Arquivo da tag: Cooperativismo

Making a New Economy: Getting Cooperative (Truthout)

Saturday, 16 March 2013 00:00By David MorganTruthout | Op-Ed

Hands together(Image: Hands together via Shutterstock)

A new economy is coming. While Wall Street banks are on a trend of corporate mergers and acquisitions, Main Street businesses are generating community wealth while undergoing a transition of their own. Traditional companies are becoming worker cooperatives, both to sustain during tough economic times and because years of success have enabled these companies to reward their workers. State and local governments are beginning to get wise to this trend, too, adding legislative influence to an already vibrant movement.

Take the example of Zingerman’s Community of Businesses, an umbrella company that runs a fleet of food service outfits based in Ann Arbor, Michigan. Over the course of more than 30 years, Zingerman’s has become a statewide destination for food lovers, and their owners have become business community luminaries. Nearly 600 employees work in the eight distinct businesses that comprise the Zingerman’s Community, generating annual revenues of $46 million. Inc. Magazine once rated Zingerman’s among the coolest companies in the States, and the very same leaders whose vision has been so celebrated are now designing a plan to transition Zingerman’s to an employee-owned worker cooperative. When the transition is complete, Zingerman’s will be among the largest worker co-ops in the United States.

“It’s exciting to see so many of these transitions happening today, and when a relatively large and remarkably successful company like Zingerman’s moves in this direction, it says something powerful about the possibilities of the Next Economy,” says John Abrams of South Mountain Company. Abrams is advising Zingerman’s on its transition, and brings more than 25 years of experience to the Zingerman’s table. In 1987, Abrams was among those who transitioned his workplace, a design/build firm in Massachusetts named South Mountain Company, to a worker-owned cooperative. “Ownership is a very big deal,” he explains, “and when the people who are making the decisions share in both the rewards and the consequences of those decisions, it’s natural that better decisions result.”

Putting decision-making power in the employees’ hands can keep a local economy going in tough times, and create stable jobs that are far less likely to disappear in times of crisis. The high-profile example of Chicago’s Republic Windows & Doors is one such case of a transition born out of conflict and economic strife. In late 2008, Bank of America cancelled the company’s line of credit, driving it into bankruptcy, and the workers were set to be laid off without their due severance pay or other benefits. Days later, the embattled workers occupied the factory and took control of what the bank had threatened to take away. Assisted by many players in the cooperative movement, those same workers who occupied Republic Windows & Doors have since decided to take permanent control of the company and turn it into a cooperative called New Era Windows.

These recent conversions draw from deep roots. Businesses transitioning today enjoy a broad support network of co-ops drawing from decades of experience. Pioneering company conversions include the 25-year-old Collective Copies of western Massachusetts, whose unionized, striking employees pooled their skills and experience to change over the failing and exploitative Gnomon Copies, revitalizing, strengthening, and updating it to a modern, collectively-run print shop.

These historical examples and the current economic climate are convincing municipalities across the country that transitioning to a co-op-focused economy is a good idea. Recently, two dozen city officials met in Reading, Pennsylvania, to discuss boosting the local economy by creating co-ops, and the mayor of Richmond, California, created a co-op development position to advise the city government.

The picture isn’t as rosy elsewhere in the country, however. “You can’t even form a cooperative in every state in the US,” says Melissa Hoover, president of the US Federation of Worker Cooperatives, because “the legal form simply does not exist in some states.” Indeed, even among cooperative enterprises, only one percent are worker-owned.

As one of the five states that offer worker cooperatives an official business identity, Massachusetts leads the way in supporting worker cooperatives. Legislation is currently on the table that would formalize and clarify the transition process for companies looking to become worker-owned. The new laws would require business owners to notify their workers when they intend to sell the company, making it clear to employees that they are eligible to purchase or bid on the company. It would also give the employees the right of first refusal.

Where co-ops don’t already have a foothold, advocacy groups are making strides, including the formative New Orleans Cooperative Development Project, which describes itself as “a community consortium to facilitate the startup and development of worker-owned cooperative businesses in the region.” In the midwest, the Cincinnati Union Co-op Initiative, pairs United Steelworkers – the largest US-based union – with the Mondragon Cooperative Complex, the largest co-op worker system in the world.

“To survive the boom and bust, bubble-driven economic cycles fueled by Wall Street, we must look for new ways to create and sustain good jobs on Main Street,” Leo Gerard, president of United Steelworkers, told The Nation last year. “Worker-ownership can provide the opportunity to figure out collective alternatives to layoffs, bankruptcies and closings.”

The cooperative movement enjoys growing acceptance in the business community, aided by visionary political leadership that recognizes the value of community resilience. A crucial part of the co-op movement is how it integrates with our communities; each new co-op makes the economy more accountable to the people who live on Main Street, and has the power to change how we will build a new economy.

Copyright, Truthout. May not be reprinted without permission.

Anúncios

Unesco lança campanha para ampliar cooperação pela água em 2013 (Envolverde)

20/12/2012 – 11h02

por Redação do EcoD

campanha Unesco lança campanha para ampliar cooperação pela água em 2013

A campanha é destinada ao dia e ao ano internacional da água. Foto: Divulgação

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) lançou na terça-feira, 18 de dezembro, a campanha Ano Internacional da Cooperação pela Água 2013, destinada ao Dia (22 de março) e ao Ano Internacional da Água. A iniciativa pretende alcançar cinco objetivos:

1. Conscientizar sobre a importância, os benefícios e os desafios da cooperação em questões relacionadas à água;
2. Gerar conhecimento e construir capacidades em prol da cooperação pela água;
3. Provocar ações concretas e inovadoras em prol da cooperação pela água;
4. Fomentar parcerias, diálogo e cooperação pela água como prioridades máximas, mesmo após 2013;
5. Fortalecer a cooperação internacional pela água para abrir caminho para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável defendidos por toda a comunidade que trata sobre água e atendendo às necessidades de todas as sociedades.

Segundo a organização, a humanidade não pode prosperar sem a cooperação no manejo da água, e o desenvolvimento da assistência pelos recursos hídricos envolve uma abordagem que reúne fatores e disciplinas culturais, educacionais e científicas e deve cobrir diversas dimensões: religiosa, ética, social, política, legal, institucional e econômica.

A cooperação pela água assume muitas formas, desde a parceria por meio de fronteiras para o manejo de aquíferos subterrâneos e bacias fluviais compartilhadas, até o intercâmbio de dados científicos, à parceria em uma vila rural para a construção de um poço ou para o fornecimento de água potável através de redes urbanas.

O Ano Internacional de Cooperação pela Água, em 2013, deseja encorajar partes interessadas nos níveis internacional, regional, nacional e local a agir em prol do acesso aos recursos hídricos.

– Conheça a campanha –

* Publicado originalmente no site EcoD.

Cúpula de cooperativas mostrou o poder da diversidade (IPS)

Por Beatrice Paez, da IPS

cooperativas Cúpula de cooperativas mostrou o poder da diversidade

Cúpula do cooperativismo reuniu cerca de 2.800 delegados de 91 países. Foto: Cortesia da Desjardins

Quebec, Canadá, 16/10/2012 – As sementes migratórias do cooperativismo foram plantadas pela primeira vez na Europa, mas se adaptaram aos climas de todo o mundo. De todos os cantos do planeta, do Quênia até as Filipinas e do Ártico até Cuba, os cooperativistas estiveram em Quebec para defender sua participação neste movimento diverso. Na Cúpula Internacional das Cooperativas, realizada na semana passada, protagonistas do movimento trocaram experiências, práticas e cartões pessoais com vistas ao futuro. O encontro foi o momento culminante do Ano Internacional das Cooperativas, declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A intenção é que este ano dê lugar a uma década internacional para resgatar a importância desta forma de economia, disse à IPS a presidente da Aliança Internacional das Cooperativas (ICA), Dame Pauline Green. “Foi uma grande oportunidade para troca de ideias e práticas inovadoras”, afirmou Monique Leroux, diretorageral da Desjardins, uma das organizadoras do encontro.

A declaração final das organizações que convocaram a conferência, Desjardins, ICA e Universidade de St. Mary, enfatiza o papel das cooperativas para o público e as autoridades. As três entidades também se comprometeram a aproveitar novas ferramentas para divulgação de seus objetivos e criar formas inovadoras para melhorar a comunicação e as consultas com membros e diretórios.

Para Quebec, a Cúpula também foi uma oportunidade de homenagear Alphonse Desjardins (1854-1920), que deu os primeiros passos no sentido de colocar cooperativas de crédito ao alcance de canadenses francófonos, que eram obrigados a abandonar a província em busca de um meio de vida nos primeiros anos do Século 20. As histórias e experiências compartilhadas nesta reunião mundial expuseram o papel das cooperativas de manter as pessoas em suas comunidades e evitar a fuga de talentos.

Mary Nirlungayuk, vice-presidente de serviços corporativos da Arctic Cooperatives Limited, disse à IPS que as cooperativas do extremo norte abriram uma forma de renda para coletivos de artistas e prosperaram onde outros fracassaram, oferecendo desde trabalhos de construção até associações com companhias aéreas e empresas de transporte para reduzir o custo dos fretes dos produtos.

A inclinação das cooperativas para os grupos de base as tornou um modelo de empresa viável para as nações originárias (a denominação moderna dos povos indígenas canadenses), em seu esforço para conciliar tradições com realidades atuais. “Foram criadas cooperativas porque eram muito semelhantes ao conceito aborígine de ajuda mútua”, disse Nirlungayuk à IPS, acrescentando que, “se funciona para essas comunidades isoladas, por que não pode ter sucesso em outros lugares?”.

Uma delegação de dez integrantes de Cuba, país que está assentando as bases de seu cooperativismo, aproveitou a oportunidade para aprender com outras experiências e mostrar o peso do movimento em seu país. “Queríamos que o resto do mundo visse o que está acontecendo”, afirmou a canadense Wendy Holm, que há anos trabalha em Cuba promovendo o cooperativismo e que esteve à frente da delegação.

“As cooperativas socialistas e capitalistas são ligeiramente diferentes em sua forma. Um dos desafios será dar-lhes maior autonomia sem deixar de levar em conta que, por exemplo, é uma cooperativa agrícola que produz alimentos para toda a população”, explicou Holm. A versatilidade da cooperativa a torna um modelo aceitável para diferentes setores da economia, como agricultura, seguros, habitação e comércio varejista, entre outros.

Na economia socialista cubana, as cooperativas adquiriram protagonismo no processo de renovar empresas administradas pelo Estado e repletas de problemas. A delegação cubana se mostrou “interessada em observar a maior quantidade de empresas cooperativas”, e inclusive se reuniu com cooperativas de táxi para estudar se podem adaptar a iniciativa em Havana, disse Holm à IPS.

Apesar de menor do que a delegação cubana, a das Filipinas, com quatro integrantes, deixou sua marca na Cúpula. A porta-voz e delegada juvenil, Marie Antoinette Roxas, compartilhou as iniciativas de sua universidade, o Instituto de Tecnologia de Iligan. Roxas disse à IPS que há jovens que dirigem programas de alfabetização financeira para estudantes, um esforço para inculcar práticas inteligentes desde a infância.

A cooperativa estudantil também participa da geração de renda. Um dos projetos já lançados é uma associação com estabelecimentos locais de confecção para fabricar mochilas ecológicas, que depois são vendidas à sua organização-mãe, a Cooperativa Multipropósito, da universidade.

Houve muitas oportunidades para observar diferentes iniciativas, mas Simel Esim, a chefe do ramo cooperativo da Organização Internacional do Trabalho, disse à IPS que gostaria de contar com mais instâncias para conectar-se e promover maior diálogo entre os delegados. Entre os principais desafios para ser competitivo e relevante, o principal para Esim é vincular-se e aconselhar-se fora do círculo do cooperativismo.

No encerramento do encontro, Monique Leroux anunciou que a Desjardins espera realizar outra conferência internacional. Talvez isso conste da agenda da próxima cúpula, em 2014. Envolverde/IPS

(IPS)