Arquivo da tag: Gaia

James Lovelock: ‘Saving the planet is a foolish, romantic extravagance’ (Newsweek)

By    5/31/15 at 12:22 PM

Scientist James Lovelock

Harry Borden for Newsweek

Jim Lovelock, environmentalist, scientist, and celebrated proposer of the Gaia hypothesis, has always taken the long view of Earth’s future. So it feels appropriate that he should have retired to a coastguard’s cottage perched above Chesil Beach on Dorset’s Jurassic Coast – so called because 180 million years of geological history lie exposed along its cliffs and coves.

This shoreline is constantly eroding. In the winter storms of 2013, Lovelock’s cottage was cut off for four days when the road leading to it was washed into the sea – not that Lovelock, whose latest book is entitled A Rough Ride to the Future, needed any reminder of the precariousness of our world. A decade ago, he predicted that billions would be wiped out by floods, drought and famine by 2040. He is more circumspect about that date these days, but he has not changed his underlying belief that the consequences of global warming will catch up with us eventually. His conviction that humans are incapable of reversing them – and that it is in any case too late to try – is also unaltered. In the week when the Grantham Research Institute on Climate Change reported that the world is still miles off meeting its 2030 carbon emission targets, Lovelock cannot easily be dismissed.

There are other doomsayers. What makes this one so unusual is his confounding cheerfulness about the approaching apocalypse. His optimism rests on his faith in Gaia – his revolutionary theory, first formulated in the 1970s, that our planet is not just a rock but a complex, self-regulating organism geared to the long-term sustenance of life. This means, among other things, that if there are too many people for the Earth to support, Gaia – Earth – will find a way to get rid of the excess, and carry on.

Lovelock’s concern is less with the survival of humanity than with the continuation of life itself. Against that imperative, the decimation of nations is almost inconsequential to him. “You know, I look with a great deal of equanimity on some sort of happening – not too rapid – that reduces our population down to about a billion,” he says, five minutes into our meeting. “I think the Earth would be happier … A population in England of five or 10 million? Yes, I think that sounds about right.” To him, even the prospect of nuclear holocaust has its upside. “The civilisations of the northern hemisphere would be utterly destroyed, no doubt about it,” he says, “but it would give life elsewhere a chance to recover. I think actually that Gaia might heave a sigh of relief.”

He is driven, at least in part, by a deep affinity for the English countryside. When he warns that sea levels are rising three times faster than the first climatology models predicted, and that this threatens “an awful lot of land north of Cambridge that is one or two meters below sea level”, you sense that he really cares about that landscape’s fate. No doubt he inherited this affection, along perhaps with a certain independence of spirit and thought, from his father. Born in West Berkshire in 1872, Lovelock senior grew up as a “hunter-gatherer” in support of his impoverished family, until, aged 14, he was caught poaching and imprisoned in Reading for six months. “I am very proud of that first part of my father’s life,” he says.

Like others of his generation, Lovelock mourns the changes to the countryside wrought by the post-War agricultural revolution. As a young man in the 1930s, he recalls, he cycled from Kent to the West Country, when England was “unbelievably beautiful”. “It all looks very green and pleasant around here,” he adds, waving at the gentle downland beyond his kitchen window, “but it’s nothing compared to what it used to be”.

Like Gaia, he has evidently developed certain stratagems for the sustenance of life. One would not guess from his appearance that he will be 96 this year. With his American wife Sandy, who is 20 years his junior, he still walks to the village shops each Saturday, a round-trip of six miles; and his intellectual vigour is so unimpaired that conversing with him soon makes the head spin.

Japan Earthquake and tsunami 2011

While the 2011 Japan earthquake caused devastation, Lovelock observes that “zero” have died of radiation from FukushimaThe Asahi Shimbun via Getty

He contends that the end of the world as we know it began in 1712, the year the Devonshire blacksmith Thomas Newcomen invented the coal-powered steam engine. It was the first time that stored solar energy had been harnessed in any serious way, with effects that now “grip us and our world in a series of unstoppable events. We are like the sorcerer’s apprentice, trapped in the consequences of our meddling”. Newcomen’s discovery set in train more than just the era of industrial development. It also marked the start of a new geological epoch, the “Anthropocene”, the most significant characteristic of which, Lovelock believes, has been the emergence of “an entirely new form of evolution” that is one million times faster than the old process of Darwinian natural selection.

He points out that for half a century now, computing power has roughly doubled every two years – a trajectory of growth known as Moore’s Law – and that computers are already capable of many actions far beyond what humans can do. In his scariest scenario, which sounds disturbingly close to the premise of the Arnie Schwarzenegger Terminator movies, he warns that computers could morph into an autarkic life form powerful enough to “destroy us, our carbon life forms, and inherit the Earth”. Luckily he thinks this outcome unlikely, and in the end has no fear of the Rise of the Machines. “Computers are entirely rational creations. But true intelligence, the ability to create and to invent, is intuitive – and you can’t do rational intuition.”

On the other hand, his preferred prediction for humanity is scarcely less disturbing. He foresees the evolution of a man-machine hybrid by a process of endosymbiosis that, he argues, has already begun. “I am already endosymbiotic. I’m fitted with a pacemaker. It runs on a 10-year lithium battery, but the next generation will have its own power supply drawn from the body. I’m already worried about being hacked … Fairly soon, I think, the internet is going to be fully embedded in our bodies.”

Looking further still into the future, he says that life on Earth, based as it presently is on carbon, cannot last beyond 100 million years, because by then it will be too hot. The evolution of a different life form based on some more heat-resistant element – such as electronic silicon – could potentially extend life by another 500 million or even a billion years.

But first, of course, mankind has to survive the immediate global warming crisis. Lovelock is a famously outspoken critic of the green energy revolution, especially wind power, which he describes as “an absolute scam. A great big German scam”. The purveyors of wind turbines and solar panels, he says, are like 18th-century doctors trying to cure serious diseases with leeches and mercury. Instead he wants us to embrace nuclear fission, a completely clean energy source that he regards as a “gift”. The Western world’s prejudice against nuclear – underscored earlier this year when the number of reactors in the US dipped below a hundred for the first time in decades – is “tragic”.

German windmills, Dessau

Lovelock says wind power is a “great big German scam”Fabrizio Bensch/Reuters

“What gets my goat are the lies peddled about Fukushima [the Japanese nuclear reactor disaster of 2011]. Do you know how many people died of radiation? Zero. Not one – although there were 50-odd suicides among people driven to it by fear. Nuclear energy is actually 10 times safer, per GigaWatt hour of production, than wind power. Yet France and Germany responded to Fukushima by temporarily shutting down their entire nuclear industries. It makes no sense.” The reason, he thinks, is public ignorance, combined with a form of green politics that amounts to a “new religion – the same force that drives jihadists in Syria”. It is, he agrees, a paradox that the new accessibility of information brought about by the internet revolution has intensified, not diminished, the old battle between science and superstition. “There’s a campaign in our village to stop a new mobile phone mast. The electromagnetic radiation it will emit is trivial. It’s comparable to a household television. Yet the campaigners say it can give you cancer. This is about fear – not facts.”

With one or two exceptions such as Margaret Thatcher and Germany’s Angela Merkel, both of whom studied chemistry, he thinks our leaders are just as bad. “If you talk to any politician, American or British or European, they are absolutely blind on matters of science,” he says. He reserves special ire for Tony Blair, “the really mad prime minister” who, swayed by green ideology and the Campaign for Nuclear Disarmament, passed legislation subsidising the renewable energy sector, which made fresh investment in the nuclear industry almost impossible. (This, he argues, is one reason why the heating costs of an average house in the UK are up to 10 times greater than in America, which, overall, has a colder climate. For many years, he asserts, the Lovelocks wintered in St Louis, Missouri, purely in order to avoid British heating bills.)

But even a wholesale switch to nuclear power, in his view, would come too late to solve humanity’s principal problem, which is overpopulation. The old post-war goal of sustainable development, he says, has become an oxymoron and should be abandoned in favour of a strategy of sustainable retreat. He is scathing about the very idea of “saving the planet”, which he calls “the foolish extravagance of romantic Northern ideologues”. The vast sums of money being invested in renewable energy would be much better spent on strategies designed to help us survive and adapt, such as flood defences.

Above all, he thinks that we should embrace the ongoing global shift towards urban living. It would, he insists, be far easier and more economic to regulate the climate of cities than our current strategy of attempting to control the temperature of an entire planet. The regions beyond the cities would then be left to Gaia to regulate for herself. It seems a sci-fi fantasy, rather like Mega-City One from the pages of Judge Dredd, a post-apocalypse megalopolis shielded from the “Cursed Earth” beyond by massive boundary walls. But, in fact, the concept is not so futuristic. Noah, arguably, had a similar idea when he built the ark.

It is certainly not a new concept to Lovelock, who wrote a paper for the oil multinational, Shell, as far back as 1966 in which he predicted that the cities of the future would become much denser, and that Shell would be making plenty of money out of “the avoidance of ecological disaster”. The fictional Mega-City One held 800 million citizens, and incorporated the entire eastern seaboard of the United States. Lovelock points that the average population density of England is higher than that of greater Boston. His 1966 paper, which was recently reprinted by Shell, no longer looks as fantastical as it once did.

Singapore, he suggests, shows us how a city can succeed in an overheated climate. The trend there for building underground, as well as in places like Japan and even London (albeit for different reasons), might be part of the same process of adaptation. Architectural practices from the past might also offer clues to a sustainable retreat in the future. The streets of the medieval Dalmatian island town of Korcula, for instance, follow a unique herringbone plan designed to capture and channel the prevailing, cooling sea breeze.

Nature offers models for future city architecture, too. Lovelock is much taken at the moment with termites. Their mounds, he says, are built like the cities of the future might be. Like Korcula, they are oriented towards the prevailing wind. They also tend to lean towards the zenith of the sun, to minimise exposure to its rays at the hottest time of the day – a stratagem that perhaps has its analogue in a recent suggestion by the Scottish nationalist politician Rob Gibson, who wants all new housing estates to be orientated towards the south in order to maximise the efficiency of rooftop solar panels.

(In London, meanwhile, the architects NBBJ recently proposed building the world’s first “shadowless skyscraper” by building two towers – one to block out the sun, the other to reflect light down into the shadow of the first).

More interesting still, a recent paper in Science magazine has shown that termite mounds, once thought to be a sign of encroaching desertification, may actually have the ability to stabilise or even reverse the effects of climate change by trapping rainfall. “Termites are very Gaian,” Lovelock enthuses. “There are these wonderful pictures of little plants growing up between the termite cities. You could look at that as a nice future for humans.”

So does Lovelock really think that humanity could end up mimicking social insects? A dumbed-down world inhabited by worker drones might be environmentally efficient, but what about the surrender of privacy that would imply; isn’t the sublimation of individuality too high a price to pay? How could such a society ever throw up a Beethoven, a Shakespeare, or an Einstein? “That’s true, and of course it depends how far down this track we choose to go,” says Lovelock, “but do you think that evolution, as a process, gives two hoots about any of that?”

This is, to be sure, a reductive view of human existence. A man in the twilight of his years, as Lovelock is, might feel a sense of futility. Instead he maintains a steady wonder at what he calls “the ineffable: a lovely word, don’t you think?” while apparently seeking no earthly legacy beyond a modest hope that he will be remembered as having been consistent in his arguments.

As a man of science, he remains agnostic on the subject of God. And yet, he says, “I am beginning to swing round, to think more and more, that there’s something in Barrow and Tipler’s cosmic-anthropic principle – the idea that the universe was set up in such a way that the formation of intelligent life on some planet somewhere was inevitable … The more you look at the universe, the more puzzling it is that all the figures are just right for the appearance on this planet of people like us.”

For the time being our species may be, as he has written, “scared and confused, like a colony of red ants exposed when we lift the garden slab that is the lid of their nest”. But he is also content to be one of those ants, because he sees a kind of beauty in that confusion – and perhaps even some sort of grand design. “Humanity may be as important to Earth, to Gaia, as the first photo-synthesisers,” he thinks. “We are the first species to harvest information … that is something very special.”

Above all he is convinced that mankind can recover itself – and in this he may be a product of his vanishing generation. Some years ago, at a lecture in Edinburgh, I heard him reminisce how marvellously the British nation had pulled together when threatened by Nazi invasion, but that it had taken that existential threat to make them do so. When the climate crisis finally breaks, he believes, the world’s differences will again be put aside – and our species, for all its present idiocies, will pull together in a way that will astonish the cynics among us.

Anúncios

Aquecimento global é inevitável e 6 bi morrerão, diz cientista (Rolling Stone)

Edição 14 – Novembro de 2007

James Lovelock, renomado cientista, diz que o aquecimento global é irreversível – e que mais de 6 bilhões de pessoas vão morrer neste século
por POR JEFF GOODELL

Aos 88 anos, depois de quatro filhos e uma carreira longa e respeitada como um dos cientistas mais influentes do século 20, James Lovelock chegou a uma conclusão desconcertante: a raça humana está condenada. “Gostaria de ser mais esperançoso”, ele me diz em uma manhã ensolarada enquanto caminhamos em um parque em Oslo (Noruega), onde o estudioso fará uma palestra em uma universidade. Lovelock é baixinho, invariavelmente educado, com cabelo branco e óculos redondos que lhe dão ares de coruja. Seus passos são gingados; sua mente, vívida; seus modos, tudo menos pessimistas. Aliás, a chegada dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse – guerra, fome, pestilência e morte – parece deixá-lo animado. “Será uma época sombria”, reconhece. “Mas, para quem sobreviver, desconfio que vá ser bem emocionante.”

Na visão de Lovelock, até 2020, secas e outros extremos climáticos serão lugar-comum. Até 2040, o Saara vai invadir a Europa, e Berlim será tão quente quanto Bagdá. Atlanta acabará se transformando em uma selva de trepadeiras kudzu. Phoenix se tornará um lugar inabitável, assim como partes de Beijing (deserto), Miami (elevação do nível do mar) e Londres (enchentes). A falta de alimentos fará com que milhões de pessoas se dirijam para o norte, elevando as tensões políticas. “Os chineses não terão para onde ir além da Sibéria”, sentencia Lovelock. “O que os russos vão achar disso? Sinto que uma guerra entre a Rússia e a China seja inevitável.” Com as dificuldades de sobrevivência e as migrações em massa, virão as epidemias. Até 2100, a população da Terra encolherá dos atuais 6,6 bilhões de habitantes para cerca de 500 milhões, sendo que a maior parte dos sobreviventes habitará altas latitudes – Canadá, Islândia, Escandinávia, Bacia Ártica.

Até o final do século, segundo o cientista, o aquecimento global fará com que zonas de temperatura como a América do Norte e a Europa se aqueçam quase 8 graus Celsius – quase o dobro das previsões mais prováveis do relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática, a organização sancionada pela ONU que inclui os principais cientistas do mundo. “Nosso futuro”, Lovelock escreveu, “é como o dos passageiros em um barquinho de passeio navegando tranqüilamente sobre as cataratas do Niagara, sem saber que os motores em breve sofrerão pane”. E trocar as lâmpadas de casa por aquelas que economizam energia não vai nos salvar. Para Lovelock, diminuir a poluição dos gases responsáveis pelo efeito estufa não vai fazer muita diferença a esta altura, e boa parte do que é considerado desenvolvimento sustentável não passa de um truque para tirar proveito do desastre. “Verde”, ele me diz, só meio de piada, “é a cor do mofo e da corrupção.”

Se tais previsões saíssem da boca de qualquer outra pessoa, daria para rir delas como se fossem devaneios. Mas não é tão fácil assim descartar as idéias de Lovelock. Na posição de inventor, ele criou um aparelho que ajudou a detectar o buraco crescente na camada de ozônio e que deu início ao movimento ambientalista da década de 1970. E, na posição de cientista, apresentou a teoria revolucionária conhecida como Gaia – a idéia de que nosso planeta é um superorganismo que, de certa maneira, está “vivo”. Essa visão hoje serve como base a praticamente toda a ciência climática. Lynn Margulis, bióloga pioneira na Universidade de Massachusetts (Estados Unidos), diz que ele é “uma das mentes científicas mais inovadoras e rebeldes da atualidade”. Richard Branson, empresário britânico, afirma que Lovelock o inspirou a gastar bilhões de dólares para lutar contra o aquecimento global. “Jim é um cientista brilhante que já esteve certo a respeito de muitas coisas no passado”, diz Branson. E completa: “Se ele se sente pessimista a respeito do futuro, é importante para a humanidade prestar atenção.”

Lovelock sabe que prever o fim da civilização não é uma ciência exata. “Posso estar errado a respeito de tudo isso”, ele admite. “O problema é que todos os cientistas bem intencionados que argumentam que não estamos sujeitos a nenhum perigo iminente baseiam suas previsões em modelos de computador. Eu me baseio no que realmente está acontecendo.”

Quando você se aproxima da casa de Lovelock em Devon, uma área rural no sudoeste da Inglaterra, a placa no portão de metal diz, claramente: “Estação Experimental de Coombe Mill. Local de um novo hábitat. Por favor, não entre nem incomode”.
Depois de percorrer algumas centenas de metros em uma alameda estreita, ao lado de um moinho antigo, fica uma casinha branca com telhado de ardósia onde Lovelock mora com a segunda mulher, Sandy, uma norte-americana, e seu filho mais novo, John, de 51 anos e que tem incapacidade leve. É um cenário digno de conto de fadas, cercado de 14 hectares de bosques, sem hortas nem jardins com planejamento paisagístico. Parcialmente escondida no bosque fica uma estátua em tamanho natural de Gaia, a deusa grega da Terra, em homenagem à qual James Lovelock batizou sua teoria inovadora.

A maior parte dos cientistas trabalha às margens do conhecimento humano, adicionando, aos poucos, nova informações para a nossa compreensão do mundo. Lovelock é um dos poucos cujas idéias fomentaram, além da revolução científica, também a espiritual. “Os futuros historiadores da ciência considerarão Lovelock como o homem que inspirou uma mudança digna de Copérnico na maneira como nos enxergamos no mundo”, prevê Tim Lenton, pesquisador de clima na Universidade de East Anglia, na Inglaterra. Antes de Lovelock aparecer, a Terra era considerada pouco mais do que um pedaço de pedra aconchegante que dava voltas em torno do Sol. De acordo com a sabedoria em voga, a vida evoluiu aqui porque as condições eram adequadas: não muito quente nem muito frio, muita água. De algum modo, as bactérias se transformaram em organismos multicelulares, os peixes saíram do mar e, pouco tempo depois, surgiu Britney Spears.

Na década de 1970, Lovelock virou essa idéia de cabeça para baixo com uma simples pergunta: Por que a Terra é diferente de Marte e de Vênus, onde a atmosfera é tóxica para a vida? Em um arroubo de inspiração, ele compreendeu que nossa atmosfera não foi criada por eventos geológicos aleatórios, mas sim devido à efusão de tudo que já respirou, cresceu e apodreceu. Nosso ar “não é meramente um produto biológico”, James Lovelock escreveu. “É mais provável que seja uma construção biológica: uma extensão de um sistema vivo feito para manter um ambiente específico.” De acordo com a teoria de Gaia, a vida é participante ativa que ajuda a criar exatamente as condições que a sustentam. É uma bela idéia: a vida que sustenta a vida. Também estava bem em sintonia com o tom pós-hippie dos anos 70. Lovelock foi rapidamente adotado como guru espiritual, o homem que matou Deus e colocou o planeta no centro da experiência religiosa da Nova Era. O maior erro de sua carreira, aliás, não foi afirmar que o céu estava caindo, mas deixar de perceber que estava. Em 1973, depois de ser o primeiro a descobrir que os clorofluocarbonetos (CFCs), um produto químico industrial, tinham poluído a atmosfera, Lovelock declarou que a acumulação de CFCs “não apresentava perigo concebível”. De fato, os CFCs não eram tóxicos para a respiração, mas estavam abrindo um buraco na camada de ozônio. Lovelock rapidamente revisou sua opinião, chamando aquilo de “uma das minhas maiores bolas fora”, mas o erro pode ter lhe custado um prêmio Nobel.

No início, ele também não considerou o aquecimento global como uma ameaça urgente ao planeta. “Gaia é uma vagabunda durona”, ele explica com freqüência, tomando emprestada uma frase cunhada por um colega. Mas, há alguns anos, preocupado com o derretimento acelerado do gelo no Ártico e com outras mudanças relacionadas ao clima, ele se convenceu de que o sistema de piloto automático de Gaia está seriamente desregulado, tirado dos trilhos pela poluição e pelo desmatamento. Lovelock acredita que o planeta vai recuperar seu equilíbrio sozinho, mesmo que demore milhões de anos. Mas o que realmente está em risco é a civilização. “É bem possível considerar seriamente as mudanças climáticas como uma resposta do sistema que tem como objetivo se livrar de uma espécie irritante: nós, os seres humanos”, Lovelock me diz no pequeno escritório que montou em sua casa. “Ou pelo menos fazer com que diminua de tamanho.”

Se você digitar “gaia” e “religion” no Google, vai obter 2,36 milhões de páginas – praticantes de wicca, viajantes espirituais, massagistas e curandeiros sexuais, todos inspirados pela visão de Lovelock a respeito do planeta. Mas se você perguntar a ele sobre cultos pagãos, ele responde com uma careta: não tem interesse na espiritualidade desmiolada nem na religião organizada, principalmente quando coloca a existência humana acima de tudo o mais. Em Oxford, certa vez ele se levantou e repreendeu Madre Teresa por pedir à platéia que cuidasse dos pobres e “deixasse que Deus tomasse conta da Terra”. Como Lovelock explicou a ela, “se nós, as pessoas, não respeitarmos a Terra e não tomarmos conta dela, podemos ter certeza de que ela, no papel de Gaia, vai tomar conta de nós e, se necessário for, vai nos eliminar”.
Gaia oferece uma visão cheia de esperança a respeito de como o mundo funciona. Afinal de contas, se a Terra é mais do que uma simples pedra que gira ao redor do sol, se é um superorganismo que pode evoluir, isso significa que existe certa quantidade de perdão embutida em nosso mundo – e essa é uma conclusão que vai irritar profundamente estudiosos de biologia e neodarwinistas de absolutamente todas as origens.

Para Lovelock, essa é uma idéia reconfortante. Considere a pequena propriedade que ele tem em Devon. Quando ele comprou o terreno, há 30 anos, era rodeada por campos aparados por mil anos de ovelhas pastando. E ele se empenhou em devolver a seus 14 hectares um caráter mais próximo do natural. Depois de consultar um engenheiro florestal, plantou 20 mil árvores – amieiros, carvalhos, pinheiros. Infelizmente, plantou muitas delas próximas demais, e em fileiras. Agora, as árvores estão com cerca de 12 metros de altura, mas em vez de ter ar “natural”, partes do terreno dele parecem simplesmente um projeto de reflorestamento mal executado. “Meti os pés pelas mãos”, Lovelock diz com um sorriso enquanto caminhamos no bosque. “Mas, com o passar dos anos, Gaia vai dar um jeito.”

Até pouco tempo atrás, Lovelock achava que o aquecimento global seria como sua floresta meia-boca – algo que o planeta seria capaz de corrigir. Então, em 2004, Richard Betts, amigo de Lovelock e pesquisador no Centro Hadley para as Mudanças Climáticas – o principal instituto climático da Inglaterra -, convidou-o para dar uma passada lá e bater um papo com os cientistas. Lovelock fez reunião atrás de reunião, ouvindo os dados mais recentes a respeito do gelo derretido nos pólos, das florestas tropicais cada vez menores, do ciclo de carbono nos oceanos. “Foi apavorante”, conta.

“Mostraram para nós cinco cenas separadas de respostas positivas em climas regionais – polar, glacial, floresta boreal, floresta tropical e oceanos -, mas parecia que ninguém estava trabalhando nas conseqüências relativas ao planeta como um todo.” Segundo ele, o tom usado pelos cientistas para falar das mudanças que testemunharam foi igualmente de arrepiar: “Parecia que estavam discutindo algum planeta distante ou um universo-modelo, em vez do lugar em que todos nós, a humanidade, vivemos”.

Quando Lovelock estava voltando para casa em seu carro naquela noite, a compreensão lhe veio. A capacidade de adaptação do sistema se perdera. O perdão fora exaurido. “O sistema todo”, concluiu, “está em modo de falha.” Algumas semanas depois, ele começou a trabalhar em seu livro mais pessimista, A Vingança de Gaia, publicado no Brasil em 2006. Na sua visão, as falhas nos modelos climáticos computadorizados são dolorosamente aparentes. Tome como exemplo a incerteza relativa à projeção do nível do mar: o IPCC, o painel da ONU sobre mudanças climáticas, estima que o aquecimento global vá fazer com que a temperatura média da Terra aumente até 6,4 graus Celsius até 2100. Isso fará com que geleiras em terra firme derretam e que o mar se expanda, dando lugar à elevação máxima do nível de mar de apenas pouco menos de 60 centímetros. A Groenlândia, de acordo com os modelos do IPCC, demorará mil anos para derreter.

Mas evidências do mundo real sugerem que as estimativas do IPCC são conservadoras demais. Para começo de conversa, os cientistas sabem, devido aos registros geológicos, que há 3 milhões de anos, quando as temperaturas subiram cinco graus acima dos níveis atuais, os mares subiram não 60 centímetros, mas 24 metros. Além do mais, medidas feitas por satélite recentemente indicam que o Ártico está derretendo com tanta rapidez que a região pode ficar totalmente sem gelo até 2030. “Quem elabora os modelos não tem a menor noção sobre derretimento de placas de gelo”, desdenha o estudioso, sem sorrir.

Mas não é apenas o gelo que invalida os modelos climáticos. Sabe-se que é difícil prever corretamente a física das nuvens, e fatores da biosfera, como o desmatamento e o derretimento da Tundra, raramente são levados em conta. “Os modelos de computador não são bolas de cristal”, argumenta Ken Caldeira, que elabora modelos climáticos na Universidade de Stanford, cuja carreira foi profundamente influenciada pelas idéias de Lovelock. “Ao observar o passado, fazemos estimativas bem informadas em relação ao futuro. Os modelos de computador são apenas uma maneira de codificar esse conhecimento acumulado em apostas automatizadas e bem informadas.”

Aqui, em sua essência supersimplificada, está o cenário pessimista de Lovelock: o aumento da temperatura significa que mais gelo derreterá nos pólos, e isso significa mais água e terra. Isso, por sua vez, faz aumentar o calor (o gelo reflete o sol, a terra e a água o absorvem), fazendo com que mais gelo derreta. O nível do mar sobe. Mais calor faz com que a intensidade das chuvas aumente em alguns lugares e com que as secas se intensifiquem em outros. As florestas tropicais amazônicas e as grandes florestas boreais do norte – o cinturão de pinheiros e píceas que cobre o Alasca, o Canadá e a Sibéria – passarão por um estirão de crescimento, depois murcharão até desaparecer. O solo permanentemente congelado das latitudes do norte derrete, liberando metano, um gás que contribui para o efeito estufa e que é 20 vezes mais potente do que o CO2… e assim por diante. Em um mundo de Gaia funcional, essas respostas positivas seriam moduladas por respostas negativas, sendo que a maior de todas é a capacidade da Terra de irradiar calor para o espaço. Mas, a certa altura, o sistema de regulagem pára de funcionar e o clima dá um salto – como já aconteceu muitas vezes no passado – para uma nova situação, mais quente. Não é o fim do mundo, mas certamente é o fim do mundo como o conhecemos.

O cenário pessimista de Lovelock é desprezado por pesquisadores de clima de renome, sendo que a maior parte deles rejeita a idéia de que haja um único ponto de desequilíbrio para o planeta inteiro. “Ecossistemas individuais podem falhar ou as placas de gelo podem entrar em colapso”, esclarece Caldeira, “mas o sistema mais amplo parece ser surpreendentemente adaptável.” No entanto, vamos partir do princípio, por enquanto, de que Lovelock esteja certo e que de fato estejamos navegando por cima das cataratas do Niagara. Simplesmente vamos acenar antes de cair? Na visão de Lovelock, reduções modestas de emissões de gases que contribuem para o efeito estufa não vão nos ajudar – já é tarde demais para deter o aquecimento global trocando jipões a diesel por carrinhos híbridos. E a idéia de capturar a poluição de dióxido de carbono criada pelas usinas a carvão e bombear para o subsolo? “Não há como enterrar quantidade suficiente para fazer diferença.” Biocombustíveis? “Uma idéia monumentalmente idiota.” Renováveis? “Bacana, mas não vão nem fazer cócegas.” Para Lovelock, a idéia toda do desenvolvimento sustentável é equivocada: “Deveríamos estar pensando em retirada sustentável”.

A retirada, na visão dele, significa que está na hora de começar a discutir a mudança do lugar onde vivemos e de onde tiramos nossos alimentos; a fazer planos para a migração de milhões de pessoas de regiões de baixa altitude, como Bangladesh, para a Europa; a admitir que Nova Orleans já era e mudar as pessoas para cidades mais bem posicionadas para o futuro. E o mais importante de tudo é que absolutamente todo mundo “deve fazer o máximo que pode para sustentar a civilização, de modo que ela não degenere para a Idade das Trevas, com senhores guerreiros mandando em tudo, o que é um perigo real. Assim, podemos vir a perder tudo”.

Até os amigos de Lovelock se retraem quando ele fala assim. “Acho que ele está deixando nossa cota de desespero no negativo”, diz Chris Rapley, chefe do Museu de Ciência de Londres, que se empenhou com afinco para despertar a consciência mundial sobre o aquecimento global. Outros têm a preocupação justificada de que as opiniões de Lovelock sirvam para dispersar o momento de concentração de vontade política para impor restrições pesadas às emissões de gases poluentes que contribuem para o efeito estufa. Broecker, o paleoclimatologista de Columbia, classifica a crença de Lovelock de que reduzir a poluição é inútil como “uma bobagem perigosa”.

“Eu gostaria de poder dizer que turbinas de vento e painéis solares vão nos salvar”, Lovelock responde. “Mas não posso. Não existe nenhum tipo de solução possível. Hoje, há quase 7 bilhões de pessoas no planeta, isso sem falar nos animais. Se pegarmos apenas o CO2 de tudo que respira, já é 25% do total – quatro vezes mais CO2 do que todas as companhias aéreas do mundo. Então, se você quer diminuir suas emissões, é só parar de respirar. É apavorante. Simplesmente ultrapassamos todos os limites razoáveis em números. E, do ponto de vista puramente biológico, qualquer espécie que faz isso tem que entrar em colapso.”

Mas isso não é sugerir, no entanto, que Lovelock acredita que deveríamos ficar tocando harpa enquanto assistimos o mundo queimar. É bem o contrário. “Precisamos tomar ações ousadas”, ele insiste. “Temos uma quantidade enorme de coisas a fazer.” De acordo com a visão dele, temos duas escolhas: podemos retornar a um estilo de vida mais primitivo e viver em equilíbrio com o planeta como caçadores-coletores ou podemos nos isolar em uma civilização muito sofisticada, de altíssima tecnologia. “Não há dúvida sobre que caminho eu preferiria”, diz certa manhã, em sua casa, com um sorriso aberto no rosto enquanto digita em seu computador. “Realmente, é uma questão de como organizamos a sociedade – onde vamos conseguir nossa comida, nossa água. Como vamos gerar energia.”

Em relação à água, a resposta é bem direta: usinas de dessalinização, que são capazes de transformar água do mar em água potável. O suprimento de alimentos é mais difícil: o calor e a seca vão acabar com a maior parte das regiões de plantações de alimentos hoje existentes. Também vão empurrar as pessoas para o norte, onde vão se aglomerar em cidades. Nessas áreas, não haverá lugar para quintais ajardinados. Como resultado, Lovelock acredita, precisaremos sintetizar comida – teremos que criar alimentos em barris com culturas de tecidos de carnes e vegetais. Isso parece muito exagerado e profundamente desagradável, mas, do ponto de vista tecnológico, não será difícil de realizar.
O fornecimento contínuo de eletricidade também será vital, segundo ele. Cinco dias depois de visitar o centro Hadley, Lovelock escreveu um artigo opinativo polêmico, intitulado: “Energia nuclear é a única solução verde”. Lovelock argumentava que “devemos usar o pequeno resultado dos renováveis com sensatez”, mas que “não temos tempo para fazer experimentos com essas fontes de energia visionárias; a civilização está em perigo iminente e precisa usar a energia nuclear – a fonte de energia mais segura disponível – agora ou sofrer a dor que em breve será infligida a nosso planeta tão ressentido”.

Ambientalistas urraram em protesto, mas qualquer pessoa que conhecia o passado de Lovelock não se surpreendeu com sua defesa à energia nuclear. Aos 14 anos, ao ler que a energia do sol vem de uma reação nuclear, ele passou a acreditar que a energia nuclear é uma das forças fundamentais no universo. Por que não aproveitá-la? No que diz respeito aos perigos – lixo radioativo, vulnerabilidade ao terrorismo, desastres como o de Chernobyl – Lovelock diz que este é dos males o menos pior: “Mesmo que eles tenham razão a respeito dos perigos, e não têm, continua não sendo nada na comparação com as mudanças climáticas”.

Como último recurso, para manter o planeta pelo menos marginalmente habitável, Lovelock acredita que os seres humanos podem ser forçados a manipular o clima terrestre com a construção de protetores solares no espaço ou instalando equipamentos para enviar enormes quantidades de CO2 para fora da atmosfera. Mas ele considera a geoengenharia em larga escala como um ato de arrogância – “Imagino que seria mais fácil um bode se transformar em um bom jardineiro do que os seres humanos passarem a ser guardiões da Terra”. Na verdade, foi Lovelock que inspirou seu amigo Richard Branson a oferecer um prêmio de US$ 25 milhões para o “Virgin Earth Challenge” (Desafio Virgin da Terra), que será concedido à primeira pessoa que conseguir criar um método comercialmente viável de remover os gases responsáveis pelo efeito estufa da atmosfera. Lovelock é juiz do concurso, por isso não pode participar dele, mas ficou intrigado com o desafio. Sua mais recente idéia: suspender centenas de milhares de canos verticais de 18 metros de comprimento nos oceanos tropicais, colocar uma válvula na base de cada cano e permitir que a água das profundezas, rica em nutrientes, seja bombeada para a superfície pela ação das ondas. Os nutrientes das águas das profundezas aumentariam a proliferação das algas, que consumiriam o dióxido de carbono e ajudariam a resfriar o planeta. “É uma maneira de contrabalançar o sistema de energia natural da Terra usando ele próprio”, Lovelock especula. “Acho que Gaia aprovaria.”

Oslo é o tipo perfeito de cidade para Lovelock. Fica em latitudes do norte, que ficarão mais temperadas na medida em que o clima for esquentando; tem água aos montes; graças a suas reservas de petróleo e gás, é rica; e lá já há muito pensamento criativo relativo à energia, incluindo, para a satisfação de Lovelock, discussões renovadas a respeito da energia nuclear. “A questão principal a ser discutida aqui é como manejar as hordas de pessoas que chegarão à cidade”, Lovelock avisa. “Nas próximas décadas, metade da população do sul da Europa vai tentar se mudar para cá.”

Nós nos dirigimos para perto da água, passando pelo castelo de Akershus, uma fortaleza imponente do século 13 que funcionou como quartel-general nazista durante a ocupação da cidade na Segunda Guerra Mundial. Para Lovelock, os paralelos entre o que o mundo enfrentou naquela época e o que enfrenta hoje são bem claros. “Em certos aspectos, é como se estivéssemos de novo em 1939”, ele afirma. “A ameaça é óbvia, mas não conseguimos nos dar conta do que está em jogo. Ainda estamos falando de conciliação.”

Naquele tempo, como hoje, o que mais choca Lovelock é a ausência de liderança política. Apesar de respeitar as iniciativas de Al Gore para conscientizar as pessoas, não acredita que nenhum político tenha chegado perto de nos preparar para o que vem por aí. “Em muito pouco tempo, estaremos vivendo em um mundo desesperador, comenta Lovelock. Ele acredita que está mais do que na hora para uma versão “aquecimento global” do famoso discurso que Winston Churchill fez para preparar a Grã-Bretanha para a Segunda Guerra Mundial: “Não tenho nada a oferecer além de sangue, trabalho, lágrimas e suor”. “As pessoas estão prontas para isso”, Lovelock dispara quando passamos sob a sombra do castelo. “A população entende o que está acontecendo muito melhor do que a maior parte dos políticos.”

Independentemente do que o futuro trouxer, é provável que Lovelock não esteja por aí para ver. “O meu objetivo é viver uma vida retangular: longa, forte e firme, com uma queda rápida no final”, sentencia. Lovelock não apresenta sinais de estar se aproximando de seu ponto de queda. Apesar de já ter passado por 40 operações, incluindo ponte de safena, continua viajando de um lado para o outro no interior inglês em seu Honda branco, como um piloto de Fórmula 1. Ele e Sandy recentemente passaram um mês de férias na Austrália, onde visitaram a Grande Barreira de Corais. O cientista está prestes a começar a escrever mais um livro sobre Gaia. Richard Branson o convidou para o primeiro vôo do ônibus espacial Virgin Galactic, que acontecerá no fim do ano que vem – “Quero oferecer a ele a visão de Gaia do espaço”, diz Branson. Lovelock está ansioso para fazer o passeio, e planeja fazer um teste em uma centrífuga até o fim deste ano para ver se seu corpo suporta as forças gravitacionais de um vôo espacial. Ele evita falar de seu legado, mas brinca com os filhos dizendo que quer ver gravado na lápide de seu túmulo: “Ele nunca teve a intenção de ser conciliador”.

Em relação aos horrores que nos aguardam, Lovelock pode muito bem estar errado. Não por ter interpretado a ciência erroneamente (apesar de isso certamente ser possível), mas por ter interpretado os seres humanos erroneamente. Poucos cientistas sérios duvidam que estejamos prestes a viver uma catástrofe climática. Mas, apesar de toda a sensibilidade de Lovelock para a dinâmica sutil e para os ciclos de resposta no sistema climático, ele se mostra curiosamente alheio à dinâmica sutil e aos ciclos de resposta no sistema humano. Ele acredita que, apesar dos nossos iPhones e dos nossos ônibus espaciais, continuamos sendo animais tribais, amplamente incapazes de agir pelo bem maior ou de tomar decisões de longo prazo que garantam nosso bem-estar. “Nosso progresso moral”, diz Lovelock, “não acompanhou nosso progresso tecnológico.”

Mas talvez seja exatamente esse o motivo do apocalipse que está por vir. Uma das questões que fascina Lovelock é a seguinte: A vida vem evoluindo na Terra há mais de 3 bilhões de anos – e por que motivo? “Gostemos ou não, somos o cérebro e o sistema nervoso de Gaia”, ele explica. “Agora, assumimos responsabilidade pelo bem-estar do planeta. Como vamos lidar com isso?”
Enquanto abrimos caminho no meio dos turistas que se dirigem para o castelo, é fácil olhar para eles e ficar triste. Mais difícil é olhar para eles e ter esperança. Mas quando digo isso a Lovelock, ele argumenta que a raça humana passou por muitos gargalos antes – e que talvez sejamos melhores por causa disso. Então ele me conta a história de um acidente de avião, anos atrás, no aeroporto de Manchester. “Um tanque de combustível pegou fogo durante a decolagem”, recorda. “Havia tempo de sobra para todo mundo sair, mas alguns passageiros simplesmente ficaram paralisados, sentados nas poltronas, como tinham lhes dito para fazer, e as pessoas que escaparam tiveram que passar por cima deles para sair. Era perfeitamente óbvio o que era necessário fazer para sair, mas eles não se mexiam. Morreram carbonizados ou asfixiados pela fumaça. E muita gente, fico triste em dizer, é assim. E é isso que vai acontecer desta vez, só que em escala muito maior.”

Lovelock olha para mim com olhos azuis muito firmes. “Algumas pessoas vão ficar sentadas na poltrona sem fazer nada, paralisadas de pânico. Outras vão se mexer. Vão ver o que está prestes a acontecer, e vão tomar uma atitude, e vão sobreviver. São elas que vão levar a civilização em frente.”

*   *   *

[Denialist view]

BREAKING: James Lovelock backs down on climate alarm (What’s up with that?)

MSNBC reports that the lack of temperature rise in the last 12 years has convinced environmentalist James Lovelock ( The Gaia Hypothesis) that the climate alarmism wasn’t warranted.

From his Wikipedia entry: Writing in the British newspaper The Independent in January 2006, Lovelock argues that, as a result of global warming, “billions of us will die and the few breeding pairs of people that survive will be in the Arctic where the climate remains tolerable” by the end of the 21st century. 

He has been quoted in The Guardian that 80% of humans will perish by 2100 AD, and this climate change will last 100,000 years. According to James Lovelock, by 2040, the world population of more than six billion will have been culled by floods, drought and famine. Indeed “[t]he people of Southern Europe, as well as South-East Asia, will be fighting their way into countries such as Canada, Australia and Britain”.

What he has said to MSNBC is a major climb down. MSNBC reports in this story:

James Lovelock, the maverick scientist who became a guru to the environmental movement with his “Gaia” theory of the Earth as a single organism, has admitted to being “alarmist” about climate change and says other environmental commentators, such as Al Gore, were too.

Lovelock, 92, is writing a new book in which he will say climate change is still happening, but not as quickly as he once feared.

He previously painted some of the direst visions of the effects of climate change. In 2006, in an article in the U.K.’s Independent newspaper, he wrote that “before this century is over billions of us will die and the few breeding pairs of people that survive will be in the Arctic where the climate remains tolerable.”

However, the professor admitted in a telephone interview with msnbc.com that he now thinks he had been “extrapolating too far”…

“The problem is we don’t know what the climate is doing. We thought we knew 20 years ago. That led to some alarmist books – mine included – because it looked clear-cut, but it hasn’t happened,” Lovelock said.

“The world has not warmed up very much since the millennium. Twelve years is a reasonable time… it (the temperature) has stayed almost constant, whereas it should have been rising — carbon dioxide is rising, no question about that.”

This won’t sit well with many. McKibben has a whole movement based on alarm for example. Watch the true believers now trash him in the “doddering old man” style we’ve seen before.

hat tip to Steve Milloy at junkscience.com

(Tradução de Ana Ban)

A gaiatologia por vir (Partes sem um todo)

Publicado em 27 de agosto de 2014

capaandre

Sobre Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins, livro de Déborah Danwoski e Eduardo Viveiros de Castro

Segundo Bruno Latour, a catástrofe ambiental em curso faz com que “nos sintamos transportados de volta para o clima do século XVI. Uma outra Era do Descobrimento”: “nos encontramos exatamente em uma Era similar àquela de Colombo, quando sua viagem encontrou um continente inteiramente novo”. E como o “problema”, a “solução” também lhe parece semelhante: tratar-se-ia de estabelecer um novo “Nomos da Terra”, nome cunhado por Carl Schmitt para designar a ordem jurídica mundial estabelecida com a Conquista (o “descobrimento”), e que consistiria na divisão do mundo em duas zonas: a Europa, em que vigeriam as regras do direito de guerra, ou seja, o espaço de normalidade; e o mar e as zonas “livres” – o Novo e Novíssimo Mundo –, que podiam ser simplesmente apropriáveis pelas potências europeias e sua “superioridade espiritual”, espaço de excepcionalidade em que não haveria mitigação da guerra. Nesse sentido, se há algum Nomos da Terra que se avizinha, este parece ser a ordem (de pânico) que Isabelle Stengers visualiza no horizonte: a formação de uma espécie de governo de caráter global (espaço normal), legitimado a agir excepcionalmente (isto é, a intervir) sobre países e coletivos sob o imperativo da urgência da crise. É evidente que Latour toma o conceito do “tóxico” Schmitt com pinças, buscando uma outra idéia de Nomos, mas será que é possível fazê-lo, tendo como ponto de partida a analogia com o “descobrimento”? Será que é possível no cenário atual retomar a oposição amigo-inimigo schmittiana, oposição narcisista em que o inimigo é definido como “negação existencial” do amigo, isto é, seu mero negativo, sem consistência própria? Os Terranos (amigo?) de que fala tão belamente Latour seriam apenas a negação dos Humanos (inimigo?)?

A questão maior talvez seja a do ponto de vista: Nós quem, cara pálida?, parecem perguntar ao seu principal interlocutor, de modo sutil mas provocante ao longo desse ensaio, Déborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro, os quais, americanos não-atacados pela síndrome de Estocolmo como grande parte da esquerda, rejeitam a posição universalista que o Ocidente se adjudicou a si e insistem a todo momento em colocar o dedo na ferida: quem é esse nós (o “sujeito” que se vê novamente na Era do Descobrimento, o mesmo “sujeito” do Descobrimento), quem é o anthropos do Antropoceno? E quem são os outros, quem são esses “nós-outros” que estavam do lado de lá (de cá) do Descobrimento, para os quais este foi uma Conquista, um primeiro – de muitos – fim de mundo?Há mundo por vir? Ensaio sobre o medo e os fins, ao passar em revista algumas formulações – estéticas, filosóficas, etc. – da mitologia contemporânea em torno do fim do mundo, tornada realidade tangível (a “mitofísica” contemporânea, pra usar uma expressão genial dos autores), não adota a posição do demiurgo criador da ordem (Nomos), mas do deceptor que confunde as divisões (amigo-inimigo), que divide as divisões, que desobedece as hierarquias: um exercício de bricolagem em que se encontram os Singularitanos e os Maya, formulações de Meillassoux e um mito aikewara, Melancholia e Chiapas, Gaia e Pachamama. O encontro promovido pela “descoberta”, lembra Oswald de Andrade, não era apenas do europeu com um “continente inteiramente novo” a ser apropriado, mas com uma “humanidade inteiramente nova”, isto é, “uma humanidade diferente da que era então conhecida” pelos europeus – e a expressão máxima de tal encontro seriam as Utopias, resultado da percepção sensível da contingência das formações político-econômico-metafísicas ocidentais, isto é, a possibilidade de um outro mundo, de outros mundos possíveis, incluindo aí, uma outra concepção do homem. Se o Nomos representou uma “saída” (pra que tudo continuasse igual) do beco-sem-saída da mitigação da guerra, as Utopias significavam, por sua vez, uma linha de fuga. E são justamente linhas de fuga (e não identidades e oposições) que Danowski e Viveiros de Castro apresentam a partir desses encontros de fins de mundo: a possibilidade (e talvez a necessidade) de um “bom encontro” da nossa (?) mitologia com a ameríndia, para se contrapor ao “mau encontro” da Descoberta (o genocídio americano, mas também a polícia mundial que a nova Era pode trazer). Não se trata, porém, de um encontro pacífico, mas cheio de faíscas, beligerante, mas não de uma guerra narcísica, e sim de uma guerrilha de resistência, contra o Estado, contra a forma-Estado de pensamento. O que se questiona é a própria oposição binária (o princípio da não-contradição) das identificações: o que está em jogo é um exercício de descentramento, em que o “ser-enquanto-outro” do pensamento ameríndio permite repotencializar também aqueles momentos do pensamento ocidental em que o Ocidente difere de si mesmo (Deleuze e Guattari, a monadologia panpsiquista de Gabriel Tarde, a cosmologia de Peirce – e, eu acrescentaria, talvez mesmo a oikeiosis estóica, já que estamos falando de ecologia), em que a alteridade deixa vestígios erráticos que são roteiros de um mundo por vir. E um desses roteiros talvez seja a biografiade Thoreau – o qual dizia ser apenas “um hóspede da Natureza” –, sobre quem Virginia Wolff pergunta se sua “simplicidade é algo que vale por si mesmo” ou seria “antes um método de intensificação, um modo de pôr em liberdade a complicada e delicada máquina da alma, tornando-se assim seus resultados o contrário do simples?” Pergunta retórica, evidentemente: Thoreau, como poucos (ocidentais), soube limitar o limite, isto é, viver a partir do limite, mas no limite, isto é: convertendo o limite, de impedimento extensional, em via de acesso à intensidade. Para dizê-lo com uma expressão de Viveiros de Castro: soube viver/fazer a “poesia do mundo”. Nesse sentido, se “É difícil saber”, como afirma Wolff, “se devemos considerá-lo o último de uma linhagem mais antiga de homens, ou o primeiro de uma ainda por vir”, índio ou moderno, isso se deve ao fato de que o agenciamento, a composição de Thoreau inopera o binarismo: é um velho que devém jovem, um moderno que devém índio. Dito de outro modo: os Terranos de Danowski e Viveiros de Castro não são uma identidade ou uma essência ou uma substância, mas um devir: são aqueles que, segundo Juliana Fausto, dizem, com Bartleby, I would prefer not, e que devêm, eu arriscaria afirmar, nesse gesto e enquanto dura esse gesto, gaiatos. De fato, há mundo por vir parece apresentar como ciência por vir nesses tempos sombrios de homens sombrios isso que poderíamos chamar de “gaiatologia”, a feliz ciência não do homem, mas do gaiato, não dessa espécie envelhecida e que envelhece o planeta, mas daquele ainda por vir jovem habitante de Gaia, a ciência do bricoleur, da gambiarra (conceito tomado a partir de Fernanda Bruno, e que tem um lugar de destaque ao final do livro, enquanto técnica de agenciamento natural-cultural). O mundo está acabando, mas a alegria continua a ser a prova dos nove.

The Anthropocene: Too Serious for Post-Modern Games (Immanence Blog)

August 18, 2014 by Adrian J Ivakhiv

The following is a guest post by Clive Hamilton, professor of public ethics at Charles Sturt University in Canberra, Australia. It continues the Immanence series “Debating the Anthropocene.” See herehere, and here for previous articles in the series. (And note that some lengthy comments have been added to the previous post by Jan Zalasiewicz, Kieran Suckling, and others.)

040325_hmed_iceberg_1130a.grid-6x2

 The Anthropocene: Too Serious for Post-Modern Games

by Clive Hamilton

In his post “Against the Anthropocene”, Kieran Suckling makes two main arguments. The first is that the choice of “Anthropocene” as the name for the new epoch breaks with stratigraphic tradition; he feels uncomfortable with a change in tradition, not least because he suspects the break reflects a hidden political objective. The second is that similar names have been invented for the era of industrialism in the past, names that have gone out of fashion, and the Anthropocene will go the same way.

Many scientists and social scientists have entered the debate over the Anthropocene. Each of them seems to want to impose their own disciplinary framework on it. Thus one respondent to Kieran’s post wrote that it is “difficult to get a handle on the term ‘Anthropocene’ because it means very different things to different people”. This is true, but it is true because most people have not bothered to read the half dozen basic papers on the Anthropocene by those who have defined it, and therefore do not know what they are talking about.

The problem is that those who want to colonise and redefine the Anthropocene completely miss the central point being made by Earth system scientists like Paul Crutzen, Will Steffen and Jan Zalasiewicz. I have elsewhere explained why those who have not made the gestalt shift to Earth system thinking cannot help but get the Anthropocene wrong. The Earth system scientists are saying that something radically new has occurred on planet Earth, something that can be detected from the late 18th-century and which is due predominantly to a serious disruption to the global carbon cycle. This disruption has set the Earth system on a new, unpredictable and dangerous trajectory.

Ecologists who have not made the leap to Earth system thinking have been the worst offenders. But a few social scientists and humanities people have been joining the fray, bringing their constructivist baggage. Kieran, I fear, is one of them.

In response to Jan Zalasiewicz’s comment that Paul Crutzen came up with the term at the right time, Kieran misunderstands him, asking: “Why was the time right? Is there something about western psychology and history that made this time right?” So he treats the development of a body of scientific evidence as if it were merely an emanation of social and psychological conditions. It’s a reading that has all of the epistemological and political faults of the “social construction of science”, an approach that today is deployed most effectively by climate science deniers.

Kieran’s disquisition on the historical use of terms like “the age of man” compounds this mistake. It suggests that he has missed the fundamental point – thefundamental point – about the new epoch: that the functioning of the Earth systemhas changed, and that it changed at the end of the 18th century; or, if we want to be absolutely certain, in the decades after the Second World War. I sense that Jan Z’s gentle reminder was lost, so let me stress it. He wrote: “The Anthropocene is not about being able to detect human influence in stratigraphy, but reflects a change in the Earth system” (my emphasis). The core of the problem, I think, is that most participants in the debate do not actually understand what is meant by “the Earth system”.

So whatever historical interest it may have (and personally I find it fascinating), the fact that Cuvier, Buffon, de Chardin and several others have deployed terms like “the age of man” has no bearing whatsoever on the current debate, which is about a physical transformation, a rupture, that has actually occurred. Arguing that it’s all been said before – “I can show that your claim to have come up with something decisively new is historically inaccurate” – is a standard rhetorical strategy known as deflation. But it carries the same danger we were warned of as children when our parents read us the story of the boy who cried wolf. Whatever historical precedent, and whatever environmental alarm bell may have been rung in the past, the wolf has arrived.

Deflationary moves that characterise the Anthropocene as merely the latest attempt by anthropocentric westerners to impose an “age of man” frame on the world – that it is a fad that will wane as all the others have – betray an essential failure to grasp what the Earth scientists are telling us is now happening in the Earth system. When the IPCC tells us we are heading for a doubling or, more likely, a trebling of CO2concentrations it is not a fad. When the world’s scientific academies warn we are heading into a world of 4°C warming, changing the conditions of life on the planet, they are not saying it because it’s fashionable. And if the Anthropocene is another example of western linguistic imperialism, changing the name will not exempt the poor and vulnerable of the South from its devastating effects.

No, I’m sorry, this is serious now. After all the attacks on climate science and the well-funded, systematic campaign to discredit climate scientists, people of good will have an absolute obligation not to play around with the science. The constructivist games of the 80s and 90s are an intellectual luxury we can no longer afford.

 

Let me now comment on Kieran’s argument that the Anthropocene is wrongly named because it deviates from naming tradition. He writes that epochs are never named for the causes of change but for the changed composition of the species present in each epoch, era or period. When we examine the helpful lists he provides linking eras, periods and epochs to their characteristic biota, the word that appears uniformly is “appear”. Eukaryotes appear, reptiles appear, fish appear, mammals appear, and so on.

When he calls for consistency in naming, then, we should name the Anthropocene not after the cause of the new epoch (techno-industrial anthropos) but after the new forms of life that have appeared. The problem is that no new forms of life have yet appeared. It seems very likely they will, but it would be impractical to wait 100,000 years before we knew what to name the latest epoch. By then all of the members of the International Commission on Stratigraphy will be dead (they who already in my imagination are like the wizened judges of the Court of Chancery hearing Jarndyce v Jarndyce in Bleak House).

So we are stuck with an anomaly; why this should cause anxiety, except to those wedded to tradition, I do not know. We are practical people; if we cannot apply the old principle to naming a manifestly new and important geological epoch then we must choose a new principle.

Kieran’s solution to the problem is to name the epoch after the radical homogenization of the planet’s species (along with the extinction of many). He suggests the “Homogenocene”. But here he only smuggles in a new criterion, replacing the appearance of new species with a change in the distribution of existing ones. If we were to accept Kieran’s argument then, as Jan points out, why not name the epoch after the overwhelmingly dominant feature of homogenisation, the spread of humans across the globe. According to Vaclav Smil, humans and their domestic animals now account for a breath-taking 97 per cent of the biomass of all terrestrial vertebrates. On Kieran’s own criterion, we would name the new epoch … the Anthropocene.

Finally, it will help if I tell the story of the naming of the Anthropocene, for an innocent reader of Kieran’s piece may draw the conclusion that there was some kind of secret meeting at which a group of western scientists committed to an anthropocentric worldview conspired to promote their ideology by choosing a name that embodies it. Kieran asks: “What belief system(s) drive the shift … to a name based on the power of one species, a species that happens to be us?”

The answer is more prosaic and goes like this. In 2000 Paul Crutzen was at a scientific meeting in Mexico. As the discussion progressed he became increasingly frustrated at the use of the term “Holocene” which he felt no longer described the state of the Earth system, which he knew had been irreversibly disrupted and damaged by human activity. Unable to contain his irritation he intervened, declaring to the meeting: “It’s not the Holocene, it’s … it’s … it’s … the Anthropocene.”

That was it. He just blurted it out; and it stuck. Paul Crutzen is an atmospheric chemist. Given his training it is no surprise that as his brain struggled for the right word it would come with one that linked the state of the Earth to the activities of humans, anthropos. If there had been a savvy sociologist sitting at the table, she might have said: “Wait a minute Paul. It’s not humans in general who got us into this mess, but western industrial ones. So let’s call it the Capitalocene or the Technocene.”

Who knows, perhaps that intervention would have changed the course of history right then. But it didn’t happen, and we have the term we are now debating. Crutzen and his various co-authors would agree with the savvy sociologist that it has been techno-industrialism with its origins in Europe that brought on the new epoch. They have argued persistently that the Anthropocene began with the growth of industries powered by fossil energy towards the end of the 18th-century and accelerated with the hyper-consumerism of the post-war decades.

The real adversaries here are not Crutzen et al. but those scientists, mostly ecologists who do not ‘get’ Earth system science, who are making all sorts of erroneous and confusing claims about the Anthropocene’s origins lying in the distant past, thousands of years before European industrialisation. If anyone is trying to displace responsibility for the mess we are in then they are the culprits. It is they who want to blend the Anthropocene into the Holocene and thereby make theanthropos of the Anthropocene a neutral, blameless, meaningless cause, so that the radical transformation that we now see is the result merely of humans doing what humans do, which nothing can change. No wonder political conservatives are drawn to the early Anthropocene hypothesis.

A Rough Ride to the Future by James Lovelock, review (The Telegraph)

James Lovelock argues that climate change may not be the fault of rapacious humanity but the constructive chaos that attends a new infrastructure

James Lovelock, the author of A Rough Ride to the Future

James Lovelock, the author of A Rough Ride to the Future. Photo: EPA

As the inventor of Gaia theory, James Lovelock is used to thinking big. Ever since he came up with the idea that the planet and its inhabitants form one vast, self-regulating system – initially scoffed at, but now taken seriously across a variety of disciplines – his focus has been wider than that of his more hidebound colleagues.

In A Rough Ride to the Future, Lovelock outlines a new theory. He argues that since 1712, the year in which the Newcomen steam engine was created, we have moved into a new age, the Anthropocene, in which humanity’s ability to liberate energy and information from the Earth has rapidly outpaced both Darwinian evolution and the planet’s ability to cope.

What is refreshing about Lovelock’s approach to these issues is that it is blessedly free of dogma. He does not blame humanity for doing what comes naturally: exploiting the wonders available to it. And he is happy to outline the gaps in our understanding of climate science, not least the role of living beings in helping to regulate the system.

This clarity extends to his conclusions. Ultimately, he suggests, climate change is down to ignorance, not negligence – but while we do not yet know its exact contours, the process is both extremely serious and probably unfixable. Unlike the situation with CFCs, or chlorofluorocarbons, a generation ago, there are too many actors – countries, companies and individual humans – that would need to be cudgelled into self-denial if the status quo were to be retained.

Where he differs from the consensus, however, is in suggesting that this might not be such a bad thing. What we are seeing around us, Lovelock argues, may be the large-scale destruction of the planet’s ecosystem by rapacious humanity. But it may also be “no more than the constructive chaos that always attends the installation of a new infrastructure”.

Humanity is already concentrating itself in bigger and bigger cities, so rather than trying to “save the Earth”, or restore some artificial version of a normal climate, why not live comfortable lives in clustered, air-conditioned mega-cities? This serves ants and termites perfectly well, he argues – as well as the inhabitants of Singapore.

The problem is that while many of Lovelock’s ideas are fascinating, the book as a whole fails to match their clarity. There are disconnected sections on the virtues of the lone scientist; on why invention is better than pure research; on the reaction to Gaia theory; and so on. It is clear throughout that Lovelock, now in his nineties, has led a fascinating life, with frequent offhand mentions of consulting for Nasa or devising instruments that proved the contamination of the environment by CFCs. In a typically Lovelockian sentence, the author claims – probably accurately – to have developed the world’s first working microwave, using it in the lab “to reanimate chilled small animals and to cook my lunch”. One finds oneself longing for a full autobiography, rather than these bits and pieces.

The reader certainly gets the sense that Lovelock doesn’t suffer fools – or much of modernity – gladly. “A Faraday or a Darwin,” he laments, “would [today] be buried in paperwork, and obliged to spend their time solving problems concerning health and safety and political correctness, today’s equivalent of the theocratic oppression of Galileo.” Elsewhere, he insists that “the internet has made the human world a monstrous village with an ever-growing population of nags, scolds and officious fools”. Well, up to a point, m’lud.

Whether you enjoy this book, then, will depend on your tolerance for big ideas and awkward constructions. Perhaps the most refreshing aspect of it is that Lovelock extends his lack of cant to the role of humanity as a whole. Just as it is ludicrous to think that the world was precision-engineered for our benefit, so it is arrogant and short-sighted to imagine that the coming centuries must be devoted to the preservation of humanity in its current form.

Perhaps, he suggests, we are not the end point of civilisation but its John the Baptists – the species that either gave birth to, or merged with, a species of electronic life that can supervise and preserve Gaia for centuries to come. That, Lovelock believes, would truly be an achievement. And if it sounds far-fetched – well, they laughed at the Gaia hypothesis, too.

A Rough Ride to the Future by James Lovelock

208pp, Allen Lane, Telegraph offer price £18 (PLUS £1.35 p&p). Call 0844 871 1515 or see books.telegraph.co.uk

James Lovelock: ‘enjoy life while you can: in 20 years global warming will hit the fan’ (The Guardian)

The climate science maverick believes catastrophe is inevitable, carbon offsetting is a joke and ethical living a scam. So what would he do? By Decca Aitkenhead

The GuardianSaturday 1 March 2008

James Lovelock

James Lovelock. Photograph: Eamonn McCabe

In 1965 executives at Shell wanted to know what the world would look like in the year 2000. They consulted a range of experts, who speculated about fusion-powered hovercrafts and “all sorts of fanciful technological stuff”. When the oil company asked the scientist James Lovelock, he predicted that the main problem in 2000 would be the environment. “It will be worsening then to such an extent that it will seriously affect their business,” he said.

“And of course,” Lovelock says, with a smile 43 years later, “that’s almost exactly what’s happened.”

Lovelock has been dispensing predictions from his one-man laboratory in an old mill in Cornwall since the mid-1960s, the consistent accuracy of which have earned him a reputation as one of Britain’s most respected – if maverick – independent scientists. Working alone since the age of 40, he invented a device that detected CFCs, which helped detect the growing hole in the ozone layer, and introduced the Gaia hypothesis, a revolutionary theory that the Earth is a self-regulating super-organism. Initially ridiculed by many scientists as new age nonsense, today that theory forms the basis of almost all climate science.

For decades, his advocacy of nuclear power appalled fellow environmentalists – but recently increasing numbers of them have come around to his way of thinking. His latest book, The Revenge of Gaia, predicts that by 2020 extreme weather will be the norm, causing global devastation; that by 2040 much of Europe will be Saharan; and parts of London will be underwater. The most recent Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) report deploys less dramatic language – but its calculations aren’t a million miles away from his.

As with most people, my panic about climate change is equalled only by my confusion over what I ought to do about it. A meeting with Lovelock therefore feels a little like an audience with a prophet. Buried down a winding track through wild woodland, in an office full of books and papers and contraptions involving dials and wires, the 88-year-old presents his thoughts with a quiet, unshakable conviction that can be unnerving. More alarming even than his apocalyptic climate predictions is his utter certainty that almost everything we’re trying to do about it is wrong.

On the day we meet, the Daily Mail has launched a campaign to rid Britain of plastic shopping bags. The initiative sits comfortably within the current canon of eco ideas, next to ethical consumption, carbon offsetting, recycling and so on – all of which are premised on the calculation that individual lifestyle adjustments can still save the planet. This is, Lovelock says, a deluded fantasy. Most of the things we have been told to do might make us feel better, but they won’t make any difference. Global warming has passed the tipping point, and catastrophe is unstoppable.

“It’s just too late for it,” he says. “Perhaps if we’d gone along routes like that in 1967, it might have helped. But we don’t have time. All these standard green things, like sustainable development, I think these are just words that mean nothing. I get an awful lot of people coming to me saying you can’t say that, because it gives us nothing to do. I say on the contrary, it gives us an immense amount to do. Just not the kinds of things you want to do.”

He dismisses eco ideas briskly, one by one. “Carbon offsetting? I wouldn’t dream of it. It’s just a joke. To pay money to plant trees, to think you’re offsetting the carbon? You’re probably making matters worse. You’re far better off giving to the charity Cool Earth, which gives the money to the native peoples to not take down their forests.”

Do he and his wife try to limit the number of flights they take? “No we don’t. Because we can’t.” And recycling, he adds, is “almost certainly a waste of time and energy”, while having a “green lifestyle” amounts to little more than “ostentatious grand gestures”. He distrusts the notion of ethical consumption. “Because always, in the end, it turns out to be a scam … or if it wasn’t one in the beginning, it becomes one.”

Somewhat unexpectedly, Lovelock concedes that the Mail’s plastic bag campaign seems, “on the face of it, a good thing”. But it transpires that this is largely a tactical response; he regards it as merely more rearrangement of Titanic deckchairs, “but I’ve learnt there’s no point in causing a quarrel over everything”. He saves his thunder for what he considers the emptiest false promise of all – renewable energy.

“You’re never going to get enough energy from wind to run a society such as ours,” he says. “Windmills! Oh no. No way of doing it. You can cover the whole country with the blasted things, millions of them. Waste of time.”

This is all delivered with an air of benign wonder at the intractable stupidity of people. “I see it with everybody. People just want to go on doing what they’re doing. They want business as usual. They say, ‘Oh yes, there’s going to be a problem up ahead,’ but they don’t want to change anything.”

Lovelock believes global warming is now irreversible, and that nothing can prevent large parts of the planet becoming too hot to inhabit, or sinking underwater, resulting in mass migration, famine and epidemics. Britain is going to become a lifeboat for refugees from mainland Europe, so instead of wasting our time on wind turbines we need to start planning how to survive. To Lovelock, the logic is clear. The sustainability brigade are insane to think we can save ourselves by going back to nature; our only chance of survival will come not from less technology, but more.

Nuclear power, he argues, can solve our energy problem – the bigger challenge will be food. “Maybe they’ll synthesise food. I don’t know. Synthesising food is not some mad visionary idea; you can buy it in Tesco’s, in the form of Quorn. It’s not that good, but people buy it. You can live on it.” But he fears we won’t invent the necessary technologies in time, and expects “about 80%” of the world’s population to be wiped out by 2100. Prophets have been foretelling Armageddon since time began, he says. “But this is the real thing.”

Faced with two versions of the future – Kyoto’s preventative action and Lovelock’s apocalypse – who are we to believe? Some critics have suggested Lovelock’s readiness to concede the fight against climate change owes more to old age than science: “People who say that about me haven’t reached my age,” he says laughing.

But when I ask if he attributes the conflicting predictions to differences in scientific understanding or personality, he says: “Personality.”

There’s more than a hint of the controversialist in his work, and it seems an unlikely coincidence that Lovelock became convinced of the irreversibility of climate change in 2004, at the very point when the international consensus was coming round to the need for urgent action. Aren’t his theories at least partly driven by a fondness for heresy?

“Not a bit! Not a bit! All I want is a quiet life! But I can’t help noticing when things happen, when you go out and find something. People don’t like it because it upsets their ideas.”

But the suspicion seems confirmed when I ask if he’s found it rewarding to see many of his climate change warnings endorsed by the IPCC. “Oh no! In fact, I’m writing another book now, I’m about a third of the way into it, to try and take the next steps ahead.”

Interviewers often remark upon the discrepancy between Lovelock’s predictions of doom, and his good humour. “Well I’m cheerful!” he says, smiling. “I’m an optimist. It’s going to happen.”

Humanity is in a period exactly like 1938-9, he explains, when “we all knew something terrible was going to happen, but didn’t know what to do about it”. But once the second world war was under way, “everyone got excited, they loved the things they could do, it was one long holiday … so when I think of the impending crisis now, I think in those terms. A sense of purpose – that’s what people want.”

At moments I wonder about Lovelock’s credentials as a prophet. Sometimes he seems less clear-eyed with scientific vision than disposed to see the version of the future his prejudices are looking for. A socialist as a young man, he now favours market forces, and it’s not clear whether his politics are the child or the father of his science. His hostility to renewable energy, for example, gets expressed in strikingly Eurosceptic terms of irritation with subsidies and bureaucrats. But then, when he talks about the Earth – or Gaia – it is in the purest scientific terms all.

“There have been seven disasters since humans came on the earth, very similar to the one that’s just about to happen. I think these events keep separating the wheat from the chaff. And eventually we’ll have a human on the planet that really does understand it and can live with it properly. That’s the source of my optimism.”

What would Lovelock do now, I ask, if he were me? He smiles and says: “Enjoy life while you can. Because if you’re lucky it’s going to be 20 years before it hits the fan.”

Antropólogo francês Bruno Latour fala sobre natureza e política (O Globo)

28.12.2013 | 07h30m

Bruno Latour diz que ‘ecologizar’ é o verbo da vez, mas propõe uma noção de ‘ecologia’ com sentido mais amplo do que o defendido hoje por ativistas e políticos. Para ele, o Brasil, apesar das contradições, é ator fundamental na construção de uma inteligência política e científica para o futuro

Por Fernando Eichenberg, correspondente em Paris

A modernidade é uma falácia, uma ficção inventada para organizar a vida intelectual. Os chamados “modernos” pregam a separação de ciência, política, natureza e cultura, numa teoria distante da realidade do mundo e inadaptada aos desafios impostos neste início de século, acusa o pensador francês Bruno Latour, de 66 anos. “Ecologizar” é verbo da vez, sustenta ele, mas num sentido bem mais amplo do que o espaço compreendido pela ecologia defendida por ativistas e partidos políticos.

— O desenvolvimento da frente de modernização, como se fala de uma frente pioneira na Amazônia, sempre foi, ao contrário, uma extensão de uma quantidade de associações, da marca dos humanos, da intimidade de conexões entre as coisas e as pessoas. A modernidade nunca existiu — dispara Latour, em entrevista ao GLOBO.

Na sua opinião, o Brasil, com todas as suas contradições, é fundamental na possibilidade de um futuro de inovações que gerem um novo tipo de “civilização ecológica”, numa nova “inteligência política e científica”.

Antropólogo, sociólogo e filósofo das ciências, Bruno Latour, que recebeu em maio passado o prestigiado prêmio Holberg de Ciências Humanas, é um dos intelectuais franceses contemporâneos mais traduzidos no exterior. Além de suas originais investigações teóricas, também se aventurou no terreno das artes (com as exposições “Iconoclash” e “Making things public”) e, em outubro, estreou a peça “Gaïa Global Circus”, uma “tragicomédia climática”, que ele espera um dia poder encenar no Jardim Botânico, no Rio. Professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences-Po), lançou ainda este ano o ensaio “Enquête sur les modes d’existence — Une anthropologie des Modernes” (Investigação sobre os modos de existência – uma antropologia dos Modernos, ed. La Découverte).

Qual a diferença entre “ecologizar” e “modernizar”, segundo seu pensamento?

Modernizar é o argumento que diz que quanto mais nós separamos as questões de natureza e de política, melhor será. Ecologizar é dizer: já que, de fato, não separamos tudo isso, já que a História recente dos humanos na Terra foi o embaraçamento cada vez mais importante das questões de natureza e de sociedade, se é isso que fazemos na prática, então que construamos a política que lhe corresponda em vez de fazer de conta que há uma história subterrânea, aquela das associações, e uma história oficial, que é a de emancipação dos limites da natureza. Ecologizar é um verbo como modernizar, exceto que se trata da prática e não somente da teoria. Mas pode-se dizer “modernidade reflexiva” ou utilizar outros termos. O importante é que haja uma alternativa a modernizar, que não seja arcaica, reacionária. Que seja progressista, mas de uma outra forma, não modernista. Um problema complicado hoje, sobretudo no Brasil. Mas é complicado por todo o lado, na França também. Qualquer dúvida sobre a modernização, se diz que é preciso estancar a frente pioneira, decrescer, voltar ao passado. Isso é impossível. É preciso inovar, descobrir novas formas, e isso se parece com a modernização. Mas é uma modernização que aceita seu passado. E o passado foi uma mistura cada vez mais intensa entre os produtos químicos, as florestas, os peixes, etc. Isso é “ecologizar”. É a instituição da prática e não da teoria.

Qual é a situação e o papel do Brasil neste contexto?

Penso que deve haver uma verdadeira revolução ecológica, não somente no sentido de natureza, e o Brasil é um ator importante. A esperança do mundo repousa muito sobre o Brasil, país com uma enormidade de reservas e de recursos. Se fala muito do movimento da civilização na direção da Ásia, o que não faz muito sentido do ponto de vista ecológico, pois quando se vai a estes países se vê a devastação. Não se pode imaginar uma civilização ecológica vindo da Ásia. No Brasil — e também na Índia — há um pensamento, não simplesmente a força nua, num país em que os problemas ecológicos são colocados em grande escala. Há um verdadeiro pensamento e uma verdadeira arte, o que é muito importante. Se fosse me aposentar, pensaria no Brasil. Brasil e Índia são os dois países nos quais podemos imaginar verdadeiras inovações de civilização, e não simplesmente fazer desenvolvimento sustentável ou reciclagem de lixo. Podem mostrar ao resto do mundo o que a Europa acreditou por muito tempo poder fazer. A Europa ainda poderá colaborar com seu grão de areia, mas não poderá mais inovar muito em termos de construir um quadro de vida, porque em parte já o fez, com cidades ligadas por autoestradas, com belas paisagens e belos museus. Já está feito. Mas numa perspectiva de inventar novas modas e novas formas de existência que nada têm a ver com a economia e a modernização, com a conservação, será preciso muita inteligência política e científica. Não há muitos países que possuem esses recursos. Os Estados Unidos poderiam, mas os perderam há muito tempo, saíram da História quando o presidente George W. Bush disse que o modo de vida dos americanos não era negociável. Brasil e Índia ainda têm essa chance. Mas este é o cenário otimista. O cenário pessimista talvez seja o mais provável.

Qual a hipótese pessimista?

Há os chineses que entram com força no Brasil, por exemplo. Meu amigo Clive Hamilton (pensador australiano) diz que, infelizmente, nada vai acontecer, que se vai fazer uma reengenharia, se vai modernizar numa outra escala e numa outra versão catastrófica. Provavelmente, é o que vai ocorrer, já que não conseguimos decidir nada, e que será preciso ainda assim tomar medidas. Uma hipótese é a de que se vai delegar a Estados ainda mais modernizadores no sentido tradicional e hegemônico a tarefa de reparar a situação por meio de medidas drásticas, sem nada mudar, portanto agravando-a. Mas meu dever é o de ser otimista. Em todo caso, é preciso inventar novas formas para pensar essas questões.

O senhor acompanhou as manifestações de rua no Brasil neste ano que passou?

É uma das razões pelas quais o Brasil é interessante, porque há ao mesmo tempo um dinamismo de invenção política, ligado a outros dinamismos relacionados às ciências, às artes. Há um potencial no Brasil. E há, hoje, uma riqueza. Não são temas que se pode abordar em uma situação de miséria. É preciso algo que se pareça ao bem-estar. Na Índia, se você tem um milhão de pessoas morrendo de fome não pode fazer muito. O Brasil é hoje muito importante para a civilização mundial.

Os partidos ecologistas, na sua opinião, não souberam assimilar estas questões?

Nenhum partido ecologista conseguiu manter uma prática. A ecologia se tornou um domínio, enquanto é uma outra forma de tudo fazer. A ecologia se viu encerrada em um tema, e não é vista como uma outra forma de fazer política. É uma posição bastante difícil. É preciso ao mesmo tempo uma posição revolucionária, pois significa modificar o conjunto dos elementos do sistema de produção. Mas é modificar no nível do detalhe de interconexão de redes técnico-sociais, para as quais não há tradição política. Sabemos o que é imaginar a revolução sem fazê-la, administrar situações estabelecidas melhorando-as, modernizar livrando-se de coisas do passado, mas não sabemos o que é criar um novo sistema de produção inovador, que obriga a tudo mudar, como numa revolução, mas assimilando cada vez mais elementos que estão interconectados. Não há uma tradição política para isso. Não é o socialismo, o liberalismo. E é preciso reconhecer que os partidos verdes, seja na Alemanha, na França, nos EUA não fizeram o trabalho de reflexão intelectual necessária. Como os socialistas, no século XIX, refizeram toda a filosofia, seja marxista ou socialista tradicional, libertária, nas relações com a ciência, na reinvenção da economia. Há uma espécie de ideia de que a questão ecológica era local, e que se podia servir do que chamamos de filosofia da ecologia, que é uma filosofia da natureza, muito impregnada do passado, da conservação. O que é completamente inadaptado a uma revolução desta grandeza. Não podemos criticá-los. Eles tentaram, mas não investiram intelectualmente na escala do problema. Não se deram conta do que quer dizer “ecologizar” em vez de “modernizar”. Imagine o pobre do infeliz responsável pelo transporte público de São Paulo ou de Los Angeles.

A França receberá em 2015 a Conferência Internacional sobre o Clima. Como o senhor avalia esses encontros?

Estamos muito mobilizados aqui na Sciences-Po, porque em 2015 ocorrerá em Paris, e trabalhamos bastante sobre o fracasso da conferência de Copenhague, em 2009. Estamos muito ativos, tanto aqui como no Palácio do Eliseu. Na minha interpretação, o sistema de agregação por nação é demasiado convencional para identificar as verdadeiras linhas de clivagens sobre os combates e as oposições. Cada país é atravessado em seu interior por múltiplas facções, e o sistema de negociação pertence à geopolítica tradicional. E também ainda não admitimos de que se tratam de conflitos políticos importantes. A França aceitou a conferência sem perceber realmente do que se tratava, como um tema político maior. Por quê? Porque ainda não estamos habituados a considerar — e aqui outra diferença entre “ecologizar” e “modernizar” — que as questões de meio ambiente e da natureza são questões de conflito, e não questões que vão nos colocar em acordo. Vocês têm isso no Brasil em relação à Floresta Amazônica. Não é porque se diz “vamos salvar a Floresta Amazônica” que todo mundo vai estar de acordo. Há muita discordância. E isso é muito complicado de entender na mentalidade do que é uma negociação.

Poderá haver avanços em 2015?

Uma das hipóteses que faço para 2015 é a de que é preciso acentuar o caráter conflituoso antes de entrar em negociações. Não começar pela repartição das tarefas, mas admitindo que se está em conflito nas questões da natureza. Os ecologistas têm um pouco a ideia de que no momento em que se fala de natureza e de fatos científicos as pessoas vão se alinhar. Acham que se falar que o atum está desaparecendo os pescadores vão começar a parar de matá-los. Sabe-se há muito tempo que é exatamente o contrário, eles vão rapidamente em busca do último atum. A minha hipótese para 2015 é que se deve tornar visíveis estes conflitos. O que coloca vários problemas de teoria política, de ecologia, de representação, de geografia etc. Talvez 2015 já seja um fracasso como foi 2009. Mas é interessante tentar, talvez seja nossa última chance. Tenho muitas ideias. Faremos um colóquio no Rio de Janeiro em setembro de 2014, organizado por Eduardo Viveiros de Castro, sobre isso. Depois faremos um outro, em Toulouse, para testar os modelos de negociação. Em 2015 faremos um outro aqui na Sciences-Po. A ideia é encontrar alternativas no debate sobre conflitos de mundo. Não é uma questão das pessoas que são a favor do carvão, os que são contra os “climacéticos” etc. Não é a mesma conexão, não é a mesma ciência, não é a mesma confiança na política. São conflitos antropocêntricos. Interessante que as pessoas que assistiram à minha peça de teatro ficaram contentes em ver os conflitos. Na ecologia se faz muita pedagogia, se diz como se deve fazer para salvar a Floresta Amazônica. Mas não se fala muito de conflitos.