Mudança climática ameaça estabilidade econômica de cidades (CarbonoBrasil)

11/7/2014 – 11h48

por Jéssica Lipinski, do CarbonoBrasil

bhcdp Mudança climática ameaça estabilidade econômica de cidades

Novo relatório mostra que 76% dos 207 municípios analisados creem que as alterações ambientais trazem riscos físicos a seus habitantes e empresas; documento identificou 757 atividades de adaptação e mitigação nas cidades avaliadas

Uma nova pesquisa do Carbon Diclosure Project (CDP), organização sem fins lucrativos que ajuda cidades e empresas e medirem, divulgarem, gerirem e compartilharem informações ambientais, revelou que os governos locais das principais cidades do mundo estão avançando com as ações para combater as mudanças climáticas, já que acreditam que o fenômeno coloca em perigo a estabilidade de suas economias.

O relatório, intitulado Protecting our Capital (Protegendo nosso Capital ou Protegendo nossa Capital),aponta que 76% dos 207 municípios analisados acreditam que os efeitos das mudanças climáticas possam trazer algum tipo de risco físico a seus habitantes e companhias.

Entre as cidades avaliadas pelo estudo estão Caracas (Venezuela), Hong Kong, Johanesburgo (África do Sul), Londres (Inglaterra), Nova Iorque (Estados Unidos), São Paulo, Tóquio (Japão), Wellington (Nova Zelândia) e Sidney (Austrália).

Alguns dos principais riscos identificados pelas cidades são: danos materiais e a bens de capital; destruição de meios de transporte e infraestrutura; e problemas relacionados ao bem-estar dos cidadãos.

“Os governos locais estão agindo à frente para protegerem seus cidadãos e empresas dos impactos das mudanças climáticas, porém é preciso mais colaboração com as empresas para aumentar a resiliência urbana. Através do fornecimento de informação, políticas e incentivos, as cidades podem ajudar a equipar as empresas para gerirem esses riscos e abraçarem as oportunidades”, observou Larissa Bulla, diretora do programa de cidades do CDP.

Na verdade, segundo o documento, os municípios estão muito alinhados com as companhias quando o assunto é identificação de riscos. Eles reconhecem 69% dos riscos físicos das mudanças climáticas que as empresas identificam nessas cidades, e estão procurando resolver cerca de 66% dos identificados pelas corporações.

Por exemplo, a cidade de Caracas relata: “a água potável e a geração de eletricidade podem ser interrompidas por causa das mudanças climáticas. Esses fatores podem afetar o setor privado. As enchentes podem interromper as operações e as companhias de seguros podem enfrentar reivindicações mais elevadas”.

Tal situação também ocorre no município de Pittsburgh, nos EUA, em que alguns proprietários de empresas estão abandonando seus investimentos porque não são mais capazes de buscar compensação pelas perdas ocorridas como resultado das mudanças climáticas. Tanto é que a indústria local de seguros recentemente apresentou ações contra as cidades devido ao fato de que elas não estavam buscando se adaptar às consequências das mudanças climáticas.

Felizmente, a situação crítica parece estar levando a mais ação por parte dos municípios e também das empresas. No total, o CDP identificou 757 atividades de adaptação aos efeitos das mudanças climáticas nas cidades avaliadas, como o reporte e redução de emissões de gases do efeito estufa (GEEs). O documento também aponta que 102 dos 207 municípios já têm planos de adaptação em vigor.

É o caso de Hong Kong, cuja fornecedora de energia CLP Holdings sofreu danos locais e interrupção das atividades como resultado do aumento do nível do mar. A empresa gastou US$ 193 mil elevando os níveis dos pisos de suas edificações, e investiu mais US$ 516 mil para aumentar a capacidade de drenagem.

Enquanto isso, o Departamento de Serviços de Drenagem de Hong Kong direcionou US$ 2,7 bilhões para infraestrutura contra enchentes, incluindo o alargamento de rios e o armazenamento subterrâneo de água.

Em Londres, para combater o aumento das temperaturas, a assessoria financeira Morgan Stanley gastou US$ 4,4 milhões aprimorando o sistema de condicionadores de ar em seu centro de dados. Além disso, a cidade está usando seu sistema de planejamento para uma maior eficiência nos sistemas energético e de resfriamento, garantindo mais contribuição para uma cidade mais resiliente.

spriscos 1 Mudança climática ameaça estabilidade econômica de cidadesDe acordo com o relatório, no Brasil também há bons exemplos de ações climáticas. Em Campinas, no estado de São Paulo, a indústria alimentícia e de bebidas exportou bens no valor de US$ 11 bilhões em 2013, mas a cidade informa que “as indústrias que exigem uso intenso de água, como as companhias de refrigerante, podem escolher outra região devido à escassez de água no estado de São Paulo”.

Por isso, algumas cidades do estado, como a capital e o município de Caieiras, estão desenvolvendo planos de adaptação climática. Caieiras criou uma parceria com o governo nacional em um projeto de US$ 5,3 milhões para aumentar a capacidade de fluxo do rio Juquery, que é responsável pelas enchentes locais, diminuindo o risco e intensidade das inundações.

Já o município de São Paulo está investindo US$ 22 bilhões para melhorar sua infraestrutura de transporte. Tal investimento tem o potencial de criar melhores condições para as empresas operarem, tais como aumentar a mobilidade dos funcionários e clientes, e gerar um movimento mais eficiente de insumos e produtos.

A cidade também está colaborando com grandes companhias para melhorar sua infraestrutura hídrica.A Sabesp, maior companhia de água do país, fez uma parceria com a capital paulista para criar o Programa Vida Nova, que investiu US$ 600 milhões em coordenação com o programa de urbanização de favelas da cidade para fornecer redes de esgoto para 43 favelas e regiões de pouco desenvolvimento na cidade.

“A colaboração entre as cidades e as empresas é essencial para reduzir os impactos às populações mais vulneráveis”, afirma o relatório.

“Três quartos das cidades que fizeram parte do programa de cidades do CDP neste ano identificaram benefícios substanciais que fluem para economias públicas e privadas a partir de iniciativas de adaptação climáticas. Esses benefícios podem ser ampliados através de colaborações mais estreitas e do compartilhamento de conhecimento e recursos técnicos” concluiu Gary Lawrence, diretor de sustentabilidade da firma de serviços de suporte e infraestrutura AECOM.

* Publicado originalmente no site CarbonoBrasil.

(CarbonoBrasil)

%d blogueiros gostam disto: