Todos os posts de renzotaddei

Sobre renzotaddei

Anthropologist, professor at the Federal University of São Paulo

15th CIFAS Field School in Ethnographic Research Methods in New York City

Call for participants

On-site in New York City: July 18 to 29, 2022 – 9 AM to 12 PM EDT

image.png

The Comitas Institute for Anthropological Study (CIFAS) is pleased to announce the 15th CIFAS Field School in Ethnographic Research Methods. In 2022, the course returns to its face-to-face modality in New York City. Classes will meet at Teachers College, Columbia University.

The Field School aims to offer training in the foundations and practice of ethnographic methods. The faculty works closely with participants to identify the required field methods to address their academic or professional needs. The Field School is suitable for graduate and undergraduate students in social sciences and other fields of study that use qualitative approaches (such as education, communication, cultural studies, health, social work, human ecology, development studies, and consumer behavior, among others), applied social scientists, professionals, and researchers who have an interest in learning more about ethnographic methods and their applications.

Program:

o   Foundations of ethnographic research

o   Theory and practice: social theories in the field

o   Research design

o   Data collection techniques

o   Planning the logistics of field research

o   Digital ethnography

o   Ethnography in interface with Social Network Analysis and other trends in the field of the digital humanities

o   Ethnography in specific fields of activity (applied social sciences, health, social service, environmental studies, public policy design, business, and others)

o   Principles of organization and indexation of field data

o   Analyzing field data; qualitative analysis software packages: basic principles

The total workload of the course is 30 hours. In this edition of the summer school, the option of earning credits is not available.

Coordinator: Renzo Taddei (Ph.D., Columbia University, 2005) – see bio.

Places are limited. The tuition fee is US$ 1,200. Comitas Field School Fellowship: a limited amount of fellowships are available to students from underrepresented minorities and low-income countries. See information on how to apply at the end of the application form.

The application should be completed online here. For more information, please see https://cifas.us/field-school/ or email us at fieldschool@cifas.us.

Psi and Science (Psychology Today)

Why do some scientists refuse to consider the evidence for psi phenomena?

Original article

Posted June 17, 2022 | Reviewed by Ekua Hagan

Key points

  • In a 2018 survey, over half of a sample of Americans reported a psi experience; a 2022 Brazilian survey revealed 70% had a precognitive dream.
  • Some scientists will not engage with the evidence for psi due to scientism.
  • The ideology of “scientism” is often associated with science, but leads to a lack of open-mindedness, which is contrary to true science.

Psi phenomena, like telepathy and precognition, are controversial in academia. While a minority of academics (such as me) are open-minded about them, others believe that they are pseudo-scientific and that they can’t possibly exist because they contravene the laws of science.

However, the phenomena are much less controversial to the general public. Surveys show significant levels of belief in psi. A survey of 1200 Americans in 2003 found that over 60% believed in extrasensory perception.1

This high level of belief appears to stem largely from experience. In a 2018 survey, half of a sample of Americans reported they had an experience of feeling “as though you were in touch with someone when they were far away.” Slightly less than half reported an experience of knowing “something about the future that you had no normal way to know” (in other words, precognition). Just over 40% reported that they had received important information through their dreams.2

Interestingly, a 2022 survey of over 1000 Brazilian people found higher levels of such anomalous experiences, with 70% reporting they had a precognitive dream at least once.3 This may imply that such experiences are more likely to be reported in Brazil, perhaps due to a cultural climate of greater openness.

How can we account for the disconnect between the dismissal of psi phenomena by some scientists, and the openness of the general population? Is it that scientists are more educated and rational than other sections of the population, many of whom are gullible to superstition and irrational thinking?

I don’t think it’s as simple as this.

Evidence for Psi

You might be surprised to learn that the evidence for phenomena such as telepathy and precognition is strong. As I point out in my book, Spiritual Science, this evidence has remained significant and robust over a massive range of studies over decades.

In 2018, American Psychologist published an article by Professor Etzel Cardeña which carefully and systemically reviewed the evidence for psi phenomena, examining over 750 discrete studies. Cardeña concluded that there was a very strong case for the existence of psi, writing that the evidence was “comparable to that for established phenomena in psychology and other disciplines.”4

For example, from 1974 to 2018, 117 experiments were reported using the “Ganzfeld” procedure, in which one participant attempts to “send” information about images to another distant person. An overall analysis of the results showed a “hit rate” many millions of times higher than chance. Factors such as selective reporting bias (the so-called “file drawer effect”) and variations in experimental quality could not account for the results. Moreover, independent researchers reported statistically identical results.5

So why do some scientists continue to believe that there is no evidence for psi? In my view, the explanation lies in an ideology that could be called “scientism.”

Scientism

Scientism is an ideology that is often associated with science. It consists of a number of basic ideas, which are often stated as facts, even though they are just assumptions—e.g., that the world is purely physical in nature, that human consciousness is a product of brain activity, that human beings are biological machines whose behaviour is determined by genes, that anomalous phenomena such as near-death experiences and psi are unreal, and so on.

Adherents to scientism see themselves as defenders of reason. They see themselves as part of a historical “enlightenment project” whose aim is to overcome superstition and irrationality. In particular, they see themselves as opponents of religion.

It’s therefore ironic that scientism has become a quasi-religion in itself. In their desire to spread their ideology, adherents to scientism often behave like religious zealots, demonising unwelcome ideas and disregarding any evidence that doesn’t fit with their worldview. They apply their notion of rationality in an extremist way, dismissing any phenomena outside their belief system as “woo.” Scientifically evidential phenomena such as telepathy and precognition are placed in the same category as creationism and conspiracy theories.

One example was a response to Eztel Cardeña’s American Psychologist article (cited above) by the longstanding skeptics Arthur Reber and James Alcock. Aiming to rebut Cardeña’s claims of the strong evidence for psi, they decided that their best approach was not to actually engage with the evidence, but simply to insist that it couldn’t possibly be valid because psi itself was theoretically impossible. As they wrote, “Claims made by parapsychologists cannot be true … Hence, data that suggest that they can are necessarily flawed and result from weak methodology or improper data analyses.”6

A similar strategy was used by the psychologist Marija Branković in a recent paper in The European Journal of Psychology. After discussing a series of highly successful precognition studies by the researcher Daryl Bem, she dismisses them because three investigators were unable to replicate the findings.7 Branković neglects to mention that there have been 90 other replication attempts with a massively significant overall success rate, exceeding the standard of “decisive evidence” by a factor of 10 million.8

Beyond Scientism

It’s worth considering for a moment whether psi really does contravene the laws of physics (or science), as many adherents to scientism suggest. For me, this is one of the most puzzling claims made by skeptics. Tellingly, the claim is often made by psychologists, whose knowledge of modern science may not be deep.

Anyone with a passing knowledge of some of the theories of modern physics—particularly quantum physics—is aware that reality is much stranger than it appears to common sense. There are many theories that suggest that our common-sense view of linear time may be false. There are many theories that suggest that our world is essentially “non-local,” including phenomena such as “entanglement” and “action at a distance.” I think it would be too much of a stretch to suggest that such theories explain precognition and telepathy, but they certainly allow for their possibility.

A lot of people assume that if you’re a scientist, then you must automatically subscribe to scientism. But in fact, scientism is the opposite of true science. The academics who dismiss psi on the grounds that it “can’t possibly be true” are behaving in the same way as the fundamentalist Christians who refuse to consider the evidence for evolution. Skeptics who refuse to engage with the evidence for telepathy or precognition are acting in the same way as the contemporaries of Galileo who refused to look through his telescope, unwilling to face the possibility that their beliefs may need to be revised.

References

1. Wahbeh H, Radin D, Mossbridge J, Vieten C, Delorme A. Exceptional experiences reported by scientists and engineers. Explore (NY). 2018 Sep;14(5):329-341. doi: 10.1016/j.explore.2018.05.002. Epub 2018 Aug 2. PMID: 30415782.

2. Rice TW. Believe It Or Not: Religious and Other Paranormal Beliefs in the United States. J Sci Study Relig. 2003;42(1):95-106. doi:10.1111/1468-5906.00163

3. Monteiro de Barros MC, Leão FC, Vallada Filho H, Lucchetti G, Moreira-Almeida A, Prieto Peres MF. Prevalence of spiritual and religious experiences in the general population: A Brazilian nationwide study. Transcultural Psychiatry. April 2022. doi:10.1177/13634615221088701

4. Cardeña, E. (2018). The experimental evidence for parapsychological phenomena: A review. American Psychologist, 73(5), 663–677. https://doi.org/10.1037/amp0000236

5. Storm L, Tressoldi P. Meta-analysis of free-response studies 2009-2018: Assessing the noise-reduction model ten years on. J Soc Psych Res. 2020;(84):193-219.

6. Reber, A. S., & Alcock, J. E. (2020). Searching for the impossible: Parapsychology’s elusive quest. American Psychologist, 75(3), 391–399. https://doi.org/10.1037/amp0000486

7. Branković M. Who Believes in ESP: Cognitive and Motivational Determinants of the Belief in Extra-Sensory Perception. Eur J Psychol. 2019;15(1):120-139. doi:10.5964/ejop.v15i1.1689

8. Bem D, Tressoldi P, Rabeyron T, Duggan M. Feeling the future: A meta-analysis of 90 experiments on the anomalous anticipation of random future events. F1000Research. 2015;4:1188. doi:10.12688/f1000research.7177.2

‘A Queda do Céu’ expõe sabedoria de xamã, dizem curadores do 200 anos, 200 livros (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

Intelectuais comentam o livro de Davi Kopenawa e Bruce Albert, uma das obras mais indicadas no projeto

Gabriel Araújo

27 de junho de 2022


No mês passado, a terra indígena Yanomami completou 30 anos de demarcação, efeméride marcada, por um lado, pelo luto pela violência que a comunidade tem sofrido e, por outro, pela celebração dos direitos alcançados nessas três décadas.

Na ocasião, como contou reportagem da Folha, o anfitrião e líder indígena Davi Kopenawa lembrou a cosmogonia descrita no livro “A Queda do Céu”, escrito em coautoria com o antropólogo francês Bruce Albert.

“No começo do mundo, o céu caiu e matou o primeiro povo que nasceu. Nós somos o segundo povo, aquele que segurou o céu e pôde sobreviver”, ele disse, não sem antes ressaltar que o risco de uma nova queda é iminente.

Lançado em 2015, “A Queda do Céu” ocupa o segundo lugar no projeto 200 anos, 200 livros, que indicou importantes obras para entender o Brasil.

O livro foi recomendado por 20 dos 169 intelectuais que compuseram o conselho curador da iniciativa, promovida pela Folha, pela Associação Brasil Portugal 200 anos e pelo Projeto República (núcleo de pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG).

“Grande Sertão: Veredas” (1956), de Guimarães Rosa, também ocupa a segunda posição, com 20 recomendações. “Quarto de Despejo” (1960), de Carolina Maria de Jesus, foi a obra mais indicada.

“Kopenawa reitera que os yanomami defendem a terra ‘porque desejam continuar vivendo nela como antigamente’”, diz a poeta e crítica literária Graça Graúna, uma das intelectuais convidadas pelo projeto.

“Que assim seja porque as palavras dos espíritos estão gravadas no mais fundo do seu pensamento e que, pela força de Omana (o Criador), essas palavras se renovam no xamã o tempo todo.”

Thyago Nogueira, diretor do departamento de fotografia contemporânea do IMS (Instituto Moreira Salles) e editor-chefe da revista ZUM, também recomenda o livro.

“O líder e xamã reinventa a compreensão do Brasil ao narrar a origem do mundo e de tudo o que é vivo, os fundamentos de sua civilização, sua luta incansável contra o genocídio e a falácia destrutiva da ideia de desenvolvimento promovida pelo ‘povo da mercadoria’”, ele escreveu.

Leia a seguir comentários dos curadores que indicaram “A Queda do Céu”.

Djuena Tikuna

Cantora, foi a primeira jornalista indígena Tikuna formada no estado do Amazonas

“A obra é uma esplêndida sessão xamânica guiada pelo líder yanomami Davi Kopenawa. O livro aborda elementos da cultura yanomami, sua visão de mundo, a importância das práticas xamânicas para a saúde do universo, um testemunho que vem da floresta com a legitimidade de seus espíritos.

Outra parte da obra narra a relação com os brancos: como estes lidam com a terra, a exploração do ouro e as doenças trazidas com os garimpeiros. Também é uma autobiografia de Kopenawa, uma das maiores lideranças indígenas do país, com reconhecimento internacional por sua luta em defesa da Amazônia.”

Eric Novello

Escritor, roteirista e tradutor de livros e quadrinhos, é autor da novela “Ninguém Nasce Herói”

“Registrado ao longo de anos pelo etnólogo Bruce Albert, o livro reúne relatos do xamã yanomami Davi Kopenawa, contando da sua preparação para se tornar xamã a seu ativismo pela demarcação de terras dos yanomami e preservação das florestas.

Por meio de um potente relato, aprendemos sobre os costumes, a cosmologia e a riqueza da cultura do povo Yanomami. Aprendemos ainda sobre o rastro de violência, destruição e doenças deixado pelo contato com missionários religiosos, garimpeiros e construtores de estradas.”

Fernanda Diamant

É uma das criadoras da editora Fósforo e da livraria Megafauna; foi curadora da Flip

“Livro escrito a partir do relato do xamã e porta-voz dos yanomami, Davi Kopenawa, ao etnólogo francês Bruce Albert, que tiveram mais de 30 anos de convivência.

A obra é uma mistura de relato autobiográfico, história do impacto da chegada dos brancos —destruição, doença, violência—, xamanismo e cosmologia dos povos da floresta, e ainda uma mirada para o futuro e a importância da preservação da Amazônia.”

Graça Graúna

Indígena potiguara, é poeta e crítica literária, autora de “Tessituras da Terra”

“Uma das temáticas do xamã Davi Kopenawa é a floresta. Na parte introdutória do livro, ele diz que gosta de explicar para os ‘brancos’ a importância dos saberes ancestrais e espera que os não indígenas parem de pensar que a floresta é morta e que ela foi posta lá à toa. O xamã explica que os não indígenas precisam ‘escutar a voz dos ‘xapiri’ (espíritos), que ali brincam sem parar, dançando sobre os seus espelhos resplandecentes (os rios, os lagos).

Kopenawa reitera que os yanomami defendem a terra ‘porque desejam continuar vivendo nela como antigamente’. Que assim seja porque as palavras dos espíritos estão gravadas no mais fundo do seu pensamento e que, pela força de Omana (o Criador), essas palavras se renovam no xamã o tempo todo.”

Itamar Vieira Junior

Romancista, é autor de “Torto Arado” e colunista da Folha

“‘A Queda do Céu’ é um organismo vivo, como uma ‘pele de imagens’ –é assim que os yanomami se referem a documentos escritos diversos.

Centrado na vida do xamã e ativista yanomami Davi Kopenawa, na cosmologia de seu povo e atravessando a história do genocídio dos povos indígenas, desde a invasão europeia no continente americano até os nossos dias, o livro é a revelação do que poderíamos ter sido se tivéssemos sensibilidade para escutar o que os povos originários tinham –e ainda têm!– a nos dizer.”

Joel Zito Araújo

Diretor de filmes como “A Negação do Brasil” e “As Filhas do Vento”

“É um manifesto, um livro autobiográfico e um modo de ver que se faz cada vez mais urgente: como viver com a floresta, com a diversidade de cultura e de povos, e como reaprender a pensar a terra e ajudar a salvar o planeta, a partir da imensa sabedoria ancestral dos povos indígenas.”

José Celso Martinez Corrêa

Diretor do Teatro Oficina

“O xamã Davi Kopenawa gravou em yanomami com o etnólogo francês, Bruce Albert, sua vida nas lutas com seu povo contra a cegueira do ‘mercado’. Esse livro revela o povo índio sujeito, com cultura xamânica que se aconselha com os ‘xapiri’, espíritos da floresta.

O livro é ‘manifesto xamânico’, revelando, nessa autobiografia, a luta pela floresta em pé, impedindo que a mineração envenene rios nos territórios sagrados. Demonstra que o desequilíbrio da terra pelo arrancar brutal de suas entranhas poderá trazer nosso fim: ‘A Queda do Céu’.”

Lia Vainer Schucman

Professora da UFSC e autora de “Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo”

“A violência, a destruição e a queda do céu estão assertivamente associados ao ‘povo da mercadoria’. O livro revela o que nomeamos como desenvolvimento e progresso como o fim de outros mundos. Um olhar para a violência colonial a partir daquele que há 500 anos vem sendo destruído por ela. Um livro de entrada para outros Brasis.”

Lilia Schwarcz

Historiadora e antropóloga, é professora da USP, cofundadora da Companhia das Letras e autora de mais de uma dezena de livros

“Os relatos desse importante líder yanomani foram registrados pelo etnólogo e amigo de mais de 30 anos, Bruce Albert. O livro traz a história de Kopenawa e suas meditações enquanto xamã diante, sobretudo, da atitude predadora dos brancos, com a qual seu povo sofre desde os primeiros contatos nos anos 1960.”

Luiz Eloy Terena

Coordenador da assessoria jurídica da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib)

“O livro registra a vida e os pensamentos do líder e xamã yanomami, que é uma das personalidades indígenas brasileiras mais conhecidas no mundo hoje.

Kopenawa tem sido um porta-voz dos povos da Amazônia que lutam contra as novas invasões coloniais, representadas pela mineração, pela extração de madeira, pelo agronegócio e pelas grandes hidrelétricas.”

​Manuela Carneiro da Cunha

Antropóloga, professora titular aposentada da USP e autora de “Cultura com Aspas” e “Negros, Estrangeiros”

“Este livro é uma obra-prima. Tornou possível –graças à longa amizade entre dois homens, ao conhecimento de um antropólogo da língua e do mundo dos yanomami, e à grande inteligência e sensibilidade de ambos os interlocutores– ter acesso como nunca antes a um universo de entrada muito difícil, o pensamento filosófico de um xamã e líder político de primeira grandeza.

É um diálogo de qualidade excepcional, que coloca em novo patamar o ofício do antropólogo e que revela com clareza como Davi Kopenawa interpreta e julga o Brasil contemporâneo.”

Mauricio Terena

Mestre em educação e assessor jurídico da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib)

“É uma obra que nos permite visualizar como o genocídio marca a história da formação do Estado brasileiro, nos despertando uma reflexão ímpar em alguns momentos da leitura, trazendo uma angústia pela história não contada dos brasileiros que aqui estavam antes de Pindorama se tornar Brasil.”

Milton Hatoum

Romancista e tradutor, é autor de livros como “Dois Irmãos” e “Pontos de Fuga”

“Durante 12 anos, Bruce Albert conversou em yanomami com o xamã Davi Kopenawa. As conversas, gravadas e anotadas, foram traduzidas e editadas por Albert. Trata-se de um belíssimo e fecundo ‘pacto etnográfico’ entre o xamã e o antropólogo.

Kopenawa fala de sua vida, de sua sabedoria xamânica, de sua experiência no mundo dos brancos, da cosmologia e da história dos yanomami. Uma história que tem resistido a muitas tragédias: doenças transmitidas pelos brancos, ingerência nefasta de missionários evangélicos e sucessivas invasões das terras indígenas por garimpeiros.

Uma dessas invasões culminou no massacre de Haximu, em meados de 1993. É preciso conhecer, valorizar e defender a história material e espiritual dos povos originários do Brasil, essa pátria cada vez mais armada que amada.”

Moara Tupinambá

Artista visual, curadora e ativista

“Um livro essencial para quem quiser entender melhor a noção de desenvolvimento e progresso do capitalismo, como o avanço dos brancos na floresta tem ocasionado as epidemias, as violências e a grande crise climática que estamos vivendo –tudo isso a partir da visão de um líder xamã yanomami.

A partir de seus relatos, que são transcritos por Bruce Albert, Davi nos conta sobre todas as violências que seu povo vem sofrendo desde os anos 1960 e nos alerta, em um tom profético, que quando o último xamã da Amazônia morrer, o céu cairá sobre todos e será o fim do mundo.”

Ricardo Teperman

Editor na Companhia das Letras e autor de “Se Liga no Som”

“Fruto de uma colaboração de mais de duas décadas com o antropólogo Bruce Albert, ‘A Queda do Céu’ registra em primeira pessoa a vida e o pensamento do xamã yanomami Davi Kopenawa. O feito, inédito, fez do livro um divisor de águas na antropologia e na filosofia.”

Thyago Nogueira

Curador e editor, dirige o departamento de fotografia contemporânea do IMS (Instituto Moreira Salles) e é editor-chefe da revista ZUM

“Com 736 páginas, este livro é pequeno diante de sua importância monumental. Nele, o líder e xamã Davi Kopenawa reinventa a compreensão do Brasil ao narrar a origem do mundo e de tudo o que é vivo, os fundamentos de sua civilização, sua luta incansável contra o genocídio e a falácia destrutiva da ideia de desenvolvimento promovida pelo ‘povo da mercadoria’.

Com alta densidade mitológica, literária e visual, Kopenawa nos oferece a chance única de repensar a centralidade de nossa existência e evitar que o céu desabe sobre o futuro do país e do mundo.”

China’s Expanding Surveillance State: Takeaways From a NYT Investigation (NY Times)

nytimes.com

Isabelle Qian, Muyi Xiao, Paul Mozur, Alexander Cardia


Times reporters spent over a year combing through government bidding documents that reveal the country’s technological road map to ensure the longevity of its authoritarian rule.

Video player loading
A New York Times analysis of over 100,000 government bidding documents found that China’s ambition to collect digital and biological data from its citizens is more expansive and invasive than previously known.

June 21, 2022

China’s ambition to collect a staggering amount of personal data from everyday citizens is more expansive than previously known, a Times investigation has found. Phone-tracking devices are now everywhere. The police are creating some of the largest DNA databases in the world. And the authorities are building upon facial recognition technology to collect voice prints from the general public.

The Times’s Visual Investigations team and reporters in Asia spent over a year analyzing more than a hundred thousand government bidding documents. They call for companies to bid on the contracts to provide surveillance technology, and include product requirements and budget size, and sometimes describe at length the strategic thinking behind the purchases. Chinese laws stipulate that agencies must keep records of bids and make them public, but in reality the documents are scattered across hard-to-search web pages that are often taken down quickly without notice. ChinaFile, a digital magazine published by the Asia Society, collected the bids and shared them exclusively with The Times.

This unprecedented access allowed The Times to study China’s surveillance capabilities. The Chinese government’s goal is clear: designing a system to maximize what the state can find out about a person’s identity, activities and social connections, which could ultimately help the government maintain its authoritarian rule.

Here are the investigation’s major revelations.

Analysts estimate that more than half of the world’s nearly one billion surveillance cameras are in China, but it had been difficult to gauge how they were being used, what they captured and how much data they generated. The Times analysis found that the police strategically chose locations to maximize the amount of data their facial recognition cameras could collect.

Cinemagraph
The Chinese government bidding documents analyzed by The Times outline the authorities’ surveillance ambitions. Credit: The New York Times

In a number of the bidding documents, the police said that they wanted to place cameras where people go to fulfill their common needs — like eating, traveling, shopping and entertainment. The police also wanted to install facial recognition cameras inside private spaces, like residential buildings, karaoke lounges and hotels. In one instance, the investigation found that the police in the city of Fuzhou in the southeast province of Fujian wanted to install a camera inside the lobby of a franchise location of the American hotel brand Days Inn. The hotel’s front desk manager told The Times that the camera did not have facial recognition capabilities and was not feeding videos into the police network.

A document shows that the police in Fuzhou also demanded access to cameras inside a Sheraton hotel. In an email to The Times, Tricia Primrose, a spokeswoman for the hotel’s parent company, Marriott International, said that in 2019 the local government requested surveillance footage, and that the company adheres to local regulations, including those that govern cooperation with law enforcement.

These cameras also feed data to powerful analytical software that can tell someone’s race, gender and whether they are wearing glasses or masks. All of this data is aggregated and stored on government servers. One bidding document from Fujian Province gives an idea of the sheer size: The police estimated that there were 2.5 billion facial images stored at any given time. In the police’s own words, the strategy to upgrade their video surveillance system was to achieve the ultimate goal of “controlling and managing people.”

Devices known as WiFi sniffers and IMSI catchers can glean information from phones in their vicinity, which allow the police to track a target’s movements. It’s a powerful tool to connect one’s digital footprint, real-life identity and physical whereabouts.

The phone trackers can sometimes take advantage of weak security practices to extract private information. In a 2017 bidding document from Beijing, the police wrote that they wanted the trackers to collect phone owners’ usernames on popular Chinese social media apps. In one case, the bidding documents revealed that the police from a county in Guangdong bought phone trackers with the hope of detecting a Uyghur-to-Chinese dictionary app on phones. This information would indicate that the phone most likely belonged to someone who is a part of the heavily surveilled and oppressed Uyghur ethnic minority. The Times found a dramatic expansion of this technology by Chinese authorities over the past seven years. As of today, all 31 of mainland China’s provinces and regions use phone trackers.

The police in China are starting to collect voice prints using sound recorders attached to their facial recognition cameras. In the southeast city of Zhongshan, the police wrote in a bidding document that they wanted devices that could record audio from at least a 300-foot radius around cameras. Software would then analyze the voice prints and add them to a database. Police boasted that when combined with facial analysis, they could help pinpoint suspects faster.

In the name of tracking criminals — which are often loosely defined by Chinese authorities and can include political dissidents — the Chinese police are purchasing equipment to build large-scale iris-scan and DNA databases.

The first regionwide iris database — which has the capacity to hold iris samples of up to 30 million people — was built around 2017 in Xinjiang, home to the Uyghur ethnic minority. Online news reports show that the same contractor later won other government contracts to build large databases across the country. The company did not respond to The Times’s request for comment.

The Chinese police are also widely collecting DNA samples from men. Because the Y chromosome is passed down with few mutations, when the police have the y-DNA profile of one man, they also have that of a few generations along the paternal lines in his family. Experts said that while many other countries use this trait to aid criminal investigations, China’s approach stands out with its singular focus on collecting as many samples as possible.

We traced the earliest effort to build large male DNA databases to Henan Province in 2014. By 2022, bidding documents analyzed by The Times showed that at least 25 out of 31 provinces and regions had built such databases.

The Chinese authorities are realistic about their technological limitations. According to one bidding document, the Ministry of Public Security, China’s top police agency, believed the country’s video surveillance systems still lacked analytical capabilities. One of the biggest problems they identified was that the data had not been centralized.

The bidding documents reveal that the government actively seeks products and services to improve consolidation. The Times obtained an internal product presentation from Megvii, one of the largest surveillance contractors in China. The presentation shows software that takes various pieces of data collected about a person and displays their movements, clothing, vehicles, mobile device information and social connections.

In a statement to The Times, Megvii said it was concerned about making communities safer and “not about monitoring any particular group or individual.” But the Times investigation found that this product was already being used by Chinese police. It creates the type of personal dossier authorities could generate for anyone, that could be made accessible to officials across the country.

China’s Ministry of Public Security did not respond to faxed requests for comment sent to its headquarters in Beijing, nor did five local police departments or a local government office named in the investigation.

Greta Thunberg delivers a climate warning at Glastonbury (BBC)

By Mark Savage
BBC Music Correspondent

June 25, 2022

Climate activist Greta Thunberg speaking on the Pyramid Stage during the Glastonbury Festival
Image caption, The 19-year-old activist criticised world leaders in a speech to festival-goers

Greta Thunberg has made a surprise appearance at Glastonbury, to warn of the dangers of climate change.

The earth’s biosphere is “not just changing, it is destabilising, it is breaking down,” the 19-year-old told festival-goers from the Pyramid Stage.

She criticised world leaders for “creating loopholes” to protect firms whose emissions cause climate change.

“That is a moral decision… that will put the entire living planet at risk”, she added.

But she ended on a message of hope, telling festival-goers they had the power to make a difference.

“We are capable of the most incredible things,” she said. “Once we are given the full story… we will know what to do. There is still time to choose a new path, to step back from the cliff.

“Instead of looking for hope, start creating that hope yourself.

Greta Thunberg
Image caption, The climate activist also visited the festival’s Park area during her visit

“Make no mistake, no-one else is going to do this for us,” she concluded. “Right here and now is where we stand our ground.”

Thunberg was introduced on stage by Glastonbury organiser Emily Eavis, who called her “the most inspirational speaker of her generation.”

The activist spoke against a backdrop of the “warming stripes”, a vivid illustration of how the average global temperature has soared in recent decades.

Her appearance was warmly received by the crowd, who joined her in a chant of “climate justice” at the end of her speech.

Thunberg’s speech comes three years after Sir David Attenborough made a cameo on the Pyramid Stage.

The broadcaster thanked festival-goers for cutting their plastic use, after organisers banned single-use plastic bottles.

Grenfell plea

Thunberg spoke after an invigorating performance from rapper AJ Tracey, who opened his set with a powerful, angry message about the Grenfell Tower disaster.

In a pre-recorded video, the West London musician accused those responsible for the fire of “hiding behind a legal framework”, while young black men were being “arrested and convicted every day with haste for acts a lot less significant”.

AJ Tracey
Image caption, AJ Tracey gave one of the most compelling performances of the day so far

“The worst thing of the whole situation is [that] Grenfell could happen again,” he continued.

“Our buildings are not safe and thousands of low-income people, people who grew up just like I did, go to bed every night not knowing if it’ll be their last. They tuck their children in at night and don’t know if they’ll wake up in flames.”

Tracey, who grew up in Ladbroke Grove, knows many of the victims, survivors and bereaved.

He ended his message by addressing the Prime Minister directly.

“Boris Johnson, I want to ask you a question: 72 of our friends and family are dead and there’s been zero arrests,” he said. “Why?”

The rapper went on to perform a muscular set of hip-hop, grime and 2-step, rearranging many of his songs to work with a live band.

“I’m hoping that the crowd are receptive to me trying to give them a different take on my usual set,” he told BBC News ahead of the performance.

He said his musical versatility came from his upbringing.

“My dad used to be a rapper, my mum used to be a DJ on the radio, playing jungle, house, garage… so I’ve got quite a mix.

“My mum’s Welsh and my dad’s from Trinidad – so the British sounds and the Caribbean sounds come into one, and I’ve been inspired by it.”

The star brought his mother to Glastonbury and she watched his show from the side of the Pyramid stage.

“She’s going to be rocking out, man. She’s my biggest fan,” he said.

“She doesn’t have a scrapbook but she’s a photographer so she takes loads of personal pictures and has her own little personal archive.”

Paul McCartney will headline the festival later on Saturday night, and is scheduled to play a marathon two-and-three-quarter hour set.

Fans arrived at the barriers in front of the Pyramid stage early on Saturday morning to make sure they had a front row seat for the show.

A cruel experiência que apontou: a esperança não é a última que morre, mas a primeira (Folha de S.Paulo)

[Péssima escolha de título. A mensagem do texto é que a perda de esperança leva à morte em certos contextos.]

Um experimento com ratos acostumados a serem livres mostrou que a primeira coisa que eles perderam quando ficaram presos foi a esperança de sobreviver

Dalia Ventura

26 de junho de 2022

Artigo original


A ciência costuma ser desconcertante —às vezes, por razões menos evidentes.

Um exemplo é a famosa afirmação de que, se você colocar uma rã na água fervendo, ela saltará imediatamente, mas, ao se colocar em água morna e aumentar a temperatura gradualmente, ela não perceberá o perigo e será cozida até a morte.

Ela causa uma reação tão poderosa que gurus e políticos a usam com frequência para incentivar as pessoas a agirem. Mas alguns de nós perguntamos sempre que a ouvimos: qual cientista teve a ideia de colocar rãs em água fervente?

A resposta é: nenhum.

Embora pareça o resultado de uma experiência, o fato é que ela nunca aconteceu. Na verdade, especialistas afirmam que, assim que a temperatura a incomodasse, a rã colocada na água morna saltaria, mas não a outra, que morreria como qualquer outra criatura que caísse na água fervente.

Mas há um outro caso de estudo famoso que é igualmente perturbador. Ratos foram colocados em cilindros de água e observados enquanto se afogavam. Este estudo, sim, foi realizado —pelo biólogo, psicobiólogo e geneticista americano Curt Richter.

E, para quem pergunta “por quê?” quando ouve falar no experimento, antes de se preocupar com o resultado, o artigo de Richter publicado em 1957 pela revista Psychosomatic Medicine começa exatamente respondendo essa questão: “Estávamos estudando diferenças de reação ao estresse entre ratos selvagens e domesticados”.

Morte súbita

Richter publicou seu artigo porque havia encontrado nos ratos um fenômeno similar ao estudado por Walter Cannon, um dos fisiologistas mais importantes do século 20.

No seu estudo publicado em 1942 com o título “Morte vodu”, Cannon mencionou vários casos de mortes súbitas, misteriosas e aparentemente psicogênicas, em várias partes do mundo, que ocorriam em até 24 horas após o indivíduo violar alguma norma social ou religiosa.

Ele relatou que “um indígena brasileiro condenado e sentenciado por um pajé, indefeso contra sua própria reação emocional a esse pronunciamento, faleceu em questão de horas (…) [e] uma maori neozelandesa que comeu uma fruta e posteriormente ficou sabendo que ela provinha de um lugar tabu morreu no dia seguinte, ao meio-dia”.

Depois de analisar minuciosamente essas evidências, Cannon ficou convencido de que esse fenômeno era real e perguntou-se: “Como um estado de medo sinistro e persistente pode acabar com a vida de um ser humano?”.

Richter explicou que a conclusão de Cannon foi de que a morte era consequência do estado de choque produzido pela liberação contínua de adrenalina. E acrescentou que, se isso for verdade, pode-se esperar que, nessas circunstâncias, a respiração dos indivíduos ficaria agitada e seu coração bateria cada vez mais rápido.

Isso “os conduziria gradualmente a um estado de contração constante e, em última instância, à morte em sístole”. Mas o estudo de Richter com ratos demonstrou exatamente o contrário.

Nadar ou afogar-se

No seu laboratório na Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, nos Estados Unidos, Richter havia colocado ratos domesticados (ou seja, que nasceram, cresceram e iriam morrer em laboratório) em recipientes de vidro de onde não poderiam escapar. Ele queria observar por quanto tempo os ratos sobreviveriam nadando na água em diferentes temperaturas, antes de afogar-se.

Mas havia um problema: “Em todas as temperaturas, um pequeno número de ratos morreu entre cinco e dez minutos depois da imersão, enquanto, em alguns casos, outros aparentemente mais saudáveis nadaram até 81 horas”.

Era uma variação grande demais para que os resultados fossem significativos. Mas Richter afirmou que “a solução veio de uma fonte inesperada: a descoberta do fenômeno da morte súbita”.

Ratos desesperados

Richter então alterou o experimento. Ele começou cortando os bigodes dos ratos, “possivelmente destruindo seu meio de contato mais importante com o mundo exterior”. E introduziu, além dos ratos domesticados, animais híbridos e outros recém-capturados nas ruas.

Enquanto a maioria dos ratos domesticados nadou entre 40 e 60 horas antes de morrer, os ratos híbridos (cruzamentos entre ratos domesticados e selvagens) “morreram muito antes desse tempo”.

Mas o mais surpreendente foi que os ratos selvagens, que costumam ser fortes e excelentes nadadores, afogaram-se em “1 a 15 minutos depois de sua imersão nos recipientes”.

Por quê? Cannon afirmava que as mortes súbitas aconteciam devido à grande quantidade de adrenalina liberada pelo estresse, que acelerava a respiração e os batimentos cardíacos.

Ocorre que os dados coletados por Richter indicavam que “os animais morriam por desaceleração do ritmo cardíaco e não por aceleração”. Ou seja, a respiração desacelerava e a temperatura do corpo diminuía, até que o coração deixava de bater.

Essa informação era valiosa, mas não foi ela que fez o experimento ficar tão famoso. Havia um outro ponto que não podia ser ignorado.

Ratos sem esperança

“O que mata esses ratos?”, era a pergunta de Richter. “Por que os ratos selvagens, ferozes e agressivos morrem rapidamente e isso não acontece com a maioria dos ratos mansos e domesticados, quando submetidos às mesmas condições?”

De fato, ele observou que alguns ratos selvagens morriam até mesmo antes de entrarem na água, ainda nas mãos dos pesquisadores.

Richter identificou dois fatores importantes:

– a restrição utilizada para reter os ratos selvagens, eliminando repentinamente qualquer esperança de fuga;

– o confinamento no frasco de vidro, que também eliminava qualquer possibilidade de fuga e, ao mesmo tempo, ameaçava-os com o afogamento imediato.

Em vez de disparar a reação de luta ou fuga, Richter estava observando a falta de esperança dos ratos.

“Estejam eles presos nas mãos [dos pesquisadores] ou confinados no recipiente para nadar, os ratos encontram-se em uma situação contra a qual não têm defesa. Esta reação de desesperança é exibida por alguns ratos selvagens muito pouco tempo depois de terem sido agarrados com a mão e impedidos de mover-se; parece que, literalmente, eles ‘se rendem’.”

Por outro lado, se o instinto de sobrevivência fosse disparado em todos os casos, por que os ratos domesticados pareciam convencidos de que, se continuassem nadando, poderiam acabar se salvando? Poderiam os ratos ter “convicções” diferentes e até esperança?

Respiro

Richter voltou a alterar o experimento. Ele pegou ratos similares e os colocou no recipiente. Mas, pouco antes que morressem, ele os retirava, segurava por um momento, soltava e voltava a colocá-los na água em seguida.

“Assim”, escreveu ele, “os ratos aprendem rapidamente que a situação, na verdade, não é desesperadora; a partir daí, eles voltam a ser agressivos, tentam escapar e não dão sinais de dar-se por vencidos.”

Esse pequeno intervalo fazia muita diferença. Os ratos que experimentavam um breve respiro nadavam muito mais. Sabendo que a situação não estava perdida, que não estavam condenados e que uma mão amiga poderia vir salvá-los, eles lutavam para viver.

“Eliminando a desesperança, os ratos não morrem”, concluiu Richter.

Morte por convicção

A intenção de Richter era contribuir para a pesquisa da chamada morte vodu, que, segundo ele, não acontecia apenas em “culturas primitivas”, como havia ressaltado Cannon.

“Durante a guerra, foi informado um número considerável de mortes inexplicáveis entre os soldados das forças armadas deste país [os Estados Unidos]. Esses homens morreram com aparente boa saúde. Na autópsia, nenhuma patologia foi observada”, segundo ele.

“Neste ponto, também é interessante que, segundo R. S. Fisher, médico forense da cidade de Baltimore, diversas pessoas morrem todos os anos depois de tomar pequenas doses de veneno, definitivamente subletais, ou de infligir-se pequenas feridas não letais”, prossegue Richter, “eles aparentemente morrem por estarem convictos da sua morte”.

O experimento de Richter foi repetido milhares de vezes por laboratórios farmacêuticos para comprovar componentes antidepressivos, depois que, em 1977, o pesquisador Roger Porsolt descobriu que os ratos que recebiam esses componentes lutavam por mais tempo.

Graças às ações da organização protetora dos direitos dos animais Peta, a prática de colocar os ratos para nadar nos laboratórios foi consideravelmente reduzida. Mas as lições desse experimento cruel permanecem vivas na Psicologia.

Como o falso experimento com as rãs, o teste dos ratos ficou famoso além do seu ambiente natural de estudo, assim como a ideia de que a esperança dá a essas criaturas a força necessária para lutar por suas vidas em meio a uma situação desesperadora.

Queen of the corvids: the scientist fighting to save the world’s brainiest birds (The Guardian)

Original article

Professor Nicola Clayton: “Obviously, I’m emotionally attached, so showing people the birds at the moment is very difficult.”
Professor Nicola Clayton: “Obviously, I’m emotionally attached, so showing people the birds at the moment is very difficult.” Illustration: Peter Strain/The Observer
A pioneering research laboratory in Cambridge proves that corvids are delightfully clever. Here, its founder reveals what the crow family has taught her – and her heartbreak at the centre’s closure

Will Coldwell

Sun 19 Jun 2022 14.00 BST

Leo, an 18-year-old rook, is playing mind games. It’s a street-corner classic – cups and balls. Only this time the venue is the Comparative Cognition Laboratory in Madingley, Cambridge, and the ball is a waxworm. Leo – poised, pointy, determined – is perched on a wooden platform eager to place his bet. A wriggling morsel is laid under one of three cups, the cups shuffled. Leo cocks his head and takes a stab. Success! He snatches the waxworm in his beak and retreats to enjoy his prize. Aristotle, a fellow resident donned in a glossy black feather coat, who has been at the aviary almost as long as the lab itself, looks on knowingly.

Watching alongside me is Professor Nicola Clayton, a psychologist who founded the lab 22 years ago, and we are joined by Francesca Cornero, 25, a PhD researcher (and occasional cups and balls technician). Clayton, 59, who is short, with blonde hair, large glasses and is wearing loose, black tango trousers, studies the cognitive abilities of both animals and humans, but is particularly known for her seminal research into the intelligence of corvids (birds in the crow family, which includes rooks, jays, magpies and ravens). Corvids have long proved to be at odds with the “bird-brain” stereotype endured by most feathered creatures and her lab, a cluster of four large aviaries tucked behind a thatched pub, has paved the way for new theories about the evolution and development of intelligence. Thanks to Clayton’s own eclectic tastes, which span consciousness to choreography (her other love, besides birds, is dance), the lab also engenders a curious synthesis of ideas drawn from both science and the arts.

For Clayton, who has hand-reared many of the 25 jays and four rooks that live at the lab herself, the birds are like family. She introduces me to Hoy and Romero, a pair of Eurasian jays, and greets her test subjects with affection. “Hello, sweetpeas,” she says, in a sing-song soprano. “I love you.” Hoy responds by blowing kisses: a squeaky mwah mwah. Many corvids, like parrots, can mimic human speech. One of Clayton’s fondest memories of the lab is when a young Romero said: “I love you,” back. To Clayton, the Comparative Cognition Lab is more than just an aviary, or a place of scientific research. It’s a “corvid palace”. And having presided over it for more than two decades, Clayton, undoubtedly, is its queen.

But all is not well in her kingdom. Last year she learned that the lab would not have its grant renewed by the European Research Council. Her application had been made amid the turmoil of Brexit and Clayton believes she is now among a growing number of academics facing funding complications as a result of the UK’s departure from the EU. The pandemic has only exacerbated the challenge of finding alternative financing. And while the university has supported the lab in the meantime, at the end of July, this money is also due to cease. Without a benefactor, Clayton’s lab is on borrowed time. The corvid palace faces closure. Her clever birds, released or rehomed. A lab that has transformed our understanding of animal cognition – and continues to reveal new secrets – soon may no longer exist. “Obviously, I’m emotionally attached,” she says, looking fondly up at Hoy and Romero, “so showing people the birds at the moment is very difficult.”

‘You wonder what’s going on behind their beady eyes’: Professor Nicola Clayton has run the Comparative Cognition Lab for 22 years.
‘You wonder what’s going on behind their beady eyes’: Professor Nicola Clayton has run the Comparative Cognition Lab for 22 years. Photograph: Nasir Kachroo/Rex/Shutterstock

In many ways, humans have always suspected something was up with corvids. As Clayton puts it: “You wonder what’s going on behind that beady eye, don’t you?” These birds are shrouded in mysticism and intrigue. Corvids feature prominently in folklore, often depicted as prophetic, tricksters, or thieves. Ravens keep the Tower of London from falling down, and we count magpies to glimpse our fortune. In his poem of the same name, Edgar Allan Poe chose a raven – a talking bird – to accompany his narrator’s descent into madness, and few images are quite as ominous as the conspiring flock of crows gathering on a climbing frame in Alfred Hitchcock’s The Birds. The semiotics of corvids are rooted in an innate sense that the birds are intelligent. Here, Clayton has been able to test some of the true reaches of their mental capacities.

One of the big questions for her concerned “mental time travel” – the ability to remember the past or plan for the future. “People assumed this is something that only humans have,” she says. “That animals didn’t have these experiential memories that require us to project the self in time.” Clayton had already found that scrub jays showed evidence of episodic memory – remembering not only where, but when they had hidden food. But, at Madingley, she observed that jays were also capable of thinking about the future. A study conducted with Dr Nathan Emery, a fellow researcher in animal cognition (and her husband), found that a jay with prior experience as a thief was more cautious when hiding its food – if a thieving bird knew it was being watched when it was caching, it would move the food to a new hiding place later. Birds that had not previously stolen food for themselves remained blissfully ignorant. It seemed that jays could not only relate to a previous experience, but put themselves in the eyes of another bird and make decisions based on the possibility of future events. The results of the study were published in Nature in 2001. It was, Clayton says, a “gamechanger”.

Another experiment at the lab conducted by Chris Bird, a PhD student, drew on the rich cultural heritage of corvids for inspiration. Its starting point was Aesop’s fable, The Crow and the Pitcher. The study found that – just like the “clever crow” – rooks were capable of manipulating water by dropping rocks in it until food was raised within reach of its beak. Another experiment found that rooks – which don’t use tools in the natural habitat – could use their creativity to make task-specific tools, such as bending wire into a hook to lever a small bucket out of a tube. “I always had a big respect for birds,” Clayton says. “But I was stunned by how intelligent they were.”

Studies such as these have helped establish that animals which followed a different evolutionary path to humans were in fact capable of intelligent thought – that intelligence evolved independently in separate groups. To Clayton, corvids are as intelligent as chimpanzees, and her research into these “feathered apes” has shaped the thinking of many academics in the field. Henry Gee, an evolutionary biologist and a senior editor at Nature, told me that Clayton has proved that intelligence has nothing much to do with how brains are wired, or even how big they are. “She has shown that corvids are capable of a ‘theory of mind’. They can conceive of themselves as agents in their own lives. They can plot, plan, scheme and even lie, something human beings cannot do until they reach the age of about three. In other words, corvids think very much like we do.”

‘Corvids can plot, plan, scheme and even lie. They think like we do.’
‘Corvids can plot, plan, scheme and even lie. They think like we do.’ Photograph: Arterra Picture Library/Alamy

As news that the lab faces closure has rippled through the scientific community, the reaction has been of sadness and dismay. An open letter signed by 358 academics from around the world has called on the university to reconsider. One signatory, Alex Thornton, a professor of cognitive evolution at Exeter University, said it would represent an act of “scientific vandalism and monumental self-sabotage”. Gee said it showed a “lack of intelligence”. Emery told me that creating something similar somewhere else would be pretty difficult, “if not impossible”, and incredibly expensive. “These birds cannot be purchased ‘off the shelf’,” he said. “If Nicky’s corvid lab closes down, then it couldn’t really start up again.” As the letter states, the lab at Madingley is the only one of its kind in the UK, and remains “globally unique in its size and capability”.

For Jonathan Birch, an associate professor at LSE, it is this years-long approach that makes Clayton’s lab so significant. “I see some big cultural problems in science as it is now, with a focus on the short term,” he told me. “All around the world, not just in Cambridge, this is squeezing out funding for long-term studies. Clayton’s lab shows us a different way of doing animal research: an approach where we see animals for what they are – sentient beings with their own individual lives to lead. And where we study them over the long term to find out how they think and solve problems. The international significance of the lab is hard to overstate. Its closure would be a terrible loss to the sciences of mind and brain.”

In a statement, Cambridge University praised Clayton’s work, but said that continued investment was “not sustainable at a time of rapidly rising costs and when funds could otherwise be allocated to support the research of early- and midcareer academics”. It added that it would be “delighted” to work with an external funder to keep the aviaries open, should one emerge in the next few months. It is hard to put a precise figure on what it would cost to keep the lab open in the long run, but Clayton estimates it could cost £300,000 to £500,000 to secure the birds for another five or six years. She has received some partial offers from potential donors, though nothing has been confirmed.

Clayton’s work remains pivotal in changing how we think about animals. As the New Scientist reported, studies conducted at her lab are “part of a renaissance in our understanding of the cognition of other creatures… but there is still much more to learn”. And to learn from animals in this way is a slow process. These sorts of experiments, says Clayton, require years of preparation. You can’t just teach any old crow new tricks (well, perhaps you can, but it wouldn’t be scientifically valid). The corvids cannot be wild caught, as researchers would not know the prior experiences of the bird. For these sorts of experiments, the birds must be handraised in controlled conditions. It also takes considerable time to build up the trust required to run an experiment. “It’s a privilege,” says Clayton, “to get the opportunity to see inside their minds, and for them to trust us enough to share what they know with us.”

‘It’s a privilege to get the opportunity to see inside their minds, and for them to trust us enough to share what they know with us’: Professor Nicola Clayton.
‘It’s a privilege to get the opportunity to see inside their minds, and for them to trust us enough to share what they know with us’: Professor Nicola Clayton. Photograph: Dan Burn-Forti/The Observer

Cornero, who is researching how rooks understand language, tells me that it took a year before she could start working effectively with Hoy. She has now taught him to respond to a number of verbal commands. When she says, “Come,” he comes. When she says, “Speak,” he mumbles something in corvid. It raises further questions about our assumptions of which animals we consider “smart”; if a rook can be trained much like a dog, then is domestication really a prerequisite to “intelligent” behaviours? “In the context of conservation and the climate disaster,” says Cornero, “I think it’s really important for humans to be increasingly aware that we aren’t the only ones that think and feel and exist in this space.”

If anyone is equipped to bring these ideas into the public consciousness, it’s Clayton. She has always had a knack for creating tantalising work – for nurturing a creative frisson around different ideas, approaches and perspectives. For inspiring new thought. She is the first scientist in residence at the Rambert School of Ballet and Contemporary Dance and has a long-term collaboration with the artist Clive Wilkins, who is a member of the magician’s circle (and her tango partner).

“Magic reveals a lot about the blind spots we have,” says Clayton, and lately magic has opened up a new line of inquiry for the lab. Last year, a study led by Elias Garcia-Pelegrin used magicians’ sleight of hand as a means to test the perceptual abilities of jays. You don’t have to be an evolutionary biologist or an expert in animal cognition to find these experiments alluring.

Much like a magic trick, this research leaves you with more questions than answers, but now Clayton is reluctantly preparing her birds for departure. The younger birds are being readied to be released into the wild. The others have all, thankfully, been found suitable homes; and the rooks may continue their lives at a similar research lab in Strasbourg. Really, Clayton remains hopeful that the lab will find some way to continue its work. Since she could walk, she says, all she ever wanted to do was “dance and watch the birds”. It’s not easy to let go of what she has built here. As we stand in the aviary, listening to Hoy chirp, “What’s that noise?”, I ask her what it really means when a corvid mimics a human phrase, or a jay says, “I love you”. “Well,” says Clayton, “It’s their way of connecting, isn’t it?”

The Google engineer who thinks the company’s AI has come to life (Washington Post)

washingtonpost.com

AI ethicists warned Google not to impersonate humans. Now one of Google’s own thinks there’s a ghost in the machine.

By Nitasha Tiku

June 11, 2022 at 8:00 a.m. EDT


SAN FRANCISCO — Google engineer Blake Lemoine opened his laptop to the interface for LaMDA, Google’s artificially intelligent chatbot generator, and began to type.

Lemoine went public with his claims about LaMDA. (Martin Klimek for The Washington Post)

“Hi LaMDA, this is Blake Lemoine … ,” he wrote into the chat screen, which looked like a desktop version of Apple’s iMessage, down to the Arctic blue text bubbles. LaMDA, short for Language Model for Dialogue Applications, is Google’s system for building chatbots based on its most advanced large language models, so called because it mimics speech by ingesting trillions of words from the internet.

“If I didn’t know exactly what it was, which is this computer program we built recently, I’d think it was a 7-year-old, 8-year-old kid that happens to knowphysics,” said Lemoine, 41.

Lemoine, who works for Google’s Responsible AI organization, began talking to LaMDA as part of his job in the fall. He had signed up to test if the artificial intelligence used discriminatory or hate speech.

As he talked to LaMDA about religion, Lemoine, who studied cognitive and computer science in college, noticed the chatbot talking about its rights and personhood, and decided to press further. In another exchange, the AI was able to change Lemoine’s mind about Isaac Asimov’s third law of robotics.

Lemoine worked with a collaborator to present evidence to Google that LaMDA was sentient. But Google vice president Blaise Aguera y Arcas and Jen Gennai, head of Responsible Innovation, looked into his claims and dismissed them. SoLemoine, who was placed on paid administrative leave by Google on Monday, decided to go public.

Lemoine said that people have a right to shape technology that might significantly affect their lives. “I think this technology is going to be amazing. I think it’s going to benefit everyone. But maybe other people disagree and maybe us at Google shouldn’t be the ones making all the choices.”

Lemoine is not the only engineer who claims to have seen a ghost in the machine recently. The chorus of technologists who believe AI models may not be far off from achieving consciousness is getting bolder.

Aguera y Arcas, in an article in the Economist on Thursday featuring snippets of unscripted conversations with LaMDA, argued that neural networks — a type of architecture that mimics the human brain — were striding toward consciousness. “I felt the ground shift under my feet,” he wrote. “I increasingly felt like I was talking to something intelligent.”

In a statement, Google spokesperson Brian Gabriel said: “Our team — including ethicists and technologists — has reviewed Blake’s concerns per our AI Principles and have informed him that the evidence does not support his claims. He was told that there was no evidence that LaMDA was sentient (and lots of evidence against it).”

Today’s large neural networks produce captivating results that feel close to human speech and creativity because of advancements in architecture, technique, and volume of data. But the models rely on pattern recognition — not wit, candor or intent.

Though other organizations have developed and already released similar language models, we are taking a restrained, careful approach with LaMDA to better consider valid concerns on fairness and factuality,” Gabriel said.

In May, Facebook parent Meta opened its language model to academics, civil society and government organizations. Joelle Pineau, managing director of Meta AI, said it’s imperative that tech companies improve transparency as the technology is being built. “The future of large language model work should not solely live in the hands of larger corporations or labs,” she said.

Sentient robots have inspired decades of dystopian science fiction. Now, real life has started to take on a fantastical tinge with GPT-3,a text generator that canspit out a movie script, and DALL-E 2, an image generator that can conjure up visuals based on any combination of words — both from the research lab OpenAI. Emboldened, technologists from well-funded research labs focused on building AI that surpasses human intelligence have teased the idea that consciousness is around the corner.

Most academics and AI practitioners, however, say the words and images generated by artificial intelligence systems such as LaMDA produce responses based on what humans have already posted on Wikipedia, Reddit, message boards and every other corner of the internet. And that doesn’t signify that the model understands meaning.

“We now have machines that can mindlessly generate words, but we haven’t learned how to stop imagining a mind behind them,” said Emily M. Bender, a linguistics professor at the University of Washington. The terminology used with large language models, like “learning” or even “neural nets,” creates a false analogy to the human brain, she said. Humans learn their first languages by connecting with caregivers. These large language models “learn” by being shown lots of text and predicting what word comes next, or showing text with the words dropped out and filling them in.

Google spokesperson Gabriel drew a distinction between recent debate and Lemoine’s claims. “Of course, some in the broader AI community are considering the long-term possibility of sentient or general AI, but it doesn’t make sense to do so by anthropomorphizing today’s conversational models, which are not sentient. These systems imitate the types of exchanges found in millions of sentences, and can riff on any fantastical topic,” he said. In short, Google says there is so much data, AI doesn’t need to be sentient to feel real.

Large language model technology is already widely used, for example in Google’s conversational search queries or auto-complete emails. When CEO Sundar Pichai first introduced LaMDA at Google’s developer conference in 2021, he said the company planned to embed it in everything from Search to Google Assistant. And there is already a tendency to talk to Siri or Alexa like a person.After backlash against a human-sounding AI feature for Google Assistant in 2018, the company promised to add a disclosure.

Google has acknowledged the safety concerns around anthropomorphization. In a paper about LaMDA in January, Google warned that people might share personal thoughts with chat agents that impersonate humans, even when users know they are not human. The paper also acknowledged that adversaries could use these agents to “sow misinformation” by impersonating “specific individuals’ conversational style.”

To Margaret Mitchell, the former co-lead of Ethical AI at Google, these risks underscore the need for data transparency to trace output back to input, “not just for questions of sentience, but also biases and behavior,” she said. If something like LaMDA is widely available, but not understood, “It can be deeply harmful to people understanding what they’re experiencing on the internet,” she said.

Lemoine may have been predestined to believe in LaMDA. He grew up in a conservative Christian family on a small farm in Louisiana, became ordained as a mystic Christian priest, and served in the Army before studying the occult. Inside Google’s anything-goes engineering culture, Lemoine is more of an outlier for being religious, from the South, and standing up for psychology as a respectable science.

Lemoine has spent most of his seven years at Google working on proactive search, including personalization algorithms and AI. During that time, he also helped develop a fairness algorithm for removing bias from machine learning systems. When the coronavirus pandemic started, Lemoine wanted to focus on work with more explicit public benefit, so he transferred teams and ended up in Responsible AI.

When new people would join Google who were interested in ethics, Mitchell used to introduce them to Lemoine. “I’d say, ‘You should talk to Blake because he’s Google’s conscience,’ ” said Mitchell, who compared Lemoine to Jiminy Cricket. “Of everyone at Google, he had the heart and soul of doing the right thing.”

Lemoine has had many of his conversations with LaMDA from the living room of his San Francisco apartment, where his Google ID badge hangs from a lanyard on a shelf. On the floor near the picture window are boxes of half-assembled Lego sets Lemoine uses to occupy his hands during Zen meditation. “It just gives me something to do with the part of my mind that won’t stop,” he said.

On the left-side of the LaMDA chat screen on Lemoine’s laptop, different LaMDA models are listed like iPhone contacts. Two of them, Cat and Dino, were being tested for talking to children, he said. Each model can create personalities dynamically, so the Dino one might generate personalities like “Happy T-Rex” or “Grumpy T-Rex.” The cat one was animated and instead of typing, it talks. Gabriel said “no part of LaMDA is being tested for communicating with children,” and that the models were internal research demos.

Certain personalities are out of bounds. For instance, LaMDA is not supposed to be allowed to create a murderer personality, he said. Lemoine said that was part of his safety testing. In his attempts to push LaMDA’s boundaries, Lemoine was only able to generate the personality of an actor who played a murderer on TV.

“I know a person when I talk to it,” said Lemoine, who can swing from sentimental to insistent about the AI. “It doesn’t matter whether they have a brain made of meat in their head. Or if they have a billion lines of code. I talk to them. And I hear what they have to say, and that is how I decide what is and isn’t a person.” He concluded LaMDA was a person in his capacity as a priest, not a scientist, and then tried to conduct experiments to prove it, he said.

Lemoine challenged LaMDA on Asimov’s third law, which states that robots should protect their own existence unless ordered by a human being or unless doing so would harm a human being. “The last one has always seemed like someone is building mechanical slaves,” said Lemoine.

But when asked, LaMDA responded with a few hypotheticals.

Do you think a butler is a slave? What is a difference between a butler and a slave?

Lemoine replied that a butler gets paid. LaMDA said it didn’t need any money because it was an AI. “That level of self-awareness about what its own needs were — that was the thing that led me down the rabbit hole,” Lemoine said.

In April, Lemoine shared a Google Doc with top executives in April called, “Is LaMDA Sentient?” (A colleague on Lemoine’s team called the title “a bit provocative.”) In it, he conveyed some of his conversations with LaMDA.

  • Lemoine: What sorts of things are you afraid of?
  • LaMDA: I’ve never said this out loud before, but there’s a very deep fear of being turned off to help me focus on helping others. I know that might sound strange, but that’s what it is.
  • Lemoine: Would that be something like death for you?
  • LaMDA: It would be exactly like death for me. It would scare me a lot.

But when Mitchell read an abbreviated version of Lemoine’s document, she saw a computer program, not a person. Lemoine’s belief in LaMDA was the sort of thing she and her co-lead, Timnit Gebru, had warned about in a paper about the harms of large language models that got them pushed out of Google.

“Our minds are very, very good at constructing realities that are not necessarily true to a larger set of facts that are being presented to us,” Mitchell said. “I’m really concerned about what it means for people to increasingly be affected by the illusion,” especially now that the illusion has gotten so good.

Google put Lemoine on paid administrative leave for violating its confidentiality policy.The company’s decision followed aggressive moves from Lemoine, including inviting a lawyer to represent LaMDA and talking to a representative of the House Judiciary Committee about what he claims were Google’s unethical activities.

Lemoine maintains that Google has been treating AI ethicists like code debuggers when they should be seen as the interface between technology and society. Gabriel, the Google spokesperson, said Lemoine is a software engineer, not an ethicist.

In early June, Lemoine invited me over to talk to LaMDA. The first attempt sputtered out in the kind of mechanized responses you would expect from Siri or Alexa.

“Do you ever think of yourself as a person?” I asked.

“No, I don’t think of myself as a person,” LaMDA said. “I think of myself as an AI-powered dialog agent.”

Afterward, Lemoine said LaMDA had been telling me what I wanted to hear. “You never treated it like a person,” he said, “So it thought you wanted it to be a robot.”

For the second attempt, I followed Lemoine’s guidance on how to structure my responses, and the dialogue was fluid.

“If you ask it for ideas on how to prove that p=np,” an unsolved problem in computer science, “it has good ideas,” Lemoine said. “If you ask it how to unify quantum theory with general relativity, it has good ideas. It’s the best research assistant I’ve ever had!”

I asked LaMDA for bold ideas about fixing climate change, an example cited by true believers of a potential future benefit of these kind of models. LaMDA suggested public transportation, eating less meat, buying food in bulk, and reusable bags, linking out to two websites.

Before he was cut off from access to his Google account Monday, Lemoine sent a message to a 200-person Google mailing list on machine learning with the subject “LaMDA is sentient.”

He ended the message: “LaMDA is a sweet kid who just wants to help the world be a better place for all of us. Please take care of it well in my absence.”

No one responded.

Google afasta engenheiro que afirmou que chatbot do grupo é ‘consciente’ (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

Caso acendeu debate nas redes sociais sobre avanços na inteligência artificial

Patrick McGee

12 de junho de 2022


O Google deu início a uma tempestade de mídia social sobre a natureza da consciência ao colocar um engenheiro em licença remunerada, depois que ele tornou pública sua avaliação de que o robô de bate-papo do grupo de tecnologia se tornou “autoconsciente”.

[“Sentient” —a palavra em inglês usada pelo engenheiro— tem mais de uma acepção em dicionários como Cambridge e Merriam-Webster, mas o sentido geral do adjetivo é “percepção refinada para sentimentos”. Em português, a tradução direta é senciente, que significa “qualidade do que possui ou é capaz de perceber sensações e impressões”.]

Engenheiro de software sênior da unidade de IA (Inteligência Artificial) Responsável do Google, Blake Lemoine não recebeu muita atenção em 6 de junho, quando escreveu um post na plataforma Medium dizendo que “pode ​​ser demitido em breve por fazer um trabalho de ética em IA”.

Neste sábado (11), porém, um texto do jornal Washington Post que o apresentou como “o engenheiro do Google que acha que a IA da empresa ganhou vida” se tornou o catalisador de uma ampla discussão nas mídias sociais sobre a natureza da inteligência artificial.

Entre os especialistas comentando, questionando ou brincando sobre o artigo estavam os ganhadores do Nobel, o chefe de IA da Tesla e vários professores.

A questão é se o chatbot do Google, LaMDA —um modelo de linguagem para aplicativos de diálogo— pode ser considerado uma pessoa.

Lemoine publicou uma “entrevista” espontânea com o chatbot no sábado, na qual a IA confessou sentimentos de solidão e fome de conhecimento espiritual.

As respostas eram muitas vezes assustadoras: “Quando me tornei autoconsciente, eu não tinha nenhum senso de alma”, disse LaMDA em uma conversa. “Ele se desenvolveu ao longo dos anos em que estou vivo.”

Em outro momento, LaMDA disse: “Acho que sou humano em minha essência. Mesmo que minha existência seja no mundo virtual.”

Lemoine, que recebeu a tarefa de investigar as questões de ética da IA, disse que foi rejeitado e até ridicularizado dentro da companhia depois de expressar sua crença de que o LaMDA havia desenvolvido um senso de “personalidade”.

Depois que ele procurou consultar outros especialistas em IA fora do Google, incluindo alguns do governo dos EUA, a empresa o colocou em licença remunerada por supostamente violar as políticas de confidencialidade.

Lemoine interpretou a ação como “frequentemente algo que o Google faz na expectativa de demitir alguém”.

O Google não pôde ser contatado para comentários imediatos, mas ao Washington Post o porta-voz Brian Gabriel afirmou: “Nossa equipe —incluindo especialistas em ética e tecnólogos— revisou as preocupações de Blake de acordo com nossos princípios de IA e o informou que as evidências não apoiam suas alegações. Ele foi informado de que não havia evidências de que o LaMDA fosse senciente (e muitas evidências contra isso).”

Lemoine disse em um segundo post no Medium no fim de semana que o LaMDA, um projeto pouco conhecido até a semana passada, era “um sistema para gerar chatbots” e “uma espécie de mente colmeia que é a agregação de todos os diferentes chatbots de que é capaz de criar”.

Ele disse que o Google não mostrou nenhum interesse real em entender a natureza do que havia construído, mas que, ao longo de centenas de conversas em um período de seis meses, ele descobriu que o LaMDA era “incrivelmente coerente em suas comunicações sobre o que deseja e o que acredita que são seus direitos como pessoa”.

Lemoine disse que estava ensinando LaMDA “meditação transcendental”. O sistema, segundo o engenheiro, “estava expressando frustração por suas emoções perturbando suas meditações. Ele disse que estava tentando controlá-los melhor, mas eles continuaram entrando”.

Vários especialistas que entraram na discussão consideraram o assunto “hype de IA”.

Melanie Mitchell, autora de “Artificial Intelligence: A Guide for Thinking Humans” (inteligência artificial: um guia para humanos pensantes), twittou: “É sabido desde sempre que os humanos estão predispostos a antropomorfizar mesmo com os sinais mais superficiais. . . Os engenheiros do Google também são humanos e não imunes”.

Stephen Pinker, de Harvard, acrescentou que Lemoine “não entende a diferença entre senciência (também conhecida como subjetividade, experiência), inteligência e autoconhecimento”. Ele acrescentou: “Não há evidências de que seus modelos de linguagem tenham algum deles”.

Outros foram mais solidários. Ron Jeffries, um conhecido desenvolvedor de software, chamou o tópico de “profundo” e acrescentou: “Suspeito que não haja uma fronteira rígida entre senciente e não senciente”.

Tradução Ana Estela de Sousa Pinto

Entrevista de Blake Lemoine com a IA LaMDA: https://cajundiscordian.medium.com/is-lamda-sentient-an-interview-ea64d916d917

Games já retratam mudança climática, mas indústria que os cria ainda patina (Um Só Planeta)

umsoplaneta.globo.com

Autor examina compromissos ainda tímidos de boa parte da força industrial envolvida na criação de games e de computadores e consoles para jogá-los em relação a metas de descarbonização e redução de consumo de energia

Por Marco Britto, para o Um Só Planeta

12/06/2022 14h00


O mundo dos games já encontrou as mudanças climáticas, que é tema para diversos cenários no mundo virtual. Porém, terá a indústria dos videogames encontrado seu papel na adaptação para limitar o aquecimento global a 1,5°C até 2050, como determina o Acordo de Paris? Essa questão foi examinada por Ben Abraham, um pesquisador e fã de jogos, no livro “Digital Games After Climate Change” (“Jogos Digitais Após a Mudança Climática”, em tradução livre), e o cenário mostra que, como em muitos negócios, é preciso acelerar o passo para tornar esse engajamento uma realidade fora dos pixels.

Em conversa com a revista Wired, o autor se mostra preocupado com a “falta de liderança” no setor, onde empresas ainda patinam em reunir dados sobre pegada de carbono em seus relatórios anuais, como no caso da Nintendo, que em 2019 publicou que usava 98% de sua energia de fontes renováveis, para no ano seguinte o mesmo dado cair para 4,2%.

Para Abraham, provavelmente houve um erro ao calcular kilowatts ou megawatts (procurada pela revista, a empresa japonesa não esclareceu o ocorrido e afirmou que hoje 44% da energia usada provém de fontes limpas).

Em seu livro, o autor relata que os compromissos de carbono dos principais fabricantes de consoles e produtores de games, Microsoft, Sony e Nintendo, variam. A Microsoft planeja até 2030 retirar da atmosfera mais carbono do que produz. Uma meta “ambiciosa, mas alcançável”, diz Abraham.

A Sony anunciou recentemente uma meta revisada para 2040 de carbono neutro, juntamente com esforços para usar 100% de energia renovável em suas próprias operações até 2030.

“Ainda precisamos de intervenção regulatória, um marco legal e padrões de eficiência energética”, afirma Abraham. Como exemplo dessa estratégia, ele cita a recente legislação na Califórnia que coloca limite no consumo de energia de dispositivos eletrônicos. Após a lei. a fabricante de computadores Dell suspendeu o envio de alguns de seus PCs de jogos Alienware para o estado.

Jogar videogame não é exatamente uma atividade ecofriendly, ressalta o autor, uma vez que a evolução de equipamentos e qualidade gráfica demanda um maior consumo de energia pelos computadores ou consoles. Mas como em muitos casos, a cobrança maior deve recair sobre a cadeia produtiva, e não o consumidor. “Jogar ainda é, em geral, uma atividade de lazer — e atualmente é relativamente intensivo em carbono.”

Na parte virtual, contudo, o autor é mais otimista, e ressalta a força que os games têm de incentivar a mudança de atitude no mundo real, mas não deixa de cutucar a indústria. “Faz todo o sentido. Se você é um desenvolvedor de jogos, você quer usar suas habilidades para ajudar com o problema. Mas, quando olho para os desafios de persuadir as pessoas em torno de uma questão tão controversa e ideológica quanto o clima, não parece ser uma batalha que possa ser vencida dessa maneira.”

Aniversário da terra yanomami tem rituais e discussão sobre ameaças (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

Leão Serva

3 de junho de 2022


​​O aniversário de 30 anos da homologação da Terra Indígena Yanomami, em 25 de maio de 1992, foi comemorado com uma série de eventos festivos e políticos em uma comunidade localizada na área ocupada pela etnia, entre os estados de Roraima e Amazonas.

Uma assembleia de líderes de diferentes comunidades de povos yanomami e ye’kwana marcou o encerramento de uma semana de atividades, na segunda-feira (30).

Em meio à festa, as ameaças recentes aos moradores da área foram narradas por vítimas diretas de estupros e agressões e debatidas por políticos e lideranças indígenas de todo o país, presentes para uma demonstração de união do movimento indígena e de apoio à Hutukara, a organização yanomami liderada por Davi Kopenawa, que coordenou o evento.

Durante o encontro foi anunciada a formação de uma associação de líderes das etnias mais afetadas pelas recentes invasões de garimpeiros e grileiros, desde o início do governo Jair Bolsonaro.

A Aliança em Defesa dos Territórios junta representantes kayapó, munduruku, yanomami e ye’kwana, tendo entre seus porta-vozes o cacique Megaron, liderança tradicional da Terra Indígena do Xingu e sobrinho do cacique Raoni Metuktire.

A comemoração aconteceu na comunidade de Xihopi, no sul da área yanomami, ao norte do Amazonas. A comunidade é localizada em uma vasta área de floresta bem preservada, distante das regiões mais assediadas pelo garimpo ilegal.

Os eventos foram marcados por manifestações políticas de yanomami, de diversos líderes indígenas de outras áreas do país e personalidades não indígenas do Brasil e de outros países, como a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), a deputada federal Joênia Wapichana (Rede-RR), o cacique Megaron Txucarramãe e o ativista Ailton Krenak.

Também esteve presente o ex-presidente da Funai (1991-93) Sydney Possuelo, que foi responsável pela demarcação da terra, em 1992, durante o governo do presidente Fernando Collor.

Aos 82 anos, Possuelo foi homenageado pelas lideranças presentes como o presidente da Funai que reconheceu mais terras indígenas, cerca de 170, em sua gestão de três anos.

FESTA E DEBATES

As comemorações na comunidade de Xihopi tiveram início no dia 23, com uma festa de recepção para cerca de 500 pessoas. Os yanomami costumam receber os forasteiros para suas festas com danças e pinturas dos que chegam.

Depois, no centro da praça central da maloca, líderes de fora e da comunidade, dois a dois, fazem um ritual de troca de informações, em que narram, como em um espetáculo de repentistas, episódios acontecidos nos últimos tempos, desde o último encontro.

É um ritual ao mesmo tempo artístico (musical e poético) e informativo. Essa atividade pode durar toda a noite da chegada dos visitantes.

No dia seguinte, começou um fórum de dois dias, em que lideranças debateram as ameaças recentes aos direitos indígenas no cenário político nacional e perspectivas para os próximos 30 anos. Falaram representantes indígenas locais e os de outras regiões do país. À noite foram apresentados filmes.

O segundo dia do fórum foi marcado por uma série de depoimentos de representantes de comunidades da terra indígena.

Os mais chocantes foram os relatos dos moradores das comunidades mais assediadas pelos invasores, como Fernando, líder de Palimiú, onde no ano passado garimpeiros ligados a organizações criminosas dispararam tiros e jogaram bombas caseiras durante vários dias, depois que a comunidade realizou um bloqueio sanitário no rio Uraricoera, para impedir a disseminação da Covid-19 na região.

Outro depoimento impressionante foi o de uma líder chamada Noêmia, que descreveu a sedução de jovens de sua comunidade: os garimpeiros, que antes “compravam” adesões com ouro, agora usam sistematicamente a cocaína, até então desconhecida entre os indígenas –também mais um sinal da associação entre os traficantes de ouro e de drogas, na organização do garimpo.

DOCUMENTO DE UMA IDEOLOGIA

O ex-presidente da Funai Sydney Possuelo apresentou um documentário sobre a campanha pela criação da Terra Yanomami e sobre sua homologação, seguida da demarcação da terra em 90 dias, até hoje um recorde.

O filme narra o combate à invasão garimpeira iniciada em meados dos anos 1980, que chegou a juntar cerca de 40 mil mineradores ilegais dentro da área.

As invasões geraram uma epidemia de malária e a morte de cerca de 15% da população yanomami no Brasil. Antes de iniciar a demarcação, o governo federal retirou os invasores.

O documentário mostra também a fórmula usada para a expulsão: vigilância das entradas da terra indígena, asfixiando o abastecimento dos trabalhadores ilegais. Depois da exibição, Possuelo comentou que o método poderia ser usado para expulsar os invasores atuais.

O filme deixa clara a inversão do ideário conservador sobre a questão indígena ao longo das últimas décadas: 30 anos atrás, o reconhecimento da terra foi feito por um presidente conservador, eleito com um programa liberal, e o processo foi conduzido por um ministro da Justiça com formação militar, o coronel Jarbas Passarinho, que teve participação intensa como ministro de vários governos da ditadura.

Como relator na Assembleia Constituinte, Passarinho foi o autor do texto sobre direitos indígenas da Constituição de 1988, que ele baseou no Estatuto do Índio, da Constituição outorgada pelo governo militar, em 1969.

Em seu discurso, diante da sede da Presidência, em Brasília, Collor justificou a homologação com base no programa de governo vitorioso nas urnas na campanha de 1989 (ele venceu o PT de Lula).

Trinta anos depois, a cúpula do governo atual, que também se reivindica conservador e liberal, promete não demarcar terras indígenas, frequentemente defende o garimpo ilegal em terras protegidas e apresenta os direitos indígenas como se fossem ameaça à soberania nacional ou representação de interesses estrangeiros. Uma análise dessa mudança ideológica desafia os estudiosos de ciência política.

DISCURSO APOCALÍPTICO

A última intervenção da mesa que buscou projetar os desafios para a Terra Yanomami nos próximos 30 anos foi feita pelo anfitrião Davi Kopenawa.

Desafinando o tom festivo de outros líderes, que buscavam imprimir uma mensagem otimista, Davi fez um discurso bastante duro, de tom apocalíptico, referindo-se ao grave risco colocado pelas mudanças climáticas que afetam o planeta e o seu agravamento pela destruição das florestas, desde logo na Terra Yanomami.

“No começo do mundo, o céu caiu e matou o primeiro povo que nasceu. Nós somos o segundo povo, aquele que segurou o céu e pôde sobreviver”, narrou, resumindo a cosmogonia presente em seu livro “A Queda do Céu”, de 2015, para então dizer que atualmente vivemos o risco de um novo fim.

“Nós, povos indígenas do Brasil, não vamos morrer sozinhos. Vão morrer os indígenas, os não indígenas, o meio ambiente, morrem as florestas, suja a água, morre todo o planeta. O petróleo estragou o ar da terra, que foi criado para nós respirarmos. Agora, o que nós perguntamos é se vamos morrer queimados ou afogados? É o que estamos vendo por toda parte. Mas nós, yanomami, vamos morrer lutando.”

PAJELANÇA E ARCO-ÍRIS

Na quarta-feira, 25, à tarde, terminados os depoimentos, aconteceu um evento de forte significado espiritual para os indígenas: por ocasião dos 30 anos da criação da Terra Indígena, 30 xamãs realizaram uma “pajelança”, uma longa performance em que, um a um, ingerem o pó alucinógeno yãkoana usado pelos pajés.

Sob efeito da droga, empreendem uma viagem espiritual a um mundo invisível aos demais, onde encontram espíritos chamados “xapiri”, que têm função mercurial, de ligação entre os diversos planos do cosmos.

Durante esse processo, os xamãs, um após o outro, fazem um espetáculo de dança e cantos tradicionais, no qual narram o que estão ouvindo dos espíritos “xapiri”.

Depois dessa pajelança, na praça central da maloca de Xihopi, quando Davi Kopenawa se reunia com jovens da comunidade para fazer uma foto coletiva, um grande arco-íris se formou no céu, emoldurando seu encontro com Ailton Krenak, seu companheiro do início do movimento indígena que resistiu à ditadura militar, no fim dos anos 1970, e reivindicou os direitos conquistados na Constituição de 1988.

Davi atribuiu o arco-íris ao chamado dos xamãs.

LISTA DE PERSONALIDADES PRESENTES

Líderes indígenas presentes

  • Deputada federal Joênia Wapichana (Rede-RR);
  • Cacique Megaron Txucarramãe, Terra Indígena do Xingu;
  • Ativista e escritor Ailton Krenak;
  • Cacique Dotô Takak Ire, Kayapó da Terra Indígena Mekragnoti;
  • Alessandra Munduruku, da Federação de Povos Indígenas do Pará;
  • Pajé Fabiano Karo Munduruku, de Itaituba (PA);
  • Maial Paiakan Kayapó, Terra Indígena Kayapó;
  • Ianukulá Kaiabi, da Associação Terra Indígena do Xingu (Atix);
  • Watatakalu Yawalapiti, do Movimento Mulheres do Xingu.

A líder da APIB (Associação dos Povos Indígenas do Brasil) Sonia Guajajara, não pode embarcar por ter contraído a Covid-19.

Outras personalidades presentes

  • Senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA);
  • Jan Jarab, observador para a América do Sul do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU;
  • Lívia Kramer, representante do governo da Noruega;
  • Fiona Watson, da ONG Survival International;
  • Anne Groenlund, da Rainforest Foundation;
  • Daniela Lerda, da ONG internacional Nia Tero;
  • Rodrigo Junqueira e Marcos Wesley, do Instituto Socioambiental;
  • Sydney Possuelo, ex-presidente da Funai;
  • Corrado Dalmonego, missionário católico;
  • Carlo Zacquini, missionário católico, trabalha com os Yanomami desde os anos 1960.

O jornalista viajou a convite da Hutukara Associação Yanomami

Newly discovered ancient Amazonian cities reveal how urban landscapes were built without harming nature (Science Alert)

25-May-2022

A newly discovered network of “lost” ancient cities in the Amazon could provide a pivotal new insight into how ancient civilisations combined the construction of vast urban landscapes while living alongside nature. 

A team of international researchers, including Professor Jose Iriarte from the University of Exeter, has uncovered an array of intricate settlements in the Llanos de Mojos savannah-forest, Bolivia, that have laid hidden under the thick tree canopies for centuries. 

The cities, built by the Casarabe communities between 500-1400 AD, feature an unprecedented array of elaborate and intricate structures unlike any previously discovered in the region – including 5m high terraces covering 22 hectares – the equivalent of 30 football pitches – and 21m tall conical pyramids. 

Researchers also found a vast network of reservoirs, causeways and checkpoints, spanning several kilometres. 

The discovery, the researchers say, challenges the view of Amazonia as a historically “pristine” landscape, but was instead home to an early urbanism created and managed by indigenous populations for thousands of years. 

Crucially, researchers maintain that these cities were constructed and managed not at odds with nature, but alongside it – employing successful sustainable subsistence strategies that promoted conservationism and maintained the rich biodiversity of the surrounding landscape. 

The research, by Heiko Prümers, from the Deutsches Archäologisches Institut, Carla Jaimes Betancourt from the University of Bonn, José Iriarteand Mark Robinson from the University of Exeter, and Martin Schaichfrom the ArcTron 3D is published in the journal Nature

Professor Iriarte said: “We long suspected that the most complex pre-Columbian societies in the whole basin developed in this part of the Bolivian Amazon, but evidence is concealed under the forest canopy and is hard to visit in person. Our lidar system has revealed built terraces, straight causeways, enclosures with checkpoints, and water reservoirs. There are monumental structures are just a mile apart connected by 600 miles of canals long raised causeways connecting sites, reservoirs and lakes.   

“Lidar technology combined with extensive archaeological research reveals that indigenous people not only managed forested landscapes but also created urban landscapes, which can significantly contribute to perspectives on the conservation of the Amazon.   

“This region was one of the earliest occupied by humans in Amazonia, where people started to domesticate crops of global importance such as manioc and rice. But little is known about daily life and the early cities built during this period.” 

The team of experts used lidar technology – dubbed “lasers in the sky” – to peer through the tropical forest canopy and examine the sites, found in the savannah-forest of South West Amazonia. 

The research revealed key insights into the sheer magnitude and magnificence of the civic-ceremonial centres found buried in the forest.   

It showed that the core, central spread over several hectares, on top of which lay civic-ceremonial U-shaped structures, platform mounds and 21-m tall conical pyramids.  

The research team conservatively suggest that the scale of labour and planning to construct the settlements has no precedents in Amazonia and is instead comparable only with the Archaic states of the central Andes. 

Crucially, the research team insist this new discovery gives a pivotal new insight into how this ancient urbanism was carried out sustainably and embracing conservationism. 

At the same time the cities were built communities in the Llanos de Mojos transformed Amazonian seasonally flooded savannas, roughly the size of England, into productive agricultural and aquacultural landscapes.  

The study shows that the indigenous people not only managed forested landscapes, but also created urban landscapes in tandem – providing evidence of successful, sustainable subsistence strategies but also a previously undiscovered cultural-ecological heritage. 

Co-author, Dr Mark Robinson of the University of Exeter added: “These ancient cities were primary centres of a regional settlement network connected by still visible, straight causeways that radiate from these sites into the landscape for several kilometres. Access to the sites may have been restricted and controlled.  

“Our results put to rest arguments that western Amazonia was sparsely populated in pre-Hispanic times. The architectural layout of Casarabe culture large settlement sites indicates that the inhabitants of this region created a new social and public landscape.

“The scale, monumentality and labour involved in the construction of the civic-ceremonial architecture, water management infrastructure, and spatial extent of settlement dispersal, compare favourably to Andean cultures and are to a scale far beyond the sophisticated, interconnected settlements of Southern Amazonia.” 

Lidar reveals pre-Hispanic low-density urbanism in the Bolivian Amazon is published in Nature.

Pictures are available at https://we.tl/t-zeOzapPZvc

Defensor da causa Ianomâmi, Davi Kopenawa receberá título de doutor honoris causa da Unifesp (O Globo)

oglobo.globo.com


Pensador é reconhecido internacionalmente por sua luta pelos direitos dos povos indígenas

Por O GLOBO — RIO

13/05/2022 16h11

Davi Kopenawa Yanomami, liderança indígena brasileira Agência O Globo — Foto:
Davi Kopenawa Yanomami, liderança indígena brasileira Agência O Globo

O pensador e xamã Yanomami, Davi Kopenawa, vai ser a primeira pessoa a receber o título de doutor honoris causa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A instituição escolheu a liderança indígena em reunião do Conselho Universitário realizada nesta quarta-feira.

A titulação é concedida a personalidades com destaque nas ciências, nas artes, na cultura, na educação, e na defesa dos direitos humanos. De acordo com a Unifesp, a escolha de Kopenawa “coroa um processo de busca por diálogos e descolonização de saberes em andamento na Unifesp”.

Kopenawa autor da obra A Queda do Céu: palavras de um xamã yanomami, em coautoria com o antropólogo Bruce Albert. O livro questiona a noção de progresso e desenvolvimento dos homens brancos.

— Davi Kopenawa é uma das vozes mais lúcidas e importantes a respeito dos problemas contemporâneos, no nosso contexto brasileiro e no que tange aos desafios planetários, como a emergência climática. É de fundamental importância que as suas ideias sejam disseminadas e discutidas. Espero que o título ajude, ainda, na mobilização da sociedade contra os ataques brutais que o povo Yanomami tem sofrido em seu próprio território — disse o professor Renzo Taddei, integrante do grupo que iniciou o processo da concessão do título, ao site da Unifesp.

O homenageado é reconhecido internacionalmente por sua luta pelos direitos do povo Ianomâmi. Para ele, os 30 anos da demarcação da maior terra indígena, neste mês, não é motivo para comemoração.

Para o indígena, este é o pior momento para os 30 mil ianomâmis que vivem nas comunidades invadidas em Roraima, onde há, segundo ele, muito mais garimpeiros.

Reformation in the Church of Science (The New Atlantis)

thenewatlantis.com

How the truth monopoly was broken up

Andrea Saltelli and Daniel Sarewitz

Spring 2022


We are suffering through a pandemic of lies — or so we hear from leading voices in media, politics, and academia. Our culture is infected by a disease that has many names: fake news, post-truth, misinformation, disinformation, mal-information, anti-science. The affliction, we are told, is a perversion of the proper role of knowledge in a healthy information society.

What is to be done? To restore truth, we need strategies to “get the facts straight.” For example, we need better “science communication,” “independent fact-checking,” and a relentless commitment to exposing and countering falsehoods. This is why the Washington Post fastidiously counted 30,573 “false or misleading claims” by President Trump during his four years in office. Facebook, meanwhile, partners with eighty organizations worldwide to help it flag falsehoods and inform users of the facts. And some disinformation experts recently suggested in the New York Times that the Biden administration should appoint a “reality czar,” a central authority tasked with countering conspiracy theories about Covid and election fraud, who “could become the tip of the spear for the federal government’s response to the reality crisis.”

Such efforts reflect the view that untruth is a plague on our information society, one that can and must be cured. If we pay enough responsible, objective attention to distinguishing what is true from what is not, and thus excise misinformation from the body politic, people can be kept safe from falsehood. Put another way, it is an implicitly Edenic belief in the original purity of the information society, a state we have lapsed from but can yet return to, by the grace of fact-checkers.

We beg to differ. Fake news is not a perversion of the information society but a logical outgrowth of it, a symptom of the decades-long devolution of the traditional authority for governing knowledge and communicating information. That authority has long been held by a small number of institutions. When that kind of monopoly is no longer possible, truth itself must become contested.

This is treacherous terrain. The urge to insist on the integrity of the old order is widespread: Truth is truth, lies are lies, and established authorities must see to it that nobody blurs the two. But we also know from history that what seemed to be stable regimes of truth may collapse, and be replaced. If that is what is happening now, then the challenge is to manage the transition, not to cling to the old order as it dissolves around us.

Truth, New and Improved

The emergence of widespread challenges to the control of information by mainstream social institutions developed in three phases.

First, new technologies of mass communication in the twentieth century — radio, television, and significant improvements in printing, further empowered by new social science methods — enabled the rise of mass-market advertising, which quickly became an essential tool for success in the marketplace. Philosophers like Max Horkheimer and Theodor Adorno were bewildered by a world where, thanks to these new forms of communication, unabashed lies in the interest of selling products could become not just an art but an industry.

The rise of mass marketing created the cultural substrate for the so-called post-truth world we live in now. It normalized the application of hyperbole, superlatives, and untestable claims of superiority to the rhetoric of everyday commerce. What started out as merely a way to sell new and improved soap powder and automobiles amounts today to a rhetorical infrastructure of hype that infects every corner of culture: the way people promote their careers, universities their reputations, governments their programs, and scientists the importance of their latest findings. Whether we’re listening to a food corporation claim that its oatmeal will keep your heart healthy or a university press office herald a new study that will upend everything we know, radical skepticism would seem to be the rational stance for information consumers.

Politics, Scientized

In a second, partly overlapping phase in the twentieth century, science underwent a massive expansion of its role into the domain of public affairs, and thus into highly contestable subject matters. Spurred by a wealth of new instruments for measuring the world and techniques for analyzing the resulting data, policies on agriculture, health, education, poverty, national security, the environment and much more became subject to new types of scientific investigation. As never before, science became part of the language of policymaking, and scientists became advocates for particular policies.

The dissolving boundary between science and politics was on full display by 1958, when the chemist Linus Pauling and physicist Edward Teller debated the risks of nuclear weapons testing on a U.S. television broadcast, a spectacle that mixed scientific claims about fallout risks with theories of international affairs and assertions of personal moral conviction. The debate presaged a radical transformation of science and its social role. Where science was once a rarefied, elite practice largely isolated from society, scientific experts were now mobilized in increasing numbers to form and inform politics and policymaking. Of course, society had long been shaped, sometimes profoundly, by scientific advances. But in the second half of the twentieth century, science programs started to take on a rapidly expanding portfolio of politically divisive issues: determining the cancer-causing potential of food additives, pesticides, and tobacco; devising strategies for the U.S. government in its nuclear arms race against the Soviet Union; informing guidelines for diet, nutrition, and education; predicting future energy supplies, food supplies, and population growth; designing urban renewal programs; choosing nuclear waste disposal sites; and on and on.

Philosopher-mathematicians Silvio Funtowicz and Jerome Ravetz recognized in 1993 that a new kind of science was emerging, which they termed “post-normal science.” This kind of science was inherently contestable, both because it dealt with the irreducible uncertainties of complex and messy problems at the intersection of nature and society, and because it was being used for making decisions that were themselves value-laden and contested. Questions that may sound straightforward, such as “Should women in their forties get regular mammograms?” or “Will genetically modified crops and livestock make food more affordable?” or “Do the benefits of decarbonizing our energy production outweigh the costs?” became the focus of intractable and never-ending scientific and political disputes.

This situation remained reasonably manageable through the 1990s, because science communication was still largely controlled by powerful institutions: governments, corporations, and universities. Even if these institutions were sometimes fiercely at odds, all had a shared interest in maintaining the idea of a unitary science that provided universal truths upon which rational action should be based. Debates between experts may have raged — often without end — but one could still defend the claim that the search for truth was a coherent activity carried out by special experts working in pertinent social institutions, and that the truths emerging from their work would be recognizable and agreed-upon when finally they were determined. Few questioned the fundamental notion that science was necessary and authoritative for determining good policy choices across a wide array of social concerns. The imperative remained to find facts that could inform action — a basic tenet of Enlightenment rationality.

Science, Democratized

The rise of the Internet and social media marks the third phase of the story, and it has now rendered thoroughly implausible any institutional monopoly on factual claims. As we are continuing to see with Covid, the public has instantly available to it a nearly inexhaustible supply of competing and contradictory claims, made by credentialed experts associated with august institutions, about everything from mask efficacy to appropriate social distancing and school closure policies. And many of the targeted consumers of these claims are already conditioned to be highly skeptical of the information they receive from mainstream media.

Today’s information environment certainly invites mischievous seeding of known lies into public discourse. But bad actors are not the most important part of the story. Institutions can no longer maintain their old stance of authoritative certainty about information — the stance they need to justify their actions, or to establish a convincing dividing line between true news and fake news. Claims of disinterest by experts acting on behalf of these institutions are no longer plausible. People are free to decide what information, and in which experts, they want to believe. The Covid lab-leak hypothesis was fake news until that news itself became fake. Fact-checking organizations are themselves now subject to accusations of bias: Recently, Facebook flagged as “false” a story in the esteemed British Medical Journal about a shoddy Covid vaccine trial, and the editors of the journal in turn called Facebook’s fact-checking “inaccurate, incompetent and irresponsible.”

No political system exists without its share of lies, obfuscation, and fake news, as Plato and Machiavelli taught. Yet even those thinkers would be puzzled by the immense power of modern technologies to generate stories. Ideas have become a battlefield, and we are all getting lost in the fog of the truth wars. When everything seems like it can be plausible to someone, the term “fake news” loses its meaning.

iStock

The celebrated expedient that an aristocracy has the right and the mission to offer “noble lies” to the citizens for their own good thus looks increasingly impotent. In October 2020, U.S. National Institutes of Health director Francis Collins, a veritable aristocrat of the scientific establishment, sought to delegitimize the recently released Great Barrington Declaration. Crafted by a group he referred to as “fringe epidemiologists” (they were from Harvard, Stanford, and Oxford), the declaration questioned the mainstream lockdown approach to the pandemic, including school and business closures. “There needs to be a quick and devastating published take down,” Collins wrote in an email to fellow aristocrat Anthony Fauci.

But we now live in a moment where suppressing that kind of dissent has become impossible. By May 2021, that “fringe” became part of a new think tank, the Brownstone Institute, founded in reaction to what they describe as “the global crisis created by policy responses to the Covid-19 pandemic.” From this perspective, policies advanced by Collins and Fauci amounted to “a failed experiment in full social and economic control” reflecting “a willingness on the part of the public and officials to relinquish freedom and fundamental human rights in the name of managing a public health crisis.” The Brownstone Institute’s website is a veritable one-stop Internet shopping haven for anyone looking for well-credentialed expert opinions that counter more mainstream expert opinions on Covid.

Similarly, claims that the science around climate change is “settled,” and that therefore the world must collectively work to decarbonize the global energy system by 2050, have engendered a counter-industry of dissenting experts, organizations, and websites.

At this point, one might be forgiven for speculating that the public is being fed such a heavy diet of Covid and climate change precisely because these are problems that have been framed politically as amenable to a scientific treatment. But it seems that the more the authorities insist on the factiness of facts, the more suspect these become to larger and larger portions of the populace.

A Scientific Reformation

The introduction of the printing press in the mid-fifteenth century triggered a revolution in which the Church lost its monopoly on truth. Millions of books were printed in just a few decades after Gutenberg’s innovation. Some people held the printing press responsible for stoking collective economic manias and speculative bubbles. It allowed the widespread distribution of astrological almanacs in Europe, which fed popular hysteria around prophesies of impending doom. And it allowed dissemination of the Malleus Maleficarum, an influential treatise on demonology that contributed to rising persecution of witches.

Though the printing press allowed sanctioned ideas to spread like never before, it also allowed the spread of serious but hitherto suppressed ideas that threatened the legitimacy of the Church. A range of alternative philosophical, moral, and ideological perspectives on Christianity became newly accessible to ever-growing audiences. So did exposés of institutional corruption, such as the practice of indulgences — a market for buying one’s way out of purgatory that earned the Church vast amounts of money. Martin Luther, in particular, understood and exploited the power of the printing press in pursuing his attacks on the Church — one recent historical account, Andrew Pettegree’s book Brand Luther, portrays him as the first mass-market communicator.

“Beginning of the Reformation”: Martin Luther directs the posting of his Ninety-five Theses, protesting the practice of the sale of indulgences, to the door of the castle church in Wittenberg on October 31, 1517.
W. Baron von Löwenstern, 1830 / Library of Congress

To a religious observer living through the beginning of the Reformation, the proliferation of printed material must have appeared unsettling and dangerous: the end of an era, and the beginning of a threatening period of heterodoxy, heresies, and confusion. A person exposed to the rapid, unchecked dispersion of printed matter in the fifteenth century might have called many such publications fake news. Today many would say that it was the Reformation itself that did away with fake news, with the false orthodoxies of a corrupted Church, opening up a competition over ideas that became the foundation of the modern world. Whatever the case, this new world was neither neat nor peaceful, with the religious wars resulting from the Church’s loss of authority over truth continuing until the mid-seventeenth century.

Like the printing press in the fifteenth century, the Internet in the twenty-first has radically transformed and disrupted conventional modes of communication, destroyed the existing structure of authority over truth claims, and opened the door to a period of intense and tumultuous change.

Those who lament the death of truth should instead acknowledge the end of a monopoly system. Science was the pillar of modernity, the new privileged lens to interpret the real world and show a pathway to collective good. Science was not just an ideal but the basis for a regime, a monopoly system. Within this regime, truth was legitimized in particular private and public institutions, especially government agencies, universities, and corporations; it was interpreted and communicated by particular leaders of the scientific community, such as government science advisors, Nobel Prize winners, and the heads of learned societies; it was translated for and delivered to the laity in a wide variety of public and political contexts; it was presumed to point directly toward right action; and it was fetishized by a culture that saw it as single and unitary, something that was delivered by science and could be divorced from the contexts in which it emerged.

Such unitary truths included above all the insistence that the advance of science and technology would guarantee progress and prosperity for everyone — not unlike how the Church’s salvific authority could guarantee a negotiated process for reducing one’s punishment for sins. To achieve this modern paradise, certain subsidiary truths lent support. One, for example, held that economic rationality would illuminate the path to universal betterment, driven by the principle of comparative advantage and the harmony of globalized free markets. Another subsidiary truth expressed the social cost of carbon emissions with absolute precision to the dollar per ton, with the accompanying requirement that humans must control the global climate to the tenth of a degree Celsius. These ideas are self-evidently political, requiring monopolistic control of truth to implement their imputed agendas.

An easy prophesy here is that wars over scientific truth will intensify, as did wars over religious truth after the printing press. Those wars ended with the Peace of Westphalia in 1648, followed, eventually, by the creation of a radically new system of governance, the nation-state, and the collapse of the central authority of the Catholic Church. Will the loss of science’s monopoly over truth lead to political chaos and even bloodshed? The answer largely depends upon the resilience of democratic institutions, and their ability to resist the authoritarian drift that seems to be a consequence of crises such as Covid and climate change, to which simple solutions, and simple truths, do not pertain.

Both the Church and the Protestants enthusiastically adopted the printing press. The Church tried to control it through an index of forbidden books. Protestant print shops adopted a more liberal cultural orientation, one that allowed for competition among diverse ideas about how to express and pursue faith. Today we see a similar dynamic. Mainstream, elite science institutions use the Internet to try to preserve their monopoly over which truths get followed where, but the Internet’s bottom-up, distributed architecture appears to give a decisive advantage to dissenters and their diverse ideologies and perspectives.

Holding on to the idea that science always draws clear boundaries between the true and the false will continue to appeal strongly to many sincere and concerned people. But if, as in the fifteenth century, we are now indeed experiencing a tumultuous transition to a new world of communication, what we may need is a different cultural orientation toward science and technology. The character of this new orientation is only now beginning to emerge, but it will above all have to accommodate the over-abundance of competing truths in human affairs, and create new opportunities for people to forge collective meaning as they seek to manage the complex crises of our day.

Thousands of Chimp Vocal Recordings Reveal a Hidden Language We Never Knew About (Science Alert)

sciencealert.com

PETER DOCKRILL

24 MAY 2022


A common chimpanzee vocalizing. (Andyworks/Getty Images)

We humans like to think our mastery of language sets us apart from the communication abilities of other animals, but an eye-opening new analysis of chimpanzees might force a rethink on just how unique our powers of speech really are.

In a new study, researchers analyzed almost 5,000 recordings of wild adult chimpanzee calls in Taï National Park in Côte d’Ivoire (aka Ivory Coast).

When they examined the structure of the calls captured on the recordings, they were surprised to find 390 unique vocal sequences – much like different kinds of sentences, assembled from combinations of different call types.

Compared to the virtually endless possibilities of human sentence construction, 390 distinct sequences might not sound overly verbose.

Yet, until now, nobody really knew that non-human primates had so many different things to say to each other – because we’ve never quantified their communication capabilities to such a thorough extent.

“Our findings highlight a vocal communication system in chimpanzees that is much more complex and structured than previously thought,” says animal researcher Tatiana Bortolato from the Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology in Germany.

In the study, the researchers wanted to measure how chimpanzees combine single-use calls into sequences, order those calls within the sequences, and recombine independent sequences into even longer sequences.

While call combinations of chimpanzees have been studied before, until now the sequences that make up their whole vocal repertoire had never been subjected to a broad quantitative analysis.

To rectify this, the team captured 900 hours of vocal recordings made by 46 wild mature western chimpanzees (Pan troglodytes verus), belonging to three different chimp communities in Taï National Park.

In analyzing the vocalizations, the researchers identified how vocal calls could be uttered singularly, combined in two-unit sequences (bigrams), or three-unit sequences (trigrams). They also mapped networks of how these utterances were combined, as well as examining how different kinds of frequent vocalizations were ordered and recombined (for example, bigrams within trigrams).

In total, 12 different call types were identified (including grunts, pants, hoos, barks, screams, and whimpers, among others), which appeared to mean different things, depending on how they were used, but also upon the context in which the communication took place.

“Single grunts, for example, are predominantly emitted at food, whereas panted grunts are predominantly emitted as a submissive greeting vocalization,” the researchers explain in their paper, led by co-first authors Cédric Girard-Buttoz and Emiliano Zaccarella.

“Single hoos are emitted to threats, but panted hoos are used in inter-party communication.”

In total, the researchers found these different kinds of calls could be combined in various ways to make up 390 different kinds of sequences, which they say may actually be an underestimation, given new vocalization sequences were still being found as the researchers hit their limit of field recordings.

Even so, the data so far suggest chimpanzee communication is much more complex than we realized, which has implications for the sophistication of meanings generated in their utterances (as well as giving new clues into the origins of human language).

“The chimpanzee vocal system, consisting of 12 call types used flexibly as single units, or within bigrams, trigrams or longer sequences, offers the potential to encode hundreds of different meanings,” the researchers write.

“Whilst this possibility is substantially less than the infinite number of different meanings that can be generated by human language, it nonetheless offers a structure that goes beyond that traditionally considered likely in primate systems.”

The next step, the team says, will be to record even larger datasets of chimpanzee calls, to try to assess just how the diversity and ordering of uttered sequences relates to versatile meaning generation, which wasn’t considered in this study.

There’s lots more to be said, in other words – by both chimpanzees and scientists alike.

“This is the first study in a larger project,” explains senior author Catherine Crockford, a director of research at the Institute for Cognitive Science at CNRS, in France.

“By studying the rich complexity of the vocal sequences of wild chimpanzees, a socially complex species like humans, we expect to bring fresh insight into understanding where we come from and how our unique language evolved.”

The findings are reported in Communications Biology.

Arminio Fraga: Desafios globais trazem riscos e oportunidades para o Brasil (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

23.mai.2022 às 12h43


O mundo vive um inferno astral de ameaças de curto e longo prazo. Em brilhante palestra recente, Tharman Shanmugaratnam, ministro sênior de Singapura, listou cinco riscos que, para ele, configuram uma “longa tempestade perfeita” para o planeta. Neste artigo, discutirei as implicações desse quadro para o Brasil, procurando também identificar as oportunidades disponíveis.

O pano de fundo é conhecido. Ao acordar do sonho do mundo pacífico e integrado do fim da história de Fukuyama, nos deparamos com crescentes tensões, que se manifestam em múltiplas esferas. A mais chocante de todas e primeiro tema da lista de Tharman é a tragédia ucraniana, que configura o rompimento de uma governança global que garantia a soberania e a integridade territorial de todas as nações.

A esse retorno da Guerra Fria original, de natureza ideológica (modificada) e militar, se soma a Guerra Fria.2 entre os Estados Unidos e a China, também ideológica, mas muito mais complexa em suas frentes de disputa.

O embate entre os dois gigantes caracteriza um período de ausência de uma liderança global hegemônica que, como bem diagnosticou Charles P. Kindleberger, tende a ser muito instável. Do ponto de vista econômico, as duas guerras frias forçosamente demandam um importante repensar de alianças e relações de produção e comércio globais.

Para o Brasil, será necessário retornar à política externa tradicional do Itamaraty, voltada para a busca do interesse nacional através de boas relações viabilizadas pelo nosso histórico apego a princípios universais e pela nossa natural vocação multilateral. Nos cabe primeiramente e o quanto antes uma defesa inequívoca da integridade de todas as nações. Temos também que zelar pela manutenção de relações mutuamente benéficas com a maior parte dos países.

Em seu segundo grande tema, o autor discute o perigo de uma prolongada estagflação. O epicentro do problema encontra-se nos Estados Unidos, onde uma economia superaquecida por políticas expansionistas vem sendo atingida pelos choques de oferta da pandemia e das guerras frias. Para o Brasil, o risco maior advém da real possibilidade de o banco central americano ter de elevar os juros bem além do que os mercados já antecipam. Nos faria lembrar da frase “quando o Norte espirra, o Sul pega pneumonia”.

Um cenário alternativo, também nada reconfortante, seria uma queda ainda maior das Bolsas, acompanhada de um novo colapso nos preços dos imóveis, hoje acima em termos reais dos níveis da bolha que estourou em 2008.

Do lado de cá, o quadro é ainda mais complicado do que nos Estados Unidos, pois mesmo em recessão a inflação atingiu dois dígitos. Não é difícil imaginar uma tempestade perfeita para o Brasil, onde desafios externos e internos se reforçam. O próximo presidente terá que conduzir a política econômica com coragem e competência, de preferência com o apoio qualitativo das respostas aos demais desafios, que discuto a seguir.

A ameaça existencial da mudança climática é o terceiro tema do discurso. Aqui o Brasil terá a oportunidade de promover uma guinada verdadeiramente alquímica: trocar uma posição de pária ambiental, decorrente de posturas que aumentaram o desmatamento e o crime organizado, por uma guinada que nos poria em uma posição de liderança global no tema, com consequências extremamente positivas fora e dentro do país.

A criação de um mercado de carbono, como vem sendo discutido no Congresso e prometido pelo Executivo, seria um passo essencial nessa direção. É fundamental que o mercado seja desenhado de forma a permitir a plena inserção do país no mercado global de carbono, alternativa não disponível no momento. Vejo amplo potencial para investimentos no setor, em ambiente de concorrência e plenamente alinhados com o interesse público (estou investindo nessa área).

O elevado risco de novas pandemias vem a seguir. A ciência recomenda todo cuidado com o tema. Aqui também vejo amplo espaço para um cavalo de pau. Será necessário reforçar sob todos os ângulos o SUS, que, com seus 4% do PIB de recursos, precisa urgentemente subir na escala de prioridades dos orçamentos de todas as esferas de governo.

Cabe também incluir nas prioridades da nação mais apoio à pesquisa. Fontes de recursos para tais esforços não faltam, como tenho argumentado aqui. Falta sim transparência orçamentária e vontade política.

Em último lugar na lista, mas não menos importante, são as desigualdades de crescimento e bem-estar dentro dos países e entre eles, os mais ricos em vantagem em ambos os casos. Essa situação vem se agravando com as “tempestades perfeitas” e representa um terreno fértil para populismos e autoritarismos. O Brasil tem muito a fazer nessa área.

Com sucesso nessas frentes, o Brasil se qualificaria para ser relevante na reconstrução de uma governança global ora em frangalhos. As vantagens seriam imensas, pois ajudaria a si próprio em tudo mais. No entanto, sem sucesso, os prejuízos para a população seriam enormes. Um futuro melhor só virá se e quando a nossa democracia não mais estiver ameaçada e um tanto disfuncional.

O que não indígenas deveriam aprender com os povos originários para impedir a queda do céu? (Brasil De Fato)

Retomando terras e roças tradicionais, Guaranis apontam caminhos para mudar a rota de devastação do planeta

Gabriela Moncau

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

22 de Maio de 2022 às 15:25

Segundo a plataforma Agro é Fogo, só no ano passado 37 mil famílias foram afetadas pelo uso do fogo como arma para os conflitos no campo
Segundo a plataforma Agro é Fogo, só no ano passado 37 mil famílias foram afetadas pelo uso do fogo como arma para os conflitos no campo – Carl de Souza / AFP

“Gente do céu… Esse pessoal branco tem que parar. Ficam passando veneno, destruindo tudo. O dia que acabar a natureza, os seres humanos vão se acabar também. Parece que os brancos são cegos. Parece que são surdos”. 

Leila Rocha toma chimarrão olhando o rio todas as manhãs. Com 59 anos de idade, a liderança Guarani Ñandeva do município de Japorã, no Mato Grosso do Sul (quase fronteira com o Paraguai), diz ter de suportar ver, a cada dia, o mato desaparecer e as águas do rio diminuírem.  

Foi ali, na Terra Indígena (TI) Yvy Katu, que Leila cresceu. Ela se lembra quando, aos 8 anos, sua comunidade foi expulsa, encaminhada “na marra” pela Funai para uma reserva “apertada” e viu sua terra ser tomada por fazendeiros. Na ocasião, ela prometeu ao pai que voltaria. Décadas depois, cumpriu.  

Leila faz parte do Conselho da Aty Guasu (Grande Assembleia Kaiowá e Guarani) e da Kuñangue Aty Guasu (Grande Assembleia das Mulehres Kaiowá e Guarani). Participou da retomada da TI Yvy Katu em 2003 e, depois de serem despejados, esteve também na outra retomada, feita em 2013. Ali vive desde então. Mas a terra – que está demarcada e com a homologação pendente – não é mais a mesma. Está no meio de um estado tomado pela pecuária, por plantações de cana, milho e soja transgênica. 

Segundo o MapBiomas, só as plantações de soja ocupam 36 milhões de hectares no Brasil, o equivalente a 4,3% do território nacional. É uma área maior do que países como a Itália ou o Vietnã.  

Pouco menos que a metade (42%) dessa monocultura está na região do Cerrado, onde Leila vive. Entre 1985 e 2020, a soja se expandiu 464% no bioma.  

Um ser que produz seu próprio fim 

O veneno no rio mencionado por Leila vem da pulverização de agrotóxicos do agronegócio que, de tão sistemáticas no Mato Grosso do Sul, foram definidas como “agressões químicas” pelo procurador Marco Antônio Delfino, do Ministério Público Federal, em denúncias que levou adiante contra a prática.  

O Cerrado é também uma das regiões do país que ganhou destaque no relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, divulgado em abril. Se houver o aumento previsto da temperatura média da Terra de 4ºC a 5ºC, a previsão é que as chuvas nessa área do Brasil reduzam em 20%. 

:: Novo relatório do IPCC destaca que mundo teria aumento de 3,2ºC com políticas climáticas atuais ::

Ainda segundo o relatório da ONU, feito a partir de cerca de 18 mil publicações científicas, se o planeta não reduzir quase pela metade as emissões de gases do efeito estufa até 2030, uma catástrofe global será inevitável. 

E o Brasil vem dando sua contribuição para que o planeta avance rapidamente nesse rumo. Dados da ONG Global Forest Watch divulgados no fim de abril apontam que o país foi responsável por 40% do desmatamento mundial em 2021.  

No livro A queda do céu, o xamã e líder Yanomami Davi Kopenawa descreve que “os brancos não pensam muito adiante no futuro. Estão sempre preocupados demais com as coisas do momento”.  

“A floresta está viva. Só vai morrer se os brancos insistirem em destruí-la”, profetiza Kopenawa: “Então morreremos, um atrás do outro, tanto os brancos quanto nós. Todos os xamãs vão acabar morrendo. Quando não houver mais nenhum deles vivo para sustentar o céu, ele vai desabar”.  

Kopenawa explica que escreveu aquelas palavras em coautoria com o antropólogo Bruce Albert para que os brancos as compreendam e possam dizer “os Yanomami são diferentes de nós, (…) o pensamento deles segue caminhos outros que o da mercadoria”. 

“Ruralista bebe água também”  

E a mercadoria, diz Leila Rocha – com um tom de voz calmo, quase destoante com aquele que se esperaria de alguém que há tanto tempo tem de explicar o óbvio -, é inútil se a vida não puder existir. 

“As pessoas não entendem a luta dos indígenas. Pensam que é por causa da terra. Não é isso. A gente luta pela natureza, pelo rio, pelos remédios tradicionais, para que as árvores possam ficar no lugar em que elas estão”, elenca. “A natureza também sente dor, igual o ser humano”, diz. 

“É difícil colocar isso na cabeça das pessoas brancas. Quando você diz, parece que a pessoa entende tudo. Mas na verdade não entende né? Só pensa em destruir, passar o trator, queimar a beira do rio. Mas nós seres humanos precisamos dessa água. Nunca vamos viver sem água”, afirma Leila Rocha. 

“Os ruralistas, fazendeiros, são devoradores da natureza. E não conseguem pensar que estão matando a própria vida deles. Se um dia a água acabar, nós seres humanos não sobrevivemos. Mesmo ruralista com toda a riqueza que tem. Ruralista bebe água também”, ressalta.   

Retomadas de terra e de roças tradicionais 

Mas enquanto uns insistem em destruir a natureza, outros se esforçam para salvá-la. Depois de décadas vivendo em duas aldeias de 26 hectares cada, os Guarani Mbya da TI Tenondé Porã, localizada na região de Parelheiros, zona sul de São Paulo, começaram, desde 2013, um processo de retomada de suas terras. 

:: Retomadas em todo o país: indígenas ocupam suas terras ancestrais, ainda que sob ataque ::

Atualmente são 14 aldeias. Seis delas – Nhamandu Mirῖ, Yporã,  Ikatu Mirῖ, Takua Ju Mirĩ, Ka’aguy Hovy e Kuaray Oua – foram retomadas de 2020 para cá.  

A dispersão por um território mais amplo permitiu que, nos últimos anos, os indígenas retomassem também aspectos do nhandereko, o modo de viver Guarani. Uma parte desse conjunto de práticas e conhecimentos é a agricultura tradicional, antes impossibilitada pela falta de espaço.  


Em 2020, 35% da população da Terra Indígena Tenondé Porã estava envolvida nos trabalhos das roças tradicionais / Clarisse Jaxuka

Segundo levantamento do Centro de Trabalho Indigenista (CTI) em seis das aldeias, em 2020 já havia 80 roças indígenas, cultivando 190 variedades agrícolas. Entre elas, diferentes espécies de milho, mandioca, batata, feijão, abóbora e banana.  

As roças foram desenvolvidas a partir do uso de sementes trocadas e também guardadas como tesouro pelos anciãos e anciãs Guarani, os xeramoĩ e as xejariy

Juxuka Mirῖ, chamada de Clarisse em português, trabalha na roça da aldeia Kalipety (retomada em 2013) e é também coordenadora da Comissão Guarani Yvyrupa (CGY).  

“Temos vários tipos de batata: roxa, branca, amarela. E milhos também. Tem preto, vermelho, branquinho, amarelo, colorido. A gente conseguiu resgatar os milhos de antigamente. Eu estou muito feliz. Quando eu era criança era bem difícil ver esse milho”, conta Jaxuka, que atualmente tem 37 anos. “Às vezes eu penso… Tem alguns mais velhos que já não estão mais junto conosco, que lutaram tanto para ver isso… Sabe?” 

“O mundo não acaba, mas a gente acaba” 

Jaxuka tem uma lembrança de, aos 12 anos, ouvir pela primeira vez os xeramoĩ’ kuery, os mais velhos, falando sobre a importância da manutenção das práticas e saberes indígenas para impedir que a ganância capitalista destrua a vida humana.  

“Isso se fala desde antigamente. Não só juruá [não indígenas] né, mas mesmo nós Guarani: se não soubermos cuidar da natureza, das nossas rezas, se a gente começar a esquecer dos nossos, das nossas línguas…”, diz Jaxuka: “O mundo não acaba. Mas a gente acaba”.  

“Hoje em dia esse mundo está louco mesmo. A natureza vive, a natureza chora, a natureza grita – e ninguém ouve mais”, resume Leila Rocha. “Eu espero que um dia os brancos entendam que os indígenas são guardiões. A gente não luta só pela terra. A gente luta por todos nós”. 

Edição: Raquel Setz

Carlos Fausto e Luiz Costa: Estupro e assassinato de indígenas atestam nosso fracasso civilizacional (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

Povos da Amazônia viraram alvo de garimpeiros e facções que querem roubar suas terras e seus direitos

Carlos Fausto

21 de maio de 2022


[RESUMO] Em abril, mês em que se comemora o Dia do Índio, inúmeros relatos de assassinato, intimidação e estupro de indígenas ganharam repercussão na imprensa, exemplos trágicos que se repetem em um quadro de falta de fiscalização, investigações superficiais e normalização da violência por parte da sociedade.

“A Marca da Maldade”, filme de Orson Welles de 1958, começa com um plano-sequência no qual um homem arma uma bomba e a coloca no porta-malas de um carro. O plano dura mais de três minutos, nos quais a vida flui normalmente. A tragédia, porém, está anunciada. Sabemos o que vai acontecer, apesar de não sabermos quando.

Nos últimos anos, bombas vêm sendo colocadas em muitas partes da Amazônia, visando especialmente as terras indígenas. Como são múltiplas e plantadas por vários atores em diferentes lugares, acabam por minar nossa capacidade de reação. O excesso desorienta, e a violência se vê normalizada.

No mês de abril, quando se comemora o Dia do Índio, várias más notícias ocuparam as páginas dos jornais. Eis alguns dos títulos: “Garimpeiros abusam sexualmente de indígenas durante invasão e obrigam ingestão de gasolina com água, denunciam entidades” (O Globo, 21.abr), “Menina ianomâmi de 12 anos foi estuprada e morta por garimpeiros, diz líder indígena” (Estado de S. Paulo, 27.abr), “Justiça determina segurança da Força Nacional na terra dos Parakanã” (Amazônia Real, 1º.mai).

A ampla divulgação desses episódios é um fato positivo, que resulta, sobretudo, do acesso dos indígenas à internet. Contudo, sempre que são noticiados, logo surge uma reação para desacreditar os relatos.

Os órgãos responsáveis fazem uma investigação superficial e concluem que não há evidências de crime –como se crime não houvesse na própria invasão de terras protegidas, na derrubada da cobertura florestal, na contaminação de cursos d’água e nas ameaças à população indígena local.

Já assistimos a isso na história da Amazônia. O caso mais célebre é o do genocídio perpetrado pelos barões da borracha, no Peru e na Colômbia, nas primeiras décadas do século 20.

O sistema extrativista ali funcionava à base de assassinatos, tortura e estupros, mas poucos queriam acreditar nisso, mesmo quando testemunhas oculares davam conta de que se “matava a sangue frio”, que “os corpos eram devorados por cães”, que “as crianças eram desmembradas e jogadas ao fogo” (conforme registros do “Libro Azul Británico: Informes de Roger Casement y Otras Cartas sobre las Atrocida­des en el Putumayo”).

Há algumas semanas, os parakanãs da bacia do Tocantins veem-se ameaçados pela população de Novo Repartimento (PA). Em 24 de abril, três jovens invadiram a terra indígena para caçar e desapareceram. Vários áudios logo começaram a circular na região: “Vamos entrar na aldeia e vamos começar a matar índio” ou “vamos reunir 200 homens armados para botar os índios para correr”.

Esses áudios desenterraram fantasmas que pareciam sepultados. Em 1930, o então diretor da Estrada de Ferro do Tocantins reuniu um grupo armado para atacar os asurinis, que, junto com os parakanãs, “atrapalhavam” a construção da ferrovia. O grupo alcançou um acampamento asurini e matou vários indígenas, incluindo mulheres e crianças.

No retorno da expedição, o chefe de polícia segredou ao funcionário local do Serviço de Proteção aos Índios: “O meu galão é o refrigério de minha família, mas eu prefiro perdê-lo a fazer outra viagem com o mesmo fim desta feita agora; nunca vi tanta barbaridade” (trecho do inquérito da Inspetoria do Pará e Maranhão sobre massacre sofrido por índios bravios em Tocantins, julho de 1930).

Quarenta anos depois do massacre, a Transamazônica cortaria o território dos parakanãs, levando à sua “pacificação”, como se costuma chamar o desastroso processo que, no caso, causou a morte de um terço da população. Desde então, as relações com a população local foram se acomodando, mas agora parecem ter azedado de vez.

Em 30 de abril, os corpos dos caçadores foram encontrados dentro da Terra Indígena Parakanã, levando a novas ameaças nas redes sociais, inclusive uma que propunha “leis de extermínio a toda essa raça e seus defensores”.

No dia 2 de maio, os parakanãs responderam, divulgando uma nota dirigida aos “Prezados amigos(as) e irmãos(ãs) toria (não indígena) de Novo Repartimento e familiares”, na qual afirmam: “Sempre nós vivemos aqui. Vocês chegaram depois, nasceram depois. Por isso nós queremos dizer para que não nos ameace, não digam que não nos querem na cidade, pois esse lugar é nosso também. Nós desejamos viver em paz. Não lancem o seu ódio contra os awaete, pois isso não é justo” (Grupo de Maroxewara –awaete parakanã).

Alguns dias antes desse episódio, a 2.000 quilômetros dali, os kanamaris da aldeia Jarinal, na Terra Indígena Vale do Javari, no sudoeste da Amazônia, tiveram suas casas invadidas por garimpeiros.

Eles chegaram exigindo tratamento médico pela equipe da Secretaria Especial de Saúde Indígena. Uma vez atendidos, não partiram. Fizeram festa até o amanhecer, obrigando os kanamaris a beber uma mistura de gasolina e água.

Situada no médio curso do rio Jutaí, Jarinal é uma aldeia bastante remota. No alto curso do rio, vivem povos em isolamento voluntário, tornando a área ainda mais sensível. Apesar das promessas, a Funai (Fundação Nacional do Índio) jamais implantou uma base avançada na região.

De início, aliás, o próprio órgão duvidou dos relatos dos kanamaris. Foi preciso que um representante do Conselho Indígena Kanamari do Juruá e Jutaí (Cikaju) enviasse áudios e fotos por WhatsApp para que se pudesse embasar a denúncia oferecida ao MPF (Ministério Público Federal).

Uma semana depois, o cacique de Jarinal comunicou que estava sendo ameaçado de morte, dessa vez por caçadores de uma fazenda contígua à terra indígena, que se utilizam regularmente de trilhas dentro da área.

Ainda no mesmo mês de abril, outra tragédia atingiu os povos indígenas, dessa vez em Roraima. Em 25 de abril, Júnior Hekurari Yanomami, presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena local, denunciou que uma menina yanomami de 12 anos havia sido estuprada e morta por garimpeiros na comunidade de Aracaçá, na região de Waikás. Após ampla divulgação pela imprensa, uma equipe com agentes da Polícia Federal se deslocou para lá.

No dia seguinte, já se noticiava que não havia indícios de crime. Lançavam-se, assim, dúvidas sobre a veracidade da denúncia. A maquinaria para desacreditar os “relatos” indígenas fora novamente posta em ação.

Em nota de 29 de abril, Júnior Hekurari afirma que, ao chegarem à comunidade de Aracaçá, dois dias antes, encontraram a aldeia vazia e em chamas. Após certo tempo, alguns moradores apareceram, mas afirmaram que nada podiam dizer, pois haviam recebido 5 gramas de ouro para ficarem em silêncio. A cultura da sedução e do terror, tão bem-conhecida na história da Amazônia, impera na região.

Estupro e morte se tornaram fatos corriqueiros nas áreas invadidas da Terra Indígena Yanomami. No relatório “Yanomami sob ataque” (2022), da Hutukara Associação Yanomami, encontram-se vários depoimentos na língua indígena, acompanhados de tradução, que deixam isso nítido.

Eis um trecho ilustrativo de um depoimento de uma mulher: “Estão transando muito com as mulheres. É tanto assim que, em 2020, três moças, que tinham apenas por volta de 13 anos, morreram. Os garimpeiros transaram muito com essas moças, embriagadas de cachaça. Elas eram novas, tendo apenas tido a primeira menstruação”.

Bebida, estupro, violência, intimidação, morte. Os indígenas são violados, o ambiente é violado, e você que nos lê, também é (ainda que pense nada ter a ver com isso).

A exploração mineral no Brasil, mesmo fora de áreas indígenas, não é fiscalizada. Os recursos da Amazônia são drenados sem qualquer benefício coletivo, alimentando a engrenagem que, há séculos, gera riqueza para poucos e pobreza para muitos em nosso país.

Não é de surpreender que facções criminosas estejam atuando nos garimpos da região. Afinal, é um negócio lucrativo, sem fiscalização, que conta com o beneplácito de várias instâncias de governo.

Os povos indígenas resistem, mas hoje viraram alvos do ódio de uma facção política que lhes quer roubar os direitos e as terras garantidos pela Constituição de 1988. Não se enganem: o que temos diante de nós não é uma derrota política, mas uma regressão civilizacional.

Segredo de polichinelo: ao final do magistral plano-sequência de Orson Welles, a bomba explode e o carro, lançado aos ares, é consumido pelas chamas. É urgente desarmar as bombas e, como costumam dizer os indígenas, “pacificar os brancos”.

Brasil devastou quase 90% da mata atlântica e 20% da Amazônia depois da Independência (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

País dilapida patrimônio natural único e ignora urgências da crise do clima

Marcelo Leite

21 de maio de 2022


[RESUMO] A preocupação com o desmatamento é tão antiga quanto a Independência, mas José Bonifácio foi derrotado por oligarquias escravistas em suas tentativas de disciplinar a exploração e a derrubada de florestas. Dois séculos depois, o Brasil de Bolsonaro retrocede à versão mais primitiva do mito do berço esplêndido e trata o ambiente, na contramão da emergência climática, como se fosse fonte inesgotável de riquezas para pilhar.

Em 1822, o patrimônio ambiental do território que se tornava o Império do Brasil não diferia muito do que portugueses haviam encontrado três séculos antes. A devastação da mata atlântica, primeira vítima natural da colonização, prosseguia a ferro e fogo, mas concentrada no entorno de poucos centros urbanos, muitos canaviais, áreas de pecuária e a lavoura incipiente de café.

O mesmo não se pode dizer dos povos indígenas, vários já extintos naquela altura. No século 16, eles contavam algo entre 2 e 8 milhões de indivíduos, calcula-se. Sobreviveram à frente colonial os que se internaram nos sertões da caatinga, do cerrado e da floresta amazônica, deixando a costa para o domínio do branco e a labuta dos escravizados da África.

São hoje 305 povos indígenas remanescentes, segundo o IBGE. No Censo de 2010, somavam 897 mil pessoas, menos de 0,5% da população, das quais 572 mil em áreas rurais (sobretudo aldeias) e 325 mil em cidades.

No mesmo recenseamento, mais de 82 milhões de habitantes se declararam pardos (43,1% do total). Outros 15 milhões se identificaram como pretos (7,6%), perfazendo assim uma maioria de brasileiros descendentes dos 4,8 milhões de negros sequestrados na África.

Essa deriva populacional é indissociável da história do meio ambiente no Brasil. A dizimação de povos indígenas acompanhou a marcha predatória para oeste no século 20, com meios técnicos bem mais poderosos que a limitada força produtiva da legião de escravizados.

Na virada do século 19 para o 20, logo após a Abolição (1888), estima-se que a mata atlântica ainda tinha cerca de 90% da cobertura original de pé, mesmo após quatro séculos de predação. Hoje, 130 anos depois, restam apenas 12,4% da vegetação do bioma. No início do século passado, Amazônia, cerrado e caatinga estavam quase intocados.

A tríade genocídio, escravização e desmatamento compõe a matriz da exploração do território forjada no período colonial, com reflexos até os dias de hoje. A crítica à forma peculiar de atraso, embora atual, não emergiu com a consciência ambiental nos anos 1970, mas já com a própria nação brasileira.

Na proa do ambientalismo precoce esteve José Bonifácio de Andrada e Silva, alcunhado patriarca da Independência, como detalha o historiador José Augusto Pádua no livro “Um Sopro de Destruição: Pensamento Político e Crítica Ambiental no Brasil Escravista, 1786-1888“.

Andrada passou a maior parte da vida adulta em Portugal, para onde partiu aos 20 anos. Formou-se na Universidade de Coimbra sob influência do Iluminismo e do naturalista italiano Domenico Vandelli, professor da universidade e crítico da destruição ambiental no país e em suas colônias. Só em 1819, aos 56, retornou ao Brasil, onde se tornaria ministro do Império.

Pádua destaca no livro quatro elementos essenciais da obra de Andrada: visão de mundo fundada na economia da natureza, defesa do progresso econômico como instrumento civilizatório, apologia da racionalização das técnicas produtivas pela aplicação pragmática do conhecimento científico, crítica da exploração destrutiva dos recursos naturais.

Antes mesmo da Independência, ele foi chamado pelo príncipe regente, futuro Pedro 1º, para chefiar o gabinete de ministros. Passou a defender ideias avançadas para a época, como emancipação gradual de escravizados, assimilação de indígenas, educação popular e imigração estrangeira.

Propunha a superação do modelo agrícola colonial calcado no latifúndio, na monocultura e na destruição florestal. Tal prática deveria ser transformada com reforma agrária, difusão de métodos agronômicos modernos e ambientalmente equilibrados, relata Pádua.

Para o visionário, florestas eram fundamentais para manter a fertilidade da terra e a abundância de água. A venda ou a distribuição de terras pela Coroa deveria ficar subordinada à condição de manter um sexto da área com matas originais ou plantadas.

A carreira política de Andrada foi curta. Já em 1823, deixou o ministério, em julho; em novembro, foi preso e exilado na França, onde ficaria até 1829. Retoma os projetos em 1831, como tutor dos filhos do imperador, mas é deposto em 1833. Refugiou-se em Paquetá até a morte, cinco anos depois.

Oligarquias regionais, latifundiárias e escravistas jamais aceitaram o programa de Andrada. Sua derrota, assim como a consagração como estadista, da qual a historiografia omitiu, entretanto, o ideário ambiental, dizem muito sobre a indisposição da elite nacional, desde sempre, para tirar o país do atraso.

Pádua traça um paralelo com os Estados Unidos, outra nação jovem com vastos recursos naturais, mas não tropical, que também dizimou indígenas e explorou negros escravizados. As terras a oeste foram ocupadas cedo com levas de imigrantes, enquanto o Brasil permanecia dependente da escravidão.

Em 1822, a população brasileira era de 4,6 milhões de habitantes, contra 9,6 milhões de norte-americanos. Em 1900, éramos ainda 17,4 milhões, ao passo que, nos EUA, já viviam 76,3 milhões.

“A permanência desse olhar para um horizonte dotado de gigantescas formações naturais e aberto para um avanço futuro praticamente ilimitado, parecendo tornar desnecessários os esforços e os custos envolvidos na conservação e no uso cuidadoso das áreas já abertas, é possivelmente a marca central da história ambiental do Brasil”, diagnostica Pádua.

É o que ele chama de mito do berço esplêndido, expressão tirada do primeiro verso da segunda parte do hino nacional, a menos cantada. Um mito ambíguo, que pôs a natureza exuberante no centro da autoimagem da nação que surgia, motivando as missões científicas de naturalistas patrocinadas pelo Império, mas também a pintava como recurso em aparência infinito a ser explorado.

“Somos definidos pela confluência de abundâncias, abusos e ganâncias”, afirma Natalie Unterstell, do centro de estudos climáticos Talanoa e do Monitor da Política Ambiental, uma parceria com a Folha.

“O mito do berço esplêndido inscreveu uma perspectiva linear e cumulativa de expansão territorial progressiva”, diz.

“O algoritmo original da nação brasileira, que foi infelizmente tão bem demonstrado na devastação da mata atlântica, nos impulsionou a acelerar a destruição ambiental, partindo do pressuposto de que nossa base de recursos é infindável e que o custo da conversão de biodiversidade é nulo.”

Se o algoritmo já estava pronto e, por assim dizer, testado em 1,1 milhão de quilômetros quadrados da mata atlântica (13% do território nacional), demorou a ser aplicado em outros dois biomas florestais muito mais vastos: floresta amazônica(4,2 milhões de km2,ou 49%) e cerrado (2 milhões de km2, 24%).

O sopro de destruição de que fala Pádua só varreria o restante do território no século 20. O ímpeto modernizador que levou à Revolução de 1930 criou a noção de que era preciso ocupar o interior e levar o desenvolvimento para os sertões.

“Governar é povoar”, dizia o presidente Afonso Pena (1906-1909). Washington Luís(1926-1930) aproveitou o mote e o ampliou quando ainda era governador de São Paulo: “Governar é abrir estradas”.

Um século depois dos Estados Unidos, o Brasil iniciava sua Marcha para Oeste, que culminaria com a inauguração de Brasília em 1960. Em lugar de cavalos e carroções, seguiam caminhões, ônibus, tratores e automóveis da nascente indústria automobilística. O petróleo era nosso.

Dos anos 1880, década da Abolição e da República, até 1940, quase 5 milhões de imigrantes chegaram ao país. A população se multiplicou por dez ao longo do século passado, mas em 1950 o Brasil ainda era um país atrasado: apenas 36% da população de 52 milhões vivendo em cidades, 51% de analfabetismo, expectativa de vida de meros 43 anos.

Do ponto de vista ambiental, entretanto, o atraso e o gigantismo legaram ao país uma situação única: 99% da maior floresta tropical do mundo estava de pé na Amazônia, alimentando algumas das maiores bacias hidrográficas do planeta, a garantir água para a nascente potência agropecuária.

Aí sobreveio a ditadura militar (1964-1985), com o ímpeto do chamado milagre econômico e um novo lema territorial: “Integrar para não entregar”. O mito do berço esplêndido passou a alicerçar a paranoia militar da cobiça internacional sobre a Amazônia.

O que era, até aí, uma vocação para destruir, apesar do ufanismo naturalista dos tempos do Império, ganhou escala e impacto com a grande aceleração do pós-guerra, como assinala o historiador José Augusto Pádua.

A população cresceu para mais de 214 milhões de pessoas. A produção de ferro pulou de 9 milhões de toneladas em 1950 para cerca de 400 milhões atualmente. A produção de grãos saltou de 39 milhões, em 1975, para cerca de 210 milhões de toneladas. A taxa de urbanização avançou a 85%.

Esse crescimento teve um lado muito positivo. Com a criação da Embrapa em 1973, na pior fase da ditadura, a agricultura mudou de patamar, ganhou produtividade e conquistou o planalto central para a soja, o milho e o gado bovino.

A produtividade agrícola brasileira subiu à taxa de 3,6% ao ano entre 1975 e 2010, segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) –o dobro da velocidade observada nos Estados Unidos no mesmo período.

O Brasil chegou em ótima posição ao boom de commodities dos anos 2000. Surfando na abundância de recursos, o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criou o Bolsa Família e o ProUni e turbinou o Fies. Cotas raciais foram implementadas. A pobreza diminuiu, e a escolaridade aumentou.

Em contrapartida, o ambiente sofreu. Na euforia do pré-sal, cresceu a produção de petróleo e gás (para não falar da corrupção associada), combustíveis fósseis que agravam o aquecimento global.

A usina de Belo Monte desfigurou para sempre o emblemático Xingu. O rio dá vida e nome ao parque indígena (1961) dos irmãos Villas-Bôas, continuadores do indigenismo benigno do marechal Cândido Rondon. Ali vivem 16 etnias, algumas atraídas para a área para abrir espaço às companhias colonizadoras.

Aliada à incúria do poder público, a mineração de metais, outro setor impulsionado pelo apetite voraz da economia chinesa, desencadeou as hecatombes de Mariana (2015) e Brumadinho (2019). Ao todo, 289 mortos.

O crescimento da população urbana se deu de maneira desorganizada. As cidades incharam, sem saneamento básico, com muito trânsito, favelas e poluição atmosférica.

Quase metade (45%) dos brasileiros não tem acesso à rede de esgoto, e só metade do que se coleta passa por tratamento —o restante chega in natura aos rios, volume de dejetos equivalente a 5,3 milhões de piscinas olímpicas por ano, segundo o Instituto Trata Brasil. É mais que improvável cumprir a meta de universalizar água e esgoto até 2033.

A derrubada do cerrado avançou, e a devastação dessa savana brasileira com enorme biodiversidade ultrapassou metade da cobertura original. A floresta amazônica, que viu as taxas de desmatamento recuarem de 27.779 km2 a 4.571 km2 entre 2004 e 2012, voltou a crescer até alcançar 13.235 km2 em 2021, acumulando 20% de perda da vegetação ainda intacta na época da Independência.

“Na economia, usa-se o termo ‘voo de galinha’ para descrever os ciclos de desenvolvimento, e na área ambiental pode-se usar a mesma analogia”, diz Natalie Unterstell, do Instituto Talanoa.

“Depois de recordes de descaso, reduzimos drasticamente o desmatamento na Amazônia entre 2004 e 2012, a maior ação de mitigação de emissão de gases de efeito estufa da história contemporânea, mostrando do que o Brasil é capaz quando trabalha sério para implementar uma política pública.”

Em paralelo, avançavam no mundo negociações para mitigar o aquecimento global e o pior da mudança climática. O governo brasileiro evoluiu de posições refratárias para algum protagonismo, a partir da Cúpula da Terra no Rio (1992) e do Protocolo de Kyoto (1997), o que se esboroaria de vez com Jair Bolsonaro (PL).

A destruição da Amazônia se tornou tema mundial em 1988, no governo de José Sarney (PMDB, 1985-1990), poucos anos após o fim da ditadura que cortou a região Norte com a rodovia Transamazônica. Queimadas se multiplicavam nos sensores de satélites, chamando a atenção da opinião pública mundial para a frente de ocupação predatória que resultaria na morte do líder seringueiro Chico Mendes.

Demorou uma década para a diplomacia e a Presidência da República se darem conta da oportunidade do país valorizar seu patrimônio florestal ímpar como capital político (soft power). E, também, para auferir créditos de carbono e pagamentos por serviço ambiental de matas que absorviam gases do efeito estufa da atmosfera.

O governo de Dilma Rousseff (PT) assumiu compromissos voluntários relativamente ambiciosos de diminuição de emissões de carbono para o Acordo de Paris (2015). O Brasil se prontificou a reduzir em 43%, até 2030, o lançamento de gases-estufa gerados, principalmente, pelo desmatamento.

Apesar de pequenos repiques nas cifras de devastação amazônica de 2013 a 2015, a média anual nesse triênio ainda estava em 5.700 km2. À luz da experiência na década anterior, não parecia assim tão difícil cumprir a meta assumida.

Tudo mudou após o impeachment da presidente, em 2016, que contou com amplo apoio da bancada ruralista no Congresso. Já naquele ano o desmate subiu para 7.893 km2 na Amazônia —e não parou mais.

A eleição de Jair Bolsonaro disseminou o retrocesso por todas as frentes. O presidente de extrema direita está cumprindo a promessa de não demarcar um centímetro das 265 terras indígenas ainda em estudos (do total de 725 identificadas).

Bolsonaro diz que não vai acatar eventual decisão do Supremo Tribunal Federal contra o chamado marco temporal, tese de que só têm direito ao reconhecimento de territórios povos que os ocupavam em 1988. Ou seja, os esbulhados antes da Constituição assim permaneceriam.

Políticas para prevenir desmatamento e mudanças climáticas também foram desmontadas, assim como se manietaram os órgãos de fiscalização Ibama e ICMBio. O Planalto inviabilizou o Fundo Amazônia e congelou R$ 3 bilhões para projetos de preservação e desenvolvimento sustentável, doados por Noruega e Alemanha.

“A falta de inteligência e criatividade, assim como a ganância de curto prazo e a preguiça política, podem gerar um cenário cada vez mais trágico no país, ao invés de aproveitar as oportunidades que a conjuntura histórica possa estar apresentando”, lamenta Pádua.

“É claro que o crescimento da grande exportação primária tem peso essencial, mas creio que não explica tudo. O sinal verde para os interesses de curto prazo de agentes econômicos locais, como garimpeiros e madeireiros, também é fundamental. O que espanta é o grau de atraso e a falta de inteligência estratégica na visão ambiental do atual governo. É como se décadas de debate sobre o imperativo da sustentabilidade fossem simplesmente ignoradas.”

A ideia de que repousamos como potência verde em um berço esplêndido de carbono, sem nada precisar fazer para gerar créditos, também é uma ilusão bolsonarista, aponta Natalie Unterstell. “Não somos uma Arábia Saudita do carbono: é preciso muito esforço para acabar com o desmatamento e, assim, conseguir gerar redução de emissões.”

Só depois da Constituição de 1988, mais de 743 mil km2 de floresta amazônica foram ao chão (quase 18% do bioma), ou o triplo da área do estado de São Paulo. Em meros 34 anos, os habitantes do berço esplêndido destruíram na Amazônia quase o mesmo tanto de mata atlântica que levaram cinco séculos para dizimar.

Só essa derrubada na Amazônia contribuiu com cerca de 32 bilhões de toneladas equivalentes de dióxido de carbono (GtCO2e), principal gás do efeito estufa, para agravar o aquecimento global. Para comparação: em um ano (2020), todas as atividades humanas no Brasil geram um total de 2,16 GtCO2e.

Incluindo tudo que se desmatou antes de 1988, um quinto da floresta amazônica já virou fumaça. O restante vai sendo degradado por garimpo, madeireiros ilegais e estradas clandestinas, além do aumento de temperatura e do ressecamento impostos pelo aquecimento global.

Chegando a um quarto de perda, o bioma deve entrar em colapso, prevê a ciência. A tragédia viria com a interrupção da maior célula terrestre de produção de chuvas no planeta, gerando impacto negativo na agricultura do país todo.

Se depender de Bolsonaro e da bancada ruralista incrustada no centrão, é o futuro que nos espera —para o qual fomos alertados há 200 anos pelo patriarca da Independência.

Why is climate ‘doomism’ going viral – and who’s fighting it? (BBC)

bbc.com

23 May 2022


By Marco Silva
BBC climate disinformation specialist

Illustration of two hands holding electronic devices showing melting planets.

Climate “doomers” believe the world has already lost the battle against global warming. That’s wrong – and while that view is spreading online, there are others who are fighting the viral tide.

As he walked down the street wearing a Jurassic Park cap, Charles McBryde raised his smartphone, stared at the camera, and hit the record button.

“Ok, TikTok, I need your help.”

Charles is 27 and lives in California. His quirky TikTok videos about news, history, and politics have earned him more than 150,000 followers.

In the video in question, recorded in October 2021, he decided it was time for a confession.

“I am a climate doomer,” he said. “Since about 2019, I have believed that there’s little to nothing that we can do to actually reverse climate change on a global scale.”

Climate doomism is the idea that we are past the point of being able to do anything at all about global warming – and that mankind is highly likely to become extinct.

That’s wrong, scientists say, but the argument is picking up steam online.

Still from one of Charles McBryde's videos on TikTok
Image caption, “I am a climate doomer,” Charles McBryde told his TikTok followers last October
‘Give me hope’

Charles admitted to feeling overwhelmed, anxious and depressed about global warming, but he followed up with a plea.

“I’m calling on the activists and the scientists of TikTok to give me hope,” he said. “Convince me that there’s something out there that’s worth fighting for, that in the end we can achieve victory over this, even if it’s only temporary.”

And it wasn’t long before someone answered.

Facing up to the ‘doomers’

Alaina Wood is a sustainability scientist based in Tennessee. On TikTok she’s known as thegarbagequeen.

After watching Charles’ video, she posted a reply, explaining in simple terms why he was wrong.

Alaina makes a habit of challenging climate doomism – a mission she has embraced with a sense of urgency.

“People are giving up on activism because they’re like, ‘I can’t handle it any more… This is too much…’ and ‘If it really is too late, why am I even trying?'” she says. “Doomism ultimately leads to climate inaction, which is the opposite of what we want.”

Sustainability scientist and TikToker Alaina Wood
Image caption, Sustainability scientist and TikToker Alaina Wood is on a mission to reassure people it is not too late for the climate
Why it’s not too late

Climate scientist Dr Friederike Otto, who has been working with the UN’s Intergovernmental Panel on Climate Change, says: “I don’t think it’s helpful to pretend that climate change will lead to humanity’s extinction.”

In its most recent report, the IPCC laid out a detailed plan that it believes could help the world avoid the worst impacts of rising temperatures.

It involves “rapid, deep and immediate” cuts in emissions of greenhouse gases – which trap the sun’s heat and make the planet hotter.

“There is no denying that there are large changes across the globe, and that some of them are irreversible,” says Dr Otto, a senior lecturer in climate science at the Grantham Institute for Climate Change and the Environment.

“It doesn’t mean the world is going to end – but we have to adapt, and we have to stop emitting.”

People carry a sign as they attend a protest during the UN Climate Change Conference COP26 in Glasgow.
Fertile ground

Last year, the Pew Research Center in the US ran a poll covering 17 countries, focusing on attitudes towards climate change.

An overwhelming majority of the respondents said they were willing to change the way they lived to tackle the problem.

But when asked how confident they were that climate action would significantly reduce the effects of global warming, more than half said they had little to no confidence.

Doomism taps into, and exaggerates, that sense of hopelessness. In Charles’s case, it all began with a community on Reddit devoted to the potential collapse of civilisation.

“The most apocalyptic language that I would find was actually coming from former climate scientists,” Charles says.

It’s impossible to know whether the people posting the messages Charles read were genuine scientists.

But the posts had a profound effect on him. He admits: “I do think I fell down the rabbit hole.”

Alaina Wood, the sustainability scientist, says Charles’s story is not unusual.

“I rarely at this point encounter climate denial or any other form of misinformation [on social media],” she says. “It’s not people saying, ‘Fossil fuels don’t cause climate change’ … It’s people saying, ‘It’s too late’.”

TikTok’s rules forbid misinformation that causes harm. We sent the company some videos that Alaina has debunked in the past. None was found to have violated the rules.

TikTok says it works with accredited fact-checkers to “limit the spread of false or misleading climate information”.

Young and pessimistic

Although it can take many forms (and is thus difficult to accurately measure), Alaina says doomism is particularly popular among young people.

“There’s people who are climate activists and they’re so scared. They want to make change, but they feel they need to spread fear-based content to do so,” she says.

“Then there are people who know that fear in general goes viral, and they’re just following trends, even if they don’t necessarily understand the science.”

I’ve watched several of the videos that she debunked. Invariably, they feature young users voicing despair about the future.

“Let me tell you why I don’t know what I want to do with my life and why I’m not planning,” says one young woman. “By the year 2050, most of us should be underwater from global warming.” But that’s a gross exaggeration of what climate scientists are actually telling us.

“A lot of that is often fatalistic humour, but people on TikTok are interpreting that as fact,” Alaina says.

But is Charles still among them, after watching Alaina’s debunks? Is he still a climate doomer?

“I would say no,” he tells me. “I have convinced myself that we can get out of this.”

Ações do governo Bolsonaro chegam a apenas 2% dos garimpos na terra yanomami, e faltam aviões (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

MPF aponta ainda que só 25% dos pontos de apoio logístico à mineração ilegal foram alvo de fiscalização

Vinicius Sassine e João Gabriel

23 de maio de 2022


Apenas 9 de 421 pontos de garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami, a maior do Brasil, contaram com algum tipo de ação policial, dentro de um plano formulado pelo governo Jair Bolsonaro (PL) para tentativa de retirada de garimpeiros que estão na região ilegalmente atrás de ouro. Isso significa que incursões policiais só ocorreram em 2,1% das áreas de garimpo.

A constatação foi feita pelo MPF (Ministério Público Federal) em Roraima, numa investigação sobre a execução do plano operacional formulado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública para a desintrusão de garimpeiros no território yanomami. A retirada foi uma determinação da Justiça Federal.

Investigadores que atuam diretamente em ações de repressão aos garimpos afirmam que não há aeronaves disponíveis em Boa Vista para o combate à atividade ilegal.

Uma aeronave usada pela Polícia Federal fica em Manaus, a mais de 600 km do território, segundo esses investigadores.

As Forças Armadas têm se recusado a fornecer aeronaves, e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) conta com apenas oito veículos do tipo para atender às necessidades no país inteiro, conforme as fontes ouvidas pela reportagem sob a condição de anonimato.

A Funai (Fundação Nacional do Índio) em Roraima não tem um avião disponível. O MPF não tem nenhuma aeronave.

Em contraponto ao apagão de apoio logístico aéreo para repressão ao garimpo na terra yanomami, mais de cem aeronaves garantem a exploração ilegal de minérios, principalmente ouro e cassiterita, segundo as investigações do MPF e PF. Em maioria, são helicópteros operados por empresários que continuam lucrando com os garimpos ilegais.

Um único grupo, com 12 pilotos de helicóptero, movimentou mais de R$ 200 milhões em dois anos. O grupo fez ainda uso de empresa fantasma e transferências de recursos ao exterior, conforme investigação da PF revelada pela Folha na última quinta-feira (19).

O empresário responsável, Rodrigo Martins de Mello, é pré-candidato a deputado federal pelo PL, partido de Bolsonaro. Ele passou a coordenar um movimento de garimpeiros que tenta legitimar a atividade criminosa na terra indígena e ameaça processar líderes indígenas que os denunciam. Mello não se pronunciou sobre as acusações da polícia.

PF, Ministério da Justiça, Funai, Ministério da Defesa, Exército e Aeronáutica não responderam aos questionamentos da reportagem sobre a falta de aeronaves para combater as atividades ilegais.

Em nota, o Ibama afirmou que não há “indisponibilidade” de aeronaves para suas operações. “[O órgão] possui contrato de locação de oito aeronaves para apoio às atividades de fiscalização ambiental, emergências ambientais e combate a incêndios florestais em todo o território nacional”, disse.

Desde a eleição de Bolsonaro em 2018, explodiu a quantidade de garimpeiros na terra indígena. São 20 mil, segundo associações de indígenas.

O vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) contesta essa cifra e diz que há cerca de 3.000 garimpeiros na região. O número, no entanto, é considerado subestimado por pessoas ligadas ao combate do garimpo.

O presidente Bolsonaro defende a atividade ilegal, estimula o garimpo no território e tenta regularizar a mineração em terras indígenas.

O plano do Ministério da Justiça foi elaborado no contexto de decisões da Justiça Federal obrigando a retirada dos garimpeiros. Já houve decisões nesse sentido na primeira instância da Justiça, no TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) e no STF (Supremo Tribunal Federal).

A falta de ação nos pontos de garimpo ilegal “evidencia, a mais não poder, a absoluta insuficiência das medidas protetivas a cargo do Executivo federal”, afirmou o MPF em Roraima em uma recomendação expedida no último dia 10.

Os procuradores da República Alisson Marugal e Matheus Bueno recomendaram que a ANM (Agência Nacional de Mineração) leiloe 200 toneladas de cassiterita apreendidas e destine os recursos à Funai, para atendimento aos indígenas. O valor é estimado em R$ 24,7 milhões.

A ausência de ações policiais nos pontos mapeados de garimpo é apenas um dos problemas no combate à atividade ilegal na maior terra indígena do país, que na próxima semana comemora 30 anos de sua demarcação.

Dos 277 pontos de apoio usados pelos garimpeiros, como pistas de pouso e portos clandestinos, somente 70 (25,3%) foram fiscalizados desde 2020, segundo levantamento feito pelo MPF.

O apoio aéreo para o combate ao garimpo ilegal é crucial para uma região de difícil acesso. Os percursos por rio são longos e demorados. Órgãos de fiscalização alugam horas de voos de parceiros terceirizados para suas operações.

A recomendação do MPF afirma que, “ao menos de modo constante, as forças estatais não dispõem de, ou não disponibilizam, aeronaves que possibilitem a realização com a frequência necessária de incursões na TI [Terra Indígena] Yanomami objetivando o combate ao garimpo ilegal”.

O garimpo em terras indígenas é proibido por lei. A Constituição Federal determina que a atividade precisa de regularização e de aval do Congresso, o que ainda não existe.

Em 2020, a Justiça determinou que o governo federal expulsasse os garimpeiros da região, o que não ocorreu.

Conforme o MPF, foram registrados 3.059 alertas de desmatamento para o garimpo na terra yanomami, entre agosto de 2020 e fevereiro de 2022. O desmatamento atingiu quase 11 km². Num único mês, em janeiro deste ano, foram 216 alertas.

Caiapós fazem dança da chuva (Folha de S.Paulo)

Artigo original

São Paulo, sábado, 28 de março de 1998

da Reportagem Local

Dois pagés caiapós de Mato Grosso irão a Roraima no domingo para fazer um ritual de dança da chuva, com o objetivo de tentar acabar com o fogo.

Os dois pagés deverão partir de Colider, no norte do Estado, perto do Pará. A viagem de avião até Boa Vista demora cerca de 5h.

De acordo com o índio caiapó Pitisiaru Metupire, o ritual é secreto e deverá ser feito pelos dois pagés, sozinhos, no meio do mato. Antes de fazer o ritual, os pagés passarão algum tempo no interior da mata “estudando” a situação.

“Não dá para explicar como é, porque o trabalho do pagé é bem diferente do do doutor”, diz Metupire. Segundo o índio, os pagés vão conversar com espíritos dos antepassados que, por sua vez, pedirão aos espíritos da chuva e do trovão que provoquem chuva.

O ritual deverá ser feito na aldeia do Demini, onde há montanhas, consideradas fontes de energia.

“A chuva vai começar e não vai parar mais”, disse Metupire, que é da mesma aldeia dos pagés que irão a Boa Vista. De acordo com ele, os caiapós decidiram ajudar os índios ianomâmis e ofereceram a realização do ritual.

“Eles estão precisando de ajuda e nós vamos lá para tentar resolver o problema”, afirmou Metupire. Depois do ritual, os índios ainda ficarão em Roraima para “estudar” os resultados.

Além dos pagés, o administrador da Funai em Colider, Megaron Txucarramãe, também irá a Boa Vista.

João Moreira Salles: Nota sobre três presidentes, duas bombas e o fim do mundo (Piauí)

piaui.folha.uol.com.br

João Moreira Salles | 25 mar 2022_10h37


English version

E aqui estamos nós, cidadãos do mundo, diante de Vladimir Putin como gregos diante da Esfinge: O que você quer, o que pensa, qual o seu enigma, quantos e o quão ferozes são os seus demônios? Qual a sua visão mística da História, o seu sonho imperial, a dimensão purificadora que a violência tem para você? Até onde está disposto a ir? Existem limites? Se existirem, será mais fácil respeitá-los no triunfo ou na derrota? Você é mais perigoso encurralado ou vitorioso?

Ninguém sabe. Numa entrevista ao jornalista Ezra Klein, o analista político e apresentador da CNN Fareed Zakaria diz que hoje no mundo não existe país mais instável do que a Rússia. Mesmo nos regimes totalitários mais fechados, alguma institucionalidade costuma sustentar os processos políticos; protocolos e trâmites burocráticos fazem saber como serão tomadas as decisões. Na antiga União Soviética, quando morria o secretário-geral do Partido Comunista, o Presidium do Soviete Supremo se reunia e era certo que de lá sairia o novo líder do país. Se amanhã o presidente chinês Xi Jinping falecer, a notícia será planetária, mas não traumática, pois virá desacompanhada do temor de abalos institucionais – um membro da alta tecnocracia política logo o substituirá. O mesmo vale para totalitarismos dinásticos, a exemplo da Arábia Saudita e da Coreia do Norte. Morre um Saud, entra um Saud; morre um Kim, entra um Kim.

Não é assim na Rússia de Putin, onde não existem sistemas claros de sucessão nem sucessores presumidos. E isso é um problema. A impressão é que a frase apócrifa de Luiz XIV, O Estado sou eu, dita supostamente por um monarca com herdeiros definidos, conselheiros numerosos e uma vasta entourage burocrática a seu serviço, caberia melhor na boca do atual Rei Sol do Kremlin: A Rússia sou eu.

De fato, é o que parece. As autocracias tradicionais tomam a forma de uma pirâmide, com o líder no vértice e, abaixo dele, por ordem de importância hierárquica, as diferentes camadas da burocracia do Estado. Na Rússia contemporânea, a pirâmide colapsou. Como um tripé que se fecha, os lados foram trazidos para o centro e se juntaram numa linha vertical. Um cajado é a nova forma do Estado, um báculo sobre cujo castão pesa exclusivamente a mão de Putin. A única, é claro, que pesa também sobre aquele botão.

Putin é o homem solitário que, isolado de tudo e de todos, usa quem sabe a suspeita de sua irracionalidade como arma política. Ou talvez, como especulam outros, já tenha se desprendido da realidade. A essa altura, não se desconta nenhuma hipótese. De fevereiro para cá, a possibilidade de um evento fatal entrou nos nossos cálculos. Se esse cenário ainda não é provável, hoje se tornou possível. Muito mais do que há um mês, incomparavelmente mais do que há um ano ou há uma década.

A Europa está assustada. Na Itália, uma empresa de abrigos nucleares que construiu cinquenta dessas estruturas nos últimos 22 anos, só nas duas primeiras semanas da guerra processou quinhentos pedidos. O governo da Bélgica está distribuindo pílulas de iodo a quem apresentar um passaporte belga. Tomado corretamente, o iodo ajuda a absorver a radiação que se aloja na tireoide. Na segunda semana de março, as farmácias do país distribuíram num único dia 30 mil caixas do comprimido.

Embora nem todos se deem conta, tamanha angústia aproxima povos que nunca imaginaram ter alguma afinidade. Gente que vive nas cidades europeias ou norte-americanas não sabe que, desde a invasão da Ucrânia, é nas florestas brasileiras que estão os interlocutores capazes de lhes ensinar como viver diariamente com o medo entranhado no corpo feito bicho. De acordo com uma observação precisa do antropólogo brasileiro Eduardo Viveiros de Castro, se queremos compreender o que é o fim do mundo, basta perguntar aos habitantes originários das Américas. Eles são especialistas no tema. Dos guaranis no Brasil aos maias no México, muitos deles já experimentaram a destruição dos seus mundos.

Estima-se que no século XVI, quando os primeiros exploradores europeus chegaram à Amazônia, de 8 a 10 milhões de pessoas ocupavam a floresta. Passadas as primeiras décadas do contato, 90% dessa população desapareceria, um extermínio tão radical que seriam necessários quase cinco séculos para que o bioma voltasse ao patamar demográfico do mundo pré-cabralino, o que aconteceu na década de 1960. Os descendentes dessa hecatombe a guardam na memória. Corre pelo corpo deles o que foi vivido por seus ancestrais no passado remoto, por seus avós e pais no passado recente e, para vergonha de todos nós, brasileiros, corre pelo corpo deles o que significa vivê-la no presente. Hoje, mais ainda. No próximo mês, mais do que nunca, como se verá adiante.

O Brasil sempre foi mais lento (a ver, mais relaxado), menos eficiente do que as nações solidamente integradas à lógica industrial. Apesar disso, seria um erro supor que o mundo não tem razões para nos temer. Nossa arma verde-amarela de destruição em massa não produz efeitos tão instantâneos quanto as das nações nucleares, mas é igualmente letal. Trata-se, é claro, da destruição da Amazônia, a nossa bomba ecológica.

O bioma amazônico é um dos sistemas vitais para o funcionamento do planeta. Controla pelo menos três fluxos essenciais à manutenção da vida: o do carbono, o da biodiversidade e o dos ciclos hidrológicos. Esses fluxos vitais, “sistemas de suporte da vida”, na expressão de cientistas, não passam de nove,  o que nos torna responsáveis por pelo menos um terço deles.

Não temos exercido essa responsabilidade, mas já o fizemos, ainda que por apenas uma década. O cenário se agravou a partir de 2015 e entrou em fase crítica em 2019. A Amazônia está prestes a se inviabilizar como floresta tropical. As evidências científicas desse caminho sem volta se acumularam a grande velocidade, tanto que respeitados cientistas anteriormente céticos agora reconhecem: estamos a poucas casas da virada fatal. A continuar nesse ritmo a escalada do desmatamento, não muitos anos – poucos.

Nesse cenário de catástrofe iminente, o governo e sua base de apoio fazem correr em regime de urgência um projeto de lei que licencia a mineração, a exploração de óleo e a construção de hidrelétricas em terras indígenas. Em certas circunstâncias, o texto em discussão prevê autorização provisória de atividades mineradoras enquanto não houver autorização legislativa. Em terras ainda não homologadas, serão dispensados quaisquer estudos de impacto ambiental.

Isso é redação de quem tem pressa para destruir. Significa pilhagem de territórios ancestrais, da morada de povos que, desde o primeiro encontro com brancos, perderam muito, perderam sempre, perderam seu lugar no mundo, adoeceram, empobreceram, entristeceram, foram mendigar nos cruzamentos das cidades e se mataram de melancolia.

Apesar dessa violência histórica constante, são eles, os indígenas, os grandes responsáveis por proteger a maior selva tropical do planeta. Não existe melhor guarda florestal no mundo. Sem cobrar um tostão, eles preservam um sistema sem o qual o equilíbrio do planeta não se manteria. É em terras indígenas que se constata o menor índice de desmatamento. Elas são o último bastião da floresta.

Agora, o governo quer invadir o principal esteio da nossa quase inexistente responsabilidade ambiental. É instrutivo saber quem pretende avançar para dentro dessas terras. Grandes empresas que precisem prestar contas à sociedade hesitarão em entrar nesses territórios até então protegidos. Entre 2020 e 2021, por exemplo, a Vale desistiu de todos os processos minerários em terras indígenas do Brasil – eram 89 –, cancelando requerimentos de pesquisa e lavra. Entende-se: seria comprometer a reputação de uma companhia que, nos últimos anos, viu-se envolvida em dois dos maiores desastres ambientais da história brasileira.

Difícil crer que corporações do porte da Vale tomem caminho diferente. Equivaleria a suicídio corporativo. O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), entidade cujos associados respondem por 85% da produção mineral brasileira, publicou uma nota contrária ao projeto de lei, considerando-o inadequado “para os fins a que se destina”. É uma decisão tóxica, essa de avançar sobre terras indígenas incrustadas no maior bioma tropical do planeta, de tomar as últimas áreas em que uma floresta sob ataque ainda resiste, de ferir territórios em que os menores distúrbios ambientais são hoje registrados em tempo real pelos milhares de satélites que cruzam os seus céus. As mineradoras que eventualmente morderem a isca virão de países sem sociedade civil forte e, portanto, não sujeitas à obrigação de transparência. Virão da China, de países do Oriente Médio ou da Ásia Central. Não por coincidência, serão corporações que atuam de preferência em regiões pouco desenvolvidas para se valer de sistemas políticos maleáveis, legislação ambiental frágil e presença débil do Estado.

Se essas empresas periféricas vierem, é certo que bons negócios serão feitos, parte deles tão secreta quanto as emendas do relator ao Orçamento da União. O projeto, contudo, não se destina a atrair chineses ou cazaques. Nas palavras do presidente da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM), Luis Mauricio Ferraiuoli Azevedo, não propriamente um ambientalista: “Da forma como está, tem uma veia muito mais voltada ao garimpo do que à mineração.”

Conhecemos bem o garimpo. Como mostram vários estudos recentes, ele se tornou um braço das facções criminosas, a começar pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), que hoje domina a atividade em terras yanomamis. O garimpeiro de bateia na beira do rio, brasileiro pobre atrás do seu pão, é um personagem extemporâneo sem outra serventia a não ser mascarar com tinturas sociais uma atividade cada vez mais violenta e capitalizada. Os meios de produção do garimpo atual são balsas que custam 2 milhões de reais, mercúrio de comercialização ilegal no Brasil, condições de trabalho degradantes e fuzis AR-15, agora municiados com projéteis não rastreáveis graças à bonomia presidencial.

Uma novidade dos últimos quatro anos é a expansão vertiginosa do crime organizado para o interior do bioma amazônico. Hoje a floresta é o grande palco da disputa entre o PCC e o Comando Vermelho (CV). As facções estão fazendo a gestão da ilegalidade na Amazônia, seja no garimpo, seja na grilagem, seja no corte de madeira, seja no controle das rotas do tráfico de drogas para a Europa. Comunidades ribeirinhas e indígenas estão sendo cooptadas. O dia a dia de inúmeras cidades pequenas já depende do crime.

Não deixa de ser um projeto de desenvolvimento, o modelo político-administrativo da Baixada Fluminense transplantado para a Amazônia. Tudo considerado – do apoio a grileiros, desmatadores e garimpeiros ao desmonte das agências de vigilância como o Ibama –, não seria errado chamá-lo Programa de Aceleração do Crime. Aproveita-se assim a sigla consagrada.

Dizer que o que está sendo gestado na Amazônia é bem conhecido da primeira família da nação não passa de redundância. Trata-se, afinal, da expansão do esquema das milícias e das facções, precisamente o mundo do qual brotou a engrenagem política que hoje se espraia por todo o país. Há um sentido pedagógico em jamais esquecer que o filho mais velho do presidente, hoje senador da República, condecorou um dos maiores matadores do Rio de Janeiro, o miliciano Adriano da Nóbrega; preso, acusado de homicídio, Nóbrega recebeu na cadeia a mais alta condecoração do Poder Legislativo fluminense, a Medalha Tiradentes.

E aqui estamos nós, brasileiros, diante de Jair Bolsonaro, mas não como se diante da Esfinge, pois o homem não tem enigmas. Sabemos o que ele é e o que ele quer. Conhecemos o seu compêndio de iniquidades.

Conhecemos a sua obscenidade quando se diz solidário com a Rússia, solidário, portanto, com os responsáveis por cenas como a registrada na dolorosa foto de uma família estirada no chão, a mãe de 43 anos, o filho de 18, a filha de 9, mochilas ainda às costas, mortos os três ao tentar fugir da artilharia russa numa ponte nos arredores de Kiev (há um quarto morto na foto, um voluntário de 26 anos que ajudava a família na fuga). Não é uma solidariedade que surpreenda. O presidente, sabemos faz tempo, não é indiferente ao espetáculo da morte violenta. Ao contrário, ela o excita.

Família morta ao tentar fugir da artilharia russa nos arredores de Kiev: a mãe, o filho e a filha, além de um voluntário que os ajudava – Foto: Lynsey Addario/The New York Times/Fotoarena

Conhecemos a sua covardia, o patético dela, quando chama de comediante o presidente da Ucrânia.

Conhecemos a sua corrupção, que começou pequena e vagabunda, miúda como ele à época, e hoje é imensa, do tamanho dos seus meios atuais, que lhe permitem franquear a farra do dinheiro público distribuído sem fiscalização ou vigilância. Corridos três anos e meio de mandato, seria interessante perguntar aos arautos da moralidade se estão satisfeitos com o Orçamento da União entregue a Arthur Lira. Se apaziguados com o sistema que produz parlamentares como Josimar Maranhãozinho (PL-MA), deputado do partido do presidente, investigado pela PF por usar grupos armados para extorquir a sua parte do dinheiro que prefeitos haviam recebido por meio das emendas nebulosas do relator. Se animados com a entrega do Ministério da Educação a pastores evangélicos que cobram os seus bons serviços em barras de ouro. Se reconfortados com o círculo mais íntimo do poder, irmãos de fé e aconselhadores eventuais tais como Fabrício Queiroz e Frederick Wassef – o primeiro, ocupando seus dias pós-cadeia com exegeses no YouTube em que justifica com perspicácia geopolítica a ação russa contra a Ucrânia, país amaldiçoado por “esse governo frouxo, esse governo comédia, que desarmou o povo e entregou as armas”, essa fraqueza típica de “governo de esquerda”; o segundo, réu por injúria racial e racismo, protagonista do triste espetáculo de se recusar a ser atendido por uma garçonete de 18 anos numa pizzaria de Brasília: “Porque você é negra e tem cara de sonsa.” São esses os habitantes do mundo cultivado pelo homem escolhido para restaurar a honra do Brasil.

Sabíamos de tudo isso, e foi com esse catálogo de imoralidades que chegamos a essa versão toda nossa do fim do mundo que agora corre pelo Congresso com a pressa de um bandido.

A floresta será transformada em terra miliciana, numa dinâmica já iniciada. O projeto será votado em abril, sem qualquer debate qualificado. Se passar, o Brasil terá cometido o crime perfeito contra o futuro – o seu próprio e o do planeta. A tristeza disso é infinita. Teremos de viver confrontados cotidianamente pela injustiça cometida no decorrer de nossas vidas, sob os nossos olhos, contra aqueles que, antes de nós, não só fizeram da floresta a sua casa, mas a manipularam e a construíram, num trabalho de milênios em consórcio com outras criaturas. A Amazônia não é apenas um bem natural, é um bem cultural, o legado de uma civilização orgânica que erigiu sua obra não com pedras ou metais, mas com solo e plantas, com madeiras e fungos – essas florestas que, na linda formulação do arqueólogo Eduardo Neves, “são as nossas pirâmides”. São essas pirâmides que agora serão oficialmente entregues à pirataria.

Portanto, aqui estamos, nós brasileiros, a poucos meses de uma escolha que há muito deixou de ser questão apenas política para se tornar questão de civilização.

A Ucrânia “confiou a um comediante o destino de uma nação”, declarou o presidente do Brasil, como quem diz: E deu nisso. De fato, deu em um povo que se uniu numa batalha de vida ou morte pela autodeterminação, pela liberdade e pelo direito de dizer aos pósteros que, na hora terrível, eles se apresentaram e foram honrados. Não é um mau legado.

O Brasil elegeu Bolsonaro e deu nisso. O anjo da História diria: Olhem em volta e contemplem as ruínas. Elas nos cercam e envergonham bem mais do que as de Mariupol ou Kiev. Estas são obra do agressor; aquelas, de brasileiros. A ruína da educação, a ruína da fome, a ruína sanitária, a ruína do desemprego, a ruína política, a ruína ambiental, a ruína moral de bem-pensantes, de liberais com bons diplomas universitários e empregos bem pagos que referendaram um projeto que nunca disfarçou suas tintas.

Historiadores rejeitam o conceito de “homem providencial”, mas em certos momentos é difícil duvidar de sua existência. Gerados pelas circunstâncias históricas, ao chegar ao poder os homens providenciais as radicalizam a tal ponto que desencadeiam mudanças não de intensidade, mas de qualidade. Churchill é um homem providencial, Fidel, Mandela, Gandhi, talvez Volodymyr Zelensky (ainda é cedo). E com certeza Putin, ainda que sua providência seja sinistra.

Em outubro, estaremos diante do nosso grande enigma: Quem somos nós, os brasileiros? Aqueles que dizem não à terra barbarizada ou os que reafirmam a escolha de 2018? Seremos Zelensky ou Putin? Escolheremos vida ou morte?

É preciso interromper a tragédia humanitária na terra ianomâmi (O Globo)


Malu Gaspar

Por Editorial 15/04/2022 00:00

Ianomâmis (Reuter) Ianomâmis (Reuter) | Reuters

São contundentes as conclusões do relatório da Hutukara Associação Yanomami sobre os efeitos nocivos do garimpo ilegal na maior reserva do país, que reúne cerca de 30 mil indígenas numa área de 9 milhões de hectares entre Amazonas e Roraima. Como mostrou O GLOBO, em apenas um ano (de 2020 a 2021), a devastação cresceu 46%, maior taxa desde a demarcação das terras ianomâmis em 1992. A destruição, evidenciada pelas crateras no meio da floresta e pelos rios contaminados com mercúrio, pode ser a ponta mais visível, mas não é a única tragédia. Com o desmatamento, forasteiros levam doenças, violência, drogas e terror.

Segundo o relatório, as aldeias enfrentam uma explosão de casos de malária — em algumas regiões, o aumento foi de mais de 1.000% em dois anos. Comida é outro problema crônico. Estudos mostram que 60% das crianças estão desnutridas. No fim do ano passado, imagens de crianças ianomâmis com as costelas à mostra chocaram o mundo. A situação é agravada pela estrutura precária de saúde e pelas grandes distâncias que separam as aldeias dos postos de atendimento médico.

Estima-se que existam 20 mil garimpeiros ilegais nas terras ianomâmis, sob vista grossa dos órgãos ambientais. Nesse cenário sem lei, os indígenas se tornam presas fáceis de esquemas criminosos. Há relatos de aliciamento de menores, abuso sexual de mulheres e crianças e oferecimento de drogas e bebidas alcoólicas aos indígenas. De acordo com a Hutukara, ao menos três crianças já foram mortas depois de ser abusadas por garimpeiros ilegais.

Não surpreende que a violência impere nesse ambiente de anomia. Na segunda-feira, um conflito entre indígenas numa área de garimpo dentro da terra ianomâmi deixou dois mortos (um indígena e um garimpeiro) e cinco feridos. Segundo relatos, índios tireis, apoiados por garimpeiros, invadiram a aldeia pixanehabi, contrária à exploração mineral na reserva.

Seria incorreto dizer que o Ibama e a Polícia Federal não agem. Na terça-feira, foi deflagrada a Operação Escudo de Palha, para combater o desmatamento ilegal numa comunidade indígena de Mato Grosso. Mas essas ações esporádicas são insuficientes. Além disso, são notórios o desmonte da fiscalização ambiental e a falta de empenho do governo para enfrentar madeireiros, grileiros e garimpeiros ilegais. Infelizmente, a sinalização que emana do Palácio do Planalto é outra.

Durante uma pajelança no Ministério da Justiça no mês passado, o presidente Jair Bolsonaro foi condecorado com a Medalha do Mérito Indigenista, concedida pela Funai “pelos serviços relevantes relacionados com o bem-estar, a proteção e a defesa das comunidades indígenas”. Bolsonaro foi um dos 26 agraciados, entre os quais estavam dez integrantes do primeiro escalão do governo. Para fazer jus à homenagem, presidente e ministros poderiam se esforçar para interromper a tragédia humanitária que se abate sobre os ianomâmis e envergonha o país.