Arquivo da tag: Sociabilidade

Social media technology, rather than anonymity, is the problem (Science Daily)

Date: January 20, 2016

Source: University of Kent

Summary: Problems of anti-social behavior, privacy, and free speech on social media are not caused by anonymity but instead result from the way technology changes our presence. That’s the startling conclusion of a new book by an expert on the information society and developing media.


Problems of anti-social behaviour, privacy, and free speech on social media are not caused by anonymity but instead result from the way technology changes our presence.

That’s the startling conclusion of a new book by Dr Vincent Miller, a sociologist at the University of Kent and an expert on the information society and developing media.

In contending that the cause of issues such as online anti-social behaviour is the design/software of social media itself, Dr Miller suggests that social media architecture needs to be managed and planned in the same way as physical architecture. In the book, entitled The Crisis of Presence in Contemporary Culture: Ethics, Privacy and Speech in Mediated Social Life, Dr Miller examines the relationship between the freedom provided by the contemporary online world and the control, surveillance and censorship that operate in this environment.

The book questions the origins and sincerity of moral panics about use — and abuse — in the contemporary online environment and offers an analysis of ethics, privacy and free speech in this setting.

Investigating the ethical challenges that confront our increasingly digital culture, Dr Miller suggests a number of revisions to our ethical, legal and technological regimes to meet these challenges.

These including changing what he describes as ‘dehumanizing’ social media software, expanding the notion of our ‘selves’ or ‘bodies’ to include our digital traces, and the re-introduction of ‘time’ into social media through the creation of ‘expiry dates’ on social media communications.

Dr Miller is a Senior Lecturer in Sociology and Cultural Studies within the University’s School of Social Research, Sociology and Social Policy. The Crisis of Presence in Contemporary Culture: Ethics, Privacy and Speech in Mediated Social Life, is published by Sage.

More information can be found at: https://uk.sagepub.com/en-gb/eur/the-crisis-of-presence-in-contemporary-culture/book244328

Anúncios

New research discovers the emergence of Twitter ‘tribes’ (University of London)

Public release date: 14-Mar-2013

Tanya Gubbay – University of London 

A project led by scientists from Royal Holloway University in collaboration with Princeton University, has found evidence of how people form into tribe-like communities on social network sites such as Twitter.

In a paper published in EPJ Data Science, they found that these communities have a common character, occupation or interest and have developed their own distinctive languages.

“This means that by looking at the language someone uses, it is possible to predict which community he or she is likely to belong to, with up to 80% accuracy,” said Dr John Bryden from the School of Biological Sciences at Royal Holloway. “We searched for unusual words that are used a lot by one community, but relatively infrequently by the others. For example, one community often mentioned Justin Bieber, while another talked about President Obama.”

Professor Vincent Jansen from Royal Holloway added: “Interestingly, just as people have varying regional accents, we also found that communities would misspell words in different ways. The Justin Bieber fans have a habit of ending words in ‘ee’, as in ‘pleasee’, while school teachers tend to use long words.”

The team produced a map of the communities showing how they have vocations, politics, ethnicities and hobbies in common. In order to do this, they focused on the sending of publically available messages via Twitter, which meant that they could record conversations between two or many participants.

To group these users into communities, they turned to cutting-edge algorithms from physics and network science. The algorithms worked by looking for individuals that tend to send messages to other members of the same community.

Dr Bryden then suggested analysing the language use of these discovered communities.

Dr Sebastian Funk from Princeton University said: “When we started to apply John’s ideas, surprising groups started to emerge that we weren’t expecting. One ‘anipals’ group was interested in hosting parties to raise funds for animal welfare, while another was a fascinating growing community interested in the concept of gratitude.”

‘Universal’ Personality Traits Don’t Necessarily Apply to Isolated Indigenous People (Science Direct)

Jan. 3, 2013 — Five personality traits widely thought to be universal across cultures might not be, according to a study of an isolated Bolivian society.

Researchers who spent two years looking at 1,062 members of the Tsimane culture found that they didn’t necessarily exhibit the five broad dimensions of personality — openness, conscientiousness, extraversion, agreeableness and neuroticism — also known as the “Big Five.” The American Psychological Association’s Journal of Personality and Social Psychologypublished the study online Dec. 17.

While previous research has found strong support for the Big Five traits in more developed countries and across some cultures, these researchers discovered more evidence of a Tsimane “Big Two:” socially beneficial behavior, also known as prosociality, and industriousness. These Big Two combine elements of the traditional Big Five, and may represent unique aspects of highly social, subsistence societies.

“Similar to the conscientiousness portion of the Big Five, several traits that bundle together among the Tsimane included efficiency, perseverance and thoroughness. These traits reflect the industriousness of a society of subsistence farmers,” said the study’s lead author, Michael Gurven, PhD, of the University of California, Santa Barbara. “However, other industrious traits included being energetic, relaxed and helpful. In small-scale societies, individuals have fewer choices for social or sexual partners and limited domains of opportunities for cultural success and proficiency. This may require abilities that link aspects of different traits, resulting in a trait structure other than the Big Five.”

The Tsimane, who are forager-farmers, live in communities ranging from 30 to 500 people dispersed among approximately 90 villages. Since the mid-20th century, they have come into greater contact with the modern world but mortality rates remain high (approximately 20 percent of babies born never reach age 5) and the fertility rate is very high (approximately nine births per woman), the study said. Most Tsimane are not formally educated, with a literacy rate close to 25 percent. Some 40 percent speak Spanish in addition to their native language. They live in extended family clusters that share food and labor and they limit contact with outsiders unless absolutely necessary, according to the authors.

Researchers translated into the Tsimane language a standard questionnaire that assesses the Big Five personality traits. Between January 2009 and December 2010, they interviewed 632 adults from 28 villages. The sample was 48 percent female with an average age of 47 years (ranging from 20 to 88) and little more than a year of formal education.

Researchers also conducted a separate study between March 2011 and January 2012 to gauge the reliability of the model when answered by peers. They asked 430 Tsimane adults, including 66 people from the first study, to evaluate their spouse’s personality. The second study revealed that the subject’s personality as reported by his or her spouse also did not fit with the Big Five traits.

The researchers controlled for education level, Spanish fluency, gender and age. Previous research has suggested that formal schooling and greater interaction with others, such as when villagers venture to markets in other towns, can lead to more abstract reflection and may be one reason why the Big Five replicates in most places, according to the authors. However, there were no significant differences between the less educated, Tsimane-only speakers and the more educated bilingual participants.

Other recent research, some of which was outlined in an article in the American Psychologist, has shown the existence of Big Five personality traits may be lacking in some developing cultures, particularly in Asia and Africa, but this is the first study of a large sample of an exclusively indigenous population completed with rigorous methodological controls, according to Gurven. He suggested personality researchers expand beyond the limited scope of more Western, industrialized and educated populations. “The lifestyle and ecology typical of hunter-gatherers and horticulturalists are the crucible that shaped much of human psychology and behavior,” he said. “Despite its popularity, there is no good theory that explains why the Big Five takes the form it does, or why it is so commonly observed. Rather than just point out a case study where the Big Five fails, our goal should be to better understand the factors that shape personality more generally.”

The study was part of the University of California-Santa Barbara’s and University of New Mexico’s Tsimane Health and Life History Project, co-directed by Gurven and study co-author Hillard Kaplan, PhD, of the University of New Mexico, and was funded by the National Institute on Aging.

Journal Reference:

  1. Michael Gurven, Christopher von Rueden, Maxim Massenkoff, Hillard Kaplan, Marino Lero Vie. How Universal Is the Big Five? Testing the Five-Factor Model of Personality Variation Among Forager–Farmers in the Bolivian Amazon.Journal of Personality and Social Psychology, 2012; DOI: 10.1037/a0030841

Favelas: preservar o quê? (riorealblog.com)

By Julia Michaels

Posted on December 23, 2012

Um mundo na van

SONY DSC

Não existe ônibus direto para Copacabana, vindo da avenida Brasil, altura da passarela nove, Parque União.  Então, o jeito é andar de van. Só que o caminho até o ponto é um desafio mortal.

“Há cracudos,” avisa Jailson de Souza e Silva, fundador do Observatório de Favelas, “e eles avançam. Conhecem as caras das pessoas, e avançam em quem tem cara de gringo.” Ele pede para uma funcionária fazer o papel de guardacostas. No caminho, a acompanhante opina que o governo devia colocar os viciados para trabalhar. “Podiam estampar camisetas,” sugere.

thinktank Observatório de Favelas é localizado na beirada do Complexo da Maré, uma coleção de 16 favelas e conjuntos habitacionais espremidos entre a avenida Brasil e a baía de Guanabara. A pacificação não chegou ainda à Maré. Souza e  Silva morou lá sete anos, e mais onze numa favela perto da Penha.

O interior da van, quase totalmente ocupada, é escuro, fresco, sonorizado de samba. O ar está ligado e os vidros estão abertos, para aproveitar a brisa de uma das últimas tardes de primavera carioca. Não se demora muito para sair, mas na hora da partida aparece uma mulher negra, repleta de curvas e megahair. O motorista, rapaz sólido de olhos doces e redondos, para, desce, e deixa-a subir para se sentar na metade de um lugar na frente, junto a ele e mais duas mulheres.

Mas nem se andou meio metro e alguém lembra que a polícia está por aí na avenida, entre os viciados, de moto, sirene, e revólver, feita pastor de zumbi– espalhando fieis. O motorista para novamente, a bonitona desce, dá volta, e sobe na parte traseira da van, para ficar em pé junto ao cobrador.

Ponto de van e de mototáxi

Ponto de van e de mototáxi

Co-autor do recém-lançado livro O Novo Carioca, Souza e Silva faz parte de um grupo de pensadores e agitadores no Rio de Janeiro, que observa e encoraja o surgimento do tal “Novo Carioca”. Trata-se de pessoas, na sua maioria jovens, que aproveitam cada vez mais a cidade. Aventuram-se por bairros e morros, fazendo conexões e amizades, criando e participando em uma gama de manifestações culturais. A integração urbana– e a cara futura da cidade– dizem os autores do livro, dependem muito do novo carioca.

De acordo com Souza e Silva, “[…] não existe uma identidade carioca independente das favelas […] a cidade tornou-se uma referência nacional e internacional também em função do peso arquitetônico, cultural e social de seus espaços favelados. A garantia dessa riqueza paisagística e dessa pluralidade cultural é central para o Rio de Janeiro”, conforme ele escreve no livro.

Jailson de Souza e Silva

Dali a alguns metros, passados vários cracudos solitários e em grupo, alguns no meio fio,  depois da polícia, a van encosta. O motorista e a moça descem, ela dá volta,  e sobe para ficar novamente no meio, ao lado dele, na frente. E o samba brada. A viagem recomeça, a van entrando numa passarela de retorno ao outro lado da avenida. Do alto, mais cracudos a vista.

“Vamos parar pro diesel,” avisa o cobrador. Ninguém diz nada, mas ele– saradão, de tênis, regata e bermuda, cabeça raspada menos um topete aloirado e encaracolado, de tatuagens, pede desculpas. O motorista queria encher o tanque antes, mas não deu. O cobrador desliza a porta e desce para cuidar do combustível. O posto também vende empadas, e pela porta aberta o motorista e o frentista trocam comentários engraçadinhos porém herméticos para quem é de fora, sobre empadões.

Passa uma mulher negra de soutien roxo e micro saia de material elástico e barato, descalça, pedindo esmola no balcāo das empadas. Passa um rapaz de muletas, faltando uma perna.

Há pouco, Souza e Silva disse que nunca quis sair da favela. “Não é verdade que as pessoas queiram sair da favela,” falou. “Eu sou o exemplo mais concreto. Eu só me mudei da favela– eu fiz uma ótima casa na favela– porque a guerra tornou impossível criar meu filho na favela […] se fóssemos só eu e minha mulher não sairíamos, mas criar um filho com isso, com bala perdida o tempo inteiro, sem poder andar na rua, porque tem jovens com fuzis, e a policia desrespeitando o morador– foi isso que me fez sair da favela. Onde eu morava tinha coleta de esgoto, calçamento, comercio imenso, grau de solidariedade com as pessoas, grau de intensidade de vida, de festa muito forte, de envolvimento, pertencimento grande, e cada vez mais criando opções [culturais].”

Para o americano nascido num subúrbio de casas com quintal para brincar, grama para cortar, e folhas para juntar, soa familiar a descrição de vida comunitária de favela. No subúrbio americano, os vizinhos sabem quem está doente, quem precisa de canja de galinha, carona, uma visita. Lá, o estado é mais eficaz do que no Brasil– as escolas públicas geralmente são boas, por exemplo– mas fora das grandes cidades as pessoas vivem espalhadas, precisando de apoio, e dando apoio, nas horas de dificuldade. Vizinhos limpam a neve da entrada da casa dos mais velhos, andam de porta em porta distribuindo panfletos de candidatos, dão carona para a igreja, fazem babysitting, passeiam cachorros, regam plantas, distribuem balas às crianças no Halloween.

Pit stop

Pit stop

O carioca do asfalto conhece e cumprimenta vizinhos, porteiros, entregadores, feirantes, comerciantes do bairro. Brinca, zoa o time do outro. Participa de bloco de carnaval, e de festa junina na praça. Compartilha praia, cerveja, galeto, pelada de futebol. Mas raramente se junta aos vizinhos para providenciar algo necessário e de utilidade geral: água, luz, casa. No Brasil, quem mora no asfalto paga imposto, paga porteiro, paga pedreiro, passeador e empregada– e assim resolve a vida.

No Brasil, o nivel de confiança no outro é baixo, sobretudo quando o outro não é parente ou colega. Mas na favela a confiança é maior do que em geral, porque há menos desigualdade. O outro é mais parecido, menos assustador, disse Souza e Silva. E a vida é mais pública.

A van tem termometro. No painel acima da cabeça da moça de megahair, marca mais de 36 graus. Mas a brisa é fresca, o samba incita, e Mara, a moça do lado, está negociando com o motorista o transporte de um grupo em janeiro, para Jacarepaguá. Haverá um casamento. “Seu?” pergunta o cobrador, com um sorriso malicioso. Pelo tom de voz e a plenitude de expressões faciais, mais a roupa, conclui-se que ele é homossexual.

“É ruim, hein!” exclama Mara. “Eu casar em Jacarepaguá? Vou casar no Copacabana Palace!” Ela pede um preço do motorista. Ele diz que está pensando.  E para num ponto de ônibus. Sobe um rapaz de pele enrugado pelo sol, que fica em pé ao lado do cobrador. No próximo ponto, o cobrador abre a porta para revelar uma loira, segurando uma grande sacola. Ela faz não com a cabeça. O motorista diz que tem lugar. “Vem, sim!” ele exorta, dobrando-se por cima das três moças no banco de frente para que sua voz chegue aos ouvidos da cliente em potencial. Mas ela se recusa.

“Agora mete o pé!” diz um passageiro, ao passo que a van engrena na avenida Brasil.

“Vou meter,” responde o motorista. “Tem que estar em Copacabana às duas horas.”

As vans surgiram nos anos 90 no Rio de Janeiro, como resposta informal à falta de transporte entre bairros afastados e áreas centrais da cidade. “Sem a van Copacanana-Maré, nao sei o que seria da gente, galera que circula dia e noite construindo novas formas de viver a cidade,” comentou Souza e Silva.

Hoje, milicianos controlam grande parte do negócio e o prefeito Eduardo Paes tenta racionalizar o transporte urbano. Para reduzir o número de veículos nas ruas, fariam muito mais sentido linhas de ônibus ou de metrô. A questão não é tāo diferente da de ocupaçāo do solo. Já existem prédios em favelas.

S

“Quanto, então?” pergunta a Mara. “Vinte,” diz o motorista.

“Por pessoa? Isso sai do meu bolso!” Ela mexe com o celular e mostra alguma coisa, uma foto talvez, à moça do lado dela.

Neste momento, quatro anos após o início da pacificação no Rio de Janeiro, com vários reflexos economicos e imobiliarios dela em curso, fala-se muito na preservação da favela, sobretudo das na Zona Sul. Sabe-se que um número crescente de jovens estrangeiros brinca de casinha no Vidigal, na Rocinha, no Pavão-Pavãozinho e no Cantagalo. Uma breve caminhada em qualquer um desses morros revela sacas de cimento, tijolos recém-colocados. A vida ficou mais segura em muitas favelas pacificadas. As pessoas investem, a cidade se transforma. A barreira entre morro e asfalto fica um tanto menos nítida.

O que deveria ser preservado, nestas áreas da cidade tão longamente negligenciadas? “Uma grande confusão que se faz,” disse mais cedo Souza e Silva na sala dele no Observatório, “é de considerar, quando se fala em preservar a favela como habitat, [que trata-se de] preservar  paisagem.”

A paisagem, mesmo nas favelas mais cinematográficas, mesmo onde as crianças hoje brincam tranquilamente na rua e faz-se churrasco de Reveillon para turista, ainda é frequentemente feia e malcheirosa.

“Tem que garantir todas as condições básicas: saneamento, luz, água, esgoto, coleta de lixo, crêche, educação, equipamentos culturais,” acrescentou Souza e Silva. “Tudo que se tem para viver com dignidade num centro urbano tem que ter na favela. Só que isso não quer dizer eliminar a favela,” explicou. “Significa reconhecer que a favela tem uma geografia particular, que pode ser preservada como as cidades medievais foram preservadas […] podemos ter vários tipos de habitat, de estrutura urbana, sem perder a dignidade.”

SONY DSC

E, supondo que a favela ganhe essa dimensão toda nos próximos anos– pois o programa Morar Carioca, financiado pelo BID, pretende justamente urbanizar todas as favelas cariocas até 2020– o que Souza Silva e outros representantes das regiões populares da cidade querem preservar é um estilo de vida.

O cobrador manda a Mara tomar nota do celular dele, no dela. “Agora liga para mim,” ele diz. ” Para eu ter teu número também.” A negociação será demorada.

“Alguém vai para o Aterro?” pergunta o motorista. “Eu,” diz a moça do outro lado da Mara.

“Serve o Largo do Machado?”

“Serve.”

“Você que vai casar?” pergunta o cobrador novamente, como se fosse policial tentando desvendar mentiras. “So no Copa Palace,” reitera a Mara.

“Faz tempo que não vejo sua namorada,” provoca a amiga da Mara ao motorista.

“Que namorada!” ele corrige. “Sou casado.”

O próximo é próximo: cobrador e passageiro

A van passa pela estação de trem Leopoldina, pelo Sambódromo, e finalmente encosta no Largo do Machado. A temperatura já baixou um grau. O samba ameniza, e a brisa idem. A amiga da Mara desce. Mara diz que vai para São Conrado, mas para chegar lá terá que descer antes do Shopping Rio Sul e pegar outro transporte.

O passageiro de pele enrugado quer pagar seus três reais ao cobrador. “Na saída,” afirma este.

Cariocas do asfalto criam e mantém vínculos no bairro, na cidade. Os vínculos entre moradores de favela, disse Souza e Silva, precisam ser preservados. Muitas vezes, advêm de fortes experiências de vida.

Não devem ser muito diferentes dos vínculos comunitários evidentes na pequena cidade de Sandy Hook, por exemplo, cidade norte americana recentemente atingida por uma tragédia terrível. Vizinhos lá estranharam nunca terem entrado na casa da māe do matador, de acordo com reportagens. Pois lá, entra-se na casa de vizinho, mesmo que não seja amigo. Tomar essa liberdade, e sentir a confiança embutida no ato, fazem parte da democracia americana.

No Brasil, tal comportamento pode ser considerado uma intrusão. Na Zona Sul do Rio de Janeiro, pede-se licença, cheio de dedos, para conferir a criatividade de um decorador ou arquiteto, num apartamento de layout igual.

“Reconhecer que a favela é mais do que paisagem é reconhecer esses vínculos,” finalizou Souza e Silva.

O passageiro de rugas chegou no destino. A van para, o cobrador desce, o passageiro paga na calçada. “Não quer receber antes,” lamenta o motorista. “Só viado, mesmo.”

S

Não casa em Jacarepaguá

A van chega na praia do Flamengo, e descem vários passageiros, criando mais espaço. “Onde você trabalha em São Conrado?” pergunta o motorista, agora sozinho no banco da frente, para Mara.

“No Fashion Mall?” aposta o cobrador. É o shopping mais chique do Rio de Janeiro. Ela diz que sim. “Qual loja?” ele pergunta. Agora resolve receber de todo mundo. O dinheiro é passado adiante, troco feito.

“Armani,” responde a Mara. A van passa por um túnel pequeno. Na saída, Mara está colocando um óculos de sol com um AX no haste. Logo a van para no ponto, ela desce, e daí aparece no vão da porta aberta um jovem de topete e sobrancelha feita, mão sugestivamente na cintura, um pé esticado à frente do outro para ressaltar um quadril amplo.

“Seu irmão?” pergunta o motorista ao cobrador. O rapaz sobe requebrando para o assento de carona agora vazio, e o cobrador, de sorriso maroto, desce para comprar água gelada para ele e o colega de trabalho.

Enquanto os dois bebem das garrafinhas suadas de plástico azul, a van chega em Copacabana, o bairro mais denso do Rio de Janeiro. A brisa do mar adentra os vidros; o samba flui para fora. Fazem 33 graus, de acordo com os números vermelhos do painel. Os últimos descem na altura da Francisco Sá, e lá vai a dupla Copacabana-Maré pelo retorno, pela praia, de volta ao Parque União.

MP3 Players ‘Shrink’ Our Personal Space (Science Daily)

Science Daily (Oct. 12, 2011) — How close could a stranger come to you before you start feeling uncomfortable? Usually, people start feeling uneasy when unfamiliar people come within an arm’s reach. But take the subway (underground rail) during rush hour and you have no choice but to get up close and personal with complete strangers.

Researchers at Royal Holloway, University of London wanted to find out whether there is a way to make this intrusion more tolerable. Their results, published in the journal PLoS One, reveal that listening to music through headphones can change people’s margins of personal space.

Dr Manos Tsakiris, from the Department of Psychology at Royal Holloway, said: “This distance we try to maintain between ourselves and others is a comfort zone surrounding our bodies. Everyone knows where the boundaries of their personal space are even though they may not consciously dictate them. Of course personal space can be modified for example in a number of relationships including family members and romantic partners, but on a busy tube or bus you can find complete strangers encroaching in this space.”

The study, led by Dr Tsakiris and Dr Ana Tajadura-Jiménez from Royal Holloway, involved asking volunteers to listen to positive or negative emotion-inducing music through headphones or through speakers. At the same time, a stranger started walking towards them and the participants were asked to say “stop” when they started feeling uncomfortable.

The results showed that when participants were listening to music that evoked positive emotions through headphones, they let the stranger come closer to them, indicating a change in their own personal space. Dr Tajadura-Jiménez explains: “Listening to music that induces positive emotions delivered through headphones shifts the margins of personal space. Our personal space “shrinks,” allowing others to get closer to us.”

Dr Tsakiris added: “So next time you are ready to board a packed train, turn on your mp3 player and let others come close to you without fear of feeling invaded.”