Arquivo mensal: março 2016

A guerra científica contra os gatos (El País)

Como a eliminação dos felinos em 83 ilhas do mundo todo beneficiou centenas de espécies

MANUEL ANSEDE

28 MAR 2016 – 17:06 CEST

Gato selvagem ataca uma ave na Austrália.

Gato selvagem ataca uma ave na Austrália. Brisbane City Council

Em 25 de abril de 2006, há quase dez anos, um gato de rua apareceu na praia do Inglês, nas Ilhas Canárias (Espanha), carregando na boca o cadáver de um lagarto gigante de La Gomera. Havia apenas 50 animais em liberdade dessa espécie, que sofre uma grave ameaça de extinção. E não se tratava de uma exceção. Os gatos que invadem as matas e vagueiam pelas ilhas no mundo todo têm levado ao desaparecimento de pelo menos 22 espécies de aves, nove de mamíferos e duas de répteis, representando 14% do total de extinções de animais vertebrados registradas pela União Internacional de Preservação da Natureza.

Autoridades de todo o planeta iniciaram uma guerra secreta aos gatos das ilhas. Eles são capturados com armadilhas, envenenados com ceva de peixe, caçados com cães adestrados ou até mesmos mortos com tiros de espingarda, como já ocorreu em algumas ilhas do arquipélago equatoriano dos Galápagos. Os gatos selvagens já foram extintos em pelo menos 83 ilhas, como Santa Catalina (México), Baltra (Equador), Trindade (Brasil), além das ilhotas espanholas de Lobos e Alegranza, segundo o relatório mais recente, produzido há cinco anos.

Agora, um novo estudo atesta a eficácia dessa estratégia, que não deixa de ser polêmica de certa forma. O trabalho, encabeçado pela bióloga norte-americana Holly Jones, mostra que a extinção de mamíferos invasores (principalmente ratos, cabras e gatos) beneficiou 236 espécies animais nativas de 181 ilhas em todo o mundo. Quatro delas tiveram o seu nível de risco de extinção diminuído na Lista Vermelha de espécies ameaçadas da IUCN (sigla em inglês para União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais), segundo o detalhado estudo publicado na revista científica PNAS.

Na ilha Natividad, no México, a eliminação dos gatos selvagens foi crucial para a recuperação da pardela-culinegra, uma ave de 80 centímetros existente em algumas poucas ilhas do Oceano Pacífico. “Essa intervenção foi importante para que a espécie passasse da classificação de vulnerável para quase ameaçada” na Lista Vermelha, como destaca Heath Packard, porta-voz da ONG norte-americana Island Conservation, que participa do estudo. O mesmo aconteceu na ilha britânica de Asunción, no Atlântico, onde a eliminação dos gatos permitiu que o rabiforcado-de-Ascensão, uma ave em ameaça crítica de extinção, reocupasse o seu território.

“Nós, biólogos da preservação, também amamos os animais. A maior parte de nós tem dedicado suas carreiras a proteger a biodiversidade, mas também avaliamos que aceitar a persistência de mamíferos invasores nas ilhas é uma decisão que permite que as espécies nativas sejam atacadas e, em alguns casos, levadas à extinção”, explica Jones, da Universidade do Norte de Illinois.

O comum é fazer a eutanásia dos gatos retirados das ilhas, mas no Japão os gatos capturados foram esterilizados e colocados para doação

A bióloga lembra o caso de uma gata de um homem que chegou em 1894 à ilha de Stephens, na Nova Zelândia, para cuidar de seu farol. A gata, prenhe, fugiu e a sua prole acabou em poucos meses com todos os exemplares de garrinchas de Stephens, uma ave arredondada e incapaz de voar, que era própria daquela ilha. Hoje em dia restam apenas exemplares empalhados dessa espécie extinta.

As ilhas são paraísos da biodiversidade. São a casa de 15% das espécies terrestres do planeta, e nelas sobrevivem 37% das espécies sob ameaça crítica de extinção, segundo destaca a equipe de Jones.

Uma garrincha de Stephens empalhado.

Uma garrincha de Stephens empalhado. Te Papa

 O biólogo espanhol Manuel Nogales, do Grupo de Ecologia e Evolução em Ilhas do Consejo Superior de Investigaciones Científicas, vem propondo há anos a erradicação total de gatos selvagens nas ilhas com menos de 200 quilômetros quadrados. Sua equipe, quando trabalhava na Universidade de la Laguna, na Espanha, capturou com ceva de sardinhas, há mais de dez anos, os dez gatos que tinham invadido a ilhota de Alegranza, um refúgio para aves marinhas como a águia pescadora e a pardela-de-bico-amarelo. Em Lobos, também na Espanha, o único gato do local foi retirado.

Os gatos têm levado ao desaparecimento de pelo menos 22 espécies de aves, nove de mamíferos e duas de répteis

“Na Espanha e na Europa de um modo geral, as autoridades resistem em organizar campanhas pela erradicação dos gatos. Em outros países, a conscientização está mais avançada”, lamenta. Nogales, que não participou do novo estudo, faz um chamamento à ação: “Não podemos ficar de braços cruzados”. Ele e seu colega Félix Medina estão envolvidos em um estudo inicial para avaliar a possível eliminação dos gatos de La Graciosa, uma ilha canária, onde se realizaria a maior eliminação de felinos na Espanha. La Graciosa tem uma área de 30 quilômetros quadrados, o triplo de Alegranza e seis vezes mais do que a superfície da ilhota de Lobos.

Nogales admite que o comum é fazer a eutanásia dos gatos retirados das ilhas, mas aponta outras possíveis alternativas. “No Japão, os gatos capturados na ilha de Okinawa foram levados a Tóquio, esterilizados e colocados para doação”, relata.

“Em muitas ilhas do mundo onde há esses gatos invasores é imprescindível eliminá-los, para que acabar com a pressão que eles fazem sobre muitas espécies nativas ameaçadas por esse predador. Em outras ilhas, seria praticamente impossível, mas é possível adotar outras medidas, como a esterilização, a marcação ou mesmo a reclusão em casa, o que é quase impossível”, acrescenta Medina.

O que vem depois do desastre? (Agência Pública)

23/03/2016

A Pública retoma três tragédias socioambientais e conta o que aconteceu depois que a poeira baixou. Impunidade e acordos lenientes são o resultado mais comum.

Por Jessica Mota, da Agência Pública –

Ednei de Souza comemorava seus 9 anos de idade no dia em que tudo pegou fogo. Na madrugada de 25 de fevereiro de 1984, a Vila São José, conhecida como Vila Socó, em Cubatão (SP), sofreu um incêndio de enormes proporções que matou pelo menos 508 pessoas, possivelmente 700, segundo o que estimou à época o Ministério Público de São Paulo. No Brasil da ditadura militar, foram identificados oficialmente 93 corpos.

O incêndio foi provocado por um vazamento no oleoduto Santos-São Paulo, que transportava gasolina da Refinaria de Capuava, em Mauá, para o Terminal da Alemoa, em Santos, de onde era exportado. A vila fica no caminho desse oleoduto. A maior parte de seus moradores eram migrantes nordestinos atraídos pelas possibilidades de trabalho no complexo industrial de Cubatão. O laudo do médico-legista-chefe do Instituto Médico-Legal estimava como número provável a morte de 300 crianças entre 0 e 3 anos.

O incêndio aconteceu na altura do km 58 da Via Anchieta, onde até hoje está a Vila São José, apelidada “Socó” pela presença dos pássaros no mangue sob as casas de palafita da favela. A gasolina se espalhou nas águas do mangue e da maré. Foi por isso que o fogo irrompeu de baixo para cima, com violência.

“Era uma sexta de Carnaval”, lembra Ednei, que continua, aos 41 anos, a morar na vila. “Nós corremos e depois do incêndio eu voltei pra ver como ficou. Passei aqui e eram muitos corpos perto, num lençol branco, outros não estavam cobertos. Cenário de destruição. Pessoas chorando. Bombeiros tentando pegar os corpos que estavam no meio da lama.”

Dirlene Camilo, a dona Didi, de 78 anos, conta que só teve tempo de acordar os filhos e sair correndo. “Eu só via o céu e fogo. Nós corremos. Meu marido ficou pra, sei lá, pegar documento, pra pegar dinheiro. Ele era pescador e naquele dia tinha vendido muito camarão. Ele queimou. Não morreu na hora. Quando soube, fui lá na Santa Casa e ele tinha morrido”, conta ela na sala da sua casa na Vila Natal, bairro vizinho da Vila Socó, onde foi reassentada depois da tragédia.

O inquérito policial foi instaurado no mesmo dia e a Procuradoria-Geral de São Paulo designou o promotor Marcos Ribeiro de Freitas para assumir a investigação e o processo criminal. Durante um mês, o promotor, hoje aposentado, e seu colega José Carlos Pedreira Passos reuniram documentos sobre vazamentos anteriores, laudos do Instituto Médico-Legal, documentos da prefeitura de Cubatão, plantas das instalações dos dutos e depoimentos – de sobreviventes, testemunhas e funcionários das instituições responsáveis, como a Petrobras e a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). Finalmente, no dia 4 de junho de 1984, os promotores protocolaram a denúncia na Comarca de Cubatão.

Ednei de Souza completava 9 anos no dia do desastre de Cubatão. 'Eles [a Petrobrás] têm dívida eterna com a Vila'. José Cícero da Silva/Agência Pública

É essa peça jurídica, carregada de informações detalhadas e provas, que concluiu que o incêndio foi causado por falha humana, um “erro operacional”, mas que a tragédia só ocorreu pela negligência e omissão de 24 homens. À frente do rol de denunciados estava Shigeaki Ueki, então presidente da Petrobras e ex-ministro de Minas e Energia do governo Geisel (1974-1979). Havia outras autoridades, como o prefeito-interventor de Cubatão na época, José Oswaldo Passarelli, nomeado pelo governo militar. Ueki participou de diversos governos desde 1964 e foi o primeiro presidente civil da Petrobras.

“A nossa denúncia foi uma peça técnica, juridicamente falando. Promovendo responsabilidade, não só pela falha humana que houve, porque isso não elidia a responsabilidade da Petrobras”, relembra Marcos de Freitas. “Porque são culpas concorrentes. Uma coisa é falha humana, outra coisa é a responsabilidade da empresa, que tanto pode ser na área cível, como foi, como na área criminal, como também foi.”

A falha humana foi constatada em sindicância da própria Petrobras. As válvulas que ligavam as linhas de transporte da gasolina aos tanques não se abriram por “um erro operacional”, ocasionado por “problemas de comunicação”. Mas a “culpa consciente” pelo incêndio saltou aos olhos dos promotores ao examinarem um ofício encaminhado por Ueki ao então governador de São Paulo, Franco Montoro, dois meses antes da tragédia. Ueki alertava para o risco iminente de um incêndio e pedia que fossem tomadas providências para remover as pessoas que viviam na Vila Socó. “Só que ele mandou o ofício e não tomou nenhuma providência, vamos dizer, entrar com uma ação no Fórum pra botar todo mundo pra fora. Ele não fez nada, se omitiu completamente. Foi através de uma culpa consciente, através dessa omissão, por parte da Petrobras, que nós denunciamos a responsabilidade criminal”, explica o promotor. Segundo consta na denúncia, deveria haver uma faixa de pelo menos 30 metros que separasse casas e barracos da área do oleoduto e a atribuição legal de realocar as pessoas era da Petrobras, desde o momento em que assumiu a administração do oleoduto.

Não há registros da resposta de Montoro. Antes mesmo do ofício de Ueki, porém, em 1977, Araken de Oliveira, ex-presidente da Petrobras, havia enviado um ofício semelhante ao ex-governador Paulo Egídio Martins. O ex-governador respondia que a competência era do Serviço Social da prefeitura de Cubatão e que ela já havia elaborado um projeto de “desfavelamento” que tinha financiamento do Banco Nacional de Habitação para construção de 6 mil casas. Mas o projeto nunca chegou à Vila Socó.

O único monumento em homenagem às vítimas fica no fundo da Vila, num canteiro ao lado da rodovia Anchieta. José Cícero da Silva/Agência Pública

A denúncia – que obteve repercussão nacional e internacional – apontava também falhas de manutenção nos dutos. Entre 1971 e 1975, o oleoduto apresentou uma média de um vazamento a cada dez dias. Ele havia sido adquirido pela Petrobras em 1974 – operava desde 1951 – sem que fosse feita uma inspeção para avaliar o sistema. De 1977 até a investigação do Ministério Público, o oleoduto já havia se rompido 19 vezes – 18 por corrosão. A válvula de segurança, que poderia aliviar a pressão que causou o acidente, só foi instalada uma semana após o incêndio.

Ainda assim, ninguém foi preso. Uma semana depois de feita a denúncia, o juiz da Comarca de Cubatão descartou a responsabilidade de sete dos 24 denunciados: o então prefeito Passarelli e mais seis engenheiros. Os demais foram chamados para interrogatório, com exceção do presidente da Petrobras, que conseguiu um habeas corpus por dois votos a um e, depois, o trancamento da ação penal. Sete engenheiros e funcionários da Petrobras foram condenados em primeira instância a um ano e sete meses de prisão. Na mesma decisão, outros quatro foram absolvidos. Nenhuma das autoridades de alto escalão foi condenada. Em agosto de 1986, após recursos, os réus foram todos absolvidos em segunda instância. Passarelli seria prefeito por mais dois mandatos em Cubatão, de 1986 a 1988 e de 1993 a 1996.

No ano seguinte ao desastre, a Agência Estado noticiava a recorrência dos vazamentos nos dutos da Petrobras na Baixada Santista. Segundo o jornal, “houve indenizações irrisórias (só oito por morte), construiu-se apenas 28 casas para os desabrigados, e a Justiça ainda não apontou os culpados. As indenizações às vítimas não ultrapassaram Cr$ 3 bilhões, sendo que, por morte, os oito acordos não chegaram a Cr$ 75 milhões”.

Dona Didi conta que foi reassentada na Vila Natal, onde mora até hoje, dois meses depois do incêndio. Até a casa sair, ficou com os quatro filhos na residência do irmão, no Guarujá. Em dinheiro, recebeu Cr$ 1,5 milhão para ressarcir tudo o que perdeu no incêndio. O valor corresponde atualmente a R$ 10.652,54 (cálculo feito em plataforma do Banco Central, com correção monetária e índice de inflação reajustados). Ela não tem a escritura da casa, apenas a “permissão de morada”, e não escolheu ir para Vila Natal.

“Eu já tava acostumada lá na Vila Socó, tinha medo de mudar de lá”, conta. “Cedo eu ia fechando as portas pros meninos não saírem. Era um mato só, um lixão aí atrás”, lembra enquanto aponta para o fundo da casa na Vila Natal. Ela diz que se acostumou com o cheiro. “A gente que é pobre acostuma com tudo.”

Dona Didi perdeu o marido no incêndio. Como compensação, ganhou uma casa que ficava ao lado de um lixão. José Cícero da Silva/Agência Pública

Dona Didi perdeu o marido no incêndio. Como compensação, ganhou uma casa que ficava ao lado de um lixão. José Cícero da Silva/Agência Pública

A Vila Socó ainda existe no mesmo lugar, mas já não há mangue nem casas de palafita. Foi urbanizada a partir de 1985 por reivindicação dos moradores. Os dutos que transportam gasolina ainda estão ali, mas agora subterrâneos. Por toda a calçada da área de lazer do bairro existem estacas amarelas que sinalizam a passagem da tubulação.

Apesar de, na época, já existirem uma legislação estadual que normatiza a prevenção e controle de poluição, uma lei federal de 1980 que regula o zoneamento industrial e estabelece diretrizes para o licenciamento de indústrias e a Lei Federal 6.938, de 1981, que instituía a Política Nacional de Meio Ambiente, o desastre chamou atenção para a necessidade de cumprir com rigor a regulação ambiental. Em dezembro de 1984, dez meses depois do incêndio, o então gerente regional da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), Luís Carlos Valdez, fez declarações alarmantes ao jornal A Tribuna. “Se as autoridades não ouvirem o clamor da Baixada Santista, teremos muitas outras tragédias como a da Vila Socó. Talvez piores”, afirmou. No mesmo ano, Passarelli determinou estudos para a criação de uma Secretaria de Meio Ambiente municipal. Em 1985, iniciou-se “um processo de conscientização sobre a vulnerabilidade da região do Pólo Petroquímico de Cubatão”, como aponta histórico da Cetesb. Foi então que a companhia começou a desenvolver um setor de Análise de Riscos.

Pouco se avançou, porém, para corrigir as injustiças cometidas em relação aos atingidos pela tragédia. “Eu lembro que na época o então vereador Dorivaldo Cajé, que era o presidente da Câmara, mediou esses acordos. Acordos em que foram definidas indenizações irrisórias. Só pra se ter uma ideia, e isso está no processo, crianças de até 12 anos não foram indenizadas porque não eram força produtiva”, conta Dojival Vieira, que era vereador eleito pelo Partido dos Trabalhadores no momento do desastre. Hoje, Dojival é jornalista e advogado e integra a Comissão da Verdade da Ordem dos Advogados do Brasil em Cubatão.

“Naquela época, o povo era leigo. Não sabia dos direitos. O pessoal que vinha pra trabalhar, mas não conhecia de direito, na época não sabia nem contratar um advogado. Então, o poder público fez o que quis com o povo”, sublinha o morador Ednei, presidente da associação de bairro entre 2004 e 2008. “Eu trouxe de volta a história [do incêndio]. Eu resgatei essa memória viva do povo”, conta. “A Petrobras não gostou da lembrança. O gerente de comunicação da época falou pra não falar mais do assunto, que isso é coisa passada. Eu falei que não, que eles têm dívida eterna com a Vila São José”, diz.

Coluna no jornal A Tribuna, de Santos, em 08 de dezembro de 1984, levantava discussão sobre degradação ambiental

Em 2014, no aniversário de 30 anos da tragédia, a Comissão da Verdade da Ordem dos Advogados do Brasil em Cubatão, em parceria com a Comissão da Verdade Rubens Paiva, instalada na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), focou os trabalhos no desastre da Vila Socó. Como explica Adriano Diogo, ex-deputado estadual que presidiu a Comissão da Verdade em São Paulo, “a Petrobras sempre foi uma empresa militarizada”, e “Cubatão, que tinha o polo petroquímico, era uma área de segurança nacional”. Portanto, de responsabilidade dos militares [os prefeitos eram nomeados pelos militares], como lembrou o então governador Franco Montoro em entrevista aos jornalistas em Vila Socó, no dia da tragédia: “É preciso não esquecer que Cubatão está sendo considerada área de segurança nacional apenas como uma cidade que não deve escolher o seu governante. Se houvesse uma participação maior da população, nós teríamos uma participação maior na apreciação dos problemas e na solução”, disse o então governador.

A Comissão da Verdade da OAB de Cubatão pediu o desarquivamento do processo de Vila Socó. “Quando nós criamos essa comissão, tínhamos alguns objetivos”, explica o advogado Luiz Marcelo Moreira. “O primeiro era o resgate à memória. O segundo objetivo era traçar a real dimensão dessa tragédia. O terceiro é o porquê da impunidade dos entes envolvidos. Ninguém foi punido. E o quarto, se houve indenização, de que forma foi a indenização? E se existiria ainda direito a alguma indenização. Traçado isso, a primeira coisa que eu fiz foi pedir o desarquivamento desse processo.”

Foram feitas cinco audiências públicas sobre o caso, três em Cubatão e duas na Alesp. Shigeaki Ueki, hoje consultor internacional da área de energia, foi chamado para depor na Comissão da Verdade em São Paulo. Em seu depoimento, em julho de 2014, ele buscou dar o assunto por encerrado. “Nós admitimos logo de início, vamos aceitar a culpa, foi um erro operacional, falha humana, não interessa, e custou uma pequena fortuna para a Petrobras, e indenizamos todos, de acordo com a lei, com a expectativa de vida e tudo mais.”

Desde o fim da Comissão da Verdade, em 2014, a equipe de três advogados estuda como buscar reparação às vítimas. “Nós encerramos essa primeira etapa, e a próxima etapa é montar uma petição inicial com a documentação e levar à OEA [Organização dos Estados Americanos] para que lá seja julgada e analisada essa situação não só da Petrobras, mas do Estado brasileiro.” Moreira se refere à Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA, que pode condenar o Estado brasileiro por violações de direitos humanos. “Se existir uma culpa, seja de qual forma for, que ele [o Estado] seja responsabilizado e indenize as vítimas e os parentes das vítimas. Nós queremos fazer isso ainda este ano”, conclui o advogado.

A Pública fez um pedido pela Lei de Acesso à Informação à Petrobras para obter documentos internos relativos ao desastre da Vila Socó. A Ouvidoria-Geral respondeu que as informações sobre o incêndio já haviam sido encaminhadas à Comissão da Verdade de São Paulo e que, na época em que a comissão requereu tais informações, a Petrobras não localizou a documentação relacionada. A reportagem questionou também a empresa, via assessoria de imprensa, sobre as indenizações, restaurações dos dutos e zona de segurança na Vila Socó. A assessoria informou por telefone que não iria comentar o caso.

Dutos da Petrobrás que transportam gasolina hoje têm sinalização e ainda passam pela Vila Socó. José Cícero da Silva/Agência Pública

12 anos antes, outra barragem em Minas

O estado de Minas Gerais tem 220 barragens de rejeitos minerais classificadas dentro da Política Nacional de Segurança de Barragens. Em 2003, 12 anos antes de romper a barragem do Fundão, no distrito de Bento Gonçalves, também em Minas, outra se rompia na cidade de Cataguases, perto da divisa com o Rio de Janeiro.

Ela represava rejeitos gerados na produção de celulose (chamados de lixívia negra) e fora construída na década de 1980, de acordo com informações do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) de Minas Gerais, pela Indústria Matarazzo de Papéis, posteriormente adquirida pela Indústria Cataguases de Papel e pela Florestal Cataguases, pertencentes ao Grupo Iberpar.

Em resposta aos questionamentos da Pública, o Sisema informa que a Indústria Matarazzo de Papéis operou sempre irregularmente, de 1978 até seu fechamento, em 1993. A empresa se mantinha em atividade “celebrando vários acordos com a Comissão de Política Ambiental (Copam), com o objetivo de solucionar as irregularidades ambientais, porém nenhum dos acordos foi cumprido”. A Indústria Cataguases de Papel, que opera com reciclagem de papel e adquiriu a planta em 1993, só requereu Licença de Operação em 1997. Até 2003, ano do rompimento, a indústria protocolou quatro processos de licenciamento ambiental. “Todos indeferidos por estarem tecnicamente inadequados”, informou o Sisema. Durante 14 anos a empresa operou sem licença, obtida apenas em 2007.

No dia 29 de março de 2003, a “Barragem B”, localizada na fazenda Bom Destino, se rompeu, contaminando com a lixívia negra o ribeirão Cágado, o rio Pomba e o rio Paraíba do Sul, principal fonte de abastecimento de água do estado do Rio de Janeiro. Mais de 500 milhões de litros de lixívia vazaram nos rios, de acordo com o Ministério Público Federal. Os resíduos chegaram a Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, e, em menor proporção, até o litoral de Presidente Kennedy, no Espírito Santo. Durante 11 dias o noroeste fluminense ficou sem abastecimento de água.

O Sisema informou que testes laboratoriais indicaram que os resíduos da barragem não eram tóxicos. Entretanto, uma portaria do Ibama emitida quatro dias após o rompimento da barragem referia-se ao “vazamento de substâncias altamente tóxicas” e proibia a pesca nos rios Pomba e Paraíba do Sul durante 90 dias. As atividades rurais no entorno dos rios ficaram comprometidas. Animais como bois, cavalos e jacarés foram encontrados mortos ao longo do percurso dos rios contaminados, e cerca de 60 espécies de peixes – das 169 então existentes no rio Paraíba do Sul – foram dizimadas, de acordo com um artigo científico de autoria da professora do Instituto Federal do Rio de Janeiro Verônica Bomfim de Souza Alves.

O procurador da república Eduardo Santos de Oliveira, que à época estava lotado na Procuradoria da República em Campos dos Goytacazes, foi o responsável pelas ações do MPF no caso da Cataguases. A experiência foi um dos fatores para que ele integrasse a força-tarefa de procuradores no caso do rompimento da barragem da Samarco em Mariana. “Um acidente dessa proporção jamais ocorre por conta dessa ou daquela causa. Como regra, é uma soma de omissões ou decisões equivocadas”, ensina. Um exemplo: na época da construção da barragem de Cataguases, já havia soluções melhores para gerenciar os dejetos da atividade industrial. Mas, segundo ele, a barragem seria uma opção economicamente mais barata.

O Ministério Público Federal (MPF) agiu contra a empresa, que teve suas atividades suspensas. Em ação civil pública, pediu indenização e compensação por danos ecológicos. Responsabilizou também o Grupo Matarazzo, dono anterior da propriedade e da indústria de papel e responsável pela construção da barragem. O Ibama e o estado de Minas Gerais foram apontados como responsáveis por omissão. Na denúncia consta ainda que, em 1990, a Indústria Matarazzo de Papéis já havia sido avisada da necessidade de a barragem ser desativada após abril de 1993 – ou seja, dez anos antes do rompimento.

Em 2007, a Justiça Federal no Rio de Janeiro determinou o pagamento conjunto de R$ 170 milhões de indenização por danos ambientais. Os réus entraram com recursos, mas de acordo com o procurador a expectativa é que a sentença saia ainda este ano e seja favorável ao pedido do MPF. Há uma execução provisória em andamento, com a penhora dos bens das empresas.

“A população ribeirinha, no caso os pescadores, na grande maioria foi assessorada pela Defensoria Pública ou por advogados. Houve centenas de ações individuais cobrando das empresas por eventuais danos, tanto em Cataguases quanto em Campos [dos Goytacazes]”, informa Oliveira. “Algumas já tiveram ganho de causa, outras ainda não.”

O MPF também denunciou criminalmente os sócios, ex-sócios e um ex-funcionário das empresas Florestal Cataguases, Indústria Cataguases de Papel, ambas do Grupo Iberpar, e das Indústrias Matarazzo de Papéis por crime de omissão, pela inundação, poluição e por não terem feito o esvaziamento da barragem após o desastre. A possibilidade de rompimento já tinha sido informada à Florestal Cataguases havia mais de três anos antes do acidente, segundo uma nota da assessoria do MPF publicada em seu site na época.

Dois dos então diretores da Indústria Cataguases de Papel, Félix Luis Santana Arencibia e João Gregório do Bem, tiveram prisão preventiva decretada. Arencibia chegou a ser preso, mas tanto ele como João Gregório tiveram liberdade provisória em seguida. A ação criminal referente aos sócios e ex-sócios da Indústria Cataguases de Papel e Florestal Cataguases ainda não teve sentença. O processo que acusava criminalmente a Indústria Matarazzo de Papéis e seus representantes foi trancado por ordem do Supremo Tribunal de Justiça, após recursos dos réus.

Em paralelo às ações judiciais, a Indústria Cataguases de Papel assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público Federal. O acordo estabeleceu ações de recomposição da barragem, recuperação das margens do córrego do Cágado, proteção de nascentes, repovoamento de espécies de peixes nativas e remoção dos resíduos acumulados nas propriedades rurais. Segundo o Sisema, “as ações foram implementadas satisfatoriamente”.

“O TAC também contém uma série de medidas para tratamento dos resíduos remanescentes nos reservatórios das Barragens A e B da Fazenda Bom Destino, de forma a promover a completa desativação das estruturas e recuperação do passivo ambiental”, informa a nota do Sisema enviada à Pública. Segundo o procurador Eduardo Santos de Oliveira, hoje não há mais risco em Cataguases porque as barragens estão vazias.

Para o procurador, que acompanhou tanto Cataguases como Mariana, a postura das empresas continua “lamentável”. “O empreendedor sabe da potencialidade lesiva da obra que ele construiu e da qual ele é dono, sabe dos perigos que a obra que ele executou traz para a população e para o meio ambiente. O que é lamentável mesmo é que, no final das contas, eles não encaminham suas decisões de maneira a preservar a integridade tanto do meio ambiente e do patrimônio histórico, mas principalmente das pessoas”, analisa. “Se um décimo de qualquer medida das que são tomadas depois tivesse sido feito ao longo do tempo da barragem, o desastre nem teria acontecido. Independentemente das obrigações de indenizar, independentemente de eventual sentença criminal, o que é mesmo lamentável é a perda de 17 vidas inutilmente”, fala, ao refletir sobre o desastre da barragem do Fundão, no distrito de Bento Gonçalves, em Mariana.

A Pública tentou localizar representantes da Florestal Cataguases e da Indústria Cataguases de Papel, sem sucesso. Em matéria do portal G1, publicada em novembro de 2015, a advogada da Indústria Cataguases de Papel, Kássia Silveira, afirmou que “a empresa foi multada no valor de R$ 50 milhões, aplicada pelo Ibama. Nós entramos na Justiça contra essa multa e o processo ainda não foi julgado, ainda está em curso. Para recuperar a área ainda gastamos aproximadamente R$ 1,5 milhão”.

Vazamento de petróleo em alto-mar

Foi no dia 8 de novembro de 2011 que a Petrobras notificou a Chevron do Brasil sobre uma imensa mancha de óleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos, a uma distância de cerca de 120 km da costa do Rio de Janeiro. Há três meses, a Chevron explorava um poço de petróleo a 2.280 metros abaixo do fundo do mar, como parte de um consórcio em que tem participação majoritária (51,7%), seguida pela Petrobras (30%) e pela Frade Japão Petróleo Ltda. (18,3%).

Foram cerca de 3.700 barris de petróleo cru vazados no mar, ou aproximadamente 588 mil litros, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Em laudo técnico, o Ibama e a Marinha classificaram o ocorrido como dano ambiental grave em zona de grande sensibilidade ambiental. Entre os meses de julho e novembro, quando ocorreu o vazamento, é grande a presença de baleias-jubarte e baleias-francas do sul na região da Bacia de Campos, que também é rota migratória de diversas aves marinhas. Além disso, mesmo quando não é visível, o vazamento de petróleo cru pode causar interferências em diversos níveis, de alterações celulares à morte de plânctons (organismos microscópicos que servem de alimento a peixes), peixes que nadam em cardumes, como as sardinhas, as anchovas e os atuns, além de mamíferos aquáticos e aves marinhas.

“Nós não tivemos nenhum animal visivelmente contaminado, mas você não pode comprovar que não houve [danos]. Você infere os danos a partir do momento em que existem vários estudos que demonstram que o óleo na água causa poluição. Poluição é dano”, explica Marcelo de Amorim, coordenador de Atendimento a Emergências Ambientais do Ibama. É ele que assina o laudo com a consultora da Gerência de Meio Ambiente da Marinha, Keity Ferraz. O laudo informa também que “os efeitos a longo prazo não são tão aparentes e alguns compostos podem ser bioacumulados ao longo da cadeia trófica podendo trazer efeitos nocivos ao homem”.

A ANP realizou uma investigação para apurar as causas do vazamento. Concluiu que ele havia sido provocado por erro no cálculo de pressão injetada no poço ao ser perfurado e agravado por falta de avaliação dos riscos da operação. No relatório final da apuração, a agência explicita: “O acidente poderia ter sido evitado, caso a Chevron Brasil Upstream Frade Ltda. tivesse conduzido suas operações em plena aderência à regulamentação, em conformidade com as boas práticas da indústria do petróleo e com seu próprio manual de procedimentos. De acordo com a ANP, a Chevron “dispunha de dados e informações suficientes para concluir que a classificação do risco das operações, na forma em que foram executadas, era intolerável”, diz o relatório. Ao todo, os fiscais da ANP apontaram 25 irregularidades (para toda a cronologia do vazamento, leia aqui).

Fernanda Pirillo, coordenadora de Emergências Ambientais do Ibama, explica que na etapa do licenciamento ambiental, antes de entrar em operação, as empresas que realizam produção de petróleo em alto-mar devem demonstrar ter capacidade de resposta. “O Ibama faz o simulado, como a gente chama a avaliação pré-operacional, com mobilização de recursos, e a empresa passando nesse exercício, obtém a licença [ambiental]. A legislação já obriga das empresas a se prepararem em caso de acidentes”, completa.

A Chevron confirmou o vazamento no dia seguinte à notificação da Petrobras, mas a empresa contratada para fazer o controle do poço, Wild Well Control, só foi informada no dia 10 de novembro. Isso deveria ter ocorrido imediatamente por causa do nível de gravidade da situação. O poço só foi controlado no dia 13 de novembro, o sexto dia de vazamento. Quatro meses depois, em março de 2012, foi identificado um novo ponto de vazamento a 3 km do poço. Dessa vez, a quantidade de petróleo foi menor: 25 barris ou aproximadamente 3.974 litros.

A Chevron pagou R$ 25,5 milhões à ANP por causa das irregularidades encontradas e R$ 48,2 milhões ao Ibama por danos ambientais. As multas tiveram um desconto de 30%, previsto em lei.

A Chevron Brasil, a Chevron Latin America, a Transocean Brasil – proprietária da sonda que explorava o poço – e os executivos que representavam as empresas (entre eles, o ex-presidente da Chevron no Brasil, George Buck) também foram alvo de ações do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro. Em virtude dos danos ambientais, o MPF pedia indenização de R$ 20 bilhões por cada um dos vazamentos de petróleo para as três empresas. Em 2013, porém, um acordo, feito pelo Termo de Ajustamento de Conduta, entre as três empresas, o MPF, o Ibama e a ANP encerrou o processo, determinando medidas de compensação equivalentes a R$ 95,1 milhões. Na audiência pública para discutir o acordo, em dezembro de 2012, apesar da avaliação do Ibama, uma apresentação da petrolífera mostra que “não houve dano ambiental relevante” e que “não houve danos relevantes à vida marinha”. Antes disso, as atividades das empresas envolvidas no desastre ambiental haviam sido suspensas pela Justiça. A ANP conseguiu reverter a decisão no Superior Tribunal de Justiça com a justificativa de que ela “poderia causar graves lesões à segurança e à economia públicas”. As empresas voltaram a operar no Brasil, com a ressalva de que não poderiam voltar às atividades no Campo de Frade.

Petróleo cru que vazou no Campo de Frade, em 2011, em operação da Chevron. Rogério Santana/Imprensa RJ

Petróleo cru que vazou no Campo de Frade, em 2011, em operação da Chevron. Rogério Santana/Imprensa RJ

Dezessete gestores da Chevron e da Transocean foram denunciados por crime ambiental e dano ao patrimônio público. George Buck, então presidente da Chevron Brasil, e três funcionários da empresa também responderam por “dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público, se omitir em cumprir obrigação de interesse ambiental, apresentar um plano de emergência enganoso e por falsidade ideológica, ao alterarem documentos apresentados a autoridades públicas”, informou o MPF em seu site. Os acusados chegaram a ter seus passaportes retidos e foram impedidos de deixar o Brasil. As penas variavam de 21 a 31 anos de prisão. Hoje, o processo tramita no Superior Tribunal de Justiça e aguarda decisão.

O acordo das petrolíferas com o MPF, a ANP e o Ibama, assinado em setembro de 2013, prevê uma série de medidas de compensação ambiental e aperfeiçoamento das operações da Chevron em relação à resposta a incidentes como o do Campo de Frade e à avaliação de riscos. O dinheiro e os projetos serão administrados pelo Funbio, organização não governamental que presta serviços de recuperação ambiental, que já começou a receber os depósitos.

As medidas preventivas também começaram a ser executadas. “O monitoramento através de radares já foi instalado e já foi feito aperfeiçoamento dos estudos solicitados, de verificar todos os processos físicos e químicos do óleo até a superfície”, conta Marcelo de Amorim, do Ibama. Ele participou da última reunião sobre os projetos fruto do acordo, no fim do ano passado.

“Quanto aos projetos de natureza compensatória, depois de vários ofícios expedidos ao Ibama, ANP, e tendo inclusive passado pelo crivo técnico de nossa análise pericial da quarta câmara do MPF, dois deles começaram a ser executados há cerca de 4/5 meses”, informa, por e-mail, o procurador responsável por monitorar o cumprimento das medidas, Jaime Mitropoulos. Um dos pontos do acordo é a criação de um website que disponibilize relatórios sobre as ações compensatórias da Chevron, o que ainda não foi feito. “Estaremos cobrando também o cumprimento da cláusula que determina a disponibilização de relatórios na internet”, responde o procurador.

De acordo com Fernanda Pirillo, do Ibama, os projetos que têm editais abertos pelo Funbio para serem implementados são o de conservação da toninha, mamífero semelhante ao golfinho, e um projeto de apoio à pesquisa marinha e pesqueira no Rio de Janeiro. Outros quatro projetos ainda estão em análise pelo Ibama, são eles: conservação e uso sustentável da biodiversidade nas Unidades de Conservação Federais Costeiras e Estuarinas do Rio de Janeiro; implementação de projetos de educação ambiental e geração de renda para comunidades pesqueiras na região norte do Rio de Janeiro; um centro de reabilitação de animais silvestres no estado do Rio de Janeiro e o projeto Aqua Rio.

Procurada pela reportagem com uma série de indagações a respeito dos projetos de compensação ambiental e do cumprimento do acordo firmado judicialmente, a Chevron não quis comentar nada sobre o caso. Em nota, a petrolífera avalia que “agiu rapidamente e de forma responsável, quando aconteceu o incidente no Campo Frade, em novembro de 2011, controlando a exsudação dentro dos melhores padrões da indústria”.

Fernanda, que trabalha há dez anos no Ibama, avalia que desastres como esse têm influenciado a mudança na legislação ambiental. “A legislação foi ficando mais rigorosa e mais específica para os casos de vazamento de óleo. Também percebo que houve um entendimento das empresas de que esses não são mero cumprimento da legislação, e sim um item importante na gestão de seus negócios”, avalia.

A produção de petróleo pela Chevron no Campo de Frade voltou à ativa em abril de 2013 e foi aumentada em março de 2014. (Agência Pública/ #Envolverde)

* Publicado originalmente no site Agência Pública.

N.F.L.’s Flawed Concussion Research and Ties to Tobacco Industry (New York Times)

The National Football League was on the clock.

With several of its marquee players retiring early after a cascade of frightening concussions, the league formed a committee in 1994 that would ultimately issue a succession of research papers playing down the danger of head injuries. Amid criticism of the committee’s work, physicians brought in later to continue the research said the papers had relied on faulty analysis.

Now, an investigation by The New York Times has found that the N.F.L.’s concussion research was far more flawed than previously known.

For the last 13 years, the N.F.L. has stood by the research, which, the papers stated, was based on a full accounting of all concussions diagnosed by team physicians from 1996 through 2001. But confidential data obtained by The Times shows that more than 100 diagnosed concussions were omitted from the studies — including some severe injuries to stars like quarterbacks Steve Young and Troy Aikman. The committee then calculated the rates of concussions using the incomplete data, making them appear less frequent than they actually were.

After The Times asked the league about the missing diagnosed cases — more than 10 percent of the total — officials acknowledged that “the clubs were not required to submit their data and not every club did.” That should have been made clearer, the league said in a statement, adding that the missing cases were not part of an attempt “to alter or suppress the rate of concussions.”

One member of the concussion committee, Dr. Joseph Waeckerle, said he was unaware of the omissions. But he added: “If somebody made a human error or somebody assumed the data was absolutely correct and didn’t question it, well, we screwed up. If we found it wasn’t accurate and still used it, that’s not a screw-up; that’s a lie.”

These discoveries raise new questions about the validity of the committee’s findings, published in 13 peer-reviewed articles and held up by the league as scientific evidence that brain injuries did not cause long-term harm to its players. It is also unclear why the omissions went unchallenged by league officials, by the epidemiologist whose job it was to ensure accurate data collection and by the editor of the medical journal that published the studies.

In 2013, the N.F.L. agreed to a $765 million settlement of a lawsuit in which retired players accused league officials of covering up the risks of concussions. Some players have appealed the settlement, asking for an examination of the committee’s concussion research.

Dr. Joseph Waeckerle, speaking to quarterback Joe Montana in 1994, was the Chiefs’ team physician and a member of the N.F.L.’s concussion committee. CreditAssociated Press 

Some retired players have likened the N.F.L.’s handling of its health crisis to that of the tobacco industry, which was notorious for using questionable science to play down the dangers of cigarettes.

Concussions can hardly be equated with smoking, which kills 1,300 people a day in the United States, and The Times has found no direct evidence that the league took its strategy from Big Tobacco. But records show a long relationship between two businesses with little in common beyond the health risks associated with their products.

In a letter to The Times, a lawyer for the league said, “The N.F.L. is not the tobacco industry; it had no connection to the tobacco industry,” which he called “perhaps the most odious industry in American history.”

Still, the records show that the two businesses shared lobbyists, lawyers and consultants. Personal correspondence underscored their friendships, including dinner invitations and a request for lobbying advice.

In 1997, to provide legal oversight for the committee, the league assigned Dorothy C. Mitchell, a young lawyer who had earlier defended the Tobacco Institute, the industry trade group. She had earned the institute’s “highest praise” for her work.

A co-owner of the Giants, Preston R. Tisch, also partly owned a leading cigarette company, Lorillard, and was a board member of both the Tobacco Institute and the Council for Tobacco Research, two entities that played a central role in misusing science to hide the risks of cigarettes.

The N.F.L.’s concussion committee began publishing its findings in 2003 in the medical journal Neurosurgery. Although the database used in the studies contained numerical codes for teams and players, The Times decoded it by cross-referencing team schedules and public injury reports.

The N.F.L.’s concussion studies have faced questions since they were published, but even the league’s harshest critics have never suggested, and no evidence has ever arisen, that the underlying data set could be so faulty.

“One of the rules of science is that you need to have impeccable data collection procedures,” said Bill Barr, a neuropsychologist who once worked for the Jets and who has in the past criticized the committee’s work.

By excluding so many concussions, Mr. Barr said, “You’re not doing science here; you are putting forth some idea that you already have.”

The Work Begins

In an introduction to the first of the concussion committee’s papers, the league’s commissioner at the time, Paul Tagliabue, acknowledged the need for “independent scientific research” to better understand the risks of concussions.

“As we looked more deeply into the specific area of concussions, we realized that there were many more questions than answers,” Mr. Tagliabue wrote.

The committee’s chairman, Dr. Elliot Pellman, the team physician for the Jets, emphasized that his group aimed to produce research that was “independent” and “meticulous.”

In fact, most of the dozen committee members were associated with N.F.L. teams, as a physician, neurosurgeon or athletic trainer, which meant they made decisions about player care and then studied whether those decisions were proper. Still, the researchers stated unambiguously — in each of their first seven peer-reviewed papers — that their financial or business relationships had not compromised their work.

The committee said it analyzed all concussions diagnosed by team medical staffs from 1996 through 2001 — 887 in all. Concussions were recorded by position, type of play, time missed, even the brand of helmet.

The committee’s statements emphasized the completeness of the data.

“It was understood that any player with a recognized symptom of head injury, no matter how minor, should be included in the study,” one paper said.

And in confidential peer-review documents, the committee wrote that “all N.F.L. teams participated” and that “all players were therefore part of this study.”

Those statements are contradicted by the database.

The Times found that most teams failed to report all of their players’ concussions. Over all, at least 10 percent of head injuries diagnosed by team doctors were missing from the study, including two sustained by Jets receiver Wayne Chrebet, who retired several years later after more concussions. Dr. Pellman, the Jets’ physician, led the research and was the lead author on every paper.

Read the whole text here.

As vantagens evolutivas de termos feito sexo com os neandertais (El País)

Novos indícios de que antigos cruzamentos entre as três espécies tiveram consequências evolutivas

Localização geográfica das 159 populações estudadas.

Localização geográfica das 159 populações estudadas. SCIENCE

Estamos tão acostumados a ser os únicos humanos sobre a Terra que quase não podemos imaginar um passado em que, saindo da África para um mundo desconhecido, o mais fácil era encontrar pelo caminho gentes de outras espécies do gênero Homo que compartilhavam conosco um passado esquecido, e com as quais, conforme sabemos agora, não descartávamos compartilhar o sonho de uma noite de verão. Sem que nossa lógica mais profunda, a genética, considerasse isso algo inconveniente.

Segundo a última pesquisa de 1.523 genomas de pessoas de todo o mundo, incluindo pela primeira vez os de 35 melanésios, os neandertais se relacionaram não uma, mas três vezes (em três épocas diferentes), com diversas populações de humanos modernos. Só ficaram de fora os africanos, pela simples razão de que os neandertais não estavam ali. Os melanésios atuais carregam o DNA de outra espécie arcaica, os misteriosos denisovanos que viviam na Sibéria há 50.000 anos, mas nem por isso se livraram da promiscuidade neandertal: seus genomas atuais têm as marcas inconfundíveis tanto de neandertais como de denisovanos.

E um prêmio de consolação: os genes da evolução do córtex, a sede da mente humana, são inteiramente nossos, dos Homo sapiens. Os demais parecem ser adaptações ao clima local. São os resultados que 17 cientistas da Universidade de Washington em Seattle, a Universidade de Ferrara, o Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig e o Instituto de Pesquisa Médica da Goroka, na Papua Nova Guiné, entre outros, apresentaram na revista Science.

Os genomas costumam ser medidos em megabases, ou milhões de bases (as letras do DNA, gatacca…). O genoma humano tem 3.235 megabases. Dessas, 51 megabases são arcaicas nos europeus, 55 nos asiáticos meridionais e 65 nos asiáticos orientais. Quase todas essas sequências arcaicas são de origem neandertal nessas populações. Em contraste, os melanésios apresentam uma média de 104 megabases arcaicas, das quais 49 são neandertais e 43 são denisovanas (as 12 restantes são ambíguas por enquanto). São só números, mas dão uma ideia do grau de precisão alcançado pela genômica humana.

Segundo a última pesquisa, os neandertais se cruzaram não uma, mas três vezes (em três épocas diferentes), com diversas populações de humanos modernos

Mas o diabo mora nos detalhes. As sequências arcaicas não estão distribuídas de maneira homogênea pelo genoma, muito pelo contrário. Há zonas onde estão muito pouco representadas, ou seja, onde há trechos de 8 megabases ou mais sem uma única letra neandertal ou denisovana. Estes trechos de puro DNA moderno, ou sapiens, são ricos em genes implicados no desenvolvimento do córtex cerebral – a sede da mente humana – e o corpo estriado (ou núcleo estriado), uma região interna do cérebro responsável pelos mecanismos de recompensa e, portanto, envolvida a fundo no planejamento de ações e na tomada de decisões.

Segundo as análise estatísticas dos autores, não é por mera casualidade que os genes envolvidos nessas altas funções mentais estão livres de sequências neandertais ou denisovanas. O fato implica, provavelmente, que a presença de DNA arcaico ali se revelou desvantajosa durante os últimos 50 milênios e, portanto, foi varrida pela seleção natural.

Entre os genes modernos se encontra o famoso gene da linguagem, FOXP2, o que volta a levantar dúvidas sobre a capacidade de linguagem dos neandertais. A sequência idêntica deste gene em neandertais e sapiens foi considerada uma prova de que os neandertais falavam, mas os genes são mais que sua sequência de código (a que se traduz em proteínas): existem ainda zonas reguladoras essenciais, as que dizem ao gene onde, quando e quanto se ativar. Outros genes puramente modernos são, quando em mutação, os responsáveis pelo autismo.

Entre os genes modernos se encontra o famoso gene da linguagem, FOXP2, o que volta a levantar dúvidas sobre a capacidade de linguagem dos neandertais

Também são interessantes as regiões genômicas contrárias, isto é, as particularmente ricas em genes neandertais ou denisovanos. Os genomas melanésios revelaram 21 regiões desse tipo que mostram evidências de terem sido favorecidas pela seleção natural. Muitas delas contêm genes implicados no metabolismo (a cozinha da célula), como o do hormônio GCG, que incrementa os níveis de glicose no sangue, ou o da proteína PLPP1, encarregada de processar as gorduras; também há cinco genes implicados na resposta imune inata, a primeira linha de defesa contra as infecções.

Tudo isso reforça os indícios anteriores de que os cruzamentos de nossos ancestrais sapiens com as espécies arcaicas que encontraram durante suas migrações fora do continente africano foram importantes para adaptar-se às condições locais: clima, dieta e infecções frequentes na região. Faz sentido, certamente.

Foram sonhos de uma noite do verão, mas voltam agora para nosso encontro, como em uma boa peça de teatro clássico.

IPEA: Estudo desfaz mitos sobre a violência no país (Boletim FPA)

Ano 4 – nº 289 – 22 de março de 2016 – FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO

Estudo lançado hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) discute a violência letal no país, que tem evoluído de maneira bastante desigual nas unidades federativas e microrregiões, atingindo crescentemente os moradores de cidades menores no interior e no Nordeste. Segundo o estudo, naqueles estados em que se verificou queda dos homicídios, políticas públicas qualitativamente consistentes foram adotadas, como no caso de São Paulo, Pernambuco, Espírito Santo e Rio de Janeiro. O gráfico abaixo mostra a evolução das taxas de homicídio no país por regiões de 2004 a 2014.  

Segundo o estudo, os homicídios no Brasil em 2014 representam mais de 10% dos homicídios registrados no mundo e colocam o Brasil como o país com o maior número absoluto de homicídios. O Brasil apresentaria ainda uma das 12 maiores taxas de homicídios do mundo. Tal tragédia, segundo o estudo, traz implicações na saúde, na dinâmica demográfica e, por conseguinte, no processo de desenvolvimento econômico e social, uma vez que 53% dos óbitos de homens na faixa etária de 15 a 19 anos são ocasionados por homicídios.

Quanto à escolaridade, o estudo mostra que as chances de vitimização para os indivíduos com 21 anos de idade e menos de oito anos de estudo são 5,4 vezes maiores do que os do mesmo grupo etário e oito ou mais anos de estudo: a educação funciona como um escudo contra os homicídios. Ainda, o estudo mostra que, aos 21 anos de idade, quando há o pico das chances de uma pessoa sofrer homicídio no Brasil, negros possuem 147% a mais de chances de ser vitimados por homicídios, em relação a indivíduos brancos, amarelos e indígenas. Ocorreu também, de 2004 a 2014, um acirramento da diferença de letalidade entre negros e não negros na última década.

O estudo ainda chama a atenção para as especificidades da violência de gênero no país, que por vezes fica invisibilizada diante dos ainda maiores números da violência letal entre homens ou mesmo pela resistência em reconhecer este tema como um problema de política pública.

No caso de mortes causadas por agentes do Estado em serviço, o estudo aponta uma “evidente a subnotificação existente”. Argumenta-se que a letalidade policial é a expressão mais dramática da falta de democratização das instituições responsáveis pela segurança pública no país.

O estudo ainda aponta, por meio de um modelo estatístico, que, ao contrário do que deseja parcela do nosso congresso nacional, se a vitimização violenta assumiu contornos de uma tragédia social no Brasil, sem o Estatuto do Desarmamento a tragédia seria ainda pior.

O Atlas é uma rica fonte de informações sobre a violência no país, se contrapondo ao senso comum sobre o tema no país.

Fantasmas que pegaram táxi em Ishinomaki, depois do tsunami, são tema de monografia (IPC Digital)

Por Anna Shudo – 22/03/2016

Ishinomaki

Crédito: Divulgação

SENDAI (IPC Digital) – Yuka Kudo, 22 anos, natural da província de Akita, é uma jovem formanda do curso de Sociologia da Universidade Tohoku Gakuin, de Sendai (Miyagi). Seu grupo de 7 pessoas escolheu como tema da monografia para colação de grau, como as pessoas lidam com a morte após o Grande Terremoto ao Leste do Japão, em 11 de março de 2011. Até iniciar o trabalho de pesquisa, ela via as mortes provocadas pelo tsunami como “milhares de pessoas que perderam a vida”. Depois de iniciar as entrevistas, descobriu que muitos dos taxistas de Ishinomaki (Miyagi) tiveram a experiência de terem como clientes os fantasmas de pessoas que provavelmente perderam a vida na tragédia.

Ela conta as histórias que ouviu durante suas entrevistas. Um taxista, na faixa dos 50 anos, relatou que no começo do primeiro verão após o tsunami, uma senhora vestida de casaco, o que lhe chamou à atenção, pediu para ser conduzida até Minamihama. Ele teria feito uma pergunta para confirmar: “lá, praticamente, só tem terras vazias, pode ser?”.  Com a voz trêmula, a mulher lhe pergunta “eu morri?”. Assustado, quando olha para o assento traseiro a passageira que transportava não estava mais lá.

Outros taxistas contam histórias semelhantes, afirma a estudante. Um deles relata que um rapaz, também vestido de casaco, aponta sentido Hiyoriyama e pede para ir até lá. No destino final, não havia cliente dentro do carro. Segundo seu levantamento junto aos motoristas de táxi, a maioria desses passageiros fantasmas eram jovens, homens e mulheres, quase todos vestidos de casaco. “Os jovens costumam ter um forte sentimento de desgosto de ter deixado pessoas que amam. Devem ter escolhido um espaço reservado como o táxi para transmitir esse sentimento insustentável”, pensa a jovem formanda.

Com a voz trêmula, a mulher lhe pergunta “eu morri?”

Para ela e para os entrevistados, essas histórias não são uma viagem da mente, há realidade. Os motoristas lhe mostraram diários, com registros de perda de corrida e que tiveram que pagar do próprio bolso ou do taxímetro que foi ligado até o destino.

Ela conta que sentiu na pele a dor da perda das pessoas de Ishinomaki. Um outro motorista lhe contou que perdeu familiares no tsunami e declarou “não é nada surpreendente que aconteça esse tipo de coisa. Se aparecer mais alguém vou transportar sim”. Todos os entrevistados não contaram suas experiências com medo. Ficou impressionada com o sentimento de reverência, como uma experiência importante que guardavam dentro do peito.

Com essas entrevistas quase que diárias, revela que aprendeu o que é a dor da perda e do luto. “Quero transmitir o peso da morte de cada uma das pessoas que partiu, com respeito”, declarou.

AS20160118001654_comm

Yuka Kudo, a formanda que pesquisou sobre os fantasmas que pegaram táxi em Ishinomaki

Fonte e foto: Asahi Shimbun | Foto de Ishinomaki: http://blog.goo.ne.jp/

Donna Haraway’s new book: Staying with the Trouble: Making Kin in the Chtulucene

the anthropo.scene

978-0-8223-6224-1_prDonna Haraway’s new book is out in September with Duke University Press:

Description

In the midst of spiraling ecological devastation, multispecies feminist theorist Donna J. Haraway offers provocative new ways to reconfigure our relations to the earth and all its inhabitants. She eschews referring to our current epoch as the Anthropocene, preferring to conceptualize it as what she calls the Chthulucene, as it more aptly and fully describes our epoch as one in which the human and nonhuman are inextricably linked in tentacular practices. The Chuthulucene, Haraway explains, requires sym-poiesis, or making-with, rather than auto-poiesis, or self-making. Learning to stay with the trouble of living and dying together on a damaged earth will prove more conducive to the kind of thinking that would provide the means to building more livable futures. Theoretically and methodologically driven by the signifier SF—string figures, science fact, science fiction, speculative feminism, speculative fabulation, so…

Ver o post original 34 mais palavras

Leading Climate Scientists: ‘We Have A Global Emergency,’ Must Slash CO2 ASAP (Think Progress)

 MAR 22, 2016 2:38 PM

CREDIT: AP/DENNIS COOK

James Hansen and 18 leading climate experts have published a peer-reviewed version of their 2015 discussion paper on the dangers posed by unrestricted carbon pollution. The study adds to the growing body of evidence that the current global target or defense line embraced by the world — 2°C (3.6°F) total global warming — “could be dangerous” to humanity.

That 2°C warming should be avoided at all costs is not news to people who pay attention to climate science, though it may be news to people who only follow the popular media. The warning is, after all, very similar to the one found in an embarrassingly underreported report last year from 70 leading climate experts, who had been asked by the world’s leading nations to review the adequacy of the 2°C target.

Specifically, the new Hansen et al study — titled “Ice melt, sea level rise and superstorms: evidence from paleoclimate data, climate modeling, and modern observations that 2 C global warming could be dangerous” — warns that even stabilizing at 2°C warming might well lead to devastating glacial melt, multimeter sea level rise and other related catastrophic impacts. The study is significant not just because it is peer-reviewed, but because the collective knowledge about climate science in general and glaciology in particular among the co-authors is quite impressive.

Besides sea level rise, rapid glacial ice melt has many potentially disastrous consequences, including a slowdown and eventual shutdown of the key North Atlantic Ocean circulation and, relatedly, an increase in super-extreme weather. Indeed, that slowdown appears to have begun, and, equally worrisome, it appears to be supercharging both precipitation, storm surge, and superstorms along the U.S. East Coast (like Sandy and Jonas), as explained here.

It must be noted, however, that the title of the peer-reviewed paper is decidedly weaker than the discussion paper’s “Ice melt, sea level rise and superstorms: evidence from paleoclimate data, climate modeling, and modern observations that 2°C global warming is highly dangerous.” The switch to “could be dangerous” is reminiscent of the switch (in the opposite direction) from the inaugural 1965 warning required for cigarette packages, “Caution: Cigarette Smoking May Be Hazardous to Your Health” to the 1969 required label “Warning: The Surgeon General Has Determined that Cigarette Smoking Is Dangerous to Your Health.”

And yes I’m using the analogy to suggest readers should not be sanguine about the risks we face at 2°C warning. Based on both observations and analysis, the science is clearly moving in the direction that 2°C warming is not “safe” for humanity. But as Hansen himself acknowledged Monday on the press call, the record we now have of accelerating ice loss in both Greenland and West Antarctica is “too short to infer accurately” whether the current exponential trend will continue through the rest of the century.

Hansen himself explains the paper’s key conclusions and the science underlying them in a new video:

The fact that 2°C total warming is extremely likely to lock us in to sea level rise of 10 feet or more has been obvious for a while now. The National Science Foundation (NSF) itself issued a news release back in 2012 with the large-type headline, “Global Sea Level Likely to Rise as Much as 70 Feet in Future Generations.” The lead author explained, “The natural state of the Earth with present carbon dioxide levels is one with sea levels about 70 feet higher than now.” Heck, a 2009 paper in Science found the same thing.

What has changed is our understanding of just how fast sea levels could rise. In 2014 and 2015, a number of major studies revealed that large parts of the Antarctic and Greenland ice sheets are unstable and headed toward irreversible collapse — and some parts may have already passed the point of no return. Another 2015 study found that global sea level rise since 1990 has been speeding up even faster than we knew.

The key question is how fast sea levels can rise this century and beyond. In my piece last year on Hansen’s discussion draft, I examined the reasons the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) and scientific community have historically low-balled the plausible worst-case for possible sea level rise by 2100. I won’t repeat that all here.

The crux of the Hansen et al. forecast can be found in this chart on ice loss from the world’s biggest ice sheet:

Antarctic ice mass change

Antarctic ice mass change from GRACE satallite data (red) and surface mass balance method (MBM, blue). Via Hansen et al.

Hansen et al. ask the question: if the ice loss continues growing exponentially how much ice loss (and hence how much sea level rise) will there be by century’s end? If, for instance, the ice loss rate doubles every 10 years for the rest of the century (light green), then we would see multi-meter sea level rise before 2100? On the other hand, it is pretty clear just from looking at the chart that there isn’t enough data to make a certain projection for the next eight decades.

The authors write, “our conclusions suggest that a target of limiting global warming to 2°C … does not provide safety.” On the one hand, they note, “we cannot be certain that multi-meter sea level rise will occur if we allow global warming of 2 C.” But, on the other hand, they point out:

There is a possibility, a real danger, that we will hand young people and future generations a climate system that is practically out of their control.
We conclude that the message our climate science delivers to society, policymakers, and the public alike is this: we have a global emergency. Fossil fuel CO2 emissions should be reduced as rapidly as practical.

I have talked to many climate scientists who quibble with specific elements of this paper, in particular whether the kind of continued acceleration of ice sheet loss is physically plausible. But I don’t find any who disagree with the bold-faced conclusions.

Since there are a growing number of experts who consider that 10 feet of sea level rise this century is a possibility, it would be unwise to ignore the warning. That said, on our current emissions path we already appear to be headed toward the ballpark of four to six feet of sea level rise in 2100 — with seas rising up to one foot per decade after that. That should be more than enough of a “beyond adaptation” catastrophe to warrant strong action ASAP.

The world needs to understand the plausible worst-case scenario for climate change by 2100 and beyond — something that the media and the IPCC have failed to deliver. And the world needs to understand the “business as usual” set of multiple catastrophic dangers of 4°C if we don’t reverse course now. And the world needs to understand the dangers of even 2°C warming.

So kudos to all of these scientists for ringing the alarm bell: James Hansen, Makiko Sato, Paul Hearty, Reto Ruedy, Maxwell Kelley, Valerie Masson-Delmotte, Gary Russell, George Tselioudis, Junji Cao, Eric Rignot, Isabella Velicogna, Blair Tormey, Bailey Donovan, Evgeniya Kandiano, Karina von Schuckmann, Pushker Kharecha, Allegra N. Legrande, Michael Bauer, and Kwok-Wai Lo.

A nova partícula que pode mudar o que sabemos sobre o Universo (BBC Brasil)

Da BBC Mundo – 21 março 2016

 

Reuters

Se for confirmada a existência de uma nova partícula, especialistas acreditam que poderá ser aberta uma porta para um mundo ‘desconhecido e inexplorado’ (Reuters)

O Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) – um acelerador de partículas gigantesco que fica na fronteira entre a França e a Suíça – causou fortes emoções entre físicos teóricos, uma comunidade que geralmente é muito cautelosa quando se trata de novas descobertas.

O motivo: “batidinhas” detectadas pelo Grande Colisor de Hádrons. Essas batidas, evidenciadas nos dados que resultam da aceleração dos prótons, podem sinalizar a existência de uma nova e desconhecida partícula seis vezes maior do que o Bóson de Higgs (a chamada “partícula de Deus”).

E isso, para o físico teórico Gian Giudice, significaria “uma porta para um mundo desconhecido e inexplorado”.

“Não é a confirmação de uma teoria já estabelecida”, disse à revista New Scientisto pesquisador, que também é trabalha na Organização Europeia para Investigação Nuclear (CERN).

A emoção dos cientistas começou quando, em dezembro de 2015, os dois laboratórios que trabalham no LHC de forma independente registraram os mesmos dados depois de colocar o colisor para funcionar praticamente na capacidade máxima (o dobro de energia necessária para detectar o Bóson de Higgs).

Os dados registrados não podem ser explicados com o que se sabe até hoje das leis da física.

Depois do anúncio desses novos dados foram publicados cerca de 280 ensaios que tentam explicar o que pode ser esse sinal – e nenhum deles descartou a teoria de que se trata de uma nova partícula.

Alguns cientistas sugerem que a partícula pode ser uma prima pesada do Bóson de Higgs, descoberto em 2012 e que explica por que a matéria tem massa.

Outros apresentaram a hipótese de o Bóson de Higgs ser feito de partículas menores. E ainda há o grupo dos que pensam que essas “batidinhas” podem ser de um gráviton, a partícula encarregada de transmitir a força da gravidade.

Se realmente for um gráviton, essa descoberta será um marco, porque até hoje não tinha sido possível conciliar a gravidade com o modelo padrão da física de partículas.

Extraordinário?

Para os especialistas, o fato de que ninguém conseguiu refutar o que os físicos detectaram é um sinal de que podemos estar perto de descobrir algo extraordinário.

“Se isso se provar verdadeiro, será uma (nota) dez na escala Richter dos físicos de partículas”, disse ao jornal britânico The Guardian o especialista John Ellis, do King’s College de Londres. Ele também já foi chefe do departamento de teoria da Organização Europeia para a Investigação Nuclear. “Seria a ponta de um iceberg de novas formas de matéria.”

Mesmo com toda a animação de Ellis, os cientistas não querem se precipitar.

AFP

Image captionEsta nova partícula seria seis vezes maior que o Bóson de Higgs (AFP)

Quando o anúncio foi feito pela primeira vez, alguns pensaram que tudo não passava de uma terrível coincidência que aconteceu devido à forma como o LHC funciona.

Duas máquinas de raios de prótons são aceleradas chegando quase à velocidade da luz. Elas vão em direções diferentes e se chocam em quatro pontos, criando padrões de dados diferentes.

Essas diferenças, batidas ou perturbações na estatística são o que permitem demonstrar a presença de partículas.

Mas estamos falando de bilhões de perturbações registradas a cada experimento, o que torna provável um erro estatístico.

Porém, o fato de que os dois laboratórios tenham detectado a mesma batida é o que faz com que os cientistas prestem mais atenção ao tema.

Boas notícias

PA

O Grande Colisor de Hádrons volta a funcionar nesta semana

Além disso, recentemente os cientistas dos laboratórios CMC e Atlas apresentaram novas provas depois de refinar e recalibrar seus resultados.

E nenhuma das equipes pôde atribuir a anomalia detectada a um eventual erro estatístico.

São boas notícias para os especialistas que acreditam que essa descoberta seja o início de algo muito grande.

O lado ruim é que nenhum dos laboratórios conseguiu explicar o que é esta misteriosa partícula. São necessárias mais experiências para qualificar o evento como um “descobrimento”.

O lado bom é que não será preciso esperar muito para ver o fim da história.

Nesta semana, o Grande Colisor de Hádrons sairá de seu período de hibernação para voltar a disparar prótons em direções diferentes.

Thinkstock

Uma das hipóteses é que esta nova partícula estaria relacionada com a gravidade (Thinkstock)

Nos próximos meses o colisor oferecerá o dobro de informação em comparação ao que os cientistas têm até agora.

E se estima que, em agosto, eles poderão saber o que é essa nova e promissora partícula.

Risk of multiple tipping points should be triggering urgent action on climate change (Science Daily)

To avoid multiple climate tipping points, policy makers need to act now to stop global CO2 emissions by 2050 and meet the Paris Agreement’s goal of limiting global warming to 1.5 °C above pre-industrial levels, a new study has said

Date:
March 21, 2016
Source:
University of Exeter
Summary:
Pioneering new research shows that existing studies have massively under-valued the risk that ongoing carbon dioxide emissions pose of triggering damaging tipping points.

Detailed view of Earth from space. Credit: Elements of this image furnished by NASA; © timothyh / Fotolia

To avoid multiple climate tipping points, policy makers need to act now to stop global CO2 emissions by 2050 and meet the Paris Agreement’s goal of limiting global warming to 1.5 °C above pre-industrial levels, a new study has said.

Pioneering new research, carried out by the Universities of Exeter, Zurich, Stanford and Chicago, shows that existing studies have massively under-valued the risk that ongoing carbon dioxide emissions pose of triggering damaging tipping points.

The collaborative study suggests that multiple interacting climate tipping points could be triggered this century if climate change isn’t tackled — leading to irreversible economic damages worldwide.

Using a state-of-the-art model, the researchers studied the effects of five interacting tipping points on the global economy — including a collapse of the Atlantic overturning circulation, a shift to a more persistent El Nino regime, and a dieback of the Amazon rainforest.

The study showed that the possibility of triggering these future tipping points increased the present ‘social cost of carbon’ in the model by nearly eightfold — from US$15 per tonne of carbon dioxide emitted, to US$116/tCO2.

Furthermore, the model suggests that passing some tipping points increases the likelihood of other tipping points occurring to such an extent that the social cost of carbon would further increase abruptly.

The recommended policy therefore involves an immediate, massive effort to reduce CO2 emissions, stopping them completely by the middle of the century, in order to stabilize climate change at less than 1.5 °C above pre-industrial levels.

Professor Tim Lenton, from the University of Exeter and one of the authors of the study said: “Irreversible tipping points are one of the biggest risks we face if we carry on changing the climate. Our work shows that taking that risk seriously radically changes policy recommendations. We need to act urgently and globally to meet the most ambitious targets agreed in Paris last December and reduce the risk of future tipping points.”


Journal Reference:

  1. Yongyang Cai, Timothy M. Lenton, Thomas S. Lontzek. Risk of multiple interacting tipping points should encourage rapid CO2 emission reductionNature Climate Change, 2016; DOI: 10.1038/nclimate2964

Global warming pushes wines into uncharted terroir (Science Daily)

Heat has decoupled French grapes from old weather patterns

Date:

March 21, 2016

Source:

The Earth Institute at Columbia University

Summary:

In much of France and Switzerland, the best wine years are traditionally those with an exceptionally hot summer and late-season drought. Now, a study out this week shows that warming climate has largely removed the drought factor from the centuries-old early-harvest equation. It is only the latest symptom that global warming is affecting biological systems and agriculture.


Wine grapes in an experimental vineyard in the Vaucluse region of France, June 2014. Credit: Elizabeth Wolkovich

Many factors go into making good wine: grape variety, harvesting practices, a vineyard’s slope and aspect, soil, climate and so on–that unique combination that adds up to a wine’s terroir. Year-to-year weather also matters greatly. In much of France and Switzerland, the best years are traditionally those with abundant spring rains followed by an exceptionally hot summer and late-season drought. This drives vines to put forth robust, fast-maturing fruit, and brings an early harvest. Now, a study out this week in the journal Nature Climate Change shows that warming climate has largely removed the drought factor from the centuries-old early-harvest equation. It is only the latest symptom that global warming is affecting biological systems and agriculture.

Temperature is the main driver of grape-harvest timing, and in the last 30 years, progressive warming has pushed harvest dates dramatically forward across the globe, from California to Australia, South America and Europe. In France, where records go back centuries, since 1980 harvest dates have advanced two weeks over the 400-year mean. These earlier harvests have meant some very good years. But existing studies suggest that regions here and elsewhere will eventually become too hot for traditionally grown grapes. Vineyards may then have to switch to hotter-climate varieties, change long-established methods, move or go out of business. The earth is shifting, and terroirs with it.

In the new study, scientists analyzed 20th and 21st-century weather data, premodern reconstructions of temperature, precipitation and soil moisture, and vineyard records and going back to 1600. They showed that in the relatively cool winemaking areas of France and Switzerland, early harvests have always required both above-average air temperatures and late-season drought. The reason, they say: in the past, droughts helped heighten temperature just enough to pass the early-harvest threshold. Basic physics is at work: normally, daily evaporation of moisture from soil cools earth’s surface. If drought makes soils dryer, there will be less evaporation–and thus the surface will get hotter. The authors say that up to the 1980s, the climate was such that without the extra kick of heat added by droughts, vineyards could not get quite hot enough for an early harvest. That has now changed; the study found that since then, overall warming alone has pushed summer temperatures over the threshold without the aid of drought. On the whole, France warmed about 1.5 degrees Celsius (2.7 Fahrenheit) during the 20th century, and the upward climb has continued.

“Now, it’s become so warm thanks to climate change, grape growers don’t need drought to get these very warm temperatures,” said lead author Benjamin Cook, a climate scientist at Columbia University’s Lamont-Doherty Earth Observatory and NASA’s Goddard Institute for Space Studies. “After 1980, the drought signal effectively disappears. That means there’s been a fundamental shift in the large-scale climate under which other, local factors operate.”

The regions affected include familiar names: among them, Alsace, Champagne, Burgundy, Languedoc. These areas grow Pinot Noirs, Chardonnays and other fairly cool-weather varieties that thrive within specific climate niches, and turn out exceptionally after an early harvest. Study coauthor Elizabeth Wolkovich, an ecologist at Harvard University, said that the switch has not hurt the wine industry yet. “So far, a good year is a hot year,” she said. However, she pointed out that the earliest French harvest ever recorded–2003, when a deadly heat wave hit Europe and grapes were picked a full month ahead of the once-usual time — did not produce particularly exceptional wines. “That may be a good indicator of where we’re headed,” she said. “If we keep pushing the heat up, vineyards can’t maintain that forever.”

Across the world, scientists have found that each degree Centigrade (1.8 degrees Fahrenheit) of warming pushes grape harvests forward roughly six or seven days. With this effect projected to continue, a 2011 study by Lamont-Doherty climate scientist Yves Tourre suggests that a combination of natural climate variability and human-induced warming could force finicky Pinot Noir grapes completely out of many parts of Burgundy. Other reports say Bordeaux could lose its Cabernets and Merlots. A widely cited though controversial 2013 study projects that by 2050, some two-thirds of today’s wine regions may no longer have climates suitable for the grapes they now grow. But other regions might beckon. Grapes no longer viable in California’s Napa Valley may find suitable homes in Washington or British Columbia. Southern England may become the new Champagne; the hills of central China the new Chile. Southern Australia’s big wineries may have to land further south, in Tasmania. “If people are willing to drink Italian varieties grown in France and Pinot Noir from Germany, maybe we can adapt,” said Wolkovich.

However, this begs the question of whether vineyards, or for that matter anything can just be picked up and moved. The earth is increasingly crowded with agriculture and infrastructure, and land may or may not be available for wine grapes. If it is, the soils, slopes and other exact conditions of old vineyards would be difficult or impossible duplicate. And, grape harvests are only one of many biological cycles already being affected by warming climate, with uncertain results. Many insects, plants, and marine creatures are rapidly shifting their ranges poleward. No one yet knows whether many species or entire ecosystems can survive such rapid changes, and the same almost certainly goes for wine grapes.

Liz Thach, a professor of management and wine business at Sonoma State University, said the study is telling growers what they already know. “Some people may still be skeptical about global warming, but not anyone in the wine industry,” she said. “Everyone believes it, because everyone sees it year by year–it’s here, it’s real, it’s not going away.”


Journal Reference:

  1. Benjamin I. Cook, Elizabeth M. Wolkovich. Climate change decouples drought from early wine grape harvests in FranceNature Climate Change, 2016; DOI: 10.1038/NCLIMATE2960

On the anthropology of climate change (Eurozine)

Thomas Hylland EriksenDasa Licen

Original in English
First published in Razpotja 22 (2015)

Contributed by Razpotja
© Thomas Hylland Eriksen, Dasa Licen / Razpotja
© Eurozine

A conversation with Thomas Hylland Eriksen

Mainstream literature on globalization tends not to take the uniqueness of each locality seriously enough, says Thomas Hylland Eriksen. He explains how the anthropology of climate change is responding to the need for an analysis of the global situation seen from below.

Dasa Licen: You have a blog, a vlog where you report on your fieldwork, where you look a bit like Indiana Jones. On top of that, you write popular articles and essays. You seem to believe that media are very important for anthropology.

Thomas Hylland Eriksen: I think anthropologists should be more conscious about how they are perceived in the wider public. Unfortunately, for decades now, there has in many places been a certain withdrawal of anthropology from the public sphere. There are many burning issues, from climate change to identity politics to debates on human nature, where anthropologists are not present the way they could be. This was not always the case.

If you go back a few generations, there were many anthropologists who were also engaged public intellectuals. They were visible, well known, they wrote popular books, took part in political debates, and so on. Think of a scholar like Margaret Mead back in the 1960s: her research was controversial, but she succeeded in placing anthropology on the map by being engaged in important debates. Nowadays, there are important discussions where anthropologists would have a lot to offer, yet they are more or less absent.

An obvious example is identity politics, but you can also take the debates on human nature. In many western countries, these have been monopolized by evolutionary biologists or psychologists. The things anthropologists say about human nature are quite different, and while we are rather good at criticizing sociobiology and evolutionary perspectives amongst ourselves, we rarely go out and present our nuanced message to a wider public. It is a striking fact that the most famous anthropologists today is not an anthropologists. He is an ornithologist and physiologist called Jared Diamond who has written bestsellers about where we come from and where we are going. His latest book called The World until Yesterday is a sort of anthropological treatise about other cultures, traditional peoples, and about the kind of wisdom they contribute to the modern world. His book has not been very well received by anthropologists, because he gets a lot of things nearly right. Although he has not been trained as an anthropologist, he uses anthropological sources and asks the kind of questions we do. But he manages to do it in a way that makes people want to read his book. We should learn from these examples.

DL: We all know the case of the doctor who is walking down the street and sees an injured person: he must offer to help. Do you think something similar applies to anthropologists in the face of global crises?

THE: I do think so. In my own work, I try to address two big lumps of questions. One of them is the extent to which we can apply anthropology as a tool to understand the contemporary world. This is what my project “Overheating” is about. The second is a more general question: what is it to be human? There are two groups of answers, one of them says, well a human being is a small twig on a branch on the big tree of life: that’s the story of evolution and while it generates some important some insight, it leaves aside a different set of questions about human subjectivity and emotions. I am talking about the complexities of life, all the existential struggles that human beings are confronted with. This perspective generates an entirely different set or answers, which are at the basis of what we do as anthropologists. By addressing them, we can contribute to a more nuanced view to what it is to be a human.

We are not only homo economics, merely maximizing creatures, and although instincts can be important for understanding our behaviour, we are not driven by them but immersed in a network of additional aspects. We are also not just social animals… Clifford Geertz insisted that human beings are primarily self-defining animals. Such a perspective enables not only a better understanding of the realities of human lives, but it also has its moral implications.

DL: Which ones?

THE: Let me give you an example. One of my PhD students works in rural Sierra Leone. It is an overheated place, in the sense that the Chinese and other foreign investors are coming in, opening up mines, new roads are being built… For many people this means opportunities, for many others it means misery. My student asks a guy, “so how do you explain these changes taking place in your community in the last years?”, and this guy would just shrug and say, “well you know man, it’s the global”. We have to try to find out what exactly he means when he says “it’s the global”.

DL: Is this the aim of the Overheating project which you mentioned?

THE: What we are trying to do with Overheating is to fill a gap in the literature on globalization: we are trying to say something general about what I call the clash of scales, the dichotomy between the large and local. The large scale is the world of global capitalism, of the environment and of nation-states; on the other hand, there are the lives people live in their own communities. We are a group of researchers who’ve done fieldwork in lots of locations around the world and we try to produce ethnographic material that is comparable, so that we can use our material to create, if I can be a bit pretentious, an anthropological history of the early twenty-first century. So we are working very hard to create an analysis of the global situation seen from below.

DL: Your project seems so wide that it almost looks like the anthropology of everything…

THE: Not quite. It is the anthropology of global crisis as perceived locally. Say you live somewhere in Australia and all of a sudden a mining company arrives next door and disrupts the ecosystem, and you ask yourself, “who can I blame and what can I do”? It’s the kind of question that many people ask when confronted with changes on the large scale that affect their local community. Our informants do not distinguish between the environment, the economy, identity as they all interact and effect local life. What we are interested in is the anthropology of local responses to global changes.

DL: So, you are trying to advance an anthropological understanding of globalization?

THE: Yes. I think one of the shortcomings of the mainstream literature on globalization is that the uniqueness of each locality is not taken seriously enough: the local is present mostly in the form of anecdotes from people’s lives. The problem of anthropological studies of globalization has often been the opposite: you go really deeply into one place and you neglect the wider perspective. We are trying to feel the gap in both approaches. The metaphor I often use is that of a social scientist who sits in a helicopter with a pair of binoculars and looks at the world. This would be the case of authors like Anthony Giddens or Manuel Castells. On the other hand, you have the person who works with a magnifying glass. We are trying to bring these two levels closer.

DL: The seriousness of global warming has been neglected by anthropologists, indeed by all social sciences for a long time.

THE: This is changing. The anthropology of climate change has become one of the big growth industries in academia, just as ethnicity and nationalism were big in the 1970s and 1980s. You are from Slovenia, you know the breakup of Yugoslavia, which came as a shock to us and we needed to understand what was happening. The genocide in Rwanda happened around the same time, Hindu nationalists came to power in India, contradicting everything we thought we knew about the country, controversies emerged around migration, multiculturalism, diversity, Islam in western Europe. After the turn of the century, the issue of climate change came to be understood as another layer on top of these issues.

DL: When did you develop your interest in climate change?

THE: It must have been many years ago but it took a while before I got the opportunity to look at these interconnected issues more closely. We are not geophysicists, we do not know much about CO2, we cannot predict the temperature of the world. What we can do is study how people respond, how they react, how they talk about it and what they do.

Summit camp on top of the Austfonna Ice Cap in Svalbard (Norwegian Arctic). Photo: NASA Goddard Space Flight Center / Thorben Dunse, University of Oslo. Source: Flickr

The dangerous thing about climate changes is that it has deep consequences, and yet it is hard to find anybody to blame. Think about it: say you are in small town or village in the Andes in Peru and you notice there is something odd with the water. It is not the way it used to be, you notice the glaciers are melting, and then you know that mining company has opened an operation venue nearby. You think the mining company must be to blame, because they probably pumped out all the water and they destabilized the local climate, and so you march up to them telling them “look, you are taking away our water, we need compensation”, and they come out and they say “I’m sorry but it is not us, it is global climate change”. Where do you go to address that question? Do you write to Obama, do you write a letter to the Chinese?

The concern with climate change can be very serious in the sense that it creates a sense of powerlessness. We just have to let things happen. For this reason I have been interested in how environmental engagement begins with things that are within your reach. I probably can’t do anything about world climate, but maybe I can save some trees, or the dolphins in the harbour. That’s how engagement begins.

DL: Do you feel such helplessness when you talk about global warming and they ask you, “so what is your solution”?

THE: Good question. I guess we all have to find the best way of acting where we are. It is not as if you or I have the responsibility to save to planet, or that you will fail if you have not been able to save it. I remember that as a schoolboy I had a devout Christian teacher who was raised by missionaries in Japan. Being a Christian missionary in Japan can be very difficult because the people are generally not very interested in evangelization. She told us about a fellow Christian who had spend his entire life as a missionary in Japan and succeeded in converting one person, which made his life feel worthwhile. He felt saving one soul was well worth 50 years of hard work. We should not be overambitious regarding what we are able to achieve. We can take part in public debates, add one drop of complexity, a drop of doubt. Maybe sometimes it is enough or rather, it is all we can do.

DL: As an anthropologist you are not allowed to pass judgment on people, however sometimes it is extremely hard to avoid judgment, for example when we are confronted with obtuse forms of climate change denial.

THE: Traditionally, anthropologists have not been too good at thinking of themselves as engaged subjects, we have been taught not to pass judgment, to just lay out the facts and say, well this is what the world looks like and this is why this makes sense to those people and not to those people, and I believe that this paradigm, this kind of relative paradigm has collapsed. Such an approach can no longer function precisely for the reasons I was suggesting: we are now all in the same boat. So there is no good reason anymore to make sharp distinctions between scholarship and the wider public, because we are facing the same radical challenges. We are all part of the same moral space and sometimes we have to take an ethical or political stance, anything else would be irresponsible. But we have to strike a balance between that kind of engagement and our credibility as researchers.

Back to your question: when I study people who deny the reality of climate change I have to take their view of world seriously. Many of them really believe in the paradigm or progress, industrialism and so on. This to me is a key double bind in contemporary civilization: there is no easy way out, between economic growth and the ecological sustainability. There is no reason that anybody should have the answer. When people ask me what to do, I have to say: “Sorry, I am trying to work this out together with you. I do not have the answer.”

DL: You probably know Slavoj Zizek, he is more famous than Slovenia. He has had an ongoing dispute with Dipesh Chakrabarty on a related issue: should we first do something about global warming or engage in revolutionary struggle? Zizek believes climate change cannot be addressed outside the struggle for global emancipation, Chakrabarty on the other hand insists on the need to strike a historical compromise on a global level. What is your stance in this polemics?

THE: That is a very interesting question. On the one hand, I see the biggest tension in contemporary civilization is that between economic growth, which for two hundred years has been based on fossil fuels, and sustainability. Fossil fuels have been a blessing for humanity. They have created the foundations for modern life. Yet they are now becoming a damnation, a threat to civilization. This is hard to see from the viewpoint of a classical progressivist perspective.

This is strongly linked to another contradiction, the tension between a class based politics and green politics. What is more important, to do something about inequality or to save the world climate? Sometimes you just cannot pursue both aims. I worked in Australia, in a place where virtually everybody works directly or indirectly in industry. They have a huge power station, a cement factory, it is an industrial hub. Very few people have any environmental engagement to talk of. There is nothing about climate change in the local newspaper. It is all about industrial growth and job security. Being an environment activist in that place is very hard because your neighbours are not going to like it, but they have a very strong union-based socialist movement in that town. Those people see green politics as something that is a kind of a middle class thing. They associate it with cappuccino-sipping do-gooder students in Sydney and Melbourne, whereas us, the hard working industrial employees are the ones actually producing the cappuccino, the tablets, and they are not aware of where their wealth comes from. There is a widespread feeling of the hypocrisy of green politics.

Where do I stand? I think saving the climate is the main issue. But it should be pursued with concern for social justice. The first priority has to be to create sustainable jobs. If you take away a million jobs, you have to reproduce those jobs somewhere else. This leads me to what I think could have been an answer, had Zizek been aware of it, namely the anthropological school called human economy. There is a very creative English anthropologist who works in South Africa called Keith Hart who works from this perspective. David Graeber is sort of within the same world, looking at feasible economic alternatives to global neoliberalism. We are not talking about state socialism here: you are from Slovenia, you are too young to remember it, but state socialism did not make people too happy and it was not good for the environment either.

The point is that we need to talk about the economy in terms of human needs. The goal of economy is to satisfy human needs; not just material needs but also the need to something meaningful, to be useful for others, to see the results of what you are doing. The point of economy is not only to generate profits, but to try to fight alienation.

DL: You wrote somewhere that the Left lacks an understanding of multiculturalism and knowledge of the environment, and it tends to neglect these two fields that are extremely important right now. Isn’t that a surprising statement given that in the West, these issues have become almost synonymous with leftism?

THE: Things are indeed changing. That is probably one of the reasons Slavoj Zizek gets so angry sometimes, because he identifies with the Left, but the Left has abandoned his positions. I think many of us have the same feeling of being ideologically homeless. For 200 hundred years, the Left was quite good at promoting equality and social justice, presuming that economic growth will continue indefinitely. Then, in the 1980s multiculturalism emerged. The Left tried to appropriate it, tried to promote diversity, but it has not succeeded, because leftist movements have been good at promoting equality but not difference. Then environmental issues came as another factor complicating the picture. What do you do when you have to choose between class politics and green politics? You probably stick with class politics, but then you realize it is part of the problem, especially if you live in a rich country, as I do, where the working class flies to southern Europe all the time, going on holiday, driving cars, eating imported meat and so on. There is a big dilemma here. Again I must insist I don’t have the final answer, but at least if we identify the problem we make small steps in the right direction.

By the way, I very strongly disagree with what Zizek says about multiculturalism. Whenever he makes jokes about it, he produces a caricature of multiculturalism, rather than a parody which is arguably his aim. He does not really know what he is talking about. He knows a lot of things, but multiculturalism is not one of his strong points.

DL: Zizek has advanced a positive interpretation of the Judeo-Christian tradition from a leftist perspective. Do you think that this tradition, which sees the Earth as ultimately doomed, poses a problem for environmentalism?

THE: Good question. Probably there is something about the way in which many people talk about climate change that resembles these Judeo-Christian ideas about the end of time. We are approaching the end, we are approaching the final phase. Think about the popularity of post-apocalyptic films in science fiction. It started already in the early 1980s with Mad Max films, and there has been a series of Hollywood and other movies about the world after the apocalypse. There is a real thirst for this sort of narratives. In the text I am writing now I just quoted T. S. Eliot who writes famously that the world ends not with a bomb but with a whimper. There is no before and after. Many of the communist revolutionaries held similar chiliastic ideas: things are going to get worse and worse and worse, and then after the revolution everything is going to be fine. But we have some 200 years of experience with revolutions, and we know they tend to reproduce many of the problems they were meant to solve, and on top of that they create new ones. Take the Arab spring in North Africa and the Middle East. I think it is very dangerous to behave as if the history has a direction.

DL: This is somewhat connected to the wider issue of the role of human civilization in the environmental history of the planet. You use the term Anthropocene, yet some find it inappropriate as it puts humans in the centre, not only as the source of the trouble we are facing but also as more important than anything else on the planet. How do you feel about that?

THE: Some scientists want to have it both ways. Some think in terms of the changes that characterize the Anthropocene and at the same time they emphasize that humans and non-humans are really in a symbiotic relationship. I do not have a lot of patience for that kind of argument, especially if you think of the state of the world in times of climate change, with huge extractive industries, the global mining boom as the result of the growing Chinese and Indian economies, the upsurge of fracking which seems to have provided us with an almost indefinite supply of fossil fuels. I feel it is irresponsible to question the responsibility of humanity. And yet, however much I may love my cat and acknowledge that humans and domestic animals have coevolved, we must realize that human beings are special. There is no chimpanzee or the smartest of dolphins able to say, “well my dad was poor but at least he was honest”. Only human beings can create that sentence: our sense of moral responsibility is unique and we must live up to it.

DL: Speaking of moral responsibility: I understand you had an important role in the coming to terms with the Breivik tragedy…

THE: Yes, I spent about three weeks after the terrorist attack and doing little other than talking to foreign journalist and writing articles for foreign newspapers. They contacted me not only because I have been writing about identity politics and nationalism, but also because Breivik had a sort of soft spot for me. He sees me as a symbol of everything that has gone wrong in Norway, a sort of spineless effeminate cosmopolitan middle class multiculturalist Muslim lover. There has been a hardening; polarization is much more strong now than it was only 20 years.

In the 1990s, people who had said things like I do about cultural diversity would perhaps have been accused of being naive, whereas in the last few years we are increasingly being accused of being traitors – which is different. Breivik quoted me about 15 times in his manifesto and his YouTube film. You might say he had a mild obsession with me. Eventually, I was called in as a witness in the trial by the defence. Originally, the psychiatrists who examined Breivik concluded he was insane. He should have received psychiatric treatment, and thus could not be punished for what he did. Of course, at the certain level one has to be insane to kill so many innocent young people. But his ideas are not the result of mental illness, they are quite widely shared. We have websites in Norway, with 20,000 unique visits every week, that were among his favourite websites. The defence wanted to call me in as a witness to testify that although he may be a murderer, his ideas are very common, they are shared by thousands of others. Which is true, but in the end I did not have to go because they had a long list of witnesses and they only used some of them.

DL: Were you scared by this kind of exposure?

THE: Not really. But in the first few weeks after the terrorist attack when everybody in Norway was in a state of shock, I noticed that some people at the university whom I hardly knew would come over to me and were behaving unusually nicely. I realized they probably thought that was the last time they see of me because I was probably next on the dead list. Then things went back to normal. You can never feel entirely safe. Breivik reminds us that even a handful of people can do immense harm, just like the terrorist attack in United States in 2001. It has probably made society a little bit less trusting, a bit more worried. But I do not think about my own person security. About the security of my family, yes, but not mine. You cannot. That would be allowing the other people to win.

DL: Would you say that Norway has learnt anything from this tragedy?

THE: Unfortunately not. There was a chance that we could have, and many of us were hoping that an attack like that should make us understand that the idea of ethnic purity is absurd, crazy and not feasible in this century. We hoped that we could now get together to sit down and discuss these issues in a more measured, serious, balanced way, but it did not happen. It took only a couple of weeks for the usual political polarization to return. If anything, people who were against immigration became even more aggressive than before. We missed an opportunity there.

DL: You are coming to Ljubljana to a convention with the provocative title, Why the world needs anthropologists. But isn’t it a bit pretentious to suggest that the world needs us at all?

THE: That is an excellent question. I do not know whether the world needs novelists, but it probably does not does need poets. It can easily manage without them. And yet, the human need for meaning is just as powerful as the need for food and shelter. The kind of meaning sensitive and intelligent people can provide is especially important, when we need to reformulate the main questions.

I sometimes think about students of mine who are never going to work as anthropologist, they will find jobs elsewhere, but studying anthropology enables them to lead a better life because they understand more of themselves and of the world. I even think that doing anthropology makes you a better person: just like reading novels, it enables you to identify with others. When you then see the refugees in the Mediterranean, at least you know, it could have been me. You think that because you relate to people in all parts of the world. I think the main sort of moral message of anthropology perhaps is that all human lives have value, no matter how alien no matter how strange it might appear. So yes, I think world needs anthropologists, just as it needs novelists and poets.

Livro traz relato sóbrio e claro sobre aquecimento global (Folha de S.Paulo)

Denis Russo Burgierman

19/03/2016

Quer um conselho sobre o mercado imobiliário? Não compre terreno baixo em frente ao mar : você vai pagar caro hoje e ele vai deixar de existir qualquer dia desses. Mas a verdade é que o traçado da costa não é a única coisa que vai mudar profundamente no mundo nos próximos anos por causa do clima. Quase tudo vai mudar: nenhuma história é tão importante quanto essa para o nosso futuro. Daí a importância de ler “A Espiral da Morte”.

O livro é resultado de 15 anos de trabalho do jornalista Claudio Angelo, ao longo dos quais ele fez cinco viagens às regiões polares das duas pontas do mundo, andando no gelo com cientistas do clima, voando com pesquisadores da Nasa, navegando com militantes do Greenpeace, conversando com caçadores de urso-polar.

Claudio é um sujeito comprometido com os temas que cobre: é o único repórter que já conheci que julgou importante tomar aulas de tupi. E ele tem vocação trágica: se apaixona por esses assuntos terríveis, essas tragédias de aparência irremediável (índios, clima…).

Claro que o resto de nós está ocupado demais com nossos Facebooks, com as campanhas do nosso time na Libertadores, com os roteiros rocambolescos da disputa política. Não temos tempo de ficar nos preocupando com o destino dos índios, dos ursos polares, dos icebergs, das baleias.

Divulgação
Larsen B, geleira que se rompeu em 2002
Larsen B, geleira que se rompeu em 2002

O que a maioria de nós nem suspeita é que essa história que A Espiral da Morte conta vai afetar profundamente a nossa vida – já está afetando. E também a vida dos nossos filhos, e a dos tataranetos dos tataranetos dos nossos filhos, e a dos nossos descendentes 40 mil anos no futuro.

O livro não é um manifesto para que juntos salvemos a natureza, nem uma profecia sombria do apocalipse que nos aguarda. É um relato sóbrio, tranquilo, claro, e com algum humor (negro) de tudo o que sabemos sobre o que está acontecendo neste exato momento nos lugares mais frios da Terra.

Enquanto damos like nuns posts e bloqueamos outros, bilhões de toneladas de gelo socado acumulado ao longo de milênios lentamente derretem nos extremos norte e sul do planeta, e vão ficando a cada dia mais escorregadios.

Não é muito fácil prever exatamente como o gelo vai derreter, como qualquer um que já bebeu uma dose de uísque sabe, mas já está absolutamente claro que está derretendo. Claudio sabe bem disso: ele ouviu o barulho (o estrondo de cachoeira vindo de debaixo do chão de uma geleira).

Um dia desses, pedações do tamanho de países inteiros começarão a despencar no mar como pingões de chuva, na Groenlândia e na Antártida. E aí o oceano do mundo vai subir, talvez vários metros. Em muitos lugares o ar vai secar. Tufões e furacões vão ficar cada vez mais frequentes, assim como epidemias espalhadas por mosquitos.

Enfim, não é exatamente uma leitura leve para levantar o astral – como aliás Claudio cuidou de deixar bem claro já no título. Mas, ainda assim, espero que muita gente leia.

Afinal, é meio assustador que algo tão enormemente importante, que definirá tão profundamente o destino de nossa espécie, seja tão pouco compreendido por nós humanos vivendo sobre a Terra.

É assustador que todos os grandes partidos políticos do Brasil façam projetos de grandes obras ignorando completamente o fato consumado de que o clima está mudando. É assustador que o desenho de nossas cidades, nosso modelo produtivo e nossa matriz energética continuem extremamente desorganizados, despreparados para a crise ambiental que já começou a chegar.

Eu estava lendo o catatau de quase 500 páginas anteontem, quando minha filha de 3 anos, decidida a evitar que eu cumprisse o prazo desta resenha para a Folha, entrou no meu quarto e pediu para eu contar a história do livro para ela. Quando ela viu a capa – um massivo iceberg groenlandês flutuando na água verde-esmeralda –, comentou: “que lindo, papai”. Sorri e olhei para ela. Subitamente, me dei conta de algo que nunca havia me ocorrido: talvez chegue um dia na vida dela em que será muito difícil encontrar uma única praia para ela se deitar ao sol.
DENIS RUSSO BURGIERMAN é diretor de Redação da revista “Superinteressante”

*

A ESPIRAL DA MORTE
AUTOR Claudio Angelo
EDITORA Companhia das Letras
PREÇO R$ 59,90 (496 págs.)
AVALIAÇÃO Muito bom

Ancestors of Modern Humans Interbred With Extinct Hominins, Study Finds (N.Y.Times)

Carl Zimmer

Skulls of the Neanderthal man. Credit: European Press photo Agency 

The ancestors of modern humans interbred with Neanderthals and another extinct line of humans known as the Denisovans at least four times in the course of prehistory, according to an analysis of global genomes published Thursday in the journal Science. 

The interbreeding may have given modern humans genes that bolstered immunity to pathogens, the authors concluded.“This is yet another genetic nail in the coffin of our oversimplistic models of human evolution,” said Carles Lalueza-Fox, a research scientist at the Institute of Evolutionary Biology in Barcelona, Spain, who was not involved in the study. 

The new study expands on a series of findings in recent years showing that the ancestors of modern humans once shared the planet with a surprising number of near relatives — lineages like the Neanderthals and Denisovans that became extinct tens of thousands of years ago.

Before disappearing, however, they interbred with our forebears on at least several occasions. Today, we carry DNA from these encounters.

The first clues to ancient interbreeding surfaced in 2010, when scientists discovered that some modern humans — mostly Europeans — carried DNA that matched material recovered from Neanderthal fossils.

Later studies showed that the forebears of modern humans first encountered Neanderthals after expanding out of Africa more than 50,000 years ago.

But the Neanderthals were not the only extinct humans that our own ancestors found. A finger bone discovered in a Siberian cave, called Denisova, yielded DNA from yet another group of humans.

Research later indicated that all three groups — modern humans, Neanderthals and Denisovans — shared a common ancestor who lived roughly 600,000 years ago. And, perhaps no surprise, some ancestors of modern humans also interbred with Denisovans.

Some of their DNA has survived in people in Melanesia, a region of the Pacific that includes New Guinea and the islands around it.

Those initial discoveries left major questions unanswered, such as how often our ancestors interbred with Neanderthals and Denisovans. Scientists have developed new ways to study the DNA of living people to tackle these mysteries.

Joshua M. Akey, a geneticist at the University of Washington, and his colleagues analyzed a database of 1,488 genomes from people around the world. The scientists added 35 genomes from people in New Britain and other Melanesian islands in an effort to learn more about Denisovans in particular.

The researchers found that all of the non-Africans in their study had Neanderthal DNA, while the Africans had very little or none. That finding supported previous studies.

But when Dr. Akey and his colleagues compared DNA from modern Europeans, East Asians and Melanesians, they found that each population carried its own distinctive mix of Neanderthal genes.

The best explanation for these patterns, the scientists concluded, was that the ancestors of modern humans acquired Neanderthal DNA on three occasions.

The first encounter happened when the common ancestor of all non-Africans interbred with Neanderthals.

The second occurred among the ancestors of East Asians and Europeans, after the ancestors of Melanesians split off. Later, the ancestors of East Asians — but not Europeans — interbred a third time with Neanderthals.

Earlier studies had hinted at the possibility that the forebears of modern humans had multiple encounters with Neanderthals, but hard data had been lacking.

“A lot of people have been arguing for that, but now they’re really providing the evidence for it,” said Rasmus Nielsen, a geneticist at the University of California, Berkeley, who was not involved in the new study.

The Melanesians took a different course. After a single interbreeding with Neanderthals, Dr. Akey found, their ancestors went on to interbreed just once with Denisovans as well.

Where that encounter could have taken place remains an enigma. The only place Denisovan remains have been found is Siberia, a long way from New Guinea.

It is possible that Denisovans ranged down to Southeast Asia, Dr. Akey said, crossing paths with modern humans who later settled in Melanesia.

Dr. Akey and his colleagues also identified some regions of Neanderthal and Denisovan DNA that became more common in modern humans as generations passed, suggesting that they provided some kind of a survival advantage.

Many of the regions contain immune system genes, Dr. Akey noted.

“As modern humans are spreading out across the world, they’re encountering pathogens they haven’t experienced before,” he said. Neanderthals and Denisovans may have had genes that were adapted to fight those enemies.

“Maybe they really helped us survive and thrive in these new environments,” he said.

Dr. Akey and his colleagues found that Neanderthal and Denisovan DNA was glaringly absent from four regions of the modern human genome.

That absence may signal that these stretches of the genome are instrumental in making modern humans unique. Intriguingly, one of those regions includes a gene called FOXP2, which is involved in speech.

Scientists suspect that Neanderthals and Denisovans were not the only extinct races our ancestors interbred with.

PingHsun Hsieh, a biologist at the University of Arizona, and his colleagues reported last month that the genomes of African pygmies contained pieces of DNA that came from an unknown source within the last 30,000 years.

Dr. Akey and his colleagues are now following up with an analysis of African populations. “This potentially allows us to find new twigs on the human family tree,” he said.

Drought and rising temperatures ‘leaves 36m people across Africa facing hunger’ (The Guardian)

Unusually strong El Niño, coupled with record-high temperatures, has had a catastrophic effect on crops and rainfall across southern and eastern Africa

A maize plant among other dried maize in a field

A maize plant among other dried maize in a field in Hoopstad in the Free State province, South Africa. The country suffered its driest year on record in 2015. Photograph: Siphiwe Sibeko/Reuters 

The immediate cause of the drought which has crippled countries from Ethiopia to Zimbabwe is one of the strongest El Niño events ever recorded. It has turned normal weather patterns upside down around the globe, climate scientists say. 

But with the world still reeling from record-high temperatures in February, there are fears that the long-term impacts of climate change are also undermining the region’s ability to endure extremes in weather, leaving huge numbers of people vulnerable to hunger and disease.

The worst hit country in the current crisis is Ethiopia, where rains vital to four-fifths of the country’s crops have failed. Unicef has said it is making plans to treat more than 2 million children for malnutrition, and says more than 10 million people will need food aid.

“Ethiopia has been hit by a double blow, both from a change to the rainy seasons that have been linked to long-term climate change and now from El Niño, which has potentially led the country to one of the worst droughts in decades,” said Gillian Mellsop, Unicef representative to Ethiopia.

The crisis has been damaging even to Ethiopians not at immediate risk of going hungry. It has truncated the education of 3.9 million children and teenagers, who “are unable to access quality education opportunities because of the drought”, she said.

An boy walks through failed crops and farmland in Ethiopia.

An boy walks through failed crops and farmland in Afar, Ethiopia. Four-fifths of crops in the country have failed. Photograph: Mulugeta Ayene/AP

Neighbouring countries grappling with hunger after crops failed include Somalia, Sudan and Kenya, and altogether the failed rains have left more than 20 million people “food insecure” in the region.

The drought caught many officials by surprise, because although El Niño was forecast, the weather event normally brings more rain to the region, not less.

“The typical pattern that you would expect with El Niño is very dry weather in southern Africa, but slightly wetter than normal in eastern Africa,” said Dr Linda Hirons, a research scientist at the National Centre for Atmospheric Science.

“So the fact that we have had parts of eastern Africa experiencing drought is unusual … but every single El Niño event manifests itself differently.”

In southern Africa, the drought caused by El Niño was expected, but it has been even more severe than feared, with rains failing two years in a row.

Overall nearly 16 million people in southern Africa are already going hungry, and that number could rise fast. “More than 40 million rural and 9 million poor urban people are at risk due to the impacts of El Niño’s related drought and erratic rainfall,” the World Food Programme has warned.

Zimbabwe, once the region’s bread basket, is one of the worst hit countries. In February, the country’s president Robert Mugabe declared a state of disaster due to the drought, and in less than a month official estimates of people needing food aid has risen from 3 million to 4 million.

Neighbouring countries are also scrambling to find food aid, including South Africa, whose ports are the main entry point for relief across the region.

“We are seeing this as a regional crisis, a cross-country humanitarian crisis,” said Victor Chinyama. “In each country maybe the numbers [of hungry people] are nowhere near as much as Ethiopia, but if you put these numbers together as a whole region, you get a sense of how large a crisis this is.”

More than a third of households are now going hungry, he said. Families that used to eat two meals a day are cutting back to one, and those who could once provide a single meal for their dependents are now entirely reliant on food aid, he said.

Beyond the immediate scramble to get food to those who need it, aid workers in the region say the drought has served as reminder that communities vulnerable to changing weather patterns need longer-term help adapting.

“It’s becoming common knowledge now that we will experience droughts much more,” said Beatrice Mwangi, resilience and livelihoods director, southern Africa region, World Vision, who said she is focused on medium- and long-term responses.

“In the past it was one big drought every 10 years, then it came to one drought every five years, and now the trends are showing that it will be one every three to five years. So we are in a crisis alright, that is true.

“But it’s going to be the new norm. So our responses need to appreciate that … there is climate change, and it’s going to affect the people that we work with, the communities we serve.”

This article was amended on 17 March 2016 to remove a picture because it was an inaccurate illustration of the theme of the article and contained ambiguities in the caption.


El Niño is causing global food crisis, UN warns (The Guardian)

Severe droughts and floods have ruined harvests, and left nearly 100 million people in southern Africa, Asia and Latin America facing food and water shortages

A farmer surveys her maize fields in Dowa near the Malawi capital of Lilongwe, 3 February 2016.

A farmer surveys her maize fields in Dowa, near the Malawi capital of Lilongwe, earlier this month. The country is experiencing its first maize shortage in a decade, causing prices to soar. Photograph: Mike Hutchings/Reuters

Wednesday 17 February 2016 00.01 GMT / Last modified on Wednesday 17 February 2016 14.48 GMT

Severe droughts and floods triggered by one of the strongest El Niño weather events ever recorded have left nearly 100 million people in southern Africa, Asia and Latin America facing food and water shortages and vulnerable to diseases including Zika, UN bodies, international aid agencies and governments have said.

New figures from the UN’s World Food Programme say 40 million people in rural areas and 9 million in urban centres who live in the drought-affected parts of Zimbabwe, Mozambique, South Africa, Zambia, Malawi and Swaziland will need food assistance in the next year.

In addition, 10 million people are said by the UN’s Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (Ocha) to need food in Ethiopia (pdf), and 2.8 million need assistance in Guatemala and Honduras.

Millions more people in Asia and the Pacific regions have already been affected by heatwaves, water shortages and forest fires since El Niño conditions started in mid-2015, says Ocha in a new briefing paper, which forecasts that harvests will continue to be affected worldwide throughout 2016.

“Almost 1 million children are in need of treatment for severe acute malnutrition in eastern and southern Africa. Two years of erratic rain and drought have combined with one of the most powerful El Niño events in 50 years to wreak havoc on the lives of the most vulnerable children,” said Leila Gharagozloo-Pakkala, southern Africa regional director of the UN children’s agency, Unicef.

“Governments are responding with available resources, but this is an unprecedented situation. The situation is aggravated by rising food prices, forcing families to implement drastic coping mechanisms such as skipping meals and selling off assets.”

In a joint statement, the UN’s Food and Agriculture Organisation (FAO) and the Famine Early Warning Systems Network said: “El Niño will have a devastating effect on southern Africa’s harvests and food security in 2016. The current rainfall season has so far been the driest in the last 35 years.”

Britain’s Department for International Development (DfID) said in a briefing paper: “Even if it were to start raining today, the planting window for cereals has already closed in the southern part of the region [Africa] and is fast closing elsewhere. There has been a steep rise in market prices of imported staple goods. This is restricting access to food for the most vulnerable.”

According to the World Health Organisation, the heavy rains expected from El Niño in Peru, Ecuador, Paraguay and southern Brazil could increase the spread of the Zika virus. “The Aedes aegypti mosquito breeds in standing water. We could expect more mosquito vectors which can spread Zika virus because of expanding and favourable breeding sites [in El Niño-affected countries],” the organisation said.

El Niño conditions, which stem from a natural warming of Pacific Ocean waters, lead to droughts, floods and more frequent cyclones across the world every few years. This year’s event is said by meteorologists to be the worst in 35 years and is now peaking. Although it is expected to decline in strength over the next six months, its effects on farming, health and livelihoods in developing countries could last two years or more because of failed harvests and prolonged flooding.

“Insufficient rains since March 2015 have resulted in drought conditions. In Central America, El Niño conditions have led to a second consecutive year of drought – one of the region’s most severe in history,” said an Ocha spokesman.

“Mozambique and southern African countries face a disaster if the rains do not come within a few weeks,” said Abdoulaye Balde, WFP country director in Maputo. “South Africa is 6m tonnes short of food this year. But it is the usual provider of food reserves in the region. If they have to import 6m tonnes for themselves, there will be little left for other countries. The price of food will rise dramatically.”

Zimbabwe, which declared a national emergency this month, has seen harvests devastated and food prices soar, according to the WFP in Harare. It reports that food production has halved compared to last year and maize is 53% more expensive. It expects to need nearly $1.6bn in aid to help pay for grain and other food after the drought.

Malawi is experiencing its first maize deficit in a decade, pushing the price 73% higher than the December 2015 average. In Mozambique, prices were 50% higher than last year. The country depends on food imports from South Africa and Zimbabwe, and faces a disaster if rains do not arrive in the next few weeks, said Balde.

Fears are also growing that international donors have been preoccupied by Syriaand the Ebola crisis, and have not responded to food aid requests from affected countries.

“El Niño began wreaking havoc last year. The government has done its best to tackle the resultant drought on its own, by tapping into the national food reserves and allocating more than $300m [£210m] to buy wheat in the international market,” said Ethiopian foreign minister Tedros Ghebreyesus.

“But the number of people in need of food assistance has risen very quickly, making it difficult for Ethiopia to cope alone. For the 10.2 million people in need of aid, requirements stood at $1.4bn. The Ethiopian government has so far spent $300m and a similar sum has been pledged by donors. The gap is about $800m,” he said.

According to the Famine Early Warning Systems Network, set up by the US international development agency, USAID, in 1985, continued below-average rainfall and high temperatures are likely to persist in southern African well into 2016, with the food crisis lasting into 2017.

Featured Image -- 8877

Confessions of a Reluctant Climate Project Collaborator

Engagement

By Micha Rahder, Louisiana State University §

Let me start with a confession: I never wanted to work on climate change.

Laguna del Tigre National Park, Guatemala. Photo by Micha Rahder. Laguna del Tigre National Park, Guatemala. Photo by Micha Rahder.

Don’t get me wrong – I am no climate change denier. But following my academic passions – first ecological and later anthropological – has historically led me to the lively entanglements of forests, not to the atmosphere. In contrast to the centrality of life in my curiosity and imagination, climate was not just dead (for death too is part of life), but lifeless. The thesaurus agreed with me, aligning “lifeless” with boring, tedious, dreary.

More than disinterest, I even began to resent climate change. I noticed, while working on a Master’s in Environmental Studies around 2007, that climate change was all-pervasive. Scheduled speakers, funding opportunities, calls for papers, popular press coverage, and everyday conversations all swirled around…

Ver o post original 1.739 mais palavras

The Water Data Drought (N.Y.Times)

Then there is water.

Water may be the most important item in our lives, our economy and our landscape about which we know the least. We not only don’t tabulate our water use every hour or every day, we don’t do it every month, or even every year.

The official analysis of water use in the United States is done every five years. It takes a tiny team of people four years to collect, tabulate and release the data. In November 2014, the United States Geological Survey issued its most current comprehensive analysis of United States water use — for the year 2010.

The 2010 report runs 64 pages of small type, reporting water use in each state by quality and quantity, by source, and by whether it’s used on farms, in factories or in homes.

It doesn’t take four years to get five years of data. All we get every five years is one year of data.

The data system is ridiculously primitive. It was an embarrassment even two decades ago. The vast gaps — we start out missing 80 percent of the picture — mean that from one side of the continent to the other, we’re making decisions blindly.

In just the past 27 months, there have been a string of high-profile water crises — poisoned water in Flint, Mich.; polluted water in Toledo, Ohio, and Charleston, W. Va.; the continued drying of the Colorado River basin — that have undermined confidence in our ability to manage water.

In the time it took to compile the 2010 report, Texas endured a four-year drought. California settled into what has become a five-year drought. The most authoritative water-use data from across the West couldn’t be less helpful: It’s from the year before the droughts began.

In the last year of the Obama presidency, the administration has decided to grab hold of this country’s water problems, water policy and water innovation. Next Tuesday, the White House is hosting a Water Summit, where it promises to unveil new ideas to galvanize the sleepy world of water.

The question White House officials are asking is simple: What could the federal government do that wouldn’t cost much but that would change how we think about water?

The best and simplest answer: Fix water data.

More than any other single step, modernizing water data would unleash an era of water innovation unlike anything in a century.

We have a brilliant model for what water data could be: the Energy Information Administration, which has every imaginable data point about energy use — solar, wind, biodiesel, the state of the heating oil market during the winter we’re living through right now — all available, free, to anyone. It’s not just authoritative, it’s indispensable. Congress created the agency in the wake of the 1970s energy crisis, when it became clear we didn’t have the information about energy use necessary to make good public policy.

That’s exactly the state of water — we’ve got crises percolating all over, but lack the data necessary to make smart policy decisions.

Congress and President Obama should pass updated legislation creating inside the United States Geological Survey a vigorous water data agency with the explicit charge to gather and quickly release water data of every kind — what utilities provide, what fracking companies and strawberry growers use, what comes from rivers and reservoirs, the state of aquifers.

Good information does three things.

First, it creates the demand for more good information. Once you know what you can know, you want to know more.

Second, good data changes behavior. The real-time miles-per-gallon gauges in our cars are a great example. Who doesn’t want to edge the M.P.G. number a little higher? Any company, community or family that starts measuring how much water it uses immediately sees ways to use less.

Finally, data ignites innovation. Who imagined that when most everyone started carrying a smartphone, we’d have instant, nationwide traffic data? The phones make the traffic data possible, and they also deliver it to us.

The truth is, we don’t have any idea what detailed water use data for the United States will reveal. But we can be certain it will create an era of water transformation. If we had monthly data on three big water users — power plants, farmers and water utilities — we’d instantly see which communities use water well, and which ones don’t.

We’d see whether tomato farmers in California or Florida do a better job. We’d have the information to make smart decisions about conservation, about innovation and about investing in new kinds of water systems.

Water’s biggest problem, in this country and around the world, is its invisibility. You don’t tackle problems that are out of sight. We need a new relationship with water, and that has to start with understanding it.

Brasil e Japão assinam acordo para aprimorar sistema de prevenção de desastres naturais (MCTI)

JC 5374, 15 de março de 2016

Objetivo é produzir alertas mais precisos e reduzir o tempo das respostas nas situações de risco. Projeto piloto será implementado nas cidades de Blumenau (SC), Nova Friburgo (RJ) e Petrópolis (RJ)

Brasil e Japão assinaram nesta segunda-feira (14) um acordo de cooperação na área de prevenção de desastres naturais para melhorar a precisão dos alertas e reduzir o tempo gasto nas respostas. O documento valida condutas e procedimentos definidos por técnicos dos dois países para a instalação de projetos piloto nas cidades de Blumenau (SC), Nova Friburgo (RJ) e Petrópolis (RJ) – todas sofreram com deslizamentos de terra nos últimos anos. O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden/MCTI) participa da iniciativa, que faz parte do Projeto de Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos em Desastres Naturais (Gides).

“Isso vai ser um novo experimento em relação à coleta de informações e como se disponibiliza essas informações de forma rápida e integrada com vários órgãos do governo”, explicou o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCTI, Jailson de Andrade.

Segundo o pesquisador da área de geodinâmica do Cemaden Angelo Consoni, o aprimoramento do protocolo dos alertas é fundamental para que eles sejam emitidos com mais eficiência para a população. Quanto mais preciso e rápido, menor o risco de calamidades.

“A finalidade do piloto é, principalmente, a precisão dos alertas e o tempo gasto nessa atividade. Então, otimizando fluxos de elaboração de emissão de alertas, juntamente com os municípios e com os estados, nós podemos melhorar significativamente a qualidade dos alertas que disponibilizamos para a população em situações de risco”, afirmou.

O acordo de cooperação também foi assinado pelo Ministério das Cidades, Ministério da Integração Nacional, Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica, na sigla em inglês).

Parceria

A parceria entre Brasil e Japão é baseada na troca de experiências entre recursos humanos das duas nações. Desde 2014, duas turmas de brasileiros já receberam capacitação de especialistas japoneses. Além disso, os asiáticos também vêm ao País para o intercâmbio de informações sobre a prevenção de desastres naturais.

“O Japão é uma referência. E essa cooperação tem sido muito boa para nós no sentido de formação de pessoal”, destacou Consoni.

MCTI

Deslizamentos e enchentes: culpar as chuvas mais uma vez? (JC)

JC 5373, 14 de março de 2016

Artigo de Álvaro Rodrigues dos Santos, geólogo e consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente

A cada novo período chuvoso voltam às manchetes as mortes e sinistros associados a deslizamentos de encostas e enchentes. Tragédias insistentemente anunciadas, mas anualmente recorrentes dado ao descompromisso com que a administração pública em seus três níveis tem lidado com a questão.

Todos estão fartos de saber que esses fenômenos decorrem diretamente das formas equivocadas com que se expandem nossas cidades, impermeabilizando seus territórios, canalizando e retificando seus rios, ocupando terrenos, como encostas de alta declividade e margens de córrego, que não poderiam nunca ser ocupados dada sua já altíssima suscetibilidade natural a riscos, mas também ocupando terrenos de média declividade, onde a ocupação urbana seria aceitável, com a utilização de técnicas construtivas e urbanísticas totalmente inadequadas, que acabam transformando mesmo essas áreas em um verdadeiro canteiro de situações de risco.

E com toda essa realidade, escancarada anualmente pelo meio técnico e repercutida pelos meios de comunicação, a pungente verdade é que nossas autoridades sequer tomaram a providência mínima e cristalina de parar de errar, ou seja, parar de cometer os erros que estão na exata origem causal dessas tragédias de cunho geológico, geotécnico e hidrológico. Por consequência, o que se vê é, ao invés da redução do número de áreas de risco, a sua contínua multiplicação.

Como resultado, uma perspectiva de futuro assustadora: as tragédias em áreas de risco tendem a crescer em frequência e letalidade, na exata proporção do crescimento de nossas cidades.

Dentro desse panorama é preciso que se compreenda que do ponto de vista técnico não há lacuna alguma nos conhecimentos básicos de geologia, geotecnia e hidrologia, necessários para a boa solução desses problemas. Os fenômenos de enchentes e deslizamentos nos mais variados contextos geológicos do País são já bastante estudados e conhecidos. Os instrumentos que permitirão um correto planejamento do uso e ocupação do solo urbano são dominados, como a essencial Carta Geotécnica, um mapa municipal que informa sobre os locais que não poderão nunca ser ocupados e as áreas que poderão ser ocupadas caso sejam utilizadas as técnicas adequadas para tanto. Por paradoxal que possa parecer, o Brasil é liderança internacional nesse campo tecnológico.

Vale registrar apenas que não possuímos no País uma cultura técnica arquitetônica e urbanística especialmente adequada à ocupação de terrenos com maior declividade. Isso se verifica tanto nas formas espontâneas utilizadas pela própria população de baixa renda na autoconstrução de suas moradias, como também em projetos privados ou públicos  de maior porte que contam com o suporte técnico de arquitetos e urbanistas e têm, apesar do erro básico e grave de concepção, sua implantação autorizada pelos órgãos municipais responsáveis para tanto.

Em ambos os casos, ou seja, no empirismo popular e nos projetos mais elaborados, prevalece infelizmente a cultura técnica da área plana. Isto é, através de cortes e aterros obtidos por operações de terraplenagem nas encostas obsessivamente se procura produzir platôs planos sobre os quais irá ser edificado o empreendimento. Um fatal erro técnico de concepção. Esse tem sido o cacoete técnico que está invariavelmente presente na maciça produção de áreas de risco nas cidades brasileiras que, de alguma forma, crescem sobre relevos mais acidentados.

Vale insistir, no entanto, a maior dificuldade para a boa solução desses problemas continua a residir na falta de vontade e no descompromisso das administrações públicas em finalmente decidir ordenar corretamente a expansão urbana de suas cidades. Nesse mister é fundamental perceber que as populações mais pobres somente deixarão de optar por áreas de risco para instalar suas moradias quando o poder público, através de ousados Programas Habitacionais, lhes oferecer alternativas dignas e seguras de moradia na mesma faixa de custos que ela hoje só encontra na ocupação das áreas de risco. Essa é a verdade nua e crua da questão. Ou essa equação básica é resolvida, ou a instalação de novas situações de risco sempre superarão, em muito, o esforço em desarmar as já instaladas.

Em resumo, é preciso que as autoridades públicas deixem de irresponsavelmente ver a questão das áreas de risco como um problema de Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, por mais heroicas que sejam essas corporações, e passem a entendê-la como um elemento próprio do campo das Políticas Habitacionais e de Planejamento Urbano. Somente sob essa ótica a administração pública passará ao comando ativo da situação, deixando de agir apenas a reboque das tragédias, situação em que lhes sobra apenas a descompostura esperta de, como sempre, culpar as chuvas pelos infortúnios.

Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.com.br)

  • Ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas
  • Autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”, “A Grande Barreira da Serra do Mar”, “Diálogos Geológicos”, “Cubatão”, “Enchentes e Deslizamentos: Causas e Soluções”, “Manual Básico para elaboração e uso da Carta Geotécnica”.
  • Consultor em Geologia de Engenharia e Geotecnia 

* Esse artigo expressa apenas a opinião do autor.

El Niño history raises fear of cholera outbreak (SciDev.Net)

10/03/16

María Elena Hurtado

Summary:

  • El Niño may carry disease-causing Vibrio bacteria across Pacific
  • Previous events linked to cases of diarrhoea and cholera
  • Current El Niño developing similarly to 1977 one when diarrhoea reached Peru

   

The ongoing El Niño event may be spreading cholera and other diseases caused by Vibrio bacteria from Asia to South America, researchers suggest.

This is because the bacteria, which are typically found in salty water, could ‘piggyback’ on zooplankton that travel to Peru and Chile with the warm easterly and southerly Pacific currents associated with El Niño, according to a comment published in Nature Microbiology last month.

Vibrio bacteria cause severe diarrhoea when people eat raw, contaminated molluscs such as oysters, clams and mussels. Such outbreaks have been linked to previous El Niño episodes.

The ongoing El Niño — dubbed El Niño Godzilla because of its intensity — may be the strongest on record. It is developing similarly to an episode in 1977, during which a diarrhoea epidemic broke out in Peru. In that year, Vibrio parahaemolyticus bacteria caused an estimated 10,000 cases of severe gastroenteritis along the South American coastline.

In 1997, another strong El Niño year, the Vibrio parahaemolyticus strain of the bacteria, which had emerged in India, plagued the South American coast.

“The emergence of cases correlated with southward dissemination of El Niño water during the 1997 event,” says Jaime Martinez-Urtaza, a biologist at the University of Bath in the United Kingdom, and a coauthor of the article.

In terms of cholera, South America had been free of the disease for almost a century — until it reemerged in the early 1990s. Within weeks, cholera spread across South and Central America, going on to cause more than a million cases and 10,000 deaths by 1994.

Martinez-Urtaza says the cholera outbreak “coincided in both time and space with a significant El Niño event in late 1991 and early 1992”.

Ronnie Gavilán, a researcher at Peru’s National Institute of Health, says there is other evidence for El Niño’s influence on Vibrio bacteria in the Americas. He points out that, during warm El Niño events, Vibrioinfections continue to spread in the cold winter months, when they usually only occur in hot summers.

The current El Niño has not yet led to a Vibrio outbreak, but health authorities in Chile and Peru are closely monitoring water quality near the coast.

The delay could be “because the pathogens that may have arrived during the summer season may show up years later”, says Romilio Orellana, a biochemist at the University of Chile.

References

Jaime Martinez-Urtaza and others Is El Niño a long-distance corridor for waterborne disease? (Nature Microbiology, 24 February 2016)

You might also like

Statisticians Found One Thing They Can Agree On: It’s Time To Stop Misusing P-Values (FiveThirtyEight)

Footnotes

  1. Even the Supreme Court has weighed in, unanimously ruling in 2011 that statistical significance does not automatically equate to scientific or policy importance. ^

Christie Aschwanden is FiveThirtyEight’s lead writer for science.

Os desastres em uma perspectiva antropológica (ComCiência)

No. 176 – 10/03/2016

Renzo Taddei

Um traço peculiar do imaginário brasileiro, ou pelo menos daquele mais presente nos principais centros de produção midiática (Rio de Janeiro-São Paulo-Brasília), é a ideia de que “no Brasil não tem desastre”. Uma piada muito difundida no passado, e ainda presente na memória das pessoas e na internet, diz que, frente à indagação do anjo Gabriel sobre a razão pela qual Deus teria poupado o Brasil dos desastres naturais, quando da criação do mundo, este teria respondido que desastroso seria o povo que ele colocaria aí. Racismo ou “complexo de vira-latas” (Rodrigues, 1993) à parte, a ideia de um Brasil sem desastres é tomada aí como senso comum, como elemento de obviedade na elaboração da anedota (Taddei, 2014a).

Ocorre, no entanto, que os desastres são parte da relação entre humanos e o meio ambiente no Brasil desde pelo menos os primeiros anos de colonização. De acordo com o historiador Raimundo Girão, Pero Coelho de Souza, o primeiro português a tentar estabelecer-se no Ceará, em 1603, foi obrigado a retirar-se, poucos anos depois, em função da estiagem. Os registros históricos dizem que, na empreitada, perdeu sua fortuna e filhos seus morreram de fome e sede (Girão, 1985, p. 69). Esse não era o primeiro desastre do continente: acredita-se que as secas foram fator fundamental para o colapso do império Maia (Webster, 2002), na região do sul do México, cinco séculos antes de espanhóis e portugueses cruzarem o Atlântico. E também não seria o último em solo brasileiro, como bem sabemos.

Frente a esse panorama, uma contribuição possível das ciências sociais ao estudos dos desastres é a tentativa de responder à pergunta: o que constitui um desastre, e como tal forma de pensamento está embutida na realidade social e política brasileira?

O que é um desastre

Uma definição de desastre bastante utilizada nas ciências sociais é aquela que sugere que o desastre é um acontecimento que desorganiza a ordem social, cultural, econômica e política de uma coletividade, a ponto de que esta não é capaz de reorganizar-se de forma espontânea e autônoma (Blakie et al apud Briones, 2010). Ainda que essa forma de entender o desastre seja instrutiva, não é incomum que ela seja entendida como sugerindo que o desastre sempre vem “de fora”, da natureza, e é exógeno ao meio sociocultural. Essa abordagem reproduz a ideia de que trata-se de uma questão de domínio humano sobre a natureza; quando as coisas saem do controle, evidenciam-se os limites de tal domínio, e a natureza mostra sua força.

Para entendermos por que esta conceituação é limitada (e limitante), tomemos o exemplo das secas, sem dúvida o desastre mais comum e recorrente em território brasileiro: o que exatamente vem de fora para desorganizar as coisas? Vejamos: a caatinga, ecossistema dominante no chamado “polígono das secas” do Nordeste, é formada sobretudo por vegetação xerófila, aquela capaz de sobreviver em situação de escassez extrema de água. Se indagarmos nossos colegas botânicos e biólogos qual o tempo necessário para que os organismos se adaptem a um ecossistema, através dos processos de geração de novas espécies e seleção natural – o mesmo que supostamente gerou a vegetação xerófila da caatinga –, eles nos responderão que trata-se de um processo longo, de milhares de anos. Ou seja, a existência de vegetação xerófila na caatinga evidencia que os períodos longos de estiagem ocorrem aí há milênios. Nessa perspectiva, um período longo sem chuvas não é novidade alguma na região.

E qual a forma mais universalmente disseminada de convivência dos seres vivos com ecossistemas áridos e semiáridos? O nomadismo, a migração sazonal, em todas as suas variações possíveis. Animais e populações indígenas moviam-se no território de modo a tentar adaptar-se à periódica escassez de chuvas. Uma novidade trazida pelos portugueses, no entanto, o conceito de propriedade privada, mostrou-se incompatível com tais práticas adaptativas. O estabelecimento das fazendas e dos núcleos permanentes de povoamento expôs a população a uma rigidez espacial inconciliável com os fluxos e variações climáticas da região. Adicionalmente, a fartura dos anos de chuvas regulares fez com que a densidade demográfica aumentasse para muito além dos níveis pré-coloniais. O resultado disso tudo: quatro séculos de epidemias recorrentes de fome e sofrimento no sertão nordestino (Taddei, 2014b).

No exemplo acima, qual foi, exatamente, o elemento desastroso? A estiagem não é uma anomalia climática na região semiárida; foi a forma de domínio e uso da terra trazida pelos europeus que mostrou-se uma verdadeira anomalia sociopolítica. O caso das secas evidencia que necessitamos de uma outra forma de entender os desastres, que não separe radicalmente os meios social e natural. De maneira geral e simplificada, podemos propor como alternativa a ideia de que quando as coletividades têm conhecimento das variações e calendários dos ecossistemas locais e se organizam tomando-os em consideração, acumulam certa quantidade de recursos como reserva que os proteja de imprevistos, e escolhem práticas produtivas, sociais e políticas comprovadamente compatíveis com o ecossistema local, são capazes de atravessar períodos extremos, ou de sobreviver a eventos críticos, sem que a situação se configure como um desastre. Um desastre é, então, fruto das formas como ecossistema e grupos sociais relacionam-se entre si. Por isso, um desastre jamais está “na” natureza, e sim na relação que se tem com ela (Oliver-Smith, 1999). Um exemplo disso é a constatação, fruto de uma pesquisa por mim coordenada durante o ano de 2005 – ano em que houve secas de grande porte e praticamente ao mesmo tempo no Nordeste, na Amazônia e no Rio Grande do Sul –, de que os efeitos da estiagem motivaram manifestações populares e a invasão de prédios públicos em diversas cidades cearenses, enquanto a falta de chuva em intensidade equivalente sequer foi notada por moradores de cidades das serras gaúchas (ver Taddei e Gamboggi, 2010).

Essa forma de entender desastre tem duas vantagens: a primeira é que o desastre deixa de ser um evento isolado no tempo e no espaço, e passa a ser entendido como um processo que se desdobra ao longo do tempo (Valencio, 2009), e que, em geral, afeta coletividades humanas e animais em uma dimensão espacial muito maior do que o local específico do evento crítico. A segunda é que podemos facilmente retirar a natureza da equação e substituí-la por ambientes e processos técnicos, e temos aí uma forma interessante de pensar os desastres ditos “tecnológicos”. A realidade é que não há desastre que não tenha, concomitantemente, componentes ecossistêmicos e componentes tecnológicos e, em razão disso, a diferenciação entre desastres naturais e tecnológicos é apenas o destaque, para fins operacionais ou jurídicos, do fator preponderante em cada caso.

Voltemos por um minuto à definição proposta acima, de modo a exemplificá-la melhor. Recorrentemente, o que chamamos de seca, no que tange à produção agrícola, ocorre em situações em que a terra é arrendada, de modo que as relações comerciais de curto prazo fazem com que o conhecimento sobre as variações de longo prazo do ecossistema local se percam de vista; a necessidade de se atingir níveis de lucratividade compatíveis com os praticados no mercado financeiro faz com que frequentemente os recursos sejam investidos de forma intensiva, o que aumenta os riscos envolvidos e coloca o produtor em situação de vulnerabilidade a variações climáticas; e a seleção das culturas, quase sempre, está ligada aos preços do mercado, e raramente às condições específicas do ecossistema onde se dará a produção (grande parte da qual é destruída para ceder espaço às áreas agricultáveis). Ou seja, o que estou dizendo aqui é que o modelo de produção agrícola vigente na atualidade está fundado em uma forma de relação entre o ecossistema e a atividade humana altamente vulnerável a variações naturais, o que produz um contexto propício ao desastre. Não é à toa que, em um ano “bom”, cerca de um quarto dos municípios do país declaram situação de emergência. Em um ano ruim, esse número sobe para mais de um terço. O desastre está praticamente embutido nas formas de organização econômica e política brasileiras (Taddei e Gamboggi, 2010).

Nem todas as declarações de situação de emergência se dão em função de secas. No entanto, a coisa não é diferente com as inundações, os deslizamentos de terra, ou as ressacas que destroem infra-estrutura pública e privada nas zonas costeiras. Os fluxos de água têm ciclos que se repetem, muitos dos quais, por razões distintas, desconhecemos. O curso de um rio nunca pode ser determinado com exatidão; um rio “pulsa”, isto é, tem seu ciclo natural de retração e expansão. Esse ciclo é, em geral, anual, mas há outros ciclos na natureza que afetam os cursos de água e que são mais longos. O fenômeno El Niño é um deles: tende a ocorrer duas vezes por década, em geral diminuindo as chuvas na região Nordeste e as aumentando na parte Sudeste e Sul do Brasil. Há ainda ciclos mais longos: existem evidências de que alguns ecossistemas podem alternar séries de duas ou três décadas com menos chuva com outras consideravelmente mais chuvosas (Marengo et al, 1998). Grande parte desses ciclos não são conhecidos. Desta forma, um empreendimento no entorno de um rio pode, sem que as pessoas envolvidas se dêem conta, estar na verdade dentro do curso histórico do rio.

Um rio, por sua vez, não se resume à calha onde a água corre em grande volume. Esta é apenas o resultado da relação entre a água da chuva e determinada configuração topológica e geológica. A água infiltrada no solo, escoando lentamente para baixo e ao longo de uma camada de solo impermeável, até finalmente avolumar-se na região mais baixa (formando o rio propriamente dito), já é o rio em atividade. Em uma cidade, a ideia de que um rio foi “canalizado” envolve um equívoco conceitual diretamente ligado às inundações urbanas. Não se pode canalizar um rio, mas apenas sua calha principal. Quando isso é feito e o solo é impermeabilizado com concreto e asfalto, separa-se duas partes do rio, a que escoa pela topografia do terreno, e que obviamente continuará escoando, e a que escoa na calha do rio. A calha do rio é uma solução geológica para o escoamento de água; a separação entre o escoamento nos terrenos inclinados e a calha – ou a limitação da conexão entre ambas – é a construção das condições para a ocorrência dos desastres. A ideia de que o poder público tem que “resolver a questão das inundações urbanas” é fruto daquela mesma visão de “controle sobre a natureza” que criticamos no início deste texto. Uma solução mais apropriada para essa questão é considerar que o rio tem direito a estar na cidade, de forma íntegra e com toda sua variabilidade espacial, e que a cidade deve ser construída tomando isso em conta. Caso contrário, as cidades serão, como são, aparatos produtores de inundações. Ou seja, a inundação não é resultado da chuva, mas de uma certa relação entre a forma como os humanos transformam o espaço e o ciclo natural das águas.

Em resumo, o que quero dizer aqui é que, no mundo contemporâneo, somos frequentemente levados a agir pautados por agendas que não apenas se mostram incompatíveis com ciclos naturais dos ecossistemas, mas também afetam nossa capacidade de perceber detalhes dos mesmos que são importantes para a redução dos riscos de desastres. Desta forma, muitas de nossas formas de organização econômica, social e política têm que encontrar maneiras de lidar com a pouca eficácia, ou mesmo com a inconveniência, de nossas formas estabelecidas de ocupação do mundo. Por isso, desenvolvemos coisas como seguros financeiros, um complexo sistema de defesa civil em todos os níveis políticos, tecnologias de monitoramento e previsão de características importantes do meio ambiente, legislação específica, agências reguladoras, e muito mais. Temos também práticas sociais pautadas em relações de clientelismo, nas quais o detentor de poder político ou recursos econômicos oferece a determinada coletividade proteção contra os efeitos das variações dos ecossistemas (e contra coisas não relacionadas ao meio ambiente) em troca de apoio político; e a chamada “indústria das secas” (Callado, 1960), estratégias econômicas e sociais que geram riqueza para as elites locais a partir dos mecanismos federais de mitigação dos impactos das secas (Albuquerque Jr, 1999).

Particularmente no que diz respeito à nossa incapacidade de perceber as variações e ciclos dos ecossistemas, nossa base científica de monitoramento dos ecossistemas e da atmosfera começou a operar efetivamente apenas na década de 1960, o que fornece uma base bastante limitada de dados históricos. Neste contexto, é digno de nota o fato de que, em geral, são as populações tradicionais – indígenas, caboclos, ribeirinhos, caiçaras – que habitam os ecossistemas por muitas gerações que possuem tais conhecimentos (Taddei, 2015). Ocorre, no entanto, que a forma de codificação e transmissão de conhecimento de tais populações, através de transmissão oral e sobre uma base narrativa que faz amplo uso do que chamamos de folclore e pensamento mítico, é não apenas incompreensível para as populações urbanas, mas ativamente desvalorizada como superstição e atraso, frente aos poderes do conhecimento científico. São muito poucas, ao redor do mundo, as iniciativas de transformação de conhecimento tradicional em material que possa engajar-se de forma significativa com as discussões técnicas e científicas a respeito de como entender o meio ambiente e os desastres a eles relacionados. Um dos exemplos mais interessantes sobre esse respeito são os estudos dos manuscritos pré-hispânicos (os códices) maias e aztecas no que tange à forma como tais populações entendiam e lidavam com terremotos (ver Acosta e Suarez, 1996).

Riscos e desastres tecnológicos

Como mencionei acima, posso trocar “natureza” por “tecnologia” e a frase continua fazendo sentido: no mundo contemporâneo, somos frequentemente levados a agir no mundo pautados por agendas que não apenas se mostram incompatíveis com certas características dos sistemas técnicos em que atuamos, mas igualmente afetam nossa capacidade de perceber detalhes importantes dos mesmos (Taddei, 2014c). Na década de 1980, o sociólogo alemão Ulrich Beck (1992) propôs a teoria da sociedade do risco, na qual argumentou que as sociedades modernas, através da inovação tecnológica, criam riscos inéditos e que não somos capazes de mensurar. O sociólogo americano Charles Perrow, por sua vez, criou o conceito de acidentes normais (1999), nos quais sistemas complexos podem assumir configurações indesejáveis sob o ponto de vista humano, mas que são apenas configurações “normais”, isto é, possíveis, do sistema. Ou seja, quando projetamos sistemas complexos, como computadores, por exemplo, não somos capazes de prever todas as suas configurações possíveis. No caso particular dos computadores, o “travamento” do sistema operacional, em geral, não representa qualquer dano ao aparato, em suas dimensões físicas ou lógicas. Por isso, reinicializamos a máquina e ela volta a funcionar perfeitamente. Uma possibilidade de entender o que houve é justamente a ideia de que a máquina pode ter assumido uma configuração que, apesar de ser uma das muitas possíveis para ela, é inconveniente para o usuário. O caso do computador pessoal pode ser inócuo; ocorre que, segundo Perrow, não há razão para imaginar que o mesmo não possa ocorrer com aviões em pleno vôo, com usinas nucleares, ou com barragens.

Essa constatação evidencia os imensos desafios que as coletividades têm no que diz respeito à governança dos riscos aos quais estão submetidas. O mercado em sociedades liberais mostrou, repetidamente, que não é um bom instrumento de gestão de riscos na perspectiva da coletividade – a crise mundial de 2008 foi apenas a última em uma sequência longa de crises associadas à incapacidade das corporações capitalistas em gerir riscos de modo benéfico, não apenas para seus interesses particulares, mas para a sociedade como um todo. Os governos dos países capitalistas em geral pautam-se por indicadores de mercado (como o PIB) para avaliar o sucesso e a eficácia de seus governantes e, por essa razão, tendem a ser ineficientes no que tange a usar seu poder regulatório coercitivo contra o próprio mercado. Desta forma, com exceção de setores historicamente marcados por desastres em larga escala, como a geração de energia nuclear e a prospecção de petróleo, em geral, o setor corporativo cria novas tecnologias e as coloca no mercado sem que os riscos a elas associados sejam conhecidos. Aliás, no que tange à questão nuclear, o Brasil tem a infelicidade de figurar no seleto grupo de países1 que foram palco de acidentes radioativos, devido ao evento do Césio 137 em Goiânia, no ano de 1987 (Da Silva, 2001; Vieira, 2013).

Os desastres em tempos de mudanças climáticas

Particularmente no Brasil, como demonstram os exemplos das secas no Nordeste, os deslizamentos da serra fluminense de 2011, ou o desastre de Mariana em 2015, o poder público age de forma notoriamente reativa, esperando a catástrofe e apenas posteriormente ajustando sua configuração institucional e suas formas de ação aos riscos envolvidos – e, ainda assim, com variados graus de eficácia. Neste contexto, a perspectiva de futuro trazida pelas mudanças climáticas é duplamente sombria: por um lado, as alterações ecossistêmicas previstas (bem como as não previstas) devem desestabilizar até mesmo os arranjos adaptativos mais efetivos entre ecossistemas e coletividades; por outro, como o exemplo das reuniões do clima da ONU (as chamadas “conferencias das partes” ou COPs) deixa evidente, os estados nacionais e seus aparatos institucionais se mostram ineficazes e despreparados para lidar com o desafio que se aproxima. A crise migratória europeia dos últimos anos é outro exemplo contundente: em quase todos os casos envolvidos (e particularmente nos casos dos conflitos do Sudão e da Síria), o componente climático é uma das variáveis mais importantes; os países europeus e a própria ONU, no entanto, evitam qualquer associação entre tais migrações e as secas dramáticas que assolaram tais países, uma vez que isso desorganizaria o arcabouço jurídico para lidar com questões migratórias desenvolvido pelos países ocidentais. Ou seja, não existe, até o momento, a figura jurídica do refugiado climático. E a principal razão para tanto é o fato evidente, já mencionado anteriormente neste texto, que limites territoriais fixos, como as fronteiras nacionais, são incompatíveis com a estratégia mais óbvia de sobrevivência a variações extremas do ambiente, justamente a migração. Desta forma, a crise migratória atual é apenas uma amostra do que está por vir, e não há razões para acreditar que os estados nacionais, que têm em suas configurações espaciais parte da causa da crise, sejam os atores que irão propor soluções sustentáveis ao problema. É mais provável que as soluções venham de fora do sistema e, desta forma, a pesquisa científica sobre ambiente e desastres deve estar aberta para o diálogo com outras formas de conhecimento e ação no mundo. Novamente, aqui as populações tradicionais talvez tenham um papel fundamental a desempenhar (Danowski e Viveiros de Castro, 2014); e não há campo mais apropriado, dentro do mundo acadêmico, para fazer tal interlocução do que as ciências sociais. Para isso, no entanto, a agenda de pesquisa em sociologia e antropologia dos desastres tem muito que avançar.

Renzo Taddei é professor de antropologia na Universidade Federal de São Paulo.

Referências bibliográficas

Acosta, V. G.; Suarez, G. Los sismos en la historia de México: el análisis social. Tlalpan, México: CIESAS, 1996.

Albuquerque Junior, D. M. de. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 1999.

Beck, U. Risk society. Towards a new modernityLondres: Sage Publications, 1992.

Briones, F. “¿Sequía natural o sequía hidrológica? Políticas públicas y respuestas sociales en el perímetro irrigado de Icó-Lima Campos, Ceará” In: Taddei, R.; Gamboggi, A. L. (orgs). Depois que a chuva não veio – respostas sociais às secas na Amazônia, no Nordeste e no Sul do Brasil. Fortaleza: Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos/Instituto Comitas para Estudos Antropológicos, 2010.

Callado, A. Os industriais da seca e os “Galileus” de Pernambuco. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1960.

Da Silva, T. C. “Bodily memory and the politics of remembrance: the aftermath of Goiânia radiological disaster”. High Plains Applied Anthropologist. v. 21, n. 1, p. 40–52, Spring 2001. 

Danowski, D.; Viveiros de Castro, E. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Editora Cultura e Barbárie, 2014

Girão, R. Evolução histórica cearense. Fortaleza: BNB/Etene, 1985.

Marengo, J. Tomasella, J. Uvo, C. “Long-term stream ow and rainfall fluctuations in tropical South America: Amazonia, eastern Brazil and northwest Peru”. Journal of Geophysical Research, n. 103, p. 1775-1783, 1998.

Oliver-Smith, A. “What is a disaster? Anthropological perspectives on a persistent question”. In: Oliver-Smith, A; Hoffman, S. (orgs.), The angry Earth: disaster in anthropological perspective. New York: Routledge, 1999.

Perrow, C. Normal accidents: living with high-risk technologies. Princeton: Princeton University Press, 1999.

Rodrigues, N. À sombra das chuteiras imortais: crônicas de futebol. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Taddei, R. “Sobre a invisibilidade dos desastres na antropologia brasileira”. WATERLAT-GOBACIT Network Working Papers, Thematic Area Series SATAD, TA8 – Water-related Disasters, vol. 1 no. 1, Newcastle upon Tyne and São Paulo, September 2014, pp. 30-42 2014a.

Taddei, R. “As secas como modos de enredamento”. ClimaCom Cultura Científica – pesquisa, jornalismo e arte. Ano 01, No. 01 – “Redes”, 2014 2014b.

Taddei, R. “Alter geoengenharia”. Trabalho apresentado no colóquio internacional Os Mil Nomes de Gaia. Fundação Casa de Rui Barbosa, 16 de setembro de 2014, Rio de Janeiro. Disponível em https://goo.gl/5wUVHn; acessado em 8 de março de 2016 2014c.

Taddei, R. “O lugar do saber local (sobre ambiente e desastres)”. In: Siqueira, A.; Valencio, N.; Siena, M.; Malagoli, M. A. (Org.). Riscos de desastres relacionados à água: aplicabilidade de bases conceituais das ciências humanas e sociais para a análise de casos concretos. São Carlos: Rima Editora, 2015.

Taddei, R.; Gamboggi, A. L. (orgs). Depois que a chuva não veio – respostas sociais às secas na Amazônia, no Nordeste e no Sul do Brasil. Fortaleza: Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos/Instituto Comitas para Estudos Antropológicos, 2010.

Valencio, N. “Da morte da quimera à procura de Pégaso: a importância da interpretação sociológica na análise do fenômeno denominado desastre”. In: Valencio, N.; Siena, M.; Marchezini, V.; Gonçalves, J. C. (orgs), Sociologia dos desastres – construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: RiMa Editora, 2009.

Vieira, S. de A. “Césio-137, um drama recontado”. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 27, p. 217-236, 2013.

Webster, D. L. The fall of the ancient Maya: solving the mystery of the Maya collapse. London: Thames and Hudson, 2002.

1 Estes países são: Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, Coréia do Sul, Costa Rica, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Ilhas Marshall, Índia, Japão, Panamá, Paquistão, Suíça, Rússia e Ucrânia.

What a Shaman Sees in A Mental Hospital (Waking Times)

By  August 22, 2014

Sociedade civil integrará Comissão de REDD+ (MMA)

JC 5369, 8 de março de 2016

Seleção será nesta sexta-feira (11/03), em Brasília, durante reunião ampliada do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Serão selecionados, nesta sexta-feira (11/03), os dois representantes da sociedade civil que participarão da Comissão Nacional para Redução das Emissões de Gases de Efeito Estufa Provenientes do Desmatamento e da Degradação Florestal, Conservação dos Estoques de Carbono Florestal, Manejo Sustentável de Florestas e Aumento de Estoques de Carbono Florestal – REDD+ (CONAREDD).

A seleção ocorrerá em reunião ampliada do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC), marcada para ocorrer no Ministério do Meio Ambiente (MMA), em Brasília. A expectativa é que a seleção contemple a participação dos diversos setores interessados na implantação de REDD+ pelo Brasil, em especial comunidades tradicionais e povos indígenas. O encontro incluirá a escolha de dois suplentes para a comissão.

Estratégia

O Decreto no 8.576, de 26 de novembro de 2015, instituiu a CONAREDD, que tem a responsabilidade de coordenar, acompanhar e monitorar a implantação da Estratégia Nacional para REDD+. A comissão também tem a finalidade de coordenar a elaboração dos requisitos para o acesso a pagamentos por resultados de políticas e ações de REDD+ no Brasil, reconhecidos pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

De acordo com o decreto, a CONAREDD contará com dois representantes titulares e dois suplentes da sociedade civil organizada brasileira. Conforme determinação do MMA, caberá ao o FBMC nominar esses representantes, buscando assegurar o maior grau possível de representatividade entre os diversos segmentos da sociedade civil.

SERVIÇO:

Reunião do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC)

Data: Sexta-feira, 11 de março, às 10h

Local: Auditório do Edifício Anexo do Ministério do Meio Ambiente – SEPN 505, Bloco B, Edifício Marie Prendi Cruz, Asa Norte, Brasília-DF.

Programação:

– Discussão da implantação da Comissão Nacional para REDD+;

– Mapeamento do perfil necessário à representação da sociedade civil na CONAREDD;

– Indicação de dois representantes titulares e dois suplentes da sociedade civil organizada brasileira de acordo com o Decreto no 8.576.

Ascom/MMA