Arquivo da tag: Meteorologia

Ciência climática é ferramenta no combate à seca no Nordeste, afirma Carlos Nobre (ABIPTI)

JC 5593, 7 de fevereiro de 2017

“O entendimento das causas subjacentes às secas do Nordeste tem permitido se prever com antecedência de alguns meses a probabilidade de uma particular estação de chuvas no semiárido do Nordeste”, afirmou

O relatório oriundo da última reunião do Grupo de Trabalho de Previsão Climática Sazonal (GTPCS) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) aponta para um cenário preocupante: até o início de 2018, é esperado que os grandes e médios reservatórios nordestinos sequem. Por isso, é preciso criar novas oportunidades para a população.

Reconhecido como um dos principais pesquisadores mundiais sobre clima, Carlos Nobre destacou o papel das ciências climáticas para mitigar os impactos econômicos e sociais da seca na Região Nordeste. O pesquisador do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais e professor de pós-graduação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) ressaltou que o conhecimento do clima cria alternativas econômicas e sociais para os moradores da região.

Na avaliação do pesquisador, a ciência climática evoluiu rapidamente nas últimas décadas, sendo uma ferramenta eficaz no combate à seca. “O entendimento das causas subjacentes às secas do Nordeste tem permitido se prever com antecedência de alguns meses a probabilidade de uma particular estação de chuvas no semiárido do Nordeste de fevereiro a maio ser deficiente, normal ou abundante. Estas previsões climáticas vêm sendo aperfeiçoadas ao longo do tempo e utilizadas para apoio ao planejamento agrícola, à gestão hídrica e à mitigação de desastres naturais”, afirmou Nobre.

Entre as ações propostas pelo cientista, está o investimento na criação de uma economia regional baseada em recursos naturais renováveis. Uma das alternativas sugeridas é a criação de parques de geração de energia eólica e solar fotovoltaica.

“O Nordeste tem um enorme potencial de energia eólica e solar, capaz de atender a todas suas necessidades e ainda exportar grandes volumes para o restante do Brasil. Estas formas de energia renovável distribuídas geram empregos permanentes localmente, mais numerosos do que aqueles gerados por hidrelétricas ou termelétricas e que poderiam beneficiar populações urbanas e rurais da região”, informou.

Carlos Nobre tem extensa atuação na área climática. Além de ocupar vários cargos no governo referentes ao setor climático, foi vencedor do Volvo Environment Prize – um dos principais prêmios internacionais sobre clima – e membro do Conselho Científico sobre Sustentabilidade Global da Organização das Nações Unidas (ONU).

Agência ABIPTI, com informações do MCTI e Valor Econômico

¿Adiós al Servicio Meteorológico? Un biólogo argentino predice el clima estudiando hormigas (y acierta) (La Nación)

Jorge Finardi anticipa lluvias y tormentas a partir del comportamiento de insectos

LA NACION

JUEVES 26 DE ENERO DE 2017 • 17:44

¿Chau Servicio Meteorológico? El biólogo argentino que predice el clima estudiando hormigas

¿Chau Servicio Meteorológico? El biólogo argentino que predice el clima estudiando hormigas. Foto: Archivo 

Jorge Finardi predice el clima a través de las hormigas. Estudia sus movimientos, los registra, los compara y llega a la conclusión, por ejemplo, de que mañana a la tarde lloverá. Y acierta. Esta semana, Finardi anticipó con su método el calor sofocante del lunes, la tormenta del martes, y la caída de la temperatura del miércoles. Nada mal.

Finardi es químico, biólogo, y lleva adelante la cuenta de Twitter @GeorgeClimaPron. En ella, comunica sus pronósticos climatológicos. En una entrevista con LA NACION, explica su sistema.

-¿Cómo funciona tu método de análisis?

-En primer lugar, determino el grado de actividad de las hormigas en una escala del 1 al 10. Para armar la escala tengo en cuenta la cantidad de interacciones entre las hormigas, el número de hormigas involucradas, y el tipo y tamaño de carga que llevan, además, de la clase de hormiga que trabaja.

-¿Y de qué manera se relaciona con el clima? ¿Más actividad es indicativa de lluvia?

-En parte sí, pero depende de la carga que lleven. Por ejemplo, cuando las hormigas llevan palitos y barritas, es porque tienen que fortalecer el hormiguero, debido a que se aproxima lluvia o frío. Cuando hay movilización de tierra es porque se viene una lluvia fuerte. Cuando llevan cereal, viene frío, porque el cereal fermenta dentro del hormiguero y produce calor para que nazcan los hongos que ellas comen.

Para las altas temperaturas, por otro lado, se acondicionan los túneles: las hormigas empiezan a abrir “chimeneas”, que son como agujeritos esparcidos dentro del hormiguero, que puede llegar a tener metros de profundidad. Cuando pasa eso, se viene una ola de calor.

-¿Cómo te interesaste por el tema?

-Desde los tres años me paso horas mirando las hormigas y todo tipo de insectos. Por otro lado, mi profesión me ayudó a profundizar estos temas, y también a hablar con gente de edad avanzada que vive en el campo y no se fija en los pronósticos. No los necesita. Así avancé. Así y con un poco de prueba y error. Al principio introduje hormigas en un terrario para poder observarlas más cómodo. Pero ellas se comportaban de otra manera, por el aislamiento. Ahora las sigo con una cámara.

-¿Además de las hormigas, analizás otros insectos?

-Sí. Las arañas, por ejemplo, tienen la capacidad de detectar actividad eléctrica, cuando aparecen y están muy activas. Las libélulas pueden anticipar una tormenta o viento. Las cigarras anuncian calor. Los gallos, cuando cantan a media noche, anuncian neblinas. También hay que prestar atención a las hormigas cuando están desorientadas, porque pueden captar actividad sísmica a grandes distancias.

-¿Este tipo de análisis es científico?

-No. Hay que destacar que el método no es científico, no es positivista, pero sí es cualitativo, experimental y observacional. Y sirve. Los hombres estamos acá desde el período cuaternario, pero las hormigas, por ejemplo, están desde la época de los dinosaurios. Están muy adaptadas, son muy sensibles a los cambios de ambiente. Y la naturaleza, así, nos habla, nos presenta síntomas. Hay que saber leerlos.

Global warming hiatus disproved — again (Science Daily)

Study confirms steady warming of oceans for past 45 years

Date:
January 4, 2017
Source:
University of California – Berkeley
Summary:
Scientists calculated average ocean temperatures from 1999 to 2015, separately using ocean buoys and satellite data, and confirmed the uninterrupted warming trend reported by NOAA in 2015, based on that organization’s recalibration of sea surface temperature recordings from ships and buoys. The new results show that there was no global warming hiatus between 1998 and 2012.

A new UC Berkeley analysis of ocean buoy (green) and satellite data (orange) show that ocean temperatures have increased steadily since 1999, as NOAA concluded in 2015 (red) after adjusting for a cold bias in buoy temperature measurements. NOAA’s earlier assessment (blue) underestimated sea surface temperature changes, falsely suggesting a hiatus in global warming. The lines show the general upward trend in ocean temperatures. Credit: Zeke Hausfather, UC Berkeley

A controversial paper published two years ago that concluded there was no detectable slowdown in ocean warming over the previous 15 years — widely known as the “global warming hiatus” — has now been confirmed using independent data in research led by researchers from the University of California, Berkeley, and Berkeley Earth, a non-profit research institute focused on climate change.

The 2015 analysis showed that the modern buoys now used to measure ocean temperatures tend to report slightly cooler temperatures than older ship-based systems, even when measuring the same part of the ocean at the same time. As buoy measurements have replaced ship measurements, this had hidden some of the real-world warming.

After correcting for this “cold bias,” researchers with the National Oceanic and Atmospheric Administration concluded in the journal Science that the oceans have actually warmed 0.12 degrees Celsius (0.22 degrees Fahrenheit) per decade since 2000, nearly twice as fast as earlier estimates of 0.07 degrees Celsius per decade. This brought the rate of ocean temperature rise in line with estimates for the previous 30 years, between 1970 and 1999.

This eliminated much of the global warming hiatus, an apparent slowdown in rising surface temperatures between 1998 and 2012. Many scientists, including the International Panel on Climate Change, acknowledged the puzzling hiatus, while those dubious about global warming pointed to it as evidence that climate change is a hoax.

Climate change skeptics attacked the NOAA researchers and a House of Representatives committee subpoenaed the scientists’ emails. NOAA agreed to provide data and respond to any scientific questions but refused to comply with the subpoena, a decision supported by scientists who feared the “chilling effect” of political inquisitions.

The new study, which uses independent data from satellites and robotic floats as well as buoys, concludes that the NOAA results were correct. The paper is published Jan. 4 in the online, open-access journal Science Advances.

“Our results mean that essentially NOAA got it right, that they were not cooking the books,” said lead author Zeke Hausfather, a graduate student in UC Berkeley’s Energy and Resources Group.

Long-term climate records

Hausfather said that years ago, mariners measured the ocean temperature by scooping up a bucket of water from the ocean and sticking a thermometer in it. In the 1950s, however, ships began to automatically measure water piped through the engine room, which typically is warm. Nowadays, buoys cover much of the ocean and that data is beginning to supplant ship data. But the buoys report slightly cooler temperatures because they measure water directly from the ocean instead of after a trip through a warm engine room.

NOAA is one of three organizations that keep historical records of ocean temperatures — some going back to the 1850s — widely used by climate modelers. The agency’s paper was an attempt to accurately combine the old ship measurements and the newer buoy data.

Hausfather and colleague Kevin Cowtan of the University of York in the UK extended that study to include the newer satellite and Argo float data in addition to the buoy data.

“Only a small fraction of the ocean measurement data is being used by climate monitoring groups, and they are trying to smush together data from different instruments, which leads to a lot of judgment calls about how you weight one versus the other, and how you adjust for the transition from one to another,” Hausfather said. “So we said, ‘What if we create a temperature record just from the buoys, or just from the satellites, or just from the Argo floats, so there is no mixing and matching of instruments?'”

In each case, using data from only one instrument type — either satellites, buoys or Argo floats — the results matched those of the NOAA group, supporting the case that the oceans warmed 0.12 degrees Celsius per decade over the past two decades, nearly twice the previous estimate. In other words, the upward trend seen in the last half of the 20th century continued through the first 15 years of the 21st: there was no hiatus.

“In the grand scheme of things, the main implication of our study is on the hiatus, which many people have focused on, claiming that global warming has slowed greatly or even stopped,” Hausfather said. “Based on our analysis, a good portion of that apparent slowdown in warming was due to biases in the ship records.”

Correcting other biases in ship records

In the same publication last year, NOAA scientists also accounted for changing shipping routes and measurement techniques. Their correction — giving greater weight to buoy measurements than to ship measurements in warming calculations — is also valid, Hausfather said, and a good way to correct for this second bias, short of throwing out the ship data altogether and relying only on buoys.

Another repository of ocean temperature data, the Hadley Climatic Research Unit in the United Kingdom, corrected their data for the switch from ships to buoys, but not for this second factor, which means that the Hadley data produce a slightly lower rate of warming than do the NOAA data or the new UC Berkeley study.

“In the last seven years or so, you have buoys warming faster than ships are, independently of the ship offset, which produces a significant cool bias in the Hadley record,” Hausfather said. The new study, he said, argues that the Hadley center should introduce another correction to its data.

“People don’t get much credit for doing studies that replicate or independently validate other people’s work. But, particularly when things become so political, we feel it is really important to show that, if you look at all these other records, it seems these researchers did a good job with their corrections,” Hausfather said.

Co-author Mark Richardson of NASA’s Jet Propulsion Laboratory and the California Institute of Technology in Pasadena added, “Satellites and automated floats are completely independent witnesses of recent ocean warming, and their testimony matches the NOAA results. It looks like the NOAA researchers were right all along.”

Other co-authors of the paper are David C. Clarke, an independent researcher from Montreal, Canada, Peter Jacobs of George Mason University in Fairfax, Virginia, and Robert Rohde of Berkeley Earth. The research was funded by Berkeley Earth.


Journal Reference:

  1. Zeke Hausfather, Kevin Cowtan, David C. Clarke, Peter Jacobs, Mark Richardson, Robert Rohde. Assessing recent warming using instrumentally homogeneous sea surface temperature recordsScience Advances, 2017; 3 (1): e1601207 DOI: 10.1126/sciadv.1601207

Um Brasil mais vulnerável no século XXI (Pesquisa Fapesp)

Projeções apontam aumento do risco de desastres naturais, como enchentes, deslizamentos de terra e secas extremas, nas próximas décadas 

MARCOS PIVETTA | ED. 249 | NOVEMBRO 2016

CAPA_Desastres_249_info 1Fora da rota dos grandes furacões, sem vulcões ativos e desprovido de zonas habitadas sujeitas a fortes terremotos, o Brasil não figura entre os países mais suscetíveis a desastres naturais. Ocupa apenas a 123ª posição em um índice mundial dos países mais vulneráveis a cataclismos. Mas a aparência de lugar seguro, protegido dos humores do clima e dos solavancos da geologia, deve ser relativizada. Aqui, cerca de 85% dos desastres são causados por três tipos de ocorrências: inundações bruscas, deslizamentos de terra e secas prolongadas. Esses fenômenos são relativamente recorrentes em zonas tropicais e seus efeitos podem ser atenuados, em grande medida, por políticas públicas de redução de danos. Nas últimas cinco décadas, mais de 10.225 brasileiros morreram em desastres naturais, a maioria em inundações e devido à queda de encostas. As estiagens duradouras, como as comumente observadas no Nordeste, são, no entanto, o tipo de ocorrência que provoca mais vítimas não fatais no país (ver Pesquisa FAPESP nº 241).

Dois estudos baseados em simulações climáticas feitos por pesquisadores brasileiros indicam que o risco de ocorrência desses três tipos de desastre, ligados ao excesso ou à falta de água, deverá aumentar, até o final do século, na maioria das áreas hoje já afetadas por esses fenômenos. Eles também sinalizam que novos pontos do território nacional, em geral adjacentes às zonas atualmente atingidas por essas ocorrências, deverão se transformar em áreas de risco significativo para esses mesmos problemas. “Os impactos tendem a ser maiores no futuro, com as mudanças climáticas, o crescimento das cidades e de sua população e a ocupação de mais áreas de risco”, comenta José A. Marengo, chefe da Divisão de Produtos Integrados de Pesquisa e Desenvolvimento do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden), órgão ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que coordenou as simulações climáticas. Parte dos resultados das projeções já foi divulgada em congressos e relatórios, como o documento federal enviado em abril deste ano à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), e serve de subsídio para direcionar as estratégias do recém-criado Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima. Mas dados mais detalhados das simulações vão sair em um artigo científico já aceito para publicação na revista Natural Hazards e em trabalhos destinados a outros periódicos.

Arredores da usina de Sobradinho, Bahia: estiagens devem atingir outras partes do país nas próximas décadas

Expansão das secas
De acordo com os estudos, as estiagens severas, hoje um problema de calamidade pública quase sempre associado a localidades do Nordeste, deverão se intensificar também no oeste e parte do leste da Amazônia, no Centro-Oeste, inclusive em torno de Brasília, em pontos dos estados do Sudeste e até no Sul. “Embora parte do Nordeste seja naturalmente mais árido, a seca não se deve apenas ao clima”, afirma o engenheiro civil Pedro Ivo Camarinha, pesquisador do Cemaden. “A vulnerabilidade da região se dá também por uma série de problemas de ordem socioeconômica, de uso do solo e devido à baixa capacidade de adaptação aos impactos das mudanças climáticas.” A carência de políticas públicas específicas para enfrentar os meses de estiagem, o baixo grau de escolaridade da população e a escassez de recursos são alguns dos fatores citados pelos autores como determinantes para aumentar a exposição de parcelas significativas do Nordeste a secas futuras.

A vulnerabilidade a inundações e enxurradas tende a se elevar em 30% nos três estados do Sul, na porção meridional do Mato Grosso e em boa parte da faixa litorânea do Nordeste, segundo um cenário projetado para 2100 pelas simulações climáticas. No estado de São Paulo, o mais populoso do país, a intensificação da ocorrência de enchentes-relâmpago, aquelas originadas após poucos minutos de chuvas torrenciais, deverá ser mais modesta, da ordem de 10%, mas ainda assim significativa. No Brasil Central, a vulnerabilidade a enchentes deverá cair, até porque as projeções indicam menos chuvas (e mais secas) em boa parte da região. “Os modelos divergem sobre o regime futuro de chuvas no oeste da Amazônia”, explica Marengo, cujos estudos se desenvolveram em parte no âmbito de um projeto temático da FAPESP. “Um deles aponta um aumento expressivo na frequência de inundações enquanto o outro sinaliza um cenário de estabilidade ou de leve aumento de enchentes.”

O padrão de deslizamento de terra, associado à ocorrência de chuvas intensas ou prolongadas por dias, deverá seguir, grosso modo, as mesmas tendências verificadas com as inundações, ainda que em um ritmo de crescimento mais moderado. O aumento na incidência de quedas de encostas deverá variar entre 3% e 15% nos lugares hoje já atingidos por esse tipo de fenômeno. O destaque negativo recai sobre a porção mais meridional do país. As áreas sujeitas a deslizamentos no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná deverão se expandir e abarcar boa parte desses estados até 2100. No Sudeste, a região serrana na divisa entre São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais deverá se tornar ainda mais vulnerável a esse tipo de desastre. “Precisamos implementar com urgência políticas públicas nas regiões mais vulneráveis a inundações e deslizamentos de terra”, afirma o geógrafo Nathan Debortoli, coautor dos estudos, que hoje faz estágio de pós-doutorado na Universidade McGill, do Canadá. “A maior exposição às mudanças climáticas pode tornar a sobrevivência inviável em algumas regiões do país.”

Enchente de 2014 em União da Vitória (SC): Sul deverá ser palco de mais inundações

Para gerar as projeções de risco futuro de desastres, foram usados dois modelos climáticos globais, o HadGEM2 ES, desenvolvido pelo Centro Hadley, da Inglaterra, e o Miroc5, criado pelo centro meteorológico japonês. Acoplado a eles, rodou ainda o modelo de escala regional Eta, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Trabalhando dessa forma, os autores conseguiram avaliar os padrões predominantes do clima futuro que estão associados à ocorrência de desastres naturais em áreas de, no mínimo, 400 quilômetros quadrados, um quadrado com os lados de 20 quilômetros de extensão.

Mais convergências que divergências
Os resultados fornecidos pelos dois modelos climáticos são semelhantes para cerca de 80% do território nacional. Isso dá robustez às projeções. O modelo inglês é usado há mais de 10 anos em simulações feitas por climatologistas brasileiros, que têm boa experiência acumulada com ele. O japonês começa agora a ser empregado com mais frequência. Há, no entanto, algumas discordâncias nas simulações de longo prazo geradas pelos dois modelos. A lista, por exemplo, dos 100 municípios mais vulneráveis a episódios de seca nas próximas três décadas fornecida pelas simulações do HadGEM2 ES é diferente da obtida com o Miroc5. As cidades de maior risco ficam, segundo o modelo japonês, em quatro estados do Nordeste: Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas. As fornecidas pelo modelo inglês se encontram, em sua maioria, em outros estados do Nordeste e também no Centro-Oeste e no norte de Minas Gerais. “Com exceção desses exemplos extremos, as projeções dos dois modelos coincidem em grande medida”, comenta Camarinha. No caso dos fenômenos hídricos, a discrepância mais significativa diz respeito ao regime de chuvas na Amazônia, em especial nos estados do oeste da região Norte (Acre, Amazonas e Rondônia). O HadGEM2 ES projeta mais chuvas — portanto, risco aumentado de inundações e deslizamentos — e o Miroc5, menos. “Prever as chuvas na Amazônia ainda é um desafio para os modelos”, afirma Marengo.

Para quantificar o risco futuro de ocorrer desastres naturais em uma área, é preciso ainda incluir nas simulações, além das informações climáticas, uma série de dados locais, como as condições econômicas, sociais e ambientais dos mais de 5.500 municípios brasileiros e de sua população. Ao final dos cálculos, cada área é classificada em um de cinco níveis de vulnerabilidade: muito baixa, baixa, média, alta e muito alta. “O modelo escolhido, a qualidade dos dados de cada cidade e o peso que se dá a cada variável influenciam no índice final obtido”, explica Camarinha.

CAPA_Desastres_249_info 2O peso do homem
Além da suscetibilidade natural a secas, enchentes, deslizamentos e outros desastres, a ação do homem tem um peso considerável em transformar o que poderia ser um problema de menor monta em uma catástrofe. Os pesquisadores estimam que um terço do impacto dos deslizamentos de terra e metade dos estragos de inundações poderiam ser evitados com alterações de práticas humanas ligadas à ocupação do solo e a melhorias nas condições socioeconômicas da população em áreas de risco.

Moradias precárias em lugares inadequados, perto de encostas ou em pontos de alagamento; infraestrutura ruim, como estradas ou vias que não permitem acesso fácil a zonas de grande vulnerabilidade; falta de uma defesa civil atuante; cidades superpopulosas e impermeabilizadas, que não escoam a água da chuva – todos esses fatores não naturais, da cultura humana, podem influenciar o desfecho final de uma situação de risco. “Até hábitos cotidianos, como não jogar lixo na rua, e o nível de solidariedade e coesão social de uma população podem ao menos mitigar os impactos de um desastre”, pondera a geógrafa Lucí Hidalgo Nunes, do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (IG-Unicamp). “Obviamente, há desastres naturais tão intensos, como os grandes terremotos no Japão, que nem mesmo uma população extremamente preparada consegue evitar. Mas a recuperação nos países mais estruturados é muito mais rápida.”

Em seus trabalhos, os pesquisadores adotaram um cenário global até o final do século relativamente pessimista, mas bastante plausível: o RCP 8.5, que consta do quinto relatório de avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Esse cenário é marcado por grandes elevações de temperatura e recrudescimento tanto de chuvas como de secas intensas. No caso do Brasil, as projeções indicam que o país deverá ficar ao menos 3 ºC mais quente até o fim do século e que as chuvas podem aumentar até 30% no Sul-Sudeste e diminuir até 40% no Norte-Nordeste. As mudanças climáticas devem tornar mais frequentes os chamados eventos extremos, que podem se manifestar de diferentes formas: secas prolongadas, picos de temperatura, tempestades mais intensas, chuvas prolongadas por vários dias, ressacas mais fortes. Essas ocorrências aumentam o risco de desastres. “Não é, por exemplo, só uma questão da quantidade de chuva que cai em um lugar”, explica Marengo. “Às vezes, a quantidade pode até não mudar, mas a distribuição da chuva ao longo do tempo se altera e essa mudança pode gerar mais desastres.” Numa cidade como São Paulo, chover 50 milímetros no decorrer de três ou quatro dias dificilmente causa danos. Mas, se a pluviosidade se concentrar em apenas uma tarde, provavelmente ocorrerão alagamentos.

CAPA_Desastres_249_info 3Para testar o grau de confiabilidade do índice de vulnerabilidade, os pesquisadores brasileiros compararam os resultados obtidos pelos modelos com os registros reais de desastres do passado recente (1960 a 1990), compilados pelo Atlas brasileiro de desastres naturais. Dessa forma, foi possível ter uma boa ideia se os modelos eram, de fato, úteis para prever as áreas onde ocorreram inundações, deslizamentos de terra e secas no Brasil durante as últimas décadas. Os dados do atlas também serviram de termo de comparação, como base presente para se quantificar o aumento ou a diminuição da vulnerabilidade futura de uma área a desastres. Para estiagem, as simulações do Miroc5 se mostraram geralmente mais confiáveis na maior parte do território nacional. No caso das enchentes e deslizamentos de terra, o HadGEM2 ES forneceu previsões mais precisas para áreas subtropicais e montanhosas, no Sul e Sudeste, e o Miroc5, para o resto do país. A Amazônia, como já destacado, foi o alvo de discórdia.

Um trabalho com metodologia semelhante à empregada pelos estudos de Marengo e de seus colaboradores, mas com enfoque apenas na situação atual, sem as projeções de aumento ou diminuição de risco futuro, foi publicado em abril no International Journal of Disaster Risk Reduction. Em parceria com pesquisadores alemães, o geógrafo Lutiane Queiroz de Almeida, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), calculou um conjunto de índices que apontaria o risco de ocorrer desastres naturais em cada município do país. Denominado Drib (Disaster risk indicators in Brazil), o indicador é uma adaptação do trabalho feito em escala mundial pela Universidade das Nações Unidas e instituições europeias (ver mapa e texto às páginas 22 e 23). Além de levar em conta dados sobre o risco de secas, enchentes e deslizamentos de terra, o Drib inclui em seu índice a exposição dos municípios costeiros ao aumento do nível do mar. Para esse tipo de problema, as cidades que se mostraram em maior perigo foram Vila Velha e Vitória, no Espírito Santo, Santos (SP) e Salvador (BA).

Almeida produziu índices de vulnerabilidade para os principais tipos de desastre em todo o território nacional e um número final, o Drib, que indicaria o risco geral de um lugar para a ocorrência de eventos extremos. Chamou a atenção a classificação de praticamente todo o território do Amazonas e do Acre e de metade do Pará como áreas de risco muito elevado, com populações socialmente vulneráveis e expostas a inundações. Entre os 20 municípios com pior desempenho no índice Drib, 12 são da região Norte. Os demais são do Nordeste (seis) e do Sudeste (dois). “Esses municípios têm pequenas populações, entre 3 mil e 25 mil habitantes, alta exposição a desastres e baixa capacidade adaptativa”, comenta o geógrafo da UFRN. “O estudo aponta que apenas 20% dos municípios brasileiros estão bem preparados para mitigar os impactos e reagir imediatamente a eventos extremos.” Em geral, essa é uma característica das regiões Sul e Sudeste.

Deslizamento em Nova Friburgo (RJ) em 2011: alta vulnerabilidade a desastres

Tragédias que se repetem
Muito antes das discussões atuais sobre as mudanças climáticas, os cataclismos naturais despertam interesse no homem. Os desastres são um capítulo trágico da história da humanidade desde tempos imemoriais. Alegado castigo divino, o mítico dilúvio global que teria acabado com a vida na Terra, com exceção das pessoas e animais que embarcaram na arca de Noé, é uma narrativa presente no Gênesis, primeiro livro do Antigo Testamento cristão e do Tanach, o conjunto de textos sagrados do judaísmo. Supostas inundações gigantescas e catastróficas, antes e depois da publicação do Gênesis, aparecem em relatos de várias culturas ao longo dos tempos, desde os antigos mesopotâmicos e gregos até os maias centro-americanos e os vikings. As antigas cidades romanas de Pompeia e Herculano foram soterradas pela lava do monte Vesúvio na famosa erupção de 79 d.C. e, estima-se, cerca de 2 mil pessoas morreram. Dezessete anos antes, essa região da Campania italiana já havia sido afetada por um terremoto de menor magnitude. “Costumamos dizer que, se um desastre já ocorreu em um lugar, ele vai se repetir, mais dia ou menos dia”, comenta Lucí.

Projeto
Assessment of impacts and vulnerability to climate change in Brazil and strategies for adaptation option (nº 2008/58161-1); Modalidade Auxílio à Pesquisa – Programa de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais – Temático (Acordo FAPESP/CNPq – Pronex); Pesquisador responsável José A. Marengo (Cemaden); Investimento R$ 812.135,64.

Artigos científicos
DEBORTOLI, N. S et al. An index of Brazil’s vulnerability to expected increases in natural flash flooding and landslide disasters in the context of climate change. Natural Hazards. No prelo.
ALMEIDA, L. Q. et alDisaster risk indicators in Brazil: A proposal based on the world risk index. International Journal of Disaster Risk Reduction. 17 abr. 2016.

Com 516 milímetros de chuva em 5 anos, Ceará tem pior seca desde 1910 (G1)

09/09/2016 09h20 – Atualizado em 09/09/2016 11h57

Previsão para 2017 ainda é indefinida devido ao “Oceano Pacífico Neutro”.
Águas do Açude Orós estão sendo transferidas para o Castanhão.

Do G1 CE com informações da TV Verdes Mares

VER VIDEO

Levantamento feito pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) nesta quinta-feira (8) mostra que nos últimos cinco anos, de 2012 a 2016, foram apenas 516 milímetros de chuva, em média, no Ceará. O índice é o menor desde 1910.

De acordo com o meteorologista Davi Ferran, vai ser preciso conviver com a incerteza pelos próximos meses, já que ainda é cedo pra afirmar se 2017 vai trazer chuva ou não.

Ano Chuva (mm)
2012 388
2013 552
2014 565
2015 524
2016 550
Média 516
Fonte: Funceme

“No período chuvoso do ano que vem, ou seja, março, abril e maio, que é o período chuvoso principal, a maior probabilidade é que o Oceano Pacífico não tenha El Niño nem La Niña. Vamos ter o Oceano Pacífico neutro. Em anos de Oceano Pacífico neutro, a probabilidade de chuvas no Ceará depende mais fortemente do Atlântico. Então a previsão vai ser divulgada somente em janeiro”, explica.

Enquanto isso, segundo a Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh), os reservatórios secam cada vez mais. No momento, o nível médio dos 153 açudes monitorados pela Cogerh é de apenas 9,4% do volume total.O “Gigante” Castanhão, responsável por abastecer toda a Região Metropolitana de Fortaleza, está praticamente sem água. Há apenas sete anos, ele chegou a inundar a cidade de Jaguaribara com a enorme vazão das comportas.

Hoje, a Cogerh diz que o maior açude do Ceará está com apenas 6% da capacidade. Bem perto dele, o Açude Orós, também na Região Jaguaribana, sangrou em 2004 e 2008. Na época, virou até atração turística no Centro Sul do Estado.

Agora em 2016, o Orós aparece nesse cenário de seca em forma de ajuda. Desde julho, as águas do açude estão sendo transferidas para o Castanhão. Segundo a Cogerh, essa água deve chegar às residências da Região Metropolitana de Fortaleza em setembro, e garantir o abastecimento pelo menos durante esse período  de crise hídrica.

“Nossa programação é até o final de janeiro. Ou seja, até janeiro vamos estar operando de forma integrada os dois reservatórios. O caso da Região Metropolitana, ela está totalmente integrada à Região do Jaguaribe por dois grandes canais: o do Trabalhador e Eixão das Águas. Então é o caso de uma bacia hoje tem uma maior dependência de outra região, de outra bacia hidrográfica, mas elas estão integradas. Esse é o caso que eu diria mais emblemática no Estado”, explica o presidente da Cogerh, João Lúcio Farias.

saiba mais

Tsunami meteorológico? Entenda fenômeno que assustou Santa Catarina (UOL Notícias)

Fernando Cymbaluk*
Do UOL, em São Paulo 19/10/2016, 12h44 

VIDEO: http://tv.uol/15G3x

 

Uma onda que atingiu duas praias no sul de Santa Catarina arrastou carros e assustou os banhistas em um dia de calor e fortes ventos. O fenômeno foi provocado por uma grande tempestade no mar que impulsionou a onda “gigante”. O evento, que é raro e perigoso, tem nome: tsunami meteorológico.

Sim, podemos dizer que ocorrem tsunamis no Brasil. Comuns no leste e sudeste da Ásia, tsunamis são ondas que avançam na costa provocando danos (em japonês, “tsu” quer dizer porto, e “nami” significa onda).

Os tsunamis que já devastaram grandes áreas de países como o Japão são provocados por abalos sísmicos em um ponto do oceano. Eles são muito mais drásticos do que o caso brasileiro, com ondas bem maiores, que alcançam diversas praias após irradiarem do epicentro do tremor.

Já o tsunami meteorológico, como o nome diz, é provocado por eventos meteorológicos (da atmosfera) e ocorre mais localmente. É mais propício na primavera e no verão, época de tempestades.

Apesar de raro, há registros de sua ocorrência em locais como Cabo Frio (RJ) e Florianópolis (SC). Uma onda mais forte atingindo a praia é algo perigoso para banhistas e pessoas que morem nas costas. Além disso, tempestades no mar também trazem riscos devido aos ventos, raios e trovões.

Carros arrastados por onda em Balneário Rincão (SC). Ao fundo, nuvem de tempestade que provoca tsunami meteorógico

Como se forma

Um tsunami meteorológico ocorre quando um conjunto de cúmulo-nimbo, a nuvem que provoca as tempestades, se propaga em paralelo sobre o oceano. Nesse cenário, uma grande onda pode se formar caso as ondas do mar também estejam alinhadas a essas nuvens.

“Ocorre uma ressonância entre a onda de pressão [nuvem] e a onda do mar, que se aproxima da costa, cresce em amplitude e pode inundar a região costeira”, explica Renato Ramos da Silva, professor de física da atmosfera da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Em uma tempestade, o ar sobe, formando uma zona de baixa pressão atmosférica. Tal mudança nas condições atmosféricas ocorre de forma brusca. Essa formação é chamada de linha de instabilidade. Seu rápido deslocamento acoplado às ondas do mar faz com que a onda ganhe tamanho.

O nome tsunami meteorológico, contudo, não é consenso entre os meteorologistas. Para José Carlos Figueiredo, meteorologista da Unesp, a grande onda que se verificou em SC é comum no Nordeste, sem contudo ser chamada de tsunami.

“Em algumas praias, há ondas que invadem a areia. O avanço pode ser provocado por tempestades naturais no mar”, diz Figueiredo. Ele lembra ainda que ciclones que ocorrem no Sul do Brasil provocam ressacas em praias de SP e RJ. Nesses episódios, fortes ondas também invadem a costa.

Para o meteorologista, outro fenômeno, conhecido como “downburst”, pode explicar para a grande onda que atingiu as praias catarinenses. Nesse tipo de evento, a chuva, “em vez de precipitar normal e pausadamente, precipita tudo de uma vez”, explica. A grande chuva poderia, assim, ter levado a formação de uma onda maior.

Difícil de prever

Tsunamis meteorológicos não são nada fáceis de serem previstos. Isso porque sua ocorrência é muito localizada, dependendo da formação de tempestades em um ponto do oceano e das condições do mar um lugar específico.

Segundo Silva, para prever o fenômeno a tempo de avisar a população seria necessária “uma boa previsão meteorológica junto de um modelo oceânico de previsão de ondas”.

* Com colaboração de Gabriel Francisco Ribeiro

Relembre tornado que atingiu SC

27.abr.2015 – A presidente Dilma Rousseff sobrevoa o município de Xanxerê, em Santa Catarina, e observa os estragos provocados pelo tornado que devastou a cidade do interior catarinense (situada a 551 km de Florianópolis), na última segunda-feira (20). De acordo com o último balanço da Defesa Civil, 4.275 pessoas estão desalojadas e há 539 desabrigadas em Xanxerê, por conta dos ventos que ultrapassaram a velocidade de 250 km/h  VEJA MAIS > Imagem: Roberto Stuckert Filho/PR

Global climate models do not easily downscale for regional predictions (Science Daily)

Date:
August 24, 2016
Source:
Penn State
Summary:
One size does not always fit all, especially when it comes to global climate models, according to climate researchers who caution users of climate model projections to take into account the increased uncertainties in assessing local climate scenarios.

One size does not always fit all, especially when it comes to global climate models, according to Penn State climate researchers.

“The impacts of climate change rightfully concern policy makers and stakeholders who need to make decisions about how to cope with a changing climate,” said Fuqing Zhang, professor of meteorology and director, Center for Advanced Data Assimilation and Predictability Techniques, Penn State. “They often rely upon climate model projections at regional and local scales in their decision making.”

Zhang and Michael Mann, Distinguished professor of atmospheric science and director, Earth System Science Center, were concerned that the direct use of climate model output at local or even regional scales could produce inaccurate information. They focused on two key climate variables, temperature and precipitation.

They found that projections of temperature changes with global climate models became increasingly uncertain at scales below roughly 600 horizontal miles, a distance equivalent to the combined widths of Pennsylvania, Ohio and Indiana. While climate models might provide useful information about the overall warming expected for, say, the Midwest, predicting the difference between the warming of Indianapolis and Pittsburgh might prove futile.

Regional changes in precipitation were even more challenging to predict, with estimates becoming highly uncertain at scales below roughly 1200 miles, equivalent to the combined width of all the states from the Atlantic Ocean through New Jersey across Nebraska. The difference between changing rainfall totals in Philadelphia and Omaha due to global warming, for example, would be difficult to assess. The researchers report the results of their study in the August issue of Advances in Atmospheric Sciences.

“Policy makers and stakeholders use information from these models to inform their decisions,” said Mann. “It is crucial they understand the limitation in the information the model projections can provide at local scales.”

Climate models provide useful predictions of the overall warming of the globe and the largest-scale shifts in patterns of rainfall and drought, but are considerably more hard pressed to predict, for example, whether New York City will become wetter or drier, or to deal with the effects of mountain ranges like the Rocky Mountains on regional weather patterns.

“Climate models can meaningfully project the overall global increase in warmth, rises in sea level and very large-scale changes in rainfall patterns,” said Zhang. “But they are uncertain about the potential significant ramifications on society in any specific location.”

The researchers believe that further research may lead to a reduction in the uncertainties. They caution users of climate model projections to take into account the increased uncertainties in assessing local climate scenarios.

“Uncertainty is hardly a reason for inaction,” said Mann. “Moreover, uncertainty can cut both ways, and we must be cognizant of the possibility that impacts in many regions could be considerably greater and more costly than climate model projections suggest.”

Cobrada pelo mau tempo, Fundação Cacique Cobra Coral diz que não falhou (O Globo)

Representantes da organização garantem que não houve falhas em sua operação

Apesar da operação da Fundação Cacique Cobra Coral os jogos do Rio tem registrado mau tempo, com provas tendo que ser adiadas Foto: Jorge William / Agência O Globo

Apesar da operação da Fundação Cacique Cobra Coral os jogos do Rio tem registrado mau tempo, com provas tendo que ser adiadas – Jorge William / Agência O Globo

POR LUIZ ERNESTO MAGALHAES

10/08/2016 15:53 / atualizado 10/08/2016 16:17

RIO – Regatas na Lagoa adiadas, sessões de tênis remarcadas, transtornos provocados por ressacas que invadem instalações na Praia de Copacabana… Credenciados pelo Comitê Organizador Rio-2016 para acompanhar as condições climáticas durante a Olimpíada, os integrantes da Fundação Cacique Cobra Coral, que garantem ter poder sobrenatural para controlar o tempo, afirmam que não houve falhas na operação espiritual para garantir o sucesso da Olimpíada.

A médium Adelaide Scritori, que afirma incorporar o espírito do Cacique Cobra Coral, já circulou várias vezes pelo Parque Olímpico. O porta-voz da fundação, Osmar Santos, garante que o desempenho até agora da entidade é digno de medalha de ouro. Segundo ele, as prioridades foram direcionar o tempo para garantir a cerimônia de abertura sem chuvas e que os ventos soprassem de forma a a garantir que as regatas da Baía de Guanabara ocorressem em raias sem lixo:

Segundo Osmar, no domingo, quando uma forte ventania atingiu a cidade causando estragos e adiando provas do remo, Adelaide sequer estava no Rio. A médium, segundo ele, estaria na Região Serrana, encerrando a operação da Cerimônia de Abertura. O porta voz da médium argumenta que as demandas espirtuais da entidade são inúmeras e não se limitam a Olimpíada

– O grande legado nosso da cerimônia de abertura foi o desvio da Frente Fria que estava no Rio e foi desviada para Minas erais onde despejou 30 milímetros de chuva em pleno agosto no Vale do Jequitinonha. Isso para o cacique é muito mais importante. Agora vamos abrir um corredor para as frentes entrarem pelo continente e apagarem as queimadas no Pantanal – disse Osmar.

De acordo com Osmar, o mau tempo de hoje está relacionado com o atraso na entrada da frente fria na cidade para garantir a limpeza da Baía

Essa não é a primeira vez que a Fundação atua numa Olimpíada. Repórteres do GLOBO encontraram integrantes da Fundação em Londres, em 2012, credenciados inclusive para uma visita da presidente afastada Dilma Roousseff durante um evento oficial do Comitê Olímpico do Brasil. Adelaide também estava em Copenhague (Dinamarca) em 2009 quando o Rio foi eleito cidade sede da Olimpíada de 2016.

A Fundação também, é chamada para outros eventos como o Réveillon e o Rock in Rio. Nas últimas edições das Olimpíadas, no entanto, chegou a chover forte alguns dias. A Fundação Cacique Cobra Coral nas duas ocasiões alegou que ficou retida antes de chegar à Cidade do Rock por problemas no credenciamento do carro que transportava os integrantes.

Leia mais sobre esse assunto em  http://oglobo.globo.com/rio/cobrada-pelo-mau-tempo-fundacao-cacique-cobra-coral-diz-que-nao-falhou-19894579#ixzz4H3PcWa6C
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Cemaden completa cinco anos com o monitoramento de 957 municípios do País (MCTI)

JC, 5449, 1 de julho de 2016

Mais de R$ 72 milhões já foram investidos em radares meteorológicos de alta resolução para monitoramento de áreas de risco. Além disso, o Cemaden desenvolve tecnologia para previsão de quebra de safra no semiárido

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) completa cinco anos com o monitoramento de áreas de risco em 957 municípios do País. Um trabalho feito 24 horas por dia, sem interrupção. As informações fornecidas por radares meteorológicos de alta tecnologia já permitiram a emissão de 5,5 mil alertas para a Defesa Civil. Segundo o diretor do Cemaden, Osvaldo Moraes, 12 novos equipamentos serão adquiridos, o que vai aumentar a confiabilidade dos alertas.

“Os radares serão instalados nas áreas que atualmente não estão cobertas, o que fará com que o Brasil possua um dos mais avançados sistemas de monitoramento de risco de ocorrência de desastres naturais do mundo”, afirma Moraes.

Vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o Cemaden investiu R$ 72 milhões em nove radares meteorológicos, equipamentos no estado da arte para aplicações voltadas ao monitoramento de desastres naturais instalados em Petrolina (PE), Natal (RN), Maceió (AL), Salvador (BA), Almenara (MG), Três Marias (MG), São Francisco (MG), Santa Teresa (ES) e Jaraguari (MS). Com eles, o Cemaden consegue mensurar a quantidade de chuvas, fazer uma previsão de tempo de curtíssimo prazo e antecipar a emissão de alertas para municípios com risco de desastres naturais. Os dados estão disponíveis em tempo real para acesso público.

“Esses radares possuem a capacidade de identificar e localizar as nuvens presentes dentro da área de cobertura do equipamento, além de medir a quantidade de chuva em um determinado local. O uso permite que os operadores do Cemaden identifiquem os locais onde as condições meteorológicas aumentam o risco de desastres naturais. Com isso, podemos emitir alertas antecipados sobre o risco de deslizamentos de terra e enchentes, por exemplo, preservando as vidas das pessoas expostas ao risco”, explica o coordenador do projeto Radares Meteorológicos do Cemaden, Carlos Frederico de Angelis.

Ele ressalta que a unidade implantada em Maceió, por exemplo, possui tecnologia e sensibilidade para levantar dados elaborados sobre chuvas num raio de 400 quilômetros de distância. Segundo Angelis, o equipamento é capaz de antecipar os riscos de desastres provocados por fenômenos meteorológicos com até seis horas de antecedência.

“Um desastre natural afeta não só a vida das pessoas que estão em áreas de risco como também a infraestrutura e a economia, como o agronegócio, por exemplo. Os impactos são ainda maiores para os pequenos produtores”, diz Angelis.

Ciência Cidadã

A quebra de safras agrícolas também está no radar do Cemaden, que vai lançar, no segundo semestre, o Sistema de Previsão de Riscos de Colapso de Safras no Semiárido Brasileiro com previsões de risco de colapso de safras geradas a partir de estimativas de modelos agrometeorológicos; dados públicos de safras típicas (milho, mandioca, feijão, arroz e sorgo) por região; e previsão do tempo para um período de 15 a 45 dias.

“A implantação deste projeto contempla o uso de modelos agrometeorológicos integrados a uma rede de monitoramento de dados (meteorológicos, fenológicos, práticas de manejo e informações do solo), contribuindo para a geração de indicadores para o monitoramento da seca, previsão e manejo dos riscos de colapso de safras e aprimoramento dos sistemas de alerta”, explica o diretor do Cemaden.

Além disso, o sistema vai contar com as informações enviadas pelos próprios produtores por meio de aplicativo desenvolvido em parceria com o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT) do MCTIC e o International Institute for Applied Systems Analysis (Iiasa), da Áustria.

Disponibilizado para aparelhos celulares desde o início do ano, o AgriSupport permite o registro fotográfico georreferenciado de áreas plantadas e a coleta de informações sobre plantios realizados pelos pequenos produtores do semiárido.

No futuro, o monitoramento das safras será estendido para outros cultivos em outras regiões do País.

 MCTIC

As nuvens marcam as fronteiras dos ecossistemas (El País)

Padrões de nebulosidade desenham o mapa das paisagens bioclimáticas e a distribuição das espécies

MIGUEL ÁNGEL CRIADO

Clique na imagem para ver vídeo.

 

O geógrafo Adam Wilson e o ecologista Walter Jetz observaram as nuvens para saber a vida que existe sob elas. Os dois cientistas usaram imagens de satélites tiradas duas vezes ao dia durante os últimos 15 anos para criar um atlas das nuvens e relacionaram esse mapa com a biodiversidade do planeta, desenhando desde os limites dos grandes biomas (paisagens bioclimáticas) até a distribuição geográfica das diferentes espécies.

Suspensas lá em cima, as nuvens são um elemento fundamental da climatologia. Sua presença anuncia umidade, chuvas, água para as plantas, bosques e florestas, explosão de vida… Por outro lado, sua ausência caracteriza paisagens mais secas e desoladas, seja nos desertos ou no interior da Antártida. Foi essa conexão entre clima e biodiversidade que levou Wilson, professor da Universidade de Buffalo, e Jetz, pesquisador de Yale (ambas nos EUA), a buscar uma forma de detectar os padrões e dinâmica globais das nuvens mais eficiente do que os sistemas atuais.

Encontraram a solução nas fotografias da Terra tiradas há anos pela NASA. Concretamente, eles usaram os dados acumulados pela missão MODIS, siglas do espectroradiômetro de imagens de resolução média, um instrumento científico que vai a bordo de dois satélites chamados Terra e Aqua. O primeiro foi colocado em órbita em 1999, o segundo, quatro anos depois. Os dois circundam o planeta em uma órbita de polo a polo tirando fotografias sincronizadas para que Terra sobrevoe o equador de manhã e Aqua o faça pela tarde em sentido oposto. A cada dois dias fotografam todo o planeta em alta resolução.

As regiões equatoriais são as de maior concentração anual de nuvens e menor variação mensal

Com esse alcance global e uma resolução de até menos de um quilômetro, os dois pesquisadores criaram seu atlas das nuvens. Em sua versão online é possível observar a frequência anual de nebulosidade, entendida como a porcentagem de dias com mais nuvens do que claros, em cada latitude. Também se observa a variação mensal, por estação e anual.

Em um primeiro olhar (ver fotografia), é possível observar uma correlação entre a latitude e padrões de nebulosidade. Dessa forma, a América equatorial, a bacia do rio Congo na África e o sudeste da Ásia são as regiões com mais nuvens do planeta, até 80% dos dias são nublados. Mesmo que as espécies que habitam esses grandes biomas possam ser diferentes, são ecossistemas que possuem diversas características em comum.

O mapa permite observar também a variação inter-anual. Enquanto as selvas equatoriais apresentam poucas variações que nunca superam 5% de um mês ao outro, os biomas monçônicos da Índia e o sahel africano são os que sofrem maiores diferenças entre os meses nublados e os claros, o que corresponde à temporada de chuvas e a temporada seca.

“Quando visualizamos os dados, destacou-se a claridade com a qual pudemos ver os muitos e diferentes biomas da Terra tendo por base a frequência e o momento dos dias nublados dos últimos 15 anos”, diz Wilson. “Quando passamos de um ecossistema a outro, essas transições mostram-se muito claramente e o melhor é que esses dados permitem observar diretamente esses padrões com uma resolução de um quilômetro”, acrescenta.

O mapa mostra a distribuição das nuvens desde 1999. Em negro as áreas com maior nebulosidade anual. As diferentes cores e sua intensidade mostram as variações mensais.

O mapa mostra a distribuição das nuvens desde 1999. Em negro as áreas com maior nebulosidade anual. As diferentes cores e sua intensidade mostram as variações mensais. Adam Wilson

Essa resolução é uma das maiores contribuições da pesquisa. Pode ser óbvio que a bacia do Congo tenha muitos dias com nuvens, mas com as imagens de satélites é possível observar as diferenças locais, entre a margem norte e sul de um rio e as encostas leste e oeste de uma montanha, por exemplo. Era possível conseguir esse grau de detalhamento nas áreas mais desenvolvidas do planeta, mas não nas menos, que são exatamente as que possuem maior riqueza biológica.

Até agora, os estudos sobre biodiversidade eram baseados na observação direta dos pesquisadores (e, portanto, muito parcial) e as extrapolações de outros sistemas de coleta de dados. Um dos maiores são as estações meteorológicas que, com seus dados de umidade, vento, precipitações, desenham a paisagem climática nas quais vivem as diferentes espécies. Mas a rede de estações também não é suficientemente compacta, de modo que os cientistas precisam interpolar a partir de dados às vezes muito locais e dispersos.

O atlas das nuvens indicou a distribuição geográfica da protea real (sua flor na imagem), um arbusto da faixa de clima mediterrâneo da África do Sul.

O atlas das nuvens indicou a distribuição geográfica da protea real (sua flor na imagem), um arbusto da faixa de clima mediterrâneo da África do Sul. Adam Wilson

“Compreender os padrões espaciais da biodiversidade é fundamental se queremos tomar decisões balizadas sobre como proteger as espécies e gerir a biodiversidade e seus muitos serviços para o futuro”, diz Jetz. Mas acrescenta: “para as regiões que possuem mais diversidade biológica, existe uma escassez real de dados dos locais”.

Esse estudo original, publicado na PLoS Biology, mostra também a íntima e frágil relação entre as nuvens e os chamados bosques nublados. É que essas selvas com a presença constante ou pelo menos regular de nuvens baixas como nevoeiro também não escapam à detecção dos satélites. Essas regiões são ricas em endemismos, de modo que a alteração dos padrões de nebulosidade pela ação humana e a mudança climática pode ter consequências catastróficas.

Os pesquisadores, que não pretendem substituir os modelos existentes, mas acrescentar mais uma camada de conhecimento, quiseram comprovar a validade de seu atlas das nuvens para indicar não só os limites de um determinado ecossistema, mas a distribuição geográfica de duas espécies. Uma é o pequeno trepatroncos montano, um pássaro das selvas montanhosas do norte da América do Sul. A outra é a protea real, um arbusto da região de clima mediterrâneo da África do Sul. Nos dois casos, o que viram nas nuvens foi mais preciso do que os dados oferecidos pelos modelos baseados em registros de precipitações e temperatura.

Mais respeito pela Funceme (O Povo)

ARTIGO 29/02/2016

Fátima Sudário

Na semana que passou, a Funceme atualizou a previsão para a estação de chuva, que se estende até maio na região em que o Ceará está inserido. Reafirmou, em dia de chuva intensa na Capital, probabilidade de chuva em torno de 70% abaixo da média.

Isso é seca braba. É caso de se cobrar atitude do poder público e se compromissar com mobilização social para um cenário desfavorável.
Pela primeira vez, o volume do Castanhão, principal fornecedor da água na Região Metropolitana de Fortaleza, caiu a menos de 10%.

Mas a reação, de um modo geral, se restringe ao ceticismo em relação às previsões da Funceme. Não faltam comentários pejorativos, piadas e ironias, uma espécie de cultura instaurada sempre que se trata da instituição que, além da meteorologia, se dedica a meio ambiente e recursos hídricos.

Penso que há de se atribuir essa postura a imprecisões de previsão, como de fato acontecem, ao uso político de informações como aconteceu no passado ou mesmo à ignorância. Mas me incomoda. A meteorologia lida com parâmetros globais complexos, como temperatura do ar e dos oceanos, velocidade e direção dos ventos, umidade, pressão atmosférica, fenômenos como El Niño… Já avançou consideravelmente na confiabilidade das previsões feitas por meteorologistas, com o uso de dados de satélites, balões atmosféricos e um tanto mais de aparato tecnológico que alimentam modelos matemáticos complicados para desenhar probabilidades, mas não exatidões.

Erra-se, aqui como no resto mundo. Mas geram-se informações de profundo impacto social, econômico, científico e cultural, essenciais a tomadas de decisões, de natureza pública e privada. Algo que nenhum gestor ou comunidade pode dispensar, especialmente em uma região como a nossa, vulnerável às variações climáticas e dependente da chuva. Carecemos de uma troca de mentalidade em relação ao trabalho da Funceme. Falo de respeito mesmo pelo que nos é caro e fundamentalmente necessário.

A propósito, é difícil, mas torço para que a natureza contrarie o prognóstico e caia chuva capaz de garantir um mínimo de segurança hídrica, produtividade e dignidade a um Ceará que muito depende das informações sobre o clima, geradas pela Funceme.

Fátima Sudário

Jornalista do O POVO

Meteorologista da Funceme. “A gente fica feliz com essas chuvas” (O Povo)

AGUANAMBI 282

DOM 24/01/2016

De acordo com o meteorologista da Funceme Raul Fritz, vórtice ciclônico, característico da pré-estação chuvosa, pode render chuvas intensas em janeiro, como ocorreu no ano de 2004

Luana Severo, luanasevero@opovo.com.br

FOTOS IANA SOARES

Segundo Fritz, a ciência climática não chegou a um nível tão preciso para ter uma previsão confiável 

Cotidiano

“Nós não queremos ser Deus, apenas tentamos antecipar o que pode acontecer”. Nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, Raul Fritz, de 53 anos, é supervisor da unidade de Tempo e Clima da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Ele, que afirmou não querer tomar o lugar de Deus nas decisões sobre o clima, começou a trabalhar para a Funceme em 1988, ainda como estagiário, pouco após uma estiagem que se prolongou por cinco anos no Estado, entre 1979 e 1983.

Os anos de prática e a especialização em meteorologia por satélite conferem a Fritz a credibilidade necessária para, por meio de mapas, equações numéricas e o comportamento da natureza, estimar se chove ou não no semiárido cearense. Ele compôs, portanto, a equipe de meteorologistas da Fundação que, na última quarta-feira, 20, previu 65% de chances de chuvas abaixo da média entre os meses de fevereiro e abril deste ano prognóstico que, se concretizado, fará o Ceará completar cinco anos de seca.

Em entrevista ao O POVO, ele detalha o parecer, define o sistema climático cearense e comenta sobre a conflituosa relação entre a Funceme e a população, que sustenta o hábito de desconfiar de todas as previsões do órgão, principalmente porque, um dia após a divulgação do prognóstico, o Estado foi tomado de susto por uma intensa chuvarada.

O POVO – Mesmo com o prognóstico desanimador de 65% de chances de chuvas abaixo da média entre os meses de fevereiro e abril, o cearense tem renovado a fé num “bom inverno” devido às recentes precipitações influenciadas pelo Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN). Há a possibilidade de esse fenômeno perdurar?

Raul Fritz – Sim. Esse sistema que está atuando agora apresenta maior intensidade em janeiro. Ele pode perdurar até meados de fevereiro, principalmente pelas circunstâncias meteorológicas atmosféricas que a gente vê no momento.

OP – Por que o VCAN não tem relação com a quadra chuvosa?

Raul – A quadra chuvosa é caracterizada pela atuação de um sistema muito importante para o Norte e o Nordeste, que é a Zona de Convergência Intertropical (ZCI). É o sistema que traz chuvas de forma mais regular para o Estado. O vórtice é muito irregular. Tem anos em que ele traz boas chuvas, tem anos em que praticamente não traz.

OP – O senhor consegue lembrar outra época em que o VCAN teve uma atuação importante em relação às chuvas?

Raul – Em 2004, houve muita chuva no período de janeiro. Em fevereiro também tivemos boas chuvas, mas, principalmente, em janeiro, ao ponto de encher o reservatório do Castanhão, que tinha sido recém-construído. Mas, os meses seguintes a esses dois não foram bons meses de chuva, então é possível a gente ter esse período de agora bastante chuvoso, seguido de chuvas mais escassas.

OP – O que impulsiona o quadro de estiagem
no Ceará?

Raul – Geograficamente, existem fatores naturais que originam um estado climático de semiaridez. É uma região que tem uma irregularidade muito grande na distribuição das chuvas, tanto ao longo do território como no tempo. Chuvas, às vezes, acontecem bem num período do ano e ruim no seguinte, e se concentram no primeiro semestre, principalmente entre fevereiro e maio, que a gente chama de ‘quadra chuvosa’. Aí tem a pré-estação que, em alguns anos, se mostra boa. Aparenta ser o caso deste ano.

OP – A última seca prolongada no Ceará, que durou cinco anos, ocorreu de 1979 a 1983. Estamos, atualmente, seguindo para o mesmo quadro. O que é capaz de interromper esse ciclo?

Raul – O ciclo geralmente não ultrapassa ou tende a não ultrapassar esse período. A própria variabilidade climática natural interrompe. Poucos casos chegam a ser tão extensos. É mais frequente de dois a três anos. Mas, às vezes, podem se estender a esses dois exemplos, de cinco anos seguidos de chuvas abaixo da média. Podemos ter, também, alguma influência do aquecimento global, que, possivelmente, perturba as condições naturais. Fenômenos como El Niños intensos contribuem. Quando eles chegam e se instalam no Oceano Pacífico, tendem a ampliar esse quadro grave de seca, como é o caso de agora. Esse El Niño que está atuando no momento é equivalente ao de 1997 e 1998, que provocou uma grande seca.

OP – É uma tendência esse panorama de grandes secas intercaladas?

Raul – Sim, e é mais frequente a gente ter anos com chuvas entre normal e abaixo da média, do que anos acima da média.

OP – A sabedoria popular, na voz dos profetas da chuva, aposta em precipitações regulares este ano. Em que ponto ela converge com o conhecimento científico?

Raul – O profeta da chuva percebe, pela análise da natureza, que os seres vivos estão reagindo às condições de tempo e, a partir disso, elabora uma previsão de longo prazo, que é climática. Mas, essa previsão climática pode não corresponder exatamente a um prolongamento daquela variação que ocorreu naquele momento em que ele fez a avaliação. Se acontecer, ele acha que acertou a previsão de clima. Se não, ele considera que errou. Mas, pode coincidir que essa variação a curto prazo se repita e se transforme em longo prazo. Aí é o ponto em que converge. A Funceme tenta antecipar o que pode acontecer num prazo maior, envolvendo três meses a frente. É um exercício muito difícil.

OP – Geralmente, há uma descrença da população em torno das previsões da Funceme. Como desmistificar isso?

Raul – A previsão oferece probabilidades e qualquer uma delas pode acontecer, mas, a gente indica a mais provável. São três que nós lançamos. Acontece que a população não consegue entender essa informação, que é padrão internacional de divulgação. Acha que é uma coisa determinística. Que, se a Funceme previu como maior probabilidade termos chuvas abaixo da média em certo período, acha que já previu seca. Mas, a mais provável é essa mesmo, até para alertar às pessoas com atividades que dependem das chuvas e ao próprio Governo a tomarem precauções, se prevenirem e não só reagirem a uma seca já instalada.

OP – A Funceme, então, também se surpreende com as ocorrências de menor probabilidade, como o VCAN?

Raul – Sim, porque esses vórtices são de difícil previsibilidade. A ciência não conseguiu chegar num nível de precisão grande para ter uma previsão confiável para esse período (de pré-estação chuvosa). De qualquer forma, nos é exigido dar alguma ideia do que possa acontecer. É um risco muito grande que a Funceme assume. A gente sofre críticas por isso. Por exemplo, a gente lançou a previsão de chuvas abaixo da média, aí no outro dia vem uma chuva muito intensa. As pessoas não compreendem, acham que essas chuvas do momento vão se prolongar até o restante da temporada. Apesar da crítica da população, que chega até a pedir para fechar o órgão, a gente fica feliz com a chegada
dessas chuvas.

Frase

“A gente lançou a previsão de chuvas abaixo da média, aí no outro dia vem uma chuva muito intensa. As pessoas não compreendem, acham que essas chuvas do momento vão se prolongar até o restante da temporada”

Raul Fritz, meteorologista da Funceme

VIDEO

Raul Fritz, o cientista da chuva

IANA SOARES/O POVO

Nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, Raul Fritz, de 53 anos, é supervisor da unidade de Tempo e Clima da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Ele começou a trabalhar para a Funceme em 1988, ainda como estagiário, pouco após uma estiagem que se prolongou por cinco anos no Estado, entre 1979 e 1983.

Dudas sobre El Niño retrasan preparación ante desastres (SciDev Net)

Dudas sobre El Niño retrasan preparación ante desastres

Crédito de la imagen: Patrick Brown/Panos

27/10/15

Martín De Ambrosio

De un vistazo

  • Efectos del fenómeno aún son confusos a lo largo del continente
  • No hay certeza, pero cruzarse de brazos no es opción, según Organización Panamericana de la Salud
  • Hay consenso científico del 95 por ciento sobre posibilidades de un El Niño fuerte

Los desacuerdos que existen entre los científicos sobre la posibilidad de que Centro y Sudamérica sufran o no un fuerte evento El Niño están generando cierto retraso en las preparaciones, según advierten las principales organizaciones que trabajan en el clima de la región.

Algunos investigadores sudamericanos aún tienen dudas sobre la forma cómo se desarrolla el evento este año. Esta incertidumbre impacta en los funcionarios y los estados, que deberían actuar cuanto antes para prevenir los peores escenarios, incluyendo muertes debido a desastres naturales, reclaman las organizaciones meteorológicas.

Eduardo Zambrano, investigador del Centro de Investigación Internacional sobre el Fenómeno de El Niño (CIIFEN) en Ecuador, y uno de los centros regionales de la Organización Meteorológica Mundial, dice que el problema es que los efectos del fenómeno todavía no han sido claros y evidentes en todo el continente.

“Algunas imágenes de satélite nos muestran un Océano Pacífico muy caliente, una de las características de El Niño”.

Willian Alva León, presidente de la Sociedad Meteorológica del Perú

“De todos modos podemos hablar sobre las extremas sequías en el noreste de Brasil, Venezuela y la zona del Caribe”, dice, y menciona además las inusualmente fuertes lluvias en el desierto de Atacama en Chile desde marzo y las inundaciones en zonas de Argentina, Uruguay y Paraguay.

El Niño alcanza su pico cuando una masa de aguas cálidas para los habituales parámetros del este del Océano Pacífico, se mueve de norte a sur y toca costas peruanas y ecuatorianas. Este movimiento causa efectos en cascada y estragos en todo el sistema de América Central y del Sur, convirtiendo las áridas regiones altas en lluviosas, al tiempo que se presentan sequías en las tierras bajas y tormentas sobre el Caribe.

Pero El Niño continúa siendo de difícil predicción debido a sus muy diferentes impactos. Los científicos, según Zambrano, esperaban al Niño el año pasado “cuando todas las alarmas sonaron, y luego no pasó nada demasiado extraordinario debido a un cambio en la dirección de los vientos”.

Tras ese error, muchas organizaciones prefirieron la cautela para evitar el alarmismo. “Algunas imágenes de satélite nos muestran un Océano Pacífico muy caliente, una de las características de El Niño”, dice Willian Alva León, presidente de la Sociedad Meteorológica del Perú. Pero, agrega, este calor no se mueve al sudeste, hacia las costas peruanas, como sucedería en caso del evento El Niño.

Alva León cree que los peores efectos ya sucedieron este año, lo que significa que el fenómeno está en retirada. “El Niño tiene un límite de energía y creo que ya ha sido alcanzado este año”, dice.

Este desacuerdo entre las instituciones de investigación del clima preocupa a quienes generan políticas, pues necesitan guías claras para iniciar las preparaciones necesarias del caso. Ciro Ugarte, asesor regional del área de Preparativos para Emergencia y Socorro en casos de Desastrede la Organización Panamericana de la Salud, dice que es obligatorio actuar como si El Niño en efecto estuviera en proceso para asegurar que el continente enfrente las posibles consecuencias.

“Estar preparados es importante porque reduce el impacto del fenómeno así como otras enfermedades que hoy son epidémicas”, dice.

Para asegurar el grado de probabilidad de El Niño, algunos científicos usan modelos que abstraen datos de la realidad y generan predicciones. María Teresa Martínez, subdirectora de meteorología del Instituto de Hidrología, Meteorología y Estudios Ambientales de Colombia, señala que los modelos más confiables predijeron en marzo que había entre un 50 y un 60 por ciento de posibilidad de un evento El Niño. “Ahora El Niño se desarrolla con fuerza desde su etapa de formación hacia la etapa de madurez, que será alcanzada en diciembre”, señala.

Ugarte admite que no hay certezas, pero dice que para su organización “no hacer nada no es una opción”.

“Como creadores de políticas de prevención, lo que tenemos que hacer es usar lo que es el consenso entre los científicos, y hoy ese consenso dice que hay un 95% de posibilidades de tener un fuerte o muy fuerte evento El Niño”, dice.

Fundação esotérica promete desviar chuva do Rock in Rio para o Espírito Santo (Gazeta – ES)

16/09/2015 – 11h35 – Atualizado em 16/09/2015 – 12h07
Autor: Wing Costa | wbertulani@redegazeta.com.br

O espírito do Cacique Cobra Coral desviaria as chuvas que poderiam afetar o evento para minorar os efeitos da seca no Rio Doce

Fundação Cacique Cobra Coral afirma que pode controlar fenômenos naturais. Foto: Reprodução

Qual a ligação entre o Rio Doce, que corta o Espírito Santo, o Rio Paraíba do Sul e o evento de música Rock in Rio 2015? Além da óbvia presença da palavra “rio” no nome, todos eles sofrem influência de um espírito – incorporado pela médium Adelaide Scritori – que teria o poder de alterar fenômenos naturais.

A Fundação Cacique Cobra Coral, operada por Adelaide, é contratada pelos organizadores do Rock in Rio desde o segundo festival (após lamaçal histórico na edição de 1985) para desviar as chuvas do local do evento.

Como a fundação trabalha somente para um bem comum, como explica o porta-voz da entidade esotérica, Osmar Santos, desta vez as chuvas serão deslocadas para o Espírito Santo, para “minorar os efeitos da seca no Rio Doce”.

“Estamos fazendo um trabalho também para o Governo do Rio de Janeiro, para elevar o nível do Rio Paraíba do Sul. Como tudo é um ciclo, desabar água sobre o Estado não seria uma solução, então tem que chover em São Paulo, por exemplo. Isso afeta diretamente o Espírito Santo, que passa por um período seco”, explica o representante da entidade.

“Aí choveu essa semana, não foi?”, perguntou para a reportagem. Estamos trabalhando para fazer desse inverno um inverno úmido. Conhecemos a situação do Espírito Santo porque já fizemos muitos trabalhos aí a pedido do senador Gerson Camata”, conta.

O Cacique Cobra Coral, por meio da médium, também teria evitado chuvas em Olimpíadas e outros eventos por todo o globo. “As nuvens estavam feias em Londres e a previsão dizia que choveria às 20h. Nesse horário seria a abertura das Olimpíadas. A médium estava em Dublin – de onde vinham as nuvens – e conseguiu remanejar”, disse o representante.

Mas nada disso teria acontecido para um bem particular, como ele explica, já que, na época, estariam acontecendo muitas queimadas em Portugal e Espanha, e a força do espírito indígena teria feito com que as chuvas, além de não atrapalharem o evento esportivo, também apagassem os incêndios na Europa.

O espírito no Espírito Santo

Foto: Vitor Jubini – GZ. Gerson Camata atestou os poderes do Cacique Cobra Coral

A entidade atuou no Espírito Santo a pedido do ex-senador Gerson Camata, que lembra com bom humor a passagem. Ao ser perguntado, soltou um “ah, o cacique”, acompanhado de risadas. Aconteceu nos idos de 87 ou 88, se a memória do senador permite a margem de erro.

Como você chegou até o cacique?

Isso foi numa época de seca muito forte no Norte do Estado. Um senador colega me indicou e eu liguei.

O contato foi fácil?

Sim, é uma mulher que faz essas operações.

A fundação pediu algo para atuar no Estado?

Não, eles não me cobraram nada. Só me mandaram um mapa meteorológico e perguntaram: “Onde você quer que chova?”, logo apontei Marilândia e eles prometeram que antes da meia-noite a água passaria por cima da ponte.

E choveu?

Olha, conversei com o prefeito da época. Ele me ligou no dia da promessa, às 22h, e disse que o céu começara a nublar. Quando deu 1h da manhã ele me ligou pedindo para fazer o povo parar se não morreriam todos afogados, tanta água que era.

Então você atesta o poder do Cacique?

Poder eu não sei, mas que choveu, choveu.

Fonte: Gazeta Online

Artigos de pesquisadores do INPE diagnosticam as condições de seca no Sudeste (INPE)

JC, 5246, 24 de agosto de 2015

O texto foi publicado na versão online da revista Theoretical and Applied Climatology

Publicado na versão online da revista Theoretical and Applied Climatology, o artigo Precipitation diagnostics of an exceptionally dry event in São Paulo, Brazil apresenta um diagnóstico das condições de déficit de chuva observadas sobre o sudeste do Estado de São Paulo, incluindo sua região metropolitana, durante os dois últimos verões (2013/2014 e 2014/2015).

Segundo Caio Coelho, do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e um dos autores do trabalho, o artigo responde a uma série de questões sobre a manifestação de eventos extremos de seca.

Os resultados obtidos pelos pesquisadores da Divisão de Operações do CPTEC/INPE revelam a excepcionalidade do déficit de chuva observado durante o verão 2013/2014, quando comparado a outros verões desde 1961/62, e que a região estudada vem sofrendo com déficit de chuva desde o final da década de 1990. Eventos de seca semelhantes foram observados no passado, porém de menor magnitude em termos de déficit de chuva. Um dos fatores que contribuiu para o déficit expressivo de precipitação durante o verão 2013/2014 foi o término exageradamente antecipado da estação chuvosa.

Outro trabalho do CPTEC/INPE publicado na versão online da revista Climate Dynamics, realizado em colaboração com pesquisadores da Universidade de São Paulo e Universidade Federal de Itajubá, destaca que a seca sobre o Sudeste durante o verão 2014 teve como raiz as condições de chuvas anômalas na região tropical ao norte da Austrália, desencadeando uma sequência de processos entre a região tropical e extratropical do oceano Pacífico, até atingir a região Sudeste do Brasil e oceano Atlântico adjacente.

Este trabalho, intitulado The 2014 southeast Brazil austral summer drought: regional scale mechanisms and teleconnections, revela o estabelecimento de um sistema anômalo de alta pressão sobre o oceano Atlântico adjacente aquecido, que forçou os sistemas frontais a realizar trajetórias oceânicas, favoreceu a manutenção do aquecimento oceânico através da incidência de radiação solar, transportou umidade da Amazônia para o sul do Brasil, e desfavoreceu a formação de eventos de Zona de Convergência do Atlântico Sul, um dos principais mecanismos de produção de chuva sobre a região Sudeste do Brasil.

Mais detalhes sobre os estudos na página: http://www.cptec.inpe.br/noticias/noticia/127760

(Inpe)

Stop burning fossil fuels now: there is no CO2 ‘technofix’, scientists warn (The Guardian)

Researchers have demonstrated that even if a geoengineering solution to CO2 emissions could be found, it wouldn’t be enough to save the oceans

“The chemical echo of this century’s CO2 pollutiuon will reverberate for thousands of years,” said the report’s co-author, Hans Joachim Schellnhuber

“The chemical echo of this century’s CO2 pollutiuon will reverberate for thousands of years,” said the report’s co-author, Hans Joachim Schellnhuber Photograph: Doug Perrine/Design Pics/Corbis

German researchers have demonstrated once again that the best way to limit climate change is to stop burning fossil fuels now.

In a “thought experiment” they tried another option: the future dramatic removal of huge volumes of carbon dioxide from the atmosphere. This would, they concluded, return the atmosphere to the greenhouse gas concentrations that existed for most of human history – but it wouldn’t save the oceans.

That is, the oceans would stay warmer, and more acidic, for thousands of years, and the consequences for marine life could be catastrophic.

The research, published in Nature Climate Change today delivers yet another demonstration that there is so far no feasible “technofix” that would allow humans to go on mining and drilling for coal, oil and gas (known as the “business as usual” scenario), and then geoengineer a solution when climate change becomes calamitous.

Sabine Mathesius (of the Helmholtz Centre for Ocean Research in Kiel and the Potsdam Institute for Climate Impact Research) and colleagues decided to model what could be done with an as-yet-unproven technology called carbon dioxide removal. One example would be to grow huge numbers of trees, burn them, trap the carbon dioxide, compress it and bury it somewhere. Nobody knows if this can be done, but Dr Mathesius and her fellow scientists didn’t worry about that.

They calculated that it might plausibly be possible to remove carbon dioxide from the atmosphere at the rate of 90 billion tons a year. This is twice what is spilled into the air from factory chimneys and motor exhausts right now.

The scientists hypothesised a world that went on burning fossil fuels at an accelerating rate – and then adopted an as-yet-unproven high technology carbon dioxide removal technique.

“Interestingly, it turns out that after ‘business as usual’ until 2150, even taking such enormous amounts of CO2 from the atmosphere wouldn’t help the deep ocean that much – after the acidified water has been transported by large-scale ocean circulation to great depths, it is out of reach for many centuries, no matter how much CO2 is removed from the atmosphere,” said a co-author, Ken Caldeira, who is normally based at the Carnegie Institution in the US.

The oceans cover 70% of the globe. By 2500, ocean surface temperatures would have increased by 5C (41F) and the chemistry of the ocean waters would have shifted towards levels of acidity that would make it difficult for fish and shellfish to flourish. Warmer waters hold less dissolved oxygen. Ocean currents, too, would probably change.

But while change happens in the atmosphere over tens of years, change in the ocean surface takes centuries, and in the deep oceans, millennia. So even if atmospheric temperatures were restored to pre-Industrial Revolution levels, the oceans would continue to experience climatic catastrophe.

“In the deep ocean, the chemical echo of this century’s CO2 pollution will reverberate for thousands of years,” said co-author Hans Joachim Schellnhuber, who directs the Potsdam Institute. “If we do not implement emissions reductions measures in line with the 2C (35.6F) target in time, we will not be able to preserve ocean life as we know it.”

Climate Seer James Hansen Issues His Direst Forecast Yet (The Daily Beast) + other sources, and repercussions

A polar bear walks in the snow near the Hudson Bay waiting for the bay to freeze, 13 November 2007, outside Churchill, Mantioba, Canada. Polar bears return to Churchill, the polar bear capital of the world, to hunt for seals on the icepack every year at this time and remain on the icepack feeding on seals until the spring thaw.   AFP PHOTO/Paul J. Richards (Photo credit should read PAUL J. RICHARDS/AFP/Getty Images)

Paul J Richards/AFP/Getty

Mark Hertsgaard 

07.20.151:00 AM ET

James Hansen’s new study explodes conventional goals of climate diplomacy and warns of 10 feet of sea level rise before 2100. The good news is, we can fix it.

James Hansen, the former NASA scientist whose congressional testimony put global warming on the world’s agenda a quarter-century ago, is now warning that humanity could confront “sea level rise of several meters” before the end of the century unless greenhouse gas emissions are slashed much faster than currently contemplated.This roughly 10 feet of sea level rise—well beyond previous estimates—would render coastal cities such as New York, London, and Shanghai uninhabitable.  “Parts of [our coastal cities] would still be sticking above the water,” Hansen says, “but you couldn’t live there.”

James Hanson

Columbia University

This apocalyptic scenario illustrates why the goal of limiting temperature rise to 2 degrees Celsius is not the safe “guardrail” most politicians and media coverage imply it is, argue Hansen and 16 colleagues in a blockbuster study they are publishing this week in the peer-reviewed journal Atmospheric Chemistry and Physics. On the contrary, a 2 C future would be “highly dangerous.”

If Hansen is right—and he has been right, sooner, about the big issues in climate science longer than anyone—the implications are vast and profound.

Physically, Hansen’s findings mean that Earth’s ice is melting and its seas are rising much faster than expected. Other scientists have offered less extreme findings; the United Nations Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) has projected closer to 3 feet of sea level rise by the end of the century, an amount experts say will be difficult enough to cope with. (Three feet of sea level rise would put runways of all three New York City-area airports underwater unless protective barriers were erected. The same holds for airports in the San Francisco Bay Area.)

Worldwide, approximately $3 trillion worth infrastructure vital to civilization such as water treatment plants, power stations, and highways are located at or below 3 feet of sea level, according to the Stern Review, a comprehensive analysis published by the British government.

Hansen’s track record commands respect. From the time the soft-spoken Iowan told the U.S. Senate in 1988 that man-made global warming was no longer a theory but had in fact begun and threatened unparalleled disaster, he has consistently been ahead of the scientific curve.

Hansen has long suspected that computer models underestimated how sensitive Earth’s ice sheets were to rising temperatures. Indeed, the IPCC excluded ice sheet melt altogether from its calculations of sea level rise. For their study, Hansen and his colleagues combined ancient paleo-climate data with new satellite readings and an improved model of the climate system to demonstrate that ice sheets can melt at a “non-linear” rate: rather than an incremental melting as Earth’s poles inexorably warm, ice sheets might melt at exponential rates, shedding dangerous amounts of mass in a matter of decades, not millennia. In fact, current observations indicate that some ice sheets already are melting this rapidly.

“Prior to this paper I suspected that to be the case,” Hansen told The Daily Beast. “Now we have evidence to make that statement based on much more than suspicion.”

The Nature Climate Change study and Hansen’s new paper give credence to the many developing nations and climate justice advocates who have called for more ambitious action.

Politically, Hansen’s new projections amount to a huge headache for diplomats, activists, and anyone else hoping that a much-anticipated global climate summit the United Nations is convening in Paris in December will put the world on a safe path. President Barack Obama and other world leaders must now reckon with the possibility that the 2 degrees goal they affirmed at the Copenhagen summit in 2009 is actually a recipe for catastrophe. In effect, Hansen’s study explodes what has long been the goal of conventional climate diplomacy.

More troubling, honoring even the conventional 2 degrees C target has so far proven extremely challenging on political and economic grounds. Current emission trajectories put the world on track towards a staggering 4 degrees of warming before the end of the century, an amount almost certainly beyond civilization’s coping capacity. In preparation for the Paris summit, governments have begun announcing commitments to reduce emissions, but to date these commitments are falling well short of satisfying the 2 degrees goal. Now, factor in the possibility that even 2 degrees is too much and many negotiators may be tempted to throw up their hands in despair.

They shouldn’t. New climate science brings good news as well as bad.  Humanity can limit temperature rise to 1.5 degrees C if it so chooses, according to a little-noticed study by experts at the Potsdam Institute for Climate Impacts (now perhaps the world’s foremost climate research center) and the International Institute for Applied Systems Analysis published in Nature Climate Change in May.

“Actions for returning global warming to below 1.5 degrees Celsius by 2100 are in many ways similar to those limiting warming to below 2 degrees Celsius,” said Joeri Rogelj, a lead author of the study. “However … emission reductions need to scale up swiftly in the next decades.” And there’s a significant catch: Even this relatively optimistic study concludes that it’s too late to prevent global temperature rising by 2 degrees C. But this overshoot of the 2 C target can be made temporary, the study argues; the total increase can be brought back down to 1.5 C later in the century.

Besides the faster emissions reductions Rogelj referenced, two additional tools are essential, the study outlines. Energy efficiency—shifting to less wasteful lighting, appliances, vehicles, building materials and the like—is already the cheapest, fastest way to reduce emissions. Improved efficiency has made great progress in recent years but will have to accelerate, especially in emerging economies such as China and India.

Also necessary will be breakthroughs in so-called “carbon negative” technologies. Call it the photosynthesis option: because plants inhale carbon dioxide and store it in their roots, stems, and leaves, one can remove carbon from the atmosphere by growing trees, planting cover crops, burying charred plant materials underground, and other kindred methods. In effect, carbon negative technologies can turn back the clock on global warming, making the aforementioned descent from the 2 C overshoot to the 1.5 C goal later in this century theoretically possible. Carbon-negative technologies thus far remain unproven at the scale needed, however; more research and deployment is required, according to the study.

Together, the Nature Climate Change study and Hansen’s new paper give credence to the many developing nations and climate justice advocates who have called for more ambitious action. The authors of the Nature Climate Changestudy point out that the 1.5 degrees goal “is supported by more than 100 countries worldwide, including those most vulnerable to climate change.” In May, the governments of 20 of those countries, including the Philippines, Costa Rica, Kenya, and Bangladesh, declared the 2 degrees target “inadequate” and called for governments to “reconsider” it in Paris.

Hansen too is confident that the world “could actually come in well under 2 degrees, if we make the price of fossil fuels honest.”

That means making the market price of gasoline and other products derived from fossil fuels reflect the enormous costs that burning those fuels currently externalizes onto society as a whole. Economists from left to right have advocated achieving this by putting a rising fee or tax on fossil fuels. This would give businesses, governments, and other consumers an incentive to shift to non-carbon fuels such as solar, wind, nuclear, and, best of all, increased energy efficiency. (The cheapest and cleanest fuel is the fuel you don’t burn in the first place.)

But putting a fee on fossil fuels will raise their price to consumers, threatening individual budgets and broader economic prospects, as opponents will surely point out. Nevertheless, higher prices for carbon-based fuels need not have injurious economic effects if the fees driving those higher prices are returned to the public to spend as it wishes. It’s been done that way for years with great success in Alaska, where all residents receive an annual check in compensation for the impact the Alaskan oil pipeline has on the state.

“Tax Pollution, Pay People” is the bumper sticker summary coined by activists at the Citizens Climate Lobby. Legislation to this effect has been introduced in both houses of the U.S. Congress.

Meanwhile, there are also a host of other reasons to believe it’s not too late to preserve a livable climate for young people and future generations.

The transition away from fossil fuels has begun and is gaining speed and legitimacy. In 2014, global greenhouse gas emissions remained flat even as the world economy grew—a first. There has been a spectacular boom in wind and solar energy, including in developing countries, as their prices plummet. These technologies now qualify as a “disruptive” economic force that promises further breakthroughs, said Achim Steiner, executive director of the UN Environment Programme.

Coal, the most carbon-intensive conventional fossil fuel, is in a death spiral, partly thanks to another piece of encouraging news: the historic climate agreement the U.S. and China reached last November, which envisions both nations slashing coal consumption (as China is already doing). Hammering another nail into coal’s coffin, the leaders of Great Britain’s three main political parties pledged to phase out coal, no matter who won the general elections last May.

“If you look at the long-term [for coal], it’s not getting any better,” said Standard & Poor’s Aneesh Prabhu when S&P downgraded coal company bonds to junk status. “It’s a secular decline,” not a mere cyclical downturn.

Last but not least, a vibrant mass movement has arisen to fight climate change, most visibly manifested when hundreds of thousands of people thronged the streets of New York City last September, demanding action from global leaders gathered at the UN. The rally was impressive enough that it led oil and gas giant ExxonMobil to increase its internal estimate of how likely the U.S. government is to take strong action. “That many people marching is clearly going to put pressure on government to do something,” an ExxonMobil spokesman told Bloomberg Businessweek.

The climate challenge has long amounted to a race between the imperatives of science and the contingencies of politics. With Hansen’s paper, the science has gotten harsher, even as the Nature Climate Change study affirms that humanity can still choose life, if it will. The question now is how the politics will respond—now, at Paris in December, and beyond.

Mark Hertsgaard has reported on politics, culture, and the environment from more than 20 countries and written six books, including “HOT: Living Through the Next Fifty Years on Earth.”

*   *   *

Experts make dire prediction about sea levels (CBS)

VIDEO

In the future, there could be major flooding along every coast. So says a new study that warns the world’s seas are rising.

Ever-warming oceans that are melting polar ice could raise sea levels 15 feet in the next 50 to 100 years, NASA’s former climate chief now says. That’s five times higher than previous predictions.

“This is the biggest threat the planet faces,” said James Hansen, the co-author of the new journal article raising that alarm scenario.

“If we get sea level rise of several meters, all coastal cities become dysfunctional,” he said. “The implications of this are just incalculable.”

If ocean levels rise just 10 feet, areas like Miami, Boston, Seattle and New York City would face flooding.

The melting ice would cool ocean surfaces at the poles even more. While the overall climate continues to warm. The temperature difference would fuel even more volatile weather.

“As the atmosphere gets warmer and there’s more water vapor, that’s going to drive stronger thunderstorms, stronger hurricanes, stronger tornadoes, because they all get their energy from the water vapor,” said Hansen.

Nearly a decade ago, Hansen told “60 Minutes” we had 10 years to get global warming under control, or we would reach “tipping point.”

“It will be a situation that is out of our control,” he said. “We’re essentially at the edge of that. That’s why this year is a critical year.”

Critical because of a United Nations meeting in Paris that is designed to reach legally binding agreements on carbons emissions, those greenhouse gases that create global warming.

*   *   *

Sea Levels Could Rise Much Faster than Thought (Climate Denial Crock of the Week)

with Peter SinclairJuly 21, 2015

Washington Post:

James Hansen has often been out ahead of his scientific colleagues.

With his 1988 congressional testimony, the then-NASA scientist is credited with putting the global warming issue on the map by saying that a warming trend had already begun. “It is time to stop waffling so much and say that the evidence is pretty strong that the greenhouse effect is here,” Hansen famously testified.

Now Hansen — who retired in 2013 from his NASA post, and is currently an adjunct professor at Columbia University’s Earth Institute — is publishing what he says may be his most important paper. Along with 16 other researchers — including leading experts on the Greenland and Antarctic ice sheets — he has authored a lengthy study outlining an scenario of potentially rapid sea level rise combined with more intense storm systems.

It’s an alarming picture of where the planet could be headed — and hard to ignore, given its author. But it may also meet with considerable skepticism in the broader scientific community, given that its scenarios of sea level rise occur more rapidly than those ratified by the United Nations’ Intergovernmental Panel on Climate Change in its latest assessment of the state of climate science, published in 2013.

In the new study, Hansen and his colleagues suggest that the “doubling time” for ice loss from West Antarctica — the time period over which the amount of loss could double — could be as short as 10 years. In other words, a non-linear process could be at work, triggering major sea level rise in a time frame of 50 to 200 years. By contrast, Hansen and colleagues note, the IPCC assumed more of a linear process, suggesting only around 1 meter of sea level rise, at most, by 2100.

Here, a clip from our extended interview with Eric Rignot in December of 2014.  Rignot is one of the co-authors of the new study.

Slate:

The study—written by James Hansen, NASA’s former lead climate scientist, and 16 co-authors, many of whom are considered among the top in their fields—concludes that glaciers in Greenland and Antarctica will melt 10 times faster than previous consensus estimates, resulting in sea level rise of at least 10 feet in as little as 50 years. The study, which has not yet been peer reviewed, brings new importance to a feedback loop in the ocean near Antarctica that results in cooler freshwater from melting glaciers forcing warmer, saltier water underneath the ice sheets, speeding up the melting rate. Hansen, who is known for being alarmist and also right, acknowledges that his study implies change far beyond previous consensus estimates. In a conference call with reporters, he said he hoped the new findings would be “substantially more persuasive than anything previously published.” I certainly find them to be.

We conclude that continued high emissions will make multi-meter sea level rise practically unavoidable and likely to occur this century. Social disruption and economic consequences of such large sea level rise could be devastating. It is not difficult to imagine that conflicts arising from forced migrations and economic collapse might make the planet ungovernable, threatening the fabric of civilization.

The science of ice melt rates is advancing so fast, scientists have generally been reluctant to put a number to what is essentially an unpredictable, non-linear response of ice sheets to a steadily warming ocean. With Hansen’s new study, that changes in a dramatic way. One of the study’s co-authors is Eric Rignot, whose own study last year found that glacial melt from West Antarctica now appears to be “unstoppable.” Chris Mooney, writing for Mother Jonescalled that study a “holy shit” moment for the climate.

Daily Beast:

New climate science brings good news as well as bad.  Humanity can limit temperature rise to 1.5 degrees C if it so chooses, according to a little-noticed study by experts at the Potsdam Institute for Climate Impacts (now perhaps the world’s foremost climate research center) and the International Institute for Applied Systems Analysis published in Nature Climate Changein May.

shanghai500

“Actions for returning global warming to below 1.5 degrees Celsius by 2100 are in many ways similar to those limiting warming to below 2 degrees Celsius,” said Joeri Rogelj, a lead author of the study. “However … emission reductions need to scale up swiftly in the next decades.” And there’s a significant catch: Even this relatively optimistic study concludes that it’s too late to prevent global temperature rising by 2 degrees C. But this overshoot of the 2 C target can be made temporary, the study argues; the total increase can be brought back down to 1.5 C later in the century.

Besides the faster emissions reductions Rogelj referenced, two additional tools are essential, the study outlines. Energy efficiency—shifting to less wasteful lighting, appliances, vehicles, building materials and the like—is already the cheapest, fastest way to reduce emissions. Improved efficiency has made great progress in recent years but will have to accelerate, especially in emerging economies such as China and India.

Also necessary will be breakthroughs in so-called “carbon negative” technologies. Call it the photosynthesis option: because plants inhale carbon dioxide and store it in their roots, stems, and leaves, one can remove carbon from the atmosphere by growing trees, planting cover crops, burying charred plant materials underground, and other kindred methods. In effect, carbon negative technologies can turn back the clock on global warming, making the aforementioned descent from the 2 C overshoot to the 1.5 C goal later in this century theoretically possible. Carbon-negative technologies thus far remain unproven at the scale needed, however; more research and deployment is required, according to the study.

*   *   *

Earth’s Most Famous Climate Scientist Issues Bombshell Sea Level Warning (Slate)

495456719-single-family-homes-on-islands-and-condo-buildings-on

Monday’s new study greatly increases the potential for catastrophic near-term sea level rise. Here, Miami Beach, among the most vulnerable cities to sea level rise in the world. Photo by Joe Raedle/Getty Images

In what may prove to be a turning point for political action on climate change, a breathtaking new study casts extreme doubt about the near-term stability of global sea levels.

The study—written by James Hansen, NASA’s former lead climate scientist, and 16 co-authors, many of whom are considered among the top in their fields—concludes that glaciers in Greenland and Antarctica will melt 10 times faster than previous consensus estimates, resulting in sea level rise of at least 10 feet in as little as 50 years. The study, which has not yet been peer-reviewed, brings new importance to a feedback loop in the ocean near Antarctica that results in cooler freshwater from melting glaciers forcing warmer, saltier water underneath the ice sheets, speeding up the melting rate. Hansen, who is known for being alarmist and also right, acknowledges that his study implies change far beyond previous consensus estimates. In a conference call with reporters, he said he hoped the new findings would be “substantially more persuasive than anything previously published.” I certainly find them to be.

To come to their findings, the authors used a mixture of paleoclimate records, computer models, and observations of current rates of sea level rise, but “the real world is moving somewhat faster than the model,” Hansen says.

Hansen’s study does not attempt to predict the precise timing of the feedback loop, only that it is “likely” to occur this century. The implications are mindboggling: In the study’s likely scenario, New York City—and every other coastal city on the planet—may only have a few more decades of habitability left. That dire prediction, in Hansen’s view, requires “emergency cooperation among nations.”

We conclude that continued high emissions will make multi-meter sea level rise practically unavoidable and likely to occur this century. Social disruption and economic consequences of such large sea level rise could be devastating. It is not difficult to imagine that conflicts arising from forced migrations and economic collapse might make the planet ungovernable, threatening the fabric of civilization.

The science of ice melt rates is advancing so fast, scientists have generally been reluctant to put a number to what is essentially an unpredictable, nonlinear response of ice sheets to a steadily warming ocean. With Hansen’s new study, that changes in a dramatic way. One of the study’s co-authors is Eric Rignot, whose own study last year found that glacial melt from West Antarctica now appears to be “unstoppable.” Chris Mooney, writing for Mother Jonescalled that study a “holy shit” moment for the climate.

One necessary note of caution: Hansen’s study comes via a nontraditional publishing decision by its authors. The study will be published in Atmospheric Chemistry and Physics, an open-access “discussion” journal, and will not have formal peer review prior to its appearance online later this week. [Update, July 23: The paper is now available.] The complete discussion draft circulated to journalists was 66 pages long, and included more than 300 references. The peer review will take place in real time, with responses to the work by other scientists also published online. Hansen said this publishing timeline was necessary to make the work public as soon as possible before global negotiators meet in Paris later this year. Still, the lack of traditional peer review and the fact that this study’s results go far beyond what’s been previously published will likely bring increased scrutiny. On Twitter, Ruth Mottram, a climate scientist whose work focuses on Greenland and the Arctic, was skeptical of such enormous rates of near-term sea level rise, though she defended Hansen’s decision to publish in a nontraditional way.

In 2013, Hansen left his post at NASA to become a climate activist because, in his words, “as a government employee, you can’t testify against the government.” In a wide-ranging December 2013 study, conducted to support Our Children’s Trust, a group advancing legal challenges to lax greenhouse gas emissions policies on behalf of minors, Hansen called for a “human tipping point”—essentially, a social revolution—as one of the most effective ways of combating climate change, though he still favors a bilateral carbon tax agreed upon by the United States and China as the best near-term climate policy. In the new study, Hansen writes, “there is no morally defensible excuse to delay phase-out of fossil fuel emissions as rapidly as possible.”

Asked whether Hansen has plans to personally present the new research to world leaders, he said: “Yes, but I can’t talk about that today.” What’s still uncertain is whether, like with so many previous dire warnings, world leaders will be willing to listen.

*   *   *

Ice Melt, Sea Level Rise and Superstorms (Climate Sciences, Awareness and Solutions / Earth Institute, Columbia University)

23 July 2015

James Hansen

The paper “Ice melt, sea level rise and superstorms: evidence from paleoclimate data, climate modeling, and modern observations that 2°C global warming is highly dangerous” has been published in Atmospheric Chemistry and Physics Discussion and is freely available here.

The paper draws on a large body of work by the research community, as indicated by the 300 references. No doubt we missed some important relevant contributions, which we may be able to rectify in the final version of the paper. I thank all the researchers who provided data or information, many of whom I may have failed to include in the acknowledgments, as the work for the paper occurred over a several year period.

I am especially grateful to the Durst family for a generous grant that allowed me to work full time this year on finishing the paper, as well as the other supporters of our program Climate Science, Awareness and Solutions at the Columbia University Earth Institute.

In the conceivable event that you do not read the full paper plus supplement, I include the Acknowledgments here:

Acknowledgments. Completion of this study was made possible by a generous gift from The Durst Family to the Climate Science, Awareness and Solutions program at the Columbia University Earth Institute. That program was initiated in 2013 primarily via support from the Grantham Foundation for Protection of the Environment, Jim and Krisann Miller, and Gerry Lenfest and sustained via their continuing support. Other substantial support has been provided by the Flora Family Foundation, Dennis Pence, the Skoll Global Threats Fund, Alexander Totic and Hugh Perrine. We thank Anders Carlson, Elsa Cortijo, Nil Irvali, Kurt Lambeck, Scott Lehman, and Ulysses Ninnemann for their kind provision of data and related information. Support for climate simulations was provided by the NASA High-End Computing (HEC) Program through the NASA Center for Climate Simulation (NCCS) at Goddard Space Flight Center.

Climate models are even more accurate than you thought (The Guardian)

The difference between modeled and observed global surface temperature changes is 38% smaller than previously thought

Looking across the frozen sea of Ullsfjord in Norway.  Melting Arctic sea ice is one complicating factor in comparing modeled and observed surface temperatures.

Looking across the frozen sea of Ullsfjord in Norway. Melting Arctic sea ice is one complicating factor in comparing modeled and observed surface temperatures. Photograph: Neale Clark/Robert Harding World Imagery/Corbis

Global climate models aren’t given nearly enough credit for their accurate global temperature change projections. As the 2014 IPCC report showed, observed global surface temperature changes have been within the range of climate model simulations.

Now a new study shows that the models were even more accurate than previously thought. In previous evaluations like the one done by the IPCC, climate model simulations of global surface air temperature were compared to global surface temperature observational records like HadCRUT4. However, over the oceans, HadCRUT4 uses sea surface temperatures rather than air temperatures.

A depiction of how global temperatures calculated from models use air temperatures above the ocean surface (right frame), while observations are based on the water temperature in the top few metres (left frame). Created by Kevin Cowtan.

A depiction of how global temperatures calculated from models use air temperatures above the ocean surface (right frame), while observations are based on the water temperature in the top few metres (left frame). Created by Kevin Cowtan.

Thus looking at modeled air temperatures and HadCRUT4 observations isn’t quite an apples-to-apples comparison for the oceans. As it turns out, sea surface temperatures haven’t been warming fast as marine air temperatures, so this comparison introduces a bias that makes the observations look cooler than the model simulations. In reality, the comparisons weren’t quite correct. As lead author Kevin Cowtan told me,

We have highlighted the fact that the planet does not warm uniformly. Air temperatures warm faster than the oceans, air temperatures over land warm faster than global air temperatures. When you put a number on global warming, that number always depends on what you are measuring. And when you do a comparison, you need to ensure you are comparing the same things.

The model projections have generally reported global air temperatures. That’s quite helpful, because we generally live in the air rather than the water. The observations, by mixing air and water temperatures, are expected to slightly underestimate the warming of the atmosphere.

The new study addresses this problem by instead blending the modeled air temperatures over land with the modeled sea surface temperatures to allow for an apples-to-apples comparison. The authors also identified another challenging issue for these model-data comparisons in the Arctic. Over sea ice, surface air temperature measurements are used, but for open ocean, sea surface temperatures are used. As co-author Michael Mann notes, as Arctic sea ice continues to melt away, this is another factor that accurate model-data comparisons must account for.

One key complication that arises is that the observations typically extrapolate land temperatures over sea ice covered regions since the sea surface temperature is not accessible in that case. But the distribution of sea ice changes seasonally, and there is a long-term trend toward decreasing sea ice in many regions. So the observations actually represent a moving target.

A depiction of how as sea ice retreats, some grid cells change from taking air temperatures to taking water temperatures. If the two are not on the same scale, this introduces a bias.  Created by Kevin Cowtan.

A depiction of how as sea ice retreats, some grid cells change from taking air temperatures to taking water temperatures. If the two are not on the same scale, this introduces a bias. Created by Kevin Cowtan.

When accounting for these factors, the study finds that the difference between observed and modeled temperatures since 1975 is smaller than previously believed. The models had projected a 0.226°C per decade global surface air warming trend for 1975–2014 (and 0.212°C per decade over the geographic area covered by the HadCRUT4 record). However, when matching the HadCRUT4 methods for measuring sea surface temperatures, the modeled trend is reduced to 0.196°C per decade. The observed HadCRUT4 trend is 0.170°C per decade.

So when doing an apples-to-apples comparison, the difference between modeled global temperature simulations and observations is 38% smaller than previous estimates. Additionally, as noted in a 2014 paper led by NASA GISS director Gavin Schmidt, less energy from the sun has reached the Earth’s surface than anticipated in these model simulations, both because solar activity declined more than expected, and volcanic activity was higher than expected. Ed Hawkins, another co-author of this study, wrote about this effect.

Combined, the apparent discrepancy between observations and simulations of global temperature over the past 15 years can be partly explained by the way the comparison is done (about a third), by the incorrect radiative forcings (about a third) and the rest is either due to climate variability or because the models are slightly over sensitive on average. But, the room for the latter effect is now much smaller.

Comparison of 84 climate model simulations (using RCP8.5) against HadCRUT4 observations (black), using either air temperatures (red line and shading) or blended temperatures using the HadCRUT4 method (blue line and shading). The upper panel shows anomalies derived from the unmodified climate model results, the lower shows the results adjusted to include the effect of updated forcings from Schmidt et al. (2014).

Comparison of 84 climate model simulations (using RCP8.5) against HadCRUT4 observations (black), using either air temperatures (red line and shading) or blended temperatures using the HadCRUT4 method (blue line and shading). The upper panel shows anomalies derived from the unmodified climate model results, the lower shows the results adjusted to include the effect of updated forcings from Schmidt et al. (2014).

As Hawkins notes, the remaining discrepancy between modeled and observed temperatures may come down to climate variability; namely the fact that there has been a preponderance of La Niña events over the past decade, which have a short-term cooling influence on global surface temperatures. When there are more La Niñas, we expect temperatures to fall below the average model projection, and when there are more El Niños, we expect temperatures to be above the projection, as may be the case when 2015 breaks the temperature record.

We can’t predict changes in solar activity, volcanic eruptions, or natural ocean cycles ahead of time. If we want to evaluate the accuracy of long-term global warming model projections, we have to account for the difference between the simulated and observed changes in these factors. When the authors of this study did so, they found that climate models have very accurately projected the observed global surface warming trend.

In other words, as I discussed in my book and Denial101x lecture, climate models have proven themselves reliable in predicting long-term global surface temperature changes. In fact, even more reliable than I realized.

Denial101x climate science success stories lecture by Dana Nuccitelli.

There’s a common myth that models are unreliable, often based on apples-to-oranges comparisons, like looking at satellite estimates of temperatures higher in the atmosphere versus modeled surface air temperatures. Or, some contrarians like John Christy will only consider the temperature high in the atmosphere, where satellite estimates are less reliable, and where people don’t live.

This new study has shown that when we do an apples-to-apples comparison, climate models have done a good job projecting the observed temperatures where humans live. And those models predict that unless we take serious and immediate action to reduce human carbon pollution, global warming will continue to accelerate into dangerous territory.

There never was a global warming ‘pause,’ NOAA study concludes (Environment & Energy Publishing)

Gayathri Vaidyanathan, E&E reporter

Published: Friday, June 5, 2015

The global warming “pause” does not exist, according to scientists at the National Oceanic and Atmospheric Administration.

Their finding refutes a theory that has dominated climate science in recent years. The Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) in 2013 found that global temperatures in recent years have not risen as quickly as they did in the 20th century. That launched an academic hunt for the missing heat in the oceans, volcanoes and solar rays. Meanwhile, climate deniers triumphantly crowed that global warming has paused or gone on a “hiatus.”

But it now appears that the pause never was. NOAA scientists have fixed some small errors in global temperature data and found that temperatures over the past 15 years have been rising at a rate comparable to warming over the 20th century. The study was published yesterday inScience.

That a minor change to the analysis can switch the outcome from a hiatus to increased warming shows “how fragile a concept it [the hiatus] was in the first place,” said Gavin Schmidt, director of the NASA Goddard Institute for Space Studies, who was unaffiliated with the study.

According to the NOAA study, the world has warmed since 1998 by 0.11 degree Celsius per decade. Scientists had previously calculated that the trend was about half that.

The new rate is equal to the rate of warming seen between 1951 and 1999.

There has been no slowdown in the rate of global warming, said Thomas Karl, director of NOAA’s National Centers for Environmental Information and lead author of the study.

“Global warming is firmly entrenched on our planet, and it continues to progress and is likely to continue to do so in the future unless emissions of greenhouse gases are substantially altered,” he said.

Errors from weather stations, buoys and buckets

That NOAA has to adjust temperature readings is not unusual. Many factors can affect raw temperature measurements, according to a study by Karl in 1988.

For instance, a weather station may be situated beneath a tree, which would bias temperatures low. Measurements made near a parking lot would read warm due to the waves of heat emanating from asphalt surfaces. NOAA and other agencies adjust the raw temperature data to remove such biases.

It has become clear in recent years that some biases still persist in the data, particularly of ocean temperatures. The culprit: buckets.

Ships traverse the world, and, occasionally, workers onboard dip a bucket over the hull and bring up water that they measure using a thermometer. The method is old school and error prone — water in a bucket is usually cooler than the ocean.

For a long time, scientists had assumed that most ships no longer use buckets and instead measure water siphoned from the ocean to cool ship engines. The latter method is more robust. But data released last year showed otherwise and compelled NOAA to correct for this bias.

A second correction involved sensor-laden buoys interspersed across the oceans whose temperature readings are biased low. Karl and his colleagues corrected for this issue, as well.

The corrections “made a significant impact,” Karl said. “They added about 0.06 degrees C per decade additional warming since 2000.”

The ‘slowdown hasn’t gone away’

What that means for the global warming hiatus depends on whom you ask. The warming trend over the past 15 years is comparable to the trend between 1950 and 1998 (a 48-year stretch), which led Karl to say that global warming never slowed.

Other scientists were not fully convinced. For a truly apples-to-apples comparison, the past 15 years should be compared with other 15-year stretches, said Peter Stott, head of the climate monitoring and attribution team at the U.K. Met Office.

For instance, the globe warmed more slowly in the past 15 years than between 1983 and 1998 (the previous 15-year stretch), even with NOAA’s new data corrections, Stott said.

“The slowdown hasn’t gone away,” he said in an email. “While the Earth continues to accumulate energy as a result of increasing man-made greenhouse gas emissions … global temperatures have not increased smoothly.”

The disagreements arise because assigning trends — including the trend of a “hiatus” — to global warming depends on the time frame of reference.

“Trends based on short records are very sensitive to the beginning and end dates and do not in general reflect long-term climate trends,” the IPCC stated in 2013, even as it discussed the pause.

Robert Kaufmann, an environment professor at Boston University who was unaffiliated with the study, called trends a “red herring.”

A trend implies that the planet will warm, decade after decade, at a steady clip. There is no reason why that should be the case, Kaufmann said. Many factors — human emissions of warming and cooling gases, natural variability, and external factors such as the sun — feed into Earth’s climate. The relative contributions of each factor can vary by year, decade, century or on even larger time scales.

“There is no scientific basis to assume that the climate is going to warm at the same rate year after year, decade after decade,” he said.

Copying the language of skeptics

Trends are a powerful weapon in the hands of climate deniers. As early as 2006, deniers used the slowdown of warming from 1998 onward to say that global warming had stopped or paused.

The idea of a “pause” seeped into academia, launching dozens of studies into what might have caused it. But there was a subtle difference between scientists’ understanding of the pause and that of the skeptics; scientists never believed that warming had stopped, only that it had slowed compared with the rapidly warming ’90s. They wanted to know why.

Over the years, scientists have unraveled the contributions of volcanoes to global cooling, the increased uptake of heat by the Pacific Ocean, the cooling role of La Niñas and other drivers of natural variability. Their understanding of our planet’s climate evolved rapidly.

As scientists wrote up their findings, they unwittingly adopted the skeptics’ language of the “pause,” said Stephan Lewandowsky, a psychologist at the University of Bristol who was unaffiliated with the NOAA study. That was problematic.

“That’s sort of a subtle semantic thing, but it is really important because it suggests that these [scientists] bought into the existence of the hiatus,” he said.

Then, in 2013, the IPCC wrote about the pause. The German government complained that the term implies that warming had stopped, which is inaccurate. The objection was ignored.

NOAA’s strong refutation of the hiatus is particularly weighty because it comes from a government lab, and the work was headed by Karl, a pioneer of temperature reanalysis studies.

NOAA will be using the data corrections to assess global temperatures from July onward, Karl said. NASA is discussing internally whether to apply the fixes suggested in the study, according to Schmidt of NASA.

The study was greeted by Democrats in Congress as proof that climate change is real. Sen. Barbara Boxer (D-Calif.), ranking member of the Environment and Public Works Committee, used it as an opportunity to chide her opponents.

“Climate change deniers in Congress need to stop ignoring the fact that the planet may be warming at an even faster rate than previously observed, and we must take action now to reduce dangerous carbon pollution,” she said in a statement.

Cemaden faz nova projeção da reserva do Cantareira no período de seca (MCTI/Cemaden)

Levantamento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais indica chuvas e reservas abaixo da média histórica até dezembro

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden/MCTI) aponta no último relatório, publicado na quarta-feira (27), as situações críticas do Reservatório do Sistema Cantareira, indicando chuvas e reservas abaixo da média histórica, até dezembro deste ano.

Essa situação ocorrerá mesmo com a inclusão dos dados da diminuição da captação de água do reservatório, prevista para os meses de setembro até novembro, anunciada pelo Comunicado Conjunto da Agência Nacional de Água (ANA) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), na última semana de maio.

Com base nas redes pluviométricas do Cemaden e do DAEE, cobrindo as sub-bacias de captação do Sistema Cantareira, durante o período de outubro de 2014 a março de 2015, a precipitação média espacial acumulada foi de 879 milímetros (mm), equivalente a 73,5% da média climatológica, registrada em 1.161 mm para o mesmo período.

A precipitação média espacial acumulada no mês de abril de 2015 foi de 52,4 mm, representando 58,4% da média climatológica do mês, registrado em 89,83 mm. A chuva acumulada no período de 1º até 29 de maio de 2015 foi registrada com uma precipitação média de 55,3 mm, que representa 70,7% do total de chuvas da média histórica do mesmo período, registrada em 78,2 mm. No relatório, também são indicados os valores da precipitação média dos dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que têm algumas variações com relação aos dados do Cemaden.

Na situação atual, a vazão média do Sistema Cantareira, ou seja, o cálculo entre o volume de água e o seu reabastecimento com as chuvas, está abaixo da média climatológica. A vazão média afluente ao Sistema Cantareira no mês de maio foi de 14,02 metros cúbicos por segundo (m3/s), ou seja, 63,4% abaixo da vazão média mensal de 38,27 m3/s. Também está abaixo da vazão mínima histórica de 19,90 m3/s, representando apenas 29,5% do total da média histórica.

Projeções

O relatório do cenário hídrico do Sistema Cantareira, divulgado, periodicamente, desde janeiro de 2015, tem os cálculos das projeções da vazão afluente no modelo hidrológico, implementado pelo Cemaden, com base na previsão de chuva do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Inpe para sete dias. A partir do oitavo dia, são apresentadas projeções com base em cinco cenários de chuvas (na média histórica, 25% e 50% abaixo e acima da média). Finalmente, considerando um cenário de extração ou captação de água do Sistema Cantareira são obtidas as projeções da evolução do armazenamento.

No último relatório, considerou-se a extração total do Sistema Cantareira igual a 17,0 m³ por segundo no período de 1º de junho a 31 de agosto e também no mês de dezembro de 2015. No período de 1º de setembro a 30 de novembro, considerou-se a captação de água dos reservatórios igual a 13,5 m³ por segundo.

No cenário de precipitações pluviométricas na média climatológica, no final da estação seca, início de outubro, o volume armazenado seria de 188,66 milhões de m3, aproximadamente. “Esse volume armazenado representa 14,9% da reserva total do Cantareira, ou seja, a soma do volume útil e os dois volumes mortos, com o total estimado em 1.269,5 milhões de m³”, destaca a hidróloga do Cemaden Adriana Cuartas, responsável pelo relatório do Cantareira.

Nesse cenário de precipitações dentro da média histórica, no dia 1º de dezembro de 2015, o volume armazenado seria, aproximadamente, de 227,72 milhões de m³, que representaria 17,9% do volume da reserva total do Cantareira.

Para um cenário de precipitações pluviométricas iguais à média climatológica, o chamado volume morto 1 seria recuperado ao longo da última semana de dezembro, aproximadamente. Considerando o cenário de chuvas 25% acima da média climatológica, o volume morto 1 seria recuperado na última semana de novembro.

Acesse o documento.

(MCTI, via Cemaden)

Sabesp faz investimento milionário em questionada técnica para fazer chover (UOL)

Thamires Andrade*

Do UOL, em São Paulo

28/05/201512h09

Até o fim deste ano, a Sabesp terá repassado R$ 12,5 milhões sem ter feito uma licitação

Até o fim deste ano, a Sabesp terá repassado R$ 12,5 milhões sem ter feito uma licitação (Lucas Lacaz Ruiz/Estadão Conteúdo)

Enquanto alega necessidade de “garantir o equilíbrio econômico-financeiro” para justificar a alta na conta de água, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) mantém um negócio de mais de R$ 8 milhões com a ModClima, uma empresa que oferece uma técnica de indução de chuvas artificiais. Especialistas ouvidos pelo UOL dizem, porém, que o método não é eficaz.

De acordo com documentos da Sabesp obtidos via Lei de Acesso à Informação, a companhia já fechou quatro contratos com a empresa. Nos dois mais recentes, assinados no ano passado, a Sabesp já pagou R$ 2,4 milhões de um total de R$ 8,1 milhões previstos para fazer chover nos sistemas Cantareira e Alto Tietê, os mais afetados pela crise da água na região metropolitana de São Paulo.

Nos dois anteriores, com vigência 2007/2008 e 2009/2013, respectivamente, foram repassados R$ 4,3 milhões — já somados os reajustes. Desde 2007, portanto, a ModClima recebeu quase R$ 7 milhões da Sabesp.

Até o fim deste ano, a Sabesp terá repassado R$ 12,5 milhões sem ter feito nenhum tipo de contrato de licitação. A empresa alega que não era necessário abrir esse processo, pois a ModClima possui “patente de tecnologia utilizada”. Ou seja, ela seria a única empresa detentora desse tipo de tecnologia e, consequentemente, a única capaz de prestar o serviço.

Para o professor livre-docente do IAG-USP (Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo) Augusto Jose Pereira Filho, a Sabesp contratou a empresa para não ser acusada de não fazer nada diante da crise de abastecimento de água.

“Foi dinheiro jogado fora. Era melhor utilizar essa verba para outros objetivos, como campanhas de conscientização e redução de perda de água, do que usar em técnicas que ainda não têm comprovação científica”, afirma.

A técnica

A tecnologia, utilizada pela ModClima, é chamada de semeadura e é realizada com um avião que lança gotículas de água dentro da nuvem para acelerar sua precipitação.

As gotas ganham volume e, quando estão pesadas o suficiente, a chuva localizada acontece. Segundo a empresa, chove de 5 a 40 milímetros. O tempo de semeadura dura entre 20 e 40 minutos.

“A semeadura consiste em imitar o processo de crescimento dos hidrometeoros [meteoros aquosos] que, quando atingem o tamanho correto dentro da nuvem, provocam a precipitação. Um avião lança dentro da nuvem gotículas de gelo, cristais ou outra partícula – de acordo com o tipo desta nuvem [quente ou fria] – para acelerar o início da chuva, mas para isso é necessário estar no lugar certo e na hora certa”, explica o professor Carlos Augusto Morales Rodriguez, do Departamento de Ciências Atmosféricas do IAG-USP.

A nuvem deve ter uma densidade adequada para que ocorra a precipitação, mas, segundo Rodriguez, a meteorologia tem dificuldades para identificar as nuvens em condições para a efetivação do processo.

“O radar meteorológico usado pela empresa contratada pela Sabesp não é capaz de identificar a nuvem que está em processo de precipitação, mas, sim, as nuvens que já estão chovendo. Portanto a técnica da empresa é ineficaz, já que, quando o avião entra na nuvem, ela já está chovendo”, explica Rodriguez.

Rodriguez afirma ainda que a empresa fez a semeadura no sistema Cantareira como se o local tivesse nuvens do tipo quente. “O Estado de São Paulo é composto por nuvens frias e, para acelerar a precipitação, era necessário uma técnica adequada para esta região, como o uso de iodeto de prata e gelo seco”, explica.

Tanto Rodriguez quanto Pereira Filho fizeram avaliações independentes do trabalho da empresa e concluíram que a técnica não tinha a eficácia desejada.

“Em uma avaliação de 2003/2004 constatamos que a técnica não funcionou, mas mesmo assim a Sabesp contratou a empresa novamente”, diz Filho. “Fui convidado pelo diretor da Sabesp para conversar com os representantes da ModClima e, durante a reunião, os relatos eram descabidos do ponto de vista científico.”

Ele também questiona os resultados da técnica no ano passado. De acordo com o documento da Sabesp obtido via Lei de Acesso à Informação, só no ano passado a técnica induziu precipitação de 25 hm³ (hectômetro cúbico, o equivalente a 25 bilhões de litros) no sistema Cantareira e 6 hm³ no sistema Alto Tietê (equivalente a 6 bilhões de litros).

“Relatos da Sabesp diziam que houve aumento de 30% de chuvas nos sistemas por causa da técnica, mas a porcentagem e os resultados são duvidosos, pois não é fácil medir de que maneira a semeadura contribuiu de fato para aumentar a precipitação local”, argumenta Filho.

Procurada, a empresa ModClima informou que sua comunicação atual está concentrada na Sabesp e que não responderia as perguntas da reportagem.

A Sabesp não indicou nenhum representante para explicar a contratação dos serviços para provocar chuvas artificiais nem respondeu questões complementares enviadas pelo UOL. *Com colaboração de Wellington Ramalhoso

Extending climate predictability beyond El Niño (Science Daily)

Date: April 21, 2015

Source: University of Hawaii – SOEST

Summary: Tropical Pacific climate variations and their global weather impacts may be predicted much further in advance than previously thought, according to research by an international team of climate scientists. The source of this predictability lies in the tight interactions between the ocean and the atmosphere and among the Atlantic, the Pacific and the Indian Oceans. Such long-term tropical climate forecasts are useful to the public and policy makers, researchers say.


This image shows inter-basin coupling as a cause of multi-year tropical Pacific climate predictability: Impact of Atlantic warming on global atmospheric Walker Circulation (arrows). Rising air over the Atlantic subsides over the equatorial Pacific, causing central Pacific sea surface cooling, which in turn reinforces the large-scale wind anomalies. Credit: Yoshimitsu Chikamoto

Tropical Pacific climate variations and their global weather impacts may be predicted much further in advance than previously thought, according to research by an international team of climate scientists from the USA, Australia, and Japan. The source of this predictability lies in the tight interactions between the ocean and the atmosphere and among the Atlantic, the Pacific and the Indian Oceans. Such long-term tropical climate forecasts are useful to the public and policy makers.

At present computer simulations can predict the occurrence of an El Niño event at best three seasons in advance. Climate modeling centers worldwide generate and disseminate these forecasts on an operational basis. Scientists have assumed that the skill and reliability of such tropical climate forecasts drop rapidly for lead times longer than one year.

The new findings of predictable climate variations up to three years in advance are based on a series of hindcast computer modeling experiments, which included observed ocean temperature and salinity data. The results are presented in the April 21, 2015, online issue of Nature Communications.

“We found that, even three to four years after starting the prediction, the model was still tracking the observations well,” says Yoshimitsu Chikamoto at the University of Hawaii at Manoa International Pacific Research Center and lead author of the study. “This implies that central Pacific climate conditions can be predicted over several years ahead.”

“The mechanism is simple,” states co-author Shang-Ping Xie from the University of California San Diego. “Warmer water in the Atlantic heats up the atmosphere. Rising air and increased precipitation drive a large atmospheric circulation cell, which then sinks over the Central Pacific. The relatively dry air feeds surface winds back into the Atlantic and the Indian Ocean. These winds cool the Central Pacific leading to conditions, which are similar to a La Niña Modoki event. The central Pacific cooling then strengthens the global atmospheric circulation anomalies.”

“Our results present a paradigm shift,” explains co-author Axel Timmermann, climate scientist and professor at the University of Hawaii. “Whereas the Pacific was previously considered the main driver of tropical climate variability and the Atlantic and Indian Ocean its slaves, our results document a much more active role for the Atlantic Ocean in determining conditions in the other two ocean basins. The coupling between the oceans is established by a massive reorganization of the atmospheric circulation.”

The impacts of the findings are wide-ranging. “Central Pacific temperature changes have a remote effect on rainfall in California and Australia. Seeing the Atlantic as an important contributor to these rainfall shifts, which happen as far away as Australia, came to us as a great surprise. It highlights the fact that on multi-year timescales we have to view climate variability in a global perspective, rather than through a basin-wide lens,” says Jing-Jia Luo, co-author of the study and climate scientist at the Bureau of Meteorology in Australia.

“Our study fills the gap between the well-established seasonal predictions and internationally ongoing decadal forecasting efforts. We anticipate that the main results will soon be corroborated by other climate computer models,” concludes co-author Masahide Kimoto from the University of Tokyo, Japan.

Journal Reference:

  1. Yoshimitsu Chikamoto, Axel Timmermann, Jing-Jia Luo, Takashi Mochizuki, Masahide Kimoto, Masahiro Watanabe, Masayoshi Ishii, Shang-Ping Xie, Fei-Fei Jin. Skilful multi-year predictions of tropical trans-basin climate variabilityNature Communications, 2015; 6: 6869 DOI: 10.1038/ncomms7869

Software tool allows scientists to correct climate ‘misinformation’ from major media outlets (ClimateWire)

ClimateWire, April 13, 2015.

Manon Verchot, E&E reporter
Published: Monday, April 13, 2015
After years of misinformation about climate change and climate science in the media, more than two dozen climate scientists are developing a Web browser plugin to right the wrongs in climate reporting.

The plugin, called Climate Feedback and developed by Hypothes.is, a nonprofit software developer, allows researchers to annotate articles in major media publications and correct errors made by journalists.

“People’s views about climate science depend far too much on their politics and what their favorite politicians are saying,” said Aaron Huertas, science communications officer at the Union of Concerned Scientists. “Misinformation hurts our ability to make rational decisions. It’s up to journalists to tell the public what we really know, though it can be difficult to make time to do that, especially when covering breaking news.”

An analysis from the Union of Concerned Scientists found that levels of inaccuracy surrounding climate change vary dramatically depending on the news outlet. In 2013, 72 percent of climate-related coverage on Fox News contained misleading statements, compared to 30 percent on CNN and 8 percent on MSNBC.

Through Climate Feedback, researchers can comment on inaccurate statements and rate the credibility of articles. The group focuses on annotating articles from news outlets it considers influential — like The Wall Street Journal or The New York Times — rather than blogs.

“When you read an article it’s not just about it being wrong or right — it’s much more complicated than that,” said Emmanuel Vincent, a climate scientist at the University of California, Merced’s Center for Climate Communication, who developed the idea behind Climate Feedback. “People still get confused about the basics of climate change.”

‘It’s crucial in a democracy’

According to Vincent, one of the things journalists struggle with most is articulating the effect of climate change on extreme weather events. Though hurricanes or other major storms cannot be directly attributed to climate change, scientists expect warmer ocean temperatures and higher levels of water vapor in the atmosphere to make storms more intense. Factors like sea-level rise are expected to make hurricanes more devastating as higher sea levels allow storm surges to pass over existing infrastructure.

“Trying to connect a weather event with climate change is not the best approach,” Vincent said.

Climate Feedback hopes to clarify issues like these. The group’s first task was annotating an article published inThe Wall Street Journal in September 2014.

In the piece, the newspaper reported that sea-level rise experienced today is the same as sea-level rise experienced 70 years ago. But in the annotated version of the story, Vincent pointed to research from Columbia University that directly contradicted that idea.

“The rate of sea level rise has actually quadrupled since preindustrial times,” wrote Vincent in the margins.

Vincent hopes that tools like Climate Feedback can help journalists learn to better communicate climate research and can make members of the public confident that the information they are receiving is credible.

Researchers who want to contribute to Climate Feedback are required to have published at least one climate-related article that passed a peer review. Many say these tools are particularly important in the Internet era, when masses of information make it difficult for the public to wade through the vast quantities of articles and reports.

“There are big decisions that need to be made about climate change,” Vincent said. “It’s crucial in a democracy for people to know about these issues.”

A região mexicana que acredita ser protegida por ETs (BBC)

15 abril 2015

BBC Mundo

Muitos moradores de Tampico e Ciudad Madero acreditam que a costa em frente à praia Miramar é o melhor local para se avistar ETs

Sentado num sofá de uma cafeteria simples de Ciudad Madero, um homem me convida a meditar para ver óvnis.

A televisão exibe Bob Marley cantando I Shot the Sheriff e, atrás do balcão, uma mulher prepara um frappuccino.

A cidade fica no violento Estado de Tamaulipas, nordeste do México, e muitos acreditam que os extraterrestres passaram décadas a protegendo de furacões.

Isto porque, quando os furacões que ocorrem na região avançam com força até a costa, onde fica a cidade, eles parariam de forma abrupta e misteriosa, mudando de direção, de acordo com os habitantes mais crentes.

Moradores dizem que já viram os alienígenas, outros afirmam que há uma base submarina a cerca de 40 quilômetros da costa e que já viram suas naves, esferas, triângulos e luzes.

Thinkstock

Aliens são um assunto falado abertamente nesta região do México

E todos conversam abertamente sobre o assunto.

O engenheiro civil Fernando Alonso Gallardo, 68 anos, aposentado da petroleira estatal Pemex e empresário, tem o rosto queimado pelo sol da praia local, Miramar, uma faixa de areia de dez quilômetros.

Pelas janelas do restaurante de Gallardo, o El Mexicano, que fica na praia, entra uma brisa do Golfo do México.

Gallardo conta sua história à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC. A dele, como a de muitos em Ciudad Madero, envolve avistamentos de objetos voadores não identificados.

BBC Mundo

Furacões em 1933 e 1955 destruíram o restaurante da família de Alonso

Em 1933, quando os furacões ainda não tinham nome, um da categoria 5 chegou a Tampico, onde Gallardo nasceu, perto de Ciudad Madero. O furacão destruiu o restaurante de seu pai, mas a família construiu outro.

Em 1955 o furacão Hilda, que inundou três quartos da cidade e deixou 20 mil desabrigados, voltou a atingir a região.

“Acho que nesta época não havia extraterrestres, se houvesse, não teria tantos desastres”, diz Gallardo.

Furacões também ocorreram em 1947, 1951 e 1966. Mas, logo, as tempestades pararam de atingir a região.

Investigadores acreditam que o verdadeiro motivo do desvio dos furacões é a presença de correntes de água fria na área. Mas, nas vizinhas Tampico e Ciudad Madero, ninguém ignora a crença de que algo sobrenatural defenderia a região.

Avistamentos

Entre o século 19 e os anos 1970, quando as pessoas viam objetos luminosos no céu, diziam que eram bruxas.

Em 1967, foi construído um monumento à Virgem de Carmen – padroeira do mar e dos marinheiros – no local por onde passam pescadores quando deixam o rio Pánuco, que divide os Estados de Tamaulipas e Veracruz.

Muitos viam aí a explicação para o desaparecimento de furacões.

Até hoje, é uma tradição que marinheiros façam o sinal da cruz diante da estátua e capitães buzinem suas embarcações, disse Marco Flores, que desde 1995 é cronista oficial do governo da cidade de Tampico.

A teoria marciana chegou pouco depois.

BBC Mundo

Muitos acreditam que são os ETs que protegem a região de furacões

Segundo Flores, ela foi trazida por um homem da Cidade do México que chegou a Tampico por volta dos anos 1970 a trabalho, e garantiu que mais do que proteger a cidade, os extraterrestres que haviam entrado em contato com ele guardavam suas bases submarinas.

Alonso Gallardo concorda. “Não é um esforço para proteger a cidade, é um esforço para proteger a cidade onde eles vivem, porque eles encontraram uma maneira de estar lá”.

Gallardo diz ter visto seu primeiro óvni em 1983: um disco de 60 metros de diâmetro com luzes amareladas. Isso ocorreu no final do calçadão que serve para separar a água verde do Golfo do México da água escura do rio Pánuco.

Ali, dizem os que acreditam, é o melhor lugar para se ver os objetos.

‘Falta de inteligência’

O ponto de encontro dos “crentes” era um café no Walmart, mas a mulher que os atendia não parecia confortável com o tópico da conversa. Assim, os membros da Associação de Investigação Científica Óvni de Tampico se mudaram para o restaurante Bambino de Ciudad Madero.

Ali, cada um espera para narrar suas experiências.

BBC Mundo

José Luis Cárdenas tira fotos do céu, nas quais aparecem luzes estranhas

Na cabeceira da mesa, Eduardo Ortiz Anguiano, 83 anos, fala sobre seu livro publicado no ano passado, De Ovnis, fantasmas e outros eventos extraordinários.

Durante três anos, ele coletou mais de 100 depoimentos e se convenceu: “Duvidar da existência de óvnis é não ter inteligência”.

E muitos concordam. Eva Martínez diz que a presença de extraterrestres lhe dá paz.

José Luis Cárdenas tem várias fotografias nas quais se vê luzes com formas estranhas – luzes que não estão no céu no momento da foto mas que aparecem no visor da câmera, segundo ele.

“Se os seres que nos visitam não nos machucam, então estão nos protegendo, estão fazendo algo por nós. E é assim que temos que ver as coisas”, disse.

A última vez que um furacão que dirigia-se para a área de Tampico se desviou foi em 2013.

Naquele ano, autoridades locais colocaram o busto de um marciano na praia de Miramar (que foi roubado logo depois) e declararam que na última terça-feira de outubro seria celebrado o Dia do Marciano.

“A explicação que não podemos dar cientificamente damos de maneira mágica. As pessoas desta região têm um pensamento mágico”, diz Flores, o cronista de Tampico.

‘Deus gosta de Tampico’

No sofá da cafeteria de Ciudad Madero, Juan Carlos Ramón López Díaz, presidente da associação de pesquisadores de óvnis, pede para que eu feche os olhos e mantenha a mente tranquila.

Ele me convida a ver um objeto luminoso no qual posso entrar, se eu quiser.

Atrás do balcão, ligam o liquidificador. Abro os olhos. Apesar da ajuda de López Díaz, não vi nada.