Arquivo da tag: Toxoplasmose

Casos de esquizofrenia poderiam ser evitados se fosse possível prevenir infecção por parasita, diz estudo (SBMT)

Proliferação do parasita, que também está relacionado a outros transtornos mentais, é mais comum em países tropicais

Cerca de 30% da população mundial está infectada com um dos parasitas que mais intriga a ciência, o Toxoplasma gondii. Apesar de inofensivo para a maioria das pessoas saudáveis, pesquisas científicas comprovaram que o protozoário é capaz de alterar o comportamento de seres humanos e animais, além de possível ligação com a esquizofrenia. Recentemente, um estudo produzido nos Estados Unidos foi além, sugerindo que cerca de um quinto dos casos de esquizofrenia entre os norte-americanos pode envolver o parasita. Nos países mais pobres, esse índice tende a ser ainda maior.

O estudo, publicado na revista Preventive Veterinary Medicine, foi conduzido pelo médico veterinário e professor Gary Smith, na Seção de Epidemiologia e Saúde Pública da Escola de Medicina Veterinária da Universidade da Pensilvânia. Smith elaborou um cálculo que mede o quão importante é o fator de risco à infecção, que aumenta com a idade.

“Há cada vez mais evidências por meio de estudos de que pessoas infectadas por Toxoplasma têm um risco aumentado para esquizofrenia”, explica o pesquisador. A partir desse pressuposto, o desafio foi descobrir qual a proporção de casos do transtorno mental poderia ser evitada se fosse possível para prevenir a infecção humana com o parasita.

Pelos cálculos feitos em um programa de computador, esse índice seria de 21,4% para países como os Estados Unidos e os da Europa Ocidental, em que a incidência de infecção pelo T. gondiinão varia com a idade. “O resultado, no entanto, seria diferente para muitos países da América do Sul, porque a não incidência de infecção é claramente maior nos grupos etários mais jovens, especialmente entre os mais pobres”, disse.

Só no Brasil – País que tem o maior índice mundial de infectados (66,7%), cerca de 126 milhões de pessoas são hospedeiras do parasita. A proliferação deste, aliás, é mais comum nos países de clima tropical, principalmente nas nações mais pobres, onde há grandes concentrações urbanas e sem saneamento básico.

O mal é transmitido tanto pela ingestão de carne crua e terra contaminada quanto por meio do contato direto com secreções e fezes de gato. Também pode ser repassada ao feto durante a gravidez através da placenta – sendo recomendado, inclusive, que mulheres grávidas evitem contatos com gatos durante o período de gestação. Apesar de ser uma infecção comum tanto em pessoas quanto em animais, o Toxoplasma afeta especialmente os gatos – únicos seres onde o parasita consegue se reproduzir.

Suicídio

Pesquisas feitas em diversos países têm demonstrado como o T. gondii pode estar relacionado a problemas neurológicos, como a depressão, principalmente em pessoas do sexo feminino. Segundo reportagem da revista Scientific American, um desses estudos, desenvolvido no Instituto de Pesquisas Médicas Stanley, em Maryland (EUA), concluiu que mulheres infectadas com quantidades altas de Toxoplasma apresentavam maior tendência a ter filhos esquizofrênicos.

Outro trabalho, produzido por cientistas dinamarqueses obteve um resultado ainda mais alarmante. Segundo a pesquisa, as mulheres que tinham infecções do parasita apresentaram tendência 54% maior de tentarem o suicídio. Em geral, as tentativas eram violentas, utilizando armas brancas e de fogo. Entre aquelas sem histórico de doenças mentais, o índice também foi alto: 56% tinham mais chances de cometerem atentado contra a própria vida.

A preocupação quanto os efeitos do protozoário no organismo são também evidentes em ratos. De acordo com pesquisas, o parasita pode alterar o comportamento desses animais, fazendo-os, por exemplo, perder o medo do cheiro de gatos – alguns chegam até mesmo a sentir atração sexual com o odor. Além disso, pesquisadores descobriram que ratos infectados conseguem recuperar o comportamento normal tanto com remédios antiparasitários quanto com antipsicóticos.

Já se descobriu que a infecção aumenta os níveis do neurotransmissor conhecido como dopamina, que é um dos fatores da esquizofrenia quando em altas doses. Isso porque oToxoplasma possui um gene que codifica uma enzima fundamental para a produção de dopamina, sendo este o método de influência sobre o cérebro de seres humanos e animais. Os cientistas, agora, tentam entender de forma clara como o parasita se comporta no cérebro.

(Newsletter da SBMT)

http://sbmt.org.br/portal/casos-de-esquizofrenia-poderiam-ser-evitados-se-fosse-possivel-prevenir-infeccao-por-parasita-diz-estudo/?locale=pt-BR

Anúncios

Parasite-schizophrenia connection: One-fifth of schizophrenia cases may involve the parasite T. gondii (Science Daily)

Date: October 29, 2014

Source: University of Pennsylvania

Summary: Many factors, both genetic and environmental, have been blamed for increasing the risk of a diagnosis of schizophrenia. Some, such as a family history of schizophrenia, are widely accepted. Others, such as infection with Toxoplasma gondii, a parasite transmitted by soil, undercooked meat and cat feces, are still viewed with skepticism. A new study used epidemiological modeling methods to determine the proportion of schizophrenia cases that may be attributable to T. gondii infection. The work suggests that about one-fifth of cases may involve the parasite.

The parasite T. gondii has been shown to alter behavior in rodents. Smith’s study supports a link to schizophrenia in humans. Credit: Image courtesy of University of Pennsylvania

Many factors, both genetic and environmental, have been blamed for increasing the risk of a diagnosis of schizophrenia. Some, such as a family history of schizophrenia, are widely accepted. Others, such as infection with Toxoplasma gondii, a parasite transmitted by soil, undercooked meat and cat feces, are still viewed with skepticism.

A new study by Gary Smith, professor of population biology and epidemiology at the University of Pennsylvania’s School of Veterinary Medicine, used epidemiological modeling methods to determine the proportion of schizophrenia cases that may be attributable to T. gondii infection. The work, published in the journal Preventive Veterinary Medicine, suggests that about one-fifth of cases may involve the parasite.

“Infection with Toxoplasma is very common, so, even if only a small percentage of people suffer adverse consequences, we could be talking about problems that affect thousands and thousands of people,” Smith said.

In the United States, just over a fifth of the population is infected with T. gondii. The vast majority aren’t aware of it. But there are some populations that need to be concerned. For example, if a woman becomes infected for the first time during pregnancy, her fetus can die or suffer serious developmental problems. People with HIV or other diseases that weaken the immune system are susceptible to a complication of T. gondii infection called toxoplasmic encephalitis, which can be deadly.

Though the medical community has long believed that most healthy people suffer no adverse effects from a T. gondii infection, recent studies have found evidence of worrisome impacts, including an association with schizophrenia because the parasite is found in in the brain as well as in muscles. Other work has shown that some antipsychotic drugs can stop the parasite from reproducing. In addition, field and laboratory studies in mice, rats and people have shown that infection with T. gondiitriggers changes in behavior and personality.

To further investigate this connection, Smith sought to calculate the population attributable fraction, or PAF, a metric epidemiologists use to determine how important a risk factor might be. In this case, Smith explained that the PAF is “the proportion of schizophrenia diagnoses that would not occur in a population if T. gondii infections were not present.”

The usual method of calculating the PAF was not well suited to examining the link between schizophrenia and T. gondii, because some of the variables are constantly in flux. For example, the proportion of people infected by T. gondii increases with age. Using a standard epidemiological modeling format, but taking into account all of the age-related changes in the relevant factors, Smith found the average PAF during an average lifetime to be 21.4 percent.

“In other words, we ask, if you could stop infections with this parasite, how many cases could you prevent?” Smith said. “Over a lifetime, we found that you could prevent one-fifth of all cases. That, to me, is significant.”

Smith noted that in some countries, the prevalence of T. gondii infection is much higher than in the U.S., and these countries also have a higher incidence of schizophrenia.

People with schizophrenia have greatly reduced life expectancies, and many are unable to work. Family members may also leave the workforce to care for relatives with the disease. For these reasons and others, schizophrenia acts as a large drain on the economy, responsible for $50 to $60 billion in health-care expenditures in the U.S. each year.

“By finding out how important a factor T. gondii infection is, this work might inform our attitude to researching the subject,” Smith said. “Instead of ridiculing the idea of a connection between T. gondii and schizophrenia because it seems so extraordinary, we can sit down and consider the evidence. Perhaps then we might be persuaded to look for more ways to reduce the number of people infected with Toxoplasma.”

The study was supported by the University of Pennsylvania School of Veterinary Medicine.


Journal Reference:

  1. Gary Smith. Estimating the population attributable fraction for schizophrenia when Toxoplasma gondii is assumed absent in human populations.Preventive Veterinary Medicine, 2014; DOI: 10.1016/j.prevetmed.2014.10.009