>A Poética de Maquiavel

>
O poeta é um fingidor.                           Mentiram-me. Mentiram-me ontem
Finge tão completamente                       e hoje mentem novamente. Mentem
Que chega a fingir que é dor                  de corpo e alma, completamente.
A dor que deveras sente.                       E mentem de maneira tão pungente
                                                            que acho que mentem sinceramente.

Fragmentos dos poema Autopsicografia (em Fernando Pessoa – Obra Poética – Cancioneiro, Rio de Janeiro: Cia. José Aguilar Editora, 1972), e A implosão da mentira, de Affonso Romano de Sant’Anna (em A Poesia Possível, Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1987).

* * *

Estará o fingimento para a poesia como a mentira para a política?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s