Arquivo mensal: dezembro 2013

Walking the Walk: What Sharks, Honeybees and Humans Have in Common (Science Daily)

Dec. 23, 2013 — A research team led by UA anthropologist David Raichlen has found that the Hadza tribe’s movements while foraging can be described by a mathematical pattern called a Lévy walk — a pattern that also is found in the movements of many other animals.

The Hadza people of Tanzania wore wristwatches with GPS trackers that followed their movements while hunting or foraging. Data showed that humans join a variety of other species including sharks and honeybees in using a Lévy walk pattern while foraging. (Credit: Photo by Brian Wood/Yale University)

A mathematical pattern of movement called a Lévy walk describes the foraging behavior of animals from sharks to honey bees, and now for the first time has been shown to describe human hunter-gatherer movement as well. The study, led by University of Arizona anthropologist David Raichlen, was published today in the Proceedings of the National Academy of Sciences.

The Lévy walk pattern appears to be ubiquitous in animals, similar to the golden ratio, phi, a mathematical ratio that has been found to describe proportions in plants and animals throughout nature.

“Scientists have been interested in characterizing how animals search for a long time,” said Raichlen, an associate professor in the UA School of Anthropology, “so we decided to look at whether human hunter-gatherers use similar patterns.”

Funded by a National Science Foundation grant awarded to study co-author Herman Pontzer, Raichlen and his colleagues worked with the Hadza people of Tanzania.

The Hadza are one of the last big-game hunters in Africa, and one of the last groups on Earth to still forage on foot with traditional methods. “If you want to understand human hunter-gatherer movement, you have to work with a group like the Hadza,” Raichlen said.

Members of the tribe wore wristwatches with GPS units that tracked their movement while on hunting or foraging bouts. The GPS data showed that while the Hadza use other movement patterns, the dominant theme of their foraging movements is a Lévy walk — the same pattern used by many other animals when hunting or foraging.

“Detecting this pattern among the Hadza, as has been found in several other species, tells us that such patterns are likely the result of general foraging strategies that many species adopt, across a wide variety of contexts,” said study co-author Brian Wood, an anthropologist at Yale University who has worked with the Hadza people since 2004.

“This movement pattern seems to occur across species and across environments in humans, from East Africa to urban areas,” said Adam Gordon, study co-author and a physical anthropologist at the University at Albany, State University of New York. “It shows up all across the world in different species and links the way that we move around in the natural world. This suggests that it’s a fundamental pattern likely present in our evolutionary history.”

The Lévy walk, which involves a series of short movements in one area and then a longer trek to another area, is not limited to searching for food. Studies have shown that humans sometimes follow a Lévy walk while ambling around an amusement park. The pattern also can be used as a predictor for urban development.

“Think about your life,” Raichlen said. “What do you do on a normal day? Go to work and come back, walk short distances around your house? Then every once in a while you take these long steps, on foot, bike, in a car or on a plane. We tend to take short steps in one area and then take longer strides to get to another area.”

Following a Lévy walk pattern does not mean that humans don’t consciously decide where they are going, Raichlen said. “We definitely use memories and cues from the environment as we search,” he explained, “but this pattern seems to emerge in the process.”

In future studies, Raichlen and his colleagues hope to understand the reasons for using a Lévy walk and whether the pattern is determined by the distribution of resources in the environment.

“We’re very interested in studying why the Hadza use this pattern, what’s driving their hunting strategies and when they use this pattern versus another pattern,” said Pontzer, a member of the research team and an anthropologist at Hunter College in New York.

“We’d really like to know how and why specific environmental conditions or individual traits influence movement patterns,” added Wood.

Describing human movement patterns could also help anthropologists to understand how humans transported raw materials in the past, how our home ranges expanded and how we interact with our environment today, Raichlen noted.

“We can characterize these movement patterns across different human environments, and that means we can use this movement pattern to understand past mobility,” Raichlen said. “Also, finding patterns in nature is always fun.”

Journal Reference:

  1. D. A. Raichlen, B. M. Wood, A. D. Gordon, A. Z. P. Mabulla, F. W. Marlowe, H. Pontzer. Evidence of Levy walk foraging patterns in human hunter-gatherers.Proceedings of the National Academy of Sciences, 2013; DOI: 10.1073/pnas.1318616111
Anúncios

Global Map Predicts Locations for Giant Earthquakes (Science Daily)

Dec. 12, 2013 — A team of international researchers, led by Monash University’s Associate Professor Wouter Schellart, have developed a new global map of subduction zones, illustrating which ones are predicted to be capable of generating giant earthquakes and which ones are not.

Andaman Sea. “For the Australian region subduction zones of particular significance are the Sunda subduction zone, running from the Andaman Islands along Sumatra and Java to Sumba, and the Hikurangi subduction segment offshore the east coast of the North Island of New Zealand. Our research predicts that these zones are capable of producing giant earthquakes,” Dr Schellart said. (Credit: © vichie81 / Fotolia)

The new research, published in the journal Physics of the Earth and Planetary Interiors, comes nine years after the giant earthquake and tsunami in Sumatra in December 2004, which devastated the region and many other areas surrounding the Indian Ocean, and killed more than 200,000 people.

Since then two other giant earthquakes have occurred at subduction zones, one in Chile in February 2010 and one in Japan in March 2011, which both caused massive destruction, killed many thousands of people and resulted in billions of dollars of damage.

Most earthquakes occur at the boundaries between tectonic plates that cover the Earth’s surface. The largest earthquakes on Earth only occur at subduction zones, plate boundaries where one plate sinks (subducts) below the other into the Earth’s interior. So far, seismologists have recorded giant earthquakes for only a limited number of subduction zone segments. But accurate seismological records go back to only ~1900, and the recurrence time of giant earthquakes can be many hundreds of years.

“The main question is, are all subduction segments capable of generating giant earthquakes, or only some of them? And if only a limited number of them, then how can we identify these,” Dr Schellart said.

Dr Schellart, of the School of Geosciences, and Professor Nick Rawlinson from the University of Aberdeen in Scotland used earthquake data going back to 1900 and data from subduction zones to map the main characteristics of all active subduction zones on Earth. They investigated if those subduction segments that have experienced a giant earthquake share commonalities in their physical, geometrical and geological properties.

They found that the main indicators include the style of deformation in the plate overlying the subduction zone, the level of stress at the subduction zone, the dip angle of the subduction zone, as well as the curvature of the subduction zone plate boundary and the rate at which it moves.

Through these findings Dr Schellart has identified several subduction zone regions capable of generating giant earthquakes, including the Lesser Antilles, Mexico-Central America, Greece, the Makran, Sunda, North Sulawesi and Hikurangi.

“For the Australian region subduction zones of particular significance are the Sunda subduction zone, running from the Andaman Islands along Sumatra and Java to Sumba, and the Hikurangi subduction segment offshore the east coast of the North Island of New Zealand. Our research predicts that these zones are capable of producing giant earthquakes,” Dr Schellart said.

“Our work also predicts that several other subduction segments that surround eastern Australia (New Britain, San Cristobal, New Hebrides, Tonga, Puysegur), are not capable of producing giant earthquakes.”

Journal Reference:

  1. W.P. Schellart, N. Rawlinson. Global correlations between maximum magnitudes of subduction zone interface thrust earthquakes and physical parameters of subduction zonesPhysics of the Earth and Planetary Interiors, 2013; 225: 41 DOI: 10.1016/j.pepi.2013.10.001

Modern Caterpillars Feed at Higher Temperatures in Response to Climate Change (Science Daily)

Dec. 19, 2013 — Caterpillars of two species of butterflies in Colorado and California have evolved to feed rapidly at higher temperatures and at a broader range of temperatures over the past 40 years, suggesting that they are evolving quickly to cope with a hotter, more variable climate.

A Colias (sulphur) butterfly. (Credit: By Greg Hume (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons)

The work, led by Joel Kingsolver at UNC-Chapel Hill, represents a rare instance of how recent climate change affects physiological traits, such as how the body regulates feeding behavior.

“To our knowledge, this is the first instance where we show changes in physiological traits in response to recent climate change,” says Kingsolver, Kenan Distinguished Professor of Biology in UNC’s College of Arts and Sciences, whose work appears today in the journal Functional Ecology.

Caterpillars can eat and grow only when it’s not too cold and not too hot, explains Kingsolver. But when temperatures are ideal, caterpillars eat with reckless abandon and can gain up to 20 percent of their body weight in an hour. That growth determines their ability to survive, how quickly they become adult butterflies and their ultimate reproductive success.

Jessica Higgins, a graduate student in Kingsolver’s lab who spearheaded the study, worked with fellow graduate student Heidi MacLean, Lauren Buckley, currently at the University of Washington, and Kingsolver to compare modern caterpillars to their ancestors from 40 years ago.

Their results show that the two related species of Colias (sulphur) butterflies have adapted in two ways: they not only broadened the range of their ideal feeding temperatures but also shifted their optimal feeding temperature to a higher one.

In their work, the researchers measured changes in climate at the two study sites and then examined changes in how fast caterpillar ate using current and historical data from the 1970s, collected by Kingsolver’s graduate adviser Ward Watt.

Although they found little change in the average air temperature at both study sites, they noticed that the frequency of hot temperatures — that is, temperatures that exceeded 82 degrees Fahrenheit -increased two-fold in Colorado and four-fold in California over the past 40 years.

In response to these temperature fluctuations, modern caterpillars in Colorado ate faster at higher temperatures than their 1970s counterparts. In California, the modern caterpillars ate faster at both high and low temperatures than did their ancestors, but their optimal feeding temperatures did not change.

“These two species of caterpillars adapted to the increased frequency of higher temperatures over 40 years in two different ways, but both are better suited than their ancestors to thrive in a hotter, more variable climate,” says Higgins. “Our climate is changing. The thermal physiology of these species is changing, too.”

Assessing the Impact of Climate Change On a Global Scale (Science Daily)

Dec. 16, 2013 — Thirty research teams in 12 different countries have systematically compared state-of-the-art computer simulations of climate change impact to assess how climate change might influence global drought, water scarcity and river flooding in the future. What they found was:

• The frequency of drought may increase by more than 20 per cent in some regions.

• Without a reduction in global greenhouse-gas emissions, 40 per cent more people are likely to be at risk of absolute water scarcity.

• Increases in river flooding are expected in more than half of the areas investigated.

• Adverse climate change impacts can combine to create global ‘hotspots’ of climate change impacts.

Dr Simon Gosling from the School of Geography at The University of Nottingham co-authored four papers in this unique global collaboration. The results are published this week — Monday 16 December 2013 — in a special feature of the Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

For the project — ‘Intersectoral Impact Model Intercomparison Project (ISI-MIP)’ — Dr Gosling contributed simulations of global river flows to help understand how climate change might impact on global droughts, water scarcity and river flooding.

Dr Gosling said: “This research and the feature in PNAS highlights what could happen across several sectors if greenhouse gas emissions aren’t cut soon. It is complementary evidence to a major report I jointly-led with the Met Office that estimated the potential impacts of unabated climate change for 23 countries. Those reports helped major economies commit to take action on climate change that is demanded by the science, at the 17th UN Climate Change Conference of the Parties (COP17) in Durban.”

One of the papers reports a likely increase in the global severity of drought by the end of the century, with the frequency of drought increasing by more than 20 per cent in some regions — South America, Caribbean, and Central and Western Europe.

This in turn has an impact on water scarcity. Another paper co-authored by Dr Gosling shows that without reductions in global greenhouse-gas emissions, 40 per cent more people are likely to be at risk of absolute water scarcity than would be the case without climate change.

Dr Gosling said: “The global-level results are concerning but they hide important regional variations. For example, while some parts of the globe might see substantial increases in available water, such as southern India, western China and parts of Eastern Africa, other parts of the globe see large decreases in available water, including the Mediterranean, Middle East, the southern USA, and southern China.”

Another paper in the PNAS feature found that while river flooding could decrease by the end of the century across about a third of the globe, increases are expected at more than half of the areas investigated, under a high greenhouse gas emissions scenario.

Dr Gosling said: “More water under climate change is not necessarily always a good thing. While it can indeed help alleviate water scarcity assuming you have the infrastructure to store it and distribute it, there is also a risk that any reductions in water scarcity are tempered by an increase in flood hazard.”

The ISI-MIP team describe how adverse climate change impacts like flood hazard, drought, water scarcity, agriculture, ecosystems, and malaria can combine to create global ‘hotspots’ of climate change impacts4. The study is the first to identify hotspots across these sectors while being based on a comprehensive set of computer simulations both for climate change and for the impacts it is causing. The researchers identified the Amazon region, the Mediterranean and East Africa as regions that might experience severe change in multiple sectors.

The findings of the ISI-MIP are amongst the scientific publications that feed into the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) Working Group II report on climate change impacts to be presented in March 2014. The IPCC Working Group I report on physical climate science was published in September 2013.

Dr Gosling’s 23-volume report, Climate: observations, projections and impacts, commissioned by the Department of Energy and Climate Change (DECC), which he jointly led with the UK Met Office, addressed an urgent international need for scientific evidence on the impact of climate change to be presented in a consistent format for different countries, particularly those that lack an adequate research infrastructure, to facilitate valid international comparisons. Since COP17, the research has prompted governments to re-consider their options for adapting to climate change.

He said: “I think the results presented in the PNAS special feature have the potential for similar impact.”

Journal Reference:

  1. F. Piontek, C. Muller, T. A. M. Pugh, D. B. Clark, D. Deryng, J. Elliott, F. d. J. Colon Gonzalez, M. Florke, C. Folberth, W. Franssen, K. Frieler, A. D. Friend, S. N. Gosling, D. Hemming, N. Khabarov, H. Kim, M. R. Lomas, Y. Masaki, M. Mengel, A. Morse, K. Neumann, K. Nishina, S. Ostberg, R. Pavlick, A. C. Ruane, J. Schewe, E. Schmid, T. Stacke, Q. Tang, Z. D. Tessler, A. M. Tompkins, L. Warszawski, D. Wisser, H. J. Schellnhuber. Multisectoral climate impact hotspots in a warming worldProceedings of the National Academy of Sciences, 2013; DOI: 10.1073/pnas.1222471110

Drought and Climate Change: An Uncertain Future? (Science Daily)

Dec. 16, 2013 — Drought frequency may increase by more than 20% in some regions of the globe by the end of the 21st century, but it is difficult to be more precise as we don’t know yet how changes in climate will impact on the world’s rivers.

The results come from a study, published in Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), which examined computer simulations from an ensemble of state of the art global hydrological models driven by the latest projections from five global climate models used for the fifth assessment report of the Intergovernmental Panel on Climate Change.

The research was led by Dr Christel Prudhomme from the UK’s Centre for Ecology & Hydrology working with colleagues from the UK, USA, the Netherlands, Germany and Japan.

Increasing concentrations of greenhouse gases in the atmosphere are widely expected to influence global climate over the coming century. The impact on drought is uncertain because of the complexity of the processes but can be estimated using outputs from an ensemble of global hydrological and climate models.

The new study concluded that an increase in global severity of hydrological drought — essentially the proportion of land under drought conditions — is likely by the end of the 21st century, with systematically greater increases if no climate change mitigation policy is implemented.

Under the ‘business as usual’ scenario (an energy-intensive world due to high population growth and slower rate of technological development), droughts exceeding 40% of analysed land area were projected by nearly half of the simulations carried out. This increase in drought severity has a strong signal to noise ratio at the global scale; this mean we are relatively confident that an increase in drought will happen but we don’t know exactly by how much.

Dr Prudhomme said, “Our study shows that the different representations of terrestrial water cycle processes in global hydrological models are responsible for a much larger uncertainty in the response of hydrological drought to climate change than previously thought. We don’t know how much changed climate patterns will affect the frequency of low flows in rivers.”

One important source of uncertainty depends on whether the models allow plants to adapt to enriched carbon dioxide atmosphere. If this is accounted for, the increase in droughts due to warmer climate and changes in precipitation is mitigated by reduced evaporation from plants, because they are more efficient at capturing carbon during photosynthesis. The process of plant adaptation under an enriched carbon dioxide atmosphere is currently absent from the majority of conceptual hydrological models and only considered on a few land surface and ecology models.

Dr Prudhomme added, “When assessing the impact of climate change on hydrology it is hence critical to consider a diverse range of hydrological models to better capture the uncertainty.”

Journal Reference:

  1. C. Prudhomme, I. Giuntoli, E. L. Robinson, D. B. Clark, N. W. Arnell, R. Dankers, B. M. Fekete, W. Franssen, D. Gerten, S. N. Gosling, S. Hagemann, D. M. Hannah, H. Kim, Y. Masaki, Y. Satoh, T. Stacke, Y. Wada, D. Wisser.Hydrological droughts in the 21st century, hotspots and uncertainties from a global multimodel ensemble experimentProceedings of the National Academy of Sciences, 2013; DOI: 10.1073/pnas.1222473110

Democracy Pays (Science Daily)

Dec. 23, 2013 — In relatively large communities, individuals do not always obey the rules and often exploit the willingness of others to cooperate. Institutions such as the police are there to provide protection from misconduct such as tax fraud. But such institutions don’t just come about spontaneously because they cost money which each individual must contribute.

An interdisciplinary team of researchers led by Manfred Milinski from the Max Planck Institute for Evolutionary Biology in Plön has now used an experimental game to investigate the conditions under which institutions of this kind can nevertheless arise. The study shows that a group of players does particularly well if it has first used its own “tax money” to set up a central institution which punishes both free riders and tax evaders. However, the groups only set up institutions to penalize tax evasion if they have decided to do so by a democratic majority decision. Democracy thus enables the creation of rules and institutions which, while demanding individual sacrifice, are best for the group. The chances of agreeing on common climate protection measures around the globe are thus greater under democratic conditions.

In most modern states, central institutions are funded by public taxation. This means, however, that tax evaders must also be punished. Once such a system has been established, it is also good for the community: it makes co-existence easier and it helps maintain common standards. However, such advantageous institutions do not come about by themselves. The community must first agree that such a common punishment authority makes sense and decide what powers it should be given. Climate protection is a case in point, demonstrating that this cannot always be achieved. But how can a community agree on sensible institutions and self-limitations?

The Max Planck researchers allowed participants in a modified public goods game to decide whether to pay taxes towards a policing institution with their starting capital. They were additionally able to pay money into a common pot. The total paid in was then tripled and paid out to all participants. If taxes had been paid beforehand, free riders who did not contribute to the group pot were punished by the police. In the absence of taxation, however, there would be no police and the group would run the risk that no-one would pay into the common pot.

Police punishment of both free riders and tax evaders quickly established cooperative behavior in the experiment. If, however, tax evaders were not punished, the opposite happened and the participants avoided paying taxes. Without policing, there was no longer any incentive to pay into the group pot, so reducing the profits for the group members. Ultimately, each individual thus benefits if tax evaders are punished.

But can participants foresee this development? To find out, the scientists gave the participants a choice: they were now able to choose individually whether they joined a group in which the police also punish tax evaders. Alternatively, they could choose a group in which only those participants who did not pay into the common pot were penalized. Faced with this choice, the majority preferred a community without punishment for tax evaders — with the result that virtually no taxes were paid and, subsequently, that contributions to the group pot also fell.

In a second experimental scenario, the players were instead able to decide by democratic vote whether, for all subsequent rounds, the police should be authorized to punish tax evaders as well as free riders or only free riders. In this case, the players clearly voted for institutions in which tax evaders were also punished. “People are often prepared to impose rules on themselves, but only if they know that these rules apply to everyone,” summarizes Christian Hilbe, the lead author of the study. A majority decision ensures that all participants are equally affected by the outcome of the vote. This makes it easier to introduce rules and institutions which, while demanding individual sacrifice, are best for the group.

The participants’ profits also demonstrate that majority decisions are better: those groups which were able to choose democratically were more cooperative and so also made greater profits. “Democracy pays — in the truest sense of the word,” says Manfred Milinski. “More democracy would certainly not go amiss when it comes to the problem of global warming.”

Dois em três alunos no Brasil não sabem frações e porcentagens (O Globo)

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Resultado do Pisa 2012 mostrou que estudantes brasileiros de 15 anos também demonstram dificuldade em entender gráficos simples

Dois em cada três estudantes de 15 anos no Brasil não sabem trabalhar operações matemáticas simples como frações, porcentagem e relações proporcionais. Esse é um dos resultados do Pisa 2012, divulgado nesta terça-feira (04) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE). Apesar de ser um dos países que mais apresentou avanços na matéria na última década, o Brasil ainda ocupa a 57ª posição dentre 65 nações avaliadas, com 391 pontos. No topo da tabela, a província chinesa de Xangai, aos 613 pontos.

Para comparar o desempenho de diversos sistemas de ensino pelo mundo, a OCDE determinou critérios comuns a serem avaliados, porém balanceados segundo a formação sócio-econômica dos participantes. A parte de Matemática, que foi o foco da prova do Pisa 2012, quis medir a capacidade dos estudantes para formular, empregar e interpretar a matemática em uma variedade de contextos do dia a dia, na resolução de problemas. Por isso, para os avaliadores, não basta que um aluno saiba somar e dividir, por exemplo, mas sim colocá-los em prática.

A partir da pontuação na prova, a OCDE estabeleceu seis níveis de rendimento, onde o seis é o nível máximo de conhecimento. No Brasil, mais de dois terços dos quase 20 mil estudantes que fizeram a prova ficaram na faixa que vai até o nível dois, ou seja, bem abaixo na tabela. Nesse nível, eles conseguem interpretar e reconhecer situações em contextos que exigem apenas a inferência direta, além de fazerem interpretação literal dos resultados. Mas para por aí. Mais de 65% dos estudantes brasileiros não conseguem analisar um gráfico ou uma situação do cotidiano e traduzir o problema para modelos matemáticos.

Como exemplo para explicar sua metodologia, a OCDE mostrou uma questão da prova de Matemática onde o aluno se depara um gráfico em plano cartesiano contendo quatro grupos de rock, segundo a quantidade de CDs vendidos por mês. A partir daí, foi pedido para que o aluno identificasse em qual mês uma determinada banda vendeu mais discos do que outra, tarefa considerada complexa para muitos dos brasileiros.

Para o diretor-adjunto do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), Cláudio Landim, o Brasil tem o que comemorar, sobretudo na parte mais baixa da tabela, os 10% piores, que melhoraram 100 pontos de 2003 a 2012. No entanto, Landim reconheceu que o país vive ainda uma situação “precária”:

– Não saber usar frações ou porcentagens é cada vez mais grave, pois vivemos num mundo tecnológico, onde dominar essa operações é cada vez mais imperativo – argumenta o diretor do Impa.

Cláudio Landim também ressaltou que grande parte da dificuldade dos alunos em entender gráficos simples ou tabelas vem da deficiência em Leitura, outra área analisada pelo Pisa:

– Quando participamos da Olimpíada Brasileira de Matemática, percebemos que a dificuldade do aluno é compreender o que está sendo perguntado. É compreensão do texto, puramente isso. Uma grande parcela não consegue responder porque não entende o que está lendo. A compreensão textual tem impacto significativo na Matemática.

Com 391 pontos em Matemática, o Brasil ficou abaixo de vizinhos como o Chile, e de outros emergentes como a Turquia, 44ª no ranking, aos 448 pontos. Como para a OCDE, 41 pontos na tabela equivaleria a um ano de estudo formal, os alunos brasileiros teriam que estudar um ano a mais para alcançar o nível de seus colegas turcos, ou quase três anos para se aproximarem do nível do Vietnã, que ficou em 17º lugar, com 511 pontos. Já se a comparação for com os estudantes de Xangai, líderes na prova, o Brasil deveria recuperar cinco anos de atraso.

Preocupação na indústria
O desempenho do Brasil foi considerado preocupante pelo gerente-executivo de Estudo e Prospectiva da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Luiz Caruso. Segundo ele, as baixas na educação desses jovens podem impactar sobre o desenvolvimento da indústria no país.
– Quando estiverem no mercado de trabalho, eles terão mais dificuldade para absorver e trabalhar com novas tecnologias, o que impacta diretamente a produtividade e a competitividade do país. Sem uma educação básica de boa qualidade, a gente não tem cidadão e nem um bom trabalhador – avalia Caruso.

De acordo com Caruso, a realidade também merece atenção, se levado em consideração as oportunidades em educação profissionalizante, que vêm recebendo investimentos do governo:

– É difícil trabalhar com esses jovens, pois a educação profissional requer maior grau de complexidade. E como os jovens apresentam defasagem em disciplinas básicas como matemática e português, acaba sendo necessário sanar essas dificuldades durante o ensino médio, ocupando uma parte da carga horária que poderia ser destinada a fins mais específicos – afirma.

(Leonardo Vieira/O Globo)
http://oglobo.globo.com/educacao/dois-em-tres-alunos-no-brasil-nao-sabem-fracoes-porcentagens-10968622#ixzz2mbsK9vAX

Meio Ambiente aprova selo para empresa que não usar animais como cobaias (Agência Câmara)

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Segundo o projeto, órgãos públicos verificarão as condições das empresas cadastradas voluntariamente para a obtenção do selo

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou, nesta quarta-feira (4), o Projeto de Lei 4586/12, do deputado Ricardo Izar (PSD-SP), que cria o selo nacional “Brasil sem Maus-Tratos”. A identificação será concedida a empresas e instituições que não utilizem animais em experimentos científicos ou testes de produtos, não usem matéria prima de origem animal para elaboração de produtos, e promovam a cultura de defesa dos direitos dos animais.

A proposta original previa o selo apenas para organizações que não utilizassem animais em experimentos científicos. Uma emenda do relator na comissão, deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), incluiu os outros critérios para receber a menção.

“A sociedade brasileira demonstra sua preocupação com a aplicabilidade das normas e preceitos de bem-estar animal”, disse.

Conforme o projeto, a cada dois anos, os órgãos competentes verificarão as condições das empresas cadastradas voluntariamente para a obtenção do selo.

Provas
Outra emenda aprovada na comissão obriga as empresas a demonstrar, com provas documentais, iniciativas e investimentos em métodos alternativos sem usar animais; na não utilização de matéria prima de origem animal; no desenvolvimento de ações de conscientização sobre defesa dos direitos dos animais; e na promoção do bem-estar animal.

O texto inicial previa a comprovação de preocupação com a defesa dos direitos dos animais e com práticas sociais em benefício de jovens, idosos, pessoas com deficiência e pessoas de baixa renda.

Comissão interministerial
Tripoli retirou da proposta a criação de uma comissão interministerial para avaliar os candidatos ao selo a ser formada por representantes dos ministérios da Saúde; da Ciência e Tecnologia; e do Meio Ambiente. Segundo ele, a medida é inconstitucional e poderia prejudicar a aprovação do texto pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

O debate sobre o projeto ganhou mais visibilidade depois que, na madrugada de 18 de outubro, um grupo de ativistas invadiu o Instituto Royal, localizado em São Roque, no interior paulista, e retirou 178 cães da raça beagle que estavam sendo usados em testes científicos.

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

(Tiago Miranda/Agência Câmara)

Desafios do clima (O Globo)

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Artigo de Carlos Rittl* publicado no Globo. Em nosso caso, precisamos deixar de lado discurso de que já fizemos muito e mais que os outros

A 19ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro da ONU sobre Mudança do Clima, realizada em Varsóvia, acabou com resultados fracos. Em vez de respostas à emergência climática, países como Japão e Austrália reduziram seus compromissos de corte de emissões de gases de efeito estufa. Venceu o lobby dos que não querem ação, como o setor dos combustíveis fósseis. Perdemos, todos, o recurso mais precioso que temos para resolver o problema, o tempo.

Talvez a única boa nova da COP19 tenha sido a mobilização para a COP20, em Lima, em 2014. O governo do Peru prometeu restabelecer a confiança no processo. A sociedade civil global se mobiliza para cobrar todos os governos em 2014. A COP20 será fundamental: é preciso definir quem vai “pagar a conta” das mudanças climáticas, como pagará (cortes de emissões, financiamento, tecnologia etc.) e quando pagará. E também garantir apoio a países em desenvolvimento, em especial os mais pobres e mais vulneráveis, aos efeitos das mudanças climáticas, de que forma será este apoio e a que tempo.

Em 2014, todos os países precisam apresentar sua proposta de compromisso de redução de emissões para o pós-2020. Em nosso caso, precisamos deixar de lado o discurso de que já fizemos muito e mais do que os outros, que nossa matriz energética é limpa, que reduzimos o desmatamento. Nenhum dos nossos maiores planos de desenvolvimento ou nossa política fiscal e tributária é vinculado a uma lógica econômica baseada em reduções progressivas de emissões de gases de efeito estufa.

O Plano de Expansão da Geração de Energia 2022 prevê mais de R$ 800 bilhões de investimentos em combustíveis fósseis – 72% do investimento total em energia do país. Apenas de 1% a 2% dos recursos do Plano Agrícola e Pecuário anual são investidos em agricultura de baixo carbono. Uso da terra, energia e agropecuária são responsáveis por mais de 90% das nossas emissões, como aponta o Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima. Com o salto da taxa do desmatamento na Amazônia em 2013, de 28% em relação a 2012 – terceiro maior aumento relativo da taxa já registrado – teremos muito provavelmente todos os setores de nossa economia contribuindo para o aumento das emissões em 2013.

O documento de atualização do Plano Nacional sobre Mudança do Clima, objeto recente de consulta pública, relaciona ações em execução, mas não é nada estratégico, com metas, prazos, orçamento, sistema de monitoramento e avaliação bem definidos.

Para colocar nossa economia no caminho inevitável e estratégico de baixas emissões de carbono no longo prazo, o país tem cumprir o que rege a Política Nacional sobre Mudança do Clima, promover a compatibilização dos princípios, objetivos e diretrizes de todas as políticas e programas governamentais com os desta Política. Ao fim de 2013, estamos longe disso.

*Carlos Rittl é secretário executivo do Observatório do Clima.

(O Globo)
http://oglobo.globo.com/opiniao/desafios-do-clima-10971024#ixzz2mc121Ii6

*   *   *

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Painel afirma que mudanças climáticas trazem risco a curto e longo prazo

Relatório do Conselho Nacional de Pesquisa americano cita possível colapso do gelo no mar polar, uma potencial extinção em massa da vida vegetal e animal, e a ameaça de zonas mortas no oceano

O aquecimento global contínuo representa um risco de mudanças rápidas e drásticas em alguns sistemas humanos e naturais, advertiu nesta terça-feira um painel científico, que cita ainda o possível colapso do gelo no mar polar, uma potencial extinção em massa da vida vegetal e animal, e a ameaça de zonas mortas no oceano.

Ao mesmo tempo, alguns dos piores temores em relação a mudanças climáticas já incorporados ao imaginário popular podem ser descartadas como improváveis, pelo menos durante o próximo século, o painel concluiu. Estes incluem um repentino aumento de liberação de metano dos oceanos ou do Ártico capaz de fritar o planeta, bem como o desligamento da circulação de calor no Oceano Atlântico, que iria resfriar áreas de terras próximas – temor que inspirou o apocalíptico filme “O dia depois de amanhã”, de 2004.

O painel foi nomeado pelo Conselho Nacional de Pesquisa (National Research Council, em inglês), um grupo sem fins lucrativos de Washington que supervisiona estudos sobre as principais questões científicas. Em um relatório divulgado terça-feira, o painel pediu a criação de um sistema que alerte com antecedência a sociedade sobre mudanças capazes de produzir caos. Surpresas climáticas desagradáveis ? já ocorreram, e novas surpresas parecem inevitáveis, talvez dentro de algumas décadas, avisaram os membros do painel. Mas, segundo eles, pouco tem sido feito para se preparar para elas.

– A realidade é que o clima está mudando – disse James WC White, paleoclimatologista da Universidade de Colorado Boulder, que chefiou a comissão sobre os impactos das mudanças climáticas bruscas. – E ele vai continuar mudando, e fazer parte do cotidiano dos séculos vindouros. Talvez até mais do que isso.

A maioria dos cientistas do clima acredita que a liberação de gases do efeito estufa causada pelo homem tem tornado as enormes mudanças na terra inevitáveis, mas também espera que muitas delas evoluam num ritmo lento o suficiente para que a sociedade possa se adaptar.

O documento do painel divulgado terça-feira é o último de uma série de relatórios a considerar a possibilidade de algumas mudanças ocorrem de forma súbita, provocando estresse social ou ambiental, e até mesmo colapso. Como os relatórios anteriores, o novo considera muitas possibilidades potenciais e descarta a maioria delas como improvável – pelo menos a curto prazo. Mas alguns dos riscos são reais, aponta o painel, e em vários casos já aconteceu.

Ele citou o surto de besouros no oeste americano e no Canadá. Sem as noites muito frias no inverno que antes os matavam, os besouros destruíram dezenas de milhões de hectares de florestas. O dano foi tão grave que pode ser visto do espaço.

Da mesma forma, um declínio drástico do gelo marinho de verão ocorreu muito mais rápido no Ártico do que os cientistas esperavam. O painel advertiu que o gelo do mar Ártico pode desaparecer no verão dentro de várias décadas, com impactos severos sobre a vida selvagem e as comunidades humanas na região, além de efeitos desconhecidos para os padrões climáticos do mundo.

Entre os maiores riscos para os próximos anos, o painel prevê um aumento da taxa de extinção de plantas e animais, com as mudanças climáticas provocando a sexta extinção em massa na história da Terra. Muitos dos recifes de coral no mundo, fontes vitais de peixes que servem de alimento para milhões de pessoas, já parecem fadados a desaparecer dentro de algumas décadas.

Outro risco, visto como moderadamente provável no próximo século, é o aumento de calor na parte superior do oceano provocar a redução de oxigênio nas profundezas. No pior dos casos, haveria criação de grandes zonas com muito pouco oxigênio para a sobrevivência das criaturas do mar, com consequências desconhecidas para a ecologia global do oceano, disse o painel.

O relatório considerou a que a possibilidade de um colapso do manto de gelo da Antártica Ocidental, considerada especialmente vulnerável ao aquecimento do oceano, iria acelerar bastante a taxa de aumento do nível do mar. A curto prazo, este risco “desconhecido, mas provavelmente baixo”.

(Justin Gillis, do New York Times/O Globo)
http://oglobo.globo.com/ciencia/revista-amanha/painel-afirma-que-mudancas-climaticas-trazem-risco-curto-longo-prazo-10965038#ixzz2mbqJmetX

Cid faz usina termelétrica no Ceará só para aquário (Folha de São Paulo)

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Governo do Ceará já orçou R$ 261 milhões para erguer aquele que seria quarto maior reservatório do mundo

O aquário que o governo Cid Gomes (Pros) constrói em Fortaleza terá um gasto adicional de R$ 16 milhões para a construção de uma usina termelétrica exclusiva.

O valor se soma aos US$ 110 milhões (R$ 261 milhões, pelo câmbio de ontem) já orçados para erguer o aquário de 21,5 mil m² e 38 tanques, que pretende ser o quarto maior do mundo, com 15 milhões de em litros de água (ou quatro piscinas olímpicas).

A usina a gás servirá, entre outras funções, para controlar a temperatura da água dos 35 mil animais que deverão habitar o espaço a partir de janeiro de 2015, prazo previsto para conclusão da obra.

O governo do Ceará diz que a usina estava prevista no projeto e não trará problemas ambientais. “Pela sua dimensão, o equipamento precisa de um plano B de energia, em caso de problemas operacionais”, diz o secretário do Turismo, Bismarck Maia.

O governo não soube informar o custo de manutenção da usina, que não é especificado na licitação da obra.

A termelétrica soma mais um elemento às críticas ao aquário. Para o deputado de oposição Heitor Férrer (PDT), o equipamento visa “dar luxo a uma casa de peixe”. “É uma obra grandiosa para um Estado pobre”, diz ele.

O governo Cid Gomes tem sido marcado por polêmicas no uso do dinheiro público. Em 2008, o irmão de Ciro Gomes teve que pedir desculpas por levar a sogra a Europa, em visita oficial, em jato fretado pelo governo por R$ 540 mil (valores atualizados).

Neste ano, Cid pagou cachê de R$ 650 mil para Ivete Sangalo para inaugurar um hospital em Sobral, berço político dos irmãos Gomes.

Outro alvo de críticas em 2013 foi a contratação de um bufê por R$ 3,4 milhões que incluía itens como caviar, escargot e lagosta.

INGRESSO
Já o Acquário Ceará é criticado desde o anúncio da obra, em 2009. Em julho deste ano, manifestantes acamparam no bairro da obra em protesto contra o avanço do empreendimento.

O preço dos ingressos ainda não está definido, mas deve ficar entre R$ 45 e R$ 50.

“Ainda é uma estimativa, pelo que observamos em outros aquários. Em Lisboa, por exemplo, a taxa varia entre 15 a 20 euros [R$ 48 a R$ 64]”, diz o secretário do Turismo.

O governo estima que o aquário possa receber até 1,2 milhão de turistas por ano –número próximo ao 1,5 milhão de turistas que se registraram em hotéis em Fortaleza durante o ano de 2011.

(André Uzêda/Folha de São Paulo)

Notícias relacionadas à polêmica ao redor do gás de xisto

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Extensa audiência pública sobre a exploração do gás de xisto causa polêmica

Encontro foi promovido ontem pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados

Os constantes debates acerca da exploração do gás de xisto no Brasil continuam gerando polêmica. O cerne da questão gira em torno dos graves impactos sobre o ambiente e a saúde pública. A contaminação de lençóis freáticos e o uso excessivo da água são as maiores críticas feitas pela forma como o gás é explorado.

Hoje é realizada uma técnica chamada fraturação hidráulica. Nesse processo, toneladas de água misturadas a produtos químicos e areia são injetadas na rocha para se extrair o gás, após furos verticais e horizontais. A água usada volta à superfície já poluída por hidrocarbonetos, metais e aditivos químicos.

Para debater a questão, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados promoveu mais uma audiência pública, realizada na manhã desta quinta-feira (5/12), em Brasília.

Contra a exploração, o Partido Verde quer impedir o procedimento no Brasil. “Não temos segurança tecnológica para explorar isso. Por que não damos ênfase nas energias renováveis?”, criticou o deputado Sarney Filho (PV/MA),líder do partido na Câmara dos Deputados. Ele afirmou que o PV vai propor uma moratória de cinco anos de prospecção do recurso. O parlamentar informou que o partido tomará a decisão como exemplo de países da União Européia, como a França.

“A exploração do xisto é relativamente nova. Tem ocorrido com bastante intensidade nos países afora. É preciso que se façam estudos cautelosamente”, afirmou o parlamentar. “E o Brasil, ao contrário dos Estados Unidos e França, tem alternativas. Temos produção de energia elétrica limpa, quase toda ela de hidrelétrica, temos potencial da energia solar e eólica, que está sendo subaproveitado”, explicou Sarney Filho.

Segundo Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha de Energia da ONG Greenpeace, o uso do gás de xisto não é imprescindível neste momento. “Ainda que a demanda energética nacional aumente mais de duas vezes até 2050, temos fontes renováveis e reservas de gás convencional suficientes para suprir a demanda do setor industrial e elétrico”, defendeu.

Para Carlos Alberto Bocuhy, do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, o País “não pode embarcar em uma aventura tecnológica (exploração de gás de xisto) ainda sem respostas”.

O professor da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Scheibe alertou que a exploração de gás não convencional, ou de xisto no País, deve ser submetida a uma avaliação ambiental estratégica antes de autorizada. A avaliação, prevista legalmente, é um instrumento mais amplo do que os estudos de impacto ambiental normalmente utilizados para o licenciamento de empreendimentos energéticos.

Também pesquisador do tema e Conselheiro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Jailson de Andrade lembrou que a maioria dos estudos sobre o assunto aponta a necessidade de estudos prévios locais para exploração. Segundo ele, ainda há muita controvérsia científica quanto à questão.

“Há um estudo da National Academy of Science, nos Estados Unidos, que mostra que, em 141 poços de água potável na Pensilvânia, quanto mais próximo de áreas de exploração de gás não convencional, maior a quantidade de metano (tóxico e inflamável) na água”, informou Jailson. “A controvérsia na literatura é se isso já existia antes ou se é resultado da perfuração para obtenção de gás”, observou o pesquisador.

E acrescenta “O Brasil está em uma posição muito confortável em relação à energia, sua matriz energética é majoritamente hídrica, renovável, tem um programa de bicombustível que é o melhor do mundo, então porque entrar nesta nova era sem a menor necessidade energética que justifique isto?”.

Nomenclatura
Apesar de chamar de gás de xisto, os especialistas da área esclareceram durante o debate que a questão é em relação ao gás natural extraído de folhelho (shale gas, em inglês). Folheto é uma rocha argilosa de origem sedimentar; xisto é uma rocha metamórfica, de outra origem, portanto. Mas, há uma longa e equivocada tradição brasileira de chamar folhelho (shale) de xisto (schist), daí se falar muito em gás de xisto.

Carta
A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Academia Brasileira de Ciências (ABC) enviaram uma carta à presidente Dilma Rousseff, solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto, até que estudos mais conclusivos sobre a questão sejam realizados.

No documento, a presidente da SBPC, Helena Nader, e o presidente da ABC, Jacob Palis, justificam sua preocupação pelo fato de que a exploração econômica do gás de xisto vir sendo muito questionada pelos danos ambientais irreversíveis que pode causar.

Por isso, eles pedem que antes da realização da licitação sejam realizados novos estudos por universidades e institutos de pesquisa públicos, sobre a real potencialidade da utilização do método da fratura hidráulica para a retirada do produto das rochas e os possíveis prejuízos ambientais causados por isso.

Governo
Otaviano da Cruz Pessoa, gerente-geral da Gerência Executiva de Exploração da Petrobras, reconheceu que, de fato, há riscos na exploração de gás de xisto. Mas, segundo ele, são riscos inerentes a qualquer atividade energética, inclusive de gás convencional.

” A única diferença do gás de xisto em relação ao tradicional é que, no caso do xisto, as rochas onde está o gás têm menos fluidos e, por isso, você tem que perfurar milhares de poços”, explicou Pessoa.

De acordo com Luciano Teixeira, representante da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), os riscos inerentes à exploração de gás de xisto são reais e devem ser melhor conhecidos e mitigados. Mas, segundo ele, a exploração comercial do produto dependerá de autorização prévia, a partir de critérios que devem ser divulgados pela agência em janeiro em uma nova regulamentação.

“Essa regulamentação tem uma base forte na questão da apresentação de estudos e documentações que venham a demonstrar que aquele operador está em condições de realizar aquela atividade e que o ambiente onde ele vai realizar a atividade vai estar protegido da melhor forma possível”, afirmou.

No entanto, Luciano Teixeira explicou que “E, com isso, conta-se com a apresentação de licenciamentos ambientais, estratégia de utilização e disposição de efluentes gerais e o monitoramento de toda a região com relação à possível degradação dos recursos hídricos.”

Segundo o representante da ANP, a atual fase de pesquisa não depende de autorização prévia. Essa etapa pode levar até oito anos, prorrogáveis por mais seis.

Leilão
Em leilão realizado, no dia 28 de novembro, pela ANP, foram arrematados 72 de 240 blocos ofertados com possibilidade de exploração de gás de xisto.A Petrobras participará da exploração em 70% das áreas, localizadas, principalmente, em Sergipe, Alagoas, Bahia e Paraná. Em um primeiro momento, as empresas estão autorizadas apenas a fazer pesquisas para avaliar a segurança econômica, ambiental e social da exploração.

(Camila Cotta, com informações de Beatriz Bulhões e da Agência Câmara)

Matérias de arquivo do Jornal da Ciência:

SBPC e ABC enviam carta à presidente Dilma Rousseff solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=88545

Cientistas querem adiar exploração de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=90623

*   *   *

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Petrobras diz que pode devolver blocos de xisto se a exploração for inviável

A Petrobras arrematou 70% dos 72 blocos leiloados pela ANP, na última semana

Questionado por representantes da sociedade civil presentes à audiência pública sobre exploração de gás de xisto, na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira, o representante da Petrobras, Otaviano da Cruz Pessoa, disse que, se a pesquisa indicar insegurança econômica, regulatória ou ambiental, a empresa poderá devolver blocos arrematados para exploração de gás não convencional. A Petrobras arrematou 70% dos 72 blocos leiloados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), na última semana.

“Embora áreas tenham potencial de existência de recurso não convencional, a Petrobras prioriza o convencional”, disse. “Se, ao fim da fase exploratória (pesquisa), os recursos se mostrarem viáveis economicamente e a produção, segura e regulada, a Petrobras poderá fazer. Caso isso não se verifique, a Petrobras poderá devolver áreas”, completou.

Também questionado por parlamentares e representantes da sociedade civil sobre a necessidade de leilão para gás de xisto neste momento, mesmo com o potencial do país em outras matrizes energéticas, inclusive renováveis, o representante da ANP, Luciano Teixeira, afirmou que, nesse campo, quanto antes os estudos começarem, melhor.

“A gente não tem muito margen para esperar tudo acontecer para realizer estudos. Parte dos estudos implica ver o que temos lá e se ele é viável”, destacou Teixeira.

A audiência pública sobre a exploração de gás de xisto já se encerrou.

(Ana Raquel Macedo/Agência Câmara)

*   *   *

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Conselho Nacional de Recursos Hídricos quer mais pesquisa sobre exploração de xisto

O gás de xisto ou folhelho está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade

O Conselho Nacional de Recursos Hídricos deve votar, no próximo dia 17 de dezembro, moção pedindo mais ênfase nas pesquisas antes que a exploração comercial de gás de xisto (tecnicamente, chamado de gás de folhelho) seja liberada no País. A informação é de Marcelo Medeiros, da Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, que participa de audiência pública sobre o assunto na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira.

De acordo com Medeiros, o edital do leilão da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP) realizado para exploração do gás não convencional ou de xisto, na última semana, prevê que os estudos devem ser feitos por um período de cinco a oito anos, podendo ser estendido por mais seis anos. Dos 240 blocos oferecidos no leilão, 72 foram arrematados, principalmente em Sergipe, Alagoas, Bahia e Paraná.

“Não somos contra perfuração para pesquisa, tem que haver nível de conhecimento sobre questão. A exploração para pesquisa deve ser feita e, se for o caso, estendida,” avaliou Medeiros.

O representante do Ministério do Meio Ambiente destacou que, no curto prazo, os efeitos da exploração comercial de gás de xisto, a partir da técnica de fraturamento hidráulico de rochas subterrâneas, podem levar à contaminação de lençóis freáticos por gás metano (que é tóxico e explosivo) ou substâncias químicas, inclusive radioativas, usadas no processo. Há, de acordo com Marcelo Medeiros, uma preocupação sobre a quantidade de água gasta no processo e uma indefinição sobre meios seguros de destinação do líquido residual do fraturamento, possivelmente contaminado.

O gás de xisto ou folhelho está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade. Para extraí-lo, as rochas são quebradas ou fraturadas, com a injeção de grandes quantidades de água, areia e produtos químicos.

Mais avaliação
Segundo Fernando Roberto de Oliveira, gerente de Águas Subterrâneas da Superintendência de Implementação e Projetos da Agência Nacional de Águas (ANA), os impactos da obtenção do gás não convencional ainda precisam ser melhor avaliado antes da liberação comercial dos recursos.

“Se não tivermos conhecimento geológica local, a possibilidade de avançarmos com segurança fica comprometida. Temos que conhecer melhor a hidrogeologia”, explicou.

Um dos autores do pedido de realização da audiência, o deputado Sarney Filho (PV-MA) alertou que falta regulamentação sobre o setor. “Não sabemos efeitos que exploração pode causar nos aquíferos, meio ambiente e no social”, disse.

A audiência pública continua no Plenário 8.

(Ana Raquel Macedo/ Agência Câmara)

* * *

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Comissão discute exploração de xisto e seus efeitos sobre o meio ambiente

Há preocupação com riscos de vazamentos subterrâneos, contaminação de aquíferos, danos aos reservatórios e possibilidade de abalos sísmicos

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável promove audiência pública hoje, às 10 horas, para discutir a exploração do xisto em território nacional e seus efeitos sobre o meio ambiente. O evento foi solicitado pelos deputados Sarney Filho (PV-MA), Penna (SP) e Pedro Uczai (PT-SC).

Os parlamentares estão preocupados com o leilão de gás de xisto proposto pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP): “A exploração desse gás no Brasil ocorre no Paraná, mas em pequena escala. Não serve de parâmetro para os projetos em grande escala que estão sendo anunciados pela ANP”.

Também chamado de gás não convencional, o gás de xisto está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade. Para extraí-lo, as rochas são explodidas, ou fraturadas, com a injeção de grandes quantidades de água, areia e produtos químicos. O método é chamado de fraturamento hidráulico.

Aumento do consumo nos EUA
Nos Estados Unidos, o gás de xisto corresponde, hoje, a 16% da demanda nacional de gás natural; em 2000, era apenas 1% desse total. Os empresários estimam que em 2035 essa fonte possa ocupar 46% do consumo de gás nos EUA.

Os deputados argumentam que os problemas ambientais relacionados à exploração do gás de xisto são imensos: “Conforme estudiosos há riscos de vazamentos subterrâneos; contaminação de aquíferos; danos aos reservatórios produtores de água; possibilidade de abalos sísmicos”.

Eles ressaltam que a tecnologia usual faz uso de uma grande quantidade de água e, consequentemente, também gera um grande volume de rejeitos líquidos poluídos: “O processo industrial é extremamente perigoso. Existe a grande possibilidade de explosões, incêndios, vazamentos de fluidos contaminando solo, e danos aos poços perfurados”.

Convidados
Foram convidados para discutir o tema com os deputados:
– o representante da área de Segurança Operacional e Meio Ambiente da Agência Nacional do Petróleo (ANP) Luciano Silva Pinto Teixeira;
– o gerente de Águas Subterrâneas da Superintendência de Implementação e Projetos da Agência Nacional de Águas, Fernando Roberto de Oliveira;
– o gerente geral de Interpretação e Avaliação das Bacias Terrestres da área de Exploração e Produção da Petrobras, Otaviano da Cruz Pessoa;
– o professor da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Shceibe;
– o especialista em efeitos ambientais na prospecção do gás de xisto Jailson de Andrade;
– o coordenador da Campanha de Energias Renováveis do Greenpeace Brasil, Ricardo Baitelo; e
– o presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Alberto HailerBocuhy.
A audiência ocorrerá no Plenário 8.

(Agência Câmara)

* * *

JC e-mail 4865, de 29 de novembro de 2013

Preocupações de indígenas com exploração de gás e petróleo serão levadas a autoridades

A Funai denunciou que a ANP não levou em conta o relatório feito pela Fundação sobre o leilão de 240 blocos de petróleo e gás que está sendo realizado hoje no Rio

As sugestões e preocupações apresentadas pelos participantes da audiência que discutiu o leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação serão colocadas em um documento e levados a diversas autoridades, como o Ministério de Minas e Energia e a Presidência da República. A iniciativa será apoiada pelo presidente da Comissão de Legislação Participativa, deputado Lincoln Portela (PR-MG).

No debate realizado nesta quinta-feira, encerrado há pouco, a Funai denunciou que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) não levou em conta o relatório feito pela Fundação sobre o leilão de 240 blocos de petróleo e gás que está sendo realizado hoje no Rio de Janeiro.

Já representantes de comunidades indígenas disseram estar preocupados com a preservação ambiental das áreas de exploração em que há comunidades indígenas e disseram estar dispostos a entrar em guerra pela causa.

(Silvia Mugnatto/Agência Câmara)

Anthropology and the Anthropocene (Anthropology News)

By Anthropology News on December 17, 2013 at 2:44 pm

By Amelia Moore

“The Anthropocene” is a label that is gaining popularity in the natural sciences.  It refers to the pervasive influence of human activities on planetary systems and biogeochemical processes.   Devised by Earth scientists, the term is poised to formally end the Holocene Epoch as the geological categorization for Earth’s recent past, present, and indefinite future.  The term is also poised to become the informal slogan of a revitalized environmental movement that has been plagued by popular indifference in recent years.

Climate change is the most well known manifestation of anthropogenic global change, but it is only one example of an Anthropocene event.  Other examples listed by the Earth sciences include biodiversity loss, changes in planetary nutrient cycling, deforestation, the hole in the ozone layer, fisheries decline, and the spread of invasive species.  This change is said to stem from the growth of the human population and the spread of resource intensive economies since the Industrial Revolution (though the initial boundary marker is in dispute with some scientists arguing for the Post-WWII era and others for the advent of agriculture as the critical tipping point).  Whatever the boundary, the Anthropocene signifies multiple anthropological opportunities.

What stance should we, as anthropologists, take towards the Anthropocene? I argue that there are two (and likely more), equally valid approaches to the Anthropocene: anthropology in the Anthropocene and anthropology of the Anthropocene.  Anthropology in the Anthropocene already exists in the form of climate ethnography and work that documents the lived experience of global environmental change.  Arguably, ethnographies of protected areas and transnational conservation strategies exemplify this field as well.  Anthropology in the Anthropocene is characterized by an active concern for the detrimental affects of anthropogenesis on populations and communities that have been marginalized to bear the brunt of global change impacts or who have been haphazardly caught up in global change solution strategies.  This work is engaged with environmental justice and oriented towards political action.

Anthropology of the Anthropocene is much smaller and less well known than anthropology in the Anthropocene, but it will be no less crucial.  Existing work in this vein includes those who take a critical stance towards climate science and politics as social processes with social consequences.  Beyond deconstruction, these critical scholars investigate what forms scientific and political assemblages create and how they participate in remaking the world anew.  Other existing research in this mode interrogates the idea of biodiversity and the historical and cultural context for the notion of anthropogenesis itself.  In the near future, we will see more work that can enquire into both the sociocultural and socioecological implications and manifestations of Anthropocene discourse, practice and logic.

I have only created cursory sketches of anthropology in the Anthropocene and anthropology of the Anthropocene here.  However, these modes are not at all mutually exclusive, and they should inspire many possibilities for future work.  The centrality of anthropos, the idea of the human, within the logics of the Anthropocene is an invitation for anthropology to renew its engagements with the natural sciences in research collaborations and as the object of research, especially the ecological and Earth sciences.

For starters, we should consider the implications of the Anthropocene idea for our understandings of history and collectivity.  If the natural world is finally gaining recognition within the authoritative sciences as intimately interconnected with human life such that these two worlds cease to be separate arenas of thought and action or take on different salience, then both the Humanities and the natural sciences need to devise more appropriate modes of analysis that can speak to emergent socioecologies.  This has begun in anthropology with some recent works of environmental health studies, political ecology, and multispecies ethnography, but is still in its infancy.

In terms of opportunities for legal and political engagement, the Anthropocene signifies possibilities for reconceptualizing environmentalism, conservation and development.  Anthropologists should be cognizant of new design paradigms and models for organizing socioecological collectives from the urban to the small island to the riparian.  We should also be on the lookout for new political collaborations and publics creating conversations utilizing multiple avenues for communication in the academic realm and beyond.  Emergent asymmetries in local and transnational markets and the formation of new multi-sited assemblages of governance should be of special importance.

In terms of science, the Anthropocene signals new horizons for studying and participating in global change science.  The rise of interdisciplinary socioecology, the biosciences of coupled natural and human complexity, geoengineering and the biotech interest in de-extinction are just a sampling of important transformations in research practices, research objects, and the shifting boundaries between the lab and the field.  Ongoing scientific reorientation will continue to yield new arguments about emergent forms of life that will participate in the creation of future assemblages, publics, and movements.

I would also like to caution against potentially unhelpful uses of the Anthropocene idea.  The term should not become a brand signifying a specific style of anthropological research.  It should not gloss over rigid solidifications of time, space, the human, or life.  We should not celebrate creativity in the Anthropocene while ignoring instances of stark social differentiation and capital accumulation, just as we should not focus on Anthropocene assemblages as only hegemonic in the oppressive sense.   Further, we should be cautious with our utilization of the crisis rhetoric surrounding events in the Anthropocene, recognizing that crisis for some can be turned into multiple forms of opportunity for others.  Finally, we must admit the possibility that the Anthropocene may not succeed in gaining lasting traction through formal designation or popularization, and we should not overstate its significance by assuming its universal acceptance.

In the next year, the Section News Column of the Anthropology and Environment Society will explore news, events, projects, and arguments from colleagues and students experimenting with various framings of the Anthropocene in addition to its regular content.  If you would like to contribute to this column, please contact Amelia Moore at a.moore4@miami.edu.

*   *   *

ANTHROPOLOGY AND ENVIRONMENT SOCIETY

Big Data and the Science of the Anthropocene

By Anthropology News on December 17, 2013 at 2:44 pm

By Lizzy Hare

In her September Section News Column, “Anthropology and the Anthropocene,” Amelia Moore made a distinction between anthropology in the Anthropocene and anthropology of the Anthropocene. The distinction is made between those who research the effects of global change and those who investigate the concept of the Anthropocene as a social process. My own research related to the Anthropocene is not on the effects of climate change. Rather, it focuses on the process of establishing credibility, authority, and trust through scientific knowledge.  I am following the process of developing an ecosystem forecast model. This model will provide land managers and policy makers with predictions about landscape and vegetation responses to climate change. Following the model’s development serves as an entry point for exploring what counts as credible scientific knowledge about climate change, who gets to decide what counts, and how credibility is determined.  It is fair to describe my research as “anthropology of the Anthropocene.” However, framing it in this way makes it too easy to neglect the generative nature of the Anthropocene as a concept.

As it is used colloquially, the Anthropocene carries heavy connotations of destruction and degradation, and I do not want to discount the serious environmental consequences of global change, or the inequitable distribution of their effects. But the Anthropocene as a concept also has political and technological consequences. Scientists and policymakers who wish to understand, predict, and manage the consequences of this new anthropogenic geological epoch have pushed forward tremendous innovations in science and technology. The Anthropocene is thus not only about unprecedented human impact on the planet, but also about unprecedented changes in technology, such as the rise of global connectivity and computing power that made “Big Data” possible.

“Big Data” typically refers to massive data sets of quantitative data, often originally collected automatically and for non-specific purposes. Big Data’s optimistic supporters claim that they will be able to revolutionize science by using statistics to mine large sets of data rather than tackling each research question with a different set of methods and tools. While Big Data techniques have led to the success of companies like Google, it remains unclear how or even whether automated data collection and statistical analysis can produce more than large-scale correlations. Recently, however, scientists have been working to develop tools for incorporating Big Data with more traditional empirical data by using simulation models. Scientists are developing this technique for use in climate, weather, and ecological forecast models, as a way to reduce uncertainty in forecasts by constraining them with observed data.

Data assimilation is not the only way that modelers have tried to control uncertainties within climate models. Some political leaders have misconstrued climate science, and it has come under intense scrutiny by multiple government committees following the 2009 “Climategate” scandal. The critics of climate science cite the uncertainties inherent in forecasting as well as concerns that scientists with political agendas manipulate data. This specter hangs over US climate science, and one response has been to develop a quantitative scale for uncertainty in forecasts. This move is grounded in the assumption that quantification is an effective technique for neutralizing information, and it displaces concern and politics on to users of the quantitative information. This is especially attractive when trying to convey information as (potentially) dire as the consequences of climate change.

The Anthropocene as a concept asks us to pay attention to changes in the world around us. These changes have environmental, social, and political impacts. In efforts to understand the environmental changes of the Anthropocene, and to respond to changes in political and social order, both anticipated and actualized, scientists have developed new tools and techniques. Many claim that Big Data techniques are revolutionizing science, but it is probably too early to assess that claim. Techniques for assimilating Big Data into climate models are just one example of technological and scientific developments of the Anthropocene. There are certainly many more. The generative potential of this epoch should be a site for ongoing anthropological inquiry because it has the ability to drastically change the world we live in.

The effects of global change—and thus the scope of anthropology in the Anthropocene—will be vast, even more so if we take seriously the impacts that this epoch has had and will have on science and technology. The lived experience of global environmental change is not limited to encounters with environmental catastrophe. New technologies will have consequences for everyone, perhaps especially for those who cannot access them. As anthropologists, we ought to be attentive to what the Anthropocene is capable of producing, not only what it is capable of destroying.

Lizzy Hare is a doctoral student in the department of anthropology at the University of California, Santa Cruz.

Scientists Anticipated Size and Location of 2012 Costa Rica Earthquake (Science Daily)

Dec. 22, 2013 — Scientists using GPS to study changes in Earth’s shape accurately forecasted the size and location of the magnitude 7.6 Nicoya earthquake that occurred in 2012 in Costa Rica.

Andrew Newman, an associate professor in the School of Earth and Atmospheric Sciences at the Georgia Institute of Technology, performs a GPS survey in Costa Rica’s Nicoya Peninsula in 2010. (Credit: Lujia Feng)

The Nicoya Peninsula in Costa Rica is one of the few places where land sits atop the portion of a subduction zone where Earth’s greatest earthquakes take place. Costa Rica’s location therefore makes it the perfect spot for learning how large earthquakes rupture. Because earthquakes greater than about magnitude 7.5 have occurred in this region roughly every 50 years, with the previous event striking in 1950, scientists have been preparing for this earthquake through a number of geophysical studies. The most recent study used GPS to map out the area along the fault storing energy for release in a large earthquake.

“This is the first place where we’ve been able to map out the likely extent of an earthquake rupture along the subduction megathrust beforehand,” said Andrew Newman, an associate professor in the School of Earth and Atmospheric Sciences at the Georgia Institute of Technology.

The study was published online Dec. 22, 2013, in the journalNature Geoscience. The research was supported by the National Science Foundation and was a collaboration of researchers from Georgia Tech, the Costa Rica Volcanological and Seismological Observatory (OVSICORI) at Universidad Nacional, University California, Santa Cruz, and the University of South Florida.

Subduction zones are locations where one tectonic plate is forced under another one. The collision of tectonic plates during this process can unleash devastating earthquakes, and sometimes devastating tsunamis. The magnitude 9.0 earthquake off the coast of Japan in 2011 was due to just such a subduction zone eaerthquake. The Cascadia subduction zone in the Pacific Northwest is capable of unleashing a similarly sized quake. Damage from the Nicoya earthquake was not as bad as might be expected from a magnitude 7.6 quake.

“Fortunately there was very little damage considering the earthquake’s size,” said Marino Protti of OVSICORI and the study’s lead author. “The historical pattern of earthquakes not only allowed us to get our instruments ready, it also allowed Costa Ricans to upgrade their buildings to be earthquake safe.”

Plate tectonics are the driving force for subduction zones. As tectonic plates converge, strain temporarily accumulates across the plate boundary when portions of the interface between these tectonic plates, called a megathrust, become locked together. The strain can accumulate to dangerous levels before eventually being released as a massive earthquake.

“The Nicoya Peninsula is an ideal natural lab for studying these events, because the coastline geometry uniquely allows us to get our equipment close to the zone of active strain accumulation,” said Susan Schwartz, professor of earth sciences at the University of California, Santa Cruz, and a co-author of the study.

Through a series of studies starting in the early 1990s using land-based tools, the researchers mapped regions where tectonic plates were completely locked along the subduction interface. Detailed geophysical observations of the region allowed the researchers to create an image of where the faults had locked.

The researchers published a study a few months before the earthquake, describing the particular locked patch with the clearest potential for the next large earthquake in the region. The team projected the total amount of energy that could have developed across that region and forecasted that if the locking remained similar since the last major earthquake in 1950, then there is presently enough energy for an earthquake on the order of magnitude 7.8 there.

Because of limits in technology and scientific understanding about processes controlling fault locking and release, scientists cannot say much about precisely where or when earthquakes will occur. However, earthquakes in Nicoya have occurred about every 50 years, so seismologists had been anticipating another one around 2000, give or take 20 years, Newman said. The earthquake occurred in September of 2012 as a magnitude 7.6 quake.

“It occurred right in the area we determined to be locked and it had almost the size we expected,” Newman said.

The researchers hope to apply what they’ve learned in Costa Rica to other environments. Virtually every damaging subduction zone earthquake occurs far offshore.

“Nicoya is the only place on Earth where we’ve actually been able to get a very accurate image of the locked patch because it occurs directly under land,” Newman said. “If we really want to understand the seismic potential for most of the world, we have to go offshore.”

Scientists have been able to reasonably map portions of these locked areas offshore using data on land, but the resolution is poor, particularly in the regions that are most responsible for generating tsunamis, Newman said. He hopes that his group’s work in Nicoya will be a driver for geodetic studies on the seafloor to observe such Earth deformation. These seafloor geodetic studies are rare and expensive today.

“If we want to understand the potential for large earthquakes, then we really need to start doing more seafloor observations,” Newman said. “It’s a growing push in our community and this study highlights the type of results that one might be able to obtain for most other dangerous environments, including offshore the Pacific Northwest.”

Journal Reference:

  1. Marino Protti, Victor González, Andrew V. Newman, Timothy H. Dixon, Susan Y. Schwartz, Jeffrey S. Marshall, Lujia Feng, Jacob I. Walter, Rocco Malservisi, Susan E. Owen. Nicoya earthquake rupture anticipated by geodetic measurement of the locked plate interfaceNature Geoscience, 2013; DOI: 10.1038/ngeo2038

Solar Activity Not a Key Cause of Climate Change, Study Shows (Science Daily)

Dec. 22, 2013 — Climate change has not been strongly influenced by variations in heat from the sun, a new scientific study shows.

Solar flare on the sun. Climate change has not been strongly influenced by variations in heat from the sun, a new scientific study shows. (Credit: NASA/SDO/AIA)

The findings overturn a widely held scientific view that lengthy periods of warm and cold weather in the past might have been caused by periodic fluctuations in solar activity.

Research examining the causes of climate change in the northern hemisphere over the past 1000 years has shown that until the year 1800, the key driver of periodic changes in climate was volcanic eruptions. These tend to prevent sunlight reaching Earth, causing cool, drier weather. Since 1900, greenhouse gases have been the primary cause of climate change.

The findings show that periods of low sun activity should not be expected to have a large impact on temperatures on Earth, and are expected to improve scientists’ understanding and help climate forecasting.

Scientists at the University of Edinburgh carried out the study using records of past temperatures constructed with data from tree rings and other historical sources. They compared this data record with computer-based models of past climate, featuring both significant and minor changes in the sun.

They found that their model of weak changes in the sun gave the best correlation with temperature records, indicating that solar activity has had a minimal impact on temperature in the past millennium.

The study, published in Nature GeoScience, was supported by the Natural Environment Research Council.

Dr Andrew Schurer, of the University of Edinburgh’s School of GeoSciences, said: “Until now, the influence of the sun on past climate has been poorly understood. We hope that our new discoveries will help improve our understanding of how temperatures have changed over the past few centuries, and improve predictions for how they might develop in future. Links between the sun and anomalously cold winters in the UK are still being explored.”

Journal Reference:

  1. Andrew P. Schurer, Simon F. B. Tett, Gabriele C. Hegerl.Small influence of solar variability on climate over the past millenniumNature Geoscience, 2013; DOI:10.1038/ngeo2040

‘Many of the Truths That We Cling to Depend On Our Point of View’: Jediism and Other Religious Movements (Science Daily)

Dec. 18, 2013 — According to Obi-Wan Kenobi (Star Wars: Episode VI — Return of the Jedi- 1983), ‘truth’ is simply a state of mind. With this in mind, is religion of any sort meaningless unless it has some personal resonance? Can religions therefore be based on fictional constructs?

In ‘Fiction-based religion: Conceptualising a new category against history-based religion and fandom’ published in Culture and Religion,Markus Altena Davidsen explores new religious movements inspired by popular fiction such as Star Wars-based Jediism and the Tolkien-inspired Elven community. He seeks to ask whether fiction-based religions should be accepted as conventional religions or dismissed as mere fandom.

Davidsen compares the opinions of Jean Baudrillard and Adam Possami concerning ‘hyper-real religions’ in order to explore what it says about contemporary religion that many believers are now more comfortable basing their religious activity on fiction rather than on conventional and ‘historical’ religious narratives.

This article is a fascinating insight into the significance of invented religions in everyday reality.

Journal Reference:

  1. Markus Altena Davidsen. Fiction-based religion: Conceptualising a new category against history-based religion and fandomCulture and Religion, 2013; 14 (4): 378 DOI: 10.1080/14755610.2013.838798

Como a Inquisição atuava no Brasil (Fapesp)

Tese apoiada pela FAPESP e premiada pela Capes desvenda os mecanismos que possibilitaram ao Tribunal do Santo Ofício estabelecer uma vasta rede de agentes no território (Fundação Biblioteca Nacional, RJ)

Especiais
20/12/2013

Por José Tadeu Arantes

Agência FAPESP – Como o Tribunal da Inquisição, sediado em Lisboa, conseguiu se fazer presente até mesmo nos confins do Brasil colonial, coletando denúncias, prendendo pessoas e levando-as para serem julgadas em Portugal? Com quais instituições a Inquisição se relacionava? Que setores sociais cooperaram com ela? Essas foram as perguntas que inspiraram a tese “Poder eclesiástico e Inquisição no século XVIII luso-brasileiro: agentes, carreiras e mecanismos de promoção social”, apresentada por Aldair Carlos Rodrigues no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para a obtenção do título de doutor.

O estudo – orientado por Laura de Mello e Souza, como parte do Projeto Temático “Dimensões do Império Português” – recebeu o Prêmio Capes 2013 (área de História) e o Grande Prêmio Capes de Tese Darcy Ribeiro (que abrange as grandes áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Linguística, Letras e Artes e Multidisciplinar-Ensino e Interdisciplinar), oferecidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC).

“A principal conclusão foi que a Inquisição conseguiu atuar no Brasil porque possuía mecanismos eficazes e oferecia cargos que atraíam as elites da sociedade colonial. O tribunal não tinha uma sede aqui, mas sua atuação se ramificava por meio de uma rede de agentes criada na colônia”, disse Rodrigues à Agência FAPESP.

Segundo o pesquisador, os atrativos para a formação dessa rede eram a distinção social e os privilégios que seu membros passavam a ter. “Não era fácil se tornar um quadro da Inquisição, porque essa instituição possuía vários dispositivos bastante excludentes. Então, quem conseguia passar pelos filtros, adquiria um status social destacado”, afirmou.

Para os integrantes das elites da época, tanto na Península Ibérica quanto nas colônias da América, era muito importante provar a “limpeza de sangue”. Isto é, provar que não se pertencia às “raças” consideradas “infectas” (judeus, muçulmanos, negros, indígenas).

E a Inquisição era tida como a instituição mais rigorosa na apuração da “limpeza de sangue”. Entrar para seus quadros equivalia a apresentar a toda a sociedade um atestado de “sangue puro”. “Isso tornava o pertencimento à Inquisição muito atraente. Por meio do ‘estatuto de limpeza de sangue’, a Inquisição desempenhou um papel importantíssimo no processo de formação e estruturação da elite social do Brasil durante o século XVIII”, informou Rodrigues.

Ele considera esta a grande novidade de seu estudo. “A maioria das pesquisas já feitas sobre a Inquisição teve por foco as vítimas. A minha pesquisa procurou investigar esse outro aspecto, o da inserção social da Inquisição, do seu papel na estruturação da sociedade brasileira, na constituição das hierarquias. São duas abordagens complementares. Estudar a Inquisição sob o ângulo da inserção social me permitiu entender como essa instituição pôde durar tanto tempo. A Inquisição portuguesa foi estabelecida em 1536 e só foi abolida em 1821, no contexto da chamada Revolução Liberal do Porto”, disse.

O início da atuação da Inquisição na Península Ibérica pode ser mais bem compreendido quando se considera que os Estados que estavam se estruturando nesse período se fundamentavam na unidade da fé. Constituídos no contexto da luta de cristãos contra muçulmanos, identificavam-se profundamente com a fé católica. A sobrevivência de outras confissões religiosas no mesmo território punha em xeque essa unidade da fé, e, por extensão, a unidade política.

“A criação de instituições encarregadas da repressão violenta às dissidências religiosas, como foram os tribunais da Inquisição espanhola e portuguesa, se inseriram nesse contexto”, explicou Rodrigues.

Já a sobrevivência desses mesmos tribunais e de seus aparatos em épocas tão tardias quanto a primeira metade do século XIX – e não apenas nas metrópoles ibéricas, mas também nas colônias americanas – exige outro tipo de explicação. E, neste caso, o atrativo social decorrente da aplicação dos “estatutos de limpeza de sangue” e uma série de privilégios, como a isenção fiscal, ajudam a entender como essa instituição pode estruturar uma vasta rede de agentes que perpetuou sua atuação.

“A chancela de ‘limpeza de sangue’ que o pertencimento aos quadros da Inquisição proporcionava exercia enorme atração sobre as elites coloniais – tanto aquelas que já estavam consolidadas quanto as emergentes. Para se ter ideia, segundo o meu levantamento para o século XVIII, havia, em toda a colônia, aproximadamente 200 comissários da Inquisição no setor eclesiástico. Na mesma época, o número de agentes civis ligados à instituição chegava a cerca de 2 mil – 457 deles apenas em Minas Gerais”, sublinhou Rodrigues.

Conforme ele, esses agentes civis, chamados de “familiares do Santo Ofício”, eram, principalmente, pessoas que estavam enriquecendo a partir de atividades comerciais, mas ainda não dispunham de status social. Para tais pessoas, entrar para a Inquisição era uma forma rápida e eficaz de ascender socialmente.

“Quando focamos a análise apenas no número de pessoas sentenciadas, esses mecanismos de inserção profunda da Inquisição na trama social tendem a passar despercebidos. Minha pesquisa me fez perceber que essa instituição estava muito mais enraizada na sociedade colonial do que se supunha”, disse.

Rodrigues passou cerca de nove meses estudando a vasta documentação existente no arquivo da Torre do Tombo, em Lisboa – primeiro com o apoio do Instituto Camões (Cátedra Jaime Cortesão), depois com o apoio da FAPESP. Um dos focos desse estudo foi o sistema de comunicação estabelecido entre o Tribunal da Inquisição, em Lisboa, e a rede eclesiástica instalada no Brasil.

“Estudei 1165 registros de correspondência expedida no século XVIII. E pude observar que havia um sistema de comunicação eficiente ligando o Tribunal de Lisboa ao território do Brasil, um sistema profundamente assentado na hierarquia institucional das dioceses”, disse.

“Cada diocese dividia-se em várias comarcas eclesiásticas, que não necessariamente coincidiam com as comarcas civis; as comarcas, por sua vez, dividiam-se em paróquias; as paróquias, em capelas. Quando a Inquisição distribuía um edital impresso com o objetivo de coletar denúncias, esse edital tinha que ser lido no final da missa e, depois, afixado na porta da igreja ou na porta da sacristia, permanecendo ali até a chegada de um novo edital”, detalhou.

No caso do Centro-Sul, os editais chegavam ao Rio de Janeiro. E, dali, eram distribuídos para toda a região. A partir da sede de cada diocese, os impressos chegavam às comarcas eclesiásticas. O “vigário da vara”, que era o principal agente da comarca, os encaminhava às paróquias. E os párocos os repassavam às capelas. Quando o capelão lia o edital, ele tinha que assinar um recibo, informando a data, e em alguns casos até mesmo o horário da leitura do documento.

“Esse mecanismo permitia que, desde Lisboa, a Inquisição tivesse pleno conhecimento de todo o caminho seguido pela correspondência. E, ao longo do tempo, esse fluxo foi sendo otimizado”, afirmou Rodrigues.

Além disso, havia a cooperação da justiça episcopal. Os agentes dos bispos não se encarregavam da perseguição aos “delitos de heresia”, apenas aos “delitos morais”. Mas, quando deparavam com alguma suspeita de heresia nas instâncias do tribunal episcopal, transmitiam a denúncia a Lisboa. E os prelados dispunham de um mecanismo suplementar de imposição da ortodoxia católica: as “visitas diocesanas”.

“O bispo saía em viagem, percorrendo toda a sua diocese, de freguesia em freguesia, e inspecionando o comportamento do clero e da população. Uma de suas funções era conferir as portas das igrejas ou das sacristias para verificar se os editais da Inquisição estavam ali afixados. Caso não estivessem, havia penas para punir o responsável por essa “falta”. Isso permitia que o inquisidor, em Lisboa, tivesse controle até sobre as portas das igrejas do Brasil”, enfatizou Rodrigues.

Esse mecanismo, antes pouco conhecido, foi agora desvelado pela tese de Rodrigues. “Espero que o meu trabalho contribua para a reformulação dos livros didáticos, eliminando a falsa ideia de que a Inquisição praticamente não esteve presente no Brasil”, afirmou.

A publicação em livro, também com apoio da FAPESP, está agendada para fevereiro de 2014.

Antropólogo francês Bruno Latour fala sobre natureza e política (O Globo)

28.12.2013 | 07h30m

Bruno Latour diz que ‘ecologizar’ é o verbo da vez, mas propõe uma noção de ‘ecologia’ com sentido mais amplo do que o defendido hoje por ativistas e políticos. Para ele, o Brasil, apesar das contradições, é ator fundamental na construção de uma inteligência política e científica para o futuro

Por Fernando Eichenberg, correspondente em Paris

A modernidade é uma falácia, uma ficção inventada para organizar a vida intelectual. Os chamados “modernos” pregam a separação de ciência, política, natureza e cultura, numa teoria distante da realidade do mundo e inadaptada aos desafios impostos neste início de século, acusa o pensador francês Bruno Latour, de 66 anos. “Ecologizar” é verbo da vez, sustenta ele, mas num sentido bem mais amplo do que o espaço compreendido pela ecologia defendida por ativistas e partidos políticos.

— O desenvolvimento da frente de modernização, como se fala de uma frente pioneira na Amazônia, sempre foi, ao contrário, uma extensão de uma quantidade de associações, da marca dos humanos, da intimidade de conexões entre as coisas e as pessoas. A modernidade nunca existiu — dispara Latour, em entrevista ao GLOBO.

Na sua opinião, o Brasil, com todas as suas contradições, é fundamental na possibilidade de um futuro de inovações que gerem um novo tipo de “civilização ecológica”, numa nova “inteligência política e científica”.

Antropólogo, sociólogo e filósofo das ciências, Bruno Latour, que recebeu em maio passado o prestigiado prêmio Holberg de Ciências Humanas, é um dos intelectuais franceses contemporâneos mais traduzidos no exterior. Além de suas originais investigações teóricas, também se aventurou no terreno das artes (com as exposições “Iconoclash” e “Making things public”) e, em outubro, estreou a peça “Gaïa Global Circus”, uma “tragicomédia climática”, que ele espera um dia poder encenar no Jardim Botânico, no Rio. Professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences-Po), lançou ainda este ano o ensaio “Enquête sur les modes d’existence — Une anthropologie des Modernes” (Investigação sobre os modos de existência – uma antropologia dos Modernos, ed. La Découverte).

Qual a diferença entre “ecologizar” e “modernizar”, segundo seu pensamento?

Modernizar é o argumento que diz que quanto mais nós separamos as questões de natureza e de política, melhor será. Ecologizar é dizer: já que, de fato, não separamos tudo isso, já que a História recente dos humanos na Terra foi o embaraçamento cada vez mais importante das questões de natureza e de sociedade, se é isso que fazemos na prática, então que construamos a política que lhe corresponda em vez de fazer de conta que há uma história subterrânea, aquela das associações, e uma história oficial, que é a de emancipação dos limites da natureza. Ecologizar é um verbo como modernizar, exceto que se trata da prática e não somente da teoria. Mas pode-se dizer “modernidade reflexiva” ou utilizar outros termos. O importante é que haja uma alternativa a modernizar, que não seja arcaica, reacionária. Que seja progressista, mas de uma outra forma, não modernista. Um problema complicado hoje, sobretudo no Brasil. Mas é complicado por todo o lado, na França também. Qualquer dúvida sobre a modernização, se diz que é preciso estancar a frente pioneira, decrescer, voltar ao passado. Isso é impossível. É preciso inovar, descobrir novas formas, e isso se parece com a modernização. Mas é uma modernização que aceita seu passado. E o passado foi uma mistura cada vez mais intensa entre os produtos químicos, as florestas, os peixes, etc. Isso é “ecologizar”. É a instituição da prática e não da teoria.

Qual é a situação e o papel do Brasil neste contexto?

Penso que deve haver uma verdadeira revolução ecológica, não somente no sentido de natureza, e o Brasil é um ator importante. A esperança do mundo repousa muito sobre o Brasil, país com uma enormidade de reservas e de recursos. Se fala muito do movimento da civilização na direção da Ásia, o que não faz muito sentido do ponto de vista ecológico, pois quando se vai a estes países se vê a devastação. Não se pode imaginar uma civilização ecológica vindo da Ásia. No Brasil — e também na Índia — há um pensamento, não simplesmente a força nua, num país em que os problemas ecológicos são colocados em grande escala. Há um verdadeiro pensamento e uma verdadeira arte, o que é muito importante. Se fosse me aposentar, pensaria no Brasil. Brasil e Índia são os dois países nos quais podemos imaginar verdadeiras inovações de civilização, e não simplesmente fazer desenvolvimento sustentável ou reciclagem de lixo. Podem mostrar ao resto do mundo o que a Europa acreditou por muito tempo poder fazer. A Europa ainda poderá colaborar com seu grão de areia, mas não poderá mais inovar muito em termos de construir um quadro de vida, porque em parte já o fez, com cidades ligadas por autoestradas, com belas paisagens e belos museus. Já está feito. Mas numa perspectiva de inventar novas modas e novas formas de existência que nada têm a ver com a economia e a modernização, com a conservação, será preciso muita inteligência política e científica. Não há muitos países que possuem esses recursos. Os Estados Unidos poderiam, mas os perderam há muito tempo, saíram da História quando o presidente George W. Bush disse que o modo de vida dos americanos não era negociável. Brasil e Índia ainda têm essa chance. Mas este é o cenário otimista. O cenário pessimista talvez seja o mais provável.

Qual a hipótese pessimista?

Há os chineses que entram com força no Brasil, por exemplo. Meu amigo Clive Hamilton (pensador australiano) diz que, infelizmente, nada vai acontecer, que se vai fazer uma reengenharia, se vai modernizar numa outra escala e numa outra versão catastrófica. Provavelmente, é o que vai ocorrer, já que não conseguimos decidir nada, e que será preciso ainda assim tomar medidas. Uma hipótese é a de que se vai delegar a Estados ainda mais modernizadores no sentido tradicional e hegemônico a tarefa de reparar a situação por meio de medidas drásticas, sem nada mudar, portanto agravando-a. Mas meu dever é o de ser otimista. Em todo caso, é preciso inventar novas formas para pensar essas questões.

O senhor acompanhou as manifestações de rua no Brasil neste ano que passou?

É uma das razões pelas quais o Brasil é interessante, porque há ao mesmo tempo um dinamismo de invenção política, ligado a outros dinamismos relacionados às ciências, às artes. Há um potencial no Brasil. E há, hoje, uma riqueza. Não são temas que se pode abordar em uma situação de miséria. É preciso algo que se pareça ao bem-estar. Na Índia, se você tem um milhão de pessoas morrendo de fome não pode fazer muito. O Brasil é hoje muito importante para a civilização mundial.

Os partidos ecologistas, na sua opinião, não souberam assimilar estas questões?

Nenhum partido ecologista conseguiu manter uma prática. A ecologia se tornou um domínio, enquanto é uma outra forma de tudo fazer. A ecologia se viu encerrada em um tema, e não é vista como uma outra forma de fazer política. É uma posição bastante difícil. É preciso ao mesmo tempo uma posição revolucionária, pois significa modificar o conjunto dos elementos do sistema de produção. Mas é modificar no nível do detalhe de interconexão de redes técnico-sociais, para as quais não há tradição política. Sabemos o que é imaginar a revolução sem fazê-la, administrar situações estabelecidas melhorando-as, modernizar livrando-se de coisas do passado, mas não sabemos o que é criar um novo sistema de produção inovador, que obriga a tudo mudar, como numa revolução, mas assimilando cada vez mais elementos que estão interconectados. Não há uma tradição política para isso. Não é o socialismo, o liberalismo. E é preciso reconhecer que os partidos verdes, seja na Alemanha, na França, nos EUA não fizeram o trabalho de reflexão intelectual necessária. Como os socialistas, no século XIX, refizeram toda a filosofia, seja marxista ou socialista tradicional, libertária, nas relações com a ciência, na reinvenção da economia. Há uma espécie de ideia de que a questão ecológica era local, e que se podia servir do que chamamos de filosofia da ecologia, que é uma filosofia da natureza, muito impregnada do passado, da conservação. O que é completamente inadaptado a uma revolução desta grandeza. Não podemos criticá-los. Eles tentaram, mas não investiram intelectualmente na escala do problema. Não se deram conta do que quer dizer “ecologizar” em vez de “modernizar”. Imagine o pobre do infeliz responsável pelo transporte público de São Paulo ou de Los Angeles.

A França receberá em 2015 a Conferência Internacional sobre o Clima. Como o senhor avalia esses encontros?

Estamos muito mobilizados aqui na Sciences-Po, porque em 2015 ocorrerá em Paris, e trabalhamos bastante sobre o fracasso da conferência de Copenhague, em 2009. Estamos muito ativos, tanto aqui como no Palácio do Eliseu. Na minha interpretação, o sistema de agregação por nação é demasiado convencional para identificar as verdadeiras linhas de clivagens sobre os combates e as oposições. Cada país é atravessado em seu interior por múltiplas facções, e o sistema de negociação pertence à geopolítica tradicional. E também ainda não admitimos de que se tratam de conflitos políticos importantes. A França aceitou a conferência sem perceber realmente do que se tratava, como um tema político maior. Por quê? Porque ainda não estamos habituados a considerar — e aqui outra diferença entre “ecologizar” e “modernizar” — que as questões de meio ambiente e da natureza são questões de conflito, e não questões que vão nos colocar em acordo. Vocês têm isso no Brasil em relação à Floresta Amazônica. Não é porque se diz “vamos salvar a Floresta Amazônica” que todo mundo vai estar de acordo. Há muita discordância. E isso é muito complicado de entender na mentalidade do que é uma negociação.

Poderá haver avanços em 2015?

Uma das hipóteses que faço para 2015 é a de que é preciso acentuar o caráter conflituoso antes de entrar em negociações. Não começar pela repartição das tarefas, mas admitindo que se está em conflito nas questões da natureza. Os ecologistas têm um pouco a ideia de que no momento em que se fala de natureza e de fatos científicos as pessoas vão se alinhar. Acham que se falar que o atum está desaparecendo os pescadores vão começar a parar de matá-los. Sabe-se há muito tempo que é exatamente o contrário, eles vão rapidamente em busca do último atum. A minha hipótese para 2015 é que se deve tornar visíveis estes conflitos. O que coloca vários problemas de teoria política, de ecologia, de representação, de geografia etc. Talvez 2015 já seja um fracasso como foi 2009. Mas é interessante tentar, talvez seja nossa última chance. Tenho muitas ideias. Faremos um colóquio no Rio de Janeiro em setembro de 2014, organizado por Eduardo Viveiros de Castro, sobre isso. Depois faremos um outro, em Toulouse, para testar os modelos de negociação. Em 2015 faremos um outro aqui na Sciences-Po. A ideia é encontrar alternativas no debate sobre conflitos de mundo. Não é uma questão das pessoas que são a favor do carvão, os que são contra os “climacéticos” etc. Não é a mesma conexão, não é a mesma ciência, não é a mesma confiança na política. São conflitos antropocêntricos. Interessante que as pessoas que assistiram à minha peça de teatro ficaram contentes em ver os conflitos. Na ecologia se faz muita pedagogia, se diz como se deve fazer para salvar a Floresta Amazônica. Mas não se fala muito de conflitos.

Leis para enfrentar mudanças climáticas já foram aprovadas em 15 estados (Jornal da Ciência)

JC e-mail 4877, de 17 de dezembro de 2013

Estudo da USP define Rio de Janeiro como pioneiro no combate às mudanças climáticas

Relatório que será divulgado hoje cita que a cidade, além de obrigar as empresas a reportarem suas emissões de CO2, condiciona o licenciamento ambiental às metas globais e setoriais de emissões e exigir planos de mitigação de gases de efeito estufa das empresas

Quinze dos 27 estados brasileiros estão dando exemplos positivos no combate às mudanças climáticas, estabelecendo regras próprias para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O mesmo não pode ser dito do governo federal, que precisa ser mais cobrado para criar uma agenda capaz de unificar essas iniciativas locais. Esta é a mensagem de um estudo que será divulgado nesta terça-feira em São Paulo pelo Núcleo de Economia Socioambiental da Universidade de São Paulo (USP), o Nesa. O relatório traz elogios específicos ao Rio de Janeiro: cita que o estado “tem se destacado no cenário nacional como pioneiro”.

– Além de obrigar as empresas a reportarem suas emissões de CO2, o Rio vai além: condiciona o licenciamento ambiental às metas globais e setoriais de emissões, além de exigir planos de mitigação de gases de efeito estufa das empresas – conta Juliana Speranza, pesquisadora do Nesa.

O estudo foi preparado em parceria com o Forum Clima, que reúne grandes empresas como Andrade Gutierrez, CSN, Odebrecht, Vale e Natura. A pesquisa cita ainda como boas iniciativas um programa de pagamento por serviços ambientais (PSA) já em vigor no Acre, que tem uma lei que permite a remuneração a quem preserva os serviços ecossistêmicos e a biodiversidade; além da iniciativa do Mato Grosso de criar uma legislação específica para a Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (Redd). São Paulo, embora já obrigue suas empresas a reduzir emissões, ainda não tem projetos tão avançados quanto o carioca.

– O PSA e o Redd aconteceram antes nos estados. A nível nacional, eles ainda estão sendo discutidos. Seria muito melhor se houvesse um envolvimento a nível federal, que desse ao Brasil um programa nacional de mudanças climáticas, interministerial, para unificar toda essa metodologia. Caso contrário, estaremos falando lé com cré – avalia Speranza.

Segundo a pesquisadora, esta harmonização se daria em três frentes: nas políticas estatais entre si; no conjunto delas com a política nacional (criando, por exemplo, um inventário nacional de emissões de gases de efeito estufa), e na adoção do que chama de “postura pública coerente”.

– Você não pode sair reduzindo impostos para estimular o consumo de carros, por exemplo, enquanto sabe-se que os transportes individuais emitem mais CO2. Tem que ter coerência, tem que se criar uma estrutura de governança – opina a pesquisadora.

O relatório vê como positiva iniciativas do Ministério do Meio Ambiente de, até 2015, criar um plano nacional de adaptação às emissões de gases de efeito estufa. E elogia o fato de o país ter conseguido reduzir significativamente o desmatamento, o que deixa o Brasil numa posição confortável até 2020 – mesmo ano em que o Protocolo de Kyoto será revisto. Uma nova ordem mundial frente às mudanças climáticas ocorrerá em 2020. Por enquanto, o Brasil tem apenas um compromisso voluntário com Kyoto, mas esta situação, lembra o estudo, pode mudar.

– O país pode vir a ser obrigado a reduzir metas, num momento em que seu eixo de emissões mudou do desmatamento, que já foi reduzido e cujas metas estão batendo num teto, para a agropecuária e para o setor de energia e de transportes. Ou seja, é preciso pensar para além de 2020 – recomenda Speranza.

(Mariana Timóteo da Costa/ O Globo)
http://oglobo.globo.com/ciencia/estudo-da-usp-define-rio-de-janeiro-como-pioneiro-no-combate-as-mudancas-climaticas-11089052#ixzz2njxCIUU3

*   *   *

JC e-mail 4877, de 17 de dezembro de 2013

Leis para enfrentar mudanças climáticas já foram aprovadas em 15 estados

As normas antecipam muitos pontos que estão apenas em discussão no plano federal, explica a pesquisadora do Núcleo de Economia Socioambiental da USP, Juliana Speranza, informa a agência Brasil

Leis que definem instrumentos para enfrentar as mudanças climáticas já foram aprovadas em 15 estados brasileiros, mostra a pesquisa O Desafio da Harmonização das Políticas Públicas de Mudanças Climáticas, divulgada hoje (17). As normas antecipam muitos pontos que estão apenas em discussão no plano federal, explica a pesquisadora do Núcleo de Economia Socioambiental da Universidade de São Paulo (USP), Juliana Speranza. “Há avanços, tem uma massa crítica de como se pensa a política, até os instrumentos, marcos regulatórios que são criados, anteriores ao que o governo federal agora vem discutir”, enfatiza.

O levantamento foi lançado pelo Fórum Clima, que reúne o Fórum Amazônia Sustentável, o Instituto Ethos e a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Entre os destaques da pesquisa estão os estados do Amazonas, Acre e de Mato Grosso, que implementaram sistemas de remuneração para evitar o desmatamento. O Amazonas tem em sua política de mudanças climáticas mecanismos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (Redd+) e de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). Em 2013, o estado de Mato Grosso criou o marco regulatório para o Redd+, enquanto o Acre tem, desde 2010, legislação que prevê o PSA.

“Nos estados da Amazônia, sempre houve uma preocupação com a questão do desmatamento, você tem a sociedade civil ali muito presente e é natural que tenham emergido iniciativas de políticas estaduais”, explica. A pesquisadora lembrou que um programa nacional de PSA, que remunere proprietários de terra por conservar recursos naturais, está sendo discutido no Senado.

As metas de redução de emissões de gases são realidade em São Paulo, no Rio de Janeiro e na Paraíba. Na avaliação de Juliana, ações como essas acabam ajudando o país a diminuir os níveis de poluição. “Se os estados começam a ter uma agenda doméstica, que está gerenciando essas emissões e assumem um compromisso de que lá na frente, em uma data X, tem que reduzir tantos por cento [as emissões], isso ajuda na conta que a gente tem para o Brasil como um todo”, acrescentou.

Além dos efeitos concretos, as políticas estaduais trazem, segundo a pesquisadora, determinados temas para a pauta nacional e também funcionam como experiência prática das medidas. “Os estados têm um universo de instrumentos de políticas públicas que já ocorrem em seu território e agora, em nível federal, você acaba bebendo um pouco na fonte desses estados”.

A especialista chama a atenção, no entanto, para a necessidade de coordenação das ações para obter melhores resultados. “Existe a necessidade de que, em nível nacional, você coordene um pouco as iniciativas, senão cada estado vai fazer da sua forma e você vai ter problemas de harmonização de metodologia, de parâmetros”, destacou Juliana sobre a necessidade de padrões de medidas e normas. A pesquisadora destaca que a falta de uma regulação unificada pode complicar, por exemplo, a situação de empresas que atuam em mais de um estado.

(Daniel Mello/Agência Brasil)

Chimpanzees Are Rational, Not Conformists, Researchers Find (Science Daily)

Dec. 13, 2013 — Chimpanzees are sensitive to social influences but they maintain their own strategy to solve a problem rather than conform to what the majority of group members are doing. However, chimpanzees do change their strategy when they can obtain greater rewards, MPI researchers found. The study was published in PLOS ONE on November 28, 2013.

Chimpanzees are sensitive to social influences but they maintain their own strategy to solve a problem rather than conform to what the majority of group members are doing. (Credit: Image courtesy of Max-Planck-Gesellschaft)

Chimpanzees are known for their curious nature. They show a rich palette of learning behaviour, both individually and socially. But they are also rather hesitant to abandon their personal preferences, even when that familiar behaviour becomes extremely ineffective. Under which circumstances would chimpanzees flexibly adjust their behaviour? Edwin van Leeuwen and colleagues from the MPI’s for Psycholinguistics and Evolutionary Anthropology conducted a series of experiments in Germany and Zambia to answer this question.

Wooden balls for peanuts

The researchers studied 16 captive chimpanzees at the Wolfgang Kohler Primate Research Center in Germany (Leipzig) and 12 semi-wild chimpanzees at the Chimfunshi Wildlife Orphanage Trust, a sanctuary that houses more than a hundred chimpanzees under nearly natural conditions in the north-western part of Zambia. Chimpanzees were trained on two different vending machines. A minority of the group was made familiar with one machine and the majority of group members with the other machine. Wooden balls were thrown into their enclosure; the chimpanzees could insert these balls into the machines to receive one peanut for each ball.

Van Leeuwen and his colleagues first aimed to replicate previous research and looked whether the chimpanzees in the minority group would change their behaviour toward using the vending machine that the majority of group members used. However, neither the German nor the Zambian chimpanzees gave up their strategy to join the majority. In the second study, the profitability of the vending machines was changed so that the vending machine that the minority used became more profitable, now spitting out five rewards for every ball inserted. Over time, the majority chimpanzees observed that the minority chimpanzees received more peanuts for the same effort and all but one gradually switched to using this more profitable machine.

Higher rewards

“Where chimpanzees do not readily change their behaviour under majority influences, they do change their behaviour when they can maximise their payoffs,” Van Leeuwen says. “We conclude that chimpanzees may prefer persevering in successful and familiar strategies over adopting the equally effective strategy of the majority, but that chimpanzees find sufficient incentive in changing their behaviour when they can obtain higher rewards somewhere else.” “So, it’s peanuts over popularity” he jokingly adds.

The researchers emphasise that these results may be dependent upon the specific trade-offs that were created by the experimental design and that chimpanzees could act differently under the pressures of life in the wild. Van Leeuwen: “Conformity could still be a process guiding chimpanzees’ behaviour. Chimpanzee females, for instance, disperse to other groups in the wild. For these females, it is of vital importance to integrate into the new group. Conformity to local (foraging) customs might help them to achieve this integration.”

Journal Reference:

  1. Edwin J. C. Van Leeuwen, Katherine A. Cronin, Sebastian Schütte, Josep Call, Daniel B. M. Haun. Chimpanzees (Pan troglodytes) Flexibly Adjust Their Behaviour in Order to Maximize Payoffs, Not to Conform to MajoritiesPLoS ONE, 2013; 8 (11): e80945 DOI:10.1371/journal.pone.0080945

Simple Mathematical Formula Describes Human Struggles (Science Daily)

Dec. 12, 2013 — Would you believe that a broad range of human struggles can be understood by using a mathematical formula? From child-parent struggles to cyber-attacks and civil unrest, they can all be explained with a simple mathematical expression called a “power-law.”

The manner in which a baby’s cries escalate against its parent is comparable to the way riots in Poland escalated in the lead-up to the collapse of the Soviet Union. (Credit: © erllre / Fotolia)

In a sort of unified theory of human conflict, scientists have found a way to mathematically describe the severity and timing of human confrontations that affect us personally and as a society.

For example, the manner in which a baby’s cries escalate against its parent is comparable to the way riots in Poland escalated in the lead-up to the collapse of the Soviet Union. It comes down to the fact that the perpetrator in both cases (e.g. baby, rioters) adapts quickly enough to escalate its attacks against the larger, but more sluggish entity (e.g. parent, government), who is unable, or unwilling, to respond quickly enough to satisfy the perpetrator, according to a new study published in Nature‘s Scientific Reports.

“By picking out a specific baby (and parent), and studying what actions of the parent make the child escalate or de-escalate its cries, we can understand better how to counteract cyber-attacks against a particular sector of U.S. cyber infrastructure, or how an outbreak of civil unrest in a given location (e.g. Syria) will play out, following particular government interventions,” says Neil Johnson, professor of physics and the head of the interdisciplinary research group in Complexity, at the College of Arts and Sciences at the University of Miami (UM) and corresponding author of the study.

Respectively, the study finds some remarkable similarities between seemingly disconnected confrontations. For instance:

  • The escalation of violent attacks in Magdalena, Colombia — though completely cut off from the rest of the world — is actually representative of all modern wars. Meanwhile, the conflict in Sierra Leone, Africa, has exactly the same dynamics as the narco-guerilla war in Antioquia, Colombia.
  • The pattern of attacks by predatory traders against General Electric (GE) stock is equivalent to the pattern of cyber-attacks against the U.S. hi-tech electronics sector by foreign groups, which in turn mimics specific infants and parents.
  • New insight into the controversial ‘Bloody Sunday’ attack by the British security forces, against civilians, on January 30,1972, reveals that Bloody Sunday appears to be the culmination of escalating Provisional Irish Republican Army attacks, not their trigger, hence raising new questions about its strategic importance.

The findings show that this mathematical formula of the form AB-C is a valuable tool that can be applied to make quantitative predictions concerning future attacks in a given confrontation. It can also be used to create an intervention strategy against the perpetrators and, more broadly, as a quantitative starting point for cross-disciplinary theorizing about human aggression, at the individual and group level, in both real and online worlds.

Journal Reference:

  1. Neil F. Johnson, Pablo Medina, Guannan Zhao, Daniel S. Messinger, John Horgan, Paul Gill, Juan Camilo Bohorquez, Whitney Mattson, Devon Gangi, Hong Qi, Pedro Manrique, Nicolas Velasquez, Ana Morgenstern, Elvira Restrepo, Nicholas Johnson, Michael Spagat, Roberto Zarama. Simple mathematical law benchmarks human confrontations.Scientific Reports, 2013; 3 DOI: 10.1038/srep03463

Rapid Evolution of Novel Forms: Environmental Change Triggers Inborn Capacity for Adaptation (Science Daily)

Dec. 12, 2013 — In the classical view of evolution, species experience spontaneous genetic mutations that produce various novel traits — some helpful, some detrimental. Nature then selects for those most beneficial, passing them along to subsequent generations. 

Surface form and cave form of Astyanax mexicanus differ in many morphological traits, the most prominent being the loss of pigmentation and the loss of eyes in the cave forms. (Credit: Courtesy of Nicolas Rohner)

It’s an elegant model. It’s also an extremely time-consuming process likely to fail organisms needing to cope with sudden, potentially life-threatening changes in their environments. Surely some other mechanism could enable more rapid adaptive response. In this week’s edition of the journal Science, a team of researchers from Harvard Medical School and Whitehead Institute report that, at least in the case of one variety of cavefish, that other agent of change is the heat shock protein known as HSP90.

“It’s a very cool story in terms of the speed of evolution,” says Nicolas Rohner, lead author of the Science paper and a postdoctoral researcher in the lab of Harvard Medical School Genetics Professor Clifford Tabin.

Rohner notes that at some point many thousands of years ago, a population of Astyanax mexicanus (a fish indigenous to northeastern Mexico) was swept from its hospitable river home into the unfriendly confines of underwater caves. Facing a dramatically different environment, the fish were forced to adapt. Living in near total darkness, the fish did away with their pigmentation, developed heightened sensory systems to detect changes in water pressure and the presence of prey and, perhaps most strikingly, they lost their eyes. Although seemingly counterintuitive, the loss of eyes is thought to be an “adaptive” or beneficial trait, as the maintenance of a complex but now useless organ would come at a high metabolic cost. Thus, the fish could reallocate their finite physiological resources to biological functions more helpful in the cave setting.

Eye loss in these fish is considered to be a demonstration of an evolutionary concept known as “standing genetic variation,” which argues that pools of genetic mutations — some potentially helpful — exist in a given population but are normally kept silent. The manifestations of these mutations, that is, their impact on observable phenotypes, don’t emerge until the population encounters stressful conditions. But what exactly keeps those mutations at bay?

Enter Whitehead Member Susan Lindquist, whose research has shown that HSP90 silences such genetic variation in a variety of organisms, from fruit flies, to yeast, to plants. Lindquist’s work found that the normally robust cellular reservoir of HSP90 becomes depleted during periods of physiological stress. The loss of HSP90 activity allowed phenotypic changes to emerge quite rapidly. Although some emergent traits found in her lab were not adaptive, some clearly were.

“The delicate balance of protein folding — especially that controlled by HSP90 — holds the key,” says Lindquist, who is also a professor of biology at MIT and an investigator of the Howard Hughes Medical Institute. “Moderate changes in the environment create stresses on protein folding, causing minor changes in the genome to have much larger effects. Because HSP90 governs the folding of the key regulators of growth and development it produces a fulcrum point for evolutionary change.”

Having seen Tabin’s work on the genetics of eye loss in cavefish, she proposed a research collaboration to determine whether HSP90 had been an evolutionary role-player in this vertebrate. The Tabin and Lindquist labs devised a complex set of experiments with cavefish and surface fish of the same species. Surface fish raised in the presence of a drug that blocks HSP90 activity (thereby mimicking a stressful environment) displayed significant variation in eye size — clearly implicating HSP90’s effects on this trait. Conversely, cavefish raised in the same conditions showed no increase in variation in the size of their eye orbits (although the cave fish have no eyes, their skulls retain the orbital cavity where their eyes once were). Intriguingly, however, these fish emerged with small orbits, showing that the genetics governing eye size remains responsive to HSP90.

Although impressive, these findings were chemically induced, leaving open the question of whether such HSP90-related effects would have been seen in nature. To answer this, researchers examined a host of conditions — ranging from pH to oxygen content to temperature — found in the surface and cave waters that are home to these fish. They discovered a considerable difference in conductivity, as measured by salinity, between cave and surface. Because low conductivity, a condition found in the caves, can trigger a heat shock response, they raised surface fish in water whose conductivity equaled that of native caves.

The results were essentially the same: fish raised in conditions of low conductivity showed significant variation in eye size. The scientists had shown that an environmental stressor could have the same effects as the chemical inhibition of HSP90.

“This is the first time that we can see in a natural setting where the stress came from and observe the variation that results,” says Tabin.

Adds Rohner: “This is the first study showing that this HSP90-mediated mechanism can be applied to vertebrates for real morphological adaptive traits.”

For Dan Jarosz, a former postdoctoral researcher in Lindquist’s lab, the study is an important validation of Lindquist’s work on evolution. Jarosz, now Assistant Professor of Chemical and Systems Biology and of Developmental Biology at Stanford University, had been involved in much of Lindquist’s work on HSP90 as a driver of evolution in yeast. He believes this latest work should help quiet those who are skeptical of the impact of this mechanism throughout the plant and animal kingdoms.

“We now have enough evidence to say that large, rapid environmental change can reveal new variation and change the outcomes of real evolution in nature,” he says.

This work is supported by the National Institutes of Health and the Damon Runyon Cancer Research Foundation.

Journal Reference:

  1. N. Rohner, D. F. Jarosz, J. E. Kowalko, M. Yoshizawa, W. R. Jeffery, R. L. Borowsky, S. Lindquist, C. J. Tabin. Cryptic Variation in Morphological Evolution: HSP90 as a Capacitor for Loss of Eyes in CavefishScience, 2013; 342 (6164): 1372 DOI: 10.1126/science.1240276

Racism remains ‘institutionalized’ in Brazil: UN panel (CTV News)

Brazil racism

Nubia de Lima, 29, poses for a photo in her Rio de Janeiro apartment in Brazil on Feb. 25, 2013. (AP / Felipe Dana)

The Associated Press
Published Friday, December 13, 2013 2:32PM EST

RIO DE JANEIRO, Brazil — Institutionalized racism persists in Brazil despite government efforts to tackle the issue, members of a United Nations panel examining conditions among black Brazilians said Friday.

Two members of the U.N.’s working group on Afro-descendants said their 10-day fact-finding mission to five Brazilian cities underscored that the government has finally acknowledged the problem and has “shown its willingness to combat racism.”

But the panel said Brazilian blacks “still suffer from structural, institutional and interpersonal racism.”

“Historical injustices continue profoundly affecting the lives of millions of Afro-Brazilians and are present throughout all levels of Brazilian society,” panel member Mireille Fanon-Mendes-France told journalists at a news conference in Rio de Janeiro.

Brazil received more African slaves than any other country in the Americas and was the last major nation to abolish slavery, and people of colour here still tend to languish at the bottom of the social pyramid.

“To overcome the legacy of colonialism and slavery, the challenges Brazil faces are enormous,” Fanon said. “Afro-Brazilians represent more than half of the Brazilian population, however they’re sub-represented and invisible in most positions of power, in the media and the private sector.”

She added that blacks continued to face hurdles in accessing quality education, the courts, health care, basic sanitation and other state services.

“Although Brazil has progressed in reducing poverty, we note that there’s still a great contrast between the situation of black Brazilians and the country’s rapid economic growth,” Fanon said, reading from a report with the group’s initial conclusions.

She praised a series of recent government measures aimed at stamping out the lasting legacy of slavery, including affirmative action in universities.

Still, Fanon added that “advances in dismantling of racial discrimination remains slow.”

The group will report its findings to the Brazilian government next year, with a series of non-binding recommendations.

Read more: http://www.ctvnews.ca/world/racism-remains-institutionalized-in-brazil-un-panel-1.1591369#ixzz2negBg4Bn

Brazil to issue World Cup commemorative coins (AFP)

14 Dec 2013

Handhout picture released on December 13, 2013 by the Central Bank of Brazil showing a 10 Reals gold coin (4 US Dollars), reading “Copa do Mundo da FIFA – Brasil 2014” (FIFA World Cup – Brazil 2014) (Banco Central Do Brasil/AFP)

Brasília — Brazil’s Central Bank on Friday announced plans to issue a set of nine commemorative coins for the 2014 World Cup.

The set, to be released on January 24, will comprise one gold coin, two in silver and six in an alloy of copper and nickel.

The gold coin weighing 4.4. grams (0.155 ounce) will have a nominal value of 10 reais ($4.3) but will be sold for 1180 reais ($504).

It will represent the Cup trophy and a player scoring a goal. Some 5,000 will be minted, the bank said.

Those in silver will have a value of five reais ($2.2) and a weight of 27 grams.

One will represent Fuleco, the 2014 World Cup mascot, and the other the 12 host cities. They will be sold for 190 reais ($81) apiece and 20,000 of each will be sold.

The six cupronickel versions, each with a value of 2 reais ($0.86) and a weight of 10.17 grams, will cost 30 reais ($12.8).

They will represent a dribble, a header or a penalty kick and 20,000 copies of each will be minted.