blog “The Oil Drum.”

“The main problem with neoclassical economics is that it treats energy as the same as any other commodity input into the production function,” Hagens said. “They parse it into dollar terms and treat it the same as they would mittens or earmuffs or eggs … but without energy, you can’t have any of that other stuff.”

Nor is conservation or energy efficiency the answer. In his presentation, Henshaw noted that the International Energy Agency’s own data show that energy use is doubling every 37 years or so, while energy productivity takes about 56 years to double.

In fact, the small world of biophysical economists seems to agree that energy and resource conservation is pointless in the economic system as it is now construed, contrary to what one might expect. Such efforts are noteworthy as it buys the world a bit more time, but the destination is inevitably the same — a gallon of gasoline not burned by an American will be burned by someone else anyway.

Other peaks?

Though not as closely studied, biophysical economists theorize that the peak oil phenomenon holds true for all non-renewable resources, especially energy commodities. Proponents of the field say they are moving closer to understanding “peak gas” and “peak coal.” Consumption of many of the world’s most valuable minerals could likewise see those resources nearing exhaustion, as well, they say.

And no amount of technology can fix the problem. Hagens points out that oil extraction has evolved by leaps and bounds since the early 1900s, and yet companies must expend much more energy to get less and less oil than they did back then.

“It isn’t that there’s no technology,” Hall said. “The question is, technology is in a race with depletion, and that’s a whole different concept. And we think that we can show empirically that depletion is winning, because the energy return on investment keeps dropping for gas and oil.”

The most pessimistic of the biophysical economics camp sees the oil-fueled world economy grinding to a halt soon, possibly within 10 years. They are all working to get the message out, but not all of them believe their peers in other professions will listen.

“Of course I’m trying to send a message,” said Joseph Tainter, chairman of Utah State University’s Department of Environment and Society. “I just don’t expect there’s anyone out there to receive it.”

Copyright 2009 E&E Publishing. All Rights Reserved.

>Do folclore à cidadania ambiental

>
Ensaio

Do folclore à cidadania

Em tempos de discussão acirrada sobre os efeitos do aquecimento global, o pesquisador Renzo Taddei avalia que as populações tradicionalmente vitimadas pelas secas têm contribuição decisiva para consolidação do que chama de cidadania ambiental

Renzo Taddei
especial para O POVO
Fortaleza – 24 Out 2009 – 12h48min
Foto: TALITA ROCHA

A ideia de que as variações do clima vão afetar de forma decisiva o futuro das pessoas é uma novidade com a qual habitantes de muitos centros urbanos do planeta – e do Brasil – agora têm que se acostumar. Para a população do nordeste semiárido, não há nenhuma novidade aí. Foi assim desde sempre. Por isso, poderíamos dizer que, pelo menos nesse sentido, há uma certa cearencização da população urbana mundial.

Brincadeiras a parte, o fato é que há lições a serem aprendidas com as sociedades que convivem com ameaças climáticas há muito tempo. Se ficarem confirmadas previsões a respeito da expansão do semiárido brasileiro e da desertificação de partes do cerrado, como resultado do aquecimento global, o Ceará e estados vizinhos irão, certamente, exportar conhecimento a respeito da convivência com o semiárido.

Os esforços de convivência com o semiárido deram-se, no Ceará, por exemplo, em duas frentes. Uma, mais antiga, está pautada nos conhecimentos da cultura popular, que desde muito cedo na história da região – antes mesmo da chegada dos europeus – já buscava decifrar os enigmas colocados pelo clima, fator fundamental para a garantia da sobrevivência. A outra, mas recente, é o uso da técnica e da ciência na criação de condições materiais para que a vulnerabilidade das populações à seca seja reduzida.

No primeiro grupo, encontramos um sem-número de métodos tradicionais de previsão do tempo e do clima, componentes da base de conhecimentos comuns e compartilhados da população sertaneja, ainda que feitos mais visíveis nas figuras dos profetas da chuva do sertão. Além da atividade de prever as chuvas, as estratégias populares combinam ainda formas específicas de organizar sua produção local, como a escolha de sementes e a criação de animais resistentes à pouca chuva. E tudo isso emoldurado dentro de um marco de referência religioso, em que todas as coisas, inclusive o clima, são parte de uma ordem cósmica regida pelo criador, a quem cabe aos sertanejos pedir proteção e amparo.

No segundo, têm papel de destaque o envio de engenheiros ao estado, por Pedro II, ainda no período imperial, de modo a iniciar um longo processo de institucionalização dos esforços de combate aos efeitos das secas. O momento mais decisivo deste processo foi, certamente, a criação do que viria mais tarde a ser conhecido pela sigla Dnocs.

O Dnocs faz um século de vida. É interessante, e inspirador, ver como, depois de tanto tempo trilhando caminhos separados, paralelos, atuando com os mesmos objetivos, a técnica e a cultura popular têm finalmente a oportunidade de se encontrar. Há dois eventos que ocorrem regularmente no Ceará que sinalizam nessa direção. O primeiro é a reunião anual de profetas da chuva do município de Quixadá. Nessa reunião, que acontece no segundo sábado do mês de janeiro, profetas da região anunciam publicamente os seus prognósticos para a estação de chuvas.

O que têm chamado a minha atenção, desde que comecei a observar estes encontros, é o fato de que muitos dos profetas apresentam-se como “pesquisadores“, uma vez que, dizem eles, suas previsões são baseadas em observação sistemática da natureza, e não em inspirações metafísicas. Por essa razão, muitos destes indivíduos não se sentem confortáveis com o rótulo de profetas. Além disso, é comum que suas previsões incluam algum grau de incerteza associada ao clima, da mesma forma como ocorre em previsões meteorológicas.

A diferença, obviamente, está na linguagem: entre os profetas, a incerteza frequentemente é comunicada através da mensagem “só Deus sabe tudo“. Ou seja, fica claro, nas palavras e previsões dos profetas da chuva, que já não há uma rejeição do conhecimento técnico e das formas “urbanas“ de pensamento, como encontramos, por exemplo, nos poemas Cante lá que eu canto cá ou Ao dotô do avião, de Patativa do Assaré.

O segundo evento, que ocorre com mais frequência, são as reuniões dos comitês de bacias hidrográficas, que ocorrem em todo o Ceará, e, graças à atuação do Dnocs, em várias outras regiões do Nordeste. Nos comitês, técnicos e membros das lideranças populares locais discutem as formas de uso e administração das águas dos açudes do Estado. Como não há água sem chuva, não há conhecimento hídrico sem conhecimento meteorológico. É nos comitês, desta forma, que o conhecimento popular e o conhecimento técnico interagem, criando a possibilidade da criação da verdadeira participação democrática.

Esse panorama está inserido dentro de um contexto mundial em que a expressão cidadania ambiental ganha significados novos e importantes. Todos os habitantes desse planeta se entendem, agora, de alguma forma vinculados à questão ambiental global, seja como consumidores, seja como afetados. E exigem informação a respeito do meio ambiente, e voz no que tange a como sociedade e meio ambiente interagem.

Está aí colocado um desafio real, para o mundo e para o Ceará. Infelizmente, é preciso que se diga, no Ceará e nos demais estados do Nordeste, ainda que a participação popular seja fundamental nos comitês de bacias, há certa resistência com relação ao conhecimento popular. A visão técnica a respeito da natureza é preponderante, e muitas vezes outras formas de conhecimento não tem vez nem voz. Na democratização das águas no Brasil, há um passo faltando, o passo da inclusão da diversidade cultural. Para que se crie uma verdadeira democracia ambiental, aqui e em outros países, todas as vozes têm que ter sua vez.

RENZO TADDEI é antropólogo e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

>University adds Twitter to the curriculum in Australia

>
Uni adds Twitter to the curriculum

October 16, 2009
The Sydney Morning Herald – smh.com.au

Social networking upstart Twitter has made the jump to academia’s hallowed halls, with ‘tweets’ made compulsory writing for would-be journalists at Griffith University.

“Some students’ tweets are not as in depth as you might like. But I don’t know if getting them to write an essay is any more beneficial,” said Jacqui Ewart, senior lecturer at the university.

Twitter microblogs have become an online phenomenon with users sending ‘tweets’ of up to 140 characters, or just a few words, to increasing numbers of ‘followers’.

The service rose to global prominence during unrest in the wake of Iran’s recent presidential elections with tweets used to broadcast otherwise restricted information.

The service is being used more frequently by politicians, including Australia’s bookish Prime Minister Kevin Rudd, who has asked followers to recommend movie choices and this week ‘tweeted’ about his visit to a rural bakery.

Students were using twitter as “an exercise in self-reflection,” Ewart said, citing increasing demand from employers for people to use social networking tools.

But reaction from students has been mixed, she said, raising questions over the utility of using sites like Twitter and Facebook in a formal education curriculum.

“Quite surprisingly, a lot of students didn’t know what Twitter was. There were a couple of really vocal students who were saying they couldn’t believe we were using it and thought it was a waste of time,” Ewart said.

Reuters

>Testemunhas do Clima

>
Por Redação do WWF-Brasil

O projeto Testemunhas do Clima da Rede WWF visa registrar a forma como as mudanças climáticas vêm modificando a vida de algumas populações ao redor do planeta. No Brasil, oficina realizada na comunidade Igarapé do Costa, no Pará, nos dias 12 e 13 de março de 2008 marcou o início dos trabalhos.

A oficina, coordenada pelo WWF-Brasil em parceria com o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), buscou mapear e discutir a realidade socioeconômica e ambiental do lugar e perceber como é feita esta adaptação às regras da natureza, através da troca de experiências, para que as lições e os modelos possam ser seguidos em outras partes do mundo.

Igarapé do Costa, onde vivem 80 famílias, também foi o cenário do documentário Testemunhas do Clima. O filme conta a história de Marlene Rêgo Rocha, moradora do Igarapé do Costa, Pará, comunidade localizada na várzea amazônica que já tem sentido alterações climáticas causadas pelo aquecimento global.

Marlene conta quais as mudanças que já ocorreram no local, como tem feito para se adaptar às transformações da natureza e especialistas sobre o assunto explicam o porquê das mudanças e o que pode ser feito.

Testemunhas do Clima – parte 1 – http://www.youtube.com/watch?v=9bBQZ2OzUik

Testemunhas do Clima – parte 2 – http://www.youtube.com/watch?v=v2U5HCvn-40

Conheça o projeto: http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/meio_ambiente_brasil/clima/mudancas_especiais/testemunhasdoclima/

(Envolverde/WWF-Brasil)


>Feijoada: vitória da identidade nacional

>

Débora Motta
Reprodução/Debret
 Transferência da família real marcou a adoção da etiqueta à mesa pelos senhores, que se distanciavam dos escravos

A feijoada é considerada o prato que melhor simboliza a culinária nacional. Além de ser preferência na mesa das famílias brasileiras de todas as classes sociais, a saborosa mistura de feijão e carnes, como toicinho, linguiça e charque, revela aspectos curiosos da história social do país. De acordo com o historiador Almir Chaiban El-Kareh, que foi professor visitante especial junto ao Núcleo de Estudos da Modernidade do Departamento de Antropologia da Universidade Federal Fluminense (Nemo/UFF), com bolsa da FAPERJ, entre 2006 e 2008, e hoje é pesquisador visitante do Departamento de Geografia da mesma universidade, também com bolsa da Fundação, nem sempre o feijão, hoje tão democrático, foi visto com bons olhos pelas elites.

Pouco depois da transferência da família real e de sua Corte para o Brasil, em 1808, os feijões eram classificados como “comida de pobre”. O pintor francês Jean-Baptiste Debret, integrante da Missão Artística Francesa (1816-1831) e fundador da pintura acadêmica no Brasil, descreveu em seus relatos de viagem sobre o país os hábitos de uma família rica. Ela costumava comer cozido português, acompanhado de galinha, arroz e farinha de mandioca. “O feijão ainda não aparecia na mesa das elites naquele momento”, diz Almir, que cursou doutorado (1982) e pós-doutorado (1995) em História pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), na França.
O consumo de feijão pelas elites, inicialmente, era velado. “Debret escreveu que, na época, um pequeno comerciante comia feijão com um pedaço de carne-seca e farinha, regado com muita pimenta, mas escondido de todos, no fundo da loja”, completa o pesquisador. No entanto, já por volta de 1830, todos os viajantes que escreveram relatos sobre o Brasil, atestaram, em tom de crítica, que ricos e pobres comiam feijão, carne seca e toicinho todos os dias. Essa aceitação gradual do consumo de feijão pelas elites deve-se à força da gastronomia regional popular, que acabou por sobressair à incorporação dos hábitos europeus.
Influência da Corte marca mudanças na etiqueta à mesa
Divulgação 
         
Feijoada é símbolo da resistência da culinária regional frente aos novos 
hábitos europeus

A transferência da família real foi um fato inédito. Nunca um rei europeu havia colocado os pés em uma colônia para visitá-la, quanto mais decidir morar em uma. O súdito colonial da véspera havia se tornado cidadão da capital do vasto império português. Essa reviravolta política teve desdobramentos sociais, que resultaram na aquisição de novos hábitos pelos habitantes da colônia.

A etiqueta à mesa foi um dos alvos dessa mudança de costumes. Almir assinala que houve uma transformação gradual no uso do espaço na sala de refeições pelos integrantes da família do senhor e pelos escravos. “No início do século XIX, toda a família do senhor comia com as mãos, sem uso de talheres, no chão, em cima de esteiras. Os escravos também comiam com as mãos, no chão, em cima de esteiras, no mesmo local do senhor. Mais tarde, a senhora já ficava sentada num canapé, enquanto os escravos continuavam nas esteiras no chão. Anos mais tarde, aparecem gravuras de famílias brasileiras seguindo a etiqueta européia, sentadas à mesa, utilizando talheres e sem escravos no local das refeições”, conta Almir.
Ele ressalta que a disposição espacial entre senhores e escravos, durante as refeições, passou aos poucos de uma separação simbólica, de uma parede invisível, no nível horizontal – pois só os escravos favoritos podiam se aproximar da esteira da senhora –, a uma separação vertical, quando a senhora muda de nível, até ocorrer uma segregação espacial total. Segundo Almir, a elite carioca foi capaz de assimilar a etiqueta e as boas maneiras europeias, bem como os artigos finos importados da Europa, mas manteve-se fiel aos seus costumes alimentares.
“A alimentação é o ponto de maiores resistências à mudança porque são hábitos adquiridos na infância. A elite mudou de roupa, copiando especialmente a moda francesa, mas não mudou de gosto alimentar”, explica. “Essa foi a vitória da feijoada. Na verdade, a feijoada, que era o ‘prato nacional’, acabou sendo identificado como o ‘prato carioca’ por excelência. Esse rapto ideológico serviu para reafirmar a identidade carioca e fortalecer a supremacia da Corte imperial sobre o conjunto da nação. Era a culinária servindo aos propósitos políticos de concentração do poder monárquico.”
Para Almir, a hipótese de que a feijoada surgiu nas senzalas, a partir dos restos de carnes aproveitados pelos escravos, não tem fundamento em fontes históricas. “Minha teoria é que a feijoada, como a conhecemos, surgiu nas famílias ricas, porque os miúdos eram valorizados pelas elites. Os ricos deviam comer uma feijoada mais incrementada, com diversas carnes e miúdos. Os pobres comiam feijão ralo, com pequenos pedaços de carne-seca ou toicinho, ou sem”, afirma Almir, acrescentando que os cariocas ainda não comiam diariamente feijão com arroz, como atualmente, só feijão com farinha de mandioca.  
Outro prato popular muito consumido por pobre e ricos era o angu. Debret relatou que as famílias abastadas comiam angu, mas, por se tratar de um prato menos nobre, sempre se esquivavam com piadas para salvar as aparências e o amor-próprio. Sua receita, mais elaborada, apresentava elementos da cozinha baiana, como o azeite de dendê e o quiabo, diversos pedaços de carne, coração, fígado, bofe, língua, amídalas e outras partes da cabeça do boi, com exceção do miolo. “Parti, pois, da hipótese de que, se uma cozinheira de família rica preparava um angu incrementado, por que não incrementaria a feijoada da mesma forma?”, indaga o historiador. “Se havia um angu de rico, era natural que houvesse uma feijoada de rico”, conclui.

 
© FAPERJ

>Municípios terão acesso livre a software para organizar contas e melhorar gestão

>
A ferramenta, chamada de e-cidade, estará disponível no Portal do Software Público Brasileiro no fim de outubro e poderá ser acessada gratuitamente pelos municípios

O Povo – 15 Out 2009 – 07h37min

Prefeituras de todo o país terão acesso a um software livre de gestão que vai possibilitar a organização de gastos, do orçamento, da receita tributária, do controle de medicamentos, de recursos humanos e outros serviços no mesmo aplicativo. A ferramenta, chamada de e-cidade, estará disponível no Portal do Software Público Brasileiro no fim de outubro e poderá ser acessada gratuitamente pelos municípios.

O acesso livre ao software foi acertado entre o Ministério do Planejamento e a empresa que criou o programa. De acordo com o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do ministério, Rogério Santana, com o uso livre, as prefeituras poderão adaptar as funções do aplicativo à realidade local e trocar experiências com outros gestores.

“Isso vai melhorar a gestão dos recursos e a prestação de serviços à sociedade. Também facilita a auditoria e a apresentação de contas”, avalia. A ferramenta é utilizada atualmente por 15 municípios e será apresentada oficialmente durante o Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios Brasileiros, nos dias 27 e 28 de outubro em Brasília.

Segundo Santana, o e-cidade vai permitir que prefeitos registrem as receitas arrecadadas com impostos, conheçam melhor os gastos dos municípios em saúde, educação e pessoal, acompanhem o andamento de obras e o controle de imóveis, por exemplo.

A ferramenta também registra a autorização, emissão e liquidação de empenhos orçamentários integradas ao processo de aquisições e emissões de notas fiscais.

“Os municípios brasileiros são muito carentes de soluções tecnológicas. Temos inúmeros municípios que têm gestão ineficiente e que precisam de ajuda. Essa solução tecnológica pode ser uma alternativa.”

A redução da burocracia também é uma das vantagens do aplicativo, segundo Santana. “Vai reduzir a papelada. Muitas árvores serão economizadas na medida em que a gente automatize e use processos eletrônicos no lugar de processos em papel”, completou.

O e-cidade vai estar disponível para download na página na internet do Portal do Software Público Brasileiro a partir do dia 28 de outubro, no endereço eletrônico http://www.softwarepublico.gov.br .

Agência Brasil

>Twitter fica rubro-negro por ativista preso nos EUA

>
Domingo, 11 de outubro de 2009 17:51
Por Tatiana de Mello Dias – Estadão.com.br

Aos poucos, avatares estão se tornando rubro-negros no Twitter. É o “Twitter Revolution”, movimento em solidariedade ao ativista americano Elliot Madison, 41 anos, que foi preso dia 24 por usar o Twitter para ajudar manifestantes a fugirem da polícia durante o encontro do G20 em Pittsburgh, nos EUA.

O ativista anarquista avisava pelos tweets os passos da polícia. A queixa criminal diz que Madison quebrou a lei ao usar o serviço para direcionar protestos ilegais. Ele é acusado de “uso criminal de uma facilidade de comunicação” e “posse de instrumentos do crime” – no caso, o aparelho em que twittava.

“A mesma conduta (das autoridades) no Irã e na China poderia ser chamada de violação dos direitos humanos, mas aqui é chamada de controle necessário do crime”, disse à Reuters Vic Walczak, diretor legal da União das Liberdades Civis Americanas da Pensilvânia.

O Twitter foi usado em protestos contra as eleições no Irã em junho (em solidariedade, pessoas de todo o mundo adotaram avatares verdes) e também na China, onde foi bloqueado após as manifestações durante o 20º aniversário do Massacre da Praça da Paz Celestial.

Madison foi preso em um motel em Pittsburgh e solto sob fiança. As autoridades invadiram sua casa em Nova York e apreenderam computadores, livros, jornais, máscaras de gás e uma imagem de Lênin. O advogado dele, Martin Stolar, foi a um tribunal pedir a devolução da propriedade. “É um uso ultrajante da lei criminal para punir discurso; é a aplicação mais pitoresca que eu já vi do direito penal para o uso do Twitter.”

>A proibição da língua brasileira

>
JOSÉ DE SOUZA MARTINS

TENDÊNCIAS/DEBATES – Opinião – Folha de S.Paulo
São Paulo, domingo, 20 de julho de 2003

Matéria publicada na Ilustrada de 18 de junho dava conta de que uma nota da Anatel, de agosto de 2002, sobre um programa radiofônico da FM Educativa, de Campo Grande (MS), transmitido na língua nheengatu, levantava a questão da sua legalidade em face de uma lei de 1963 que proíbe veiculações radiofônicas em língua estrangeira. A dúvida da Anatel põe em questão a legalidade da língua ainda falada por brasileiros de várias regiões do país e em suas variantes residuais ainda falada por milhões de brasileiros, especialmente crianças e iletrados, que só aparentemente falam o português oficial dos decretos.

O nheengatu, também conhecido como “língua geral”, a língua que se quer proibir, é a verdadeira língua nacional brasileira. O nheengatu foi desenvolvido pelos jesuítas nos séculos 16 e 17, com base no vocabulário e na pronúncia tupi, que era a língua das tribos da costa, tendo como referência a gramática da língua portuguesa, enriquecida com palavras portuguesas e espanholas. A língua geral foi usada correntemente pelos brasileiros de origem ibérica, como língua de conversação cotidiana, até o século 18, quando foi proibida pelo rei de Portugal. Mesmo assim continuou sendo falada.

Da língua geral ficou como remanescente o dialeto caipira, tema de dicionário e objeto de estudos linguísticos até recentes. Sobraram pronúncias da língua tupi, reduções e adaptações da língua portuguesa. Um jesuíta, no século 16, já observara que os índios da costa tinham grande dificuldade para pronunciar letras como o “l” e o “r”. Especialmente na finalização de palavras como “quintal” e “animal”; ou verbos como “falar”, “dizer” e “fugir”. Essas letras foram simplesmente suprimidas e as palavras transformadas em “quintá”, “animá”, “falá”, “dizê”, “fugi”.

Dificuldades também havia para pronunciar as consoantes dobradas. Daí que, no dialeto caipira, “orelha” tenha se tornado “orêia” (uma consoante em vez de três; quatro vogais em vez de três), “coalho” seja “coaio”, “colher” tenha virado “cuié”, “os olhos” sejam “o zóio”… E no Nordeste ainda se ouve a suave “fulô” no lugar da menos suave “flor”. Uma abundância de vogais em detrimento das consoantes, até mesmo com a introdução de vogais onde não existiam. Exatamente o contrário da evolução da sonoridade da língua em Portugal, em que predominam os ásperos sons das consoantes. No Brasil, a língua portuguesa ficou mais doce e mais lenta, mais descansada, justamente pela enorme influência das sonoridades da língua geral, o nheengatu.

Somos um povo bilíngue, e o reconhecimento desse bilinguismo seria fundamental no trabalho dos educadores

Nossa língua cotidiana está algo distanciada da língua portuguesa, que é a oficial e, num certo sentido, é uma língua importada. Não raro viajamos entre toponímicos tupi. Na cidade de São Paulo, transito regularmente entre o Butantã e Carapicuíba e o Embu, aonde levo meus alunos, periodicamente, para uma aula de rua. Ou os levo ao Museu Paulista, no Ipiranga, para outra aula, ou à Moóca, para observações etnográficas sobre uma festa italiana. Faço tudo isso dentro da língua tupi. Como posso ir do rio Guaíba à Paraíba ou ao Pará ou ao Piauí sem achar que estou falando uma língua estrangeira, que ela não é.

Em escolas rurais de povoados do Mato Grosso, do Pará e do Maranhão, observei um fato curioso. Uma vez que as crianças escrevem como falam, não é raro que acrescentem de preferência um “r” às palavras oxítonas, a letra usada como acento agudo: “ater”, em vez de “até”; “Joser”, em vez de “José”. Algo que tem sua curiosa legitimidade no modo como se escrevia oficialmente o português até meados do século 19, letras fazendo as vezes de acentos e sinais. A própria língua falada, no confronto com a escrita, oferece às crianças inteligentes a chave de adaptação de uma à outra: se elas dizem “falá” e vêm que a palavra escrita é “falar”, logo entendem que o “r” é aí acento, e não letra para ser pronunciada.

É comovente a reação dos jovens quando descobrem que são falantes do que resta de uma língua que já foi a língua do povo brasileiro e que conhecem um grande número de sons e palavras tupi. O que lhes dizem ser erro e ignorância é, na verdade, história social, valorosa sobrevivência da nossa verdadeira língua brasileira. Se não fosse assim, seria impossível rir daquela história de dois mineiros que resolveram temperar a prosa com café. E foram para a cozinha. Água fervida, coador pronto, um pergunta para o outro: “Pó pô o pó?”. E o outro responde, firme: “Pó pô!”.

De fato, somos um povo bilíngue, e o reconhecimento desse bilinguismo seria fundamental no trabalho dos educadores, em particular para enriquecer a compreensão da língua portuguesa, última flor do Lácio, inculta e bela, mais bela ainda porque invadida por esse outro lado da nossa identidade social, que teimamos em desconhecer.

José de Souza Martins, 64, é professor titular do Departamento de Sociologia da USP.

>I know I know nothing; but at least I know that

>
Willem Buiter – FT’s Maverecon Blog

September 10, 2009 3:00pm

Science with very few (if any) data

Doing statistical analysis on a sample of size 1 is either a very frustrating or a very liberating exercise. The academic discipline known as history falls into that category. Most applied social science, including applied economics, does too. Applied economists use means fair and foul to try to escape from the reality that economics is not a discipline where controlled experiments are possible. The situation that an economically relevant problem can be studied by means of a control group and a treatment group that are identical as regards all but one external or exogenous driver, whose influence can as a result be isolated, identified and measured, does not arise in practice.

Time series analysis (which establishes associations or correlations between measurable variables over time), cross section analysis (which studies associations or correlations between between variables observed during a common time period but differing by some other criterion (say location, individual or family identity or whatnot)), and panel data analysis, which combines time-series and cross-section data and methodology, all struggle (mostly in vain) with the problem that the economic analyst cannot control for all relevant influences on the behaviour of the phenomenon he is investigating, GDP growth or unemployment, say. The reason for this is first and foremost that the investigating economist doesn’t have a clue as to what should be on an exhaustive list of possible relevant drivers of GDP growth or unemployment. Second, many of the key variables he is aware of may not be measurable or only be measurable with serious errors. Expectations are an example. Finally, the long list of possible explanatory variables that are omitted from consideration are extremely unlikely to be statistically independent of the errors or residuals from a statistical or econometric analysis/estimation that uses just a truncated set of explanatory variables. The result: biased and inconsistent estimates of parameters and other features of the relationship between the explanandum and the explanans.

Economists have made a growth industry of seeking out or concocting quasi-natural experiments that might look like controlled experiments in the natural sciences. Freakonomics: A Rogue Economist Explores the Hidden Side of Everything by Steven Levitt and Stephen J. Dubner contains a sampling of this kind of work.

I have not read a single one of these quasi-natural experiment studies where one could not easily come up with a long list of potentially relevant omitted explanatory variables. Such ‘unobserved heterogeneity’ means that other things were definitely not equal, and the attribution of cause and effect is bound to be flawed. In addition, the determined chase for yet another quasi-controlled or natural experiment has led many economists to look under the lamppost for their missing knowledge, not because that is where they lost it, but because that’s where the light is. A flood of cute but irrelevant studies of issues of no conceivable economic significance has been undertaken simply because a cute but irrelevant natural experiment had been conducted.

Experimental economics was the last refuge of the empirically desperate. It mostly involves paying a bunch of undergraduates (or, if you have a very small budget, graduates) to play a variety of simple games with monetary and occasionally non-monetary pay-offs for the participants. The actions of the players in these highly artificial settings – artificial if only because the players are aware they are the guineau pigs in some academic experiment – are meant to cast light on the behaviour of people in real-word situations subject to similar constraints and facing similar incentives. Halfway between proper experimental or laboratory economics and natural experiments are ‘constructed experiments’ (aka randomised experiments) in which a (team of) economists conducts an experiment in a real-world setting and uses randomised evaluation methods to make inferences and test hypotheses. Typically, the guinea pigs in such randomised experiments are a selection of Indian villagers or other poor population groups – a little research grant goes a long way in a very poor environment. Again, the intentions are good, but the ceteris paribus assumption – that all other material influences on behaviour have either been controlled for or don’t distort the results of the study because they are independent of the unexplained component of behaviour in the constructed experiment – is (a) untestable and (b) generally implausible.

Of course, economics and the other social sciences are not alone in being bereft of meaningful controlled experiments. Two of the jewels in the ‘hard’ or natural science crown, cosmology and the theory of evolution, provide generous companionship for the social science waifs. Scientists at CERN may be able (wittingly or unwittingly) to create little bangs and mini black holes a few miles below ground in Switzerland and France, but this does not amount to a test of the big bang theory. They have no more than one dodgy observation on that. Evolutionary biologists may be able to observe evolution at work in real time ‘in the small’, that is, in microorganisms, butterflies etc. but they don’t have replications of the 4.5 billion year history of the earth, through a collection of parallel universes each of which differs from the others in one observable and measurable aspect only. This does not mean that anything goes. Finding fossils that can confidently be dated to be around 150 million years old makes rather a hash of strict young earth creationist accounts that date the creation of the universe to somewhere between 5,700 and 10,000 years ago. Other propositions, like intelligent design, cannot be proven or disproved and are therefore not scientific in nature.

So what is the poor economist to do when confronted with the need to make predictions or counterfactual analyses? Fundamentally, you pray and you punt.

How do we evaluate the reliability or quality of such forecasts and analyses? Ex-post, by matching them up against outcomes, in the case of forecasts. This is not straighforward – very few economists make completely unconditional forecasts, but it is in principle feasible. In the case of a counterfactual analysis where the counterfactual policy action or event did not take place – who knows? A necessary test of the acceptability of a counterfactual argument is its logical coherence – its internal consistency. That probably gets rid of about 90 percent of what is released into the public domain, but still leaves us with a lot of counterfactual propositions (and forecasts that can not yet be tested against outcomes).

For the counterfactual proposition and the forecasts beyond today that survive the test of logical coherence, all we have is the one data point of history to lend some plausiblity.

What will be the likely shape of the recovery in the overdeveloped world?

What does history teach us about the likely shape of the recovery in the overdeveloped world following the bottoming out of global GDP? Is the financial collapse phase of the Great Depression a good guide? Probably not, because the banking sector and the financial system of the late 1920s and early 1930s were so different from those that went down the chute starting August 2007. A financial sector that is one layer deep, with banks funding themselves mainly from household deposits and investing mainly in loans to the non-financial business sector, is a very different animal from the multi-layered financial sector in the second half of the first decade of the 21st century.

The modern banking system is part of a multi-layered financial sector. It funds itself to a large degree in financial wholesale markets and has on the asset side of its balance sheet many financial instruments issued by other banks and by non-bank financial institutions, including off-balance sheets vehicles of the banks. Rapid deleveraging of a 1930s-style single-layer financial system is bound to be massively disruptive for the real economy. Rapid deleveraging of a modern multi-layered financial system needs not be massively disruptive for the real economy, although it will be if it is done in an uncoordinated, voluntary manner. Since most liabilities (assets) of banks are assets (liabilities) of other banks and non-bank financial institutions, an intelligent, coordinated netting or write-down of intra-financial sector assets and liabilities is technically possible without significant impact on the exposure (on both sides of the balance sheet) of the financial system as a whole to the non-financial sectors.

There are many legal and political obstacles to such a de-layering of financial intermediation – it amounts to the temporary imposition of a form of central planning on the key banks and their financial sector counterparties, but it could be done if the political will were there.

This important difference between the situation of the 1930s and that facing us today makes one more optimistic about the pace of the recovery to come. Against that, much of the tentative insight I have gained about the financial crisis has not come from the lessons of the 1930s but from emerging markets crises since the 1970s. Except for the important qualifier that the US dollar is a global reserve currency, and that the US government (and private sector) has most of its domestic and external liabilities denominated in US dollars, the pathologies of financial boom, bubble and bust in the US, the UK, Iceland, Ireland and Spain (and many of the Central and East European emerging market economies) track those of classical emerging market crises in South America, Asia and CEE in the 1990s, rather well.

The emerging market analogy makes one less optimistic about a robust recovery, as typically, emerging markets whose financial sector was destroyed by a serious financial crisis took many years to recover their pre-crisis growth rates and often never recovered their pre-crisis GDP paths.

But cleary, there are many differences in economic structure, policy regimes and external environment between the overdeveloped world of today and either the industrialised world of the 1930s or the emerging markets of the 1980s and 1990s. For starters, we are now aware of what happened in the 1930s and in the emerging markets (the arrow of history flies only in one direction). Another key difference is that today’s emerging markets and developing countries, whose domestic financial sectors have not been destroyed by the financial crisis, add up to 50 percent of global GDP. Even if China itself cannot be a global locomotive (not even the little engine that could), a sufficient number of emerging markets jointly could lead the global economy out of recession. Controlling for all the things that make ceteris non paribus is a hopeless task. But just because it is hopeless does not mean that we can avoid it. Decisions have to be taken and choices have to be made on the basis of the best available information and analysis, even if the best is pretty crummy. It is, however, key that if it is indeed the case that the best is no good, we admit to this and don’t pretend otherwise. False certainty can be deadly.

Earlier this week, Joseph Stiglitz, told Bloomberg that the U.S. economy faces a significant chance of contracting again after emerging from the worst recession since the Great Depression of the 1930s.

“There’s a significant chance of a W, but I don’t think it’s inevitable,” … . The economy “could just bounce along the bottom.” Sure, but how does he know it whether it will be a V, a W, a rotated and reflected L, a W or double dip, a triple jump or a quadruple bypass? With a sample of at most size one to underpin one’s forecast, the quality of the argument/analysis that produces and supports the forecast is essential. The forecast itself is indeed likely to be much less important than the reasoning behind it. If the conclusion is open-ended, the story better be good.

>Forecasting: Relationship of trust is permanently damaged

>
By Chris Giles – Financial Times – October 5 2009

No one, not even the most gloomy economic forecaster, predicted the global economy’s sudden collapse a year ago. Those that said the crisis would get nasty can feel vindicated, but even they did not foresee the global crisis of confidence that followed the collapse of Lehman Brothers.

Arguably, they could not, says Bart van Ark, chief economist of the Conference Board, the global business organisation. “What you cannot forecast is a shock,” he says.

But in a less precise sense, the crisis of the past year has been the most predicted shock in history. For years, economists and officials have warned that many aspects of the world’s economic system were unsustainable.

“Even if nobody could be sure exactly when the timebomb was going to explode, it was at least useful to know we were sitting on one,” says Andrew Smith, chief economist of accountancy firm KPMG.

Most thought a crisis would arise from a loss of confidence in the dollar, resulting from the huge and prolonged US trade deficit. Instead, something similar arose after it was found that the capital flows to the US had been frittered away by banks lending money to unsuitable sub-prime borrowers and keeping those debts in their off-balance-sheet vehicles.

But though the risk of an economic crisis was regularly highlighted, it was impossible to incorporate into economic models and was therefore put to one side – filed in the “interesting and scary, but not very likely” box. That meant economic forecasts have had a terrible recent record.

Just over a year ago, in summer 2008, the International Monetary Fund thought the prospects for both 2008 and 2009 had improved and were forecasting world economic growth of 3.9 per cent in 2009 – far from a recession. The forecast was a reflection of the prevailing consensus and fears of global inflation.

Then Lehman filed for bankruptcy and economists began a painful process of recognising the likelihood of recession in the advanced world, the spread of the pain to the entire global economy and that the economic crisis was even deeper than had been thought.

By November, the IMF had almost halved its 2009 forecast to 2.2 per cent. And by April this year the Fund was talking about a “slump”, with world output sliding in 2009 by 1.4 per cent, the first drop since the second world war.

By spring 2009, the consensus of private forecasters expected the worst economic performance in the world economy since the Great Depression and little recovery in 2010.

The ever-changing outlook has raised many questions for those making policy. And yet economists have never been so uncertain about the future. It depends crucially on the financial system and its interaction with confidence and trust among people around the world.

Willem Buiter, professor of European political economy at the London School of Economics, argues that it is a fallacy to think economic models, particularly those based on history, can hope to understand the fundamental relationships in a large and complex economy. “So what is the poor economist to do when confronted with the need to make predictions or counterfactual analyses? Fundamentally, you pray and you punt,” he says.

Economists and policymakers are doing just that, alongside telling everyone that their forecasts are dependent on specific events and highly uncertain. Users of forecasts now know they cannot simply take them on trust.

In future there is also likely to be a greater tendency for economists to use their own judgment rather than the outcome of many equations run through a large computer, says Mr van Ark. “Don’t just rely on your model,” he says, “and you want to combine the short-term outlook with a longer term perspective”.

Modesty among economists is also something that will be needed in future, a soft skill that comes with difficulty to many.

But with signs that the global economy is recovering and will grow next year, the world is already hanging on forecasters’ words, however unwise that might be.

Economists will still be stuck with the problem that the unpredictable will happen. And when it does, the vast majority will have much egg on their faces.

* * *

Há paralelos muito interessantes entre o que a economia está vivendo agora, e o cotidiano da meteorologia. Ambos vivem de prognósticos sobre o futuro.

Economistas, que nos Estados Unidos gostam de atuar na área de psicologia (e vice-versa – mas psicólogos, até onde eu sei, não fazem prognósticos públicos), agora sentem na pele os dilemas e pressões só sentidas por meteorologistas.

E, com relação ao uso da experiência e do bom senso como complemento (ou no lugar de) modelos matemáticos – vide parágrafos finais do texto acima -, quando um meteorologista faz isso, é criticado por todos os lados (vide livro de Gary Alan Fine, Authors of the Storm).

>Índios recrutam líderes para tentar vitória inédita nas urnas em 2010

>
Vannildo Mendes, BRASÍLIA
O Estado de São Paulo – Segunda-Feira, 05 de Outubro de 2009

Divididos em 220 etnias, falando 180 línguas, os índios brasileiros estão se organizando para aumentar a representação política nas eleições de 2010. Eles somam mais de 700 mil, dos quais 150 mil eleitores, e querem mais protagonismo nas decisões do País para defender as suas bandeiras sem depender unicamente da tutela da Fundação Nacional do Índio (Funai) ou das bênçãos de igrejas. A ideia é eleger ao menos cinco deputados federais no País e uma bancada forte nas Assembleias Legislativas de 19 Estados onde estão mais organizados.

As tribos e seus caciques estão recrutando em suas regiões os principais puxadores de votos, reconhecidos pela articulação e eloquência, que serão lançados para a Câmara. Já estão definidos os nomes de Almir Suruí, em Rondônia, Sandro Tuxa, na Bahia, e Júlio Macuxi, em Roraima. Este último teve atuação destacada na pressão pela demarcação da reserva Raposa Serra do Sol em área contínua, aprovada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) este ano.

Os três devem sair pelo PV, partido preferencial dos indígenas. Podem, no entanto, optar por outro partido que ofereça melhores possibilidades de vitória, o que será avaliado com lupa pelos conselhos indígenas e pelas assembleias que serão realizadas nas diversas aldeias, entre este mês e março.

“Vou aguardar a decisão coletiva, antes de definir a melhor legenda, com chances reais de eleição”, disse Macuxi. Pragmático, o líder pediu a desfiliação do PT porque o partido já tem uma prioridade para a Câmara, a deputada Angela Portela, que disputará a reeleição em 2010.

Filiado ao PT do Distrito Federal, onde vive há oito anos como servidor da Funai, Álvaro Tukano, líder de uma etnia que habita as margens do alto Rio Negro, no Amazonas, deve buscar a confirmação do seu nome entre os candidatos da legenda. “Queremos eleger a maior bancada parlamentar de todos os tempos”, declarou.

O quinto puxador de voto deve sair das hostes do PDT, partido da preferência dos xavantes desde os tempos em que o deputado e cacique Mário Juruna, já falecido, cumpriu mandato parlamentar (1983-1987) como primeiro e único indígena eleito para o Congresso. Ele foi cooptado na época pelo líder trabalhista Leonel Brizola, também falecido. Desde esse fato, o PDT tem por praxe oferecer vagas para índios na legenda.

VEREADORES

Na última eleição municipal, os índios já deram uma primeira mostra do seu potencial nas urnas, elegendo seis prefeitos e mais de 90 vereadores em várias partes do País. Em São Gabriel da Cachoeira (AM), o prefeito, o vice e todos os vereadores são índios. Localizada em região conhecida como Cabeça do Cachorro, a cidade tem 95% da população de origem indígena.

Em Roraima, foram eleitos prefeitos indígenas em Uiramutã e Normandia, ambos da etnia macuxi. São João das Missões (MG), Marcação (PB) e Barreirinha (AM) também têm prefeitos índios. “É muito positiva essa presença no processo político para legitimar a democracia brasileira”, afirmou o presidente da Funai, Márcio Meira.

Em quatro Estados onde têm maior nível de organização, os índios já decidiram que vão lançar candidatos a deputado federal, além de nomes competitivos para a Assembleia Legislativa. São eles Roraima, Amazonas, Acre e Rondônia.

Em outros 18 Estados serão lançados candidatos a deputado estadual e, eventualmente, algum para federal. São eles: Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Pernambuco, Ceará, Maranhão, Amapá, Paraíba, Goiás, Minas, Tocantins, Rio, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

SELEÇÃO

A escolha dos candidatos, de acordo com Macuxi, é feita democraticamente, em assembleias regionais. Em Roraima, haverá uma na segunda quinzena deste mês, para a apresentação dos candidatos e debate em torno das propostas. A segunda ocorrerá em março, para a confirmação dos escolhidos.

Para o líder, esse é um modo de escolha mais legítimo que as convenções partidárias. “São levadas em conta a liderança, a eloquência e a vida limpa do candidato”, explicou. “Aqui ninguém cai de paraquedas, não se compra legenda, nem se é escolhido pelo dono do partido.”

Após a peneira, os índios são pragmáticos na escolha do partido. O preferencial é o PV, principalmente após a adesão da senadora Marina Silva (AC), que disputará a Presidência. Dizem que a ex-ministra do Meio Ambiente dará visibilidade às questões ambientais e indígenas.

NÚMEROS

700 mil é a população atual de indígenas em todo o País

150 mil deles são eleitores

220 etnias existem hoje no Brasil, com um total de 180 línguas

5 prefeitos descendentes de índios foram eleitos em 2008

90 vereadores também indígenas foram aprovados nas urnas ano passado

>A arte e sua magia

>
Coisas e loisas

Folha Mais! – São Paulo, domingo, 04 de outubro de 2009

JORGE COLI

Alguns leitores escreveram para esta coluna sobre a relação entre arte e mercado, que foi lembrada, aqui mesmo, no domingo passado. Um deles interessou-se pela ideia de que a arte não produz objetos, mas produz sujeitos que pensam sem palavras. Diz assim: “Ao mesmo tempo que concordo, discordo. Acho que as “coisas físicas” produzidas, que costumamos chamar de arte, têm sua mágica, seu fetiche enquanto coisas”.

O leitor tem razão em sua reticência, porque faltou dizer que objeto, naquele caso, não é um sinônimo de coisa. Significa algo posto para, e pelo, sujeito. Seria, por assim dizer, uma “coisa” submissa.

Ora, a obra de arte, como ele diz, tem sua mágica. Por isso, age como sujeito ao operar seus milagres. O despacho numa encruzilhada é um agente.

Ele atua. Não é um ser passivo. É um sujeito.

A proximidade com as crenças mágicas ou religiosas permite compreender bastante “aquilo que costumamos chamar de arte”. Arte, tal como a concebemos hoje, é, exatamente, aquilo que costumamos chamar de arte. Qualquer outro critério, além da própria denominação, é insuficiente. Beleza, sensibilidade, expressão e mais o que se quiser, nada disso oferece um campo vasto o suficiente para recobrir tudo o que nossa cultura entende por arte.

Marcel Duchamp, nas primeiras décadas do século 20, determinou isso por meio de seus “ready-mades”: se ficarmos convencidos de que uma roda de bicicleta, exposta numa galeria ou num museu, é arte, ela passa a ser arte.

Condão

Não se trata de impostura. A palavra “arte” adquiriu poderes reais. É um abracadabra que funciona. Metamorfoseia a caixa de sabão Brillo, ou a roda de bicicleta. Elas passam a emitir sinais, significações, intuições, que antes não tinham. No mundo dos objetos comuns, eram mudos. Depois que viraram arte, falam uma linguagem, silente e intensa.

A razão é que se sacralizaram pela nossa crença: como acreditamos neles, eles nos respondem. São entes cheios de poderes invisíveis, mas laicos, desvinculados de qualquer religião ou sobrenatural.

A mais prodigiosa das pinturas é apenas um pouco de tinta sobre uma tela; Van Gogh escreveu alguma coisa assim.

Pouco depois de sua morte, um quadro seu foi descoberto numa casa de Saint-Rémy [França], tapando o buraco de um galinheiro. As galinhas não sentiam frio e aquilo, ali, não era arte, de modo algum.

Mandrake

Quem decide que uma pintura, uma escultura, um copo d’água é arte? O artista, se tem algum reconhecimento, ou seja, se alguém acreditar que ele possui esse poder transformador.

O crítico, que celebra e convence, ou que despreza e condena (a fórmula negativa mais forte, a única que de fato anula o feitiço, se alguém acreditar nela, está claro, é: “Isso não é arte”. Muito usada, em escritos e em conversas, de preferência num tom de superioridade, por críticos seguros de si, contentes de vestirem a casaca e a cartola do mágico).

As galerias, os museus, que aceitam tal ou qual obra e recusam outras.

O mercado, que gradua seus valores segundo a intensidade das crenças.

Cerne

Seria leviano duvidar dos poderes da arte. Comovem, fascinam, despertam desejo de posse: muitos colecionadores arruinaram-se por não resistirem ao canto da sereia. O roubo de grandes obras conhecidas, que não podem ser vendidas, mostra que a arte pode causar desatinos. Mas, por felicidade, ela também conduz a grandes, elevados prazeres, a formas sutis e profundas de inteligência.