Arquivo da tag: Espanha

Ensayan un dron que ‘siembra’ nubes para provocar lluvia (El Mundo)

El dron Savant pesa 24 kilos y tiene 3 metros de envergadura. KEVIN CLIFFORD

El vuelo experimental ha sido en Nevada (EEUU), azotada por la sequía

EUROPA PRESS

25/05/2016 19:46

Un avión no tripulado ha probado por primera vez con éxito la conocida como ‘siembra’ de nubes, con la que los científicos pretenden provocar lluvia en épocas de sequía. El vuelo experimental, de Desert Research Institute (DRI) se ha llevado a cabo en Nevada (Estados Unidos).

Este dron, conocido como Savant, alcanzó una altitud de más de 120 metros y voló durante aproximadamente 18 minutos. “Es un gran logro”, ha apuntado el científico principal del proyecto, Adam Watts, experto en aplicaciones ecológicas y de recursos naturales.

Este proyecto, primero en su tipo, está ayudando al Estado de Nevada abordar los impactos continuos de sequía y a explorar soluciones innovadoras para luchar contra la ausencia de recursos, tales como aumentar el abastecimiento de agua regionales.

El equipo de investigación lleva más de 30 años de investigación y experiencia en la modificación del clima con experiencia probada en operaciones de fabricación aeroespacial y de vuelo de aviones no tripulados, según apunta el DRI en su página web.

“Hemos alcanzado otro hito importante en nuestro esfuerzo por reducir los riesgos y los costes en la industria de la siembra de nubes y ayudar a mitigar los desastres naturales causados por la sequía, el granizo y la niebla extrema“, ha señalado el CEO de la asociación de aviones no tripulados de América, Mike Richards.

“Con una envergadura de 3 metros de ancho y unos 24 kilos de peso, Savant es el vehículo perfecto para llevar a cabo este tipo de operaciones, debido a su perfil de vuelo superior, el tiempo que permanece en el aire y su resistencia al viento y a otras condiciones climáticas adversas”, ha apuntado Richards.


¿Quién está disolviendo las nubes en Andalucía?

Miguel del Pino, de Asaja Granada, muestra una foto de una de las avionetas. M. RODRÍGUEZ

La patronal agraria Asaja denuncia la ‘siembra’ de yoduro de plata

Piden que su actividad esté regulada por ley para evitar los daños

RAMÓN RAMOS, Granada

07/04/2016 19:31

No es leyenda urbana ni ciencia ficción: las avionetas ‘rompenubes’ existen y su actividad es dañina para los cultivos en las zonas en las que actúan. El último episodio tiene lugar fecha y hora. Fue detectado el pasado lunes día 4 a las 15,50 horas en la comarca granadina del Marquesado. Ese día el pronóstico del tiempo anunciaba lluvias de hasta 30 litros por metro cuadrado y las nubes negras que presidían los cielos parecían certificar el augurio. A la hora citada apareció por el norte una avioneta, sobrevoló la comarca de Este a Oeste y desapareció. Las nubes cambiaron de color, del blanco al negro, y sus efectos de lluvia se quedaron en solo seis litros por metro cuadrado, apunta Luis Ramírez, un agricultor de Huéneja afectado por la actividad de estos vuelos ‘fantasma’.

El efecto cromático en las nubes y su consecuente disminución en la descarga de unas lluvias muy esperadas en la comarca tiene una explicación para los agricultores: la ‘siembra’ entre las nubes de yoduro de plata, una sustancia química actúa cristalizando el agua condensada en las nubes.

Asaja, organización patronal agraria, ha estallado contra esta práctica, que no es exclusiva de la provincia de Granada y se enmarca en los posibles intereses de empresas de energía solar y grandes extensiones agrarias, habitualmente instaladas en las zonas donde actúan las avionetas: el Levante español y también Soria.

La organización ha iniciado una recogida de firmas que aspira a reunir las 500.000 necesarias para promover una iniciativa legislativa que prohíba por ley estas intervenciones ‘rompenubes’ que alteran los ciclos hidrológicos, agravando la sequía y dañando los cultivos.

Los pastos para animales, afectados

En esta línea se constituyó el pasado año la Plataforma para la Defensa del Medio Ambiente y la Naturaleza de la Comarca del Marquesado y del Río Nacimiento, donde la acción de las avionetas ‘rompenubes’ está afectando a los cultivos de cereales y almendros, perjudicando además al crecimiento de los pastos para alimentación del ganado.

Asaja advierte de que la posible intervención en la fase atmosférica del ciclo integral del agua está recogida en la Ley de Aguas y en el Reglamento del Dominio Público Hidráulico con la finalidad de evitar precipitaciones en forma de granizo o pedrisco que causen daños.

En los llanos del Marquesado y otras zonas limítrofes como Guadix, Gor, Los Montes Orientales y río Nacimiento, Almería, una extensión de terrenos cultivables que abarca más de 30.000 hectáreas, están acostumbradas al ruido de avionetas de baja altitud ocultas entre las nubes cuando hay aviso de tormenta, “y es un hecho que desde hace cinco años allí no cae apenas agua”, relata el presidente provincial de Asaja, Manuel del Pino.

En esa zona, el cultivo del cereal ha desaparecido porque cosecha era cero e intentan salvar la actividad agrícola transformando las hectáreas baldías en almendro, más resistente y con mejores posibilidades técnicas de producción, y la ganadería extensiva también se resiente por la ausencia de pastos. Son tierras áridas, pero con la intervención artificial en el régimen de lluvias que se está practicando en ellas, “legal o no”, se están desertizando aun más.

El vuelo de las avionetas ‘rompenubes’ fue detectado en el norte de la provincia de Granada a mediados de los años 90, en plena sequía. Su actividad se ha reanudado en los últimos cinco años. La denuncia de los agricultores ante la Guardia Civil no ha dado fruto porque no es obligatorio comunicar los vuelos a menos de 3.000 metros de altura y se trata, además, de una práctica permitida y regulada en las leyes españolas con la finalidad de evitar precipitaciones en forma de granizo o pedrisco que causen daños.

Asaja asegura que los gobiernos conocen esta práctica pero “no aclaran ciertas cuestiones, como de dónde proceden, quién está detrás y qué intereses se buscan, sean compañías de seguros que pretenden evitar indemnizaciones, grandes corporaciones que quieren proteger sus cultivos, empresas de energía solar, la industria farmacéutica o incluso temas de seguridad”.

Fans in Spain Reveal Their Prejudices, and Social Media Fuels the Hostilities (New York Times)

Someone threw a banana at Dani Alves, who plays soccer for Barcelona, during a recent game.C reditAlejandro Garcia/European Pressphoto Agency

MADRID — Spain’s sports fans have given Europe a version of the Donald Sterling racism scandal roiling America.

While prejudice in sports is nothing new in Spain, a spate of racist and anti-Semitic abuses has set off a round of chagrin and soul-searching — and even a government clampdown — that has raised broad questions about why such behavior seems so hard to combat.

The latest example occurred this week when almost 18,000 people posted comments on Twitter with a profane and anti-Semitic hashtag after Real Madrid’s loss to Maccabi Tel Aviv in the final of Europe’s main basketball tournament on Sunday.

The tide of comments prompted Jewish organizations to file a lawsuit in a Barcelona court on Tuesday that is expected to be handed to the office of Spain’s attorney general. On Wednesday, Maccabi Tel Aviv said that while it had dealt with a handful of disrespectful pro-Palestinian activists while playing in Spain in the past, “nothing like this has ever been experienced.”

The postings were condemned by the Anti-Defamation League, the New York-based advocacy group that last week released its first global survey on anti-Semitism, which showed that 29 percent of Spanish adults harbor prejudicial stereotypes about Jews. “The sheer number and intensity of anti-Semitic hatred unleashed via Twitter in Spain is alarming and outrageous,” Abraham H. Foxman, the organization’s national director, said Thursday.

The anti-Semitic outbursts came the same week the Barcelona soccer club dismissed an employee of its museum after she was caught on video making monkey gestures toward an African player during a game between Llagostera and Racing Santander on Sunday. Llagostera said the police would investigate the matter and banned the woman from its stadium. That episode followed one last month in which someone threw a banana at Dani Alves, a Brazilian member of the Barcelona soccer team, during a match against Villarreal.

Taken together, the outbursts lay bare an undercurrent of prejudice in Europe that has persisted through generations. Social media appears to have fueled the hostilities, while also serving to counter them.

Esteban Ibarra, the president of the Movement Against Intolerance, a Spanish advocacy group, said it had identified 1,500 websites, pages or blogs in Spain that promote racism or anti-Semitism, compared with 300 to 400 five years ago. He attributed the rise, in part, to the growing political success of extremists in countries like Hungary and Greece.

“The fact that Spain doesn’t have an extreme-right party with an institutional presence doesn’t mean that we don’t have extremists who have been encouraged and coordinate with others in Europe and make their presence most felt in sports,” Mr. Ibarra said. “What we’re seeing in cases like Maccabi and Dani Alves is that the groups of ultra sports fans are themselves infiltrated by neo-Nazis.”

After Mr. Alves responded to the taunt by eating the banana in front of Villareal fans, he inspired a wave of videos and messages from athletes and politicians who posed with peeled bananas or ate them in solidarity.

The anti-racism response inspired by Mr. Alves was widely repeated outside Spain, even in countries like Italy that have also witnessed significant racism in sports. Matteo Renzi, the Italian prime minister, shared a banana in front of the cameras with Cesare Prandelli, the coach of Italy’s national soccer team.

Despite Mr. Renzi’s banana episode, however, the Italian police intervened on Wednesday at the training camp in Florence of the national team to stop racist chants against the striker Mario Balotelli. Mr. Balotelli was born to Ghanaian immigrants and was raised by an Italian foster family.

He has faced racist abuse in Italy, in England and during a 2012 match in the Portuguese city of Porto, for which the club there was fined 20,000 euros, more than $27,000.

In January this year, A. C. Milan abandoned a soccer match after one of its black players, Kevin-Prince Boateng, led a walkout because of racist abuses by opposing fans.

Xavier Torrens, a sociologist and professor of political science at the University of Barcelona, said anti-Semitism in Spain had been underestimated by sports officials, who see it as a collection of isolated, anecdotal episodes. By contrast, the National Basketball Association in the United States reacted firmly last month by imposing a lifetime ban on Mr. Sterling, the owner of the Los Angeles Clippers, for making racist comments.

“In Spain, club directors — whether in soccer or any other sport — are not black, Gypsy, Jewish or Arab,” Mr. Torrens said, “so they don’t belong to any group that could feel some empathy for minorities.” Racism or anti-Semitism, he added, is “never a problem in their daily life, so that explains why such officials don’t take adequate measures and are so far from what was done in the N.B.A.”

The old-boy network that dominates English sports also drew criticism this week when the chief executive of the Premier League, Richard Scudamore, escaped dismissal Monday despite having sent emails with sexual innuendos about women.

Pledges by governments and sports authorities to combat the problem appear to have done little, despite specific episodes resulting in fines or bans. FIFA, the world governing body of soccer, has promised zero tolerance toward racism at the 2014 World Cup in Brazil, which begins June 12, without detailing how it would penalize unacceptable behavior.

Steps against anti-Semitism have been even more tepid in Spain. “Anti-Semitism exists here,” Mr. Torrens, the sociologist, said, “but the problem is that Spanish society is much less aware of its anti-Semitism than in almost any other Western country.”

Even if such problems have become more prevalent in Spanish sports, he continued, it would be wrong to accuse Spanish society as a whole of racism and anti-Semitism. In the decade before 2008 and the bursting of Spain’s construction bubble, the country successfully integrated about five million migrants — more than 10 percent of its population. Even the subsequent economic crisis and the sharp increase in joblessness did not set off a wave of xenophobia.

But most surveys in Spain show that “21st-century prejudices are the same as those in medieval times,” said Mr. Torrens, adding that the prejudices were most often directed at Gypsies, Arabs and Jews. “That must say something about how little the authorities have done to respond to the problem,” he added.

After the recent basketball game that drew anti-Semitic comments on Twitter, the Spanish interior minister, Jorge Fernández Díaz, warned that those who posted offensive messages could face arrest. The police must help “eradicate from the web all the comments that incite hatred and xenophobia,” he said.

Maria Royo, a spokeswoman for the Federation of Jewish Communities of Spain, said she could not recall an outburst of anti-Semitism like the one that came after Maccabi’s victory, but that the episode showed “the venom is here and comes out when you least expect it.”

The Israeli club’s general manager, Danny Federman, said in a statement, “It is very disappointing to see the rush of anti-Semitism following a well-fought competition.”

Several of the online comments included profanities about Jews, while others related to the Holocaust. One message, sent from the account of Guillermo de Alcázar, said, “Now I understand Hitler and his hatred for the Jews.”

In their court filing, the Jewish associations supplied a picture of Mr. de Alcázar and identified him among those who are suspected of violating a Spanish law that forbids the incitement of hatred. The associations said they had centered their inquiry on a profane hashtag that became a trending topic on Twitter after the basketball final and that was used by almost 18,000 people — most of them anonymous.

A política do futuro já chegou (Revista Fórum)

25/03/2013 9:12 pm

Uma iniciativa popular na Espanha propõe exercer a democracia direta. A ideia se disseminou na internet e evidenciou a crise institucional do país, e também, a necessidade de outro sistema de representação.

Por Manuel Castells*

No dia 8 de janeiro foi anunciada, na internet, a criação do “partido do futuro”, um método experimental para construir uma democracia sem intermediários, que substituiria as atuais instituições deslegitimadas na mente dos cidadãos. A repercussão social e midiática tem sido considerável. Apenas no primeiro dia de lançamento, apesar do colapso do servidor ao receber 600 petições por segundo, foram 13 mil seguidores no twitter, 7 mil no Facebook e 100 mil visitas no Youtube. Mídias estrangeiras e espanholas têm repercutido o futuro que anuncia o triunfo eleitoral de seu programa: democracia e ponto. (http://partidodelfuturo.net).

Movimento 15-M em Madri: nova política (Foto: Wikimedia Commons)

Sinal de que já não se pode ignorar o que surge do 15-M (nascimento do movimento dos indignados). Porque este partido emerge do caldo  criado pelo movimento, embora de forma alguma se equipare ao mesmo. Porque não há “o movimento” com estrutura organizada, nem representantes, e sim pessoas em movimento que compartilham de uma denúncia básica das formas de representação política que tem deixado pessoas indefesas diante dos efeitos de uma crise que não foram culpadas, porém sofrem os resultados a cada dia. O 15-M é uma prática coletiva e individual diversificada e de mudanças, que vive na rede e nas ruas, e cujos componentes tomam iniciativas de todo o tipo, desde a defesa contra o escândalo das hipotecas até a proposta de lei eleitoral que democratize a política.

Porém, até agora, muitas destas iniciativas parecem condenadas a um beco sem saída. Por um lado, as pesquisas mostram que uma grande maioria dos cidadãos (cerca de 70%) concorda com a crítica do 15-M e com muitas de suas propostas. Por outro lado, toda esta mobilização não se traduz em medidas concretas que aliviem as pessoas, pois há um bloqueio institucional para a adoção destas propostas. Os dois grandes partidos espanhóis são corresponsáveis pela submissão da política aos poderes financeiros no tratamento da crise, compartilhando, por exemplo, a gestão irresponsável dos diretores do Banco da Espanha, com um governador socialista, no caso de Bankia e do sistema de caixas, que tem conduzido a ruína milhares de famílias. Por isso, o 15-M se expressou no espaço público, em acampamentos, manifestações, assembleias de bairro e em ações pontuais de denúncia. Mas, embora esta intervenção seja essencial para criar consciência, se esgota em si mesma quando se confronta com uma repressão policial cada vez mais violenta.

Felizmente, o 15-M tem freado qualquer impulso de protesto violento, e tem feito um papel de canalizador pacífico da ira popular. O dilema é como superar as barreiras atuais sem deixar de ser um movimento espontâneo, auto-organizado, com múltiplas iniciativas que não são um programa. E por isso, podem unir potencialmente os 99% que sabem o que não querem, e que concordam em buscar um conjunto de novas vias políticas de gestão pela vida.

Para avançar nesse sentido, tem surgido uma iniciativa espontânea de ocupar o único espaço em que o movimento é pouco presente: as instituições. Mas não imediatamente, porque seu projeto não é ser uma minoria parlamentar, e sim de modificar a forma de fazer política, mediante uma democracia direta, instrumentada na internet, propondo referendos sobre temas-chaves, elaborando propostas legislativas mediante consultas e debates no espaço público, urbano e cibernético, implantando medidas concretas de debates entre os cidadãos e utilizando a plataforma com propostas que saiam do povo.

Na realidade, não é um partido, embora esteja inscrito no registro dos partidos, mas sim um experimento político, que vai se reinventando conforme avança. No horizonte vislumbra-se um momento em que o apoio do povo para votar contra todos os políticos de uma vez e em favor de uma plataforma eleitoral que tenha como único ponto no programa, permitir uma ocupação legal do parlamento e o desmantelamento do sistema tradicional de representação por dentro dele mesmo. Não é tão descabido. É muito o que aconteceu na Islândia, referência explicita do partido do futuro.

Mas, como evitar reproduzir o esquema de partido no processo de conquistar a maioria eleitoral? Aqui é onde surge a decisão, criticada pela classe política e alguns meios, das pessoas que têm tomado esta iniciativa de manter-se no anonimato. Porque se não há nomes, não há lideres, nem cargos, nem comitês federais, nem porta-vozes que dizem falar pelos demais, mas que acabam representando a si mesmos. Se não há rostos, o que sobra são ideias, práticas, iniciativas. De fato, é a prática da máscara como forma de criação de um sujeito coletivo composto de milhões de indivíduos mascarados, como fizeram os zapatistas, ou como fazem os Anonymous com a sua famosa máscara reconhecida em todo o mundo, mas com múltiplos portadores. Inclusive o anonimato do protesto se encontra em nossos clássicos: “Fuenteovejuna todos a una”.

Talvez chegue o momento em que as listas eleitorais queiram nomes, mas não necessariamente serão líderes, porque poderão ser sorteados os nomes entre milhares de pessoas que estejam de acordo com uma plataforma de ideias. No fundo se trata de pôr em primeiro plano a política das ideias com a que os políticos enchem a boca, enquanto fazem sua carreira entre cotoveladas. A personalização da política é maior sequela da liderança ao longo da história, baseada na demagogia, na ditadura do chefe e na política do escândalo para destruir pessoas representativas. O X do partido do futuro não é para esconder-se, mas sim para que seu conteúdo preencha as pessoas que projetem neste experimento seus sonhos pessoais em um sonho coletivo: democracia e ponto. A definir.

*Tradução: Carolina Rovai. Artigo publicado originalmente no La Vanguardia

Suicidas pensam o impensável (FSP)

26/07/2012 – 03h00

Clóvis Rossi

Até na Espanha, campeã

Que a Espanha está se suicidando lentamente não há muitas dúvidas. Desde 2010 pelo menos, os governos adotam pacotes de austeridade, compostos pela receita óbvia: aumento de impostos mais corte de gastos.

O objetivo é saciar o apetite dos mercados, que querem ter certeza de que a Espanha vai pagar a sua dívida, para o que necessita reduzi-la e reduzir igualmente o déficit público, sem o que é obrigada a tomar empréstimos para continuar operando.

Funcionou? Nada. Não funcionou do ponto de vista social (o desemprego, por exemplo, está beirando os 25%, taxa que só alcançam países devastados por guerras ou fenômenos naturais).
Por mim, é o ponto principal, mas admito que sou muito solitário ao pensar desse jeito.

Mas tampouco funcionou no seu propósito de sossegar os mercados: a Espanha está pagando mais de 7% para colocar seus títulos, nível considerado crítico e que, ao ser atingido em Portugal e na Grécia, levou ao naufrágio desses dois países.

Aí, as autoridades descobrem o óbvio, como o fizeram anteontem não só o ministro espanhol de Finanças, Luis de Guindos, como o alemão, Wolfgang Schäuble. Constataram que “as taxas [impostas à Espanha pelos mercados] não representam nem seus fundamentos econômicos nem seu potencial de crescimento nem sua capacidade de pagar suas dívidas públicas”.

O “Financial Times” em seu noticiário sobre a crise reforça essa sensação, ao culpar pelo pânico “falhas dos mercados de títulos, não a economia espanhola ou a política econômica”.

É bom lembar que nem De Guindos nem Schäuble nem o FT são anti-mercado.

Falta, no entanto, que alguém ponha de pé algo que possa superar as “falhas” dos mercados para fazer cessar o pânico.

Enquanto isso não acontece, pensa-se o impensável, como é próprio de situações próximas do suicídio. Pela primeira vez que eu tenha lido, um espanhol ousou mencionar a hipótese de a Espanha deixar o euro e voltar à peseta.

Foi Antonio Estella, catedrático de Direito Administrativo da Universidade Carlos 3.o de Madri, em artigo para “El País”.

Digo impensável porque a integração com a Europa tem sido, há mais de meio século, o pote de ouro da Espanha, responsável em grande medida pela volta da democracia e, com ela, por um surto formidável de desenvolvimento, que mudou radicalmente a face daquele país atrasado, exportador de mão-de-obra, fechado, cinzento.

Talvez o impensável esteja sendo pensado porque a política de suicídio lento trouxe de volta a exportação em massa de espanhóis: só no primeiro semestre, 40.025 pessoas deixaram um país que até a crise importava estrangeiros em massa. Há um ano, havia 5,144 milhões de estrangeiros em uma Espanha de 46,24 milhões de habitantes.

O pior é que o impensável não é uma boa alternativa, como explica Martin Feldstein, professor de Harvard e crítico de toda a vida do euro: “Embora a criação da eurozona tenha sido um erro econômico, permitir que se dissolva agora seria muito custoso para governos, investidores e cidadãos”, escreveu para o FT.