Arquivo da tag: Microcefalia

Argentine and Brazilian doctors suspect mosquito insecticide as cause of microcephaly (The Ecologist)

Claire Robinson / GMWatch

10th February 2016

With the proposed connection between the Zika virus and Brazil’s outbreak of microcephaly in new born babies looking increasingly tenuous, Latin American doctors are proposing another possible cause: Pyriproxyfen, a pesticide used in Brazil since 2014 to arrest the development of mosquito larvae in drinking water tanks. Might the ‘cure’ in fact be the poison?

Malformations detected in thousands of children from pregnant women living in areas where the Brazilian state added Pyriproxyfen to drinking water are not a coincidence, even though the Ministry of Health places direct blame on the Zika virus.

The World Health Organization view that the microcephaly outbreak in Brazil’s impoverished northeast is caused by the Zika virus has, so far, received few challenges.

Brazil’s Health Minister, Marcelo Castro, has gone so far as to say that he has “100% certainty”that there is a link between Zika and microcephaly, a birth defect in which babies are born with small heads.

The view is widely supported in the medical community worldwide, including by the US’s influential Center for Disease Control. But there is no hard evidence of the link, rather a mixture of epidemiological indications and circumstantial evidence.

One of the key scientific papers, by A S Oliveira Melo et al in the journal Ultrasound in Obstetrics & Gynecology, found Zika virus in the amniotic fluids and other tissues of the affected babies and their mothers. But only two women were examined, far too small a number to establish a statistically significant link.

The New York Times also reported on 3rd February on the outcome of analyses by Brazil’s Health Ministry: “Of the cases examined so far, 404 have been confirmed as having microcephaly. Only 17 of them tested positive for the Zika virus. But the government and many researchers say that number may be largely irrelevant, because their tests would find the presence of the virus in only a tiny percentage of cases.”

And last weekend, the most powerful indicator yet that the microcephaly may have another cause altogether was announced by Colombia’s president, Juan Manuel Santos, as reported by the Washington Post. Colombian public health officials, stated Santos, have so far diagnosed 3,177 pregnant women with the Zika virus- but in no case had microcephaly been observed in the foetus.

Argentine doctors: it’s the insecticide

Now a new report has been published by the Argentine doctors’ organisation, Physicians in the Crop-Sprayed Towns (PCST), [1] which not only challenges the theory that the Zika virus epidemic in Brazil is the cause of the increase in microcephaly among newborns, but proposes an alternative explanation.

According to PCST, the Ministry failed to recognise that in the area where most sick people live, a chemical larvicide that produces malformations in mosquitoes was introduced into the drinking water supply in 2014.

This pesticide, Pyriproxyfen, is used in a state-controlled programme aimed at eradicating disease-carrying mosquitos. The Physicians added that the Pyriproxyfen is manufactured by Sumitomo Chemical, a Japanese ‘strategic partner‘ of Monsanto. – a company they have learned to distrust due to the vast volume of the company’s pesticides sprayed onto Argentina’s cropland.

Pyriproxyfen is a growth inhibitor of mosquito larvae, which alters the development process from larva to pupa to adult, thus generating malformations in developing mosquitoes and killing or disabling them. It acts as an insect juvenile hormone or juvenoid, and has the effect of inhibiting the development of adult insect characteristics (for example, wings and mature external genitalia) and reproductive development.

The chemical has a relatively low risk profile as shown by its WHO listing, with low acute toxicity. Tests carried out in a variety of animals by Sumitomo found that it was not a teratogen (did not cause birth defects) in the mammals it was tested on. However this cannot be taken as a completely reliable indicator of its effects in humans – especially in the face of opposing evidence.

The PCST commented: “Malformations detected in thousands of children from pregnant women living in areas where the Brazilian state added Pyriproxyfen to drinking water are not a coincidence, even though the Ministry of Health places a direct blame on the Zika virus for this damage.”

They also noted that Zika has traditionally been held to be a relatively benign disease that has never before been associated with birth defects, even in areas where it infects 75% of the population.

Brazilian doctors also suspect pyriproxyfen

Pyriproxyfen is a relatively new introduction to the Brazilian environment; the microcephaly increase is a relatively new phenomenon. So the larvicide seems a plausible causative factor in microcephaly – far more so than GM mosquitos, which some have blamed for the Zika epidemic and thus for the birth defects.

The PCST report, which also addresses the Dengue fever epidemic in Brazil, concurs with the findings of a separate report on the Zika outbreak by the Brazilian doctors’ and public health researchers’ organisation, Abrasco. [2]

Abrasco also names Pyriproxyfen as a possible cause of the microcephaly. It condemns the strategy of chemical control of Zika-carrying mosquitoes, which it says is contaminating the environment as well as people and is not decreasing the numbers of mosquitoes.

Instead Abrasco suggests that this strategy is in fact driven by the commercial interests of the chemical industry, which it says is deeply integrated into the Latin American ministries of health, as well as the World Health Organization and the Pan American Health Organisation.

Abrasco names the British GM insect company Oxitec as part of the corporate lobby that is distorting the facts about Zika to suit its own profit-making agenda. Oxitec sells GM mosquitoes engineered for sterility and markets them as a disease-combatting product – a strategy condemned by the Argentine Physicians as “a total failure, except for the company supplying mosquitoes.”

Both the Brazilian and Argentine doctors’ and researchers’ associations agree that poverty is a key neglected factor in the Zika epidemic. Abrasco condemned the Brazilian government for its “deliberate concealment” of economic and social causes: “In Argentina and across America the poorest populations with the least access to sanitation and safe water suffer most from the outbreak.” PCST agrees, stating, “The basis of the progress of the disease lies in inequality and poverty.”

Abrasco adds that the disease is closely linked to environmental degradation: floods caused by logging and the massive use of herbicides on (GM) herbicide-tolerant soy crops – in short, “the impacts of extractive industries.”

The notion that environmental degradation may a factor in the spread of Zika finds backing in the view of Dino Martins, PhD, a Kenyan entomologist. Martins said that “the explosion of mosquitoes in urban areas, which is driving the Zika crisis” is caused by “a lack of natural diversity that would otherwise keep mosquito populations under control, and the proliferation of waste and lack of disposal in some areas which provide artificial habitat for breeding mosquitoes.”

Community-based actions

The Argentine Physicians believe that the best defence against Zika is “community-based actions”. An example of such actions is featured in a BBC News report on the Dengue virus in El Salvador.

A favourite breeding place for disease-carrying mosquitoes is storage containers of standing water. El Salvadorians have started keeping fish in the water containers, and the fish eat the mosquito larvae. Dengue has vanished along with the mosquitoes that transmit the disease. And so far, the locals don’t have any Zika cases either.

Simple yet effective programmes like this are in danger of being neglected in Brazil in favour of the corporate-backed programmes of pesticide spraying and releasing GM mosquitoes. The latter is completely unproven and the former may be causing far more serious harm than the mosquitoes that are being targeted.

 


 

Claire Robinson is an editor at GMWatch.

This article was originally published by GMWatch. This version includes additional reporting by The Ecologist.

Notes

1. ‘Report from Physicians in the Crop-Sprayed Towns regarding Dengue-Zika, microcephaly, and mass-spraying with chemical poisons‘. 2016. Physicians in the Crop-Sprayed Towns.

2. ‘Nota técnica e carta aberta à população: Microcefalia e doenças vetoriais relacionadas ao Aedes aegypti: os perigos das abordagens com larvicidas e nebulização química – fumacê‘. January 2016. GT Salud y Ambiente. Asociación Brasileña de Salud Colectiva. ABRASCO.

 

Anúncios

Nota técnica sobre microcefalia e doenças vetoriais relacionadas ao Aedes aegypti: os perigos das abordagens com larvicidas e nebulizações químicas – fumacê (Abrasco)

Grupos Temáticos da Abrasco produzem Nota Técnica com reflexões, questionamentos e proposições de orientação

Nós, sanitaristas e pesquisadores da Saúde Coletiva que atuamos no GTs Saúde e Ambiente; Saúde do Trabalhador; Vigilância Sanitária; Promoção da Saúde e Desenvolvimento Sustentável; Educação Popular e Saúde e Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), vimos a público porque temos o dever de elaborar reflexões, questionamentos e fazer proposições que possam orientar as políticas públicas na intervenção preventiva frente às epidemias de microcefalia e doenças vetoriais relacionadas ao Aedes aegypti. Dentre os eventos sanitários clinicamente visíveis, as problemáticas relacionadas às doenças vetoriais surgem como  um dos mais importantes eventos sanitários pós Segunda Guerra Mundial.

Como se sabe, foi decisão do Ministério da Saúde (MS) imputar a associação da epidemia de microcefalia à infecção materno-fetal pelo vírus da Zika, supostamente introduzido no Brasil em 2014, no Nordeste brasileiro. Diante da inusitada incidência foi determinado o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, desencadeando a intensificação do controle vetorial do Aedes aegypti, dentro da mesma abordagem utilizada para Dengue, que há cerca 40 anos é realizada sem efetividade para os objetivos pretendidos.

Contexto do surgimento da epidemia

O quadro sanitário no qual emerge a epidemia de microcefalia deve ser analisado considerando-se os graves problemas que estão presentes na realidade socioambiental em que ocorreram os casos e no modelo operacional de controle vetorial. A distribuição espacial por local de moradia das mães dos recém-nascidos com microcefalia (ou suspeitos) é maior nas áreas mais pobres, com urbanização precária e com saneamento ambiental inadequado, com provimento de água de forma intermitente, fato que leva essas populações ao armazenamento domiciliar inseguro de água, condição muito favorável para a reprodução do Aedes aegypti, constituindo-se em “criadouros” que não deveriam existir, e que são passíveis de eliminação mecânica.

Alguns fatos que ainda precisam ser questionados e investigados podem justificar a introdução e a disseminação do vírus Zika. É necessário avaliar quais contextos e contingências existiram e aconteceram em 2014 nos locais de aparecimento dos casos de microcefalia. Podemos aventar alguns por saltarem aos olhos, como:

1) Na região Nordeste, em especial na periferia das suas Regiões Metropolitanas, como a de Recife, pode ter havido aumento da degradação ambiental, por existirem nelas todas as condições para a manutenção da alta densidade do Aedes aegypti, pelos baixos indicadores de saneamento ambiental, relacionados ao abastecimento de água, ao esgotamento sanitário, à imensa presença de resíduos sólidos junto aos domicílios e às deficiências de drenagem de águas pluviais. A propósito desta questão, a Revista RADIS Comunicação e Saúde da Fiocruz (n.154, julho 2015) traz uma esclarecedora matéria sobre saneamento ambiental mostrando sua defasagem e os graves problemas ainda não solucionados, o que se agrava pelos indícios de que haverá um retardo de anos no Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) com o ajuste fiscal.[1]

2) A utilização continuada de larvicidas químicos na água de beber dessas famílias há mais de 40 anos sem, contudo, implicar na redução do número de casos de doenças provocadas por arbovírus. Em 2014 foi introduzido na água de beber das populações nos domicílios e nas vias públicas um novo larvicida o Pyriproxyfen. Conforme orientação técnica do MS[2] esse larvicida é um análogo do hormônio juvenil ou juvenóide, tendo como mecanismo de ação a inibição do desenvolvimento das características adultas do inseto (por exemplo, asas, maturação dos órgãos reprodutivos e genitália externa), mantendo-o com aspecto “imaturo” (ninfa ou larva), quer dizer age por desregulação endócrina e é teratogênico e inibe a formação do inseto adulto.

3) A intensificação de processos migratórios pela atração de grandes empreendimentos, cujos trabalhadores passam a viver em condições sanitárias precárias nas periferias dos polos industriais (como o de Suape-PE, com trabalhadores vindos de outras regiões e estados do país e de Pecém-CE, com a presença de milhares de coreanos);

4) A Copa do Mundo de 2014, evento de massa de grande porte, teve uma subsede em Recife (Arena Pernambuco). Instalada no município de São Lourenço da Mata (IDH de 0,614), está em uma região com precárias condições sanitárias. Foi observada a maior concentração dos casos de microcefalia inicialmente notificados (600 casos suspeitos) nessas áreas;

5) Fragilidade da vigilância epidemiológica dos municípios e dos estados no diagnóstico diferencial, na investigação de arboviroses e na diferenciação entomológica;

6) As dificuldades na condução da vigilância da Zika e Chinkungunya, ao tratá-las como “dengue branda”.  Frise-se que a capacidade vetorial do Aedes aegypti para transmitir o vírus da Zyka e Chikungunya em nosso meio ainda não está devidamente estudada nem pelos entomologistas em nossos contextos socioambientais. Daí caber indagações: o que fez os casos de dengue se tornar mais graves, se antes era considerada doença benigna desde 1779 até 1950, sem provocar sequela e sem alterações hematológicas, conforme dados da OMS? Como está o sistema imunológico da população diante do modelo químico de controle vetorial e adotadas pelo MS em curso no País há cerca de 30 anos?

As estratégias adotadas pelo MS

Apesar das razões e incertezas que estão na determinação da ocorrência da epidemia de microcefalia, o caminho para o que se chama de “enfrentamento” foi o de intensificar o “combate” ao mosquito pela repetição do que vem sendo adotado há mais de 40 anos sem sucesso. Chamamos a atenção da sociedade para esta questão. Por quais razões, apesar de todos os indicadores de ineficácia, o MS continua a utilizar a mesma abordagem para o controle do mosquito transmissor do vírus da dengue, doença cuja transmissão depende também de outros elementos? Mesmo desencadeando diversas capacitações para os profissionais de saúde e trabalhando em salas de situação para aprimorar o diagnostico e a notificação de casos das novas doenças virais; permanece sem integração as ações das Vigilâncias Epidemiológica, Sanitária e a Promoção da Saúde. O problema que queremos destacar nesta Nota Técnica de alerta está na essência do modelo de controle vetorial, haja vista a intensificação do uso de larvicidas e adulticidas para o Aedes aegypti, sendo que segundo as orientações adotadas pelo MS desde 2014, retrocede-se à orientação de utilização da técnica Ultra Baixo Volume (UBV)[3] com Malathion a 30% diluído em água, abrangendo  todo território nacional.

É preciso também problematizar o uso de produtos químicos numa escala que desconsidera as vulnerabilidades biológicas e socioambientais de pessoas e comunidades. O consumo de tais substâncias pela Saúde Pública só interessa aos seus produtores e comerciantes desses venenos. São insumos produzidos por um cartel de negócios muito lucrativo, que atua em todo o mundo e que, mesmo com evidências dos riscos provocados pelos organofosforados e piretroides, dos quais se conhecem tantos efeitos deletérios, têm tido o apoio de agências internacionais de Saúde Pública, como o Fundo Rotatório da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Uma simples consulta às fichas de segurança química de tais produtos entregues pelas empresas aos órgãos de Saúde Pública mostra que esses produtos, a exemplo do Malathion, são neurotóxicos para o sistema nervoso central e periférico, além de provocarem náusea, vômito, diarreia, dificuldade respiratória e sintomas de fraqueza muscular, inclusive nas concentrações utilizadas no controle vetorial. Quanto à toxicidade ambiental é recomendado evitar seu uso no meio ambiente, o que não tem sido observado, pois seu lançamento é feito da forma como aqui denunciamos. Tais agências se constituem em instâncias de decisão para a compra e distribuição de venenos para todos os países vinculados à Organização das Nações Unidas (ONU). Os fornecedores são os mesmos cartéis de empresas produtoras de agrotóxicos que operam na agricultura, tornando-a também tóxica e químico-dependente. Esse modelo, pós-II Guerra Mundial, destacamos, impôs-se também para o controle das doenças vetoriais em Saúde Pública.

As tecnologias de controle químico dos vetores foram introduzidas amplamente no Brasil a partir de 1968, não se podendo desconsiderar que sua origem deve-se às armas químicas de destruição em massa, amplamente utilizadas pelo exército norte-americano, naquela época, na guerra do Vietnã. A adoção da técnica de tratamento por UBV foi uma prática introduzida nesse mesmo período e, não por acaso, um dos primeiros documentos de sua normatização foi elaborado pelo Exército Americano[4].

Essa mesma lógica já está adotada para oferecer a solução mediante a transgenia e outras biotecnologias imprecisas, duvidosas e perigosas para os ecossistemas, focando a ação apenas no mosquito, sem levar em conta os efeitos em organismos não-alvo. Atenção deve ser dada a empresa inglesa OXITEC nas pesquisas e comercialização do mosquito transgênico, cuja fábrica foi implantada em Campinas-SP em 2013 e que, em 2014, obteve a autorização da CTNBio para comercialização desse Organismo Geneticamente Modificado (OGM), e sobre essa questão a Abrasco publicou Nota Técnica[5].

O foco no mosquito e as consequências para a saúde humana

O lado invisível dos danos ao ambiente e à saúde humana, decorrentes do uso de produtos químicos no controle vetorial, ainda não foi devidamente estudado ou revelado às populações vulneráveis, incluindo os trabalhadores de Saúde Pública. Seus efeitos nocivos são totalmente desconsiderados tanto no agravamento das viroses, quanto no surgimento de outras patologias tais como: alergias, imunotoxicidade, câncer, distúrbios hormonais, neurotoxicidade, dentre outras.

Frisamos o simplismo no trato da questão por parte do MS que reduz a causalidade da Dengue, da Zika e da Chicungunya, centrando as ações na tentativa de eliminar ou reduzir o vetor, o que deve ser substituído, insistimos, pela ação de medidas de cunho intersetoriais para intervir no contexto socioeconômico e ambiental. Visando eliminar o mosquito a ação orientada pelo MS acaba, também, envenenando seres humanos. Mas isto não é reconhecido: ao contrário, há uma ocultação desses perigos. As vozes oficiais repetem até tornar verdadeiros diversos absurdos como: “As doses de larvicidas são tão baixas e pouco tóxicas que podemos colocar na água de beber, sem perigo”[6].

Este despreparo também leva a defender que a epidemia é um problema de Saúde Pública que justifica o uso do “fumacê”, mesmo com produtos químicos sabidamente tóxicos, como o Malathion, um verdadeiro contrassenso sanitário. Este produto é um agrotóxico organofosforado considerado pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) como potencialmente cancerígeno para os seres humanos[7].

Assim, na tentativa de eliminar o mosquito estão sendo atingidos os humanos mediante efeitos agudos (de morbimortalidade) e de morte lenta, gradual, invisível e que é ocultada. Além das doenças agudas, as crônicas causadas por tais produtos aparecem a médio e longo prazos, a maioria delas chamadas “idiopáticas”, isto é, de causa indefinida ou desconhecida, que não são diagnosticadas ou se quer investigadas.

Ocorre que em pleno século XXI, no caso das doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti, houve mais um complicador em termos de Saúde Pública, pois dois novos vírus entraram em nosso país, para cujas doenças – Chikungunya e Zika – não havia experiência no manejo clínico e nem epidemiológico.

A dengue e o sistema de vigilância epidemiológica

O sistema de vigilância epidemiológica da maioria dos serviços de saúde não investigou adequadamente esta nova realidade. Agora, com a tragédia do surgimento dos casos de microcefalia, revela-se este despreparo técnico-gerencial. Historicamente essas questões de Saúde Pública estão imersas em “razões de Estado”, desconhecidas pela maioria da sociedade. Devemos perguntar: que razões são essas? Para tal basta examinar os documentos oficiais do MS sobre controle vetorial.

Neste sentido, é pedagógico examinarmos os documentos orientadores emanados do MS. É o caso, por exemplo, da NOTA TÉCNICA N.º 109/2010 CGPNCD/DEVEP/SVS/MS[8] de COMBATE à DENGUE, na qual estão bem ilustrados os equívocos que aqui sinalizamos, ou seja, a intensificação do uso da UBV motorizada e costal nos domicílios e nas vias públicas. Nela se reitera os vários absurdos cometidos no controle vetorial do Aedes aegypti e que o MS insiste em manter e ampliar.

O envenenamento da população pobre

No Brasil, a Dengue tornou-se uma doença endêmica com surtos epidêmicos e isto precisa ser assumido de uma vez por todas. Quais são as áreas específicas de maior circulação viral? Justamente aquelas onde habitam as populações mais pobres, que tem piores condições imunológicas e sem saneamento adequado, o que vai se agravar conforme noticias do jornal FOLHA de SÃO PAULO, edição de 11-01-2016. E por que não se divulgam essas vulnerabilidades para a própria população? Acima referida Nota Técnica faz menção à outra, de nº 118/2010, que formula um parâmetro composto, com o que se busca introduzir  indicadores ambientais[9].

Ocorre que o faz apenas para a “delimitação das áreas que necessitam de maior intensificação das ações do combate ao vetor”. Ou seja, a aplicação de veneno (inseticidas e larvicidas) acaba aumentando a nocividade sobre o sistema imune.

A NT 109/2010 informa ainda, que “as ações de controle larvário a serem implementadas estão voltadas, principalmente, para as atividades de redução de fontes criadoras do mosquito (caixas d’água, depósitos diversos, pneus, entre outros)”. Ao assim proceder, admite-se que caixa d´água seja criadouro de mosquito e, portanto, deve ser “tratada” com veneno. Ocorre que a água de beber deve ter sua potabilidade garantida. Por que as ações não incidem na limpeza e na proteção dos reservatórios destinados a armazenar o líquido mais precioso para a vida? Como é possível aceitar a perda da potabilidade da água destinada aos mais pobres? Sim aos mais pobres, justamente aqueles que têm a maior vulnerabilidade. Que equidade é essa na qual aqueles que deveriam ser os mais protegidos e são, paradoxalmente, os mais expostos às situações de nocividade química por quem deveria protegê-los? A alegação de que a população é passiva também decorre desse modelo vertical e autoritário. Prioriza-se a potência do veneno contra os insetos desconsiderando o perigo aos seres humanos e, assim, nada mais precisa ser feito.

Ainda na NT 109/2010 o MS advoga que o sucesso do controle de doenças transmitidas por vetores possa ser atribuído aos agrotóxicos, quando cita como referência para sua justificativa nesse documento a “National Academy of Sciences, National Research Council. Pesticides in the Diets of Infants and Children. National Academy Press, Washington”.  Ressaltamos que o MS é a autoridade máxima em saúde e deveria se pautar pelo princípio da precaução quando se coloca o tema relacionado às exposições humanas a produtos químicos perigosos.

Também nela se lê que em razão do crescente agravamento do processo de resistência de mosquitos aos inseticidas, uma das principais missões do Comitê de Especialistas em Praguicidas da OMS (WHOPES) é encontrar novos biocidas para os quais não haja insetos resistentes, não havendo qualquer abertura para outros métodos, não perigosos, de controle. É fato bem demonstrado que a resistência adquirida pelo mosquito está a demonstrar a insustentabilidade do modelo químico-dependente de controle vetorial, pois já é sabido há muitos anos que os venenos desenvolvem e/ou aumentam a frequência de insetos portadores de mecanismos de resistência aos inseticidas e larvicidas, como vem ocorrendo com o Aedes aegypti.

Ademais a NT 109/2010 admite que “todos os inseticidas que se utilizam em saúde pública – por razões de mercado – são produtos originalmente desenvolvidos para a agricultura, não havendo nenhum que tenha sido desenvolvido exclusivamente para uso em saúde”. E cita como parâmetro de sustentação do sucesso da medida, as pesquisas realizadas em Cingapura para avaliar possível impacto da utilização das diversas medidas utilizadas no enfrentamento de uma epidemia de dengue naquele país. Por que não analisar nossas próprias experiências, afinal temos um tempo de controle vetorial de mais de 40 anos. Será que não são edificantes?

Mais venenos, mais resistência, mais venenos

É utilizado o exemplo do inseticida organofosforado Temephós (conhecido comercialmente como ABATE®), a 1%, introduzido no Brasil em 1968, como larvicida em água potável especialmente no Norte e Nordeste brasileiro, cujos impactos na saúde das populações não foram estudados. Sabemos que apesar da constatação da resistência do mosquito o MS continuou a utilizá-lo até o esgotamento de seu estoque, a despeito de ter sido demonstrado a resistência nos insetos alvo e a farta informação toxicológica dos potenciais riscos para a saúde humana.

A continuidade da adição de outros larvicidas substitutos na água de beber das pessoas se dá até hoje sem qualquer preocupação sobre sua concentração final, pois por orientação das normas do MS é indicada a diluição dos larvicidas apenas considerando o volume físico do recipiente e não pela  quantidade interna de água no recipiente. Em 1998, um alerta formal sobre este erro de diluição foi feito por químicos, médicos e engenheiros sanitaristas reconhecidos, mas nada mudou! Teimosamente, até hoje os documentos oficiais do MS recomendam a adição do larvicida nas caixas d’água considerando apenas o volume físico e não a quantidade de água que de fato existe em seu interior.

Um fato agravante é que em Pernambuco e outras regiões do Nordeste há racionamento frequente de água. Diante disso, cabe indagar: há quanto tempo o povo dessas regiões bebe água envenenada? De forma não cuidadosa e com falta de precaução, a introdução dos larvicidas classificados como reguladores de crescimento de insetos (IGR) dá-se mediante Notas Técnicas ainda mais abusivas no que se refere a “despotabilização” da água de beber.

Entendemos que aqui está a chave mestra para discutir porque o MS admite e defende esse modelo. Por trás disso estão a OMS e OPAS com o peso institucional de seus comitês de “pesticidas” que não dialogam com os comitês: ambiental, de saneamento e de promoção da saúde. Naqueles comitês internacionais, os que fazem a prescrição do uso e a regulação da compra dos insumos de controle vetorial para o mundo são imperiais. São tais organismos que convencem e dão o aval aos processos licitatórios dos governos nacionais.

Os larvicidas reguladores de crescimento como o Diflubenzuron e Novaluron, introduzidos no lugar do Temephós, mostram-se problemáticos. Em Recife, foi realizado estudo de efeito sobre a saúde dos trabalhadores que os aplicam constatou-se a ocorrência de metahemoglobinemia; também se sabe que seus metabólitos têm diversos efeitos tóxicos, e que não são considerados. Tais resultados foram amplamente divulgados no II Seminário da Rede Dengue da Fiocruz em novembro de 2010, na cidade do Rio de Janeiro; no Primeiro Simpósio de Saúde e Ambiente em 2010, realizado na cidade de Belém e no 10º. Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva em 2012, na cidade de Porto Alegre.

Com sua política centralizadora, os setores do MS responsáveis pelo controle vetorial contraindicam que os municípios adotem outros meios independentes do uso químico. Mesmo diante da constatação da ineficácia do modelo utilizado. Os municípios gastam inutilmente seus parcos recursos em produtos químicos perigosos e fazem os trabalhadores da saúde atuarem apenas nesse ponto, expondo-os ainda aos venenos.

Insistindo nessa estratégia, houve, em 2014, a introdução do larvicida Pyriproxyfen, e mesmo sabendo-se de sua toxicidade como teratogênico e de desregulação endócrina para o mosquito, foi considerado de baixa toxicidade. E, mais uma vez, o MS recomenda o seu uso em água potável, para ser adicionado nos reservatórios e caixas de água, independentemente da quantidade de água no seu interior, tornando a concentração mais elevada quando em situações de racionamento de água[10][11].

Diante de produtos que têm efeito teratogênico em artrópodes, o que pelas normatizações para registro de agrotóxicos seria vedado seu uso na agricultura, por razões de segurança alimentar, perguntamos como aceitar o uso em água potável destinado ao consumo humano? O que dizer desse uso em um contexto epidêmico de má formação fetal? No estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, recentemente decretado pelo MS, conforme noticia a grande mídia, está sendo preconizado o uso de larvicida diretamente nos carros-pipas que distribuem água nas regiões do Agreste e Sertão do Nordeste. Alertamos que esta é a mais recente medida sanitária absurda e imprudente imposta pelos gestores do modelo químico de controle vetorial.

Embora a NT 109/2010 reconheça que “A inserção de ações intersetoriais, tais como o abastecimento regular de água e coleta de resíduos sólidos, constitui-se em uma atividade fundamental para impactar na redução da densidade do vetor Aedes aegypti”, pouco se propõe nesse sentido. Insistimos na pergunta: por que é mantido o controle vetorial centrado em um programa que há mais de 40 anos vem mostrando ineficácia e ineficiência para fazê-lo? Impõe-se, pois, uma estratégia centrada na identificação e eliminação dos criadouros e no Saneamento Ambiental. O que de fato está sendo feito para o abastecimento regular de água nas periferias das cidades? Como as pessoas podem proteger as águas reservadas para consumo? Por que apesar de muitas cidades terem coleta de lixo regular ainda se observa uma quantidade enorme de resíduos sólidos diariamente dispostos no ambiente? O que está sendo feito para cuidar desta questão? E a drenagem urbana de águas pluviais? E o esgotamento sanitário?

Merece ainda destaque a NT 109/2010, quando afirma que “o maior problema reside nos “adulticidas espacial e residual”, lamentando que os venenos disponíveis estejam restritos apenas aos “grupos dos organofosforados e piretróides. Nos organofosforados a oferta restringe-se ao Malathion (espacial) e o Fenitrothion (residual)”. Esclarecemos que a menção ao termo “espacial” se refere a uso em nebulizadores (Ultra Baixo Volume – UBV, conhecido como “fumacê”, ou por equipamento costal). Dos venenos acima referidos, sabe-se, como já dito, que o Malathion é um potente cancerígeno para animais e, recentemente, foi reconhecido como potencialmente cancerígeno para humanos pela IARC da OMS[12]. Vale o destaque, de que diversos produtos utilizados no controle vetorial do Aedes aegypti como o  Fenitrothion, Malathion e Temephós vem sendo estudados desde 1998, no Departamento de Química Fundamental da UFPE e mostram ter efeitos potencialmente carcinogênicos para humanos. As recomendações pelo MS do uso de Malathion encontram-se no documento Recomendações sobre o uso de Malathion Emulsão Aquosa-EA 44% para o controle de Aedes aegypti em aplicações espaciais a Ultra Baixo Volume UBV, de 2014[13]. Com a adoção dessas nebulizações o envenenamento é potencialmente, ainda mais amplo e perigoso.

Sem trocadilhos, chega-se assim, ao fundo do poço, em termos de falta de compreensão dos processos de determinação socioambiental e de cuidados na prevenção das doenças relacionadas aos vetores, aos quais se somam os interesses nacionais e internacionais estranhos às questões de saúde públicas e relacionadas às agendas de consumo dos agrotóxicos.

Onde fica o saneamento ambiental?

Uma pergunta que não quer calar precisa ser aqui posta com total indignação: por que não foram priorizadas até agora as ações de saneamento ambiental, estratégia que parece ficar ainda mais distante?

A propósito, se visitarmos as periferias das grandes cidades e as chamadas zonas especiais socialmente vulneráveis, onde as carências são de toda ordem, ver-se-á um quadro sanitário tão grave que nenhuma quantidade de veneno poderá resolver o controle vetorial, ao que acresce o fato de que as pessoas terão sua saúde gravemente comprometida.

As políticas urbanas e de saneamento são, em geral, desarticuladas. As precárias condições de moradia, de urbanização e de saneamento ambiental, contexto característico da grande maioria dos casos de microcefalia, refletem um modelo de desenvolvimento e de políticas urbanas que atinge aos pobres, já vulnerabilizados historicamente pela abissal desigualdade social brasileira. Habitações sem condições para adequado armazenamento de água domiciliar, localizadas em áreas íngremes ou alagadas, com precária infraestrutura e urbanização e com serviços de saneamento precários. Um contexto que reflete a mazela social que destina melhor infraestrutura e melhores serviços para as classes média e alta. O exemplo da desigualdade no acesso à água potável no Brasil é emblemático dessa assimetria de acesso. O consumo per capita pode variar em uma cidade de 30 a 500 litros/hab/dia. Uma das expressões dessa desigualdade é no rodízio semanal do acesso ou na intermitência do abastecimento de água. A grande maioria de casos de microcefalia ocorreu em cidades com problemas sérios de rodízios ou intermitência, onde os mais pobres ficam mais dias sem água por semana e os mais ricos ou não tem rodízio ou intermitência ou os tem por poucos dias. A crise hídrica e a má gestão dos serviços de saneamento também tem imposto o rodízio ou intermitência a cidades inteiras, e mesmo o colapso no abastecimento, cenário de muitos casos de microcefalia no Nordeste.

Diante da inoperância dos métodos de controle do Aedes aegypti, a gravidade da situação se aprofunda. Em Pernambuco a Secretaria de Estado da Saúde (SES) notificou ao MS, em 28 de outubro de 2015, a existência de 29 casos de microcefalia naquele ano, até então mais do que o dobro do que vinha ocorrendo nos anos anteriores. Destaca-se que apenas 07 estados tinham a prática de notificação obrigatória de má-formação congênita. Em dezembro de 2015 constatava-se que 14 estados estavam com prevalência de microcefalia elevada. A proporção de novos casos em Pernambuco tornou-se assustadora. No dia 18 de novembro de 2015, o MS decreta o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, situação que apenas fora adotada em 1917, com a ocorrência de Gripe Espanhola. Conforme noticiado pelo Diário de Pernambuco, em 20/01/2016, o número de casos suspeitos de microcefalia subiu para 3.893. Os registros foram feitos em 764 municípios, distribuídos em 21 unidades da federação. Até essa data, foram notificadas 49 mortes provocadas por essa má-formação. Do total desses óbitos, 05 tiveram confirmadas a presença do vírus Zika. Embora sabemos que, em uma situação de exposição materna ao vírus, e este ultrapassando a barreira placentária, é esperado que o feto também se exponha. Neste campo ainda há muitas questões em processo de pesquisa. Segundo informações do MS, Pernambuco continua a ser o Estado com o maior número de casos suspeitos (1.306), o que representa 33% do total registrado em todo o país[14].

Deve-se alertar e assinalar que a entrada no Brasil do vírus Zika não foi acompanhada de um conhecimento da sua dispersão pela vigilância epidemiológica e entomológica. Uma série de medidas, todas centradas na prática do uso de venenos foi intensificada, a partir da aceitação de relação direta entre microcefalia e Zika vírus. Como aditivo temos a recomendação para gestantes de uso de repelente[15]. Com isso o DEET (N,N-dimetil-meta-toluamida) vem sendo comercializado sem restrição para mulheres grávidas, outra banalização de exposição química[16].

O quadro de crise epidemiológica das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é ainda mais grave e aqui é importante dizer que no Brasil, entre 2014 e 2015, ocorreram cerca de 1,5 milhão de casos, a metade no estado de São Paulo. Porque nesse estado, onde ocorrem periodicamente epidemias de Dengue, que anteriormente registrava pouquíssimos óbitos, e que, nesse período, houve inusitadamente mais de 400 mortes associadas a complicações de Dengue? Será que tal fato tem relação com a informação de que, em São Paulo, vem se intensificando o controle vetorial com uso de Malathion em nebulização química? Esse veneno é utilizado desde 2001, a 30% na formulação final, em processo de nebulização, pela Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN), sendo que no segundo semestre de 2014, foi introduzida  pelo MS uma nova formulação de Malathion diluído em água[17], contendo emulsificantes e estabilizantes não declarados. A justificativa dessa substituição foi o seu menor custo. Será que pode haver alguma associação entre a exposição ao Malathion e essa mortalidade considerada tão aumentada por complicações da Dengue? Quem são esses que morreram? São idosos, portadores de doenças crônicas, crianças? É preciso saber mais. A população exposta ao Malathion foi investigada? A possibilidade de essas mortes estarem associadas à exposição ao Malathion foi aventada e pesquisada? Salientamos que devido ao uso massivo e contínuo de substância tão tóxica essa investigação precisa ser realizada.

Finalizando, reivindicamos das autoridades competentes a adoção das medidas a seguir:

1) Imediata revisão do modelo de controle vetorial. O foco deve ser a ELIMINAÇÃO DO CRIADOURO e não o mosquito como centro da ação; com a suspensão do uso de produtos químicos e adoção de métodos mecânicos de limpeza e de saneamento ambiental. Nos reservatórios de água de beber utilizar medidas de limpeza e proteção da qualidade da água e garantia de sua potabilidade;

2) Nas campanhas de Saúde Pública para controle de Aedes aegyptiimediata suspensão do uso de Malathion ou qualquer outro organofosforado, carbamato, piretróide ou organopersistente, seja em nebulização aérea ou em cortinados tratados com veneno (mosquiteiros impregnados). Substituir o uso desses produtos por barreiras mecânicas, limpeza, aspiração, telagem de janelas, portas entre outras medidas;

3) Nas medidas adotadas pelo MS para controle de Aedes aegypti em suas formas larva e adulto, imediata suspensão do  Pyriproxyfen (0,5 G) e de todos os inibidores de crescimento como o Diflubenzuron e o Novaluron, ou qualquer outro produto químico ou biológico em água potável. O conceito de potabilidade da água não pode ser perdido, ele é a chave para as medidas participativas de eliminação de vetores.

4) Que sejam realizados esforços intersetoriais para a acabar com a intermitência do abastecimento de água nas áreas de urbanização precária. Água é um direito humano. As populações mais vulneráveis devem, por equidade, serem as mais protegidas;

5) Que as ações de controle vetorial no ambiente seja uma atribuição dos órgãos de saneamento e de controle ambiental municipais, estaduais e nacional e não só do SUS, que deve atuar na vigilância entomológica, sanitária, ambiental, epidemiológica, virológica e da saúde do trabalhador, aferindo se as medidas de saneamento ambiental estão resultando em melhoria das condições de saúde;

6) Que as políticas urbanas e de saneamento ambiental promovam programas integrados para a resolução dos problemas de moradia, saneamento e urbanização;

7) Que a vigilância epidemiológica seja realizada por profissionais experientes em clínica, fisiopatologia e epidemiologia, em diversos níveis do SUS. Esta proposição se dá no fortalecimento da integração e atuação articuladas das áreas de vigilância da saúde com as áreas de produção de conhecimentos.

8) Que sejam realizadas pesquisas clínicas e informadas outras disfunções ou malformações relativas as viroses da Dengue, da Zika e da Chincungunya e que sejam estudados os efeitos da exposição a produtos químicos utilizados no controle vetorial do Aedes aegypti;

9) Que o amparo às famílias acometidas pelo surto de microcefalia se dê mediante uma política pública perene e não transitória. Que esse apoio seja integral, incluindo neste atenção a família pelo trauma psíquico decorrente desse desfecho gestacional.

10) Que seja realizada uma auditoria nos modelos de controle vetorial por uma comissão multidisciplinar de especialistas  independentes, incluindo avaliação do modos operados do Fundo Rotatório da OPAS/OMS a ser solicitado pelo governo brasileiro, quiçá em conjunto com outros países latino-americanos que sofrem as mesmas imposições,  à Organização da Nações Unidas;

12) Que seja ratificada a imediata elaboração pelo Ministério da Saúde de orientações técnicas para a Atenção à Saúde dos Trabalhadores da Saúde que NO PASSADO se expuseram aos agrotóxicos utilizados no controle do Aedes aegypti, a serem adotadas pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, em acordo com a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e com experiência exitosas;

13) Que seja criado, pelo MS, um Portal para acesso amplo da população a todos processos e fatos associados ao controle vetorial, às epidemias relacionadas à ação do Aedes aegypti e a epidemia de microcefalia. Nele deve também ser informado quando utilizados, o volume, os tipos de produtos químicos, o número de domicílios e imóveis nebulizados, por Unidade da Federação e por município, pois são do maior interesse dos profissionais de saúde e da sociedade.

 

Por fim, chamamos atenção da sociedade civil, diante da atual declaração de Estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para epidemia de microcefalia e arboviroses, que: a) todas as medidas de controle vetorial sejam realizadas com mobilização social no sentido da proteção e respeito da cidadania pela Saúde Pública, priorizando-se as medidas de saneamento ambiental, com garantia da potabilidade da água de beber, como parte do respeito aos Direitos Humanos e orientados pelos princípios da Política Nacional de Educação Popular em Saúdeb) que o SUS deve rever as estratégias e conteúdos da comunicação social à população, tirando o foco na responsabilidade individual e das famílias, explicitando as responsabilidades dos diversos setores estatais, com ênfase na importância das medidas de saneamento, coleta de resíduos, cumprimentos das políticas de resíduos sólidos, garantia de abastecimento de água; e c) melhoria da qualidade da assistência às famílias e às crianças acometidas e da atenção pré-natal, pois se agrava a fragilidade observada que já era conhecida – a exemplo dos casos de sífilis congênita – e que se comprova com a ocorrência de casos de microcefalia identificados após o parto.

 

Grupos Temáticos da Abrasco: 

GT Saúde e Ambiente

GT Saúde do Trabalhador

GT Vigilância Sanitária

GT Promoção da Saúde e Desenvolvimento Sustentável

GT Educação Popular e Saúde

GT Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva

 

[1] Livro editado pela CNBB no final de 2015.

[2] Disponível em http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/julho/15/Instrucoes-para-uso-de-pyriproxifennmaio-2014.pdf)

[3] UBV é uma técnica que utiliza equipamentos motorizados ou costal de alta pressão fazendo com que as partículas sejam menores, aumentando sua dispersão no ambiente e a penetração nos pulmões pela inalação das pessoas expostas.

[4] Armed Forces Pest Management Board, por meio do Memorando nº 13 – TECHNICAL INFORMATION MEMORANDUM NO. 13, do Centro Médico do Instituto Walter Reed). Disponível em: http://www.afpmb.org/pubs/tims/tim13.htm#Equipment

[5] Ver NT da Abrasco de 2014 https://goo.gl/GbAXx7

[6] Disponível em: http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/maio/30/Instrucoes-para-uso-de-pyriproxifen-maio-2014.pdf

[7] Disponível em: https://www.iarc.fr/en/media-centre/iarcnews/pdf/MonographVolume112.pdf

[8] Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Dengue / Departamento de Vigilância em Saúde / Secretaria de Vigilância em Saúde

[9] Disponível em: http://www.saude.mppr.mp.br/arquivos/File/dengue/nt_aval_vul_epid_dengue_verao_10_11.pdf

[10] Disponível em: http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/maio/30/Instrucoes-para-uso-de-pyriproxifen-maio-2014.pdf

[12] Disponível em: https://www.iarc.fr/en/media-centre/iarcnews/pdf/MonographVolume112.pdf

[13] Disponível em: http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/setembro/02/Recomenda—-es-para-o-uso-de-malathion-EW.pdf

[14] Disponível em: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/brasil/2016/01/20/interna_brasil,622575/sobe-para-3-893-o-numero-de-casos-de-microcefalia-no-pais.shtml

[15] Disponível em: http://ecdc.europa.eu/en/publications/Publications/zika-microcephaly-Brazil-rapid-risk-assessment-Nov-2015.pdf

[16] Ver aspectos toxicológicos do DEET em: http://www.health.state.mn.us/divs/eh/risk/guidance/gw/deet.pdf

[17] Fabricado pela Bayer.

OMS declara vírus zica e microcefalia ‘emergência pública internacional’ (JC)

Comitê de Emergência se reuniu pela primeira vez nesta segunda-feira (1) para reagir ao aumento do número de casos de desordens neurológicas e malformações congênitas, sobretudo nas Américas. País mais atingido é o Brasil

A Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou nesta segunda-feira (1) a primeira reunião do Comité de Emergência que trata dos recentes casos de microcefalia e outros distúrbios neurológicos em áreas afetadas pelo vírus zika, sobretudo nas Américas. O país mais atingido é o Brasil.

O Secretariado da OMS informou ao Comitê sobre a situação dos casos de microcefalia e Síndrome de Guillain-Barré, circunstancialmente associados à transmissão do vírus zika. O Comitê foi recebeu informações sobre a história do vírus zika, sua extensão, apresentação clínica e epidemiologia.

As representações do Brasil, França, Estados Unidos e El Salvador apresentaram as primeiras informações sobre uma potencial associação entre a microcefalia – bem como outros distúrbios neurológicos – e a doença provocada pelo vírus zika.

Segundo o comunicado da OMS, os especialistas reunidos em Genebra concordam que uma relação causal entre a infecção do zika durante a gravidez e microcefalia é “fortemente suspeita”, embora ainda não comprovada cientificamente.

A falta de vacinas e testes de um diagnóstico rápido e confiável, bem como a ausência de imunidade da população em países recém-afetados, foram citadas como novos motivos de preocupação.

Para a Comissão da OMS, o recente conjunto de casos microcefalia e outros distúrbios neurológicos relatados no Brasil, logo após ocorrências semelhantes na Polinésia Francesa, em 2014, constituem uma “emergência de saúde pública de importância internacional”, condição conhecida também pela sua sigla em inglês (PHEIC).

Em uma decisão aceita pela diretora-geral da OMS, Margaret Chan, o Comitê da agência da ONU busca assim coordenar uma resposta global de modo a minimizar a ameaça nos países afetados e reduzir o risco de propagação internacional.

Recomendações à diretora-geral da OMS

O Comitê, em resposta às informações fornecidas, fez recomendações à OMS sobre medidas a serem tomadas.

Em relação aos distúrbios neurológicos e microcefalia, o Comitê sugere que a vigilância de microcefalia e da Síndrome de Guillain-Barré deve ser padronizada e melhorada, particularmente em áreas conhecidas de transmissão do vírus zika, bem como em áreas de risco de transmissão.

O Comitê também recomendou que seja intensificada a investigação acerca da etiologia – a causa das doenças – nos novos focos onde ocorrem os casos de distúrbios neurológicos e de microcefalia, para determinar se existe uma relação causal entre o vírus zika e outros fatores desconhecidos.

Como estes grupos se situam em áreas recém-infectadas com o vírus zika, de acordo com as boas práticas de saúde pública e na ausência de outra explicação para esses agrupamentos, o Comitê destaca a importância de “medidas agressivas” para reduzir a infecção com o vírus zika, especialmente entre as mulheres grávidas e mulheres em idade fértil.

Como medida de precaução, o Comitê fez as seguintes recomendações adicionais:

Transmissão do vírus zika

A vigilância para infecção pelo vírus zika deve ser reforçada, com a divulgação de definições de casos padrão e diagnósticos para áreas de risco.

O desenvolvimento de novos diagnósticos de infecção pelo vírus zika devem ser priorizados para facilitar as medidas de vigilância e de controle.

A comunicação de risco deve ser reforçada em países com transmissão do vírus zika para responder às preocupações da população, reforçar o envolvimento da comunidade, melhorar a comunicação e assegurar a aplicação de controle de vetores e medidas de proteção individual.

Medidas de controle de vetores e medidas de proteção individual adequada devem ser agressivamente promovidas e implementadas para reduzir o risco de exposição ao vírus zika.

Atenção deve ser dada para assegurar que as mulheres em idade fértil e mulheres grávidas em especial tenham as informações e materiais necessários para reduzir o risco de exposição.

As mulheres grávidas que tenham sido expostas ao vírus zika devem ser aconselhadas e acompanhadas por resultados do nascimento com base na melhor informação disponível e práticas e políticas nacionais.

Medidas de longo prazo

Esforços de pesquisa e desenvolvimento apropriados devem ser intensificados para vacinas, terapias e diagnósticos do vírus zika.

Em áreas conhecidas de transmissão do vírus zika, os serviços de saúde devem estar preparados para o aumento potencial de síndromes neurológicas e/ou malformações congênitas.

Medidas de viagem

Não deve haver restrições a viagens ou ao comércio com países, regiões e/ou territórios onde esteja ocorrendo a transmissão do vírus zika.

Viajantes para áreas com transmissão do vírus zika devem receber informações atualizadas sobre os potenciais riscos e medidas adequadas para reduzir a possibilidade de exposição a picadas do mosquito.

Recomendações da OMS sobre padrões em matéria de desinfestação de aeronaves e aeroportos devem ser implementadas.

Compartilhamento de dados

As autoridades nacionais devem garantir a comunicação e o compartilhamento ágeis e em tempo de informações relevantes de importância para a saúde pública, para esta Emergência.

Dados clínicos, virológicos e epidemiológicos, relacionados com o aumento das taxas de microcefalia e/ou Síndrome de Guillain-Barré, ou com a transmissão do vírus zika, devem ser rapidamente compartilhados com a OMS para facilitar a compreensão internacional destes eventos, para orientar o apoio internacional para os esforços de controle, priorizando a pesquisa e desenvolvimento de produtos.

Acompanhe:

http://who.int/emergencies/zika-virus

http://new.paho.org/bra

http://combateaedes.saude.gov.br

http://bit.ly/zikaoms

ONU

 

Leia também:

Agência Brasil – Notificação de casos de Zika passa a ser obrigatória no Brasil

The controversy about the relationship between GM mosquitoes and the Zika virus outbreak in Brazil

 

Pandora’s box: how GM mosquitos could have caused Brazil’s microcephaly disaster (The Ecologist)

Oliver Tickell

1st February 2016

Aedes Aegypti mosquito feeding on human blood. Photo: James Gathany via jentavery on Flickr (CC BY).

Aedes Aegypti mosquito feeding on human blood. This is the species that transmits Zika, and that was genetically engineered by Oxitec using the piggyBac transposon. Photo: James Gathany via jentavery on Flickr (CC BY).

In Brazil’s microcephaly epidemic, one vital question remains unanswered: how did the Zika virus suddenly learn how to disrupt the development of human embryos? The answer may lie in a sequence of ‘jumping DNA’ used to engineer the virus’s mosquito vector – and released into the wild four years ago in the precise area of Brazil where the microcephaly crisis is most acute.

These ‘promiscuous’ transposons have found special favour with genetic engineers, whose goal is to create ‘universal’ systems for transferring genes into any and every species on earth. Almost none of the geneticists has considered the hazards involved.

Since August 2015, a large number of babies in Northeast Brazil have been born with very small heads, a condition known as microcephaly, and with other serious malformations. 4,180 suspected cases have been reported.

Epidemiologists have found a convincing correlation between the incidence of the natal deformities and maternal infections with the Zika virus, first discovered in Uganda’s Zika Valley in 1947, which normally produces non-serious illness.

The correlation has been evidenced through the geographical distrubution of Zika infections and the wave of deformities. Zika virus has also been detected in the amniotic fluids and other tissues of the affected babies and their mothers.

This latter finding was recently reported by AS Oliveira Melo et al in a scientific paperpublished in the journal Ultrasound in Obstetrics & Gynecology, which noted evidence of intra-uterine infection. They also warn:

“As with other intrauterine infections, it is possible that the reported cases of microcephaly represent only the more severely affected children and that newborns with less severe disease, affecting not only the brain but also other organs, have not yet been diagnosed.”

The Brazilian Health Minister, Marcelo Castro, says he has “100% certainty” that there is a link between Zika and microcephaly. His view is supported by the medical community worldwide, including by the US Center for Disease Control.

Oliveira Melo et al draw attention to a mystery that lies at the heart of the affair: “It is difficult to explain why there have been no fetal cases of Zika virus infection reported until now but this may be due to the underreporting of cases, possible early acquisition of immunity in endemic areas or due to the rarity of the disease until now.

“As genomic changes in the virus have been reported, the possibility of a new, more virulent, strain needs to be considered. Until more cases are diagnosed and histopathological proof is obtained, the possibility of other etiologies cannot be ruled out.”

And this is the key question: how – if indeed Zika really is the problem, as appears likely – did this relatively innocuous virus acquire the ability to produce these terrible malformations in unborn human babies?

Oxitec’s GM mosquitoes

An excellent article by Claire Bernish published last week on AntiMedia draws attention to an interesting aspect of the matter which has escaped mainstream media attention: the correlation between the incidence of Zika and the area of release of genetically modified Aedes aegypti mosquitos engineered for male insterility (see maps, above right).

The purpose of the release was to see if it controlled population of the mosquitos, which are the vector of Dengue fever, a potentially lethal disease. The same species also transmits the Zika virus.

The releases took in 2011 and 2012 in the Itaberaba suburb of the city of Juazeiro, Bahia, Northeast Brazil, about 500 km west of ther coastal city of Recife. The experiment was written up in July 2015 in the journal PLOS Neglected Tropical Diseases in a paper titled ‘Suppression of a Field Population of Aedes aegypti in Brazil by Sustained Release of Transgenic Male Mosquitoes’ by Danilo O. Carvalho et al.

An initial ‘rangefinder of 30,000 GM mosquitos per week took place between 19th May and 29th June 2011, followed by a much larger release of 540,000 per week in early 2012, ending on 11th February.

At the end of it the scientists claimed “effective control of a wild population of Ae. aegypti by sustained releases of OX513A male Ae. aegypti. We diminished Ae. aegypti population by 95% (95% CI: 92.2%-97.5%) based on adult trap data and 78% (95% CI: 70.5%-84.8%) based on ovitrap indices compared to the adjacent no-release control area.”

So what’s to worry about?

    The idea of the Oxitec mosquitoes is simple enough: the males produce non-viable offspring which all die. So the GM mosqitoes are ‘self-extinguishing’ and the altered genes cannot survive in the wild population. All very clever, and nothing to worry about!

    But in fact, it’s not so simple. In 2010 geneticist Ricarda Steinbrecher wrote to the biosafety regulator in Malaysia – also considering a release of the Oxitec mosquitoes – with a number of safety concerns, pointing out the 2007 finding by Phuc et al that 3-4% of the first generation mosquitos actually survive.

    The genetic engineerig method employed by Oxitec allows the popular antibiotic tetracycline to be used to repress the lethality during breeding. But as a side-effect, the lethality is also reduced by the presence of tetracycline in the environment; and as Bernish points out, Brazil is among the world’s biggest users of anti-microbials including tetracycline in its commercial farming sector:

    “As a study by the American Society of Agronomy, et. al., explained, ‘It is estimated that approximately 75% of antibiotics are not absorbed by animals and are excreted in waste.’ One of the antibiotics (or antimicrobials) specifically named in that report for its environmental persistence is tetracycline.

    In fact, as a confidential internal Oxitec document divulged in 2012, that survival rate could be as high as 15% – even with low levels of tetracycline present. ‘Even small amounts of tetracycline can repress’ the engineered lethality. Indeed, that 15% survival rate was described by Oxitec.”

    She then quotes the leaked Oxitec paper: “After a lot of testing and comparing experimental design, it was found that [researchers] had used a cat food to feed the [OX513A] larvae and this cat food contained chicken. It is known that tetracycline is routinely used to prevent infections in chickens, especially in the cheap, mass produced, chicken used for animal food. The chicken is heat-treated before being used, but this does not remove all the tetracycline. This meant that a small amount of tetracycline was being added from the food to the larvae and repressing the [designed] lethal system.”

    So in other words, there is every possibility for Oxitec’s modified genes to persist in wild populations of Aedes aegypti mosquitos, especially in the environmental presence of tetracycline which is widely present in sewage, septic tanks, contaminated water sources and farm runoff.

    ‘Promiscuous’ jumping genes

    On the face of it, there is no obvious way in which the spread of Oxitec’s GM mosquitos into the wild could have anything to do with Brazil’s wave of micrcophaly. Is there?

    Actually, yes. The problem may arise from the use of the ‘transposon’ (‘jumping’ sequence of DNA used in the genetic engineering process to introduce the new genes into the target organism). There are several such DNA sequences in use, and one of the most popular is known as known as piggyBac.

    As a 2001 review article by Dr Mae Wan Ho shows, piggyBac is notoriously active, inserting itself into genes way beyond its intended target: “These ‘promiscuous’ transposons have found special favour with genetic engineers, whose goal is to create ‘universal’ systems for transferring genes into any and every species on earth. Almost none of the geneticists has considered the hazards involved …

    “It would seem obvious that integrated transposon vectors may easily jump out again, to another site in the same genome, or to the genome of unrelated species. There are already signs of that in the transposon, piggyBac, used in the GM bollworms to be released by the USDA this summer.

    The piggyBac transposon was discovered in cell cultures of the moth Trichopulsia, the cabbage looper, where it caused high rates of mutations in the baculovirus infecting the cells by jumping into its genes … This transposon was later found to be active in a wide range of species, including the fruitfly Drosophila, the mosquito transmitting yellow fever, Aedes aegypti, the medfly, Ceratitis capitata, and the original host, the cabbage looper.

    “The piggyBac vector gave high frequencies of transpositions, 37 times higher than mariner and nearly four times higher than Hirmar.”

    In a later 2014 report Dr Mae Wan Ho returned to the theme with additional detail and fresh scientific evidence (please refer to her original article for references): “The piggyBac transposon was discovered in cell cultures of the moth Trichopulsia, the cabbage looper, where it caused high rates of mutations in the baculovirus infecting the cells by jumping into its genes …

    “There is also evidence that the disabled piggyBac vector carrying the transgene, even when stripped down to the bare minimum of the border repeats, was nevertheless able to replicate and spread, because the transposase enzyme enabling the piggyBac inserts to move can be provided by transposons present in all genomes.

    “The main reason initially for using transposons as vectors in insect control was precisely because they can spread the transgenes rapidly by ‘non-Mendelian’ means within a population, i.e., by replicating copies and jumping into genomes, thereby ‘driving’ the trait through the insect population. However, the scientists involved neglected the fact that the transposons could also jump into the genomes of the mammalian hosts including human beings …

    “In spite of instability and resulting genotoxicity, the piggyBac transposon has been used extensively also in human gene therapy. Several human cell lines have been transformed, even primary human T cells using piggyBac. These findings leave us little doubt that the transposon-borne transgenes in the transgenic mosquito can transfer horizontally to human cells. The piggyBac transposon was found to induce genome wide insertionmutations disrupting many gene functions.” 

    Has the GM nightmare finally come true?

    So down to the key question: was the Oxitec’s GM Aedes aegypti male-sterile mosquito released in Juazeiro engineered with the piggyBac transposon? Yes, it was. And that creates a highly significant possibility: that Oxitec’s release of its GM mosquitos led directly to the development of Brazil’s microcephaly epidemic through the following mechanism:

    1. Many of the millions of Oxitec GM mosquitos released in Juazeiro in 2011/2012 survive, assisted, but not dependent on, the presence of tetracycline in the environment.

    2. These mosquitos interbreed with with the wild population and their novel genes become widespread.

    3. The promiscuous piggyBac transposon now present in the local Aedes aegyptipopulation takes the opportunity to jump into the Zika virus, probably on numerous occasions.

    4. In the process certain mutated strains of Zika acquire a selective advantage, making them more virulent and giving them an enhanced ability to enter and disrupt human DNA.

    5. One way in which this manifests is by disrupting a key stage in the development of human embryos in the womb, causing microcephaly and the other reported deformations. Note that as Melo Oliveira et al warn, there are almost certainly other manifestations that have not yet been detected.

    6. It may be that the piggyBac transposon has itself entered the DNA of babies exposed in utero to the modified Zika virus. Indeed, this may form part of the mechanism by which embryonic development is disrupted.

    In the latter case, one implication is that the action of the gene could be blocked by giving pregnant women tetracycline in order to block its activity. The chances of success are probably low, but it has to be worth trying.

    No further releases of GM insects!

    While I am certainly not claiming that this is what actually took place, it is at least a credible hypothesis, and moreover a highly testable one. Nothing would be easier for genetic engineers than to test amniotic fluids, babies’ blood, wild Aedes mosquitos and the Zika virus itself for the presence of the piggyBac transposon, using well established and highly sensitive PCR (polymerase chain reaction) techniques.

    If this proves to be the case, those urging caution on the release of GMOs generally, and transgenic insects bearing promiscuous transposons in particular, will have been proved right on all counts.

    But most important, such experiments, and any deployment of similar GM insects, must be immediately halted until the possibilities outlined above can be safely ruled out. There are plans, for example, to release similarly modified Anopheles mosquitos as an anti-malarial measure.

    There are also calls for even more of the Oxitec Aedes aegypti mosquitos to be released in order to halt the transmission of the Zika virus. If that were to take place, it could give rise to numerous new mutations of the virus with the potential to cause even more damage to the human genome, that we can, at this stage, only guess at.

    Oliver Tickell edits The Ecologist.


     

    No, GM Mosquitoes Didn’t Start The Zika Outbreak (Discovery)

    By Christie Wilcox | January 31, 2016 9:56 pm

    ZIka_conspiracy_theory_cat

    A new ridiculous rumor is spreading around the internets. According to conspiracy theorists, the recent outbreak of Zika can be blamed on the British biotech company Oxitec, which some are saying even intentionally caused the disease as a form of ethnic cleansing or population control. The articles all cite a lone Redditor who proposed the connection on January 25th to the Conspiracy subreddit. “There are no biological free lunches,” says one commenter on the idea. “Releasing genetically altered species into the environment could have disastrous consequences” another added. “Maybe that’s what some entities want to happen…?”

    For some reason, it’s been one of those months where random nonsense suddenly hits mainstream. Here are the facts: there’s no evidence whatsoever to support this conspiracy theory, or any of the other bizarre, anti-science claims that have popped up in the past few weeks. So let’s stop all of this right here, right now: The Earth is round, not flat (and it’s definitely not hollow). Last year was the hottest year on record, and climate change is really happening (so please just stop, Mr. Cruz). And FFS, genetically modified mosquitoes didn’t start the Zika outbreak. 

    Background on Zika

    The Zika virus is a flavivirus closely related to notorious pathogens including dengue, yellow fever, Japanese encephalitis, and West Nile virus. The virus is transmitted by mosquitoes in the genus Aedes, especially A. aegypti, which is a known vector for many of Zika’s relatives. Symptoms of the infection appear three to twelve days post bite. Most people are asymptomatic, which means they show no signs of infection. The vast majority of those who do show signs of infection report fever, rash, joint pain, and conjunctivitis (red eyes), according to the U.S. Centers for Disease Control. After a week or less, the symptoms tend to go away on their own. Serious complications have occurred, but they have been extremely rare.

    The Zika virus isn’t new. It was first isolated in 1947 from a Rhesus monkey in the Zika Forest in Uganda, hence the pathogen’s name. The first human cases were confirmed in Uganda and Tanzania in 1952, and by 1968, the virus had spread to Nigeria. But since then, the virus has found its way out of Africa. The first major outbreak occurred on the island of Yap in Micronesia for 13 weeks 2007, during which 185 Zika cases were suspected (49 of those were confirmed, with another 59 considered probable). Then, in October 2013, an outbreak began in French Polynesia; around 10,000 cases were reported, less than 100 of which presented with severe neurological or autoimmune complications. One confirmed case of autochthonous transmission occurred in Chile in 2014, which means a person was infected while they were in Chile rather than somewhere else. Cases were also reported that year from several Pacific Islands. The virus was detected in Chile until June 2014, but then it seemed to disappear.

    Fast forward to May 2015, when the Pan American Health Organization (PAHO) issued an alert regarding the first confirmed Zika virus infection in Brazil. Since then, several thousand suspected cases of the disease and a previously unknown complication—a kind of birth defect known as microcephaly where the baby’s brain is abnormally small—have been reported from Brazil. (It’s important to note that while the connection between the virus and microcephaly is strongly suspected, the link has yet to be conclusively demonstrated.)

    Currently, there is no vaccine for Zika, though the recent rise in cases has spurred research efforts. Thus, preventing mosquito bites is the only prophylactic measure available.

    The recent spread of the virus has been described as “explosive”; Zika has now been detected in 25 countries and territories. The rising concern over both the number of cases and reports of serious complications has led the most affected areas in Brazil to declare a state of emergency, and on Monday, The World Health Organization’s Director-General will convene an International Health Regulations Emergency Committee on Zika virus and the observed increase in neurological disorders and neonatal malformations. At this emergency meeting, the committee will discuss mitigation strategies and decide whether the organization will officially declare the virus a “Public Health Emergency of International Concern.”

    GM to the Rescue

    aedes_aegypti

    The mosquito to blame for the outbreak—Aedes aegypti—doesn’t belong in the Americas. It’s native to Africa, and was only introduced in the new world when Europeans began to explore the globe. In the 20th century, mosquito control programs nearly eradicated the unwelcome menace from the Americas (largely thanks to the use of the controversial pesticide DDT); as late as the mid 1970s, Brazil and 15 other nations were Aedes aegypti-free. But despite the successes, eradication efforts were halted, allowing the mosquito to regain its lost territory.

    The distribution of Aedes aegypti in the Americas in 1970 and 2002.

    Effective control measures are expensive and difficult to maintain, so at the tail end of the 20th century and into the 21st, scientists began to explore creative means of controlling mosquito populations, including the use of genetic modification. Oxitec’s mosquitoes are one of the most exciting technologies to have emerged from this period. Here’s how they work, as I described in a post almost exactly a year ago:

    While these mosquitoes are genetically modified, they aren’t “cross-bred with the herpes simplex virus and E. colibacteria” (that would be an interkingdom ménage à trois!)—and no, they cannot be “used to bite people and essentially make them immune to dengue fever and chikungunya” (they aren’t carrying a vaccine!). The mosquitoes that Oxitec have designed are what scientists call “autocidal” or possess a “dominant lethal genetic system,” which is mostly fancy wording for “they die all by themselves”. The males carry inserted DNA which causes the mosquitoes to depend upon a dietary supplement that is easy to provide in the lab, but not available in nature. When the so-called mutants breed with normal females, all of the offspring require the missing dietary supplement because the suicide genes passed on from the males are genetically dominantThus, the offspring die before they can become adults. The idea is, if you release enough such males in an area, then the females won’t have a choice but to mate with them. That will mean there will be few to no successful offspring in the next generation, and the population is effectively controlled.

    Male mosquitoes don’t bite people, so they cannot serve as transmission vectors for Zika or any other disease. As for fears that GM females will take over: less than 5% of all offspring survive in the laboratory, and as Glen Slade, director of Oxitec’s Brazilian branch notes, those are the best possible conditions for survival. “It is considered unlikely that the survival rate is anywhere near that high in the harsher field conditions since offspring reaching adulthood will have been weakened by the self-limiting gene,” he told me. And contrary to what the conspiracy theorists claim, scientists have shown that tetracycline in the environment doesn’t increase that survival rate.

    Brazil, a hotspot for dengue and other such diseases, is one of the countries where Oxitec is testing their mozzies—so far, everywhere that Oxitec’s mosquitoes have been released, the local populations have been suppressed by about 90%.

    Wrong Place, Wrong Time

    Now that we’ve covered the background on the situation, let’s dig into the conspiracy theory. We’ll start with the main argument laid out as evidence: that the Zika outbreak began in the same location at the same time as the first Oxitec release:

    Though it’s often said, it’s worth repeating: correlation doesn’t equal causation. If it did, then Nicholas Cage is to blame for people drowning (Why, Nick? WHY?). But even beyond that, there are bigger problems with this supposed correlation: even by those maps, the site of release is on the fringe of the Zika hotspot, not the center of it. Just look at the two overlaid:

    The epicenter of the outbreak and the release clearly don’t line up—the epicenter is on the coast rather than inland where the map points. Furthermore, the first confirmed cases weren’t reported in that area, but in the town of Camaçari, Bahia, which is—unsurprisingly—on the coast and several hundred kilometers from the release site indicated.

    But perhaps more importantly, the location on the map isn’t where the mosquitoes were released. That map points to Juazeiro de Norte, Ceará, which is a solid 300 km away from Juazeiro, Bahia—the actual site of the mosquito trial. That location is even more on the edge of the Zika-affected area:

    1: Juaziero de Norte, the identified location in by conspiracy theorists. 2: Juaziero, the actual location of Oxitec's release trial, about 300 km away.

    The mistake was made initially by the Redditor who proposed the conspiracy theory and has been propagated through lazy journalistic practices by every proponent since. Here’s a quick tip: if you’re basing your conspiracy theory on location coincidence, it’s probably a good idea to actually get the location right.

    They’re also wrong about the date. According to the D.C. Clothesline:

    By July 2015, shortly after the GM mosquitoes were first released into the wild in Juazeiro, Brazil, Oxitec proudly announced they had “successfully controlled the Aedes aegypti mosquito that spreads dengue fever, chikungunya and zika virus, by reducing the target population by more than 90%.”

    However, GM mosquitoes weren’t first released in Juazeiro, Bahia (let alone Juazeiro de Norte, Ceará) in 2015. Instead, the announcement by Oxitec was of the published results of a trial that occurred in Juaziero between May 2011 and Sept 2012—a fact which is clearly stated in the methods and results of the paper that Oxitec was so excited to share.

    A new control effort employing Oxitec mosquitoes did begin in April 2015, but not in Juaziero, or any of the northeastern states of Brazil where the disease outbreak is occurring. As another press release from Oxitec states, the 2015 releases of their GM mosquitoes were in Piracicaba, São Paulo, Brazil:

    Following approval by Brazil’s National Biosafety Committee (CTNBio) for releases throughout the country, Piracicaba’s CECAP/Eldorado district became the world’s first municipality to partner directly with Oxitec and in April 2015 started releasing its self-limiting mosquitoes whose offspring do not survive. By the end of the calendar year, results had already indicated a reduction in wild mosquito larvae by 82%. Oxitec’s efficacy trials across Brazil, Panama and the Cayman Islands all resulted in a greater than 90% suppression of the wild Ae. aegypti mosquito population–an unprecedented level of control.

    Based on the positive results achieved to date, the ‘Friendly Aedes aegypti Project’ in CECAP/Eldorado district covering 5,000 people has been extended for another year. Additionally, Oxitec and Piracicaba have signed a letter of intent to expand the project to an area of 35,000-60,000 residents. This geographic region includes the city’s center and was chosen due to the large flow of people commuting between it and surrounding neighborhoods which may contribute to the spread of infestations and infections.

    Piracicaba mosquito control results

     

    Piracicaba, for the record, is more than 1300 miles away from the Zika epicenter:

    TKTK

    So not only did the conspiracy theorists get the location of the first Brazil release wrong, they either got the date wrong, too, or got the location of the 2015 releases really, really off. Either way, the central argument that the release of GM mosquitoes by Oxitec coincides with the first cases of Zika virus simply doesn’t hold up.

    Scientists Speak Out

    As this ludicrous conspiracy theory has spread, so, too, has the scientific opposition to it. “Frankly, I’m a little sick of this kind of anti-science platform,” said vector ecologist Tanjim Hossain from the University of Miami, when I asked him what he thought. “This kind of fear mongering is not only irresponsible, but may very well be downright harmful to vulnerable populations from a global health perspective.”

    Despite the specious allusions made by proponents of the conspiracy, this is still not Jurassic Park, says Hossain.

    “We have a problem where ZIKV is spreading rapidly and is widely suspected of causing serious health issues,” he continued. “How do we solve this problem? An Integrated Vector Management (IVM) approach is key. We need to use all available tools, old and new, to combat the problem. GM mosquitoes are a fairly new tool in our arsenal. The way I see it, they have the potential to quickly reduce a local population of vector mosquitoes to near zero, and thereby can also reduce the risk of disease transmission. This kind of strategy could be particularly useful in a disease outbreak ‘hotspot’ because you could hypothetically stop the disease in its tracks so to speak.”

    Other scientists have shared similar sentiments. Alex Perkins, a biological science professor at Notre Dame, told Business Insider that rather than causing the outbreak, GM mosquitoes might be our best chance to fight it. “It could very well be the case that genetically modified mosquitos could end up being one of the most important tools that we have to combat Zika,” Perkins said. “If anything, we should potentially be looking into using these more.”

    Brazilian authorities couldn’t be happier with the results so far, and are eager to continue to fight these deadly mosquitoes by any means they can. “The initial project in CECAP/Eldorado district clearly showed that the ‘friendly Aedes aegypti solution’ made a big difference for the inhabitants of the area, helping to protect them from the mosquito that transmits dengue, Zika and chikungunya,” said Pedro Mello, secretary of health in Piracicaba. He notes that during the 2014/2015 dengue season, before the trial there began, there were 133 cases of dengue. “In 2015/2016, after the beginning of the Friendly Aedes aegypti Project, we had only one case.”

    It’s long past time to stop villainizing Oxitec’s mosquitoes for crimes they didn’t commit. Claire BernishThe Daily MFailMirror and everyone else who has spread these baseless accusations: I’m talking to you. The original post was in the Conspiracy subreddit—what more of a red flag for “this is wildly inaccurate bullsh*t” do you need? (After all, if this is a legit source, where are your reports on the new hidden messages in the $100 bill? or why the Illuminati wants people to believe in aliens?). It’s well known that large-scale conspiracy theories are mathematically challenged. Don’t just post whatever crap is spewed on the internet because you know it’ll get you a few clicks. It’s dishonest, dangerous, and, frankly, deplorable to treat nonsense as possible truth just to prey upon your audience’s very real fears of an emerging disease. You, with your complete lack of integrity, are maggots feeding on the decay of modern journalism, and I mean that with no disrespect to maggots.