Como a pandemia muda o panorama geral planetário?

Por Richard Heinberg, publicado originalmente por Resilience.org. Traduzido por Renzo Taddei.

25 de março de 2020

No ano de 2019, o panorama geral para a humanidade era aproximadamente o seguinte. O Homo sapiens (nós), um mamífero bípede de cérebro grande, passou a época do Pleistoceno (de 2,5 milhões de anos atrás até 12.000 anos atrás) desenvolvendo sua habilidade de controlar o fogo, conversar, pintar imagens, tocar flautas ósseas e fazer ferramentas e roupas. A linguagem aumentou drasticamente nossa sociabilidade e nos ajudou a invadir e habitar todos os continentes, exceto a Antártica. Durante a época do Holoceno (os últimos 12.000 anos), começamos a viver em assentamentos permanentes, desenvolvemos a agricultura e construímos sociedades estatais com reis, escravidão, desigualdade econômica, divisão de trabalho em tempo integral, dinheiro, religiões e exércitos. A época do Antropoceno (um breve interlúdio, na verdade) surgiu há apenas alguns séculos, quando nós humanos começamos a usar combustíveis fósseis, o que nos capacitou dramaticamente a aumentar nossa população e nossas taxas de consumo per capita, mecanizar a produção e o transporte e basicamente dominar o planeta inteiro. A mecanização da agricultura, ao tornar redundante o campesinato, levou à urbanização em massa e rapidamente aumentou o tamanho da classe média. No entanto, o uso de combustíveis fósseis desestabilizou o clima global, além de aumentar enormemente os problemas existentes, como poluição, esgotamento de recursos e destruição de habitat para a maioria das criaturas selvagens. Além disso, nas últimas décadas, aprendemos a usar a dívida para transferir o consumo do futuro para o presente, com base no pressuposto arriscado de que a economia continuará a crescer para sempre, possibilitando às gerações futuras pagar pelo estilo de vida que desfrutamos agora.

Em suma, o quadro geral era de poder e perigo crescentes. De repente, o quadro mudou. Um padrão de crescimento econômico furioso, consistente ao longo de muitas décadas desde o início do Antropoceno (com interrupções ocasionais, consistindo principalmente na Grande Depressão e nas duas Guerras Mundiais), chocou-se com força contra a parede do (des)preparo pandêmico. Em um esforço para limitar a mortalidade pelo novo coronavírus, os governos de todo o mundo colocaram suas economias em um estado de hibernação, dizendo à maioria dos trabalhadores para ficar em casa e evitar o contato direto com os outros.

Como esse desenvolvimento está impactando as tendências que já estavam em andamento? As gerações futuras olharão para trás e verão a pandemia de coronavírus como algo que simplesmente passou, ou como um fenômeno que mudou o curso da história? Revisemos algumas das principais tendências que se desenvolveram durante o Antropoceno e exercitemos nossa capacidade de especulação bem informada sobre como elas podem ser afetadas pelo surto de COVID-19.

Mudança climática: Na China, o lockdown de trabalhadores e o fechamento de empresas levaram a uma redução drástica nas emissões de gases de efeito estufa. Nas próximas semanas, as emissões do mundo como um todo podem cair dez por cento ou mais. Nota para os guerreiros do clima: não comemorem de forma muito efusiva; ambientalista exultantes não serão bem vistos pelas pessoas que estão desempregadas por causa da pandemia.

A resposta do mundo ao coronavírus mina o argumento de que os governos não podem reduzir as emissões de carbono porque isso prejudicaria suas economias. Claramente, os líderes nacionais sentiram que a ameaça mais imediata (embora, no esquema mais amplo, menos significativa) da pandemia justificava o fechamento do comércio. Os ativistas climáticos sentem-se encorajados a defender o seguinte argumento: se o decrescimento econômico é o que é necessário para preservar uma biosfera habitável, os líderes mundiais podem e devem encontrar maneiras justas e humanas de reduzir o uso de energia, extração de recursos naturais, atividade industrial e lançamento de resíduos – todos eles elementos que contribuem para as mudanças climáticas.

No entanto, a pandemia não é uma boa notícia para a transição para as energias renováveis. As cadeias de suprimentos para empresas de energia solar e eólica foram interrompidas e a demanda por novas instalações foi reduzida. E com a perspectiva de petróleo e o gás superbaratos (veja “Esgotamento de recursos”, abaixo), é provável que as forças do mercado atrapalhem, em vez de ajudar tanto a indústria de energias renováveis ​​quanto a transição para carros elétricos.

Desigualdade econômica: para os freelancers e para as pessoas que vivem de salário em salário (o que representa 74% dos americanos que são horistas), o bloqueio do coronavírus é uma catástrofe. A curto prazo, as desigualdades econômicas existentes resultarão em níveis altamente desiguais de sacrifício e sofrimento. Pode ser relativamente fácil para trabalhadores com baixos salários racional recursos e aguentar uma ou duas semanas em casa como férias forçadas, mas se dezenas de milhões de americanos sem poupança ficarem vários meses sem renda, as tensões sociais regionais podem chegar ao ponto de ruptura. Essa é uma das razões pelas quais os funcionários do governo estão falando sobre distribuição de dinheiro.

No longo prazo, os recentes níveis absurdos de desigualdade podem ser seriamente rediuzidos. Em seu livro The Great Leveler, o historiador Walter Scheidel argumenta que, no passado, a desigualdade econômica foi revertida de forma dramática pelo que ele chama de “Os Quatro Cavaleiros” – mobilização em massa para guerra, revolução, colapso estatal e epidemias. Atualmente, muitos governos estão realizando esforços de realocação econômica equivalentes, em escala, aos vistos nas guerras mundiais. Por exemplo, a Dinamarca está pagando, por um período de três meses, 75% dos salários (para salários de até 50 mil dólares por ano) para empresas que, de outra forma, teriam que demitir trabalhadores. Isso não apenas permite que os trabalhadores em quarentena sobrevivam, como também permaneçam na folha de pagamento e não precisem voltar ao mercado de trabalho.

Assim, a atual pandemia pode se qualificar como dois cavaleiros de Scheidel (mobilização em massa e epidemia). A classe dos investidores está testemunhando a destruição de capital em taxa e escala prodigiosas, enquanto os esforços dos governos para manter a civilidade e o bem-estar social podem implicar a criação de uma rede de segurança para os mais pobres. Obviamente, não é assim que os advogados da justiça social imaginaram controlar a desigualdade, mas o resultado pode acabar sendo equivalente a outro New Deal, e possivelmente até a um Green New Deal.

Perda de biodiversidade: A nova pandemia de coronavírus quase certamente começou nos mercados de animais selvagens em Wuhan, China. Como Carl Safina colocou em um artigo recente, “os seres humanos causaram a pandemia colocando os animais do mundo em um liquidificador cruel e bebendo-os como um drink”. Embora tenha havido outras epidemias zoonóticas nos últimos anos, incluindo o HIV, o vírus de Marburg, a SARS e a pandemia de “gripe suína” (H1N1) de 2009, o surto global de coronavírus pode proporcionar um momento de aprendizado, em que as organizações de conservação da vida selvagem podem pedir com êxito uma moratória internacional ao comércio ou venda de qualquer espécie animal não domesticada (os zoológicos sendo uma exceção fortemente regulamentada).

Caso contrário, não espere muita mudança na tendência geral de declínio no número de insetos, répteis, anfíbios e pássaros e mamíferos selvagens com os quais compartilhamos este pequeno planeta.

Superpopulação: Alguns indívíduos cínicos da geração Y chamam o novo coronavírus de “Removedor de Boomers”, devido à sua tendência de atacar os idosos com maior virulência. Como a humanidade recentemente adicionou 80 milhões de novos membros por ano (nascimentos menos mortes), uma exclusão do crescimento líquido de um ano na população é possível no pior dos cenários. No entanto, o potencial para uma moderação de curto prazo de nosso padrão geral de expansão demográfica pode ser pelo menos parcialmente compensado pelos resultados, a partir de nove meses a partir de agora, de centenas de milhões de pessoas em idade reprodutiva em todo o mundo que ficam em casa por semanas com pouco o que fazer. Para nações ricas com níveis decrescentes de fertilidade, uma ameaça muito maior à estabilidade da população humana provavelmente continuará sendo representada pelo acúmulo de substâncias químicas no ambiente que causam desregulação endócrina. Para os países pobres com altas tendências de crescimento populacional, oportunidades iguais de educação para todos, independentemente do sexo, ajudarão substancialmente a reduzir as taxas de crescimento.

Esgotamento de recursos: com a produção industrial em queda, a demanda e, portanto, os preços da maioria das mercadorias estão caindo. A commodity mais economicamente crucial do mundo, o petróleo, viu seu preço cair de US$ 50 por barril para perto de US$ 20 (no momento em que este artigo foi escrito); alguns analistas estão prevendo preços em um dígito. Com a queda do uso de petróleo, a capacidade de armazenamento de excedente de petróleo acabará, e os produtores não terão escolha a não ser abandonar alguns poços. As companhias de petróleo provavelmente serão socorridas, mas não serão lucrativas nas condições atuais. A perspectiva de aumentar as taxas mundiais de extração de petróleo até níveis recentes parece fraca. É provável, então, que o momento tão antecipado do pico da produção mundial de petróleo já tenha ocorrido, com pouco alarde, em novembro de 2018.

Obviamente, a queda nos mercados de petróleo é resultado de um desastre econômico, e não de políticas sólidas de conservação de recursos. Portanto, a adaptação por parte da indústria e da sociedade como um todo será caótica. As implicações internacionais são difíceis de prever: várias nações importantes do Oriente Médio verão suas economias destruídas pelos baixos preços do petróleo, e as grandes potências (especificamente China e Rússia) podem tentar aproveitar o momento buscando realinhar alianças na região.

Poluição: Marshall Burke, da Universidade de Stanford, escreveu recentemente que “as reduções na poluição do ar na China causadas por essa perturbação econômica provavelmente salvaram 20 vezes mais vidas na China do que foram perdidas devido à infecção pelo vírus naquele país”. Taxas reduzidas de atividade fabril e de consumo devem ajudar a reduzir a poluição geral, mas é claro que esse é o efeito colateral da crise, não o resultado de uma política sólida. Portanto, sem intervenções em políticas ambientais, não há razão para esperar que os benefícios da redução da poluição sejam sustentados. Apenas um exemplo de como alguns benefícios temporários podem ser equilibrados por novos danos: o uso de plásticos descartáveis ​​provavelmente aumentará durante a resposta à pandemia.

Dívida global explosiva: a economia mundial está novamente em um momento deflacionário, como em 1932 e 2008. Para os bancos centrais e governos, todos os esforços fiscais serão voltados para reinflacionar uma economia que está murchando. Há um risco de que os investidores percebam que, em um mundo sem crescimento, seus instrumentos financeiros são inerentemente inúteis, forçando não apenas um colapso do valor de mercado das ações, mas um repúdio às próprias regras do jogo. No entanto, como a epidemia de coronavírus acabará por retroceder, o resultado mais provável é um período de inadimplência e falências, mitigadas por níveis heróicos de compras de títulos do Fed e ajudas dos governos (para as indústrias de petróleo e companhias aéreas, por exemplo) e déficit de gastos. Eventualmente, se a impressão de moeda crescer de forma exponencial, a hiperinflação é uma possibilidade, mas não tão cedo. Ponto central: o sistema financeiro foi desestabilizado e, como a indústria do petróleo, pode nunca voltar ao “normal”.

* * *

Voltemos à questão colocada acima: a humanidade voltará a olhar para a pandemia de coronavírus como um evento sem maior importância ou como uma transformação profunda? A resposta provável depende, em parte, de quanto tempo dura a pandemia, e isso, por sua vez, dependerá em grande parte da rapidez com que os testes se tornarem amplamente disponíveis e tratamentos e vacinas forem encontrados. Os documentos do governo dos EUA marcados como “impróprios para divulgação pública” sugerem escassez significativa não apenas de equipamentos médicos, mas também de bens em geral nos próximos 18 meses para governo, indústria e cidadãos, se as soluções não forem rapidamente encontradas.

O nível de mudança sistêmica também depende do grau de desaceleração do emprego e do PIB. Fred Bullard, presidente do Fed de St. Louis, afirmou que a taxa de desemprego nos EUA pode atingir 30% no segundo trimestre, devido a paralisações para combater o coronavírus, e que o PIB pode cair 50%. Isso seria uma carnificina econômica muito além da escala da Grande Depressão (a taxa de desemprego nos Estados Unidos em 1933 era de 25%; seu PIB caiu cerca de 15%). Se a economia global cair tanto e permanecer paralisada mesmo por algumas semanas, o coronavírus poderá ser chamado de “o grande divisor de águas”.

Mas uma mudança em que direção? As possibilidades distópicas vêm à mente com muita facilidade. No entanto, em conversas, alguns dos meus colegas que trabalham em think tanks sugeriram que a pandemia poderia se transformar em uma crise de tamanho suficiente para desorganizar a ordem global na medida certa e de tal maneira que promovesse respostas que induzissem pelo menos algumas sociedades à trajetória de cooperação, redistribuição e decrescimento.

Primeiro, os governos costumam lidar com a escassez (prevista nos documentos oficiais citado acima) por meio da estratégia testada e comprovada do racionamento de recursos. Como Stan Cox detalha em seu livro indispensável Any Way You Slice It: The Past, Present, and Future of Rationing, o racionamento nem sempre funciona bem; mas quando isso acontece, os resultados podem ser admiráveis. Durante as duas guerras mundiais, os americanos participaram entusiasticamente de programas de racionamento de alimentos, pneus, roupas e muito mais. A Grã-Bretanha continuou seus programas de racionamento bem após o final da Segunda Guerra Mundial, e pesquisas mostraram que, durante o período de racionamento, os britânicos eram geralmente mais bem alimentados e saudáveis ​​do que antes ou depois. Na maioria dos cenários imaginários de degradação econômica deliberada, os programas de racionamento de energia e bens são os mais prováveis.

Cox conclui que os programas de racionamento tendem a ser mais bem-sucedidos quando as pessoas estão unidas contra um inimigo comum e quando se acredita que a escassez seja temporária. Apesar dos esforços do presidente Trump em chamá-lo de “vírus chinês”, o SARS-Cov-2 não tem nacionalidade inerente, nem é democrata ou republicano. É de fato um inimigo comum, e as pessoas tendem a se tornar mais cooperativas quando confrontadas com uma ameaça coletiva. Além disso, os epidemiologistas concordam que a ameaça terá um ponto final, mesmo que não saibamos exatamente quando será. Portanto, existem condições para o sucesso do racionamento, e ele poderia ajudar a promover atitudes mais comunitárias e cooperativas em geral.

Além disso, como discutido acima, a pandemia tem potencial para a redução significativa das desigualdades econômicas. Historicamente, nem todos os momentos de nivelamento econômico promoveram a cooperação: quando gerados pelo colapso do Estado ou por uma revolução, o nivelamento econômico foi acompanhado por sofrimento generalizado e por conflitos sangrentos. No entanto, durante os grandes momentos de nivelamento do século XX – a Depressão e as duas Guerras Mundiais – os americanos conseguiram se unir ao redor do sentimento de sacrifício compartilhado.

A longo prazo, ainda enfrentamos os desafios das mudanças climáticas, esgotamento de recursos, superpopulação, poluição e perda de biodiversidade. Embora a pandemia possa ter impactos positivos secundários ou menores sobre esses problemas, ela não os resolverá. Esforços coletivos significativos e sustentados ainda serão necessários para transformar sistemas energéticos, economias e estilos de vida (embora a pandemia possa transformar economias e estilos de vida de maneiras imprevisíveis). Se a resposta do coronavírus nos colocar em uma base cooperativa, tanto melhor. Obviamente, isso seria às custas de montantes desconhecidos de mortes, bem como do medo e da privação generalizados. Os elementos positivos que são sólidos como uma nuvem; mas, como Monty Python nos lembra pelo YouTube, é sempre bom olhar para o lado positivo da vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s