Category Archives: negação

>Bjørn Lomborg: $100bn a year needed to fight climate change (Guardian)

>
Exclusive: ‘Sceptical environmentalist’ and critic of climate scientists to declare global warming a chief concern facing world

Danish professor Bjorn Lomborg. Photograph: Adrian Dennis/AFP/Getty Images

The world’s most high-profile climate change sceptic is to declare that global warming is “undoubtedly one of the chief concerns facing the world today” and “a challenge humanity must confront”, in an apparent U-turn that will give a huge boost to the embattled environmental lobby.

Bjørn Lomborg, the self-styled “sceptical environmentalist” once compared to Adolf Hitler by the UN’s climate chief, is famous for attacking climate scientists, campaigners, the media and others for exaggerating the rate of global warming and its effects on humans, and the costly waste of policies to stop the problem.

But in a new book to be published next month, Lomborg will call for tens of billions of dollars a year to be invested in tackling climate change. “Investing $100bn annually would mean that we could essentially resolve the climate change problem by the end of this century,” the book concludes.

Examining eight methods to reduce or stop global warming, Lomborg and his fellow economists recommend pouring money into researching and developing clean energy sources such as wind, wave, solar and nuclear power, and more work on climate engineering ideas such as “cloud whitening” to reflect the sun’s heat back into the outer atmosphere.

In a Guardian interview, he said he would finance investment through a tax on carbon emissions that would also raise $50bn to mitigate the effect of climate change, for example by building better sea defences, and $100bn for global healthcare.

His declaration about the importance of action on climate change comes at a crucial point in the debate, with international efforts to agree a global deal on emissions stalled amid a resurgence in scepticism caused by rows over the reliability of the scientific evidence for global warming.

The fallout from those rows continued yesterday when Rajendra Pachauri, head of the UN Intergovernmental Panel on Climate Change, came under new pressure to step down after an independent review of the panel’s work called for tighter term limits for its senior executives and greater transparency in its workings. The IPCC has come under fire in recent months following revelations of inaccuracies in the last assessment of global warming, provided to governments in 2007 – for which it won the Nobel peace prize with former the US vice-president Al Gore. The mistakes, including a claim that the Himalayan glaciers could melt by 2035, prompted a review of the IPCC’s processes and procedures by the InterAcademy Council (IAC), an organisation of world science bodies.

The IAC said the IPCC needed to be as transparent as possible in how it worked, how it selected people to participate in assessments and its choice of scientific information to assess.

Although Pachauri once compared Lomborg to Hitler, he has now given an unlikely endorsement to the new book, Smart Solutions to Climate Change. In a quote for the launch, Pachauri said: “This book provides not only a reservoir of information on the reality of human-induced climate change, but raises vital questions and examines viable options on what can be done.”

Lomborg denies he has performed a volte face, pointing out that even in his first book he accepted the existence of man-made global warming. “The point I’ve always been making is it’s not the end of the world,” he told the Guardian. “That’s why we should be measuring up to what everybody else says, which is we should be spending our money well.”

But he said the crucial turning point in his argument was the Copenhagen Consensus project, in which a group of economists were asked to consider how best to spend $50bn. The first results, in 2004, put global warming near the bottom of the list, arguing instead for policies such as fighting malaria and HIV/Aids. But a repeat analysis in 2008 included new ideas for reducing the temperature rise, some of which emerged about halfway up the ranking. Lomborg said he then decided to consider a much wider variety of policies to reduce global warming, “so it wouldn’t end up at the bottom”.

The difference was made by examining not just the dominant international policy to cut carbon emissions, but also seven other “solutions” including more investment in technology, climate engineering, and planting more trees and reducing soot and methane, also significant contributors to climate change, said Lomborg.
“If the world is going to spend hundreds of millions to treat climate, where could you get the most bang for your buck?” was the question posed, he added.After the analyses, five economists were asked to rank the 15 possible policies which emerged. Current policies to cut carbon emissions through taxes – of which Lomborg has long been critical – were ranked largely at the bottom of four of the lists. At the top were more direct public investment in research and development rather than spending money on low carbon energy now, and climate engineering.

Lomborg acknowledged trust was a problem when committing to long term R&D, but said politicians were already reneging on promises to cut emissions, and spending on R&D would be easier to monitor. Although many believe private companies are better at R&D than governments, Lomborg said low carbon energy was a special case comparable to massive public investment in computers from the 1950s, which later precpitated the commercial IT revolution.

Lomborg also admitted climate engineering could cause “really bad stuff” to happen, but argued if it could be a cheap and quick way to reduce the worst impacts of climate change and thus there was an “obligation to at least look at it”.

He added: “This is not about ‘we have all got to live with less, wear hair-shirts and cut our carbon emissions’. It’s about technologies, about realising there’s a vast array of solutions.”

Despite his change of tack, however, Lomborg is likely to continue to have trenchant critics. Writing for today’s Guardian, Howard Friel, author of the book The Lomborg Deception, said: “If Lomborg were really looking for smart solutions, he would push for an end to perpetual and brutal war, which diverts scarce resources from nearly everything that Lomborg legitimately says needs more money.”

>Irracional e sintomático

>
“NÃO HÁ COMO FAZER DIFERENTE”, DIZ A IDEOLOGIA QUE SOBREVIVE À CRISE FINANCEIRA E FUNCIONA COMO UMA NEUROSE, “UMA VERDADEIRA COMPULSÃO À REPETIÇÃO”, AFIRMA TALES AB’SÁBER”

Na semana em que o Lehman Brothers ruiu, recebi uma pessoa em meu consultório que sofria de um modo especialmente ligado ao espírito do mundo

TALES AB’SÁBER
ESPECIAL PARA A FOLHA

Caderno Mais! – 13/09/2009

Lembrar é poder. Lembrar é poder se livrar do impensado da repetição. Mas, de fato, elaborar e transformar o mal é um ato de coragem pessoal e, por que não dizer, social.

No encerramento do fórum econômico mundial em Davos [Suíça], em janeiro de 2008, a então secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, declarou satisfeita que os Estados Unidos continuariam nos próximos tempos a puxar a economia mundial.

Aquela arrogância feliz, quase inconsequente, se ligava nitidamente ao movimento, ao longo do ano-catástrofe de 2008, de denegação sistemática próprio às autoridades financeiras americanas, do secretário do Tesouro, Henry Paulson, e do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, em relação à gravidade da crise em que o país, e nosso mundo, já estavam bem instalados.

Tudo se passou como se a realidade dos números, dos erros e dos resultados da alucinose financeira de décadas simplesmente não pudesse ser nomeada ou pensada, mas, ao contrário, pudesse ser transformada magicamente, por meio de um mantra obsessivo diário que já perdera toda serventia erótica, ato de fé vazio, próprio do fanático religioso, que tenta pular sobre o real com um gesto simples de “wishful thinking”, como dizem os próprios americanos.

A responsabilidade, dos responsáveis, de não agravar a crise econômica tornou-se, a partir de um certo ponto irreversível da história, a irresponsabilidade de negá-la obsessivamente. Vimos então um interessante espetáculo político e estético, o real confrontando a ideologia do Homo mercatus de modo irônico até o mais nítido patético.

Não deixou de ser divertido observarmos a realidade negando a cada semana, e a partir de um momento histórico, a cada dia, os senhores e responsáveis pela maior economia do mundo, de modo a abrir um fosso cada vez maior sob os seus pés, e sobre nossas cabeças, até a queda geral dos grandes bancos e de setores inteiros da economia no abismo.

O abismo era o da distância entre um real das contas privadas malfeitas, que atingiam ironicamente o sistema econômico total, e um sistema ideológico, simplesmente irracional e sintomático, o da liberdade total ao mercado, que havia muito não se mantinha de pé.

Fim de uma era

Como todos sabemos, a partir do segundo semestre de 2008, a economia americana, aquela mesma que continuaria a alavancar o mundo indefinidamente, viu seu PIB cair sucessivamente durante quatro trimestres consecutivos, acumulando inimagináveis perdas de quase 15% até hoje, em um resultado nunca visto desde que o índice passou a ser medido, em 1947.

Do ponto de vista humano, no mundo da vida -o que verdadeiramente importa-, esses números abstratos significaram nos EUA a perda de centenas de milhares de postos de trabalho, a quebra de empresas que vão de bancos tradicionais a arquitradicionais montadoras de veículos, o virtual fim de vida econômica para toda uma parte da população ou mesmo uma geração, a mudança total na estrutura do consumo, que passou dos excessos do consumo conspícuo e de luxo a um novo estado de sobrevivência.

Uma era histórica cíclica, que podemos remeter ao grito de guerra de Reagan e Thatcher nos longínquos anos 80, de todo poder ao mercado, se encerrava bruscamente, de modo melancólico e terrível, confirmando as visões dos críticos à cultura turbinada do dinheiro financeirizado e revelando, ao fim das contas e dos imensos processos de manipulação do poder, a vida sob o capitalismo hiperdesenvolvido como um risco iminente a todos, até mesmo ao próprio sistema.

O mais curioso, e que evoca problemas de valor psicanalítico, é que, no encontro econômico de Davos em janeiro de 2009, quando o mundo já estava totalmente instalado na crise -em grande parte gestada por décadas na ideologia daquele próprio espaço-, empresários, banqueiros e políticos, que não estavam naquele momento na bancarrota ou às voltas com a Justiça, tentaram um esforço hermenêutico retrospectivo diante da grande angústia e do mal-estar real, de pensar como poderiam ter pensado, e agido, diferentemente nos últimos tempos que levaram à nova grande recessão.

O resultado foi interessantemente melancólico: em um raro momento de honestidade, mas reconfirmando o prazer da repetição do seu sistema alucinatório de gozo, concluiu-se que não haveria como fazer diferente, e, em caso semelhante, todos agiriam do mesmo modo, tomariam as mesmas decisões.

Catástrofe da razão

Por um segundo a falsa consciência da racionalidade ideologicamente infinita do homem de mercado se deparou com o seu próprio limite, interior.

Tal racionalidade levaria, mais uma vez e ainda mais outra, e mais outra, a uma nova ordem catastrófica, contra os próprios interesses conscientes de todos. Pela primeira vez o capitalismo apareceu para si mesmo como o que ele é: um sistema tão produtivo quanto destrutivo, virtualmente autodestrutivo.

Não há definição melhor, não faltando nem mesmo o índice de angústia e de sofrimento de um sintoma psicanalítico, o que implica a análise de um elemento não reconhecido na ordem da consciência: toda minha prática resulta no contrário do que desejo, e meu mundo consciente, e sua equação de defesas ideológicas, se tornam o avesso do que deveriam ser.

Podemos dizer que um elemento inconsciente passou a habitar definitivamente a história do mercado, que, como certa vez [Theodor] Adorno falou a respeito do nazismo, também necessita da psicanálise para ser pensado.

Esta é a grandiosa máquina do mundo, que, mais ou menos como pensava Marx, no mesmo movimento em que se reproduz, também descarrila. Talvez seja interessante observarmos como ela funciona, na dinâmica do mero e mínimo ponteiro dos segundos, na vida de um consultório psicanalítico de hoje.

Na semana em que a sólida ideologia neoliberal de um quarto de século ruiu junto com os sólidos bancos Merrill Lynch e Lehman Brothers e com a megasseguradora AIG, eu pude receber uma pessoa em meu consultório que sofria de um modo especialmente ligado ao espírito do mundo.

Pequena inconveniência

Posso garantir que aquele ser humano tinha contato profissional o suficiente com o mercado financeiro e particularmente com o setor diretamente envolvido na espetacular crise que virou a excitação mundial daquele período, o dos fundos de hedge, o mercado de derivativos. Foi muito interessante e curioso vê-lo falar muito tranquilamente, ao longo de sua hora analítica, de seus planos futuros de férias, o que já vinha pensando havia semanas, enquanto o seu próprio mundo estava simplesmente acabando, diante do olhar de todos.

Quanto a essa pequena inconveniência da realidade, nem uma palavra, nem mesmo um sinal de angústia. Exatamente como os senhores do grande mundo do dinheiro, o pequeno operador, que recebia a sua cota local de grandes lucros hiperinflados, não podia pensar, de nenhum modo, da angústia à reflexão, na própria ordem de catástrofe de seu mundo, sobre a sua realidade.

Era como se a realidade não existisse. Além da radical instabilidade com a vida real, o capitalismo contemporâneo exige adesão ideológica sem reflexão ou ambivalência a sua forma mentirosa.

Aquela pessoa radicalmente aplainada na ideologia fixa de seu tempo simplesmente se humanizou quando pôde perceber, em um único movimento, que o mundo que se autodestruía bem a sua frente era o mesmo que funcionava para ela de modo impensável, o mesmo que a impedia de pensar o seu próprio mundo, e que esses dois efeitos -como Condoleezza Rice, Ben Bernanke e Henry Paulson já haviam ensinado- eram de fato um só.

Nos meses que se seguiram ao crash das contas malfeitas da razão autorregulada do mercado, vimos o novo lance fantástico do sistema: o Estado chamado a despejar bilhões e bilhões na economia, para meramente repor o sistema da acumulação privada de dinheiro e poder.

Não há dúvidas de que algo não está podendo ser pensado nessa verdadeira compulsão à repetição, como dizia o velho Freud, das coisas capitalistas.

O capitalismo vai se tornando, bem diante de nossos olhos, o nosso inconsciente social e economicamente constituído.

Afinal, e o terremoto histórico deixa isso bem claro, “eles não sabem o que fazem, mas o fazem assim mesmo”.


TALES A.M. AB’SÁBER é psicanalista e autor de “O Sonhar Restaurado – Formas do Sonhar em Bion, Winnicott e Freud” (Ed. 34), entre outros livros.