Arquivo mensal: maio 2016

Fenômenos naturais deslocaram 19,2 milhões de pessoas em 2015, alerta escritório da ONU (ONU)

JC 5423, 24 de maio de 2016

Número representa quase 70% do total de deslocados internos do mundo registrado em 2015

Fenômenos naturais forçaram 19,2 milhões de pessoas a abandonarem seus lares em 2015. O contingente representa quase 70% do total de deslocados internos – 27,8 milhões – que se viram obrigados a fugir dos lugares onde moravam por conta de conflitos, violência ou desastres naturais ao longo do ano passado.

Os números foram divulgados na semana passada (12) pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR) em relatório que apresenta um panorama do deslocamento interno global e de suas causas.

O documento alerta para os fatores de risco de desastres associados a processos lentos de alteração ambiental, tais como secas, elevação do nível do mar e desertificação — fenômenos provocados pelas transformações do clima. Ameaças climáticas foram responsáveis por 14,7 milhões de deslocamentos.

“A maioria dos deslocamentos ocasionados por desastres naturais ocorreu devido a eventos climáticos extremos, que aconteceram em um ano com um número recorde de secas, inundações e grandes tempestades tropicais”, continuou Glasser, lembrando que grande parte disso foi causada por um forte El Niño registrado em meio a mudanças climáticas cada vez mais maiores.

Para Glasser, diante desse cenário, é necessário o desenvolvimento de um sistema capaz de melhorar a gestão de risco de desastres a nível local, a fim de evitar o deslocamento de pessoas nesta escala.

“Isso significa melhorar alertas precoces, proporcionar habitação de baixo custo em locais seguros e fazer todo o possível para reduzir o número de pessoas afetadas por catástrofes, segundo o que foi acordado pelos Estados-membros no Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres, no ano passado”, ressaltou.

O Marco é um plano global para reduzir as ameaças de catástrofe adotado pelos Estados-membros das Nações Unidas em 2015, durante uma conferência mundial em Sendai, no Japão.

O acordo estabelece metas para a redução da mortalidade relacionada a desastres, assim como para a diminuição do número de pessoas afetadas, dos danos à infraestrutura e das perdas econômicas.

ONU

Anúncios

Mudanças climáticas podem levar à exclusão de espécies arbóreas em áreas úmidas (INPA)

JC 5423, 24 de maio de 2016

Alterações na composição de espécies vegetais poderão trazer implicações para toda a cadeia alimentar, incluindo o homem

Cheias e secas extremas e subsequentes, como essas que os rios da Amazônia vêm sofrendo nas duas últimas décadas, podem levar à exclusão de espécies de árvores e à colonização por outras espécies menos tolerantes à inundação.

É o que apontam estudos desenvolvidos por pesquisadores associados ao Grupo Ecologia, Monitoramento e Uso Sustentável de Áreas Úmidas (Maua) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), em Manaus, que participa, desde 2013, do Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (Peld), por meio do Peld-Maua.

Durante a década de 1970, por exemplo, os níveis máximos anuais do rio Negro ficaram alguns metros acima do valor médio da enchente, e a descida das águas não foi intensa, resultando na inundação de várias populações de plantas durante anos consecutivos. Isso causou a exclusão de muitas espécies arbustivas e arbóreas nas baixas topografias de igapós na região da Amazônia Central, como é o caso de macacarecuia (Eschweilera tenuifolia).

“Acredita-se que esses fenômenos podem ser consequência das mudanças climáticas em curso, mas podem também derivar de variações naturais do ciclo hidrológico. Os estudos realizados no âmbito do Peld-Maua visam confirmar a origem desses fenômenos utilizando informações sobre o crescimento da vegetação”, adianta a coordenadora do Peld-Maua, a pesquisadora do Inpa Maria Teresa Fernandez Piedade.

Anos de secas ou cheias consecutivas podem ultrapassar a capacidade adaptativa das espécies de árvores, especialmente de populações estabelecidas nos extremos do ótimo de distribuição no gradiente inundável (composição de diferentes níveis de inundação a que estão sujeitas as áreas alagáveis).

Segundo Piedade, como a vegetação sustenta a fauna desses ambientes, mudanças na composição de espécies vegetais poderão trazer implicações para toda a cadeia alimentar, incluindo o homem. “A vegetação arbórea das áreas alagáveis amazônicas é bem adaptada à dinâmica anual de cheias e vazantes”, destaca a pesquisadora.

Para ela, determinar o grau de tolerância a períodos extremos das espécies de árvores desses ambientes e de sua fauna associada, como os peixes e roedores, e conhecer sua reação com a dinâmica de alternância entre fases inundadas e não inundadas normais e extremas é um grande desafio e se constitui na base para seu uso sustentável e preservação.

Segundo Piedade, as áreas úmidas (várzeas, igapós, buritizais e outros tipos) cobrem cerca de 30% da região amazônica e são de fundamental importância ecológica e econômica. Ela explica que na várzea, múltiplas atividades econômicas são tradicionalmente desenvolvidas, como a pesca e a agricultura familiar, enquanto que nos igapós, por serem mais pobres em nutrientes e em espécies de plantas e animais, menos atividades econômicas são praticadas. Já nas campinas/campinaranas alagáveis essas atividades são ainda mais reduzidas.

“A ecologia, o funcionamento e as limitações para determinadas práticas econômicas nas várzeas são bastante conhecidas, mas nos igapós de água pretas e nas campinas/campinaranas alagáveis tais aspectos ainda são pouco estudados”, diz Piedade. “Embora se saiba que esses ambientes são frágeis, aumentar e disponibilizar informações sobre eles é fundamental”, acrescenta.

Peld-Mauá

Com o título “Monitoramento e modelagem de dois grandes ecossistemas de áreas úmidas amazônicas em cenários de mudanças climáticas”, o Peld-Maua é um projeto financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e também conta com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). Insere-se no plano de ação “Ciência, Tecnologia e Inovação para Natureza e Clima”, do MCTI.

O Programa Peld foca no estabelecimento de sítios de pesquisa permanentes em diversos ecossistemas do País, integrados em redes para o desenvolvimento e o acompanhamento de pesquisas ecológicas de longa duração. Atualmente, existem 31 sítios de pesquisa vigentes.

O Peld-Maua é gerenciado pelo Inpa, em Manaus. Tem como vice-coordenador o pesquisador do Inpa, Jochen Schöngart; e como coordenador do Banco de Dados o pesquisador Florian Wittmann, do Departamento de Biogeoquímica do Instituto Max-Planck de Química, com sede em Mainz, na Alemanha.

A coordenadora do Peld-Maua explica que as atividades tiveram início há três anos. “Na primeira fase, que será completada agora em 2016, o Peld-Maua priorizou estudos em um ambiente de igapó e outro de campinarana alagável, mas espera-se que os estudos tenham continuidade e sejam expandidos para outras tipologias alagáveis amazônicas”, diz Piedade.

O Peld-Maua desenvolve estudos nas áreas de inundação das florestas de igapó no Parque Nacional do Jaú (Parna Jaú) – Unidade de Conservação localizada entre os municípios de Novo Airão e Barcelos, no Amazonas –, e ao longo dos gradientes de profundidade do lençol freático das florestas de campinas/campinaranas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, situada entre os municípios de São Sebastião do Uatumã e Itapiranga, também no Amazonas.

Conforme Piedade, diante da conectividade entre os ambientes alagáveis e as formações contíguas de terra-firme ou outras, os sítios de estudos foram escolhidos em ambientes onde os gradientes podem ser também avaliados. “Isso aumenta as possibilidades de trabalhos comparativos”, ressalta.

O Peld-Maua tem por objetivo relacionar a estrutura, composição florística e dinâmica de plantas que produzem sementes (fanerógamas) de dois ecossistemas de áreas úmidas na Amazônia Central com fatores do solo e da disponibilidade de água (hidro-edáficos), por meio do monitoramento em longo prazo para entender possíveis impactos e respostas da vegetação frente a mudanças dos regimes pluviométricos e hidrológicos.

O programa, até o momento, já permitiu a realização de cinco dissertações de mestrado e uma tese de doutorado. Além dos estudos já finalizados, estão em andamento dois pós-doutorados, seis doutorados e quatro mestrados. Quanto à formação de pessoal, dois bolsistas do Programa de Capacitação Institucional (PCI) concluíram suas atividades e dois estão realizando seus projetos, e dois bolsistas do programa de Bolsa de Fomento ao Desenvolvimento Tecnológico (DTI) e dois Pibic’s realizaram seus projetos junto ao Peld-Maua.

Inpa

À espera de Francisco. A peleja da água (O Povo)

Por Fátima Sudário

Este especial À espera de Francisco é mais uma investida do O POVO na grande reportagem e num tema muito caro a todos nós: a água, uma eterna peleja, elemento vital na formação das nossas identidades e das nossas diferenças. Revisitar o tema, portanto, é missão, especialmente em momento tão delicado da vida nacional, com as indefinições que deixam interrogações sobre o futuro de uma obra como a da transposição do Rio São Francisco.

O projeto é polêmico. Sua própria história dá conta disso. Virou dois séculos, demorou a sair da intenção, virar plano, entrar no papel, começar, parar e, de novo, começar. Atravessou governos, interesses políticos, questões ambientais e, principalmente, a profunda insegurança hídrica que desestabiliza a região, leva vidas, ameaça culturas, quebra a economia e finda sonhos de desenvolvimento.

Mas está aí. Ao curso de muitas secas – esta que vivemos já dura cinco anos – a obra gigantesca, com seus túneis, elevatórias, cânions, canais e reservatórios, e um custo de R$ 8,5 bilhões, já está 85,3% concluída. A água é esperada para o fim do ano. Enquanto isso, o cenário afetivo, econômico, social e cultural da região sul do Ceará transformase. Tem lamento por uma memória levada, mas tem a esperança que só a água é capaz de acender nesta gente.

Para mostrar a quantas anda essa espera por águas do São Francisco, os repórteres Cláudio Ribeiro e Fábio Lima e o motorista José Maia Rodrigues pegaram a estrada. Percorreram 2 mil quilômetros do Eixo Norte da obra, pelos municípios de Cabrobó e Salgueiro, em Pernambuco, Jati, Brejo Santo e Mauriti, no Ceará. Mostram não só a construção de concreto, mas as outras construções simbólicas em curso. A dona Edileuza e o seu Zilvan contam, admirados, das flores que plantam. Seu Lu Narciso sonha. Quer voltar a plantar uva. “Espero só a água”. São narrativas que O POVO desenha nestas páginas, na web, no rádio e na tevê. Porque vale a pena saber de tudo isso. Em todas as linguagens.

Etnografias

Por Cláudio Ribeiro

O POVO mantém seu mergulho jornalístico pela etnografia do sertão. Reportando dificuldades e esperanças de um polígono seco de água no chão, mas vivo de se saber refazer. Repórteres do O POVO já percorreram a zona ribeira do São Francisco. Os especiais São Francisco – Vida para o Semiárido, em 2000, e Pelas Águas do Velho Chico, em 2006, trataram da expectativa de um projeto secular que nunca avançava sertão adentro. Transpor o rio era uma possibilidade distante. Em 2013, ainda o segundo ano desta mesma grande seca de meia década que estamos passando, foi publicado/postado o especial A Peleja da Água. A crise hídrica exigindo soluções. Agora À Espera de Francisco mostra o caminho da água no Nordeste redesenhado. O improvável está prestes a acontecer. Os canais do São Francisco regando sertões, desfazendo sofrimento e sede.

Editorial Gráfico

Vias de Água

Por Gil Dicelli 

Os destinos do Velho Chico se abrem a novos sertões. Esperança e dúvidas pelas margens do Semiáriado. No projeto gráfico, o papel rasgado sugere as hidrovias da transposição, cavadas ao longo de cerca de 2 mil km. Atalhos que orientam a leitura, hierarquizando o conteúdo. Caracteres dos títulos também expandem territórios. Avança aqui e acolá uma letra. É como a água do rio que não abarca limites. Brutal e sinuosa, a tipografia escolhida sinaliza o itinerário do São Francisco. A diagramação é assimétrica, a malha de construção da página flui e se reinventa. Legendas das imagens são poças de informação rápida. E um infográfico de página dupla desenha a trajetória do rio e do repórter explicando, em imagem e texto, os detalhes da narrativa. Esse fiar de elementos gráficos faz a escrita visual que contribui para entrelaçar as vidas de Gracinha, Chico de Sinésio, Dedé de Leopoldo e seu Wilson. E de tantos outros. Todos à espera de Francisco.

Futuro

Por Cláudio Ribeiro

São Francisco já não é mais um rio caudaloso nem tão forte como descrito em livros e histórias antigas. Resiste, desde a nascente em Minas Gerais, passando por Bahia e Pernambuco até a foz entre Alagoas e Sergipe, mas está assoreado em vários trechos onde antes se navegava. O homem faz mau uso de seu leito. Um rio também tem sede de chuva. A seca de cinco anos no Nordeste o castiga. É esse o Francisco aguardado no projeto da transposição, feito os ditos da reza. Levar água onde houver o estio.

Até o fim deste ano – se os planos seguirem o planejado e a instabilidade política e econômica não atrapalhar –, a expectativa é que São Francisco encoste também pelo Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Por longos 477 km de canais, 14 aquedutos, quatro túneis perfurando serras, o rio transpondo relevos a partir de nove estações de bombeamento.

Serão 50 reservatórios abastecidos (27 deles construídos pelo projeto) nos quatro estados, pelos Eixos Norte e Leste. O Ceará terá 13 açudes (seis a inaugurar) para essa nova água. Entre eles o maior do Nordeste, o Castanhão, que atualmente está com apenas 9% de sua capacidade. Ele é a principal garantia hídrica para Fortaleza, hoje muito precisado de chuva e de um São Francisco.

A vazão média direcionada pelo rio será de 26 mil litros por segundo em períodos secos. O secretário de Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira, defende que já se possibilite dobrar essa vazão tão logo o projeto seja concluído. Explica que a necessidade já é maior do que quando o projeto foi pensado.

85,3% das obras da transposição estão concluídas. Ministério da integração nacional

A obra da transposição foi, outrora, tão somente uma possibilidade defendida no distante 1817 pelo então ouvidor do Crato, Antônio de Porbem Barbosa. Chegou a ser algo recomendado a estudos pelo rei de Portugal dom João VI, em abril de 1821. Despedindo- se do Brasil Colônia, deu a indicação ao príncipe regente, dom Pedro I. Ele deixou o assunto no esquecimento, à época mais preocupado com rebeldes da Confederação do Equador (1824). Dom Pedro II, mais disposto àquela novidade e afeito desenvolver as terras, em 1847, contratou o engenheiro
Henrique Guilherme Fernando Halfeld para o levantamento. Imagine que era tudo mais longe e penoso do que hoje, para percorrer o rio. Só em 1860, Halfeld se manifestou. Citou Cabrobó (PE) como possibilidade de saída de água para outras regiões. Sem tecnologia possível, a ideia hibernou, silenciou por anos.

A proposta ressurgiu com os generais Geisel e Figueiredo na ditadura militar, freqüentou os palanques de FHC, até que em 2007 foi iniciada na gestão Lula. As obras chegaram a parar em 2011, retomadas um ano depois.

Até dezembro

O Ministério da Integração Nacional, responsável pela execução do projeto, diz que foram contratados mais de 10 mil profissionais e há 3.800 máquinas operando 24 horas. É da mesma Cabrobó que agora parte o Eixo Norte, o lado da obra que alcança o Ceará – vai até Cajazeiras (PB). O Eixo Leste sai de Floresta (PE) até Monteiro (PB).

O investimento total bate R$ 8,2 bilhões. A inauguração é aguardada para o fim deste ano. “Para o Governo Federal, o Projeto de Integração do Rio São Francisco é uma prioridade. A obra está prevista para ser concluída até dezembro de 2016”. Foi o que respondeu o Ministério da Integração Nacional ao O POVO, ao ser questionado sobre qual a garantia financeira que o projeto tem diante da crise que atravessa o País – e se há algum risco de redimensionamento ou interrupção dos trabalhos. “Está prevista para chegar ao Ceará no último trimestre deste ano”, reforça o órgão.

As respostas vieram por email. No início de abril, O POVO tentou entrevistar o então ministro da Integração, Gilberto Occhi. No dia 14 de abril, sua exoneração foi assinada por Dilma. Na mesma data saiu publicada a nomeação do substituto, José Rodrigues Pinheiro Dória, indicação de Occhi, e que ainda naquele dia desistiu do cargo. No último dia 15, foi nomeado como interino o veterinário Josélio de Andrade Moura.

O Ministério atualizou que, pelos dados de 31 de março último, o projeto agora “está com 85,3% de conclusão”. A contar do que está posto, não deixar o São Francisco seguir o novo rumo será improvável.

Vídeos

Webdoc

Personagens

Professora Gracinha

A professora Gracinha (Maria das Graças Nunes Bezerra), 41, chora a tristeza do pai, Dezinho (Francisco Nunes dos Santos), 97. Ele teve que deixar o Sítio Torrões, em Brejo Santo, onde viveu por mais de 50 anos. É o lugar onde ela e os dez irmãos foram criados. Brincavam no curral, pulavam de árvores, mergulhavam no Riacho dos Porcos. O sítio foi desapropriado. O terreno está na área onde em breve existirá o açude Porcos, construído para as águas do rio São Francisco.

Além da tristeza, Gracinha tem outro também relacionado ao “novo” rio. Ela é diretora da Escola Maria Leite de Araújo, na localidade Poço do Pau, que é próxima a um dos canteiros de obras. Com cerca de 300 alunos, a escolinha obteve em 2013 as melhores notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dentre todas as escolas cearenses. Gracinha teme que o desempenho dos alunos em 2016 seja prejudicado. A barulheira de caminhões e tratores não para. Apesar do transtorno, Gracinha dá voto de confiança. “Que seja para melhorar a vida da gente, ajudar o agricultor da região”. Seu Dezinho não dá entrevista. Para não debulhar sua mágoa.

Zilvan e Edileuza

Moradores de lugarejos a serem encobertos pelo novo caminho d’água do São Francisco estão sendo remanejados para Vilas Produtivas Rurais (VPRs). Ganham casa nova de três quartos, água encanada, saneamento, escola e posto de saúde. E terão, quando a transposição começar a operar, mais um lote de quatro hectares para plantar. Uma das 31 famílias da VPR Retiro, em Penaforte (CE), é a de seu Zilvan Francisco da Silva, 49, e dona Maria Edileuza Santana, 48. O casal lembra de quando, até 2015, vivia com três filhos na casa de taipa, escondida na caatinga do distrito Atalho, em Brejo Santo. “Lá era bem insegura, a parede caindo”, diz Zilvan, voz encabulada. Dona Edileuza reforça: “Chão de barro, a casa tempo de cair em nós”. Os dois não se imaginavam mais num recomeço, nem a vinda de um rio para perto. “Nunca, nunca mesmo”. Foi sua resposta menos tímida. Edileuza descreveu um sonho: nunca teve um jardim. “Vivi e me criei lá. Era só mato. Hoje planto flor. A casa ficou mais bonita ainda”. chegar água nos canais e açudes da transposição, as famílias das VPRs serão assistidas com um salário e meio. Em breve poderão irrigar o plantio com o novo rio embrenhado em seu novo pedaço de terra.

Wilson Barbosa

O mecânico-montador Wilson Barbosa Vieira completa 65 anos em julho. Já deu entrada nos papéis na à Previdência. Em 3 de julho, dia seguinte ao aniversário, quer estar aposentado. Mas não parar. Gostaria de seguir nas obras da transposição, “se ainda me quiserem”. É um dos 10.242 profissionais contratados pelo projeto São Francisco. Quer continuar até o rio chegar ao Ceará. Ele é cearense de Redenção, mora em Fortaleza, atua em trechos da obra em Pernambuco desde o início de 2014. Vai em casa a cada três meses. Já passou por cinco canteiros, deve ir para o sexto ponto do Eixo Norte. “Comecei em Cabrobó. Tô vindo até aqui desde a beira do rio”. De lá pra cá, seu Wilson trabalhou em duas estações de bombeamento, dois reservatórios, ajudava a erguer uma ponte sobre a BR-232, em Salgueiro, quando O POVO o encontrou. Em breve deve ir para serviços na barragem Milagres. “No começo, achava que ia trabalhar numa obrazinha, que em um ano terminaria. Não pensei que fosse ficar desse tamanho”. Ele celebra a transposição. “Imagine a riqueza que vai ter nesse Nordeste, plantação de fruta, verdura. Vai ser uma beleza”, profetiza seu Wilson.

Lu Narciso

 

 

 

 

 

Eram nove sócios na cooperativa de Poço, em Brejo Santo. Em nove hectares. Plantavam dois tipos de uvas de mesa, a Itália e a benitaka. Vendiam para uma grande rede nacional de supermercados. “Chegamos a ter 12 safras entre 1992 e 1998”, conta Cícero Henrique Furtado, 45, um dos plantadores. Tiravam 110 toneladas por período de colheita. Outro dos sócios era José Narciso Filho, 66, desde menino conhecido como Lu Narciso (foto). “Cheguei a fazer cinco festas da uva. Até governador baixou aqui de helicóptero, veio ver nosso projeto”, relembra. O chão é fértil. Não era lugar de água farta, mas dois poços resguardavam o plantio. Onde eles moram é próximo da parede da barragem Porcos, construída no novo itinerário do São Francisco. Foi a chuva muito grande, em 1995, que estragou os parreirais. Uma safra bancava custos da safra seguinte. Mas o chuvoeiro fez a uva perder sabor. Eles perderam tudo. “Ainda temos a dívida daquela época”, diz Lu Narciso. Ele acredita que o rio pode inspirar e aguar novas perspectivas. “Ah, eu penso em plantar de novo, sim. Se ajudarem a gente, e com essa água aí, pode ser”. Mais cético, Henrique prefere esperar primeiro pelo rio.
Chico de Sinésio

 

Fala-se de tudo na Caldeira do Inferno. O bar é o mais antigo de Brejo Santo. Patrimônio local. Existe desde 1960 – antes era bodega, chamada Ponto Chique. O nome atual veio só a partir de 1970. “Foi ideia dos próprios clientes. Caldeira é justamente por se comentar todos os fatos acontecidos na cidade”. Entre goles, a transposição também entra nas conversas. A explicação, simples e precisa, sai do proprietário do bar, Francisco Gomes Feijó, 74. Ele é Francisco feito o rio que se aproxima, mas no Brejo só o conhecem como Chico de Sinésio. O pai era o Sinésio, dono de antiga barbearia que funcionou onde hoje está o bar. Seu Chico é simpatia toda hora, um detalhista de qualquer história dos frequentadores de seu balcão.E tem de monsenhor a mendigo. Serve cerveja, água, pinga, cigarro, mais boleros e músicas saudosas. Espalha o som pela praça gentilmente, sem nunca incomodar. A parede da Caldeira é ornada de presentes doados por muitas amizades. “ Essa transposição vai ser muito boa para o Brejo. Tá todo mundo só esperando esse momento de a água chegar. Que venha. Mesmo com essas enroladas todas, a obra tá andando”, diz. E estica o bigode branco noutro sorriso.

Dedé de Leopoldo

José Leopoldo Leite, 61, é Dedé de Leopoldo, figura popular em Mauriti (CE) e por cidades do roteiro de vaquejadas. No Nordeste, principalmente. Ganhou 36 carros, tem mais de 600 troféus conquistados. Fez história. Abraçou seu primeiro prêmio aos 14 anos, havia começado aos 12. Os torneios para derrubar boi, laçar, montar bichos brabos, são tradição no Cariri Sul. No sítio Quixabinha, onde moraram o avô e o pai, ainda mantém suas crias no curral. As projeto”, relembra. O chão é fértil. Não era lugar de água farta, mas dois poços resguardavam o plantio. Onde eles moram é próximo da parede da barragem Porcos, construída no novo itinerário do São Francisco. Foi a chuva muito grande, em 1995, que estragou os parreirais. Uma safra bancava custos da safra seguinte. Mas o chuvoeiro fez a uva perder sabor. Eles perderam tudo. “Ainda temos a dívida daquela época”, diz Lu Narciso. Ele acredita que o rio pode inspirar e aguar novas perspectivas. “Ah, eu penso em plantar de novo, sim. Se ajudarem a gente, e com essa água aí, pode ser”. Mais cético, Henrique prefere esperar primeiro pelo pelo rio terras, que se estendem por cerca de 50 hectares, serão atravessadas pelo São Francisco. A fazenda teve um trecho desapropriado para ser cortada por canais e aquedutos que trarão o rio. A casa da propriedade foi erguida 116 anos atrás. Dedé lamenta ao contar que ela também precisou se desocupada – conseguiu que não a demolissem. O canal passa por quase um quilômetro dentro das terras. O pai dele, Leopoldo Leite de Araújo Lima, morreu em agosto de 2015, aos 96 anos. Um ano antes teve que se mudar para a cidade. “Meu pai sentiu porque teve que sair. Vinha todo dia rever o sítio”. Dedé diz que o lençol freático que encharcava o chão do seu bananal foi embarreirado pelo canal. Mas não lamenta tanto. O São Francisco veio para dentro do Quixabinha.

  • Açude Castanhão. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Açude Castanhão. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Brejo Santo. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Cabrobo. Especial: À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Cabrobo. Especial: À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Açude Castanhão (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Especial: À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Especial: À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Jati (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Jati (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Jati (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Jati (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Mauriti (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Mauriti (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Penaforte. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
  • Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)
    Município de Salgueiro. À espera de Francisco (Fotos: Fábio Lima/ O POVO)

Economia movida pela transposição

Desses dias incertos da República, a uma semana de trocar nomes e talvez prioridades na Presidência, já se vislumbram medidas para conter respingos a projetos como o da transposição do São Francisco e do Cinturão das Águas do Ceará (CAC). Um depende do outro: o Cinturão só avança e poderá ser útil se o canal da transposição chegar. Ambos só terão andamento com a garantia federal.

Pelo desenho financeiro operacional, é o Estado que executa a obra, dá sua contrapartida de recursos, mas com a União assegurando a maior parte da verba. O Ceará tenta se antecipar a um possível revés, em relação ao que lhe cabe no Cinturão das Águas. O secretário estadual dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, disse ao O POVO que está em negociação com o governo federal para a readequação do projeto.

O Cinturão está orçada em cerca de R$ 1,6 bilhão na primeira etapa – que se estende por 146 km de canais de Jati a Nova Olinda. Prevê-se que de lá a água do São Francisco siga pelo rio Cariús, chegue ao açude Orós e se emende no rio Jaguaribe até o Castanhão – descendo até Fortaleza e o porto do Pecém.

“Estamos trabalhando nos primeiros 40 km”, informa Teixeira. As águas do São Francisco só correrão pelas 12 bacias hidrográficas cearenses se o Cinturão for viabilizado. Estima-se que o projeto total do CAC, numa extensão final de canais de 1.300 km em cinco etapas, seja executado durante pelo menos uma década. Isso a prazos de hoje.

A transposição, pelo volume de recursos direcionados (mais de R$ 8,2 bilhões), não fugiu aos olhos da corrupção. Também esteve sob investigação da Polícia Federal. No fim de 2015, a operação Vidas Secas apontou um esquema de desvios de mais de R$ 200 milhões cometidos por empreiteiras – que já estavam citadas na operação Lava Jato. Das outras coisas que valem a pena celebrar da obra em si, uma das importantes é a economia movimentada no entorno das cidades onde os canteiros foram instalados. Em Salgueiro (PE), dos 36 apartamentos do hotel Mustang, 24 estão locados desde 2012 para operários da obra. Na pousada Talismã (18 apartamentos) no Sertão Hotel (20), na Pousada Imperador (10), todos os quartos estão há pelo menos três anos à disposição de funcionários das empreiteiras, segundo o gerente Vandel Vo, do Hotel Polo. “Foi assim na cidade toda. A obra tá terminando agora caiu um pouco, mas aqui sempre lotou”.

“Apesar de estarmos numa crise, é importante dizer que o canal do São Francisco
traz um momento muito bom. Brejo Santo vive uma efervescência econômica nesse período das obras. Muito dinheiro novo circulando aqui”, reforça Valmir Lucena, 74, expresidente da Câmara Municipal, atualmente no sexto mandato de vereador.

Lucena lembra de quando ainda estavam sendo colhidas as primeiras assinaturas para o projeto, no final dos anos 1990, e a dimensão que a obra tomou. “Você vê pela grandiosidade daquele túnel em Mauriti. Estive lá”, referindo ao Cuncás I, um dos quatro túneis ao longo da transposição. Com 15 km, é o maior túnel hidráulico da América Latina. Abençoado pelo encontro do São Francisco com outros santos da região: começa no distrito de São Miguel, em Mauriti (CE), atravessa por baixo a serra do Espírito Santo e, do outro lado, sai em São José de Piranhas, na Paraíba.

Prioridade e Investimento

Os usos e a gestão das águas da transposição do Rio São Francisco em nível estadual seguem indefinidos. Diante da estiagem de cinco anos consecutivos que assola o Ceará, a prioridade da outorga será para consumo humano e animal. No entanto, a agroindústria e agricultura familiar também serão beneficiadas. “A indústria busca alternativas, poços profundos. Há toda uma estrutura hídrica e com o abastecimento humano e animal isso pode melhorar”, avalia Bessa Júnior, presidente do Conselho Temático de Cadeias Produtivas e Agronegócios da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

Segundo ele, a preocupação do setor é com a agricultura familiar e o agronegócio em potencial. “São importantíssimos para o setor e estão sofrendo racionamento e a falta da maior capacidade de a água chegar a esses locais”, afirma.
Em meio à secura, comunidades localizadas às margens da obra veem a água passar e não podem utilizá-la.

Em apresentação das obras à comitiva formada por deputados estaduais do Ceará em abril deste ano, o coordenador geral do projeto de integração do rio São Francisco, Frederico Meira, demonstrou preocupação ao falar de casos de rompimento do canal em Pernambuco.

Ele reforçou a necessidade de segurança nos locais e afirmou que existem propostas de distribuição e utilização de águas individuas, mas é necessário que o Conselho Gestor da Transposição avalie caso a caso. O presidente da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh), João Lúcio Faria, afirmou que a chegada de águas da transposição para o abastecimento humano irá permitir que os reservatórios sejam utilizados para o incremento das atividades econômicas. Ele não definiu, no entanto, modelo de cobranças e nem administração em nível estadual. (Eduarda Talicy – eduardatalicy@opovo.com.br )

A obra é irreversível

Secretário de Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira lembra de debates técnicos de meados dos anos 2000, quando se definia qual volume de água deveria ser redirecionado do São Francisco para cada Estado receptor. Àquela época o Nordeste estava chuvoso, o rio não parecia urgente. Conta que o Ceará era visto como um Estado “com muita água” em 2004. Argumentava que a seca sempre voltava.

Teixeira foi secretário nacional de Infraestrutura Hídrica, entre 2012 e 2013, e ministro da Integração Nacional entre 2013 e 2014. Lidou com os momentos iniciais da obra diretamente. O cenário de estiagem voltou e ficou. “Nossa dependência do rio poderá ser maior”.
Ele não quer contar com a água antes de ela chegar. Acha que o impeachment da presidente Dilma pode atrapalhar a obra. Teixeira não desconsidera que o Cinturão das Águas do Ceará – 27% executado – possa ser afetado por corte de recursos federais. Teme que isso aconteça. É o Cinturão que permitirá a distribuição da água do São Francisco pelo Ceará. (Cláudio Ribeiro)

O POVO – Qual é hoje a necessidade do Ceará em relação à água que virá do São Francisco?
Francisco Teixeira – A oferta hídrica tem grande sazonalidade, variação temporal muito grande. Se a gente pegar desde o início dos anos 90, quando se vem fazendo o gerenciamento da água, controlando estoque dos reservatórios, percebemos uma década difícil. Os dois maiores reservatórios da bacia do Jaguaribe, Banabuiú e Orós, quase esvaziaram em menos de dez anos. Nos anos 90, se você traçar uma linha média no nível dos reservatórios, encontrará durante mais de uma década os reservatórios variando entre 20% e 30%, na média.

OP – O senhor fala só de Orós e Banabuiú?
Teixeira – Tô falando deles (Orós e Banabuiú) com o sistema metropolitano (açudes Pacoti, Riachão, Gavião e Pacajus), que representam os maiores centros de demanda do Estado. Aí, quando chega o auge da discussão do São Francisco, naquele período chuvoso de 2004, os reservatórios apresentam uma inflexão, uma linha vertical, sobem e praticamente enchem. Chegam a quase 100%, até com o Castanhão nisso. Naquele momento se começou a discussão do projeto São Francisco. O pessoal de fora, que olhava nossa capacidade de reservação e o estoque que tínhamos, dizia “o Ceará tá com muita água”. A gente tinha que voltar ao passado pra mostrar os dois pontos da década anterior, onde o Ceará praticamente ficou sem água para grandes usos. No fim da chuva de 2011 estávamos com mais de 80% de reserva. Começamos 2012 com mais de 60%, sem recarga. No começo de 2013 eram 40%, no começo de 2014 eram 32%, o ano passado estávamos em janeiro com 20 e poucos por cento. E agora estamos com 13%. Aí você percebe como essa realidade é muito variável. O que é de novo que aparece? É que naquela época, quando se discutia o projeto do São Francisco, todo mundo sabia que, se olhando num horizonte mais a longo prazo, a necessidade das águas do rio era premente.

A obra do São Francisco chegou num ponto irreversível, e já há muito tempo

Francisco TexeiraSecretário de Recursos Hídricos do Ceará

OP – A obra parou em 2011.
Teixeira – Ela parou em 2011, retomou em 2012. Mas graças a Deus que não se mudou o porte da estrutura, a capacidade dos canais, das estações. Fez-se etapas de instalação de bombas, montagem de adutoras e células de aquedutos. O canal em terra, que é o grosso da obra, foi feito na dimensão pensada no final dos anos 90, início de 2000, que era de 99 m³/s no Eixo Norte e 28 m³/s no Eixo Leste. Porque já se imaginava naquela época que, na questão de água, o cenário de conforto poderia virar de déficit, se não houvesse planejamento. Defendo a tese de que, concluída essa etapa agora, se iria para uma fase imediata de instalar mais duas bombas em cada estação de bombeamento de cada canal. Ficar o Eixo Leste com a capacidade total de 28 m³/s e o Norte, pelo menos com 50 m³/s. Só precisaria comprar mais duas bombas para cada estação, instalar uma adutora a mais, o canal em terra construído e o aqueduto comportam 50 m³/s.

OP – O senhor defende a duplicação por que a necessidade é essa?
Teixeira – Defendo porque esta seca demonstrou uma realidade que a dependência nossa do rio São Francisco poderá ser bem maior do que pensávamos lá atrás. Chegou muito mais rápida até do que pensávamos antes, quando houve a discussão política, o debate técnico. Se tinha muito a discussão sobre a necessidade ou não do projeto. Hoje se discute que o projeto já deveria estar pronto, que tem que ser acelerado, e se discute a flexibilidade da outorga para trazer, de forma contínua, uma vazão até maior do que a estabelecida lá atrás.

OP – Qual é a previsão de chegada dessa água?
Teixeira – Se a água tivesse chegado, já estaria tendo serventia. Essa é uma obra muito complexa e por isso tem suas incertezas também. Na construção de canais, obras civis, túneis, linhas de transmissão, você se depara com problemas que o projeto às vezes não consegue detectar, é normal. Do ano passado pra cá, o pessoal preconizou uma data de julho. Sempre achei uma data mais factível, de setembro, outubro em diante. Mesmo assim aparecem coisas.

OP – Mas o Ceará trabalha com outubro?
Teixeira – É, mas nosso grupo de contingência, que acompanha a questão da seca, não trabalha com a certeza absoluta de que a água vai chegar este ano. Não estamos contando no nosso balanço hídrico com essa água para este ano, para nos salvar de qualquer situação que seja, de garantir água para Fortaleza, outras cidades. Chegando a água do São Francisco, é um adendo, um incremento. Não é que não acreditamos no São Francisco, mas por precaução a gente tem que pensar no cenário mais crítico. Inclusive o São Francisco não chegando.

OP – Para quando está previsto o Orós ser acionado para reforçar o abastecimento de Fortaleza?
Teixeira – Não tenho condições de dar essa resposta agora. Estamos atualizando nossas simulações. Tivemos aí um cenário nada diferente do que a Funceme preconizava. Eu, particularmente, esperava pior do que está acontecendo, principalmente no Interior. Algumas recargas de chuva no Interior nos permitiram um cenário melhor para o segundo semestre. Tínhamos de 50 a 60 cidades que poderiam entrar em colapso no ano passado, não entraram porque construímos mais de 1.200 poços, 200 km de adutora de montagem rápida, além de 600 que já haviam sido feitos. Com essa infraestrutura e chuvas que beneficiaram algumas localidades, acredito que vamos atravessar o segundo semestre no Interior melhor que no ano passado. Mas a situação do Vale do Jaguaribe e Região Metropolitana de Fortaleza vai exigir muito mais atenção e maior restrição ao uso do que no ano passado.

OP – Em quanto está a vazão do Orós e do Castanhão?
Teixeira – O Castanhão hoje está liberando 9 m³/s para o Eixão das Águas. Desses 9 m³/s, está chegando para Fortaleza de 7 a 7,5 m³/s. O resto fica para atender comunidades pelo caminho e um pouco para irrigação. E pelo rio estamos liberando em torno de 5 m³/s hoje. Mas chegamos a liberar zero, em alguns dias, e 2,5 m³/s. Quando o rio apresenta alguma água por causa da chuva, a gente vai lá e fecha. Do Orós, a vazão hoje liberada, em torno de 4 m³/s.

OP
 – O Orós vai mesmo precisar abastecer Fortaleza?
Teixeira – Um dos cenários nossos é que em abril ou maio a gente poderia liberar o Orós para dentro do Castanhão. Vamos ver se será em maio ou junho, com as simulações que estamos fazendo. Para ver, com o que temos hoje (de água), até quando podemos ir. Se ficar o tempo assim e não chover mais, vamos ainda no primeiro semestre acionar o Orós para dentro do Castanhão.

OP – A obra do Cinturão das Águas está em quantos por cento?
Teixeira – Está com algo em torno de 27%. Estamos trabalhando só um lote. São 146 km (primeiro trecho), estamos trabalhando os primeiros 40 km. Vamos ver aí como fica nesse novo cenário político.

OP – A partir da possibilidade do impeachment, qual o seu temor em relação à transposição?
Teixeira – Acho que a obra do São Francisco chegou num ponto que é irreversível, já é há muito tempo. Eu diria que a conclusão dela é irreversível. Precisaria haver um comportamento político totalmente insano para mandar parar uma obra dessas. Não é possível que essas lideranças que aprovaram o impeachment, e ele se concretizando no Senado, não vão ter a responsabilidade de forçar o possível novo governo a concluir o mais rápido possível a obra.

OP – O senhor está preocupado com as obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC)?
Teixeira – Eu tenho mais preocupação com o CAC porque é uma obra delegada, é obra do Governo Federal, do Ministério da Integração. O São Francisco, o Ministério é que conduz. Ao contrário das outras obras do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), que são delegadas. E, num cenário de restrição econômica que vivemos e imagino que será maior, aí na hora dos cortes não sei como vai ser. O CAC é uma obra associada ao projeto de integração do São Francisco, vai dar maior capilaridade à água do São Francisco no Interior do Estado. É importante em função disso, mas na hora dos cortes de recursos que um possível novo governo venha fazer, eu tenho medo.

OP – Como está sendo o repasse de recursos para o Cinturão das Águas?
Teixeira – A gente vinha recebendo cerca de R$ 10 milhões por mês. Só no ano passado, mesmo com toda dificuldade, investimos no Cinturão R$ 200 milhões. Foram R$ 140 milhões da União e R$ 60 milhões do Estado. Este ano nós temos R$ 150 milhões de previsão, já vieram quase R$ 40 milhões de verba federal. Viria até mais que no ano passado. É emenda de bancada, aprovada, já está desbloqueada. E o Estado tem uma previsão de botar mais R$ 60 milhões. A gente pretende que não haja percalço.

Água dos velhos sertões

A pequena barragem Arapuá-Angicos, no Rio Grande do Norte, capaz de armazenar pouco mais de 4 milhões de m³, é de 1920. É a mais antiga de todo o trajeto a ser percorrido pelo novo rio do sertão setentrional. Em seu itinerário redesenhado pela engenharia do século XXI, São Francisco também encontrará caminhos d’água do passado. O açude Lima Campos, em Icó, no Ceará, foi feito de abril a dezembro de 1932. Havia flagelo, fome, doenças, campos de concentração, mais uma seca molestando bicho e gente. O Estado pelejava por água.
Na Paraíba, o reservatório São Gonçalo tem quase a mesma idade do Lima Campos, é de 1936. A estiagem era igualmente cruel, a mesma região do Polígono das Secas. Em Pernambuco, o açude Curema foi concluído em 1942, quando o atual Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), gestor das águas da República, ainda era chamado de Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas.

São paredes de concreto ou areia que barram águas há tempos. Esses quatro e mais 17 açudes serão recuperados, reforçados, adaptados à presença do São Francisco. O rio encherá esses velhos sertões com água nova e a reforma será necessária. O projeto de adequação dos antigos reservatórios está incluído na obra da transposição. Custará mais de R$ 318,7 milhões, entre o levantamento técnico, iniciado três anos atrás, e a execução dos trabalhos. Previsão que se estendam por pelo menos um ano e meio, no mínimo.

O Castanhão, no Ceará, o maior dos açudes do Nordeste, com 6,7 bilhões de m³ de volume possível – hoje com apenas 9% de água -, está na lista. Apesar de ser um açude recente, inaugurado apenas 13 anos atrás, também precisará das adaptações. A reforma do Castanhão está orçada em cerca de R$ 21 milhões e é a que deve durar mais tempo individualmente: 18 meses. Principal garantia de abastecimento de Fortaleza, a barragem foi incluída como prioridade imediata para receber as alterações.

Dos 21 açudes para reforma, 18 são do Dnocs. Os outros três da relação são estaduais: Acauã, na Paraíba; Santa Cruz, no Rio Grande do Norte; e Chapéu, em Pernambuco. José Berlan Cabral, coordenador de estudos e projetos do Dnocs, confirma que três reservatórios da Paraíba estão prontos para lançarem editais de licitação: São Gonçalo, Poções e Boqueirão.
O serviço por fazer não será pouco. Segundo Berlan, haverá recuperação e reforço na parede de algumas barragens, instalação e regulagem de equipamentos hidromecânicos, novos sensores para medir volume e vibração na estrutura, instrumentos de automação, iluminação de galerias. O levantamento de necessidades foi individualizado por açude. O período seco é o ideal para iniciar os trabalhos.

O que for instalado será conectado a centrais de controle, operadas pela Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf). Os novos equipamentos indicarão, por exemplo, a vazão exata despejada pelo São Francisco. Para estar dentro da outorga estabelecida pela Agência Nacional de Águas (ANA), que é de 26 mil litros por segundo.
Outros cinco reservatórios do Ceará, além do Castanhão, em Jaguaribara, serão atualizados: o Lima Campos, em Icó; o Quixabinha, em Mauriti; o Orós, o Banabuiú, e o Prazeres, em Barro. Só nas barragens cearenses serão investidos R$ 106.466.905,46. O dinheiro será repassado pelo Ministério da Integração Nacional. Os açudes pertencentes aos estados serão reformados com verbas locais. (Cláudio Ribeiro)

 

Quando a tecnociência vê um pixel mas ignora a paisagem. A agricultura convencional mata o solo. Entrevista especial com Antonio Donato Nobre (Unisinos)

Segunda, 16 de maio de 2016

“Mais importante do que ser multidisciplinar é ser não-disciplinar, isto é, integrar e dissolver as ‘disciplinas’ em um saber amplo e articulado, sem fronteiras artificiais e domínios de egos”, afirma o cientista do CCST/Inpe

O conhecimento científico não pode cegar a complexa relação entre os inúmeros ecossistemas presentes no planeta. “Tal abordagem gera soluções autistas que não se comunicam, tumores exuberantes cuja expansão danifica tudo que está em volta. Assim, a tecnociência olha o mundo com um microscópio grudado em seus olhos, vê pixel, mas ignora a paisagem”, afirma Antonio Donato Nobre, cientista do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – CCST/Inpe.

“A maior parte da agricultura tecnificada adotada pelo agronegócio é pobre em relação à complexidade natural. Ela elimina de saída a capacidade dos organismos manejados de interferir beneficamente no ambiente, introduzindo desequilíbrios e produzindo danos em muitos níveis”, analisa, em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line.

Para Nobre, a saída não é abandonar a ciência e a tecnologia produtiva de alimentos, mas sim associá-las e integrá-las a sistemas complexos de vidas em ecossistemas do Planeta. É entender, por exemplo, que a criação de áreas de plantio e produção agropecuária impactarão na chamada “equação do clima”. “É preciso remover os microscópios dos olhos, olhar o conjunto, perceber as conexões e, assim, aplicar o conhecimento de forma sábia e benéfica”, aponta.

Antonio Donato Nobre é cientista do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – CCST/Inpe, autor do relatório O Futuro Climático da Amazônia, lançado no final de 2014.

Tem atuado na divulgação e popularização da ciência, em temas como a Bomba biótica de umidade e sua importância para a valorização das grandes florestas, e os Rios Aéreos de vapor, que transferem umidade da Amazônia para as regiões produtivas do Brasil.

Foi relator nos estudos sobre o Código Florestal promovidos pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC e Academia Brasileira de Ciências. Possui graduação em Agronomia pela Universidade de São Paulo, mestrado em Biologia Tropical (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e é PhD em Earth System Sciences (Biogeochemistry) pela University of New Hampshire.

Atualmente é pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e pesquisador Visitante no Centro de Ciência do Sistema Terrestre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Quais os impactos da produção agrícola nas mudanças climáticas? Quais os riscos que o modelo do agronegócio (baseado nas grandes propriedades e produção em larga escala de uma só cultura por vez) representa?

Antonio Donato Nobre – A ocupação desordenada das paisagens produz pesados impactos no funcionamento do sistema de suporte à vida na Terra. A expansão das atividades agrícolas — quase sempre associada à devastação das florestas que têm maior importância na regulação climática — tem consequências que se fazem sentir cada vez mais, e serão devastadoras se não mudarmos a prática da agricultura.

A natureza, ao longo de bilhões de anos, evoluiu um sofisticadíssimo sistema vivo de condicionamento do conforto ambiental. Biodiversidade é o outro nome para competência tecnológica na regulação climática. A maior parte da agricultura tecnificada adotada pelo agronegócio é pobre em relação à complexidade natural. Ela elimina de saída a capacidade dos organismos manejados de interferir beneficamente no ambiente, introduzindo desequilíbrios e produzindo danos em muitos níveis.

IHU On-Line – Como aliar agricultura e pecuária à preservação de florestas e outros ecossistemas? Como o novo Código Florestal  brasileiro se insere nesse contexto?

Antonio Donato Nobre – Extensa literatura científica mostra muitos caminhos para unir com vantagens agricultura, criação de animais e a preservação das florestas e de outros importantes ecossistemas. Esse conhecimento disponível assevera não haver conflito legítimo entre proteção dos ecossistemas e produção agrícola. Muito ao contrário, a melhor ciência demonstra a dependência umbilical da agricultura aos serviços ambientais providos pelos ecossistemas nativos.

Em 2012, contrariando a vontade da sociedade, o congresso revogou o código florestal de 1965. A introdução de uma nova lei florestal lasciva e juridicamente confusa já está produzindo efeitos danosos, como aumentos intoleráveis no desmatamento e a eliminação da exigência, ou o estímulo à procrastinação, no que se refere à recuperação de áreas degradadas. Mas a proteção e recuperação de florestas tem direto impacto sobre o regime de chuvas.

Incrível, portanto, que a agricultura, atividade que primeiro sofrerá com o clima inóspito que já bate às portas do Brasil, tenha sido justamente aquela que destruiu e continua destruindo os ecossistemas produtores de clima amigo. Enquanto estiver em vigor essa irresponsável e inconstitucional nova lei florestal, a degradação ambiental somente vai piorar.

IHU On-Line – De que forma o conhecimento mais detalhado sobre as formas de vida, e a relação entre elas, em florestas, como a amazônica, pode inspirar formas mais eficientes de produção de alimentos e, ao mesmo tempo, minimizar impactos ambientais?

Antonio Donato Nobre – A biomimética  é uma nova área da tecnologia que copia e adapta soluções engenhosas encontradas pelos organismos para resolver desafios existenciais. Janine Benyus, a pioneira popularizadora desse saber, antes ignorado, costuma dizer que os designs encontrados na natureza são resultados de 3,8 bilhões de anos de evolução tecnológica. Durante esse tempo, somente subsistiram soluções efetivas e eficazes, que de saída determinaram a superioridade da tecnologia natural.

Ora, a agricultura precisa redescobrir a potência sustentável e produtiva que é o manejo inteligente de agroecossistemas inspirados nos ecossistemas naturais, ao invés de se divorciar deste vasto campo de conhecimento e soluções, como fez com seus agrossistemas empobrecidos, envenenados e que exploram organismos geneticamente aberrantes.

IHU On-Line – Qual o papel do solo na “composição da equação do clima” no planeta? Em que medida o desequilíbrio do solo pode influenciar nas mudanças climáticas?

Antonio Donato Nobre – Microrganismos e plantas têm incrível capacidade para adaptar-se ao substrato, seja solo, sedimento ou mesmo rocha. Essa adaptação gera simultaneamente uma formação e condicionamento do substrato, o que o torna fértil para a vida vicejar ali. O metabolismo dos ecossistemas, incluindo sua relação com o substrato, tem íntima relação com os ciclos globais de elementos químicos. A composição e funcionamento da atmosfera depende, para sua estabilidade dinâmica, portanto, para o conforto e favorecimento da própria vida, do funcionamento ótimo dos ecossistemas naturais.

Na equação do clima, os ecossistemas são os órgãos indispensáveis que geram a homeostase  ou equilíbrio planetário. A agricultura convencional extermina aquela vida que tem capacidade regulatória, mata o solo, fator chave para sua própria sustentação, e introduz de forma reducionista e irresponsável nutrientes hipersolúveis, substâncias tóxicas desconhecidas da natureza e organismos que podem ser chamados de Frankensteins genéticos.

Todos estes insumos tornam as monoculturas do agronegócio sem qualquer função reguladora para o clima, e muito pior, devido à pesada emissão de gases-estufa e perturbações as mais variadas nos ciclos globais de nutrientes, a agricultura tecnificada é extremamente prejudicial para a estabilidade climática.

IHU On-Line – Desde a perspectiva do antropoceno , como avalia a relação do ser humano com as demais formas de vida do planeta hoje? Qual o papel da tecnologia e da ciência nessa relação?

Antonio Donato Nobre – Esta nova era foi batizada de antropoceno porque os seres humanos tornaram-se capazes de alterações massivas na delgada película esférica que nos permitiu a existência e nos dá abrigo. O maior drama da ocupação humana do ambiente superficial da Terra é que tal capacidade está destruindo o sistema de suporte à vida, sistema esse dependente 100% de todas demais espécies as quais o ser humano tem massacrado em sua expansão explosiva.

Infelizmente, na expansão do antropoceno, o conhecimento científico tem sido apropriado de forma gananciosa por mentes limitadas e arrogantes, e empregado no desenvolvimento sinistro de tecnologias e engenharias que por absoluta ignorância tornaram-se incapazes de valorizar o capital natural da Terra. Este comportamento autodestrutivo tem direta relação com a visão de ganho em curto prazo e a ilusão de poder auferida na aplicação autista de agulhas tecnológicas.

IHU On-Line – Em que medida a aproximação entre ciência e saberes indígenas pode contribuir para um novo caminho em termos de preservação do planeta e produção de alimentos?

Antonio Donato Nobre – Cada pesquisador sincero, inteligente e com mente aberta deve reconhecer a máxima milenar da sabedoria socrática: “somente sei que nada sei”. O conhecimento verdadeiro e sem limites internos impõe uma postura sóbria e humilde diante da enormidade da complexidade do mundo e da natureza. Hoje, a ciência mais avançada dá inteiro e detalhado suporte ao saber ancestral de sociedades tribais, que perduraram por milênios. Descer do salto alto da arrogância que fermentou graças ao individualismo permitirá reconhecer essa sabedoria básica de sustentabilidade, preservada no saber indígena.

Para a ciência, a aprender com o saber nativo está a veneração pela sabedoria da Mãe Terra; a intuição despretensiosa que capta o essencial da complexidade em princípios simples e elegantes; e sua capacidade holística e lúdica de articular a miríade de componentes do ambiente em uma constelação coerente e funcional de elos significativos.

IHU On-Line – De que forma a tecnociência e a tecnocracia impactam na forma de observar o planeta? O que isso significa para a humanidade?

Antonio Donato Nobre – A ciência é esta fascinante aventura humana na busca do conhecimento, evoluída aceleradamente a partir do renascimento na Europa. Muitas são suas virtudes e incríveis suas aplicações. No entanto, tais brilhos parecem infelizmente vir acompanhados quase sempre de alucinantes danos colaterais, nem sempre reconhecidos como tal. Na ciência, que gera o conhecimento básico; na tecnologia, que aplica criativamente esse conhecimento; e na engenharia, que transforma conhecimento em realidade, grassa uma anomalia reducionista que permite a hipertrofia de soluções pontuais, desconectadas entre si e do conjunto.

Tal abordagem gera soluções autistas que não se comunicam, tumores exuberantes cuja expansão danifica tudo que está em volta. Assim, a tecnociência olha o mundo com um microscópio grudado em seus olhos, vê pixel, mas ignora a paisagem. Abre caminhos para que ânimos restritos se apropriem de conhecimentos parciais e destruam o mundo. É preciso remover os microscópios dos olhos, olhar o conjunto, perceber as conexões e, assim, aplicar o conhecimento de forma sábia e benéfica.

IHU On-Line – De que forma conceitos como a Ecologia Integral, presentes na Encíclica Laudato Si’, do papa Francisco, contribuem para o desenvolvimento de uma visão sistêmica do ser humano sobre o planeta? Qual a importância de uma perspectiva multidisciplinar acerca da temática ambiental?

Antonio Donato Nobre – Ecologia Integral deve significar o que o nome diz. Aliás, se não for integral não pode ser denominada ecologia. Isso porque na natureza não existe isolamento, cada partícula, cada componente, cada organismo e cada sistema interage com os demais, sob o sábio comando das leis fundamentais. Por isso a ação humana pode gerar um acorde harmonioso na grande sinfonia universal, ou — se desrespeitar as leis — tornar-se fonte de perturbação e destruição.

Mais importante do que ser multidisciplinar é ser não-disciplinar, isto é, integrar e dissolver as “disciplinas” em um saber amplo e articulado, sem fronteiras artificiais e domínios de egos. A ciência verdadeira é aquela oriunda do livre pensar, do profundo sentir e do intuir espontâneo. A busca da verdade está ao alcance de todas as pessoas, não é nem deveria ser território exclusivo dos iniciados na ciência. Todos somos dotados da capacidade de inquirir e temos como promessa de realização o dom da consciência. Cientistas são facilitadores, e como tal deveriam servir aos semelhantes com boa vontade, iluminando o caminho do conhecimento, guiando na direção do saber.

IHU On-Line – Como avalia a agroecologia no Brasil hoje? O que a ciência e a tecnologia oferecem em termos de avanços para esse campo?

Antonio Donato Nobre – Agroecologia, agrofloresta sintrópica, sistemas agroflorestais, agricultura biodinâmica, trofobiose, agricultura orgânica, agricultura sustentável etc. compõem um rico repertório de abordagens que convergem na aspiração de emular em agroecossistemas a riqueza e funcionamento dos ecossistemas naturais. Uma parte dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos autistas de até então pode ser aproveitada para essa nova era de agricultura produtiva, iluminada, respeitadora, harmônica e saudável.

É preciso, porém, que o isolamento acabe, que os conhecimentos sejam transparentes, integrados, articulados, simplificados e recolocados em perspectiva. Se as agulhas tecnológicas foram danosas, como os transgênicos, por exemplo, ainda assim serão úteis para sabermos o que “não” fazer. Na compreensão em detalhe das bases moleculares da vida, abrindo portais para consciência sobre a complexidade astronômica existente e atuante em todos os organismos, a humanidade terá finalmente a prova irrefutável para o acerto das abordagens holísticas e ecológicas.

IHU On-Line – Deseja acrescentar algo?

Antonio Donato Nobre – É preciso iluminar e revelar a imensa teia de mentiras criada em torno da revolução verde com seus exuberantes tumores tecnológicos. As falsidades suportadas por corporações, governos, mídia e educação bitoladora desde a mais tenra idade, implantaram um sistema mundial de dominação que, literalmente, enfia goela abaixo da humanidade um menu infernal de alimentos portadores de doenças.

Esse triunfante modelo de negócio não se contenta em somente alimentar mal, o faz via quantidades crescentes de produtos animais, os quais requerem imensas áreas e grandes quantidades de água e outros insumos para serem produzidos.

Com isso a pegada humana no planeta torna-se destrutiva e insuportável, e a consequência já se faz sentir no clima como falência múltipla de órgãos. Apesar disso, creio que ainda temos uma pequena chance de evitar o pior se, como humanidade, dermos apoio irrestrito para a busca da verdade.

Precisamos de uma operação Lava Jato no campo, e a ciência tem todas as ferramentas para apoiar esse esforço de sobrevivência.

Instituto Humanitas Unisinos

Pinguela deixa fórum do clima por discordar de impeachment (OESP)

Giovana Girardi

16 maio 2016 | 16:46

O físico Luiz Pinguelli Rosa, que desde 2004 era o secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, enviou e-mail a Temer pedindo desligamento do cargo por não concordar com o afastamento de Dilma Rousseff. Em entrevista ao Estado, ele explica seus motivos e analisa a gestão Dilma para o clima

Atualizado às 18h55

O físico Luiz Pinguelli Rosa, que desde 2004 atuava como secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, pediu desligamento do cargo na última quinta-feira, 12, depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff. Em carta enviada ao presidente em exercício, Michel Temer, explicou que se recusava a continuar no cargo.

Reunião ordinária do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas com Dilma e Pinguelli em abril de 2012. Crédito: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Reunião ordinária do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas com Dilma e Pinguelli em abril de 2012. Crédito: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

“Reputo de injusto o afastamento da Presidente da República pelo Congresso Nacional com a conivência do Supremo Tribunal Federal, pois não se provou qualquer crime de responsabilidade como estabelece a Constituição”, escreveu em mensagem enviada ao e-mail institucional da vice-presidência.

Ele lembrou que foi nomeado ao cargo em 2004 pelo então presidente Lula e foi mantido por Dilma. “O Fórum teve várias reuniões com o Presidente da República e Ministros apresentando sugestões que foram incorporadas no Plano Nacional de Mudanças Climáticas e na Lei Nacional sobre Mudanças Climáticas, bem como contribuiu para o Compromisso do Brasil na Conferência do Clima da ONU. No momento, o Fórum estava discutindo as propostas para o Plano de Adaptação nos diversos setores em ligação direta com a Ministra do Meio Ambiente”, disse.

O órgão, formado por cientistas de diversos áreas de clima, foi criado em 2000 por Fernando Henrique e teve uma função de destaque especialmente durante o governo Lula para a formulação de políticas de combate às mudanças climáticas.

Professor emérito da Coppe, o instituto de pós-graduação e pesquisa em engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pinguelli foi presidente da Eletrobras no primeiro governo de Lula.

Em entrevista ao Estado, o pesquisador explicou sua decisão. “Não estou fazendo nenhum juízo de valor sobre o governo Temer, mas o fórum é diretamente ligado ao presidente da República e eu não concordo com a mudança dessa forma. Não é uma questão de Dilma, mas de princípio”, disse.

“A tal pedalada é mal definida. Usar verba de banco público que depois é coberto em prazo pequeno é uma trivialidade que qualquer administrador já fez algo parecido. Para falar em crime tem de ser uma coisa séria, tem de ter materialidade, como agir de má fé ou se apropriar de recursos públicos. Quem fez isso foram outros no Congresso e o Supremo Tribunal Federal se fez de bobo. Não me sinto bem em cooperar no nível com o presidente”, complementou.

Mesmo presidindo o fórum, Dilma levou mais de um ano para participar de sua primeira reunião, ainda na primeira gestão, em abril de 2012. Na ocasião, causou polêmica ao dizer, às vésperas da realização da conferência Rio+20, que o evento não iria “discutir a fantasia” das energias renováveis.

“Ninguém numa conferência dessas também aceita, me desculpem, discutir a fantasia. Eu tenho que explicar para as pessoas como é que elas vão comer, como é que elas vão ter acesso à água, como é que elas vão ter acesso à energia. Eu não posso falar: “olha é possível só com eólica de iluminar o planeta”. Não é. Só com solar, de maneira alguma.”

Pinguelli contemporizou o começo meio torto e disse que hoje a situação é outra. “Tivemos problema com etanol, com biodiesel, porque a política energética não foi muito boa, estimulou muito o uso da gasolina em detrimento do etanol. Mas eólica cresceu bastante. A geração já equivale à (que será produzida por) Belo Monte.”

Veja a seguir a íntegra da entrevista:

O que fez o senhor tomar essa decisão?

Não estou fazendo nenhum juízo de valor sobre o governo Temer, mas o fórum é diretamente ligado ao presidente da República e eu não concordo com a mudança dessa forma. Não é uma questão do governo da Dilma, mas de princípio. A tal pedalada é mal definida.O fato de ter um uso de verba de banco público que depois é coberto em prazo pequeno é uma trivialidade que qualquer administrador faz algo parecido. Não significa um crime. Crime é uma coisa séria, tem de ter materialidade, como agir de má fé ou se apropriar indevidamente de recursos públicos. Quem fez isso foram outros que participaram do processo no Congresso. E o Supremo Tribunal Federal se fez de bobo. Não atuou no caso Eduardo Cunha, que se empenhou no processo de impeachment. O STF tinha desde dezembro uma denúncia contra ele do procurador-geral da República e deixou para fazer valer depois de Dilma já ter sofrido a condenação pela Câmara, o que dá uma intenção suspeita ao supremo. Não me sinto bem em continuar cooperando porque minha ligação como secretário do fórum é com o presidente do Fórum, que é o presidente da República. Não na qualidade de um assessor direto do presidente. Espero que outra pessoa mais afinada com esse governo do que eu vá para esse lugar.

Qual é a avaliação que o senhor faz da gestão Dilma em relação às mudanças climáticas?

Eu não posso dizer que o governo Dilma foi muito atuante na questão climática. Acho que o do Lula foi mais. Por causa, particularmente, da intervenção do Brasil na Conferência (do Clima da ONU) de Copenhague (em 2009) e da elaboração do Plano e da Lei Nacional de Mudanças Climáticas, para o qual o fórum foi muito chamado para ajudar. No momento o fórum estava fazendo uma série de debates mais ligados ao Ministério do Meio Ambiente sobre a questão dos planos de adaptação à mudança climática. E fizemos também, para a conferência de Paris, um estudo em cooperação com colegas de universidades em que fizemos um cenário futuro, de modelagem climática aqui da Coppe, sobre a mudança climática que foi aproveitado na discussão em Paris. Fórum teve uma atividade menor no governo Dilma em relação ao governo Lula, mas não era nula.

O Brasil foi bastante elogiado por sua atuação na costura do Acordo de Paris. Como o sr. viu esse momento?

Acho que a Izabella (Teixeira, ministra do Meio Ambiente em todo o governo Dilma) teve uma presença muito atuante na conferência do clima e o fórum acabou tornando-se mais próxima da Izabella (do que da Dilma). Inclusive na conferência de Paris, foi ela que participou da reunião do fórum. Dilma se afastou, mas Izabella não. Na prática, embora o Fórum continuasse ligado à presidente Dilma no organograma, ficamos mais próximo do Ministério do Meio Ambiente. Não era uma função remunerada. Era voltada para atrais ONGs, acadêmicos, mesmo os setores empresariais para a discussão de problemas concretos da questão internacional da mudança climática. Isso foi feito o tempo todo. Até poucos meses atrás, no fim de 2015, houve essas reuniões. Aí houve um interregno com essa crise profunda que o Brasil atravessa.

Nos últimos dias da gestão Dilma, o ministério do Meio Ambiente correu para aproveitar os últimos momentos e lançou uma série de boas ações para o ambiente, inclusive o Plano Nacional de Adaptação, que era esperado desde o ano passado.. O que o sr. achou disso?

Acho que esse movimento foi bom, deixou uma contribuição concreta. O PNA avança, melhora a situação. É preciso lembrar que o Brasil tem climas diferentes de acordo com a região e pode haver enormes impactos, não só nos fenômenos atmosféricos, que afetam o ambiente e as populações, como enchentes, ventos muito fortes, como também a produção agrícola, que depende muito do clima. Mas é verdade que foi meio corrido. Ele é uma contribuição que reuniu o que já tinha à mão, embora pudesse avançar mais. Mas não impede que o novo governo faça isso. O que foi feito é o que tinha à mão. Acho que o governo tinha uma perspectiva de se prolongar um pouco mais para a elaboração desse plano e foi abreviado.

Qual é a expectativa do senhor sobre o novo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, e para a questão climática na nova gestão.

Ele já foi ministro, né? Faço votos para que faça boa gestão. A expectativa é que tenha boa gestão, ele tem condições para isso, tem interesse nessa área. Já estive com ele muitas vezes discutindo questões da mudança climática. Mas me sentia mais identificado com a gestão Dilma. A própria Izabella foi nossa aluna aqui no doutorado da Coppe. Havia uma proximidade maior. Quanto à política do clima, vamos ver. O Sarney Filho tem pedigree de meio ambiente. Mas o ministro de Minas e Energia (Fernando Filho) é um ilustre desconhecido, é de outro ramo, não tem nada a ver.

O governo Dilma teve como bandeira o pré-sal, investindo mais em combustíveis fósseis que em renováveis, enquanto há uma expectativa mundial de descarbonização até o final do século. O sr. esteve à frente de discussões sobre o futuro energético. Como o sr. vê essa questão?

Acho que o Brasil ainda vai usar petróleo por um tempo, mas tem de reduzir, e isso já tem feito usando biocombustível, que já ultrapassou 40% do total de combustíveis. Mas não está tudo perfeito. Tivemos problema com etanol, com biodiesel, porque a política energética não foi muito boa, estimulou muito o uso da gasolina em detrimento do etanol. O preço da gasolina foi colocado abaixo do preço de importação. Houve uma retomada do etanol por volta de 2003 e 2004 com os carros flex e isso permitiu um aumento grande do consumo do etanol. Mas com o estímulo de preço baixo da gasolina, o etanol perdeu a competitividade, houve uma certa redução do consumo.

E nesse momento se discute na Câmara que carro leve use diesel no Brasil.

Isso é ruim. O que devia ser feito era incentivar os carros híbridos (combustível + elétrico), que ainda são muito caros. Devia haver uma política de compensações e redução desse preço.

As metas brasileiras ao Acordo de Paris também não trazem um aumento significativo do uso de etanol e biocombustíveis (prevê uma participação de 16% de etanol na matriz energética total do País até 2025).

Não é uma participação pequena, mas de fato não tem um grande aumento. Concordo que para o futuro, talvez 2040 em diante, deva aumentar, mas para 2020 é mais difícil mudar a tendência porque energia tem uma inércia muito grande. Depois pode aumentar muito. Mas isso depende da política e ultimamente a política não foi muito favorável ao biocombustível. A gente fez a crítica perante a presidente Dilma. Mostramos essa preocupação. Uso de energia eólica cresceu bastante, já igualou à de Belo Monte. Mas infelizmente a de térmica também cresceu por causa das crises hídricas.

‘No doubt’ Iceland’s elves exist: anthropologist certain the creatures live alongside regular folks (South China Morning Post)

Construction sites have been moved so as not to disturb the elves, and fishermen have refused to put out to sea because of their warnings: here in Iceland, these creatures are a part of everyday life

PUBLISHED : Saturday, 14 May, 2016, 8:01am

UPDATED : Sunday, 15 May, 2016, 6:40pm

Since the beginning of time, elves have been the stuff of legend in Iceland, but locals here will earnestly tell you that elves appear regularly to those who know how to see them.

Construction sites have been moved so as not to disturb the elves, and fishermen have refused to put out to sea because of their warnings: here in Iceland, these creatures are a part of everyday life.

Watch: Iceland’s elves, a force to be reckoned with

But honestly, do they really exist?

Anthropologist Magnus Skarphedinsson has spent decades collecting witness accounts, and he’s convinced the answer is yes.

He now passes on his knowledge to curious crowds as the headmaster of Reykjavik’s Elf School.

“There is no doubt that they exist!” exclaims the stout 60-year-old as he addresses his “students”, for the most part tourists fascinated by Icelanders’ belief in elves.

What exactly is an elf? A well-intentioned being, smaller than a person, who lives outdoors and normally does not talk. They are not to be confused with Iceland’s “hidden people”, who resemble humans and almost all of whom speak Icelandic.

To convince sceptics that this is not just a myth, Skarphedinsson relays two “witness accounts”, spinning the tales as an accomplished storyteller.

The first tells of a woman who knew a fisherman who was able to see elves who would also go out to sea to fish.

One morning in February 1921, he noticed they were not heading out to sea and he tried to convince the other fishermen not to go out either. But the boss would not let them stay on shore.

That day, there was an unusually violent storm in the North Atlantic but the fishermen, who had heeded his warning and stayed closed to shore, all returned home safe and sound.

Seven years later, in June 1928, the elves again did not put out to sea which was confusing because there had never been a fierce storm at sea at that time of year. Forced to head out, they sailed waters that were calm but caught very few fish.

“The elves knew it,” the anthropologist claims.

The other “witness” is a woman in her eighties, who in 2002 ran into a young teen who claimed to know her. Asking him where they had met, he gave her an address where she had lived 53 years ago where her daughter claimed she had played with an invisible boy.

Most people tread lightly when entering into known elf territory
ICELAND MAGAZINE

“But Mum, it’s Maggi!” exclaimed the daughter when her mother described the teen.

“He had aged fives times slower than a human being,” said Skarphedinsson.

Surveys suggest about half of Icelanders believe in elves.

“Most people say they heard [about them] from their grandparents when they were children,” said Michael Herdon, a 29-year-old American tourist attending Elf School.

Iceland Magazine says ethnologists have noted it is rare for an Icelander to really truly believe in elves. But getting them to admit it is tricky.

“Most people tread lightly when entering into known elf territory,” the English-language publication wrote in September.

That’s also the case with construction projects.

It may prompt sniggers, but respect for the elves’ habitat is a consideration every time a construction project is started in Iceland’s magnificent countryside, which is covered with lava fields and barren, windswept lowlands.

Back in 1971, Skarphedinsson recalls how elves disrupted construction of a national highway from Reykjavik to the northeast. The project, he says, suffered repeated unusual technical difficulties because they didn’t want a big boulder that served as their home to be moved to make way for the new road.

“They made an agreement in the end that the elves would leave the stone for a week, and they would move the stone 15 metres. This is probably the only country in the world whose government officially talked with elves,” Skarphedinsson says.

But Iceland is not the only country that is home to elves, he says. It’s just that Icelanders are more receptive to accounts of their existence.

“The real reason is that the Enlightenment came very late to Iceland.

“In other countries, with western scientific arrogance [and] the denial of everything that they have not discovered themselves, they say that witnesses are subject to hallucinations.”

Presidente de Portugal quer fazer revisão do novo acordo ortográfico (Folha de S.Paulo)

Giuliana Miranda, 15/05/2016

Oficialmente, o último acordo ortográfico está em vigor em Portugal desde 2009, mas ainda enfrenta resistência em vários setores. Na semana passada, o time dos descontentes recebeu um apoio de peso: o novo presidente português se mostrou favorável à revisão das regras.

Em visita a Moçambique —país lusófono que, assim como Angola, não ratificou as mudanças—, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que a não adesão dos africanos pode permitir a Portugal também rever sua posição no acordo.

Mauro Vombe – 4.mai.2016/Xinhua
O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, (esq.) saúda o colega moçambicano Filipe Nyusi
O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, (esq.) saúda o colega moçambicano Filipe Nyusi

Na quarta-feira (11), a Associação Nacional de Professores de Português e vários membros da organização “Cidadãos contra o Acordo Ortográfico” recorreram à Justiça pedindo a anulação da norma que disseminou o uso da nova ortografia no país.

No cargo há dois meses, Rebelo de Sousa nunca escondeu sua contrariedade sobre o tema. Na década de 1990, ele assinou um manifesto que reuniu 400 personalidades portuguesas contrárias ao acordo ortográfico.

Embora as críticas públicas tenham se abrandado, o livro de imagens de sua campanha à Presidência, “Afectos”, não adota as mudanças ortográficas nem no título.

Em “O Acordo Ortográfico Não Está Em Vigor” (ed. Guerra & Paz), o embaixador e professor de direito internacional Carlos Fernandes diz que o acordo fere também princípios jurídicos e, por isso, não deveria ser adotado.

Segundo Fernandes, além de as regras anteriores não terem sido oficialmente revogadas, o governo português tampouco cumpriu trâmites legais obrigatórios para a entrada em vigor dos novos parâmetros da língua.

O debate sobre uma possível revisão do acordo —há quem defenda até um referendo— provocou uma “caça às bruxas” ortográfica. Vários políticos tiveram currículos, biografias e livros vasculhados em busca de indícios de que são contrários às mudanças na escrita.

CRÍTICAS AO BRASIL

Embora tenha sido assinado em 1990 pelos Estados de língua oficial portuguesa, o acordo precisa passar por ratificação interna em cada país para entrar em vigor. Brasil, Portugal, São Tome e Príncipe e Cabo Verde já promulgaram a decisão.

Já Angola e Moçambique —que concentram a maioria dos falantes do português depois do Brasil— ainda não têm data para ratificar.

O português é a quinta língua mais falada do mundo, com cerca de 280 milhões de falantes, dos quais 202 milhões estão no Brasil, 24,7 milhões em Angola, 24,6 milhões em Moçambique e 10,8 milhões em Portugal.

Entre os críticos portugueses e africanos, as alterações são encaradas como submissão aos desejos do Brasil. A língua oficial do país é várias vezes pejorativamente chamada de “brasileiro”.

Um dos motivos da discórdia é o fim das consoantes mudas presentes em várias palavras de Portugal. Com o acordo, prevaleceu a versão brasileira. Por exemplo: actor vira ator e óptimo, ótimo.

Segundo o Ministério da Educação brasileiro, as mudanças afetaram cerca de 0,8% dos vocábulos do Brasil e 1,3% dos de Portugal.

GOVERNO DEFENDE

O governo de Portugal segue o acordo ortográfico, e vários ministros saíram em defesa das regras.

Considerado o pai do acordo e um dos mais mais influentes linguistas lusitanos, Malaca Casteleiro também tem defendido sua aplicação.

O primeiro-secretário do Brasil em Lisboa, André Pinto Pacheco, afirmou que ” a embaixada acompanha com atenção o assunto, procurando esclarecer o Estado e a opinião pública de Portugal sobre a aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no Brasil”.

Diretor do setor de lexicografia e lexicologia da Academia Brasileira de Letras, Evanildo Bechara minimizou as críticas do presidente português e ressaltou o ritmo da implementação do acordo na comunidade lusófona. “É um processo irreversível.”

“Uma alteração ortográfica não é para a geração que a fez, mas para uma geração futura”, afirmou Bechara. O uso da nova ortografia é obrigatório no Brasil desde 1º de janeiro deste ano.

Teamwork enables bacterial survival (Science Daily)

Strains of E. coli resistant to one antibiotic can protect other bacteria growing nearby

Date:
May 16, 2016
Source:
Massachusetts Institute of Technology
Summary:
Researchers have found that two strains of E. coli bacteria, each resistant to one antibiotic, can protect each other in an environment where both drugs are present.

Mutualism, a phenomenon in which different species benefit from their interactions with each other, can help bacteria form drug-resistant communities. Pictured is an artist’s interpretation of mutualism among bacteria. Credit: Jose-Luis Olivares/MIT

A new study from MIT finds that two strains of bacteria that are each resistant to one antibiotic can protect each other in an environment containing both drugs.

The findings demonstrate that mutualism, a phenomenon in which different species benefit from their interactions with each other, can help bacteria form drug-resistant communities. This is the first experimental demonstration in microbes of a type of mutualism known as cross-protection, which is more commonly seen in larger animals.

The researchers focused on two strains of E. coli, one resistant to ampicillin and the other resistant to chloramphenicol. These bacteria and many others defend themselves from antibiotics by producing enzymes that break down the antibiotics. As a side effect, this also protects cells that don’t produce those enzymes, by removing the antibiotic from the environment.

“Any time that you’re breaking down an antibiotic, there’s this potential for cross-protection,” says Jeff Gore, the Latham Family Career Development Associate Professor of Physics and the senior author of the study, which appears in the Proceedings of the National Academy of Sciences the week of May 16.

The MIT team found that, indeed, both strains could survive in an environment where both antibiotics were present, even though each was only resistant to one of the drugs. This type of situation is likely also found in the natural world, especially in soil where many strains of bacteria live together.

“Each of them is making different toxins and each of them is resistant to different toxins,” Gore says. “A lot of antibiotics are produced by microbes as part of the combat that is taking place between microorganisms in the soil.”

Gore and co-first authors Eugene Yurtsev and Arolyn Conwill, both MIT graduate students, also found that the populations of the two strains oscillate over time. Population oscillations are common in predator-prey interactions but rare in mutualistic interactions such as the cross-protection seen in this study.

Throughout their experiments, the researchers diluted the bacterial population each day by transferring about 1 percent of the population to a new test tube, to which new antibiotics were added. They found that while the total size of the bacterial population remained about the same, there were large oscillations in the relative percentages of each strain, which varied by nearly 1,000 percent over a period of about three days.

For example, if the ampicillin-resistant strain was more abundant in the beginning of a cycle, it rapidly deactivated ampicillin in the environment, allowing the chloramphenicol-resistant strain to begin growing. The ampicillin-resistant strain only began growing once the other strain had expanded enough to deactivate most of the chloramphenicol, at which point the chloramphenicol-resistant strain had already overtaken the ampicillin-resistant strain.

“The mutualism exhibits oscillations because the strain that is more abundant at the beginning of a growth cycle might end up less abundant at the end of that cycle,” Gore says.

At lower antibiotic concentrations, the bacterial population can survive in this oscillating pattern indefinitely, but at higher drug concentrations, the oscillations destabilize the population, and it eventually collapses.

Gore suspects that similar population oscillations may also be seen in natural environments such as the human gut, as bacteria exit the body along with bowel movements, or in soil as bacteria are washed away by rainfall.

Gore’s lab is now looking at this type of mutualism in bacteria living in the gut of the worm C. elegans. The researchers are also studying how these types of population oscillations can become synchronized over large geographic areas, and how migration between populations influences this synchronization.


Journal Reference:

  1. Saurabh R. Gandhi, Eugene Anatoly Yurtsev, Kirill S. Korolev, and Jeff Gore. Range expansions transition from pulled to pushed waves as growth becomes more cooperative in an experimental microbial populationPNAS, 2016 DOI: 10.1073/pnas.1521056113

Curtailing global warming with bioengineering? Iron fertilization won’t work in much of Pacific (Science Daily)

Earth’s own experiments during ice ages showed little effect

Date:
May 16, 2016
Source:
The Earth Institute at Columbia University
Summary:
Over the past half-million years, the equatorial Pacific Ocean has seen five spikes in the amount of iron-laden dust blown in from the continents. In theory, those bursts should have turbo-charged the growth of the ocean’s carbon-capturing algae — algae need iron to grow — but a new study shows that the excess iron had little to no effect.

With the right mix of nutrients, phytoplankton grow quickly, creating blooms visible from space. This image, created from MODIS data, shows a phytoplankton bloom off New Zealand. Credit: Robert Simmon and Jesse Allen/NASA

Over the past half-million years, the equatorial Pacific Ocean has seen five spikes in the amount of iron-laden dust blown in from the continents. In theory, those bursts should have turbo-charged the growth of the ocean’s carbon-capturing algae — algae need iron to grow — but a new study shows that the excess iron had little to no effect.

The results are important today, because as groups search for ways to combat climate change, some are exploring fertilizing the oceans with iron as a solution.

Algae absorb carbon dioxide (CO2), a greenhouse gas that contributes to global warming. Proponents of iron fertilization argue that adding iron to the oceans would fuel the growth of algae, which would absorb more CO2 and sink it to the ocean floor. The most promising ocean regions are those high in nutrients but low in chlorophyll, a sign that algae aren’t as productive as they could be. The Southern Ocean, the North Pacific, and the equatorial Pacific all fit that description. What’s missing, proponents say, is enough iron.

The new study, published this week in the Proceedings of the National Academy of Sciences, adds to growing evidence, however, that iron fertilization might not work in the equatorial Pacific as suggested.

Essentially, earth has already run its own large-scale iron fertilization experiments. During the ice ages, nearly three times more airborne iron blew into the equatorial Pacific than during non-glacial periods, but the new study shows that that increase didn’t affect biological productivity. At some points, as levels of iron-bearing dust increased, productivity actually decreased.

What matters instead in the equatorial Pacific is how iron and other nutrients are stirred up from below by upwelling fueled by ocean circulation, said lead author Gisela Winckler, a geochemist at Columbia University’s Lamont-Doherty Earth Observatory. The study found seven to 100 times more iron was supplied from the equatorial undercurrent than from airborne dust at sites spread across the equatorial Pacific. The authors write that although all of the nutrients might not be used immediately, they are used up over time, so the biological pump is already operating at full efficiency.

“Capturing carbon dioxide is what it’s all about: does iron raining in with airborne dust drive the capture of atmospheric CO2? We found that it doesn’t, at least not in the equatorial Pacific,” Winckler said.

The new findings don’t rule out iron fertilization elsewhere. Winckler and coauthor Robert Anderson of Lamont-Doherty Earth Observatory are involved in ongoing research that is exploring the effects of iron from dust on the Southern Ocean, where airborne dust supplies a larger share of the iron reaching the surface.

The PNAS paper follows another paper Winckler and Anderson coauthored earlier this year in Nature with Lamont graduate student Kassandra Costa looking at the biological response to iron in the equatorial Pacific during just the last glacial maximum, some 20,000 years ago. The new paper expands that study from a snapshot in time to a time series across the past 500,000 years. It confirms that Costa’s finding, that iron fertilization had no effect then, fit a pattern that extends across the past five glacial periods.

To gauge how productive the algae were, the scientists in the PNAS paper used deep- sea sediment cores from three locations in the equatorial Pacific that captured 500,000 years of ocean history. They tested along those cores for barium, a measure of how much organic matter is exported to the sea floor at each point in time, and for opal, a silicate mineral that comes from diatoms. Measures of thorium-232 reflected the amount of dust that blew in from land at each point in time.

“Neither natural variability of iron sources in the past nor purposeful addition of iron to equatorial Pacific surface water today, proposed as a mechanism for mitigating the anthropogenic increase in atmospheric CO2 inventory, would have a significant impact,” the authors concluded.

Past experiments with iron fertilization have had mixed results. The European Iron Fertilization Experiment (EIFEX) in 2004, for example, added iron in the Southern Ocean and was able to produce a burst of diatoms, which captured CO2 in their organic tissue and sank to the ocean floor. However, the German-Indian LOHAFEX project in 2009 experimented in a nearby location in the South Atlantic and found few diatoms. Instead, most of its algae were eaten up by tiny marine creatures, passing CO2 into the food chain rather than sinking it. In the LOHAFEX case, the scientists determined that another nutrient that diatoms need — silicic acid — was lacking.

The Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) cautiously discusses iron fertilization in its latest report on climate change mitigation. It warns of potential risks, including the impact that higher productivity in one area may have on nutrients needed by marine life downstream, and the potential for expanding low-oxygen zones, increasing acidification of the deep ocean, and increasing nitrous oxide, a greenhouse gas more potent than CO2.

“While it is well recognized that atmospheric dust plays a significant role in the climate system by changing planetary albedo, the study by Winckler et al. convincingly shows that dust and its associated iron content is not a key player in regulating the oceanic sequestration of CO2 in the equatorial Pacific on large spatial and temporal scales,” said Stephanie Kienast, a marine geologist and paleoceanographer at Dalhousie University who was not involved in the study. “The classic paradigm of ocean fertilization by iron during dustier glacials can thus be rejected for the equatorial Pacific, similar to the Northwest Pacific.”


Journal Reference:

  1. Gisela Winckler, Robert F. Anderson, Samuel L. Jaccard, and Franco Marcantonio. Ocean dynamics, not dust, have controlled equatorial Pacific productivity over the past 500,000 yearsPNAS, May 16, 2016 DOI: 10.1073/pnas.1600616113

Animal training techniques teach robots new tricks (Science Daily)

Virtual dogs take place of programming

Date:
May 16, 2016
Source:
Washington State University
Summary:
Researchers are using ideas from animal training to help non-expert users teach robots how to do desired tasks.

Virtual environments in which trainers gave directions to robot dog. Credit: Image courtesy of Washington State University

Researchers at Washington State University are using ideas from animal training to help non-expert users teach robots how to do desired tasks.

The researchers recently presented their work at the international Autonomous Agents and Multiagent Systems conference.

As robots become more pervasive in society, humans will want them to do chores like cleaning house or cooking. But to get a robot started on a task, people who aren’t computer programmers will have to give it instructions.

“We want everyone to be able to program, but that’s probably not going to happen,” said Matthew Taylor, Allred Distinguished Professor in the WSU School of Electrical Engineering and Computer Science. “So we needed to provide a way for everyone to train robots — without programming.”

User feedback improves robot performance

With Bei Peng, a doctoral student in computer science, and collaborators at Brown University and North Carolina State University, Taylor designed a computer program that lets humans teach a virtual robot that looks like a computerized pooch. Non-computer programmers worked with and trained the robot in WSU’s Intelligent Robot Learning Laboratory.

For the study, the researchers varied the speed at which their virtual dog reacted. As when somebody is teaching a new skill to a real animal, the slower movements let the user know that the virtual dog was unsure of how to behave. The user could then provide clearer guidance to help the robot learn better.

“At the beginning, the virtual dog moves slowly. But as it receives more feedback and becomes more confident in what to do, it speeds up,” Peng said.

The user taught tasks by either reinforcing good behavior or punishing incorrect behavior. The more feedback the virtual dog received from the human, the more adept the robot became at predicting the correct course of action.

Applications for animal training

The researchers’ algorithm allowed the virtual dog to understand the tricky meanings behind a lack of feedback — called implicit feedback.

“When you’re training a dog, you may withhold a treat when it does something wrong,” Taylor explained. “So no feedback means it did something wrong. On the other hand, when professors are grading tests, they may only mark wrong answers, so no feedback means you did something right.”

The researchers have begun working with physical robots as well as virtual ones. They also hope to eventually use the program to help people learn to be more effective animal trainers.

Artificial intelligence replaces physicists (Science Daily)

Date:
May 16, 2016
Source:
Australian National University
Summary:
Physicists are putting themselves out of a job, using artificial intelligence to run a complex experiment. The experiment created an extremely cold gas trapped in a laser beam, known as a Bose-Einstein condensate, replicating the experiment that won the 2001 Nobel Prize.

The experiment, featuring the small red glow of a BEC trapped in infrared laser beams. Credit: Stuart Hay, ANU

Physicists are putting themselves out of a job, using artificial intelligence to run a complex experiment.

The experiment, developed by physicists from The Australian National University (ANU) and UNSW ADFA, created an extremely cold gas trapped in a laser beam, known as a Bose-Einstein condensate, replicating the experiment that won the 2001 Nobel Prize.

“I didn’t expect the machine could learn to do the experiment itself, from scratch, in under an hour,” said co-lead researcher Paul Wigley from the ANU Research School of Physics and Engineering.

“A simple computer program would have taken longer than the age of the Universe to run through all the combinations and work this out.”

Bose-Einstein condensates are some of the coldest places in the Universe, far colder than outer space, typically less than a billionth of a degree above absolute zero.

They could be used for mineral exploration or navigation systems as they are extremely sensitive to external disturbances, which allows them to make very precise measurements such as tiny changes in the Earth’s magnetic field or gravity.

The artificial intelligence system’s ability to set itself up quickly every morning and compensate for any overnight fluctuations would make this fragile technology much more useful for field measurements, said co-lead researcher Dr Michael Hush from UNSW ADFA.

“You could make a working device to measure gravity that you could take in the back of a car, and the artificial intelligence would recalibrate and fix itself no matter what,” he said.

“It’s cheaper than taking a physicist everywhere with you.”

The team cooled the gas to around 1 microkelvin, and then handed control of the three laser beams over to the artificial intelligence to cool the trapped gas down to nanokelvin.

Researchers were surprised by the methods the system came up with to ramp down the power of the lasers.

“It did things a person wouldn’t guess, such as changing one laser’s power up and down, and compensating with another,” said Mr Wigley.

“It may be able to come up with complicated ways humans haven’t thought of to get experiments colder and make measurements more precise.

The new technique will lead to bigger and better experiments, said Dr Hush.

“Next we plan to employ the artificial intelligence to build an even larger Bose-Einstein condensate faster than we’ve seen ever before,” he said.

The research is published in the Nature group journal Scientific Reports.


Journal Reference:

  1. P. B. Wigley, P. J. Everitt, A. van den Hengel, J. W. Bastian, M. A. Sooriyabandara, G. D. McDonald, K. S. Hardman, C. D. Quinlivan, P. Manju, C. C. N. Kuhn, I. R. Petersen, A. N. Luiten, J. J. Hope, N. P. Robins, M. R. Hush. Fast machine-learning online optimization of ultra-cold-atom experimentsScientific Reports, 2016; 6: 25890 DOI: 10.1038/srep25890

A importância da laicidade no século 21 (OESP)

15 Maio 2016 | 03h 00

Neste século, cujo primeiro evento de repercussão mundial foram os ataques às torres gêmeas de Nova York, em 11 de setembro de 2001, assistimos ao ressurgimento do papel da religião na vida política. No cenário internacional, são notórios e dramáticos os fatos que complicam a geopolítica mundial, ocasionados por interpretações de caráter fundamentalista de religiões estabelecidas.

No Brasil, a presença da atividade política baseada e dirigida por princípios de fé nunca foi tão marcante. De acordo com o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o pleito de 2014 elegeu uma bancada evangélica de 75 deputados federais; no seu apogeu, em 1962, o Partido Democrata Cristão, de inspiração católica, tinha 20 cadeiras na Câmara dos Deputados.

Nesse contexto, é oportuno retomar a questão da laicidade, seu papel na vida da democracia e dos direitos humanos, seus nexos com a secularização e a tolerância.

A secularização, termo que vem do latim saeculum, do mundo da vida terrena (não da vida religiosa), e a laicidade, do grego laos, povo, como leigo e laico, em contraposição ao clero no quadro de hierarquização da Igreja, foram consequências da dessacralização da sociedade, como aponta Weber.

O processo de diferenciação estrutural e funcional das instituições é a acepção que mais aproxima a laicização à secularização. Os atores sociais não só começaram a se distanciar da força avassaladora das tradições religiosas, mas as relações das religiões com o Estado se alteraram fundamentalmente no correr desse processo que remonta aos ideais do Iluminismo e da Revolução Francesa. Nesse contexto, surge o tema da laicidade do Estado.

Um Estado laico diferencia-se do teocrático, em que o poder religioso e o poder político se fundem, e também do confessional, em que há vínculos entre o poder político e uma religião.

No Brasil Império, a religião oficial era a católica, ainda que outras fossem permitidas e a liberdade de opinião, assegurada. Com a República, deu-se a separação da Igreja do Estado, que se tornou laico, ensejando a igualdade da liberdade dos cultos, a secularização dos cemitérios, o casamento civil e o registro civil para o nascimento e o falecimento de pessoas.

Rui Barbosa, autor da legislação que implantou a laicização do Estado brasileiro, consagrada na Constituição de 1891, explica que sua matriz inspiradora foi norte-americana. O Estado se dessolidarizou de toda a atividade religiosa em função, como diria Jefferson, da prevalência de um muro de separação entre a atividade religiosa e a ação estatal como preconizado pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA. O Estado laico não implica que a sociedade civil seja laica. Com efeito, esta passou a se constituir como uma esfera autônoma e própria para o exercício da liberdade religiosa e de consciência, na qual o Estado não interfere. Abria-se desse modo espaço para o que Benjamin Constant denominou liberdade negativa, não submetida a regras externas provenientes do poder público.

A laicidade, aponta Abbagnano, é expressão do princípio da autonomia das/nas atividades humanas: elas podem se desenvolver segundo regras próprias, não impostas externamente por fins e interesses diversos daqueles que as inspiram e norteiam. É o caso da liberdade de pesquisa, que pressupõe o antidogmatismo e o exame crítico de temas e problemas.

Quando a polarização e as tensões se tornam mais agudas, é importante lembrar que a laicidade é uma das formas de tolerância, ou, mais exatamente, uma das maneiras de responder ao problema da intolerância.

Como ressalta Bobbio, o tema da tolerância surgiu com a desconcentração do poder ideológico (consequência da secularização), pois a tolerância em relação a distintas crenças e opiniões coloca o problema de como lidar com a compatibilidade/convivência de verdades contrapostas (laicidade metodológica, pluralismo, antidogmatismo) e, subsequentemente, com o “diferente” (estrangeiros, pessoas de diversas opções sexuais, etc…). Daí o nexo entre democracia e direitos humanos, pois a tutela da liberdade de crença, de opinião e de posições políticas integra as regras do jogo democrático, para as quais o Outro não é um inimigo a ser eliminado, mas integrante da mesma comunidade política.

Em relação ao “diferente”, lembro que a Constituição (artigo 3.º, IV) estabelece que um dos objetivos da República é “promover o bem de todos sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor e quaisquer outras formas de discriminação”.

Entre os componentes da dicotomia tolerância/intolerância está, no plano interno, a convivência/coexistência de verdades contrapostas (religiosas, políticas), no âmbito das regras do jogo democrático e da tutela dos direitos humanos; no plano externo, a aceitação da pluralidade dos Estados na sua heterogeneidade.

Por essa razão um Estado aconfessional como o brasileiro (artigo 19, I, da Constituição) não pode, por obra de dependência ou aliança com qualquer religião, sancionar juridicamente normas ético-religiosas próprias à fé de uma confissão. Por exemplo: no campo da família, o direito ao divórcio; no critério do início da vida, a descriminalização do aborto e a pesquisa científica com células-tronco.

Num Estado laico, as normas religiosas das diversas confissões são conselhos dirigidos aos fiéis, e não comandos para toda a sociedade. A finalidade da liberdade de religião e de pensamento é garantir ao cidadão uti singuli a máxima diferenciação no campo das ideologias, das religiões e da cultura – ou seja, a liberdade individual.

A finalidade pública da laicidade é criar, nesse contexto, para todos os cidadãos uma plataforma comum na qual possam encontrar-se enquanto membros de uma comunidade política. É essa finalidade que cabe resguardar, para conter o indevido transbordar da religião para o espaço público, que se tornou um dos desafios da agenda política contemporânea.

Neste século, cujo primeiro evento de repercussão mundial foram os ataques às torres gêmeas de Nova York, em 11 de setembro de 2001, assistimos ao ressurgimento do papel da religião na vida política. No cenário internacional, são notórios e dramáticos os fatos que complicam a geopolítica mundial, ocasionados por interpretações de caráter fundamentalista de religiões estabelecidas.

No Brasil, a presença da atividade política baseada e dirigida por princípios de fé nunca foi tão marcante. De acordo com o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o pleito de 2014 elegeu uma bancada evangélica de 75 deputados federais; no seu apogeu, em 1962, o Partido Democrata Cristão, de inspiração católica, tinha 20 cadeiras na Câmara dos Deputados.

Nesse contexto, é oportuno retomar a questão da laicidade, seu papel na vida da democracia e dos direitos humanos, seus nexos com a secularização e a tolerância.

A secularização, termo que vem do latim saeculum, do mundo da vida terrena (não da vida religiosa), e a laicidade, do grego laos, povo, como leigo e laico, em contraposição ao clero no quadro de hierarquização da Igreja, foram consequências da dessacralização da sociedade, como aponta Weber.

O processo de diferenciação estrutural e funcional das instituições é a acepção que mais aproxima a laicização à secularização. Os atores sociais não só começaram a se distanciar da força avassaladora das tradições religiosas, mas as relações das religiões com o Estado se alteraram fundamentalmente no correr desse processo que remonta aos ideais do Iluminismo e da Revolução Francesa. Nesse contexto, surge o tema da laicidade do Estado.

Um Estado laico diferencia-se do teocrático, em que o poder religioso e o poder político se fundem, e também do confessional, em que há vínculos entre o poder político e uma religião.

No Brasil Império, a religião oficial era a católica, ainda que outras fossem permitidas e a liberdade de opinião, assegurada. Com a República, deu-se a separação da Igreja do Estado, que se tornou laico, ensejando a igualdade da liberdade dos cultos, a secularização dos cemitérios, o casamento civil e o registro civil para o nascimento e o falecimento de pessoas.

Rui Barbosa, autor da legislação que implantou a laicização do Estado brasileiro, consagrada na Constituição de 1891, explica que sua matriz inspiradora foi norte-americana. O Estado se dessolidarizou de toda a atividade religiosa em função, como diria Jefferson, da prevalência de um muro de separação entre a atividade religiosa e a ação estatal como preconizado pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA. O Estado laico não implica que a sociedade civil seja laica. Com efeito, esta passou a se constituir como uma esfera autônoma e própria para o exercício da liberdade religiosa e de consciência, na qual o Estado não interfere. Abria-se desse modo espaço para o que Benjamin Constant denominou liberdade negativa, não submetida a regras externas provenientes do poder público.

A laicidade, aponta Abbagnano, é expressão do princípio da autonomia das/nas atividades humanas: elas podem se desenvolver segundo regras próprias, não impostas externamente por fins e interesses diversos daqueles que as inspiram e norteiam. É o caso da liberdade de pesquisa, que pressupõe o antidogmatismo e o exame crítico de temas e problemas.

Quando a polarização e as tensões se tornam mais agudas, é importante lembrar que a laicidade é uma das formas de tolerância, ou, mais exatamente, uma das maneiras de responder ao problema da intolerância.

Como ressalta Bobbio, o tema da tolerância surgiu com a desconcentração do poder ideológico (consequência da secularização), pois a tolerância em relação a distintas crenças e opiniões coloca o problema de como lidar com a compatibilidade/convivência de verdades contrapostas (laicidade metodológica, pluralismo, antidogmatismo) e, subsequentemente, com o “diferente” (estrangeiros, pessoas de diversas opções sexuais, etc…). Daí o nexo entre democracia e direitos humanos, pois a tutela da liberdade de crença, de opinião e de posições políticas integra as regras do jogo democrático, para as quais o Outro não é um inimigo a ser eliminado, mas integrante da mesma comunidade política.

Em relação ao “diferente”, lembro que a Constituição (artigo 3.º, IV) estabelece que um dos objetivos da República é “promover o bem de todos sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor e quaisquer outras formas de discriminação”.

Entre os componentes da dicotomia tolerância/intolerância está, no plano interno, a convivência/coexistência de verdades contrapostas (religiosas, políticas), no âmbito das regras do jogo democrático e da tutela dos direitos humanos; no plano externo, a aceitação da pluralidade dos Estados na sua heterogeneidade.

Por essa razão um Estado aconfessional como o brasileiro (artigo 19, I, da Constituição) não pode, por obra de dependência ou aliança com qualquer religião, sancionar juridicamente normas ético-religiosas próprias à fé de uma confissão. Por exemplo: no campo da família, o direito ao divórcio; no critério do início da vida, a descriminalização do aborto e a pesquisa científica com células-tronco.

Num Estado laico, as normas religiosas das diversas confissões são conselhos dirigidos aos fiéis, e não comandos para toda a sociedade. A finalidade da liberdade de religião e de pensamento é garantir ao cidadão uti singuli a máxima diferenciação no campo das ideologias, das religiões e da cultura – ou seja, a liberdade individual.

A finalidade pública da laicidade é criar, nesse contexto, para todos os cidadãos uma plataforma comum na qual possam encontrar-se enquanto membros de uma comunidade política. É essa finalidade que cabe resguardar, para conter o indevido transbordar da religião para o espaço público, que se tornou um dos desafios da agenda política contemporânea.

*Celso Lafer é professor emérito da Universidade de São Paulo

A ciência inútil de Alckmim (OESP)

14 Maio 2016 | 03h 00

Geraldo Alckmin insinuou, semanas atrás, que o dinheiro destinado à pesquisa científica no Estado de São Paulo é desperdiçado em estudos irrelevantes ou mesmo inúteis. Ninguém duvida que a aplicação do dinheiro público deve ser cuidadosa e sempre pode ser melhorada. O problema é saber o que é ciência útil.

Quinze páginas publicadas nesta semana na mais conceituada revista científica mundial podem ser consideradas uma resposta às criticas do governador. Principalmente porque seus autores foram, durante anos, considerados grandes produtores de ciência “inútil”. Mas vamos à história que culminou na publicação.

Faz mais de 20 anos, um amigo voltou da França com uma ideia fixa. Queria estudar a biologia molecular dos vírus. Argumentava que novos vírus surgiriam do nada para assombrar a humanidade. O HIV e o ebola eram o prenúncio do que nos esperava no futuro. Sua ciência sempre foi criativa e de qualidade. E foi por esse motivo, e não com medo do apocalipse, que a Fapesp passou a financiar o jovem virologista. O grupo cresceu.

A ciência que esses virologistas produziram nas últimas décadas pode ser classificada como básica ou pura, sem utilidade aparente. Talvez fosse considerada “inútil” pelo governador. Pessoas que pensam assim acreditam que o papel do Estado é financiar projetos que resultem em conhecimentos de utilidade óbvia e imediata, que resolvam os problemas da Nação. Como essa política científica utilitarista e de curto prazo não predomina na Fapesp, a virologia molecular “inútil” prosperou no Estado de São Paulo. Entre os anos 2000 e 2007, eles formaram uma rede de pesquisa, montaram laboratórios, formaram estudantes e publicaram trabalhos científicos. Depois cada um seguiu seu caminho, estudando vírus diferentes, com métodos distintos, nas mais diversas unidades da USP.

Em dezembro, meu colega apareceu na Fapesp com outra ideia fixa. Argumentou que um vírus quase desconhecido poderia estar relacionado aos casos de microcefalia que pipocavam no Nordeste. Era o zika. Enquanto o pânico se espalhava em meio à total desinformação, em uma semana a rede dos virologistas moleculares se aglutinou e resolveu atacar o problema. Eram 45 cientistas agrupados em 15 laboratórios “inúteis”. Na semana seguinte, a Fapesp aumentou o financiamento desses laboratórios. Não tardou para um exército de virologistas moleculares paulistas desembarcar no palco da tragédia munidos de tudo que existia de “inútil” nos seus laboratórios. Isolaram o vírus dos pacientes e, enquanto um laboratório “inútil” cultivava o vírus, outro “inútil” sequenciou seu genoma. Rapidamente esse grupo de cientistas básicos se tornou “útil”. Demonstraram que o vírus ataca células do sistema nervoso, que atravessa a placenta e infecta o sistema nervoso do feto. E que provoca o retardo de seu crescimento.

Em poucos meses, a nova variante do vírus zika foi identificada, isolada, seu mecanismo de ação, esclarecido, e um modelo experimental para a doença foi desenvolvido. Essas descobertas vão servir como base para o desenvolvimento de uma vacina nos próximos anos. São essas descobertas “úteis”, descritas no trabalho realizado por cientistas “inúteis”, que agora foram publicadas pela revista Nature.

Premidos pela Segunda Guerra, cientistas “inúteis” dos EUA e da Inglaterra desenvolveram o radar, a bomba atômica e o computador. Premidos pela microcefalia, nossos virologistas estão ajudando a resolver o problema. Da mesma maneira que era impossível prever no entreguerras que o financiamento de linguistas, físicos teóricos, matemáticos e outros cientistas “inúteis” fosse ajudar no esforço de guerra, era impossível prever que os esforços de financiamento de jovens virologistas iriam, anos mais tarde, solucionar o enigma do zika antes da toda poderosa ciência americana.

Esse é um dos motivos que levam todo país que se preza a financiar essa tal de ciência “inútil”. Esse repositório de cientistas, laboratórios e conhecimento não somente aumenta nosso conhecimento sobre a natureza e ajuda a educar nossos jovens, mas pode ser aglutinado em uma emergência. Foi porque a Fapesp financiou ciência “inútil” por anos que agora temos a capacidade de responder rapidamente a uma emergência médica nacional. Do meu ponto de vista, a simples existência desse trabalho científico é uma resposta da comunidade científica às críticas ventiladas por nosso governador.

MAIS INFORMAÇÕES: THE BRAZILIAN ZIKA VÍRUS STRAIN CAUSES BIRTH DEFECTS IN EXPERIMENTAL MODELS. NATURE DOI:10.1038/NATURE18296 2016

Elevação do nível do mar traga várias ilhas do Pacífico (El País)

Mudanças climáticas estão elevando as águas pelo menos desde meados do século XX

MIGUEL ÁNGEL CRIADO

15 MAI 2016 – 00:19 CEST

Desaparecem ilhas do Pacífico:. A imagem aérea mostra a ilha de Nuatambu partida em duas pelas águas. SIMON ALBERT / EL PAÍS VÍDEO

Desta vez não se trata de previsões ameaçadoras para um futuro distante: um grupo de pesquisadores comprovou como em apenas poucas décadas várias ilhas do oceano Pacífico desapareceram sob o mar. Seu estudo conecta as mudanças climáticas mundiais com a elevação do nível do mar em escala local. Uma conexão que tragará muitas outras ilhas e zonas costeiras nas próximas décadas.

Usando imagens aéreas e por satélites obtidas desde 1947, cientistas australianos têm acompanhado a elevação do nível das águas que rodeiam as ilhas Salomão, no meio do Pacífico ocidental. O arquipélago, formado por cerca de 1.000 ilhas que, juntas, mal superam os 28.000 quilômetros quadrados de extensão, é o lar de mais de meio milhão de pessoas. De origem vulcânica, muitas são pequenos pedaços de terra de poucos hectares, quase ao nível do mar. Por isso são um laboratório onde testar os efeitos das mudanças climáticas nas zonas costeiras.

Os registros dendrocronológicos obtidos dos troncos das árvores mostram que o nível do mar se manteve estável nos últimos séculos, somente sujeito a variações temporais pelo impacto de fenômenos climáticos como El Niño. No entanto, esse equilíbrio foi para o espaço nas últimas décadas. Desde meados do século passado o oceano subiu 3 milímetros por ano, uma cifra que se elevou até os 7 milímetros anuais desde 1994.

Cinco pequenas ilhas das Salomão desapareceram e outras seis perderam a maior parte da terra

Com esses dados, os pesquisadores puderam comprovar com imagens o desaparecimento de cinco ilhas. Apesar de que a maior tinha apenas cinco hectares, trata-se de ilhotas com vegetação, vida silvestre e, pelo menos em dois casos, habitadas. Em algumas ainda é possível ver árvores que se afogam com as raízes sob o mar.

O estudo, publicado na Environmental Research Letters, também mostra que outras seis ilhas perderam até 62% de sua terra. Além disso, o ritmo do avanço do mar está ficando mais acelerado. As imagens tomadas do céu demonstram que até os anos 60 as águas arrebataram apenas 0,1% por unidade de área. A porcentagem se elevou até 0,5% anual até 2002 e, a partir daí, explodiu até 1,9%.

“A elevação do nível do mar nas Ilhas Salomão nos últimos 20 anos foi três vezes maior que a média mundial”, diz em uma mensagem o pesquisador da Universidade de Queensland (Austrália), Simon Albert. Embora possa parecer que o nível do mar tenda a ser igual em todo o planeta, há fatores locais que o elevam ou baixam.

No caso das Salomão, “em parte isso se deve ao aumento do nível do mar e, em parte, ao ciclo natural dos ventos alísios que movem a água no Pacífico ocidental”, esclarece o cientista australiano. “Mas, independentemente da combinação de causas, esses resultados nos apresentam uma visão dos impactos da elevação do nível do mar na segunda metade deste século, quando o restante do planeta sofrer um ritmo semelhante ao que experimentaram as Ilhas Salomão nestes 20 anos”, acrescenta Albert.

Comunidades de pescadores tiveram de mudar-se morro acima para distanciar suas casas do mar

O drama está transcorrendo quase ao vivo. Na ilha de Nuatambu, por exemplo, viviam 25 famílias. O mar lhes roubou a metade da terra e, na década atual, arrebatou 11 casas. Em várias ilhas as pessoas já tiveram de mudar-se para as zonas mais altas ou mudar de ilha. Algumas comunidades se fragmentaram, com alguns membros deslocados e outros ainda resistindo.

No artigo que os próprios pesquisadores escrevem em The Conversation está incluído o depoimento de Sirilo Sutaroti, o ancião-chefe que aos 94 anos rege o povo paurata, uma tribo de pescadores: “O mar começou a adentrar, o que nos obrigou a ir morro acima e reconstruir nosso povoado longe do mar”.

Há um limite para avanços tecnológicos? (OESP)

16 Maio 2016 | 03h 00

Está se tornando popular entre políticos e governos a ideia que a estagnação da economia mundial se deve ao fato de que o “século de ouro” da inovação científica e tecnológica acabou. Este “século de ouro” é usualmente definido como o período de 1870 a 1970, no qual os fundamentos da era tecnológica em que vivemos foram estabelecidos.

De fato, nesse período se verificaram grandes avanços no nosso conhecimento, que vão desde a Teoria da Evolução, de Darwin, até a descoberta das leis do eletromagnetismo, que levou à produção de eletricidade em larga escala, e telecomunicações, incluindo rádio e televisão, com os benefícios resultantes para o bem-estar das populações. Outros avanços, na área de medicina, como vacinas e antibióticos, estenderam a vida média dos seres humanos. A descoberta e o uso do petróleo e do gás natural estão dentro desse período.

São muitos os que argumentam que em nenhum outro período de um século – ao longo dos 10 mil anos da História da humanidade – tantos progressos foram alcançados. Essa visão da História, porém, pode e tem sido questionada. No século anterior, de 1770 a 1870, por exemplo, houve também grandes progressos, decorrentes do desenvolvimento dos motores que usavam o carvão como combustível, os quais permitiram construir locomotivas e deram início à Revolução Industrial.

Apesar disso, os saudosistas acreditam que o “período dourado” de inovações se tenha esgotado e, em decorrência, os governos adotam hoje medidas de caráter puramente econômico para fazer reviver o “progresso”: subsídios a setores específicos, redução de impostos e políticas sociais para reduzir as desigualdades, entre outras, negligenciando o apoio à ciência e tecnologia.

Algumas dessas políticas poderiam ajudar, mas não tocam no aspecto fundamental do problema, que é tentar manter vivo o avanço da ciência e da tecnologia, que resolveu problemas no passado e poderá ajudar a resolver problemas no futuro.

Para analisar melhor a questão é preciso lembrar que não é o número de novas descobertas que garante a sua relevância. O avanço da tecnologia lembra um pouco o que acontece às vezes com a seleção natural dos seres vivos: algumas espécies são tão bem adaptadas ao meio ambiente em que vivem que deixam de “evoluir”: esse é o caso dos besouros que existiam na época do apogeu do Egito, 5 mil anos atrás, e continuam lá até hoje; ou de espécies “fósseis” de peixes que evoluíram pouco em milhões de anos.

Outros exemplos são produtos da tecnologia moderna, como os magníficos aviões DC-3, produzidos há mais de 50 anos e que ainda representam uma parte importante do tráfego aéreo mundial.

Mesmo em áreas mais sofisticadas, como a informática, isso parece estar ocorrendo. A base dos avanços nessa área foi a “miniaturização” dos chips eletrônicos, onde estão os transistores. Em 1971 os chips produzidos pela Intel (empresa líder na área) tinham 2.300 transistores numa placa de 12 milímetros quadrados. Os chips de hoje são pouco maiores, mas têm 5 bilhões de transistores. Foi isso que permitiu a produção de computadores personalizados, telefones celulares e inúmeros outros produtos. E é por essa razão que a telefonia fixa está sendo abandonada e a comunicação via Skype é praticamente gratuita e revolucionou o mundo das comunicações.

Há agora indicações que essa miniaturização atingiu seus limites, o que causa uma certa depressão entre os “sacerdotes” desse setor. Essa é uma visão equivocada. O nível de sucesso foi tal que mais progressos nessa direção são realmente desnecessários, que é o que aconteceu com inúmeros seres vivos no passado.

O que parece ser a solução dos problemas do crescimento econômico no longo prazo é o avanço da tecnologia em outras áreas que não têm recebido a atenção necessária: novos materiais, inteligência artificial, robôs industriais, engenharia genética, prevenção de doenças e, mais do que tudo, entender o cérebro humano, o produto mais sofisticado da evolução da vida na Terra.

Entender como uma combinação de átomos e moléculas pode gerar um órgão tão criativo como o cérebro, capaz de possuir uma consciência e criatividade para compor sinfonias como as de Beethoven – e ao mesmo tempo promover o extermínio de milhões de seres humanos –, será provavelmente o avanço mais extraordinário que o Homo sapiens poderá atingir.

Avanços nessas áreas poderiam criar uma vaga de inovações e progresso material superior em quantidade e qualidade ao que se produziu no “século de ouro”. Mais ainda enfrentamos hoje um problema global, novo aqui, que é a degradação ambiental, resultante em parte do sucesso dos avanços da tecnologia do século 20. Apenas a tarefa de reduzir as emissões de gases que provocam o aquecimento global (resultante da queima de combustíveis fósseis) será uma tarefa hercúlea.

Antes disso, e num plano muito mais pedestre, os avanços que estão sendo feitos na melhoria da eficiência no uso de recursos naturais é extraordinário e não tem tido o crédito e o reconhecimento que merecem.

Só para dar um exemplo, em 1950 os americanos gastavam, em média, 30% da sua renda em alimentos. No ano de 2013 essa porcentagem havia caído para 10%. Os gastos com energia também caíram, graças à melhoria da eficiência dos automóveis e outros fins, como iluminação e aquecimento, o que, aliás, explica por que o preço do barril de petróleo caiu de US$ 150 para menos de US$ 30. É que simplesmente existe petróleo demais no mundo, como também existe capacidade ociosa de aço e cimento.

Um exemplo de um país que está seguindo esse caminho é o Japão, cuja economia não está crescendo muito, mas sua população tem um nível de vida elevado e continua a beneficiar-se gradualmente dos avanços da tecnologia moderna.

*José Goldemberg é professor emérito da Universidade de São Paulo (USP) e é presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp)

Abril é o sétimo mês consecutivo de temperaturas recorde no planeta (O Globo)

Por O Globo. 16/05/2016

 

RIO — Abril deste ano registrou as temperaturas mais quentes para este mês na História, segundo informações da Nasa. É o sétimo mês consecutivo de temperaturas recorde, com mais de 1 grau Celsius de diferença em relação à média entre 1951 e 1980.

A temperatura média global em abril foi 1.11 grau Celsius acima da média do período 1951-1980, esmagando o recorde anterior para o mês, registrado em 2010, de 0,24 grau Celsius acima da média.

— O mais interessante é a escala na qual estamos quebrando os recordes — disse Andy Pitman, da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, em entrevista ao “Guardian”. —Claramente, tudo está caminhando na direção errada. Os cientistas climáticos estão alertando sobre isso desde os anos 1980, e tem sido óbvio desde os anos 2000. Então onde está a surpresa?

É o terceiro mês consecutivo em que o recorde de temperatura é quebrado pela maior diferença já registrada. Desde fevereiro, quando as margens começaram a quebrar recordes, os cientistas começaram a falar sobre “emergência climática”. Existe a influência do El Niño, mas o temor é que o planeta esteja aquecendo de forma mais acelerada que o imaginado, o que coloca em risco os objetivos acertados em Paris.

— O alvo de 1.5 grau Celsius é um desejo. Eu não sei se conseguiríamos esse objetivo se parássemos com as emissões hoje. Existe inércia no sistema. E o resultado de abril coloca pressão para os 2 graus Celsius — disse Pitman.

Latour’s new book assembles big names to “Reset Modernity!”

the anthropo.scene

MIT Press has its new site live for Bruno Latour’s new book Reset Modernity! The book has many leading thinkers making contributions; description below for what looks like a provocative new work:

9780262034593_0Overview

Modernity has had so many meanings and tries to combine so many contradictory sets of attitudes and values that it has become impossible to use it to define the future. It has ended up crashing like an overloaded computer. Hence the idea is that modernity might need a sort of reset. Not a clean break, not a “tabula rasa,” not another iconoclastic gesture, but rather a restart of the complicated programs that have been accumulated, over the course of history, in what is often called the “modernist project.” This operation has become all the more urgent now that the ecological mutation is forcing us to reorient ourselves toward an experience of the material world for which…

Ver o post original 328 mais palavras

Quando todos os europeus eram negros (El País)

Maior estudo genético de europeus da pré-história revela um passado complexo e violento no qual populações inteiras foram forçadas a emigrar ou desaparecer para sempre

NUÑO DOMÍNGUEZ

Três crânios encontrados na República Checa associados com o período gravetiano.

Três crânios encontrados na República Checa associados com o período gravetiano. M. Frouz / J. Svoboda

O estudo genético de restos mortais de europeus que morreram há milhares de anos, abriu uma janela única para a pré-história do continente. O trabalho abrange grande parte do Paleolítico Superior, de 45.000 até 7.000 anos atrás, e revela vários episódios até agora desconhecidos.

“O que vemos é uma história das populações tão complexa quanto a dos últimos 7.000 anos, com muitos momentos em que populações substituem outras, imigração em uma escala dramática e em um momento no qual o clima estava mudando radicalmente”, resumiu David Reich, geneticista da Universidade de Harvard e principal autor do estudo, publicado na revista Nature.

O estudo analisou o DNA de 51 euroasiáticos, uma amostra 10 vezes maior que qualquer estudo anterior. Abarca desde os humanos modernos mais antigos registrados aos caçadores-coletores que viveram pouco antes da revolução neolítica que trouxe consigo a agricultura ao continente.

A primeira conclusão do estudo é que, embora os neandertais e os humanos modernos (os Homo sapiens) se cruzaram e tiveram filhos férteis, a percentagem de DNA dessa outra espécie que carregamos diminuiu rapidamente, passando de 6 % para os 2% de hoje. Isto implica certa incompatibilidade evolutiva que já tinha sido destacada por outros estudos recentes.

Há 19.000 anos, alguém enterrou na Cantábria uma das mulheres mais misteriosas da pré-história europeia. Trata-se da Dama Vermelha, que em seus 35 ou 40 anos recebeu uma sepultura muito estranha, o que poderia indicar um significado sagrado. Seu cadáver tinha decomposto ao ar livre e, em seguida, seus ossos foram cobertos com tinta vermelha. Tanto deviam respeitar aquela mulher que um de seus ossos foi cuidadosamente devolvido ao túmulo depois que um animal selvagem o profanou para se alimentar. Além de uns desenhos esquemáticos e a presença de pólen, pouco se sabe sobre a mulher e o significado que a cultura à qual pertencia queria dar à sua sepultura. A senhora é um dos 51 indivíduos que foram analisados neste estudo. A equipe de Manuel González Morales está preparando uma reconstrução do aspecto que teve essa mulher, cujo genes mostram que era negra, explica.

Embora os primeiros sapiens tenham chegado à Europa há cerca de 45.000 anos, sua marca genética desapareceu completamente nas populações atuais. As primeiras populações que possuem algum parentesco com os europeus de hoje remontam a uns 37.000 anos atrás. Os autores do trabalho identificam essa população com o período aurignaciano.

Embora os primeiros sapiens tenham chegado à Europa há cerca de 45.000 anos, sua marca genética desapareceu completamente nas populações atuais

“Estão associados a esta cultura os primeiros exemplos de arte e música, assim como as pinturas da caverna de Chauvet na França ou as flautas de ossos”, diz Manuel González Morales, pesquisador da Universidade da Cantábria e coautor do trabalho.

Naquela época, a Europa vivia a última idade do gelo, com geleiras avançando do norte da Europa e empurrando povos inteiros à migração ou ao extermínio. Segundo dados do trabalho, há 33.000 anos outro grupo substitui quase totalmente o anterior e é associado com o período gravetiano, caracterizado por pinturas com as mãos em negativo e as redondas estatuetas das Vênus paleolíticas esculpidas em osso, explica González.

Inesperadamente, há cerca de 19.000 anos, reaparecem os descendentes do período aurignaciano. Os restos humanos encontrados na Cantábria mostram agora que os habitantes desta região estavam diretamente relacionados com eles.

Uma das possíveis explicações é que aquele povo migrou para refúgios quentes do sul da Europa, em particular a Península Ibérica. Depois do momento mais frio da última idade do gelo esta população volta a se expandir para o norte da Europa, recuperando o território perdido e substituindo seus habitantes.

Última onda

Mais uma vez, cerca de 14.000 anos atrás, outra população vinda das terras do Oriente Médio desembarca no continente e passa a ser dominante, substituindo boa parte das anteriores. Esta última onda, que não era conhecida até agora, foi identificada pelos restos de um caçador e coletor encontrado em Villabruna, Itália e que deu nome a esta população.

A marca genética deste grupo se perpetuou durante milênios, já que, por exemplo, o caçador coletor de La Braña (Leão), que viveu há 7.000 anos estava relacionado com este grupo.

Os genes do homem de La Braña mostram que tinha pele escura e olhos azuis. De acordo com González, até a chegada de seus ancestrais à Europa cerca de 14.000 anos atrás, todos os europeus tinham a pele escura e os olhos castanhos. “O trabalho mostra que os primeiros indivíduos com genes de pele clara viveram há uns 13.000 anos”, explica o pesquisador da Universidade da Cantábria. Depois, com a chegada dos primeiros agricultores do Oriente Médio começa o Neolítico e a pele branca se torna muito mais comum. Em outras palavras, os europeus foram negros durante a maior parte de sua história.

If The UAE Builds A Mountain Will It Actually Bring More Rain? (Vocativ)

You’re not the only one who thinks constructing a rain-inducing mountain in the desert is a bonkers idea

May 03, 2016 at 6:22 PM ET

Photo Illustration: R. A. Di ISO

The United Arab Emirates wants to build a mountain so the nation can control the weather—but some experts are skeptical about the effectiveness of this project, which may sound more like a James Bond villain’s diabolical plan than a solution to drought.

The actual construction of a mountain isn’t beyond the engineering prowess of the UAE. The small country on the Arabian Peninsula has pulled off grandiose environmental projects before, like the artificial Palm Islands off the coast of Dubai and an indoor ski hill in the Mall of the Emirates. But the scientific purpose of the mountain is questionable.

The UAE’s National Center for Meteorology and Seismology (NCMS) is currently collaborating with the U.S.-based University Corporation for Atmospheric Research (UCAR) for the first planning phase of the ambitious project, according to Arabian Business. The UAE government gave the two groups $400,000 in funding to determine whether they can bring more rain to the region by constructing a mountain that will foster better cloud-seeding.

Last week the NCMS revealed that the UAE spent $588,000 on cloud-seeding in 2015. Throughout the year, 186 flights dispersed potassium chloride, sodium chloride and magnesium into clouds—a process that can trigger precipitation. Now, the UAE is hoping they can enhance the chemical process by forcing air up around the artificial mountain, creating clouds that can be seeded more easily and efficiently.

“What we are looking at is basically evaluating the effects on weather through the type of mountain, how high it should be and how the slopes should be,” NCAR lead researcher Roelof Bruintjes told Arabian Business. “We will have a report of the first phase this summer as an initial step.”

But some scientists don’t expect NCAR’s research will lead to a rain-inducing alp. “I really doubt that it would work,” Raymond Pierrehumbert, a professor of physics at the University of Oxford told Vocativ. “You’d need to build a long ridge, not just a cone, otherwise the air would just go around. Even if you could do that, mountains cause local enhanced rain on the upslope side, but not much persistent cloud downwind, and if you need cloud seeding to get even the upslope rain, it’s really unlikely to work as there is very little evidence that cloud seeding produces much rainfall.”

Pierrehumbert, who specializes in geophysics and climate change, believes the regional environment would make the project especially difficult. “UAE is a desert because of the wind patterns arising from global atmospheric circulations, and any mountain they build is not going to alter those,” he said. 

Pierrehumbert concedes that NCAR is a respectable organization that will be able to use the “small amount of money to research the problem.” He thinks some good scientific study will come of the effort—perhaps helping to determine why a hot, humid area bordered by the ocean receives so little rainfall.

But he believes the minimal sum should go into another project: “They’d be way better off putting the money into solar-powered desalination plants.”

If the project doesn’t work out, at least wealthy Emirates have a 125,000-square-foot indoor snow park to look forward to in 2018.

Who’s downloading pirated papers? Everyone (Science)

John Bohannon

Science  29 Apr 2016: Vol. 352, Issue 6285, pp. 508-512
DOI: 10.1126/science.352.6285.508

Data from the controversial website Sci-Hub reveal that the whole world turns to it for journal articles.

Just as spring arrived last month in Iran, Meysam Rahimi sat down at his university computer and immediately ran into a problem: how to get the scientific papers he needed. He had to write up a research proposal for his engineering Ph.D. at Amirkabir University of Technology in Tehran. His project straddles both operations management and behavioral economics, so Rahimi had a lot of ground to cover.

But every time he found the abstract of a relevant paper, he hit a paywall. Although Amirkabir is one of the top research universities in Iran, international sanctions and economic woes have left it with poor access to journals. To read a 2011 paper in Applied Mathematics and Computation, Rahimi would have to pay the publisher, Elsevier, $28. A 2015 paper in Operations Research, published by the U.S.-based company INFORMS, would cost $30.

He looked at his list of abstracts and did the math. Purchasing the papers was going to cost $1000 this week alone—about as much as his monthly living expenses—and he would probably need to read research papers at this rate for years to come. Rahimi was peeved. “Publishers give nothing to the authors, so why should they receive anything more than a small amount for managing the journal?”

Many academic publishers offer programs to help researchers in poor countries access papers, but only one, called Share Link, seemed relevant to the papers that Rahimi sought. It would require him to contact authors individually to get links to their work, and such links go dead 50 days after a paper’s publication. The choice seemed clear: Either quit the Ph.D. or illegally obtain copies of the papers. So like millions of other researchers, he turned to Sci-Hub, the world’s largest pirate website for scholarly literature. Rahimi felt no guilt. As he sees it, high-priced journals “may be slowing down the growth of science severely.”

The journal publishers take a very different view. “I’m all for universal access, but not theft!” tweeted Elsevier’s director of universal access, Alicia Wise, on 14 March during a heated public debate over Sci-Hub. “There are lots of legal ways to get access.” Wise’s tweet included a link to a list of 20 of the company’s access initiatives, including Share Link.

But in increasing numbers, researchers around the world are turning to Sci-Hub, which hosts 50 million papers and counting. Over the 6 months leading up to March, Sci-Hub served up 28 million documents. More than 2.6 million download requests came from Iran, 3.4 million from India, and 4.4 million from China. The papers cover every scientific topic, from obscure physics experiments published decades ago to the latest breakthroughs in biotechnology. The publisher with the most requested Sci-Hub articles? It is Elsevier by a long shot—Sci-Hub provided half-a-million downloads of Elsevier papers in one recent week.

These statistics are based on extensive server log data supplied by Alexandra Elbakyan, the neuroscientist who created Sci-Hub in 2011 as a 22-year-old graduate student in Kazakhstan (see bio, p. 511). I asked her for the data because, in spite of the flurry of polarized opinion pieces, blog posts, and tweets about Sci-Hub and what effect it has on research and academic publishing, some of the most basic questions remain unanswered: Who are Sci-Hub’s users, where are they, and what are they reading?

For someone denounced as a criminal by powerful corporations and scholarly societies, Elbakyan was surprisingly forthcoming and transparent. After establishing contact through an encrypted chat system, she worked with me over the course of several weeks to create a data set for public release: every download event over the 6-month period starting 1 September 2015, including the digital object identifier (DOI) for every paper. To protect the privacy of Sci-Hub users, we agreed that she would first aggregate users’ geographic locations to the nearest city using data from Google Maps; no identifying internet protocol (IP) addresses were given to me. (The data set and details on how it was analyzed are freely accessible at http://dx.doi.org/10.5061/dryad.q447c.)

F1.mediumIt’s a Sci-Hub WorldCREDITS: (DATA) SCI-HUB; (MAP) ADAPTED BY G. GRULLÓN/SCIENCE 

Elbakyan also answered nearly every question I had about her operation of the website, interaction with users, and even her personal life. Among the few things she would not disclose is her current location, because she is at risk of financial ruin, extradition, and imprisonment because of a lawsuit launched by Elsevier last year.

The Sci-Hub data provide the first detailed view of what is becoming the world’s de facto open-access research library. Among the revelations that may surprise both fans and foes alike: Sci-Hub users are not limited to the developing world. Some critics of Sci-Hub have complained that many users can access the same papers through their libraries but turn to Sci-Hub instead—for convenience rather than necessity. The data provide some support for that claim. The United States is the fifth largest downloader after Russia, and a quarter of the Sci-Hub requests for papers came from the 34 members of the Organization for Economic Co-operation and Development, the wealthiest nations with, supposedly, the best journal access. In fact, some of the most intense use of Sci-Hub appears to be happening on the campuses of U.S. and European universities.

In October last year, a New York judge ruled in favor of Elsevier, decreeing that Sci-Hub infringes on the publisher’s legal rights as the copyright holder of its journal content, and ordered that the website desist. The injunction has had little effect, as the server data reveal. Although the sci-hub.org web domain was seized in November 2015, the servers that power Sci-Hub are based in Russia, beyond the influence of the U.S. legal system. Barely skipping a beat, the site popped back up on a different domain.

Online Survey

Tell us what you think about Sci-Hub at http://bit.ly/Sci-Hub.

It’s hard to discern how threatened by Sci-Hub Elsevier and other major publishers truly feel, in part because legal download totals aren’t typically made public. An Elsevier report in 2010, however, estimated more than 1 billion downloads for all publishers for the year, suggesting Sci-Hub may be siphoning off under 5% of normal traffic. Still, many are concerned that Sci-Hub will prove as disruptive to the academic publishing business as the pirate site Napster was for the music industry (see editorial, p. 497). “I don’t endorse illegal tactics,” says Peter Suber, director of the Office for Scholarly Communications at Harvard University and one of the leading experts on open-access publishing. However, “a lawsuit isn’t going to stop it, nor is there any obvious technical means. Everyone should be thinking about the fact that this is here to stay.”

Need or convenience?CREDITS: (DATA) SCI-HUB; (MAP) ADAPTED BY G. GRULLÓN/SCIENCE

IT IS EASY TO UNDERSTAND why journal publishers might see Sci-Hub as a threat. It is as simple to use as Google’s search engine, and as long as you know the DOI or title of a paper, it is more reliable for finding the full text. Chances are, you’ll find what you’re looking for. Along with book chapters, monographs, and conference proceedings, Sci-Hub has amassed copies of the majority of scholarly articles ever published. It continues to grow: When someone requests a paper not already on Sci-Hub, it pirates a copy and adds it to the repository.

Elbakyan declined to say exactly how she obtains the papers, but she did confirm that it involves online credentials: the user IDs and passwords of people or institutions with legitimate access to journal content. She says that many academics have donated them voluntarily. Publishers have alleged that Sci-Hub relies on phishing emails to trick researchers, for example by having them log in at fake journal websites. “I cannot confirm the exact source of the credentials,” Elbakyan told me, “but can confirm that I did not send any phishing emails myself.”

So by design, Sci-Hub’s content is driven by what scholars seek. The January paper in The Astronomical Journal describing a possible new planet on the outskirts of our solar system? The 2015 Nature paper describing oxygen on comet 67P/Churyumov-Gerasimenko? The paper in which a team genetically engineered HIV resistance into human embryos with the CRISPR method, published a month ago in the Journal of Assisted Reproduction and Genetics? Sci-Hub has them all.

It has news articles from scientific journals—including many of mine in Science—as well as copies of open-access papers, perhaps because of confusion on the part of users or because they are simply using Sci-Hub as their all-in-one portal for papers. More than 4000 different papers from PLOS’s various open-access journals, for example, can be downloaded from Sci-Hub.

The flow of Sci-Hub activity over time reflects the working lives of researchers, growing over the course of each day and then ebbing—but never stopping—as night falls. (There is an 18-day gap in the data starting 4 November 2015 when the domain sci-hub.org went down and the server logs were improperly configured.) By the end of February, the flow of Sci-Hub papers had risen to its highest level yet: more than 200,000 download requests per day.

How many Sci-Hub users are there? The download requests came from 3 million unique IP addresses, which provides a lower bound. But the true number is much higher because thousands of people on a university campus can share the same IP address. Sci-Hub downloaders live on every continent except Antarctica. Of the 24,000 city locations to which they cluster, the busiest is Tehran, with 1.27 million requests. Much of that is from Iranians using programs to automatically download huge swaths of Sci-Hub’s papers to make a local mirror of the site, Elbakyan says. Rahimi, the engineering student in Tehran, confirms this. “There are several Persian sites similar to Sci-Hub,” he says. “So you should consider Iranian illegal [paper] downloads to be five to six times higher” than what Sci-Hub alone reveals.

The geography of Sci-Hub usage generally looks like a map of scientific productivity, but with some of the richer and poorer science-focused nations flipped. The smaller countries have stories of their own. Someone in Nuuk, Greenland, is reading a paper about how best to provide cancer treatment to indigenous populations. Research goes on in Libya, even as a civil war rages there. Someone in Benghazi is investigating a method for transmitting data between computers across an air gap. Far to the south in the oil-rich desert, someone near the town of Sabhā is delving into fluid dynamics. (Go to bit.ly/Sci-Hub for an interactive map of the website’s data and see what people are reading in cities worldwide.) Mapping IP addresses to real-world locations can paint a false picture if people hide behind web proxies or anonymous routing services. But according to Elbakyan, fewer than 3% of Sci-Hub users are using those.

In the United States and Europe, Sci-Hub users concentrate where academic researchers are working. Over the 6-month period, 74,000 download requests came from IP addresses in New York City, home to multiple universities and scientific institutions. There were 19,000 download requests from Columbus, a city with less than a tenth of New York’s population, and 68,000 from East Lansing, Michigan, which has less than a hundredth. These are the homes of Ohio State University and Michigan State University (MSU), respectively.

The numbers for Ashburn, Virginia, the top U.S. city with nearly 100,000 Sci-Hub requests, are harder to interpret. The George Washington University (GWU) in Washington, D.C., has its science and technology campus there, but Ashburn is also home to Janelia Research Campus, the elite Howard Hughes Medical Institute outpost, as well as the servers of the Wikimedia Foundation, the headquarters of the online encyclopedia Wikipedia. Spokespeople for the latter two say their employees are unlikely to account for the traffic. The GWU press office responded defensively, sending me to an online statement that the university recently issued about the impact of journal subscription rate hikes on its library budget. “Scholarly resources are not luxury goods,” it says. “But they are priced as though they were.”

Several GWU students confessed to being Sci-Hub fans. When she moved from Argentina to the United States in 2014 to start her physics Ph.D., Natalia Clementi says her access to some key journals within the field actually worsened because GWU didn’t have subscriptions to them. Researchers in Argentina may have trouble obtaining some specialty journals, she notes, but “most of them have no problem accessing big journals because the government pays the subscription at all the public universities around the country.”

Even for journals to which the university has access, Sci-Hub is becoming the go-to resource, says Gil Forsyth, another GWU physics Ph.D. student. “If I do a search on Google Scholar and there’s no immediate PDF link, I have to click through to ‘Check Access through GWU’ and then it’s hit or miss,” he says. “If I put [the paper’s title or DOI] into Sci-Hub, it will just work.” He says that Elsevier publishes the journals that he has had the most trouble accessing.

The GWU library system “offers a document delivery system specifically for math, physics, chemistry, and engineering faculty,” I was told by Maralee Csellar, the university’s director of media relations. “Graduate students who want to access an article from the Elsevier system should work with their department chair, professor of the class, or their faculty thesis adviser for assistance.”

The intense Sci-Hub activity in East Lansing reveals yet another motivation for using the site. Most of the downloads seem to be the work of a few or even just one person running a “scraping” program over the December 2015 holidays, downloading papers at superhuman speeds. I asked Elbakyan whether those download requests came from MSU’s IP addresses, and she confirmed that they did. The papers are all from chemistry journals, most of them published by the American Chemical Society. So the apparent goal is to build a massive private repository of chemical literature. But why?

Bill Hart-Davidson, MSU’s associate dean for graduate education, suggests that the likely answer is “text-mining,” the use of computer programs to analyze large collections of documents to generate data. When I called Hart-Davidson, I suggested that the East Lansing Sci-Hub scraper might be someone from his own research team. But he laughed and said that he had no idea who it was. But he understands why the scraper goes to Sci-Hub even though MSU subscribes to the downloaded journals. For his own research on the linguistic structure of scientific discourse, Hart-Davidson obtained more than 100 years of biology papers the hard way—legally with the help of the publishers. “It took an entire year just to get permission,” says Thomas Padilla, the MSU librarian who did the negotiating. And once the hard drive full of papers arrived, it came with strict rules of use. At the end of each day of running computer programs on it from an offline computer, Padilla had to walk the resulting data across campus on a thumb drive for analysis with Hart-Davidson.

Yet Sci-Hub has drawbacks for text-mining research, Hart-Davidson says. The pirated papers are in unstructured PDF format, which is hard for programs to parse. But the bigger issue, he says, is that the data source is illegal. “How are you going to publish your work?” Then again, having a massive private repository of papers does allow a researcher to rapidly test hypotheses before bothering with libraries at all. And it’s all just a click away.

WHILE ELSEVIER WAGES a legal battle against Elbakyan and Sci-Hub, many in the publishing industry see the fight as futile. “The numbers are just staggering,” one senior executive at a major publisher told me upon learning the Sci-Hub statistics. “It suggests an almost complete failure to provide a path of access for these researchers.” He works for a company that publishes some of the most heavily downloaded content on Sci-Hub and requested anonymity so he could speak candidly.

For researchers at institutions that cannot afford access to journals, he says, the publishers “need to make subscription or purchase more reasonable for them.” Richard Gedye, the director of outreach programs for STM, the International Association of Scientific, Technical and Medical Publishers, disputes this. Institutions in the developing world that take advantage of the publishing industry’s outreach programs “have the kind of breadth of access to peer-reviewed scientific research that is pretty much the equivalent of typical institutions in North America or Europe.”

And for all the researchers at Western universities who use Sci-Hub instead, the anonymous publisher lays the blame on librarians for not making their online systems easier to use and educating their researchers. “I don’t think the issue is access—it’s the perception that access is difficult,” he says.

“I don’t agree,” says Ivy Anderson, the director of collections for the California Digital Library in Oakland, which provides journal access to the 240,000 researchers of the University of California system. The authentication systems that university researchers must use to read subscription journals from off campus, and even sometimes on campus with personal computers, “are there to enforce publisher restrictions,” she says.

Will Sci-Hub push the industry toward an open-access model, where reader authentication is unnecessary? That’s not clear, Harvard’s Suber says. Although Sci-Hub helps a great many researchers, he notes, it may also carry a “strategic cost” for the open-access movement, because publishers may take advantage of “confusion” over the legality of open-access scholarship in general and clamp down. “Lawful open access forces publishers to adapt,” he says, whereas “unlawful open access invites them to sue instead.”

EVEN IF ARRESTED, Elbakyan says Sci-Hub will not go dark. She has failsafes to keep it up and running, and user donations now cover the cost of Sci-Hub’s servers. She also notes that the entire collection of 50 million papers has been copied by others many times already. “[The papers] do not need to be downloaded again from universities.”

Indeed, the data suggest that the explosive growth of Sci-Hub is done. Elbakyan says that the proportion of download requests for papers not contained in the database is holding steady at 4.3%. If she runs out of credentials for pirating fresh content, that gap will grow again, however—and publishers and universities are constantly devising new authentication schemes that she and her supporters will need to outsmart. She even asked me to donate my own Science login and password—she was only half joking.

For Elbakyan herself, the future is even more uncertain. Elsevier is not only charging her with copyright infringement but with illegal hacking under the U.S. Computer Fraud and Abuse Act. “There is the possibility to be suddenly arrested for hacking,” Elbakyan admits. Others who ran afoul of this law have been extradited to the United States while traveling. And she is fully aware that another computer prodigy–turned-advocate, Aaron Swartz, was arrested on similar charges in 2011 after mass-downloading academic papers. Facing devastating financial penalties and jail time, Swartz hanged himself.

Like the rest of the scientific community, Elbakyan is watching the future of scholarly communication unfold fast. “I will see how all this turns out.”

Correction (28 April 2016): “Andrew Schwartz” has been corrected to “Andrew Swartz.”

El Foucault más íntimo, lejos de la gloria académica (El Clarín)

 

02/04/16

Entrevista con Daniel Defert.  El testimonio en primera persona del activista francés, compañero del filósofo por décadas, devuelve el retrato más emocionante del autor de “Vigilar y castigar”.

POR TANIA MARTINI Y ENRICO IPPOLITO

Escenas de pareja. Michel Foucault y Daniel Defert convivieron por más de 25 años. Aquí comparten una pipa de hachís.

Escenas de pareja. Michel Foucault y Daniel Defert convivieron por más de 25 años. Aquí comparten una pipa de hachís.

Compañero, testigo cercano y experto en su obra, Daniel Defert descubre en esta conversación al Foucault que las biografías no lograron terminar de pulir. Conoció al filósofo cuando era estudiante en la Universidad de Clermont-Ferrand, Francia. Y en 1963 comenzó la relación que terminó con la muerte de Foucault en 1984. Esta entrevista, publicada en Die Tageszeitung (Berlín), retrata la vida cotidiana del gran filósofo francés del siglo XX a través de la lente de quien fuera –además– el guardián del archivo Foucault hasta que fuera adquirido por de Biblioteca Nacional de Francia.

-Señor Defert, ¿por qué habla usted alemán? ¿Por Marx o por Goethe?

-Lo aprendí en la escuela. Pero en realidad viajo ya desde hace tiempo una vez por año a Alemania.

-En Alemania usted asistió a cursos sobre Bertolt Brecht.

-Eso fue en setiembre de 1960, cuando viajé por Alemania. En Heidelberg iba todos los días a clases sobre Bertolt Brecht. En Frankfurt conocí a un muchacho joven que era muy amigo de la esposa de Adorno. Él escribió un trabajo sobre André Gide. Tuve una historia con él. Me propuso visitar una clase de Adorno.

-¿Conoció usted a Adorno?

-No lo conocí. Rechacé la propuesta porque estaba cansado. Después volví a Francia y me presentaron a Foucault. Con el tiempo me arrepiento, ¡pues podría haber conocido a Adorno y Foucault en la misma semana!

-Parece que Foucault dijo una vez que si hubiera leído a Adorno más tempranamente, se hubiera ahorrado de escribir algunas cosas.

-Creo que lo dijo por cortesía.

-En la sociología de Frankfurt, Foucault fue rechazado por largo tiempo.

-El trato con la historicidad era todo lo contrario. Cuando la Escuela de Frankfurt (o incluso Hannah Arendt) hablaban de historia, siempre era algo de segunda mano. En cambio para Foucault era importante ir a los archivos y consultar las fuentes primarias.

-Al mismo tiempo, hasta el día de hoy la Escuela de Frankfurt no tiene demasiada recepción en Francia.

-Llegó a Francia a través de Jean Baudrillard, pero eso ya era una segunda ola. Antes ya había estado Henri Lefebvre.

-Foucault incorporó muchos filósofos alemanes.

-Yo incluso diría que era germanófilo. Leía y hablaba alemán. Cuando tuvo su examen en la École Normale Supérieure, pronunció mal una palabra alemana y el profesor se le rió. Foucault quedó avergonzado. Cuando su padre le preguntó qué le gustaría de regalo para tener éxito, él contestó: «clases de alemán».

–Después de la muerte de Foucault en 1984, usted fundó AIDES, la organización de lucha contra el SIDA más grande de Francia, y ha dedicado su vida a la lucha contra el SIDA.

–Sí, queríamos establecer un archivo de la historia de la organización. A mí no me gusta escribir, por eso hicimos el libro en forma de una entrevista. Hubo una primera versión del libro que no me gustó.

–¿Por qué no?

–Porque los entrevistadores reorganizaron la historia como algo demasiado personal. Desde el momento en que uno intenta trazar una cronología y llevar todo a una narrativa lineal, cambia el significado de los acontecimientos.

–¿Qué fue lo que le pareció demasiado personal?

–Tenía que ver con mi vida y mi relación con Foucault. Desde luego que la fundación de AIDES tiene que ver con la muerte de Foucault. Pero yo no quería hablar de cosas privadas, entonces descartamos el borrador y reestructuramos el libro.

–Usted también rechazó hablar con biógrafos de Michel Foucault, por ejemplo Didier Eribon, quien seguramente haya escrito la biografía más conocida de Foucault.

–Sí. Eribon conocía a Foucault muy bien. Después de la muerte de Foucault, no lo vi por dos años. Un día me llamó y me habló de la biografía. Yo no lo quise ver.

–¿Se ha arrepentido de eso?

–Pensé que su biografía iba a quedar bien. Además, fue de todos modos mejor que la haya hecho sin mí, puesto que él debía buscar respuestas e investigar hechos concretos. Para mi gusto, le quedó un Foucault demasiado académico. Por eso quedé decepcionado: no mostraba a l hombre como realmente era.

–¿En qué sentido?

–Suprimió todos los aspectos fantásticos y apasionantes de su vida. Me decepcionó y por eso acepté responderle algunas preguntas al biógrafo James Miller. Pero luego quedé horrorizado.

–¿Por qué?

–El libro de Miller no es serio. Es absurdo. La biografía de David Macey, The lives of Michel Foucault (1993) es buena. Él investigó mucho, leyó los textos de Foucault, mientras Eribon ni los miró… Sólo le interesaba su vida académica. La mayoría de la gente que trabaja sobre Foucault usa el libro de Macey.

–Usted dijo que se arrepiente de haber hablado con James Miller

–Miller quería a toda costa hacer una historia sadomasoquista de Foucault. Macey se interesó por el intelectual.

–Pero no sólo Eribon consideraba a Foucault un académico extraordinario. En un sistema universitario tan estricto y jerárquico como el francés, Foucault alcanzó la cima y llegó a ser profesor del Collège de France.

–Cuando conocí a Foucault en 1960, él acababa de regresar de Alemania. Era un «Herr Professor», uno de aquellos a quienes se les sostenía el abrigo —como se hacía en Alemania con los profesores antes de 1968. Él tenía treinta años y yo, veintiuno. Yo estaba impresionado por su look «Herr Professor».

–¿Y eso cambió en el 68?

–Foucault ya había cambiado antes. En 1966 se fue de Francia hacia Túnez y allí era muy cercano con sus estudiantes. En marzo del 66 estuvo involucrado en el primer movimiento estudiantil.

–¿Y en el 68?

–En mayo del 68 estaba en Túnez. Fue allí, no en Francia, donde cambió su relación hacia los estudiantes. Estaba involucrado en las luchas antijerárquicas. Incluso en el Collège de France, que tendía a mantener el estatuto del «Herr Professor», intentó conservar otro tipo de relación con los estudiantes. Allí tenía más de seiscientos oyentes en sus cursos: era un espectáculo. A él le gustaba más la forma de enseñar en EE.UU., los seminarios pequeños donde los estudiantes podían hablar con gran libertad. Todo eso se aleja del académico extraordinario al que usted aludió.

–¿Y esto es omitido por Eribon?

–Eribon está bien informado, pero es bastante pudoroso respecto de la vida privada. Eribon proyectó el deseo de una vida académica en Foucault. Por su parte, Miller reveló acontecimientos ocurridos en EE.UU., cosa que para mí fue muy interesante. Tenía algo original, como de inescrutable, que le faltaba a Eribon. Pero el resto ya es un disparate; creo que Miller proyectó sus propias fantasías sexuales.

–Resulta interesante que ambas miradas proyecten un tipo de fantasía sobre la vida de Foucault.

–Sí. Mire, la madre de Foucault era una mujer muy elegante y burguesa. Una vez me dijo: «No podés hablar de él porque sos su pareja». Pienso que tenía razón, por eso le hice caso y tampoco quise hablar sobre él en mi biografía, por más que los lectores lo hayan esperado.

–Los lectores esperan eso porque él es una superestrella, pero seguramente Foucault mismo habría rechazado ese interés por su vida. Por cierto, en 2015 visitamos su lugar de nacimiento y su tumba en Vendeuvre… 

–Su madre hizo poner en su tumba «Profesor del Collège de France», ¿lo ha visto? A mí me impactó. Yo hablé con ella del tema y me dijo: «Bueno, las palabras son sólo palabras, la gente las olvida, pero no los títulos». De modo que es la tumba de un académico.

–Usted quiso contar la historia política más que la privada y, sin embargo, ahora estamos hablando aquí de él …

–Es que mucho de lo que yo he pensado y escrito fue inspirado por Foucault. No en el sentido de lo que él decía, sino más bien en relación a un cierto hábito del pensamiento. Uno de los miembros de AIDES dijo una vez: «Defert nos impone siempre estas teorías foucaultianas». Pero yo jamás tuve intención de hacer tal cosa.

–¿Fue su muerte la razón de su trabajo con AIDES?

–En cierto modo yo fundé AIDES en nombre de Foucault. Su madre me dio su apoyo y me dijo que yo debía hacerlo por él.

–Usted dijo que no le agradaría hablar de su vida. ¿Por qué es tan difícil hablar de uno mismo? ¿Es lo mismo que escribir? Usted dice en su libro que resulta ocioso escribir si uno no encuentra una nueva forma para expresar lo que se tiene para decir.

–Eso tiene que ver con mi profundo convencimiento de no ser un autor. Foucault, en cambio, escribía todos los días. Durante 25 años lo vi cuatro, cinco horas diarias escribiendo. Cuando no escribía por dos días, ya estaba cerca de la neurosis. Le encantaba escribir. Yo no lo disfruto en absoluto. Y cuando uno no escribe, tampoco puede cambiar su propia escritura, encontrar nuevas formas de expresarse.

–¿Entonces se ha concentrado en su trabajo político?

–Siempre me gustó hacer cosas concretas y cuando estaban hechas, estaban hechas. Quizás eso sea una señal de histeria. El trabajo en el G.I.P. (Grupo de Información sobre las Prisiones) fue excelente. Foucault también estaba feliz con ello.

–¿Cuán estrecho era su trabajo en conjunto con él?

–Cuando conocí a Foucault, él no tenía la intención de quedarse en Francia. Había estado en Suecia, Polonia, Alemania y quería irse a Japón. Yo quería finalizar la Agrégation en filosofía para ganar algo de dinero. Como yo no quise irme a Japón, Foucault se quedó también en Francia. Jamás le dije que había reconsiderado mi decisión y que me quería ir con él, porque él ya lo había descartado. Así que nos quedamos en París, él escribió Las palabras y las cosas (1966) y yo me preparé para mi Agrégation. Ese fue su primer éxito. Nosotros éramos una pareja joven y muy enamorada, lo cual pienso que se reflejó en el proceso de escritura y también en el libro y su éxito. Luego yo me fui a Túnez y Foucault vino conmigo después. Surgió el 68 y yo adherí más tarde al movimiento, con los maoístas, cuando éstos ya estaban prohibidos. Me comprometí con los procesos de los presos políticos.

Vigilar y castigar (1975), el primer éxito internacional de Foucault, era una obra naturalmente vinculada a nuestra vida juntos y al G.I.P. Las intervenciones políticas eran importantes para Foucault, para su pensamiento y sus teorías.

– Una vez más, vuelve usted a la estrecha relación entre la obra de Foucault y los movimientos políticos, sus intervenciones políticas.

–Foucault elevó a la categoría de objetos políticos temas que antes no estaban politizados. Cuando escribió sobre la locura a finales de los 50 y principios de los 60, eso todavía no era una cuestión política. Y las prisiones tampoco lo eran en el 68, en absoluto. Eso sucedió recién después del 71 ó el 72, cuando en Francia surgieron grandes revueltas en las prisiones, en total unas 35, algunas de las cuales fueron completamente destruidas. Para la mayoría de los de mi generación, cuando yo hablo de política es como si fuera un chiste porque para muchos yo no estaba en la política por no estar afiliado al Partido Comunista. Pero mi vida política era con el movimiento de las prisiones y el de lucha contra el sida. En ambos casos fue necesaria una politización del objeto. De modo que una vida política significa también una transformación de la política. Justamente en relación a este segundo aspecto es que Foucault estaba políticamente involucrado. Estuvo por un lapso muy breve en el Partido Comunista y lo abandonó de inmediato. Estaba más entretenido que involucrado con la política. Pero su accionar era político.

–Hablemos de las formas de lo político. Usted escribe en su libro que después del 68, el análisis social era más un movimiento de masas que parte de la sociología.

–Esa fue mi experiencia. En Inglaterra hice una encuesta para un instituto sociológico y me di cuenta que el análisis estaba en la calle, que los movimientos sociales en sí mismos eran el análisis.

–En Alemania hay un modo de leer a Foucault como apolítico o incluso como pensador neoconservador.

–Porque él rechazó un análisis centrado en el Estado y observó la diversidad de las prácticas de poder, estudiándolas como parte de la relación de fuerzas del poder. Para él se trataba más de las prácticas y las relaciones por debajo del poder estatal o, dicho de otra manera, de la relación entre médico y paciente, maestro y alumno, así como entre gobernante y gobernado. Para los marxistas, el poder sólo existía en su forma represiva. Foucault no estaba tan obsesionado con el Estado, más bien preguntaba por las formas del devenir-gobernado. Le interesaban las técnicas de control, no las instituciones en sí.

–¿Era por esto escéptico respecto a los militantes radicales de izquierda, quienes apuntaban al Estado con sus acciones?

–Foucault estaba contra el terrorismo en los países democráticos. Ésa fue también la razón por la cual se negó a apoyar las Brigadas Rojas en Italia. A raíz de una entrevista que dio en Italia para L‘Unità , se generaron algunas tensiones con Felix Guattari y Gilles Deleuze. Yo estaba más cerca de Adriano Sofri y Lotta Continua. Cuando Guattari publicó el escrito de Trotsky sobre el fascismo en Alemania, Deleuze y Foucault rompieron relaciones. Foucault pensaba que no se podía decir que el Estado alemán era un país fascista en aquel momento. Él se interesó por la RAF (Rote Armee Fraktion, el grupo Fracción Ejército rojo), pero le resultaba algo sospechosa. Estaba seguro de que Alemania Federal había sido apoyada por los soviéticos.

–En Berlín usted fue vigilado por la policía. ¿Foucault peleaba a menudo con la policía?

–Lo detuvieron varias veces y luchaba permanentemente con la policía. Lo tenían como un radical de izquierda.

–¿Por las acciones con el G.I.P., donde Sartre también estuvo involucrado?

–Sartre y Foucault eran muy cercanos en aquella época. Pero no se trataba de una relación intelectual porque discutían muy poco. Cuando Foucault conoció a Sartre, éste ya estaba muy viejo y casi ciego. Tenían un trato muy amigable. Foucault llevaba a Sartre a todos lados: a las fábricas de Renault, a las huelgas y demás. Era una amistad práctica, no hablaban de sus diferencias.

–¿Cómo era la amistad con Roland Barthes?

–Se conocieron en los 50. Quizás yo sea algo culpable de que no tuvieran una relación tan estrecha. A Barthes le gustaba ir a los bares a partir de las 18, pero en 1963 yo estudiaba filosofía y Foucault escribía Las palabras y las cosas , por lo tanto dejamos de salir. Barthes se quedó muy triste por ello, ya que Foucault le prestaba brillo intelectual a su vida nocturna. Sin Foucault, era sólo un programa con gigolós. Foucault y Barthes tenían una relación singular. Barthes siempre le copiaba un poquito a Foucault.

–¿Conoció Foucault a la otra gran figura de la izquierda radical francesa, Guy Debord?

–No.

Vigilar y castigar (1975) es incluso contrario a La sociedad del espectáculo (1967). Foucault leyó en parte a Debord, pero no demasiado. En Vigilar y castigar está este abogado del siglo XIX; allí describe las prisiones como algo exactamente opuesto al circo de Roma. Foucault tomó esto como punto de partida para mostrar que la sociedad moderna consiste, precisamente, no en el espectáculo sino en el control y la vigilancia. Así que va directamente en contra de Debord. Pero en los situacionistas también estaba Isidore Isou, quien asistió a los cursos de Foucault y le envió sus obras.

–Perdón, usted lo llama Foucault y nunca Michel…

–Antes siempre decía Michel cuando hablaba de él pero luego se convirtió en una figura pública y cada vez que decía Michel, la gente a mí alrededor también decía Michel. Eso siempre me molestó porque él era mi Michel. Toda la experiencia con AIDES fue una posibilidad de estar con él. Pensé por él, con él. Fue la posibilidad de estar cerca suyo.

© Tania Martini. Traducción: Mateo Dieste

Hurricanes key to carbon uptake by forests (Science Daily)

Increases in carbon uptake by southeast US forests in response to tropical cyclone activity alone exceed carbon emissions by American vehicles each year.

Date:
May 2, 2016
Source:
Duke University
Summary:
New research reveals that the increase in forest photosynthesis and growth made possible by tropical cyclones in the southeastern United States captures hundreds of times more carbon than is released by all vehicles in the US in a given year.

This map shows the total increase of photosynthesis and carbon uptake by forests caused by all hurricanes in 2004. The dotted gray lines represent the paths of the individual storms. Credit: Lauren Lowman, Duke University

While hurricanes are a constant source of worry for residents of the southeastern United States, new research suggests that they have a major upside — counteracting global warming.

Previous research from Duke environmental engineer Ana Barros demonstrated that the regular landfall of tropical cyclones is vital to the region’s water supply and can help mitigate droughts.

Now, a new study from Barros reveals that the increase in forest photosynthesis and growth made possible by tropical cyclones in the southeastern United States captures hundreds of times more carbon than is released by all vehicles in the U.S. in a given year.

The study was published online on April 20, 2016, in the Journal of Geophysical Research — Biogeosciences.

“Our results show that, while hurricanes can cause flooding and destroy city infrastructure, there are two sides to the story,” said Barros, the James L. Meriam Professor of Civil and Environmental Engineering at Duke University. “The other side is that hurricanes recharge the aquifers and have an enormous impact on photosynthesis and taking up carbon from the atmosphere.”

In the study, Lauren Lowman, a doctoral student in Barros’s laboratory, used a hydrological computer model to simulate the ecological impacts of tropical cyclones from 2004-2007. The earlier years of that time period had a high number of tropical cyclone landfall events, while the latter years experienced relatively few.

By comparing those disparate years to simulations of a year without tropical cyclone events, Lowman was able to calculate the effect tropical cyclones have on the rates of photosynthesis and carbon uptake in forests of the southeastern United States.

“It’s easy to make general statements about how much of an impact something like additional rainfall can have on the environment,” said Lowman. “But we really wanted to quantify the amount of carbon uptake that you can relate to tropical cyclones.”

According to Barros and Lowman, it is difficult to predict what effects climate change will have on the region’s future. Even if the number of tropical cyclones that form in the Atlantic increases, that doesn’t guarantee that the number making landfall will also rise. And long-term forecasts for the region’s temperature and rainfall currently show less change than normal year-to-year variability.

But no matter what the future brings, one thing is clear — the regularity and number of tropical cyclones making landfall will continue to be vital.

“There are a lot of regional effects competing with large worldwide changes that make it very hard to predict what climate change will bring to the southeastern United States,” said Barros. “If droughts do become worse and we don’t have these regular tropical cyclones, the impact will be very negative. And regardless of climate change, our results are yet one more very good reason to protect these vast forests.”

This research was funded in part by the National Science Foundation Coupled Human and Natural Systems Program (CNH-1313799) and an earlier grant from the National Oceanic and Atmospheric Administration (NA08OAR4310701).


Journal Reference:

  1. Lauren E. L. Lowman, Ana P. Barros. Interplay of Drought and Tropical Cyclone Activity in SE US Gross Primary ProductivityJournal of Geophysical Research: Biogeosciences, 2016; DOI: 10.1002/2015JG003279

Theoretical tiger chases statistical sheep to probe immune system behavior (Science Daily)

Physicists update predator-prey model for more clues on how bacteria evade attack from killer cells

Date:
April 29, 2016
Source:
IOP Publishing
Summary:
Studying the way that solitary hunters such as tigers, bears or sea turtles chase down their prey turns out to be very useful in understanding the interaction between individual white blood cells and colonies of bacteria. Researchers have created a numerical model that explores this behavior in more detail.

Studying the way that solitary hunters such as tigers, bears or sea turtles chase down their prey turns out to be very useful in understanding the interaction between individual white blood cells and colonies of bacteria. Reporting their results in the Journal of Physics A: Mathematical and Theoretical, researchers in Europe have created a numerical model that explores this behaviour in more detail.

Using mathematical expressions, the group can examine the dynamics of a single predator hunting a herd of prey. The routine splits the hunter’s motion into a diffusive part and a ballistic part, which represent the search for prey and then the direct chase that follows.

“We would expect this to be a fairly good approximation for many animals,” explained Ralf Metzler, who led the work and is based at the University of Potsdam in Germany.

Obstructions included

To further improve its analysis, the group, which includes scientists from the National Institute of Chemistry in Slovenia, and Sorbonne University in France, has incorporated volume effects into the latest version of its model. The addition means that prey can now inadvertently get in each other’s way and endanger their survival by blocking potential escape routes.

Thanks to this update, the team can study not just animal behaviour, but also gain greater insight into the way that killer cells such as macrophages (large white blood cells patrolling the body) attack colonies of bacteria.

One of the key parameters determining the life expectancy of the prey is the so-called ‘sighting range’ — the distance at which the prey is able to spot the predator. Examining this in more detail, the researchers found that the hunter profits more from the poor eyesight of the prey than from the strength of its own vision.

Long tradition with a new dimension

The analysis of predator-prey systems has a long tradition in statistical physics and today offers many opportunities for cooperative research, particularly in fields such as biology, biochemistry and movement ecology.

“With the ever more detailed experimental study of systems ranging from molecular processes in living biological cells to the motion patterns of animal herds and humans, the need for cross-fertilisation between the life sciences and the quantitative mathematical approaches of the physical sciences has reached a new dimension,” Metzler comments.

To help support this cross-fertilisation, he heads up a new section of the Journal of Physics A: Mathematical and Theoretical that is dedicated to biological modelling and examines the use of numerical techniques to study problems in the interdisciplinary field connecting biology, biochemistry and physics.


Journal Reference:

  1. Maria Schwarzl, Aljaz Godec, Gleb Oshanin, Ralf Metzler. A single predator charging a herd of prey: effects of self volume and predator–prey decision-makingJournal of Physics A: Mathematical and Theoretical, 2016; 49 (22): 225601 DOI: 10.1088/1751-8113/49/22/225601