Arquivo mensal: fevereiro 2017

Nobody understands what consciousness is or how it works. Nobody understands quantum mechanics either. Could that be more than coincidence? (BBC)

What is going on in our brains? (Credit: Mehau Kulyk/Science Photo Library)

What is going on in our brains? (Credit: Mehau Kulyk/Science Photo Library)

Quantum mechanics is the best theory we have for describing the world at the nuts-and-bolts level of atoms and subatomic particles. Perhaps the most renowned of its mysteries is the fact that the outcome of a quantum experiment can change depending on whether or not we choose to measure some property of the particles involved.

When this “observer effect” was first noticed by the early pioneers of quantum theory, they were deeply troubled. It seemed to undermine the basic assumption behind all science: that there is an objective world out there, irrespective of us. If the way the world behaves depends on how – or if – we look at it, what can “reality” really mean?

The most famous intrusion of the mind into quantum mechanics comes in the “double-slit experiment”

Some of those researchers felt forced to conclude that objectivity was an illusion, and that consciousness has to be allowed an active role in quantum theory. To others, that did not make sense. Surely, Albert Einstein once complained, the Moon does not exist only when we look at it!

Today some physicists suspect that, whether or not consciousness influences quantum mechanics, it might in fact arise because of it. They think that quantum theory might be needed to fully understand how the brain works.

Might it be that, just as quantum objects can apparently be in two places at once, so a quantum brain can hold onto two mutually-exclusive ideas at the same time?

These ideas are speculative, and it may turn out that quantum physics has no fundamental role either for or in the workings of the mind. But if nothing else, these possibilities show just how strangely quantum theory forces us to think.

The famous double-slit experiment (Credit: Victor de Schwanberg/Science Photo Library)

The famous double-slit experiment (Credit: Victor de Schwanberg/Science Photo Library)

The most famous intrusion of the mind into quantum mechanics comes in the “double-slit experiment”. Imagine shining a beam of light at a screen that contains two closely-spaced parallel slits. Some of the light passes through the slits, whereupon it strikes another screen.

Light can be thought of as a kind of wave, and when waves emerge from two slits like this they can interfere with each other. If their peaks coincide, they reinforce each other, whereas if a peak and a trough coincide, they cancel out. This wave interference is called diffraction, and it produces a series of alternating bright and dark stripes on the back screen, where the light waves are either reinforced or cancelled out.

The implication seems to be that each particle passes simultaneously through both slits

This experiment was understood to be a characteristic of wave behaviour over 200 years ago, well before quantum theory existed.

The double slit experiment can also be performed with quantum particles like electrons; tiny charged particles that are components of atoms. In a counter-intuitive twist, these particles can behave like waves. That means they can undergo diffraction when a stream of them passes through the two slits, producing an interference pattern.

Now suppose that the quantum particles are sent through the slits one by one, and their arrival at the screen is likewise seen one by one. Now there is apparently nothing for each particle to interfere with along its route – yet nevertheless the pattern of particle impacts that builds up over time reveals interference bands.

The implication seems to be that each particle passes simultaneously through both slits and interferes with itself. This combination of “both paths at once” is known as a superposition state.

But here is the really odd thing.

The double-slit experiment (Credit: GIPhotoStock/Science Photo Library)

The double-slit experiment (Credit: GIPhotoStock/Science Photo Library)

If we place a detector inside or just behind one slit, we can find out whether any given particle goes through it or not. In that case, however, the interference vanishes. Simply by observing a particle’s path – even if that observation should not disturb the particle’s motion – we change the outcome.

The physicist Pascual Jordan, who worked with quantum guru Niels Bohr in Copenhagen in the 1920s, put it like this: “observations not only disturb what has to be measured, they produce it… We compel [a quantum particle] to assume a definite position.” In other words, Jordan said, “we ourselves produce the results of measurements.”

If that is so, objective reality seems to go out of the window.

And it gets even stranger.

Particles can be in two states (Credit: Victor de Schwanberg/Science Photo Library)

Particles can be in two states (Credit: Victor de Schwanberg/Science Photo Library)

If nature seems to be changing its behaviour depending on whether we “look” or not, we could try to trick it into showing its hand. To do so, we could measure which path a particle took through the double slits, but only after it has passed through them. By then, it ought to have “decided” whether to take one path or both.

The sheer act of noticing, rather than any physical disturbance caused by measuring, can cause the collapse

An experiment for doing this was proposed in the 1970s by the American physicist John Wheeler, and this “delayed choice” experiment was performed in the following decade. It uses clever techniques to make measurements on the paths of quantum particles (generally, particles of light, called photons) after they should have chosen whether to take one path or a superposition of two.

It turns out that, just as Bohr confidently predicted, it makes no difference whether we delay the measurement or not. As long as we measure the photon’s path before its arrival at a detector is finally registered, we lose all interference.

It is as if nature “knows” not just if we are looking, but if we are planning to look.

(Credit: Emilio Segre Visual Archives/American Institute Physics/Science Photo Library)

Eugene Wigner (Credit: Emilio Segre Visual Archives/American Institute of Physics/Science Photo Library)

Whenever, in these experiments, we discover the path of a quantum particle, its cloud of possible routes “collapses” into a single well-defined state. What’s more, the delayed-choice experiment implies that the sheer act of noticing, rather than any physical disturbance caused by measuring, can cause the collapse. But does this mean that true collapse has only happened when the result of a measurement impinges on our consciousness?

It is hard to avoid the implication that consciousness and quantum mechanics are somehow linked

That possibility was admitted in the 1930s by the Hungarian physicist Eugene Wigner. “It follows that the quantum description of objects is influenced by impressions entering my consciousness,” he wrote. “Solipsism may be logically consistent with present quantum mechanics.”

Wheeler even entertained the thought that the presence of living beings, which are capable of “noticing”, has transformed what was previously a multitude of possible quantum pasts into one concrete history. In this sense, Wheeler said, we become participants in the evolution of the Universe since its very beginning. In his words, we live in a “participatory universe.”

To this day, physicists do not agree on the best way to interpret these quantum experiments, and to some extent what you make of them is (at the moment) up to you. But one way or another, it is hard to avoid the implication that consciousness and quantum mechanics are somehow linked.

Beginning in the 1980s, the British physicist Roger Penrosesuggested that the link might work in the other direction. Whether or not consciousness can affect quantum mechanics, he said, perhaps quantum mechanics is involved in consciousness.

Physicist and mathematician Roger Penrose (Credit: Max Alexander/Science Photo Library)

Physicist and mathematician Roger Penrose (Credit: Max Alexander/Science Photo Library)

What if, Penrose asked, there are molecular structures in our brains that are able to alter their state in response to a single quantum event. Could not these structures then adopt a superposition state, just like the particles in the double slit experiment? And might those quantum superpositions then show up in the ways neurons are triggered to communicate via electrical signals?

Maybe, says Penrose, our ability to sustain seemingly incompatible mental states is no quirk of perception, but a real quantum effect.

Perhaps quantum mechanics is involved in consciousness

After all, the human brain seems able to handle cognitive processes that still far exceed the capabilities of digital computers. Perhaps we can even carry out computational tasks that are impossible on ordinary computers, which use classical digital logic.

Penrose first proposed that quantum effects feature in human cognition in his 1989 book The Emperor’s New Mind. The idea is called Orch-OR, which is short for “orchestrated objective reduction”. The phrase “objective reduction” means that, as Penrose believes, the collapse of quantum interference and superposition is a real, physical process, like the bursting of a bubble.

Orch-OR draws on Penrose’s suggestion that gravity is responsible for the fact that everyday objects, such as chairs and planets, do not display quantum effects. Penrose believes that quantum superpositions become impossible for objects much larger than atoms, because their gravitational effects would then force two incompatible versions of space-time to coexist.

Penrose developed this idea further with American physician Stuart Hameroff. In his 1994 book Shadows of the Mind, he suggested that the structures involved in this quantum cognition might be protein strands called microtubules. These are found in most of our cells, including the neurons in our brains. Penrose and Hameroff argue that vibrations of microtubules can adopt a quantum superposition.

But there is no evidence that such a thing is remotely feasible.

Microtubules inside a cell (Credit: Dennis Kunkel Microscopy/Science Photo Library)

Microtubules inside a cell (Credit: Dennis Kunkel Microscopy/Science Photo Library)

It has been suggested that the idea of quantum superpositions in microtubules is supported by experiments described in 2013, but in fact those studies made no mention of quantum effects.

Besides, most researchers think that the Orch-OR idea was ruled out by a study published in 2000. Physicist Max Tegmark calculated that quantum superpositions of the molecules involved in neural signaling could not survive for even a fraction of the time needed for such a signal to get anywhere.

Other researchers have found evidence for quantum effects in living beings

Quantum effects such as superposition are easily destroyed, because of a process called decoherence. This is caused by the interactions of a quantum object with its surrounding environment, through which the “quantumness” leaks away.

Decoherence is expected to be extremely rapid in warm and wet environments like living cells.

Nerve signals are electrical pulses, caused by the passage of electrically-charged atoms across the walls of nerve cells. If one of these atoms was in a superposition and then collided with a neuron, Tegmark showed that the superposition should decay in less than one billion billionth of a second. It takes at least ten thousand trillion times as long for a neuron to discharge a signal.

As a result, ideas about quantum effects in the brain are viewed with great skepticism.

However, Penrose is unmoved by those arguments and stands by the Orch-OR hypothesis. And despite Tegmark’s prediction of ultra-fast decoherence in cells, other researchers have found evidence for quantum effects in living beings. Some argue that quantum mechanics is harnessed by migratory birds that use magnetic navigation, and by green plants when they use sunlight to make sugars in photosynthesis.

Besides, the idea that the brain might employ quantum tricks shows no sign of going away. For there is now another, quite different argument for it.

Could phosphorus sustain a quantum state? (Credit: Phil Degginger/Science Photo Library)

Could phosphorus sustain a quantum state? (Credit: Phil Degginger/Science Photo Library)

In a study published in 2015, physicist Matthew Fisher of the University of California at Santa Barbara argued that the brain might contain molecules capable of sustaining more robust quantum superpositions. Specifically, he thinks that the nuclei of phosphorus atoms may have this ability.

Phosphorus atoms are everywhere in living cells. They often take the form of phosphate ions, in which one phosphorus atom joins up with four oxygen atoms.

Such ions are the basic unit of energy within cells. Much of the cell’s energy is stored in molecules called ATP, which contain a string of three phosphate groups joined to an organic molecule. When one of the phosphates is cut free, energy is released for the cell to use.

Cells have molecular machinery for assembling phosphate ions into groups and cleaving them off again. Fisher suggested a scheme in which two phosphate ions might be placed in a special kind of superposition called an “entangled state”.

Phosphorus spins could resist decoherence for a day or so, even in living cells

The phosphorus nuclei have a quantum property called spin, which makes them rather like little magnets with poles pointing in particular directions. In an entangled state, the spin of one phosphorus nucleus depends on that of the other.

Put another way, entangled states are really superposition states involving more than one quantum particle.

Fisher says that the quantum-mechanical behaviour of these nuclear spins could plausibly resist decoherence on human timescales. He agrees with Tegmark that quantum vibrations, like those postulated by Penrose and Hameroff, will be strongly affected by their surroundings “and will decohere almost immediately”. But nuclear spins do not interact very strongly with their surroundings.

All the same, quantum behaviour in the phosphorus nuclear spins would have to be “protected” from decoherence.

Quantum particles can have different spins (Credit: Richard Kail/Science Photo Library)

Quantum particles can have different spins (Credit: Richard Kail/Science Photo Library)

This might happen, Fisher says, if the phosphorus atoms are incorporated into larger objects called “Posner molecules”. These are clusters of six phosphate ions, combined with nine calcium ions. There is some evidence that they can exist in living cells, though this is currently far from conclusive.

I decided… to explore how on earth the lithium ion could have such a dramatic effect in treating mental conditions

In Posner molecules, Fisher argues, phosphorus spins could resist decoherence for a day or so, even in living cells. That means they could influence how the brain works.

The idea is that Posner molecules can be swallowed up by neurons. Once inside, the Posner molecules could trigger the firing of a signal to another neuron, by falling apart and releasing their calcium ions.

Because of entanglement in Posner molecules, two such signals might thus in turn become entangled: a kind of quantum superposition of a “thought”, you might say. “If quantum processing with nuclear spins is in fact present in the brain, it would be an extremely common occurrence, happening pretty much all the time,” Fisher says.

He first got this idea when he started thinking about mental illness.

A capsule of lithium carbonate (Credit: Custom Medical Stock Photo/Science Photo Library)

A capsule of lithium carbonate (Credit: Custom Medical Stock Photo/Science Photo Library)

“My entry into the biochemistry of the brain started when I decided three or four years ago to explore how on earth the lithium ion could have such a dramatic effect in treating mental conditions,” Fisher says.

At this point, Fisher’s proposal is no more than an intriguing idea

Lithium drugs are widely used for treating bipolar disorder. They work, but nobody really knows how.

“I wasn’t looking for a quantum explanation,” Fisher says. But then he came across a paper reporting that lithium drugs had different effects on the behaviour of rats, depending on what form – or “isotope” – of lithium was used.

On the face of it, that was extremely puzzling. In chemical terms, different isotopes behave almost identically, so if the lithium worked like a conventional drug the isotopes should all have had the same effect.

Nerve cells are linked at synapses (Credit: Sebastian Kaulitzki/Science Photo Library)

Nerve cells are linked at synapses (Credit: Sebastian Kaulitzki/Science Photo Library)

But Fisher realised that the nuclei of the atoms of different lithium isotopes can have different spins. This quantum property might affect the way lithium drugs act. For example, if lithium substitutes for calcium in Posner molecules, the lithium spins might “feel” and influence those of phosphorus atoms, and so interfere with their entanglement.

We do not even know what consciousness is

If this is true, it would help to explain why lithium can treat bipolar disorder.

At this point, Fisher’s proposal is no more than an intriguing idea. But there are several ways in which its plausibility can be tested, starting with the idea that phosphorus spins in Posner molecules can keep their quantum coherence for long periods. That is what Fisher aims to do next.

All the same, he is wary of being associated with the earlier ideas about “quantum consciousness”, which he sees as highly speculative at best.

Consciousness is a profound mystery (Credit: Sciepro/Science Photo Library)

Consciousness is a profound mystery (Credit: Sciepro/Science Photo Library)

Physicists are not terribly comfortable with finding themselves inside their theories. Most hope that consciousness and the brain can be kept out of quantum theory, and perhaps vice versa. After all, we do not even know what consciousness is, let alone have a theory to describe it.

We all know what red is like, but we have no way to communicate the sensation

It does not help that there is now a New Age cottage industrydevoted to notions of “quantum consciousness“, claiming that quantum mechanics offers plausible rationales for such things as telepathy and telekinesis.

As a result, physicists are often embarrassed to even mention the words “quantum” and “consciousness” in the same sentence.

But setting that aside, the idea has a long history. Ever since the “observer effect” and the mind first insinuated themselves into quantum theory in the early days, it has been devilishly hard to kick them out. A few researchers think we might never manage to do so.

In 2016, Adrian Kent of the University of Cambridge in the UK, one of the most respected “quantum philosophers”, speculated that consciousness might alter the behaviour of quantum systems in subtle but detectable ways.

We do not understand how thoughts work (Credit: Andrzej Wojcicki/Science Photo Library)

We do not understand how thoughts work (Credit: Andrzej Wojcicki/Science Photo Library)

Kent is very cautious about this idea. “There is no compelling reason of principle to believe that quantum theory is the right theory in which to try to formulate a theory of consciousness, or that the problems of quantum theory must have anything to do with the problem of consciousness,” he admits.

Every line of thought on the relationship of consciousness to physics runs into deep trouble

But he says that it is hard to see how a description of consciousness based purely on pre-quantum physics can account for all the features it seems to have.

One particularly puzzling question is how our conscious minds can experience unique sensations, such as the colour red or the smell of frying bacon. With the exception of people with visual impairments, we all know what red is like, but we have no way to communicate the sensation and there is nothing in physics that tells us what it should be like.

Sensations like this are called “qualia”. We perceive them as unified properties of the outside world, but in fact they are products of our consciousness – and that is hard to explain. Indeed, in 1995 philosopher David Chalmers dubbed it “the hard problem” of consciousness.

How does our consciousness work? (Credit: Victor Habbick Visions/Science Photo Library)

How does our consciousness work? (Credit: Victor Habbick Visions/Science Photo Library)

“Every line of thought on the relationship of consciousness to physics runs into deep trouble,” says Kent.

This has prompted him to suggest that “we could make some progress on understanding the problem of the evolution of consciousness if we supposed that consciousnesses alters (albeit perhaps very slightly and subtly) quantum probabilities.”

“Quantum consciousness” is widely derided as mystical woo, but it just will not go away

In other words, the mind could genuinely affect the outcomes of measurements.

It does not, in this view, exactly determine “what is real”. But it might affect the chance that each of the possible actualities permitted by quantum mechanics is the one we do in fact observe, in a way that quantum theory itself cannot predict. Kent says that we might look for such effects experimentally.

He even bravely estimates the chances of finding them. “I would give credence of perhaps 15% that something specifically to do with consciousness causes deviations from quantum theory, with perhaps 3% credence that this will be experimentally detectable within the next 50 years,” he says.

If that happens, it would transform our ideas about both physics and the mind. That seems a chance worth exploring.

Torcida única nos clássicos do Rio divide opiniões entre entidades e especialistas (O Globo)

Comandante do Gepe admite que comportamento das organizadas passou do tolerável

POR BERNARDO MELLO / TATIANA FURTADO

16/02/2017 12:25 / atualizado 16/02/2017 17:22

Torcedores socorrem um ferido no confronto entre organizadas de Flamengo e Botafogo – Marcelo Theobald / Agência O Globo

A ação civil pública, do Minstério Público Estadual (MPE), que pede torcida única nos clássicos cariocas ainda será apreciada pelo Juizado do Torcedor e Grandes Eventos. Porém, as autoridades envolvidas diretamente nos casos de brigas entre facções organizadas tendem a concordar com a proibição, ou alguma solução mais efetiva. O argumento voltou à tona após os episódios de violência no confronto entre Botafogo e Flamengo, no último domingo, no Engenhão, que terminaram com a morte de um torcedor e deixaram oito feridos.

A decisão será do juiz Guilherme Schilling, que assumiu o Juizado do Torcedor e Grandes Eventos, este mês. O ex ocupante do cargo, o juiz Marcelo Rubioli, agora no Tribunal de Justiça do Rio, considera que esse pode ser o primeiro degrau para se chegar a um modelo mais seguro para os torcedores.

– Acho que é um caminho. O próximo, talvez, seja inserir os espetáculos esportivos no planjemanto das forças armadas, que estão em caráter excepcional no Rio até o fim do Carnaval. A possibilidade de jogo com portões fechados não é viável do ponto de vista dos clubes. Mas estamos tratando do Estatuto, que prevê a proteção dos torcedores – sugere Rubioli, acrescentando que o interior dos estádios não tem tido problemas graves de segurança, salvo o caso recente do jogo entre Flamengo e Corinthians, no Maracanã. – Hoje, o estádio é um local seguro. No caso de torcida única em clássicos, não haveria aglomeração daquela que não vai entrar nas proximidades. Não tem como garantir qual medida vai ser mais eficaz.

Comandante do Grupamento Especial de Policiamente em Estádios (Gepe), o Major Silvio Luís, informou que vai conversar com o MPE e o Juizado para saber detalhes do pedido, antes de emitir uma opinião sobre o assunto. Porém, o responsável pelo policiamento nos estádios e acompanhamento das organizadas em dias de jogo, ressalta que, diante do comportamento das torcidas, algo precisa ser feito.

– Preciso avaliar o que estão propondo, mas o que posso dizer é que o comportamento das torcidas já passou do tolerável – afirmou o Major, destacando que os clássicos do Rio só não são com torcida dividida igualmente quando a configuração do estádio não permite. – Já tivemos casos assim em São Januário e na Arena da Ilha, onde os visitantes só podem receber 10% dos ingressos.

QUESTÃO ALÉM DOS ESTÁDIOS

As evidências, contudo, apontam que o problema vai além dos estádios. Antes do caso no Engenhão, a última briga de grandes proporções entre torcedores de Flamengo e Botafogo havia acontecido em julho de 2016, terminando com um morto. O conflito ocorreu em Bento Ribeiro, bairro da Zona Norte localizado a mais de 20 km do Estádio Luso-Brasileiro, onde os times se enfrentavam naquele dia.

Para o antropólogo Renzo Taddei, professor da Unifesp e autor de pesquisas sobre torcidas organizadas no futebol, o problema principal não é sequer a falta de policiamento, seja dentro ou fora de estádios. Na avaliação do especialista, torcedores e polícia desenvolveram, ao longo de décadas, uma relação turbulenta que tem questões sociais como pano de fundo:

– Não é à toa que a maior parte da violência a que uma torcida é submetida ou se submete em sua existência são conflitos contra a polícia, e não contra alguma torcida inimiga. O Estado impõe a segmentos inteiros da população um código de comunicação onde não há palavras, apenas brutalidade – avalia.

Torcedores exibem bandeirão pedindo a paz nos estádios em clássico entre Botafogo x Flamengo, marcado por cenas de violência no Engenhão – Marcelo Theobald / Agência O Globo

Taddei argumenta que o distanciamento entre torcidas organizadas e o restante da sociedade tende, na verdade, a acentuar a presença de membros que infringem a lei. Na opinião do antropólogo, lidar com a questão da violência no futebol depende de mais diálogo.

– Se houvesse uma interlocução saudável entre as comunidades das torcidas e o poder público, a mídia e a sociedade em geral, essas situações seriam mais fáceis de serem evitadas. O que eu estou dizendo é que muito menos do que 1% dos integrantes das torcidas causam problemas. Veja só: os Gaviões da Fiel tem cerca de 25 mil associados; as torcidas do Flamengo são também imensas. E qual o saldo do problema com as torcidas? Em 2016 foram 9 mortos em estádios. É muito mais perigoso andar de bicicleta do que ir ao estádio.

PROCURADOR VAI CONTESTAR NA JUSTIÇA

Segundo o blog Gente Boa, a Procuradoria Geral do Estado vai contestar na Justiça o pedido do Ministério Público para que os clássicos do Rio tenham torcida única nos estádios.

– É uma medida inadequada – diz o procurador-geral do Estado, Leonardo Espíndola – O Fla-Flu, por exemplo, é um patrimônio nacional que não pode ser banido por conta da ação de vândalos.

O Botafogo, por meio de nota da assessoria de imprensa, elogiou o trabalho do Gepe, mas se mostrou aberto a experiências que possam tornar os estádios mais seguros.

“Apesar de considerar que no último domingo houve um ponto fora da curva, pois o Gepe sabe fazer escolta, chegada e saída de organizadas, o Botafogo é favorável a experiências no sentido de melhorar as condições de segurança do futebol. Esse tipo de experiência, de torcida única, já deu certo em outros estados. O que o Botafogo não considera simples é ter a responsabilidade de cadastramento de membros de organizadas. É uma premissa quase impossível, porque os clubes não têm poder de fichar torcedores nem tem como controlar acesso a um local. Para o poder público, pode ser mais viável. Se for a decisão dos órgãos competentes, o Botafogo estará pronto para colaborar”, diz a nota.

Já o Flamengo, através de seu presidente Eduardo Bandeira de Mello, disse ser “totalmente contra” a torcida única em clássicos. O Fluminense, por sua vez, mostrou preocupação de que a medida acabe adotada de forma definitiva.

Além do veto à divisão das arquibancadas em clássicos, o promotor Rodrigo Terra também pede aos clubes que “se abstenham de fornecer gratuitamente ingressos às suas torcidas organizadas”. O Botafogo garante que não distribui bilhetes para as organizadas.

Veja também

Leia mais sobre esse assunto em  http://oglobo.globo.com/esportes/torcida-unica-nos-classicos-do-rio-divide-opinioes-entre-entidades-especialistas-20936250#ixzz4Z4rXMmZ1
© 1996 – 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Long Before Making Enigmatic Earthworks, People Reshaped Brazil’s Rain Forest (N.Y.Times)

By   FEB. 10, 2017

New research suggests people were sustainably managing the Amazon rain forest much earlier than was previously thought. Credit: Jenny Watling 

Deep in the Amazon, the rain forest once covered ancient secrets. Spread across hundreds of thousands of acres are massive, geometric earthworks. The carvings stretch out in circles and squares that can be as big as a city block, with trenches up to 12 yards wide and 13 feet deep. They appear to have been built up to 2,000 years ago.

Were the broken ceramics found near the entrances used for ritual sacrifices? Why were they here? The answer remains a mystery.

There are 450 geoglyphs concentrated in Brazil’s Acre State. Credit: Jenny Watling 

For centuries, the enigmatic structures remained hidden to all but a few archaeologists. Then in the 1980s, ranchers cleared land to raise cattle, uncovering the true extent of the earthworks in the process. More than 450 of these geoglyphs are concentrated within Acre State in Brazil.

Since the discovery, archaeological study of the earthworks and other evidence has challenged the notion that the rain forests of the Amazon were untouched by human hands before the arrival of European explorers in the 15th century. And while the true purpose of the geoglyphs remains unknown, a study published on Monday in The Proceedings of the National Academy of Sciences offers new insight into the lives of the ancient people who lived in the Amazon. Thousands of years before the earthworks were built, humans were managing the forests, using what appear to be sustainable agricultural practices.

“Our study was looking at the environmental impact that the geoglyph builders had on the landscape,” said Jennifer Watling, an archaeologist at the University of São Paulo, Brazil, who conducted the research while a student at the University of Exeter in Britain. “A lot of people have the idea that the Amazon forests are pristine forests, never touched by humans, and that’s obviously not the case.”

Dr. Watling and her team reconstructed a 6,000-year-old environmental history of two geoglyph sites in the Amazon rain forest. To do this, they searched for clues in soil samples in and around the sites. Microscopic plant fossils called phytoliths told them about ancient vegetation. Bits of charcoal revealed evidence of burnings. And a kind of carbon dating gave them a sense of how open the vegetation had been in the past.

About 4,000 years ago, people started burning the forest, which was mostly bamboo, just enough to make small openings. They may have planted maize or squash, weeded out some underbrush, and transported seeds or saplings to create a partly curated forest of useful tree products that Dr. Watling calls a “prehistoric supermarket.” After that, they started building the geoglyphs. The presence of just a few artifacts, and the layout of the earthworks, suggest they weren’t used as ancient villages or for military defenses. They were likely built for rituals, some archaeologists suspect.

Dr. Watling and her colleagues found that in contrast with the large-scale deforestation we see today — which threatens about 20 percent of the largest rain forest in the world — ancient indigenous people of the Amazon practiced something more akin to what we now call agroforestry. They restricted burns to site locations and maintained the surrounding landscape, creating small, temporary clearings in the bamboo and promoting the growth of plants like palm, cedar and Brazil nut that were, and still are, useful commodities. Today, indigenous groups around the world continue these sustainable practices in forests.

“Indigenous communities have actually transformed the ecosystem over a very long time,” said Dr. Watling. “The modern forest owes its biodiversity to the agroforestry practices that were happening during the time of the geoglyph builders.”

Entidade esotérica que controla o tempo faz parceria com Doria (Região Noroeste)

BIZARRO

08/02/2017 – as 17:00:00

Pouca gente sabe no Brasil, mas no Rio de Janeiro o povo se acostumou a ver um espírito tendo contrato com a prefeitura para controlar o tempo e evitar enchentes e outras tragédias. O contrato com a Fundação Cacique Cobra Coral começou com o prefeito César Maia em 2001 e durou até a última gestão, de Eduardo Paes.

O novo prefeito, bispo evangélico Marcelo Crivella, não renovou o contrato. Mas o que será de Cobra Coral, o espírito que encarna na médium Adelaide Scritori e já teria encarnado antes no cientista Galileu Galilei e no ex-presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln?

Segundo o jornal O Globo, o espírito de Cobra Coral, por meio de seu porta-voz Osmar Santos, firmou parceria com o prefeito de São Paulo, João Doria Júnior, para diminuir os impactos das chuvas na maior cidade do país.

“São Paulo vai exigir mais esforço e empenho pessoal do cacique. É muito mais difícil atuar para dispersar as chuvas por ser uma cidade mais plana. No Rio, o relevo ajuda, pois tem como desviar as nuvens para regiões montanhosas ou o mar”, disse Santos ao jornal.

João Doria apela para o ‘sobrenatural’ em São Paulo (Encontro)

O prefeito anunciou um contrato com a fundação Cacique Cobra Coral, que, supostamente, consegue controlar o tempo

por Marcelo Fraga  08/02/2017 08:14

Instagram/jdoriajr/Reprodução

O prefeito de São Paulo, João Dória Júnior, já causou polêmica com seu projeto Cidade Linda e, agora, acaba de fechar uma parceria com uma entidade “sobrenatural” que diz controlar o tempo (foto: Instagram/jdoriajr/Reprodução)

Recém-empossado prefeito de São Paulo, o empresário João Doria Júnior começou sua trajetória à frente da capital paulista com medidas polêmicas. Logo nos primeiros dias no poder, ele já se vestiu de Gari, simulou ser cadeirante e mandou apagar grafites em pontos famosos de SP. Agora, a mais nova ação de Doria também promete causar controvérsia.

De acordo com a jornalista Cleo Guimarães, responsável pela coluna Gente Boa, do jornal O Globo, o prefeito fechou uma parceria com a fundação Cacique Cobra Coral (FCCC), conhecida por, supostamente, conseguir “intervir” no tempo de forma mediúnica – teria “poderes sobrenaturais”.

De acordo com Cleo Guimarães, a FCCC estaria de mudança para a China, mas, a entidade decidiu permanecer no Brasil porque pretende dar “atenção especial a São Paulo”. Ainda segundo a jornalista, a fundação negociou com os chineses um trabalho à distância. Não se sabe qual função terá a Cacique Cobra Coral no país mais populoso do mundo.

Em seu site oficial, a FCCC afirma que sua missão é “minimizar catástrofes que podem ocorrer em razão dos desequilíbrios provocados pelo homem na natureza”. Isso, segundo a entidade, é feito por meio de sua presidente, Adelaide Scritori, filha do fundador, Ângelo Scritori. Ela, supostamente, incorpora o espírito do Cacique Cobra Coral e, assim, consegue intervir no clima.

Um dos casos famosos de atuação da fundação se deu em 2009, quando a médium Adelaide Scritori foi convocada pela prefeitura do Rio de Janeiro para usar seus supostos poderes para evitar a tempestade que prevista para a tradicional festa de Réveillon em Copacabana.

Prefeito de São Paulo firma parceria com a Fundação Cacique Cobra Coral (O Globo)

POR CLEO GUIMARÃES

05/02/2017 13:05

Osmar Santos e João Dória

Osmar Santos e João Dória | Divulgação

João Doria, prefeito de São Paulo, fechou parceria com a Fundação Cacique Cobra Coral, a entidade esotérica que teria o poder de controlar o clima. O contrato com a prefeitura paulista havia sido firmado na gestão José Serra e finalizado com Gilberto Kassab. A fundação estava de mudanças para a China, mas desistiu porque quer dar uma atenção especial a SP. No entanto, negociou com os chineses de trabalhar à distância.

Sem convênio com Crivella, Cobra Coral vai priorizar SP no ‘controle do tempo’ (O Globo)

Assessor da médium diz que cidade vai exigir mais ‘esforço e empenho pessoal’ do cacique. Fundação ainda recebe dados meteorológicos do Alerta Rio

Forte chuva alaga a Estrada do Itanhangá, em 31/01/2015 Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

Forte chuva alaga a Estrada do Itanhangá, em 31/01/2015 – Pablo Jacob / Agência O Globo

POR LUIZ ERNESTO MAGALHÃES

07/02/2017 8:21 / atualizado 07/02/2017 16:54RIO — Depois de quase duas décadas dando prioridade ao trabalho espiritual de tentar desviar nuvens de chuva que pairam sobre o Rio e expõem a cidade aos riscos de enchentes e deslizamentos, a Fundação Cacique Cobra Coral informa que mudou seu foco. Decidiu centrar seus esforços no controle do clima em São Paulo, após um pedido pessoal do prefeito João Doria Júnior, feito no fim de janeiro à fundação, conforme adiantou a Coluna Gente Boa no domingo. No entanto, a médium Adelaide Scritori, que diz incorporar o espírito do Cacique Cobra Coral, entidade que teria a capacidade de controlar o tempo, não abandonará os cariocas, apesar do convênio da fundação com a prefeitura do Rio ter expirado com o fim do governo do ex-prefeito Eduardo Paes.

— São Paulo vai exigir mais esforço e empenho pessoal do cacique. É muito mais difícil atuar para dispersar as chuvas por ser uma cidade mais plana. No Rio, o relevo ajuda, pois tem como desviar as nuvens para regiões montanhosas ou o mar. O objetivo será atuar para que as precipitações que acabam provocando enchentes na capital paulista se concentrem no Vale do Paraíba, junto à Serra da Cantareira, para permitir um aumento do volume de água nos reservatórios que atendem Rio e São Paulo. A situação nesses reservatórios melhorou este ano após a estiagem de 2014/2015, mas ainda não voltou aos níveis antigos— disse o porta-voz da Fundação Cacique Cobra Coral, Osmar Santos.

No Rio, a parceria com a prefeitura começou em 2001 por iniciativa do ex-prefeito Cesar Maia. Nesses anos, a parceria que era sem ônus para a prefeitura, vinha sendo renovada. A Fundação Cacique Cobra Coral só exigia que recebesse dados sobre investimentos na prevenção a enchentes e pudesse fazer publicidade do acordo. Em janeiro de 2009, quando o ex-prefeito Eduardo Paes assumiu o comando da cidade pela primeira vez, o município chegou a anunciar que dispensaria a fundação, mas voltou atrás 15 dias depois, após o primeiro temporal que atingiu a cidade.

Adelaide Scritori, médium que diz incorporar o espírito do Cacique Cobra Coral – Luiz Ernesto Magalhães / O Globo

Osmar Santos acrescentou que o Cacique Cobra Coral vai continuar a monitorar o Rio, porque, apesar de o prefeito Marcelo Crivella não ter renovado o convênio, a entidade continua a atuar como consultora. Isso porque a ajuda espiritual se dá também com o apoio da tecnologia. Sempre que a prefeitura decreta estado de alerta de risco dos temporais, os meteorologistas do Alerta Rio repassam dados detalhados sobre as condições climáticas por e-mail. O GLOBO teve acesso a alguns desses informes, que são repassados para um grupo limitado de pessoas na prefeitura.

Eventos no Rio em que Cacique Cobra Coral trabalhou

Edições do Rock in Rio desde 2005

Durante o show do A-ha, chuva castigou público do festival em 27/09/2015 Foto: Marcelo Theobald / Extra / Agência O Globo

A Fundação foi chamada para evitar temporais que atrapalhassem os shows. Em alguns dias dos eventos, no entanto, choveu bastante, como durante o show do Ah-a em 2015, última edição do festival.

Réveillons desde 2000

Queima de fogos do réveillon de Copacabana em 2015 Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

A Fundação foi chamada para evitar temporais na virada do ano em Copacabana desde o ano 2000.

Encerramento da Copa do Mundo de 2014

Alemães comemoram conquista da Copa do Mundo de 2014 no Maracanã Foto: Guito Moreto em 13/07/2014 / Agência O Globo

A final da Copa do Mundo no Brasil foi no Maracanã: uma partida entre Alemanha e Argentina. Os alemães conquistaram seu tetracampeonato.

Carnavais no Rio desde 2000

Guga e Nadal sob chuva no desfile da Viradouro em 15/02/2015 Foto: Marcio Alves / Agência O Globo

A Fundação monitorou os carnavais da cidade desde o ano 2000. A única exceção foi 2015, quando o estado vivia uma crise hídrica. Exatamente naquele ano, um temporal atrapalhou os desfiles da Mocidade, da Mangueira e da Viradouro, que até foi rebaixada.

Olímpiada no Rio

Cerimônia de Encerramento da Rio 2016 Foto: Jae C. Hong / AP

A Fundação Cobra Coral foi chamada para os Jogos Olímpicos no Rio. Na cerimônia de encerramento da Olimpíada, um temporal caiu sobre a cidade.

— Nós somos a melhor prova de que, com convênio formalizado ou não, assim como diz o prefeito Marcelo Crivella, nós não misturamos política com religião. Nosso objetivo é atender às cidades e não aos políticos. Mas não resolvemos tudo. Nós somos uma espécie de air bag do tempo que minimiza os danos. Problemas podem continuar a ocorrer — disse Osmar Santos.

MÉDIUM VIVE EM SÃO PAULO

Apesar de anos de dedicação ao Rio, Osmar e Adelaide têm residência também em São Paulo, onde passam a maior parte do tempo. Antes do acordo com João Doria, a Fundação Cacique Cobra Coral já havia prestado consultoria climática e espiritual à cidade. O acordo acabou rompido em 1999 devido a um desentendimento com o ex-prefeito Gilberto Kassab. Segundo Osmar Santos, o Cacique se irritou com o fato de os recursos para o combate a enchentes na cidade ter sido remanejado para outros investimentos.

Antes do convite de Doria, a médium fazia planos de passar alguns anos na China e monitor o clima brasileiro à distância. O acordo foi renegociado, e agora Adelaide vai passar apenas 40 dias por ano na Ásia.

Segundo a ONG divulga, o Cacique Cobra Coral é uma entidade que em outras encarnações já teria vivido na pele de personalidades como o cientista Galileu Galilei e o ex-presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln. Um dos ex-diretores da Fundação é o escritor Paulo Coelho.

Leia mais sobre esse assunto em  http://oglobo.globo.com/rio/sem-convenio-com-crivella-cobra-coral-vai-priorizar-sp-no-controle-do-tempo-20883979#ixzz4Y2O5DPdO 
© 1996 – 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Ciência climática é ferramenta no combate à seca no Nordeste, afirma Carlos Nobre (ABIPTI)

JC 5593, 7 de fevereiro de 2017

“O entendimento das causas subjacentes às secas do Nordeste tem permitido se prever com antecedência de alguns meses a probabilidade de uma particular estação de chuvas no semiárido do Nordeste”, afirmou

O relatório oriundo da última reunião do Grupo de Trabalho de Previsão Climática Sazonal (GTPCS) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) aponta para um cenário preocupante: até o início de 2018, é esperado que os grandes e médios reservatórios nordestinos sequem. Por isso, é preciso criar novas oportunidades para a população.

Reconhecido como um dos principais pesquisadores mundiais sobre clima, Carlos Nobre destacou o papel das ciências climáticas para mitigar os impactos econômicos e sociais da seca na Região Nordeste. O pesquisador do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais e professor de pós-graduação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) ressaltou que o conhecimento do clima cria alternativas econômicas e sociais para os moradores da região.

Na avaliação do pesquisador, a ciência climática evoluiu rapidamente nas últimas décadas, sendo uma ferramenta eficaz no combate à seca. “O entendimento das causas subjacentes às secas do Nordeste tem permitido se prever com antecedência de alguns meses a probabilidade de uma particular estação de chuvas no semiárido do Nordeste de fevereiro a maio ser deficiente, normal ou abundante. Estas previsões climáticas vêm sendo aperfeiçoadas ao longo do tempo e utilizadas para apoio ao planejamento agrícola, à gestão hídrica e à mitigação de desastres naturais”, afirmou Nobre.

Entre as ações propostas pelo cientista, está o investimento na criação de uma economia regional baseada em recursos naturais renováveis. Uma das alternativas sugeridas é a criação de parques de geração de energia eólica e solar fotovoltaica.

“O Nordeste tem um enorme potencial de energia eólica e solar, capaz de atender a todas suas necessidades e ainda exportar grandes volumes para o restante do Brasil. Estas formas de energia renovável distribuídas geram empregos permanentes localmente, mais numerosos do que aqueles gerados por hidrelétricas ou termelétricas e que poderiam beneficiar populações urbanas e rurais da região”, informou.

Carlos Nobre tem extensa atuação na área climática. Além de ocupar vários cargos no governo referentes ao setor climático, foi vencedor do Volvo Environment Prize – um dos principais prêmios internacionais sobre clima – e membro do Conselho Científico sobre Sustentabilidade Global da Organização das Nações Unidas (ONU).

Agência ABIPTI, com informações do MCTI e Valor Econômico

Decision-making process of viruses could lead to new antibiotic treatments (Science Daily)

Date:
February 6, 2017
Source:
Texas A&M AgriLife Communications
Summary:
Humans face hundreds of decisions every day. But we’re not alone. Even the tiniest viruses also make decisions, and scientists are researching how they do so, to help lead to better treatments for some diseases. A team of scientists has discovered how the lambda phage decides what actions to take in its host, the E. coli bacterium.

The lambda phage prefers to destroy E. coli bacteria, which makes it a prime target for researchers. Dr. Lanying Zeng, left, and her graduate student Jimmy Trinh developed a four-color fluorescence reporter system to track it at the single-virus level. Credit: Texas A&M AgriLife Research photo by Kathleen Phillips

Humans face hundreds of decisions every day. But we’re not alone. Even the tiniest viruses also make decisions, and scientists are researching how they do so, to help lead to better treatments for some diseases.

In a study published Feb. 6 in the journal Nature Communications, Dr. Lanying Zeng and her team at Texas A&M AgriLife Research discovered how the lambda phage decides what actions to take in its host, the E. coli bacterium.

A phage is a virus that infects and replicates within a bacterium. Phages were first discovered about 100 years ago, but recently scientists have begun to study how they can be used to attack disease-causing bacteria, especially strains that have become more resistant to antibiotics.

So numerous and diverse are phages — numbering into the billions, according to various reports in the U.S. National Library of Medicine — that researchers are now hot on the trail of phages that have the potential for curing specific bacterial maladies.

The lambda phage, for example, prefers to destroy E. coli bacteria, which makes it a prime target for researchers. In tracking that target, Zeng’s graduate student Jimmy Trinh developed a four-color fluorescence reporter system to track it at the single-virus level. This was combined with computational models devised by Dr. Gábor Balázsi, a biomedical engineer and collaborator at Stony Brook University in Stony Brook, New York, “to unravel both the interactions between phages and how individual phages determine” the fate of a cell.

What they found was not unlike the decision-making process of humans. Sometimes the lambda phage cooperates with others. Sometimes it competes.

“Instead of just the cell making a decision, we found the phage DNAs themselves also make decisions,” Zeng said.

Through the process they developed, the scientists were able to determine that timing played a role in decision-making.

Zeng explained that some phages can have two cycles of reproduction: lytic and lysogenic.

In the lytic cycle, full copies of the virus are made inside of a cell, say an E. coli cell. When the phage-infected cell becomes full of the replicating viruses, it bursts open and is destroyed. In the lysogenic cycle, the phage’s DNA lives as part of the bacterium itself and both continue to reproduce as one. In short, lysis involves competition while lysogeny involves cooperation, she said.

So, a key to using phages to destroy bacteria, Zeng said, is to understand how and when a phage decides to “go lytic” on the pathogen.

“Say you have two lambda phages that infect one cell,” she said. “Each phage DNA within the cell is capable of making a decision. We want to know how they make a decision, whether one is more dominant than the other, whether they have any interactions and compete to see who will win, or whether they compromise.”

“They may even coexist for some time and then finally choose one decision,” she said. “But the phage is making a subcellular decision — and that is very important. There could be a lot of implications.”

The four-color fluorescence reporter system helped the researchers visualize that many factors contribute to the decision and that “from the evolutionary point of view, the phages want to optimize their own fitness or survival,” she said. “So that is why they choose either lytic or lysogenic to maximize or optimize their survival.”

The team identified some of the factors that led to competition and others that led to cooperation.

Zeng said because phage therapy is a growing field for seeking ways to treat bacteria, the results of this study will help other scientists advance their research.

“This is a paradigm for bacteriophages,” she said. “When we understand the mechanism of the decision more, that can lead to more applications and better characterization of other systems.”


Journal Reference:

  1. Jimmy T. Trinh, Tamás Székely, Qiuyan Shao, Gábor Balázsi, Lanying Zeng. Cell fate decisions emerge as phages cooperate or compete inside their hostNature Communications, 2017; 8: 14341 DOI: 10.1038/ncomms14341

Hundreds of ancient earthworks built in the Amazon (Science Daily)

Date:
February 7, 2017
Source:
University of Exeter
Summary:
The Amazonian rainforest was transformed over 2,000 years ago by ancient people who built hundreds of large, mysterious earthworks.

Geoglyph photos. Credit: Jenny Watling

The Amazonian rainforest was transformed over two thousand years ago by ancient people who built hundreds of large, mysterious earthworks.

Findings by Brazilian and UK experts provide new evidence for how indigenous people lived in the Amazon before European people arrived in the region.

The ditched enclosures, in Acre state in the western Brazilian Amazon, were concealed for centuries by trees. Modern deforestation has allowed the discovery of more than 450 of these large geometrical geoglyphs.

The function of these mysterious sites is still little understood — they are unlikely to be villages, since archaeologists recover very few artefacts during excavation. The layout doesn’t suggest they were built for defensive reasons. It is thought they were used only sporadically, perhaps as ritual gathering places.

The structures are ditched enclosures that occupy roughly 13,000 km2. Their discovery challenges assumptions that the rainforest ecosystem has been untouched by humans.

The research was carried out by Jennifer Watling, post-doctoral researcher at the Museum of Archaeology and Ethnography, University of São Paulo, when she was studying for a PhD at the University of Exeter.

Dr Watling said: “The fact that these sites lay hidden for centuries beneath mature rainforest really challenges the idea that Amazonian forests are ‘pristine ecosystems`.

“We immediately wanted to know whether the region was already forested when the geoglyphs were built, and to what extent people impacted the landscape to build these earthworks.”

Using state-of-the-art methods, the team members were able to reconstruct 6000 years of vegetation and fire history around two geoglyph sites. They found that humans heavily altered bamboo forests for millennia and small, temporary clearings were made to build the geoglyphs.

Instead of burning large tracts of forest — either for geoglyph construction or agricultural practices — people transformed their environment by concentrating on economically valuable tree species such as palms, creating a kind of ‘prehistoric supermarket’ of useful forest products. The team found tantalizing evidence to suggest that the biodiversity of some of Acre’s remaining forests may have a strong legacy of these ancient ‘agroforestry’ practices.

Dr. Watling said: “Despite the huge number and density of geoglyph sites in the region, we can be certain that Acre’s forests were never cleared as extensively, or for as long, as they have been in recent years.

“Our evidence that Amazonian forests have been managed by indigenous peoples long before European Contact should not be cited as justification for the destructive, unsustainable land-use practiced today. It should instead serve to highlight the ingenuity of past subsistence regimes that did not lead to forest degradation, and the importance of indigenous knowledge for finding more sustainable land-use alternatives.”

The full article will be released in the Proceedings of the National Academy of Sciences of the USA and involved researchers from the universities of Exeter, Reading and Swansea (UK), São Paulo, Belém and Acre (Brazil). The research was funded by the Arts and Humanities Research Council, National Geographic, and the Natural Environment Research Council Radiocarbon Facility.

To conduct the study, the team extracted soil samples from a series of pits dug within and outside of the geoglyphs. From these soils, they analysed ‘phytoliths’, a type of microscopic plant fossil made of silica, to reconstruct ancient vegetation; charcoal quantities, to assess the amount of ancient forest burning; and carbon stable isotopes, to indicate how ‘open’ the vegetation was in the past.


Journal Reference:

  1. Jennifer Watling, José Iriarte, Francis E. Mayle, Denise Schaan, Luiz C. R. Pessenda, Neil J. Loader, F. Alayne Street-Perrott, Ruth E. Dickau, Antonia Damasceno, Alceu Ranzi. Impact of pre-Columbian “geoglyph” builders on Amazonian forestsProceedings of the National Academy of Sciences, 2017; 201614359 DOI: 10.1073/pnas.1614359114

O falso dilema do “infanticídio indígena”: por que o PL 119/2015 não defende a vida de crianças, mulheres e idosos indígenas (Combate Racismo Ambiental)

Protesto “contra o infanticídio” organizado por grupos religiosos em frente ao prédio do governo do RJ. Foto: Gazeta do Povo, 2015.

29 de janeiro de 2017

O Projeto de Lei 119/2015, que trata do chamado “infanticídio indígena”, está agora tramitando no Senado. Não por acaso, no início da semana que se encerrou ontem, 28, voltaram a ser publicadas matérias tendenciosas sobre a questão. Considerando a atual conjuntura, na qual mais que nunca é fundamental estarmos alertas e atuantes, convidamos a antropóloga Marianna Holanda a escrever um artigo que dialogasse conosco e nos oferecesse os necessários argumentos para mais esta luta. O resultado é o excelente texto que socializamos abaixo. (Tania Pacheco).

Por Marianna A. F. Holanda*, especial para Combate Racismo Ambiental

Desde 2005, acompanhamos no Brasil uma campanha que se pauta na afirmação de que os povos indígenas teriam tradições culturais nocivas e arcaicas que precisam ser mudadas por meio de leis e da punição tanto dos indígenas responsáveis como de quaisquer funcionários do Estado, agentes de organizações indigenistas e/ou profissionais autônomos que trabalhem junto a estes povos.

Afirma-se que há dados alarmantes de infanticídio entre os povos indígenas de modo a fazer parte da sociedade pensar que, incapazes de refletir sobre as suas próprias dinâmicas culturais, os povos indígenas – sobretudo as mulheres – matariam sem pudor dezenas de crianças. As notícias de jornal, as pautas sensacionalistas da grande mídia, organizações de fins religiosos e políticos “em favor da vida” fazem crer que não estamos falando de pessoas humanas – no sentido mais tradicional dos termos –, mas de sujeitos que devido à sua ignorância cultural cometem sem ética, afeto e dúvidas crimes contra seus próprios filhos, contra seu próprio povo.

Me pergunto por que um argumento como esse transmite credibilidade entre aqueles que não conhecem as realidades indígenas – pois quem trabalha junto aos povos indígenas e em prol de seus direitos não dissemina este tipo de desinformação. A maior parte da sociedade brasileira não indígena é profundamente ignorante sobre os povos indígenas que aqui habitam e sobre seus modos de vida, mantendo imagens estereotipadas e caricaturadas sobre os índios carregadas de preconceito e discriminação.

Alguns dados importantes sobre infanticídio, abandono de crianças e adoção

Desde os tempos de Brasil império há registros de infanticídios entre os povos indígenas – como também havia inúmeros registros de infanticídio nas cidades da colônia: historiadores apontam a normalidade com que recém-nascidos eram abandonados nas ruas de cidades como Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Florianópolis. Realidade que também era comum na Europa e que a igreja católica passou a combater a partir do século VIII d.C por meio de bulas papais e pela criação de Casas de Expostos – lugares aonde podia-se abandonar legalmente crianças neonatas que mais tarde vieram a se tornar o que conhecemos como orfanatos. Não apenas os infanticídios não cessaram como os índices de mortalidade nesses locais foram estarrecedores, beirando a 70% no caso europeu e 95% no caso brasileiro. Recém-nascidos eram retirados da exposição pública para morrer entre quatro paredes, com aval das leis, dos registros estatais e da moralidade cristã da época. (Sobre este tema, ver: Marcílio e Venâncio 1990, Trindade 1999, Valdez 2004 e Faleiros 2004).

Ainda hoje, centenas de crianças no Brasil são abandonadas em instituições públicas e privadas de caráter semelhante, aguardando anos por uma adoção. A maioria – em geral as crianças pardas e negras, mais velhas e/ou com algum tipo de deficiência – esperam por toda a infância e adolescência, até tornarem-se legalmente adultas e serem novamente abandonadas, agora pelo Estado. Os dados do Cadastro Nacional de Adoção (CNA) e do Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Acolhidos (CNCA), administrados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apontam que das seis mil crianças nesta situação, 67% são pardas e negras.

Apesar da rejeição à adoção de crianças negras e pardas ter caído na última década, o quadro de discriminação permanece. Entre as crianças indígenas, acompanhamos um fenômeno crescente de pedidos de adoção por não indígenas, sobretudo casais heterossexuais, brancos, evangélicos e, em muitos casos, estrangeiros. Contudo, há mais de 100 processos no Ministério Público envolvendo denúncias a violações de direitos nestes casos. O Estatuto da Criança e do Adolescente, prevê o direito à permanência da criança com a própria família e ao esforço conjunto e multidisciplinar de profissionais para que isto ocorra. Esgotada esta possibilidade, a criança tem o direito de ser encaminhada para família substituta na própria comunidade indígena de origem ou junto a família substituta de outra aldeia ou comunidade, mas ainda da mesma etnia.

Vale mencionar que estas estratégias de realocação e adoção de crianças ocorre tradicionalmente entre diversos povos indígenas, independente das leis e da intervenção estatal. É muito comum que avós, tias ou primas adotem crianças quando pais e mães passam por qualquer espécie de dificuldade, ou ainda, seguindo articulações próprias das relações de parentesco que vão muito além de pai e mãe biológicos.

Contudo, sob estas recentes acusações de “risco de infanticídio” famílias indígenas são colocadas sob suspeita e dezenas de crianças têm sido retiradas de sua comunidade, terra e povo e adotadas por famílias não indígenas sem ter direitos básicos respeitados. Juízes são levados por esta argumentação falha, que carece de base concreta na realidade, nas estatísticas, nas etnografias. Em alguns casos, pleiteia-se apenas a guarda provisória da criança e não a adoção definitiva, o que significa que a guarda é válida somente até os 18 anos, não garantindo vínculo de parentesco e direito à herança, por exemplo. Quantas violações uma criança indígena retirada de seu povo e de seus vínculos ancestrais enfrenta ao ser lançada ao mundo não indígena como adulta?

Infâncias indígenas no Brasil e crescimento demográfico

Nos últimos 50 anos, as etnografias junto a povos indígenas – importante método de pesquisa e registro de dados antropológicos – vem demonstrando que as crianças indígenas são sujeitos criativos e ativos em suas sociedades tendo diversos graus de autonomia. Aprendemos que as práticas de cuidado e a pedagogia das mulheres indígenas envolvem um forte vínculo com as crianças, que são amamentadas até os 3, 4, 5 anos. Envolvem uma relação de presença e afeto que deixa a desejar para muitas mães modernas. Aprendemos também que a rede de cuidados com as crianças envolve relações de parentesco e afinidade que extrapolam a consanguinidade.

Enquanto a maior parte das populações no mundo está passando pela chamada “transição demográfica”, ou seja, queda e manutenção de baixos níveis de fecundidade, os povos indígenas na América Latina, se encontram num processo elevado de crescimento populacional. De acordo com o último censo do IBGE (2010), a população indígena no Brasil cresceu 205% desde 1991, uma dinâmica demográfica com altos níveis de fecundidade, levando à duplicação da população em um período de 15 anos (Azevedo 2008).

A partir dos anos 2000, começaram a tomar corpo pesquisas etnográficas que apontam o número crescente de nascimentos gemelares entre os povos indígenas, de crianças indígenas albinas e de crianças com deficiência (Verene 2005, Bruno e Suttana 2012, Araújo 2014). Apesar de suas diferenças, estas crianças são estimuladas a participar do cotidiano da aldeia, e muitas delas, ao tornarem-se adultas, casam-se e constituem família.

Há 54 milhões de indígenas com deficiência ao redor do globo (ONU 2013). No Brasil, segundo o censo do IBGE de 2010, 165 mil pessoas – ou seja, 20% da população autodeclarada indígena – possuem ao menos uma forma de deficiência (auditiva, visual, motora, mental ou intelectual). Um número que relaciona-se também às políticas públicas e de transferência de renda para as famílias indígenas nessa situação (Araújo 2014). Tanto o crescimento demográfico acelerado quanto os dados de que 20% da população indígena brasileira tem alguma deficiência nos permitem demonstrar que a afirmação de que há uma prescrição social para que estas crianças sejam mortas por seus pais e familiares não se sustenta.

Como morrem as crianças e adultos indígenas?

A mortalidade infantil entre os povos indígenas é quatro vezes maior do que a média nacional. A quantidade de mortes de crianças indígenas por desassistência subiu 513% nos últimos três anos. Os dados parciais da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) de 2015 revelaram a morte de 599 crianças menores de 5 anos. As principais causas são: desnutrição, diarreia, viroses e infecções respiratórias, falta de saneamento básico além de um quadro preocupante de desassistência à saúde. Ora, sabemos que pneumonia, diarreia e gastroenterite são doenças facilmente tratáveis desde que estas crianças tenham acesso às políticas de saúde. A região Norte do país concentra o maior número de óbitos.

Quando abordamos os números relativos ao suicídio a situação é igualmente alarmante. De acordo com dados da Sesai, 135 indígenas cometeram suicídio em 2014 – o maior número em 29 anos. Sabemos que os quadros de suicídio se agravam em contextos de luta pelos direitos territoriais quando populações inteiras vivem em condições de vulnerabilidade extrema.

Jovens e adultos do sexo masculino também são as principais vítimas dos conflitos territoriais que resultam do omissão e letargia do Estado brasileiro nos processos de demarcação das terras indígenas. Em 2014, 138 indígenas foram assassinados; em 2015, foram 137. No período de 2003 a 2016, 891 indígenas foram assassinados em solo brasileiro, em uma média anual de 68 casos (Cimi 2016). Esses assassinatos acontecem em contextos de lutas e retomadas de terras, tendo como alvo principal as lideranças indígenas à frente dos movimentos reivindicatórios de direitos.

Diante desse cenário de permanente e impune genocídio contra os povos indígenas no Brasil, é importante refletirmos sobre o histórico de atuação dos senadores responsáveis pela votação do PL 119/2015: quais deles atuam ou já atuaram na proteção e no resguardo dos direitos indígenas? Quais deles são financiados pelo agronegócio, pela mineração, pelos grandes empreendimentos em terras indígenas? Como um Projeto de Lei que criminaliza os próprios povos indígenas pela vulnerabilidade e violências causadas pelo Estado e por terceiros pode ajudar na proteção e promoção de seus direitos?

O falso dilema da noção de “infanticídio indígena”

O PL 119/2015 – outrora PL 1057/2007 – supõe que há um embate entre “tradições culturais” que prescrevem a morte de crianças e o princípio básico e universal do direito à vida. Ao afirmar que o infanticídio é uma tradição cultural indígena – como se ele não ocorresse, infelizmente, em toda a humanidade – o texto e o parlamento brasileiros agem com racismo e discriminação, difamando povos e suas organizações socioculturais. Todos nós temos direito à vida e não há nenhuma comunidade indígena no Brasil e no mundo que não respeite e pleiteie esse direito básico junto às instâncias nacionais e internacionais.

Ao invés de buscarem aprovar o novo texto do Estatuto dos Povos Indígenas que vem sendo discutido no âmbito da Comissão Nacional de Política Indigenista (CNPI) desde 2008, utilizando como base o Estatuto o Substitutivo ao Projeto de Lei 2057, de 1994, que teve ampla participação indígena em sua formulação, o parlamento está optando por remendar a obsoleta Lei 6.001 – conhecida como Estatuto do Índio – datada de 1973, carregada de vícios próprios da ditadura militar, como as noções de tutela e de integração dos povos indígenas à comunidade nacional, pressupondo que com o tempo, eles deixariam de “ser índios”.

O PL também equivoca-se ao afirmar que há uma obrigatoriedade de morte a qualquer criança gêmea, albina e/ou com algum tipo de deficiência física e mental, além de mães solteiras. Trata-se de situações que desafiam qualquer família, indígena ou não, mas que em comunidades com fortes vínculos sociais tendem a ser melhor sanadas pois há níveis de solidariedade maior do que os de individualismo.

O dilema do infanticídio também é falso quando afirma que trata-se de uma demanda por “relativismo cultural” diante do direito à vida e dos Direitos Humanos; mas afirmamos que violência, tortura e opressão não se relativizam. A demanda posta pelos povos indígenas é historicamente a de respeito à diversidade cultural – o que implica no reparo, por parte do Estado, da expropriação territorial garantindo a regularização de todas as terras indígenas no País e o acesso a direitos essenciais como saúde e educação diferenciadas. Também é direito das comunidades indígenas o acesso à informação e ao amparo do Estado para lidar com situações em que a medicina biomédica já encontrou cura ou tratamento adequado. A Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos, ratificada em 2005 pela UNESCO, é enfática quando trata a diversidade cultural como patrimônio comum da humanidade, e isso inclui, portanto, o direito das crianças indígenas a permanecerem junto à sua família e de receberem suporte médico dentro de suas comunidades.

Há 10 anos acompanhamos a exposição midiática das mesmas crianças – algumas hoje já adolescentes – bem como os depoimentos de indígenas adultos que afirmam que sobreviveram, em condições diversas, ao infanticídio. São histórias que precisamos ouvir e que nos ensinam que os povos indígenas têm encontrado novas estratégias para lidar com seus dilemas éticos e morais. Sabemos que a transformação é uma característica cultural dos povos indígenas; ao mesmo tempo em que lutamos pelo respeito aos Direitos Humanos, lutamos para que as Dignidades Humanas dos povos indígenas sejam respeitadas a partir de seu tempo de transformação.

Nenhum caso de infanticídio e qualquer outra forma de violência, entre povos indígenas ou não, pode ser afirmado como uma “tradição cultural”; ou podemos dizer que a nossa própria cultura é infanticida generalizando tal grau de acusação e julgamento para todas as pessoas? Se a resposta é um sonoro “não”, porque o PL 119/2015 pretende fazer isso com os povos indígenas?

O mesmo exercício pode ser feito com as outras tipificações de violência e atentados à Dignidade Humana no texto do PL como: homicídio, abuso sexual, estupro individual e coletivo, escravidão, tortura em todas as suas formas, abandono de vulneráveis e violência doméstica. Estaríamos nós transferindo os nossos preconceitos e violências para os povos indígenas, transformando isso em parte da sua cultura? Ao fazer isso, afirmamos que violências tão características da colonialidade do poder são o que fazem dos índios, índios.

Por fim, é importante mencionar que o texto inicial do PL 1057/2007 que foi aprovado na Câmara sofreu alterações ao transformar-se no PL 119/2015 que tramita no Senado. O que antes era “combate a práticas tradicionais nocivas” mudou de retórica para “defesa da vida e da dignidade humana” mas não nos enganemos: seu conteúdo permanece afirmando a existência violências tratadas como práticas tradicionais exclusivas e características dos povos indígenas.

Igualdade, equidade e isonomia de direitos

Por uma questão de isonomia e igualdade de direitos, os povos indígenas estão submetidos à legislação brasileira, podendo ser julgados e punidos como qualquer cidadão deste país. Hoje, aproximadamente 750 indígenas estão cumprindo pena em sistema de regime fechado, dos quais cerca de 65% não falam ou não compreendem a língua portuguesa. Portanto, as leis que punem infanticídio, maus tratos de crianças e qualquer forma de violação de direitos, inclusive os Direitos Humanos, também incidem sobre os indígenas, ainda que suas prisões não sejam por estes motivos.

Qual a justificativa de um PL que verse especificamente sobre estas violações entre os povos indígenas e que promove interpretações equivocadas e sem embasamento científico e técnico, difamando as realidades dos povos indígenas? Ao tornar a pauta redundante, os indígenas seriam, duas vezes, julgados e condenados por um mesmo crime?

Não se trata apenas da defesa do direito individual. Um direito fundamental de toda pessoa é precisamente o de ser parte de um povo, isto é, o direito de pertencimento. E um povo criminalizado tem a sua dignidade ferida.

Durante o último Acampamento Terra Livre (ATL) que aconteceu em Brasília durante os dias 10 e 13 de maio de 2016 e reuniu cerca de 1.000 lideranças dos povos e organizações indígenas de todas as regiões do Brasil, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) publicou o “Manifesto do 13º Acampamento Terra Livre” denunciando “os ataques, ameaças e retrocessos” orquestrados contra seus direitos fundamentais “sob comando de representantes do poder econômico nos distintos âmbitos do Estado e nos meios de comunicação”. A nota manifesta ainda “repúdio às distintas ações marcadamente racistas, preconceituosas e discriminatórias protagonizadas principalmente por membros da bancada ruralista no Congresso Nacional contra os nossos povos, ao mesmo tempo em que apresentam e articulam-se para aprovar inúmeras iniciativas legislativas, propostas de emenda constitucional e projetos de lei para retroceder ou suprimir os nossos direitos”.

O manifesto encerra-se afirmando: “PELO NOSSO DIREITO DE VIVER!”, pois é de vida e não de morte que se trata a defesa dos direitos indígenas. Se os nobres parlamentares estão preocupados com a defesa da vida e da dignidade indígenas, que retrocedam neste PL e em tantos outros que os violentam diretamente e que foram elaborados sem sua participação, consentimento e consulta.

*

Referências

AZEVEDO, Marta Maria. Diagnóstico da População Indígena no Brasil. Em: Ciência e Cultura, vol.60 nº4 São Paulo. Out. 2008

ARAÚJO, Íris Morais. Osikirip: os “especiais” Karitiana e a noção de pessoa ameríndia. Tese de doutorado aprovada pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 2014.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia; SUTTANA, Renato (Org.). Educação, diversidade e fronteiras da in/exclusão. Dourados: Ed. UFGD, 2012. 224 p.

BURATTO, Lúcia Gouvêa. A educação escolar indígena na legislação e os indígenas com necessidades educacionais especiais. s.d. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/565-4.pdf. Acesso em: 25 jan. 2017.

FALEIROS, Vicente de P. 2004. “Infância e adolescência: trabalhar, punir, educar, assistir, proteger”. In: Revista Ágora: Políticas Públicas e Serviço Social, ano 1, nº 1. Disponível em: http://www.assistenciasocial.com.br

MANIFESTO DO 13º ACAMPAMENTO TERRA LIVRE. Disponível em: https://mobilizacaonacionalindigena.wordpress.com/2016/05/12/manifesto-do-13o-acampamento-terra-livre/

MARCÍLIO, Maria L. e VENÂNCIO, Renato P. 1990. “Crianças Abandonadas e primitivas formas de sua proteção” In: Anais do VII Encontro de Estudos Populacionais ou http://www.abep.org.br

QUERMES, Paulo Afonso de Araújo & ALVES DE CARVALHO, Jucelina. Os impactos dos benefícios assistenciais para os povos indígenas: estudo de caso em aldeias Guaranis. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo (SP), n.116, p. 769-791, 2013.

SEGATO, Rita Laura. Que cada povo teça os fios da sua história: o pluralismo jurídico em diálogo didático com legisladores. Revista Direito. UnB, janeiro–junho de 2014, v. 01, n.01 66.

TRINDADE. 1999. Trindade, Judite M. B. 1999. “O abandono de crianças ou a negação do óbvio” In: Revista Brasileira de História, Vol. 19, nº 37. São Paulo. p. 1-18.

VENERE, Mario Roberto. 2005. Políticas públicas para populações indígenas com necessidades especiais em Rondônia: o duplo desafio da diferença. 2005. 139 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) ‒ NCT, UNIR, RO, [2005].

* Marianna Holanda é antropóloga, doutora em Bioética e pesquisadora associada da Cátedra Unesco de Bioética – UnB.