Arquivo mensal: outubro 2012

Nate Silver’s ‘Signal and the Noise’ Examines Predictions (N.Y.Times)

Mining Truth From Data Babel

By LEONARD MLODINOW

Published: October 23, 2012

A friend who was a pioneer in the computer games business used to marvel at how her company handled its projections of costs and revenue. “We performed exhaustive calculations, analyses and revisions,” she would tell me. “And we somehow always ended with numbers that justified our hiring the people and producing the games we had wanted to all along.” Those forecasts rarely proved accurate, but as long as the games were reasonably profitable, she said, you’d keep your job and get to create more unfounded projections for the next endeavor.

Alessandra Montalto/The New York Times

THE SIGNAL AND THE NOISE

Why So Many Predictions Fail — but Some Don’t

By Nate Silver

Illustrated. 534 pages. The Penguin Press. $27.95.

This doesn’t seem like any way to run a business — or a country. Yet, as Nate Silver, a blogger for The New York Times, points out in his book, “The Signal and the Noise,” studies show that from the stock pickers on Wall Street to the political pundits on our news channels, predictions offered with great certainty and voluminous justification prove, when evaluated later, to have had no predictive power at all. They are the equivalent of monkeys tossing darts.

As one who has both taught and written about such phenomena, I have long felt like leaning out my window to shout, “Network”-style, “I’m as mad as hell and I’m not going to take this anymore!” Judging by Mr. Silver’s lively prose — from energetic to outraged — I think he feels the same way.

Nate Silver. Robert Gauldin

The book’s title comes from electrical engineering, where a signal is something that conveys information, while noise is an unwanted, unmeaningful or random addition to the signal. Problems arise when the noise is as strong as, or stronger than, the signal. How do you recognize which is which?

Today the data we have available to make predictions has grown almost unimaginably large: it represents 2.5 quintillion bytes of data each day, Mr. Silver tells us, enough zeros and ones to fill a billion books of 10 million pages each. Our ability to tease the signal from the noise has not grown nearly as fast. As a result, we have plenty of data but lack the ability to extract truth from it and to build models that accurately predict the future that data portends.

Mr. Silver, just 34, is an expert at finding signal in noise. He is modest about his accomplishments, but he achieved a high profile when he created a brilliant and innovative computer program for forecasting the performance of baseball players, and later a system for predicting the outcome of political races. His political work had such success in the 2008 presidential election that it brought him extensive media coverage as well as a home at The Times for his blog, FiveThiryEight.com, though some conservatives have been critical of his methods during this election cycle.

His knack wasn’t lost on book publishers, who, as he puts it, approached him “to capitalize on the success of books such as ‘Moneyball’ and ‘Freakonomics.’ ” Publishers are notorious for pronouncing that Book A will sell just a thousand copies, while Book B will sell a million, and then proving to have gotten everything right except for which was A and which was B. In this case, to judge by early sales, they forecast Mr. Silver’s potential correctly, and to judge by the friendly tone of the book, it couldn’t have happened to a nicer guy.

Healthily peppered throughout the book are answers to its subtitle, “Why So Many Predictions Fail — but Some Don’t”: we are fooled into thinking that random patterns are meaningful; we build models that are far more sensitive to our initial assumptions than we realize; we make approximations that are cruder than we realize; we focus on what is easiest to measure rather than on what is important; we are overconfident; we build models that rely too heavily on statistics, without enough theoretical understanding; and we unconsciously let biases based on expectation or self-interest affect our analysis.

Regarding why models do succeed, Mr. Silver provides just bits of advice (other than to avoid the failings listed above). Mostly he stresses an approach to statistics named after the British mathematician Thomas Bayes, who created a theory of how to adjust a subjective degree of belief rationally when new evidence presents itself.

Suppose that after reading a review, you initially believe that there is a 75 percent chance that you will like a certain book. Then, in a bookstore, you read the book’s first 10 pages. What, then, are the chances that you will like the book, given the additional information that you liked (or did not like) what you read? Bayes’s theory tells you how to update your initial guess in light of that new data. This may sound like an exercise that only a character in “The Big Bang Theory” would engage in, but neuroscientists have found that, on an unconscious level, our brains do naturally use Bayesian prediction.

Mr. Silver illustrates his dos and don’ts through a series of interesting essays that examine how predictions are made in fields including chess, baseball, weather forecasting, earthquake analysis and politics. A chapter on poker reveals a strange world in which a small number of inept but big-spending “fish” feed a much larger community of highly skilled sharks competing to make their living off the fish; a chapter on global warming is one of the most objective and honest analyses I’ve seen. (Mr. Silver concludes that the greenhouse effect almost certainly exists and will be exacerbated by man-made CO2 emissions.)

So with all this going for the book, as my mother would say, what’s not to like?

The main problem emerges immediately, in the introduction, where I found my innately Bayesian brain wondering: Where is this going? The same question came to mind in later essays: I wondered how what I was reading related to the larger thesis. At times Mr. Silver reports in depth on a topic of lesser importance, or he skates over an important topic only to return to it in a later chapter, where it is again discussed only briefly.

As a result, I found myself losing the signal for the noise. Fortunately, you will not be tested on whether you have properly grasped the signal, and even the noise makes for a good read.

Leonard Mlodinow is the author of “Subliminal: How Your Unconscious Mind Rules Your Behavior” and “The Drunkard’s Walk: How Randomness Rules Our Lives.”

Anúncios

Itália condena sete cientistas por não prever terremoto (Folha de São Paulo)

JC e-mail 4609, de 23 de Outubro de 2012.

Em 2009, o abalo sísmico em L’Aquila matou mais de 300 pessoas e deixou cerca de 65 mil desabrigadas. Justiça alega que os especialistas foram negligentes.

Um tribunal da Itália condenou ontem (22) sete cientistas a cumprir seis anos de prisão por não terem previsto o terremoto que atingiu o país em 2009, na cidade de L’Aquila, região de Abruzzo. Mais de 300 pessoas morreram.

Todos os cientistas, que vão recorrer em liberdade, eram membros da Comissão Nacional para Previsão e Prevenção de Riscos. Foram acusados de negligência, por não terem analisado corretamente as possibilidades do terremoto acontecer e, assim, alertar as autoridades.

Entre os sete condenados estão grandes nomes da ciência italiana, como o professor Enzo Boschi, que presidiu o Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia, e o vice-diretor da Defesa Civil, Bernardo de Bernardinis.

Cientistas de diversas partes do mundo protestaram contra a decisão do tribunal em condená-los por homicídio culposo (quando não há intenção de matar). Em protesto, uma carta com mais de 5.000 assinaturas de cientistas foi entregue ao presidente italiano, Giorgio Napolitano, alegando que a ciência não possui meios para prever terremotos, e que o processo pode impedir que futuramente especialistas aconselhem governos a respeito de riscos sísmicos.

Imprevisível – Segundo a técnica de sismologia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG-USP) Célia Fernandes, é muito difícil identificar o momento exato em que irá acontecer um abalo sísmico. “Todos os profissionais de sismologia trabalham com o objetivo de prever terremotos, mas não existe regra na natureza. Mesmo a recorrência de sismos não é garantia de que um terremoto de grande magnitude está prestes a acontecer”, afirma.

Os cientistas se reuniram na cidade de L’Aquila em 31 de março de 2009, seis dias antes do terremoto, e não comunicaram sobre a chance de um abalo sísmico. Para o tribunal, eles falharam por terem subestimado os riscos, limitando a ação das autoridades públicas, que não tiveram tempo suficiente para tomar medidas necessárias para proteger a população.

Segundo os promotores, uma série de tremores de baixo nível atingiu a região nos meses que antecederam o terremoto e isso deveria ter sido interpretado pelos especialistas como um sinal do que estava para acontecer.

O terremoto de magnitude 6,3 graus atingiu L’Aquila em abril de 2009. Além das mortes, também feriu outras 1.500 pessoas. Estima-se que 65 mil tenham ficado desabrigadas. A condenação dos cientistas ainda não é definitiva. Eles devem entrar com um recurso.

*   *   *

Artigos:

David Alexander. An evaluation of medium-term recovery processes after the 6 April 2009 earthquake in L’Aquila, Central Italy. Environmental Hazards, iFirst.

Abstract

This article uses the earthquake of 6 April 2009 at L’Aquila, central Italy (magnitude 6.3) as a case history of processes of recovery from disaster. These are evaluated according to criteria linked to both vulnerability analysis and disaster risk-reduction processes. The short- and medium-term responses to the disaster are evaluated, and 11 criticisms are made of the Italian Government’s policy on transitional shelter, which has led to isolation, social fragmentation and deprivation of services. Government policy on disaster risk is further evaluated in the light of the UNISDR Hyogo Framework for Action. Lack of governance and democratic participation is evident in the response to disasters. It is concluded that without an adequately planned strategy for managing the long-term recovery process, events such as the L’Aquila earthquake open up Pandora’s box of unwelcome consequences, including economic stagnation, stalled reconstruction, alienation of the local population, fiscal deprivation and corruption. Such phenomena tend to perpetuate rather than reduce vulnerability to disasters.

“[…] science and scientists were not on trial. The hypothesis of culpability being tested in the courts referred to the failure to adopt a precautionary approach in the face of clear indications of impending seismic impact, not failure to predict an earthquake, and this is amply documented in official records”.

David E. Alexander. The L’Aquila Earthquake of 6 April 2009 and Italian Government Policy on Disaster Response. Journal of Natural Resources Policy Research, Vol. 2, Iss. 4, 2010

Abstract

This paper describes the impact of the earthquake that struck the central Italian city of L’Aquila on 6 April 2009, killing 308 people and leaving 67 500 homeless. The pre-impact, emergency, and early recovery phases are discussed in terms of the nature and effectiveness of government policy. Disaster risk reduction (DRR) in Italy is evaluated in relation to the structure of civil protection and changes wrought by both the L’Aquila disaster and public scandals connected with the misappropriation of funds. Six of the most important lessons are derived from this analysis and related to DRR needs both in Italy and elsewhere in the world.

“As articulated at the meeting of the Commission on Major Risks on 31 March 2009, the Italian Government’s position was unequivocal: there was no cause for alarm. This attitude permeated its way down the ranks of the civil protection system. Then, at 00:30 hrs on Monday 6 April 2010, a tremor that was larger than usual shook L’Aquila. Residents rushed out of their houses in alarm. The strategy adopted by civil protection authorities was to tour the streets with loudspeakers advising people to calm down and return home. In the town of Pagánica, less than 10 km northeast of L’Aquila, residents did exactly that: in the ensuing main shock three hours later, eight of them died and 40 were seriously injured. In L’Aquila city I investigated one case in which a young lady had decided to remain out of doors after the foreshock, while her parents returned home. Their bodies were recovered by firemen from a space barely 15 cm wide into which the building had compressed as it collapsed”.

EUA reavaliam fator racial como critério a vaga em universidades (Folha de São Paulo)

JC e-mail 4608, de 22 de Outubro de 2012
Folha de São Paulo – 20/10/2012

Suprema Corte deve se pronunciar sobre caso de aluna que se considerou preterida no Texas. Enquanto isso, no Brasil, reitor da UFF afirma que lei de cotas é um retrocesso.

As sardas de Abigail Fisher, 22, podem fazer história. Desde o último dia 10, a Suprema Corte dos EUA examina sua queixa contra a Universidade do Texas por tê-la preterido supostamente por causa de sua cor de pele, e o veredicto pode acabar com as ações afirmativas nas universidades públicas americanas após cinco décadas em vigor.

A decisão sairá só em 2013, mas o caso acirra o debate entre defensores e detratores de critérios como raça, classe social e renda para a admissão em universidades públicas. A última vez em que o Supremo julgou o tema foi em 2003, quando, em uma queixa envolvendo a Universidade do Michigan, invalidou o uso de cotas, mas considerou constitucional o uso de raça entre os critérios de seleção.

Nos últimos 15 anos, cinco Estados americanos proibiram a ação afirmativa na admissão de universitários. No próximo dia 6, quando os EUA podem reeleger seu primeiro presidente negro (e escolhem entre dois ex-alunos da prestigiosa Escola de Direito de Harvard), Oklahoma decide se entrará para a lista.

Dois Estados trocaram a ação afirmativa por um programa de cunho socioeconômico: um percentual dos melhores estudantes de cada escola de ensino médio é automaticamente admitido. Na Flórida, 20%; no Texas, onde Fisher queria estudar, 10%. A Universidade do Texas, que Fisher almejava em 2008, adota esse critério para 81% de seus alunos.

Os demais 19% passam por um sistema de admissão que leva em conta, além do desempenho nas provas, aptidões como música, esportes e capacidade de liderança, trabalho voluntário, renda, situação familiar e raça.

A estudante, que estava entre os 15% melhores de sua escola e acabaria depois se formando pela Universidade Estadual da Louisiana, foi reprovada e sentiu-se alvo de preconceito por ser branca (a universidade alega que ela não tinha as qualificações). Em 2009, abriu o processo que, após veredictos negativos em duas instâncias, chega à Suprema Corte. Juristas preveem decisão apertada.

Especialistas – Para a professora de direito de Harvard Lani Guinier, uma das maiores especialistas em ação afirmativa e acesso ao ensino superior dos EUA, o debate corrente foca uma questão secundária. “Estamos preocupados com algo periférico no processo de admissão universitário. Deveríamos pensar é na missão dessas instituições e em como cumpri-la, não no mérito relativo dos inscritos.”

O que Guinier defende é que, se uma universidade tem como objetivo formar líderes -como diz a Universidade do Texas, pivô do caso na Suprema Corte dos EUA que pode reverter a ação afirmativa-, ela deveria procurar não só notas altas, mas vivências complementares, que ampliem a capacidade de resolver problemas em equipe.

Na visão da jurista, os exames de admissão nos EUA (que incluem testes de inglês e matemática, além de critérios mais subjetivos) servem diretamente uma elite bem educada, perpetuando o abismo educacional.

Mas a discussão, diz ela, não deveria se limitar a raça. “Se é hora de avançarmos [como alguns defendem], é hora também de repensarmos como admitimos todo mundo nas faculdades”, rebate. “A experiência dos negros aqui é como a dos canários que os mineiros levavam para o subsolo: se o ar se tornasse tóxico, eles morriam antes, mas quem continuasse ali morreria do mesmo jeito.”

Guinier sugere fixar um patamar necessário de conhecimento para entrar na universidade e depois disso o sorteio das vagas entre os aptos. “A questão é qual o papel das universidades no século 21 nas democracias. Elas querem escolher quem já é brilhante ou ser como o corpo de fuzileiros navais, que pega quem passa nos critérios básicos porque aceita a responsabilidade de formar?”

David Neumark, um professor de economia da Universidade da Califórnia que estuda o aspecto econômico da ação afirmativa, diz que em meio à cacofonia há pouca evidência ainda de que a política tenha consequências econômicas positivas ou, como alguns dizem, negativas.

Mas ressalta que, além de ver um imperativo de justiça, muitas escolas alegam que a diversidade agrega valor. Neumark acha mais factível a adoção de critérios socioeconômicos, que acabariam beneficiando largamente negros e hispânicos.

Mas rejeita a tese de alguns críticos de que a ação afirmativa prejudica, no longo prazo, aqueles que deveria beneficiar. “Tampouco há provas”, afirma. Na Califórnia, após o veto à ação afirmativa, em 1997, o número de calouros negros caiu. Na Universidade de Berkeley, por exemplo, foi de 7% em 1996 para 4% em 2010.

No Brasil – O reitor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Roberto Salles, afirmou ontem que a lei de cotas sancionada pela presidente Dilma Rousseff representará um retrocesso para a universidade. Ele disse temer que a medida traga problemas à instituição e cobrou o aumento de recursos para as universidades.

Segundo Salles, a UFF irá reservar 12,5% das vagas na próxima seleção “por imposição legal”. Em setembro, o reitor tinha dito que não iria acatar as cotas. Ontem, ele afirmou que mudou de ideia porque o procurador da universidade considerou que não há como recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal), que julgou as cotas constitucionais.

O percentual de 12,5% é o mínimo exigido pela lei em 2013 -com o passar dos anos, será elevado para 50%. Para o reitor, porém, o novo sistema é pior do que o que vinha sendo adotado pela UFF, que desde 2007 tinha políticas afirmativas próprias.

Para 2013, a universidade tinha decidido reservar 25% das vagas para candidatos oriundos do ensino médio de escolas públicas da rede estadual e municipal e com renda familiar per capita inferior a 1,5 salário mínimo.

Ele disse que os critérios da universidade são mais adequados do que os impostos pela nova lei, que beneficiará egressos de todas as escolas públicas, inclusive técnicas e federais, de melhor desempenho. “Esses alunos já competem em igualdade com os das escolas privadas. Os prejudicados serão os alunos das redes municipais e estaduais.” A lei prevê que metade das vagas reservadas seja para pretos, pardos e indígenas.

Salles disse que, para não prejudicar os alunos de baixa renda das redes municipais e estaduais, a universidade reservará mais 10% das vagas de cada curso para esse público. Com isso, as cotas somarão 22,5% das cercas de dez mil vagas em 2013. “Os congressistas criam essa lei, mas não preveem mais recursos para as universidades”, criticou ele, que tachou ainda de “ridícula” a discussão para duplicar o percentual destinado à educação em dez anos, para 10% do PIB. “A gente precisa dos recursos já.”

Os últimos 300 Muriquis: o macaco é um dos animais com maior risco de extinção no mundo (O Globo)

JC e-mail 4609, de 23 de Outubro de 2012.

Pesquisadores vão mapear os locais no Rio onde o maior primata das Américas e candidato a mascote das Olimpíadas de 2016 resiste.

Restam apenas 300 muriquis no estado do Rio de Janeiro. Eles são ameaçados pela diminuição das áreas de floresta, pela caça e por doenças transmitidas por outros bichos. Correndo risco de extinção, o maior primata das Américas e candidato a mascote dos Jogos Olímpicos de 2016 ainda padece com a falta generalizada de informações. Pesquisadores vão a campo a partir de janeiro e, num prazo de dois anos, pretendem concluir o primeiro censo populacional e o georreferenciamento do mono-carvoeiro, como também é conhecido esse macaco exclusivamente brasileiro.

Uma força-tarefa com 20 pesquisadores vai percorrer 350 mil hectares de florestas no estado. Além do censo e do georreferenciamento, eles pretendem coletar material genético, observar hábitos, costumes, analisar a dieta, identificar os vegetais que servem de alimento. Tudo isso para entender como se dá a interação dos muriquis com o meio ambiente. O trabalho, que custará em torno de R$ 5,5 milhões, vai servir de base científica para a criação de um plano estadual de proteção do macaco. Este documento deverá orientar desde a localização de novas áreas de preservação até a escolha das espécies de plantas usadas em programas de reflorestamento, sempre levando em consideração as preferências do animal.

A iniciativa faz parte de um conjunto de outras medidas, que incluem a campanha para a escolha da mascote dos Jogos Olímpicos, programas de educação ambiental e propagandas, que pretendem fazer do muriqui um animal conhecido e protegido. A meta é criar as condições que permitam aumento da população e, principalmente, a retirada da espécie da lista de extinção.

“O muriqui servirá de modelo para outros estudos científicos, com certeza. O boto-cinza, por exemplo, também receberá investimentos do estado para pesquisas científicas”, antecipa o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc.

O projeto, chamado oficialmente de “Conservação do Muriqui no Rio de Janeiro: levantamento da situação da espécie para a elaboração de um plano de ação estadual”, mobilizará especialistas da ONG Ecoatlântica, do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), do Jardim Botânico, dos centros de primatologias do Brasil e do Rio de Janeiro, da Fiocruz, UFF e UFRJ, entre outras instituições.

Não vai ser fácil mapear os hábitos do muriqui. Ao menor barulho, ele foge, com uma agilidade tão grande que é praticamente impossível persegui-lo. A desenvoltura do animal na mata, que faz lembrar a agilidade de um atleta olímpico, é um dos argumentos para fazer do muriqui a mascote dos Jogos Olímpicos do Rio. Para observar de perto esse bicho arredio, os pesquisadores terão que escalar montanhas e se embrenharem em locais de difícil acesso.

A estratégia será dividir os especialistas em dez grupos. Nas primeiras incursões, eles se espalharão pelo estado em busca de relatos e de vestígios dos muriquis. Nos locais nos quais haja alguma probabilidade de encontrar o macaco, todos eles se reunirão para fazer a varredura para a contagem e coleta de material. Quando for possível, será realizada a captura, com o auxílio de armas que lançam tranquilizantes. Nestes casos, será feita a coleta de sangue e marcação do animal.

“O muriqui é um banco genético. A gente não tem ideia hoje de como está realmente a área verde. Por exemplo, quando fizermos o estudo das fezes e analisarmos as sementes encontradas, tenho quase certeza de que identificaremos espécies novas da flora da Mata Atlântica”, explica Paula Breves, veterinária e presidente da ONG Ecoatlântica. “O Jardim Botânico ficará responsável pela análise da flora. A UFF fará o georreferenciamento das informações, mapa de ameaças, do estudo botânico. Serão muitos mapas. O pessoal da Fiocruz vai desenvolver ações de educação ambiental. Por exemplo, como trabalhar com agricultores a prevenção das queimadas.”

Os especialistas pretendem comprovar, ainda, que o Rio é o único estado da federação no qual é possível encontrar não apenas o muriqui-do-sul (Brachyteles arachnoides), que também ocorre nas matas de São Paulo e extremo Norte do Paraná, como também o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus).

“Nenhum outro estado tem a ocorrência das duas outras espécies do animal. Vamos tentar identificar o muriqui-do-norte em Itatiaia”, antecipa Daniela Pires e Albuquerque, técnica do Inea.

Há diferenças físicas entre os muriquis-do-norte, mais despigmentado, e do sul, aparentemente mais escuro. O estudo vai permitir uma comparação entre ambas as espécies, já que hoje é grande a desinformação em relação ao muriqui-do-sul. Tanto que uma das hipóteses a ser verificada é a de que não se tratam de duas espécies distintas, mas de uma subespécie.

“Temos grandes dúvidas se realmente são duas espécies distintas. Ou se um deles é uma subespécie. Vamos tentar entender isso, porque até então não há um estudo genético do muriqui-do-sul”, salienta Paula. “A pesquisa não vai gerar informações apenas sobre o muriqui. Qualquer animal que aparecer será identificado. Vamos usar câmeras para tirar fotos de qualquer bicho que se mover em uma determinada área. Até pássaros, o que for observado, anotaremos. Será um resultado secundário, que vai gerar informação importante para os parques.”

Os pesquisadores terão atenção especial em áreas nas quais haja indícios da presença do muriqui, sobretudo os parques estaduais do Desengano (que se espalha por Santa Maria Madalena, São Fidélis e Campos), dos Três Picos (Cachoeiras de Macacu, Friburgo, Teresópolis, Guapimirim e Silva Jardim), Cunhambebe (Mangaratiba, Rio Claro, Angra e Itaguaí); parques nacionais da Serra dos Órgãos (Teresópolis, Guapimirim, Magé e Petrópolis), de Itatiaia; Área de Proteção Ambiental do Cairuçu; e Reserva Ecológica da Juatinga (ambas em Paraty).

“Este estudo de campo é fundamental para a preservação do muriqui”, resume Paula. “Ainda temos relatos de caça, em Cunhambebe, há um mês. O legal é que já estamos recebendo telefones de proprietários de áreas com mata perguntando o que eles podem fazer para ajudar o muriqui, o que eles podem plantar. Isso é fantástico.”

Outro importante local para especialistas é o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro (CPRJ), em Guapimirim. Mantido pelo Inea, há 22 espécies de primatas e 230 animais. Porém, faltam pesquisadores. Apenas o chefe da unidade, Alcides Pissinatti, desenvolve trabalhos científicos, dividindo seu tempo com a administração local. O CPRJ recebe estudiosos visitantes, mas sem vínculo com o local. Está prevista a contratação de um veterinário no próximo concurso público, diz o Inea.

“Com os muriquis em cativeiro, é possível conhecer a biologia e o comportamento da espécie. Temos seis animais, sendo que o último nasceu no dia 5 de fevereiro de 2012”, relata Pissinatti. “O ideal seria contar com cerca de 30 animais, que não podem ser da mesma família.”

Falta de espaço – Diferentemente do muriqui do Estado do Rio, que sofre com a falta de informações científicas, há cerca de 30 anos o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), sobretudo os que vivem na reserva Feliciano Miguel Abdala, em Caratinga, Leste de Minas Gerais, vêm sendo estudado pelo grupo de pesquisadores liderados pela primatóloga americana Karen Strier, pesquisadora e professora da Universidade de Wisconsin-Madison. Neste período, a população do macaco pulou de 60 para cerca de 200. Se, por um lado, o crescimento revela o sucesso das medidas de preservação; por outro, mostra os problemas de manter o muriqui confinado em pequenas unidades de conservação. Já falta espaço.

Esta situação está provocando mudanças de comportamento do muriqui. Os macacos ficam mais no chão, para terem outros locais além da copa das árvores. E procuram matas vizinhas, nem sempre seguras. Por este motivo, os ambientalistas querem criar um corredor ligando as unidades de conservação, com o objetivo de dar mais espaço para o maior primata das Américas se expandir.

“A mata tem seus limites. Crescendo a população, para onde vão os muriquis? É a mesma situação de uma família, quando ela cresce, precisa ir para uma casa maior ou encontrar outro espaço”, explica Karen.

Pesquisadores também constataram o aumento do número de machos. Para a especialista, esta pode ser uma forma de controle do número de macacos. Se a população crescesse muito, haveria disputa entre os animais. Neste momento, a tendência é que o índice de crescimento da população diminua.

“Ninguém entende como esse mecanismo funciona, mas, quando há excesso de população, nascem mais machos. A população cresce mais quando há mais fêmeas”, revela Karen. “Os muriquis são as espécies mais pacíficas do mundo. Eles têm um comportamento sem agressividade, não brigam. Os dentes caninos são muito pequenos. Entre eles, em vários aspectos, não tem hierarquia. Vivem numa sociedade igualitária.”

Em vez de brigar, os muriquis têm o hábito de abraçar uns aos outros. De acordo com a pesquisadora, esta é uma forma de cumprimentar o companheiro. E, se algo os assusta, eles se abraçam para se sentirem mais confiantes. Os machos não têm dominância sobre as fêmeas. Quando copulam, os machos da maioria das outras espécies ficam muito agressivos, há forte competição. No caso do muriqui, não há disputa entre machos, que compartilham as fêmeas. Pesquisadores relatam casos em que os machos esperam em fila a sua vez de ficar com a fêmea.

“Já vi cinco machos copulando no prazo de 11 minutos, sem briga alguma. Por isso os muriquis já foram comparados com os hippies: paz e amor”, conta Karen. “Eles nos mostram que é possível viver numa sociedade, até mesmo em densidade demográfica alta, sem brigas, sem disputas. E com muita tolerância, paciência e pacifismo. Hoje em dia me inspiro no comportamento do muriqui. Quando eu percebo após 30 anos de trabalho, que a espécie está crescendo e que o problema agora é procura novas áreas protegidas para esta população, fico mais esperançosa. Existe solução, é fácil. Os próprios macacos estão nos mostrando de que eles precisam: mais florestas preservadas e protegidas.”

“Decretem nossa extinção e nos enterrem aqui” (Época)

ELIANE BRUM – 22/10/2012 10h22 – Atualizado em 23/10/2012 17h06

A declaração de morte coletiva feita por um grupo de Guaranis Caiovás demonstra a incompetência do Estado brasileiro para cumprir a Constituição de 1988 e mostra que somos todos cúmplices de genocídio – uma parte de nós por ação, outra por omissão

– Pedimos ao Governo e à Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas decretar nossa morte coletiva e enterrar nós todos aqui. Pedimos, de uma vez por todas, para decretar nossa extinção/dizimação total, além de enviar vários tratores para cavar um grande buraco para jogar e enterrar nossos corpos. Este é o nosso pedido aos juízes federais.

O trecho pertence à carta de um grupo de 170 indígenas que vivem à beira de um rio no município de Iguatemi, no Mato Grosso do Sul, cercados por pistoleiros. As palavras foram ditadas em 8 de outubro ao conselho Aty Guasu (assembleia dos Guaranis Caiovás), após receberem a notícia de que a Justiça Federal decretou sua expulsão da terra. São 50 homens, 50 mulheres e 70 crianças. Decidiram ficar. E morrer como ato de resistência – morrer com tudo o que são, na terra que lhes pertence.

Há cartas, como a de Pero Vaz de Caminha, de 1º de maio de 1500, que são documentos de fundação do Brasil: fundam uma nação, ainda sequer imaginada, a partir do olhar estrangeiro do colonizador sobre a terra e sobre os habitantes que nela vivem. E há cartas, como a dos Guaranis Caiovás, escritas mais de 500 anos depois, que são documentos de falência. Não só no sentido da incapacidade do Estado-nação constituído nos últimos séculos de cumprir a lei estabelecida na Constituição hoje em vigor, mas também dos princípios mais elementares que forjaram nosso ideal de humanidade na formação do que se convencionou chamar de “o povo brasileiro”. A partir da carta dos Guaranis Caiovás, tornamo-nos cúmplices de genocídio. Sempre fomos, mas tornar-se é saber que se é.

Os Guaranis Caiovás avisam-nos por carta que, depois de tantas décadas de luta para viver, descobriram que agora só lhes resta morrer. Avisam a todos nós que morrerão como viveram: coletivamente, conjugados no plural.

Nos trechos mais pungentes de sua carta de morte, os indígenas afirmam:

– Queremos deixar evidente ao Governo e à Justiça Federal que, por fim, já perdemos a esperança de sobreviver dignamente e sem violência em nosso território antigo. Não acreditamos mais na Justiça Brasileira. A quem vamos denunciar as violências praticadas contra nossas vidas? Para qual Justiça do Brasil? Se a própria Justiça Federal está gerando e alimentando violências contra nós. Nós já avaliamos a nossa situação atual e concluímos que vamos morrer todos, mesmo, em pouco tempo. Não temos e nem teremos perspectiva de vida digna e justa tanto aqui na margem do rio quanto longe daqui. Estamos aqui acampados a 50 metros do rio Hovy, onde já ocorreram 4 mortes, sendo que 2 morreram por meio de suicídio, 2 em decorrência de espancamento e tortura de pistoleiros das fazendas. Moramos na margem deste rio Hovy há mais de um ano. Estamos sem assistência nenhuma, isolados, cercados de pistoleiros e resistimos até hoje. Comemos comida uma vez por dia. Tudo isso passamos dia a dia para recuperar o nosso território antigo Pyleito Kue/Mbarakay. De fato, sabemos muito bem que no centro desse nosso território antigo estão enterrados vários de nossos avôs e avós, bisavôs e bisavós, ali está o cemitérios de todos os nossos antepassados. Cientes desse fato histórico, nós já vamos e queremos ser mortos e enterrados junto aos nossos antepassados aqui mesmo onde estamos hoje. (…) Não temos outra opção, esta é a nossa última decisão unânime diante do despacho da Justiça Federal de Navirai-MS.

Como podemos alcançar o desespero de uma decisão de morte coletiva? Não podemos. Não sabemos o que é isso. Mas podemos conhecer quem morreu, morre e vai morrer por nossa ação – ou inação. E, assim, pelo menos aproximar nossos mundos, que até hoje têm na violência sua principal intersecção.

Desde o ínicio do século XX, com mais afinco a partir do Estado Novo (1937-45) de Getúlio Vargas, iniciou-se a ocupação pelos brancos da terra dos Guaranis Caiovás. Os indígenas, que sempre viveram lá, começaram a ser confinados em reservas pelo governo federal, para liberar suas terras para os colonos que chegavam, no que se chamou de “A Grande Marcha para o Oeste”. A visão era a mesma que até hoje persiste no senso comum: “terra desocupada” ou “não há ninguém lá, só índio”.

Era de gente que se tratava, mas o que se fez na época foi confiná-los como gado, num espaço de terra pequeno demais para que pudessem viver ao seu modo – ou, na palavra que é deles, Teko Porã (“o Bem Viver”). Com a chegada dos colonos, os indígenas passaram a ter três destinos: ou as reservas ou trabalhar nas fazendas como mão de obra semiescrava ou se aprofundar na mata. Quem se rebelou foi massacrado. Para os Guaranis Caiovás, a terra a qual pertencem é a terra onde estão sepultados seus antepassados. Para eles, a terra não é uma mercadoria – a terra é.

Na ditadura militar, nos anos 60 e 70, a colonização do Mato Grosso do Sul se intensificou. Um grande número de sulistas, gaúchos mais do que todos, migrou para o território para ocupar a terra dos índios. Outros despacharam peões e pistoleiros, administrando a matança de longe, bem acomodados em suas cidades de origem, onde viviam – e vivem até hoje – como “cidadãos de bem”, fingindo que não têm sangue nas mãos.

Com a redemocratização do país, a Constituição de 1988 representou uma mudança de olhar e uma esperança de justiça. Os territórios indígenas deveriam ser demarcados pelo Estado no prazo de cinco anos. Como sabemos, não foi. O processo de identificação, declaração, demarcação e homologação das terras indígenas tem sido lento, sensível a pressões dos grandes proprietários de terras e da parcela retrógrada do agronegócio. E, mesmo naquelas terras que já estão homologadas, em muitas o governo federal não completou a desintrusão – a retirada daqueles que ocupam a terra, como posseiros e fazendeiros –, aprofundando os conflitos.

Nestas últimas décadas testemunhamos o genocídio dos Guaranis Caiovás. Em geral, a situação dos indígenas brasileiros é vergonhosa. A dos 43 mil Guaranis Caiovás, o segundo grupo mais numeroso do país, é considerada a pior de todas. Confinados em reservas como a de Dourados, onde cerca de 14 mil, divididos em 43 grupos familiares, ocupam 3,5 mil hectares, eles encontram-se numa situação de colapso. Sem poder viver segundo a sua cultura, totalmente encurralados, imersos numa natureza degradada, corroídos pelo alcoolismo dos adultos e pela subnutrição das crianças, os índices de homicídio da reserva são maiores do que em zonas em estado de guerra.

A situação em Dourados é tão aterradora que provocou a seguinte afirmação da vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat: “A reserva de Dourados é talvez a maior tragédia conhecida da questão indígena em todo o mundo”. Segundo um relatório do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), que analisou os dados de 2003 a 2010, o índice de assassinatos na Reserva de Dourados é de 145 para cada 100 mil habitantes – no Iraque, o índice é de 93 assassinatos para cada 100 mil. Comparado à média brasileira, o índice de homicídios da Reserva de Dourados é 495% maior.

A cada seis dias, um jovem Guarani Caiová se suicida. Desde 1980, cerca de 1500 tiraram a própria vida. A maioria deles enforcou-se num pé de árvore. Entre as várias causas elencadas pelos pesquisadores está o fato de que, neste período da vida, os jovens precisam formar sua família e as perspectivas de futuro são ou trabalhar na cana de açúcar ou virar mendigos. O futuro, portanto, é um não ser aquilo que se é. Algo que, talvez para muitos deles, seja pior do que a morte.

Um relatório do Ministério da Saúde mostrou, neste ano, o que chamou de “dados alarmantes, se destacando tanto no cenário nacional quanto internacional”. Desde 2000, foram 555 suicídios, 98% deles por enforcamento, 70% cometidos por homens, a maioria deles na faixa dos 15 aos 29 anos. No Brasil, o índice de suicídios em 2007 foi de 4,7 por 100 mil habitantes. Entre os indígenas, no mesmo ano, foi de 65,68 por 100 mil. Em 2008, o índice de suicídios entre os Guaranis Caiovás chegou a 87,97 por 100 mil, segundo dados oficiais. Os pesquisadores acreditam que os números devem ser ainda maiores, já que parte dos suicídios é escondida pelos grupos familiares por questões culturais.

As lideranças Guaranis Caiovás não permaneceram impassíveis diante deste presente sem futuro. Começaram a se organizar para denunciar o genocídio do seu povo e reivindicar o cumprimento da Constituição. Até hoje, mais de 20 delas morreram assassinadas por ferirem os interesses privados de fazendeiros da região, a começar por Marçal de Souza, em 1983, cujo assassinato ganhou repercussão internacional. Ao mesmo tempo, grupos de Guaranis Caiovás abandonaram o confinamento das reservas e passaram a buscar suas tekohá, terras originais, na luta pela retomada do território e do direito à vida. Alguns grupos ocuparam fundos de fazendas, outros montaram 30 acampamentos à beira da estrada, numa situação de absoluta indignidade. Tanto nas reservas quanto fora delas, a desnutrição infantil é avassaladora.

A trajetória dos Guaranis Caiovás que anunciaram sua morte coletiva ilustra bem o destino ao qual o Estado brasileiro os condenou. Homens, mulheres e crianças empreenderam um caminho em busca da terra tradicional, localizada às margens do Rio Hovy, no município de Iguatemi (MS). Acamparam em sua terra no dia 8 de agosto de 2011, nos fundos de fazendas. Em 23 de agosto foram atacados e cercados por pistoleiros, a mando dos fazendeiros. Em um ano, os pistoleiros já derrubaram dez vezes a ponte móvel feitas por eles para atravessar um rio com 30 metros de largura e três de fundura. Em um ano, dois indígenas foram torturados e mortos pelos pistoleiros, outros dois se suicidaram.

Em tentativas anteriores de recuperação desta mesma terra, os Guaranis Caiovás já tinham sido espancados e ameaçados com armas de fogo. Alguns deles tiveram seus olhos vendados e foram jogados na beira da estrada. Em outra ocasião, mulheres, velhos e crianças tiveram seus braços e pernas fraturados. O que a Justiça Federal fez? Deferiu uma ordem de despejo. Em nota, a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) afirmou que “está trabalhando para reverter a decisão”.

Os Guaranis Caiovás estão sendo assassinados há muito tempo, de todas as formas disponíveis, as concretas e as simbólicas. “A impunidade é a maior agressão cometida contra eles”, afirma Flávio Machado, coordenador do CIMI no Mato Grosso do Sul. Nas últimas décadas, há pelo menos duas formas interligadas de violência no processo de recuperação da terra tradicional dos indígenas: uma privada, das milícias de pistoleiros organizadas pelos fazendeiros; outra do Estado, perpetrada pela Justiça Federal, na qual parte dos juízes, sem qualquer conhecimento da realidade vivida na região, toma decisões que não só compactuam com a violência , como a acirram.

“Quando os pistoleiros não conseguem consumar os despejos e massacres truculentos dos indígenas, os fazendeiros contratam advogados para conseguir a ordem de despejo na Justiça”, afirma Egon Heck, indigenista e cientista político, num artigo publicado em relatório do CIMI. “No momento em que ocorre a ordem de despejo, os agentes policiais agem de modo similar ao dos pistoleiros, visto que utilizam armas pesadas, queimam as ocas, ameaçam e assustam as crianças, mulheres e idosos.”

Ao fundo, o quadro maior: os sucessivos governos que se alternaram no poder após a Constituição de 1988 foram incompetentes para cumpri-la. Ao final de seus dois mandatos, Lula reconheceu que deixava o governo com essa dívida junto ao povo Guarani Caiová. Legava a tarefa à sua sucessora, Dilma Rousseff. Os indígenas escreveram, então, uma carta: “Presidente Dilma, a questão das nossas terras já era para ter sido resolvida há décadas. Mas todos os governos lavaram as mãos e foram deixando a situação se agravar. Por ultimo, o ex-presidente Lula prometeu, se comprometeu, mas não resolveu. Reconheceu que ficou com essa dívida para com nosso povo Guarani Caiová e passou a solução para suas mãos. E nós não podemos mais esperar. Não nos deixe sofrer e ficar chorando nossos mortos quase todos os dias. Não deixe que nossos filhos continuem enchendo as cadeias ou se suicidem por falta de esperança de futuro (…) Devolvam nossas condições de vida que são nossos tekohá, nossas terras tradicionais. Não estamos pedindo nada demais, apenas os nossos direitos que estão nas leis do Brasil e internacionais”.

A declaração de morte dos Guaranis Caiovás ecoou nas redes sociais na semana passada. Gerou uma comoção. Não é a primeira vez que indígenas anunciam seu desespero e seu genocídio. Em geral, quase ninguém escuta, para além dos mesmos de sempre, e o que era morte anunciada vira morte consumada. Talvez a diferença desta carta é o fato de ela ecoar algo que é repetido nas mais variadas esferas da sociedade brasileira, em ambientes os mais diversos, considerado até um comentário espirituoso em certos espaços intelectualizados: a ideia de que a sociedade brasileira estaria melhor sem os índios.

Desqualificar os índios, sua cultura e a situação de indignidade na qual vive boa parte das etnias é uma piada clássica em alguns meios, tão recorrente que se tornou quase um clichê. Para parte da elite escolarizada, apesar do esforço empreendido pelos antropólogos, entre eles Lévi-Strauss, as culturas indígenas ainda são vistas como “atrasadas”, numa cadeia evolutiva única e inescapável entre a pedra lascada e o Ipad – e não como uma escolha diversa e um caminho possível. Assim, essa parcela da elite descarta, em nome da ignorância, a imensa riqueza contida na linguagem, no conhecimento e nas visões de mundo das 230 etnias indígenas que ainda sobrevivem por aqui.

Toda a História do Brasil, a partir da “descoberta” e da colonização, é marcada pelo olhar de que o índio é um entrave no caminho do “progresso” ou do “desenvolvimento”. Entrave desde os primórdios – primeiro, porque teve a deselegância de estar aqui antes dos portugueses; em seguida, porque se rebelava ao ser escravizado pelos invasores europeus. A sociedade brasileira se constituiu com essa ideia e ainda que a própria sociedade tenha mudado em muitos aspectos, a concepção do índio como um entrave persiste. E persiste de forma impressionante, não só para uma parte significativa da população, mas para setores do Estado, tanto no governo atual quanto nas gestões passadas.

“Entraves” precisam ser removidos. E têm sido, de várias maneiras, como a História, a passada e a presente, nos mostra. Talvez essa seja uma das explicações possíveis para o impacto da carta de morte ter alcançado um universo maior de pessoas. Desta vez, são os índios que nos dizem algo que pode ser compreendido da seguinte forma: “É isso o que vocês querem? Nos matar a todos? Então nós decidimos: vamos morrer”. Ao devolver o desejo a quem o deseja, o impacto é grande.

É importante lembrar que carta é palavra. A declaração de morte coletiva surge como palavra dita. Por isso precisamos compreender, pelo menos um pouco, o que é a palavra para os Guaranis Caiovás. Em um texto muito bonito, intitulado Ñe’ẽ – a palavra alma, a antropóloga Graciela Chamorro, da Universidade Federal da Grande Dourados, nos dá algumas pistas:

“A palavra é a unidade mais densa que explica como se trama a vida para os povos chamados guarani e como eles imaginam o transcendente. As experiências da vida são experiências de palavra. Deus é palavra. (…) O nascimento, como o momento em que a palavra se senta ou provê para si um lugar no corpo da criança. A palavra circula pelo esqueleto humano. Ela é justamente o que nos mantém em pé, que nos humaniza. (…) Na cerimônia de nominação, o xamã revelará o nome da criança, marcando com isso a recepção oficial da nova palavra na comunidade. (…) As crises da vida – doenças, tristezas, inimizades etc. – são explicadas como um afastamento da pessoa de sua palavra divinizadora. Por isso, os rezadores e as rezadoras se esforçam para ‘trazer de volta’, ‘voltar a sentar’ a palavra na pessoa, devolvendo-lhe a saúde.(…) Quando a palavra não tem mais lugar ou assento, a pessoa morre e torna-se um devir, um não-ser, uma palavra-que-não-é-mais. (…) Ñe’ẽ e ayvu podem ser traduzidos tanto como ‘palavra’ como por ‘alma’, com o mesmo significado de ‘minha palavra sou eu’ ou ‘minha alma sou eu’. (…) Assim, alma e palavra podem adjetivar-se mutuamente, podendo-se falar em palavra-alma ou alma-palavra, sendo a alma não uma parte, mas a vida como um todo.”

A fala, diz o antropólogo Spensy Pimentel, pesquisador do Centro de Estudos Ameríndios da Universidade de São Paulo, é a parte mais sublime do ser humano para os Guaranis Caiovás. “A palavra é o cerne da resistência. Tem uma ação no mundo – é uma palavra que age. Faz as coisas acontecerem, faz o futuro. O limite entre o discurso e a profecia é tênue.”

Se a carta de Pero Vaz de Caminha marca o nascimento do Brasil pela palavra escrita, é interessante pensar o que marca a carta dos Guaranis Caiovás mais de 500 anos depois. Na carta-fundadora, é o invasor/colonizador/conquistador/estrangeiro quem estranha e olha para os índios, para sua cultura e para sua terra. Na dos Guaranis Caiovás, são os índios que olham para nós. O que nos dizem aqueles que nos veem? (Ou o que veem aqueles que nos dizem?)

A declaração de morte dos Guaranis Caiovás é “palavra que age”. Antes que o espasmo de nossa comoção de sofá migre para outra tragédia, talvez valha a pena uma última pergunta: para nós, o que é a palavra?

Eliane Brum escreve às segundas-feiras.

Suspensão opõe agronegócio e índios (O Estado de São Paulo)

JC e-mail 4609, de 23 de Outubro de 2012.

AGU diz que a salvaguarda será adiada até que o STF julgue embargos movidos contra a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol.

A decisão da Advocacia-Geral da União (AGU) de suspender a vigência da Portaria 303, que regulamenta as salvaguardas das terras indígenas do País com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal, criou insegurança jurídica e reacendeu o conflito institucional entre setores do agronegócio, organizações indigenistas e órgãos do próprio governo, que não se entendem sobre o tema.

Em nota enviada ontem, a AGU disse que a medida foi adiada até que o STF julgue os embargos movidos contra a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, que estabeleceu os marcos do setor. A AGU informou que não dá a luta por perdida e espera retomar a vigência da portaria, de preferência sem alteração, ao longo de 2013, quando o STF terá decidido seis recursos contestando as condicionantes da Raposa Serra do Sol.

O objetivo da medida, segundo o ministro Luis Inácio Adams, é uniformizar os procedimentos jurídicos na atuação dos advogados da União em causas semelhantes. Hoje, há diferentes interpretações nos vários órgãos públicos que lidam com assuntos indígenas. O mais radical é a Funai.

A Portaria 303 prevê que o usufruto dos índios sobre suas terras não se sobrepõe ao interesse da política de defesa nacional, nem abrange o aproveitamento de recursos energéticos, como a Usina de Belo Monte, por exemplo, ou o garimpo, pesquisa ou lavra de recursos minerais, considerados patrimônio da União. Também proíbe ações como a cobrança de pedágio imposta por diversas aldeias em estradas e até rodovias federais que cortam territórios indígenas.

Mas por pressão de movimentos sociais, do Ministério Público e de órgãos do próprio governo, como a Funai – que não se entendem a respeito do tema -, o Palácio do Planalto forçou a AGU a recuar. Mas o ministro Adams informou, pela assessoria, que mantém integralmente seu entendimento sobre o assunto e o adiamento durará por pouco tempo, possivelmente até o primeiro semestre de 2013, quando se espera que os embargos estejam julgados.

Não será uma luta fácil, pois a divergência continua forte dentro do governo. A Funai reafirmou que mantém sua posição absolutamente contrária ao espírito da portaria, que considera uma afronta ao direito dos povos indígenas e apoiará as ações de organizações sociais para revogar a medida, que estende para todos os processos demarcatórios, até mesmo os já finalizados, a obrigação de que sejam observadas as mesmas condicionantes impostas no caso da Raposa Serra do Sol.

Essas condicionantes, adotadas em 2009, proíbem a ampliação das áreas indígenas e colocam em xeque a consulta prévia aos povos originários sobre empreendimentos que os afetem. O artigo mais polêmico da portaria transpõe para todo o País de forma clara o entendimento quando diz que “é vedada a ampliação de terra indígena já demarcada”.

Novo Maracanã ameaça índios que vivem ao lado da obra (UOL)

17/06/2012

VídeoNovo Maracanã ameaça índios que vivem ao lado da obra

O Maracanã completou 62 anos no último sábado em meio a um processo de transformação. Em obras para a Copa de 2014, o estádio está ganhando uma nova arquibancada, cobertura e seu entorno será revitalizado. Essa modernização, porém, é um problema para um grupo de moradores que há seis anos habita um terreno colado ao estádio.

Os prejudicados são cerca de 20 índios da Aldeia Maracanã, que terão de deixar suas casas por causa da reforma do estádio. Eles vivem na área onde, anos atrás, funcionou o Museu do Índio, que também deve ser demolido por causa das obras

Atualizado em 18/06/2012 às 16h21

*   *   *

Reforma do Maracanã para Copa deve demolir prédio de museu e remover aldeia indígena

Vinicius Konchinski – 17/06/2012

Do UOL, no Rio de Janeiro

Governo do Rio de Janeiro quer transformar área ocupada em área de evacuação do MaracanãSergio Moraes/Reuters

Governo do Rio de Janeiro quer transformar área ocupada em área de evacuação do Maracanã

O Maracanã completou 62 anos no último sábado em meio a um processo de transformação. Em obras para a Copa de 2014, o estádio está ganhando uma nova arquibancada, cobertura e seu entorno será revitalizado. Essa modernização, porém, é um problema para um grupo de moradores que há seis anos habita um terreno colado ao estádio.

Os prejudicados são cerca de 20 índios da Aldeia Maracanã, que terão de deixar suas casas por causa da reforma do estádio. Eles vivem na área onde, anos atrás, funcionou o Museu do Índio, que também deve ser demolido por causa das obras.

O prédio do museu foi inaugurado no século XIX e pertence à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão do governo federal. Ele estava abandonado quando os índios chegaram ao local.

Hoje, no terreno espremido entre a avenida Presidente Castelo Branco e o canteiro de obras do Maracanã, há hoje seis casas construídas pelos próprios indígenas. Foram erguidas também duas grandes ocas onde eles se reúnem e comem juntos.

Na base do improviso, os índios plantam no terreno alguns alimentos para subsistência e ganham algum dinheiro vendendo artesanato. Eles também usam o antigo prédio do Museu do Índio como centro cultural e sonham conseguir sua propriedade definitiva para revitalizarem o local, que serviria de ponto de encontro para índios de todo o país.

“Esse imóvel já faz parte da história do movimento indígena”, afirma Xamakari Apurinã, uma das lideranças da aldeia. “Queremos que esse prédio seja transformado em centro de referência indígena, onde os 240 povos do Brasil possam expor sua cultura.”

Xamakari e os outros índios sabem, entretanto, que esse projeto esbarra no grande plano que o governo estadual tem para o Maracanã. Com tudo o que está sendo projetado para o estádio, o governo não quer que a aldeia continue ali.

Segundo o governador Sérgio Cabral, a área da aldeia e o antigo prédio do Museu do Índio devem dar lugar aos novos acessos para o Maracanã. Por isso, o estado já está negociando a compra do imóvel junto à Conab. “Ali vai ser uma área de mobilidade. Uma área que é exigida pela Fifa e que está correta”, afirmou Cabral, na última sexta-feira.

O próprio vídeo do projeto de reforma do Maracanã para a Copa do Mundo (assista à esquerda) já mostra a área do estádio sem a aldeia. Sobre os índios que vivem ali, o governador disse que eles serão “muito bem cuidados pela Funai”.

Esses índios, porém, não querem sair do entorno do Maracanã e prometem lutar até o fim pela posse do terreno. Segundo eles, aquela área tem uma importância histórica. Já foi habitada por uma tribo chamada Maracanã, mesmo nome de um um rio que passa no local e, claro, do maior estádio do Rio de Janeiro. Por tudo isso, ficar ali é questão de honra.

“A ocupação do terreno é uma forma de mostrar a resistência dos índios contra tudo o que foi feito contra a gente desde o descobrimento do Brasil”, disse Dauá Puri, que também vive na Aldeia Maracanã. “Esse local precisa ser usado para preservação da cultura do índios.”

Um país estranho (FSP)

VLADIMIR SAFATLE

São Paulo, terça-feira, 23 de outubro de 2012

A Islândia é uma ilha com pouco mais de 300 mil habitantes que parece decidida a inventar a democracia do futuro.

Por uma razão não totalmente clara, esse país que fora um dos primeiros a quebrar com a crise financeira de 2008 sumiu em larga medida das páginas da imprensa mundial. Coisas estranhas, no entanto, aconteceram por lá.

Primeiro, o presidente da República submeteu a plebiscito propostas de ajuda estatal a bancos falidos. O ex-primeiro-ministro grego George Papandreou foi posto para fora do governo quando aventou uma ideia semelhante. O povo islandês, todavia, não se fez de rogado e disse claramente que não pagaria nenhuma dívida de bancos.

Mais do que isso, os executivos dos bancos foram presos e o primeiro-ministro que governava o país à época da crise foi julgado e condenado.

Algo muito diferente do resto da Europa, onde os executivos que quebraram a economia mundial foram para casa levando no bolso “stock options” vindos diretamente das ajudas estatais.

Como se não bastasse, a Islândia resolveu escrever uma nova Constituição. Submetida a sufrágio universal, ela foi aprovada no último fim de semana. A Constituição não foi redigida por membros do Parlamento ou por juristas, mas por 25 “pessoas comuns” escolhidas de maneira direta.

Durante sua redação, qualquer um podia utilizar as redes sociais para enviar sugestões de leis e questionar o projeto. Todas as discussões entre os membros do Conselho Constitucional podiam ser acompanhadas do computador de qualquer cidadão.

O resultado é uma Constituição que estatiza todos os recursos naturais, impede o Estado de ter documentos secretos sobre seus cidadãos e cria as bases de uma democracia direta, onde basta o pedido de 10% da população para que uma lei aprovada pelo Parlamento seja objeto de plebiscito.

Seu preâmbulo não poderia ser mais claro a respeito do espírito de todo o documento: “Nós, o povo da Islândia, queremos criar uma sociedade justa que ofereça as mesmas oportunidades a todos. Nossas diferentes origens são uma riqueza comum e, juntos, somos responsáveis pela herança de gerações”.

Em uma época na qual a Europa afunda na xenofobia e esquece o igualitarismo como valor republicano fundamental, a Constituição islandesa soa estranha. Esse estranho país, contudo, já não está mais em crise econômica.

Cresceu 2,1% no ano passado e deve crescer 2,7% neste ano. Eles fizeram tudo o que Portugal, Espanha, Grécia, Itália e outros não fizeram. Ou seja, eles confiaram na força da soberania popular e resolveram guiar seu destino com as próprias mãos. Algo atualmente muito estranho.

VLADIMIR SAFATLE escreve às terças-feiras nesta coluna.

As ‘coisas indescritíveis’ do mundo do consumo (OESP)

Por Washington Novaes – 19 de outubro de 2012

O historiador Eric J. Hobsbawn, que morreu no começo da semana passada, deixou livros em que caracterizou de forma contundente os tempos que estamos vivendo. “Quando as pessoas não têm mais eixos de futuros sociais acabam fazendo coisas indescritíveis”, escreveu ele no ensaio Barbárie: Manual do Usuário. Ou, então, “aí está a essência da questão: resolver os problemas sem referências do passado”. Por isso, certamente Hobsbawn não se espantaria com a notícia estampada no jornal O Estado de S. Paulo poucos dias antes de sua morte: Na Espanha, cadeados nas latas de lixo (27/9). “Com cada vez mais pessoas vivendo de restos, prefeitura (de Madri) tranca as latas como medida de saúde pública.” Nada haveria a estranhar num país onde a taxa de desemprego está por volta de 25%, 22% das famílias vivem na pobreza e 600 mil não têm nenhuma renda.

E que pensaria o historiador com a notícia (Estado, 26/9) de que as autoridades de Bulawato, no Zimbábue (África), “pediram aos cidadãos que sincronizem as descargas de seus vasos sanitários para poupar água. (…) Os moradores devem esvaziar os vasos apenas a cada três dias e em horários determinados”? Provavelmente Hobsbawn não se espantaria, informado das estatísticas da ONU segundo as quais 23% da população mundial (mais de 1,5 bilhão de pessoas) defeca ao ar livre por não ter instalações sanitárias em sua casa. As do Zimbábue ainda estão à frente.

E da China que pensaria ele ao ler nos jornais (22/9) que a prefeitura de Xinjian, no leste do país, “está sob intensa crítica da opinião pública após enjaular dezenas de mendigos no mesmo lugar durante um festival religioso”? Ao lado da foto das jaulas nas ruas com mendigos encarcerados, a explicação de autoridades de que assim fizeram porque os pedintes assediavam peregrinos e corriam risco de ser atropelados ou pisoteados. Mas “entraram nas jaulas voluntariamente”. Será para não correr riscos desse tipo que “quatro estrangeiros de origem ignorada” vivem há três meses no aeroporto de Cumbica, em São Paulo, recusando-se a dizer sua nacionalidade e procedência (Folha de S.Paulo, 29/9)? “Em tempos de transformação”, disse o psicanalista Leopold Nosek a Sonia Racy (Estado, 7/10), “quando o velho não existe mais e o novo ainda não se estruturou, criam-se os monstros”.

Para onde se caminhará? Na Europa, diz a Organização Internacional do Trabalho que, com todo o sul do continente em crise, o desemprego na faixa dos 15 aos 24 anos crescerá 22% em 2013, pouco menos no ano seguinte. Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego entre jovens está em 17,4%, talvez caia para 13,35% até 2017 (Agência Estado, 5/9). O desemprego médio nos 17 países da zona do euro subiu para 11,4%.

Pulemos para o lado de cá. Um em cada cinco brasileiros entre 18 e 25 anos não trabalha nem estuda (Estado, 26/9). São 5,3 milhões de jovens. Computados também os que buscam trabalho, chega-se a 7,2 milhões. As mulheres são maioria. E o déficit ocorre embora o País tenha gerado 2,2 milhões de empregos formais em 2011.

As estatísticas são alarmantes. A revista New Scientist (28/7) diz que 1% da população norte-americana controla 40% da riqueza. Já existem 1.226 bilionários no mundo. “Nós somos os 99%”, diz o movimento de protesto Occupy. Entre suas estatísticas estão as que os relatórios do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) vêm publicando desde a década de 1990: pouco mais de 250 pessoas, com ativos superiores a US$ 1 bilhão cada, têm, juntas, mais do que o produto bruto conjunto dos 40 países mais pobres, onde vivem 600 milhões de pessoas. Já a metade mais pobre da população mundial fica com 1% da renda global total. Menos de 20% da população mundial, concentrada nos países industrializados, consome 80% dos recursos totais. E 92 mil pessoas já acumulam em paraísos fiscais cerca de US$ 21 trilhões, afirma a Tax Justice Network.

E que se fará, com a população mundial aumentando e os recursos naturais – inclusive terra para plantar alimentos – escasseando? É cada vez maior o número de economistas que já mencionam com frequência a “crise da finitude de recursos”. Os preços médios de alimentos “devem dobrar até 2030, incluídos milho (mais 177%), trigo (mais 120% e arroz (107%)”, alerta a ONG Oxfam (Instituto Carbono Brasil, 6/9). 775 milhões de jovens e adultos são analfabetos e não têm como aumentar a renda (Rádio ONU, 10/9).

De volta outra vez ao nosso terreiro, vemos que “mais de 90% das cidades estão sem plano para o lixo” (Estado, 2/8). Na cidade de São Paulo, 90% do lixo reciclável vai para aterros sanitários (CicloVivo, 10/8). Diariamente 5,4 bilhões de litros de esgotos não tratados são descartados. Perto de metade dos domicílios não é ligada a redes de esgotos. A perda de água nas redes de distribuição (por furos, vazamentos, etc.) está por volta de 40% do total. Mas 23% das cidades racionam água, segundo o IBGE (Estado, 20/10/2011). E grande parte da água do Rio São Francisco que será transposta irá para localidades com essas perdas – antes de corrigi-las. E com o líquido custando muito mais caro, já que muita energia será necessária para elevá-lo aos pontos de destino.

Enquanto isso, a campanha eleitoral correu morna em praticamente todo o País, com candidatos fazendo de conta que vivemos na terra da promissão, não precisamos de planos diretores rigorosos nas cidades, não precisamos responsabilizar quem mais consome – e mais gera resíduos -, não precisamos impedir a impermeabilização do solo das cidades nem impedir a ocupação de áreas de risco.

“A sociedade de consumo”, escreveu Hobsbawn, “interessa-se apenas pelo que pode comprar agora e no futuro”. Mas terá de resolver o problema de 1 bilhão de idosos em dez anos (Fundo de População das Nações Unidas, 1.º/10).

Washington Novaes é jornalista.

(O Estado de S. Paulo)

L’Aquila quake: Italy scientists guilty of manslaughter (BBC)

22 October 2012

The BBC’s Alan Johnston in Rome says the prosecution argued that the scientists were “just too reassuring”

Six Italian scientists and an ex-government official have been sentenced to six years in prison over the 2009 deadly earthquake in L’Aquila.

A regional court found them guilty of multiple manslaughter.

Prosecutors said the defendants gave a falsely reassuring statement before the quake, while the defence maintained there was no way to predict major quakes.

The 6.3 magnitude quake devastated the city and killed 309 people.

Many smaller tremors had rattled the area in the months before the quake that destroyed much of the historic centre.

It took Judge Marco Billi slightly more than four hours to reach the verdict in the trial, which had begun in September 2011.

Lawyers have said that they will appeal against the sentence. As convictions are not definitive until after at least one level of appeal in Italy, it is unlikely any of the defendants will immediately face prison.

‘Alarming’ case

The seven – all members of the National Commission for the Forecast and Prevention of Major Risks – were accused of having provided “inaccurate, incomplete and contradictory” information about the danger of the tremors felt ahead of 6 April 2009 quake, Italian media report.

In addition to their sentences, all have been barred from ever holding public office again, La Repubblica reports.

In the closing statement, the prosecution quoted one of its witnesses, whose father died in the earthquake.

It described how Guido Fioravanti had called his mother at about 11:00 on the night of the earthquake – straight after the first tremor.

“I remember the fear in her voice. On other occasions they would have fled but that night, with my father, they repeated to themselves what the risk commission had said. And they stayed.”

‘Hasty sentence’

The judge also ordered the defendants to pay court costs and damages.

Reacting to the verdict against him, Bernardo De Bernardinis said: “I believe myself to be innocent before God and men.”

“My life from tomorrow will change,” the former vice-president of the Civil Protection Agency’s technical department said, according to La Repubblica.

“But, if I am judged by all stages of the judicial process to be guilty, I will accept my responsibility.”

Another, Enzo Boschi, described himself as “dejected” and “desperate” after the verdict was read.

“I thought I would have been acquitted. I still don’t understand what I was convicted of.”

One of the lawyers for the defence, Marcello Petrelli, described the sentences as “hasty” and “incomprehensible”.

‘Inherently unpredictable’

The case has alarmed many in the scientific community, who feel science itself has been put on trial.

Some scientists have warned that the case might set a damaging precedent, deterring experts from sharing their knowledge with the public for fear of being targeted in lawsuits, the BBC’s Alan Johnston in Rome reports.

Among those convicted were some of Italy’s most prominent and internationally respected seismologists and geological experts.

Earlier, more than 5,000 scientists signed an open letter to Italian President Giorgio Napolitano in support of the group in the dock.

After the verdict was announced, David Rothery, of the UK’s Open University, said earthquakes were “inherently unpredictable”.

“The best estimate at the time was that the low-level seismicity was not likely to herald a bigger quake, but there are no certainties in this game,” he said.

Malcolm Sperrin, director of medical physics at the UK’s Royal Berkshire Hospital said that the sentence was surprising and could set a worrying precedent.

“If the scientific community is to be penalised for making predictions that turn out to be incorrect, or for not accurately predicting an event that subsequently occurs, then scientific endeavour will be restricted to certainties only and the benefits that are associated with findings from medicine to physics will be stalled.”

Analysis

by Jonathan Amos – Science correspondent

The Apennines, the belt of mountains that runs down through the centre of Italy, is riddled with faults, and the “Eagle” city of L’Aquila has been hammered time and time again by earthquakes. Its glorious old buildings have had to be patched up and re-built on numerous occasions.

Sadly, the issue is not “if” but “when” the next tremor will occur in L’Aquila. But it is simply not possible to be precise about the timing of future events. Science does not possess that power. The best it can do is talk in terms of risk and of probabilities, the likelihood that an event of a certain magnitude might occur at some point in the future.

The decision to prosecute some of Italy’s leading geophysicists drew condemnation from around the world. The scholarly bodies said it had been beyond anyone to predict exactly what would happen in L’Aquila on 6 April 2009.

But the authorities who pursued the seven defendants stressed that the case was never about the power of prediction – it was about what was interpreted to be an inadequate characterisation of the risks; of being misleadingly reassuring about the dangers that faced their city.

Nonetheless, the verdicts will come as a shock to all researchers in Italy whose expertise lies in the field of assessing natural hazards. Their pronouncements will be scrutinised as never before, and their fear will be that they too could find themselves embroiled in legal action over statements that are inherently uncertain.

THOSE CONVICTED

Bernardo De Bernardinis, former deputy chief of Italy's civil protection department

Franco Barberi, head of Serious Risks Commission

Enzo Boschi, former president of the National Institute of Geophysics

Giulio Selvaggi, director of National Earthquake Centre

Gian Michele Calvi, director of European Centre for Earthquake Engineering

Claudio Eva, physicist

Mauro Dolce, director of the the Civil Protection Agency’s earthquake risk office

Bernardo De Bernardinis, former vice-president of Civil Protection Agency’s technical department

 

*   *   *

Scientists in the dock over L’Aquila earthquake

By Susan Watts 

BBC Newsnight Science editor

20 September 2011

Next week six scientists and an official go on trial in Italy for manslaughter over the earthquake in L’Aquila that killed 309 people two years ago.

This extraordinary case has attracted international attention because science itself seemed to be on trial, with the seven defendants apparently charged for failing to predict the magnitude 6.3 earthquake that struck on the night of 6 April 2009.

Scientists cannot yet say when an earthquake is going to happen with any precision, even in a seismically active zone. And over 5,000 scientists from around the world have signed a letter supporting those on trial.

Quake damaged buildings in OnnaThe earthquake was felt throughout central Italy

“I’m afraid that like an earthquake, nothing in this case is predictable. Let’s not forget, this trial is happening in L’Aquila, where the entire population has been personally affected, and awaiting a sentence that should not happen, but could happen,” Marcello Milandri said.Yet the lawyer for one of the scientists, in an interview with Newsnight, said it is possible his client will be convicted:

Seismologists can assess only the probability that a quake may happen, and then with a large degree of uncertainty about its properties.

In some circumstances, they may be able to say that the likelihood of an event has gone up, to help authorities prepare for an emergency, perhaps by concentrating on particularly vulnerable buildings or sectors of the population, such as school-children.

Weighing the risks

The signatories to the letter say the authorities should focus on earthquake protection, instead of pursuing scientists in what some feel is a Galileo-style inquisition.

The Commission calmed the local population down following a number of earth tremors. After the quake, we heard people’s accounts and they told us they changed their behaviour following the advice of the commission 

Inspector Lorenzo Cavallo

Newsnight went to L’Aquila to find out why this case has come about.

The prosecution team said they never intended to put science on trial, that they know it is not possible to predict an earthquake.

What they are questioning is whether the six scientists and the official on trial, who together constitute Italy’s Commission of Grand Risks, did their jobs properly.

That is, did they weigh up all the risks, and communicate these clearly to the authorities seeking their advice?

The local investigator, Inspector Lorenzo Cavallo, said: “The Commission calmed the local population down following a number of earth tremors. After the quake, we heard people’s accounts and they told us they changed their behaviour following the advice of the commission.

“It is our duty to investigate what has been said in each case and pass it on to the legal authority.”

Radon gas claims

A local journalist, Giustino Parisse, who lived in Onna, a small hamlet outside L’Aquila at the time, is one of those bringing the case.

In the weeks leading up to the major quake there had been a series of tremors. On the night of 5 April, several large shocks kept his children awake.

They were anxious, but he told them to go back to bed, that there was no need to worry, the scientists had said so.

Rescuers carrying bodyThe quake was the deadliest to hit Italy since 1980

His 16-year-old daughter and 17-year-old son both died in the earthquake that night, along with his father, when the family home collapsed.

He told Newsnight that people had been becoming increasingly anxious, in part because of warnings from a local nuclear scientist, Giampaolo Giuliani, that raised levels of radon gas in the area suggested to him an earthquake might be imminent.

How valuable this is as an indicator is widely disputed, and most experts in this field believe it is unreliable.

At the time the head of Italy’s civil protection agency, Guido Bertolaso,took the unusual step of asking his Commission of Grand Risks to fly to L’Aquila to discuss the situation.

They held a meeting that lasted only an hour or so, then the official now on trial, Bernardo de Bernadinis, who was then deputy director of the civil protection department, held a hurried press briefing, in reassuring tones.

Two of those on trial are linked to Italy’s National institute of Geophysics and Volcanology (INGV).

The institute’s head of public affairs, Pasquale de Santis, told Newsnight that the trial is a distraction, that seismologists have been saying since 1998 that this is a high risk area, and that people should instead be focussing on those who failed properly to enforce building codes in L’Aquila.

Funding needed

We put this to the mayor of L’Aquila, Massimo Cialente. He hopes the trial will prompt a national debate, and make it easier for him to raise the funds and support he needs to protect people against future earthquakes.

He said six days before the major quake he moved local children from a school damaged in an earlier tremor. He said he had no official budget to do that, because prevention is not a national priority.

“We closed the school and we had to transfer 500 pupils. I needed money, but I started the work without the money. If the quake did not happen I would be charged for that.”

Those bringing the case say the people of L’Aquila have a right to know what happened. Many hope the trial will bring some peace of mind.

But some of those who signed the letter of support told Newsnight they fear the case will dissuade scientists from leaving their labs to engage with politicians and the public.

John McCloskey, professor of geophysics at Ulster University, said these scientists have spent their lives producing some of the most sophisticated seismic maps in the world.

He said it is an “outrage” that they are now on trial for manslaughter, adding that he signed the letter because “their peril is our peril”.

*   *   *

Can we predict when and where quakes will strike?

By Leila Battison – Science reporter

20 September 2011

l'Aquila earthquakeSeismologists try to manage the risk of building damage and loss of life

This week, six seismologists go on trial for the manslaughter of 309 people, who died as a result of the 2009 earthquake in l’Aquila, Italy.

The prosecution holds that the scientists should have advised the population of l’Aquila of the impending earthquake risk.

But is it possible to pinpoint the time and location of an earthquake with enough accuracy to guide an effective evacuation?

There are continuing calls for seismologists to predict where and when a large earthquake will occur, to allow complete evacuation of threatened areas.

Predicting an earthquake with this level of precision is extremely difficult, because of the variation in geology and other factors that are unique to each location.

Attempts have been made, however, to look for signals that indicate a large earthquake is about to happen, with variable success.

Historically, animals have been thought to be able to sense impending earthquakes.

Noticeably erratic behaviour of pets, and mass movement of wild animals like rats, snakes and toads have been observed prior to several large earthquakes in the past.

Following the l’Aquila quake, researchers published a study in the Journal of Zoology documenting the unusual movement of toads away from their breeding colony.

But scientists have been unable to use this anecdotal evidence to predict events.

The behaviour of animals is affected by too many factors, including hunger, territory and weather, and so their erratic movements can only be attributed to earthquakes in hindsight.

Precursor events

When a large amount of stress is built up in the Earth’s crust, it will mostly be released in a single large earthquake, but some smaller-scale cracking in the build-up to the break will result in precursor earthquakes.

“There is no scientific basis for making a prediction” – Richard Walker, University of Oxford

These small quakes precede around half of all large earthquakes, and can continue for days to months before the big break.

Some scientists have even gone so far as to try to predict the location of the large earthquake by mapping the small tremors.

The “Mogi Doughnut Hypothesis” suggests that a circular pattern of small precursor quakes will precede a large earthquake emanating from the centre of that circle.

While half of the large earthquakes have precursor tremors, only around 5% of small earthquakes are associated with a large quake.

So even if small tremors are felt, this cannot be a reliable prediction that a large, devastating earthquake will follow.

“There is no scientific basis for making a prediction”, said Dr Richard Walker of the University of Oxford.

In several cases, increased levels of radon gas have been observed in association with rock cracking that causes earthquakes.

Leaning buildingSmall ground movements sometimes precede a large quake

Radon is a natural and relatively harmless gas in the Earth’s crust that is released to dissolve into groundwater when the rock breaks.

Similarly, when rock cracks, it can create new spaces in the crust, into which groundwater can flow.

Measurements of groundwater levels around earthquake-prone areas see sudden changes in the level of the water table as a result of this invisible cracking.

Unfortunately for earthquake prediction, both the radon emissions and water level changes can occur before, during, or after an earthquake, or not at all, depending on the particular stresses a rock is put under.

Advance warning systems

The minute changes in the movement, tilt, and the water, gas and chemical content of the ground associated with earthquake activity can be monitored on a long term scale.

Measuring devices have been integrated into early warning systems that can trigger an alarm when a certain amount of activity is recorded.

Prediction will only become possible with a detailed knowledge of the earthquake process. Even then, it may still be impossible” – Dr Dan Faulkner, University of Liverpool

Such early warning systems have been installed in Japan, Mexico and Taiwan, where the population density and high earthquake risk pose a huge threat to people’s lives.

But because of the nature of all of these precursor reactions, the systems may only be able to provide up to 30 seconds’ advance warning.

“In the history of earthquake study, only one prediction has been successful”, explains Dr Walker.

The magnitude 7.3 earthquake in 1975 in Haicheng, North China was predicted one day before it struck, allowing authorities to order evacuation of the city, saving many lives.

But the pattern of seismic activity that this prediction was based on has not resulted in a large earthquake since, and just a year later in 1976 a completely unanticipated magnitude 7.8 earthquake struck nearby Tangshan causing the death of over a quarter of a million people.

The “prediction” of the Haicheng quake was therefore just a lucky unrepeatable coincidence.

A major problem in the prediction of earthquake events that will require evacuation is the threat of issuing false alarms.

Scientists could warn of a large earthquake every time a potential precursor event is observed, however this would result in huge numbers of false alarms which put a strain on public resources and might ultimately reduce the public’s trust in scientists.

“Earthquakes are complex natural processes with thousands of interacting factors, which makes accurate prediction of them virtually impossible,” said Dr Walker.

Seismologists agree that the best way to limit the damage and loss of life resulting from a large earthquake is to predict and manage the longer-term risks in an earthquake-prone area. These include the likelihood of building collapsing and implementing emergency plans.

“Detailed scientific research has told us that each earthquake displays almost unique characteristics, preceded by foreshocks or small tremors, whereas others occur without warning. There simply are no rules to utilise in order to predict earthquakes,” said Dr Dan Faulkner, senior lecturer in rock mechanics at the University of Liverpool.

“Earthquake prediction will only become possible with a detailed knowledge of the earthquake process. Even then, it may still be impossible.”

What causes an earthquake?

An earthquake is caused when rocks in the Earth’s crust fracture suddenly, releasing energy in the form of shaking and rolling, radiating out from the epicentre.

The rocks are put under stress mostly by friction during the slow, 1-10 cm per year shuffling of tectonic plates.

The release of this friction can happen at any time, either through small frequent fractures, or rarer breaks that release a lot more energy, causing larger earthquakes.

It is these large earthquakes that have devastating consequences when they strike in heavily populated areas.

Attempts to limit the destruction of buildings and the loss of life mostly focus on preventative measures and well-communicated emergency plans.

*   *   *

Long-range earthquake prediction – really?

By Megan Lane – BBC News

11 May 201

Model figures on shaky jigsaw

In Italy, Asia and New Zealand, long-range earthquake predictions from self-taught forecasters have recently had people on edge. But is it possible to pinpoint when a quake will strike?

It’s a quake prediction based on the movements of the moon, the sun and the planets, and made by a self-taught scientist who died in 1979.

But on 11 May 2011, many people planned to stay away from Rome, fearing a quake forecast by the late Raffaele Bendandi – even though his writings contained no geographical location, nor a day or month.

In New Zealand too, the quake predictions of a former magician who specialises in fishing weather forecasts have caused unease.

“The date is not there, nor is the place” – Paola Lagorio, of the foundation that honours Bendandi

After a 6.3 quake scored a direct hit on Christchurch in February, Ken Ring forecast another on 20 March, caused by a “moon-shot straight through the centre of the earth”. Rattled residents fled the city.

Predicting quakes is highly controversial, says Brian Baptie, head of seismology at the British Geological Survey. Many scientists believe it is impossible because of the quasi-random nature of earthquakes.

“Despite huge efforts and great advances in our understanding of earthquakes, there are no good examples of an earthquake being successfully predicted in terms of where, when and how big,” he says.

Many of the methods previously applied to earthquake prediction have been discredited, he says, adding that predictions such as that in Rome “have little basis and merely cause public alarm”.

Woman holding pet cat in a tsunami devastated street in JapanCan animals pick up quake signals?

Seismologists do monitor rock movements around fault lines to gauge where pressure is building up, and this can provide a last-minute warning in the literal sense, says BBC science correspondent Jonathan Amos.

“In Japan and California, there are scientists looking for pre-cursor signals in rocks. It is possible to get a warning up to 30 seconds before an earthquake strikes your location. That’s enough time to get the doors open on a fire station, so the engines can get out as soon as it is over.”

But any longer-range prediction is much harder.

“It’s like pouring sand on to a pile, and trying to predict which grain of sand on which side of the pile will cause it to collapse. It is a classic non-linear system, and people have been trying to model it for centuries,” says Amos.

In Japan, all eyes are on the faults that lace its shaky islands.

On Monday, Trade and Industry Minister Banri Kaieda urged that the Hamaoka nuclear plant near a fault line south-west of Tokyo be shut down, pending the construction of new tsunami defences.

Seismologists have long warned that a major earthquake is overdue in this region.

But overdue earthquakes can be decades, if not centuries, in coming. And this makes it hard to prepare, beyond precautions such as construction standards and urging the populace to lay in emergency supplies that may never be needed.

Later this year, a satellite is due to launch to test the as-yet unproven theory that there is a link between electrical disturbances on the edge of our atmosphere and impending quakes on the ground below.

Toad warning

Then there are the hypotheses that animals may be able to sense impending earthquakes.

Last year, the Journal of Zoology published a study into a population of toads that left their breeding colony three days before a 6.3 quake struck L’Aquila, Italy, in 2009. This was highly unusual behaviour.

But it is hard to objectively and quantifiably study how animals respond to seismic activity, in part because earthquakes are rare and strike without warning.

A man in Christchurch carrying a young girl through stricken streetsCountries in the Pacific’s “Ring of Fire”, like New Zealand, are regularly shaken by quakes

“At the moment, we know the parts of the world where earthquakes happen and how often they happen on average in these areas,” says Dr Baptie.

This allows seismologists to make statistical estimates of probable ground movements that can be use to plan for earthquakes and mitigate their effects. “However, this is still a long way from earthquake prediction,” he says.

And what of the “prophets” who claim to predict these natural disasters?

“Many regions, such as Indonesia and Japan, experience large earthquakes on a regular basis, so vague predictions of earthquakes in these places requires no great skill.”

 

Who was Raffaele Bendandi?

  • Born in 1893 in central Italy
  • In November 1923, he predicted a quake would strike on January 2, 1924
  • Two days after this date, it did, in Italian province of Le Marche
  • Mussolini made him a Knight of the Order of the Crown of Italy
  • But he also banned Bendandi from making public predictions, on pain of exile

Vídeo: Gente do Terra Madre

 

Neste vídeo você pode ver um panorama das pessoas e idéias que se entrecruzam no “Terra Madre – encontro mundial das comunidades do alimento” (terramadre.org). Evento que, a cada dois anos, reúne na Itália cerca de 7mil pessoas vindas de 150 países, entre pequenos produtores, agricultores, pescadores artesanais, cozinheiros, pesquisadores e ativistas do Slow Food (slowfood.com). Pessoas comprometidas em defender e promover modos de produção que respeitam o meio-ambiente, atentos aos recursos naturais do planeta, à conservação da biodiversidade e justiça social.

Saiba mais:
http://terramadre.slowfoodbrasil.com

Books Change How a Child’s Brain Grows (Wired)

By Moheb Costandi, ScienceNOW – October 18, 2012

Image: Peter Dedina/Flickr

NEW ORLEANS, LOUISIANA — Books and educational toys can make a child smarter, but they also influence how the brain grows, according to new research presented here on Sunday at the annual meeting of the Society for Neuroscience. The findings point to a “sensitive period” early in life during which the developing brain is strongly influenced by environmental factors.

Studies comparing identical and nonidentical twins show that genes play an important role in the development of the cerebral cortex, the thin, folded structure that supports higher mental functions. But less is known about how early life experiences influence how the cortex grows.

To investigate, neuroscientist Martha Farah of the University of Pennsylvania and her colleagues recruited 64 children from a low-income background and followed them from birth through to late adolescence. They visited the children’s homes at 4 and 8 years of age to evaluate their environment, noting factors such as the number of books and educational toys in their houses, and how much warmth and support they received from their parents.

More than 10 years after the second home visit, the researchers used MRI to obtain detailed images of the participants’ brains. They found that the level of mental stimulation a child receives in the home at age 4 predicted the thickness of two regions of the cortex in late adolescence, such that more stimulation was associated with a thinner cortex. One region, the lateral inferior temporal gyrus, is involved in complex visual skills such as word recognition.

Home environment at age 8 had a smaller impact on development of these brain regions, whereas other factors, such as the mother’s intelligence and the degree and quality of her care, had no such effect.

Previous work has shown that adverse experiences, such as childhood neglect, abuse, and poverty, can stunt the growth of the brain. The new findings highlight the sensitivity of the growing brain to environmental factors, Farah says, and provide strong evidence that subtle variations in early life experience can affect the brain throughout life.

As the brain develops, it produces more synapses, or neuronal connections, than are needed, she explains. Underused connections are later eliminated, and this elimination process, called synaptic pruning, is highly dependent upon experience. The findings suggest that mental stimulation in early life increases the extent to which synaptic pruning occurs in the lateral temporal lobe. Synaptic pruning reduces the volume of tissue in the cortex. This makes the cortex thinner, but it also makes information processing more efficient.

“This is a first look at how nurture influences brain structure later in life,” Farah reported at the meeting. “As with all observational studies, we can’t really speak about causality, but it seems likely that cognitive stimulation experienced early in life led to changes in cortical thickness.”

She adds, however, that the research is still in its infancy, and that more work is needed to gain a better understanding of exactly how early life experiences impact brain structure and function.

The findings add to the growing body of evidence that early life is a period of “extreme vulnerability,” says psychiatrist Jay Giedd, head of the brain imaging unit in the Child Psychiatry Branch at the National Institute of Mental Health in Bethesda, Maryland. But early life, he says, also offers a window of opportunity during which the effects of adversity can be offset. Parents can help young children develop their cognitive skills by providing a stimulating environment.

País ‘concorre’ a troféu por travar negociações na COP 11 (O Estado de São Paulo)

JC e-mail 4605, de 17 de Outubro de 2012

Brasil é indicado pela segunda vez, durante a Convenção da Diversidade Biológica, a prêmio organizado por rede internacional de ONGs.

Pela segunda edição seguida da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), o Brasil figura hoje entre os indicados para o Troféu Dodô, que “premia” os países que menos têm evoluído nas negociações durante o encontro para evitar perdas de biodiversidade. Canadá, China, Paraguai e a Grã-Bretanha são os outros indicados pela CBD Alliance, uma rede internacional de ONGs que participa da convenção.

O pássaro dodô é o escolhido para dar nome ao prêmio por estar extinto há cerca de quatro séculos – a espécie vivia na costa leste da África, na Ilha Maurício. Nas convenções do clima, o equivalente é o Troféu Fóssil do Dia – o País foi “agraciado” em Durban, há quase um ano.

Entre as razões para a presença do País na lista está a falta de preocupação do governo com a biodiversidade na negociação de mecanismos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (Redd+) – sistema de compensação financeira para atividades que diminuam a emissão de carbono.

Na 11ª conferência das partes (COP-11) da CBD em Hyderabad, na Índia, o Brasil quer evitar a definição de salvaguardas de biodiversidade nos textos, fazendo pressão para que haja diferenças claras entre os acordos da CBD e os estabelecidos nas Convenções sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC).

O governo brasileiro se alinhou a outros países descontentes, como Colômbia e Argentina, para criticar o texto que está sendo trabalhado na conferência da Índia. Em nota, o bloco afirmou que o documento está atrasado e não leva em conta as resoluções alcançadas nas Conferências do Clima de Cancún e de Durban.

“Muitas das recomendações que estamos vendo na COP-11 ou são redundantes ou colocam barreiras para a implementação dessa importante ferramenta (de Redd+)”, dizem os países. Além disso, o Brasil foi indicado ao troféu pelo fato de o governo não ter, segundo a rede de ONGs, uma boa relação com comunidades locais e tribos indígenas que vivem em áreas de relevância ecológica e biológica.

Nova indicação – Há dois anos, o País havia sido indicado por outro motivo: durante o encontro na cidade japonesa de Nagoya, os representantes brasileiros promoveram de forma escancarada os biocombustíveis e foram criticados por tentar abafar os possíveis impactos sobre a biodiversidade e as populações.

Os vencedores de 2010, porém, foram o Canadá e a União Europeia. O Canadá voltou a ser indicado neste ano, também acusado de tentar evitar a discussão sobre os biocombustíveis.

De acordo com as ONGs, a China tem desencorajado o desenvolvimento de áreas marinhas em países vizinhos, enquanto o Paraguai tem bloqueado qualquer progresso em assuntos socioeconômicos nas questões de biossegurança. Já a Grã-Bretanha estaria trabalhando para evitar discussões sobre biologia sintética e geoengenharia.

 

Brasil maior exportador de riquezas naturais (CarbonoBrasil)

Brasil
15/10/2012 – 10h41

por Edélcio Vigna, do INESC

a52 Brasil maior exportador de riquezas naturaisO Brasil não se reconhece como um país minerador, apesar de exportar um volume de minérios maior que a Bolívia e o Peru.

A maioria da população brasileira não tem a menor noção da quantidade de minérios ou de grãos que são exportados a preços irrisórios. Não estamos exportando apenas produtos, mas recursos naturais e, principalmente, água. Ao associar a República da Banana com a República do Minério o Brasil aprofunda a “vocação” como o maior país exportador de produtos primários. Melhor, como o país mais explorado em suas e riquezas naturais.

O Brasil não se reconhece como um país minerador, apesar de exportar um volume de minérios maior que a Bolívia e o Peru. O Plano Nacional de Mineração identifica que o “segmento da mineração é o mais dinâmico nessa nova etapa, com crescimento médio anual de 10%, devido à intensidade das exportações”. A sociedade só reserva da mineração uma lembrança histórica dos séculos XVII e XVIII.

O senso comum comprou a ideia que o Brasil é o “celeiro do mundo”. Que a vocação nacional é a agricultura. A monocultura do café, da República Velha, imprimiu uma visão de mundo dos coronéis que ainda está em vigor na vida social e política da Nação. Os modernos ciclos agrários, com o retorno da cultura do açúcar/etanol e o da soja, a velha ideologia se travestiu e se apresenta no discurso dos ruralistas com o nome de agronegócio ou agribusiness.

A pauta de exportação brasileira, mesmo diversificada, ainda se concentra em grãos e minérios. O ferro, por exemplo, representa cerca de 90% dos bens minerais exportados. Assim, a “vocação” de país exportador de bens primários vai sendo degradando as terras férteis e impactando sobre todas as dimensões da vida das comunidades locais e regionais.

Lúcio Flávio Pinto afirma que a Serra de Carajás poderá ser consumida em 80 anos. O trem de Carajás faz 24 viagens de ida e volta entre a mina de Carajás e o porto da Ponta da Madeira, no litoral do Maranhão, com 300 vagões, que transporta por dia “576 mil toneladas do melhor minério de ferro do mundo, com pureza de mais de 65% de hematita, sem igual na crosta terrestre” (http://www.justicanostrilhos.org/nota/1084).

Favorecidas pela invisibilidade as grandes empresas multinacionais e multilatinas, como a Vale, prosseguem exportando montanhas de minérios, em especial para a China, e afetando a vida das comunidades. Para facilitar esse saque legalizado a e a Advocacia Geral da União (AGU) publica uma portaria (303), que retira os direitos dos povos indígenas em dispor livremente do uso e dos benefícios de suas terras e o Congresso Nacional aprova um Código Florestal que estimula o desmatamento.

Essas medidas são uma série de procedimentos jurídicos e legislativos que compõem um mosaico de leis que flexibilizam a exploração predatória do solo e do subsolo nacional. Nã
o importa que no inciso XI, do art. 20, da Constituição Federal, esteja escrito que nas terras ocupadas pelos índios são asseguradas a “participação no resultado da exploração de petróleo ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território (…)”. Ou que o § 2º, do art. 231, garanta que as “terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes”. Como disse Getúlio Vargas, “Lei! Ora a Lei!”.

Os povos indígenas estão sobre o solo e o pragmatismo capitalista exige que a área seja desobstruída. É, por isso, que o povo Guajajara interditou o quilômetro 289 da Estrada de Ferro Carajás a 340 quilômetros de São Luís/MA. Esse povo, que é parte original da identidade brasileira, não está somente protestando contra a Portaria 303, da AGU, mas porque também sofrem os impactos negativos da Estrada de Ferro Carajás e da exportação de minérios.

Apesar dessas resistências sociais e políticas grande parte da população continua repetindo que o Brasil é um país agrícola. Com vocação agrícola. Que somos o celeiro do mundo.

Enquanto se olham para as monoculturas de grãos não veem as montanhas de minérios desaparecendo sobre os trilhos de Carajás.

* Publicado originalmente no site CarbonoBrasil.

The Anthropocene? Planet Earth in the Age of Humans (AAA)

Posted on October 16, 2012 by Joslyn O.

Today’s guest blog post is by AAA member Shirley J Fiske. Fiske is an environmental anthropologist and Research Professor at University of Maryland’s College Park campus.  She is the Chair of the American Anthropological Association ’s task force on Global Climate Change. 

The first in a series of Grand Challenges symposia organized by the Smithsonian for the public (at least the highly educated, concerned public from what I could tell)—a full day with stellar speakers and response panels.  Invigorating discussion and ideas.  Kudos!  Many well-known names Charles Mann (1491, 1493 ), Richard Alley, Andrew Revkin, Senator Tim Wirth and incredibly moving & convincing presentation by photographer Chris Jordan whose images of “the infrastructure of our mass consumption” are familiar to many – as well as his photos of the stomach contents of dead baby Albatrosses on Midway Island, showing them starved with their bellies full of plastic debris.

Environmental humanities were well-represented and exciting, but the social sciences less so – disappointingly, economist Sabine O’Hara did nothing to illuminated the human aspects of the changes in the Anthropocene but chose to talk about “internalizing the economy.”  However, two archaeologists, both at the Smithsonian, did an excellent job as panelists-rapporteurs, ensuring that the audience kept the long dimension of human evolution and development in mind.  Rick Potts, (National Museum of Natural History, Human Origins Program Director), a paleo-anthropologist, offered a tantalizing insight, roughly paraphrased as a lot of change took place during periods of high climate variability (unstable periods)—such as innovations in lithic technology and other things.  He also stated that he’s in the process of getting a long core that will show us 500,000 years of climate change in East Africa during the time period of the development of our species.  Torben C. Rick (NMNH Director of the Program in Human Ecology and Archaeobiology)  focused on the “mid-term time frame”—the last 1,000 years!  and offered that sustainability rests on reconciling the short term developments with long term cycles.  The last 10,000 years has been a series of changes, re-organizations—not collapses.

The symposium was titled as a declarative, but there was a necessary and good discussion about whether naming it the Anthropocene showed abundant human hubris in our assumed agency in changing the world and the course of the earth .  In that vein, some concluded that whatever we do at this point won’t have any effect on the ‘big picture’ of the earth’s 4-billion year existence and that the Anthropocene is wrongly named.  Highlights and some familiar assumptions, brought to the fore, were that nature can no longer be studied in isolation from humans and human systems. (check!), that ‘homogenization’ of the planet started well before the industrial revolution (Mann), that we’re the first species that recognizes who recognizes that we’re having a global impact (compared with, say, cyanobacteria);  and that we need to move away from trying to “manage” the system and focus on monitoring and adapting;  the recognition that science-based decision have inherently imbedded values within them  (Revkin).

Richard Alley has re-focused his energy onto renewables, pointing out that is the direction we need to go, that all the easy oil is gone.  His talk made abundantly clear that the argument that encouraging renewable energy means loss of jobs is a blatant red herring; that the way to start such a massive transformation is to jettison the dirtiest and most dangerous (i.e. the work of coal mining is one of the most dangerous jobs in the US) of fossil fuel resources, coal, and develop the others.  He de-bunked the ‘myth of intermittency’ (my words) with wind and solar energy quite effectively.  One of the panelists aptly said Alley is a “radical center of an environmental view of the world.”  Glad to have him there.

The culture concept was constantly invoked, as it is almost universally these days.  “How do we change culture?”   (away from consumption, from “need,” from capitalism or communism)  The most insightful answers (although not necessarily action-oriented) came from photographer Chris Jordan, who argued that we should do essentially nothing, in the short term;  we should let our human-created disaster settle in and we should grieve.  It is only by grieving fully that we will reconnect with our spiritual side and with love, the fundamental emotion of humans.  The symposium was organized to begin a dialogue around the meaning of the Anthropocene, and it accomplished those goals.  The symposium led me to conclude, similar to one of the speakers (Alley?) who said that the meaning of the Anthropocene is ethical and moral – how do we want the future to look and what can we do with the knowledge we have?

Cúpula de cooperativas mostrou o poder da diversidade (IPS)

Por Beatrice Paez, da IPS

cooperativas Cúpula de cooperativas mostrou o poder da diversidade

Cúpula do cooperativismo reuniu cerca de 2.800 delegados de 91 países. Foto: Cortesia da Desjardins

Quebec, Canadá, 16/10/2012 – As sementes migratórias do cooperativismo foram plantadas pela primeira vez na Europa, mas se adaptaram aos climas de todo o mundo. De todos os cantos do planeta, do Quênia até as Filipinas e do Ártico até Cuba, os cooperativistas estiveram em Quebec para defender sua participação neste movimento diverso. Na Cúpula Internacional das Cooperativas, realizada na semana passada, protagonistas do movimento trocaram experiências, práticas e cartões pessoais com vistas ao futuro. O encontro foi o momento culminante do Ano Internacional das Cooperativas, declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A intenção é que este ano dê lugar a uma década internacional para resgatar a importância desta forma de economia, disse à IPS a presidente da Aliança Internacional das Cooperativas (ICA), Dame Pauline Green. “Foi uma grande oportunidade para troca de ideias e práticas inovadoras”, afirmou Monique Leroux, diretorageral da Desjardins, uma das organizadoras do encontro.

A declaração final das organizações que convocaram a conferência, Desjardins, ICA e Universidade de St. Mary, enfatiza o papel das cooperativas para o público e as autoridades. As três entidades também se comprometeram a aproveitar novas ferramentas para divulgação de seus objetivos e criar formas inovadoras para melhorar a comunicação e as consultas com membros e diretórios.

Para Quebec, a Cúpula também foi uma oportunidade de homenagear Alphonse Desjardins (1854-1920), que deu os primeiros passos no sentido de colocar cooperativas de crédito ao alcance de canadenses francófonos, que eram obrigados a abandonar a província em busca de um meio de vida nos primeiros anos do Século 20. As histórias e experiências compartilhadas nesta reunião mundial expuseram o papel das cooperativas de manter as pessoas em suas comunidades e evitar a fuga de talentos.

Mary Nirlungayuk, vice-presidente de serviços corporativos da Arctic Cooperatives Limited, disse à IPS que as cooperativas do extremo norte abriram uma forma de renda para coletivos de artistas e prosperaram onde outros fracassaram, oferecendo desde trabalhos de construção até associações com companhias aéreas e empresas de transporte para reduzir o custo dos fretes dos produtos.

A inclinação das cooperativas para os grupos de base as tornou um modelo de empresa viável para as nações originárias (a denominação moderna dos povos indígenas canadenses), em seu esforço para conciliar tradições com realidades atuais. “Foram criadas cooperativas porque eram muito semelhantes ao conceito aborígine de ajuda mútua”, disse Nirlungayuk à IPS, acrescentando que, “se funciona para essas comunidades isoladas, por que não pode ter sucesso em outros lugares?”.

Uma delegação de dez integrantes de Cuba, país que está assentando as bases de seu cooperativismo, aproveitou a oportunidade para aprender com outras experiências e mostrar o peso do movimento em seu país. “Queríamos que o resto do mundo visse o que está acontecendo”, afirmou a canadense Wendy Holm, que há anos trabalha em Cuba promovendo o cooperativismo e que esteve à frente da delegação.

“As cooperativas socialistas e capitalistas são ligeiramente diferentes em sua forma. Um dos desafios será dar-lhes maior autonomia sem deixar de levar em conta que, por exemplo, é uma cooperativa agrícola que produz alimentos para toda a população”, explicou Holm. A versatilidade da cooperativa a torna um modelo aceitável para diferentes setores da economia, como agricultura, seguros, habitação e comércio varejista, entre outros.

Na economia socialista cubana, as cooperativas adquiriram protagonismo no processo de renovar empresas administradas pelo Estado e repletas de problemas. A delegação cubana se mostrou “interessada em observar a maior quantidade de empresas cooperativas”, e inclusive se reuniu com cooperativas de táxi para estudar se podem adaptar a iniciativa em Havana, disse Holm à IPS.

Apesar de menor do que a delegação cubana, a das Filipinas, com quatro integrantes, deixou sua marca na Cúpula. A porta-voz e delegada juvenil, Marie Antoinette Roxas, compartilhou as iniciativas de sua universidade, o Instituto de Tecnologia de Iligan. Roxas disse à IPS que há jovens que dirigem programas de alfabetização financeira para estudantes, um esforço para inculcar práticas inteligentes desde a infância.

A cooperativa estudantil também participa da geração de renda. Um dos projetos já lançados é uma associação com estabelecimentos locais de confecção para fabricar mochilas ecológicas, que depois são vendidas à sua organização-mãe, a Cooperativa Multipropósito, da universidade.

Houve muitas oportunidades para observar diferentes iniciativas, mas Simel Esim, a chefe do ramo cooperativo da Organização Internacional do Trabalho, disse à IPS que gostaria de contar com mais instâncias para conectar-se e promover maior diálogo entre os delegados. Entre os principais desafios para ser competitivo e relevante, o principal para Esim é vincular-se e aconselhar-se fora do círculo do cooperativismo.

No encerramento do encontro, Monique Leroux anunciou que a Desjardins espera realizar outra conferência internacional. Talvez isso conste da agenda da próxima cúpula, em 2014. Envolverde/IPS

(IPS)

“Belo Monte é um monstro do desenvolvimentismo” (O Globo)

JC e-mail 4604, de 16 de Outubro de 2012

Antropóloga critica a construção de hidrelétrica no Xingu, afirmando que ela causará mais impactos do que benefícios, podendo afetar até, a longo prazo, tradições indígenas.

Enquanto indígenas de diversas etnias, além de pescadores, ribeirinhos e pequenos agricultores ocupavam o canteiro de obras da hidrelétrica de Belo Monte, no Sul do Pará, numa manifestação contra a construção da usina, a antropóloga Carmen Junqueira fazia um balanço de suas pesquisas com os povos da região, no auditório da PUC de São Paulo, durante o Colóquio Transformações da Biopolítica, no último dia 10.

Foi pouco depois da criação do Parque Indígena do Xingu, pelo então presidente Jânio Quadros e por pressão dos irmãos Villas-Boas, que ela pisou na região pela primeira vez e se deparou com uma paixão que entrou em seus estudos, na vida particular, e em sua casa: os povos indígenas do Alto Xingu, especialmente os Kamaiurá, até hoje referência importante de cultura indígena. Desde 1965, ela os visita periodicamente e até os recebe em casa, em São Paulo, acompanhando mudanças, principalmente em decorrência do desenvolvimento econômico que tirou as aldeias do isolamento.

Em quase 50 anos estudando a etnia, ela tem analisado o contato cada vez maior com a cultura branca, e enxerga parte das novas características nas aldeias como inerentes ao processo. Mas o discurso analítico da antropóloga muda quando o assunto é Belo Monte. Em meio segundo de resposta, ela afirma: “Sou contra”. Carmen classifica a construção da hidrelétrica, que está sendo tocada pelo consórcio Norte Energia – responsável pela construção e operação de Belo Monte – como parte de um projeto desenvolvimentista do governo que atropela o valor histórico e cultural das populações locais.

Como a senhora vê a ocupação que está acontecendo neste momento nos canteiros de obra da Norte Energia, no Sudoeste do Pará?

Os ocupantes estão defendendo sua própria sobrevivência. A maioria de nós desconhece os saberes dos povos indígenas, ribeirinhos e outros tantos que zelam pela natureza. Eles representam a quebra da monótona subserviência consumista, oferecendo diversidade e originalidade. Nós não sabemos, mas eles estão igualmente nos defendendo.

Por conta do progresso, que tem sido a palavra de ordem no País?

Eles estão nos defendendo de uma fúria desenvolvimentista. Sou totalmente contra grandes hidrelétricas. Sei que temos de gerar energia, mas o impacto desses empreendimentos monstruosos é muito danoso. Acredito em outro modelo, mais local, com pequenas centrais, energia das ondas do mar, do sol. Conheço a hidrelétrica de Tucuruí (no Rio Tocantins, no Pará) e, quando estive lá, não consegui nem enquadrá-la numa foto, dado o tamanho do monstro. E a história de Balbina (no estado do Amazonas) todo mundo já conhece, trata-se de um empreendimento com grandes impactos, incompatíveis com os benefícios.

A senhora esteve em Altamira, em cujas imediações estão sendo feitas as obras de Belo Monte. Quando foi isso, e qual era o cenário lá?

Estive lá logo que o burburinho começou, vi o projeto de perto, conversei com as pessoas. O que está acontecendo lá é um desenvolvimento a qualquer custo. Vai afetar muitos povos indígenas, como os Kaiapós e Juruna, além de populações rurais. Não sei como vai ficar quando estiver pronto, os impactos nas populações, porém, serão imensos. E essa energia gerada vai para indústrias, o zé povinho mesmo não leva quase nada para si.

E os Kamaiurá, foco principal de seus estudos desde a década de 1960, serão afetados?

Os Kamaiurá ficam um pouquinho mais para baixo no Pará. Diretamente não serão afetados, mas hoje o que acontece na região do Xingu afeta a todos. Eles não estão mais isolados. Haverá consequências secundárias. Muda a flora, muda a fauna, isso afeta as populações, que são expulsas e não participam do processo. Quando dizem “ah, mas é pouco o que será usado de território”, é um argumento pífio. O território é deles, e, por tudo que fizemos com os povos indígenas, temos pelo menos uma dívida moral com eles.

Quais são as principais mudanças que a senhora já registrou no comportamento do povo Kamaiurá desde o início de suas incursões ao local?

Como todo povo indígena, eles gostam muito de mel. De repente o açúcar surge como um produto baratíssimo. Isso começou desde a época dos irmãos Villas-Boas, que, no entanto não gostavam que os índios adquirissem todos os nossos hábitos. Depois da década de 1990, os Kamaiurá começaram a comprar muito açúcar, em pacotes de cinco quilos. Hoje já tem uma moça com diabetes na aldeia. O que quero dizer com isso? Essa entrada do capitalismo mudou o comportamento nas aldeias. Vai mudando o paladar. O capitalismo coloniza até o apetite dos índios, que passaram a consumir o que nós consumimos. Hoje, as listas de presentes que eles me pedem para quando voltar têm produtos para depilação, embelezamento dos cabelos, e outras coisas que classifico na categoria novidades, que vão desde cachorros a aparelhos eletrônicos. Os jovens hoje têm acesso às redes sociais, o que traz mais mudanças ainda. Eles têm um programa de rádio e, outro dia, foram me entrevistar novamente. Pela primeira vez, um deles passou a palavra ao outro dizendo “É com você, Bené”. Isso não é coisa de futebol? Hoje eles cobram hospedagem, cobram por direito de imagem. Já entenderam a economia monetária, embora para eles a troca ainda seja o primordial.

A ecopolítica, foco do colóquio de hoje, propõe-se a analisar práticas de gestão que incluem mecanismos de controle das populações, dentro da democracia participativa. Quais são os impactos desse controle sobre os povos indígenas?

Eles estão passando por várias mudanças e teoricamente têm mais poder de participação, mas não é real. E sobre mudanças no cotidiano, eles encaram como naturais. Só entram na defensiva mesmo quando pode haver impactos na tradição. Fiz entrevistas na aldeia para descobrir o que eles chamavam de tradição. São ritos e mitos, o que eles mais valorizam. Ainda não é o dinheiro. Enquanto tradição para nós tem a ver com rotina de trabalho, de família, filhos, para eles é a arte. Isso é o que mais valorizam.

E isso tudo pode ser afetado por esses grandes empreendimentos?

Essa perda cultural deve entrar no cálculo dessas grandes obras. Mas não entra, ninguém dá valor a isso. Os grandes empreendimentos modificam a flora e a fauna; é possível que o regime dos peixes se altere. A sobrevivência dos xinguanos pode ser afetada. O maior perigo é com a alimentação precarizada, e que eles comecem a se voltar para o turismo ecológico. Seria desastroso se começassem a realizar suas cerimônias até para inglês ver. Com o tempo, essas cerimônias poderiam perder seu caráter aglutinador, sua memória, tornando-se apenas espetáculo.

(O Globo)

When Leaving Your Wealth to Your Sister’s Sons Makes Sense (Science Daily)

ScienceDaily (Oct. 16, 2012) — To whom a man’s possessions go when he dies is both a matter of cultural norm and evolutionary advantage.

In most human societies, men pass on their worldly goods to their wife’s children. But in about 10 percent of societies, men inexplicably transfer their wealth to their sister’s sons — what’s called “mother’s brother-sister’s son” inheritance. A new study on this unusual form of matrilineal inheritance by Santa Fe Institute reseacher Laura Fortunato has produced insights into this practice.

Her findings appear October 17 in the online edition of Proceedings of the Royal Society B.

“Matrilineal inheritance is puzzling for anthropologists because it causes tension for a man caught between his sisters and wife,” explains Fortunato, who has used game theory to study mother’s brother-sister’s son inheritance. “From an evolutionary perspective it’s also puzzling because you expect an individual to invest in his closest relatives — usually the individual’s own children.”

For decades research on the practice of matrilineal inheritance focused on the probabilities of a man being the biological father of his wife’s children — probabilities that lie on a sliding scale depending on the rate of promiscuity or whether polyandrous marriage (when a woman takes two or more husbands) is practiced.

Of special interest has been the probability value below which man is more closely related to his sister’s children than to his wife’s children. Below this “paternity threshold” a man is better off investing in his sister’s offspring, who are sure to be blood relatives, than his own wife’s children.

In her work modeling the evolutionary payoffs of marriage and inheritance strategies, Fortunato looked beyond the paternity threshold to see, among other things, what payoffs there were for men and women in different marital situations — including polygamy.

“What emerges is quite interesting,” says Fortunato. “Where inheritance is matrilineal, a man with multiple wives ‘wins’ over a man with a single wife.” That’s because wives have brothers, and those brothers will pass on their wealth to the husband’s sons. So more wives means more brothers-in-laws to invest in your sons.

The model also shows an effect for women with multiple husbands. The husband of a woman with multiple husbands is unsure of his paternity, so he may be better off investing in his sister’s offspring.

“A woman does not benefit from multiple husbands where inheritance is matrilineal, however,” Fortunato explains, “because her husbands will invest in their sisters’ kids.” Family structure determines how societies handle relatedness and reproduction issues, Fortunato says. Understanding these practices and their evolutionary implications is a prerequisite for a theory of human behavior.

Journal Reference:

  1. Dr Laura Fortunato. The evolution of matrilineal kinship organizationProceedings of the Royal Society B, October 17, 2012 DOI: 10.1098/rspb.2012.1926

Link between creativity and mental illness confirmed (Karolinska Institutet)

[PRESS RELEASE 16 October 2012] People in creative professions are treated more often for mental illness than the general population, there being a particularly salient connection between writing and schizophrenia. This according to researchers at Karolinska Institutet, whose large-scale Swedish registry study is the most comprehensive ever in its field.

Last year, the team showed that artists and scientists were more common amongst families where bipolar disorder and schizophrenia is present, compared to the population at large. They subsequently expanded their study to many more psychiatric diagnoses – such as schizoaffective disorder, depression, anxiety syndrome, alcohol abuse, drug abuse, autism, ADHD, anorexia nervosa and suicide – and to include people in outpatient care rather than exclusively hospital patients.

The present study tracked almost 1.2 million patients and their relatives, identified down to second-cousin level. Since all were matched with healthy controls, the study incorporated much of the Swedish population from the most recent decades. All data was anonymized and cannot be linked to any individuals.

The results confirmed those of their previous study: certain mental illness – bipolar disorder – is more prevalent in the entire group of people with artistic or scientific professions, such as dancers, researchers, photographers and authors. Authors specifically also were more common among most of the other psychiatric diseases (including schizophrenia, depression, anxiety syndrome and substance abuse) and were almost 50 per cent more likely to commit suicide than the general population.

The researchers also observed that creative professions were more common in the relatives of patients with schizophrenia, bipolar disorder, anorexia nervosa and, to some extent, autism. According to Simon Kyaga, consultant in psychiatry and doctoral student at the Department of Medical Epidemiology and Biostatistics, the results give cause to reconsider approaches to mental illness.

“If one takes the view that certain phenomena associated with the patients illness are beneficial, it opens the way for a new approach to treatment,” he says. “In that case, the doctor and patient must come to an agreement on what is to be treated, and at what cost. In psychiatry and medicine generally there has been a tradition to see the disease in black-and-white terms and to endeavour to treat the patient by removing everything regarded as morbid.”

The study was financed with grants from the Swedish Research Council, the Swedish Psychiatry Foundation, the Bror Gadelius Foundation, the Stockholm Centre for Psychiatric Research and the Swedish Council for Working Life and Social Research.

Publication

Simon Kyaga, Mikael Landén, Marcus Boman, Christina M. Hultman och Paul Lichtenstein. Mental illness, suicide and creativity: 40-Year prospective total population study. Journal of Psychiatric Research, corrected proof online 9 October 2012

Life span of humans took a huge jump in past century (MSNBC)

Researchers credit environmental improvements, not genetics, for the increaseBy Trevor Stokes

updated 10/15/2012 7:11:26 PM ET

Humans are living longer than ever, a life-span extension that occurred more rapidly than expected and almost solely from environmental improvements as opposed to genetics, researchers said Monday.

Four generations ago, the average Swede had the same probability of dying as a hunter-gatherer, but improvements in our living conditions through medicine, better sanitation and clean drinking water (considered “environmental” changes) decreased mortality rates to modern levels in just 100 years, researchers found.

In Japan, 72 has become the new 30, as the likelihood of a 72-year-old modern-day person dying is the same as a 30-year-old hunter-gatherer ancestor who lived 1.3 million years ago. Though the researchers didn’t specifically look at the United States, they say the trends are not country-specific and not based in genetics.

Quick jump in life span
The same progress of decreasing average probability of dying at a certain age in hunters-gatherers that took 1.3 million years to achieve was made in 30 years during the 21st century.

“I pictured a more gradual transition from a hunter-gatherer mortality profile to something like we have today, rather than this big jump, most of which occurred in the last four generations, to me that was surprise,” lead author Oskar Burger, postdoctoral fellow at the Max Planck Institute for Demographic Research in Germany, told LiveScience.

Biologists have lengthened life spans of worms, fruit flies and mice in labs by selectively breeding for old-age survivorship or tweaking their endocrine system, a network of glands that affects every cell in the body. However, the longevity gained in humans over the past four generations is even greater than can be created in labs, researchers concluded. [Extending Life: 7 Ways to Live Past 100]

Genetics vs. environment
In the new work, Burger and colleagues analyzed previously published mortality data from Sweden, France and Japan, from present-day hunter-gatherers and from wild chimpanzees, the closet living relative to humans.

Humans have lived for an estimated 8,000 generations, but only in the past four have mortalities decreased to modern-day levels. Hunter-gatherers today have average life spans on par with wild chimpanzees.

The research suggests that while genetics plays a small role in shaping human mortality, the key in driving up our collective age lies with the advent of medical technologies, improved nutrition, higher education, better housing and several other improvements to the overall standards of living.

“This recent progress has been just astronomically fast compared to what we made since the split from chimpanzees,” Burger said.

Most of the brunt of decreased mortality comes in youth: By age 15, hunters and gatherers have more than 100 times the chance of dying as modern-day people.

What’s next?
“In terms of what’s going on in the next four generations, I want to be very clear that I don’t make any forecasts,” Burger said. “We’re in a period of transition and we don’t know what the new stable point will be.”

However, some researchers say that humans may have maxed out their old age.

“These mortality curves (that show the probability of dying by a certain age), they are now currently at their lowest possible value, which makes a very strong prediction that life span cannot increase much more,” Caleb Finch, a neurogerontology professor at the University of Southern California who studies the biological mechanisms of aging, told LiveScience in an email.

Further, Finch, who was not involved in the current study, argues that environmental degradation, including climate change and ozone pollution, combined with increased obesity “are working to throw us back to an earlier phase of our improvements, they’re regressive.”

“It’s impossible to make any reasonable predictions, but you can look, for example, in local environments in Los Angeles where the density of particles in the air predict the rate of heart disease and cancer,” Finch said, illustrating the link between the environment and health.

The study was detailed Monday in the journal Proceedings of the National Academy of Sciences.

Evolution mostly driven by brawn, not brains (University College London)

Public release date: 15-Oct-2012
By Clare Ryan
University College London

The most common measure of intelligence in animals, brain size relative to body size, may not be as dependent on evolutionary selection on the brain as previously thought, according to a new analysis by scientists.

Brain size relative to body size has been used by generations of scientists to predict an animal’s intelligence. For example, although the human brain is not the largest in the animal kingdom in terms of volume or mass, it is exceptionally large considering our moderate body mass.

Now, a study by a team of scientists at UCL, the University of Konstanz, and the Max Planck Institute of Ornithology has found that the relationship between the two traits is driven by different evolutionary mechanisms in different animals.

Crucially, researchers have found that the most significant factor in determining relative brain size is often evolutionary pressure on body size, and not brain size. For example, the evolutionary history of bats reveals they decreased body size much faster than brain size, leading to an increase in relative brain size. As a result, small bats were able to evolve improved flying manoeuvrability while maintaining the brainpower to handle foraging in cluttered environments.

This shows that relative brain size can not be used unequivocally as evidence of selection for intelligence. The study is published today in the Proceedings of the National Academy of Sciences.

Dr Jeroen Smaers (UCL Anthropology and UCL Genetics, Evolution & Environment), lead author of the study said: “When using brain size relative to body size as a measure of intelligence, the assumption has always been that this measure is primarily driven by changes in brain size. It now appears that the relationship between changes in brain and body size in animals is more complex than has long been assumed.

“Changes in body size often occur independently of changes in brain size and vice versa. Moreover, the nature of these independent changes in brain and body size, are different in different groups of animals.”

Researchers at UCL gathered data on brain and body mass for hundreds of modern and extinct bats, carnivorans, and primates. They then charted brain and body size evolution over time for each species. Across millions of years, most animals increased body size faster than brain size, with the exception of bats.

In primate lineages decreases in brain size marginally outpaced those in body size. Carnivoran evolution has taken yet a different course, with changes generally more strongly associated with body size rather than selection on brain size and cognition.

Given such differences, the authors believe that the predominant interpretation of relative brain size as the consequence of selection on intelligence inherently masks the often more significant influence of selection on body size.

Language is shaped by brain’s desire for clarity and ease (University of Rochester)

Public release date: 15-Oct-2012
By Susan Hagen
University of Rochester

 VIDEO: Translation: “Referee statue pick up. ” Above is one of the 80 animated video clips used to teach an artificial language to study participants. Cognitive scientists are just beginning to use…

Cognitive scientists have good news for linguistic purists terrified about the corruption of their mother tongue.

Using an artificial language in a carefully controlled laboratory experiment, a team from the University of Rochester and Georgetown University has found that many changes to language are simply the brain’s way of ensuring that communication is as precise and concise as possible.

“Our research shows that humans choose to reshape language when the structure is either overly redundant or confusing,” says T. Florian Jaeger, the Wilmot Assistant Professor of the Sciences at Rochester and co-author of a study published in the Proceedings of the National Academy of SciencesOct. 15. “This study suggests that we prefer languages that on average convey information efficiently, striking a balance between effort and clarity.”

The brain’s tendency toward efficient communication may also be an underlying reason that many human languages are structurally similar, says lead author Maryia Fedzechkina, a doctoral candidate at Rochester. Over and over, linguists have identified nearly identical grammatical conventions in seemingly unrelated languages scattered throughout the globe. For decades, linguists have debated the meaning of such similarities: are recurrent structures artifacts of distant common origins, are they simply random accidents, or do they reflect fundamental aspects of human cognition?

This study supports the latter, says co-author Elissa L. Newport, professor of neurology and director of the Center for Brain Plasticity and Recovery at Georgetown, and the former George Eastman Professor of Brain and Cognitive Sciences at Rochester. “The bias language learners have toward efficiency and clarity acts as a filter as languages are transmitted from one generation of learners to another,” she says. Alterations to language are introduced through many avenues, including the influence of other languages and changes in accents or pronunciation. “But this research finds that learners shift the language in ways that make it better – easier to use and more suitable for communication,” says Newport. That process also leads to the recurrent patterns across languages.

To observe the language acquisition process, the team created two miniature artificial languages that use suffixes on nouns to indicate subject or object. These “case markers” are common to Spanish, Russian, and other languages, but not English. In two experiments, 40 undergraduates, whose only language was English, learned the eight verbs, 15 nouns, and grammatical structure of the artificial languages. The training was spaced over four 45-minute sessions and consisted of computer images, short animated clips, and audio recordings. Then participants were asked to describe a novel action clip using their newly learned language.

 VIDEO: Translation: “Singer hunter chop. ” Unlike English, the artificial languages used in the study have free word order. When the subject and object could be easily confused, participants chose to reshape…

When faced with sentence constructions that could be confusing or ambiguous, the language learners in both experiments chose to alter the rules of the language they were taught in order to make their meaning clearer. They used case markers more often when the meaning of the subject and object might otherwise have caused unintended interpretations. So for example, a sentence like “Man hits wall,” is typical because the subject is a person and the object is a thing. But the sentence “Wall hits man,” as when a wall falls on top of a man, is atypical and confusing since the subject is a thing and the object is a person.

The results, write the authors, provide evidence that humans seek a balance between clarity and ease. Participants could have chosen to be maximally clear by always providing the case markers. Alternatively, they could have chosen to be maximally succinct by never providing the case markers. They did neither. Instead, they provided case-markers more often for those sentences that would otherwise have been more likely to be confused.

The findings also support the idea that language learners introduce common patterns, also known as linguistic universals, conclude the authors. The optional case marking that participants introduced in this experiment closely mirrors naturally occurring patterns in Japanese and Korean—when animate objects and inanimate subjects are more likely to receive case markings.

The history of English itself might reflect these deep principles of how we learn language, says Jaeger. Old English had cases and relatively free word order, as is still true for German. But at some point pronunciation changes began to obscure the case endings, creating ambiguity. In contemporary English, word order has become the primary signal by which speakers could decode the meaning, he says.

“Language acquisition can repair changes in languages to insure they don’t undermine communication,” says Fedzechkina. In light of these findings, new generations can perhaps be seen as renewing language, rather than corrupting it, she adds.

By the same token, says Jaeger, many elements of informal speech can be interpreted as rising from the brain’s bias toward efficiency. “When people turn ‘automobile’ into ‘auto,’ use informal contractions, swallow syllables, or take other linguistic shortcuts, the same principles are at work,” he says. Recent research has shown that these types of shortcuts appear only when their meaning is easily inferable from the context, he adds.

Developmental biologist proposes new theory of early animal evolution (New York Medical College)

Alternative model challenges a basic assumption of evolution

Public release date: 11-Oct-2012
By Donna E. Moriarty, MPH
New York Medical College

VALHALLA, October 11, 2012—A New York Medical College developmental biologist whose life’s work has supported the theory of evolution has developed a concept that dramatically alters one of its basic assumptions—that survival is based on a change’s functional advantage if it is to persist. Stuart A. Newman, Ph.D., professor of cell biology and anatomy, offers an alternative model in proposing that the origination of the structural motifs of animal form were actually predictable and relatively sudden, with abrupt morphological transformations favored during the early period of animal evolution.

Newman’s long view of evolution is fully explained in his perspective article, “Physico-Genetic Determinants in the Evolution of Development,” which is to be published in the October 12 issue of the journal Science, in a special section called Forces in Development. The paper has been selected for early online publication and a podcast interview with the scientist*.

Evolution is commonly thought to take place opportunistically, by small steps, with each change persisting, or not, based on its functional advantage. Newman’s alternative model is based on recent inferences about the genetics of the single-celled ancestors of the animals and, more surprisingly, the physics of “middle-scale” materials.

Animal bodies and the embryos that generate them exhibit an assortment of recurrent “morphological motifs” which, on the evidence of the fossil record, first appeared more than a half billion years ago. During embryonic development of present-day animals, cells arrange themselves into tissues having non-mixing layers and interior cavities. Embryos contain patterned arrangements of cell types with which they may form segments, exoskeletons and blood vessels. Developing bodies go on to fold, elongate, and extend appendages, and in some species, generate endoskeletons with repeating elements (e.g., the human hand).

These developmental motifs are strikingly similar to the forms assumed by nonliving condensed, chemically active, viscoelastic materials when they are organized by relevant physical forces and effects, although the mechanisms that generate the motifs in living embryos are typically much more complex. Newman proposes that the ancestors of the present-day animals acquired these forms when ancient single-celled organisms came to reside in multicellular clusters and physical processes relevant to matter at this new (for cellular life) spatial scale were immediately mobilized.

The unicellular progenitors are believed to have contained genes of the “developmental-genetic toolkit” with which all present-day animals orchestrate embryonic development, though they used the genes for single-cell functions. It was precisely these genes whose products enabled the ancestral clusters to harness the middle-scale physical effects that produced the characteristic motifs. And since not every ancestral cluster contained the same selection of toolkit genes, different body forms arose in parallel, giving rise to the modern morphologically distinct animal phyla.

Natural selection, acting over the hundreds of millions of years since the occurrence of these origination events led, according to Newman’s hypothesis, to more complex developmental processes which have made embryogenesis much less dependent on potentially inconsistent physical determinants, although the “physical” motifs were retained. As Newman describes in his article, this new perspective provides natural interpretations for puzzling aspects of the early evolution of the animals, including the “explosive” rise of complex body forms between 540 and 640 million years ago and the failure to add new motifs since that time. The model also helps us to understand the conserved use of the same set of genes to orchestrate development in all of the morphologically diverse phyla, and the “embryonic hourglass” of comparative developmental biology: the observation that the species of a phylum can have drastically different trajectories of early embryogenesis (e.g., frogs and mice), but still wind up with very similar “body plans.”

###

This link will take you to the podcast segment featuring the interview with Dr. Newman: http://www.sciencemag.org/content/338/6104/217/suppl/DC1

País ‘concorre’ a troféu por travar negociações na COP 11 (OESP)

JC e-mail 4605, de 17 de Outubro de 2012

Brasil é indicado pela segunda vez, durante a Convenção da Diversidade Biológica, a prêmio organizado por rede internacional de ONGs.

Pela segunda edição seguida da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), o Brasil figura hoje entre os indicados para o Troféu Dodô, que “premia” os países que menos têm evoluído nas negociações durante o encontro para evitar perdas de biodiversidade. Canadá, China, Paraguai e a Grã-Bretanha são os outros indicados pela CBD Alliance, uma rede internacional de ONGs que participa da convenção.

O pássaro dodô é o escolhido para dar nome ao prêmio por estar extinto há cerca de quatro séculos – a espécie vivia na costa leste da África, na Ilha Maurício. Nas convenções do clima, o equivalente é o Troféu Fóssil do Dia – o País foi “agraciado” em Durban, há quase um ano.

Entre as razões para a presença do País na lista está a falta de preocupação do governo com a biodiversidade na negociação de mecanismos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (Redd+) – sistema de compensação financeira para atividades que diminuam a emissão de carbono.

Na 11ª conferência das partes (COP-11) da CBD em Hyderabad, na Índia, o Brasil quer evitar a definição de salvaguardas de biodiversidade nos textos, fazendo pressão para que haja diferenças claras entre os acordos da CBD e os estabelecidos nas Convenções sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC).

O governo brasileiro se alinhou a outros países descontentes, como Colômbia e Argentina, para criticar o texto que está sendo trabalhado na conferência da Índia. Em nota, o bloco afirmou que o documento está atrasado e não leva em conta as resoluções alcançadas nas Conferências do Clima de Cancún e de Durban.

“Muitas das recomendações que estamos vendo na COP-11 ou são redundantes ou colocam barreiras para a implementação dessa importante ferramenta (de Redd+)”, dizem os países. Além disso, o Brasil foi indicado ao troféu pelo fato de o governo não ter, segundo a rede de ONGs, uma boa relação com comunidades locais e tribos indígenas que vivem em áreas de relevância ecológica e biológica.

Nova indicação – Há dois anos, o País havia sido indicado por outro motivo: durante o encontro na cidade japonesa de Nagoya, os representantes brasileiros promoveram de forma escancarada os biocombustíveis e foram criticados por tentar abafar os possíveis impactos sobre a biodiversidade e as populações.

Os vencedores de 2010, porém, foram o Canadá e a União Europeia. O Canadá voltou a ser indicado neste ano, também acusado de tentar evitar a discussão sobre os biocombustíveis.

De acordo com as ONGs, a China tem desencorajado o desenvolvimento de áreas marinhas em países vizinhos, enquanto o Paraguai tem bloqueado qualquer progresso em assuntos socioeconômicos nas questões de biossegurança. Já a Grã-Bretanha estaria trabalhando para evitar discussões sobre biologia sintética e geoengenharia.

(O Estado de São Paulo)