Arquivo da tag: Crise energética

Reunião do governo com Fundação Cacique Cobra Coral irrita empresários (Painel S.A./Folha de S.Paulo)

Painel S.A.

Representante do setor de turismo afirma que governo não pode contar com a sorte

Joana Cunha – 19.out.2021 às 15h06

A recente reunião do Ministério de Minas e Energia com a entidade esotérica Fundação Cacique Cobra Coral, que diz controlar o clima, desagradou representantes do empresariado que vêm, há meses, tentando convencer o governo de que haveria benefício econômico em retomar o horário de verão para resolver o problema energético agravado pela falta de chuva.

Fabio Aguayo, diretor da CNTur, uma das entidades de turismo que defende a mudança no relógio para alongar o tempo de atendimento no comércio e nas atividades de lazer, diz que o encontro do ministério com a Cobra Coral mostra que o governo está preocupado, mas não pode contar com a sorte e esperar um dilúvio para resolver a questão energética.

Para Aguayo, o ministro Bento Albuquerque é “intransigente e cabeça dura”. Ele afirma que deve ser difícil por parte do governo admitir a volta do horário de verão porque o debate tomou um rumo ideológico comparável a cloroquina e tratamento precoce, quando deveria ser mais econômico, científico e estratégico.

O grupo pró-horário de verão iniciado por Aguayo, que tem apoio de associações de bares e restaurantes, argumenta que a medida promoveria alguma economia de energia. Também permitiria estender o funcionamento de atividades ligadas ao lazer e ajudaria os negócios mais afetados na pandemia.

“Eles estão em um momento crítico. Não podem contar com a sorte. Não podem contar com a sorte de que vai ter um dilúvio, um tsunami de chuva no Brasil. Não vai. Ficaram tão fechados nesse mundinho deles da ideologia, agora estão indo para o lado esotérico. É o que restou para eles”, afirma Aguayo.

O ministério divulgou comunicado no domingo (17) dizendo que seu encontro com a Fundação Cacique Cobra Coral não foi pedido pela pasta. ​

com Mariana Grazini e Andressa Motter

Por ‘tragédia energética’, ministério se reúne com ONG Cacique Cobra Coral (UOL)

noticias.uol.com.br

Eduardo Militão Do UOL, em Brasília 17/10/2021 15h05


Ruínas da década de 70 são reveladas após seca do rio Paraná em São Paulo - Reprodução/TV TEM
Ruínas da década de 70 são reveladas após seca do rio Paraná em São Paulo Imagem: Reprodução/TV TEM

Para conversar com uma instituição que alertava para uma “tragédia econômica e energética” decorrente da falta de chuvas, servidores do Ministério das Minas e Energia (MME) se reuniram com representantes da Fundação Cacique Cobra Coral (FCCC). Em seu site, a ONG informa que é presidida por uma “médium que incorpora o espírito e mentor Cacique Cobra Coral, que também já teria sido de Galileu Galilei e Abraham Lincoln”.

A fundação pediu uma audiência com o ministro Bento Albuquerque porque previa “blackout no Centro-Sul [do país] a partir de 16/10/21 se medidas urgentes não forem adotadas”, de acordo com transcrição de email de 2 de setembro, enviada ao UOL pela assessoria de imprensa do Ministério neste domingo (17).

O tempo seco já afeta o meio ambiente, preços das contas de luz e dos alimentos e o abastecimento de água em algumas regiões —especialistas dizem que, se não houver muita chuva nos próximos meses, a situação tende a se agravar.

“Vimos pelo presente solicitar uma audiência extra agenda para para [sic] ontem, afim [sic] de tratarmos da tragédia econômica x energética acima e os meios para recuperar tais precipitações irregulares no lugar certo ainda na estação inverno que se finda e primavera, cujo verão precisará ser antecipado ja [sic] na primavera”, diz o email divulgado pelo governo federal.

Ministro não participou de encontro

O remetente da correspondência era Osmar Santos, que usou seu email profissional, da “Cacique Cobra Coral Foundation” (cuja tradução livre é Fundação Cacique Cobra Coral) e assinou o texto como responsável pelo setor de “relações governamentais” da seguradora Tunikito, “mantenedora oficial da http://www.fccc.org.br”, o site da Fundação Cacique Cobra Coral.

17.out.2021 - Agenda de servidor do Ministério de Minas e Energia mostra reunião com Fundação Cacique Cobra Coral - Reprodução/MME - Reprodução/MME
17.out.2021 – Agenda de servidor do Ministério de Minas e Energia mostra reunião com Fundação Cacique Cobra Coral Imagem: Reprodução/MME

A reunião foi realizada por videoconferência na quinta-feira passada (14), com servidores da Secretaria de Energia Elétrica do ministério, segundo a assessoria.

“O Ministro de Minas e Energia sequer foi informado acerca da citada solicitação de audiência e igualmente não participou da referida reunião”, afirmou a pasta —apesar de o próprio site do governo indicar que a secretaria faz parte do ministério.

Um dos servidores que participaram do encontro foi o diretor do Departamento de Monitoramento do Sistema Elétrico, Guilherme Silva de Godoi. Em sua agenda, consta reunião com a “FCCC”, a sigla da fundação.

Fundação anunciou fazer “previsões”, diz ministério

Segundo a assessoria da pasta comandada por Albuqurque, a fundação anunciou que faz previsões diversas sobre a natureza.

“Durante a audiência, o senhor Osmar relatou aos técnicos do MME que o instituto faz serviços de previsões dos mais variados tipos”, diz texto enviado ao UOL. “Destaca-se que o trabalho no MME é pautado, estritamente, na fundamentação técnica, no interesse público e pela transparência nas ações executadas.”

Como servidores públicos, os servidores do MME apenas e tão somente ouviram as informações do senhor Osmar, assim como ocorre em todas as solicitações de audiências que a pasta recebe, prezando pelo diálogo com toda a sociedade”
Assessoria do Ministério das Minas e Energia

O site da fundação afirma que sua missão é “minimizar catástrofes que podem ocorrer em razão dos desequilíbrios provocados pelo homem na natureza”. A instituição não atendeu aos pedidos de esclarecimentos feitos pelo UOL neste domingo.

Mas Osmar Santos disse à revista Veja que a médium da Fundação, Adelaide Scritori, iria trazer “muita chuva” para Minas Gerais a partir de novembro.

A instituição costuma anunciar contratos com governos locais, como com a Prefeitura de São Paulo, o Distrito Federal em 2017 e a Prefeitura do Rio. A FCCC já afirmou ter dado conselhos a ministros do governo Bolsonaro e até fechado parcerias para ajudar no desencalhe de um navio no canal de Suez, no Egito.

Cobra Coral é chamado às pressas por ministro de Bolsonaro: “Faça chover” (Fórum)

revistaforum.com.br

“É a data-limite. Alguma coisa tinha que ser feita com urgência”, disse Osmar Santos, porta-voz da médium que incorpora a entidade. Convocação foi feita pelo almirante Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia

Por Plinio Teodoro 15 out 2021 – 14:12


Após ganhar notoriedade nos anos 90, durante os governos FHC, e relegado na era Lula/PT, o Cacique Cobra Coral, entidade invocada pela fundação que leva seu nome para controlar as chuvas, voltou ao Planalto às pressas a pedido do ministro de Minas e Energia, o almirante Bento Albuquerque.

Segundo informações de Cleo Guimarães na revista Veja, Osmar Santos, porta-voz de Adelaide Scritori, médium que incorpora o cacique, o ministro militar determinou à entidade: “Faça chover!”.

A reunião teria acontecido nesta quinta-feira (14). Em agosto, quando o país já estava em plena crise hídrica, a Fundação diz ter enviado ao governo Jair Bolsonaro (Sem partido) um alerta sobre riscos de apagão a partir deste sábado (16).

“É a data-limite. Alguma coisa tinha que ser feita com urgência”, disse Osmar, ressaltando a importância do encontro para por fim à crise hídrica vivida pelo país em decorrência da falta de chuva nos reservatórios das hidrelétricas.

A Fundação garante que a intervenção do “cacique” trará resultados a partir de novembro, quando as chuvas devem cair sobre Minas Gerais e o sul do país.

A fundação também já estaria articulando um encontro com o governador paulista João Doria (PSDB) para acabar com a estiagem no estado.

Posse

O último trabalho realizado pela fundação junto ao governo federal foi na posse de Jair Bolsonaro, em janeiro de 2019, quando teria impedido a chuva durante o evento.

“Apesar de o dia ter amanhecido chuvoso, começou a melhorar após as 13h e foi abrindo. Por onde o presidente e a comitiva passavam, o tempo ia abrindo e permaneceu firme”, disse à época Osmar Santos.

Leia também: Fundação Cacique Cobra Coral afirma ter sido chamada para ajudar a desencalhar navio no Canal de Suez

A reunião do Cacique Cobra Coral com o Ministério de Minas e Energia (Veja)

veja.abril.com.br

Representante da médium que teria o poder de desviar chuvas e controlar o tempo tem encontro virtual com equipe técnica de Bento Albuquerque

Por Cleo Guimarães. Atualizado em 15 out 2021, 17h30; Publicado em 15 out 2021, 13h24


a imagem mostra o ministro das minas e energia, bento albuquerque
Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia: sua equipe ouviu dicas e conselhos do representante da médium que incorpora o Cacique Cobra Coral  Marcelo Camargo/Agência Brasil

Vale tudo para enfrentar a pior seca dos últimos 91 anos, inclusive recorrer à paranormalidade. Porta-voz de Adelaide Scritori – a médium que, ao incorporar o Cacique Cobra Coral, teria o poder de desviar chuvas e controlar o tempo -, Osmar Santos participou nesta quinta (14) de uma reunião com três integrantes da equipe técnica do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. O assunto foi um só: a crise hídrica no país.

email do ministerio das minas e energia
reprodução/Reprodução

Osmar diz que em agosto a Fundação enviou um alerta ao governo federal, no qual alertava para os riscos de um apagão, caso a estiagem permanecesse por mais de um mês. O encontro virtual aconteceu nesta quinta (14) e, segundo Guilherme Godoi, um dos técnicos do Ministério na reunião, não houve avanço. “Simplesmente ouvimos o que ele tinha a dizer. Nosso trabalho é técnico”. Já Osmar garante que a médium vai trazer “muita chuva” para Minas Gerais a partir do mês que vem.

A falta de chuvas, como se sabe, reduziu a níveis críticos os reservatórios das usinas hidroelétricas. Por isso, foram acionadas as termoelétricas, que usam combustíveis fósseis, mais caros. O custo é repassado aos consumidores residenciais, comerciais e industriais, o que pressiona a inflação ao produtor e ao consumidor.

Ministério das Minas e Energia encomenda chuvas ao Cacique Cobra Coral (Metrópoles)

metropoles.com

Médium alertou o governo para o risco de um apagão neste sábado

Ricardo Noblat

16/10/2021 9:00, atualizado 16/10/2021 5:55


É tamanha a certeza expressa, ontem, pelo presidente Bolsonaro de que chuvas recentes em algumas regiões do país afastaram o risco de um apagão de eletricidade que, na última quinta-feira, a convite do ministro Bento Albuquerque, de Minas e Energia, desembarcou às pressas em Brasília o cidadão Osmar Santos.

Osmar é o porta-voz de Adelaide Scritori, a médium paulista que diz incorporar o espírito da entidade Cacique Cobra Coral, detentora do poder de desviar chuvas e controlar o tempo. Osmar contou à VEJA que ouviu o apelo da equipe técnica do ministro: “Faça chover”. E que ele respondeu que o Cacique fará chover.

O encontro deveu-se ao fato de que a médium, em agosto último, alertou o governo federal sobre os riscos de um apagão no país a partir deste sábado, 16 de outubro. “Seria a data limite”, segundo Osmar. “Alguma coisa tinha que ser feita com urgência”. Então se fez a reunião urgente, embora em cima da hora.

Agora está tudo nas mãos de Deus. Ou melhor: do Cacique Cobra Coral.

Governo conversa com representantes de entidade esotérica para ajudar na crise energética (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

Ministério de Minas e Energia confirma reunião com equipe de Fundação Cacique Cobra Coral

17.out.2021 às 17h02; Atualizado: 17.out.2021 às 19h35


O Ministério de Minas e Energia reuniu-se recentemente com representantes da Fundação Cacique Cobra Coral para tratar da questão da crise hídrica que secou reservatórios de hidrelétricas do país neste ano. A reunião foi divulgada pela revista Veja na sexta-feira (15).

A pasta confirmou a reunião com representantes da entidade esotérica, a quem é atribuída poderes de intervenção no clima, em comunicado divulgado à imprensa neste domingo (17), que responde reportagens publicadas sobre o encontro.

Segundo o comunicado, que não cita quando a reunião foi realizada, o encontro não foi pedido pelo ministério, mas ocorreu em atendimento a “princípios da transparência e do diálogo franco”.

O ministério, que diz receber centenas de pedidos de audiência, afirmou que apenas aceitou o encontro com representantes da entidade e reproduziu email recebido no início de setembro em que representante da entidade chamado Osmar Santos pediu uma reunião com o ministro Bento Albuquerque.

O assunto da reunião seria “tratar da tragédia econômica x energética… e os meios para recuperar tais precipitações irregulares no lugar certo ainda na estação inverno que se finda e primavera”, segundo a mensagem reproduzida pelo comunicado do ministério, que ressalta que Albuquerque não participou da reunião.

“Durante a audiência, o senhor Osmar (diretor de relações governamentais do instituto) relatou aos técnicos do MME que o instituto faz serviços de previsões dos mais variados tipos”, afirmou a pasta. “Como servidores públicos, os servidores do MME apenas e tão somente ouviram as informações do senhor Osmar”, acrescentou o ministério.

Na semana passada, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) afirmou que a projeção para o nível das represas de hidrelétricas do país é que eles cheguem até o fim do mês com 16,7% da sua capacidade na região Sudeste/Centro-Oeste, contra projeção de 15,2% feita na semana anterior.

O ONS afirmou ainda que vê ainda um cenário “bastante preocupante” para 2022 e recomendou que o país permaneça mobilizado para enfrentar a próxima estação seca.

Sem chuvas, Brasil pode ter estagnação econômica e inflação, diz analista (Folha de S.Paulo)

www1.folha.uol.com.br

Crise de energia pode derrubar o PIB e aumentar a inflação no ano que vem, aponta relatório da RPS Capital

Douglas Gavras – 19 de agosto de 2021


O Brasil pode entrar em um quadro de estagflação (combinação de fraqueza econômica e preços em alta), caso não volte a chover no quarto trimestre do ano, segundo avaliação dos analistas da RPS Capital.

Na visão deles, a economia brasileira tem absorvido vários choques ao longo do ano, com desorganização de cadeias produtivas globais e, mais recentemente, aumento do custo do frete, com um novo surto de Covid na China.

“Se o período úmido for ruim, a gente pode ter complicações e o risco não é pequeno. O cenário de estiagem precisa passar até outubro, quando ocorre a transição desse período mais chuvoso”, diz Gabriel Barros, da RPS.

Para o analista, o governo tem adotado algumas medidas, que vão na direção correta, mas não são suficientes para evitar um cenário preocupante nos reservatórios das usinas.

“O que o governo tem anunciado é mais focado em grandes consumidores, ao deslocar o pico de carga da indústria para suavizar a curva”, diz. Como a situação é dramática, no entanto, deveria ser adotado um plano mais amplo de economia de energia.

Ele lembra que a inflação de alimentos ainda deve pesar no bolso, combinada com o aumento de preços da energia.

A inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 0,96% em julho, o maior resultado para o mês desde 2002, quando a alta foi de 1,19%.

No ano, o indicador acumula alta de 4,76% e, em 12 meses, 8,99%. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), oito dos nove grupos pesquisados apresentaram alta no mês. A maior pressão veio do aumento de 3,10% na habitação, pela alta de 7,88% na energia elétrica.

Além disso, a economia se beneficiou de um avanço na vacinação, o que deve movimentar o setor de serviços no segundo semestre. “Esses negócios estão em um momento de recompor preços e a inflação de serviços mostrou que está viva”, diz o analista.

Conforme o setor for reabrindo, a inflação como um todo também deve ficar mais alta. “São vários choques sequenciais e acontecendo ao mesmo tempo, criando uma tempestade perfeita para o BC”, diz o economista.

Diante desse quadro, caso o período de seca seja prolongado e não tenha chuva no fim do ano, cresce a possibilidade de que a economia não aguente mais um choque, explica Barros. “Uma seca mais aguda poderia gerar um cenário de estagflação.”

A geração hidrelétrica continua representando a maior parcela do parque gerador do país, que já representou 90% durante o apagão de 2001 e está em torno de 70%. Com a seca histórica, os reservatórios atingiram nível crítico e o governo precisou acionar térmicas (mais caras) para manter a geração.

“A reabertura da economia ajuda, mas tem de ter energia. Sem energia, isso vai derrubar o PIB (Produto Interno Bruto) e aumentar a inflação no ano que vem.”

O crescimento de 2022, que está sendo revisto para baixo, pode ficar ainda mais fraco sem chuvas. Uma redução compulsória de carga vai reduzir o crescimento, isso afeta diretamente o PIB.

Segundo o mais recente Boletim Focus, do Banco Central, a perspectiva de crescimento da economia é de 2,04% —sendo que já foi de 2,1% há um mês e de 2,5% no começo do ano.