Arquivo da tag: Multidão

Groups are often smarter without ‘opinion leaders’ (Futurity)

Equality may counteract the tendency toward groupthink, research suggests.

The classic “wisdom of crowds” theory goes like this: If we ask a group of people to guess an outcome, the group’s guess will be better than any individual expert. So, when a group tries to make a decision, in this case, predicting the outcome of an election, the group does a better job than experts. For market predictions, geopolitical forecasting, and crowdsourcing product ideas, the wisdom of crowds has been shown to even outperform industry experts.

“On average, opinion leaders were more likely to lead the group astray than to improve it.”

That is true—as long as people don’t talk to each other. When people start sharing their opinions, their conversations can lead to social influences that produce “groupthink” and destroy the wisdom of the crowd. So says the classic theory.

But Damon Centola, an associate professor in the University of Pennsylvania’s Annenberg School for Communication and School of Engineering and Applied Science and director of the Network Dynamics Group, discovered the opposite.

When people talk to each other, the crowd can get smarter, report Centola, PhD candidate Joshua Becker, and recent PhD graduate Devon Brackbill in Proceedings of the National Academy of Sciences.

Equal influence

“The classic theory says that if you let people talk to each other groups go astray. But,” says Centola, “we find that even if people are not particularly accurate, when they talk to each other, they help to make each other smarter. Whether things get better or worse depends on the networks.

“In egalitarian networks,” he says, “where everyone has equal influence, we find a strong social-learning effect, which improves the quality of everyone’s judgments. When people exchange ideas, everyone gets smarter. But this can all go haywire if there are opinion leaders in the group.”

An influential opinion leader can hijack the process, leading the entire group astray. While opinion leaders may be knowledgeable on some topics, Centola found that, when the conversation moved away from their expertise, they still remained just as influential. As a result, they ruined the group’s judgment.

“On average,” he says, “opinion leaders were more likely to lead the group astray than to improve it.”

Gut responses

The online study included more than 1,300 participants, who went into one of three experimental conditions. Some were placed into one of the “egalitarian” networks, where everyone had an equal number of contacts and everyone had equal influence. Others were placed into one of the “centralized” networks, in which a single opinion leader was connected to everyone, giving that person much more influence in the group. Each of the networks contained 40 participants. Finally, Centola had several hundred subjects participate in a “control” group, without any social networks.

In the study, all of the participants were given a series of estimation challenges, such as guessing the number of calories in a plate of food. They were given three tries to get the right answer. Everyone first gave a gut response.

Then, participants who were in social networks could see the guesses made by their social contacts and could use that information to revise an answer. They could then see their contacts’ revisions and revise their answers again. But this time it was their final answer. Participants were awarded as much as $10 based on the accuracy of their final guess. In the control group, participants did the same thing, but they were not given any social information between each revision.

“Everyone’s goal was to make a good guess. They weren’t paid for showing up,” Centola says, “only for being accurate.”

Patterns began to emerge. The control groups initially showed the classic wisdom of the crowd but did not improve as people revised their answers. Indeed, if anything, they got slightly worse. By contrast, the egalitarian networks also showed the classic wisdom of the crowd but then saw a dramatic increase in accuracy. Across the board, in network after network, the final answers in these groups were consistently far more accurate than the initial “wisdom of the crowd.”

“In a situation where everyone is equally influential,” Centola says, “people can help to correct each other’s mistakes. This makes each person a little more accurate than they were initially. Overall, this creates a striking improvement in the intelligence of the group. The result is even better than the traditional wisdom of the crowd! But, as soon as you have opinion leaders, social influence becomes really dangerous.”

In the centralized networks, Centola found that, when the opinion leaders were very accurate, they could improve the performance of the group. But even the most accurate opinion leaders were consistently wrong some of the time.

“Thus,” Centola says, “while opinion leaders can sometimes improve things, they were statistically more likely to make the group worse off than to help it.

“The egalitarian network was reliable because the people who were more accurate tended to make smaller revisions, while people who were less accurate revised their answers more. The result is that the entire crowd moved toward the more accurate people, while, at the same time, the more accurate people also made small adjustments that improved their score.”

Engineers and doctors

These findings on the wisdom of crowds have startling real-world implications in areas such as climate-change science, financial forecasting, medical decision-making, and organizational design.

For example, while engineers have been trying to design ways to keep people from talking to each other when making important decisions in an attempt to avoid groupthink, Centola’s findings suggest that what matters most is the network. A group of equally influential scientists talking to one another will likely lead to smarter judgments than might arise from keeping them independent.

He is currently working on implementing these findings to improve physicians’ decision-making. By designing a social network technology for use in hospital settings, it may be possible to reduce implicit bias in physicians’ clinical judgments and to improve the quality of care that they can offer.

Whether new technologies are needed to improve the way the groups talk to each other, or whether we just need to be cautious about the danger of opinion leaders, Centola says it’s time to rethink the idea of the wisdom of crowds.

“It’s much better to have people talk to each other and argue for their points of view than to have opinion leaders rule the crowd,” he says. “By designing informational systems where everyone’s voices can be heard, we can improve the judgment of the entire group. It’s as important for science as it is for democracy.”

Partial support for the work came from the Robert Wood Johnson Foundation.

Source: University of Pennsylvania

Anúncios

Zizek: a caminho de uma ruptura global (Outras Palavras)

POR SLAVOJ ŽIŽEK – ON 30/06/2013

130630-Protestos

Brasília, junho de 2013

Chegada dos Protestos ao Brasil e Turquia revela: há mal-estar generalizado contra lógicas e ideologia do capitalismo. Desafio é construir alternativas e nova democracia

Por Slavoj Žižek, no London Review of Books | Tradução Vila Vudu

Em seus primeiros escritos, Marx descreve a situação na Alemanha como uma daquelas na qual a única resposta a problemas particulares seria a solução universal: a revolução global. É expressão condensada da diferença entre período reformista e período revolucionário: em período reformista, a revolução global permanece como sonho que, se serve para alguma coisa, é apenas para dar peso às tentativas para mudar alguma coisa localmente; em período revolucionário, vê-se claramente que nada melhorará, sem mudança global radical. Nesse sentido puramente formal, 1990 foi ano revolucionário: as muitas reformas parciais nos estados comunistas jamais dariam conta do serviço; e era necessária uma quebra total, para resolver todos os problemas do dia a dia. Por exemplo, o problema de dar suficiente comida às pessoas.

Em que ponto estamos hoje, quanto a essa diferença? Os problemas e protestos dos últimos anos são sinais de que se aproxima uma crise global, ou não passam de pequenos obstáculos que pode enfrentar mediante intervenções locais? O mais notável nas erupções é que estão acontecendo não apenas, nem basicamente, nos pontos fracos do sistema, mas em pontos que, até aqui, eram percebidos como histórias de sucesso. Sabemos por que as pessoas protestam na Grécia ou na Espanha; mas por que há confusão em países prósperos e em rápido desenvolvimento como Turquia, Suécia ou Brasil?

Com algum distanciamento, pode-se ver que a revolução de Khomeini em 1979 foi o caso original de “dificuldades no paraíso”, dado que aconteceu em país que caminhava a passos largos para uma modernização pró-ocidente, e era o mais estável aliado do ocidente na região.

Antes da atual onda de protestos, a Turquia era quente: modelo ideal de estado estável, a combinar pujante economia liberal e islamismo moderado. Pronta para a Europa, um bem-vindo contraste com a Grécia mais “europeia”, colhida num labirinto ideológico e andando rumo à autodestruição econômica. Sim, é verdade: aqui e ali sempre viam-se alguns sinais péssimos (a Turquia, sempre a negar o holocausto dos armênios; prisão de jornalistas; o status não resolvido dos curdos; chamamentos a uma “grande Turquia” que ressuscitaria a tradição do Império Otomano; imposição, vez ou outra, de leis religiosas). Mas eram descartados como pequenas máculas que não comprometeriam o grande quadro.

Social-Protest-in-Turkey1

E então, explodiram os protestos na praça Taksim. Não há quem não saiba que os planos para transformar um parque em torno da praça Taksim no centro de Istambul em shopping-center não foram “o caso”, naqueles protestos; e que um mal-estar muito mais profundo ganhava força. O mesmo se deve dizer dos protestos de meados de junho no Brasil: foram desencadeados por um pequeno aumento na tarifa do transporte público, e prosseguiram mesmo depois de o aumento ter sido revogado. Também nesse caso, os protestos explodiram num país que – pelo menos segundo a mídia – estava em pleno boom econômico e com todos os motivos para sentir-se confiante quanto ao futuro. Nesse caso, os protestos foram aparentemente apoiados pela presidente Dilma Rousseff, que se declarou satisfeitíssima com eles.

O que une protestos em todo o mundo — por mais diversos que sejam, na aparência — é que todos reagem contra diferentes facetas da globalização capitalista

É crucialmente importante não vermos os protestos turcos meramente como sociedade civil secular que se levanta contra regime islamista autoritário, apoiado por uma maioria islamista silenciosa. O que complica o quadro é o ímpeto anticapitalista dos protestos. Os que protestam sentem intuitivamente que o fundamentalismo de mercado e o fundamentalismo islâmico não se excluem mutuamente.

A privatização do espaço público por ação de um governo islamista mostra que as duas modalidades de fundamentalismo podem trabalhar de mãos dadas. É sinal claro de que o casamento “por toda a eternidade” de democracia e capitalismo já caminha para o divórcio.

Também é importante reconhecer que os que protestam não visam a nenhum objetivo “real” identificável. Os protestos não são, “realmente”, contra o capitalismo global, nem “realmente” contra o fundamentalismo religioso, nem “realmente” a favor de liberdades civis e democracia, nem visam “realmente” qualquer outra coisa específica. O que a maioria dos que participaram dos protestos “sabem” é de um mal-estar, de um descontentamento fluido, que sustenta e une várias demandas específicas.

A luta para entender os protestos não é luta só epistemológica, com jornalistas e teóricos tentando explicar seu “real” conteúdo: é também luta ontológica pela própria coisa, o que esteja acontecendo dentro dos próprios protestos. É apenas luta contra governo corrupto? É luta contra governo islâmico autoritário? É luta contra a privatização do espaço público? A pergunta continua aberta. E de como seja respondida dependerá o resultado de um processo político em andamento.

Em 2011, quando irrompiam protestos por toda a Europa e todo o Oriente Médio, muitos insistiram que não fossem tratados como instâncias de um único movimento global. Em vez disso, argumentavam, haveria uma resposta específica para cada situação específica. No Egito, os que protestavam queriam o que em outros países era alvo das críticas do movimento Occupy: “liberdade” e “democracia”. Mesmo entre países muçulmanos, haveria diferenças cruciais: a Primavera Árabe no Egito seria contra um regime autoritário e corrupto aliado do ocidente; a Revolução Verde no Irã, que começou em 2009, seria contra o islamismo autoritário. É fácil ver o quanto essa particularização dos protestos serve bem aos defensores do status quo: não há nenhuma ameaça direta à ordem global como tal. Só uma série de problemas locais separados…

O capitalismo global é processo complexo que afeta diferentes países de diferentes modos. O que une todos os protestos, por mais multifacetados que sejam, é que todos reagem contra diferentes facetas da globalização capitalista. A tendência geral do capitalismo global é hoje expandir o mercado, invadir e cercar o espaço público, reduzir os serviços públicos (saúde, educação, cultura) e impor cada vez mais firmemente um poder político autoritário. Nesse contexto, os gregos protestam contra o governo do capital financeiro internacional e contra seu próprio estado ineficiente e corrupto, cada dia menos capaz de prover os serviços sociais básicos. Nesse contexto, os turcos protestam contra a comercialização do espaço público e contra o autoritarismo religioso. E os egípcios protestam contra um governo apoiado pelas potências ocidentais. E os iranianos protestam contra a corrupção e o fundamentalismo religioso. E assim por diante.

Nenhum desses protestos pode ser reduzido a uma única questão. Todos lidam com uma específica combinação de pelo menos dois problemas, um econômico (da corrupção à ineficiência do próprio capitalismo); o outro, político-ideológico (da demanda por democracia à demanda pelo fim da democracia convencional multipartidária). O mesmo se aplica ao movimento Occupy. Na profusão de declarações (muitas vezes confusas), o movimento manteve dois traços básicos: primeiro, o descontentamento com o capitalismo como sistema, não apenas contra um ou outro corrupto ou corrupções locais; segundo, a consciência de que a forma institucionalizada de democracia multipartidária não tem meios para combater os excessos capitalistas. Em outras palavras, é preciso reinventar a democracia.

turkey_protest_01

A causa subjacente dos protestos ser o capitalismo global não significa que a única solução seja “derrubar” o capitalismo. Nem é viável seguir a alternativa pragmática, que implica lidar com problemas individuais enquanto se espera por transformação radical. Essa ideia ignora o fato de que o capitalismo global é necessariamente contraditório e inconsistente: a liberdade de mercado anda de mãos dadas com os EUA protegerem seus próprios agronegócios e agronegociantes; pregar a democracia anda de mãos dadas com apoiar o governo da Arábia Saudita.

Essa inconsistência abre um espaço para a intervenção política: onde o capitalista global é forçado a violar suas próprias regras, ali há uma oportunidade para insistir em que ele obedeça àquelas regras. Exigir coerência e consistência em pontos estrategicamente selecionados nos quais o sistema não pode pagar para ser coerente e consistente é pressionar todo o sistema. A arte da política está em impor demandas específicas as quais, ao mesmo tempo em que são perfeitamente realistas, ferem o coração da ideologia hegemônica e implicam mudança muito mais radical. Essas demandas, por mais que sejam viáveis e legítimas, são, de fato, impossíveis. Caso exemplar é a proposta de Obama para prover assistência pública universal à saúde. Por isso as reações foram tão violentas.

Um movimento político começa com uma ideia, algo por que lutar, mas, no tempo, a ideia passa por transformação profunda – não apenas alguma acomodação tática, mas uma redefinição essencial –, porque a própria ideia passa a ser parte do processo: torna-se sobredeterminada.* Digamos que uma revolta comece com uma demanda por justiça, talvez sob a forma de demanda pela rejeição de uma determinada lei. Depois de o povo estar profundamente engajado na revolta, ele percebe que será preciso muito mais do que a demanda inicial, para que haja verdadeira justiça. O problema então é definir, precisamente, em que consiste esse “muito mais”.

A perspectiva liberal-pragmática entende que os problemas podem ser resolvidos gradualmente, um a um: “Há gente morrendo agora em Rwanda, então esqueçam a luta anti-imperialista e vamos impedir o massacre”. Ou: “Temos de combater a pobreza e o racismo já, aqui e agora, não esperar pelo colapso da ordem capitalista global”. John Caputo argumenta exatamente assim em After the Death of God (2007):

Eu ficaria perfeitamente feliz se os políticos da extrema-esquerda nos EUA fossem capazes de reformar o sistema oferecendo assistência universal à saúde, redistribuindo efetivamente a riqueza mais equitativamente com um sistema tributário [orig. Internal Revenue Code (IRC)] redefinido, restringindo o financiamento privado de campanhas eleitorais, autorizando o voto universal, para todos, tratando com humanidade os trabalhadores migrantes, e levando a efeito uma política externa multilateralista que integrasse o poder dos EUA dentro da comunidade internacional etc. Ou seja, intervindo sobre o capitalismo mediante reformas profundas, de longo alcance… Se depois de fazer tudo isso, Badiou e Žižek ainda reclamarem de um monstro chamado Capitalismo a nos assombrar, eu estaria inclinado a receber o tal monstro com um bocejo.

Não se trata de “derrubar” o capitalismo. Mas de construir lógicasde uma sociedade que vá além dele. Isso inclui novas formas de democracia

O problema aqui não é a conclusão de Caputo: se se pode alcançar tudo isso dentro do capitalismo, por que não ficar aí mesmo? O problema é a premissa subjacente de que seja possível obter tudo isso dentro do capitalismo global em sua forma atual. Mas e se os emperramentos e mau funcionamento do capitalismo, que Caputo listou, não forem meras perturbações contingentes, mas necessários por estrutura? E se o sonho de Caputo é um sonho de ordem capitalista universal, sem sintomas, sem os pontos críticos nos quais sua “verdade reprimida” mostra a própria cara?

Os protestos e revoltas de hoje são sustentados pela combinação de demandas sobrepostas, e é aí que está a sua força: lutam por democracia (“normal”, parlamentar) contra regimes autoritários; contra o racismo e o sexismo, especialmente quando dirigidos contra imigrantes e refugiados; contra a corrupção na política e nos negócios (poluição industrial do meio ambiente etc.); pelo estado de bem-estar contra o neoliberalismo; e por novas formas de democracia que avancem além dos rituais multipartidários. Questionam também o sistema capitalista global como tal, e tentam manter viva a ideia de uma sociedade que avance além do capitalismo.

Duas armadilhas há aí, a serem evitadas: o falso radicalismo (“o que realmente interessa é abolir o capitalismo liberal-parlamentar; todas as demais lutas são secundárias”), mas, também, o falso gradualismo (“no momentos temos de lutar contra a ditadura militar e por democracia básica, todos os sonhos de socialismo devem ser, agora, postos de lado”).

Aqui, ninguém se deve envergonhar de acionar a distinção maoista entre antagonismo principal e antagonismos secundários, entre os que mais interessam no fim e os que dominam hoje. Há situações nas quais insistir no antagonismo principal significa perder a oportunidade de acertar golpe significativo, no curso da luta.

Só uma política que tome plenamente em consideração a complexidade da sobredeterminação merece o nome de estratégia. Quando se embarca numa luta específica, a pergunta chave é: como nosso engajamento ou desengajamento nessa luta afeta outras lutas?

Praça Tahrir, Egito 2011

Praça Tahrir, Egito 2011

A regra geral é que quando uma revolta contra regime semidemocrático começa – como no Oriente Médio em 2011 – é fácil mobilizar grandes multidões com slogans (por democracia, contra a corrupção etc.). Mas muito rapidamente temos de enfrentar escolhas muito mais difíceis. Quando a revolta é bem-sucedida e alcança o objetivo inicial, nos damos conta de que o que realmente nos perturbava (a falta de liberdade, a humilhação diária, a corrupção, o futuro pouco ou nenhum) persiste sob novo disfarce. Nesse momento somos forçados a ver que havia furos no próprio objetivo inicial. Pode implicar que se chegue a ver que a democracia pode ser uma forma de des-liberdade, ou que se pode exigir muito mais do que apenas a mera democracia política: que a vida social e econômica tem de ser também democratizada.

Em resumo, o que à primeira vista tomamos como fracasso que só atingia um nobre princípio (a liberdade democrática) é afinal percebido como fracasso inerente ao próprio princípio. Essa descoberta – de que o princípio pelo qual lutamos pode ser inerentemente viciado – é um grande passo em qualquer educação política.

Representantes da ideologia reinante mobilizam todo o seu arsenal para impedir que cheguemos a essa conclusão radical. Dizem-nos que a liberdade democrática implica suas próprias responsabilidades, que tem um preço, que é sinal de imaturidade esperar demais da democracia. Numa sociedade livre, dizem eles, devemos agir como capitalistas e investir em nossa própria vida: se fracassarmos, se não conseguirmos fazer os necessários sacrifícios, ou se de algum modo não correspondermos, a culpa é nossa.

926518-130603-turkey-protest

Istambul, maio de 2013

Em sentido político mais direto, os EUA perseguem coerentemente uma estratégia de controle de danos em sua política externa, recanalizando os levantes populares para formas capitalistas-parlamentares aceitáveis: na África do Sul, depois do apartheid; nas Filipinas, depois da queda de Marcos; na Indonésia, depois de Suharto etc. É nesse ponto que a política propriamente dita começa: a questão é como empurrar ainda mais adiante, depois que passa a primeira, excitante, onda de mudança; como dar o passo seguinte, sem sucumbir à tentação “totalitária”; como avançar além de Mandela, sem virar Mugabe.

O que significaria isso, num caso concreto? Comparemos dois países vizinhos, Grécia e Turquia. À primeira vista, talvez pareçam completamente diferentes: Grécia, presa na armadilha da ruinosa política de austeridade; Turquia em pleno boom econômico e emergindo como nova superpotência regional. Mas e se cada Turquia contiver sua própria Grécia, suas próprias ilhas de miséria? Como Brecht diz em sua Elegias Hollywoodenses (orig. Hollywood Elegies’ [1942]),

A vila de Hollywood foi planejada segundo a ideia
De que o povo aqui seria proprietário de partes do paraíso. Ali,
Chegaram à conclusão de que Deus
Embora precisando de céu e inferno, não precisava
Planejar dois estabelecimentos, mas
Só um: o paraíso. Que esse,
para os pobres e infortunados, funciona
como inferno.
[1]

Esses versos descrevem bastante bem a “aldeia global” de hoje: aplicam-se ao Qatar ou Dubai, playgrounds para os ricos, que dependem de manter os trabalhadores imigrantes em estado de semiescravidão, ou escravidão. Exame mais detido revela semelhanças entre Turquia e Grécia: privatizações, o fechamento do espaço público, o desmonte dos serviços sociais, a ascensão de políticos autoritários. Num plano elementar, os que protestam na Grécia e os que protestam na Turquia estão engajados na mesma luta. O melhor caminho talvez seja coordenar as duas lutas, rejeitar as tentações “patrióticas”, deixar para trás a inimizade histórica entre os dois países e buscar espaços de solidariedade. O futuro dos protestos talvez dependa disso.


* Em seu prefácio à Contribuição à Crítica da Economia Política, Marx escreveu (no seu pior modo evolucional) que a humanidade só se propõe problemas que seja capaz de resolver. E se invertermos a ganga dessa frase e declararmos que, regra geral, a humanidade propõe-se problemas que não pode resolver, e assim dispara um processo cujo desdobramento é imprevisível, no curso do qual, a própria tarefa é redefinida?

[1] Não encontramos tradução para o português. Aqui, tradução de trabalho, sem ambição literária, só para ajudar a ler [NTs].

Não é hora de sair do movimento (uninomade.net)

Por Giuseppe Cocco, no facebook

22/06/2013

stairs

Esquematicamente, faço um balanço depois das manifestações de quinta-feira, 20 de junho de 2013, a partir da experiência no Rio de Janeiro:

1) A partir de ontem o movimento pelo passe livre “passou” a ser outra coisa. Realmente monstruosa e o monstro é horrível e belo ao mesmo tempo.

2) Essa outra coisa ninguém sabe o que é e está totalmente em disputa.

O fato que as agremiações de esquerda tenham sido agredidas não significa que o movimento seja de direita. Foram agredidas por pequenos grupos, mas no meio de uma hostilidade geral à politica, ao mesmo tempo em que as organizações populares passeavam tranquilamente.

O que é certo é que o movimento coloca em crise todas as representações políticas e os planos de governo, político-partidários, eleitorais etc.

A grande mídia e a direita estão jogando pesado. Pra começar, é preciso entender quem agrediu.

O PT subavaliou e subavalia o custo de se manter em coalizões espúrias, de pensar que poderia resolver tudo desde cima, com base no neodesenvolvimentismo e nas técnicas gerenciais e de marketing eleitoral. O PT poderia perceber que tudo isso entrou em pane e se faz necessário inovar. Rapidamente! Dar sinais fortes disso.

3) O campo progressista passa – ele todo – inclusive a oposição de esquerda e o setores multitudinários do movimento, por três desafios e armadilhas:

a) O campo de governo (o PT) não tem um plano B. A atuação do Haddad admitindo um recuo junto ao Alckmin é desastrosa: amplifica a sensação: direita e esquerda são a mesma coisa. Uma sensação difusa, que não se materializava eleitoralmente, mas agora explodiu. Aí, o governo espera que “passe”, só que não passa e o monstro continua lá.

b) Diante do imobilismo do governo federal, o campo do PT está tentado (sobretudo depois de ontem) em polarizar em torno do golpismo e, ao invés de ira para dentro do movimento, com base no que deveria ser uma franca abertura — por exempo, colocando um Paulo Vannucchi no MJ, um Célio Turino no MinC, uma Ermínia Maricato nos Transportes e Cidade (ministerios unificados), — declarando moratória geral sobre preços dos transportes, aberturas de assembleias de participação em todos os territorios etc etc.

c) Decretar a idiotice que todo o movimento é direita, além de ser uma inverdade, é entregá-lo nas mãos do golpismo e da direita. Entre esses indigentes políticos do PT, há aqueles que pedem repressão. Não dá nem para acreditar. E não se trata apenas de um princípio, mas do óbvio que a repressão quem faz e quem se aproveita é a direita. É só ler O Globo do dia seguinte, depois que PM gazeou todo mundo ontem até a meia-noite.

Aqueles que “fazem multidão” dentro do movimento tem o desafio nada simples de se organizar para entender que a radicalização é democrática e passa também por dentro do movimento. Criticar – inclusive radicalmente – a Copa e as Olimpíadas de Cabral e Paes, os símbolos do poder e não estar preocupado com a proliferação de cartazes e comportamentos fascistas NAS manifestações está virando uma outra forma de idiotice.

Isto significa que é preciso passar a criticar a forma-manifestação e – com base no recuo geral dos preços das passagens – propor outras coisas que propiciem processos instituintes.

Agora, tudo isso passa hoje por dentro das manifestações. É ali que é preciso fazer essa batalha política, e está tudo muito complicado. Mas é aí, dentro do movimento, que a democracia precisa avançar.

Divulgue na rede

Freud examina o que mantém uma multidão coesa (Folha de S.Paulo)

20/06/2013 – 14h06

da Livraria da Folha

Dentre os fenômenos da mente examinados por Sigmund Freud (1856-1939), “o que mantém coesa uma massa de pessoas?” intrigou o pai da psicanálise por muito tempo. “Psicologia das Massas e Análise do Eu” apresenta as considerações de Freud sobre este tema.

“A psicologia das massas trata do indivíduo como membro de uma tribo, um povo, uma casta, uma classe, uma instituição ou como elemento de um grupo de pessoas que, em certo momento e com uma finalidade determinada, se organiza numa massa”, escreve Freud na introdução da obra.

Publicado originalmente em 1921, o ensaio é fruto de anos de pesquisas e observações. O título está inserido no contexto do período entreguerras, quando ideais nazistas e fascistas começam a ganhar força na Europa devastada pela Primeira Guerra (1914-18).

“O diálogo com a filosofia também se faz presente buscando pontos de articulação com alguns pensamentos de Platão, Kierkegaard e Nietzsche”, escreve o psicanalista e professor Edson Sousa no prefácio à edição.

Freud se detém no funcionamento e nos mecanismos inconscientes que fazem uma multidão obedecer e idolatrar a um líder. Segundo Sousa, o livro “traz elementos que nos permitem abordar fenômenos sociais como o racismo, a intolerância religiosa e o fanatismo político”.

"Psicologia das Massas..." é um dos textos sociais de Sigmund FreudConhecido como um de seus textos sociais, a “Psicologia das Massas e Análise do Eu” debate as ideias de Gustave Le Bon (1841-1931) e usa conceitos como identificação, regressão, idealização, libido e recalque na investigação.

Nascido em 1856, na região da Morávia, Freud estudou medicina na Universidade de Viena e se demonstrava especialmente intrigado com a neurofisiologia. Já graduado, trabalhou no hospital da mesma cidade, quando conheceu Jean-Martin Charcot (1825-93) e o uso da hipnose.

Anos mais tarde, em 1895, publica “Estudo sobre Histeria” em parceria com o médico Joseph Breuer. “A Interpretação dos Sonhos”, considerada sua obra mais importante, chega quatro anos depois.

A edição de “Psicologia das Massas e Análise do Eu” publicada pela L&PM traz revisão técnica e prefácio de Edson Sousa e ensaio biobibliográfico de Paulo Endo e Edson Sousa. Leia trecho do livro (abaixo).

PREFÁCIO

Psicologia das massas:
Uma reflexão em contrafluxo

Quando o caminhante canta na escuridão.
recusa seu estado de angústia, mas nem por
isso pode ver mais claramente.
SIGMUND FREUD
Inibição, sintoma e angústia

Psicologia das massas e análise do eu surge de uma inquietação de Freud, a qual esteve presente em toda a sua vida e que pode ser resumida em uma tese explicitada logo na abertura do texto: “Na vida psíquica do indivíduo, o outro entra em consideração de maneira bem regular como modelo, objeto, ajudante e adversário, e por isso, desde o princípio, a psicologia individual também é ao mesmo tempo psicologia social”. Assim, Freud responde, de forma contundente, aos críticos de ontem e de hoje que veem na psicanálise uma disciplina restrita aos conflitos individuais dos sujeitos, virando as costas para o que acontece no mundo. Os inúmeros textos escritos pelo pai da psicanálise sobre questões sociais, buscando sempre dialogar com outras disciplinas no campo da história, sociologia, antropologia, política, arte, arqueologia, biologia, filosofia e religião, mostram um pensador engajado e atento aos acontecimentos de seu tempo. Seus textos e sua extensa correspondência com dezenas de intelectuais das mais diversas áreas dão provas de seu posicionamento crítico sobre o que se passava no mundo em que vivia.

Psicologia das massas, publicado em 1921, foi gestado lentamente e não deixa de ser um esforço louvável de reflexão diante da barbárie que representou para o mundo, e especialmente para a Europa, a destruição provocada pela Primeira Grande Guerra. Freud sentira na própria pele seus efeitos. Três dos seus filhos estavam no front: Martin, Oliver e Ernst. Seu genro Max, assim como alguns colegas e muitos pacientes, também. Era uma época de incertezas e de muitas perguntas sobre o que levara a humanidade a tal grau de barbárie, de destruição e de violência. Escrevera na época: “Parece-nos como se nunca antes um acontecimento tivesse destruído tantos bens comuns preciosos da humanidade, confundido tantos dos mais lúcidos intelectos, degradado tão cabalmente os mais elevados”. Em algumas passagens de Psicologia das massas, Freud faz menção à guerra e escolhe o Exército como um dos fenômenos de massa que analisa. O outro coletivo que lhe aponta um horizonte de reflexão se refere aos grupos religiosos, entre os quais toma particularmente como objeto de estudo a Igreja Católica.

A cautela de Freud nesse campo de estudo se devia ao fato de ter que percorrer toda uma ampla bibliografia da nascente psicologia social no final do século XIX e início do século XX. Seu texto traz uma extensa análise crítica da obra de Gustave Le Bon, autor âncora de seu estudo, dialogando com o clássico livro do autor francês Psicologia das multidões, publicado pela primeira vez em Paris em 1895. Convida também para o debate William McDougall e seu livro The Group Mind [A mente grupal], Wilfred Trotter com Os instintos do rebanho na paz e na guerra e Gabriel Tarde com As leis da imitação. Muitos outros autores que se dedicaram a estudar os fenômenos de massa são evocados em um detalhe ou outro, de forma que Psicologia das massas acabou se tornando uma espécie de guia do estado da questão na época. O diálogo com a filosofia também se faz presente buscando pontos de articulação com alguns pensamentos de Platão, Kierkegaard e Nietzsche. Freud evoca também em seu texto um série de outros escritos seus, procurando situar o presente estudo em relação à sua obra. São inúmeras as referências a Três ensaios de teoria sexualTotem e tabuLuto e melancoliaAlém do princípio do prazer e Introdução ao narcisismo.

Freud busca responder, em seu ensaio, a uma das perguntas que considerava um divisor de águas nos diversos estudos com os quais teve contato: o que mantém uma determinada massa coesa? A resposta terá muitas derivações, as quais o leitor terá a oportunidade de encontrar na leitura do presente texto. Ele responde a essa questão resumindo-a em uma palavra: Eros. Freud não se contenta com análises mais descritivas presentes nos textos nos quais se deteve, pois as considera insuficientes para entender uma série de fenômenos grupais. Falar em sugestão, hipnose, mecanismos de fascinação, sede de poder não lhe parecia responder ao fenômeno que liga os elementos de uma massa entre si e em relação a um líder. Para compreender esses mecanismos psíquicos, Freud ousou transferir alguns conceitos já clássicos em sua obra para a compreensão do funcionamento psíquico das massas, tais como identificação, regressão, idealização, circuitos de investimento libidinal e a lógica do recalque com suas derivações, manifestadas sobretudo na formação dos sintomas.

Psicologia das massas nos abre alguns caminhos de reflexão. Freud vinha concebendo esse texto há algum tempo, recolhendo notas, lendo as obras disponíveis sobre o tema. Já havia desenvolvido anos antes uma série de estudos sobre as razões da posição masoquista do ser humano bem como sobre o conceito de pulsão (ou impulso, conforme se preferiu na presente tradução) de morte, crucial no entendimento de sua metapsicologia. Este último foi amplamente desenvolvido em seu texto Além do princípio do prazer (1920). Nesse mesmo ano, em uma viagem de férias aos Alpes, preparava as primeiras notas de Psicologia das massas e parecia muito cauteloso e sem pressa em finalizar seu estudo. Do alto das montanhas e em meio às inúmeras anotações que vinha recolhendo, escreve a seu biógrafo oficial, Ernst Jones: “Trouxe comigo o material para a Psicologia das massas e análise do eu, mas minha cabeça até agora se recusa obstinadamente a se interessar por esses problemas profundos”.

Primates, Too, Can Move in Unison (Science Daily)

Jan. 28, 2013 — Japanese researchers show for the first time that primates modify their body movements to be in tune with others, just like humans do. Humans unconsciously modify their movements to be in synchrony with their peers. For example, we adapt our pace to walk in step or clap in unison at the end of a concert. This phenomenon is thought to reflect bonding and facilitate human interaction. Researchers from the RIKEN Brain Science Institute report that pairs of macaque monkeys also spontaneously coordinate their movements to reach synchrony.

Monkey training (A), and experimental setting (B and C). (Credit: Image courtesy of RIKEN)

This research opens the door to much-needed neurophysiological studies of spontaneous synchronization in monkeys, which could shed light into human behavioral dysfunctions such as those observed in patients with autism spectrum disorders, echopraxia and echolalia — where patients uncontrollably imitate others.

In the research, recently published in the journal Scientific Reports, the team led by Naotaka Fujii developed an experimental set-up to test whether pairs of Japanese macaque monkeys synchronize a simple push-button movement.

Before the experiment, the monkeys were trained to push a button with one hand. In a first experiment the monkeys were paired and placed facing each other and the timing of their push-button movements was recorded. The same experiment was repeated but this time each monkey was shown videos of another monkey pushing a button at varying speeds. And in a last experiment the macaques were not allowed to either see or hear their video-partner.

The results show that the monkeys modified their movements — increased or decreased the speed of their push-button movement — to be in synchrony with their partner, both when the partner was real and on video. The speed of the button pressing movement changed to be in harmonic or sub-harmonic synchrony with the partners’ speed. However, different pairs of monkeys synchronized differently and reached different speeds, and the monkeys synchronized their movements the most when they could both see and hear their partner.

The researchers note that this behavior cannot have been learnt by the monkeys during the experiment, as previous research has shown that it is extremely difficult for monkeys to learn intentional synchronization.

They add: “The reasons why the monkeys showed behavioral synchronization are not clear. It may be a vital aspect of other socially adaptive behavior, important for survival in the wild.”

The study was partly supported by Grant-in-Aid for Scientific Research on Innovative Areas ‘Neural creativity for communication’ (22120522 and 24120720) of MEXT, Japan.

Journal Reference:

  1. Yasuo Nagasaka, Zenas C. Chao, Naomi Hasegawa, Tomonori Notoya, Naotaka Fujii. Spontaneous synchronization of arm motion between Japanese macaquesScientific Reports, 2013; 3 DOI:10.1038/srep01151

Need an Expert? Try the Crowd (Science Daily)

ScienceDaily (Aug. 14, 2012) — “It’s potentially a new way to do science.”

In 1714, the British government held a contest. They offered a large cash prize to anyone who could solve the vexing “longitude problem” — how to determine a ship’s east/west position on the open ocean — since none of their naval experts had been able to do so.

Lots of people gave it a try. One of them, a self-educated carpenter named John Harrison, invented the marine chronometer — a rugged and highly precise clock — that did the trick. For the first time, sailors could accurately determine their location at sea.

A centuries-old problem was solved. And, arguably, crowdsourcing was born.

Crowdsourcing is basically what it sounds like: posing a question or asking for help from a large group of people. Coined as a term in 2006, crowdsourcing has taken off in the internet era. Think of Wikipedia, and its thousands of unpaid contributors, now vastly larger than the Encyclopedia Britannica.

Crowdsourcing has allowed many problems to be solved that would be impossible for experts alone. Astronomers rely on an army of volunteers to scan for new galaxies. At climateprediction.net, citizens have linked their home computers to yield more than a hundred million hours of climate modeling; it’s the world’s largest forecasting experiment.

But what if experts didn’t simply ask the crowd to donate time or answer questions? What if the crowd was asked to decide what questions to ask in the first place?

Could the crowd itself be the expert?

That’s what a team at the University of Vermont decided to explore — and the answer seems to be yes.

Prediction from the people

Josh Bongard and Paul Hines, professors in UVM’s College of Engineering and Mathematical Sciences, and their students, set out to discover if volunteers who visited two different websites could pose, refine, and answer questions of each other — that could effectively predict the volunteers’ body weight and home electricity use.

The experiment, the first of its kind, was a success: the self-directed questions and answers by visitors to the websites led to computer models that effectively predict user’s monthly electricity consumption and body mass index.

Their results, “Crowdsourcing Predictors of Behavioral Outcomes,” were published in a recent edition of IEEE Transactions: Systems, Man and Cybernetics, a journal of the Institute of Electrical and Electronics Engineers.

“It’s proof of concept that a crowd actually can come up with good questions that lead to good hypotheses,” says Bongard, an expert on machine science.

In other words, the wisdom of the crowd can be harnessed to determine which variables to study, the UVM project shows — and at the same time provide a pool of data by responding to the questions they ask of each other.

“The result is a crowdsourced predictive model,” the Vermont scientists write.

Unexpected angles

Some of the questions the volunteers posed were obvious. For example, on the website dedicated to exploring body weight, visitors came up with the question: “Do you think of yourself as overweight?” And, no surprise, that proved to be the question with the most power to predict people’s body weight.

But some questions posed by the volunteers were less obvious. “We had some eye-openers,” Bongard says. “How often do you masturbate a month?” might not be the first question asked by weight-loss experts, but it proved to be the second-most-predictive question of the volunteer’s self-reported weights — more predictive than “how often do you eat during a day?”

“Sometimes the general public has intuition about stuff that experts miss — there’s a long literature on this,” Hines says.

“It’s those people who are very underweight or very overweight who might have an explanation for why they’re at these extremes — and some of those explanations might not be a simple combination of diet and exercise,” says Bongard. “There might be other things that experts missed.”

Cause and correlation

The researchers are quick to note that the variables revealed by the evolving Q&A on the experimental websites are simply correlated to outcomes — body weight and electricity use — not necessarily the cause.

“We’re not arguing that this study is actually predictive of the causes,” says Hines, “but improvements to this method may lead in that direction.”

Nor do the scientists make claim to being experts on body weight or to be providing recommendations on health or diet (though Hines is an expert on electricity, and the EnergyMinder site he and his students developed for this project has a larger aim to help citizens understand and reduce their household energy use.)

“We’re simply investigating the question: could you involve participants in the hypothesis-generation part of the scientific process?” Bongard says. “Our paper is a demonstration of this methodology.”

“Going forward, this approach may allow us to involve the public in deciding what it is that is interesting to study,” says Hines. “It’s potentially a new way to do science.”

And there are many reasons why this new approach might be helpful. In addition to forces that experts might simply not know about — “can we elicit unexpected predictors that an expert would not have come up with sitting in his office?” Hines asks — experts often have deeply held biases.

Faster discoveries

But the UVM team primarily sees their new approach as potentially helping to accelerate the process of scientific discovery. The need for expert involvement — in shaping, say, what questions to ask on a survey or what variable to change to optimize an engineering design — “can become a bottleneck to new insights,” the scientists write.

“We’re looking for an experimental platform where, instead of waiting to read a journal article every year about what’s been learned about obesity,” Bongard says, “a research site could be changing and updating new findings constantly as people add their questions and insights.”

The goal: “exponential rises,” the UVM scientists write, in the discovery of what causes behaviors and patterns — probably driven by the people who care about them the most. For example, “it might be smokers or people suffering from various diseases,” says Bongard. The team thinks this new approach to science could “mirror the exponential growth found in other online collaborative communities,” they write.

“We’re all problem-solving animals,” says Bongard, “so can we exploit that? Instead of just exploiting the cycles of your computer or your ability to say ‘yes’ or ‘no’ on a survey — can we exploit your creative brain?”