Arquivo da tag: Política

On Culture and Other Crimes: An Interview with Slavoj Zizek (Exchange)

Accessed October 28, 2014

By Kerry Chance
University of Chicago

Slavoj Zizek, psychoanalytic philosopher and cultural critic at the Institute of Sociology in Slovenia, has taught all over the world, most recently at the University of Chicago. His first public lecture at Chicago, entitled “The Ignorance of Chicken, or, Who Believes What Today”, looked every bit the rock show. Crowds stretched across the main campus quad, a ‘merch’ table featured his latest book The Parallax View, and as the lecture began with crowds still waiting outside, people climbed through the windows of the packed auditorium. While at Chicago, Zizek also taught a seminar as the Critical Inquiry Visiting Professor on topics ranging from Lacanian ethics, political correctness, habit in Hegel, the Big Other, Stalin, theology, politics and the role of the intellectual. Zizek has written innumerable articles and is the author of more than fifty books, including The Sublime Object of Ideology, The Ticklish Subject, Did Somebody Say Totalitarianism?, On Belief andWelcome to the Desert of the RealÑto name just a few that have contributed to his widespread popularity in and outside the academy. Here, Zizek speaks to Exchange about culture, Lacan, cognitive science, neoliberalism and projects for contemporary anthropology.


Chance: In class and in your public lectures here at Chicago, you’ve frequently talked about culture and have done so in two ways: first, in terms of belief as you have theorized it in your earlier work, and secondly in terms of Hegel’s notion of habit. How are you thinking culture in Lacanian terms?

Zizek: Traditionally, Lacanians like to identify culture simply as the symbolic system, within which there is a linguistically limited horizon of meaning, but I think two things should be added.

First, what is for me the zero-sum of culture, if I improvise, is what to do about embarrassing excesses. When somebody does something embarrassing, burps after eating for example, culture is how you react to it in a polite way. To be very vulgar, all seduction rituals are the cultured way of dealing with the fact that people would like to copulate with each other. Now, someone will say, “wait a minute, to feel something as embarrassment, culture must already be there.” No, I don’t think so. Somehow, embarrassment is first. In other words, we have to presuppose an excess, again, embarrassment apropos of something disgusting, non-social, or an excess of obscenity or enjoyment.

So again, this would be the first specification: to put it in bombastic Lacanian terms, first the excess of the real, embarrassment, shock – and culture is how you deal with it. This is why Lacan in a nice, tasteless way put it that one measure of the passage from the animal to the human kingdom is what to do with shit. He always liked this example, that an animal by definition just shits wherever, for humans shit is always an embarrassment. It always amused me when I was a boy that, at circuses, you have animals, horses and especially elephants that take a big shit and usually you see people hidden behind them ready to make the shit quickly disappear. Animals don’t care. The problem with humans is what to do with this embarrassment.

The second thing that interests me, which is a much more concrete historical analysis, is why there is such an obsession with culture today. Why is it that today not only do we have culture studies but everything – and by everything I mean at least the humanities and for some people even the hard sciences – has become a subspecies of cultural studies? In the hard sciences, people will say following Thomas Kuhn’s The Structure of Scientific Revolutions, their history is the history of culture, of paradigm shifts and so on. Everything becomes culture.

Chance: How is this linked to your notion of belief?

Zizek: Again, this is linked to my notion of belief, to the idea that something is changing in the status of belief. Today, the predominant form is a belief that culture is the name of a belief, which is no longer taken seriously. Culture means, for example, I am a Jew, and although I don’t think there was a stupid god coming down and shouting some stupid things to people on Mount Sinai, I nonetheless say out of respect for my lifestyle or whatever, I don’t eat pork. This is culture.

To complicate things even further, I think two traps should be avoided here. Among other things, I have tried to focus my work on one of these traps in the last few years. First, it is too simple to say, “does this mean once before people were taking culture seriously.” No. Not only conservatives, but even progressives like to criticize the present, evoking, “oh, but once it was different, things were more authentic.” No, it wasn’t. It is not that before people did believe. If anything, they believe more today. It’s just that the modality of distance was different. Before, it wasn’t a matter of belief. Rather, it was a feeling of being more attached to, and having more respect for, the power of appearance of ritual as such. Something changed today at that level, I think. So paradoxically these external signs of belief – “nobody takes anything seriously” – if anything, points to how it’s more difficult today for us to trust the symbolic ritual, the symbolic institution. But again, there is no time when people ‘really meant it.’

What I know from anthropology, I may be wrong, is that all the great errors started with a phenomenological evolutionary illusion. I think when researchers found a certain gap between reality and beliefs or between form and content, they always thought, “ah, we have a later descendent state of evolution, there must have been some point earlier when people meant it.” The dream is that there was an original moment when people really ‘meant it.’ An example I know from my Marxist past, in anthropology you must know him from the 19th century, Lewis Henry Morgan. I remember from my youth that Engels among other classical Marxists relied on him. Morgan found that in some tribes all the men in one tribe referred to the women of the other tribe as their ‘sister wives.’ From this he deduced, that this is the linguistic remainder of some primordial form of marriage. The incest prohibition already in place, you were not allowed to have sex with women in your tribe, but only with the women in another tribe. The women were exchanged in a block, collectively. It was basic incest, but regulated. The way I heard it, anthropologists later proved that there never was this nice regulated collective orgy. That is to say, the wrong conclusion was that from this name ‘sister wives’ you conclude that there was a point when it was really meant. No, the gap is here from the very beginning.

What fascinates me in this example also is the logic of institution. By institution, I mean how, in order for something to function as a belief, you cannot simply say, “okay, let’s pretend.” In my book, I think the Ticklish Subject (Verso, 1999), I have a wonderful anecdote, which for me again tells about what culture is as an institution. It is a crazy story about elections some fifteen years ago in my country, Slovenia. An ex-friend of mine, who was a candidate told me – okay, he had to do these democratic games like kissing the asses of local constituents – an old lady came to him and said if he wanted her vote he would have to do her a favor. She was obsessed with the idea that something was wrong with her house number (number 24, not even 13), that this number brings misfortune. There was a burglary twice, lightning struck the house, and she’s convinced that it’s because of the number. She said, can she arrange with the city authorities to change the number, to 23a or something, just not 24. He said to her, “But lady, why even go through all this mess? Why don’t you simply paint a new number and change it yourself?” She said, “No, it must be done properly.” Though it was only superstition, to be effective it must be done properly through the institution. The must be a minimum reification to take the game seriously.

Chance: Is this a project for anthropology?

Zizek: This returns to another aspect of your question. That is, another lesson of all these notions of culture is the irreducibility of alienation. We should abandon this old phenomenological – and for some people, Marxist motive – that every institutionalization means reification in two directions, the past and the future. For the past, it is the idea that we should try to reconstitute a moment when it was not alienated, when it was ‘meant seriously.’ For the future, it is to isolate the moment, to dream or to work toward the moment when this transparency and authenticity of meaning will be reinstalled. No, we should also see the liberating aspect of it.

To return here to what I know of anthropology, when anthropology about half a century ago shifted from “let’s observe the mating rituals in Southern Samoa or South Pacific” or whatever, to focusing on our daily life rituals. You remember Florida, the scandal elections and the first Bush victory. A guy somewhere from Africa wrote an article imitating that sort of journalistic report, you know, an enlightened Western journalist goes to Africa, where they allegedly have some election and he mocks the election, “ha, ha, what corruption.” Well, this guy wrote about Florida in the same way, saying there are votes disappearing, the brother of the candidate is the local government, you know, describing Florida as a provincial Banana Republic case of cheating. It was a wonderful result. It was anthropology at its best.

I think this is what interests me, the anthropology of our lives. Not only is this a politically correct procedure – in this exceptional case, I use the term ‘politically correct’ in a positive way – but also I find it always a subversive procedure. The starting point is always the implicit racism of the anthropologist: you look at a foreign culture, you study them with this detachment, “oh what strange rituals” and so on. The phenomenological humanist temptation would be to say, “No, in this engaged participating fieldwork, we should immerse ourselves, become one of them to really understand them.” This series of presuppositions we should reject. What does it mean that we should be one of them to understand them? They usually don’t understand themselves – isn’t it the basic experience that people as a rule follow rituals that are just a part of tradition, which they themselves don’t get? I think the anthropology of our lives is the true breakthrough from this implicitly racist attitude of studying the eccentricity of others, to adopt the same view of ourselves. It is much better as a double alienation.

This is connected to another central motive of my work, this obsession with not only rules but also habits, which tell you how to obey or disobey rules. Especially social prohibitions never mean what they appear to mean. This is an incredibly wealthy topic of ideology for contemporary anthropology. Why is it so important? Precisely because we live in an era of so-called post-ideology. I claim that at precisely this level, ideology has survived.

My interest in anthropology, what always fascinated me was people never mean what they say and in order to be a part of a culture you have to get this gap. There is an important role of obscenities here. Let me tell you a comic adventure. This weekend, I was with Fred Jameson at Duke and there Fred invited an old, very distinguished Argentine gentleman – I will not tell you the name it’s too embarrassing – because of my wife, who is also Argentinean. This gentleman, you would be afraid of using the f-word in front of him, so I said to myself, okay, can I make him say something dirty? And I did seduce him, you know how? The specificities of Argentine Spanish are very different from say Venezuelan Spanish or Mexican Spanish. So, I told him how I tried to learn Spanish, and then I made my first step into obscenity. I told him I knew the word ‘cojo,’ which in Spanish simply means ‘to catch’ something, like “how do I catch a taxi?” Now, this word will be important because I told him I heard somewhere in Argentina there is a series of jokes, where a stupid Spaniard comes to Argentina and asks, “Where do I catch a taxi?” In Argentinean Spanish, ‘catch’ here means the f-word. Then, the distinguished gentleman smiled briefly and I saw that he knew a really dirty example. And I like it how he broke down. After two or three minutes, he broke down and said, “It’s against my nature but I must tell you Argentines have an even more dirty joke…” which is that a Spanish guy says, “How do you catch a cab?,” which means to fuck a taxi, and the Argentine says, “Well, the only practical way I can imagine is the exhaust pipe.” I was so glad that this distinguished gentleman, that I made him say this joke. For me, this is culture. For me, it is not a violation, but the closest you can get to authentic communication.


Chance: I wanted to talk about Lacanian ethics and about Lacan’s injunction to be consistent with your desire –

Zizek: The thing about Lacan’s injunction is what if your desire is not consistent? In other words, the way I read Lacan is that more and more in his late work he devalues desire, desire itself as not an ethical category. The Lacan of the fifties and sixties, it is the ethics of desire to not compromise your desire. But later, more and more he emphasizes that desire is a priori something hypocritical, inconsistent. In this sense, desire mostly thinks with a secret code that you will not get, the whole economy is to avoid the realization of desire, which is why Lacan understood that fantasy is a realization of desire. He doesn’t mean realization of desire in the sense of getting what you desire, like I want to eat strawberry cakes and I in the fantasy imagine myself realizing it. For Lacan, it is to stage a scene where that desire as such emerges. What would be a nicer example, let’s say I have a desire to eat strawberries but as always with desires, you have this suspicion, what if I will be disappointed. A fantasy would be, for example, I am there sleeping and somebody brings me strawberries, then I taste one, then I stop and it goes on. This ‘going on’ – I never fully have the strawberries – is fantasy. You don’t realize desire – getting your dirty mouth full of strawberries – you just stage this scene on a pleasant, hopeful state of desire, on the verge of satisfaction but not yet there. There is a pleasant obstacle preventing it all the time. This is fantasy.

Chance: How does this ethical injunction, both in the early and late Lacan, play out in the political realm, specifically thinking about it in relation to the cartoon depictions of Mohammad, a debate that opposed unlimited freedom of the press to respect for the other?

Zizek: Do you see the piece I wrote – not in The New York Times, which was censored – but “Antinomies of Tolerant Reason”? (See HYPERLINK “”

You know, many leftists were mad at me there. They thought I made too many compromises with Western liberals, too much anti-Muslim compromise. But the reason I did it was that I got a little bit sick and tired with these politically correct Western liberals – didn’t you notice this hypocrisy? I noticed it was the same people, who in the West are so sensitive – like I look at you and it already can be harassment – and all of sudden, they say it is a different culture, blah, blah, blah. I hate that even some feminists now are turning to culture as one of the standard defenses of Islam. In the West, we at least have formal equality of women. I am very sorry but there, you have a culture, at least in the predominant mode that is so openly anti-feminine. My god, but they are openly doing what we here are trying to unearth as the anti-feminism beneath the emancipated feminine. My god, are we now even prohibited from stating the obvious?

Do you know this famous, eternal politically correct example of clitoridechtomy? This example is not Islam – it is a ritual independent of Islam. But I remember some Muslim women claiming: isn’t it that in the West in order to be attractive to men, women have to remain slim, seductive; isn’t this a global clitoridechtomy; isn’t it much worse? There, it’s only the clitoris, here, it’s as if your entire body is clitoridechtomized. I hate this – I remember when I was a youth what the facts were about the Gulag. People would say: but at least here, you are in or out of the Gulag; isn’t it that the whole United States is one ideological Gulag? You know, this cheap counter universalization. I don’t buy it – this is what I try to say in that text. The first thing is to admit a genuine deadlock and to stop this hypocrisy.

In that text, I hope it is obvious this fury I have at this logic of respect. Sometimes, respect is the most disrespectful category. Respect here is like telling a child false things so not to hurt him. Here, respect means not taking him seriously. I think a lot of the people who preach, “you should show restraint, show respect to Islam,” are enacting the worst sort of patronization. Paradoxically, violent critics of Islam, on the most elementary level, show more respect for Islam than those who, out of respect, do not attack it. I am not saying we should turn to this, but at least those critics take people seriously as believers.


Chance: What does it mean to return to big theory?

Zizek: You remember, years ago it was fashionable to say big theory overlooks its own historical, concrete, anthropological conditions and presuppositions. That it is na•ve. Foucault has this attitude in its utmost when he says, before asking what’s the meaning of the universe, you should ask in what historical context is it even possible to ask this question. So direct truth questions become questions about the concrete historical conditions in which one can raise such a question. I think this was a deadlock.

Today’s big theory is no longer a na•ve big theory. It’s not saying “let’s forget about historical context and again ask, does god exist, or are we free.” No, the point is that concrete theory – the idea that we cannot ask metaphysical questions, only historical questions – had a skeleton in the closet: it has its own big theory presuppositions. Usually, even some rather primitive historicist, relativist ideas, for example, everything depends on historical circumstances or interactions, there are no universalities, and so on. So for me, it’s about not forgetting from where one speaks. It’s about including into reflection, into historical reflection, the very historicism, which was unquestioned in this eternal, Foucauldian model. I find it so boring. It’s so boring to say, “no, you shouldn’t ask are we free, the only question is what does it mean in our society to ask the question are we free.”

Chance: The presence of cognitive science is increasingly felt in anthropology. What particular problems does cognitive science pose for social sciences?

Zizek: Big theory brings us nicely to cognitive science because what it so tickling about them is precisely this question of freedom – does it mean we are not free? It’s interesting that all the debates about cognitive sciences – the image of the human being emerging from all these interactions, from the brain sciences or more abstract mind sciences – is about are we free.

I don’t know about social sciences, but I know about my field, psychoanalysis. I dealt with cognitive sciences extensively in my last book (SeeThe Parallax View, MIT Press 2006). I think firstly, they should be taken seriously. They should not be dismissed as just another na•ve, naturalizing, positivist approach. The question should be seriously asked, how do they compel us to redefine the most basic notions of human dignity, freedom? That is to say, what we experience as dignity and freedom is it all just an illusion, as they put it in computer user terms, a user’s illusion. Meaning, for example, when you write a text on a computer, you have this user’s illusion scrolling up or down that there is text above or below. There is no text there. Is our freedom the same as a user’s illusion or is there a freedom?

The thing to do – and I’m not saying I did it, I’m saying I am trying to do it – is to take these sciences very seriously, and find a point in them where there is a need for an intervention of concepts developed by psychoanalysis. I think – I hope – that I isolated one such point. I noticed how, when they tried to account for consciousness, they all have to resort to almost always the same metaphor of this autopoesis, self-reflexive move, some kind of self-relating, self-referring closed circuit. They are only able to describe it metaphorically. What I claim is that this is what Freud meant by death drive and so on.

But it’s not that we psychoanalysts know it and can teach the idiots. I think this is also good for us – and by us I mean, my gang of psychoanalytically oriented people. It compels us also to formulate our terminology, to purify our technology as it were.


Chance: What, if anything, is neoliberalism?

Zizek: You must know, and it has often been noted, that the big shift in the study of the human mind from traditional approaches to modern cognitivism mirrors perfectly the shift from bureaucratic capitalism to neoliberal capitalism with its flexibility and plasticity. It’s so interesting to notice how many cognitivists that I’ve read even say this openly. They say that traditional science of mind was production oriented, organizing up and down, like traditional bureaucratic capitalism. Today, it’s like this digital, flexible capitalism – you don’t have one central deciding point, you have free interaction, nomadic plasticity and so on. I found this very interesting.

Catherine Malabou wrote a wonderful book called What to Do With the Human Brain. She develops, in a very nice way, that plasticity can have two meanings. One meaning is this neoliberal plasticity. Basically, it’s an accommodating plasticity: how to succeed on the market, how to adopt new identity. But there is a more radical plasticity, where the point is not just an adaptive plasticity. It’s a plasticity that not only adapts itself to existing circumstances but also tries to form a margin of freedom to intervene, to change the circumstances.

The same would go for me for neoliberalism. My point would be first, there obviously exists something like neoliberalism. That is to say, it is a fact that at the level of relations between the states, within singular economies new rules of capitalism are emerging today.

But my first doubt would be about the process of describing the fact that something new is emerging. I don’t think it is adequately described by the way neoliberalism describes itself. For example, saying “the rule is no longer state intervention, but free interaction, flexibility, the diminishing role of the state.” But wait a minute, is this really going on? I mean, take Reagan’s presidency and Bush’s presidency today. While bombasting against big spending Democrats – that is to say, big state – the state has never been as strong as it is today and there is an incredible explosion of state apparatuses. State control today is stronger than ever. That would be my automatic reaction: yes, there is something new but, when covered by the label neoliberalism, it is not adequately described. The self-perception of today’s era as neoliberal is a wrong self-perception.

Even leftist critics all too often accept this self-description on its own terms and then proceed to criticize it, saying, “no, we can’t leave everything to the market.” Wait a minute, who is leaving everything to the market? If we look at today’s American economy, how much support there is for American farmers, how much intervention, military contracts, where is there any free market? I mean, sorry, but I don’t see much free market here.

Just look at this paradox, which I think is the nicest icon of what goes on today. You know the problem of cotton in the state of Mali I think, which is the producer of cheap cotton far better than the United States’ cotton. The country is going to ruin because, as you know, the American cotton producers get more state support than the entire Gross Domestic Product of the state of Mali. And they say there, we don’t want American help, what we want is just when you preach about corrupt state intervention and the free market, you play by your own rules. You know, there’s so much cheating going on here.

So that would be the kind of anthropological study that’s needed: what neoliberalism really means. That’s what we have to do.

Zizek PicksMost important book published in the last six months: On Creaturely Life by Eric Santner

It will sound hypocritical but really, I would say On Creaturely Life. If you go further back to 2005, it would be The Persistence of Subjectivity by Robert Pippin.

Most important film released in the last six months: Manderlay directed by Lars Von Trier

My god, this is a tough question. My problem is, as much as I love even commercial Hollywood, I really don’t remember one in particular. It’s a weird film but I like it, the last Lars Von Trier, Manderlay. Need I add that I haven’t seen it, but a priori I don’t deal with empirical things.

Favorite obscure text: Sex and Character by Otto Weininger

Sex and Character. It’s obscure today but remember that this book was published in 1903 and was reprinted like fifty times. Then, it was a megabook. It’s vicious – radically anti-feminist, anti-Semitic, anti-whatever-you-want but I think it’s shattering.

Most underrated philosopher: Hegel

It will sound crazy because he is one of the most overrated philosophers, but I think, Hegel. Because for the last two hundred years, every philosopher defines himself as somehow wanting to go over Hegel. He’s this universal punching bag. Known as he is, he is still the most underrated.

Favorite politician of all time? Lenin and Cromwell

My answer is so boring. It’s boring, it’s stupid, it’s provocative, I’m ashamed to pronounce it: Lenin. You know, many na•ve leftists, who want to maintain their democratic credentials, would say some tragic victim like Allende. I think there is no perspective there. I have a cynical idea that Pinochet’s coup d’etat came at the right point. Imagine what would have happened if someone like Clinton and not that stupid Nixon-Kissinger gang were in power. Someone like Clinton would have gotten the formula: annoy him economically, wait for the true economic crisis to explode and then Allende would either have to opt for a three-way neoliberalism and play all those emancipatory welfare games. Or, he would have to turn Castro, get really tough and lose. Don’t you think they struck at the right point to redeem him? So I don’t respect this kind of person.

I would love to have somebody else – I have such traditional tastes. Okay, again, it’s traditional but if you go back further, Freud loved him: Oliver Cromwell. I like it the way he ruthlessly went from first using the Parliament to cut off the head of the king, to then disbanding Parliament.

What surprises me is this myth that Cromwell was this cruel Puritan. Not only did he have personal integrity, but contrary to royalist myth, he was not revengeful. To put it naively, he was even personally kind. It may also come as a surprise how religiously tolerant he was. This is a myth, you know, this pale-lips Puritan just killing all the Catholics and everybody else. No, he was striving very much, for his vision was a kind of secular plurality of religions. He was a genuine tragic, tragic figure, I think.

O longo dia seguinte (El País)

A escassez de água em São Paulo é o rei nu das eleições de 2014. No momento em que a maior cidade do país se transforma num cenário de distopia, o processo eleitoral chegou ao fim sem nenhum debate sério sobre o meio ambiente e o modelo de desenvolvimento para o Brasil

 – 27 OCT 2014 – 12:05 BRST

Chegamos ao dia seguinte sem que o futuro tenha sido de fato disputado. Se a eleição de 2014 foi a mais acirrada das últimas décadas, não só pelos candidatos, mas pelos eleitores, terminou sem debate. Não havia adversários nem nos estúdios de TV, onde os candidatos rolavam ora na lama, ora na retórica mais medíocre, nem nas redes sociais, elas que se tornaram as ruas realmente tomadas pela militância. Havia apenas inimigos a serem destruídos. As fraturas do país dizem respeito bem menos à pequena diferença entre a vencedora e o derrotado – e bem mais a uma fissura entre o país que vivemos e o país inventado. Não como uma fabulação, que é a matéria de qualquer vida. Não como uma utopia, que é onde se sonha chegar. Mas como um deslocamento perverso da realidade, uma cisão. Só essa desconexão pode explicar como a maior cidade do país transformava-se num cenário de distopia durante o primeiro e o segundo turnos eleitorais sem que em nenhum momento o meio ambiente e o modelo de desenvolvimento tenham entrado na pauta com a seriedade necessária. Chegamos ao dia seguinte como parte dos moradores de São Paulo: olhando para o céu à espera de que uma chuva venha nos salvar. E é com essa verdade profunda que temos de lidar.

Se a eleição pareceu interminável, o dia seguinte poderá ser muito mais longo. E seria, qualquer que fosse o vencedor. Com qualquer um deles, o que se disputou foi o poder, não um projeto de país. São Paulo talvez seja a expressão hiper-real desse momento, seja nossa escultura de Ron Mueck, o artista australiano que cria figuras humanas em dimensões superlativas. É como se o futuro tivesse chegado antes na cidade expandida, mais próximo da sombria ficção científica de Philip K. Dick do que da megalópole de comercial de TV onde os novos modelos de carros deslizam céleres por ruas sem trânsito.

Nesse cenário, Geraldo Alckmin, o governador do partido que há 20 anos está no poder foi reeleito no primeiro turno. Confrontados com a crise da água, Aécio Neves (PSDB) disse: “Vivemos a maior estiagem dos últimos 80 anos, e a meu ver o Estado fez algo absolutamente adequado, que foi propor bônus para aqueles que economizassem. Talvez o que tenha faltado foi uma parceria maior do governo federal”. E Dilma Rousseff (PT) rebateu: “Eu disse a ele (Alckmin): governador, pela minha experiência, acho que o senhor deveria fazer obras emergenciais. Porque tudo indica que essa seca se prolongará, e vocês não têm capacidade de abastecimento suficiente”.

Pode existir exibição maior de mediocridade do que essas respostas dadas por aquela que queria continuar presidente e por aquele que desejava se tornar presidente? É de chorar sentado em um dos reservatórios do sistema Cantareira, mas a maioria dos eleitores não pareceu se importar. Um sugere que basta chover ou dar bônus aos consumidores, a outra que obras emergenciais teriam solucionado todo o problema. Nenhum demonstrou nem capacidade nem vontade de fazer relações com o modelo de desenvolvimento, o esgotamento dos recursos, o desmatamento e o modo de vida.

O monstro bafejava na sala, mas os presidenciáveis disputavam quem tinha dado o nó no rabo do gato

Assim, enquanto São Paulo se transformava numa vitrine do cotidiano corroído pela degradação ambiental, o máximo de discussão que se conseguiu foi sobre de quem é a culpa. Isso num momento global em que as mudanças climáticas e suas consequências são consideradas por alguns dos pensadores mais relevantes do planeta, em todas as áreas, o tema de maior importância desse período, talvez de toda história humana. A cisão com a realidade é total. O monstro bafejava na sala, mas os presidenciáveis disputavam quem tinha dado o nó no rabo do gato.

Mesmo Marina Silva muito pouco tocou nesses temas ao disputar o primeiro turno, desassemelhando-se a si mesma. Ela, de quem se esperava que fizesse a diferença fazendo diferente, preferiu falar sobre a autonomia do Banco Central. No máximo escaparam, ela e todos, pela bandeira fácil do “desenvolvimento sustentável”, como se algum candidato fosse dizer que não quer desenvolvimento sustentável e como se este fosse um conceito já dado. Mas tocar nos temas cruciais do presente e do futuro, disputar a escolha do modelo de desenvolvimento em pontos concretos, com a seriedade que o momento histórico exige, não. O meio ambiente ficou fora da pauta dos presidenciáveis por escolha de conveniência, já que esse é o debate difícil, ao implicar mudanças no modo de vida dos eleitores, mas também porque a população têm escasso ou nenhum interesse no tema, apesar de a degradação ambiental roer o cotidiano. Essa é a fratura da negação.

A escassez de água na maior cidade brasileira é o rei nu destas eleições de 2014. E é por isso que vale a pena revisitar a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB). A seca acentua a nuvem de poluição que envolve a capital, o nariz sangra, a tosse se instala, o recorde de calor fora de época esgarça os nervos dentro de carros e ônibus que se movem lentamente num gigantesco labirinto de concreto. A crise tem produzido cenas como a de caminhões-pipa com escolta policial, prontos para dominar a população desesperada de um interior pintado como bucólico. A polícia que massacrou os manifestantes, agora se prepara para reprimir os sem-água. A imagem dos reservatórios remete ao repertório de geografias historicamente calcinadas. A vida torna-se pior, bem pior. E torna-se bem pior em ritmo acelerado.

Era de se esperar que a experiência cotidiana concreta tivesse um impacto nas urnas. Mas, neste cenário, o governador reelegeu-se ainda no primeiro turno, repetindo: “Não vai faltar água”. E a água já faltava. Se as pessoas votam de forma pragmática, votam pelo retorno imediato, votam naquele que acreditam que vai melhorar a vida delas, por que a crise da água teve pouco ou nenhum impacto na eleição? Seria porque a educação, a saúde, a segurança estiveram excelentes nesses 20 anos de governo do PSDB em São Paulo, o que compensaria a escassez de água? Não é o que a realidade mostra. A crise da água tampouco atingiu o desempenho de Aécio Neves, que no segundo turno conquistou 64% dos votos válidos no estado de São Paulo. Que cisão, então, ocorreu nesse momento? E o que ela diz? Ou como a escassez de água não colou na eleição, ou de que forma se colou?

A polícia que massacrou os manifestantes de junho de 2013 agora se prepara para reprimir os sem-água de 2014

Não tenho respostas, só hipóteses. Uma hipótese possível seria a mesma pela qual a candidatura de Marina Silva erodiu. Marina cometeu vários erros nessa campanha, alguns deles primários. Mas há um deles, que para muitos soa como erro, mas que não me parece que seja. Seu discurso era menos afirmativo do que os eleitores estão acostumados. Ela propunha a construção de soluções, mais do que propostas acabadas (ainda que tenha sido a única entre os três candidatos com chances no primeiro turno a apresentar um programa de governo). Propunha escuta.

Seu discurso foi classificado como “difuso” e “vago”. Às vezes, ser difuso e ser vago são as únicas verdades possíveis em determinado momento histórico, como mostraram as manifestações de junho de 2013. Mas logo essas características, também nela decodificadas como defeitos, foram transformadas em “fraqueza”. E, na sequência, em identidade. Assim, a mulher que nasceu num seringal do Acre, trabalhou desde criança em condições brutais, passou fome, alfabetizou-se aos 16 anos, foi empregada doméstica, sobreviveu a três hepatites, cinco malárias e uma leishmaniose, além de sofrer contaminação por mercúrio, e ainda assim tornou-se professora com pós-graduação, senadora, ministra, uma das maiores lideranças ambientais do planeta e por fim uma candidata à presidência com chances de vencer, foi considerada “fraca”. Mais uma fratura entre imagem e realidade.

As afirmações peremptórias, com pontos de exclamação, assim como as certezas, são mercadorias valorizadas. Em geral ordinárias, mas valorizadas mesmo assim. Num momento em que a falta de controle parece se expressar em toda a sua assustadora grandiosidade, como na escassez de água em São Paulo, assim como na corrosão das condições de vida pela degradação ambiental, talvez as certezas, mesmo que falsas e irresponsáveis, tornem-se ainda mais valorizadas. Talvez a virtude encontrada em Alckmin por parte dos eleitores seja a da negação da realidade: “Tudo sob controle. Não vai faltar água”.

Uma garantia expressada sem hesitação ou titubeio, em voz firme, quando a água se esvai das torneiras e a vida converte-se literalmente em cinza, uma garantia falsa, parece ainda soar como uma garantia. E logo é decodificada como força, como a expressão de alguém que sabe liderar e sabe o que fazer e, principalmente, nos libera de ter de fazer algo. Sua vantagem é manter viva a ilusão mais cara, a ilusão do controle. Esta seria uma cisão para encobrir a fratura maior, a de que os responsáveis não têm responsabilidade. E a de que cada um, que também é responsável pela destruição ambiental, tampouco quer ser responsável, porque isso implicaria mudar de posição e alterar radicalmente seu modo de vida.

Talvez a virtude encontrada em Geraldo Alckmin pelos eleitores seja a da negação da realidade

Ao esforço de mudar o modo de vida poucos aderem, porque dá trabalho e provoca perdas, exige mediação e concessão. Para muitos, já parece um sacrifício excessivo diminuir o tempo do banho, imagina alterar radicalmente o cotidiano. Assim, vale mais a pena escolher não a ficção, mas a mentira – e ficção e mentira jamais podem ser confundidas –, porque dessa maneira se torna possível manter o máximo de tempo possível uma rotina que não apenas é insustentável a longo prazo, como já não se sustenta agora. E também a fantasia sobre si mesmo como um bom cidadão.

Soa mais conveniente, portanto, acreditar nessa versão mágica, a de que não vai faltar água, quando já está faltando água, promovendo uma cisão com a realidade. De novo, portanto, é um voto pragmático, voltado ao bem-estar imediato de não ter de se mover. De não precisar fazer nada ou muito pouco a respeito. Voltado a algo talvez mais caro do que água, a certeza de que há sempre uma saída que não exija comprometimento e mudança real. Uma saída em que apenas os outros façam o sacrifício, como sempre foi no caso do racionamento muito mais antigo e persistente na casa dos pobres.

No fim da semana passada, foi divulgada uma gravação em que Dilma Pena, a presidente da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), dizia numa reunião interna: “A Sabesp tem estado muito pouco na mídia, acho que é um erro. Nós tínhamos que estar mais na mídia, sabe, (…) nas rádios comunitárias, (…) todos falando, com um tema repetido, um monopólio: economia de água. ‘Cidadão, economize água’. Isso que tinha que estar reiteradamente na mídia, mas nós temos de seguir orientação, nós temos superiores, e a orientação não tem sido essa. Mas é um erro”. O diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato, fez o seguinte comentário na mesma reunião: “Se repetir o que aconteceu esse ano, do final de 2013, de outubro pra cá, se voltar a repetir em 2014, confesso que eu não sei o que fazer. Essa é uma agonia, uma preocupação. Alguém brincou aqui, mas é uma brincadeira séria. Vamos dar férias para oito milhões e oitocentos mil habitantes e falar: ‘saiam de São Paulo’. Porque aqui não tem água, não vai ter água pra banho, pra limpeza da casa, quem puder compra garrafa, água mineral. Quem não puder, vai tomar banho na casa da mãe lá em Santos, lá em Ubatuba, Águas de São Pedro, sei lá, aqui não vai ter”.

É gravíssimo que a presidente da Sabesp tenha sido impedida, por qualquer motivo e mais ainda por motivos eleitoreiros, de alertar a população sobre a enormidade do problema. É criminoso e deve haver apuração e responsabilização de todos os envolvidos. Mas precisamos ter a honestidade de assumir que dificilmente, em 5 de outubro, data da votação do primeiro turno, algum cidadão pudesse alegar desconhecer a situação e a necessidade de economizar água durante a prolongada seca que enfrenta São Paulo.

É bastante sedutor o dogma de que o homem pode controlar a catástrofe ambiental que provocou

Geraldo Alckmin deu a mentira que a população queria ouvir porque conhece bem seus eleitores. Parodiando o título do livro do escritor Ferrez, não há inocentes em São Paulo. A reeleição de Alckmin talvez seja um daqueles fenômenos sustentados pela expectativa de que, se mentirmos todos, talvez vire verdade. Em parte, o governador pode não ter vencido apesar da crise da água, mas também por causa dela.

A crise da água na maior cidade brasileira, em plena eleição, é fascinante pelo que diz daquilo que não é dito. Se é um fato que faltou planejamento ao governo estadual tucano, que aí está há 20 anos e agora por mais quatro, esta é só a ponta explícita, a mais fácil de enxergar (ainda que deliberadamente a maioria dos eleitores a tenha ignorado nas urnas). Mas, ao colocar a parte no lugar do todo, revela-se essa crença arraigada, e por estes dias também desesperada, de acreditar que teria bastado algumas obras para escapar do que se tornou a vida cotidiana em São Paulo, na qual a água é apenas a ausência mais gritante. É o dogma, quase religioso, de que o homem pode controlar a catástrofe ambiental que provocou.

De novo, a ilusão do controle, mesmo quando a realidade aniquila os dias, mesmo quando no fundo cada um sabe que, fora e dentro, algo de fundamental da vida de cada um se esvai. Quanto mais se sente que o controle escapa, no miúdo e no macro do cotidiano, maior é a recusa em enxergar. O desastre já passou da porta de casa, mas ainda se crê que basta chover para tudo voltar a ser como antes, que já era ruim, mas menos. Ou que se o não planejado for feito, ainda que tarde, o problema de São Paulo está resolvido. Cinde-se de novo – e talvez uma parte significativa da população sequer perceba que a escassez de água tem causas ambientais profundas. Como se as questões do meio ambiente, que aqui estão, estivessem lá, no mundo abstrato dos outros.

A política ambiental de Dilma Rousseff, agora reeleita, foi um retrocesso para o Brasil

Dilma Rousseff foi reeleita. Sua política ambiental, se é que pode se chamar assim, foi um retrocesso. A visão sobre a Amazônia do governo se notabilizou pela semelhança com o projeto da ditadura militar para a região. Em sua gestão, obras como a hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, foram impostas aos povos da floresta sem consulta prévia, autoritarismo que levou o Brasil à Comissão Interamericana de Diretos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). Seu próximo alvo é barrar o belo rio Tapajós, onde encontra a resistência dos Munduruku e de comunidades agroextrativistas,como a de Montanha e Mangabal. Pressionado pelo processo eleitoral, o governo disse que, desta vez, cumprirá a lei e ouvirá os índios, mas não escutará os ribeirinhos.

A presidente também arrancou um naco do Parque Nacional da Amazônia para facilitar o caminho das hidrelétricas planejadas para o Tapajós. Mas só criou unidades de conservação na Amazônia a 12 dias do segundo turno, na tentativa de minimizar a repercussão de seu péssimo desempenho no setor. O desmatamento na Amazônia voltou a crescer: 191% no bimestre de agosto e setembro deste ano, comparado à 2013. Segundo o Imazon (Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia), porque o governo adiou a divulgação dos dados oficiais para depois das eleições. Dilma foi também a presidente que menos demarcou terras indígenas desde a redemocratização do país.

Pessoas respeitáveis defenderam nestas eleições que o susto de quase perder o poder fará Dilma Rousseff e o PT retomarem algumas lutas históricas, também no horizonte socioambiental. Veremos. Em seu discurso da vitória, neste domingo (26/10), Dilma falou em “diálogo”. E em “pontes”. Num pronunciamento bem pensado, em que a presidente reeleita podia colar tudo, já que o cargo estava garantido por mais quatro anos, vale a pena prestar atenção nas ausências. Dilma Rousseff não mencionou nem “índios” – e nem “meio ambiente”.

Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficção Coluna Prestes – o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da Rua, A Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos e do romance Uma Duas. Site: Email: Twitter: @brumelianebrum

O meio ambiente e os presidenciáveis (Mundo Sustentável)

24/10/2014 – 12h18

por André Trigueiro*

AecioDilma O meio ambiente e os presidenciáveis

Há pouco mais de uma semana, antes do reinício da campanha eleitoral visando o 2º turno da disputa presidencial, foi publicado no site Mundo Sustentável uma crítica aos candidatos pela falta de clareza das propostas ambientais. Água, lixo, florestas, clima, energia e transportes foram alguns dos temas ausentes no 1º turno e que justificaram o texto publicado. Pedimos então às campanhas de Dilma e Aécio que respondessem livremente às críticas e nos enviassem suas propostas em relação aos temas levantados pela coluna.

A coluna fez contatos com a campanha de Dilma por e-mail e telefone sobre esses questionamentos desde o último dia 10 de outubro, mas não recebeu resposta. Dessa forma, colocaremos o pronunciamento feito pela presidente Dilma em Nova York, por ocasião da Cúpula do Clima, em 24 de setembro (leia também aqui matéria do G1 sobre o discurso).Veja mais abaixo.

Que as posições assumidas pelos candidatos possam ser de alguma forma úteis aos nossos leitores nessa reta final de campanha.

Veja abaixo a resposta enviada pela campanha de Aécio e assinada por Fabio Feldmann e José Carlos Carvalho ao último post da coluna.


Em relação ao tema, o Plano o tratou com o título “A urgente agenda das águas”. E como você pode verificar neste link, sintetizamos as nossas propostas:

• Fortalecimento do Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos. Atenção especial deve ser dada ao impacto do aquecimento global no ciclo hidrológico, com o objetivo de estabelecer políticas de adaptação e mitigação em relação ao risco de desastres naturais, tais como enchentes, inundações e grandes deslizamentos;
• Estabelecer metas de redução de desperdício nas redes públicas com calendário determinado, com disponibilização de linhas de crédito específicas para estimular novas tecnologias de gestão de redes;
• Estimular, em conjunto com estados e municípios, a implantação de medidores individuais;
• Editar normas para reuso de água;
• Dar atenção especial à Política de Pagamento por Serviços Ambientais para os produtores rurais que conservam a vegetação protetora dos recursos hídricos.

De se assinalar que alguns dos seus comentários, ao fazer a pergunta, apresentam uma enorme identidade com o que escrevemos, conforme segue:


• O Brasil está vivendo, pela primeira vez na sua história, o advento de graves crises de água, de modo que é necessário que esse tema seja reforçado na agenda política brasileira. Isso significa, claramente, o enfrentamento do problema de uma perspectiva holística, que permita mudar a gestão dos nossos recursos hídricos. Temos já no Brasil uma legislação que permite um avanço significativo por meio dos comitês de bacia, enquadramento dos corpos d’água e uma série de outros instrumentos. A existência da Agência Nacional de Águas (ANA) foi um passo importante, e temos que aproveitar o capital intelectual que ela possui para avançar na implementação das políticas públicas. Atenção especial deve ser dada à gestão de águas subterrâneas em conjunto com os estados a quem cabe, em última instância, a sua responsabilidade.

• Estudos importantes mostram que muitas cidades do mundo têm o abastecimento de água vinculado à existência de áreas florestadas. Por essa razão, entendemos que é necessário garantir a proteção dessas áreas por meio da manutenção ou ampliação de unidades de conservação, de modo que devemos estimular a sinergia entre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc) e a Política Nacional de Recursos Hídricos, garantindo, assim, a qualidade e a vazão necessária ao abastecimento de água das cidades brasileiras.

• Hoje, a questão da água está definitivamente presente na agenda da sociedade e no meio empresarial, cabendo ao Governo Federal estabelecer políticas públicas voltadas à gestão eficiente desses recursos. O consumidor tem ciência da escassez existente em relação à água e, uma vez portador das informações, tende a privilegiar bens e serviços oferecidos com os devidos cuidados. Por sua vez, na esfera internacional, o tema adquiriu um peso estratégico, de modo que o Brasil deverá exercer liderança para que a comunidade internacional avance no tratamento em termos dos cuidados específicos que devem ser conferidos ao assunto. É bom lembrar que a água-doce é considerada, por importantes entidades acadêmicas, como um dos grandes limites do planeta. Destaca-se ainda a importância da cooperação com os países vizinhos, com os quais compartilhamos as grandes bacias hidrográficas dos Rios Amazonas e Prata.

Também vale a pena assinalar que no item “Sustentabilidade, Mudanças Climáticas, Biodiversidade e Meio Ambiente”, existe uma proposta de inclusão de critérios de sustentabilidade nos projetos habitacionais, com o objetivo de estimular habitações sustentáveis em termos de conforto térmico, saúde e segurança dos materiais, eficiência energética, uso eficiente e reuso de água, coleta seletiva e utilização de água de chuva.


Em relação ao tema, assumimos alguns compromissos e propostas no item “Cidades Sustentáveis e Mobilidade Urbana”.

• As exigências contidas nas legislações devem se tornar instrumentos eficazes para garantir melhor qualidade de vida aos cidadãos. Assim, o Governo Federal articulará, na sua esfera, ações que assegurem a efetividade dos planos municipais de mobilidade urbana, de gestão de resíduos sólidos, entre outros. Em relação aos estados, promover planos metropolitanos, levando em conta que cabe a eles legislar sobre essa matéria.

• As políticas econômicas vão viabilizar e estimular claramente políticas urbanas inovadoras, estimulando o transporte público sustentável, o que inclui, entre outras iniciativas, a adoção de combustíveis renováveis. E na gestão de resíduos, adotaremos estímulos tributários para viabilizar a logística reversa.

• Apoiar os municípios na implantação de projetos de gestão de resíduos, incluindo a coleta seletiva, a reciclagem e a destinação final ambientalmente adequada.

Também vale a pena assinalar que no item “Sustentabilidade, Mudanças Climáticas, Biodiversidade e Meio Ambiente”, existem as seguintes propostas:

• Implementar Política Nacional de Resíduos Sólidos na perspectiva de estimular a economia circular no Brasil (reciclar, reutilizar e remanufaturar sempre que possível).

• Implantar Política Nacional de Educação Ambiental em conjunto com o Ministério da Educação, bem como com os estados e municípios. Atenção especial deve ser dada ao consumo consciente.

Em relação ao consumo consciente, vale ressaltar que o Plano de Governo também faz menção a ele na área de “Direitos do Consumidor e Defesa da Concorrência”.


A questão das florestas está inclusa principalmente em “Política Florestal”, no item “Sustentabilidade, Mudanças Climáticas, Biodiversidade e Meio Ambiente”:

• Implantar uma Política Nacional de Florestas, com ênfase no estímulo à recuperação das áreas previstas no Código Florestal, inscritas no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e constantes do Programa de Regularização Ambiental (PRA). Promoção do manejo florestal sustentável das florestas tropicais e implantação de um programa de florestas plantadas, que deve contemplar a expansão da indústria de base florestal e o cultivo de espécies de madeiras nobres de ciclo longo. Fazer investimentos em pesquisa de silvicultura de árvores nativas.

• Dar atenção especial às iniciativas de concessão florestal, utilizando as florestas públicas e as unidades de conservação de uso sustentável, visando valorar economicamente a floresta em pé e sedentarizar a atividade econômica madeireira, reduzindo a oferta de madeira ilegal, “legal” fraudada e legal não sustentável.

• Desenvolver um programa de formação de corredores ecológicos com a utilização do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA), de forma a garantir a conectividade das UCs e áreas com fragmentos florestais significativos.

• Estabelecer parcerias com os Órgãos Estaduais de Meio Ambiente (Oemas) e a sociedade civil para monitoramento dos biomas brasileiros, a exemplo do que é realizado na Mata Atlântica e no bioma amazônico.

Além disso, na introdução do Plano, reconhecemos que parte significativa da biodiversidade brasileira está associada aos ecossistemas florestais, na medida em que temos em nosso território a maior porção de floresta tropical do mundo e grande extensão de terras com vocação para a silvicultura. Essa realidade impõe a necessidade de uma robusta política florestal, que exige do Governo Federal, tendo em vista a nova Lei Florestal brasileira, apoiar estados, municípios e produtores rurais para o cumprimento à obrigatoriedade de implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nas propriedades rurais. Isso deve ser feito de forma que a recuperação da reserva legal, das áreas de preservação permanente e de uso restrito e o reflorestamento com finalidade múltipla (ecológica e econômica) ocorram no contexto mais amplo da restauração dos ecossistemas afetados pela ação antrópica.


Em relação ao tema, reconhecemos, logo na introdução do Plano, que:

Um dos maiores desafios deste início de século é o enfrentamento do aquecimento global. As consequências do aumento da temperatura média do planeta são dramáticas na vida das pessoas em todo o mundo, bem como na economia dos países, que devem assumir sua responsabilidade em duas direções complementares.

A primeira, no campo da mitigação, diminuindo as emissões de gases efeito estufa (GEE). No Brasil, vamos manter a redução do desmatamento da Amazônia, do Cerrado e dos demais biomas, bem como assegurar uma matriz energética limpa, uma agricultura de baixo carbono e uma boa gestão de resíduos.

A segunda, no campo da adaptação, vamos preparar o país para os impactos da mudança do clima com estratégias que aumentem a capacidade de enfrentar os incidentes climáticos graves como enchentes, inundações, ondas de calor e secas prolongadas.

Vamos priorizar a transição para uma economia de baixo carbono. Isto significa um papel protagonista para o poder público em termos de adoção de novas políticas que complementem as estratégias de comando e controle.

Em termos práticos, adotaremos instrumentos econômicos que estimulem, efetivamente, uma agricultura de baixo carbono, padrões rigorosos de eficiência energética, conservação da biodiversidade e conservação do solo e água. Utilizaremos o poder de compras governamentais mediante ampliação das práticas de licitação sustentável no país, uma vez que representam uma parte expressiva do PIB nacional. Com isso, estaremos viabilizando, a médio prazo, a economia brasileira a produzir bens e serviços sustentáveis, garantindo-lhes acesso a mercados internacionais.

Compartilhamos do entendimento, hoje em debate, de que é fundamental a precificação do carbono, caso se queira assegurar o compromisso internacional de admitir um aumento da matriz energética menos dependente das fontes fósseis e garantir a redução do desmatamento dos biomas brasileiros. Não se pode esquecer que os próximos quinze anos são absolutamente essenciais para que se possa reduzir drasticamente as emissões de GEE no planeta.

A comunidade internacional assumiu o compromisso de oferecer um novo tratado em 2015, em Paris, que assegure a estabilidade climática do planeta, com o objetivo de fixar limites globais para a emissão de GEE. Além disso, nesse mesmo ano, haverá a pactuação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em substituição aos Objetivos do Milênio.

Vamos desempenhar um papel de vanguarda nos encaminhamentos dessas questões na agenda internacional.

À frente do governo brasileiro, o presidente da República vai assumir pessoalmente essa agenda, procurando resgatar a liderança brasileira junto a outros chefes de Estado, a exemplo do que Fernando Henrique Cardoso fez quando da criação do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima. Assim, o Brasil estará atuando com firmeza nos desafios globais planetários, tais como a mudança do clima, os oceanos, a conservação da biodiversidade, a proteção da camada de ozônio, enfim, todos aqueles dos quais dependem as futuras gerações.

Reside aí o grande diferencial do desenvolvimento sustentável que adotaremos: pensar sempre no horizonte de tempo das futuras gerações.

Além disso, vale a pena assinalar que no item “Sustentabilidade, Mudanças Climáticas, Biodiversidade e Meio Ambiente”, afirmamos as seguintes propostas:

• Posição de liderança da Presidência da República nas questões de sustentabilidade, visando garantir um efetivo diálogo horizontal na esfera federal, com o engajamento dos estados, municípios, setor empresarial e a sociedade civil.

• Protagonismo na coordenação e articulação dos atores sociais e agentes econômicos envolvidos no desenvolvimento sustentável, em articulação com estados e municípios, e papel de vanguarda nos encaminhamentos dessas questões na agenda internacional. Especial atenção à 21ª Conferência das Partes da Convenção de Mudança do Clima, a ser realizada em 2015, e aos desdobramentos daí decorrentes, bem como ao estabelecimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em substituição aos Objetivos do Milênio. Nessa agenda internacional, o Brasil deve liderar iniciativas que protejam os oceanos e manter o seu papel de conservação do ambiente antártico, além de apoiar ostensivamente mudanças necessárias no Protocolo de Montreal, que trata da proteção da camada de ozônio.

• Valorização do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas como lócus de discussão da mudança do clima no âmbito das negociações internacionais e no plano doméstico. A Presidência da República deverá retomar uma participação ativa no Fórum, de modo que o presidente possa estabelecer um diálogo pessoal com outros chefes de Estado, com o objetivo de alcançar um acordo global que permita que o aumento médio da temperatura, até o fim do século, se mantenha em no máximo 2oC.


A questão está contemplada no item “Energia”.

Destacamos os seguintes compromissos:

• Definição de uma matriz energética que contemple as várias fontes de energia, possibilitando com isso segurança no fornecimento de energia, com baixo impacto ambiental.

• Ampliação da participação de fontes renováveis de energia na matriz energética brasileira, incluindo-se aí uma maior penetração da energia eólica, solar e biomassa, além de hidrelétricas reversíveis, adaptando-se algumas usinas hidrelétricas existentes para esse fim.

• Implementação de programas de eficiência energética, redução de perda e conservação de energia em todos os setores. Ênfase no gerenciamento pelo lado da demanda.

• Recuperação da importância e do pioneirismo do Brasil na produção de energia limpa e renovável, com crescimento da produção e da produtividade, especialmente em terras degradadas.

• Valorização da diversidade de fontes e das características regionais na redefinição da matriz energética brasileira, procurando equilibrar a busca de autossuficiência com sustentabilidade.

• Resgate do papel da Petrobras e sua valorização como instrumento vital da política energética brasileira.

Em relação às propostas, destacamos as seguintes:

• Definir de forma clara o papel do etanol anidro e hidratado na matriz de combustíveis brasileira e estabelecimento de metas.

• Adotar política tributária que considere as vantagens ambientais dos biocombustíveis.

• Realizar investimentos em tecnologias de baixo carbono, com atenção especial para capacitar o país a instalar uma indústria fotovoltaica competitiva.

• Incentivar a microgeração distribuída, de forma a permitir que o cidadão possa gerar parte de seu consumo próprio através do uso da energia solar e eólica.

• Equalizar as regras de incentivos, subsídios e financiamentos públicos para as diversas fontes de energia. Estimular a troca da iluminação pública por lâmpadas de baixo consumo energético e menor impacto na biodiversidade.

• Estimular redes inteligentes de energia.

• Fortalecer o Procel e o Conpet, visando dinamizar os programas de eficiência energética.

Cabe destacar que no item “Cidades Sustentáveis e Mobilidade Urbana”, temos o seguinte compromisso e proposta, respectivamente:

• O papel do Governo Federal é crucial. Será protagonista na implantação de políticas públicas de uso de energias alternativas nas cidades, possibilitando a venda de excedentes, além de fixação de padrões rigorosos de eficiência energética.

• Utilizar instrumentos econômicos para estimular o consumo de combustíveis mais limpos, com eliminação acelerada daqueles com maior teor de enxofre em todo o território nacional. Ênfase na implantação dos programas de inspeção e manutenção veicular em articulação com estados e municípios.


Em relação ao tema, no item “Cidades Sustentáveis e Mobilidade Urbana”, afirmamos os seguintes compromissos e propostas:

• Não são mais admissíveis políticas de estímulo ao transporte individual para se combater a crise, quando as mesmas provocam os enormes congestionamentos nas cidades brasileiras médias e grandes. Há necessidade de se resgatar a perspectiva de longo prazo, cabendo ao Governo Federal, em articulação com os estados e municípios, repensar novas estratégias de financiamento, com a finalidade de garantir mecanismos de implementação das várias legislações que pesam sobre as cidades.
• As políticas econômicas vão viabilizar e estimular claramente políticas urbanas inovadoras, estimulando o transporte público sustentável, o que inclui, entre outras iniciativas, a adoção de combustíveis renováveis. E na gestão de resíduos, adotaremos estímulos tributários para viabilizar a logística reversa.


• Implementar a Política Nacional de Mobilidade Urbana, priorizando o transporte público, bem como o transporte não motorizado nas cidades brasileiras, tornando-os alternativas viáveis, seguras e concretas em relação ao transporte individual.
• Buscar uma mobilidade sustentável para as cidades brasileiras, por meio da integração dos diversos modais de transporte público em operação, pela continuidade e aceleração das obras em curso, pela expansão dos atendimentos às regiões metropolitanas e pelo incentivo à incorporação de inovações nas soluções já existentes e a serem implementadas.

• Articular os diversos agentes envolvidos, no âmbito estadual e municipal, para aumentar a integração do transporte urbano com outras políticas públicas, como o uso do solo, habitação e meio ambiente, buscando atender, inclusive, aos novos conglomerados urbanos.

• Apoiar a inovação e a criação de soluções tecnológicas originais e a busca de recursos para investimentos como parcerias público-privadas (PPPs) e concessões de operações urbanas.

• Apoiar os estados e municípios na implantação de centros integrados de logística, na busca de soluções para a redução de trânsito de veículos pesados nos grandes centros e na implantação de sistemas cicloviários nas cidades.

• Incentivar os transportes públicos, principalmente os sobre trilhos, destinando recursos – inclusive subsidiados – para obras estruturantes nos principais centros urbanos

• Incentivar a renovação e a modernização da frota de trens, metrôs e ônibus, impondo novos parâmetros de qualidade. Incentivar a utilização de veículos com motores híbridos, movidos a hidrogênio e elétricos, entre outros.

• Incentivar a adoção de horários variados para jornadas de trabalho, evitando-se os períodos de rush, e incentivar a adoção de modalidades de teletrabalho nas atividades e/ou setores onde isso for possível, como forma de reduzir deslocamentos desnecessários e pressões adicionais de demanda sobre o setor de transportes.

• Apoiar novos modais alternativos de transporte, como os sistemas cicloviários.

• Transferir a malha ferroviária metropolitana de cargas para os estados – quando as linhas não estiverem sendo usadas – para a implantação de projetos de trens metropolitanos.

• Garantir padrões rigorosos de qualidade do ar dos centros urbanos brasileiros por meio do fortalecimento dos programas Proconve e Promotos, com as atualizações necessárias de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

• Utilizar instrumentos econômicos para estimular o consumo de combustíveis mais limpos, com eliminação acelerada daqueles com maior teor de enxofre em todo o território nacional. Ênfase na implantação dos programas de inspeção e manutenção veicular em articulação com estados e municípios.

• Adotar ferramentas macroeconômicas – em coordenação com estados e municípios – que viabilizem claramente as políticas urbanas sustentáveis, como o transporte público, o transporte individual não motorizado, a construção de edifícios sustentáveis, a implantação de áreas verdes para evitar as ilhas de calor, e o uso de energia solar e de microturbinas eólicas nas cidades, possibilitando a venda de excedentes.”

Pronunciamento da presidente Dilma Rousseff na Cúpula do Clima da ONU:

Nova Iorque-EUA, 23 de setembro de 2014

Excelentíssimo senhor Sam Kutesa, presidente da 69ª Assembleia Geral das Nações Unidas. Excelentíssimas senhoras e senhores chefes de estado e de governo participantes da Cúpula do Clima 2014. Senhoras e senhores representantes da sociedade civil.

Congratulo-me com o Secretário Geral das Nações Unidas pela convocação da Cúpula do Clima.

No último domingo, centenas de milhares de pessoas pediram nas ruas avanços concretos nas negociações em curso no âmbito da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima.

O Brasil está sintonizado com este anseio. Temos participado ativamente destas negociações. Defendemos a adoção coletiva de medidas justas, ambiciosas, equilibradas e eficazes para enfrentar este desafio.

Reafirmo que o novo acordo climático precisa ser universal, ambicioso e legalmente vinculante, respeitando os princípios e os dispositivos da Convenção-Quadro, em particular os princípios de equidade e das responsabilidades comuns, porém diferenciadas.

Este acordo deverá ser robusto em termos de mitigação, adaptação e meios de implementação. O Brasil almeja um acordo climático global, que promova o desenvolvimento sustentável. O crescimento das nossas economias é compatível com a redução de emissões.

No Brasil, estamos fazendo isso. Ao mesmo tempo em que diminuímos a pobreza e a desigualdade social, protegemos o meio ambiente. Nos últimos 12 anos, temos tido resultados extraordinários.

Em 2009, na Conferência de Copenhagen, anunciamos o compromisso voluntário de reduzir entre 36 e 39%, as nossas emissões projetadas até 2020.

Desde então, pusemos em marcha ações decisivas. Nosso esforço tem dado grandes resultados.

Ao longo dos últimos 10 anos, o desmatamento no Brasil foi reduzido em 79%.

Entre 2010 e 2013, deixamos de lançar na atmosfera a cada ano, em média, 650 milhões de toneladas de dióxido de carbono. Alcançamos em todos esses anos as quatro menores taxas de desmatamento de nossa história.

As reduções voluntárias do Brasil contribuem de maneira significativa para a diminuição das emissões globais no horizonte de 2020.

Senhor Presidente, prezados colegas Chefes de Estado e de Governo.

O Brasil, portanto, não anuncia promessas. Mostra resultados.

Nossa determinação em enfrentar a mudança do clima não se limita à Amazônia brasileira.

Estamos cooperando com os países da Bacia Amazônica em ações de monitoramento e de combate ao desmatamento. Devemos também contribuir para a redução do desmatamento com os países da Bacia do Congo.

Internamente, adotamos planos setoriais para a redução do desmatamento no chamado Cerrado brasileiro; para o aumento das energias renováveis e a promoção da Agricultura de Baixo Carbono.

O Brasil é um grande produtor de alimentos. Temos consciência que as técnicas agrícolas de baixo carbono, ao mesmo tempo em que reduzem emissões, elevam a produtividade do setor agrícola.

Por sua vez, na pequena agricultura familiar, nela as práticas agroecológicas, ajudam a reduzir a pobreza no campo. Ambos programas são decisivos para a segurança alimentar e nutricional de milhões de brasileiros.

A produção agrícola de grãos se dá sobretudo pelo aumento da produtividade com uma expansão menor da área agrícola plantada. Tamanho crescimento da produtividade só é possível com muita pesquisa e inovação, muito investimento e intenso apoio do governo federal.

Tudo isso desfaz a pretensa contradição entre produção agrícola e proteção ao meio ambiente. Prova que é possível crescer, incluir, conservar e proteger o meio ambiente, que é o lema da reunião do clima Rio+20.

Senhor Presidente,

Desastres naturais relacionados à mudança do clima têm ceifado vidas e afetado as atividades econômicas em todo o mundo. Num quadro de injustiça ambiental, as populações pobres são as mais vulneráveis, principalmente nos grande centros urbanos.

No Brasil, implementamos a Política Nacional de Prevenção e Monitoramento de Desastres Naturais, com o objetivo de impedir que esses desastres causem danos às pessoas, com perdas de vidas, ao patrimônio e ao meio ambiente.

Até o final deste ano, no marco desta política nacional de prevenção e monitoramento de desastres naturais, submeteremos à sociedade brasileira o plano nacional de adaptação.

Os custos para enfrentar a mudança do clima são elevados, mas os benefícios compensam.

Precisamos reverter a lógica de que o combate à mudança do clima é danoso à economia. A redução das emissões e ações de adaptação devem ser reconhecidas como fonte de riqueza, de modo a atrair investimentos e lastrear novas ações de desenvolvimento sustentável.

Historicamente, os países desenvolvidos alcançaram o nível de bem estar de suas sociedades graças a um modelo de desenvolvimento, baseado em altas taxas de emissões de gases danosos ao clima, ceifando florestas e utilizando práticas nocivas ao meio ambiente.

Nós não queremos repetir esse modelo.

Mas não renunciaremos ao imperativo de reduzir as desigualdades e elevar o padrão de vida da nossa gente.

Nós, países em desenvolvimento, temos igual direito ao bem-estar. E estamos provando que um modelo socialmente justo e ambientalmente sustentável é possível. O Brasil é um exemplo disso

Muito obrigada.

* André Trigueiro é jornalista com pós-graduação em Gestão Ambiental pela Coppe-UFRJ onde hoje leciona a disciplina geopolítica ambiental, professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC-RJ, autor do livro Mundo Sustentável – Abrindo Espaço na Mídia para um Planeta em Transformação, coordenador editorial e um dos autores dos livros Meio Ambiente no Século XXI, e Espiritismo e Ecologia, lançado na Bienal Internacional do Livro, no Rio de Janeiro, pela Editora FEB, em 2009. É apresentador do Jornal das Dez e editor chefe do programa Cidades e Soluções, da Globo News. É também comentarista da Rádio CBN e colaborador voluntário da Rádio Rio de Janeiro.

** Publicado originalmente no site Mundo Sustentável.

(Mundo Sustentável)

“Sonâmbulos” decidem a sorte de conferência climática em Bonn (IPS)

24/10/2014 – 10h52

por Stephen Leahy, da IPS

huracan “Sonâmbulos” decidem a sorte de conferência climática em Bonn

Bonn, Alemanha, 24/10/2014 – As 410 mil pessoas que saíram às ruas para reclamar medidas durante a Cúpula do Clima da ONU se indignariam diante dos atrasos e das posturas políticas de sempre que se observa em uma rodada fundamental das negociações para acordar um tratado climático mundial, em curso nesta cidade alemã.

As declarações dos países presentes na conferência, que começou no dia 20 e terminará no dia 25, no Centro Mundial de Congressos de Bonn, ignoraram os pedidos dos organizadores para serem breves em suas declarações de abertura para ser possível trabalhar na última semana de conversações antes da vigésima Conferência das Partes (COP 20) da Convenção Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática que acontecerá em Lima, no Peru, entre 1º e 12 de dezembro.

A COP 20 acordará um projeto de tratado climático destinado a evitar o catastrófico superaquecimento do planeta. Um ano mais tarde, os governantes de quase 200 Estados deverão assinar em Paris um novo convênio sobre o clima. Se o resultado das negociações não for contundente e não se conseguir garantir o rápido abandono do uso de combustíveis fósseis, centenas de milhões de pessoas sofrerão e países inteiros entrarão em colapso.

O projeto atual do tratado é muito fraco e os delegados pecam pelo “sonambulismo” em Bonn, enquanto “os dados científicos sobre o clima se agravam”, afirmou aos negociadores presentes, Hilary Chiew, da Rede do Terceiro Mundo.

Os delegados estão habituados a ouvir uma ou duas “intervenções” oficiais por parte da audiência, que tem um limite de tempo restrito e frequentemente não superam os 90 segundos. Esses discursos, apesar da paixão e eloquência de muitos, raramente comovem os delegados que, em sua maioria, se limita a seguir as instruções dadas por seus governos. “Apegar-se às posturas não é negociar”, recordou o copresidente da conferência, Kishan Kumarsingh, de Trinidad e Tobago.

Em Bonn há poucos membros da sociedade civil que podem presenciar quantos países se apegaram às suas posições de curto prazo e defensoras de seus próprios interesses, em lugar de enfrentar o maior desafio que sofre a humanidade. Depois de 20 anos, essas negociações se transformaram “no mesmo de sempre” e parece que continuarão assim por mais 20 anos, segundo os ativistas. “Só um movimento social mundial obrigará as nações a agirem”, afirmou Hans Joachim Schellnhuber, diretor do Instituto de Potsdam para a Pesquisa do Impacto Climático, da Alemanha.

Schellnhuber, reconhecido especialista e ex-assessor científico do governo alemão, não se encontra em Bonn, mas participou da Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU) em setembro, em Nova York, Estados Unidos, junto com os governantes de 120 países. Novamente, o resultado desse encontro ficou em puros discursos sem compromissos de ação, afirmou à IPS.

Para Schellnhuber, a Cúpula da ONU foi um fracasso, ao contrário da “impressionante” e “inspiradora” Marcha do Povo pelo Clima que a acompanhou e da qual participaram cerca de 410 mil pessoas nas ruas de Manhattan. A única coisa que os países acordaram até agora é a meta de elevação máxima de dois graus na temperatura média mundial e, embora esse aumento “não tenha antecedentes na história humana”, é muito melhor do que três ou mais graus, acrescentou.

Alcançar essa meta ainda é possível, segundo o informe Enfrentar o Desafio da Mudança Climática, redigido pelos principais especialistas em clima e energia e que descreve várias medidas, entre elas o aumento da eficiência energética em todos os setores. A refração dos prédios, por exemplo, pode reduzir o consumo de energia entre 70% e 90%. Também é necessário um preço do carbono que reflita o enorme custo sanitário e ambiental que implica a queima dos combustíveis fósseis, bem como a expansão da energia solar e eólica e o fechamento de todas as centrais movidas a carvão, diz o estudo.

O mais importante é que os governos devem assumir o clima como uma prioridade. Alemanha e Dinamarca estão bem encaminhadas para uma economia baixa em carbono e se beneficiam de menor contaminação e da criação de um novo setor econômico, segundo os especialistas.

Para que todos os governos incorporem o clima como sua prioridade será preciso um movimento social mundial com dezenas de milhões de pessoas. Uma vez que o setor empresarial se dê conta de que a transição para um mundo baixo em carbono está em marcha, pressionará os governos para que apliquem as políticas necessárias. “As soluções para a mudança climática são a maior oportunidade de negócios na história”, enfatizou Schellnhuber. Envolverde/IPS


Fundação que afirma prever o tempo diz que fez alertas sobre crise hídrica (G1)

17/10/2014 06h50 – Atualizado em 17/10/2014 06h50

Fundação Cacique Cobra Coral diz que houve um erro de gestão em SP.
Órgão teria pedido interligação dos reservatórios para minimizar o problema.

Do G1 São Paulo

A fundação esotérica Cacique Cobra Coral (FCCC), que diz ser capaz de minimizar os impactos dos temporais e outros eventos naturais, informou, por meio de seu porta-voz, Osmar Santos, que desde 2012 vem alertando o governo do estado de São Paulo para a situação crítica dos reservatórios, devido à falta de chuvas. Além disso, na ocasião, a fundação teria, inclusive, solicitado a interligação dos reservatórios de São Paulo, para amenizar o impacto da prolongada estiagem no Sistema Cantareira.

A fundação é comandada pela médium Adelaide Scritori, que afirma incorporar o espírito do cacique Cobra Coral, entidade que seria capaz de influenciar no clima.

Em 2013, a FCCC diz também ter alertado ao Ministério de Minas e Energia que as chuvas de verão daquele ano não tinham sido suficientes para encher os reservatórios das usinas hidroelétricas brasileiras. Segundo a entidade, março terminou com reservatórios na casa dos 52% no sistema Sudeste/Centro-Oeste e 42% no Nordeste. Em 2012, os níveis registrados no mesmo período foram de 78% no centro do país e 82% nas bacias nordestinas.



Segundo o porta-voz da fundação, houve erro de gestão, tanto por parte do governo estadual quanto do federal, que está sendo evidenciado pela crise hídrica. Como consequência, além da falta d’água, o problema afeta diretamente a geração e transmissão de energia elétrica em todo o país.

A solução para São Paulo, no entender da fundação, é estabelecer um cronograma de obras contra a seca, priorizando as de interligação dos reservatórios. Segundo o porta-voz, o objetivo principal é recuperar a bacia do Sul de Minas, principal responsável por fornecer a água para o Sistema Cantareira.

Nesse sentido, representantes da fundação se reuniram na segunda-feira (13) com integrantes de um grupo econômico do setor de energia para encontrar soluções para o problema. A principal seria a criação de um “caminho de umidade”, interligando a Amazônia com o sul de Minas Gerais. Para a fundação, a estiagem “apenas mostrou o que não foi feito nos últimos 20 anos”. Em relação à previsão do clima, a expectativa de chuva seria para depois das eleições, no próximo dia 26.

A Prefeitura de São Paulo, na gestão de José Serra, havia firmado um convênio em 2005 com a fundação para a antecipar intempéries climáticas que impactassem na rotina da capital. Como contrapartida, o Executivo municipal deveria realizar uma série de obras contra enchentes. Em setembro de 2009, já com Gilberto Kassab no cargo de prefeito, o convênio foi rompido pela Prefeitura.

O motivo: a fundação alegou ter alertado com antecedência sobre as chuvas que paralisaram a cidade no dia 8 de setembro daquele ano, mas considerou que a Prefeitura nada fez para tentar prevenir os problemas. “A gente não pode ajudar o homem naquilo que ele pode fazer por si. As verbas para obras contra enchentes estão congeladas”, disse Osmar Santos, na ocasião.

De acordo com Santos, houve um contato recente da fundação com o secretário das Subprefeituras, Ricardo Teixeira, na atual gestão, mas a reativação do convênio dependia de um aval do prefeito Fernando Haddad.

Climate change in the news (DISCCRS)

DISCCRSnews Digest, Vol 83, Issue 1 – October 7, 2014

The world is warming faster than we thought – New Scientist – October 5, 2014 –

Past measurements may have missed massive ocean warming – Science – October 5, 2014 –

Scientists speed up analysis of human link to wild weather – Thomson Reuters Foundation – October 2, 2014 –

World falling behind 2020 plan for nature protection: UN – Reuters – October 6, 2014 –

Ditch U.N. temperature target for global warming, study says – Reuters – October 1, 2014 –

Global officials to issue communique warning of economic risk – Reuters – October 4, 2014 –

‘Large firms may be overstating value of earnings by failing to prepare for impact of global warming’ – Business World – October 6, 2014 –

Argonne researchers create more accurate model for greenhouse gases from peatlands – U.S. Department of Energy?s Argonne National Laboratory Press Release (via AAAS EurekAlert) – October 2, 2014 –

Canada launches world’s largest commercial carbon-capture project – Reuters – October 1, 2014 –

Lack of ice forces some 35,000 walruses to chill on Alaska shore – Reuters – October 1, 2014 –

    Related: Walrus mass on Alaska beach – in pictures – Guardian – October 1, 2014 –

    Related: US reroutes flights around Alaska beach in attempt to avoid walrus stampede – Guardian – October 2, 2014 –

Team advances understanding of the Greenland Ice Sheet?s meltwater channels – U.S. Department of Energy?s Los Alamos National Laboratory Press Release (via AAAS EurekAlert) – October 1, 2014 –

Changing Antarctic waters could trigger steep rise in sea levels – Australian Research Council Press Release (via AAAS EurekAlert) – October 1, 2014 –

Oceans Getting Hotter Than Anybody Realized – Climate Central – October 5, 2014 –

Fish failing to adapt to rising carbon dioxide levels in ocean – Guardian – October 6, 2014 –

London’s famous red phone box goes green and solar-powered – Thomson Reuters Foundation – October 1, 2014 –

Climate detectives reveal handprint of human caused climate change in Australia (Science Daily)

Date: September 29, 2014

Source: University of New South Wales

Summary: Australia’s hottest year on record in 2013 along with the accompanying droughts, heat waves and record-breaking seasons of that year was virtually impossible without the influence of human-caused global warming, scientists say.

The impacts of man-made climate change were felt in Australia during its hottest year on record in 2013. Credit: UNSW, P3, Helena Brusic.

Australia’s hottest year on record in 2013 along with the accompanying droughts, heat waves and record-breaking seasons of that year was virtually impossible without the influence of human-caused global warming.

New research from ARC Centre of Excellence for Climate System Science (ARCCSS) researchers and colleagues, over five different Australian papers in a special edition of the Bulletin of the American Meteorological Society (BAMS), has highlighted the powerful influence of global warming on Australia’s climate.

“We often talk about the fingerprint of human-caused climate change when we look at extreme weather patterns,” said Prof David Karoly, an ARCCSS researcher with the University of Melbourne.

“This research across four different papers goes well beyond that. If we were climate detectives then Australia’s hottest year on record in 2013 wasn’t just a smudged fingerprint at the scene of the crime, it was a clear and unequivocal handprint showing the impact of human caused global warming.”

In 2013, heat records fell like dominoes. Australia had its hottest day on record, its hottest month on record, its hottest summer on record, its hottest spring on record and then rounded it off with the hottest year on record.

According to the research papers presented in BAMS, the impact of climate change significantly increased the chances of record heat events in 2013. Looking back over the observational record the researchers found global warming over Australia (see attached graphic): doubled the chance of the most intense heat waves, tripled the likelihood of heatwave events, made extreme summer temperature across Australia five time more likely increased the chance of hot dry drought-like conditions seven times made hot spring temperatures across Australia 30 times more likely.

But perhaps most importantly, it showed the record hot year of 2013 across Australia was virtually impossible without the influence of human-caused global warming. At its most conservative, the science showed the heat of 2013 was made 2000 times more likely by global warming.

“When it comes to what helped cause our hottest year on record, human-caused climate change is no longer a prime suspect, it is the guilty party,” said ARCCSS Australian National University researcher Dr Sophie Lewis.

“Too often we talk about climate change impacts as if they are far in the future. This research shows they are here, now.”

The extreme year of 2013 is just the latest peak in a trend over the observational record that has seen increasing bushfire days, the record-breaking warming of oceans around Australia, the movement of tropical species into temperate zones and the shifting of rain bearing storm tracks further south and away from some of our most important agricultural zones.

“The most striking aspect of the extreme heat of 2013 and its impacts is that this is only at the very beginning of the time when we are expected to experience the first impacts of human-caused climate change,” said Dr Sarah Perkins an ARCCSS researcher with the University of New South Wales.

“If we continue to put carbon into our atmosphere at the currently accelerating rate, years like 2013 will quickly be considered normal and the impacts of future extremes will be well beyond anything modern society has experienced.”

We’re way more screwed than we were the last time the U.N. had a big climate meeting (Grist)

It’s been nearly five years since President Obama and other heads of state attended a major U.N. climate event. In the time since the 2009 Copenhagen conference, there has been little real progress toward a strong global climate agreement — instead there’s been backsliding. But there’s been lots of progress in making the climate go haywire.

So at the U.N. Climate Summit on Tuesday, when heads of state brag about accomplishments, make grandiose promises, and announce a lot of marginally helpful measures from the private sector and civil society, don’t be fooled. Things are a lot grimmer now than they were even five years ago.

Consider: Carbon dioxide emissions have gone up every year since 2009. CO2 concentration in the atmosphere has gone up too — from an average of 387 parts per million in 2009 to an average of more than 400 ppm for April, May, and June of this year. Last month was the hottest August ever recorded, and 2014 is on track to be the hottest year ever recorded.

A hard-hitting report released on Thursday by Oxfam International — “The Summit that Snoozed?” — highlights more ways we’ve let things get worse.  Here are some of its top points:

Climate change is costing the world more money every year. Since 2009, extreme weather-related disasters have cost more than three times what they did in the whole of the 1970s. Oxfam knows this all too well, since much of what it does is respond to the ensuing humanitarian crises. The group writes, “Devastating storms and floods in Pakistan, the Philippines and elsewhere in the world have cost thousands of lives and billions of dollars as poor countries and aid agencies like Oxfam struggle to cope.”

The U.S. actually suffered the highest number of extreme weather-related disasters in the last five years, and the largest economic losses at $198 billion. But that big price tag is because the U.S. is so rich, not because its disasters were the worst. Typhoon Haiyan took far more lives in the Philippines than Sandy did in the U.S., but Haiyan caused less economic damage. So while the U.S.’s economic damages were 14 times larger in absolute terms, the Philippines lost 1.2 percent of its GDP, while the U.S. lost only 0.2 percent.

Of the more than 112,000 lives Oxfam says were lost to extreme weather events over the past five years, more than half were in Russia, where 56,246 died from the 2010 heat wave. Russian President Vladimir Putin, by the way, is a denier of climate science and will not be attending the U.N. Climate Summit.

(A caveat, which Oxfam neglects to mention, about its economic numbers: While the comparisons across decades are adjusted for inflation, they are not adjusted for economic growth. One reason we suffer bigger economic impacts than we did in the 1970s is because we are richer and we have more valuable property to damage.)

Oxfam doesn’t provide any data on the increasing frequency of extreme weather events or their relationship to climate change. Perhaps the group, understandably, views that as a given. But lest there be any doubt: The Intergovernmental Panel on Climate Change concluded in 2011 that extreme weather would become more common due to climate change. And it’s already happening. A study from August in the Proceedings of the National Academy of Sciences found that prolonged periods of hot or wet weather during summers in the Northern Hemisphere have doubled in the last decade. A study of 2012 data by 18 international research teams published last September in the Bulletin of the American Meteorological Societyfound that human-caused climate change was partially responsible for half of the major extreme weather events that year.

The richest countries are wasting more money subsidizing fossil fuels.According to Oxfam, “The latest OECD figures of its 34 members show that total subsidies to fossil fuels have increased since Copenhagen — from just over $60 billion in 2009 to just over $80 billion in 2011. … More recent years are not yet available but there is no reason to suggest that the trend has reversed.” Since 80 percent of the world’s remaining fossil fuel reserves need to stay in the ground if we’re to keep below 2 degrees Celsius of warming, policies that encourage fossil exploration or exploitation are extremely counterproductive.

And no, despite the growth of renewable capacity and the decline in the cost of renewables, the market isn’t solving this problem for us. Since 2009, private sector investment in fossil fuels has increased from just over $1 trillion to $1.1 trillion. That’s four times the size of private investment in renewables, which decreased from $300 billion in 2011 to $250 billion in 2012.

Copenhagen’s targets were too weak, and countries have been scaling down their ambition since then. As a U.N. report found in 2010, the voluntary emission-reduction pledges countries made under the Copenhagen Accord were not large enough to keep the world from warming by less than 2 degrees Celsius, which is the target set in Copenhagen. Since then, everyone has stuck to their lowest possible targets or even lowered them further, while some countries have adopted policies that will make it impossible to meet even the targets they have. Oxfam explains:

A number of countries set pledges in the form of a range, in which the higher end would be conditional on action by other countries. Australia and New Zealand’s 5 per cent pledges would move to 25 per cent and 20 per cent respectively if an appropriate global deal were struck, while the EU’s 20 per cent target would climb to 30 per cent if the conditions were right. Of the seven rich countries (or blocs) that promised to increase their target, none have done so. …

Similarly, while there was an agreement in 2011 to extend the Kyoto Protocol, which legally commits developed countries to cut their emissions, major countries have gone backwards instead of forwards. Canada, with a focus on tar sands extraction, announced they were dropping out of the Kyoto Protocol soon afterwards and replaced its Copenhagen pledge with a new set of targets, which allow emissions to rise. Two years later, Japan tore up its Copenhagen pledge to reduce its emissions by a quarter on 1990 levels, again replacing it with a set of targets that sanction a rise instead. In July 2014, Australia repealed its carbon tax, the country’s main tool for reducing emissions at home. As a result, Australia may struggle to meet even its minimum “unconditional” Copenhagen pledge of a 5 per cent cut by 2020.

In fairness to Australia and Canada, their heads of state are ditching the Climate Summit, so it’s not like they’re even pretending they care about climate change.

In light of all this, anyone watching the Climate Summit should retain a healthy skepticism about the promises and potentially misleading progress reports being offered. But the summit is also an opportunity to right some of these wrongs. Leaders making speeches on Tuesday can propose and commit to larger emissions reductions in the lead-up to treaty negotiations in Paris next year. And they can pony up the missing money for the U.N. Green Climate Fund.

Advocates like Oxfam and the 140 organizations cosponsoring the People’s Climate March on Sunday are trying to make clear that they won’t let world leaders off the hook easily.

Diálogos sobre o fim do mundo (El País)

Do Antropoceno à Idade da Terra, de Dilma Rousseff a Marina Silva, o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro e a filósofa Déborah Danowski pensam o planeta e o Brasil a partir da degradação da vida causada pela mudança climática 

29 SEP 2014 – 11:18 BRT

Se alguns, entre os milhares que passaram pela calçada da Casa de Rui Barbosa, na semana de 15 a 19 de setembro, por um momento tivessem o ímpeto de entrar, talvez levassem um susto. Ou até se desesperassem. Durante cinco dias, debateu-se ali, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro, algo que, apesar dos sinais cada vez mais evidentes, ainda parece distante das preocupações da maioria: a progressiva e cada vez mais rápida degradação da vida a partir da mudança climática. Pensadores de diversas áreas e de diferentes regiões do mundo discutiram o conceito de Antropoceno – o momento em que o homem deixa de ser agente biológico para se tornar uma força geológica, capaz de alterar a paisagem do planeta e comprometer sua própria sobrevivência como espécie e a dos outros seres vivos. Ou, dito de outro modo, o ponto de virada em que os humanos deixam de apenas temer a catástrofe para se tornar a catástrofe.

Com o título “Os mil nomes de Gaia – do Antropoceno à Idade da Terra”, o encontro foi concebido pelo francês Bruno Latour, uma das estrelas internacionais desse debate, e dois dos pensadores mais originais do Brasil atual, Eduardo Viveiros de Castro e Déborah Danowski. Na mesma semana, Eduardo e Déborah lançaram o livro que escreveram juntos: Há mundo por vir? – ensaio sobre os medos e os fins (Editora Cultura e Barbárie).

Na obra, abordam as várias teorias, assim como as incursões da literatura e do cinema, sobre esse momento em que a arrogância e o otimismo da modernidade encontram uma barreira. O homem é então lançado no incontrolável e até na desesperança, no território de Gaia, o planeta ao mesmo tempo exíguo e implacável. Como escrevem logo no início do livro, com deliciosa ironia: “O fim do mundo é um tema aparentemente interminável – pelo menos, é claro, até que ele aconteça”.

Déborah é filósofa, professora da pós-graduação da PUC do Rio de Janeiro. Pesquisa a metafísica moderna e, ultimamente, o pensamento ecológico. Eduardo é etnólogo, professor do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É autor do “perspectivismo ameríndio”, contribuição que impactou a antropologia e o colocou entre os maiores antropólogos do mundo. Como disse Latour, Déborah é uma “filósofa meio ecologista”, Eduardo um “antropólogo meio filósofo”.

Eduardo e Déborah são marido e mulher e pais de Irene, a quem o livro é dedicado. Além da casa, os dois compartilham a capacidade bastante rara de dialogar com os vários campos de conhecimento e da cultura sem escapar de refletir também sobre a política – para muito além de partidos e eleições, mas também sobre partidos e eleições. Ambos têm uma ação bastante ativa nas redes sociais. Como diz Eduardo, o Twitter é onde ele pensa.

A entrevista a seguir contém alguns dos momentos mais interessantes de cinco horas de conversa – três horas e meia no apartamento deles, em Botafogo, no sábado após o colóquio, e uma hora e meia por Skype, dias depois. Entre os dois encontros, 400.000 pessoas, segundo os organizadores, participaram da Marcha dos Povos pelo Clima, em Nova York, e 4.000 no Rio de Janeiro; Barack Obama afirmou que “o clima está mudando mais rápido do que as ações para lidar com a questão” e que nenhum país ficará imune; e o Brasil recusou-se a assinar o compromisso de desmatamento zero até 2030.

Ainda que tenham sido dias intensos, é possível afirmar que para muitos parece mais fácil aderir a ameaças de fim de mundo, como a suposta profecia maia, de 21 de dezembro de 2012, do que acreditar que a deterioração da vida que sentem (e como sentem!), objetiva e subjetivamente, no seu cotidiano – e que em São Paulo chega a níveis inéditos com a seca e a ameaça de faltar água para milhões – é resultado da ação do homem sobre o planeta. É mais fácil crer na ficção, que ao final se revela como ficção, salvando a todos, do que enfrentar o abismo da realidade, em que nosso primeiro pé já encontrou o nada.

É sobre isso que se fala nesta entrevista. Mas também sobre pobres e sobre índios, e sobre índios convertidos em pobres; sobre esquerda e sobre direita; sobre capitalismo e sobre o fim do capitalismo; sobre Lula, Dilma Rousseff e Marina Silva. Sobre como nos tornamos “drones”, ao dissociar ação e consequência. E como todos estes são temas da mudança climática – e não estão distantes, mas perto, bem perto de nós. Mais próximos do que a mesa de cabeceira onde desligamos o despertador que nos acorda para uma vida que nos escapa. O problema é que o que nos acorda nem sempre nos desperta. Talvez seja hora de aprender, como fazem diferentes povos indígenas, a dançar para que o céu não caia sobre a nossa cabeça.

A antropóloga sul-africana Lesley Green referiu-se, em sua exposição no colóquio, ao momento de países como África do Sul e Brasil, países em que uma parcela da população que historicamente estava fora do mundo do consumo passa a ter acesso ao mundo do consumo. No Brasil, estamos falando da chamada Classe C ou “nova classe média”. Me parece que esse é quase um dogma no Brasil de hoje, algo que poucos têm a coragem de confrontar. Como dar essa má notícia, a de que agora que podem consumir, de fato não podem, porque as elites exauriram o planeta nos últimos séculos? E como dizer isso no Brasil, em que todo o processo de inclusão passa pelo consumo?

“O capitalismo está fundado no princípio da produção de riqueza, mas a questão num planeta finito é redistribuir a riqueza”

Eduardo Viveiros de Castro – Essa é uma grande questão em países como o Brasil. E totalmente legítima. O que está em jogo aí é a questão da igualdade. Até certo ponto é muito mais fácil você dar um carro para o pobre do que tirar o carro do rico. E talvez fosse muito mais fácil para o pobre aceitar que ele não pode ter um carro se o rico parasse de ter carro também. Dizendo, de fato: “Olha, lamento, você não pode mais usar, mas eu também não”. É claro que enquanto você ficar dizendo para o pobre – “Você não pode ter e eu tenho” – não dá. Ele vai dizer: “Por que vocês podem continuar a consumir seis planetas Terra e eu não posso comprar o meu carrinho?”. É preciso dissociar crescimento de igualdade, como afirma o Rodrigo Nunes (professor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio). E sobretudo você tem que parar de superdesenvolver os países superdesenvolvidos. E a palavra tem que ser “superdesenvolvido”. Porque a gente fala muito em sociedades desenvolvidas e subdesenvolvidas, como antigamente – países subdesenvolvidos, países em vias de desenvolvimento, países desenvolvidos. Nunca ninguém falou que existem países superdesenvolvidos, isto é, excessivamente desenvolvidos. É o caso dos Estados Unidos, onde um cidadão americano médio gasta o equivalente a 32 cidadãos do Quênia ou da Etiópia. A relação que sempre se faz é que, para tirar as populações da pobreza, é preciso crescer economicamente. E aí você tem um dilema: se você cresce economicamente, com uso crescente de energia fortemente poluente, como petróleo e carvão, nós vamos destruir o planeta. Assim, a luta pela igualdade não pode depender do nosso modelo de crescimento econômico mundial, do qual o Brasil, Índia e China são só as pontas mais histéricas, porque querem crescer muito rápido. O jeito como o mundo está andando não pode continuar porque se baseia numa ideia de que o crescimento pode ser infinito, quando a gente sabe que mora num mundo finito, com recursos finitos. Entretanto, eu nunca vi ninguém falar: “O crescimento vai ter que parar aqui”. Você vai ser preso se você disser isso em qualquer lugar do mundo. Eu não acho que o Brasil tenha que parar de crescer, no sentido de crescimento zero. O que o Brasil precisa, como o mundo precisa, é de uma redistribuição radical da riqueza. Quanto mais você redistribui, menos precisa crescer, no sentido de aumentar a produção. A economia capitalista está fundada no princípio de que viver economicamente é produzir riqueza, quando a questão realmente crítica é redistribuir a riqueza existente.

Mas aí você toca na parte mais difícil, os privilégios… E a mudança parece ainda mais distante, quase impossível.

Eduardo – É verdade. Os grandes produtores de petróleo têm todo interesse em tirar até a última gota de petróleo do chão, mas eles também não são completamente imbecis. E estão se preparando para monopolizar outras riquezas no futuro que possam vir a ser a mercadoria realmente importante. Por exemplo, água. Eu não tenho a menor dúvida de que existem planos estratégicos das grandes companhias petrolíferas para a passagem de produtoras de petróleo a produtoras de água, que será a mercadoria escassa. Você pode viver sem petróleo, você pode viver sem luz, inclusive, mas você não pode sobreviver sem água. A minha impressão é que, assim que passar a eleição, São Paulo vai entrar numa vida de science fiction. O que é uma megalópole sem água?

Acho que saberemos em breve…

“São Paulo é uma espécie de laboratório do mundo. Tudo está acontecendo de maneira acelerada”

Eduardo – É mais fácil você dizer que a culpa é do (Geraldo) Alckmin (governador de São Paulo, pelo PSDB), que não tomou as medidas necessárias. É mais fácil do que dizer: isso aí é o efeito de São Paulo ter cimentado todo o seu território, se transformado num captor térmico gigantesco, só com cimento, asfalto e carro jogando gás carbônico. Desapareceu a garoa, não existe mais a garoa em São Paulo. A Amazônia foi e está sendo desmatada por empresários paulistas. São Paulo é uma metáfora, mas não é só uma metáfora. São Paulo está destruindo a Amazônia e está sofrendo as consequências disso. Acho que São Paulo é um laboratório espetacular, no sentido não positivo da palavra. É como se estivesse passando em fast forward, acelerado, tudo o que está acontecendo no mundo. Explodiu a quantidade de carros, explodiu a poluição, explodiu a falta de água, explodiu a violência, explodiu a desigualdade. Em suma, São Paulo é uma espécie de laboratório do mundo, neste sentido. Não só São Paulo, há outras cidades iguais, mas São Paulo é a mais próxima de nós, e estamos vendo o que está acontecendo.

E por que as pessoas não conseguem fazer a conexão, por exemplo, entre a seca em São Paulo e o desmatamento na Amazônia?

Eduardo – Porque é muito grande a coisa. Há um pensador alemão, o Günther Anders, que foi o primeiro marido da Hannah Arendt. Ele fugiu do nazismo e virou um militante antinuclear, especialmente entre o fim da década de 40 e os anos 70. Ele diz que a arma nuclear é uma prova de que aconteceu alguma coisa com a humanidade, na medida em que ela se tornou incapaz de imaginar o que é capaz de fazer. É uma situação antiutópica. O que é um utopista? Um utopista é uma pessoa que consegue imaginar um mundo melhor, mas não consegue fazer, não conhece os meios nem sabe como. E nós estamos virando o contrário. Nós somos capazes tecnicamente de fazer coisas que não somos nem capazes de imaginar. A gente sabe fazer a bomba atômica, mas não sabe pensar a bomba atômica. O Günther Anders usa uma imagem interessante, a de que existe essa ideia em biologia da percepção de fenômenos subliminares, abaixo da linha de percepção. Tem aquela coisa que é tão baixinha, que você ouve mas não sabe que ouviu; você vê, mas não sabe que viu; como pequenas distinções de cores. São fenômenos literalmente subliminares, abaixo do limite da sua percepção. Nós, segundo ele, estamos criando uma outra coisa agora que não existia, o supraliminar. Ou seja, é tão grande, que você não consegue ver nem imaginar. A crise climática é uma dessas coisas. Como é que você vai imaginar um troço que depende de milhares de parâmetros, que é um transatlântico que está andando e tem uma massa inercial gigantesca? As pessoas ficam paralisadas. Dá uma espécie de paralisia cognitiva. Então as pessoas falam: “Não posso pensar nisso. Se eu pensar nisso, como é que eu vou dar conta? Você está dizendo que o mundo vai aquecer quatro graus… E o que vai acontecer? Então é melhor não pensar”. Bem, a gente acha que tem que pensar.

Déborah Danowski – Os indígenas, os pequenos agricultores, eles estão percebendo no contato com as plantas, com os animais, que algo está acontecendo. Eles têm uma percepção muito mais apurada do que a gente.

Eduardo – Como eles veem que o clima está mudando? No calendário agrícola de uma tribo indígena você sabe que está na hora de plantar porque há vários sinais da natureza. Por exemplo, o rio chegou até tal nível, o passarinho tal começou a cantar, a árvore tal começou a dar flor. E a formiga tal começou a fazer não-sei-o-quê. O que eles estão dizendo agora é que esses sinais dessincronizaram. O rio está chegando a um nível antes de o passarinho começar a cantar. E o passarinho está cantando muito antes de aquela árvore dar flor. É como se a natureza tivesse saído de eixo. E isso todos eles estão dizendo. As espécies estão se extinguindo, e a humanidade parece que continua andando para um abismo. O mundo vai, de fato, piorar para muita gente, para todo mundo. Só o que vai melhorar é a taxa de lucro de algumas empresas, e mesmo os acionistas delas vão ter que talvez tirar a casa de luxo que eles têm na Califórnia e jogar para outro lugar, porque ali vai ter pegado fogo. Se houver uma epidemia, um vírus, uma pandemia letal, violenta, tipo ebola, pode pegar todo mundo. Enquanto os sujeitos têm corpo de carne e osso, ninguém está realmente livre, por mais rico que seja, do que vai acontecer. Mas é evidente que quem vai primeiro soçobrar serão os pobres, os danados da Terra, os condenados da Terra. Algumas pessoas estão começando a se preocupar, mas não conseguem fazer parar, porque todas as outras estão empurrando. E você diz: “para, para, para!”. E você não consegue. Mas há muitas iniciativas pelo mundo de gente que percebeu que os estados nacionais, ou que as grandes tecnologias gigantescas, heroicas e épicas, não vão nos salvar. E que está nas nossas mãos nos salvarmos. Não está nas mãos dos nossos responsáveis. Não temos responsáveis. A ideia de que o governo é responsável por nós, a gente já viu que não é. Ele é irresponsável. Ele toma decisões irresponsáveis, destrói riquezas que ele não pode substituir, e, portanto, há um descrédito fortíssimo nas formas de representação.

Como os protestos de junho de 2013…

Eduardo – As crises de junho são crises de “não nos representa”. Isso não é só no Brasil. É como se tivesse havido uma espécie de fissura. É uma outra geração. Não deixa de ser parecido com 68, de certa maneira. Só que agora não é em torno de novas lutas, como gênero, sexualidade, etnia. Tudo isso continua, mas há uma outra coisa muito maior por cima: o que estamos fazendo com a Terra onde a gente vive? Vamos continuar comendo transgênico? Vamos continuar nos envenenando? Vamos continuar destruindo o planeta? Vamos continuar mudando a temperatura?

Pegando como gancho a nossa situação aqui no Brasil, com um governo desenvolvimentista, com grandes obras na Amazônia, transposição do rio São Francisco etc, gostaria que vocês falassem sobre a questão do pobre. Você afirma, de uma maneira muito original, Eduardo, que o pobre é um “nós” de segunda classe. A grande promessa seria tirá-lo da pobreza para ficar mais parecido com a única forma desejável de ser, a nossa. E o índio problematiza isso e, portanto, se torna um problema. O índio não se interessa em ser “nós”. Então eu queria que vocês explicassem melhor essa ideia e a situassem na política do atual governo para os pobres e para os índios.

“A história do Brasil é um processo de conversão do índio em pobre. É o que está acontecendo na Amazônia agora”

Eduardo – O capitalismo é uma máquina de fazer pobres. Inclusive na Europa. Os pobres não estão aqui, só. O pobre é parte integrante do sistema de crescimento. As pessoas acham que o crescimento diminui a pobreza. O crescimento, na verdade, produz e reproduz a pobreza. Na medida em que ele tira gente da pobreza, ele tem que criar outros pobres no lugar. O capitalismo conseguiu melhorar a condição de vida do operariado europeu porque jogou para o Terceiro Mundo as condições miseráveis. Então, era o operário daqui sendo explorado para que os pobres operários de lá fossem menos explorados. Essa oposição que eu fiz entre índio e pobre é, na verdade, uma crítica direta, explícita, a uma boa parte da esquerda, a esquerda tradicional, a velha esquerda que está no poder, que divide o poder por concessão da direita, dos militares e tal, e é muito voltada para a ideia de desenvolvimento. Uma coisa era o desenvolvimentismo do Celso Furtado, naquela época. Acho, inclusive, um insulto à memória dele. O Celso Furtado estava vivendo uma outra época, um outro mundo, um outro modelo. E as pessoas hoje continuam a falar essas palavras de ordem que têm 40, 50, 60 anos, como se fosse a mesma coisa. Mas, qual é o problema? O problema é que a esquerda de classe média, o intelectual de esquerda, vê o seu Outro essencialmente como um pobre. Pobre é uma categoria negativa, né? Pobre é alguém que se define pelo que não tem. Não tem dinheiro, não tem educação, não tem oportunidade. Então, a atitude natural em relação ao pobre, e isso não é uma crítica, é o ver natural, é que o pobre tem que deixar de ser aquilo. Para ele poder ser alguma coisa, ele tem que deixar de ser pobre. Então a atitude natural é você libertar o pobre, emancipar o pobre das suas condições. Tirá-lo do trabalho escravo, dar a ele educação, moradia digna. Mas, invariavelmente, esse movimento tem você mesmo como padrão. Você não se modifica, você modifica o pobre. Você traz o pobre para a sua altura, o que já sugere que você está por cima do pobre. Ao mesmo tempo, você torna o pobre homogêneo. Sim, porque se o pobre é definido por alguém que não tem algo, então é todo mundo igual.

E o que é um índio?

Eduardo – O índio, ao contrário, é uma palavra que acho que só existe no plural. Índio, para mim, é índios. É justamente o contrário do pobre. Eles se definem pelo que têm de diferente, uns dos outros e eles todos de nós, e por alguém cuja razão de ser é continuar sendo o que é. Mesmo que adotando coisas da gente, mesmo que querendo também a sua motocicleta, o seu rádio, o seu Ipad, seja o que for, ele quer isso sem que lhe tirem o que ele já tem e sempre teve. E alguns não querem isso, não estão interessados. Não é todo mundo que quer ser igual ao branco. O que aconteceu com a história do Brasil é que foi um processo circular de transformação de índio em pobre. Tira a terra, tira a língua, tira a religião. Aí o cara fica com o quê? Com a força de trabalho. Virou pobre. Qual foi sempre o truque da mestiçagem brasileira? Tiravam tudo, convertiam e diziam: agora, se vocês se comportarem bem, daqui a 200, 300, 400 anos, vocês vão virar brancos. Eles deixam de ser índios, mas não conseguem chegar a ser brancos. Pessoal, vocês precisam misturar para virar branco. Se vocês se esforçarem, melhorarem a raça, melhorarem o sangue, vai virar branco. O que chamam de mestiçagem é uma fraude. O nome é branqueamento. E é o que estão fazendo na Amazônia. É re-colonização. O Brasil está sendo recolonizado por ele mesmo com esse modelo sulista/europeu/americano. Essa cultura country que está invadindo a Amazônia junto com a soja, junto com o boi. E ao mesmo tempo transformando quem mora ali em pobre. E produzindo a pobreza. O ribeirinho vira pobre, o quilombola vira pobre, o índio vai virando pobre. Atrás da colheitadeira, atrás do boi, vem o programa de governo, vem o Bolsa Família, vem tudo para ir reciclando esse lixo humano que vai sendo pisoteado pela boiada. Reciclando ele em “pobre bom cidadão”. E aí a Amazônica fica liberada…

Como enfrentar isso?

“Qual foi a grande carta de alforria que o governo Dilma deu ao pobre? O cartão de crédito”

Eduardo – Se você olhar a composição étnica, cultural, da pobreza brasileira, você vai ver quem é o pobre. Basicamente índios, negros. O que eu chamo de índios inclui africanos. Inclui os imigrantes que não deram certo. Esse pessoal é essa mistura: é índio, é negro, é imigrante pobre, é brasileiro livre, é o caboclo, é o mestiço, é o filho da empregada com o patrão, filho da escrava com o patrão. O inconsciente cultural destes pobres brasileiros é índio, em larga medida. Tem um componente não branco. É aquela frase que eu inventei: no Brasil todo mundo é índio, exceto quem não é. Então, em vez de fazer o pobre ficar mais parecido com você, você tem que ajudar o pobre a ficar mais parecido com ele mesmo. O que é o pobre positivado? Não mais transformado em algo parecido comigo, mas transformado em algo que ele sempre foi, mas que impedem ele de ser ao torná-lo pobre. O quê? Índio. Temos de ajudá-los a lutar para que eles mesmos definam seu próprio rumo, em vez de nos colocarmos na posição governamental de: “Olha, eu vou tirar vocês da pobreza”. E fazendo o quê? Dando para eles consumo, consumo, consumo.

Déborah – Fora a dívida, né.

Eduardo – Endividando, no cartão de crédito. Qual foi a grande carta de alforria que o governo Dilma deu ao pobre? O cartão de crédito. Hoje pobre tem cartão de crédito. Legal? Muito legal, sobretudo para as firmas que vendem as mercadorias que os pobres compram no cartão de crédito. Porque a Brastemp está adorando o cartão de crédito para pobre. As Casas Bahia estão nas nuvens. Porque o pobre agora pode se endividar.

E aí vêm os elogios à honestidade do pobre…

Eduardo – Eles, sim, pagam as dívidas, porque rico não paga. Eike Batista não paga dívida, mas a empregada morre de trabalhar para pagar o cartão de crédito. Eu provocava a esquerda, dizendo: “O que vocês não estão entendendo é o seguinte. Enquanto vocês tratarem o Outro como pobre, e portanto como alguém que tem que ser melhorado, educado, civilizado – porque no fundo é isso, civilizar o pobre! –, vocês vão estar sendo cúmplices de todo esse sistema de destruição do planeta que permitiu aos ricos serem ricos”.

Vocês afirmam que os índios são especialistas em fim do mundo. E que vamos precisar aprender com eles. No livro, há até uma analogia com o filme de Lars Von Trier, no qual um planeta chamado Melancolia atinge a Terra. Vocês dizem que, em 1492, o Velho Mundo atingiu o Novo Mundo, como um planeta que vocês chamam ironicamente de Mercadoria. O que os índios podem nos ensinar sobre sobreviver ao fim do mundo?

Eduardo – Eles podem nos ensinar a viver num mundo que foi invadido, saqueado, devastado pelos homens. Isto é, ironicamente, num mundo destruído por nós mesmos, cidadãos do mundo globalizado, padronizado, saturado de objetos inúteis, alimentado à custa de pesticidas e agrotóxicos e da miséria alheia. Nós, cidadãos obesos de tanto consumir lixo e sufocados de tanto produzir lixo. A gente invadiu a nós mesmos como se tivéssemos nos travestidos de alienígenas que trataram todo o planeta como nós, europeus, tratamos o Novo Mundo a partir de 1492. Digo “nós”, porque eu acho que a classe média brasileira, os brancos, no sentido social da palavra, não são europeus para os europeus, mas são europeus para dentro do Brasil. Nós, então, nos vemos como alienígenas em relação ao mundo. Como se a gente tivesse uma relação com o mundo diferente da relação dos outros seres vivos, como se os humanos fossem especiais. Não deixa de ser uma coisa importante na tradição do catolicismo e do cristianismo. O homem tem um lado que não é mundano, um destino fora do mundo. Isso faz com que ele trate o mundo como se fosse feito para ser pilhado, saqueado, apropriado. E a gente acaba tratando a nós mesmos como nós tratamos os povos que habitavam aqui no Novo Mundo. Ou seja, como gente a explorar, a escravizar, a catequizar e a reduzir. Esta é a primeira coisa que eu acho que os índios podem nos ensinar: a viver num mundo que foi de alguma maneira roubado por nós mesmos de nós.

E a segunda?

“Os índios são especialistas em fim do mundo, eles podem nos ensinar a viver melhor num mundo pior”

Eduardo – Acho que os índios podem nos ensinar a repensar a relação com o mundo material, uma relação que seja menos fortemente mediada por um sistema econômico baseado na obsolescência planejada e, portanto, na acumulação de lixo como principal produto. Eles podem nos ensinar a voltar à Terra como lugar do qual depende toda a autonomia política, econômica e existencial. Em outras palavras: os índios podem nos ensinar a viver melhor em um mundo pior. Porque o mundo vai piorar. E os índios podem nos ensinar a viver com pouco, a viver portátil, e a ser tecnologicamente polivalente e flexível, em vez de depender de megamáquinas de produção de energia e de consumo de energia como nós. Quando eu falo índio é índio aqui, na Austrália, o pessoal da Nova Guiné, esquimó… Para mim, índio são todas as grandes minorias que estão fora, de alguma maneira, dessa megamáquina do capitalismo, do consumo, da produção, do trabalho 24 horas por dia, sete dias por semana. Esses índios planetários nos ensinam a dispensar a existência das gigantescas máquinas de transcendência que são o Estado, de um lado, e o sistema do espetáculo do outro, o mercado transformado em imagem. Eu acho que os índios podem também nos ensinar a aceitar os imponderáveis, os imprevistos e os desastres da vida com o “pessimismo alegre” (expressão usada originalmente pelo filósofo francês François Zourabichvili, com relação a Deleuze, mas que aqui ganha outros sentidos). O pessimismo alegre caracteriza a atitude vital dos índios e demais povos que vivem à margem da civilização bipolar que é a nossa, que está sempre oscilando entre um otimismo maníaco e um desespero melancólico. Os índios aceitam que nós somos mortais e que do mundo nada se leva. Em muitos povos indígenas do Brasil, e em outras partes do mundo, os bens do defunto são inclusive queimados, são destruídos no funeral. A pessoa morre e tudo o que ela tem é destruído para que a memória dela não cause dor aos sobreviventes. Acho que essas são as coisas que os índios poderiam nos ensinar, mas que eu resumiria nesta frase: os índios podem nos ensinar a viver melhor num mundo pior.

Como é um “pessimismo alegre”?

Eduardo – Acho que o pessimismo alegre é o que você encontra na favela carioca. É o que você encontra no meio das populações que vivem no semiárido brasileiro. É a mesma coisa que você encontra, em geral, nas camadas mais pobres da população. O fato de que você vive em condições que qualquer um de nós, da classe média para cima, consideraria materialmente intoleráveis. Mas isso não os torna seres desesperados, tristes, melancólicos, etc. Muito pelo contrário. É claro que eu não estou falando de situações dramáticas, de gente morrendo de fome. Isso aí não há ninguém que aguente. Mas, se você perguntar para o índio, ele vai dizer: estamos todos fritos, um dia o mundo vai acabar caindo na nossa cabeça, mas isso não impede que você se distraia, que se divirta, que ria um pouco dessa condição meio patética que é a de todo ser humano, em que ele vive como se fosse imortal e ao mesmo tempo sabe que vai morrer. Os índios não acham que o futuro vai ser melhor do que o presente, como nós, e portanto não se desesperam porque o futuro não vai ser melhor do que o presente, como a gente está descobrindo. Eles acham que o futuro vai ser ou igual ou pior do que agora, mas isso não impede que eles considerem isso com pessimismo alegre, que é o contrário do otimismo desencantado, que é um pouco o nosso. Do tipo estamos mal, mas vai dar tudo certo, a tecnologia vai nos salvar, ou o homem vai finalmente chegar ao socialismo. Os índios acham que tudo vai para as cucuias, mesmo. Mas isso não lhes tira o sono, porque viver é uma coisa que você tem que fazer de minuto a minuto, tem que viver o presente. E nós temos um problema, que é a dificuldade imensa em viver o presente. Os índios são pessoas que de fato vivem no presente no melhor sentido possível. Vamos tratar de viver o presente tal como ele é, enfrentando as dificuldades que ele apresenta, mas sem imaginar que a gente tem poderes messiânicos, demiúrgicos de salvar o planeta. Essa é um pouco a minha sensação. O pessimismo alegre é uma atitude que eu sinto como característica de quem tem que viver, e não simplesmente gente que acha que é a palmatória do mundo, que tem que pensar pelo mundo todo.

“Como é que a Dilma Rousseff pode dar Bolsa Família e ao mesmo tempo tornar a vida da Kátia Abreu cada vez mais fácil? Porque o dinheiro não sai do bolso dos ricos, mas da natureza”

Déborah – Acho que sobretudo depende da criação de relações com as outras pessoas. Em vez de você confiar na acumulação, que nos torna sempre tristes, porque está sempre faltando alguma coisa, precisamos sempre obter mais, acumular mais, etc, nós criamos relações com as pessoas que estão à nossa volta, com os outros seres, no meio dos quais nós vivemos.

Parece que há uma cegueira de parte do que se denomina esquerda, hoje, para compreender outras formas de estar no mundo, assim como para compreender desafios como os impostos pela mudança climática, como vemos no Brasil, mas não só no Brasil. Aqui, estamos num momento bem sensível do país, com Belo Monte e as grandes barragens previstas para o Tapajós. Supostamente, teríamos hoje duas candidatas de esquerda (Dilma Rousseff e Marina Silva) nos primeiros lugares da disputa eleitoral para a presidência, mas as questões socioambientais pouco são tocadas. Qual é a dificuldade?

Eduardo – Você tem pelo menos duas esquerdas, como se vê até pelas candidaturas. Só que, infelizmente, uma esquerda muito bem caracterizada, que é a da Dilma, e outra esquerda, representada pela Marina, em que falta capacidade para formular com clareza o que diferencia ela da outra. Essas duas esquerdas, de certa maneira, sempre existiram. Lá no início, na Primeira Internacional, essa fratura correspondeu à distinção entre os anarquistas e os comunistas. Mas hoje eu diria que você tem duas posições dentro da esquerda. Uma posição que a gente poderia chamar de “crescimentista”, centralista, que acha que a solução é tomar o controle do aparelho do Estado para implementar uma política de despauperização do povo brasileiro, dentro da qual a questão do meio ambiente não tem nenhuma importância. A Dilma chegou a cometer aquele famoso ato falho lá em Copenhagen (em 12/2009, quando era ministra-chefe da Casa Civil do governo Lula), ao dizer: “O meio ambiente é, sem dúvida nenhuma, uma ameaça ao desenvolvimento sustentável”. Ato falho. Não era isso o que ela queria dizer, mas disse. Essa esquerda tem zero de sensibilidade ambiental. Ela poderia perceber que uma outra maneira de falar “ambiente” é falar “condições materiais de existência”. Falta de esgoto na favela é problema ambiental do mesmo jeito que desmatamento na Amazônia é problema ambiental. Não é de outro jeito, é do mesmo jeito. Mas, para essa esquerda, ar, água, planta, bicho não faz parte do mundo. São pessoas completamente antropocêntricas, que veem o mundo à disposição dos homens, para ser dominado, controlado e escravizado. Essa esquerda, que é a esquerda da Dilma, é uma esquerda velha, no sentido de que é uma esquerda que, na verdade, pensa como se 1968 não tivesse acontecido. É alguém com uma espécie de nostalgia da União Soviética…

Déborah – Com nostalgia do que nunca aconteceu.

Eduardo – Soviet mais eletricidade, a famosa fórmula do Lenin. O que é o comunismo? O comunismo são os soviets, que são os conselhos operários, mais eletricidade, isto é, mais tecnologia. Aí eu brincava, quando a Dilma tomou o poder: “A Dilma é isso, só que sem o soviet”. É só eletricidade… Ou seja, capitalismo. O que distinguia o socialismo comunista do Lenin era a tecnologia moderna mais a organização social comunista. Se você tira a organização comunista só sobra o capitalismo. Então essa esquerda é uma esquerda sócia do capitalismo. Acha que é preciso levar o capitalismo até o fim, para que ele se complete, para que a industrialização se complete, para que a transformação de todos os índios do mundo em pobres se complete. Para que você então transforme o pobre em proletário, o proletário em classe revolucionária, ou seja, é uma historinha de fadas. Como se pudesse separar a parte boa da parte ruim do capitalismo. Como se fosse possível: isso aqui eu quero, isso aqui eu não quero. Outra coisa, essa esquerda fez um pacto satânico com a direita, que é o seguinte: a gente gosta dos pobres, quer melhorar a vida deles, quer melhorar o nível de renda deles, mas não vai tocar no bolso de vocês, fiquem tranquilos. É o que está dito na Carta ao Povo Brasileiro (documento escrito por Lula na campanha eleitoral de 2002). Pode deixar, que a gente não vai fazer a revolução, não vai ser Robin Hood, ao contrário. E foi exatamente isso o que aconteceu. Ou seja, os bancos nunca lucraram tanto. O Brasil optou por se transformar num exportador de commodities e virar uma verdadeira plantation, como ele era desde o começo. Era exportador de matéria-prima para o centro do império, agora para a China. Mas o pacto foi esse: a gente governa se, primeiro, não prender os militares, não acertar as contas com a ditadura; e, segundo, não mexer no bolso dos ricos, não tocar na estrutura do capital. Veja o tamanho das algemas que a esquerda se pôs. De onde é que vai vir, então, a grana para melhorar a vida dos pobres? Só tem um lugar. Da natureza. Então você superexplora, você queima os móveis da casa. Aumentou o dinheiro disponível para dar umas migalhas para os pobres, o bolo cresceu. Não é por acaso que o Delfim Netto (ministro da Fazenda no período do chamado “Milagre Econômico Brasileiro”, na ditadura civil-militar) é um grande conselheiro do Lula. Primeiro é preciso crescer para depois distribuir. Está crescendo, está dando renda para os pobres, mas esse dinheiro não está saindo do bolso dos ricos. Está saindo da natureza, da floresta destruída. É da água que a gente está exportando para a China sob a forma de boi, de carne e de soja. Estamos comendo o principal para não tocar no bolso dos ricos. E assim a Dilma sai passeando com a Kátia Abreu (senadora pelo PMDB, representante do agronegócio e a principal líder da bancada ruralista do Congresso) e dá Bolsa Família. Como é que a Dilma consegue ao mesmo tempo dar Bolsa Família e tornar a vida da Kátia Abreu cada vez mais fácil? O dinheiro tem que sair de algum lugar. Não está saindo de empréstimo internacional, mas está saindo de empréstimo natural. Esse empréstimo não dá para pagar. Quando a natureza vier cobrar, estaremos fritos. E a natureza está cobrando de que forma? Seca, tufão, furacão, enchente… E no Brasil ainda não chegou a barra pesada. Outro problema desta esquerda é que ela não tem nenhuma noção de mundo, de planeta. Ela pensa o Brasil. Ela é nacionalista em todos os sentidos. Vê curto. Ela vê o Brasil no mundo quando se trata do mercado. Agora, quando se trata do planeta, enquanto casa das espécies, lugar onde nós moramos, ela não está nem aí. O fato de que o Ártico está derretendo não é um problema para o Brasil. Pré-Sal ser um problema para o planeta? Não queremos saber. É uma esquerda xenófoba, neste sentido. Ela não percebe que o Brasil é grande, mas o mundo é pequeno. A Dilma, para mim, é um fóssil. Tem pensamento fossilizado. Ela não está nem no século 20, ela está no século 19.

E a esquerda que a Marina representaria?

“A Marina Silva representaria uma esquerda pós-68, mais democrática e menos vertical, mas ela perdeu o rumo”

Eduardo – Essa é uma esquerda pós-68, que incorporou aquilo que apareceu em 1968, de que dentro da luta de classes há muitas outras lutas. Há a luta das mulheres, a luta dos índios, a luta dos homossexuais… Enfim, todas essas outras formas de pensar as diferenças sociais que não se reduz à questão dos ricos e dos pobres. A pobreza não é uma categoria econômica, mas uma categoria existencial que envolve justiça. E a justiça não é só dar dinheiro para o pobre, mas reconhecer todas essas diferenças que são ignoradas e que explodiram em 1968. A política mudou porque, primeiro, em 68 o socialismo começou a se desacreditar. Não esqueçamos que o Partido Comunista Francês foi contra 1968. Apoiou a repressão policial exatamente como a esquerda oficial apoiou baixar a porrada nos manifestantes de junho de 2013. Ela apoiou a repressão policial à revolta de 68, que não foi francesa, foi mundial. Em 1968 foi a Marcha dos 100.000 aqui, foi a revolta contra a guerra do Vietnã nos Estados Unidos, foi a revolta propriamente dita na França, na Itália e em outros países. Ou seja, foi uma revolução mundial. E nós estamos vivendo, de lá até hoje, a contrarrevolução mundial. A direita retomou o poder e falou: “Temos que impedir que isso aconteça de novo”.

E como a Marina representaria essa esquerda pós-68?

Eduardo – É uma esquerda em que o pobre urbano operário não é mais o personagem típico. Mas é quem? É o índio, o seringueiro, é a mulher, é o negro. A Marina acumula várias identidades…

Déborah – Como você escreveu, Eliane, no seu artigo sobre as diferenças entre os Silvas

Eduardo – Isso. O Lula é o representante do sonho brasileiro de ser como o norte do planeta, os Estados Unidos. Como diz o (antropólogo) Beto Ricardo (um dos fundadores do Instituto Socioambiental), o Brasil é como se fosse dividido entre uma grande São Bernardo e uma grande Barretos. Quer dizer, a zona rural vai ser como Barretos (cidade do interior paulista onde se faz a maior festa country do país): gado, rodeio, bota, chapéu e 4X4. E a parte urbana vai ser uma grande São Bernardo (cidade do chamado ABC Paulista, onde Lula se tornou líder sindical metalúrgico nas grandes greves da virada dos anos 70 para os 80): fábricas, metalurgia, motores, carros. A Marina representaria o outro lado. Essa outra esquerda, muito mais democrática, que aposta menos na organização vertical, autoritária, centralista, clássica dos partidos de esquerda comunista. Embora o PT não seja um partido comunista, nem de longe, é um partido que incorporou vários ex-comunistas, várias pessoas que têm a concepção de que é preciso tomar o Estado, o poder central, para instalar o socialismo, digamos.

E a Marina consegue representar essa outra esquerda?

“O centro do Brasil não é São Paulo, mas a Amazônia”

Eduardo – A Marina está numa posição equívoca, porque ela representa um tipo de pensamento que deveria estar nas ruas, e não no Estado. Deveria estar mobilizando a população, a chamada sociedade civil, e não disputando a presidência num sistema político corrupto, que é praticamente impossível de mexer. Acho que estamos num sistema político com um nó cego e só sairíamos disso aí, literalmente, com uma insurreição popular que forçasse o poder a se auto-reformar. Nestas condições, o governo da Marina é um governo impossível, sob certo ponto de vista. Na minha opinião, depois que ela saiu daquela primeira eleição em 2010 com 20 milhões de votos, tinha que ter saído da lógica da política partidária e se transformado numa líder de movimento social. Uma pessoa capaz de exprimir todo esse jogo de diferenças que tem no Brasil. Ela era líder seringueira, do povo da floresta. Estava lutando pelo ambiente. Essas questões foram sumindo e, quando houve a tentativa de pendurar na campanha dela essas outras lutas para as quais ela pessoalmente não estava preparada – aborto, direitos da mulher, direitos dos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis e Transgêneros) –, aí ela ficou travada por toda a outra composição dela, que é com o eleitorado evangélico. Então ela também tem o seu problema por ali. Mas o problema principal não é esse. Eu acho que a Marina representa a outra esquerda, a esquerda horizontalista, localista, ambientalista, que entende que é de baixo para cima que as coisas se organizam, mas ela está envolvida num processo eleitoral que é todo o contrário disso. Eleição é um momento de lazer, no sentido de que a população pensa que tem poder, porque pode escolher seus governantes, e depois da eleição volta à posição passiva. Se você tenta sair da posição passiva fora do período eleitoral, a polícia vem e bate em você. Você só pode se manifestar durante as eleições, o povo só pode ser político durante as eleições. Hoje só há dois tipos de cidadão no Brasil: o eleitor e o vândalo. O eleitor só tem uma vez a cada dois, quatro anos, e o resto do tempo você tem que ser vândalo. Ou ficar quietinho em casa, pegando propaganda, sonhando com seu carro e juntando dinheiro para ir para Miami. Acho que a Marina perdeu o rumo. Tenho uma admiração imensa por ela, pessoal, coisa que eu não tenho por nenhum outro. Tenho uma admiração pelo Lula, em outro sentido. Esse cara é incrível, tem um carisma político, mas não o conheço pessoalmente. A Marina, que eu conheço pessoalmente, é uma pessoa fantástica. Inteligentíssima. E é uma pessoa de enorme elegância, no amplo sentido da palavra. Mas ela tem que agradar todo mundo, o que é impossível. Se ela for presidente, espero que ela tenha contado a mentira certa. Isto é, que ela engane, que ela traia, quem merece ser traído. E não, como fez a Dilma, trair quem não merecia ser traído. A Marina não aproveitou a oportunidade para se colocar como uma candidata realmente alternativa. Eu não entendi ainda o que ela está dizendo que seja diferente da Dilma. Não entendi.

Déborah, em sua exposição no colóquio, você falou sobre a esquerda e a direita, a partir de (Gilles) Deleuze (filósofo francês), de uma forma muito interessante….

Déborah – Na verdade, isso é uma definição dele num vídeo que se chama Abecedário. Ele tem outras definições de esquerda, como, por exemplo, que o papel da esquerda é pensar; e que a esquerda coloca questões que a direita quer a todo custo esconder. Essa da percepção é uma que gosto especialmente porque me ajuda a reconhecer posições de direita ou de esquerda. Ser de esquerda é até mais uma questão de percepção do que de conceito. O ser de direita é sempre perceber as coisas a partir de si mesmo, como num endereço postal. Assim: eu, aqui, neste lugar, na minha casa, na rua tal, na praia de Botafogo, Flamengo, Rio de Janeiro, América do Sul. E você pensa o mundo, ali, como uma extensão de si mesmo. E cada vez que você se afasta, vai perdendo interesse, a coisa vai decaindo de valor. E ser de esquerda é o contrário: vai do horizonte até a casa.

Eduardo – Esse pensar a partir de si mesmo significa: como é que eu posso me manter onde estou e não perder nada? Como é que eu posso preservar os meus privilégios, mexer no mundo sem mexer em mim?

Déborah – Acho que a Dilma, o PT, têm sido de direita nesse sentido. O que importa é estender seus próprios privilégios aos outros, trazer os outros para si mesmo, mas pensando a partir de si mesmo. O que eu sou é o que eles devem ser também. Eu continuo a ser o que eu era e dou aos outros um pouco do que eu sou, e no melhor dos mundos eles vão acabar sendo iguais a mim. E a Marina é – ou seria – essa outra maneira de pensar, a partir da floresta, a partir desses outros povos, seria pensar nas outras possibilidades de ser diferente.

“Para imaginar o não fim do mundo é preciso imaginar o fim do capitalismo”

Eduardo – É pensar que o centro do Brasil é a Amazônia, e não São Paulo. No sentido de que é lá que está se decidindo o futuro do Brasil, não em São Paulo. É o que a gente fizer lá, com as pessoas de lá, que vai definir o que o Brasil vai ser. O Brasil vai ser todo São Paulo? Igual a São Paulo? É isso o que a gente quer? Uma grande São Paulo? Ou a gente quer, ao contrário, que o Brasil se “amazonize”, que o que resta de Amazônia no Brasil possa contaminar o Brasil que se “desamazonizou”. A Mata Atlântica sumiu. A gente não quer voltar tudo, mas a gente quer que a Amazônia nos ensine a voltar a ser Mata Atlântica. A gente quer que a Amazônia nos ensine como os pobres da cidade podem voltar a ser um pouco índios. E a gente sabe que, do ponto de vista geopolítico, histórico, a Amazônia é o centro do Brasil. É lá que está rolando tudo. E o pessoal fica discutindo a eleição em São Paulo. É bom que discuta. Tem que discutir a água de São Paulo, é claro. Mas como é que se discute a água de São Paulo? É por causa da Amazônia que está faltando água em São Paulo. É por causa do que estamos fazendo na Amazônia que estamos sofrendo falta de água aqui. Ah, mas a ligação não é direta. Claro que não é direta. Mas existe, e é por ela que a coisa passa. A plataforma da Dilma, no fundo, é isso. Você olha a partir de São Paulo, Brasília, Rio… Você olha a Amazônia a partir de onde você está e vê a Amazônia lá no fundo. Ou então você pode olhar o Brasil a partir da Amazônia e se perguntar o que isso significa. Isso é sair de onde eu estou, é mudar minha posição.

Acho que foi a Isabelle Stengers (filósofa belga) que disse que “o capitalismo pode não se preocupar com a atmosfera, mas é muito mais grave que a atmosfera não se preocupe com o capitalismo”. Você, Eduardo, afirma que é mais fácil imaginar o fim do capitalismo do que o fim do mundo, mas que teremos de imaginar os dois. Mas quem fala no fim do capitalismo é visto como alguém que está viajando, que está fora da realidade. Se essa é também uma crise de imaginação, como fazer isso, na medida em que seria imaginação contra poder?

Eduardo – O ambiente, o clima, a atmosfera estão mudando mais depressa do que o capitalismo, do que a sociedade. O Obama falou isso agora. A gente sempre imaginou a sociedade mudando num ritmo muito mais rápido do que a natureza, que era um pano de fundo imóvel para a história do homem. O fato de que o capitalismo não acaba é a razão pela qual o mundo está acabando, vamos dizer assim. O capitalismo – esse sistema socioeconômico e técnico, instalado desde o começo da modernidade, com a invasão da América, alterações no sistema de propriedade, mudanças técnicas que sobrevieram na Europa ali no começo do século 16, acentuando-se de maneira dramática com a industrialização e o uso de combustíveis fósseis no século 18 – é o responsável pelo estado presente do mundo. Ou seja, para imaginar o não fim do mundo, nós temos que imaginar o fim do capitalismo. E isso é extremamente difícil. Porque a questão do capitalismo nunca foi substituir, mas somar, sobrepor. Então nós temos hoje o quê? Nunca se consumiu tanto carvão quanto se consome agora. Então essa coisa de que o petróleo iria substituir o carvão, porque o petróleo é menos poluente do que o carvão, não é verdade. Está se consumindo mais carvão do que petróleo. Agora está se usando energia nuclear, energia eólica, energia solar. Isso não baixou o consumo de petróleo. O que está acontecendo é que nós estamos acrescentando fontes de energia, ou seja, não para nunca. Quanto mais melhor.

E como se imaginaria o fim do capitalismo?

Eduardo – O fim do capitalismo, provavelmente, não virá do esgotamento das fontes energéticas. Ele virá de outro lugar. Ele virá, provavelmente, de catástrofes climáticas, sociais, políticas. Aí já me permito sonhar um pouco. Com uma certa capacidade de a população planetária pouco a pouco ir criando pequenos bolsões alternativos de deserção. Enfim, uma certa “indianização” da população, na tentativa de se tornar independente das fontes globais de mercadoria, dos sistemas globais de transporte e de energia e lutar pelo mínimo de autossuficiência local, como já vem acontecendo em muitos lugares do planeta. Com ênfase no município, na comunidade, nos governos locais, nos arranjos locais, no transporte de curta distância, no consumo de produtos produzidos não muito longe de casa. Acho que vai haver uma certa contração da economia, porque é muito possível que essas crises afetem os sistemas mundiais de distribuição de energia. Veja essa seca de São Paulo. O que é isso? Isso significa que, enfim, essas cidades gigantescas que dependem de redes gigantescas de aprovisionamento de energia, de água, de eletricidade, etc, vão se tornar inviáveis. Acho que nós tendemos a um mundo de bairros, mais do que a um mundo de megalópoles. A tendência vai ser você criar um mundo onde as relações de vizinhança, a usina solar local, as hortas comunitárias, os governos de vereança local vão se tornar cada vez mais importantes. Acho que vai haver uma inversão da política, cada vez mais de baixo para cima do que de cima para baixo. Ou, pelo menos, a pressão de baixo para cima vai tender a contrabalançar a pressão de cima para baixo exercida pelas grandes companhias de petróleo, pelos governos nacionais, pelos grandes tomadores de decisão do mundo. Eles vão começar a se defrontar com uma multiplicação de ações locais, uma multiplicação de iniciativas cidadãs, se você quiser, que vão se parecer mais com o índio do que com o turista globetrotter que atravessa o planeta como se tivesse sempre no mesmo lugar em toda a parte. Acho que essa é uma maneira de imaginar o fim do capitalismo.

Déborah – Mas acho que isso não basta, porque será necessário um enfrentamento. Senão fica parecendo que cada um saindo para por em prática sua ação local seria o suficiente…

Eduardo – Vai haver sangue, como se diz. Lembremos que a Primavera Árabe teve como um dos fatores fundamentais uma crise brutal de abastecimento alimentar. De pão, particularmente. De trigo. O governo chinês tem tomado medidas dramáticas de redução da poluição e de tentativa de baixar um pouco a bola, porque está havendo uma grande quantidade de revoltas populares, de motins, dessas coisas que a gente não sabe, porque a Muralha na China é altíssima em termos de censura. Mas está havendo uma reação das populações locais, que estão brigando com os governos e pressionando para que ele tome medidas. O futuro nos reserva grandes acontecimentos ruins em termos de catástrofes climáticas, de fome, de seca…

Para vocês, qualquer saída, se há saída, passa pela recusa do excepcionalismo humano. Apareceu várias vezes no colóquio esse mundo de humanos e não humanos horizontalizados. Como seria esse mundo e como mudar uma forma de funcionar, na qual a visão de si mesmo como centro está confundida com a própria identidade do que é ser um humano?

“O símbolo de nossa relação com o mundo é o drone. Somos todosdrones

Eduardo – Tem uma frase que o Lévi-Strauss escreveu certa vez, que é muito bonita. Ele diz que nós começamos por nos considerarmos especiais em relação aos outros seres vivos. Isso foi só o primeiro passo para, em seguida, alguns de nós começar a se achar melhores do que os outros seres humanos. E nisso começou uma história maldita em que você vai cada vez excluindo mais. Você começou por excluir os outros seres vivos da esfera do mundo moral, tornando-os seres em relação aos quais você pode fazer qualquer coisa, porque eles não teriam alma. Esse é o primeiro passo para você achar que alguns seres humanos não eram tão humanos assim. O excepcionalismo humano é um processo de monopolização do valor. É o excepcionalismo humano, depois o excepcionalismo dos brancos, dos cristãos, dos ocidentais… Você vai excluindo, excluindo, excluindo… Até acabar sozinho, se olhando no espelho da sua casa. O verdadeiro humanismo, para Lévi-Strauss, seria aquele no qual você estende a toda a esfera do vivente um valor intrínseco. Não quer dizer que são todos iguais a você. São todos diferentes, como você. Restituir o valor significa restituir a capacidade de diferir, de ser diferente, sem ser desigual. É não confundir nunca diferença e desigualdade. Não é por acaso que todas as minorias exigem respeito. Respeitar significa reconhecer a distância, aceitar a diferença, e não simplesmente ir lá, tirar os pobrezinhos daquela miséria em que eles estão. Respeitar quer dizer: aceite que nem todo mundo quer viver como você vive.

O atual governo, por exemplo, assim como setores da sociedade brasileira, parecem ter dificuldade de reconhecer os índios, os ribeirinhos e os quilombolas no caminho das grandes obras como gente. Se isso é difícil quando se trata de humanos, é imensamente mais difícil respeitar as diferenças dos animais ou das árvores, que, nesse conceito de excepcionalidade que atravessa a nossa forma de enxergar o mundo – e nós no mundo – estão a serviço dos humanos…

Eduardo – Uma coisa é você dizer que os animais são humanos, no sentido de direitos humanos. Outra coisa é dizer que os animais são pessoas, isto é, são seres que têm valor intrínseco. É isso o que significa ser pessoa. Reconhecer direitos aos demais viventes não é reconhecer direitos humanos aos demais viventes. É reconhecer direitos característicos e próprios daquelas diferentes formas de vida. Os direitos de uma árvore não são os mesmos direitos de um cidadão brasileiro da espécie homo sapiens. O que não quer dizer, entretanto, que ela não tenha direitos. Por exemplo, o direito à existência, que só pode ser negado sob condições que exigem reflexão. Os índios não acham que as árvores são iguais a eles. O que eles acham simplesmente é que você não faz nada impunemente. Todo ser vivo, com exceção dos vegetais, tem que tirar a vida de um outro ser vivo para sobreviver. A diferença está no fato de que os índios sabem disso. E sabem que isso é algo sério. Nós estamos acostumados a fazer a nossa caça nos supermercados, não somos mais capazes de olhar de frente uma galinha antes de matá-la para comer. Assim, perdemos a consciência de que nós vivemos num mundo em que viver é perigoso e traz consequências. E que comer tem consequências. Os animais seriam pessoas no sentido de que eles possuem valor intrínseco, eles têm direito à vida, e só podemos tirar a vida deles quando a nossa vida depende disso. Isso é uma coisa que, para os índios, é absolutamente claro. Se você matar à toa, você vai ter problemas. Eles não estão dizendo que é tudo igual. Eles estão dizendo que tudo possui um valor intrínseco e que mexer com isso envolve você mesmo. Acho que o símbolo da nossa relação com o mundo, hoje, é o tipo de guerra que os Estados Unidos fazem com os drones, aqueles aviões não tripulados, ou apertando um botão. Ou seja, você nem vê a desgraça que você está produzindo. Nós todos, hoje, estamos numa relação com o mundo cujo símbolo seria o drone. A pessoa está lá nos Estados Unidos apertando um botão num computador, aquilo vai lá para o Paquistão, joga uma bomba em cima de uma escola, e a pessoa que apertou o botão não está nem sabendo o que está acontecendo. Ou seja, nós estamos distantes. As consequências de nossas ações estão cada vez mais separadas das nossas ações.

Perderam-se os sentidos e as conexões entre morrer e matar…

Eduardo – Exatamente. Ou seja, o índio que vai para o mato e tem que flechar o inimigo, ele tem que arcar com as consequências psicológicas, morais, simbólicas disso. Aquele soldadinho americano que está num quartel nos Estados Unidos, apertando um botão, ele nem sabe o que está fazendo. Porque ele está longe. Você cada vez mais distancia os efeitos das suas ações de você mesmo. Então nós somos todos dronesnesse sentido. A gente compra carne no supermercado quadradinha, bem embaladinha, refrigeradinha, sem cara de bicho. E você está o mais longe possível daquela coisa horrorosa que é o matadouro. Daquela coisa horrorosa que são as fazendas em que as galinhas estão enfiadas em gaiolas apertadas. Se o pessoal lembrar que 50% das galinhas que nascem são galos e que esses 50% que nascem são triturados ao nascer para virar ração animal porque não colocam ovos, talvez não conseguissem comer galinhas. Se você mostrasse que metade dos pintinhos vão todos vivos para uma máquina que tritura, talvez melhorasse um pouco. Mas as pessoas não querem saber disso. Nisso, nós somos iguaizinhos ao soldado americano que aperta o botão para matar inocentes no Paquistão. Nós fazemos a mesma coisa com as galinhas. Nós somos todos drones. Temos uma relação com o mundo igual à que os Estados Unidos tem com suas máquinas de guerra. Somos como os pilotos da bomba atômica que não sabiam bem o que estavam fazendo quando soltaram a bomba atômica em cima de Hiroshima. Dissociação mental. Essa coisa de não se dar conta do que a gente está fazendo, por um lado está aumentando. Mas, por outro lado, com a mudança climática, as pessoas estão começado a perceber que o que elas estão fazendo está influenciando o mundo. Estamos num momento crucial: por um lado o aumento brutal do modelo drone, com tudo cada vez mais distante, e, por outro, as catástrofes batendo na sua porta. O mar está subindo, o furacão está chegando, a seca está vindo.

Eu queria terminar perguntando o seguinte: vocês escrevem que tudo o que pode ser dito sobre a mudança climática se torna anacrônico e tudo o que se pode fazer a respeito é necessariamente pouco e tarde demais. Então, o que fazer? Como sonhar outros sonhos, como diz Isabelle Stengers? Ou como dançar para que o céu não caia na nossa cabeça, como fazem os índios?

Déborah – É tarde demais para algumas coisas, mas não para outras. Disso a gente não pode esquecer nunca. Por exemplo: nós não podemos fazer sumir em curto, médio ou longo prazo com esses gases de efeito estufa. E nem com o forte desequilíbrio energético que nós já causamos, já imprimimos ao sistema climático da Terra. E como as emissões continuam aumentando, acho que não seria razoável esperar, politicamente, que essas emissões sejam estancadas de uma hora para outra.

Eduardo – O mundo está esquentando e não vai parar de esquentar mesmo se a gente parar agora. Já começou um processo que é irreversível, até certo ponto.

Déborah – Então, uma parte do que vai acontecer não depende mais das nossas decisões e ações presentes. Já é passado. Mas existe uma diferença enorme entre um aquecimento de dois graus e um aquecimento de, sei lá, quatro e seis graus. Essa diferença é a diferença entre um mundo difícil e um mundo hostil à espécie humana e a várias outras espécies. Quer dizer, a diferença se traduz entre milhares de mortes por ano em virtude de eventos extremos e milhões de flagelados do clima, de vítimas fatais, talvez centenas de milhões, até, como alguns chegam a dizer. Isso sem contar as outras espécies. Então, não podemos nos dar ao luxo de nos desesperarmos, eu acho.

O desespero é um luxo?

Déborah – É, o desespero seria um luxo. Se a gente pensa em nós mesmos, nos nossos filhos, e nos outros viventes que existem e que vão existir, se desesperar não é uma opção. Então, por um lado a gente tem que fazer o que puder para mitigar essas emissões, para criar também condições de adaptação das diferentes populações, dos ecossistemas, aos efeitos do aquecimento global. Isso em relação ao que já foi e ao que ainda vai ser, que não poderemos evitar. E, por outro lado, nós temos que fazer, como diz Donna Haraway (filósofa americana), numa expressão que é muito boa, mas que não dá muito para traduzir em português: stay with the trouble. Ficar, viver com o problema. Aguentar. Não é só aguentar o tranco. É: sim, temos esse mundo empobrecido, mas nós vamos viver com ele. O que significa viver como a grande maioria das pessoas já vive. Pessoas que não podem se proteger desse mundo que a gente criou, ou acha que criou. Há uma porção de populações que stay with the trouble há muito tempo, e a gente vai ter que aprender com elas.

Eduardo – A gente vai ter que aprender a ter sociedades com capacidade de mudar de escala. Imagina uma aldeia indígena, numa ilha, em que o mar sobe um metro. Será necessário mudar a aldeia de lugar porque o mar subiu um metro. Vai ter que entrar mais para dentro da costa. É chato, tal, mas ela muda de lugar. Agora, imagina Nova York. Os caras não vão conseguir tirar o Empire State do lugar. Ou seja, tem modos de vida em que é muito mais fácil se adaptar ao que vem por aí. Por um lado, a gente fala: quem vai se dar mal primeiro? Quem vai se dar mal primeiro com as mudanças climáticas vão ser os pobres. Eles é que vão ser os primeiros a sofrer. É verdade. Por outro lado, eu desconfio que eles vão ser os primeiros a sofrer e os primeiros a se virar.

Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficçãoColuna Prestes – o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da Rua, A Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos e do romance Uma Duas. Site: Email: Twitter: @brumelianebrum

What’s next for climate science beyond the IPCC? (Sci Dev Net)



In lead to December’s 20th UN Conference of Parties on climate change, scientists and policymakers are reflecting on the future of climate science. Many are questioning whether the existing mechanisms that feed scientific evidence into international politics are working well enough.

In this interview Ilan Kelman argues that, despite its important work, the Intergovernmental Panel on Climate Change, with its consensus-based approach, is no longer suited to the new challenges posed by climate change.

Jon Stewart Obliterates Republicans By Highlighting Their Ignorance On Climate Change (Politicus USA)

Tuesday, September, 23rd, 2014, 10:09 am

jon stewart climate changeedited

On Monday night’s episode of The Daily Show with Jon Stewart, host Jon Stewart devoted the first segment of his program to the subject of climate change. He discussed the People’s Climate March that took place in New York City on Sunday,where over 100,000 people took to the streets to bring awareness to the dangers facing our planet due to rapid global warming. Stewart pointed out that, while you would think people around the world are now acutely aware of the existence of climate change and its effects on the environment, this march was necessary because House Republicans continue to deny its existence.

The Daily Show host then directed his attention to a recent hearing by the House Committee on Science, Space and Technology, where White House Science Director, John Holdren,spoke in front of the committee to discuss President Obama’s initiative to reduce carbon emissions 30% by the year 2030. Stewart lamented that Holdren had the unenviable task of “pushing a million pounds of idiot up a mountain.”

Below is video of the entire segment, courtesy of Comedy Central.

Stewart highlighted the various Republicans on the committee who peppered Holdren with idiotic questions or flat-out conspiracy theories. Confirmed moron Steve Stockman asked Holdren about global ‘wobbling.’ Stockman wanted to know why it wasn’t included in any climate models when he had read somewhere that it helped contribute to the last major ice age. Holdren patiently pointed out to Stockman that ‘wobbling’ refers to changes in the planet’s tilt and orbit and takes place over tens of thousands of years. It is very slow and has a tiny effect within a time scale of 100 years, which is the normal time frame for climate models.

Of course, the stupid wasn’t just contained to Stockman. A clip was played showing California Congressman Dana Rohrabacher, a well-known climate skeptic, tossing out a question about the dangers of carbon dioxide Rohrabacher wanted to know at what level does carbon dioxide become dangerous for human beings. When Holdren stated that he always enjoys his interactions with Rohrabacher, Stewart interjected, claiming Holdren meant it in the same way someone enjoys playing peek-a-boo with a baby or teasing a cat with a laser pointer. Stewart then showed Holdren’s response, where Holdren told Rohrabacher that his question was a red herring. As Holdren stated, the focus on CO2 is not about whether or not humans can breathe with increased levels, but if those increased levels trap heat in the atmosphere and rapidly change global temperatures.

However, the worst may have been Indiana Representative Larry Bucshon. The Congressman revealed himself as a full-fledged denier on the tin-foil hat variety during the hearing. He wondered why Holdren wasn’t listening to public comments on global warming. Holdren answered that perhaps Bucshon should read the scientific literature available on the subject instead of public opinion. As exasperated Stewart stated that Bucshon should read a climate science journal instead a teabaggers YouTube comments. Stewart then said Bucshon gave away the game when Bucshon told Holdren that he doesn’t believe scientists because it is their job to do these studies. In his opinion, scientists have a vested interest to create a hoax and therefore he won’t read what they produce.

After pointing out Bucshon’s idiocy, while also revealing that Bucshon’s biggest campaign donors are energy companies, Stewart then turned it back to Stockman to end the segment. He showed Stockman asking about the rise of sea levels and wondering how long it will take. Then, Stockman amazingly insisted that sea levels won’t rise because of displacement, using an example of melting ice cubes in a glass. This finally set Stewart off. Stewart tore apart Stockman’s lack of understanding of grade-school science by bringing out a glass of ice water and a bowl of ice. Stewart then proved the point that displacement only takes into account ice that is already in a body of water. However, if you take ice from elsewhere, say land, and put it in a body of water, that water level will rise.

All in all, this was one of Stewart’s best segments in a while. He tore apart the willful ignorance and Koch-funded denial of the Republican Party when it comes to the issue of climate change. The fact is, Republicans are placing us in great harm by refusing to act at all when it comes to global warming and the devastating effects it is having on our country and planet.

Cacique é impedido pelo governo federal de participar da 1ª Conferência Mundial sobre os Povos Indígenas (IHU)

Ban Ki-Moon, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), prometeu na manhã desta segunda-feira, 22, lutar contra a exclusão e a marginalização a que povos indígenas estão submetidos no mundo. A declaração acontece a propósito da abertura da 1ª Conferência Mundial sobre os Povos Indígenas, na sede das nações Unidas, em Nova York. A fala do secretário-geral da ONU, neste momento histórico, ocorre na ocasião em que pela segunda vez no ano uma liderança indígena é impedida de sair do país pelo governo brasileiro.

A reportagem é do portal do Conselho Indigenista Missionário – Cimi, 22-09-2014.

O cacique Marcos Xukuru recebeu o aviso da Funai, na última sexta-feira, 19, de que não poderia embarcar para Nova York e participar da conferência devido ao fato de ter pendência com a Justiça brasileira. O cacique integraria a delegação indígena do Brasil. A pendência, na verdade, trata-se de um processo judicial envolvendo a luta pela demarcação da Terra Indígena Xukuru do Ororubá, no município de Pesqueira (PE), em 2003, que já transitou e foi julgado pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5).

“Não há nenhum impedimento judicial dizendo que eu não posso sair do país. Recentemente tive duas vezes no exterior para fazer denúncias de violações aos direitos humanos contra os povos indígenas. Uma delas em Nova York, inclusive. Houve um boicote que partiu do Ministério da Justiça. Sabemos que existe receio por parte de gente do governo quanto ao que podemos dizer para o mundo”, afirma o cacique. A Assessoria Jurídica do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) diz não ter conhecimento de nenhum outro processo envolvendo o cacique fora esse já encerrado.

A presidente da Funai, Maria Augusta Assirati, conforme Marcos Xukuru, fez o convite para que ele participasse da conferência. Foi ela também que justificou as razões do impedimento ao cacique, numa ligação onde Maria Augustadisse que a suspensão da viagem se deu por questões diplomáticas, em face da pendência judicial. “A Funai me convidou para ir com outras lideranças. Um processo que não me proíbe de viajar foi usado. É uma situação. Sabemos que isso veio do Ministério da Justiça”, diz o Xukuru. O cacique, por medida cautelar da Organização dos Estados Americanos (OEA), faz parte do programa de proteção do estado de Pernambuco.

O demais integrantes da delegação do Brasil que se deslocou para Nova York ameaçou boicotar o encontro caso o cacique não fosse reintegrado ao grupo. Porém, o Xukuru explica que pediu aos parentes que demovessem a ideia e fossem à conferência, alegando que “é um momento único para dizer o que se passa no país, quais violações estão acontecendo aqui e que lideranças estão sendo impedidas de dialogar em âmbito mundial justamente pela criminalização que sofrem quando lutam por seus direitos”, ataca o cacique Marcos Xukuru.

Este ano já é o segundo caso de lideranças indígena impedida de viajar ao exterior para agendas políticas, de denúncia de violações aos diretos destes povos. Em abril, o cacique Babau Tupinambá, uma das lideranças da luta pela demarcação da Terra Indígena Tupinambá de Olivença, no sul da Bahia, foi barrado a ir ao Vaticano para encontro com o Papa Francisco, a convite da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Depois de conceder o visto, a Polícia Federal voltou atrás alegando que existiam ordens de prisão contra Babau e pediu que ele devolvesse o passaporte apresentando-se à autoridade policial.

A 1ª Conferência Mundial sobre os Povos Indígenas termina nesta terça, 23. Um documento sobre os direitos dos povos indígenas e sua implementação, preparado diante de consulta aos países integrantes da ONU e povos indígenas, deverá concluir o histórico encontro mundial. Segundo a ONU, existem 370 milhões de indígenas de mais de 5 mil comunidades espalhados por 90 países. Eles representam 5% da população global. No Brasil, são quase 900 mil indígenas divididos em 305 povos. O país também concentra cerca de 94 grupos livres, ou seja, povos em situação voluntária de isolamento.

Processo contra o cacique do povo Xukuru

Cacique Marcos Xukuru, em 2003, sofreu um atentado em um trecho da estrada que corta a Terra Indígena Xukuru do Ororubá. Na ocasião, dois jovens indígenas acabaram mortos e um terceiro conseguiu fugir, avisando as demais lideranças do povo. Com dois mortos e o cacique desaparecido – ele havia corrido para o interior da mata – a comunidade, tomada por uma comoção coletiva, incendiou a sede da fazenda localizada onde o atentado ocorreu e se dirigiu para a Vila de Cimbres com o objetivo de retirar da terra indígena o que restava de invasores e aliados dos fazendeiros.

O conflito entre os xukuru e os invasores foi inevitável. A terra indígena, naquele momento, já tinha sido demarcada. No entanto, o cacique, então vítima de um atentado, passou a ser acusado de ter liderado os ataques contra os fazendeiros e demais invasores do território. Um processo de desenrolou por quase 10 anos, até que o TRF-5 o julgou condenando cacique Marcos e mais 20 lideranças do povo Xukuru a quatro anos de prisão. A sentença, no entanto, foi revertida em pena alternativa com o pagamento de cestas básicas.

No dia 3 deste mês, a Assembleia Legislativa de Pernambuco condecorou o cacique Marcos Xukuru com a comenda Leão do Norte, na categoria Direitos Humanos.

The ‘Wall Street Journal’ Parade of Climate Lies (Huff Post)

Posted: 09/06/2014 8:21 am EDT Updated: 09/07/2014 10:59 pm EDT


That Rupert Murdoch governs over a criminal media empire has been made clear enough in the UK courts in recent years. That the Wall Street Journal op-ed pages, the latest victim of Murdoch’s lawless greed, are little more than naked propaganda is perhaps less appreciated. The Journal runs one absurd op-ed after another purporting to unmask climate change science, but only succeeds in unmasking the crudeness and ignorance of Murdoch’s henchmen. Yesterday’s (September 5) op-edby Matt Ridley is a case in point.

Ridley’s “smoking gun” is a paper last week in Science Magazine by two scientists Xianyao Chen and Ka-Kit Tung, which Ridley somehow believes refutes all previous climate science. Ridley quotes a sentence fragment from the press release suggesting that roughly half of the global warming in the last three decades of the past century (1970-2000) was due to global warming and half to a natural Atlantic Ocean cycle. He then states that “the man-made warming of the past 20 years has been so feeble that a shifting current in one ocean was enough to wipe it out altogether,” and “That to put the icing on the case of good news, Xianyao Chen and Ka-Kit Tung think the Atlantic Ocean may continue to prevent any warming for the next two decades.”

The Wall Street Journal editors don’t give a hoot about the nonsense they publish if it serves their cause of fighting measures to limit human-induced climate change. If they had simply gone online to read the actual paper, they would have found that the paper’s conclusions are the very opposite of Ridley’s.

First, the paper makes perfectly clear that the Earth is warming in line with standard climate science, and that the Earth’s warming is unabated in recent years. In the scientific lingo of the paper (it’s very first line, so Ridley didn’t have far to read!), “Increasing anthropogenic greenhouse-gas-emissions perturb Earth’s radiative equilibrium, leading to a persistent imbalance at the top of the atmosphere (TOA) despite some long-wave radiative adjustment.” In short, we humans are filling the atmosphere with carbon dioxide from fossil-fuel use, and we are warming the planet.

Second, the total warming is distributed between the land and ocean surface on the one hand and the ocean deep water on the other. The total rise of ocean heat content has continued unabated, while the proportion of heat absorbed at the surface and in the deeper ocean varies over time. Again, in the scientific lingo of the paper, “[T]his forced total OHC [ocean heat content] should be increasing monotonically over longer periods even through the current period of slowed warming. In fact, that expectation is verified by observation …”. In other words, the ocean has continued to warm in line with predictions of just such a phenomenon seen in climate models.

Third, it is the “vertical distribution” of the warming, between the surface and deep water, which affects the warming observed on land and at the sea surface. The point of the paper is that the allocation of the warming vertically varies over time, sometimes warming the surface rapidly, other times warming the deeper ocean to a great extent and the surface water less rapidly. According to the paper, the period of the late 20th century was a period in which the surface was warmed relative to the deeper ocean. The period since 2000 is the opposite, with more warming of the deeper ocean. How do the scientists know? They measure the ocean temperature at varying depths with a sophisticated system of “Argo profiling floats,” which periodically dive into the ocean depths to take temperature readings and resurface to transmit them to the data centers.

So, what is Ridley’s “smoking gun” when you strip away his absurd version of the paper? It goes like this. The Earth is continuing to warm just as greenhouse gas theory holds. The warming heats the land and the ocean. The ocean distributes some of the warming to the surface waters and some to the deeper waters, depending on the complex circulation of ocean waters. The shares of warming of the surface and deeper ocean vary over time, in fluctuations that can last a few years or a few decades.

If the surface warming is somewhat less in recent years than in the last part of the 20th century, is that reason for complacency? Hardly. The warming is continuing, and the consequences of our current trajectory will be devastating unless greenhouse gas emissions (mainly carbon dioxide) are stopped during this century. As Chen and Tung conclude in their Science paper, “When the internal variability [of the ocean] that is responsible for the current hiatus [in warming] switches sign, as it inevitably will, another episode of accelerated global warming should ensue.”

Mr. Murdoch, and the Wall Street Journal, can it be any clearer than this?

*   *   *

The Wall Street Journal downplays global warming risks once again (The Guardian)

Monday 22 September 2014 14.00 BST

The periodical follows the Murdoch media pattern of sowing doubt about climate change threats

A photograph of the front page of the edition of the Wall Street Journal reporting on Rupert Murdoch's News Corp purchase of Dow Jones & Co.

A photograph of the front page of the edition of the Wall Street Journal reporting on Rupert Murdoch’s News Corp purchase of Dow Jones & Co. Photograph: Mike Segar/Reuters

As has become the norm for media outlets owned by Rupert Murdoch, just before a half million people participated in the People’s Climate Marcharound the world, The Wall Street Journal published an opinion piece downplaying the risks and threats posed by human-caused global warming. The editorial was written by Steven Koonin, a respected computational physicist who claims to have engaged in “Detailed technical discussions during the past year with leading climate scientists,” but who is himself not a climate scientist.

Koonin did admit that the climate is changing and humans are largely responsible, and noted,

There is well-justified prudence in accelerating the development of low-emissions technologies and in cost-effective energy-efficiency measures.

This is a step in the right direction. Unfortunately, Koonin’s editorial focused almost exclusively on the remaining uncertainties in climate science. Ironically, he stated,

Any serious discussion of the changing climate must begin by acknowledging not only the scientific certainties but also the uncertainties, especially in projecting the future.

But Koonin himself got the certainties wrong. For example, we know that humans are the main cause of the current climate change, responsible for about 100% of the global warming since 1950. However, Koonin’s editorial claimed,

The impact today of human activity appears to be comparable to the intrinsic, natural variability of the climate system itself.

This is simply incorrect. As climate scientist Michael Mann told Climate Science Watch in their thorough response to Koonin’s piece,

The fact is that the actual peer-reviewed scientific research shows that (a) the rate of warming over the past century is unprecedented as far back as the 20,000 years paleoclimate scientists are able to extend the record and (b) that warming can ONLY be explained by human influences.

Indeed, it is the RATE of warming that presents such risk to human civilization and our environment.

Climate scientists Michael Oppenheimer and Kevin Trenberth also took issue with Koonin’s assertion about the impact of human activity, saying,

Warming is well beyond natural climate variability and projected rates of change are potentially faster than ecosystems, farmers and societies can adapt to without major disruptions. Many details remain to be settled, and weather and natural variability will always mask some effects, especially regionally. But economic analysis of these risks supports substantial action beyond “no regrets” strategies. To argue otherwise as Koonin does is to ignore decades of research results.

Koonin primarily focused on the uncertainty in the specific impacts of continued rapid global warming. However, he glossed over the fact that those uncertainties range from generally bad impacts to potentially catastrophic impacts. Even in a best case scenario, climate science research indicates that we anticipate experiencing widespread coral mortality, hundreds of millions of people at risk of increased water stress, more damage from droughts and heat waves and floods, up to 30% of global species at risk for extinction, and declined global food production, for example.

Those are the anticipated impacts if we limit global warming to not much above 2°C warming as compared to pre-industrial levels. Accomplishing that would require intensive efforts to reduce human greenhouse gas emissions, and if we fail, the consequence will be far worse.

The good news is that slowing global warming can be accomplished with minimal economic impact. In fact, economic research consistently shows that reducing greenhouse gas emissions, if done right, is far cheaper than paying for the damages caused by unabated climate change. For example, a revenue-neutral carbon tax could create jobs and grow the economy. Two recent studies by the New Climate Economy Project and the International Monetary Fund likewise found that reducing carbon pollution could grow the economy, as summarized by The Guardian.

As Koonin noted in his piece, risk management is key in determining how to respond to the threats posed by climate change. On the one hand, we have a threat to the entire global climate on which every species on Earth relies, which humans are in the process of destabilizing at a rate more rapid than many species can adapt.

On the other hand, we have concerns about the impacts of climate policy on the economy. However, numerous studies have found that if done right, those policies can grow the economy, and will certainly be cheaper than paying for the damages of unabated climate change.

While uncertainties remain about whether the impacts of climate change will be bad, catastrophic, or somewhere in between, that’s precisely the kind of scenario in which uncertainty is not our friend. When faced with a risk to something so important, humans are usually smart enough to take action to manage that risk. For example, we buy home insurance, we wear seat belts, and fewer people now smoke than in previous generations who were unaware of the associated risks.

The climate contrarian guide to managing risk.  Created by John Cook.
The climate contrarian guide to managing risk. Created by John Cook. Photograph: Skeptical Science

It’s critical to grasp not just that there are uncertainties about the impacts of climate change, but what those uncertainties tell us about the range of potential outcomes. It’s easy to simply say “the impacts are uncertain,” but when those uncertainties range from bad to catastrophic, taking action to mitigate the threat is a no-brainer. Additionally, larger uncertainty means that we can’t rule out the most catastrophic potential impacts, and actually makes the case for taking action stronger, as a study published earlier this year showed.

The bottom line is that while there are and always will be uncertainties in climate science that require further research, it’s already been several decades since we’ve understood climate change well enough to justify taking serious action to solve the problem. The longer we wait, the costlier those actions become, and the worse the impacts of human-caused global warming will be. The hundreds of thousands of people who marched yesterday understand that, but the Murdoch media hasn’t caught up yet.

The silence on climate change is deafening. It’s time for us to get loud (The Guardian)

In Dr Seuss’s parable, it take all of Whoville to make enough noise to save their planet. How much will it take to save ours?, Wednesday 17 September 2014 16.43 BST

horton hears a who

If Horton could hear a Who, there’s no reason the rest of us can’t hear the warnings about climate change. Photograph: c. 20th Century Fox / Everett / Rex Features

All of Dr Seuss’s children’s books – or, at least, the best ones – are sly, radical humanitarian and environmental parables. That’s why, for example, The Lorax was banned in some Pacific Northwest districts where logging was the chief economy.

Or there’s Horton Hears a Who: if you weren’t a child (or reading to a child) recently, it’s about an elephant with acute hearing who hears a cry from a dust speck. He comes to realize the dust speck is a planet in need of protection, and does his best for it.

Of course, all the other creatures mock – and then threaten – Horton for raising an alarm over something they can’t see. (Dissent is an easy way to get yourself ostracized or worse, as any feminist receiving online death threats can remind you.) And though Seuss was reportedly inspired by the situation in post-war Japan when he wrote the book, but its parable is flexible enough for our time.

You could call the scientists and the climate activists of our present moment our Hortons. They heard the cry a long time ago, and they’ve been trying to get the rest of the world to listen. They’ve had to endure attacks, mockery, and lip service … but mostly just obliviousness to what they’re saying and what it demands of us.

Recent polling data suggests most of us do want to see things change. “Two in three Americans (66%) support the Congress and president passing laws to increase energy efficiency and the use of renewable energy as a way to reduce America’s dependence on fossil fuels,” reports the US Climate Action Network. But I hear firsthand from people who aren’t particularly informed and still tell me that they are avoiding thinking about climate because it’s too late.

It is nearly too late, because we’ve know about climate change for 25 years, but the most informed scientists think that we do have a chance and some choices, if we make them now.

To listen to such scientists is an amazing and sometimes terrifying thing: they fully comprehend what systemic collapse means and where we are in that process. They – and others who pay attention to the data – see how terrible the possibilities are, but they also see the possibilities for averting the worst.

Seuss’s Horton was alone. Climate activists in the United States are a minority, but there are vast numbers of people across the world who know how serious the situation is, who are facing it and who are listening and asking for action. Some of them will be with us when the biggest climate march in history takes place on Sunday in New York City – starting on the southern edge one of the nation’s largest urban green spaces, Central Park, running around Times Square and then moving west to the Hudson River – to demand that the UN get serious with this attempt to hammer out a climate change treaty at its summit next week.

A whole lot more people are going to come together to demand that our political leaders do something about climate than have done so before. In a symbolic action, at 12:58pm local time, they will observe a collective couple of minutes of silence dedicated to the past. Wherever you are on Sunday, you can join us in observing that silence and remembering the millions displaced last year by the kinds of floods and storms that climate change augments, or the residents of island nations whose homes are simply disappearing under the waves; the small shellfish whose shells are dissolving or the species that have died out altogether; the elderly and inform who have died in our longer, hotter heatwaves or the people who died in New York’s Hurricane Sandy not quite two years ago.

At 1pm local time, we will face the future, and demand that our leaders face the music. The marchers will make two minutes of noise, and every pot-banger, church-bell-ringer, hornblower and drummer on earth is invited to join in. Churches are invited to ring their bells; synagogues to blow their shofars; mosques to use their loudspeakers; secular humanists to get their brass bands on. Get your own pots and pans, or your trumpets and whistles.

We needed someone to ring the alarm all these decades of inaction. On Sunday don’t wait to hear it from someone else: make some noise yourself. It’s time to start making the future we hope for instead of waiting for the one we fear.

I wish that I could write a pat ending for the story of how we saved the earth, but that is, so to speak, all up in the air right now.

But at the end of Horton Hears a Who, the small people of Whoville decide to make a huge roar so that everyone else could hear them: they all roar and bang and blast, but it takes a boy named Jojo (playing with his yoyo) to add his yapping voice to the roar for them to become audible.

This is our planet: our little blue sphere in the Orion Spur of the Milky Way Galaxy, with the beautifully elaborate systems of birds and insects and weather and flowering plants all working together – or that used to work together, and which are now falling apart. And it’s your voice that’s needed, so raise it on Sunday. Join the roar, so that everyone who wasn’t listening finally has to hear.

• This article was updated on 17 September 2014 to reflect that the the New York City Police Department only granted the People’s Climate March permission to march to Sixth Avenue, and not all the way to the United Nations building on First Avenue.

Climate Change News – September 16, 2014 (DISCCRS)


UN says CO2 pollution levels at annual record high – Associated Press – September 9, 2014 –

Greenhouse Gas Pollution Sees Fastest Rise – ClimateWire (via Scientific American) – September 9, 2014 –

NASA Ranks This August as Warmest on Record – Climate Central – September 15, 2014 –

Study finds warming Atlantic temperatures could increase range of invasive species – NOAA Press Release (via AAAS EurekAlert) – September 15, 2014 –

Has the great climate change migration already begun? – Vital Signs (Guardian) – September 15, 2014 –

Grassroots pressure needed to beat climate change and poverty – experts – Thomson Reuters Foundation – September 12, 2014 –

Princeton University launches NSF-funded initiative to study Southern Ocean’s role in global systems – NSF Press Release 14-117 – September 9, 2014 –

Warmer air caused ice shelf collapse off Antarctica – Reuters – September 11, 2014 –

Illegal deforestation is growing problem for climate – Climate News Network – September 12, 2014 –

Brazil confirms Amazon deforestation sped up in 2013 – Reuters – September 10, 2014 –

Climate Change Threatens Half of North America?s Birds – Climate Central – September 13, 2014 –

Ozone Layer on Track to Recovery – United Nations Environment Programme/World Meteorological Organization Press Release – September 10, 2014 –


Water management in Iran: what is causing the looming crisis? – Journal of Environmental Studies and Sciences (via Springer) – August 23, 2014 – By Kaveh Madani –

Moral Collapse in a Warming World – Ethics & International Affairs, 28, no. 3 (2014), pp. 335-342 – By Clive Hamilton –

The 97% v the 3% ? just how much global warming are humans causing? – Climate Consensus – the 97% blog (Guardian) – September 15, 2014 – By Dana Nuccitelli –

UN Climate Summit must show climate change action is in everyone’s interests – Guardian Professional – September 11, 2014 – By Simon Zadek and Nick Robins –

The Guardian view on the unchanging message from climate scientists – Guardian Editorial – September 14, 2014 –

Can Humans Get Used to Having a Two-Way Relationship with Earth?s Climate? – Dot Earth blog (New York Times) – September 10, 2014 – By Andrew Revkin –

Naomi Klein: ?We tried it your way and we don?t have another decade to waste? – Guardian – September 14, 2014 – By Suzanne Goldenberg –

Why Do the Anarcho-Primitivists Want to Abolish Civilization? (io9)

George Dvorsky

Sept 12, 2014 11:28am

Why Do the Anarcho-Primitivists Want to Abolish Civilization?

Anarcho-primitivists are the ultimate Luddites — ideologues who favor complete technological relinquishment and a return to a hunter-gatherer lifestyle. We spoke to a leading proponent to learn more about this idea and why he believes civilization was our worst mistake.

Philosopher John Zerzan wants you to get rid of all your technology — your car, your mobile phone, your computer, your appliances — the whole lot. In his perfect world, you’d be stripped off all your technological creature comforts, reduced to a lifestyle that harkens back to when our hunter-gatherer ancestors romped around the African plains.

Why Do the Anarcho-Primitivists Want to Abolish Civilization?

Photo via Cast/John Zerzan/CC

You see, Zerzan is an outspoken advocate of anarcho-primitivism, a philosophical and political movement predicated under the assumption that the move from hunter-gatherer to agricultural subsistence was a stupendously awful mistake — an existential paradigm shift that subsequently gave rise to social stratification, coercion, alienation, and unchecked population growth. It’s only through the abandonment of technology, and a return to “non-civilized” ways of being — a process anarcho-primitivists call “wilding” — that we can eliminate the host of social ills that now plagues the human species.

As an anarchist, Zerzan is opposed to the state, along with all forms of hierarchical and authoritarian relations. The crux of his argument, one inspired by Karl Marx and Ivan Illich, is that the advent of technologies irrevocably altered the way humans interact with each other. There’s a huge difference, he argues, between simple tools that stay under the control of the user, and those technological systems that draw the user under the control of those who produce the tools. Zerzan says that technology has come under the control of an elite class, thus giving rise to alienation, domestication, and symbolic thought.

Why Do the Anarcho-Primitivists Want to Abolish Civilization?

Zerzan is not alone in his views. When the radical Luddite Ted “the Unabomber” Kasczinski was on trial for killing three people and injuring 23, Zerzan became his confidant, offering support for his ideas but condemning his actions (Zerzan recentlystated that he and Kasczinski are “not on terms anymore.”) Radicalized groups have also sprung up promoting similar views, including a Mexican group called the Individualists Tending Toward the Wild — a group with the objective “to injure or kill scientists and researchers (by the means of whatever violent act) who ensure the Technoindustrial System continues its course.” Back in 2011, this group sent several mail bombs to nanotechnology lab and researchers in Latin America, killing two people.

Looking ahead to the future, and considering the scary potential for advanced technologies such as artificial superintelligence and robotics, there’s the very real possibility that these sorts of groups will start to become more common — and more radicalized (similar to the radical anti-technology terrorist group Revolutionary Independence From Technology (RIFT) that was portrayed in the recent Hollywood film, Transcendence).

Why Do the Anarcho-Primitivists Want to Abolish Civilization?EXPAND

But Zerzan does not promote or condone violence. He’d rather see the rise of the “Future Primitive” come about voluntarily. To that end, he uses technology — like computers and phones — to get his particular message across (he considers it a necessary evil). That’s how I was able to conduct this interview with him, which we did over email.

io9: Anarcho-primitivism is as much a critique of modernity as is it a prescription for our perceived ills. Can you describe the kind of future you’re envisioning?

Zerzan: I want to see mass society radically decentralized into face-to-face communities. Only then can the individual be both responsible and autonomous. As Paul Shepard said, “Back to the Pleistocene!”

As an ideology, primitivism is fairly self-explanatory. But why add the ‘anarcho’ part to it? How can you be so sure there’s a link between more primitive states of being and the diminishment of power relations and hierarchies among complex primates?

The anarcho part refers to the fact that this question, this approach, arose mainly within an anarchist or anti-civilization milieu. Everyone I know in this context is an anarchist. There are no guarantees for the future, but we do know that egalitarian and anti-hierarchical relations were the norm with Homo for 1-2 million years. This is indisputable in the anthropological literature.

Then how do you distinguish between tools that are acceptable for use versus those that give rise to “anti-hierarchical relations”?

Those tools that involve the least division of labor or specialization involve or imply qualities such as intimacy, equality, flexibility. With increased division of labor we moved away from tools to systems of technology, where the dominant qualities or values are distancing, reliance on experts, inflexibility.

But tool use and symbolic language are indelible attributes of Homo sapiens — these are our distinguishing features. Aren’t you just advocating for biological primitivism — a kind of devolution of neurological characteristics?

Anthropologists (e.g. Thomas Wynn) seem to think that Homo had an intelligence equal to ours at least a million years ago. Thus neurology doesn’t to enter into it. Tool use, of course, has been around from before the beginning of Homo some 3 million years ago. As for language, it’s quite debatable as to when it emerged.

Early humans had a workable, non-destructive approach, that did not generally speaking involve much work, did not objectify women, and was anti-hierarchical. Does this sound backward to you?

You’ve got some provocative ideas about language and how it demeans or diminishes experience.

Every symbolic dimension — time, language, art, number — is a mediation between ourselves and reality. We lived more directly, immediately before these dimensions arrived, fairly recently. Freud, the arch-rationalist, thought that we once communicated telepathically, though I concede that my critique of language is the most speculative of my forays into the symbolic.

You argue that a hunter-gatherer lifestyle is as close to the ideal state of being as is possible. The Amish, on the other hand, have drawn the line at industrialization, and they’ve subsequently adopted an agrarian lifestyle. What is it about the advent of agriculture and domestication that’s so problematic?

In the 1980s Jared Diamond called the move to domestication or agriculture “the worst mistake humans ever made.” A fundamental shift away from taking what nature gives to the domination of nature. The inner logic of domestication of animals and plants is an unbroken progression, which always deepens and extends the ethos of control. Now of course control has reached the molecular level with nanotechnology, and the sphere of what I think is the very unhealthy fantasies of transhumanist neuroscience and AI.

In which ways can anarcho-primitivism be seen as the ultimate green movement? Do you see it that way?

We are destroying the biosphere at a fearful rate. Anarcho-primitivism seeks the end of the primary institutions that drive the destruction: domestication/civilization and industrialization. To accept “green” and “sustainable” illusions ignores the causes of the all-enveloping undermining of nature, including our inner nature. Anarcho-primitivism insists on a deeper questioning and helps identify the reasons for the overall crisis.

Tell us about the anarcho-primitivist position on science.

The reigning notion of what is science is an objectifying method, which magnifies the subject-object split. “Science” for hunter-gatherers is very basically different. It is based on participation with living nature, intimacy with it. Science in modernity mainly breaks reality down into now dead, inert fragments to “unlock” its “secrets.” Is that superior to a forager who knows a number of things from the way a blade of grass is bent?

Well, being trapped in an endless cycle of Darwinian processes doesn’t seem like the most enlightened or moral path for our species to take. Civilization and industrialization have most certainly introduced innumerable problems, but our ability to remove ourselves from the merciless “survival of the fittest” paradigm is a no-brainer. How could you ever convince people to relinquish the gifts of modernity — things like shelter, food on-demand, vaccines, pain relief, anesthesia, and ambulances at our beckon call?

It is reality that will “convince” people — or not. Conceivably, denial will continue to rule the day. But maybe only up to a point. If/when it can be seen that their reality is worsening qualitatively in every sphere a new perspective may emerge. One that questions the deep un-health of mass society and its foundations. Again, non-robust, de-skilled folks may keep going through the motions, stupefied by techno-consumerism and drugs of all kinds. Do you think that can last?

Most futurists would answer that things are getting better — and that through responsible foresight and planning we’ll be able to create the future we imagine.

“Things are getting better”? I find this astounding. The immiseration surrounds us: anxiety, depression, stress, insomnia, etc. on a mass scale, the rampage shootings now commonplace. The progressive ruin of the natural world. I wonder how anyone who even occasionally picks up a newspaper can be so in the dark. Of course I haven’t scratched the surface of how bad it is becoming. It is deeply irresponsible to promote such ignorance and projections.

That’s a very presentist view. Some left-leaning futurists argue, for example, that ongoing technological progress (both in robotics and artificial intelligence) will lead to an automation revolution — one that will free us from dangerous and demeaning work. It’s very possible that we’ll be able to invent our way out of the current labor model that you’re so opposed to.

Technological advances have only meant MORE work. That is the record. In light of this it is not quite cogent to promise that a more technological mass society will mean less work. Again, reality anyone??

Transhumanists advocate for the iterative improvement of the human species, things like enhanced intelligence and memory, the elimination of psychological disorders (including depression), radical life extension, and greater physical capacities. Tell us why you’re so opposed to these things.

Why I am opposed to these things? Let’s take them in order:

Enhanced intelligence and memory? I think it is now quite clear that advancing technology in fact makes people stupider and reduces memory. Attention span is lessened by Tweet-type modes, abbreviated, illiterate means of communicating. People are being trained to stare at screens at all times, a techno-haze that displaces life around them. I see zombies, not sharper, more tuned in people.

Elimination of psychological disorders? But narcissism, autism and all manner of such disabilities are on the rise in a more and more tech-oriented world.

Radical life extension? One achievement of modernity is increased longevity, granted. This has begun to slip a bit, however, in some categories. And one can ponder what is the quality of life? Chronic conditions are on the rise though people can often be kept alive longer. There’s no evidence favoring a radical life extension.

Greater physical capacities? Our senses were once acute and we were far more robust than we are now under the sign of technology. Look at all the flaccid, sedentary computer jockeys and extend that forward. It is not I who doesn’t want these thing; rather, the results are negative looking at the techno project, eh?

Do you foresee the day when a state of anarcho-primitivism can be achieved (even partially by a few enthusiasts)?

A few people cannot achieve such a future in isolation. The totality infects everything. It all must go and perhaps it will. Do you think people are happy with it?

Final Thoughts

Zerzan’s critique of civilization is certainly interesting and worthy of discussion. There’s no doubt that technology has taken humanity along a path that’s resulted in massive destruction and suffering, both to ourselves and to our planet and its animal inhabitants.

But there’s something deeply unsatisfying with the anarcho-primitivist prescription — that of erasing our technological achievements and returning to a state of nature. It’s fed by a cynical and defeatist world view that buys into the notion that everything will be okay once we regress back to a state where our ecological and sociological footprints are reduced to practically nil. It’s a way of eliminating our ability to make an impact on the world — and onto ourselves.

It’s also an ideological view that fetishizes our ancestral past. Despite Zerzan’s cocksure proclamations to the contrary, our paleolithic forebears were almost certainly hierarchical and socially stratified. There isn’t a single social species on this planet — whether they’re primates or elephants or cetaceans — that doesn’t organize its individuals according to capability, influence, or level of reproductive fitness. Feeling “alienated,” “frustrated,” and “controlled” is an indelible part of the human condition, regardless of whether we live in tribal arrangements or in the information age. The anarcho-primitivist fantasy of the free and unhindered noble savage is just that — a fantasy. Hunter-gatherers were far from free, coerced by the demands of biology and nature to mete out an existence under the harshest of circumstances.

When their research has social implications, how should climate scientists get involved? (The Guardian)

Scientists prefer to stick to research, but sometimes further involvement is warranted

Thursday 4 September 2014 14.00 BST

Laboratory technician in a lab; the natural habitat of scientists.Laboratory technician in a lab; the natural habitat of scientists. Photograph: David Burton/Alamy

First, at the end of this post is a question to my readers wherein I ask for feedback. So, please read to the end.

Most scientists go into their studies because they want to understand the world. They want to know why things happen; also how to describe phenomena, both mathematically and logically. But, as scientists carry out their research, often their findings have large social implications. What do they do when that happens?

Well traditionally, scientists just “stick to the facts” and report. They try to avoid making recommendations, policy or otherwise, that are relevant to the findings. But, as we see the social implications of various issues grow larger (environmental, energy, medical, etc.) it becomes harder for scientists to sit out in more public discussions about what should be done. In fact, researchers who have a clear handle on the issue and the pros and cons of different choices have very valuable perspectives to provide society.

But what does involvement look like? For some scientists, it may be helping reporters gather information for stories that may appear online, in print, radio, or television. In another manifestation, it might be writing for themselves (like my blog here at the Guardian). Others may write books, meet with legislators, or partake in public demonstrations.

Each of these levels of engagement has professional risks. We scientists need to protect our professional reputations. That reputation requires that we are completely objective in our science. As a scientist becomes more engaged in advocacy, they risk being viewed by their colleagues as non-objective in their science.

Of course, this isn’t true. It is possible (and easy) to convey the science but also convey the importance of taking action. I do this on a daily basis. But I will go further here. It is essential for scientists to speak out. With the necessary expertise to make informed decisions, it is out obligation to society. Of course, each scientist has to decide how to become engaged. We don’t get many kudos for engagement, it takes time and money out of our research, you will never get tenured for having a more public presence, and you will likely receive po)rly-writen hate mail – but it still is needed for informed decision making.

One very public activity some scientists engage in is public events and demonstrations. A large such event is going to occur this September in New York (September 21 – the Peoples’ Climate March). Just a few days before the UN Climate Summit, the Climate March hopes to bring thousands of people from faith, business, health, agriculture, and science communities together. Scientists will certainly be there – and those scientists should be lauded. I am encouraging my colleagues to participate in events like this.

Okay so now the poll (sort of). I have been writing this blog for over a year – something like 60 posts. Approximately half those posts are on actual science, breaking new studies that shed light on our ever expanding understanding of the Earth’s climate. Another sizeable number of posts are on reviews of books, movies, projects, and others. A third category deals with how climate impacts different locations around the globe. In this group, I’ve written about climate change in Uganda, Kenya, and Cameroon – climate change effects that I’ve witnessed with my own eyes. A fourth category that I just started focuses on specific scientists telling how they got into climate change. Finally, I write a few posts on debunking bad science and misguided public statements.

In truth, I prefer the harder science, but frankly these do not get as many page views as the debunking posts. I am here asking for suggested topics of future posts. I have a few in queue but I always look for engaging topics and angles. You can send them to me at my university email address, Also, feel free to comment on the current mix of stories. Is 50% hard science the right mix? Is it too much? Too little? Is my writing to technical? Not technical enough? Let me hear your thoughts.

World on track to be 4C warmer by 2100 because of missed carbon targets (The Guardian)

Concerns about the short term costs and impacts of investment to address risks is paralysing action on climate changeJonathan Grant

Guardian Professional, Monday 8 September 2014 13.28 BSTHeavy rains in Albuquerque, New Mexico

Heavy rains in Albuquerque, New Mexico. The top 10 destinations for the UK’s foreign direct investment experienced almost $100bn worth of extreme weather losses in 2013. Photograph: Roberto Rosales/AP

Global ambitions to reduce emissions are becoming a bit like the resolutions we make to give something up at new year: the intention is sincere, but we don’t always deliver.For the sixth successive year of the PwC Low Carbon Economy Index, the global carbon target has been missed. And inadequate action today means that even steeper reductions are needed in the future. The target is based on projections of economic growth and the global carbon budget set out by the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) which gives a reasonable probability of limiting warming to 2C.

Globally, annual reductions need to be five times current levels, averaging 6.2% a year, every year from now to 2100, compared with 1.2% today. At the national level, Australia is at the top of our decarbonisation league of G20 nations, followed by the UK. Both countries had a strong increase in renewable generation, albeit from a low base, combined with slight a reduction in coal use. The US was nearer the bottom as coal use bounced back, retaking a share of the electricity mix from shale gas.

The world is currently on track to burn this century’s IPCC carbon budget within 20 years, and a pathway to 4C of global warming by 2100. For many of us, 2034 is within our working lifetime. It’s within the timeframe of decisions being made today, on long-term investments, on the location of factories and their supply chains. So businesses are making those decisions faced with uncertainty about climate policy and potential impacts of climate change.

It is clear that the gap between what governments are saying about climate change and what they are doing about it continues to widen. While they talk about two degrees at the climate negotiations, the current trend is for a 4C world.

There is little mention of these two degrees of separation in the negotiations, in policy documents, in business strategies or in board rooms. Operating in a changing climate is becoming a very real challenge for UK plc. Some of the biggest names in business are mapping the risks posed by a changing climate to their supply chain, stores, offices and people.

But while the findings question the reality of the 2C target in negotiations, consider two situations in the analysis that demonstrates the strong case for the negotiations’ role in focusing everyone on co-ordinated action on climate change.

First, our analysis shows that the top 10 destinations for the UK’s foreign direct investment in 2011 were exposed to almost $100bn worth of extreme weather losses in 2013. Multi-billion pound UK investments are wrapped up in transport, technology, retail, food and energy sectors, making this an issue on everyone’s doorstep.

Second, co-ordinated, ambitious action to tackle emissions growth should protect business in the long term. It could even be a boost to growth. It would avoid inevitable short-term decisions that may look attractive, such as shutting down a steel operation in a country with a high cost of carbon to move it to another with a lower cost, but merely relocate emissions. And take jobs with them.

The concern about short-term costs and impacts on investment is paralysing our ability to address the long-term climate risks. Perhaps competitiveness is the new climate scepticism. Businesses call for a level playing field on carbon pricing, when it should be seen in the wider context of labour and energy prices, the skills market and wider legislative environment.

There’s a danger when we talk in small numbers – whether they are one or two degrees, or the 6% now required in annual decarbonisation (every year for the next 66 years, by the way), that they sound manageable. The 6% figure is double the rate the UK achieved when we dashed for gas in the 1990s. A shale gas revolution might help, but would need to be accompanied by a revolution in carbon capture and storage and revolutions in renewables, in electric transport, in industrial processes and in our buildings.

The UK’s results are encouraging, even if they fall short of the overall target necessary. Leadership in low carbon for the UK is down in part to policies and investment, partly the structure of our economy, and partly traditional factors such as skills and education. But it’s notable that while the Low Carbon Economy Index shows that the UK’s carbon intensity is lower than many, it is still higher than in France, Argentina or Brazil. It’s a neat encapsulation of a view of the world through a low carbon economy lens, not just a GDP one. The UK’s competitiveness or attractiveness today needs investment to hold on to it for tomorrow.

Jonathan Grant is director, sustainability and climate change, PwC

World falls behind in efforts to tackle climate change: PwC (Reuters)

LONDON Sun Sep 7, 2014 6:24pm EDT

(Reuters) – The world’s major economies are falling further behind every year in terms of meeting the rate of carbon emission reductions needed to stop global temperatures from rising more than 2 degrees this century, a report published on Monday showed.

The sixth annual Low Carbon Economy Index report from professional services firm PwC looked at the progress of major developed and emerging economies toward reducing their carbon intensity, or emissions per unit of gross domestic product.

“The gap between what we are achieving and what we need to do is growing wider every year,” PwC’s Jonathan Grant said. He said governments were increasingly detached from reality in addressing the 2 degree goal.

“Current pledges really put us on track for 3 degrees. This is a long way from what governments are talking about.”

Almost 200 countries agreed at United Nations climate talks to limit the rise in global temperatures to less than 2 degrees Celsius (3.6 Fahrenheit) above pre-industrial times to limit heat waves, floods, storms and rising seas from climate change. Temperatures have already risen by about 0.85 degrees Celsius.

Carbon intensity will have to be cut by 6.2 percent a year to achieve that goal, the study said. That compares with an annual rate of 1.2 percent from 2012 to 2013.

Grant said that to achieve the 6.2 percent annual cut would ‎require changes of an even greater magnitude than those achieved by recent major shifts in energy production in some countries.

France’s shift to nuclear power in the 1980s delivered a 4 percent cut, Britain’s “dash for gas” in the 1990s resulted in a 3 percent cut and the United States shale gas boom in 2012 led to a 3.5 percent cut.


PwC said one glimmer of hope was that for the first time in six years emerging economies such as China, India and Mexico had cut their carbon intensity at a faster rate than industrialized countries such as the United States, Japan and the European Union.

As the manufacturing hubs of the world, the seven biggest emerging nations have emissions 1.5-times larger than those of the seven biggest developed economies and the decoupling of economic growth from carbon emissions in those nations is seen as vital.

Australia had the highest rate of decarbonization for the second year in a row, cutting its carbon intensity by 7.2 percent over 2013.

Coal producer Australia has one of the world’s highest rates of emissions per person but its efforts to rein in the heat-trapping discharges have shown signs of stalling since the government in July repealed a tax on emissions.

Britain, Italy and China each achieved a decarbonization rate of 4-5 percent, while five countries increased their carbon intensity: France, the United States, India, Germany and Brazil.

United Nations Secretary General Ban Ki-moon hopes to gather more than 100 world leaders in New York on September 23 to reinvigorate efforts to forge a global climate deal.

(Reporting by Ben Garside. Editing by Jane Merrman)


New York summit is last chance to get consensus on climate before 2015 talks (The Guardian)

UN is trying to convince countries to make new pledges before they meet in Paris to finalise a new deal on cutting emissions, reports

Paul Brown for Climate News Network, part of the Guardian Enviornment Network, Thursday 4 September 2014 14.48 BST

Ban Ki-moonUN secretary general Ban Ki-moon has invited world leaders to New York on 23 September for a climate summit. Photograph: David Rowland/AFP/Getty Images

It is widely acknowledged that the planet’s political leaders and its people are currently failing to take enough action to prevent catastrophic climate change.

Next year, at the United Nations climate change conference in Paris, representatives of all the world’s countries will be hoping to reach a new deal to cut greenhouse gases and prevent the planet overheating dangerously. So far, there are no signs that their leaders have the political will to do so.

To try to speed up the process, the UN secretary general, Ban Ki-moon, has invited world leaders to UN headquarters in New York on 23 September for a grandly-named Climate Summit 2014.

He said at the last climate conference, in Warsaw last year, that he is deeply concerned about the lack of progress in signing up to new legally-binding targets to cut emissions.

If the summit is a success, then it means a new international deal to replace the Kyoto protocol will be probable in late 2015 in Paris. But if world leaders will not accept new targets for cutting emissions, and timetables to achieve them, then many believe that political progress is impossible.

Ban Ki-moon’s frustration about lack of progress is because politicians know the danger we are in, yet do nothing. World leaders have already agreed that there is no longer any serious scientific argument about the fact that the Earth is heating up and if no action is taken will exceed the 2C danger threshold.

It is also clear, Ban Ki-moon says, that the technologies already exist for the world to turn its back on fossil fuels and cut emissions of greenhouse gases to a safe level.

What the major countries cannot agree on is how the burden of taking action should be shared among the world’s 196 nations.

Ban Ki-moon already has the backing of more than half the countries in the world for his plan. These are the most vulnerable to climate change, and most are already being seriously affected.

More than 100 countries meeting in Apia, Samoa, at the third UN conference on small island developing states, in their draft final statement, note with “grave concern” that world leaders’ pledges on the mitigation of greenhouse gases will not save them from catastrophic sea level rise, droughts, and forced migration. “We express profound alarm that emissions of greenhouse gases continue to rise globally.”

Many of them have long advocated a maximum temperature rise of 1.5C to prevent disaster for the most vulnerable nations, such as the Marshall Islands and the Maldives.

The draft ministerial statement says: “Climate change is one of the greatest challenges of our time, and we express profound alarm that emissions of greenhouse gases continue to rise globally.

“We are deeply concerned that all countries, particularly developing countries, are vulnerable to the adverse impacts of climate change and are already experiencing an increase in such impacts, including persistent drought and extreme weather events, sea level rise, coastal erosion and ocean acidification, further threatening food security and efforts to eradicate poverty and achieve sustainable development.”

Speaking from Apia, Shirley Laban, the convenor of the Pacific Islands Climate Action Network, an NGO, said: “Unless we cut emissions now, and limit global warming to less than 1.5C, Pacific communities will reap devastating consequences for generations to come. Because of pollution we are not responsible for, we are facing catastrophic threats to our way of life.”

She called on all leaders attending the UN climate summit in New York to “use this historic opportunity to inject momentum into the global climate negotiations, and work to secure an ambitious global agreement in 2015”.

This is a tall order for a one-day summit, but Ban Ki-moon is expecting a whole series of announcements by major nations of new targets to cut greenhouse gases, and timetables to reach them.

There are encouraging signs in that the two largest emitters – China and the US – have been in talks, and both agree that action is a must. Even the previously reluctant Republicans in America now accept that climate change is a danger.

It is not yet known how many heads of state will attend the summit in person, or how many will be prepared to make real pledges.

At the end of the summit, the secretary general has said, he will sum up the proceedings. It will be a moment when many small island states and millions of people around the world will be hoping for better news.

Racionamento de água ‘não é culpa de São Pedro’, diz ONU (OESP)

09/09/2014, 12h41

4.set.2014 – Represa Jaguari-Jacareí, na cidade de Joanópolis, no interior de São Paulo, teve o índice que mede o volume de água armazenado no Sistema Cantareira alcançando a marca de apenas 10,6% da capacidade total. Luis Moura/ Estadão Conteúdo

O racionamento de água em São Paulo não é culpa de São Pedro, mas, sim, das autoridades, da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e da falta de investimentos. Quem faz o alerta é a relatora da Organização das Nações Unidas (ONU) para o direito à água, a portuguesa Catarina Albuquerque, que apresentou nesta terça-feira, 9, diante da entidade, um informe em que acusa o governo brasileiro de não estar cumprindo seu dever de garantir o acesso à água à totalidade da população.

Crise no abastecimento

“O culpado parece ser sempre São Pedro”, ironizou em declarações ao jornal O Estado de S. Paulo. “Concordo que a seca pode ser importante. Mas o racionamento de água precisa ser previsto e os investimentos necessários precisam ser feitos”, disse. “A responsabilidade é do Estado, que precisa garantir investimentos em momentos de abundância”, insistiu.

Segundo ela, o racionamento de fato pode ser necessário em algumas situações. “Mas apenas como última opção e depois que as demais opções tenham sido esgotadas”, alertou.

Reservatórios de água na Grande SP


Confira entre quais reservatórios se divide o abastecimento de água na Grande São Paulo

Raio-x dos sistemas

Para a relatora da ONU, não faz sentido a Sabesp ter suas ações comercializadas na Bolsa de Nova York e na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), enquanto a cidade convive com problemas. “Antes de repartir lucros, a empresa precisa investir para garantir que todos tenham acesso à água”, declarou.

“O número de pessoas vivendo sem acesso à água e saneamento às sombras de uma sociedade que se desenvolve rapidamente ainda é enorme”, declarou a relatora em seu discurso na ONU, nesta tarde em Genebra.

Segundo seu informe, um abastecimento de água regular e de qualidade ainda é uma realidade distante para 77 milhões de brasileiros, uma população equivalente a todos os habitantes da Alemanha.

21.ago.2014 – Escavadeira tenta retirar lixo do rio Tietê. Menos de um mês depois de finalizar uma operação que retirou mais de 18 toneladas de lixo de áreas do leito seco do rio Tietê, o município de Salto (a 101 km da capital paulista) começa a ver as áreas serem novamente tomadas por entulho. A maioria do material é de pedaços de madeira. Segundo o secretário de Meio Ambiente do município, João De Conti Neto, a sujeira está voltando pela correnteza. João De Conti Neto/Acervo Pessoal

A ONU ainda aponta que 60% da população – 114 milhões de pessoas – “não tem uma solução sanitária apropriada”. Os dados ainda revelam que 8 milhões de brasileiros ainda precisam fazer suas necessidades ao ar livre todos os dias.

O Estadão revelou em junho de 2013 que a representante das Nações Unidas teve sua primeira inspeção para realizar o levantamento vetada pelo governo. A visita estava programada para ocorrer em julho do ano passado. “O governo apenas explicou que, por motivos imprevistos, a missão não poderia mais ocorrer”, declarou à época Catarina de Albuquerque.

Internamente, a ONU considerou que o veto tinha uma relação direta com os protestos que, em 2013, marcaram as cidades brasileiras. A viagem só aconteceria em dezembro de 2013, o que impediria que o informe produzido fosse apresentado aos demais governos da ONU e à sociedade civil antes da Copa do Mundo.

Agora, o raio X reflete uma crise que vive o País no que se refere ao acesso a água e saneamento. “Milhões de pessoas continuam vivendo em ambientes insalubres, sem acesso à água e ao saneamento”, indicou o informe, apontando que o maior problema estaria nas favelas e nas zonas rurais.


O governo brasileiro indicou que o acesso à água e ao saneamento é “uma prioridade”, que a população mais pobre recebe uma atenção especial e que o governo tem “aumentado de forma significativa os investimentos em saneamento ao transferir recursos para Estados e municípios”.

“Houve um aumento nos orçamentos de fundos especiais para promover investimentos em infraestrutura de água e saneamento”, indicou a embaixadora do Brasil na ONU, Regina Dunlop.

“Temos um compromisso com a eliminação de desigualdades, dando prioridades para os mais vulneráveis”, insistiu a diplomata, indicando que as populações das favelas não são esquecidas.

Entre as medidas, a diplomata aponta investimentos de R$ 21,5 bilhões pelo governo em moradia, acesso à água, serviços de esgoto e revitalização urbana.

O governo também sugere que a relatora fizesse uma viagem mais ampla ao Brasil e alerta para a dimensão do território nacional.


Nudge: The gentle science of good governance (New Scientist)

25 June 2013

Magazine issue 2922

NOT long before David Cameron became UK prime minister, he famously prescribed some holiday reading for his colleagues: a book modestly entitled Nudge.

Cameron wasn’t the only world leader to find it compelling. US president Barack Obama soon appointed one of its authors, Cass Sunstein, a social scientist at the University of Chicago, to a powerful position in the White House. And thus the nudge bandwagon began rolling. It has been picking up speed ever since (see “Nudge power: Big government’s little pushes“).

So what’s the big idea? We don’t always do what’s best for ourselves, thanks to cognitive biases and errors that make us deviate from rational self-interest. The premise of Nudge is that subtly offsetting or exploiting these biases can help people to make better choices.

If you live in the US or UK, you’re likely to have been nudged towards a certain decision at some point. You probably didn’t notice. That’s deliberate: nudging is widely assumed to work best when people aren’t aware of it. But that stealth breeds suspicion: people recoil from the idea that they are being stealthily manipulated.

There are other grounds for suspicion. It sounds glib: a neat term for a slippery concept. You could argue that it is a way for governments to avoid taking decisive action. Or you might be concerned that it lets them push us towards a convenient choice, regardless of what we really want.

These don’t really hold up. Our distaste for being nudged is understandable, but is arguably just another cognitive bias, given that our behaviour is constantly being discreetly influenced by others. What’s more, interventions only qualify as nudges if they don’t create concrete incentives in any particular direction. So the choice ultimately remains a free one.

Nudging is a less blunt instrument than regulation or tax. It should supplement rather than supplant these, and nudgers must be held accountable. But broadly speaking, anyone who believes in evidence-based policy should try to overcome their distaste and welcome governance based on behavioural insights and controlled trials, rather than carrot-and-stick wishful thinking. Perhaps we just need a nudge in the right direction.

An inside look at U.S. think tank’s plans to undo environmental legislation (The Star)

The corporate-sponsored American Legislative Exchange Council works with lobbyists and legislators to derail climate change policies.

Occupy Phoenix protests the American Legislative Exchange Council, an organization that brings together large corporations and U.S. lawmakers to draft anti-environmental policies.


Occupy Phoenix protests the American Legislative Exchange Council, an organization that brings together large corporations and U.S. lawmakers to draft anti-environmental policies.


Scientists are exaggerating the climate change crisis.

There’s no need to reduce carbon dioxide emissions because the benefits of warmer temperatures outweigh the costs.

Over-the-top environmental regulations are linked to such problems as suicide and drug abuse.

These aren’t the ramblings of a right-wing conspiracy theorist, but the opinions expressed at a midsummer retreat for U.S. state legislators held by a powerful U.S. think tank and sponsored by corporations as varied as AT&T and TransCanada, the company behind the controversial Keystone XL pipeline proposal.

Internal documents from this summer’s Dallas meeting of the American Legislative Exchange Council, leaked to a watchdog group, reveal several sessions casting doubt on the scientific evidence of climate change. They also reveal sessions focused on crafting policies that reduce rules for fossil fuel companies and create obstacles for the development of alternative forms of energy.

The meeting, hosted in Dallas from July 30 to Aug. 1, involved a mix of lobbyists, U.S. legislators and climate change contrarians, and was sponsored by more than 50 large corporations, including several that do business in Alberta’s oilsands.

One workshop had the goal of teaching politicians “how to think and talk about climate and energy issues” and provided them with guidance for fighting environmental policies and regulations.

“Legislators are just there as foot soldiers, really,” said Chris Taylor, a Democratic state representative from Wisconsin and a member of ALEC.

Taylor, who said she belongs to the group in order to keep people informed about what it’s doing, said research groups appear to be writing policies presented at the meeting on behalf of corporations that are trying to get rid of obstacles to profit.

“Legislators aren’t coming up with these ideas,” she said.

An ALEC spokeswoman, Molly Fuhs, said in an email to the Star that all of its meetings are meant to bring together members “to discuss and debate model solutions to the issues facing the states,” using principles of limited government, free markets and federalism.

All of the model policies, which must first be introduced by a legislator member, are voted on and approved by a national board made up of 23 state legislators, she added.

“This is to ensure ALEC model policies are driven by, and are reflective of, state legislators’ ideas and the issues facing the states,” she wrote.

The group, founded in 1973, says it has about 2,000 elected Democratic and Republican state legislators in its membership. Its non-partisan status as an educational organization allows it to give U.S. tax receipts to its donors.

With nine separate committees made up of corporate representatives and politicians, the council says it can contribute to as many as 1,000 different policies or laws in a single year. And on average, about 20 per cent of these become laws or policies in areas such as international trade, the environment or health care, it says.

“For more than forty years, ALEC has helped lobbyists from some of the biggest polluters on the planet meet privately with U.S. lawmakers to discuss and model legislation,” said Nick Surgey, research director at U.S. watchdog Center for Media and Democracy.

“ALEC is a big reason the U.S. is so far behind in taking significant action to tackle climate change.”

A separate session on climate change at the ALEC retreat, presented by another educational charity, featured several proposals to discourage development of renewable energy, to stop new American rules to reduce pollution from coal power plants, as well as a “model resolution” in support of Keystone XL, which is seeking approval from the Obama administration.

According to a conference agenda, obtained by the Center for Media and Democracy, this presentation was given by Joseph Bast, president of the Heartland Institute, a Chicago-based conservative think tank. Neither Bast, an author and publisher with an undergraduate degree in economics, nor the institute responded to requests for comment.

Slides from the presentation show that it also challenged established scientific evidence on climate change, while proposing to dismantle the U.S. Environmental Protection Agency.

Other internal ALEC records released by the watchdog show that it previously asked its elected members to publicly speak out in support of Keystone XL, providing them with “information” to include in submissions for the U.S. State Department, which is reviewing the TransCanada project.

“They lobby,” Taylor, the Wisconsin Democrat, said of ALEC. “They come up with model policies. They send emails to legislators. They urge people to support model policies. They send thank-yous when the model policies pass. My goal in going is to make sure it’s not stealth, to make sure people know where these policies come from. And these policies come from big corporations through ALEC.”

The Harper government has also participated in an ALEC event, sending a Canadian diplomat, Canada’s consul general in Dallas, Paula Caldwell St-Onge, to a 2011 conference in New Orleans to promote the Keystone XL pipeline, the oilsands and other fossil fuels. Speaking notes from her presentation don’t mention climate change.

Fuhs, ALEC’s spokeswoman, confirmed that several multinational corporations were among those to sponsor the Dallas conference, including telecommunications giant AT&T, pharmaceutical companies Pfizer and Bayer and energy companies such as Chevron, Devon, Exxon Mobil and TransCanada.

But she stopped responding to questions from the Star after being asked about the internal documents circulated at the meeting and obtained by the watchdog group.

Most of the companies contacted by the Star confirmed they had sponsored the event, explaining that this didn’t necessarily mean they endorsed all of ALEC’s proposed policies.

Alberta-based TransCanada, which sponsored an “Ice Cream Social” event at the ALEC meetings in each of the past two years, downplayed its role.

“I cannot honestly speak to whether or not someone who was a consultant for our company was at the event — because we are not their only client — but no one was directed to be at this event to present views on behalf of TransCanada,” said TransCanada spokesman Shawn Howard. “I can’t be any clearer than that.”

Howard, who said the company’s contributions to ALEC weren’t considered to be charitable donations, said the sponsorship doesn’t mean TransCanada agrees with the organization’s policies.

“Reasonable people wouldn’t expect us to only go to or support things that are a perfect match for our own company’s views and values,” Howard said, noting TransCanada has a climate change policy that includes billions of dollars of investments in renewable energy.

“Sometimes you have to speak to people with different viewpoints to develop better public policy and decisions — that’s just common sense,” Howard said.

A spokesman for ExxonMobil told the Star the company didn’t want to comment about its sponsorship of ALEC, saying that it wasn’t a member of the organization. ALEC’s website lists representatives from 17 organizations on its “private enterprise advisory council” including ExxonMobil, AT&T, Pfizer, as well as Peabody Energy, the largest private-sector coal company in the world.

ALEC declined to explain the role of this “advisory council.”

A spokesman from Devon Energy, Tim Hartley, confirmed that it was “one of the many sponsors” of the Dallas meeting, explaining that the company “generally favours the principles of free markets and limited government that animate ALEC.” But he said he couldn’t discuss specific public policy issues.

“We interact with a variety of stakeholder groups in the course of our business, and we embrace our responsibility to participate in the free and open marketplace of ideas,” said Hartley.

Although she is often critical of ALEC, Taylor, who joined the organization as a legislative member a few years ago, said she doesn’t expect to be kicked out since it is trying to promote its bipartisan nature to preserve its charitable status.

She said energy was a major theme at the Dallas conference, driven by some large corporations, with one corporate representative from Peabody Energy urging the conference to help spark a “political tsunami” against new U.S. EPA regulations proposed to slash pollution from coal power plants.

Peabody Energy didn’t respond to a request for comment.

Surgey, from the Center for Media and Democracy, said one of his biggest concerns about ALEC is its secrecy.

“We have many of our state elected officials going on to these conferences, and yet we’re not allowed to know who they meet with,” said Surgey. “We just know that it’s a very large number of lobbyists from big multinational corporations but ALEC refuses to tell us who’s there.”

ALEC has also sponsored a pair of trips for U.S. politicians to the Alberta oilsands — described as an “oilsands academy” — arranging meetings for the politicians with representatives from TransCanada and Devon Energy, as well as one environmental group, the Pembina Institute, in October 2012.

TransCanada said it doesn’t organize or fund these types of visits, but it assists by freeing up staff to explain operations at facilities.

Sandi Walker, an Alberta government spokeswoman from the provincial department of international and intergovernmental relations, said it hosted 54 trips to the oilsands in 2012, including the fall visit co-ordinated by ALEC as part of ongoing efforts to inform legislators and officials about the industry with “fact-based information” to allow key decision-makers to make informed decisions about energy. Each trip typically cost about $3,000, she said.

She said an ALEC representative had contacted Alberta to set up the meeting, explaining that the province maintains relations with a variety of stakeholders and organizations in the U.S.

Walker said the province is committed to being a leader in greenhouse gas reduction technology by renewing its climate change strategy so that it can effectively reduce emissions at the source, noting it has already implemented a price on carbon emissions for industry.

While TransCanada’s pipeline proposal has popped up on the agenda at multiple ALEC events in recent years, Taylor said that the company’s latest “ice cream social” reminded her of what happened last year when it hosted a similar event.

The ice cream started melting, and in a crowd of skeptics, she joked that she thought this might be accepted as evidence of global warming.

Eunice Nodari, doutora em história ambiental:‘Não podemos controlar a chuva. Os desastres, sim’ (O Globo)

Professora gaúcha foi uma das palestrantes do encontro que reuniu, no mês passado, pesquisadores dos cinco países que compõem o Brics


Eunice Nodari atesta que erros ambientais do passado continuam a acontecer, aponta caminhos para mudança e fala sobre a história ambiental de diferentes países
Foto: Fabio Seixo / Agência O Globo
Eunice Nodari atesta que erros ambientais do passado continuam a acontecer, aponta caminhos para mudança e fala sobre a história ambiental de diferentes países – Fabio Seixo / Agência O Globo

“Nasci em Sarandi, Rio Grande do Sul. Meu pai era pequeno comerciante e queria que eu fosse ‘alguém na vida’. Bom, consegui ser a primeira a ter curso superior na família… Nos anos 1980, me mudei para Santa Catarina. Tenho 60 anos, 3 filhos e 2 netos e sou casada com um professor de genética vegetal”

Conte algo que não sei.

A história ambiental no Brasil é um campo novo. Começou a ganhar força na década de 1990, com forte influência dos Estados Unidos. Com isso, em 2001, enveredei minha carreira para pesquisas nessa área. Iniciamos com projetos sobre a história do desmatamento das florestas do Sul do Brasil, e avançamos para outros temas prementes relacionados ao meio ambiente. Logo conseguimos criar uma linha de pesquisa em Migrações e História Ambiental, no Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi um trabalho pioneiro que vem dando ótimos resultados e, ainda, é um estímulo para outras universidades.

Além da UFSC, quais são as grandes referências em história ambiental no Brasil?

O destaque deve ser dado ao Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ, da UNB e a UFMG. Juntas, essas universidades têm 64 teses de doutorado. É importante ressaltar que os meus ex-orientandos, hoje doutores, já são professores de universidades em diferentes estados. Nelas, eles também estão criando os seus grupos desta disciplina, aumentando, assim, a rede.

A senhora foi palestrante do Simpósio Diálogo em História Ambiental: Brics. O que os países que integram o grupo têm em comum nas questões ambientais?

O Brics reuniu pesquisadores ambientais dos países que o compõem com o objetivo de discutir formas de serem realizadas pesquisas em conjunto. Foi um evento muito importante, inédito na área de história. Foram debatidas similaridades e diferenças. Sem dúvida, as enchentes são eventos recorrentes na maioria dos cinco países. No caso do Brasil, o Rio de Janeiro e Blumenau, por exemplo, sofrem com as cheias. Uma das deficiências observadas nas pesquisas realizadas por mim e por Lise Sedrez deixa claro que as políticas públicas investem muito pouco na prevenção dos problemas que surgem com os temporais anualmente. Uma coisa é certa: não podemos controlar a chuva, mas os desastres, sim.

E, neste caso, qual o papel do historiador ambiental?

É analisar como os desastres ambientais, que são os que têm a intervenção do homem, estão diretamente relacionados com as problemáticas sociais, econômicas, culturais e, mesmo, políticas, apontando os caminhos para evitar que esses processos se repitam.

Erros ambientais do passado ainda são frequentes?

Infelizmente, as lições herdadas do passado não estão sendo devidamente observadas, pois os mesmos erros continuam sendo praticados. Cometer infrações básicas, como não respeitar as áreas de matas ciliares, importantes para a contenção das cheias e a qualidade da água, significa falta de respeito não somente ao meio ambiente, mas também à vida humana e dos demais habitantes do planeta.

A violência ambiental é resultado da falta de legislação?

No meu entender, as violências socioambientais mais preocupantes são as silenciosas, aquelas que acontecem cotidianamente e que não são resolvidas. Por exemplo, a falta de saneamento básico para parte da população. Não podemos atribuir à falta de legislação o descontrole na degradação, pois a própria Constituição de 1988 inclui os direitos relacionados ao meio ambiente.