Arquivo da tag: Grandes eventos

Rio’s Race to Future Intersects Slave Past (New York Times)

By  – MARCH 8, 2014

Slave ships in the 19th century docked at the huge stone Valongo wharf, exposed by archaeologists near Rio’s port. CreditLianne Milton for The New York Times

RIO DE JANEIRO — Sailing from the Angolan coast across the Atlantic, the slave ships docked here in the 19th century at the huge stone wharf, delivering their human cargo to the “fattening houses” on Valongo Street. Foreign chroniclers described the depravity in the teeming slave market, including so-called boutiques selling emaciated and diseased African children.

The newly arrived slaves who died before they even started toiling in Brazil’s mines were hauled to a mass grave nearby, their corpses left to decay amid piles of garbage. As imperial plantations flourished, diggers at the Cemitério dos Pretos Novos — Cemetery of New Blacks — crushed the bones of the dead, making way for thousands of new cadavers.

Now, with construction crews tearing apart areas of Rio de Janeiro in the building spree ahead of this year’s World Cup and the 2016 Summer Olympics, stunning archaeological discoveries around the work sites are providing new insight into the city’s brutal distinction as a nerve center for the Atlantic slave trade.

Petrúcio Guimarães dos Anjos and his wife, Ana de la Merced Guimarães, in their home. Credit Lianne Milton for The New York Times

But as developers press ahead in the surroundings of the unearthed slave port — with futuristic projects like the Museum of Tomorrow, costing about $100 million and designed in the shape of a fish by the Spanish architect Santiago Calatrava — the frenzied overhaul is setting off a debate over whether Rio is neglecting its past in the all-consuming rush to build its future.

“We’re finding archaeological sites of global importance, and probably far more extensive than what’s been excavated so far, but instead of prioritizing these discoveries our leaders are proceeding with their grotesque remaking of Rio,” said Sonia Rabello, a prominent legal scholar and former city councilwoman.

The city has installed plaques at the ruins of the slave port and a map of an African heritage circuit, which visitors can walk to see where the slave market once functioned. Still, scholars, activists and residents of the port argue that such moves are far too timid in comparison with the multibillion-dollar development projects taking hold.

Beyond the Museum of Tomorrow, which has been disparaged by critics as a costly venture drawing attention away from Rio’s complex history, developers are working on an array of other flashy projects, like a complex of skyscrapers branded in homage to Donald Trump and a gated community of villas for Olympic judges.

At the same time, descendants of African slaves who live as squatters in crumbling buildings around the old slave port are organizing in an effort to obtain titles for their homes, pitting them against a Franciscan order of the Roman Catholic Church that claims ownership of the properties.

“We know our rights,” said Luiz Torres, 50, a history teacher and leader in the property rights movement. With the slave market’s ruins near his home as testament, he added, “Everything that happened in Rio was shaped by the hand of blacks.”

Crushed human bones from a cemetery were discovered in the home of Mr. and Ms. Guimarães during a renovation. Credit Lianne Milton for The New York Times

Scholars say the scale of the slave trade here was staggering. Brazil received about 4.9 million slaves through the Atlantic trade, while mainland North America imported about 389,000 during the same period, according to the Trans-Atlantic Slave Trade Database, a project at Emory University.

Rio is believed to have imported more slaves than any other city in the Americas, outranking places like Charleston, S.C.; Kingston, Jamaica; and Salvador in northeast Brazil. Altogether, Rio received more than 1.8 million African slaves, or 21.5 percent of all slaves who landed in the Americas, said Mariana P. Candido, a historian at the University of Kansas.

Activists say the archaeological discoveries merit at least a museum and far more extensive excavations, pointing to projects elsewhere like the International Slavery Museum in the British port city Liverpool, where slave ships were prepared for voyages; the Old Slave Mart Museum in Charleston and Elmina Castle, a slave trading site on Ghana’s coast.

“The horrors committed here are a stain on our history,” said Tânia Andrade Lima, the chief archaeologist at the dig that exposed Valongo, built soon after Portugal’s prince regent, João VI, fled from Napoleon’s armies in 1808, transferring the seat of his empire to Rio from Lisbon.

The squalid wharf functioned until the 1840s, when officials buried it under more elegant docks designed to receive Brazil’s new empress from Europe. Both wharves were eventually buried under landfill and a residential port district, called Little Africa.

Many descendants of slaves settled where the slave market once functioned, with African languages spoken in the area into the 20th century. While the district is gaining recognition as a cradle of samba, one of Brazil’s most treasured musical traditions, it was long neglected by the authorities.

Artifacts from the old wharf where slave ships docked. Credit Lianne Milton for The New York Times

Black Consciousness Day is observed annually in Brazil on Nov. 20 to reflect on the injustices of slavery. In 2013 Ms. Rabello, the legal scholar, pointed out, Rio’s hard-charging mayor, Eduardo Paes, who is overseeing the biggest overhaul of the city in decades, did not attend the ceremony at Valongo, where residents began a campaign to have it recognized as a Unesco World Heritage site. Complicating the debate over how Rio’s past should be balanced alongside the city’s frenetic reconstruction, some families still live on top of the archaeological sites, occasionally excavating Brazil’s patrimony on their own.

“When I first saw the bones, I thought they were the result of a gruesome murder involving previous tenants,” said Ana de la Merced Guimarães, 56, the owner of a small pest control company who lives in an old house where workers doing a renovation first discovered remains from the mass grave in 1996.

It turned out Ms. Guimarães was living above a dumping ground for dead slaves that was used for decades, until around 1830. Estimates vary, but scholars say that as many as 20,000 people were buried in the grave, including many children.

Ms. Guimarães and her husband opted to stay in their property, opening a modest nonprofit organization on the premises, where visitors can view portions of the archaeological dig. The authorities have plans to build a light-rail project on their street, which may lead to more discoveries.

“This was a place of unspeakable crimes against humanity, but it’s also where we live,” Ms. Guimarães said in her home, complaining that public agencies had provided her organization with little support.

Washington Fajardo, a senior adviser to Rio’s mayor on urban planning issues, said that some important steps had been taken at the archaeological sites, including the designation of the slave port as an environmental protection area. And he said that a plan under consideration would create an urban archaeology laboratory where visitors could view archaeologists studying material from the sites.

A dilapidated house near where the Valongo slave market in Rio de Janeiro once functioned. Credit Lianne Milton for The New York Times

Mr. Fajardo also emphasized that at another new venture in the port, the Rio Art Museum, residents of the area make up more than half the staff.

“We’d like to do more,” he said, referring to the slave cemetery. “It’s complex because there are people living on top of the site. If they want to stay, we have to respect their wishes.”

Throughout Rio, other discoveries are being made. Near the expansion of a subway line, researchers recently found relics belonging to Pedro II, Brazil’s last emperor before he was overthrown in 1889. And near the slave port, archaeologists found cannons thought to be part of a four-century-old marine defense system.

But none of the discoveries have been quite as striking as the unearthing of the Valongo wharf in 2011 and the earlier excavations of the cemetery under Ms. Guimarães’s home. Beyond the large stones of the wharf itself, archaeologists found items that helped reconstruct the daily lives of slaves, including copper pieces thought to be talismans and dominoes used for gambling.

Between the slave port and the cemetery, visitors can also view the Ladeira do Valongo, where the depots of Rio’s slave market once horrified foreign travelers. One visitor, Robert Walsh, a British clergyman who came to Brazil in 1828, wrote about the transactions.

“They are handled by the purchaser in different parts, exactly as I have seen butchers feeling a calf,” he said. “I sometimes saw groups of well-dressed females here, shopping for slaves, exactly as I have seen English ladies amusing themselves at our bazaars.”

Slavery’s legacy is clear across Brazil, where more than half of its 200 million people define themselves as black or mixed race, giving the nation more people of African descent than any other country outside Africa. In Rio, the large majority of slaves came from what is now Angola, said Walter Hawthorne, a historian at Michigan State University.

“Rio was a culturally vibrant African city,” Dr. Hawthorne said. “The foods people ate, the way they worshiped, how they dressed and more were to a large extent influenced by Angolan cultural norms.”

Brazil abolished slavery in 1888, making it the last country in the Americas to do so. Now the relatively relaxed approach to the archaeological discoveries is raising doubts about how willing the authorities are to revisit such aspects of Brazilian history.

“Archaeologists are exposing the foundations of our unequal society while we are witnessing a perverse attempt to remake the city into something resembling Miami or Dubai,” said Cláudio Lima Castro, an architect and scholar of urban planning. “We’re losing an opportunity to focus in detail on our past, and maybe even learn from it.”

Fifa vê gesto desrespeitoso de Dilma Rousseff por não ir à final (OESP)

Tradicionalmente, presidente do país sede do torneio está na decisão e entrega a taça ao campeão

29 de junho de 2013 | 20h 17

JAMIL CHADE – Enviado especial – Agência Estado

RIO – A Fifa tomou como um gesto de desrespeito a decisão da presidente Dilma Rousseffde não ir à final deste domingo no Maracanã entre Brasil e Espanha. Tradicionalmente, presidente do país sede do torneio está na decisão e entrega a taça ao campeão. Neste sábado, parte da cúpula da Fifa que conversou com a reportagem não escondia surpresa diante da decisão da chefe-de-estado de não viajar ao Rio de Janeiro. Apesar da ausência de Dilma, a ala VIP do estádio do Maracanã estará lotada de políticos.

Dilma foi vaiada na abertura e quer evitar desgaste - Dida Sampaio/Estadão

Dida Sampaio/Estadão. Dilma foi vaiada na abertura e quer evitar desgaste

Dilma foi vaiada no jogo de abertura, em Brasília, e decidiu que, diante dos protestos nas ruas e de sua queda de popularidade, não seria o momento de aparecer num estádio, mesmo que seja no evento-teste para a Copa do Mundo e uma espécie de cartão de visita do País.

Apesar das declarações de membros do Comitê Executivo da Fifa, a assessoria de imprensa insistiu em adotar posição diplomática e garante que seus cartolas não representam a posição oficial da entidade.

“A Fifa respeita totalmente a decisão da presidente Dilma Rousseff em relação à participação na final
no Maracanã, seja ela qual for”, disse a assessoria.

Entretanto, nos bastidores, parte dos funcionários da Fifa tentavam entender a decisão de Dilma de não estar no estádio. “Isso é bom ou ruim para ela?”, questionou um deles. Para outros mais próximos da presidência, a atitude é um “gesto de desrespeito”.

A relação entre governo e Fifa já não era das melhores. Mas um dos legados do torneio será um esfriamento ainda maior dos contatos. O governo ficou irritado com os comentários da Fifa sobre as manifestações e com as cobranças por mais segurança.

Se Dilma não estará no estádio, o Maracanã não sentirá falta de políticos. Além de governadores e do prefeito do Rio, Eduardo Paes, deputados, vereadores e senadores estão sendo aguardados na tribuna de honra.

Nas arquibancadas, a torcida já indicou nos meios sociais que irá usar a final para protestar. Nas ruas que dão acesso ao Maracanã, milhares de pessoas prometem protestar. O estádio estará blindado por mais de 6 mil policiais.

Para fontes na Fifa, a situação chega a ser irônica. Afinal, o governo brasileiro quer usar justamente os megaeventos esportivos para se promover no exterior e as autoridades não têm economizado recursos para o marketing baseado no torneio.

Até mesmo a Agência de Promoção das Exportações, ligada ao Ministério do Desenvolvimento, se transformou em associada da Fifa, pagando uma cota de patrocínio de R$ 20 milhões. Já o BNDES e diversos outros órgãos foram fundamentais em bancar estádios e infraestrutura para o evento.

Para outro experiente cartola, o que surpreende é o contraste em relação à participação de outros chefes-de-estado em torneios similares. Em 2009, o capitão da seleção brasileira na época, Lúcio, recebeu o troféu de campeão das mãos de Jacob Zuma, presidente sul-africano. Zuma ainda participou de todos os jogos em Johannesburgo, num esforço de mostrar o compromisso do governo com o torneio. Em 2005, na Alemanha, a cúpula do governo de Berlim também se fez presente.

Fontes próximas ao presidente Joseph Blatter insistem que o cartola suíça “entendeu” a decisão política de Dilma. Mas considerou que sua atitude mostra que o governo não está sempre disposto a bancar o evento e que cálculos políticos pesam mais que o torneio em si. “O que parece é que, quando as coisas vão bem, o Brasil quer usar a Copa para se promover. Mas quando não funciona ou há uma crise, todos querem se dissociar do futebol”, comentou um membro do Comitê Executivo da entidade, que pediu anonimato.

Veja também:
link Dilma Rousseff decide que não verá final no Maracanã no domingo 
link Felipão alfineta Fifa por chegar atrasado ao Maracanã 
link Salvador terá protesto antes da disputa do 3.º lugar

A Aldeia Maracanã é dos índios, diz antropólogo (Revista Fórum)

18/01/2013 12:47 pm

A ocupação do ex-museu do índio dá visibilidade à luta por políticas públicas indígenas em áreas urbanas e permite a governo do Rio dialogar, afirma Marcos Albuquerque, da UERJ

Por Jessica Mota

Marcos Albuquerque: Cerca de 40% da população indígena original hoje está dispersa nos grandes centros urbanos do país (Foto: André Mantelli)

“Quanto à origem deste prédio, há poucas informações disponíveis e muitas delas se contradizem”, diz o relatório feito em 1997 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, o INEPAC, órgão vinculado à Secretaria de Cultura do estado do Rio de Janeiro, sobre o prédio conhecido como “antigo Museu do Índio”, que o governo do Rio quer demolir para facilitar o trânsito no entorno do estádio Maracanã, em reforma para a Copa 2014.

O que se sabe é que, no início do século XIX, a região era de engenhos de açúcar e, provavelmente, ainda repleta de aves chamadas maracanãs. Em 1889, com a chegada da República, aquelas terras adquiridas pelo Duque de Saxe, genro de D. Pedro II, deixariam de pertencer ao Império do Brasil e passariam a ser propriedade do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

O casarão imperial se tornaria conhecido a partir de 1953, como sede do Museu do Índio, chefiado por Darcy Ribeiro. O museu se tornaria referência internacional, servindo de “modelo a diversas instituições, orientando-a quanto à catalogação e classificação de material etnográfico e quanto aos melhores métodos de exposição museográficas”, como aponta o relatório do INEPAC.

Em 1978, o Museu do Índio mudou de endereço e o prédio caiu no abandono. Deteriorado, acabou não merecendo tombamento do Iphan, que o avaliou como de baixa relevância nacional do ponto de vista histórico e arquitetônico.

Para o antropólogo Marcos Albuquerque, professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e pesquisador da presença da população indígena nas grandes cidades, não há dúvida que o prédio tem valor histórico pelo que representa para o indigenismo nacional e sua ocupação legitima a construção de “referenciais” indígenas na cidade do Rio de Janeiro, onde a luta por políticas públicas tem maior visibilidade.

Leia a entrevista.

OCUPAÇÃO É LEGÍTIMA E PODE ABRIR DIÁLOGO

O governador Sérgio Cabral, em uma fala veiculada na televisão, deu a entender que a Aldeia Maracanã não teria legitimidade por não estar ali desde o descobrimento, nem no período colonial. Qual a sua visão sobre isso?

O que o governador falou é algo que vai contra preceitos constitucionais e regras jurídicas que determinam o tipo de atenção ao caso. A ocupação dos indígenas naquele espaço é legítima independentemente do ano em que foi feita. Do ponto de vista da política indigenista, o que está em jogo ali é o fato de ser uma comunidade indígena reivindicando um direito constitucional. No mínimo, os indígenas teriam o direito de usucapião, que é um direito coletivo. Além disso, é um espaço que tem valor histórico e que deve ser mantido. A intercessão entre esse valor histórico e a presença da população indígena ali, em um espaço da memória do movimento indigenista, já daria toda a legitimidade ao que eles estão reivindicando, que não é de direito individual. É uma reivindicação de um direito coletivo, claramente legítima do ponto de vista de preceitos constitucionais. Esse tipo de fala que o governador ou o prefeito tem feito às pressas não tem nenhum valor oficial e o que o governo do estado irá fazer com relação a essa questão não pode estar baseado em uma afirmação como essa, feita às pressas.

O tombamento do prédio do antigo Museu do Índio foi recusado na avaliação do Iphan. Mas a questão se resume ao caráter histórico do lugar ou vai além disso?

Pelo que a gente está acompanhando da mobilização em torno do antigo museu por conta da ocupação indígena, a questão é mais complexa, envolve a presença de uma população indígena que já está há pelo menos seis anos ali. É um tipo de ocupação que não está apenas pela preservação da memória do imóvel, que tem a ver com a história do indigenismo nacional, mas também com o projeto de construção de referenciais na cidade do Rio de Janeiro para a cultura indígena e – por que não? – de projetos de implementação de políticas públicas a partir desse epicentro.

Quem são os índios que estão ali, de onde vêm, o que fazem?

A ocupação do local foi uma forma de – na medida do possível, sem recursos – implementar uma política cultural que funcionasse como pólo de visibilidade da questão indígena local e nacional, até porque existem indígenas do país todo lá. O núcleo principal era formado por cerca de seis indígenas, principalmente homens adultos e solteiros, mas há alguns deles que estão há mais de 20 anos morando aqui no Rio de Janeiro. A maior parte vem do norte do país, principalmente do estado do Amazonas, e alguns já tinham uma trajetória de mobilização política pró-indígena em Brasília e em outras capitais. Outros, como os Guajajara, vieram ao Rio de Janeiro com família, estavam morando em residências sem condições de saúde e segurança, mesmo que tivessem formação acadêmica, como é o caso do Arão [da Providência], que é advogado e atua junto à OAB e ao Ministério Público, e o irmão dele, o Zé, que é doutorando em linguística no Museu Nacional, mais as famílias, todas em situação econômica bastante precária. São situações bastante diversas.

Qual é a situação hoje dos índios que vivem em cidades, como o Rio de Janeiro?

Cerca de 40% da população indígena original hoje está dispersa nos grandes centros urbanos do país: Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Brasília, Salvador e Manaus, principalmente. E todas as grandes cidades têm políticas de atenção à população indígena, mas que são muito diferentes porque não há uma regulamentação federal de como deve ser feito o atendimento a essa população. E a implementação dessas políticas públicas, em quase 100% dos casos, vêm por conta da mobilização dos próprios indígenas. Principalmente com relação ao atendimento à saúde, educação e moradia. São Paulo e Manaus são centros de referência para esse tipo de política pública.

Por que a população indígena migra para as cidades?

Essa migração tem mais de 50 anos, no mínimo. Os indígenas migram, principalmente os do nordeste brasileiro e, mais recentemente, da região norte, por conta de conflitos fundiários, por conta de violência pela posse da terra, por conta de muitas populações indígenas, principalmente do nordeste, estarem hoje ocupando territórios que não tem viabilidade econômica. Então os migrantes indígenas são migrantes tal como os migrantes do nordeste brasileiro. Mas a Constituição de 1988 regulamenta uma certa autonomia de representação dos povos indígenas através de suas associações, que passam a não depender apenas da Funai e do Ministério Público e aí começam a ter visibilidade. E eles também migram em busca de melhoria na educação, formação na educação básica e universitária e, em menor parte, em busca de atendimento à saúde. O Estado brasileiro tem o papel constitucional de criar políticas públicas para amenizar o impacto da violência imposta aos indígenas durante a construção do país. É uma espécie de compensação histórica feita aos povos indígenas. Mas o que o Estado vem fazendo ao longo do tempo é um tipo de atendimento, feito pela Funai, dentro das aldeias, e não nas cidades. Embora a redação do texto constitucional não faça distinção entre comunidades em aldeias ou centros urbanos. É por conta disso que os povos indígenas estão exigindo que os órgãos públicos implementem, ou regulamentem, o preceito constitucional. Essa é a luta deles.

Como o governo do Rio tem tratado a questão indígena?

Pelo que consegui sondar até o momento, e pelo que informam os próprios indígenas, o estado do Rio de Janeiro não tem nenhuma política pública para os povos indígenas, o que é um fosso bastante significativo no cenário nacional. Até porque a cidade do Rio de Janeiro, oficialmente, pelo Censo, tem mais de 6 mil indígenas. Mas pelas contas dos próprios indígenas e de pessoas envolvidas, esse número é, no mínimo, três vezes maior. Em São Paulo, os indígenas, ao constituírem associações, passaram a ter uma melhor organização e conseguiram montar autonomamente o seu próprio censo. Mas no Rio de Janeiro não tem nenhuma associação institucionalizada ou indígena que já tenha condições de fazer esse tipo de mapeamento. O governo do estado do Rio e a prefeitura do Rio não cedem nenhum funcionário ou espaço institucional para o fortalecimento das associações indígenas. Não promovem nenhum tipo de atendimento diferenciado na saúde ou na educação, nenhum tipo de política pública para os povos indígenas, e não há nem um conselho estadual de povos indígenas, como ocorre em outros estados.

O que significaria, então, o reconhecimento de que é legítima a reivindicação dos índios a um espaço, um centro cultural, que preserve a memória e a história deles, no Rio de Janeiro?

A Aldeia, tal como ela existe, já se configura como espaço de pressão para que o governo do Rio de Janeiro implemente políticas públicas para essa população. Minimamente já se consegue promover algo muito importante que é um impacto de articulação, de encontro – festivo, mas também político. E ao se tornarem visíveis, como é o caso da Aldeia Maracanã, o governo passa a chamá-los para dialogar. E é possível que esse diálogo, nascido da Aldeia Maracanã, possa se desdobrar efetivamente na construção de políticas públicas. E não só para esses que estão na Aldeia, mas para todos que estão no estado do Rio de Janeiro, que são muitos mais. Esse movimento é muito maior do que o número específico de índios que estão na Aldeia.

Como você acha que um evento como a Copa pode definir essa representação que os índios estão tentando conseguir frente ao governo?

A Copa levou a uma grande visibilidade internacional principalmente nesse último ano, em 2012 e agora no começo de 2013, por conta do incremento das reformas no Maracanã e do impacto sobre a Aldeia Maracanã. Isso vem levando os indígenas a ter uma visibilidade internacional muito grande. É evidente o desnível entre o interesse da mídia internacional e o da mídia nacional, que passou a olhar para essa questão muito recentemente e com muito mais reticências do que a mídia internacional. É um pouco ilógica a política do governo do estado de não tornar a ocupação dos índios algo positivo. É um paradoxo no que se refere a um elemento de grande significação internacional, que é a manutenção, o registro, a atualização de um patrimônio em pleno coração da cidade para onde os olhos do mundo estarão voltados.

A foto desta matéria foi gentilmente cedida por André Mantelli.