Clima marombado (Folha de S.Paulo)

Marcelo Leite, 31/05/2015  01h45

Como o jornal anda cheio de notícias boas, esta coluna retoma sua predileção desmesurada pelas más novas impopulares e anuncia: 2015 caminha para ser dos infernos também na esfera do clima.

É provável, por exemplo, que este ano bata o recorde de temperatura global. A marca estava antes, veja só, com 2014. Os dez anos mais escaldantes ocorreram todos depois de 1998.

Um dos que acreditam no novo recorde é o alemão Stefan Rahmstorf. O climatologista do Instituto Potsdam de Pesquisa sobre Impacto do Clima, que ficou famoso em 2007 por criticar as previsões do IPCC como muito conservadoras, lançou sua predição para 20 jornalistas de 17 países reunidos em Berlim há 20 dias.

O período janeiro-abril de 2015 brindou o planeta com o primeiro quadrimestre mais quente já registrado desde 1880. O período de 12 meses compreendido entre maio de 2014 e abril de 2015 também foi o pior em matéria de calor.

Isso tudo já acontecia enquanto o fenômeno El Niño ainda era considerado fraco. Esse aquecimento anormal das águas do Pacífico na costa oeste sul-americana, que costuma abrasar o clima mundial, ganhou impulso neste mês de maio e deve permanecer até o segundo semestre.

Notícia péssima para o Nordeste brasileiro. O semiárido tem bolsões que enfrentam o quarto ano seguido de seca. Entre os efeitos mais conhecidos de um El Niño está exatamente a diminuição das chuvas nessa região do Brasil (assim como o aumento da precipitação no Sul).

Pior é a situação na Índia. Até sexta-feira (29), uma onda de calor –a pior em duas décadas, com temperaturas de 47 graus Celsius– havia causado mais de 2.000 mortes. E o El Niño pode atrasar e enfraquecer as monções, chuvas torrenciais que começam em junho e poderiam refrescar o segundo país mais populoso do mundo.

Enquanto indianos torram, amazonenses estão debaixo d’água. A cheia do rio Negro, também ela perto de bater recordes, já atrapalhou a vida de 238 mil pessoas em 33 municípios do Estado do Amazonas.

O governo estadual se limita a medidas de remediação. Mais de 450 toneladas de alimentos não perecíveis foram distribuídas, assim como “kits dormitório” (colchões, redes e mosquiteiros) e “kits de higiene pessoal” para milhares de desabrigados.

Também foram destinados às cidades atingidas 68 metros cúbicos de madeira e 750 kits de tábuas, caibros e ripões para os moradores construírem passarelas elevadas conhecidas como “marombas”.

Essa enchente provavelmente nada tem a ver com o El Niño, e também seria difícil demonstrar um nexo causal entre a onda de calor indiana e a anomalia no Pacífico. Os dois eventos constituem bons exemplos, contudo, das situações extremas que a mudança do clima em curso deverá tornar mais frequentes nas próximas décadas.

Pelo andar da carruagem das negociações internacionais, parece cada vez mais difícil, se não impossível, que se consiga evitar um aquecimento global maior que 2 graus Celsius neste século. Esse é o limite de segurança indicado pelo IPCC.

A mudança do clima está contratada. Não resta muito mais que adaptar-se –e preparar a infraestrutura das cidades para ela exigirá muito mais do que marombas improvisadas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s