Arquivo da categoria: racismo

‘Could Somebody Please Debunk This?’: Writing About Science When Even the Scientists Are Nervous (New York Times)

Milk has become a symbol for white supremacists who repurpose genetic research, because of a genetic trait known to be more common in white adults than others: the ability to digest lactose.
Milk has become a symbol for white supremacists who repurpose genetic research, because of a genetic trait known to be more common in white adults than others: the ability to digest lactose.Credit: Colum O’dwyer/EyeEm

By Amy Harmon

Oct. 18, 2018

Times Insider delivers behind-the-scenes insights into how news, features and opinion come together at The New York Times.

N. is a black high school student in Winston-Salem, N.C., who does not appear in my article on Thursday’s front page about how human geneticists have been slow to respond to the invocation of their research by white supremacists. (Note: N.’s full name has been removed to minimize online harassment.)

But the story of how he struggled last spring to find sources to refute the claims of white classmates that people of European descent had evolved to be intellectually superior to Africans is the reason I persevered in the assignment, even when I felt as if my head were going to explode.

N. had vowed to take up the subject for a persuasive speech assignment in his Rhetoric class. Googling for information that would help him, however, yielded a slew of blogs and videos arguing the other side. “There’s only one scientific response for every hundred videos or so,” he told me when we spoke on the phone.

“Could somebody please debunk this blog post, if it can be debunked?” he finally posted on the Reddit forum r/badscience. “It’s convincing me of things I really don’t want to be convinced of.”

I was introduced to N. by Kevin Bird, a white graduate student at Michigan State University who had answered N.’s Reddit query, and others that had been flooding that forum about claims of racial differences that invoke the jargon and scientific papers of modern genetic research.

I had misgivings about simply reporting on the rise of a kind of repackaged scientific racism, which I had been tracking as a national correspondent who writes about science. Under the coded term “race realism,” it implied, falsely, that science had found a genetic basis for racial differences in traits like intelligence and behavior. Why draw attention to it?

But a series of Twitter posts from Mr. Bird late last year crystallized a question that had been on my mind. Unlike in the case of climate change, vaccines or other areas of science where scientists routinely seek to correct public misconceptions, those who study how the world’s major population groups vary genetically were largely absent from these forums. Nor was there an obvious place for someone like N. to turn for basic, up-to-date facts on human genetic diversity.

“Right now the propaganda being generated from misrepresented population genetic studies is far outpacing the modest attempts of scientists to publicly engage with the topic,” Mr. Bird had tweeted. “Why,” he asked in another tweet, “are scientists dropping the ball?”

In the course of investigating that question, I spent many hours digesting scientific papers on genetics and interviewing their authors. Some of them, I learned, subscribed to a common ethos among scientists that their job is to provide data and let society decide what to do with it. Others felt it was not productive to engage with what they regarded as a radical fringe.

It was more than a radical fringe at stake, I would tell them. Lots of nonscientists were just confused. It wasn’t just N. Mr. Bird had fielded queries from a graduate student in applied physics at Harvard and an information technology consultant in Michigan whose Twitter profile reads “anti-fascist, anti-bigot.’’ I talked to an Army veteran attending community college in Florida and a professional video gamer who felt ill-equipped to refute science-themed racist propaganda that they encountered online. It had come up in a source’s book group in Boston. They wanted to invite a guest scientist to tutor them but couldn’t figure out who.

But another reason some scientists avoid engaging on this topic, I came to understand, was that they do not have definitive answers about whether there are average differences in biological traits across populations. And they have increasingly powerful tools to try to detect how natural selection may have acted differently on the genes that contribute to assorted traits in various populations.

What’s more, some believe substantial differences will be found. Others think it may not be feasible to ever entirely disentangle an immutable genetic contribution to a behavior from its specific cultural and environmental influences. Yet all of them agree that there is no evidence that any differences which may be found will line up with the prejudices of white supremacists.

As I struggled to write my article, I began, sort of, to feel their pain. With each sentence, I was striving not to give credence to racist ideas, not to misrepresent the science that exists and not to overrepresent how much science actually does exist — while trying also to write in a way that a nonscientist, like N., could understand.

It was hard. It did almost make my head explode. I tested the patience of a very patient editor. The end result, I knew, would not be perfect. But every time I was ready to give up, I thought about N. Here was a kid making a good-faith effort to learn, and the existing resources were failing him. If I could help, however incompletely — even if just to try to explain the absence of information — I felt that was a responsibility I had to meet.

A few weeks ago, as I was getting the story ready to go, I asked N. for an update. “I’ve read a lot more papers since then,” he wrote. (He aced his presentation.) “Many of my arguments are stronger, some have been discarded. I’ve also become much more aware of this stuff around me. In some ways, it’s regrettable, but in other ways, it’s satisfying knowing so much.”

Can Biology Class Reduce Racism? (New York Times)

By Amy Harmon

Dec. 7, 2019Updated 11:43 a.m. ET

COLORADO SPRINGS — Biology textbooks used in American high schools do not go near the sensitive question of whether genetics can explain why African-Americans are overrepresented as football players and why a disproportionate number of American scientists are white or Asian.

But in a study starting this month, a group of biology teachers from across the country will address it head-on. They are testing the idea that thescience classroom may be the best place to provide a buffer against the unfounded genetic rationales for human difference that often become the basis for racial intolerance.

At a recent training in Colorado, the dozen teachers who had volunteered to participate in the experiment acknowledged the challenges of inserting the combustible topic of race and ancestry into straightforward lessons on the 19th-century pea-breeding experiments of Gregor Mendel and the basic function of the strands of DNA coiled in every cell.

The new approach represents a major deviation from the usual school genetics fare, which devotes little time to the extent of genetic differences across human populations, or how traits in every species are shaped by a complex mix of genes and environment.

It also challenges a prevailing belief among science educators that questions about race are best left to their counterparts in social studies.

The history of today’s racial categories arose long before the field of genetics and have been used to justify all manner of discriminatory policies. Race, a social concept bound up in culture and family, is not a topic of study in modern human population genetics, which typically uses concepts like “ancestry” or “population” to describe geographic genetic groupings.

But that has not stopped many Americans from believing that genes cause racial groups to have distinct skills, traits and abilities. And among some biology teachers, there has been a growing sense that avoiding any direct mention of race in their genetics curriculum may be backfiring.

“I know it’s threatening,” said Brian Donovan, a science education researcher at the nonprofit BSCS Science Learning who is leading the study. “The thing to remember is that kids are already making sense of race and biology, but with no guidance.”

Human population geneticists have long emphasized that racial disparities found in society do not in themselves indicate corresponding genetic differences. A recent paper by leading researchers in the field invokes statistical models to argue that health disparities between black and white Americans are more readily explained by environmental effects such as racism than the DNA they inherited from ancestors.

Yet there is a rising concern that genetic misconceptions are playing into divisive American attitudes about race.

In a 2018 survey of 721 students from affluent, majority-white high schools, Dr. Donovan found that one in five agreed with statements like “Members of one racial group are more ambitious than members of another racial group because of genetics.”

A similar percentage of white American adults attribute the black-white income gap to genetic differences, according to an estimate by a team of sociologists published this fall. Though rarely acknowledged in debates over affirmative action or polling responses, “belief in genetic causes of racial inequality remains widespread in the United States,” wrote Ann Morning, of New York University, and her colleagues.

For his part, Dr. Donovan has argued that grade-school biology classes may offer the only opportunity to dispel unfounded genetic explanations for racial inequality on a mass scale. Middle schools and high schools are the first, and perhaps the only, place that most Americans are taught about genetics.

The new curriculum acknowledges there are minor genetic differences between geographic populations loosely correlated to today’s racial categories. But the unit also conveys what geneticists have reiterated: People inherit their environment and culture with their genes, and it is a daunting task to disentangle them. A key part of the curriculum, Dr. Donovan said, is teaching students to “understand the limits of our knowledge.’’

In the pilot study that helped Dr. Donovan secure a research grant from the National Science Foundation, students in eight classrooms exposed to a rudimentary version of the curriculum were less likely than others to endorse statements suggesting that racial groups have defining qualities that are determined by genes. The new study will measure the curriculum’s effect on such attitudes by asking students to fill out surveys before and after the unit.

The training exercise, which a reporter attended on the condition that names would be withheld to avoid jeopardizing the study, showed what it might take to offer students, as one Colorado teacher put it, “something better than ‘don’t worry about it, we’re 99.9 percent the same.’”

For the trainees, from five states and seven school districts, much of the opening morning was devoted to brainstorming how to check in with students, especially black students, who seem defensive or scared, sullen or silent, and how to recognize the unit’s fraught nature.

“Something like ‘These ideas are dangerous, and ‘How do we have a safe conversation about unsafe ideas?’” one teacher said. “But I would have to practice it so I don’t choke up like I am now.’’

Before breaking for lunch, Dr. Donovan, a former middle school science teacher who studied under the Stanford population geneticist Noah Rosenberg while pursuing a science education Ph.D., had a message for them: “If you back out at the end of this,” he said, “I’ll understand.”

The lessons are structured around two fictional teenagers, Robin and Taylor, who both understand that the differences between the DNA in any two people make up about one-tenth of 1 percent of their genome. But they disagree about how those differences intersect with race.

Taylor thinks that there are genetic differences between people but that those differences are not associated with race.  

Robin thinks that the genetic differences within a racial group are small and that most genetic differences exist between people of different races.

The truth is that neither has a completely accurate view.

As human populations spread around the globe, with people living in relative isolation for millenniums, some differences emerged. But the genetic variation between groups in, say, Africa and Europe are much smaller than the differences within each group.

Taylor, who had downplayed the significance of race, eventually had to admit there were some proportionally small differences between population groups. And Robin had to acknowledge having vastly overemphasized the amount of DNA differences between races.

But the two fictional teenagers still clashed over the opening question. Robin believed that there are genes for athletic or intellectual abilities, and that they are the best explanation for racial disparities in the National Football League and in the worlds of math and science. Taylor said genes had nothing to do with it.

Again, neither was completely right.

In their typical classes, the teachers said, they highlight traits driven by single genes — the texture of peas, or a disease like cystic fibrosis. It is an effective way to convey both how traits are transmitted from one generation to another, and how alterations in DNA can produce striking consequences.

But such traits are relatively rare. In Dr. Donovan’s curriculum, students are taught that thousands of variations in DNA influence a more common trait like height or IQ. Only a small fraction of the trait differences between individuals in the same ancestry group has been linked to particular genes. Unknown factors and the social and physical environment — including health, nutrition, opportunity and deliberate practice — also influence trait development. And students are given data about how racism has produced profoundly different environments for black and white Americans.

For Robin, the lessons said, grasping the complexity of it all made it impossible to argue that there was a gene, or even a few genes, specifically for athletics or intelligence, or that the cumulative effect of many genes could make a definitive difference.

And yet, on whiteboards, teachers listed comments and questions they anticipated from real students, including one that recurred in various forms.

“Isn’t this just a liberal agenda?”

Dr. Donovan told teachers that the curriculum also counters the viewpoint represented by Taylor — that ability is affected only by “how you’re raised, the opportunities you have, the choices you make and the effort you put in.” Recent studies, they are told, show that genetic variants play some role in shaping differences between individuals of the same population group.

Teachers participating in the training said that student beliefs about racial genetic differences at their schools surface in offhand pronouncements about who can dance and who is smart. They also lurk, some suggested, behind the expressions of intolerance that have recently marked many American schools. And what students learn about human genetic variation, teachers said, can lead to misguided conclusions: “They know DNA causes differences in skin color,” said a teacher from Washington State, “and they make the logical jump that DNA causes ‘race.’”

Class time in which to dispel confusion is limited. “It’s always like ‘O.K., but now we’re going to start the lesson on peas,’” said a Kansas teacher. Pent-up curiosity, said one from Indiana, routinely arises in year-end surveys: “I’m wondering if you know any resources where I could learn more about the genetics behind race,” one of her juniors wrote last spring.

Science teachers have had no shortage of reasons in recent decades to cede conversations on race to the humanities.

There was, for one thing, the need to repudiate the first half of the 20th century, during which science textbooks were replete with racial stereotypes and uncritical references to eugenics.

And 21st-century geneticists looking for clues to human evolution and medicine in the DNA of people from around the world took pains to note that they were not studying “race.”

“We basically decided, no, race is still a social construction, it’s not a biological thing,” Ken Miller, an author of the widely used Prentice Hall biology textbook, told the science magazine Undark of the decision to omit mention of race.

And not everyone is eager to reinsert it. Several school districts have rejected Dr. Donovan’s application to participate in the study, even when teachers have expressed interest.VideoCreditCredit…David McLeod

“I am denying the research request based on the sensitive nature of the research,” the research supervisor for one Colorado district wrote in an email.

But Jaclyn Reeves-Pepin, executive director of the National Association of Biology Teachers, said efforts to avoid lending scientific credibility to unfounded perceptions of genetic difference may themselves be sowing confusion.

“If I was a student asking about race and my teacher said, ‘Race is a social construct, we’re not going to talk about it in science class,’ well — that’s not an explanation of what students are observing in their world,” Ms. Reeves-Pepin said. In advance of the group’s annual meeting this fall, a session featuring Dr. Donovan’s curriculum received the highest score from a review panel of biology teachers of all 200 submissions, she said.

As in any experiment, the subjects will need to be informed of the risks and benefits before they consent to participate.

The benefits, a group of Midwestern 12th graders who will begin the unit this month were told, include “a research-based curriculum designed to teach complex genetics.” For the risks, the students were warned that they may feel some discomfort in science class.

>As fotos secretas do professor Agassiz (Pesquisa Fapesp)

>
Exposição e livro trazem à luz imagens polêmicas feitas por rival de Darwin

Por Carlos Haag
Edição Impressa 175 – Setembro 2010

Mestiços do Amazonas. © divulgacão.

Aqueles que põem em dúvida os efeitos perniciosos da mistura de raça e são levados por falsa filantropia a romper todas as barreiras colocadas entre elas deveriam vir ao Brasil”, afirmou o zoó-logo suíço Louis Agassiz (1807-1873) em seu livro A journey to Brazil (1867), escrito a quatro mãos com a mulher, a americana Elizabeth Cary, resultado da visita ao país como líder da Expedição Thayer, entre 1865 e 1866, da qual fizeram parte, entre outros, o futuro filósofo William James (1842-1910) e o geólogo Charles Frederick Hartt, indo do Rio de Janeiro ao Amazonas. Professor da Lawrence School, ramo da Universidade Harvard, e fundador do Museu de Zoologia Comparada da mesma universidade, Agassiz era o mais notável e popular cientista da América do Norte, defensor do criacionismo, do poligenismo, adepto da teoria da degeneração das raças e um opositor feroz do evolucionismo. Após a publicação de A origem das espécies (1859), de Darwin, porém, seu prestígio passou a ser questionado por jovens naturalistas americanos que rejeitavam suas interpretações teológicas e racistas. Ele então abraçou com entusiasmo a chance de vir ao Brasil com o objetivo de pesquisar os peixes da bacia amazônica para provar a “falácia” das teses darwinistas.

Não menos importante, a viagem era a oportunidade de visitar um “paraíso racialista”. Agassiz aproveitou a sua estada para recolher provas materiais da “degeneração racial” provocada pelo “mulatismo”, comum na população brasileira, fortemente miscigenada. O resultado foi uma série de 200 imagens, conservadas no Museu Peabody de Harvard, em sua maioria inéditas devido ao seu conteúdo polêmico: retratos nus da população africana do Rio e dos tipos mestiços de Manaus. Um grupo de 40 dessas fotografias está sendo exibido pela primeira vez na exposição Rastros e raças de Louis Agassiz: fotografia, corpo e ciência, ontem e hoje, mostra que faz parte da 29ª Bienal de Artes de São Paulo e está em cartaz no Teatro de Arena até o final do mês. Ao mesmo tempo, acaba de ser lançado o catálogo homônimo da exibição, editado por sua curadora, Maria Helena Machado, professora do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP). A pesquisadora também é a organizadora do livro O Brasil no olhar de William James (pela Edusp, a ser lançado até o final do ano), que traz cartas, diários e desenhos do filósofo americano, irmão do escritor Henry James, como integrante da Expedição Thayer. Então um jovem de 23 anos, estudante de medicina em Harvard, James era admirador do suíço, mas a estada brasileira mudou sua visão sobre o “Professor” (como se refere a Agassiz), bem como, nota Maria Helena, foi um ponto decisivo na vida do filósofo do pragmatismo, pois teria sido aqui que ele decidira se dedicar à filosofia. “Indo contra a corrente do momento, seus registros do Brasil são peculiarmente empáticos, apesar de ter contraído varíola, que o deixou temporariamente cego, colidindo com a visão do mentor da viagem, Agassiz, cuja posição política e ideológica o vinculava aos defensores do racismo e das teorias da degeneração pelo hibridismo”, fala a professora.

“Passeando pelo éden amazônico, a Expedição Thayer, com apoio dos governos americano e brasileiro, devassaria a Amazônia, apropriando-se dos peixes, das rochas e capturando imagens dos mestiços e mestiças da região, fotografados nus em poses dúbias, congelados como exemplos da degeneração racial, em nome da construção de um inventário dos perigos da miscigenação”, continua Maria Helena. Agassiz havia se tornado o principal divulgador de uma ciência idealista e cristã, que reafirmava o criacionismo ao mesmo tempo que usava uma linguagem “vanguardista”, cheia de nomes técnicos e alusões a procedimentos científicos. “Se por um lado ele se alinhava no campo dos adeptos da ciência empírica como chave do conhecimento, ao mesmo tempo se reconciliava com as visões metafísicas e religiosas que buscavam interpretar, no livro da natureza, os desígnios divinos.” O zoólogo fora discípulo do naturalista francês Georges Cuvier, que negava a interconexão genética das diferentes espécies, cuja análise pressupunha uma descrição empírica minuciosa dos seres observados, já que cada espécie era única em si mesma. Além disso, Cuvier acreditava que o mundo havia sofrido inúmeras catástrofes que teriam dizimado as espécies que o povoavam, sendo em seguida outras criadas pela mão divina. Assim, os animais que conhecemos teriam sido originados por uma criação recente, hipótese que daria conta do grande problema para os não evolucionistas: a diferença entre os animais fósseis e os atuais.

“Agassiz também preconizava que todos os seres organizados foram criados para pertencer a uma determinada ‘pátria’, ou seja, existiria uma ligação entre os seres e seus hábitats. As diferenças de clima não bastavam para explicar a distribuição das espécies. A lógica do povoamento saíra diretamente de Deus”, explica a historiadora Lorelai Kury, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz e professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Segundo o suíço, existiriam “províncias zoológicas”, já que Deus, depois de ter criado novas espécies em diferentes épocas, teria designado a cada uma a sua “pátria”.

As três poses típicas das fotos de Agassiz.

“O cientista, para Agassiz, era um ser privilegiado que saberia desvendar o plano divino por meio da observação científica da natureza, ocupando o lugar tradicionalmente reservado aos teólogos. Sua visão se ligava a uma perspectiva platônica e estática da vida e da ciência, cujas diretrizes se reportavam a certezas como a existência de tipos ideais e, sobretudo, a reafirmação da precedência do plano divino sobre a realidade do mundo natural”, diz Maria Helena. Ainda segundo o zoólogo, haveria uma hierarquia natural na escala dos seres, de animais para humanos, assim como entre as raças humanas, fruto da intenção divina de impor uma ordem ao mundo. “Cabia aos homens entender e respeitar isso. Os negros, que teriam sido criados por Deus expressamente para habitar os cinturões tropicais, provinham de uma espécie humana inferior, cuja virtude seria a força física e a capacidade de servir. Ante os brancos, superiores, eles abdicavam de sua autonomia em nome da segurança do comando e da proteção de seus mestres. Essas ideias eram comungadas por pró-escravistas e por abolicionistas como Agassiz.” Tal concepção de mundo tinha ampla aceitação, em especial pelo público leigo americano, acalmando suas angústias num mundo em rápida transformação. “Agassiz, durante esse período, estava mais interessado em se dirigir às preocupações do público do que à comunidade científica. Ele ignorava solenemente o número crescente de intelectuais que haviam perdido o interesse na ideia de criações separadas, continuando a dar palestras abertas em defesa do poligenismo e do pluralismo”, observa a antropóloga Gwyniera Isaac, curadora de etnologia americana do Smithsonian’s National Museum of Natural History e autora do artigo “Louis Agassiz’s Photographs in Brazil.”

A viagem ao Brasil era, então, uma necessidade, pois, com a publicidade da expedição, ele acreditava que conseguiria aliados para rebater o evolucionismo e defender a fixidez das espécies e as criações sucessivas. “Na região amazônica, Agassiz dedicou-se a buscar provas de uma recente glaciação que teria marcado uma ruptura entre as espécies atuais e as extintas (o que levou Hartt a se afastar dele), dentro do espírito das catástrofes naturais como responsáveis pela geração de novas espécies, isoladas e sem ligação com outras. Com relação aos peixes, ele acreditava que as espécies encontradas variavam ao longo do Amazonas e eram diferentes para cada afluente”, afirma Lorelai. Contrário a Darwin, Agassiz pensava que a variabilidade em cada espécie era nula e o que hoje se considera uma variedade o zoólogo tomava por uma espécie nova.

O suíço também tinha outros interesses, menos científicos. Desde a sua chegada aos Estados Unidos, em 1840, havia se envolvido no debate norte-americano sobre as raças, abraçando a teoria da degeneração, que afirmava ser a miscigenação ou hibridismo o caminho certo para a degenerescência social. Afinal, se Deus criara a flora, a fauna e o homem em nichos precisos, como o ser humano afrontava esses desígnios misturando climas e raças e, pior, fazendo-as interagir? “Para alguns dos abolicionistas e pensadores racialistas do século XIX, além do mal dos deslocamentos de negros, resultante do tráfico, outro erro, ainda pior, seria o ‘mulatismo’, a conspurcação do sangue ocasionada pela mestiçagem. A solução seria a emigração coletiva ou, pelo menos, a segregação dos afro-americanos em um cinturão de clima quente no Sul, no qual eles viveriam o mais apartado possível, sob a tutela dos brancos”, conta Maria Helena. “Com isso os defensores da incompatibilidade da convivência da raça negra com a civilização acreditavam que os negros seriam impedidos de cometer danos irreparáveis ao corpo da nação.” Em meio à Guerra de Secessão, circulavam, no Norte e no Sul dos Estados Unidos, propostas de “repatriação” dos ex-escravos, inclusive para o Brasil (ver “O dia em que o Brasil disse não aos Estados Unidos”, na edição 156 de Pesquisa FAPESP). Os argumentos de Agassiz sobre as províncias zoológicas, que destinavam as áreas tropicais para a raça negra, tingiam essas propostas com a aura de filantropia. Por isso, observa a pesquisadora, os interesses da Expedição Thayer iam além da ciência. “Por trás do discurso público do cientista-viajante havia outro que ligava Agassiz aos interesses norte-americanos na Amazônia, conectado a duas linhas de ação diplomática: a abertura do Amazonas à navegação internacional e aos projetos de assentamento de negros americanos como colonos ou aprendizes na várzea amazônica, vista como extensão natural do ‘Destino Manifesto’ dos EUA.” O governo norte-americano sabia da ligação entre Agassiz e Dom Pedro II, que trocavam correspondência desde 1863, e o suíço veio ao Brasil para pressionar o imperador a abrir a navegação da Amazônia, no que teve sucesso, e também para ajudar a promover a imigração de negros.

“Nesse sentido, o Brasil era visto como lugar ideal para recolher provas dos perigos da degeneração, que seriam veiculados em sua volta aos EUA. Para isso pensou em fazer uma expressiva coleção de fotografias que documentaria as mazelas da mistura de raças puras e híbridas, tudo com caráter abertamente racialista”, nota Maria Helena. “A consequência natural de alianças entre pessoas de sangue misturado é uma classe de indivíduos em que o tipo puro desaparece assim como todas as qualidades físicas e morais das raças primitivas, produzindo mestiços tão repulsivos como cachorros vira-latas”, anotou Agassiz. Daí a observação precisa de Darwin sobre o rival: “Ele coleta dados para provar uma teoria em vez de observar esses dados para desenvolver uma teoria”. Esse é o princípio que explica as fotografias brasileiras. “Para demonstrar sua tese, ele coletou imagens sobre a classe ‘híbrida’ das populações que, acreditava, eram aparentes no Brasil. Humanos, como qualquer outra espécie, requeriam análise por meio de métodos empíricos e ‘frios’ como a fotografia”, nota Gwyniera Isaac.

Imagens iriam servir de argumento racialista 

Com o objetivo de ilustrar o perfil dos brasileiros, Agassiz encomendou ao fotógrafo profissional Augusto Stahl uma série de daguerreótipos de africanos, que classificou como “tipos raciais puros”, gerando duas séries de fotografias, uma em forma de portraits e outra de caráter científico e fisionômico de tipos étnicos de negros e negras do Rio de Janeiro, incluindo alguns chineses que viviam na cidade. Os retratados aparecem nus e em três posições fixas: de frente, de costas e de perfil. Em Manaus, foi ainda mais longe e criou um Bureau d’Antropologie para documentar as diferenças entre as raças puras e mistas, contando com a ajuda do fotógrafo improvisado Walter Hunnewell na feitura de retratos dos tipos híbridos amazônicos. Agassiz já fizera antes, em 1850, uma série semelhante, com escravos americanos da Carolina do Sul, experiência que, afirma, teria consolidado suas ideias racistas. “Usando novos recursos técnicos, como a fotografia, surgiram teorias sobre as novas formas de capturar o corpo humano, visto como veículo de traços raciais a serem revelados pela capacidade do naturalista de ‘ler corpos’. Ele inaugurou uma representação somatológica e frenológica do outro africano que iria se generalizar nas décadas seguintes e povoaria os nascentes museus antropológicos”, avalia Maria Helena.

“A antropologia havia se transformado, naquela época, na ciência do visível, do corpo físico com suas marcas de distinção racial e, assim, as representações visuais eram cruciais. Nos EUA, isso era obtido por meio da contraposição da cor da pele, o que fazia da raça um conceito baseado no contraste. Ver a imagem de um negro ao lado da de um branco imediatamente provocaria no público a ideia da suposta diferença ‘inerente’ entre as raças. Agassiz, para reforçar isso, interpolou na sua coleção de fotos de negros imagens de estátuas clássicas gregas, versão idealizada dos brancos”, explica a antropóloga Nancy Stepan, da Universidade Columbia, e autora do livro Picturing tropical nature. “A fotografia aparecia como a certeza de verdade para os cientistas, em vez dos antigos desenhos, que seriam limitadores. Foi assim usada na psiquiatria, na medicina, na categorização de criminosos e, no final do século XIX, era uma parte essencial da administração do Estado moderno.”

Agassiz, sem treino nas complicadas mensurações antropométricas, viu na fotografia uma saída, atribuindo à invenção uma “importância de época”. “Ele buscava, porém, o tipo estável que comprovasse a sua noção da fixidez das espécies. Essa procura de um tipo ao qual os indivíduos poderiam teoricamente ser reduzidos, contramão do fluxo contínuo dos seres, cegou Agassiz para a evidência que levou Darwin e Wallace a propor a teoria da evolução. A mesma falácia fez com que suas fotografias, ao final, fossem tão confusas e inesperadas para ele”, afirma a antropóloga. Eram também polêmicas. “Fui para o estabelecimento e lá cautelosamente admitido por Hunnewell com suas mãos negras. Na sala estava o Professor ocupado em persuadir três moças, às quais ele se referia como índias puras, mas, como se confirmou depois, tinham sangue branco. Estavam muito bem vestidas e eram aparentemente refinadas, de qualquer modo não libertinas. Elas consentiram que se tomassem com elas as maiores liberdades e foram induzidas a se despir e posar nuas. Então chegou o sr. Tavares Bastos e me perguntou ironicamente se eu estava vinculado ao Bureau d’Antropologie”, descreveu William James. “Na tradição europeia, da qual Agassiz fazia parte, estar vestido era sinal de civilização e as roupas eram um símbolo de status e gênero. Deixar pessoas nuas roubava delas a dignidade e a humanidade. Para ele, isso era possível porque muitas eram escravas”, observa Nancy.

“Muitas das mulheres fotografadas, porém, eram da boa sociedade de Manaus e o clima no Bureau não era dos mais respeitosos. As fotos se situam numa zona desconfortável entre o científico e o erótico, gêneros que se cruzavam com frequência no século XIX. As observações de James revelam o clima de segredo, o que contrasta com as afirmações de Agassiz sobre a natureza abertamente científica das fotos. Além disso, a menção de James sobre as ‘mãos negras’ de Hunnewell tem um duplo sentido que vai além da sujeira dos produtos químicos”, analisa o antropólogo John Monteiro, da Universidade Estadual de Campinas. Ao mesmo tempo as fotos se enquadravam na convenção etnográfica de introduzir o confortável espectador branco àquilo que é não apenas exótico, e está em distância segura, como também invisível. O resultado das imagens coletadas, porém, não era o esperado por Agassiz. “O livro do casal e os diários de James estão cheios de exemplos frustrados de encontrar tipos ‘puros’. O Brasil conseguiu confundir Agassiz, que acreditava estar num país com exemplos definidos das três raças ‘puras’. Ele se deparou, porém, com ‘hí­bridos’ que cruzaram com outros ‘híbri­dos’ e assim por diante, gerando uma realidade complexa que não poderia ser apreendida em suas fotografias”, diz Nancy. “Isso era impossível sem lançar mão de outros recursos, como legendas, o que ia de encontro ao seu método científico em que as ‘raças falavam por si mesmas’. Paradoxalmente, ao despir seus modelos, Agassiz removeu alguns dos poucos signos que poderia ter usado para assegurar as identidades raciais dos tipos.”

A coleção brasileira nunca foi divulgada e em A journey to Brazil aparecem apenas algumas delas como base para xilogravuras. “Para isso contribuiu uma série de razões políticas e acadêmicas que acabaram por inviabilizar o seu projeto de estudo das raças. Há que se considerar também o ambiente moral rígido da Nova Inglaterra e a perda da credibilidade científica de Agassiz. As fotos guardam, no entanto, uma atua­lidade, ao evocar os rostos e vidas de pes­soas que foram anuladas não apenas pela ‘objetificação’ da ciência, mas pelas políticas de esquecimento”, diz Maria Helena. William James resume bem a questão: “Tenho me beneficiado em ouvir Agassiz falar, não tanto pelo que ele diz, pois nunca ouvi ninguém pôr para fora uma quantidade maior de bobagens, mas por aprender a forma de funcionar desta vasta e prática máquina que ele é”.

>Secretaria estuda recomendar criação de cotas raciais por decreto (Jornal da Ciência)

>
JC e-mail 4088, de 02 de Setembro de 2010.

(Mariana Oliveira, G1, 2/9/2010)

Universidades devem ser orientadas para criação de cotas raciais. Eloi Araujo informou que documento será apresentado até 20 de outubro.

O ministro da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Eloi Ferreira de Araujo, informou ao G1 que um grupo de trabalho da secretaria trabalha atualmente em nota técnica que deve recomendar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que crie cotas para negros em universidades federais por meio de decreto.

“Na nota técnica vamos tomar providências no sentido de buscar que pretos e pardos tenham direito de ingressar no ensino superior. A nota técnica poderá dizer que é necessário um decreto. Eu estou aguardando a finalização da nota técnica para marcar audiência com o presidente. Eu penso que um decreto é uma boa medida para adotar se não houver por parte de todo mundo a adoção da política de cotas”, afirmou o ministro.

“A nota técnica vai orientar inclusive como as cotas deverão ser observadas pelas instituições de ensino superior. Algumas organizações imaginam que haja uma autonomia universitária. A autonomia não é absoluta, é relativa”, completou o ministro.

De acordo com ele, a nota técnica será finalizada e entregue a Lula até o dia 20 de outubro, dia em que o estatuto entra em vigor. O texto foi sancionado pelo presidente no último dia 20 de julho e tem 90 dias para começar a vigorar.

Logo após a aprovação do estatuto no Senado, antes da sanção presidencial, Eloi Araujo falou ao G1 que o estatuto permitia a criação de cotas sem que uma lei sobre o tema fosse discutida e aprovada por deputados e senadores. Na ocasião, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) disse que isso era uma tentativa de “golpe”. “Isso é o que se chama de tentativa de fazer com que o Congresso brasileiro seja fechado ainda que esteja aberto. Essa matéria tão polêmica deve ser regulamentada evidentemente através de uma lei. (…) É o que se chama de falsa polêmica. O ministro se viu derrotado em uma posição e tenta dar um golpe”.

De acordo com Eloi Araujo, não se trata de golpe porque a lei é clara. “A lei é soberana. É dura, mas é a lei. E prevê a adoção de ações afirmativas. O Congresso aprovou essa lei.” Ele afirmou crer que uma definição sobre um eventual decreto para estabelecer cotas saia ainda neste governo.

Eloi explicou que o grupo de trabalho é formado por técnicos da secretária, como professores e advogados. Esse grupo será responsável pela nota técnica que vai dar uma diretriz sobre o que deve ser regulamentado no estatuto. Cinco temas devem ser priorizados: educação, trabalho, moradia, cultura e saúde.

“Nossa preocupação diz respeito ao propósito de contribuir com os amigos da Corte, aqueles que têm defesa de nossas ações. No Supremo Tribunal Federal (STF) temos ações muito perversas contra a população negra, contra cotas, contra o Prouni e contra as comunidades quilombolas. (…) Esse grupo está debruçado em oferecer subsídios nesses casos com base no estatuto.”

Cotas sociais

O ministro afirmou ser contra universidades que privilegiam cotas sociais a cotas raciais. Estudo do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp) divulgado no começo desta semana mostrou que 71% das universidades federais e estaduais já têm cotas com base em seus conselhos ou leis estaduais. A maioria das instituições, porém, favorece as cotas sociais, para quem vem de escola pública.

Segundo ele, ações afirmativas que só privilegiam o lado social, sem analisar a questão racial, devem ser revistas. “Essas medidas precisam ser revistas porque deveriam ser observados dados técnicos oferecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se a população é composta por 80% de pessoas que ganham até cinco salários, então vamos fazer isso. Se for qualquer outro número, é só para dizer que está fazendo. É coisa para inglês ver. É como se não tivesse havido a grande ofensa da escravidão e houve. Qualquer informação que não leve em consideração a gravidade que foi a escravidão, não é sequer educativa. Deveria observar os dois aspectos, sociais e raciais.”

Para Eloi Araujo, no entanto, pode-se discutir por quanto tempo as cotas raciais seriam válidas. “Isso é justiça social e não precisa ser para sempre. Podemos estabelecer por um período, duas décadas, e depois analisar a evolução.”

>How the "ground zero mosque" fear mongering began (Salon)

>
A viciously anti-Muslim blogger, the New York Post and the right-wing media machine: How it all went down

By Justin Elliott
Monday, Aug 16, 2010 07:01 ET

Blogger Pamela Geller and Imam Feisal Abdul Rauf (AP)

A group of progressive Muslim-Americans plans to build an Islamic community center two and a half blocks from ground zero in lower Manhattan. They have had a mosque in the same neighborhood for many years. There’s another mosque two blocks away from the site. City officials support the project. Muslims have been praying at the Pentagon, the other building hit on Sept. 11, for many years.

In short, there is no good reason that the Cordoba House project should have been a major national news story, let alone controversy. And yet it has become just that, dominating the political conversation for weeks and prompting such a backlash that, according to a new poll, nearly 7 in 10 Americans now say they oppose the project. How did the Cordoba House become so toxic, so fast?

In a story last week, the New York Times, which framed the project in a largely positive, noncontroversial light last December, argued that it was cursed from the start by “public relations missteps.” But this isn’t accurate. To a remarkable extent, a Salon review of the origins of the story found, the controversy was kicked up and driven by Pamela Geller, a right-wing, viciously anti-Muslim, conspiracy-mongering blogger, whose sinister portrayal of the project was embraced by Rupert Murdoch’s New York Post.

Here’s a timeline of how it all happened:

* Dec. 8, 2009: The Times publishes a lengthy front-page look at the Cordoba project. “We want to push back against the extremists,” Imam Feisal Abdul Rauf, the lead organizer, is quoted as saying. Two Jewish leaders and two city officials, including the mayor’s office, say they support the idea, as does the mother of a man killed on 9/11. An FBI spokesman says the imam has worked with the bureau. Besides a few third-tier right-wing blogs, including Pamela Geller’s Atlas Shrugs site, no one much notices the Times story.

* Dec. 21, 2009: Conservative media personality Laura Ingraham interviews Abdul Rauf’s wife, Daisy Khan, while guest-hosting “The O’Reilly Factor” on Fox. In hindsight, the segment is remarkable for its cordiality. “I can’t find many people who really have a problem with it,” Ingraham says of the Cordoba project, adding at the end of the interview, “I like what you’re trying to do.”

* (This segment [above] also includes onscreen the first use that we’ve seen of the misnomer “ground zero mosque.”) After the segment — and despite the front-page Times story — there were no news articles on the mosque for five and a half months, according to a search of the Nexis newspaper archive.

* May 6, 2010: After a unanimous vote by a New York City community board committee to approve the project, the AP runs a story. It quotes relatives of 9/11 victims (called by the reporter), who offer differing opinions. The New York Post, meanwhile, runs a story under the inaccurate headline, “Panel Approves ‘WTC’ Mosque.” Geller is less subtle, titling her post that day, “Monster Mosque Pushes Ahead in Shadow of World Trade Center Islamic Death and Destruction.” She writes on her Atlas Shrugs blog, “This is Islamic domination and expansionism. The location is no accident. Just as Al-Aqsa was built on top of the Temple in Jerusalem.” (To get an idea of where Geller is coming from, she once suggested that Malcolm X was Obama’s real father. Seriously.)

* May 7, 2010: Geller’s group, Stop Islamization of America (SIOA), launches “Campaign Offensive: Stop the 911 Mosque!” (SIOA ‘s associate director is Robert Spencer, who makes his living writing and speaking about the evils of Islam.) Geller posts the names and contact information for the mayor and members of the community board, encouraging people to write. The board chair later reports getting “hundreds and hundreds” of calls and e-mails from around the world.

* May 8, 2010: Geller announces SIOA’s first protest against what she calls the “911 monster mosque” for May 29. She and Spencer and several other members of the professional anti-Islam industry will attend. (She also says that the protest will mark the dark day of “May 29, 1453, [when] the Ottoman forces led by the Sultan Mehmet II broke through the Byzantine defenses against the Muslim siege of Constantinople.” The outrage-peddling New York Post columnist Andrea Peyser argues in a note at the end of her column a couple of days later that “there are better places to put a mosque.”

* May 13, 2010: Peyser follows up with an entire column devoted to “Mosque Madness at Ground Zero.” This is a significant moment in the development of the “ground zero mosque” narrative: It’s the first newspaper article that frames the project as inherently wrong and suspect, in the way that Geller has been framing it for months. Peyser in fact quotes Geller at length and promotes the anti-mosque protest of Stop Islamization of America, which Peyser describes as a “human-rights group.” Peyser also reports — falsely — that Cordoba House’s opening date will be Sept. 11, 2011.

Lots of opinion makers on the right read the Post, so it’s not surprising that, starting that very day, the mosque story spread through the conservative — and then mainstream — media like fire through dry grass. Geller appeared on Sean Hannity’s radio show. The Washington Examiner ran an outraged column about honoring the 9/11 dead. So did Investor’s Business Daily. Smelling blood, the Post assigned news reporters to cover the ins and outs of the Cordoba House development daily. Fox News, the Post’s television sibling, went all out.

Within a month, Rudy Giuliani had called the mosque a “desecration.” Within another month, Sarah Palin had tweeted her famous “peaceful Muslims, pls refudiate” tweet. Peter King and Newt Gingrich and Tim Pawlenty followed suit — with political reporters and television news programs dutifully covering “both sides” of the controversy.

Geller had succeeded beyond her wildest dreams.

Justin Elliott is a Salon reporter. Reach him by email at jelliott@salon.com and follow him on Twitter @ElliottJusti.

>O Globo nega-se a publicar anúncio de campanha pró cotas raciais

>
COTAS RACIAIS
O Globo nega-se a publicar anúncio

Por Mariana Martins em 17/3/2010
Observatório da Imprensa

Reproduzido do Observatório do Direito à Comunicação, 16/3/2010; título original “O Globo nega-se a publicar anúncio de campanha pró cotas”

A negativa do jornal O Globo, no início do mês, em publicar uma peça publicitária da campanha “Afirme-se” em defesa das ações afirmativas relacionadas à questão racial recoloca de forma explícita um importante debate acerca do direito à comunicação. O episódio estabelece uma situação de fato em que liberdade de expressão é confundida com liberdade comercial das empresas privadas de comunicação. A publicação, mais antigo veículo do maior grupo de comunicação do país, alega seguir uma política comercial específica para o que chama “peças de opinião” e, por esta razão, teria mais que decuplicado o valor a ser cobrado pela veiculação do anúncio ao tomar conhecimento de que se tratava de uma campanha pró cotas.

O pesquisador sênior da Universidade de Brasília Venício A. de Lima diz que este é um caso que merece ser observado a partir das diferenças entre liberdade de imprensa e liberdade de expressão. A primeira, na opinião do professor, está relacionada à proteção dos interesses daqueles responsáveis pelos veículos de comunicação e não deve ser confundida com a segunda, que é um direito humano e, no Brasil, constitucionalmente positivado. Lima pondera que a liberdade de expressão, no atual contexto das práticas de comunicação, depende da inserção de opiniões diversas nos grandes veículos de massa. Estes, portanto, precisariam refletir não só a opinião dos seus donos.

No caso da não publicação do anúncio da “Afirme-se”, o que está colocado é, justamente, a utilização de uma política comercial, justificada supostamente pelo princípio da liberdade de imprensa, para restringir o direito da campanha publicizar sua opinião a favor das ações afirmativas e o direito dos cidadãos de receberem informação sobre o tema desde uma perspectiva diversa da dos veículos das Organizações Globo. Segundo Lima, na página de O Globo na internet o jornal apresenta a tabela de preços comerciais e nela está escrito que a empresa cobra de 30% a 70% a mais em anúncios de conteúdo opinativo. Contudo, no caso em questão, o valor variou em aproximadamente 1300%.

Preços acordados

Curiosamente, a tentativa da campanha “Afirme-se” publicar o anúncio está intimamente relacionada ao fato de os grupos a favor das ações afirmativas perceberem que não conseguiam espaço editorial, ou seja, lugar na cobertura jornalística regular para apresentar seu ponto de vista. Assim, por ocasião da audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) que discutiria – entre os dias 3, 4 e 5 de março – duas ações de inconstitucionalidade movidas contra a criação de cotas nas universidades públicas para descendentes de negros e indígenas, a campanha resolveu fazer intervenções publicitárias em jornais de grande circulação nacional em defesa da constitucionalidade das leis que estão em vigor.

A intervenção publicitária produzida pela agência Propeg, que também é parceira da campanha, contava basicamente com três produtos: um manifesto ilustrado que seria publicado em jornais considerados formadores de opinião pelos organizadores da “Afirme-se”, um spot de rádio e uma vinheta, que estão disponíveis no blog da campanha.

De acordo com Fernando Conceição, um dos coordenadores da “Afirme-se”, as doações das entidades que fazem parte da campanha e a captação de recursos com outras organizações foram suficientes para pagar a publicação do manifesto em quatro jornais de grande circulação – O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, A Tarde (BA) e O Globo (RJ). “Nós resolvemos comprar especificamente nesses veículos porque eles já vêm fazendo campanhas sistemáticas contra as cotas há tempos. Como nós temos outra visão e não encontramos lugar livremente para expor um outro ponto de vista, resolvemos comprar o espaço”, explica Conceição.

Como é de praxe nas campanhas publicitárias, a agência responsável passou a negociar o preço do anúncio de uma página inteira a ser publicado no dia 3 de março com os veículos selecionados. Por se tratarem de anúncios ligados a organizações não governamentais, os preços acordados ficaram em torno de R$ 50 mil. O valor exato negociado com O Globo foi orçado em R$ 54.163,20.

Valor impraticável

Fechados os valores, a agência enviou a arte aos jornais. Dois dias antes de a campanha ser publicada, a coordenação da “Afirme-se” foi comunicada pela agência Propeg que o anúncio havia sido submetido à direção editorial de O Globo e que os responsáveis julgaram que a peça era “expressão de opinião”. O jornal dizia que, sendo assim, o valor deixava de ser o negociado anteriormente e passava para R$ 712.608,00. “Um valor irreal, impraticável até para anuncio de multinacional”, queixa-se o coordenador da campanha.

Procurado pela equipe do Observatório do Direito à Comunicação, o jornal O Globo não respondeu aos pedidos de entrevista. No entanto, o diretor comercial da publicação, Mario Rigon, concedeu entrevista ao portal Comunique-se ao qual disse que considerou a peça da campanha como “expressão de opinião” e, diante disso, “seguiu a política da empresa, que determina um valor superior para esse tipo de anúncio”. “De fato vimos que se tratava de uma expressão de opinião, mas não nos cabe julgar o mérito da causa. É a nossa política comercial, tratamos assim qualquer anunciante que queira expressar sua opinião”, disse Rigon ao portal.

Este Observatório também buscou consultar o Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar). Por intermédio da assessoria de imprensa, o conselho adiantou que não tem posição sobre o caso, visto que foge do escopo da entidade se posicionar sobre a política comercial dos veículos. “Nós não nos posicionamos sobre regulação de mídia exterior, atuamos exclusivamente sobre o conteúdo das mensagens publicitárias”, disse Eduardo Correia, assessor de imprensa do Conar. O assessor disse ainda que a entidade precisa ser provocada por processos para se posicionar sobre o conteúdo de uma peça e que nas questões de política comercial das empresas ela não devem opinar.

O pesquisador Venício Lima lembra que, diante da falta de regulamentação da mídia no Brasil, as empresas privadas, na maioria das vezes, podem agir como bem entendem e praticar os preços que lhes convêm. Lima acredita ainda que seja provável que O Globo esteja, a partir da lógica comercial, protegido legalmente para fazer esse tipo de cobrança, o que é apenas “um lado da moeda”.

É fato que a liberdade comercial baseia-se na lógica de que as normas podem ser estabelecidas pelas próprias empresas e que, portanto, podem causar distorções quando estas se cruzam com questões editoriais. No caso em questão, fica evidente a falta de transparência quanto aos critérios adotados por O Globo para considerar o anúncio como conteúdo opinativo e aplicar um valor diferenciado. Os outros três jornais que publicaram a peça publicitária não tiveram a mesma compreensão e a tabela aplicada foi a de anúncio publicitário comum.

A “Afirme-se” fez uma reclamação contra O Globo no Ministério Público do Rio de Janeiro por conta do episódio. A campanha pede que, com base no que diz a Constituição Federal com relação à liberdade de expressão, o jornal seja obrigado a publicar o anúncio por um valor simbólico.

Fernando Conceição defende que a atitude de O Globo foi claramente de abuso de poder econômico e que configura dumping, prática condenada pelo próprio mercado. “Foi uma maneira que a direção de O Globo encontrou para cercear o direito constitucional que é a liberdade de expressão por meio do abuso do poder econômico”, denuncia Conceição.

Anticotas

Pesa ainda contra as Organizações Globo como um todo uma constante militância contra as ações afirmativas relativas à questão racial, dentre elas as políticas de cotas para negras e negros nas universidades públicas. Esta militância é liderada inclusive pelo atual diretor da Central Globo de Jornalismo, Ali Kamel. Kamel é autor do livro Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor, que nega a existência do racismo e, portanto, da necessidade de políticas reparadoras.

Pesquisa do Observatório Brasileiro de Mídia, citada por Venicio Lima, revela que grandes revistas e jornais brasileiros apresentam posicionamento contrário aos principais pontos da agenda de interesse da população afrodescendente – ações afirmativas, cotas, Estatuto da Igualdade Racial e demarcação de terras quilombolas. A pesquisa analisou 972 matérias publicadas nos jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e O Globo, e 121 nas revistas semanais Veja, Época e Isto É – 1093 matérias, no total – ao longo de oito anos.

Lima chama a atenção para o fato de a cobertura de O Globo merecer um comentário à parte na pesquisa. Dentre os três jornais pesquisados, foi aquele que mais editoriais publicou sobre o tema, mantendo inalterados, ao longo dos anos, argumentos que se mostraram falaciosos, como o de que as cotas e ações afirmativas iriam promover racismo e de que os alunos cotistas iriam baixar o nível dos cursos.

Lembrando destes dados da pesquisa, Lima acredita que O Globo estabeleceu uma barreira comercial e que, do ponto de vista legal, eles podem estar cobertos pelos princípios da livre iniciativa. “Mas, esta conduta, tendo em vista o conteúdo que deixou de ser publicado, infringe o direito à informação. A questão que fica para o Ministério Público do Rio de Janeiro é legal. Cabe a eles encontrarem alguma forma jurídica de pensar o caso sob o ponto de vista do direito à informação. Para mim, essa postura deixa as Organizações Globo numa situação difícil para posteriormente falar de liberdade de expressão”, conclui o professor.

>José de Souza Martins: Palmares de todos nós ou efeméride como fato histórico (O Estado de S.P.)

>
Data só terá sentido como dia da consciência de todos nós, da nossa identidade brasileira

José de Souza Martins – O Estado de S.Paulo
Domingo, 22 de novembro de 2009

– A transformação em feriado do dia do aniversário da morte de Zumbi, general e cabo de guerra do Quilombo dos Palmares, em 1695, como Dia da Consciência Negra, é providência que pode se transformar numa grande bobagem ou num fato histórico. Será uma grande e deseducativa bobagem se for capturado e instrumentalizado pelo neorracismo brasileiro para alimentar a destrutiva ideologia do confronto, que nos assola, e firmar a suposta legitimidade de uma visão de mundo que nos divide e nos afasta de nós mesmos. Será um grande fato histórico se for aceito por todos os brasileiros como desafio que pode nos instigar a rever nossa memória coletiva, para que nos livremos dos fantasmas de uma história que não é nossa. Para que nos encontremos no reconhecimento dos feitos que redundaram na construção do país pluralista que somos e deveríamos gostar de ser. Os heroicos feitos de Zumbi se inscrevem nessa pauta. São feitos que dão sentido ao anseio de liberdade e emancipação do Brasil multirracial e democrático.

Nossa cultura escolar e de oitiva insere-se numa tradição que conspira todos os dias contra essa alternativa e essa busca. Expressão disso é o modo como se propõe a figura do mulato Domingos Fernandes Calabar à consciência dos brasileiros, estigmatizado como traidor porque passou para o lado dos holandeses no século 17, quando o Brasil ainda não era Brasil. No mínimo falta aí uma consciência crítica da história, que nos revele os efetivos dilemas sociais e políticos com que se defrontavam os protobrasileiros de então.

Calabar, na verdade, fez uma opção, como tantos outros fizeram naquela época de profundas transformações no mundo, aberta a opções religiosas, econômicas e políticas. Seu próprio detrator, o frei Manuel Calado, autor de O Valeroso Lucideno, teve sua simpatia pelos holandeses. O que parece ter irritado Calado e mantido essa irritação nos registros históricos é que, como outros, Calabar tenha se convertido ao protestantismo e negado o imobilismo socialmente estreito que se anunciava na dominação portuguesa e se confirmaria em nossa história redundante e conformista.

A mesma mentalidade que amaldiçoou Calabar folclorizou Zumbi, negando-lhe o lugar em que temos o direito de tê-lo em nossa memória histórica e com ele os insubmissos palmarinos, que morreram em grande número, aniquilados como seres destituídos de humanidade. Em Palmares, a luta do negro (e do índio) foi feita em nome de todos nós, pelo reconhecimento da condição humana de pessoas que eram tratadas como animais de trabalho, peças de mercado, objeto de partilha mercantil prévia nos próprios contratos de encomenda das entradas repressivas que destruiriam o quilombo.

Acima da crônica de botequim, a história de Palmares é a fascinante história épica de um povo, que não era só de negros, como narra, apoiado em documentos, Édison Carneiro, o grande historiador e estudioso das culturas negras, autor de O Quilombo dos Palmares. Uma história bem distante de fabulações raciais. Ou mesmo de interpretações redutivas, descabidamente apoiadas em simplificações inaplicáveis ao caso, pescadas antidialeticamente no Manifesto Comunista, de Marx e Engels, como as que definem Palmares como capítulo pioneiro da história da luta de classes. Nem Zumbi era um Spartacus do sertão nem a sociedade de classes estava constituída entre nós, nem mesmo em Portugal, apenas se anunciando em países como a Itália, a Holanda e a Inglaterra. Nem por isso a história documentada macula o que poderia e deveria ser o imaginário épico que a traz à nossa consciência e aos nossos dias.

Houve vários grandes e resistentes quilombos em diferentes pontos do Brasil até o final da escravidão. Palmares foi, sem dúvida, o maior, durou quase todo o século 17 e no seu último meio século sofreu reiterados ataques. Menos porque representasse um efetivo perigo político à dominação portuguesa e muito mais porque sua captura e sujeição recompensariam seus mercenários opressores com escravos e terras. Que tampouco lutavam por algo que pudesse ser chamado de Brasil. Era o caso de Domingos Jorge Velho, o mais violento e ambicioso deles, que nem mesmo falava português, pois vivia entre tapuias. Precisou de um intérprete para conversar com um bispo que o visitou.

Palmares tem sido apresentado como uma república libertária, antecedente em quase dois séculos da Revolução Francesa, o que nunca foi. Em Palmares também havia escravidão, a dos raptados e levados à força para os mocambos. Só eram livres os que voluntariamente fugissem de seus senhores e buscassem refúgio no Quilombo. Os escravos dos negros palmarinos podiam obter a alforria, como ensina Édison Carneiro, se para lá levassem um negro cativo.

Os milhares de negros que ali se refugiaram criaram um Estado, no modelo dos Estados nativos africanos, dominado por um déspota, o rei Ganga Zumba, e por uma aristocracia em parte de sangue, de que Zumbi era membro, sobrinho do monarca. Quando o rei celebrou a paz com os brancos e o governo colonial de Pernambuco, em 1678, foi envenenado pelos negros. Zumbi, contrário à vassalagem, levou a luta até o limite, quando o quilombo foi invadido e destruído, em 1695.

Ao contrário da lenda, não se matou, e dos 20 combatentes que o acompanhavam na luta final, só um sobreviveu. Os portugueses chegaram até ele quando um mulato capturado, que era seu imediato, sob tortura e em troca da vida, indicou o reduto em que ele se encontrava. Morto Zumbi, André Furtado de Mendonça, que comandava a tropa, cortou-lhe a cabeça, enviando-a ao governo, no Recife, onde foi exibida, espetada numa estaca, para que os negros se convencessem de que morrera.

A efeméride de Zumbi terá sentido como dia da consciência de todos nós, da nossa identidade brasileira, se for o prenúncio de uma reordenação dos termos da nossa memória coletiva para nela inscrever a história como história do povo brasileiro e não como história dos feitos de funcionários públicos ou de minorias.