Arquivo mensal: março 2014

The Thirsty West: What Happens in Vegas Doesn’t Stay in Vegas (Slate)

Even Sin City’s attempts to conserve water are wasteful.

By 

MARCH 18 2014 3:24 PM

Lake Mead

For the first time since the construction of the Hoover Dam, water levels in Lake Mead are being intentionally lowered due to the ongoing drought. The result is striking. 

Photo by Eric Holthaus

LAS VEGAS—It’s no secret that the West is running out of water.

Perhaps the best evidence of this problem lies in stark juxtaposition across a stretch of desert surrounding Las Vegas.

As my wife and I planned our route from Tucson, Ariz., to California for the#thirstywest Slate series, there were a couple of stopovers I wanted to make along the way. This short drive was one of them.

Within the span of a single afternoon, it’s possible to witness the past, present, and future of water issues in the West. We accomplished this by driving past the Hoover Dam, through Las Vegas, and on into California via Death Valley.

First, the past:

The Hoover Dam was the biggest civil engineering project in U.S. history, famously constructed in the midst of the Great Depression to tame the Colorado River, provide electricity, and create Lake Mead, the largest reservoir in the country. Now, climate change is starting to make it obsolete.

Lake Mead provides 90 percent of the water to the once-again booming city of Las Vegas, as well as indirectly to Phoenix, Tucson, Los Angeles, and agricultural areas downstream via diversions from the Colorado River. As the result of an ongoing multiyear drought, this giant lake is now approaching the lowest water levels since its construction.

When we saw it for the first time, we gasped.

The sight of so much water in the middle of a desert is in itself brain-twisting, but to see the bright-white “bathtub ring” marking the lake’s historic high-water mark more than 100 feet above current levels, contrasted with boats merrily speeding around on the dwindling reservoir, was nearly too much to take. It was a sharp reminder that despite building dams, aqueducts, and other super-human feats, water in the desert is inherently temporary. We stayed only a few minutes.

The last time water levels were this low, in 2010, federal officials contemplated worst-case scenarios of forced cuts to Las Vegas—of both electricity and water. It didn’t happen then, but the drought this time around is worse.

The lake is now expected to reach a new record low of 1,080 feet by April 2015 and to cross the first trigger for downstream water cutbacks at 1,075 feet shortly thereafter. By summer 2015, the water supply to Las Vegas itself could be affected if an $817 million tunnel project—currently months behind schedule—isn’t yet completed.That project, conceived as a way to extend Lake Mead’s usefulness in the face of climate change, is designed to suck water from the lake all the way to the very bottom—a point long after even the turbines of Hoover Dam would have to shut down, possibly for good.

The new tunnel can’t be finished fast enough. As the magnitude of the current drought started to hit home, construction of an impromptu tunnel designed to buy the larger project a few months of time was approvedlate last year. Officials described the newest tunneling project as an “emergency meant to avoid an emergency.”

It all has the feel of a patient on life support, with a spaghetti of IV lines coming out of both arms. The morbidly curious can follow the daily level of Lake Mead (down another 1.7 inches Monday), via the U.S. Bureau of Reclamation website. Which brings us to Las Vegas today.

A city built on sin can add another to its list: water.

The driest city in America still uses more water per capita than just about any other city in the country. This despite years of steady efficiency improvements and the resounding success of its “cash for grass” program that pays residents for each square foot of lawn they rip out and replace with rocks. Front lawns are now illegal in Las Vegas, yet verdant golf courses are still commonplace. About 70 percent of the city’s nearly maxed-out water diversion from Lake Mead still goes to landscaping.

Don’t get me wrong: The city has made major improvements in water efficiency, using about 40 percent less water per person over the past 25 years or so. The problem is the city’s population has tripled over that same time, and total water usage is up (though down from its peak about a decade ago—an improvement due at least partially to the economic downturn). It’s like a one-ton man patting himself on the back for losing 400 pounds. Great news, but there’s still a long way to go.

Environmental groups have taken the city to task for its water-wasting ways. In the most egregious cases, they’re winning. But the city isn’t going down without a fight. The city’s longtime water czar, known for her “whatever it takes” strategy in gobbling up new water rights statewide rather than focusing on efficiency at home, has recently retired. Now the city has rubber-stamped her handpicked successor. Here’s one alarming plan still under consideration, via the Las Vegas Review-Journal:

The biggest and most controversial project on the table is the authority’s decades-old plan to siphon groundwater from four rural valleys in eastern Nevada and send it to Las Vegas through a pipeline network expected to cost as much as $15 billion.

The idea has drawn loud opposition—and ongoing legal challenges—from critics who complain that it will cost too much, ravage the environment and fail to deliver as much water as authority officials promise.

Entsminger has done a great deal of work on behalf of what the agency calls its “in-state project,” and he said Tuesday that he has no plans to kill it, though he views it as “absolutely a Plan B.” If the water keeps dropping in Lake Mead, source for about 90 percent of the valley’s supply, the authority will have little choice but to pursue a backup source separate from the Colorado River, he said.

Getting a city built on excess to live within the limits dictated by climate and common sense is predictably no easy task. With water rates far lower than Santa Fe, N.M., orTucson and a strong libertarian streak, you end up with crazy things like a LEED-certified casino that is also the largest building in the United States. Sustainability here is a desert mirage.

As High Country News’ Jonathan Thompson explains, in Las Vegas, the mantra seems to be: “Only by consuming more … can we consume less.” He continues:

The result is what I call the Vegas paradox. A 2010 survey found that new homes used an average of 115,000 gallons annually, while pre-2003 homes used 185,000 gallons. … That means that, under current regulations, developers will have to keep building and building in order for the Water Authority to succeed in reducing per capita water-use to 199 gallons by 2035. The more the place grows, in other words, the more sustainable it appears.

For perspective, that goal of 199 gallons per person per day by 2035 is twice California’s current statewide average water consumption. One of the best in the West, San Francisco, uses less than a quarter of the water per person as Vegas—just 49 gallons per person per day.

In this case, what happens in Vegas doesn’t stay in Vegas. The city’s wastewater is pumped back into the Colorado River via the historically dry Las Vegas Washstreambed, now a lush oasis thanks to all that residential effluent. The less water Las Vegas puts back into the river, the less there is for the more populous states downstream—Arizona and California.

This year’s drought could be the catalyst for a new legal framework among the states that share that river’s water supply. Rogue irrigation districts have been testing legal limits, attempting to coax a bit more agricultural production out of the dwindling Colorado. If the drought lingers past current predictions, causing Lake Mead to fall further into uncharted territory, the cutbacks won’t be felt equally.

The New York Times has an explainer:

The labyrinthine rules by which the seven Colorado states share the river’s water are rife with potential points of conflict. And while some states have made huge strides in conserving water—and even reducing the amount they consume—they have yet to chart a united path through shortages that could last years or even decades.

Life in the desert is a gamble. But there’s only so much more time remaining before Mother Nature forces Vegas’ hand. Even money can’t buy water when there’s not enough to go around.

While exiting the city on Blue Diamond Road, we ran a gantlet of brand-new subdivisions, many with signs touting gargantuan square footage and four-car garages. This part of the drive was a little like opening up the front door one morning and having a real-live fire-breathing dragon calmly staring back at you. It simply should not be.

In my next part of the Thirsty West series, we arrive in Death Valley—one of the few parts of California that’s technically not in an extreme drought right now.

This article is part of Future Tense, a collaboration among Arizona State University, the New America Foundation, and SlateFuture Tense explores the ways emerging technologies affect society, policy, and culture. To read more, visit the Future Tense blog and the Future Tense home page. You can also follow us on Twitter.

Eric Holthaus is a meteorologist who writes about weather and climate for Slate’s Future Tense. Follow him on Twitter.

Elegy for a Country’s Seasons (New York Review of Books)

Zadie SmithAPRIL 3, 2014 ISSUE

smith_1-040314.jpg

Wyatt Gallery: Displaced Home in Marsh, Midland Beach, Staten Island, ­November 2012; from the book #Sandy: Seen Through the iPhones of Acclaimed Photographers, to be published by Daylight in September. ­Gallery’s photograph also appears in the exhibition ‘Rising Waters,’ on view at the ­Museum of the City of New York until April 6, 2014. For more on the exhibition, see Michael Greenberg’s review on the NYRgallery blog,www.nybooks.com/gallery.

There is the scientific and ideological language for what is happening to the weather, but there are hardly any intimate words. Is that surprising? People in mourning tend to use euphemism; likewise the guilty and ashamed. The most melancholy of all the euphemisms: “The new normal.” “It’s the new normal,” I think, as a beloved pear tree, half-drowned, loses its grip on the earth and falls over. The train line to Cornwall washes away—the new normal. We can’t even say the word “abnormal” to each other out loud: it reminds us of what came before. Better to forget what once was normal, the way season followed season, with a temperate charm only the poets appreciated.

What “used to be” is painful to remember. Forcing the spike of an unlit firework into the cold, dry ground. Admiring the frost on the holly berries, en route to school. Taking a long, restorative walk on Boxing Day in the winter glare. Whole football pitches crunching underfoot. A bit of sun on Pancake Day; a little more for the Grand National. Chilly April showers, Wimbledon warmth. July weddings that could trust in fine weather. The distinct possibility of a Glastonbury sunburn. At least, we say to each other, at least August is still reliably ablaze—in Cornwall if not at carnival. And it’s nice that the Scots can take a little more heat with them when they pack up and leave.

Maybe we will get used to this new England, and—like the very young and recently migrated—take it for granted that April is the time for shorts and sandals, or that the New Year traditionally announces itself with a biblical flood. They say there will be butterflies appearing in new areas, and birds visiting earlier and leaving later—perhaps that will be interesting, and new, and not, necessarily, worse. Maybe we are misremembering the past! The Thames hasn’t frozen over for generations, and the dream of a White Christmas is only a collective Dickensian delusion. Besides, wasn’t it always a wet country?

It’s amazing the side roads you can will yourself down to avoid the four-lane motorway ahead. England was never as wet as either its famous novels suggest or our American cousins presume. The weather has changed, is changing, and with it so many seemingly small things—quite apart from train tracks and houses, livelihoods and actual lives—are being lost. It was easy to assume, for example, that we would always be able to easily find a hedgehog in some corner of a London garden, pick it up in cupped hands, and unfurl it for our children—or go on a picnic and watch fat bumblebees crawling over the mouth of an open jam jar. Every country has its own version of this local sadness. (And every country has its version of our arguments, when it comes to causation. Climate change or cars? Climate change or cell phone sites?) You’re not meant to mention the minor losses, they don’t seem worth mentioning—not when compared to the visions of apocalypse conjured by climate scientists and movie directors. And then there are all those people who believe that nothing much is happening at all.

Although many harsh words are said about the childlike response of the public to the coming emergency, the response doesn’t seem to me very surprising, either. It’s hard to keep apocalypse consistently in mind, especially if you want to get out of bed in the morning. What’s missing from the account is how much of our reaction is emotional. If it weren’t, the whole landscape of debate would be different. We can easily imagine, for example, a world in which the deniers were not deniers at all, but simple ruthless pragmatists, the kind of people who say: “I understand very well what’s coming, but I am not concerned with my grandchildren; I am concerned with myself, my shareholders, and the Chinese competition.” And there are indeed a few who say this, but not as many as it might be reasonable to expect.

Another response that would seem natural aligns a deep religious feeling with environmental concern, for those who consider the land a beauteous gift of the Lord should, surely, rationally, be among the most keen to protect it. There are a few of these knocking around, too, but again, not half as many as I would have assumed. Instead the evidence is to be “believed” or “denied” as if the scientific papers are so many Lutheran creeds pinned to a door. In America, a curious loophole has even been discovered in God’s creation, concerning hierarchy. It’s argued that because He placed humans above “things”—above animals and plants and the ocean—we can, with a clean conscience, let all those things go to hell. (In England, traditional Christian love of the land has been more easily converted into environmental consciousness, notably among the country aristocrats who own so much of it.)

But I don’t think we have made matters of science into questions of belief out of sheer stupidity. Belief usually has an emotional component; it’s desire, disguised. Of course, on the part of our leaders much of the politicization is cynical bad faith, and economically motivated, but down here on the ground, the desire for innocence is what’s driving us. For both “sides” are full of guilt, full of self-disgust—what Martin Amis once called “species shame”—and we project it outward. This is what fuels the petty fury of our debates, even in the midst of crisis.

During Superstorm Sandy, I climbed down fifteen floors, several months pregnant, in the darkness, just so I could get a Wi-Fi signal and e-mail a climate-change-denying acquaintance with this fresh evidence of his idiocy. And it only takes a polar vortex—a pocket of cold air that may lower temperatures—for one’s inbox to fill up with gleeful counternarratives from right-leaning relatives—as if this were all a game, and the only thing hanging in the balance is whether or not you or your crazy uncle in Florida are “alarmists” or “realists.” Meanwhile, in Jamaica, where Sandy first made landfall, the ever more frequent tropical depressions, storms, hurricanes, droughts, and landslides do not fall, for Jamaicans, in the category of ontological argument.

Sing an elegy for the washed away! For the cycles of life, for the saltwater marshes, the houses, the humans—whole islands of humans. Going, going, gone! But not quite yet. The apocalypse is always usefully cast into the future—unless you happen to live in Mauritius, or Jamaica, or the many other perilous spots. According to recent reports, “if emissions of global greenhouse gases remain unchanged,” things could begin to get truly serious around 2050, just in time for the seventh birthday party of my granddaughter. (The grandchildren of the future are frequently evoked in elegies of this kind.) Sometimes the global, repetitive nature of this elegy is so exhaustively sad—and so divorced from any attempts at meaningful action—that you can’t fail to detect in the elegists a fatalist liberal consciousness that has, when you get right down to it, as much of a perverse desire for the apocalypse as the evangelicals we supposedly scorn.

Recently it’s been possible to see both sides leaning in a little closer to hear the optimistic arguments of the technocrats. Some sleight of hand has occurred by which we begin to move from talk of combating and reversing to discussion of carbon capture and storage, and higher sea walls, and generators on the roof, and battening down the hatches. Both sides meet in failure. They say to each other: “Yes, perhaps we should have had the argument differently, some time ago, but now it is too late, now we must work with what we have.”

This will no doubt look very peculiar to my seven-year-old granddaughter. I don’t expect she will forgive me, but it might be useful for her to get a glimpse into the mindset, if only for the purposes of comprehension. What shall I tell her? Her teachers will already have explained that what was happening to the weather, in 2014, was an inconvenient truth, financially, politically—but that’s perfectly obvious, even now. A global movement of the people might have forced it onto the political agenda, no matter the cost. What she will want to know is why this movement took so long to materialize. So I might say to her, look: the thing you have to appreciate is that we’d just been through a century of relativism and deconstruction, in which we were informed that most of our fondest-held principles were either uncertain or simple wishful thinking, and in many areas of our lives we had already been asked to accept that nothing is essential and everything changes—and this had taken the fight out of us somewhat.

And then also it’s important to remember that the necessary conditions of our lives—those things that seem to us unavoidably to be the case—are not only debated by physicists and philosophers but exist, irrationally, in the minds of the rest of us, beneath contempt intellectually, perhaps, but we still experience them as permanent facts. The climate was one of those facts. We did not think it could change. That is, we always knew we could do a great deal of damage to this planet, but even the most hubristic among us had not imagined we would ever be able to fundamentally change its rhythms and character, just as a child who has screamed all day at her father still does not expect to see him lie down on the kitchen floor and weep. Now, do you think that’ll get me off the hook with my (slightly tiresome and judgmental) future granddaughter? I worry.

Oh, what have we done! It’s a biblical question, and we do not seem able to pull ourselves out of its familiar—essentially religious—cycle of shame, denial, and self-flagellation. This is why (I shall tell my granddaughter) the apocalyptic scenarios did not help—the terrible truth is that we had a profound, historical attraction to apocalypse. In the end, the only thing that could create the necessary traction in our minds was the intimate loss of the things we loved. Like when the seasons changed in our beloved little island, or when the lights went out on the fifteenth floor, or the day I went into an Italian garden in early July, with its owner, a woman in her eighties, and upon seeing the scorched yellow earth and withered roses, and hearing what only the really old people will confess—in all my years I’ve never seen anything like it—I found my mind finally beginning to turn from the elegiac what have we done to the practical what can we do?

Finnish Education Chief: ‘We Created a School System Based on Equality’ (The Atlantic)

An interview with the country’s minister of education, Krista Kiuru

MAR 17 2014, 10:09 AM ET

hydropeek/Flickr

Finnish education often seems paradoxical to outside observers because it appears to break a lot of the rules we take for granted. Finnish children don’t begin school until age 7. They have more recess, shorter school hours than many U.S. children do (nearly 300 fewer hours per year in elementary school), and the lightest homework load of any industrialized nation. There are no gifted programs, almost no private schools, and no high-stakes national standardized tests.

Yet over the past decade Finland has consistently performed among the top nations on the Programme for International Student Assessment (PISA), a standardized test given to 15-year olds in 65 nations and territories around the world. Finland’s school children didn’t always excel. Finland built its excellent, efficient, and equitable educational system in a few decades from scratch, and the concept guiding almost every educational reform has been equity.  The Finnish paradox is that by focusing on the bigger picture for all, Finland has succeeded at fostering the individual potential of most every child.

I recently accompanied Krista Kiuru, Finland’s minister of education and science, when she visited the Eliot K-8 Innovation School in Boston, and asked her what Finland is doing that we could learn from.


I visited four Finnish schools while researching my book Parenting Without Borders. While there, I frequently heard a saying: “We can’t afford to waste a brain.” It was clear that children were regarded as one of Finland’s most precious resources. You invest significantly in providing the basic resources so that all children may prosper. How do these notions undergird your educational system?

We used to have a system which was really unequal. My parents never had a real possibility to study and have a higher education. We decided in the 1960s that we would provide a free quality education to all. Even universities are free of charge. Equal means that we support everyone and we’re not going to waste anyone’s skills. We don’t know what our kids will turn out like—we can’t know if one first-grader will become a famous composer, or another a famous scientist. Regardless of a person’s gender, background, or social welfare status, everyone should have an equal chance to make the most of their skills.  It’s important because we are raising the potential of the entire human capital in Finland.  Even if we don’t have oil or minerals or any other natural resources, well, we think human capital is also a valuable resource.

How well do you think Finland’s educational system, one based more squarely on equity rather than high achievement, is working?

We created a school system based on equality to make sure we can develop everyone’s potential. Now we can see how well it’s been working.  Last year the OECD tested adults from 24 countries measuring the skill levels of adults aged 16-65, on a survey called the PIAAC (Programme for International Assessment of Adult Competencies), which tests skills in literacy, numeracy, and problem solving in technology-rich environments. Finland scored at or near the top on all measures. But there were differences between age groups.  The test showed that all younger Finns who had had a chance to go to compulsory basic school after the reforms had extremely high knowledge; those who were older, and who were educated before the reforms, had average know-how. So, our educational system is creating people who have extremely good skills and strong know-how—a know-how which is created by investing into education. We have small class sizes and everyone is put in the same class, but we support struggling students more than others, because those individuals need more help. This helps us to be able to make sure we can use/develop everyone’s skills and potential.

I remember being struck by how many vocational or hands-on classes (home economics, art, technology, and so forth) were available to students at every Finnish school I visited.  At one secondary school I visited, kids were cooking breakfast; at another, I saw that all the kids had learned how to sew their own bathing suits.  More than one teacher remarked, “It’s important for students to have different activities to do during the day.” And there seems to be no stigma about vocational education. Is this attitude true of all schools in Finland?

Yes, we definitely believe that for young people handcrafts, cooking, creative pursuits, and sports, are all important. We believe these help young people benefit more from the skills they’re learning in school.

Do you think that this takes time away from academics?

Academics isn’t all kids need. Kids need so much more. School should be where we teach the meaning of life; where kids learn they are needed; where they can learn community skills. We like to think that school is also important for developing a good self-image, a strong sensitivity to other people’s feelings … and understanding it matters to take care of others. We definitely want to incorporate all those things in education.

I also believe that breaking up the school day with different school subjects is very important. We offer a variety of subjects during the school day. We’re also testing out what it’s like to have breaks in the middle of the school day for elementary school students. At a few elementary schools recently we’ve been offering sports, handcrafts, or school clubs during the middle of the school day, rather than just in the morning or after school as we already do. This is to help kids to think of something else, and do something different and more creative during the day.

An American librarian I spoke with, who was a visiting scholar in Finland, was struck by things like the fact that there was no concept of Internet filtering or censorship there. She was struck by how much autonomy was given to children as well as to teachers. At the same time, she noticed how much support teachers in Finland get. She visited one first-grade classroom that was taught by a relatively new teacher,  and seven adults were standing in the back of the room watching the teacher: the master teacher, a specialty subject teacher from her teaching university, her advisor from university, and a couple of other student teachers. Right after the class, they got together and talked about how the lesson went. This sort of observation/debriefing seemed to be quite common. Finland is also well known for investing heavily in continuous professional development. Can you tell me more about this combination of independence and support?

Teachers have a lot of autonomy. They are highly educated–they all have master’s degrees and becoming a teacher is highly competitive. We believe we have to have highly educated teachers, because then we can trust our teachers and know they are doing good work. They do have to follow the national curriculum, although we do have local curriculums as well. But we think that we’ve been able to create good results due to our national, universal curriculum.

We don’t test our teachers or ask them to prove their knowledge. But it’s true that we do invest in a lot of additional teacher training even after they become teachers.

We also trust in our pupils. Of course we give them exams and tests so that we know how they are progressing but we don’t test them at the national level. We believe in our schools because we consider all schools equal. We don’t school shop in Finland and we don’t have to think about which area to live in to go to a good school.

In Finland we are starting to have some issues … in some suburban schools with more immigrants or higher unemployment, but we support those schools by investing more in them, in the struggling schools.

But you know, money doesn’t make for a better education necessarily. We don’t believe that spending on a particular school will make any one of them better so much as focusing on the content of what we do and giving children individual support.

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay (IO9)

17 March 2014

Vincze Miklós

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

People have been drawn to stories about exotic animals throughout our history. The further you go back in that history, the less likely those stories were accurate. Here is a gorgeous compendium of illustrations showing how people imagined real animals they had only heard about.

Crocodiles from Liber Floridus (Book of Flowers), an encyclopedia by Lambert, Canon of Saint-Omer between 1090 and 1120.

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

(via Erik Kwakkel)

Animals from the Rochester Bestiary, c. 1225-1250

A crocodile:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

Elephants:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

Lions and other animals:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A lion:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A colorful panther:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A crocodile from the Northumberland Bestiary, fol. 49v, mid-1250s

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

An elephant from the 13th century, by Guillaume le Clerc

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

An elephant from Italy, c. 1440

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

(via British Library)

Lions from the Ashmole Bestiary (f.10v), 1511

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A whale from Adriaen Coenen’s Visboek (Fish Book), 1560s

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

(via Koninklijke Bibliotheek)

An elephant and a giraffe by Noè Bianco, 1568

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

(via NYPL Digital Library)

The History of Four-Booted Beasts and Serpents, by Edward Topsell, 1658

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A beaver:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A dromedary:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

(via University of Houston Digital Library)

A history of the Earth and animated nature, by Oliver Goldsmith, 1825

A hippo:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

Seals:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

Lions:

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

(via Biodiversity Heritage Library)

A striped hyena, by Aloys Zötl, 1831

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

Gibbons, by Aloys Zötl, 1833

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

The Hoolock Gibbons, by Aloys Zötl, 1835

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

The Cheetah, by Aloys Zötl, 1837

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A rhinoceros, by Aloys Zötl, 1861

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A sea turtle, by Aloys Zötl, 1867

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

A walrus, by Aloys Zötl, 1879

How Europeans Imagined Exotic Animals Centuries Ago, Based on Hearsay

________

(via Wikimedia Commons 1 –2 and British Library)

You should be ashamed — or maybe not (Science Daily)

Date: March 13, 2014

Source: University of California – Santa Barbara

Summary: Shame on you. These three simple words can temporarily — or, when used too often, permanently — destroy an individual’s sense of value and self-worth.

Shame on you. These three simple words can temporarily — or, when used too often, permanently — destroy an individual’s sense of value and self-worth. Credit: © Mitarart / Fotolia

Shame on you. These three simple words can temporarily — or, when used too often, permanently — destroy an individual’s sense of value and self-worth.

“In modernity, shame is the most obstructed and hidden emotion, and therefore the most destructive,” said Thomas Scheff, professor emeritus of sociology at UC Santa Barbara. “Emotions are like breathing — they cause trouble only when obstructed.”

When hidden, he continued, shame causes serious struggles not only for individuals but also for groups. In an article published in the current issue of the journal Cultural Sociology, Scheff examines the ubiquity of hidden shame and suggests it may be one of the keys to understanding contemporary society.

According to Scheff a society that fosters individualism (ours, for example) provides a ripe breeding ground for the emotion of shame because people are encouraged to “go it alone, no matter the cost to relationships,” he said. “People learn to act as if they were complete in themselves and independent of others. This feature has constructive and creative sides, but it has at least two other implications: alienation and the hiding of shame.”

Scheff noted that while shame is no less prevalent now than in previous years or decades or generations, it is more hidden. “Shame is a biological entity like other emotions, but people are more ashamed of it than they are of the others,” he said. “The hiding of emotions is more widespread in modern societies than in traditional ones.”

In exploring the connection between shame and aggression, Scheff cites research conducted by sociologist Neil Websdale, author of “Familicidal Hearts: The Emotional Styles of 211 Killers.” Familicide, the act of one spouse killing the other as well as their children and often himself or herself, stems from unacknowledged shame, Scheff said. “It’s about humiliation and hiding behind aggression or violence,” he explained. “The most interesting thing about the study is there’s a group of non-angry people — a minority — who lose their job and feel humiliated. So they pretend they’re going to work every day but are really planning the killing. Websdale describes them as ‘civic respectable.’

“Our society — our civilization — is civic respectable,” Scheff continued. “You’re not to be angry and you’re not to be ashamed.”

The problem with that kind of thinking, however, is that shame is, in reality, a very useful emotion. “Shame is the basis of morality,” Scheff said. “You can’t have a moral society without shame. It provides the weight for morality. There are a hundred things in your head about what you should or shouldn’t do, but the one that hits you is the one that has shame behind it.”

Scheff suggests that shame — or the reaction to it — can manifest itself in larger acts of aggression, such as wars and other military conflicts. “Especially for leaders, both shame and anger are carefully hidden behind a veil of rationality,” he writes in the article. “The Bush administration may have been deeply embarrassed by the 9/11 attack during their watch and their helplessness to punish the attackers. The invasion of Iraq on the basis of false premises might have served to hide their shame behind anger and aggression.”

While some people are more susceptible to the effects of shame, for others the emotion is more manageable. “Those lucky rascals who as children were treated with sympathetic attention from at least one of their caregivers feel more pride — accepted as they are — and, therefore, less shame and rejection,” Scheff said.

So how does one resolve hidden shame? The answer, according to Scheff, is to have a good laugh. “That is, laugh at yourself or at the universe or at your circumstances, but not at other people. Most of the laughing we do in comedy is good. No matter the actors, we are really laughing at our own selves that we see in their foolishness.”

Journal Reference:

  1. T. Scheff. The Ubiquity of Hidden Shame in ModernityCultural Sociology, 2014; DOI: 10.1177/1749975513507244

Brasil se preocupa com invasão de barrabravas argentinos na Copa (OESP)

Autoridades dos dois países se reuniram na terça e selaram acordo de cooperação

20 de março de 2014

Ariel Palacios – O Estado de S. Paulo

BUENOS AIRES – Os barrabravas, os violentos torcedores argentinos, estão se preparando para assistir à Copa do Mundo. O planejamento da viagem ao Brasil é bastante detalhado – passa até por contatos com líderes de torcida do futebol gaúcho, pois a ideia é fazer Porto Alegre de quartel-general. Preocupados, os governos de Brasil e Argentina firmaram acordo de cooperação para tentar controlar esses torcedores.

Torcedores do Boca enfrentam a polícia - Marcos Brindicci/Reuters

Marcos Brindicci/Reuters. Torcedores do Boca enfrentam a polícia

O plano dos barrabravas prevê até o que farão aqueles que não conseguirem ingressos. Eles ficariam do lado de fora dos estádios, fazendo o que os argentinos chamam de “el aguante”, expressão usada para definir o apoio fanático e apaixonado de uma torcida por seu time.

No fim do mês, uma comitiva com dez torcedores argentinos viajará a Porto Alegre para se reunir com contatos locais – entre eles José Hierro Martins, da Guarda Popular, do Internacional – para preparar o desembarque das organizadas argentinas na capital gaúcha, de onde partiriam para o resto do País. O grupo está organizando o financiamento da viagem desde 2011.

A seleção argentina está no Grupo F da Copa do Mundo e jogará no Rio de Janeiro em 15 de junho, contra a Bósnia; em Belo Horizonte no dia 21, contra o Irã; e no dia 25 em Porto Alegre, contra a Nigéria.

Diversas estimativas indicam que ao redor de 650 barrabravas de 38 clubes argentinos viajarão ao Brasil, em dez ônibus, aumento de 150% em relação ao contingente que foi à África do Sul em 2010. São integrantes das Torcidas Unidas Argentinas, entidade conhecida pela sigla HUA, que se apresenta como uma ONG para divulgar a “cultura do futebol”.

Em 2010, os barrabravas contavam com lideranças fortes, que serviam de interlocutores com diversos integrantes do governo da presidente Cristina Kirchner que lhes conseguiam financiamentos. Atualmente, eles não possuem um comando único e recebem apoio econômico tanto de aliados da Casa Rosada como da oposição.

Analistas esportivos consultados pelo Estado sustentam que esse cenário de “atomização’’ das lideranças e vínculos complicou nos últimos anos o controle da violência dos barrabravas por parte das forças de segurança. No entanto, as autoridades argentinas prometem fiscalizar estes grupos violentos que viajarão ao Brasil. Os críticos ironizam, afirmando que o governo Kirchner nem sequer consegue controlá-los dentro do próprio país.

O município de Quilmes, na Grande Buenos Aires, foi o cenário de confrontos de barrabravas na semana passada. Os torcedores do Quilmes, famosos por sua violência, espancaram os rivais do All Boys com pás, além de desferir punhaladas. Segundo o deputado Fernando Pérez, da União Cívica Radical (UCR), “a Copa acelera as disputas porque os barrabravas se desesperam por financiar suas viagens ao Brasil”. Estimativas das agências de turismo indicam que, no total, 15 mil argentinos viajarão ao Brasil para acompanhar a Copa.

ACORDO

Na terça-feira, autoridades dos dois países se reuniram na embaixada da Argentina, em Brasília, e selaram acordo de cooperação. Por ele, a Argentina vai fornecer ao Brasil todas as informações solicitadas nas área de segurança e migração. O acordo prevê o reforço na segurança nas fronteiras entre os dois países. A entrada de torcedores argentinos no território brasileiro vai merecer controle especial.

A reunião em Brasília teve a presença também de policiais dos dois países, dirigentes do futebol argentino e representantes dos comitês do Rio, de Belo Horizonte e Porto Alegre, as cidades que receberão a seleção de Messi na primeira fase da Copa do Mundo.

MORTES E NEGÓCIOS

Desde o primeiro ataque protagonizado por barrabravas com morte na Argentina, em 1924, até o ano passado haviam morrido 230 pessoas em confrontos violentos e milhares ficaram feridas. As brigas, que até os anos 80 eram resolvidas com socos e pontapés, nos últimos 30 anos foram definidas à base de armas de fogo. Nestes 90 anos a Justiça argentina foi costumeiramente omissa, já que somente pouco mais de três dezenas de pessoas foram condenadas por essas mortes entre 1924 e 2013.

Ao contrário de outros países, onde muitas torcidas organizadas mais violentas estão vinculadas a grupos extremistas, como skinheads e neonazistas, na Argentina os barrabravas possuem fortes laços políticos e econômicos com ministros, senadores, deputados, governadores, prefeitos e vereadores, para os quais trabalham organizando comícios, como cabos eleitorais e seguranças.

Trying to assemble an “Anthropocene Curriculum” (environmentalhumanities.org)

Posted on Mar 16, 2014

This event is to be held
November 14-22, 2014
Haus der Kulturen der Welt (HKW), Berlin

The Anthropocene—or however you choose to name the current era of environmental transition on a planetary scale—is a more-than-real challenge for human civilization. A crucial aspect of this challenge is to ferret out and create new forms of collectives. First of all, there is a need for a wide array of habitual collectives to bring the technically empowered, and maybe out-of-control human agency into closer awareness of and care for this capacious non-site of immersion, formerly known as “Nature”. The Anthropocene discloses the immediate resonance between our actions—but also our omissions and failures—with the entire geosphere, so why not perceive them as one and the same collage, always changing and shifting in its pattern but staying true to their reciprocal dependency? Second, there is the challenge to re-create collectives in a more classical sense: assemblages of mutual attention and co-workmanship amongst the billions of different “anthropoi” who are and will be dwelling on this planet.

The project

This applies foremost to where critical knowledge is formed, shared and raised: the university. Within the confines of knowledge production and dissemination in higher education, the “Anthropocene Curriculum” project proposes an experiment to tackle this challenge and explore creative solutions in relation to it. Developed by the Haus der Kulturen der Welt (HKW) and the Max Planck Institute for the History of Science (MPIWG, both in Berlin, Germany) the “Anthropocene Curriculum” is a central, production-oriented element among a manifold of research-based exhibitions, experimental events, academic and curatorial workshops, as well as an ambitious publication project that comprise the output of the two-year “Anthropocene Project” led by HKW.

The “Anthropocene Curriculum” brings together university teachers from science, humanities, and art and design faculties from across the globe to collaboratively negotiate, develop, and supervise an exemplary curriculum on Anthropocene-relevant topics. Setting the curriculum as a practical goal the task is to creatively develop a mutual understanding of recursive themes and tropes within the confines of Anthropocene research, an emergent field that becomes more integrated and trans-disciplinary along the way. The curriculum itself will be implemented at the “Anthropocene Campus” taking place in November 2014 at HKW. Cast into the form of an autumn session helding a set of exemplary courses, a total of one hundred international young researchers from academia and civil society will get actively involved into the program, joining the effort by bringing in their own perspectives and expertise.

The immediate aim of this temporary co-learning space on the premises of a cultural institution and embedded within a more expansive situation in the HKW (exhibitions, screenings, artistic events), is to enter a productive discourse—free of university-curricular constraints—on knowledge design and dissemination, on skills and their trainings. As a result of the pre- and postwork of the 9-day event an “Anthropocene Coursebook” will be edited by the participants, ”instructors” and “students” alike. In the end, such cooperation seeks to adequately address the collaborative and educational skills needed to tackle the critical environmental challenges that the Anthropocene poses, challenges that immediately become social, technological, and epistemological on closer examination.

Hence, and on a more general note, the further goal of this ambitious project is to convey a wider grasp as well as epistemic sensibility for the spectra, interplays and metabolisms of elements taking place on and within a planet in transition. This includes efforts in prospectively conjoining the variegated systemic and anthropogenic exchange processes, from the biophysical and geochemical to the cultural, industrial, and virtual. Yet, it also critically reflects on social and aesthetic inputs and the effects that emanate from the general acceptance of a human-nature indivisibility. While this clearly speaks to the heart of the environmental humanities endeavour, such knowledge also implies the potency of design and actively pursues a readjustment of both “knowing” and “doing” within the broader geo-fabric. By incorporating diverse views and materials from different disciplines, by debating and combining them to form cross-disciplinary syllabi, a potent, earth-bound collective might be composed.

To be sure: the courses assembled within this project do not strive for a comprehensive, fully integrated tour d’horizon of the Anthropocene. Instead, they aim for a kaleidoscopic and resourceful approach that emerges from the glaring necessity to build a knowledge base simultaneously broad in its disciplinary perspectives, as well as out-of-the-box in its experimentation. An ideal curriculum informed by and calibrated for the Anthropocene does not teach disciplines, at least not as an end in itself. Working “in silos” certainly has its merits and so does rigorous disciplinary training. Nevertheless, the overall challenge to educate people for living up to the planetary scale of our pending crisis demands different approaches and methods.

Nor does an ideal “Anthropocene Curriculum” unify and equalize everything into a global view of nowhere. Instead, it composes out of localities, drawing connections between local concerns and local knowledge that carries it’s own historical contingencies. It mediates between different contemporary approaches and modes of scientific artistry. It prepares students for what will surely become turbulent times in the interdependency of science, culture, and a habitable planet. Its interdisciplinarity is genuine and rests on necessity. It provides methodical avenues for grappling with the scopes and scales of the Anthropocene predicament.

Moreover, the ever changing role of academia itself is hereby brought into the equation (or rather, multiple equations). Therefore, another central aim of this project is to accentuate the process of constructing and composing a curriculum and to bring this “becoming” to the foreground. Though building a curriculum with a panoramic view on topical, trans-disciplinary knowledge serves in and of itself as an end, the project’s desire is to also develop a self-reflexive discourse, as well as to highlight the uncertainties and humble limitations of scholarly engagement with the planet.

… and its procedures

As a result of general discussions and negotiations that took place since the start of the project in September 2013 on an internal online platform, and building on the presentations given at a midway meeting that took place January 23-24, 2014 at the MPIWG, the 27 participants of the project have now formed themselves into interdisciplinary groups of three or four. Within (but also across) these groups, the current task of each is to start elaborating their chosen topics and prepare materials for the seminars, excursions, exercises, and public lectures that will be presented during the “Anthropocene Campus” in November this year. Utilizing the online platform to mitigate communication procedures, the general discussion on goals and feasibilities of an Anthropocene-adequate knowledge base will continue.

Later this year the online platform will expand to include prospective students, while a public website presenting the compiled materials as well as videos of public presentations will be launched after the “Anthropocene Campus”. This will provide an accessible repository for further realizations of curricula that may be initiated at other places around the globe and added to the website later on. It is also planned to publish an open access edition of an “Anthropocene Coursebook”, consisting of the curriculum topics co-authored by the three tutors and their respective students.

All this is, no doubt, a bold and risky undertaking. Being a magnificent task in inter-disciplinary diplomacy, it challenges the academic folklore of often talking about collaboration but rarely putting it into practice. Here lies the virtue and open possibility of the Berlin “Anthropocene Project”: grounded within a cultural institution, it provides an extra-academic terrain to allow for another standard of exchange to happen. Strictly speaking, the “Anthropocene Curriculum” is a rare opportunity, namely one in which different perspectives may be debated in a frank and straightforward manner and controversial standpoints may be used in a productive way. The challenge here is to be a collective.

You can find more information on the project, the instructors, and the seminars athttp://www.anthropocene-curriculum.org/

Forests Around Chernobyl Aren’t Decaying Properly (Smithsonian Mag)

Fallen trees in Chernobyl’s infamous red forest. (Photo: T.A.Mousseau & A.P. Møller )

It wasn’t just people, animals and trees that were affected by radiation exposure at Chernobyl, but also the decomposers: insects, microbes, and fungi

By Rachel Nuwer

SMITHSONIANMAG.COM
MARCH 14, 2014

Nearly 30 years have passed since the Chernobyl plant exploded and caused an unprecedented nuclear disaster. The effects of that catastrophe, however, are still felt today. Although no people live in the extensive exclusion zones around the epicenter, animals and plants still show signs of radiation poisoning.

Birds around Chernobyl have significantly smaller brains that those living in non-radiation poisoned areas; trees there grow slower; and fewer spiders and insects—including bees, butterflies and grasshoppers—live there. Additionally, game animals such as wild boar caught outside of the exclusion zone—including some bagged as far away as Germany—continue to show abnormal and dangerous levels of radiation.

However, there are even more fundamental issues going on in the environment. According to a new study published in Oecologia, decomposers—organisms such as microbes, fungi and some types of insects that drive the process of decay—have also suffered from the contamination. These creatures are responsible for an essential component of any ecosystem: recycling organic matter back into the soil. Issues with such a basic-level process, the authors of the study think, could have compounding effects for the entire ecosystem.

The team decided to investigate this question in part because of a peculiar field observation. “We have conducted research in Chernobyl since 1991 and have noticed a significant accumulation of litter over time,” the write. Moreover, trees in the infamous Red Forest—an area where all of the pine trees turned a reddish color and then died shortly after the accident—did not seem to be decaying, even 15 to 20 years after the meltdown.

“Apart from a few ants, the dead tree trunks were largely unscathed when we first encountered them,” says Timothy Mousseau, a biologist at the University of South Carolina, Columbia, and lead author of the study. “It was striking, given that in the forests where I live, a fallen tree is mostly sawdust after a decade of lying on the ground.”

Wondering whether that seeming increase in dead leaves on the forest floor and those petrified-looking pine trees were indicative of something larger, Mousseau and his colleagues decided to run some field tests. When they measured leaf litter in different parts of the exclusion zones, they found that the litter layer itself was two to three times thicker in the “hottest” areas of Chernobyl, where radiation poisoning was most intense. But this wasn’t enough to prove that radiation was responsible for this difference.

To confirm their hunch, they created around 600 small mesh bags and stuffed them each with leaves, collected at an uncontaminated site, from one of four different tree species: oak, maple, birch or pine. They took care to ensure that no insects were in the bags at first, and then lined half of them with women’s pantyhose to keep insects from getting in from the outside, unlike the wider mesh-only versions.

Mousseau distributing leaf baggies throughout Chernobyl’s exclusion zones. Photo: Gennadi Milinevsky

Like a decomposer Easter egg hunt, they then scattered the bags in numerous locations throughout the exclusion zone, all of which experienced varying degrees of radiation contamination (including no contamination at all). They left the bags and waited for nearly a year—normally, an ample amount of time for microbes, fungi and insects to make short work of dead organic material, and the pantyhose-lined bags could help them assess whether insects or microbes were mainly responsible for breaking down the leaves.

The results were telling. In the areas with no radiation, 70 to 90 percent of the leaves were gone after a year. But in places where more radiation was present, the leaves retained around 60 percent of their original weight. By comparing the mesh with the panty hose-lined bags, they found that insects play a significant role in getting rid of the leaves, but that the microbes and fungi played a much more important role. Because they had so many bags placed in so many different locations, they were able to statistically control for outside factors such as humidity, temperature and forest and soil type to make sure that there wasn’t anything besides radiation levels impacting the leaves’ decomposition.

“The gist of our results was that the radiation inhibited microbial decomposition of the leaf litter on the top layer of the soil,” Mousseau says. This means that nutrients aren’t being efficiently returned to the soil, he adds, which could be one of the causes behind the slower rates of tree growth surrounding Chernobyl.

Stars mark sites where the researchers put the leaf bags, with colors corresponding to levels of radiation. Photo: Mousseau et al., Oecologia

Other studies have found that the Chernobyl area is at risk of fire, and 27 years’ worth of leaf litter, Mousseau and his colleagues think, would likely make a good fuel source for such a forest fire. This poses a more worrying problem than just environmental destruction: Fires can potentially redistribute radioactive contaminants to places outside of the exclusion zone, Mousseau says. “There is growing concern that there could be a catastrophic fire in the coming years,” he says.

Unfortunately, there’s no obvious solution for the problem at hand, besides the need to keep a stringent eye on the exclusion zone to try to quickly snuff out potential fires that breaks out. The researchers are also collaborating with teams in Japan, to determine whether or not Fukushima is suffering from a similar microbial dead zone.

RELATED CONTENT

Read more: http://www.smithsonianmag.com/science-nature/forests-around-chernobyl-arent-decaying-properly-180950075/#zY3KQvXTxzICrJvC.99

Descolonização do pensamento (Ciência Hoje)

Em entrevista à CH, o antropólogo brasileiro Cláudio Pinheiro analisa a dominação cultural da Europa e dos Estados Unidos sobre os países menos desenvolvidos, como o Brasil, e aponta mudanças que podem levar a uma produção de ideias e conhecimentos multipolarizada.

Por: Henrique Kugler, Ciência Hoje/ RJ

Publicado em 20/03/2014 | Atualizado em 20/03/2014

Descolonização do pensamento

‘Table bay’, tela de Samuel Scott datada de 1730. Na esteira da colonização, países menos desenvolvidos, entre eles o Brasil, importam padrões culturais e estruturas políticas e intelectuais da Europa e dos Estados Unidos.

Sejamos honestos: nós, brasileiros, tornamo-nos praticantes passivos de alguma espécie de mimetismo pós-colonial. Imitamos padrões europeus e estadunidenses em quase tudo – desde detalhes aparentemente banais, como vestimentas que usamos ou músicas que ouvimos; até estruturas políticas ou intelectuais reproduzidas a partir de matrizes do Norte. E a academia não foge à regra. Os autores que lemos, afinal, são quase sempre os clássicos do Velho Mundo.

Nos ventos do século 21, porém, as periferias geopolíticas pedem um mundo multipolarizado – e, cada vez mais, esse movimento configura a nova realidade global. Ainda perdura, no entanto, a clivagem do cenário internacional em dicotomias datadas que reforçam a segregação do mundo em dois hemisférios simbólicos.

Sobre esse instigante tema, Ciência Hoje ouviu o historiador e antropólogo Cláudio Pinheiro, diretor da Sephis, agência holandesa dedicada à formação de quadros intelectuais de países do Sul, agora sediada no Fórum de Ciência e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pinheiro denuncia o colonialismo tardio do qual apenas começamos a nos libertar. E, dono de um papo tão pertinente quanto sofisticado, aposta suas fichas nos países austrais como promissores espaços de enunciação política, cultural e intelectual.

É correto afirmar que no Brasil, como em muitos países em desenvolvimento, ainda somos intelectualmente colonizados?

Essa colonização intelectual e acadêmica que vivemos não é uma conversa nova. Sua denúncia sistemática vem dos anos 1960. Mas, agora, a ideia está sendo desenvolvida com muito mais substância e continuidade. Dois anos atrás, veio ao Brasil uma das grandes intelectuais que debate a ideia de Sul: a antropóloga australiana Raewyn Connell. Sabe o que ela disse? “No evento acadêmico do qual participei aqui, as bancas de livros vendiam o mesmo que eu encontraria em um evento acadêmico na Austrália: Pierre Bourdieu, Jürgen Habermas, enfim, os autores clássicos europeus. Mas eu gostaria de ler, na verdade, autores clássicos brasileiros! E também os africanos, os indianos…”

Se o debate já tem quatro décadas, por que essa colonização permanece?

As agendas de pensamento estão muito profundamente ancoradas em conjuntos de teorias, temas, categorias de análise e agendas de financiamento à produção científica que se referem a uma experiência histórica particular, que é a do Atlântico Norte – tanto europeia, quanto norte-americana. É nessas experiências que nós, da periferia, acabamos baseando nosso discurso intelectual sociológico, antropológico, político e historiográfico.

Um dos grandes autores a denunciar isso, nos anos 1990, foi o indiano Dipesh Chakrabarty, da Universidade de Chicago. Ele escreveu um livro, em 2000, chamado Provincializando a Europa [Provincializing Europe, editado pela Princeton University Press, sem tradução para o português]. O argumento básico está no título: a Europa é uma paróquia. Só que essa paróquia se mundializou, a partir de um longo processo histórico associado ao colonialismo. E passamos a acreditar que nela estaria alguma espécie de grande verdade.

Conhecemos mais detalhes sobre a queda da Bastilha do que sobre grandes revoluções africanas

Pense em um estudante de ensino médio. O que ele estuda em história? História europeia. Estudos sobre África entraram para o nosso currículo apenas recentemente, em 2003, por uma medida governamental. Certo: o estudante sabe então sobre Europa e África. O que falta? Falta tudo. Conhecemos mais detalhes sobre a queda da Bastilha do que sobre grandes revoluções africanas. Estas passam completamente ao largo de nosso conhecimento. Como estudar história mundial sem estudar a história da África? Como entender o impacto que teve a diáspora de africanos nas Américas e na própria África? Como isso interferiu, por gerações e séculos, na capacidade africana de recuperar sua economia? Nossa própria forma de datação do tempo é marcada pela experiência europeia. Compreendemos o mundo em termos de história antiga, medieval, moderna e contemporânea. E é nesse trem que nos localizamos: o Brasil passa a existir no mundo a partir da história moderna – durante a expansão europeia.

Com a emergência de novas forças geopolíticas, a exemplo dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), essas ‘categorias de análise’ podem ser remodeladas?

Não obstante países como os BRICs sejam mais e mais importantes no cenário político internacional, continuam não sendo donos do próprio arcabouço que define a maneira pela qual se conhece o conhecimento: a forma de datar o tempo, a forma de classificar sociedades, as categorias de compreensão do mundo. Exemplo: se falamos em ‘família’, um aluno do ensino médio pensa em pai, mãe, avós, tios, filhos, netos. Em muitas sociedades é assim. Mas em muitas outras, não. Para povos nativos brasileiros ou sociedades asiáticas, por exemplo, a noção de família engloba relações mais amplas, que podem incluir até animais.

O conceito ocidental baseado na experiência europeia não dá conta de toda a realidade

O conceito ocidental baseado na experiência europeia não dá conta de toda a realidade. Acontece que os demais modelos são invisibilizados por outros que nos fazem compreender o mundo de forma engessada. Isso vale não só para a ideia de família como também de Estado, política, democracia. Para alguns autores, não é o dinheiro que faz uma sociedade ser classificada como “periférica”. Mas sim o não domínio sobre as categorias que organizam o pensamento, a política e a sociedade.

Essa imitação subalterna é muito perceptível na academia…

Quase todo aluno de graduação no Brasil (desde enfermagem a agronomia, passando pela engenharia) estuda ciências sociais como disciplina obrigatória. Em muitos casos isso envolve a leitura dos ‘clássicos’: Karl Marx [1818-1883], Max Weber [1864-1920], Émile Durkheim [1858-1917]. Eles são interessantíssimos, não há dúvida. Mas parece uma igreja com seus santos principais. Cadê os santos da periferia? Que autores pensaram as sociedades que hoje são periféricas? É um desafio contemporâneo incluir outros clássicos no ensino e no debate. Muito se perde diante do fato de que as estruturas para conhecer o ‘outro’ estão marcadas pela experiência de uma província, de uma paróquia específica, que é a Europa. É preciso universalizar o vocabulário de categorias de análise de modo que o mundo seja mais polifônico.

Você leu apenas o início da entrevista publicada na CH 312. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral. PDF aberto (gif)

Important and complex systems, from the global financial market to groups of friends, may be highly controllable (Science Daily)

Date: March 20, 2014

Source: McGill University

Summary: Scientists have discovered that all complex systems, whether they are found in the body, in international finance, or in social situations, actually fall into just three basic categories, in terms of how they can be controlled.

All complex systems, whether they are found in the body, in international finance, or in social situations, actually fall into just three basic categories, in terms of how they can be controlled, researchers say. Credit: © Artur Marciniec / Fotolia

We don’t often think of them in these terms, but our brains, global financial markets and groups of friends are all examples of different kinds of complex networks or systems. And unlike the kind of system that exists in your car that has been intentionally engineered for humans to use, these systems are convoluted and not obvious how to control. Economic collapse, disease, and miserable dinner parties may result from a breakdown in such systems, which is why researchers have recently being putting so much energy into trying to discover how best to control these large and important systems.

But now two brothers, Profs. Justin and Derek Ruths, from Singapore University of Technology and Design and McGill University respectively, have suggested, in an article published in Science, that all complex systems, whether they are found in the body, in international finance, or in social situations, actually fall into just three basic categories, in terms of how they can be controlled.

They reached this conclusion by surveying the inputs and outputs and the critical control points in a wide range of systems that appear to function in completely different ways. (The critical control points are the parts of a system that you have to control in order to make it do whatever you want — not dissimilar to the strings you use to control a puppet).

“When controlling a cell in the body, for example, these control points might correspond to proteins that we can regulate using specific drugs,” said Justin Ruths. “But in the case of a national or international economic system, the critical control points could be certain companies whose financial activity needs to be directly regulated.”

One grouping, for example, put organizational hierarchies, gene regulation, and human purchasing behaviour together, in part because in each, it is hard to control individual parts of the system in isolation. Another grouping includes social networks such as groups of friends (whether virtual or real), and neural networks (in the brain), where the systems allow for relatively independent behaviour. The final group includes things like food systems, electrical circuits and the internet, all of which function basically as closed systems where resources circulate internally.

Referring to these groupings, Derek Ruths commented, “While our framework does provide insights into the nature of control in these systems, we’re also intrigued by what these groupings tell us about how very different parts of the world share deep and fundamental attributes in common — which may help unify our understanding of complexity and of control.”

“What we really want people to take away from the research at this point is that we can control these complex and important systems in the same way that we can control a car,” says Justin Ruths. “And that our work is giving us insight into which parts of the system we need to control and why. Ultimately, at this point we have developed some new theory that helps to advance the field in important ways, but it may still be another five to ten years before we see how this will play out in concrete terms.”

Journal Reference:

  1. Justin Ruths and Derek Ruths. Control Profiles of Complex NetworksScience, 2014 DOI: 10.1126/science.1242063

An end to animal testing for drug discovery? (Science Daily)

Date: March 18, 2014

Source: American Chemical Society

Summary: As some countries and companies roll out new rules to limit animal testing in pharmaceutical products designed for people, scientists are stepping in with a new way to test therapeutic drug candidates and determine drug safety and drug interactions — without using animals. The development of “chemosynthetic livers” could dramatically alter how drugs are made.

As some countries and companies roll out new rules to limit animal testing in pharmaceutical products designed for people, scientists are stepping in with a new way to test therapeutic drug candidates and determine drug safety and drug interactions — without using animals. Credit: © mrks_v / Fotolia

As some countries and companies roll out new rules to limit animal testing in pharmaceutical products designed for people, scientists are stepping in with a new way to test therapeutic drug candidates and determine drug safety and drug interactions — without using animals. The development of “chemosynthetic livers” could dramatically alter how drugs are made.

This research was presented at the 247th National Meeting & Exposition of the American Chemical Society.

Mukund Chorghade, Ph.D., noted that the European Union enacted new regulations in 2010, known as REACH, that aim to dramatically reduce the use of animals in testing. But the development of new pharmaceuticals still depends heavily on the time-consuming and expensive process of animal testing.

“Researchers in drug discovery make small quantities of new potential drug compounds and then test them in animals,” said Chorghade, who is chief scientific officer of Empiriko Corporation and president of THINQ Pharma. “It is a very painstaking, laborious and costly process. Frequently, scientists have to sacrifice many animals, and even after all that, the results are not optimal.”

Typically, when researchers are onto a new compound that could address an unmet human health need, they test it on animals to see if it’s toxic before taking it into clinical trials with human subjects. They figure this out by doing something called metabolic profiling. That is, after giving an animal a test drug, the experimental compound does its designated job in the body until the liver breaks it down. Then researchers try to detect the resulting, minute amounts of molecular byproducts, or metabolites. It’s these metabolites that are often responsible for causing nasty side effects that can derail an otherwise promising therapeutic candidate.

This is where Empiriko’s patented chemosynthetic liver technology (Biomimiks™) comes in. Chorghade has developed these stand-ins, which are catalysts that act similarly to a group of enzymes known as cytochrome P450. Catalysts are substances that speed up processes that otherwise wouldn’t happen or would occur slowly. Many of these cytochrome P450 enzymes break down drugs in the liver.

So rather than using lab animals, researchers could figure out metabolic profiles of drugs by mixing them in test tubes with chemosynthetic livers. Chorghade’s team at Empiriko has already demonstrated how Biomimiks™ works with several pharmaceutical compounds.

“These chemosynthetic livers not only produce the same metabolites as live animals in a fraction of the time,” Chorghade said, “but they also provide a more comprehensive metabolic profile, in far larger quantities for further testing and analysis.”

Other possible applications are cropping up for these chemosynthetic livers. One of Empiriko’s scientific advisors suggested the use of Biomimiks™ to detoxify blood for liver transplant patients. Biomimiks™ could also be used in the near future to predict side effects when multiple drugs are taken together.

“The average American above 60 years of age is taking multiple drugs a day,” Chorghade explained. “Side effects from drug-to-drug interactions could be substantial.” In a case study, Chorghade and collaborators looked at two drugs commonly taken together, one for high cholesterol and the other for type 2 diabetes. They found that the cholesterol drug sped up the breakdown of the other one, which could potentially lower its effectiveness.

The chemosynthetic livers aren’t yet approved to take the place of animal tests. But Chorghade is optimistic. His group has tested more than 50 drugs so far to show that the catalysts accurately mimic how the human body processes them. He said that they’re working to get that number up to 100, which is what the U.S. Food and Drug Administration requires for regulatory approval.

Chorghade acknowledges funding from a private investor responsible for supporting this technology to date.

São Paulo terá Justiça rápida para detidos em grandes manifestações (Folha de São Paulo)

REYNALDO TUROLLO JR.

DE SÃO PAULO

21/03/2014 03h30

A Justiça de São Paulo ganhará, a partir de hoje, um órgão específico para analisar com rapidez casos de prisão em flagrante em grandes protestos. A medida é uma resposta às manifestações que, desde junho de 2013, têm terminado com dezenas de detidos após depredações.

O novo órgão também vai agilizar a transformação dos inquéritos policiais em processos criminais. Uma consequência esperada pelas autoridades é que a punição de alguns manifestantes sirva de exemplo a outros.

Eventuais prisões em flagrante que ocorram amanhã, quando estão previstas duas manifestações na capital paulista, já serão encaminhadas ao órgão. A expectativa das autoridades é que ele seja útil também durante a Copa.

O Tribunal de Justiça de São Paulo é o primeiro do país a implantar o Ceprajud (Centro de Pronto Atendimento Judiciário), conforme orientação do Conselho Nacional de Justiça e do Ministério da Justiça.

“Na hipótese de um evento monstruoso, que acarrete 300 prisões em flagrante, o centro vai ter uma estrutura para comportar esse aumento repentino”, afirma o juiz Kleber de Aquino, assessor da presidência do TJ para assuntos de segurança pública.

Hoje, o manifestante detido é levado ao distrito policial, onde o delegado decide se irá liberá-lo ou prendê-lo em flagrante, de acordo com a gravidade do delito.

Quando alguém fica preso, uma cópia do auto de flagrante deve seguir em 24 horas para o Dipo (departamento que centraliza flagrantes), no fórum da Barra Funda.

Um juiz do Dipo decide se a prisão será mantida –decretando a preventiva– ou se o manifestante será liberado, mediante aplicação de medidas restritivas, como proibição de ir a certos lugares.

No caso de centenas de flagrantes de uma vez, o Dipo pode acabar atrasando a análise das prisões em dois ou três dias, explica Aquino. Por isso, essa análise passará a ser feita por juízes de plantão 24 horas no Ceprajud.

O centro poderá ainda convocar juízes e funcionários extras para atender à demanda.

“Essas decisões [sobre manter preso ou soltar] é que devem ser tomadas em caráter de urgência”, diz o juiz.

“A finalidade é a apreciação célere de procedimentos criminais de urgência e de eventuais excessos da repressão policial no curso de grandes manifestações.”

Martim de Almeida Sampaio, da comissão de direitos humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), critica a criação de uma “força-tarefa” do Judiciário para esses flagrantes e diz considerá-la parte de um conjunto de medidas para coibir protestos.

“Manifestantes que cometerem abuso devem ser punidos, mas essa via rápida voltada exclusivamente a eles é um pouco exagerada”, diz.

“A demanda da sociedade é por uma Justiça ágil, mas não voltada exclusivamente a processos contra movimento social”, afirma o advogado.

Summer Field School in Ethnographic Methods in New York City

5th CIFAS Field School in Ethnographic Research Methods

June 16 to 27, 2014

The Comitas Institute for Anthropological Study (CIFAS) is pleased to announce the 5th CIFAS Field School in Ethnographic Research Methods, in New York City

The goal of the Field School is to offer training in the foundations and practice of ethnographic methods. The faculty works closely with participants to identify the required field methods needed to address their academic or professional needs. The Field School is suitable for graduate and undergraduate students in social sciences and other fields of study that use qualitative approaches (such as education, communication, cultural studies, health, social work, human ecology, development studies, consumer behavior, among others), applied social scientists, professionals, and researchers who have an interest in learning more about ethnographic methods and their applications.

The total work load of the course is 30 hours. Students interested in earning credits for the course may have additional assignments in order to totalize 45 hours of activities (what is equivalent to 3 credits).

Course venue: classes will take place at the Institute for Latin American Studies at Columbia University, in the Upper West Side of New York City.

See pictures of the previous editions of the CIFAS Summer Field School here.

Coordinators:

Renzo Taddei (Assistant Professor, Federal University of São Paulo/Affiliated Researcher, Columbia University). CV: http://bit.ly/1dn7RuJ.

Lambros Comitas (Gardner Cowles Professor of Anthropology and Education at Teachers College, Columbia University). CV: http://bit.ly/ZUHbMn

Registration and other costs: Places are limited. The tuition fee is US$900. The tuition fee does not cover accommodation, meals or transportation. Registration should be completed online here.

Accommodations: International House offers housing for participants for the discount price of US$ 60 per night (provided there are rooms available). Rooms and other facilities can be checked out on their website, on the virtual tour option (the blue button that says “take a tour”): http://www.ihouse-nyc.org/s/707/start.aspx?sid=707&gid=1&pgid=254.

Other information:

Insurance: Participants are required to have travel insurance that covers medical and repatriation costs (for international students). Proof of purchase of travel insurance must be presented at the first day of activities.

For more information, please write to Renzo Taddei at taddei@iri.columbia.edu, or visit http://www.cifas.us/page/5th-cifas-field-school-ethnographic-research-methods.

Program:

Session Topic
June 16
  • Foundations of ethnographic research
June 17
  • Theory and practice: social theories in the field
June 18
  • Research design & data collection techniques
June 19
  • Planning the logistics of field research
June 20
  • Field trip & individual, one-on-one discussion of research projects
    Weekend
June 23
  • Ethnography in specific fields of activity (applied social sciences, public policy design, business & management, and others)
June 24
  • Principles of organization and indexation of field data
June 25
  • Analyzing field data
June 26
  • Qualitative analysis software packages: basic principles
June 27
  • Field trip & wrap up session

Viveiros de Castro: A escravidão venceu no Brasil. Nunca foi abolida (Público)

16 de março de 2014

ALEXANDRA LUCAS COELHO (no Rio de Janeiro)

Fome, secas, epidemias, matanças: a Terra aproxima-se do apocalipse. Talvez daqui a 50 anos nem faça sentido falar em Brasil, como Estado-nação. Entretanto, há que resistir ao avanço do capitalismo. As redes sociais são uma nova hipótese de insurreição. Presente, passado e futuro, segundo um dos maiores pensadores brasileiros

Eduardo Viveiros de Castro, 62 anos, é o mais reconhecido e discutido antropólogo do Brasil. Acha que “a ditadura brasileira não acabou”, evoluiu para uma “democracia consentida”. Vê nas redes sociais, onde tem milhares de seguidores, a hipótese de uma nova espécie de guerrilha, ou resistência. Não perdoa a Lula da Silva ter optado pela via capitalista e acha que Dilma Rousseff tem uma relação “quase patológica” com a Amazônia e os índios. Não votará nela “nem sob pelotão de fuzilamento”.

O antropólogo Eduardo Viveiros de Castro é autor de uma obra influente, que inclui “A Inconstância da Alma Selvagem” e “Araweté — O Povo do Ipixuna” DÉBORAH DANOWSKI

Professor do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, autor de uma obra influente (destaque para A Inconstância da Alma Selvagem ou Araweté — O Povo do Ipixuna, este último editado em Portugal pela Assírio & Alvim), Viveiros de Castro é o criador do perspectivismo ameríndio, segundo a qual a humanidade é um ponto de vista: a onça vê-se como humana e vê o homem como animal; o porco vê-se como humano e vê a onça como animal. Humano é sempre quem olha.

Nesta longa entrevista, feita há um mês no seu apartamento da Baía de Botafogo — antes ainda da greve dos garis (homens e mulheres do lixo), um exemplo de revolta bem sucedida — Viveiros foi da Copa do Mundo ao fim do mundo. Acredita que estamos à beira do apocalipse.

Vê sinais de uma revolta nas ruas brasileiras? Aquilo que aconteceu em 2013 foi um levantamento mas não uma revolta generalizada. Acha que isso pode acontecer antes da Copa, ou durante?

É muito difícil separar o que você imagina que vai acontecer daquilo que você deseja que vá acontecer.

Vamos separar. O que desejaria que acontecesse?

Revolta popular durante a Copa.

E isso significa o quê, exactamente?

Manifestação. Não estou imaginando a queda da Bastilha nem a explosão de nada, mas gostaria que a população carioca o deixasse muito claro. Embora a Copa vá acontecer em várias cidades, creio que o Rio se tornou o epicentro do problema da Copa, em parte porque o jogo final será no Maracanã.

Mesmo nas manifestações, o Rio foi a cidade mais forte.

São Paulo também teve manifestações muito importantes, mais conectadas com o Movimento Passe Livre [MPL, estudantes que em Junho de 2013 iniciaram os protestos contra o aumento dos transportes]. Voltando ao que eu desejaria: que a população carioca manifestasse a sua insatisfação em relação à forma como a cidade está sendo transformada numa espécie de empresa, numa vitrine turística, colonizada pelo grande capital, com a construção de grandes hotéis, oferecendo oportunidades às grandes empreiteiras, um balcão de negócios, sob a desculpa de que a Copa iria trazer dinheiro, visibilidade, para o Brasil.

O problema é que vai trazer má visibilidade. Vai ser uma péssima propaganda para o Brasil. Primeiro, porque, se estou bem entendendo, vários compromissos contratuais com a FIFA não estão sendo honrados, atrasos muito grandes, etc. Segundo, porque essa ideia de que os brasileiros estão achando uma maravilha que a Copa se realize no Brasil pode ser desmentida de maneira escandalosa se os turistas, tão cobiçados, chegarem aqui e baterem de frente com povo nas ruas, brigando com a polícia, uma polícia despreparada, brutal, violenta, assassina. Tenho a impressão de que não vai fazer muito bem à imagem do Brasil.

Outra coisa importante é que a Copa foi vendida à opinião pública como algo que ia ser praticamente financiado pela iniciativa privada, que o dinheiro do povo, do contribuinte, ia ser pouco gasto. O que está se vendo é o contrário, o governo brasileiro investindo maciçamente, gastando dinheiro para essas reformas de estádios, dinheiro dos impostos. Então, nós estamos pagando para que a FIFA lucre. Porque quem lucra com as copas é a FIFA.

Desejaria que essa revolta impedisse mesmo a Copa?

Impedir a Copa é impossível, não adianta nem desejar. Não sei também se seria bom, poderia produzir alguma complicação diplomática, ou uma repressão muito violenta dentro do país. Existe uma campanha: Não Vai Ter Copa. O nome completo é: Sem Respeito aos Direitos Não Vai Ter Copa. No sentido desiderativo: não deveria haver, desejamos que não haja.

O que se está dizendo é que os direitos de várias camadas da população estão sendo brutalmente desrespeitados, com remoções forçadas de comunidades, desapropriando sem indemnização, modificando aspectos fundamentais da paisagem carioca sem nenhuma consulta. Isso tudo está irritando a população.

Mas não é só isso: a insatisfação com a Copa foi catalisada por várias outras que vieram surgindo nos últimos anos, que envolvem categorias sociais diversas, e não estão sendo organizadas nem controladas pelos partidos. Essas manifestações têm de tudo, uma quantidade imensa de pautas [reivindicações]. Tem gente que quer só fazer bagunça, tem gente de direita, infiltrados da polícia, neonazistas, anarquistas. Um conjunto complexo de fenómenos com uma combinação de causas. Uma coisa importante é que são transversais: tem gente pobre e de classe média misturada na rua. É a primeira vez que isso acontece. O que talvez tenha em comum é que são todos jovens. Da classe média alta à [favela da] Rocinha.

Mas agora não são muito expressivas em termos de números. E não são as favelas que estão em massa na rua.

As famosas massas ainda não desceram, e provavelmente não vão descer durante a Copa. Nem sei se vão descer em alguma momento, se existe isso no Brasil. Mas acho que vai haver uma quantidade de pequenas manifestações. Por exemplo, a Aldeia Maracanã [pequena comunidade de índios pressionada a sair, por causa das obras do estádio] produziu uma confusão muito grande, se você pensar no tamanho da população envolvida. Os moradores daquela casa eram 14 pessoas e não obstante mobilizaram destacamentos do Bope [tropa de elite], bombas, etc. Quem está, em grande parte, criando a movimentação popular é o estado, com a sua reacção desproporcional. O Movimento Passe Livre ganhou aquela explosão em São Paulo por causa da brutalidade da reacção policial. O Brasil nunca teve esse tipo de confronto entre a polícia e jovens manifestantes. A polícia não sabe como reagir, não tem um método, então reage de maneira brutal. Os próprios manifestantes não têm experiência de organização. O que estão chamando de black bloc não é a mesma coisa que black bloc na Dinamarca, na Alemanha ou nos Estados Unidos.

Mais volátil.

Ideologicamente pouco consistente. Sabemos que o black bloc europeu é essencialmente uma táctica de protecção contra a polícia. Noutros países, como os Estados Unidos, tem uma certa táctica de agressão a símbolos do capitalismo. Aqui no Rio está uma coisa meio misturada, ainda não se consolidou uma identidade, um perfil táctico claro para o que se chama de black bloc. E eles estão sendo demonizados. Acho até que, no caso do Brasil, o facto de que sejam black coloca uma pequena ponta de racismo nessa indignação. Não duvido de que no imaginário da classe média por trás da máscara negra esteja também um rosto negro. Pobres, bandidos, etc.

Mas isso está acontecendo ao mesmo tempo que a polícia continua invadindo as favelas, matando 10, 12, 15 jovens por semana. Até recentemente esse comportamento clássico do estado diante da população muito pobre, isto é, mandar a polícia entrar e arrebentar, era algo que a classe média tomava como… [sinal de longínquo].

Porque se passava lá nos morros.

Quando a violência começou a atingir a classe média — ainda que uma bala de borracha não seja uma bala de fuzil, porque o que eles usam na favela é bala de verdade e o que eles usam na rua é bala de borracha, ainda assim você pode matar com bala de borracha, pode cegar, etc —, à medida que a polícia começou a atacar tanto a rua quanto o morro houve um aumento da percepção da classe média em relação à violência da polícia nas favelas, o que é novidade. A imprensa fez uma imensa campanha para santificar a polícia com a coisa das UPP [Unidade de Polícia Pacificadora, programa para acabar com o poder armado paralelo nas favelas, instalando a polícia lá dentro], mas todo o mundo está percebendo que essas UPP são no mínimo ambíguas. Basta ver o caso do [ajudante de pedreiro] Amarildo, que foi sequestrado, torturado e morto pela polícia [em Junho de 2013, na Rocinha], e sumiu da imprensa.

Vinte e cinco policiais foram indiciados.

Quero ver o que vai acontecer. Quem deu visibilidade à morte do Amarildo não foi a grande imprensa. Foram as redes sociais, os movimentos sociais. Essa morte é absolutamente banal, acontece toda a semana nas favelas, mas calhou de acontecer na altura das manifestações, então foi capturada pelos manifestantes, o que produziu uma solidariedade entre o morro e a rua que foi inédita.

Num país como este, em que a desigualdade, a violência, continuam, porque é que as massas não saem?

Quem dera que eu soubesse a resposta. Essa é a pergunta que a esquerda faz desde que existe no Brasil. Acho que há várias razões. O Brasil é um país muito diferente de todos os outros da América Latina, por exemplo da Argentina. Basta comparar a história para ver a diferença em termos de participação política, mobilização popular. Tenho impressão de que isso se deve em larga medida à herança da escravidão no Brasil. O Brasil é um país muito mais racista do que os Estados Unidos. Claro que é um racismo diferente. O racismo americano é protestante. Mas no Brasil há um racismo político muito forte, não só ideológico como o americano, interpessoal. O Brasil é um país escravocrata, continua sendo. O imaginário profundo é escravocrata. Você vê o caso do menino [mulato] amarrado no poste [no bairro do Flamengo, por uma milícia de classe média que o suspeitava assaltante] e que respondeu de uma maneira absolutamente trágica quando foi pego: mas meu senhor, eu não estava fazendo nada. Só essa expressão, “meu senhor”… O trágico foi essa expressão. Continuamos num mundo de senhores. Porque o outro era branco.

Como um DNA, algo que não acabou.

Não acabou, pois é. É o mito de que no Brasil todas as coisas se resolvem sem violência. Sem violência, entenda-se, sem revolta popular. Com muita violência mas sem revolta. A violência é a da polícia, do estado, do exército, mas não é a violência no sentido clássico, francês, revolucionário.

E toda a vez que acontecem coisas como essas manifestações de Junho, por exemplo, há aquela sensação: dessa vez o morro vai descer. O morro não desceu. Em parte porque já não é mais o morro, boa parte do morro é de classe média. Evidentemente, houve um crescimento económico. As favelas da minha infância, nos anos 50, eram completamente diferente, como essas vilas da Amazônia, feitas de lona preta. Hoje são casas de alvenaria, feitas de tijolos. Ainda assim a miséria continua. Quero dizer apenas que a distância entre a classe média e o morro diminuiu do ponto de vista económico.

Ao fazer ascender esses milhões da miséria, o PT neutralizou a revolução?

Em parte pode ser isso. Houve uma espécie de opção política forçada do PT, segundo a qual a única maneira de melhorar a renda dos pobres é não mexer na renda dos ricos. Ou seja, vamos ter que tirar o dinheiro de outro lugar. E de onde é que eles estão tirando? Do chão, literalmente. Destruindo o meio ambiente para poder vender soja, carne, para a China. Não está havendo redistribuição de renda, o que está havendo é aumento da renda produzida pela queima dos móveis da casa para aquecer a população, digamos. Está um pouquinho mais quente, não estamos morrendo de frio, mas estamos destruindo o Brasil central, devastando a Amazônia. Tudo foi feito para não botar a mão no bolso dos ricos. E não provocar os militares.

A ditadura brasileira não acabou. Nós vivemos numa democracia consentida pelos militares. Compare com a Argentina: porque é que no Brasil não houve julgamento dos militares envolvidos na tortura?  Porque os militares não deixam. Vamos ver o que vai acontecer agora, no dia 1 de Abril.

Com o aniversário do golpe militar.

Já existe uma campanha aí, subterrânea, para que no dia 31 de Março apaguem-se as luzes, toquem-se buzinas, para comemorar o 50º aniversário do golpe. Ou seja, existe uma campanha da direita para mostrar que a população ainda apoia a direita. Não sei que sucesso vai ter, mas não duvido que haja uma manifestação, oculta, pessoas que vão apagar as luzes das suas casas ou piscar as luzes à meia-noite, alguma coisa assim.

Mas nenhuma possibilidade de viragem à direita.

Não creio.

O actual regime não é uma democracia?

O Brasil é uma democracia formal, claro, mas consentida pelo status quo. A abertura foi permitida pelos militares. A Lei da Amnistia foi imposta tal qual pelo governo militar. Eles não foram destronados, presos, criminalizados. Simplesmente foram amnistiados. E boa parte do projecto de desenvolvimento nacional gestado durante a ditadura militar está sendo aplicado com a maior eficiência.

Pela esquerda.

Pela chamada esquerda, pela coalisão que está no poder, na qual a esquerda é uma parte mínima, porque tem os grandes proprietários de terra, os grandes empresários.

Está cumprindo um ideário que vem da ditadura?

O PT é um partido operário do século XIX. Eles têm um modelo que é indústria, crescimento, como se o Brasil fosse os Estados Unidos do século XXI. Com grande consumo de energia. Uma concepção antiga, fora de sintonia com o mundo actual. Agora está começando a mudar um pouco, mas a falta de sensibilidade do governo para o facto de que o Brasil é um país que está localizado no planeta Terra, e não no céu, é muito grande. Eles não percebem. Acham que o Brasil é um mundo em si mesmo.

Ou seja, que não vai ser afectado pelo aquecimento global, etc.

É, que todas essas coisas são com os outros. Um pouco como acontece nos Estados Unidos, em países muito grandes.

A única visão global que o Brasil tem é de se tornar uma potência geopolítica. O Brasil, hoje, é um actor maior, de primeira linha, em Moçambique, em Angola, nos países latino-americanos. Está disputando com a China pedaços de Moçambique. A Odebrecht está construindo hidroeléctricas [barragens] em Angola e assim por diante. O Brasil se imagina como potência que vai oprimir. Agora é a vez de sermos opressores, deixarmos de ser os oprimidos. Agora os brasileiros da vez vão ser os haitianos, os bolivianos, os paraguaios, que trabalham nas “sweetshops” de São Paulo, nas terras em que plantamos soja e etc. O PT nunca foi um partido de esquerda. É um partido que procurava transformar a classe operária numa classe operária americana.

E nunca o Brasil foi um país tão capitalista.

Minha mulher me contou que, conversando com um desconhecido, operador da bolsa de valores, isto em 2007, 2008, ele dizia: se eu soubesse que ia ser tão bom para nós jamais teria votado contra o Lula.

Onde está a esquerda? Qual é a sua opção de voto? Ou a opção deixou de ser votar?

Tanto a esquerda como a direita são posições políticas que você encontra dentro da classe média. A classe dominante é de direita de maneira genética, a grande burguesia, o grande capital. E os pobres, a classe trabalhadora… se eu fosse fazer um juízo de valor um pouco irresponsável diria que 60 a 70 por cento do Brasil estaria muito feliz com um governo autoritário, que desse dinheiro para comprar geladeira, televisão, carro, etc. Uma população que tem uma profunda desconfiança em relação a esses jovens quebradores de coisas na rua, que seria a favor da pena de morte, que é violentamente homofóbica.

Iapii-hi, índia Araweté, prepara doce de milho (fotografia de 1982) EDUARDO VIVEIROS DE CASTRO

Depois do garoto do Flamengo ter sido amarrado por aquela milícia, ouvi trabalhadores negros pobres dizerem: tem mais é que botar bandido na cadeia, fizeram foi pouco com ele.

Ou seja, é um país conservador, reaccionário, em que os pobres colaboram com a sua opressão. Não todos, mas existe isso. A escravidão venceu no Brasil, ela nunca foi abolida. Sou muito pessimista em relação ao Brasil, digo francamente. Em relação ao passado e ao futuro. Em relação ao passado no sentido de que é um país que jamais se libertou do ethos, do imaginário profundo da escravidão, em que o sonho de todo o escravo é ser senhor de escravos, o sonho de todo o oprimido é ser o opressor. Daí essa reacção: tem mais é que botar esses caras na cadeia. Em vez de se solidarizar. E podia ser o filho dele facilmente. E às vezes é o filho dele.

Oswald de Andrade, o poeta, dizia: “O Brasil nunca declarou a sua independência.” Em certo sentido é verdade, porque quem declarou a independência do Brasil foi Portugal, um rei português. Eu diria: e tão pouco aboliu a escravidão. Porque quem aboliu a escravidão foi a própria classe escravocrata. Não foi nenhuma revolta popular, nenhuma guerra civil.

E em relação ao futuro sou pessimista porque… talvez ainda tenha um pouco de esperança, mas acho que o Brasil já perdeu a oportunidade de inventar uma nova forma de civilização. Um país que teria todas as condições para isso: ecológicas, geográficas.

Uma espécie de terceira via do mundo?

É, outra civilização. Porque civilização não é necessariamente transformar um país tropical numa cópia de segunda classe dos Estados Unidos ou da Europa, ou seja, de um país do hemisfério norte que tem características geográficas e culturais completamente diferentes.

Lembremos que houve um projecto explícito no Brasil, e que deu certo, que está dando certo, por isso é que sou pessimista, que é o projecto iniciado com Pedro II, em parte inspirado pelo célebre teórico racista Gobineau, que era uma grande admiração de D. Pedro: o Brasil só teria saída mediante o braqueamento da população, porque a escravidão tinha trazido uma tara, uma raça inferior.

Havia que lavar o sangue.

É uma ideia antiga, que já vem dos cristãos-novos que vieram de Portugal, que tinham de limpar o sangue. A gente sabe que quase toda a população portuguesa que se instalou no Brasil é de cristãos-novos, Diria que 70 por cento desses brancos orgulhosos de serem brasileiros são judeus, marranos, convertidos a ferro e fogo pela Inquisição. Então, havia essa ideia de que o Brasil era um país racialmente inferior porque era composto de negros, índios, portugueses com essa origem um pouco duvidosa. E já Portugal em si não é…

A Holanda.

Exacto. Não é a coisa mais branca que podemos encontrar na Europa. A Península Ibérica é um pouco africana, foi dominada 800 anos pelos árabes. Então o Brasil só ia melhorar com branqueamento. Isso foi uma política de estado que durou décadas e trouxe para o Brasil milhões de imigrantes alemães, italianos, mais tarde japoneses. Com o propósito explícito de branquear, não só geneticamente, mas culturalmente e economicamente. E eles foram para o Sul, de São Paulo até ao Rio Grande. Mas, esse que é o ponto curioso, a partir do governo militar para cá essa população branca invadiu o Brasil, a Amazônia. A colonização da Amazônia a partir da década de 70 foi feita pelos gaúchos, muitos deles pobres, que foram expulsos, alemães pobres, italianos pobres, cujas pequenas propriedades fundiárias foram absorvidas pelos grandes proprietários, também gaúchos, também brancos, e que foram estimulados pelo governo, com subsídios, promessas mirabolantes, a irem para a Amazônia. Hoje, tem um cinturão de cidades no sul da Amazônia com nomes como Porto dos Gaúchos, Querência, que é um lugar onde se guarda o gado, típico do Rio Grande do Sul. Os gaúchos [de origem europeia] chegaram numa região temperada, subtropical [sul do Brasil] em que você podia mais ou menos copiar um tipo de estrutura agrícola, de produção alimentar do país de origem. Só que na Amazônia isso é uma abominação. É um preconceito muito difundido essa ideia de que pessoal do Norte não sabe trabalhar, é preguiçoso. Você ouve muito isto no Paraná, no Rio Grande do Sul. Quem sabe trabalhar é o colono alemão, italiano.

Hoje o Brasil foi branqueado. Essa cultura country aí é uma mistura de cultura europeia com cultura americana, de grande carrão, 4×4, pick ups, rodeos, chapéus americanos, botas. Existe um projecto de transformar o Brasil num país culturalmente do hemisfério norte, seja Estados Unidos, seja essa Europa mais reaccionária. Porque estamos falando de colonos alemães que vieram do campesinato reaccionário, bávaro, pomerano, e dos camponeses italianos, que eram entusiastas do nazismo e do fascismo na II Guerra. Continuam sendo. O que tem de grupo de extrema-direita no sul do Brasil é muito. O foco da direita fascista, nazista é o Paraná e o Rio Grande do Sul. Então o Brasil é um país dividido entre um sul branco e o resto não branco, português, negro no litoral, índio no interior.

O censo da população dá por uma unha uma maioria não-branca.

O agronegócio é na verdade o modelo gaúcho, desenvolvido no pampa, nos campos do Rio Grande. Plantação extensa de monocultura, de soja, de arroz, de cana. Então o Brasil está perdendo a oportunidade de se constituir como um novo modelo de civilização propriamente tropical, com uma nova relação entre as raças, que fosse efectivamente multinacional. Um país que se constituiu em cima do genocídio indígena, da escravidão, da monocultura. Que continua fazendo o que fez desde que foi criado, exportando produtos agrícolas. Que continua a alimentar os países industrializados. Primeiro a Europa, depois os Estados Unidos, agora a China. Continua sendo o celeiro do capitalismo.

E o matadouro.

O segundo maior rebanho bovino do mundo, depois da Austrália. Um país que se está destruindo a si mesmo para se transformar numa caricatura dos países que lhe servem de modelo cultural. Em vez de, ao contrário, saber utilizar a sua situação geográfica altamente privilegiada, a sua situação demográfica, uma população imensa, para construir um novo estilo de civilização.

O senhor está descrevendo a derrota do “Manifesto Antropófago” de Oswald de Andrade [visão de um Brasil que se torna forte por comer, absorver o outro]

É, acho que sim. Bom, nenhuma derrota é definitiva. O meu pessimismo nem passa tanto pelo facto de que o Brasil não tem jeito, porque acho que ainda poderia haver uma revolução antropofágica no Brasil. Mas hoje isso é uma questão que já não teria mais sentido colocar pelo simples facto de que estamos numa situação planetária em que a catástrofe já se iniciou. O mundo está entrando, num sentido físico, termodinâmico, num outro regime ambiental que vai produzir catástrofes humanas jamais vistas, no meu entender: fome, epidemias, secas, mudança de regime hidrológico, tudo. Nessas circunstâncias, é possível que cheguemos a um momento em que noções como Brasil, Estados Unidos, países, comecem a perder a sua nitidez. Pode ser que daqui a 50 anos a palavra Brasil não tenha mais nenhum sentido. Que tenhamos que falar em Terra.

É um pré-apocalipse?

Dira que sim. Isabelle Stengers, filósofa belga, diz que a palavra crise não é adequada porque supõe que você pode superá-la, quando o que estamos vivendo é uma situação que não tem um voltar atrás. Vamos ter que conviver com ela para sempre. Um novo regime do mundo, de climas, de águas, não haverá mais peixes, os estoques estão acabando no mundo, a quantidade de refugiados que vão invadir a Europa vai ser brutal nas próximas décadas. Se a temperatura subir quatro graus, que é o que todos os climatologistas estão imaginando, isso vai produzir uma mudança total no que é viver na Terra. E a quantidade de africanos que vai invadir a Europa vai ser um pouco maior do que aqueles pobres que morrem afogados ali em Lampedusa. E como os países ricos vão reagir? É uma questão interessante. Vai ser com armas atómicas? Vão bombardear quem? O meu pessimismo passa mais por aí.

No Brasil as crises são estritamente políticas. Faz reforma política? Vai ter revolta da população? Será que há Copa? Tudo isso é verdade, fundamental, mas a gente não pode perder de vista o cenário mais amplo.

Não vê ninguém no Brasil, politicamente, que tenha uma visão ampla? O senhor votou na Marina Silva [nas últimas presidenciais].

Votei na Marina em 2010, com certeza. Não tenho certeza nenhuma de que votaria nela em 2014, talvez não.

Eduardo Campos [candidato pernambucano que fez uma aliança com Marina]?

De forma nenhuma. A Dilma, nem sob pelotão de fuzilamento voto nela. Esses idiotas do PSDB nem pensar. Então talvez eu não vote. Talvez vote nulo.

Qual é a missão, o papel, a hipótese para alguém como o senhor? Virar uma espécie de guerrilheiro nas redes sociais?

É. Eu diria que a revolução antropofágica do Oswald de Andrade só é possível sob o modo da guerrilha. Estamos falando de uma coisa que foi pensada em 1928…

Mas que foi revivendo, anos 60, agora.

O Oswald, um homem da classe dominante, pensava no Brasil como uma coisa sobre a qual você podia pôr e dispôr. Nesse sentido, ele pertence à geração dos teóricos do Brasil, que eram todos da elite dominante paulistana ou pernambucana: Gilberto Freyre, Caio Prado Júnior, Eduardo Prado. Os modernistas eram uma teoria do Brasil, de como o Brasil deve ser organizado, governado.

Talvez os muitos povos brasileiros que compõem esse país só tenham chance de ganhar uma certa emancipação cultural, política, metafísica, no contexto do declínio geral do planeta. Nessas condições é possível que haja esperança para os negros, os índios, os quilombolas [descendentes de escravos], os gays, os pobres desse planeta favela. Não esqueçamos que o mundo tem três bilhões e meio de habitantes vivendo em cidade, metade da população mundial. Desses, no mínimo um bilhão vive em favelas. Ou seja, um sétimo da população mundial vive em favelas. O Brasil deve ter uma proporção maior que a Alemanha, Estados Unidos. Diria que deve andar na casa dos 30 milhões. [A população de] um bom país europeu.

Seria uma guerrilha nas redes sociais? Admite o uso de violência ou uma guerrilha virtual apenas?

Nem uma coisa nem outra. A existência da Internet mudou as condições da guerra, em geral, sim. O maior acto de guerra recente, no bom sentido, de que me consigo lembrar foi o Edward Snowden. Não mais os Estados Unidos espionando a Rússia, nem a Rússia espionando os Estados Unidos, mas o vazamento de informações secretas dos estados. Isso é muito significativo. Um jornalista morando aqui no Rio de Janeiro, que trabalha para um jornal inglês, que recebeu informações de um analista americano, que estava escondido em Hong Kong: isso só é possível com Internet. As redes sociais mudaram completamente as condições de resistência ao capitalismo.

Uma nova forma de guerrilha?

Que não é nececessariamente violenta, embora exista o problema do hacker, do bombardeio de sistema electrónico. Mas o que penso não é bem por aí. Quando penso em guerrilha, é no sentido de combates locais, ponto a ponto. Não estou falando de quebrar a porta do banco ou bater na polícia. Falo em combates em que você seja capaz de conectar combates locais através do mundo inteiro.

Existem formas novas de resistência e aliança entre as minorias étnicas, culturais, económicas do planeta que passam pela conectividade universal da rede, que é frágil, ao contrário do que se imagina, com pontos fracos, nós, gargalos, em que os Estados Unidos têm um poder muito grande. Mas eu diria que é muito difícil controlá-la até porque essa rede é indispensável para o capitalismo. Difícil o capitalismo danificá-la demais, senão vai perder seu principal instrumento hoje. Ainda que haja várias tentativas, no Brasil inclusive, de vigilância.

É possível que a gente passe para um estado de vigilância à la George Orwell. Tudo isso é possível. Mas acho também que a situação actual permite o desenvolvimento de uma guerrilha de informação, muito mais que de acção física, porque a informação hoje é uma mercadoria fundamental, estamos na economia do conhecimento, então a guerra é uma guerra também pela informação. É por aí que tenho alguma esperança, muito mais que numa saída nas ruas, com ancinhos, forcados, machetes.

Parar de imaginar uma luta de classes e imaginar uma guerrilha de classes. Classe definida, agora, não só de maneira classicamente económica mas no contexto da nova economia, que mudou a composição de classes. Vários intelectuais hoje pertencem à classe dominada, operária. Então, vejo mais uma guerrilha do que uma guerra, com a vantagem de que as guerras em geral terminam na constituição de um novo poder totalitário, um novo terror. O “Manifesto Antropófago” pode acabar se realizando mais por esse lado. O sonho clássico da revolução, como transformação de um estado A em estado B é um sonho pouco interessante.

Não há desfecho.

Não há desfecho. Prefiro falar em insurreição do que em revolução, hoje. Um estado de insurreição permanente como resistência. A palavra talvez seja mais resistência, insurreição, do que revolução e guerra. Guerrilha é sempre de resistência. O modelo da resistência francesa [na ocupação alemã], criar redes subterrâneas de comunicação. Estamos nessa posição, somos um planeta invadido por alienígenas, digamos, que é o grande capital, a TV Globo, o agronegócio, a hegemonia norte-americana sobre os sistemas de entretenimento; como é que você cria uma rede de resistência a esses “alemães”?

Sou um activista das redes, de facto. Mas não convoco para manifestações, não pertenço a nenhuma organização, estou um pouco velho para sair na rua.

Está com 62 anos.

É, mas para sair na rua como black bloc [sorriso]… Posso ir atrás do black bloc, na frente não dá.

Começou tarde a ser um activista/guerrilheiro. Porquê?

É uma questão interessante. A minha relação com o activismo na ditadura não foi receio físico. Não que eu não tivesse medo de enfrentar a repressão. Vi vários amigos presos, torturados, todo o mundo tinha medo. Mas não foi por isso que não entrei na luta contra a ditadura. Foi porque não acreditava nela, em tomar o poder para instituir uma nova ordem não muito diferente. Eu achava que era uma briga entre duas fracções da classe média alta para saber quem ia mandar no país. E eu não tinha a menor simpatia pela ideia de mandar no país. Tinha uma desconfiança, que infelizmente se confirmou, quando a gente vê que uma das pessoas que fez a luta armada está mandando no país. E ela está fazendo coisas muito parecidas com o que os militares queriam fazer, pelo menos na Amazônia. O projecto da Dilma na Amazônia é idêntico ao do Médici [terceiro presidente da ditadura, no período 1969-74].

O senhor se configura como um anarquista?

Talvez…

Fora do estado.

Digamos que sim. Mas não sou um anarquista daqueles que acham que a sociedade actual pode prescindir do estado. Acho isso um sonho um pouco infantil.

Acha que não pode prescindir do estado mas que é importante cultivar…

Uma oposição, sim. A ideia de uma abolição do estado nas presentes condições é fantasia. Existem algumas contradições que não podemos evitar. Por exemplo, o maior inimigo dos índios brasileiros, num certo plano, é o estado, que representa uma sociedade que os invadiu, exterminou, escravizou, expropriou de suas terras. Ao mesmo tempo, o estado brasileiro é a única protecção que os índios têm contra a sociedade brasileira. Se não fosse o estado, os fazendeiros já teriam aniquilado todos os índios. Mas é uma quimioterapia, como se o Brasil fosse o câncer e o estado fosse aquele remédio. Faz um mal horrível mas você tem de tomar, é o único jeito de ter esperança de se curar. Portanto, não posso ir contra o estado.

Tenho simpatia pela tese do [antropólogo francês Pierre] Clastres, “A Sociedade Contra o Estado”, um tipo de sociedade como ele entendia que era o caso de várias sociedades indígenas, mas não imagino que isso possa ser transferido para as nossas dimensões demográficas. Isto dito, não sei por quanto tempo vamos ter essas dimensões no planeta, estados-nação com milhões de habitantes. Precisamos guardar os anti-corpos contra o estado porque podemos precisar deles no futuro.

Defende que toda a lógica do que o Brasil poderia ser, oferecer, passaria por se tornar mais índio. Não os índios tornarem-se brasileiros mas o Brasil tornar-se índio, o que significaria uma outra forma de vida, não para produzir, não para consumir. Que significa isso na guerrilha das cidades e das redes? Como os índios podem estar presentes aí? O que podem dar à tal insurreição contínua?

Vou juntar isso com o final da pergunta anterior. Fui-me tornando mais activo nas redes porque apareceram, antes não existiam, e em função da minha enorme decepção com o final da ditadura, o facto de que continuamos reféns do grande capital, dos grandes clãs, dos capitães hereditários que continuam mandando no Brasil, José Sarney, Fernando Collor, Renan Calheiros. Essa aliança entre o mais arcaico, que é Sarney, e o mais moderno do capitalismo, que são esses agronegociantes de alta tecnologia do Mato Grosso do Sul, todos eles combinados para manter a tranquilidade política: não deixemos as massas virem atrapalhar.

Então, a minha decepção com a trajectória depois da ditadura; a minha decepção maior ainda com a trajectória do PT, a partir da eleição do Lula, na qual ele escreveu uma carta aos brasileiros dizendo que não ia tocar no bolso dos ricos; a minha decepção ainda maior com a performance do governo Dilma em relação ao meio ambiente, à Amazônia, aos índios, a total incapacidade política da presidente para ter o mínimo de diálogo, por mais fictício que seja com as populações indígenas, ao contrário, ela demonstra um desprezo, um ódio mesmo, que me parece quase patológico; tudo isso me levou ao activismo.

Todo o mundo tem uma imagem do Brasil como país preguiçoso, relaxado, laid back, onde tudo é mais devagar. E existe uma grande ambiguidade nossa em relação a essa imagem. Por um lado achamos interessante a imagem de um país easy going, por outro lado temos uma grande vergonha disso, nos queremos transformar num país performante, que vai para a frente, produtivo. A gente quer ao mesmo tempo ser sambista e grande potência mundial. Eu acho que devia continuar sendo sambista. Que a gente devia saber explorar as virtudes do não-produtivismo. A ética protestante, que nos deu o espírito do capitalismo, para falar como Weber, nunca esteve inscrita no DNA do Brasil, graças a vocês portugueses, que também não a tinham [risos]. Tiveram durante século e meio, mas depois… Então, por um milagre histórico fomos preservados dessa maldição que é a ética produtivista do capitalismo. Fomos capturados pelo capitalismo porque nos invadiu, domou. O capitalismo foi possível porque a Europa invadiu a América. Se não fosse a America, a Europa não teria deixado de ser o que era na Idade Média, um fundo de quintal. Na Idade Média, as sociedades desenvolvidas eram o Islã, a India e a China. Os europeus eram um bando de bárbaros, sujos, mal vestidos, católicos. Mas por acaso os portugueses e os espanhóis deram de cara com o novo mundo e o capitalismo tornou-se possível. Porque foi o ouro do Novo Mundo, milhares de toneladas, e tudo o que saiu da América, novas plantas, novos recursos alimentares, que permitiu a expansão do capitalismo e  depois a revolução industrial. Se não tivesse havido invasão da América, destruição da América não teria havido Europa moderna. Hoje, no mundo, as principais plantas que servem de alimentação mundial são de origem ameríndia: o milho, que se planta em toda a parte, a batata, que permitu a revolução industrial inglesa, a mandioca, da qual toda a África do Oeste hoje vive. Só que a América já era, não tem mais Novo Mundo para descobrir, a terra fechou, arredondou, além de que o pólo dinâmico do capitalismo foi para a China.

Voltando aos índios.

O Brasil tem muito poucos índios comparado com os países andinos ou mezo-americanos. Estão na casa de um milhão, num país de 200 milhões. Mas têm um poder simbólico muito grande, até porque têm uma base muito grande, 12 por cento do território brasileiro. Está tudo invadido [por obras ou fazendeiros] mas oficialmente é terra indígena. Além de que têm um poder de sedução no imaginário ocidental. A Amazônia tem um poder simbólico imenso. Embora, ao contrário do que os brasileiros pensam, não seja só brasileira, a maior parte da Amazônia está no Brasil. E é um objecto transcendente, uma espécie de última chance, último lugar da terra. O que dá ao Brasil um poder simbólico que ele não sabe usar, ao contrário, a Amazônia tem servido para atacar o Brasil por não saber cuidar da Amazônia. E sabe uma coisa? Não sabe mesmo. E não está sabendo se valer da Amazônia como um trunfo mundial. Nem como um lugar onde poderia se desenvolver uma civilização menos estúpida, do ponto de vista tecnológico e social. Os índios aí servem como exemplo. Estão na Amazônia há pelo menos 15 mil anos. Boa parte da floresta amazónica foi criada pela actividade indígena. Boa parte do solo foi criado com cinza de fogueira, detritos humanos. A Amazônia é essa floresta luxuriante em parte por causa da acção humana, dos índios.

Perante isto, o modelo sulino, gaúcho, europeu, de ocupação da Amazônia, é um plano liso que você possa encher de fertilizante, para poder plantar plantas transgénicas, resistentes a herbicidas, para produzir soja para vender para China, para em seguida pegar esse dinheiro e dar Bolsa Família. Não seria mais simples fazer com que essas pessoas não precisassem de Bolsa Família dando para elas terra para plantar, fazendo a célebre reforma agrária que jamais foi feita no Brasil?

Estamos exportando terra, solo e água na forma de carne, de soja. Um quilo de carne precisa de 15 mil litros de água para ser produzido, um quilo de soja, 7500 litros. Essa água toda, que poderia estar sendo usada para plantar comida para nós, está sendo usada para produzir soja para alimentar gado europeu, ou em tofu e miso na China.

O Brasil destruiu mais de metade da sua cobertura vegetal, a Mata Atlântica, que era igual à Amazônia do ponto de vista ambiental, para plantar cana e café durante a colonização. E ficámos mais ricos? Agora estão devastando a Amazônia para produzir soja e gado. Estamos ficando mais ricos? Os pobres estão melhores porque está caindo mais migalha da mesa dos ricos, não porque vieram sentar na mesa.

Meninos a pescar no rio Xingu (1982) EDUARDO VIVEIROS DE CASTRO

Isso também afectou os índios, não? Em São Gabriel da Cachoeira, o município mais indígena do Brasil [estado do Amazonas], um dos grandes problemas é o alcoolismo. Impressionante ver o estado em que muitos índios vivem em São Gabriel. É um resultado desse erro de tentar converter o índio em brasileiro nesse modelo que está a descrever?

O alcoolismo é uma praga da população indígena das três Américas. Tem a ver com várias coisas. Uma delas é genética, mesmo. Os índios têm, por razões de evolução, muito menos resistência ao metabolismo do açúcar no organismo. Por isso que eles têm essa tendência à obesidade e à diabetes. Segundo, os índios sempre tiveram álcool, na América do Norte menos, mas todos os índios da Amazônia preparavam bebidas fermentadas, etc. É a mesma coisa com o tabaco, só que ao contrário. O tabaco é indígena. Os índios fumavam, mas não tinham câncer, ou a taxa devia ser muito pequena, assim como o alcoolismo existe entre nós mas é muito menos violento. Porquê? Os índios, para fazerem o tabaco deles e a bebida deles, tinham que produzir à mão. Tabaco tinham de plantar, de enrolar, de fazer um charuto, levava cinco dias para fumar, eram objectos custosos. A cerveja que faziam levava semanas. Aí, chega de repente a cachaça, seis meses de trabalho indígena concentrado numa garrafa que custa dois reais. A mesma coisa com a gente: quando você pega num maço de cigarro que tem concentrado seis meses de trabalho indígena, você fuma um atrás do outro. Você morre de câncer aqui e os índios morrem de cirrose lá.

O capitalismo apresenta aos índios uma coisa que eles nunca tiveram: o infinito mercantil. Os objectos não acabam nunca. Você tem uma quantidade infinita de cachaça. É como se chegassem aqui marcianos que nos dessem soro da vida eterna. Os índios não entendem e consomem, consomem, consomem. Eles produziam pouco para ter tempo livre. O que acontece agora é que continuam produzindo pouco mas os produtos chegam em quantidade infinita. E eles não têm estrutura social, política, institucional. Vai levar séculos para que desenvolvam resistências. Todo o ser humano gosta de se drogar, alterar a consciência, desde o café até ao LSD, então nos índios o álcool entrou destruindo tudo. É certamente a coisa mais destrutiva em todos os índios das Américas.

Não há sociedades perfeitas. É preciso distinguir entre modelo e exemplo. Os índios são um exemplo, não um modelo. Jamais poderemos viver como os índios, por todas as razões. Não só porque não podemos como não é desejável. Ninguém está querendo parar de usar computador ou usar antibiótico, ou coisa parecida. Mas eles podem ser um exemplo na relação entre trabalho e lazer. Basicamente trabalham três horas por dia. O tempo de trabalho médio dos povos primitivos é de três, quatro horas no máximo. Só precisam para caçar, comer, plantar mandioca. Nós precisamos de oito, 12, 16. O que eles fazem o resto do tempo? Inventam histórias, dançam. O que é melhor ou pior? Sempre achei estranho esse modelo americano, trabalha 12 horas por dia, 11 meses e meio por ano, para tirar 15 dias de férias. A quem isso beneficia?

A única vantagem indiscutível que a civilização moderna produziu em relação às civilizações indígenas foram os avanços na medicina. Se você fosse viver o resto da vida no mato o que levaria? Penicilina. Foi de facto um avanço. Mesmo assim nossos avanços sempre avançam demais. Hoje preferimos manter uma pessoa de 90 anos sofrendo horrivelmente, tem de viver, tem de viver, a família vai à falência. Ou seja, não sabemos mais morrer. Todo o mundo antes do século XX sabia morrer.

Negative effects of joining a gang last long after gang membership ends (Science Daily)

Date: March 13, 2014

Source: University of Washington

Summary: Joining a gang in adolescence has significant consequences in adulthood beyond criminal behavior, even after a person leaves the gang. Former gang members are more likely to be in poor health, receiving government assistance and struggling with drug abuse than someone who never joined a gang.

Imagine two children, both with the exact same risk factors for joining a gang. As teenagers, one joins a gang, the other doesn’t. Even though the first teen eventually leaves the gang, years later he or she is not only at significantly higher risk of being incarcerated and receiving illegal income, but is also less likely to have finished high school and more likely to be in poor health, receiving government assistance or struggling with drug abuse.

University of Washington researchers have found that joining a gang in adolescence has significant consequences in adulthood beyond criminal behavior, even after a person leaves the gang. The research is published in the American Journal of Public Health.

“It turns out that, like violence, gang membership is as much a public health problem as a criminal justice problem,” said Karl Hill, study co-author and research associate professor in the School of Social Work. “Joining a gang in the teens had enduring consequences on health and well-being.”

The Seattle Social Development Project, which was founded by study co-author J. David Hawkins, followed 808 fifth-grade students from 18 elementary schools serving high-crime neighborhoods in Seattle, beginning in 1985. More than half of the students came from low-income families. Participants were interviewed every year until the age of 18, then every three years until the age of 33.

According to lead author Amanda Gilman, a doctoral candidate in the School of Social Work, joining a gang served as a turning point, creating consequences that cascaded into other areas of life for years afterward.

“Very few of them reported still being in a gang at age 27. The vast majority had left a long time ago, but the consequences stuck with them long-term,” Gilman said. Researchers used 23 risk factors to calculate a child’s propensity for joining a gang, and then compared 173 youth who had joined a gang with 173 who did not but showed a similar propensity for doing so, so that the only difference between the two groups was gang membership. The average age of joining a gang was just under 15 years old. No one in this study reported joining a gang after the age of 19, and the majority (60 percent) were in a gang for three years or less.

The 23 variables used to match the groups included individual factors such as antisocial beliefs, alcohol and marijuana use, violent behavior and hyperactivity; family factors such as poverty, family structure, sibling behavior and parent pro-violent attitudes; school factors such as academic aspiration and achievement; neighborhood factors such as the availability of marijuana and neighborhood kids in trouble; and whether the child associated with friends who engaged in problem behaviors. Researchers measured three areas of adult functioning at age 33: illegal behavior, education and occupational attainment, and physical and mental health. Those who joined a gang in adolescence were nearly three times more likely between ages 27 and 33 to report committing a crime, more than three times more likely to receive income from illegal sources, and more than twice as likely to have been incarcerated in the previous year.

Former gang members also were nearly three times more likely to have drug-abuse issues, were almost twice as likely to say they were in poor health, and twice as likely to be receiving public assistance. They were also half as likely to graduate from high school.

Gilman hopes the study will motivate schools and communities to develop and implement research-based strategies to prevent children from joining gangs, in the hopes of not only reducing crime, but increasing graduation rates and reducing physical and mental health costs.

Hill said everyone can be involved in gang prevention in their own way, by reducing the 23 variables shown to be risk factors. “If you’re a parent, manage your family well. If you’re a community member, be involved in kids’ lives. If you’re a teacher, engage your kids and recognize good work. We can’t solve all of the risks kids are exposed to alone, but we can if we work together,” he said.

Journal Reference:

  1. Amanda B. Gilman, Karl G. Hill, J. David Hawkins. Long-Term Consequences of Adolescent Gang Membership for Adult FunctioningAmerican Journal of Public Health, 2014; e1 DOI: 10.2105/AJPH.2013.301821

Discurso sobre o sonho pode ajudar no diagnóstico de doenças mentais (Fapesp)

Pesquisadores brasileiros desenvolvem técnica de análise matemática de relatos sobre sonhos, capaz de auxiliar na identificação de sintomas de esquizofrenia e bipolaridade (imagem: divulgação)

17/03/2014

Por Elton Alisson

Agência FAPESP – A pista dada por Sigmund Freud (1856-1939) no livro “A intepretação dos sonhos, de 1899, de que “os sonhos são a estrada real para o inconsciente”, chave para a Psicanálise, também pode ser útil na Psiquiatria, no diagnóstico clínico de transtornos mentais, como a esquizofrenia e a bipolaridade, entre outras.

A constatação é de um grupo de pesquisadores do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em colaboração com colegas do Departamento de Física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Neuromatemática (Neuromat) – um dos CEPIDs da FAPESP.

Eles desenvolveram uma técnica de análise matemática de relatos de sonhos que poderá, no futuro, auxiliar no diagnóstico de psicoses.

A técnica foi descrita em um artigo publicado em janeiro na Scientific Reports, revista de acesso aberto do grupo Nature.

“A ideia é que a técnica, relativamente simples e barata, seja utilizada como ferramenta para auxiliar os psiquiatras no diagnóstico clínico de pacientes com transtornos mentais de forma mais precisa”, disse Mauro Copelli, professor da UFPE e um dos autores do estudo, à Agência FAPESP.

De acordo com Copelli – que realizou mestrado e doutorado parcialmente com Bolsa da FAPESP –, apesar dos esforços seculares para aumentar a precisão da classificação dos transtornos mentais, o atual método de diagnóstico de psicoses tem sido duramente criticado.

Isso porque ele ainda peca pela falta de objetividade e pelo fato de a maioria dos transtornos mentais não contar com biomarcadores (indicadores biométricos) capazes de auxiliar os psiquiatras a diagnosticá-los com maior exatidão.

Além disso, pacientes com esquizofrenia ou transtorno bipolar muitas vezes apresentam sintomas psicóticos comuns, como alucinações, delírios, hiperatividade e comportamento agressivo – o que pode comprometer a precisão do diagnóstico.

“O diagnóstico dos sintomas psicóticos é altamente subjetivo”, afirmou Copelli. “Por isso mesmo, a última versão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais [publicado pela Associação Americana de Psiquiatria em 2013] foi muito atacada”, avaliou.

A fim de desenvolver um método quantitativo para avaliar sintomas psiquiátricos, os pesquisadores gravaram, com o consentimento dos envolvidos, os relatos dos sonhos de 60 pacientes voluntários, atendidos no ambulatório de psiquiatria de um hospital público em Natal (RN).

Alguns dos pacientes já tinham recebido o diagnóstico de esquizofrenia, outros de bipolaridade e os demais, que formaram o grupo de controle, não apresentavam sintomas de transtornos mentais.

Os relatos dos sonhos dos pacientes, feitos à psiquiatra Natália Bezerra Mota, doutoranda na URFN e primeira autora do estudo, foram transcritos.

As frases dos discursos dos pacientes foram transformadas por um software desenvolvido por pesquisadores do Instituto do Cérebro em grafos – estruturas matemáticas similares a diagramas nas quais cada palavra dita pelo paciente foi representada por um ponto ou nó, como o feito em uma linha de crochê.

Ao analisar os grafos dos relatos dos sonhos dos três grupos de pacientes os pesquisadores observaram que há diferenças muito claras entre eles.

O tamanho, em termos de quantidade de arestas ou links, e a conectividade (relação) entre os nós dos grafos dos pacientes diagnosticados com esquizofrenia, bipolaridade ou sem transtornos mentais apresentaram variações, afirmaram os pesquisadores.

“Os pacientes com esquizofrenia, por exemplo, fazem relatos que, quando representados por grafos, possuem menos ligações do que os demais grupos de pacientes”, disse Mota.

Diferenças de discursos

Segundo os pesquisadores, a diferenciação de pacientes a partir da análise dos grafos de relatos dos sonhos foi possível porque suas características de fala também são bastante diversificadas.

Os pacientes esquizofrênicos costumam falar de forma lacônica e com pouca digressão (desvio de assunto) – o que explica por que a conectividade e a quantidade de arestas dos grafos de seus relatos são menores em comparação às dos bipolares.

Por sua vez, pacientes com transtorno bipolar tendem a apresentar um sintoma oposto ao da digressão, chamado logorreia ou verborragia, falando atabalhoadamente frases sem sentido – chamado na Psiquiatria de “fuga de ideias”.

“Encontramos uma correlação importante dessas medidas feitas por meio das análises dos grafos com os sintomas negativos e cognitivos medidos por escalas psicométricas utilizadas na prática clínica da Psiquiatria”, afirmou Mota.

Ao transformar essas características marcantes de fala dos pacientes em grafos é possível dar origem a um classificador computacional capaz de auxiliar os psiquiatras no diagnóstico de transtornos mentais, indicou Copelli.

“Todas as ocorrências no discurso dos pacientes com transtornos mentais que no grafo têm um significado aparentemente geométrico podem ser quantificadas matematicamente e ajudar a classificar se um paciente é esquizofrênico ou bipolar, com uma taxa de sucesso comparável ou até mesmo melhor do que as escalas psiquiátricas subjetivas utilizadas para essa finalidade”, avaliou.

O objetivo dos pesquisadores é avaliar um maior número de pacientes e calibrar o algoritmo (sequência de comandos) do software desenvolvido para transformar os relatos dos sonhos em grafos que possam ser usados em larga escala na prática clínica de Psiquiatria.

Apesar de utilizada inicialmente para o diagnóstico de psicoses, a técnica poderá ser expandida para diversas outras finalidades, contou Mota.

“Ela poderá ser utilizada, por exemplo, para buscar mais informações sobre estrutura de linguagem aplicadas à análise de relatos de pessoas não apenas com sintomas psicóticos, mas também em diferentes situações de declínio cognitivo, como demência, ou em ascensão, como durante o aprendizado e o desenvolvimento da fala e escrita”, indicou a pesquisadora.

Papel dos sonhos

Os pesquisadores também desenvolveram e analisaram, durante o estudo, os grafos de relatos sobre atividades realizadas pelos pacientes voluntários na véspera do sonho.

Os grafos desses relatos do dia a dia, chamados de “relatos de vigília”, não foram tão indicativos do tipo de transtorno mental sofrido pelo paciente como outros, disse Copelli.

“Conseguimos distinguir esquizofrênicos dos demais grupos usando a análise dos grafos dos relatos de vigília, mas não conseguimos distinguir bem os bipolares do grupo de controle dessa forma”, contou.

Os pesquisadores ainda não sabem por que os grafos dos discursos sobre o sonho são mais informativos sobre psicose do que os grafos da vigília.

Algumas hipóteses esmiuçadas na pesquisa de doutorado de Mota estão relacionadas a mecanismos fisiológicos de formação de memória.

“Acreditamos que, por serem memórias mais transitórias, os sonhos podem ser mais demandantes cognitivamente e ter maior impacto afetivo do que as memórias relacionadas ao cotidiano, e isso pode tornar seus relatos mais complexos”, contou a pesquisadora.

“Outra hipótese é que o sonho está relacionado a um evento vivenciado exclusivamente por uma pessoa, sem ser compartilhado com outras, e por isso talvez seja mais complexo de ser explicado do que uma atividade relacionada ao cotidiano”, disse.

Para testar essas hipóteses, os pesquisadores pretendem ampliar a coleta de dados aplicando questionários em pacientes com registro de primeiro surto psicótico, com o objetivo de esclarecer se outros tipos de relatos, como de memórias antigas, podem se equiparar ao sonho em termos de informação psiquiátrica. Eles também querem verificar se podem usar o método para identificar sinais ou grupo de sintomas (pródromo) e acompanhar efeitos de medicações.

“Pretendemos investigar em laboratório, com eletroencefalografia de alta densidade e diversas técnicas de mensuração de distâncias semânticas e análise de estrutura de grafos, de que forma os estímulos recebidos imediatamente antes de dormir influenciam os relatos de sonhos produzidos ao despertar”, disse Sidarta Ribeiro, pesquisador do Instituto do Cérebro da UFRN.

“Estamos particularmente interessados nos efeitos distintos de imagens com valor afetivo”, afirmou Ribeiro, que também é pesquisador associado do Neuromat.

O artigo Graph analysis of dream reports is especially informative about psychosis (doi: 10.1038/srep03691), de Mota e outros, pode ser lido na revista Scientific Reports emwww.nature.com/srep/2014/140115/srep03691/full/srep03691.html.

Luciana Vanni Gatti: Na trilha do carbono (Fapesp)

MARCOS PIVETTA e RICARDO ZORZETTO | Edição 217 – Março de 2014

© LÉO RAMOS

022-027_Entrevista_217

Emoldurado por um nascer do sol no município acreano de Senador Guiomard, um castanheiro-do-pará ocupou o primeiro plano da capa de 6 de fevereiro da revista científica inglesa Nature, uma das mais prestigiadas do mundo. A árvore tropical simbolizava a Amazônia, tema central de um artigo que teve como autor principal Luciana Vanni Gatti, 53 anos, coordenadora do Laboratório de Química Atmosférica do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen). Luciana e os coautores do trabalho calcularam o chamado balanço de carbono da floresta amazônica  que é uma comparação entre a quantidade de carbono na forma de dióxido de carbono (CO2) emitida e a absorvida pela bacia Amazônica – em dois anos consecutivos que apresentaram temperaturas acima da média dos últimos 30 anos, mas uma variação significativa no regime de chuvas.

O ano de 2010 foi marcado por uma estiagem extrema e o de 2011 por chuvas acima da média. “Vimos que a Amazônia se comportou como uma fonte de carbono no ano seco quando também levamos em conta as queimadas”, diz Luciana, que dividiu a coautoria do artigo com Emanuel Gloor, da Universidade de Leeds, na Inglaterra, e John Miller, da Universidade do Colorado, em Boulder, nos Estados Unidos. “Mas, no ano úmido, seu balanço de carbono foi próximo a neutro, a quantidade emitida e a absorvida foram mais ou menos equivalentes.” Os dados do estudo sobre gases atmosféricos foram obtidos por uma iniciativa comandada desde 2010 pela brasileira, cujos esforços de pesquisa fazem parte do Amazonica (Amazon Integrated Carbon Analysis), um grande projeto internacional coordenado por Gloor. A cada duas semanas, pequenos aviões alçam voo de quatro localidades amazônicas (Santarém, Alta Floresta, Rio Branco e Tabatinga) e coletam amostras de ar ao longo de um perfil vertical descendente, entre 4,4 quilômetros de altitude e 200 ou 300 metros do solo. As amostras são enviadas para o laboratório de Luciana no Ipen onde são quantificados gases de efeito estufa, entre outros. No trabalho foram estudados o CO2, o monóxido de carbono (CO) e o hexafluoreto de enxofre (SF6).

Os resultados foram interpretados como preocupantes, pois sugerem que a capacidade de a Amazônia absorver da atmosfera o CO2, principal gás de efeito estufa, parece estar associada à quantidade de chuvas. Em anos secos, como 2010, ocorrem mais incêndios em áreas com floresta e também nas já desmatadas, que liberam grandes quantidades de CO, e o estresse hídrico aparentemente reduz os níveis de fotossíntese das plantas e as fazem retirar menos CO2 da atmosfera. Nesta entrevista, Luciana fala dos resultados e das implicações de seu estudo e conta um pouco de sua carreira.

Você esperava que o trabalho parasse na capa daNature?
Mais pela importância do tema do que pela qualidade do trabalho, esperava que saísse sim, mas não imaginava que fosse capa. Vou a muitos congressos e encontro gente do mundo inteiro falando da Amazônia. Essas pessoas não têm ideia do que é a região. Nunca vieram aqui e ficam fazendo modelagem, extrapolando dado local como se fosse representativo de toda a região. Vejo resultados muito variados de modelagem, mostrando a Amazônia como sendo desde grande absorvedora até grande emissora de CO2. A Amazônia faz diferença no balanço global de carbono. Por isso, descobrir qual é o seu peso nesse balanço é tremendamente importante. Hoje do que mais se fala? De mudança climática. O planeta está ficando hostil ao ser humano. Mas inicialmente pretendíamos publicar na Science.

Por quê?
Era meu objetivo porque o [Simon] Lewis [pesquisador da Universidade de Leeds] publicou na Science em 2010 um paper com conclusões que queríamos contestar. Ele disse que a Amazônia tinha emitido naquele ano o equivalente à queima de combustíveis fósseis de todo os Estados Unidos. Era um trabalho feito com modelagem e tinha chegado a um resultado muito exagerado. Queria publicar na Science para responder ao Lewis. Chegamos a submeter para a revista uma versão de nosso artigo, na época apenas com os dados de 2010, um ano muito seco. Era um trabalho que determinava o balanço de carbono naquele ano. A Science disse que era um estudo relevante, mas que tinha um escopo técnico demais, fora de sua linha editorial. Nem mandaram o artigo para ser analisado por referees e sugeriram que o enviássemos para uma revista mais especializada. Mas, quando analisamos os dados de 2011, encontramos uma situação completamente diferente daquela de 2010. O entendimento de por que os efeitos sobre o balanço de carbono foram tão diferentes em 2010 e 2011 foi o que fez a Nature gostar do paper. Por esse motivo, sou a favor de estudos de longa duração. Se tivesse feito uma campanha em 2010, ia achar que a Amazônia se comporta daquele jeito todos os anos.

Em editorial, a Nature disse que os resultados do artigo são uma notícia ruim. Concorda com essa avaliação?
Concordo. É uma notícia bem triste. Não esperávamos que a Amazônia pudesse apresentar um resultado tão baixo de absorção de carbono. Nunca ninguém mediu isso da forma como fizemos agora. Existem vários trabalhos que, a partir de um dado local, extrapolam uma média para a região. Mas tirar uma média é válido? Já sabemos que existe muita variação dentro da Amazônia.

Qual era o senso comum sobre o balanço de carbono na região?
Que a Amazônia absorvia em torno de meio petagrama de carbono por ano, era o que se estimava. Todo mundo acha que a Amazônia é um grande sink [sumidouro] de carbono. Mas em 2010, por causa do estresse hídrico, as plantas fizeram menos fotossíntese e aumentou sua mortalidade. Então a floresta na média absorveu apenas 0,03 petagrama de carbono. Muito pouco. Isso equivale a 30 milhões de toneladas de carbono. O valor é igual à margem de erro do estudo. Devido a queimadas propositais e a incêndios florestais, a Amazônia emitiu 0,51 petagrama de carbono (510 milhões de toneladas de carbono). Portanto, no balanço de carbono a emissão foi muito maior do que a absorção. É uma notícia horrível. Em 2011, que foi mais úmido, o balanço foi praticamente neutro [a floresta emitiu 0,30 petagrama de carbono, mas abosorveu 0,25 petagrama, oito vezes mais que no ano anterior].

A quantidade de chuvas é o fator principal para entender o balanço de carbono na Amazônia?
Não é bem isso. Nosso estudo mostra que a disponibilidade de água é um fator mais importante do que a temperatura. É questão de peso. Mas isso não quer dizer que a temperatura não seja importante. A grande diferença entre 2010 e 2011 foi a questão hídrica, só que ela também está ligada à variação de temperatura. É difícil dar uma resposta definitiva. Esse dado indica que não dá para fazer modelo de previsão climática levando em conta apenas o aumento de temperatura. É preciso colocar todas as consequências desse aumento de temperatura. Um modelo muito simplista vai ficar longe do que vai acontecer no futuro.

A seca de 2010 e as chuvas de 2011 foram anormais para a Amazônia?
Não podemos dizer que a chuva de 2011 foi extrema, porque ela não foi acima da máxima histórica. Foi um ano chuvoso, acima da média, mas não incomum. É uma questão de definição. Houve outros anos com níveis semelhantes de precipitação. A seca de 2010 foi extrema, incomum, abaixo da mínima histórica. No entanto, não posso dizer que a capacidade de absorção em 2011 equivale à média de um ano chuvoso. Em 2010, a floresta tinha sofrido muito com a seca e, no ano seguinte, a vegetação ainda poderia estar sob efeito do impacto desse estresse absurdo. A história de um ano pode estar influenciando o ano seguinte. Pode ser que, depois de um ano chuvoso, o sequestro de carbono seja maior se houver em seguida um segundo ano também chuvoso.

Os dados de um ano não devem ser analisados de forma isolada.
Exatamente! Por isso, temos que realizar estudos de longo prazo. Quando participei de campanhas e vi que havia essa variabilidade de ano para ano, desisti desse tipo de estudo. Acho vantajoso o fato de se reunir [em campanhas] muitos pesquisadores de varias áreas e os estudos de uns complementarem o de outros. Os avanços em alguns aspectos do conhecimento são muitos nesse tipo de situação, mas não no sentido de se conhecer um valor significativo que represente toda a Amazônia. Nesse aspecto existe muita variabilidade. Não dá pra estudar um mês na estação seca e outro na chuvosa e achar que esses períodos representam tudo o que ocorre no período de estiagem e no úmido e se estender o resultado para todo o ano. Esse número pode ser o dobro ou a metade do real, por exemplo. Durante nosso estudo de 10 anos em Santarém, vi essa grande variabilidade. Sou muito perfeccionista. Se sei que meu número pode estar muito errado, isso não me satisfaz.

Com dados de apenas dois anos, é seguro chegar a alguma conclusão sobre o balanço de carbono na Amazônia?
Como 2010 foi tão diferente de 2011, concluímos que nem com quatro ou cinco anos, que era nosso plano original, chegaremos a uma média conclusiva. Agora estamos à procura de recursos para financiar a continuidade desse projeto por uma década. A média de 10 anos é suficiente? Sim, estudos sobre o ciclo de carbono são mais conclusivos se forem decadais. Mas é importante entender que a Amazônia está sendo alterada, tanto pelo homem como pelo clima, que o homem também está alterando. Então o que acharmos de resultado mediano pode ser diferente do que ocorreu na década passada e na retrasada. Vamos submeter um projeto para continuar esse estudo. Mas, além de recursos para as medidas, precisamos de recursos para ter uma equipe para conduzir o projeto também. Sou a única funcionária do Ipen atuando no projeto, todos os demais são pagos pelos projetos envolvidos nesse estudo. E, sem essa equipe tão afinada, não existiria esse projeto incrível. É um esforço muito grande de muitas pessoas.

Alguns estudos sugerem que o aumento dos gases de efeito estufa pode levar algumas plantas a fazer mais fotossíntese. Isso não poderá alterar o balanço de carbono na Amazônia no longo prazo?
Não é só isso. É verdade que mais COna atmosfera estimula a planta a fazer mais fotossíntese. Mas há outros mecanismos. Em uma situação de estresse hídrico, a raiz absorve menos água. A planta diminui seu metabolismo e assim absorve menos carbono. O que sabemos ao certo é que a floresta reduz sua capacidade de absorver carbono com a diminuição da disponibilidade de água.

Como o ar coletado em quatro pontos da Amazônia pode representar a atmosfera de toda essa enorme região?
Em qualquer um dos pontos, as amostras coletadas nos voos representam uma massa de ar que passou por várias partes da Amazônia, desde a costa brasileira até o ponto de coleta e, no caso de Santarém, até de trechos do Nordeste. Se ela levou sete dias para chegar até o ponto de coleta, representa uma semana e não apenas o momento em que foi obtida. Ela guarda toda a história do caminho que percorreu dentro da Amazônia nesses sete dias, de todas as emissões e absorções que ocorreram nesse percurso. Não estamos, portanto, coletando uma amostra de ar referente a uma hora. Estamos coletando a história de uma coluna de ar que viajou todo esse caminho desde a costa brasileira. Calculamos o caminho que cada massa de ar fez até ser coletada em cada altitude amostrada.

Esse método não tem alguma limitação?
A grande limitação é só termos feito coletas até 4,4 quilômetros de altura. O que ocorre acima disso está fora da nossa área de medição. Uma nuvem convectiva pode levar o ar que estava embaixo para cima e vice-versa. Isso pode fazer com que nossa coluna de ar seja parcialmente levada para uma altitude acima do nosso limite de voo. Nesse caso, perdemos informação. Essa é a maior fonte de erro do nosso método. O ideal seria voarmos a até 8 ou 12 quilômetros de altura. Já começamos a fazer isso no inicio de 2013 no ponto de estudo próximo a Rio Branco e os resultados são muito animadores. Nessa faixa de altitude, em um ano, não observamos uma variação muito significativa que indique um erro grande. Isso é muito animador.

Os quatro pontos de coleta de amostras de ar se comportam iguais?
O ponto próximo a Santarém é diferente de tudo em termos de resultado. Vamos pensar em sua área de influência. Todo litoral tem uma densidade populacional grande. Nesse ponto da região amazônica temos a maior relação área/população. Nossos dados coletados ali sofrem influência urbana, antropogênica e de combustíveis fósseis que não aparecem tanto em outros pontos da Amazônia. Haveria influência inclusive da poluição vinda das cidades do Nordeste. Às vezes, na estação chuvosa, observamos nesse ponto emissão de carbono, enquanto nos outros três pontos que monitoramos há absorção.

O que explica essa diferença?
Podem ser as atividades antropogênicas em áreas próximas a Santarém. As Guianas estão acima do equador. Quando é a estação chuvosa no Brasil, lá é a seca. Tem também as queimadas e as atividades antrópicas nas cidades próximas de nosso litoral. Dizem para eu parar as medidas em Santarém, que não representa a Amazônia. Mas tenho uma série histórica de 14 anos. O Brasil não tem série histórica de medidas desse tipo. Se pararmos de medir em Santarém… Fico em um dilema.

Mas Santarém não representa uma parte importante da Amazônia oriental?
Na área de influência de Santarém, 40% é floresta. Se considerar a área de toda a floresta amazônica, Santarém pega uma “fatiazinha”, entre aspas porque é gigante, de 20%. Só descobrimos isso quando passamos a estudar o outro lado da Amazônia. As amostras obtidas no avião são resultantes de uma história de tudo o que aconteceu antes de o ar chegar lá. Com exceção do monóxido de carbono, que vem das queimadas de floresta, não há como saber a contribuição de cada fonte de carbono. No caso de Santarém, essa abordagem não funciona muito bem. Acreditamos que uma parte do monóxido de carbono venha de outras queimas de biomassa, talvez de combustíveis fósseis e não basicamente da queima de vegetação florestal.

Como começou seu trabalho na Amazônia?
Participei do LBA [Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia] desde o início, em 1998. Fiz campanhas de campo. Há 10 anos, comecei as medidas sistemáticas em Santarém. Até então, as amostras dos perfis de ar iam para os Estados Unidos para serem analisadas em um laboratório da Noaa [National Oceanic and Atmospheric Administration]. Em 2004 montei meu laboratório no Ipen e as amostras pararam de ir para os Estados Unidos. Meu laboratório é uma réplica do laboratório da Noaa, o melhor laboratório do planeta de gás de efeito estufa. Fiz tudo igualzinho e importamos uma réplica do laboratório deles. Botamos tudo dentro de caixas e trouxemos para cá. Tudo, tudo. Do mouse à estante. O sistema todinho encaixotado. Podemos medir CO2, CH4, N2O, CO, SF6 e H2. O laboratório foi pago pela Nasa e o usamos no LBA. Tudo o que aprendi nessa área foi com a equipe da Global Monitoring Division da Noaa. Passei três temporadas lá. Estamos juntos sempre, eles têm acesso ao Magic, que é esse nosso sistema de análise. Tudo é feito em parceria com eles. São 10 anos trabalhando com esses caras. Sou filha deles. Depois de 2004 conseguimos uma frequência maior de medidas em Santarém. Naquele ano, voamos na estação seca e na estação chuvosa pela primeira vez. Tentamos também realizar medições em Manaus, mas dos três anos de coletas tivemos problemas de autorização de voo em um ano e no ano seguinte com as análises de CO2. Então o dinheiro acabou. Como só tinha dados de um ano inteiro, acabei nunca publicando essas informações. Mas isso é uma falha que tenho de corrigir. Ficamos só em Santarém até 2009, quando ganhamos verba da FAPESP e da Nerc [agência do Reino Unido de financiamento de pesquisas] e passamos a fazer medições em mais três pontos.

Quando os estudos se restringiam a Santarém foi possível chegar a alguma conclusão?
Observamos que existe uma variabilidade muito grande no balanço de carbono durante a estação chuvosa na Amazônia. Publicamos esses dados num paper em 2010. Vimos que não adianta fazer um estudo de um ou dois anos. Tem de ser de muitos anos. Essa foi a primeira lição importante que aprendi com esse estudo.

Qual é o passo seguinte do trabalho na Amazônia?
Calcular o balanço de carbono em 2012 e 2013. Já temos os dados. O ano de 2012, por exemplo, está no meio do caminho entre 2010 e 2011. Choveu absurdamente na parte noroeste e no resto foi mais seco do que em 2010. Por isso gosto do dado coletado em avião, que nos possibilita calcular a resultante [das emissões e absorções de carbono]. Se eu trabalhasse apenas com uma torre de emissão e ela estivesse no lado seco, concluiria uma coisa. Se estivesse do lado chuvoso, concluiria outra. Com o tipo de dado que usamos, podemos levar tudo em consideração e ver o que predominou. Calcular tudo e tirar a média. E, na média, 2012 foi seco na bacia toda. Em número de focos de queimada, deu bem entre 2010 e 2011.

Você começou sua carreira fora da química atmosférica. Como foi o início?
Fiz iniciação científica e mestrado em eletroquímica. Mas tinha uma frustração enorme e me perguntava para que isso serviria. Houve então a primeira reunião de química ambiental no Brasil, que o Wilson Jardim [professor da Unicamp], organizou lá em Campinas em 1989. Fui lá e me apaixonei. Era aquilo que eu queria fazer da minha vida.

Você é de onde?
Sou de Birigui, mas saí da cidade com 3 anos. Morei boa parte do tempo em Cafelândia, que tinha então 11 mil habitantes. Lá todo mundo se conhece. Por isso sou assim. Falo com todo mundo. Também falo muito com as mãos. Meus alunos dizem que, se amarrarem minhas mãos, não dou aula. O pessoal da portaria no Ipen nem pede meu crachá. É coisa de interiorano. O paulistano é capaz de estar sozinho no meio de uma multidão. De Cafelândia, minha família mudou-se para Ribeirão Preto, porque meu pai não queria que os filhos saíssem de casa para estudar. Ele escolheu uma cidade com muitas faculdades e mudou a família toda para lá. Ele era representante da Mobil Oil do Brasil. Para ele, tanto fazia estar em Cafelândia ou em Ribeirão. O engraçado é que minha irmã foi para Campinas, eu fui para a Federal de São Carlos, meu irmão foi para a FEI de São Bernardo e a única que ficou em casa foi a terceira irmã. Tive problema de saúde e precisei voltar para a casa dos meus pais antes de me formar. Me transferi para a USP de Ribeirão, mas ali o curso de química tinha quase o dobro de créditos do da federal de São Carlos. Levei mais três anos e meio para fazer o que faltava, que consumiria apenas um e meio na federal. Tudo tinha pré-requisito. Mas foi muito legal porque em São Carlos estudei bem apenas durante o primeiro ano. Depois virei militante de partido semiclandestino, dirigente estudantil. Fazia mais política que estudava. Éramos proibidos de assistir às aulas. Quando chegava a época de prova, xerocava o caderno dos amigos, varava a noite estudando e de manhã, sem ter dormido, ia lá, fazia prova e passava. Mas imagine o que ficava na cabeça. Ainda bem que praticamente tive de refazer a graduação. Que profissional seria eu se não tivesse tido que fazer a graduação de novo e aprendido a estudar muito?

Como eram as aulas na USP?
Larguei o movimento estudantil, que tinha me decepcionado muito. Queria um mundo mais justo. Mas tive um namorado que era da direção nacional do partido revolucionário. Terminei com ele, que se vingou de mim usando o poder dele. Compreendi que o problema não estava no modo de produção, comunista ou socialista, mas no nível evolutivo do ser humano. Então resolvi que a única pessoa que eu podia mudar era eu mesma. Virei zen e espiritualizada e comecei a minha revolução interna. Compreendi que não podia mudar o mundo, mas podia me tornar uma pessoa melhor. Aí comecei minha carreira, praticamente do zero, porque na USP de Ribeirão Preto é muito puxado. Se não estuda, não passa. Fiz iniciação científica, ganhei bolsa da FAPESP, fui me embrenhando e me apaixonando pela química ambiental.

Como foi seu doutorado?
Foi o que deu para fazer. Quando eu comecei o doutorado com o [Antonio Aparecido] Mozeto, era para ser sobre compostos reduzidos de enxofre, já na área de gases. Naquela época, ninguém trabalhava com gás. Só tinha um no Brasil, Antonio Horácio Miguel, que trabalhava na área, mas ele tinha ido para o exterior. Eu tinha que fazer tudo. Tinha, por exemplo, que desenvolver um padrão com tubo de permeação. Tive de desenvolver o tubo, comprar o líquido para permear e tudo mais. Quando fiz tudo funcionar e coloquei o tubo dentro do cromatógrafo, o aparelho pifou. O professor tinha comprado um cromatógrafo para medir compostos de enxofre que um professor da Universidade do Colorado tinha decidido fabricar. O projeto veio todo errado. Tinha uma cruzeta de aço inoxidável, com uma chama que, quando queima, produz hidrogênio e água. A chama esquentou a cruzeta e vazou água na fotomultiplicadora e queimou o aparelho. Durou um dia. O problema é que eu estava já havia dois anos fazendo isso e precisava de um novo aparelho para desenvolver o doutorado. O Wilson Jardim então me perguntou por que eu achava que ninguém trabalhava com gás no país. “Esse negócio é difícil! O único que trabalhava foi para fora do Brasil. Larga desse tema e vai para outra coisa”, ele me disse. Mas, a essa altura, eu já tinha perdido dois anos e era a única docente da Federal de São Carlos sem doutorado. Um professor então me disse que eu ainda estava em estágio probatório e que, se eu não fizesse um doutoradozinho de um ano para comprovar o título, não iam aprovar o estágio probatório. Saí correndo atrás de um tema que dava para fazer e que eu não me envergonhasse de ter feito. Fiz análise de sedimento de fundo de lagoas próximas ao rio Mogi-Guaçu. Apliquei análises que são usadas em trabalhos com aerossóis para descobrir a origem dos sedimentos e também datá-los. Dessa forma, dá para saber a história da ocupação da bacia dos rios. Acabei o doutorado na Federal de São Carlos e entrei para a química atmosférica, que era o que eu queria, área carente entre os pesquisadores brasileiros.

Lawmakers aim to restrict US agency’s social-science programmes (Nature)

11 Mar 2014 | 20:53 GMT | Posted by Lauren Morello

Posted on behalf of Jessica Morrison. 

Conservative politicians in the US House of Representatives are renewing their push to limit the National Science Foundation’s (NSF) support for social-science research. The agency’s social, behavioural, and economic (SBE) sciences directorate would see its recommended funding cut by 42%, under a proposal introduced on 10 March by Representative Lamar Smith (Republican, Texas), the chairman of the House Science, Space, and Technology Committee.

The legislation, which would reauthorize NSF for fiscal years 2014‒15, also seeks major changes to the peer-review process by which the agency awards its grants. Smith’s plan would require the NSF to provide written justification that every grant it awards — in all fields — is in the “national interest”. That is defined broadly as research that satisfies at least one of six goals: economic competitiveness, health and welfare, scientific literacy, partnerships between academia and industry, promotion of scientific progress and national defence.

Details of Smith’s plan first surfaced about a year ago, sparking fierce criticism from social scientists and the broader US research community that seems sure to renew with the release of the new bill. Smith and his supporters argue that in a time of limited budgets, focusing on research areas that produce the clearest benefits is wise. But critics worry that the “national interest” requirement will hobble NSF’s time-tested peer review process.

“We don’t build rockets. We don’t usually have patentable goods,” says Rick Wilson, a political scientist at Rice University in Houston, Texas, and a former NSF programme director. “For a lot of these folks, it may just be that they really don’t believe that what we do has scientific merit.”

The bill recommends a budget of $7.17 billion for NSF in 2014, the current fiscal year — equal to what the agency actually received in the budget deal enacted in January — and $7.29 billion for 2015. In an unusual move, the proposal also lays out a detailed plan for distributing that cash to NSF’s seven research directorates. For example, it seeks to cap SBE funding at $150 million per year in 2014 and 2015, well below the directorate’s actual 2014 budget of $257 million.

“I don’t understand the antagonism toward the social, behavioral, and economic sciences,” says Michael Lubell, director of public affairs for the American Physical Society in Washington DC.

Lubell also finds fault with provisos that would restrict principal investigators to no more than five years of funding for a particular project, and allow researchers to include just five citations in grant proposals.

The full text of the bill can be found here. It will receive a public airing on 13 March, when a House subcommittee plans to discuss and vote on the measure.

Wolves and the Ecology of Fear (Quest)

Video Story by  for  on Mar 06, 2014

 

Does “the big bad wolf” play an important role in the modern-day food web? In this video we journey to Washington State’s Cascade Mountains, where the return of wolves could have a profound impact on a vast wilderness area. We meet up with biologist Aaron Wirsing to explore why wolves and other top predators are needed for diverse ecosystems to flourish. Using a simple video camera (a “deer-cam”) Wirsing is gaining a unique perspective on predator/prey relationships and changing the way we think about wolves.

Wolves in the Crosshairs:  Q&A with conservationist, Fred Koontz

Fred Koontz

Dr. Fred Koontz

Gray wolves are in the crosshairs of a heated conservation debate, with the federal government trying to strip all protections for them in the continental U.S. Dr. Fred Koontz, vice president of field conservation at Woodland Park Zoo, Seattle, has worked in conservation for three decades and has studied the wolf issue. We talked with Dr. Koontz about the future of wolves in the U.S. and the role they play in maintaining healthy ecosystems.

Wolves may be the most polarizing animal in North America, more so than other large carnivores like cougars or grizzly bears. Why?
The gray wolf is one of the world’s most adaptable and widely distributed mammals, ranging over much of Asia, Europe, and North America. Wolves, the size of a German shepherd, are pack-hunting predators that sometimes kill livestock. Combined with wolves’ nocturnal behavior and haunting howling, this has resulted in a long history of conflict with people, especially as human numbers have increased exponentially in recent centuries and agricultural lands expanded into wolf habitat. There are, however, very few documented cases of wolves attacking people, but the rare times it’s happened it’s been sensationalized and blown out of proportion.

How have your perceptions or understanding of wolves changed over the years?
At an early age, my mother read with much theatrical expression “Little Red Riding Hood,” which, like many children, left me fearing the “big bad wolf.” This negative image was reinforced with similar wolf-themed horror movies that I ashamedly spent far too much time watching in my youth. Only when I studied ecology and animal behavior in college and as a wildlife professional did I see a different image of the wolf. Wolves are important regulators of prey numbers and behavior, and as such, influence a web of ecological interactions that enrich biological diversity. I learned also that among many adaptive traits enabling their evolutionary success, wolves have a rich social life and extraordinary set of communication behaviors. The more I learned, the more fascinated I became in understanding how wolves and people might live together for their mutual benefit.

Gray wolves have been taken off the federal endangered species list in some states, such as Idaho, Wyoming, and Montana. And a recent federal proposal would strip all gray wolves in the continental U.S. of their federal protection. How did this come to be? What kind of politics are at play?

2012-01-18RyanHawk254Snow

Gray wolves can come in an assortment of colors, such as these all-white wolves. Photo courtesy of Ryan Hawk, Woodland Park Zoo, Seattle.

Under the Endangered Species Act, the U.S. Fish and Wildlife Service (USFWS) in 1974 first listed gray wolves as endangered in the lower 48 states. Now they propose to remove them from the ESA list. This idea follows from three decades of actions undertaken by federal, state, and local partners that resulted in population recovery and delisting in 2011 of wolves living in the western Great Lakes states and northern Rockies. With about 6,000 wolves residing in these two recovery areas, USFWS believes that the gray wolf population in general is well established and stable enough to warrant delisting. Many state wildlife officials welcome the move as they are eager to take back the management authority for animals within their political borders.

However, many conservation scientists and wolf advocates believe that more time on the endangered species list — and [under] federal protection — would allow wolves a greater opportunity to reclaim more of their former territory and grow the number of their populations. This is important because, despite wolf recovery success in the Great Lakes states and Rocky Mountains, there is still a lot of their former range not yet occupied. Expanded range and more populations, in turn, will provide greater species resiliency to unexpected environmental disruptions like climate change and emerging diseases and also improve long-term wolf survival in the U.S.

An independent review panel recently found that the federal government used uncertain science when it proposed removing the gray wolf from the endangered species list across the lower 48 states. What could that mean for the future of wolves?
This is important because under Endangered Species Act law the U.S. Fish and Wildlife Service is obligated to use the best available science. The Service claimed that new genetic research indicated that wolves living in the eastern U.S. were actually a different species, and thus should not be considered as part of the original listing or part of the historic range. The expert panel said the genetic research was uncertain and based largely on one paper. The panel’s report has reopened the debate about delisting gray wolves, and I suspect it will extend the time wolves remain listed. The final decision on delisting is yet to be determined — public comment isencouraged. [Note: deadline is March 27, 2014]

In the long run, the debate about delisting wolves invites larger questions like, what constitutes full recovery of any endangered species, and does the legal framework of the ESA reflect current conservation science and principles of sustainable living? Most importantly, there needs to be agreement at the onset about the ultimate purpose of recovery — is it simply species survival or restoring ecological function? There are no easy answers.

Mule Deer Lauren Sobkoviak

Mule Deer photo courtesy of Lauren Sobkoviak.

Is it possible for wolves and humans to coexist? What needs to change for that to happen?
I think that wolves and humans ultimately will coexist by sharing land in two key places — protected areas and rural areas managed for the benefit of people and wildlife, for example, park buffer lands, multiple-use public lands, and designated wildlife corridors. For the reconciliation between wolves and humans to prove fully successful, we will first need a broader understanding of the role that apex predators play in creating healthy ecosystems and why healthy ecosystems are needed by people. In other words, there must be a broader understanding of why saving wolves is essential to sustainable living. Greater public will to save wolves will result in increased public spending needed to conduct science and carry out sound management actions. For example, we need more research on improving ranching practices to minimize wolf predation of livestock, and insurance programs that compensate ranchers for unavoidable losses. There is already good evidence from pilot efforts that such research and management programs are possible — and that they work!

Why should people care about the fate of wolves?
The fate of wolves is tied directly to the greatest challenge facing humankind this century —  sustainable living! With more than seven billion people consuming resources at an accelerating pace, this generation of world citizens must transform our societies to sustainable ones. We must, among other things, protect a wide variety of animal and plant species — scientists call this “biodiversity.” Many conservation scientists believe that apex predators (animals at the top of the food chain), like wolves, are necessary to maintain habitats rich in life. In turn, high levels of biodiversity bring many direct benefits to people — everything from providing food and fiber to protecting water supplies and enriching recreation.

Scientist 1

Biologist Aaron Wirsing for the University of Washington (right) and graduate student Justin Dellinger (left) radio collar deer with video cameras in order to better understand predator-prey dynamics. Photo courtesy of Greg Davis.

Understanding the links between apex predators and biodiversity is a growing area of research for scientists like Aaron Wirsing of the University of Washington. Since 2008, wolves have been returning to Washington and have reestablished populations in the U.S. northern Rockies. This has provided a unique research opportunity for Wirsing and other scientists. For example, deer populations in Washington have likely over-browsed plants for decades in the absence of gray wolves. One consequence of deer eating trees along streambeds is less habitat for birds, and streams that are more likely to harbor fewer cold-water fish like trout because they are filled with sediments from soil erosion and overheated because of lack of shade. With wolves back in the state, Wirsing is leading a study to document how wolves are changing mule and white-tail deer populations, which in turn affects forest landscapes.

Why do you care about wolves?
I care about wolves because as apex predators they contribute significantly to enriching biodiversity needed by people for sustainable living. I also care about wolves because I admire them! Wolves are amazing for many reasons, but I am especially fascinated by their complex social behavior and adaptable lifestyles, two traits that they share with humans. Also, one of the most important reasons I care is that wild wolves in the U.S. are a symbolic way of keeping our American heritage of wilderness alive.

Additional Resources/Links:

Murder Machines: Why Cars Will Kill 30,000 Americans This Year (Collectors Weekly)

By Hunter Oatman-Stanford — March 10th, 2014

boston fatalities

There’s an open secret in America: If you want to kill someone, do it with a car. As long as you’re sober, chances are you’ll never be charged with any crime, much less manslaughter. Over the past hundred years, as automobiles have been woven into the fabric of our daily lives, our legal system has undermined public safety, and we’ve been collectively trained to think of these deaths as unavoidable “accidents” or acts of God. Today, despite the efforts of major public-health agencies and grassroots safety campaigns, few are aware that car crashes are the number one cause of death for Americans under 35. But it wasn’t always this way.

“At some point, we decided that somebody on a bike or on foot is not traffic, but an obstruction to traffic.”

“If you look at newspapers from American cities in the 1910s and ’20s, you’ll find a lot of anger at cars and drivers, really an incredible amount,” says Peter Norton, the author of Fighting Traffic: The Dawn of the Motor Age in the American City. “My impression is that you’d find more caricatures of the Grim Reaper driving a car over innocent children than you would images of Uncle Sam.”

Though various automobiles powered by steam, gas, and electricity were produced in the late 19th century, only a handful of these cars actually made it onto the roads due to high costs and unreliable technologies. That changed in 1908, when Ford’s famous Model T standardized manufacturing methods and allowed for true mass production, making the car affordable to those without extreme wealth. By 1915, the number of registered motor vehicles was in the millions.

Top: A photo of a fatal car wreck in Somerville, Massachusetts, in 1933. Via the Boston Public Library. Above: The New York Times coverage of car violence from November 23, 1924.

Top: A photo of a fatal car wreck in Somerville, Massachusetts, in 1933. Via the Boston Public Library. Above: The New York Times coverage of car violence from November 23, 1924.

Within a decade, the number of car collisions and fatalities skyrocketed. In the first four years after World War I, more Americans died in auto accidents than had been killed during battle in Europe, but our legal system wasn’t catching on. The negative effects of this unprecedented shift in transportation were especially felt in urban areas, where road space was limited and pedestrian habits were powerfully ingrained.

For those of us who grew up with cars, it’s difficult to conceptualize American streets before automobiles were everywhere. “Imagine a busy corridor in an airport, or a crowded city park, where everybody’s moving around, and everybody’s got business to do,” says Norton. “Pedestrians favored the sidewalk because that was cleaner and you were less likely to have a vehicle bump against you, but pedestrians also went anywhere they wanted in the street, and there were no crosswalks and very few signs. It was a real free-for-all.”

A typical busy street scene on Sixth Avenue in New York City shows how pedestrians rules the roadways before automobiles arrived, circa 1903. Via Shorpy.

A typical busy street scene on Sixth Avenue in New York City shows how pedestrians ruled the roadways before automobiles arrived, circa 1903. Via Shorpy.

Roads were seen as a public space, which all citizens had an equal right to, even children at play. “Common law tended to pin responsibility on the person operating the heavier or more dangerous vehicle,” says Norton, “so there was a bias in favor of the pedestrian.” Since people on foot ruled the road, collisions weren’t a major issue: Streetcars and horse-drawn carriages yielded right of way to pedestrians and slowed to a human pace. The fastest traffic went around 10 to 12 miles per hour, and few vehicles even had the capacity to reach higher speeds.

“The real battle is for people’s minds, and this mental model of what a street is for.”

In rural areas, the car was generally welcomed as an antidote to extreme isolation, but in cities with dense neighborhoods and many alternate methods of transit, most viewed private vehicles as an unnecessary luxury. “The most popular term of derision for a motorist was a ‘joyrider,’ and that was originally directed at chauffeurs,” says Norton. “Most of the earliest cars had professional drivers who would drop their passengers somewhere, and were expected to pick them up again later. But in the meantime, they could drive around, and they got this reputation for speeding around wildly, so they were called joyriders.”

Eventually, the term spread to all types of automobile drivers, along with pejoratives like “vampire driver” or “death driver.” Political cartoons featured violent imagery of so-called “speed demons” murdering innocents as they plowed through city streets in their uncontrollable vehicles. Other editorials accused drivers of being afflicted with “motor madness” or “motor rabies,” which implied an addiction to speed at the expense of human life.

This cartoon from 1909 shows the outrage felt by many Americans that wealthy motorists could hurt others without consequence. Via the Library of Congress.

This cartoon from 1909 shows the outrage felt by many Americans that wealthy motorists could hurt others without consequence. Via the Library of Congress.

In an effort to keep traffic flowing and solve legal disputes, New York City became the first municipality in America to adopt an official traffic code in 1903, when most roadways had no signage or traffic controls whatsoever. Speed limits were gradually adopted in urban areas across the country, typically with a maximum of 10 mph that dropped to 8 mph at intersections.

By the 1910s, many cities were working to improve their most dangerous crossings. One of the first tactics was regulating left-turns, which was usually accomplished by installing a solid column or “silent policeman” at the center of busy intersections that forced vehicles to navigate around it. Cars had to pass this mid-point before turning left, preventing them from cutting corners and speeding recklessly into oncoming traffic.

Left, a patent for a Silent Policeman traffic post, and right, an ad for the Cutter Company's lighted post, both from 1918.

Left, a patent for a Silent Policeman traffic post, and right, an ad for the Cutter Company’s lighted post, both from 1918.

A variety of innovative street signals and markings were developed by other cities hoping to tame the automobile. Because they were regularly plowed over by cars, silent policemen were often replaced by domed, street-level lights called “traffic turtles” or “traffic mushrooms,” a style popularized in Milwaukee, Wisconsin. Detroit reconfigured a tennis court line-marker as a street-striping device for dividing lanes. In 1914, Cleveland installed the first alternating traffic lights, which were manually operated by a police officer stationed at the intersection. Yet these innovations did little to protect pedestrians.

“What evil bastard would drive their speeding car where a kid might be playing?”

By the end of the 1920s, more than 200,000 Americans had been killed by automobiles. Most of these fatalities were pedestrians in cities, and the majority of these were children. “If a kid is hit in a street in 2014, I think our first reaction would be to ask, ‘What parent is so neglectful that they let their child play in the street?,’” says Norton.

“In 1914, it was pretty much the opposite. It was more like, ‘What evil bastard would drive their speeding car where a kid might be playing?’ That tells us how much our outlook on the public street has changed—blaming the driver was really automatic then. It didn’t help if they said something like, ‘The kid darted out into the street!,’ because the answer would’ve been, ‘That’s what kids do. By choosing to operate this dangerous machine, it’s your job to watch out for others.’ It would be like if you drove a motorcycle in a hallway today and hit somebody—you couldn’t say, ‘Oh, well, they just jumped out in front of me,’ because the response would be that you shouldn’t operate a motorcycle in a hallway.”

Left, an ad for the Milwaukee-style traffic mushroom, and right, the device in action on Milwaukee's streets, circa 1926. Via the Milwaukee Public Library.

Left, an ad for the Milwaukee-style traffic mushroom, and right, the device in action on Milwaukee streets, circa 1926. Via the Milwaukee Public Library.

In the face of this traffic fatality epidemic, there was a fierce public outcry including enormous rallies, public memorials, vehement newspaper editorials, and even a few angry mobs that attacked motorists following a collision. “Several cities installed public memorials to the children hit by cars that looked like war monuments, except that they were temporary,” says Norton. “To me, that says a lot, because you collectively memorialize people who are considered a public loss. Soldiers killed in battle are mourned by the whole community, and they were doing that for children killed in traffic, which really captures how much the street was considered a public space. People killed in it were losses to the whole community.”

As early as 1905, newspapers were printing cartoons that criticized motor-vehicle drivers.

As early as 1905, newspapers were printing cartoons that criticized motor-vehicle drivers.

As the negative press increased and cities called for lower speed limits and stricter enforcement, the burgeoning auto industry recognized a mounting public-relations disaster. The breaking point came in 1923, when 42,000 citizens of Cincinnati signed a petition for a referendum requiring any driver in the city limits to have a speed governor, a mechanical device that would inhibit the fuel supply or accelerator, to keep vehicles below 25 miles per hour. (Studies show that around five percent of pedestrians are killed when hit by vehicles traveling under 20 miles per hour, versus 80 percent for cars going 40 miles an hour or more.)

The Cincinnati referendum logically equated high vehicle speeds with increasing danger, a direct affront to the automobile industry. “Think about that for a second,” Norton says. “If you’re in the business of selling cars, and the public recognizes that anything fast is dangerous, then you’ve just lost your number-one selling point, which is that they’re faster than anything else. It’s amazing how completely the auto industry joined forces and mobilized against it.”

One auto-industry response to the Cincinnati referendum of 1923 was to conflate speed governors with negative stereotypes about China. Via the Cincinnati Post.

One auto-industry response to the Cincinnati referendum of 1923 was to conflate speed governors with negative stereotypes about China. Via the Cincinnati Post.

“Motordom,” as the collective of special interests including oil companies, auto makers, auto dealers, and auto clubs dubbed itself, launched a multi-pronged campaign to make city streets more welcoming to drivers, though not necessarily safer. Through a series of social, legal, and physical transformations, these groups reframed arguments about vehicle safety by placing blame on reckless drivers and careless pedestrians, rather than the mere presence of cars.

In 1924, recognizing the crisis on America’s streets, Herbert Hoover launched the National Conference on Street and Highway Safety from his position as Commerce Secretary (he would become President in 1929). Any organizations interested or invested in transportation planning were invited to discuss street safety and help establish standardized traffic regulations that could be implemented across the country. Since the conference’s biggest players all represented the auto industry, the group’s recommendations prioritized private motor vehicles over all other transit modes.

A woman poses with a newly installed stop sign in Los Angeles in 1925, built to the specifications recommended at the first National Conference on Street Safety. Via USC Libraries.

A woman poses with a newly installed stop sign in Los Angeles in 1925, built to the specifications recommended at the first National Conference on Street Safety. Via USC Libraries.

Norton suggests that the most important outcome of this meeting was a model municipal traffic ordinance, which was released in 1927 and provided a framework for cities writing their own street regulations. This model ordinance was the first to officially deprive pedestrians access to public streets. “Pedestrians could cross at crosswalks. They could also cross when traffic permitted, or in other words, when there was no traffic,” explains Norton. “But other than that, the streets were now for cars. That model was presented to the cities of America by the U.S. Department of Commerce, which gave it the stamp of official government recommendation, and it was very successful and widely adopted.” By the 1930s, this legislation represented the new rule of the road, making it more difficult to take legal recourse against drivers.

Meanwhile, the auto industry continued to improve its public image by encouraging licensing to give drivers legitimacy, even though most early licenses required no testing. Norton explains that in addition to the revenue it generated, the driver’s license “would exonerate the average motorist in the public eye, so that driving itself wouldn’t be considered dangerous, and you could direct blame at the reckless minority.” Working with local police and civic groups like the Boy Scouts, auto clubs pushed to socialize new pedestrian behavior, often by shaming or ostracizing people who entered the street on foot. Part of this effort was the adoption of the term “jaywalker,” which originally referred to a clueless person unaccustomed to busy city life (“jay” was slang for a hayseed or country bumpkin).

Left, a cartoon from 1923 mocks jaywalking behavior. Via the National Safety Council. Right, a 1937 WPA poster emphasizes jaywalking dangers.

Left, a cartoon from 1923 mocks jaywalking behavior. Via the National Safety Council. Right, a 1937 WPA poster emphasizes jaywalking dangers.

“Drivers first used the word ‘jaywalker’ to criticize pedestrians,” says Norton, “and eventually, it became an organized campaign by auto dealers and auto clubs to change attitudes about walking in the street wherever you wanted to. They had people dressed up like idiots with sandwich board signs that said ‘jaywalker’ or men wearing women’s dresses pretending to be jaywalkers. They even had a parade where a clown was hit by a Model T over and over again in front of the crowd. Of course, the message was that you’re stupid if you walk in the street.” Eventually, cities began adopting laws against jaywalking of their own accord.

In 1928, the American Automobile Association (AAA) took charge of safety education for children by sending free curricula to every public school in America. “Children would illustrate posters with slogans like, ‘Why I should not play in the street’ or ‘Why the street is for cars’ and so on,” explains Norton. “They took over the school safety patrols at the same time. The original patrols would go out and stop traffic for other kids to cross the street. But when AAA took over, they had kids sign pledges that said, ‘I will not cross the street except at the intersection,’ and so on. So a whole generation of kids grew up being trained that the streets were for cars only.” Other organizations like the Automobile Safety Foundation and the National Safety Council also helped to educate the public on the dangers of cars, but mostly focused on changing pedestrian habits or extreme driver behaviors, like drunk driving.

Street-safety posters produced by AAA in the late 1950s focused on changing behavior of children, rather than drivers.

Street-safety posters produced by AAA in the late 1950s focused on changing behavior of children, rather than drivers.

Once the social acceptance of private cars was ensured, automobile proponents could begin rebuilding the urban environment to accommodate cars better than other transit modes. In the 1920s, America’s extensive network of urban railways was heavily regulated, often with specific fare and route restrictions as well as requirements to serve less-profitable areas. As motor vehicles began invading streetcar routes, these companies pushed for equal oversight of private cars.

“Automobiles could drive on the tracks,” explains Norton, “so this meant that as soon as just five percent of the people in cities were going around by car, they slowed the street railways down significantly, and streetcars couldn’t make their schedules anymore. They could ring a bell and try to make drivers get off their tracks, but if the driver couldn’t move because of other traffic, they were stuck. So the streetcars would just stand in traffic like automobiles.”

GE streetcar ads from 1928, left, and the early 1940s, right, emphasize the efficiency of mass transit over private automobiles.

GE streetcar ads from 1928, left, and the early 1940s, right, emphasize the efficiency of mass transit over private automobiles.

The final blow was delivered in 1935 with the Public Utility Holding Company Act, which forced electric-utility companies to divest their streetcar businesses. Though intended to reduce corruption and regulate these growing electric utilities, this law removed the subsidies supporting many streetcar companies, and as a result, more than 100 transit companies failed over the next decade.

Even as government assistance was removed from these mass-transit systems, the growing network of city streets and highways was receiving ever more federal funding. Many struggling metro railways were purchased by a front company (operated by General Motors, Firestone Rubber, Standard Oil, and Phillips Petroleum), that ripped up their tracks to make way for fleets of buses, furthering America’s dependency on motor vehicles.

Meanwhile, traffic engineers were reworking city streets to better accommodate motor vehicles, even as they recognized cars as the least equitable and least efficient form of transportation, since automobiles were only available to the wealthy and took up 10 times the space of a transit rider. Beginning in Chicago, traffic engineers coordinated street signals to keep motor vehicles moving smoothly, while making crossing times unfriendly to pedestrians.

An aerial view from 1939 of 14th Street and Pennsylvania Avenue, in Washington, D.C., shows early street markings. Via shorpy.com.

An aerial view from 1939 of 14th Street and Pennsylvania Avenue, in Washington, D.C., shows early street markings. Via shorpy.com.

“Long after its victory, Motordom fought to keep control of traffic problems. Its highway engineers defined a good thoroughfare as a road with a high capacity for motor vehicles; they did not count the number of persons moved,” Norton writes in Fighting Traffic. Today our cities still reflect this: The Level of Service (LOS) measurement by which most planners use to gauge intersection efficiency is based only on motor-vehicle delays, rather than the impact to all modes of transit.

As in other American industries ranging from health care to education, those with the ability to pay for the best treatment were prioritized over all others. One 1941 traffic-control textbook read: “If people prefer to drive downtown and can afford it, then facilities must be built for them up to their ability to pay. The choice of mode of travel is their own; they cannot be forced to change on the strength of arguments of efficiency or economy.”

All the while, traffic violence continued unabated, with fatalities increasing every year. The exception was during World War II, when fuel shortages and resource conservation led to less driving, hence a drop in the motor-vehicle death rates, which spiked again following the war’s conclusion. By the time the National Interstate and Defense Highways Act was passed in 1956, the U.S. was fully dependent on personal automobiles, favoring the flexibility of cars over the ability of mass transit to carry more people with less energy in a safer manner.

In 1962, Boston formally adopted jaywalking laws to penalize pedestrians, as this photo of city officials shows.

In 1962, Boston formally adopted jaywalking laws to penalize pedestrians.

In 1966, Ralph Nader published his best-selling book, Unsafe At Any Speed, which detailed the auto industry’s efforts to suppress safety improvements in favor of profits. In the preface to his book, Naderpointed out the huge costs inflicted by private vehicle collisions, noting that “…these are not the kind of costs which fall on the builders of motor vehicles (excepting a few successful lawsuits for negligent construction of the vehicle) and thus do not pinch the proper foot. Instead, the costs fall to users of vehicles, who are in no position to dictate safer automobile designs.” Instead of directing money at prevention, like vehicle improvements, changing behaviors, and road design, money is spent on treating the symptoms of road violence. Today, the costs of fatal crashes are estimated at over $99 billion in the U.S., or around $500 for every licensed driver, according to the Center for Disease Control (CDC).

Nader suggested that the protection of our “body rights,” or physical safety, needed the same broad support given to civil rights, even in the face of an industry with so much financial power. “A great problem of contemporary life is how to control the power of economic interests which ignore the harmful effects of their applied science and technology. The automobile tragedy is one of the most serious of these man-made assaults on the human body,” Nader wrote.

Dr. David Sleet, who works in the Division of Unintentional Injury Prevention at the CDC, says Nader’s book was a game-changer. “That really started this whole wave of improvements in our highway-safety problem,” says Sleet. “The death rates from vehicle crashes per population just kept steadily increasing from the 1920s until 1966. Two acts of Congress were implemented in 1966, which initiated a national commitment to reducing injuries on the road by creating agencies within the U.S. Department of Transportation to set standards and regulate vehicles and highways. After that, the fatalities started to decline.”

Ralph Nader's book, "Unsafe at Any Speed," brought a larger awareness to America's traffic fatalities, and targeted design issues with the Corvair. A few years prior, in 1962, comedian Ernie Kovacs was killed in a Corvair wagon, seen at right wrapped around a telephone pole.

Ralph Nader’s book, “Unsafe at Any Speed,” brought a larger awareness to America’s traffic fatalities, and targeted design issues with the Corvair. A few years prior, in 1962, comedian Ernie Kovacs was killed in a Corvair wagon, seen at right wrapped around a telephone pole.

The same year Nader’s book was published, President Lyndon Johnson signed the National Traffic and Motor Vehicle Safety Act and the Highway Safety Act. This legislation led to the creation of the National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), which set new safety standards for cars and highways. A full 50 years after automobiles had overtaken city streets, federal agencies finally began addressing the violence as a large-scale, public-health issue. In 1969, NHTSA director Dr. William Haddon, a public-health physician and epidemiologist, recognized that like infectious diseases, motor-vehicle deaths were the result of interactions between a host (person), an agent (motor vehicle), and their environment (roadways). As directed by Haddon, the NHTSA enforced changes to features like seat belts, brakes, and windshields that helped improve the country’s fatality rate.

Following the release of Nader’s book, grassroots organizations like Mothers Against Drunk Driving (MADD, 1980) formed to combat car-safety issues that national legislators were not addressing. The CDC began adapting its public-health framework to the issue of motor-vehicle injury prevention in 1985, focusing on high-risk populations like alcohol-impaired drivers, motorcyclists, and teenagers.

In the late 1970s, the NHTSA standardized crash tests, like this 90 mph test of two Volvos.

In the late 1970s, the NHTSA standardized crash tests, like this 90 mph test of two Volvos.

“I think the perennial problem for us, as a culture, is recognizing that these injuries are both predictable and preventable,” says Sleet. “The public still has not come around to thinking of motor-vehicle crashes as something other than ‘accidents.’ And as long as you believe they’re accidents or acts of fate, then you won’t do anything to prevent them. The CDC continues to stress that motor-vehicle injuries, like diseases, are preventable.”

Sleet says the CDC’s approach is similar to its efforts against smoking: The first step is understanding the magnitude of the problem or threat, the second is identifying risk factors, and the third is developing interventions that can reduce these factors. “The last stage is getting widespread adoption of these known and effective interventions,” explains Sleet. “The reason we think motor-vehicle injuries represent a winnable battle is that there are lots of effective interventions that are just not used by the general public. We’ve been fighting this battle of increasing injuries since cars were first introduced into society, and we still haven’t solved it.

“Public health is a marathon, not a sprint,” adds Sleet. “It’s taken us 50 years since the first surgeon general’s report on smoking to make significant progress against tobacco. We need to stay the course with vehicle injuries.”

Though their advocacy is limited to drunk driving, MADD is one of the few organizations to use violent imagery to promote road safety, as seen in this ad from 2007.

Though their advocacy is limited to drunk driving, MADD is one of the few organizations to use violent imagery to promote road safety, as seen in this ad from 2007.

Although organizations like the CDC have applied this public-health approach to the issue for decades now, automobiles remain a huge danger. While the annual fatality rate has dropped significantly from its 1930s high at around 30 deaths for every 100,000 persons to 11 per 100,000 in recent years, car crashes are still a top killer of all Americans. For young people, motor-vehicle collisions remain the most common cause of death. In contrast, traffic fatalities in countries like the United Kingdom, where drivers are presumed to be liable in car crashes, are about a third of U.S. rates.

In 2012, automobile collisions killed more than 34,000 Americans, but unlike our response to foreign wars, the AIDS crisis, or terrorist attacks—all of which inflict fewer fatalities than cars—there’s no widespread public protest or giant memorial to the dead. We fret about drugs and gun safety, but don’t teach children to treat cars as the loaded weapons they are.

“These losses have been privatized, but in the ’20s, they were regarded as public losses,” says Norton. After the auto industry successfully altered street norms in the 1920s, most state Departments of Transportation actually made it illegal to leave roadside markers where a loved one was killed. “In recent years, thanks to some hard work by grieving families, the rules have changed in certain states, and informal markers are now allowed,” Norton adds. “Some places are actually putting in DOT-made memorial signs with the names of victims. The era of not admitting what’s going on is not quite over, but the culture is changing.”

Ghost bikes have been installed on roadways across the country where cyclists were killed by motorists, like this bike in Boulder, Colorado, in memory of Matthew Powell in 2008.

In recent years, white Ghost Bikes have been installed on roadways across the country where cyclists were killed by motorists, like this bike in Boulder, Colorado, in memory of Matthew Powell.

“Until recently, there wasn’t any kind of concerted public message around the basic danger of driving,” says Ben Fried, editor of the New York branch of Streetsblog, a national network of journalists chronicling transportation issues. “Today’s street safety advocates look to MADD and other groups that changed social attitudes toward drunk driving in the late ’70s and early ’80s as an example of how to affect these broad views on how we drive. Before you had those organizations advocating for victims’ families, you would hear the same excuses for drunk driving that you hear today for reckless driving.”

Though drunk driving has long been recognized as dangerous, seen in this WPA poster from 1937, reckless driving has been absent from most safety campaigns.

Though drunk driving has long been recognized as dangerous, seen in this WPA poster from 1937, reckless driving has been absent from most safety campaigns.

Though anti-drunk-driving campaigns are familiar to Americans, fatalities involving alcohol only account for around a third of all collisions, while the rest are caused by ordinary human error. Studies also show that reckless drivers who are sober are rarely cited by police, even when they are clearly at fault. In New York City during the last five years, less than one percent of drivers who killed or injured pedestrians and cyclists were ticketed for careless driving. (In most states, “negligent” driving, which includes drunk driving, has different legal consequences than “reckless” driving, though the jargon makes little difference to those hurt by such drivers.)

Increasingly, victims and their loved ones aremaking the case that careless driving is as reprehensible as drunk driving, advocating a cultural shift that many drivers are reluctant to embrace. As with auto-safety campaigns in the past, this grassroots effort is pushing cities to adopt legislation that protects against reckless drivers, including laws inspired by Sweden’s Vision Zerocampaign. First implemented in 1997, Vision Zero is an effort to end all pedestrian fatalities and serious injuries; recently, cities like New York, Chicago, and San Francisco also announced their goals of eliminating traffic deaths within 10 years. Other initiatives are being introduced at the state level, including “vulnerable user laws,” which pin greater responsibility on road users who wield the most power whether a car compared to a bicyclist, or a biker to a pedestrian.

Fried says that most people are aware of the dangers behind the wheel, but are accustomed to sharing these risks, rather than taking individual responsibility for careless behavior. “So many of us drive and have had the experience of not following the law to a T—going a little bit over the speed limit or rolling through a stop sign,” he explains. “So there’s this tendency to deflect our own culpability, and that’s been institutionalized by things like no-fault laws and car insurance, where we all share the cost for the fact that driving is a dangerous thing.”

This dark political cartoon from "Puck" magazine in 1907 suggested that speeding motorists were chasing death. Via the Library of Congress.

This dark political cartoon from “Puck” magazine in 1907 suggested that speeding motorists were chasing death. Via the Library of Congress.

As cities attempt to undo years of car-oriented development by rebuilding streets that better incorporate public transit, bicycle facilities, and pedestrian needs, the existing bias towards automobiles is making the fight to transform streets just as intense as when cars first arrived in the urban landscape. “The fact that changes like redesigning streets for bike lanes set off such strong reactions today is a great analogy to what was going on in the ’20s,” says Fried. “There’s a huge status-quo bias that’s inherent in human nature. While I think the changes today are much more beneficial than what was done 80 years ago, the fact that they’re jarring to people comes from the same place. People are very comfortable with things the way they are.”

However, studies increasingly show that most young people prefer to live in dense, walkable neighborhoods, and are more attuned to the environmental consequences of their transportation than previous generations. Yet in the face of clear evidence that private automobiles are damaging to our health and our environment, most older Americans still cling to their cars. Part of this impulse may be a natural resistance to change, but it’s also reinforced when aging drivers have few viable transportation alternatives, particularly in suburban areas or sprawling cities with terrible public transit.

“People don’t have to smoke,” Sleet says, “whereas people might feel they do need a car to get to work. Our job is to try and make every drive a safe drive. I think we can also reduce the dependency we have on motor vehicles, but that’s not going to happen until we provide other alternatives for people to get from here to there.”

Gory depictions of car violence became rare in the United States after the 1920s, though they persisted in Europe, as seen in his German safety poster from 1930 that reads, "Motorist! Be Careful!"

Gory depictions of car violence became rare in the United States after the 1920s, though they persisted in Europe, as seen in his German safety poster from 1930 that reads, “Motorist! Be Careful!” Via the Library of Congress.

Fried says that unlike campaigns for smoking and HIV reduction, American cities aren’t directly pushing people to change their behavior. “You don’t see cities saying outright that driving is bad, or asking people to take transit or ride a bike, in part because they’re getting flack from drivers. No one wants to be seen as ‘anti-car,’ so their message has mostly been about designing streets for greater safety. I think, by and large, this has been a good choice.”

“The biggest reductions in traffic injuries that the New York City DOT has been able to achieve are all due to reallocating space from motor vehicles to pedestrians and bikes,” says Fried. “The protected bike-lane redesigns in New York City are narrowing the right of way for vehicles by at least 8 feet, and sometimes more. If you’re a pedestrian, that’s 8 more feet that you don’t have to worry about when you’re crossing the street. And if you’re driving, the design gives you cues to take it a bit slower because the lanes are narrower. You’re more aware of how close you are to other moving objects, so the incidence of speeding isn’t as high as it used to be. All these changes contribute to a safer street environment.”

Like in the 1920s, these infrastructure changes really start with a new understanding of acceptable street behavior. “That battle for street access of the 1910s and ’20s, while there was a definite winner, it never really ended,” says Norton. “It’s a bit like the street became an occupied country, and you have a resistance movement. There have always been pedestrians who are like, ‘To hell with you, I’m crossing anyway.’

“The people who really get it today, in 2014, know that the battle isn’t to change rules or put in signs or paint things on the pavement,” Norton continues. “The real battle is for people’s minds, and this mental model of what a street is for. There’s a wonderful slogan used by some bicyclists that says, ‘We are traffic.’ It reveals the fact that at some point, we decided that somebody on a bike or on foot is not traffic, but an obstruction to traffic. And if you look around, you’ll see a hundred other ways in which that message gets across. That’s the main obstacle for people who imagine alternatives—and it’s very much something in the mind.”

This 1935 Chevy safety film made the misleading argument that their vehicles were "the safest place to be," and that all danger was created by careless drivers.

This 1935 Chevy safety film made the argument that motor vehicles were “the safest place to be,” and that danger was only created by careless drivers.

(This article is dedicated to my uncle, Jim Vic Oatman, and friend, Chris Webber, both of whom were killed by car collisions. Learn more about the CDC’s battle against motor-vehicle injuries here, find out how to bring Vision Zero to your city, or scare yourself with the Boston Public Library’s archive of historic car wreck images.)

Um perfil histórico dos black blocs (Ilustríssima, Folha de São Paulo)

FRANCIS DUPUIS-DÉRI
tradução GUILHERME MIRANDA
ilustração RAFAEL COUTINHO

09/03/2014 03h13

RESUMO A série em que a “Ilustríssima” adianta lançamentos editoriais traz excerto de “Black Blocs”, a sair pela editora Veneta no fim do mês. No livro, cientista político aborda as origens e o desenvolvimento da tática e enceta traçar um perfil de seus participantes, com base em pesquisa histórica e entrevistas com ativistas.

O que distingue a tática dos black blocs não é o recurso à força, tampouco o uso de equipamentos defensivos e ofensivos em passeatas e manifestações -ainda mais porque muitos black blocs já protestaram pacificamente sem qualquer equipamento. Na verdade, o que diferencia essa tática de outras unidades de choque é sobretudo sua caracterização visual -a roupa inteiramente preta da tradição anarcopunk- e suas raízes históricas e políticas nos Autonomen, o movimento “autonomista” em Berlim Ocidental, onde a tática do black bloc foi empregada pela primeira vez, no início dos anos 1980.

Esse autonomismo 1 surgiu na Alemanha e depois se espalhou para a Dinamarca e a Noruega. As origens ideológicas dos Autonomen são variadas -marxismo, feminismo radical, ambientalismo, anarquismo- e essa diversidade ideológica era vista em geral como garantia de liberdade.

Na Alemanha Ocidental, as feministas radicais tiveram um impacto profundo nos Autonomen, injetando um espírito mais anarquista no movimento, que, no resto da Europa Ocidental, era mais marcado pela influência marxista-leninista.

Ilustração de Rafael CoutinhoIlustração de Rafael Coutinho

As feministas buscavam redefinir a política, estimulando a autonomia em várias esferas: a individual por meio da rejeição à representação, de modo que as pessoas falassem por si mesmas, e não em nome do “movimento” ou de todas as mulheres; a de gênero, por meio da criação de coletivos exclusivamente de mulheres; a decisória, por meio da adoção de tomadas de decisões consensuais; e a política, por meio da independência de órgãos institucionalizados (partidos, sindicatos etc.), por mais progressistas que fossem.

Os Autonomen praticavam uma política igualitária e participativa “aqui e agora”, sem líderes ou representantes; a autonomia individual e a autonomia coletiva eram, em princípio, complementares e igualmente importantes.

Os grupos autônomos alemães expressavam-se politicamente por meio de campanhas contra o pagamento de aluguéis e reapropriações de centenas de edifícios, que eram transformados em lares e espaço para atividades políticas.

Muitas dessas ocupações davam comida e roupa de graça e abrigavam bibliotecas, cafés, salas de reunião e centros de informações conhecidos como “infoshops”, assim como espaços para shows e galerias de arte onde músicos e artistas socialmente engajados podiam apresentar seu trabalho. O mesmo movimento ocupou universidades e enfrentou neonazistas que perseguiam imigrantes, assim como policiais que protegiam usinas nucleares. Nessas ocasiões, os Autonomen usavam capacetes, escudos improvisados, bastões e projéteis.

REPÚBLICA LIVRE

Não se sabe ao certo quando o termo “black bloc” foi utilizado pela primeira vez. Alguns afirmam que foi em 1980, quando um chamado pela mobilização anarquista de Primeiro de Maio em Frankfurt pedia às pessoas que “[se juntassem] ao Black Bloc”. Outra história localiza o surgimento do termo meses depois, quando a polícia avançou para desmontar a República Livre de Wendland, um acampamento em protesto contra a abertura de um depósito de lixo radiativo em Gorbelen, Baixa Saxônia.

Nos dias seguintes, foram organizadas manifestações em solidariedade, sendo a mais famosa a “Black Friday”, na qual, segundo consta, todas as pessoas estavam vestidas com jaquetas de couro preto e um capacete de moto, com os rostos cobertos por bandanas pretas. As reportagens sobre o evento faziam referência ao Schwarzer Block (isto é, black bloc).

Outros ainda defendem que o termo foi cunhado em dezembro de 1980 pela polícia de Berlim Oriental. Tendo decidido pôr fim às ocupações, as autoridades municipais haviam autorizado a polícia a conduzir uma série de despejos extremamente violentos. Diante da ameaça iminente de uma ação brutal da polícia, diversos Autonomen com máscaras e roupas pretas foram às ruas para defender suas ocupações.

Nesse cenário, chegou a haver ação jurídica contra a “organização criminosa” conhecida como “o Black Bloc”. Mas a ação da procuradoria perdeu, e as autoridades admitiram que a organização nunca existira. Depois, em 1981, foi impresso um panfleto intitulado “Schwarzer Block”, com a seguinte explicação: “Não existem programas, estatutos ou membros do Black Bloc. Existem, porém, ideias e utopias políticas, que determinam nossas vidas e nossa resistência. Essa resistência tem muitos nomes, e um deles é Black Bloc”.

Um grande black bloc se formou em Hamburgo em 1986 para defender as ocupações da rua Hafenstrasse. Cerca de 1.500 black blockers, apoiados por outros 10.000 manifestantes, enfrentaram a polícia e salvaram a ocupação. “Foi uma grande vitória”, afirmou um ativista do movimento autônomo, “provando que era possível evitar despejos”.2

A mobilização na rua aconteceu em colaboração com ações clandestinas contra as ameaças de despejo e ataques da polícia: pequenos grupos incendiaram mais de dez lojas, casas de políticos e prédios municipais.

Black blocs também apareceram em manifestações contra a visita do presidente norte-americano Ronald Reagan a Berlim Ocidental em junho de 1987. E, quando o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) se encontraram em setembro de 1988, também em Berlim Ocidental, um black bloc participou dos protestos. Em algumas manifestações, Autonomen usando capuzes pretos caminhavam nus nas ruas – o espetáculo paradoxal de um black bloc altamente vulnerável.

Hoje, a Alemanha tem os maiores black blocs (muitas vezes chamados de blocos autônomos). O serviço de segurança do país, Bundesamt für Verfassungsschutz [Escritório Federal para a Proteção da Constituição], estima -talvez com demasiada precisão- que os black blockers do país cheguem a 5.800.

Nas manifestações anticapitalistas anuais de Primeiro de Maio em Berlim, os black blocs reúnem de 2.000 a 4.000 pessoas vestidas inteiramente de preto, envoltas por faixas e vestindo jaquetas de moletom com capuzes (jaquetas de couro saíram de moda) e óculos escuros (agora que as máscaras foram proibidas na Alemanha).

TURISTAS

Essas manifestações se tornaram tão famosas entre as redes militantes europeias que muitos Autonomen se queixam de “turistas ativistas”, que buscam protestos como oportunidades para farrear, são indiferentes à realidade local e, pior de tudo, saem da cidade com a mesma rapidez com que chegaram a ela.

Não é raro que essas pessoas comprem cerveja ao longo da manifestação e atirem os vasilhames vazios na polícia, sendo repreendidas ou até mesmo tratadas com violência por Autonomen “straight edge” (que defendem a abstinência de tabaco, álcool e drogas em geral). Mesmo assim, no ano passado, viam-se em Kreuzberg, bairro de Berlim, pôsteres em inglês -voltados, portanto, para turistas ativistas- convidando as pessoas a entrar em um “bloco anarquista/autônomo”.

Surgiram muitas outras ocasiões para a formação de black blocs, como os chamados para enfrentar os neonazistas reunidos em Dresden a fim de lembrar, em 11 de fevereiro, o bombardeio da cidade durante a 2ª Guerra Mundial.

Em razão do tamanho e do dinamismo do movimento autônomo alemão, várias redes podem enviar chamados simultâneos para a formação de blocos autônomos. Os blocos nascidos na rede de ação antifascista são compostos principalmente por homens cuja atitude é mais belicosa. As mulheres são a maioria nas redes antirracistas, nas quais questões de diversidade e inclusão têm mais importância.

COLORIDOS

Nos últimos anos, foram convocados blocos multicoloridos, com o argumento de que pode ser insensível, do ponto de vista cultural, associar o negro a anonimato e uso da força.

Um desses comunicados foi feito em 1º de abril de 2012, para uma manifestação em Eisenach contra o encontro de fraternidades nacionalistas xenofóbicas. O pôster mostrava dois personagens vestidos ao estilo dos black blocs, mas um estava de roxo e o outro, de rosa. Apesar disso, a maioria dos participantes apareceu de preto, e alguns dos antifascistas chegaram a fazer comentários homofóbicos e sexistas contra companheiros que usavam cores mais extravagantes.

No acampamento No Border, realizado em Estocolmo em junho de 20 da política de imigração europeia, foi emitida outra convocação para um bloco colorido -atendida porém só por pouquíssimos ativistas suecos e alemães.

Também é importante mencionar que, nos anos 2000, surgiram grupos autônomos-nacionalistas ou de ação antiantifascista de extrema-direita, que, em marchas neonazistas, se apropriaram do estilo dos black blocs: óculos escuros, capuzes, muitas faixas, música eletrônica. Blocos como esses chegaram a reunir cerca de mil fascistas em grandes manifestações.

TÁTICA

Como a tática dos black blocs migrou da Berlim Ocidental dos anos 1980 para a Seattle de 1999? Os sociólogos Charles Tilly, Doug McAdam e Dieter Rucht, especialistas em movimentos sociais, mostram como repertórios de ações coletivas consideradas eficazes e legítimas para a defesa e a promoção de uma causa circulam entre períodos e lugares diferentes. Eles são transformados e disseminados ao longo do tempo e entre fronteiras, de um movimento social para outro, segundo as experiências dos militantes e as mudanças na esfera política.

A tática dos black blocs se disseminou nos anos 1990, sobretudo através da contracultura punk e de extrema-esquerda ou ultraesquerda, via fanzines, turnês de bandas punks e contatos pessoais entre ativistas em viagens.

Acredita-se que tenha surgido pela primeira vez na América do Norte em janeiro de 1991, durante uma manifestação contra a primeira Guerra do Iraque. O prédio do Banco Mundial foi alvejado, e janelas foram quebradas. Um black bloc foi organizado depois, no mesmo ano, em San Francisco, em uma manifestação no dia do Descobrimento da América, denunciando os 500 anos de genocídio perpetrado contra as nações indígenas, e outro surgiu numa marcha, em Washington, pelo direito das mulheres de mandar em seus corpos. Jornais anarquistas como o “Love and Rage” ajudaram a tornar a tática black bloc conhecida em toda a comunidade anarquista norte-americana.

A tática também foi usada no início dos anos 1990 por membros da Anti-Racist Action (ARA), movimento antiautoritário e antirracista nos Estados Unidos e no Canadá, dedicado ao confronto direto com neonazistas e seguidores da Supremacia Branca.

Ativistas da seção de Toronto da ARA foram a Montreal em 22 de setembro de 1993, onde se reuniram em um pequeno black bloc em protesto contra a reunião (posteriormente cancelada), que teria dois prefeitos franceses direitistas, da Frente Nacional, como oradores convidados.

O resultado foi um confronto violento com a polícia, uma torrente de bombas de tinta contra o restaurante que havia recebido os “frontistes” e uma perseguição pelas ruas em que os manifestantes foram atrás dos cerca de 30 skinheads neonazistas que haviam vindo proteger o lugar.

Em 24 de abril de 1999, um black bloc de aproximadamente 1.500 pessoas participou de uma passeata na Filadélfia exigindo a liberação de Mumia Abu-Jamal, um dos fundadores da divisão local dos Panteras Negras, que havia sido acusado de matar um policial em 1981 e condenado à morte.

MÍDIA

Mas foi em 30 de novembro de 1999, durante as manifestações contra a reunião da OMC em Seattle, que a mídia exibiu a imagem do black bloc para o mundo.

Nos EUA, ao longo da década, a polícia vinha usando spray de pimenta contra manifestantes não violentos e fazendo prisões em massa, durante ações de desobediência civil realizadas por ambientalistas radicais da Costa Oeste. Imaginando que a atitude se repetiria, os black blockers optaram por uma tática móvel que evitaria prisões em grande escala e ataques de spray de pimenta e gás lacrimogêneo.

Na manhã de 30 de novembro de 1999, a polícia atacou os grupos de ativistas não violentos que vinham bloqueando a entrada do centro de convenções desde as 7 horas, e os estoques de gás estavam acabando. Às 11 horas, o black bloc entrou em ação em uma área distante do centro de convenções. O bloco estilhaçou as janelas de alguns bancos e empresas internacionais e desapareceu antes que a polícia pudesse reagir.

A mídia cobriu extensamente a aparição dos black blocs em Seattle, ajudando a difundir suas características distintivas: roupas pretas, máscaras nos rostos e ataques contra alvos econômicos e políticos. Os principais meios de comunicação apresentaram uma visão bastante negativa dos black blocs; a discussão sobre suas ações foi mais equilibrada na mídia alternativa, especialmente na rede on-line independente Indymedia, na qual se podiam ler comunicados dos black blocs e ver fotos e vídeos de suas ações.3

Fascinadas por essas imagens e convencidas pelos argumentos a favor da legitimidade e da eficácia da tática, algumas pessoas passaram a se identificar com essa forma de ação e decidiram organizar seus black blocs na primeira oportunidade -por exemplo, caso fosse anunciada a realização de uma grande cúpula econômica internacional em sua cidade.

Na realidade, o protesto em Seattle foi parte de um grande movimento transnacional -conhecido por diversos nomes, entre eles movimento antiglobalização ou “alterglobalização”, ou “movimento dos movimentos” -que aproveita cúpulas feitas pela OMC, pelo FMI, pelo G8, pelo G20, pela UE, e assim por diante, para organizar vários dias de conferências e ações perto da cidade anfitriã.

Esse movimento amplo e heterogêneo se expressa por meio de diversas ações nas ruas. As principais organizações sociais democráticas (sindicatos trabalhistas, sindicatos rurais, federações feministas, partidos políticos de esquerda, entre outras) fazem uma passeata “unitária” supervisionada por unidades policiais vigorosas. Enquanto isso, diversos grupos militantes conduzem ações violentas. Os black blocs se organizam nessas ocasiões, às vezes marchando pacificamente, mas dispostos a recorrer à força física, dependendo do contexto e da sua força relativa.

Os black blocs também se envolveram em mobilizações não diretamente relacionadas ao movimento alterglobalização; foi o caso das cúpulas da Otan de 2003 e 2009 em Praga e Estrasburgo, respectivamente, e da Convenção do Partido Republicano em Nova York, em agosto e setembro de 2004.

A tática dos black blocs pode adquirir um sentido especial que varia dependendo do contexto local. Por exemplo, no México dos anos 1990, os anarcopunks se interessavam especialmente pelo visual dos black blocs, sobretudo pelo uso das máscaras, uma vez que essa também era uma característica do Exército Zapatista de Libertação Nacional -embora a relação dos anarcopunks com os zapatistas fosse ambivalente.

PERFIL

É difícil fazer um perfil sociológico preciso dos homens e mulheres que participam de black blocs: não só porque eles usam disfarces mas porque cada black bloc é diferente do outro. Ainda assim, minhas observações sugerem que eles são compostos sobretudo por jovens (embora alguns membros tenham mais de 50 anos) e homens (em alguns casos, apenas 5% dos black blockers são mulheres).

Mesmo nas redes antifascistas e antirracistas do Ocidente, os membros do black bloc são majoritariamente de origem europeia, quase não havendo negros ou hispânicos. É claro que também se pode dizer o mesmo de outras redes políticas da esquerda do Primeiro Mundo, mas as ações diretas específicas dos black blocs são mais arriscadas para imigrantes e negros, porque a repressão contra eles pode ser bem maior.

O sociólogo francês Geoffrey Pleyers identificou entre os participantes de black blocs tanto jovens com baixos níveis de consciência política em busca de emoção como ativistas altamente politizados.

É fato que algumas pessoas entram em black blocs sob a influência de amigos ou pelo simples desejo de extravasar a raiva reprimida, mas ninguém pode forçar outra pessoa a adotar essa tática, que se baseia no respeito à autonomia de todos que dela participam.

Nem todos os participantes de black blocs são anarquistas autodeclarados. No Egito, por exemplo, podem ser ativistas políticos, torcedores de futebol ou fãs de bandas de heavy metal.

Entretanto, como diz o professor Mark LeVine, a Tahrir [praça no Cairo que concentrou os protestos que levaram à derrubada de Hosni Mubarak, em 2011, e continuou a receber protestos contra o governo da Irmandade Muçulmana] “continua sendo em muitos aspectos o símbolo das ideias de horizontalismo e auto-organização que estão no centro da teoria e da prática do anarquismo moderno”.

Em seus comunicados, manifestos e entrevistas, muitos black blocs ressaltaram a diversidade de seus membros. Em “Letter From Inside the Black Bloc” (carta de dentro do black bloc), por exemplo, publicada alguns dias após as manifestações contra a Cúpula do G8 de 2001, em Gênova, Mary Black escreve:

“A maioria das pessoas que usaram as táticas black bloc tem trabalhos diurnos voluntários. Alguns são professores, sindicalistas ou estudantes. Alguns não têm empregos em tempo integral, mas passam a maior parte do tempo trabalhando para mudar suas comunidades. Eles começam projetos de jardins urbanos e bibliotecas móveis; cozinham para grupos como Food Not Bombs. São pessoas pensantes e atenciosas que, se não tivessem ideias políticas e sociais radicais, seriam comparadas a freiras, monges e outros que levam a vida servindo”.

“Existe uma grande diversidade no que somos e no que acreditamos. Conheço pessoas de black blocs que vêm da Cidade do México mas também de Montreal. Acredito que o estereótipo está certo ao dizer que a maioria de nós é jovem e branca, embora eu não concorde com a ideia de que somos uma maioria de homens. Quando estou vestida de preto da cabeça aos pés, com roupas pretas largas, com o rosto coberto, a maioria das pessoas pensa que sou homem. O comportamento dos ativistas dos black blocs não é associado a mulheres, por isso repórteres costumam supor que somos todos homens.”

Esses relatos parecem ser motivados por um desejo sincero de retratar os black blocs de maneira correta e, ao fazer isso, rebater acusações de que eles não passam de jovens delinquentes sem qualquer consciência política.

Autorrepresentações como essa procuram desmentir uma crítica muito frequente contra os black blocs: a de que é impossível para um ativista fazer duas coisas ao mesmo tempo ou até uma depois da outra -ou seja, tomar parte em protestos violentos e também se organizar em movimentos globais ou locais que ajudem as pessoas exploradas e marginalizadas.

LEGITIMAÇÃO

Afirmações como a de Mary Black também são ações de legitimação. Em 2011, após protestos contra medidas de austeridade em Londres, quando um participante do black bloc, identificando-se como um “trabalhador mal pago do setor público”, disse a um repórter do “Guardian”: “Vimos muitos enfermeiros, trabalhadores da área de educação, tecnologia, desempregados, estudantes e assistentes sociais no bloco”. Outro afirmou:

“Você teria uma surpresa incrível com as pessoas que usam as táticas do black bloc, em termos de idade, gênero, profissão. A mídia gosta de pintar um quadro de hooligans e bandidos, homens irracionais em fúria. Simplesmente não é verdade. Existem mulheres e provavelmente transgêneros também. Alguns dos anarquistas assustadores trabalham em empregos de assistência social e saúde mental. Isso não vem da bandidagem”.

O retrato inesperado que surge desses relatos é o de um grupo de cidadãos responsáveis e sensatos, de ambos os sexos.

Durante a greve estudantil no Quebec de 2012, os principais meios de comunicação denunciaram a suposta infiltração de black blocs em manifestações estudantis. Aqui está o que um grupo de “anarquistas entre muitos” respondeu a essa afirmação em seu “Manifeste du Carré Noir” (manifesto do quadrado negro):

“Somos homens e mulheres. Somos estudantes. Somos trabalhadores. Somos desempregados. Estamos furiosos. Não estamos cooptando uma greve. Fazemos parte do movimento desde o começo, uma de suas facetas, junto com todos os outros [] Não nos infiltramos em manifestações; ajudamos a organizá-las, fazemos com que elas nasçam. Não estamos sabotando a greve; somos parte integral dela, ajudamos a organizá-la, fazemos seu coração pulsar”.

Muitas das pessoas que entrevistei eram ou haviam sido estudantes de ciências sociais (no entanto, tais encontros tem relação natural com o fato de eu mesmo fazer parte do mundo acadêmico). Em várias ocasiões, seus projetos de pesquisa tratavam da importância política e das consequências de manifestações e ações diretas, o que sugere que seu envolvimento político se baseava em pensamentos políticos mais profundos.

Segundo o comunicado divulgado pelo black bloc de Seattle em 1999, a maioria dos membros “estuda os efeitos da economia global, da engenharia genética, da extração de recursos, do transporte, das práticas trabalhistas, da eliminação da autonomia indígena, dos direitos animais e dos direitos humanos, e há anos praticamos ativismo nessas áreas. Não somos mal informados nem inexperientes”.

Em sua maioria, as pessoas que entrevistei a respeito dos black blocs eram ativistas experientes ou que atuavam em diversas comunidades ou organizações políticas (contra os neonazistas, o racismo, a brutalidade policial e assim por diante), ou que ajudavam a produzir jornais políticos.

Vale repetir, porém, que não existe um perfil homogêneo dos militantes por trás das máscaras. Ser fã de música punk não é suficiente para fazer de alguém um candidato óbvio a black blocker. Por outro lado, um black blocker pode não gostar de música punk ou estudar em uma universidade.

Muitos black blockers dizem que o uso da força resulta de uma avaliação política baseada em frustrantes experiências pessoais com ações não violentas, que passaram a ver como, no mínimo, inadequadas. Um militante veterano que havia se juntado a muitos black blocs me disse:

“Todos os homens e mulheres que conheço que participaram de black blocs são ativistas, alguns muito experientes. Eles ficaram um tanto desiludidos porque chegaram à conclusão de que os métodos pacíficos são muito limitados e jogam a favor dos poderes no comando. Então, para deixarem de ser vítimas, eles acharam melhor usar a violência”.4

As notas a seguir foram editadas pela Redação, sendo suprimidas aquelas essencialmente bibliográficas e mantidas as necessárias à contextualização:

1. Não confundir com movimentos autonomistas, pró-reconhecimento de culturas nacionais ou regionais distintas.
2. BB4, entrevistado pelo autor em Montreal em 26.nov.03. Morador de Amsterdam, ele tinha 42 anos na época e havia participado de black blocs durante a década de 1980 e no movimento de ocupação na Alemanha e na Holanda.
3. O primeiro centro da Indymedia foi fundado durante a Batalha de Seattle. Ele reuniu estudantes, trabalhadores comunitários e ativistas. Desde então, inúmeras cidades passaram a ter sites ligados à Indymedia. Qualquer pessoa pode publicar textos e imagens diretamente neles. Embora não seja inteiramente dedicada ao tema, a rede Indymedia continua sendo uma das fontes mais úteis para obter detalhes sobre os protestos alterglobalização.
4. BB2, entrevistado pelo autor. Tradução nossa. A mesma observação foi feita por militantes franceses em Clément Barette, “La Pratique de la Violence Politique par l’Émeute: le Cas de la Violence Exercée lors des Contre-sommets” (Universidade de Paris I- Panthéon-Sorbonne, 2002), 93.

FRANCIS DUPUIS-DÉRI, 46, pesquisador canadense, é professor do departamento de ciência política da Universidade do Québec em Montréal. Publica no Brasil “Black Blocs” (Veneta).

GUILHERME MIRANDA, 26, é tradutor.

RAFAEL COUTINHO, 33, é quadrinista e artista plástico.

Endereço da página:

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2014/03/1422098-um-perfil-historico-dos-black-blocs.shtml

Facebook: um mapa das redes de ódio (Carta Capital)

Pesquisa vasculha território obscuro da internet: as comunidades que clamam por violência policial, linchamentos, mortes dos “esquerdistas” e novo golpe militar

por Patrícia Cornils — publicado 11/03/2014 15:13

ódio.jpg

Imagem: Vitor Teixeira

Por Patrícia Cornils entrevistando Fabio Malini

No dia 5 de março o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic), da Universidade Federal do Espírito Santo, publicou um mapa de redes de admiradores das Polícias Militares no Facebook. São páginas dedicadas a defender o uso de violência contra o que chamam de “bandidos”, “vagabundos”, “assaltantes”, fazer apologia a linchamentos e ao assassinato, defender policiais, publicar fotos de pessoas “justiçadas” ou mortas violentamente, vender equipamentos bélicos e combater os direitos humanos.

Para centenas de milhares de seguidores dessas páginas, a violência é a única mediadora das relações sociais, a paz só existe se a sociedade se armar e fizer justiça com as próprias mãos, a obediência seria o valor supremo da democracia. Dentro dessa lógica, a relação com os movimentos populares só poderia ser feita através da força policial. Qualquer ato que escape à ordem ou qualquer luta por direitos é lido como um desacato à sociedade disciplinada. Um exemplo: no sábado, dia 8 de março, a página “Faca na Caveira” publicou um texto sobre o Dia Internacional das Mulheres no qual manda as feministas “se foderem”. Em uma hora, recebeu 300 likes. Até a tarde de domingo, 1473 pessoas haviam curtido o texto.

Abaixo o professor Fábio Malini explica como fez a pesquisa e analisa o discurso compartilhado por esses internautas. “O que estamos vendo é só a cultura do medo midiático passando a ter os seus próprios veículos”, diz ele. Explore as redes neste link.

Como você chegou a esse desenho das redes? O que ele representa?

É um procedimento simples em termos de pesquisa. O pesquisador cria uma fanpage no Facebook e passa a dar “like” num conjunto de fanpages ligada à propagação da violência. Em seguida, usamos uma ferramenta que identifica quais os sites que essas fanpages curtem. E, entre elas, quais estão conectadas entre si. Se há conexão entre uma página com outra, haverá uma linha. Se “Faca na Caveira” curte “Fardado e Armados˜há um laço, uma linha que as interliga. Quando fazemos isso para todas as fanpages, conseguimos identificar quais são as fanpages da violência (bolinhas, nós) mais conectadas e populares. Isso gera um grafo, que é uma representação gráfica de uma rede interativa. Quanto maior é o nó, mais seguida é a página para aquela turma. No grafo, “Polícia Unida Jamais será vencida” é a página mais seguida pela rede. Não significa que ela tem mais fãs. Significa que ela é mais relevante para essa rede da violência. Mas a ferramenta de análise me permite ver mais: quem são as páginas mais populares no Facebook, o que elas publicam, o universo vocabular dos comentários, a tipologia de imagens que circula etc.

O que você queria ver quando pesquisou esse tema? E o que achou de mais interessante?

Pesquisei durante apenas uma semana para testar o método de extração de dados. Descobri que o Labic, laboratório que coordeno, pode ajudar na construção da cultura de paz nesse país, desvelando os ditos dessas redes, que estão aí, lotadas de fãs e públicas no Facebook. Assustei-me em saber a ecologia midiática da repressão no Facebook, em função da agenda que esses sites estabelecem.

Primeiro há um horror ao pensamento de esquerda no país. Isso aparece com inúmeros textos e imagens que satirizam qualquer política de direitos humanos ou ligadas aos movimentos sociais. Essas páginas funcionam como revides à popularização de temas como a desmilitarização da Polícia Militar ou textos de valorização dos direitos humanos. Atualmente, muitas dessas páginas se articulam em função da “Marcha pela Intervenção Militar”. Um de seus maiores ídolos é o deputado Jair Bolsonaro.

Após os protestos no Brasil, a estrutura de atenção dos veículos de comunicação de massa se pulverizou, muito tráfego da televisão está escoando para a internet, o que faz a internet brasileira se tornar ainda mais “multicanal”, com a valorização de experiências como Mídia Ninja, Rio na Rua, A Nova Democracia, Outras Palavras, Revista Fórum, Anonymous, Black Blocs. São páginas muito populares. Mas não estão sozinhas. Há uma guerra em rede. E o pensamento do “bandido bom, bandido morto” hoje se conformou em votos. Esse pensamento foi capaz de construir redes sociais em torno dele.

A despolitização, a corrupção, os abusos de poder, a impunidade, estão na raiz da força alcançada por essas redes da violência e da justiça com as próprias mãos. E não tenho dúvida: essas redes, fortes, vão conseguir ampliar seu lastro eleitoral. Vão ajudar na eleição de vários políticos “linha dura”. Em parte, o crescimento dessas redes se explica também em função de forças da esquerda que passaram a criminalizar os movimentos de rua e ficaram omissas a um conjunto de violações de direitos humanos. O silêncio, nas redes, é resignação. O que estamos vendo é só a cultura do medo midiática passando a ter os seus próprios veículos de comunicação na rede.

Você escreveu que “é bom conhecer e começar a minerar todos os conteúdos que são publicadas nelas.” Por que?

Porque é preciso compreender a política dessas redes e seus temas prioritários. Instituir um debate por lá e não apenas ficar no nosso mundo. É preciso dialogar afirmando que uma sociedade justa é a que produz a paz, e não uma sociedade que só obedece ordens. Estamos numa fase de mídia em que se calar para não dar mais “ibope” é uma estratégia que não funciona. É a fala franca, o dito corajoso, que é capaz de alterar (ou pelo menos chacoalhar) o discurso repressor.

É interessante, ao coletarmos e minerarmos os dados, notar que muitas dessas páginas articulam um discurso de Ode à Repressão com um outro pensamento: o religioso, cujo Deus perdoa os justiceiros. Isso se explica porque ambos são pensamentos em que o dogma, a obediência, constituem valores amplamente difundidos. Para essas redes, a defesa moral de uma paz, de um cuidado de si, viria da capacidade de os indivíduos manterem o estado das coisas sem qualquer questionamento, qualquer desobediência.

No lugar da Política enfrentar essas redes, para torná-las minoritárias e rechaçadas, o que vemos? Governantes que passam a construir seus discursos e práticas em função dessa cultura militarizada, dando vazão a projetos que associam movimentos sociais a terrorismo. Daí há uma inversão de valores: a obediência torna-se o valor supremo de uma democracia. E a política acaba constituindo-se naquilo que vemos nas ruas: o único agente do Estado em relação com os movimentos é a polícia.

O grafo mostra as relações entre os diversos nós dessa rede. Mas e se a gente quiser saber o que essas redes conversam? As PMs estão no centro de vários debates importantes hoje: o tema da desmilitarização. A repressão às manifestações. O assassinato de jovens pobres, pretos, periféricos. Esses nós conversam sobre essas coisas? Em que termos?

Sim, esses nós se republicam. Tal como páginas ativistas se republicam, tais como páginas de esporte se republicam. Todo ente na internet está constituindo numa rede para formar uma perspectiva comum. As ferramentas para coletar essas informaçoes públicas estão muito simplificadas e na mão de todos. Na tenho dúvida que as abordagens científicas das Humanidades serão cada vez mais centrais, pois a partir de agora o campo das Humanidades lidará com milhões de dados. É uma nova natureza que estamos vendo emergir com a circulação de tantos textos, imagens, comportamentos etc.

Você escreveu que “os posts das páginas, em geral, demonstram o processo de construção da identidade policial embasada no conceito de segurança, em que a paz se alcança não mediante a justiça, mas mediante a ordem, a louvação de armamentos e a morte do outro.” Pode dar exemplos de como isso aparece? E por que isso é grave? Afinal, na visão dos defensores e admiradores da polícia, as posições que defendem dariam mais “paz” à sociedade.

Sábado, 8 de março, foi o Dia Internacional da Mulher. Uma das páginas, a Faca na Caveira, deu parabéns às mulheres guerreiras. Mas mandaram as feministas se foderem. O post teve 300 likes em menos de meia hora e na tarde de domingo tinha 1473 likes. A paz só será alcançada com ordem e obediência, dizem. No fundo, essas redes revelam-se como repressoras de qualquer subjetividade inventiva. Por isso, são homofóbicas e profundamente etnocêntricas de classes. É uma espécie de decalque do que pensa a classe média conectada no Brasil, que postula que boné de “aba reta” em shopping é coisa da bandidagem.

Em Vitória, onde resido, em dezembro de 2013, centenas de jovens que curtiam uma roda de funk nas proximidade de um shopping tiveram que entrar nesse recinto para fugir da repressão da polícia, que criminaliza essa cultura musical. Imediatamente foi um “corre-corre” no centro comercial. Os jovens foram todos colocados sentados, sem camisa, no centro da Praça de Alimentação. Em seguida, foram expulsos em fila indiana pela polícia, sob os aplausos da população. Depois, ao se investigar o fato, nenhum deles tinha qualquer indício de estar cometendo crime. Essa cultura do aplauso está na rede e é forte. É um ódio à invenção, à diferença, à multiplicidade. É por isso que a morte é o elemento subjetivo que comove essa rede. Mostrar possíveis criminosos mortos, no chão, com face, tórax ou qualquer outro parte do corpo destruída pelos tiros, é um modo de reforçar a negação da vida.

Essas redes conversam com outras redes não dedicadas especificamente à questão das PMs? Vi, por exemplo, que tem um “Dilma Rousseff Não”, um “Caos na Saúde Pública” e um “Movimento Contra Corrupção”. Que ligações as pessoas ali estabelecem entre esses temas?

Sim, são páginas que se colocam no campo da direita mais reacionária do país. Mas isso também é um índice da transmutação do conservadorismo no Brasil. Infelizmente, o controle da corrupção se tornou um fracasso. Essa condição fracassada alimenta a despolitização. E a despolitização é o combustível para essas páginas. Mas a despolitização não é apenas um processo produzidos pelos “repressores”, mas por sucessivos governos mergulhados em escândalos e que são tecidos por relações políticas absolutamente cínicas em nome de alguma governabilidade.

Life in Code and Software (livingbooksaboutlife.org)

LivingCodeSoftwareCover.jpg

Mediated Life in a Complex Computational Ecology
ISBN: 978-1-60785-283-4
edited by David M. Berry

Contents

Introduction: What is Code and Software?

This book explores the relationship between living, code and software. Technologies of code and software increasingly make up an important part of our urban environment. Indeed, their reach stretches to even quite remote areas of the world. Life in Code and Software introduces and explores the way in which code and software are becoming the conditions of possibility for human living, crucially forming a computational ecology, made up of disparate software ecologies, that we inhabit. As such we need to take account of this new computational environment and think about how today we live in a highly mediated, code-based world. That is, we live in a world where computational concepts and ideas are foundational, or ontological, which I call computationality, and within which, code and software become the paradigmatic forms of knowing and doing. Such that other candidates for this role, such as: air, the economy, evolution, the environment, satellites, etc., are understood and explained through computational concepts and categories. (more…)

Thinking Software

Eric W. Weisstein 
What is a Turing Machine?
David Barker-Plummer 
Turing Machines
Achim Jung 
A Short Introduction to the Lambda Calculus
Luciana Parisi & Stamatia Portanova 
Soft Thought (in architecture and choreography)
David M. Berry 
Understanding Digital Humanities
Edsger W. Dijkstra 
Go To Statement Considered Harmful
Alan M. Turing 
Computing Machinery and Intelligence
Martin Gardner 
The Fantastic Combinations of John Conway’s New Solitaire Game ‘Life’
David Golumbia 
Computation, Gender, and Human Thinking
Alan M. Turing 
Extract from On Computable Numbers, with an Application to the Entscheidungs Problem

Video of a Turing Machine – Overview

Kevin Slavin 
How Algorithms Shape Our World

Video shows how these complex computer programs determine: espionage tactics, stock prices, movie scripts, and architecture.

Code Literacy (‘iteracy’)

David M. Berry 
Iteracy: Reading, Writing and Running Code
Ian Bogost 
Procedural Literacy: Problem Solving with Programming, Systems, & Play
Cathy Davidson 
Why We Need a 4th R: Reading, wRiting, aRithmetic, algoRithms
Jeannette M. Wing 
Computational Thinking
Stephan Ramsay 
On Building
Edsger W. Dijkstra 
On the Cruelty of Really Teaching Computing Science
Louis McCallum and Davy Smith 
Show Us Your Screens

A short documentary about live coding practise by Louis McCallum and Davy Smith.

Jeannette M. Wing 
Computational Thinking and Thinking About Computing’

Wing argues that computational thinking will be a fundamental skill used by everyone in the world. To reading, writing, and arithmetic, she adds computational thinking to everyones’ analytical ability.

why the lucky stiff 
Hackety Hack: Learning to Code

why the lucky stiff (or _why) is a computer programmer, talking about learning to code.

Decoding Code

David M. Berry 
A Contribution Towards a Grammar of Code
Mark C. Marino 
Critical Code Studies
Lev Manovich 
Software Takes Command
Dennis G. Jerz 
Somewhere Nearby is Colossal Cave: Examining Will Crowther’s Original “Adventure” in Code and in Kentucky
Aleksandr Matrosov, Eugene Rodionov, David Harley, and Juraj Malcho, J. 
Stuxnet Under the Microscope
Ralph Langner 
Cracking Stuxnet, a 21st-century Cyber Weapon

A fascinating look inside cyber-forensics and the processes of reading code to understand how it works and what it attacks.

Stephen Ramsay 
Algorithms are Thoughts, Chainsaws are Tools

A short film on livecoding presented as part of the Critical Code Studies Working Group, March 2010, by Stephen Ramsay. Presents a “live reading” of a performance by composer Andrew Sorensen.

Wendy Chun 
Critical Code Studies

Wendy Chun giving a lecture on code studies and reading source code.

Federica Frabetti 
Critical Code Studies

Federica Frabetti giving a lecture on code studies and reading source code.

David M. Berry 
Thinking Software: Realtime Streams and Knowledge in the Digital Age

As software/code increasingly structures the contemporary world, curiously, it also withdraws, and becomes harder and harder for us to focus on as it is embedded, hidden, off-shored or merely forgotten about. The challenge is to bring software/code back into visibility so that we can pay attention to both what it is (ontology/medium), where it has come from (media archaeology/genealogy) but also what it is doing (through a form of mechanology), so we can understand this ‘dynamic of organized inorganic matter’.

Software Ecologies

Gabriella Coleman 
The Anthropology of Hackers
Felix Guattari 
The Three Ecologies
Robert Kitchin 
The Programmable City
Bruno Latour 
The Whole is Always Smaller Than Its Parts- A Digital Test of Gabriel Tarde’s Monads
Mathew Fuller and Sonia Matos 
Feral Computing: From Ubiquitous Calculation to Wild Interactions
Jussi Parikka 
Media Ecologies and Imaginary Media: Transversal Expansions, Contractions, and Foldings
David Gelernter 
Time to Start Taking the Internet Seriously
Adrian Mackenzie 
The Problem of Computer Code: Leviathan or Common Power?
Adrian Mackenzie 
Wirelessness as Experience of Transition
Thomas Goetz 
Harnessing the Power of Feedback Loops
Christian Ulrik Andersen & Søren Pold 
The Scripted Spaces of Urban Ubiquitous Computing: The Experience, Poetics, and Politics of Public Scripted Space
B.J. Fogg, Gregory Cuellar, and David Danielson 
Motivating, Influencing, and Persuading Users
Alexander R. Galloway 
“Deleuze and Computers” – Alexander R. Galloway

“Deleuze and Computers” – a lecture by Alexander R. Galloway at the W.E.B. Du Bois Library at the University of Massachusetts Amherst on December 2nd, 2011.

Gary Wolf 
The Quantified Self

The notion of using computational devices in everyday life to record everything about you.

Gary Kovacs 
Tracking the Trackers

As you surf the Web, information is being collected about you.

Michael Najjar 
How Art Envisions Our Future

Data, information, computation, and technology mediated through art

Attributions

A ‘Frozen’ PDF Version of this Living Book

Download a ‘frozen’ PDF version of this book as it appeared on 13th July 2012