Arquivo da categoria: Futebol

>Copa de estatísticas

>
Notícias

23/6/2010

Agência FAPESP – Pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) publicaram na internet um modelo estatístico dinâmico com estimativas das chances dos selecionados de atingir cada etapa da Copa do Mundo da África do Sul.

O modelo matemático foi elaborado no Centro de Estudos do Risco do Departamento de Estatística e utiliza como parâmetros a opinião de especialistas sobre os placares da primeira fase, o ranking da Federação Internacional de Futebol (FIFA) divulgado em maio e os resultados ao longo do torneio.

Esse caráter dinâmico é responsável pela alteração constante na lista das equipes com maior chance de vencer o mundial. No início do campeonato a Espanha encabeçava esse grupo. Após a primeira rodada, a Alemanha ficou no topo da lista e, em seguida, o Brasil assumiu a primeira posição.

Os placares de cada jogo são comparados às previsões, mostrando que os resultados improváveis foram abundantes nessa Copa. Foi o caso do empate entre Portugal e Costa do Marfim, que tinha 15,9% de chances de ocorrer, de acordo com o modelo da UFSCar, e a vitória da Sérvia sobre a Alemanha, com apenas 9,6% de probabilidade.

A Previsão Estatística Copa 2010 da UFSCar pode ser acessada no endereço: www.copa2010.ufscar.br/index_br.html

Anúncios

>Germans shell-shocked by oracle octopus (Reuters)

>
By Erik Kirschbaum, Reuters
BERLIN, Tue Jul 6, 2010 10:22am EDT

Two year-old octopus Paul, the so-called ”octopus oracle” predicts Spain’s victory in their 2010 World Cup semi-final soccer match against Germany by choosing a mussel, from a glass box decorated with the Spanish national flag instead of a glass box with the German flag, at the Sea Life Aquarium in the western German city of Oberhausen July 6, 2010. Paul has correctly picked the winner of Germany’s five World Cup results so far. REUTERS/Wolfgang Rattay

BERLIN (Reuters) – Germany was in a state of shock on Tuesday after their “oracle octopus” Paul picked Spain to win the World Cup semi-final match against Germany in South Africa on Wednesday.

Not an ordinarily superstitious people, Germans have become believers in Paul’s possible psychic powers.

“This is not a good omen,” wrote Bild newspaper’s online edition after the news of Paul’s pick flashed across Germany.

The octopus has turned into an international celebrity after accurately picking the winner of all five German World Cup matches to date — including their 1-0 loss to Serbia.

Two national networks interrupted their programing on Tuesday for live coverage of Paul’s latest forecast, and groans of disappointment rang out across Germany after Paul went for a container with a morsel of food in it bearing the Spanish flag.

“We were all a little bit shocked when Paul picked Spain,” said Tanja Munzig, a spokeswoman for Sea Life in Oberhausen. “To err is not only human — animals can also make mistakes. Let’s hope Paul got this one wrong.”

The octopus, considered by some to be the most intelligent of all invertebrates, was again given the choice of picking food from two different transparent containers lowered into his tank — one with a German flag on it and one with a Spanish.

The container Paul opens first is regarded as his pick for the match. Paul first put his tentacles around the German container before moving to his left to the Spanish box — first opening the lid and then snatching the morsel of food inside.

Germans stunned by Paul’s decision to pick Spain took consolation in the fact that Paul got one of his five picks wrong at the Euro in 2008. Oddly enough it also involved Spain: In the final Paul picked Germany over Spain. But Spain won 1-0.

It was Paul’s only inaccurate pick of that tournament. He has never been wrong since and has an overall record of 9-1.

“Maybe Paul was just trying to give Spain a false sense of security,” said Munzig, who said scores of journalists were at Sea Life to witness Paul’s latest pick. Thousands of people have visited Sea Life to see Germany’s newest celebrity.

“To be honest I’m going to have butterflies in my stomach watching the Spain match,” she added. “I’m not a superstitious person but he’s had an incredible winning streak so far.”

Paul was born in England. He has been five for five at the World Cup. He picked Germany wins over Australia, Ghana, England and Argentina — as well as their Group D loss to Serbia.

Media attention over Paul’s picks in Germany and abroad has grown with each pick and some commentators have even wondered aloud whether his uncanny run might even be having an influence on superstitious players.

Paul’s winning streak may have contributed to a growing superstition among the Germany team.

Germany coach Joachim Loew admitted he will not wash a favorite blue sweater as long as his team keeps winning. Loew said he bowed to pressure from other coaching staff and players to keep wearing the sweater for their matches.

Every time Loew wore the blue V-neck sweater Germany scored four goals. “I am not even allowed to wash it now and I think I will wear it again (against Spain),” Loew said on Monday.

(Additional reporting by Brian Rohan and Reuters Television. Editing by Jon Bramley and Paul Casciato)

>Terrorists Versus Soccer

>
Repressive governments and extremist insurgent groups have attempted to tamp down soccer obsession without success.

Adam Serwer | June 17, 2010
The American Prospect

Local children play soccer at the Nangarhar Provincial Reconstruction Team Forward Operating Base in Jalalabad, Afghanistan. (U.S. Air Force/Joshua T. Jasper)

While millions of people all over the planet are tuning into the World Cup this month, Somali soccer fans in the areas controlled by the rival extremist insurgent groups al Shabaab and Hizbul Islam will have to do so in secret. That’s because both groups, locked in a brutal struggle with the internationally recognized Transitional Federal Government, have forbidden anyone from watching the games.

“They isolate and punish people for these types of activities, because in their twisted logic it takes you away from jihad as they see it, which is fighting the Transitional Federal Government,” says Areej Noor, a research assistant at the Brookings Institution’s Doha Center.

The ban on the World Cup has been upheld with lethal force. On Tuesday, Hizbul Islam members killed two people and arrested ten others for watching the games. It’s not just watching soccer either — human rights advocates say that defying the insurgents by playing soccer, or any other game, local residents risk flogging, amputations, or summary executions. Nevertheless, in an extraordinary act of mass defiance, Somalis continue to huddle near radios and satellite televisions just to catch the beautiful game.

It’s not just soccer—the insurgents have sought to control all aspects of Somalis’ daily lives, forcing their hardline religious views on the populace. “What we’re seeing now with the soccer crackdown is happening every day, on multiple levels, in terms of the crackdown on activities, daily, routine mundane activities,” says Letta Tayler, a researcher with Human Rights Watch who authored a 2010 report on human rights abuses in Somalia.

Soccer has been a particular target for violent extremists. It’s not just al-Qaeda connected groups in Somalia that have targeted the sport. Al Qaeda’s affiliate in Algeria has threatened to disrupt the World Cup by launching an attack on the games being held in South Africa. During the 1990s in Afghanistan, the Taliban turned the UN constructed soccer stadium in Kabul into a giant execution chamber.

Other repressive governments have attempted to tamp down soccer obsession without success — as Franklin Foer recounts in his 2006 book, How Soccer Explains the World , the mullahs’ attempts to ban soccer failed, and the regime instead attempted to co-opt Iranian love for the sport by having regime loyalists attempt to lead religious chants in the stadiums. The Mullahs were eventually forced to rescind a ban on women watching soccer on television after they began dressing as men and sneaking into games.

Conservative blogger Ilya Somin recently criticized the sport for promoting “nationalist and ethnic violence,” but it’s actually because of those nationalistic feelings that violent religious extremists find the sport so threatening. International soccer interferes with the extremist vision of a fundamentalist society free of secular influences in a number of ways — most notably by cultivating a secular, national identity separate from the religious one. It showcases peaceful interaction not only between rival, even hostile nations, but between Muslims and non-Muslims, undermining the narrative of an inevitable clash of civilizations between Islam and the West. This isn’t to say that soccer is necessarily a liberalizing force — Mussolini’s Italy did win the last World Cup before World War II. But the world’s love for soccer offers a particularly difficult challenge for the pan-Islamist extremist ideology of groups like al Shabaab and Hizbul Islam.

“It’s a time and place where conflict is suspended,” says Noor. “When people in Afghanistan or Somalia get together and watch a game, how anti-Western are they being? [Soccer] cultivates a kind of affinity with the rest of the world that these people are not interested in Somalis having.”

Al Shabaab and Hizbul Islam’s crackdown on soccer — along with their general callousness and brutality — also represents the kind of cultural overreach that helps delegitimize extremist groups in the eyes of local residents. In May, hundreds of Mogadishu residents took to the streets to protest Al Shabaab’s desecration of the gravesites of Sufi Muslim clerics.

“When al-Qaeda in Iraq started to come apart was when they first started imposing their cultish interpretation of Islamic law on the Western tribes,” says Malcolm Nance, a former Navy Intelligence Officer who served in Iraq. AQI’s brutality and indiscriminate attacks on civilians damaged their reputation among ordinary Iraqis, and led to their being driven to near-destruction by the U.S. military who were now able to enlist — with generous sums of cash — the aid of the Sunni Tribes. Nance says the ban on soccer also highlights something else — the distance between traditional cultural practices and the relatively novel extremism of these groups, which he says “operate at the level of a cult.” “There is nothing in the Koran about games,” Nance says. “What we see as a simple innocent game, they see as a threat.”

The situation in Somalia is bleak however, and despite the self-defeating brutality of al Shabaab and Hizbul Islam, the two continue to control most of the country. The Transitional Federal Government, which controls the capital, Mogadishu, is losing the war despite having embraced some of the opposition’s most reprehensible practices, such as the recruitment of child soldiers. Victory for the insurgents could have drastic international consequences. Al Shabaab, which now controls more of Somalia than any other faction, emerged from the ashes of the Islamic Courts Union after the ICU was deposed by the Bush administration-supported Ethiopian invasion of Somalia in 2006. The group, originally a splinter faction of ICU hardliners, has recruited more than 20 American citizens to their cause. Al Shabaab has assassinated government ministers, and others have simply resigned in frustration over the lack of progress. It’s unclear whether the TFG can survive.

“The idea of global jihad has found a new bastion in Somalia, and it seems that will continue,” says Areej Noor. “I don’t know if there’s an end in sight for that.” At the moment, it’s hard to imagine a future for Somalia without the brutal, Taliban-style “justice” of the insurgents. Letta Tayler is concerned that once the World Cup is over, the international community will be all too ready to once again turn its eyes away from war-torn Somalia.

“It’s unfortunate that the world is only paying attention to it because it’s soccer and it’s now the World Cup. It’s unfortunate that the world is not paying attention to this when it’s a woman who is not allowed to sell cups of tea in the market because it will bring her into contact with men,” Tayler says. “It’s not just soccer, it’s every little detail of daily life.”

>Embaixadas do torcedor: uma saída para banir a violência do futebol

>
Vilma Homero
© FAPERJ – 08/06/2006

Policiamento menos agressivo, estádios mais seguros e projetos sociais junto às torcidas. Segundo o pesquisador Martin Christoph Curi Spörl, do Instituto Virtual do Esporte (IVE), medidas como essas podem ajudar a desencorajar atos de violência nos estádios e as manifestações de racismo, mais freqüentes nos campeonatos europeus, contribuindo para a paz no futebol. Assistente social, ele estará, durante esta Copa do Mundo na Alemanha, seu país natal, participando das embaixadas do torcedor e pronto para receber os brasileiros que viajarem para assistir aos jogos de perto.

Martin trabalha atualmente em dois projetos: Estigmatização dos torcedores de futebol no Rio de Janeiro e Embaixada do torcedor durante a Copa do Mundo, ambos do IVE. Um é conseqüência direta do outro. Neles, o pesquisador propõe uma alternativa oposta ao que imprensa e opinião pública vêm pedindo. “Na atual discussão, a mídia brasileira sugere ações rigorosas de repressão, maior controle e punição dos envolvidos. E a solução, ao menos para uma expressiva parcela da opinião pública, parece ser a exclusão das torcidas, sempre vistas como as únicas culpadas pela violência. Entretanto, isso é apenas um lado do problema, um só olhar sobre uma possível solução”, diz.

Para o pesquisador, há outros caminhos para abordar o assunto. “Se os torcedores são estigmatizados como violentos e tratados como criminosos, isso acaba deflagrando um comportamento violento. O estigma é um preconceito e não a verdade. Num estádio lotado com 50.000 pessoas, pode ser que existam alguns poucos criminosos e torcedores agressivos. Mas em qualquer grupo desse tamanho na sociedade podemos encontrar igual percentual de desordeiros”, explica.

Junto com o estigma, vêm as desvantagens, como o tratamento agressivo reservado pela polícia, as matérias depreciativas nos jornais e as grades nos estádios, que mais lembram jaulas e são um risco para o público, que na possibilidade de um conflito pode ficar imprensado contra elas. Martin vai ainda mais longe ao explicar que “ao solidificar-se o preconceito, muitas vezes pode-se provocar um fenômeno psicológico chamado self-fulfilling prophecy. O que leva pessoas que não seriam necessariamente violentas a partir para a agressão quando são tratadas de forma preconceituosa pela polícia e seguranças de um estádio”.

Estigmatizado, o grupo pode criar sua própria subcultura, com valores diferentes do restante da sociedade. “Esta subcultura dá aos indivíduos auto-estima para seguir suas normas, que podem aceitar o uso de violência. A exclusão é contraprodutiva”, diz. Ele frisa que, principalmente para os jovens de classes sociais mais baixas, o sentimento de identidade com os demais torcedores é, muitas vezes, mais importante do que o próprio jogo.

Para Martin, alternativas de inclusão social podem ser um meio de evitar essa agressividade. “Podem ser o vínculo necessário ao diálogo e à construção de formas de participação social mais conscientes. É preciso criar programas voltados para as torcidas, que resgatem sua cidadania, transmitam aos jovens o conhecimento das regras em vigor, e que essas regras também os protegem em nossa sociedade”, diz.

Segundo o pesquisador, esse é um trabalho de longo prazo, que presume criar ligações com as torcidas organizadas, sempre apoiando o comportamento desejado, como a criatividade, seus bandeirões, músicas e coreografias. A experiência vem dando certo em países como a Alemanha. Antes mesmo dos preparativos para a Copa, o país conseguiu reduzir conflitos entre as torcidas locais e ampliar a média de público, hoje em cerca de 40 mil, mesmo em jogos menos importantes ou em estádios de cidades menores. “Esse número é maior do que a média brasileira, que na maioria das partidas fica em 12, 13 mil pessoas”, garante o pesquisador.

Resultados que Martin atribui a projetos de apoio cultural, assistência social e jurídica aos torcedores, conseguindo-lhes material e espaço para a pintura de bandeiras, ou advogado para assisti-los em casos de pequenas infrações. E também a mudanças mais substanciais, a começar pela segurança dos estádios. “Isso inclui um transporte público eficiente e medidas como um número suficiente de saídas de emergência, eliminação das grades ou, se isso não for possível, que elas tenham portas de fuga que permitam a passagem de torcedores em caso de necessidade”, diz.

Martin também sugere a divisão das arquibancadas em vários setores menores e a volta de áreas de ingresso mais barato, com lugar para se ficar em pé. Ou seja, a velha “geral”, eliminada na reforma do Maracanã. “Sem ela, os ingressos encarecem, o que acaba excluindo os torcedores mais pobres. Além disso, nas torcidas, música e dança fazem parte do espetáculo do futebol. E não se dança sentado”, explica.

No Rio, como no resto do país, o pesquisador acredita que a resistência da opinião pública é ainda muito forte. “A mentalidade é a de reagir a tudo com repressão; o pensamento da sociedade é punitivo. Mudar para a prevenção e projetos que envolvam os torcedores ainda é difícil, principalmente quando há tantos problemas graves no país”, reconhece. Para ele, a comissão Paz no Esporte, do Ministério do Esporte, é uma iniciativa que pode ser um começo para se pensar alternativas. “Um representante do ministério que esteve na Inglaterra e viu de perto esse projeto visivelmente mudou seu discurso”, anima-se.

E se localmente a idéia é a de inclusão, ao se pensar em eventos mais amplos, como uma Copa do Mundo, o raciocínio não é diferente. Mudam apenas as medidas. Nesta Copa, por exemplo, a Alemanha recebe as torcidas estrangeiras com as “embaixadas de torcedores”. “Essas embaixadas ajudam as torcidas, procurando atender suas necessidades, em seu próprio idioma”, explica.

Organizadas pela FSI – Football Supporters International, rede internacional de Projetos para Torcedores Nacionais, elas contam com equipes fixas (organizadas pelo país que promove o evento) e móveis (organizadas por cada um dos países participantes), preparadas para ajudar os torcedores a se sentirem bem-vindos e a acompanhá-los, dando-lhes suporte num país estranho. A ajuda inclui desde guias informativos a um serviço de apoio telefônico 24h. Além das embaixadas, iniciativas como a instalação de telões gigantes em grandes espaços ao ar livre, para que os que não conseguiram ingresso possam assistir aos jogos, e a programação de atrações em torno desses telões contribuem para criar um clima festivo e desestimulam conflitos.

“Na Eurocopa de 2004, em Portugal, por exemplo, tivemos os melhores resultados. A polícia portuguesa comportou-se exemplarmente, tal como foi sugerido pelo projeto, com uniformes menos agressivos e agindo de forma não acintosa. Em caso de incidente, entrariam os policiais comuns. Mas não houve nenhum conflito ligado ao futebol. Pelo contrário, houve até peladas de rua, em campos infláveis, disputadas amigavelmente por torcidas de diferentes países”, entusiasma-se Martin.

Desde as primeiras embaixadas, em 1990, organizadas na Copa da Itália, como forma de prevenir os episódios violentos que haviam marcado campeonatos anteriores, a experiência foi repetida e ampliada nas Copas seguintes, adotada por países como Holanda, Inglaterra, França e Suíça. Segundo Martin, até mesmo os ingleses, tristemente famosos pela fúria dos hooligans, andam “bem-comportados” nos estádios.

“Muitos usam cabeça raspada, são enormes, bebem quantidades industriais de cerveja e parecem assustadores quando cantam ´there are 10 german bombs in the air´. Mas se os policiais forem preparados para não aceitar provocações e houver cerveja suficiente, eles apenas bebem até cair. Foi assim na última Eurocopa. O problema é acabar a cerveja…” Segundo Martin, os alemães bebem tanto quanto os ingleses, mas também costumam querer conhecer o país onde estão. E a ajuda das embaixadas é sempre útil para isso.

Nesta Copa do Mundo, o Brasil não contará com sua própria embaixada, mas o próprio Martin fará parte das equipes fixas nas cidades onde o Brasil jogará. Em Berlim, na Ku´dammen; em Munique, na Marienplatz; e em Dortmund, na Friedenplatz.

>O poder jovem nas torcidas organizadas de futebol

>
Vinicius Zepeda
© FAPERJ – 18/06/2010

Em época de Copa do Mundo, as rivalidades ficam de lado e os torcedores se unem pela vitória da Seleção.Fonte: ayrton.com/360/archives.

Até meados de julho, flamenguistas, tricolores, botafoguenses e vascaínos deixam as diferenças de lado e se unem para torcer pela pátria de chuteiras durante a Copa do Mundo, na África do Sul. Como eles, torcedores de todos os times do País se unem numa só torcida. No resto do planeta, todos os corações vibram e lutam numa batalha em que fuzis e confrontos são substituídos pela bola, a trave, os esquemas táticos 3-5-2, 4-4-2, 4-3-3, 4-5-1, entre outros,além das partidas entre adversários pelo título mundial de futebol. Já o que assistimos fora da Copa do Mundo é um espetáculo de torcidas rivais, que conjuga ao mesmo tempo a beleza das torcidas, entoando hinos e canções de provocação aos rivais, erguendo faixas e fazendo coreografias com a violência e a intolerância com o diferente, que por vezes pode gerar até mesmo mortes. Afinal, as torcidas nada mais são que um microcosmo da sociedade, para o bem e para o mal. Esta é a tese defendida pelo historiador, professor e pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Bernardo Borges Buarque de Hollanda, que acaba de publicar, com apoio do programa Auxílio à Editoração (APQ 3) da FAPERJ, o livro O Clube como vontade e representação – O jornalismo esportivo e a formação das torcidas organizadas de futebol no Rio de Janeiro.

“Flamengo, Flamengo/Tua glória é lutar/Flamengo, Flamengo/Campeão de terra e mar.” O verso, adaptado do hino oficial do clube, foi cantado ininterruptamente por quase cinquenta anos durante a entrada do time em campo pela Charanga – primeira torcida organizada do Flamengo e do Rio de Janeiro – liderada pelo baiano Jaime de Carvalho e que, de uns anos para cá, retomou aos estádios nacionais. “O baiano trouxe para as arquibancadas instrumentos rítmicos e de sopro, os metais, além de confetes e serpentina típicos do carnaval”, explica o pesquisador. O fenômeno foi incentivado pelo jornalista Mário Filho (1916/1976), que criou um concurso de torcidas que tocavam marchinhas. Dono do Jornal dos Sports, ele estimulou, no final dos anos 1930, a criação da identidade do futebol como espetáculo das massas populares. “Até aquela década, os jornais mal falavam sobre esportes e as poucas notícias que apareciam se referiam a corridas de cavalos e regatas”, ensina.

O baiano Jaime de Carvalho no meio da Charanga, a primeira torcida organizada do Rio de Janeiro. Fonte: http://www.flamengoeternamente.blogspot.com.

O livro de Bernardo Buarque é essencialmente o resumo da tese de doutorado em História Social da Cultura, no Departamento de História, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), defendida ano passado. O estudo teve como fonte de pesquisa os arquivos do Jornal dos Sports, mais especificamente as matérias e fotos não publicadas, além de entrevistas com chefes de torcidas. O pesquisador da FGV acrescenta que, quando o jornalista Mário Filho comprou o Jornal dos Sports, começou também a publicar crônicas esportivas, fotos e entrevistas com jogadores de futebol. “Isso ajudou a transformar a imagem do futebol, até então aristocrático, em esporte de massas”, complementa.

Torcidas jovens criam o hedonismo no futebol

Em 1967, como dissidência à Charanga, do Flamengo, surge a primeira torcida jovem do estado do Rio de Janeiro: a Poder Jovem, que dois anos depois se transforma na Torcida Jovem Fla (TJF). No contexto da época, a TJF surge influenciada pela rebeldia da juventude da época e com proposta bem diferente da que vigorava na torcida criada pelo baiano Jaime de Carvalho. “Enquanto o baiano não admitia vaias ou hostilidade aos jogadores, a nova geração de torcedores, capitaneada pela Jovem Fla, queria protestar e criticar a atuação da equipe nos estádios”, explica Bernardo Buarque. Em 1971, surge o primeiro Campeonato Brasileiro de Futebol nos moldes do que temos hoje, em que o Atlético Mineiro sagrou-se campeão. As torcidas jovens que começam a comparecer aos estádios se tornam também torcidas organizadas devido à infraestrutura que criam para assistir aos jogos de seus times. É quando começa a aparecer o chamado hedonismo no futebol, que segundo o historiador caracteriza-se pela perda da identidade individual, diluída no prazer coletivo de viver para e pela torcida. “Isso acontece porque essas torcidas viraram verdadeiros grêmios recreativos, com sede própria independente do clube, taxa de inscrição e sócios, além de excursões para acompanhar os jogos em outros estados”, acrescenta.

Já nos anos 1970, acompanhando o contexto político do País e do mundo, as torcidas passam a protestar também contra a ditadura militar. “Não foi à toa que a primeira faixa a favor da anistia dos presos políticos no Brasil foi aberta num jogo do Corinthians, pela Gaviões da Fiel”, explica Bernardo. A democratização, no fim dos anos 1980, é acompanhada por uma grande decepção com o novo governo, inflação galopante, delinqüência juvenil e escalada da violência com o tráfico de drogas e o surgimento do crime organizado, com o Comando Vermelho no Rio de Janeiro. As torcidas então começam a se tornar violentas, seus seguidores passam a ser tachados de vândalos, numa espécie de reflexo da juventude perdida, a geração Coca Cola cantada na música de Renato Russo (1960/1996).

“Vale destacar que o grosso dessas torcidas é de jovens entre 14 e 25 anos, suscetíveis à necessidade de autoafirmação diante do grupo”, afirma. Ele acrescenta que, segundo teoria com origem no século XIX, elaborada por Gustave Le Bon, o jovem, que geralmente se considera fraco sozinho, em bando se acha invencível. “Assim, a torcida passa a ter vida própria e os jovens se tornam apenas peças da engrenagem. O estádio passa a ser o local das transgressões, o futebol funciona como catarse coletiva, em que palavrões e xingamentos nada mais são do que expressão dos preconceitos arraigados da sociedade”, diz Bernardo.

Enquanto o jogo acontece em campo, a provocação entre as torcidas toma conta das arquibancadas. Fonte: Torcida Youg Flu.

O historiador lamenta a escalada da violência nos estádios, que, em 1988, contabilizou a primeira morte de líder de torcida, Cleo, da Mancha Verde, do Palmeiras. Nesse contexto, ele explica que o ciclo de rivalidades perde a noção originária do futebol – sublimar a violência das armas com a leitura tática do jogo ganho com gols e o confronto pacífico de times em busca do gol – e passa a ser um espaço de guerra no sentido literal do termo. Como as torcidas crescem e se multiplicam, elas passam a reproduzir conflitos até entre seus integrantes, copiando a estrutura típica das facções criminosas. Com o aumento do preço dos ingressos nos estádios, muitas vezes os torcedores nem chegam a entrar para assistir aos jogos, ficando do lado de fora para provocar brigas entre seus próprios membros ou com torcedores de outro time. Seus símbolos passam a ser bélicos: canhão (Raça Rubro-Negra), cão buldogue (Fúria Jovem do Botafogo), Eddie – caveira símbolo da banda de heavy metal Iron Maiden (Força Jovem do Vasco), o vilão dos quadrinhos Duende Verde (Torcida Young Flu). Com a escalada de violência nos estádios, de fins dos anos 1980, várias iniciativas vêm sendo tomadas, desde policiamento ostensivo nos arredores dos estádios à escolta das torcidas e campanhas na mídia pela paz no futebol. Os resultados, no entanto, ainda são tímidos e bastante aquém do esperado.

O projeto para a Copa de 2014 no Brasil e o futuro das torcidas

Em sentido horário, símbolos das torcidas jovens de Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco. Reprodução.

Outro indicativo de como o futebol é um reflexo da sociedade é o poder político que líderes de torcida passaram a ter na eleição de dirigentes dos clubes. “O maior exemplo disso no futebol carioca pode ser personificado pelo ex-presidente do Vasco, Eurico Miranda, que chegava a distribuir até cinco mil ingressos em dia de jogo para os líderes de torcida”, lembra Bernardo. Ainda que caminhando a passos lentos em todo o País, a profissionalização do futebol parece ter ganho força, a partir dos anos 1980, com a transmissão cada vez mais freqüente dos jogos pela televisão, com a perda do de amor à camisa, com os jogadores transformados em mercadoria. “Há mais de vinte anos que os clubes operam deficitariamente, e seu lucro não vem mais da venda de ingressos para o público que comparece aos estádios, mas dos contratos para transmissão dos jogos pela TV e das transações com jogadores”, explica.

O novo modelo de adequação dos estádios às normas da Federação Internacional de Futebol (Fifa) e que vem sendo adotado pelo Brasil prevê não apenas a redução do número de assentos, como o aumento do preço dos ingressos. “Acredito que o futebol continuará a ser o esporte mais popular do País por conta da televisão, mas o alto preço dos ingressos e a extinção da antiga geral no Maracanã tende a tornar o público cada vez mais elitista. O povão vai se contentar em ver o jogo pela televisão”, explica o historiador.

Nesse contexto, Bernardo Buarque destaca o surgimento, em 2006, da chamada “antitorcida organizada”, assim denominada por suas características, contrárias às tradicionais torcidas jovens. “Formadas em geral por jovens de classe média, elas não cantam palavrões, não têm símbolos próprios e, como as charangas, não vaiam. Ao contrário, apoiam incondicionalmente o time. São elas a Urubuzada (Flamengo), Legião Tricolor (Fluminense), Loucos pelo Botafogo e Guerreiros do Almirante (Vasco)”, conclui.

>Incerteza, previsão e futebol, II

>
Simon Kuper and Stefan Szymanski, em Why England Lose, desenvolvem um algoritmo de computador que prevê resultados de jogos de futebol. Para essa copa, o algoritmo prevê a vitória do Brasil. Veja a ilustração da simulação abaixo, e a reação inglesa, à época do lançamento do livro, mais abaixo.

By SectionDesign, in Information is Beautiful.

Why England Lose by Simon Kuper and Stefan Szymanski
Two authors bravely attempt to explain England’s footballing failure and, like the team, ultimately lose, says David Runciman
The Observer, Sunday 9 August 2009
Michael Lewis’s Moneyball (2003) is one of those rare books that changed the way an entire industry operates. It told the story of Billy Beane, general manager of the Oakland Athletics baseball club, who turned a poorly resourced side into perennial winners by ditching the traditional tools of sports management – gut instinct, camaraderie, riding your luck – in favour of hardcore statistical analysis (known in baseball as sabermetrics).
steve mcclaren

Former England manager Steve McClaren speaks to the press after being sacked for failing for qualifying for Euro 2008. Photograph: Tom Jenkins

Once Lewis had explained how Oakland did it, their rivals started to follow suit and baseball teams began replacing gnarled old scouts with pointy-headed number-crunchers (which meant, among other things, that Moneyball cost Oakland its competitive advantage and the team is now back at the bottom of its league). Soon, other sports wanted in. The back offices of basketball, American football and ice hockey franchises are all filling up with maths graduates poring over spreadsheets of player performance looking for the secret of success.

At the same time, Moneyball changed the way publishers approached sports-writing. A good sports story needs plenty of human interest to sell and that has usually meant trying to see things from the players’ point of view. But Lewis revealed that the players often have no idea what they are doing and that sometimes only the numbers can tell the true story. Well before Freakonomics appeared on the scene, he showed how statistical analysis can provide all the human interest you need, just so long as you understand what the numbers are telling you.

Inevitably, these trends have crossed the Atlantic. For the past couple of years, the more progressive English football managers have been name-checking Moneyball and hinting at a statistical management revolution, though it’s not clear any of them has worked out what kind of statistics they are looking for. And now we have Why England Lose, a self-conscious attempt to write the Moneyball of football. If anyone can do it, it ought to be these two authors – Szymanski has recently published the best introduction to sports economics, Playbooks and Checkbooks, while Kuper is probably the smartest of the new generation of super-smart sportswriters. Unfortunately, their new book is a bit of a mess. It shows that doing a Moneyball is not as easy as it looks.

It doesn’t help that the weakest chapter is probably the first, in which the authors set out to answer the question that gives the book its title – why do England always lose at major tournaments? Given that it is one of the requirements of the genre that the numbers should tell us things we can’t see for ourselves, they have to pretend there is something utterly confounding about England’s failure. They quote tabloid expectations of England success before each World Cup as evidence that we go into every tournament expecting to win and are baffled when we don’t. But this is patronising as well as lazy; tabloid jingoism isn’t evidence of anything much except a desire to sell newspapers. Most England fans hope that England will win, but they hardly expect it, which is why it would be such a treat if it ever happened.

The real problem, though, is that Kuper and Szymanski can’t decide what it is they are trying to explain. On the one hand, they show that England’s record in all competitive matches, including qualifying tournaments, is actually slightly better than one might expect, given size and resources, meaning that on the whole England don’t lose. On the other hand, they argue that England’s record of failure at major tournaments can be put down to class and geography. English football remains a resolutely working-class sport, which means it is excluding middle-class talent, while England’s position on the fringes of Europe means we are not plugged in to the right networks for coaching and tactical innovation. So England are over-performing and underperforming at the same time.

But the truth is that England’s failure to win a World Cup since 1966 is really not that statistically significant. World Cups are eventually knock-out tournaments and knock-out competitions, especially since the introduction of penalty shoot-outs, depend a great deal on chance. Billy Beane never worried about Oakland’s failure to win the World Series (the knockout competition that rounds off the baseball season) because that was too often a matter of luck; it was only over the regular league season of 162 games that a small statistical advantage had the time to tell. Kuper and Szymanski admit as much (they even quote the relevant passage from Moneyball), so one finishes this chapter not with a sense that something curious has been explained by statistical analysis, but that the relevant statistical sample is simply too small to bear much explanation at all.

In their desire to ape an approach that was developed to analyse the highly distinctive sport of baseball, Kuper and Szymanski seem to lose sight of what is distinctive about football. They devote a chapter to explaining why the regular complaint that football has become too unequal (ie the rich clubs always win) is self-defeating, because inequality is part of football’s appeal. But though this is true, they miss the most obvious reason for it. Unlike baseball (indeed all other American sports), football is a low-scoring game that can end in a goalless draw. Every goal is an event, no matter how unequal the contest. Frankly, a Major League baseball game that ends 9-0 is a bit of a bore, but a Premier League game that finishes 9-0 lives on in the memory.

Equally, unlike baseball, football is not a sport that can easily be broken down into self-contained slices of action. It moves around the field in long, often chaotic sequences that, despite ProZone’s best efforts, are very hard to capture on statistical spreadsheets. The one part of the game that is clearly amenable to this sort of analysis is the penalty shoot-out and Kuper and Szymanski devote a chapter to it here. But it’s pretty elementary stuff and the conclusion – that the best penalty-takers don’t always shoot to their best side but randomise the sequence so as to keep the goalkeeper guessing – is hardly a tale of the unexpected. Serious sabermetrics really does look like rocket science in comparison.

There are still plenty of good things in this book. The best chapters are more conventional economics than freakonomics, explaining how and why money flows through the game, including an eye-popping account of how poorly the financial side of the sport is still managed by people with much more money than sense. There are also some fascinating stories, of which the most tantalising is a brief account of the rise of Olympique Lyonnais from relative obscurity to total dominance of French football, under their innovative owner, Jean-Michel Aulas. The success of Lyon and Aulas is probably the closest football has to the story of Oakland and Billy Beane, but Kuper and Szymanski are so keen to touch base with everything that they don’t give it the space it deserves.

It would also have been nice to hear more about the very few managers who seem to have found something in the numbers that everyone else is missing. The authors describe Arsène Wenger as one of the heroes of this book, but we learn almost nothing about him or his methods. No doubt access was a problem – managers such as Wenger are notoriously secretive. We also hear almost nothing about the most interesting man currently working in the football business, Jose Mourinho. Like Wenger, Mourinho has turned football management into a cross between an economics seminar and a personality cult. Neither man has won the Champions League with an English club, but then the Champions League becomes a knockout tournament in its later stages, so it doesn’t count. Instead, Mourinho is the possessor of one of the most remarkable statistical record in world sport – no team he has managed (Porto, Chelsea, Inter) has lost a league match at home since February 2002, a scarcely credible run of 117 matches. That is a truly curious football phenomenon that would be worth trying to explain, if only anyone could get close enough to find out how he does it. The Moneyball of football remains to be written.

>O futebol na terra do homem cordial

>
Fundação Getúlio Vargas abre as portas para o futebol e discute a relação do esporte com a sociedade, a literatura, a museologia e o cinema.

Thiago Camelo
Ciência Hoje, 02/06/2010

Estádio lotado. Um esporte que se confunde com as nossas emoções mais profundas e, por isso, ajuda a entender quem somos (foto: CC BY-NC 2.0 / Yan Boechat).

Kaká, Ronaldinho, Pelé e Tostão. Craques brasileiros, ídolos. Alguns mitos. Mitos com uma singularidade: têm apelidos de gente comum, diminutivos carinhosos. O que poderia ser apenas uma engraçada coincidência é, na verdade, prática repetida à exaustão com milhares de jogadores brasileiros. Então, fica a pergunta: o que será que os inhos no final do nome dos nossos ídolos dizem sobre o Brasil?

Para o ensaísta, compositor, pianista e – também – fã de futebol José Miguel Wisnik, os apelidos dos ídolos dizem muito sobre o que somos.

Os apelidos dos jogadores de futebol 
– Ronaldinho, Robinho, Jairzinho – 
dizem sobre como somos

Em um debate na sexta-feira passada que uniu futebol e ciências sociais e humanas na Fundação Getúlio Vargas (FGV – RJ), o autor do livro Veneno remédio (2008), obra que traça as linhas de encontro e desencontro entre o futebol e os hábitos dos brasileiros, disse:

– A gente não abre mão de chamar nossos heróis de forma infantil. É a nossa clássica mistura do privado e do público, como explica Sérgio Buarque em Raízes do Brasil. Temos medo de assumir responsabilidades. Não somos como os europeus. Quando eles entram em campo, vemos um desfile de sobrenomes.

Wisnik, que estava na mesa junto com o mediador Bernardo Buarque de Hollanda, era só parte de um evento. Durante todo o dia, falou-se também de temas como o Museu do Futebol, em São Paulo, e a relação do cinema com o esporte.

Dribles em palavras

É inegável, no entanto, que o ponto forte do dia foi a manhã, quando Wisnik falou. Quem já o viu dissertar, seja sobre música, política e outros assuntos, sabe o dom que o ensaísta tem com a palavra. E sabe também a sua capacidade – nada leviana – de fazer a ligação de tudo com qualquer coisa. Ouvindo-o, acreditamos que o mundo é feito de conexões.

Assim, a comparação do homem cordial (aquele que pretere as formalidades), de Sérgio Buarque, com o modo que o brasileiro trata o futebol não soa forçada. Também vai bem a analogia entre Macunaíma e Garrincha, “um avatar do personagem de Mário de Andrade”, segundo Wisnik.

Em época de Copa do Mundo, não houve como fugir da pergunta: qual seria o Brasil representado pela seleção de Dunga?

Wisnik responde no vídeo abaixo.

Um museu popular

Na mesa da tarde, foi a vez da diretora do Museu do Futebol, Clara Azevedo, contar sua experiência em São Paulo: tocar um museu destinado à preservação do esporte num lugar que se intitula ‘país do futebol’. E mais: organizar a empreitada dentro do estádio do Pacaembu, casa informal do Corinthians, o maior clube da cidade.

“É muito legal ter um museu sobre futebol 
dentro de um estádio. É a história 
acontecendo debaixo do seu nariz”

– É muito legal ter um museu sobre futebol dentro de um estádio. É a história acontecendo debaixo do seu nariz. Em jogos menores, o estádio funciona junto com o jogo, dá para sentir a vibração da arquibancada – conta Clara, que tem de lidar com algumas críticas. – Muita gente diz que o museu usa só tecnologia, que é um museu sem acervo. Acho isso uma besteira.

Oferta de acervo, aliás, é o que não falta ao Museu do Futebol. Clara diz que vários colecionadores já quiseram deixar aos cuidados dela suas preciosidades, que variam de “15 chaveiros do Corinthians” a “fotos antigas de jogos de futebol”.

A diretora do Museu de Futebol, Clara Azevedo, fala em evento na FGV. Para ela, o futebol permite que as pessoas vão ao museu e opinem com o sentimento de entender sobre o que estão falando (foto: Thiago Camelo).

A diretora acha a questão delicada, já que não pode lidar com tanta demanda para conservação de objetos. Mas avisa que anota todos os pedidos e, otimista, pondera:

– No fundo, é uma questão positiva. Porque em nenhum outro museu acontece de ter gente oferecendo peças de modo gratuito. É sinal de que o país tem uma preocupação com a memória.

A bola na tela

Na última mesa, estavam os professores Hernani Heffner e Victor de Melo, ambos para falar sobre os filmes que têm o futebol como temática. O cerne do discurso dos dois foram “as dificuldades” – os contratempos técnicos de se realizar um filme sobre futebol, esporte tão imprevisível que não comportaria o cinema – e a já conhecida incapacidade de se conservar películas no Brasil. (Esta última ‘dificuldade’ soa irônica num espaço em que, logo antes, a curadora do Museu do Futebol dera o seu relato sobre futebol e memória.)

Outra curiosidade, e agora sobre o evento como um todo, foi o assunto insistente nas três mesas: a imprevisibilidade do futebol e como ela afeta a área de interesse dos palestrantes. São muitos os relatos, mas fica a citação de Wisnik – o homem que acha o elo entre qualquer tema – do trecho da letra de O futebol, de Chico Buarque, que canta o que a mágica do drible pode fazer com a vida.

parábola do homem comum
roçando o céu
um
senhor chapéu

Thiago Camelo
Ciência Hoje On-line

>Retorcidas: violência no futebol (Folha Mais!)

>
A comunidade moral

JOSÉ PAULO FLORENZANO
ESPECIAL PARA A FOLHA

28 fev 2010

Década de 60 marcou a ascensão das torcidas organizadas, que passaram de coadjuvantes a protagonistas do espetáculo ao adotarem a “metáfora da guerra”

Foto: Torcedores são-paulinos durante partida em Barueri (SP). Ricardo Nogueira – 28.jan.10/Folha Imagem.

As torcidas organizadas, no Brasil, assim como os agrupamentos ultras, na Itália, começaram a ocupar as arquibancadas e a modificar o clima e a paisagem dos estádios a partir dos últimos anos da década de 1960. Lá, como cá, abandonaram a condição de simples espectadores da partida de futebol para desempenhar o papel de protagonistas do espetáculo que elas próprias criavam e desenvolviam, inspiradas pela “metáfora da guerra”, como mostra a perspectiva antropológica de Alessandro Dal Lago.

A violência, no entanto, não se restringia aos limites de uma batalha simbólica, mas se deslocava no espaço, driblava as medidas de repressão e adquiria, ao longo do tempo, forma e intensidade, alcance e significados muito diversos. De fato, como mostram os estudos feitos na Itália, os jovens torcedores logo enveredaram pela estrada do antagonismo violento, militarizaram-se, adotaram a “lógica da guerra”.

Isso os levava a planificar com antecedência a escolha do lugar da luta, a calcular o momento certo da ação, a delinear previamente a tática a ser empregada no combate travado cada vez mais fora das praças esportivas.

Ao mesmo tempo, procuraram alcançar um consenso em torno das “regras do jogo” no qual se achavam imersos -isto é, definir as armas, os atores e as circunstâncias do confronto. Uma circular redigida por integrantes do movimento buscava estabelecer os ditames do comportamento ultra: “Não se toca nas mulheres e nos velhos e não se enfrenta quem não tem nada a ver e não tem a possibilidade de se defender”.
Visto por esse prisma, o estereótipo da “horda de bárbaros embriagados” transfigurava-se, segundo o sociólogo Antonio Roversi, em uma “comunidade moral”. Esta era edificada com base em um repertório próprio de regras, dotado de mecanismos simbólicos de integração dos jovens reunidos na cultura da curva, na qual a violência desfrutava de um lugar privilegiado, mas não se revestia de uma forma caótica nem se desenvolvia de modo aleatório.

Ao contrário, ela se desenrolava no quadro das rivalidades e das alianças tecidas entre os diversos agrupamentos e de acordo com o código de comportamento aceito e partilhado pelos torcedores. A via brasileira apresentava pontos em comum com o percurso italiano, mas também se distinguia pela elaboração de características próprias e traços originais.

Nesse sentido, enquanto o caminho dos ultras atravessava o campo minado do extremismo político (alguns grupos se autodenominavam “brigadas”, em alusão ao partido armado identificado pela estrela de cinco pontas), o das organizadas desembocava na República do Futebol, paisagem histórica definida por inúmeras experiências de autonomia -como, por exemplo, o Trem da Alegria, idealizado por Afonsinho, e a Democracia Corintiana, liderada por Sócrates.

Aspectos contraditórios

Essa paisagem histórica, delimitada pelos anos de 1978 a 1984, contemplava ainda a iniciativa do jogador Wladimir de estender às gerais e arquibancadas o processo de mudança deslanchado no Corinthians: “As discussões são abertas aos diretores, aos jogadores, aos sócios e até à torcida”. Mas a participação desta última nos anos revolucionários do futebol brasileiro comportava aspectos contraditórios.

De um lado, ela promovia o salto de qualidade no exercício da violência, refletido tanto no conflito entre as organizadas do Santos e da Portuguesa -em 1979, na Taça São Paulo, com um saldo de 15 pessoas feridas- quanto nas brigas ocorridas antes, durante e após o clássico entre Santos e Corinthians, em 1983, com tiros disparados ao redor do estádio e focos de incêndio dentro do Morumbi.

De outro lado, ela reivindicava o direito de participação e o concretizava por meio de várias iniciativas. Entre elas, pode-se destacar, em 1977, o debate sobre a criação de uma Associação das Torcidas Organizadas; em 1978, a greve promovida pela Torcida Uniformizada do Palmeiras contra o desgoverno implantado no clube; em 1981, a crítica da Torcida Jovem do Santos à fórmula esdrúxula do Paulista; e, em 1984, a presença da Gaviões da Fiel nos comícios das Diretas-Já.

Violência e participação se constituem, portanto, nos fatores decisivos do universo das organizadas. Isso significa que, além do combate imprescindível e sem tréguas à impunidade dos atos brutais, o enfrentamento do problema atual pode incluir a criação de novos canais de participação e espaços de debate. De fato, como diz o sociólogo Antonio Roversi, juízos acusatórios e categoriais morais impedem a compreensão do quadro dinâmico das torcidas.

Eles não permitem, assim, elucidar as linhas de continuidade, identificar os pontos de ruptura, apontar as reviravoltas que ora as colocam no exercício de uma violência desregrada, ora as aproximam da prática democrática elaborada em conjunto por aqueles que desejam reinventar a República do Futebol e manter, tanto quanto possível, a rivalidade dos jovens torcedores nos limites de um duelo simbólico.

JOSÉ PAULO FLORENZANO é professor de antropologia na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, bolsista da Fapesp e autor de “A Democracia Corinthiana” (Educ).

Os sem-política

Transformado em peça na máquina de consumo compulsivo, torcedor é vítima maior da despolitização que atinge a sociedade

LUIZ HENRIQUE DE TOLEDO
ESPECIAL PARA A FOLHA

Assistência” foi um termo muito comum propagado pela imprensa esportiva até os anos 1930, condenando à passividade os torcedores mais populares. Estes se diferenciavam dos sócios, indivíduos notabilizados por laços mais estreitos, inclusive de parentesco, com os integrantes dos clubes.

A inauguração do estádio do Pacaembu, em São Paulo, e a transformação do futebol em evento de massa nos anos 40 redimensionaria os espetáculos futebolísticos e a importância dos torcedores.

Eles passaram a ser motivo de preocupação mais detida de parte dos poderes públicos, da imprensa e daqueles que organizavam os eventos, em virtude da intolerância e das rinhas que, diga-se de passagem, já existiam desde a época do amadorismo anterior aos anos 30. Os jornais não se cansavam de censurar as “desinteligências” frequentes promovidas pelo mau comportamento generalizado.

Faixas e cartazes

Foi nesse momento, então, que surgiram as primeiras organizações uniformizadas, indivíduos que acompanhavam as partidas em bloco, cantando, exibindo faixas e cartazes homenageando jogadores, cronistas esportivos e o próprio poder público.

Reciprocamente, a imprensa esportiva e os dirigentes dos clubes prestigiavam esses uniformizados por acreditarem que formavam um corpo elitizado (entenda-se “civilizado”) no meio da massa.

Essa situação foi alterada com o aparecimento das torcidas organizadas, já no final dos anos 60.

Tratava-se de agrupamentos com nítida inspiração popular que se autonomizaram em relação aos interesses mais imediatos dos dirigentes e estabeleceram outros padrões para o ato de torcer.

Os ciclos de violência intensificados nos anos 90 e a ingerência cada vez maior da TV e dos canais pagos repercutiram na necessidade imposta por uma nova conduta torcedora.

Foi nessa conjuntura de políticas de repressão às organizadas que se inventaram os sócios-torcedores -analogia opaca que alude a uma espécie de acionista minoritário do clube- e o torcedor de poltrona, que paga para ver seu time pelo sistema pay-per-view, serviço oferecido pelos canais fechados (elitistas, não?).

Portanto, formas físicas ou simbólicas de violência não constituem um corpo necessariamente estranho dentro desse universo. Dirigentes que motivam os seus publicamente, ainda que de modo figurado, na lógica da contenda tendem cada vez mais a levar o espetáculo sacrificial para dentro da casa de cada torcedor plugado na web.

Há que saber administrar as formas da belicosidade que, de resto, é constitutiva do futebol. Assim como as organizadas não reproduzem toda a extensão do torcer, elas também não contêm todas as variáveis que explicam a violência tomada como linguagem de todos.

Ambientadas e nutridas nas dinâmicas de poder, as organizadas reproduzem os sucessos e fracassos das organizações sociais que conformam o que visualizamos por sociedade.

Nenhum destes aspectos lhes faltam: burocracia, hierarquias, lógicas de distinção, comprometimentos políticos com projetos coletivos próprios ou negociados com outros atores, discurso da parlamentarização das relações e, obviamente, violência instrumental nutrida por masculinidades hegemônicas, homofóbicas, e intolerâncias já esparramadas por toda a sociedade.

Vingança inconclusa

O problema não são as organizações em si. No geral, o comportamento belicoso e intolerante se manifesta de modo mais desgarrado, individualizante e descompromissado com qualquer projeto coletivo, descentralizando práticas e comportamentos que fogem em muito ao controle das elites torcedoras.

Como uma espécie de vingança inconclusa, as mortes se sucedem há décadas em nome de honras difusas em torno da adesão aos clubes. Elas certamente estão relacionadas ao desmonte da dimensão lúdica do jogo e ao esgarçamento da sociabilidade em uma sociedade armada.

Embora as imagens dos últimos acontecimentos mostrem hordas de torcedores se digladiando, não há guerra ali, não há cadeia mecânica de mando e obediência.

Essa é justamente a linguagem desgastada do poder que tem no fantasma da desordem unida a sua face oculta, mas companheira de todas as horas. Das instâncias policiais e judiciais espera-se apuração e indiciamento daqueles indivíduos que estiveram diretamente envolvidos nos confrontos generalizados.

Mas o que esperar daqueles que administram o futebol: os dirigentes de clubes, os políticos e as elites torcedoras? O cerne da questão parece residir na baixa qualidade das relações políticas travadas entre esses agentes. Não bastam reuniões administrativas para resolver a conduta torcedora neste ou naquele jogo em específico. A despolitização de longo prazo que se impinge aos torcedores só faz minar os investimentos coletivos em nome de outras violências instrumentais parciais, inclusive legais.

O desinvestimento orquestrado que se faz na cultura do torcer -transformada em mera coadjuvante da maquinaria do consumo compulsivo- também não colabora para o processo de cidadania esportiva, sobretudo às portas dos megaeventos que se avizinham por aí.

LUIZ HENRIQUE DE TOLEDO é antropólogo e professor na Universidade Federal de São Carlos (SP). É organizador de “Visão de Jogo – Antropologia das Práticas Esportivas” (Terceiro Nome).

Novo Estatuto irá responsabilizar organizadas

DA REDAÇÃO

Durante encontro com o ministro dos Esportes, Orlando Silva Jr., na quarta-feira, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, concordou em agilizar a tramitação de um projeto de lei que altera o Estatuto do Torcedor.

O texto define penas de reclusão para torcedores que praticarem atos de violência e responsabiliza civilmente as torcidas organizadas pelos danos causados por seus membros. O projeto, de autoria do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), está em fase de análise por comissões do Senado, que pode ser abreviada mediante acordo das lideranças.

A discussão foi reforçada após confrontos, no último domingo, entre torcedores de São Paulo e Palmeiras, que resultaram em um morto e pelo menos 20 feridos.

Torcidas-empresas

Organizadas se converteram em lugares de negócios, valendo-se do marketing e do merchandising para competir com o material dos clubes

BERNARDO BUARQUE DE HOLLANDA
ESPECIAL PARA A FOLHA

Em caravana de apoio ao clube que contagiou o país no final dos anos 1970, o Corinthians Paulista, no seu drama de perseguição por um título depois de quase duas décadas de jejum, os Gaviões da Fiel distribuíam um folheto aos viajantes. O lembrete aos corintianos prescrevia: “Não corra, não mate e não morra”.

O prospecto foi na época guardado pelo sociólogo Sérgio Miceli e consta da abertura de um dos primeiros artigos acadêmicos sobre o fenômeno das torcidas organizadas no Brasil. Em 1978, o texto foi publicado pela “Revista de Administração de Empresas”, da Fundação Getúlio Vargas (RJ). Passadas mais de três décadas de sua publicação, o lembrete ainda ecoa como advertência, mas muito pouco de sua prudente recomendação parece ser hoje aplicável a determinados setores de torcidas organizadas.

Correr, matar e morrer tornaram-se verbos até certo ponto corriqueiros, atrativas palavras de ordem entre alguns adeptos dessas associações, como se pode observar nos incidentes fatais do último fim de semana, envolvendo torcedores de Palmeiras e São Paulo. As rodovias, as ferrovias ou quaisquer outros meios de acesso aos estádios são agora os locais privilegiados para o enfrentamento desses grupos.

Houve, de fato, uma mudança na dinâmica espacial dos confrontos entre torcidas organizadas. Se, até o final dos anos 80, as torcidas se confrontavam com mais frequência dentro dos estádios, a partir do decênio seguinte, a crescente vigilância em seu interior levou à sistematização das brigas para fora das arenas.

Desde então, a cada ano, o raio de ação da polícia nas imediações do estádio tem se alargado, criando uma espécie de segundo território de conflito. Este se afigura muito mais amplo e menos controlável em relação ao primeiro, o que coloca as forças da ordem diante de uma nova série de desafios a enfrentar.

Agonia

Conforme muitos estudiosos já assinalaram, a violência -bem como a busca por sua sublimação- é um componente agonístico liminar, constitutivo da sociedade e da atividade esportiva. Como tal, essa tensão, quer latente quer manifesta, está presente em um esporte popular como o futebol. No que diz respeito às torcidas organizadas, a especificidade de seus embates físicos é que ela assiste a ciclos violentos, verdadeiras “espirais” que fazem e desfazem vendetas ao sabor das gerações e das lideranças à frente dos grupos, com o efeito alarmante de difundir aquilo que na Europa se chamou de “pânico moral”.

A cada nova tragédia, a sociedade é instada a se mobilizar e a expiar os seus “bodes”. Quase sempre, a pedra de toque para a solução do problema recai na interdição das torcidas, por meio da simples extinção jurídica ou da proscrição dos “baderneiros”.

Como se isso fosse apenas uma questão de norma -e não, principalmente, de costume-, os decretos vêm redundando em sucessivos fracassos.

Por que a situação é tão difícil de ser solucionada? Em parte, porque a aparente barbárie que evoca o comportamento violento das torcidas constitui apenas sua franja superficial.

Quando se discute o problema, pouco se atenta para o fato de que as torcidas organizadas não estão apenas na contramão dos princípios desportivos ou nos antípodas do futebol mercantilizado moderno. De forma homóloga à lógica dos clubes-empresas, as agremiações de torcedores se tornaram elas próprias torcidas-empresas. Orbitam em torno dos clubes -razão de existirem-, mas são também autônomas, com sedes, símbolos, legendas, cânticos e logotipos que traduzem uma identidade à parte.

Seguindo o etos comercial, as torcidas organizadas converteram-se em lugares de negócios, passando a se valer do marketing, do merchandising e da oferta de uma série de produtos ligados a suas grifes. Elas competem, assim, com o material dos clubes e atendem à demanda de seu público consumidor, adolescentes e jovens seduzidos pelo pertencimento a uma coletividade.

A expansão em âmbito nacional das torcidas acarreta ainda o recrutamento de mais simpatizantes, o que leva ao seu alargamento simbólico-territorial, à semiprofissionalização de seus quadros e à formação de uma complexa rede de relações sociais.

Nos primórdios do futebol, dizia-se que a prática esportiva era uma atividade intrinsecamente amadora, razão pela qual o jogador não podia ganhar dinheiro com o jogo.

No Brasil, foi preciso esperar até os anos 1930 para que tal formulação fosse refeita, com a adoção do profissionalismo no futebol e com a transformação do jogador em atleta profissional, capaz de auferir astronômicos salários. Talvez hoje nós estejamos, em meio à globalização do futebol, onde tudo se comercializa e se rentabiliza, assistindo a um debate moral não muito distinto.

Se o torcedor representa a quintessência da paixão futebolística, último bastião de um idealizado “amadorismo”, até que ponto estaríamos dispostos a aceitar o fato de que o torcedor organizado pode fazer de sua atividade uma profissão legítima e legalizada?

BERNARDO BUARQUE DE HOLLANDA é pesquisador do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas (RJ).