Arquivo da tag: Fome

Drought and rising temperatures ‘leaves 36m people across Africa facing hunger’ (The Guardian)

Unusually strong El Niño, coupled with record-high temperatures, has had a catastrophic effect on crops and rainfall across southern and eastern Africa

A maize plant among other dried maize in a field

A maize plant among other dried maize in a field in Hoopstad in the Free State province, South Africa. The country suffered its driest year on record in 2015. Photograph: Siphiwe Sibeko/Reuters 

The immediate cause of the drought which has crippled countries from Ethiopia to Zimbabwe is one of the strongest El Niño events ever recorded. It has turned normal weather patterns upside down around the globe, climate scientists say. 

But with the world still reeling from record-high temperatures in February, there are fears that the long-term impacts of climate change are also undermining the region’s ability to endure extremes in weather, leaving huge numbers of people vulnerable to hunger and disease.

The worst hit country in the current crisis is Ethiopia, where rains vital to four-fifths of the country’s crops have failed. Unicef has said it is making plans to treat more than 2 million children for malnutrition, and says more than 10 million people will need food aid.

“Ethiopia has been hit by a double blow, both from a change to the rainy seasons that have been linked to long-term climate change and now from El Niño, which has potentially led the country to one of the worst droughts in decades,” said Gillian Mellsop, Unicef representative to Ethiopia.

The crisis has been damaging even to Ethiopians not at immediate risk of going hungry. It has truncated the education of 3.9 million children and teenagers, who “are unable to access quality education opportunities because of the drought”, she said.

An boy walks through failed crops and farmland in Ethiopia.

An boy walks through failed crops and farmland in Afar, Ethiopia. Four-fifths of crops in the country have failed. Photograph: Mulugeta Ayene/AP

Neighbouring countries grappling with hunger after crops failed include Somalia, Sudan and Kenya, and altogether the failed rains have left more than 20 million people “food insecure” in the region.

The drought caught many officials by surprise, because although El Niño was forecast, the weather event normally brings more rain to the region, not less.

“The typical pattern that you would expect with El Niño is very dry weather in southern Africa, but slightly wetter than normal in eastern Africa,” said Dr Linda Hirons, a research scientist at the National Centre for Atmospheric Science.

“So the fact that we have had parts of eastern Africa experiencing drought is unusual … but every single El Niño event manifests itself differently.”

In southern Africa, the drought caused by El Niño was expected, but it has been even more severe than feared, with rains failing two years in a row.

Overall nearly 16 million people in southern Africa are already going hungry, and that number could rise fast. “More than 40 million rural and 9 million poor urban people are at risk due to the impacts of El Niño’s related drought and erratic rainfall,” the World Food Programme has warned.

Zimbabwe, once the region’s bread basket, is one of the worst hit countries. In February, the country’s president Robert Mugabe declared a state of disaster due to the drought, and in less than a month official estimates of people needing food aid has risen from 3 million to 4 million.

Neighbouring countries are also scrambling to find food aid, including South Africa, whose ports are the main entry point for relief across the region.

“We are seeing this as a regional crisis, a cross-country humanitarian crisis,” said Victor Chinyama. “In each country maybe the numbers [of hungry people] are nowhere near as much as Ethiopia, but if you put these numbers together as a whole region, you get a sense of how large a crisis this is.”

More than a third of households are now going hungry, he said. Families that used to eat two meals a day are cutting back to one, and those who could once provide a single meal for their dependents are now entirely reliant on food aid, he said.

Beyond the immediate scramble to get food to those who need it, aid workers in the region say the drought has served as reminder that communities vulnerable to changing weather patterns need longer-term help adapting.

“It’s becoming common knowledge now that we will experience droughts much more,” said Beatrice Mwangi, resilience and livelihoods director, southern Africa region, World Vision, who said she is focused on medium- and long-term responses.

“In the past it was one big drought every 10 years, then it came to one drought every five years, and now the trends are showing that it will be one every three to five years. So we are in a crisis alright, that is true.

“But it’s going to be the new norm. So our responses need to appreciate that … there is climate change, and it’s going to affect the people that we work with, the communities we serve.”

This article was amended on 17 March 2016 to remove a picture because it was an inaccurate illustration of the theme of the article and contained ambiguities in the caption.


El Niño is causing global food crisis, UN warns (The Guardian)

Severe droughts and floods have ruined harvests, and left nearly 100 million people in southern Africa, Asia and Latin America facing food and water shortages

A farmer surveys her maize fields in Dowa near the Malawi capital of Lilongwe, 3 February 2016.

A farmer surveys her maize fields in Dowa, near the Malawi capital of Lilongwe, earlier this month. The country is experiencing its first maize shortage in a decade, causing prices to soar. Photograph: Mike Hutchings/Reuters

Wednesday 17 February 2016 00.01 GMT / Last modified on Wednesday 17 February 2016 14.48 GMT

Severe droughts and floods triggered by one of the strongest El Niño weather events ever recorded have left nearly 100 million people in southern Africa, Asia and Latin America facing food and water shortages and vulnerable to diseases including Zika, UN bodies, international aid agencies and governments have said.

New figures from the UN’s World Food Programme say 40 million people in rural areas and 9 million in urban centres who live in the drought-affected parts of Zimbabwe, Mozambique, South Africa, Zambia, Malawi and Swaziland will need food assistance in the next year.

In addition, 10 million people are said by the UN’s Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (Ocha) to need food in Ethiopia (pdf), and 2.8 million need assistance in Guatemala and Honduras.

Millions more people in Asia and the Pacific regions have already been affected by heatwaves, water shortages and forest fires since El Niño conditions started in mid-2015, says Ocha in a new briefing paper, which forecasts that harvests will continue to be affected worldwide throughout 2016.

“Almost 1 million children are in need of treatment for severe acute malnutrition in eastern and southern Africa. Two years of erratic rain and drought have combined with one of the most powerful El Niño events in 50 years to wreak havoc on the lives of the most vulnerable children,” said Leila Gharagozloo-Pakkala, southern Africa regional director of the UN children’s agency, Unicef.

“Governments are responding with available resources, but this is an unprecedented situation. The situation is aggravated by rising food prices, forcing families to implement drastic coping mechanisms such as skipping meals and selling off assets.”

In a joint statement, the UN’s Food and Agriculture Organisation (FAO) and the Famine Early Warning Systems Network said: “El Niño will have a devastating effect on southern Africa’s harvests and food security in 2016. The current rainfall season has so far been the driest in the last 35 years.”

Britain’s Department for International Development (DfID) said in a briefing paper: “Even if it were to start raining today, the planting window for cereals has already closed in the southern part of the region [Africa] and is fast closing elsewhere. There has been a steep rise in market prices of imported staple goods. This is restricting access to food for the most vulnerable.”

According to the World Health Organisation, the heavy rains expected from El Niño in Peru, Ecuador, Paraguay and southern Brazil could increase the spread of the Zika virus. “The Aedes aegypti mosquito breeds in standing water. We could expect more mosquito vectors which can spread Zika virus because of expanding and favourable breeding sites [in El Niño-affected countries],” the organisation said.

El Niño conditions, which stem from a natural warming of Pacific Ocean waters, lead to droughts, floods and more frequent cyclones across the world every few years. This year’s event is said by meteorologists to be the worst in 35 years and is now peaking. Although it is expected to decline in strength over the next six months, its effects on farming, health and livelihoods in developing countries could last two years or more because of failed harvests and prolonged flooding.

“Insufficient rains since March 2015 have resulted in drought conditions. In Central America, El Niño conditions have led to a second consecutive year of drought – one of the region’s most severe in history,” said an Ocha spokesman.

“Mozambique and southern African countries face a disaster if the rains do not come within a few weeks,” said Abdoulaye Balde, WFP country director in Maputo. “South Africa is 6m tonnes short of food this year. But it is the usual provider of food reserves in the region. If they have to import 6m tonnes for themselves, there will be little left for other countries. The price of food will rise dramatically.”

Zimbabwe, which declared a national emergency this month, has seen harvests devastated and food prices soar, according to the WFP in Harare. It reports that food production has halved compared to last year and maize is 53% more expensive. It expects to need nearly $1.6bn in aid to help pay for grain and other food after the drought.

Malawi is experiencing its first maize deficit in a decade, pushing the price 73% higher than the December 2015 average. In Mozambique, prices were 50% higher than last year. The country depends on food imports from South Africa and Zimbabwe, and faces a disaster if rains do not arrive in the next few weeks, said Balde.

Fears are also growing that international donors have been preoccupied by Syriaand the Ebola crisis, and have not responded to food aid requests from affected countries.

“El Niño began wreaking havoc last year. The government has done its best to tackle the resultant drought on its own, by tapping into the national food reserves and allocating more than $300m [£210m] to buy wheat in the international market,” said Ethiopian foreign minister Tedros Ghebreyesus.

“But the number of people in need of food assistance has risen very quickly, making it difficult for Ethiopia to cope alone. For the 10.2 million people in need of aid, requirements stood at $1.4bn. The Ethiopian government has so far spent $300m and a similar sum has been pledged by donors. The gap is about $800m,” he said.

According to the Famine Early Warning Systems Network, set up by the US international development agency, USAID, in 1985, continued below-average rainfall and high temperatures are likely to persist in southern African well into 2016, with the food crisis lasting into 2017.

Anúncios

Desastres naturais forçam migrações de 60 mil por dia (O Globo)

Vítimas das mudanças climáticas deslocam-se em busca de meios de subsistência

POR RENATO GRANDELLE

Somalis caminham em direção a um campo de refugiados no Quênia: desertificação do campo – Rebecca Blackwell/AP

BOGOTÁ — O Pentágono chama de “multiplicação de ameaças”. O secretário de Estado americano, John Kerry, alerta para os “novos refugiados”. Sua antecessora, a pré-candidata à Presidência dos EUA Hillary Clinton, ressalta a “guerra pela água”. Paddy Ashdown, um político veterano britânico, acredita que o planeta vive uma “crise humanitária”. Não importa o termo, a população desalojada pelas mudanças climáticas e pelas catástrofes naturais preocupa autoridades mundiais. Estima-se que, desde 2008, cerca de 22,5 milhões de pessoas deixaram suas casas, por ano, devido a eventos extremos do clima — o equivalente a 62 mil casos diários. Este cenário ainda pode piorar.

Essas pessoas são desabrigadas por problemas como a desertificação de terras, ou mesmo por catástrofes como tufões e inundações, mais comuns devido às mudanças no clima. A odisseia em busca de moradia pode começar dentro do próprio país. Normalmente, os refugiados migram do campo para áreas urbanas, onde enfrentam problemas, já que habilidades como o cultivo agrícola não podem ser aproveitadas.— Cada centro urbano deve desenvolver uma forma para reduzir o contraste entre a elite local e os miseráveis que chegam — defendeu Beatriz Sanches, professora de Direito Internacional da Universidade de Los Andes, na Colômbia, durante o Encontro das Américas sobre as Mudanças Climáticas, que aconteceu em Bogotá. — Mesmo diante das dificuldades das zonas rurais, deixamos que um Deus Todo Poderoso resolva tudo.

EXCLUÍDOS NA CIDADE

Javier Gonzaga, da Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade de Caldas, também da Colômbia, assinala que os migrantes climáticos não conseguem mais manter os meios seculares que garantiam sua sobrevivência.

— Não é possível saber se a principal causa da migração é a pobreza ou a destruição do ecossistema rural. Ambos estão unidos — explica Gonzaga. — A vulnerabilidade social, associada às migrações ligadas ao clima, está aumentando com diferentes intensidades em cada país. Alguns cenários alarmistas previstos pela ONU para 2070 já podem ocorrer no meio do século.

A ONU e algumas instituições de pesquisa, como o Centro de Monitoramento de Deslocamento do Conselho Norueguês de Refugiados, acreditam que o número de pessoas desalojadas pelo clima pode chegar à marca de 250 milhões, por ano, em 2050.

A categoria de migrantes climáticos não é protegida pelo direito internacional, como são os refugiados de guerra que há meses deixam a Síria ou as vítimas de violações de direitos humanos. Então, podem ser obrigados a voltar para a região devastada. Também precisam adaptar-se a diferentes legislações, idiomas e culturas, e podem ser excluídos de sistemas básicos de assistência social, como o acesso a escolas ou a programas de saúde.

Refugiados sírios passam por cerca para atravessar a fronteira entre a Sérvia e a Hungria: além da guerra civil, país asiático sofre com estiagem há cinco anos – Bela Szandelszky/AP

Para piorar, há uma confusão crescente sobre as categorias dos refugiados. Os milhares de migrantes que tentam trocar a guerra civil na Síria pela Europa Ocidental fogem também da seca. Entre 2006 e 2011, o país asiático sofreu com a estiagem. O mesmo problema se manifesta na África, onde somalis e etíopes testemunham a desertificação do campo, inviabilizando a agricultura de subsistência. Tentam buscar uma solução nas balsas lotadas que atravessam o Mar Mediterrâneo, em direção à Itália.

— Em qualquer lugar do planeta, as mudanças climáticas podem levar à desertificação e à perda da qualidade de vida. Com um ambiente propício à violência, pode ocorrer um cenário semelhante ao da Síria — avalia o economista Pavan Sukhdev, embaixador da ONU para Meio Ambiente, que esteve semana passada no Fórum Agenda Bahia. — E há locais em que o clima, sozinho, já serve como um gatilho para a migração. O derretimento de calotas polares da Antártica e do Ártico, por exemplo, pode levar a um aumento do nível do mar de até seis metros neste século.

A inundação teria consequências drásticas em Bangladesh, o oitavo país mais populoso do mundo, que perderia para as águas cerca de 17% de seu território até 2050. Estes eventos extremos levariam ao surgimento de mais de 20 milhões de refugiados climáticos naquela região.

Alguns Estados insulares já providenciam o deslocamento de sua população. O arquipélago de Kiribati, no Oceano Pacífico, comprou terras na vizinha Fiji. No Oceano Índico, as Maldivas perderiam todas as suas 1.200 ilhas. A economia, baseada no turismo e na pesca, seria aniquilada. Por isso, seu governo planeja construir ilhas artificiais flutuantes, enquanto negocia programas de evacuação com autoridades da Austrália e da Índia.

— A falta de preparo para lidar com as catástrofes naturais sempre foi um grande desafio para as nações — lamenta Irwin Redlener, diretor do Centro Nacional de Preparação para Desastres dos EUA. — Às vezes, os custos são importantes. Em outras ocasiões, há fatores psicológicos e culturais que inibem a adoção de uma “preparação mental” entre os cidadãos ou mesmo dos chefes de Estado.

MORTE DOS CORAIS

Segundo Sukhdev, as consequências das mudanças climáticas nos oceanos podem repercutir mesmo nos países que não correm risco de serem afundados.

— Os oceanos vão absorver o excesso de carbono na atmosfera e, com isso, as águas ficarão mais ácidas — descreve. — A vida marinha dos corais, que são a fonte de alimentação dos peixes, está ameaçada. Até 600 milhões de pessoas que dependem da indústria pesqueira nos litorais não conseguirão manter sua atividade econômica e precisarão migrar. E, muitas vezes, estão próximas a zonas urbanas superpopulosas, onde não devem encontrar espaço ou oportunidades.

Coordenador do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (Ceped-UFSC), Antonio Edésio Jungles pondera que o Brasil melhorou recentemente seus sistemas de alerta precoce contra desastres climáticos. O país, no entanto, continua exposto a fenômenos cada vez mais intensificados pelas mudanças climáticas.

— As consequências são lentas e graduais. Em Santa Catarina, por exemplo, temos problemas de estiagens cíclicas, o que faz com que a população se afaste e as empresas deixem de se instalar em algumas regiões. Essas catástrofes climáticas devem se acirrar nos próximos anos — comenta. — Tudo tem um limite, um ponto em que o equilíbrio com a cadeia produtiva, a flora e a fauna fica comprometido, e muitas vezes estas mudanças não são rapidamente percebidas.

Sukhdev já enxerga mudanças provocadas pelo clima no país.

— Algumas cidades costeiras, como Salvador, Rio, Recife e São Luís, estarão entre as prejudicadas pela modificação no ecossistema marinho — revela. — Em São Paulo, a temperatura registrada no último dia de inverno foi de 37 graus Celsius. Nem no verão este índice seria comum.

Perguntado sobre qual região do planeta estaria mais a salvo das mudanças climáticas — e receptiva aos migrantes —, Sukhdev foi taxativo:

— Estamos em uma estrada e está vindo um caminhão. Podemos sair da frente dele daqui a um segundo ou daqui a cinco ou dez, mas ele vai passar de qualquer forma. Não há uma região. O que existe é a economia verde e sustentável. E ela precisa ser adotada.

Dez anos de Fome Zero ajuda Guaribas (PI) a elevar IDH (Agência Brasil)

Da Agência Brasil – 03/02/2013

Lucas Rodrigues
Enviado Especial da EBC

Guaribas (PI) – Lançado no dia 3 de fevereiro de 2003, no município com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, o Programa Fome Zero foi criado com o objetivo de erradicar a miséria, com a transferência de renda e garantindo o alimento para as famílias que viviam na extrema pobreza. Hoje, o Brasil ainda tem pelo menos 5,3 milhões de pessoas sobrevivendo com menos de R$ 70 por mês, diferentemente do início dos anos 2000, quando eram 28 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza.

Nos último dez anos, esse número vem diminuindo. Em parte, por causa de políticas públicas de ampliação do trabalho formal, do apoio à agricultura e da transferência de renda. Hoje, a iniciativa, que ganhou o nome de Bolsa Família, chega a quase 14 milhões de lares. Ela nasceu do Programa Fome Zero, criado para garantir no mínimo três refeições por dia a todos os brasileiros. E foi do interior do Nordeste que essa iniciativa partiu para o restante do país.

Depois de dez anos, a Agência Brasil voltou a Guaribas, no sul do Piauí, escolhida como a primeira beneficiária do programa de transferência de renda. Localizada a 600 quilômetros ao sul da capital, Teresina, Guaribas não oferecia condições básicas para uma vida digna de sua população: faltava comida no prato das famílias, que, na maioria das vezes, só tinham feijão para comer. Não havia rede elétrica e poucas casas tinham fogão a gás.

Mulheres e crianças andavam quilômetros para conseguir um pouco de água e essa busca, às vezes, durava o dia inteiro. A dona de casa Gilsa Alves lembra que, naquela época, “era difícil encontrar água para lavar roupa”, no período de seca. “Às vezes, até para tomar banho era com dificuldade”.

O aposentado Eurípedes Correa da Silva não se esquece daquele tempo, quando chegou a trabalhar até de vigia das poucas fontes que eram verdadeiros tesouros durante os longos períodos de seca, com água racionada. Hoje, a água chega, encanada, à casa dele.

Pai de sete filhos, Eurípedes tem televisão e geladeira. Além do dinheiro da lavoura e da aposentadoria, ele recebia o benefício do Fome Zero e agora conta com o Bolsa Família. O benefício chega a 1,5 mil lares e a meta é alcançar 2 mil neste ano, o que representa oito em cada dez moradores da cidade. A coordenadora do programa em Guaribas, Raimunda Correia Maia, diz que “o dinheiro que gira no município, das compras, da sustentação dos filhos, gera desenvolvimento”.

A energia elétrica também chegou a Guaribas e trouxe com ela internet e os telefones celulares. No centro da cidade, há uma praça com ruas calçadas e uma delegacia, além de agências bancárias, dos Correios e escolas. A frota de veículos cresceu e, hoje, o que se vê são motos, em vez de jegues.

O município conquistou o principal objetivo: acabar com a miséria. Mesmo assim, ainda está entre os mais pobres do país e enfrenta o êxodo dos jovens em busca de emprego em grandes cidades. Segundo o IBGE, entre 2000 e 2007, quase 10% dos moradores deixaram Guaribas.

Alan e Rosângela podem ser os próximos. O Bolsa Família e as melhorias na cidade não foram suficientes para manter o casal no município, já que ali os dois não encontram trabalho. Os irmãos já foram para São Paulo e é impossível sustentar a família de oito pessoas com um cartão (do Bolsa Família) de R$ 130.

Quem escolheu ficar na cidade sabe que muita coisa tem que melhorar. O esgoto ainda não é tratado; algumas obras não saíram do lugar, como a do mercado municipal. Até o memorial erguido em homenagem ao Fome Zero está abandonado há anos. Longe de Teresina, os moradores se sentem isolados, principalmente por causa da dificuldade de chegar à cidade mais próxima: são 54 quilômetros de estrada de terra, em péssimo estado, até Caracol.

Isso torna difícil escoar a produção de feijão e milho e faz com que todos os produtos cheguem mais caros. A dificuldade de acesso também prejudica uma das conquistas da região: a unidade de saúde. A doméstica Betânia Andrade Dias Silva levou o filho de 5 anos para uma consulta e não encontrou médicos.

Há mais de um mês, o atendimento é feito apenas por enfermeiras e por um dentista. Mesmo oferecendo um salário que chega a R$ 20 mil, a prefeitura diz que não consegue contratar médicos. O jeito é mandar os pacientes mais graves para as cidades vizinhas.co. Ela desabafa: “É ruim né?! Principalmente numa cidade pequena, na qual você precisa de um atendimento melhor, tem que sair para ir para outra cidade, Caracol, São Raimundo, que fica longe daqui. Por exemplo, caso de urgência, se você estiver à beira da morte, acaba morrendo na estrada… Então, é difícil”.

Mas essa situação pode começar a mudar ainda neste ano. Segundo informou a Secretaria de Transportes do Piauí, o trecho da BR-235 que liga Guaribas a Caracol deve começar a ser asfaltado em outubro. Por enquanto, está sendo asfaltado outro trecho da rodovia, entre Gilbués e Santa Filomena.

O casal Irineu e Eldiene saiu de Guaribas para procurar trabalho em outras cidades, mas voltou. Agora eles levantam, pouco a pouco, uma pousada no centro da cidade. Irineu diz que a obra que está fazendo não é “nem tanto pensando no agora”, é para o futuro. “Estou vendo que a cada ano que está passando, Guaribas está desenvolvendo mais”.

A expectativa de Irineu e Edilene é resultado da mudança dessa que já foi a cidade mais pobre do país. Mesmo com dificuldades, os moradores de Guaribas, agora, olham para o futuro com mais esperança e otimismo. Eldiene garante que vai ficar e ver a pousada cheia de clientes.

Veja aqui galeria de fotos de Guaribas na época do laçamento do Fome Zero.

Edição: Tereza Barbosa

Literatura da fome: projeto promove encontro inusitado (Faperj)

Danielle Kiffer

Para Ana Paula, Glauber Rocha tem estilo similar ao de Artaud, por vincular a escrita ao traço pictórico e reinventar a gramática.

Você tem fome de quê?”. A música Comida, da banda Titãs, já colocava há algum tempo o questionamento sobre as inúmeras fomes que sentimos, que vão desde o desejo de consumir arte à necessidade da própria comida. Porém, é a abordagem do sentido literal da palavra que dá forma a um encontro que parecia improvável: entre os escritores brasileiros Josué de Castro e Graciliano Ramos, o cineasta Glauber Rocha e o poeta, ator e diretor teatral francês Antonin Artaud. O projeto “O corpo extremo: da escrita limite ao limite da escrita”, desenvolvido pela professora Ana Paula Veiga Kiffer, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), analisa a questão da fome e da loucura de Antonin Artaud, usando como referência a fundamentação crítica e teórica dos três autores brasileiros.

Para a professora, que é Jovem Cientista do Nosso Estado, da FAPERJ, poucas semelhanças unem os quatro escritores, além do foco no tema que os reúne. “Todos retrataram a fome, mas de maneiras diversas. Em termos de estilo, acredito que Glauber Rocha é o que mais se aproxima de Artaud, pois ambos extrapolam a escrita e a vinculam ao traço pictórico, reinventando a gramática em suas obras, o que mostra a necessidade de criar um modo de dizer o que sentiam que ia além das palavras”, detalha. Dos quatro pensadores, por exemplo, o único que realmente vivenciou a fome foi o poeta francês, como explica Ana Paula: “Apesar de vir de uma família com boas condições financeiras, Artaud experimentou a pobreza e a fome em diferentes fases da vida. Ele viveu a decadência e a carência material do período entre a primeira e a segunda guerras mundiais na Europa e durante sua internação em instituições psiquiátricas, onde a alimentação era escassa. Durante a Segunda Guerra, época de sua internação, a fome foi utilizada como forma de extermínio nessas instituições.”

Com o romance Homens e Caranguejos, Josué de Castro foi inspiração para o
movimento conhecido como mangue beat.

Uma das primeiras teorias de Artaud que tem relação com a fome é o manifesto Teatro da Crueldade, de 1934. Nele, o autor clama por um teatro e uma cultura cujas forças vivas fossem idênticas às da fome. Ainda nos anos 1930, ele escreveu o poema intitulado A fome não espera, em que denuncia a decadência político-econômica da Europa da época. No poema, Artaud incita o leitor a transformar sua fome em seu próprio tesouro. Como destaca Ana Paula, há, no texto, uma grande semelhança com a Estétyka da Fome, de Glauber Rocha, na qual ele também nos desafia a fazer da nossa precariedade a nossa força. “Artaud é um autor radical como Glauber também é radical. O discurso de ambos não tem nada de vitimização, muito pelo contrário. É, sim, transformador, um estímulo à potência, à afirmação de uma diferença e às características que o povo brasileiro possui. Muitas vezes, de onde muito pouco se espera, há grandes movimentos de superação. Um exemplo que podemos citar, aqui mesmo no Rio de Janeiro, é o caso da Coopa-Roca, uma cooperativa de mulheres da favela da Rocinha, que fez do fuxico sua arte, sua forma de sobrevivência. E tudo com muito sucesso.”

Apesar de não ser mais um assunto discutido na intelectualidade, a literatura sobre a fome, no Brasil, gerou frutos que rendem até hoje. Um grande exemplo vem do escritor e médico Josué de Castro. Uma de suas principais obras e seu único romance, Homens e Caranguejos, publicado em 1967, influenciou, quase trinta anos mais tarde, a formulação do movimento musical mangue beat, liderado por Chico Science e Fred Zero Quatro, na década de 1990,  em Recife. Se Josué de Castro compara os homens, catadores de caranguejo, aos próprios crustáceos, ambos famintos e mergulhados na lama, Chico Science fala do mangue e sua sociedade marginal de homens-caranguejo, juntando na mesma panela musical, funk, hip hop e influências regionais.

Durante suas pesquisas em obras literárias, Ana Paula observou que a relação entre a loucura e a fome é estreita. Em Vidas Secas, de Graciliano Ramos, por exemplo, os personagens centrais da trama que se passa no sertão nordestino brasileiro, sentem tanta fome que passam a delirar. “Pode-se dizer que a fome leva à loucura e a loucura pode levar a um tal estado de abandono e indigência, em que a fome certamente estará presente. Estas duas características estão muito próximas.”

Também a experiência do francês Artaud, durante o período em que ficou internado, tanto no asilo de Rodez quanto em Ivry-Sur-Seine, na França, foi registrada, de forma original e única, em cadernos escolares. “Nestes cadernos, podemos perceber a materialização da fome vivida, que transforma essa experiência em um discurso que traz um novo modo de dizer, que parece tratar a linguagem como algo concreto e material.” Para Ana Paula, a discussão sobre a fome deve ser retomada sob outro ângulo, encarando-a e a outros problemas da nossa sociedade, mas substituindo a vitimização pela superação.