Arquivo da tag: Pesca

Confessions of a Shark Anthropologist (Anthropology News)

Anthropology and Environment Society

April 22, 2015

Patrick Nason

Earlier this year I received a phone call from an unknown number. “This is the National Geographic Channel. Is it true that you are a shark anthropologist?” I paused— “Yes, I guess you can say that.” “Great, we are doing a program about sharks and are asking experts why sharks attack at certain times and in certain places more than others. Can you tell me a bit about your work?”

My interest in sharks began in 2005 during an internship at a resort in Papua New Guinea. Ten miles from shore and ninety feet below the surface, a twelve-foot hammerhead shark swam straight at me, stopping only three feet away before turning to rejoin its group. As it moved gracefully into the deep, I caught my breath and returned to the surface.

Four years later, I was working on a dive boat in South Florida when a sport-fishing boat motored past with a large grey hammerhead hung from its rigging. For a brief moment, I thought it was the shark I encountered years before. And why couldn’t it be? Like whales, most species of sharks are highly migratory. They have little respect for exclusive economic zones, marine protected areas, or any other enclosures. What might appear as absolute freedom in these animals has led to the production of an abstract image of sharks as transgressive predators, menaces to society, and worthy targets of sport. Regardless of what the category of the shark has become, the individual animal hanging from that fishing boat was certainly dead—no longer a terrible monster.

Sharks Arranged for Sale at Fish Market, Indonesia (Photo credit: Patrick Nason)
Sharks Arranged for Sale at Fish Market, Indonesia (Photo credit: Patrick Nason)

This incident took place in 2009, just after Rob Stewart’s film Sharkwater revealed the decimation of global shark populations by the finning industry. Considering the importance of sharks to healthy marine ecosystems, surely it was wrong to continue killing them for sport. Thinking I might do some good, I spoke with the captain of the boat about their catch.

“Couldn’t you release them from now on?” I asked.

“They normally die during the fight.”

“Well, what about fishing for something else?”

“Sailfish and marlin are not in season,” he said. “And besides, the clients are paying for the experience, and they want their photo taken with the big sharks.”

“Yes but hammerhead populations are in serious decline.” I said.

“We catch plenty of them, and easily too. More this year than last.”

I was stuck. How could I prove something was threatened when local knowledge suggests otherwise? Even worse, how could anyone prove sharks were in decline when, as free-roaming marine animals, they cannot be easily counted?

That same year, National Geographic aired a documentary entitled Drain the OceanThe promotional abstract read: “In this special, we look at what most call ‘The Final Frontier.’ Using the newest data from scientists all over the world and the latest advancements in computer generated imaging, we are able to explore some of the most dramatic landscapes the Earth has to offer.” This was exactly what my argument lacked—quantitative support through technological innovation. If computers could reveal the geological truths of this invisible realm, perhaps they could also reveal the ecological truths of a planet in decline—dolphins tangled in drift nets, massive whales with harpoons rusting in their backs, and dwindling populations of sharks swishing their tales through the muddy terrain. If this could be done, then maybe I could convince the fisherman that killing sharks for money was wrong.

But draining the ocean is not yet possible, nor should it be. Even if through some technological means we could illuminate the other seventy percent of our planet, the lives and the forms of relationality between humans and marine animals (however contentious they may be) would change at the moment of discovery. In trying to protect sharks, neither scientific nor emotional appeals alone are sufficient to effect social change. There remains a mystery of what oceanic animals do, how they do it, and exactly how many are required to keep doing what they do. If this mystery were completely resolved, the result would be equally harmful to marine life and to those who make their living upon the sea; for this unknown marks the distinction between our terrestrial selves and aquatic others, and is therefore what makes knowledge of the ocean (and thus ourselves) possible.

 An Anthropology of the Ocean

My phone call with National Geographic didn’t last long. The producer ended it by saying, “Your work sounds interesting, but we are looking for more evidence about why these attacks are occurring. Could you recommend a good marine biologist?” I did, and promptly hung up. I thought about our conversation—I don’t even know what a shark anthropologist is, and I’m supposed to be one! 

As human interests are directed into the sea in the form of extractive industry, state securitization, renewable energy, and conservation enclosure, we find ourselves as a species grappling with the politics and hermeneutics of the life aquatic. Responding to this with continued interest in the protection of marine life and forms of relationality, I have begun to sketch an Anthropology of the OceanWorking alongside indigenous fishing communities, ecologists, oceanographers, and drawing on the work of fellow anthropologists like Stefan Helmreich, such an approach examines how oceanic spaces and bodies are imagined, explored, and controlled, and how rights to marine resources are established and translated across social, spatial, and categorical boundaries

Within this framework, an Anthropology of Sharks could do the following: 1) draw upon the history of anthropological theory and method to ask how valuable spaces become ‘final frontiers,’ 2) describe how these produced frontiers are explored, claimed, enclosed—in short, how they are settled, and 3) reveal the forms of dispossession and disenchantment that occur when such settlement attempts to cultivate spaces have already been occupied by other ways of being and knowing. Putting a multispecies twist on subaltern studies and postcolonial anthropology, this approach would not only ask if the shark could “speak,” but if and how it might be heard amid the cacophony of other voices.

Patrick Nason is a doctoral student in the Department of Anthropology at Columbia University, and a blogger at the Shark Research Institute.

Anúncios

Ancient fishing techniques teach modern fisheries industry some history (Science Daily)

Date: February 17, 2014

Source: Simon Fraser University

Summary: Archaeological data indicate modern herring management needs to take a longer look into the past to manage fisheries for the future says a new study. This study’s authors combed through reams of archaeological reports that analyze almost half a million fish bones at 171 archaeological sites from Alaska, British Columbia and Washington State. Up to 10,000 years old, the bones belonged to primarily Pacific herring, not the iconic salmon or any other fish, during a time when Indigenous fisheries reigned. The researchers drew from their ancient data-catch concrete evidence that long-ago herring populations were consistently abundant and widespread for thousands of years. This contrasts dramatically with today’s dwindling and erratic herring numbers.

Iain McKechnie and Dana Lepofsky examine ancient herring fish bones that tell a fascinating story about how gigantic herring fisheries were for thousands of years in the Pacific Northwest. Credit: Diane Luckow, SFU Public Affairs and Media Relations

Archaeological data indicate modern herring management needs to take a longer look into the past to manage fisheries for the future says a new study involving Simon Fraser University researchers.

That is one of the key findings in the study, just published online in Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). SFU researchers Iain McKechnie, Dana Lepofsky and Ken Lertzman, and scientists in Ontario, Alberta and the United States are its co-authors. The study is one of many initiatives of the SFU-based Herring School, a group of researchers that investigates the cultural and ecological importance of herring.

This study’s authors combed through reams of archaeological reports that analyze almost half a million fish bones at 171 archaeological sites from Alaska, British Columbia and Washington State.

Up to 10,000 years old, the bones belonged to primarily Pacific herring, not the iconic salmon or any other fish, during a time when Indigenous fisheries reigned.

The researchers drew from their ancient data-catch concrete evidence that long-ago herring populations were consistently abundant and widespread for thousands of years. This contrasts dramatically with today’s dwindling and erratic herring numbers.

“By compiling the largest dataset of archaeological fish bones in the Pacific Northwest Coast, we demonstrate the value of using such data to establish an ecological baseline for modern fisheries,” says Iain McKechnie. The SFU archaeology postdoctoral fellow is the study’s lead author and a recent University of British Columbia graduate.

Co-author and SFU archaeology professor Dana Lepofsky states: “Our archaeological findings fit well with what First Nations have been telling us. Herring have always played a central role in the social and economic lives of coastal communities. Archaeology, combined with oral traditions, is a powerful tool for understanding coastal ecology prior to industrial development.”

“This kind of ecological baseline extends into the past well beyond the era of industrial fisheries. It is critical for understanding the ecological and cultural basis of coastal fisheries and designing sustainable management systems today,” says Ken Lertzman, another SFU co-author. The SFU School of Resource and Environmental Management professor directs the Hakai Network for Coastal People, Ecosystems and Management.

Journal Reference:

  1. I. McKechnie, D. Lepofsky, M. L. Moss, V. L. Butler, T. J. Orchard, G. Coupland, F. Foster, M. Caldwell, K. Lertzman. Archaeological data provide alternative hypotheses on Pacific herring (Clupea pallasii) distribution, abundance, and variabilityProceedings of the National Academy of Sciences, 2014; DOI:10.1073/pnas.1316072111

Uso de botos do Amazonas como isca para pesca pode causar extinção da espécie (Agência Brasil)

JC e-mail 4895, de 14 de fevereiro de 2014

Segundo as alegações, não há pessoal suficiente para exercer uma fiscalização contínua na região

Levantamento feito pela pesquisadora Sannie Muniz Brum com 35 comunidades de pescadores em área de reserva de desenvolvimento sustentável, na região do Baixo Rio Purus, no Amazonas, constatou que botos-vermelhos, conhecidos também como botos-cor-de-rosa, estão sendo mortos e usados como isca para a pesca do peixe piracatinga (Callophysusmacropterus).

Sannie é pesquisadora do Instituto Piagaçu (IPI) e colaboradora da Associação Amigos do Peixe-Boi (Ampa). O projeto teve apoio da Fundação Boticário de Proteção à Natureza. Sannie alerta que, no longo prazo, essa prática pode acabar levando à extinção do “golfinho da Amazônia”. “As medidas têm que ser tomadas agora. Se não, é extinção”, disse Sannie hoje (13) à Agência Brasil.

A coordenadora adjunta do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos (CMA) do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Carla Marques, disse que, em comitês internacionais, o governo brasileiro tem sido cobrado sobre a preservação dos botos da Amazônia.

O problema, disse, é que não há pessoal suficiente para exercer uma fiscalização contínua na região. O ICMBio fiscaliza as áreas dentro das unidades de conservação e o Instituto Nacional do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) se encarrega de fiscalizar fora dessas unidades. “Dentro do instituto tem uma política de tentar evitar que ocorram essas práticas, mas o ICMBio não tem o poder de polícia”.

Carla Marques informou que têm sido feitas campanhas pelo governo em conjunto com o Centro de Estudo e Pesquisa da Amazônia (Cepam). O órgão do Ministério do Meio Ambiente tem conhecimento da utilização do golfinho como isca para pesca, o que é ilegal, e está articulando ações para coibir a prática em parceria com o Ibama e o próprio ministério. “A gente tem feito algumas ações de fiscalização em conjunto com o Ibama, mas as ações são pontuais. A Amazônia é um mundo inteiro. A gente não consegue coibir tudo”.

Carla admitiu que esse é um problema de difícil solução e que ocorre em outros países. Ela acredita que para resolver o problema, só com fiscalização. “Está todo mundo pensando em tentar mitigar esse problema, mas é de difícil solução pela falta de pessoal que se tem. Os dois órgãos têm pouco contingente para atender a uma região como a Amazônia”. Ela relatou, inclusive, que algumas ações ocorrem em parceria com a Polícia Federal e as polícias locais. “Mas são pontuais. A gente não consegue estar presente o tempo todo. E a pesca continua”.

Além de uma fiscalização mais rigorosa e permanente, a pesquisadora Sannie Brum defendeu a necessidade de se levar às comunidades que habitam em áreas protegidas informações para que saibam que é crime e ilegal usar botos-vermelhos como isca para a pesca. “É preciso que haja uma conscientização. Eles [pescadores] sabem que é proibido, que não podem fazer”. É preciso que haja uma coibição efetiva para que decidam parar essa prática. “Educar e trazer informações são medidas para a conscientização dos pescadores”.

Segundo a pesquisadora, a mortalidade do golfinhos é elevada na região do Baixo Purus devido à atividade de pesca da piracatinga. Considerando 15 toneladas pescadas somente na região, de acordo com relato dos próprios pescadores, a estimativa é que até 144 botos-cor-de-rosa sejam mortos por ano para virar isca. “É um absurdo”.

A situação se agrava considerando que os golfinhos têm uma reprodução lenta. As fêmeas têm uma gestação de cerca de dez meses e, após o nascimento, podem cuidar dos filhotes por até quatro anos. Com isso, a inserção de novos botos na natureza é demorada. Sannie diz que a morte de um grande número desses animais pode inviabilizar a manutenção da espécie.

Para a pesquisadora, a fiscalização é importante, mas constitui o primeiro passo. “Ela tem que ser mais efetiva e aberta à discussão”. Ela reiterou a necessidade de uma grande campanha de educação ambiental nas comunidades, para que os moradores entendam a importância que o boto tem para o meio ambiente e para ele mesmo. Hoje, disse, o pescador vê o boto como um concorrente para suas atividades de pesca. “A gente precisa mudar isso. E só muda com educação”.

Sannie Brum pretende começar uma nova pesquisa para descobrir o que pode ser usado como alternativa de isca para a pesca da piracatinga. A coordenadora adjunta do CMA, Carla Marques, informou que esse é um tipo de peixe que se alimenta de carne morta ou em putrefação. Por isso, é rejeitado como alimento pelos próprios pescadores.

Sannie Brum explicou que apesar disso, eles vendem o produto para mercados de São Paulo, do Paraná e do Nordeste e, inclusive, para outros países, como a Colômbia. Para isso, usam o nome fantasia de “douradinha”. Como é vendido sob a forma de filé, a piracatinga acaba sendo comprada pelos consumidores que o confundem com um peixe nobre, a dourada (Brachyplathystomaflavicans).

(Alana Gandra /Agência Brasil)

O rio e o índio (Ciência Hoje)

Publicado em 28/01/2014

Quando vai à pesca, o índio leva cultura e tradição, que o Museu da Amazônia ‘fisgou’ e apresenta em mostra que aborda relação vital e sagrada entre rio e homem.

O rio e o índioA fachada da exposição ‘Peixe e Gente’, organizada pelo Museu da Amazônia, foi ilustrada pelo artista Feliciano Lana, da etnia Desana. (foto: Vanessa Gama)

No coração da floresta amazônica, a relação do homem com o rio é de estreita dependência. Entre os índios, é da pesca que vem o principal alimento da tribo, e o caráter ritual dessa prática e o respeito à natureza associado a ela se refletem na tradição indígena. Esse vínculo é apresentado na exposição ‘Peixe e Gente’, organizada pelo Museu da Amazônia, em Manaus, e que reúne armadilhas, utensílios de cozinha, mapas e até registros de lendas mitológicas que jogam luz sobre essa proximidade vital e sagrada.

A exposição tem como foco a relação essencial e sagrada entre os indígenas e a pesca

A mostra se debruça sobre as crenças e os hábitos das etnias indígenas Tuiuca eTucano, habitantes do alto rio Negro, na região amazônica. Os indígenas abriram suas portas e ajudaram na concepção e montagem da exposição, dispostos a dividir com o Brasil e o mundo suas experiências e tradições culturais pouco difundidas.

Baseada no livro Gente e Peixe no Alto Rio Tiquié, do antropólogo Aloisio Cabalzar, a exposição tem como foco a relação essencial e sagrada entre as tribos e a pesca. A publicação trata dos conhecimentos nativos, mitos e concepções cosmológicas sobre a origem dos peixes e suas relações com o homem.

No Museu, estão expostos objetos indígenas, como armadilhas de pesca, que se revelam muito mais do que simples trabalhos manuais, uma vez que envolvem mitos e tradições sagrados. Um bom exemplo são os matapis – alguns trazidos das comunidades e outros confeccionados no próprio museu pelos índios (ver ‘Pesca dos povos tucanos’, em Ciência Hoje n° 305, disponível para assinantes no Acervo Digital).

MatapiQuando o matapi é colocado a favor das correntezas, os peixes acabam entrando na armadilha quando estão descendo o rio. (foto: Juan Soler)

Segundo a lenda, um indígena chamado Gente-Estrela teve seu filho devorado pela Cobra Grande e utilizou um matapi para capturar o bicho. Ao retirar os miúdos da cobra e os jogar no rio Negro, eles transformaram-se em peixes traíras: como castigo por ter comido o menino, a cobra teria seus descendentes comidos por toda a humanidade para sempre.

Mais do que artesanato, a construção de um matapi requer reflexões e rituais considerados imprescindíveis para a realização de uma boa pesca. Após confeccionar a armadilha, o pescador deve fazer jejum e seguir determinadas regras ao voltar para casa. “Não pode se assustar, fazer ou ouvir muito barulho, sorrir, falar alto, deitar com a mulher, entre outras coisas”, explicam os irmãos tucanos Adalberto e Roberval Pedrosa, da comunidade de serra de Mucura.

Armadilha cacuriSegundo os Tukano, construir um cacuri é construir também o corpo de uma mulher, pois as partes da armadilha coincidem com a anatomia feminina. (foto: Kenny Calderón)

Além de armadilhas, como matapi, jequi, cacuri e caiá, a exposição traz objetos de cerâmica onde são preparados pratos típicos do alto rio Negro, cestarias, peneiras, entre outros artefatos e curiosidades sobre a cultura tuiuca e tucana. A exposição está montada na tenda do Jardim Botânico Adolpho Ducke.

Isabelle Carvalho
Ciência Hoje On-line

Pescador que atirou em boto diz que quase foi encantado e fica perturbado (Voz do Norte)

homem boto

Depois de atirar num boto que estava perturbando sua pescaria Valdecir da Costa Souza, 20, passou a apresentar perturbações psicológicas e afirma que os animais estão o atraindo. Além de ouvir vozes ele vê um homem sentado numa pedra no rio tentando levá-lo para a água e o problema está preocupando os familiares.

Tudo começou quando Valdecir participava de uma pescaria junto com o primo Natanael dos Santos, em uma comunidade do interior do Amazonas e alguns botos rasgavam as redes e comiam o peixe, momento que o pescador resolveu dar um tiro num dos animais.

Segundo conta o primo, imediatamente após o tiro, surgiram vários botos ao redor do barco que tentaram alagar a embarcação e eles não conseguiram continuar a pescaria. Mesmo depois do barco ter sido ancorado nas margens do rio os animais não foram embora, momento em que Valdecir começou a passar mal.

“Comecei a passar mal e apareceu um homem em cima de uma pedra branca no meio do rio que tentava levá-lo para a água. Ele me chamava e dizia que ai me levar”, contou o pescador ainda abatido, que no momento pedia socorro ao primo que afirmou que eram muitos botos e quando eles apareciam Valdecir começava a passar mal.

“Quando eu ficava perto do meu primo, que estava comigo na pescaria, eles se afastavam e o homem desaparecia”, conta ainda assustado em sua residência. Depois que chegou em casa o pescador deu muito trabalho a família que tinha que segurá-lo a força pois ele queria entrar no rio.

Segundo a tia do pescador, Lúcia dos Santos, todas as vezes que Valdecir sentia a presença dos botos ficava com a voz diferente e com muita força. “Não sei o que acontecia, ele começava a desmaiar depois queria entrar no rio. Eram nove homens e três mulheres para poder segurá-lo”, afirmou.

O pai pescador, José Alberto de Souza, 62, conta que também já foi vitima de um boto, quando estava com amigos madeireiros nas margens de um igarapé na fronteira com o Peru. Eles jogavam baralho quando sentiu algo estranho no corpo e via um homem sobre uma pedra no igarapé que tentava levá-lo para a água.

José Alberto afirma que tudo começou depois que seu pai desapareceu nas águas do Rio Juruá, encantado por um boto. “Meu estava numa canoa que naufragou e vários botos começaram a boiar no local, ele nunca foi encontrado. Depois ele apareceu para minha esposa dizendo que estava em um boto e que eu precisava desencantá-lo. Ela me disse antes mesmo dele aparecer três vezes, depois disso nunca mais voltou”, ressaltou.

[Acessado em 23 de maio de 2013]