Arquivo da tag: Crise econômica

You’re witnessing the death of neoliberalism – from within (The Guardian)

What does it look like when an ideology dies? As with most things, fiction can be the best guide. In Red Plenty, his magnificent novel-cum-history of the Soviet Union, Francis Spufford charts how the communist dream of building a better, fairer society fell apart.

Even while they censored their citizens’ very thoughts, the communists dreamed big. Spufford’s hero is Leonid Kantorovich, the only Soviet ever to win a Nobel prize for economics. Rattling along on the Moscow metro, he fantasises about what plenty will bring to his impoverished fellow commuters: “The women’s clothes all turning to quilted silk, the military uniforms melting into tailored grey and silver: and faces, faces the length of the car, relaxing, losing the worry lines and the hungry looks and all the assorted toothmarks of necessity.”

But reality makes swift work of such sandcastles. The numbers are increasingly disobedient. The beautiful plans can only be realised through cheating, and the draughtsmen know it better than any dissidents. This is one of Spufford’s crucial insights: that long before any public protests, the insiders led the way in murmuring their disquiet. Whisper by whisper, memo by memo, the regime is steadily undermined from within. Its final toppling lies decades beyond the novel’s close, yet can already be spotted.

When Red Plenty was published in 2010, it was clear the ideology underpinning contemporary capitalism was failing, but not that it was dying. Yet a similar process as that described in the novel appears to be happening now, in our crisis-hit capitalism. And it is the very technocrats in charge of the system who are slowly, reluctantly admitting that it is bust.

You hear it when the Bank of England’s Mark Carney sounds the alarm about “a low-growth, low-inflation, low-interest-rate equilibrium”. Or when the Bank of International Settlements, the central bank’s central bank, warns that “the global economy seems unable to return to sustainable and balanced growth”. And you saw it most clearly last Thursday from the IMF.

What makes the fund’s intervention so remarkable is not what is being said – but who is saying it and just how bluntly. In the IMF’s flagship publication, three of its top economists have written an essay titled “Neoliberalism: Oversold?”.

The very headline delivers a jolt. For so long mainstream economists and policymakers have denied the very existence of such a thing as neoliberalism, dismissing it as an insult invented by gap-toothed malcontents who understand neither economics nor capitalism. Now here comes the IMF, describing how a “neoliberal agenda” has spread across the globe in the past 30 years. What they mean is that more and more states have remade their social and political institutions into pale copies of the market. Two British examples, suggests Will Davies – author of the Limits of Neoliberalism – would be the NHS and universities “where classrooms are being transformed into supermarkets”. In this way, the public sector is replaced by private companies, and democracy is supplanted by mere competition.

The results, the IMF researchers concede, have been terrible. Neoliberalism hasn’t delivered economic growth – it has only made a few people a lot better off. It causes epic crashes that leave behind human wreckage and cost billions to clean up, a finding with which most residents of food bank Britain would agree. And while George Osborne might justify austerity as “fixing the roof while the sun is shining”, the fund team defines it as “curbing the size of the state … another aspect of the neoliberal agenda”. And, they say, its costs “could be large – much larger than the benefit”.

IMF managing director Christine Lagarde with George Osborne.

IMF managing director Christine Lagarde with George Osborne. ‘Since 2008, a big gap has opened up between what the IMF thinks and what it does.’ Photograph: Kimimasa Mayama/EPA

Two things need to be borne in mind here. First, this study comes from the IMF’s research division – not from those staffers who fly into bankrupt countries, haggle over loan terms with cash-strapped governments and administer the fiscal waterboarding. Since 2008, a big gap has opened up between what the IMF thinks and what it does. Second, while the researchers go much further than fund watchers might have believed, they leave in some all-important get-out clauses. The authors even defend privatisation as leading to “more efficient provision of services” and less government spending – to which the only response must be to offer them a train ride across to Hinkley Point C.

Even so, this is a remarkable breach of the neoliberal consensus by the IMF. Inequality and the uselessness of much modern finance: such topics have become regular chew toys for economists and politicians, who prefer to treat them as aberrations from the norm. At last a major institution is going after not only the symptoms but the cause – and it is naming that cause as political. No wonder the study’s lead author says that this research wouldn’t even have been published by the fund five years ago.

From the 1980s the policymaking elite has waved away the notion that they were acting ideologically – merely doing “what works”. But you can only get away with that claim if what you’re doing is actually working. Since the crash, central bankers, politicians and TV correspondents have tried to reassure the public that this wheeze or those billions would do the trick and put the economy right again. They have riffled through every page in the textbook and beyond – bank bailouts, spending cuts, wage freezes, pumping billions into financial markets – and still growth remains anaemic.

And the longer the slump goes on, the more the public tumbles to the fact that not only has growth been feebler, but ordinary workers have enjoyed much less of its benefits. Last year the rich countries’ thinktank, the OECD, made a remarkable concession. It acknowledged that the share of UK economic growth enjoyed by workers is now at its lowest since the second world war. Even more remarkably, it said the same or worse applied to workers across the capitalist west.

Red Plenty ends with Nikita Khrushchev pacing outside his dacha, to where he has been forcibly retired. “Paradise,” he exclaims, “is a place where people want to end up, not a place they run from. What kind of socialism is that? What kind of shit is that, when you have to keep people in chains? What kind of social order? What kind of paradise?”

Economists don’t talk like novelists, more’s the pity, but what you’re witnessing amid all the graphs and technical language is the start of the long death of an ideology.

Anúncios

A bolha global de carbono (Eco21)

06/11/2014 – 12h25

por Ricardo Abramovay*

carbono1 A bolha global de carbonoOs combustíveis fósseis são fortes candidatos a ocupar o epicentro de uma nova crise financeira global. A avaliação do jornalista Ambrose Evans-Pritchard está baseada em uma série de entrevistas com influentes protagonistas do setor de energia e em dois relatórios recentes sobre os impactos das negociações climáticas sobre estes mercados. Tendo em vista que, do trilhão de reais que, segundo o BNDES, devem ser investidos em infraestrutura no Brasil até 2017, quase metade vai para o setor de óleo e gás, o tema é de interesse estratégico para o País.

O primeiro relatório é o da Carbon Track Initiative, um grupo de trabalho dirigido pelo empresário, pesquisador e ativista Jeremy Leggett e que ganhou imenso prestígio internacional mostrando a existência de uma bolha de carbono (carbon bubble) no mercado global de energia. A expressão tem um duplo sentido, físico e financeiro. A bolha física está relacionada, evidentemente, à mudança climática. Para cumprir o objetivo de limitar a elevação da temperatura global média a, no máximo, 2°C, até o final do Século 21, a quantidade de fósseis a ser queimada pelo sistema econômico não pode ultrapassar o que corresponde à emissão de algo entre 900 e 1.000 gigatoneladas de Gases de Efeito Estufa entre 2010 e 2050. Ocorre que o patrimônio fóssil em mãos das empresas (em petróleo, carvão e gás) é quase três vezes superior a esse limite.

É nesse sentido que há uma bolha de carbono: este patrimônio só se converterá em riqueza se destruir o sistema climático. Em tese, seria possível capturar e armazenar o carbono lançado na atmosfera: mas, até hoje, os custos dessas operações são exorbitantes e não há indicações de que estejam prestes a se tornar economicamente viáveis. Portanto, não há terceiro caminho: ou se deixa sob o solo dois terços das reservas fósseis em poder dos gigantes da energia ou a elevação da temperatura global média chegará a um patamar em que consequências como a seca atual na Califórnia e os furacões Katrina e Sandy são apenas pálidas expressões.

É aí que ganha importância a dimensão financeira da bolha de carbono: apesar das evidências crescentes reunidas pelos cientistas e do acordo internacional (aprovado em 2010, em Cancún, México) de manter a elevação da temperatura aquém de 2°C, grandes empresas e seus financiadores continuam enxergando nos fósseis uma extraordinária fonte potencial de ganhos.

A Agência Internacional de Energia mostra que, globalmente, os investimentos em combustíveis fósseis dobraram entre 2000 e 2008, quando se estabilizaram em um patamar de US$ 950 bilhões por ano. Isso representa, segundo recente relatório da organização Ceres, 3,3 vezes mais do que os investimentos em renováveis realizados em 2012. Nos últimos seis anos, os gastos globais na busca de fósseis foram de US$ 5,4 trilhões. Praticamente todo esse investimento é feito em fontes não convencionais: areias betuminosas (sobretudo no Canadá), exploração no Ártico, gás de xisto e busca em águas profundas no Brasil e no Golfo do México. Essas fontes não convencionais exigem um esforço (e, portanto, têm um custo) muito maior que as convencionais. Elas só se viabilizam se o preço global do petróleo superar um patamar em torno de US$ 75 o barril.

Mas, se houver um acordo internacional para impedir a ruptura do sistema climático, a consequência será a queda na demanda e, portanto, nos preços dos fósseis. O crescimento exponencial das energias renováveis (a China dobrou sua geração solar nos primeiros seis meses de 2014, relativamente ao mesmo período do ano anterior) também deve resultar em menor demanda por fósseis. Portanto, o risco financeiro em torno dessa corrida à produção de fósseis é imenso.

O segundo relatório citado por Ambrose Evans-Pritchard e no qual se apoia a hipótese de crise financeira global, vem da consultoria Kepler Cheuvreux. Ele calcula as perdas financeiras dos gigantes da energia, caso um acordo para preservar o sistema climático seja alcançado. Nos próximos 20 anos, o prejuízo seria de US$ 28 trilhões, dos quais US$ 19,3 trilhões no setor de petróleo.

Os segmentos mais suscetíveis são justamente os não convencionais: Ártico, areias betuminosas e águas profundas. De que maneira esses números se relacionam com nosso pré-sal é um tema cuja discussão não pode ficar apenas entre especialistas.

* Ricardo Abramovay é professor Titular do Departamento de Economia da FEA/USP.

** Publicado originalmente no site Eco21.

(Eco21)

Metade da riqueza mundial pertence a 1% da população, diz relatório (Portal do Meio Ambiente)

PUBLICADO 27 OUTUBRO 2014

9586

O 1% mais rico da população detém mais de 48% da riqueza mundial, que cresceu 8,3% de meados do ano passado a meados deste ano.

De acordo com relatório do Credit Suisse sobre o assunto, em 2014 o total da riqueza no mundo bateu um novo recorde, alcançando US$ 263 trilhões.

No documento, o banco diz que o valor já é o dobro do registrado em 2000, “apesar do ambiente econômico desafiador”, marcado pela crise econômica e pela lenta recuperação dos países.

A criação de recursos foi particularmente forte na América do Norte, com um crescimento de 11,4% entre meados de 2013 e meados de 2014, e na Europa, onde a alta foi de 10,6%. Nas duas regiões, o mercado de capitais foi o principal impulsionador.

Nos mercados emergentes, a Ásia –com destaque para a China– foi a principal responsável pelo aumento de riquezas, assim como no ano passado.

“No entanto, achamos que o crescimento das riquezas no mercados emergentes não foi capaz de manter o seu momento pré-crise, entre 2000 e 2008. Isso não deve nos distrair do fato de que a riqueza pessoal na Índia e na China cresceu pelo fator de 3,1 e 4,6 desde 2000.”

DESIGUALDADE

Segundo o relatório, uma pessoa precisa de US$ 3.650 para estar na metade mais rica do mundo. Para ser membro dos 10% mais ricos são necessários US$ 77 mil. Já para fazer parte do 1% mais rico é preciso ter US$ 798 mil.

O mínimo de recursos para pertencer ao 1% mais rico cresceu desde a crise de 2008. Naquele ano, eram necessários US$ 635 mil, contra US$ 798 mil hoje.
Por sua vez, a riqueza média global tem diminuído desde 2010.

“Esses achados indicam um aumento da desigualdade global nos anos recentes. No entanto, nossos resultados sugerem que a tendência inversa ocorreu no período que antecedeu à crise financeira.”

What were they thinking? Study examines federal reserve prior to 2008 financial crisis (Science Daily)

Date: September 15, 2014

Source: Swarthmore College

Summary: A new study illustrates how the Federal Reserve was aware of potential problems in the financial markets prior to 2008, but did not take the threats seriously.


Six years after the start of the Great Recession, a new study from three Swarthmore College professors illustrates how the Federal Reserve was aware of potential problems in the financial markets, but did not take the threats seriously.

Published in the Review of International Political Economy, the study is the result of a collaboration between Swarthmore College economist Stephen Golub, political scientist Ayse Kaya, and sociologist Michael Reay.

The team looked at pre-crisis Federal Reserve documents to come to its conclusion, focusing particularly on the transcripts of meetings of the Federal Open Market Committee. The meeting transcripts indicate that policymakers and staff were aware of troubling developments but remained largely unconcerned.

Drawing on literatures in economics, political science and sociology, the study demonstrates that the Federal Reserve’s intellectual paradigm in the years before the crisis focused on ‘post hoc interventionism’ — the institution’s ability to limit the fallout should a problem arise. Additionally, the study argues that institutional routines and a “silo mentality” contributed to the Federal Reserve’s lack of attention to the serious warning signals in the pre-crisis period.

To speak with Professors Golub, Kaya, or Reay, please contact Mark Anskis (manskis1@swarthmore.edu / 570-274-0471) in the Swarthmore College communications office.


Journal Reference:

  1. Stephen Golub, Ayse Kaya, Michael Reay. What were they thinking? The Federal Reserve in the run-up to the 2008 financial crisis. Review of International Political Economy, 2014; 1 DOI: 10.1080/09692290.2014.932829

Robert Rubin: How ignoring climate change could sink the U.S. economy (Washington Post)

By Robert E. Rubin

July 24

Robert E. Rubin, co-chairman of the Council on Foreign Relations, was treasury secretary from 1995 to 1999.

Good economic decisions require good data. And to get good data, we must account for all relevant variables. But we’re not doing this when it comes to climate change — and that means we’re making decisions based on a flawed picture of future risks. While we can’t define future climate-change risks with precision, they should be included in economic policy, fiscal and business decisions because of their potential magnitude.

The scientific community is all but unanimous in its agreement that climate change is a serious threat. According to Gallup, nearly 60 percent of Americans believe that global warming is caused by human activity. Still, for many people, the effects of climate change seem like a future problem — something that falls by the wayside as we tackle what seem like more immediate crises.

But climate change is a present danger. The buildup of greenhouse gases is cumulative and irreversible; the pollutants we are now emitting will remain in the atmosphere for hundreds of years. So what we do each day will affect us and the planet for centuries. Damage resulting from climate change cuts across almost every aspect of life: public health, extreme weather, the economy and so much else.

What we already know is frightening, but what we don’t know is more frightening still. For example, we know that melting polar ice sheets will cause sea levels to rise, but we don’t know how negative feedback loops will accelerate the process. As polar ice melts, the oceans absorb more heat, which causes more ice to melt. And the polar ice sheets have already started to melt.

When it comes to the economy, much of the debate about climate change — and reducing the greenhouse gas emissions that are fueling it — is framed as a trade-off between environmental protection and economic prosperity. Many people argue that moving away from fossil fuels and reducing carbon emissions will impede economic growth, hurt business and hamper job creation.

But from an economic perspective, that’s precisely the wrong way to look at it. The real question should be: What is the cost of inaction? In my view — and in the view of a growing group of business people, economists, and other financial and market experts — the cost of inaction over the long term is far greater than the cost of action.

I recently participated in a bipartisan effort to measure the economic risks of unchecked climate change in the United States. We commissioned an independent analysis, led by a highly respected group of economists and climate scientists, and our inaugural report, “Risky Business,” was released in June. The report’s conclusions demonstrated the significant harm that climate change is causing now and that will almost certainly be far more severe in the future — to the agricultural, energy and coastal-property sectors, as well as to public health and labor productivity more generally.

By 2050, for example, between $48 billion and $68 billion worth of current property in Louisiana and Florida is likely to be at risk of flooding because it will be below sea level. And that’s just a baseline estimate; there are other scenarios that could be catastrophic.

Then, of course, there is the unpredictable damage from superstorms yet to come. Hurricane Katrina and Hurricane Sandy caused a combined $193 billion in economic losses; the congressional aid packages that followed both storms cost more than $122 billion. We can’t attribute all the damage caused by Katrina and Sandy to global warming, but we know that rising sea levels led to significantly worse surges, and that the frequency and intensity of superstorms are almost certain to increase if global warming persists. It’s highly likely that as climate change continues, the damage will not increase on a straight line. Instead, it will increase on an upward-sloping curve, that could become catastrophically steep, because of negative feedback loops and other factors.

And dramatically rising temperatures in much of the country will make it far too hot for people to work outside during parts of the day for several months each year — reducing employment and economic output, and causing as many as 65,200 additional heat-related deaths every year. That’s almost twice as many deaths as those caused by motor vehicle accidents in 2012.

The U.S. economy faces enormous risks from unmitigated climate change. But the metrics we currently use to measure economic growth, fiscal prospects and business earnings do not incorporate these risks. If we are going to have a well-informed and accurate debate about the economic costs of action vs. inaction, the public and private sectors need metrics that honestly reflect climate-related risk.

First, future federal spending to deal with climate change is likely to be enormous and should be included in fiscal projections, whether in existing estimates or in additional estimates that include climate change. If nothing is done to prevent climate-related crises, the federal government will be forced to deal with them later — from property losses to public health crises to emergency aid. These huge risks are not currently in official future estimates or federal budget plans.

To cover those costs, we will have to increase the deficit; raise taxes; or significantly cut spending on defense, our social safety net, and public investment including infrastructure, education and basic research. Which means that, whatever your public policy views, whether you care about our national debt and deficits, our tax rates, or government investment in everything from national security to job creation, you should care about the costs of coping with climate-related damage. By forcing policymakers to recognize likely future expenditures — and the trade-offs required to make them — we may increase the political appetite for policy changes now.

Second, investors should demand that companies disclose their exposure to climate risks, including the impact that climate change could have on their businesses and assets, the value of their assets that could be stranded by climate change, and the costs they may someday incur to address their carbon emissions. Former New York mayor Michael Bloomberg, who was a co-chair of the “Risky Business” report, and former Securities and Exchange Commission chairwoman Mary Schapiro are leading an effort to encourage businesses to incorporate such reporting into their quarterly disclosures, but it is still considered optional by the SEC. I believe that such disclosures should be considered material and mandated by the SEC, not just requested by investors. If companies were required to highlight their exposure to climate-related risks, it would change investor behavior, which in turn would prod those companies to change their behavior.

Third, I believe that gross domestic product — the current standard measure of national economic health — is inadequate and misleading, because it fails to account for significant externalities, beginning with climate change. Others might think we should incorporate additional externalities beyond climate impacts, and that’s a good discussion to have. But we should start with a parallel GDP that incorporates the impact of greenhouse gas emissions. Without that, we are using an incomplete measure of economic output to inform policy decisions. Currently, GDP simply reflects the goods and services produced by our economy. However, it does not account for the present and future damage resulting from the emissions involved in producing those goods and services. And bad data leads to bad policy.

We do not face a choice between protecting our environment or protecting our economy. We face a choice between protecting our economy by protecting our environment — or allowing environmental havoc to create economic havoc. And a major step toward changing the debate is to change the way we measure the health of our economy, our fiscal conditions, and the health of individual companies and businesses to better reflect the world as it will be.

80 percent of U.S. adults face near-poverty, unemployment, survey finds (CBS)

People look through boxes of food during a food distribution by the Food Bank of the Southern Tier Mobile Food Pantry on June 20, 2012 in Oswego, New York. The mobile food pantry program was introduced in 2007 in the Southern Tier of New York and covers nearly 4,000 predominately rural miles. The converted beverage truck delivers fresh produce, dairy products and other grocery items to individuals and families in need. The pantry typically distributes for a period of two hours and provides 100 to 160 families with food. According to the 2010 Census, 15.72% the population serviced by the mobile pantry live at or below the federal poverty level. According to statistics presented at a recent U.S. Senate committee hearing, almost one in seven Americans are living below the poverty line with a significant number of them being children.  SPENCER PLATT/GETTY IMAGES

Four out of 5 U.S. adults struggle with joblessness, near-poverty or reliance on welfare for at least parts of their lives, a sign of deteriorating economic security and an elusive American dream.

Survey data exclusive to The Associated Press points to an increasingly globalized U.S. economy, the widening gap between rich and poor, and the loss of good-paying manufacturing jobs as reasons for the trend.

The findings come as President Barack Obama tries to renew his administration’s emphasis on the economy, saying in recent speeches that his highest priority is to “rebuild ladders of opportunity” and reverse income inequality.

As nonwhites approach a numerical majority in the U.S., one question is how public programs to lift the disadvantaged should be best focused — on the affirmative action that historically has tried to eliminate the racial barriers seen as the major impediment to economic equality, or simply on improving socioeconomic status for all, regardless of race.

Hardship is particularly growing among whites, based on several measures. Pessimism among that racial group about their families’ economic futures has climbed to the highest point since at least 1987. In the most recent AP-GfK poll, 63 percent of whites called the economy “poor.”

“I think it’s going to get worse,” said Irene Salyers, 52, of Buchanan County, Va., a declining coal region in Appalachia. Married and divorced three times, Salyers now helps run a fruit and vegetable stand with her boyfriend but it doesn’t generate much income. They live mostly off government disability checks.

“If you do try to go apply for a job, they’re not hiring people, and they’re not paying that much to even go to work,” she said. Children, she said, have “nothing better to do than to get on drugs.”

While racial and ethnic minorities are more likely to live in poverty, race disparities in the poverty rate have narrowed substantially since the 1970s, census data show. Economic insecurity among whites also is more pervasive than is shown in the government’s poverty data, engulfing more than 76 percent of white adults by the time they turn 60, according to a new economic gauge being published next year by the Oxford University Press.

The gauge defines “economic insecurity” as a year or more of periodic joblessness, reliance on government aid such as food stamps or income below 150 percent of the poverty line. Measured across all races, the risk of economic insecurity rises to 79 percent.

Marriage rates are in decline across all races, and the number of white mother-headed households living in poverty has risen to the level of black ones.

“It’s time that America comes to understand that many of the nation’s biggest disparities, from education and life expectancy to poverty, are increasingly due to economic class position,” said William Julius Wilson, a Harvard professor who specializes in race and poverty. He noted that despite continuing economic difficulties, minorities have more optimism about the future after Obama’s election, while struggling whites do not.

“There is the real possibility that white alienation will increase if steps are not taken to highlight and address inequality on a broad front,” Wilson said.

___

Nationwide, the count of America’s poor remains stuck at a record number: 46.2 million, or 15 percent of the population, due in part to lingering high unemployment following the recession. While poverty rates for blacks and Hispanics are nearly three times higher, by absolute numbers the predominant face of the poor is white.

More than 19 million whites fall below the poverty line of $23,021 for a family of four, accounting for more than 41 percent of the nation’s destitute, nearly double the number of poor blacks.

Sometimes termed “the invisible poor” by demographers, lower-income whites generally are dispersed in suburbs as well as small rural towns, where more than 60 percent of the poor are white. Concentrated in Appalachia in the East, they are numerous in the industrial Midwest and spread across America’s heartland, from Missouri, Arkansas and Oklahoma up through the Great Plains.

Buchanan County, in southwest Virginia, is among the nation’s most destitute based on median income, with poverty hovering at 24 percent. The county is mostly white, as are 99 percent of its poor.

More than 90 percent of Buchanan County’s inhabitants are working-class whites who lack a college degree. Higher education long has been seen there as nonessential to land a job because well-paying mining and related jobs were once in plentiful supply. These days many residents get by on odd jobs and government checks.

Salyers’ daughter, Renee Adams, 28, who grew up in the region, has two children. A jobless single mother, she relies on her live-in boyfriend’s disability checks to get by. Salyers says it was tough raising her own children as it is for her daughter now, and doesn’t even try to speculate what awaits her grandchildren, ages 4 and 5.

Smoking a cigarette in front of the produce stand, Adams later expresses a wish that employers will look past her conviction a few years ago for distributing prescription painkillers, so she can get a job and have money to “buy the kids everything they need.”

“It’s pretty hard,” she said. “Once the bills are paid, we might have $10 to our name.”

poverty, urban decline, generic, america, connecticut

A car drives by a closed factory on May 20, 2013 in Waterbury, Connecticut. Waterbury, once a thriving industrial city with one of the largest brass manufacturing bases in the world, has suffered economically in recent decades as manufacturing jobs have left the area. According to recent census data, 20.6 percent of the city’s residents are living below the poverty level. SPENCER PLATT/GETTY IMAGES

Census figures provide an official measure of poverty, but they’re only a temporary snapshot that doesn’t capture the makeup of those who cycle in and out of poverty at different points in their lives. They may be suburbanites, for example, or the working poor or the laid off.

In 2011 that snapshot showed 12.6 percent of adults in their prime working-age years of 25-60 lived in poverty. But measured in terms of a person’s lifetime risk, a much higher number — 4 in 10 adults — falls into poverty for at least a year of their lives.

The risks of poverty also have been increasing in recent decades, particularly among people ages 35-55, coinciding with widening income inequality. For instance, people ages 35-45 had a 17 percent risk of encountering poverty during the 1969-1989 time period; that risk increased to 23 percent during the 1989-2009 period. For those ages 45-55, the risk of poverty jumped from 11.8 percent to 17.7 percent.

Higher recent rates of unemployment mean the lifetime risk of experiencing economic insecurity now runs even higher: 79 percent, or 4 in 5 adults, by the time they turn 60.

By race, nonwhites still have a higher risk of being economically insecure, at 90 percent. But compared with the official poverty rate, some of the biggest jumps under the newer measure are among whites, with more than 76 percent enduring periods of joblessness, life on welfare or near-poverty.

By 2030, based on the current trend of widening income inequality, close to 85 percent of all working-age adults in the U.S. will experience bouts of economic insecurity.

“Poverty is no longer an issue of ‘them’, it’s an issue of ‘us’,” says Mark Rank, a professor at Washington University in St. Louis who calculated the numbers. “Only when poverty is thought of as a mainstream event, rather than a fringe experience that just affects blacks and Hispanics, can we really begin to build broader support for programs that lift people in need.”

The numbers come from Rank’s analysis being published by the Oxford University Press. They are supplemented with interviews and figures provided to the AP by Tom Hirschl, a professor at Cornell University; John Iceland, a sociology professor at Penn State University; the University of New Hampshire’s Carsey Institute; the Census Bureau; and the Population Reference Bureau.

Among the findings:

–For the first time since 1975, the number of white single-mother households living in poverty with children surpassed or equaled black ones in the past decade, spurred by job losses and faster rates of out-of-wedlock births among whites. White single-mother families in poverty stood at nearly 1.5 million in 2011, comparable to the number for blacks. Hispanic single-mother families in poverty trailed at 1.2 million.

–Since 2000, the poverty rate among working-class whites has grown faster than among working-class nonwhites, rising 3 percentage points to 11 percent as the recession took a bigger toll among lower-wage workers. Still, poverty among working-class nonwhites remains higher, at 23 percent.

–The share of children living in high-poverty neighborhoods — those with poverty rates of 30 percent or more — has increased to 1 in 10, putting them at higher risk of teenage pregnancy or dropping out of school. Non-Hispanic whites accounted for 17 percent of the child population in such neighborhoods, compared with 13 percent in 2000, even though the overall proportion of white children in the U.S. has been declining.

The share of black children in high-poverty neighborhoods dropped from 43 percent to 37 percent, while the share of Latino children went from 38 percent to 39 percent.

–Race disparities in health and education have narrowed generally since the 1960s. While residential segregation remains high, a typical black person now lives in a nonmajority black neighborhood for the first time. Previous studies have shown that wealth is a greater predictor of standardized test scores than race; the test-score gap between rich and low-income students is now nearly double the gap between blacks and whites.

___

Going back to the 1980s, never have whites been so pessimistic about their futures, according to the General Social Survey, a biannual survey conducted by NORC at the University of Chicago. Just 45 percent say their family will have a good chance of improving their economic position based on the way things are in America.

The divide is especially evident among those whites who self-identify as working class. Forty-nine percent say they think their children will do better than them, compared with 67 percent of nonwhites who consider themselves working class, even though the economic plight of minorities tends to be worse.

Although they are a shrinking group, working-class whites — defined as those lacking a college degree — remain the biggest demographic bloc of the working-age population. In 2012, Election Day exit polls conducted for the AP and the television networks showed working-class whites made up 36 percent of the electorate, even with a notable drop in white voter turnout.

Last November, Obama won the votes of just 36 percent of those noncollege whites, the worst performance of any Democratic nominee among that group since Republican Ronald Reagan’s 1984 landslide victory over Walter Mondale.

Some Democratic analysts have urged renewed efforts to bring working-class whites into the political fold, calling them a potential “decisive swing voter group” if minority and youth turnout level off in future elections. “In 2016 GOP messaging will be far more focused on expressing concern for ‘the middle class’ and ‘average Americans,'” Andrew Levison and Ruy Teixeira wrote recently in The New Republic.

“They don’t trust big government, but it doesn’t mean they want no government,” says Republican pollster Ed Goeas, who agrees that working-class whites will remain an important electoral group. His research found that many of them would support anti-poverty programs if focused broadly on job training and infrastructure investment. This past week, Obama pledged anew to help manufacturers bring jobs back to America and to create jobs in the energy sectors of wind, solar and natural gas.

“They feel that politicians are giving attention to other people and not them,” Goeas said.

A Return to a World Marx Would Have Known (New York Times)

Doug Henwood is editor of Left Business Observer, host of a weekly radio show originating on KPFA, Berkeley, and is author of several books, including “Wall Street: How It Works and For Whom” and “After the New Economy.”

UPDATED MARCH 30, 2014, 7:02 PM

I don’t see how you can understand our current unhappy economic state without some sort of Marx-inspired analysis.

Here we are, almost five years into an officially designated recovery from the worst downturn in 80 years, and average household incomes are more than 8 percent below where they were when the Great Recession began, and employment still 650,000 short of its pre-recession high.

For years, excessive consumer borrowing muted the effects of stagnant wages. But low demand is stifling the economy, with no end in sight.

Though elites are prospering, for millions of Americans, it’s as if the recession never ended.

How can this all be explained? The best way to start is by going back to the 1970s. Corporate profitability — which, as every Marxist schoolchild knows, is the motor of the system — had fallen sharply off its mid-1960s highs. Stock and bond markets were performing miserably. Inflation seemed to be rising without limit. After three decades of seemingly endless prosperity, workers had developed a terrible attitude problem, slacking off and, quaintly, even going out on strike. It’s no accident that Johnny Paycheck scored a No. 1 country hit with “Take This Job and Shove It” in 1977 — utterly impossible to imagine today.

This is where Marx begins to come in. At the root of these problems was a breakdown in class relations: workers no longer feared the boss. A crackdown was in order.

And it came, hard. In October 1979, the Federal Reserve began driving interest rates toward 20 percent, to kill inflation and restrict borrowing, creating the deepest recession since the 1930s. (It was a record we only broke in 2008/2009). A little over a year later, Ronald Reagan came into office, fired the striking air-traffic controllers, setting the stage for decades of union busting to follow. Five years after Johnny Paycheck’s hit, workers were desperate to hold and/or get jobs. No more attitude problem.

The “cure” worked for about 30 years. Corporate profits skyrocketed and financial markets thrived. The underlying mechanism, as Marx would explain it, is simple: workers produce more in value than they are paid, and the difference is the root of profit. If worker productivity rises while pay remains stagnant or declines, profits increase. This is precisely what has happened over the last 30 years. According to the Bureau of Labor Statistics, productivity rose 93 percent between 1980 and 2013, while pay rose 38 percent (all inflation-adjusted).

The 1 percent got ever-richer and more powerful. But there was a problem: a system dependent on high levels of mass consumption has a hard time coping with the stagnation or decline in mass incomes.The development of a mass consumer market after Marx died, with the eager participation of a growing middle class, caused a lot of people to say his analysis was obsolete. But now, with the hollowing out of the middle class and the erosion of mass purchasing power, the whole 20th century model of mass consumption is starting to look obsolete.

Borrowing sustained the mass consumption model for a few decades. Non-rich households borrowed to buy cars, buy food, pay medical bills, buy ever-more-expensive houses, and so on. Conveniently, rich households had plenty of spare cash to lend them.

That model broke apart in 2008 and has not — and cannot — be revived. Without the juice provided by spirited borrowing, demand remains constricted and growth rates, low. (See also: Europe.)

Raising the incomes of the bottom 90 percent of the population through higher wages and public spending initiatives — stifled since Reagan starting putting the squeeze on them — could change that. But the stockholding class has resisted that, and they have a lot of political power.

And an extraordinarily lopsided economy is the result. We didn’t expect that the 21st century would bring about a return of the 19th century’s vast disparities, but it’s looking like that’s just what’s happened.

O mundo é para poucos (Carta Capital)

11/2/2014 – 12h57

por Luiz Antonio Cintra, da Carta Capital

criancas1 O mundo é para poucos

Foto: Reprodução/Internet

Em alta desde os anos 70, a concentração da riqueza bate recordes, para a alegria de 1% da população global

Divulgada na abertura do encontro anual da elite econômica global em Davos, na Suíça, a pesquisa “Trabalhando para Poucos”, da ONG inglesa Oxfam, bem poderia se chamar “Vejam o Que os Senhores Conseguiram”. Ganhou manchetes mundo afora ao apontar para a hiperconcentração de riqueza em andamento na quase totalidade dos países ocidentais. Sete em cada dez indivíduos vivem em países onde a desigualdade avançou nas últimas três décadas, informa a Oxfam.

Segundo o estudo, a crise financeira detonada em setembro de 2008 veio a calhar para os mais ricos. O 1% do topo da pirâmide, anota a pesquisa, detém hoje metade da riqueza gerada no planeta. O financista norte-americano Warren Buffett é um exemplo da turma ganhadora: acumulava patrimônio de 40 bilhões de dólares antes da quebra do Lehman Brothers, e nada atualmente em uma piscina recheada de 59 bilhões de moedas. O quarto mais rico do planeta, segundo a lista da Forbes, Buffett é um dos 85 afortunados que, aponta a Oxfam, possuem patrimônio equivalente ao da metade mais pobre da população mundial, ou 3,5 bilhões de cidadãos. “Alguma desigualdade econômica é essencial para conduzir o crescimento e o progresso”, escrevem os responsáveis pela pesquisa. “Os níveis extremos de concentração da riqueza atuais, entretanto, ameaçam excluir centenas de milhões de obter os ganhos de seus talentos e trabalho duro.”

Não é outra coisa o que tem acontecido desde o crash, com maior intensidade nos dois polos mais afetados pela crise, os EUA e a Zona do Euro (exceto a Alemanha). O quadro retratado espelha as opções feitas para enfrentar a crise, desenhadas de acordo com os interesses dos bilionários, constata a ONG. A saída escolhida foi salvar bancos e companhias consideradas “grandes demais para quebrar”, ao mesmo tempo que os gastos públicos eram cortados indiscriminadamente.

O resultado foi uma onda avassaladora de desemprego e a falência de empresas cuja quebra, para as autoridades, teria o efeito positivo de ampliar a eficiência da economia como um todo. Nesse sentido, as políticas adotadas deram certo. O levantamento mais recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) contabiliza 202 milhões de desempregados no mundo, 5 milhões a mais do que no fim de 2012. Mantida a tendência, algo bastante provável, serão 215 milhões sem empregos no fim de 2017, estima Guy Rider, diretor da OIT.

O estudo da Oxfam enumera algumas das causas da concentração crescente. Há décadas a falta de limites minou a representação popular nos Parlamentos. E o lobby das maiores corporações aos poucos tirou do caminho regras e leis forjadas para garantir (ou ampliar, conforme o caso) a concorrência nas economias. Estima-se que os bancos norte-americanos gastaram 1 bilhão de dólares em lobby nos últimos anos para enfraquecer e adiar a legislação em discussão para tornar o sistema financeiro menos arriscado.

A corrupção, a perversidade de sistemas tributários como o brasileiro, que taxa proporcionalmente mais quem tem menos, os subsídios, a redução dos gastos em saúde e educação públicas, a perda de espaço dos sindicatos de trabalhadores e uma rede internacional de paraísos fiscais (em que, estima a ONG, cerca de 18 trilhões de dólares são escondidos para não pagar impostos) também explicam o processo em andamento.

O marco zero dessa tendência, contudo, não tem nada de novo. Especialistas o situam no período que vai do fim da década de 1970 ao início dos anos 80, sob os auspícios da onda neoliberal e da desregulação dos mercados, particularmente o financeiro, sob a batuta ideológica da dupla Ronald Reagan e Margaret Thatcher.

A resultante constatada agora não é um efeito colateral inesperado. Ao contrário. A cartilha Reagan-Thatcher recomendava deliberadamente o corte dos impostos dos mais ricos, em paralelo à redução dos direitos sociais e salários dos mais pobres, com o argumento de que o primeiro movimento garantiria fôlego para o consumo, enquanto o segundo ampliaria a competividade da economia ao reduzir o custo do trabalho. Uma parcela considerável das palavras de ordem pró-desregulação foi tecida, por sinal, justamente no Fórum Econômico de Davos, que nesta edição, diante da escala da tragédia social nos países ricos, procura convencer a opinião pública de que, no fundo, estão preocupados com a distância crescente entre ricos e pobres. Ao custo de 40 mil dólares por participante, vale notar.

Na ponta do lápis, o quadro evoluiu nos EUA conforme o esperado pelos formuladores de tais políticas: a renda dos 10% mais pobres avançou, desde meados dos anos 1980, apenas 0,1% ao ano. Já aquela dos mais ricos cresceu, pela mesma métrica, 1,5%. No Reino Unido, o mesmo movimento: a renda avançou, em média, 0,9% na base da pirâmide e 2,5% entre os 10% do topo. Estudo da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, realizado em 2011, apontou os EUA, o Reino Unido e Israel como “pioneiros” da regressão social entre os mais ricos. A partir dos anos 2000, anota a pesquisa, a tendência incluiu as nações tradicionalmente menos desiguais, caso da Alemanha, Dinamarca, Suécia e outros países nórdicos.

A partir do crash de 2008, a concentração da riqueza ganhou força, resultado da opção de salvar os grandes bancos e corporações. No estudo da Oxfam, o caso norte-americano é mais uma vez destaque: 95% do ganho de renda registrado a partir de 2009 no país foi para o 1% mais rico. E, quanto mais no topo, maiores os ganhos proporcionalmente. Em 2012, por exemplo, enquanto o 1% mais rico ficou com 22% da renda do país, o 0,1% mais afortunado abocanhou 11% do bolo. Um norte-americano do sexo masculino e graduado recebe atualmente, em média, 40% do que recebia quatro décadas atrás.

No artigo “A desigualdade é uma opção”, publicado em outubro de 2013, o Nobel de Economia Joseph Stiglitz, professor da Universidade Columbia, comenta a hiperconcentração em curso. De 1988 a 2008, anota o economista, a renda do 1% mais rico do planeta cresceu cerca de 60%. No mesmo período, a dos 5% mais pobres manteve-se estagnada. “Os ganhos de renda têm sido maiores entre aqueles da elite mundial – executivos financeiros e corporativos dos países ricos – e as amplas ‘classes médias emergentes’ de China, Índia, Indonésia e Brasil. Quem perdeu? Africanos, alguns latino-americanos e cidadãos do Leste Europeu pós-comunista e da antiga União Soviética.”

Apesar de bem-vinda, a discussão em torno da desigualdade em Davos está longe de ser sinal de uma nova postura – e seria loucura supor que haverá ali uma guinada ideológica. Em 2005, o tema ocupou o topo das preocupações dos milionários reunidos na Suíça, àquela altura em companhia dos debates sobre o terrorismo. Em 1994, o tema também foi abordado, quando Klaus Schwab, presidente do fórum, definiu o encontro como uma oportunidade para “um gigantesco brainstorm para líderes empresariais, políticos, científicos e culturais, para analisar todos os pressupostos básicos da humanidade”.

Então, os ouvintes saíram de Davos, embarcaram em seus jatos particulares e foram cultivar suas fortunas.

* Publicado originalmente no site Carta Capital.

The 1% Should Be Afraid: The New Norm in the Workplace Is Unstable (Truthout)

Tuesday, 11 February 2014 10:16

By Laura FlandersTruthout | Interview and Video

(Photo<a href="http://www.shutterstock.com/pic-141695929/stock-photo-businessman-pulling-empty-pocket-out-of-pants.html?src=CpjJzVJBmUOWc1T_GhEcmg-1-7" target="_blank"> via Shutterstock</a>)(Photo via Shutterstock)

A new study from Oxfam published just ahead of this year’s World Economic Forum meeting in Davos, reported that just one percent of the world’s population controls nearly half of the planet’s wealth and 70 percent of the world’s people live in countries where income inequality has been growing in the last 30 years. In the US, the gap between rich and poor has grown faster than in any other developed country. The top one percent has captured 95 percent of all growth since the putative “recovery” of 2009. This is the “new normal.” Is it sustainable?

Barbara Garson is the author of a series of books describing American working lives at historically important turning points. If this is one of those turning points, it’s one in which the one percent have won:

“That the so-called recovery that everyone is bragging about is this,” Garson told GRITtv in a recent interview. “We’ve recovered, we’ve taken your full-time job away and given you a part-time job, and we’ve given the difference to our stockholders.”

The trouble is, this cockeyed situation is not stable, and even the capitalists, maybe especially the capitalists, should be worried.

“There are capitalist solutions, like redistribution, but they’re not doing it. That may be why we have a socialist solution this time,” she concludes. “If seventeen percent of the houses are vacant, we’ll just move into them.”

Garson’s new book is Down the Up Escalator: How the 99% LiveYou can watch our conversation at GRITtv.org.

Laura Flanders: So, Barbara, would you call this one of those historically important turning points?

Barbara Garson: Yes, well, we’ve been moving down. Well, that is to say, the wealth gap has been growing since about the seventies in this country, and in the world, too. We’re kind of the leaders in that and brought that model around the world. But the ruling class doesn’t seem to care anymore. They used to be Keynesian; they used to say, uh-oh! wait a minute. If we have fifty percent of the wealth, they can’t buy back what’s produced, we’d better rebalance it and keep going for a while. They seem to have forgotten that.

In a way we’re in a dangerous situation. [The elite] seem to be taking the same attitude on the economy that they’re taking on the environment.

But look at the statistics that they’re looking at. At Davos, people would have heard about growth and GDP going up, about productivity going up, about the stock market having the best record in years. So by their indices, nothing is wrong.

Even they know that a lot of that is in [loaned] money. A lot of their growth is in the same type of derivatives that they were investing in before. They are lending money to people who cannot pay back. They know (I think some of them know), that when you come out of he recession with even greater inequality than when you went into it, they know that they have to keep making the same kind of loans that they made before. Namely, lending money to people to buy houses they cannot afford. Lending money to students to go to college, and the students will never earn enough to pay the money back. That’s dangerous in the long run.

And you think they know this at some level?

I don’t know what each individual knows, but they all used to be the Keynesians. I used to be the socialist, and say, but it isn’t nice. I know you can keep going that way with reoccurring crises, but it isn’t nice. Now I’m the one that’s reminding them that it’s also impossible unless they do the usual Keynesian redistribution, which they used to do every few decades. Now they are just taking more, and more and more.

Let’s talk about the people you followed in your book, Down the Up Escalator, and why you decided to follow these folks in the first place. In your last book, you were following a dollar bill around the world. This time you decided to follow a group of people. Let’s start with the “Pink Slip Club.”

Well, when the recession hit, the publisher wanted a quickie on the recession. So I started interviewing people who lost their jobs, but I gave him a little more than he wanted, which is to say what I discovered is that these people have been going down economically for a long time. They had nothing to fall back on.

[The Pink Slip Club] was a group of friends who met in their church. They were people who earned about fifty thousand dollars a year as a graphics artist, as an insurnace adjuster, those kind of jobs. They lived in Manhattan and they could just make it on their fifty thousand dollars. They thought it would be over very quickly.

They thought the recession would be over quickly.

Yes, they thought the recession would be over quickly and they would find new jobs. They had all found jobs when they first started working – they found jobs quickly [but this time] it just dragged on and on and on.

What finally happened is that two are now working, two aren’t. But this is characteristic of what’s going on since the seventies: The person who had a full-time job as a graphics person in a textbook company now works catch-as-catch-can for those same kinds of companies. In fact, he works through a contractor, so he has no benefits; he’s making a little less an hour; he has no benefits; he has no guarantee of any work; he works when he can. I said to him, did you ever get a job from your old company … And he said no, somebody who still works there in the management told him that they’re sending the work abroad now. They’re not doing it through contractors in New York City. He will never have that kind of job again, nor will new people coming into that industry.

So you’ve got long-term unemployed, then you have people whose jobs have completely transformed.

Some people thought that the downturn that they personally suffered was temporary. I met a woman who had been the top salesperson for a very fancy Fifth Avenue clothing store – the kind that when you go in, you spend thousands of dollars at a time, and she would dress certain women every year. She was their highest grossing saleswoman. Very often, she had a commission. During the recession, they started laying people off. They started giving them shorter hours and then their commission disappeared. She thought it would come back afterwards and then she noticed that they were actually hiring new people during this recession and the new people were coming on with no commissions, and they were young people making $11 an hour. Her position was reduced to that, too. The store did have somewhat of a downturn, but all the time it was planning on what it was going to do afterwards.

I talked to a stockbroker who said, “Oh, I am very glad to hear about that company, because a lot of good developments like that come on during a recession.” That company did lose business, but I mentioned to you the person before who worked for a textbook company? Their business went up continuously, and they also used the recession as an opportunity to make all their permanent people temporary – and that is the new norm.

Let’s talk about the numbers. The numbers I just read from the Oxfam report, do you think this is the new normal in terms of gap between rich and poor?

Unless we do something about it, yes, that’s the direction it’s moving in.

As people talk about “recovery” – we hear a lot about returning to normal. Based on your research, what does the “new normal” in the workplace look like?

We’re coming back, in that there are some more jobs, [but for corporations] a victory has been had during that recession. Those jobs are the jobs I just mentioned: the saleslady who now gets no more commissions. In fact, the company has hired more people, only giving them fewer hours. Those jobs are like the graphic designer that I just mentioned, only now he’s working through contractors and getting a part-time job, and much less pay.

[It all adds up to] more and more money [for the employer]. Those companies are making the same profit; they may be doing a little less business, but they’re making the same profit or a little more. Profit went up about twenty-five percent for American corporations from the beginning of the recession, to its official end in 2009. It’s very unusual during a recession. When we talk about profit, we talk about money that went to the investor.

We heard that ninety percent of all the gains since 2009 have gone directly to that top one percent.

The top one percent not of salary earners, but of investors. That’s money that they have to reinvest.

So [tell me again] why should they be concerned?

If productivity is up, and by the way, it went up ninety-nine percent between 1971 and the beginning of the recession in 2007 and salaries went up just four percent – that means people can’t buy back what they produce. These companies say, okay I have a good idea: Instead of paying you to buy back what you produce, I’ll lend you the money. And they lent us money to buy cars; they lent us money to buy houses that we couldn’t afford.

The other point you raise in this book as in 2009, in the years running up to 2009, so too, today, there’s still an enormous pile of money that that elite one percent doesn’t know what to do with.

Right, when we’re talking about profits increasing by twenty-five percent by the end of the recession, that means that you and I are not worried about money being such a big problem, but if profits that great are going to investors, they put it in brokerage accounts or banks and a bank cannot keep its money in the bank; a bank has to do something with it. If people can’t buy products, then they have to start investing – not in companies that are making more [stuff] – they have to start investing in the derivatives of derivatives.

They are putting money back into the stock market, but the companies aren’t actually producing more. You put money in the stock market, the stock goes up …

You ask the question, why are they doing the same thing again? They have to do something with the profits. If inequality meant, I make thirty thousand dollars a year, you make a million dollars a year, that’s not very nice. You spend a million on a yacht; I take care of your yacht. I sweep it up and I’m still worrying about my children getting into college; that’s not nice, but unfortunately, it’s stable. Capitalism could run this way, but that’s not the million dollars we’re talking about, spending millions of dollars because you earn more than me. When we say, they got more, unequally, their share went up. Their share is of money they made in interest, money they made in investments and they just put that back into brokerage funds, back into banks, and those banks and brokerage funds have to do something with it. They’re doing the same [with] derivatives that they did before.

A man who kind of invented the math for derivatives, Ed Thorp, [someone] asked him after the crash, do you think that the stock market is still safe? He said, well, if we could move the money to Mars that would be better, but we can’t move it to Mars, so we have to put it back into the stock market even though it’s a Ponzi scheme.

So let’s talk about us. You, like Studs Terkel forty years ago, went and interviewed people and came away with a portrait that wasn’t just about numbers, but was really about a reality of life that many of us in the media are kind of numb to, or maybe we’re just not aware of … There’s actually less joy in your book than there was in Studs’ and Studs’ time was hard then. What is it doing to people to be in the situation they’re in?

What’s increasing is their insecurity, and the sense that they should be doing better. People who graduate from college and think that [the problem is] them. “Why am I – graduating from college – only earning $35,000? I was an intern last year. I have all of these bills from college, and my mother thinks I’m stupid; why did I do it this way?” And maybe I’m living back at home. It’s going to take awhile before the parents realize that oh my goodness, the child made the best decision she could. She invested in herself, or she bought a house that was a fixer-upper and it’s just the dollars and cents don’t add up. You’re not being paid enough, and you’re indebted. …We’re doing a bad job of helping them realize that it’s not just them, that this is thenew norm. That the so-called recovery that everyone is bragging about is this: We’ve recovered; we’ve taken your full-time job away and given you a part-time job – and we’ve given the difference to our stockholders. We’ve recovered; let’s breathe a sigh of relief.

What about the people?

What do you think it feels like? It will feel better, I hope, I think. I hope it will feel a little better when you say hey, they did it to us; this is universal; this is not just me, I didn’t choose a stupid school to go to, and a stupid major. I didn’t choose a stupid job. I didn’t fall behind on technology and that’s why I’m a part-timer …

It’s not like we’re too poor to have houses. As a matter of fact, there is a huge vacancy crisis. We don’t have to chop down trees to house everybody. Seventeen percent of housing is vacant right now. There is a place for all of us to move into if we just redistribute our ability to pay for it.

I’m a socialist. I’m frightened because I don’t see our capitalists saying, oops you better have a temporary redistribution. They learned to do that in the ’30s. In fact, they even learned to do that in the 1870s. I don’t see them doing it. We should all be frightened just as we are all frightened about the environment. There are capitalist solutions – redistribution – but they’re not doing it. That may be why we have a socialist solution this time. If 17% of the houses are vacant, we’ll just move into them.

Down the Up Escalator: How the 99% Live: I recommend it. Great stories, great read. Barbara Garson, thank you.

In conjunction with this conversation, GRITtv interviewed six New Yorkers about their work lives: “Juggling Jobs, Fighting Fear.” With work or looking for work, they all had one thing in common, they’re working too damn hard. If you’re working too damn hard – GRITtv wants to hear about it! Post your video, audio, or text at our Facebook page. We’re not ok with the “new normal.”

Copyright, Truthout. May not be reprinted without permission.

David Simon at the Festival of Dangerous Ideas (Moyers and Co.)

By Bill Moyers and Co.

January 30, 2014

David Simon, journalist and creator of the TV series The Wire and Treme, spoke about the divide between the rich and poor in America at the Festival of Dangerous Ideas in Sydney last November.

Simon began his speech by saying: “I come from a country that is now utterly schizophrenic when it comes to its society, its economy, its politics. There are definitely two Americas. I live in one, on one block in Baltimore that is part of the viable America, the America that is connected to its own economy, where there is a plausible future for the people born into it.” He then went on to take questions from the audience.

Academia’s indentured servants (Al Jazeera)

Outspoken academics are rare: most tenured faculty have stayed silent about the adjunct crisis, notes Kendzior.

Last Modified: 11 Apr 2013 11:19

Sarah Kendzior

“To work outside of academia, even temporarily, signals you are not “serious” or “dedicated” to scholarship,” writes author [AP]

On April 8, 2013, the New York Times reported that 76 percent of American university faculty are adjunct professors – an all-time high. Unlike tenured faculty, whose annual salaries can top $160,000, adjunct professors make an average of $2,700 per course and receive no health care or other benefits.

Most adjuncts teach at multiple universities while still not making enough to stay above the poverty line. Some are on welfare or homeless. Others depend on charity drives held by their peers. Adjuncts are generally not allowed to have offices or participate in faculty meetings. When they ask for a living wage or benefits, they can be fired. Their contingent status allows them no recourse.

No one forces a scholar to work as an adjunct. So why do some of America’s brightest PhDs – many of whom are authors of books and articles on labour, power, or injustice – accept such terrible conditions?

“Path dependence and sunk costs must be powerful forces,” speculates political scientist Steve Saidemen in a post titled “The Adjunct Mystery”. In other words, job candidates have invested so much time and money into their professional training that they cannot fathom abandoning their goal – even if this means living, as Saidemen says, like “second-class citizens”. (He later downgraded this to “third-class citizens”.)

With roughly 40 percent of academic positions eliminated since the 2008 crash, most adjuncts will not find a tenure-track job. Their path dependence and sunk costs will likely lead to greater path dependence and sunk costs – and the costs of the academic job market are prohibitive. Many job candidates must shell out thousands of dollars for a chance to interview at their discipline’s annual meeting, usually held in one of the most expensive cities in the world. In some fields, candidates must pay to even see the job listings.

Given the need for personal wealth as a means to entry, one would assume that adjuncts would be even more outraged about their plight. After all, their paltry salaries and lack of departmental funding make their job hunt a far greater sacrifice than for those with means. But this is not the case. While efforts at labour organisation are emerging, the adjunct rate continues to soar – from 68 percent in 2008, the year of the economic crash, to 76 percent just five years later.

Contingency has become permanent, a rite of passage to nowhere.

A two-fold crisis

The adjunct plight is indicative of a two-fold crisis in education and in the American economy. On one hand, we have the degradation of education in general and higher education in particular. It is no surprise that when 76 percent of professors are viewed as so disposable and indistinguishable that they are listed in course catalogues as “Professor Staff”, administrators view computers which grade essays as a viable replacement. Those who promote inhumane treatment tend to not favour the human.

On the other hand, we have a pervasive self-degradation among low-earning academics – a sweeping sense of shame that strikes adjunct workers before adjunct workers can strike. In a tirade for Slate subtitled “Getting a literature PhD will turn you into an emotional trainwreck, not a professor”, Rebecca Schuman writes:

“By the time you finish – if you even do – your academic self will be the culmination of your entire self, and thus you will believe, incomprehensibly, that not having a tenure-track job makes you worthless. You will believe this so strongly that when you do not land a job, it will destroy you.”

Self-degradation sustains the adjunct economy, and we see echoes of it in journalism, policy and other fields in which unpaid or underpaid labour is increasingly the norm. It is easy to make people work for less than they are worth when they are conditioned to feel worthless.

Thomas A Benton wrote in 2004, before tackling the title question, “Is Graduate School a Cult?”:

“Although I am currently a tenure-track professor of English, I realise that nothing but luck distinguishes me from thousands of other highly-qualified PhD’s in the humanities who will never have full-time academic jobs and, as a result, are symbolically dead to the academy.”

Benton’s answer is yes, and he offers a list of behaviour controls used by cults – “no critical questions about leader, doctrine, or policy seen as legitimate”, “access to non-cult sources of information minimised or discouraged” – that mirror the practices of graduate school. The author lived as he wrote: it was later revealed that “Thomas A Benton” was a pseudonym used by academic William Pannapacker when he wrote for the Chronicle of Higher Education – a publication said to employ more pseudonyms than any other American newspaper. The life of the mind is born of fear.

Some may wonder why adjuncts do not get a well-paying non-academic job while they search for a tenure-track position. The answer lies in the cult-like practices Pannapacker describes. To work outside of academia, even temporarily, signals you are not “serious” or “dedicated” to scholarship. It does not matter if you are simply too poor to stay: in academia, perseverance is redefined as the ability to suffer silently or to survive on family wealth. As a result, scholars adjunct in order to retain an institutional affiliation, while the institution offers them no respect in return.

Dispensable automatons

Is academia a cult? That is debatable, but it is certainly a caste system. Outspoken academics like Pannapacker are rare: most tenured faculty have stayed silent about the adjunct crisis. “It is difficult to get a man to understand something when his job depends on not understanding it,” wrote Upton Sinclair, the American author famous for his essays on labour exploitation. Somewhere in America, a tenured professor may be teaching his work, as a nearby adjunct holds office hours out of her car.

“It is easy to make people work for less than they are worth when they are conditioned to feel worthless.”

On Twitter, I wondered why so many professors who study injustice ignore the plight of their peers. “They don’t consider us their peers,” the adjuncts wrote back. Academia likes to think of itself as a meritocracy – which it is not – and those who have tenured jobs like to think they deserved them. They probably do – but with hundreds of applications per available position, an awful lot of deserving candidates have defaulted to the adjunct track.

The plight of the adjunct shows how personal success is not an excuse to excuse systemic failure. Success is meaningless when the system that sustained it – the higher education system – is no longer sustainable. When it falls, everyone falls. Success is not a pathway out of social responsibility.

Last week, a corporation proudly announced that it had created a digital textbook that monitors whether students had done the reading. This followed the announcement of the software that grades essays, which followed months of hype over MOOCs – massive online open courses – replacing classroom interaction. Professors who can gauge student engagement through class discussion are unneeded. Professors who can offer thoughtful feedback on student writing are unneeded. Professors who interact with students, who care about students, are unneeded.

We should not be surprised that it has come to this when 76 percent of faculty are treated as dispensable automatons. The contempt for adjuncts reflects a general contempt for learning. The promotion of information has replaced the pursuit of knowledge. But it is not enough to have information – we need insight and understanding, and above all, we need people who can communicate it to others.

People who have the ability to do this are not dispensable. They should not see themselves this way, and they should not be treated this way. Fight for what you are worth, adjuncts. Success is solidarity.

Sarah Kendzior is a writer and analyst who studies digital media and politics. She has a PhD in anthropology from Washington University.

Bem-vindos ao mundo dos adultos. Ou não? (Canal Ibase)

http://www.canalibase.org.br/bem-vindos-ao-mundo-dos-adultos-ou-nao/

11/03/2013

Renzo Taddei
Colunista do Canal Ibase

O texto abaixo é uma reflexão sobre o que significa hoje, em face às crises globais –  política, econômica e ambiental -, atravessar a fronteira que separa o mundo dos jovens do dos adultos. Foi escrito por ocasião de minha indicação a paraninfo da turma de formandos do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e lido em cerimônia de colação de grau, no dia 2 de março de 2013. O texto, no entanto, fala não apenas aos graduandos da referida turma, mas a todos os jovens que se acham de alguma forma interpelados pelas exigências do mundo adulto, interpelação esta que se dá na forma de pressão para que tais jovens se conformem e se adequem às estruturas e formas de organização social existentes. Por essa razão, decidi reproduzi-lo nesta coluna. O texto foi mantido tal qual foi apresentado.

 

Foto: adam.declercq/Flickr

Inicialmente não posso deixar de agradecer a minha indicação a paraninfo da turma, coisa que verdadeiramente me emocionou. Essa é a primeira vez que isso me acontece. E como seria de se esperar de um paraninfo de primeira viagem, fui pesquisar do que se trata. A rigor, o paraninfo é um padrinho ligado à identidade profissional dos formandos, alguém de quem se espera que diga algo no rito de passagem da formatura que seja ao mesmo tempo uma última aula – mas não exatamente, porque nesse momento vocês não são mais estudantes -, e que seja também o primeiro conselho profissional – mas não exatamente, porque nesse momento vocês ainda não estão formados. Vocês estão, nesse exato instante, em processo de transformação. Entraram nesse auditório como estudantes, e vão sair como bacharéis. Por isso a colação de grau é um rito de passagem: vocês saem diferentes do que entram, alguma coisa se transforma no processo. Nesse meu discurso, quero falar um pouco sobre isso que muda, que se transforma. E como isso se transforma, em que direção, pra onde vai.

Alguns de vocês certamente devem estar se perguntado se eu não vou simplesmente congratular os formandos e dizer que o Brasil precisa deles, que se esforcem para fazer desse um país melhor, que agora eles tem uma responsabilidade para com a sociedade, etc.– o discurso padrão, pré-formatado, disponível na Internet. Pois é, não vou. Isso seria perder o tempo de vocês e o meu. Se vocês me elegeram paraninfo – eu, que não sou jornalista, publicitário, editor, produtor, diretor, apresentador ou locutor; eu, que nem sequer sou professor das habilitações profissionais da Escola de Comunicação, mas ao invés disso sou um humilde professor de disciplina do ciclo básico, antropologia -, alguma razão deve haver. Nem que ela seja apenas certo gosto por viver perigosamente (dado que quem teve aula comigo sabe que eu tenho certa tendência a ser provocador e subversivo).

De qualquer forma, não posso evitar certo ponto de vista antropológico. Então, gostaria inicialmente de dizer que vocês são privilegiados. Já foram mais longe do que o Bill Gates e o Steve Jobs – ambos abandonaram os estudos universitários, e, portanto, não viveram esse rito de passagem que vocês vivem aqui hoje. Mas obviamente não é disso que quero falar. De certa forma, se há uma equivalência ou continuidade entre esse rito de passagem, a graduação universitária, e os ritos de passagem vividos por outras coletividades e grupos sociais, essa equivalência existe nos rituais nos quais um indivíduo passa a desempenhar, de forma integral, papéis de adulto. Esses são tradicionalmente chamados ritos de puberdade. “Mas a puberdade já passou faz tempo!”, vocês me dirão. Pois é aí mesmo onde reside o privilégio: entre deixar de ser criança e passar à condição de adulto, de forma integral, nossa civilização criou a adolescência, esse período que não acaba nunca, e onde tudo é mal definido, esquisito, tudo está de alguma forma fora do lugar, sem que se saiba exatamente o porquê. Em geral, a adolescência não existe nas culturas não ocidentais, e não existia no mundo ocidental até por volta da década de 1880. Na visão de muitos povos não ocidentais, o que nós ocidentais fazemos é infantilizar os indivíduos por quase uma década, e depois exigimos maturidade, como se ela surgisse num passe de mágica. Mas sabemos que as coisas entre nós não se dão exatamente dessa forma.

Ou seja, se vocês fossem índios – isto é, se não forem; quem sabe alguém aqui seja – já teriam passado pelo ritual que faz de alguém um adulto há muito tempo. Como vocês podem ver, não há qualquer relação entre ser adulto, no sentido que estou usando aqui, e uma determinada idade cronológica. Em algumas sociedades pode-se ganhar o status de adulto aos 7 anos; em outras,  como no mundo acadêmico em que eu vivo, por exemplo, a cidadania integral só se consegue com a obtenção do título de doutor, e a vida adulta raramente começa antes dos 30 anos. Tomemos então o conceito de adulto como equivalente a estar integrado de forma plena à ordem social vigente, às instituições centrais do meio social em que o indivíduo vive.

Voltando ao rito de passagem, um rito que funcione como tal não é apenas uma formalidade. Ele opera uma certa mágica, algo que efetivamente transforma quem por ele passa. A famosa frase “eu vos declaro marido e mulher”, ou a temida “eu declaro o réu culpado”, tem o poder de operar uma transformação real na identidade do sujeito; transformação que não ocorreria sem a existência do rito. Infelizmente, grande parte dos nossos ritos se burocratizou. O que os exemplos antropológicos mostram é que os ritos de passagem mais eficazes são aqueles em que o simbolismo associado à transformação da identidade é vivido materialmente, através de objetos capazes de grande mobilização emocional – como a hóstia, as alianças, o anel de formatura, o diploma, os trajes especiais -, e mais ainda quando essa materialidade é vivida no corpo – como as distintas formas de circuncisão, as escarificações (a produção de cicatrizes), tatuagens específicas, o corte dos cabelos, os estados de transe e outras práticas que envolvem alguma forma de dor. Numa conhecida prática que é parte do ritual de puberdade dos índios Maués e de outras tribos amazônicas, por exemplo, os jovens são levados a inserir uma das mãos em uma luva cheia de formigas tucandeiras, e devem suportar, por 15 minutos, a dor das ferroadas. Em nossa sociedade há muitos rituais que deixam marcas no corpo e que envolvem sofrimento: sem mencionar o “pede pra sair” do Capitão Nascimento, outro exemplo talvez igualmente chocante – pra quem não é da nossa tribo, obviamente – é o fato de que muita gente acha que antes de aparecer nas fotos de celebrações como essa, é preciso deformar o corpo de alguma forma: suando muito nas academias, submetendo-se a dietas alimentares agressivas, e até a cirurgias plásticas. Perto disso tudo, a monografia de graduação parece moleza.

Mas qual a necessidade disso tudo? Por que a transição à vida adulta não ocorre de forma gradual, sem que um ritual marque o momento, produzindo uma singularidade no transcorrer da vida que desordena e reordena as coisas? Num texto publicado há alguns anos no Brasil, Levi-Strauss narra e analisa um fato ocorrido na cidade de Dijon, França, no ano de 1951, que pode nos ajudar a entender essa questão. Mais precisamente no dia 24 de dezembro daquele ano, padres promoveram o enforcamento da figura do Papai Noel, que posteriormente foi queimado, em frente à catedral da cidade. A acusação: paganizar o Natal. No dia seguinte, o velhinho foi ressuscitado pela prefeitura da cidade, e apareceu no topo do prédio do governo municipal, falando às crianças, como fazia tradicionalmente. Essa sequência de eventos naturalmente gerou um intenso debate, que se espalhou por toda a França. Na opinião de Levi-Strauss, no entanto, mais importante do que discutir se se deve dar cabo ou não do Papai Noel, ou porque as crianças gostam tanto dele, é tentar entender por que é que os adultos o criaram, em primeiro lugar. Afinal, o Papai Noel não é invenção das crianças; estas são levadas a acreditar nele, por influência direta dos adultos. A resposta é bastante óbvia: o Papai Noel é um instrumento através do qual os adultos exercem controle sobre as crianças. “Só ganha presente quem se comportar bem, deitar-se quando mandado, comer tudo”. Levi-Strauss segue adiante para mostrar que os dados antropológicos são abundantes em relação ao fato de que os adultos temem as crianças, ou os não-ainda-plenamente-adultos.

E por que é que os adultos temem as crianças e os jovens, os não-ainda-plenamente-adultos? Porque esses têm o poder de bagunçar a vida adulta, desorganizar a ordem estabelecida, são subversivos por natureza – e, em muitas tradições, inclusive a nossa, isso literalmente é entendido como uma questão de natureza, em oposição à sociedade: as crianças são parte do mundo da natureza, mundo esse que é ao mesmo tempo uma ameaça ao mundo social, essencialmente dos adultos (e, frequentemente, dos homens), e precisa ser conquistado por este. Esse medo resulta na criação de personagens como o Papai Noel e o bicho papão, apenas para mencionar dois exemplos mais familiares; resulta também na necessidade de submeter os ainda-não-adultos a ritos de passagem psicologicamente intensos, de modo a construir, através do rito, um novo adulto, desnaturalizado e socializado.

E aqui estamos chegando ao que interessa. O que eu acabo de dizer é que todo ritual tem um duplo efeito: por um lado, transforma a identidade de quem passa por ele, de modo que o indivíduo interiorize os valores da sociedade e localize-se, de forma produtiva, nela; por outro, o ritual promove a ratificação dos poderes instituídos, o reforço das estruturas de poder, do status quo. Nesse mesmo ritual que vivemos aqui, no momento em que cada um de vocês ganha a credencial de bacharel, renova-se a sacralidade da universidade enquanto poder instituído legitimamente, com autoridade para traçar a linha dos que têm e dos que não têm acesso aos privilégios trazidos por tal credencial. Renova-se também a sacralidade da autoridade dos professores – vejam só como estamos em posições espaciais diferentes aqui hoje, vocês mais embaixo, os professores mais acima, vocês aqui para receber algo, os professores para dar algo. O mesmo ocorre num tribunal, em uma cerimônia de casamento ou em um batismo: ao mesmo tempo em que alguém é condenado ou absolvido, ou casado, ou batizado, é reforçado o poder do Estado ou da instituição religiosa.

Até aqui, tudo certo: não é difícil encontrar livro de introdução à antropologia que diga, ou pelo menos dê a entender, que as sociedades sempre se organizaram dessa forma, de modo que esse é um fato da realidade. O problema é que, na minha visão, isso existe em contradição com a ideia, tão repetida em discursos de paraninfo mundo afora, de que os formandos devem contribuir na construção de um mundo melhor. Trata-se de um problema de incompatibilidade entre forma e conteúdo: falar em mudanças, ou seja, na construção de um mundo melhor, num ritual que promove a reprodução das coisas como elas são, que coopta mentes e corações jovens e os coloca no centro das estruturas sociais que criaram e mantém em funcionamento o mundo que se pretende mudar. Talvez, se vivêssemos em um mundo com problemas menores, precisando de pequenas reformas aqui e ali, mas no qual o estado geral da vida fosse o de plenitude e alegria, esse fosse o caso.

Mas não há nada mais radicalmente oposto à realidade na qual nos encontramos. O mundo não precisa de pequenas reformas; os problemas da atualidade são estruturais e profundos. Aproveitando que estamos aqui, no Centro de Tecnologia, coração da engenharia da UFRJ, eu diria que, se perguntarmos a um engenheiro civil o que se deve fazer com um edifício com problemas estruturais profundos, ele diria: é preciso demolir o edifício, e fazer outro, sobre base mais sólida, com estrutura mais adequada. Mas quais são esses problemas, tão sérios, no mundo em que vivemos? Eu certamente não precisaria (nem conseguiria, se quisesse) listar os problemas que temos diante de nós, dado o fato de que vocês talvez estejam entre as pessoas mais bem informadas do planeta. Mas permitam-me citar apenas alguns, de modo a colocar recheio no argumento que estou construindo aqui. O mundo vive, já há cinco anos, uma crise econômica global sem precedentes, crise na qual ficou claro o quanto os Estados nacionais funcionam para manter o mercado mundial em funcionamento, atendendo a interesses das grandes corporações, e em detrimento de suas próprias populações (basta analisar a relação entre governos, bancos e a população, em países como os Estados Unidos, Inglaterra, Itália e Espanha, para se ver isso com clareza; ou a relação entre governos, empreiteiras, mineradoras e a população, no caso do Brasil).

Além disso, o mundo vive há pelo menos trinta anos uma crise ambiental sem precedentes, e continuamos ouvindo dos governos americano e chinês a mensagem de que sua produção econômica no curto prazo é mais importante do que a vida no planeta no futuro. Isso dá certo alívio ao governo brasileiro, que pode apenas entrar no vácuo dos gigantes americano e chinês, sem ter que declarar explicitamente que tem a mesma posição. Ao mesmo tempo, vemos grande parte da Europa trabalhando na transição de suas matrizes energéticas em direção a fontes de energia que não agridem os ecossistemas locais (como a energia solar; detalhe que não estou falando de energias supostamente “limpas”, mas das que não agridem os ecossistemas. As hidrelétricas, por exemplo, não apenas são grandes agressoras dos ecossistemas, como alimentam a perversão política que é o papel das grandes empreiteiras no financiamento das campanhas políticas nesse país); enquanto isso o Brasil trabalha para tornar-se o sexto maior produtor de petróleo do mundo! Nada como ser capaz de mobilizar um time excelente de publicitários para ser capaz de andar na contramão do bom senso e ainda ter apoio popular. E some-se a isso tudo o fato de que no Brasil, os 20% mais ricos detém 60% de toda a riqueza nacional; metade da população economicamente ativa, mais de 50 milhões de pessoas, trabalha de sol a sol para o enriquecimento de duas ou três centenas de famílias.

E eu nem mencionei a política. Alguém acha que as estruturas políticas brasileiras funcionam bem? Ninguém sabe, porque ninguém sabe como elas funcionam!

Enfim, esse é o mundo dos adultos em que vocês são, agora, admitidos de forma integral. Não é de se estranhar que um bocado de gente jovem resista a esse processo, muitas vezes entendido, literalmente, como um processo ilegítimo de cooptação. O mundo dos adultos – ou seja, do status quo, das instituições de poder que nos trouxeram até aqui – está moralmente falido. Construir um mundo melhor, em qualquer sentido que não seja apenas a reprodução de retórica vazia, é tarefa necessária, mas que não vai deixar os adultos felizes. Ou seja, para que os jovens efetivamente construam um mundo melhor, o que se vislumbra não é a paz entre adultos e jovens, paz supostamente produzida pelos ritos de passagem mencionados por mim anteriormente; ao invés disso, o que se pode esperar é a espada, para usar termos bíblicos.

E, vejam só, não estou falando de algo – jovens comprometidos com a criação de um mundo melhor – que não esteja, já, acontecendo: a única novidade política interessante, na última década, é a novidade produzida por movimentos jovens, em reação à falência moral e material do mundo dos adultos: estou me referindo aos muitos movimentos de ocupação, como o Occupy Wall Street, que se multiplicou e se espalhou pelo mundo todo; às manifestações juvenis contra os partidos do status quo no México (o PAN e o PRI), além do movimento zapatista no estado de Chiapas; ao movimento Idle no More no Canadá, que, como o movimento zapatista, uniu a juventude às lideranças indígenas locais; ao 15-M, na Espanha; à participação dos jovens nos eventos ligados à chamada Primavera Árabe; à importância da Cúpula dos Povos, na Rio+20, onde se articularam ações políticas mais interessantes que a prevista paralisia política dos diplomatas que participaram da reunião oficial. Ainda no Brasil, está claro que podemos, através de movimentos descentralizados, combinando manifestações públicas e petições pela Internet, forçar o governo a ações específicas, como ocorreu no movimento em apoio aos índios Guarani Kaiowá do Mato Grosso do Sul.

Ou seja, a boa novidade é que não é necessário inventar as soluções e ferramentas para um mundo melhor a partir do zero; muitas coisas interessantes já estão em movimento. Basta que vocês sejam conscientes e autônomos para decidir como vão se posicionar no mundo. Achar que as sociedades sempre se organizaram integrando os jovens às estruturas existentes, e que, portanto, não há nada a fazer a esse respeito, é discurso dos que tem interesse em manter os jovens sob controle, ou seja, é discurso de quem efetivamente tem medo dos jovens – porque tem algo a perder com qualquer mudança no status quo.

“Mas esses movimentos que você mencionou não foram capazes de se constituir como alternativa política efetiva!”, dirão alguns. Esse tipo de afirmação revela, por parte de quem a enuncia, a dificuldade em pensar um mundo efetivamente diferente; é como se a única política possível é aquela que toma o poder, e não aquela que transforma o próprio poder em alguma outra coisa. O que é radicalmente interessante nesses movimentos jovens é a recusa que têm em querer tomar as estruturas de poder existentes. O poder, da forma que este se constitui e manifesta no âmago das sociedades ocidentais, é herança do mundo adulto falido, que a juventude não quer. O que os movimentos juvenis querem é construir um outro mundo, um outro poder, um  mundo que, inclusive, não está predefinido, não existe ainda – e tais jovens não tem medo de viver em incerteza e ambiguidade, posto que estas são marcas de todo momento de transição. Isso, aliás, é uma das coisas que gera ansiedade no mundo dos adultos, porque pode desorganizar o processo através do qual Estados e corporações criam riscos, incutem nas pessoas níveis elevados de medo, e apresentam-se, então, como protetores. Como a história não cansa de mostrar, gente sem medo é um atentado à soberania de Estados fundados no medo.

Enfim, o que eu estou propondo aqui não é que todos rejeitem esse ritual, que desistam do título de bacharel, mas, ao invés disso, que vocês tomem controle sobre a mágica do ritual. Que o título de bacharel não seja uma forma de anular a sua capacidade de efetivamente transformar o mundo, mesmo que à revelia do que querem seus pais, professores, patrões, médicos, juízes, o Estado. Ao contrário, que vocês, ao invés de serem vítimas do título de bacharel, ou seja, de terem que se transformar para caber na persona social com direito oficialmente ratificado de usá-lo, tomem para si a missão de definir o que será ser bacharel, em suas vidas, e na sociedade que irão criar.

Ou seja, e para finalizar, o que eu quero propor de forma substantiva aqui são duas coisas, que considero fundamentais para que vocês estejam preparados para participar na criação de um mundo efetivamente, e não apenas retoricamente, melhor. A primeira é: não acreditem em identidades. Ou, pelo menos, não sejam vítimas delas. Nunca se deixem reduzir a uma ou a um número restrito de possibilidade de ser e estar no mundo: vocês nunca serão apenas jornalistas, publicitários, editores, produtores, diretores, apresentadores ou locutores. Vocês sempre serão muito mais do que isso. As identidades têm o potencial de se transformar em uma forma de tirania, de fascismo, mesmo quando isso se manifesta na forma de conflitos psicológicos internos ao indivíduo. Cada um de vocês não é um, são muitos. As possibilidades para o futuro são infinitas; nunca se deixem convencer, com ou sem rito de passagem, do contrário.

O segundo conselho: não vivam com medo. Do Papai Noel e bicho papão em diante, o mundo adulto administra quem pode efetivamente transformar a sociedade usando o medo. O medo é paralisante, algo que não convém quando o objetivo é mudar algo, e muito menos quando se quer mudar algo grande, como o mundo. A obra de construir um mundo melhor passa, necessariamente, pela desarticulação da grande burocracia do medo que nos controla a todos. Nesse sentido, o trabalho de vocês não será fácil, dado que tal burocracia tem na mídia uma de suas principais ferramentas.

Uma decorrência prática destes dois conselhos – não se deixar levar pela ilusão das identidades ou pelo discurso paralisante do medo -, é que vocês devem estar prontos para enfrentar resistência. Ou seja, não é possível querer mudar o mundo e, ainda assim, viver buscando aplausos; quem efetivamente mudou o mundo, no passado, enfrentou desafios homéricos. A boa notícia é que ninguém mais precisa ser um Ulisses ou um Aquiles; ninguém está sozinho, o movimento já está em curso, e, como diz um dos seus principais expoentes, “somos legião”. Basta a cada um escolher como irá participar: como agente, participante efetivo, ou como observador distante, alguém que, mais tarde, será inevitavelmente arrastado pela corrente.

Humanidade deve começar a se preocupar com descoberta de vida alienígena, diz relatório (O Globo)

Fórum Econômico Mundial listou cinco fatores X, problemas sérios e ainda remotos que devem ter impacto na vida na Terra

RENATA CABRAL

Publicado:9/01/13 – 12h09 / Atualizado:9/01/13 – 15h27

RIO – Enquanto o mundo concentra suas preocupações na crise nos países desenvolvidos e no aquecimento global, o Fórum Econômico Mundial alerta para os chamados “fatores X”, que, segundo a organização, já deveriam estar na pauta de discussão de países e organizações internacionais por terem consequências incertas e, por isso, poder de desestabilizar a atual ordem mundial — entre eles, a descoberta de vida alienígena. O abuso da tecnologia para aumentar a produtividade no trabalho e nos estudos também é citado.

Com o ritmo da exploração do espaço nas últimas décadas, diz o documento, é possível considerar que a humanidade pode descobrir vida em outros planetas. A maior preocupação seria sobre os efeitos nos investimentos em ciência e sobre a própria imagem do ser humano. Supondo que seja encontrado um novo lar em potencial para a humanidade ou a existência de vida em nosso sistema solar, a pesquisa científica teria deslocados grandes investimentos para robótica e missões espaciais. Além disso, as implicações filosóficas e psicológicas da descoberta de vida extraterrestre seriam profundas, desafiando crenças das religiões e da filosofia humana. Por meio de educação e campanhas de alerta, o público poderia se preparar melhor para as consequências desse processo, indica o fórum.

O relatório anual sobre os riscos globais, publicado duas semanas antes do encontro anual que ocorrerá em Davos, teve colaboração da revista científica “Nature” considerando cinco fatores X: além da descoberta de vida em outros planetas, o avanço cognitivo do cérebro humano pelo uso de estimulantes, o uso descontrolado de tecnologias para conter as mudanças climáticas, os custos de se viver mais e as próprias mudanças climáticas em curso. De acordo com o relatório, antecipando-se a essas questões, seria mais fácil agir preventivamente e não ser pego de surpresa quando eles emergirem.

Apesar de as ameaças das mudanças climáticas serem conhecidas, o relatório também indaga se já passamos de um ponto dramático de não retorno. Por isso, para além do tema que guiou os debates na última década — se os seres humanos seriam ou não responsáveis por alterar o clima da Terra —, poderíamos ter de caminhar para discussões forçadas sobre como fortalecer a resiliência e a capacidade de adaptação para lidar com um novo ambiente que pode nos levar a um novo e ainda desconhecido equilíbrio.

Segundo o Fórum Econômico Mundial, outra preocupação de hoje sobre problemas ainda remotos deve ser o avanço cognitivo do ser humano. Há o temor de que no futuro as pessoas abusem da tecnologia que permite turbinar a performance no trabalho e nos estudos. O esforço dos cientistas para tratar doenças como Alzheimer ou esquizofrenia leva a crer que num futuro não muito distante pesquisadores vão identificar substâncias que permitam melhorar os estimulantes de hoje, como a Ritalina. Apesar de serem prescritos para pessoas com doenças neurológicas, esses remédios seriam usados no dia a dia como já ocorre hoje.

O avanço poderia também vir de hardwares, diz o relatório. Estudos mostram que a estimulação elétrica pode favorecer a memória. Diante disso, seria ético aceitar que o mundo se dividisse entre os que tiveram oportunidade de ter a parte cognitiva reforçada ou não?, indaga o documento. Haveria, ainda, o risco de esse avanço dar errado. O impacto dessas novas tecnologias é esperado para dentro de 20 ou 50 anos.

A utilização descontrolada de tecnologias de geoengenharia também é vista como um problema pelo Fórum Econômico Mundial. Apesar de ter diferentes aplicações, espera-se usar a tecnologia para controlar as mudanças climáticas. A ideia básica é que poderiam ser jogadas pequenas partículas na estratosfera para bloquear a energia solar e refleti-la de volta ao espaço. Mas os efeitos colaterais poderiam ser custosos demais, diz o documento. Poderia haver alterações significativas em todo o sistema climático, com redução da luz solar, o que alteraria a forma como a energia e a água se movimentam no planeta. Essa opção não é considerada no curto prazo. Muitos estudiosos já chamaram atenção para os riscos dessa tecnologia. Por isso, poderia surgir um espaço para que experimentações sem regulação ocorressem, alerta o relatório.

Os custos de viver mais seriam outro fator X de preocupação, uma vez que os países não têm se preparado para viver com os altos custos que a terceira idade implica e com uma massa de pessoas que sofrerão de doenças como artrite e demências. Isso porque a medicina do século 20 avançou muito nas descobertas relativas às doenças genéticas, decifrando o genoma humano. São esperados ainda mais avanços em doenças do coração e do câncer. O relatório preocupa-se com o impacto na sociedade de uma camada da população que consegue prever, logo evitar, as causas mais comuns de morte hoje, mas com uma deterioração da qualidade de vida. Mais pesquisas seriam necessárias para encontrar soluções para essas condições, hoje consideradas crônicas.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/humanidade-deve-comecar-se-preocupar-com-descoberta-de-vida-alienigena-diz-relatorio-7239466#ixzz2HZQ0ax47 
© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

The Decline of the ‘Great Equalizer’ (The Atlantic)

DEC 19 2012, 9:15 AM – DAVID ROHDE, KRISTINA COOKE, AND HIMANSHU OJHA

Massachusetts, home to America’s best schools and best-educated workforce, has seen income inequality soar. Why? The poor are losing an academic arms race with the rich.

615 student silhouette.jpg

Reuters

“Education then, beyond all other devices of human origin, is a great equalizer of the conditions of men — the balance wheel of the social machinery.”
Horace Mann, pioneering American educator, 1848

“In America, education is still the great equalizer.”
Arne Duncan, U.S. Secretary of Education, 2011

BOSTON – When Puritan settlers established America’s first public school here in 1635, they planted the seed of a national ideal: that education should serve as the country’s “great equalizer.”

Americans came to believe over time that education could ensure that all children of any class had a shot at success. And if any state should be able to make that belief a reality, it was Massachusetts.

The Bay State is home to America’s oldest school, Boston Latin, and its oldest college, Harvard. It was the first state to appoint an education secretary, Horace Mann, who penned the “equalizer” motto in 1848. Today, Massachusetts has the country’s greatest concentration of elite private colleges, and its students place first in nationwide Department of Education rankings.

Yet over the past 20 years, America’s best-educated state also has experienced the country’s second-biggest increase in income inequality, according to a Reuters analysis of U.S. Census data. As the gap between rich and poor widens in the world’s richest nation, America’s best-educated state is among those leading the way.

Between 1989 and 2011, the average income of the state’s top fifth of households jumped 17 percent. The middle fifth’s income dropped 2 percent, and the bottom fifth’s fell 9 percent. Massachusetts now has one of the widest chasms between rich and poor in America: It is the seventh-most unequal of the 50 states, according to a Reuters ranking of income inequality. Two decades ago, it placed 23rd.

If the great equalizer’s ability to equalize America is dwindling, it’s not because education is growing less important in the modern economy. Paradoxically, it’s precisely because schooling is now even more important.

Screen Shot 2012-12-19 at 9.10.22 AM.png

One force behind rising inequality, in both America and other advanced economies, is well-known. The decline of manufacturing and the replacement of clerks and secretaries with software mean there are fewer high-paying jobs for low-skilled workers.

The good jobs that do exist increasingly require higher education: Since the recession started in the U.S. in 2007, the number of jobs needing a college degree has risen by 2.2 million, according to a recent Georgetown University study. The number of jobs for mere high-school graduates fell by 5.8 million.

FALLING BEHIND THE RICHJust to stay even, poorer Americans need to obtain better credentials. But that points to another rich-poor divide in the United States. Educators call it the scholastic “achievement gap.” It has been around forever, but it’s getting wider. Lower-class children are getting better educations than before. But richer kids are outpacing their gains, which in turn is stoking the widening income gap.

Across the country, a Stanford University study found last year, the achievement gap between rich and poor students on standardized tests is 30 to 40 percent wider than it was a quarter-century ago. Because excellent students are more likely to grow rich, the authors argued, income inequality risks becoming more entrenched.

“Now, we’re in a situation where we need to educate everyone at the level of the elite in the past,” said Paul Reville, Massachusetts secretary of education. “We don’t have a system to do that.”

It’s an academic arms race, and it can be seen in the sharply contrasting fortunes of Weston, a booming Boston suburb, and the blue-collar community of Gardner, where a 20-foot-tall chair sits on Elm Street as a monument to the town’s past as a furniture-manufacturing hub.

The percentage of Gardner children bound for four-year colleges has held steady at about half in the past decade, and median incomes have tumbled as furniture makers headed south or overseas. Gardner High School graduate Curtis Dorval dropped out of the University of Massachusetts this year after his father, a Walmart worker, ran short of money. He’s working at a Walmart now, too, and then heading off to the military.

In Weston, hedge-fund managers are tearing down modest homes to build mansions. Per-capita incomes have leaped 161 percent in the past two decades, and the high school is sending 96 percent of its graduates to universities.

Tanner Skenderian, president of the class of 2012, is now at Harvard; in her graduation speech, she told her classmates to “reach for the moon.”

VICIOUS CYCLE

This correlation between educational attainment and financial fortune is clear statewide. In the bottom fifth of Massachusetts households, the average income dropped 9 percent in the past 20 years to $12,000. They fared worse despite a sizable gain in educational attainment: The share of people 25 and older in the group with a bachelor’s degree rose to 18.5 percent from 11 percent.

The same thing happened to the middle fifth. Their average income slipped 2 percent to $63,000. The share of adults with a bachelor’s rose to 43 percent from 29 percent.

But the top fifth saw their average income leap 17 percent, to $217,000, as their education levels soared far higher. Three-quarters had a bachelor’s, up from half. Fully 50 percent had a post-graduate degree, up from a quarter.

GRAPHIC: Degrees of inequity: Bay State households at all levels of income are getting better educations. But only the richest are seeing income rise.

Some Massachusetts officials say they fear a vicious cycle is taking hold, in which income inequality and educational inequality feed off each other. Democrats and Republicans agree that the increased disparity is a threat to economic mobility in the state. But as in much of the rest of the United States, they disagree over what to do about it. Democrats argue the solution is more – and earlier – schooling. Republicans believe traditional public schools are part of the problem.

The education gap is just one factor behind growing inequality. The U.S. economy has been so weak that large numbers of graduates are underemployed: In 2010, according to Andy Sum, director of the Center for Labor Market Studies at Northeastern University in Boston, only 59 percent of Massachusetts adults with a bachelor’s degree were in jobs that actually required one.

Long-term changes in marriage patterns matter, too, because they are stoking the educational-attainment gap that in turn feeds the income chasm.

People are increasingly more likely to marry their educational equal, Sum’s research finds, creating well-paid two-income couples at the top. At the bottom fifth, the number of single-parent families has risen 15 percent since 1990. Those parents have lower incomes and less time to devote to their children’s schooling. In a pattern echoed nationwide, 70 percent of Massachusetts families with children in the bottom fifth are headed by a single parent – compared with 7 percent in the top fifth.

“All the evidence shows that children born to two highly educated, high-income people tend to obtain the highest level of academic achievement,” said Sum. “At the bottom, where the mom is not that well-educated and tends to have lower income, children tend to do worse.”

EDUCATED BUT MEDIOCRE

A brainier workforce alone isn’t sufficient to drive growth, though. Even as education levels in the Bay State have risen lately, faster growth hasn’t followed. Between 2000 and 2010, Sum found, Massachusetts ranked just 37th in job creation. In fact, none of the 10 states with the top students placed in the top 10 on payroll growth.

“The best educated states were overwhelmingly mediocre in job creation,” he wrote in a study last year. He urges states to complement education with such steps as tax credits, infrastructure spending and on-the-job training.

Seventy miles northwest of Boston, Gardner once touted itself as the “chair-making capital of the world.” The factories employed thousands of workers who supported large families on single incomes. The first workplace time-recorder was invented here, too; as a result of its adoption, “punching the clock” became part of the vernacular.

Today, the factories have gone south or closed. Gardner still calls itself the furniture capital of New England but because of its outlet stores, not its factories. The biggest employers are a hospital and a community college. Retail jobs at Walmart and other chains have replaced better-paying factory work. Between 1989 and 2009, the town’s per capita income slipped 19 percent to $18,000.

A town of some 20,000 people, Gardner has roughly twice the population of wealthy Weston, but spends just 60 percent as much on education. The town’s high school has had six principals in the past eight years.

Even kids who excel at Gardner High School increasingly face financial hurdles after they graduate, say teachers and students. Mayor Mark Hawke said cost routinely prices high-achieving students out of elite private colleges. “It happens every day,” he said.

David Dorval, 47, was laid off in 2009 after working at an area hospital registering patients for 16 years. Dorval, who has an associate’s degree, struggled to find work, and he and his wife divorced. Today he takes home $1,000 a month at Walmart in Gardner and pays half of his earnings to his ex-wife in child support. He goes to his 79-year-old mother’s house for lunch each day.

“I don’t feel like I am able to do what my parents were able to do,” he said. “My parents were able to support eight kids.”

PRICED OUT

His son, Curtis Dorval, works at Walmart as well. When he was a senior at Gardner High School, Curtis was class president. He was accepted by Northeastern University, a private school in Boston.

But Northeastern cost $50,000 a year, which Curtis, then 17, felt he couldn’t afford. Instead, he enrolled last year at the state-run University of Massachusetts Amherst, studying mechanical engineering. With the help of a scholarship for graduating in the top quarter of his class, Curtis paid $10,200 a year.

He got some help from his father, who had saved up $10,000 in stocks and bonds from his days in the hospital job. This summer, that money ran out and Curtis left UMass to enlist in the Air Force. He will serve as an airman – and hopes to use military benefits to pay for parttime university classes.

“The main reason was I needed a way to pay for college,” he said.

David Dorval quickly used up his savings for Curtis's education. New England's excellent colleges are America's priciest - some 25 percent above the U.S. average. REUTERS/Brian Snyder

David Dorval quickly used up his savings for Curtis’s education. New England’s excellent colleges are America’s priciest – some 25 percent above the U.S. average. (Brian Snyder/Reuters)

That is the flip side of New England’s excellent universities: They are the most expensive in the country, according to a study by the College Board. A four-year education at a public or private university costs nearly one-fourth more than the national average.

Sticker shock is forcing those who do stay in college to pass up elite private schools for cheaper state ones. That’s also happening in the middle-class town of Leominster, a former plastics-manufacturing center 15 miles east of Gardner.

Among last year’s top students was Eric Marcoux, co-leader of the robotics team and member of the National Honor Society. He was accepted to Worcester Polytechnic Institute, a top private engineering university. WPI offered him a $20,000 annual scholarship – but he and his family still faced taking on roughly $30,000 a year in debt. Marcoux chose the University of Massachusetts Lowell, where he’ll have to borrow only half as much.

“It was a lot of going back and forth,” said Marcoux, whose dream is to work for Google. “It was a hard decision but I think it was the right one.”

Trading down can carry a stiff cost: A Harvard study published this year found that students who go to Massachusetts state colleges are less likely to graduate than those who attend Massachusetts private colleges.

The state has tried to help poorer kids. In the early 1990s, Massachusetts sharply increased state funding of local elementary and secondary schools and mandated comprehensive testing. The overhaul was designed to improve student performance and eradicate the achievement gap.

THE SAT GAP

Twenty years later, Massachusetts spends $4.8 billion a year on its public schools, up 83 percent from 1990. Children from lower income families have improved their scores on tests, but their results still lag, as a look at results from the Scholastic Aptitude Tests makes clear.

In the state’s five wealthiest school districts, students had average scores ranging from 594 to 621 on the 800-point college-admissions test in 2009-2010. In the five poorest districts for which data are available, the SAT scores averaged from 403 to 469.

Reville, the education secretary, wants a redoubled push on childhood education: The 1990s reforms were good but didn’t go far enough. “There is no way for someone who is poorly educated to be self-sufficient,” he said. “It’s in our national interest to do something that we should have done morally anyway.”

What he proposes is sweeping change.

Income depends on educational achievement, and the single best predictor of a child’s likelihood of academic success remains in turn the socio-economic status of his or her mother, said Reville. The solution to erasing the achievement gap involves, in essence, providing low-income students with the advantages their wealthier peers enjoy: pre-school at the age of three, tutors, summer camps, and after-school activities like sports and music lessons. Schools could contract with outside organizations to provide those activities, or lengthen their school day or school year by one-third.

Asked how much such an initiative might cost, Reville responded, “How much would it cost to give every child an upper-middle-class life?”

Such talk makes Massachusetts Republicans blanch. They say they care about income disparities that harm people’s ability to move up the income ladder. Americans are now less likely to move to a higher economic class in their lifetime than Western Europeans or Canadians, according to a number of recent studies.

Republicans argue that the problem is not resources in the public schools: Massachusetts already ranks No. 8 in the amount of money states spend per student, according to the Census Bureau.

CHOICE AND CHARTERS

“What Reville is suggesting is wraparound social services,” said Jim Stergios, executive director of the Pioneer Institute, a conservative think tank in Boston. “We think decentralized decision-making in the schools makes more sense.”

Instead of spending more, Stergios said, give parents greater choice over which schools their children attend. Expand the use of charter schools, financed by the public but managed independently. Make cities strictly follow the course of study set out by the state. Increase the accountability of teachers by linking pay to student test scores.

“We haven’t closed the (achievement) gap because the Massachusetts curriculum isn’t being taught rigorously enough in the urban areas, principals don’t have enough power and independence, and there’s a cap on charter schools,” said Stergios. “That’s why we haven’t seen the great equalizer working as it should.”

Adding to the complexity of addressing the income and educational gaps is a widening geographical divide in the state.

In Massachusetts, some 230,000 people were unemployed in October, Conference Board data show, and roughly 140,000 unfilled jobs were advertised online. Skilled professions, including software engineers and web developers, topped the list. Nearly seven out of 10 vacancies were in the Boston area.

Harvard economist Ed Glaeser calls this the new reality of a knowledge-based global economy. More than ever, innovation, growth and opportunity are clustered in large cities such as Boston. Let decaying factory towns become ghost towns. Instead of building better transportation links, Glaeser believes their inhabitants should be encouraged to move to the closest economic hub.

“In 1940, you wanted to be in an area with resources for your mill,” he said. “In 2012, you want to be in a cluster of smart people.”

CLASS CLUSTERS

Weston, where Glaeser himself lives, is such a cluster. But it isn’t for everyone. Its house prices and real estate taxes put it out of reach for most Massachusetts residents, which points up a conundrum.

As those who can afford to do so head for the clusters, inequality grows. Across the state, communities are becoming more homogenous by income group, said Ben Forman, research director at think tank MassInc.

“There are definitely more Westons now than there were a couple of decades ago,” Forman said. “What the research shows is that more economic segregation leads to high-income children performing better and better and lower-income children falling behind.”

The Boston suburbs where Weston is located are home to the most-educated workforce in the nation’s best-educated state, according to the Boston Federal Reserve.

A Reuters analysis of Census and American Community Survey data found that two-thirds of working-age adults in Weston and surrounding towns had at least a bachelor’s degree in 2010. That’s more than double the national average of 28 percent. Just 23 percent of their peers in Gardner and its neighbors had a bachelor’s or better. As earnings fell in Gardner they soared in Weston. In 1990, Weston residents made 3.5 times more than Gardnerites. By 2009, it was 12 to 1.

On a summer Tuesday afternoon, a man was reading a copy of “Horseback Riding for Dummies” outside Bruegger’s Bagels, the sole fast-food chain that Weston has allowed to open as it tries, with mixed success, to preserve its historic character.

One hedge-fund manager built a 22-room mansion with a basketball court, pool and 10-car garage. Another tore down two homes to build a private equestrian center for his wife and daughter with an indoor riding ring.

WESTON’S ADVANTAGES

Town leaders say they are struggling to keep the town from becoming even wealthier. “We have three selectmen who are trying to find ways to diversify our population with affordable housing,” said Michael Harrity, chairman of the board of selectmen. “It’s difficult when lots are selling for $700,000 for teardowns.”

One area where development is warmly welcome is education. This fall, the town opened a new $13 million science wing for Weston High School that includes nine state-of-the art labs and a multimedia conference center.

Weston High is one of the finest public schools in the country. In 2011, 96 percent of its graduates planned to go on to four-year degree programs. In Gardner, only about half did. Nationally, a 2011 University of Michigan study found that the gap in college-completion rates between rich and poor students has grown by about half since the late 1980s.

Those differentials have a long-term impact. An American with a bachelor’s degree earns on average about $1 million more over a lifetime than one with just some college, according to recent studies.

Another advantage Weston kids have is their involved and demanding parents.

Gardner High has no parent-teacher organization. In Weston, parents raised $300,000 last year for additional after-school activities in the public schools. Top scientists living in Weston help with school science fairs. Parental involvement is so intense that three parents sit on the interview panel for every prospective new teacher. Stay-at-home Weston mothers attend meetings of student-body leaders and help students organize events. They’re known as “Grade Moms”.

‘VERY FORTUNATE’
At Harvard Yard. A study ranked Massachusetts No. 1 in education, No. 37 in job creation. REUTERS/Brian SnyderAt Harvard Yard. A study ranked Massachusetts No. 1 in education, No. 37 in job creation. (Brian Snyder/Reuters)

Liz Hochberger, a recent president of the Weston Parent-Teacher Organization, said the town’s excellent public schools had become a “self-fulfilling prophecy.” Professors from Harvard and the Massachusetts Institute of Technology, along with the wealthy, move to Weston for its public schools, which further improves test scores and college acceptance rates. “Whenever someone is moving to this area and they research the schools,” Hochberger said, “this is always on the list.”

Tanner Skenderian, president of this year’s Weston High graduating class, joked in a speech about her town’s hyper-competitive students. “Welcome to Weston, where third graders take AP Physics, middle-school students sleep for 42 minutes a night, and the most competitive race run by the 2012 boys state champion track team was the race to get the cookies in the cafeteria,” she said.

Competition in high school was fierce. In one advanced placement physics class, she said, six of the 12 students were the children of professors at MIT, America’s premier science university.

But Tanner thrived there. She also found school to be a source of support after her father died while she was in middle school. This fall, she headed to Harvard, after spending the summer interning at the governor’s office. Given the job market, she said she may apply to business or law school after graduating.

Weston, in short, gave her an education that raises her odds of joining her mother – who owns a marketing and event-planning company – at the top of America’s economic ladder.

“We’re very fortunate that we’re rather affluent,” she said. “We have more opportunities, more technology, more classes and more teachers.”

_____

Edited by Michael Williams and Janet Roberts. See more at our Income Inequality homepage.

Wallerstein: a crise estrutural do capitalismo vai continuar (Revista Fórum)

13/11/2012 8:05 pm

(http://www.flickr.com/photos/buridan/)

Para sociólogo, o que ele denomina como sistema-mundo tem problemas de tal magnitude que não será possível sua sobrevivência, mas o que virá depois é algo ainda totalmente incerto

Entrevista a por Lee Su-hoon | Tradução de Hugo Albuquerque e Inês Castilho para o Outras Palavras

Em dois sentidos, pelo menos, o sociólogo norte-americano Immanuel Wallerstein parece disposto a contrariar as ideias que ainda predominam sobre a crise iniciada em 2007. Primeiro, no diagnóstico do fenômeno. Para ele, estamos diante de algo muito mais profundo que uma mera turbulência financeira. Foram abaladas as bases do próprio capitalismo. Ou, para usar um conceito caro a Wallerstein, do “sistema-mundo” que se desenhou a partir do século 16, em algumas partes da Europa, e se tornou globalmente hegemônico desde os anos 1800. Tal sistema teria atingido “o limite de suas possibilidades”, sendo incapaz de sobreviver à crise atual. Se ainda temos dificuldade para compreender o alcance das transformações em curso é porque, presos à inércia, demoramos a aceitar que “há alguns dilemas insolúveis”. “Nada dura para sempre – nem o Universo”, lembra Wallerstein, um tanto irônico.

O segundo ponto de vista não-convencional deste sociólogo – também um pesquisador de enorme repercussão internacional nos terrenos da História e da Geopolítica – diz respeito ao que virá, diante do eventual colapso do atual sistema-mundo. Ele diverge dos que pensam, baseados numa interpretação pouco refinada do marxismo, que podemos permanecer tranquilos – já que o declínio do sistema atual dará necessariamente lugar a uma ordem fraterna e socialista.

Não – diz Wallerstein – o futuro está mais aberto que nunca. O declínio do capitalismo pode abrir espaço, inclusive, a um sistema mais desumano – como sugere a forte presença, em todo o mundo, de correntes de pensamento autoritárias e xenófobas.

Estamos, portanto, condenados à ação, sugere este pensador, em cuja obra destaca-se a tetralogia “O Sistema Mundial Moderno”. Se o sentido do século 21 é imprevisível, isso deve-se ao fato de ele estar sendo construído neste exato momento, “em uma infinidade de nano-ações, desempenhadas por uma infinidade de nano-atores, em múltiplos nano-momentos. Em outras palavras, convoca Wallerstein, não se trata de prever o futuro, mas de construí-lo, inclusive em ações e atitudes quotidianas.

Para transformar, contudo, é preciso conhecer. Talvez por isso, embora aos 83 anos e consagrado por vasta obra teórica, Wallerstein dedica-se, em seu site, a análises quinzenais sobre temas contemporâneos muito concretos. Boa parte do material produzindo nos últimos dois anos traduzida e publicada por “Outras Palavras”. Entrevistado há poucas semanas pelo cientista político coreano Lee Su-hoon, ele avança no exame destes temas, muitas vezes expressando pontos de vista pouco usuais.

Indigado sobre a Europa, onde os cortes de direitos sociais e serviços públicos parecem não têm fim, propõe que se busque alternativas olhando, por exemplo, para a Argentina e Malásia. Estes países saíram da crise porque contrariaram, nas décadas de 1990 e 2000. Agora, pensa Wallerstein, o espaço para fazê-lo é ainda maior – mas é preciso ter coragem política.

O mundo irá tornar-se mais seguro se o Irã for impedido de desenvolver energia atômica? A resposta é “não”, garante este professor da Universidade de Yale: o atual Tratado de Não-Proliferação nuclear (TNP) é absolutamente hipócrita e será cada vez mais ineficaz. Contra o que ele preconiza, prevê Wallerstein, diversos países do Sul desenvolverão armas atômicas nos próximos anos – inclusive o Brasil…

China e Estados Unidos tendem a se converter em potências globais inimigas? Nada demonstra esta hipótese, frisa ele. A despeito da retórica, e da necessidade de satisfazer audiências locais, na prática Washington e Beijing mantêm cada vez mais interesses em comum. A entrevista completa, publicada pelo ótimo jornal sul-coreano Hankioreh, vem a seguir. (Antonio Martins)

Lee Su-hoon: Você disse: “Nos próximos 50 anos o mundo vai mergulhar em uma turbulência econômica séria e, mais tarde, o capitalismo vai enfrentar uma crise tremenda, como a da Grande Depressão”. As pessoas dizem que a crise se deve à ganância de Wall Street e à bolha imobiliária etc. Como você analisa essa crise?

Wallerstein: Faz cinco anos que eu não mudo de opinião. Basicamente, a meu ver, estamos em uma crise estrutural da economia capitalista mundial desde os anos 1970, e ela vai continuar. E não vai ser totalmente resolvida até talvez 2040 ou 2050. É difícil prever a data exata, mas vai levar muito tempo. No momento, o sistema mundial está bifurcado. Tem problemas de tal magnitude que não poderá sobreviver, está tão longe do equilíbrio que não há como voltar atrás. Mas para onde ele vai é totalmente incerto, porque, como disse, essa bifurcação significa que, tecnicamente, há duas formas de resolver uma mesma equação, o que não é normal.

Em linguagem leiga, isso significa simplesmente que o futuro sistema mundial, ou sistemas mundiais (porque não sabemos se haverá um só) que vai ou vão surgir no final desse processo podem ter, no mínimo, duas variedades fundamentais. Assim, não se pode prever qual sistema teremos, porque ele vai ser uma consequência de uma infinidade de nano-ações, desempenhadas por uma infinidade de nano-atores, em múltiplos nano-momentos – e ninguém é capaz de elaborar tanta coisa. Mas vai acontecer. Então, aqui estamos nós, no meio de tudo isso. É caótico, como se diz.

E o que significa dizer “É caótico”? Significa que as flutuações são enormes e, portanto, há incertezas inclusive no prazo muito curto. Isso significa que uma pessoa que preveja qual será a relação entre o iene, o dólar, o euro e a libra dentro de um ano será alguém muito corajoso. Não há como saber. Mas os empresários precisam dessa informação. Eles têm de ter o mínimo de estabilidade, do contrário correm o risco de sofrer perdas enormes. Isso os deixa paralisados, com muito receio de se envolver em qualquer tipo de investimento, uma das coisas que está acontecendo no mundo todo. É por isso que o desemprego explodiu. E é também por isso que os governos estão em tal dificuldade financeira, pois sem essa produção adicional não há receitas fiscais, e sem receitas os governos passaram a sofrer um grande aperto. E então o desemprego aumenta, o que coloca mais pressão sobre o governo. É o que acontece hoje em praticamente todos os países do mundo. Os governos têm menos dinheiro e enfrentam demandas para gastar mais. Isso, naturalmente, é impossível: não se pode ter menos e gastar mais. Então, eles vêm com tudo quanto é tipo de solução. Nenhuma parece funcionar. É onde nos encontramos atualmente.

Lee: E muitos países europeus estão enfrentando uma crise fiscal, uma espécie de moratória, o que os leva a tentar obter ajuda da UE (União Europeia) e do BCE (Banco Central Europeu).

Wallerstein: Os europeus têm um problema básico. Possuem pelo menos nove moedas, e 17 países compartilham o euro. Mas não têm um governo federal. É uma situação muito complicada, pois significa que os governos não podem intervir em sua própria moeda. Uma dos instrumentos que os governos utilizam tradicionalmente para lidar com suas dificuldades é aumentar ou diminuir o valor da moeda. Ao diminuir o valor da moeda pode-se vender mais; aumentando o seu valor, pode-se comprar mais. Os países da zona do euro não têm essa opção, porque nenhum país tem moeda própria. E eles estão enfrentando os mesmos problemas de todos os outros. Ou seja, exigências crescentes, porque o aumento do desemprego gera mais demandas sobre o governo. Ao mesmo tempo, a receita do governo diminui, porque não há empregos.

Sua única opção (da Grécia, Espanha, Portugal ou Irlanda) é obter ajuda, algum tipo de solidariedade. Então eles se deparam com a relutância, por parte dos países mais ricos, em “salvar” os mais pobres. Isso não leva em conta o fato de que o único e maior beneficiário da zona do euro é, de fato, a Alemanha. E é justamente o país que está fazendo o maior estardalhaço sobre não querer ajudar outros países, a menos que façam X, Y ou Z – medidas que, na verdade, só pioram a situação. Essa é a questão da zona do euro. É o problema enfrentado por todo o mundo, acrescido do fato de que esses países não podem manipular individualmente suas próprias moedas. Mas o problema básico não é diferente daquele dos EUA, da Rússia, do Egito ou de qualquer outro lugar onde haja aperto.

Lee: Aqui na Coreia, os especialistas e a mídia apresentam dois argumentos diferentes. A Irlanda, a Grécia e outros gastam muito dinheiro em benefícios sociais – essa é uma linha de argumentação. A outra é o efeito de contágio, por causa da facilidade de migração na zona do euro.

Wallerstein: Vamos lidar com os dois argumentos. O primeiro é “a Grécia está em apuros porque exagerou no bem-estar social”. Isso é exatamente o que o Partido Republicano diz sobre os EUA. É um mesmo argumento para todo o mundo, não um argumento especial para a Grécia. A reação das forças mais conservadoras a essa crise é dizer “corte benefícios”, o que significa “reduzir os gastos do governo”. Mas se você cortar benefícios reduz também o poder de compra das pessoas. Cria assim uma demanda menos eficaz. Por exemplo, uma pessoa que fabrica camisetas, ou algo assim, tem menos clientes. De forma que essa não parece ser a solução. Para mim, só piora o problema. De qualquer forma, a questão é que não é um problema específico da Grécia, da Espanha ou de Portugal. É um problema de todos os países.

Agora, o efeito de contágio. O que acontece é que, como os governos estão sem recursos, precisam de dinheiro emprestado. E para obter esse dinheiro, dependem do mercado. As pessoas emprestam dinheiro com mais facilidade quando veem possibilidades de obter reembolso. Então há, sim, um efeito de contágio na Europa: a Grécia começa a ter problemas, Portugal e Irlanda começam a ter problemas, e Espanha e Itália começam a ter problemas. E agora é a França que está se metendo em encrencas, e depois a Holanda e a própria Alemanha. É o efeito de contágio, em parte criado pelas agências de classificação de risco – que não são neutras –, mas também um problema muito real. O efeito de contágio vai da Europa para os EUA, e da Europa para o resto do mundo. Vai deixando as pessoas paralisadas. Isso significa que, quando veem as coisas indo tão mal, dizem “bem, pode dar errado em outros lugares também, portanto, não vamos emprestar o dinheiro”, ou “vamos exigir taxas de juro mais elevadas”.

Mas se tomamos o dinheiro emprestado a taxas de juros mais altas, sobra ainda menos dinheiro para gastar em outras coisas. Esse é exatamente o problema mundial. Então, novamente, não vejo isso como um problema especialmente europeu. A questão na Europa, no momento, é saber se as forças que dizem ”os países europeus estariam em situação melhor se não houvesse euro” conseguirão aboliro euro e voltar para suas moedas nacionais. Há um certo movimento nessa direção, tanto da direita como de alguns setores de esquerda.

A esquerda europeia não gosta do fato de que Bruxelas, com tanta influência, tenha um viés neoliberal tão forte. Diz-se (em alguns países escandinavos e mesmo na França): “estaríamos melhor se estivéssemos livres do controle de Bruxelas”, em oposição ao ponto de vista ainda dominante – o de que o euro fortalece a posição europeia frente ao resto do mundo e, mais especificamente, frente aos Estados Unidos.

Está acontecendo uma luta política, não há dúvida. Tendo a acreditar que, em geral, deve-se separar a retórica política da realidade e das pressões geopolíticas. A retórica política é em geral uma resposta a uma circunstância política imediata de um país. Se a chanceler Angela Merkel diz certas coisas na Alemanha, não é necessariamente porque ela acredita naquilo, mas porque, na próxima eleição, que pode ser muito em breve, ela julga que com isso ganharia votos. A mesma coisa vale para Obama. Vale também, tenho certeza, para o presidente da Coreia. Os políticos têm de se preocupar com a próxima eleição. Isso não significa que: (a) eles querem realmente dizer o que falam, e (b) o que dizem tem importância. Não acho que importe muito.

Ainda que, numa situação muito volátil, a estupidez possa prevalecer. Em geral, o que acontece é decorrente de pressões geopolíticas. Então, penso que a pressão para manter o euro, os benefícios em termos de geopolítica, são muito maiores do que a pressão para voltar às moedas individuais.

A chanceler Merkel está dizendo às pessoas, em toda a Europa, “deixem-me fazer isso, e então terei cacife político para convencer os políticos e eleitores alemães a me acompanhar”. Penso que a Europa vai concordar com um aumento do federalismo, ainda que não chamem isso de federalismo, porque não gostam dessa palavra. Mas um fortalecimento do poder central e, em consequência, um aumento do fluxo de dinheiro. Nos EUA, um estado como o Mississippi só não vai à falência porque o governo federal pode redirecionar dinheiro para lá. É disso que a Europa precisa. É isso o que querem realmente dizer as pessoas que estão clamando por “solidariedade”.

Se você me pedir que faça previsões, penso que a probabilidade de vermos, em três anos, não apenas um euro, mas um euro fortalecido, é muito maior do que o contrário. E algum tipo de mecanismo que permita enfatizar menos a prosperidade e mais a volta de recursos, ter o dinheiro fluindo novamente, é a única solução de curto prazo para os problemas europeus, assim como para os dos EUA.

Lee: Gostaria de acrescentar algo em sua análise da situação da zona do euro. Você mencionou os países escandinavos, que são mais fortes em termos de benefícios sociais. São os que mais gastam com bem-estar social e os que pagam mais impostos. Mas não estão em crise, embora se argumente que o chamado “populismo do bem-estar” social é inteiramente errado.

Wallerstein: Sim, evidente. Isso pode ser demonstrada de várias maneiras. É claro, existem cinco países nórdicos diferentes, cada um com uma situação um pouco diferente, inclusive aqueles que estão e aqueles que não estão na zona do euro, e os que estão e os que não estão na OTAN. Mas, em geral, você tem toda a razão ao dizer que aqueles cinco países nórdicos ainda são estados de bem-estar fortes, com impostos relativamente altos.

Lee: Sim, na verdade o problema fiscal da Europa é um problema mundial. Quando você olha para países específicos, há diferenças. Em alguns países, a corrupção é mais grave do que em outros.

Wallerstein: Vamos nos deter um pouco na corrupção. Penso que a corrupção é mais grave nos EUA, na Grã-Bretanha, na França e na Alemanha, do que em alguns casos de países muito citados em todo o mundo. Eles são fichinha, perto da corrupção real. Temos escândalos o tempo todo nos EUA, França e Grã-Bretanha. Quando você se depara com esses escândalos, de repente descobre que se trata de trilhões de dólares. Já quando ocorre algo do tipo em Myanmar ou no Iraque, por exemplo, estamos lidando com milhões, nem sequer com bilhões de dólares.

Assim, a corrupção é uma arma deveras etnocêntrica. Os países do Norte tendem a dizer que os do Sul são imorais, porque são corruptos. Mas não dizem que somos imorais porque somos corruptos. A corrupção é geral em nosso sistema. É geral porque, se você tem um sistema em que o principal objetivo é a acumulação de capital, a corrupção é simplesmente um aluguel que as pessoas que estão no lugar certo cobram, da acumulação sem fim do capital. Dizer que “eles não deveriam” é uma posição moral correta, mas retórica, porque eles irão até onde der, já que a opinião pública não gosta de enxergar a corrupção. E talvez uma ou duas pessoas sejam presas por um tempo relativamente pequeno, mas, basicamente, nada mais é feito contra a corrupção. Quando foi a última vez que uma pessoa corrupta dessas foi mandada para uma prisão de verdade, por um período realmente longo e teve de devolver todo o dinheiro que levou? Isso simplesmente não acontece.

Lee: Quando ouvi o discurso de feito por Obama ao se candidatar à reeleição, anotei o que ele apresentou como receitas para salvar os EUA dos tempos difíceis: criar mais postos de trabalho na indústria, reconstruir a classe média, enfatizar a educação, cortar tributos sobre a riqueza, uma nova política energética, a redução das importações e benefícios sociais que incluíssem assistência médica – um tema sempre muito controverso nas eleições norte-americanas. Mas eu me surpreendi ao ouvir as mesmas coisas dos candidatos presidenciais aqui na Coreia do Sul. Claro, a Coreia tem uma situação peculiar: a divisão da península, razão pela qual a questão da paz e a questão nuclear são importantes. Fora isso, os programas e políticas socioeconômicas eram mais ou menos idênticos. Isso me levou a pensar se a Coreia do Sul seria como os EUA socioeconomicamente. Cerca de vinte anos atrás a Coreia do Sul foi saudada como modelo para os países de Terceiro Mundo, uma vez que alcançou o crescimento econômico com relativa igualdade. Mas após as crises de 1997 e 2008 a Coreia do Sul revelou-se muito parecida com os EUA, e então as receitas políticas são quase idênticas nos dois países, penso eu.

Wallerstein: Bem, não discordo. Dentre os países mais ricos do mundo, a Coreia do Sul não está no topo, mas não está muito mal. As opiniões sobre o bem-estar social parecem estar divididas entre os conservadores e as pessoas de esquerda. Mas penso que, na verdade, a divisão pode ser mais ampla. Quando se olha para o papel do governo nos países mais pobres do mundo, ainda há a questão de quanto eles têm de benefícios sociais. Uma das coisas que o neoliberalismo, como um movimento atuante desde os anos 1980, tem prescrito para os países do Sul é: “Vejam, ocês têm todos esses problemas econômicos. Querem emprestar dinheiro de nós? Então reduzam os benefícios sociais, porque isso é dinheiro jogado fora”. A teoria age como uma força conservadora contra o governo local, que está atuando mais à esquerda. É o mesmo tipo de debate.

Você se lembra da chamada ”crise da dívida asiática” de 1997? De repente, uma série de países do Leste e do Sudeste da Ásia se viu encrencado economicamente. Ou seja, o dinheiro desapareceu. Os governos viram-se em apuros. Alguns buscaram ajuda, dizendo: “emprestem-nos dinheiro.” E esses governos contaram que a resposta recebida em geral foi: “emprestar dinheiro para vocês? Sim, desde que façam assim e assado”.

O único país que se recusou a tomar dinheiro emprestado nesses termos foi a Malásia — e ela foi o que se recuperou mais rapidamente, por ter recusado. Ao aceitar as exigências, a Indonésia provocou a queda de Suharto. E eu gostaria de citar este episódio. Trata-se de uma famosa atuação de Henry Kissinger, um político reconhecidamente de direita. Após a queda de Suharto, ele escreveu: ”como vocês (FMI e governo dos EUA) podem ser tão estúpidos? Vocês prescrevem para o governo de Suharto medidas que provocam sua queda e colocam, no seu lugar, um governo à esquerda dele. É mais importante manter Suharto no poder do que negar-lhe dinheiro. Vocês não entenderam suas prioridades. A prioridade é geopolítica, e não econômica”. Ele os repreendeu por fazer o que vinham fazendo há dez ou vinte anos em países menos importantes que a Indonesia.

A Coreia ficou no meio, tendo em vista o modo como respondeu. Teve uma atuação melhor do que a dos países que se entregaram completamente ao FMI, mas não tão boa quanto a da Malásia. Uma das coisas que se aprende com isso, e depois do que aconteceu na Argentina, é que esses países têm mais poder geopolítico do que acreditam ter e são mais capazes de reagir contra agências tipo FMI. Naturalmente, o FMI e o Banco Mundial aprenderam a lição. E começaram a falar em programas contra a pobreza. De repente, sua linguagem mudou, como resultado da crise da dívida asiática, porque se deram conta daquilo que Kissinger estava lhes dizendo: precisam ser mais astutos politicamente; não podem ser estritamente econômicos em suas exigências.

Lee: Na convenção do Partido Democrata norte-americano deste ano, Joseph Biden afirmou, repetidamente, que “os EUA não estão em declínio”, e Obama disse que “os EUA são um país do Pacífico”. Isso pode ser interpretado como um retorno dos EUA à zona asiática do Pacífico, inclusive sugerindo a contenção da China.

Wallerstein: Aqui há duas questões. Uma delas é afirmar que os EUA não estão em declínio. A outra é o que eles estão tentando fazer com essa ênfase na Ásia e no Pacífico.

“Os EUA não estão em declínio” é um mantra nos Estados Unidos. Nenhum político pode dizer que os EUA estão em decadência. Na verdade, todos eles se esforçam para negar essa realidade, porque a população dos EUA não está preparada para aceitar o fato de que os EUA não são mais o “Número 1”, um exemplo admirado no mundo inteiro. Eles não vão dizer isso publicamente. É uma pena porque, a meu ver, uma das coisas importantes é tornar a população dos Estados Unidos mais consciente da realidade geopolítica e do fato de que os EUA são um país muito forte – mas não mais, em nenhum sentido, acima dos demais. Há vários países com avaliação melhor que os EUA em determinadas questões. E a capacidade de os EUA para influenciar a situação em várias partes do mundo diminuiu enormemente. Então, penso que é preciso separar a retórica política da realidade política.

E agora, o que os Estados Unidos estavam fazendo na Ásia? A primeira coisa a notar é que os EUA não têm força econômica e militar suficiente para engajar-se por completo, como costumavam, na Europa e na Ásia. Se eles dizem publicamente “vamos estar fazer isso na Ásia”, querem dizer ao mesmo tempo que não vão fazer isso na Europa. Isso não está sendo ignorado pelos europeus. Está sendo ignorado pela opinião pública dos Estados Unidos. Ou seja: isso, em parte, é admitir o declínio.

Agora, a segunda parte é ”conter” a China. Os comunistas chegaram ao poder em 1948. A China não tem sido politicamente popular nos EUA. A Guerra da Coreia, entre o Norte e o Sul da península, foi também uma guerra entre os EUA e a China. Não a denominamos assim, mas essa é a realidade. E a linha de armistício não é tão diferente da linha anterior à guerra. Considero que houve um empate militar entre a China e os EUA. Nenhum dos lados ganhou. No entanto, a retórica era muito forte nos dois lados, China e EUA denunciando um ao outro de todas as maneiras possíveis, até que Nixon foi à China, guiado por seus instintos geopolíticos e os de Henry Kissinger. A combinação era bastante forte. Ambos eram muito cínicos e muito inteligentes. Naquele momento, a China travava uma grande disputa com a União Soviética. Tinham um terreno comum. Uniram-se contra a União Soviética, é simples assim.

Agora, a Guerra Fria acabou, e a União Soviética não existe mais, e há algo chamado Rússia, que é o mesmo país e ao mesmo tempo um país extremamente diferente. A China ficou mais forte do que era antes – militarmente e economicamente. Mas não se deve exagerar. A China está se afirmando geopoliticamente como líder da Ásia. Mas, trinta anos atrás, ninguém na África ou na América Latina pensava na China. A China simplesmente não fazia parte da cena. Agora, mudou. A China ambiciona ser uma potência, e uma potência mundial precisa interessar-se por todas as partes do mundo, da mesma forma que os EUA e a Grã-Bretanha, que são potências mundiais, estão interessados em todas as partes do mundo. Nesse sentido, a União Soviética era uma potência mundial.

A China e os Estados Unidos têm muitas diferenças sobre questões imediatas, e esfregam isso na cara um do outro, de modo errado, de tempos em tempos. E atualmente há um monte de difamadores da China nos EUA. Os políticos gostam de culpá-la por tudo. Isso irrita os chineses, mas é um jogo. Se você olhar para a realidade das políticas dos Estados Unidos e a realidade das políticas chinesas ao longo dos últimos trinta anos, verá que eles nunca fizeram nada que ultrapassasse os limites um do outro. Têm sido muito cuidadosos em manter boas relações geopolíticas.

Então, não considero tão significativa a nova ênfase dos EUA na Ásia e no Pacífico. Primeiro, vejo isso como um show de retórica, em parte para os EUA e em parte para os outros países da Ásia, porque há que se preocupar com a Coreia do Sul, Japão, Vietnã e Filipinas. Estes países são ambivalentes com relação aos EUA. Eles gostam dos EUA, porque Washington os ajuda em certas coisas. Por outro lado, não querem realmente os EUA. Então, têm relações complicadas. E os EUA sentiram que precisavam reassegurar a esses aliados que não os haviam excluído da cena completamente. Não acho que seja mais do que isso. Penso que, quanto a isso, os dois lados não vão cruzar a linha, a não ser a linha retórica, no máximo.

Agora, a península coreana é de fato uma das questões cruciais nas relações EUA-China, porque temos um país chamado Coreia do Norte e outro chamado Coreia do Sul. Ambos são muito coreanos, e o nacionalismo coreano é muito forte. A pressão geopolítica pela reunificação é enorme. E agora os EUA e a China têm de se preocupar com isso. Se as tropas americanas tiverem que sair, isso significa que a Coreia reunificada possuiria armas nucleares? E se eles tiverem armas nucleares, o que os japoneses diriam sobre isso? E Taiwan? Penso que a pressão para nuclearizar, para acabar com a abstenção de armas nucleares na Coreia do Sul, no Japão e em Taiwan é muito forte. Não acho que os EUA estejam felizes com isso. Nem a China. O que leva à aproximação, não ao distanciamento dos EUA e da China. E ambos estão tentando descobrir, “podemos parar este processo?”

Não posso enxergar o que têm em mente, mas suspeito que isso está no topo da sua lista de preocupações. O fato é que eles antecipam, não que a Coreia do Norte vá se desnuclearizar, mas que a Coreia do Sul, o Japão e Taiwan venham a se nuclearizar. Se você me pedir novamente uma previsão, diria que em dez anos, todos eles estarão nuclearizados. E não acho isso desastroso. O fato de os EUA e a União Soviética terem, ambos, armas nucleares, foi um fator importante para garantir que não haveria guerra entre eles. Foi uma coisa positiva, e não negativa.

Agora, é claro, com armas nucleares existe sempre a possibilidade de desastre. As armas nucleares estão em determinado lugar, sob um comandante militar. Ele pode apertar um botão qualquer e dispará-las. Nossa aposta é que ele, como indivíduo, irá obedecer ao comandante-em-chefe do seu país. Em 999 das vezes, é possível contar com isso. Mas há sempre uma chance em mil de haver um oficial descontrolado. Ademais, é bem verdade que, havendo mais armas nucleares no mundo, as pessoas podem roubá-las. Isso vem sendo discutido com relação ao Paquistão. Continua-se a dizer: ”Você sabe, o Paquistão tem de 70 a 80 armas nucleares e bombas” e “Será que os lugares onde estão armazenadas são realmente bem protegidos?”, “Alguém, afiliados à Al Qaeda ou talvez a outro grupo, poderia atacá-los e roubá-los?”

Assim, não excluo o potencial negativo da nuclearização generalizada. Mas não penso que isso significa que o Irã irá bombardear alguém. Na verdade, os governos usam as armas nucleares como um mecanismo de defesa, e não um mecanismo agressivo. Usam como um modo de se safar de ser bombardeados. Os EUA foram para o Iraque não porque ele tinha armas nucleares, mas porque ele não tinha. Os EUA sabiam que, portanto, Bagdá não poderia responder com uma arma nuclear.

Penso que essa é a lição que o Irã e a Coreia do Norte tiraram imediatamente do que aconteceu no Iraque. Na verdade, do ponto de vista da Coreia do Norte, essa é a única proteção real que eles têm militarmente, no momento. Minha previsão é de que, em dez anos, todos os países da Ásia Oriental terão essas armas. E também muitos outros países, como Brasil e Argentina. Suécia, Egito e Arábia Saudita as terão. Sempre pelas mesmas razões: para evitar de ser bombardeado pelos outros.

Lee: E se todo mundo desistisse das armas nucleares, inclusive aqueles que já as possuem?

Wallerstein: Isso seria o ideal, se você considera possível convencer os EUA ou o Paquistão, Índia, Israel, França e Grã-Bretanha. Mas não há política que possa persuadir esses países a reduzir os armamentos nucleares a zero. Você poderá persuadi-los a reduzir o número de bombas que têm, em certas condições. Mas voltar a zero não seria prático. Pela simples razão de que é difícil verificar se os outros estão de fato reduzidos a zero. Há muitas maneiras de esconder essas coisas. É por isso que eles não vão aceitar.

Mas essa é a razão porque o tratado de não-proliferação nuclear é uma farsa, pois basicamente o que ele diz é que ninguém deve possuir armas nucleares, exceto os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. O resto de vocês, o mundo todo, deve renunciar a qualquer tentativa de ter armas nucleares, e em troca disso nós prometemos duas coisas: (1) vamos reduzir significativamente o nosso estoque, e (2) vamos permitir que você desenvolva a energia nuclear para fins pacíficos.

Desde que o tratado entrou em vigor, não houve uma redução significativa, e agora todo o mundo está falando novamente em renovar e expandir. Os três únicos países que se recusaram a assinar o tratado são a Índia, o Paquistão e Israel. E isso agora está praticamente aceito. Eles desafiam o mundo, desafiam todas as regras, e agora são membros do clube. Os EUA têm boas relações com os três países, e nenhum foi penalizado por ter armas nucleares.

Lee: Então, o que você diz sobre a nossa tentativa de persuadir a Coreia do Norte a desistir das armas nucleares…

Wallerstein: É que é impossível. Se eu estivesse dirigindo a Coreia do Norte, certamente não concordaria.

Lee: Se for esse o caso, acha que o impasse atual entre os EUA e a Coreia do Norte vai continuar? E o que dizer da China?

Wallerstein: Mais uma vez, há a retórica e a realidade. De fato, os diplomatas norte-americanos sabem, todos, que essa proibição é impossível. Mas não sabem o que fazer. Eles certamente não podem dizer, por razões políticas internas, que “não há esperança”. Então imaginam que, colocando pressão sobre a China, estão, por tabela, pressionando a Coreia do Norte. E usam um mecanismo de retardo, não um mecanismo sério. Os militares dos EUA dizem “não vamos enviar tropas ao Irã em hipótese nenhuma”. Por outro lado, os EUA estão comprometidos com Israel e Israel, por sua vez, está dizendo: “Temos que bombardear o Irã”. Então, o que fazem os EUA? Operam com seu mecanismo de retardo. Isso reflete as limitações essenciais do poder dos EUA, o que revela parte de seu declínio. Houve um tempo em que eles não precisavam retardar. Houve um tempo em que podiam tomar decisões fortes sobre outros países. Já não podem. Aqui estamos. Separemos a retórica da realidade geopolítica.

Lee: Isso deixa muitos coreanos progressistas, que são-aliança, pró-negociações, pró-diplomacia, pró-processo de paz, muito pessimistas.

Wallerstein: Por que? Há muitos possíveis acordos entre as Coreias do Norte e do Sul, a começar pelas questões econômicas. Veja, se você está no comando de um regime como o da Coreia do Norte, tem que levar em conta a realidade geopolítica. Por outro lado, quer permanecer no poder. Até agora, eles contaram com um regime de mão pesada, muito repressivo, e o apoio do exército. Podem tentar continuar a reprimir a maioria, os famintos, podem tentar ludibriá-los com a ideologia, tentando fazê-los acreditar que vivem maravilhosamente bem. Mas hoje é cada vez mais difícil fazê-los acreditar nisso. Então é preciso dar-lhes um pouco de bem-estar social – o que significa que deve haver algumas mudanças na política econômica da Coreia do Norte, na linha das que foram feitas pela China e Vietnã. Tanto a China quanto o Vietnã mostraram a eles um modelo, no qual um partido único pode permanecer no poder e ainda assim promover uma abertura econômica. E acho que o novo líder está tentado pela idéia, mas é um caminho difícil. Ele tem as mesmas dificuldades em negociar com o seu público interno que a chanceler Merkel tem, que Obama tem, e certamente todo o mundo precisa se preocupar em manter a retórica satisfatória, internamente. Assim, ele pode ser capaz de ter algo equivalente ao que os chineses fizeram, como as Zonas Econômicas Especiais.

Lee: Se você fosse o presidente da Coreia do Sul, interessado em desenvolver boas relações com a Coreia do Norte, se esforçaria mais para ajudá-la nesse esforço?

Wallerstein: Se eu fosse o presidente da Coreia do Sul é o que eu faria, até onde fosse politicamente possível. Você precisa assegurar um equilíbrio, mantendo o poder político na sua base e as demandas geopolíticas. Mas penso que esse vai ser o caminho a seguir. Sei que a resposta das forças mais conservadoras na Coreia do Sul seria dizer ”bem, nós tentamos uma política de diálogo e não funcionou.” E a resposta é ”sim, não funcionou, em parte porque os tempos eram diferentes, o líder era diferente, com uma atitude diferente. E em segundo lugar porque as coisas foram feitas sem entusiasmo. Talvez a gente tenha que fazer ainda mais.” Esse tipo de debate acontece o tempo todo na política.

Lee: Tocamos em muitas questões hoje. Uma última questão é sobre o capitalismo fundamentalista. Depois da crise de 2008, houve uma volta à abordagem keynesiana do mercado. Pessoalmente, acho que eles não estão certos, mas isso levanta a questão do futuro do capitalismo.

Wallerstein: Algumas reformas vão resolver esse problema. Mas as pessoas estão muito reformistas na sua abordagem dos problemas. É muito difícil para elas aceitar o fato de que há alguns dilemas insolúveis. Quando digo que alguma coisa é insolúvel, elas dizem “oh, nós gostamos do seu argumento até aqui, mas esse ponto nos incomoda.” Os sistemas têm vida. Nenhum sistema dura para sempre. Seja o universo, o maior sistema que possamos conhecer, ou o menor dos nano-sistemas que não podemos ver, nenhum deles vai durar para sempre. Em sua vida, os sistemas se movem gradualmente para mais e mais longe do equilíbrio até atingir um ponto em que já não podem equilibrar-se novamente. E nós somos um sistema. É o chamado sistema mundial moderno. Foi um sistema bem sucedido, mas atingiu o limite das possibilidades. Quando comecei a dizer isso, trinta anos atrás, as pessoas riam. Agora elas não riem, argumentam contra. Já é um progresso. Penso que daqui a vinte anos as pessoas vão estar bem conscientes disso. Pelo menos assim espero, porque é muito difícil empenhar-se em políticas inteligentes para tentar empurrar o mundo para a direção certa, sem que se esteja ciente da realidade.

Suicidas pensam o impensável (FSP)

26/07/2012 – 03h00

Clóvis Rossi

Até na Espanha, campeã

Que a Espanha está se suicidando lentamente não há muitas dúvidas. Desde 2010 pelo menos, os governos adotam pacotes de austeridade, compostos pela receita óbvia: aumento de impostos mais corte de gastos.

O objetivo é saciar o apetite dos mercados, que querem ter certeza de que a Espanha vai pagar a sua dívida, para o que necessita reduzi-la e reduzir igualmente o déficit público, sem o que é obrigada a tomar empréstimos para continuar operando.

Funcionou? Nada. Não funcionou do ponto de vista social (o desemprego, por exemplo, está beirando os 25%, taxa que só alcançam países devastados por guerras ou fenômenos naturais).
Por mim, é o ponto principal, mas admito que sou muito solitário ao pensar desse jeito.

Mas tampouco funcionou no seu propósito de sossegar os mercados: a Espanha está pagando mais de 7% para colocar seus títulos, nível considerado crítico e que, ao ser atingido em Portugal e na Grécia, levou ao naufrágio desses dois países.

Aí, as autoridades descobrem o óbvio, como o fizeram anteontem não só o ministro espanhol de Finanças, Luis de Guindos, como o alemão, Wolfgang Schäuble. Constataram que “as taxas [impostas à Espanha pelos mercados] não representam nem seus fundamentos econômicos nem seu potencial de crescimento nem sua capacidade de pagar suas dívidas públicas”.

O “Financial Times” em seu noticiário sobre a crise reforça essa sensação, ao culpar pelo pânico “falhas dos mercados de títulos, não a economia espanhola ou a política econômica”.

É bom lembar que nem De Guindos nem Schäuble nem o FT são anti-mercado.

Falta, no entanto, que alguém ponha de pé algo que possa superar as “falhas” dos mercados para fazer cessar o pânico.

Enquanto isso não acontece, pensa-se o impensável, como é próprio de situações próximas do suicídio. Pela primeira vez que eu tenha lido, um espanhol ousou mencionar a hipótese de a Espanha deixar o euro e voltar à peseta.

Foi Antonio Estella, catedrático de Direito Administrativo da Universidade Carlos 3.o de Madri, em artigo para “El País”.

Digo impensável porque a integração com a Europa tem sido, há mais de meio século, o pote de ouro da Espanha, responsável em grande medida pela volta da democracia e, com ela, por um surto formidável de desenvolvimento, que mudou radicalmente a face daquele país atrasado, exportador de mão-de-obra, fechado, cinzento.

Talvez o impensável esteja sendo pensado porque a política de suicídio lento trouxe de volta a exportação em massa de espanhóis: só no primeiro semestre, 40.025 pessoas deixaram um país que até a crise importava estrangeiros em massa. Há um ano, havia 5,144 milhões de estrangeiros em uma Espanha de 46,24 milhões de habitantes.

O pior é que o impensável não é uma boa alternativa, como explica Martin Feldstein, professor de Harvard e crítico de toda a vida do euro: “Embora a criação da eurozona tenha sido um erro econômico, permitir que se dissolva agora seria muito custoso para governos, investidores e cidadãos”, escreveu para o FT.

IMF’s Peter Doyle scorns its ‘tainted’ leadership (BBC)

20 July 2012 Last updated at 11:50 GMT

Christine LagardePeter Doyle claims there was a “fundamental illegitimacy” in Christine Lagarde’s appointment

A top economist at the International Monetary Fund has poured scorn on its “tainted” leadership and said he is “ashamed” to have worked there.

Peter Doyle said in a letter to the IMF executive board that he wanted to explain his resignation after 20 years.

He writes of “incompetence”, “failings” and “disastrous” appointments for the IMF’s managing director, stretching back 10 years.

No one from the Washington-based IMF was immediately available for comment.

Mr Doyle, former adviser to the IMF’s European Department, which is running the bailout programs for Greece, Portugal and Ireland, said the Fund’s delay in warning about the urgency of the global financial crisis was a failure of the “first order”.

In the letter, dated 18 June and obtained by the US broadcaster CNN, Mr Doyle said the failings of IMF surveillance of the financial crisis “are, if anything, becoming more deeply entrenched”.

He writes: “This fact is most clear in regard to appointments for managing director which, over the past decade, have all-too-evidently been disastrous.

“Even the current incumbent [Christine Lagarde] is tainted, as neither her gender, integrity, or elan can make up for the fundamental illegitimacy of the selection process.”

Mr Doyle is thought to be echoing here widespread criticism that the head of the IMF is always a European, while the World Bank chief is always a US appointee.

Mr Doyle concludes his letter: “There are good salty people here. But this one is moving on. You might want to take care not to lose the others.”

The IMF could not be reached immediately by the BBC. However, CNN reported that a Fund spokesman told it that there was nothing to substantiate Mr Doyle’s claims and that the IMF had held its own investigations into surveillance of the financial crisis.

Analysis

image of Andrew WalkerAndrew WalkerBBC World Service Economics correspondent

Peter Doyle’s letter is short but the criticism excoriating. Perhaps the bigger of the two main charges is that the IMF failed to warn enough about the problems that led to the global financial crises.

The IMF has had investigations which have, up to a point, made similar criticisms, but not in such inflammatory terms. The IMF did issue some warnings, but the allegation that they were not sustained or timely enough and were actively suppressed raises some very big questions about the IMF’s role.

Then there is the description of the managing director as tainted. It’s not personal. It’s a familiar attack on a process which always selects a European. It’s still striking, though, to hear it from someone so recently on the inside.