Arquivo da tag: Remoções forçadas

Shepherd of the City’s Rebirth, Rio’s Mayor Feels the Strains, Too (New York Times)

FEB. 28, 2014

“Don’t ever in your life do a World Cup and the Olympic Games at the same time,” Mr. Paes recently said. “This will make your life almost impossible.” Credit: Marizilda Cruppe for The New York Times

RIO DE JANEIRO — IN his fits of rage, Eduardo Paes, the mayor of Rio de Janeiro, has thrown a stapler at one aide. He threw an ashtray at another. He berated a councilwoman in her chambers, calling her a tramp. Stunning diners at a crowded Japanese restaurant where he was being taunted by one constituent, a singer in a rock band, he punched the man in the face.

While Mr. Paes, 44, has apologized to the targets of his wrath after each episode, he adds that he is under a lot of stress. Normally clocking 15-hour days as he tears up and rebuilds parts of Rio in the most far-reaching overhaul of the city in decades, Mr. Paes is finding that consensus over his plans is elusive.

“Don’t ever in your life do a World Cup and the Olympic Games at the same time,” Mr. Paes recently said at a debate here on Rio’s transformation, making at a stab at gallows humor over the street protests that have seized the city over the past year. “This will make your life almost impossible.”

Mr. Paes has a point. Political leaders across the country may have thought that landing these mega-events would open the way for widespread celebrations of Brazil’s emergence as a developing-world powerhouse, with Rio dazzling in its resurgence. But as Mr. Paes acknowledges, things have not quite worked out that way.

“I’m not cut out to be a masochist, to be someone shouted down and cursed at,” he said in an interview, referring to the way some of his more vocal critics approach him on Rio’s streets. “But this process reflects democratization, the development of citizens in Brazil,” he added. “I don’t think the protests are over.”

Instead of widespread jubilation, Brazil is confronting embarrassing delays in getting stadiums, airports and transit systems finished before the World Cup even starts in June. Protesters are questioning why funds are being lavished on sporting venues when public schools and hospitals remain underfunded. Evictions here of slum dwellers are fueling resentment over big development projects.

Meanwhile, the explosive Mr. Paes, whose political fortunes were rising before the street protests, finds himself at the center of increasingly fierce disputes over what kind of city Rio is turning into.

“I think this guy is a 171,” said Gilva Gomes da Silva, 40, the owner of a tire-repair shop in Favela do Metrô, a slum where his home was demolished. The term 171 is slang on Rio’s streets for someone deceptive, a reference to the penal code number for the crime of fraud. While Mr. Gomes da Silva said that his new public housing unit was acceptable, he complained that the project for which his home was destroyed, a large commercial area for car repairs, had not even materialized. “He’s fooling us,” the tire repairman said of the mayor.

For more than a decade, Brazil has been led by two leftists famous for their struggles. President Dilma Rousseff is a former urban guerrilla who was jailed and tortured during the military dictatorship. Her predecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, who rose to the presidency after making his name as a union leader, was born into a family of sharecroppers and never made it past elementary school.

Mr. Paes stands in stark contrast to that. Born into privilege and raised in exclusive districts of Rio, he was educated as a lawyer at the city’s top private university before going into politics.

He cut his teeth in the early 1990s as an aide to César Maia, a former Rio mayor, joining a total of five political parties over the span of his career, finally landing in the centrist Brazilian Democratic Movement Party.

After stints as a city councilman and a congressman, he defeated Fernando Gabeira, an iconic leader of Brazil’s Green Party, in the 2008 mayoral race. And even though Rio’s left rallied around Marcelo Freixo, a human rights activist, in opposition to Mr. Paes in 2012, the mayor glided to re-election with 65 percent of the votes.

But in the space of a few months, the landslide victory gave way to scenes in which Mr. Paes was hounded by protesters. Despite being faced with frequent criticism, Mr. Paes, an aficionado of the short, narrow cigars called cigarrilhas, shows few signs of growing a thicker skin.

Lashing out at the masked protesters called the Black Blocs, named for their black clothing and face-concealing scarves, he called them morons. He defended costly endeavors like the $100 million Museum of Tomorrow, an ambitious project designed by the Spanish architect Santiago Calatrava, saying, “We need icons.” And he insisted on putting his aggressive overhaul of Rio into context.

“I don’t want to compare my city to Zurich, thank God we’re not that boring,” said Mr. Paes over breakfast served by uniformed servants at Rio’s imposing City Hall, a tower commonly called the Piranhão, or Big Harlot, since it stands in an area where the authorities razed a red-light district in the 1970s and ’80s.

“Rio is advancing fast,” he said, “but we’re at a different phase in our civilization.”

FEW people here dispute that Mr. Paes has put into motion a construction spree with few parallels in Rio’s history. Work crews are feverishly rebuilding areas around the port, a dilapidated district of decaying buildings that resembles old Havana, while tearing down eyesores like the elevated highway cutting through the old center.

At the same time, Mr. Paes is overseeing ventures like the Transcarioca, a roadway linking the international airport to Barra da Tijuca, a sprawling zone of residential towers, slums and gated communities, and an array of new installations for the Summer Olympics in 2016, when his second term is scheduled to end.

Mr. Paes’s real estate frenzy has drawn comparisons to the vision of Francisco Pereira Passos, the mayor who ripped apart swaths of Rio at the start of the 20th century to put in Beaux-Arts buildings and boulevards inspired by Paris.

But Mr. Paes insisted that the Pereira Passos era was different because it largely involved attempts to Europeanize coveted areas of Rio. “My projects aren’t in the most noble areas,” he said, contending that the exclusive beachfront districts are mostly absent from his plans.

The bonanza for developers and construction companies is accentuating tension on Rio’s streets, with the huge demonstrations over rising transportation fares and unsatisfactory public services in 2013 evolving into a steady drip of smaller but violent confrontations between protesters and the police.

Some of the animosity is related to efforts by officials to assert control over some of Rio’s favelas, or slums, with new protests erupting over killings of favela residents by the police. Armed gangs in some favelas have aggressively countered police forces in recent weeks, pointing to the erosion of gains made in lowering crime rates.

Mr. Paes argues that certain developments are beyond his control. Responsibility over the police rests with the governor of Rio de Janeiro State, Sérgio Cabral, who may be the only elected official in Rio to have attracted more ire from protesters than Mr. Paes.

Indeed, Mr. Paes seems more admired abroad than at home. At a summit meeting in South Africa in February, he succeeded Michael R. Bloomberg, New York’s former mayor, as the leader of the C40, a network of cities seeking to reduce greenhouse gas emissions.

WHEN in Rio, Mr. Paes insists he is having the time of his life as mayor. He says that he appreciates the vibrancy of Brazil’s democracy and that he still enjoys drinking draft beer at Rio’s botecos, the street dives that are an elemental part of the city’s social fabric. He clearly revels in the perks of his job.

He said Gracie Mansion had nothing on his home, comparing the residence of New York’s mayor to Gávea Pequena, the luxurious palace, replete with tropical gardens and, at least during a stretch in 2013, protesters camped at the entrance, where Mr. Paes lives with his wife and two children.

Mr. Paes argued that the disillusionment with Rio’s political class was generalized and not necessarily directed just at him. Some of Rio’s residents, including those who have grown accustomed to hearing that the city’s time to shine has finally arrived, agree.

“I have nothing against him,” said Gilmar Mello, 47, who owns a small store selling motorcycle gear in Favela do Metrô. His business sits next to a pile of rubble after recent evictions and demolitions in the slum, not far from the refurbished Maracanã soccer stadium. “Everyone who gets into the mayor’s office will do the same thing.”

Anúncios

Jogos promovem maior despejo da história do Rio (Vi o Mundo)

Dario de Negreiros

publicado em 24 de fevereiro de 2014 às 21:56

Amaro Couta da Silva, morador da Vila Autódromo (Fotos Dario de Negreiros)

Rio de remoções: por quais motivos e de que forma a Cidade Olímpica tem promovido a maior leva de despejos de toda a sua história

por Dario de Negreiros, do Rio de Janeiro, especial para o Viomundo* 

No quintal da casa de Amaro Couto da Silva, 58, na Vila Autódromo, zona Oeste do Rio de Janeiro, tem pé de seriguela, cajá, acerola, maracujá, carambola, coco, goiaba e limão. Há ainda algumas galinhas, patos, dois cachorros e um bode – para não falar das outras árvores frutíferas rapidamente listadas pelo morador, mas que escaparam à caneta do repórter.

Talvez o que mais surpreenda aqueles que têm a curiosidade de visitar as casas de moradores ameaçados de remoção em virtude das grandes intervenções urbanas no Rio é como, ao contrário do que se pode imaginar, não são poucos os que vivem em condições de dar inveja aos que se espremem em apartamentos de áreas nobres da capital.

São casas como a da diarista Maria da Penha, 48, também moradora da pacata Vila Autódromo. Ao seu amplo quintal, soma-se ainda uma grande laje coberta, com vista para a lagoa de Jacarepaguá.

 Quintal da casa de Maria da Penha, moradora da Vila Autódromo ameaçada de remoção

“Meu sonho era morar em uma casa com quintal”, diz Penha, que há vinte anos deixou a favela da Rocinha e começou a erguer sua moradia, onde antes só havia um terreno baldio.

Amaro, no terreno de sua casa, construiu também um bar e seis quitinetes, fontes importantes de renda para ele, a esposa e três filhos. “Ficaram insistindo para eu ir ver o apartamento [da proposta de reassentamento]. Não fui e nem vou”, afirma. “Como é que eu vou fazer, lá?”.

Este drama tem sido vivido, no Rio, por mais de 100 mil pessoas, segundo as contas da Anistia Internacional. Entre 2009 e 2013, a Prefeitura admite já ter removido 20.229 famílias, o que equivaleria a aproximadamente 65 mil pessoas, se considerado o tamanho médio da família brasileira.

A elas, acrescentam-se todos os que ainda estão ameaçados de remoção.

“Os ameaçados, nós não sabemos quantos são. A Prefeitura não tem transparência quanto aos projetos, então fica difícil de estimar os impactos”, explica Renata Neder, da Anistia Internacional, segundo quem a capital fluminense estaria vivendo hoje a maior leva de remoções de toda a sua história.

Mas por quais motivos, afinal de contas, estas dezenas de milhares de pessoas estariam sendo despejadas de suas casas? Quais direitos destes moradores estão sendo desrespeitados pelo Estado? Quais alternativas lhes são oferecidas, em quais termos e em que condições?

Os direitos dos moradores e o legado de violações

Se fizermos um recenseamento de todas as salvaguardas que, de acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), deveriam ser observadas em processos inevitáveis de remoção, encontraremos uma boa lista de tudo o que, de acordo com ativistas, está sendo feito no Rio. Só que ao avesso.

“Uma oportunidade de consulta genuína com aqueles que serão afetados” deve ser oferecida, reza documento oficial da ONU, assim como um “aviso adequado e razoável, para todas as pessoas afetadas, da data agendada para a remoção”.

No Rio, para a ampla maioria das famílias já removidas, foi com uma marcação à tinta, feita no muro de suas casas sem seus consentimentos, que o aviso chegou.

Casas marcadas para remoção na Vila União de Curicica

Caminhando pela Vila União de Curicica, comunidade com cerca de 3 mil moradores localizada na região de Jacarepaguá, na zona Oeste, passa-se por ruas em que quase todas as casas possuem a indesejada marcação: “SMH”, sigla da Secretaria Municipal de Habitação.

“Parece nazista marcando judeu com a Estrela de Davi. Isso não é tortura física, é tortura psicológica.” Esta comparação, por estranho que possa parecer, foi feita pelo próprio prefeito Eduardo Paes, em entrevista ao jornalista Juca Kfouri.

“É uma coisa que a Prefeitura do Rio faz há vinte anos”, justificou-se, à época, o alcaide. “Eu nunca tinha me tocado, ninguém tinha se tocado disso.”

Em junho de 2011, o subprocurador geral de Justiça do Ministério Público Federal do Rio, Leonardo de Souza, havia feito exatamente a mesma analogia, na presença de Jorge Bittar, então secretário de Habitação de Paes. Mas foi necessário que se passassem mais de dois anos para que o prefeito, por decreto, proibisse a prática.

Independentemente da proibição de marcação, as formas e o tempo de notificação, afirma a Anistia Internacional, continuam sendo inadequados.

“O padrão de notificação é baixíssimo, totalmente inaceitável”, diz Renata Neder. “Há casos de famílias que receberam notificação com um dia de antecedência. E até de gente que chegou à sua casa e a encontrou demolida. Zero notificação”.

Elmar Freitas, ao lado do seu bar e dos escombros das casas demolidas, na favela Metrô-Mangueira

Quanto ao modo de consulta à comunidade afetada, é emblemático o caso de Elmar Freitas, 38, dono de um bar e ex-morador, recém-despejado, da favela Metrô-Mangueira, zona Norte do Rio.

Em vez de promover audiências com as comunidades e seus representantes, negociando coletivamente, como recomendam os protocolos internacionais, a Prefeitura, dizem os ativistas, prefere bater de porta em porta.

As casas daqueles que aceitam as propostas iniciais de reassentamento são demolidas e seus escombros, a exemplo do que relata Elmar, são abandonados. Os entulhos dos imóveis de seus vizinhos passaram a servir de banheiro público e ponto de consumo de drogas, acumulam lixo e ratos, exalam mau-cheiro e instalam na vizinhança um verdadeiro cenário de guerra.

“Eu saía na porta da minha casa e só via escombros”, diz Elmar, que ainda viu despencar o movimento do seu bar. “Diminuiu 95% o meu lucro. Aqui era cheio”, diz, apontando dezenas de cadeiras empilhadas e mesas empoeiradas.

“Isso tem sido um padrão claro”, diz Renata Neder. “Demole-se as casas e deixa-se os restos como forma de pressionar os moradores.”

Em outras ocasiões, dizem ativistas e moradores, as demolições de casas anexas provocam a interrupção do fornecimento de água e luz daqueles que ficam. “Eles chegam a destruir casas geminadas, mesmo abalando a estrutura da outra casa”, diz Renato Cosentino.

Mas a lista das salvaguardas internacionalmente acordadas que não estariam sendo cumpridas, ainda não a esgotamos: oferecer, sempre, reassentamento próximo à área de remoção; indenizar adequadamente aqueles que preferirem compensação financeira; garantir que o morador vá melhorar ou, no mínimo, manter o seu padrão de vida atual.

“Eles chegaram batendo na minha porta e falando que eu tinha três opções: Cosmos [bairro no extremo Oeste da cidade, a mais de 60 km do Metrô-Mangueira], albergue ou rua”, conta Elmar.

Depois de intensa mobilização da comunidade, foram construídos os conjuntos de Mangueira 1 e Mangueira 2, localizados em região bastante próxima à favela. Antes disso, contudo, mais de 100 famílias, segundo a Anistia Internacional, acabaram por aceitar a oferta inicial e se mudaram para Cosmos.

No caso das comunidades removidas em função das obras da via Transoeste, a média das indenizações oferecidas, diz Renata Neder, ficou na faixa de R$ 8 mil.

“Eles indenizam apenas pela melhoria ou investimento que você fez no local, sem levar em conta o valor do terreno”, explica Renata, segundo quem todos os que optam pela indenização acabam por piorar o seu padrão de vida.

“Se você tira alguém do Metrô-Mangueira, uma área nobre, e paga apenas pelo tijolo que a pessoa botou naquela casa, com aquele dinheiro ela não vai conseguir nem ir para uma favela daquela região, vai ter que ir para uma favela em área distante”, diz.

As remoções formam, assim, a face mais visível do “legado de violação de direitos”, na expressão de Renato Cosentino, deixado até agora pelas obras relacionadas à Copa e às Olimpíadas.

Mas, analisados de maneira mais ampla, quais devem ser os efeitos das grandes intervenções urbanas ligadas aos megaeventos para a organização sócio-espacial do Rio de Janeiro, como um todo?

“O resultado desse processo é, inexoravelmente, uma cidade muito mais desigual”, afirmou o professor Carlos Vainer, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em recente entrevista ao Viomundo.

Aprofundamento da desigualdade que é acompanhado, segundo ele, por aumento de violência, guetificação de áreas pobres, extinção das expectativas de gestão democrática do espaço urbano, criminalização da pobreza e dos movimentos sociais.

“Eu torci bastante para o Brasil ser escolhido sede da Copa, das Olimpíadas”, conta Antônio Carlos de Jesus, 35, um dos moradores ameaçados de remoção na Vila União de Curicica. “Mas não sabia que ia ser assim.”

Pico do morro Dona Marta

Os motivos aparentes e os interesses subjacentes

Como entender a lógica existente por trás da maior onda de remoções da história do Rio? Se funestas são as consequências, justas seriam, ao menos, as motivações iniciais?

Eis uma breve lista, sem pretensões de exaustão, de todos os motivos que já apareceram, em diferentes momentos, para justificar a necessidade de reassentamento dos moradores da Vila Autódromo: obras dos Jogos Panamericanos, perímetro de segurança do Parque Olímpico, área de risco, zona de proteção ambiental, construção de um centro de mídia, da via Transolímpica, de passarelas fixas e móveis, de um estacionamento.

Para estudiosos e ativistas, a falta de transparência dos projetos de intervenção urbana e a mudança constante das alegações que justificariam as remoções seriam sintomas de uma mentira fundamental: as remoções, dizem, longe de constituírem consequências inevitáveis e lastimáveis das operações urbanas, são antes um de seus principais objetivos.

“Os pretextos são os mais variados, mas na verdade são meros pretextos”, afirma Carlos Vainer. “Eles querem limpar aquela área [da Vila Autódromo], fazer um processo de higienização.”

Segundo a Associação de Moradores, a comunidade sequer costuma ser comunicada oficialmente sobre as supostas causas de sua necessidade de reassentamento, descobrindo-as na maioria das vezes por intermédio da imprensa.

“Se antes usaram o argumento de zona de preservação ambiental, como podem, depois, argumentar que vão construir uma via?”, questiona Inalva Mendes Brito, moradora e membro da Associação.

Renato Cosentino, da Justiça Global, oferece uma resposta para a contradição: “É que eles não têm nem o cuidado de manter a mesma mentira”.

Renata Neder, da Anistia Internacional, considera a Vila Autódromo “um exemplo incrível” de como os projetos, ao invés de buscar os menores impactos sociais possíveis – outro imperativo acordado pela ONU –, estão sendo pensados, ao contrário, justamente para promover os despejos.

“Em volta da Vila Autódromo, há um monte de terrenos vazios, que poderiam ser usados para todos os equipamentos que eles gostariam de construir”, diz. “Mas eles querem colocá-los todos onde está a comunidade, para justificar a remoção”.

Entre o final de 2010 e o início de 2011, teria sido a construção da Transoeste, um dos grandes projetos viários da Cidade Olímpica, o fator responsável pela remoção de cerca de 500 das comunidades de Restinga, Vila Harmonia e Vila Recreio II.

“A Transoeste foi construída e a área da qual as casas da Vila Harmonia foram removidas ficou intocada”, conta Carlos Vainer. O mesmo aconteceu, segundo a Anistia Internacional, com parte da área de remoção da Vila Recreio II.

No pico do morro Dona Marta, o governo do Estado, argumentando tratar-se de área de risco, planeja a remoção de 150 famílias. A comissão de moradores, entretanto, conta com um contra-laudo, elaborado pelo engenheiro Maurício Campos, que desmente o perigo.

Como a ocupação do morro, nos anos 1930, se deu de cima para baixo, é no pico que estão as famílias mais antigas da comunidade. Está ameaçada de remoção, inclusive, até mesmo a santa que deu nome ao local, já que é também na parte mais alta da favela que está a capela que abriga a imagem de Santa Marta.

Vitor Lira, morador da favela Santa Marta ameaçado de remoção. A casa de sua família, uma das mais antigas do morro, tem paredes de pedra 

“Eu tenho raízes aqui. Tenho história, luta, sofrimento. Nós não chegamos aqui ontem, não”, diz Vitor Lira, membro da comissão de moradores e cuja família foi uma das primeiras a ocuparem o local.

Vitor não hesita em atribuir aos interesses da especulação imobiliária a tentativa de remoção contra a qual lutam os moradores da favela, localizada no nobre bairro do Botafogo, zona Sul do Rio.

Cinco anos atrás, a primeira de todas as UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) era instalada no Dona Marta. De lá para cá, a valorização dos imóveis e o crescimento da atividade turística têm provocado aumento considerável do custo de vida, causando a saída de antigos moradores. É a chamada “remoção branca”.

“O Estado nunca contribuiu em nada, nunca beneficiou a gente em nada”, diz Vitor, que trabalha como guia turístico no morro. “A gente roeu o osso esse tempo todo e, agora, vai deixar o filé para eles?”.

Um mapa dos reassentamentos, elaborado pelo arquiteto Lucas Faulhaber, mostra com clareza o vetor que orienta esta onda de remoções: é a zona Oeste, região carente de serviços públicos, que recebe a população de baixa renda retirada das áreas nobres ou de interesse da especulação imobiliária.

“Dentre a população de zero a três salários mínimos, 88% dos conjuntos do Minha Casa Minha Vida estão na periferia da zona Oeste”, afirma o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL). “São lugares que não têm sequer acesso a saneamento básico, nem zonas de hospitais e de escolas”, diz.

E onde os serviços públicos claudicam, sabe-se bem, florescem as milícias. Conversando com moradores ameaçados de despejos, não é raro ouvir denúncias de que diversos conjuntos do Minha Casa Minha Vida já estariam sob domínio de milicianos.

Antes, até mesmo, da chegada dos futuros proprietários.

“Mais do que ocupar e controlar, os milicianos chegavam a revender os apartamentos”, conta Renato Cosentino, da Justiça Global. “A pessoa chegava lá e tinha alguém no apartamento, dizendo que o havia comprado.”

Casas colocadas à venda ao lado da estátua de Michael Jackson, na parte turística da favela Santa Marta. Aumento do custo de vida tem provocado a saída de muitos moradores

Vila Autódromo: símbolo de resistência e contra-modelo de cidade

Na luta contra a remoção, os moradores da Vila Autódromo, com o auxílio de pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da Universidade Federal Fluminense, elaboraram o Plano Popular da Vila Autódromo.

Em dezembro do ano passado, o plano recebeu o prêmio Urban Age Award, concedido pela London School of Economics e pelo Deutsche Bank. Com a premiação, de US$ 80 mil, a associação de moradores planeja construir uma creche.

Enquanto a proposta inicial da Prefeitura previa a remoção de todos os moradores, o Plano Popular manteria 368 das 450 famílias em suas casas, sendo as demais reassentadas na própria comunidade.

“Esse plano se transformou numa espécie de contra-modelo de cidade”, diz Carlos Vainer, que coordenou uma das equipes responsáveis por sua elaboração.

“Enquanto a cidade, dominada pelos interesses empresariais, é anti-democrática, autoritária, ambientalmente destrutiva e transfere recursos públicos para as mãos de empresários privados, esse é um plano democrático, ambientalmente responsável e que economiza recursos públicos”, diz Vainer.

Segundo quadro comparativo divulgado pelo Comitê Popular da Copa do Rio, o plano popular tem custo estimado de R$ 13,5 milhões, contra R$ 68 milhões da proposta oficial.

“Ali, na Vila Autódromo, se trava uma batalha fundamental, do ponto de vista simbólico e cultural, entre dois modelos de cidade”, complementa.

Organizada juridicamente desde 1987, quando se constituiu como um loteamento popular, a Vila Autódromo serviu também de refúgio para militantes perseguidos pela ditadura civil-militar (1964-1985), fato que ajuda a explicar o alto grau de organização política de seus moradores.

“Há um extraordinário espírito de resistência e coesão dessa comunidade”, diz Carlos Vainer.

Até hoje, a Vila Autódromo é uma das poucas comunidades pobres não-pacificadas do Rio que não estão nem sob o controle de milicianos, nem sob o jugo das facções do tráfico.

Além disso, a maioria dos moradores tem, desde 1998, concessão de direito real de uso de seus terrenos por 99 anos, estando, portanto, em situação legal.

Inalva Mendes Brito, da Associação de Moradores da Vila Autódromo 

Tomo uma bronca de Inalva, da associação de moradores, quando lhe pergunto, em tom de desesperança, se ela considera haver alguma remota possibilidade de que o Plano Popular vença as pressões da Prefeitura e consiga, de fato, sair do papel.

“Eu nem te respondo essa pergunta. Seria negar o que nós construímos durante dois anos”, diz. Em seguida, resume aquele que parece ser o desejo maior de todos os que lutam contra as remoções forçadas: “Nós sempre gostamos de ser sujeitos de nosso próprio destino.”

Outro lado

Consultada pela reportagem, a Secretaria Municipal de Habitação emitiu, por meio de sua assessoria, o seguinte comunicado:

“A Prefeitura vem conduzindo os processos de reassentamento da maneira mais democrática, respeitando os direitos de cada família. O próprio decreto municipal que trata dos reassentamentos estabelece todos os procedimentos obrigatórios para reassentar uma família. Isso implica avisá-las com antecedência, esclarecer sobre a natureza e a importância desse reassentamento, sempre motivado por interesse público mais amplo.


Além das informações prestadas, as famílias são recebidas na própria Secretaria Municipal de Habitação (SMH) para conhecerem os critérios que definem o valor de suas benfeitorias e as alternativas para reassentamento. As famílias são reassentadas de diferentes formas: transferência direta para apartamentos do Programa Minha Casa, Minha Vida; recebimento de aluguel social (R$ 400 por mês) enquanto aguardam uma unidade do Programa Minha Casa, Minha Vida em local desejado; ou indenização. No caso da opção pelo imóvel, as negociações são coletivas. Já quando se trata de indenização, elas são individuais, já que os valores são definidos a partir de critérios de avaliação das moradias.

Todos os reassentamentos são feitos com base em decreto municipal, que estabelece regras claras, baseadas nos direitos humanos e na busca da moradia digna. O primeiro decreto é o de número 20.454, de 24 de agosto de 2001. Depois disso, ao longo do tempo, ele sofreu alterações e atualizações. O mais recente é o 38.197, publicado no Diário Oficial do Município do Rio em 17 de dezembro de 2013. Ele atualiza, sobretudo, os valores pagos aos moradores pela Prefeitura.

De janeiro de 2009 a dezembro de 2013, a Secretaria Municipal de Habitação realizou o reassentamento de 20.299 famílias, que viviam nas áreas informais da cidade. Deste total, 4.953 tiveram que sair de suas casas por viverem em beiras de rios e 8.215 em encostas, ambas as situações classificadas como alto risco. Outros tipos de risco são responsáveis pelo reassentamento de 5.411 famílias, enquanto que 1.720 precisaram deixar suas casas em função de obras.

No quadro atual, 9.320 famílias (cerca de 45% do total de reassentados) receberam imóveis do Minha Casa, Minha Vida, 25% estão recebendo aluguel social e 30% receberam indenização ou realizaram a compra assistida.

A Prefeitura do Rio informa que o processo de transferência dos moradores da Vila Autódromo, que optaram em ir para o Parque Carioca, será feito de forma gradual e deve acontecer a partir da segunda quinzena de março.

Das 285 famílias que deixarão a comunidade para a realização das obras de canalização dos rios e duplicação das Avenidas Salvador Allende e Abelardo Bueno, 253 já optaram entre indenização e imóveis no Parque Carioca – condomínio com 900 unidades localizado a um quilômetro da Vila Autódromo, com apartamentos de dois e três quartos com infraestrutura de lazer, além de creche e espaço comercial.

Elas só serão transferidas para lá quando o empreendimento, que está em fase final de acabamento, estiver concluído. Assim também, qualquer obra na comunidade só acontecerá quando todas as casas estiverem desocupadas.


Quanto ao traçado da Transolímpica, a informação [de que ele teria sido concebido com o intuito de provocar a remoção dos moradores da Vila Autódromo] não procede. A Secretaria Municipal de Obras reafirma que o traçado do corredor expresso Transolímpica foi estudado para evitar o maior número possível de desapropriações e reassentamentos.”

 Obras do Parque Olímpico, vistas da Vila Autódromo

*Dario de Negreiros viajou ao Rio de Janeiro graças ao apoio financeiro dos assinantes do Viomundo, aos quais agradecemos de coração por compartilhar gratuitamente conteúdo jornalístico exclusivo com outros internautas.

Leia também:

Carlos Vainer: A lógica por trás dos megaeventos no Rio

*   *   *

As Brazil Gears Up For Olympics, Some Poor Families Get Moved Out (NPR)

February 27, 2014 3:25 AM
Maria Victoria Agostinho, 5, walks outside her home in the Vila Autodromo area of Rio. Her family is slated for eviction, along with others in the area, to make way for building projects related to the 2016 Summer Olympics.

Maria Victoria Agostinho, 5, walks outside her home in the Vila Autodromo area of Rio. Her family is slated for eviction, along with others in the area, to make way for building projects related to the 2016 Summer Olympics.

Lianne Milton for NPR

Jeane Tomas scraped all her money together to build a house where she could raise her son. She’d been renting in the favela, or shanty town, of Vila Harmonia and wanted to put down roots in the community where she lived when her child was born.

The house went up — only to quickly come down.

“There is this frustration to have worked so hard, dreamed so much to leave everything behind,” she said.

Now that the Winter Olympics in Sochi are over attention will be turning to Brazil, the host of the 2016 Summer Olympics.

Rio de Janeiro is undergoing a massive transformation in advance of the games
and that has brought with it a number of criticisms. Chief among them are the forcible evictions that are taking place across the city.

Tomas was among those who were moved.

It was near her work, near doctors, and other key amenities, she said. About three years ago, she was told she would have to leave to make way for a new road that was being built as part of an infrastructure upgrade.

“And I would ask them, where to? They were asking us to sign papers without knowing where we were going,” she said. “Then they showed us this place and, to be honest, we really didn’t have a choice.”

With the money she received in compensation, she said she couldn’t afford anywhere else.

Jeane Tomas, with her mother, in their two-bedroom apartment, in Rio de Janeiro's far west zone of Campo Grande. The family was relocated to this area three years ago to make way for building projects related to the 2016 Summer Olympics in Rio.

A woman and child at a playground. Nearby, construction is taking place for the Olympic Village.

A youth guides his horse and cart down the main road of Vila Autodromo, an area where many families have been evicted and moved to far away neighborhoods. Construction on the Olympic Village is taking place nearby.

Neighbors gather on Sunday afternoon in Vila Autodromo. More then half of the 3,000 families who have been moved did not want to leave, but say they were pressured.

An elderly woman walks past a home that is marked for eviction in the favela community of Vila Autodromo.

Marcos dos Santos Ribeiro, 11, plays the guitar in his bedroom at home, in Vila Autodromo, where many families have been evicted.

Residents hang out in front of their apartment, in Rio de Janeiro's far west zone of Campo Grande. Many families relocated to this area three years ago to make way for Olympic building.

A resident plays with a kite in the Oiti apartment complex, in Rio de Janeiro's far west zone of Campo Grande. Many families were relocated here three years ago from another part of Rio.

Lianne Milton/for NPR

Some 3,000 Families Uprooted

According to human rights groups, some 3,000 families have already been evicted from their homes in Rio alone. As many as 200,000 people across the country are at risk of the same, according to the Popular Committees for the World Cup and Olympics.

It’s not just the evictions, but also where people are being sent to.

The place where Jeane Tomas now lives is called the OITI complex.

Favelas — for all their poverty — are teeming with life. But the OITI complex feels like it’s on life support. It’s a barren, treeless, apartment compound in a Rio suburb called Campo Grande, miles away from where Tomas lived in Barra de Tijuca.

“Our lives were built around were we lived. The transport is awful here. They talk about this special bus line they built for us out here but it’s not the miracle they say it is. Its chaos,” she said. “There are days when the air-conditioning works, others when it doesn’t. We wait for hours to get out of here.”

The housing is new though and the people live there at a relatively low cost. They pay a small condo fee and utilities.

Still, they don’t own these homes and they can’t rent them to others.

Jeane Tomas complains there are no schools nearby. She still hasn’t been able to enroll her child in daycare. There are no jobs close either. She says her husband lost his job because suddenly he was so far away from it.

Tomas works as a maid and she said she suspects the reason so many people are being moved is because its the Rio elites making the decisions.

“In my opinion, they want us to be there to serve them, then they want us to go as far away as possible,” she said.

Government officials deny those allegations. They say those who have been moved now live in government housing that is far superior to where they lived before.

The Terni apartment complex in Rio de Janeiro's far west zone of Campo Grande. Many residents were relocated to this area because their old neighborhoods were knocked down to make way for building projects related to the Olympics.

The Terni apartment complex in Rio de Janeiro’s far west zone of Campo Grande. Many residents were relocated to this area because their old neighborhoods were knocked down to make way for building projects related to the Olympics.

Lianne Milton for NPR

Upgrades Or Evictions

Leonardo Gryner, the chief operating officer of Rio’s Olympic Organizing Committee, said a few families have been moved to improve the life of many people. The roads and bus lines that have been put in place will allow people to travel more freely, he said.

“One of the main reasons that people live in favelas in Rio is because of transportation,” he said. “When you offer them a new means of transportation, that will help … people to move to new areas farther from the city, living in better conditions that in living in favelas.”

However, activists and academics allege the forcible evictions have more to do with real estate than real help to the poor.

Rio’s Olympic Park is being built in Barra de Tijuca, where Jeane Tomas once lived.

It used to be a poor area. But with the influx of development and roads for the Olympics, luxury apartment complexes are springing up along with Miami-style malls. Land is becoming extremely valuable. For example, the athletes housing during the games is going to be turned into high-end apartment buildings once the games are over.

Orlando Santos Junior is a professor of urban planning at Rio de Janeiro Federal University who has studied the evictions for years.

“The other issue is that the people who are moved live on the margins, if they are uprooted from their networks that allow them to survive it actually makes them worse off, not better,” he said.

He said what is happening is going against the very fabric of what a city should be. In Rio, the changes are creating more homogenous spaces with walls, sometimes real, sometimes invisible, that separate social classes.

Other activists say what are being created are tomorrow’s favelas. As the city moves out these people, they are being trapped in places where they cannot thrive.

Back in the government housing complex, Jeane Tomas said she was grateful for a roof over her head but she spoke wistfully of her former home. On her way to work, she passes the place her favela used to be. Now it’s an empty field next to a new gas station.

For some in Brazil, World Cup means evictions (Washington Post)

By Donna Bowater, Published: January 25, 2014

PORTO ALEGRE, Brazil — Where there was once a soccer field in this city in southern Brazil, there is a highway.

And where there were once shanty homes, there are piles of timber, bricks and the debris of those who used to live there.

The reason is the World Cup. The mega-event that will play out this summer in a dozen Brazilian cities is driving a frenzy of road construction, airport renovations and other projects.

The impact is being felt most strongly among the poorest citizens, including residents of Porto Alegre’s largest favela, or slum, who have come to regard the soccer championship as synonymous with evictions, removals and demolition.

Activists say that as many as 250,000 people across the country are threatened with eviction — although some of those efforts have been underway for years and are likely to outlast the soccer tournament as building projects continue. Brazil is also preparing to host the Summer Olympics in 2016.

Some Brazilian officials insist that most displacements are not linked to World Cup preparations. Independent researchers say they have to rely on witness reports. But residents of the Santa Teresa neighborhood here, as well those in other poor areas, say there is no doubt that evictions are underway, as they lose neighbors and open space.

“It breaks a cycle of friendship, a cycle of custom,” said 42-year-old Antonio Daniel Knevitz de Oliveira, who lives deep in the heart of Santa Teresa, where he grew up.

“Brazil is by far and away the champion of forced removals,” said Christopher Gaffney, a visiting geography professor at the Fluminense Federal University in Rio de Janeiro. “This is clearly the most impactful World Cup ever, with a lot of ambitious projects.”

In some of the affected cities, the World Cup and the Olympics are the latest justifications used by authorities to clear favelas.

Characterized as “irregular” settlements where many do not have deeds to their properties, there have been long-standing attempts to reclaim the slums where more than 11 million Brazilians live.

The added pressure of hosting the two biggest sporting events in the world has given authorities additional incentive to act.

The scale of displacements in Rio de Janeiro prompted Amnesty International to launch a campaign, Enough Forced Evictions, after it found evidence of housing rights violations in the city. A network of Brazilian activists, the National Coalition of People’s World Cup Committees, sought to sound the alarm last year in a report to a U.N. human rights panel.

That group said as many as 32,000 people in Porto Alegre could be at risk of eviction because of World Cup projects, with more than 1,500 families affected by the road-widening project.

Porto Alegre is Brazil’s 10th-largest city, with a sizable population of European immigrants and a rapid rate of economic growth. About 13 percent of residents live in favelas, including those in Santa Teresa who were evicted so that a nearby road could be widened to improve traffic flow around the soccer stadium.

Residents say the loss of the soccer field meant children were playing barefoot pickup games deep inside the favela, where violent drug traffickers rule.

The government is compensating families forced to move, but the resettlement packages of $22,000 are described by activists as inadequate in a country where real estate prices have been soaring.

For Knevitz, who has three jobs and three children, the upheaval has compounded a sense of uncertainty about his family’s future.

“I don’t want to run the risk of seeing another World Cup or big event and the authorities saying, ‘You’ll be removed,’­ ” he said.

Novo Maracanã ameaça índios que vivem ao lado da obra (UOL)

17/06/2012

VídeoNovo Maracanã ameaça índios que vivem ao lado da obra

O Maracanã completou 62 anos no último sábado em meio a um processo de transformação. Em obras para a Copa de 2014, o estádio está ganhando uma nova arquibancada, cobertura e seu entorno será revitalizado. Essa modernização, porém, é um problema para um grupo de moradores que há seis anos habita um terreno colado ao estádio.

Os prejudicados são cerca de 20 índios da Aldeia Maracanã, que terão de deixar suas casas por causa da reforma do estádio. Eles vivem na área onde, anos atrás, funcionou o Museu do Índio, que também deve ser demolido por causa das obras

Atualizado em 18/06/2012 às 16h21

*   *   *

Reforma do Maracanã para Copa deve demolir prédio de museu e remover aldeia indígena

Vinicius Konchinski – 17/06/2012

Do UOL, no Rio de Janeiro

Governo do Rio de Janeiro quer transformar área ocupada em área de evacuação do MaracanãSergio Moraes/Reuters

Governo do Rio de Janeiro quer transformar área ocupada em área de evacuação do Maracanã

O Maracanã completou 62 anos no último sábado em meio a um processo de transformação. Em obras para a Copa de 2014, o estádio está ganhando uma nova arquibancada, cobertura e seu entorno será revitalizado. Essa modernização, porém, é um problema para um grupo de moradores que há seis anos habita um terreno colado ao estádio.

Os prejudicados são cerca de 20 índios da Aldeia Maracanã, que terão de deixar suas casas por causa da reforma do estádio. Eles vivem na área onde, anos atrás, funcionou o Museu do Índio, que também deve ser demolido por causa das obras.

O prédio do museu foi inaugurado no século XIX e pertence à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão do governo federal. Ele estava abandonado quando os índios chegaram ao local.

Hoje, no terreno espremido entre a avenida Presidente Castelo Branco e o canteiro de obras do Maracanã, há hoje seis casas construídas pelos próprios indígenas. Foram erguidas também duas grandes ocas onde eles se reúnem e comem juntos.

Na base do improviso, os índios plantam no terreno alguns alimentos para subsistência e ganham algum dinheiro vendendo artesanato. Eles também usam o antigo prédio do Museu do Índio como centro cultural e sonham conseguir sua propriedade definitiva para revitalizarem o local, que serviria de ponto de encontro para índios de todo o país.

“Esse imóvel já faz parte da história do movimento indígena”, afirma Xamakari Apurinã, uma das lideranças da aldeia. “Queremos que esse prédio seja transformado em centro de referência indígena, onde os 240 povos do Brasil possam expor sua cultura.”

Xamakari e os outros índios sabem, entretanto, que esse projeto esbarra no grande plano que o governo estadual tem para o Maracanã. Com tudo o que está sendo projetado para o estádio, o governo não quer que a aldeia continue ali.

Segundo o governador Sérgio Cabral, a área da aldeia e o antigo prédio do Museu do Índio devem dar lugar aos novos acessos para o Maracanã. Por isso, o estado já está negociando a compra do imóvel junto à Conab. “Ali vai ser uma área de mobilidade. Uma área que é exigida pela Fifa e que está correta”, afirmou Cabral, na última sexta-feira.

O próprio vídeo do projeto de reforma do Maracanã para a Copa do Mundo (assista à esquerda) já mostra a área do estádio sem a aldeia. Sobre os índios que vivem ali, o governador disse que eles serão “muito bem cuidados pela Funai”.

Esses índios, porém, não querem sair do entorno do Maracanã e prometem lutar até o fim pela posse do terreno. Segundo eles, aquela área tem uma importância histórica. Já foi habitada por uma tribo chamada Maracanã, mesmo nome de um um rio que passa no local e, claro, do maior estádio do Rio de Janeiro. Por tudo isso, ficar ali é questão de honra.

“A ocupação do terreno é uma forma de mostrar a resistência dos índios contra tudo o que foi feito contra a gente desde o descobrimento do Brasil”, disse Dauá Puri, que também vive na Aldeia Maracanã. “Esse local precisa ser usado para preservação da cultura do índios.”