Arquivo da tag: Gênero

Judith Butler From Performativity to Precarity (Synthetic Zero)

Anúncios

Diet affects males’ and females’ gut microbes differently (Science Daily)

Date: July 29, 2014

Source: University of Texas at Austin

Summary: The microbes living in the guts of males and females react differently to diet, even when the diets are identical, according to a new study. These results suggest that therapies designed to improve human health and treat diseases through nutrition might need to be tailored for each sex.


Illustration by Marianna Grenadier and Jenna Luecke. Credit: Image courtesy of University of Texas at Austin

The microbes living in the guts of males and females react differently to diet, even when the diets are identical, according to a study by scientists from The University of Texas at Austin and six other institutions published this week in the journal Nature Communications. These results suggest that therapies designed to improve human health and treat diseases through nutrition might need to be tailored for each sex.

The researchers studied the gut microbes in two species of fish and in mice, and also conducted an in-depth analysis of data that other researchers collected on humans. They found that in fish and humans diet affected the microbiota of males and females differently. In some cases, different species of microbes would dominate, while in others, the diversity of bacteria would be higher in one sex than the other.

These results suggest that any therapies designed to improve human health through diet should take into account whether the patient is male or female.

Only in recent years has science begun to completely appreciate the importance of the human microbiome, which consists of all the bacteria that live in and on people’s bodies. There are hundreds or even thousands of species of microbes in the human digestive system alone, each varying in abundance.

Genetics and diet can affect the variety and number of these microbes in the human gut, which can in turn have a profound influence on human health. Obesity, diabetes, and inflammatory bowel disease have all been linked to low diversity of bacteria in the human gut.

One concept for treating such diseases is to manipulate the microbes within a person’s gut through diet. The idea is gaining in popularity because dietary changes would make for a relatively cheap and simple treatment.

Much has to be learned about which species, or combination of microbial species, is best for human health. In order to accomplish this, research has to illuminate how these microbes react to various combinations of diet, genetics and environment. Unfortunately, to date most such studies only examine one factor at a time and do not take into account how these variables interact.

“Our study asks not just how diet influences the microbiome, but it splits the hosts into males and females and asks, do males show the same diet effects as females?” said Daniel Bolnick, professor in The University of Texas at Austin’s College of Natural Sciences and lead author of the study.

While Bolnick’s results identify that there is a significant difference in the gut microbiota for males and females, the dietary data used in the analysis are organized in complex clusters of disparate factors and do not easily translate into specific diet tips, such as eating more vegetables or less meat.

“To guide people’s behavior, we need to know what microbes are desirable for people,” said Bolnick. “Diet and sex do interact to influence the microbes, but we don’t yet know what a desirable target for microbes is. Now we can go in with eyes open when we work on therapies for gut microbe problems, as many involve dietary changes. We can walk into those studies looking for something we weren’t aware of before. All along we treated diet as if it works the same for men and women. Now we’ll be approaching studies of therapies in a different way.”

Why men and women would react differently to changes in diet is unclear, but there are a couple of possibilities. The hormones associated with each sex could potentially influence gut microbes, favoring one strain over another. Also, the sexes often differ in how their immune systems function, which could affect which microbes live and die in the microbiome.

One notable exception in Bolnick’s results was in the mice. Although there was a tiny difference between male and female mice, for the most part the microbiota of each sex reacted to diet in the same manner. Because most dietary studies are conducted on mice, this result could have a huge effect on such research, and it raises questions about how well studies of gut microbes in lab mice can be generalized to other species, particularly humans.

“This means that most of the research that’s being done on lab mice — we need to treat that with kid gloves,” said Bolnick.

Bolnick’s co-authors are Lisa Snowberg (UT Austin); Philipp Hirsch (University of Basel and Uppsala University); Christian Lauber and Rob Knight (University of Colorado, Boulder); Elin Org, Brian Parks and Aldons Lusis (University of California, Los Angeles); J. Gregory Caporaso (Northern Arizona University and Argonne National Laboratory); and Richard Svanbäck (Uppsala University).

This research was funded by the Howard Hughes Medical Institute, the David and Lucile Packard Foundation and the Swedish Research Council.

Journal Reference:

  1. Daniel I. Bolnick, Lisa K. Snowberg, Philipp E. Hirsch, Christian L. Lauber, Elin Org, Brian Parks, Aldons J. Lusis, Rob Knight, J. Gregory Caporaso, Richard Svanbäck. Individual diet has sex-dependent effects on vertebrate gut microbiota. Nature Communications, 2014; 5 DOI: 10.1038/ncomms5500

Kids Have Skewed View of Gender Segregation (Science Daily)

Jan. 9, 2014 — Children believe the world is far more segregated by gender than it actually is, implies a new study led by a Michigan State University scholar.

Jennifer Watling Neal and colleagues examined classroom friendships in five U.S. elementary schools. Their findings, published in the journal Child Development, found boys and girls had no problems being friends together but for some reason had a perception that only boys played with boys and girls played with girls.

“Kids believe gender plays a larger role in friendship that it actually does,” said Neal, assistant professor of psychology.

Children who have more accurate perceptions of the social relationships around them may be better able to avoid conflict and have more positive interactions with their peers, Neal said.

The findings also have implications when the students grow up.

“In adulthood,” Neal said, “we know that people who have accurate perceptions of workplace relationships tend to be perceived as more powerful and have better reputations than their colleagues.”

The study of 426 second- through fourth-graders found gender is still important in the formation of friendships; children were nine times more likely to be friends if they were the same gender.

However, when asked about their friends’ friends, a child was 50 times more likely to believe two classmates were friends when they were the same gender.

“Thus, while gender does matter a great deal in the formation of children’s friendships, children think it is nearly the only relevant factor,” Neal said.

Journal Reference:

  1. Jennifer Watling Neal, Zachary P. Neal, Elise Cappella. I Know Who My Friends Are, but Do You? Predictors of Self-Reported and Peer-Inferred RelationshipsChild Development, 2013; DOI: 10.1111/cdev.12194

Transgendered Males Seen as an Asset to Some Ancestral Societies (Science Daily)

Oct. 2, 2013 — Transgendered androphilic males were accepted in traditional hunter-gatherer cultures because they were an extra set of hands to support their families. Conversely, by investing in and supporting their kin, these males ensured that their familial line — and therefore also their own genetic make-up — passed on to future generations despite their not having children of their own. This is according to an ethnographic study led by Doug VanderLaan of the Centre for Addiction and Mental Health in Canada, published in Springer’s journal Human Nature. The study reports that this “kin selection” is still at play in pro-transgender societies today.

‘Androphilia’ refers to a predominant sexual attraction towards adult males, and takes on one of two possible gender roles depending on the cultural context: sex-gender congruent male androphilia (the typical male gender role) or transgendered androphilia (a gender role markedly similar to that of females in a given culture). Typically one of these variations is dominant within a society. For example, sex-gender congruency is more common in Western cultures, whereas the transgendered form is more typical of non-Western cultures, such as that of the Polynesian island nation of Samoa. The researchers also wanted to test predictions that enhanced kin-directed altruism is prominent in societies in which transgendered male androphilia is predominant.

To answer this question, VanderLaan and his colleagues compared the sociocultural environment of contemporary transgendered societies with ancestral small-group hunter-gatherers. Ancestral group size, sociopolitical systems, religious beliefs and patterns of residency were analyzed in 146 non-transgendered societies, and 46 transgender societies.

The analysis utilized ethnographic information about well-described nonindustrial societies from the Standard Cross-Cultural Sample.VanderLaan and his colleagues found that transgendered male androphilia is an ancestral phenomenon typically found in communities with certain ancestral sociocultural conditions, such as “bilateral descent.” This term refers to societies in which the families of both one’s father and mother are equally important for emotional, social, spiritual and political support, as well as the transfer of property or wealth.

Also, the acceptance and tolerance of same-sex behavior evolved within a suitable, accepting environment in which discrimination against transgendered males was rare. Importantly, kin selection might have played a vital part in maintaining genes for male androphilia these societies. For example, it continues to be a driving force in contemporary Samoan fa’afafine transgender communities.Unless transgendered androphilic males are accepted by their families, the opportunities for them to invest in kin are likely limited. What was true of our ancestors still holds true. A society’s specific social organization and its general acceptance of transgenderism and homosexuality is even important today. When supported by society, transgendered males invest their time and energy in their kin in turn.

Journal Reference:

  1. Doug P. VanderLaan, Zhiyuan Ren, Paul L. Vasey. Male Androphilia in the Ancestral EnvironmentHuman Nature, 2013; DOI: 10.1007/s12110-013-9182-z

‘Boys Will Be Boys’ in U.S., but Not in Asia (Science Daily)

May 22, 2013 — A new study shows there is a gender gap when it comes to behavior and self-control in American young children — one that does not appear to exist in children in Asia. 

Boys will be boys. A new study shows there is a gender gap when it comes to behavior and self-control in American young children — one that does not appear to exist in children in Asia. (Credit: © Vesna Cvorovic / Fotolia)

In the United States, girls had higher levels of self-regulation than boys. Self-regulation is defined as children’s ability to control their behavior and impulses, follow directions, and persist on a task. It has been linked to academic performance and college completion, in past studies by Oregon State University researchers.

In three Asian countries, the gender gap in the United States was not found when researchers directly assessed the self-regulation of 3-6 year olds. The results appear in the new issue of the journal Early Childhood Research Quarterly.

“These findings suggest that although we often expect girls to be more self-regulated than boys, this may not be the case for Asian children,” said Shannon Wanless, lead author of the study.

Wanless began conducting the research during her doctoral studies at Oregon State University under Megan McClelland, an associate professor in OSU’s Hallie E. Ford Center for Healthy Children and Families. Wanless is now on the faculty at the University of Pittsburgh.

One interesting part of the researcher’s findings: Although there were no gender differences in self-regulation when the children were directly assessed using a variety of school-readiness tasks, teachers in Asia perceived girls as performing better on self-regulation even when they actually performed equally to boys.

“Teachers are rating children’s behavior in the classroom environment, which has a lot of distractions and is very stimulating,” Wanless said. “It is possible that boys in the Asian countries were able to self-regulate as well as girls when they were in a quiet space (the direct assessment), but were not able to regulate themselves as well in a bustling classroom environment (teacher ratings).”

In addition, McClelland said cultural expectations of girls’ behavior versus that of their male peers may be influencing teachers’ assessments.

“In general, there is more tolerance for active play in boys than in girls,” McClelland said. “Girls are expected to be quiet and not make a fuss. This expectation may be coloring some teachers’ perceptions.”

The researchers conducted assessments with 814 children in the United States, Taiwan, South Korea and China. Their study showed that U.S. girls had significantly higher self-regulation than boys, but there were no significant gender differences in any Asian societies. In addition, for both genders, directly assessed and teacher-rated self-regulation were related to many aspects of school readiness in all societies for girls and boys.

“We know from previous research that many Asian children outperform American children in academic achievement,” McClelland said. “Increasingly, we are seeing that there is also a gap when it comes to their ability to control their behavior and persist with tasks.”

Wanless said this study paves the way for future research to explore why there is such a large gender gap in the United States, and what can be learned from Asian schools.

“What can we learn from Asian cultural and teaching practices about how we can support girls and boys to be successful in school?” she said. “When we see differences in developmental patterns across countries it suggests that we might want to look at teaching and parenting practices in those countries and think about how they might apply in the United States.”

Both researchers emphasized the importance of working with young children, regardless of gender or culture, on their self-regulation skills. Practicing games such as Simon Says and Red Light, Green Light are a few ways that parents can work with their children to help them learn how to follow instructions, persist on a task, and listen carefully.

“In our study, self-regulation was good for academic achievement for boys and girls,” Wanless said. “That means this skill is important for both genders and we should be supporting self-regulatory development for all children, especially boys. Low self-regulation in preschool has been linked to difficulties in adulthood, so increased focused on supporting young boys’ development can have long-term positive benefits.”

Journal Reference:

  1. Shannon B. Wanless, Megan M. McClelland, Xuezhao Lan, Seung-Hee Son, Claire E. Cameron, Frederick J. Morrison, Fu-Mei Chen, Jo-Lin Chen, Su Li, Kangyi Lee, Miyoung Sung. Gender differences in behavioral regulation in four societies: The United States, Taiwan, South Korea, and ChinaEarly Childhood Research Quarterly, 2013; 28 (3): 621 DOI: 10.1016/j.ecresq.2013.04.002

The Tangle of the Sexes (N.Y.Times)

GRAY MATTER

By BOBBI CAROTHERS and HARRY REIS

Published: April 20, 2013

MEN and women are so different they might as well be from separate planets, so says the theory of the sexes famously explicated in John Gray’s 1992 best seller, “Men Are From Mars, Women Are From Venus.”

Jonny Negron

Indeed, sex differences are a perennially popular topic in behavioral science; since 2000, scientific journals have published more than 30,000 articles on them.

That men and women differ in certain respects is unassailable. Unfortunately, the continuing belief in “categorical differences” — men are aggressive, women are caring — reinforces traditional stereotypes by treating certain behaviors as immutable. And, it turns out, this belief is based on a scientifically indefensible model of human behavior.

As the psychologist Cordelia Fine explains in her book “Delusions of Gender,” the influence of one kind of categorical thinking, neurosexism — justifying differential treatment by citing differences in neural anatomy or function — spills over to educational and employment disparities, family relations and arguments about same-sex institutions.

Consider a marital spat in which she accuses him of being emotionally withdrawn while he indicts her for being demanding. In a gender-categorical world, the argument can quickly devolve to “You’re acting like a typical (man/woman)!” Asking a partner to change, in this binary world, is expecting him or her to go against the natural tendency of his or her category — a very tall order.

The alternative, a dimensional perspective, ascribes behavior to individuals, as one of their various personal qualities. It is much easier to imagine how change might take place.

But what of all those published studies, many of which claim to find differences between the sexes? In our research, published recently in The Journal of Personality and Social Psychology, we shed an empirical light on this question by using a method called taxometric analysis.

This method asks whether data from two groups are likely to be taxonic — a classification that distinguishes one group from another in a nonarbitrary, fundamental manner, called a “taxon” — or whether they are more likely to be dimensional, with individuals’ scores dispersed along a single continuum.

The existence of a taxon implies a fundamental distinction, akin to the difference between species. As the clinical psychologist Paul Meehl famously put it, “There are gophers, there are chipmunks, but there are no gophmunks.”

A dimensional model, in contrast, indicates that men and women come from the same general pool, differing relatively, trait by trait, much as any two individuals from the same group might differ.

We applied such techniques to the data from 13 studies, conducted earlier by other researchers. In each, significant differences had been found. We then looked more closely at these differences to ask whether they were more likely to be of degree (a dimension) or kind (a taxon).

The studies looked at diverse attributes, including sexual attitudes and behavior, desired mate characteristics, interest in and ease of learning science, and intimacy, empathy, social support and caregiving in relationships.

Across analyses spanning 122 attributes from more than 13,000 individuals, one conclusion stood out: instead of dividing into two groups, men and women overlapped considerably on attributes like the frequency of science-related activities, interest in casual sex, or the allure of a potential mate’s virginity.

Even stereotypical traits, like assertiveness or valuing close friendships, fell along a continuum. In other words, we found little or no evidence of categorical distinctions based on sex.

To some, this is no surprise; the psychologist Janet Hyde has argued repeatedly that men and women are far more similar than different. Yet to many others, the idea that men and women are fundamentally different beings persists. The Mars/Venus binary aside, it is all too easy to reify observed behavioral differences by associating them with the categories of the people doing the behaving, be it their sex, race or occupation.

It is important to keep in mind what we did not study. We looked only at psychological characteristics, qualities often associated with the behavior of women and men. We did not look at abilities or skills, and we did not directly observe behavior.

Just to be safe, we repeated our analyses on several dimensions where we did expect categorical differences: physical size, athletic ability and sex-stereotyped hobbies like playing video games and scrapbooking. On these we did find evidence for categories based on sex.

The Mars/Venus view describes a world that does not exist, at least here on earth. Our work shows that sex does not define qualitatively distinct categories of psychological characteristics. We need to look at individuals as individuals.

Bobbi Carothers is a senior data analyst at Washington University in St. Louis. Harry Reis is a professor of psychology at the University of Rochester.

Female Anthropologists Harassed (The Scientist)

[Why the photo of Maasai people? -RT]

A new survey finds a high incidence of sexual harassment and rape among women doing anthropological field work.

By Jef Akst | April 15, 2013

The Maasai tribe in Kenya. WIKIMEDIA, MATT CRYPTO

More than 20 percent of female bioanthropologists who took part in a new survey are victims of “physical sexual harassment or unwanted sexual contact” in the course of their scientific research, primarily at the hand of superior professional colleagues, even their own mentors.

After talking to a friend that had been raped by a colleague, anthropologist Kathryn Clancy of the University of Illinois, Urbana-Champaign decided to look into the matter further.  “It was like a slap in the face to learn that this was happening to my friends,” Clancy told ScienceInsider.

She began posting anonymous stories of sexual harassment, shared with her by her female colleagues, on the Scientific American blog Context and Variation. The stories began to draw comments of other researchers’ harassment stories. “This is definitely not limited to just my discipline,” Clancy told ScienceInsider—nor is it limited to females, she found.

To get a better handle on the frequency with which such harassment occurs, Clancy and colleagues conducted a (still ongoing) online survey, asking scientists to report on their field-work experiences. Preliminary results, presented Saturday (April 13) at the American Association of Physical Anthropologists (AAPA) annual meeting in Knoxville, Tennessee, indicated that about 30 percent of both men and women reported the occurrence of verbal abuse “regularly” or “frequently” at field sites. And 21 percent of women reported having experienced physical sexual harassment or unwanted sexual contact; one out of 23 men also reported such abuse.

Notably, fewer than 20 percent of the reported cases of harassment involved the local community; rather, most of the abuse came from other researchers, primarily those further along in their careers. But why are such experiences so rarely reported?

“Quitting a field site, not completing and publishing research, and/or loss of letters of recommendation can have potent consequences for academic careers,” collaborator Katie Hinde of Harvard University told ScienceInsider. “Taken together, these factors result in a particularly vulnerable population of victims and witnesses powerless to intervene. As a discipline, we need to recognize and remedy that an appreciable non-zero number of our junior colleagues, particularly women, are having to endure harassment and a hostile work environment in order to be scientists.”

Women Make Better Decisions Than Men, Study Suggests (Science Daily)

Mar. 25, 2013 — Women’s abilities to make fair decisions when competing interests are at stake make them better corporate leaders, researchers have found.

A survey of more than 600 board directors showed that women are more likely to consider the rights of others and to take a cooperative approach to decision-making. This approach translates into better performance for their companies.

The study, which was published this week in the International Journal of Business Governance and Ethics, was conducted by Chris Bart, professor of strategic management at the DeGroote School of Business at McMaster University, and Gregory McQueen, a McMaster graduate and senior executive associate dean at A.T. Still University’s School of Osteopathic Medicine in Arizona.

“We’ve known for some time that companies that have more women on their boards have better results,” explains Bart. “Our findings show that having women on the board is no longer just the right thing but also the smart thing to do. Companies with few female directors may actually be shortchanging their investors.”

Bart and McQueen found that male directors, who made up 75% of the survey sample, prefer to make decisions using rules, regulations and traditional ways of doing business or getting along.

Female directors, in contrast, are less constrained by these parameters and are more prepared to rock the boat than their male counterparts.

In addition, women corporate directors are significantly more inclined to make decisions by taking the interests of multiple stakeholders into account in order to arrive at a fair and moral decision. They will also tend to use cooperation, collaboration and consensus-building more often — and more effectively — in order to make sound decisions.

Women seem to be predisposed to be more inquisitive and to see more possible solutions. At the board level where directors are compelled to act in the best interest of the corporation while taking the viewpoints of multiple stakeholders into account, this quality makes them more effective corporate directors, explains McQueen.

Globally, women make up approximately 9% of corporate board memberships. Arguments for gender equality, quotas and legislation have done little to increase female representation in the boardroom, despite evidence showing that their presence has been linked to better organizational performance, higher rates of return, more effective risk management and even lower rates of bankruptcy. Bart’s and McQueen’s finding that women’s higher quality decision-making ability makes them more effective than their male counterparts gives boards a method to deal with the multifaceted social issues and concerns currently confronting corporations.

The International Journal of Business Governance and Ethicsis available online.

How do people make decisions?

  • Personal interest reasoning: The decision maker is motivated by ego, selfishness and the desire to avoid trouble. This method is most often exhibited by young children who largely tend to be motivated to seek pleasure and avoid pain.
  • Normative reasoning: The decision maker tries to avoid “rocking the boat” by adhering to rules, laws or norms. Stereotypical examples of groups that use this form of reasoning include organizations with strong established cultures like Mary Kay or the US Marines.
  • Complex moral reasoning: The decision maker acknowledges and considers the rights of others in the pursuit of fairness by using a social cooperation and consensus building approach that is consistently applied in a non-arbitrary fashion.

Why should boards have more female directors?

  • Boards with high female representation experience a 53% higher return on equity, a 66% higher return on invested capital and a 42% higher return on sales (Joy et al., 2007).
  • Having just one female director on the board cuts the risk of bankruptcy by 20% (Wilson, 2009).
  • When women directors are appointed, boards adopt new governance practices earlier, such as director training, board evaluations, director succession planning structures (Singh and Vinnicombe, 2002)
  • Women make other board members more civilized and sensitive to other perspectives (Fondas and Sassalos, 2000) and reduce ‘game playing’ (Singh, 2008)
  • Female directors are more likely to ask questions rather than nodding through decisions (Konrad et al., 2008).

Journal Reference:

  1. Chris Bart, Gregory McQueen. Why women make better directorsInternational Journal of Business Governance and Ethics, 2013; 8 (1): 93 DOI:10.1504/IJBGE.2013.052743

Young Women Do Not Want to Run for Office, Experts Say (Science Daily)

Mar. 26, 2013 — Despite some very high-profile female candidates and elected officials, and what looks like a changing landscape of U.S. politics, a new study conducted by American University professor and director of its Women and Politics Institute Jennifer L. Lawless and Richard L. Fox (Loyola Marymount University) reveals that young women are less likely than young men ever to have considered running for office, to express interest in a candidacy at some point in the future, or to consider elective office a desirable profession.

Data are based on responses from 1,020 men and 1,097 women. Bars represent the percentage of men and women who fall into each category. The gender gap in each comparison is statistically significant at p < .05. (Credit: Image courtesy of American University)

In their new report, Girls Just Wanna Not Run: The Gender Gap in Young Americans’ Political Ambition, Lawless and Fox detail the results of a survey of a national sample of more than 2,100 college students. The authors find a dramatic gap between women and men’s interest in running for office; men were twice as likely as women to have thought about running for office “many times,” whereas women were 20 percentage points more likely than men never to have considered it. Importantly, the 20 point gap is just as large as the one we previously uncovered among adult professionals (in their 40s and 50s) who were well-situated to pursue a candidacy.

The report identifies five factors that contribute to the gender gap in political ambition among college students:

1. Young men are more likely than young women to be socialized by their parents to think about politics as a career path.

2. From their school experiences to their peer associations to their media habits, young women tend to be exposed to less political information and discussion than do young men.

3. Young men are more likely than young women to have played organized sports and care about winning.

4. Young women are less likely than young men to receive encouragement to run for office — from anyone.

5. Young women are less likely than young men to think they will be qualified to run for office, even in the not-so-near future.

Given this persistent gender gap in political ambition, we are a long way from a political reality in which young women and men are equally likely to aspire to seek and hold elective office in the future. Certainly, recruitment efforts by women’s organizations — nationally and on college campuses — can chip away at the gender imbalance in interest in running for office. Encouraging parents, family members, teachers, and coaches to urge young women to think about a political career can mitigate the gender gap in ambition, too. And spurring young women to immerse themselves in competitive environments, such as organized sports, can go a long way in reinforcing the competitive spirit associated with interest in a future candidacy. But women’s under-representation in elective office is likely to extend well into the future. In the end, this report documents how far from gender parity we remain and the deeply embedded nature of the obstacles we must still overcome to achieve it.

Aggressive Advertising Makes for Aggressive Men (Science Daily)

Feb. 28, 2013 — Does advertising influence society, or is it merely a reflection of society’s pre-existing norms? Where male attitudes are concerned, a new study implicates magazine advertisements specifically aimed at men as helping to reinforce a certain set of views on masculinity termed “hyper-masculinity.” The article by Megan Vokey, a Ph.D. candidate from the University of Manitoba, and colleagues is published in Springer’s journal Sex Roles.

Hyper-masculinity is an extreme form of masculine gender ideology comprising four main components: toughness, violence, dangerousness and calloused attitudes toward women and sex. The authors found that hyper-masculine depictions of men, centered on this cluster of beliefs, appear to be common place in U.S. magazine advertisements.

Using a range of eight, high-circulation magazines marketed to men of different ages, levels of education and income (e.g. Golf Digest to Game Informer), Vokey and her colleagues analyzed the ads in each magazine where a photograph, picture or symbol of a man was shown. The researchers then categorized these advertisements using the four components that constitute hyper-masculinity. They found that at least one of these hyper-masculine attitudes was depicted in 56 percent of the total sample of 527 advertisements. In some magazines, this percentage was as high as 90 percent.

Vokey’s results are consistent with considerable prior research showing a positive association between hyper-masculine beliefs and a host of social and health problems, such as dangerous driving, drug use and violence towards women. Further analysis of the data showed that magazines with the highest proportion of hyper-masculine advertisements were those aimed at younger, less-affluent and less-educated men. The authors argue that this is an area of real concern as young men are still learning appropriate gender behaviors, and their beliefs and attitudes can be subtly shaped by images that the mass media repeatedly represent. In addition, men with lower social and economic power are already more likely to use a facade of toughness and physical violence as methods of gaining power and respect. These advertisements are thought to help reinforce the belief that this is desirable behavior..

The authors conclude, “The widespread depiction of hyper-masculinity in men’s magazine advertising may be detrimental to both men and society at large.. Although theoretically, men as a group can resist the harmful aspects of hyper-masculine images, the effects of such images cannot be escaped completely.” They add that educating advertisers about the potential negative consequences of their advertising may help reduce the use of these stereotypes.

Journal Reference:

  1. Megan Vokey, Bruce Tefft, Chris Tysiaczny. An Analysis of Hyper-Masculinity in Magazine AdvertisementsSex Roles, 2013; DOI: 10.1007/s11199-013-0268-1

Bolsa Família and the Feminist Revolution in the Sertão (rioonwatch.org)

By Mariana Sanches – January 14, 2013

Over the past five years anthropologist Walquiria Domingues Leão Rêgo has witnessed a change in behavior in the poorest, and probably most sexist, areas of Brazil. The money provided by the federal income subsidy program Bolsa Família has brought the power of choice to women. They now decide everything from the grocery list to whether to file for divorce.

Money from “Bolsa-Família” brought the power of choice to the women of the Sertão, Brazil’s hinterland (Photo from: Editora Globo)

A revolution is underway. Silent and slow—52 years after the creation of the birth control pill—feminism begins to take shape in the poorest, and possibly most chauvinistic, corners of Brazil. The interior of Piauí, the coast of Alagoas, the Jequitinhonha Valley in Minas Gerais, the interior of Maranhão and the outskirts of São Luís are this movement’s setting, described by anthropologist Walquiria Domingues Leão Rêgo, of the State University of Campinas (Unicamp). Over the past five years, Walquiria followed the annual changes in the lives of over a hundred women, all beneficiaries of Bolsa Família. She visited the most isolated areas, relying on her own resources, for an unusual exercise: to hear from these women how their lives had (or had not) changed after the creation of the program. Walquiria’s research will be published in a book, to be released later this year, but we will advance some of her conclusions.

WOMEN WITHOUT RIGHTS

The areas Walquiria visited are those where families at times cannot get any income over a whole month. Ultimately, they live off a barter system. With a labor market too small for men, there rests no hope of employment opportunity for women. There is poor access to education and health. Families tend to have many children. The social structure is patriarchal and religious. The woman is always under the yoke of her father, her husband or her pastor. “Many of these women went through the humiliating experience of being literally forced to ‘hunt for food,’” says Walquiria. “It’s people who live without the right to have rights.” Walquiria wanted to know if Bolsa Família had either become a welfare crutch or rescued some sense of citizenship for these people.

LIPSTICK AND DANONE YOGURT

“There is more freedom in money,” says Edineide, one of Walquiria’s interviewees and a resident of Pasmadinho in Jequitinhonha Valley. Women make up more than 90% of the titleholders of Bolsa Família; they are the ones who withdraw the money from the cash machine on a monthly basis. Edineide translates the meaning of this government decision of giving the benefit card to the woman: “When the husband goes shopping, he buys what he wants. And if I go, I buy what I want.” They started buying yogurt for children and to entitle themselves to vanity. Walquiria witnessed women buying lipstick for themselves for the first time in their lives. Finally, they had the power of choice. And that changes many things.

DOES MONEY LEAD TO DIVORCE AND A DROP IN THE NUMBER OF CHILDREN?

“A lot of these women have a fixed income for the first time, and many now have more than their husbands,”says Walquiria. More than simply choosing between buying noodles or rice, Bolsa Família also allowed them to decide whether or not to continue their marriages. It is still rare for a woman to initiate a separation in these regions. Yet this is precisely what is beginning to happen, as Walquiria reports: “In the first interview in April 2006 with Quitéria Ferreira da Silva, 34, a married mother of three in Inhapi, I asked her about the issue of abuse. She cried and told me she did not want to talk about it. The following year, when I returned, I found her separated from her husband, boasting a much more relaxed appearance.”

Despite husbands’ harassments, none of the women interviewed by Walquiria admitted to yielding to their appeals and handing over the Bolsa Família money. “This is my money, President Lula gave it to me to take care of my children and grandchildren. Why am I going to give it to my husband now? I won’t!” said Maria das Mercês Pinheiro Dias, 60, mother of six, a resident of São Luís, in an interview in 2009.

Walquiria also reports that the number of women who seek contraception has increased. They began to feel more comfortable making decisions about their bodies and their lives. It is clear that changes are still subtle. No one visiting these areas will find women burning bras and quoting Betty Friedan. But they are beginning to break with a perverse dynamic, first described in 1911 by English philosopher John Stuart Mill. According to Mill, women are trained since childhood not only to serve men, husbands and fathers, but to want to serve them. It seems that the poorest women of Brazil are finding they can want more than just that.

You Can Give a Boy a Doll, but You Can’t Make Him Play With It (The Atlantic)

By Christina Hoff Sommers

DEC 6 2012, 11:29 AM ET 223

The logistical and ethical problems with trying to make toys gender-neutral

sommers_boydoll_post.jpg

Top-Toy

Is it discriminatory and degrading for toy catalogs to show girls playing with tea sets and boys with Nerf guns? A Swedish regulatory group says yes. The Reklamombudsmannen (RO) has reprimanded Top-Toy, a licensee of Toys”R”Us and one of the largest toy companies in Northern Europe, for its “outdated” advertisements and has pressured it to mend its “narrow-minded” ways. After receiving “training and guidance” from RO equity experts, Top-Toy introduced gender neutrality in its 2012 Christmas catalogue. The catalog shows little boys playing with a Barbie Dream House and girls with guns and gory action figures. As its marketing director explains, “For several years, we have found that the gender debate has grown so strong in the Swedish market that we have had to adjust.”

Swedes can be remarkably thorough in their pursuit of gender parity. A few years ago, a feminist political party proposed a law requiring men to sit while urinating—less messy and more equal. In 2004, the leader of the Sweden’s Left Party Feminist Council, Gudrun Schyman,proposed a “man tax”—a special tariff to be levied on men to pay for all the violence and mayhem wrought by their sex. In April 2012, following the celebration of International Women’s Day, the Swedes formally introduced the genderless pronoun “hen” to be used in place of he and she (han and hon).

Egalia, a new state-sponsored pre-school in Stockholm, is dedicated to the total obliteration of the male and female distinction. There are no boys and girls at Egalia—just “friends” and “buddies.” Classic fairy tales like Cinderellaand Snow White have been replaced by tales of two male giraffes who parent abandoned crocodile eggs. The Swedish Green Party would like Egalia to be the norm: It has suggested placing gender watchdogs in all of the nation’s preschools. “Egalia gives [children] a fantastic opportunity to be whoever they want to be,” says one excited teacher. (It is probably necessary to add that this is not an Orwellian satire or a right-wing fantasy: This school actually exists.)

The problem with Egalia and gender-neutral toy catalogs is that boys and girls, on average, do not have identical interests, propensities, or needs. Twenty years ago, Hasbro, a major American toy manufacturing company, tested a playhouse it hoped to market to both boys and girls. It soon emerged that girls and boys did not interact with the structure in the same way. The girls dressed the dolls, kissed them, and played house. The boys catapulted the toy baby carriage from the roof. A Hasbro manager came up with a novel explanation: “Boys and girls are different.”

They are different, and nothing short of radical and sustained behavior modification could significantly change their elemental play preferences. Children, with few exceptions, are powerfully drawn to sex-stereotyped play. David Geary, a developmental psychologist at the University of Missouri, told me in an email this week, “One of the largest and most persistent differences between the sexes are children’s play preferences.” The female preference for nurturing play and the male propensity for rough-and-tumble hold cross-culturally and even cross-species (with a few exceptions—female spotted hyenas seem to be at least as aggressive as males). Among our close relatives such as vervet and rhesus monkeys, researchers have found that females play with dolls far more than their brothers, who prefer balls and toy cars. It seems unlikely that the monkeys were indoctrinated by stereotypes in a Top-Toy catalog. Something else is going on.

Biology appears to play a role. Several animal studies have shown that hormonal manipulation can reverse sex-typed behavior. When researchers exposed female rhesus monkeys to male hormones prenatally, these females later displayed male-like levels of rough-and-tumble play. Similar results are found in human beings. Congenital adrenal hyperplasia (CAH) is a genetic condition that results when the female fetus is subjected to unusually large quantities of male hormones—adrenal androgens. Girls with CAH tend to prefer trucks, cars, and construction sets over dolls and play tea sets. As psychologist Doreen Kimura reported in Scientific American, “These findings suggest that these preferences were actually altered in some way by the early hormonal environment.” They also cast doubt on the view that gender-specific play is primarily shaped by socialization.

Professor Geary does not have much hope for the new gender-blind toy catalogue: “The catalog will almost certainly disappear in a few years, once parents who buy from it realize their kids don’t want these toys.” Most little girls don’t want to play with dump trucks, as almost any parent can attest. Including me: When my granddaughter Eliza was given a toy train, she placed it in a baby carriage and covered it with a blanket so it could get some sleep.

Androgyny advocates like our Swedish friends have heard such stories many times, and they have an answer. They acknowledge that sex differences have at least some foundation in biology, but they insist that culture can intensify or diminish their power and effect. Even if Eliza is prompted by nature to interact with a train in a stereotypical female way, that is no reason for her parents not to energetically correct her. Hunter College psychologist Virginia Valian, a strong proponent of Swedish-style re-genderization, wrote in the book Why So Slow? The Advancement of Women, “We do not accept biology as destiny … We vaccinate, we inoculate, we medicate… I propose we adopt the same attitude toward biological sex differences.”

Valian is absolutely right that we do not have to accept biology as destiny. But the analogy is ludicrous: We vaccinate, inoculate, and medicate children against disease. Is being a gender-typical little boy or girl a pathology in need of a cure? Failure to protect children from small pox, diphtheria, or measles places them in harm’s way. I don’t believe there is any such harm in allowing male/female differences to flourish in early childhood. As one Swedish mother, Tanja Bergkvist,told the Associated Press, “Different gender roles aren’t problematic as long as they are equally valued.” Gender neutrality is not a necessary condition for equality. Men and women can be different—but equal. And for most human beings, the differences are a vital source for meaning and happiness. Since when is uniformity a democratic ideal?

Few would deny that parents and teachers should expose children to a wide range of toys and play activities. But what the Swedes are now doing in some of their classrooms goes far beyond encouraging children to experiment with different toys and play styles—they are requiring it. And toy companies who resist the gender neutrality mandate face official censure. Is this kind of social engineering worth it? Is it even ethical?

To succeed, the Swedish parents, teachers and authorities are going to have to police—incessantly—boys’ powerful attraction to large-group rough-and-tumble play and girls’ affinity for intimate theatrical play. As Geary says, “You can change some of these behaviors with reinforcement and monitoring, but they bounce back once this stops.” But this constant monitoring can also undermine children’s healthy development.

Anthony Pellegrini, a professor of early childhood education at the University of Minnesota, defines the kind of rough-and-tumble play that boys favor as a behavior that includes “laughing, running, smiling, jumping, open-hand beating, wrestling, play fighting, chasing and fleeing.” This kind of play is often mistakenly regarded as aggression, but according to Pellegrini, it is the very opposite. In cases of schoolyard aggression, the participants are unhappy, they part as enemies, and there are often tears and injuries. Rough-and-tumble play brings boys together, makes them happy, and is a critical party of their social development.

Researchers Mary Ellin Logue (University of Maine) and Hattie Harvey (University of Denver ) agree, and they have documented the benefits of boys’ “bad guy” superhero action narratives. Teachers tend not to like such play, say Logue and Harvey, but it improves boys’ conversation, creative writing skills, and moral imagination. Swedish boys, like American boys, are languishing far behind girls in school. In a 2009 study Logue and Harvey ask an important question the Swedes should consider: “If boys, due to their choices of dramatic play themes, are discouraged from dramatic play, how will this affect their early language and literacy development and their engagement in school?”

What about the girls? Nearly 30 years ago, Vivian Gussin Paley, a beloved kindergarten teacher at the Chicago Laboratory Schools and winner of a MacArthur “genius” award, published a classic book on children’s play entitled Boys & Girls: Superheroes in the Doll Corner. Paley wondered if girls are missing out by not partaking in boys’ superhero play, but her observations of the “doll corner” allayed her doubts. Girls, she learned, are interested in their own kind of domination. Boys’ imaginative play involves a lot of conflict and imaginary violence; girls’ play, on the other hand, seems to be much gentler and more peaceful. But as Paley looked more carefully, she noticed that the girls’ fantasies were just as exciting and intense as the boys—though different. There were full of conflict, pesky characters and imaginary power struggles. “Mothers and princesses are as powerful as any superheroes the boys can devise.” Paley appreciated the benefits of gendered play for both sexes, and she had no illusions about the prospects for its elimination: “Kindergarten is a triumph of sexual self-stereotyping. No amount of adult subterfuge or propaganda deflects the five-year-old’s passion for segregation by sex.”

But subterfuge and propaganda appear to be the order of the day in Sweden. In their efforts to free children from the constraints of gender, the Swedish reformers are imposing their own set of inviolate rules, standards, and taboos. Here is how Slate author Nathalie Rothchild describes a gender-neutral classroom:

One Swedish school got rid of its toy cars because boys “gender-coded” them and ascribed the cars higher status than other toys. Another preschool removed “free playtime” from its schedule because, as a pedagogue at the school put it, when children play freely ‘stereotypical gender patterns are born and cemented. In free play there is hierarchy, exclusion, and the seed to bullying.’ And so every detail of children’s interactions gets micromanaged by concerned adults, who end up problematizing minute aspects of children’s lives, from how they form friendships to what games they play and what songs they sing.

The Swedes are treating gender-conforming children the way we once treated gender-variant children. Formerly called “tomboy girls” and “sissy boys” in the medical literature, these kids are persistently attracted to the toys of the opposite sex. They will often remain fixated on the “wrong” toys despite relentless, often cruel pressure from parents, doctors, and peers. Their total immersion in sex-stereotyped culture—a non-stop Toys”R”Us indoctrination—seems to have little effect on their passion for the toys of the opposite sex. There was a time when a boy who displayed a persistent aversion to trucks and rough play and a fixation on frilly dolls or princess paraphernalia would have been considered a candidate for behavior modification therapy. Today, most experts encourage tolerance, understanding, and acceptance: just leave him alone and let him play as he wants. The Swedes should extend the same tolerant understanding to the gender identity and preferences of the vast majority of children.

O racismo faz mal à saúde (IPS)

Crianças negras e mestiças em Araçuaí, Minas Gerais. Foto: Rodrigo Dai – Cortesia Ser Criança

por Fabiana Frayssinet, da IPS

Rio de Janeiro, Brasil, 16/11/2012 – Entre a emergência de uma parturiente negra e uma branca, o médico brasileiro escolhe a branca porque “as negras são mais resistentes à dor e estão acostumadas a parir”. As convenções culturais e sociais brasileiras “imputam ao negro condições de estereótipo, que fazem com que não tenha as mesmas garantias de tratamento da saúde que um branco”, disse à IPS a psicóloga Crisfanny Souza Soares, da Rede Nacional de Controle Social e Saúde da População Negra. Estes estereótipos refletem um racismo que faz mal à saúde e que uma campanha tenta extirpar do sistema hospitalar brasileiro.

Dos 192 milhões de brasileiros, metade se reconhece como negra. A Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra, foi lançada este ano por organizações de afro-brasileiros, com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Sob o lema “Vida longa, com saúde e sem racismo”, o objetivo da campanha é a saúde integral em todas as fases da vida, incentivando a sociedade, e em particular o sistema sanitário, a combater a discriminação para reduzir os altos índices de mortalidade da população de origem africana.

“Praticamente, todos os índices de saúde da mulher negra são piores do que os da branca. Em uma consulta sobre câncer de mama, as negras são menos apalpadas do que as brancas; e recebem menos anestesia no parto”, afirma Crisfanny. O Ministério da Saúde, que desde 2006 impulsiona uma política nacional integral para este grupo de população no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), realiza estudos para detectar este tipo de situação.

“A ideia de que a população negra é mais resistente à dor e tem melhores condições de conviver com a doença está presente em todo o sistema de saúde, desde os técnicos de enfermagem até os médicos”, afirmou Deise Queiroz, coordenadora da Articulação de Jovens Negras, da Bahia. Ela conhece bem isso, especialmente porque sua mãe, que sofre de diabete e pressão alta, deve recorrer com frequência ao sistema público de saúde. Segundo a ativista, o SUS, que foi um modelo de democratização do serviço de saúde, hoje não consegue atender tanta demanda, e “as atitudes racistas ficam mais evidentes”.

A Constituição determina que a saúde é um direito universal e o Estado tem o dever de proporcioná-la. O SUS estabelece que “todas as pessoas têm direito ao tratamento de qualidade humanizado e sem nenhuma discriminação”. Entretanto, o racismo se infiltra aberta ou sutilmente. “Ele se incorpora nas condições de vida da população, na organização dos serviços de saúde e na formulação de políticas”, explicou à IPS a representante auxiliar do UNFPA no Brasil, Fernanda Lopes. “Por isto é necessário construir políticas específicas de equidade”, afirmou.

Um estudo epidemiológico do Ministério da Saúde apresenta informação específica para ajudar a preencher esses vazios, ao comparar indicadores como assistência pré-natal por raça, cor e etnia. Também analisa outros aspectos, como o direito e o acesso a planejamento familiar, que é mais precário entre as afrodescendentes. Precisamente este aspecto é o centro do informe mundial do UNFPA, apresentado no dia 14, com o título Sim à Opção, não ao Acaso – Planejamento da Família, Direitos Humanos e Desenvolvimento.

Por exemplo, 19% das crianças nascidas vivas são de mães adolescentes brancas entre 15 e 19 anos. Contudo, a incidência de gravidez em adolescentes é de 29% entre as jovens afro-brasileiras da mesma faixa etária. Além disso, enquanto 62% das mães de crianças brancas informavam ter realizado sete ou mais consultas pré-natais, apenas 37% das mães de recém-nascidos mulatos e negros realizaram essa quantidade de exames antes do parto.

A mortalidade infantil também apresenta disparidades. O risco de uma criança negra ou mulata morrer antes dos cinco anos de idade por doenças infecciosas e parasitárias é 60% maior em relação a uma criança branca. E o de morte por desnutrição é 90% superior. O estudo também constatou que morrem mais grávidas afrodescendentes do que brancas por causas vinculadas à gestação, como hipertensão.

“Dizem que os piores índices sanitários da população negra se deve ao fato de a maioria ser pobre e, por isso, mais vulnerável”, apontou Crisfanny. Porém, não se pode negar outras variáveis estritamente racistas, advertiu. “Se em um hospital vemos dois jovens baleados, é mais fácil o imaginário cultural colocar o branco no papel de vítima, enquanto o negro estaria ali porque se envolveu em um crime”, ressaltou a psicóloga, afirmando que às vezes essa referência “faz com que um profissional estabeleça prioridades no atendimento”.

Outra preocupação se refere às doenças prevalentes na população afrodescendente, como anemia falciforme, diabete mellitus Tipo II e hipertensão, que o sistema sanitário não está preparado para abordar de maneira específica. As mulheres negras têm 50% mais possibilidades de desenvolver esse tipo de diabete, com o agravante de a hipertensão arterial entre elas ser duas vezes maior do que na população em geral.

O mesmo ocorre com a anemia falciforme, que poderia ser detectada nos recém-nascidos. Segundo a Mobilização Nacional Pró-Saúde, cerca de 3.500 crianças brasileiras nascem a cada ano com essa enfermidade, fazendo dela a doença genética de maior incidência no país. “A população negra morre, em geral, mais cedo, e suas mortes por causas evitáveis são mais frequentes”, pontuou Fernanda. Por isso, uma política para combater a discriminação na saúde “chega para minimizar o impacto das desigualdades históricas mediante estratégias de ação afirmativa”, acrescentou.

O UNFPA contribui com o governo e o movimento negro para fortalecer essa política e a formação profissional que deve acompanhá-la. “O desafio é responder por que, em um país onde a população negra representa 50,3% do total, temos um quadro sanitário tão diferenciado” entre negros e brancos, admite o Ministério da Saúde. Envolverde/IPS

Women in Congress Outperform Men On Some Measures (Science Daily)

ScienceDaily (Nov. 16, 2012) — One of the most notable outcomes of the Nov. 6 election was the record number of women voted into Congress, including 20 women who will occupy seats in the U.S. Senate.

Christopher Berry, associate professor at the University of Chicago Harris School of Public Policy, recently discussed the effects of the increase in female U.S. senators. Berry co-authored a 2011 study that found congresswomen consistently outperform their male counterparts on several measures of job performance.

What implications will the increase of female representation have for the U.S. Senate?

Potentially of great interest to the constituents of the new female senators is our finding that they consistently bring home more federal projects and federal aid than their male counterparts. When you think about disasters like Hurricane Sandy, the ability to bring home federal aid for rebuilding efforts is really important. It is going to be good for their constituents and the states they represent.

Another of our findings, which may have broader implications for the Senate and the country, is that not only do women sponsor more legislation, but also they collaborate more broadly with their colleagues. We looked at all the bills introduced in the U.S House of Representatives since 1984 and who sponsored them, and we found that women work with a much broader range of co-sponsors than their male counterparts.

This ability to collaborate may be particularly important as we move into some of the really big challenges in the next term. The fiscal cliff is the most obvious one. There are going to have to be a lot of deals done. And it is not impossible that we will revisit some aspects of healthcare reform and start long-term entitlement reform. There are big issues for President Obama’s second term, during which women may play a really interesting role in helping to bridge some of the partisan gaps.

Why do women tend to better perform in public office than men?

There are two main reasons. First, women have to be more effective in order to win elections. There still exists a substantial amount of discrimination among the electorate — something on the order of 20 percent of people express some reservations about voting for a woman, even today. When you have that sizable a portion of the electorate predisposed against you, you have to be better than the person you are running against in order to get the same number of votes. When you see a woman winning, she often comes in with a better set of skills, more appeal, more charisma. Whatever the political talent is, in order to get elected, women have to have more of it. And that is what we think makes the women who win better legislators once in office.

Secondly, women work closely with more of their colleagues then men do. The reasons for this are probably less tangible and harder to measure, but there is some research suggesting it is a matter of style. Men and women politicians have different styles of legislation and leadership. Women tend to be more collaborative, which is why we see them co-sponsoring bills with a wider network of collaborators than men typically have.

What will happen as increasing numbers of women are elected to political office?

While this election was an important gain, there is a long, long way yet to go for increasing the number of women in public office. After almost a century of suffrage, a group of people who represent 50 percent of our population are only 20 percent of the Senate.

The somewhat ironic implications of our theory are that as women become more successful and more widely accepted as politicians, eventually they simply will be equally as effective as their male counterparts and we won’t see a difference in performance. That will be a mark of success rather than failure, although we will see it reflected in a decline in the effectiveness advantage that women in office now have.

Journal Reference:

  1. Sarah F. Anzia, Christopher R. Berry. The Jackie (and Jill) Robinson Effect: Why Do Congresswomen Outperform Congressmen? American Journal of Political Science, 2011; 55 (3): 478 DOI: 10.1111/j.1540-5907.2011.00512.x

Violência de torcidas organizadas ganha cada vez mais espaço na academia (Jornal da Ciência)

JC e-mail 4577, de 05 de Setembro de 2012.

Clarissa Vasconcellos – Jornal da Ciência

Com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil em 2014, a violência das torcidas organizadas ganha foco e atrai o interesse de pesquisadores.

Nas últimas semanas, o noticiário voltou a se encher de notícias relacionadas a conflitos entre torcedores que vêm demonstrando pouco espírito esportivo dentro e fora dos estádios. A recente morte de um torcedor e as brigas entre as torcidas organizadas vêm sendo motivo de debates e sanções. Estudiosos que analisam o fenômeno há décadas, dentro e fora do País, trazem novos dados sobre o problema.

É o caso de Heloísa Reis, pesquisadora e professora da Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp, que investiga o tema há 17 anos. Uma de suas motivações foi uma experiência pessoal: ex-jogadora de futebol, ela sentiu na pele a hostilidade dos torcedores masculinos, algo muito comum na década de 80. “Minha indignação com aquela violência simbólica fez com que eu tivesse grande interesse em entender a atuação dos torcedores e o que leva eles a xingar os jogadores e brigar entre si”, conta Heloísa ao Jornal da Ciência.

Reconhecida internacionalmente – acaba de voltar de Londres, onde foi convidada para trabalhar com a polícia durante as Olimpíadas -, Heloísa conta que o assunto é um tema social muito relevante, já que, além de ter provocado um elevado número de mortos nos últimos anos, trata-se de uma situação que muitas vezes mobiliza a cidade, especialmente no grande raio que abrange os estádios. “Há uma tensão dos moradores, toda segurança pública fica envolvida e o transporte público é afetado”, enumera.

De acordo com dados divulgados, no dia 30 de agosto, pelo Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), de um ano para cá, mais de 370 torcedores foram presos no Rio de Janeiro – 83 apenas na semana passada. As causas foram promoção de tumulto, baderna e lesão corporal no caminho ou na volta dos estádios. Além disso, a Polícia Civil fluminense anunciou a criação do Núcleo de Apoio aos Grandes Eventos (Nage), para combater as ações criminosas promovidas por integrantes de torcidas organizadas de clubes de futebol.

Semelhanças e diferenças – Além de estudar a violência no futebol brasileiro, Heloísa já pesquisou o problema em outros países, como a Espanha e a Inglaterra. Em comum, ela afirma que os torcedores violentos de todos os países (incluindo os hooligans, considerados os mais violentos desse grupo de indivíduos) em geral são homens e jovens.

“A questão surge com mais evidência no Reino Unido na década de 80, mas já havia esse tipo de violência no Brasil e na Espanha. Dessa época para cá, podemos verificar também um aumento na idade dos homens, pois cada vez mais a ‘adolescência’ é estendida, para inclusive além dos 30 anos, por exemplo”, relata. Heloísa vê como traços comuns entre os hooligans estrangeiros e brasileiros o fato de serem homens jovens que se satisfazem brigando e correndo risco, utilizando o enfrentamento e o confronto (tanto com torcedores rivais quanto com a polícia) para terem prazer. “Também buscam uma autoafirmação masculina; não à toa guardam a vestimenta do time adversário como troféu de conquista”, completa.

Porém, os países guardam algumas diferenças significativas entre seus torcedores violentos. Uma das principais é que em diversas sociedades mais desenvolvidas o acesso a armas de fogo é difícil, o que diminui drasticamente o número de mortes. “Brasil e Argentina são os países com mais mortes no futebol na América do Sul pelo acesso a armas de fogo. A entrada delas, principalmente nos anos 80, fez com que aumentasse muito o numero de mortes aqui”, conta, lembrando que, em toda história do futebol francês, por exemplo, houve três mortes por violência de torcedores, enquanto no Brasil o número atual é de 69 falecimentos.

Ela também destaca uma diferença entre o “código de conduta” de torcedores europeus e latino-americanos. “Lá, a intenção não é levar o inimigo à morte e sim fazê-lo sofrer”, conta. Outro dado interessante apurado por Heloísa no Brasil, mais especificamente nas torcidas organizadas de São Paulo, é que 85% dos jovens de 15 a 24 anos pesquisados moram com a família, “o que contraria um discurso da mídia de que as famílias precisam voltar aos estádios”, afirma, já que lares estruturados não são garantia para se evitar esse tipo de conflito.

Álcool e violência – Heloísa explica que, como o futebol se tornou um “produto valiosíssimo na economia mundial”, “há um grande interesse de países mais desenvolvidos em ter uma política de prevenção para que se garanta o lazer seguro de qualidade”. Isso passa pelo controle de bebidas alcoólicas nos estádios, de acordo com a pesquisadora.

“Em todos os países onde se fez política de prevenção da violência relacionada a futebol, em algum momento o álcool foi proibido, já que todos esses países verificaram que a maioria das pessoas detidas estava sob efeito do álcool”, informa. Heloísa lamenta que tenha prevalecido, para a Copa de 2014, “o interesse econômico das cervejarias” na chamada Lei da Copa. “Acho temerário, estou muito preocupada”, alerta.

A pesquisadora também se inquieta com o fato de algumas autoridades pensarem que é um exagero se preocupar com torcedores violentos durante a Copa, diante da alegação que não estarão envolvidos torcedores de grandes clubes. Ela relembra os conflitos que aconteceram durante a Copa da Alemanha, em 2006, que geraram inclusive um documentário da rede inglesa BBC.

No dia 30 de agosto, o governo brasileiro divulgou o planejamento estratégico de segurança que será aplicado na Copa do Mundo de 2014, no qual considera os torcedores violentos, tanto nacionais como estrangeiros, como um dos fatores de risco. O plano, publicado no Diário Oficial (http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=30/08/2012&jornal=1&pagina=45&totalArquivos=120), foi elaborado pela Secretaria Extraordinária para a Segurança de Grandes Eventos e inclui todas as ações que serão implementadas para garantir a segurança da competição.

O texto detalha, por exemplo, os responsáveis pela segurança do evento, as medidas já pensadas, os objetivos perseguidos, os recursos investidos, os preparativos, a cooperação com outros países e a interação com as firmas privadas contratadas pela Fifa para a segurança. A instalação de circuitos internos de televisão e a identificação dos torcedores são vistas como algumas medidas de sucesso utilizadas nas competições europeias.

“Por aqui existe um grande risco, especialmente entre embates de Inglaterra e Argentina ou Brasil e Argentina”, pontua Heloísa. Ela acredita que, no caso de jogo entre esses países, o ideal seria deslocar a partida para o Norte ou Nordeste do Brasil, dificultando o acesso. Outra medida de prevenção, observada in loco por ela nas Olimpíadas de Londres, seria realizar um trabalho conjunto com todos os órgãos de segurança nacionais. “Todas as organizações que deveriam prestar algum socorro ou assistência estavam concentradas da mesma sala. Os comandos saíam do mesmo lugar; foi tudo muito orquestrado”, relembra.

“Virão hooligans para o Brasil com certeza. Podem vir menos devido à distância em que se encontra o Brasil, mas virão. Eles se aproveitam do dia do jogo, seja do seu time ou de seu país, para brigar. A competição deles é paralela ao jogo do campo”, conclui.

Mulheres são mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas globais (Fapesp)

Fatores socioeconômicos e culturais potencializam as vulnerabilidades do sexo feminino aos desastres provocados pelos eventos climáticos extremos, avalia pesquisadora mexicana que integra o IPCC (foto:Eduardo Cesar/FAPESP)

06/09/2012

Por Elton Alisson

Agência FAPESP – As mulheres e meninas representam atualmente 72% do total de pessoas que vivem em condições de extrema pobreza no mundo. Em função disso e da combinação de uma série de outros fatores socioeconômicos e culturais, elas representam hoje as maiores vítimas de desastres provocados por eventos climáticos extremos, como inundações e furacões.

Os dados foram apresentados pela médica e antropóloga mexicana Úrsula Oswald Spring durante o workshop “Gestão dos riscos dos extremos climáticos e desastres na América do Sul – O que podemos aprender com o Relatório Especial do IPCC sobre os extremos?”, realizado em agosto pela FAPESP, em São Paulo.

Professora da Universidade Nacional Autônoma do México, a pesquisadora mexicana, que é membro do IPCC, explica em entrevista concedida à Agência FAPESP as razões e quais ações são necessárias para diminuir a vulnerabilidade das mulheres e meninas aos impactos das mudanças climáticas.

Agência FAPESP – Quais são os grupos humanos mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas globais?
Úrsula Oswald Spring – Primeiro, as mulheres e meninas. Em segundo lugar, os grupos indígenas refugiados em comunidades com línguas e culturas diferentes das suas. E em terceiro todas as pessoas que vivem em cidades em pobreza extrema, em zonas de alto risco e de violência, sem apoio governamental, ilegais, sem emprego e expostas às intempéries climáticas. Coincidentemente, esses três grupos humanos também são os mais discriminados. Há um problema de discriminação estrutural e uma combinação catastrófica de fatores socioeconômicos, ambientais e culturais que potencializam as vulnerabilidades desses três grupos humanos aos impactos das mudanças climáticas.

Agência FAPESP – O que torna as mulheres e meninas mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas?
Úrsula Oswald Spring – Mundialmente, elas representam 72% dos pobres extremos e, sem recursos financeiros, é muito difícil enfrentar os impactos dos eventos climáticos extremos. Além disso, as mulheres foram educadas a cuidar dos outros e, por isso, assumimos o papel de “mãe de todos”. Esse processo, que chamo de teoria das representações sociais, também nos torna mais vulneráveis, porque temos o papel de proteger primeiramente os outros, para depois nos preocuparmos conosco. Por trás de tudo isso também persiste há milhares de anos um sistema político excludente, reforçado por todas as crenças religiosas, denominado sistema patriarcal, que preceitua a autoridade de um ser – o homem –, resultando em muita violência, exclusão e discriminação contra as mulheres. O capitalismo, por sua vez, se aproveitou do sistema patriarcal e construiu um sistema vertical, excludente, autoritário e violento, que permitiu que hoje 1,2 mil homens comandem a metade de todo o planeta e que as mulheres tivessem pouco poder de decisão e de veto em questões que lhes afetam diretamente.

Agência FAPESP – Diante desta realidade, o que é preciso fazer para diminuir a vulnerabilidade das mulheres e meninas aos impactos dos eventos climáticos extremos?
Úrsula Oswald Spring – Não vale a pena destruir, por exemplo, essa capacidade das mulheres em querer ser a mãe de todos. Mas é necessário treiná-las para que esse processo de cuidar dos outros seja mais eficiente e que não seja realizado ao custo de sua própria vida, mas que possa beneficiar todo um conjunto de pessoas, incluindo ela e suas filhas. E isto implica em mais condições para que possam ter maior poder de decisão.

Agência FAPESP – Como seria possível realizar esse processo?
Úrsula Oswald Spring – Sobretudo, possibilitando o maior acesso das mulheres à educação. De acordo com o Banco Mundial, todo país islâmico que investe na educação de suas mulheres aumenta imediatamente 1% de seu PIB. Outra ação é dar mais visibilidade ao trabalho das mulheres, que muitas vezes não é valorizado. Nos Estados Unidos o trabalho feminino representa 38% do PIB. É preciso dar visibilidade a essa participação econômica das mulheres. Alem disso, são necessárias leis que garantam maior equidade e participação das mulheres em todos os processos decisórios. Teríamos que usar sistemas de cotas para mulheres para reverter a discriminação, que seria um passo para garantir maior equidade. Desgraçadamente, as catástrofes e os desastres provocados pelos eventos climáticos extremos irão ajudar no processo de dar maior poder às mulheres.

Agência FAPESP – De que maneira?
Úrsula Oswald Spring – No México, por exemplo, a produção campesina está nas mãos dos homens. Mas está passando para as mãos das mulheres, porque os homens migraram para os Estados Unidos em busca de emprego. Na nova condição de chefes de família, elas estão tendo que tomar decisões sobre as mais variadas questões. Nós precisamos ajudá-las nesse processo de “empoderamento”, possibilitando que elas tenham acesso a tecnologias sustentáveis, que lhes permitam, por exemplo, se proteger dos riscos de desastres causados pelos eventos climáticos extremos.

Agência FAPESP – Além da questão do “empoderamento”, que é um processo que demanda longo prazo, que ações mais urgentes devem ser tomadas para preparar as mulheres para enfrentar os eventos climáticos extremos?
Úrsula Oswald Spring – É preciso possibilitar e treinar as mulheres para que em um momento de perigo iminente, por exemplo, elas tenham o direito de sair de casa. Muitas comunidades proíbem que uma mulher saia de casa se não está acompanhada por um homem. Isso é uma discriminação e uma forma de controle que é preciso superar com leis de equidade de gênero. Além disso, é preciso treinar mulheres para aprender a nadar, a correr, a trepar em uma árvore, e permitir que possam usar uma roupa mais adequada para realizar essas atividades. Eu assisti os Jogos Olímpicos de Londres e me chamou a atenção a vestimenta das atletas da natação e de corrida da Arábia Saudita. Apesar de estarem vestidas de forma diferente das atletas de outros países, ao menos elas vestiam uma calça que lhes permitia correr, sem infringir os códigos religiosos. Esse é um tipo de ação que poderíamos socializar. Poderíamos aproveitar os Jogos Olímpicos para promover em todos os países islâmicos esse tipo de ação, e dar cursos de natação e de corrida para as mulheres.

Agência FAPESP – Dentre os três grupos humanos que a senhora aponta como os mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas, qual apresenta maior resiliência?
Úrsula Oswald Spring – Só os indígenas têm a capacidade adquirida ao longo de milhares de anos de administrar situações muito difíceis sem contar com ajuda internacional, nacional ou estatal, mas sim sozinhos. Eles se adaptaram às mudanças climáticas e cultivaram durante milhares de anos e da mesma maneira vegetais, como batatas, resistentes à seca, ao frio e ao calor, e desenvolveram sistemas muito eficientes e baratos de irrigação e fertilização da terra. É preciso aproveitar esses conhecimentos tradicionais e vinculá-los às tecnologias modernas para nos adaptarmos às mudanças climáticas. Mas estamos perdendo esses conhecimentos tradicionais porque a última geração de indígenas que ainda detêm esses conhecimentos, que são jovens, já passou pela escola, fala outras línguas que não a materna e está perdendo sua cultura indígena. Se não fizermos nada, vamos perder mundialmente esses conhecimentos tradicionais que permitiriam desenvolver soluções locais para enfrentar as mudanças climáticas.

Agência FAPESP – Que iniciativas existem hoje para promover essa aproximação de conhecimentos tradicionais com os científicos?
Úrsula Oswald Spring – No México, por exemplo, foi criada a Universidade Campesina do Sul. Lá são integrados grupos locais, que são constituídos hoje basicamente por mulheres – há 20 anos eram formados, em sua maioria, por homens –, e com base nas necessidades desses grupos nós disseminamos um processo de educação baseado no método de Paulo Freire, em que eles aprendem a partir de sua própria realidade.

Agência FAPESP – O que é ensinado na Universidade Campesina do Sul? 
Úrsula Oswald Spring – Um dos temas com os quais trabalhamos é agricultura orgânica, ensinando as mulheres a trabalhar com hortas familiares, para garantir seus próprios alimentos e de sua família. Outro tema é o manejo de água. Há muita água não potável, como a utilizada para lavar as mãos, por exemplo, que é muito fácil de tratar e que pode ser utilizada junto com dejetos orgânicos de sanitários secos como melhoradores de solo para ajudar a recuperar a fertilidade natural do solo. Outro tema ao qual temos nos dedicado é o da medicina alternativa. A medicina moderna é muito cara e a maior parte das pessoas não tem recursos para utilizar o sistema de saúde. Em função disso, estamos criando modos de integrar a medicina tradicional mexicana, que utiliza ervas e métodos tradicionais de cura, como vapores, com a medicina moderna. É um conjunto de ações voltadas para potencializar o uso dos conhecimentos científico e tradicional e tentar buscar soluções para enfrentar coletivamente problemas das mais variadas ordens, como o das mudanças climáticas. Porque não são grandes obras que protegem as pessoas de uma catástrofe provocada por um evento climático extremo, como uma inundação, mas sim pequenas obras, contanto que sejam muito eficientes.

Agência FAPESP – Na opinião da senhora, como será possível enfrentar os riscos das mudanças climáticas em escala mundial, em um momento em que diversos países passam por graves crises econômicas e têm problemas mais urgentes para resolver?
Úrsula Oswald Spring – Há condições de grande incerteza em relação às mudanças climáticas porque, além das crises econômicas, grande parte das pessoas no mundo nunca presenciou uma situação de desastre causado por um evento climático extremo. Mas se algumas pessoas ainda não passaram por uma situação dessas, é preciso justamente pensar em maneiras de se preparar para enfrentar os eventos climáticos extremos, que ocorrerão com maior frequência nos próximos anos. E uma das formas de se fazer isso é descentralizando a gestão dos riscos das mudanças climáticas, levando em contas as condições próprias de cada região. O problema climático na Amazônia, por exemplo, não é o mesmo que ocorre na parte alta dos Andes. Os tipos de manejos nessas regiões são muito diferentes. Por isso, os países precisam descentralizar as ações. A gestão dos riscos de mudanças climáticas pelos países irá depender de uma boa gestão local. Os primeiros 10 minutos de uma situação de risco, como uma inundação ou deslizamento, são cruciais e não há ajuda internacional que possa socorrer. Por isso, é preciso investir fortemente em prevenção e treinamento em nível local para enfrentar os riscos de um evento climático extremo.

Deadly Witch Hunts Targeted by Grassroots Women’s Groups (Science Daily)

ScienceDaily (Sep. 4, 2012) — Witch hunts are common and sometimes deadly in the tea plantations of Jalpaiguri, India. But a surprising source — small groups of women who meet through a government loan program — has achieved some success in preventing the longstanding practice, a Michigan State University sociologist found.

Basanti, shown here with children in her family, survived a witch hunt in India’s tea plantations. (Credit: Photo by Soma Chaudhuri)

Soma Chaudhuri spent seven months studying witch hunts in her native India and discovered that the economic self-help groups have made it part of their agenda to defend their fellow plantation workers against the hunts.

“It’s a grassroots movement and it’s helping provide a voice to women who wouldn’t otherwise have one,” said Chaudhuri, assistant professor of sociology and criminal justice. “I can see the potential for this developing into a social movement, but it’s not going to happen in a day because an entire culture needs to be changed.”

Witch hunts, she explained, are fueled by the tribal workers’ belief in the existence of witches and the desperate need of this poor, illiterate population to make sense of rampant diseases in villages with no doctors or medical facilities. There are some 84 million tribal people in India, representing about 8 percent of the country’s population.

In 2003, at a tea plantation in Jalpaiguri, five women were tied up, tortured and killed after being falsely accused of witchcraft in the death of a male villager who had suffered from a stomach illness.

Chaudhuri interviewed the villagers at length and found that such attacks are often impulsive and that the “witch” is often killed immediately. Widespread alcoholism is also a factor, she found.

But the study also documents examples of the women’s groups stopping potential attacks. In one case, a woman was accused of causing disease in livestock and an attack was planned. Members of the self-help groups gathered in a vigil around the woman’s home and surrounded the accuser’s home as well, stating their case to the accuser’s wife. Eventually the wife intervened and her husband recanted and “begged for forgiveness.”

Through the loan program, each woman is issued a low-interest, collateral-free “microcredit” loan of about 750 rupees ($18) to start her own business such as basket weaving, tailoring or selling chicken eggs. Participants meet in groups of about eight to 10 to support one another.

Chaudhuri said the loan program is run by nongovernmental activists who have been successful in encouraging the groups to look beyond the economic aspects and mobilize against domestic abuse, alcoholism and the practice of witch hunts.

Through the bonds of trust and friendship, group members have established the necessary social capital to collectively resist the deep-seated tradition of witch hunts, Chaudhuri said.

“Why would they go against something so risky, something that breaks tradition?” she said. “They do it because they believe in the ideals of the microcredit group — in women’s development, family development and gender equality.”

The study, which Chaudhuri co-authored with Anuradha Chakravarty of the University of South Carolina, appears in Mobilization, an international research journal.

Journal Reference:

  1. Anuradha Chakravarty, Soma Chaudhuri. Strategic Framing Work(s): How Microcredit Loans Facilitate Anti-Witch-Hunt MovementsMobilization, 2012; 17 (2)

Violência das torcidas de futebol na mídia

Cadastro de torcedores: solução para a violência nos estádios? (Universidade do Futebol)

Gustavo Lopes

06/07/2012

Autoridade e entidades organizadoras de eventos não devem aumentar exigência, mas tratar fãs com respeito

A segurança corresponde a um direito individual e social do cidadão brasileiro previsto nos artigos 5º e 6º da Constituição Federal. Sendo assim, de fato, é um dever de todos assegurá-la, impedindo a violência.

A violência no esporte é uma das faces da ausência de segurança cotidiana na sociedade e justamente na atividade esportiva onde deveria haver sua sublimação. Famílias por diversas vezes evitam os estádios, pois os vêem mais como espaço violento, que palco de acontecimentos esportivos.

Neste esteio, a união de todos os envolvidos com a atividade esportiva é essencial para que o desporto brasileiro não faça mais vítimas como o jovem Alex Fornan de Santana, de 29 anos, torcedor do Palmeiras, morto em 21 de fevereiro de 2010 após partida entre Palmeiras e São Paulo válida pelo campeonato paulista, em confronto de torcidas. Este caso recente é apenas um dentre centenas de outros ocorridos pelo mundo.

Muitas medidas são aventadas, propostas e estudadas. O Estatuto do Torcedor, após as alterações introduzidas pela Lei 12.299/2010, passou a exigir o cadastro de torcedores por parte das torcidas organizadas e, ainda, criminalizou uma série de atos dos torcedores. Há quem defenda que o cadastro de torcedores não deve se restringir às “Organizadas”, mas que deve se estender à totalidade de torcedores.

É imprescindível destacar que a violência nos estádios não é característica exclusiva dos desportos brasileiros, cujo nascedouro é atribuído às torcidas organizadas.

Na América Latina, especialmente na Argentina, os torcedores violentos são conhecidos como Barra Brava que correspondem a um tipo de movimento de torcedores que incentivam suas equipes com cantos intermináveis e fogos de artifício que, ao contrário das torcidas organizadas não possuem uniformes próprios, estrutura hierárquica e muitas vezes nem mesmo associados.

Na Europa, os torcedores violentos são conhecidos como hooligans, em especial a partir da década de 1960 no Reino Unido com o hooliganismo no futebol.

A maior demonstração de violência dos hooligans foi a tragédia do Estádio do Heysel, na Bélgica, durante a final da Taça dos Campeões Europeus de 1985, entre o Liverpool da Inglaterra e a Juventus da Itália. Esse episódio resultou em 39 mortos e um elevado número de feridos.

Os hooligans ingleses foram responsabilizados pelo incidente, o que resultou na proibição das equipes britânicas participarem em competições européias por um período de cinco anos.

A escalada de violência nos estádios do Reino Unido foi tamanha que começou a afetar não apenas os residentes locais, mas também a ter consequências para a Europa continental.

Por este motivo, o hooliganismo arranhou a imagem internacional do Reino Unido, que passou a ser visto por todos como um país de violentos arruaceiros, cujo ápice se deu com a tragédia de Heysel.

Insuflada por esse acontecimento, a então primeira-ministra britânica Margareth Thatcher entendeu que o hooliganismo havia se tornado problema crônico e que alguma providência deveria ser tomada.

Entendendo que o aumento do controle estatal minimizaria a violência, a “Dama de Ferro” sugeriu a criação da carteira de identidade dos torcedores de futebol (National Membership Scheme) no Football Spectators Act (FSA), em 1989.

Alguns meses após a divulgação do FSA, ocorreu a maior tragédia do futebol britânico. Na partida válida pelas semifinais da FA Cup entre Liverpool e Nottingham Forest, no estádio de Hillsborough, do Sheffield Wednesday, 96 torcedores do Liverpool morreram, massacrados contra as grades que separavam a arquibancada do campo.

A fim de apurar os motivos da tragédia, o governo britânico iniciou investigação cuja conclusão foi de que o problema não seria os torcedores, mas as estruturas que os atendiam. Muito pior que os hooligans, era a situação dos estádios britânicos naquela época. Não seria possível exigir que as pessoas se comportassem de maneira civilizada em um ambiente que não oferecia as menores condições de higiene e segurança.

Para evitar que novas tragédias se repetissem a investigação realizada, em sua conclusão, estabeleceu uma série de recomendações como, por exemplo a obrigação da colocação de assentos para todos os lugares do estádio, a derrubada das barreiras entre a torcida e o gramado e a diminuição da capacidade dos estádios. Dentre as recomendações estava o cancelamento do projeto da carteira de identificação dos torcedores, eis que havia o receio de que o cadastramento aumentasse o problema da violência, e não o contrário.

Além dos questionamentos sobre a real capacidade dos clubes conseguirem colocar em prática um sistema confiável de cadastro, controle e seleção de torcedores e, ainda, sobre a confiança na tecnologia que seria utilizada, o argumento se baseava na ideia de que a carteira de identidade para torcedores não seria uma ação focada na segurança, mas na violência e as tragédias nos estádios não seriam questão de violência, mas de segurança. Inclusive, a polícia inglesa, que poderia ser beneficiada com a carteira, rejeitou o projeto, que, acabou sendo abandonado.

Em razão das novas exigências, os clubes ingleses se organizaram e na temporada 1992/1993 criaram a “Premier League” que atualmente é o campeonato de futebol mais valioso do mundo.

Além do índice técnico, um dos requisitos para que um clube inglês dispute a “Premier League” é a existência de estádio com boa infra-estrutura aos torcedores.

É fato que no Brasil o problema da violência é grande, mas muito pior é o problema da insegurança. Muitas tragédias como o buraco nas arquibancadas da Fonte Nova, só aconteceu porque o estádio estava em condições ruins, caso em que a carteirinha de identificação não teria salvado as vítimas, mas melhor fiscalização nas reais condições do espaço e o fornecimento de uma estrutura apropriada para o público, certamente teria evitado a tragédia.

Destarte, apesar dos avanços conquistados, especialmente com o advento do Estatuto do Torcedor, o consumidor dos eventos esportivos no Brasil ainda não é respeitado.

Estádios com infraestrutura precária, venda de ingressos e acesso a estádios tumultuados são alguns dos problemas enfrentados rotineiramente pelos torcedores brasileiros.

O fato é que as autoridade e as entidades organizadoras de eventos esportivos ao invés de aumentar a exigência dos torcedores, devem passar a tratá-los com respeito atentando-se ao estabelecido no Estatuto do Torcedor e nos direitos básicos como segurança e organização dos eventos esportivos.
Referências bibliográficas

http://www.cidadedofutebol.com.br/Jornal/Colunas/Detalhe.aspx?id=10782, acessado em 13 de novembro de 2010.

http://www.universidadedofutebol.com.br/2010/10/1,14853,A+IMPORTANCIA+DO+DIREITO+DESPORTIVO.aspx?p=4, acessado em 13 de novembro de 2010.

http://esporte.ig.com.br/futebol/2010/02/22/confrontos+entre+torcidas+deixam+1+morto+e+20+feridos+9404363.html, acessado em 13 de novembro de 2010.

*   *   *

A violência nos estádios de futebol (Universidade do Futebol)

Gustavo Lopes

15/06/2012

Colunista trabalha em dissertação de mestrado para analisar o tema e divide a questão em três partes

Nas últimas semanas, estive envolvido na conclusão da minha dissertação de mestrado que trata das causas e soluções para a violência nos estádios de futebol da América do Sul.

O trabalho desenvolveu a memória de algumas correntes existentes sobre a violência no futebol, a intenção de obter uma interpretação a partir das mais diversas teorias, como as de Eric Dunning, Norbert Elías, Heloisa Helena Bady dos Reis e outros para tentar esclarecer esse fenômeno esse fenômeno tão complexo que é a violência nos espetáculos esportivos, focando-se nos países da América do Sul filiados à Conmebol.

Os países sulamericanos filiados à entidade foram divididos em três grupos. O primeiro denominado América Andina é composto por Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. O segundo, a América Platina, é composta por Argentina, Paraguai e Uruguai.

Finalmente, por suas peculiaridades e importância futebolística, política e econômica, o Brasil é apresentado separadamente. Cada país é descrito geopolítica e futebolisticamente analisando-se a legislação antiviolência.

No capítulo seguinte, faz-se um histórico dos principais casos de violência na América do Sul para, no tópico seguinte, apontar as suas causas.

Dentre as causas da violência, busca-se a doutrina internacional para enumerar as que melhor se aplicam à América do Sul, com destaque para a falta de respeito para com os direitos dos torcedores, a precariedade da infraestrutura dos estádios de futebol, a situação sócio-econômica da população do país, a impunidade e a falta de atuação governamental.

Após, apontam-se medidas adotadas na legislação alienígena, especialmente na Inglaterra, Portugal, Espanha, Estados Unidos, dentre outros.

Por fim, na conclusão, apontam-se as causas investigadas com as respectivas soluções legislativas e/ou governamentais. Ante todo o estudado, pesquisado e avaliado, constata-se que é possível combater a violência nos estádios de futebol com medidas eficientes. Desenvolveremos algumas conclusões em colunas futuras.

*   *   *

Violência das torcidas organizadas: um desafio para a Copa do Mundo de 2014

Setores radicais desses grupos precisam abandonar a violência como prática. Com isso, ganharão legitimidade e terão um longo caminho a percorrer na história do nosso esporte

Rodrigo Monteiro*

03/04/2012

A Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro têm mobilizado autoridades e a sociedade brasileira em discussões acerca do legado que esses megaeventos deixarão para o país e, sobretudo, para as cidades-sede desses eventos.

Uma dessas heranças é o novo Estatuto do Torcedor, sancionado em julho de 2011. Seu principal objetivo é coibir a violência nos estádios.

Em pesquisa realizada pelo Ibope e pelo jornal Lance!, publicada em agosto de 2010, 60% dos entrevistados disseram-se a favor da extinção das torcidas organizadas. Por um motivo simples: depois de já terem ocorrido tantos conflitos violentos envolvendo torcedores, a sociedade enxerga esses grupos como uma ameaça.

Masculinidade exacerbada e disputa territorial constituem práticas comuns de alguns grupos de torcedores organizados e revelam o que o sociólogo alemão Norbert Elias chamou de ethos guerreiro (entendido como vontade e disposição para agredir e destruir fisicamente o rival) que constrói uma das muitas identidades masculinas.

A esperança é que a reforma do estatuto ajude a combater o problema. Uma das novas punições previstas para torcedores violentos exige que eles se apresentem em delegacias durante os jogos. A norma é inspirada na legislação inglesa que cuida dos famosos hooligans. O texto também proíbe e pune cambistas, exige maior transparência dos organizadores dos campeonatos e prevê penas severas para os árbitros desonestos. Não há, no entanto, qualquer menção a policiais que abusem de seus poderes ou desviem-se de suas funções contra torcedores.

Alguns pontos do estatuto, porém, são polêmicos. Ele determina, por exemplo, que as torcidas organizadas se tornem juridicamente responsáveis pelos atos de seus membros. Mas será justo condenar, social e legalmente, o todo pela parte? Isso pode criminalizar as organizadas e ameaçar o direito à livre associação, uma das garantias constitucionais básicas de qualquer democracia.

O estatuto também mantém a proibição da venda de bebidas alcoólicas. No entanto, é sabido que os únicos produtos que podem ser vendidos nos estádios e em seus arredores são os licenciados pela Fifa. Entre esses produtos, estão bebidas alcoólicas de empresas patrocinadoras da entidade. Ao que parece, essa questão já foi superada e a favor dos interesses da Fifa e de suas associadas.

Cabe, então, a pergunta: de quem será a soberania nos dias de Copa? Do Estado brasileiro ou da Fifa?

É evidente que os setores radicais das organizadas precisam abandonar a violência como prática. Com isso, ganharão legitimidade e terão um longo caminho a percorrer na história do nosso esporte. Para que isso ocorra, algumas medidas simples podem ser eficazes.

Bandeiras (em duplo sentido) legítimas para as organizadas não faltam: questionar o comando da CBF; bem como os mandos e desmandos das federações estaduais; a relação promíscua entre técnicos, empresários e dirigentes; o elevado preço dos ingressos; os bizarros e contraproducentes horários de transmissões esportivas; transparência nos gastos públicos para a construção de equipamentos esportivos para a Copa e as Olimpíadas, etc.

Caso nenhum desses argumentos sensibilize as organizadas, ao menos que critiquem e incentivem seus clubes amados de forma civilizada. Já terá sido válido.

*Rodrigo Monteiro é sociólogo, pós-doutorando (FAPERJ), pesquisador do NUPEVI/IMS/UERJ e autor do livro “Torcer, lutar, ao inimigo massacrar: Raça Rubro Negra!”, pela Editora FGV.

*   *   *

Maurício Murad diz que impunidade motiva violência das torcidas (03:14)

Redação SportTV – 28/03/2012

Sociólogo explica problema tem níveis nacionais e exige soluções.

*   *   *

Isto É – N° Edição:  2212 |  30.Mar.12 – 21:00 |  Atualizado em 04.Set.12 – 05:06

COMPORTAMENTO

Como acabar com as gangues do futebol

As torcidas organizadas agem como quadrilhas, matam e aterrorizam cidades por todo o país. A repressão a esses baderneiros se tornou um desafio nacional

Rodrigo Cardoso

 img1.jpg

APÓS A BRIGA
Torcida do Palmeiras na quarta-feira 28: calmaria depois da batalha campal do domingo

A polícia de São Paulo tomou um drible desconcertante de gangues uniformizadas que usam as cores de times de futebol para espalhar medo e matar. No domingo 25, 300 palmeirenses e corintianos, membros de torcidas organizadas, se encontraram na avenida Inajar de Souza, zona norte de São Paulo, para brigar. Dois jovens morreram após uma batalha campal às 10 horas em uma via pública movimentada, a dez quilômetros do estádio do Pacaembu, onde Corinthians e Palmeiras disputariam uma partida seis horas depois. O confronto havia sido agendado pela internet na semana anterior. Diante de tanta gente enfurecida, armada e com sede de sangue, os quatro policiais presentes em duas viaturas não tiveram como evitar a tragédia anunciada. “Eles estavam usando fogos de artifício e bombas. E a polícia não teve outra saída a não ser recuar e praticamente assistiu ao conflito”, admitiu o cabo Adriano Lopomo.

A ação das torcidas organizadas há muito ultrapassou o limite da civilidade. A situação de São Paulo é mais grave, até pelo tamanho das torcidas. Por isso, mesmo regiões distantes dos estádios ficam reféns dessas gangues. Trechos de várias cidades brasileiras estão sujeitos à violência desses baderneiros em dia de futebol e a população fica sitiada. No mesmo domingo 25, na capital cearense, o clássico Ceará e Fortaleza foi marcado por ocorrências antes, durante e depois do jogo. Guardas municipais foram baleados por torcedores em um terminal de ônibus, pessoas consumindo drogas, praticando furtos e brigando na arquibancada acabaram na delegacia. Objetos foram lançados contra os carros na BR-116. Uma semana antes, em Campinas, um jovem de 28 anos foi espancado e morreu em uma briga entre torcedores dos times rivais Guarani e Ponte Preta.

chamada.jpg
BADERNA
Torcida do Corinthias a caminho do jogo no
domingo 25: armas, bombas e fogos de artifício

Esses encrenqueiros começaram a frequentar as páginas policiais em meados dos anos 1980. Depois, desceram das arquibancadas e passaram a se enfrentar nas proximidades dos estádios. Ultimamente, porém, candidatam-se para brigas pré-agendadas pela internet em locais distante dos jogos. Rastrear esses choques de torcidas – com a utilização de softwares modernos e pessoal treinado para esse tipo de trabalho – é obrigação da polícia. É a maneira mais inteligente de prevenir brigas que podem causar mortes. “Um monitoramento mais eficiente das redes sociais é algo a ser pensado”, admite o major Marcel Soffner, porta-voz da PM paulista.

O procurador de Justiça Fernando Capez, que combateu a violência das torcidas organizadas antes de se tornar deputado estadual pelo PSDB paulista, defende medidas mais radicais. “Policiais devem se infiltrar nas organizadas para identificar os baderneiros. É preciso fazer interceptações telefônicas para rastrear as comunicações de quem marca esses encontros pela internet, providencia as armas, as drogas e comete outros delitos”, diz ele. O promotor Paulo Castilho, diretor do Departamento de Defesa dos Direitos do Torcedor do Ministério do Esporte, reforça que é necessário promover uma prisão em massa por formação de quadrilha, tráfico de entorpecentes e espancamento. Tem de ser assim porque as torcidas organizadas estão se transformando em criminosos organizados.

Isso foi constatado no estudo “A violência e as mortes do torcedor de futebol no Brasil”, realizado entre 1999 e 2008 pelo professor Maurício Murad, titular de sociologia do esporte no mestrado da Universidade Salgado de Oliveira (Universo). Investigador do comportamento de torcidas organizadas há 20 anos, ele acompanhou integrantes dessas facções nos estádios, onde ouviu de alguns que não gostavam de futebol e ficavam de costas para o campo provocando outras pessoas simplesmente para brigar. “Falta ação, vontade política para tratar o problema”, diz o professor. Os clubes de futebol também devem ser cobrados, pois as organizadas têm regalias. Existem agremiações que distribuem ingressos de graça para as facções ou disponibilizam a venda para elas em guichês exclusivos. Além disso, há membros de torcidas organizadas que participam de conselhos deliberativos de times.

Diante da incapacidade do poder público de prevenir o problema e garantir a segurança de todos, alguns clubes estão partindo para medidas extremas. A repercussão negativa da morte do torcedor em Campinas na semana passada fez com que os presidentes do Guarani e da Ponte Preta optassem, até segunda ordem, pela disputa do clássico com apenas uma torcida. O mesmo aconteceu no mês passado no Paraná. Apenas os torcedores do Atlético Paranaense puderam assistir ao clássico contra o Coritiba no estádio da Vila Capanema. A medida, porém, fere o Estatuto do Torcedor. Com esse argumento, a procuradoria paranaense denunciou os clubes e, na quarta-feira 4, o Tribunal de Justiça Desportiva julgará o caso. Os times podem ser penalizados com multa de até R$ 100 mil. A torcida única não é novidade. Em Minas Gerais, a medida é adotada nos jogos entre Atlético e Cruzeiro desde 2010. Por causa da Copa, o Mineirão está em obras e a Arena do Jacaré, que tem capacidade para 18.850 pessoas e passou a abrigar os clássicos, não oferece segurança para comportar as duas torcidas juntas.

img2.jpg
PLACAR
Acima, André Lezo, que morreu na briga das duas
torcidas. Sete pessoas foram presas pela polícia

img4.jpg

Em São Paulo, providências mais concretas foram tomadas no dia seguinte às mortes na Inajar de Souza. Sete pessoas foram presas, policiais inspecionaram as quadras da Gaviões da Fiel e Mancha Alviverde e apreenderam computadores nas duas sedes. Na casa de um dos presos, que é irmão de um dos torcedores mortos, a polícia encontrou munição, canivete e cassetete. Para a delegada que conduz o caso, Margarette Barreto, da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, não há mocinhos nesse caso. “Todos os indícios mostram que eles também são brigadores. Não estamos falando de vítimas, não estamos falando de nenhum chapeuzinho vermelho passeando na floresta”, diz ela. E, por ora, a Federação Paulista de Futebol proibiu a entrada das duas facções nos jogos.

A experiência internacional pode ser útil ao Brasil. Segundo o sociólogo Murad, que por dois anos viajou por 16 países europeus como integrante do grupo de estudos e prevenção à violência da Uefa, a entidade que rege o futebol na Europa, ninguém conseguiu acabar com a violência das torcidas. Mas contê-la e colocá-la em níveis aceitáveis foi possível em vários lugares. Na Inglaterra, a Scotland Yard criou um gabinete só para vigiar e punir os hooligans, os torcedores violentos daquele país, que foram proibidos de viajar para outras localidades da Europa. “Lá, eles foram cadastrados; clubes perderam pontos quando a torcida deles provocou conflitos; e chefes de torcidas, que também fazem tráfico de drogas, foram responsabilizados criminalmente”, enumera o professor. Os hooligans não foram extintos, mas estão sob controle da polícia e da Justiça. Na Itália, a polícia fiscaliza e prende quem combina brigas pela internet. Há muito a ser feito no Brasil e os caminhos são conhecidos. Prevenir, reprimir, prender e condenar exemplarmente é o que se espera do poder público.

img3.jpg
IN LOCO
A polícia apreendeu computadores nas sedes
da Gaviões da Fiel e Mancha Alviverde

img.jpg

*   *   *

Hooliganismo e a sedução da violência (Universidade do Futebol)

Caráter lúdico desse tipo de ação e ineficiência da prevenção simplesmente policial remete à necessidade de estudos sobre o comportamento social e dos governos das cidades

Carlos Alberto de Camargo

25/02/2011

Uma das ameaças a ser consideradas no planejamento da segurança da Copa do Mundo é o hooliganismo, que não se confunde com a violência das torcidas organizadas brasileiras – esta última, em termos de Copa do Mundo, representa uma ameaça mais remota; mas o estudo do hooliganismo contribui para o entendimento da violência de nossas torcidas.

A capacidade de sedução da violência é a principal mensagem que o diretor Phillip Davis pretendeu passar no vídeo “Fúria nas Arquibancadas”, em que o personagem John Brandon, policial britânico infiltrado com três outros companheiros na torcida do Shadwell (um time fictício) a fim de conseguir informações necessárias ao controle da violência, acaba sendo cooptado por essa violência, absolutamente fascinado por ela, adotando o mesmo modo de vida dos hooligans, com suas inúmeras brigas e intermináveis bebedeiras.

É a mesma sedução que consta no testemunho pessoal do jornalista Bill Buford, em seu livro “Entre os Vândalos”, também infiltrado durante quatro anos na torcida do Manchester United a fim de descobrir por que os jovens ingleses do sexo masculino se envolviam em tumultos todos os sábados.

Na estação londrina de Marble Arch, retornando de um fim de semana violento em Turim, onde fora com a torcida acompanhar o Manchester, o jornalista surpreendeu-se com sua própria atitude. Irritado com um casal de idosos que caminhava lentamente à sua frente, amparados por suas bengalas, ele os ultrapassou, empurrando-os bruscamente e, já na dianteira, voltou-se para xingar.

Bill Buford descreve assim a violência: “Fiquei espantado com aquilo que descobri. Não esperava que violência fosse tão prazerosa. Poderia supor, caso me tivesse disposto a pensar a respeito, que a violência fosse provocante – no sentido em que um acidente de trânsito é provocante -, mas aquele prazer puro e elementar era de uma intensidade diferente de tudo que eu previra ou experimentara anteriormente. Não se tratava, contudo, de uma violência qualquer. Não se tratava de violência fortuita, ou violência de sábado à noite ou brigas de pub – era violência de massa, era essa que importava; os mecanismos muito particulares da violência das multidões”.

E o autor arrisca-se mesmo a apontar o principal combustível que movimenta esse comportamento: “a adrenalina, que pode ser tanto mais poderosa, porque é gerada pelo próprio corpo, contendo, fiquei convencido, muitas das mesmas propriedades viciantes que caracterizam as drogas sinteticamente produzidas”.

O personagem John Brandon entregou-se a essa mesma sedução, mergulhando de cabeça na espiral descendente que leva à total degradação, à negação da dignidade humana, à negação das mínimas regras necessárias a uma sadia convivência em sociedade. Entregou-se, iludido pela miragem assim descrita por Bill Buford:

“A violência apresenta uma das experiências vividas com mais intensidade e, para aqueles capazes de se entregar a ela, um dos mais intensos prazeres”. Mesmo advertido pelos seus companheiros de que essa ilusão o estava levando à autodestruição.

Tanto o livro como o filme apresentam uma impressionante sequência de escaramuças entre torcidas rivais; destacam a imagem desagradável e mesmo repulsiva do torcedor violento, acostumado a ingerir enorme quantidade de álcool, que sente tédio nos dias em que não vê futebol e que pratica delitos; e ainda procuram mostrar uma polícia inglesa às vezes omissa e à vezes excessivamente violenta.

As imagens que reproduzem a atuação da polícia nos estádios não resistem a uma análise técnica: revista pessoal falha e por amostragem, o que permite a introdução de armas, dardos e outros objetos perigosos; o policial que não mantém detidos os torcedores apreendidos por comportamento inconveniente; cenas de violência policial e a omissão da polícia em certos casos ou sua impotência quando algumas pessoas decidem desobedecer às leis.

O filme termina com nosso personagem participando de uma passeata neonazista. O livro também aborda o assunto, descrevendo como os rapazes de terno do National Front assediam as torcidas, que são o campo ideal para o recrutamento, já que se constituem em massas violentas ainda não politicamente dirigidas.

O repórter Bill Buford, ao contrário, termina sua narrativa confessando que em dado momento – quando preparava-se para viajar para Turim, nas eliminatórias para a Copa de 90 – entrou em depressão profunda: a simples ideia de um novo contato com a violência e as bebedeiras dos Hooligans o deixou doente.

Para melhor ilustrar o que pretendemos alertar, novamente nos socorremos de um exemplo inglês, desta vez narrado pelo jornalista Otávio Dias. Reportando a rebelião ocorrida na cidade de Luton, ao norte de Londres, em julho de 1995, quando durante vários dias grupos de jovens entraram em choque com a polícia, incendiando carros, apedrejando e saqueando lojas e casas, ele transcreveu depoimento de um deles: “enfrentar a polícia é a única maneira de conseguirmos um pouco de emoção”.

Todas essas observações nos fazem ficar preocupados com um dos aspectos da violência coletiva: o seu caráter eventualmente lúdico, que torna ineficaz a prevenção simplesmente policial, e que, por isso, recomenda seja objeto da preocupação de estudiosos do comportamento social e dos governos das cidades. A cuidadosa observação da forma como este problema tem sido enfrentado em todo mundo nos demonstra como eficazes: a rápida e rigorosa punição dos infratores, capaz de eliminar o sentimento de impunidade; a ocupação territorial inteligente e preventiva pela polícia, tomando o espaço dos violentos; e atuação sobre as causas da violência, como fenômeno social.

*   *   *

Violência entre torcidas: respeito é a solução

(Universidade do Futebol)

Estatuto do Torcedor preocupa-se demasiadamente com a violência, sem ater-se à qualidade no trato com o torcedor, o verdadeiro destinatário do espetáculo esportivo

Gustavo Lopes Pires de Souza*

28/01/2011

No dia 27 de novembro de 2010, os amantes de futebol foram surpreendidos com um fato bárbaro: o assassinato de um torcedor do Cruzeiro Esporte Clube, em Belo Horizonte. Responsáveis foram identificados e indiciados, mas a pergunta que sobe à garganta é: “até quando?”.

Segundo pesquisa realizada pela professora Heloísa Reis, da Unicamp, o ponto de partida da violência em Minas Gerais teria sido a morte de um torcedor atleticano, que entrou em confronto direto com um cruzeirense, em Belo Horizonte, em 1967, após o Atlético perder para o Uberaba e ser eliminado da disputa pelo seu primeiro título mineiro na “era Mineirão”.

Desde então, foram vários incidentes entre atleticanos e cruzeirenses que nos últimos quinze anos contabilizam dez mortes e centenas de feridos.

Em julho de 2010, por meio da Lei 12.299, o Estatuto do Torcedor foi alterado passando a prever punição às torcidas organizadas e criminalização de atos violentos dos torcedores.

Sem embargo, o Estatuto do Torcedor fora criado em 2003 para assegurar os direitos do torcedor, e não para puni-lo. Causa estranheza haver alterações que não cuidem de algumas das principais necessidades dos torcedores, como o preço dos ingressos e o horário dos jogos.

O Estatuto do Torcedor preocupa-se demasiadamente com a violência, sem ater-se à qualidade no trato com o torcedor, o verdadeiro destinatário do espetáculo esportivo.

De fato, os responsáveis devem ser punidos exemplarmente, mas a punição após a tragédia não é capaz de trazer de volta a vida de inocentes. Aliás, o italiano Beccaria, no século XVIII, já defendia a intervenção mínima, em sua obra “Dos Delitos e das Penas”.

Para a tão almejada paz nos estádios é necessário planejamento, respeito e organização. É preciso que a sociedade civil reivindique os direitos insculpidos no Estatuto do Torcedor, que o Poder Público atenda aos anseios e que os clubes e entidades organizadoras de eventos esportivos passem a tratar os torcedores com respeito, atentando-se ao fato de que fazem parte do patrimônio do clube.

Medidas como venda organizada de ingressos, conforto nos estádios, trariam efeitos positivos na luta contra a violência, tal como comprova a eficiente experiência inglesa que em uma década retirou o futebol local do ostracismo e transformou a Premier League em exemplo de organização e lucratividade.

Portanto, a cada ato de violência torna-se mais necessária a aplicação do Estatuto do Torcedor em sua plenitude, pois somente a lhanheza no trato com os torcedores oportunizará a queda do índice de violência nos estádios. E não se trata de inovar, mas tão somente de espelhar experiências de sucesso.

Referências

Jornal “Hoje em Dia”, Belo Horizonte, Minas Gerais, dos dias 20, 21, 23 e 24 de agosto de 2010.

SOUZA, Gustavo Lopes Pires de. O respeito ao torcedor como investimento com retorno esportivo e financeiro. Derecho Deportivo em Linea, Madrid. Disponível em Acesso em 27 jul. 2010

SOUZA, Gustavo Lopes Pires de. Os Direitos do Torcedor Brasileiro. Cidade do Futebol, São Paulo. Disponível em . Acesso em 27 jul. 2010

SOUZA, Gustavo Lopes Pires de. Estatuto do Torcedor: a evolução dos direitos do consumidor do esporte (Lei 10.671/2003), Alfstudio: Belo Horizonte, 2009.

*Coordenador do Curso de Capacitação em Direito Desportivo da SATeducacional. Professor de Organização Jurídica do Esporte no MBA de Gestão em Eventos Esportivos das Faculdades Del Rey. Autor do livro: “Estatuto do Torcedor: A Evolução dos Direitos do Consumidor do Esporte” (Lei 10.671/2003) Formado em Direito pela PUC/MG, Pós Graduado em Direito Civil e Processual Civil pela Unipac, Membro e colunista do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo, Membro do Instituto Mineiro de Direito Desportivo e da Associação Portuguesa de Adepstos Colunista do Instituto de Direito Desportivo da Bahia e do portal “Papo de Bola”.

Agraciado com a medalha ” Dom Serafim Fernandes de Araújo” pela eficiência na atuação jurídica. Jurista, Articulista, Advogado licenciado em razão de função pública no TJMG. Professor de matérias Jurídicas no MEGA CONCURSOS, FAMINAS e Arnaldo Jansen.

*   *   *

I Fórum Permanente para Discussão sobre a Violência das Torcidas de Futebol (Universidade do Futebol)

15 de setembro de 2010

Visando discutir sobre as questões sociais relevantes na atualidade que envolvem os eventos nos espetáculos futebolísticos, será realizado, em setembro, o I Fórum Permanente para Discussão sobre a Violência das Torcidas de Futebol.

O evento terá como presidente da mesa e mediador os advogados Fábio Sá Filho e Expedito Bandeira. Além deles, também contribuem para a realização do fórum o palestrante José Luiz Ratton e o debatedor Ailton Alfredo.

Veja a programação e outras informações:

Organização: Instituto Pernambucano de Direito Desportivo (IPDD), Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (TJ/PE), Ordem dos Advogados do Brasil da Seccional de Pernambuco (OAB/PE) e Escola Superior de Advocacia de Pernambuco (ESA/PE).

19:00 – Abertura

19:10
Painel Violência das Torcidas de Futebol

Presidente de mesa: Fábio Sá Filho/PE (Advogado. Mestre em Direito. Professor da FBV, UNICAP e ESA/PE. Membro da AIDTSS, do IBDD, da Comissão de Direito Desportivo da OAB/PE e do INAMA/PE. Diretor Presidente e Associado fundador do IPDD)

Mediador: Expedito Bandeira/PE (Advogado militante da área de Direito Público. Conselheiro da OAB/PE. Presidente da Comissão de Direito Desportivo da OAB/PE)

Tema: Torcidas organizadas, cultura e sociabilidade no Brasil

Palestrante: José Luiz Ratton/PE (Professor pesquisador do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE. Coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Criminalidade, Violência e Políticas de Segurança – NEPS – da UFPE. Assessor Especial do Governador para a área de Segurança Pública)

Debatedor: Ailton Alfredo/PE (Juiz Coordenador do Juizado Especial Cível e Criminal do Torcedor de Pernambuco. Mestrando em Direito. Professor Universitário. Membro do IBDD e Associado fundador do IPDD)

20:50 Encerramento

Inscrições:

Ordem dos Advogados do Brasil da Seccional de Pernambuco (OAB/PE)

Rua do Imperador Pedro II, 235, Santo Antônio

Junto às Sras. Ana da Hora e Ana Maristela (Setor de Comissões)

Das 9h às 12h e 14h às 18h

Telefone: (81) 3424-1012 Ramal 230

Doações:

Não será cobrada taxa alguma. Apenas quem quiser, poderá doar 1 kg de alimento não-perecível, água mineral, roupas e/ou cobertores para serem repassados às vítimas da enchente em Pernambuco.

Atenção: os donativos serão coletados a qualquer tempo na sede da OAB/PE (de preferência, o quanto antes).

Organização: IPDD, TJ/PE, OAB/PE e ESA/PE

Apoio: Sport Club do Recife, Clube Náutico Capibaribe e Santa Cruz Futebol Clube.
Local: Auditório da OAB, Recife/PE

*   *   *

Especial: violência na esfera do futebol (Universidade do Futebol)

Acontecimentos do último fim de semana no Estado de São Paulo reacendem necessidade de debate pautado na técnica e na profundidade social

Equipe Universidade do Futebol

26/02/2010

O saldo do clássico do último fim de semana entre Palmeiras e São Paulo não foi apenas os três pontos na tabela de classificação do Campeonato Paulista à equipe alviverde comandada pela primeira vez por Antônio Carlos Zago. Fora de campo – ou melhor, fora do estádio -, diversas ocorrências envolvendo torcedores das duas equipes foram relatadas pelas câmeras e detectadas pela polícia. Mas ainda mais distante da esfera principal, o jogo no estádio Palestra Itália, que se deu o chamariz.

Na Rodovia dos Bandeirantes, região de Jundiaí, um palmeirense foi morto. Dois suspeitos pelo crime foram presos pela Polícia Civil, que efetuou uma busca em pelo menos seis cidades do interior. A vítima pertencia à Mancha Alviverde. Enquanto os suspeitos têm ligação com a torcida organizada Tricolor Independente.

Além de ter provocado a morte de Alex Furlan de Santana, 29, a briga entre os dois grupos deixou 12 feridos, entre eles um são-paulino que teve amputada parte da mão direita após a explosão de uma bomba caseira. Ele foi ouvido e negou que tenha atirado o artefato.

Para a polícia, a briga pode ter sido premeditada. Na terça-feira, foram presos em São Carlos dois suspeitos de participação no crime. Os membros da Independente confessaram ter participado da briga. Mas o empresário Evandro Magno Vicentini Júnior, 29, e um adolescente, de 17 anos, negaram o crime. Vicentini continua preso, e o adolescente está numa unidade para menores de idade de São Carlos.

O menor de idade admitiu ter feito dois disparos durante a briga. Segundo ele, ninguém foi atingido, pois um tiro foi dado para cima e o outro, para o chão. Na casa do empresário, a polícia apreendeu duas espingardas cartucheiras, que passarão por perícia.

Delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Jundiaí e responsável pelo caso, Antonio Dota Júnior, acredita que os membros da organizada são-paulina que participaram da briga viajaram para assistir ao jogo em ônibus e vans que partiram de São José do Rio Preto e apanharam torcedores em outras cidades, como Piracicaba, Limeira, Campinas e Araras.

 

O comando da Polícia Rodoviária Estadual informou que policiais fizeram quatro disparos durante a briga na tentativa de dispersar o confronto. Um dos tiros atingiu a perna de um torcedor ainda não identificado.

Para Heloisa Reis, socióloga de formação e estudiosa dessa relação, a violência urbana nos dias de jogos de futebol transformou-se em uma questão de segurança pública em diversos países. Inicialmente, parecia um problema localizado apenas na Inglaterra, sob o nome de hooliganismo. Atualmente, entretanto, é um problema quase planetário. E para pensar em prevenção desta violência, é necessário buscar suas raízes, suas causas diretas e indiretas.

Todos os levantamentos científicos realizados no Velho Continente especificamente concluíram que a falta de infraestrutura dos estádios é geradora de atos de vandalismo e de outras formas de violência. Muitas recomendações do tratado europeu, então, dizem respeito à modernização dos estádios: ambientes confortáveis e seguros inibiriam ocorrências.

“No Brasil, as frustrações geradas com o mau funcionamento dos serviços e da estrutura dos estádios contribuem para manifestações violentas, inclusive como forma de protesto e enfrentamento. Aqui, a gota d’água foi o confronto de torcedores no Pacaembu em 1995, na final da Copa SP de juniores. O episódio chocou a sociedade pela crueldade dos jovens agressores armados com entulhos encontrados no próprio estádio, o que é inadmissível”, relatou Heloisa, citando justamente um duelo envolvendo palmeirenses e são paulinos, há 15 anos, pela Supercopa de Juniores.

Para ela, uma das explicações das raízes da violência relacionada ao esporte pode ser encontrada na gênese e no desenvolvimento do futebol moderno, visto como ambiente de produção e reprodução de valores de masculinidade. E outra, no sistema de metabolismo social do capital.

“Se levarmos em conta a primeira, não é de se estranhar que a ‘linha dura’ dos grupos agressores seja formada basicamente por jovens do sexo masculino. Para eles, a valentia e a força são elementos necessários para o enfrentamento do inimigo, que pode ser os torcedores adversários, a polícia – que representa ali o Estado -, os árbitros e até os jogadores do próprio time”, completou a mestra e doutora em Educação Física, atuando com ênfase em Sociologia do Esporte, Lazer e Pedagogia do Esporte.

A seguir, além da entrevista na íntegra com Heloisa Reis, a Universidade do Futebol apresenta ao público uma série de artigos relacionados à temática. E convida a comunidade a debater no espaço de comentários.

Leia mais:
Entrevista: Heloisa Reis, estudiosa da relação futebol x violência
Mais do mesmo
Medidas tomadas pela Uefa para conter a violência
Na Europa, combate à violência ganhou força nos anos 1980
Os cegos do castelo e a violência das torcidas de futebol
O combate ao problema e não às causas da violência
O perfil do torcedor brasileiro
Sociologia explica violência das torcidas
Apontamentos sobre o protagonismo do torcedor no espetáculo de futebol
Torcedores de futebol: uma análise sociológica
Violência nos estádios
Violência no futebol: quando as causas vão ser investigadas?
O cravo da violência
Comportamento e infraestrutura para a segurança nos estádios
Estado de choque. De novo
A consequência da violência para os clubes de futebol
Civilização e barbárie
Simpatia a organizadas estabelece momento de comemoração no futebol

*   *   *

Violência no futebol: quando as causas vão ser investigadas? (Universidade do Futebol)

A atuação dos meios de comunicação em relação ao tema no meio esportivo é um aspecto que deve ser repensado

GEF

16/08/2009

Mortes relacionadas ao futebol brasileiro reacendem a discussão em torno da violência no esporte. Normalmente declarações precipitadas de autoridades públicas, assim como informações desencontradas e incoerentes veiculadas pela imprensa contribuem para a formulação de “soluções mágicas”, mas que poderão comprovar-se ineficazes, dado que não consideram a amplitude e a importância do
fenômeno.

Em um primeiro momento, consideramos ser fundamental a retomada dos trabalhos da Comissão Nacional de Prevenção da Violência nos Espetáculos Esportivos pelos Ministérios do Esporte e da Justiça e a criação de colegiados similares nos estados, que tenham a atribuição de tratar o tema com o devido cuidado e de trazer o poder público para o cerne da discussão. Há a necessidade, também urgente, de atualização da legislação específica para o esporte, como o Estatuto do Torcedor. A tarefa é especialmente oportuna neste momento, dado que o tema está sendo discutido no Senado. Alguns pontos importantes foram acrescentados à lei, mas outros, como a melhoria da infraestrutura dos estádios, ainda não foram contemplados.

Para que as atividades sejam efetivas e contínuas, é preciso incentivar e assegurar a participação, nas referidas comissões, de representantes de diferentes esferas da sociedade (governo, entidades esportivas, torcidas organizadas, imprensa e estudiosos), de maneira a enriquecer e ampliar o enfoque das análises. Da mesma forma, ainda verificamos a urgência da criação de uma corporação de segurança especializada em eventos esportivos, pois é notório que o despreparo dos atuais agentes públicos, e o tratamento por eles conferido aos torcedores – organizados ou não -, estão entre as principais causas dos conflitos violentos.

*   *   *

Brasil lidera ranking de mortes ligadas ao futebol (Universidade do Futebol)

20/07/2009

No início das pesquisas, em 1999, o país estava atrás da Itália e da Argentina. Porém, em 10 anos, o Brasil passou a liderar essa estatística

Equipe Universidade do Futebol

Um dos principais problemas a ser solucionado até a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, é a questão da violência ligada ao futebol. De acordo com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com base em dados fornecidos por jornais, revistas e rádios, nos últimos 10 anos, o país foi o que registrou o maior número de mortes de torcedores. Foram 42 casos.

“Quando começamos a fazer o levantamento, o Brasil estava em terceiro lugar na comparação com outros países no número de óbitos. A ordem era Itália, Argentina e Brasil. Hoje, 10 anos depois, o Brasil conquistou o primeiro lugar. É uma conquista trágica, perversa”, afirmou Maurício Murad, sociólogo e autor do estudo.

Ele afirmou a violência deveria ser um dos temas que mais deve receber atenção de governantes, e que deve ser solucionado, caso o Brasil queira ser sede da Copa de 2014.

“Essa violência é uma preocupação para a Copa porque, de todos os problemas que a Fifa acompanha, e de tudo o que o caderno de exigências determina, a segurança pública é um dos principais. O problema da segurança pública é da maior importância para o Mundial”, disse Murad, em entrevista publicada pela Agência Brasil.

De acordo com o pesquisador, ao contrário da Itália, que promoveu uma reforma na legislação para punir exemplarmente dirigentes ou torcedores que estimularem a violência, o Brasil ainda não adotou medidas efetivas.

Segundo o estudo, os números pioraram. Se no período de 10 anos a média é de 4,2 mortes a cada ano, no período entre 2004 e 2008 o número de mortos totaliza 28, dando uma média de 5,6 por ano. Apenas em 2007 e 2008, 14 pessoas morreram, o que dá uma média de sete por ano.

“Cresceu a violência no futebol porque cresceu a violência no país. E cresceu a violência no país porque a impunidade e a corrupção são cada vez maiores”, disse o sociólogo.

Conforme a pesquisa, a maior parte das vítimas fatais era composta por jovens entre 14 e 25 anos, de classe baixa ou média baixa, com escolaridade até o ensino fundamental e, em geral, desempregado. Também foi constatado que, em grande parte, esses torcedores não eram ligados a práticas de violência.

“Em quase 80% dos casos, as pessoas não tinham nenhuma ligação com setores violentos ou delinquentes de torcidas organizadas. Apenas em 20% é que os óbitos eram de pessoas ligadas a grupos de vândalos”, concluiu Murad.

*   *   *

O cravo da violência (Universidade do Futebol)

No Brasil, as frustrações geradas com o mau funcionamento dos serviços e da estrutura dos estádios contribuem para manifestações violentas

Heloisa Reis

03/07/2009

A violência urbana nos dias de jogos de futebol transformou-se em uma questão de segurança pública em diversos países. Inicialmente, parecia um problema localizado apenas na Inglaterra, onde recebeu o nome de hooliganismo. Hoje, no entanto, é um problema quase planetário. E para pensar em prevenção desta violência, é necessário buscar suas raízes, suas causas diretas e indiretas.

Quarenta e seis países europeus adotaram políticas nacionais de prevenção elaboradas a partir de um acordo firmado no Conselho da Europa. A gota d’água foi a tragédia do estádio Heysel, na Bélgica, em 1985, que deixou 39 mortos após tumulto na final da Copa dos Campeões.

Os primeiros participantes do Convênio Europeu sobre a violência e mau comportamento em eventos esportivos foram Inglaterra, Itália e Espanha. Hoje, países com o maior sucesso na promoção de espetáculos de futebol. Na Espanha, foram constituídas duas comissões para o estudo do problema: uma de senadores, com um período de trabalho de dois anos; e outra em âmbito interministerial. Tais trabalhos subsidiaram a elaboração da lei de esporte espanhola de 1990, que dedica um capítulo especificamente ao tema. A nova legislação tornou ágil o julgamento dos delitos e delimitou as penas impostas aos clubes em casos de violência de seus espectadores.

Todos os estudos realizados concluíram que a falta de infraestrutura dos estádios é geradora de atos de vandalismo e de outras formas de violência. Por isso, muitas recomendações do tratado europeu dizem respeito à modernização dos estádios. Ambientes confortáveis e seguros inibem a violência.

No Brasil, as frustrações geradas com o mau funcionamento dos serviços e da estrutura dos estádios contribuem para manifestações violentas, inclusive como forma de protesto e enfrentamento. Aqui, a gota d’água foi o confronto de torcedores no Pacaembu em 1995, na final da Copa SP de juniores. O episódio chocou a sociedade pela crueldade dos jovens agressores armados com entulhos encontrados no próprio estádio, o que é inadmissível.

Uma das explicações das raízes da violência relacionada ao esporte pode ser encontrada na gênese e no desenvolvimento do futebol moderno, visto como ambiente de produção e reprodução de valores de masculinidade. E outra, no sistema de metabolismo social do capital. Se levarmos em conta a primeira, não é de se estranhar que a “linha dura” dos grupos agressores seja formada basicamente por jovens do sexo masculino. Para eles, a valentia e a força são elementos necessários para o enfrentamento do inimigo, que pode ser os torcedores adversários, a polícia -que representa ali o Estado-, os árbitros e até os jogadores do próprio time.

A Europa vem enfrentando há alguns anos dificuldades com o racismo. Uma causa direta do problema é a intolerância dos integrantes de movimentos neonazistas que encontraram nos estádios um local para divulgar sua ideologia. Este cenário é mais um exemplo de que a violência pode se manifestar de diferentes formas. Lá, agora, a principal é o racismo. Aqui, ainda é o enfrentamento com os torcedores rivais e/ou com a polícia.

The eyes have it: Men do see things differently to women (BioMed Central)

By Hilary Glover

BioMed Central

The way that the visual centers of men and women’s brains works is different, finds new research published in BioMed Central’s open access journal Biology of Sex Differences. Men have greater sensitivity to fine detail and rapidly moving stimuli, but women are better at discriminating between colors.

In the brain there are high concentrations of male sex hormone (androgen) receptors throughout cerebral cortex, especially in the visual cortex which is responsible for processing images. Androgens are also responsible for controlling the development of neurons in the visual cortex during embryogenesis, meaning that males have 25% more of these neurons than females.

Researchers from Brooklyn and Hunter Colleges of the City University of New York compared the vision of men and women aged over 16 from both college and high school, including students and staff. All volunteers were required to have normal color vision and 20/20 sight (or 20/20 when corrected by glasses or contact lenses).

When the volunteers were required to describe colors shown to them across the visual spectrum it became obvious that the color vision of men was shifted, and that they required a slightly longer wavelength to experience the same hue as the women. The males also had a broader range in the center of the spectrum where they were less able to discriminate between colors.

An image of light and dark bars was used to measure contrast-sensitivity functions (CSF) of vision; the bars were either horizontal or vertical and volunteers had to choose which one they saw. In each image, when the light and dark bars were alternated the image appeared to flicker.

By varying how rapidly the bars alternated or how close together they were, the team found that at moderate rates of image change, observers lost sensitivity for close together bars, and gained sensitivity when the bars were farther apart. However when the image change was faster both sexes were less able to resolve the images over all bar widths. Overall the men were better able to resolve more rapidly changing images that were closer together than the women.

Prof Israel Abramov, who led this study commented, “As with other senses, such as hearing and the olfactory system, there are marked sex differences in vision between men and women. The elements of vision we measured are determined by inputs from specific sets of thalamic neurons into the primary visual cortex. We suggest that, since these neurons are guided by the cortex during embryogenesis, that testosterone plays a major role, somehow leading to different connectivity between males and females. The evolutionary driving force between these differences is less clear.”

Sources

Sex & vision I: Spatio-temporal resolution Israel Abramov, James Gordon, Olga Feldman and Alla Chavarga Biology of Sex Differences (in press)

Sex and vision II: Color appearance of monochromatic lights Israel Abramov, James Gordon, Olga Feldman and Alla Chavarga Biology of Sex Differences (in press)

Gene That Predicts Happiness in Women Discovered (Science Daily)

ScienceDaily (Aug. 28, 2012) — A new study has found a gene that appears to make women happy, but it doesn’t work for men. The finding may help explain why women are often happier than men, the research team said.

A new study has found a gene that appears to make women happy, but it doesn’t work for men. The finding may help explain why women are often happier than men. (Credit: © Yuri Arcurs / Fotolia)

Scientists at the University of South Florida (USF), the National Institutes of Health (NIH), Columbia University and the New York State Psychiatric Institute reported that the low-expression form of the gene monoamine oxidase A (MAOA) is associated with higher self-reported happiness in women. No such association was found in men.

The findings appear online in the journal Progress in Neuro-Psychopharmacology & Biological Psychiatry.

“This is the first happiness gene for women,” said lead author Henian Chen, MD, PhD, associate professor in the Department of Epidemiology and Biostatistics, USF College of Public Health.

“I was surprised by the result, because low expression of MAOA has been related to some negative outcomes like alcoholism, aggressiveness and antisocial behavior,” said Chen, who directs the Biostatistics Core at the USF Health Morsani College of Medicine’s Clinical and Translational Sciences Institute. “It’s even called the warrior gene by some scientists, but, at least for women, our study points to a brighter side of this gene.”

While they experience higher rates of mood and anxiety disorders, women tend to report greater overall life happiness than do men. The reason for this remains unclear, Chen said. “This new finding may help us to explain the gender difference and provide more insight into the link between specific genes and human happiness.”

The MAOA gene regulates the activity of an enzyme that breaks down serontin, dopamine and other neurotransmitters in the brain — the same “feel-good” chemicals targeted by many antidepressants. The low-expression version of the MAOA gene promotes higher levels of monoamine, which allows larger amounts of these neurotransmitters to stay in the brain and boost mood.

The researchers analyzed data from a population-based sample of 345 individuals — 193 women and 152 men — participating in Children in the Community, a longitudinal mental health study. The DNA of study subjects had been analyzed for MAOA gene variation and their self-reported happiness was scored by a widely used and validated scale.

After controlling for various factors, ranging from age and education to income, the researchers found that women with the low-expression type of MAOA were significantly happier than others. Compared to women with no copies of the low-expression version of the MAOA gene, women with one copy scored higher on the happiness scale and those with two copies increased their score even more.

While a substantial number of men carried a copy of the “happy” version of the MAOA gene, they reported no more happiness than those without it.

So, why the genetic gender gap in feeling good?

The researchers suspect the difference may be explained in part by the hormone testosterone, found in much smaller amounts in women than in men. Chen and his co-authors suggest that testosterone may cancel out the positive effect of MAOA on happiness in men.

The potential benefit of MAOA in boys could wane as testosterone levels rise with puberty, Chen said. “Maybe men are happier before adolescence because their testosterone levels are lower.”

Chen emphasizes that more research is needed to identify which specific genes influence resilience and subjective well-being, especially since studies of twins estimate genetic factors account for 35 to 50 percent of the variance in human happiness.

While happiness is not determined by a single gene, there is likely a set of genes that, along with life experiences, shape our individual happiness levels, Chen said. “I think the time is right for more genetic studies that focus on well-being and happiness.”

“Certainly it could be argued that how well-being is enhanced deserves at least as much attention as how (mental) disorders arise; however, such knowledge remains limited.”

The study by Chen and colleagues was supported by the National Institutes of Health and a USF proposal enhancement grant.

Journal Reference:

  1. Henian Chen, Daniel S. Pine, Monique Ernst, Elena Gorodetsky, Stephanie Kasen, Kathy Gordon, David Goldman, Patricia Cohen. The MAOA gene predicts happiness in womenProgress in Neuro-Psychopharmacology and Biological Psychiatry, 2012; DOI:10.1016/j.pnpbp.2012.07.018

O poder das mulheres nas famílias (O Globo)

São 22 milhões que assumiram a responsabilidade em 38,7% dos lares

CÁSSIA ALMEIDA e LETÍCIA LINS

Publicado:27/08/12 – 23h06 / Atualizado:28/08/12 – 11h58

<br /><br /> Maria Pamposa de Lima, 47 comanda sua casa há 17 anos e criou 5 filhos sozinha, na foto os filhos Fabiane de Lima, 27, Fabio Lins Lima da Silva, 22 e o neto David Venicius, 7.<br /><br /> Foto: Hans von Manteuffel / Hans von ManteuffelMaria Pamposa de Lima, 47 comanda sua casa há 17 anos e criou 5 filhos sozinha, na foto os filhos Fabiane de Lima, 27, Fabio Lins Lima da Silva, 22 e o neto David Venicius, 7.HANS VON MANTEUFFEL / HANS VON MANTEUFFEL

RECIFE E RIO – No Nordeste é cada vez mais comum domicílios comandados por mulheres, tanto na capital quanto no interior. E ocorre em duas condições: quando a mulher mora só com os filhos, ou quando tem companheiro, mas é ela quem manda nas finanças e se considera chefe da família. Nas estatísticas, as mulheres são as responsáveis em 38,7% dos domicílios, o que representa 22 milhões de unidades, de acordo com o último censo demográfico do IBGE, de 2010. No levantamento anterior, em 2000, essa chefia feminina estava em 24,9% dos lares.

O casamento ruim não prende mais as mulheres. É o caso de Maria Pamposa de Lima, de 48 anos que, desde os 31 anos, luta sozinha para criar os cinco filhos. Já trabalhou em reciclagem quando morava em um barraco de lona e pedaços de madeira. Hoje está no mercado formal de trabalho atuando como servente em um bar no bairro de Casa Forte, na zona norte da capital pernambucana. Ela deixou marido porque ele bebia muito, exigia dinheiro para alimentar o vício e terminou morrendo de cirrose hepática.

Ela ganha um salário mínimo e complementa a renda familiar juntando as latas de cerveja do restaurante. Dos cinco filhos, quatro moram com ela, dois trabalham e só uma chegou à universidade, Fabiana. A jovem trabalha na prefeitura de Moreno, onde entrou por concurso, e estuda pedagogia. Afirma que a mãe é pobre, que viveu e vive em muita dificuldade, mas que criou a família baseada nos princípios da ética, da moral, da honestidade e de amor ao próximo.

— Moramos muito tempo em casa de invasão (hoje substituída por uma de alvenaria) e nossa vida foi muito sofrida. Mas ninguém na família se envolveu com drogas — diz Fabiana.

Além das latinhas para reforçar o orçamento, Maria transformou um dos quartos da casa em uma lojinha que lhe rende um pequeno aluguel.

‘Cuido de tudo: do negócio ao dinheiro’

Vizinha de Pamposa, Maria Jocelma da Silva, de 37 anos, tem uma história diferente. Ela vive com o companheiro, Ademilton Bispo de Melo, de 47 anos, mas se considera a chefe da família. Jocelma montou um pequeno restaurante em uma sala da residência e o marido trabalho como cozinheiro.

—Aqui a chefe sou eu. Cuido de tudo, do negócio, das compras, das finanças. O dinheiro espicha na minha mão. Se eu deixar com ele acaba logo, justifica.

Ademiltom afirma que apesar do machismo nordestino, não dá importância à situação:

—Não ligo não. Vivemos em união e é tudo com ela, a casa, o negócio, o dinheiro. Hoje a mulher faz tudo, é engenheira, é peão de obra, é cobradora no ônibus e é até presidente.

VEJA TAMBÉM

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/o-poder-das-mulheres-nas-familias-5918850#ixzz252DcZoN0 © 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Renaissance Women Fought Men, and Won (Science Daily)

ScienceDaily (Aug. 14, 2012) — A three-year study into a set of manuscripts compiled and written by one of Britain’s earliest feminist figures has revealed new insights into how women challenged male authority in the 17th century.

Dr Jessica Malay has painstakingly transcribed Lady Anne Clifford’s 600,000-word Great Books of Record, which documents the trials and triumphs of the female aristocrat’s family dynasty over six centuries and her bitter battle to inherit castles and villages across northern England.

Lady Anne, who lived from 1590 to 1676, was, in her childhood, a favourite of Queen Elizabeth I. Her father died when she was 15 but contrary to an agreement that stretched back to the time of Edward II — that the Clifford’s vast estates in Cumbria and Yorkshire should pass to the eldest heir whether male or female ­- the lands were handed over to her uncle.

Following an epic legal struggle in which she defied her father, both her husbands, King James I and Oliver Cromwell, Lady Anne finally took possession of the estates, which included the five castles of Skipton, where she was born, Brougham, Brough, Pendragon and Appleby, aged 53.

Malay, a Reader in English Literature at the University of Huddersfield, is set to publish a new, complete edition of Lady Anne’s Great Books of Record, which contains rich narrative evidence of how women circumvented male authority in order to participate more fully in society.

Malay said: “Lady Anne’s Great Books of Record challenge the notion that women in the 16th and 17th centuries lacked any power or control over their own lives.

“There is this misplaced idea that the feminist movement is predominantly a 1960s invention but debates and campaigns over women’s rights and equality stretch back to the Middle Ages.”

The Great Books of Record comprise three volumes, the last of which came up for auction in 2003. The Cumbria Archives bought the third set and now house all three. In 2010, Malay secured a £158,000 grant from the Leverhulme Trust to study the texts.

Malay said: “Virginia Woolf argued that a woman with Shakespeare’s gifts during the Renaissance Period would have been denied the opportunity to develop her talents due to the social barriers restricting women.

“But Lady Anne is regarded as a literary figure in her own right and when I started studying the Great Books of Record I realised there is a lot more to her writing than we were led to believe.

“I was struck by how much they revealed about the role of women, the importance of family networks and the interaction between lords and tenants over 500 years of social and political life in Britain.”

In her Great Books of Record, Lady Anne presents the case for women to be accepted as inheritors of wealth, by drawing on both documentary evidence and biographies of her female ancestors to reveal that the Clifford lands of the North were brought to them through marriage.

She argued that since many men in the 16th and 17th centuries had inherited their titles of honour from their mothers or grandmothers, it was only right that titles of honour could be passed down to female heirs.

She also contended that women were well suited to the title of Baron since a key duty of office was to provide counsel in Parliament, where women were not allowed. While men were better at fighting wars, women excelled in giving measured advice, she wrote.

Malay said: “Lady Anne appropriates historical texts, arranging and intervening in these in such a way as to prove her inevitable and just rights as heir.

“Her foregrounding of the key contributions of the female to the success of the Clifford dynasty work to support both her own claims to the lands of her inheritance and her decision to resist cultural imperatives that demanded female subservience to male authority.

“Elizabeth I was a strong role model for Lady Anne in her youth. While she was monarch, women had a level of access to the royal court that men could only dream of, which spawned a new sense of confidence among aristocratic women.”

Malay’s research into the Great Books of Record, which contain material from the early 12th century to the early 18th century, reveals the importance of family alliances in forming influential political networks.

It shows that women were integral to the construction of these networks, both regionally and nationally.

Malay said: “The Great Books explain the legal avenues open to women. Married women could call on male friends to act on their behalf. As part of marriage settlements many women had trusts set up to allow them access to their own money which they could in turn use in a variety of business enterprises or to help develop a wide network of social contacts.

“Men would often rely on their wives to access wider familial networks, leading to wives gaining higher prestige in the family.”

Lady Anne was married twice and widowed twice. After her second husband died she moved back to the North and, as hereditary High Sherriff of Westmorland, set about restoring dilapidated castles, almshouses and churches.

Malay said: “Widows enjoyed the same legal rights as men. While the husband was alive then the wife would require his permission to do anything. Widows were free to act on their own without any male guardianship.”

The Great Books also provide a valuable insight into Medieval and Renaissance society, with one document describing a six-year-old girl from the Clifford family being carried to the chapel at Skipton on her wedding day.

Lady Anne also recounted her father’s voyages to the Caribbean and she kept a diary of her own life, which includes summaries of each year from her birth until her death at the age of 86 in 1676.

Malay said: “The books are full of all sorts of life over 600 years, which is what is so exciting about them.”

Malay’s Anne Clifford Project, the Great Books of Record was the catalyst for an exhibition of the Great Books of Record, which are, for the first time, being exhibited in public alongsideThe Great Picture at the Abbot Hall Art Gallery in Kendal.

The Great Picture is a huge (so huge a window of the gallery had to be removed to accommodate its arrival) triptych that marks Lady Anne’s succession to her inheritance.

The left panel depicts Lady Anne at 15, when she was disinherited. The right panel shows Lady Anne in middle age when she finally regained the Clifford estates. The central panel depicts Lady Anne’s parents with her older brothers shortly after Lady Anne had been conceived.

Time to tackle ‘last taboo’ of contraception and climate – experts (Alert Net)

29 Feb 2012 11:13

Source: Alertnet // Lisa Anderson

A health worker explains methods of contraception during a reproductive health fair held to mark World Population Day in Quezon City, Metro Manila, Philippines, July 11, 2009. REUTERS/John Javellana

By Lisa Anderson

NEW YORK (AlertNet) – Finding a way to put the environmental impact of population and women’s reproductive health more prominently on the climate change agenda is increasingly urgent, experts said in Washington this week.

Suggesting a strong connection between family planning and the environment often risks an explosion in the highly charged political landscape of climate talks, meaning the word “population” is rarely heard, observed speakers on a panel assembled by the Wilson Center’s Environmental Change and Security Program (ECSP).

Kavita Ramdas, executive director of Stanford University’s social entrepreneurship program, calls making the link between population and the environment “the last taboo”.

“This connection … needs to be in a place where we can talk thoughtfully about the fact that yes, more people on this planet – and we’ve just crossed 7 billion – does actually put pressure on the planet. And no, it is not just black women or brown women or Chinese women who create that problem,” she told a session on women’s health and climate adaptation strategies.

“In fact, the issues around consumption in the more developed part of the world are profoundly significant. And when you know that every American baby born consumes 40 times as much as every Indian baby born, clearly there is a need to be able to tie those issues together,” she added.

Daniel Schensul, a technical specialist in the climate change, population and development branch of the United Nations Population Fund (UNFPA), noted that adapting to a shifting climate amounts to building resilience in the face of change. “Women’s ability to control fertility, I think, is at the very centre of this,” he said.

Kathleen Mogelgaard, a consultant on the Wilson Center’s ECSP, described universal access to reproductive health as “a win-win opportunity for climate change adaptation”. Compared with other adaptation strategies, family planning is already in demand among women around the world, although many lack access to it, she said.

And it’s relatively inexpensive, she added, requiring only an additional $3.6 billion a year to fully meet women’s reproductive health needs.

FEAR OF LIMITING RIGHTS

Nonetheless, social and political barriers to including population in climate discussions persist, Stanford University’s Ramdas said. Climate experts avoid talking about population issues out of fear they will be labelled racists or eugenicists, and in an effort “not to muddy the waters” surrounding the already delicate subject of climate change, she said.

“At the same time women’s rights activists also have been reluctant to jump into the argument. You can’t discuss contraception without being drawn into a debate about abortion,” she added.

The ECSP’s Mogelgaard noted that population is rarely included in assessments of climate change vulnerability and adaptation. In her experience, climate specialists have a limited understanding of population dynamics and the scale of coming demographic change – such as populations tripling in countries like Malawi by 2050.

And, if they do grasp the issues, they “assume that doing something about population means limiting people’s rights,” she said. “What this says to me is that there is a real need for raising awareness of the connection between population, climate change and reproductive health.”

More academic evidence supporting the connection would help get population considered as a legitimate issue in the climate community, the experts argued. “There hasn’t been enough work that directly shows us that, when a woman’s need for reproductive health is met, how that impacts on adaptation,” Mogelgaard said.

She knows of only one study – “Linking Population, Fertility and Family Planning with Adaptation to Climate Change: Views from Ethiopia”, issued byPopulation Action International (PAI) in October 2009 – that “shows that when women have access to reproductive health they say they are better able to cope with climate change”.

Schensul said UNFPA wants to see population and reproductive health on the June agenda of Rio+20, the U.N. Conference on Sustainable Development. To that end, it is working with partners to “establish a nuanced, evidence-based and human rights-based perspective on the operational links between population, reproductive health and climate change”.

If these inter-related factors remain neglected in climate discussions, “silence around this issue will continue to leave us in a space where the planet and her women will continue to have no voice,” Ramdas warned.

Women in Prison: An Issue of Blaming the Individual for Social Problems (Science Daily)

Science Daily (Oct. 11, 2011) — Researchers have long claimed that physical abuse and marginalization lead to criminal activity; however, women in prison are taught to overlook socioeconomic issues and blame only themselves for their behavior, according to a new study published in SAGE Open.

Authors Traci Schlesinger and Jodie Michelle state that there is a real connection between the type of abuse experienced by women, marginalization, and whether or not they will turn to drugs and criminal activity to cope with their experiences. Still, the authors contend current psychiatric and popular discourse portrays female incarceration as the result of poor choices and bad behavior “rather than identifying structural conditions that lead to imprisonment — including changes in laws, racist and sexist legislation, poverty, lack of resources and jobs, and social vulnerability over the course of one’s life.”

The authors analyzed surveys from 170 incarcerated women as well as personal history interviews conducted with 11 formerly imprisoned women and found that women who experience non-sexual physical abuse as well as any type of abuse as adults are more likely to begin using drugs, while women who are victims of sexual abuse as children claim that their imprisonment is a direct, nearly inevitable result of their abuse. They also found that marginalized women (such as women whose parents were also incarcerated and women who were unemployed at the time of their arrest) are more likely to turn to drugs to deal with interpersonal violence than women with the resources to find other ways to cope with their experiences of violence.

“Having few or no options because of their marginalized socioeconomic positions, entrenched racial inequality, and repeated episodes of violence, respondents indicated that criminalized activities became survival mechanisms, which led to incarceration,” write the authors.
The authors point to institutional change and support systems for victims of abuse as a way to prevent female criminal activity.

The authors wrote, “Radical education, community support, decriminalization, job creation, and automatic expungement could work together to push back against the web of interpersonal and state violence experienced by so many marginalized women.”