Arquivo da tag: Descola

Philippe Descola: “Diante do monstruoso choque epidêmico das grandes conquistas, os povos ameríndios usaram a dispersão para sobreviver” (France Culture)

20 de abril de 2020 – traduzido por Google Translator; revisado por Renzo Taddei

Você pode ouvir a entrevista completa, em francês, no artigo original.

Enquanto o mundo está parado, observamos a primavera florescer da nossa janela. E se, paradoxalmente, ser separado da natureza nos aproximar dela? Como repensar a coabitação entre homens e não-humanos?

Philippe Descola, anthropologue, professeur émérite au Collège de France et chaire Anthropologie de la nature est l'invité exceptionnel des Matins ce lundi
Philippe Descola, antropólogo, professor emérito do Collège de France e titular da cadeira de antropologia da natureza, é o convidado especial nesta segunda-feira • Créditos: FREDERICK FLORIN – AFP

Embora o vínculo do homem com o meio ambiente esteja diretamente envolvido nessa crise de saúde, devemos repensar nosso relacionamento com a natureza? É o que propõe Philippe Descola, a quem estamos recebendo hoje. Em 1976, ele partiu como estudante para descobrir os Achuars, um povo Jivaro localizado no coração da Amazônia, entre o Equador e o Peru. A experiência gerou uma longa reflexão sobre o antropocentrismo que abre o caminho para uma nova relação entre os seres humanos e seu ambiente.

A epidemia é uma consequência da ação humana sobre a natureza? É uma doença do Antropoceno? O que podemos aprender com o vínculo que certas pessoas têm com o meio ambiente?

Philippe Descola é professor emérito do Collège France, titular da cadeira de antropologia da natureza de 2000 a 2019. Ele é o autor de Les natures en question (Ed. Odile Jacob, 2017).

Qual a resposta dos achuars às epidemias?

“Não há lembranças do desastre. Estima-se que cerca de 90% da população ameríndia desapareceu entre os séculos XVI e XIX. Existe uma espécie de imaginação implícita do contato com a doença dos “brancos”. Portanto, quando os “brancos” chegaram nos remotos ambientes ameríndios, o primeiro reflexo dos ameríndios foi a desconfiança e o distanciamento.”

A doença é apenas um elemento em uma procissão de abominações provocada pela colonização. Philippe Descola

“Cada povo reagiu às suas epidemias de acordo com sua concepção de contágio. A noção de contágio levou algum tempo para se espalhar na Europa, diferentemente dos povos ameríndios. Foi isso que lhes permitiu adotar as ações corretas.”

Falando em “natureza”: um erro?

“A natureza é um conceito ocidental que designa todos os não-humanos. E essa separação entre humanos e não-humanos resultou na introdução de uma distância social entre eles”.

Você pode pensar que o vírus é uma metáfora para a humanidade. Temos o mesmo relacionamento instrumental com a Terra que um vírus. De certa forma, os seres humanos são o patógeno do planeta. Philippe Descola

“Essa ideia muito humana de que a natureza é infinita resultou nesse sistema singular, baseado em produtividade e lucratividade, que causou uma catástrofe planetária”.

O ideal do “mundo depois”

“Espero que o próximo mundo seja diferente do anterior. A pandemia nos dá um marcador temporário. Essa transformação, eu vejo isso com interesse, está tomando forma e vínculos com seres não-humanos são tecidos novamente. Temos que viver com uma mentalidade que não destrua o meio ambiente “.

A idéia não é possuir a natureza, mas ser possuído por um ambiente. Philippe Descola