>Ciência precisa avançar para embasar política climática (AIT, JC)

>
JC e-mail 4236, de 12 de Abril de 2011

Os investimentos em pesquisa sobre mudanças climáticas nos últimos anos possibilitaram que o País fosse um dos primeiros a estabelecer metas de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE).

Agora, a ciência brasileira precisa avançar mais para subsidiar as políticas públicas de adaptação da sociedade e dos setores econômicos às mudanças do clima.

Redução de emissões – A avaliação foi feita pelo secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Carlos Nobre, na abertura da 4ª Conferência Regional sobre Mudanças Globais: O plano brasileiro para o futuro sustentável, realizada no Memorial da América Latina, em São Paulo (SP).

Em função desses investimentos governamentais em pesquisa, de acordo com Nobre, foi possível o Brasil se tornar o primeiro País em desenvolvimento a fixar metas de redução de emissões de GEE entre 36% a 39% até 2020, conforme estabelecido pelo Plano Nacional de Mudanças Climáticas, sancionado no fim de 2009.
“Essa foi uma área em que avançamos mais, com o estabelecimento de metas setoriais de redução de emissões. A mais significativa, obviamente, é a redução de 80% no índice de desmatamento da Amazônia, em que o Brasil tem conseguido obter avanços notáveis nos últimos seis anos. Mas um desafio ainda maior será reduzir em pelo menos 40% o desmatamento no Cerrado, que é atualmente a maior fronteira agrícola brasileira”, disse.

Medidas de adaptação às mudanças climáticas – Ainda que as emissões de GEE sejam reduzidas rapidamente, a temperatura do planeta ainda continuará subindo nos próximos séculos. Por conta disso, o próximo passo que deve ser dado é desenvolver medidas de adaptação que permitam que a sociedade e os setores econômicos se tornem mais resilientes às mudanças do clima, assinalou o cientista.

Uma das iniciativas recentes do Brasil nesse sentido é a criação do Sistema Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais, coordenado por Nobre. O sistema contará com centros estaduais e regionais de monitoramento e alerta de desastres naturais, além de um nacional, que deve ser inaugurado até o fim do ano para funcionar nas próximas chuvas de verão.

“Essa é uma medida concreta de adaptação aos eventos climáticos que devíamos ao País e que finalmente será tirado do papel e se tornará uma realidade”, afirmou. De acordo com Nobre, a adaptação às mudanças climáticas também é uma das metas do segundo Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação (Pacti), em elaboração pelo governo federal.

O plano estabelecerá grandes metas que o País almeja atingir em ciência, tecnologia e inovação no período de 2012 a 2015. Entre elas estão fazer com que o País tenha autonomia na geração de cenários climáticos futuros, especialmente em projeções de extremos climáticos em escala regional, que possam apoiar os planos regionais e setoriais de adaptação às mudanças climáticas, como os da agricultura.

“É fundamental adaptar a agricultura às mudanças climáticas para a segurança alimentar não só do País, mas também do mundo. O Brasil já é o segundo maior exportador de commodities agrícolas e, em menos de 10 anos, possivelmente se tornará o primeiro”, apontou Nobre.

Protagonista sem liderança – Na opinião de cientistas que participaram da abertura do evento, o Brasil assumiu o protagonismo nas discussões sobre redução das emissões de gases de efeito estufa. Mas, para o professor de relações internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Eduardo José Viola, a capacidade de liderança do País nas negociações climáticas é limitada.

“O Brasil poderá assumir uma posição mais ativa nas negociações climáticas devido à sincronização das ações entre o MCT e o Ministério do Meio Ambiente. Mas o País é uma potência climática média. As grandes potências climáticas que podem solucionar o problema são os Estados Unidos, União Europeia e China, que, juntas, são responsáveis por 60% das emissões globais”, disse Viola.

Para Guy Pierre Brasseur, do National Center for Atmospheric Center (Ncar), dos Estados Unidos, a decisão sobre reduzir as emissões globais de GEE não é um problema científico, mas uma escolha política. E uma das maneiras de se conseguir fazer com que os líderes dos países assumam esse compromisso seria por meio da pressão popular. “Os resultados das negociações climáticas têm sido uma catástrofe, e os avanços foram muito limitados. Temos que pensar em como melhorar a comunicação da ciência sobre os impactos das mudanças climáticas porque a decisão dos países em reduzir suas emissões só será possível por meio da pressão exercida por seus cidadãos”, afirmou.
(Agência Inovação Tecnológica)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s