Arquivo mensal: janeiro 2018

Language is learned in brain circuits that predate humans (Georgetown University)

PUBLIC RELEASE: 

GEORGETOWN UNIVERSITY MEDICAL CENTER

WASHINGTON — It has often been claimed that humans learn language using brain components that are specifically dedicated to this purpose. Now, new evidence strongly suggests that language is in fact learned in brain systems that are also used for many other purposes and even pre-existed humans, say researchers in PNAS (Early Edition online Jan. 29).

The research combines results from multiple studies involving a total of 665 participants. It shows that children learn their native language and adults learn foreign languages in evolutionarily ancient brain circuits that also are used for tasks as diverse as remembering a shopping list and learning to drive.

“Our conclusion that language is learned in such ancient general-purpose systems contrasts with the long-standing theory that language depends on innately-specified language modules found only in humans,” says the study’s senior investigator, Michael T. Ullman, PhD, professor of neuroscience at Georgetown University School of Medicine.

“These brain systems are also found in animals – for example, rats use them when they learn to navigate a maze,” says co-author Phillip Hamrick, PhD, of Kent State University. “Whatever changes these systems might have undergone to support language, the fact that they play an important role in this critical human ability is quite remarkable.”

The study has important implications not only for understanding the biology and evolution of language and how it is learned, but also for how language learning can be improved, both for people learning a foreign language and for those with language disorders such as autism, dyslexia, or aphasia (language problems caused by brain damage such as stroke).

The research statistically synthesized findings from 16 studies that examined language learning in two well-studied brain systems: declarative and procedural memory.

The results showed that how good we are at remembering the words of a language correlates with how good we are at learning in declarative memory, which we use to memorize shopping lists or to remember the bus driver’s face or what we ate for dinner last night.

Grammar abilities, which allow us to combine words into sentences according to the rules of a language, showed a different pattern. The grammar abilities of children acquiring their native language correlated most strongly with learning in procedural memory, which we use to learn tasks such as driving, riding a bicycle, or playing a musical instrument. In adults learning a foreign language, however, grammar correlated with declarative memory at earlier stages of language learning, but with procedural memory at later stages.

The correlations were large, and were found consistently across languages (e.g., English, French, Finnish, and Japanese) and tasks (e.g., reading, listening, and speaking tasks), suggesting that the links between language and the brain systems are robust and reliable.

The findings have broad research, educational, and clinical implications, says co-author Jarrad Lum, PhD, of Deakin University in Australia.

“Researchers still know very little about the genetic and biological bases of language learning, and the new findings may lead to advances in these areas,” says Ullman. “We know much more about the genetics and biology of the brain systems than about these same aspects of language learning. Since our results suggest that language learning depends on the brain systems, the genetics, biology, and learning mechanisms of these systems may very well also hold for language.”

For example, though researchers know little about which genes underlie language, numerous genes playing particular roles in the two brain systems have been identified. The findings from this new study suggest that these genes may also play similar roles in language. Along the same lines, the evolution of these brain systems, and how they came to underlie language, should shed light on the evolution of language.

Additionally, the findings may lead to approaches that could improve foreign language learning and language problems in disorders, Ullman says.

For example, various pharmacological agents (e.g., the drug memantine) and behavioral strategies (e.g., spacing out the presentation of information) have been shown to enhance learning or retention of information in the brain systems, he says. These approaches may thus also be used to facilitate language learning, including in disorders such as aphasia, dyslexia, and autism.

“We hope and believe that this study will lead to exciting advances in our understanding of language, and in how both second language learning and language problems can be improved,” Ullman concludes.

Anúncios

What happens to language as populations grow? It simplifies, say researchers (Cornell)

PUBLIC RELEASE: 

CORNELL UNIVERSITY

ITHACA, N.Y. – Languages have an intriguing paradox. Languages with lots of speakers, such as English and Mandarin, have large vocabularies with relatively simple grammar. Yet the opposite is also true: Languages with fewer speakers have fewer words but complex grammars.

Why does the size of a population of speakers have opposite effects on vocabulary and grammar?

Through computer simulations, a Cornell University cognitive scientist and his colleagues have shown that ease of learning may explain the paradox. Their work suggests that language, and other aspects of culture, may become simpler as our world becomes more interconnected.

Their study was published in the Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences.

“We were able to show that whether something is easy to learn – like words – or hard to learn – like complex grammar – can explain these opposing tendencies,” said co-author Morten Christiansen, professor of psychology at Cornell University and co-director of the Cognitive Science Program.

The researchers hypothesized that words are easier to learn than aspects of morphology or grammar. “You only need a few exposures to a word to learn it, so it’s easier for words to propagate,” he said.

But learning a new grammatical innovation requires a lengthier learning process. And that’s going to happen more readily in a smaller speech community, because each person is likely to interact with a large proportion of the community, he said. “If you have to have multiple exposures to, say, a complex syntactic rule, in smaller communities it’s easier for it to spread and be maintained in the population.”

Conversely, in a large community, like a big city, one person will talk only to a small proportion the population. This means that only a few people might be exposed to that complex grammar rule, making it harder for it to survive, he said.

This mechanism can explain why all sorts of complex cultural conventions emerge in small communities. For example, bebop developed in the intimate jazz world of 1940s New York City, and the Lindy Hop came out of the close-knit community of 1930s Harlem.

The simulations suggest that language, and possibly other aspects of culture, may become simpler as our world becomes increasingly interconnected, Christiansen said. “This doesn’t necessarily mean that all culture will become overly simple. But perhaps the mainstream parts will become simpler over time.”

Not all hope is lost for those who want to maintain complex cultural traditions, he said: “People can self-organize into smaller communities to counteract that drive toward simplification.”

His co-authors on the study, “Simpler Grammar, Larger Vocabulary: How Population Size Affects Language,” are Florencia Reali of Universidad de los Andes, Colombia, and Nick Chater of University of Warwick, England.

Cultura primata (Revista Fapesp)

Transmissão de práticas de uso de ferramentas por macacos-prego ajuda a repensar o papel das tradições na evolução

MARIA GUIMARÃES | ED. 259 | SETEMBRO 2017

Podcast: Eduardo Ottoni

Com uma pedra erguida acima da cabeça, o jovem Porthos bate vigorosamente no chão arenoso de modo a abrir um buraco. Seu objetivo: uma aranha, que logo consegue desentocar e rola entre as mãos para tontear a presa que em seguida come. Ele é um macaco-prego da espécie Sapajus libidinosus, habitante do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí, e objeto de estudo de pesquisadores do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP). O biólogo Tiago Falótico tem caracterizado o uso de ferramentas por esses animais (ver Pesquisa FAPESP nº 196) e mostrou, em artigo publicado em julho na revista Scientific Reports, que a ação do jovem macho envolve conhecimento, aprendizado e transmissão de práticas culturais – ou tradições, como alguns preferem chamar quando os sujeitos não são humanos – dentro de grupos sociais. A pesquisa está no bojo de um corpo teórico que busca entrelaçar biologia, ciências sociais e humanas e recém-desembocou na formação da Sociedade de Evolução Cultural. Sua reunião inaugural acaba de acontecer na Alemanha, entre 13 e 15 de setembro.

Até agora, o uso de pedras como ferramentas para cavar só foi documentado nessa população. Especialmente quando se trata de desentocar aranhas, é preciso experiência. O estudo, resultado de observações feitas durante o doutorado de Falótico, encerrado em 2011 sob orientação do biólogo Eduardo Ottoni, mostra que quase 60% dos adultos e jovens (como Porthos) têm sucesso na tarefa. Macacos juvenis (o correspondente a crianças), por outro lado, só conseguem em pouco mais de 30% dos casos. Isso acontece porque é preciso reconhecer o revestimento de seda que fecha a toca do aracnídeo, sinal de que o habitante está lá dentro. “Os juvenis às vezes cavam uma toca que acabou de ser aberta por outro macaco”, conta Falótico. Estruturas subterrâneas, parecidas com batatas, da planta conhecida como farinha-seca (Thiloa glaucocarpa), também são desenterradas com mais eficiência pelos adultos. Já as raízes de louro (Ocotea), outro alimento desses primatas, apesar de envolverem o uso de pedras maiores, não parecem apresentar um desafio especial para os aprendizes. Macacos dos dois sexos se mostraram igualmente capazes de cavar com pedras, com uma taxa de sucesso equivalente, embora eles pareçam ter mais interesse pela atividade: entre as 1.702 situações observadas, 77% envolviam machos e apenas 23%, fêmeas.

“Esperávamos encontrar uma correlação entre o uso de ferramentas e a escassez de alimentos, mas não foi o que vimos”, conta Falótico. Se os macacos da serra da Capivara encontram algo comestível que exija o uso de ferramentas, recorrem a elas. Seu modo de vida, em que passam metade do tempo no chão rodeados de pedras e gravetos, parece ser propício ao desenvolvimento das habilidades. Mas não é só isso. Embora não haja diferença entre os sexos nos hábitos alimentares, as fêmeas nunca usam gravetos – que seus companheiros masculinos utilizam para desentocar lagartos de frestas e retirar insetos de troncos, por exemplo. Há diferença apenas, aparentemente, no interesse. “Quando um macho vê outro usar uma vareta, ele observa atento; já uma fêmea, mesmo que esteja ao lado daquele usando a ferramenta, não se interessa e olha para o outro lado!”

Os macacos da mesma espécie que habitam a fazenda Boa Vista, em Gilbués, cerca de 300 quilômetros (km) para sudoeste, têm tradições distintas no uso de ferramentas. Ali, uma área com mais influência de Cerrado do que Caatinga, as pedras são menos abundantes, mas necessárias (e usadas) para quebrar cocos. Gravetos estão por toda parte, mas não têm uso. Essa diferença cultural entre grupos de macacos foi explorada em um experimento feito pelo psicólogo Raphael Moura Cardoso durante o doutorado, orientado por Eduardo Ottoni, e relatado em artigo de 2016 na Biology Letters. Eles puseram – tanto na fazenda Boa Vista como na serra da Capivara – caixas de acrílico recheadas de melado de cana. O único jeito de retirar a guloseima era por meio de uma fenda no alto com largura suficiente apenas para varetas. “Na serra da Capivara, um macho logo acertou uma pedrada na caixa”, lembra Ottoni, que, previdente, tinha planejado o aparato “à prova de macaco-prego”. “Quando nada aconteceu, ele largou a pedra, coçou a cabeça e pegou um graveto.” Ele brinca que nem precisou editar o vídeo para mostrar em um congresso – foi uma ação contínua e imediata. Ao longo de cinco dias de exposição à caixa, 10 dos 14 machos usaram o graveto logo na primeira sessão, e apenas os três mais jovens não foram bem-sucedidos. Os demais conseguiram um sucesso de 90% na empreitada. As fêmeas não tentaram, assim como os macacos da fazenda Boa Vista. Lá, os pesquisadores até tentaram ajudar: depois de seis horas expostos à tarefa, os macacos deparavam com um graveto já fincado na fenda. Mesmo tirando e lambendo o melado da ponta, nenhum deles voltou a inserir a ferramenta na caixa ao longo de 13 dias de experimento. Uma surpresa foi que os macacos da Boa Vista, exímios quebradores de coco, não tentaram partir a caixa. “Eu esperava isso deles, não dos outros”, diz Ottoni.

Aprendizado social

Os resultados, surpreendentes, podem reforçar a importância da transmissão de tradições entre os macacos. A capa da edição de 25 de julho deste ano da revista PNAS traz justamente a foto de um macaco-prego da fazenda Boa Vista comendo uma castanha que conseguiu quebrar com a ajuda de uma grande pedra redonda, observado de perto por um jovem. A imagem anuncia a coletânea especial sobre como a cultura se conecta à biologia, da qual faz parte um artigo do grupo liderado pelas primatólogas Patrícia Izar, do IP-USP, Dorothy Fragaszy, da Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, e Elisabetta Visalberghi, do Instituto de Ciências e Tecnologias Cognitivas, na Itália, sobre os macacos da fazenda Boa Vista, que estudam sistematicamente desde 2006. Nas observações recolhidas ao longo desse tempo, chama a atenção a tolerância dos adultos em relação aos jovens aprendizes que olham de perto e até comem pedaços dos cocos partidos. “Os adultos competem pelos recursos e os imaturos podem ficar perto”, conta Patrícia. As análises publicadas no artigo recente mostram muito mais do que proximidade: os quebradores de coco influenciam a atividade dos outros, sobretudo os jovens, que também começam a manipular pedras e cocos. Isso dura alguns minutos. “A tradição canaliza a atividade para o mesmo tipo de ação importante para essa tradição”, define.

Patrícia ressalta que os macacos nascem nesse contexto. “Muitas vezes vemos filhotes nas costas das mães enquanto elas quebram”, conta. Com esse aprendizado contínuo, acabam se tornando especialistas na tarefa. Mas não basta observar, e daí a importância de os filhotes serem atraídos pela ação dos adultos – principalmente os mais eficazes. “O sucesso passa pela percepção da tarefa e das propriedades da ferramenta”, detalha, descrevendo um complexo corpo-ferramenta em que é constantemente necessário ajustar força, gestos e postura. Quando quebram tucum, um coquinho menos resistente, os macacos ajustam a força das pancadas depois de ouvirem o som da superfície rachando, o grupo mostrou em artigo do ano passado na Animal Behaviour. Para cocos mais difíceis, eles escolhem pedras que podem chegar a ser mais pesadas do que o próprio corpo. E a seleção da pedra é criteriosa, conforme mostrou um experimento em que Patrícia e seu grupo forneceram pedras artificiais com diferentes tamanhos, pesos e densidades. As pedras grandes logo atraíam a atenção dos macacos, mas se fossem pouco densas – mais leves do que aparentavam – eram abandonadas. “Eles têm a percepção de que o peso é importante na quebra”, diz Patrícia.

Tolerância: macho adulto da fazenda Boa Vista come castanha partida observado de perto por jovem

Essas sociedades primatas alteram o ambiente. Macacos escolhem pedras ou troncos achatados como base para quebrar coco, e para lá carregam as raras pedras grandes e duras que encontram no ambiente. Essa conformação é importante não só por criar oficinas de quebra, mas por canalizar a possibilidade de aprendizado, já que todos sabem onde a atividade acontece e pode ser observada. “Não faz sentido pensar em maturação motora independente do contexto social, alimentar”, afirma a bióloga Briseida Resende, também do IP-USP e coautora do artigo da PNAS. O desenvolvimento individual depende das experiências de cada um, de suas capacidades físicas e do acervo acumulado pelo grupo, no qual uma inovação criada pode se disseminar, perpetuar-se e fazer parte da cultura mantida por gerações. Resende defende que indivíduo e sociedade são indissociáveis, embora historicamente tenham sido vistos como entidades distintas.

Teoria revista

Reunir a evolução cultural e a biológica é justamente o foco da síntese estendida, agora sedimentada com a fundação, em 2016, da Sociedade de Evolução Cultural – o primeiro presidente é o zoólogo Peter Richerson, da Universidade da Califórnia em Davis, cujo grupo privilegia a estatística. Essa visão conjunta amplia o olhar evolutivo, já que a transmissão de ideias ou inovações não se dá apenas de pais para filhos e pode trazer vantagens seletivas favorecendo as capacidades cognitivas e sociais relevantes. Considera também que a cultura pode influenciar aspectos físicos, como a conformação e o tamanho do cérebro, ou o desenvolvimento de habilidades que por sua vez sedimentam o comportamento. Os genes e a cultura, duas vias de transmissão de informação, relacionam-se, portanto, por uma via de mão dupla.

Jovens aprendizes tentam tirar proveito de escavação feita por fêmea

A oportunidade de ver comportamentos surgirem e se espalhar é rara, e por isso abordagens experimentais que provocam inovações são um acréscimo importante aos comportamentos diversos dos macacos-prego do Piauí. Ferramentas estatísticas recentes podem ajudar a aprofundar essa compreensão, como a Análise de Difusão Baseada em Redes (Network-Based Diffusion Analysis) que o grupo de Ottoni começa a usar. “O programa monta uma rede social aleatória e compara à real”, explica o pesquisador, que torna as análises mais robustas inserindo características medidas nos sujeitos em causa. Em agosto de 2016 ele apresentou, no congresso da Sociedade Primatológica Internacional, em Chicago, resultados do experimento feito pela bióloga Camila Coelho durante doutorado orientado por ele com um período passado na Universidade de Durham, no Reino Unido, para aprender o método. Os resultados indicam que, no caso dos macacos-prego, o aprendizado social prevê a difusão de informação na espécie.

Até meio século atrás, o uso de ferramentas era considerado privilégio humano. Ao observar chimpanzés na Tanzânia, a inglesa Jane Goodall derrubou essa exclusividade e, de certa maneira, causou a redefinição das fronteiras entre gente e bicho. Muito se descobriu de lá para cá, mas falar em cultura animal ainda esbarra em certo desconforto. Talvez não por muito mais tempo.

O uso de pedras para escavar só foi descrito na serra da Capivara

Sob o comando de hormônios

O cuidado com os filhotes está ligado ao hormônio oxitocina em mamíferos. O grupo liderado por Maria Cátira Bortolini, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, descreveu há poucos anos as variações na molécula de oxitocina em espécies de macacos nas quais há bons pais (ver Pesquisa FAPESP 228). Ensaios farmacológicos feitos no laboratório do bioquímico Claudio Costa-Neto, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, agora desvendaram o caminho da oxitocina dentro das células e verificaram que os receptores das formas alteradas ficam mais expostos nas membranas das células, de maneira que o sistema não se dessensibiliza. “É como se o macaco recebesse constantemente a instrução ‘tenho que cuidar dos filhotes’”, explica Cátira. Faz diferença para a sobrevivência de saguis, que frequentemente têm filhotes gêmeos, por exemplo.

O resultado está em artigo publicado em agosto na PNAS, que também descreve o resultado da aplicação dessas oxitocinas em ratos por meio de borrifadas nasais, experimento realizado em colaboração com o fisiologista Aldo Lucion, da UFRGS. As fêmeas lactantes, já inundadas de oxitocina, alteraram pouco o comportamento. Mas os machos tratados com o hormônio alteraram radicalmente o hábito de ignorar os filhotes e correram para cheirá-los, uma reação que foi três vezes mais rápida com a oxitocina de sagui.

Os cebídeos, família que inclui os macacos-prego, também têm um tipo de oxitocina que aumenta a propensão à paternidade ativa. Os grupos de Cátira e de Ottoni recentemente iniciaram uma colaboração para investigar as características genéticas em machos mais e menos cuidadores. “Já conseguimos extrair material genético de amostras de fezes e estamos selecionando genes candidatos a serem rastreados”, conta ela, fascinada com a tolerância dos machos e as habilidades cognitivas dos primatas do Piauí. “A capacidade de inovar, por um lado, e a de sentar e observar, por outro, são necessárias para o desenvolvimento e a transmissão de traços culturais adaptativos e certamente há um cenário genético por trás disso.”

Projetos
1. Uso de ferramentas por macacos-prego (Sapajus libidinosus) selvagens: Ecologia, aprendizagem socialmente mediada e tradições comportamentais (nº 14/04818-0); Modalidade Projeto Temático; Pesquisador responsável Eduardo Benedicto Ottoni (USP); Investimento R$ 609.276,69.2. Variabilidade de comportamento social de macacos-prego (gênero Cebus): Análise comparativa entre populações para investigação de correlatos fisiológicos (nº 08/55684-3); Modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular; Pesquisadora responsável Patrícia Izar (USP); Investimento R$ 186.187,33.
3. Desenvolvimento de novos ligantes/drogas com ação agonística seletiva (biased agonism) para receptores dos sistemas renina-angiotensina e calicreínas-cininas: Novas propriedades e novas aplicações biotecnológicas (nº 12/20148-0); ModalidadeProjeto Temático; Pesquisador responsável Claudio Miguel da Costa Neto (USP); Investimento R$ 3.169.674,21.

Artigos científicos
FALÓTICO, T. et alDigging up food: excavation stone tool use by wild capuchin monkeysScientific Reports. v. 7, n. 1, 6278. 24 jul. 2017.
CARDOSO, R. M. e OTTONI, E. B. The effects of tradition on problem solving by two wild populations of bearded capuchin monkeys in a probing task. Biology Letters. v. 12, n. 11, 20160604. nov. 2016.
FRAGASZY, D. M. et alSynchronized practice helps bearded capuchin monkeys learn to extend attention while learning a traditionPNAS. v. 114, n. 30, p. 7798-805. 25 jul. 2017.
MANGALAM, M., Izar, et alTask-specific temporal organization of percussive movements in wild bearded capuchin monkeysAnimal Behaviour. v. 114, p. 129–137. abr. 2016.
PARREIRAS-E-SILVA, L. T. et alFunctional new world monkey oxytocin forms elicit na altered signaling profile and promotes parental care in ratsPNAS. v. 114, n. 34, p. 9044-49. 22 ago. 2017.
VISALBERGHI, E. et al. Selection of effective stone tools by wild bearded capuchin monkeys (Cebus libidinosus)Current Biology, v. 19, n. 3, p. 213-17. 10 fev. 2009.

Médium garante controlar o clima e atendeu governos do Brasil e do exterior (RedeTV!)

 

Médium garante controlar o clima e atendeu governos do Brasil e do exterior

Em rara aparição na TV, Adelaide Scritori, da Fundação Cacique Cobra Coral, fala sobre a parceira com políticos brasileiros e estrangeiros. Além de garantir que pode controlar o clima, ela mostra documentos para provar que alertou o governo dos EUA sobre o atentado às Torres Gêmeas, Saddam Hussein da Guerra do Golfo e diz que avisou Ayrton Senna sobre o acidente que ele sofreria em Ímola.

Publicada: 19/01/2018

fccc

They Hunt. They Gather. They’re Very Good at Talking About Smells (N.Y.Times)

The answer might come down partly to culture, suggests a study published Thursday in Current Biology.

To better understand why the Jahai have this knack with naming smells, researchers compared a different group of hunter-gatherers on the peninsula, the Semaq Beri, with neighbors who are not hunter-gatherers. Even though they shared related languages and a home environment, the Semaq Beri had a superior ability at putting words to odors. These results challenge assumptions that smelling just isn’t something people are good at. They also show how important culture is to shaping who we are — and even what we do with our noses.

[READ: Ancestral Climates May Have Shaped Your Nose]

In the rainforests of the Malay Peninsula, the Semaq Beri, like the Jahai, are hunter-gatherers. But the Semelai, a group that lives nearby, cultivate rice and trade collected forest items.

Semaq Beri members clearing undergrowth in the durian fruit season. A neighboring group, the Semelai, share a related language but were less adept at naming odors they smelled. Credit: Nicole Kruspe

To test their color and odor naming abilities, the researchers asked members of each group to identify colors on swatches and odors trapped inside pens. When it came to naming more than a dozen odors including leather, fish and banana, the differences were clear. The Semaq Beri used particular terms to describe odor qualities. But when the Semelai tried to identify the source, they often got it wrong. The difference between the two groups was as pronounced as the gap in the earlier study between the Jahai and English-speaking Americans.

“I thought the differences would be more subtle between the two groups,” said Nicole Kruspe, a linguist at Lund University in Sweden who co-authored the study.

Perhaps the importance a culture places on odor influences how people describe it. And if you depend on the forest’s produce to live, you may want to know more subtle attributes that indicate origin, safety or quality.

“A cultural preoccupation with odor is useful in the forest with limited vision,” said Dr. Kruspe.

The Semaq Beri value odors as food-locating resources but also as important pieces of life that can indicate a person’s identity and guide taboos and rules for behavior. But “that in itself doesn’t explain it,” Dr. Kruspe said.

[READ: The Nose, an Emotional Time Machine.]

Perhaps well-practiced skills preserved odor-detecting genes or primed brains to be better odor-detectors — which suggests that without continuing to use this ability, it could one day be lost.

Asifa Majid, a linguist at the Max Planck Institute for Psycholinguistics in the Netherlands and co-author of the paper, has also studied hunter-gatherers with comparable skills in Mexico and worries that pressures of globalization may disrupt these lifestyles, limit access to odors and threaten a vibrant odor lexicon.

One way to explore that possibility would be to see what happens to the lexicon for odors of descendants of hunter-gatherers who have been removed from that lifestyle.

“Unfortunately,” said Dr. Kruspe, “we will probably be able to test for that in a couple of generations.”

Distúrbios na academia (Pesquisa Fapesp)

Universidades trabalham no desenvolvimento de estratégias de prevenção e atendimento psicológico de alunos de graduação e pós-graduação

RODRIGO DE OLIVEIRA ANDRADE | ED. 262 | DEZEMBRO 2017

 

© PEDRO FRANZ

O caso de um estudante de doutorado que se suicidou nos laboratórios do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), em agosto deste ano, colocou em evidência a discussão sobre as pressões enfrentadas pelos que optam por seguir a carreira acadêmica e os distúrbios psicológicos relacionados à vida na pós-graduação. Esse é um assunto que aos poucos começa a ser mais discutido no Brasil. No entanto, ainda são poucas as universidades brasileiras que investem na criação de centros de atendimento psicológico aos seus estudantes de graduação e pós-graduação.

O problema é mundial. Na Bélgica, um estudo publicado em maio na revista Research Policy verificou que um terço dos 3.659 estudantes de doutorado das universidades da região de Flandres corria o risco de desenvolver algum tipo de doença psiquiátrica.
Em 2014, um estudo da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, constatou que 785 (31,4%) de 2.500 estudantes de pós-graduação apresentavam sinais de depressão. O estudo fazia parte de um trabalho mais amplo, desenvolvido desde 1994, quando se constatou que 10% dos pós-graduandos e dos pesquisadores em estágio de pós-doutorado da universidade já haviam considerado se suicidar.

No Reino Unido, um estudo publicado em 2001 na Educational Psychology verificou que 53% dos pesquisadores das universidades britânicas sofriam de algum distúrbio mental, enquanto na Austrália a taxa foi considerada até quatro vezes maior no meio acadêmico em comparação com a população de modo geral. Apesar de se basearem em uma amostra relativamente pequena, esses estudos evidenciam uma preocupação que começa a se tornar latente no meio acadêmico no mundo: estudantes de graduação e pós-graduação estão sujeitos a pressões que podem desencadear uma série de transtornos mentais.

Como nos outros países, no Brasil, a quantidade de estudos, dados e iniciativas envolvendo esse assunto ainda é singela. Em São Paulo, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) pretende lançar no início de 2018  o projeto “Bem viver para tod@s”. A iniciativa prevê a realização de palestras e debates com especialistas em saúde mental da própria universidade. “O objetivo é orientar alunos e professores sobre como identificar e lidar com esses problemas”, explica Cleópatra da Silva Planeta, pró-reitora de Extensão Universitária e coordenadora do projeto.

Algumas universidades já contam com serviços de atendimento para seus estudantes. Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), por exemplo, o Serviço de Assistência Psicológica e Psiquiátrica ao Estudante (Sappe), ligado à Pró-reitoria de Graduação, atua há 30 anos dando assistência psicológica e psiquiátrica aos alunos de graduação e pós-graduação. De acordo com a psiquiatra Tânia Vichi Freire de Mello, coordenadora do Sappe, cerca de 40% dos estudantes da universidade que procuram o serviço estão no mestrado ou doutorado. “A maioria relata experimentar insônia, estresse e ansiedade, além de crises de pânico e depressão”, ela conta. “É comum dizerem que tentam contornar esses problemas a partir do consumo de bebidas alcoólicas e drogas psicoativas, como maconha.”Esses problemas costumam ser resultado de uma convergência de fatores, na concepção do psiquiatra Neury José Botega, da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp. Segundo ele, a dinâmica da pós-graduação é marcada por prazos apertados, pressão para publicar artigos, carga de trabalho excessiva e cobranças. “Vários estudantes alegam não conseguir dar conta dos prazos ou saber lidar com o nível de exigência dos professores e orientadores”, comenta. São frequentes os casos de crises de estresse, ansiedade, pânico e depressão. “Muitas vezes a continuidade dos estudos fica inviável e o aluno entra em desespero por não conseguir tocar suas atividades.”

Um relatório divulgado em 2011 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que mapeou a vida social, econômica e cultural de quase 20 mil estudantes de graduação das universidades federais brasileiras, verificou que 29% deles já haviam procurado atendimento psicológico e 9%, psiquiátrico, o que envolve problemas mais sérios. O estudo também constatou que 11% já haviam tomado ou estavam tomando medicação psiquiátrica.

Um problema bastante comum entre os estudantes de pós-graduação, segundo Tamara Naiz, presidente da Associação Nacional dos Pós-graduandos (ANPG), é a chamada síndrome de burnout, quando o indivíduo atinge um nível grave de exaustão por trabalhar demais sem descansar. Há também a síndrome do impostor, que aflige acadêmicos que não conseguem aceitar os resultados alcançados como mérito próprio. “O desenvolvimento de transtornos na pós-graduação é um reflexo dos problemas da academia, que oferece poucas oportunidades”, ela destaca. “Ao mesmo tempo, as exigências e pressões envolvendo prazos curtos para qualificação e defesa, cobrança excessiva ou injusta por publicações em revistas de alto impacto, contribuem para agravar esse quadro.”

Também a relação com o orientador pode contribuir para o desenvolvimento de distúrbios psicológicos. Vários são os casos registrados pela ANPG de atitudes abusivas ou negligentes relatados por estudantes que sofreram assédio moral durante reuniões ou aulas. Igualmente frequentes são os casos que chegam à ANPG de orientadores omissos diante de questões ligadas à pesquisa de seus orientandos ou aqueles que solicitam aos alunos tarefas não relacionadas às suas pesquisas. Em outros casos, os relatos são de corte de bolsas e reprovação não justificadas ou com justificativas falsas ou não acadêmicas. Também o assédio sexual, em suas diversas formas, e a discriminação de gênero, que ainda persistem no mundo, são apontados como fatores desencadeadores de distúrbios psicológicos na academia, sobretudo entre as mulheres.

O caso da medicina
A grande maioria dos estudos em epidemiologia psiquiátrica envolvendo o ambiente acadêmico brasileiro está relacionada aos alunos de graduação, sobretudo os de medicina. Isso porque o curso costuma ser caracterizado pela pressão contínua por boas notas e extenuante carga horária de aulas e estudo. Além disso, o ambiente entre os próprios estudantes é marcado pela competitividade desde o vestibular, em geral sempre muito concorrido. Um estudo publicado em 2013 na Revista Brasileira de Educação Médica por pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, envolvendo 384 estudantes de medicina, verificou que 33,6% tinham algum tipo de transtorno mental, como ansiedade, depressão e somatoformes, doenças que persistem apesar de as desordens físicas não explicarem a natureza e extensão dos sintomas nem o sofrimento ou as preocupações do indivíduo.Segundo a médica psiquiatra Laura Helena Andrade, do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina (FM) da USP, a dificuldade na administração do tempo, o contato diário com a morte, o medo de adquirir doenças ou cometer erros e o sentimento de impotência diante de certas enfermidades contribuem para que esses estudantes estejam mais suscetíveis ao desenvolvimento de transtornos mentais. “O aluno da área da saúde precisa ter mais resiliência para poder manter seu desempenho de estudo, pesquisa e atendimento às pessoas enfermas”, ela ressalta. Apenas nos últimos cinco anos, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) registrou 22 tentativas de suicídio envolvendo alunos de medicina, segundo dados publicados em setembro no jornal O Estado de S. Paulo. Já nas universidades federais de São Paulo (Unifesp) e do ABC (UFABC), cinco estudantes se suicidaram no mesmo período.

Isso tem estimulado algumas universidades brasileiras a investirem na criação de núcleos de prevenção e atendimento psicológico específico para esses estudantes. Na Unicamp, há o Grupo de Apoio aos Estudantes de Graduação em Medicina, Fonoaudiologia e Residentes (Grapeme) da FCM. Já a USP conta desde 1986 com o Grupo de Assistência Psicológica ao Aluno (Grapal), entidade dedicada ao atendimento dos alunos dos cursos de fisioterapia, fonoaudiologia, medicina e terapia ocupacional, além dos residentes da FM-USP. Desde agosto a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tem dois núcleos de atendimento psicológico aos estudantes de graduação e pós-graduação.

Paralelamente, essas instituições estão trabalhando para capacitar professores para que possam se antecipar a esses problemas. Segundo Tania Vichi Freire de Mello, do Sappe, é importante que eles fiquem atentos a mudanças súbitas de comportamento de seus alunos ou queda no rendimento acadêmico. A busca por orientação ou tratamento psicológico pode evitar que o estudante abandone o curso. A conclusão é de um levantamento feito em 2016 que analisou o perfil de 1.237 alunos que passaram pelo atendimento do Sappe. No estudo, eles verificaram que a taxa de evasão de curso entre os atendidos pelo serviço era menor quando comparada com aqueles que não recorreram ao serviço.

Para Botega, da FCM-Unicamp, é importante que os professores se mostrem mais abertos para conversar sobre esse assunto com seus alunos, sem desmerecer suas angústias. “Em geral, os professores estão mais preocupados com o desempenho acadêmico de seus estudantes, sem se darem conta de que isso está relacionado à sanidade mental do aluno”, afirma o psiquiatra. “É preciso agir no sentido de acolher esses estudantes, orientá-los e, se for preciso, encaminhá-los aos serviços de atendimento”, destaca Botega.

Walter Benjamin’s thirteen rules for writing (Progressive Geographies)

Posted on  by

Walter Benjamin’s rules for writing – something I shared in the early days of this blog, but worth doing so again.

I. Anyone intending to embark on a major work should be lenient with themselves and, having completed a stint, deny themselves nothing that will not prejudice the next.

II. Talk about what you have written, by all means, but do not read from it while the work is in progress. Every gratification procured in this way will slacken your tempo. If this régime is followed, the growing desire to communicate will become in the end a motor for completion.

III. In your working conditions avoid everyday mediocrity. Semi-relaxation, to a background of insipid sounds, is degrading. On the other hand, accompaniment by an etude or a cacophony of voices can become as significant for work as the perceptible silence of the night. If the latter sharpens the inner ear, the former acts as a touchstone for a diction ample enough to bury even the most wayward sounds.

IV. Avoid haphazard writing materials. A pedantic adherence to certain papers, pens, inks is beneficial. No luxury, but an abundance of these utensils is indispensable.

V. Let no thought pass incognito, and keep your notebook as strictly as the authorities keep their register of aliens.

VI. Keep your pen aloof from inspiration, which it will then attract with magnetic power. The more circumspectly you delay writing down an idea, the more maturely developed it will be on surrendering itself. Speech conquers thought, but writing commands it.

VII. Never stop writing because you have run out of ideas. Literary honour requires that one break off only at an appointed moment (a mealtime, a meeting) or at the end of the work.

VIII. Fill the lacunae of inspiration by tidily copying out what is already written. Intuition will awaken in the process.

IX. Nulla dies sine linea [“no day without a line” (Apelles ex Pliny)] — but there may well be weeks.

X. Consider no work perfect over which you have not once sat from evening to broad daylight.

XI. Do not write the conclusion of a work in your familiar study. You would not find the necessary courage there.

XII. Stages of composition: idea — style — writing. The value of the fair copy is that in producing it you confine attention to calligraphy. The idea kills inspiration, style fetters the idea, writing pays off style.

XIII. The work is the death mask of its conception.

From “One-Way Street”, Reflections: Essays, Aphorisms, Autobiographical Writings, ed. Peter Demetz, trans. Edmund Jephcott, New York: Schocken, 1978, pp. 80-81.