Arquivo da tag: Justiça

Researchers treat incarceration as a disease epidemic, discover small changes help (Science Daily)

Date: June 25, 2014

Source: Virginia Tech

Summary: By treating incarceration as an infectious disease, researchers show that small differences in prison sentences can lead to large differences in incarceration rates. The incarceration rate has nearly quadrupled since the U.S. declared a war on drugs, researchers say. Along with that, racial disparities abound. Incarceration rates for black Americans are more than six times higher than those for white Americans, according to the U.S. Bureau of Justice Statistics.

The incarceration rate has nearly quadrupled since the U.S. declared a war on drugs, researchers say. Along with that, racial disparities abound. Incarceration rates for black Americans are more than six times higher than those for white Americans, according to the U.S. Bureau of Justice Statistics.

To explain these growing racial disparities, researchers at Virginia Tech are using the same modeling techniques used for infectious disease outbreaks to take on the mass incarceration problem.

By treating incarceration as an infectious disease, the scientists demonstrated that small but significant differences in prison sentences can lead to large differences in incarceration rates. The research was published in June in the Journal of the Royal Society Interface.

Incarceration can be “transmitted” to others, the researchers say. For instance, incarceration can increase family members’ emotional and economic stress or expose family and friends to a network of criminals, and these factors can lead to criminal activity.

Alternatively, “official bias” leads police and the courts to pay more attention to the incarcerated person’s family and friends, thereby increasing the probability they will be caught, prosecuted and processed by the criminal justice system, researchers said.

“Regardless of the specific mechanisms involved,” said Kristian Lum, a former statistician at the Virginia Bioinformatics Institute now working for DataPad, “the incarceration of one family member increases the likelihood of other family members and friends being incarcerated.”

Building on this insight, incarceration is treated like a disease in the model and the incarcerated are infectious to their social contacts — their family members and friends most likely affected by their incarceration.

“Criminologists have long recognized that social networks play an important role in criminal behavior, the control of criminal behavior, and the re-entry of prisoners into society,” said James Hawdon, a professor of sociology in the College of Liberal Arts and Human Sciences. “We therefore thought we should test if networks also played a role in the incarceration epidemic. Our model suggests they do.”

Synthesizing publically available data from a variety of sources, the researchers generated a realistic, multi-generational synthetic population with contact networks, sentence lengths, and transmission probabilities.

The researchers’ model is comparable to real-world incarceration rates, reproducing many facets of incarceration in the United States.

Both the model and actual statistics show large discrepancies in incarceration rates between black and white Americans and, subsequently, the likelihood of becoming a repeat offender is high.

Comparisons such as these can be used to validate the assumption that incarceration is infectious.

“Research clearly shows that this epidemic has had devastating effects on individuals, families, and entire communities,” Lum said. “Since our model captures the emergent properties of the incarceration epidemic, we can use it to test policy options designed to reverse it.”

Harsher sentencing may actually result in higher levels of criminality. Examining the role of social influence is an important step in reducing the growing incarceration epidemic.

Journal Reference:

  1. K. Lum, S. Swarup, S. Eubank, J. Hawdon. The contagious nature of imprisonment: an agent-based model to explain racial disparities in incarceration ratesJournal of The Royal Society Interface, 2014; 11 (98): 20140409 DOI: 10.1098/rsif.2014.0409

Mexico Vigilante Leader Demands Community Rule (ABC/AP)

MEXICO CITY — Jul 1, 2014, 5:18 PM ET

The leader of one of the first vigilante movements to spring up in Mexico last year filed a petition Tuesday demanding that the government allow communities in the southern state of Guerrero to elect local officials with open assemblies and show-of-hand votes.

Vigilante leader Bruno Placido said the petition filed with the Federal Electoral Tribunal asks specifically that the collective-vote system be allowed in the town of San Luis Acatlan. But Placido said his People’s Union movement would push for the system to be adopted in all 27 townships where vigilante forces known as “community police” now operate.

The system known as “usage and customs” forbids traditional campaigning and political parties. It currently is practiced in about 420 indigenous towns and villages, almost all in southern Oaxaca state.

Its adoption in non-Indian or mixed towns in Guerrero would mark a significant expansion. To date, its only use outside Oaxaca has been by rebellious Indian towns in Chiapas state and a lone Indian township in the western state of Michoacan, where a vigilante movement also exists.

Placido said the open-vote system would help keep drug gangs and violent crime out of the communities because current election procedures can put politicians in the pocket of drug gangs that finance their campaigns.

“The crime gangs are fomented by the politicians. When they campaign, they are financed with illicit funds, and when they get in, they are controlled by criminal funds,” Placido said. “What we are proposing to do is to get rid of this practice, in which the criminals name the authorities.”

His vigilante movement rose up with old shotguns and rifles in Guerrero in January 2013 and now has several thousand “citizen police” vigilantes serving in several towns.

Guerrero has been the scene of stubborn drug violence, including a Monday confrontation between soldiers and alleged drug gang members that killed 22 suspects at a warehouse and left a soldier injured.

The “usage and customs” system has been criticized for trampling on the rights of women, who are sometimes not allowed to run for office. But Placido said the assembly system would allow members of each of the three main ethnic groups in Guerrero — blacks, Indians and mixed-race — to elect representatives to a sort of town council.

There is no deadline for the federal tribunal to rule on the petition. The town of San Luis Acatlan is scheduled to hold a referendum soon on whether to formally adopt the system.

Mexican courts have generally upheld the right of Indian communities to make their own decisions on local governance issues.

Stop Italy’s Soccer Hooligans (New York Times)

I love soccer in general, and the Nerazzurri of Inter Milan in particular. Our bright blue and black jersey mirrors the heavens, while our crosstown rivals, Silvio Berlusconi’s A.C. Milan, wear a more infernal red and black.

Inter Milan is often overshadowed by Mr. Berlusconi’s team, but we don’t care. In 2010 we won the “triplete” — the Italian League, the Italian Cup and the European Champions League — and this year they trail us in Serie A, Italy’s top league.

On April 26, minutes before an Inter Milan-Napoli game kicked off at Milan’s San Siro stadium, Inter supporters unfurled a large banner. “Reading opens your mind,” it said. Then came another, even bigger banner in the shape of an antique book. “Television ignores us,” it said. “But without our passion, there is no soccer.”

As I was mentally congratulating them, the local fans started chanting hate slogans at the visitors from Naples. The kindest of these was, “Do your stuff, Vesuvius!” I wrote in a Twitter post from San Siro: How can the same people be so imaginative yet so stupid?

I received plenty of replies, but the most convincing one arrived a week later, at the Stadio Olimpico in Rome. The crowd was waiting for the Coppa Italia final between Napoli and Fiorentina to get underway. The game was delayed, inexplicably. A powerless prime minister, a passive leader of the Senate and an embarrassed president of the International Olympic Committee looked on as a delegation of police officers walked over to a flabby, tattooed hulk perched on a security fence. It was up to him, apparently, whether the match would start.

The hulk’s name is Gennaro de Tommaso, alias “Genny a’ carogna,” or Genny the Swine. He’s the boss of the hard-core Napoli supporters and is suspected of ties with the Camorra organized crime ring. Apparently, if the game began without his permission, violence would follow.

In fact, even as the stadium waited for his nod, the scene was turning bloody. Fans were throwing flares onto the field. A firefighter was injured by a smoke bomb. The crowd booed during the national anthem. Outside the stadium, a man was being treated for gunshot wounds to his spinal cord.

Can we call this sport? Obviously not. It’s madness, and it’s been going on for 30 years. In 1985, just before the beginning of the European Cup final between Italy’s Juventus and Britain’s Liverpool at the Heysel stadium in Belgium, 39 fans were crushed to death during a stampede. In 1989, 93 fans were killed at Hillsborough stadium in Sheffield, England. The British government decided it was time to step in with seating-only stadiums and zero tolerance for hooligans. It worked, and the Premier League is now a major money-spinning machine watched all over the world.

Regretfully, Italy has yet to learn this lesson. Over here, hard-core fans are known as “ultras,” which means “beyond” in Latin. And beyond is where they go. Beyond decency. Beyond common sense. Beyond criminal law. At every match, in every Italian stadium, even if nobody gets hurt, the ultras fill the air with insults, racist chants and smoke bombs. They spit and swear at their police escort as they swagger from stadium to train station, where they proceed to smash up the trains, or get into their buses and fight one another at gas stations along the autostrada.

New regulations were introduced during the 2009-10 season to put an end to the violence, including “tessera del tifoso,” a card that identifies fans as supporters of a specific team and that authorities can use to separate trouble makers. Legislation hasn’t stopped the thugs: 5,000 people have been specifically barred from stadiums, but they cause havoc nearby instead (last year, hooligan attacks on the police increased by 85 percent).

The violence has persuaded many people to stay away from stadiums, which are often painfully empty. Italian soccer is losing a million attendees a year, down to 12.3 million tickets sold in 2012-13 from 13.2 million in 2011-12. Serie B and lower leagues suffer more than Serie A, the main national league. With declining audiences, there is no way soccer teams can sort out their financial mess. The collective debt of Serie A’s 30 clubs is close to 3 billion euros.

Filmmakers, writers and journalists have given hooliganism in Italy and elsewhere a lot of attention. Soccer violence is, after all, spectacular. But it’s also a burden. The Azzurri, as the Italian national team is known, have won four World Cups, most recently in 2006, by playing elegant soccer. Their country has a reputation for flair and style. Mindless aggression is un-Italian.

How do we prevent the hooligans from destroying Italian soccer? Simple. Scrap all military-style paraphernalia, including riot police officers, barbed wire, cage-like stands. Then call a crime a crime wherever one is committed. Offensive language. Threatening behavior. Assault. Zero tolerance worked in Britain; it can work here.

Italy’s penal code covers all that, so there is no need for any more legislation. It is simply a matter of enforcement. Soccer stadiums are not on some planet of their own. They are on Italian soil. They belong to the people who love the sport.

If Matteo Renzi, our 39-year-old prime minister, wants to leave a cost-free mark quickly, this is his chance. He’ll then be able to take his three children to see their beloved Fiorentina play Inter Milan. As usual, the Nerazzurri will win. But that won’t matter.

Beppe Severgnini is a columnist at Corriere della Sera and the author of “La Bella Figura: A Field Guide to the Italian Mind.”

As malocas da praça de maio (Taqui Pra Ti)

José Ribamar Bessa Freire

01/06/2014 – Diário do Amazonas

 

Na Argentina, elas foram reprimidas por baionetas quando indagaram, em 1977, pelos filhos presos. Os generais golpistas debocharam: “son las locas de Plaza de Mayo“. Obstinadas, não desistiram. Desafiaram o terror e continuaram ocupando a Praça de Maio, desfilando o seu protesto semanal diante da Casa Rosada e da catedral até que, finamente, reconhecidas pela sociedade, contribuíram para o fim da ditadura e a prisão dos torturadores.
No Brasil, vários movimentos nos fizeram ouvir a voz de quem foi silenciado. No entanto, como ninguém entende línguas indígenas, nem se interessa por aprendê-las, não se escuta o clamor dos índios, seja de mães indígenas por seus filhos ou de índios por seus pais desaparecidos. Desta forma, os índios, sempre invisíveis na historia do Brasil, ficaram de fora das narrativas e não figuram nas estatísticas dos desaparecidos políticos. Na floresta, não há praças de maio.
Mas agora isso começa a mudar. Relatório do Comitê Estadual da Verdade do Amazonas, que será em breve publicado pela Editora Curt Nimuendajú, de Campinas (SP), dá voz aos índios e mapeia os estragos, comprovando que na Amazônia, mais do que militantes de esquerda, a ditadura eliminou índios, entre outros, Cinta-Larga e Surui (RO/MT), Krenhakarore na rodovia Cuiabá-Santarém, Kanê ou Beiços-de-Pau do Rio Arinos (MT), Avá-Canoeiro (GO), Parakanã e Arara (PA), Kaxinawa e Madiha (AC), Juma, Yanomami e Waimiri-Atroari (AM/RR).
O foco do primeiro relatório, de 92 páginas, já encaminhado à Comissão Nacional da Verdade (CNV), incide sobre os Kiña, denominados também como Waimiri-Atroari, cujos desaparecidos são conhecidos hoje por seus nomes, graças a um trabalho cuidadoso que ouviu índios em suas línguas, consultou pesquisadores e indigenistas, fuçou arquivos e examinou documentos, incluindo desenhos que mostram índios metralhados por homens armados com revólver, fuzil, rifles, granadas e cartucheira, jogando bombas sobre malocas incendiadas.
Os desaparecidos
De noite, nas malocas, os sobreviventes narram a história da violência sofrida, que começou a ser escrita e desenhada por crianças, jovens e adultos alfabetizados na língua Kiña pelos professores Egydio e Doroti Schwade com o método Paulo Freire. Toda a aldeia Yawará, no sul de Roraima, participou do processo, em 1985 e 1986, até mesmo crianças de colo. A comunicação foi facilitada pelo fato de o casal morar lá com seus quatro filhos pequenos, antes de ser expulso pelo então presidente da Funai, Romero Jucá, lacaio subserviente das empresas mineradoras.
Todo o processo de alfabetização ocorreu num clima que iniciou com a narração oral das historias e continuou com a criação dos desenhos, a leitura dos desenhos, a discussão sobre eles e, finalmente, com a escrita alfabética.
Durante esse período, Egydio registrou, com ajuda de Doroti, as narrativas contadas por quem testemunhou os fatos ou por quem ouviu falar sobre eles. Os primeiros textos escritos por recém-alfabetizados, ilustrados por desenhos, revelaram “o método e as armas usadas para dizimá-los: aviões, helicópteros, bombas, metralhadoras, fios elétricos e estranhas doenças. Comunidades inteiras desapareceram depois que helicópteros com soldados sobrevoaram ou pousaram em suas aldeias” – diz o relatório.
Com a abertura da rodovia BR-174 e a entrada das empresas mineradoras, muitas outras aldeias foram varridas do mapa. “Pais, mães e filhos mortos, aldeias destruídas pelo fogo e por bombas. Gente resistindo e correndo pelos varadouros à procura de refúgio em aldeia amiga. A floresta rasgada e os rios ocupados por gente agressiva e inimiga. Esta foi a geografia política e social vivenciada pelo povo Kiña desde o início da construção da BR-174, em 1967, até sua inauguração em 1977” – segundo o relatório.
Alguns sobreviventes refugiados na aldeia Yawará conviveram durante dois anos com Egydio e Doroti.  Lá, todas as pessoas acima de dez anos eram órfãs, exceto duas irmãs, cuja mãe sobreviveu ao massacre. O relatório transcreve a descrição feita pelo índio Panaxi:
“Civilizado matou com bomba” – escreve Panaxi ao lado do desenho, identificando um a um os mortos com seus nomes: Sere, Podanî, Mani, Priwixi, Akamamî, Txire, Tarpiya.
A eles se somaram outros de uma lista feita por Yaba: Mawé, Xiwya, Mayede – marido de Wada, Eriwixi, Waiba, Samyamî – mãe de Xeree, Pikibda, a pequena Pitxenme, Maderê, Wairá – mulher de Amiko, Pautxi – marido de Woxkî, Arpaxi – marido de Sidé, Wepînî – filho de Elsa, Kixii e seu marido Maiká, Paruwá e sua filha Ida, Waheri, Suá – pai de Warkaxi, sua esposa e um filho, Kwida – pai de Comprido, Tarakña e tantos outros.
Quem matou
A lista é longa, os mortos têm nomes, mas às vezes são identificados pelo laço de parentesco: “a filha de Sabe que mora no Mrebsna Mudî, dois tios de Mário Paruwé, o pai de Wome, uma filha de Antônio”, etc. O relatório se refere ao“desaparecimento de mais de 2.000 Waimiri-Atroari em apenas dez anos”. Na área onde se localiza hoje a Mineradora Taboca (Paranapanema) desapareceram pelo menos nove aldeias aerofotografadas pelo padre Calleri, em 1968, em sobrevoos a serviço da FUNAI. Os alunos da aldeia Yawará desenharam casas e escreveram ao lado frases como:
– Apapa takweme apapeme batkwapa kamña nohmepa [o meu pai foi atirado com espingarda por civilizado e morreu] – escreveu Pikida, ao lado do desenho que ilustra o fato.
– Taboka ikame Tikiriya yitohpa. Apiyamyake, apiyemiyekî? [Taboca chegou, Tikiria sumiu, por que? Por que?]
A resposta pode ser encontrada no ofício 042-E2-CONF. do Comando Militar da Amazônia, de 21/11/1974, assinado pelo General Gentil Nogueira, que recomendava o uso da violência armada contra os índios, segundo o relatório encaminhado à Comissão Nacional da Verdade. Era uma política de Estado a serviço de interesses privados, implementada com métodos de bandidagem.
Um mês e meio depois, o sertanista Sebastião Amâncio da Costa, nomeado chefe de Frente de Atração Waimiri-Atroari (FAWA), em entrevista ao jornal O Globo (06/01/1975), assumiu de público as determinações do general Gentil, declarando que faria “uma demonstração de força dos civilizados que incluiria a utilização de dinamite, granadas, bombas de gás lacrimogêneo e rajadas de metralhadoras e o confinamento dos chefes índios em outras regiões do País”.
O resultado de toda essa lambança é descrito por Womé Atroari, em entrevista à TV Brasil, relatando um ataque aéreo a uma aldeia e outros fatos que presenciou:
– Foi assim tipo bomba, lá na aldeia. O índio que estava na aldeia não escapou ninguém. Ele veio no avião e de repente esquentou tudinho, aí morreu muita gente. Foi muita maldade na construção da BR-174. Aí veio muita gente e pessoal armado, assim, pessoal do Exército, isso eu vi. Eu sei que me lembro bem assim, tinha um avião assim um pouco de folha, assim, desenho de folha, assim, um pouco vermelho por baixo, só isso. Passou isso aí, morria rapidinho pessoa. Desse aí que nós via.
Os tratores que abriam a estrada eram vistos pelos índios como tanques de guerra. “Muitas vezes os tratores amanheciam amarrados com cipós.Essa era uma maneira clara de dizer que não queriam que as obras continuassem. Como essa resistência ficou muito forte, o Departamento Estadual de Estradas de Rodagem do Amazonas-DER-AM, inicialmente responsável pela construção, começou a usar armas de fogo contra os indígenas”.
Sacopã e Parasar
O relatório informa que “as festas que reuniam periodicamente os Waimiri-Atroari foram aproveitadas pelo PARASAR para o aniquilamento dos índios”. Conta detalhes. Registra ainda o desaparecimento de índios que se aproximaram, em agosto de 1985, do canteiro de obras da hidrelétrica do Pitinga, então em construção:
“É muito provável que tenham sido mortos pela Sacopã, uma empresa de jagunços, comandada por dois ex-oficiais do Exército e um da ativa, subordinado ao Comando Militar da Amazônia, empresa muito bem equipada, que oferecia na época serviços de “limpeza” na floresta à Paranapanema no entorno de seus projetos minerais. Os responsáveis pela empresa foram autorizados pelo Comando Militar da Amazônia a manter ao seu serviço 400 homens equipados com cartucheiras 20 milímetros, rifle 38, revolveres de variado calibre e cães amestrados”.
Os autores do relatório dão nomes aos bois, esclarecendo que quem comandava a Sacopã no trabalho de segurança da Mineração Taboca/Paranapanema e no controle de todo acesso à terra indígena eram dois militares da reserva: o tenente Tadeu Abraão Fernandes e o coronel reformado Antônio Fernandes, além de um coronel da ativa, João Batista de Toledo Camargo, então chefe de polícia do Comando Militar da Amazônia.
É Rondon de cabeça pra baixo: “Matar ainda que não seja preciso; morrer nunca”, num processo iniciado com o colonizador e ainda não concluído.  Na Amazônia, o cônego Manoel Teixeira, irmão do governador Pedro Teixeira, em carta ao rei de Portugal, em 5 de janeiro de 1654, escrita no leito da morte, na hora da verdade, declara que “no espaço de trinta e dois anos, são extintos a trabalho e a ferro, segundo a conta dos que ouviram, mais de dois milhões de índios de mais de quatrocentas aldeias”.
O relatório é um bom começo, porque evidencia que os índios precisam de uma Comissão da Verdade não apenas para os 21 anos de ditadura militar, mas para os 514 anos de História em que crimes foram e continuam sendo cometidos contra eles. Assim, podem surgir praças de maio dentro das malocas para que o Brasil generoso e solidário cobre mudanças radicais na política indigenista do país, impedindo que o Estado continue a serviço de interesses privados escusos.

Hacker Helped Disrupt 300 Web Attacks, Prosecutors Say (New York Times)

A prominent hacker set to be sentenced in federal court this week for breaking into numerous computer systems worldwide has provided a trove of information to the authorities, allowing them to disrupt at least 300 cyberattacks on targets that included the United States military, Congress, the federal courts, NASA and private companies, according to a newly filed government court document.

The hacker, Hector Xavier Monsegur, also helped the authorities dismantle a particularly aggressive cell of the hacking collective Anonymous, leading to the arrest of eight of its members in Europe and the United States, including Jeremy Hammond, who the Federal Bureau of Investigation said was its top “cybercriminal target,” the document said. Mr. Hammond is serving a 10-year prison term.

The court document was prepared by prosecutors who are asking a judge, Loretta A. Preska, for leniency for Mr. Monsegur because of his “extraordinary cooperation.” He is set to be sentenced on Tuesday in Federal District Court in Manhattan on hacking conspiracy and other charges that could result in a long prison term.

Hector Xavier Monsegur cooperated with the authorities.

 

It has been known since 2012 that Mr. Monsegur, who was arrested in 2011, was acting as a government mole in the shadowy world of computer hacking, but the memorandum submitted to Judge Preska late on Friday reveals for the first time the extent of his assistance and what the government perceives of its value. It also offers the government’s first explanation of Mr. Monsegur’s involvement in a series of coordinated attacks on foreign websites in early 2012, though his precise role is in dispute.

The whereabouts of Mr. Monsegur have been shrouded in mystery. Since his cooperation with the authorities became known, he has been vilified online by supporters of Anonymous, of which he was a member. The memo, meanwhile, said the government became so concerned about his safety that it relocated him and some members of his family.

“Monsegur repeatedly was approached on the street and threatened or menaced about his cooperation once it became publicly known,” said the memo, which was filed by the office of Preet Bharara, the United States attorney in Manhattan.

Born in 1983, Mr. Monsegur moved to the Jacob Riis housing project on the Lower East Side of Manhattan at a young age, where he lived with his grandmother after his father and aunt were arrested for selling heroin. He became involved with hacking groups in the late 1990s, drawn, he has indicated, to the groups’ anti-government philosophies.

Mr. Monsegur’s role emerged in March 2012 when the authorities announced charges against Mr. Hammond and others. A few months later, Mr. Monsegur’s bail was revoked after he made “unauthorized online postings,” the document said without elaboration. He was jailed for about seven months, then released on bail in December 2012, and has made no further postings, it said.

The memo said that when Mr. Monsegur (who used the Internet alias Sabu) was first approached by F.B.I. agents in June 2011 and questioned about his online activities, he admitted to criminal conduct and immediately agreed to cooperate with law enforcement.

That night, he reviewed his computer files with the agents, and throughout the summer, he daily “provided, in real time, information” that allowed the government to disrupt attacks and identify “vulnerabilities in significant computer systems,” the memo said.

“Working sometimes literally around the clock,” it added, “at the direction of law enforcement, Monsegur engaged his co-conspirators in online chats that were critical to confirming their identities and whereabouts.”

His primary assistance was his cooperation against Anonymous and its splinter groups Internet Feds and LulzSec.

“He provided detailed historical information about the activities of Anonymous, contributing greatly to law enforcement’s understanding of how Anonymous operates,” the memo said.

Jeremy Hammond is serving a 10-year prison term. CreditCook County Sheriff’s Department, via Associated Press

 

Neither Mr. Bharara’s office nor a lawyer for Mr. Monsegur would comment about the memo.

Mr. Monsegur provided an extraordinary window on the activities of LulzSec, which he and five other members of Anonymous had created. The memo describes LulzSec as a “tightly knit group of hackers” who worked as a team with “complementary, specialized skills that enabled them to gain unauthorized access to computer systems, damage and exploit those systems, and publicize their hacking activities.”

The memo said that LulzSec had developed an “action plan to destroy evidence and disband if the group determined that any of its members had been arrested, or were out of touch,” and it credits Mr. Monsegur for agreeing so quickly to cooperate after being confronted by the bureau. Had he delayed his decision and remained offline for an extended period, the document said, “it is likely that much of the evidence regarding LulzSec’s activities would have been destroyed.”

After his arrest, Mr. Monsegur provided information that helped repair a hack of PBS’s website in which he had been a “direct participant,” and helped patch a vulnerability in the Senate’s website. He also provided information about “vulnerabilities in critical infrastructure, including at a water utility for an American city, and a foreign energy company,” the document said.

The coordinated attacks on foreign government websites in 2012 exploited a vulnerability in a popular web hosting software. The targets included Iran, Pakistan, Turkey and Brazil, according to court documents in Mr. Hammond’s case. The memo said that “at law enforcement direction,” Mr. Monsegur tried to obtain details about the software vulnerability but was unsuccessful.

“At the same time, Monsegur was able to learn of many hacks, including hacks of foreign government computer servers, committed by these targets and other hackers, enabling the government to notify the victims, wherever feasible,” the memo said.

The memo does not specify which of the foreign governments the United States alerted about the vulnerabilities.

But according to a recent prison interview with Mr. Hammond as well as logs of Internet chats between him and Mr. Monsegur, which were submitted to the court in Mr. Hammond’s case, Mr. Monsegur seemed to have played a more active role in directing some of the attacks. In the chat logs, Mr. Monsegur directed Mr. Hammond to hack numerous foreign websites, and closely monitored whether Mr. Hammond had success in gaining access to the sites.

Sarah Kunstler, a lawyer for Mr. Hammond, said on Saturday: “The government’s characterization of Sabu’s role is false. Far from protecting foreign governments, Sabu identified targets and actively facilitated the hacks of their computer systems.”

At his sentencing in November, Mr. Hammond was prohibited by Judge Preska from naming the foreign governments that Mr. Monsegur had asked him to hack. But, according to an uncensored version of a court statement by Mr. Hammond that appeared online that day, the target list included more than 2,000 Internet domains in numerous countries.

Mr. Hammond’s sentencing statement also said that Mr. Monsegur encouraged other hackers to give him data from Syrian government websites, including those of banks and ministries associated with the leadership of President Bashar al-Assad.

Concea aprova resolução sobre reconhecimento de métodos alternativos (MCTI)

JC e-mail 4958, de 23 de maio de 2014

A intenção é reduzir, substituir e refinar o uso de animais em atividades de pesquisa

O Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) aprovou em sua 24ª Reunião Ordinária, na quarta (21) e nesta quinta-feira (22), a resolução normativa que define o processo de reconhecimento de métodos alternativos validados para substituição progressiva e segura de ensaios toxicológicos.

Segundo o coordenador do Concea, José Mauro Granjeiro, a resolução permite, de forma efetiva, que o país adote métodos alternativos, independentemente do tipo de produto ou composto – ou seja, a mudança abrange agrotóxicos, cosméticos e medicamentos, por exemplo. A intenção é reduzir, substituir e refinar o uso de animais em atividades de pesquisa.

Em março, a instância acatou recomendação de câmara temporária interna para o reconhecimento de práticas validadas por entidades como o Centro Brasileiro de Validação de Métodos Alternativos (Bracvam) ou por estudos colaborativos internacionais publicados em compêndios oficiais.

Já nesta semana, o Concea recebeu, do Bracvam, a primeira recomendação de métodos alternativos validados e internacionalmente aceitos. Ontem, o conselho deliberou que a câmara permanente temática analise a proposta e convide para discussão representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Meio Ambiente (MMA). A carta do centro sugere o reconhecimento de 17 técnicas, que envolvem sensibilização cutânea, potencial de irritação e corrosão ocular, fototoxicidade e genotoxicidade, dentre outros testes.

A expectativa do Concea é aprovar, em curto prazo, um conjunto de práticas validadas e aceitas internacionalmente. Na visão de Granjeiro, é fundamental ao país destinar recursos para o desenvolvimento de novos métodos que aumentem a capacidade preditiva dos ensaios toxicológicos, a fim de proteger o meio ambiente e diminuir o risco para a saúde de seres humanos e animais.

Com a decisão de março, a partir do reconhecimento pelo Concea do método alternativo validado, as instituições têm prazo de cinco anos para substituição obrigatória da técnica original. Para calcular o período, a instância projetou o tempo necessário para a adequação de infraestrutura laboratorial e a capacitação de recursos humanos demandadas pelos ensaios substitutivos.

Fiscalização
O Concea estabeleceu, no início de maio, um novo processo de credenciamento de instituições que produzem, mantém e utilizam animais em atividades didáticas ou científicas. Nesta quarta (21), o conselho discutiu e aprovou proposta de portaria interministerial que institui o Regulamento de Fiscalização do Uso de Animais para Atividades de Ensino ou Pesquisa.

A proposta de texto ainda recebe contribuições de áreas técnicas dos órgãos fiscalizadores estabelecidos pela Lei 11.794/2008. A lista inclui Mapa, MMA e os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) – pasta à qual o Concea é vinculado -, da Educação (MEC) e da Saúde (MS). Esse grupo deve determinar estratégias de atuação para monitorar as instituições de pesquisa.

(Rodrigo PdGuerra / Ascom do MCTI)

Umbanda e candomblé não são religiões, diz juiz federal (FSP)

FABIO BRISOLLA

DO RIO

16/05/2014 19h34

Uma tentativa do Ministério Público Federal (MPF) de retirar do Youtube uma série de vídeos com ofensas à umbanda e ao candomblé resultou em uma decisão polêmica: a Justiça optou por manter a exibição das imagens e ainda salientou que “as manifestações religiosas afro-brasileiras” não podem ser classificadas como religião.

Em decisão de 28 de abril de 2014, o juiz Eugênio Rosa de Araújo, titular da 17ª Vara Federal, afirmou que as crenças afro-brasileiras “não contêm os traços necessários de uma religião”. De acordo com o magistrado, as características essenciais a uma religião seriam a existência de um texto base (como a Bíblia ou Alcorão), de uma estrutura hierárquica e de um Deus a ser venerado.

“Se o Juiz tivesse simplesmente negado que havia ofensa nos vídeos já seria uma decisão lamentável. Mas ele foi além. Em poucas linhas, resolveu ditar o que seria ou não uma religião, o que nos pareceu um absurdo”, disse à Folha o procurador Jaime Mitropoulos, que apresentou um recurso contra a decisão da 17ª Vara Federal.

Procurado pela Folha, o juiz Eugênio Rosa de Araújo preferiu não falar sobre a decisão.

Nos vídeos denunciados pelo MPF, pastores evangélicos associam praticantes de umbanda a uma legião de demônios. Também fazem comparação semelhante com o culto aos orixás característico do Candomblé.

A ação do MPF teve origem em uma denúncia da Associação Nacional de Mídia Afro, que pedia a exclusão dos vídeos citados do Youtube pelas ofensas disseminadas contra as religiões com raízes africanas.

No início de 2014, o MPF chegou a recomendar que a representação do Google no Brasil deletasse os vídeos. Entretanto, segundo a Procuradoria, a empresa se negou a atender a orientação. A partir daí, o caso foi encaminhado à Justiça.

A Via Sacra dos índios (Diário do Amazonas/Taqui Pra Ti)

José Ribamar Bessa Freire

20/04/2014 – Diário do Amazonas

A Semana do Índio celebrada nas escolas do Brasil coincidiu este ano com a Semana Santa, quando o mundo cristão rememora a paixão e morte de Cristo. Em Brasília, na Esplanada dos Ministérios, a II Bienal Brasil do Livro e da Leitura programou no sábado de aleluia, Dia do Índio, o seminário Narrativas Contemporâneas da História do Brasil. Numa das mesas, no Auditório Jorge Amado, a índia Fernanda Kaingang, advogada com mestrado em Direito Público, debate as desigualdades sociais no Brasil com Muniz Sodré, Afonso Celso e este locutor que vos fala.

Qual é o índio celebrado cada ano, em abril, que emerge nas narrativas da história do Brasil? O índio de Pero Vaz de Caminha que permanece no imaginário dos brasileiros? Aquele escravizado pelos bandeirantes ou o catequizado pelos missionários? O índio da senadora Kátia Abreu e do agronegócio “obstáculo ao progresso”? Ou o das descrições etnográficas dos antropólogos, que nos ensina que outro mundo é possível? O “índio atrasado” ou o que acumulou sofisticados saberes? A vítima do colonialismo ou o combatente que resistiu?

Afinal, qual o pedaço de nós que comemoramos no Dia do Índio? Ou ele não é parte de nós? No século XVI, na polêmica com o advogado Sepúlveda, Bartolomeu De Las Casas afirmou que durante todo o período colonial milhares de Cristos foram crucificados na América, sem a esperança da ressurreição. Testemunha da dor, do sofrimento e da resistência dos índios, Las Casas descreve o trajeto seguido por eles carregando a cruz numa via sacra dolorosa, que vai do Pretório Ibérico até o Calvário, de 1492 aos dias atuais.

As Estações

Logo na 1ª Estação, o índio é condenado à morte. Colombo e Cabral que aqui desembarcam com a cruz, perguntam às Coroas Ibéricas: “O que faço com o índio?” Aqueles que querem se apropriar das terras indígenas gritam: “Que o crucifiquem”. Os reis lavam as mãos e através de leis e ordenações do Reino, entregam o índio aos seus súditos.

Despojado de suas terras, escravizado, na 2ª Estação, o índio começa a carregar a cruz às costas, num processo que não terminou. Las Casas registra a invasão das aldeias, o massacre e a prisão dos índios nas chamadas ‘guerras justas’: “Oh! Grande Deus e Senhor, como podiam ser escravizados de ‘forma justa’ estando em suas próprias terras e em suas casas sem fazer mal a ninguém?”.

Na 3ª Estação, o índio cai pela primeira vez, numa jornada de trabalho que dura até 18 horas diárias, segundo Las Casas que detalha o recrutamento de menores e mulheres gestantes, os acidentes de trabalho, os castigos físicos, as doenças, a alimentação insuficiente: “E até mesmo as bestas costumam ter um tempinho de liberdade para pastarem no campo e os nossos espanhóis nem sequer isto concediam aos índios”.

O encontro com a Mãe acontece na 4ª Estação. A Mãe Terra, que dá vida aos seres do universo, símbolo da fecundidade e da biodiversidade, tem sua alma transpassada por uma espada. Matas devastadas, minas escavadas em busca de metais preciosos, rios poluídos, animais, plantas e gente exterminados: a Mãe Terra é ferida de morte. Acontece a maior catástrofe demográfica da histórica da humanidade: nunca um continente foi esvaziado tão rapidamente como a América, escrevem os demógrafos da Escola de Berkeley.

A cruz pesa em demasia. Na 5ª Estação, os soldados obrigam Simão de Cirene, do Norte da África, a ajudar a carregar a cruz, ao lado do Negro oriundo do mesmo continente. Com o rosto ensanguentado, sujo, cansado e cheio de escarros, na 6ª Estação o índio espera que apareça uma Verônica para enxugá-lo, para deixar a imagem da coroa de espinhos gravada no lenço. Em vão. Como no poema “Los dados eternos”, de César Vallejo, vem a justificativa: “Tu no tienes Marias que se ván“.

Eliminar da História

Na 7ª Estação o índio, esgotado, cai pela segunda vez, depois das novas investidas dos bandeirantes, cujo modus operandi é descrito por Raposo Tavares em depoimento ao padre Vieira“Nós damos uma descarga cerrada de tiros: muitos caem mortos, outros fogem. Invadimos, então, a aldeia. Agarramos tudo o que necessitamos e levamos para as nossas canoas. Se as canoas deles forem melhores que as nossas, nós nos apropriamos delas, para continuar a viagem”.

As mulheres de Belém estavam na 8ª Estação, ao lado de Maria Quitéria de Jesus, a baiana heroína da Guerra da Independência, que depois recebeu o título de Patrona dos Oficiais do Exército Brasileiro. No encontro com o índio, as mulheres paraenses e até Maria Quitéria, embora sendo de Jesus, não choraram por ele, mas por elas mesmas e por seus filhos.

Na 9ª Estação, a terceira queda sob o peso da cruz ocorre, quando Paulo de Frontin, presidente da Comissão do Quarto Centenário do Descobrimento do Brasil, em 1900, no seu discurso oficial de abertura, declara:

“O Brasil não é o índio; os selvícolas, esparsos, ainda abundam nas nossas magestosas florestas e em nada differem dos seus ascendentes de 400 anos atrás; não são nem podem ser considerados parte integrante da nossa nacionalidade; a esta cabe assimilá-los e, não o conseguindo, eliminá-los”.

As cinco últimas estações da via sacra, a caminho do Calvário, se localizam já no Brasil republicano. O índio despojado de sua língua, de seus saberes, é definitivamente eliminado das narrativas sobre a história do Brasil.

Na 10ª Estação, o índio é esbofeteado na comemoração do 5° Centenário, em 2000, quando o então Ministro da Cultura, Francisco Weffort, depois de fazer uma apologia dos bandeirantes, propõe a criação do Museu Aberto do Descobrimento, incompatível com a historiografia crítica e com o projeto intelectual de renovação da cultura brasileira, numa vitória inequívoca do obscurantismo intelectual.

Anos depois, já como ex-ministro, Weffort publica o livro “Espada, Cobiça e Fé – As Origens do Brasil”.  No desenho que faz do nosso país, ele justifica o calvário dos índios, afirmando que os bandeirantes faziam “parte de uma cultura na qual a violência na vida cotidiana e o saqueio na guerra eram recursos habituais. (…) Sei que os bandeirantes foram brutais e violentos, mas conquistaram esta terra. Todos temos uma dívida com eles. Então é preciso entendê-los”.

Diakui Abreu

Na 11ª Estação, o índio é ferido de morte pelo escárnio da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO, viche, viche) em artigo no Caderno Mercado da Folha de São Paulo – Cidadania, e não apito.Presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), ela repete pela milésima vez que o calvário dos índios se deve ao “difícil acesso à saúde e não à falta de terra“, fingindo não ver a relação entre uma e outra. Admite, no entanto, que “se o problema consiste em terra, que sejam compradas a preço de mercado” pelo Estado brasileiro “com seus próprios meios que são os impostos extraídos de toda a populaçao brasileira“.

Na 12 ª Estação, ela tenta convencer o índio agonizante que gosta dele e, por isso, “minha homenagem pessoal aos povos indígenas fiz a cada nascimento de meus filhos que não por acaso se chamam Irajá, Iratã e Iana”. Além das terras, a senadora se apropria também dos nomes indígenas. Anunciará qualquer dia, no Caderno Mercado, que vai ao Cartório mudar de Kátia para Diakui Abreu.

Na 13ª Estação, o deputado federal Osmar Seraglio (PMDB – PR, viche, viche), relator da Proposta de Emenda Constitucional – a PEC 215 – enfia uma lança no ventre do índio ao justificar, em artigo na FSP (19/04/14) que o poder de demarcar terras indígenas deve ser transferido do Executivo para o Congresso Nacional, atendendo os interesses da bancada ruralista, que torna inviável qualquer processo de demarcação.

O protagonista da 14ª e última estação é o deputado federal Luis Carlos Heinze (PP- RS, viche, viche). Ele apoia a Portaria do Ministério da Justiça que, antes mesmo da aprovação da PEC 215, já permite a ingerência dos ruralistas nos estudos sobre demarcação de terras indígenas. Na audiência realizada no município de Vicente Dutra (RS), Heinze afirma que “índios, quilombolas, gays e lésbicas são tudo o que não presta”.

A partir daqui, a via sacra continua,desdobrando a agonia lenta e inexorável em outras estações, colocando em dúvida se um dia haverá ressurreição.

Índios passam a noite no Museu Anchieta para cobrar demarcação de terras (Agência Brasil)

JC e-mail 4936, de 17 de abril de 2014

Um manifesto, distribuído no local, informa que a aldeia Tekoa Pyau, na terra do Jaraguá, sofre processo de reintegração de posse que coloca em risco a permanência dos índios

Os índios guaranis que ocuparam hoje (16) o Museu Anchieta, no Pátio do Colégio, centro de São Paulo, reivindicam que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assine uma portaria para regularizar as terras que eles ocupam há anos na capital paulista. Os 50 índios da manifestação, ocupantes de terras indígenas no Jaraguá, zona oeste, e Tenondé Porã, no extremo sul da cidade, passarão a noite no local e amanhã (17) farão uma série de atividades no Pátio do Colégio, marco de fundação da cidade de São Paulo, para pressionar o ministro a assinar a demarcação de suas terras.

A ocupação, que teve início por volta das 15h30, foi feita de forma pacífica. O diretor do local, padre Carlos Contieri, de início tentou negociar com os índios a saída do local, alegando, principalmente, que se tratava de um local particular. Mas depois acabou autorizando a permanência. “Fui pego de surpresa. Não esperava que viessem aqui. Mas vou permitir que fiquem, embora não tenha como oferecer um local de conforto para vocês”, disse o padre aos índios. No final, o padre pediu que o protesto seja pacífico e sem depredações.

Um manifesto, distribuído no local, informa que a aldeia Tekoa Pyau, na terra do Jaraguá, sofre processo de reintegração de posse que coloca em risco a permanência dos índios. “A aldeia do Jaraguá é muito antiga, do início da década de 1960”, disse Karai Popyguá. Segundo ele, a terra tem cerca de 1,7 alqueire e é ocupada por cerca de 800 índios. “É uma situação crítica a que estamos enfrentando dentro da terra do Jaraguá”, disse ele. “Não estamos sendo reconhecidos no território, e estamos sendo expulsos”, reclamou.

Já a aldeia Tenondé Porã, segundo Jera – também chamada de Giselda, uma das lideranças da aldeia – tem 26 hectares, com 200 famílias. “As pessoas desta aldeia, que plantam, precisam de área para viver e para ter alimentação”, disse ela.

“Nosso objetivo é ocupar o pátio, simbólica e pacificamente, para amanhã de manhã, do lado de fora, fazermos um debate e falar para as pessoas nas ruas para conseguir repercussão que nos ajude a gritar para o mundo que queremos a demarcação de nossas terras, que está na mesa do ministro”, disse Jera, ou Giselda. Segundo ela, a ideia de ocupar o Pátio do Colégio surgiu porque o local, historicamente, foi uma aldeia indígena.

Ela disse que a mobilização será mantida até que a portaria seja assinada. “Desde o contato com o ‘mundo de lá’, a gente sempre esteve em luta. Então, não é agora que a gente vai parar”, argumentou.

(Elaine Patricia Cruz /Agência Brasil)

* * *

JC e-mail 4936, de 17 de abril de 2014

Cresce disputa pelas terras dos índios no país (Valor Econômico)

A extensão das terras indígenas no Brasil chega a 13% do território nacional

“Os índios estão sob fogo cerrado”. A frase, da antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, professora emérita da Universidade de Chicago e professora titular aposentada da Universidade de São Paulo (USP), explicita o sentimento de especialistas em relação à questão indígena no Brasil, às vésperas do Dia do Índio, comemorado dia 19. “As terras indígenas e as unidades de conservação, terras mantidas fora do mercado, estão sendo mais do que nunca cobiçadas.”

O cerne do conflito é a disputa pela terra. A extensão das terras indígenas no Brasil chega a 13% do território nacional, distribuídas desigualmente. A Constituição diz que a terra indígena demarcada é da União, mas os índios têm direito a usufruto exclusivo.

A maior extensão de terras indígenas está na Amazônia, onde tudo tem grandes proporções – municípios, latifúndios, unidades de conservação. Foi ali, e também no Centro-Oeste, que a maior parte das terras indígenas extensas e contínuas foi reconhecida depois que a Constituição garantiu os direitos indígenas, em 1988. A demarcação que sobrou fazer é a de terras mais disputadas, mais caras e de histórico de ocupação mais complexo.

No Nordeste, Leste e Sul, os índios vivem em territórios bem pequenos. Os milhares de guaranis-kaiowás confinados em áreas diminutas no Mato Grosso do Sul, ou vivendo à beira das estradas enquanto aguardam solução para o seu caso, constituem o lado mais dramático desse quadro. Os guaranis são o povo indígena mais numeroso do Brasil e se espalham pelo Mato Grosso do Sul, pelas fronteiras com Paraguai e Argentina e também pelo Estado de São Paulo.

Segundo dados de 2010, do IBGE, existem 240 povos indígenas no Brasil. Falam 154 línguas. Embora alguns povos estejam ameaçados de extinção, a população indígena vem crescendo. Eram 896.917 no último Censo.

“Trata-se de um mosaico de microssociedades”, diz o catálogo da exposição “Povos Indígenas no Brasil”, que está no Parque Ibirapuera, em São Paulo, organizada pelo Instituto Socioambiental, o ISA. “Metade das etnias tem uma população de até mil pessoas, 49 etnias têm parte da população habitando países vizinhos e há 60 evidências de povos ‘isolados'”.

Na outra ponta estão dezenas de projetos de lei tramitando no Congresso e que ameaçam terras indígenas e novos processos de demarcação. Há projetos de mineração que se sobrepõem a esses territórios e projetos hidrelétricos que o governo quer impulsionar e que afetam povos indígenas. No Centro-Oeste, terras que índios reivindicam são muitas vezes ocupadas por produtores rurais que têm título expedido pelo Estado.

“Essa é uma semana do índio de pouca comemoração e muita apreensão”, diz Adriana Ramos, secretária-executiva-adjunta do ISA, ONG reconhecida pelo trabalho com os índios. “Estamos vivendo momento de grande ameaça aos direitos constituídos e de multiplicação de conflitos, inclusive fomentados por discurso de políticos e representantes empresariais.”

Uma das maiores ameaças vem da Proposta de Emenda Constitucional 215/2000. O projeto tira do Executivo a competência de aprovar as demarcações e transfere o processo ao Congresso. Na visão de indigenistas, se aprovado, não haverá novas demarcações de terras indígenas no país. O governo disse ser contrário à iniciativa e a considera inconstitucional. No fim de 2013, foi instalada uma comissão especial para analisar a PEC. No colegiado, a maioria é de deputados ruralistas.

Há ainda projetos de abrir terras indígenas para arrendamento com fins agropecuários ou de mineração”, diz Adriana. “Essas propostas são ‘vendidas’ como alternativas econômicas a populações que vivem em situações de fragilidade. Mas elas se contrapõem ao modo de vida tradicional desses povos”, critica. Essas iniciativas operariam em um vácuo deixado pelo poder público. “O Estado dá pouco apoio a alternativas econômicas condizentes com o modo de vida indígena. Poderia desenvolver o manejo sustentável de produtos da biodiversidade. Extração de óleos da floresta, fibras, frutas, turismo. Tudo isso poderia ser implementado.”

“Hoje, a situação é difícil”, reconhece o antropólogo Marcio Meira, que esteve à frente da Fundação Nacional do Índio (Funai) de 2007 a 2012, o mais longevo presidente do órgão. “Os setores da sociedade que são historicamente anti-indígenas, têm agido de forma muito agressiva, principalmente no Congresso Nacional”, avalia. “O centro é a base ruralista. Qual o agravante? Que essa base hoje tem muita força. Boa parte das exportações do Brasil vem daí”, diz Meira.

Segundo o antropólogo, “esse poder tem tentáculos” no Judiciário e no Executivo. “Há muitos processos de judicialização das terras indígenas e muitos juízes nos últimos anos têm se manifestado contrários aos índios, com decisões polêmicas.” Ele lembra que, dentro do governo, existem ministérios mais favoráveis aos povos indígenas, mas há outros com posições mais conservadoras.

Meira enxerga, também, alguns avanços nos últimos anos. Um dos principais teria sido na área da educação, com o ingresso de índios nas universidades. As estimativas são de que existem 1.700 indígenas em universidades federais, recebendo bolsas de R$ 900. “É um investimento de R$ 20 milhões anuais, algo que não existia há um ano.”

Os índios têm direito a Bolsa Família e aposentadoria rural. “Mas a saúde indígena ainda tem muito gargalo”, afirma o antropólogo. E embora hoje não haja quase nenhuma terra indígena sendo homologada, há alguns casos de desintrusão, o que demanda investimento e esforço enorme do governo. O caso mais famoso é o da terra indígena Awa-Guajá, no Maranhão, iniciado este ano, e depois suspenso para que o Incra encontrasse uma solução para os produtores rurais. Eles tinham que sair da terra e não sabiam para onde ir.

A última homologação de terra indígena no Estado de São Paulo ocorreu há 16 anos, informa Otávio Penteado, assessor de programas da Comissão Pró-Índio SP, no boletim da entidade. No Estado, há 17 terras indígenas em processo de demarcação e estima-se que há outras 16 sem processo iniciado. Mais da metade das 29 terras indígenas de São Paulo não está demarcada, o que deixa a população sem acesso às políticas públicas. São Paulo, segundo a ONG, é a cidade brasileira com mais índios no espaço urbano – seriam quase 12 mil, segundo o Censo de 2010.

“É nas áreas indígenas que se concentram algumas das maiores riquezas do Brasil em termos minerais e de biodiversidade”, diz o professor Antonio Carlos de Souza Lima, professor do Departamento de Antropologia do Museu Nacional do Rio de Janeiro, da UFRJ, referindo-se a terras na região Norte. “São notadamente as mais bem conservadas.”

Ele defende uma proposta de educar a sociedade brasileira para valorizar e respeitar a diversidade que há no país. “A primeira coisa é ter a plena consciência de que isso tem que fazer parte da educação brasileira, que vivemos em um país multicultural e pluriétnico. Com populações que têm direito a viver de acordo com modos diferentes dos cultivados pela sociedade contemporânea”, diz. “A conscientização tem que sair das boas intenções e avançar do papel para as práticas.”

O Brasil tem há seis anos legislação que regulamenta a obrigatoriedade de ensino, nas escolas, de história e cultura afro-brasileira e indígena. “Essa lei até hoje não é aplicada. Ninguém cumpre”, diz Souza Lima. “Todo mundo centra a questão no tema da terra, porque é a defesa mais imediata aos ataques”, afirma. “Mas isso não substitui um projeto de longo prazo para esse tema.”

“O brasileiro não conhece o Brasil”, diz Souza Lima. “Tem que entender que índio que vive nu na aldeia, distanciado de tudo, não é a regra hoje em dia. Até filhos de ianomâmis frequentam escolas e universidades. Ao incorporar certos elementos da sociedade não indígena, eles o fazem de acordo com a sua própria lógica. E por isso não deixarão de ser índios.” Segundo o professor, “é fundamental ouvir o que os próprios indígenas têm a dizer sobre os seus projetos e o que têm passado. Isso tem que ser ouvido pelos escalões mais altos da administração”.

O governo, no âmbito do Ministério da Justiça, prepara um projeto que altera os procedimentos de demarcação das terras indígenas. A minuta, divulgada há alguns meses, desagradou indigenistas e ruralistas.

Em outra frente, na Secretaria-Geral da Presidência, procura-se estabelecer parâmetros que regulamentem a consulta prévia. Trata-se de pôr em prática o artigo 6 da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O tratado versa sobre os direitos fundamentais dos povos indígenas e tribais, foi aprovado em 1989 e começou a vigorar em 1991. O Brasil foi um dos 20 países que ratificaram a convenção, com posterior aprovação no Congresso e promulgação pelo Executivo. A convenção internacional ganhou status de lei.

A Convenção 169 diz que a consulta aos povos afetados por algum projeto tem que ser feita de boa-fé. O governo tem vários projetos de hidrelétricas na Amazônia que afetarão grupos indígenas. A ideia da consulta, segundo algumas interpretações, é que ela teria que ser prévia, livre e consentida. A ideia do veto é debate superado: a meta é ter o consentimento dos afetados ou chegar a um acordo. O problema é que a convenção é genérica, é preciso criar um padrão sobre a consulta. Bolívia, Peru e Chile percorreram essa trilha. No Brasil criou-se um grupo interministerial em 2012, que procura avançar nesse campo.

Enquanto o governo tenta avançar nessa frente, os índios sofrem com a invasão de suas terras por garimpeiros e madeireiros, pela contaminação de recursos hídricos por mercúrio ou agrotóxicos e pela pressão do entorno, segundo indigenistas.

Na visão de Manuela Carneiro da Cunha, a isso se soma “o cerco legislativo, uma investida sem precedentes do Congresso”, diz ela. “Desde a Colônia até os anos 90, a legislação sempre declarou os direitos dos índios. Mas era um movimento inócuo, porque ninguém respeitava. Hoje, quando os índios tentam fazer valer seus direitos, tenta-se esvaziá-los.”

(Daniela Chiaretti/Valor Econômico)
http://www.valor.com.br/brasil/3520062/cresce-disputa-pelas-terras-dos-indios-no-pais#ixzz2z9NLBqkP

Brasil tem metade das mortes de ativistas ambientais no mundo (O Globo)

JC e-mail 4936, de 17 de abril de 2014

Segundo levantamento divulgado pela organização Global Witness, de 908 assassinatos, 448 ocorreram no Brasil. Apenas 1% dos casos resultou em condenação; relatório denuncia a ‘cultura endêmica da impunidade’

O extrativista José Cláudio Ribeiro, a religiosa americana Dorothy Stang e o biólogo espanhol Gonzalo Alonso Hernández têm algo em comum. Os três ativistas foram assassinados no Brasil, palco de suas campanhas a favor da conservação do meio ambiente. Eles figuram numa relação divulgada ontem pela ONG Global Witness, que lista 908 ambientalistas executados, entre 2002 e 2013, em 35 países. Quase metade dos casos, 448 mortes, ocorreu em território brasileiro.

No relatório “Deadly Environment” (ou “Ambiente mortal”), a ONG acusa o país de não monitorar redes criminosas atuantes na Amazônia e em outros ecossistemas, subestimar os conflitos de terra e negligenciar assistência a famílias ameaçadas por proprietários de terra e madeireiros. O Brasil é o Estado mais perigoso para a defesa do direito à terra e ao meio ambiente, seguido por Honduras, com 109 assassinatos, e Filipinas (67).

O ano mais crítico foi 2012, quando ocorreram 147 mortes de ativistas em todo o mundo, três vezes mais do que dez anos antes. No dia 22 de junho, o mesmo em que a conferência climática da ONU Rio+20 foi encerrada, dois defensores dos direitos dos pescadores artesanais no Rio foram sequestrados. Almir Nogueira de Amorim e João Luiz Telles denunciavam grandes pescadores que usavam “currais” para lotear a Baía de Guanabara. Seus corpos foram encontrados nos dias seguintes, boiando na baía, em Niterói.

Condenação em apenas 1% dos casos
Em todo o mundo, apenas 10% dos casos chegam aos tribunais, sendo que somente 1% resulta em condenação. Para a Global Witness, o percentual é um símbolo da “cultura endêmica de impunidade” conduzida pelos governos. A falta de condenações contribui para o silêncio dos ativistas e da população prejudicada por atividades econômicas ilegais.

– Esses crimes não recebem a atenção necessária das autoridades. Se houvesse um monitoramento constante nos biomas mais ameaçados, seria possível levar muitos outros criminosos à Justiça – denuncia Oliver Courtney, coautor do relatório.

Courtney considera a situação brasileira “particularmente grave” devido ao crescimento dos episódios de violência na Amazônia. O documento lembra que, em 2013, o desmatamento na maior floresta tropical do planeta aumentou 23%. A maior incidência de desflorestamento (61%) ocorreu no Pará e no Mato Grosso do Sul, dois dos estados onde há mais atentados contra ativistas.

No interior do Mato Grosso do Sul, produtores de carne bovina, soja e cana de açúcar têm entrado em conflito com índios das comunidades guarani e kuranji. Segundo a Global Witness, metade dos assassinatos de ativistas ambientais em 2012 ocorreu na região. E, no país todo, foram mortos 250 defensores de origem indígena entre 2003 e 2010.

– O conflito por terra na Amazônia cresceu dramaticamente no ano passado – destaca. – O Brasil tem uma grande mobilização da sociedade civil, mas a população indígena continua exposta a atividades econômicas insustentáveis.

No Pará, o jornalista Pedro César Batista acumula uma lista de 18 amigos assassinados. Entre eles está seu irmão, o deputado João Batista, morto em 6 de dezembro de 1988 em frente ao prédio em que morava, em Belém. Três anos antes, seu pai, Nestor Batista, havia sobrevivido a um tiro de espingarda na cabeça. Por pressão da família, Pedro deixou o estado.

– O João era visto como um advogado dos sem-terra. Não acreditávamos que ele seria assassinado – recorda Pedro. – Mas descobrimos que havia uma lista com mais de 180 pessoas marcadas para morrer.

“Limpeza entre os bandidos”
Dois pistoleiros foram responsáveis pelo atentado contra João Batista. Libertado após cumprir apenas um sexto de sua pena, de 28 anos, Péricles Moreira foi executado com 14 tiros em uma emboscada. Roberto Cirino, o outro assassino, foi degolado antes de seu julgamento. Segundo Pedro, a “limpeza entre os bandidos” é uma forma comum de assegurar a impunidade dos mandantes dos crimes, como latifundiários, policiais e autoridades públicas.

Batista acredita que o número de assassinatos divulgado pela Global Witness está “totalmente subestimado”. De acordo com ele, as lideranças camponesas são mortas devido à sua resistência ao avanço da agropecuária:

– Para o plantio de uma cultura, desmata-se um quilombo inteiro.

Os madeireiros são os responsáveis pela derrubada da mata na Amazônia. Depois deles vêm a pecuária e a indústria da soja. O avanço dessas atividades econômicas sobre áreas protegidas esbarra no direito de populações indígenas e nos trabalhos defendidos por ativistas ambientais.

– A floresta é repleta de áreas de fronteira agrícola, e o governo não consegue acompanhar o ataque a essas regiões – lamenta André Guimarães, vice-presidente da Conservação Internacional. – Mas, embora a maioria das invasões ocorra na Amazônia, também precisamos prestar atenção no Cerrado. Metade desse bioma ainda está intacto, e ele pode atrair atividades econômicas no futuro.

A Global Witness reconhece que seu levantamento é parcial, dada a dificuldade para analisar os conflitos de terra em diversas regiões do mundo, especialmente em países africanos.

“Esses dados são muito provavelmente apenas a ponta do iceberg (…). O aumento de mortes é a face mais premente e mensurável de um conjunto de ameaças, entre as quais a intimidação, violência, estigmatização e criminalização.”

(Renato Grandelle /O Globo)
http://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/brasil-tem-metade-das-mortes-de-ativistas-ambientais-no-mundo-12219245#ixzz2z9ATB8dX

Argentina hooligans can go to Brazil World Cup (Global Post)

 

Notorious Argentine “barras bravas” football hooligans can travel to the World Cup without intelligence being passed on beforehand to hosts Brazil, a court has ruled.

The court in Buenos Aires said that the Argentine government is not allowed to tell another country personal information about its citizens, a lawyer for the United Argentine Fans (HUA) supporters’ group said Wednesday.

Debora Hambo welcomed the judgment “to avoid persecution of supporters, like in South Africa in 2010.”

During the World Cup in South Africa, 30 Argentine supporters considered dangerous were turned back at airports or deported shortly after arrival, after Argentine authorities passed on intelligence about potential trouble-makers.

An Argentina fan was killed in Cape Town during a clash between rival barras bravas groups on the eve of the quarter-final between Germany and Argentina.

Brazilian and Argentine authorities have held preliminary discussions about cooperation on security.

Argentina has a long and troubled history of football hooliganism with at least 24 people killed in trouble between fans in the last two years.

Argentina face Bosnia and Herzegovina, Iran and Nigeria in the group phase of the June-July world Cup.

Concea aprova proposta sobre a substituição progressiva aos testes com animais (Concea)

JC e-mail 4923, de 31 de março de 2014

Câmara Temporária da entidade analisou petição da organização não governamental Humane Society International

Em reunião ordinária realizada no dia 20 de março, o plenário do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) aprovou proposta da Câmara Temporária Métodos Alternativos Substitutivos que sugere a substituição progressiva e segura dos testes com animais por métodos alternativos validados.

A Câmara Temporária recomendou o reconhecimento dos métodos alternativos validados por Centros de Validação, ou por estudos colaborativos internacionais, e aceitos por órgãos oficiais que tenham como objetivo a redução ou a substituição do uso de animais. A proposta foi aprovada pela plenária da 23ª Reunião Ordinária do Concea.

O trabalho da Câmara Temporária teve como foco inicial analisar petição da organização não governamental Humane Society International (HSI) para o banimento de ensaios em animais para cosméticos. Entretanto, por entender que a questão é mais ampla, recomendou que a substituição não se limitasse aos experimentos relacionados a produtos cosméticos e alcançasse toda a cadeia de compostos de produtos químicos.

Para os métodos alternativos validados reconhecidos pelo Concea, fica proibida a utilização de animais, após cinco anos de aprovação do referido método. Este período é necessário para que a infraestrutura laboratorial e os recursos humanos estejam adequados e capacitados para a realização dos ensaios substitutivos. Os métodos alternativos devem ser executados corretamente para não colocar em risco a saúde humana, a dos próprios animais e o meio ambiente.

O Concea deliberou, ainda, pela criação de Câmara Temporária que estabelecerá um cronograma de implementação dos métodos já validados.

O processo de reconhecimento dos métodos alternativos será estabelecido pelo Concea, por meio de Resolução Normativa.

(Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal – Concea)

David Simon at the Festival of Dangerous Ideas (Moyers and Co.)

By Bill Moyers and Co.

January 30, 2014

David Simon, journalist and creator of the TV series The Wire and Treme, spoke about the divide between the rich and poor in America at the Festival of Dangerous Ideas in Sydney last November.

Simon began his speech by saying: “I come from a country that is now utterly schizophrenic when it comes to its society, its economy, its politics. There are definitely two Americas. I live in one, on one block in Baltimore that is part of the viable America, the America that is connected to its own economy, where there is a plausible future for the people born into it.” He then went on to take questions from the audience.

Líderes de rolezinhos reclamam de assédio de partidos políticos em SP (O Globo)

União da Juventude Socialista (UJS), ligada ao PCdoB, chegou a anunciar filiação do jovem Vinicius Andrade, que negou categoricamente envolvimento com a sigla

LEONARDO GUANDELINE

Publicado: 31/01/14 – 19h05

SÃO PAULO – Em evidência nos últimos meses, jovens organizadores dos rolezinhos se transformaram em alvos de partidos políticos, com propostas de filiações a diferentes legendas. Nos últimos dias, o assédio partiu, entre outros, do PSD, PSDB, PMDB e o PCdoB, segundo os próprios responsáveis pelo movimento. A União da Juventude Socialista (UJS), ligada aos comunistas e que comanda também a União Nacional dos Estudantes (UNE), chegou a anunciar a filiação de Vinicius Andrade, à frente dos rolezinhos na zona sul. PSD e PMDB disseram que a informação “não procede” e desmentiram qualquer contato com lideranças dos rolezinhos. Procurados pelo GLOBO, o PSDB e a UJS não retornaram às ligações até as 19h desta sexta-feira.

No site da UJS, a filiação é dada como certa: “Vinicius Andrade, o organizador do ‘rolezinho’, e seus colegas participaram na tarde de hoje (segunda-feira) de um bate papo com a militância da UJS durante o Seminário Preparatório para o 17° Congresso da organização e se filiaram na entidade”, diz texto sobre evento da última segunda-feira. Andrade desmente categoricamente.

– Não me filiei a partido algum, nem à entidade. Eles se dispuseram a nos ajudar na questão dos rolezinhos. Não quero saber de partido político, do nosso movimento fugindo para o lado de partido – disse.

O líder dos rolezinhos na zona sul contou que obteve, inclusive, apoio ao movimento do secretário de Promoção da Igualdade Racial, Netinho de Paula, principal interlocutor da Prefeitura em relação ao assunto, e da vice-prefeita paulistana, Nádia Campeão, ambos do PCdoB. Mas negou que os dois tivessem feito convite aos jovens líderes.

– O Netinho ficou na dele. A Nádia Campeão também não nos convidou. Mas tenho recebido ligações de pessoas se apresentando como representantes de partidos políticos. Desligo o telefone na hora. Não sei nem como eles conseguem meu número – acrescenta Andrade.

José Ricardo “Sucesso”, produtor de funk e um dos principais organizadores dos rolezinhos na Zona Leste da capital paulista, ao lado de Jonathan David, o MC Chaverinho, disse já ter sido procurado por PSD, PSDB e PMDB, além do próprio PCdoB.

– Teve gente do PCdoB que estava filiando nossos meninos. Pedimos até para o Netinho intervir e ele nos falou que seríamos procurados, que viriam muito atrás de nós. Fazemos política, mas sem partido – disse Ricardo “Sucesso”, que trabalha há sete anos com funk, já foi produtor do MC Daleste e hoje produz o MC Chaveirinho, cantor também do chamado funk ostentação.

Rolezinhos organizados

Ricardo “Sucesso” disse que está marcada para a sexta-feira da próxima semana uma reunião com representantes do Shopping Itaquera, na Zona Leste, para definir como acontecerá o próximo rolezinho, marcado para aquele centro comercial. Ele disse que neste fim de semana dez manifestações do tipo que estavam agendadas foram canceladas.

– A gente conversou com os meninos e eles cancelaram os rolezinhos marcados enquanto não discutimos esse com o Shopping Itaquera. Tem um rolezinho marcado para o Shopping Aricanduva neste fim de semana, mas estamos tentando convencer a molecada a fechar com a gente – disse.

Organizadores de rolezinhos na capital paulista propuseram na quarta-feira um acordo prévio com a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) no qual, entre outros pontos, limitarão a participação de pessoas e informarão antecipadamente, em reuniões, data e horário das manifestações aos centros comerciais. Ao GLOBO, a Abrasce informou que se colocou à disposição para intermediar as conversas entre os donos de shopping centers e os jovens no intuito de evitar a judicialização do movimento. A primeira reunião nesse sentido será a dos jovens com representantes do Shopping Itaquera.

VEJA TAMBÉM

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/lideres-de-rolezinhos-reclamam-de-assedio-de-partidos-politicos-em-sp-8-11457822#ixzz2sGIwkZbY 
© 1996 – 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Governo regulamenta uso das Forças Armadas contra manifestações sociais (Vox Política)

Portaria está em vigor desde 20 de dezembro de 2013. Celso Amorim, ministro da Defesa, aprovou o documento.

 | quinta-feira, 23 janeiro 2014 – 2:30

anexo

O ministro da Defesa, Celso Amorim, aprovou no fim do ano passado uma Portaria que regulamenta o uso das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) em manifestações sociais, protestos e outras ocasiões que possam comprometer “a ordem pública”.

A regra, presente no Manual “Garantia da Lei e da Ordem”, validado junto com a Portaria, está em vigor desde 20 de dezembro, data de sua publicação no Diário Oficial da União. Logo no segundo capítulo, o documento ressalta que, apesar do apreço ao conceito de não-guerra, as operações poderão ter “o uso de força de forma limitada”.

Esse emprego das Forças Armadas nessas operações seria autorizado “em situações de esgotamento dos instrumentos a isso previstos”, ou seja, “quando, em determinado momento, forem eles formalmente reconhecidos pelo respectivo Chefe do Poder Executivo Federal ou Estadual como indisponíveis, inexistentes ou insuficientes ao desempenho regular da missão constitucional”.

Entre as principais ameaças elencadas pelo Ministério da Defesa, duas se destacam por fazer referência à Copa do Mundo e às manifestações de 2013: o combate ao bloqueio de vias públicas de circulação e a ofensiva contra a sabotagem nos locais de grandes eventos. Para tanto, os soldados têm autorização de controlar até o fluxo dos cidadãos.

O anexo do “Controle de Distúrbios em Ambiente Urbano” é o que cita de maneira mais contundente a oposição a grupos populares de protesto.

Em “Cenário”, conforme imagem destacada no início da reportagem, o alerta estatal vislumbra a “atuação de elementos integrantes de movimentos sociais reivindicatórios, de oposição ou protesto, comprometendo a ordem pública”, reservando aos governos estaduais e federal o direito de traçar limites. No apêndice de operações psicológicas, os movimentos sociais recebem classificação ainda pior: forças oponentes.

Technology One Step Ahead of War Laws (Science Daily)

Jan. 6, 2014 — Today’s emerging military technologies — including unmanned aerial vehicles, directed-energy weapons, lethal autonomous robots, and cyber weapons like Stuxnet — raise the prospect of upheavals in military practices so fundamental that they challenge long-established laws of war. Weapons that make their own decisions about targeting and killing humans, for example, have ethical and legal implications obvious and frightening enough to have entered popular culture (for example, in the Terminator films).

The current international laws of war were developed over many centuries and long before the current era of fast-paced technological change. Military ethics and technology expert Braden Allenby says the proper response to the growing mismatch between long-established international law and emerging military technology “is neither the wholesale rejection of the laws of war nor the comfortable assumption that only minor tweaks to them are necessary.” Rather, he argues, the rules of engagement should be reconsidered through deliberate and focused international discussion that includes a wide range of cultural and institutional perspectives.

Allenby’s article anchors a special issue on the threat of emerging military technologies in the latest Bulletin of the Atomic Scientists (BOS), published by SAGE.

History is replete with paradigm shifts in warfare technology, from the introduction of gunpowder, which arguably gave rise to nation states, to the air-land-battle technologies used during the Desert Storm offensive in Kuwait and Iraq in 1991, which caused 20,000 to 30,000 Iraqi casualties and left only 200 US coalition troops dead. But today’s accelerating advances across the technological frontier and dramatic increases in the numbers of social institutions at play around the world are blurring boundaries between military and civil entities and state and non-state actors. And because the United States has an acknowledged primacy in terms of conventional forces, the nations and groups that compete with it increasingly think in terms of asymmetric warfare, raising issues that lie beyond established norms of military conduct and may require new legal thinking and institutions to address.

“The impact of emerging technologies on the laws of war might be viewed as a case study and an important learning opportunity for humankind as it struggles to adapt to the complexity that it has already wrought, but has yet to learn to manage,” Allenby writes.

Other articles in the Bulletin’s January/February special issue on emerging military technologies include “The enhanced warfighter” by Ken Ford, which looks at the ethics and practicalities of performance enhancement for military personnel, and Michael C. Horowitz’s overview of the near-term future of US war-fighting technology, “Coming next in military tech.” The issue also offers two views of the use of advanced robotics: “Stopping killer robots,” Mark Gubrud’s argument in favor of an international ban on lethal autonomous weapons, and “Robot to the rescue,” Gill Pratt’s account of a US Defense Department initiative aiming to develop robots that will improve response to disasters, like the Fukushima nuclear catastrophe, that involve highly toxic environments.

Journal Reference:

  1. Braden R. Allenby. Are new technologies undermining the laws of war? Bulletin of the Atomic Scientists, January/February 2014

PL quer punir “terroristas” e grevistas na Copa (Agência Pública)

27.02.12 Por Andrea Dip, 

Foto: Daniel Kfouri. Arte urbana de Esqueleto Coletivo

“É a ditadura transitória da FIFA” diz presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP, sobre PL que corre no Senado em paralelo à Lei Geral da Copa

Enquanto as atenções estão voltadas para o projeto de Lei Geral da Copa (2.330/11) que está sendo votado na Câmara nesta terça-feira (28), os senadores Marcelo Crivella (PRB-RJ), Ana Amélia (PP-RS) e Walter Pinheiro (PT-BA) correm com outro Projeto de Lei no Senado, conhecido pelos movimentos sociais como “AI-5 da Copa” por, dentre outras coisas, proibir greves durante o período dos jogos e incluir o “terrorismo” no rol de crimes com punições duras e penas altas para quem “provocar terror ou pânico generalizado”.

O PL 728/2011, apresentado no Senado em dezembro de 2011, ainda aguarda voto do relator Álvaro Dias (PSDB-PR) na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado. Se for aprovado, vai criar oito novos tipos penais que não constam do nosso Código Penal como “terrorismo”, “violação de sistema de informática” e “revenda ilegal de ingressos”, determinando penas específicas para eles. Essa lei – transitória – valeria apenas durante os jogos da FIFA.

Na justificativa da proposta, os senadores alegam que a Lei Geral da Copa deixa de fora a tipificação de uma série de delitos, necessária para “garantir a segurança durante os jogos”.

O projeto prevê ainda que quem “cometer crimes contra a integridade da delegação, árbitros, voluntários ou autoridades públicas esportivas com o fim de intimidar ou influenciar o resultado da partida de futebol poderá pegar entre dois e cinco anos de prisão”.

Para quem “violar, bloquear ou dificultar o acesso a páginas da internet, sistema de informática ou banco de dados utilizado pela organização dos eventos” a pena seria de um a quatro anos de prisão, além de multa. E para deixar a aplicação das penas ainda mais eficaz, o projeto prevê a instauração de um “incidente de celeridade processual” (art. 15), um regime de urgência em que a comunicação do delito poderia se dar por mensagem eletrônica ou ligação telefônica e funcionaria também nos finais de semana e feriados.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB de São Paulo Martim Sampaio considera o projeto um “atentado contra o Estado Democrático de Direito”. “É um projeto de lei absurdo que quer sobrepor os interesses de mercado à soberania popular. Uma lei para proteger a FIFA e não os cidadãos e que, além de tudo, abre precedentes para injustiças por suas definições vagas”, diz o advogado.

Para Thiago Hoshino, assessor jurídico da organização de direitos humanos Terra de Direitos e integrante do Comitê Popular da Copa de Curitiba, a questão é ainda mais complicada. Ele acredita que a junção de tantos assuntos em um mesmo projeto é uma tentativa de aprovar leis antigas que endurecem principalmente a legislação penal: “É um bloco perigoso que viola garantias básicas da Constituição. E há sempre o risco de estas leis transitórias se tornarem permanentes. A legislação da Copa é, na verdade, um grande laboratório de inovações jurídicas. Depois o que for proveitoso pode permanecer. É mais fácil tornar uma lei transitória permanente do que criar e aprovar uma nova” explica.

Terrorismo

O que chama a atenção logo de cara no projeto de lei é a tipificação de “terrorismo”, que até hoje não existe no nosso código penal. No PL, ele é definido como “o ato de provocar terror ou pânico generalizado mediante ofensa à integridade física ou privação da liberdade de pessoa, por motivo ideológico, religioso, político ou de preconceito racial, étnico ou xenófobo” com pena de no mínimo 15 e no máximo 30 anos de reclusão. Martim Sampaio diz que este é o artigo mais perigoso por não dar definições exatas sobre o termo: “Da maneira como está na lei, qualquer manifestação, passeata, protesto, ato individual ou coletivo pode ser entendido como terrorismo. Isso é um cheque em branco na mão da FIFA e do Estado”.

Documentos revelados pelo WikiLeaks revelaram a pressão americana para que o Brasil criasse uma lei para o “terrorismo”, principalmente para assegurar os megaeventos. No relatório de Lisa Kubiske, conselheira da Embaixada americana em Brasília, enviado para os EUA em 24 de dezembro de 2010, a diplomata mostra-se preocupada com as declarações de Vera Alvarez, chefe da Coordenação-Geral de Intercâmbio e Cooperação Esportiva do Itamaraty porque a brasileira “admite que terroristas podem atacar o Brasil por conta das Olimpíadas, uma declaração pouco comum de um governo que acredita que não haja terrorismo no País”.

Os banqueiros também pressionam o Estado a criar uma lei antiterrorismo há algum tempo. Também em 2010, a falta de uma legislação específica sobre terrorismo foi o principal foco em um congresso sobre lavagem de dinheiro e financiamento de grupos extremistas organizado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em São Paulo. A questão poderia custar ao Brasil a exclusão do Grupo de Ação Financeira Internacional (Gafi), órgão multinacional que atua na prevenção desses crimes.

Greves

O projeto de lei também mira reduzir o direito à greve, prevendo a ampliação dos serviços essenciais à população durante a Copa – como a manutenção de portos e aeroportos, serviços de hotelaria e vigilância – e restringe a legalidade da greve de trabalhadores destes setores, incluindo os que trabalham nas obras da Copa, de três meses antes dos eventos até o fim dos jogos. Se aprovado, os sindicatos que decidirem fazer uma paralisação terão de avisar com 15 dias de antecedência e manter ao menos 70% dos trabalhadores em atividade. O governo ainda estará autorizado a contratar trabalhadores substitutos para manter o atendimento, o que é proibido pela lei 7.283/1989 em vigor no país, que estabelece 72 horas de antecedência para o aviso de greve e não determina um percentual mínimo de empregados em atividade durante as paralisações.

Eli Alves, presidente da Comissão de Direito Trabalhista da OAB-SP, lembra que o direito à greve também é garantido na Constituição Federal e diz que a sensação que fica é a de que “o Brasil está sendo alugado para a FIFA, flexibilizando suas próprias regras para fazer a Copa no país”. Martim Sampaio lembra que as greves foram proibidas durante a ditadura militar: “A gente conquistou este direito com o fim da ditadura, muitas vidas foram perdidas neste processo. Não é possível que agora criemos uma ditadura transitória da FIFA”. E convoca: “O único jeito de não deixar esta lei ser aprovada é por pressão popular. A gente tem bons exemplos de que isso funciona como a da lei da ficha limpa. É preciso conquistar a democracia todos os dias”.

Foto de abertura gentilmente cedida por Daniel Kfouri

Violência no futebol: sobre a briga entre torcedores do Vasco e do Atlético Paranaense na Arena Joinville

10/12/13 04:00 Atualizado em 10/12/13 10:50 

Leone Mendes, o brutamonte da barra de ferro, era da banda da igreja e é dono de barbearia (Extra)

Wilson Mendes

Leone preso na Delegacia de Joinville Foto: Terceiro / Divulgação Polícia Civil de SC

Para os moradores de Austin, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, as cenas de selvageria protagonizadas pelo vascaíno Leone Mendes da Silva, de 23 anos, não combinam com o descontraído e pacato barbeiro do bairro, ex-saxofonista da banda da igreja evangélica local.

— Ele sempre torceu pelo Vasco, mas esse fanatismo aumentou com o tempo. Eu sempre falando: “Meu filho, larga isso de jogo, de torcida”. Mas nunca pensei que ele faria uma coisa dessas. Eu preciso que ele me explique o que aconteceu lá. Ele é um rapaz bom — avaliou, entre lágrimas, Cleuza Mendes da Silva, de 48 anos, mãe de Leone. Eles ainda não se falaram depois da prisão.

Solteiro e filho único, é o barbeiro quem sustenta a casa, construída no mesmo terreno utilizado por outros parentes. A braçadeira de capitão do lar foi transferida em definitivo há cerca de três anos, depois que ele terminou o Ensino Médio e Cleuza sofreu um derrame.

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado Foto: Giuliano Gomes / Folhapress

— Ele ajudou muito a mãe nessa época. Tantos remédios que comprou! — defende a tia, que não se identificou. Os vizinhos jogam no mesmo time da tia, numa tática de defesa calçada em rápidos elogios anônimos.

— Eu estou realmente surpresa. Ele foi aluno do meu marido, frequentou a minha casa e sempre foi uma ótima pessoa. Não sei o que aconteceu — diz a moradora da esquina.

O grupo de vizinhos da frente, incluindo um jovem devidamente uniformizado com a camisa da torcida organizada, garante que Leone nunca criou problemas nas partidas que acompanhou.

— Ele ia mais a jogos no Rio e São Paulo. Acho que longe assim esse foi o primeiro. Nunca ouvi dizer dele envolvido em briga. Nem machucado ele voltava — relatou um homem.

A mãe reclama de jogo sujo, e diz que fará de tudo para que as partidas com a Justiça seja disputadas em casa, no Rio de Janeiro.

— Eu não tenho dinheiro agora, mas se for preciso vendo até a casa. Eu quero que saibam que tenho ciência que o que ele fez foi errado. Não estou passando a mão na cabeça dele, mas ele tem 23 anos, emprego, carro e um salão. É trabalhador — desabafou Cleuza.

Cleusa, mãe de Leone, sofre com a prisão do filho

Cleusa, mãe de Leone, sofre com a prisão do filho Foto: Paulo Nicolella / Extra

De acordo com ela, os organizadores é que erraram ao deixar uma partida de futebol decisiva e com tantos torcedores acontecer sem apoio policial.

— Mostram ele, mas como pode milhares de pessoas juntas sem policiamento, sem segurança? O organizador desse jogo queria mesmo uma tragédia.

Enquanto o filho está detido na Penitenciária Regional de Joinville, aguardando os trâmites do processo que responde por tentativa de homicídio, a mãe reza.

— Eu oro que isso sirva para ele voltar para os pés do Senhor e para mim. Também peço que o jovem ferido fique bem, para dar paz à mãe dele, que está sofrendo tanto quanto eu. Porque houve má organização, mas nós que sofremos — arrematou.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/leone-mendes-brutamonte-da-barra-de-ferro-era-da-banda-da-igreja-e-dono-de-barbearia-11021154.html#ixzz2n6D55JxF

*   *   *

10/12/13 04:00 

Diretoria do Vasco pagou aluguel de ônibus e deu desconto de 75% nos ingressos para a torcida (Extra)

Torcedor da organizada do Vasco segura um rival pelo calção

Torcedor da organizada do Vasco segura um rival pelo calção Foto: Pedro Kirilos

Por Bruno Marinho

A campanha que culminou com a queda do Vasco para a Série B este ano entrará negativamente para a história, assim como os episódios de violência protagonizados por sua principal torcida organizada. Tudo com a conivência da diretoria. O clube financia torcedores uniformizados subsidiando 75% do valor dos ingressos e ajudando também no transporte para as partidas como visitante. Foram justamente em duas partidas longe do Rio que as brigas ocorreram.

Domingo, cerca de 100 torcedores da principal facção vascaína partiram do Rio para Joinville, em dois ônibus. O ingresso, que estava sendo vendido por R$ 100, custou R$ 25 para os membros da organizada. O gasto com o aluguel do ônibus também é dividido. Neste fim de semana, um foi bancado pelos torcedores, o outro pelo Vasco.

Antes do conflito em Santa Catarina, o clube já tinha sofrido com o confronto entre torcedores rivais na partida contra o Corinthians, dia 25 de agosto. Na ocasião, o time perdeu quatro mandos de campo. Punição semelhante deverá se repetir por causa da briga generalizada de domingo, com a pena a ser cumprida nas primeiras rodadas da Segunda Divisão.

Procurada, a diretoria da Força Jovem Vasco, cujos integrantes foram flagrados pelas câmeras de TV na briga na Arena Joinville, se defendeu, mas admitiu que houve excessos.

— As imagens mostram que estávamos nos defendendo, com os torcedores do Atlético na área destinada aos vascaínos. Mas eu entendo que houve excessos, sim — disse Jean Santana, diretor financeiro da organizada.

Já a diretoria do Vasco não foi encontrada para comentar o financiamento à torcida. Manoel Barbosa, vice de patrimônio e responsável pela venda de ingressos, não atendeu as ligações. A assessoria de imprensa do clube também foi procurada. Ela informou que o Vasco repudia qualquer tipo de violência e que o clube ajudará no que for possível para que os culpados sejam punidos.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/diretoria-do-vasco-pagou-aluguel-de-onibus-deu-desconto-de-75-nos-ingressos-para-torcida-11020955.html#ixzz2n6ExOYcX

*   *   *

10/12/13 05:00 

Primo de brigão da barra de ferro diz que advogado da Força Jovem alegará legítima defesa (Extra)

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado Foto: Giuliano Gomes / Folhapress

Wilson Mendes

A defesa de Leone Mendes da Silva, de 23 anos, o vascaíno flagrado agredindo um torcedor do Atlético com uma barra de ferro, deve alegar que a ação foi por legítima defesa. A informação foi dada por um primo de Leone, que está acompanhando o caso. Leone está preso sob a acusação de tentativa de homicídio e será defendido pelo advogado da organizada Força Jovem.

— A torcida entrou em contato conosco oferecendo o serviço. Nós já tínhamos procurado um advogado, mas ele cobrou R$ 4 mil somente para ir até Santa Catarina fazer contato e buscar informações. Vamos esperar a definição da torcida para não termos que gastar tanto — disse.

A família espera que a defesa consiga libertá-lo com a justificativa de legítima defesa. Para eles, Leone entrou na briga para se defender de agressões e, como os vascaínos eram minoria, “utilizaram o que tinham em mãos”.

Até a tarde de ontem, nenhum parente de Leone havia recebido qualquer contato do Vasco com oferta de ajuda. Sem muitos recursos, eles depositam as esperanças no defensor da torcida organizada.

— Eles me explicaram que o que está pesando muito é a imagem dele batendo em um homem já caído. Mas, no meio da confusão, as pessoas não pensam direito — opinou o primo.

Leone, que tem uma barbearia em Austin, na Baixada Fluminense, deixou a casa da mãe com destino ao Sul às 19h de sábado, num ônibus fretado pela Força Jovem. O último contato com a família foi feito uma hora antes do jogo.

— Precisamos ir até lá. Ele não ligou para casa, está sem roupas e sem os documentos, que ficaram aqui na casa — diz o primo, revelando que outros parentes de Leone estão recebendo ameaças pelo Facebook: — Dizem que se ele voltar vão espancá-lo e atear fogo no salão dele.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/primo-de-brigao-da-barra-de-ferro-diz-que-advogado-da-forca-jovem-alegara-legitima-defesa-11021252.html#ixzz2n6FNONV2

*   *   *

10/12/13 05:00 

Ministério Público do Rio pedirá suspensão da Força Jovem por três anos (Extra)

MP pedira a suspensão da torcida do clube carioca

MP pedira a suspensão da torcida do clube carioca Foto: Pedro_Kirilos

Paolla Serra

A Força Jovem está com os dias contados nos estádios. Horas depois da briga generalizada que deixou quatro torcedores internados após ficarem feridos durante a partida entre Atlético Paranaense e Vasco, na Arena Joinville, o Ministério Público promete uma medida drástica em relação a torcida organizada carioca. Nos próximos dias, o promotor de Justiça Paulo Sally irá pedir que a Força Jovem do Vasco (FJV) fique impedida de ir aos estádios por três anos.

De acordo com Sally, o MP do Rio e o de Santa Catarina estão fazendo uma ação conjunta para evitar que cenas como a de anteontem, consideradas por ele como “terríveis”, se repitam. O promotor informou que aguarda apenas as documentações referentes às prisões para dar entrada no pedido para afastar a Força Jovem dos jogos. Ele informou ainda que os promotores catarinenses também irão tomar medidas em relação a Fanáticos, uniformizada do Atlético-PR.

Paulo Sally, da 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital, afirmou ainda que as duas torcidas já eram alvos de investigações do órgão. A FJV deixou de cumprir obrigações, inclusive, como entregar os nomes de seus componentes do grupo antes do jogo.

O promotor tomará como base o artigo 39 do Estatuto do Torcedor, que prevê que a torcida organizada “que, em evento esportivo, promover tumulto; praticar ou incitar a violência; ou invadir local restrito aos competidores, árbitros, fiscais, dirigentes, organizadores ou jornalistas será impedida, assim como seus associados ou membros, de comparecer a eventos esportivos pelo prazo de até 3 (três) anos”.

— O relatório das prisões e outros documentos serão importantes e vão dar alicerce a punição que será dada a Força Jovem — disse Sally.

Contra a Justiça não há Força.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/ministerio-publico-do-rio-pedira-suspensao-da-forca-jovem-por-tres-anos-11021128.html#ixzz2n6FrGApL

Considering the Humanity of Nonhumans (New York Times)

Elephants, chimpanzees and some cetaceans have shown that they can recognize themselves in a mirror. James Hill for The New York Times

By 

Published: December 9, 2013

What is a person?

“Beings who recognize themselves as ‘I’s.’ Those are persons.” That was the view of Immanuel Kant, said Lori Gruen, a philosophy professor at Wesleyan University who thinks and writes often about nonhuman animals and the moral and philosophical issues involved in how we treat them.

She was responding to questions in an interview last week after advocates used a new legal strategy to have chimpanzees recognized as legal persons, with a right to liberty, albeit a liberty with considerable limits.

The Nonhuman Rights Project, an advocacy group led by Steven M. Wise, filed writs of habeas corpus in New York last week on behalf of four captive chimpanzees: Tommy, owned by a Gloversville couple; two at Stony Brook University; and one at the Primate Sanctuary in Niagara Falls. The lawsuits were dismissed, but Mr. Wise said he planned to appeal.

He believes that the historical use of habeas corpus lawsuits as a tool against human slavery offers a model for how to fight for legal rights for nonhumans.

His case relies heavily on science. Nine affidavits from scientists that were part of the court filings offer opinions of what research says about the lives, thinking ability and self-awareness of chimpanzees.

Mr. Wise argues that chimps are enough like humans that they should have some legal rights; not the right to vote or freedom of religion — he is not aiming for a full-blown planet of the apes — but a limited right to bodily liberty. The suits asked that the chimps be freed to go to sanctuaries where they would have more freedom.

Richard L. Cupp, a law professor at Pepperdine University in California who opposes granting rights to nonhuman animals, described the legal strategy as “far outside the mainstream.” He said in an email, “The courts would have to dramatically expand existing common law for the cases to succeed.”

Lori Marino of Emory University, who studies dolphins and other cetaceans and is the science director of the Nonhuman Rights Project, said it “is about more than these four chimpanzees.” Mr. Wise, she said, “sees this as the knob that can turn a lot of things. It’s potentially transformative.”

She said she was under no illusion that rights for animals would be easy to gain. “It may not happen in anyone’s lifetime,” she said.

The science of behavior is only part of the legal argument, though it is crucial to the central idea — that chimps are in some sense autonomous. Autonomy can mean different things, depending on whether you are talking about chimpanzees, drones or robot vacuum cleaners, and whether you are using the language of law, philosophy or artificial intelligence.

Dr. Gruen sees it as a term that is fraught with problems in philosophy, but Dr. Marino said that for the purposes of the legal effort, autonomy means “a very basic capacity to be aware of yourself, your circumstances and your future.”

Science can’t be decisive in such an argument, as Dr. Gruen points out, but what it can do is support or undermine this idea of autonomy. “If you form the right kinds of questions,” she said, “there are important answers that science can give about animal cognition and animal behavior.”

Dr. Marino said that science could “contribute evidence for the kinds of characteristics that a judge may find to be part of autonomy.”

Dr. Gruen, Dr. Marino and Mr. Wise made presentations at a conference, Personhood Beyond the Human, at Yale over the weekend. They spoke in interviews related to the court case during the week before the conference.

The kind of science that supports the idea of chimpanzees as autonomous could also support the idea that many other animals fit the bill. There are affidavits related to cognitive ability, tool use, social life and many other capabilities of chimpanzees, but there are questions about how pertinent each line of evidence is.

“Is that important for being a philosophical person — tool use itself?” Dr. Gruen asked.

The issues of self-awareness and of awareness of past and future strike to the heart of a common-sense view of what personhood might be. Chimps, elephants and some cetaceans have shown that they can recognize themselves in a mirror.

But the rights project is claiming more, saying that for chimps, as Dr. Marino put it, “you know it was you yesterday, you today, you tomorrow,” and “you have desires and goals for the future.”

There is plenty of evidence that chimpanzees and other animals act for the future. Some birds hide seeds to recover in leaner times, for example.

One affidavit is from Matthias Osvath, of Lund University in Sweden, who studies the thinking ability of animals, particularly great apes and some birds. He cites a number of studies of chimps that support the idea they have a sense of the future, including resisting an immediate reward to gain a tool that will get them a larger reward.

In one well-known piece of research by Dr. Osvath, he reported on Santino, a chimp at a zoo in Sweden who stockpiled and hid rocks he would later throw at human visitors. Dr. Osvath argued that Santino had the capacity to think of himself making future use of the rocks he saved.

Science cannot prove what went on in Santino’s mind. But Dr. Marino said the cumulative evidence could be used to ask a judge, “If you look at all the evidence in total, then what kind of being could produce all that evidence?”

Not all proponents of animal welfare are convinced that calling for rights for animals is the best way to go.

Dr. Gruen said that she had misgivings about the rights approach, philosophically and politically. “My own view is that it makes more sense to think about what we owe animals.” Progress on that front in 2013, particularly for chimpanzees, has surprised and delighted many activists. The National Institutes of Health is retiring most of its chimpanzees. And the United States Fish and Wildlife Service has proposed changes that would classify all chimps, even those in laboratories, as endangered, a move that would raise obstacles to experiments on privately owned chimps.

One point to remember is that personhood does not mean being human. Robert Sapolsky, a primatologist and neuroscientist at Stanford University who was not associated with the lawsuit, said, “I think the evidence certainly suggests that chimps are self-aware and autonomous.” That still leaves a vast gap between chimps and humans, he said. Chimps may look ahead in hiding food for later, or planning “how to ambush monkeys they are hunting.” Humans, he noted, could think about “the consequences of global warming for their grandchildren’s grandchildren, or of the sun eventually dying, or of them eventually dying.”

A version of this news analysis appears in print on December 10, 2013, on page D1 of the New York edition with the headline: The Humanity of Nonhumans.

One Percent of Population Responsible for 63% of Violent Crime, Swedish Study Reveals (Science Daily)

Dec. 6, 2013 — The majority of all violent crime in Sweden is committed by a small number of people. They are almost all male (92%) who early in life develops violent criminality, substance abuse problems, often diagnosed with personality disorders and commit large number non-violent crimes. These are the findings of researchers at Sahlgrenska Academy who have examined 2.5 million people in Swedish criminal and population registers.

In this study, the Gothenburg researchers matched all convictions for violent crime in Sweden between 1973 and 2004 with nation-wide population register for those born between 1958 to 1980 (2.5 million).

Of the 2.5 million individuals included in the study, 4 percent were convicted of at least one violent crime, 93,642 individuals in total. Of these convicted at least once, 26 percent were re-convicted three or more times, thus resulting in 1 percent of the population (23,342 individuals) accounting for 63 percent of all violent crime convictions during the study period.

“Our results show that 4 percent of those who have three or more violent crime convictions have psychotic disorders, such as schizophrenia and bipolar disorder. Psychotic disorders are twice as common among repeat offenders as in the general population, but despite this fact they constitute a very small proportion of the repeat offenders,” says Örjan Falk, researcher at Sahlgrenska Academy.

One finding the Gothenburg researchers present is that “acts of insanity” that receive a great deal of mass media coverage, committed by someone with a severe psychiatric disorder, are not responsible for the majority of violent crimes.

According to the researchers, the study’s results are important to crime prevention efforts.

“This helps us identify which individuals and groups in need of special attention and extra resources for intervention. A discussion on the efficacy of punishment (prison sentences) for this group is needed as well, and we would like to initiate a debate on what kind of criminological and medical action that could be meaningful to invest in,” says Örjan Falk.

Studies like this one are often used as arguments for more stringent sentences and US principles like “three strikes and you’re out.” What are your views on this?

“Just locking those who commit three or more violent crimes away for life is of course a compelling idea from a societal protective point of view, but could result in some undesirable consequences such as an escalation of serious violence in connection with police intervention and stronger motives for perpetrators of repeat violence to threaten and attack witnesses to avoid life sentences. It is also a fact that a large number of violent crimes are committed inside the penal system.”

“And from a moral standpoint it would mean that we give up on these, in many ways, broken individuals who most likely would be helped by intensive psychiatric treatments or other kind of interventions. There are also other plausible alternatives to prison for those who persistently relapse into violent crime, such as highly intensive monitoring, electronic monitoring and of course the continuing development of specially targeted treatment programs. This would initially entail a higher cost to society, but over a longer period of time would reduce the total number of violent crimes and thereby reduce a large part of the suffering and costs that result from violent crimes,” says Örjan Falk.

“I first and foremost advocate a greater focus on children and adolescents who exhibit signs of developing violent behavior and who are at the risk of later becoming repeat offenders of violent crime.”

Journal Reference:

  1. Örjan Falk, Märta Wallinius, Sebastian Lundström, Thomas Frisell, Henrik Anckarsäter, Nóra Kerekes. The 1 % of the population accountable for 63 % of all violent crime convictionsSocial Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 2013; DOI: 10.1007/s00127-013-0783-y

Ativistas exigem direitos legais para chimpanzés (O Globo)

JC e-mail 4868, de 04 de dezembro de 2013

Ano foi marcado por conquistas de símios em tribunais. Agência federal anunciou que pretende aposentar os macacos que pertencem ao governo

Chimpanzés não são pessoas, mas seriam parecidos o suficiente para merecerem alguns direitos humanos. Esta é a reivindicação de um grupo de proteção dos animais que entrou com um pedido de habeas corpus para assegurar os direitos de Tommy, um símio da cidade americana de Gloversville, no estado de Nova York. Seu caso será analisado pelo Tribunal do Condado de Fulton.

Tommy não é o primeiro chimpanzé defendido em tribunais. O Projeto dos Direitos de Animais não Humanos trabalha há anos em estratégias que assegurem um tratamento justo aos animais nos 50 estados americanos, cada qual com sua legislação. A partir delas, o programa quer esboçar o que seria uma lei comum, suficientemente forte para reconhecer aos animais direitos legais, que permitam até que sejam beneficiários de herança.

O líder do projeto, Steven Wise, lembra da história da luta contra a escravidão humana ao explicar sua cruzada pelo direito dos animais. Para ele, os macacos, como os humanos, não podem ser propriedade de ninguém.

A ação judicial em Gloversville é o novo marco de um ano já marcado por polêmicas protagonizadas por chimpanzés.

Uma agência federal já anunciou novas medidas para aposentar alguns símios que são propriedade do governo; outro órgão público propôs classificar todos os chimpanzés como animais ameaçados de extinção. Esta medida prejudicaria experimentos com estes animais, mesmo aqueles realizados em laboratórios particulares.

Ativistas exaltaram suas recentes conquistas, enquanto alguns cientistas condenaram as restrições ao uso dos símios, que exerceram um papel crucial em algumas pesquisas médicas, como no trabalho para o desenvolvimento de uma vacina para a hepatite C.

Até agora, as ações judiciais reivindicavam o bem-estar dos animais, não os seus direitos. Esta semana, no entanto, Wise anunciou sua intenção de que Tommy fosse reconhecido como uma pessoa jurídica, com direito à liberdade. O chimpanzé, segundo Wise, está “mantido em cativeiro dentro de uma jaula no galpão de um estacionamento”.

O documento enviado para o Tribunal de Fulton não pede para que o animal tenha liberdade para circular em Gloversville, tampouco seu envio à África, após uma vida em cativeiro. O condado analisará apenas a remoção do símio de seus donos e a transferência do chimpanzé para um santuário.

O O Projeto dos Direitos de Animais revelou sua intenção de mover ações semelhantes a favor de três outros chimpanzés de Nova York. Dois deles seriam de um centro de pesquisas universitário, usados em um estudo sobre locomoção. O outro pertence a uma ONG.

(O Globo com informações do New York Times)
http://oglobo.globo.com/ciencia/ativistas-exigem-direitos-legais-para-chimpanzes-10959633#ixzz2mVuPNlsF

Lawsuits Could Turn Chimpanzees Into Legal Persons (Science)

2 December 2013 1:00 pm

Property or person? A series of lawsuits could free U.S. chimpanzees from captivity.

© Martin Harvey/Corbis. Property or person? A series of lawsuits could free U.S. chimpanzees from captivity.

This morning, an animal rights group known as the Nonhuman Rights Project (NhRP) filed a lawsuit in a New York Supreme Court in an attempt to get a judge to declare that chimpanzees are legal persons and should be freed from captivity. The suit is the first of three to be filed in three New York counties this week. They target two research chimps at Stony Brook University and two chimps on private property, and are the opening salvo in a coordinated effort to grant “legal personhood” to a variety of animals across the United States.

If NhRP is successful in New York, it could be a significant step toward upending millennia of law defining animals as property and could set off a “chain reaction” that could bleed over to other jurisdictions, says Richard Cupp, a law professor at Pepperdine University in Malibu, California, and a proponent of focusing on animal welfare rather than animal rights. “But if they lose it could be a significant step backward for the movement. They’re playing with fire.”

The litigation has been in the works since 2007, when animal rights attorney Steven Wise founded NhRP, an association of about 60 lawyers, scientists, and policy experts. The group argues that cognitively advanced animals like chimpanzees and dolphins are so self-aware that keeping them in captivity—whether a zoo or research laboratory—is tantamount to slavery. “It’s a terrible torture we inflict on them, and it has to stop,” Wise says. “And all of human law says the way things stop is when courts and legislatures recognize that the being imprisoned is a legal person.”

NhRP spent 5 years researching the best legal strategy—and best jurisdiction—for its first cases. The upshot: a total of three lawsuits to be filed in three New York trial courts this week on behalf of four resident chimpanzees. One, named Tommy, lives in Gloversville in a “used trailer lot … isolated in a cage in a dark shed,” according to an NhRP press release. Another, Kiko, resides in a cage on private property in Niagara Falls, the group says. The final two, Hercules and Leo, are research chimps at Stony Brook University. Wise says that 11 scientists have filed affidavits in support of the group’s claims; most of them, including Jane Goodall, have worked with nonhuman primates.

In each case, NhRP is petitioning judges with a writ of habeas corpus, which allows a person being held captive to have a say in court. In a famous 1772 case, an English judge allowed such a writ for a black slave named James Somerset, tacitly acknowledging that he was a person—not a piece of property—and subsequently freed him. The case helped spark the eventual abolition of slavery in England and the United States. Wise is hoping for something similar for the captive chimps. If his group wins any of the current cases, it will ask that the animals be transferred to a chimpanzee sanctuary in Florida. Any loss, he says, will immediately be appealed.

Regardless of what happens, NhRP is already preparing litigation for other states, and not all of it involves chimpanzees. “Gorillas, orangutans, elephants, whales, dolphins—any animal that has these sorts of cognitive capabilities, we would be comfortable bringing suit on behalf of,” Wise says. Some would be research animals; others would be creatures that simply live in confined spaces, such as zoos and aquariums. “No matter how these first cases turn out, we’re going to move onto other cases, other states, other species of animals,” he says. “We’re going to file as many lawsuits as we can over the next 10 or 20 years.”

Frankie Trull, the president of the National Association for Biomedical Research in Washington, D.C., says her organization will fight any attempts at personhood in the courts. Chimpanzees, she notes, are important models for behavioral research, as well as for developing vaccines against viruses like hepatitis C. “Assigning rights to animals akin to what humans have would be chaotic for the research community.”

Anatomist Susan Larson, who studies the Stony Brook chimpanzees to shed light on the origin of bipedalism in humans, says she is “very shocked and upset” by the lawsuit. She says the chimps live in an indoor enclosure comprised of three rooms—“about the size of an average bedroom”—plus another room where they can climb, hang, and jump from ladders and tree trunks. “Everything I do with these animals I’ve done on myself,” she says. “I understand that animal rights activists don’t want these animals mistreated, but they’re hampering our ability to study them before they become extinct.”

The more immediate threat to Larson’s research isn’t NhRP, however—it is the National Institutes of Health (NIH). In June, NIH announced plans to retire all but 50 of its 360 research chimpanzees and phase out much of the chimp research it supports. The U.S. Fish and Wildlife Service, meanwhile, has recommended that captive chimps be listed as endangered, which would limit any research that isn’t in their best interest. “Soon, the type of work I do will no longer be possible,” Larson says. “They have effectively ended my research program.”

Stephen Ross, the director of the Lester E. Fisher Center for the Study and Conservation of Apes at the Lincoln Park Zoo in Chicago, Illinois, wonders if there’s a compromise. Ross, who has studied chimpanzees for more than 20 years and played a role in crafting NIH’s new policy, advocates ending private ownership of chimps and invasive research. All other chimpanzees, he says, whether located at zoos or universities, should live in large enclosures, with access to the outside, and in group sizes of at least seven individuals. “You don’t need personhood to do that,” he says. “I think we share a common philosophy,” he says of NhRP. “We want to make things better for chimps. We just disagree on how to get there.”

 

A more detailed version of this story will appear in the 6 December issue of Science.

*Clarification, 2 December, 4 p.m.: This item has been updated to reflect Richard Cupp’s position on animal rights.

Chilean Judge Upholds Manslaughter Charges Linked to ’10 Tsunami (N.Y.Times)

By PASCALE BONNEFOY

Published: May 16, 2013

SANTIAGO, Chile — A judge dismissed an appeal to suspend involuntary manslaughter charges against four government officials accused of failing to issue a tsunami alert after the 8.8-magnitude earthquake that struck Chile in 2010.

“This court believes that not enough was done to avoid the catastrophic results” of the quake, Judge Ponciano Sallés said in his ruling. “Any reasonable analysis would conclude that the risk was greater by not evacuating the population than by doing so,” he said, adding that “information was concealed.”

The investigation into the deaths of 156 people and the disappearance of 25 more during the tsunami seeks to establish responsibility for the confusing and contradictory chain of decisions made by government officials and emergency agencies shortly after the earthquake. The actions resulted in mistaken public assurances that there was no risk of tsunami, despite reports that one had already devastated the Juan Fernández Archipelago in the Pacific, west of the Chilean coast.

The former director of the National Emergency Agency, Carmen Fernández, is accused of providing false information and not issuing a tsunami alert. The former under secretary of the interior, Patricio Rosende, has been charged with “imprudent conduct” in neglecting to warn the population. Both argued that it was up to the navy’s oceanographic service to issue the alert.

According to survivors, many families returned to their homes on the coast after hearing the president at the time, Michelle Bachelet, say on the radio that there was no danger of a tsunami. Raúl Meza, a lawyer for one victim’s family, has formally requested that prosecutors interrogate the former president as a suspect. Ms. Bachelet, who is campaigning for the presidential elections in November, has testified twice, but as a witness.

Three other officials have also been charged but did not appeal. The accusations, filed last year against the seven, include operating with inexperienced personnel, lacking knowledge on the use of technology, leaving shifts vacant at regional emergency agencies and ignoring field reports.

“If the accused had been fulfilling their duties, lives would have been saved,” said the lead prosecutor, Solange Huerta, after the ruling.

A version of this article appeared in print on May 17, 2013, on page A10 of the New York edition with the headline: Chilean Judge Rejects Appeal Of Charges In ’10 Tsunami.

Oded Grajew: O que é (e o que não é) sustentabilidade (Folha de S.Paulo)

07/05/2013 – 03h30

Por Oded Grajew

Embora em voga, o conceito de sustentabilidade ainda é pouco compreendido tanto por quem fala sobre ele quanto por quem o ouve.

Nos últimos anos, intensificou-se a discussão a respeito do aquecimento global e do esgotamento dos recursos naturais. São preocupações legítimas e inquestionáveis, mas que geraram distorção no significado de sustentabilidade, restringindo-o às questões ambientais.

Não é só isso. A sustentabilidade está diretamente associada aos processos que podem se manter e melhorar ao longo do tempo. A insustentabilidade comanda processos que se esgotam. E isso depende não apenas das questões ambientais. São igualmente fundamentais os aspectos sociais, econômicos, políticos e culturais.

A sustentabilidade e a insustentabilidade se tornam claras quando traduzidas em situações práticas.

Esgotar recursos naturais não é sustentável. Reciclar e evitar desperdícios é sustentável.

Corrupção é insustentável. Ética é sustentável. Violência é insustentável. Paz é sustentável.

Desigualdade é insustentável. Justiça social é sustentável. Baixos indicadores educacionais são insustentáveis. Educação de qualidade para todos é sustentável.

Ditadura e autoritarismo são insustentáveis. Democracia é sustentável. Trabalho escravo e desemprego são insustentáveis. Trabalho decente para todos é sustentável.

Poluição é insustentável. Ar e águas limpos são sustentáveis. Encher as cidades de carros é insustentável. Transporte coletivo e de bicicletas é sustentável.

Solidariedade é sustentável. Individualismo é insustentável.

Cidade comandada pela especulação imobiliária é insustentável. Cidade planejada para que cada habitante tenha moradia digna, trabalho, serviços e equipamentos públicos por perto é sustentável.

Sociedade que maltrata crianças, idosos e deficientes não é sustentável. Sociedade que cuida de todos é sustentável.

Dados científicos mostram que o atual modelo de desenvolvimento é insustentável e ameaça a sobrevivência inclusive da espécie humana.

Provas não faltam. Destruímos quase a metade das grandes florestas do planeta, que são os pulmões do mundo. Liberamos imensa quantidade de dióxido de carbono e outros gases causadores de efeito estufa, num ciclo de aquecimento global e instabilidades climáticas.

Temos solapado a fertilidade do solo e sua capacidade de sustentar a vida: 65% da terra cultivada foram perdidos e 15% estão em processo de desertificação.

Cerca de 50 mil espécies de plantas e animais desaparecem todos os anos e, em sua maior parte, em decorrência de atividades humanas.

Produzimos uma sociedade planetária escandalosa e crescentemente desigual: 1.195 bilionários valem, juntos, US$ 4,4 trilhões –ou seja, quase o dobro da renda anual dos 50% mais pobres. O 1% de mais ricos da humanidade recebe o mesmo que os 57% mais pobres.

Os gastos militares anuais passam de US$ 1,5 trilhão, o equivalente a 66% da renda anual dos 50% mais pobres.

Esse cenário pouco animador mostra a necessidade de um modelo de desenvolvimento sustentável. Cabe a nós torná-lo possível.

ODED GRAJEW, 68, empresário, é coordenador da secretaria executiva da Rede Nossa São Paulo e presidente emérito do Instituto Ethos. É idealizador do Fórum Social Mundial