Tag Archives: Governança ambiental

World’s nations start to hammer out first global treaty on plastic pollution (Science)

science.org

“Ambitious” efforts could set waste reduction targets, establish scientific advisory body

23 Feb 2022

By Erik Stokstad

Plastic waste piles up on a beach off Panama City. Nations will try to negotiate a new treaty aimed at reducing the global problem. LUIS ACOSTA/AFP/GETTY IMAGES

Each year, an estimated 11 million tons of plastic waste enter the ocean, equivalent to a cargo ship’s worth every day. The rising tide—in the oceans and beyond—is just a symptom of much wider problems: unsustainable product design, short-sighted consumption, and insufficient waste management, scientists say. To curb the flood, says Jenna Jambeck, an environmental engineer at the University of Georgia, “we need to take more action and it needs to be further upstream” in the production process.

That’s exactly what negotiators from 193 countries are setting out to do when they meet in Nairobi, Kenya, next week. Their ambitious goal: to create a negotiating committee that will try to hammer out, within 2 years, a new global treaty intended to curb plastic pollution.

An already released proposal, modeled on the United Nations’s climate treaty, would have nations adopt action plans, set binding waste reduction targets, and establish monitoring systems and a new global scientific advisory body. “It’s about time,” says Chelsea Rochman, an ecologist at the University of Toronto who has called on nations to tackle the issue.

Existing international efforts to reduce marine litter and exposure to hazardous chemicals include some measures related to plastic pollution. But no global treaty tries to reduce pollution by targeting a product’s entire life cycle, from its birth as a raw material to its death—if it becomes trash. Taking such a broad approach to plastics, says Anja Brandon, a policy analyst at the Ocean Conservancy, “is going to be a much bigger scientific endeavor.”

For one thing, rigorous, comparable numbers on the scope and sources of the problem are scarce, making it difficult to identify pollution hot spots or detect trends. Nonprofit groups and government agencies use dozens of varying protocols for surveying beach litter, for example. Methods of counting microplastics in water—shed from synthetic fabrics, for example, or formed when large plastic objects degrade—also vary. “There are several holes in the data,” Jambeck says.

The new treaty could help by promoting or establishing standard measuring and accounting methods. One such approach, called environmental economic accounting, is already being used in some countries to track various raw materials. And a method known as mass balance analysis, which tracks the amount of material entering and leaving production processes, holds promise for quantifying the amount of recycled plastic used in new products.

Even after scientists settle on standard metrics, collecting those numbers could be a challenge, Jambeck notes, especially in developing nations with relatively weak regulatory and research infrastructures. The United Nations Environment Programme (UNEP), which is hosting the upcoming meeting, has worked to increase monitoring capacity with training programs and online courses. Such efforts would be aided by a new treaty that encourages funding and technological advances. Remote sensing via satellites and drones, for example, could more easily identify plastic pollution trends, reducing the need for labor-intensive ground surveys.

More detailed industrial data on plastics production, transport, and consumption could also help nations curb pollution, researchers say. But many countries allow companies to keep such numbers private, making it difficult to calculate how plastic is moving through the economy and into the environment. And no one systematically tracks that information. The Ocean Conservancy, for example, has struggled to find out how much recycled plastic firms are using, Brandon says. Researchers are still pondering which numbers would be most useful, and how the treaty might help make that information more available.

Negotiators will also confront a key question: How much plastic pollution is too much? It’s clear that plastic bags, discarded fishing gear, and microplastics can kill wildlife, but scientists are just beginning to figure out how to calculate the risks. The treaty could help catalyze such efforts, says Rochman, who recently helped California regulators devise protocols for setting microplastic thresholds to protect people and ecosystems.

The political will to reduce plastic waste will be much higher if it’s known to harm humans, says Karen Raubenheimer, a policy researcher at the University of Wollongong. But she thinks any final agreement is unlikely to call for hard caps on new plastic. “It will be challenging in the short-term to stop using virgin plastic,” Raubenheimer says.

A big reason is that many uses of plastic are seen as essential. Single-use plastic items are common in health care, for example, to prevent contamination and infections, and in the food industry to keep fruit, vegetables, and other products from spoiling. Even disposable bottles can be vital in areas without clean water.

Negotiators might call for the reduction or elimination of what UNEP has called “unnecessary, avoidable and problematic plastic,” such as single-use shopping bags, takeout cutlery, or plastic beads in cosmetics. But analysts say nations must also focus on ways to reuse and recycle plastic materials. Currently, researchers estimate that less than 10% of plastic products are recycled. Smarter product designs that drive better waste management practices could boost that number, reducing the demand for virgin materials.

Trying to finalize the new treaty in just 2 years is “highly ambitious,” UNEP admits. But researchers who have watched the plastic pile up are delighted that the talks are even getting started. “People are putting high level resources to try to solve this problem in a way that we didn’t see a decade ago,” says Kara Lavender Law, a physical oceanographer at the Sea Education Association. “It’s actually astonishing.”

The UN must get on with appointing its new science board (Nature)

nature.com

The decision to appoint a board of advisors is welcome — and urgent, given the twin challenges of COVID and climate change.

EDITORIAL – 08 December 2021


UN Secretary-General Antonio Guterres speaks with the press
UN secretary-general António Guterres announced plans for a new science board in September, but is yet to release further details.Credit: Juancho Torres/Anadolu Agency/Getty

Scientists helped to create the United Nations system. Today, people look to UN agencies — such as the UN Environment Programme or the World Health Organization — for reliable data and evidence on, say, climate change or the pandemic. And yet, shockingly, the UN leader’s office has not had a department for science advice for most of its 76-year history. That is about to change.

UN secretary-general António Guterres is planning to appoint a board of scientific advisers, reporting to his office. The decision was announced in September in Our Common Agenda (see go.nature.com/3y1g3hp), which lays out the organization’s vision for the next 25 years, but few other details have been released.

Representatives of the scientific community are excited about the potential for science to have a position at the centre of the UN, but are rightly anxious for rapid action, given the twin challenges of COVID-19 and climate change, which should be urgent priorities for the board. The International Science Council (ISC), the Paris-based non-governmental body representing many of the world’s scientists, recommended such a board in its own report on science and the intergovernmental system, published last week (see go.nature.com/3rjdjos). Council president Peter Gluckman, former chief science adviser to New Zealand’s prime minister, has written to Guterres to say the ISC is ready to help.

But it’s been more than two months since the announcement, and the UN has not yet revealed the names of the board members. Nature spoke to a number of serving and former UN science advisers who said they know little about the UN chief’s plans. So far, there are no terms of reference and there is no timeline.

Nature understands that the idea is still being developed, and that Guterres is leaning towards creating a board that would draw on UN agencies’ existing science networks. Guterres is also aware of the need to take into account that both the UN and the world have changed since the last such board was put in place. All the same, the UN chief needs to end the suspense and set out his plans. Time is of the essence.

Guterres’s predecessor, Ban Ki-moon, had a science advisory board between 2014 and 2016. Its members were tasked with providing advice to the secretary-general on science, technology and innovation for sustainable development. But COVID-19 and climate change have pushed science much higher up the international agenda. Moreover, global challenges are worsening — the pandemic has put back progress towards the UN’s flagship Sustainable Development Goals (SDGs), a plan to end poverty and achieve sustainability by 2030. There is now widespread recognition that science has an important part to play in addressing these and other challenges.

Research underpins almost everything we know about the nature of the virus SARS-CoV-2 and the disease it causes. All countries have access to similar sets of findings, but many are coming to different decisions on how to act on those data — for example, when to mandate mask-wearing or introduce travel restrictions. The UN’s central office needs advice that takes this socio-cultural-political dimension of science into account. It needs advice from experts who study how science is applied and perceived by different constituencies and in different regions.

Science advice from the heart of the UN system could also help with another problem highlighted by the pandemic — how to reinvigorate the idea that it is essential for countries to cooperate on solving global problems.

Climate change is one example. Advice given by the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) is being read and applied in most countries, albeit to varying degrees. But climate is also an area in which states are at odds. Despite Guterres’s calls for solidarity, there were times during last month’s climate conference in Glasgow when the atmosphere was combative. Science advisers could help the secretary-general’s office to find innovative ways to encourage cooperation between countries in efforts to meet the targets of the 2015 Paris climate agreement.

The SDGs are also, to some extent, impeded by competition within the UN system. To tackle climate change, manage land and forests, and protect biodiversity, researchers and policymakers need to work collegially. But the UN’s scientific bodies, such as the IPCC, are set up along disciplinary lines with their own objectives, work programmes and rules, all guided by their own institutional histories. The IPCC and the Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES), for example, have only begun to collaborate in the past few years .

Independence will be key for an advisory role to be credible. Guterres needs to consider an organizational architecture through which UN agencies are represented, and funding could come from outside the UN. But all of those involved would have to accept that their contributions were for common goals — not to promote their own organization’s interests.

Leadership matters, as do communication and support. Guterres should ensure that his scientific advisers are chosen carefully to represent individuals from diverse disciplines and across career stages, and to ensure good representation from low-income countries. The board needs to be well staffed and have a direct line to his office. And it will need a decent budget. Guterres should quickly publish the terms of reference so that the research community has time to provide input and critique.

At its most ambitious, a scientific advisory board to the secretary-general could help to break the culture of individualism that beleaguers efforts to reach collective, global goals, and bring some coherence to the current marketplace of disciplines, ideas and outcomes. This will be a monumental task, requiring significant resources and the will to change. But if the advisers succeed, there will also be valuable lessons for the practice of science, which, as we know all too well, still largely rewards individual effort.

Nature 600, 189-190 (2021)

doi: https://doi.org/10.1038/d41586-021-03615-y

Análise: Ricardo Abramovay – A Amazônia se torna maior que o Brasil na luta pelo desenvolvimento (UOL)

tab.uol.com.br

29.07.2021


Não tem precedentes na história da democracia brasileira o papel que a Amazônia está desempenhando na vida política nacional. É lá que está nascendo o primeiro Plano de Recuperação Verde (PRV), iniciativa do Consórcio dos Governadores da Amazônia, hoje presidido pelo Governador Flavio Dino (PSB) e que representa o mais importante documento programático voltado a resolver os problemas brasileiros. O texto, elaborado sob a competente coordenação de Laura Carvalho, economista do Departamento de Economia da FEA/USP, tem duas virtudes fundamentais.

A primeira é que ele consegue agregar vertentes políticas diferentes — e mesmo opostas — em torno de um objetivo comum. É a demonstração prática de que a racionalidade, a informação qualificada e a discussão de conteúdos podem ter mais força do que as agressões, os estereótipos e os preconceitos cujo sucesso na arena pública (e não só brasileira) é crescente. Se em Brasília o presidente da República confirma sua repulsiva condição de pária global ao receber a líder do partido alemão vinculado ao nazismo, na Amazônia os nove governadores credenciam-se como atores internacionais relevantes ao formularem um Plano de Recuperação Verde. É algo cujo alcance vai muito além de uma região, por mais importante que ela seja.

A segunda virtude é que o PRV reinsere o Brasil no mundo. Ele pretende zerar o desmatamento na Amazônia — cujo avanço coloca o Brasil na contramão do esforço global contra a crise climática. Para isso, é fundamental resgatar o valor do multilateralismo democrático que havia resultado no Fundo Amazônia, onde duas nações democráticas (Noruega e Alemanha) apoiam o País com base em resultados (e não em promessas) na luta contra o desmatamento.

O plano rejeita a obscena postura — típica da cultura miliciana — de chantagem contida na ideia de que se não vier dinheiro de fora, o desmatamento continua. No seu lugar, o PRV sinaliza para o fato de que os serviços ecossistêmicos prestados pela floresta à humanidade podem e devem ser remunerados a partir de mecanismos pactuados internacionalmente, por governos, setor privado, organizações da sociedade civil e povos da floresta. A expansão das áreas protegidas e sua defesa contra os ataques que vêm sofrendo do crime organizado é parte decisiva deste primeiro objetivo de proteção da floresta.

Além desta meta, o plano tem um conjunto de diretrizes para enfrentar um dos maiores paradoxos brasileiros que é o fato de que ali onde está a mais importante sociobiodiversidade do País também se reúnem seus piores indicadores sociais. E este desafio só poderá ser vencido por modelos de crescimento econômico e por tecnologias que fortaleçam o vigor da floresta e dos rios da Amazônia, mas que também estimulem o desenvolvimento sustentável de suas cidades, onde está a maior parte de seus 30 milhões de habitantes.

E claro que, da mesma forma que está ocorrendo no mundo todo, isso vai exigir que se discuta a natureza das infraestruturas necessárias para o desenvolvimento da Amazônia. Contemplar as necessidades das populações da Amazônia em saúde, educação, habitação, mobilidade, energia e, sobretudo, conexão de alta qualidade à Internet, nas cidades e no meio rural, é decisivo para que se interrompa a destruição atual. No lugar de hidrelétricas caras, ineficientes e fontes de corrupção, estradas que se tornam vetores de desmatamento e garimpo clandestino e poluidor, a Amazônia precisa de inovações tecnológicas capazes de promover bem-estar para suas populações florestais, rurais e urbanas.

Mas além do PRV, é também em torno da Amazônia que duzentos cientistas de imenso prestígio internacional se reuniram de forma virtual, durante dezoito meses, produzindo um diagnóstico e um conjunto de propostas destinadas a “Salvar a Amazônia“. A iniciativa, liderada pelo economista norte-americano Jeffrey Sachs, pelo climatologista brasileiro Carlos Nobre e pela bióloga equatoriana Andrea Encalada, resultou num denso relatório, lançado para consulta pública no último dia 14 de julho com a presença de Juan Manuel Santos, ex-presidente da Colômbia.

Nenhuma região do mundo jamais recebeu tanta atenção da comunidade científica e, como ressaltou Jeffrey Sachs durante seu lançamento, já há negociações para que o modelo do Painel Científico para a Amazônia seja replicado para as duas outras grandes florestas tropicais do planeta: a da Indonésia e a da Bacia do Congo. Neste momento, os 33 capítulos do Painel ainda estão em inglês, mas dentro de alguns dias os textos (e seus sumários executivos) estarão disponíveis em português e espanhol. O documento, após esta consulta pública, será lançado na Conferência Climática de Glasgow em novembro deste ano.

Além destas poderosas mobilizações políticas e científicas, é na Amazônia que um importante e diversificado grupo de empresários, ativistas, representantes de povos da floresta, cientistas e dirigentes políticos se reúnem, desde o início de 2020, na Concertação pela Amazônia. Destas discussões emergem documentos sobre diferentes temas referentes ao desenvolvimento da Amazônia — publicados regularmente pela Revista Página 22.

O Plano de Recuperação Verde, o relatório do Painel Científico para a Amazônia, as discussões e os textos da Concertação mostram que a Amazônia, tornou-se maior que o Brasil num sentido que não é apenas geográfico. É de lá que está emergindo a reflexão coletiva e diversificada sobre o mais importante desafio do país e talvez do continente: como podemos fazer de nossa biodiversidade o vetor fundamental para nossa inserção na vanguarda da inovação científica e tecnológica global e, ao mesmo tempo, em fator decisivo de luta contra a pobreza e as desigualdades?

As contradições da Funai em Belo Monte (ISA)

Editorial do Instituto Socioambiental

Contradições, falta de um posicionamento claro e contundente por parte da Funai quanto a importantes ações de mitigação de impactos socioambientais da usina de Belo Monte (PA), colocam os povos indígenas da região em uma situação de absoluta vulnerabilidade e incertezas. Leia o Editorial do ISA sobre assunto

O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), João Pedro Costa, enviou à presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Marilene Ramos, no dia 12/11, um ofício com a síntese da avaliação da Funai a respeito da última etapa do licenciamento ambiental da hidrelétrica de Belo Monte (PA). Cabe ao presidente da Funai neste momento recomendar ou não ao Ibama o Licenciamento da Obra no tocante ao seu componente indígena. Cabe ao Ibama ponderar as recomendações da Funai e o parecer de seus técnicos sobre outros componentes socioambientais e decidir sobre a concessão da licença de operação da usina.

O documento da Funai, por um lado, pede sanções à empresa Norte Energia, dona da obra, pelas falhas na execução do componente indígena das condicionantes socioambientais da hidrelétrica. Certifica uma lista de impactos agravados com o não cumprimento de medidas de proteção às Terras Indígena e de saúde dos povos indígenas que vivem na região. Ainda verifica as consequências das ações mal sucedidas da empresa nas áreas atingidas. Solicita a reelaboração integral da matriz de impactos da obra e das correspondentes medidas de mitigação para os povos indígenas afetados. No entanto, surpreendentemente, o ofício afirma que “todas as demais ações relacionadas ao Componente Indígena necessárias, precedentes e preparatórias para o enchimento do reservatório e para implementação do trecho de vazão reduzida (TVR) também foram integralmente cumpridas”.

A contradição entre a existência de inúmeras e graves vulnerabilidades que ainda pesam sobre os povos indígenas e o indicativo de que é possível iniciar o enchimento do reservatório foi denunciada na imprensa e coloca em questão o papel do órgão na proteção dos povos indígenas da região. A Presidência da Funai posicionou-se hoje sobre as reportagens publicadas (veja aqui). O posicionamento da Funai sinaliza positivamente ao Ibama, no tocante ao componente indígena, para a emissão da Licença de Operação de Belo Monte, que permitirá o enchimento do reservatório e o inicio da geração de energia, mesmo sem haver as condições necessárias para enfrentar os impactos da finalização da obra.

A usina está em fase final de instalação, já tendo iniciado os planos de demissão de trabalhadores e desarticulação dos canteiros. Os Estudos de Impacto Ambiental da obra preveem para esta fase um aumento da população desempregada e pressões sobre recursos naturais das Terras Indígenas e Unidades de Conservação, com possibilidade de grave acirramento de conflitos interétnicos caso essas áreas não estejam adequadamente protegidas.

O documento enviado pelo presidente da Funai aponta que o Plano de Fiscalização e Vigilância das Terras Indígenas não foi executado. Faz referência ainda a obrigações de competência exclusiva do poder publico, relacionadas à garantia dos direitos territoriais dos povos indígenas atingidos pela obra que ainda não foram executadas. O exemplo mais gritante dessa situação diz respeito à Terra Indígena Cachoeira Seca. A área aguarda a homologação da Presidência da República e responde por um dos maiores índices de desmatamento do Brasil. Além das invasões de grileiros, a área tem sido palco de saques de exploração ilegal de madeireira sem precedentes (saiba mais).

Além de condicionantes estratégicas não cumpridas pelo empreendedor, existem ações complexas de responsabilidade do governo federal, que demandam articulação institucional e estão totalmente paralisadas, como os processos de retirada de moradores não indígenas das terras Apyterewa, Arara da Volta Grande, Cachoeira Seca e Paquiçamba. O próprio fortalecimento da Funai na região é uma questão de extrema importância que está sendo desconsiderada pelo presidente da instituição. Ao invés de reforçar a estrutura física e de profissionais que atuam na sede da Funai em Altamira, face aos inúmeros desafios colocados por Belo Monte, a Funai sofreu uma redução do número de servidores de 72%, entre os anos de 2011 e 2015, passando de 60 para apenas 23 servidores.

A dívida de Belo Monte com os povos indígenas do Xingu é grande e está sintetizada no Dossiê Belo Monte: Não há condições para a Licença de Operação, assim como no parecer técnico da Diretoria de Licenciamento da Funai emitido em setembro.

A falta de um posicionamento mais claro e contundente por parte da Funai, neste momento, quanto a importantes ações de mitigação de impactos socioambientais e de estruturação do órgão na região, coloca os povos indígenas numa situação de alta vulnerabilidade para encarar esses impactos negativos da usina apontados pelos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) para a fase de operação do empreendimento.

(Instituto Socioambiental)

Mudanças Climáticas – Plano de adaptação sai até julho e terá metas (Observatório do Clima)

7/4/2015 – 12h18

por Clauido Angelo, do Observatóri do Clima

Izabella Teixeira fala em São Paulo. Foto: MMA

Conservação e recuperação de ecossistemas serão adotadas como medidas para atenuar impactos da mudança climática

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, prometeu nesta quinta-feira (23/04) que o país terá um plano nacional de adaptação às mudanças climáticas em consulta pública até julho. E afirmou que é “claro” que ele terá metas.

“Você já viu plano sem meta? Não é plano, é carta de intenção”, declarou a ministra a jornalistas, durante o seminário Gestão de Água em Situações de Escassez, encerrado nesta sexta-feira em São Paulo.

Embora não tenha adiantado que metas serão essas, a ministra afirmou que, no caso da água, elas dialogarão com o Plano Nacional de Segurança Hídrica e com o CAR (Cadastro Ambiental Rural), que estabelece os parâmetros para a recuperação de áreas degradadas e desmatadas, como matas ciliares – fundamentais para a manutenção dos recursos hídricos.

“As pessoas degradam as nascentes a 200 quilômetros daqui e acham que não tem consequência”, disse Izabella. “Tem CAR para ser feito, vamos recuperar nascentes, cabeceiras de rio, tem que fazer o que outros países fizeram”, prosseguiu, citando a experiência de Nova York. A megalópole americana evitou uma crise hídrica ao pagar fazendeiros de uma região montanhosa próxima para preservar as matas ciliares em torno dos rios onde a água da cidade é captada.

O Plano Nacional de Adaptação estabelecerá as medidas que o Brasil deverá adotar ao longo dos próximos anos para evitar os piores efeitos das mudanças climáticas. Vários países têm inserido metas para adaptação em suas INDCs (Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas), as propostas de combate ao aquecimento global que cada país está fazendo para o acordo de Paris, no fim do ano.

A lógica é que, mesmo que o mundo tenha sucesso em cortar emissões de carbono, muitos efeitos da mudança do clima são inevitáveis e as sociedades devem adaptar-se a eles.

No Brasil, conforme indicam dados do estudo Brasil 2040, que até março vinha sendo conduzido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos, esses efeitos incluem redução de áreas agrícolas e de vazão de rios que alimentam algumas das principais hidrelétricas do país, na Amazônia e no Sudeste/Centro-Oeste.

Conduzido pelo Ministério do Meio Ambiente, o PNA (Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima) deverá propor ações em pelo menos dez grandes áreas: energia, zona costeira, recursos hídricos, desastres naturais, segurança alimentar/agropecuária, ecossistemas, cidades, transporte e logística, indústria e saúde.

O desenho preliminar do plano vinha sendo criticado dentro do próprio governo por não conter metas objetivas – apenas diretrizes gerais para a elaboração de metas de adaptação pelos Estados. O esboço do capítulo de Ecossistemas, por exemplo, fazia uma recapitulação de políticas públicas já existentes e traçava uma série de diretrizes genéricas, como “incluir a perspectiva de adaptação à mudança do clima nos Planos de Prevenção e Controle do Desmatamento e no Plano de Recuperação da Vegetação Nativa”. Ainda não se sabe como ficará o plano final para que ele não seja apenas uma “carta de intenções”, como definiu a ministra do Meio Ambiente.

Resiliência verde

Um dos elementos que deverão integrar o PNA é a chamada adaptação baseada em ecossistemas. Trata-se de uma série de medidas de baixo custo para usar serviços de ecossistemas como escudo contra impactos da mudança do clima.

Um caso clássico dessa modalidade de adaptação é a recuperação de manguezais como forma de proteger zonas costeiras de ressacas, que estão ficando mais fortes devido à elevação do nível do mar.

“É muito mais vantajoso do que construir estruturas de concreto, como quebra-mares”, disse Guilherme Karam, da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Ele é coautor de um estudo publicado no ano passado pela fundação e pelo Iclei – Governos Locais pela Sustentabilidade que identifica oportunidades de adaptação baseada em ecossistemas para o Brasil.

O estudo mapeou cem experiências dessa modalidade de adaptação no mundo todo, 11 delas no Brasil, e mostrou que é possível adotar ações em ecossistemas em todas as áreas do PNA. Isso é especialmente evidente em cidades, onde o reflorestamento pode ajudar a mitigar enchentes e ilhas de calor urbanas, em desastres naturais e em água e energia – por meio da restauração de áreas de preservação permanente.

No caso da água, aponta Karam, a recuperação de áreas naturais dá mais resultado do que investimentos na chamada “infraestrutura cinza” (obras de engenharia) e a um custo menor. Nem sempre isso é verdade, porém, alerta o pesquisador: há casos na Ásia nos quais se constatou que a infraestrutura cinza dá mais resultado, apesar de custar muito mais, então o ideal é combinar as duas abordagens.

O Ministério do Meio Ambiente decidiu incorporar as recomendações do estudo ao plano nacional. (Observatório do Clima/ #Envolverde)

* Publicado originalmente no site Observatório do Clima.