Arquivo da tag: Ética do cuidado

Achille Mbembe : “Ignorance too, is a form of power” (Chilperic )

Original article

Achille Mbembe

He talks and talks, you are on the verge of falling asleep, until suddenly, out of the blue, a word or a concept slaps you in the face. You listen again. He adds another violent metaphor to his argument and there you are, disarmed by a truth he just unveiled. I presume part of Cameroonian historian and philosopher Achille Mbembe’s brilliance stems from his ability to coin ideas that were as yet framed. Not that they didn’t exist before, but they were lacking the proper notes to be heard. For instance, his book De la Postcolonie, published in 2000, contributed to a massive rise of interest in post-colonial studies by revealing how colonial forms of domination continue to operate on and within the African continent. His Critique de la raison nègre, published in 2013, shed light on the function of the “Black” figure in the construction of Western identity. He later developed the concept of necropolitics, widely used today in academia, to illustrate the production of superfluous and unwanted populations. More recently, he introduced the notion of brutalism, which describes capitalism’s constant process of extraction and waste production. A process that generates growth: walls, clean streets, prescribed drugs, cars, banks – and trash. A trash made of human and non-human residues that we bury, send abroad, or incarcerate. Combustion, islands of plastic, or “migrants” who have no value in our economic system are examples of this exponential “trashisation” of the world. This side effect of brutalism is also defined by Mbembe as the tendential universalization of the Black condition: “The way we used to treat exclusively black people, is now extended to people with a different skin color,” he told me recently. ” The black person is by definition the one who can be humiliated, whose dignity is not recognized, whose rights can be violated with impunity, including his right to breath. He or she therefore represents the accomplished figure of the superfluous person. And nowadays, the number of superfluous people is constantly growing.” 
What annoys me with Achille Mbembe is the way he managed to pollute the innocence of my Western privileges. I was so much better off before,  flying for no reason around the world, while popping stimulants and tranquilizers to cope with my jet-lag. I’d see bankers as virtuous men I’d be desperate to marry and was secretly irritated by all these foreigners trying to flood our trash-free countries and schools. I’d worry for the future of my children and how all this precarity and danger might contaminate the clean side-walks of their own adulthood. I knew without “knowing” that racism and destruction of the environment are the two sides of the same coin, that we cannot fight one without fighting the other; that if we hadn’t and weren’t continuously destroying the African soil, it’s inhabitants for sure wouldn’t try to flee, that my privileges are not merely a question of luck, but the result of a continuous exploitation in which I am, whether I like it or not, complicit. All this I knew without being too disturbed by it. I hat found a comfortable way to exclude my responsibility from these tragedies that occur most of the time in remote parts of the world, far away from my home view in Switzerland. I guess no one enjoys to be reminded that under their innocence lies a pile of shit which has been produced not by “the other” but by one’s own self. Long story short: I sometimes wish I hadn’t come across Achille Mbembe’s slaps of truth. For, as he remarks in his last book, Brutalism, “Ignorance too, is a form of power.”                       

We met end of the summer 2020. I was in Bretagne, France;  he waiting for winter to end in his house in Johannesburg.

***

You refuse to be defined as a post-colonial thinker, how come? 

I have nothing against postcolonial or decolonial theory, but I am neither a postcolonial, nor a decolonial theorist. My story has been one of constant motion. I was born in Cameroun, I spent my twenties in Paris, my early and mid-thirties in New York, Philadelphia and Washington. I later moved to Dakar, Senegal and I’m now in Johannesburg, South Africa. Likewise, I was trained as an historian, then I studied political science. At the same time, I read a lot of philosophy and anthropology, immersed myself in literature, in psychoanalysis. As we speak, I am familiarizing myself with life sciences, climate and earth sciences, astrobiology. This perpetual crossing of borders is what characterizes my life and my work. 

So how should one define you? 

I’d rather define myself as a penseur de la traversée. One for whom critique is a form of care, healing and reparation. The idea of a common world, how to bring it into being, how to compose it, how to repair it and how to share it – this has ultimately been my main concern. 

© Stephanie Fuessenich/laif für die FAZ

In your last book, Brutalism (Editions La Decouverte, 2020) you plead for a politics of the en-commun (in-common) as a means to re-enchant the world and re-infuse solidarity among the elements which constitute and belong to this one world we all share together. Does your concept of the en-commun have any affinities with communist ideas? 

No, it has nothing to do with communism as a political ideology. It is related to my preoccupation with life futures, and as I have just said, with theories of care, healing and reparation, the reality of historical harms and debates on planetary habitability. Ultimately Eurocentrism has fostered colonialism, racism and white supremacy. Postcolonialism has been preoccupied with difference, identity and otherness. As a result of my deep interest in ancient African systems of thought, I am intrigued by the motifs of commonality and multiplicity, by the entanglement of all human and non-human forms of life and the community of substance they form. This commonality, I should add, must be constantly composed and recomposed. It must be pieced together, through endless struggles, and very often, defeats and new beginnings. 

Isn’t difference the basis of identity? 

During the 19th and 20th centuries, we have not stopped talking about difference and identity. About self and the Other. About who is like us and who is not. About who belongs and who doesn’t. As the seas keep rising, as the Earth keeps burning and radiation levels keep increasing and we are less and less shielded against the plasma flow from the sun and surrounded by viruses, this is a discourse we can now ill afford. 

Does this imply hierarchies should be more horizontal? 

By definition, all hierarchies should be exposed to contestation. I am in favor of radical equality. Formal equality is meaningless as long as certain bodies, almost always the same, remain trapped in the jaws of premature death. Once equality is secured, we need to work on the best mechanisms of representation. But those who represent us can never be taken to be hierarchically superior to us. Instead they are called upon to perform a service for the care of all. Representation can only be the result of consent and for such consent to be granted, those who represent us must be accountable. Nobody should make decisions on behalf of those who haven’t mandated him or her. The great difficulty these days and for the years to come is that decisions are increasingly made by technological devices. They are determined by algorithmic artefacts which have not been mandated, except possibly by their manufactures. 

Do you have a mission? 

I wouldn’t want to make things uglier than they already are. I’m here on earth like everyone else for a limited timeframe. A tiny particle in a universe governed by ungraspable forces. My goal is therefore to remain as open as possible to what is still to come. To welcome and embrace the manifold resonances of the forces of the universe. On my last day, at the dusk of my life, I want to be able to say that I have smelled the infinite flesh of the world and that I have fully breathed its breath. 

Writing is your medium. How did this practice come to you? 

I used to be shy. It was easier for me to write than to speak in public or even in a group. When I was 12, I was part of a poetry club at my boarding school. In parallel I kept a personal diary in which I would relate my daily experiences. But it was only when I turned 18 or 19 that I started writing, that is, speaking in public. 

What does writing mean to you? 

It enables me to find my own center. One could almost say “I write therefore I am.” It’s a space of inner peace, though it can also at times be one of self-division. Whatever the case, what I write is mine and can never be taken away from me. 

Do you have any writing routines? 

In order to write, I need silence. I need to be left alone for long hours, if not days. Silence for me is a prelude to a state of psychic condensation. When I was younger, I’d mostly write in the pitch dark, after midnight. Writing after midnight, I could reconnect with Africa’s deepest pulsations, its tragedies as well as its metamorphic potential, the promise it represents for the world. That is how I wrote On the Postcolony, in the midst of Congolese sounds and rhythms.

How do you reach this bubble of isolation and silence while living with your spouse, children and dog? 

My wife is a writer of her own account. The dog is a very unobtrusive companion. It also happens that I can be talking to you now without really being present. Being physically present doesn’t prevent my mind from being totally elsewhere. 

Where does your writing start? 

Most of the time in my head. Sometimes from what I see, what I hear, what I read. It can start in the shower, when I am cooking or while I lie on the bed waiting to fall asleep. I can spend long months without writing anything. Things first need to boil. I need to find myself in a position where I can no longer bracket the interpellation addressed to me by reality, an event or an encounter. 

Do you take notes? 

Not really, or not all the time. I may have notebooks, but I keep misplacing them and hardly ever return to them in any structured way. My writing generally begins with a word, a concept, a sound, a landscape or an event which suddenly resonates in me. I do have a very lively mental scape. As a result, writing is like translating an image into words. In fact my books are full of images of the mind, non-visual images. But I never know in advance where these images will lead me to or whether at the end of the process I will be able to adequately translate them into words without losing their allure. It’s a rather intuitive process. That’s also why I write my introductions at the end, as I’ll only be able to tell you what the book is about once it’s written, when all the images have been curated. 

Do you spend lots of time rewriting your sentences? 

I’m extremely attentive to each word, each phrase, the way it’s formulated, its rhythm and musicality, the punctuation. For a text to be powerful, that is to heal, it must viscerally speak to both the reader’s reason and senses. It must therefore be methodically composed, arranged, and curated. Once it’s done with the appropriate amount of care, I no longer go back to it. I actually never reread my books. 

Why ? 
Because I’m always afraid to realize that the translation of images into words could have been done differently, and that now it’s too late. It’s already published and now belongs somewhat to the public. I have a rather strange understanding of writing. Writing is like a trial with too many judges If one doesn’t wish to be condemned, one shouldn’t write. Because once you’ve written and published something, that’s it.. The door is locked and the key is taken away. Writing is like pronouncing a sentence on oneself.

Student in Paris in the 1980

You spend a significant amount of your time playing and watching soccer. What is it that you enjoy so much in this sport? 

It’s all about contingency and creation, creating in the midst of contingency. It’s about a certain relationship between a body in motion and a mind in a state of alert. That’s what fascinates me the most about football, the way in which 22 people attempt to inhabit a space they keep configuring and reconfiguring, erecting and erasing, and the explosions of primal joy when one’s team scores, or the primal screams when one’s team loses. And indeed, if I could go back in time, I would unquestionably pursue a professional soccer career. I’d retire in my early thirties and then do something else. 

If you were a philanthropic billionaire, in which cause would you invest? 

I’ve always considered money as a means to hinder one’s freedom. 

Why? 

I don’t want to be the slave of anything or of anybody. Not even the slave of my own passions. 

Doesn’t money enable a certain freedom too? 

If I had billions, I’d go back to Cameroun and revive my father’s farm. That’s where I spent part of my youth. I’d go back and turn this farm into a cooperative, into a laboratory for new ways of producing and living. The farm would become a living alternative of how to use local resources to live a clean life, starting with air, water, plants, food and so on. The farm would also be a vibrant place for artistic innovation. It would offer writing residencies for authors eager to commune with the vast expanses of our universe. 

If you could reincarnate, choose an era, country, profession, legend, what or whom would you choose? 

I’d come back as Ibn Khaldun, an Arab intellectual who is often presented as one of the very first sociologists. He visited the empire of Mali in the 14th century. I would be curious to discover this era. To be a sort of intellectual who travels the world, discovering Africa before the Triangular trade and sounding out what we could have become. 

Elogio à potência cognitiva dos Cuidados (Outras Palavras)

Tradição intelectual da Modernidade dá valor e poder à Crítica, mas esquece uma forma de compreensão do mundo tão potente quanto ela. É mundana, feminina e transformadora. Inventa complexidades. Resiste a ser mercantilizada

OutrasPalavras Descolonizações por Antonio Lafuente

Publicado 15/05/2020 às 20:41 – Atualizado 17/05/2020 às 13:11

Por Antonio Lafuente, do Centro de Ciências Humanas e Sociais (CSIC), Madri | Tradução de Simone Paz Hernández | Imagem: Egon Schiele, Grupo de Três Meninas (detalhe)

O coronavírus tem nos ensinado muitas coisas — algumas delas, vamos demorar para esquecer. Porém, poucas foram tão inesperadas como a aproximação entre a cultura crítica e a cultura dos cuidados. Pareciam pertencer a planetas diferentes: uma, ligada à busca de certeza, metodologias conflitantes e gestos públicos; a outra, vizinha da dor, inclinada pelo tácito e reclusa no âmbito privado. Ambas, muito seguras de sua importância, mas muito diferentes em seus reconhecimentos. Para o espírito crítico, sempre existiu um posto de honra entre os inteligentes, os poderosos, os administradores. Os críticos possuem a chave que abre as portas do mundo, desde a empresa e a academia, até o conselho ou comitê. Ser crítico é uma qualidade característica dos que conseguem enxergar além das aparências, dos que sabem ler as entrelinhas e dos que não se deixam levar pelo refrão. Quem não é crítico está sujeito a ser doutrinado, manipulado e menosprezado.

Nosso mundo sempre reservou lugares especiais para a crítica. O espírito crítico nos protege dos farsantes, dos malandros e dos vigaristas. E, como nunca faltam aqueles que querem tirar proveito de nossa ingenuidade, desconhecimento ou incapacidade, fazemos bem em confiar na nobreza daqueles que se dispõem por nós a depurar as ideias, comparar informações e destrinchar propostas. Os debates públicos nos são apresentados muitas vezes como um duelo de espadachins, como um exercício de virtuosismo retórico, como uma amostra do dandismo entre “filhos de alguém”, tão inúteis quando desprezíveis. Isso não tem nada a ver com a crítica, está mais para um produto da vaidade pretensiosa: um embuste entre bobos. Já a crítica, é necessária e urgente. Uma das ferramentas mais valiosasas de que dispomos para navegar entre as tormentas ou para nos guiar entre as brumas. Sem ela, não existiria a civilização.

Os cuidados transitam em outro tipo de abundâncias invisíveis. Eles têm a ver com todas as práticas que levam à reparação ou à manutenção da vida. Possuem relação com o que há de mais simples e comum: dar comida, fornecer aconchego, produzir bem-estar, manter a conversa, ouvir o incabível ou inusitado, oferecer esmero, sentir o futuro, experimentar com os outros, fazer coisas juntos, desfrutar as nuances, acompanhar processos e criar espaços seguros. No mundo, não há nada mais abundante do que a dor, o desconsolo, o desabamento. Nada é mais necessário do que oferecer confiança, paz ou tempo. Seja para descobrir suas (novas) vulnerabilidades, seja ao se encontrar (novamente) estagnado, o que você vai querer por perto não é um cérebro privilegiado capaz de performar uma capacidade de análise impecável. Nesses momentos, precisamos de outro tipo de talento: o de alguém que saiba se colocar em sua situação, em seu lugar, conter a ansiedade de aconselhar, ficar em silêncio, saber ouvir, deixar fluir e acompanhar, enquanto, aos poucos, você se reencontra com a vida que merece ou a resposta que procura.

Não quero dizer que os que pensam não cuidam, nem que os que cuidam não pensam. Isso seria uma simplificação inaceitável e ofensiva. Todos nós podemos passear pelos dois mundos. Podemos utilizar a crítica para reparar aquilo que ouvimos e fazê-lo crescer. Podemos renunciar a usar nossas habilidades para ganhar vantagem e competir melhor. Nada nos obriga a querer sempre ganhar. Não é necessário demonstrar que estamos por cima dos outros, nem temos que tratar nossos adversários como inimigos, traidores ou estúpidos. Na crítica, pode existir um quê de sadismo. É normal que exista, e que toda vez que numa conversa alguém cite um especialista, um fato ou uma prova, para nos dar um soco e calar a boca. Esses críticos são pessoas perigosas das quais é bom se proteger, porque costumam ser implacáveis.

A ciência é um dos terrenos da crítica. Não é o único, nem o mais visível. Os que se gabam de ser críticos são aquelas pessoas da literatura, das artes, das ciências humanas e também, portanto, das ciências sociais. O que eles chamam de “espírito crítico” é muitas vezes percebido como arrogância banal. E é por isso que nós desconfiamos dessa forma de nos desenganarem, que, do outro lado do espelho, é percebida como uma maneira de nos deixar nus. Justamente o oposto daquilo que esperávamos: alguém que nos ajudasse a encontrar as roupas para não nos deixar na intempérie. Abandonados ao acaso, novamente, sem redenção.

A cultura do cuidado não é só compaixão. Precisamos dela, também, para criar outros mundos possíveis e dar espaço às diferentes práticas cognitivas de que precisamos aprender a apreciar. Se o crítico é quem vê mais e melhor, quem cuida possui como ferramenta fundamental de trabalho o tato. Se a simbologia reservou para os inteligentes a figura da coruja, do livro e dos óculos de armação grossa, aqueles que cuidam são representados como pessoas que acariciam com os olhos, com os gestos e com as mãos. As mãos alcançam lugares que os olhos nem conseguem imaginar. O tato é a chave que abre a porta que nos permite imaginar outros mundos possíveis, baseados em cumplicidade, empatia e vulnerabilidade. Nos cuidados, explora-se sem propósitos e sem condicionantes, se avança entre suspeitas e desconfianças, até chegarmos ao lugar onde experimentaremos a companhia como uma bênção. Ou uma epifania.

Se a visão gera a distância entre o sujeito e o objeto, o tato mistura esses dois mundos. A visão cria outros espaços, enquanto o tato inventa a complexidade. Tudo fica interligado e se torna próximo, entrelaçado. A visão quer fazer do mundo um objeto, enquanto o tato torna mundano o objeto. Mundano quer dizer comum, cotidiano, semelhante. Quiçá, também, barato, jovial e compartilhado.

A crise do coronavírus aproximou esses dois mundos para nos ajudar a entendê-los melhor, para descobrirmos que ambos são imprescindíveis e que os dois são deste planeta. Que ambos pertencem ao âmbito público e são duas potências cognitivas que deveriam parar de brigar e se unir num longo abraço. Sim, isso mesmo: um abraço em tempos de coronavírus pode parecer uma transgressão, mas não é, não, não se trata de uma pegadinha: esperamos muito desse atrito, pois não nos conformamos com apenas sobreviver — que é o que nos prometem os cientistas e seus porta-vozes. Não nos conformamos com apenas continuar vivos, pois queremos imaginar mundos mais ousados. A pandemia demonstrou que, em termos cognitivos, é imprescindível que se estruturem adequadamente três epistemes que se destacam: o mundo dos dados, dos modelos de previsão e da inteligência artificial; o mundo da virologia, da epidemiologia, das vacinas e do laboratório; e, por último, mas não menos importante, os territórios da clínica, dos profissionais da saúde e das práticas de cuidados.

Curar corpos nos forçou a cuidar de mundos. De repente, descobrimos que inconsistências estatísticas, causadas por uma coleta de dados ruim, poderiam levar a medidas que nos ameaçariam a todos. Dados não são números, mas coisas que precisam ser produzidas do mesmo jeito que são produzidas as bolas de sinuca: se elas não possuírem as características necessárias, não funcionam, não servem pra nada, não deslizam corretamente e não transmitem os efeitos esperados. Os dados precisam ser interoperáveis. Você precisa projetá-los com precisão, coletá-los com cuidado e transmiti-los a tempo. Podemos ter os melhores matemáticos, construindo os modelos mais sofisticados, porém, fazendo propostas mal-sucedidas porque os coletores de dados se desentenderam ou ficaram desmotivados ou deprimidos. Porque eles pararam de se projetar em seu trabalho com amor e orgulho. Não estavam atentos o suficiente para detectar algo suspeito, uma variação imprópria, um viés inesperado ou, finalmente, uma prática inconsistente. Talvez ninguém os fez acreditar na importância do que estavam fazendo. Talvez eles tenham se cansado de ser invisíveis, ou talvez se convenceram de que eram seres descartáveis, secundários ou irrelevantes.

Fazer vacinas ou, em termos mais gerais, projetar e realizar experimentos não é uma tarefa mecânica. Quem faz experimentos precisa improvisar o tempo todo — ou seja, precisa enfrentar um montão de imprevistos que exigem habilidades que não são ensinadas nos livros, mas que, entretanto, foram aprendidas com os colegas. Experimentar é uma atividade que possui muitas semelhanças com o trabalho dos artesãos. Todos os cientistas experimentais são uma espécie de faz-tudo, pessoas que sabem consertar coisas, que encontram soluções: são próprios bricoleurs. Ou, em outras palavras, pessoas que conseguem trabalhar sem um manual de instruções, e que, principalmente, tornaram-se muito tolerantes à incerteza. Sabem andar às cegas, guiando-se pelas paredes para não bater e mantendo-se conectados a tudo o que acontece para poder ser sensíveis às pequenas diferenças, às nuances esquecidas ou aos tons imperceptíveis. 

Não é ficar observando o seu objeto, mas sim estar abertos a se deixar afetar por qualquer sinal que vier de seu universo ou do ambiente que os cerca para decidir, em tempo real, se essa coisa, ainda não identificada, possui algum significado ou contém alguma mensagem. A relação que os cientistas mantêm com seus objetos, aquilo que não deixa de interpelá-los e que não conseguem parar de olhar, é muito menos objetiva, distante ou abstrata do que nos contaram. É uma relação muito menos crítica do que afetiva, e tem muito mais a ver com as virtudes de quem cuida de alguém ou de algo, do que com os estereótipos de quem observa, aponta e dispara — quero dizer, com as qualidades de um bom crítico.

Ao falarmos da clínica tudo parece mais fácil, porque pouquíssimas pessoas já visitaram um laboratório na vida e a maioria nunca ouviu falar da nova profissão de curador de dados. Mas todos ou já cuidamos, ou já fomos cuidados. Entretanto, reside nessa simplicidade a maior dificuldade — porque corremos o risco de psicologizar os cuidados e de transformá-los em habilidades mentais livres de materialidade. Não será preciso insistir, agora, na importância das máscaras, dos testes, dos termômetros, dos sabonetes, da história clínica e dos aplausos. A maior parte do trabalho possui maior relação com gerir espaços, decidir dosagens, administrar alimentos, conhecer lamentos, identificar sinais, comparar respostas, contrastar experiências, aprender de erros, retificar protocolos, pular algumas normas, enfim: improvisar, corrigir, deixar-se afetar, escutar — tudo isso sem um manual.

Cada quarto de hospital carrega um universo: todos os dias são percorridos todos os climas: o dos bacanas, o dos espertos, o dos exigentes, o dos egoístas, o dos intrigantes, o dos desconfiados, o dos pessimistas, o dos amorosos… todos os universos cabem num só dia. Não é preciso viajar, basta mudar de quarto. Existe um forte desgaste emocional, cuja origem varia. A televisão, sempre apressada e sempre resumindo e generalizando, fala do impacto que a dor do ambiente causa aos profissionais da saúde. É verdade, mas não se resume a isso: essa é só a parte mais midiática. Há muito mais. Existe a vontade de aprender, o desejo de entender, a necessidade de corrigir e a obrigação de curar; tudo isso, ao mesmo tempo e de forma rápida, representa um esforço de intelecção cansativo e infinito, porque os corpos são todos diferentes e o que vale para um pode ser contraproducente para outro.

Assim funciona o saber experiencial: está nos corpos e não nos livros. Pode-se aprender, mas não numa aula. É um saber contrastado, eficiente, tácito e imprescindível. A clínica é a interface entre esses dois mundos, que com tanta frequência negam-se a chegar a um entendimento: o mundo da crítica e o mundo dos cuidados. É tanto uma interface como uma fronteira que precisamos aprender a contrabandear todo dia. Nessa fronteira, somos todos iguais, não há regras claras, não há normas específicas — e nem podem existir. Esse é o interesse das fronteiras que servem para experimentarmos outros mundos possíveis e necessários. Nas fronteiras, há sempre conflitos que, quando são de curto prazo, resolvemos com astúcia, dando um jeito; mas, se pensarmos em formas de convivência relativamente estáveis, precisaremos das ferramentas da diplomacia.

Às vezes, não precisamos de uma demonstração, e sim de uma conversa. Os diplomatas sabem disso melhor do que ninguém, como costumam saber aqueles que fazem parte do mundo dos cuidados. O diplomata compreende que não pode convencer seu interlocutor. E, portanto, precisa renunciar às ferramentas da crítica e admitir que a solução não vai ser imposta por um exercício de depuração de dados, de citação de fontes ou de ampliação dos fatos comprobatórios. Entre os diplomatas, a conversa tem a finalidade de encontrar um relato, um acordo, um espaço de convivência mais complexo que o anterior, onde caibam igualmente os dois pontos de vista, mesmo quando enfrentados. A questão é evitar a guerra, e reiniciar a convivência. E é disso que precisamos agora: uma negociação que torne possível não só a convivência de epistemes. Os mundos dos dados, dos fatos e das experiências precisam um do outro e têm de aprender a conviver sem se censurarem. Nenhum deles é mais coerente ou necessário do que os outros.

Atualmente, fala-se muito em abrir a ciência. Mas não ficou claro o que queremos dizer com isso. Evidentemente, abrir a ciência significa abrir os conteúdos e os dados: dar acesso ao conhecimento disponível, mais ainda quando a maior parte dele é produzida com dinheiro público. Também parece lógico que as infraestruturas que suportam e fazem com que esses dados se tornem operacionais deveriam estar nas mãos dos próprios cientistas, o que equivale a reivindicar soberania para os hardwares e softwares que suportam todo o acervo da ciência aberta. Se a prática da ciência depende de decisões políticas arquitetadas em comitês que definem prioridades, destinam recursos, validam méritos e constroem reputações, parece imprescindível que, também, todas essas operações tenham muita transparência e disponibilização. Tudo isso já foi dito e está na agenda de muitas organizações nacionais e internacionais, não é novidade. Tomara que o coronavírus acelere esses processos em curso.

Além disso, porém, abrir a ciência requer abrir suas ontologias. Não tem a ver apenas com transformar as práticas para que sejam mais operativas, ou, em outras palavras, os “como”, as epistemes. Temos de aprender a escutar aqueles que falam desde outras formas de se aproximar da realidade. É evidente que o respeito às metodologias acreditadas continua de pé. Ninguém aqui falou em fazer tábula rasa. Pelo contrário: os tempos de coronavírus exigem que nenhum conhecimento seja desperdiçado e que demos a todos eles a visibilidade e o mérito que merecem e que precisamos. Cuidar é uma forma de conhecer, envolve outra maneira de se aproximar dos problemas e de encontrar respostas adaptadas para eles. Envolve mobilizar saberes tácitos e afetivos: saberes que, consequentemente, não podem ser codificados. Saberes que não podem ser desvinculados e que são estreitamente ligados às circunstâncias concretas nas quais foram gerados. São saberes dos quais a Modernidade nos ensinou (e até forçou) a desconfiar. Saberes que desde Descartes consideramos contaminados pelas emoções, pelos preconceitos, pelos contextos, ideologias e fragilidades dos corpos envolvidos, já que nem sempre eles enxergam bem, estão atentos ou com as faculdades plenas.

O conhecimento experiencial era desprezado pela sua alta contaminação por todo tipo de aderência local, corporal e cultural. Não foi sequer considerado um ativo a valorizar. Temos museus de etnografia, onde as realidades locais são mostradas como parte de um exotismo turistificável — e, agora, identitário. Justamente o oposto do que consideramos necessário por aqui. Nos interessa o comum e interdisciplinar, como forma de conhecimentos opositores — e não como curiosidades excêntricas e arbitrárias. Não são fruto do capricho, são consequência de uma adaptação secular. O fato de terem sido desvalorizadas fala muito sobre a nossa insensibilidade e, assim, da nossa facilidade em desprezar aquilo que ignoramos. O fato de serem não-codificáveis, tácitos, quer dizer que estamos frente a um saberes que não podem ser coisificados, alienados e mercantilizados. Mas isso não significa que sejam inúteis. Talvez por isso a imensa maioria das pessoas que trabalham com enfermagem e serviços sociais são mulheres. Nada a ver com falta de talento, mas sim com utilizá-lo em outras coisas. As quais, como sabemos, às vezes são as mais importantes. Mas nossa intenção não era fazer uma competição entre a cultura crítica e a cultura dos cuidados, e sim tentar suscitar uma conversa, mais ontológica do que epistêmica, que abrisse o mundo do conhecimento a novas perguntas, diversas soluções e novas formas de convivência. Não é que a gente precise de menos ciência, mas de mais atores: abrir a ciência a conversas difíceis, porém, urgentes. O coronavírus nos pede também uma cura de humildade.