The 1% Should Be Afraid: The New Norm in the Workplace Is Unstable (Truthout)

Tuesday, 11 February 2014 10:16

By Laura FlandersTruthout | Interview and Video

(Photo<a href="http://www.shutterstock.com/pic-141695929/stock-photo-businessman-pulling-empty-pocket-out-of-pants.html?src=CpjJzVJBmUOWc1T_GhEcmg-1-7" target="_blank"> via Shutterstock</a>)(Photo via Shutterstock)

A new study from Oxfam published just ahead of this year’s World Economic Forum meeting in Davos, reported that just one percent of the world’s population controls nearly half of the planet’s wealth and 70 percent of the world’s people live in countries where income inequality has been growing in the last 30 years. In the US, the gap between rich and poor has grown faster than in any other developed country. The top one percent has captured 95 percent of all growth since the putative “recovery” of 2009. This is the “new normal.” Is it sustainable?

Barbara Garson is the author of a series of books describing American working lives at historically important turning points. If this is one of those turning points, it’s one in which the one percent have won:

“That the so-called recovery that everyone is bragging about is this,” Garson told GRITtv in a recent interview. “We’ve recovered, we’ve taken your full-time job away and given you a part-time job, and we’ve given the difference to our stockholders.”

The trouble is, this cockeyed situation is not stable, and even the capitalists, maybe especially the capitalists, should be worried.

“There are capitalist solutions, like redistribution, but they’re not doing it. That may be why we have a socialist solution this time,” she concludes. “If seventeen percent of the houses are vacant, we’ll just move into them.”

Garson’s new book is Down the Up Escalator: How the 99% LiveYou can watch our conversation at GRITtv.org.

Laura Flanders: So, Barbara, would you call this one of those historically important turning points?

Barbara Garson: Yes, well, we’ve been moving down. Well, that is to say, the wealth gap has been growing since about the seventies in this country, and in the world, too. We’re kind of the leaders in that and brought that model around the world. But the ruling class doesn’t seem to care anymore. They used to be Keynesian; they used to say, uh-oh! wait a minute. If we have fifty percent of the wealth, they can’t buy back what’s produced, we’d better rebalance it and keep going for a while. They seem to have forgotten that.

In a way we’re in a dangerous situation. [The elite] seem to be taking the same attitude on the economy that they’re taking on the environment.

But look at the statistics that they’re looking at. At Davos, people would have heard about growth and GDP going up, about productivity going up, about the stock market having the best record in years. So by their indices, nothing is wrong.

Even they know that a lot of that is in [loaned] money. A lot of their growth is in the same type of derivatives that they were investing in before. They are lending money to people who cannot pay back. They know (I think some of them know), that when you come out of he recession with even greater inequality than when you went into it, they know that they have to keep making the same kind of loans that they made before. Namely, lending money to people to buy houses they cannot afford. Lending money to students to go to college, and the students will never earn enough to pay the money back. That’s dangerous in the long run.

And you think they know this at some level?

I don’t know what each individual knows, but they all used to be the Keynesians. I used to be the socialist, and say, but it isn’t nice. I know you can keep going that way with reoccurring crises, but it isn’t nice. Now I’m the one that’s reminding them that it’s also impossible unless they do the usual Keynesian redistribution, which they used to do every few decades. Now they are just taking more, and more and more.

Let’s talk about the people you followed in your book, Down the Up Escalator, and why you decided to follow these folks in the first place. In your last book, you were following a dollar bill around the world. This time you decided to follow a group of people. Let’s start with the “Pink Slip Club.”

Well, when the recession hit, the publisher wanted a quickie on the recession. So I started interviewing people who lost their jobs, but I gave him a little more than he wanted, which is to say what I discovered is that these people have been going down economically for a long time. They had nothing to fall back on.

[The Pink Slip Club] was a group of friends who met in their church. They were people who earned about fifty thousand dollars a year as a graphics artist, as an insurnace adjuster, those kind of jobs. They lived in Manhattan and they could just make it on their fifty thousand dollars. They thought it would be over very quickly.

They thought the recession would be over quickly.

Yes, they thought the recession would be over quickly and they would find new jobs. They had all found jobs when they first started working – they found jobs quickly [but this time] it just dragged on and on and on.

What finally happened is that two are now working, two aren’t. But this is characteristic of what’s going on since the seventies: The person who had a full-time job as a graphics person in a textbook company now works catch-as-catch-can for those same kinds of companies. In fact, he works through a contractor, so he has no benefits; he’s making a little less an hour; he has no benefits; he has no guarantee of any work; he works when he can. I said to him, did you ever get a job from your old company … And he said no, somebody who still works there in the management told him that they’re sending the work abroad now. They’re not doing it through contractors in New York City. He will never have that kind of job again, nor will new people coming into that industry.

So you’ve got long-term unemployed, then you have people whose jobs have completely transformed.

Some people thought that the downturn that they personally suffered was temporary. I met a woman who had been the top salesperson for a very fancy Fifth Avenue clothing store – the kind that when you go in, you spend thousands of dollars at a time, and she would dress certain women every year. She was their highest grossing saleswoman. Very often, she had a commission. During the recession, they started laying people off. They started giving them shorter hours and then their commission disappeared. She thought it would come back afterwards and then she noticed that they were actually hiring new people during this recession and the new people were coming on with no commissions, and they were young people making $11 an hour. Her position was reduced to that, too. The store did have somewhat of a downturn, but all the time it was planning on what it was going to do afterwards.

I talked to a stockbroker who said, “Oh, I am very glad to hear about that company, because a lot of good developments like that come on during a recession.” That company did lose business, but I mentioned to you the person before who worked for a textbook company? Their business went up continuously, and they also used the recession as an opportunity to make all their permanent people temporary – and that is the new norm.

Let’s talk about the numbers. The numbers I just read from the Oxfam report, do you think this is the new normal in terms of gap between rich and poor?

Unless we do something about it, yes, that’s the direction it’s moving in.

As people talk about “recovery” – we hear a lot about returning to normal. Based on your research, what does the “new normal” in the workplace look like?

We’re coming back, in that there are some more jobs, [but for corporations] a victory has been had during that recession. Those jobs are the jobs I just mentioned: the saleslady who now gets no more commissions. In fact, the company has hired more people, only giving them fewer hours. Those jobs are like the graphic designer that I just mentioned, only now he’s working through contractors and getting a part-time job, and much less pay.

[It all adds up to] more and more money [for the employer]. Those companies are making the same profit; they may be doing a little less business, but they’re making the same profit or a little more. Profit went up about twenty-five percent for American corporations from the beginning of the recession, to its official end in 2009. It’s very unusual during a recession. When we talk about profit, we talk about money that went to the investor.

We heard that ninety percent of all the gains since 2009 have gone directly to that top one percent.

The top one percent not of salary earners, but of investors. That’s money that they have to reinvest.

So [tell me again] why should they be concerned?

If productivity is up, and by the way, it went up ninety-nine percent between 1971 and the beginning of the recession in 2007 and salaries went up just four percent – that means people can’t buy back what they produce. These companies say, okay I have a good idea: Instead of paying you to buy back what you produce, I’ll lend you the money. And they lent us money to buy cars; they lent us money to buy houses that we couldn’t afford.

The other point you raise in this book as in 2009, in the years running up to 2009, so too, today, there’s still an enormous pile of money that that elite one percent doesn’t know what to do with.

Right, when we’re talking about profits increasing by twenty-five percent by the end of the recession, that means that you and I are not worried about money being such a big problem, but if profits that great are going to investors, they put it in brokerage accounts or banks and a bank cannot keep its money in the bank; a bank has to do something with it. If people can’t buy products, then they have to start investing – not in companies that are making more [stuff] – they have to start investing in the derivatives of derivatives.

They are putting money back into the stock market, but the companies aren’t actually producing more. You put money in the stock market, the stock goes up …

You ask the question, why are they doing the same thing again? They have to do something with the profits. If inequality meant, I make thirty thousand dollars a year, you make a million dollars a year, that’s not very nice. You spend a million on a yacht; I take care of your yacht. I sweep it up and I’m still worrying about my children getting into college; that’s not nice, but unfortunately, it’s stable. Capitalism could run this way, but that’s not the million dollars we’re talking about, spending millions of dollars because you earn more than me. When we say, they got more, unequally, their share went up. Their share is of money they made in interest, money they made in investments and they just put that back into brokerage funds, back into banks, and those banks and brokerage funds have to do something with it. They’re doing the same [with] derivatives that they did before.

A man who kind of invented the math for derivatives, Ed Thorp, [someone] asked him after the crash, do you think that the stock market is still safe? He said, well, if we could move the money to Mars that would be better, but we can’t move it to Mars, so we have to put it back into the stock market even though it’s a Ponzi scheme.

So let’s talk about us. You, like Studs Terkel forty years ago, went and interviewed people and came away with a portrait that wasn’t just about numbers, but was really about a reality of life that many of us in the media are kind of numb to, or maybe we’re just not aware of … There’s actually less joy in your book than there was in Studs’ and Studs’ time was hard then. What is it doing to people to be in the situation they’re in?

What’s increasing is their insecurity, and the sense that they should be doing better. People who graduate from college and think that [the problem is] them. “Why am I – graduating from college – only earning $35,000? I was an intern last year. I have all of these bills from college, and my mother thinks I’m stupid; why did I do it this way?” And maybe I’m living back at home. It’s going to take awhile before the parents realize that oh my goodness, the child made the best decision she could. She invested in herself, or she bought a house that was a fixer-upper and it’s just the dollars and cents don’t add up. You’re not being paid enough, and you’re indebted. …We’re doing a bad job of helping them realize that it’s not just them, that this is thenew norm. That the so-called recovery that everyone is bragging about is this: We’ve recovered; we’ve taken your full-time job away and given you a part-time job – and we’ve given the difference to our stockholders. We’ve recovered; let’s breathe a sigh of relief.

What about the people?

What do you think it feels like? It will feel better, I hope, I think. I hope it will feel a little better when you say hey, they did it to us; this is universal; this is not just me, I didn’t choose a stupid school to go to, and a stupid major. I didn’t choose a stupid job. I didn’t fall behind on technology and that’s why I’m a part-timer …

It’s not like we’re too poor to have houses. As a matter of fact, there is a huge vacancy crisis. We don’t have to chop down trees to house everybody. Seventeen percent of housing is vacant right now. There is a place for all of us to move into if we just redistribute our ability to pay for it.

I’m a socialist. I’m frightened because I don’t see our capitalists saying, oops you better have a temporary redistribution. They learned to do that in the ’30s. In fact, they even learned to do that in the 1870s. I don’t see them doing it. We should all be frightened just as we are all frightened about the environment. There are capitalist solutions – redistribution – but they’re not doing it. That may be why we have a socialist solution this time. If 17% of the houses are vacant, we’ll just move into them.

Down the Up Escalator: How the 99% Live: I recommend it. Great stories, great read. Barbara Garson, thank you.

In conjunction with this conversation, GRITtv interviewed six New Yorkers about their work lives: “Juggling Jobs, Fighting Fear.” With work or looking for work, they all had one thing in common, they’re working too damn hard. If you’re working too damn hard – GRITtv wants to hear about it! Post your video, audio, or text at our Facebook page. We’re not ok with the “new normal.”

Copyright, Truthout. May not be reprinted without permission.

Transposição do Rio São Francisco: via de mão única (Agência Pública)

07/2/2014 – 12h13

por Marcia Dementshuk, para a Agência Pública

sertanejos Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Sertanejos convivem com a obra há quase sete anos sem soluções para as consequências da seca. Foto: Mano Carvalho

Na primeira matéria do projeto Reportagem Pública, a repórter viaja ao Eixo Leste – e mostra como a população está sendo afetada pelas obras

“Sem dúvida, com a transposição do rio São Francisco será oferecida segurança hídrica para o Nordeste”, garantiu o diretor-presidente da Agência Nacional das Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, durante nossa entrevista. A aposta do governo federal é alta: o orçamento atual da transposição é de R$ 8.158.024.630,97 (o dobro do previsto inicialmente), financiados pelo Programa de Aceleração ao Crescimento (PAC I e II). Trata-se do maior empreendimento de infraestrutura hídrica já construído no Brasil, que mudará para sempre a cara da região.

Menos de 5% das reservas hídricas do país estão no Nordeste do país, que detém entre 12% e 16% das reservas de água doce no planeta. O clima semiárido, seco, quente e com poucas chuvas domina o sertão, território com mais de 22,5 milhões de habitantes (Censo IBGE/2010).

Neste cenário, a notícia de que seria possível transportar a água do Rio São Francisco para regiões mais secas transformou-se em esperança para os nordestinos de todas as épocas. Fala-se nessa obra desde os tempos do Império, quando, em 1877, o intendente do Crato, no Ceará, apresentou para dom Pedro II um projeto que levaria águas do Rio São Francisco até o rio Jaguaribe, no seu estado.

A obra foi iniciada 130 anos depois, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, com base no projeto elaborado no governo de Fernando Henrique Cardoso. Depois do investimento inicial, de cerca de R$ 4 bilhões, o rendimento dos trabalhos diminuiu em 2010 por problemas de adequação do Projeto-Base à realidade da execução , e novas licitações precisaram ser feitas. Somente no final de 2013, conforme o Ministério da Integração Nacional, responsável pelo projeto, as obras foram 100% retomadas.

Hoje, o empreendimento aponta 51% de avanço, e o orçamento dobrou. A nova previsão para a conclusão é em dezembro de 2015, quando as águas deverão alcançar afinal o leito do rio Paraíba, no Eixo Leste, e o reservatório Engenheiro Ávidos, pelo Eixo Norte, ambos na Paraíba.

Ali do lado, falta água

O projeto prevê que as águas captadas do Rio São Francisco em dois canais de aproximação (no Eixo Norte, em Cabrobó e no Eixo Leste, no reservatório de Itaparica, em Floresta,ambos em Pernambuco) serão conduzidas pelos canais até os reservatórios, de onde abastecerão dezenas de municípios dos estados de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte, aproveitando a rede de saneamento existente. Projetos referentes a tomadas para uso difuso (pontos de tomada de água captadas ao longo dos canais para abastecer as comunidades instaladas nas proximidades) ainda estão em fase de elaboração. O Ministério da Integração ainda não definiu que pontos serão esses, nem os locais exatos de captação. Da mesma forma, os valores finais do custo desta água para a população ainda estão em estudo por parte do governo federal.

A realidade, porém, é que há mais de dois anos, muitos moradores dos municípios do semiárido nem sequer têm água nas torneiras; usam a água distribuída por caminhões-pipa, de poços particulares ou públicos (a maioria com água salobra) ou da chuva (quando chove).

Manoel Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Em Caiçara, distrito de Custódia, Maria Célia Rodrigues da Silva disse que falta água nas torneiras desde o início das obras do PISF. Foto: Mano Carvalho

Em Caiçara, distrito de Custódia, Pernambuco, próximo ao Lote 10, que corresponde a atual Meta 2L, da construção (veja o mapa), a população toma a água enviada pelo Exército, em caminhões-pipa, uma vez por semana. Toda semana é a mesma cena: a água é despejada em uma cisterna central, e cada morador tem que ir buscar – há carroceiros que cobram em torno de R$ 5,00 ou R$ 7,00 por viagem.

O riacho Custódia passa próximo da casa de Manoel Rodrigues de Melo, agricultor de 52 anos, mas o fio de água que resta é salobra, e só serve para lavar a casa ou os estábulos. “A água boa vem de Fátima, a uns 40 quilômetros daqui. O que a gente mais precisa aqui é água, que não tem”, suplica o agricultor. Nessas condições, ele e a esposas criaram oito filhos. Todos partiram em busca de melhores condições de vida. “É muito filho, até parece mentira! Mas antigamente os invernos eram melhores, chovia mais”.

Manoel Rodrigues de Melo, que nunca saiu da região onde nasceu, viu seu terreno ser dividido pelo canal do Eixo Leste: ficou com seis quilômetros de um lado do canal e com a mesma medida do outro. Dono de um sotaque sertanejo carregado, com poucos dentes na boca, as mãos calejadas e a pele castigada pelo sol, Manoel conta que agora os bichos têm de usar a ponte sobre o canal para passar. “Senão, eles ficam ou do lado de cá, ou do lado de lá, ou tem que fazer um volta tremenda lá por baixo, onde tem um lugar pra passar. Mas o que mais a gente espera é essa água que ‘tá’ pra vir. Isso vai mudar a nossa vida aqui. Vai ser muito bom”, diz o agricultor, ansioso.

“A gente tinha água pela torneira, era ruim, mas dava pra limpeza. Mas desde que começou essa construção (referindo-se à transposição) ela foi cortada”, lembra-se a vizinha de Manoel, a dona de casa Maria Célia Rodrigues da Silva, que cuida da mãe doente, com 82 anos. “Nem as cisternas não enchem. Estamos com dois anos de seca”, completou. A água encanada provinha de um poço escavado em outro vilarejo próximo de Caiçara, Fiúza, mas ela não sabe dizer se foi cortada em função das obras da transposição, ou se o poço secou. Mesmo com o encanamento de sua casa enferrujado e sem saber se terá água para beber no dia seguinte, a vida de Maria Célia continua. Ela não teve filhos. Cria alguns bodes, cabras e galinhas no quintal da casa e conta com o dinheiro da aposentadoria de sua mãe para o sustento das duas. Trabalhava na roça, mas nada mais resistiu à seca de dois anos.

Tradicional como a seca, o pífano de Zabé

Zabe Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Zabé da Loca. Foto: Mano de Carvalho

A tocadora de pífano Zabé da Loca nos recebeu às vésperas de completar 90 anos. Quando tinha 79 anos, 25 dos quais passados em uma gruta, na Serra do Tungão, próximo a Monteiro (PB), Zabé se tornou conhecida no mercado de música regional. Chegou a dividir o palco com músicos como Hermeto Pascoal e Gabriel Pensador em shows no Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Paraíba e Brasília.

Típica sertaneja, que jamais conheceu o conforto de abrir uma torneira de onde corresse água em abundância, Zabé teve 14 irmãos, oito dos quais morreram por doenças originadas pela falta de água e desnutrição. Fumante inveterada, persistiu no hábito mesmo depois do tratamento de combate a um enfisema pulmonar e à pneumonia e não deixou de enrolar um cigarrinho durante a visita, enquanto lembrava: “Nessa serra sempre teve água da chuva que empoçava nas pedras. Mas tinha anos que não encontrávamos água em canto nenhum. A gente tinha que ir até o rio (afluente do rio Paraíba, próximo da nascente) pegar”.

Quando comentamos sobre a transposição do rio São Francisco ela reagiu: “esse negócio existe mesmo?”

Para o ex-presidente da Associação Brasileira de Recursos Hídricos, Luiz Gabriel Azevedo, o custo de operação da água da transposição é elevado e requer investimentos vultosos, quando comparado a outras alternativas. “Parte do pacto, quando se pensou esse projeto, é de que os estados fariam um trabalho forte de racionalizar o uso dentro de seus territórios, de melhorar o sistema de gestão; e os estados estão aquém dessa expectativa”, analisa. Ele alega que os estados deveriam investir mais em obras que garantissem os recursos hídricos, como manutenção e construção de açudes, estudos para perfurações de poços e principalmente em obras de saneamento e rede de distribuição de água.

“Não valerá à pena trazer uma água cara para se desperdiçar do outro lado. Não dá para executar um projeto complexo se os recursos dos açudes não forem bem usados, se não houver um sistema de distribuição, se não se tem um sistema de gestão eficiente nos estados que vão receber para gerir a água”, complementou Luiz Gabriel Azevedo.

Por Lei, o órgão competente que determinará como a água será distribuída é o Conselho Gestor do Projeto de Integração do Rio São Francisco, instituído pelo Decreto 5.995/2006. Esse Conselho é formado por representantes dos estados beneficiados com o empreendimento – Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará – e tem por objetivo, entre outros, tratar da alocação das águas e dos rateios dos custos correspondentes.

moradores Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Desalentados pela seca, moradores de cidades do Sertão nordestino aguardam a chegada das águas da transposição. Foto: Mano Carvalho

Para o diretor-presidente da Agência Nacional das Águas (ANA) destaca que o Nordeste ainda carece de um conjunto de soluções hídricas, como aproveitamento máximo da escassa água da chuva, o controle do uso das águas dos reservatórios ou a transposição de águas de outras bacias hidrográficas, já que a escavação de poços do semiárido é considerada inviável. De acordo com o relatório de impacto Ambiental do PISF, (RIMA), “a maioria do território semiárido (70% da região) dispõe de pouca água subterrânea e possui solo impermeável, ou seja, absorve pouca água, limitando sua capacidade de disponibilidade. Além desse aspecto, a água, em geral, é de baixa qualidade”.

Realocação de moradores e uma vila partida ao meio

Cerca de 800 famílias foram deslocadas e receberam indenizações entre cerca de R$ 10 mil a R$ 15 mil para dar passagem às obras da transposição – de acordo com a gerência de Comunicação da CMT Engenharia, empresa responsável pelo acompanhamento das ações de compensação socioambiental do PISF – ao longo dos eixos Norte e Leste, em Pernambuco e no Ceará. De acordo com o supervisor de obras da empresa Ecoplan, Adilson Leal, porém, as terras não entraram na avaliação das propriedades a serem indenizadas por possuírem baixo valor de mercado, segundo a empresa, em função da pouca qualidade da terra para o plantio ou para o pasto, em uma região onde a chuva é escassa. Só as benfeitorias foram ressarcidas.

abastecimento Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Abastecimento de água potável para a população em Rio da Barra (PE), por onde passam os canais da transposição, ocorre duas vezes por semana. Foto: Mano de Carvalho

Em Rio da Barra, distrito de Sertânia, em Pernambuco, comunidade que beira o canal na altura do Lote 11, que corresponde à Meta 2L, (veja o mapa), a população se encontra duas vezes por semana na cisterna pública para se abastecer de água potável proveniente de um poço artesiano cavado pela Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Um funcionário da prefeitura de Sertânia controla o abastecimento gratuito dos galões trazidos pela população na noite anterior. O local acaba se tornando o ponto de encontro do povoado. Mães carregando baldões chegam com as crianças arrastando baldes menores, carroças carregadas de galões estacionam ao lado e todos aguardam com paciência pelo precioso líquido. Maria José Araújo Pinheiro, uma dona de casa tímida, mas de olhos atentos, aguardava sua vez quando comentou que sua mãe, Creusa Davi da Silva, aceitou a oferta do governo para desocupar suas terras no sítio Chique-Chique. “Eles ofereceram pra ela R$ 14.400, ela pegou e foi morar em Sertânia. Como ela ganha aposentadoria, está bem. Mas pagaram só pela casa”, disse Maria José.

Marcia Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

O marido de Márcia Freire, Adilson Salvador, de Rio da Barra (PE,) é técnico ambiental nas obras da transposição. Foto: Mano de Carvalho

Márcia Maria Freire Araújo vem do outro lado do canal do Eixo Leste da transposição pegar água na cisterna pública de Rio da Barra. Ela chega sempre antes das seis da manhã, na companhia do cunhado que conduz uma carroça puxada a burro onde transportam os galões de água. Andam cerca de dois quilômetros, atravessam o canal por uma ponte provisória e os depositam em uma fila de recipientes que começou a ser formar no dia anterior. Sua família mora em outra propriedade pequena, que teve uma parte indenizada pelo Ministério da Integração Nacional. “Eu não acho que é justo perder um pedaço de terra, mas se é para fazer o bem pra tanta gente, então aceitamos”, conforma-se. Ela vê o lado bom: seu marido, Adilson Salvador, é empregado na construtora SA Paulista como técnico ambiental na transposição. “Ele conseguiu emprego desde o início da obra, primeiro por outra empresa, e agora pela Paulista”, orgulha-se Márcia Maria.

Em outra localidade, na zona rural de Sertânia, os moradores do Sítio Brabo Novo ficaram divididos pelo canal. Pelo menos treze famílias preferiram a remoção para terras acima do reservatório Barro Branco, ainda em fase de retirada da vegetação. Um número bem maior de famílias permaneceu do outro lado do reservatório.

Maria da Conceição Siqueira, viúva, de 51 anos, e seu filho, de 18 anos, deixarão a antiga moradia para trás e irão para Sertânia. “Já recebi R$ 7.500,00 por aquela casinha ali”, diz, apontando para uma casa que ficará submersa pelo reservatório, “e ganhei essa casa aqui. Mas vamos fechá-la e ir embora”. “Fiquei com um pedaço de terra muito pequeno, (cerca de 50m²) não dá pra nada. Meu filho está em tratamento, ele teve um derrame no cérebro e é melhor a gente ficar lá”, diz.

Lucineia Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Lucinéia ferreira Florêncio não acredita em distribuição justa das águas da transposição. Foto: Mano de Carvalho

A família das irmãs Lucicléia e Lucinéia Ferreira Florêncio, vizinhas de Maria da Conceição, tomou uma decisão diferente. “Nossa primeira casa era onde agora vai ser o reservatório, e já foi indenizada em 2007. Mas esse reservatório ocupou quase a metade do nosso terreno. Como ainda sobraram terras desse outro lado e esta é uma área liberada, decidimos construir aqui, com o dinheiro da indenização”, contou Lucinéia. Ela não soube informar o tamanho do sítio, mas a nova casa é grande. No terreno persiste uma plantação de palmas (um tipo de cactos que serve para alimentar os animais) e algumas árvores frutíferas. O resto foi perdido: abacaxi, macaxeira, milho, feijão… A irmã, Luciclélia, casou-se e construiu uma casa menor ao lado, onde vive com o marido e uma bebê de nove meses.

Lucinéia, professora, duvida que no futuro haja uma distribuição justa das águas da transposição. “Tem os pontos positivos, mas acho que vão ter os negativos também. Eu penso que com essa água toda vão começar a fazer mais obras por aqui e eu não sei se toda a comunidade vai ter acesso a essa água quando quiser. O pequeno produtor nunca é beneficiado como os grandes proprietários, nunca tem igualdade. E acho que o crescimento vai ser desordenado. A comunidade já tem uma associação de moradores, mas ainda não sabe como abordar esse assunto”, lamentou Lucinéia, dizendo que não há orientação nenhuma dos governos sobre isso.

sitio Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

O Sítio Passagem da Pedra, em Sertânia, dividido para a construção do túnel; zeladores recuam cerca que delimita área da propriedade. Foto: Mano de Carvalho

Na área onde será construído o túnel entre Sertânia e Monteiro, no Lote 12, atual Meta 3L (veja mapa), a retomada das obras em dezembro significou a perda de mais 100 metros de terreno pelos agricultores, além dos 100 metros que já tinham recuado. “Fazer o quê? Os donos já receberam a indenização e agora que vieram construir pediram mais esse pedaço de terra”, explicam Lenilton Cordeiro dos Santos e Quitéria Araújo da Silva, zeladores do sítio Passagem da Pedra, cortado tanto pelo canal da transposição quanto pelo túnel.

Ailton Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

“Ninguém sabe”, afirmou o capataz Aílton Ferreira falando sobre a data que deverá chegar as águas da transposição no túnel na divisa entre Pernambuco e Paraíba. Foto: Mano de Carvalho

No sítio ao lado, Aílton Ferreira de Oliveira cuida do terreno da sogra, que também foi reduzido. “Agora, o gado que sobrou, cinco cabeças, está no curral e come mandacaru, pois não tem mais o que comer por causa da seca, e o terreno ficou pequeno pro pasto”.

“E essa água, quando chega?”, interrompe o capataz do sítio, que prossegue, num monólogo: “Ninguém sabe…”.

Leia também as outras quatro reportagens da série e ainda um relato da repórter Márcia Dementshuk, onde ela conta os bastidores da reportagem.

Uma viagem ao canteiro de obras

Na Contramão da Transposição

O povo contra os areeiros

Leia os bastidores da reportagem

A Transposição, um projeto dos tempos do Império

* Publicado originalmente no site Agência Pública.

Money makes people right-wing, inegalitarian, UK study finds (Science Daily)

Date: 

February 6, 2014

Source: University of Warwick

Summary: Lottery winners tend to switch towards support for a right-wing political party and to become less egalitarian, according to new research on UK data.

Evidence on Switchers: The Percentage of People Who Switched Right (Conservative), and Previously Did Not Vote Conservative, After a Lottery Win Source: BHPS Data, Waves 7-18. Credit: Source: BHPS Data, Waves 7-18; Graph courtesy of University of Warwick

Lottery winners tend to switch towards support for a right-wing political party and to become less egalitarian, according to new research on UK data by Professor Andrew Oswald of the University of Warwick and Professor Nattavudh Powdthavee of the London School of Economic and the Melbourne Institute of Applied Economic and Social Research, University of Melbourne.

Their study, published as a new University of Warwick working paper under the title “Does Money Make People Right-Wing and Inegalitarian: A Longitudinal Study of Lottery Wins”, shows that the larger the win, the more people tilt to the right. The study uses information on thousands of people and on lottery wins up to 200,000 pounds sterling. The authors say it is the first research of its kind.

The authors believe their paper has wide implications for how democracy works. Professor Oswald said he had become doubtful of the view that morality was an objective choice. “In the voting booth, monetary self-interest casts a long shadow, despite people’s protestations that there are intellectual reasons for voting for low tax rates.”

“We are not sure exactly what goes on inside people’s brains”, said Nick Powdthavee, “but it seems that having money causes people to favour conservative right-wing ideas. Humans are creatures of flexible ethics.”

The authors believe their paper has wide implications for how democracy works. Professor Oswald said he had become doubtful of the view that morality was an objective choice. “In the voting booth, monetary self-interest casts a long shadow, despite people’s protestations that there are intellectual reasons for voting for low tax rates.”

The authors’ paper comments that: “The causes of people’s political attitudes are largely unknown. One possibility is that individuals’ attitudes towards politics and redistribution are motivated by deeply ethical view. Our study provides empirical evidence that voting choices are made out of self-interest.”

Using a nationally representative sample of lottery winners in the UK – the British Household Panel Survey – the researchers have been able to explore the observed longitudinal changes in political allegiance of the bigger winners to the smaller winners. The effect is also sizeable. Winning a few thousand pounds in the lottery has an effect on right-wingness that is just under half of completing a good standard of education (i.e. A-levels) at high school.

The lottery winning effect is far stronger for males than females. The authors are not sure why.

The study has nobody who wins millions and millions. “We’d certainly love to be able to track the views of the rare giant winners”, said Professor Oswald, “if any lottery company would like to work with our research team.”

Journal Reference:

  1. Andrew Oswald, Nattavudh Powdthavee. Does Money Make People Right-Wing and Inegalitarian: A Longitudinal Study of Lottery WinsUniversity of Warwick, February 2014

Casa Branca anuncia a criação de sete centros climáticos (O Globo)

JC e-mail 4890, de 07 de fevereiro de 2014

Núcleos ajudarão agricultores a evitarem a ocorrência de eventos extremos, como seca, incêndios e enchentes

Na esteira da aprovação no Senado americano de uma nova lei agrícola, conhecida como Farm Bill, a Casa Branca anunciou esta quarta-feira a criação de sete “centros climáticos” para ajudar os agricultores e comunidades rurais a responderem aos riscos de mudanças climáticas, inclusive secas, ocorrência de pestes, incêndios e enchentes.
Os centros climáticos serão nos estados de Iowa, New Hampshire, Carolina do Norte, Oklahoma, Oregon, Colorado e Novo México.

Autoridades do governo americano descreveram a iniciativa como uma das ações executivas que o presidente Barack Obama tomará para atacar as mudanças climáticas sem um movimento do Congresso.

A criação de centros climáticos é considerado um passo limitado, mas é parte de uma campanha mais ampla do Executivo para usar sua autoridade, onde for possível, em políticas ligadas às mudanças do clima.

O governo tenta, também, ganhar apoio político para engajar-se em outros projetos, principalmente na elaboração de uma forte regulamentação que determine cortes de emissões de carbono em usinas do país. A criação do programa está sendo debatida na Agência de Proteção Ambiental.

A criação dos centros climáticos foi anunciada pelo secretário de Agricultura, Tom Villsack. A intenção do governo é que o programa ajude agricultores de cada região a adaptarem-se às mudanças climáticas, antes da elaboração de um projeto mais ambicioso.

- As mudanças climáticas são um desafio novo e complexo enfrentado pelos agricultores, e seus impactos são sentidos nas florestas e nas áreas de cultivo.

(Carol Davenport do New York Times/O Globo)

http://oglobo.globo.com/ciencia/casa-branca-anuncia-criacao-de-sete-centros-climaticos-11526131#ixzz2se5UT4FG

Are you political on Facebook? (Science Daily)

Date: 

January 29, 2014

Source: Inderscience

Summary: Social media and networks are ripe for politicization, for movement publicity, advocacy group awareness, not-for-profit fund-raising campaigns and perhaps even e-government. However, the majority of users perhaps see these tools as being useful for entertainment, interpersonal connections and sharing rather than politics. A research paper reinforces this notion. The results suggest that the potential for political activism must overcome the intrinsic user perception that online social networks are for enjoyment rather than utility, political or otherwise.

Social media and networks are ripe for politicization, for movement publicity, advocacy group awareness, not-for-profit fund-raising campaigns and perhaps even e-government. However, the majority of users perhaps see these tools as being useful for entertainment, interpersonal connections and sharing rather than politics. A research paper to be published in the Electronic Government, An International Journal reinforces this notion. The results suggest that the potential for political activism must overcome the intrinsic user perception that online social networks are for enjoyment rather than utility, political or otherwise.

Tobias Kollmann and Christoph Stöckmann of the E-Business and E-Entrepreneurship Research Group, at the University of Duisburg-Essen, and Ina Kayser of VDI — The Association of German Engineers, in Düsseldorf, Germany, explain that while social networks have become increasingly important as discussion forums, users are not at present motivated to accept political decisions that emerge from such discussions. As such, Facebook is yet to properly break through as the innovative means of political participation that it might become.

The team roots this disjuncture in the psychological phenomenon of cognitive dissonance where two opposing concepts cannot be rationalized simultaneously and an individual discards one as invalid in favour of the other to avoid the feeling of psychological discomfort. For example, users enjoy logging on to a social network, such as Facebook, so that they can share photos, play games and chat online with friends. This is inherently at odds, it does not resonate, with the idea of Facebook being useful as a tool for discussing and implementing the perhaps more important realm of human endeavour we know as politics.

However, the team says, the advent of politically oriented Facebook games, such as “Campaigns” and “America 2049″ blur the lines between the area of enjoyment and political discussion. Moreover, they point out that the boundaries were already blurred in terms of interpersonal discussions among some users where political discussion is facilitated by the network and also perceived as an enjoyable part of participation despite it falling in the “useful” camp. Indeed, the team’s data from several hundred randomly selected Facebook users would support the notion that the perception of mutual benefit arising from political participation on Facebook positively adds to the perception of usefulness as well as being enjoyable. They allude to the fact that the findings might apply equally well to other so-called “Web 2.0″ tools on the Internet.

Journal Reference:

  1. Tobias Kollmann, Ina Kayser, Christoph Stöckmann. Understanding political participation on Facebook: the moderating role of intrinsic motivation.Electronic Government, an International Journal, 2013; 10 (3/4): 310 DOI:10.1504/EG.2013.058786

Noam Chomsky is right: It’s the so-called serious who devastate the planet and cause the wars (Salon)

MONDAY, JAN 27, 2014 11:52 AM -0200

Fear the sober voices on the New York Times Op-Ed page and in the think tanks — they’re more dangerous than hawks

, TOMDISPATCH.COM

Noam Chomsky is right: It's the so-called serious who devastate the planet and cause the warsNoam Chomsky (Credit: AP/Hatem Moussa)

A captain ready to drive himself and all around him to ruin in the hunt for a white whale. It’s a well-known story, and over the years, mad Ahab in Herman Melville’s most famous novel, Moby-Dick, has been used as an exemplar of unhinged American power, most recently of George W. Bush’s disastrous invasion of Iraq.

But what’s really frightening isn’t our Ahabs, the hawks who periodically want to bomb some poor country, be it Vietnam or Afghanistan, back to the Stone Age.  The respectable types are the true “terror of our age,” as Noam Chomsky called them collectively nearly 50 years ago.  The really scary characters are our soberest politiciansscholarsjournalistsprofessionals, and managers, men and women (though mostly men) who imagine themselves as morally serious, and then enable the wars, devastate the planet, and rationalize the atrocities.  They are a type that has been with us for a long time.  More than a century and a half ago, Melville, who had a captain for every face of empire, found their perfect expression — for his moment and ours.

For the last six years, I’ve been researching the life of an American seal killer, a ship captain named Amasa Delano who, in the 1790s, was among the earliest New Englanders to sail into the South Pacific.  Money was flush, seals were many, and Delano and his fellow ship captains established the first unofficial U.S. colonies on islands off the coast of Chile.  They operated under an informal council of captains, divvied up territory, enforced debt contracts, celebrated the Fourth of July, and set up ad hoc courts of law.  When no bible was available, the collected works of William Shakespeare, found in the libraries of most ships, were used to swear oaths.

From his first expedition, Delano took hundreds of thousands of sealskins to China, where he traded them for spices, ceramics, and tea to bring back to Boston.  During a second, failed voyage, however, an event took place that would make Amasa notorious — at least among the readers of the fiction of Herman Melville.

Here’s what happened: One day in February 1805 in the South Pacific, Amasa Delano spent nearly a full day on board a battered Spanish slave ship, conversing with its captain, helping with repairs, and distributing food and water to its thirsty and starving voyagers, a handful of Spaniards and about 70 West African men and women he thought were slaves. They weren’t.

Those West Africans had rebelled weeks earlier, killing most of the Spanish crew, along with the slaver taking them to Peru to be sold, and demanded to be returned to Senegal.  When they spotted Delano’s ship, they came up with a plan: let him board and act as if they were still slaves, buying time to seize the sealer’s vessel and supplies.  Remarkably, for nine hours, Delano, an experienced mariner and distant relative of future president Franklin Delano Roosevelt, was convinced that he was on a distressed but otherwise normally functioning slave ship.

Having barely survived the encounter, he wrote about the experience in his memoir, which Melville read and turned into what many consider his “other” masterpiece.  Published in 1855, on the eve of the Civil War, Benito Cereno is one of the darkest stories in American literature.  It’s told from the perspective of Amasa Delano as he wanders lost through a shadow world of his own racial prejudices.

One of the things that attracted Melville to the historical Amasa was undoubtedly the juxtaposition between his cheerful self-regard — he considers himself a modern man, a liberal opposed to slavery — and his complete obliviousness to the social world around him.  The real Amasa was well meaning, judicious, temperate, and modest.

In other words, he was no Ahab, whose vengeful pursuit of a metaphysical whale has been used as an allegory for every American excess, every catastrophic war, every disastrous environmental policy, from Vietnam and Iraq to the explosion of the BP oil rig in the Gulf of Mexico in 2010.

Ahab, whose peg-legged pacing of the quarterdeck of his doomed ship enters the dreams of his men sleeping below like the “crunching teeth of sharks.”  Ahab, whose monomania is an extension of the individualism born out of American expansion and whose rage is that of an ego that refuses to be limited by nature’s frontier.  “Our Ahab,” as a soldier in Oliver Stone’s movie Platoon calls a ruthless sergeant who senselessly murders innocent Vietnamese.

Ahab is certainly one face of American power. In the course of writing a book on the history that inspired Benito Cereno, I’ve come to think of it as not the most frightening — or even the most destructive of American faces.  Consider Amasa.

Killing Seals

Since the end of the Cold War, extractive capitalism has spread over our post-industrialized world with a predatory force that would shock even Karl Marx.  From the mineral-rich Congo to the open-pit gold mines of Guatemala, from Chile’s until recently pristine Patagonia to the fracking fields of Pennsylvania and the melting Arctic north, there is no crevice where some useful rock, liquid, or gas can hide, no jungle forbidden enough to keep out the oil rigs and elephant killers, no citadel-like glacier, no hard-baked shale that can’t be cracked open, no ocean that can’t be poisoned.

And Amasa was there at the beginning.  Seal fur may not have been the world’s first valuable natural resource, but sealing represented one of young America’s first experiences of boom-and-bust resource extraction beyond its borders.

With increasing frequency starting in the early 1790s and then in a mad rush beginning in 1798, ships left New Haven, Norwich, Stonington, New London, and Boston, heading for the great half-moon archipelago of remote islands running from Argentina in the Atlantic to Chile in the Pacific.  They were on the hunt for the fur seal, which wears a layer of velvety down like an undergarment just below an outer coat of stiff gray-black hair.

In Moby-Dick, Melville portrayed whaling as the American industry.  Brutal and bloody but also humanizing, work on a whale ship required intense coordination and camaraderie.  Out of the gruesomeness of the hunt, the peeling of the whale’s skin from its carcass, and the hellish boil of the blubber or fat, something sublime emerged: human solidarity among the workers.  And like the whale oil that lit the lamps of the world, divinity itself glowed from the labor: “Thou shalt see it shining in the arm that wields a pick or drives a spike; that democratic dignity which, on all hands, radiates without end from God.”

Sealing was something else entirely.  It called to mind not industrial democracy but the isolation and violence of conquest, settler colonialism, and warfare.  Whaling took place in a watery commons open to all.  Sealing took place on land.  Sealers seized territory, fought one another to keep it, and pulled out what wealth they could as fast as they could before abandoning their empty and wasted island claims.  The process pitted desperate sailors against equally desperate officers in as all-or-nothing a system of labor relations as can be imagined.

In other words, whaling may have represented the promethean power of proto-industrialism, with all the good (solidarity, interconnectedness, and democracy) and bad (the exploitation of men and nature) that went with it, but sealing better predicted today’s postindustrial extracted, hunted, drilled, fracked, hot, and strip-mined world.

Seals were killed by the millions and with a shocking casualness.  A group of sealers would get between the water and the rookeries and simply start clubbing.  A single seal makes a noise like a cow or a dog, but tens of thousands of them together, so witnesses testified, sound like a Pacific cyclone.  Once we “began the work of death,” one sealer remembered, “the battle caused me considerable terror.”

South Pacific beaches came to look like Dante’s Inferno.  As the clubbing proceeded, mountains of skinned, reeking carcasses piled up and the sands ran red with torrents of blood.  The killing was unceasing, continuing into the night by the light of bonfires kindled with the corpses of seals and penguins.

And keep in mind that this massive kill-off took place not for something like whale oil, used by all for light and fire.  Seal fur was harvested to warm the wealthy and meet a demand created by a new phase of capitalism: conspicuous consumption.  Pelts were used for ladies’ capes, coats, muffs, and mittens, and gentlemen’s waistcoats.  The fur of baby pups wasn’t much valued, so some beaches were simply turned into seal orphanages, with thousands of newborns left to starve to death.  In a pinch though, their downy fur, too, could be used — to make wallets.

Occasionally, elephant seals would be taken for their oil in an even more horrific manner: when they opened their mouths to bellow, their hunters would toss rocks in and then begin to stab them with long lances.  Pierced in multiple places like Saint Sebastian, the animals’ high-pressured circulatory system gushed “fountains of blood, spouting to a considerable distance.”

At first the frenetic pace of the killing didn’t matter: there were so many seals.  On one island alone, Amasa Delano estimated, there were “two to three millions of them” when New Englanders first arrived to make “a business of killing seals.”

“If many of them were killed in a night,” wrote one observer, “they would not be missed in the morning.”  It did indeed seem as if you could kill every one in sight one day, then start afresh the next.  Within just a few years, though, Amasa and his fellow sealers had taken so many seal skins to China that Canton’s warehouses couldn’t hold them.  They began to pile up on the docks, rotting in the rain, and their market price crashed.

To make up the margin, sealers further accelerated the pace of the killing — until there was nothing left to kill.  In this way, oversupply and extinction went hand in hand.  In the process, cooperation among sealers gave way to bloody battles over thinning rookeries.  Previously, it only took a few weeks and a handful of men to fill a ship’s hold with skins.  As those rookeries began to disappear, however, more and more men were needed to find and kill the required number of seals and they were often left on desolate islands for two- or three-year stretches, living alone in miserable huts in dreary weather, wondering if their ships were ever going to return for them.

“On island after island, coast after coast,” one historian wrote, “the seals had been destroyed to the last available pup, on the supposition that if sealer Tom did not kill every seal in sight, sealer Dick or sealer Harry would not be so squeamish.”  By 1804, on the very island where Amasa estimated that there had been millions of seals, there were more sailors than prey.  Two years later, there were no seals at all.

The Machinery of Civilization

There exists a near perfect inverse symmetry between the real Amasa and the fictional Ahab, with each representing a face of the American Empire.  Amasa is virtuous, Ahab vengeful.  Amasa seems trapped by the shallowness of his perception of the world.  Ahab is profound; he peers into the depths.  Amasa can’t see evil (especially his own). Ahab sees only nature’s “intangible malignity.”

Both are representatives of the most predatory industries of their day, their ships carrying what Delano once called the “machinery of civilization” to the Pacific, using steel, iron, and fire to kill animals and transform their corpses into value on the spot.

Yet Ahab is the exception, a rebel who hunts his white whale against all rational economic logic.  He has hijacked the “machinery” that his ship represents and rioted against “civilization.”  He pursues his quixotic chase in violation of the contract he has with his employers.  When his first mate, Starbuck, insists that his obsession will hurt the profits of the ship’s owners, Ahab dismisses the concern: “Let the owners stand on Nantucket beach and outyell the Typhoons. What cares Ahab?  Owners, Owners?  Thou art always prating to me, Starbuck, about those miserly owners, as if the owners were my conscience.”

Insurgents like Ahab, however dangerous to the people around them, are not the primary drivers of destruction.  They are not the ones who will hunt animals to near extinction — or who are today forcing the world to the brink.  Those would be the men who never dissent, who either at the frontlines of extraction or in the corporate backrooms administer the destruction of the planet, day in, day out, inexorably, unsensationally without notice, their actions controlled by an ever greater series of financial abstractions and calculations made in the stock exchanges of New York, London, and Shanghai.

If Ahab is still the exception, Delano is still the rule.  Throughout his long memoir, he reveals himself as ever faithful to the customs and institutions of maritime law, unwilling to take any action that would injure the interests of his investors and insurers.  “All bad consequences,” he wrote, describing the importance of protecting property rights, “may be avoided by one who has a knowledge of his duty, and is disposed faithfully to obey its dictates.”

It is in Delano’s reaction to the West African rebels, once he finally realizes he has been the target of an elaborately staged con, that the distinction separating the sealer from the whaler becomes clear.  The mesmeric Ahab — the “thunder-cloven old oak” — has been taken as a prototype of the twentieth-century totalitarian, a one-legged Hitler or Stalin who uses an emotional magnetism to convince his men to willingly follow him on his doomed hunt for Moby Dick.

Delano is not a demagogue.  His authority is rooted in a much more common form of power: the control of labor and the conversion of diminishing natural resources into marketable items.  As seals disappeared, however, so too did his authority.  His men first began to grouse and then conspire.  In turn, Delano had to rely ever more on physical punishment, on floggings even for the most minor of offences, to maintain control of his ship — until, that is, he came across the Spanish slaver.  Delano might have been personally opposed to slavery, yet once he realized he had been played for a fool, he organized his men to retake the slave ship and violently pacify the rebels.  In the process, they disemboweled some of the rebels and left them writhing in their viscera, using their sealing lances, which Delano described as “exceedingly sharp and as bright as a gentleman’s sword.”

Caught in the pincers of supply and demand, trapped in the vortex of ecological exhaustion, with no seals left to kill, no money to be made, and his own crew on the brink of mutiny, Delano rallied his men to the chase — not of a white whale but of black rebels.  In the process, he reestablished his fraying authority.  As for the surviving rebels, Delano re-enslaved them.  Propriety, of course, meant returning them and the ship to its owners.

Our Amasas, Ourselves

With Ahab, Melville looked to the past, basing his obsessed captain on Lucifer, the fallen angel in revolt against the heavens, and associating him with America’s “manifest destiny,” with the nation’s restless drive beyond its borders.  With Amasa, Melville glimpsed the future.  Drawing on the memoirs of a real captain, he created a new literary archetype, a moral man sure of his righteousness yet unable to link cause to effect, oblivious to the consequences of his actions even as he careens toward catastrophe.

They are still with us, our Amasas.  They have knowledge of their duty and are disposed faithfully to follow its dictates, even unto the ends of the Earth.

TomDispatch regular Greg Grandin’s new book, The Empire of Necessity:  Slavery, Freedom, and Deception in the New World, has just been published. 

To stay on top of important articles like these, sign up to receive the latest updates from TomDispatch.com here.

Greg Grandin is a professor of history at New York University and the author, most recently, of “Fordlandia: The Rise and Fall of Henry Ford’s Forgotten Jungle City”. Check out a TomDispatch audio interview with Grandin about Henry Ford’s strange adventure in the Amazon by clicking here.

Up the Financier: Studying the California Carbon Market (AAA, Anthropology and Environment Society Blog)

Posted on January 26, 2014

ENGAGEMENT co-editor Chris Hebdon catches up with University of Kentucky geographer Patrick Bigger.

Patrick Bigger at the Chicago Board of Trade

Patrick Bigger at the Chicago Board of Trade

How would you explain your dissertation research on the California carbon market?

At the broadest level, my research is about understanding how a brand new commodity market tied to environmental improvement is brought into the world, and then how it functions once it is in existence. Taking as a starting point Polanyi’s (1944) observation that markets are inherently social institutions, my work sorts though the social, geographical, and ideological relationships that are being mobilized in California and brought from across the world to build the world’s second largest carbon market. And those constitutive processes and practices are no small undertaking.

Making a multi-billion dollar market from scratch is a process that entails the recruitment and hiring of a small army of bureaucrats and lawyers, the creation of new trading and technology firms, the involvement of offset developers and exchange operators who had been active in other environmental commodities markets, and learning from more than fifty years of environmental economics and the intellectual work of think tanks and NGOs. There are literally tens of thousands of hours of people’s time embodied in the rule-making process, which result in texts (in the form of regulatory documents) that profoundly influence how California’s economy is performed every day. These performances range from rice farmers considering how much acreage to sow in the Sacramento Delta to former Enron power traders building new trading strategies based on intertemporal price differences of carbon futures for different compliance periods in California’s carbon market.

My work uses ethnographic methods such as participant-observation in public rule-making workshops and semi-structured interviews with regulators, industry groups, polluters, NGOs, and academics to try to recreate the key socio-geographical relationships that have had the most impact on market design and function. It’s about how regulatory and financial performances are intertwined, as events in the market (and in other financial markets, most notably the deregulated electric power market in California) are brought back to bear on rule-making, and then how rule-making impacts how the market and the associated regulated industrial processes are enacted. And the key thing is that there isn’t some isolated cabal of carbon’s ‘masters of the universe’ pulling the strings––it’s bureaucrats in cubicles, academics writing books, and offset developers planting trees out there making a market. And they’re people you can go observe and talk with.


Who are buying and selling these carbon credits?

That’s a trickier question than it seems. Most of the credits (aka allowances) are effectively created out of thin air by the California Air Resources board which then distributes them via either free allocation or by auction to anyone who requests authorization to bid. A significant proportion of those are given away directly to regulated industries to ease their transition to paying for their carbon output. Another way the auction works is that electric utilities are given almost all the credits they need to fulfill their obligation, but they are required to sell (consign) those permits in the auction, while they are typically also buyers. This is to prevent windfall profits, like what happened in the EU, for the electric utilities. The utilities must return the value of what they make selling their permits at auction to ratepayers, which they have done to the tune of $1.5 billion so far.

More to the spirit of the question though, it’s a pretty big world. Literally anyone can buy California Carbon on the Intercontinental Exchange (ICE), based in Chicago. From what I’ve been told, a lot of allowances pass through Houston because there is a major agglomeration of energy traders there, and carbon is often bundled into transactions like power purchase agreements that are traded over-the-counter (OTC). There’s an interesting division in who buys their credits where––companies that must comply with climate regulations tend to buy through the auction, while people trading for presumably speculative purposes tend to buy on the exchange. This isn’t even getting into who produces, sells, and buys carbon offsets, which is another market entirely unto itself. To attempt to be succinct, I’d say there is a ‘carbon industry’ in the same sense that Leigh Johnson (2010) talks about a ‘risk industry’; a constellation of brokers, lawyers, traders, insurers, and industrial concerns, and the size of these institutional actors range from highly specialized carbon traders to the commodities desk at transnational investment banks.


Would you be able to outline some ways your research could affect public policy? And how is it in dialogue with environmental justice literature and engaged scholarship?

There are a number of ways that my work could be taken up by policy makers, though to be clear I did not set out to write a dissertation that would become a how-to-build-a-carbon-market manual. Just being around regulators and market interlocutors has provided insights into the most challenging aspects to market creation and maintenance, like what sorts of expertise a bureaucracy needs, how regulators can encourage public participation in seemingly esoteric matters, or the order which regulator decisions need to be made. Beyond the nuts-and-bolts, there’s a fairly substantial literature on ‘fast policy transfer’ in geography that critiques the ways certain kinds of policy become wildly popular and are then plopped down anywhere regardless of geographical and political-economic context; I am interested in contributing to that literature because California’s carbon market was specifically designed to ‘travel’ through linkages with other sub-national carbon markets. I would also note that there are aspects of what I’m thinking about that problematize the entire concept of the marketization of nature in ways that would also be applicable to the broader ecosystem service literature and the NGOs and regulators who are trying to push back against that paradigm.

As far as the EJ literature is concerned, I’ll admit to having a somewhat fraught relationship. I set out to do a project on the economic geography of environmental finance, not to explicitly document the kinds injustices that environmental finance has, or has the potential, to produce. As a result some critics have accused me of being insufficiently justice-y. I’d respond by noting that my work is normative, even if it isn’t framed in the language of environmental justice; it certainly isn’t Kuhnian normal science. But EJ arguments, if they are any good, do depend on empirical grounding and I would hope that my work provides that.

At the Chicago Board of Trade.

“I’d be really happy if scholars of other markets could find parallels to my work that demonstrated that all markets, not just environmental ones, were as much about the state as they are about finance.”

Your advisor Morgan Robertson has written about “oppositional research,” and research “behind enemy lines,” drawing on his experience working inside the Environmental Protection Agency. What has oppositional research meant for you?

I think about it as using ethnographic methods to poke and prod at the logics and practices that go into building a carbon market. I think for Morgan it was more about the specific problems and opportunities of being fully embedded in an institution whose policies you want to challenge. That position of being fully ‘inside’ isn’t where I’m at right now, and it’s a difficult position to get into either because you just don’t have access, because the researcher doesn’t want to or isn’t comfortable becoming a full-fledged insider, or because academics often just don’t have time to do that sort research. It’s also contingent on what sort of conversational ethnographic tact you want to take––when you’re fully embedded you lose the option of performing the research space as a neophyte, which can be a very productive strategy. One thing that I will mention is that oppositional research is based on trust. You must have established some rapport with your research participants before you challenge them head-on, or they may just walk away and then you’ve done nothing to challenge their practices or world view, you’ve potentially sewn ill will with future research participants, and you won’t get any of the interesting information that you might have otherwise.


How about the method of “studying up”?

For starters, the logistics of ‘studying up’ (Nader 1969) are substantially different than other kinds of fieldwork. There’s lots of downtime (unless you’re in a situation where you’ve got 100% access to whatever you’re studying, e.g.  having a job as a banker or regulator) because there aren’t hearings or rule-making workshops everyday, or even every week, and the people making the market are busy white-collar people with schedules. I feel like I’ve had a really productive week if I can get 3 interviews done.

Beyond the logistics, one of the most challenging parts of studying a regulatory or financial process you’re not fully onboard with is walking the line between asking tough questions of your research participants and yet not alienating them. It has been easy for me to go in the other direction as well––even though I think carbon markets are deeply problematic and emblematic of really pernicious global trends toward the marketization of everything, I really like most of my research participants. They’re giving me their time, they tell me fascinating stories, and they’ve really bent over backward to help me connect with other people or institutions it never would have occurred to me to investigate. And that can make it tough to want to challenge them during interviews. After a while, it’s also possible to start feeling you’re on the inside of the process, at least as far as sharing a language and being part of a very small community. There aren’t many people in the world that I can have a coffee with and make jokes about one company’s consistently bizarre font choices in public comments documents. So even though the market feels almost overwhelmingly big in one sense, it’s also very intimate in another. I’m still working out how to write a trenchant political-economic critique with a much more sympathetic account of regulatory/market performance. Even many guys in the oil-refining sector are deeply concerned about climate change.


Would you ever take a job in a carbon trading firm?

Absolutely. There’s a rich literature developing that gets into the nuts and bolts of many aspects of finance, including carbon trading in the social studies of finance/cultural economics that overlaps with scholarship in critical accounting and even work coming out of some business schools. Some of those folks, like Ekaterina Svetlova (see especially 2012), have worked or done extended participant observation in the financial institutions that are being unpacked in broader literatures around performative economics and have provided useful critiques or correctives that is helping this literature to mature.

However, much of this work is subject to the same pitfalls as other work in the social studies of finance, especially the sense that scholars ‘fall in love’ with the complexity of their research topic and the ingenuity of their research participants qua coworkers and ultimately fail to link them back to meaningful critiques of the broader world. All that said, I’m not sure I’ve got the chops to work in finance. I’d be more interested in, and comfortable with, working in the environmental and economic governance realm where I could see, on a daily basis, how the logics of traders meet the logics of regulation and science.


What advice would you give to scholars who may do research on carbon markets in the future?

Get familiar with the language and logics of neoclassical economics. Really familiar. Take some classes. If you’re studying neoliberal environmental policy, it shouldn’t come as a surprise that regulation is shot through with the logics of market triumphalism at a level that just reading David Harvey (2003, 2005) probably wouldn’t prepare you for. A little engineering, or at least familiarity with engineers, wouldn’t be amiss either.

On a really pragmatic level, if you can get access, get familiar with being in an office setting if you haven’t spent much time in one. Being in a new kind of space can be really stressful and if you’re not comfortable in your surroundings you might not be getting the most out of your interviews.

If you’re studying a carbon market specifically, take the time to understand how the electricity grid works. I lost a lot of time sitting through workshops that were well over my head dealing with how the electric power industry would count its carbon emissions. I would have gotten much more out of them if I’d had even a cursory understanding of how the electricity gets from the out-of-state coal-fired power plant to my toaster.

Don’t expect to just pop in-and-out of fieldwork. Make yourself at home. Take some time to figure out what the points of tension are. That’s not to say you must do an ‘E’thnography, but taking the time at the beginning to understand the playing field will make it easier to understand the maneuvering later.

Read the specialist and general press every single day. Set up some news aggregator service to whatever market or regulation you’re looking at. It’s what your participants will be reading, and if they aren’t then you’ll really look like you know what you’re doing.


What are broad implications of your research?

I think starting to come to grips on the creation, from nothing, of a commodity market worth more than a billion dollars could have all sorts of impacts I can’t even imagine. I’d be really happy if scholars of other markets could find parallels to my work that demonstrated that all markets, not just environmental ones, were as much about the state as they are about finance, and not just in the way that Polanyi wrote about them. I’d also like to help people think through the relationship between the economic structures that people build, and then how they inhabit them through economic ideology, the performance of that ideology and their modern representation, the economic model. In some ways this is reopening the structure-agency debates that have been simmering for a long time. I also want to provide more grist for the mill in terms of unpacking variegated neoliberalisms––there are quite a few examples I’ve run across in my work where discourses about the efficiencies of markets run up against either therealpolitik of institutional inertia or perceived risks to the broader economy (which can be read as social reproduction).

In terms of policy, I hope that regulatory readers of my work will think about the relative return on investment (if I can appropriate a financial concept) in deploying market-based environmental policy as opposed to direct regulation, particularly around climate change. We’re in a situation that demands urgency to curb the worst impacts of carbon pollution, so it is of the utmost importance that the state take dramatic action, and soon. That said, wouldn’t it be interesting if this carbon market ended up accomplishing its goals? If it does, then I hope my work would take on different kinds of significance.

* * *

Harvey, David. 2003. The New Imperialism. New York: Oxford University Press.

Harvey, David. 2005. A Brief History of Neoliberalism. New York: Oxford University Press.

Johnson, Leigh. 2010. Climate Change and the Risk Industry: The Multiplication of Fear and Value. Richard Peet, Paul Robbins and Michael Watts, eds. Global Political Ecology. London: Routledge.

Nader, Laura. 1969. Up the Anthropologist: Perspectives Gained from Studying Up. Dell Hymes, ed. Reinventing Anthropology. New York: Random House.

Polanyi, Karl. 1944. The Great Transformation. Boston: Beacon.

Svetlova, Ekaterina. 2012. On the Performative Power of Financial Models. Economy and Society 41(3): 418-434.

Crônica Mendes, o rap e a política (Spresso SP)

Postado em jan 23 2014 – 9:57am por Redação.

Na entrevista, o rapper afirma que odeia Alckmin, vê erros no rolezinho e critica os “extremistas do rap”, que condenam idas à Globo e shows em “casa de boy”

Por Igor Carvalho

crônica-mendes-edit

“Temos que alçar voos para fora da periferia” (foto: Divulgação)

Crônica Mendes está inaugurando uma nova fase na carreira. Recentemente, lançou “Até onde o coração pode chegar”, seu primeiro disco solo, produzido por ele mesmo e que reafirma a fama de “politizado” do rapper.

Em suas músicas, são comuns as referências à periferia de São Paulo e ao governador do Estado. “Eu odeio o Alckmin. Eu não gosto desse cara. Ele não é do povo e não tem nada a oferecer. Infelizmente ele está lá, faz uma política de elites, contra o povo. E tem outra, ele é a continuidade da política do PSDB de massacre da juventude negra e pobre nas periferias”, afirma Crônica Mendes.

Sem sair da seara da contestação e do incômodo social, o rapper  produziu “Domingo de Chuva”, uma comovente faixa em que narra uma das histórias que ouviu no Jardim Pantanal, quando a região alagou. “Aquele lugar parecia Bagdá, gente. O Estado aproveitou a tragédia que ele criou e mandou as máquinas que terminaram de derrubar casas, e ver o sofrimento daquelas famílias era muito ruim.”

Crônica ainda criticou aqueles que ele chama de “extremistas do rap”, pessoas do movimento que criticam rappers que aceitam convites, por exemplo, para participar de programas da Rede Globo, como Edi Rock, no Esquenta, e o Slim Rimografia, no Big Brother Brasil. “Ir lá não corrompe meu caráter. O culpado somos nós, cara, porque nós sempre fizemos essa campanha de não ir à televisão, então hoje a gente apanha quando diz ‘sim’.”

SPressoSP – Como tem sido a experiência da carreira solo? Tomar decisões sozinho é melhor?
Crônica Mendes – Quando  “A Família” parou, eu aproveitei e coloquei em prática um sonho antigo que é a gravação do meu disco solo, com as minhas próprias ideias e liderando 100% a elaboração e produção do disco. Além disso, tem sido importante para mim pegar a estrada com novas pessoas, com novos ritmos. Eu precisava fazer isso, desde que eu comecei na música, e isso foi com 12 anos de idade, eu amo estar no palco, mas quando estava no grupo eu tinha que respeitar o limite de cada um, o processo criativo de cada, mas agora eu posso viver todo o processo. Bom, e o risco e a responsabilidade são maiores.

SPressoSP – O nome do teu disco é “Até onde o coração pode chegar”. De onde o Crônica partiu e até onde o coração pode chegar?
Crônica Mendes – Eu sou periferia. Continuo acreditando na periferia, no rap que é feito na periferia e nas pessoas de lá, que me fortaleceram e me permitiram chegar aonde cheguei hoje. Mas olha, não podemos ficar cantando nós para nós mesmos o tempo todo, temos que alçar voos para fora da periferia, só que esse processo deve ser feito como extensão e não como abandono. Eu não consigo cantar rap nacional sem falar da quebrada, da rotina da favela. Se um dia eu não estiver na favela, continuarei a cantar a favela, meu caráter é formado na periferia.

SPressoSP – Você cita o Sérgio Vaz, que participa do disco, e a Cooperifa no disco. Onde eles estão inseridos na tua obra?
Crônica Mendes – Ah, o Sérgio Vaz me mostrou a importância de ler nossa gente. Antes do Sérgio Vaz, a literatura que eu consumia era de fora das periferias. O Sérgio foi o primeiro escritor que eu conheci e a Cooperifa tem uma relação muito forte com o rap nacional. Houve uma época em que se falava muito que o rap nacional estava morrendo, e vieram os saraus para dar esse oxigênio ao rap nacional, para que ele se mantivesse atuante nas periferias. No sarau, as pessoas deixam de lado a batida, mas elas vão ali recitar o seu rap, se concentram no conteúdo das letras. As pessoas começaram a estudar mais para escrever e isso ajudou demais na sequência do rap. Então é isso, o fortalecimento da literatura periférica cooperou muito, não só para mim, mas para o rap nacional.

SPressoSP – Qual tua opinião sobre os “rolezinhos”?
Crônica Mendes – Formar uma opinião, agora, de imediato pode ser ridículo. É um movimento novo e é impressionante como tem gente falando sobre ele, como se todo mundo conhecesse. A galera se junta para fazer um rolezinho no shopping e os seguranças expulsam. Bom, são pretos e de periferia, são também, mas são pretos de periferia que estão causando algum transtorno lá dentro. É complicado já sair dizendo que é racismo e ditadura. Temos que ir um pouco mais fundo nessa discussão e parar de achar que tudo que é reação contra negro e pobre na periferia é preconceito e racismo, a gente erra também, e tem gente nossa errando por aí.

SPressoSP – Antes criminalizado, o rap hoje está na novela, na moda, entre as músicas mais tocadas do país, com artistas prestigiados. Surgiu, então, uma nova geração que deixa a contestação e a politização de lado. Você é crítico em relação a essa nova geração?
Crônica Mendes – Eu não dito regras dentro do rap e não gosto que alguém dite regras no rap. Eu acredito que exista uma cartilha do rap, mas que não está fechada. A cada dia, de acordo com as situações, surgem coisas novas e que precisam ser respeitadas. A gente precisa aceitar o querer das pessoas, eu acho que a gente não pode querer que todos os rappers sejam Crônica Mendes, temos que entender a pluralidade do rap, a periferia é plural. O que não podemos aceitar é que pessoas desrespeitem e esqueçam o que foi a história do rap nacional, da luta de quem fez rap nos anos 80 e 90. Por que o rap está tocando na novela? Porque dá audiência, é isso. A grande mídia quer audiência, por isso está nos colocando lá. Muita gente apanhou da polícia, continua apanhando, morreu, para que se pudesse fazer rap em São Paulo, cara. Não precisamos bater em tudo e em todos, nós cantamos a periferia e a periferia tem entretenimento, precisamos cantar a alegria de ser periferia, temos que cantar o trabalhador, o professor. Se hoje está mais suave, é porque muita gente batalhou antes.

SPpressoSP – Eu listei alguns rappers que foram alvo de críticas dentro do próprio movimento. O Edi Rock quando foi no “Esquenta” [programa da Rede Globo], o Mano Brown fez show em um clube de elite em São Paulo, o Emicida tocou na festa da Fifa e tem música na novela e agora o Slim Rimografia está participando do Big Brother Brasil (BBB) 14. Esse ambiente tão crítico do rap, criado e alimentado por vocês também, assusta na hora de tomar uma decisão sobre aceitar, ou não, determinado convite?
Crônica Mendes – Isso é muito complicado. É como você falou, muitos desses extremistas do rap foram criados por nós mesmos. Nós alimentamos por muito tempo que no rap não tinha espaço para sorrir, mas naquela época tinha que ser assim mesmo. Hoje, a periferia evoluiu, temos mais motivos para sorrir. Infelizmente, uma grande parte do público não consegue aceitar nosso sorriso. Olha, eu não tenho medo, acho que o público deve se preocupar se eu for nesses lugares e nunca mais voltar. Eu posso ir no “Altas Horas”, mas estou em um evento beneficente na quebrada, eu estou no jogo de várzea. Ir lá não corrompe meu caráter. O culpado somos nós, cara, porque nós sempre fizemos essa campanha de não ir à televisão, então hoje a gente apanha quando diz ‘sim’. Eu não tenho medo, e acho que os parceiros que foram estão certo. Pô, a gente vai em uma casa de boy e ganha uma grana e investe metade em uma parada da comunidade, em um centro cultural, mas a gente não divulga, esses extremistas do rap não sabem dessa parte. Como você vai falar mal dos Racionais MCs? Como? Se hoje alguém canta rap nesse país é graças aos caras do Racionais MCs, eu sou grato demais a eles.

SPressoSP – Na música “Tinindo”, você reforça o caráter político que permeia tua obra. Você coloca, nessa canção, um áudio do Geraldo Alckmin dizendo “quem não reagiu, está vivo”. Por quê?
Crônica Mendes – Eu odeio o Alckmin. Eu não gosto desse cara. Ele não é do povo e não tem nada a oferecer. Infelizmente ele está lá, faz uma política de elites, contra o povo. E tem outra, ele é a continuidade da política do PSDB de massacre da juventude negra e pobre nas periferias. Eu não tenho como gostar desse cara e nem aceitar ele, o PSDB inteiro, aliás. A vida nas periferias melhorou muito, mas isso não é culpa do PSDB, é graças ao Lula, o governo do PT governa para o povo, quando o PT está no poder, podemos dizer que o Estado está do nosso lado.

SPressoSP – “Quando a cidade dorme”, é uma música em que você tenta fazer uma radiografia do caminho que um homem faz da periferia para o centro. Enquanto ouvia esse som, me veio à cabeça as chacinas que ocorrem na madrugada, na periferia…
Crônica Mendes – Essa música nasceu quando eu morava na Barra Funda e fazia o caminho para o centro, vindo da periferia. Essas chacinas são a forma que o governo encontrou de dizer que lugar de periférico é na periferia, de nos empurrar mais para dentro da periferia, com medo. Eles não nos querem buscando conhecimento e lutando na rua. A polícia é isso, vai lá, dá um rasante, extermina uns e mostra que temos que ficar na periferia. Isso sim é censura, isso sim é racismo, isso sim é ditadura. Isso é um extermínio, não estamos falando de perseguição policial, averiguação ou uma investigação, é o policial chegando e atirando, sem perguntar.

SPressoSP – Você faz uma crítica à influência norte-americana no rap nacional. Ainda é muito pesada essa influência?
Crônica Mendes – Os EUA são quem mandam nisso. Nós somos, se não me engano, o quinto maior produtor de rap no mundo. Então sofremos mesmo essa influência, mas o que não pode acontecer é que as ideias deles nos contaminem, porque é outra realidade.

SPressoSP – “Domingo de chuva” é uma música sofrida. Você viveu o que descreve ali?
Crônica Mendes – Quantas Marias não derramam lágrimas quando cai uma chuva em São Paulo? Eu tive a ideia de escrever essa música depois que visitei o Jardim Pantanal, na época daquela enchente criminosa. Bom, eu fui convidado pelo coletivo Peso para levar um pouco de entretenimento para aquele povo que estava sofrendo muito. Aquele lugar parecia Bagdá, gente. O Estado aproveitou a tragédia que ele criou e mandou as máquinas que terminaram de derrubar casas, e ver o sofrimento daquelas famílias era muito ruim. Lá eu conheci uma família em especial que me contou a história do fim de semana que alagou, que tinha começado muito bonito e terminou alagado. Eu tive que socializar essa história.

SPressoSP – Você faz um rap bem urbano, mas é baiano do interior e criado no interior de São Paulo. Onde aparecem elementos dessas regiões em tua música, eles existem?
Crônica Mendes – Eu sou do interior mesmo, na Bahia eu só nasci. Cara, minhas influências vêm do brega. Eu adoro, tanto que têm frases no meu disco que são inspiradas no brega, meu primeiro rap foi inspirado em uma música do Amado Batista, que chama “Favela”. Eu ouço muito brega e a minha grande referência no rap é o Racionais, que veio bem depois, além do GOG, que foi fundamental para a minha formação intelectual, junto com a Nina Fideles [companheira de Crônica Mendes].

PT responde movimento #nãovaitercopa e cria o #vaitercopa (OESP)

13.janeiro.2014 17:48:50

Desde domingo, 12, sigla vem utilizando redes sociais para promover o evento que vem sendo alvo de críticas de movimentos sociais

Carla Araújo

São Paulo – Após a presidente Dilma Rousseff publicar no Diário Oficial da União, no último dia 10, decreto que destinou dois novos funcionários para Secretaria-Geral da Presidência para promover “diálogo com os movimentos e segmentos sociais por ocasião da Copa do Mundo FIFA 2014″, o Partido dos Trabalhadores (PT) usou a página da presidente e do partido no Facebook para estimular uma campanha defendendo a realização da Copa no País.

Com a marca #VaiTerCopa, no domingo, 12, o PT publicou a mensagem: “Tá combinado. Uma boa semana para todos que torcem pelo Brasil. #VaiTerCopa”. Já na página oficial da presidente, que é administrada pelo partido, a mensagem afirmava: “LÍQUIDO E CERTO. Uma boa semana para todos que torcem pelo Brasil. #VaiTerCopa.”

Apesar de a expressão ser evidentemente uma resposta ao protesto que tem sido marcado para o próximo dia 25 em todo o País, com a mensagem “Não vai ter Copa”, o responsável por gerenciar as redes sociais do PT, o vice-presidente do partido, Alberto Cantalice, afirmou que a ideia “Não teve um objetivo concreto. É porque as pessoas ficam cobrando que a gente fale alguma coisa.”

Segundo Cantalice, a ideia não foi para fazer contraposição ao provável protesto. “Não foi uma coisa para fazer resistência à movimentação popular, até porque a população é amplamente favorável à Copa”, afirmou. Ele disse ainda que a ideia de colocar mensagem na página do PT e da presidente foi uma forma de “testar, para ver se a mensagem ia pegar”. “Não foi nada articulado, só colocamos ali para ver como ia ser e foi extremamente positivo”, avaliou.

Até a tarde desta segunda-feira, a mensagem postada pelo PT havia sido compartilhada por 595 pessoas e curtida por 1.059 pessoas. A página petista tem pouco mais de 75 mil seguidores. No caso da página da presidente, o texto foi replicado por 1.796 e curtido por mais de 5 mil pessoas. A página de Dilma possui 185 mil fãs.

Confira a mensagem postada pelo PT no Facebook

Foto: Reprodução

Além da página administrada pelo PT, Dilma se comunica com os internautas por meio da página do blog Dilma Rousseff, onde as mensagens costumam ser mais institucionais. Apesar de não ter postado até o momento a mensagem #vaitercopa, a página postou nesta segunda-feira, 13, um texto destacando a situação do estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, que já está com 97% das obras concluídas.

Protesto. Após os protestos de 2012, internautas tentam se mobilizar para realizar a primeira grande manifestação do ano utilizando o apelo da Copa no Brasil. O movimento, que ganhou o nome de Não Vai Ter Copa, está se organizando nas redes sociais para o próximo dia 25 um ato de repúdio ao evento esportivo. A comunidade oficial do ato no Facebook, no entanto, ainda não atingiu um grande número de pessoas comparado aos eventos de 2013. Criada no dia 15 de julho do ano passado, a comunidade possui apenas 4.764 seguidores até o momento.

Em São Paulo, o protesto está marcado para as 17h, no vão livre do Masp. Até o momento, a página criada para estimular o evento tem 1.653 participações confirmadas. O texto com a assinatura “We are Anonymous” (nós somos anônimos) critica os gastos do governo com a Copa e cobra ações da presidente Dilma prometidas durante as manifestações. “Junho passou. Cadê a reforma política prometida pela presidenta Dilma? Via plebiscito ou não, desapareceu. Não houve nenhuma mudança real no parâmetro político ou social desde o começo dos levantes”, diz o texto.

Os ativistas dizem ainda que durante a Copa das Confederações no ano passado “todas as cidades lutaram pelo fim dos jogos”. “O Brasil precisa mudar, e não é no futebol. O clamor popular de Janeiro em diante terá apenas uma voz: NÃO VAI TER COPA”. No Rio de Janeiro, o grupo que criou a comunidade oficial do movimento também está organizando os protestos para as 17 horas do dia 25. A princípio, conforme informação publicada no Facebook, o local da manifestação será em frente ao Copacabana Palace.

Tradicionais e libertários (Carta Capital)

“Muito das catástrofes da esquerda nas últimas décadas” deve ser atribuído “à perpetuação dessa divisão, que pode e deve ser superada”

por Vladimir Safatle — publicado 13/01/2014 06:19

Eduardo Viveiros de Castro é, atualmente, um dos intelectuais mais originais e rigorosos de nosso país. Responsável por concepções antropológicas inovadoras, como o “perspectivismo ameríndio”, o antropólogo carioca forneceu subsídios teóricos importantes para a problematização de um campo, nem sempre totalmente explícito, no interior do qual se desenvolve o comércio entre filosofia e antropologia.

Muitas vezes de maneira silenciosa, conceitos filosóficos ligados à noção de progresso, identidade, diferença e racionalidade fornecem o fundamento implícito para teorias que querem ser vistas como a mera descrição neutra de realidades sociais múltiplas. Explicitar e problematizar tal fundamento implícito é apenas uma das virtudes do pensamento de Viveiros de Castro. Com isso, ele não apenas forneceu uma visão mais rica e complexa daquilo que a antropologia tradicional chamara anteriormente de “animismo”, com suas pretensas ligações a um “pensamento pré-lógico” que coloca os sistemas indígenas de representação no interior de um bizarro cortejo de regressões no qual encontramos, um ao lado do outro, o selvagem, a criança e o psicótico. Ao insistir que o estudo antropológico das realidades indígenas poderia revelar o potencial perdido de uma racionalidade mimética ignorada por nossos sistemas de pensamento, ao mostrar como conceitos de natureza marcados por um perspectivismo interno era uma maneira forte de nos ensinar a sair das vias da racionalidade resvalada à estratégia de dominação instrumental, Viveiros de Castro não teria como deixar de se voltar contra certo positivismo latente que habita mais de uma versão das teorias marxistas da história.

Nesse sentido, a entrevista por ele fornecida à revista Piauí de janeiro é reveladora. Nela, Viveiros de Castro expõe claramente suas críticas àquilo que aparece no texto como “a esquerda tradicional”, com sua incapacidade de escapar de uma visão produtivista da relação entre homem e natureza, de sua fascinação não dita pela força disciplinar do Estado, pela organização política sob a forma do partido e pela sua crença na história como realização progressiva que marca com o selo do arcaísmo aquilo que sempre esteve fora do processo de modernização capitalista. Contra isso, apareceria uma “esquerda libertária”, à sua maneira tributária dos ideais antitotalitários de maio de 1968, ciosa da afirmação das diferenças e desconfiada dos arranjos institucionais que a esquerda tradicional procuraria preservar.

De fato, essa foi a divisão política que marcou a história política da esquerda nos últimos 40 anos. Talvez a boa questão seja se precisamos realmente de ainda conservá-la. Muito das catástrofes políticas da esquerda nas últimas décadas deve ser debitado na conta da perpetuação dessa divisão, que pode e deve ser superada. É verdade que tal divisão é ainda tão forte que nem sempre conseguimos nos fazer ouvir para além de certos estereótipos. Mas é de sua superação que depende o futuro de uma esquerda renovada e tal superação passa, certamente, pela revisão de certos pressupostos antropológicos que acabam por implicitamente guiar a ação política.

Por exemplo, podemos nos perguntar em quanto a tendência de alguns em estigmatizar ações como as impetradas pelos Black Blocs não seria dependente da crença em uma política organizada a partir de um “institucionalismo forte” que imediatamente compreende a recusa à institucionalidade como convite direto ao irracionalismo. Há de se perguntar o quanto isso não seria dependente de certa noção de progresso histórico como fortalecimento institucional.

No entanto, há de se lembrar dos problemas que o outro lado tem dificuldade em responder. Por exemplo, ao desconfiar do pretenso potencial disciplinar que estaria presente nas exigências de igualitarismo próprias à “esquerda tradicional” a dita “esquerda libertária” acabou, nas últimas décadas, por esquecer quão fundamental é organizar a luta política a partir do combate à desigualdade. Lembrem, o Partido Verde alemão, talvez um dos mais clássicos representantes dessa “esquerda libertária”, foi o mesmo que apoiou as leis de desregulamentação liberal do trabalho (Hartz IV) na Alemanha. A afirmação da diferença não pode nos cegar para a centralidade do combate sem trégua à desigualdade. Mas é simplesmente impossível lutar contra a desigualdade em larga escala sem um aparato institucional como o Estado, com sua força legal, tributária e universalizadora.

Our singularity future: should we hack the climate? (Singularity Hub)

Written By: 

Posted: 01/8/14 8:31 AM

Basaltlake-coring_greenland

Even the most adamant techno-optimists among us must admit that new technologies can introduce hidden dangers: Fire, as the adage goes, can cook the dinner, but it can also burn the village down.

The most powerful example of unforeseen disadvantages stemming from technology is climate change. Should we attempt to fix a problem caused by technology, using more novel technology to hack the climate? The question has spurred heated debate.

Those in favor point to failed efforts to curb carbon dioxide emissions and insist we need other options. What if a poorly understood climatic tipping point tips and the weather becomes dangerous overnight; how will slowing emissions help us then?

“If you look at the projections for how much the Earth’s air temperature is supposed to warm over the next century, it is frightening. We should at least know the options,” said Rob Wood, a University of Washington climatologist who edited a recent special issue of the journal Climatic Change devoted to geoengineering.

Wood’s view is gaining support, as the predictions about the effects of climate change continue to grow more dire, and the weather plays its part to a tee.

But big, important questions need answers before geoengineering projects take off. Critics point to science’s flimsy understanding of the complex systems that drive the weather. And even supporters lament the lack of any experimental framework to contain disparate experiments on how to affect it.

“Proposed projects have been protested or canceled, and calls for a governance framework abound,” Lisa Dilling and Rachel Hauser wrote in a paper that appears in the special issue. “Some have argued, even, that it is difficult if not impossible to answer some research questions in geoengineering at the necessary scale without actually implementing geoengineering itself.”

Most proposed methods of geoengineering derive from pretty basic science, but questions surround how to deploy them at a planetary scale and how to measure desired and undesired effects on complex weather and ocean cycles. Research projects that would shed light on those questions would be big enough themselves potentially to affect neighboring populations, raising ethical questions as well.

stratoshieldEarlier efforts to test fertilizing the ocean with iron to feed algae that would suck carbon dioxide from the air and to spray the pollutant sulfur dioxide, which reflects solar radiation, into the atmosphere were mired in controversy. A reputable UK project abandoned its plans to test its findings in the field.

But refinements on those earlier approaches are percolating. They include efforts both to remove previously emitted carbon dioxide from the atmosphere and to reduce the portion of the sun’s radiation that enters the atmosphere.

One method of carbon dioxide removal (or CDR) would expose large quantities of carbon-reactive minerals to the air and then store the resulting compounds underground; another would use large C02 vacuums to suck the greenhouse gas directly from the air into underground storage.

Solar radiation management (or SRM) methods include everything from painting roofs white to seeding the clouds with salt crystals to make them more reflective and mimicking the climate-cooling effects of volcanic eruptions by spraying  sulfur compounds into the atmosphere.

The inevitable impact of geoengineering research on the wider population has led many scientists to compare geoengineering to genetic research. The comparison to genetic research also hints at the huge benefits geoengineering could have if it successfully wards off the most savage effects of climate change.

As with genetic research, principles have been developed to shape the ethics of the research. Still, the principles remain vague, according to a 2012 Nature editorial, and flawed, according to a philosophy-of-science take in the recent journal issue. Neither the U.S. government nor international treaties have addressed geoengineering per se, though many treaties would influence its testing implementation.

The hottest research now explores how long climate-hacks would take to work, lining up their timelines with the slow easing of global warming that would result from dramatically lowered carbon dioxide emissions, and how to weigh the costs of geoengineering projects and accommodate public debate.

Proceeding with caution won’t get fast answers, but it seems a wise way to address an issue as thorny as readjusting the global thermostat.

Funding Problems Threaten U. S. Disaster Preparedness (Science Daily)

Jan. 9, 2014 — The Sept. 11, 2001 attacks in New York City prompted large increases in government funding to help communities respond and recover after human-made and natural disasters. But, this funding has fallen considerably since the economic crisis in 2008. Furthermore, disaster funding distribution is deeply inefficient: huge cash infusions are disbursed right after a disaster, only to fall abruptly after interest wanes. These issues have exposed significant problems with our nation’s preparedness for public health emergencies.

In a report published by the Institute of Medicine, authors Jesse Pines, M.D., director of the Office of Clinical Practice Innovation at the George Washington University (GW) School of Medicine and Health Sciences (SMHS); Seth Seabury, Ph.D., associate professor of emergency medicine at the Keck School of Medicine of the University of Southern California (USC); and William Pilkington, DPA, of the Cabarrus Health Alliance, make seven recommendations to provide a road map to enhance the sustainability of preparedness efforts in the United States.

“With more limited government funding in the foreseeable future, the government needs to be smarter about how it spends its money on emergency preparedness in this country,” said Seabury, who is also with the Leonard D. Schaeffer Center for Health Policy & Economics at USC. “We need to know which communities are prepared and which aren’t, when money is spent, and whether it’s really making these communities better off in handling a disaster.”

The authors make the following recommendations:

1. The federal government should develop and assess measures of emergency preparedness both at the community-level and across communities in the U.S.

2. Measures developed by the federal government should be used to conduct a nation-wide gap analysis of community preparedness.

3. Alternative ways of distributing funding should be considered to ensure all communities have the ability to build and sustain local coalitions to support sufficient infrastructure.

4. When monies are released for projects, there should be clear metrics of grant effectiveness.

5. There should be better coordination at the federal level, including funding and grant guidance.

6. Local communities should build coalitions or use existing coalitions to build public-private partnerships with local hospitals and other businesses with a stake in preparedness.

7. Communities should be encouraged to engage in ways to finance local preparedness efforts.

“A lot of communities out there have found creative ways to get local businesses to invest in preparedness. The more locals buying into the importance of preparedness, the more resilient a community is,” said Pines, who is also a professor of emergency medicine at GW SMHS and professor of health policy at the GW School of Public Health and Health Services. “How Boston responded and recovered so effectively after the marathon bombings is a great example of a prepared community.”

The study, titled “Value-Based Models for Sustaining Emergency Preparedness Capacity and Capability in the United States,” was published by The Institute of Medicine Preparedness Forum.

Peak Oil Is Dead. Long Live Peak Oil! (The Nation)

The eulogies for peak oil came too soon. 

Michael T. Klare

January 9, 2014

Oil rig

A drilling rig near Kennedy, Texas. (AP Photo/Eric Gay)

Among the big energy stories of 2013, “peak oil”—the once-popular notion that worldwide oil production would soon reach a maximum level and begin an irreversible decline—was thoroughly discredited. The explosive development of shale oil and other unconventional fuels in the United States helped put it in its grave.

As the year went on, the eulogies came in fast and furious. “Today, it is probably safe to say we have slayed ‘peak oil’ once and for all, thanks to the combination of new shale oil and gas production techniques,” declared Rob Wile, an energy and economics reporter for Business Insider. Similar comments from energy experts were commonplace, prompting an R.I.P. headline at Time.com announcing, “Peak Oil is Dead.”

Not so fast, though. The present round of eulogies brings to mind the Mark Twain’s famous line: “The reports of my death have been greatly exaggerated.” Before obits for peak oil theory pile up too high, let’s take a careful look at these assertions. Fortunately, the International Energy Agency (IEA), the Paris-based research arm of the major industrialized powers, recently did just that—and the results were unexpected. While not exactly reinstalling peak oil on its throne, it did make clear that much of the talk of a perpetual gusher of American shale oil is greatly exaggerated. The exploitation of those shale reserves may delay the onset of peak oil for a year or so, the agency’s experts noted, but the long-term picture “has not changed much with the arrival of [shale oil].”

The IEA’s take on this subject is especially noteworthy because its assertion only a year earlier that the US would overtake Saudi Arabia as the world’s number one oil producer sparked the “peak oil is dead” deluge in the first place. Writing in the 2012 edition of its World Energy Outlook, the agency claimed not only that “the United States is projected to become the largest global oil producer” by around 2020, but also that with US shale production and Canadian tar sands coming online, “North America becomes a net oil exporter around 2030.”

That November 2012 report highlighted the use of advanced production technologies—notably horizontal drilling and hydraulic fracturing (“fracking”)—to extract oil and natural gas from once inaccessible rock, especially shale. It also covered the accelerating exploitation of Canada’s bitumen (tar sands or oil sands), another resource previously considered too forbidding to be economical to develop. With the output of these and other “unconventional” fuels set to explode in the years ahead, the report then suggested, the long awaited peak of world oil production could be pushed far into the future.

The release of the 2012 edition of World Energy Outlook triggered a global frenzy of speculative reporting, much of it announcing a new era of American energy abundance. “Saudi America” was the headline over one such hosanna in the Wall Street Journal. Citing the new IEA study, that paper heralded a coming “US energy boom” driven by “technological innovation and risk-taking funded by private capital.” From then on, American energy analysts spoke rapturously of the capabilities of a set of new extractive technologies, especially fracking, to unlock oil and natural gas from hitherto inaccessible shale formations. “This is a real energy revolution,” the Journalcrowed.

But that was then. The most recent edition of World Energy Outlook, published this past November, was a lot more circumspect. Yes, shale oil, tar sands, and other unconventional fuels will add to global supplies in the years ahead, and, yes, technology will help prolong the life of petroleum. Nonetheless, it’s easy to forget that we are also witnessing the wholesale depletion of the world’s existing oil fields and so all these increases in shale output must be balanced against declines in conventional production. Under ideal circumstances—high levels of investment, continuing technological progress, adequate demand and prices—it might be possible to avert an imminent peak in worldwide production, but as the latest IEA report makes clear, there is no guarantee whatsoever that this will occur.

Inching Toward the Peak

Before plunging deeper into the IEA’s assessment, let’s take a quick look at peak oil theory itself.

As developed in the 1950s by petroleum geologist M. King Hubbert, peak oil theory holds that any individual oil field (or oil-producing country) will experience a high rate of production growth during initial development, when drills are first inserted into a oil-bearing reservoir. Later, growth will slow, as the most readily accessible resources have been drained and a greater reliance has to be placed on less productive deposits. At this point—usually when about half the resources in the reservoir (or country) have been extracted—daily output reaches a maximum, or “peak,” level and then begins to subside. Of course, the field or fields will continue to produce even after peaking, but ever more effort and expense will be required to extract what remains. Eventually, the cost of production will exceed the proceeds from sales, and extraction will be terminated.

For Hubbert and his followers, the rise and decline of oil fields is an inevitable consequence of natural forces: oil exists in pressurized underground reservoirs and so will be forced up to the surface when a drill is inserted into the ground. However, once a significant share of the resources in that reservoir has been extracted, the field’s pressure will drop and artificial means—water, gas, or chemical insertion—will be needed to restore pressure and sustain production. Sooner or later, such means become prohibitively expensive.

Peak oil theory also holds that what is true of an individual field or set of fields is true of the world as a whole. Until about 2005, it did indeed appear that the globe was edging ever closer to a peak in daily oil output, as Hubbert’s followers had long predicted. (He died in 1989.) Several recent developments have, however, raised questions about the accuracy of the theory. In particular, major private oil companies have taken to employing advanced technologies to increase the output of the reservoirs under their control, extending the lifetime of existing fields through the use of what’s called “enhanced oil recovery,” or EOR. They’ve also used new methods to exploit fields once considered inaccessible in places like the Arctic and deep oceanic waters, thereby opening up the possibility of a most un-Hubbertian future.

In developing these new technologies, the privately owned “international oil companies” (IOCs) were seeking to overcome their principal handicap: most of the world’s “easy oil”—the stuff Hubbert focused on that comes gushing out of the ground whenever a drill is inserted—has already been consumed or is controlled by state-owned “national oil companies” (NOCs), including Saudi Aramco, the National Iranian Oil Company, and the Kuwait National Petroleum Company, among others. According to the IEA, such state companies control about 80 percent of the world’s known petroleum reserves, leaving relatively little for the IOCs to exploit.

To increase output from the limited reserves still under their control—mostly located in North America, the Arctic, and adjacent waters—the private firms have been working hard to develop techniques to exploit “tough oil.” In this, they have largely succeeded: they are now bringing new petroleum streams into the marketplace and, in doing so, have shaken the foundations of peak oil theory.

Those who say that “peak oil is dead” cite just this combination of factors. By extending the lifetime of existing fields through EOR and adding entire new sources of oil, the global supply can be expanded indefinitely. As a result, they claim, the world possesses a “relatively boundless supply” of oil (and natural gas). This, for instance, was the way Barry Smitherman of the Texas Railroad Commission (which regulates that state’s oil industry) described the global situation at a recent meeting of the Society of Exploration Geophysicists.

Peak Technology

In place of peak oil, then, we have a new theory that as yet has no name but might be called techno-dynamism. There is, this theory holds, no physical limit to the global supply of oil so long as the energy industry is prepared to, and allowed to, apply its technological wizardry to the task of finding and producing more of it. Daniel Yergin, author of the industry classics, The Prize andThe Quest, is a key proponent of this theory. He recently summed up the situation this way: “Advances in technology take resources that were not physically accessible and turn them into recoverable reserves.” As a result, he added, “estimates of the total global stock of oil keep growing.”

From this perspective, the world supply of petroleum is essentially boundless. In addition to “conventional” oil—the sort that comes gushing out of the ground—the IEA identifies six other potential streams of petroleum liquids: natural gas liquids; tar sands and extra-heavy oil; kerogen oil (petroleum solids derived from shale that must be melted to become usable); shale oil; coal-to-liquids (CTL); and gas-to-liquids (GTL). Together, these “unconventional” streams could theoretically add several trillion barrels of potentially recoverable petroleum to the global supply, conceivably extending the Oil Age hundreds of years into the future (and in the process, via climate change, turning the planet into an uninhabitable desert).

But just as peak oil had serious limitations, so, too, does techno-dynamism. At its core is a belief that rising world oil demand will continue to drive the increasingly costly investments in new technologies required to exploit the remaining hard-to-get petroleum resources. As suggested in the 2013 edition of the IEA’s World Energy Outlook, however, this belief should be treated with considerable skepticism.

Among the principal challenges to the theory are these:

1. Increasing Technology Costs: While the costs of developing a resource normally decline over time as industry gains experience with the technologies involved, Hubbert’s law of depletion doesn’t go away. In other words, oil firms invariably develop the easiest “tough oil” resources first, leaving the toughest (and most costly) for later. For example, the exploitation of Canada’s tar sands began with the strip-mining of deposits close to the surface. Because those are becoming exhausted, however, energy firms are now going after deep-underground reserves using far costlier technologies. Likewise, many of the most abundant shale oil deposits in North Dakota have now been depleted, requiring an increasing pace of drilling to maintain production levels. As a result, the IEA reports, the cost of developing new petroleum resources will continually increase: up to $80 per barrel for oil obtained using advanced EOR techniques, $90 per barrel for tar sands and extra-heavy oil, $100 or more for kerogen and Arctic oil, and $110 for CTL and GTL. The market may not, however, be able to sustain levels this high, putting such investments in doubt.

2. Growing Political and Environmental Risk: By definition, tough oil reserves are located in problematic areas. For example, an estimated 13 percent of the world’s undiscovered oil lies in the Arctic, along with 30 percent of its untapped natural gas. The environmental risks associated with their exploitation under the worst of weather conditions imaginable will quickly become more evident—and so, faced with the rising potential for catastrophic spills in a melting Arctic, expect a commensurate increase in political opposition to such drilling. In fact, a recent increase has sparked protests in both Alaska and Russia, including the much-publicized September 2013 attempt by activists from Greenpeace to scale a Russian offshore oil platform—an action that led to their seizure and arrest by Russian commandos. Similarly, expanded fracking operations have provoked a steady increase in anti-fracking activism. In response to such protests and other factors, oil firms are being forced to adopt increasingly stringent environmental protections, pumping up the cost of production further.

3. Climate-Related Demand Reduction: The techno-optimist outlook assumes that oil demand will keep rising, prompting investors to provide the added funds needed to develop the technologies required. However, as the effects of rampant climate change accelerate, more and more polities are likely to try to impose curbs of one sort or another on oil consumption, suppressing demand—and so discouraging investment. This is already happening in the United States, where mandated increases in vehicle fuel-efficiency standards are expected to significantly reduce oil consumption. Future “demand destruction” of this sort is bound to impose a downward pressure on oil prices, diminishing the inclination of investors to finance costly new development projects.

Combine these three factors, and it is possible to conceive of a “technology peak” not unlike the peak in oil output originally envisioned by M. King Hubbert. Such a techno-peak is likely to occur when the “easy” sources of “tough” oil have been depleted, opponents of fracking and other objectionable forms of production have imposed strict (and costly) environmental regulations on drilling operations, and global demand has dropped below a level sufficient to justify investment in costly extractive operations. At that point, global oil production will decline even if supplies are “boundless” and technology is still capable of unlocking more oil every year.

Peak Oil Reconsidered

Peak oil theory, as originally conceived by Hubbert and his followers, was largely governed by natural forces. As we have seen, however, these can be overpowered by the application of increasingly sophisticated technology. Reservoirs of energy once considered inaccessible can be brought into production, and others once deemed exhausted can be returned to production; rather than being finite, the world’s petroleum base now appears virtually inexhaustible.

Does this mean that global oil output will continue rising, year after year, without ever reaching a peak? That appears unlikely. What seems far more probable is that we will see a slow tapering of output over the next decade or two as costs of production rise and climate change—along with opposition to the path chosen by the energy giants—gains momentum. Eventually, the forces tending to reduce supply will overpower those favoring higher output, and a peak in production will indeed result, even if not due to natural forces alone.

Such an outcome is, in fact, envisioned in one of three possible energy scenarios the IEA’s mainstream experts lay out in the latest edition of World Energy Outlook. The first assumes no change in government policies over the next 25 years and sees world oil supply rising from 87 to 110 million barrels per day by 2035; the second assumes some effort to curb carbon emissions and so projects output reaching “only” 101 million barrels per day by the end of the survey period.

It’s the third trajectory, the “450 Scenario,” that should raise eyebrows. It assumes that momentum develops for a global drive to keep greenhouse gas emissions below 450 parts per million—the maximum level at which it might be possible to prevent global average temperatures from rising above two degrees Celsius (and so cause catastrophic climate effects). As a result, it foresees a peak in global oil output occurring around 2020 at about 91 million barrels per day, with a decline to 78 million barrels by 2035.

It would be premature to suggest that the “450 Scenario” will be the immediate roadmap for humanity, since it’s clear enough that, for the moment, we are on a highway to hell that combines the IEA’s first two scenarios. Bear in mind, moreover, that many scientists believe a global temperature increase of even two degrees Celsius would be enough to produce catastrophic climate effects. But as the effects of climate change become more pronounced in our lives, count on one thing: the clamor for government action will grow more intense, and so eventually we’re likely to see some variation of the 450 Scenario take shape. In the process, the world’s demand for oil will be sharply constricted, eliminating the incentive to invest in costly new production schemes.

The bottom line: global peak oil remains in our future, even if not purely for the reasons given by Hubbert and his followers. With the gradual disappearance of “easy” oil, the major private firms are being forced to exploit increasingly tough, hard-to-reach reserves, thereby driving up the cost of production and potentially discouraging new investment at a time when climate change and environmental activism are on the rise.

Peak oil is dead! Long live peak oil!

Uma outra leitura do não vai ter Copa e a disputa histórica das Jornadas de Junho (Fórum)

08/01/2014 | Publicado por Renato Rovai em Política 

As Jornadas de Junho ainda têm sido tratadas de forma maniqueísta por muitos dos que tentam interpretá-la e disputar seu legado. De um lado, há os que buscam transformá-la num movimento de coxinhas e fascistas. Do outro, gente que sonha com novos levantes de rebeldia que sejam controláveis e possam levar o governo federal a ter prejuízos eleitorais. E há ainda um terceiro grupo que quer oportunizar uma ação que é horizontal a partir de um discurso dirigente com contornos de esquerda.

Os primeiros, erram no fundamental. As milhões de pessoas que foram as ruas em centenas de cidades do país querem, na essência, um Brasil melhor. E deixaram claro que cansaram da política de gabinete baseada no toma lá da cá de uma governabilidade que precisa de um novo arranjo. Ao mesmo tempo exigem um serviço público melhor do que o atual e querem um Estado forte.

Essas demandas nunca foram fascistas e sempre foram de esquerda. E não podem deixar de ser apenas porque hoje quem está no governo é um partido mais identificado com bandeiras populares.

Transformar todos aqueles que defendem essas teses em coxinhas e fascistas e exigir adesão total a um governo que muitas vezes fala grosso com o movimento social e fino com o capital, não é exatamente um postura progressista. Ao contrário, é algo que se aproxima muito da prática fascista que esses setores criticam. O fascismo, entre outras coisas, oprime o contraditório porque sabe que ele é parte fundamental do processo democrático.

Já quando os colunistas da direita desejam como presente de ano novo mais gente na rua para mudar o Brasil, o que de fato querem é o povo tomando o Planalto Central, mas não para que esse mesmo povo assuma as rédeas do país.

Querem que esse povo patrocine o caos para que a solução seja um novo governo forte. Ou seja, pretendem um golpe civil por saberem que quarteladas caíram em desuso e tem alto custo do ponto de vista político internacional.

Já certos setores que se consideram de esquerda radical sonham com o que sempre sonharam. Acham que a correlação de forças pode se alterar como num passe de mágica num levante popular. E que o povo pode assumir o poder e tudo virar lindo e maravilhoso da noite para o dia.

As Jornadas de Junho, porém, não tem nada a ver com o desejo de uns e a análise de outros. Foram um momento muito mais impactante na vida nacional. Um grito democrático com diferentes táticas e estratégias de luta. Um grito de um país que provou ter uma democracia mais madura. Que suporta milhões nas ruas e em movimento. Mas que não aceita colocar todas as suas conquistas em risco para produzir qualquer resultado.

Havia muito mais responsabilidade nas ruas do que nas análise de gabinete. E por isso o movimento produziu tantos resultados e obteve vitórias.

Além da diminuição objetiva no preço das passagens de ônibus e metro, entre as suas inúmeras conquistas de junho, por exemplo, pode-se destacar a virada na agenda do transporte público nas grandes cidades. Em São Paulo, por exemplo, o prefeito Haddad disse em entrevista recente que fez em um ano o que pretendia fazer em quatro no setor.

O Mais Médicos também foi antecipado naquele contexto. Era um programa que vinha sendo maturado, mas que poderia ter sido realizado com muito menos força e mais pra frente.

As Jornadas de Junho também trouxeram para o debate político uma geração inteira. Gente que estava vendo a banda passar e que agora quer tomar o Brasil nas mãos. Uma garotada que está fazendo rap, participando de coletivos de cultura, que trabalha em co-workings, que toca projetos sociais ou que labuta de sol a sol e estuda à noite sonhando com uma vida melhor.

Esse jovem não é fascista, não é coxinha e também não é babaca.

Ele não é marionete da Globo e não está disposto a ser papagaio de tucano. E quer fazer valer uma nova agenda. Onde o meio ambiente seja mais respeitado, onde os indígenas sejam protegidos dos grileiros, onde haja mais recursos para moradia, saúde e educação.

Querem também menos corrupção e mais transparência no uso dos recursos públicos. Querem direitos humanos para os pobres, principalmente jovens e negros. E uma polícia que não seja um instrumento de tortura dos setores populares na mão do Estado.

Essa agenda pode levar muitos deles a participarem de um movimento como o “Não vai ter Copa”. Até porque até o momento a Copa que está sendo vendida é a dos outros. Da elite daqui e dos ricos de fora. Não é um Copa produzida para ser a afirmação de um povo e de uma história de lutas de um país que tem oferecido ao mundo avanços democráticos e projetos como o Bolsa Família.

É uma Copa da Fifa. E da exclusão.

Por isso, cabe perguntar: quem está errado, os jovens que entendem que esse pode ser um momento de afirmação de suas ideias ou quem não está disposto a conversar com eles? Quem está errado, os oportunistas que querem aproveitar essa energia para desgastar o governo ou certos governistas que estão achincalhando esse povo que quer discutir seu país?

É preciso ir além desse maniqueísmo de lado bom e lado ruim. A Copa pode ser um excelente momento para discutir o Brasil e ao mesmo tempo assistir futebol e se congregar com as milhares de pessoas de todas as partes do mundo que aqui estarão.

A Copa pode ser um tempo de uma nova agenda na democracia brasileira. Uma Copa com povo e política. Com manifestações de rua fortalecendo as lutas populares e comemorações de rua de torcidas de cada uma das seleções.

Poucos países do mundo podem oferecer um espetáculo desses. E o Brasil é um deles.

Um país multicultural onde há grande respeito à multiplicidade. Um país que deu um enorme salto social nos últimos anos, incluindo milhões de pessoas. Um país que tem desafios imensos ainda pela frente, mas que, a despeito das disputas políticas, tem uma institucionalidade forte. Um país com um movimento social que tem atores coletivos respeitados em todo o planeta, como, por exemplo, o MST e as organizações sindicais.

Poucas nações podem fazer de fato uma Copa das Copas, onde os projetos do outro mundo possível estejam presentes na agenda de um torneio de seleções.

A sociedade civil brasileira tem o dever de assumir esse processo como seu. O slogan “não vai ter Copa” é muito bom e forte para ter apenas uma leitura. E uma das leituras possíveis é que a Copa não vai ser mais a mesma depois de sua passagem pelo Brasil.

De agora em diante, onde a Copa for, o movimento social irá. E colocará suas demandas, fazendo seus fóruns ao lado do evento. E internacionalizando causas de todo o povo do país sede e de outras partes do mundo.

Se isso vier a acontecer o jogo será apenas um detalhe desse imenso espetáculo. E as nossas causas disputarão espaço entre os resultados das partidas. Que ao final terão apenas um campeão. Diferentemente da Copa das Copas, que é a de todos que lutam por um mundo melhor. E onde muitos podem ganhar juntos.

Quem tem que ter medo das ruas é a elite. E não os que se dizem de esquerda. Ou algo está muito, mas muito errado.

Noam Chomsky: What Is the Common Good? (Truthout)

Tuesday, 07 January 2014 10:41

By Noam ChomskyTruthout | Op-Ed

 (Image: <a href="http://www.flickr.com/photos/truthout/4521676743/in/set-72157628843920995" target="_blank"> Jared Rodriguez / t r u t h o u t; Adapted: Brian Hillegas, Reigh LeBlanc, abrinsky</a>)(Image: Jared Rodriguez / t r u t h o u t; Adapted: Brian Hillegas, Reigh LeBlanc, abrinsky)

This article is adapted from a Dewey Lecture by Noam Chomsky at Columbia University in New York on Dec. 6, 2013.

Humans are social beings, and the kind of creature that a person becomes depends crucially on the social, cultural and institutional circumstances of his life.

We are therefore led to inquire into the social arrangements that are conducive to people’s rights and welfare, and to fulfilling their just aspirations – in brief, the common good.

For perspective I’d like to invoke what seem to me virtual truisms. They relate to an interesting category of ethical principles: those that are not only universal, in that they are virtually always professed, but also doubly universal, in that at the same time they are almost universally rejected in practice.

These range from very general principles, such as the truism that we should apply to ourselves the same standards we do to others (if not harsher ones), to more specific doctrines, such as a dedication to promoting democracy and human rights, which is proclaimed almost universally, even by the worst monsters – though the actual record is grim, across the spectrum.

A good place to start is with John Stuart Mill’s classic “On Liberty.” Its epigraph formulates “The grand, leading principle, towards which every argument unfolded in these pages directly converges: the absolute and essential importance of human development in its richest diversity.”

The words are quoted from Wilhelm von Humboldt, a founder of classical liberalism. It follows that institutions that constrain such development are illegitimate, unless they can somehow justify themselves.

Concern for the common good should impel us to find ways to cultivate human development in its richest diversity.

Adam Smith, another Enlightenment thinker with similar views, felt that it shouldn’t be too difficult to institute humane policies. In his “Theory of Moral Sentiments” he observed that “How selfish soever man may be supposed, there are evidently some principles in his nature, which interest him in the fortune of others, and render their happiness necessary to him, though he derives nothing from it except the pleasure of seeing it.”

Smith acknowledges the power of what he calls the “vile maxim of the masters of mankind”: “All for ourselves, and nothing for other people.” But the more benign “original passions of human nature” might compensate for that pathology.

Classical liberalism shipwrecked on the shoals of capitalism, but its humanistic commitments and aspirations didn’t die. Rudolf Rocker, a 20th-century anarchist thinker and activist, reiterated similar ideas.

Rocker described what he calls “a definite trend in the historic development of mankind” that strives for “the free unhindered unfolding of all the individual and social forces in life.”

Rocker was outlining an anarchist tradition culminating in anarcho-syndicalism – in European terms, a variety of “libertarian socialism.”

This brand of socialism, he held, doesn’t depict “a fixed, self-enclosed social system” with a definite answer to all the multifarious questions and problems of human life, but rather a trend in human development that strives to attain Enlightenment ideals.

So understood, anarchism is part of a broader range of libertarian socialist thought and action that includes the practical achievements of revolutionary Spain in 1936; reaches further to worker-owned enterprises spreading today in the American rust belt, in northern Mexico, in Egypt, and many other countries, most extensively in the Basque country in Spain; and encompasses the many cooperative movements around the world and a good part of feminist and civil and human rights initiatives.

This broad tendency in human development seeks to identify structures of hierarchy, authority and domination that constrain human development, and then subject them to a very reasonable challenge: Justify yourself.

If these structures can’t meet that challenge, they should be dismantled – and, anarchists believe, “refashioned from below,” as commentator Nathan Schneider observes.

In part this sounds like truism: Why should anyone defend illegitimate structures and institutions? But truisms at least have the merit of being true, which distinguishes them from a good deal of political discourse. And I think they provide useful stepping stones to finding the common good.

For Rocker, “the problem that is set for our time is that of freeing man from the curse of economic exploitation and political and social enslavement.”

It should be noted that the American brand of libertarianism differs sharply from the libertarian tradition, accepting and indeed advocating the subordination of working people to the masters of the economy, and the subjection of everyone to the restrictive discipline and destructive features of markets.

Anarchism is, famously, opposed to the state, while advocating “planned administration of things in the interest of the community,” in Rocker’s words; and beyond that, wide-ranging federations of self-governing communities and workplaces.

Today, anarchists dedicated to these goals often support state power to protect people, society and the earth itself from the ravages of concentrated private capital. That’s no contradiction. People live and suffer and endure in the existing society. Available means should be used to safeguard and benefit them, even if a long-term goal is to construct preferable alternatives.

In the Brazilian rural workers movement, they speak of “widening the floors of the cage” – the cage of existing coercive institutions that can be widened by popular struggle – as has happened effectively over many years.

We can extend the image to think of the cage of state institutions as a protection from the savage beasts roaming outside: the predatory, state-supported capitalist institutions dedicated in principle to private gain, power and domination, with community and people’s interest at most a footnote, revered in rhetoric but dismissed in practice as a matter of principle and even law.

Much of the most respected work in academic political science compares public attitudes and government policy. In “Affluence and Influence: Economic Inequality and Political Power in America,” the Princeton scholar Martin Gilens reveals that the majority of the U.S. population is effectively disenfranchised.

About 70 percent of the population, at the lower end of the wealth/income scale, has no influence on policy, Gilens concludes. Moving up the scale, influence slowly increases. At the very top are those who pretty much determine policy, by means that aren’t obscure. The resulting system is not democracy but plutocracy.

Or perhaps, a little more kindly, it’s what legal scholar Conor Gearty calls “neo-democracy,” a partner to neoliberalism – a system in which liberty is enjoyed by the few, and security in its fullest sense is available only to the elite, but within a system of more general formal rights.

In contrast, as Rocker writes, a truly democratic system would achieve the character of “an alliance of free groups of men and women based on cooperative labor and a planned administration of things in the interest of the community.”

No one took the American philosopher John Dewey to be an anarchist. But consider his ideas. He recognized that “Power today resides in control of the means of production, exchange, publicity, transportation and communication. Whoever owns them rules the life of the country,” even if democratic forms remain. Until those institutions are in the hands of the public, politics will remain “the shadow cast on society by big business,” much as is seen today.

These ideas lead very naturally to a vision of society based on workers’ control of productive institutions, as envisioned by 19th century thinkers, notably Karl Marx but also – less familiar – John Stuart Mill.

Mill wrote, “The form of association, however, which if mankind continue to improve, must be expected to predominate, is . the association of the labourers themselves on terms of equality, collectively owning the capital with which they carry on their operations, and working under managers electable and removable by themselves.”

The Founding Fathers of the United States were well aware of the hazards of democracy. In the Constitutional Convention debates, the main framer, James Madison, warned of these hazards.

Naturally taking England as his model, Madison observed that “In England, at this day, if elections were open to all classes of people, the property of landed proprietors would be insecure. An agrarian law would soon take place,” undermining the right to property.

The basic problem that Madison foresaw in “framing a system which we wish to last for ages” was to ensure that the actual rulers will be the wealthy minority so as “to secure the rights of property agst. the danger from an equality & universality of suffrage, vesting compleat power over property in hands without a share in it.”

Scholarship generally agrees with the Brown University scholar Gordon S. Wood’s assessment that “The Constitution was intrinsically an aristocratic document designed to check the democratic tendencies of the period.”

Long before Madison, Artistotle, in his “Politics,” recognized the same problem with democracy.

Reviewing a variety of political systems, Aristotle concluded that this system was the best – or perhaps the least bad – form of government. But he recognized a flaw: The great mass of the poor could use their voting power to take the property of the rich, which would be unfair.

Madison and Aristotle arrived at opposite solutions: Aristotle advised reducing inequality, by what we would regard as welfare state measures. Madison felt that the answer was to reduce democracy.

In his last years, Thomas Jefferson, the man who drafted the United States’ Declaration of Independence, captured the essential nature of the conflict, which has far from ended. Jefferson had serious concerns about the quality and fate of the democratic experiment. He distinguished between “aristocrats and democrats.”

The aristocrats are “those who fear and distrust the people, and wish to draw all powers from them into the hands of the higher classes.”

The democrats, in contrast, “identify with the people, have confidence in them, cherish and consider them as the most honest and safe, although not the most wise depository of the public interest.”

Today the successors to Jefferson’s “aristocrats” might argue about who should play the guiding role: technocratic and policy-oriented intellectuals, or bankers and corporate executives.

It is this political guardianship that the genuine libertarian tradition seeks to dismantle and reconstruct from below, while also changing industry, as Dewey put it, “from a feudalistic to a democratic social order” based on workers’ control, respecting the dignity of the producer as a genuine person, not a tool in the hands of others.

Like Karl Marx’s Old Mole – “our old friend, our old mole, who knows so well how to work underground, then suddenly to emerge” – the libertarian tradition is always burrowing close to the surface, always ready to peek through, sometimes in surprising and unexpected ways, seeking to bring about what seems to me to be a reasonable approximation to the common good.

© 2014 Noam Chomsky
Distributed by The New York Times Syndicate

Eduardo Viveiros de Castro: ‘O capitalismo sustentável é uma contradição em seus termos’ (IHU On-Line/Envolverde)

07/1/2014 – 12h23

por Julia Magalhães*

Crítico feroz do neoliberalismo, de seus ícones e verdades, de suas políticas de “crescimento” que destroem a natureza, do consumo que empobrece as vidas, do Estado que as administra (não sem constrangimentos) e da esquerda (conservadora e antropocêntrica). “A felicidade, diz, tem muitos outros caminhos”.

Enquanto esperamos que a Tinta Limón Ediciones termine a edição (mais ou menos alterada) do livro de entrevistas com Eduardo Viveiros de Castro, o sítio Lobo Suelto! convida à leitura da última – muito transcendental – conversa com o antropólogo brasileiro.

Confira a entrevista:

viveiros2 300x186 ‘O capitalismo sustentável é uma contradição em seus termos’

Eduardo Viveiros de Castro

Qual é a sua percepção acerca da participação política da sociedade brasileira?

Prefiro começar com uma “des-generalização”: vejo a sociedade brasileira profundamente dividida em relação à visão sobre o país e seu futuro. A ideia de que existe “um” Brasil – no sentido de que as ideias de “unidade” e “brasilidade” não são triviais – parece uma ilusão politicamente conveniente (para os setores dominantes), mas antropologicamente equivocada. Há, pelo menos, dois ou muito mais “Brasis”.

O conceito geopolítico de Estado-Nação unificado não é descritivo, mas normativo. Há rachaduras profundas na sociedade brasileira. Há setores da população com uma vocação conservadora enorme, que não necessariamente compreendem uma classe específica, apesar de que as chamadas “classes médias”, ascendentes ou descendentes, estão bem representadas aqui. Grande parte da chamada “sociedade brasileira” – temo que seja a maioria – se sentiria muito satisfeita com um regime autoritário, especialmente se conduzido midiaticamente por uma autoridade paternal de personalidade forte. Mas, esta é uma das coisas que a minoria liberal que existe no país – e, inclusive, é uma certa minoria “progressista” – prefere manter-se envolta em um silêncio constrangedor. Repete-se o tempo todo, e para qualquer propósito, que o povo brasileiro é democrático, “cordial” e amante da liberdade e da fraternidade, o que é uma ilusão muito perigosa.

É assim que vejo a “participação política do povo brasileiro”: como a de um povo fragmentado, dividido, polarizado. Uma polarização que não necessariamente condiz com as divisões políticas (partidos oficiais etc.). O Brasil segue como uma sociedade visceralmente escravocrata, obstinadamente racista e moralmente covarde. Enquanto não nos darmos conta deste inconsciente, não iremos “em frente”.

Em outras ocasiões, fui claro: insurreições esporádicas e uma certa indiferença pragmática em relação aos poderes constituídos é o que se evidencia entre os mais pobres – ou os mais alheios ao drama montado pelos setores de cima, na escala social – que inspiram modestas utopias e moderado otimismo por parte daqueles que a história situou na confortável posição de “pensar o Brasil”. Nós, em suma.

O que é necessário para mudar isto?

Falar, resistir, insistir, olhar além do imediato. E, obviamente, educar. Mas, não “educar o povo” (como se a elite fosse muito educada e devesse – ou pudesse – conduzir o povo até um nível intelectual superior), mas criar as condições para que as pessoas se eduquem e acabem educando a elite – e, quem sabe, inclusive, se livrem dela.

O panorama da educação do Brasil é, hoje, o de um deserto. Um deserto! E não vejo nenhuma iniciativa consistente para tentar cultivar neste deserto. Pelo contrário, tenho pesadelos de conspirações, em que sonho que os projetos de poder não se interessam realmente em modificar o panorama da educação do Brasil; domesticar a força de trabalho – se é isto que está se tentando (ou planejando) – não é, de nenhuma maneira, o mesmo que educar.

Isto é apenas um pesadelo, obviamente. Não é assim, não pode ser assim… Espero que não seja assim. Mas o fato é que não se vê uma iniciativa para mudar a situação, considerando a espetacular abertura de dezenas de universidades sem a mínima infraestrutura física (para não falar de boas bibliotecas, um luxo quase impensável no Brasil), enquanto a escola secundária segue muito deficitária, com professores que ganham uma miséria, com as greves dos professores universitários reprimidas, como se fossem ladrões.

A “falta” de educação – que é uma forma de instrução muito particular e perversa, imposta de cima para baixo – é talvez o principal fator responsável pelo conservadorismo reacionário de grande parte da sociedade brasileira. Por fim, é urgente uma reforma radical da educação brasileira.

Em “A floresta e a escola”, Oswald de Andrade sonhava. Infelizmente, parece que já deixamos de ter uma e ainda não temos a outra. Pois, sem escola, já não cresce a floresta.

Por onde se começa a reforma da educação?

Começa-se de baixo, é claro, a partir da escola primária. A educação pública deveria ter uma política unificada, orientada a partir de uma – com perdão da expressão – “revolução cultural”. Ela não será alcançada através da redistribuição da renda (ou melhor, com o aumento da quantidade de migalhas que caem da mesa dos ricos) apenas para comprar um televisor e para assistir ao BBB, e ver a mesma merda. Não é assim que se redistribui a cultura, a educação, a ciência e a sabedoria. Deve-se oferecer ao povo as condições de fazer cultura ao invés de consumir aquela produzida “para” eles.

Está havendo uma melhora nos níveis de vida dos mais pobres, e talvez também nos da velha classe média. Uma melhora que vai durar todo o tempo em que a China continuar comprando do Brasil ao invés de comprar da África. Mas, apesar da melhora no chamado “nível de vida”, não vejo nenhuma melhora real na qualidade de vida, na vida cultural ou espiritual, se me permite usar essa palavra arcaica. Pelo contrário. Será que é necessário destruir as forças vivas, naturais e culturais das pessoas, do povo brasileiro de instrução, para construir uma sociedade economicamente mais justa? Duvido.

Neste cenário, atualmente, quais são os temas capazes de mobilizar a sociedade brasileira?

Vejo a “sociedade brasileira” magnetizada – ao menos em termos de sua auto-representação normativa, por parte dos meios de comunicação – por um patriotismo oco, uma espécie de besta orgulhosa, deslumbrada pela certeza de que, de uma vez por todas, o mundo se inclinou frente ao Brasil. Copa do Mundo, Jogos Olímpicos… Não vejo mobilização acerca de temas urgentíssimos, como poderiam ser o da educação e da redefinição da nossa relação com a terra, quer dizer, com o que há debaixo do território. Natureza e cultura, enfim, que agora se encontram, não apenas mediadas, midiatizadas pelo mercado, mas mediocrizadas por ele. O Estado se uniu ao Mercado contra a natureza e a cultura.

E estas questões não mobilizam?

Existe certa preocupação da opinião pública por questões ambientais, um pouco mais do que em relação às questões da educação, o que não deixa de ser algo para se lamentar, pois as duas vão juntas. Contudo, tudo me parece “too little, too late”: muito pouco e muito tarde. Está se demorando tempo demais para difundir a consciência ambiental. Uma conscientização que o planeta requer, com absoluta urgência, de todos nós. E esta inércia se traduz na escassa pressão sobre os governos, corporações e empresas que apenas investem nesse conto chinês do “capitalismo verde”. Em particular, evidencia-se muito pouca pressão sobre as grandes empresas, sempre distraídas e incompetentes quando se trata do problema da mudança climática.

Não se vê a sociedade realmente mobilizada, por exemplo, por Belo Monte, uma monstruosidade provada e comprovada, mas que conta com o apoio desinformado (é o que se deduz) de uma parte significativa da população do sul e do sudeste, para onde irá a maior parte da energia que não for vendida – a um preço extremamente barato – para multinacionais de alumínio fazerem latas de saquê – no baixo Amazonas – para o mercado asiático.

Necessitamos de um discurso político mais agressivo em relação às questões ambientais. É necessário, sobretudo, falar com as pessoas, chamar a atenção a respeito de que o saneamento básico é um problema ambiental, de que a dengue é um problema ambiental. Não se pode separar a dengue do desmatamento e do saneamento. Temos que convencer os mais pobres de que melhorar as condições ambientais é assegurar as condições de existência das pessoas.

No entanto, a esquerda tradicional, como está sendo demonstrado, apresenta-se completamente inútil para articular um discurso sobre os temas ambientais. Quando suas cabeças mais pensantes falam, parece haver a sensação de estar “indo para trás”, tratando desastradamente de capturar e de reduzir um tema novo ao já conhecido, um problema muito real que não está em seu DNA ideológico e filosófico. Mesmo quando a esquerda não se alinha com o insustentável projeto “ecocida” do capitalismo, revela sua origem comum a este, com as névoas e obscuridades da metafísica antropocêntrica do cristianismo.

Enquanto continuarmos sustentando que melhorar a vida das pessoas é lhes dar mais dinheiro para comprar uma televisão, ao invés de melhorar o saneamento, abastecimento de água, saúde e educação primária, nada mudará. Escuta-se o governo dizer que a solução é consumir mais, mas não se percebe a menor ênfase para abordar estes aspectos literalmente fundamentais da vida humana nas condições do presente século.

Isto não significa, obviamente, que os mais favorecidos pensem melhor e que possam ver além dos mais pobres. Não há nada mais estúpido que estas Land Rovers que vemos em São Paulo ou no Rio de Janeiro, andando com adesivos do Greenpeace, de slogans ecológicos, coladas no para-brisa. As pessoas vão às ruas nestes 4×4 e bebem um diesel venenoso… Gente que pensa que o contato com a natureza é fazer um Rally no Pantanal…

É uma questão difícil: falta educação básica, falta o compromisso dos meios de comunicação, falta agressividade política no tratamento da questão do meio ambiente.

E sempre que se pensa que existe um problema ambiental, algo que está longe de ser o caso dos governantes atuais, estes mostram, ao contrário, e, por exemplo, a preocupação em formar jovens que possam manobrar com segurança e, ao mesmo tempo, mantém firme sua aposta no transporte individual, em carros, em uma cidade como São Paulo, em que já não cabe nem uma agulha. Um governo que não se cansa de se orgulhar pela quantidade de carros produzidos por ano. É absurdo utilizar os números da produção de veículos como um indicador de prosperidade econômica. Essa é uma proposta podre, uma visão estreita e uma proposta muito empobrecedora para o país.

Você está dizendo que os apelos ao consumo vêm do próprio governo, mas também há um apelo muito forte procedente do mercado. Como avalia isto?

O Brasil é um país capitalista periférico. O capitalismo industrial-financeiro é visto por quase todo o mundo como uma evidência palpável, o modo inevitável em que se vive no mundo atual.

Diferentemente de alguns companheiros de caminhada, eu entendo que o capitalismo sustentável é uma contradição em seus termos. E que nossa atual forma de vida econômica é realmente evitável. Então, simplesmente, nossa forma de vida biológica (quer dizer, a espécie humana) não será mais necessária e a Terra irá favorecer outras alternativas.

As ideias de crescimento negativo, ou de objeção ao crescimento, ou a ética da suficiência são incompatíveis com a lógica do capital. O capitalismo depende do crescimento contínuo. A ideia de manter certo nível de equilíbrio em relação ao intercâmbio de energia com a natureza não se ajusta na matriz econômica do capitalismo.

Este impasse, gostemos ou não, será “resolvido” pelas condições termodinâmicas do planeta em um período muito mais curto do que pensávamos. As pessoas fingem não saber o que está se passando, preferem não pensar nisso, mas o fato é que temos que nos preparar para o pior. E o Brasil, pelo contrário, sempre se prepara para o melhor. Este otimismo nacional frente a uma situação planetária é extremamente preocupante, assim como perigoso… E a aposta de que vamos bem dentro do capitalismo é um tanto ingênua, se não desesperada…

O Brasil segue como um país periférico, uma plantação “high tech” que abastece com matérias-primas o capitalismo central. Vivemos de exportar nossa terra e nossa água em forma de soja, açúcar, carne bovina, para os países industrializados: são estes quem têm a última palavra, os que controlam o mercado. Estamos bem neste momento, mas de modo nenhum em condições de controlar a economia mundial. Se a coisa muda um pouco para um lado ou para o outro, o Brasil simplesmente pode perder esse lugar no qual se encontra hoje. Para não mencionar, claro, o fato de que estamos vivendo uma crise econômica mundial que se tornou explosiva em 2008, que está longe de terminar e que ninguém sabe aonde irá parar. O Brasil, neste momento de crise, é uma espécie de contracorrente do tsunami, mas quando a onda quebrar vai molhar muita gente. Deve-se falar sobre estas coisas.

E como você avalia a macropolítica em relação a esta realidade, as políticas macroeconômicas, com as realidades rurais do Brasil, os indígenas e ribeirinhos?

O projeto de Brasil, que tem a atual coalizão do governo sob o mando do Partido dos Trabalhadores (PT), considera os ribeirinhos, os indígenas, os campesinos, os quilombolas como pessoas com atraso, um atraso sociocultural, e que devem ser conduzida para outro estado. Esta é uma concepção tragicamente equivocada. O PT é visceralmente paulista, o projeto é uma paulistização” do Brasil. Transformar o interior do país em um país de fantasia: muita festa de peão de vaqueiro, caminhonetes 4×4, muita música country, botas, chapéus, rodeios, touros, eucaliptos, gaúchos. E do outro lado, cidades gigantescas e impossíveis como São Paulo.

O PT vê a Amazônia brasileira como um lugar para civilizar, para domar, para obter benefícios econômicos, para capitalizar. Em uma lamentável continuidade entre a geopolítica da ditadura e a do governo atual, este é o velho “bandeirantismo” que hoje faz parte do projeto nacional. Mudaram as condições políticas formais, mas a imagem do que é ou deveria ser a civilização brasileira, daquilo que é uma vida digna de ser vivida, do que é uma sociedade que está em sintonia consigo mesmo, é muito, muito similar.

Estamos vendo hoje uma ironia muito dialética: o governo, liderado por uma pessoa perseguida e torturada pela ditadura, realizando um projeto de sociedade que foi adotado e implementado por esta mesma ditadura: a destruição da Amazônia, a mecanização, a “transgenização” e a “agrotoxicação” da agricultura, migração induzida pelas cidades.

E por detrás de tudo isso, certa ideia de Brasil que se vê, no início do século XXI, como se devesse ser, ou como se fosse, o que os Estados Unidos eram no século XX. A imagem que o Brasil tem de si mesmo é, em vários aspectos, aquela projetada pelos Estados Unidos nos filmes de Hollywood nos anos 50: muitos carros, muitas autopistas, muitas geladeiras, muitas televisões, todo mundo feliz. Quem pagou por tudo isso? Entre outros, nós. Quem irá nos pagar agora? A África, outra vez? Haiti? Bolívia? Para não falar da massa de infelicidade bruta gerada por esta forma de vida (e de quem se enriquece com isto).

Isto é o que vejo com tristeza: cinco séculos de maldade continuam aí. Sarney é um capitão hereditário, como os que vieram de Portugal para saquear e devastar a terra dos índios. Nosso governo “de esquerda” governa com a permissão da oligarquia e necessita destes capangas para governar. Podem ser feitas várias coisas, desde que a melhor parte fique com ela. Toda vez que o governo ensaia uma medida que a ameaça, o Congresso – que sabemos como é eleito – e a imprensa bombardeiam, o PMDB sabota…

Há uma série de becos para os quais eu não vejo saída ou que não têm saída no jogo da política tradicional, com suas regras. Vejo um caminho possível pelo lado do movimento social – que hoje está desmobilizado. Mas, se não for pelo lado do movimento social, seguiremos vivendo neste paraíso subjetivo de que um dia tudo vai ficar bem. O Brasil é um país dominado politicamente pelos grandes proprietários de terra e grandes empreiteiros que jamais sofreram uma reforma agrária e ainda dizem que atualmente não é mais necessário fazê-la.

Acredita que as coisas começarão a mudar quando chegarmos a um limite?

É provável que a crise econômica mundial afete o Brasil em algum momento próximo. Contudo, o que vai ocorrer, com certeza, é que o mundo vai passar por uma transição ecológica, climática e demográfica muito intensa durante os próximos 50 anos, com epidemias, fome, secas, catástrofes, guerras, invasões. Estamos vendo como as condições climáticas mudaram muito mais rápido do que pensávamos. E há grandes possibilidades de desastres, de perdas de colheitas, de crises alimentares. Neste meio tempo, hoje em dia, o Brasil até se beneficia, mas um dia a fatura irá chegar. Climatologistas, geofísicos, biólogos e ecologistas são profundamente pessimistas sobre o ritmo, as causas e consequências da transformação das condições ambientais em que se desenvolve a vida atual da espécie. Por que deveríamos ser otimistas?

Acredito que se deve insistir que é possível ser feliz sem ficar hipnotizado por este frenesi de consumo que os meios de comunicação impõem. Não sou contrário ao crescimento econômico no Brasil, não sou tão estúpido para pensar que tudo se resolveria mediante a distribuição do dinheiro de Eike Batista entre os agricultores do nordeste semiárido ou cortando os subsídios à classe político-mafiosa que governa o país. Não que não seja uma boa ideia. Sou contrário, isto sim, ao crescimento da “economia” do mundo, e sou a favor de uma redistribuição das taxas de crescimento. E também sou, obviamente, a favor de que todos possam comprar uma geladeira e, por que não, uma televisão. Sou a favor de uma maior utilização das tecnologias solar e eólica. E estaria encantado em deixar de dirigir o carro, se pudéssemos trocar este meio de transporte absurdo por soluções mais inteligentes.

E como vê os jovens neste contexto?

É muito difícil falar de uma geração à qual não se pertence. Nos anos 1960, tínhamos ideias confusas, mas ideais claros: pensávamos que poderíamos mudar o mundo e imaginávamos que tipo de mundo queríamos. Acredito que, em geral, os horizontes utópicos têm retrocedido enormemente.

Algum movimento recente no Brasil ou no mundo chamou a sua atenção?

No Brasil, a aceleração difusa do que poderíamos chamar de uma cultura “agro-sulista”, tanto da direita quanto da esquerda, pelo interior do país. Vejo isto como a consumação do projeto de branqueamento da nacionalidade, deste modo muito peculiar de a elite governante no poder acertar as contas com seu próprio passado (passado?) escravista.

Outra mudança importante é a consolidação de uma cultura popular vinculada ao movimento evangélico popular. O evangelismo da Igreja Universal do Reino de Deus associa, por certo, a religião ao consumo.

O como você vê o surgimento das redes sociais, nesse contexto?

Essa é uma das poucas coisas a respeito das quais sou muito otimista: o relativo e progressivo enfraquecimento do controle total dos meios de comunicação de cinco ou seis conglomerados midiáticos. Esse enfraquecimento está muito vinculado à proliferação das redes sociais, que são grande novidade na sociedade brasileira e que estão contribuindo para que circule um tipo de informação que não tinha lugar na imprensa oficial. E estão habilitando formas, antes impossíveis, de mobilização. Há movimentos inteiramente produzidos pelas redes sociais, como a marcha contra a homofobia, o churrasco da “gente diferenciada”, os diversos movimentos contra Belo Monte, a mobilização pelas florestas.

As redes são nossa saída de emergência frente à aliança mortal entre o governo e os meios de comunicação. São um fator de desestabilização – no melhor sentido da palavra – do poder dominante. Se puder ocorrer alguma mudança importante na cena política, acredito que será através da mobilização pelas redes sociais.

E por isso se intensificam as tentativas de controlar estas redes, em todo o mundo, por parte do poder constituído. Contudo, controlar o acesso é um instrumento vergonhoso, como o caso do “projeto” da banda larga brasileira, que parte do reconhecimento de que o serviço será de baixa qualidade. Uma decisão tecnológica e política antidemocrática e antipopular, equivalente ao que se faz com a educação: impedir que a população tenha acesso pleno à circulação das produções culturais.

Parece, às vezes, que haveria uma conspiração para evitar que os brasileiros tenham uma boa educação e um acesso à Internet de qualidade. Essas duas coisas andam de mãos dadas e têm o mesmo efeito, que é o aumento da inteligência social que, diga-se de passagem, é necessário vigiar com muito cuidado.

Você imagina um novo modelo político?

Um amigo que trabalhava no Ministério do Meio Ambiente, na época de Marina Silva, criticava-me dizendo que meu discurso, feito à distância do Estado, era romântico e absurdo, que tínhamos de tomar o poder. Eu respondia que, se tomássemos o poder, tínhamos, sobretudo, de saber como mantê-lo depois, pois aí que a coisa se complica. Não tenho um desenho, um projeto político para o Brasil, eu não pretendo saber o melhor para o povo brasileiro em geral, e em seu conjunto. Só posso expressar minhas preocupações e indignações, apenas aí me sinto seguro.

Penso, de qualquer forma, que se deve insistir na ideia de que o Brasil tem – ou a esta altura tinha – as condições geográficas, ecológicas, culturais para desenvolver um novo estilo de civilização, que não seja uma cópia empobrecida do modelo da América do Norte e da Europa. Poderíamos começar a experimentar, timidamente, algum tipo de alternativa aos paradigmas tecno-econômicos desenvolvidos na Europa moderna.

Todavia, imagino que se algum país do mundo irá fazer isso, esse país é a China. É certo que os chineses têm 5.000 anos de história cultural praticamente contínua e o que nós temos para oferecer são apenas 500 anos de dominação europeia e uma triste história de etnocídio, deliberado ou não.

Ainda assim, é imperdoável a falta de inventividade da sociedade brasileira – ao menos de sua elite política e intelectual – que já perdeu várias ocasiões de gerar soluções socioculturais – tal como o povo brasileiro historicamente ofereceu – e articular, assim, uma civilização brasileira minimamente diferente da que propõem os comerciais de televisão.

Precisamos mudar completa e, primeiramente, a relação secularmente depredadora da sociedade nacional com a natureza, com a base físico-biológica de sua própria nacionalidade. Já é hora de começar uma nova relação com o consumo, menos ansioso e mais realista frente à situação de crise atual. A felicidade tem muitos outros caminhos.

* A entrevista é de Julia Magalhães, publicada por Lobo Suelto!, em 4-12-2013. A tradução é do Cepat.

** Publicado originalmente no site IHU On-Line.

Kennedy planejava invasão dos EUA no Brasil (Yahoo! News)

Por  | Yahoo Notícias – 06.jan.2014

Informações divulgadas pelo site “Arquivos da Ditadura”, que mantém conteúdo colhido nos últimos 30 anos pelo jornalista Elio Gaspari sobre o governo militar do Brasil, mostram que o ex-presidente norte-americano John F. Kennedy debateu a possibilidade de invadir o Brasil para depor o então presidente João Goulart.

A conversa aconteceu na Casa Branca e teve como centro do debate as situações no Brasil e no Vietnã. Kennedy indaga a possibilidade de seu país “intervir militarmente” no Brasil por conta da tensa situação política envolvendo João Goulart. O questionamento aconteceu 46 dias antes de Kennedy ser assassinado em Dallas, no Texas.

Alguns meses após a conversa e posterior morte do então presidente norte-americano, os militares assumiram o poder no Brasil. É possível ouvir o áudio da conversa, em inglês, clicando aqui.

Leia também:
Ditadura militar quis monitorar Jango na Argentina

Democracy Pays (Science Daily)

Dec. 23, 2013 — In relatively large communities, individuals do not always obey the rules and often exploit the willingness of others to cooperate. Institutions such as the police are there to provide protection from misconduct such as tax fraud. But such institutions don’t just come about spontaneously because they cost money which each individual must contribute.

An interdisciplinary team of researchers led by Manfred Milinski from the Max Planck Institute for Evolutionary Biology in Plön has now used an experimental game to investigate the conditions under which institutions of this kind can nevertheless arise. The study shows that a group of players does particularly well if it has first used its own “tax money” to set up a central institution which punishes both free riders and tax evaders. However, the groups only set up institutions to penalize tax evasion if they have decided to do so by a democratic majority decision. Democracy thus enables the creation of rules and institutions which, while demanding individual sacrifice, are best for the group. The chances of agreeing on common climate protection measures around the globe are thus greater under democratic conditions.

In most modern states, central institutions are funded by public taxation. This means, however, that tax evaders must also be punished. Once such a system has been established, it is also good for the community: it makes co-existence easier and it helps maintain common standards. However, such advantageous institutions do not come about by themselves. The community must first agree that such a common punishment authority makes sense and decide what powers it should be given. Climate protection is a case in point, demonstrating that this cannot always be achieved. But how can a community agree on sensible institutions and self-limitations?

The Max Planck researchers allowed participants in a modified public goods game to decide whether to pay taxes towards a policing institution with their starting capital. They were additionally able to pay money into a common pot. The total paid in was then tripled and paid out to all participants. If taxes had been paid beforehand, free riders who did not contribute to the group pot were punished by the police. In the absence of taxation, however, there would be no police and the group would run the risk that no-one would pay into the common pot.

Police punishment of both free riders and tax evaders quickly established cooperative behavior in the experiment. If, however, tax evaders were not punished, the opposite happened and the participants avoided paying taxes. Without policing, there was no longer any incentive to pay into the group pot, so reducing the profits for the group members. Ultimately, each individual thus benefits if tax evaders are punished.

But can participants foresee this development? To find out, the scientists gave the participants a choice: they were now able to choose individually whether they joined a group in which the police also punish tax evaders. Alternatively, they could choose a group in which only those participants who did not pay into the common pot were penalized. Faced with this choice, the majority preferred a community without punishment for tax evaders — with the result that virtually no taxes were paid and, subsequently, that contributions to the group pot also fell.

In a second experimental scenario, the players were instead able to decide by democratic vote whether, for all subsequent rounds, the police should be authorized to punish tax evaders as well as free riders or only free riders. In this case, the players clearly voted for institutions in which tax evaders were also punished. “People are often prepared to impose rules on themselves, but only if they know that these rules apply to everyone,” summarizes Christian Hilbe, the lead author of the study. A majority decision ensures that all participants are equally affected by the outcome of the vote. This makes it easier to introduce rules and institutions which, while demanding individual sacrifice, are best for the group.

The participants’ profits also demonstrate that majority decisions are better: those groups which were able to choose democratically were more cooperative and so also made greater profits. “Democracy pays — in the truest sense of the word,” says Manfred Milinski. “More democracy would certainly not go amiss when it comes to the problem of global warming.”

Antropólogo francês Bruno Latour fala sobre natureza e política (O Globo)

28.12.2013 | 07h30m

Bruno Latour diz que ‘ecologizar’ é o verbo da vez, mas propõe uma noção de ‘ecologia’ com sentido mais amplo do que o defendido hoje por ativistas e políticos. Para ele, o Brasil, apesar das contradições, é ator fundamental na construção de uma inteligência política e científica para o futuro

Por Fernando Eichenberg, correspondente em Paris

A modernidade é uma falácia, uma ficção inventada para organizar a vida intelectual. Os chamados “modernos” pregam a separação de ciência, política, natureza e cultura, numa teoria distante da realidade do mundo e inadaptada aos desafios impostos neste início de século, acusa o pensador francês Bruno Latour, de 66 anos. “Ecologizar” é verbo da vez, sustenta ele, mas num sentido bem mais amplo do que o espaço compreendido pela ecologia defendida por ativistas e partidos políticos.

— O desenvolvimento da frente de modernização, como se fala de uma frente pioneira na Amazônia, sempre foi, ao contrário, uma extensão de uma quantidade de associações, da marca dos humanos, da intimidade de conexões entre as coisas e as pessoas. A modernidade nunca existiu — dispara Latour, em entrevista ao GLOBO.

Na sua opinião, o Brasil, com todas as suas contradições, é fundamental na possibilidade de um futuro de inovações que gerem um novo tipo de “civilização ecológica”, numa nova “inteligência política e científica”.

Antropólogo, sociólogo e filósofo das ciências, Bruno Latour, que recebeu em maio passado o prestigiado prêmio Holberg de Ciências Humanas, é um dos intelectuais franceses contemporâneos mais traduzidos no exterior. Além de suas originais investigações teóricas, também se aventurou no terreno das artes (com as exposições “Iconoclash” e “Making things public”) e, em outubro, estreou a peça “Gaïa Global Circus”, uma “tragicomédia climática”, que ele espera um dia poder encenar no Jardim Botânico, no Rio. Professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences-Po), lançou ainda este ano o ensaio “Enquête sur les modes d’existence — Une anthropologie des Modernes” (Investigação sobre os modos de existência – uma antropologia dos Modernos, ed. La Découverte).

Qual a diferença entre “ecologizar” e “modernizar”, segundo seu pensamento?

Modernizar é o argumento que diz que quanto mais nós separamos as questões de natureza e de política, melhor será. Ecologizar é dizer: já que, de fato, não separamos tudo isso, já que a História recente dos humanos na Terra foi o embaraçamento cada vez mais importante das questões de natureza e de sociedade, se é isso que fazemos na prática, então que construamos a política que lhe corresponda em vez de fazer de conta que há uma história subterrânea, aquela das associações, e uma história oficial, que é a de emancipação dos limites da natureza. Ecologizar é um verbo como modernizar, exceto que se trata da prática e não somente da teoria. Mas pode-se dizer “modernidade reflexiva” ou utilizar outros termos. O importante é que haja uma alternativa a modernizar, que não seja arcaica, reacionária. Que seja progressista, mas de uma outra forma, não modernista. Um problema complicado hoje, sobretudo no Brasil. Mas é complicado por todo o lado, na França também. Qualquer dúvida sobre a modernização, se diz que é preciso estancar a frente pioneira, decrescer, voltar ao passado. Isso é impossível. É preciso inovar, descobrir novas formas, e isso se parece com a modernização. Mas é uma modernização que aceita seu passado. E o passado foi uma mistura cada vez mais intensa entre os produtos químicos, as florestas, os peixes, etc. Isso é “ecologizar”. É a instituição da prática e não da teoria.

Qual é a situação e o papel do Brasil neste contexto?

Penso que deve haver uma verdadeira revolução ecológica, não somente no sentido de natureza, e o Brasil é um ator importante. A esperança do mundo repousa muito sobre o Brasil, país com uma enormidade de reservas e de recursos. Se fala muito do movimento da civilização na direção da Ásia, o que não faz muito sentido do ponto de vista ecológico, pois quando se vai a estes países se vê a devastação. Não se pode imaginar uma civilização ecológica vindo da Ásia. No Brasil — e também na Índia — há um pensamento, não simplesmente a força nua, num país em que os problemas ecológicos são colocados em grande escala. Há um verdadeiro pensamento e uma verdadeira arte, o que é muito importante. Se fosse me aposentar, pensaria no Brasil. Brasil e Índia são os dois países nos quais podemos imaginar verdadeiras inovações de civilização, e não simplesmente fazer desenvolvimento sustentável ou reciclagem de lixo. Podem mostrar ao resto do mundo o que a Europa acreditou por muito tempo poder fazer. A Europa ainda poderá colaborar com seu grão de areia, mas não poderá mais inovar muito em termos de construir um quadro de vida, porque em parte já o fez, com cidades ligadas por autoestradas, com belas paisagens e belos museus. Já está feito. Mas numa perspectiva de inventar novas modas e novas formas de existência que nada têm a ver com a economia e a modernização, com a conservação, será preciso muita inteligência política e científica. Não há muitos países que possuem esses recursos. Os Estados Unidos poderiam, mas os perderam há muito tempo, saíram da História quando o presidente George W. Bush disse que o modo de vida dos americanos não era negociável. Brasil e Índia ainda têm essa chance. Mas este é o cenário otimista. O cenário pessimista talvez seja o mais provável.

Qual a hipótese pessimista?

Há os chineses que entram com força no Brasil, por exemplo. Meu amigo Clive Hamilton (pensador australiano) diz que, infelizmente, nada vai acontecer, que se vai fazer uma reengenharia, se vai modernizar numa outra escala e numa outra versão catastrófica. Provavelmente, é o que vai ocorrer, já que não conseguimos decidir nada, e que será preciso ainda assim tomar medidas. Uma hipótese é a de que se vai delegar a Estados ainda mais modernizadores no sentido tradicional e hegemônico a tarefa de reparar a situação por meio de medidas drásticas, sem nada mudar, portanto agravando-a. Mas meu dever é o de ser otimista. Em todo caso, é preciso inventar novas formas para pensar essas questões.

O senhor acompanhou as manifestações de rua no Brasil neste ano que passou?

É uma das razões pelas quais o Brasil é interessante, porque há ao mesmo tempo um dinamismo de invenção política, ligado a outros dinamismos relacionados às ciências, às artes. Há um potencial no Brasil. E há, hoje, uma riqueza. Não são temas que se pode abordar em uma situação de miséria. É preciso algo que se pareça ao bem-estar. Na Índia, se você tem um milhão de pessoas morrendo de fome não pode fazer muito. O Brasil é hoje muito importante para a civilização mundial.

Os partidos ecologistas, na sua opinião, não souberam assimilar estas questões?

Nenhum partido ecologista conseguiu manter uma prática. A ecologia se tornou um domínio, enquanto é uma outra forma de tudo fazer. A ecologia se viu encerrada em um tema, e não é vista como uma outra forma de fazer política. É uma posição bastante difícil. É preciso ao mesmo tempo uma posição revolucionária, pois significa modificar o conjunto dos elementos do sistema de produção. Mas é modificar no nível do detalhe de interconexão de redes técnico-sociais, para as quais não há tradição política. Sabemos o que é imaginar a revolução sem fazê-la, administrar situações estabelecidas melhorando-as, modernizar livrando-se de coisas do passado, mas não sabemos o que é criar um novo sistema de produção inovador, que obriga a tudo mudar, como numa revolução, mas assimilando cada vez mais elementos que estão interconectados. Não há uma tradição política para isso. Não é o socialismo, o liberalismo. E é preciso reconhecer que os partidos verdes, seja na Alemanha, na França, nos EUA não fizeram o trabalho de reflexão intelectual necessária. Como os socialistas, no século XIX, refizeram toda a filosofia, seja marxista ou socialista tradicional, libertária, nas relações com a ciência, na reinvenção da economia. Há uma espécie de ideia de que a questão ecológica era local, e que se podia servir do que chamamos de filosofia da ecologia, que é uma filosofia da natureza, muito impregnada do passado, da conservação. O que é completamente inadaptado a uma revolução desta grandeza. Não podemos criticá-los. Eles tentaram, mas não investiram intelectualmente na escala do problema. Não se deram conta do que quer dizer “ecologizar” em vez de “modernizar”. Imagine o pobre do infeliz responsável pelo transporte público de São Paulo ou de Los Angeles.

A França receberá em 2015 a Conferência Internacional sobre o Clima. Como o senhor avalia esses encontros?

Estamos muito mobilizados aqui na Sciences-Po, porque em 2015 ocorrerá em Paris, e trabalhamos bastante sobre o fracasso da conferência de Copenhague, em 2009. Estamos muito ativos, tanto aqui como no Palácio do Eliseu. Na minha interpretação, o sistema de agregação por nação é demasiado convencional para identificar as verdadeiras linhas de clivagens sobre os combates e as oposições. Cada país é atravessado em seu interior por múltiplas facções, e o sistema de negociação pertence à geopolítica tradicional. E também ainda não admitimos de que se tratam de conflitos políticos importantes. A França aceitou a conferência sem perceber realmente do que se tratava, como um tema político maior. Por quê? Porque ainda não estamos habituados a considerar — e aqui outra diferença entre “ecologizar” e “modernizar” — que as questões de meio ambiente e da natureza são questões de conflito, e não questões que vão nos colocar em acordo. Vocês têm isso no Brasil em relação à Floresta Amazônica. Não é porque se diz “vamos salvar a Floresta Amazônica” que todo mundo vai estar de acordo. Há muita discordância. E isso é muito complicado de entender na mentalidade do que é uma negociação.

Poderá haver avanços em 2015?

Uma das hipóteses que faço para 2015 é a de que é preciso acentuar o caráter conflituoso antes de entrar em negociações. Não começar pela repartição das tarefas, mas admitindo que se está em conflito nas questões da natureza. Os ecologistas têm um pouco a ideia de que no momento em que se fala de natureza e de fatos científicos as pessoas vão se alinhar. Acham que se falar que o atum está desaparecendo os pescadores vão começar a parar de matá-los. Sabe-se há muito tempo que é exatamente o contrário, eles vão rapidamente em busca do último atum. A minha hipótese para 2015 é que se deve tornar visíveis estes conflitos. O que coloca vários problemas de teoria política, de ecologia, de representação, de geografia etc. Talvez 2015 já seja um fracasso como foi 2009. Mas é interessante tentar, talvez seja nossa última chance. Tenho muitas ideias. Faremos um colóquio no Rio de Janeiro em setembro de 2014, organizado por Eduardo Viveiros de Castro, sobre isso. Depois faremos um outro, em Toulouse, para testar os modelos de negociação. Em 2015 faremos um outro aqui na Sciences-Po. A ideia é encontrar alternativas no debate sobre conflitos de mundo. Não é uma questão das pessoas que são a favor do carvão, os que são contra os “climacéticos” etc. Não é a mesma conexão, não é a mesma ciência, não é a mesma confiança na política. São conflitos antropocêntricos. Interessante que as pessoas que assistiram à minha peça de teatro ficaram contentes em ver os conflitos. Na ecologia se faz muita pedagogia, se diz como se deve fazer para salvar a Floresta Amazônica. Mas não se fala muito de conflitos.

Unease among Brazil’s farmers as Congress votes on GM terminator seeds (The Guardian)

Environmentalists warn approval could shatter global agreement not to use technology, with devastating repercussions

 in Rio de Janeiro and 
theguardian.com, Thursday 12 December 2013 16.34 GMT

Brazil national congress

Brazil’s national Congress is under pressure from landowning groups to green light GM ‘terminator’ seeds. Photograph: Ruy Barbosa Pinto/Getty Images/Flickr RF

Brazil is set to break a global moratorium on genetically-modified “terminator” seeds, which are said to threaten the livelihoods of millions of small farmers around the world.

The sterile or “suicide” seeds are produced by means of genetic use restriction technology, which makes crops die off after one harvest without producing offspring. As a result, farmers have to buy new seeds for each planting, which reduces their self-sufficiency and makes them dependent on major seed and chemical companies.

Environmentalists fear that any such move by Brazil – one of the biggest agricultural producers on the planet – could produce a domino effect that would result in the worldwide adoption of the controversial technology.

Major seed and chemical companies, which together own more than 60% of the global seed market, all have patents on terminator seed technologies. However, in the 1990s they agreed not to employ the technique after a global outcry by small farmers, indigenous groups and civil society groups.

In 2000, 193 countries signed up to the UN Convention on Biological Diversity, which recommended a de facto moratorium on this technology.

The moratorium is under growing pressure in Brazil, where powerful landowning groups have been pushing Congress to allow the technology to be used for the controlled propogation of certain plants used for medicines and eucalyptus trees, which provide pulp for paper mills.

The landowning groups want to plant large areas with fast growing GMtrees and other non-food GM crops that could theoretically spread seeds over wide areas. The technology, they argue, would be a safeguard, ensuring that no second generation pollution of GM traits takes place. They insist that terminator seeds would only be used for non-food crops.

Their efforts to force a bill to this effect through Congress, ongoing since 2007, have been slowed due to resistance from environmentalists.

The proposed measure has been approved by the legislature’s agricultural commission, rejected by the environmental commission, and now sits in the justice and citizenship commission. It is likely to go to a full Congressional vote, where it could be passed as early as next Tuesday, or soon after the Christmas recess.

Environment groups say there would be global consequences. “Brazil is the frontline. If the agro-industry breaks the moratorium here, they’ll break it everywhere,” said Maria José Guazzelli, of Centro Ecológico, which represents a coalition of Brazilian NGOs.

This week they presented a protest letter signed by 34,000 people to thwart the latest effort to move the proposed legislation forward. “If this bill goes through, it would be a disaster. Farmers would no longer be able to produce their own seeds. That’s the ultimate aim of the agro-industry,” she said.

The international technology watchdog ETC, which was among the earliest proponents of a ban on terminator technology in the 1990s, fears this is part of a strategy to crack the international consensus.

“If the bill is passed, [we expect] the Brazilian government to take a series of steps that will orchestrate the collapse of the 193-country consensus moratorium when the UN Convention on Biological Diversity meets for its biennial conference in Korea in October 2014,” said executive director Pat Mooney.

But Eduardo Sciarra, Social Democratic party leader in the Brazilian Congress, said the proposed measure did not threaten farmers because it was intended only to set controlled guidelines for the research and development of “bioreactor” plants for medicine.

“Gene use restriction technology has its benefits. This bill allows the use of this technology only where it is good for humanity,” he said.

The technology was developed by the US Department of Agriculture and the world’s largest seed and agrochemical firms. Syngenta, Bayer, BASF, Dow, Monsanto and DuPont together control more than 60% of the global commercial seed market and 76% of the agrochemical market. All are believed to hold patents on the technology, but none are thought to have developed the seeds for commercial use.

Massive protests in the 1990s by Indian, Latin American and south-east Asian peasant farmers, indigenous groups and their supporters put the companies on the back foot, and they were reluctantly forced to shelve the technology after the UN called for a de-facto moratorium in 2000.

Now, while denying that they intend to use terminator seeds, the companies argue that the urgent need to combat climate change makes it imperative to use the technology. In addition, they say that the technology could protect conventional and organic farmers by stopping GM plants spreading their genes to wild relatives – an increasing problem in the US, Argentina and other countries where GM crops are grown on a large scale.

A Monsanto spokesman in Brazil said the company was unaware of the developments and stood by a commitment made in 1999 not to pursue terminator technology. “I’m not aware of so-called terminator seeds having been developed by any organisation, and Monsanto stands firmly by our commitment and has no plans or research relating to this,” said Tom Helscher.

On its website, however, the company’s commitment only appears to relate to “food crops”, which does not encompass the tree and medicinal products under consideration in Brazil.

• Additional research by Anna Kaiser

Background to a controversy

Ever since GM companies were found to be patenting “gene-use restriction” or “terminator” technologies in the 1990s, they have been accused of threatening biodiversity and seeking to make farmers dependent on big industry for their livelihoods.

In many developing countries, where up to 80% of farmers each year choose their best plants and save their own seed, terminator technology is a byword for all genetic modification, raising fears that sterile GM strains could contaminate wild plants and regular crops – with devastating consequences.

The GM companies, which claimed in the 1990s that they wanted to introduce the seeds only to stop farmers stealing their products, were forced to shelve the technology in the face of massive protests in India, Latin Amercia and south-east Asia.

In the face of growing international alarm, the 193 countries signed up to the UN Convention on Biological Diversity unanimously agreed in 2000 that there should be a de facto international moratorium. This was strengthened at the Conference of the Parties in 2006, under the presidency of Brazil.

Since then, the moratorium has held firm. But the GM companies have shifted their arguments, saying that gene-use restriction technologies now allow seeds to reproduce, but could “switch off” the GM traits. This, they argue, would reduce the possibility of the seeds spreading sterility. In addition, they say the technology could protect organic and conventional farmers from the spread of transgenes to wild relatives and weeds, which plagues GM farmers in the US and elsewhere.

The fear now is that the global moratorium could quickly unravel if Brazil, one of the most important agricultural countries in the world, overturns its national law to ban terminator technology. Other countries, pressed strongly by the powerful GM lobby, would probably follow, leading inevitably to more protests.

Ruralistas saem pela “Porta dos Fundos” (Greenpeace)

16/12/2013 – 12h05

por Nathália Clark, do Greenpeace

Os parlamentares da bancada ruralista sempre fazem tudo às avessas ou na calada da noite. Por esse motivo, suas artimanhas foram expostas na última quinta-feira (12) como eles merecem: pela porta dos fundos. O Porta dos Fundos, canal alternativo que tem feito grande sucesso na internet com vídeos humorísticos, produziu uma “homenagem” à bancada ruralista. O vídeo “Xingó Kayapu”, lançado na semana anterior, traz uma sátira às dezenas de propostas legislativas que tramitam no Congresso Nacional, incluindo a PEC 215, e à tentativa da parcela mais atrasada do agronegócio brasileiro de limar os direitos dos povos tradicionais a suas terras.

Veja abaixo o vídeo original do Porta dos Fundos:

 

No Congresso, comissão da PEC anti-indígena é instalada

Em “comemoração” ao Dia Internacional de Direitos Humanos, 10 de dezembro, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), instalou a tão falada comissão especial para discutir a PEC 215. Num plenário lotado de representantes indígenas, os parlamentares ruralistas não se intimidaram com os gritos de “assassinos” enquanto discutiam os nomes para o grupo que debaterá a Proposta de Emenda à Constituição. O projeto visa transferir do Executivo para o Legislativo a competência pela demarcação de Terras Indígenas e áreas quilombolas.

Na última quarta-feira (11), dia seguinte à instalação da comissão, os parlamentares se reuniram novamente para definir a mesa diretora. Foram eleitos como presidente e relator, respectivamente, os deputados Afonso Florence (PT-BA) e Osmar Serraglio (PMDB-PR). Luis Carlos Heinze (PP-RS), outro expoente da bancada ruralista, ficou como segundo vice-presidente.

“A PEC 215, proposta pelos ruralistas, pode agravar ainda mais casos de violência contra indígenas no campo, como aconteceu recentemente no caso da TI Alto Turiaçu. A proposta enfraquece direitos conquistados pelos povos indígenas e acirra a disputa por terra. É uma triste ironia que uma decisão como essa de instalar a PEC tenha sido tomada justamente no dia em que se comemoram os direitos humanos”, afirma Romulo Batista, da Campanha Amazônia do Greenpeace.

Mesmo depois de o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmar que a PEC é inconstitucional, o Planalto não acionou sua base parlamentar para barrar a ação do presidente da Câmara e dos ruralistas. Durante a Mobilização Nacional Indígena, que ocorreu na primeira semana de outubro, a presidenta Dilma Rousseff chegou a divulgar que orientaria sua base parlamentar a votar contra a PEC 215.

Protesto Munduruku

Também no Dia Internacional dos Direitos Humanos cerca de 50 índios Munduruku ocuparam a sede da Advocacia-Geral da União (AGU) para pedir uma série de demandas como a revogação da Portaria 303, que prevê intervenções militares e empreendimentos hidrelétricos, minerais e viários em terras indígenas sem consulta prévia aos povos, a demarcação da Terra Indígena Munduruku no Médio Tapajós e que se mantenha a decisão da 1ª Vara da Justiça Federal de Mato Grosso, que suspendeu o leilão para a Usina Hidrelétrica de São Manoel, no Rio Teles Pires.

* Publicado originalmente no site Greenpeace.

Países pobres estão 100 anos atrás dos ricos em preparação climática (CarbonoBrasil)

16/12/2013 – 11h52

por Jéssica Lipinski, do CarbonoBrasil

mapa1 Países pobres estão 100 anos atrás dos ricos em preparação climática

Novos dados do Índice de Adaptação Global da Universidade de Notre Dame enfatizam disparidades entre países pobres e o risco em relação à resiliência climática; Brasil aparece em 68º lugar, com classificação considerada média-alta

Um novo relatório publicado por pesquisadores da Universidade de Notre Dame afirma que levará mais de um século para que os países em desenvolvimento atinjam o nível de preparação climática que as nações desenvolvidas já possuem.

Índice de Adaptação Global da Universidade de Notre Dame (ND-GAIN), lançado nesta quinta-feira (12) avaliou 175 países e se foca em questões como a vulnerabilidade das nações às mudanças climáticas, ao aquecimento global e a eventos climáticos extremos, como secas severas, tempestades devastadoras e desastres naturais.

Alguns exemplos de países nessa trajetória de 100 anos incluem o Camboja, o Quênia e o Haiti. “Devido ao recente tufão nas Filipinas, algumas pessoas podem estar se perguntando onde essa nação insular fraqueja em termos de prontidão”, comentou Nitesh Chawla, diretor do Centro Interdisciplinar para Ciência de Rede e Aplicações.

“De acordo com os dados, as Filipinas estão mais de 40 anos atrás dos países mais desenvolvidos em preparação climática. Embora isso seja menor do que os países mais pobres, mostra que as Filipinas ainda tem um longo caminho pela frente”, continuou Chawla.

Já alguns dos países emergentes mais industrializados, como o Brasil, apresentaram uma classificação considerada média-alta, apresentando um nível relativamente satisfatório de resiliência. Nosso país ficou em 68º lugar no geral, sendo classificado em 56º em vulnerabilidade e em 79º em preparação.

“Sabíamos que havia disparidades entre os países mais ricos e mais pobres quando se tratava de adaptação e preparação às mudanças climáticas”, colocou Jessica Hellmann, bióloga da Universidade de Notre Dame.

“Mas não sabíamos que levaria mais de 100 anos para que os países mais pobres atingissem os níveis de preparação que os países mais ricos já alcançaram”, acrescentou ela.

Mas os especialistas que trabalharam no relatório declararam que, de acordo com as pesquisas, nem mesmo os países desenvolvidos são exatamente à prova de mudanças climáticas e do aquecimento global.

Pelo contrário, o documento sugere que, embora eles estejam exercendo esforços para aumentar sua resiliência aos fenômenos naturais e eventos climáticos extremos que acontecem em seus territórios, ainda há espaço para melhorias.

“Esses dados são preocupantes, porque eles evidenciam o quão despreparadas algumas das nações mais vulneráveis realmente estão. Mas eles também mostram que os países mais desenvolvidos não estão fazendo o suficiente, o que levanta sérias questões sobre políticas públicas, não importa quão bem desenvolvida uma economia nacional possa ser”, observou Hellmann.

Os pesquisadores esperam que as descobertas ajudem os líderes mundiais a estabeleceram prioridades globais, regionais e nacionais, assim como estimulem a preparação para as mudanças climáticas.

* Publicado originalmente no site CarbonoBrasil.

Plano Clima: Versão final deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2014 (Ministério do Meio Ambiente)

13/12/2013 – 12h16

por Tinna Oliveira, do MMA

klink Plano Clima: Versão final deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2014

Klink: propostas da sociedade foram incorporadas. Foto: Martim Garcia/MMA

Reunião presencial marca fim da consulta pública do Plano Clima

A sociedade civil contribuiu, por meio de consulta pública, para a atualização do Plano Nacional sobre Mudança do Clima (Plano Clima), o principal instrumento para a implantação da Política Nacional sobre Mudança do Clima. A consulta pública eletrônica ficou aberta de 25 de setembro a 8 de novembro. Nessa quinta-feira (12) aconteceu a última reunião presencial. Durante o período, qualquer cidadão brasileiro pode oferecer suas contribuições, por meio do formulário disponível na internet. Do total de 27 formulários enviados, foram totalizadas 111 contribuições da consulta pública eletrônica. A versão final do plano revisado deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2014.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) é o coordenador do Grupo Executivo (GEx) do Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima (CIM). Apresentado em 2008 pelo governo federal, o Plano Clima visa incentivar o desenvolvimento e o aprimoramento das ações de mitigação no Brasil, colaborando com o esforço mundial de redução das emissões de gases de efeito estufa, bem como objetiva a criação das condições internas para lidar com os impactos da mudança global do clima (adaptação).

Avaliação

O secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do MMA, Carlos Klink, destacou que a consulta pública permitiu incorporar os avanços que aconteceram no Brasil na questão de mudanças do clima e a suas articulações com a negociação internacional. “Isso mostra o tamanho da ambição que o tema mudanças do clima tem dentro do país, pois não é só uma questão internacional, mas também a sociedade brasileira está muito engajada”, enfatizou.

Klink lembra que existem nove planos para mitigação e já está sendo construído o Plano Nacional de Adaptação, previsto para ser concluído até 2015. O tema de mudanças do clima está em destaque no País. “Estamos nos tornando um exemplo internacionalmente e, aqui no Brasil, está criando raízes muito fortes em todos os setores da sociedade”, explicou. Para o secretário, a governança permite um diálogo para construção e elaboração de todos esses planos, com envolvimento de todos os setores dentro e fora do governo. “O documento reflete esse avanço e mostra de maneira sintética esse tremendo trabalho de coordenação”, salientou.

Etapas

A atualização do Plano Clima passou por várias etapas. Desde janeiro, foram realizadas 17 reuniões do Grupo Executivo e sete reuniões do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC). “O fórum é o canal entre a sociedade e o governo para essa questão clima, por isso a gente sempre estimulou que a sociedade usasse o Fórum nas discussões”, explicou o diretor de Climáticas do MMA, Adriano Santhiago.

Segundo ele, vários setores trouxeram contribuições que foram incorporadas no texto apresentado durante a consulta eletrônica. A contribuição da população foi encerrada nesta reunião presencial, na qual participaram representantes do governo, da academia, do setor produtivo e da sociedade civil. O próximo passo é uma discussão governamental para fechar o documento final.

Em 2009, o Congresso Nacional aprovou a Política Nacional sobre Mudança do Clima, com o ineditismo da adoção de vários compromissos nacionais voluntários de redução de emissões. Além disso, foi criado o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima e lançados diversos planos setoriais. Outros pontos que merecem destaque são a redução substancial do desmatamento no país, a mudança do perfil das emissões nacionais de gases de efeito estufa e a transformação substantiva da forma como diversos setores, governamentais ou não, se engajaram no esforço para enfrentar a mudança do clima..

* Publicado originalmente no site Ministério do Meio Ambiente.

Fifa proíbe o São João em Salvador (Tribuna da Bahia)

Por Alessandra Nascimento

Publicada em 25/04/2013 01:23:24

Foto: Mateus Pereira/Secom

A partir do mês de junho, quando acontecem os jogos da Copa das Confederações e Salvador abrigará algumas partidas, estão proibidas a realização de festas na cidade. A situação chegou ao conhecimento da Tribuna da Bahia por intermédio de dois moradores – um planejava realizar uma festa junina no bairro do Barbalho e o segundo em Periperi – as festas tiveram as licenças negadas pela Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo, Sucom, por conta de uma ordem da Fifa.

A TB entrou em contato com a assessoria do órgão municipal que confirmou a suspensão de eventos na cidade no mês de junho. “A Prefeitura de Salvador irá publicar um decreto dando maiores detalhes, mas a orientação é não liberar eventos na cidade em junho”, alega.

A Tribuna entrou em contato com a Assessoria Geral de Comunicação, Agecom, e teve como informação que isso faz parte de um acordo firmado entre a Fifa, o governo federal e as cidades sedes dos jogos. “O governo brasileiro assinou o acordo com a entidade e tem que aceitar as regras. Foi assim nos Estados Unidos e na África do Sul. Nos circuitos oficiais como Avenida Paralela, Avenida Bonocô, Orla, Dique do Tororó, Vitória, Ribeira, dentre outros pontos da cidade terão que exibir toda a comunicação visual com os patrocinadores da Copa. A Sucom deverá apreender quem estiver desrespeitando as regras”, alerta a assessoria.

Celeuma - Não é a primeira vez que ocorre episódios emblemáticos envolvendo a Fifa. A entidade havia proibido a comercialização de acarajés no entorno do estádio. A regra da Fifa recomendava o afastamento desse tipo de comércio num perímetro de até dois quilômetros das praças de jogos.

A atitude foi tomada porque o acarajé não deveria ser concorrente aos hambúrgueres produzidos pela rede McDonald’s, patrocinadora oficial da Fifa. Aparentemente a entidade teria voltado atrás e liberado a comercialização do bolinho, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Iphan, como patrimônio imaterial.

Escritório da Copa se manifesta

A Tribuna da Bahia entrou em contato com o Escritório da Copa, Ecopa, que disse desconhecer a informação de restrição a eventos na cidade durante o mês de junho. “Cada evento é analisado individualmente pelos órgãos competentes e a sua aprovação leva em conta todas as condições necessárias, de acordo com a regulamentação vigente. Não há nenhum impedimento em relação à realização de eventos na cidade. Pelo contrario, tanto a Prefeitura, quanto o Governo de Estado estão elaborando uma ampla programação de eventos que oportunamente será divulgada, para que todo o cidadão soteropolitano possa ter lazer, cultura e entretenimento durante a realização dos jogos em nossa cidade”, informou a nota da assessoria da Ecopa.

Questionada se a Fifa teria “alugado” a cidade, a Ecopa se manifestou. “Salvador, bem como todas as cidades-sede, tem recebido investimentos em diversas áreas (infraestrutura, requalificação de espaços urbanos, mobilidade, segurança, capacitação de mão de obra, saúde, equipamentos públicos, cultura, turismo), o que tem dinamizado a sua economia, através da geração de emprego e renda para os mais variados setores, trazendo benefícios para toda a população. Tudo isso vem gerando oportunidades que impulsionam o desenvolvimento da cidade e elas estão acontecendo justamente por conta da realização dos jogos. Uma vez bem sucedidos, Salvador poderá se posicionar cada vez mais como uma cidade apta a receber novos eventos em inúmeras áreas”, sinaliza e acrescenta: “Salvador está cumprindo rigorosamente o que determina a Lei Geral da Copa (Lei Federal nº. 12.663/12), no sentido de garantir a realização de todas as atividades previstas com pleno êxito. Assim, estamos trabalhando intensamente para que a capital baiana se torne uma cidade cada vez melhor e seja ainda mais desfrutada por todos os soteropolitanos”.

Veja mais
— A posição oficial da Fifa e as restrições que faz