Arquivo da tag: Oralidade

How philosophy came to disdain the wisdom of oral cultures (AEON)

01 June 2016

Justin E H Smith is a professor of history and philosophy of science at the Université Paris Diderot – Paris 7. He writes frequently for The New York Times and Harper’s Magazine. His latest book is The Philosopher: A History in Six Types(2016).

Published in association with Princeton University Press, an Aeon Partner

Edited by Marina Benjamin

ESSAY: We learn more about our language by listening to the wolves

IDEA: Why science needs to break the spell of reductive materialism

VIDEO: Does the meaning of words rest in our private minds or in our shared experience?

Idea sized ahron de leeuw 3224207371 bde659342e o

Ahron de Leeuw/Flickr

A poet, somewhere in Siberia, or the Balkans, or West Africa, some time in the past 60,000 years, recites thousands of memorised lines in the course of an evening. The lines are packed with fixed epithets and clichés. The bard is not concerned with originality, but with intonation and delivery: he or she is perfectly attuned to the circumstances of the day, and to the mood and expectations of his or her listeners.

If this were happening 6,000-plus years ago, the poet’s words would in no way have been anchored in visible signs, in text. For the vast majority of the time that human beings have been on Earth, words have had no worldly reality other than the sound made when they are spoken.

As the theorist Walter J Ong pointed out in Orality and Literacy: Technologizing the Word (1982), it is difficult, perhaps even impossible, now to imagine how differently language would have been experienced in a culture of ‘primary orality’. There would be nowhere to ‘look up a word’, no authoritative source telling us the shape the word ‘actually’ takes. There would be no way to affirm the word’s existence at all except by speaking it – and this necessary condition of survival is important for understanding the relatively repetitive nature of epic poetry. Say it over and over again, or it will slip away. In the absence of fixed, textual anchors for words, there would be a sharp sense that language is charged with power, almost magic: the idea that words, when spoken, can bring about new states of affairs in the world. They do not so much describe, as invoke.

As a consequence of the development of writing, first in the ancient Near East and soon after in Greece, old habits of thought began to die out, and certain other, previously latent, mental faculties began to express themselves. Words were now anchored and, though spellings could change from one generation to another, or one region to another, there were now physical traces that endured, which could be transmitted, consulted and pointed to in settling questions about the use or authority of spoken language.

Writing rapidly turned customs into laws, agreements into contracts, genealogical lore into history. In each case, what had once been fundamentally temporal and singular was transformed into something eternal (as in, ‘outside of time’) and general. Even the simple act of making everyday lists of common objects – an act impossible in a primary oral culture – was already a triumph of abstraction and systematisation. From here it was just one small step to what we now call ‘philosophy’.

Homer’s epic poetry, which originates in the same oral epic traditions as those of the Balkans or of West Africa, was written down, frozen, fixed, and from this it became ‘literature’. There are no arguments in the Iliad: much of what is said arises from metrical exigencies, the need to fill in a line with the right number of syllables, or from epithets whose function is largely mnemonic (and thus unnecessary when transferred into writing). Yet Homer would become an authority for early philosophers nonetheless: revealing truths about humanity not by argument or debate, but by declamation, now frozen into text.

Plato would express extreme concern about the role, if any, that poets should play in society. But he was not talking about poets as we think of them: he had in mind reciters, bards who incite emotions with living performances, invocations and channellings of absent persons and beings.

It is not orality that philosophy rejects, necessarily: Socrates himself rejected writing, identifying instead with a form of oral culture. Plato would also ensure the philosophical canonisation of his own mentor by writing down (how faithfully, we don’t know) what Socrates would have preferred to merely say, and so would have preferred to have lost to the wind. Arguably, it is in virtue of Plato’s recording that we might say, today, that Socrates was a philosopher.

Plato and Aristotle, both, were willing to learn from Homer, once he had been written down. And Socrates, though Plato still felt he had to write him down, was already engaged in a sort of activity very different from poetic recitation. This was dialectic: the structured, working-through of a question towards an end that has not been predetermined – even if this practice emerged indirectly from forms of reasoning only actualised with the advent of writing.

The freezing in text of dialectical reasoning, with a heavy admixture (however impure or problematic) of poetry, aphorism and myth, became the model for what, in the European tradition, was thought of as ‘philosophy’ for the next few millennia.

Why are these historical reflections important today? Because what is at stake is nothing less than our understanding of the scope and nature of philosophical enquiry.

The Italian philosopher of history Giambattista Vico wrote in his ScienzaNuova (1725): ‘the order of ideas must follow the order of institutions’. This order was, namely: ‘First the woods, then cultivated fields and huts, next little houses and villages, thence cities, finally academies and philosophers.’ It is implicit for Vico that the philosophers in these academies are not illiterate. The order of ideas is the order of the emergence of the technology of writing.

Within academic philosophy today, there is significant concern arising from how to make philosophy more ‘inclusive’, but no interest at all in questioning Vico’s order, in going back and recuperating what forms of thought might have been left behind in the woods and fields.

The groups ordinarily targeted by philosophy’s ‘inclusivity drive’ already dwell in the cities and share in literacy, even if discriminatory measures often block their full cultivation of it. No arguments are being made for the inclusion of people belonging to cultures that value other forms of knowledge: there are no efforts to recruit philosophers from among Inuit hunters or Hmong peasants.

The practical obstacles to such recruitment from a true cross-section of humanity are obvious. Were it to happen, the simple process of moving from traditional ways of life into academic institutions would at the same time dilute and transform the perspectives that are deserving of more attention. Irrespective of such unhappy outcomes, there is already substantial scholarship on these forms of thought accumulated in philosophy’s neighbouring disciplines – notably history, anthropology, and world literatures – to which philosophers already have access. It’s a literature that could serve as a corrective to the foundational bias, present since the emergence of philosophy as a distinct activity.

As it happens, there are few members of primary oral cultures left in the world. And yet from a historical perspective the great bulk of human experience resides with them. There are, moreover, members of literate cultures, and subcultures, whose primary experience of language is oral, based in storytelling, not argumentation, and that is living and charged, not fixed and frozen. Plato saw these people as representing a lower, and more dangerous, use of language than the one worthy of philosophers.

Philosophers still tend to disdain, or at least to conceive as categorically different from their own speciality, the use of language deployed by bards and poets, whether from Siberia or the South Bronx. Again, this disdain leaves out the bulk of human experience. Until it is eradicated, the present talk of the ideal of inclusion will remain mere lip-service.

Language and China’s ‘Practical Creativity’ (N.Y.Times)

 

AUGUST 22, 2012

By DIDI KIRSTEN TATLOW

Every language presents challenges — English pronunciation can be idiosyncratic and Russian grammar is fairly complex, for example — but non-alphabetic writing systems like Chinese pose special challenges.

There is the well-known issue that Chinese characters don’t systematically map to sounds, making both learning and remembering difficult, a point I examine in my latest column. If you don’t know a character, you can’t even say it.

Nor does Chinese group individual characters into bigger “words,” even when a character is part of a compound, or multi-character, word. That makes meanings ambiguous, a rich source of humor for Chinese people.

Consider this example from Wu Wenchao, a former interpreter for the United Nations based in Hong Kong. On his blog he has a picture of mobile phones’ being held under a hand dryer. Huh?

The joke is that the Chinese word for hand dryer is composed of three characters, “hong shou ji” (I am using pinyin, a system of Romanization used in China, to “write” the characters in the English alphabet.)

Group them as “hongshou ji” and it means “hand dryer.” Group them as “hong shouji” and it means “dry the mobile phone.” (A shouji is a mobile phone.)

Good fodder for serious linguists and amateur language lovers alike. But does a character script also exert deeper effects on the mind?

William C. Hannas is one of the most provocative writers on this today. He believes character writing systems inhibit a type of deep creativity — but that its effects are not irreversible.

He is at pains to point out that his analysis is not race-based, that people raised in a character-based writing system have a different type of creativity, and that they may flourish when they enter a culture that supports deep creativity, like Western science laboratories.

Still, “The rote learning needed to master Chinese writing breeds a conformist attitude and a focus on means instead of ends. Process rules substance. You spend more time fidgeting with the script than thinking about content,” Mr. Hannas wrote to me in an e-mail.

But Mr. Hannas’s argument is indeed controversial — that learning Chinese lessens deep creativity by furthering practical, but not abstract, thinking, as he wrote in “The Writing on the Wall: How Asian Orthography Curbs Creativity,” published in 2003 and reviewed by The New York Times.

It’s a touchy topic that some academics reject outright and others acknowledge, but are reluctant to discuss, as Emily Eakin wrote in the review.

How does it work?

“Alphabets used in the West foster early skills in analysis and abstract thinking,” wrote Mr. Hannas, emphasizing the views were personal and not those of his employer, the U.S. government.

They do this by making readers do two things: breaking syllables into sound segments and clustering these segments into bigger, abstract, flexible sound units.

Chinese characters don’t do that. “The symbols map to syllables — natural concrete units. No analysis is needed and not much abstraction is involved,” Mr. Hannas wrote.

But radical, “type 2” creativity — deep creativity — depends on being able to match abstract patterns from one domain to another, essentially mapping the skills that alphabets nurture, he continued. “There is nothing comparable in the Sinitic tradition,” he wrote.

Will this inhibit China’s long-term development? Does it mean China won’t “take over the world,” as some are wondering? Not necessarily, Mr. Hannas said.

“You don’t need to be creative to succeed. Success goes to the early adapter and this is where China excels, for two reasons,” he wrote. First, Chinese are good at improving existing models, a different, more practical type of creativity, he wrote, adding that this practicality was noted by the British historian of Chinese science, Joseph Needham.

Yet there is a further step to this argument, and this is where Mr. Hannas’s ideas become explosive.

Partly as a result of these cultural constraints, China has built an “absolutely mind-boggling infrastructure” to get hold of cutting-edge foreign technology — by any means necessary, including large-scale, apparently government-backed, computer hacking, he wrote.

For more on that, see a hard-hitting Bloomberg report, “Hackers Linked to China’s Army seen from E.U to D.C.”

Non-Chinese R.&D. gets “outsourced” from its place of origin, “while China reaps the gain,” Mr. Hannas wrote, adding that many people believed this was “normal business practice.”

“In fact, it’s far from normal. The director of a U.S. intelligence agency has described China’s informal technology acquisition as ‘the greatest transfer of wealth in history,’ which I regard as a polite understatement,” he said.

Mr. Hannas has co-authored a book on this, to appear in the spring. It promises to shake things up. Watch this space.

População indígena no País cresceu 205% em duas décadas (Agência Brasil)

JC e-mail 4559, de 10 de Agosto de 2012.

No contexto do dia 9 de agosto, Dia Internacional dos Povos Indígenas, lideranças realizaram um protesto na sede da Advocacia Geral da União (AGU) para apelar pela suspensão da portaria 303, que autoriza a intervenção em terras indígenas sem a necessidade de consultar os índios.

Hoje (10), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do Censo 2010 que mostram que os índios no Brasil somam 896,9 mil pessoas, de 305 etnias, que falam 274 línguas indígenas. É a primeira vez que o órgão coleta informações sobre a etnia dos povos. O levantamento marca também a retomada da investigação sobre as línguas indígenas, parada por 60 anos.

Com base nos dados do Censo 2010, o IBGE revela que a população indígena no País cresceu 205% desde 1991, quando foi feito o primeiro levantamento no modelo atual. À época, os índios somavam 294 mil. O número chegou a 734 mil no Censo de 2000, 150% de aumento na comparação com 1991.

A pesquisa mostra que, dos 896,9 mil índios do País, mais da metade (63,8%) vivem em área rural. A situação é o inverso da de 2000, quando mais da metade estavam em área urbana (52%).

Na avaliação do IBGE, a explicação para o crescimento da população indígena pode estar na queda da taxa de fecundidade das mulheres em áreas rurais, apesar de o índice de 2010 não estar fechado ainda. Entre 1991 e 2000, essa taxa passou de 6,4 filhos por mulher para 5,8.

Outro fator que pode explicar o aumento do número de índios é o processo de etnogênese, quando há “reconstrução das comunidades indígenas”, que supostamente não existiam mais, explica o professor de antropologia da Universidade de Campinas (Unicamp), José Maurício Arruti.

Os dados do IBGE indicam que a maioria dos índios (57,7%) vive em 505 terras indígenas reconhecidas pelo governo até o dia 31 de dezembro de 2010, período de avaliação da pesquisa. Essas áreas equivalem a 12,5% do território nacional, sendo que maior parte fica na Região Norte – a mais populosa em indígenas (342 mil). Já na Região Sudeste, 84% dos 99,1 mil índios estão fora das terras originárias. Em seguida vem o Nordeste (54%).

Para chegar ao número total de índios, o IBGE somou aqueles que se autodeclararam indígenas (817,9 mil) com 78,9 mil que vivem em terras indígenas, mas não tinham optado por essa classificação ao responder à pergunta sobre cor ou raça. Para esse grupo, foi feita uma segunda pergunta, indagando se o entrevistado se considerava índio. O objetivo foi evitar distorções.

A responsável pela pesquisa, Nilza Pereira, explicou que a categoria índios foi inventada pela população não índia e, por isso, alguns se confundiram na autodeclaração e não se disseram indígenas em um primeiro momento. “Para o índio, ele é um xavante, um kaiapó, da cor parda, verde e até marrom”, justificou.

A terra indígena mais populosa no País é a Yanomami, com 25,7 mil habitantes (5% do total) distribuídos entre o Amazonas e Roraima. Já a etnia Tikúna (AM) é mais numerosa, com 46 mil indivíduos, sendo 39,3 mil na terra indígena e os demais fora. Em seguida, vem a etnia Guarani Kaiowá (MS), com 43 mil índios, dos quais 35 mil estão na terra indígena e 8,1 mil vivem fora.

O Censo 2010 também revelou que 37,4% índios com mais de 5 anos de idade falam línguas indígenas, apesar de anos de contato com não índios. Cerca de 120 mil não falam português. Os povos considerados índios isolados, pelas limitações da própria política de contato, com objetivo de preservá-los, não foram entrevistados e não estão contabilizados no Censo 2010.

New Book Explores ‘Noah’s Flood’: Says Bible and Science Can Get Along (Science Daily)

ScienceDaily (Aug. 14, 2012) — David Montgomery is a geomorphologist, a geologist who studies changes to topography over time and how geological processes shape landscapes. He has seen firsthand evidence of how the forces that have shaped Earth run counter to some significant religious beliefs.

But the idea that scientific reason and religious faith are somehow at odds with each other, he said, “is, in my view, a false dichotomy.”

In a new book, “The Rocks Don’t Lie: A Geologist Investigates Noah’s Flood” (Aug. 27, 2012, W.W. Norton), Montgomery explores the long history of religious thinking — particularly among Christians — on matters of geological discovery, from the writings of St. Augustine 1,700 years ago to the rise in the mid-20th century of the most recent rendering of creationism.

“The purpose is not to tweak people of faith but to remind everyone about the long history in the faith community of respecting what we can learn from observing the world,” he said.

Many of the earliest geologists were clergy, he said. Nicolas Steno, considered the founder of modern geology, was a 17th century Roman Catholic priest who has achieved three of the four steps to being declared a saint in the church.

“Though there are notable conflicts between religion and science — the famous case of Galileo Galilei, for example — there also is a church tradition of working to reconcile biblical stories with known scientific fact,” Montgomery said.

“What we hear today as the ‘Christian’ positions are really just one slice of a really rich pie,” he said.

For nearly two centuries there has been overwhelming geological evidence that a global flood, as depicted in the story of Noah in the biblical book of Genesis, could not have happened. Not only is there not enough water in the Earth system to account for water levels above the highest mountaintop, but uniformly rising levels would not allow the water to have the erosive capabilities attributed to Noah’s Flood, Montgomery said.

Some rock formations millions of years old show no evidence of such large-scale water erosion. Montgomery is convinced any such flood must have been, at best, a regional event, perhaps a catastrophic deluge in Mesopotamia. There are, in fact, Mesopotamian stories with details very similar, but predating, the biblical story of Noah’s Flood.

“If your world is small enough, all floods are global,” he said.

Perhaps the greatest influence in prompting him to write “The Rocks Don’t Lie” was a 2002 expedition to the Tsangpo River on the Tibetan Plateau. In the fertile river valley he found evidence in sediment layers that a great lake had formed in the valley many centuries ago, not once but numerous times. Downstream he found evidence that a glacier on several occasions advanced far enough to block the river, creating the huge lake.

But ice makes an unstable dam, and over time the ice thinned and finally give way, unleashing a tremendous torrent of water down the deepest gorge in the world. It was only after piecing the story together from geological evidence that Montgomery learned that local oral traditions told of exactly this kind of great flood.

“To learn that the locals knew about it and talked about it for the last thousand years really jolted my thinking. Here was evidence that a folk tale might be reality based,” he said.

He has seen evidence of huge regional floods in the scablands of Eastern Washington, carved by torrents when glacial Lake Missoula breached its ice dam in Montana and raced across the landscape, and he found Native American stories that seem to tell of this catastrophic flood.

Other flood stories dating back to the early inhabitants of the Pacific Northwest and from various islands in the Pacific Ocean, for example, likely tell of inundation by tsunamis after large earthquakes.

But he noted that in some regions of the world — in Africa, for example — there are no flood stories in the oral traditions because there the annual floods help sustain life rather than bring destruction.

Floods are not always responsible for major geological features. Hiking a trail from the floor of the Grand Canyon to its rim, Montgomery saw unmistakable evidence of the canyon being carved over millions of years by the flow of the Colorado River, not by a global flood several thousand years ago as some people still believe.

He describes that hike in detail in “The Rocks Don’t Lie.” He also explores changes in the understanding of where fossils came from, how geologists read Earth history in layers of rock, and the writings of geologists and religious authorities through the centuries.

Montgomery hopes the book might increase science literacy. He noted that a 2001 National Science Foundation survey found that more than half of American adults didn’t realize that dinosaurs were extinct long before humans came along.

But he also would like to coax readers to make sense of the world through both what they believe and through what they can see for themselves, and to keep an open mind to new ideas.

“If you think you know everything, you’ll never learn anything,” he said.

DECLARACION DE KARI-OCA 2012

DECLARACION DE KARI-OCA 2012

“CONFERENCIA MUNDIAL DE LOS PUEBLOS INDIGENAS

SOBRE RIO+20 Y LA MADRE TIERRA” 13 -22 Junio 2012

Nosotros, los Pueblos Indígenas de la Madre Tierra reunidos en la sede de Kari-Oca I Sacred Kari-Oka Púku en Rio de Janeiro para participar en la Conferencia de las Naciones Unidas sobre Desarrollo Sostenible Rio+20, agradecemos a los Pueblos Indígenas de Brasil por darnos la bienvenida a sus territorios. Reafirmamos nuestra responsabilidad para hablar para la protección y del bienestar de la Madre Tierra, la naturaleza y las futuras generaciones de nuestros Pueblos Indígenas y toda la humanidad y la vida. Reconocemos el significado de esta segunda convocatoria de los Pueblos Indígenas del mundo y reafirmamos la reunión histórica de 1992 de Kari-Oca I, donde los Pueblos Indígenas emitieron la Declaración de Kari-Oca y la Carta de la Tierra de los Pueblos Indígenas. La conferencia de Kari-Oca y la movilización de los Pueblos Indígenas durante la Cumbre de la Tierra, marcó un gran avance del movimiento internacional para los derechos de los Pueblos Indígenas y el papel importante que desempeñamos en la conservación y el desarrollo sostenible. Reafirmamos también la Declaración de Manaos sobre la convocatoria de Kari-Oca 2 como el encuentro internacional de los Pueblos Indígenas en Río+20.

La institucionalización del colonialismo

Consideramos que los objetivos de la Cumbre de las Naciones Unidas sobre Desarrollo Sostenible (UNCSD) Río+20, la “Economía Verde” y su premisa de que el mundo sólo puede “salvar” a la naturaleza por mercantilizar sus capacidades de dar vida y sostener la vida como una continuación del colonialismo que los Pueblos Indígenas y nuestra Madre Tierra han resistido durante 520 años. La “Economía Verde” se promete erradicar la pobreza, pero en realidad sólo va a favorecer y responder a las empresas multinacionales y el capitalismo. Se trata de una continuación de una economía global basada en los combustibles fósiles, la destrucción del medio ambiente mediante la explotación de la naturaleza a través de las industrias extractivas, tales como la minería, la explotación y producción petrolera, la agricultura intensiva de mono-cultivos y otras inversiones capitalistas. Todos estos esfuerzos están dirigidos hacia las ganancias y la acumulación de capital por unos pocos.

Desde Rio 1992, nosotros como Pueblos Indígenas vemos que el colonialismo se ha convertido en la base de la globalización del comercio y la hegemónica economía capitalista mundial. Se han intensificado la explotación y el saqueo de los ecosistemas y biodiversidad del mundo, así como la violación los derechos inherentes de los pueblos indígenas. Nuestro derecho a la libre determinación, a nuestra propia gobernanza y a nuestro desarrollo libremente determinado, nuestros derechos inherentes a nuestras tierras, territorios y recursos están cada vez más atacados por una colaboración de gobiernos y empresas transnacionales. Activistas y líderes indígenas que defienden sus territorios siguen sufriendo represión, militarización, incluyendo asesinatos, encarcelamientos, hostigamiento y calificación como “terroristas”. La violación de nuestros derechos colectivos enfrenta la misma impunidad. La reubicación forzosa o asimilación amenaza nuestras futuras generaciones, culturas, idiomas, espiritualidad y relación con la Madre Tierra, económica y políticamente.

Nosotros, pueblos indígenas de todas las regiones del mundo, hemos defendido a Nuestra Madre Tierra de las agresiones del desarrollo no sustentable y la sobreexplotación de nuestros recursos por minería, maderería, megarepresas hidroeléctricas, exploración y extracción petrolera. Nuestros bosques sufren por la producción de agrocombustibles, biomasa, plantaciones y otras imposiciones como las falsas soluciones al cambio climático y el desarrollo no sustentable y dañino.

La Economía Verde es nada menos que capitalismo de la naturaleza; un esfuerzo perverso de las grandes empresas, las industrias extractivas y los gobiernos para convertir en dinero toda la Creación mediante la privatización, mercantilización y venta de lo Sagrado y todas las formas de vida, así como el cielo, incluyendo el aire que respiramos, el agua que bebemos y todos los genes, plantas, semillas criollas, árboles, animales, peces, diversidad biológica y cultural, ecosistemas y conocimientos tradicionales que hacen posible y disfrutable la vida sobre la tierra.

Violaciónes graves de los derechos de los pueblos indígenas a la soberanía alimentaria continúan sin cesar lo que da lugar a la “inseguridad” alimentaria. Nuestra propia producción de alimentos, las plantas que nos reunimos, los animales que cazamos, nuestros campos y las cosechas, el agua que bebemos y el agua a nuestros campos, los peces que pescamos de nuestros ríos y arroyos, está disminuyendo a un ritmo alarmante. Proyectos de desarrollo no sostenibles, tales como mono-culturales plantaciones de soja químicamente intensiva, las industrias extractivas como la minería y otros proyectos destructivos del medioambiente y las inversiones con fines de lucro están destruyendo nuestra biodiversidad, envenenando nuestra agua, nuestros ríos, arroyos, y la tierra y su capacidad para mantener la vida. Esto se agrava aún más por el cambio climático y las represas hidroeléctricas y otras formas de producción de energía que afectan a todo el ecosistema y su capacidad para proveer la vida. La soberanía alimentaria es una expresión fundamental de nuestro derecho colectivo a la libre determinación y desarrollo sustentable. La soberanía alimentaria y el derecho a la alimentación deben ser reconocido y respetados: alimentación no debe ser mercancía que se utiliza, comercializada o especula con fines de lucro. Nutre nuestras identidades, nuestras culturas e idiomas, y nuestra capacidad para sobrevivir como pueblos indígenas.

La Madre Tierra es la fuente de la vida que se requiere proteger, no como un recurso para ser explotado y mercantilizado como “capital natural”. Tenemos nuestro lugar y nuestras responsabilidades dentro del orden sagrado de la Creación. Sentimos la alegría sustentadora cuando las cosas ocurren en armonía con la Tierra y con toda la vida que crea y sostiene. Sentimos el dolor de la falta de armonía cuando somos testigos de la deshonra del orden natural de la Creación y la colonización económica y continua y la degradación de la Madre Tierra y toda la vida en ella. Hasta que los derechos de los pueblos indígenas sean observados, velados y respetados, el desarrollo sustentable y la erradicación de la pobreza no se lograrán.

La Solución

La relación inseparable entre los seres humanos y la Tierra, inherente para los pueblos indígenas debe ser respetada por el bien de las generaciones futuras y toda la humanidad. Instamos a toda la humanidad a unirse con nosotros para transformar las estructuras sociales, las instituciones y relaciones de poder que son la base de nuestra pobreza, opresión y explotación. La globalización imperialista explota todo lo que sostiene la vida y daña la tierra. Necesitamos reorientar totalmente la producción y el consumo en base de las necesidades humanas en lugar de la acumulación desenfrenada de ganancia de para unos pocos. La sociedad debe tomar control colectivo de los recursos productivos para satisfacer las necesidades de desarrollo social sostenible y evitar la sobreproducción, el sobreconsumo y la sobreexplotación de las personas y la naturaleza que son inevitables bajo prevaleciente sistema capitalista monopólico. Debemos enfocar sobre comunidades sostenibles con base en conocimientos indígena sy no desarrollo capitalista.

Exigimos que las Naciones Unidas, los gobiernos y las empresas abandonen las falsas soluciones al cambio climático, tales como las grandes represas hidroeléctricas, los organismos genéticamente modificados, incluyendo los árboles transgénicos, las plantaciones, los agrocombustibles, el “carbón limpio”, la energía nuclear, el gas natural, el fracturamiento hidráulico, la nanotecnología, la biología sintética, la bioenergía, la biomasa, el biochar, la geo-ingeniería, los mercados de carbono, el Mecanismo de Desarrollo Limpio y REDD+ que ponen en peligro el futuro y la vida tal como la conocemos. En lugar de ayudar a reducir el calentamiento global, ellos envenenan y destruyen el medio ambiente y dejan que la crisis climática aumente exponencialmente, lo que puede dejar el planeta prácticamente inhabitable. No podemos permitir que las falsas soluciones destruyan el equilibrio de la Tierra, asesinen a las estaciones, desencadenen el caos del mal tiempo, privaticen la vida y amenacen la supervivencia de la humanidad. La Economía Verde es un crimen de lesa humanidad y contra la Tierra.

Para lograr el desarrollo sostenible los Estados deben reconocer los sistemas tradicionales de manejo de recursos de los pueblos indígenas que han existido por milenios, sosteniéndonos aún durante el colonialismo. Es fundamental asegurar la participación activa de los pueblos indígenas en los procesos de toma de decisiones que les afectan y su derecho al consentimiento libre, previo e informado. Los Estados también deben proporcionar apoyo a los pueblos indígenas que sea apropiada a su sustentabilidad y prioridades libremente determinadas, sin restricciones y directrices limitantes.

Seguiremos luchando contra la construcción de represas hidroeléctricas y todas las formas de producción de energía que afectan a nuestras aguas, nuestros peces, nuestra biodiversidad y los ecosistemas que contribuyen a nuestra soberanía alimentaria. Trabajaremos para preservar nuestros territorios contra el veneno de las plantaciones de monocultivos, de las industrias extractivas y otros proyectos destructivos del medioambiente, y continuar nuestras formas de vida, preservando nuestras culturas e identidades. Trabajaremos para preservar nuestras plantas y las semillas tradicionales, y mantener el equilibrio entre nuestras necesidades y las necesidades de nuestra Madre Tierra y su capacidad de sostener la vida. Demostraremos al mundo que se puede y se debe hacer. En todos estos asuntos recopilaremos y organizaremos la solidaridad de todos los pueblos indígenas de todas partes del mundo, y todas las demás fuentes de solidaridad con los no indígenas de buena voluntad a unirse a nuestra lucha por la soberanía alimentaria y la seguridad alimentaria. Rechazamos la privatización y el control corporativo de los recursos, tales como nuestras semillas tradicionales y de los alimentos. Por último, exigimos a los estados a defender nuestros derechos al control de nuestros sistemas de gestión tradicionales y ofreciendo un apoyo concreto, tales como las tecnologías apropiadas para que podamos desarrollar nuestra soberanía alimentaria.

Rechazamos las promesas falsas del desarrollo sostenible y soluciones al cambio climático que solamente sirven al orden económico dominante. Rechazamos REDD, REDD+ y otras soluciones basadas en el mercado que tienen como enfoque nuestros bosques, para seguir violando nuestros derechos inherentes a la libre determinación y el derecho a nuestras tierras, territorios, aguas y recursos, y el derecho de la Tierra a crear y sostener la vida. No existe tal cosa como “minería sostenible”. No hay tal cosa como “petróleo ético”.

Rechazamos la aplicación de derechos de propiedad intelectual sobre los recursos genéticos y el conocimiento tradicional de los pueblos indígenas que resulta en la enajenación y mercantilización de lo Sagrado esencial para nuestras vidas y culturas. Rechazamos las formas industriales de la producción alimentaria que promueve el uso de agrotóxicos, semillas y organismos transgénicos. Por lo tanto, afirmamos nuestro derecho a poseer, controlar, proteger y heredar las semillas criollas, plantas medicinales y los conocimientos tradicionales provenientes de nuestras tierras y territorios para el beneficio de nuestras futuras generaciones.

Nuestro Compromiso con el Futuro que Queremos

Debido a la falta de implementación verdadera del desarrollo sostenible el mundo está en múltiples crisis ecológicas, económicas y climáticas; incluyendo la pérdida de biodiversidad, desertificación, el derretimiento de los glaciares, escases de alimentos, agua y energía, una recesión económica mundial que se agudiza, la inestabilidad social y la crisis de valores. En ese sentido, reconocemos que queda mucho que hacer para que los acuerdos internacionales respondan adecuadamente a los derechos y necesidades de los pueblos indígenas. Las contribuciones actuales y potenciales de nuestros pueblos deben ser reconocidas como un desarrollo sostenible y verdadero para nuestras comunidades que permita que cada uno de nosotros alcancemos el Buen Vivir.

Como pueblos, reafirmamos nuestro derecho a la libre determinación y a poseer, controlar y manejar nuestras tierras y territorios tradicionales, aguas y otros recursos. Nuestras tierras y territorios son la parte medular de nuestra existencia -somos la Tierra y la Tierra es nosotros-; tenemos una relación espiritual y material con nuestras tierras y territorios y están intrínsecamente ligados a nuestra supervivencia y a la preservación y desarrollo de nuestros sistemas de conocimientos y culturas, la conservación y uso sostenible de la biodiversidad y el manejo de ecosistemas.

Ejerceremos el derecho a determinar y establecer nuestras prioridades y estrategias de autodesarrollo y para el uso de nuestras tierras, territorios y otros recursos. Exigimos que el consentimiento libre, previo e informado sea el principio de aprobación o rechazo de cualquier plan, proyecto o actividad que afecte nuestras tierras, territorios y otros recursos. Sin el derecho al consentimiento libre, previo e informado el modelo colonialista del dominio de la Tierra y sus recursos seguirá con la misma impunidad.

Seguiremos uniéndonos como pueblos indígenas y construyendo una solidaridad y alianza fuertes entre nosotros mismos, comunidades locales y verdaderos promotores no-indígenas de nuestros temas. Esta solidaridad avanzará la campaña mundial para los derechos de los pueblos indígenas a su tierra, vida y recursos y el logro de nuestra libre determinación y liberación.

Seguiremos retando y resistiendo los modelos colonialistas y capitalistas que promueven la dominación de la naturaleza, el crecimiento económico desenfrenado, la extracción de recursos sin límite para ganancias, el consumo y la producción insostenibles y las mercancías no reglamentadas y los mercados financieros. Los seres humanos son una parte integral del mundo natural y todos los derechos humanos, incluyendo los derechos de los pueblos indígenas que deben ser respetados y velados por el desarrollo.

Invitamos a toda la sociedad civil a proteger y promover nuestros derechos y cosmovisiones y respetar la ley de la naturaleza, nuestras espiritualidades y culturas y nuestros valores de reciprocidad, armonía con la naturaleza, la solidaridad y la colectividad. El cuidar y el compartir, entre otros valores, son cruciales para crear un mundo más justo, equitativo y sostenible. En este contexto, hacemos un llamado por la inclusión de la cultura como el cuarto pilar del desarrollo sostenible.

El reconocimiento jurídico y la protección de los derechos de los pueblos indígenas a la tierra, territorios, recursos y los conocimientos tradicionales deberían ser un requisito para el desarrollo y planificación de todos y cada uno de los tipos de adaptación y mitigación del cambio climático, conservación ambiental (incluyendo la creación de “áreas protegidas”), el uso sostenible de la biodiversidad y medidas a combatir desertificación. En todos los casos, tienen que haber consentimiento libre, previo e informado.

Continuamos dando seguimiento a los compromisos asumidos en la Cumbre de la Tierra tal como se refleja en esta declaración política. Hacemos un llamado a la ONU a comenzar su implementación, y asegurar la participación plena, formal y efectiva de los pueblos indígenas en todos los procesos y actividades de la Conferencia de Rio+20 y más allá, de acuerdo con la DNUDPI y el principio del consentimiento libre, previo e informado (CLPI). Seguimos habitando y manteniendo los últimos ecosistemas sostenibles y las más altas concentraciones de biodiversidad en el mundo. Podemos contribuir de una manera significativa al desarrollo sostenible pero creemos que el marco holístico de ecosistemas para el desarrollo se debe promover. Eso incluye la integración del enfoque de derechos humanos, el enfoque de ecosistemas y enfoques culturalmente sensibles y basados en conocimientos.

Caminamos al futuro en las huelles de nuestros antepasados.

Aprobado por aclamación, Aldea de Kari-Oca, en el sagrado Kari-Oca Púku.

Rio de Janeiro, Brasil, 18 de junio de 2012

With Casino Revenues, Tribes Push to Preserve Languages, and Cultures (N.Y.Times)

By NORIMITSU ONISHI

Published: June 16, 2012

COARSEGOLD, Calif. — Inside a classroom of some 20 adults and children studying the language of their tribe, a university linguist pointed out that Chukchansi has no “r” sound and that two consonants never follow each other. The comments seemed to stir forgotten childhood memories in Holly Wyatt, 69, the only fluent speaker present, who was serving as a living reference book.

Jim Wilson/The New York Times. Holly Wyatt, a member of the Chukchansi tribe, listens to a conversation and translates it for researchers at California State University, Fresno, who are working to preserve the language.

“My mother used to call Richard ‘Lichad,’ ” Ms. Wyatt blurted out, referring to a relative. “It just popped into my head.”

Using revenues from their casino here in the Sierra Nevada foothills, the Chukchansi Indians recently pledged $1 million over five years to California State University, Fresno, to help preserve their unwritten language. Linguists from the university will create a dictionary, assemble texts and help teach the language at weekly courses like the one on a recent evening.

The donation caps efforts in recent years by American Indian tribes across the nation to bring back their tongues before the death of their sole surviving speakers. With coffers flush from casino gambling, dozens of tribes have donated to universities or have directly hired linguists, buttressing the work of researchers dependent on government grants, experts say.The money has given the tribes greater authority over the study of their language, an often culturally fraught discipline. Some tribes wishing to keep their language from outsiders for cultural or religious reasons have retained researchers on the condition that their findings remain unpublished. The control has also persuaded aging speakers — who grew up in an age when they were often punished at school for speaking their language — to collaborate with outside experts.

“There are more people out there who can talk, but they don’t come forward,” said Ms. Wyatt, who with her sister, Jane Wyatt, 67, meets with linguists twice a week. “I was like that, too. My daughter convinced me I should do it.”

Jim Wilson/The New York TimesA worksheet from a class on the language of the Chukchansi tribe, which researchers at California State University, Fresno, are working to preserve.

Nearly all the 300 Native American languages once spoken in North America have died or are considered critically endangered. For many tribes, especially the dozens of tiny tribes in California that spoke distinct dialects and experienced dislocation and intermarriage like their counterparts in other states, language is considered central to their identity.

“The whole reason that outsiders even knew we were a people is because we have our own language,” said Kim Lawhon, 30, who organizes the weekly classes and started running an immersion class for prekindergarten and kindergarten students at Coarsegold Elementary School last year. “Really, our sovereignty, the core of it, is language.”

There was also a more practical matter. Tribes have asserted their right to build casinos in areas where their language is spoken, and have used language to try to fend off potential rivals.

The Chukchansi are opposing plans by the North Fork Rancheria of Mono Indians, whose traditional land lies east of here, to build an off-reservation casino about 30 miles southwest of here. In an interview at the Chukchansi Gold Resort and Casino here, where he was introducing a new game, Big Buck Hunter Pro, Reggie Lewis, chairman of the Tribal Council, said Chukchansi and other tribes belonging to the Yokut Indian group in this area shared common words.

“But the Mono language, it’s totally unintelligible to us,” Mr. Lewis said. “You have to establish the cultural or ancestral ties to a place to open a casino there, and language is a way to do it.”

The 2,000-slot-machine casino, which opened in 2003, yields $50 million in annual revenues, according to the Tribal Council. Each of the tribe’s 1,200 members receives a $300 monthly stipend, with those 55 and older also getting free health insurance and other benefits.

The gambling revenues have also intensified political infighting here as they have in many other places. Violence erupted early this year after a disputed election for the Tribal Council.

According to the National Indian Gaming Association, 184 tribes with gambling operations took in $29.2 billion in 2010 and made more than $100 million in charitable donations.

Jessica R. Cattelino, an expert on Indian gambling at the University of California, Los Angeles, said it was not “until the late 1990s that with electronic games we begin to see revenues sufficient to allow tribes to explore options for major philanthropy.”

Tribes have become increasingly sophisticated in their gift giving, focusing on their culture and language while often setting the research terms.

“Tribes can control their own intellectual property rights,” said Erin Debenport, an anthropologist at the University of New Mexico who has worked with Pueblo tribes in the state, including those who do not allow researchers to publish written examples of their language.

The Chukchansi, who had been donating about $200,000 a year to Fresno State’s football program, will reallocate the money to the linguistics department.

“How do we justify supporting athletics when our language is dying?” said Ms. Lawhon, the kindergarten teacher.

Ms. Lawhon had tried to restore the language with the Wyatt sisters and some other community members here, but decided to reach out to Fresno State’s linguistics department for help three years ago.

Chris Golston, who was the department chairman at the time and had been on the faculty for 15 years, had long dreamed of working with one of the local tribes. But given the sensitivity surrounding the research of Indian languages, an older colleague had advised him that the only strategy was to wait to be approached.

“After 15 years, I thought this was possibly the worst advice in the world, but one day three years ago they just called up,” Mr. Golston said.

Four of Fresno’s experts, who had been working with the Chukchansi in their spare time for the past three years, will be able to devote half of their work schedule to the language thanks to the grant, the largest in the department’s history.

On a recent afternoon at Fresno State, Holly Wyatt met with two linguists to try to decipher a five-minute recording that they had found here a month earlier. Two women were heard playing a local game in the 1957 recording, which excited Mr. Golston because it was the “closest to conversation” of the various examples in their possession.

As the linguists played snippets of the tape over and over, Ms. Wyatt slowly made out their meaning. The game revolved around a man climbing up a tree and taking care not to fall.

“What do you get out of that, Holly?” Mr. Golston asked about a difficult word.

“That one word has me confused,” Ms. Wyatt said. “I don’t know what it is.”

She cradled her head in her right hand and shut her eyes.

Maybe some words were already lost. The women on the tape spoke fast, Ms. Wyatt said later. Her hearing was not getting any better, she said, and a hearing aid did not help. The words the linguists kept introducing sounded familiar, but some just refused to be extricated from her mind’s recesses.

“It’s pressure,” she said, “because they’ve come up with a lot of words that I haven’t heard in years.”

TATU OR NOT TATU Manifesto Uninômade +10

TATU OR NOT TATU
Manifesto Uninômade +10
15 de Junho de 2012
 
A palavra revolução voltou a circular. Nas ruas, nas praças, na internet, e até mesmo nas páginas de jornal, que a olha com olhos temerosos. Mas, principalmente, em nossos espíritos e corpos. Da mesma maneira, a palavra capitalismo saiu de sua invisibilidade: já não nos domina como dominava. Assistimos ao final de um ciclo – o ciclo neoliberal implementado a partir dos anos 80, mas cujo ápice se deu com a queda do muro de Berlim e o consenso global em torno da expansão planetária do mercado. Muitos dentre nós (principalmente os jovens) experimentam seu primeiro deslocamento massivo das placas tectônicas da história. 

Mas nossa era não é apenas crepuscular. Ao fim de um ciclo abrem-se amplas oportunidades, e cabe a nós transformar a crise da representação e do capitalismo cognitivo em novas formas de democracia absoluta. Para além das esferas formais, dos Estados e nacionalidades. Para além do capitalismo financeiro e flexível. Lá onde brilha nossa singularidade comum: a mulher, o negro, o índio, o amarelo, o pobre, o explorado, o precário, o haitiano, o boliviano, o imigrante, o favelado, o trabalhador intelectual e manual. Não se trata de um recitar de excluídos, mas de uma nova inclusão híbrida. A terra, enfim, nossa. Nós que somos produzidos por esta chuva, esta precipitação de encontros de singularidades em que nos fazemos divinos nesta terra.

É pelo que clama a multidão na Grécia, na Espanha e os occupy espalhados pelos Estados Unidos; é pelo que clamam as radicalidades presentes na primavera árabe, esta multidão situada para além da racionalidade ocidental. É o mesmo arco que une a primavera árabe, as lutas dos estudantes no Chile e as lutas pela radicalização da democracia no Brasil. Nossas diferenças é o que nos torna fortes.

A luta pela mestiçagem racial, simbólica, cultural e financeira passa pela materialidade do cotidiano, pela afirmação de uma longa marcha que junte nossa potência de êxodo e nossa potência constituinte. Acontecimento é o nome que nos anima para o êxodo perpétuo das formas de exploração. Êxodo para dentro da terra. Fidelidade à terra. Tatu or not tatu.

É preciso ouvir em nós aquele desejo que vai para além da vida e da sua conservação: para além do grande terror de uma vida de merda que nos impõe o estado de precariedade e desfiliação extrema. É preciso re-insuflar o grito que nos foi roubado à noite, resistir aos clichês que somos, e que querem fazer de nós: para além de nossas linhas de subjetivação suspensas entre o luxo excedente do 1% ou do lixo supérfluo dos 99%. 

É preciso não precisar de mais nada, a não ser nossa coragem, nosso intelecto e nossos corpos, que hoje se espraiam nas redes de conhecimentos comuns apontando para nossa autonomia. Somos maiores do que pensamos e desejamos tudo.  Não estamos sozinhos! É preciso resistir na alegria, algo que o poder dominador da melancolia é incapaz de roubar. Quando o sujeito deixa de ser um mero consumidor-passivo para produzir ecologias. Um corpo de vozes fala através de nós porque a crise não é apenas do capital, mas sim do viver. Uma profunda crise antropológica. Manifesta-se no esvaziamento de corpos constrangidos, envergonhados, refletidos na tela da TV, sem se expandir para ganhar as ruas. Nossos corpos paralisam, sentem medo, paranóia: o outro vira o grande inimigo. Não criam novos modos de vida. Permanecem em um estado de vidaMenosvida: trabalho, casa, trem, ônibus, trabalho, casa. A vida individual é uma abstração. Uma vida sem compartilhamento afetivo, onde a geração do comum se torna impossível. É preciso criar desvios para uma vidaMaisvida: sobrevida, supervida, overvida. Pausa para sentir parte do acontecimento, que é a vida.  Somos singularidades cooperativas. Pertencemos a uma esfera que nos atravessa e nos constrói a todo o momento.

O capitalismo cognitivo e financeiro instaura um perpétuo estado de exceção que busca continuamente reintegrar e modular a normalidade e a diferença: lei e desordem coincidem dentro de uma mesma conservação das desigualdades que produz e reproduz as identidades do poder: o “Precário” sem direitos, o Imigrante “ilegal”, o “Velho” abandonado, o “Operário” obediente, a “Mulher” subjugada, a “Esposa” dócil, o “Negro” criminalizado e, enfim, o “Depressivo” a ser medicalizado. As vidas dos pobres e dos excluídos passam a ser mobilizadas enquanto tais. Ao mesmo tempo em que precisam gerar valor econômico, mantêm-se politicamente impotentes.

O pobre e o louco. O pobre – figura agora híbrida e modulada de inclusão e exclusão da cadeia do capital –  persiste no cru da vida, até usando seu  próprio corpo como moeda. E o louco, essa figura que vive fora da história, “escolhe” a exclusão. Esse sujeito que se recusa a produzir, vive sem lugar. Onde a questão de exclusão e inclusão é diluída no delírio. Ninguém delira sozinho, delira-se o mundo. Esses dois personagens vivem e sobrevivem à margem, mas a margem transbordou e virou centro. O capital passa a procurar valor na subjetividade e nas formas de vida das margens e a potência dos sem-dar-lucro passa a compor o sintoma do capital: a crise da lei do valor, o capitalismo cognitivo como crise do capitalismo.

A crise dos contratos subprimes em 2007, alastrando-se para a crise da dívida soberana europeia, já não deixa dúvidas: a forma atual de governabilidade é a crise perpétua, repassada como sacrifício para os elos fragilizados do arco social. Austeridade, cortes, desmonte do welfare, xenofobia, racismo. Por detrás dos ternos cinza dos tecnocratas pós-ideológicos ressurgem as velhas bandeiras do biopoder: o dinheiro volta a ter rosto, cor, e não lhe faltam ideias sobre como governar: “que o Mercado seja louvado”, “In God we trust”. O discurso neutro da racionalidade econômica é obrigado a mostrar-se em praça pública, convocando o mundo a dobrar-se ao novo consenso, sem mais respeitar sequer a formalidade da democracia parlamentar. Eis o homo œconomicus: sacrifício, nação, trabalho, capital! É contra este estado de sítio que as redes e a ruas se insurgem. Nas mobilizações auto-convocadas em redes, nas praças das acampadas, a exceção aparece como criatividade do comum, o comum das singularidades que cooperam entre si.

No Brasil são muitos os que ainda se sentem protegidos diante da crise global. O consenso (neo) desenvolvimentista produzido em torno do crescimento econômico e da construção de uma nova classe média consumidora cria barreiras artificiais que distorcem nossa visão da topologia da crise: a crise do capitalismo mundial é, imediatamente, crise do capitalismo brasileiro. Não nos interessa que o Brasil ensine ao mundo, junto à China, uma nova velha forma de capitalismo autoritário baseado no acordo entre Estados e grandes corporações! 

O governo Lula, a partir das cotas, do Prouni, da política cultural (cultura viva, pontos de cultura) e da distribuição de renda (programas sociais, bolsa família, valorização do salário mínimo) pôde apontar, em sua polivalência característica, para algo que muitos no mundo, hoje, reivindicam: uma nova esquerda, para além dos partidos e Estados (sem excluí-los). Uma esquerda que se inflame dos movimentos constituintes que nascem do solo das lutas, e reverta o Estado e o mercado em nomes  do comum. Uma esquerda que só pode acontecer “nessa de todos nós latino-amarga américa”. Mais do que simples medidas governamentais, nestas políticas intersticiais, algo de um acontecimento histórico teve um mínimo de vazão: aqueles que viveram e morreram por transformações, os espectros das revoluções passadas e futuras, convergiram na construção incipiente de nossa emancipação educacional, racial, cultural e econômica. Uma nova memória e um novo futuro constituíram-se num presente que resistira ao assassinato simbólico da história perpetrado pelo neoliberalismo. A popularidade dos governos Lula tinha como lastro esses interstícios onde a política se tornava uma poética. Já hoje, nas taxas de aprovação do governo Dilma, podemos facilmente reconhecer também as cores deslavadas de um consenso prosaico. O “país rico” agora pacifica-se no mantra desenvolvimentista, retrocedendo em muitas das políticas que tinham vazado. Voltam as velhas injunções progressistas: crescimento econômico para redistribuir! Estado forte! As nuvens ideológicas trazem as águas carregadas do gerencialismo e do funcionalismo tecnocrático: menos política, mais eficiência! Desta maneira, removem-se e expropriam-se os pobres: seja em nome de um Brasil Maior e se seu interesse “público” (Belo Monte, Jirau, Vila Autódromo), seja em nome de um Mercado cada vez Maior e de seu interesse “privado” (Pinheirinho, TKCSA, Porto do Açu). Juntando-se entusiasticamente às equações do mercado, os tratores do progresso varrem a sujeira na construção de um novo “País Rico (e) sem pobreza”. Os pobres e as florestas, as formas de vida que resistem e persistem, se tornam sujeira. A catástrofe ambiental (das florestas e das metrópoles) e cultural (dos índios e dos pobres) é assim pacificada sob o nome do progresso. Dominação do homem e da natureza conjugam-se num pacto fáustico presidido por nenhum Mefistófeles, por nenhuma crise de consciência: já somos o país do futuro!
 
Na política de crescer exponencialmente, só se pensa em eletricidade e esqueceu-se a democracia (os Soviets : Conselhos). Assim, governa-se segundo a férrea lógica – única e autoritária – da racionalidade capitalista. Ataca-se enfim a renda vergonhosa dos “banquiplenos”, mas a baixa dos juros vai para engordar os produtores de carros, essas máquinas sagradas de produção de individualismo, em nome da moral do trabalho. Dessa maneira, progredir significa, na realidade, regredir: regressão política como acontece na gestão autoritária das revoltas dos operários das barragens; regressão econômica e biológica, como acontece com uma expansão das fronteiras agrícolas que serra a duração das relações entre cultura e natureza; regressão da vida urbana, com a remoção de milhares de pobres para abrir o caminho dos megaeventos; regressão da política da cultura viva, em favorecimento das velhas oligarquias e das novas indústrias culturais. O progresso que nos interessa não contém nenhuma hierarquia de valor, ele é concreta transformação qualitativa, “culturmorfologia”.

Este é o imaginário moderno em que a dicotomia prevalece: corpo e alma, natureza e cultura, nós e os outros; cada macaco no seu galho! Estes conceitos resultam em uma visão do mundo que distancia o homem da ecologia e de si mesmo. O que está em questão é a maneira de viver no planeta daqui em diante. É preciso encontrar caminhos para reconciliar estes mundos. Perceber outras configurações relacionais mais móveis, ativar sensibilidades. Fazer dessa revolução um grande caldeirão de desejos que crie formas de cooperação e modos de intercâmbio, recombine e componha novas práticas e perspectivas: mundos. Uma mestiçagem generalizada: nossa cultura é nossa economia e nosso ambiente é nossa cultura: três ecologias!

As lutas da primavera Árabe, do 15M Espanhol, do Occupy Wall Street e do #ocupabrasil gritam por transformação, aonde a base comum que somos nos lança para além do estado de exceção econômico: uma dívida infinita que busca manipular nossos corações e manter-nos acorrentados aos medos. Uma dívida infinita que instaura a perpétua transferência de renda dos 99% dos devedores ao 1% dos credores. Não deixemos que tomem por nós a decisão sobre o que queremos! 

A rede Universidade Nômade se formou há mais de dez anos, entre as mobilizações de Seattle e Gênova, os Fóruns Sociais Mundiais de Porto Alegre e a insurreição Argentina de 2001 contra o neoliberalismo. Foram dois momentos constituintes: o manifesto inicial que chamava pela nomadização das relações de poder/saber, com base nas lutas dos pré-vestibulares comunitários para negros e pobres (em prol da política de cotas raciais e da democratização do acesso ao ensino superior); e o manifesto de 2005 pela radicalização democrática. Hoje, a Universidade Nômade acontece novamente: seu Kairòs (o aqui e agora) é aquele do capitalismo global como crise. Na época da mobilização de toda a vida dentro da acumulação capitalista, o capitalismo se apresenta como crise e a crise como expropriação do comum, destruição do comum da terra. Governa-se a vida: a catástrofe financeira e ambiental é o fato de um controle que precisa separar a vida de si mesma e opõe a barragem aos índios e ribeirinhos de Belo Monte,  as obras aos operários, os megaeventos aos favelados e aos pobres em geral, a dívida aos direitos, a cultura à natureza. Não há nenhum determinismo, nenhuma crise terminal. O capital não tem limites, a não ser aqueles que as lutas sabem e podem construir. A rede Universidade Nômade é um espaço de pesquisa e militância, para pensar as brechas e os interstícios onde se articulam as lutas que determinam esses limites do capital e se abrem ao possível: pelo reconhecimento das dimensões produtivas da vida através da renda universal, pela radicalização democrática através da produção de novas instituições do comum, para além da dialética entre público e privado, pelo ressurgimento da natureza como produção da diferença, como luta e biopolítica de fabricação de corpos pós-econômicos. Corpos atravessados pela antropofagia dos modernistas, pelas cosmologias ameríndias, pelos êxodos quilombolas, pelas lutas dos sem teto, sem terra, precários, índios, negros, mulheres e hackers: por aqueles que esboçam outras formas de viver, mais potentes, mais vivas.

Elinor Ostrom´s paper: “A Polycentric Approach for Coping with Climate Change”

A Polycentric Approach for Coping with Climate Change, Policy Research Working Paper 5095, World Bank 2009.

Study links biodiversity and language loss (BBC)

13 May 2012

By Mark KinverEnvironment reporter, BBC News

Brazilian tribesman (Image: AP)The study identified that high biodiversity areas also had high linguistic diversity

The decline of linguistic and cultural diversity is linked to the loss of biodiversity, a study has suggested.

The authors said that 70% of the world’s languages were found within the planet’s biodiversity hotspots.

Data showed that as these important environmental areas were degraded over time, cultures and languages in the area were also being lost.

The results of the study have been published in the Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

“Biologists estimate annual loss of species at 1,000 times or more greater than historic rates, and linguists predict that 50-90% of the world’s languages will disappear by the end of the century,” the researchers wrote.

Lead author Larry Gorenflo from Penn State University, in the US, said previous studies had identified a geographical connection between the two, but did not offer the level of detail required.

Dr Gorenflo told BBC News that the limitation to the data was that either the languages were listed by country or there was a dot on the map to indicate the location.

“But what you did not know was if the area extended two kilometres or 200 kilometres, so you really did not get a sense of the extent of the language,” he explained.

“We used improved language data to really get a more solid sense of how languages and biodiversity co-occurred and an understanding of how geographically extensive the language was.”

He said the study achieved this by also looking at smaller areas with high biodiversity, such as national parks or other protected habitats.

“When we did that, not only did we get a sense of co-occurrence at a regional scale, but we also got a sense that co-occurrence was found at a much finer scale,” he said.

“We are not quite sure yet why this happens, but in a lot of cases it may well be that biodiversity evolved as part-and-parcel of cultural diversity, and vice versa.”

In their paper, the researchers pointed out that, out of the 6,900 or more languages spoken on Earth, more than 4,800 occurred in regions containing high biodiversity.

Dr Gorenflo described these locations as “very important landscapes” which were “getting fewer and fewer” but added that the study’s data could help provide long-term security.

“It provides a wonderful opportunity to integrate conservation efforts – you can have people who can get funding for biological conservation, and they can collaborate with people who can get funding for linguistic or cultural conservation,” he suggested.

“In the past, it was hard to get biologists to look at people.

“That has really changed dramatically in the past few years. One thing that a lot of biologists and ecologists are now seeing is that people are part of these ecosystems.”

Relação entre interações sociais e mudanças gramaticais (Fapesp)

Contrariando teorias da sociolinguística, estudo sugere que adultos integrados em diferentes nichos sociais acompanham evolução da língua

08/05/2012

Por Karina Toledo

Agência FAPESP – Poderia um indivíduo adulto mudar sua gramática ao longo da vida? Para responder a essa pergunta, a professora Maria Célia Lima-Hernandes, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo (USP), deu início à pesquisa que resultou no livroIndivíduo, Sociedade e Língua – Cara, tipo assim, fala sério!.

Recém-lançada pela Edusp, com auxílio da FAPESP, a obra é uma versão revista da tese de doutorado defendida por Lima-Hernandes em 2005, no Instituto de Estudos de Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A autora investiga se um mesmo grupo de pessoas poderia ter sua gramática alterada em um espaço de 20 anos. Quatro palavras de base comparativa – “como”, “igual”, “feito” e “tipo” – foram escolhidas para testar a hipótese de que contatos sociais mais extensos desencadeariam mudanças na gramática da língua falada por adultos independentemente da idade, do sexo ou do grau de escolaridade.

“A teoria até então predominante na sociolinguística era a de que as mudanças na gramática seriam resultado da rebeldia adolescente. Os jovens, por acharem os pais caretas, procurariam usos inovadores para as palavras. Isso foi recentemente questionado por William Labov, professor da Universidade da Pensilvânia e precursor da Sociolinguística Quantitativa”, disse Lima-Hernandes.

Já para a corrente teórica liderada pelo linguista e filósofo Noam Chomsky, é a criança a força transformadora da língua. “A criança interpretaria as construções de um modo diferente produzindo uma nova gramática”, explicou Lima-Hernandes.

Mas, nas pesquisas que realizou antes mesmo de dar início ao doutorado, a autora encontrou evidências de mudanças linguísticas na idade adulta em várias línguas do mundo.

A confirmação veio quando comparou entrevistas de um grupo de 36 moradores do subúrbio do Rio de Janeiro que, 20 anos antes, haviam sido objeto de estudo do grupo de sua orientadora, Maria Luiza Braga, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Lima-Hernandes observou inicialmente que usos inovadores da palavra “tipo” podiam ter sua incorporação na fala relacionada ao tipo de vida social que os falantes desenvolviam.

“Algumas pessoas simplesmente haviam parado de usar a palavra “tipo” ou só a usavam em suas categorias e funções normatizadas. Essas eram as que mantinham um círculo social restrito. Já as que tinham contato com pessoas de diferentes idades e participavam de nichos sociais variados usavam todos os tipos de “tipo”, ou seja, acompanharam a evolução da língua mesmo na idade adulta”, disse.

Por meio da análise de documentos históricos que datam do século 13 ao século 20, Lima-Hernandes resgatou também a trajetória de evolução das palavras “como”, “igual”, “feito” e “tipo”, mostrando os diferentes usos que surgiram com o passar dos anos.

“É possível perceber que a mudança no uso das palavras não vai em qualquer direção, não é aberta à criatividade aleatória como se pensa, mas respeita princípios cognitivos. O novo uso tem de estar ligado, de alguma forma, ao seu traço etimológico resiliente, ainda que os falantes não tenham a mínima consciência disso”, disse.

Indivíduo, Sociedade e Língua – Cara, tipo assim, fala sério!
Autora: Maria Célia Lima-Hernandes
Lançamento: dezembro de 2011
Preço: R$ 45
Páginas: 232

Mais informações: www.edusp.com.br/detlivro.asp?ID=413216

How Do You Say ‘Disagreement’ in Pirahã? (N.Y.Times)

By JENNIFER SCHUESSLER. Published: March 21, 2012

Dan Everett. Essential Media & Entertainment/Smithsonian Channel

In his 2008 memoir, “Don’t Sleep, There Are Snakes,” the linguist Dan Everett recalled the night members of the Pirahã — the isolated Amazonian hunter-gatherers he first visited as a Christian missionary in the late 1970s — tried to kill him.

Dr. Everett survived, and his life among the Pirahã, a group of several hundred living in northwest Brazil, went on mostly peacefully as he established himself as a leading scholarly authority on the group and one of a handful of outsiders to master their difficult language.

His life among his fellow linguists, however, has been far less idyllic, and debate about his scholarship is poised to boil over anew, thanks to his ambitious new book, “Language: The Cultural Tool,” and a forthcoming television documentary that presents an admiring view of his research among the Pirahã along with a darkly conspiratorial view of some of his critics.

Members of the Pirahã people of Amazonian Brazil, who have an unusual language, as seen in “The Grammar of Happiness.” Essential Media & Entertainment/Smithsonian Channel

In 2005 Dr. Everett shot to international prominence with a paper claiming that he had identified some peculiar features of the Pirahã language that challenged Noam Chomsky’s influential theory, first proposed in the 1950s, that human language is governed by “universal grammar,” a genetically determined capacity that imposes the same fundamental shape on all the world’s tongues.

The paper, published in the journal Current Anthropology, turned him into something of a popular hero but a professional lightning rod, embraced in the press as a giant killer who had felled the mighty Chomsky but denounced by some fellow linguists as a fraud, an attention seeker or worse, promoting dubious ideas about a powerless indigenous group while refusing to release his data to skeptics.

The controversy has been simmering in journals and at conferences ever since, fed by a slow trickle of findings by researchers who have followed Dr. Everett’s path down to the Amazon. In a telephone interview Dr. Everett, 60, who is the dean of arts and sciences at Bentley University in Waltham, Mass., insisted that he’s not trying to pick a fresh fight, let alone present himself as a rival to the man he calls “the smartest person I’ve ever met.”

“I’m a small fish in the sea,” he said, adding, “I do not put myself at Chomsky’s level.”

Dan Everett in the Amazon region of Brazil with the Pirahã in 1981. Courtesy Daniel Everett

Still, he doesn’t shy from making big claims for “Language: The Cultural Tool,” published last week by Pantheon. “I am going beyond my work with Pirahã and systematically dismantling the evidence in favor of a language instinct,” he said. “I suspect it will be extremely controversial.”

Even some of Dr. Everett’s admirers fault him for representing himself as a lonely voice of truth against an all-powerful Chomskian orthodoxy bent on stopping his ideas dead. It’s certainly the view advanced in the documentary, “The Grammar of Happiness,” which accuses unnamed linguists of improperly influencing the Brazilian government to deny his request to return to Pirahã territory, either with the film crew or with a research team from M.I.T., led by Ted Gibson, a professor of cognitive science. (It’s scheduled to run on the Smithsonian Channel in May.)

A Pirahã man in the film “The Grammar of Happiness.” Essential Media & Entertainment/Smithsonian Channel

Dr. Everett acknowledged that he had no firsthand evidence of any intrigues against him. But Miguel Oliveira, an associate professor of linguistics at the Federal University of Alagoas and the M.I.T. expedition’s Brazilian sponsor, said in an interview that Dr. Everett is widely resented among scholars in Brazil for his missionary past, anti-Chomskian stance and ability to attract research money.

“This is politics, everybody knows that,” Dr. Oliveira said. “One of the arguments is that he’s stealing something from the indigenous people to become famous. It’s not said. But that’s the way they think.”

Claims of skullduggery certainly add juice to a debate that, to nonlinguists, can seem arcane. In a sense what Dr. Everett has taken from the Pirahã isn’t gold or rare medicinal plants but recursion, a property of language that allows speakers to embed phrases within phrases — for example, “The professor said Everett said Chomsky is wrong” — infinitely.

In a much-cited 2002 paper Professor Chomsky, an emeritus professor of linguistics at M.I.T., writing with Marc D. Hauser and W. Tecumseh Fitch, declared recursion to be the crucial feature of universal grammar and the only thing separating human language from its evolutionary forerunners. But Dr. Everett, who had been publishing quietly on the Pirahã for two decades, announced in his 2005 paper that their language lacked recursion, along with color terms, number terms, and other common properties of language. The Pirahã, Dr. Everett wrote, showed these linguistic gaps not because they were simple-minded, but because their culture — which emphasized concrete matters in the here and now and also lacked creation myths and traditions of art making — did not require it.

To Dr. Everett, Pirahã was a clear case of culture shaping grammar — an impossibility according to the theory of universal grammar. But to some of his critics the paper was really just a case of Dr. Everett — who said he began questioning his own Chomskian ideas in the early 1990s, around the time he began questioning his faith — fixing the facts around his new theories.

In 2009 the linguists Andrew Nevins, Cilene Rodrigues and David Pesetsky, three of the fiercest early critics of Dr. Everett’s paper, published their own in the journal Language, disputing his linguistic claims and expressing “discomfort” with his overall account of the Pirahã’s simple culture. Their main source was Dr. Everett himself, whose 1982 doctoral dissertation, they argued, showed clear evidence of recursion in Pirahã.

“He was right the first time,” Dr. Pesetsky, an M.I.T. professor, said in an interview. “The first time he had reasons. The second time he had no reasons.”

Some scholars say the debate remains stymied by a lack of fresh, independently gathered data. Three different research teams, including one led by Dr. Gibson that traveled to the Pirahã in 2007, have published papers supporting Dr. Everett’s claim that there are no numbers in the Pirahã language. But efforts to go recursion hunting in the jungle — using techniques that range from eliciting sentences to having the Pirahã play specially designed video games — have so far yielded no published results.

Still, some have tried to figure out ways to press ahead, even without direct access to the Pirahã. After Dr. Gibson’s team was denied permission to return to Brazil in 2010, its members devised a method that minimized reliance on Dr. Everett’s data by analyzing instead a corpus of 1,000 sentences from Pirahã stories transcribed by another missionary in the region.

Their analysis, presented at the Linguistic Society of America’s annual meeting in January, found no embedded clauses but did uncover “suggestive evidence” of recursion in a more obscure grammatical corner. It’s a result that is hardly satisfying to Dr. Everett, who questions it. But his critics, oddly, seem no more pleased.

Dr. Pesetsky, who heard the presentation, dismissed the whole effort as biased from the start by its reliance on Dr. Everett’s grammatical classifications and basic assumptions. “They were taking for granted the correctness of the hypothesis they were trying to disconfirm,” he said.

But to Dr. Gibson, who said he does not find Dr. Everett’s cultural theory of language persuasive, such responses reflect the gap between theoretical linguists and data-driven cognitive scientists, not to mention the strangely calcified state of the recursion debate.

“Chomskians and non-Chomskians are weirdly illogical at times,” he said. “It’s like they just don’t want to have a cogent argument. They just want to contradict what the other guy is saying.”

Dr. Everett’s critics fault him for failing to release his field data, even seven years after the controversy erupted. He countered that he is currently working to translate his decades’ worth of material and hopes to post some transcriptions online “over the next several months.” The bigger outrage, he insisted, is what he characterized as other scholars’ efforts to accuse him of “racist research” and interfere with his access to the Pirahã.

Dr. Rodrigues, a professor of linguistics at the Pontifical Catholic University in Rio de Janeiro, acknowledged by e-mail that in 2007 she wrote a letter to Funai, the Brazilian government agency in charge of indigenous affairs, detailing her objections to Dr. Everett’s linguistic research and to his broader description of Pirahã culture.

She declined to elaborate on the contents of the letter, which she said was written at Funai’s request and did not recommend any particular course of action. But asked about her overall opinion of Dr. Everett’s research, she said, “It does not meet the standards of scientific evidence in our field.”

Whatever the reasons for Dr. Everett’s being denied access, he’s enlisting the help of the Pirahã themselves, who are shown at the end of “The Grammar of Happiness” recording an emotional plea to the Brazilian government.

“We love Dan,” one man says into the camera. “Dan speaks our language.”

THE SECRET LIFE OF WORDS (MYOO)

CULTURE

What untranslatable words reveal about the Brazilian culture, from Brazilian author Roberto Taddei.

Illustration by Andrew Holder.

Illustration by Andrew Holder.I. ONE LANGUAGE, MAS QUE NADA

You might not know it, but Portuguese is part of your daily spoken English. Many words made it into English by way of Asia and Africa—places where the Portuguese landed during the Age of Discoveries (also known as the Age of Exploration 15th-17th centuries). Albino, for instance, and Dodo from doido (crazy). Sometimes the English word retains it’s original meaning buried within, like “fetish,” which comes from feitiço (charm and sorcery).

Other words, like those for native-grown food from Brazil, came from Brazilian indigenous languages, like cayenne and cashew. Then there are culture-specific words that migrated into English as the phenomenon became popularized: samba,bossa novacaipirinha, Ipanema (originally meaning fish-less river),“Mas que Nada,” and so on. But although these words come to represent Brazil abroad the country is much more than a bracing drink or a sexy girl.

The spirit of Brazil can be found in it’s language, but like the country, the language is remarkably diverse. As with American English, the Brazilian version of Portuguese is a mixture of languages. The Roman language brought by the Europeans in 1500 suffered a long process of accommodation along the centuries. It first encountered the Tupi language, then used all over the Brazilian coast. Later it mixed with two major African languages: Bantu and Yoruba. Two hundred years later, the entire country was speaking a new language, Nhengatu

Nhengatu is a combination of the nearly 200 native idioms of Brazil, remnants of Roman Portuguese, Bantu and Yoruba. This hybrid language was widely used, reaching nearly across the entire country. When Robinson Crusoe lived in Bahia before his shipwreck he would have spoken Nhengatu, not Portuguese.

By the end of the 18th century, Portugal decided to bring the country back to speaking Portuguese by force. But despite their efforts Brazilian Portuguese retained ethnic and cultural echoes of the country itself. One example is the use of the null subject in Brazilian Portuguese, which is very distinct from Portugal. In several cases, some particularities of Brazilian Portuguese were initially seen by Portugal as grammatical errors, such as the usage of distinct pronouns and verbal agreements. But throughout the years, these “errors” came to be reinforced by Brazilian poets and speakers as a sign of post-colonial national identity. As the modernist Brazilian writer Oswald de Andrade once noted: “Tupy or not Tupy, that’s the question.”

II. THE UNTRANSLATABLES

Despite a influx of Brazilian Portuguese words into English, one word in particular has resisted eager translators—be they Nobel laureates, poets, scholars or songwriters. The word is saudade. Maybe you’ve heard of it, since saudade is used in English without translation. Considered one of the top ten untranslatable words in the world, saudade is particularly difficult because it combines several emotions at once: fierceness, longing, yearning, pining, missing, homesickness, or all or none of the above. It is so complex that when I tried to explain it to a friend once she cut me short: “I’m sure I’ve never felt saudade.”

For this reason, of the most celebrated songs in Brazilian culture, “Chega de Saudades,” has never been translated into English. But the song lyrics, roughly translated, help explain saudade in part. The lyrics were written by Brazilian poetVinicius de Moraes. They describe feeling saudades as being deprived of peace and beauty, full of sadness and a melancholy that never goes away because the poet’s muse has abandon him.

Vinicius frequently collaborated with the songwriter and maestro Tom Jobim. Tom had a country house a couple of hills away from Elizabeth Bishop and almost two decades after she wrote her “Song for the Rainy Season” he also composed a song to the Brazilian rain. “Waters of March” was created both in Portuguese and in English and yet the versions are not identical. The Brazilian version sings about the end of the summer in Rio. The English version is about the beginning of Spring in the North. Since the beginning of Spring in America (around March, the rainy season) is also the end of the hot weather in Brazil (also March, when the rains come) the translation evokes the same season of mists.

Tom and Vinicius’ collaboration resulted in many hit songs that have since become Brazilian standards. Many of their songs have bilingual versions, which helped them become popular internationally. Except of course for the elusive “Chega de Saudades,” whose message remains locked in the meaning of one untranslatable word.

In 1968, Clarice Lispector (a Ukranian-born Brazilian author also translated by Elizabeth Bishop) tried her own definition of saudade: it “is a bit like hunger. Only disappears when one eats the presence. But sometimes the longing is so deep that the presence is not enough: one wants to absorb the whole other person. This will of one being the other in a complete unification is one of the most urgent feeling that we have in life.”

As poetic as this sounds, her definition raises another translation problem. The very notion of “presence” in Brazil is also untranslatable. Like all Roman languages, Portuguese has two verbs for the English “to be”. There is a distinction between being in a physical place and being as an emotional or ontological state.

It’s not only grammar, “being” itself is also seen differently in Brazilian culture. If the Portuguese carried to the New World the cartesian definition of presence, “I think, therefore I am,” once they got to Brazil they encountered cultures who thought about “being” very differently. Anthropologist Eduardo Viveiros de Castro made a lifetime study of amerindian perspectivism and discovered that some Brazilian native groups would have laughed at the idea of “I think, therefore I am,” suggesting as it does that the condition of thought predates existence. To them, the saying would likely go “the other exists, therefore she thinks.” This doesn’t mean that they were necessarily more generous than the Portuguese. It seems like a simple construction until you compare it with “I think, therefore I am” and see that to the Portuguese existence could be proven in a vacuum, while for native Brazilians existence depended on the existence of others. In this community-based definition of existence the other would be more important than the self since it is only through the other that I can recognize myself.

That’s why we so often use the word saudade in Lispector’s way, as an urge to “eat the other,” because the closer we get to understanding ourselves the closer we get to the other, and perhaps it is only by fully incorporating the other that we can escape the existential question of whether or not we actually exist. Comparing Elizabeth Bishop and Tom Jobim’s verses to the Brazilian rain you notice that the former is fundamentally about the poet, the latter sings about the outer world.

In an informal talk with Clarice Lispector in the 70s’, Tom Jobim explained that Brazil “is a country with an extremely free soul.” This freedom encourages creative expression, but, he says, Brazil is not “a country for amadores.” The Portuguese “amadores” means both amateurs and lovers, a linguistic challenge that could get in the way of aspiring lovers themselves.

Ultimately, necessity and usage determines which words are absorbed into the culture; which we translate or use as-is (like caipirinha) and which words remain culturally specific. In Brazil there are no translations for several English terms—like commodity, online, drag queen, shopping center—which seem to be more “authentic” in their original English format since what they refer to has an American or British origin. Brazilians seem to have never needed words like serendipity or patronize, just as English speakers perhaps never needed cafuné (caressing someone’s head with one’s fingers), or safadeza (a mixture of shamelessness, naughtiness, debauchery and mischief), both used on a daily basis below the Equator.

The more we know a language and its speakers, them more we understand their national culture. As Salman Rushdie writes in his novel Shame: “to unlock a society, look at its untranslatable words.”

– ROBERTO TADDEI is a writer and journalist who studied creative writing at Columbia. He lives in São Paulo and is adapting his first novel from English into Portuguese

http://myoo.com/stories/the-secret-life-of-words-2/#.Ts-jUhdGXrc.email

Occupy Wall Street turns to pedal power (The Raw Story)

By Muriel Kane
Sunday, October 30, 2011

The Occupy Wall Street protesters who were left without power after their gas-fueled generators were confiscated by New York City authorities on Friday may have found the idea solution in the form of a stationary bicycle hooked up to charge batteries.

Stephan Keegan of the non-profit environmental group Time’s Up showed off one of the bikes to The Daily News, explaining that OWS’s General Assembly has already authorized payment for additional bikes and that “soon we’ll have ten of these set up and we’ll be powering the whole park with batteries.”

Protester Lauren Minis told CBS New York, “We’ve got five bike-powered generator systems that are coming from Boston and we’ve got five more plus other ones that are going to supplement as well so we’re completely, completely off the grid.”

According to CBS, “Insiders at Occupy Wall Street say they expect to have their media center and the food service area fully powered and illuminated by Monday.”

“We need some exercise,” Keegan explained enthusiastically, “and we’ve got a lot of volunteers, so we should be able to power these, no problem. … We did an energy survey of the whole park, found out how much energy we were using. …. Ten will give us twice as much power.”

Keegan also boasted that the system is “very clean” and is environmentally superior not only to fossil fuel but even to solar panels, because it uses almost entirely recycled materials.

[Click que image to watch video, or click here]

Psychologist James Pennebaker reveals the hidden meaning of pronouns (Scientific American)

The Secret Language Code

By Gareth Cook | Tuesday, August 16, 2011

Psychologist James Pennebaker. Image: Marsha Miller

Are there hidden messages in your emails? Yes, and in everything you write or say, according to James Pennebaker, chair of the department of psychology at the University of Texas at Austin. Pennebaker has been a leader in the computer analysis of texts for their psychological content. And in his new book, “The Secret Life of Pronouns,” he argues that how we use words like “I,” “she,” and “who” reveal secrets of our psychology. He spoke recently with Mind Matters editor Gareth Cook.

COOK: How did you become interested in pronouns?

PENNEBAKER: A complete and total accident. Until recently, I never thought about parts of speech. However, about ten years ago I stumbled on some findings that caught my attention. In the 1980s, my students and I discovered that if people were asked to write about emotional upheavals, their physical health improved. Apparently, putting emotional experiences into language changed the ways people thought about their upheavals. In an attempt to better understand the power of writing, we developed a computerized text analysis program to determine how language use might predict later health improvements. In other words, I wanted to find if there was a healthy way to write.

Much to my surprise, I soon discovered that the ways people used pronouns in their essays predicted whose health would improve the most. Specifically, those people who benefited the most from writing changed in their pronoun use from one essay to another. Pronouns were reflecting people’’s abilities to change perspective.

As I pondered these findings, I started looking at how people used pronouns in other texts — blogs, emails, speeches, class writing assignments, and natural conversation. Remarkably, how people used pronouns was correlated with almost everything I studied. For example, use of first-person singular pronouns (I, me, my) was consistently related to gender, age, social class, honesty, status, personality, and much more. Although the findings were often robust, people in daily life were unable to pick them up when reading or listening to others. It was almost as if there was a secret world of pronouns that existed outside our awareness.

COOK: What would make you think that the use of pronouns would be meaningful?

PENNEBAKER: Never in a million years would I have thought that pronouns would be a worthwhile research topic. I ran study after study and initially found large and unexpected differences between people in their pronoun use. In hindsight, I think I ignored the findings because they didn’’t make sense. One day, I lined up about 5 experiments that I had conducted and every one revealed the same effects. It was that day that I finally admitted to myself that pronouns must be meaningful.

COOK: What differences have you found between men and women?

PENNEBAKER: Almost everything you think you know is probably wrong. Take this little test. Who uses the following words more, women or men?

> 1st person singular (I, me, my)
> 1st person plural (we, us our)
> articles (a, an, the)
> emotion words (e.g., happy, sad, love, hate)
> cognitive words (e.g., because, reason, think, believe)
> social words (e.g., he, she, friend, cousin)

Most people assume that men use I-words and cognitive words more than women and that women use we-words, emotions, and social words more than men. Bad news. You were right if you guessed that women use social words more. However, women use I-words and cognitive words at far higher rates than men. There are no reliable differences between men and women for use of we-words or emotion words (OK, those were trick questions). And men use articles more than women, when you might guess there’d be no difference.

These differences hold up across written and spoken language and most other languages that we have studied. You can’t help but marvel at the fact that we are all bombarded by words from women and men every day of our lives and most of us have never “heard” these sex differences in language. Part of the problem is that our brains aren’t wired to listen to pronouns, articles, prepositions, and other “junk” words. When we listen to another person, we typically focus on what they are saying rather than how they are saying it.

Men and women use language differently because they negotiate their worlds differently. Across dozens and dozens of studies, women tend to talk more about other human beings. Men, on the other hand, are more interested in concrete objects and things. To talk about human relationships requires social and cognitive words. To talk about concrete objects, you need concrete nouns which typically demand the use of articles.

No matter what your sex, if you have to explain that Sally is leaving her husband because of her new lover, you have to make references to all the actors and you have to do some fairly complex cognitive analyses. If you have to explain why your carburetor in your car is broken, your causal analysis will likely be relatively pallid and will involve referring to concrete nouns.

COOK: You write about using this to analyze historical documents. Do you think this tool might be of any use to historians or biographers?

PENNEBAKER: Historians and biographers should jump on this new technology. The recent release of the Google Books Project should be required reading for everyone in the humanities. For the first time in the history of the world, there are methods by which to analyze tremendously large and complex written works by authors from all over the world going back centuries. We can begin to see how thinking, emotional expression, and social relations evolve as a function of world-wide events. The possibilities are breathtaking.

In my own work, we have analyzed the collected works of poets, playwrights, and novelists going back to the 1500s to see how their writing changed as they got older. We’ve compared the pronoun use of suicidal versus non-suicidal poets. Basically, poets who eventually commit suicide use I-words more than non-suicidal poets.
The analysis of language style can also serve as a psychological window into authors and their relationships. We have analyzed the poetry of Elizabeth Barrett and Robert Browning and compared it with the history of their marriage. Same thing with Ted Hughes and Sylvia Plath. Using a method we call Language Style Matching, we can isolate changes in the couples’ relationships.

COOK: What are some of the more unusual “texts” you have applied this technique to?

PENNEBAKER: Some of the more unusual texts have been my own. There is something almost creepy about analyzing your own emails, letters of recommendation, web pages, and natural conversations.

COOK: And what have you found?

PENNEBAKER: One of the most interesting results was part of a study my students and I conducted dealing with status in email correspondence. Basically, we discovered that in any interaction, the person with the higher status uses I-words less (yes, less) than people who are low in status. The effects were quite robust and, naturally, I wanted to test this on myself. I always assumed that I was a warm, egalitarian kind of guy who treated people pretty much the same.

I was the same as everyone else. When undergraduates wrote me, their emails were littered with I, me, and my. My response, although quite friendly, was remarkably detached — hardly an I-word graced the page. And then I analyzed my emails to the dean of my college. My emails looked like an I-word salad; his emails back to me were practically I-word free.

COOK: Does your work have any application in lie detection?

PENNEBAKER: It does. Several labs, including ours, have now conducted studies to evaluate the prospect of building a linguistic lie detector. The preliminary findings are promising. In controlled studies, we can catch lying about 67% of the time where 50% is chance. Humans, reading the same transcripts, only catch lying 53% of the time. This is actually quite impressive unless you are a person in the judicial system. If you are waiting for a language-based system to catch real world lying at rates of 90 or 95 percent of the time, it won’t happen in your lifetime. It’s simply too complicated.

COOK: What are you looking into now? Where do you see the field going in the future?

PENNEBAKER: One of the most fascinating effects I’ve seen in quite awhile is that we can predict people’s college performance reasonably well by simply analyzing their college admissions essays. Across four years, we analyzed the admissions essays of 25,000 students and then tracked their grade point averages (GPAs). Higher GPAs were associated with admission essays that used high rates of nouns and low rates of verbs and pronouns. The effects were surprisingly strong and lasted across all years of college, no matter what the students’ major.

To me, the use of nouns — especially concrete nouns — reflects people’s attempts to categorize and name objects, events, and ideas in their worlds. The use of verbs and pronouns typically occur when people tell stories. Universities clearly reward categorizers rather than story tellers. If true, can we train young students to categorize more? Alternatively, are we relying too much on categorization strategies in American education?

I think one advantage I have had in my career is that I’ve got a short attention span. If something new and exciting bubbles up in our data, I will likely drop what I’m doing and try to understand it. It’s a wonderful time to be alive.

Aceitam tudo (Terra Magazine)

Quinta, 19 de maio de 2011, 08h14 Atualizada às 18h50 (link original aqui).

Trecho do livro “Por uma Vida Melhor” apresenta a pergunta “posso falar ‘os livro’?”

Sírio Possenti
De Campinas (SP)

De vez em quando, alguém diz que lingüistas “aceitam” tudo (isto é, que acham certa qualquer construção). Um comentário semelhante foi postado na semana passada. Achei que seria uma boa oportunidade para tentar esclarecer de novo o que fazem os linguistas.

Mas a razão para tentar ser claro não tem mais a ver apenas com aquele comentário. Surgiu uma celeuma causada por notas, comentários, entrevistas etc. a propósito de um livro de português que o MEC aprovou e que ensinaria que é certo dizer Os livro. Perguntado no espaço dos comentários, quando fiquei sabendo da questão, disse que não acreditava na matéria do IG, primeira fonte do debate. Depois tive acesso à indigitada página, no mesmo IG, e constatei que todos os que a leram a leram errado. Mas aposto que muitos a comentaram sem ler.

Vou tratar do tal “aceitam tudo”, que vale também para o caso do livro.

Primeiro: duvido que alguém encontre esta afirmação em qualquer texto de linguística. É uma avaliação simplificada, na verdade, um simulacro, da posição dos linguistas em relação a um dos tópicos de seus estudos – a questão da variação ou da diversidade interna de qualquer língua. Vale a pena insistir: de qualquer língua.

Segundo: “aceitar” é um termo completamente sem sentido quando se trata de pesquisa. Imaginem o ridículo que seria perguntar a um químico se ele aceita que o oxigênio queime, a um físico se aceita a gravitação ou a fissão, a um ornitólogo se ele aceita que um tucano tenha bico tão desproporcional, a um botânico se ele aceita o cheiro da jaca, ou mesmo a um linguista se ele aceita que o inglês não tenha gênero nem subjuntivo e que o latim não tivesse artigo definido.

Não só não se pergunta se eles “aceitam”, como também não se pergunta se isso tudo está certo. Como se sabe, houve época em que dizer que a Terra gira ao redor do sol dava fogueira. Semmelveis foi escorraçado pelos médicos que mandavam em Viena porque disse que todos deveriam lavar as mãos antes de certos procedimentos (por exemplo, quem viesse de uma autópsia e fosse verificar o grau de dilatação de uma parturiente). Não faltou quem dissesse “quem é ele para mandar a gente lavar as mãos?”

Ou seja: não se trata de aceitar ou de não aceitar nem de achar ou de não achar correto que as pessoas digam os livro. Acabo de sair de uma fila de supermercado e ouvi duas lata, dez real, três quilo a dar com pau. Eu deveria mandar esses consumidores calar a boca? Ora! Estávamos num caixa de supermercado, todos de bermuda e chinelo! Não era um congresso científico, nem um julgamento do Supremo!

Um linguista simplesmente “anota” os dados e tenta encontrar uma regra, isto é, uma regularidade, uma lei (não uma ordem, um mandato).

O caso é manjado: nesta variedade do português, só há marca de plural no elemento que precede o nome – artigo ou numeral (os livro, duas lata, dez real, três quilo). Se houver mais de dois elementos, a complexidade pode ser maior (meus dez livro, os meus livro verde etc.). O nome permanece invariável. O linguista vê isso, constata isso. Não só na fila do supermercado, mas também em documentos da Torre do Tombo anteriores a Camões. Portanto, mesmo na língua escrita dos sábios de antanho.

O linguista também constata the books no inglês, isto é, que não há marca de plural no artigo, só no nome, como se o inglês fosse uma espécie de avesso do português informal ou popular. O linguista aceita isso? Ora, ele não tem alternativa! É um dado, é um fato, como a combustão, a gravitação, o bico do tucano ou as marés. O linguista diz que a escola deve ensinar formas como os livro? Esse é outro departamento, ao qual volto logo.

Faço uma digressão para dar um exemplo de regra, porque sei que é um conceito problemático. Se dizemos “as cargas”, a primeira sílaba desta sequência é “as”. O “s” final é surdo (as cordas vocais não vibram para produzir o “s”). Se dizemos “as gatas”, a primeira sílaba é a “mesma”, mas nós pronunciamos “az” – com as cordas vocais vibrando para produzir o “z”. Por que dizemos um “z” neste caso? Porque a primeira consoante de “gatas” é sonora, e, por isso, a consoante que a antecede também se sonoriza. Não acredita? Vá a um laboratório e faça um teste. Ou, o que é mais barato, ponha os dedos na sua garganta, diga “as gatas” e perceberá a vibração. Tem mais: se dizemos “as asas”, não só dizemos um “z” no final de “as”, como também reordenamos as sílabas: dizemos as.ga.tas e as.ca.sas, mas dizemos a.sa.sas (“as” se dividiu, porque o “a” da palavra seguinte puxou o “s/z” para si). Dividimos “asas” em “a.sas”, mas dividimos “as asas” em a.sa.sas.

Volto ao tema do linguista que aceitaria tudo! Para quem só teve aula de certo / errado e acha que isso é tudo, especialmente se não tiver nenhuma formação histórica que lhe permitiria saber que o certo de agora pode ter sido o errado de antes, pode ser difícil entender que o trabalho do linguista é completamente diferente do trabalho do professor de português.

Não “aceitar” construções como as acima mencionadas ou mesmo algumas mais “chocantes” é, para um linguista, o que seria para um botânico não “aceitar” uma gramínea. O que não significa que o botânico paste.

Proponho o seguinte experimento mental: suponha que um descendente seu nasça no ano 2500. Suponha que o português culto de então inclua formas como “A casa que eu moro nela mais os dois armário vale 300 cabral” (acho que não será o caso, mas é só um experimento). Seu descendente nunca saberá que fala uma língua errada. Saberá, talvez (se estudar mais do que você), que um ancestral dele falava formas arcaicas do português, como 300 cabrais.

Outro tema: o linguista diz que a escola deve ensinar a dizer Os livro? Não. Nenhum linguista propõe isso em lugar nenhum (desafio os que têm opinião contrária a fornecer uma referência). Aliás, isso não foi dito no tal livro, embora todos os comentaristas digam que leram isso.

O linguista não propõe isso por duas razões: a) as pessoas já sabem falar os livro, não precisam ser ensinadas (observe-se que ninguém falao livros, o que não é banal); b) ele acha – e nisso tem razão – que é mais fácil que alguém aprenda os livros se lhe dizem que há duas formas de falar do que se lhe dizem que ele é burro e não sabe nem falar, que fala tudo errado. Há muitos relatos de experiências bem sucedidas porque adotaram uma postura diferente em relação à fala dos alunos.

Enfim, cada campo tem seus Bolsonaros. Merecidos ou não.

PS 1 – todos os comentaristas (colunistas de jornais, de blogs e de TVs) que eu ouvi leram errado uma página (sim, era só UMA página!) do livro que deu origem à celeuma na semana passada. Minha pergunta é: se eles defendem a língua culta como meio de comunicação, como explicam que leram tão mal um texto escrito em língua culta? É no teste PISA que o Brasil, sempre tem fracassado, não é? Pois é, este foi um teste de leitura. Nosso jornalismo seria reprovado.

PS 2 – Alexandre Garcia começou um comentário irado sobre o livro em questão assim, no Bom Dia, Brasil de terça-feira: “quando eu TAVA na escola…”. Uma carta de leitor que criticava a forma “os livro” dizia “ensinam os alunos DE que se pode falar errado”. Uma professora entrevistada que criticou a doutrina do livro disse “a língua é ONDE nos une” e Monforte perguntou “Onde FICA as leis de concordância?”. Ou seja: eles abonaram a tese do livro que estavam criticando. Só que, provavelmente, acham que falam certinho! Não se dão conta do que acontece com a língua DELES mesmos!!

* * *

[Quatro dias após esse excelente artigo de Sírio Possenti, O Globo publica editorial – abaixo – onde fica evidente que, como sugere Sírio, tanto foco em questões formais tem o intuito de esconder a baixa qualidade dos argumentos (e do jornalismo que daí decorre). Um verdadeiro show de conservadorismo reducionista: escola é pra “salvar os pobres” inculcando-lhes “a verdadeira cultura”, essa que também deve ser a marca da “inteligência do País”. A qualidade da educação, sugere o texto, se mede com indicadores estatísticos apenas – e não tem nada que ver com a formação de cidadãos, membros ativos de suas comunidades, etc. Ou seja, a educação é um problema técnico, e não político. Na minha opinião, a classe média carioca não merece tanto bolsonarismo.]

Desatino nas escolas

Editorial do jornal O Globo de 23/05/2011.

Os dicionários definem o termo “didática” como a técnica de ensinar, meio para dirigir e orientar o aprendizado. Os livros didáticos, por extensão, se constituem no instrumento pelo qual o ensino do uso correto da língua é ministrado nas escolas. Ao permitir na rede pública – base da formação educacional da grande maioria dos estudantes do País – a adoção de um livro que permite erros de português como parte do processo de aprendizagem, o MEC dá abrigo a uma perigosa contradição. Em nome de uma ideologia de proteção a “excluídos da sociedade”, o governo avaliza um projeto que, na prática, inviabiliza a inclusão. Coonestar erros de gramática, sob o falso princípio de que se deve derrubar preconceitos linguísticos, agrava o marginalismo cultural a que o desconhecimento da língua condena aqueles que, por enfrentar condições sociais adversas, têm poucas chances de adquirir conhecimentos que lhes permitam mudar sua realidade.

O argumento da autora do livro “Por uma vida melhor”, Heloísa Ramos, de que em vez de “certo” e “errado” na avaliação do aprendizado da língua deve-se usar a ideia de “adequado” ou “inadequado”, transfere a discussão para o plano da linguística, quando o que de fato interessa é a questão da didática do ensino, a maneira como as crianças serão alfabetizadas e os instrumentos de instrução que lhes serão fornecidos para aprenderem a escrever corretamente.

Trata-se de questão muito mais séria do que é capaz de alcançar a ideologia de almanaque que justifica tais agressões à língua, à inteligência do País e, não menos importante, à formação dos próprios jovens alunos. A defesa de erros primários de concordância verbal e de princípios da gramática, por si só, é inconcebível em qualquer nação que zele por sua língua. E se torna ainda mais indefensável num País como o Brasil, onde o precário nível de ensino, particularmente nas escolas públicas, é responsável por vergonhosos indicadores educacionais. Pode-se imaginar a confusão na cabeça do jovem aluno que, despendendo esforços para aprender as regras da sua língua, seja confrontado com um livro – logo, instrumento supostamente confiável – em que se tem como corretas frases do tipo “nós pega o peixe” ou “dois real”.

Por outros exemplos de semelhantes ataques a padrões de comportamento, tem-se por óbvio que a questão do livro de Heloísa Ramos não é episódio isolado no País. Faz parte de um contexto mais amplo, que se move pelo princípio do “politicamente correto”. É a mesma cartilha que, no plano do ensino, instrui adeptos do racialismo a condenar, como racista, a obra de Monteiro Lobato (e, como decorrência, a praticar boçalidades como a manifestação, no Rio, contra um bloco de carnaval, e iniquidades como a edição, pelo MEC, de uma bula que oriente os professores como “ensinar” a obra do escritor nas escolas).

Em última análise, permitir a circulação de tal livro é uma agressão não só ao bom senso, mas ao direito do aluno de receber ensino de boa qualidade. Ao aceitar tal desatino, em nome de um ideário de suposta defesa dos excluídos, o MEC boicota o esforço de melhorar os indicadores da Educação no País. Em vez de ajudar a abrir fronteiras da cultura a uma considerável parcela de brasileiros, para os quais o acesso a instrução é tábua de salvação contra adversidades sociais, o ministério apenas os estimula a cultivar erros – que no futuro, na luta pela inclusão social (seja no mercado de trabalho, ou em instituições de ensino que lhes cobrarão conhecimento da língua), lhes custarão caro.

Amondawa tribe lacks abstract idea of time, study says (BBC News)

20 May 2011
By Jason Palmer
Science and technology reporter, BBC News

The Amondawa were first “discovered” by anthropologists in 1986

An Amazonian tribe has no abstract concept of time, say researchers.

The Amondawa lacks the linguistic structures that relate time and space – as in our idea of, for example, “working through the night”.

The study, in Language and Cognition, shows that while the Amondawa recognise events occuring in time, it does not exist as a separate concept.

The idea is a controversial one, and further study will bear out if it is also true among other Amazon languages.

The Amondawa were first contacted by the outside world in 1986, and now researchers from the University of Portsmouth and the Federal University of Rondonia in Brazil have begun to analyse the idea of time as it appears in Amondawa language.

“We’re really not saying these are a ‘people without time’ or ‘outside time’,” said Chris Sinha, a professor of psychology of language at the University of Portsmouth.

“Amondawa people, like any other people, can talk about events and sequences of events,” he told BBC News.

“What we don’t find is a notion of time as being independent of the events which are occuring; they don’t have a notion of time which is something the events occur in.”

The Amondawa language has no word for “time”, or indeed of time periods such as “month” or “year”.

The people do not refer to their ages, but rather assume different names in different stages of their lives or as they achieve different status within the community.

But perhaps most surprising is the team’s suggestion that there is no “mapping” between concepts of time passage and movement through space.

Ideas such as an event having “passed” or being “well ahead” of another are familiar from many languages, forming the basis of what is known as the “mapping hypothesis”.

The Amondawa have no words for time periods such as “month” or “year”

But in Amondawa, no such constructs exist.

“None of this implies that such mappings are beyond the cognitive capacities of the people,” Professor Sinha explained. “It’s just that it doesn’t happen in everyday life.”

When the Amondawa learn Portuguese – which is happening more all the time – they have no problem acquiring and using these mappings from the language.

The team hypothesises that the lack of the time concept arises from the lack of “time technology” – a calendar system or clocks – and that this in turn may be related to the fact that, like many tribes, their number system is limited in detail.

Absolute terms
These arguments do not convince Pierre Pica, a theoretical linguist at France’s National Centre for Scientific Research (CNRS), who focuses on a related Amazonian language known as Mundurucu.

“To link number, time, tense, mood and space by a single causal relationship seems to me hopeless, based on the linguistic diversity that I know of,” he told BBC News.

Dr Pica said the study “shows very interesting data” but argues quite simply that failing to show the space/time mapping does not refute the “mapping hypothesis”.

Small societies like the Amondawa tend to use absolute terms for normal, spatial relations – for example, referring to a particular river location that everyone in the culture will know intimately rather than using generic words for river or riverbank.

These, Dr Pica argued, do not readily lend themselves to being co-opted in the description of time.

“When you have an absolute vocabulary – ‘at the water’, ‘upstream’, ‘downstream’ and so on, you just cannot use it for other domains, you cannot use the mapping hypothesis in this way,” he said.

In other words, while the Amondawa may perceive themselves moving through time and spatial arrangements of events in time, the language may not necessarily reflect it in an obvious way.

What may resolve the conflict is further study, Professor Sinha said.

“We’d like to go back and simply verify it again before the language disappears – before the majority of the population have been brought up knowing about calendar systems.”

Brazil tribe prove words count

BBC News, 20 August, 2004

When it comes to counting, a remote Amazonian tribespeople have been found to be lost for words.

Researchers discovered the Piraha tribe of Brazil, with a population of 200, have no words beyond one, two and many.

The word for “one” can also mean “a few”, while “two” can also be used to refer to “not many”.

Peter Gordon of Columbia University in New York said their skill levels were similar to those of pre-linguistic infants, monkeys, birds and rodents.

He reported in the journal Science that he set the tribe simple numerical matching challenges, and they clearly understood what was asked of them.

“In all of these matching experiments, participants responded with relatively good accuracy with up to two or three items, but performance deteriorated considerably beyond that up to eight to 10 items,” he wrote.

Language theory

Dr Gordon added that not only could they not count, they also could not draw.

“Producing simple straight lines was accomplished only with great effort and concentration, accompanied by heavy sighs and groans.”

The tiny tribe live in groups of 10 to 20 along the banks of the Maici River in the Lowland Amazon region of Brazil.

Dr Gordon said they live a hunter-gatherer existence and reject any assimilation into mainstream Brazilian culture.

He added that the tribe use the same pronoun for “he” and “they” and standard quantifiers such as “more”, “several” and “all” do not exist in their language.

“The results of these studies show that the Piraha’s impoverished counting system truly limits their ability to enumerate exact quantities when set sizes exceed two or three items,” he wrote.

“For tasks that required cognitive processing, performance deteriorated even on set sizes smaller than three.”

The findings lend support to a theory that language can affect thinking.

Linguist Benjamin Lee Whorf suggested in the 1930s that language could determine the nature and content of thought.

Persuasive Speech: The Way We, Um, Talk Sways Our Listeners (ScienceDaily)

ScienceDaily (May 16, 2011) — Want to convince someone to do something? A new University of Michigan study has some intriguing insights drawn from how we speak.

The study, presented May 14 at the annual meeting of the American Association for Public Opinion Research, examines how various speech characteristics influence people’s decisions to participate in telephone surveys. But its findings have implications for many other situations, from closing sales to swaying voters and getting stubborn spouses to see things your way.

“Interviewers who spoke moderately fast, at a rate of about 3.5 words per second, were much more successful at getting people to agree than either interviewers who talked very fast or very slowly,” said Jose Benki, a research investigator at the U-M Institute for Social Research (ISR).

For the study, Benki and colleagues used recordings of 1,380 introductory calls made by 100 male and female telephone interviewers at the U-M ISR. They analyzed the interviewers’ speech rates, fluency, and pitch, and correlated those variables with their success in convincing people to participate in the survey.

Since people who talk really fast are seen as, well, fast-talkers out to pull the wool over our eyes, and people who talk really slow are seen as not too bright or overly pedantic, the finding about speech rates makes sense. But another finding from the study, which was funded by the National Science Foundation, was counterintuitive.

“We assumed that interviewers who sounded animated and lively, with a lot of variation in the pitch of their voices, would be more successful,” said Benki, a speech scientist with a special interest in psycholinguistics, the psychology of language.

“But in fact we found only a marginal effect of variation in pitch by interviewers on success rates. It could be that variation in pitch could be helpful for some interviewers but for others, too much pitch variation sounds artificial, like people are trying too hard. So it backfires and puts people off.”

Pitch, the highness or lowness of a voice, is a highly gendered quality of speech, influenced largely by body size and the corresponding size of the larynx, or voice box, Benki says. Typically, males have low-pitched voices and females high-pitched voices. Stereotypically, think James Earl Jones and Julia Child.

Benki and colleagues Jessica Broome, Frederick Conrad, Robert Groves and Frauke Kreuter also examined whether pitch influenced survey participation decisions differently for male compared to female interviewers.

They found that males with higher-pitched voices had worse success than their deep-voiced colleagues. But they did not find any clear-cut evidence that pitch mattered for female interviewers.

The last speech characteristic the researchers examined for the study was the use of pauses. Here they found that interviewers who engaged in frequent short pauses were more successful than those who were perfectly fluent.

“When people are speaking, they naturally pause about 4 or 5 times a minute,” Benki said. “These pauses might be silent, or filled, but that rate seems to sound the most natural in this context. If interviewers made no pauses at all, they had the lowest success rates getting people to agree to do the survey. We think that’s because they sound too scripted.

“People who pause too much are seen as disfluent. But it was interesting that even the most disfluent interviewers had higher success rates than those who were perfectly fluent.”

Benki and colleagues plan to continue their analyses, comparing the speech of the most and least successful interviewers to see how the content of conversations, as well as measures of speech quality, is related to their success rates.

Como não poderia deixar de ser, aí vem a tropa de choque do policiamento linguístico

MPF prevê ações contra o uso de livro com erros pelo MEC

Para a procuradora da República Janice Ascari, os responsáveis pela edição e pela distribuição do livro “estão cometendo um crime” contra a educação brasileira.

Diante da denúncia de que o livro “Por uma vida melhor”, da professora Heloísa Ramos – que foi distribuído a 485 mil estudantes jovens e adultos pelo Programa Nacional do Livro Didático, do Ministério da Educação -, defende o uso da linguagem popular e admite erros gramaticais grosseiros como “nós pega o peixe”, a procuradora da República Janice Ascari, do Ministério Público Federal, previu que haverá ações na Justiça. Para ela, os responsáveis pela edição e pela distribuição do livro “estão cometendo um crime” contra a educação brasileira.

– Vocês estão cometendo um crime contra os nossos jovens, prestando um desserviço à educação já deficientíssima do País e desperdiçando dinheiro público com material que emburrece em vez de instruir. Essa conduta não cidadã é inadmissível, inconcebível e, certamente, sofrerá ações do Ministério Público – protestou a procuradora da República em seu blog.

No domingo, o livro já tinha sido duramente criticado por educadores e escritores. O MEC confirmou que não pretende retirar a publicação das escolas, alegando que não tem ingerência sobre o conteúdo das obras. Afirmando que se manifestava como mãe e sem analisar o aspecto jurídico da questão, Janice disse que ficou chocada com as notícias sobre o livro com erros aprovado e distribuído pelo MEC. Os autores defendem que essa linguagem coloquial não poderia ser classificada de certa ou errada, mas de adequada ou inadequada.

– Ainda não estou refeita do choque sofrido com as notícias sobre o conteúdo do livro aprovado pelo MEC, no qual consta autorização expressa para que os alunos falem “Nós pega o peixe”, “Os livro mais interessante estão emprestado” e por aí vai. Não, MEC e autores do livro, definitivamente isso não é certo e nem adequado – disse Janice Ascari.

Para o MEC, o debate é nas universidades – O MEC confirmou nesta segunda-feira que não cogita alterar o processo de seleção e avaliação de livros didáticos. As obras são lidas por professores de universidades públicas, a quem cabe selecionar os títulos que farão parte do catálogo nacional de livros. É com base nesse catálogo que escolas de todo o país escolhem as coleções que receberão gratuitamente, distribuídas pelo Programa Nacional do Livro Didático.

O MEC diz que o debate sobre a adequação ou não de uma obra didática deve ocorrer nas universidades, como é no sistema atual, e não dentro do ministério. Do contrário, segundo o MEC, haveria o risco de direcionamento político na escolha das obras a serem aprovadas para uso em sala de aula.

A professora Heloísa Ramos, autora do livro, discorda de que seja preciso modificar qualquer trecho. Ela argumenta que a frase discutida em seu livro trata de linguagem oral, e não escrita. E que a norma popular da língua é diferente da norma culta, mas não necessariamente errada, no caso da linguagem oral.

– Eu não admito mais que alguém escreva que o nosso livro ensina a falar errado ou que não se dedica a ensinar a norma culta – disse Heloísa. – Por que, em educação, todo mundo acha que conhece os assuntos e pode falar com propriedade? Este assunto é complexo, é para especialistas.

Professora aposentada de língua portuguesa da rede estadual de São Paulo, Heloísa presta serviços de consultoria e escreve uma coluna na revista “Nova Escola”, dedicada a tirar dúvidas de professores. Segundo ela, o livro “Por uma vida melhor” é pioneiro ao destacar a importância da norma popular da língua, o que considera um avanço, no sentido de não menosprezar a fala da população menos instruída.

Responsável por livro com erros admite mudar texto – Responsável pela produção do livro didático “Por uma vida melhor”, da Editora Global, a ONG Ação Educativa admite que poderá mudar o texto, numa eventual nova edição. É o que disse nesta segunda-feira a coordenadora-geral da ONG, Vera Masagão. Ela classificou como infeliz a frase que considera correto, em certos contextos, falar com erros de concordância:

– Não acho que seja necessário recolher os livros, de forma nenhuma. Eventualmente, numa próxima vez, a gente pode colocar uma frase que não gere mal-entendidos. Concordo que a frase é infeliz, ainda mais destacada do contexto.

“Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar os livro?’. Claro que pode. Mas fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico”, diz a frase criticada por ela.

Para Vera, a leitura integral do capítulo deixa claro que o foco é o ensino da norma culta da língua. O capítulo se chama “Escrever é diferente de falar”. O professor Marcos Bagno, da Universidade de Brasília (UnB), disse que não há motivo para polêmica, porque já faz mais de 15 anos que os livros didáticos de língua portuguesa aprovados pelo MEC abordam o tema da variação linguística:

– Não é coisa de petista. Já no governo Fernando Henrique, sob a gestão do ministro Paulo Renato, os livros didáticos de português avaliados pelo MEC começavam a abordar os fenômenos da variação linguística, o caráter inevitavelmente heterogêneo de qualquer língua viva falada no mundo transforma qualquer idioma usado por uma comunidade humana.
(O Globo)

ABL critica livro distribuído pelo MEC que defende erro em fala

Segundo a Academia, professor deve ensinar a língua-padrão.

A Academia Brasileira de Letras divulgou ontem uma nota criticando o MEC (Ministério da Educação) e os autores do livro didático “Por uma Vida Melhor”, distribuído pelo ministério a 4.236 escolas do País.
Ao tratar da diferença entre a língua oral e a escrita, o livro didático afirma que é possível dizer “Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado” em determinados contextos. “A Casa de Machado de Assis vem estranhar certas posições teóricas dos autores de livros que chegam às mãos de alunos dos cursos fundamental e médio com a chancela do Ministério da Educação, órgão que se vem empenhando em melhorar o nível do ensino escolar no Brasil”, diz a nota.

A ABL argumenta que não cabe ao professor de língua portuguesa em sala de aula ensinar outras variedades da língua que não seja a padrão. “[O professor] espera encontrar no livro didático o respaldo dos usos da língua-padrão que ministra a seus discípulos, variedade que eles deverão conhecer e praticar no exercício da efetiva ascensão social que a escola lhes proporciona.”

O MEC afirmou na semana passada que o livro está em acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, que servem como orientação para escolas e professores. Sobre a nota da ABL, o MEC afirma que o programa de aquisição e seleção dos livros didáticos -em que há uma avaliação das obras e liberdade para as escolas escolherem os livros com que trabalharão- foi discutido e aprovado por várias associações, entre elas a ABL.

O livro em questão, elaborado pela ONG Ação Educativa, no capítulo em que trata das diferenças entre escrever e falar e das variações na linguagem oral, afirma: “Você pode estar se perguntando: “Mas eu posso falar os livro?”. Claro que pode. Mas fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico”.

A coordenadora da Ação Educativa, Vera Masagão Ribeiro, diz que a frase foi tirada de contexto e que o livro deixa claro que há uma norma culta da língua. De acordo com Ribeiro, não há o risco de um aluno entender que pode escrever dessa forma num concurso público ou falar assim numa entrevista de emprego.
(Folha de São Paulo)

Coluna de Merval Pereira no O Globo desta terça-feira (17)

Há um aspecto perverso nessa crise do livro didático de português, que o MEC insiste em manter em circulação, que ultrapassa qualquer medida do bom-senso de um governo, qualquer governo.

A pretexto de defender a fala popular como alternativa válida à norma culta do português, o Ministério da Educação está estimulando os alunos brasileiros a cultivarem seus erros, que terão efeito direto na sua vida na sociedade e nos resultados de exames, nacionais e internacionais, que avaliam a situação de aprendizado dos alunos, debilitando mais ainda a competitividade do país.

O ministro Fernando Haddad, que já protagonizou diversas confusões administrativas, agora se cala diante dessa “pedagogia da ignorância” que apresenta aos alunos da rede pública a defesa de erros de português, como se fossem corretas ou aceitáveis expressões populares como “nós pega o peixe” ou “dois real”.

(Aliás, cada vez que escrevo essas frases, o corretor de texto teima em sublinhá-las em verde, como se estivessem erradas. Esse computador ainda não passou pelo crivo do MEC).

Mas é o próprio MEC que veicula anúncios exaltando supostos avanços dos alunos brasileiros no Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos).

O País registrou crescimento em todas as notas, embora continue muito abaixo da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e mesmo de alguns da América Latina.

Ora, se o próprio governo baliza sua atuação pela régua do Pisa, como justificar que a defesa de uma alternativa da fala correta seja uma política oficial do Estado brasileiro?

A professora Heloísa Ramos, autora do livro “Por uma vida melhor”, da Coleção Viver, Aprender (Editora Global) acredita ser “importante que o falante de português domine as duas variantes e escolha a que julgar adequada à sua situação de fala”.

Seria preciso então que as escolas e faculdades ensinassem o português popular para os que foram alfabetizados pela norma culta, numa radicalização esdrúxula que esse raciocínio estimula.

O caráter ideológico de certos livros didáticos utilizados pelo MEC, especialmente de história contemporânea, ganha assim uma nova vertente, mais danosa que a primeira, ou melhor, mais prejudicial para a vida do cidadão-aluno.

Enquanto distorções políticas que afetem posições pessoais do aluno podem ser revertidas no decorrer de sua vida, por outros conhecimentos e vivências, distorções didáticas afetam a perspectiva desse aluno, que permanecerá analfabeto, sem condições de melhorar de vida.

Fosse o livro uma obra de linguística da professora Heloísa Ramos, nada a opor quanto à sua existência, embora seus métodos e conclusões rasteiras do que seja preconceito contra a fala popular possam, sim, ser refutados como uma mera mistificação política.

Se fosse um romance, não haveria problema algum em reproduzir a maneira de falar de uma região, ou os erros de português de um personagem.

Mas o livro didático não pode aceitar como certo o erro de português. Didática, pelo dicionário (?) é “a arte de transmitir conhecimento, técnica de ensinar” ou “que proporciona instrução e informação”.

O fato de falarem de certa maneira em algumas regiões não quer dizer que este ou aquele linguajar represente o português correto.

A visão deturpada do que seja ensinar aparece na declaração de um assessor anônimo do MEC no Globo de ontem, alegando que não cabe ao ministério dizer “o que é certo e o que errado”, e nem mesmo fazer a análise do conteúdo dos livros didáticos.

Se não exerce esses deveres básicos, o que faz o MEC em relação ao ensino do País?

Seria um equívoco lamentável e perigoso se o MEC, com essa postura, estivesse pretendendo fazer uma política a favor dos analfabetos, dos ignorantes, como se ela fosse a defesa dos que não tiveram condições de estudar. Na verdade, está é agravando as condições precárias do cidadão-aluno que busca na escola melhorar de vida, limitando, se não impossibilitando, que atinjam esse objetivo.

Se, porém, a base da teoria for uma tentativa de querer justificar a maneira como o presidente Lula fala, aí então teremos um agravante ao ato criminoso de manter os estudantes na ignorância.

Querer transformar um defeito, uma falha da educação formal do presidente-operário, em uma coisa meritória é um desserviço à população.

Os erros de português de Lula não têm mérito nenhum, ele os explora para fazer política, é um clássico do populismo, cuja consequência é deseducar a população.

Mas ele nunca teve a coragem de defender a fala errada, embora goste de ironizar palavras ou expressões que considera rebuscadas.

Ele desvaloriza o estudo, com frases como “não sei por que estudou tanto, e eu fiz mais do que ele”, ou quando se mostra como exemplo de que é possível subir na vida sem estudar.

Mas em outras ocasiões, estimula que a universidade seja acessível a todos, numa atitude que parece paradoxal, mas que ganha coerência quando se analisam os objetivos políticos de cada uma das atitudes.

Se, no entanto, o desdém pela norma culta do português transformou-se em política de Estado, aí teremos a certeza de termos chegado ao fundo do poço.

UFRN aprova obra que defende fala popular

Segundo o MEC, o aval ao livro que admite uso de linguagem oral com erros para estabelecer comunicação partiu de comissão de docentes potiguares.

Uma comissão formada por professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) aprovou o livro Por uma Vida Melhor, da Coleção Viver e Aprender. O livro, que chegou a 484.195 alunos de todo o País, defende que a forma de falar não precisa necessariamente seguir a norma culta. “Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar os livro?’. Claro que pode”, diz um trecho.

Por uma Vida Melhor, de autoria de Heloísa Ramos, afirma que o uso da língua popular – ainda que com seus erros gramaticais – é válido na tentativa de estabelecer comunicação. O livro lembra que, caso deixem de usar a norma culta, os alunos podem sofrer “preconceito linguístico”. “Fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico. Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever, tomando as regras estabelecidas para a norma culta como padrão de correção de todas as formas linguísticas.”

O livro foi escolhido por um total de 4.236 escolas que definiram a obra “mais apropriada a cada contexto”, considerando as “propostas pedagógicas e curriculares desenvolvidas”, informou o Ministério da Educação. O MEC não comenta o mérito do livro – ressalta que coube a docentes da UFRN aprovar a obra e a cada escola a decisão de adotá-la ou não nas salas.

Padrões – Em nota divulgada pelo MEC, a autora defendeu que a ideia de “correto e incorreto no uso da língua deve ser substituída pela ideia de uso da língua adequado e inadequado, dependendo da situação comunicativa”. Cercado pela polêmica que o livro levantou, o MEC observa que a seleção do conteúdo didático não coube ao ministério.

Os livros do Programa Nacional do Livro Didático para a Educação de Jovens e Adultos (PNLDEJA) são encaminhados para uma comissão, responsável pela avaliação e seleção das coleções didáticas. No caso de Por uma Vida Melhor, o debate ficou entre um grupo de docentes da UFRN. Depois de aprovadas, as obras são colocadas à disposição no Guia do Livro Didático, que funciona como uma ferramenta de orientação
na definição dos títulos.O ministério arca com as despesas dos livros.

Programa – Ao tratar dos componentes curriculares, o edital do programa do Ministério da Educação previa que os alunos do segundo segmento – do 6.º ao 9.º ano do ensino fundamental, que receberam a obra – “demandam novos tipos de reflexão sobre o funcionamento e as propriedades da linguagem em uso” e “a sistematização dos conhecimentos linguísticos correlatos mais relevantes”.

O edital também diz que “cabe ao ensino de língua materna, nesse nível de ensino-aprendizagem, aprofundar o processo de inserção qualificada do aluno na cultura da escrita”. O MEC afirmou que até ontem não havia pedidos de devolução dos exemplares. A Editora Global informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que é responsável pela comercialização e pela produção do livro, mas não pelo seu conteúdo. Procurada, a assessoria da UFRN disse que não se pronunciaria.

‘O livro é fruto da minha carreira. Escrevi o que já havia praticado’
Entrevista com Heloisa Cerri Ramos, coautora do livro “Por uma vida melhor”.

● Foi um mal entendido?
Pegaram uma frase sem contexto. Dentro do capítulo que trata de concordância nominal e verbal, explico que, na língua oral, quando se diz “os livro é popular”, entende-se que é plural. Mas, na verdade, acho que houve uma falta de aceitação. A mídia diz que a escola não produz aprendizagem, mas quando se mostra um aspecto pedagógico ou didático, ela tem posição conservadora, trata com ironia.

● A discussão, então, é antiga?
Sim. Há pelo menos 30 anos se fala disso entre os que se preocupam em democratizar o ensino. Talvez em um tempo em que só a elite ia para escola, a normal culta bastasse. Hoje, com o acesso da classe popular, a formação tem de ser mais ampla. E nosso livro é direcionado ao Ensino de Jovens e Adultos. Foi feito para aquele que pode ter sido discriminado por falar errado. Não defendo uma escola que fique parada na linguagem popular. Com o aprendizado, o estudante se vê como um falante da sua língua e sabe que, sem a norma culta, não terá acesso a bens culturais e conhecimentos científicos.

● O espanto, então, é por que você escreveu, colocou no papel, o que já se discute há tempos?
Sim. Acho que nenhum livro didático falou diretamente disso. Nosso livro tem a linguagem voltada para o aluno. Por isso, explicito essa questão da concordância. Recebi elogios de colegas. Muitos deles disseram que eu fui corajosa.

● E como é receber críticas de professores e de membros da Academia Brasileira de Letras?
Estou muito tranquila. Não cometi nenhum erro conceitual. O livro é fruto da minha carreira. O que eu escrevi, já havia praticado com meus alunos. E o livro também recebeu pareceres antes da publicação. Os outros dois autores da coleção e eu sempre falamos: se ninguém quiser os nossos livros, nós queremos.
(O Estado de São Paulo)

Contra a tirania da norma culta

É mais importante ensinar os alunos a navegar o universo linguístico do Brasil e valorizar as falar regionais, do que impor a norma culta como única manifestação linguística legítima. A norma culta é importante como espécie de língua franca, e nada mais. Os estudantes têm que sabê-la, mas com maior consciência política a respeito do que ela é (como diria Paulo Freire). Palmas para o MEC. Abaixo as estúpidas reformas ortográficas.

MEC não vai recolher livro que aceita erro de português (O Globo)

JC e-mail 4258, de 16 de Maio de 2011

O Ministério da Educação informou que não se envolverá na polêmica sobre o livro com erros gramaticais distribuído pelo Programa Nacional do Livro Didático, do próprio MEC, a 485 mil estudantes jovens e adultos. O livro “Por uma vida melhor”, da professora Heloísa Ramos, defende uma suposta supremacia da linguagem oral sobre a linguagem escrita, admitindo a troca dos conceitos “certo e errado” por “adequado ou inadequado”. A partir daí, frases com erros de português como “nós pega o peixe” poderiam ser consideradas corretas em certos contextos.

– Não somos o Ministério da Verdade. O ministro não faz análise dos livros didáticos, não interfere no conteúdo. Já pensou se tivéssemos que dizer o que é certo ou errado?
Aí, sim, o ministro seria um tirano – afirmou ontem um auxiliar do ministro Fernando Haddad, pedindo para não ser identificado.

Escritores e educadores criticaram ontem a decisão de distribuir o livro, tomada pelos responsáveis pelo Programa Nacional do Livro Didático. Para Mírian Paura, professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Uerj, as obras distribuídas pelo MEC deveriam conter a norma culta:

-Não tem que se fazer livros com erros. O professor pode falar na sala de aula que temos outra linguagem, a popular, não erudita, como se fosse um dialeto. Os livros servem para os alunos aprenderem o conhecimento erudito. Na obra “Por uma vida melhor”, da coleção “Viver, aprender”, a autora afirma num trecho: “Posso falar ‘os livro?’ Claro que pode, mas, dependendo da situação, a pessoa pode ser vítima de preconceito linguístico.” Em outro, cita como válidas asfrases: “nós pega o peixe” e “os menino pega o peixe”. Autor de dezenas de livros infantis e sobre Machado de Assis, o escritor Luiz Antônio Aguiar também é contra a novidade:

– Está valendo tudo. Mais uma vez, no lugar de ensinar, vão rebaixar tudo à ignorância. Estão jogando a toalha. Isso demonstra falta de competência para ensinar. Segundo ele, o que estabelece as regras é a gramática.

– Imagina um jogo de futebol sem as linhas do campo. Como vão jogar futebol sem saber se a bola vai sair ou não? O que determina as regras é a gramática. Faltam critérios. É um decréscimo da capacidade de comunicação – observou Aguiar , também professor do curso “Formação de leitores e jovens leitores”, da Secretaria municipal de Educação do Rio.

Singularidade brasileira (Fapesp)

Especiais

24/3/2011

Por Fábio de CastroAgência FAPESP – O português falado no Brasil tem certas propriedades sintáticas que não se encontram no português europeu, nem em outros idiomas. Durante mais de quatro anos, um grupo de pesquisadores se dedicou a analisar o conhecimento já reunido sobre essas propriedades, a fim de discuti-lo sob a perspectiva do mais novo paradigma da pesquisa linguística: o chamado Programa Minimalista.

Concluído no fim de fevereiro, o Projeto Temático Sintaxe gerativa do português brasileiro na entrada do século 21: Minimalismo e Interfaces, financiado pela FAPESP, foi coordenado por Jairo Nunes, professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com Nunes, o principal resultado do projeto foi o livro Minimalist Essays on Brazilian Portuguese Syntax (“Ensaios minimalistas sobre a sintaxe do português brasileiro”), lançado em 2009, que reúne dez artigos produzidos por seus participantes.

“O objetivo central do projeto consistiu em capitalizar o conhecimento já adquirido sobre as propriedades sintáticas distintivas do português brasileiro e discuti-lo à luz do Programa Minimalista, descobrindo em que medida essas propriedades podiam ser explicadas na sua interface com outros componentes da gramática”, disse à Agência FAPESP.

O Programa Minimalista foi estabelecido a partir de 1995 pelo linguista Noam Chomsky, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, derivado da Teoria de Princípios e Parâmetros, formulada pelo mesmo autor na década de 1980 a partir de uma tradição linguística iniciada em meados do século 20.

A Teoria de Princípios e Parâmetros estabeleceu a ideia de que há um componente inato, biologicamente fundamentado, na predisposição humana a aprender uma língua, e que todas as produções linguísticas seguiriam uma “gramática universal”, comum a todos os seres humanos.

“Descobriu-se então que o conhecimento linguístico se organiza em termos de princípios – propriedades invariáveis de todas as línguas – e parâmetros, que são os padrões e opções que codificam feixes dessas propriedades. A tarefa de uma criança que aprende uma língua seria, portanto, estabelecer os valores desses parâmetros”, explicou Nunes.

O Programa Minimalista tem a proposta de não apenas investigar quais são as propriedades da faculdade da linguagem e seu papel na aquisição de uma língua natural, mas também tentar explicar por que a faculdade da linguagem tem exatamente essas e não outras propriedades.

Por estabelecer um fundo comum entre todos os idiomas, o novo paradigma da Teoria de Princípios e Parâmetros, de acordo com Nunes, possibilitou a comparação detalhada entre as línguas mais variadas, em diversos estágios de desenvolvimento.

“Isso desencadeou uma gigantesca explosão de conhecimento no domínio da linguística. Não é nenhum exagero dizer que, a partir da década de 1980, aprendemos mais sobre a língua humana que em todos os séculos anteriores”, afirmou.

De acordo com Nunes, desde então houve uma grande profusão de trabalhos sobre o português brasileiro, que mostraram que a língua falada no Brasil possui uma gramática muito especial em relação ao português europeu e às outras línguas românicas.

“A partir da década de 1980, a pergunta que orientava as pesquisas era: quais são e como se organizam as propriedades das línguas humanas? No Projeto Temático, procuramos redimensionar esse conhecimento acumulado à luz dos novos avanços conquistados pelo Programa Minimalista. A pergunta central passou então a ser: por que as propriedades se organizam da maneira que se observa?”, disse.

Sujeito nulo

Um dos tópicos centrais na discussão feita sobre o português brasileiro, segundo Nunes, é a questão do chamado “sujeito nulo”, conhecido na gramática tradicional como “sujeito oculto”.

“Quando comparado ao sujeito nulo do português europeu, ou das outras línguas românicas, o sujeito nulo do português brasileiro é muito singular. O uso que fazemos do sujeito nulo é mais parecido com as construções infinitivas do inglês, ou as formas subjuntivas das línguas balcânicas, por exemplo”, disse.

O impacto dessa característica singular é muito grande, já que o tipo de sujeito nulo encontrado no português brasileiro simplesmente não deveria existir.

“Na medida em que as nossas pesquisas demonstraram que essa possibilidade teórica existe, propusemos que boa parte do modelo de análise linguística deverá ser reformulada, a fim de incorporar esses dados relativos ao português brasileiro”, disse o professor da FFLCH-USP.

A proposta de reformulação foi reportada no livro Control as movement, publicado em 2010 pela Cambridge Press University, de autoria de Nunes, Cedric Boeckx, da Universidade Autônoma de Barcelona (Espanha), e Norbert Hornstein, da Universidade de Maryland (Estados Unidos).

“Boa parte da discussão procura retomar os dados sobre o sujeito nulo. Mostramos como o modelo teórico terá que ser modificado em função das novas descobertas nesse campo”, afirmou.

Tanto o português brasileiro como o lusitano permitem o sujeito nulo, segundo Nunes. Mas, quando se observam os usos específicos, percebe-se que essa estrutura recebe um sentido bem diferente na língua falada no Brasil. “Uma das hipóteses que levantamos para explicar isso se relaciona com o enfraquecimento da concordância verbal e nominal no português brasileiro”, disse.

A previsão que se fazia antes das descobertas era de que não deveria haver línguas com o sujeito nulo em orações indicativas, com uma série de propriedades associadas com o que chamamos de movimento sintático.

“Imaginava-se que essa seria uma das propriedades universais: nenhuma língua teria esse tipo de sujeito. Mas mostramos que ele é encontrado no português brasileiro. Portanto, não é uma propriedade universal. O novo modelo terá que explicar não apenas a característica do nosso português, mas também precisará explicar por que essa ocorrência é tão rara”, afirmou.

A interpretação da frase “o João acha que a mãe do Pedro disse que vai viajar”, segundo Nunes, é clara para o brasileiro: a mãe é o sujeito de “vai viajar”, que está oculto. “Mas, para as outras línguas, se a frase for construída dessa forma, não fica claro se quem vai viajar é a mãe, o Pedro, ou o João. A interpretação nesse caso é muito difícil para quem não é brasileiro”, apontou.

Por outro lado, na frase “Maria disse que a médica acha que está grávida”, a interpretação para os brasileiros é que se torna difícil. “Soa muito estranho para nós. Dá a impressão de que a médica está grávida. Para o português europeu, não há nenhuma dúvida: quem está grávida é a Maria”, explicou.

Para uma sentença como “o João é difícil de elogiar”, o português brasileiro admite dois significados. Mas no português europeu, o significado está claro: “é difícil elogiar o João”. “Em alguns casos vamos ter mais possibilidades interpretativas no português brasileiro, em outros, no português europeu”, disse Nunes.

Outro tópico explorado no Projeto Temático no tema do sujeito nulo se refere a frases comuns no português brasileiro coloquial, como “eles parecem que vão viajar”.

“Isso é completamente impossível no português europeu. É algo que só se explica pelo que chamamos de ‘movimento’. Mas basta um deslocamento do pronome para que a frase se torne compreensível em Portugal: ‘parece que eles vão viajar’”, disse.

O movimento pode envolver expressões idiomáticas do português brasileiro, configurando um tipo de sentença que se tornaria ainda mais incompreensível em outras línguas.

“Podemos dizer ‘a vaca parece que foi para o brejo’. Isso é impossível em outra língua, ou no português europeu. O sujeito nulo só pode ser usado dessa forma no português brasileiro graças à ação de um feixe de propriedades diferentes”, disse Nunes.

 

Aplicativo de iPhone para confissão não substitui padre, diz Vaticano (BBC)

RELIGIÃO

BBC Online – 9 de fevereiro, 2011 – 13:26 (Brasília) 15:26 GMT

Representantes da Igreja aprovaram o novo aplicativo

O Vaticano alertou que um novo aplicativo para o iPhone, que ajuda fiéis a confessarem nunca poderá substituir o diálogo pessoal com um padre.

O programa, chamado Confissão, foi colocado à venda semana passada pela loja virtual da Apple, iTunes, por US$ 1,99 (aproximadamente R$ 3,32).

O aplicativo foi aprovado por representantes da Igreja Católica nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha.

Mas, em entrevista à BBC, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que o programa Confissão não serve como substituto para a confissão dos pecados a um sacerdote, como há séculos é feito.

Segundo ele, no passado, era comum que os católicos se preparassem para a confissão escrevendo sobre seus pecados e seus pensamentos, e é natural que na era digital eles substituam a escrita em papel por recursos de informática, como o aplicativo.

O comentário de Lombardi vem em um momento em que a prática da confissão entre os católicos está em queda.

Exame de consciência

O aplicativo guia os usuários no sacramento da confissão e permite que o fiel mantenha um registro de seus pecados.

Ele também facilita que os usuários façam um exame de consciência com base em fatores como idade, sexo e estado civil – mas afirma que não tem como objetivo substituir a confissão inteiramente.

De acordo com o fabricante do programa, a Little iApps, em vez de substituir a confissão inteiramente, o aplicativo procura incentivar os usuários a compreender suas ações e então buscar um padre para obter absolvição.

“Nosso desejo é convidar católicos a se envolverem com sua fé por meio da tecnologia digital”, disse Patrick Leinen, criador do Confissão.

O lançamento foi feito logo após o papa Bento 16 ter exortado católicos a usarem a comunicação digital e mostrarem-se presentes online.

Os criadores do aplicativo disseram ter levado em conta as palavras do papa enquanto preparavam a ferramenta para consumo público.