Arquivo mensal: julho 2014

Exposing Monsanto: Herbicide Linked to Birth Defects – the Vitamin A Connection (Truthout)

Monday, 28 July 2014 09:27

By Jeff Ritterman, M.D., Truthout | Op-Ed

Monsanto’s herbicide Roundup, with glyphosate as the primary ingredient, has recently been linked to a fatal kidney disease epidemic ravaging parts of Central America, India and Sri Lanka. A leading theory hypothesizes that complexes of glyphosate and heavy metals poison the kidney tubules. El Salvador and Sri Lankahave adopted the precautionary principle and taken action to ban the herbicide. In the United States, glyphosate is coming up for review by the Environmental Protection Agency (EPA) in late 2014. Monsanto claims a low risk to human health, but the research is showing something very different. Will these health concerns be enough for the EPA to put restrictions on the herbicide – or to ban it altogether?

Monsanto’s Claims of Safety

Thus far, Monsanto has been successful in portraying Roundup as a safe and effective herbicide. The Monsanto website claims:

Glyphosate binds tightly to most types of soil so it is not available for uptake by roots of nearby plants. It works by disrupting a plant enzyme involved in the production of amino acids that are essential to plant growth. The enzyme, EPSP synthase, is not present in humans or animals, contributing to the low risk to human health from the use of glyphosate according to label directions.

Public Kept in the Dark

Contrary to the company’s claims of safety, a virtual avalanche of scientific studies on animals, including some funded by Monsanto itself, show alarming incidences of fetal deaths and birth defects. The record also shows that Monsanto has known since the 1980s that glyphosate in high doses causes malformations in experimental animals. Since 1993, the company has been aware that even middle and low doses can cause these malformations. These malformations include absent kidneys and lungs, enlarged hearts, extra ribs, and missing and abnormally formed bones of the limbs, ribs, sternum, spine and skull.

These startling revelations can be found in the report Roundup and Birth Defects: Is the Public Being Kept in the Dark? The document is authored by eight experts from the fields of molecular genetics, agro-ecology, toxico-pathology, scientific ethics, ecological agriculture, plant genetics, public health and cell biology. This report, written primarily for a European readership, is highly critical of the biotech industry and of the European Union’s failure to evaluate glyphosate based on the science rather than on political concerns. It calls for an immediate withdrawal of Roundup and glyphosate from the European Union until a thorough scientific evaluation is done on the herbicide. From the report:

The public has been kept in the dark by industry and regulators about the ability of glyphosate and Roundup to cause malformations. In addition, the work of independent scientists who have drawn attention to the herbicide’s teratogenic effects has been ignored, denigrated or dismissed. These actions on the part of industry and regulators have endangered public health. (Authors note: Ateratogen is any agent that can disturb the development of an embryo or a fetus. The term stems from the Greek teras, meaning monster).

Monsanto’s Safety Claim Misleads

How is it possible that there are so many adverse health impacts in the test animals, if, as Monsanto claims, “the enzyme, EPSP synthase, is not present in humans or animals”?

The reason is simple. Roundup attacks other enzyme systems, which are indeed present in the animal kingdom.

We owe this knowledge to a group of scientists from Argentina who became concerned about human birth defects in areas of their country where Roundup was being sprayed from airplanes as part of genetically modified (GM) soy production. They decided to do laboratory research to explore whether Roundup would produce similar developmental abnormalities in test animals. Experimenting with frog and chicken embryos, they found that those embryos exposed to the herbicide developedsignificant malformations, including neural defects and craniofacial malformations similar to the birth defects seen in humans.

Not only did this group of scientists demonstrate that Roundup causes birth defects in the animals tested, but they also were able to demonstrate how Roundup caused the fetal abnormalities. The herbicide increased the activity of the Vitamin A (retinoic acid) “signaling pathway.” It’s called a signaling pathway because it turns genes on and off. Roundup causes an abnormal increase in activity of this pathway, which turns off certain genes. Unfortunately, those very genes are needed for normal embryological development. When the Roundup turns off those genes, birth defects result.

This signaling pathway is shared by virtually all vertebrates, including amphibians, birds and mammals. Thus, it seems quite likely that the birth defects seen in frogs, chickens, rats, rabbits and humans all occur because Roundup attacks this pathway. It also seems likely that if we continue to allow glyphosate to accumulate in the environment, we can expect vertebrates of many types to suffer increasing rates of birth defects. This, of course, includes humans.

Roundup and Birth Defects: the Story From Latin America

The Argentinian researchers were motivated by humanitarian concerns. They were aware of the many worrisome reports of increases in birth defects in Argentina and in other parts of Latin America attributed to aerial glyphosate spraying.

A frightening example is a study of birth defects in Argentina, which found that Cordoba, an area of intensive planting of GM soy and heavy glyphosate use, had a higher incidence of spina bifida (spinal cord protrusion in the lower back), microtia(abnormal ear), cleft lip and palate, polycystic kidney, postaxial polydactyly (extra fingers or toes) and Down’s Syndrome than other regions. Many of these defects are of the type associated with disturbances in the Vitamin A signaling system.

Chaco, Argentina is also a region of intensive GM soy production and heavy glyphosate use. In the last decade, coincident with expansion of GM soy production,birth defects have increased threefold and cancer rates have increased fourfold. A court in the adjacent province of Santa Fe, a major GM soy-producing region, banned the spraying of glyphosate and other agrochemicals in populated areas because of concerns about “severe damage to the environment and to the health and quality of life of the residents.”

Itapua, Paraguay is another GM soy dominated area. Here, residents have suffered a similar fate. Women exposed to glyphosate during pregnancy have a high incidence of fetal deformities similar to those seen in Argentina. These deformities, once again, can be explained by glyphosate’s ability to interfere with the Vitamin A signaling pathway.

Rounding Up the Science

Glyphosate has been conclusively proven to cause birth defects in frogs, chickens, rats, rabbits, and also in humans. Monsanto’s claim that Roundup is safe because it kills weeds by attacking one specific enzyme system not found in animals is misleading. Monsanto has a very large investment in maintaining this illusion. Half of Monsanto’s revenue comes from the sale of Roundup and Roundup Ready seeds.

Roundup attacks vital enzyme systems found in animals, including in humans. It is now clear that interference by Roundup with one of these enzyme systems, the Vitamin A signaling system, can result in severe birth defects. This system is shared by most vertebrates, making Roundup capable of inducing devastating birth defects in a wide variety of amphibians, birds and mammals, and possibly reptiles and fish as well. Allowing glyphosate to continue to build up in the environment will likely cause increased rates of birth defects in all vertebrates exposed, including humans. Exposure, of course, includes the digestion of exposed plants and animals.

Policy Recommendation

The science is clear. There is only one rational response. No family should have to tolerate the risk of significant birth defects – in the United States, or in any part of the world. Roundup and other glyphosate formulations should be banned. Thus far, the voices of public health advocates in this country have been drowned out by those promoting biotechnology and its profits, regardless of the health consequences. We can’t let this continue. Our health, the health of our children and the health of our environment must come first. It is the responsibility of our governmental institutions to protect humanity, not corporate profit.

It’s long past time for us to heed Rachel Carson’s warning from Silent Spring:

If we are going to live so intimately with these chemicals – eating and drinking them, taking them into the very marrow of our bones – we had better know something about their nature and their power.

Pass this on. Raise your voice.

Robert Rubin: How ignoring climate change could sink the U.S. economy (Washington Post)

By Robert E. Rubin

July 24

Robert E. Rubin, co-chairman of the Council on Foreign Relations, was treasury secretary from 1995 to 1999.

Good economic decisions require good data. And to get good data, we must account for all relevant variables. But we’re not doing this when it comes to climate change — and that means we’re making decisions based on a flawed picture of future risks. While we can’t define future climate-change risks with precision, they should be included in economic policy, fiscal and business decisions because of their potential magnitude.

The scientific community is all but unanimous in its agreement that climate change is a serious threat. According to Gallup, nearly 60 percent of Americans believe that global warming is caused by human activity. Still, for many people, the effects of climate change seem like a future problem — something that falls by the wayside as we tackle what seem like more immediate crises.

But climate change is a present danger. The buildup of greenhouse gases is cumulative and irreversible; the pollutants we are now emitting will remain in the atmosphere for hundreds of years. So what we do each day will affect us and the planet for centuries. Damage resulting from climate change cuts across almost every aspect of life: public health, extreme weather, the economy and so much else.

What we already know is frightening, but what we don’t know is more frightening still. For example, we know that melting polar ice sheets will cause sea levels to rise, but we don’t know how negative feedback loops will accelerate the process. As polar ice melts, the oceans absorb more heat, which causes more ice to melt. And the polar ice sheets have already started to melt.

When it comes to the economy, much of the debate about climate change — and reducing the greenhouse gas emissions that are fueling it — is framed as a trade-off between environmental protection and economic prosperity. Many people argue that moving away from fossil fuels and reducing carbon emissions will impede economic growth, hurt business and hamper job creation.

But from an economic perspective, that’s precisely the wrong way to look at it. The real question should be: What is the cost of inaction? In my view — and in the view of a growing group of business people, economists, and other financial and market experts — the cost of inaction over the long term is far greater than the cost of action.

I recently participated in a bipartisan effort to measure the economic risks of unchecked climate change in the United States. We commissioned an independent analysis, led by a highly respected group of economists and climate scientists, and our inaugural report, “Risky Business,” was released in June. The report’s conclusions demonstrated the significant harm that climate change is causing now and that will almost certainly be far more severe in the future — to the agricultural, energy and coastal-property sectors, as well as to public health and labor productivity more generally.

By 2050, for example, between $48 billion and $68 billion worth of current property in Louisiana and Florida is likely to be at risk of flooding because it will be below sea level. And that’s just a baseline estimate; there are other scenarios that could be catastrophic.

Then, of course, there is the unpredictable damage from superstorms yet to come. Hurricane Katrina and Hurricane Sandy caused a combined $193 billion in economic losses; the congressional aid packages that followed both storms cost more than $122 billion. We can’t attribute all the damage caused by Katrina and Sandy to global warming, but we know that rising sea levels led to significantly worse surges, and that the frequency and intensity of superstorms are almost certain to increase if global warming persists. It’s highly likely that as climate change continues, the damage will not increase on a straight line. Instead, it will increase on an upward-sloping curve, that could become catastrophically steep, because of negative feedback loops and other factors.

And dramatically rising temperatures in much of the country will make it far too hot for people to work outside during parts of the day for several months each year — reducing employment and economic output, and causing as many as 65,200 additional heat-related deaths every year. That’s almost twice as many deaths as those caused by motor vehicle accidents in 2012.

The U.S. economy faces enormous risks from unmitigated climate change. But the metrics we currently use to measure economic growth, fiscal prospects and business earnings do not incorporate these risks. If we are going to have a well-informed and accurate debate about the economic costs of action vs. inaction, the public and private sectors need metrics that honestly reflect climate-related risk.

First, future federal spending to deal with climate change is likely to be enormous and should be included in fiscal projections, whether in existing estimates or in additional estimates that include climate change. If nothing is done to prevent climate-related crises, the federal government will be forced to deal with them later — from property losses to public health crises to emergency aid. These huge risks are not currently in official future estimates or federal budget plans.

To cover those costs, we will have to increase the deficit; raise taxes; or significantly cut spending on defense, our social safety net, and public investment including infrastructure, education and basic research. Which means that, whatever your public policy views, whether you care about our national debt and deficits, our tax rates, or government investment in everything from national security to job creation, you should care about the costs of coping with climate-related damage. By forcing policymakers to recognize likely future expenditures — and the trade-offs required to make them — we may increase the political appetite for policy changes now.

Second, investors should demand that companies disclose their exposure to climate risks, including the impact that climate change could have on their businesses and assets, the value of their assets that could be stranded by climate change, and the costs they may someday incur to address their carbon emissions. Former New York mayor Michael Bloomberg, who was a co-chair of the “Risky Business” report, and former Securities and Exchange Commission chairwoman Mary Schapiro are leading an effort to encourage businesses to incorporate such reporting into their quarterly disclosures, but it is still considered optional by the SEC. I believe that such disclosures should be considered material and mandated by the SEC, not just requested by investors. If companies were required to highlight their exposure to climate-related risks, it would change investor behavior, which in turn would prod those companies to change their behavior.

Third, I believe that gross domestic product — the current standard measure of national economic health — is inadequate and misleading, because it fails to account for significant externalities, beginning with climate change. Others might think we should incorporate additional externalities beyond climate impacts, and that’s a good discussion to have. But we should start with a parallel GDP that incorporates the impact of greenhouse gas emissions. Without that, we are using an incomplete measure of economic output to inform policy decisions. Currently, GDP simply reflects the goods and services produced by our economy. However, it does not account for the present and future damage resulting from the emissions involved in producing those goods and services. And bad data leads to bad policy.

We do not face a choice between protecting our environment or protecting our economy. We face a choice between protecting our economy by protecting our environment — or allowing environmental havoc to create economic havoc. And a major step toward changing the debate is to change the way we measure the health of our economy, our fiscal conditions, and the health of individual companies and businesses to better reflect the world as it will be.

Monkeys Use Researchers as Human Shields (IFLScience)

July 26, 2014 | by Janet Fang

photo credit: hyper7pro via Flickr

A team of researchers working in South Africa have a sneaking suspicion that they’re being used as human shields. Monkeys who normally spend their time in trees avoiding predators like leopards and raptors seem to relax their vigilance a little around humans, venturing down to eat.

Humans, as well as human infrastructure, can alter the relationship between predators and prey by shielding one from the other. A stone wall filled with crevices could provide a refuge for a small critter, while a person’s presence might indirectly guard an animal against its would-be killer. Those who are used to us may actually begin to take more risks when we’re around.

To quantify this alteration in risk-taking behavior, Katarzyna Nowak of Durham University and colleagues tested the magnitude of the “human shield effect” on two groups of samango monkeys (Cercopithecus mitis erythrarcus) at a site with high natural predator density and no human hunting pressure.

Samango monkeys spend most of their time in trees avoiding predators on the ground, like large cats, and those in the canopies above, like birds of prey. They don’t stray very far, and they don’t climb too high. When observed by humans, however, the monkeys preferred to climb down to eat food from the forest floor. The work was published in Behavioral Ecology earlier this month.

The researchers set up feeding stations at various levels in the forest and looked at a fear measure known as “giving-up densities.” That’s the density of food remaining in a patch when a forager leaves. (It’s a little like, say, you were in a hurry and didn’t eat your whole burger.) With lots of predators at this site, the giving-up densities were greatest at ground level (0.1 meter) relative to the three tree canopy levels (2.5, 5, and 7.5 meters up). This highlights a strong vertical axis of fear, as they researchers say.

“The amount of food monkeys depleted from buckets over the course of the experiment varied with height, with the most food left uneaten at ground level, where there is a risk of predation by leopards and caracals,” Nowak tells The Independent.

When human followers were present, giving-up densities were reduced at all four heights. In one of the groups, the vertical axis totally disappeared in the presence of human observers. By passively keeping terrestrial predators away from the area, we seem to lower the monkeys’ perceived risks.

“When a human observer was following monkeys, they ate more food at every height, with the most notable differences at the bottom two levels,” Nowak explains. “Animals are expected to deplete more food where and when they feel safe [but] we had not expected human followers to have such strong effect!”

Read more at http://www.iflscience.com/plants-and-animals/monkeys-use-researchers-human-shields#WutB7Z7V2WuAe7ou.99

Itália enfrenta invasão de javalis radioativos quase 30 anos após Chernobyl (UOL)

Patrícia Araújo

Do UOL, em Roma

28/07/201406h00

Quase trinta anos após o desastre da usina de Chernobyl (Ucrânia), a maior tragédia radioativa da história continua a causar graves problemas na Europa e a deixar a população em alerta. Desta vez, o alarme foi soado em uma zona de caça livre no norte da Itália. Após um ano de pesquisas, o Instituto Zooprofilático Experimental de Piemonte, Ligúria e Valle d’Aosta – entidade ligada ao governo regional – divulgou a presença de traços de césio-137 acima dos limites permitidos pela União Européia em dezenas de javalis encontrados na província piemontesa de Verbano-Cusio-Ossola, especialmente na pequena comunidade de Valsesia. A carne do javali seria consumida pelos caçadores.

O instituto começou a investigar a área com maior rigor em março de 2013, após a descoberta de 27 animais contaminados. Em pouco mais de um ano, foram analisados 1.441 porcos selvagens e a constatação foi a de que mais de 10% da população (166 javalis) apresentam índice de radioatividade superior a 600 becquerel/quilo, limite máximo permitido pela UE em animais selvagens. O becquerel é a unidade usada internacionalmente para mediação de radioatividade.

Embora não tenha revelado precisamente o nível de radiação encontrado nos animais de Vasesia, Maria Caramelli, diretora do instituto, afirmou que as análises apresentaram traços de césio-137 “significativamente superiores” ao permitido pela comunidade europeia.

Nuvem radioativa

De acordo com a instituição, a contaminação dos javalis é consequência ainda da nuvem radioativa provocada pela explosão de Chernobyl em 1986. Nos dias decorrentes ao desastre, a nuvem se espalhou por dezenas de países da Europa. Na Itália, um mapeamento feito pelo CCR (Centro Comum de Pesquisa da União Européia) constatou que as regiões mais afetadas foram Lombardia e Piemonte. Fortes chuvas atingiram essas áreas naquele período fazendo com que o césio penetrasse maciçamente maciçamente no solo.

A atual propagação da substância radioativa entre a população de porcos selvagens, e não em outros animais, pode ser consequência dos hábitos alimentares dos javalis. Como eles se nutrem principalmente de raízes, escavam camadas profundas do solo em busca do alimento, expondo-se assim à radiação. Além disso, as raízes são por si próprias grandes concentradoras de radiatividade.

Após a descoberta, o instituto zooprofilático emitiu um alerta pedindo maior controle na zona de caça da província de Verbano-Cusio-Ossola. Atualmente, o Piemonte possui um plano de monitoramento da carne proveniente da caça na região. Porém, a fiscalização não atinge a totalidade dos animais abatidos em zonas selvagens antes de serem consumidos.

Índices subestimados

Para Massimo Bonfatti, coordenador na Itália do Projeto Humus, que trabalha com políticas de contenção de contaminação em áreas atingidas por radioatividade, a situação é ainda mais grave do que parece. Segundo o médico, dois fatores não estão sendo levados em consideração para avaliar precisamente o quadro. O primeiro deles seria a análise exclusiva de somente um isótopo radioativo.

“Um problema grave é que o índice de validação de contaminação na Europa é feito só com o césio-137, mas a nuvem que foi liberada por Chernobyl era cheia de outros elementos em proporções diversas. Não conseguimos nunca ter, por exemplo, o resultado da contaminação no norte da Itália por césio-134, que também pode causar sérios danos”.

Além disso, segundo o coordenador, o valor permitido de radiação de 600 becquerel por quilo de carne é extremamente elevado. “É complicado, mas estamos trabalhando na elaboração de uma proposta de projeto de lei para baixar esse índice para 10 bq/kg”

Maior rigor

Ainda de acordo com Bonfatti, os danos causados à saúde humana por contaminação radioativa são gigantescos. “Nós sustentamos que a grande epidemia de câncer que existe no mundo é provavelmente consequência da radiação que foi liberada do pós-guerra até hoje no planeta. Além disso, estudos já revelaram que o césio-137 se liga às fibras do coração provocando o surgimento de graves patologias cardíacas.”

A reportagem do UOL entrou em contato com as assessorias do governo da região do Piemonte e do Ministério da Saúde italiano para saber quais providências devem ser tomadas após a divulgação do estudo. A administração regional informou que o Instituto Zooprofilático Experimental é o único “ente responsável pela solução de casos do gênero” na área e que, portanto, apenas ele pode falar sobre o assunto. Já o Ministério da Saúde, embora tenha sido procurado diversas vezes ao longo da última semana, não se pronunciou até a publicação desta reportagem.

É possível descarbonizar o planeta até 2050 (Instituto Ethos)

24/7/2014 – 12h20

por Jorge Abrahão*

shutterstock 129374378 É possível descarbonizar o planeta até 2050

Relatório mostra como países mais poluidores (o Brasil entre eles) podem baixar drasticamente a concentração de carbono em suas atividades até 2050.

Enquanto nós e o mundo acompanhávamos a Copa do Mundo, um relatório elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais (Iddri, na sigla em francês) e pela Rede de Soluções do Desenvolvimento Sustentável (SDSN, na sigla em inglês), que conta com a participação do economista Jeffrey Sachs, foi entregue ao secretário-geral da ONU, Ban-Ki Moon.

O documento mostrou pela primeira vez como os 15 países mais poluidores do mundo (o Brasil entre eles) podem baixar drasticamente a concentração de carbono em suas atividades até 2050 e, com isso, contribuir para que a temperatura do planeta não aumente 2 graus centígrados.

O relatório, que ainda não é definitivo, tem o título Pathways to Deep Decarbonization (algo como “Caminhos para Descarbonização Profunda”) e é a primeira iniciativa de cooperação global a traçar soluções para diminuir a emissão de gases de efeito estufa (GEE).

Esse documento é resultado do trabalho de 15 equipes de pesquisadores, representando as 15 nações que mais emitem GEE: África do Sul, Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Japão, México, Reino Unido e Rússia.

Estas equipes trabalharam para responder a seguinte pergunta: “O que falta fazer para chegar a 2050 com chance de manter o crescimento da temperatura global em menos de 2oC, sem emitir mais de 1,6 toneladas de carbono, em média, contra as 5,2 toneladas de hoje?”

O Iddri e a SDSN indicaram ainda três pilares sobre os quais a resposta de cada país devia ser trabalhada, pois são as matrizes em que as emissões globais mais têm crescido:

– Aumento da eficiência e da responsabilidade no consumo de energia;

– Descarbonização do setor elétrico, com investimentos em fontes renováveis e nuclear e em tecnologias de sequestro de carbono;

– Desenvolvimento de biocombustíveis, veículos elétricos, células de hidrogênio e outras tecnologias que reduzam as emissões do setor de transportes.

Embora sejam pilares comuns, as respostas dadas pelos países não foram idênticas, pois cada nação possui particularidades específicas e prioridades diferentes.

Os projetos de alguns países

A China, país altamente industrializado e dependente do carvão, optou por desenhar um caminho de modernização do parque fabril, com a implementação de tecnologia de captura e armazenamento de carbono.

A Indonésia, cujas emissões vêm principalmente do desmatamento e das queimadas, propôs uma melhor gestão do uso da terra e o manejo sustentável das florestas. Os pesquisadores indonésios relataram que há grandes áreas degradadas que podem ser recuperadas para atividades econômicas ou para o plantio de culturas para biocombustíveis, reduzindo a pressão sobre a floresta em pé.

Os Estados Unidos, com sua enorme classe média de forte poder aquisitivo, sinalizam com programas de eficiência energética e de padrões mais altos (ou de menor quantidade de poluentes) nos combustíveis.

A África do Sul pretende investir em eficiência energética na indústria, nos veículos elétricos e nos biocombustíveis.

Os relatórios do Brasil, da Alemanha e do México ainda não foram apresentados. Em nosso país, os trabalhos estão sendo coordenados pelo professor Emílio La Rovere, do Coppe/UFRJ. E as atividades têm a participação da SDSN Brasil, lançada em março de 2014, com o apoio de várias organizações, entre as quais o Instituto Ethos.

Conclusões

Os especialistas concluem, entre outras coisas que:

– De todos os setores estudados, os dois que apresentam mais desafios para uma profunda descarbonização são o de transporte de carga e o de processos industriais, que ainda precisam ser aprofundados;

– Essa descarbonização profunda depende, em larga escala, da capacidade de entrega nos próximos anos de novas tecnologias de baixo carbono que ainda estão em desenvolvimento. Algumas tecnologias em áreas-chave, como armazenamento de energia, ainda precisam de desenvolvimento.

Entretanto, a conclusão mais importante é que, sem um compromisso de longo prazo – até 2050 – os países não conseguirão firmar acordos de curto e médio prazos, indispensáveis para que a humanidade chegue ao meio do século sem atingir os 2oC de aumento na temperatura do planeta.

Isso significa limitar as emissões a 1.000 GtCO2e até o final do século, condição para termos dois terços de chance de mantermos o aquecimento global em até 2oC em 2100.

Jorge Abrahão é diretor-presidente do Instituto Ethos.

** Publicado originalmente no site Instituto Ethos.

(Instituto Ethos)

Desastres naturais arrasarão os benefícios do desenvolvimento (IPS)

24/7/2014 – 10h14

por Stephen Leahy, da IPS

desastres Desastres naturais arrasarão os benefícios do desenvolvimento

Uxbridge, Canadá, 24/7/2014 – Será impossível acabar com a pobreza extrema e a fome com o rápido aquecimento do planeta, repleto de secas, inundações catastróficas e um clima cada vez mais instável, segundo ativistas que participaram das negociações dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou, no dia 19, o rascunho dos 17 ODS após um ano e meio de discussão entre mais de 60 países participantes no processo voluntário.

Os ODS são um conjunto de metas e objetivos destinados a eliminar a pobreza extrema e conseguir o desenvolvimento sustentável. Quando estiverem definidos em 2015, ao término dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), os ODS se converterão no itinerário a ser seguido pelos países para elaborarem suas políticas e decisões ambientais e socioeconômicas.

“Os desastres naturais são um motivo importante do descumprimento de muitas das metas dos ODM”, afirmou Singh Harjeet,  coordenador internacional de mitigação de riscos de desastres na ActionAid International, uma organização de desenvolvimento internacional com sede em Johannesburgo. “Uma inundação grande ou um tufão podem atrasar o desenvolvimento de uma região em 20 anos”, apontou. Os tufões são ciclones tropicais caracterizados por ventos superiores a 118 quilômetros por hora.

Singh recordou que o tufão Haiyan matou mais de seis mil pessoas e deixou quase dois milhões de vítimas nas Filipinas em novembro de 2013. Menos de um ano antes, em dezembro de 2012, o país sofreu com a passagem do tufão Bopha, que causou mais de mil mortes e cerca de US$ 350 milhões em danos. Nas duas últimas semanas dois tufões atingiram esse país, que pode sofrer mais 20 tormentas antes de terminar a temporada desses fenômenos climáticos em outubro.

“Os desastres naturais repercutem em tudo: na segurança alimentar, saúde, educação, infraestrutura, etc. Você não pode sair da pobreza se precisa reconstruir sua casa a cada dois anos”, afirmou Singh. Os objetivos de eliminação da pobreza ou quase qualquer coisa proposta pelos ODS “não têm sentido sem a redução das emissões de carbono”, assegurou.

As emissões de carbono produzidas pela queima de petróleo, carvão e gás prendem o calor do sol. Esta energia calórica adicional equivale à explosão diária de 400 mil bombas atômicas, semelhantes à que destruiu a cidade japonesa de Hiroxima em 1945, nos 365 dias do ano, segundo James Hansen, especialista em clima e ex-diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (Nasa), dos Estados Unidos. Em consequência, agora o planeta está 0,8 grau mais quente.

“A mudança climática repercute em todos os fenômenos meteorológicos porque o entorno em que ocorrem está mais quente e úmido do que costumava ser”, explicou à IPS Kevin Trenberth, especialista em fenômenos extremos e cientista do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica, dos Estados Unidos. A mudança climática não necessariamente provoca os desastres naturais, mas não há dúvidas de que os agrava, afirmou.

Os ODS devem incorporar questões do clima e vias para o desenvolvimento baixo em emissão de carbono, disse Bernadette Fischler, copresidente da britânica Beyond 2015, uma aliança de mais de mil organizações da sociedade civil que trabalham pela solidez e eficácia dos ODS. “A mudança climática é um problema urgente e tem de estar muito visível nos ODS”, opinou à IPS.

No rascunho atual dos ODS, o clima é o objetivo 13, que pede aos países que “adotem medidas urgentes para combater a mudança climática e suas consequências”. Não há metas de redução das emissões, e em sua maioria se referem apenas à adaptação frente aos próximos fenômenos do clima. “Os países não querem adiantar suas posições nas negociações da ONU sobre mudança climática”, pontuou Lina Dabbagh da Climate Action Network, uma rede mundial de organizações ambientalistas.

A Convenção Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (CMNUCC) habilita a negociação para adotar um novo tratado sobre o clima mundial em 2015. Após cinco anos de conversações, não houve progressos em temas fundamentais. “Os ODS são uma grande oportunidade para avançar no clima, mas o objetivo climático é débil e não há um programa de ação”, apontou Dabbagh à IPS.

A redação final do rascunho dos ODS foi um processo extremamente politizado, o que gerou um texto muito cauteloso. As alianças e divisões entre os países foram muito semelhantes às existentes nas negociações da CMNUCC, incluída a divisão entre o Sul em desenvolvimento e o Norte industrial, destacou Dabbagh. Segundo Fischler, os governos estão preocupados com a mudança climática e suas consequências, mas existe uma forte discordância sobre com refleti-lo nos ODS, e alguns pretendem que sejam mencionados apenas no preâmbulo do projeto final.

Países como a Grã-Bretanha acreditam que 17 objetivos são muitos e é possível que alguns sejam eliminados no último ano das negociações, que começarão quando os ODS forem apresentados formalmente à Assembleia Geral da ONU, no dia 24 de setembro. Um dia antes, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, organizará uma cúpula climática com os chefes de governo de muitos países, com a intenção de colocar em andamento o processo para um ambicioso tratado internacional sobre o clima no próximo ano.

“A sociedade civil pressionará fortemente durante a cúpula para que o clima seja uma parte integral dos ODS”, afirmou Dabbagh. Porém, acrescentou, resta muito a ser feito para que os responsáveis políticos e as pessoas compreendam que a ação climática é a chave para eliminar a pobreza extrema e alcançar o desenvolvimento sustentável. Envolverde/IPS

(IPS)

Climate change has created a new literary genre (Washington Post)

 July 11

Dan Bloom is a climate activist who graduated from Tufts University in 1971 and now blogs about cli-fi issues.

The Jet Star roller coaster is seen in the ocean at dawn as it was left by Hurricane Sandy, in Seaside Heights, New Jersey (Michael Reynolds/EPA)

Is climate change due for an “Uncle Tom’s Cabin” moment? The 1852 bestseller helped transform abolitionism into a mainstream cause. Now, “cli-fi” is trying to do the same for environmentalism.

The emerging genre is a cousin of sci-fi. But its books are set, NPR writes, “in worlds, not unlike our own, where the Earth’s systems are noticeably off-kilter.” And it’s gaining both fans and writers.

The climate-change canon dates back to the 1962 novel ”The Drowned World” by British writer J. G. Ballard. In it, polar ice-caps have melted and global temperatures have soared. Presciently, some coastal American and European cities are under water.

But Ballard’s work didn’t pinpoint humans as the cause of Earth’s precipitous decline. It wasn’t until the mid-2000′s that authors started grappling seriously with our role in impending environmental catastrophe.

In 2004, Michael Crichton released “State of Fear,” a novel about eco-terrorists. Ian McEwan followed up in 2010 with “Solar,” a story about a jaded physicist who tries to solve global warming. And in 2012, Barbara Kingsolver’s “Flight Behavior” gracefully explored how one town is reshaped by a changing ecosystem. As ‘The New York Times wrote in its review of the book:

How do we live, Kingsolver asks, and with what consequences, as we hurtle toward the abyss in these times of epic planetary transformation?

Perhaps the best-known “cli-fi” work is Nathaniel Rich’s “Odds Against Tomorrow,” released in 2013. That book sold more than 100,000 copies and drew major media attention.

In it, a near-future New York is submerged when a Category 3 hurricane hits. As Rich was editing the final proofs, Sandy submerged much of the East Coast, a strange moment of life imitating art.

*   *   *

Rich and others say that fiction can stir emotion and action in a way scientific reports and newscasts don’t.

“You know, scientists and other people are trying to get their message across about various aspects of the climate change issue,” Georgia Institute of Technology professor Judith Curry told NPR. She went on:

“And it seems like fiction is an untapped way of doing this — a way of smuggling some serious topics into the consciousness” of readers who may not be following the science.

That means finding characters or stories that resonate. And it also means getting rid of jargon and cliches. In Rich’s 300-page book, for example, the word “climate change” doesn’t appear once.

“I think the language around climate change is horribly bankrupt and, for the most part, are examples of bad writing, really,” Rich told NPR last year. “I think we need a new type of novel to address a new type of reality … which is that we’re headed toward something terrifying and large and transformative. And it’s the novelist’s job to try to understand, what is that doing to us?”

A growing number of YA books also attack this topic, including Mindy McGinnis’s “Not a Drop to Drink,” Staci Lloyd’s “The Carbon Diaries 2015″ and Joshua David Bellin’s “Survival Colony 9″. Even the post-apocalyptic  “Hunger Games” trilogy hints at a climate-ravaged earth.

Academia has begun paying attention to the trend, too. Several U.S. and British universities are now offering literature courses on cli-fi novels and movies. And the professors who teach those classes say students are moved by the literature they read. According to the ‘New York Times’:

Stephen Siperstein … recalled showing the documentary “Chasing Ice,” about disappearing glaciers, to a class of undergraduates, leaving several of them in tears. Em Jackson talked of leading groups on glacier tours, and the profound effect they had on people. Another student, Shane Hall, noted that people experience the weather, while the notion of climate is a more abstract concept that can often be communicated only through media — from photography to sober scientific articles to futuristic fiction.

“In this sense,” he said, “climate change itself is a form of story we have to tell.”

Índios ajudam a frear aquecimento global, aponta relatório (FSP)

RAFAEL GARCIA

DE SÃO PAULO

24/07/2014 01h43

Florestas em terras indígenas abrigam 37,7 bilhões de toneladas de carbono em todo o mundo. Se fossem destruídas, o CO2 lançado ao ar superaria as emissões globais de veículos durante 29 anos. Por sorte, os índios têm sido mais eficazes do que qualquer outro grupo humano no combate ao desmatamento.

A estimativa está em um relatório divulgado nesta quarta-feira (23) pelas ONGs WRI (World Resources Institute) e RRI (Rights and Resources Initiative). Pesquisadores das duas entidades cruzaram os números de preservação florestal em terras indígenas e de povos tradicionais com dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) sobre biomassa de florestas. O levantamento foi feito em 2013.

Segundo o relatório, cerca de um oitavo da área de florestas tropicais hoje está dentro dessas áreas. Comparadas com florestas que estão fora da jurisdição de índios, as terras fora delas têm exibido uma taxa de proteção fraca.

Alex Argozino/Editoria de Arte/Folhapress

Em alguns casos, como nas florestas do Yucatán, no México, áreas onde índios têm direito a explorar recursos naturais têm tido menos desmatamento do que reservas ecológicas designadas exclusivamente para proteção.

Na Amazônia brasileira, florestas fora de terras indígenas têm uma taxa de desmatamento 11 vezes maior. Nas matas guatemaltecas que abrigam descendentes dos maias, o grau de proteção é 20 vezes maior, e no resto do Yucatán é 350 vezes maior –índios são praticamente o único tipo de proteção ali.

Parte da razão para isso é que países em desenvolvimento, que abrigam a maior parte das florestas preservadas, muitas vezes não têm recursos para implementar a vigilância contra o desmate ilegal, seja dentro ou fora de unidades de conservação.

Muitas vezes, é melhor reconhecer o direito de comunidades indígenas à terra e lhes dar autonomia para administrar uma área do que transformá-la em reserva ecológica e contratar guardas.

“Quando esses povos têm autorização para criar suas próprias regras e tomar decisões sobre gestão de recursos naturais, são capazes de atingir uma boa governança com bons resultados ambientais”, diz Jenny Springer, diretora de programas globais da RRI. Ela defende a criação de mecanismos internacionais para que tribos indígenas possam ser compensadas por sua contribuição à prevenção de emissão de gases-estufa.

A RRI se concentra em 14 países nos quais avaliou o status legal das terras habitadas por índios. Há algumas condições para que eles sejam capazes de protegê-las.

Na Indonésia, que não dá proteção jurídica à permanência de povos tradicionais em suas áreas, o desmatamento nessas terras ainda é intenso. O país tem licenciado partes de florestas habitadas por comunidades nativas a produtores de dendê.

O Brasil é citado no relatório como bom exemplo, com 31% das terras indígenas em florestas ricas em carbono. O documento não comenta, porém, a proposta de emenda constitucional 215, em debate no Congresso, que reserva ao Legislativo o direito de demarcar terras indígenas, dificultando o processo.

Tatunca Nara: alemão vive na Amazônia e tem até RG que diz que ele é índio (Der Spiegel)

Alexander Smoltczyk

20/07/201406h00

Hansi Richard Günther Hauck, nascido em Grub am Forst, na Bavária, mora em Manaus e acredita ser Tatunca Nara, chefe da tribo Ugha Mongulala. Acima, Tatunca Nara em imagem sem data divulgada pelo escritor Karl Brugger

Hansi Richard Günther Hauck, nascido em Grub am Forst, na Bavária, mora em Manaus e acredita ser Tatunca Nara, chefe da tribo Ugha Mongulala. Acima, Tatunca Nara em imagem sem data divulgada pelo escritor Karl Brugger

No final dos anos 60, um homem apareceu no Estado do Acre, no meio da região amazônica. Ele usava um pano amarrado sobre os genitais e uma pena, carregava um arco e dizia que era Tatunca Nara, chefe de Ugha Monulala. Ninguém nunca tinha ouvido falar de uma tribo indígena com aquele nome. Além disso, o homem não se parecia em nada com um índio. Ele era branco e falava com um forte sotaque francês.

Ele dizia que tinha herdado o sotaque de sua mãe, explicando que ela era uma freira alemã que havia sido levada pelos índios. Seu povo, segundo ele, vivia em uma cidade subterrânea chamada Akakor, e o alemão era a única língua falada lá – resultado da prole de 2.000 soldados nazistas que viajaram pela Amazônia em submarinos.

Sua história teria deixado as pessoas surpresas em qualquer outro lugar. Mas histórias bizarras não são incomuns na região amazônica, então ninguém deu muita atenção a Tatunca Nara.

Por outro lado, ele era simpático e sua aparição não teria resultado em muita coisa se não tivesse chamado a atenção de Karl Brugger, um correspondente da rede de televisão alemã ARD na época. Ele visitou Tatunca Nara em Manaus e gravou a história em 12 fitas de áudio.

Segundo Brugger: “foi a história mais estranha que já ouvi”. Era uma história de visitantes extraterrestres, ritos secretos de “anciãos” e incursões de “bárbaros brancos”, todas descritas exaustivamente e em grande detalhe, e sem interrupções “desde o ano zero até o presente”.

Mais surpreendente ainda foi o fato de que o livro de Brugger, “The Chronicle of Akakor” [“A Crônica de Akakor”], tenha desfrutado de certo sucesso. Nos círculos Nova Era, as histórias de Tatunca foram estudadas como se fossem Manuscritos do Mar Morto. Elas incluíam trechos como: “cinco dias vazios no final do ano são dedicados à adoração de nossos deuses.”

O oceanógrafo Jacques Cousteau contratou Tatunca como guia quando explorou a região com seu barco, o Calypso, em 1983. O filme de aventura “Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal”, de 2008, é sobre uma cidade submersa na Amazônia chamada Akator e uma tribo indígena chamada Ugha Mogulala. O personagem do filme se veste com um pano na cintura e uma pena.

O original existe? Tatunca está vivo? Este repórter viajou recentemente para o Brasil em uma tentativa de encontrar o homem lendário.

Em busca de Tatunca e boatos sinistros
O barco Almirante Azevedo II sobe e desce o Rio Negro há mais de 30 anos. A viagem de Manaus até Barcelos leva 35 horas, uma jornada através de águas negras que se tornam ácidas por causa da vegetação em decomposição. Estamos na temporada de chuvas e a floresta está inundada, transformando o Rio Negro em uma vasta rede de afluentes e brejos fétidos.

Raimundo Azevedo, o capitão, está agachado perto de uma pilha de pneus no deck inferior, recebendo uma massagem nas costas de um fisioterapeuta que entrou no barco em algum momento. Quando questionado sobre Tatunca, ele diz: “o índio da Alemanha? É claro que eu o conheço. Todo mundo no rio o conhece. É claro que ele ainda está vivo – a não ser que alguém tenha atirado nele na semana passada.”

O Almirante Azevedo II viajou pela noite negra como tinta, em meio a uma bolha de sons de água passando e do ruído explosivo e entorpecente do motor de diesel, ruídos que ecoavam em uma parede de vegetação exuberante e enredada ao longo das margens do rio. O capitão Azevedo coloca uma camisa e sobe as escadas até o deck superior para jogar cartas.

Os passageiros, que não somam mais do que poucas dúzias, estão deitados em suas redes, embrulhados como salsichas penduradas para defumar. Um cristão pentecostal faz o sinal da cruz e reza, enquanto o rapaz ao seu lado está entretido com fotos de vaginas em seu telefone celular. Parece que cada um tem um jeito diferente de começar o dia. O capitão, que ouviu falar sobre a fortaleza de Tatunca na floresta, diz: “ninguém ousa ir até lá, porque ele instalou armadilhas com explosivos e prendeu armas nas árvores. Ninguém sabe o que ele esconde lá.” De vez enquanto, um guincho agudo é ouvido à medida que o barco passa desliza próximo às margens.

“Teve um alemão que escreveu um livro sobre Tatunca”, disse o capitão. “Ele até tatuou uma tartaruga no coração, assim como Tatunca. Eles o mataram no Rio.”

“A bala passou direto pela tartaruga”, acrescentou Lucio, um motorista de táxi gordo com uma pedaço do cotovelo saindo como uma protuberância pelo pulso, resultado de um acidente de moto.

“Mas aquele não era Tatunca.”

“Talvez não.”

O barco sobe lentamente o rio, abrindo caminho entre matéria orgânica pré-histórica, e quanto mais ele se esquiva de troncos de árvores à deriva e ilhas flutuantes, mais o grupo discute os rumores sobre o alemão que vive rio acima – e mais sinistros eles se tornam.

Alguns ossos foram encontrados há sete anos, diz Lucio. “Ossos longos. Não eram de nenhum morador da Amazônia. Talvez um alemão.” Tatunca o matou, diz Lucio, para ficar com seu dinheiro e sua mulher. “É o que as pessoas dizem. Mas Tatunca diz que não foi ele.”

“Talvez não. Eles dizem que ele está fugindo da polícia de seu país”, diz o capitão. Agora, Tatunca deve ter bem os seus 70 anos. E ainda assim, observa o capitão, ainda está forte e em boa condição física. “Ele odeia os gringos”, diz outro homem. Ele faz uma pausa, olha para os outros, e diz: “vocês são gringos”.

O barco desliza entre as margens, vazias e ainda assim promissoras. Uma sombra ocasionalmente surge na superfície da água, um dos botos cor-de-rosa nativos do Rio Negro, que, segundo dizem, vão para a terra à noite e engravidam as mulheres.

O aventureiro alemão Rüdiger Nehberg também encontrou este índio branco, Tatunca Nara, durante uma expedição entre os índios Yanomami. Os dois homens se odiaram à primeira vista e acusaram um ao outro de mentiras e assassinato. Sua animosidade mútua aparentemente persiste até hoje. “Tatunca quer me afogar no Rio Negro”, escreveu Nehberg em um e-mail em maio.

Ampliar

Tribo isolada da Amazônia é filmada pela primeira vez

13.ago.2013 – Nove índios da etnia kawahiva andavam nus pela mata em Colniza, no Mato Grosso, quando foram filmados por uma equipe da Funai (Fundação Nacional do Índio). Esta é a primeira vez que a tribo, que evita contato com o homem branco, é registrada. Os homens levavam arcos e flechas, indicando que são os guerreiros do grupo, enquanto as mulheres carregavam alguns objetos e as crianças (acima) Leia mais Reprodução/TV Globo

Assassinatos e desaparecimentos
A animosidade vem do fato de que Nehberg publicou um livro em 1991 intitulado “The Self-Made Chief” [algo como “O Homem Que Se Fez Cacique”].

Nele, ele revelou que o verdadeiro nome de Tatunca Nara é Hansi Richard Günther Hauck, e que ele nasceu em Grub am Forst, uma cidade perto de Coburgo, na Baviera, e não no Rio Negro, em 1941.

De acordo com Nehberg, Hauck, que leu muitos livros ao estilo de “Tarzan” quando era menino, abandonou sua mulher e filhos em 1966, aceitou um emprego a bordo do navio cargueiro Dorthe Odendorff, e eventualmente desapareceu no Brasil. Amigos antigos dizem que, quando era criança, Hauck uma vez disse ter testemunhado a aterrissagem de seres extraterrestres.

Isso tudo seria inofensivo se não tivesse havido três mortes que continuam sem explicação até hoje, mortes que ocorreram às margens do Rio Negro. Todas as três vítimas tinham sido atraídas para a região depois de ler “A Crônica de Akakor” e pediram a um certo Tatunca Nara para guiá-las até a cidade submersa. E, de acordo com testemunhas, ele fez a mesma promessa para todas as três: “vou mostrar-lhe Akakor”.
O Departamento de Polícia Criminal Federal da Alemanha lançou uma investigação sobre o suspeito assassinato e desaparecimento de três indivíduos “contra o cidadão alemão Günther Hauck, que vive no Brasil com uma identidade falsa”. Mas a investigação não chegou a lugar nenhum.

Depois de 35 horas de viagem insuportavelmente lenta, Barcelos aparece na margem esquerda como uma profecia, a cerca de 500 quilômetros rio acima a partir de Manaus. Há 30 igrejas evangélicas nesta cidade de 15 mil moradores, alguns dos quais dirigem pela região proclamando a salvação pelos alto-falantes de suas picapes em meio ao ar parado e empoeirado: “Deus não nega nenhum milagre!” É a religião dos abastados, daqueles que preferem acreditar no futuro e não na vida depois da morte.

O fascínio da Amazônia
O rio Amazonas e seus afluentes sempre exerceram um certo fascínio sobre as pessoas cansadas do ordinário, caçadores de fortunas e garimpeiros – entre eles o ator alemão Klaus Kinski, o geógrafo do século 19 Alexandre von Humboldt, um explorador nazista chamado Otto Schulz-Kampfhenkel e inúmeros defensores da floresta. A encarnação mais recente do aventureiro amazônico é um texano esquelético com olhos molhados, chamado pelos amigos de “o fabuloso Faltermann”, que empurrava sua bicicleta na frente do Café Regional.

Aos 20 anos, Patrick Faltermann deixou a casa dos pais no Cinturão da Bíblia nos EUA, profundamente conservador, embarcou em um navio cargueiro para Belém, uma cidade na Amazônia, e trocou seu laptop por um caiaque. Ele se pôs a remar no rio. Fez isso à moda antiga, como ele diz, sem GPS, contra a correnteza e com pouco mais do que o livro “Through the Brazilian Wilderness” de Teddy Roosevelt, na mochila. Foi uma jornada de noites negras e solitárias, capim cortante, aranhas venenosas e de se perder durante dias. Agora, quatro anos depois, Faltermann viajou 4.500 quilômetros e diz: “encontrei Tatunca há quatro semanas. Ele deve ter seus 70 e poucos anos, mas é mais forte que eu. As pessoas parecem ter medo dele, não é?”

Tatunca colocou armadilhas com dinamite em volta de sua cabana no meio da floresta, diz Faltermann. “Ele tem amigos militares. Isso ajuda, porque muitas pessoas gostariam de matá-lo a tiros. Ele aparentemente disse a uma menina que era pai dela e que ela tinha de ir com ele, em seu barco. O homem é incrível.”

Uma brisa fresca vem de vez em quando do rio no meio do dia quente. Faltermann abre outra lata de cerveja Skol, espera até que um caminhão passe e diz: “as histórias dele parecem um monte de mentiras. E o português dele é pior do que o meu. É como se fosse uma grande ‘ego trip’. Mas ele conhece a área melhor do que ninguém. E ele tem algum interesse na área indígena, subindo o rio Araçá.”

Algum interesse? “El Dorado. Em tese fica lá em cima perto dos dois picos, acima da cachoeira. Tatunca é o único que foi lá até agora.” Para as pessoas de Barcelos, “El Dorado” parece ser um lugar como qualquer outro.

Até recentemente, Barcelos era a capital mundial do comércio de peixes ornamentais, tão conhecida no mundo dos aquaristas quanto Cognac é entre os entusiastas da bebida. Em 1831, o pesquisador austríaco Johann Natterer descobriu o acará de Symphysodon, ou o acará-disco, nas águas salobras em torno de Barcelos. A espécie, apelidada de “rei dos peixes de aquário”, habita milhões de salas de estar hoje, normalmente junto com o tetra neon, o peixe ornamental mais popular de todos e também nativo do Rio Negro.

Em Barcelos, os orelhões têm formado de peixes ornamentais, e durante o Carnaval as pessoas se dividem em dois grupos, os Neons e os Discos, e atacam umas às outras usando fantasias de peixe feitas em casa.

Mas agora que o peixe ornamental está sendo criado em larga escala na Ásia, o comércio caiu 70%.

Há algum tempo, dois alemães fanáticos por aquários foram presos por biopirataria. Eles acreditaram nas garantias de seu guia, um nativo que, para sua surpresa, falava alemão fluentemente e chamava a si mesmo de Tatunca Nara.

Na prefeitura, um prédio embolorado perto do rio, somos informados de que a “Crônica de Akakor” gerou toda uma indústria de turismo. Além dos aquaristas, vários amigos da floresta e dos índios começaram a visitar a área – mas isso parou depois das notícias sobre as três mortes.
A primeira pessoa a desaparecer foi John Reed, um jovem norte-americano. Isso foi no final dos anos 80.

O especialista em florestas suíço Herbert Wanner desapareceu em 1984. Seus tênis, alguns ossos e um crânio com um buraco de bala foram encontrados um ano depois. Foi sobre esses ossos que os homens do rio haviam falado.

Reed tratava a “Crônica” como um guia para sua própria vida. Em sua última comunicação, uma carta para seus pais, ele escreveu: “acredito na honestidade de Tatunca mais do que nunca.”

A terceira pessoa a desaparecer foi Christine Heuser, uma instrutora de ioga de Kehl am Rhein, uma cidade no sudoeste da Alemanha. Ela também devorou a “Crônica de Akakor”, e estava convencida de que tinha sido mulher de Tatunca Nara em uma vida passada. Ela o visitou no verão de 1986. Há uma foto que a mostra dependurada em um cipó, com o torso nu. Não foram encontrados os restos de Heuser.

Águas escuras
Desde que o comércio de peixes ornamentais praticamente parou, os donos de barcos no alto do Rio Negro começaram a procurar outros trabalhos. Muitos servem como guias para pescadores norte-americanos que vão para a região em busca do peixe Oscar. Outros sobem o Rio Negro e entram em afluentes ao longo da fronteira com a Colômbia, onde usam seus barcos para traficar pacotes de cocaína.

“Perguntei a Tatunca se ele tinha matado aqueles três. Ele diz que não.” Para Mamá, a palavra de Tatunca é o bastante. Mamá, um homem rústico com uma tatuagem de cavalo-marinho e uma bandana na cabeça, é chamado de “Pirata” em Barcelos. Ele usa uma bandeira pirata em seu barco e está em casa nas águas escuras do rio. “Só não transporto drogas”, observa Mamá, sem que a pergunta tenha sido feita. Quando ele sorri, um dente de cerâmica vermelho aparece no canto direito de sua boca.

Mamá diz que é o único amigo de Tatunca. “Eu disse para ele que não estava interessado em suas histórias. Só quero um pouco do ouro.” De acordo com Mamá, os dois homens subiram o rio Araçá juntos em novembro.

“Até o ponto perto da cachoeira. Lá há duas entradas de caverna. Talvez fossem túneis construídos pelos nazistas. Tentamos, sem sucesso, descer de rapel. Tatunca começou dizendo que havia algumas coisas muito estranhas.” O que poderia parecer estranho para um pirata chamado Mamá? “Ele disse: o rei Salomão está prestes a vir cavalgando.” E então? “Ele queria que eu o matasse.” Mas o rei não se materializou. Talvez fosse a entrada errada da caverna. “Tatunca está provavelmente está na cabana agora. Posso levá-lo até lá.”

Depois das chuvas torrenciais da noite, a estrada de terra para Ajuricaba é impiedosa. Uma cobra apareceu no meio do caminho no quilômetro 8, e depois de mais dois quilômetros a estrada acabava em lama vermelha na altura dos joelhos. Se Tatunca Nara está de fato em sua cabana na floresta, não há como chegar até ele. “Talvez seja melhor para você”, diz Mamá, o pirata.

“Tatunca? Não, ele não está aqui”

Mas então aparece a sogra de Tatunca, Elfriede Katz, 88.

Sua casa ribeirinha fica na Estrada de Nazaré, na periferia da cidade. Como em todas as casas judias, há um mezuzá contendo versos hebraicos da Torá pendurado sobre a moldura da porta. Katz está de bom humor, sentada em uma cadeira de balanço na varanda. “Tatunca? Não, ele não está aqui”, diz com um sotaque de Bremen. Seus pais, explica, imigraram para o Brasil logo depois que ela nasceu. Mais tarde, Katz se casou com um fabricante de pianos cuja família havia fugido do Holocausto.

Katz se tornou uma soprano e cantou na ópera “La Traviata” em teatros em São Paulo e Porto Alegre. Ela jamais imaginaria que passaria sua velhice na capital mundial do comércio de peixes ornamentais, com um genro índio-alemão, que disse a ela que se chamava Grande Cobra D’Água.

“Minha filha me falou que tinha conhecido um índio-alemão. Tatunca mandava cartas de amor pelo correio militar para ela. Elas vinham com um carimbo de “confidencial”. Então os dois se mudaram para o Rio Negro e viveram entre os ianomami por anos, até que seus dois filhos tiveram que ir para a escola.” Katz parece não ter dúvidas sobre a as origens de seu genro. Ela e seu marido seguiram a filha até Barcelos, onde abriram um pequeno hotel. A maioria dos filhos de Tatunca foi parar em Barcelos, inclusive os três que não deveriam voltar para a floresta.
Katz observa mais tarde que Tatunca não está na região no momento, mas que desceu o rio até Manaus com sua mulher Anita. Ela não sabe quando ele volta, diz ela, e cantarola um trecho de Violetta com sua voz aguda: “È strano…”

Deve ser terrivelmente difícil manter as histórias. É preciso muito esforço para manter uma rede de mentiras, não importa o quão bem construída ela possa ser. Revisões constantes, acréscimos e renovações são necessárias. Algumas mentiras caem por terra enquanto novas são acrescentadas. Tudo isso requer uma atenção constante, especialmente quando novos visitantes chegam, pessoas que querem conhecer os arredores e fazem perguntas. É preciso cautela antes que os visitantes sejam guiados a uma história nova e possivelmente ainda mais fantasiosa. Contar histórias pode ser mais difícil do que a própria vida.

E a vida tem uma forma de escolher seu próprio caminho. Ela encena o encontro com Tatunca Nara de acordo com suas leis improváveis.

Encontro com Tatunca
Finalmente o encontramos no Amazonas, um shopping center em Manaus, entre a lanchonete Bob’s e uma loja C&A (veja fotos). Ele carrega uma sacola de compras. Mas é ele, com seu rosto de ator, as mãos e a pele enrugada e a cabeça com cabelos fartos. Falando com um sotaque da região Franconia da Baviera, ele diz: “Bom dia, eu sou o Tatunca.”

Depois de todas as histórias, rumores e tentativas de demonizar o homem, a sensação é de que estamos diante de algum cacique indígena ficcional – ou talvez de Jack, o estripador. Esta é a história de nosso encontro: o fotógrafo Johannes Arlt precisava de uma camisa nova e Tatunca tinha acompanhado sua mulher Anita para Manaus para uma operação nos olhos. Os dois acontecimentos acabaram coincidindo. Esta foi a primeira vez que ele foi para Manaus em seis anos, diz ele. É o tipo de coincidência que soa como uma das histórias sobre Tatunca.
“Vamos sentar”, diz ele. “Não gosto de estar na cidade. Prefiro estar na floresta, com meus índios.”

Ele não parece ligar para quem está sentado à sua frente. Ele não está interessado em ouvir as histórias dos outros, apenas à sua própria. Ele fala sobre seu tempo entre os índios Yanomami, quando ele e Anita administravam uma enfermaria e uma escola.

Os índios ensinaram-lhe a sobreviver na floresta, diz. E então, depois de medir o ouvinte para descobrir qual a probabilidade de este acreditar em sua história, fez um desvio para um labirinto de fantasias: “eu entreguei o posto de cacique em novembro. O pajé tinha dois desses servos de Deus de três metros de altura com ele. Ele disse que os anciãos estavam retornando, e que eles tinham aberto o túnel”. Ele fala sobre paredes em forma de tartaruga, e de uma caverna com a estrela de Davi acima.

Sempre que ele faz essas afirmações, sua mulher, Anita, coloca uma mão sobre o joelho dele e diz “querido”, e ele fica em silêncio.
Talvez tivesse sido melhor simplesmente deixar o homem falar, da forma como ele está falando agora, em um fluxo de memórias e fantasias, invenções, mentiras ultrajantes e descrições detalhadas. A maior parte da “Crônica de Akakor” foi inventada, diz ele. “Brugger queria escrever um novo ‘Papalagi’.”

“O Papalagi” era uma leitura obrigatória na Alemanha durante a época dos hippies. Nele, um chefe samoano fictício faz discursos essenciais sobre a civilização a seu povo. Neste ponto, Tatunca poderia dizer que toda a “Crônica” era pura fantasia. Mas ele não faz isso. É claro, ele não pode colocar as premissas básicas em questão porque, como diz ele, elas são verdadeiras: “há alemães entre meu povo. É claro, eles não chegaram de submarino. A água aqui é muito rasa para isso. Eles tiveram que trocar de barco primeiro.”

Encontramos Tatunca de novo na manhã seguinte, desta vez sem Anita, no mercado de peixe de Manaus, perto das águas escuras do Rio Negro. “Vocês querem ir para El Dorado?”, ele pergunta. “Não é uma lenda. Encontrei muros como estes em Machu Picchu. Posso levá-los lá.” Sem hesitação, ele pega uma caneta e um bloco de papel e começa a desenhar o caminho para El Dorado. Fica em algum lugar sobre um platô entre o rio Araçá e o rio Demini.

Suas histórias são intermináveis e enroladas e não demora muito para que surja uma suspeita: a cidade perdida de Tatunca Nara não fica na floresta, em hipótese alguma. Fica ao longo do Füllbach, um rio na Francônia, em Grub am Forst, um lugar de onde Günter Hauck fugiu um dia. Ele foi o mais longe possível, para os afluentes mais remotos da Amazônia, e para uma nova existência que não podia ter nada em comum com sua vida anterior.

De acordo com os arquivos de investigações feitas no Brasil, houve um alemão aparentemente confuso chamado Günther Hauck que nunca retornou ao seu navio cargueiro depois de uma folga em terra. Um psiquiatra o diagnosticou como esquizofrênic, e a embaixada alemã o enviou de volta à Alemanha.

Tatunca conhece esse tal de Günther Hauck? Não pessoalmente, diz. Ele viajou para a Alemanha uma vez, acrescenta, e as pessoa se referiram a ele como Günther Hauck quando esteve por lá. Também havia uma mulher, e para evitar problemas ele foi para a cama com ela. Mas tudo isso estava totalmente errado, diz ele. “Eu sou Tatunca. Ponto final.”

“Günther Hauck” é simplesmente uma pele que foi trocada há muito tempo. Para provar seu ponto, Tatunca tira sua carteira de identidade brasileira, que o identifica como “índio” e contém um carimbo da agência brasileira encarregada de assuntos indígenas. Ele deve ter sido muito convincente como índio.

Se simplesmente tivessem deixado o homem falando sozinho, provavelmente nada disso teria acontecido. Mas suas histórias o alcançaram. Elas atraíram pessoas para a região, pessoas que queriam mais do que ouvir suas histórias. Elas queriam ser guiadas rio acima, ver a cidade subterrânea com seus próprios olhos e entrar nela.

Os mundos que ele tinha conseguido manter distantes haviam repentinamente se juntado. Talvez ele tenha se sentido encurralado por todos os admiradores e caçadores de tesouros, e pelos curiosos. Rüdiger Nehberg foi o pior de todos. Ele chegou com arquivos e velhas fotos nas mãos, e queria saber exatamente quem era Tatunca. “Ele é esquizofrênico, aquele Nehberg. Um mentiroso.”

E então teve a professora de ioga que dizia ser sua verdadeira esposa.

“Eu não matei aqueles três”
Talvez, quando todas as suas desculpas, ameaças e feitiços não funcionaram mais, ele decidiu deixá-los sozinhos com suas expectativas, e simplesmente os deixou caminhar em meio à mata cheia de veneno e espinhos. Sem experiência, uma pessoa não consegue sobreviver por muito tempo na floresta, nem mesmo com a “Crônica de Akakor” em sua bagagem.

Quando questionado sobre os desaparecidos, Tatunca diz: “eu vivo com minha consciência. Eu matei muitas pessoas, mas eu era soldado e elas carregavam armas. Eu sou inocente. Mas não matei aqueles três, como me acusam de ter feito.”

A história do que aconteceu a John Reed e outros provavelmente continuará sendo um mistério. O processo alemão contra Günter Hauck, mais conhecido como Tatunca Nara, foi retirado, por causa da ausência do acusado. Isso não deixa nada além de suspeitas.

Mas então ele disse alguma coisa enquanto passava pelo mercado de peixe de Manaus, enquanto tilápias eram desossadas nas barracas de peixe próximas. “Meu nome, Tatunca, significa Grande Cobra D’água. Ela tem o hábito de só atacar suas vítimas quando não há nada em torno para atrapalhar suas atividades.”

Então o que resta a não ser a suspeita de que o homem é um sonhador, um impostor e um mentiroso de talento, uma pessoa que vê a existência de sua certidão de nascimento como nada mais do que uma mera possibilidade?

Numa manhã em Barcelos, um barco listrado azul e branco estava ancorado no pier perto da fábrica de gelo. Ele carregava fardos de piaçava, uma fibra de palmeira para fazer vassouras. Alguns índios estavam dormindo no barco, até serem acordados por um homem enrome e queimado de sol que começou a erguer os fardos para a margem.

O dono do barco é Seder Heldio, 36, filho de Tatunca, que não fala mais alemão. A cidade de Grub am Forst não significa nada para ele. Mas ele se lembra de crescer entre os índios. “Meu pai deve ter lhe contado muitas histórias, mas ele é meu pai. Nenhuma das acusações de assassinato foi comprovada. Tudo o que aconteceu foi que sua empresa de turismo foi à falência.”

E isso, diz Heldio, é injusto. “Eu vi o filme Indiana Jones”, diz Heldio, filho de Tatunca. “Soa muito como a história de meu pai sobre Akakor. Ele nunca recebeu um centavo por isso. Talvez ele tenha inventado algumas das histórias. Mas ele pagou por isso com sua vida.”

Heldio também tem histórias para contar sobre os índios. As dele são sobre a Fundação Nacional do Índio, a Funai, que busca proteger os povos indígenas impedindo-os de trabalhar por salários e, em vez disso, fornece ajuda. Heldio diz que sua empresa na verdade é ilegal, porque ele não oferece a seus empregados os benefícios trabalhistas obrigatórios exigidas pelos sindicato, incluindo moradia e horas de trabalho fixas. O problema, explica Heldio, é que os índios não gostam de dormir em contêineres e só vão trabalhar quando não têm nada para caçar. “Eles querem manter os Yanomami como se estivessem em um zoológico. Eu lhes dou dinheiro para que possam comprar coisas.”

O filho do sonhador de Francônia, que queria ser um índio em vez de Günther Hauck, não se tornou cacique. Em vez disso, ele trabalha como capataz, alguém que está distanciando os indígenas de seu estado natural e inserindo-os na economia monetária. E como seus métodos são justos, os Yanomami o respeitam e talvez até o adorem. E, neste caso, sem o envolvimento de seres extraterrestres, anciãos ou El Dorado.

Jens Glüsing contribuiu com a reportagem.

Tradutor: Eloise De Vylder

A engrenagem das prisões em massa (GGN)

qua, 23/07/2014 – 08:26

Enviado por Leo V

Do Ponte.org

A engrenagem das prisões em massa. O caso Hideki

Bruno Paes Manso

Como produzimos provas para condenar tanta gente?

Já foi dito que as perguntas certeiras são o ponto de partida para boas reportagens e pesquisas. Concordo e já coloco uma questão que há tempos me intriga: como São Paulo (e o Brasil) consegue mandar tanta gente para a prisão se possui uma polícia civil com sérias dificuldades para investigar? Já somos o terceiro País do mundo no ranking de pessoas presas, sendo que nas prisões paulistas há um terço do total de presos nacionais. Como produzimos provas para condenar tanta gente?

As respostas ajudam a decifrar como funcionam as engrenagens dessa fábrica de aprisionamento em massa que estamos construindo em São Paulo e no Brasil. O caso das prisões de Fábio Hideki e de Rafael Marques, detidos sob a acusação de prática de crimes durante os protestos em São Paulo, servem para mostrar a lógica desse mecanismo.

Os dois foram presos no dia 23 de junho numa manifestação na Avenida Paulista durante a Copa do Mundo. A Secretaria de Segurança Pública paulista defendeu a legitimidade das prisões afirmando ter provas de que eles portavam explosivos. Diversas testemunhas afirmaram, no entanto, que o flagrante foi forjado, incluindo o padre Julio Lancelotti, vigário do Povo da Rua, que estava ao lado dos jovens quando eles foram detidos. A SSP rebate e diz que o Ministério Público acompanha de perto as investigações e que os promotores denunciaram Hideki e Marques à Justiça.

hidekiNa semanas que se seguiram às prisões, campanhas foram feitas para que os dois fossem soltos, entidades contestaram a legitimidade da ação, o diretor da Politécnica da USP escreveu carta aberta, mil origamis de tsurus (pássaro da sorte) foram confeccionados para libertá-lo, houve manifestações em São Paulo, Guarulhos e Rio, juristas e juízes democráticos reclamaram, funcionários da USP marcharam, uma página no Facebook foi criada e recebeu mais de 6 mil curtidas, além de inúmeros memes que se espalharam pelas redes sociais.

Mesmo com a pressão legítima, baseada em depoimentos e vídeos que contestavam a credibilidade das ações da segurança pública e as decisões da Justiça, nossas instituições não se deram o trabalho de apresentar as supostas provas ou de justificar seus atos de força. Como se não se sentissem obrigadas a prestar contas de seus atos aos cidadãos que pagam suas contas. Talvez porque se sentem intocáveis. Porque acham que somos todos cegos, que não enxergamos os erros que eles cometem.

Mas já é possível juntar as peças. A figura do quebra-cabeças está ficando cada vez mais visível. A prisão de Hideki e de Marques é apenas a ponta de um profundo iceberg do frágil mecanismo de encarceramento de pobres moradores das periferias. Hideki e Marques foram exceção à regra.

Sem estrutura para realizar investigações competentes, o sistema de Justiça vem condenando faz tempo com base em frágeis evidências. Essa foi uma das principais conclusões da pesquisa feita por Maria Gorete Marques do Núcleo de Estudos da Violência (USP) sobre a aplicação da Lei de Drogas em São Paulo. Boa parte do crescimento do total de presos decorre do aumento da prisão de pequenos traficantes.

Em 2006, havia cerca de 17 mil presos por tráfico. Cinco anos depois, já era 52 mil. Conforme a pesquisa, quase nove entre cada dez prisões feitas no Estado foram ocorrências em flagrante, quando a maioria estava circulando na rua. A maioria (52%) não tinha antecedentes em sua ficha criminal e eram negros e pardos (59%). Na primeira etapa do processo de aprisionamento em massa, a polícia vê um negro em atitude suspeita andando na rua. Ele é abordado e preso em flagrante.

No Judiciário, o depoimento do policial militar que prendeu o suspeito acaba sendo sobrevalorizado. O que ele fala é considerado verdade, mesmo quando a vítima acusa o flagrante de ser forjado. Isso ocorre porque são depoimentos que gozam de fé pública, termo que define juridicamente os documentos e testemunhos que são dados por autoridades públicas no exercício de sua função. São presumivelmente considerados verdadeiros, o que acaba dispensando a necessidade de provas robustas para a condenação.

Na prática, isso significa que, depois de acusado pelo policial, o suspeito passa a ter que provar a sua inocência. As provas materiais do crime ou outros testemunhos de acusação acabam sendo meros complementos em muitos processos. O que não impede o promotor de acusar e o juiz de condenarem o réu. Na pesquisa do NEV-USP, as autoridades explicaram que a gravidade do crime justificaria a decisão de condenar com base em depoimentos de PMs e em provas frágeis.

Não foi o caso do crime Hideki e Marques. Não eram graves. Eles eram meros bodes expiatórios para que a segurança pública e o judiciário dessem uma resposta aos protestos durante a Copa do Mundo. Eles são black blocs? Só dando risada. Acompanhei o movimento e sei sobre os dois presos. Essa afirmação é ridícula. Mas qual é o ponto nevrálgico da questão? Depois de anos e anos prendendo e condenando por nada, nosso sistema já estava acostumado a engolir acusações mal feitas. Qual o problema em condenar mais dois sem que haja provas?

Será que eu estou sendo injusto com nosso sistema de segurança e de Justiça? Há apenas dois meses, eu me deparei com um caso emblemático que foi publicado neste blog em maio. Foi a história de José, um jovem negro de 17 anos que estava em seu apartamento num sábado à noite. A PM perseguia quatro assaltantes de carro pelas ruas. O grupo bateu em um poste durante a fuga, mas tiveram tempo de descer do carro e correr dos policiais. Os PMs acharam que um dos jovens havia subido em um edifício que ficava perto do local da batida. Era onde José morava. Falaram com o porteiro, invadiram o apartamento do garoto às 2 horas da manhã e o prenderam.

José tinha provas de que havia saído de casa somente para fumar no portão. As imagens das 19 câmeras do edifício eram claras. Batom na cueca. Mesmo assim, José continuou preso. O promotor pediu sua condenação e o juiz bateu o martelo. No processo, sobre as imagens que provavam a inocência do acusado, foi afirmado que o “condomínio não tinha fé pública”. O testemunho dos policiais foi suficiente para prendê-lo e condená-lo. As imagens de nada adiantaram. José foi solto apenas depois que a reportagem mostrou neste blog as provas de sua inocência. A Justiça foi forçada a soltá-lo no mesmo dia.

A sociedade merece respostas sobre o flagrante e as provas contra Hideki e Marques. As polícias demandam reformas urgentes. O Estado pode nos tirar os olhos, mas isso não significa que estamos cegos. Segue abaixo, aliás, o belo vídeo feito pela Ponte sobre Alex e Sérgio, fotógrafos baleados durante manifestações.

Se falta água, o problema é de planejamento, diz especialista (Projeto 2000 e água)

22/7/2014 – 01h21

por Projeto 2000 e água

represa Se falta água, o problema é de planejamento, diz especialista

 

O planejamento do uso de recursos hídricos é fundamental, como aponta o professor da USP, na entrevista abaixo. Porém, é preciso ter em mente que a água que, apesar de ser comum dizer que a Terra é o planeta água, apenas 2,5% desse recurso na Terra é doce – ou seja, pode ser usado para consumo próprio. A maior parte dela está aprisionada em aquíferos subterrâneos e geleiras. Só 0,26% da água doce da Terra está em lagos, reservatórios e bacias hidrográficas, mais acessíveis ao homem e a atividades econômicas. Isso significa dizer que apenas 0,0065% da água na Terra é água doce disponível. Em resumo: se toda a água da Terra coubesse em um balde de 10 litros, a água doce disponível chegaria a apenas 13 gotas. (Comentário do Akatu)

Segundo dados da Comissão Pastoral da Terra, o Brasil tem um conflito violento por dia por causa da água. Muitas destas disputas ocorrem para evitar a apropriação de recursos hídricos por empresas ou para impedir a construção de barragens. Em março deste ano, foi a vez dos governos de Rio e São Paulo entrarem em atrito. Sob pressão da crise de abastecimento, o governo paulista pediu ao governo federal o desvio das águas do rio Paraíba do Sul, que nasce em São Paulo e também corta cidades mineiras e fluminenses.

Diante deste cenário de tensão, veículos de comunicação não pouparam manchetes anunciando uma “guerra por água”. Para o professor de Geografia da USP Luis Antonio Bittar Venturi, no entanto, a mídia é “fatalista” quando coloca a escassez como origem dos conflitos. “A água é o recurso mais abundante do planeta. Se existe falta d’água em alguns lugares, isto é problema de planejamento”, afirma. Confira a seguir os melhores trechos da entrevista, do projeto 2000 e água:

Luis 300x197 Se falta água, o problema é de planejamento, diz especialista

Como você avalia o discurso de veículos de comunicação que anunciam escassez e guerra por água?

A mídia é muito fatalista. Vende-se mais se você anunciar fome, conflito e guerra. Thomas Malthus dizia que o mundo vai passar fome porque a produção de alimentos é mais lenta que o crescimento da população. Essa é uma afirmação que não considera que o planejamento e a técnica podem reverter isso. É a mesma coisa com a água. Falar que ela vai acabar é um tremendo absurdo. A água doce vem do oceano, via evaporação e precipitação. Esse é um sistema que nunca vai acabar, a não ser que a Terra acabe.

Se a água é um recurso abundante, por que estamos passando por uma crise hídrica na Região Metropolitana de São Paulo?

É falta de planejamento a médio e longo prazo. Em São Paulo, o clima é tropical úmido, então a recarga de água vinda do Oceano está assegurada. A recarga é muito maior do que a água que conseguimos usar, só que, por uma questão de mau planejamento, há muita demanda concentrada nas metrópoles. Além disso, falta incorporar no planejamento dados científicos, que existem e estão disponíveis. Mas o poder público prefere culpar a natureza.

A falta d’água em São Paulo gerou a polêmica do desvio do Rio Paraíba do Sul para abastecer o Sistema Cantareira, gerando um conflito entre os governos de Rio e São Paulo. Isso, para você, não seria um conflito por falta de água?

Uma bacia hidrográfica é um sistema integrado e deve ser gerida por inteiro, independentemente de quantos Estados a compartilhem. Internamente aos países existem conflitos, mas eles são usados como bandeira política, porque tem forte apelo emocional: “Ah, São Paulo está roubando a água”, o que é uma besteira. A água é o recurso mais abundante no planeta. Se existe falta d’água em alguns lugares, isto é problema de planejamento.

Que mudanças no planejamento ajudariam a resolver o problema?

Fazer a interligação dos sistemas Cantareira com Alto Cotia e Guarapiranga. Enquanto o Sistema Cantareira estava com 11% da sua capacidade, o Alto Cotia estava com 77%! Não é falta d’água! Outro ponto: o volume de perda na distribuição na SABESP é acima de 30%, devido a ligações clandestinas e vazamentos. Resolver isto seria como produzir 30% a mais de água. Além destas questões, só agora há um sistema para usar o volume morto dos reservatórios, que é meramente uma questão técnica.

No Brasil 34 milhões de pessoas não têm acesso à água potável. Como você avalia esse cenário?

A água, embora seja o recurso mais abundante do mundo, não se distribui de forma equitativa pelo globo. Então, cabe ao homem planejar. Toda vez que há uma população acometida pela escassez hídrica, a culpa é o problema social, e não um problema natural.

Parte do problema de acesso também é reflexo das diferenças sociais?

Há dois tipos de escassez. O chamado estresse hídrico natural é quando um lugar não tem água mesmo, mas você pode resolver isso de alguma forma, como os dessalinizadores usados na Península Arábica. E o estresse socioeconômico, que ocorre em locais de pobreza e sem um planejamento adequado. É uma irracionalidade de planejamento na Amazônia haver problemas de saúde e alta taxa de mortalidade infantil por falta de acesso a água de qualidade. As embarcações que levam mercadorias de Manaus para o interior da Amazônia estão apilhadas de garrafões de água mineral comprados.

Há algo que esteja sendo feito?

Existe um projeto do Governo Federal de construção de cisternas em casas de comunidades rurais da região Nordeste, e que está, de fato, fazendo grande diferença na vida desta população. Então, se isso for suficiente, basta. Agora, para você desenvolver a agricultura, é necessário mais do que isto. Aí é preciso transposição do rio São Francisco, da qual eu sou a favor. É tirar 1% de sua água para tornar perenes as bacias que são intermitentes. Depende do contexto. Não há uma fórmula que sirva para todas as regiões.

Os mais de 70% de água destinada à agricultura não fazem falta para outros setores?

Essa é uma média mundial. A agricultura é o setor que mais consome água. Mas ela nem sempre é potável. No interior do Brasil, a água é bombeada diretamente do Rio. Já na Síria há em todo lugar duas torneiras: uma que você pode beber e outra que você não pode. A que você não pode beber é usada para limpeza e a água de reuso também vai para a agricultura.Quanto ao uso doméstico, é preciso ter um mínimo assegurado. O mínimo mesmo, que em uma situação crítica são 100 m³/ ano por habitante, e que é a situação natural de vários países, principalmente na Península Arábica. Mas eles conseguem, por meio do planejamento e da técnica, ter um abastecimento per capita do mesmo nível de alguns países europeus e de lugares que têm bastante água.

Você é otimista nas perspectivas de que o Brasil vá se atentar mais à questão do planejamento hídrico?

Eu tendo a ser. O problema é que a gente sempre corre atrás do prejuízo. Precisa vir uma crise de abastecimento para a Sabesp e o governo do Estado acordarem. Mas o ideal seria um planejamento mais eficiente e adequado, que evitasse a necessidade de passar por períodos de racionamento de água e energia.

Leia aqui a reportagem hipermídia que retrata crise de água em São Paulo.

* Publicado originalmente no site 200 e água e retirado do site Akatu.

(Akatu)

The rise of data and the death of politics (The Guardian)

Tech pioneers in the US are advocating a new data-based approach to governance – ‘algorithmic regulation’. But if technology provides the answers to society’s problems, what happens to governments?

The Observer, Sunday 20 July 2014

US president Barack Obama with Facebook founder Mark Zuckerberg

Government by social network? US president Barack Obama with Facebook founder Mark Zuckerberg. Photograph: Mandel Ngan/AFP/Getty Images

On 24 August 1965 Gloria Placente, a 34-year-old resident of Queens, New York, was driving to Orchard Beach in the Bronx. Clad in shorts and sunglasses, the housewife was looking forward to quiet time at the beach. But the moment she crossed the Willis Avenue bridge in her Chevrolet Corvair, Placente was surrounded by a dozen patrolmen. There were also 125 reporters, eager to witness the launch of New York police department’s Operation Corral – an acronym for Computer Oriented Retrieval of Auto Larcenists.

Fifteen months earlier, Placente had driven through a red light and neglected to answer the summons, an offence that Corral was going to punish with a heavy dose of techno-Kafkaesque. It worked as follows: a police car stationed at one end of the bridge radioed the licence plates of oncoming cars to a teletypist miles away, who fed them to a Univac 490 computer, an expensive $500,000 toy ($3.5m in today’s dollars) on loan from the Sperry Rand Corporation. The computer checked the numbers against a database of 110,000 cars that were either stolen or belonged to known offenders. In case of a match the teletypist would alert a second patrol car at the bridge’s other exit. It took, on average, just seven seconds.

Compared with the impressive police gear of today – automatic number plate recognition, CCTV cameras, GPS trackers – Operation Corral looks quaint. And the possibilities for control will only expand. European officials have considered requiring all cars entering the European market to feature a built-in mechanism that allows the police to stop vehicles remotely. Speaking earlier this year, Jim Farley, a senior Ford executive, acknowledged that “we know everyone who breaks the law, we know when you’re doing it. We have GPS in your car, so we know what you’re doing. By the way, we don’t supply that data to anyone.” That last bit didn’t sound very reassuring and Farley retracted his remarks.

As both cars and roads get “smart,” they promise nearly perfect, real-time law enforcement. Instead of waiting for drivers to break the law, authorities can simply prevent the crime. Thus, a 50-mile stretch of the A14 between Felixstowe and Rugby is to be equipped with numerous sensors that would monitor traffic by sending signals to and from mobile phones in moving vehicles. The telecoms watchdog Ofcom envisionsthat such smart roads connected to a centrally controlled traffic system could automatically impose variable speed limits to smooth the flow of traffic but also direct the cars “along diverted routes to avoid the congestion and even [manage] their speed”.

Other gadgets – from smartphones to smart glasses – promise even more security and safety. In April, Apple patented technology that deploys sensors inside the smartphone to analyse if the car is moving and if the person using the phone is driving; if both conditions are met, it simply blocks the phone’s texting feature. Intel and Ford are working on Project Mobil – a face recognition system that, should it fail to recognise the face of the driver, would not only prevent the car being started but also send the picture to the car’s owner (bad news for teenagers).

The car is emblematic of transformations in many other domains, from smart environments for “ambient assisted living” where carpets and walls detect that someone has fallen, to various masterplans for the smart city, where municipal services dispatch resources only to those areas that need them. Thanks to sensors and internet connectivity, the most banal everyday objects have acquired tremendous power to regulate behaviour. Even public toilets are ripe for sensor-based optimisation: the Safeguard Germ Alarm, a smart soap dispenser developed by Procter & Gamble and used in some public WCs in the Philippines, has sensors monitoring the doors of each stall. Once you leave the stall, the alarm starts ringing – and can only be stopped by a push of the soap-dispensing button.

In this context, Google’s latest plan to push its Android operating system on to smart watches, smart cars, smart thermostats and, one suspects, smart everything, looks rather ominous. In the near future, Google will be the middleman standing between you and your fridge, you and your car, you and your rubbish bin, allowing the National Security Agency to satisfy its data addiction in bulk and via a single window.

This “smartification” of everyday life follows a familiar pattern: there’s primary data – a list of what’s in your smart fridge and your bin – and metadata – a log of how often you open either of these things or when they communicate with one another. Both produce interesting insights: cue smart mattresses – one recent model promises to track respiration and heart rates and how much you move during the night – and smart utensils that provide nutritional advice.

In addition to making our lives more efficient, this smart world also presents us with an exciting political choice. If so much of our everyday behaviour is already captured, analysed and nudged, why stick with unempirical approaches to regulation? Why rely on laws when one has sensors and feedback mechanisms? If policy interventions are to be – to use the buzzwords of the day – “evidence-based” and “results-oriented,” technology is here to help.

This new type of governance has a name: algorithmic regulation. In as much as Silicon Valley has a political programme, this is it. Tim O’Reilly, an influential technology publisher, venture capitalist and ideas man (he is to blame for popularising the term “web 2.0”) has been its most enthusiastic promoter. In a recent essay that lays out his reasoning, O’Reilly makes an intriguing case for the virtues of algorithmic regulation – a case that deserves close scrutiny both for what it promises policymakers and the simplistic assumptions it makes about politics, democracy and power.

To see algorithmic regulation at work, look no further than the spam filter in your email. Instead of confining itself to a narrow definition of spam, the email filter has its users teach it. Even Google can’t write rules to cover all the ingenious innovations of professional spammers. What it can do, though, is teach the system what makes a good rule and spot when it’s time to find another rule for finding a good rule – and so on. An algorithm can do this, but it’s the constant real-time feedback from its users that allows the system to counter threats never envisioned by its designers. And it’s not just spam: your bank uses similar methods to spot credit-card fraud.

In his essay, O’Reilly draws broader philosophical lessons from such technologies, arguing that they work because they rely on “a deep understanding of the desired outcome” (spam is bad!) and periodically check if the algorithms are actually working as expected (are too many legitimate emails ending up marked as spam?).

O’Reilly presents such technologies as novel and unique – we are living through a digital revolution after all – but the principle behind “algorithmic regulation” would be familiar to the founders of cybernetics – a discipline that, even in its name (it means “the science of governance”) hints at its great regulatory ambitions. This principle, which allows the system to maintain its stability by constantly learning and adapting itself to the changing circumstances, is what the British psychiatrist Ross Ashby, one of the founding fathers of cybernetics, called “ultrastability”.

To illustrate it, Ashby designed the homeostat. This clever device consisted of four interconnected RAF bomb control units – mysterious looking black boxes with lots of knobs and switches – that were sensitive to voltage fluctuations. If one unit stopped working properly – say, because of an unexpected external disturbance – the other three would rewire and regroup themselves, compensating for its malfunction and keeping the system’s overall output stable.

Ashby’s homeostat achieved “ultrastability” by always monitoring its internal state and cleverly redeploying its spare resources.

Like the spam filter, it didn’t have to specify all the possible disturbances – only the conditions for how and when it must be updated and redesigned. This is no trivial departure from how the usual technical systems, with their rigid, if-then rules, operate: suddenly, there’s no need to develop procedures for governing every contingency, for – or so one hopes – algorithms and real-time, immediate feedback can do a better job than inflexible rules out of touch with reality.

Algorithmic regulation could certainly make the administration of existing laws more efficient. If it can fight credit-card fraud, why not tax fraud? Italian bureaucrats have experimented with the redditometro, or income meter, a tool for comparing people’s spending patterns – recorded thanks to an arcane Italian law – with their declared income, so that authorities know when you spend more than you earn. Spain has expressed interest in a similar tool.

Such systems, however, are toothless against the real culprits of tax evasion – the super-rich families who profit from various offshoring schemes or simply write outrageous tax exemptions into the law. Algorithmic regulation is perfect for enforcing the austerity agenda while leaving those responsible for the fiscal crisis off the hook. To understand whether such systems are working as expected, we need to modify O’Reilly’s question: for whom are they working? If it’s just the tax-evading plutocrats, the global financial institutions interested in balanced national budgets and the companies developing income-tracking software, then it’s hardly a democratic success.

With his belief that algorithmic regulation is based on “a deep understanding of the desired outcome”, O’Reilly cunningly disconnects the means of doing politics from its ends. But the how of politics is as important as the what of politics – in fact, the former often shapes the latter. Everybody agrees that education, health, and security are all “desired outcomes”, but how do we achieve them? In the past, when we faced the stark political choice of delivering them through the market or the state, the lines of the ideological debate were clear. Today, when the presumed choice is between the digital and the analog or between the dynamic feedback and the static law, that ideological clarity is gone – as if the very choice of how to achieve those “desired outcomes” was apolitical and didn’t force us to choose between different and often incompatible visions of communal living.

By assuming that the utopian world of infinite feedback loops is so efficient that it transcends politics, the proponents of algorithmic regulation fall into the same trap as the technocrats of the past. Yes, these systems are terrifyingly efficient – in the same way that Singapore is terrifyingly efficient (O’Reilly, unsurprisingly, praises Singapore for its embrace of algorithmic regulation). And while Singapore’s leaders might believe that they, too, have transcended politics, it doesn’t mean that their regime cannot be assessed outside the linguistic swamp of efficiency and innovation – by using political, not economic benchmarks.

As Silicon Valley keeps corrupting our language with its endless glorification of disruption and efficiency – concepts at odds with the vocabulary of democracy – our ability to question the “how” of politics is weakened. Silicon Valley’s default answer to the how of politics is what I call solutionism: problems are to be dealt with via apps, sensors, and feedback loops – all provided by startups. Earlier this year Google’s Eric Schmidt even promised that startups would provide the solution to the problem of economic inequality: the latter, it seems, can also be “disrupted”. And where the innovators and the disruptors lead, the bureaucrats follow.

The intelligence services embraced solutionism before other government agencies. Thus, they reduced the topic of terrorism from a subject that had some connection to history and foreign policy to an informational problem of identifying emerging terrorist threats via constant surveillance. They urged citizens to accept that instability is part of the game, that its root causes are neither traceable nor reparable, that the threat can only be pre-empted by out-innovating and out-surveilling the enemy with better communications.

Speaking in Athens last November, the Italian philosopher Giorgio Agamben discussed an epochal transformation in the idea of government, “whereby the traditional hierarchical relation between causes and effects is inverted, so that, instead of governing the causes – a difficult and expensive undertaking – governments simply try to govern the effects”.

Nobel laureate Daniel Kahneman

Governments’ current favourite pyschologist, Daniel Kahneman. Photograph: Richard Saker for the Observer

For Agamben, this shift is emblematic of modernity. It also explains why the liberalisation of the economy can co-exist with the growing proliferation of control – by means of soap dispensers and remotely managed cars – into everyday life. “If government aims for the effects and not the causes, it will be obliged to extend and multiply control. Causes demand to be known, while effects can only be checked and controlled.” Algorithmic regulation is an enactment of this political programme in technological form.

The true politics of algorithmic regulation become visible once its logic is applied to the social nets of the welfare state. There are no calls to dismantle them, but citizens are nonetheless encouraged to take responsibility for their own health. Consider how Fred Wilson, an influential US venture capitalist, frames the subject. “Health… is the opposite side of healthcare,” he said at a conference in Paris last December. “It’s what keeps you out of the healthcare system in the first place.” Thus, we are invited to start using self-tracking apps and data-sharing platforms and monitor our vital indicators, symptoms and discrepancies on our own.

This goes nicely with recent policy proposals to save troubled public services by encouraging healthier lifestyles. Consider a 2013 report by Westminster council and the Local Government Information Unit, a thinktank, calling for the linking of housing and council benefits to claimants’ visits to the gym – with the help of smartcards. They might not be needed: many smartphones are already tracking how many steps we take every day (Google Now, the company’s virtual assistant, keeps score of such data automatically and periodically presents it to users, nudging them to walk more).

The numerous possibilities that tracking devices offer to health and insurance industries are not lost on O’Reilly. “You know the way that advertising turned out to be the native business model for the internet?” he wondered at a recent conference. “I think that insurance is going to be the native business model for the internet of things.” Things do seem to be heading that way: in June, Microsoft struck a deal with American Family Insurance, the eighth-largest home insurer in the US, in which both companies will fund startups that want to put sensors into smart homes and smart cars for the purposes of “proactive protection”.

An insurance company would gladly subsidise the costs of installing yet another sensor in your house – as long as it can automatically alert the fire department or make front porch lights flash in case your smoke detector goes off. For now, accepting such tracking systems is framed as an extra benefit that can save us some money. But when do we reach a point where not using them is seen as a deviation – or, worse, an act of concealment – that ought to be punished with higher premiums?

Or consider a May 2014 report from 2020health, another thinktank, proposing to extend tax rebates to Britons who give up smoking, stay slim or drink less. “We propose ‘payment by results’, a financial reward for people who become active partners in their health, whereby if you, for example, keep your blood sugar levels down, quit smoking, keep weight off, [or] take on more self-care, there will be a tax rebate or an end-of-year bonus,” they state. Smart gadgets are the natural allies of such schemes: they document the results and can even help achieve them – by constantly nagging us to do what’s expected.

The unstated assumption of most such reports is that the unhealthy are not only a burden to society but that they deserve to be punished (fiscally for now) for failing to be responsible. For what else could possibly explain their health problems but their personal failings? It’s certainly not the power of food companies or class-based differences or various political and economic injustices. One can wear a dozen powerful sensors, own a smart mattress and even do a close daily reading of one’s poop – as some self-tracking aficionados are wont to do – but those injustices would still be nowhere to be seen, for they are not the kind of stuff that can be measured with a sensor. The devil doesn’t wear data. Social injustices are much harder to track than the everyday lives of the individuals whose lives they affect.

In shifting the focus of regulation from reining in institutional and corporate malfeasance to perpetual electronic guidance of individuals, algorithmic regulation offers us a good-old technocratic utopia of politics without politics. Disagreement and conflict, under this model, are seen as unfortunate byproducts of the analog era – to be solved through data collection – and not as inevitable results of economic or ideological conflicts.

However, a politics without politics does not mean a politics without control or administration. As O’Reilly writes in his essay: “New technologies make it possible to reduce the amount of regulation while actually increasing the amount of oversight and production of desirable outcomes.” Thus, it’s a mistake to think that Silicon Valley wants to rid us of government institutions. Its dream state is not the small government of libertarians – a small state, after all, needs neither fancy gadgets nor massive servers to process the data – but the data-obsessed and data-obese state of behavioural economists.

The nudging state is enamoured of feedback technology, for its key founding principle is that while we behave irrationally, our irrationality can be corrected – if only the environment acts upon us, nudging us towards the right option. Unsurprisingly, one of the three lonely references at the end of O’Reilly’s essay is to a 2012 speech entitled “Regulation: Looking Backward, Looking Forward” by Cass Sunstein, the prominent American legal scholar who is the chief theorist of the nudging state.

And while the nudgers have already captured the state by making behavioural psychology the favourite idiom of government bureaucracy –Daniel Kahneman is in, Machiavelli is out – the algorithmic regulation lobby advances in more clandestine ways. They create innocuous non-profit organisations like Code for America which then co-opt the state – under the guise of encouraging talented hackers to tackle civic problems.

Airbnb's homepage.

Airbnb: part of the reputation-driven economy.

Such initiatives aim to reprogramme the state and make it feedback-friendly, crowding out other means of doing politics. For all those tracking apps, algorithms and sensors to work, databases need interoperability – which is what such pseudo-humanitarian organisations, with their ardent belief in open data, demand. And when the government is too slow to move at Silicon Valley’s speed, they simply move inside the government. Thus, Jennifer Pahlka, the founder of Code for America and a protege of O’Reilly, became the deputy chief technology officer of the US government – while pursuing a one-year “innovation fellowship” from the White House.

Cash-strapped governments welcome such colonisation by technologists – especially if it helps to identify and clean up datasets that can be profitably sold to companies who need such data for advertising purposes. Recent clashes over the sale of student and health data in the UK are just a precursor of battles to come: after all state assets have been privatised, data is the next target. For O’Reilly, open data is “a key enabler of the measurement revolution”.

This “measurement revolution” seeks to quantify the efficiency of various social programmes, as if the rationale behind the social nets that some of them provide was to achieve perfection of delivery. The actual rationale, of course, was to enable a fulfilling life by suppressing certain anxieties, so that citizens can pursue their life projects relatively undisturbed. This vision did spawn a vast bureaucratic apparatus and the critics of the welfare state from the left – most prominently Michel Foucault – were right to question its disciplining inclinations. Nonetheless, neither perfection nor efficiency were the “desired outcome” of this system. Thus, to compare the welfare state with the algorithmic state on those grounds is misleading.

But we can compare their respective visions for human fulfilment – and the role they assign to markets and the state. Silicon Valley’s offer is clear: thanks to ubiquitous feedback loops, we can all become entrepreneurs and take care of our own affairs! As Brian Chesky, the chief executive of Airbnb, told the Atlantic last year, “What happens when everybody is a brand? When everybody has a reputation? Every person can become an entrepreneur.”

Under this vision, we will all code (for America!) in the morning, driveUber cars in the afternoon, and rent out our kitchens as restaurants – courtesy of Airbnb – in the evening. As O’Reilly writes of Uber and similar companies, “these services ask every passenger to rate their driver (and drivers to rate their passenger). Drivers who provide poor service are eliminated. Reputation does a better job of ensuring a superb customer experience than any amount of government regulation.”

The state behind the “sharing economy” does not wither away; it might be needed to ensure that the reputation accumulated on Uber, Airbnb and other platforms of the “sharing economy” is fully liquid and transferable, creating a world where our every social interaction is recorded and assessed, erasing whatever differences exist between social domains. Someone, somewhere will eventually rate you as a passenger, a house guest, a student, a patient, a customer. Whether this ranking infrastructure will be decentralised, provided by a giant like Google or rest with the state is not yet clear but the overarching objective is: to make reputation into a feedback-friendly social net that could protect the truly responsible citizens from the vicissitudes of deregulation.

Admiring the reputation models of Uber and Airbnb, O’Reilly wants governments to be “adopting them where there are no demonstrable ill effects”. But what counts as an “ill effect” and how to demonstrate it is a key question that belongs to the how of politics that algorithmic regulation wants to suppress. It’s easy to demonstrate “ill effects” if the goal of regulation is efficiency but what if it is something else? Surely, there are some benefits – fewer visits to the psychoanalyst, perhaps – in not having your every social interaction ranked?

The imperative to evaluate and demonstrate “results” and “effects” already presupposes that the goal of policy is the optimisation of efficiency. However, as long as democracy is irreducible to a formula, its composite values will always lose this battle: they are much harder to quantify.

For Silicon Valley, though, the reputation-obsessed algorithmic state of the sharing economy is the new welfare state. If you are honest and hardworking, your online reputation would reflect this, producing a highly personalised social net. It is “ultrastable” in Ashby’s sense: while the welfare state assumes the existence of specific social evils it tries to fight, the algorithmic state makes no such assumptions. The future threats can remain fully unknowable and fully addressable – on the individual level.

Silicon Valley, of course, is not alone in touting such ultrastable individual solutions. Nassim Taleb, in his best-selling 2012 book Antifragile, makes a similar, if more philosophical, plea for maximising our individual resourcefulness and resilience: don’t get one job but many, don’t take on debt, count on your own expertise. It’s all about resilience, risk-taking and, as Taleb puts it, “having skin in the game”. As Julian Reid and Brad Evans write in their new book, Resilient Life: The Art of Living Dangerously, this growing cult of resilience masks a tacit acknowledgement that no collective project could even aspire to tame the proliferating threats to human existence – we can only hope to equip ourselves to tackle them individually. “When policy-makers engage in the discourse of resilience,” write Reid and Evans, “they do so in terms which aim explicitly at preventing humans from conceiving of danger as a phenomenon from which they might seek freedom and even, in contrast, as that to which they must now expose themselves.”

What, then, is the progressive alternative? “The enemy of my enemy is my friend” doesn’t work here: just because Silicon Valley is attacking the welfare state doesn’t mean that progressives should defend it to the very last bullet (or tweet). First, even leftist governments have limited space for fiscal manoeuvres, as the kind of discretionary spending required to modernise the welfare state would never be approved by the global financial markets. And it’s the ratings agencies and bond markets – not the voters – who are in charge today.

Second, the leftist critique of the welfare state has become only more relevant today when the exact borderlines between welfare and security are so blurry. When Google’s Android powers so much of our everyday life, the government’s temptation to govern us through remotely controlled cars and alarm-operated soap dispensers will be all too great. This will expand government’s hold over areas of life previously free from regulation.

With so much data, the government’s favourite argument in fighting terror – if only the citizens knew as much as we do, they too would impose all these legal exceptions – easily extends to other domains, from health to climate change. Consider a recent academic paper that used Google search data to study obesity patterns in the US, finding significant correlation between search keywords and body mass index levels. “Results suggest great promise of the idea of obesity monitoring through real-time Google Trends data”, note the authors, which would be “particularly attractive for government health institutions and private businesses such as insurance companies.”

If Google senses a flu epidemic somewhere, it’s hard to challenge its hunch – we simply lack the infrastructure to process so much data at this scale. Google can be proven wrong after the fact – as has recently been the case with its flu trends data, which was shown to overestimate the number of infections, possibly because of its failure to account for the intense media coverage of flu – but so is the case with most terrorist alerts. It’s the immediate, real-time nature of computer systems that makes them perfect allies of an infinitely expanding and pre-emption‑obsessed state.

Perhaps, the case of Gloria Placente and her failed trip to the beach was not just a historical oddity but an early omen of how real-time computing, combined with ubiquitous communication technologies, would transform the state. One of the few people to have heeded that omen was a little-known American advertising executive called Robert MacBride, who pushed the logic behind Operation Corral to its ultimate conclusions in his unjustly neglected 1967 book, The Automated State.

At the time, America was debating the merits of establishing a national data centre to aggregate various national statistics and make it available to government agencies. MacBride attacked his contemporaries’ inability to see how the state would exploit the metadata accrued as everything was being computerised. Instead of “a large scale, up-to-date Austro-Hungarian empire”, modern computer systems would produce “a bureaucracy of almost celestial capacity” that can “discern and define relationships in a manner which no human bureaucracy could ever hope to do”.

“Whether one bowls on a Sunday or visits a library instead is [of] no consequence since no one checks those things,” he wrote. Not so when computer systems can aggregate data from different domains and spot correlations. “Our individual behaviour in buying and selling an automobile, a house, or a security, in paying our debts and acquiring new ones, and in earning money and being paid, will be noted meticulously and studied exhaustively,” warned MacBride. Thus, a citizen will soon discover that “his choice of magazine subscriptions… can be found to indicate accurately the probability of his maintaining his property or his interest in the education of his children.” This sounds eerily similar to the recent case of a hapless father who found that his daughter was pregnant from a coupon that Target, a retailer, sent to their house. Target’s hunch was based on its analysis of products – for example, unscented lotion – usually bought by other pregnant women.

For MacBride the conclusion was obvious. “Political rights won’t be violated but will resemble those of a small stockholder in a giant enterprise,” he wrote. “The mark of sophistication and savoir-faire in this future will be the grace and flexibility with which one accepts one’s role and makes the most of what it offers.” In other words, since we are all entrepreneurs first – and citizens second, we might as well make the most of it.

What, then, is to be done? Technophobia is no solution. Progressives need technologies that would stick with the spirit, if not the institutional form, of the welfare state, preserving its commitment to creating ideal conditions for human flourishing. Even some ultrastability is welcome. Stability was a laudable goal of the welfare state before it had encountered a trap: in specifying the exact protections that the state was to offer against the excesses of capitalism, it could not easily deflect new, previously unspecified forms of exploitation.

How do we build welfarism that is both decentralised and ultrastable? A form of guaranteed basic income – whereby some welfare services are replaced by direct cash transfers to citizens – fits the two criteria.

Creating the right conditions for the emergence of political communities around causes and issues they deem relevant would be another good step. Full compliance with the principle of ultrastability dictates that such issues cannot be anticipated or dictated from above – by political parties or trade unions – and must be left unspecified.

What can be specified is the kind of communications infrastructure needed to abet this cause: it should be free to use, hard to track, and open to new, subversive uses. Silicon Valley’s existing infrastructure is great for fulfilling the needs of the state, not of self-organising citizens. It can, of course, be redeployed for activist causes – and it often is – but there’s no reason to accept the status quo as either ideal or inevitable.

Why, after all, appropriate what should belong to the people in the first place? While many of the creators of the internet bemoan how low their creature has fallen, their anger is misdirected. The fault is not with that amorphous entity but, first of all, with the absence of robust technology policy on the left – a policy that can counter the pro-innovation, pro-disruption, pro-privatisation agenda of Silicon Valley. In its absence, all these emerging political communities will operate with their wings clipped. Whether the next Occupy Wall Street would be able to occupy anything in a truly smart city remains to be seen: most likely, they would be out-censored and out-droned.

To his credit, MacBride understood all of this in 1967. “Given the resources of modern technology and planning techniques,” he warned, “it is really no great trick to transform even a country like ours into a smoothly running corporation where every detail of life is a mechanical function to be taken care of.” MacBride’s fear is O’Reilly’s master plan: the government, he writes, ought to be modelled on the “lean startup” approach of Silicon Valley, which is “using data to constantly revise and tune its approach to the market”. It’s this very approach that Facebook has recently deployed to maximise user engagement on the site: if showing users more happy stories does the trick, so be it.

Algorithmic regulation, whatever its immediate benefits, will give us a political regime where technology corporations and government bureaucrats call all the shots. The Polish science fiction writer Stanislaw Lem, in a pointed critique of cybernetics published, as it happens, roughly at the same time as The Automated State, put it best: “Society cannot give up the burden of having to decide about its own fate by sacrificing this freedom for the sake of the cybernetic regulator.”

Torcida do América-MG usa “Decime que se siente” para tirar sarro do Atlético (Trivela)

Vai se preparando que o final da Copa não significa que não teremos mais de ouvir “Decime que se siente”, música da torcida argentina para tirar sarro dos brasileiros. Afinal, era óbvio que as torcidas brasileiras usaria essa versão cumbia de “Bad Moon Rising”, do Creedence Clearwater Revival”, para inspirar novas gozações.

LEIA MAIS: Argentinos e brasileiros fazem clássico de gogós em SP

Nesta sexta, a torcida do América-MG mostrou o caminho antes da vitória por 3 a 0 sobre o Oeste na Série B. Adaptou a letra para jogar na cara dos atleticanos quem é o único decacampeão mineiro e, principalmente, quem é o proprietário do estádio Independência. Imagina-se que o Atlético dará o troco assim que possível, e assim vemos o surgimento de um legado da Copa do Mundo.

It’s Time to Destroy Corporate Personhood (IO9)

July 21, 2014

It's Time to Destroy Corporate Personhood

The United States in the only country in the world that recognizes corporations as persons. It’s a so-called “legal fiction” that’s meant to uphold the rights of groups and to smooth business processes. But it’s a dangerous concept that’s gone too far — and could endanger social freedoms in the future.

Illustration from Judge Dredd: Mega City Two by Ulises Farinas

Corporate personhood is a legal concept that’s used in the U.S. to recognize corporations as individuals in the eyes of the law. Like actual people, corporations hold and exercise certain rights and protections under the law and the U.S. Constitution. As legal persons, they can sue and be sued, have the right to appear in court, enter into contracts, and own property — and they can do this separate from their members or shareholders. At the same time, it provides a single entity for taxation and regulation and it simplifies complex transactions — challenges that didn’t exist during the era of sole proprietorships or partnerships when the owners were held liable for the debts and affairs of the business.

That said, a corporation does not have the full suite of rights afforded to persons of flesh-and-blood. Corporations cannot vote, run for office, or bear arms — nor can they contribute to federal political campaigns. What’s more, the concept doesn’t claim that corporations are biological people in the literal sense of the term.

A “Legal Fiction”

It's Time to Destroy Corporate Personhood

“Corporations are ‘legal fictions’ — a fact or facts assumed or created by courts, used to create rights for convenience and to serve the ends of justice,” says ethicist and attorney-at-law Linda MacDonald Glenn. “The idea of ‘corporations as persons’ though, all started because of a headnote mistake in the 1886 case of Santa Clara County v. Pacific Railroad Co, 113, U.S. 394 — a mistake that has been perpetuated with profound consequences.

Mistake or no mistake, the doctrine was affirmed in 1888 during Pembina Consolidated Silver Mining Co. v. Pennsylvania, when the Court stated that, “Under the designation of ‘person’ there is no doubt that a private corporation is included [in the Fourteenth Amendment]. Such corporations are merely associations of individuals united for a special purpose and permitted to do business under a particular name and have a succession of members without dissolution.”

It’s a doctrine that’s held ever since, one that works off the conviction that corporations are organizations of people, and that people should not be deprived of their constitutional rights when they act collectively.

The concept may seem strange and problematic, but UCLA Law Professor Adam Winkler says corporate personhood has had profound and beneficial economic consequences:

It means that the obligations the law imposes on the corporation, such as liability for harms caused by the firm’s operations, are not generally extended to the shareholders. Limited liability protects the owners’ personal assets, which ordinarily can’t be taken to pay the debts of the corporation. This creates incentives for investment, promotes entrepreneurial activity, and encourages corporate managers to take the risks necessary for growth and innovation. That’s why the Supreme Court, in business cases, has held that “incorporation’s basic purpose is to create a legally distinct entity, with legal rights, obligations, powers, and privileges different from those of the natural individuals who created it, who own it, or whom it employs.

Of course, other nations don’t employ this “fiction”, yet they’ve found ways to cope with these challenges.

Living in a World of Make-believe

Moreover, the problem with evoking a fiction is that it can lead us down some strange paths. By living in a world of make-believe, courts have extended other rights to corporations beyond those necessary. It’s hardly a fiction anymore, with “person” now having a wider meaning than ever before.

It's Time to Destroy Corporate Personhood

(YanLev/Shutterstock)

Here’s what Judge O’Dell-Seneca said last year in the Hallowich v Range case:

Corporations, companies and partnership have no spiritual nature, feelings, intellect, beliefs, thoughts, emotions or sensations because they do not exist in the manner that humankind exists…They cannot be ‘let alone’ by government because businesses are but grapes, ripe upon the vine of the law, that the people of this Commonwealth raise, tend and prune at their pleasure and need.

To this list of attributes, MacDonald Glenn adds a lack of conscience.

“I’ve heard it said that if a corporation had a psychological profile done, it would be a psychopath,” she told io9. ” The concept of corporations was created partially to shield natural persons from liability; and it allowed individuals to create something, a business, that was larger than themselves and could exist in perpetuity. But it’s twisted reasoning to allow them to have equal or higher status than ‘natural’ persons or other sentient beings. A corporation cannot laugh or love; it doesn’t enjoy the warm breezes of summer, or mourn the loss of a loved one. In short, corporations are not sentient beings; they are artifacts.”

Similarly, solicitor general Elena Kagan has warned against expanding the notion of corporate personhood. In 2009 she said: “Few of us are only our economic interests. We have beliefs. We have convictions. [Corporations] engage the political process in an entirely different way, and this is what makes them so much more damaging.”

The New York Times has also come out in condemnation of the concept:

The law also gives corporations special legal status: limited liability, special rules for the accumulation of assets and the ability to live forever. These rules put corporations in a privileged position in producing profits and aggregating wealth. Their influence would be overwhelming with the full array of rights that people have.

One of the main areas where corporations’ rights have long been limited is politics. Polls suggest that Americans are worried about the influence that corporations already have with elected officials. The drive to give corporations more rights is coming from the court’s conservative bloc — a curious position given their often-proclaimed devotion to the text of the Constitution.

The founders of this nation knew just what they were doing when they drew a line between legally created economic entities and living, breathing human beings. The court should stick to that line.

Causing Harm

I asked MacDonald Glenn if the concept of corporate personhood is demeaning or damaging tobona fide persons, particularly women.

“It’s about sentience — the ability to feel pleasure and pain,” she responded. “Corporate personhood emphasizes profits, property, assets. It should be noted that corporations were given legal status as persons before women were.”

MacDonald Glenn says that although the Declaration of Independence starts out idealistically with the words, “We hold these truths to be self-evident, that all men are created equal”, we still live in very hierarchical class-based society.

“Although we have made significant strides towards recognizing the value of all persons, generally speaking, the wealthier you are, the more powerful you are, the more influence you exert,” she says. “So, if corporations are the ones with the money, they become the ones who have the power and influence. The recent Supreme court decisions reinforce that and, sadly, it encourages social stratification — a system not very different than those portrayed recently in recent movies, such as The Hunger Games or Elysium. No notion of ‘all (wo)men are created equally’ there.”

It's Time to Destroy Corporate Personhood

The notion of fictitious persons can be harmful to women in other ways as well. If it can be argued that artifacts are persons — objects devoid of an inner psychological life — it’s conceivable that other crazy fictions can be devised as well — such as fetal personhood. It’s something that should make pro-life advocates very nervous.

At the same time, while corporations are thought of as persons, an entire subset of nonhuman animals deserving of personhood status are refused to be recognized as such. In the future, the concept could lead to the attribution of personhood onto artificial intelligences or robots devoid of sentient capacities. Furthermore, the practice of recognizing artifacts as persons diminishes what it truly means to be a genuine person.

Clearly, corporations deserve rights and protections, but certainly not under the rubric of something as precious and cherished as personhood.

The Hobby Lobby Decision

Which brings us to the controversial Hobby Lobby case — a prime example of what can happen when corporate personhood is taken too far. In this controversial case, the owners of a craft store claimed that their personal religious beliefs would be offended if they had to provide certain forms of birth control coverage to employees.

It's Time to Destroy Corporate PersonhoodEXPAND

(Nicholas Eckhart)

“The purpose of extending rights to corporations is to protect the rights of people associated with the corporation, including shareholders, officers, and employees,” Justice Samuel Alito wrote in the ensuing decision. “Protecting the free-exercise rights of closely held corporations thus protects the religious liberty of the humans who own and control them.”

Of course, the Supreme Court justices failed to acknowledge a number of aspects indelible to the U.S. Constitution, including the right to be free from religion, not to the mention the fact that corporate personhood was never the intention of the Founding Fathers in the first place.

Indeed, as Washington Post’s Dana Milbank recently pointed out, the decision went way too far: “…corporations enjoy rights that ‘natural persons’ do not. The act of incorporating allows officers to avoid personal responsibility for corporate actions. Corporations have the benefits of personhood without those pesky responsibilities.”

And as MacDonald Glenn told me, the decision doesn’t protect religious liberties of individuals — it gives an artifact human rights, previously only reserved to natural persons.

“It’s form of corporate idolatry,” MacDonald Glenn told io9. “Granting the rights of citizens to corporate structures creates a disproportionate impact where the rights of those with wealth supersede the rights of those without.”

Related: 

Hilariously Useless Comments About Science from the US Supreme Court

Dahr Jamail | The Brink of Mass Extinction (Truthout)

Monday, 21 July 2014 09:24

By Dahr Jamail, Truthout | News Analysis

Brink of extinction(Image: Polluted dawnice bergs via Shutterstock; Edited: JR/TO)

“We do not inherit the earth from our ancestors; we borrow it from our children.”
 – Native American proverb

March through June 2014 were the hottest on record globally, according to the Japan Meteorological Agency. In May – officially the hottest May on record globally – the average temperature of the planet was .74 degrees Celsius above the 20th century baseline, according to data from the National Oceanic and Atmospheric Administration. The trend is clear: 2013 was the 37th consecutive year of above-average global temperatures, and since the Industrial Revolution began, the earth has been warmed by .85 degrees Celsius. Several scientific reports and climate modeling show that at current trajectories (business as usual), we will see at least a 6-degree Celsius increase by 2100.

In the last decade alone, record high temperatures across the United States have outnumbered record low temperatures two to one, and the trend is both continuing and escalating.

While a single extreme weather event is not proof of anthropogenic climate disruption (ACD), the increasing intensity and frequency of these events are. And recent months have seen many of these.

A record-breaking heat wave gripped India in June, as temperatures hovered at 46 degrees Celsius, sometimes reaching 48 degrees Celsius. Delhi’s 22 million residents experienced widespread blackouts and rioting, as the heat claimed hundreds of lives.

Also in June, Central Europe cooked in unseasonably extreme heat, with Berlin experiencing temperatures over 32 degrees Celsius, which is more than 12 degrees hotter than normal.

At the same time, at least four people died in Japan, and another 1,637 were hospitalized as temperatures reached nearly 38 degrees Celsius.

NASA is heightening its efforts to monitor ACD’s impacts on the planet; recently, it launched the first spacecraft dedicated solely to studying atmospheric carbon dioxide.

The spacecraft will have plenty to study, since earth’s current carbon dioxide concentration is now the longest ever in recorded history.

Earth

recent report by the National Resource Defense Council warned that summers in the future are likely to bring increased suffering, with more poison ivy and biting insects, and decreasing quality of air and water.

As farmers struggle to cope with increasing demands for food as the global population continues to swell, they are moving towards growing crops designed to meet these needs as well as withstand more extreme climate conditions. However, a warning by an agricultural research group shows they may inadvertently be increasing global malnutrition by these efforts. “When I was young, we used to feed on amaranth vegetables, guava fruits, wild berries, jackfruits and many other crops that used to grow wild in our area. But today, all these crops are not easily available because people have cleared the fields to plant high yielding crops such as kales and cabbages which I am told have inferior nutritional values,” Denzel Niyirora, a primary school teacher in Kigali, said in the report.

The stunning desert landscape of Joshua Tree National Park is now in jeopardy, as Joshua trees are now beginning to die out due to ACD.

Another study, this one published in the journal Polar Biology, revealed that birds up on Alaska’s North Slope are nesting earlier in order to keep apace with earlier snowmelt.

Antarctic emperor penguin colonies could decline by more than half in under 100 years, according to a recent study – and another showed that at least two Antarctic penguin species are losing ground in their fight for survival amidst the increasing impacts of ACD, as the Antarctic Peninsula is one of the most rapidly warming regions on earth. The scientists who authored the report warned that these penguins’ fate is only one example of this type of impact from ACD on the planet’s species, and warned that they “expect many more will be identified as global warming proceeds and biodiversity declines.”

Water

Given that the planetary oceans absorb approximately 90 percent of our carbon dioxide emissions, it should come as no surprise that they are in great peril.

This is confirmed by a recent report that shows the world’s oceans are on the brink of collapse, and in need of rescue within five years, if it’s not already too late.

As the macro-outlook is bleak, the micro perspective sheds light on the reasons why.

In Cambodia, Tonle Sap Lake is one of the most productive freshwater ecosystems on earth. However, it is also in grave danger from overfishing, the destruction of its mangrove forests, an upstream dam and dry seasons that are growing both longer and hotter due to ACD.

Anomalies in the planet’s marine life continue. A 120-foot-long jellyfish is undergoing massive blooms and taking over wider swaths of ocean as the seas warm from ACD.

The Pacific island group of Kiribati – home to 100,000 people – is literally disappearing underwater, as rising sea levels swallow the land. In fact, Kiribati’s president recently purchased eight square miles of land 1,200 miles away on Fiji’s second largest island, in order to have a plan B for the residents of his disappearing country.

Closer to home here in the United States, most of the families living on Isle de Jean Charles, Louisiana, have been forced to flee their multi-generational home due to rising sea levels, increasingly powerful storms, and coastal erosion hurried along by oil drilling and levee projects.

Looking at the bigger picture, a recently released US climate report revealed that at least half a trillion dollars of property in the country will be underwater by 2100 due to rising seas.

Meanwhile, the tropical region of the planet, which covers 130 countries and territories around the equator, is expanding and heating up as ACD progresses.

Residential neighborhoods in Oakland, California – near the coast – are likely to be flooded by both rising seas and increasingly intense storms, according to ecologists and local area planners.

On the East Coast, ocean acidification from ACD, along with lowered oxygen in estuaries, are threatening South Carolina’s coastal marine life and the seafood industry that depends upon it.

Record-setting “100-year” flooding events in the US Midwest are now becoming more the rule than the exception, thanks to ACD.

Even Fairbanks, Alaska received one-quarter of its total average annual rainfall in a 24-hour period earlier this summer – not long after the area had already received roughly half its average annual rainfall in just a two-week period.

Rising sea levels are gobbling up the coast of Virginia so quickly now that partisan political debate over ACD is also falling by the wayside, as both Republicans and Democrats are working together to figure out what to do about the crisis.

Reuters released a report showing how “Coastal flooding along the densely populated Eastern Seaboard of the United States has surged in recent years . . . with the number of days a year that tidal waters reached or exceeded NOAA flood thresholds more than tripling in many places during the past four decades.”

Flooding from rising seas is already having a massive impact in many other disparate areas of the world: After torrential rain and flooding killed at least a dozen people in Bulgaria this summer, the country continues to struggle with damage from the flooding as it begins to tally the economic costs of the disasters.

In China, rain and flooding plunged large areas of the Jiangxi and Hunan Provinces into emergency response mode. Hundreds of thousands were impacted.

The region of the globe bordering the Indian Ocean stretching from Indonesia to Kenya is now seen as being another bulls-eye target for ACD, as the impacts there are expected to triple the frequency of both drought and flooding in the coming decades, according to a recent study.

Another study revealed how dust in the wind, of which there is much more than usual, due to spreading drought, is quickening the melting of Greenland’s embattled ice sheet, which is already losing somewhere between 200 to 450 billion tons of ice annually. The study showed that increased dust on the ice will contribute towards another 27 billion tons of ice lost.

Down in Antarctica, rising temperatures are causing a species of moss to thrive, at the detriment of other marine creatures in that fragile ecosystem.

Up in the Arctic, the shrinking ice cap is causing drastic changes to be made in the upcoming 10th edition of the National Geographic Atlas of the World. Geographers with the organization say it is the most striking change ever seen in the history of the publication.

A UK science team predicted that this year’s minimum sea ice extent will likely be similar to last year’s, which is bad news for the ever-shrinking ice cap. Many scientists now predict the ice cap will begin to vanish entirely for short periods of the summer beginning next year.

Canada’s recently released national climate assessment revealed how the country is struggling with melting permafrost as ACD progresses. One example of this occurred in 2006 when the reduced ice layer of ice roads forced a diamond mine to fly in fuel rather than transport it over the melted ice roads, at an additional cost of $11.25 million.

Arctic birds’ breeding calendars are also being impacted. As ACD causes earlier Arctic melting each season, researchers are now warning of long-ranging adverse impacts on the breeding success of migratory birds there.

In addition to the aforementioned dust causing the Greenland ice sheet to melt faster, industrial dust, pollutants and soil, blown over thousands of miles around the globe, are settling on ice sheets from the Himalaya to the Arctic, causing them to melt faster.

At the same time, multi-year drought continues to take a massive toll across millions of acres across the central and western United States. It has caused millions of acres of federal rangeland to turn into dust, and has left a massive swath of land reaching from the Pacific Coast to the Rocky Mountains desolated. ACD, invasive plants and now continuously record-breaking wildfire seasons have brought ranchers to the breaking point across the West.

Drought continues to drive up food prices across the United States, and particularly prices of produce grown in California’s Central Valley. As usual, it is the poor who suffer the most, as increasing food prices, growing unemployment and more challenging access to clean water continue to escalate their struggle to survive.

California’s drought continues to have a massive and myriad impact across the state, as a staggering one-third of the state entered into the worst stage of drought. Even colonies of honeybees are collapsing due, in part, to there being far less natural forage needed to make their honey.

The snowpack in California is dramatically diminished as well. While snowpack has historically provided one-third of the state’s water supply, after three years of very low snowfall, battles have begun within the state over how to share the decreasing water from what used to be a massive, frozen reservoir of water.

The drought in Oklahoma is raising the specter of a return to the nightmarish dust bowl conditions there in the 1930s.

Recently, and for the first time, the state of Arizona has warned that water shortages could hit Tucson and Phoenix as soon as five years from now due to ongoing drought, increasing demand for water and declining water levels in Lake Mead.

This is a particularly bad outlook, given that the Lake Mead reservoir, the largest in the country, dropped to its lowest level since it was filled in the 1930s. Its decline is reflective of 14 years of ongoing drought, coupled with an increasing disparity between the natural flow rate of the Colorado River that feeds it and the ever-increasing demands for its water from the cities and farms of the increasingly arid Southwest.

Given the now chronic water crises in both Arizona and California, the next water war between the two states looms large. The one-two punch of ACD and overconsumption has combined to find the Colorado River, upon which both states heavily rely, in long-term decline.

Yet it is not just Arizona and California that are experiencing an ongoing water crisis due to ACD impacts – it is the entire southwestern United States. The naturally dry region is now experiencing dramatically extreme impacts that scientists are linkingto ACD.

The water crisis spawned by ACD continues to reverberate globally.

North Korea even recently mobilized its army in order to protect crops as the country’s reservoirs, streams and rivers ran dry amidst a long-term drought. The army was tasked with making sure residents did not take more than their standard allotment of water.

The converging crises of the ongoing global population explosion, the accompanying burgeoning middle class, and increasingly dramatic impacts caused by ACD is straining global water supplies more than ever before, causing governments to examine how to manage populations in a world with less and less water.

Air

A recent report provides a rather apocalyptic forecast for people living in Arizona: It predicts diminishing crop production, escalating electricity bills and thousands of people dying of extreme heat in that state alone.

In fact, another report from the Natural Resources Defense Council found experts predicting that excessive heat generated from ACD will likely kill more than 150,000 Americans by the end of the century, and that is only in the 40 largest cities in the country.

Poor air quality – and the diseases it triggers – are some of the main reasons why public health experts in Canada now believe that ACD is the most critical health issue facing Canadians.

Another recent study shows, unequivocally, that city-dwellers around the world should expect more polluted air that lingers in their metropolis for days on end, as a result of ACD continuing to change wind and rainfall patterns across the planet.

As heat and humidity increase with the growing impacts of ACD, we can now expect to see life-altering results across southern US cities, as has long been predicted. However, we can expect this in our larger northern cities as well, including Seattle, Chicago and New York; the intensifications are on course to make these areas unsuitable for outdoor activity during the summer.

Recently generated predictive mapping shows how many extremely hot days you might have to suffer through when you are older. These show clearly that if we continue along with business as usual – refusing to address ACD with the war-time-level response warranted to mitigate the damage – those being born now who will be here in 2100, will be experiencing heat extremes unlike anything we’ve had to date when they venture outside in the summer.

Lastly for our air section, June was the third month in a row with global average carbon dioxide levels above 400 parts per million. Levels of carbon dioxide in the atmosphere haven’t been this high in somewhere between 800,000 and 15 million years.

Fire

A new study published in Nature Geoscience revealed how increasing frequency and severity of forest fires across the planet are accelerating the melting of the Greenland ice sheet, as soot landing on the ice reduces its reflectivity. Melting at ever increasing speed, if the entire Greenland ice sheet melts, sea levels will rise 24 feet globally.

Down in Australia, the southern region of the country can now expect drier winters as a new study linked drying trends there, which have been occurring over the last few decades, to ACD.

On the other side of the globe, in Canada’s Northwest Territories, the region is battling its worst fires since the 1990s, bringing attention to the likelihood that ACD is amplifying the severity of northern wildfires.

A recently published global atlas of deaths and economic losses caused by wildfires, drought, flooding and other ACD-augmented weather extremes, revealed how such disasters are increasing worldwide, setting back development projects by years, if not decades, according to its publishers.

Denial and Reality

Never underestimate the power of denial.

Rep. Jeff Miller (R-Florida) was asked by an MSNBC journalist if he was concerned about the fact that most voters believe scientists on the issue of ACD. His response, a page out of the Republican deniers handbook, is particularly impressive:

Miller: It changes. It gets hot; it gets cold. It’s done it for as long as we have measured the climate.

MSNBC: But man-made, isn’t that the question?

Miller: Then why did the dinosaurs go extinct? Were there men that were causing – were there cars running around at that point, that were causing global warming? No. The climate has changed since earth was created.

Another impressive act of denial came from prominent Kentucky State Senate Majority Whip Republican Brandon Smith. At a recent hearing, Smith argued that carbon emissions from coal burning power plants couldn’t possibly be causing ACD because Mars is also experiencing a global temperature rise, and there are no coal plants generating carbon emissions on Mars. He even stated that Mars was the same temperature of Earth.

“I think that in academia, we all agree that the temperature on Mars is exactly as it is here. Nobody will dispute that,” Smith said.

On average, the temperature on Mars is about minus 80 degrees Fahrenheit.

“Yet there are no coal mines on Mars; there’s no factories on Mars that I’m aware of,” he added. “So I think what we’re looking at is something much greater than what we’re going to do.”

During a recent interview on CNBC, Princeton University professor and chairman of the Marshall Institute William Happer was called out on the fact that ExxonMobil had provided nearly $1 million for the Institute.

Happer compared the “hype” about ACD to the Holocaust, and when asked about his 2009 comparison of climate science to Nazi propaganda, he said, “The comment I made was, the demonization of carbon dioxide is just like the demonization of the poor Jews under Hitler. Carbon dioxide is actually a benefit to the world, and so were the Jews.”

Happer, who was introduced as an “industry expert” on the program, has not published one peer-reviewed paper on ACD.

The ACD-denier group that supports politicians and “scientists” of this type, Heartland (a free-market think tank with a $6 million annual budget) hosted a July conference in Las Vegas for deniers. One of Heartland’s former funders is ExxonMobil, and one of the panels at the conference was titled, “Global Warming As a Social Movement.” The leaders of the conference vowed to “keep doubt alive.”

Australian Prime Minister Tony Abbott used a current trip abroad to attempt to build support for a coalition aimed at derailing international efforts towards dealing with ACD.

He is simply following the lead of former Prime Minister John Howard, who teamed up with former US President George W. Bush and Canadian Prime Minister Stephen Harper to form a climate-denial triumvirate whose goal was to stop efforts aimed at dealing with ACD, in addition to working actively to undermine the Kyoto Protocol.

Meanwhile, Rupert Murdoch has said that ACD should be approached with great skepticism. He said that if global temperatures increased 3 degrees Celsius over the next 100 years, “At the very most one of those [degrees] would be manmade.” He did not provide the science he used to generate this calculation.

In Canada, Vancouver-based Pacific Future Energy Corporation claimed that a $10 billion oil sands refinery it wants to build on the coast of British Columbia would be the “world’s greenest.”

Miami, a low-lying city literally on the front lines of ACD impacts, is being inundated by rising sea levels as its predominantly Republican leadership – made up of ACD deniers – are choosing to ignore the facts and continue forward with major coastal construction projects.

Back to reality, the BBC recently ordered its journalists to cease giving any more TV airtime to ACD deniers.

Brenton County, Oregon has created a Climate Change Adaptation Plan that provides strategies for the communities there to deal with future impacts of ACD.

Despite the millions of dollars annually being pumped into ACD denial campaigns, a recent poll shows that by a 2-to-1 margin, Americans would be willing to pay more to combat ACD impacts, and most would also vote to support a candidate who aims to address the issue.

Another recent report on the economic costs that ACD is expected to generate in the United States over the next 25 years pegged an estimate well into the hundreds of billions of dollars by 2100. Property losses from hurricanes and coastal storms are expected to total around $35 billion, crop yields are expected to decline by 14 percent, and increased electricity costs to keep people cooler are expected to increase by $12 billion annually, to name a few examples.

The bipartisan report also noted that more than a million coastal homes and businesses could flood repeatedly before ultimately being destroyed.

The World Council on Churches, a group that represents more than half a billion Christians, announced that it would pull all its investments out of fossil fuels because the investments were no longer “ethical.”

US Interior Secretary Sally Jewell told reporters recently that she is witnessing ACD’s impacts in practically every national park she visits.

A June report by the UN University’s Institute for Environment and Human Security warned that ACD-driven mass migrations are already happening, and urged countries to immediately create adaption plans to resettle populations and avoid conflict.

For anyone who wonders how much impact humans have on the planet on a daily basis, take a few moments to ponder what just the impact of commercial airline emissions are in a 24-hour period by watching this astounding video.

Lastly, a landmark study released in June by an international group of scientists concluded that Earth is on the brink of a mass extinction event comparable in scale to that which caused the dinosaurs to go extinct 65 million years ago.

The study says extinction rates are now 1,000 times higher than normal, and pegged ACD as the driving cause.

Vai ter água para todo mundo? (2000 e água)

21/7/2014 – 12h01

por 2000 e água

Em 2014, o Estado de São Paulo entrou na maior crise hídrica de sua história. Com sucessivos recordes negativos desde que foram iniciadas suas medições, o Sistema Cantareira, responsável por 45% do abastecimento de água da maior região metropolitana da federação, atingiu suas maiores baixas justamente no verão, época em que mais deveria chover.

O paradoxo climático serviu de justificativa para as autoridades, que lamentaram a falta de chuvas e buscaram soluções apressadas para evitar o tão impopular racionamento. O imediatismo, no entanto, foi sentido pela população. Alguns bairros da cidade já sofrem com frequentes cortes d’água e, apesar do resgate do chamado volume morto, que elevou o nível do Cantareira em 18,5 pontos percentuais em maio, especialistas consideram questão de tempo até que se consuma a última gota do sistema. Ao contrário do tempo seco – atípico para esta época do ano – a crise de abastecimento de água já estava há anos anunciada.

Quando projetado na década de 1960, o Sistema Cantareira previu o abastecimento de água à Grande São Paulo até os anos 2000. Na outorga de 2004, documento assinado pela Sabesp (Companhia de Saneamento do Estado) e pelo Consórcio PCJ (Consórcio das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí), foi acordado que a companhia procuraria formas de reduzir sua dependência do sistema. Em outras palavras, o tempo seco apenas antecipou um problema que, cedo ou tarde, chegaria às torneiras e chuveiros dos paulistas.

Feito o retrospecto histórico, é necessário entender o complexo ciclo da água em uma região violentamente urbanizada. Não o ciclo natural, que todos aprendem nas escolas, mas o ciclo social, que envolve desigualdade, poluição, consumo, desperdício, grandes obras e desapropriações. O projeto 2000 e água, nome que faz referência ao colapso hídrico prenunciado para o novo milênio, propõe-se a contar a inquietante história de pessoas que vivem ou viveram a água em diferentes fases deste processo.

Acesse aqui a reportagem hipermídia “2000 e água”, sobre a crise hídrica de 2014 em São Paulo. O especial conta com vídeos, fotos, textos, entrevistas, infográficos e um mini-documentário. Confira!

(2000 e água)

‘Pedagogia do terror’: testemunho de um ex-preso político da democracia (EPSJV Fiocruz)

Novembro 2013

Paulo BrunoEle foi um dos presos políticos da atual democracia brasileira. Participando de uma manifestação organizada pelos professores municipais e estaduais do Rio de Janeiro, que estavam em greve, Paulo Roberto de Abreu Bruno, pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP), da Fundação Oswaldo Cruz, foi detido junto com dezenas de outras pessoas no dia 15 de outubro. Acusado sem provas e sem direito à informação ou à presença de advogados, foi encaminhado para a delegacia e, na sequência, para dois presídios, incluindo Bangu 9. Segundo ele, circulou pelos “porões da democracia brasileira”. Desde o início de junho, Paulo Bruno vinha filmando as manifestações que tomaram as ruas do Rio de Janeiro como parte do seu trabalho de pesquisa. Levou algum tempo para que conseguisse falar sobre o assunto, mas nesta entrevista ele narra as humilhações e violências sofridas pelos presos políticos, descreve a rotina de violação de direitos do sistema carcerário brasileiro, destaca a solidariedade dos presos comuns e chama a atenção para a fragilidade das lutas políticas diante do terror que o Estado, representado no caso pelo governo estadual, pode provocar. Como, na prisão, não tiveram acesso sequer a papel e caneta, os registros que se seguem ficaram registrados, até então, apenas na memória do entrevistado.

Você está sendo acusado de quais crimes?

Dano ao patrimônio, roubo, incêndio e organização criminosa. Eu fui preso por volta de 22h30 do dia 15/11 e, no entanto, no documento que assinei no IML constava como se eu tivesse quebrado alguma coisa, por volta das 18h nas proximidades da rua Evaristo da Veiga. Não há nada quebrado lá. Além disso, nesse horário estava a caminho da Avenida Presidente Vargas, depois de embarcar num trem do metrô na estação de Del Castilho, acompanhado de duas pessoas com as quais trabalho.

Vocês sabiam que estavam sendo presos, para onde estavam indo e por que?

Não. Estava na escadaria da Câmara dos Vereadores e o policial só me puxou. Eu tropecei na alça da mochila e minhas moedas se espalharam. Reclamei disso e, autorizado a recolhê-las, pude me recompor. No ônibus, outro policial mais novo, com pouco menos de 30 anos talvez, ficou perto da porta e mandou entrar. Nisso foram entrando pessoas. Na Evaristo da Veiga, próximo à avenida Rio Branco, alguns manifestantes ainda tentaram impedir que o ônibus saísse e os policiais que estavam em frente ao Municipal jogaram bomba de efeito moral para dispersá-los. O ônibus foi embora com uma escolta, vinham dois de moto — de negro também, acho que eram do choque —, com a arma apontada para a gente, dizendo para fechar a janela, xingando. Tentamos abrir a janela e um deles dizia: ‘fecha a janela senão jogo gás de pimenta em vocês’. Aí fechamos a janela. Até então o pessoal estava revoltado, ninguém tinha noção do que iria acontecer. Eu falava para ter calma, era o mais velho. A gente tinha que estar sempre calado e em nenhum momento falaram para onde iríamos. Na delegacia, permanecemos a maior parte do tempo no ônibus. Ficamos lá de molho até 12h30 do outro dia. Soubemos que duas pessoas que estavam na 25ª, se não me engano, ficaram em condições bem piores, num lugar alagado, com um banheiro. No nosso caso, ficamos em lugares da delegacia sentados ou de pé e depois retornamos para o ônibus. Recebemos orientação dos advogados que chegaram à 37ª DP algum tempo depois de só depormos em juízo. Passamos uma procuração para os advogados do DDH [Instituto de Defesa dos Direitos Humanos] e não depusemos.

Como foi a transferência para o presídio?

Pouco antes de 12h30 os carros começaram a se movimentar, vimos chegar aquele furgão usado pelo batalhão de choque, começaram a deslocar os carros em frente à delegacia, a gente previu que fosse acontecer alguma coisa. Imaginamos que iríamos ser transferidos, mas não sabíamos para onde porque não falaram. Alguns PMs começaram a ser mais irônicos e mais agressivos com palavras. Quando alguém pedia alguma coisa, respondiam de forma irônica. Sempre de forma intimidatória. Até que meio dia e pouco — imagino que nesse horário porque também não tínhamos relógio —, colocaram a gente na traseira desse furgão, que era dividido no meio, com dois bancos laterais. Ia uma pessoa em pé e outra sentada, algemadas. Eu não tinha noção de que algema era objeto de tortura, para mim, era só para segurar a mão do preso. Mas conforme você vai mexendo, ela vai apertando. Então, assim que o carro saiu, a algema encaixou no osso do meu pulso, causando uma sensação muito ruim, eu tentei mexer e percebi que ela apertou. Fomos para o IML [Instituto Médico Legal]. Nessa hora eu já não aguentava mais, pedi para tirarem e acabaram abrindo [a algema] lá. Mas isso nem contou lá no exame de corpo delito porque é uma coisa muito rápida, os caras não querem muita conversa. O tratamento que a gente recebeu em todo momento, a não ser em poucas ocasiões no interior da 37ª DP, era como se fôssemos criminosos. Dali saímos também sem que falassem nada. Nos algemaram de novo, colocaram no furgão e fomos para São Gonçalo, para o presídio Patrícia Accioly, no bairro Guaxindiba. Nas transferências, você é sempre humilhado, chamavam a gente de ‘black bosta’, criminosos, assassinos, vagabundos, vândalos etc. Na saída da 37ª, dois policiais nos chamaram de criminosos, falando que seríamos estuprados no presídio. Diziam que iríamos pagar por termos nos metido com policial, que tínhamos matado o amigo deles, incendiado o carro [da polícia]. Tentavam nos filmar com seus celulares. Quando chegou lá, em Guaxindiba, novamente um cardápio de ofensas e atos para nos amedrontar. Você entra, tira a roupa, fica de cócoras, levanta a sola do pé, mão, tudo para ver se está com algum objeto, e depois te encaminham nu para receber calção e camiseta. Para lá a gente foi com a roupa do corpo. Na delegacia da Ilha do Governador, deixamos as coisas com os advogados, porque tinham avisado que iríamos perder tudo no presídio. Primeiro ficamos acocorados num corredor dos presos de alta periculosidade (segundo eles próprios). A primeira pergunta de um desses presos foi se a gente tinha dinheiro. Todo mundo de mão para trás e cabeça para baixo, em pé ou sentado. Não demos ouvido. Começaram a perguntar o que a gente fez, mas ninguém respondeu. Por fim, ele perguntou se a gente estava em manifestação. O preso da frente falou ‘esse Cabral é um filho da puta, tem que sair!’ e o da cela de trás concordou: ‘É isso mesmo!’.
Dali fomos para uma cela num corredor e ficamos só nós, os presos políticos. Eram celas para seis pessoas, com três beliches de cimento. No canto, o banheiro, com um buraco no chão — um vaso sanitário, chamado de “boi” na linguagem da cadeia — e um chuveiro no alto, sem registro. A gente descobriu que a água era aberta duas vezes ao dia. Foi ato contínuo entrarmos na cela e todo mundo se apresentar. As pessoas não se conheciam. A sensação de solidariedade coletiva minimizava a apreensão causada nos deslocamentos (DP-IML-presídio). Entrar na cela naquela circunstância era como “chegar em casa”: enfim, apesar da falta de banho, teríamos a possibilidade de deitar e descansar.

Como foi a rotina dentro do presídio?

Inicialmente fomos informados sobre como funciona o sistema. Rasparam a nossa cabeça também antes de entrarmos na cela. Recebemos sabonete, escova de dente e creme dental. Toalha não! Os presos mais antigos e com bom comportamento fazem o serviço de cortar o cabelo, dar informes sobre o funcionamento, servir as refeições. Eram feitos três “conferes” ao dia: gritavam no corredor (Confere!), ou tocavam na grade e você teria que se posicionar (erguido, mãos para trás e olhar para o chão) para eles contarem. Tinha pão e café pela manhã, almoço, jantar e um copo de uma bebida que parecia guaravita. A gente foi se acostumando com a rotina. No primeiro dia, não chegou água. Chegamos ao presídio quatro horas da tarde talvez, estando desde o dia 15 sem tomar banho — já era dia 16 anoitecendo. Falaram que abririam a água por dez minutos. Nesse dia abriram a água devia ser 3h da manhã. Tinha muito mosquito nesse presídio. Já trabalhei na Amazônia, andei em várias aldeias, mas nunca vi coisa igual. Não dava para dormir. Eles deram um cobertor e a esperança era que o cobertor ajudasse. No meu caso, era velho e furado, então não adiantava porque os mosquitos entravam. Essa primeira noite foi sofrida. A gente meio que fica na expectativa de sair, mas já estava conversando e encarando a possibilidade de ficar mais tempo. As longas conversas entre o grupo que dividia a cela e a comunicação com outros presos políticos de outras celas serviram para nos mantermos num estado emocional equilibrado. Na segunda noite nesse presídio já havíamos aprendido a fazer incensos com papel higiênico, o que afastava os mosquitos, mas deixava a cela esfumaçada.

Vocês receberam a visita de alguém?

Primeiro, recebi visita dos advogados da Asfoc [Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz], Jorge da Hora e Fábio. Eles falaram da mobilização que era prevista para acontecer na Fiocruz e perguntaram sobre o meu estado. Receber notícias de fora do presídio causou um sentimento desconhecido. Não tinha a menor ideia do que poderia estar acontecendo do lado de fora. Era como se estivesse também com o pensamento aprisionado, apesar de consciente do que acontecia. Depois, na tarde do dia 17, chegaram os advogados do DDH junto com uma advogada ligada a uma ONG que trabalha com direitos humanos em presídios. O trabalho dela consiste em visitar todos os presídios do sistema do Rio de Janeiro e ver as condições dos presos. Acho que tinha alguém da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia [Legislativa]. Um pouco depois chegou o [deputado estadual] Marcelo Freixo. Fizemos duas reuniões num refeitório onde tivemos a primeira oportunidade de ver o conjunto dos presos. Dos 19 que éramos quando chegamos à 37ª delegacia, ali já éramos 62. Todo mundo se cumprimentava, apertando a mão. Recebemos uma carta de pessoas de fora. Foi um momento de muita emoção e houve um agradecimento a elas. Aquilo foi muito bom porque a gente estava isolado. É outro universo: no presídio você não tem essa dimensão do que acontece do lado de fora. É outro mundo. Tínhamos consciência de que éramos presos políticos. Foi nosso primeiro contato coletivo com o mundo. O Marcelo Freixo me pareceu muito abatido, falando que a situação era grave, que ele nunca tinha presenciado uma situação dessa no Rio de Janeiro. Comentou que se falava em colocar as forças de segurança nacional na rua e que o Beltrame chegou a aventar isso. E a imprensa estava jogando pesado na nossa criminalização.

E a transferência para Bangu 9?

Na madrugada do dia 17 para o 18, umas 3h30 da manhã, fomos acordados pelos caras batendo [na grade]. “Sai, sai. Deixa tudo!!!”, gritavam. E os meus óculos ficaram na cela. Foi o momento de maior tensão: escuro, aqueles caras enormes todos de preto, gritando muito. A sensação, pelo tratamento, era de que iriam executar a gente. Colocaram a gente num pátio externo, sempre gritando, humilhando, xingando. Eu não fui agredido, mas uma parte do grupo foi agredida com palmatória. Eles queriam que o pessoal dissesse por que o estuprador da Rocinha estava com a orelha cortada e o rosto queimado. Tinha três presos comuns com a gente, um deles era esse estuprador e alguém queimou o cara, só que ele não dividiu cela com a gente em nenhum momento. Mas os caras queriam que a gente dissesse quem foi. Isso eu ouvi do lado de fora de um portão grande de ferro. Fui colocado para fora com outro grupo, de cabeça baixa. Chovera e o chão estava molhado e todos nós estávamos descalços (desde são Gonçalo até a libertação permanecemos nesse estado). Começamos a ouvir interrogatório e, em seguida, batidas e as pessoas gritando. Depois soubemos que era a palmatória de madeira. Isso durou alguns minutos. Fomos colocados num ônibus todo escuro. Dessa vez, sentamos quase todos. Um dos presos políticos estava por desmaiar e outros se esforçavam para mantê-lo acordado. Não era possível ver os rostos mesmo dos que estavam mais próximos de nós. Havia pouca circulação de ar. O Freixo havia dito que possivelmente iríamos para um presídio próximo para aguardar uma solução na justiça. Seria um presídio em São Gonçalo, que ele disse que era mais tranquilo, que estava disposto a aceitar o grupo, tinha espaço. Como eles tiraram a gente de madrugada, só podíamos imaginar para onde estávamos indo, porque estava escuro e, sem relógio nem nada, você perde a noção de espaço e tempo. Só sentíamos o balanço do ônibus, só sabíamos que estávamos em rua esburacada. Depois de algum tempo, pela batida e por alguma luz que entrava, nos demos conta de que estávamos cruzando a ponte Rio-Niterói. Mas, adiante alguém exclamou: “Deodoro!”. Pouco depois chegamos ao Complexo Penitenciário Gericinó, mais especificamente, no presídio Bangu 9 e foi novamente aquela coisa de os caras nos tratarem mal. A fala e a atitude de um policial ficou impregnada na minha memória: ‘Só tem vocês dois de pretos aqui?’. Em seguida segurou a cabeça de um deles e bateu algumas vezes contra a parede. Teve outro preso político que pedia insistentemente para ir ao banheiro, que não aguentava mais. Estavam muito próximo de mim. Gemia… Eu sussurrava para ele: respira fundo. Os caras apenas ironizavam e procuravam humilhá-lo. Mesmo depois de uns cinco pedidos desesperados, o rapaz não teve autorização e evacuou nas calças. Depois disso ordenaram que lavassem o chão.

Fomos para a cela. Quando a gente passa pela triagem, perguntam qual a nossa facção e são apresentadas as seguintes opções num formulário: Comando Vermelho, Amigo dos Amigos, Povo de Israel, milícia ou neutro. Nos identificamos como neutros e ficamos numa galeria juntos com o Povo de Israel, que são os presos que se converteram. O melhor de Bangu é que tinha uma torneira com água 24 horas; no outro não tivemos nem água para beber até a primeira abertura do chuveiro, para banho muito menos. Se quiséssemos beber aquela água imunda, pelo menos havia água, não iríamos morrer de sede. Mas a cela era mais estreita, escura, úmida e quase não tinha espaço para circular. Parece que circulou a informação de que haveria visita do pessoal dos direitos humanos. Aí deram um jeito de transferir a gente para outra cela no final do corredor, onde entrava luz no final da tarde, tinha sol, foi um alento. Além de um pardal que entrava e saía da cela através da grade no alto da parede (no final da tarde ele se alojou num buraco no teto da cela). Dessa cela ouvíamos cantos de outros pássaros. Recebemos somente um lençol branco e limpo que, pelo fato de ser bem largo, dava para cobrir a espuma sobre a qual deitava e, ao mesmo, servir de coberta. As poucas horas que restavam da madrugada permitiram um breve cochilo. No dia 18, acordei com a sensação de que sairia: lavei minha camiseta no banho com caneco e sabonete. Eu pretendia sair limpinho do presídio, estava imundo. Nessa passagem por Bangu, os presos receberam a gente bem. Eles falavam que a gente representava os parentes deles do lado de fora, que a luta era por eles também. Foram acolhedores e respeitosos conosco.

Quando você soube que seria solto?

Durante reunião com o pessoal dos direitos humanos, que aconteceu justamente no corredor, diante da cela onde eu e mais cinco presos estávamos, deram a informação de que tinha saído um habeas corpus. E que a partir desse habeas corpus, em meu nome, a juíza estendeu o benefício para os outros. Dali, voltamos para a cela. O habeas corpus só chegou ao presídio no final da tarde. Nesse meio tempo, chegaram advogadas do DDH, a Luiza maranhão e mais duas que conheciam pessoas comuns a mim e a outros dois presos. A gente foi conversar com as advogadas e, na volta, foi interessante porque um preso parou a gente para conversar no corredor, onde havia outros dois presos soltos. Esse preso falou: ‘Pára que aqui é tranquilo, pode parar’. Parei. ‘Aperta minha mão aí’. Apertei. Tinha outros três na grade festejando a gente e que também queriam apertar as nossas mãos. Eu saí, o Deo [professor da rede municipal do Rio, companheiro de cela] veio mais atrás, parou um pouco e conversou com eles. Eles falaram: ‘Ah, você é professor?A gente é aluno do crime, a gente veio agradecer vocês’. Surpreendeu a gente: por incrível que pareça, tivemos a solidariedade de quem – os policiais falaram – iria nos maltratar. Enfim, foi o ultimo dia lá, saímos à noite. Durante a oração que é feita sempre às 18h, segundo comunicara o preso que servia as refeições, momento em que os presos leem trechos da Bíblia, discursam, cantam — as falas e canções pareciam ter sido construídas no próprio espaço carcerário, pois falavam, muito da situação dos presos —, um dos carcereiros fez uma chamada no início do corredor, o que interrompeu a oração e criou um estado de suspense. Chamaram os nomes dos nove primeiros libertos. A nossa saída pela galeria foi algo comovente! Braços eram estendidos para fora das celas para nos cumprimentar. Olhos brilhantes nos acompanhavam enquanto aguardavam cumprimentos. Ouvia-se um grito: Liberdade! Esperamos quase duas horas fora da cela. Depois saberíamos que foi feito de tudo para que ficássemos mais tempo presos, apesar de os advogados da Asfoc já terem obtido dois habeas corpus antes do que definiu a saída do nosso grupo, detido na 37ª DP.

Dá para descrever os momentos de pavor?

Tem um pavor que é para disciplinar o corpo e, no nosso caso, intimidar. A todo momento falavam que, como era a primeira vez, a gente estava sendo tratado como homem, e que da próxima seríamos tratados de forma diferente. Falavam para que tomássemos cuidado para não voltar para lá. E funciona: nessa noite mesmo tive um sonho com um monte de policial de fuzil atirando nas pessoas aleatoriamente. Isso num nível psicológico. [Mas teve] o físico também, eles bateram em algumas pessoas. Imagino que elas estejam mais frágeis do que eu. Tem essa coisa de incutir o medo. É uma espécie de pedagogia do terror, de você ser educado para não se manifestar, não questionar. Tanto que os últimos atos estiveram meio vazios, as pessoas estão recuando porque foi feita uma coisa exemplar. Isso me faz pensar que essa estrutura de terror não se extingue com mudança de governo, eleições, ela está muito bem estruturada como sistema de tortura… Aparentemente é um sistema legal, no entanto, é uma estrutura em que você entra e é engolido. Quando vem pressão de fora, é diferente. Fora isso, é o sistema de terror. É impossível ressocializar (como sugere o calção que recebemos, com a sigla SEAP e a palavra ressocialização) em tais condições.

Você diz que existe uma pedagogia do terror que funciona. Como é voltar a uma manifestação agora? 

Eu soube de pessoas que não pretendem voltar a manifestações por enquanto. Para mim foi difícil. Nos arredores da Cinelândia, uns dias depois da minha libertação, quando vi o carro e um micro-ônibus da polícia, foi uma sensação muito estranha. Eu fui para casa. A sensação é de que iria repetir tudo que eu falei anteriormente, uma coisa incontrolável, não de ser preso, mas de sentir tudo o que eu senti, de escuridão, de ser puxado para o escuro. De ter sido sequestrado. Mudou também o meu olhar com relação aos policiais. Eu tinha a expectativa de que pudessem se portar como trabalhadores, servidores públicos. Agora eu até entendo a situação de precariedade, que os caras têm que fazer isso para sobreviver, a questão da hierarquia militar etc., mas os possíveis resquícios de solidariedade diminuíram muito. Com a forma como muitos deles tratam as pessoas, não dá para perceber qualquer sinal de compaixão.

Qual a sua avaliação com relação ao sistema judiciário e carcerário brasileiro considerando a situação daqueles que passaram por essa experiência?

Se você está na mão do Estado, está refém do Estado. Estamos em situação de fragilidade. Hoje os grupos mais conservadores estão unidos em torno de um projeto que, a pretexto de viabilizar a Copa do Mundo e as Olimpíadas, visa frear manifestações para assegurar o uso da máquina e dos recursos públicos para garantir os grandes investimentos, o lucro, a expropriação de terras. Não temos certeza se, quando formos a julgamento, podemos ganhar. Essa sociedade democrática que a gente vive é para quem não está dentro desse sistema prisional, só serve para quem nunca passou por lá. Depois que você cai ali, vê que é tudo muito frágil. No escravismo brasileiro, até o século XIX, os escravos que cometiam os “crimes” de fuga das fazendas ou atentado ao “seu senhor”, por exemplo, eram marcados/queimados com a letra “F”. Algo aparentemente superado historicamente se repete com a “marca” que a “passagem” pelo “sistema” deixa em nós. Qualquer um pode ser pinçado, cair ali e pronto! O objetivo dos grupos que controlam as estruturas de poder do Estado é ter você na mão e prorrogar esse processo por anos. Qualquer um de nós, se voltar, com certeza, terá outro tratamento. Eles nos avisaram! Há os que ainda acreditam na possibilidade da luta, garantida nos “direitos constituídos”. Penso que não tem mais direito constituído… Se por um lado a solidariedade presente entre companheiros da Fiocruz e de Manguinhos, em especial, foi extremamente importante para mim, por outro, é surpreendente o silêncio por parte de algumas entidades de classe e parte do meio acadêmico com relação a esse estado de coisas, onde cresce a opressão contra a expressão popular nas ruas, o que coloca o Estado Democrático de Direito como privilégio para poucas pessoas. Também é desprezível o reacionarismo expresso em artigos e ações de intelectuais que, outrora, eram consideradas referências importantes para a crítica ao autoritarismo.

Ainda tem gente presa…

Tem o Jair e o Rafael, um morador de rua. Ambos negros. Segundo as notícias que circulam na internet o Rafael foi preso num prédio abandonado na Lapa, onde ele estava morando. Foi no dia 20 de junho, aquele em que a polícia saiu jogando bomba de gás para todo lado. Ele estava caminhando para o lugar onde iria dormir com uma garrafa plástica de detergente e uma de água sanitária e alegaram que ele estava com material inflamável, com líquidos para produzir incêndio. Foi preso. O cara é morador de rua, está há cinco meses preso, e esteve, durante algum tempo, sem defesa. Já o Jair parece que foi preso por averiguação, e pelo fato de ter passagem anterior, estão dificultando o caso dele. Na reunião com as advogadas, no Bangu 9, foi falado que estava sendo difícil conseguir o habeas corpus para ele.

Você falou que estávamos muito fragilizados e houve uma grande união de forças para acabar com as manifestações. Mas mesmo depois dessa experiência traumática, você continua indo. Por quê?

O que impulsiona a gente a participar é a solidariedade. Aqueles que decidiram o que fazer conosco não têm noção de que, dentro da cadeia, possibilitaram a construção de uma solidariedade entre pessoas que nem se conheciam. Criaram uma liga entre essas pessoas, conheci pessoas de caráter muito firme. A grande maioria lá ficou muito solidária. Eu vejo que de toda essa experiência ruim, de aprisionamento, de repressão, está consolidando um grupo de muitas pessoas com discernimento sobre os fatos e sobre as injustiças presentes em nossa sociedade. Tive oportunidade de rever pessoas que dividiram cela comigo num ato recente de solidariedade aos presos e ex-presos. Algo inexplicável, a repressão produzira laços de amizade e confiança.
Eu volto para as manifestações com a vontade de filmar, mas não sei se vou continuar filmando por enquanto, apesar de querer dar continuidade aos registros históricos e etnográficos que iniciei em junho. Vivemos um processo histórico muito vigoroso e complexo sobre o qual precisamos refletir muito e para isso é necessário que ele seja registrado a partir de olhares diversos. Sou apenas um deles. Também não dá para abdicar de questionar o sistema da forma como está colocado. Afinal de contas, é difícil pensar na construção de um conhecimento científico neutro, principalmente, se levarmos a sério o que sugeria Paulo Freire ao dizer que toda neutralidade afirmada corresponderia a uma opção escondida.

Assim, a passagem pelo sistema prisional e carcerário não poderia ofuscar o nosso olhar sobre a sua dinâmica, sobre a forma como atuam os servidores públicos que os mantêm ativos e, sobretudo, sobre as condições nas quais se encontra seu “público-alvo”, formado por pobres, negros e mestiços em sua grande maioria. Nessa perspectiva, é difícil observar sem críticas um serviço público, financiado com recursos públicos, utilizado para punir parte desse público (presos, seus parentes e amigos). A crítica a esse tipo de serviço não pode ser colocada sem a devida correlação com toda a estrutura de governo do qual faz parte. Na atual conjuntura, essa crítica pode resultar na marcação de um “F” nas nossas costas ou no nosso encarceramento.

Entrevista concedida a André Antunes e Cátia Guimarães – Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

Pesquisadores da UFRJ trabalham em robô para comportas de hidrelétricas (Agência Brasil)

JC e-mail 4993, de 21 de julho de 2014

Previsão é que equipamento esteja pronto em fevereiro de 2015

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em parceria com a empresa Energia Sustentável do Brasil (ESBR), trabalham para desenvolver, até fevereiro do ano que vem, um robô subaquático para aprimorar a operação dos painéis das comportas de manutenção das usinas hidrelétricas (stoplogs). Iniciado em outubro do ano passado, o projeto do robô para operação de stoplogs alagados (Rosa) deve reduzir prejuízos com paradas nas turbinas, diminuindo o tempo que elas ficam desligadas.

A pesquisa foi apresentada hoje (18) na universidade, quando também foi formalizada a parceria entre a empresa e o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe-UFRJ, por intermédio do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“O que estamos fazendo é instrumentalizar todo um sistema hoje puramente mecânico, transformando-o em computacional. Estamos acrescentando informações úteis ao operador, com elementos usados em robôs, como sistema operacional, comunicação, sonar”, conta o coordenador do projeto, o professor do Coppe, Ramon Costa.

O projeto foi financiado pela empresa ESBR, responsável pela operação e construção da Usina Hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira, onde grande quantidade de partículas deixa a água turva e se acumula, dificultando a movimentação dos stoplogs depois do serviço de manutenção. O robô, então, fornecerá informações para que o operador possa trabalhar com mais subsídios, substituindo os mergulhadores que atualmente são chamados para conferir a situação do stoplogquando a turbina está parada e a destravá-lo, quando necessário.

A nova tecnologia deve reduzir em um dia o tempo que a turbina fica parada.”Para cada turbina, são dois mergulhos. É um processo demorado e muito custoso”, diz Ramon. Segundo o pesquisador, o custo de uma hora com a máquina parada passa de R$ 10 mil, somando cerca de R$ 250 mil em um dia.

Uma equipe de sete pesquisadores está oficialmente inscrita no projeto pelo Coppe-UFRJ, e mais três cientistas da universidade trabalham como colaboradores. O primeiro teste completo do Rosa deve ser realizado em setembro, e a previsão do coordenador do projeto é que toda a tecnologia necessária para concluí-lo deve estar pronta até o fim deste ano.

(Vinícius Lisboa / Agência Brasil)

Animais: ciência em benefício da vida (O Globo)

JC e-mail 4993, de 21 de julho de 2014

Artigo de Paulo Gadelha e Wilson Savino publicado em O Globo

A percepção pública sobre as ciências e a capacidade de influenciar as políticas para seu desenvolvimento são condições essenciais da cidadania no mundo contemporâneo. Em especial, é no campo das implicações éticas que esse desafio se torna imperativo. A experimentação animal é, nesse sentido, um caso exemplar.

Nos anos recentes, temos convivido com rejeição de algumas parcelas da sociedade ao uso de animais na ciência. Muitas vezes, estes movimentos encontram ressonância também no ambiente jurídico. Existem grandes expectativas por um mundo em que o uso de animais para a experimentação científica não seja mais necessário. A comunidade científica também compartilha deste desejo. No entanto, nos argumentos que circulam, muita desinformação ainda vigora. Esclarecer o que é verdade e o que é mito se torna fundamental para que a sociedade possa se posicionar sobre o assunto.

No atual estágio da ciência mundial, e em particular no campo da saúde humana, o uso de animais permanece imprescindível para a elucidação de processos biológicos, a descoberta de novos medicamentos, vacinas e tratamentos para doenças. O aumento na expectativa e a melhoria na qualidade de vida que vemos na população se devem, em muito, às inovações médicas que dependeram e ainda dependem, em grande parte, do uso de animais.

Para o futuro, é impossível elucidar o funcionamento do cérebro , os mecanismos das doenças neurodegenerativas, a exemplo do Alzheimer, e garantir a eficácia e segurança de novos tratamentos para essas doenças que estarão cada vez mais presentes com o envelhecimento da população, sem a utilização de animais. O mesmo se aplica a uma multiplicidade de casos, entre os quais o Ebola e outras doenças emergentes.

Um mito muito comum é a ideia de que todas as pesquisas poderiam abrir mão do uso de animais. Apesar dos grandes esforços neste sentido, esta afirmativa não é verdade. A ciência tem investido no desenvolvimento de métodos alternativos, como o cultivo de células e tecidos e os modelos virtuais que recorrem à bioinformática para prever as reações dos organismos.

No entanto, ainda estamos longe de uma solução que reproduza de forma precisa as complexas interações do organismo: estes métodos são aplicáveis apenas em determinadas etapas da pesquisa e em situações específicas. A ciência brasileira também integra este empenho. Um exemplo disso é a criação do Centro Brasileiro de Validação de Métodos Alternativos (BraCVAM), que a Fiocruz lidera em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Outro mito comum é a ideia de que os cientistas utilizam animais de forma indiscriminada. Além do imperativo ético, o uso responsável e o foco no bem-estar dos animais é uma exigência legal. A ciência está submetida a diversas instâncias de regulamentação e a rigoroso controle das atividades de pesquisa. A redução do sofrimento por meio do uso de anestésicos e analgésicos, a escolha de técnicas adequadas e a necessidade de acompanhamento por veterinários são protocolos obrigatórios. Com foco na tríade substituição-redução-refinamento, o uso só é permitido quando não há alternativa conhecida, autorizando-se o menor número de animais necessário para resultados válidos e buscando-se, sempre que possível, o refinamento de técnicas e procedimentos para resultados mais precisos.

A sociedade tem protagonismo fundamental em cobrar que as instituições científicas pautem sua atuação na ética no uso de animais e é saudável para a democracia que esta vigilância atenta seja exercida. No entanto, parar a experimentação animal em pesquisas, hoje, significaria um retrocesso para a ciência e uma perda para a saúde da população e para o próprio campo da veterinária. Cabe aos pesquisadores e às instituições manterem seu compromisso de responsabilidade e ética com os animais, firmes no propósito de beneficiar a sociedade.

Paulo Gadelha é presidente da Fiocruz e Wilson Savino é diretor do Instituto Oswaldo Cruz.

(O Globo)

Artigo_OGLOBO14-07-2014

The genesis of climate change activism: from key beliefs to political action (Climatic Change)

Climatic ChangeJuly 2014Volume 125Issue 2pp 163-178,

The genesis of climate change activism: from key beliefs to political action

Connie Roser-RenoufEdward W. MaibachAnthony LeiserowitzXiaoquan Zhao

 Download PDF (660 KB) – Open Access

Abstract

Climate change activism has been uncommon in the U.S., but a growing national movement is pressing for a political response. To assess the cognitive and affective precursors of climate activism, we hypothesize and test a two-stage information-processing model based on social cognitive theory. In stage 1, expectations about climate change outcomes and perceived collective efficacy to mitigate the threat are hypothesized to influence affective issue involvement and support for societal mitigation action. In stage 2, beliefs about the effectiveness of political activism, perceived barriers to activist behaviors and opinion leadership are hypothesized to influence intended and actual activism. To test these hypotheses, we fit a structural equation model using nationally representative data. The model explains 52 percent of the variance in a latent variable representing three forms of climate change activism: contacting elected representatives; supporting organizations working on the issue; and attending climate change rallies or meetings. The results suggest that efforts to increase citizen activism should promote specific beliefs about climate change, build perceptions that political activism can be effective, and encourage interpersonal communication on the issue.

Darwinismo 2.0 (Valor Econômico)

JC e-mail 4976, de 24 de junho de 2014

Artigo de José Eli da Veiga publicado no Valor Econômico

Até o início dos anos 1980 o darwinismo foi amesquinhado pela concepção de que a sobrevivência dos mais aptos só decorreria da feroz competição que caracterizaria a “luta” pela existência. Por oitenta anos foi rejeitada a desviante interpretação das obras de Darwin proposta em “Ajuda Mútua: um Fator de Evolução”, livro com argutas observações sobre a extraordinária cooperação que caracteriza as vidas de abelhas, formigas e vários outros animais, publicado em 1902, no exílio londrino, pelo sessentão príncipe russo Piotr Kropotkin.

Mesmo que não tenha havido reconhecimento explícito, a perspicácia desse expoente do anarquismo começou a ser redimida quando um dos então mais promissores ramos da matemática – a Teoria dos Jogos – foi mobilizado para solucionar uma das questões que mais intrigava os pesquisadores, especialmente os das humanidades: num mundo de egoístas, desprovido de governo central, em que condições pode emergir a cooperação?

Resposta original e persuasiva foi dada em 1981 pelo cientista político da Universidade de Michigan, Robert Axelrod, que três anos depois lançou o hoje clássico “A Evolução da Cooperação” (Ed. Leopardo, 2010). Um livro que deveria tomar o lugar daquelas bíblias gratuitas achadas nos criados-mudos dos hotéis, diz Richard Dawkins, o célebre autor de “O Gene Egoísta” em prefácio à edição de 2006.

A proeza de Axelrod foi executar inéditas simulações computacionais que confirmaram hipóteses formuladas na década anterior por biólogos evolutivos: nepotismo e reciprocidade seriam os dois fatores determinantes da cooperação. Na ausência do primeiro, ela estaria na dependência de um padrão comportamental em que cada um dos atores repete o movimento do outro, reagindo positivamente a atitudes cooperativas e negativamente a gestos hostis.

Ainda em plena Guerra Fria, quando o risco de um “inverno nuclear” exigia a cooperação bipolar entre EUA e URSS, o que poderia fazer mais sucesso do que essa orientação apelidada de “tit-for-tat”, título de uma das populares comédias da dupla “O Gordo e o Magro”? Embora seja traduzida por “olho-por-olho, dente-por-dente”, essa expressão está mais próxima do “toma-lá-dá-cá”, pois é uma estratégia que exige prévio arranque cooperativo.

Como sempre ocorre na ciência, boa resposta a uma grande questão faz com que pipoquem novas dúvidas. Por exemplo: se por mera razão acidental um dos atores falhar em fazer o esperado movimento positivo, isso por si só inviabiliza a continuidade da cooperação? E o que ocorreria quando o esquema de cooperação envolvesse mais do que dois atores? Foram questões como essas que alavancaram o fulgurante avanço da biologia matemática nos últimos vinte anos. O padrão “toma-lá-dá-cá” hoje não passa de uma das três modalidades de uma das cinco dinâmicas de cooperação evidenciadas.

O “tit-for-tat” é manifestação rudimentar do que passou a ser chamado de “reciprocidade direta”. Novas simulações indicaram que eventual passo em falso pode engendrar uma segunda chance, em estratégia apelidada de “toma-lá-dá-cá generoso”, a origem evolutiva do perdão. E desdobramentos ainda mais sofisticados revelaram a existência de uma terceira forma de reciprocidade direta, na qual o agente inverte sua atitude anterior quando nota que as coisas vão mal, mas logo depois volta a cooperar. Algo que já era bem conhecido na etologia como comportamento “Win-Stay, Lose-Shift”, comum entre pombos, macacos, ratos e camundongos.

O segundo vetor da cooperação, chamado de “reciprocidade indireta”, foi crucial para a evolução da linguagem e para o próprio desenvolvimento do cérebro humano, pois se baseia no fenômeno da reputação. Neste caso, o que condiciona as atitudes dos atores são comportamentos anteriores em relações com terceiros. A cooperação avança quando a probabilidade de um agente se inteirar sobre a reputação do outro compensa o custo/benefício do ato altruísta.

Os demais determinantes da cooperação são as três formas em que ocorre a seleção natural, pois, além da já mencionada nepotista (de parentesco), ela não opera apenas entre indivíduos, mas também entre grupos (multinível) e nas redes (espacial).

Mesmo que as observações acima não sejam suficientes para que se possa ter uma boa ideia das descobertas da biologia matemática no âmbito da dinâmica evolutiva, elas certamente permitem notar que o darwinismo aponta tanto para “luta” quanto para “acomodação” pela existência. Exposição rigorosa e extremamente amigável desse darwinismo 2.0 está em “SuperCooperators – Altruism, Evolution, and Why We Need Each Other to Succeed” (Free Press, 2011), do austríaco Martin A. Nowak, biólogo matemático que está em Harvard depois de ter brilhado em Oxford e Princeton, e que contou com a inestimável ajuda do jornalista científico britânico Roger Highfield.

Esse sim é um livro que mereceria ser distribuído gratuitamente. Não para substituir bíblias cristãs, mas para promover o entendimento das origens naturais dos códigos de ética de todas as grandes religiões.

José Eli da Veiga é professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente da USP e autor de “A desgovernança mundial da sustentabilidade” (Editora 34, 2013). Escreve mensalmente às terças-feiras. http://www.zeeli.pro.br

(Valor Econômico)
http://www.valor.com.br/opiniao/3591840/darwinismo-20#ixzz35ZWruc22

Mudanças climáticas de longo prazo provocam mais migrações do que os desastres naturais (O Globo)

JC e-mail 4976, de 24 de junho de 2014

Aumento da temperatura é a principal razão de deslocamentos

Quatro meses atrás, o vulcão Sinabung entrou em erupção na Indonésia, esvaziando as aldeias vizinhas, cobertas de cinzas. Cerca de 100 mil pessoas deixaram suas casas, mas a grande maioria voltou semanas depois. Esse é um retrato de como um desastre natural espanta uma população sem afugentá-la definitivamente. Agora, um estudo das universidades americanas de Princeton e Califórnia e do Escritório Nacional de Pesquisa Econômica dos Estados Unidos afirma que as mudanças climáticas, que ocorrem a longo prazo, provocam mais migrações do que as catástrofes isoladas.

Segundo os pesquisadores, a temperatura e o índice de chuvas são os principais motivadores para as migrações definitivas. Com o avanço dos eventos extremos nas próximas décadas, cada vez mais áreas vão se tornar inabitáveis, e o contingente dos chamados refugiados climáticos deve explodir.

No estudo, publicado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”, os cientistas acompanharam por 15 anos o deslocamento de sete mil famílias da Indonésia. O país, que é o maior arquipélago do mundo, tem uma população de cerca de 250 milhões de pessoas. Aproximadamente 40% dependem da agricultura, e muitos vivem em áreas costeiras. São regiões altamente vulneráveis ao aumento do nível do mar e outros efeitos ligados às mudanças climáticas.

DESERTIFICAÇÃO É OUTRA CAUSA
Com base nos registros, a pesquisa mostrou que o número de refugiados climáticos é maior em locais onde cresceu a temperatura média do país, que é de 25,1 graus Celsius. Segundo o estudo, isso ocorreu porque o aumento dos termômetros compromete o rendimento das culturas agrícolas. As chuvas teriam um papel mais tímido nas migrações definitivas.

Vice-presidente do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Suzana Kahn concorda com os resultados do estudo.

– Uma população pode acreditar que um episódio isolado, como um vulcão, logo vai se resolver – lembra Suzana, que também é professora da Coppe/UFRJ. – Mas as mudanças climáticas vão obrigar que estas pessoas se retirem definitivamente de suas regiões. É um fenômeno já visto nos pequenos países do Pacífico, que já negociam uma migração definitiva para a Nova Zelândia, por causa do aumento do nível do mar.

A desertificação no Norte da África também provoca a migração de milhares de pessoas para o Sul da Europa. Esse deslocamento tem levado ao crescimento de legendas de extrema-direita, hostis à chegada dos refugiados climáticos.

– A migração de grandes populações também tem consequências econômicas – ressalta Suzana. – Na Europa, por exemplo, a resistência aos africanos é grande porque eles aceitam condições de trabalho muito desfavoráveis. No Ártico, o derretimento de geleiras proporciona a escavação de novos poços de petróleo, o que atrairia muitas pessoas e empresas.

(Renato Grandelle / O Globo)
http://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/mudancas-climaticas-de-longo-prazo-provocam-mais-migracoes-do-que-os-desastres-naturais-12988197#ixzz35ZVsrLCU

Maio de 2014 foi o mais quente do mundo desde 1880 (AFP)

JC e-mail 4976, de 24 de junho de 2014

A temperatura média na superfície terrestre e dos oceanos atingiu 15,54 graus Celsius em maio, isto é, 0,74°C a mais que a média de 14,8°C no século XX

O mês de maio de 2014 foi o mais quente no mundo desde que começaram a subir as temperaturas em 1880, anunciou nesta segunda-feira a Agência Americana Oceânica e Atmosférica (NOAA).

A temperatura média na superfície terrestre e dos oceanos atingiu 15,54 graus Celsius em maio, isto é, 0,74°C a mais que a média de 14,8°C no século XX.

Também foi o 39º mês de maio consecutivo e o 351º mês seguido em que a temperatura global do planeta esteve acima da média do século XX, explicou a NOAA.

A última vez em que a temperatura de um mês de maio foi inferior à média do século XX remontava a 1976. O último mês em que a temperatura esteve abaixo da média no século passado foi em fevereiro de 1985.

A maior parte do planeta viveu em maio deste ano temperaturas mais quentes do que a média com picos de calor no leste do Cazaquistão, partes da Indonésia e o noroeste da Austrália, entre outros.

No entanto, partes do nordeste do Atlântico e locais limitados no noroeste e sudoeste do Pacífico, assim como nas águas oceânicas do sul da América, foram mais frias do que a média.

A temperatura de abril de 2014 esteve a par com a de 2010, que tinha sido a mais quente registrada no planeta aquele mês desde 1880, segundo a NOAA.

Segundo prognósticos da NOAA, há 70% de probabilidades de que a corrente quente do Pacífico El Niño volte a aparecer este verão no hemisfério norte e 80% de possibilidades de que surja durante o outono e inverno próximos, o que poderia ter um impacto importante nas temperaturas e nas precipitações em todo o mundo.

(AFP, via portal Terra)
http://noticias.terra.com.br/ciencia/clima/maio-de-2014-foi-o-mais-quente-do-mundo-desde-1880,4a14fb2e8d9c6410VgnCLD200000b1bf46d0RCRD.html