Arquivo mensal: dezembro 2013

Unease among Brazil’s farmers as Congress votes on GM terminator seeds (The Guardian)

Environmentalists warn approval could shatter global agreement not to use technology, with devastating repercussions

 in Rio de Janeiro and 
theguardian.com, Thursday 12 December 2013 16.34 GMT

Brazil national congress

Brazil’s national Congress is under pressure from landowning groups to green light GM ‘terminator’ seeds. Photograph: Ruy Barbosa Pinto/Getty Images/Flickr RF

Brazil is set to break a global moratorium on genetically-modified “terminator” seeds, which are said to threaten the livelihoods of millions of small farmers around the world.

The sterile or “suicide” seeds are produced by means of genetic use restriction technology, which makes crops die off after one harvest without producing offspring. As a result, farmers have to buy new seeds for each planting, which reduces their self-sufficiency and makes them dependent on major seed and chemical companies.

Environmentalists fear that any such move by Brazil – one of the biggest agricultural producers on the planet – could produce a domino effect that would result in the worldwide adoption of the controversial technology.

Major seed and chemical companies, which together own more than 60% of the global seed market, all have patents on terminator seed technologies. However, in the 1990s they agreed not to employ the technique after a global outcry by small farmers, indigenous groups and civil society groups.

In 2000, 193 countries signed up to the UN Convention on Biological Diversity, which recommended a de facto moratorium on this technology.

The moratorium is under growing pressure in Brazil, where powerful landowning groups have been pushing Congress to allow the technology to be used for the controlled propogation of certain plants used for medicines and eucalyptus trees, which provide pulp for paper mills.

The landowning groups want to plant large areas with fast growing GMtrees and other non-food GM crops that could theoretically spread seeds over wide areas. The technology, they argue, would be a safeguard, ensuring that no second generation pollution of GM traits takes place. They insist that terminator seeds would only be used for non-food crops.

Their efforts to force a bill to this effect through Congress, ongoing since 2007, have been slowed due to resistance from environmentalists.

The proposed measure has been approved by the legislature’s agricultural commission, rejected by the environmental commission, and now sits in the justice and citizenship commission. It is likely to go to a full Congressional vote, where it could be passed as early as next Tuesday, or soon after the Christmas recess.

Environment groups say there would be global consequences. “Brazil is the frontline. If the agro-industry breaks the moratorium here, they’ll break it everywhere,” said Maria José Guazzelli, of Centro Ecológico, which represents a coalition of Brazilian NGOs.

This week they presented a protest letter signed by 34,000 people to thwart the latest effort to move the proposed legislation forward. “If this bill goes through, it would be a disaster. Farmers would no longer be able to produce their own seeds. That’s the ultimate aim of the agro-industry,” she said.

The international technology watchdog ETC, which was among the earliest proponents of a ban on terminator technology in the 1990s, fears this is part of a strategy to crack the international consensus.

“If the bill is passed, [we expect] the Brazilian government to take a series of steps that will orchestrate the collapse of the 193-country consensus moratorium when the UN Convention on Biological Diversity meets for its biennial conference in Korea in October 2014,” said executive director Pat Mooney.

But Eduardo Sciarra, Social Democratic party leader in the Brazilian Congress, said the proposed measure did not threaten farmers because it was intended only to set controlled guidelines for the research and development of “bioreactor” plants for medicine.

“Gene use restriction technology has its benefits. This bill allows the use of this technology only where it is good for humanity,” he said.

The technology was developed by the US Department of Agriculture and the world’s largest seed and agrochemical firms. Syngenta, Bayer, BASF, Dow, Monsanto and DuPont together control more than 60% of the global commercial seed market and 76% of the agrochemical market. All are believed to hold patents on the technology, but none are thought to have developed the seeds for commercial use.

Massive protests in the 1990s by Indian, Latin American and south-east Asian peasant farmers, indigenous groups and their supporters put the companies on the back foot, and they were reluctantly forced to shelve the technology after the UN called for a de-facto moratorium in 2000.

Now, while denying that they intend to use terminator seeds, the companies argue that the urgent need to combat climate change makes it imperative to use the technology. In addition, they say that the technology could protect conventional and organic farmers by stopping GM plants spreading their genes to wild relatives – an increasing problem in the US, Argentina and other countries where GM crops are grown on a large scale.

A Monsanto spokesman in Brazil said the company was unaware of the developments and stood by a commitment made in 1999 not to pursue terminator technology. “I’m not aware of so-called terminator seeds having been developed by any organisation, and Monsanto stands firmly by our commitment and has no plans or research relating to this,” said Tom Helscher.

On its website, however, the company’s commitment only appears to relate to “food crops”, which does not encompass the tree and medicinal products under consideration in Brazil.

• Additional research by Anna Kaiser

Background to a controversy

Ever since GM companies were found to be patenting “gene-use restriction” or “terminator” technologies in the 1990s, they have been accused of threatening biodiversity and seeking to make farmers dependent on big industry for their livelihoods.

In many developing countries, where up to 80% of farmers each year choose their best plants and save their own seed, terminator technology is a byword for all genetic modification, raising fears that sterile GM strains could contaminate wild plants and regular crops – with devastating consequences.

The GM companies, which claimed in the 1990s that they wanted to introduce the seeds only to stop farmers stealing their products, were forced to shelve the technology in the face of massive protests in India, Latin Amercia and south-east Asia.

In the face of growing international alarm, the 193 countries signed up to the UN Convention on Biological Diversity unanimously agreed in 2000 that there should be a de facto international moratorium. This was strengthened at the Conference of the Parties in 2006, under the presidency of Brazil.

Since then, the moratorium has held firm. But the GM companies have shifted their arguments, saying that gene-use restriction technologies now allow seeds to reproduce, but could “switch off” the GM traits. This, they argue, would reduce the possibility of the seeds spreading sterility. In addition, they say the technology could protect organic and conventional farmers from the spread of transgenes to wild relatives and weeds, which plagues GM farmers in the US and elsewhere.

The fear now is that the global moratorium could quickly unravel if Brazil, one of the most important agricultural countries in the world, overturns its national law to ban terminator technology. Other countries, pressed strongly by the powerful GM lobby, would probably follow, leading inevitably to more protests.

Ruralistas saem pela “Porta dos Fundos” (Greenpeace)

16/12/2013 – 12h05

por Nathália Clark, do Greenpeace

Os parlamentares da bancada ruralista sempre fazem tudo às avessas ou na calada da noite. Por esse motivo, suas artimanhas foram expostas na última quinta-feira (12) como eles merecem: pela porta dos fundos. O Porta dos Fundos, canal alternativo que tem feito grande sucesso na internet com vídeos humorísticos, produziu uma “homenagem” à bancada ruralista. O vídeo “Xingó Kayapu”, lançado na semana anterior, traz uma sátira às dezenas de propostas legislativas que tramitam no Congresso Nacional, incluindo a PEC 215, e à tentativa da parcela mais atrasada do agronegócio brasileiro de limar os direitos dos povos tradicionais a suas terras.

Veja abaixo o vídeo original do Porta dos Fundos:

 

No Congresso, comissão da PEC anti-indígena é instalada

Em “comemoração” ao Dia Internacional de Direitos Humanos, 10 de dezembro, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), instalou a tão falada comissão especial para discutir a PEC 215. Num plenário lotado de representantes indígenas, os parlamentares ruralistas não se intimidaram com os gritos de “assassinos” enquanto discutiam os nomes para o grupo que debaterá a Proposta de Emenda à Constituição. O projeto visa transferir do Executivo para o Legislativo a competência pela demarcação de Terras Indígenas e áreas quilombolas.

Na última quarta-feira (11), dia seguinte à instalação da comissão, os parlamentares se reuniram novamente para definir a mesa diretora. Foram eleitos como presidente e relator, respectivamente, os deputados Afonso Florence (PT-BA) e Osmar Serraglio (PMDB-PR). Luis Carlos Heinze (PP-RS), outro expoente da bancada ruralista, ficou como segundo vice-presidente.

“A PEC 215, proposta pelos ruralistas, pode agravar ainda mais casos de violência contra indígenas no campo, como aconteceu recentemente no caso da TI Alto Turiaçu. A proposta enfraquece direitos conquistados pelos povos indígenas e acirra a disputa por terra. É uma triste ironia que uma decisão como essa de instalar a PEC tenha sido tomada justamente no dia em que se comemoram os direitos humanos”, afirma Romulo Batista, da Campanha Amazônia do Greenpeace.

Mesmo depois de o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmar que a PEC é inconstitucional, o Planalto não acionou sua base parlamentar para barrar a ação do presidente da Câmara e dos ruralistas. Durante a Mobilização Nacional Indígena, que ocorreu na primeira semana de outubro, a presidenta Dilma Rousseff chegou a divulgar que orientaria sua base parlamentar a votar contra a PEC 215.

Protesto Munduruku

Também no Dia Internacional dos Direitos Humanos cerca de 50 índios Munduruku ocuparam a sede da Advocacia-Geral da União (AGU) para pedir uma série de demandas como a revogação da Portaria 303, que prevê intervenções militares e empreendimentos hidrelétricos, minerais e viários em terras indígenas sem consulta prévia aos povos, a demarcação da Terra Indígena Munduruku no Médio Tapajós e que se mantenha a decisão da 1ª Vara da Justiça Federal de Mato Grosso, que suspendeu o leilão para a Usina Hidrelétrica de São Manoel, no Rio Teles Pires.

* Publicado originalmente no site Greenpeace.

Países pobres estão 100 anos atrás dos ricos em preparação climática (CarbonoBrasil)

16/12/2013 – 11h52

por Jéssica Lipinski, do CarbonoBrasil

mapa1 Países pobres estão 100 anos atrás dos ricos em preparação climática

Novos dados do Índice de Adaptação Global da Universidade de Notre Dame enfatizam disparidades entre países pobres e o risco em relação à resiliência climática; Brasil aparece em 68º lugar, com classificação considerada média-alta

Um novo relatório publicado por pesquisadores da Universidade de Notre Dame afirma que levará mais de um século para que os países em desenvolvimento atinjam o nível de preparação climática que as nações desenvolvidas já possuem.

Índice de Adaptação Global da Universidade de Notre Dame (ND-GAIN), lançado nesta quinta-feira (12) avaliou 175 países e se foca em questões como a vulnerabilidade das nações às mudanças climáticas, ao aquecimento global e a eventos climáticos extremos, como secas severas, tempestades devastadoras e desastres naturais.

Alguns exemplos de países nessa trajetória de 100 anos incluem o Camboja, o Quênia e o Haiti. “Devido ao recente tufão nas Filipinas, algumas pessoas podem estar se perguntando onde essa nação insular fraqueja em termos de prontidão”, comentou Nitesh Chawla, diretor do Centro Interdisciplinar para Ciência de Rede e Aplicações.

“De acordo com os dados, as Filipinas estão mais de 40 anos atrás dos países mais desenvolvidos em preparação climática. Embora isso seja menor do que os países mais pobres, mostra que as Filipinas ainda tem um longo caminho pela frente”, continuou Chawla.

Já alguns dos países emergentes mais industrializados, como o Brasil, apresentaram uma classificação considerada média-alta, apresentando um nível relativamente satisfatório de resiliência. Nosso país ficou em 68º lugar no geral, sendo classificado em 56º em vulnerabilidade e em 79º em preparação.

“Sabíamos que havia disparidades entre os países mais ricos e mais pobres quando se tratava de adaptação e preparação às mudanças climáticas”, colocou Jessica Hellmann, bióloga da Universidade de Notre Dame.

“Mas não sabíamos que levaria mais de 100 anos para que os países mais pobres atingissem os níveis de preparação que os países mais ricos já alcançaram”, acrescentou ela.

Mas os especialistas que trabalharam no relatório declararam que, de acordo com as pesquisas, nem mesmo os países desenvolvidos são exatamente à prova de mudanças climáticas e do aquecimento global.

Pelo contrário, o documento sugere que, embora eles estejam exercendo esforços para aumentar sua resiliência aos fenômenos naturais e eventos climáticos extremos que acontecem em seus territórios, ainda há espaço para melhorias.

“Esses dados são preocupantes, porque eles evidenciam o quão despreparadas algumas das nações mais vulneráveis realmente estão. Mas eles também mostram que os países mais desenvolvidos não estão fazendo o suficiente, o que levanta sérias questões sobre políticas públicas, não importa quão bem desenvolvida uma economia nacional possa ser”, observou Hellmann.

Os pesquisadores esperam que as descobertas ajudem os líderes mundiais a estabeleceram prioridades globais, regionais e nacionais, assim como estimulem a preparação para as mudanças climáticas.

* Publicado originalmente no site CarbonoBrasil.

Plano Clima: Versão final deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2014 (Ministério do Meio Ambiente)

13/12/2013 – 12h16

por Tinna Oliveira, do MMA

klink Plano Clima: Versão final deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2014

Klink: propostas da sociedade foram incorporadas. Foto: Martim Garcia/MMA

Reunião presencial marca fim da consulta pública do Plano Clima

A sociedade civil contribuiu, por meio de consulta pública, para a atualização do Plano Nacional sobre Mudança do Clima (Plano Clima), o principal instrumento para a implantação da Política Nacional sobre Mudança do Clima. A consulta pública eletrônica ficou aberta de 25 de setembro a 8 de novembro. Nessa quinta-feira (12) aconteceu a última reunião presencial. Durante o período, qualquer cidadão brasileiro pode oferecer suas contribuições, por meio do formulário disponível na internet. Do total de 27 formulários enviados, foram totalizadas 111 contribuições da consulta pública eletrônica. A versão final do plano revisado deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2014.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) é o coordenador do Grupo Executivo (GEx) do Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima (CIM). Apresentado em 2008 pelo governo federal, o Plano Clima visa incentivar o desenvolvimento e o aprimoramento das ações de mitigação no Brasil, colaborando com o esforço mundial de redução das emissões de gases de efeito estufa, bem como objetiva a criação das condições internas para lidar com os impactos da mudança global do clima (adaptação).

Avaliação

O secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do MMA, Carlos Klink, destacou que a consulta pública permitiu incorporar os avanços que aconteceram no Brasil na questão de mudanças do clima e a suas articulações com a negociação internacional. “Isso mostra o tamanho da ambição que o tema mudanças do clima tem dentro do país, pois não é só uma questão internacional, mas também a sociedade brasileira está muito engajada”, enfatizou.

Klink lembra que existem nove planos para mitigação e já está sendo construído o Plano Nacional de Adaptação, previsto para ser concluído até 2015. O tema de mudanças do clima está em destaque no País. “Estamos nos tornando um exemplo internacionalmente e, aqui no Brasil, está criando raízes muito fortes em todos os setores da sociedade”, explicou. Para o secretário, a governança permite um diálogo para construção e elaboração de todos esses planos, com envolvimento de todos os setores dentro e fora do governo. “O documento reflete esse avanço e mostra de maneira sintética esse tremendo trabalho de coordenação”, salientou.

Etapas

A atualização do Plano Clima passou por várias etapas. Desde janeiro, foram realizadas 17 reuniões do Grupo Executivo e sete reuniões do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC). “O fórum é o canal entre a sociedade e o governo para essa questão clima, por isso a gente sempre estimulou que a sociedade usasse o Fórum nas discussões”, explicou o diretor de Climáticas do MMA, Adriano Santhiago.

Segundo ele, vários setores trouxeram contribuições que foram incorporadas no texto apresentado durante a consulta eletrônica. A contribuição da população foi encerrada nesta reunião presencial, na qual participaram representantes do governo, da academia, do setor produtivo e da sociedade civil. O próximo passo é uma discussão governamental para fechar o documento final.

Em 2009, o Congresso Nacional aprovou a Política Nacional sobre Mudança do Clima, com o ineditismo da adoção de vários compromissos nacionais voluntários de redução de emissões. Além disso, foi criado o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima e lançados diversos planos setoriais. Outros pontos que merecem destaque são a redução substancial do desmatamento no país, a mudança do perfil das emissões nacionais de gases de efeito estufa e a transformação substantiva da forma como diversos setores, governamentais ou não, se engajaram no esforço para enfrentar a mudança do clima..

* Publicado originalmente no site Ministério do Meio Ambiente.

Fifa proíbe o São João em Salvador (Tribuna da Bahia)

Por Alessandra Nascimento

Publicada em 25/04/2013 01:23:24

Foto: Mateus Pereira/Secom

A partir do mês de junho, quando acontecem os jogos da Copa das Confederações e Salvador abrigará algumas partidas, estão proibidas a realização de festas na cidade. A situação chegou ao conhecimento da Tribuna da Bahia por intermédio de dois moradores – um planejava realizar uma festa junina no bairro do Barbalho e o segundo em Periperi – as festas tiveram as licenças negadas pela Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo, Sucom, por conta de uma ordem da Fifa.

A TB entrou em contato com a assessoria do órgão municipal que confirmou a suspensão de eventos na cidade no mês de junho. “A Prefeitura de Salvador irá publicar um decreto dando maiores detalhes, mas a orientação é não liberar eventos na cidade em junho”, alega.

A Tribuna entrou em contato com a Assessoria Geral de Comunicação, Agecom, e teve como informação que isso faz parte de um acordo firmado entre a Fifa, o governo federal e as cidades sedes dos jogos. “O governo brasileiro assinou o acordo com a entidade e tem que aceitar as regras. Foi assim nos Estados Unidos e na África do Sul. Nos circuitos oficiais como Avenida Paralela, Avenida Bonocô, Orla, Dique do Tororó, Vitória, Ribeira, dentre outros pontos da cidade terão que exibir toda a comunicação visual com os patrocinadores da Copa. A Sucom deverá apreender quem estiver desrespeitando as regras”, alerta a assessoria.

Celeuma – Não é a primeira vez que ocorre episódios emblemáticos envolvendo a Fifa. A entidade havia proibido a comercialização de acarajés no entorno do estádio. A regra da Fifa recomendava o afastamento desse tipo de comércio num perímetro de até dois quilômetros das praças de jogos.

A atitude foi tomada porque o acarajé não deveria ser concorrente aos hambúrgueres produzidos pela rede McDonald’s, patrocinadora oficial da Fifa. Aparentemente a entidade teria voltado atrás e liberado a comercialização do bolinho, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Iphan, como patrimônio imaterial.

Escritório da Copa se manifesta

A Tribuna da Bahia entrou em contato com o Escritório da Copa, Ecopa, que disse desconhecer a informação de restrição a eventos na cidade durante o mês de junho. “Cada evento é analisado individualmente pelos órgãos competentes e a sua aprovação leva em conta todas as condições necessárias, de acordo com a regulamentação vigente. Não há nenhum impedimento em relação à realização de eventos na cidade. Pelo contrario, tanto a Prefeitura, quanto o Governo de Estado estão elaborando uma ampla programação de eventos que oportunamente será divulgada, para que todo o cidadão soteropolitano possa ter lazer, cultura e entretenimento durante a realização dos jogos em nossa cidade”, informou a nota da assessoria da Ecopa.

Questionada se a Fifa teria “alugado” a cidade, a Ecopa se manifestou. “Salvador, bem como todas as cidades-sede, tem recebido investimentos em diversas áreas (infraestrutura, requalificação de espaços urbanos, mobilidade, segurança, capacitação de mão de obra, saúde, equipamentos públicos, cultura, turismo), o que tem dinamizado a sua economia, através da geração de emprego e renda para os mais variados setores, trazendo benefícios para toda a população. Tudo isso vem gerando oportunidades que impulsionam o desenvolvimento da cidade e elas estão acontecendo justamente por conta da realização dos jogos. Uma vez bem sucedidos, Salvador poderá se posicionar cada vez mais como uma cidade apta a receber novos eventos em inúmeras áreas”, sinaliza e acrescenta: “Salvador está cumprindo rigorosamente o que determina a Lei Geral da Copa (Lei Federal nº. 12.663/12), no sentido de garantir a realização de todas as atividades previstas com pleno êxito. Assim, estamos trabalhando intensamente para que a capital baiana se torne uma cidade cada vez melhor e seja ainda mais desfrutada por todos os soteropolitanos”.

Veja mais
— A posição oficial da Fifa e as restrições que faz

World Cup: Rio favelas being ‘socially cleansed’ in runup to sporting events (The Guardian)

Slum dwellers say thousands forced out of their homes to make way for building projects for tournament and 2016 Olympics

 and  in Rio de Janeiro

The Guardian, Thursday 5 December 2013 17.58 GMT

Boys play football in the Borel favela

Boys playing football in the Borel favela in Rio de Janeira, which will host seven World Cup games followed by the Olympics in 2016. Photograph: Buda Mendes/Getty

The World Cup and the Olympics are being used as a pretext for “social cleansing” as tens of thousands of Rio slum dwellers are driven out to the city periphery, favela residents say.

While millions of eyes turn to north-eastern Brazil for the World Cup draw on Friday, poor communities in Rio de Janeiro are still struggling to be heard as they fight against evictions they say are related to the city’s mega sporting events.

Next year, Rio will host seven games, including the final, followed in 2016 by the Olympics. The city’s mayor, Eduardo Paes, describes this as an opportunity for the city to modernise and create a legacy for future generations. But many of those on the frontline of change feel they are the victims of social cleansing.

At least 19,000 families have been moved to make way for roads, renovated stadiums, an athletes’ village, an ambitious redevelopment of the port area and other projects that have been launched or accelerated to prepare the city for the world’s two biggest sporting events.

“The authorities wouldn’t even enter our community in the past and there was no mention of moving us, but then Brazil won the right to host the World Cup and everything changed,” Maria do Socorro told a hearing in the city council building this week. Socorro’s home of 40 years in the Indiana favela has been marked for demolition.

Countless communities are affected. Among the best known are Vila Autódromo, which will be the site of the main Olympic stadium and athletes’ village; Providência, which is close to the port redevelopment and Indiana, which is about 10 minutes’ drive from the newly refurbished Maracanã stadium.

As was the case in Beijing, London and South Africa before their mega events, the government says such programmes are necessary to modernise the city. Numerous relocations have been carried out in the past as Rio has evolved, but politicians and campaigners say the forthcoming sporting events are driving the process forward at an unprecedented rate, and often in violation of the law. “The government is obliged to publicise preliminary studies, listen to the views of affected communities and offer alternative housing close to their old homes, but the Rio municipality has not complied with any of these laws,” said Renato Cinco, a council member for the leftwing PSOL party.

“People are being moved more than 40km [25 miles] from their homes with very little prior notice and no compensation.”

Civil society groups say the relocations are motivated by surging land values. As new infrastructure is put in place for the World Cup and Olympics, property prices rise in the surrounding areas.

Maracanã stadium

The revamped Maracanã stadium, which is 10 minutes’ drive from the Indiana favela. Photograph: Owen Humphreys/PA

“There is a process of gentrification taking place in the whole city that is connected to the sports events and how the government sees the city: it is no longer a place for residents, but as a business to sell to foreign investors. That’s what the World Cup is about,” said Renata Neder of Amnesty.

“There have been waves of evictions in the past, but this latest one that began after Rio was chosen to host the mega events may be the biggest one yet in terms of numbers.

“The authorities insist that due process has been followed and no residents have been forcibly relocated. The Rio 2016 chief operating officer, Leo Gryner, said the high-profile case of Vila Autódromo showed how far the government was willing to go to accommodate residents.

“In Vila Autódromo the mayor said he would move people to a new place and build nice housing projects for people to move to a new area. People started protesting, saying you couldn’t evict people because of the Olympics. So after some time, the city admitted they should not have forced them to go. They talked to each one of the people living in that area, roughly half said they wanted to move and the other half wanted to stay,” he said.

“Then when they started to see the project going up they realised it was very nice and so they came here to demonstrate and demand to be moved to the new housing! The city talked to everyone.” This is refuted by residents.

That is disputed by residents. And in less prominent cases, residents complain of being harassed by officials and engineers who tell them their homes are not safe. In some cases, this is true. Thousands have died over the years in the floods and landslides that affect many river and hillside favelas during the annual rainy season.

But a visit to the Indiana favela, which sits next to the river Maracanã, suggested the genuine threat to a handful of homes may be being used to justify the clearance of swaths of the community.

Several houses, including two wooden shacks, sat below the flood line and looked too poorly built to withstand a deluge. But the majority of homes marked for demolition – including several that had already been destroyed – were on seemingly firm concrete foundations several metres above the flood line.

“It is true that there are risks from the river, but only in certain places. The problem is that the government is arbitrarily trying to move everyone, even those who are not at risk,” said Ines Ferreira de Abril, a local health worker.”

Many people have already moved out under the relentless pressure from the government. They are going house by house and ultimately, they want to get rid of all of us because this land is very valuable now. They want us out of the way before the big events.”

• This article was amended on 6 December 2013 to clarify that Leo Gryner’s comments about Vila Autódromo are disputed by residents. This article was further amended on 11 December 2013 to correct Renato Cinco’s name, from Renata Silva as the original said.

Brazil hooligan clubs face record fines (Sydney Morning Herald)

December 11, 2013 – 11:24AM

Vasco da Gama soccer fans beat up an Atletico Paranaense fan. Photo: Reuters

RIO DE JANEIRO: Brazilian sides Atletico PR and relegated Vasco da Gama face record fines and stadium closures after their fans were caught up in violence on Sunday.

The shocking scenes of fans kicking and punching each other on the terraces in the southern city of Joinville has provoked a storm — not least as it harms Brazil’s image six months before it hosts the World Cup.

Brazil’s Supreme Tribunal for Sporting Justice (STJD), part of the Brazilian Football Confederation (CBF), on Tuesday confirmed it was assessing what punishment should be dished out after violence which Brazilian President Dilma Rousseff said the country would not tolerate.

“Given the seriousness of this case we must make a judgement now as everyone wants a response — we shall not leave it til 2014,” said STJD chairman Flavio Zveiter, adding the Tribunal would likely hold an extraordinary session on the case.

Additional controversy erupted after it emerged police were only on duty outside with private security drafted inside, a decision which had police and state government firing accusations and counter-accusations at each other Tuesday.

The STJD could hand both clubs as much as a 20-game stadium ban and a fine in the region of $US50,000 ($A55,000).

Match referee Ricardo Ribeiro faces a four-month suspension if he is found to have officiated a match “without adequate security,” Zveiter told Lance sports daily.

AFP

Read more: http://www.smh.com.au/sport/soccer/brazil-hooligan-clubs-face-record-fines-20131211-2z4v9.html#ixzz2nC8ZlKYC

Não há razão para que a polícia reproduza estrutura do Exército, diz Luiz Eduardo Soares (Sul 21)

Data:11/dez/2013, 14h43min

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Samir Oliveira

O antropólogo e cientista Luiz Eduardo Soares esteve em Porto Alegre nesta terça-feira (10), onde promoveu uma palestra sobre a desmilitarização da polícia na Câmara Municipal, a convite da vereadora Fernanda Melchionna (PSOL). Um dos maiores especialistas em segurança pública e direitos humanos do país. Luiz Eduardo foi secretário de Segurança do Rio de Janeiro durante o governo de Anthony Garotinho — ocasião em que foi demitido pelo governador ao vivo durante entrevista para um telejornal –, e foi secretário nacional da área no governo do ex-presidente Lula (PT).

Durante o discurso para a numerosa plateia que lotou o plenário Ana Terra, o especialista explicou porque defende a desmilitarização e a unificação das polícias brasileiras. Ele entende que, constitucional e democraticamente, não existem motivos para que a polícia reproduza a estrutura organizacional do Exército. “Cartesianamente, só haveria uma hipótese que justificaria o caráter militar da polícia ostensiva: se as finalidades fossem as mesmas do Exército. Se fizermos uma leitura minimamente sistemática da Constituição, compreenderemos que o propósito da polícia é garantir direitos à cidadania e defender a legalidade. Não estamos falando de guerra”, disse.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Luiz Eduardo defendeu a aprovação da PEC 51, do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que ajudou a elaborar. O projeto desmilitariza a polícia militar, unifica as forças policiais em uma estrutura de ciclo único — ostensivo e investigativo — e unifica também as carreiras de seus servidores.

Ele informou que a proposta conta com amplo apoio nas categorias de base dos policiais civis e militares. Uma pesquisa realizada com 65 mil trabalhadores detectou que 70% deles apoiam a iniciativa. Entretanto, ele ressaltou que o projeto sofre oposição por parte de delegados e oficiais e não encontra respaldo junto ao governo federal.

Para o antropólogo, a PEC resolveria injustiças que identifica em relação aos próprios policiais. Ele considera que os policiais militares estão sujeitos a uma dura disciplina e a um rigoroso código de comportamento — que os impede até de formar organizações coletivas e emitir opiniões. Luiz Eduardo citou casos em que policiais foram presos em quartéis por pautar debates sobre mudanças na categoria.

“Eles se sentem revoltados com essa situação. Então quando lhes pedimos respeito aos direitos humanos, eles não entendem do que estamos falando. Essa não é a realidade em que vivem, não é assim que são educados”, justifica.

Além disso, ele explica que as carreiras das polícias não favorecem o crescimento profissional das categorias da base. “Quem entra na Polícia Militar, com muita sorte, pode se tornar sargento em 20 anos. Na Policia Civil, uma pessoa com 22 anos, recém formada em direito, que não entende nada de segurança pública e de gestão, pode fazer um concurso e se tornar delegado, chefiando 30 servidores que estão há mais de 20 anos na área”, resume.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Fonte de ódio entre policiais e manifestantes “está longe” dos protestos

Para Luiz Eduardo Soares, as manifestações deste ano no Brasil foram positivas. Em entrevista coletiva antes da palestra, ele disse à jornalistas que houve uma tática adotada pelos políticos e por parte da mídia para dividir os manifestantes entre os considerados bons e os considerados vândalos. Ele entende que alguns ativistas “morderam essa isca” e isso acabou dificultando a adesão da maioria da população aos protestos.

Sobre a repressão policial identificada durante os atos, ele entende que se trata de algo anterior às manifestações. “Muitas vezes a gente vê o manifestante com ódio do policial e o policial com ódio do manifestante, quando a fonte do ódio de ambos está longe dali”, disse. Para o antropólogo, as condições do conflito gerado entre ambas as partes “geram sua própria história e produzem sua própria dor”, criando “situações ardilosas” para manifestantes e policiais.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

“Estamos enjaulando jovens negros e pobres com uma voracidade feroz”

Luiz Eduardo Soares defende o fim da política de guerra às drogas e do proibicionismo em relação a substâncias atualmente consideradas ilícitas. Ele apontou que esse é um dos principais fatores responsáveis pelo crescimento da população carcerária do Brasil – a quarta maior do mundo, estimada em mais de 550 mil pessoas.

“Tínhamos 140 mil presos na metade dos anos 1990. Hoje temos 550 mil. Quem está preso? O jovem negro e pobre. Estamos enjaulando jovens negros e pobres com uma voracidade feroz”, lamentou.

O especialista sustenta que a prisão de jovens ligados ao que chama de “varejo do tráfico de drogas” é a solução mais simples encontrada por governantes e pelo aparato de segurança pública para responder às pressões da classe média e da mídia por “menos impunidade e mais segurança”. “A mídia cobra os governos baseada nos problemas da classe média, esse é o recorte”, assegura.

Segundo ele, o proibicionismo em relação às drogas e a atual formatação das forças de segurança geram enorme discriminação social e racial no país. “A proibição das drogas, conectada com nosso modelo policial, constitui um núcleo de reprodução de desigualdades e do racismo no Brasil. Não há situação em que o racismo seja mais pronunciável no país do que na segurança pública”, critica.

US Energy Independence: Another Pipe Dream, Says Analyst (The Tyee)

Top geoscientist spells out startling depletion rates for high-cost shale gas, tight oil wells.

By Andrew Nikiforuk, 7 Dec 2013, TheTyee.ca

USCrude_600px.jpg

Tank cars offload crude, likely from the North Dakota Bakken formation. Photo by Roy Luck. Creative Commons licensed.

One of Canada’s top energy analysts has warned investors and geologists that “the shale revolution” will not meet conventional expectations as a so-called game-changer in energy production.

Speaking at the Denver meeting of the Geological Society of America and later at Queen’s University and an energy conference in Toronto, David Hughes challenged the assumptions of industry cheerleaders by spelling out startling depletion rates for high-cost unconventional shale and tight oil wells.

“The shale revolution has been a game-changer in that it has temporarily reversed a terminal decline in supplies from conventional sources,” said Hughes in both talks given in late October and early November. “Long-term sustainability is questionable and environmental impacts are a major concern.”

The geoscientist, who now lives on Cortes Island, has studied energy resources in Canada for four decades, including 32 years with the Geological Survey of Canada as a coal and natural gas specialist.

After reviewing data from unconventional oil wells, Hughes found that these difficult and high-cost operations deplete so rapidly that between 47 to 61 per cent of oil from plays like the Bakken, the first major tight oil play developed, is recovered within the first four years.

Hughes noted that the Bakken and Texas’ Eagle Ford plays, which currently produce two-thirds of U.S. tight oil and are supposed to take the country into energy independence territory, will actually peak in production by 2016 or 2017.

Incredibly, most tight oil wells, such as in North Dakota’s booming oilfields, will become “stripper wells” (producing less than 10 barrels a day) and be ready for abandonment within 11 to 24 years.

Shale no panacea

Shale gas wells follow a similar decline profile. In Louisiana’s Haynesville play and Pennsylvania’s contentious Marcellus fields, producing wells decline by as much as 66 per cent after the first year.

More than 3,500 wells have been drilled in the Haynesville play, which in 2012 was the top-producing shale gas play in the U.S., yet production is falling owing to the 47 per cent yearly field decline rate. The current price of gas is not high enough to justify the 600-plus wells needed annually to offset the steep field decline (each well costs between $8 to $10 million).

HaynesvilleGraph2_600px.jpg

Data from Drilling Info/HPDI.

“The shale revolution has provided a temporary respite from declining oil and gas production, but should not be viewed as a panacea for increasing energy consumption… rather it should be used as an opportunity to create the infrastructure needed for a lower energy throughput to maximize long-term energy security,” warned Hughes.

Hughes also told investors that they can no longer ignore the real and high-cost environmental issues associated with hydraulic fracturing, including high water consumption; groundwater contamination; methane leakage; land fragmentation; air pollution and property devaluation.

“There has been a great deal of pushback by many in the general public, and in state and national governments, to environmental issues surrounding hydraulic fracturing,” he said.

Quebec, Labrador and Newfoundland have declared moratoriums on the technology of high-volume horizontal hydraulic fracturing. In addition, Canada’s largest private sector union representing a high percentage of energy works has called for a national moratorium.

Although the number of gas-producing wells in Western Canada has reached an all-time high of 230,000 wells, actual gas production has been in decline since 2006.

Hughes also noted that the quality of shale oil and gas plays varies greatly. A few are prolific because they have sweet spots, he said. These special zones are targeted first and lead to an early rise in production followed by a decline, often within five years or less.

As a result, 88 per cent of shale gas production comes from just six of 30 plays, while 70 per cent of all tight oil production comes from two of 21 plays: North Dakota’s Bakken and Texas’ Eagle Ford.

Bad omens for BC

Rapid depletion rates, high capital costs and low market prices do not bode well for British Columbia’s much-hyped plans to export shale gas to Asian markets via a liquefied natural gas (LNG) system that currently does not exist.

“In terms of B.C., the well depletion will be similar. All of the fields outside of the Horn River and Montney plays are in decline,” Hughes told The Tyee in an interview.

“The province would have to nearly quadruple gas production just to satisfy the demands of five LNG terminals.” As many as 12 terminals have been proposed for B.C. “It’s a huge scaling problem.”

The government of Premier Christy Clark has championed LNG development as the province’s new economic miracle by subsidizing geoscience, roads and water for shale gas companies.

It has also lowered royalties. Income from shale gas peaked in the province in 2006 at more than $2 billion and has since fallen to less than $400 million, excluding government subsidies.

BCGasRoyaltyGraph1_600px.jpg

Data: BC Ministry of Finance, Economic and Financial Review and Budget 2013.

The Business Council of British Columbia whose executive council includes representatives from Encana and Kinder Morgan, supports accelerated LNG development on the grounds that global markets will likely not need the gas in the future: “Overall, there is sufficient evidence in the marketplace to suggest that, if the current LNG contract window closes before B.C. is able to secure final investment decisions, there would be potentially lengthy delays before B.C. and Western Canadian natural gas would have another LNG export opportunity.”

Hughes told investors that the shale gas revolution follows a predictable life cycle.

A land-leasing frenzy follows discovery. Then comes a drilling boom, necessitated by lease requirements, which locates, targets and depletes the sweet spots. Gas production grows rapidly and is maintained “despite potentially uneconomic full cycle costs.” (Production provides cash flow even though the well may not have been economic in its own right).

After five years, fields such as the Haynesville reach middle age. At that point geology takes over from technology, and it takes progressively more wells to offset field declines as drilling moves out of sweet spots to lower quality areas.

‘It’s all in the red’

Due to depressed natural gas prices, the shale gas industry has written down billions of dollars worth of assets and refocused drilling on more lucrative liquid rich formations. Other companies have lobbied strongly for government subsidies for LNG exports.

Rex Tillerson, CEO of Exxon Mobil, a multi-billion dollar shale gas investor, exclaimed last year that the industry was making no money: “It’s all in the red,” he said.

Royal Dutch Shell has written down $2 billion in shale assets and even put its Texas Eagle Ford properties up for sale. Meanwhile, one of its senior executives has complained that the industry has “over fracked and over drilled.”

Encana, one of the largest holders of shale gas real estate in B.C., has sold off many assets and laid off 20 per cent of its workforce due to poor investments in uneconomic shale gas plays.

The company pioneered the transformation of landscapes across the West, with industrial clusters of wells combining horizontal drilling with multistage hydraulic fracturing. The 10-year-old mining technique blasts large volumes of water, sand and toxic chemicals into dense rock formations up to two miles underground.

Hughes, head of Global Sustainability Research Inc., will be one of the experts addressing the Transatlantic Energy Forum in Washington, D.C. on Monday. The forum brings together energy and climate change experts from both sides of the Atlantic Ocean.

Até quando? (Universidade do Futebol)

09/12/2013 16:20:20

Já se vão 13 anos de São Januário e, ao que tudo indica, o futebol no Brasil continua parado no tempo

Erich Beting*

Hoje seria dia para falar sobre os erros e acertos de quem ganhou e perdeu no Brasileirão. Ou, então, de enfatizar o estágio ainda de semiprofissionalismo em que alguns times do futebol no país se encontram e que explicam, em parte, como o campeão de 2012 é rebaixado em 2013 no campeonato. Ou como um clube recém-promovido da Série B consegue chegar em terceiro lugar no ano seguinte apenas por fazer o dever de casa, enquanto os clubes, na sua maioria, enchem os cofres de dinheiro, mas os esvaziam com a rapidez e a irresponsabilidade de um estagiário em seu primeiro salário.

Mas, para variar, uma briga generalizada na arquibancada de uma partida tirou o brilho de um campeonato que teve a constelação cruzeirense campeã, mas que pouco, ou quase nada, brilhou.

Campeonato que ficou marcado pelos jogadores sentados nos chãos, de braços cruzados, trocando bola por quase um minuto, dando um recado mais do que sabido a quem (des)gerencia o futebol brasileiro.

Campeonato que teve como eclipse um jogo paralisado por mais de meia hora por conta de uma briga que terminou em feridos hospitalizados e cenas que chocaram quem ainda acha que futebol é algo para se divertir.

O problema não é essas imagens rodarem o mundo e colocarem mais uma vez em questão o que acontece com o país que abrigará a Copa do Mundo daqui a quase sete meses.

O problema é que essas imagens não são novidade há pelo menos 20 anos no país que se orgulha de ser “do futebol” e único pentacampeão do mundo.

Para quem é fanático pelo esporte, como sempre fui desde pequeno, não serve o rótulo de que “é só futebol”. Mas para quem é fanático em trabalhar com esporte, como me tornei ao longo dos últimos 13 anos, não serve também o rótulo de que “isso é o futebol”.

Em 2000, quando as arquibancadas de São Januário cederam na final da Copa João Havelange, parecia que aquele seria o início do fim.

Fim das gestões amadorísticas e popularescas personificadas na figura de Eurico Miranda.

Fim do descaso com o conforto e a segurança daquele que é o financiador do futebol, que é o torcedor.

Fim do “diz-que-diz” da mídia que posa de boa moça e paladinos da justiça quando essas brigas rolam pela arquibancada, mas que é a primeira a querer criar polêmicas vazias às vésperas de jogos só para “dar audiência”, sem se preocupar com o peso das palavras, escritas ou faladas, que arrotam antes das decisões e criam o clima beligerante para quem vai ao jogo.

Fim do despreparo de quem vai trabalhar com a segurança de uma partida de futebol, seja ela pública ou privada, sempre tratando o torcedor como transgressor antes mesmo de uma pretensa infração à lei.

Fim dos torcedores que atuam em bando, transformando-se de garotos responsáveis em bárbaros sanguinários, no melhor estilo “O Senhor das Moscas”, escrito em 1955 (!) por William Golding.

Mas já se vão 13 anos de São Januário e, ao que tudo indica, o futebol no Brasil continua parado no tempo. Sim, evoluímos consideravelmente em diversos aspectos, mas alguns princípios básicos de gestão continuam num Período Pré-Cambriano.

As receitas dos clubes infladas por novos acordos de televisão e material esportivo mascaram o que há de mais arcaico na gestão do futebol, que é o relacionamento com o torcedor. Ir a um estádio de futebol é, antes de um programa, uma aventura. Não há conforto, não há segurança, não há tratamento do torcedor como consumidor, mas como um operário dentro de uma fábrica inglesa do século XVIII, sem quaisquer condições humanas de tratamento.

Em 15 de abril de 1989 (!), a Inglaterra teve de assistir à morte de 96 torcedores por negligência policial e despreparo de relacionamento com o público para começar a mudar a realidade do tratamento com a torcida de futebol no país.

Reportagem de hoje do diário Lance! mostra que já são, desde 1988, 234 mortos em confrontos de torcedores no pretenso “país do futebol” (leia aqui). Já temos quase três tragédias de Hillsborough nos últimos 25 anos e nada, absolutamente nada, foi feito para melhorar e conter esses números.

Está claro que o problema não é só da torcida organizada. Hoje, a epopeia de um torcedor para conseguir chegar a um estádio de futebol para acompanhar seu time já dá motivos suficientes para ele adentrar a arquibancada com a cabeça cheia, querendo extravasar todo o mau trato sofrido pelo caminho. Dentro do estádio, nada é feito para melhorar o humor desse torcedor, que só tem a partida em si e o torcedor rival para descarregar a angústia, a frustração e o stress ao qual ele foi submetido nas horas anteriores.

O torcedor briguento não é vítima, mas também não é o único vilão nessa história.

Até quando teremos mortes e violência povoando um ambiente que pretensamente deveria ser de confraternização?

A história da evolução humana mostra que o esporte é um meio de representar, de forma civilizada, o que antes era manifestado em guerras e conquista de povos. Hoje parece que o meio não consegue mais absorver esse conceito.

A história da involução do futebol no Brasil mostra que o esporte é, cada vez mais, um reflexo do processo de desconstrução da vida em sociedade que boa parte do país vive. A intolerância ao outro que encontramos nas grandes cidades é refletida na arquibancada de um estádio.

O problema é que ela é transmitida ao vivo para milhões de pessoas, enquanto que nos faróis, no trânsito, no pedido de esmola, não há narração, comentários e mesas-redondas para debater os principais lances da barbárie.

A violência no futebol tem de acabar, mas é preciso, antes de mais nada, que o país passe a ser mais consciente de que a sociedade tem de dar um basta na violência.

No futebol, há 25 anos que mortes e confusões são parte de uma dura realidade. Para quem trabalha com isso, parece que é hora de dar um basta. Se não for pelo princípio básico de vida em sociedade, que seja pelo bem de quem quer continuar a trabalhar nessa indústria.

*Erich Beting passou pela Folha de S.Paulo, foi repórter especial do diário Lance!, criou em 2005 a Máquina do Esporte, veículo pioneiro na cobertura dos negócios do esporte no Brasil e atua como comentarista do canal BandSports. Além disso,  é consultor editorial da Universidade do Futebol. A coluna foi originalmente publicada no blog do autor, no portal UOL.

Ruralistas instalam comissão da PEC 215 sob protestos de índios e conivência do governo (Instituto Socioambiental)

11/12/2013 – 01h11

por Oswaldo Braga de Souza, do ISA

indios Ruralistas instalam comissão da PEC 215 sob protestos de índios e conivência do governo

Índios protestam em sala onde ruralistas instalaram comissão especial da PEC 215 | Luís Macedo – Agência Câmara

Planalto faz vista grossa de manobra do presidente da Câmara e de ruralistas para instalar colegiado. Defensores de direitos indígenas serão minoria em comissão.

A Câmara dos Deputados instalou, ontem à noite, a comissão especial que vai analisar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que transfere do governo federal para o Congresso a atribuição de aprovar a demarcação de Terras Indígenas (TIs) e a criação de Unidades de Conservação (UCs). Se aprovado, na prática o projeto deverá paralisar os processos de formalização de áreas protegidas.

A comissão foi instalada pelos próprios ruralistas, em clima tenso e sob protestos de índios dentro do Congresso. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), autorizou o funcionamento do colegiado mesmo sem a indicação formal de um presidente, de um relator e dos representantes do PT, PV e PSB. A articulação política do Planalto fez vista grossa da manobra.

Alves tomou a decisão depois de uma reunião com os ruralistas, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Mesmo depois de Cardozo reafirmar que a PEC é inconstitucional, o Planalto não acionou sua base parlamentar para barrar a ação do presidente da Câmara e dos ruralistas.

“O governo está completamente desarticulado e conivente”, criticou o deputado Padre Ton (PT-RO), presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Indígenas. Ele sugere que Cardozo também não fez nenhuma articulação para tentar se contrapor à bancada da agropecuária. “O PT tem toda a força, 89 deputados. Se ele quisesse, poderíamos colocar o presidente contra a parede”, afirma Padre Ton.

A reunião para a eleição do presidente e do relator da comissão foi convocada para hoje à tarde. Padre Ton defende que o PT não indique seus representantes para tentar impedir o início dos trabalhos. Há divergências dentro do partido sobre a melhor a estratégia a seguir, mas a tendência é que a legenda aceite indicar seus representantes e o presidente. O nome cotado para assumir o cargo é o do deputado Afonso Florence (PT-BA). O provável relator seria Osmar Serraglio (PMDB-PR), que já produziu um parecer favorável à proposta na Comissão de Constituição e Justiça.

A perspectiva é de aprovação da PEC 215. Dos 22 titulares do colegiado, a estimativa é que não mais do que seis seriam contra a proposta. Se referendado na comissão, o projeto segue ao plenário da Câmara, onde precisar ser aprovada em dois turnos, e depois vai ao Senado.

A instalação da comissão é um compromisso de campanha fechado por Alves com os ruralistas. O presidente da Câmara chegou a defender, durante o dia, o adiamento da instalação do colegiado diante das divergências sobre o assunto. Os ruralistas não tomaram conhecimento da posição e instalaram a comissão por volta das 21h.
“É a terceira vez que Henrique Alves declara guerra aos índios para chantagear o governo a favor dos ruralistas. Está acirrando o conflito para o ano da Copa e das eleições”, afirma Márcio Santilli, sócio fundador do ISA.

Em abril deste ano, Alves firmou um acordo para adiar a instalação da comissão depois que um grupo de índios ocupou o plenário da Câmara. Ele criou um grupo de trabalho formado por líderes indígenas, ruralistas e defensores dos direitos indígenas. Os ruralistas recusaram-se a participar do trabalho e o grupo elaborou um parecer contrário à PEC 215. Mesmo assim, Alves concordou em criar a comissão especial (saiba mais).

Durante a Mobilização Nacional Indígena, que ocorreu na primeira semana de outubro, a presidenta Dilma Rousseff chegou a divulgar que orientaria sua base parlamentar para votar contra a PEC 215.

* Publicado originalmente no site Instituto Socioambiental.

Violência no futebol: sobre a briga entre torcedores do Vasco e do Atlético Paranaense na Arena Joinville

10/12/13 04:00 Atualizado em 10/12/13 10:50 

Leone Mendes, o brutamonte da barra de ferro, era da banda da igreja e é dono de barbearia (Extra)

Wilson Mendes

Leone preso na Delegacia de Joinville Foto: Terceiro / Divulgação Polícia Civil de SC

Para os moradores de Austin, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, as cenas de selvageria protagonizadas pelo vascaíno Leone Mendes da Silva, de 23 anos, não combinam com o descontraído e pacato barbeiro do bairro, ex-saxofonista da banda da igreja evangélica local.

— Ele sempre torceu pelo Vasco, mas esse fanatismo aumentou com o tempo. Eu sempre falando: “Meu filho, larga isso de jogo, de torcida”. Mas nunca pensei que ele faria uma coisa dessas. Eu preciso que ele me explique o que aconteceu lá. Ele é um rapaz bom — avaliou, entre lágrimas, Cleuza Mendes da Silva, de 48 anos, mãe de Leone. Eles ainda não se falaram depois da prisão.

Solteiro e filho único, é o barbeiro quem sustenta a casa, construída no mesmo terreno utilizado por outros parentes. A braçadeira de capitão do lar foi transferida em definitivo há cerca de três anos, depois que ele terminou o Ensino Médio e Cleuza sofreu um derrame.

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado Foto: Giuliano Gomes / Folhapress

— Ele ajudou muito a mãe nessa época. Tantos remédios que comprou! — defende a tia, que não se identificou. Os vizinhos jogam no mesmo time da tia, numa tática de defesa calçada em rápidos elogios anônimos.

— Eu estou realmente surpresa. Ele foi aluno do meu marido, frequentou a minha casa e sempre foi uma ótima pessoa. Não sei o que aconteceu — diz a moradora da esquina.

O grupo de vizinhos da frente, incluindo um jovem devidamente uniformizado com a camisa da torcida organizada, garante que Leone nunca criou problemas nas partidas que acompanhou.

— Ele ia mais a jogos no Rio e São Paulo. Acho que longe assim esse foi o primeiro. Nunca ouvi dizer dele envolvido em briga. Nem machucado ele voltava — relatou um homem.

A mãe reclama de jogo sujo, e diz que fará de tudo para que as partidas com a Justiça seja disputadas em casa, no Rio de Janeiro.

— Eu não tenho dinheiro agora, mas se for preciso vendo até a casa. Eu quero que saibam que tenho ciência que o que ele fez foi errado. Não estou passando a mão na cabeça dele, mas ele tem 23 anos, emprego, carro e um salão. É trabalhador — desabafou Cleuza.

Cleusa, mãe de Leone, sofre com a prisão do filho

Cleusa, mãe de Leone, sofre com a prisão do filho Foto: Paulo Nicolella / Extra

De acordo com ela, os organizadores é que erraram ao deixar uma partida de futebol decisiva e com tantos torcedores acontecer sem apoio policial.

— Mostram ele, mas como pode milhares de pessoas juntas sem policiamento, sem segurança? O organizador desse jogo queria mesmo uma tragédia.

Enquanto o filho está detido na Penitenciária Regional de Joinville, aguardando os trâmites do processo que responde por tentativa de homicídio, a mãe reza.

— Eu oro que isso sirva para ele voltar para os pés do Senhor e para mim. Também peço que o jovem ferido fique bem, para dar paz à mãe dele, que está sofrendo tanto quanto eu. Porque houve má organização, mas nós que sofremos — arrematou.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/leone-mendes-brutamonte-da-barra-de-ferro-era-da-banda-da-igreja-e-dono-de-barbearia-11021154.html#ixzz2n6D55JxF

*   *   *

10/12/13 04:00 

Diretoria do Vasco pagou aluguel de ônibus e deu desconto de 75% nos ingressos para a torcida (Extra)

Torcedor da organizada do Vasco segura um rival pelo calção

Torcedor da organizada do Vasco segura um rival pelo calção Foto: Pedro Kirilos

Por Bruno Marinho

A campanha que culminou com a queda do Vasco para a Série B este ano entrará negativamente para a história, assim como os episódios de violência protagonizados por sua principal torcida organizada. Tudo com a conivência da diretoria. O clube financia torcedores uniformizados subsidiando 75% do valor dos ingressos e ajudando também no transporte para as partidas como visitante. Foram justamente em duas partidas longe do Rio que as brigas ocorreram.

Domingo, cerca de 100 torcedores da principal facção vascaína partiram do Rio para Joinville, em dois ônibus. O ingresso, que estava sendo vendido por R$ 100, custou R$ 25 para os membros da organizada. O gasto com o aluguel do ônibus também é dividido. Neste fim de semana, um foi bancado pelos torcedores, o outro pelo Vasco.

Antes do conflito em Santa Catarina, o clube já tinha sofrido com o confronto entre torcedores rivais na partida contra o Corinthians, dia 25 de agosto. Na ocasião, o time perdeu quatro mandos de campo. Punição semelhante deverá se repetir por causa da briga generalizada de domingo, com a pena a ser cumprida nas primeiras rodadas da Segunda Divisão.

Procurada, a diretoria da Força Jovem Vasco, cujos integrantes foram flagrados pelas câmeras de TV na briga na Arena Joinville, se defendeu, mas admitiu que houve excessos.

— As imagens mostram que estávamos nos defendendo, com os torcedores do Atlético na área destinada aos vascaínos. Mas eu entendo que houve excessos, sim — disse Jean Santana, diretor financeiro da organizada.

Já a diretoria do Vasco não foi encontrada para comentar o financiamento à torcida. Manoel Barbosa, vice de patrimônio e responsável pela venda de ingressos, não atendeu as ligações. A assessoria de imprensa do clube também foi procurada. Ela informou que o Vasco repudia qualquer tipo de violência e que o clube ajudará no que for possível para que os culpados sejam punidos.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/diretoria-do-vasco-pagou-aluguel-de-onibus-deu-desconto-de-75-nos-ingressos-para-torcida-11020955.html#ixzz2n6ExOYcX

*   *   *

10/12/13 05:00 

Primo de brigão da barra de ferro diz que advogado da Força Jovem alegará legítima defesa (Extra)

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado

Leone com a barra de ferro com a qual foi flagrado agredindo torcedores do Atlético-PR, um deles desacordado Foto: Giuliano Gomes / Folhapress

Wilson Mendes

A defesa de Leone Mendes da Silva, de 23 anos, o vascaíno flagrado agredindo um torcedor do Atlético com uma barra de ferro, deve alegar que a ação foi por legítima defesa. A informação foi dada por um primo de Leone, que está acompanhando o caso. Leone está preso sob a acusação de tentativa de homicídio e será defendido pelo advogado da organizada Força Jovem.

— A torcida entrou em contato conosco oferecendo o serviço. Nós já tínhamos procurado um advogado, mas ele cobrou R$ 4 mil somente para ir até Santa Catarina fazer contato e buscar informações. Vamos esperar a definição da torcida para não termos que gastar tanto — disse.

A família espera que a defesa consiga libertá-lo com a justificativa de legítima defesa. Para eles, Leone entrou na briga para se defender de agressões e, como os vascaínos eram minoria, “utilizaram o que tinham em mãos”.

Até a tarde de ontem, nenhum parente de Leone havia recebido qualquer contato do Vasco com oferta de ajuda. Sem muitos recursos, eles depositam as esperanças no defensor da torcida organizada.

— Eles me explicaram que o que está pesando muito é a imagem dele batendo em um homem já caído. Mas, no meio da confusão, as pessoas não pensam direito — opinou o primo.

Leone, que tem uma barbearia em Austin, na Baixada Fluminense, deixou a casa da mãe com destino ao Sul às 19h de sábado, num ônibus fretado pela Força Jovem. O último contato com a família foi feito uma hora antes do jogo.

— Precisamos ir até lá. Ele não ligou para casa, está sem roupas e sem os documentos, que ficaram aqui na casa — diz o primo, revelando que outros parentes de Leone estão recebendo ameaças pelo Facebook: — Dizem que se ele voltar vão espancá-lo e atear fogo no salão dele.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/primo-de-brigao-da-barra-de-ferro-diz-que-advogado-da-forca-jovem-alegara-legitima-defesa-11021252.html#ixzz2n6FNONV2

*   *   *

10/12/13 05:00 

Ministério Público do Rio pedirá suspensão da Força Jovem por três anos (Extra)

MP pedira a suspensão da torcida do clube carioca

MP pedira a suspensão da torcida do clube carioca Foto: Pedro_Kirilos

Paolla Serra

A Força Jovem está com os dias contados nos estádios. Horas depois da briga generalizada que deixou quatro torcedores internados após ficarem feridos durante a partida entre Atlético Paranaense e Vasco, na Arena Joinville, o Ministério Público promete uma medida drástica em relação a torcida organizada carioca. Nos próximos dias, o promotor de Justiça Paulo Sally irá pedir que a Força Jovem do Vasco (FJV) fique impedida de ir aos estádios por três anos.

De acordo com Sally, o MP do Rio e o de Santa Catarina estão fazendo uma ação conjunta para evitar que cenas como a de anteontem, consideradas por ele como “terríveis”, se repitam. O promotor informou que aguarda apenas as documentações referentes às prisões para dar entrada no pedido para afastar a Força Jovem dos jogos. Ele informou ainda que os promotores catarinenses também irão tomar medidas em relação a Fanáticos, uniformizada do Atlético-PR.

Paulo Sally, da 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital, afirmou ainda que as duas torcidas já eram alvos de investigações do órgão. A FJV deixou de cumprir obrigações, inclusive, como entregar os nomes de seus componentes do grupo antes do jogo.

O promotor tomará como base o artigo 39 do Estatuto do Torcedor, que prevê que a torcida organizada “que, em evento esportivo, promover tumulto; praticar ou incitar a violência; ou invadir local restrito aos competidores, árbitros, fiscais, dirigentes, organizadores ou jornalistas será impedida, assim como seus associados ou membros, de comparecer a eventos esportivos pelo prazo de até 3 (três) anos”.

— O relatório das prisões e outros documentos serão importantes e vão dar alicerce a punição que será dada a Força Jovem — disse Sally.

Contra a Justiça não há Força.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/ministerio-publico-do-rio-pedira-suspensao-da-forca-jovem-por-tres-anos-11021128.html#ixzz2n6FrGApL

Uniformizadas do Corinthians se mobilizam para afastar vândalos da frente do Itaquerão (Terra)

Por Luciano Borges

Em 24/06/2013

“Aviso” de corintianos que está circulando na internet

As torcidas uniformizadas do Corinthians estão mobilizadas desde a semana passada. Motivo: o temor de que manifestações organizadas na zona leste parem ou passem na porta das obras onde está sendo construído o Itaquerão, estádio do clube paulista, que será sede da partida de abertura da Copa do Mundo  de 2014. 

Na última quinta-feira, um grupo de manifestantes ficou na porta do estádio e gritou palavras de ordens contra o dinheiro gasto na organização da Copa do Mundo de 2014. Foi um ato pacífico, que pegou os uniformizados de surpresa.

Já na sexta-feira, avisada por corintianos da zona leste, a Gaviões da Fiel decidiu “proteger” o Itaquerão de possíveis ações de vandalismo. “Como começaram os atos de vandalismo, isso preocupou a torcida. Somos favoráveis às manifestações, mas não aceitamos que queiram depredar uma propriedade particular como é nosso estádio”, disse Alex da Matta, integrante da área de comunicação da Gaviões.

Rapidamente, os uniformizados entraram em ação. Oficialmente, organizaram um churrasco na porta da futura arena. Na prática, montaram um cordão na porta da obra em Itaquera.

Junto com outras torcidas (Camisa 12, Pavilhão Nove, Estopim da Fiel, Coringão Chopp e Fiel Macabra), eles saíram da sede social e seguiram de metrô até Itaquera. Cerca de dois mil torcedores se prepararam para qualquer confronto.

Os torcedores se reuniram ainda no final da tarde da sexta-feira Foto: Gaviões da Fiel

Não foi preciso. Informantes munidos de rádios e telefones celulares participaram da manifestação que começou no Tatuapé e informavam quais as intenções dos líderes da passeata. Ficou claro que o Itaquerão não estava no roteiro. Ficou apenas o churrasco.

Mesmo assim, neste domingo, a diretoria da Gaviões conversou com líderes de movimentos sociais da Zona Leste de São Paulo. Queria garantia de que a integridade da obra seria mantida. Mesmo com o compromisso de que futuros protestos nas ruas da região não vão passar pelo Itaquerão, os alvinegros continuam atentos.

Um comunicado oficial emitido pela Gaviões no site e nas mídias sociais explica a posição da torcida. E, na Internet, um cartaz mostra bem a disposição de avisar que o Itaquerão é intocável.

Posicionamento sobre os protestos em nosso Estádio

Os Gaviões da Fiel desde os primeiros protestos se posicionou a favor dos verdadeiros movimentos que reivindicam mudanças absolutamente necessárias para o bem do nosso país. Não poderia ser de outra forma, esta é uma marca da nossa agremiação desde a sua fundação.

Porém, desde a última semana circulavam alguns boatos e notas via internet que haveria protestos relacionados à construção do Estádio em Itaquera, logo, entramos em contato com vários movimentos e nenhum deles se posicionou como organizadores do ato.

Sendo assim não apenas os Gaviões, como as outras organizadas do Sport Club Corinthians Paulista se mobilizaram para ir ao estádio com a preocupação de possíveis ações oportunistas. Neste domingo dia 23/06 alguns movimentos (dos quais preservaremos suas posições) entraram em contato conosco e passaram uma posição sobre possíveis manifestos na região da Zona Leste de São Paulo, dialogamos e chegamos num consenso a respeito da região do Estádio.

 Isso não quer dizer que no futuro próximo algum grupo sem uma posição oficial, diferente de tais movimentos organizados, não possa agir por conta própria, ou até mesmo outros grupos oportunistas. Mas estaremos de olho.

Mais uma vez deixamos bem claro que o Estádio em Itaquera é propriedade particular do Sport Club Corinthians Paulista, não entraremos em questões desnecessárias, pois sabemos que o clubismo de rivais fala mais alto do que o bom senso. 

Os Gaviões jamais aceitaria que ações que prejudicassem a população do nosso país fossem necessárias para alcançar um patrimônio do qual a sua falta nunca influenciou em nossas conquistas e glórias.

Temos a consciência que juntamente com a construtora o Corinthians pagará o valor do financiamento, já que no dia 4 de junho de 2013, o Conselho Deliberativo do Corinthians aprovou o Parque São Jorge como garantia financeira para o banco Caixa Econômica solicitar o empréstimo ao BNDS.

A mesma instituição financeira realizou o levantamento e constatou que o terreno oferecido como garantia vale em torno de R$ 1,2 bi. A outra parte do valor da obra será pago através de certificados de Incentivo ao desenvolvimento emitido pela Prefeitura de São Paulo. A emissão de certificados de Incentivo ao desenvolvimento para a construção do estádio corresponde a uma lei municipal de incentivo ao desenvolvimento que é aplicada a qualquer investimento na Zona Leste da cidade de São Paulo, e não consiste em dinheiro que o governo irá pagar diretamente. Junto a isto, contará com patrocínios.

Portanto não aceitaremos de forma alguma que o nosso futuro estádio possa ser alvo de possíveis atos sem preocupações éticas. 

Com relação à Copa do Mundo e outros seguimentos, os Gaviões continuarão apoiando toda e qualquer forma de protestos que contribuam verdadeiramente para o bem do povo Brasileiro, e contribuirá para que a sujeira que toma conta do nosso país seja limpa e que o nosso futuro realmente espelhe a nossa grandeza. Gaviões da Fiel Torcida uma Família que Defende o Coringão.

Fronteiras da biotecnologia (O Estado de S.Paulo)

JC e-mail 4872, de 10 de dezembro de 2013

Artigo de Xico Graziano publicado no Estadão

Plantas transgênicas vieram para ficar. E prevalecer. Suas variedades passaram a dominar a safra de grãos no Brasil. Na corrida tecnológica, ninguém segura a engenharia genética. A ciência vence o medo obscurantista.

Lavouras geneticamente modificadas de soja, milho e algodão, nessa ordem, lideram, com dois terços, a semeadura da área nacional. Produtividade, facilidade no trato, economia de defensivos: aqui as razões principais que explicam seu notável desempenho. Problemas agronômicos, como resistência de ervas invasoras a herbicidas ou ressurgência de pragas, existem, mas se assemelham aos das lavouras convencionais. Não se comprovou alguma tragédia ambiental, tampouco dano à saúde humana, decorrente do uso específico de transgênicos.

Há séculos o melhoramento genético tradicional tem modificado os organismos. As variedades atualmente plantadas ou criadas pouco se parecem com suas ancestrais: o frango deixou de ser caipira, o milho tornou-se ereto, as frutas perdem suas sementes. Nenhum alimento continua “natural”. O patamar da evolução mudou, porém, quando os cientistas descobriram a possibilidade de modificar artificialmente o DNA das espécies. Sem cruzamento sexual.

Tudo começou em 1972. Pesquisadores perceberam que parasitas do gênero Agrobacterium transferiam partes de seu germoplasma para as plantas hospedeiras, estimulando nestas a produção de açúcar, do qual se alimentavam. Quer dizer, ocorria na natureza um mecanismo de transgenia. Dez anos depois, em Gent (Bélgica), cientistas conseguiram pioneiramente efetuar a transgênese em laboratório. Em seguida, certas bactérias foram geneticamente modificadas visando à produção de insulina humana. Os diabéticos comemoraram. A ciência havia dado um tremendo salto no conhecimento.

Desde então as equipes de ponta, em oficinas públicas e privadas, passaram a investir na engenharia genética, turbinando mundialmente a biotecnologia. Esta se destacou, inicialmente, na manipulação de microrganismos. Depois, em 1996, chegou ao campo, com o lançamento de uma variedade de soja resistente à aplicação de herbicida. Começou a grande polêmica. Ativistas ambientais denunciaram a “comida Frankenstein”. Religiosos condenaram os cientistas por manipularem a vida. A opinião pública ficou confusa.

Tal temor, compreensível, resultou na proposta de uma “moratória” de cinco anos, precaução adotada pela União Europeia em 1999. Esse período se considerava suficiente para buscar o esclarecimento das dúvidas sobre a nova tecnologia. O tempo passou, a engenharia genética evoluiu, os preconceitos religiosos e ideológicos cederam lugar às evidências científicas. Novas transgenias surgiram, barreiras foram caindo. Hoje, na agricultura, as variedades modernas, geneticamente alteradas, se fazem presentes em 50 países, plantadas por 17,3 milhões de agricultores, ocupando 10% da terra arável do mundo. Não é mais uma experiência.

Novidades biotecnológicas continuam surgindo. Entre animais, desenvolvem-se cabras transgênicas que produzem em seu leite uma proteína típica da teia de aranha, capaz de gerar polímeros altamente resistentes. Nos vegetais, entusiasma a possibilidade da geração de plantas que suportam “stress hídrico”. Na Embrapa, um gene de cafeeiros resistentes à seca foi introduzido em plantas de fumo, fazendo-as suportar a falta de água no solo. Em Israel, cientistas do Instituto de Tecnologia alteraram os genes de alface, impedindo que suas folhas murchem após a colheita. Sensacional.

Técnicas chamadas “DNA recombinante” invadem a medicina. Utilizando-as, o Instituto Butantã (São Paulo) desenvolveu recente vacina contra a hepatite B; também pela intervenção no genoma viral surgem vacinas contra influenza, dengue, coqueluche e tuberculose. Na Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto estuda-se uma vacina transgênica para combater câncer. Porcos geneticamente modificados em Munique (Alemanha) provocaram fraca reação do sistema imunológico humano, abrindo caminho para os xenotransplantes.

Bactérias, leveduras e fungos geneticamente modificados têm sido utilizados na fabricação de alimentos há tempos. Esses microrganismos atuam diretamente nos processos de fermentação, gerando queijos, massas, cerveja; ajudam até na definição do aroma em bebidas e comidas. Etanol celulósico, a partir do bagaço da cana ou de capim, virá de leveduras geneticamente modificadas. Na indústria, o sabão em pó contêm enzimas, oriundas de bactérias transgênicas, que facilitam a degradação de gordura nos tecidos.

Na fronteira da biotecnologia desenvolve-se aqui, na Embrapa, uma incrível técnica – dos promotores constitutivos – capaz de restringir a manifestação de certas proteínas transgênicas em folhas e frutos das plantas modificadas. Ou seja, a planta será transgênica, mas seus frutos, ou grãos, escapam do DNA alterado. O avanço da engenharia genética, base da biotecnologia, é extraordinário em todos os ramos, dando a impressão de que o melhor ainda está por vir.

Por que, então, diante de tanto sucesso ainda há restrições contra os transgênicos, taxando-os de produtos do mal? Boa pergunta. A resposta encontra-se no preconceito criado lá atrás. A rigor, hoje em dia os produtos transgênicos, submetidos a legislação super-rigorosa, são bastante seguros para o consumo. Já outros alimentos, embora “convencionais”, mais parecem uma bomba química: salgadinhos, latarias, maioneses, doces insossos, essas gororobas, sim, impunemente destroem nossa saúde.

Conclusão: transgênico ou convencional, pouco importa. Vale o alimento ser saudável.

Xico Graziano é agrônomo, foi secretário de Agricultura e secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,fronteiras–da-biotecnologia-,1106577,0.htm

O Brasil na COP-19: mais do mesmo? (O Estado de S.Paulo)

JC e-mail 4872, de 10 de dezembro de 2013

Estadão publica artigo assinado por Pedro Motta Veiga e Sandra Polonia Rios

Nas negociações climáticas multilaterais, o Brasil é um ator central, mas que opera aquém de suas potencialidades, em razão de suas opções de política e estratégia negociadora. Exemplo disso foi a estratégia adotada pelo País na COP 19, de Varsóvia, realizada na segunda quinzena de novembro.

O País tem condições naturais e físicas que o colocam entre os principais atores na definição da governança global do clima. Mas as oportunidades que derivam da disponibilidade de capital físico e natural para uma estratégia de crescimento econômico sustentável não são capturadas pelas políticas públicas brasileiras. Esse déficit na incorporação da dimensão ambiental à formulação das políticas de desenvolvimento, combinado a uma histórica resistência a assumir compromissos internacionais que restringiriam a liberdade para implementar políticas públicas, leva a uma postura defensiva e pouco compatível com a posição que o Brasil pode ocupar nos foros multilaterais de negociação do clima.

O Brasil levou para essa COP duas propostas principais: 1) que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) crie uma metodologia que calcule a “culpa histórica” de cada nação no aumento da temperatura do planeta; e 2) que os governos façam consultas internas com setores da sociedade civil sobre as metas de redução de emissões de gases-estufa.

Não há nada de errado com o estímulo a que os países façam consultas públicas internas, mas a estratégia negociadora brasileira continua ancorada na defesa do princípio de responsabilidades comuns, mas diferenciadas, acordado em Kyoto e que levou ao estabelecimento de metas de redução de emissões de gases de efeito estufa apenas para os países desenvolvidos. É para apoiar a manutenção desse princípio que o Brasil defende a ideia de um levantamento da “culpa histórica” de cada nação no aumento de temperatura do planeta – levantamento cuja função seria servir de base para os compromissos que os países terão de assumir em 2015 para entrar em vigor em 2020. A ideia é de que os países desenvolvidos teriam produzido um estoque muito maior de emissões do que os países em desenvolvimento porque largaram na frente no processo de industrialização.

O tiro pode sair pela culatra. Um cálculo já realizado por um consórcio de respeitadas instituições internacionais – PBL Netherlands Environmental AssessmentAgency, Ecofys e EuropeanCommission’s Joint Research Centre1 (www.pbl.nl) – mostrou que a contribuição relativa dos países em desenvolvimento para as emissões acumuladas durante o período 1850-2010 foi de 48%. Para 2020, a previsão é de que a participação dos países em desenvolvimento ultrapasse a dos desenvolvidos, chegando a 51%.

Evidentemente, esses estudos envolvem decisões quanto a parâmetros e variáveis a serem incluídas. Assim, quando se desconta o progresso tecnológico das emissões históricas, para levar em consideração o fato de que os países em desenvolvimento se beneficiaram de tecnologias que foram desenvolvidas anteriormente pelos já industrializados, a contribuição histórica dos países em desenvolvimento para as emissões acumuladas sobe para 52%.

O fato é que a proposta de medir responsabilidades históricas acumuladas não parece contribuir em nada para superar o atual estado de impasse em que se encontram as negociações climáticas. Como se viu, essa proposta pode acabar contribuindo para reforçar a ideia de que, por causa de seu desempenho recente, os países em desenvolvimento serão em breve os maiores responsáveis – mesmo em termos acumulados – pelo aquecimento global.

Melhor fariam as autoridades brasileiras se buscassem adequar as políticas domésticas aos compromissos já assumidos na Política Nacional sobre Mudança do Clima, que é lei aprovada pelo Congresso Nacional (Lei n.º 12.187/2009). Isso permitiria ao País assumir o papel que lhe cabe na governança global do clima e aproveitar as oportunidades que essa agenda traz para o crescimento econômico.

Pedro Motta Veiga e Sandra Polonia Rio são diretores do Cindes

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-brasil-na-cop-19-mais-do-mesmo-,1106505,0.htm

Exploração do gás de xisto ameaça a qualidade da água no Brasil (Jornal da Ciência)

JC e-mail 4872, de 10 de dezembro de 2013

Rocha a ser fraturada encontra-se a algumas centenas de metros abaixo do Aquífero Guarani, que poderia ser contaminado por produtos químicos

De onde vem e para onde vai a água utilizada na exploração do gás de xisto? Essas questões geram frequentes debates, uma vez que produtos químicos são utilizados nesse tipo de extração. De acordo com o conselheiro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), o pesquisador Jailson de Andrade, ainda faltam estudos criteriosos sobre o assunto.

Andrade alerta, sobretudo, para a carência de informações que identifiquem onde as jazidas de gás natural estão localizadas e se estão perto de aqüíferos importantes. “Os estudos realizados até agora são contestados. Não se sabe para onde vai a água contaminada por produtos químicos utilizados na exploração do gás. Ainda não há uma experiência no Brasil que possa se tomar como base. Falta informação”, diz.

Apesar de os dados ainda serem imprecisos, existem companhias ansiosas por entrarem em processos licitatórios de exploração do gás de xisto no Brasil, e outras vislumbrando lucros para despoluir a água e as áreas porventura afetadas pela sua extração. O pesquisador observa, no entanto, que não há tecnologia para despoluir os aqüíferos, caso eles sejam atingidos. Para Andrade, esse é um dos pontos cruciais a serem resolvidos. “A exploração do gás de xisto sem critério afetará a água sob nosso solo, já que a rocha a ser fraturada (o Folhelho Irati) se encontra a algumas centenas de metros abaixo do Aquífero Guarani, na Bacia Geológica do Paraná”, detalhou.

O Guarani é uma das maiores reservas subterrâneas de água doce do mundo. Tem a capacidade de abastecer, de forma sustentável, muitos milhões de habitantes, com trilhões de metros cúbicos de água doce por ano. No Brasil, está no subsolo dos estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Na visão de parlamentares, estudiosos e pesquisadores, esta riqueza pode estar ameaçada por uma enorme pressão econômica, a exemplo do que já ocorre nos Estados Unidos.

Experiência norte-americana gerou protestos da população
Correu o mundo a famosa foto em que a água sai da torneira pegando fogo. O fato ocorreu na pequena cidade de Dimock, na Pensilvânia, nos EUA. A explicação para esse estranho fenômeno é simples: trata-se da presença do metano liberado pela exploração de gás de xisto nas redondezas. O metano é um gás tóxico que, supondo proporções iguais, contribui 25 vezes mais do que o dióxido de carbono para o efeito estufa e o aquecimento global.

Além de água contaminada com metano, as áreas vizinhas aos poços de exploração de gás de xisto já tiveram de suportar explosões, contaminação do lençol freático e da terra agricultável, inviabilizando a produção agropecuária, além de pequenos abalos sísmicos, em regiões onde as construções não estão preparadas para tremores de terra.

Após inúmeras manifestações e protestos da população, alguns Estados da América do Norte, como Nova York, Maryland e Ohio nos EUA, Quebec no Canadá, proibiram o “fracking”. Na Europa, a fraturação hidráulica está proibida na França, Bulgária e em diversos governos locais de vários países como Alemanha, Espanha, Irlanda e Holanda.

Fracking causa escassez e contaminação da água
A exploração de xisto utiliza o método de fraturação hidráulica, chamado em inglês de “fracking”. Trata-se de injeção de toneladas de água, sob altíssima pressão, misturada com areia e produtos químicos, com o objetivo de quebrar a rocha e liberar o gás nela aprisionado. Nos EUA, 90% dos poços de gás de xisto são perfurados com a utilização dessa técnica.

Esse tipo de extração utiliza vinte vezes mais recursos hídricos do que as técnicas convencionais. Com isso, as pequenas cidades norte-americanas nos arredores dos poços de gás de xisto enfrentaram problemas de falta d’água para consumo e agricultura, além da contaminação dos aquíferos subterrâneos e das reservas de água potável. Mas a falta de água não é o único problema.

Destaca-se ainda a excessiva circulação de caminhões, a injeção de fluidos que provocam pequenos abalos sísmicos, a ausência de regulamentação, a presença na água de pequenas quantidades de produtos químicos e metais pesados cancerígenos bem como a acumulação de metano que pode provocar explosões.

Gás de folhelho
O gás de folhelho, encontrado em áreas de permeabilidade relativa e também chamado de “gás de xisto”, é um dos três tipos de gases não-convencionais cuja ocorrência não está associada a bolsões de gás armazenados a partir das camadas de petróleo. Estas produzem o gás fóssil convencional, encontrado na plataforma continental e em outras regiões do Brasil. Os demais gases não-convencionais são o confinado (tight gas), com ocorrência em rochas impermeáveis ou de baixa permeabilidade, e o metano associado a camadas de carvão.

Jailson de Andrade explica que é “incorreto” chamar o gás de folhelho de gás de xisto: “O xisto é uma rocha metamórfica que sofreu grandes transformações geológicas, não possibilitando a geração de gás; o folhelho, por sua vez, é uma rocha sedimentar com grande quantidade de matéria orgânica que dá origem ao gás”, diferenciou.

(Camila Cotta, especial para o Jornal da Ciência)

Matérias de arquivo do Jornal da Ciência:
Extensa audiência pública sobre a exploração do gás de xisto causa polêmica
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=91075

SBPC e ABC enviam carta à presidente Dilma Rousseff solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=88545

Cientistas querem adiar exploração de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=90623

* * *
10/12/2013 – 10h58

Gás de xisto no Brasil: os problemas que se avizinham

Por Raul do Valle, do ISA

Na última quinta (5/12), houve uma excelente audiência pública, convocada pela Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados, para discutir a exploração de “gás de xisto” no país, cujo pontapé inicial foi dado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) na semana retrasada, após malandramente dar um “drible da vaca” no Ministério Público Federal.

Diferentemente da audiência ocorrida alguns meses atrás no Senado, esta contou com representantes da área ambiental do governo federal (Ministério do Meio Ambiente e Agência Nacional de Águas), além dos representantes da ANP e da Petrobrás (grande vencedora do leilão da semana retrasada). Contou ainda com representantes da academia e da sociedade civil organizada, o que ajudou a qualificar o debate.

O representante da ANP fez duas correções semânticas ao debate que vem ocorrendo na sociedade. A primeira, de que na verdade se trata de “gás de folhelho”, e não de “xisto”, como vem sendo impropriamente falado por nós, leigos. São duas formações geológicas distintas e todos deveríamos saber disso. O geólogo Luiz Fernando Scheibe, professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no entanto, nos tranquilizou: embora seja verdade que a formação na qual será usado o faturamento hidráulico (fracking) no Brasil é o folhelho, o termo “gás de xisto” já se popularizou e não há porque abandoná-lo. O importante é que todos saibamos sobre o que estamos falando.

E foi nesse ponto que a segunda correção semântica trazida pela ANP desperta alguma preocupação. Foi afirmado na audiência que a licitação ocorrida prevê que o ganhador da concessão de cada bloco tem direito (e o dever) à “exploração” do gás de xisto, mas que esse termo, no jargão dos petroleiros, não tem o mesmo significado da linguagem comum. Exploração significaria, na verdade, “pesquisa”. Retirar o gás seria, na verdade, “produção”. Segundo Luciano Teixeira, da ANP, essa exploração é necessária para que tenhamos dados das bacias sedimentares nas quais se localiza o gás de forma a, daqui a uma década, poder decidir-se sobre sua efetiva produção.

Por alguns minutos vários respiraram aliviados: estaríamos, felizmente, fazendo uma tempestade num copo d’agua? Estaríamos apenas na fase de pesquisas, coleta de dados, para tomar uma decisão madura mais adiante? Todos esses bons sonhos desapareceram quando uma questão singela foi feita ao advogado da ANP presente à audiência: se estamos tratando apenas de pesquisa, uma vez encontrado o gás e tomada a decisão de que é possível explorá-lo (ou produzi-lo), terá de haver novo leilão? Não. Então terá de haver uma nova autorização pela ANP para a produção? Sim. Essa autorização pode ser negada pela ANP em função dos riscos ambientais mesmo que exista gás no bloco concedido? Não se sabe.

O fato é que os concessionários ganharam o direito à exploração, desde que exista o gás, obviamente. Não tem nada no edital que diga que eles vão simplesmente fazer pesquisas e levantar dados para, em algum momento do futuro, saber se poderão produzir. O leilão ocorreu como todos os anteriores, na regra vigente: se há gás, é teu e pode usá-lo. Se o edital tivesse tido o cuidado de dizer que, nesse caso, não há direito adquirido, que a produção do gás não convencional está sujeito a outra autorização, futura e incerta, boa parte dos problemas poderiam ter se resolvido. Só que não foi assim. Tanto que o advogado da ANP admitiu que, caso a agência não dê autorização para a produção, os concessionários poderiam ter “algum sucesso” em ações de indenização por lucro cessante. Ou seja: a sociedade pagaria a essas empresas para que elas não colocassem os aquíferos de água em risco!

Esse é apenas um dos riscos que se avizinham, o financeiro. Mas o que assusta mesmo são os riscos ambientais e, consequentemente, sociais. Embora os representantes da ANP e da Petrobrás tenham tentado minimizar os impactos desse tipo não convencional de exploração de gás, eles são óbvios, e muito bem documentados. Foi dito que hoje já se faz fraturamento hidráulico em explorações “convencionais”, para “estimular” a produção, o que tornaria a técnica corriqueira. Só que não foi dito que, nas explorações convencionais, feitas em bolsões de gás, os poços são espalhados em alguns quilômetros de distância um do outro, e duram vários anos no mesmo lugar. Já na exploração do xisto, não só o processo de “estímulo” é muito mais severo, como os poços são muitíssimo mais próximos uns dos outros. E, além disso, como a produção declina em poucos anos (o pico ocorre até o segundo ano), essa é uma exploração itinerante, que precisa se deslocar com frequência, criando uma paisagem como a mostrada na foto abaixo, de uma região em exploração nos Estados Unidos.

xisto Gás de xisto no Brasil: os problemas que se avizinham

Foto de região com exploração de gás de xisto nos EUA

Isso faz com que os problemas convencionais da produção de gás se multipliquem em muitas vezes, e o principal é a contaminação de água. O professor da UFSC, estudioso do aquífero Guarani, deixou claro que a exploração intensiva com fraturamento hidráulico (injeção de água misturada com areia e químicos, a altíssima pressão, nos poços perfurados) pode não só criar novas, como reabrir fraturas naturais existentes na rocha que permitiriam o gás entrar em contato com a água, contaminando as reservas subterrâneas. E isso pode ocorrer não só no aquífero Guarani, mas em diversos outros aquíferos situados na área de influência dos blocos leiloados, tão ou mais importantes para o uso humano que aquele.

Não há porque o Brasil se aventurar nesse tipo de exploração apenas porque os EUA já o fazem. Nossa situação é muito distinta. Temos muitas outras fontes, muitas delas subaproveitadas. Em vez de importar uma tecnologia altamente impactante, poderíamos investir todo esse esforço em desenvolvimento nacional de tecnologia solar por exemplo. Mas, independente disso, precisamos de estudos sistematizados para orientar onde e como seria possível a exploração. Uma moratória e a criação de um espaço público para análise e discussão dos dados, que levem a uma Avaliação Ambiental Estratégica, são fundamentais.

Para ver as apresentações feitas na audiência da semana passada, clique aqui.

* Publicado originalmente no site Instituto Socioambiental.

(Instituto Socioambiental)

Considering the Humanity of Nonhumans (New York Times)

Elephants, chimpanzees and some cetaceans have shown that they can recognize themselves in a mirror. James Hill for The New York Times

By 

Published: December 9, 2013

What is a person?

“Beings who recognize themselves as ‘I’s.’ Those are persons.” That was the view of Immanuel Kant, said Lori Gruen, a philosophy professor at Wesleyan University who thinks and writes often about nonhuman animals and the moral and philosophical issues involved in how we treat them.

She was responding to questions in an interview last week after advocates used a new legal strategy to have chimpanzees recognized as legal persons, with a right to liberty, albeit a liberty with considerable limits.

The Nonhuman Rights Project, an advocacy group led by Steven M. Wise, filed writs of habeas corpus in New York last week on behalf of four captive chimpanzees: Tommy, owned by a Gloversville couple; two at Stony Brook University; and one at the Primate Sanctuary in Niagara Falls. The lawsuits were dismissed, but Mr. Wise said he planned to appeal.

He believes that the historical use of habeas corpus lawsuits as a tool against human slavery offers a model for how to fight for legal rights for nonhumans.

His case relies heavily on science. Nine affidavits from scientists that were part of the court filings offer opinions of what research says about the lives, thinking ability and self-awareness of chimpanzees.

Mr. Wise argues that chimps are enough like humans that they should have some legal rights; not the right to vote or freedom of religion — he is not aiming for a full-blown planet of the apes — but a limited right to bodily liberty. The suits asked that the chimps be freed to go to sanctuaries where they would have more freedom.

Richard L. Cupp, a law professor at Pepperdine University in California who opposes granting rights to nonhuman animals, described the legal strategy as “far outside the mainstream.” He said in an email, “The courts would have to dramatically expand existing common law for the cases to succeed.”

Lori Marino of Emory University, who studies dolphins and other cetaceans and is the science director of the Nonhuman Rights Project, said it “is about more than these four chimpanzees.” Mr. Wise, she said, “sees this as the knob that can turn a lot of things. It’s potentially transformative.”

She said she was under no illusion that rights for animals would be easy to gain. “It may not happen in anyone’s lifetime,” she said.

The science of behavior is only part of the legal argument, though it is crucial to the central idea — that chimps are in some sense autonomous. Autonomy can mean different things, depending on whether you are talking about chimpanzees, drones or robot vacuum cleaners, and whether you are using the language of law, philosophy or artificial intelligence.

Dr. Gruen sees it as a term that is fraught with problems in philosophy, but Dr. Marino said that for the purposes of the legal effort, autonomy means “a very basic capacity to be aware of yourself, your circumstances and your future.”

Science can’t be decisive in such an argument, as Dr. Gruen points out, but what it can do is support or undermine this idea of autonomy. “If you form the right kinds of questions,” she said, “there are important answers that science can give about animal cognition and animal behavior.”

Dr. Marino said that science could “contribute evidence for the kinds of characteristics that a judge may find to be part of autonomy.”

Dr. Gruen, Dr. Marino and Mr. Wise made presentations at a conference, Personhood Beyond the Human, at Yale over the weekend. They spoke in interviews related to the court case during the week before the conference.

The kind of science that supports the idea of chimpanzees as autonomous could also support the idea that many other animals fit the bill. There are affidavits related to cognitive ability, tool use, social life and many other capabilities of chimpanzees, but there are questions about how pertinent each line of evidence is.

“Is that important for being a philosophical person — tool use itself?” Dr. Gruen asked.

The issues of self-awareness and of awareness of past and future strike to the heart of a common-sense view of what personhood might be. Chimps, elephants and some cetaceans have shown that they can recognize themselves in a mirror.

But the rights project is claiming more, saying that for chimps, as Dr. Marino put it, “you know it was you yesterday, you today, you tomorrow,” and “you have desires and goals for the future.”

There is plenty of evidence that chimpanzees and other animals act for the future. Some birds hide seeds to recover in leaner times, for example.

One affidavit is from Matthias Osvath, of Lund University in Sweden, who studies the thinking ability of animals, particularly great apes and some birds. He cites a number of studies of chimps that support the idea they have a sense of the future, including resisting an immediate reward to gain a tool that will get them a larger reward.

In one well-known piece of research by Dr. Osvath, he reported on Santino, a chimp at a zoo in Sweden who stockpiled and hid rocks he would later throw at human visitors. Dr. Osvath argued that Santino had the capacity to think of himself making future use of the rocks he saved.

Science cannot prove what went on in Santino’s mind. But Dr. Marino said the cumulative evidence could be used to ask a judge, “If you look at all the evidence in total, then what kind of being could produce all that evidence?”

Not all proponents of animal welfare are convinced that calling for rights for animals is the best way to go.

Dr. Gruen said that she had misgivings about the rights approach, philosophically and politically. “My own view is that it makes more sense to think about what we owe animals.” Progress on that front in 2013, particularly for chimpanzees, has surprised and delighted many activists. The National Institutes of Health is retiring most of its chimpanzees. And the United States Fish and Wildlife Service has proposed changes that would classify all chimps, even those in laboratories, as endangered, a move that would raise obstacles to experiments on privately owned chimps.

One point to remember is that personhood does not mean being human. Robert Sapolsky, a primatologist and neuroscientist at Stanford University who was not associated with the lawsuit, said, “I think the evidence certainly suggests that chimps are self-aware and autonomous.” That still leaves a vast gap between chimps and humans, he said. Chimps may look ahead in hiding food for later, or planning “how to ambush monkeys they are hunting.” Humans, he noted, could think about “the consequences of global warming for their grandchildren’s grandchildren, or of the sun eventually dying, or of them eventually dying.”

A version of this news analysis appears in print on December 10, 2013, on page D1 of the New York edition with the headline: The Humanity of Nonhumans.

Solar Cells Made Thin, Efficient and Flexible (Science Daily)

Dec. 9, 2013 — Converting sunshine into electricity is not difficult, but doing so efficiently and on a large scale is one of the reasons why people still rely on the electric grid and not a national solar cell network.

Debashis Chanda helped create large sheets of nanotextured, silicon micro-cell arrays that hold the promise of making solar cells lightweight, more efficient, bendable and easy to mass produce. (Credit: UCF)

But a team of researchers from the University of Illinois at Urbana-Champaign and the University of Central Florida in Orlando may be one step closer to tapping into the full potential of solar cells. The team found a way to create large sheets of nanotextured, silicon micro-cell arrays that hold the promise of making solar cells lightweight, more efficient, bendable and easy to mass produce.

The team used a light-trapping scheme based on a nanoimprinting technique where a polymeric stamp mechanically emboss the nano-scale pattern on to the solar cell without involving further complex lithographic steps. This approach has led to the flexibility researchers have been searching for, making the design ideal for mass manufacturing, said UCF assistant professor Debashis Chanda, lead researcher of the study.

The study’s findings are the subject of the November cover story of the journal Advanced Energy Materials.

Previously, scientists had suggested designs that showed greater absorption rates of sunlight, but how efficiently that sunlight was converted into electrical energy was unclear, Debashis said. This study demonstrates that the light-trapping scheme offers higher electrical efficiency in a lightweight, flexible module.

The team believes this technology could someday lead to solar-powered homes fueled by cells that are reliable and provide stored energy for hours without interruption.

Journal Reference:

  1. Ki Jun Yu, Li Gao, Jae Suk Park, Yu Ri Lee, Christopher J. Corcoran, Ralph G. Nuzzo, Debashis Chanda, John A. Rogers. Light Trapping: Light Trapping in Ultrathin Monocrystalline Silicon Solar Cells (Adv. Energy Mater. 11/2013)Advanced Energy Materials, 2013; 3 (11): 1528 DOI: 10.1002/aenm.201370046

New Long-Lived Greenhouse Gas Discovered: Highest Global-Warming Impact of Any Compound to Date (Science Daily)

Dec. 9, 2013 — Scientists from U of T’s Department of Chemistry have discovered a novel chemical lurking in the atmosphere that appears to be a long-lived greenhouse gas (LLGHG). The chemical — perfluorotributylamine (PFTBA) — is the most radiatively efficient chemical found to date, breaking all other chemical records for its potential to impact climate.

Earth’s atmosphere. Scientists from U of T’s Department of Chemistry have discovered a novel chemical lurking in the atmosphere that appears to be a long-lived greenhouse gas (LLGHG). (Credit: © eugenesergeev / Fotolia)

Radiative efficiency describes how effectively a molecule can affect climate. This value is then multiplied by its atmospheric concentration to determine the total climate impact.

PFTBA has been in use since the mid-20th century for various applications in electrical equipment and is currently used in thermally and chemically stable liquids marketed for use in electronic testing and as heat transfer agents. It does not occur naturally, that is, it is produced by humans. There are no known processes that would destroy or remove PFTBA in the lower atmosphere so it has a very long lifetime, possibly hundreds of years, and is destroyed in the upper atmosphere.

“Global warming potential is a metric used to compare the cumulative effects of different greenhouse gases on climate over a specified time period,” said Cora Young who was part of the U of T team, along with Angela Hong and their supervisor, Scott Mabury. Time is incorporated in the global warming potential metric as different compounds stay in the atmosphere for different lengths of time, which determines how long-lasting the climate impacts are.

Carbon dioxide (CO2) is used as the baseline for comparison since it is the most important greenhouse gas responsible for human-induced climate change. “PFTBA is extremely long-lived in the atmosphere and it has a very high radiative efficiency; the result of this is a very high global warming potential. Calculated over a 100-year timeframe, a single molecule of PFTBA has the equivalent climate impact as 7100 molecules of CO2,” said Hong.

One Percent of Population Responsible for 63% of Violent Crime, Swedish Study Reveals (Science Daily)

Dec. 6, 2013 — The majority of all violent crime in Sweden is committed by a small number of people. They are almost all male (92%) who early in life develops violent criminality, substance abuse problems, often diagnosed with personality disorders and commit large number non-violent crimes. These are the findings of researchers at Sahlgrenska Academy who have examined 2.5 million people in Swedish criminal and population registers.

In this study, the Gothenburg researchers matched all convictions for violent crime in Sweden between 1973 and 2004 with nation-wide population register for those born between 1958 to 1980 (2.5 million).

Of the 2.5 million individuals included in the study, 4 percent were convicted of at least one violent crime, 93,642 individuals in total. Of these convicted at least once, 26 percent were re-convicted three or more times, thus resulting in 1 percent of the population (23,342 individuals) accounting for 63 percent of all violent crime convictions during the study period.

“Our results show that 4 percent of those who have three or more violent crime convictions have psychotic disorders, such as schizophrenia and bipolar disorder. Psychotic disorders are twice as common among repeat offenders as in the general population, but despite this fact they constitute a very small proportion of the repeat offenders,” says Örjan Falk, researcher at Sahlgrenska Academy.

One finding the Gothenburg researchers present is that “acts of insanity” that receive a great deal of mass media coverage, committed by someone with a severe psychiatric disorder, are not responsible for the majority of violent crimes.

According to the researchers, the study’s results are important to crime prevention efforts.

“This helps us identify which individuals and groups in need of special attention and extra resources for intervention. A discussion on the efficacy of punishment (prison sentences) for this group is needed as well, and we would like to initiate a debate on what kind of criminological and medical action that could be meaningful to invest in,” says Örjan Falk.

Studies like this one are often used as arguments for more stringent sentences and US principles like “three strikes and you’re out.” What are your views on this?

“Just locking those who commit three or more violent crimes away for life is of course a compelling idea from a societal protective point of view, but could result in some undesirable consequences such as an escalation of serious violence in connection with police intervention and stronger motives for perpetrators of repeat violence to threaten and attack witnesses to avoid life sentences. It is also a fact that a large number of violent crimes are committed inside the penal system.”

“And from a moral standpoint it would mean that we give up on these, in many ways, broken individuals who most likely would be helped by intensive psychiatric treatments or other kind of interventions. There are also other plausible alternatives to prison for those who persistently relapse into violent crime, such as highly intensive monitoring, electronic monitoring and of course the continuing development of specially targeted treatment programs. This would initially entail a higher cost to society, but over a longer period of time would reduce the total number of violent crimes and thereby reduce a large part of the suffering and costs that result from violent crimes,” says Örjan Falk.

“I first and foremost advocate a greater focus on children and adolescents who exhibit signs of developing violent behavior and who are at the risk of later becoming repeat offenders of violent crime.”

Journal Reference:

  1. Örjan Falk, Märta Wallinius, Sebastian Lundström, Thomas Frisell, Henrik Anckarsäter, Nóra Kerekes. The 1 % of the population accountable for 63 % of all violent crime convictionsSocial Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 2013; DOI: 10.1007/s00127-013-0783-y

Guaranis desmentem livros e revelam nova história (A Nova Democracia)

Ano VI, nº 40, fevereiro de 2008

Rosana Bond

Os guaranis, que por muito tempo observaram o passado de seu povo ser escrito e deturpado pela ideologia das classes dominantes, decidiram dar um basta e tomar nas mãos a tarefa de desmentir os livros e contar sua própria História.

http://anovademocracia.com.br/40/22b.jpg

— Chegou a hora de a sociedade não-indígena do Brasil conhecer a verdade, ninguém pode continuar pensando que perdemos a memória — afirma Werá Tupã (Leonardo), da aldeia do Morro dos Cavalos, SC, tido como um dos mais destacados intelectuais indígenas do sul do país.Ele faz parte de um grupo de guaranis que vem pesquisando fatos históricos e episódios lendários com o objetivo de reapresentá-los ao povo brasileiro de um modo diferente daquele com que foi narrado pelo pensamento reacionário. Um dos temas, cujo estudo demorou anos e ainda não está totalmente concluído, é a verdadeira história de Sepé Tiarajú.

Sepé foi um dos maiores guerreiros indígenas do sul do país, líder da resistência dos Sete Povos das Missões (RS) contra tropas espanholas e portuguesas, na chamada Guerra Guaranítica, de 1753 a 1756. Essa guerra foi abordada (de maneira fantasiosa e truncada) no filme A Missão, com Robert de Niro e Jeremy Irons, em 1986. Tal rebelião foi consequência do Tratado de Madri, pelo qual Portugal e Espanha trocaram entre si os Sete Povos das Missões, sob domínio espanhol, pela Colônia do Sacramento, sob domínio lusitano. O acordo obrigava os 30 mil guaranis e os jesuítas das sete reduções a abandonarem o Rio Grande do Sul e passarem ao território castelhano, no outro lado do rio Uruguai.

A Companhia de Jesus, chefia jesuíta na Europa, ordenou a mudança, mas os guaranis não aceitaram. Sepé liderou a resistência e em carta à Coroa de Espanha deu o famoso aviso: “Esta terra tem dono!”.

ARMAS DE CANA BRAVA

Sepé articulou uma espécie de Confederação Guaranítica, criando inovadoras táticas militares para a época, nas quais priorizava a guerrilha e evitava grandes batalhas. Chegou a idealizar e construir quatro peças de artilharia, confeccionadas com cana brava. Foi assassinado numa emboscada, por soldados espanhóis e portugueses, nos campos de Caiboaté, às margens da Sanga da Bica, em 7 de fevereiro de 1756.

O bravo e exemplar Sepé Tiarajú transformou-se num símbolo para os gaúchos. Há um rio e um município com seu nome e, em Santo Ângelo, uma estátua no centro da cidade. Os guaranis não vêem problema nisso, mas há uma questão de fundo que parece lhes desgostar e incomodar há muito tempo. Que é a “desindianização” de Sepé.
A História escrita pela cartilha das classes exploradoras e da igreja católica apossou-se da figura heróica, metamorfoseando-a quase num branco que era índio por acaso.

Os livros falam que ele “abraçou a doutrina cristã” e foi “o mais ardoroso defensor da obra dos jesuítas”; que “seus mestres foram os padres”; que ele lutou “sugestionado pelos religiosos”; que “era índio missioneiro, provavelmente já cristão de terceira geração”; que alguns padres foram “os principais estrategistas da resistência”; que, órfão de pai e mãe, “foi criado pelos jesuítas”; Werá Tupã discorda de tudo isso. Os livros erram até numa informação básica, sobre sua origem. Numa revelação inédita e surpreendente, Werá diz que Sepé não era guarani. E sim pertencia a “um outro povo indígena que não conseguimos identificar. Ele foi adotado pelos guaranis e criado como um dos nossos”.

A pesquisa a respeito de Sepé baseou-se na história oral, preservada na memória de índios centenários que viveram no Rio Grande do Sul, entre eles a velha xamã Tatãty Yva Rete (Maria Candelária Garay), apontada por antropólogos da Universidade Federal de Santa Catarina (UF SC) e PUC de São Paulo como uma das lideranças femininas mais importantes e respeitadas da tribo. Nascida aproximadamente em 1874, Tatãty foi avó adotiva de Werá Tupã.

A verdadeira história de Sepé Tiarajú

[ele] não era um cristão mesmo, como dizem, porque na verdade ele respeitava mais a religião do avô, a religião do nosso povo. Karaí Djekupé foi e continua sendo um grande herói dos guaranis

O AND foi escolhido pelos guaranis para ser o primeiro órgão de comunicação dos djuruá (não-índios) a tomar conhecimento do conteúdo do estudo, que poderá se transformar em breve num livro. Eis um resumo, contado por Werá Tupã:

“Ao contrário do que se diz, Sepé não era guarani. Ele nasceu em outro povo indígena, que não conseguimos identificar. Quando ele tinha dois anos de idade, sua aldeia, que ficava no Rio Grande do Sul, foi atacada por portugueses ou espanhóis. Os guaranis correram para ajudar, mas o lugar já tinha sido invadido e quase todos tinham sido massacrados.

Os guaranis salvaram o menino e o levaram para uma aldeia nossa, perto da missão de São Miguel. Um casal adotou ele. O avô da família era um pajé muito poderoso e o menino adorava ele. Uma coisa que quase ninguém sabe é que o nome certo dele não era Sepé Tiarajú. Esse era o jeito que os padres das missões entenderam e escreveram.

Seu nome era Djekupé A Djú, que significava “Guardião de Cabelo Amarelo”. “Guardião” porque era um guerreiro e “cabelo amarelo” porque não tinha o cabelo bem preto como os guaranis, era meio castanho. Mas era índio mesmo, não mestiço.

Quando o menino começou a crescer, pensaram que ia ser um pajé, um religioso, e ele começou a ser preparado para isso. Mas seu outro lado, de guerreiro, foi mais forte e aí mudou o seu destino. Recebeu nome de guerreiro, Djekupé A Djú. E também era chamado pelos guaranis de Karaí Djekupé, “Senhor Guardião”.

O destino de guerreiro foi porque ele era revoltado com os brancos e tinha gratidão pelos guaranis. Queria lutar pelos guaranis. É que, na aldeia, nunca esconderam dele a sua história, tudo que tinha acontecido no ataque.

Os jesuítas não criaram ele, mas ia sempre nas missões porque os padres davam apoio na defesa e ele ficava uns tempos lá. Foi assim que aprendeu a língua espanhola.

Os padres não treinaram ele, foi preparado sim pelo grande exército guarani, os “kereymba” [pronuncia-se “krimbá”]. Era um ótimo guerreiro.

Além do mais, tinha facilidade para conversar com os homens brancos, uma coisa que os outros guerreiros não tinham aptidão para fazer. Djekupé A Djú lutava, fazia de tudo para que as aldeias guaranis não fossem perturbadas. Principalmente porque ele pensava no seu avô, não queria que nada atrapalhasse a preparação espiritual do seu avô [Werá não entrou em detalhes, mas é possível supor que, de acordo com a tradição, o velho pajé se preparava espiritualmente para “viajar” à Terra Sem Mal, a Yvy Mara Ey, uma espécie de paraíso, que segundo o mito pode ser alcançado em vida ou após a morte].

Por aí se vê que Djekupé A Djú podia se relacionar com os jesuítas, mas não era um cristão mesmo, como dizem, porque na verdade ele respeitava mais a religião do avô, a religião do nosso povo. Karaí Djekupé foi e continua sendo um grande herói dos guaranis e esta é a sua verdadeira história”.

Estudos históricos e antropológicos vêm indicando, cada vez mais, que a falada conversão dos guaranis ao cristianismo, nas reduções jesuíticas, foi talvez mais aparente que real. Esses indígenas não se recusavam ao batismo e às missas, muitas vezes por apreciarem a estética dos rituais e para não desgostarem os padres.

Um sinal disso pode ser a não permanência da religião. O número de guaranis católicos, hoje, é ínfimo. Tem havido “ataques” de seitas protestantes às aldeias e muitos frequentam os cultos. Mas ainda não se pode avaliar a verdadeira dimensão do prejuízo cultural, pois os guaranis parecem possuir uma auto-defesa eficiente, baseada no ato de “desviar-se”, com extrema diplomacia, que ilude inteligentemente os desavisados.

Geoengineering Approaches to Reduce Climate Change Unlikely to Succeed (Science Daily)

Dec. 5, 2013 — Reducing the amount of sunlight reaching the planet’s surface by geoengineering may not undo climate change after all. Two German researchers used a simple energy balance analysis to explain how Earth’s water cycle responds differently to heating by sunlight than it does to warming due to a stronger atmospheric greenhouse effect. Further, they show that this difference implies that reflecting sunlight to reduce temperatures may have unwanted effects on Earth’s rainfall patterns.

Heavy rainfall events can be more common in a warmer world. (Credit: Annett Junginger, distributed via imaggeo.egu.eu)

The results are now published in Earth System Dynamics, an open access journal of the European Geosciences Union (EGU).

Global warming alters Earth’s water cycle since more water evaporates to the air as temperatures increase. Increased evaporation can dry out some regions while, at the same time, result in more rain falling in other areas due to the excess moisture in the atmosphere. The more water evaporates per degree of warming, the stronger the influence of increasing temperature on the water cycle. But the new study shows the water cycle does not react the same way to different types of warming.

Axel Kleidon and Maik Renner of the Max Planck Institute for Biogeochemistry in Jena, Germany, used a simple energy balance model to determine how sensitive the water cycle is to an increase in surface temperature due to a stronger greenhouse effect and to an increase in solar radiation. They predicted the response of the water cycle for the two cases and found that, in the former, evaporation increases by 2% per degree of warming while in the latter this number reaches 3%. This prediction confirmed results of much more complex climate models.

“These different responses to surface heating are easy to explain,” says Kleidon, who uses a pot on the kitchen stove as an analogy. “The temperature in the pot is increased by putting on a lid or by turning up the heat — but these two cases differ by how much energy flows through the pot,” he says. A stronger greenhouse effect puts a thicker ‘lid’ over Earth’s surface but, if there is no additional sunlight (if we don’t turn up the heat on the stove), extra evaporation takes place solely due to the increase in temperature. Turning up the heat by increasing solar radiation, on the other hand, enhances the energy flow through Earth’s surface because of the need to balance the greater energy input with stronger cooling fluxes from the surface. As a result, there is more evaporation and a stronger effect on the water cycle.

In the new Earth System Dynamics study the authors also show how these findings can have profound consequences for geoengineering. Many geoengineering approaches aim to reduce global warming by reducing the amount of sunlight reaching Earth’s surface (or, in the pot analogy, reduce the heat from the stove). But when Kleidon and Renner applied their results to such a geoengineering scenario, they found out that simultaneous changes in the water cycle and the atmosphere cannot be compensated for at the same time. Therefore, reflecting sunlight by geoengineering is unlikely to restore the planet’s original climate.

“It’s like putting a lid on the pot and turning down the heat at the same time,” explains Kleidon. “While in the kitchen you can reduce your energy bill by doing so, in the Earth system this slows down the water cycle with wide-ranging potential consequences,” he says.

Kleidon and Renner’s insight comes from looking at the processes that heat and cool Earth’s surface and how they change when the surface warms. Evaporation from the surface plays a key role, but the researchers also took into account how the evaporated water is transported into the atmosphere. They combined simple energy balance considerations with a physical assumption for the way water vapour is transported, and separated the contributions of surface heating from solar radiation and from increased greenhouse gases in the atmosphere to obtain the two sensitivities. One of the referees for the paper commented: “it is a stunning result that such a simple analysis yields the same results as the climate models.”

Journal Reference:

  1. A. Kleidon, M. Renner. A simple explanation for the sensitivity of the hydrologic cycle to global climate changeEarth System Dynamics Discussions, 2013; 4 (2): 853 DOI: 10.5194/esdd-4-853-2013

The Oracle of the T Cell (Science Daily)

Dec. 5, 2013 — A platform that simulates how the body defends itself: The T cells of the immune system decide whether to trigger an immune response against foreign substances.

The virtual T cell allows an online simulation of the response of this immune cell to external signals. (Credit: University of Freiburg)

Since December 2013, scientists from around the world can use the “virtual T cell” to test for themselves what happens in the blood cell when receptor proteins are activated on the surface. Prof. Dr. Wolfgang Schamel from the Institute of Biology III, Facutly of Biology, the Cluster of Excellence BIOSS Centre for Biological Signalling Studies and the Center of Chromic Immunodeficiency of the University of Freiburg is coordinating the European Union-funded project SYBILLA, “Systems Biology of T-Cell Activation in Health and Disease.” This consortium of 17 partners from science and industry has been working since 2008 to understand the T cell as a system. Now the findings of the project are available to the public on an interactive platform. Simulating the signaling pathways in the cell enables researchers to develop new therapeutic approaches for cancer, autoimmune diseases, and infectious diseases.

The T cell is activated by vaccines, allergens, bacteria, or viruses. The T cell receptor identifies these foreign substances and sets off intracellular signaling cascades. This response is then modified by many further receptors. In the end, the network of signaling proteins results in cell division, growth, or the release of messengers that guide other cells of the immune system. The network initiates the attack on the foreign substances. Sometimes, however, the process of activation goes awry: The T cells mistakenly attack the body’s own cells, as in autoimmune diseases, or they ignore harmful cells like cancer cells.

The online platform developed by Dr. Utz-Uwe Haus and Prof. Dr. Robert Weismantel from the Department of Mathematics of ETH Zurich in collaboration with Dr. Jonathan Lindquist and Prof. Dr. Burkhart Schraven from the Institute of Molecular and Clinical Immunology of the University of Magdeburg and the Helmholtz Center for Infection Research in Braunschweig allows researchers to click through the signaling network of the T cells: Users can switch on twelve receptors, including the T cell receptor, identify the signals on the surface of other cells, or bind messengers.

The mathematical model then calculates the behavior of the network out of the 403 elements in the system. The result is a combination of the activity of 52 proteins that predict what will happen with the cell: They change the way in which the DNA is read and thus also that which the cell produces. Now researchers can find weak points for active substances that could be used to treat immune diseases or cancer by switching on and off particular signals in the model. Every protein and every interaction between proteins is described in detail in the network, backed up with references to publications. In addition, users can even extend the model themselves to include further signaling proteins.

Patrick Lane: An open letter to all the wild creatures of the Earth (Times Colonist)

PATRICK LANE / TIMES COLONIST

DECEMBER 2, 2013 02:39 PM

Patrick Lane speaks at UVic's convocation ceremony.

Photograph by: University of Victoria

Victoria poet Patrick Lane received an honorary doctor of letters degree from the University of Victoria on Nov. 13. Lane, who has won the Governor General’s Literary Award and numerous other honours, has written 25 volumes of poetry, as well as fiction and non-fiction. He is known for what the university called the “gritty honesty” of his style. In keeping with his unique voice, his convocation speech was moving and powerful. Here is the text of his speech.

It is 65 years ago, you’re 10 years old and sitting on an old, half-blind, grey horse. All you have is a saddle blanket and a rope for reins as you watch a pack of dogs rage at the foot of a Ponderosa pine.

High up on a branch, a cougar lies supine, one paw lazily swatting at the air. He knows the dogs will tire. They will slink away and then the cougar will climb down and go on with its life in the Blue Bush country south of Kamloops. It is a hot summer day. There is the smell of pine needles and Oregon grape and dust. It seems to you that the sun carves the dust from the face of the broken rocks, carves and lifts it into the air where it mixes with the sun. Just beyond you are three men on horses.

The men have saddles and boots and rifles and their horses shy at the clamour of the dogs. The man with the Winchester rifle is the one who owns the dog pack and he is the one who has led you out of the valley, following the dogs through the hills to the big tree where the cougar is trapped. You watch as the man with the rifle climbs down from the saddle and sets his boots among the slippery pine needles. When the man is sure of his footing he lifts the rifle, takes aim, and then … and then you shrink inside a cowl of silence as the cougar falls.

As you watch, the men raise their rifles and shoot them at the sun. You will not understand their triumph, their exultance. Not then. You are too young. It will take years for you to understand. But one day you will step up to a podium in an auditorium at a University on an island far to the west and you will talk about what those men did. You know now they shot at the sun because they wanted to bring a darkness into the world. Knowing that has changed you forever.

Today I look back at their generation. Most of them are dead. They were born into the first Great War of the last century. Most of their fathers did not come home from the slaughter. Most of their mothers were left lost and lonely. Their youth was wasted through the years of the Great Depression when they wandered the country in search of work, a bed or blanket, a friendly hand, a woman’s touch, a child’s quick cry. And then came the Second World War and more were lost. Millions upon millions of men, women, and children died in that old world. But we sometimes forget that untold numbers of creatures died with them: the sparrow and the rabbit, the salmon and the whale, the beetle and the butterfly, the deer and the wolf. And trees died too, the fir and spruce, the cedar and hemlock. Whole forests were sacrificed to the wars.

Those men bequeathed to me a devastated world. When my generation came of age in the mid-century, we were ready for change. And we tried to make it happen, but the ones who wanted change were few. In the end, we did what the generations before us did. We began to eat the world. We devoured the oceans and we devoured the land. We drank the lakes and the seas and we ate the mountains and plains. We ate and ate until there was almost nothing left for you or for your children to come.

The cougar that died that day back in 1949 was a question spoken into my life, and I have tried to answer that question with my teaching, my poems and my stories. Ten years after they killed the cougar, I came of age. I had no education beyond high school, but I had a deep desire to become an artist, a poet. The death of the cougar stayed with me through the years of my young manhood. Then, one moonlit night in 1963, I stepped out of my little trailer perched on the side of a mountain above the North Thompson River. Below me was the sawmill where I worked as a first-aid man. Down a short path, a little creek purled through the trees just beyond my door. I went there under the moon and, kneeling in the moss, cupped water in my hands for a drink. As I looked up I saw a cougar leaning over his paws in the thin shadows. He was six feet away, drinking from the same pool. I stared at the cougar and found myself alive in the eyes of the great cat. The cougar those men had killed when I was a boy came back to me. It was then I swore I would spend my life bearing witness to the past and the years to come.

I stand here looking out over this assembly, and ask myself what I can offer you who are taking from my generation’s hands a troubled world. I am an elder now. There are times many of us old ones feel a deep regret, a profound sorrow, but our sorrow does not have to be yours. You are young and it is soon to be your time. A month ago, I sat on a river estuary in the Great Bear Rainforest north of here as a mother grizzly nursed her cubs. As the little ones suckled, the milk spilled down her chest and belly. As I watched her, I thought of this day and I thought of you who not so long ago nursed at your own mother’s breast. There, in the last intact rainforest on earth, the bear cubs became emblems of hope to me.

Out there are men and women only a few years older than you who are trying to remedy a broken world. I know and respect their passion. You, too, can change things. Just remember there are people who will try to stop you, and when they do you will have to fight for your lives and the lives of the children to come.

Today, you are graduating with the degrees you have worked so hard to attain. They will affect your lives forever. You are also one of the wild creatures of the Earth. I want you for one moment to imagine you are a ten-year-old on a half-blind, grey horse. You are watching a cougar fall from the high limb of a Ponderosa pine into a moil of raging dogs. The ones who have done this, the ones who have brought you here, are shooting at the sun. They are trying to bring a darkness into the world.

It’s your story now.

How do you want it to end?

© Copyright 2013

– See more at: http://www.timescolonist.com/patrick-lane-an-open-letter-to-all-the-wild-creatures-of-the-earth-1.717669#sthash.0lbjM8ax.dpuf