Arquivo da categoria: religião

>Four in 10 Americans Believe in Strict Creationism (Gallup)

>
December 17, 2010

Belief in evolutionary origins of humans slowly rising, however
by Frank Newport

PRINCETON, NJ — Four in 10 Americans, slightly fewer today than in years past, believe God created humans in their present form about 10,000 years ago. Thirty-eight percent believe God guided a process by which humans developed over millions of years from less advanced life forms, while 16%, up slightly from years past, believe humans developed over millions of years, without God’s involvement.

A small minority of Americans hold the “secular evolution” view that humans evolved with no influence from God — but the number has risen from 9% in 1982 to 16% today. At the same time, the 40% of Americans who hold the “creationist” view that God created humans as is 10,000 years ago is the lowest in Gallup’s history of asking this question, and down from a high point of 47% in 1993 and 1999. There has been little change over the years in the percentage holding the “theistic evolution” view that humans evolved under God’s guidance.

Americans’ views on human origins vary significantly by level of education and religiosity. Those who are less educated are more likely to hold a creationist view. Those with college degrees and postgraduate education are more likely to hold one of the two viewpoints involving evolution.

December 2010 Views of Human Origins (Humans Evolved, With God Guiding; Humans Evolved Without God's Involvment; God Created Humans in Present Form) -- by Education

Americans who attend church frequently are most likely to accept explanations for the origin of humans that involve God, not a surprising finding. Still, the creationist viewpoint, held by 60% of weekly churchgoers, is not universal even among the most highly religious group. Also, about a fourth of those who seldom or never attend church choose the creationist view

December 2010 Views of Human Origins (Humans Evolved, With God Guiding; Humans Evolved Without God's Involvment; God Created Humans in Present Form) -- by Frequency of Church Attendance

The significantly higher percentage of Republicans who choose a creationist view of human origins reflects in part the strong relationship between religion and politics in contemporary America. Republicans are significantly more likely to attend church weekly than are others, and, as noted, Americans who attend church weekly are most likely to select the creationist alternative for the origin of humans.

December 2010 Views of Human Origins (Humans Evolved, With God Guiding; Humans Evolved Without God's Involvment; God Created Humans in Present Form) -- by Party

Implications

Most Americans believe in God, and about 85% have a religious identity. It is not surprising as a result to find that about 8 in 10 Americans hold a view of human origins that involves actions by God — that he either created humans as depicted in the book of Genesis, or guided a process of evolution. What no doubt continues to surprise many scientists is that 4 out of 10 Americans believe in the first of these explanations.

These views have been generally stable over the last 28 years. Acceptance of the creationist viewpoint has decreased slightly over time, with a concomitant rise in acceptance of a secular evolution perspective. But these shifts have not been large, and the basic structure of beliefs about human beings’ origins is generally the same as it was in the early 1980s.

Americans’ attitudes about almost anything can and often do have political consequences. Views on the origins of humans are no exception. Debates and clashes over which explanations for human origins should be included in school textbooks have persisted for decades. With 40% of Americans continuing to hold to an anti-evolutionary belief about the origin of humans, it is highly likely that these types of debates will continue.

Survey Methods

Results for this Gallup poll are based on telephone interviews conducted Dec. 10-12, 2010, with a random sample of 1,019 adults, aged 18 and older, living in the continental U.S., selected using random-digit-dial sampling.

For results based on the total sample of national adults, one can say with 95% confidence that the maximum margin of sampling error is ±4 percentage points.

Interviews are conducted with respondents on landline telephones (for respondents with a landline telephone) and cellular phones (for respondents who are cell phone-only). Each sample includes a minimum quota of 150 cell phone-only respondents and 850 landline respondents, with additional minimum quotas among landline respondents for gender within region. Landline respondents are chosen at random within each household on the basis of which member had the most recent birthday.

Samples are weighted by gender, age, race, education, region, and phone lines. Demographic weighting targets are based on the March 2009 Current Population Survey figures for the aged 18 and older non-institutionalized population living in continental U.S. telephone households. All reported margins of sampling error include the computed design effects for weighting and sample design.

In addition to sampling error, question wording and practical difficulties in conducting surveys can introduce error or bias into the findings of public opinion polls.

View methodology, full question results, and trend data.

For more details on Gallup’s polling methodology, visit www.gallup.com.

Anúncios

>Nono aniversário de 11 de setembro em Nova York (Rede TV!)

>
Controvérsia sobre o local da construção da Mesquita Park51/Cordoba House, a duas quadras do Marco Zero, e ameaça de queima de cópias do Alcorão pelo pastor Terry Jones, na Flórida.

http://www.redetv.com.br/player/jw/4.4/player.swf

>Trump offers to buy site of controversial center (CNN)

>
By the CNN Wire Staff
September 9, 2010 — Updated 2140 GMT (0540 HKT)

Donald Trump said he wants to buy the space “because it will end a … highly divisive situation.”

(CNN) — Real estate mogul Donald Trump has offered to buy the lower Manhattan site where a Muslim group plans to build an Islamic community center for 25 percent more than the current owners paid for it.

Trump made the offer Thursday in a letter to Hisham Elzanaty, an investor in the Islamic center site.

“I am making this offer as a resident of New York and citizen of the United States, not because I think the location is a spectacular one (because it is not), but because it will end a very serious, inflammatory, and highly divisive situation that is destined, in my opinion, to only get worse,” he wrote.

Trump further stipulated, as part of the offer, that if a mosque is to be built, “it would be located at least five blocks further from the World Trade Center site.”

Trump said he would pay cash for the site “with an immediate closing.”

“Hopefully, something good can happen!” he concluded.

There was no immediate response from Elzanaty.

>Governo americano discute intervir contra queima do Alcorão na Flórida (Estado de SP)

>
Pastor fala em repensar planos a pedido da Casa Branca, Pentágono ou departamento de Estado

09 de setembro de 2010 | 14h 48

Pastor Jones idealizou o ‘Dia Internacional da Queima do Corão’.

WASHINGTON – O governo americano discute fazer um pedido formal ao pastor Terry Jones para que ele desista de promover queima de exemplares do Alcorão – o livro sagrado do Islã – no aniversário dos atentados de 11 de setembro, no próximo sábado.

“Esta possibilidade está sendo discutida no governo, mas ainda não há uma decisão”, disse o porta-voz do Pentágono Geoffrey Morrell nesta quinta-feira, 9.

Em uma entrevista publicada pelo jornal USA Today, o reverendo disse que se recebesse um pedido da Casa Branca, do Departamento de Estado ou do Pentágono, repensaria seus planos.

“Por enquanto não estamos convencidos que recuar seja o certo a fazer. Se fôssemos contactados pela Casa Branca, pelo Departamento de Estado ou pelo Pentágono isto nos faria repensar. Não acho que um pedido deles seja algo que ignoraríamos”, disse.

Obama intervém

Pela manhã, em uma entrevista à rede de TV ABC, o presidente Barack Obama defendeu que o pastor desista do protesto. Segundo o democrata, a atitude pode colocar em risco tropas americanas no Afeganistão e incentivar radicais islâmicos da Al-Qaeda.

“Se ele estiver escutando, espero que ele entenda que o que ele propõe é completamente contrário ao valores dos americanos. Nosso país foi construído sobre as noções da tolerância e da liberdade religiosa”, disse Obama. “Quero que ele entenda que seu golpe publicitário pode colocar em grave perigo todos aqueles que servem o país fora daqui”.

Obama ainda disse que a queima do Alcorão , vai impulsionar a Al-Qaeda e aumentar os níveis de violência contra os soldados americanos no Afeganistão e no Paquistão. “Espero que ele ouça sua consciência e entenda que seus planos levarão a atos de destruição”, concluiu o presidente.

Viajantes em alerta

Também nesta tarde, o departamento de Estado emitiu um alerta para americanos fora do país sobre o risco de manifestações antiamericanas no sábado, caso o reverendo leve sua proposta adiante.

“O potencial para protestos que podem se tornar violentos continua alta”, diz o alerta.

Com Reuters

*   *   *  

Da Flórida a Meca – A história do extremista cristão que quer queimar 200 cópias do Alcorão

por Gustavo Chacra

09.setembro.2010 05:17:11

Antes de começar o texto, preciso deixar claro que ninguém nos EUA está apoiando a iniciativa de queimar o Alcorão, a não ser os seguidores do pastor da Flórida. Até mesmo oportunistas supostamente conservadores, como o apresentador Glenn Beck, da Fox News, criticaram a iniciativa.

Terry Jones era um pastor completamente desconhecido e irrelevante nos Estados Unidos até dois meses atrás. Apenas 30 pessoas frequentam semanalmente seus sermões em sua igreja em Gainesville, na Flórida. Mesmo na pequena cidade, este líder evangélico é considerado uma figura marginal, sem importância, quase uma piada. Ele era considerado um fracasso nas relações públicas.

A não ser pelo seu longo bigode grisalho, Jones não conseguia chamar a atenção, apesar de tentar com o seu programa “The Braveheart Show”, no YouTube, e com o livro “The Islam is of the Devil”. Porém somente 200 pessoas costumavam assisti-lo. Um número similar comprou o seu livro na internet.

Tudo mudou em 25 de julho deste ano, quando o pastor decidiu, no seu programa do YouTube, lançar uma campanha “internacional” para queimar o Alcorão. “O Islã é do demônio. O 11 de Setembro nunca será esquecido. Foi o dia que Islã nos atacou, o nosso modo de vida, a nossa Constituição. É uma religião demoníaca. Neste 11 de Setembro, teremos um dia internacional para queimar o Alcorão”, afirmou o pastor, que se autodenomina doutor, no vídeo de 1 minuto e 36 segundos.

Inicialmente, poucos prestaram atenção na sua campanha. Nos últimos dias, com a aproximação do 11 de Setembro, as autoridades passaram a levar a sério a campanha deste pastor que lidera uma igreja chamada Dove World Outreach Center.

Aproveitando a sua popularidade, Jones tem dado seguidas entrevistas a redes de TV. Críticos, como o general David Petreaus, comparam o seu radicalismo ao do Taleban. No seu site, ao apresentar os ideais de sua igreja, ele afirma que “os cristãos precisam retornar para a verdade e parar de se esconderem. O Aborto é um assassinato. A homossexualidade é um pecado. Temos que chamar estas coisas pelo que elas realmente são. Jesus é o único caminho, a verdade e a vida. Qualquer religião que vá contra isso é demônio”.


Repúdio internacional

A decisão de queimar cerca de 200 cópias do Alcorão no dia 11 de Setembro provocou repúdio internacional e elevou os temores de reações violentas de muçulmanos ao redor do mundo. Autoridades americanas e lideranças islâmicas moderadas tentam mostrar que esta manifestação é um caso isolado, não representando o pensamento americano.

Até agora, estas condenações a Jones foram insuficientes para conter os protestos que já começaram na Indonésia e no Paquistão e devem se espalhar por outros países. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã advertiu os EUA para não “profanarem objetos islâmicos” e para “não criarem situações sensíveis envolvendo a opinião pública e os muçulmanos”.

O tom também foi duro nas declarações de um ex-ministro de assuntos religiosos da Síria. “Estamos acostumados a ver as administrações arrogantes dos EUA e da Europa ofendendo o islamismo e a figura do profeta Maomé”, disse Abd al Razzaq Munis para uma rede de TV iraniana. No Afeganistão, manifestantes queimaram bandeiras americanas e um boneco que representaria Terry Jones.

Há cinco anos, depois de um cartunista dinamarquês publicar um cartoon satirizando o profeta Maomé, dezenas de milhares de muçulmanos protestaram violentamente ao redor do mundo e mais de cem pessoas morreram. Queimar o Alcorão seria uma blasfêmia ainda maior para os muçulmanos. “Se a igreja da Flórida levar adiante seus planos de queimar o Alcorão no 11 de Setembro, aquela data infame vai ganhar um irmão gêmeo que será o estopim de uma onda de ira que consumirá partes do mundo”, escreveu em editorial o jornal libanês Daily Star, alertando sobre os riscos da atitude do pastor americano.

Ao publicarem as informações sobre o assunto ontem, a imprensa da região foi cautelosa. Até mesmo a rede de TV Al Manar, do Hezbollah, evitou declarações incendiárias ao colocar logo no primeiro parágrafo de seu texto que autoridades americanas condenaram a atitude do pastor. A Al Jazeera também tomou o mesmo cuidado.

Em declarações no Council on Foreign Relations, a secretária de Estado, Hillary Clinton, disse que os planos de “uma pequena igreja da Flórida de queimar cópias do Alcorão no 11 de Setembro é revoltante e infeliz, não representando quem somos como americanos”. O comandante das forças americanas no Afeganistão, general David Petraeus, também condenou o pastor, afirmando que a atitude dele pode colocar em risco as tropas americanas.

O Vaticano criticou Jones ao afirmar que todas as religiões “devem ser respeitadas e protegidas”. A chanceler (premiê) alemã, Angela Merkel, e o presidente do Líbano, Michel Suleiman, que é cristão, também lamentaram a decisão do pastor da Flórida e alertaram para os riscos de violência em reação à atitude dele. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, disse que a ação do pastor pode colocar em risco “iniciativas das Nações Unidas ao redor do mundo para defender a tolerância religiosa”.

Apesar de todas estas iniciativas, a Justiça americana não pode impedir que o pastor siga adiante com seus planos. A Constituição dos EUA garante o direito à liberdade de expressão, ainda que uma religião seja ofendida.

Islamofobia

Grupos muçulmanos dos Estados Unidos pretendem realizar um protesto pacífico diante da igreja do pastor Terry Jones, no dia 11 de Setembro, quando ele promete queimar cerca de 200 cópias do Alcorão. A data, neste ano, coincide com o último dia do Ramadã, mês sagrado para os islâmicos.

“Nós estaremos lá. A idéia é encará-lo de frente e mostrar que existe uma alternativa. Também tentaremos mostrar ao resto do mundo islâmico que este pastor é uma figura marginal, não representando o pensamento americano”, me disse Corey Saylor, porta-voz do Council on American-Islamic Relations (CAIR), considerado o grupo mais representativo da população muçulmana dos EUA.

Segundo ele, muitas vezes a imprensa ocidental mostra líderes marginais do islamismo atacando o judaísmo e o cristianismo como se fossem autoridades religiosas importantes. “Não podemos fazer o mesmo. Estamos trabalhando para que os muçulmanos ao redor do mundo entendam que este é um caso isolado”, disse Saylor, advertindo, porém, que existe uma “bolha islamofóbica” nos EUA.

Citando o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, episódios como o do pastor Jones e a oposição à construção do centro comunitário islâmico a dois quarteirões do Ground Zero “possuem motivações políticas e devem se reduzir depois das eleições (parlamentares) de novembro”. Ele também elogiou as manifestações de Hillary e Petraeus.

Na avaliação do CAIR, o presidente Barack Obama não deveria intervir. “Isso seria usado politicamente contra ele”, disse Saylor. O líder americano é classificado como muçulmano por mais de um quinto da população dos EUA, apesar de ele publicamente se declarar cristão.

Um grupo de líderes religiosos, incluindo autoridades cristãs, judaicas e islâmicas, divulgaram ontem um comunicado lamentando a atitude do pastor do Texas e advertindo para o risco do crescimento da islamofobia nos EUA. A revista Time, que é a de maior circulação no país, publicou uma capa no mês passado questionando se os americanos são islamofóbicos. O New York Times, em editoriais, também já advertiu para os riscos dos sentimentos anti-islã.

>How the "ground zero mosque" fear mongering began (Salon)

>
A viciously anti-Muslim blogger, the New York Post and the right-wing media machine: How it all went down

By Justin Elliott
Monday, Aug 16, 2010 07:01 ET

Blogger Pamela Geller and Imam Feisal Abdul Rauf (AP)

A group of progressive Muslim-Americans plans to build an Islamic community center two and a half blocks from ground zero in lower Manhattan. They have had a mosque in the same neighborhood for many years. There’s another mosque two blocks away from the site. City officials support the project. Muslims have been praying at the Pentagon, the other building hit on Sept. 11, for many years.

In short, there is no good reason that the Cordoba House project should have been a major national news story, let alone controversy. And yet it has become just that, dominating the political conversation for weeks and prompting such a backlash that, according to a new poll, nearly 7 in 10 Americans now say they oppose the project. How did the Cordoba House become so toxic, so fast?

In a story last week, the New York Times, which framed the project in a largely positive, noncontroversial light last December, argued that it was cursed from the start by “public relations missteps.” But this isn’t accurate. To a remarkable extent, a Salon review of the origins of the story found, the controversy was kicked up and driven by Pamela Geller, a right-wing, viciously anti-Muslim, conspiracy-mongering blogger, whose sinister portrayal of the project was embraced by Rupert Murdoch’s New York Post.

Here’s a timeline of how it all happened:

* Dec. 8, 2009: The Times publishes a lengthy front-page look at the Cordoba project. “We want to push back against the extremists,” Imam Feisal Abdul Rauf, the lead organizer, is quoted as saying. Two Jewish leaders and two city officials, including the mayor’s office, say they support the idea, as does the mother of a man killed on 9/11. An FBI spokesman says the imam has worked with the bureau. Besides a few third-tier right-wing blogs, including Pamela Geller’s Atlas Shrugs site, no one much notices the Times story.

* Dec. 21, 2009: Conservative media personality Laura Ingraham interviews Abdul Rauf’s wife, Daisy Khan, while guest-hosting “The O’Reilly Factor” on Fox. In hindsight, the segment is remarkable for its cordiality. “I can’t find many people who really have a problem with it,” Ingraham says of the Cordoba project, adding at the end of the interview, “I like what you’re trying to do.”

* (This segment [above] also includes onscreen the first use that we’ve seen of the misnomer “ground zero mosque.”) After the segment — and despite the front-page Times story — there were no news articles on the mosque for five and a half months, according to a search of the Nexis newspaper archive.

* May 6, 2010: After a unanimous vote by a New York City community board committee to approve the project, the AP runs a story. It quotes relatives of 9/11 victims (called by the reporter), who offer differing opinions. The New York Post, meanwhile, runs a story under the inaccurate headline, “Panel Approves ‘WTC’ Mosque.” Geller is less subtle, titling her post that day, “Monster Mosque Pushes Ahead in Shadow of World Trade Center Islamic Death and Destruction.” She writes on her Atlas Shrugs blog, “This is Islamic domination and expansionism. The location is no accident. Just as Al-Aqsa was built on top of the Temple in Jerusalem.” (To get an idea of where Geller is coming from, she once suggested that Malcolm X was Obama’s real father. Seriously.)

* May 7, 2010: Geller’s group, Stop Islamization of America (SIOA), launches “Campaign Offensive: Stop the 911 Mosque!” (SIOA ‘s associate director is Robert Spencer, who makes his living writing and speaking about the evils of Islam.) Geller posts the names and contact information for the mayor and members of the community board, encouraging people to write. The board chair later reports getting “hundreds and hundreds” of calls and e-mails from around the world.

* May 8, 2010: Geller announces SIOA’s first protest against what she calls the “911 monster mosque” for May 29. She and Spencer and several other members of the professional anti-Islam industry will attend. (She also says that the protest will mark the dark day of “May 29, 1453, [when] the Ottoman forces led by the Sultan Mehmet II broke through the Byzantine defenses against the Muslim siege of Constantinople.” The outrage-peddling New York Post columnist Andrea Peyser argues in a note at the end of her column a couple of days later that “there are better places to put a mosque.”

* May 13, 2010: Peyser follows up with an entire column devoted to “Mosque Madness at Ground Zero.” This is a significant moment in the development of the “ground zero mosque” narrative: It’s the first newspaper article that frames the project as inherently wrong and suspect, in the way that Geller has been framing it for months. Peyser in fact quotes Geller at length and promotes the anti-mosque protest of Stop Islamization of America, which Peyser describes as a “human-rights group.” Peyser also reports — falsely — that Cordoba House’s opening date will be Sept. 11, 2011.

Lots of opinion makers on the right read the Post, so it’s not surprising that, starting that very day, the mosque story spread through the conservative — and then mainstream — media like fire through dry grass. Geller appeared on Sean Hannity’s radio show. The Washington Examiner ran an outraged column about honoring the 9/11 dead. So did Investor’s Business Daily. Smelling blood, the Post assigned news reporters to cover the ins and outs of the Cordoba House development daily. Fox News, the Post’s television sibling, went all out.

Within a month, Rudy Giuliani had called the mosque a “desecration.” Within another month, Sarah Palin had tweeted her famous “peaceful Muslims, pls refudiate” tweet. Peter King and Newt Gingrich and Tim Pawlenty followed suit — with political reporters and television news programs dutifully covering “both sides” of the controversy.

Geller had succeeded beyond her wildest dreams.

Justin Elliott is a Salon reporter. Reach him by email at jelliott@salon.com and follow him on Twitter @ElliottJusti.

>Nova York encontra mais restos mortais de vítimas do 11 de Setembro (G1)

>
Fragmentos estavam em área que vinha sendo rastreada desde abril. Trinta e sete deles estavam sob a West Street, próximo às antigas torres

24/06/2010 | 08:22 | G1/Globo.com

Momento do colapso de uma das torres gêmeas. Foto da polícia de Nova Iorque (NYPD).

Autoridades municipais de Nova York afirmaram que uma nova busca nos destroços no local do World Trade Center e nos arredores achou 72 restos mortais humanos, que seriam de vítimas dos atentados do 11 de setembro.

O rastreamento começou em abril, em uma área de 700 metros cúbicos no chamado Marco Zero, e terminou na sexta-feira passada.

Trinta e sete dos fragmentos estavam sob a West Street, que passava ao lado das Torres Gêmeas. Eles só foram achados agora porque uma obra tornou o local acessível.

A cidade começou as novas buscas em 2006, e 1.845 cadáveres foram achados.

As autoridades disseram que muitos corpos estão em bom estado de conservação, o que permitirá que eles sejam submetidos a exames de DNA para que sejam reconhecidos.

Até janeiro de 2010, o instituto médico legal havia recuperado 21.744 restos humanos dos destroços, 12.768 dos quais foram identificados.

No mesmo período, foram identificadas 1.626 vítimas, ou 59% das 2.752 que teriam morrido nos ataques.

>Islã: a tolerância denegrida pelo terror

>
Após os atentados de 11 de setembro de 2001, a fé de 1,5 bilhão de pessoas vem sendo estigmatizada por conta das atrocidades de uma minoria.

Bruno Franco
Jornal da UFRJ, No. 55, julho-agosto 2010, pág. 26-27

Após os atentados terroristas ao edifício World Trade Center, símbolo do capitalismo, no coração de Nova Iorque, e ao Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, o mundo entrou em uma nova era geopolítica – a guerra ao terror – capitaneada pelos norte-americanos, vítimas desses grandes atentados, que tiveram a maior repercussão na história. A agressão foi planejada, financiada e conduzida pela al-Qaeda, organização terrorista até então praticamente desconhecida, liderada pelo milionário saudita Osama bin Laden. Dezenove terroristas, 15 dos quais sauditas, sequestraram quatro aviões. Dois chocaram-se com as torres gêmeas do World Trade Center, um contra o Pentágono e o quarto caiu na Pensilvânia antes de atingir seu alvo, possivelmente o Capitólio, em Washington.

A reação dos EUA foi endossada pela ampla maioria da comunidade internacional, que apoiou a invasão do Afeganistão, país no qual o governo extremista Talibã abrigava e praticava treinamentos conjuntos com diversos grupos terroristas como a al-Qaeda e o Movimento Islâmico do Uzbequistão (MIU), que supostamente representa uma ameaça à estabilidade não apenas da república uzbeque como às demais nações da Ásia Central.

O 11 de setembro e o seu corolário, a guerra ao terror, não tiveram apenas conseqüências militares. Os check-ins dos aeroportos norte-americanos tornaram-se mais rigorosos para viajantes do mundo todo, sobretudo a revista aos passageiros muçulmanos, ou somente de aparência muçulmana. Nos EUA, até mesmo sikhs, confundidos com muçulmanos pelo uso do turbante, foram vítimas de agressões, e na Europa, nos países que contam com significativas minorias islâmicas, a animosidade cresceu.

Os injustificáveis atos de uma minoria extremista têm sido associados a um dos maiores grupos religiosos do planeta, reforçando preconceitos, estereótipos e fomentando discriminação e hostilidade, em uma espiral de irracionalidade na qual mídia e opinião pública nutrem-se mutuamente.

Mas a idéia de que o islamismo está associado à intolerância e à violência é contradita pelo próprio significado do Islã, uma palavra que deriva de salaam, ou seja, paz, no idioma árabe. Como explica Sami Isbelle, diretor pedagógico da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro (SBMRJ) e autor dos livros Islam: a sua crença e a sua prática e O Estado islâmico e a sua organização (ambos da editora Azaan), muçulmano é todo aquele que se submete voluntariamente à vontade de Deus e assim está em paz consigo mesmo, com a sociedade ao seu redor e com Deus. “A primeira palavra que o muçulmano diz pela manhã é salaam e a saudação entre muçulmanos é Assalamu Alaikum (Que a paz esteja sobre vós!), com a resposta Alaikum Assalam (E sobre vós a paz!). A paz é o que norteia esta religião, e não a guerra, o terrorismo”, ensina o pedagogo.

Inquisição e Cruzadas: o Ocidente esqueceu?

O estereótipo da intolerância islâmica frente às demais culturas é desmentido pela história, tal como ela é conhecida por qualquer ocidental. Durante oito séculos, parte do atual território espanhol (a Andaluzia) esteve sob domínio muçulmano. A liberdade de culto de judeus e cristãos foi preservada durante todo esse tempo, bem como foram respeitadas igrejas e sinagogas. A ocupação islâmica deixou um significativo legado na Arte, na Arquitetura, na Álgebra, na Geometria e na Química. “Quando os cristãos reconquistaram a região, não procederam da mesma forma, mas perseguiram todos os que professavam outras religiões, os convertiam à força ou os matavam e instauraram a Inquisição”, relembra Isbelle.

O mesmo se deu na Palestina, à época das Cruzadas, onde cristãos e judeus tinham garantida sua liberdade de culto e de construção de templos, embora o governo fosse islâmico. “Quando os cruzados chegaram, os historiadores, mesmos os cristãos, relatam os massacres que impuseram não apenas a muçulmanos e judeus, mas mesmo aos cristãos que não seguiam a fé católica, como os ortodoxos. Quando chegaram a al-Aqsa, o sangue derramado de suas vítimas batia nos joelhos de seus cavalos e não faziam distinção se eram idosos, mulheres ou crianças”, relata o diretor da SBMRJ.

O terrorismo não é justificado, nem aceito pelo clero muçulmano. Em sermão proferido em agosto de 2008, o principal líder religioso saudita, o mufti Abdulaziz bin Abdala al Sheikh, enfatizou que nem o Islã nem Alá apóiam o terrorismo e missões suicidas. “O terrorismo é um problema internacional […]. O dever do muçulmano é se opor a isso”, afirmou o xeque, na mesquita de Namira, local em que, segundo a crença, o profeta Maomé pronunciou seu último sermão.

Mídia como reprodutora de preconceitos

A concentração dos meios de comunicação nas mãos de poucos empresários faz com que as informações das grandes agências de notícias sejam reproduzidas quase literalmente por veículos do mundo todo. Essa é a visão de Isbelle, para quem a mídia passa uma mensagem subliminar. “Bate na mesma tecla e as pessoas desenvolvem aversão ao Islã e nem mesmo querem saber do que se trata. As primeiras coisas que lhes vêm à mente são terrorismo, Bin Laden, mulher oprimida. É isso o que a mídia veicula o tempo inteiro. Parece que há um objetivo de levar as pessoas à aversão completa ao Islã”, protesta o islamita.

O escritor adverte que um ato terrorista, quando realizado por um muçulmano, é sempre noticiado enfatizando-se a religião do criminoso. Mas, se o mesmo ato é feito por um não-muçulmano, a fé dessa pessoa não costuma ser mencionada: “Quando o Exército Republicano Irlandês (IRA) fazia algum atentado na Irlanda do Norte, não se falava em terrorismo católico. Agem como se o terrorismo fosse algo pregado pelo Islã. Hoje, somos mais de 1,5 bilhão de muçulmanos. Caso isso fosse algo pregado pela nossa religião, acho que já não existiria mais pedra sobre pedra. Não é?”.

Para Renzo Taddei, antropólogo e professor da Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ, tal representação feita pela mídia ocorre em um contexto específico e mesmo durante a primeira guerra do Golfo não era forte “essa balela de choque de civilizações”. Segundo Taddei, essa teoria (proposta pelo cientista político norte-americano Samuel Huntington, pela qual as diferenças culturais seriam a causa maior de conflitos), do ponto de vista antropológico, é completamente equivocada. “Não existem no mundo representações estanques. Impossível pensar isso no contexto atual de integração de comunicações, de finanças, de mercado de trabalho. Tampouco existe uma única coisa chamada islamismo. Existe uma infinidade de variações do islamismo da mesma forma que acontece com o cristianismo. Não há como contrapor mundo ocidental e mundo islâmico, pois não são blocos monolíticos”, explica o professor.
O fundamentalismo, de acordo com Taddei, é um problema comum ao islamismo, ao cristianismo e ao judaísmo. “Um dos maiores problemas do Estado de Israel é com o fundamentalismo judaico, responsável pela morte do ex-primeiro-ministro Yitzhak Rabin. Todos os grupos culturais têm problemas com fundamentalistas. A questão é o porquê de a mídia tratar os fundamentalistas como se fossem bons representantes da comunidade muçulmana, coisa que nunca faria com fundamentalistas cristãos”, critica o professor.

Como exemplo desses dois pesos e duas medidas da mídia, Taddei relembra um caso ocorrido quando morava nos EUA: “Um artista africano fez uma exposição no Museu de Arte do Brooklyn e um de seus quadros, uma Ave-Maria, cuja composição tinha excrementos de elefante, causou grande comoção em Nova Iorque. A exposição foi cancelada quase que imediatamente”. Comoção semelhante despertou a publicação de 12 charges, chamadas de “As Faces de Maomé”, pelo jornal dinamarquês Jyllands-Posten. As caricaturas levaram a protestos de ministros árabes e a passeatas pelas ruas de Copenhague. “A história do artista africano é muito parecida, mas afetando a sensibilidade cristã, e ninguém menciona a semelhança”, compara o antropólogo.

“A imprensa sofre cronicamente a ditadura do espaço”, analisa Taddei, para quem “às vezes o jornalista tem de se esforçar para preencher o espaço do jornal, mas é mais comum que ocorra o contrário.” Nesse panorama, o antropólogo considera difícil que a mídia dê conta de questões culturais complexas, buscando assim o lugar-comum. “O estereótipo é uma coisa ruim do ponto de vista ideológico, mas é conveniente do ponto de vista operacional. É um mecanismo de concisão coletiva, por mais distorcido que seja, e todos são. Ele faz com que a comunicação funcione de maneira mais rápida e tomando menos tempo e menos espaço”, analisa o professor.

Isso explica por que a mídia faz uso de estereótipos, e como eles refletem o senso comum; os jornalistas nem sempre percebem que fazem uso deles. “Quando se apresenta uma situação de complexidade cultural, a coisa fica mais difícil. Desmontar o estereótipo requer esforço intelectual, tempo”, conclui Taddei.

Um dos mais frequentes estereótipos associados ao Islã é o da submissão da mulher. Isbelle rebate mais essa caricaturização com argumentos históricos. “O Islã garantiu à mulher o direito a escolher seu marido, a receber herança, a divorciar-se, a ter prazer sexual, a estudar (uma obrigação religiosa, na verdade), a trabalhar e receber o mesmo salário que o homem, no exercício da mesma função, e de dispor de seus bens sem interferência do pai ou marido. A sociedade ocidental somente conferiu alguns desses direitos às mulheres no século passado”, explica o escritor.

Jihad

Um conceito islâmico que é constantemente distorcido e entendido como algo ruim é o jihad. Essa palavra, quase sempre traduzida como guerra santa (harb al makadass), na realidade significa empenho. O Islã distingue o conceito em duas variantes. No livro Jihad (ed. Cosac & Naify), o jornalista Ahmed Rashid ensina que “o grande Jihad, na explicação do profeta Muhammad, é, em primeiro lugar, uma busca interior: implica o esforço de cada muçulmano para se tornar um ser humano melhor, a luta para melhorar a si mesmo”.

O jihad menor, por sua vez, é extremamente amplo. “É desde tirar uma pedra do caminho para outra pessoa não tropeçar, até conceder uma entrevista para esclarecer o que é o Islã”, explica Isbelle. Como reforça Rashid em seu livro, “em parte alguma dos escritos ou da tradição muçulmana o Jihad sanciona a matança de homens, mulheres ou crianças inocentes, muçulmanos ou não, com base em etnia, seita ou crença. É esse desvirtuamento do Jihad – como justificativa para massacrar inocentes – que em parte define o neofundamentalismo radical dos movimentos islâmicos mais extremistas da atualidade”.

O Islã permite ao muçulmano a autodefesa, mas não que inicie um combate, e caso o adversário cesse as hostilidades, o muçulmano deve fazer o mesmo. “O Corão antecipou em mais de 1.400 anos a Convenção de Genebra (que dispõe sobre o direito em conflitos armados) e muitos de seus artigos, na proibição de ataques a mananciais de água, a crianças, mulheres e idosos”, orgulha-se Isbelle.

>Paquistão e as mudanças climáticas: “Se isto não é a ira de Deus, o que é?”

>
Inundações reavivam debate sobre mudança climática

Por Zofeen Ebrahim, da IPS

Crianças paquistanesas afetadas pelas inundações. Shabbir Hussain Imam/IPS.

Karachi, Paquistão, 18/8/2010 – “Se isto não é a ira de Deus, o que é?”, perguntou o taxista paquistanês Bakht Zada, de 40 anos, com relação às inundações que acabaram com todos os seus bens. No diálogo com a IPS, da cidade de Madyan, em Khyber Pakhtunkhwa (ex-província da Fronteira Nordeste), Bakht culpou as forças sobrenaturais pelas piores inundações no país em 80 anos, mas os especialistas em meio ambiente debatem se estas estão vinculadas a um fenômeno muito mais terreno, a mudança climática.

As inundações, que começaram no dia 12 de julho com chuvas excepcionalmente fortes, já afetaram cerca de 20 milhões de paquistaneses, segundo o governo, e mataram 1.600, além de causar danos a enormes áreas de terras agrícolas, base da economia. O governo, as agências humanitárias internacionais e organizações beneméritas locais continuam enfrentando o desastre, que primeiro atingiu a região nordeste deste país asiático e agora afeta as províncias de Punjab, no leste, e Sindh, no sul.

A Organização das Nações Unidas (ONU) solicitou US$ 459 milhões para enfrentar esta situação, mas conseguiu compromissos de apenas 27% dessa quantia. Neste contexto, os especialistas tentam compreender instâncias recentes de eventos climáticos extremos. Na China, as inundações também mataram mais de 1.100 pessoas, enquanto uma onda de calor, com seca e incêndios, açoita a Rússia. Todos estes sinais parecem consistentes com o aquecimento global devido ao acúmulo na atmosfera de enormes quantidades de gases-estufa, como o dióxido de carbono.

“O aquecimento global causa eventos meteorológicos catastróficos. As recentes inundações são, sem dúvida, resultado da mudança climática”, insistiu Simi Kamal, geógrafa e especialista em água. “Temperaturas superiores às normais no Oceano Índico causam aumento das precipitações. No norte do Paquistão, quando correntes de ventos carregados de umidade se chocam com as montanhas e são impulsionados para altitudes mais frias, a umidade é liberada na forma de explosões de nuvens”, acrescentou Khalid Rashid, matemático e físico que estuda as mudanças nos padrões meteorológicos mundiais. “Isto é o que parece estar ocorrendo este ano”, afirmou.

Outros já se mostram cautelosos na hora de tirar conclusões categóricas sobre a ligação com a mudança climática, mas concordam que os padrões meteorológicos se alteraram, tornando-se mais extremos e imprevisíveis. “Os cientistas climáticos não podem estar seguros se as atuais inundações são um evento meteorológico extremo do atual padrão climático ou uma mudança nele”, destacou Ayub Qutub, especialista em manejo hídrico, radicado em Islamabad.

Inclusive Rajendra Kumar Pachauri, presidente do Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre a Mudança Climática (IPCC), disse que é cientificamente incorreto vincular qualquer série particular de eventos com a mudança climática induzida pelos homens. Contudo, concordou que há evidências suficientes que mostram aumento na frequência e intensidade de inundações, secas e precipitações extremas em todo o mundo. “Inundações como as do Paquistão podem se tornar mais comuns e intensas no futuro, nesta e em outras partes do mundo”, disse à IPS.

Danish Mustafa, especialista paquistanês em temas hídricos e professor de geografia no King’s College, em Londres, reconheceu que padrões de monções “bastante incomuns” estão se tornando mais frequentes. Ejaz Ahmad, subdiretor do capítulo paquistanês do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), vinculou as mudanças meteorológicas à “mudança nos padrões de uso da terra, ao forte desmatamento no norte do Paquistão e aos conflitos”, mais do que à mudança climática. De todo modo, concordou que ultimamente houve mais eventos meteorológicos “estranhos”.

“O Paquistão experimentou um período seco em março, praticamente sem chuvas, e a produção de trigo foi seriamente prejudicada. Depois, choveu em áreas que geralmente não são afetadas pelas monções, como Gilgit-Baltistão e Broghil. E a frequência dos ciclones também aumentou”, explicou Ejaz. Em 2007, “o ciclone Yemyin atingiu o país, e este ano tivemos o Phet. No passado, sofríamos ciclones” a cada década, disse.

Simi acrescentou que o aumento das temperaturas ajuda a acelerar o derretimento de geleiras como as do Himalaia, ao norte do Paquistão, que são o terceiro maior depósito mundial de gelo e neve. “Nossa região (Ásia meridional) está entre os principais pontos da mudança climática, e especialistas internacionais prevêem inundações e secas”, destacou.

O Himalaia tem origem na bacia tibetana, e também alimenta a bacia do Rio Indo. Este, que agora transbordou devido às inundações, atravessa o Paquistão antes de desembocar no Mar Arábico. Seu trajeto é de aproximadamente 3.180 quilômetros. “O aquecimento global planetário está muito mais rápido, causando eventos climáticos extremos. Não estou segura de que isto possa ser detido agora. Nem mesmo estou certa de que podemos nos adaptar tão rapidamente”, disse Simi.

O fato de o Paquistão não estar preparado para estes acontecimentos deixou pior as consequências das inundações, acrescentou Simi. A bacia do Indo sempre foi propensa a inundar, então, “porque simplesmente nos pegam de surpresa?”, perguntou. No entanto, Maurizio Giuliano, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários em Islamabad, disse que o governo implementou alguns projetos, e que, do contrário, os efeitos teriam sido muito piores.

De todo modo, há lições a se aprender. “Precisamos que funcione o sistema telemétrico sobre o Rio Indo, que também terá de ser estendido para controlar as inundações em tempo real”, disse Danish. “A capacidade local deve ser fortalecida para estar na primeira linha de defesa na proteção e alívio em caso de inundações. O distante governo central não pode fazê-lo”, acrescentou. Envolverde/IPS

>Terrorists Versus Soccer

>
Repressive governments and extremist insurgent groups have attempted to tamp down soccer obsession without success.

Adam Serwer | June 17, 2010
The American Prospect

Local children play soccer at the Nangarhar Provincial Reconstruction Team Forward Operating Base in Jalalabad, Afghanistan. (U.S. Air Force/Joshua T. Jasper)

While millions of people all over the planet are tuning into the World Cup this month, Somali soccer fans in the areas controlled by the rival extremist insurgent groups al Shabaab and Hizbul Islam will have to do so in secret. That’s because both groups, locked in a brutal struggle with the internationally recognized Transitional Federal Government, have forbidden anyone from watching the games.

“They isolate and punish people for these types of activities, because in their twisted logic it takes you away from jihad as they see it, which is fighting the Transitional Federal Government,” says Areej Noor, a research assistant at the Brookings Institution’s Doha Center.

The ban on the World Cup has been upheld with lethal force. On Tuesday, Hizbul Islam members killed two people and arrested ten others for watching the games. It’s not just watching soccer either — human rights advocates say that defying the insurgents by playing soccer, or any other game, local residents risk flogging, amputations, or summary executions. Nevertheless, in an extraordinary act of mass defiance, Somalis continue to huddle near radios and satellite televisions just to catch the beautiful game.

It’s not just soccer—the insurgents have sought to control all aspects of Somalis’ daily lives, forcing their hardline religious views on the populace. “What we’re seeing now with the soccer crackdown is happening every day, on multiple levels, in terms of the crackdown on activities, daily, routine mundane activities,” says Letta Tayler, a researcher with Human Rights Watch who authored a 2010 report on human rights abuses in Somalia.

Soccer has been a particular target for violent extremists. It’s not just al-Qaeda connected groups in Somalia that have targeted the sport. Al Qaeda’s affiliate in Algeria has threatened to disrupt the World Cup by launching an attack on the games being held in South Africa. During the 1990s in Afghanistan, the Taliban turned the UN constructed soccer stadium in Kabul into a giant execution chamber.

Other repressive governments have attempted to tamp down soccer obsession without success — as Franklin Foer recounts in his 2006 book, How Soccer Explains the World , the mullahs’ attempts to ban soccer failed, and the regime instead attempted to co-opt Iranian love for the sport by having regime loyalists attempt to lead religious chants in the stadiums. The Mullahs were eventually forced to rescind a ban on women watching soccer on television after they began dressing as men and sneaking into games.

Conservative blogger Ilya Somin recently criticized the sport for promoting “nationalist and ethnic violence,” but it’s actually because of those nationalistic feelings that violent religious extremists find the sport so threatening. International soccer interferes with the extremist vision of a fundamentalist society free of secular influences in a number of ways — most notably by cultivating a secular, national identity separate from the religious one. It showcases peaceful interaction not only between rival, even hostile nations, but between Muslims and non-Muslims, undermining the narrative of an inevitable clash of civilizations between Islam and the West. This isn’t to say that soccer is necessarily a liberalizing force — Mussolini’s Italy did win the last World Cup before World War II. But the world’s love for soccer offers a particularly difficult challenge for the pan-Islamist extremist ideology of groups like al Shabaab and Hizbul Islam.

“It’s a time and place where conflict is suspended,” says Noor. “When people in Afghanistan or Somalia get together and watch a game, how anti-Western are they being? [Soccer] cultivates a kind of affinity with the rest of the world that these people are not interested in Somalis having.”

Al Shabaab and Hizbul Islam’s crackdown on soccer — along with their general callousness and brutality — also represents the kind of cultural overreach that helps delegitimize extremist groups in the eyes of local residents. In May, hundreds of Mogadishu residents took to the streets to protest Al Shabaab’s desecration of the gravesites of Sufi Muslim clerics.

“When al-Qaeda in Iraq started to come apart was when they first started imposing their cultish interpretation of Islamic law on the Western tribes,” says Malcolm Nance, a former Navy Intelligence Officer who served in Iraq. AQI’s brutality and indiscriminate attacks on civilians damaged their reputation among ordinary Iraqis, and led to their being driven to near-destruction by the U.S. military who were now able to enlist — with generous sums of cash — the aid of the Sunni Tribes. Nance says the ban on soccer also highlights something else — the distance between traditional cultural practices and the relatively novel extremism of these groups, which he says “operate at the level of a cult.” “There is nothing in the Koran about games,” Nance says. “What we see as a simple innocent game, they see as a threat.”

The situation in Somalia is bleak however, and despite the self-defeating brutality of al Shabaab and Hizbul Islam, the two continue to control most of the country. The Transitional Federal Government, which controls the capital, Mogadishu, is losing the war despite having embraced some of the opposition’s most reprehensible practices, such as the recruitment of child soldiers. Victory for the insurgents could have drastic international consequences. Al Shabaab, which now controls more of Somalia than any other faction, emerged from the ashes of the Islamic Courts Union after the ICU was deposed by the Bush administration-supported Ethiopian invasion of Somalia in 2006. The group, originally a splinter faction of ICU hardliners, has recruited more than 20 American citizens to their cause. Al Shabaab has assassinated government ministers, and others have simply resigned in frustration over the lack of progress. It’s unclear whether the TFG can survive.

“The idea of global jihad has found a new bastion in Somalia, and it seems that will continue,” says Areej Noor. “I don’t know if there’s an end in sight for that.” At the moment, it’s hard to imagine a future for Somalia without the brutal, Taliban-style “justice” of the insurgents. Letta Tayler is concerned that once the World Cup is over, the international community will be all too ready to once again turn its eyes away from war-torn Somalia.

“It’s unfortunate that the world is only paying attention to it because it’s soccer and it’s now the World Cup. It’s unfortunate that the world is not paying attention to this when it’s a woman who is not allowed to sell cups of tea in the market because it will bring her into contact with men,” Tayler says. “It’s not just soccer, it’s every little detail of daily life.”

>A controvérsia ao redor da construção de uma mesquita nas proximidades do Marco Zero, em Nova York

>
A obra da discórdia

Por Daniel Barros
Olhar Virtual – Coordenadoria de Comunicação Social da UFRJ
Coluna Ponto de Vista

Ilustração: Caio Monteiro

A construção de um centro comunitário islâmico de 15 andares a duas quadras do Marco Zero, monumento construído no local dos atentados de 11 de setembro de 2001, divide opiniões na mais cosmopolita cidade do Ocidente. O antropólogo da UFRJ, Renzo Taddei, que morava em Nova Iorque quando ocorreram os atentados, explica que a obra — aprovada pelo Conselho Municipal da cidade no dia 25 de maio — pode sinalizar uma importante transformação na sociedade americana se a cidade conseguir trabalhar bem a questão da construção desse enorme templo mulçumano. Mas uma manifestação contrária, no dia 6 de junho, que contou com cerca de 5 mil participantes mostra que esse trabalho não será fácil.

Apesar das demonstrações de insatisfação de alguns novaiorquinos, o projeto conta com o apoio do prefeito da cidade, Michael Bloomberg e foi aprovado por 29 votos a um (10 abstenções) no conselho. Taddei explica que o respaldo governamental é inevitável, devido ao apreço que a sociedade americana tem pelas idéias de liberdade religiosa e de que não deve haver interferência pública no espaço privado – e, nesse caso, os interessados em erguer a mesquita são os proprietários legais do edifício onde ela deve ser instalada. Já o fato de os parentes e amigos das vítimasse sentirem ofendidos com a construção da mesquita tem, de acordo com o antropólogo, uma explicação bem mais complexa.

Renzo Taddei, que lecionava em 2001 no Borough of Manhattan Community College, também a duas quadras do World Trade Center, explica que a resistência ao projeto da mesquita, para alguns americanos, passa por duas questões fundamentais: como os eventos de 11 de setembro afetaram a forma como a população da cidade se relaciona com aquele espaço urbano? E como os americanos, na era Bush, passam a se relacionar com o islamismo?

Transformação do espaço em Nova Iorque

Para explicar a transformação no espaço, Taddei recorre ao antropólogo brasileiro Roberto DaMatta. Em seu livro “A Casa e a Rua”, DaMatta diz que a “casa” é o lugar onde estão concentradas as relações de afeto familiares – família e casa aqui usadas em sentido amplo -, e “rua” é o ambiente dos trânsitos, fluxos e, de certo modo, da impessoalidade. E ele ainda menciona a existência do “outro mundo”, que remete à morte e à religiosidade. Na “rua” as pessoas seriam mais liberais. Já a afetividade relacionada a “casa” gera posições mais conservadoras. De certa forma, a idéia de que Nova York é uma cidade cosmopolita, centro econômico mundial, gera a percepção de que Nova Iorque seria apenas “rua”. É como se não existissem razões para as pessoas manifestarem sentimentos conservadores típicos do espaço doméstico. Mas as sociedades têm sempre os dois lados, e o debate em torno da mesquita evidencia isso.

Nesse contexto surge o Ground Zero, como chamam os americanos o espaço onde ocorreram os atentados em 11 de setembro, em Nova Iorque. Taddei afirma que esse é o lugar de um massacre onde muitos corpos jamais foram encontrados, o que, simbolicamente, o transforma em um cemitério a céu aberto, especialmente para as famílias dos mortos. Ele lembra que o governo dos Estados Unidos investiu dinheiro e tempo buscando minuciosamente corpos, ou mesmo pedaços minúsculos de corpos, nessa região.

Para o antropólogo e professor da Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ, as sociedades ocidentais têm dificuldade em lidar com o fim da existência. A morte evidencia os limites do pensamento racional. Os rituais de passagem, como velórios e missas de sétimo dia para as comunidades católicas, por exemplo, são fundamentais para organizar o pensamento e as emoções dos que continuam vivos. Mas como muitas famílias não conseguiram achar os corpos dos seus mortos, o Marco Zero adquiriu um enorme valor sentimental. A separação entre “casa” e “rua”, que segundo DaMatta organiza nossa percepção do espaço, e portanto nossa vida social, deixa de existir para muitas das famílias envolvidas. “A proposta de construção da mesquita ocorre, desta forma, num contexto de enorme confusão simbólica, o que naturalmente gera muita ansiedade”, explica Taddei.

Relação dos americanos com o islamismo

O outro aspecto relevante na questão da resistência à construção do centro comunitário muçulmano, que se chamará Córdoba House, é o significado que o islamismo assume ao longo do governo George W. Bush. “Bush quis dividir o mundo em categorias estanques, como, por exemplo, quando usa a expressão ‘eixo do mal’”, diz o antropólogo. Taddei menciona que houve um silencio estratégico, por parte da Casa Branca, a respeito dos negócios da família Bush na Arábia Saudita, inclusive com a família Bin Laden. Tal engajamento comercial no mundo islâmico denota a compreensão de Bush de que “muçulmano não é tudo igual”. No entanto, explica Taddei, o esforço de preparar o país para a guerra (invasão do Afeganistão e posteriormente do Iraque) passou pela demonização e desumanização do inimigo, e isso pode ter gerado percepções coletivas do mundo islâmico muito negativas junto à população americana. O fato de Bush se declarar renascido na fé (encontrou a fé protestante depois de adulto) e dizer que se comunicava com Deus nos corredores da Casa Branca só reforçou as polarizações radicais na percepção das relações entre religião e política.

Além disso, mais do que uma questão meramente diplomática, o então presidente dos Estados Unidos conclamou o país à guerra e adotou um discurso que ressaltava a necessidade dos americanos serem fortes e patriotas, o que os levou a negligenciarem emoções traumáticas, advindas da experiência dos ataques de 11 de setembro. Renzo Taddei conta que a mídia americana embarcou nesse esquema, aceitando, por exemplo, o pedido do Pentágono para que não fossem mostrados caixões de soldados americanos vindos do Afeganistão e do Iraque. E, além disso, os principais veículos de comunicação não deram o espaço devido para que os vários líderes muçulmanos americanos pudessem participar de forma efetiva dos debates públicos, oferecendo discursos de contraposição às polarizações simplistas e à associação direta dos ataques às torres ao islamismo.

Se no contexto do Bush as pessoas não puderam manifestas suas fraquezas e sentimentos, estes acabam ressurgindo em outro momento. “Uma das características do ritual da morte [é] a necessidade de se viver o processo do luto”, esclarece Taddei. Ele explica que Bush interrompe esse processo para muita gente e, hoje, com a proposta de construção da mesquita a duas quadras do Marco Zero, algumas pessoas estão botando para fora essas emoções.

Conquista islâmica

Na opinião do antropólogo, o que se configurará na região é um conflito necessário. Nas audiências do Conselho Municipal, vários manifestantes chegaram a dizer que os muçulmanos podem enxergar a construção da mesquita de 15 andares perto do Marco Zero como uma vitória do islã, algo como “atacamos e conquistamos”. “É claro que isso é uma visão muito conservadora e tendenciosa, e mostra que, em termos simbólicos, o desafio é enorme”, diz Taddei.

Ele destaca, no entanto, que não se pode desconsiderar de forma arrogante o sentimento das pessoas que se posicionam contra a construção. Para o professor, é preciso ouvir os dois lados, sem correções políticas nem moralismos, e efetivamente pluralizar o debate. “A construção da mesquita é de fato uma boa idéia, no sentido de desenterrar esses sentimentos. Ela pode marcar uma nova fase na história americana, da desmontagem desses estereótipos, uma das heranças perversas da era Bush, e da reconstrução de uma esfera pública efetivamente aberta e plural. Mas esses sentimentos precisam ser devidamente trabalhados, para que essa situação não se transforme em mais um barril de pólvora”, prevê o antropólogo.

>Exorcista-chefe da Igreja diz que há bispos ligados ao Diabo (BBC Brasil)

>
BBC Brasil – 12 de março, 2010

O exorcista-chefe da Igreja Católica disse a um jornal italiano que “o Diabo reside no Vaticano” e que bispos estariam “ligados” a ele.

Em entrevista ao diário La Repubblica, o padre Gabriele Amorth, que comanda o departamento de exorcismo em Roma há 25 anos, disse que o ataque ao papa Bento 16 na noite de Natal e os escândalos de pedofilia e abuso sexual envolvendo sacerdotes seriam provas da influência maléfica do Demônio na Santa Sé e que “é possível ver as consequências disso”.

O sacerdote, de 85 anos, disse ainda que há, na Igreja, “cardeais que não acreditam em Jesus e bispos ligados ao Demônio”.

Amorth, que já teria realizado o exorcismo de 70 mil possuídos, publicou um livro no mês passado, chamado Memórias de um Exorcista, em que narra suas batalhas contra o mal.

A série de entrevistas que compõe o livro foi realizada pelo jornalista Marco Tosatti, que conversou com o programa de rádio Newshour da BBC.

Tosatti disse que o Diabo atua de duas formas. Na primeira, a mais comum, “ele te aconselha a se comportar mal, a fazer coisas ruins e até a cometer crimes”.

Na segunda, “que ocorre muito raramente”, ele pode possuir uma pessoa. Tosatti disse que, de acordo com Amorth, Adolf Hitler e os nazistas foram possuídos pelo capeta.

O exorcista católico conta em suas memórias que, durante as sessões de exorcismo, os possuídos precisavam ser controlados por seis ou sete de seus assistentes. Eles também eram capazes de cuspir cacos de vidro, “pedaços de metal do tamanho de um dedo, mas também pétalas de rosas”, segundo o sacerdote.

Guerra contra a Igreja

Amorth defende que a tentativa de assassinato do papa João Paulo 2º em 1981, assim como o ataque ao atual papa no Natal passado e os casos de abuso sexual cometidos por padres são exemplos de que o Diabo está em guerra com a igreja.

Em entrevista ao La Repubblica, o exorcista contou que o Demônio “pode permanecer escondido, ou falar diferentes línguas, ou mesmo se fazer parecer simpático”.

Para Tosatti, não há nada que se possa fazer quando o Diabo está apenas influenciando as pessoas, em vez de estar possuindo-as.

Segundo o exorcista-chefe do Vaticano, o papa Bento 16 apoia o seu trabalho.

“Sua Santidade acredita de todo coração na prática do exorcismo. Ele tem encorajado e louvado o nosso trabalho”.

No jornal italiano, Amorth também comentou sobre como o cinema retrata o exorcismo e a magia.

Segundo ele, o filme O Exorcista, de 1973, em que dois padres lutam para exorcizar uma garota possuída é “substancialmente preciso”, apesar de “um pouco exagerado”.

Já a série do jovem bruxo britânico Harry Potter é descrita como “perigosa” pelo sacerdote, pois traça “uma falsa distinção entre magia negra e magia do bem”.