Up the Financier: Studying the California Carbon Market (AAA, Anthropology and Environment Society Blog)

Posted on January 26, 2014

ENGAGEMENT co-editor Chris Hebdon catches up with University of Kentucky geographer Patrick Bigger.

Patrick Bigger at the Chicago Board of Trade

Patrick Bigger at the Chicago Board of Trade

How would you explain your dissertation research on the California carbon market?

At the broadest level, my research is about understanding how a brand new commodity market tied to environmental improvement is brought into the world, and then how it functions once it is in existence. Taking as a starting point Polanyi’s (1944) observation that markets are inherently social institutions, my work sorts though the social, geographical, and ideological relationships that are being mobilized in California and brought from across the world to build the world’s second largest carbon market. And those constitutive processes and practices are no small undertaking.

Making a multi-billion dollar market from scratch is a process that entails the recruitment and hiring of a small army of bureaucrats and lawyers, the creation of new trading and technology firms, the involvement of offset developers and exchange operators who had been active in other environmental commodities markets, and learning from more than fifty years of environmental economics and the intellectual work of think tanks and NGOs. There are literally tens of thousands of hours of people’s time embodied in the rule-making process, which result in texts (in the form of regulatory documents) that profoundly influence how California’s economy is performed every day. These performances range from rice farmers considering how much acreage to sow in the Sacramento Delta to former Enron power traders building new trading strategies based on intertemporal price differences of carbon futures for different compliance periods in California’s carbon market.

My work uses ethnographic methods such as participant-observation in public rule-making workshops and semi-structured interviews with regulators, industry groups, polluters, NGOs, and academics to try to recreate the key socio-geographical relationships that have had the most impact on market design and function. It’s about how regulatory and financial performances are intertwined, as events in the market (and in other financial markets, most notably the deregulated electric power market in California) are brought back to bear on rule-making, and then how rule-making impacts how the market and the associated regulated industrial processes are enacted. And the key thing is that there isn’t some isolated cabal of carbon’s ‘masters of the universe’ pulling the strings––it’s bureaucrats in cubicles, academics writing books, and offset developers planting trees out there making a market. And they’re people you can go observe and talk with.


Who are buying and selling these carbon credits?

That’s a trickier question than it seems. Most of the credits (aka allowances) are effectively created out of thin air by the California Air Resources board which then distributes them via either free allocation or by auction to anyone who requests authorization to bid. A significant proportion of those are given away directly to regulated industries to ease their transition to paying for their carbon output. Another way the auction works is that electric utilities are given almost all the credits they need to fulfill their obligation, but they are required to sell (consign) those permits in the auction, while they are typically also buyers. This is to prevent windfall profits, like what happened in the EU, for the electric utilities. The utilities must return the value of what they make selling their permits at auction to ratepayers, which they have done to the tune of $1.5 billion so far.

More to the spirit of the question though, it’s a pretty big world. Literally anyone can buy California Carbon on the Intercontinental Exchange (ICE), based in Chicago. From what I’ve been told, a lot of allowances pass through Houston because there is a major agglomeration of energy traders there, and carbon is often bundled into transactions like power purchase agreements that are traded over-the-counter (OTC). There’s an interesting division in who buys their credits where––companies that must comply with climate regulations tend to buy through the auction, while people trading for presumably speculative purposes tend to buy on the exchange. This isn’t even getting into who produces, sells, and buys carbon offsets, which is another market entirely unto itself. To attempt to be succinct, I’d say there is a ‘carbon industry’ in the same sense that Leigh Johnson (2010) talks about a ‘risk industry’; a constellation of brokers, lawyers, traders, insurers, and industrial concerns, and the size of these institutional actors range from highly specialized carbon traders to the commodities desk at transnational investment banks.


Would you be able to outline some ways your research could affect public policy? And how is it in dialogue with environmental justice literature and engaged scholarship?

There are a number of ways that my work could be taken up by policy makers, though to be clear I did not set out to write a dissertation that would become a how-to-build-a-carbon-market manual. Just being around regulators and market interlocutors has provided insights into the most challenging aspects to market creation and maintenance, like what sorts of expertise a bureaucracy needs, how regulators can encourage public participation in seemingly esoteric matters, or the order which regulator decisions need to be made. Beyond the nuts-and-bolts, there’s a fairly substantial literature on ‘fast policy transfer’ in geography that critiques the ways certain kinds of policy become wildly popular and are then plopped down anywhere regardless of geographical and political-economic context; I am interested in contributing to that literature because California’s carbon market was specifically designed to ‘travel’ through linkages with other sub-national carbon markets. I would also note that there are aspects of what I’m thinking about that problematize the entire concept of the marketization of nature in ways that would also be applicable to the broader ecosystem service literature and the NGOs and regulators who are trying to push back against that paradigm.

As far as the EJ literature is concerned, I’ll admit to having a somewhat fraught relationship. I set out to do a project on the economic geography of environmental finance, not to explicitly document the kinds injustices that environmental finance has, or has the potential, to produce. As a result some critics have accused me of being insufficiently justice-y. I’d respond by noting that my work is normative, even if it isn’t framed in the language of environmental justice; it certainly isn’t Kuhnian normal science. But EJ arguments, if they are any good, do depend on empirical grounding and I would hope that my work provides that.

At the Chicago Board of Trade.

“I’d be really happy if scholars of other markets could find parallels to my work that demonstrated that all markets, not just environmental ones, were as much about the state as they are about finance.”

Your advisor Morgan Robertson has written about “oppositional research,” and research “behind enemy lines,” drawing on his experience working inside the Environmental Protection Agency. What has oppositional research meant for you?

I think about it as using ethnographic methods to poke and prod at the logics and practices that go into building a carbon market. I think for Morgan it was more about the specific problems and opportunities of being fully embedded in an institution whose policies you want to challenge. That position of being fully ‘inside’ isn’t where I’m at right now, and it’s a difficult position to get into either because you just don’t have access, because the researcher doesn’t want to or isn’t comfortable becoming a full-fledged insider, or because academics often just don’t have time to do that sort research. It’s also contingent on what sort of conversational ethnographic tact you want to take––when you’re fully embedded you lose the option of performing the research space as a neophyte, which can be a very productive strategy. One thing that I will mention is that oppositional research is based on trust. You must have established some rapport with your research participants before you challenge them head-on, or they may just walk away and then you’ve done nothing to challenge their practices or world view, you’ve potentially sewn ill will with future research participants, and you won’t get any of the interesting information that you might have otherwise.


How about the method of “studying up”?

For starters, the logistics of ‘studying up’ (Nader 1969) are substantially different than other kinds of fieldwork. There’s lots of downtime (unless you’re in a situation where you’ve got 100% access to whatever you’re studying, e.g.  having a job as a banker or regulator) because there aren’t hearings or rule-making workshops everyday, or even every week, and the people making the market are busy white-collar people with schedules. I feel like I’ve had a really productive week if I can get 3 interviews done.

Beyond the logistics, one of the most challenging parts of studying a regulatory or financial process you’re not fully onboard with is walking the line between asking tough questions of your research participants and yet not alienating them. It has been easy for me to go in the other direction as well––even though I think carbon markets are deeply problematic and emblematic of really pernicious global trends toward the marketization of everything, I really like most of my research participants. They’re giving me their time, they tell me fascinating stories, and they’ve really bent over backward to help me connect with other people or institutions it never would have occurred to me to investigate. And that can make it tough to want to challenge them during interviews. After a while, it’s also possible to start feeling you’re on the inside of the process, at least as far as sharing a language and being part of a very small community. There aren’t many people in the world that I can have a coffee with and make jokes about one company’s consistently bizarre font choices in public comments documents. So even though the market feels almost overwhelmingly big in one sense, it’s also very intimate in another. I’m still working out how to write a trenchant political-economic critique with a much more sympathetic account of regulatory/market performance. Even many guys in the oil-refining sector are deeply concerned about climate change.


Would you ever take a job in a carbon trading firm?

Absolutely. There’s a rich literature developing that gets into the nuts and bolts of many aspects of finance, including carbon trading in the social studies of finance/cultural economics that overlaps with scholarship in critical accounting and even work coming out of some business schools. Some of those folks, like Ekaterina Svetlova (see especially 2012), have worked or done extended participant observation in the financial institutions that are being unpacked in broader literatures around performative economics and have provided useful critiques or correctives that is helping this literature to mature.

However, much of this work is subject to the same pitfalls as other work in the social studies of finance, especially the sense that scholars ‘fall in love’ with the complexity of their research topic and the ingenuity of their research participants qua coworkers and ultimately fail to link them back to meaningful critiques of the broader world. All that said, I’m not sure I’ve got the chops to work in finance. I’d be more interested in, and comfortable with, working in the environmental and economic governance realm where I could see, on a daily basis, how the logics of traders meet the logics of regulation and science.


What advice would you give to scholars who may do research on carbon markets in the future?

Get familiar with the language and logics of neoclassical economics. Really familiar. Take some classes. If you’re studying neoliberal environmental policy, it shouldn’t come as a surprise that regulation is shot through with the logics of market triumphalism at a level that just reading David Harvey (2003, 2005) probably wouldn’t prepare you for. A little engineering, or at least familiarity with engineers, wouldn’t be amiss either.

On a really pragmatic level, if you can get access, get familiar with being in an office setting if you haven’t spent much time in one. Being in a new kind of space can be really stressful and if you’re not comfortable in your surroundings you might not be getting the most out of your interviews.

If you’re studying a carbon market specifically, take the time to understand how the electricity grid works. I lost a lot of time sitting through workshops that were well over my head dealing with how the electric power industry would count its carbon emissions. I would have gotten much more out of them if I’d had even a cursory understanding of how the electricity gets from the out-of-state coal-fired power plant to my toaster.

Don’t expect to just pop in-and-out of fieldwork. Make yourself at home. Take some time to figure out what the points of tension are. That’s not to say you must do an ‘E’thnography, but taking the time at the beginning to understand the playing field will make it easier to understand the maneuvering later.

Read the specialist and general press every single day. Set up some news aggregator service to whatever market or regulation you’re looking at. It’s what your participants will be reading, and if they aren’t then you’ll really look like you know what you’re doing.


What are broad implications of your research?

I think starting to come to grips on the creation, from nothing, of a commodity market worth more than a billion dollars could have all sorts of impacts I can’t even imagine. I’d be really happy if scholars of other markets could find parallels to my work that demonstrated that all markets, not just environmental ones, were as much about the state as they are about finance, and not just in the way that Polanyi wrote about them. I’d also like to help people think through the relationship between the economic structures that people build, and then how they inhabit them through economic ideology, the performance of that ideology and their modern representation, the economic model. In some ways this is reopening the structure-agency debates that have been simmering for a long time. I also want to provide more grist for the mill in terms of unpacking variegated neoliberalisms––there are quite a few examples I’ve run across in my work where discourses about the efficiencies of markets run up against either therealpolitik of institutional inertia or perceived risks to the broader economy (which can be read as social reproduction).

In terms of policy, I hope that regulatory readers of my work will think about the relative return on investment (if I can appropriate a financial concept) in deploying market-based environmental policy as opposed to direct regulation, particularly around climate change. We’re in a situation that demands urgency to curb the worst impacts of carbon pollution, so it is of the utmost importance that the state take dramatic action, and soon. That said, wouldn’t it be interesting if this carbon market ended up accomplishing its goals? If it does, then I hope my work would take on different kinds of significance.

* * *

Harvey, David. 2003. The New Imperialism. New York: Oxford University Press.

Harvey, David. 2005. A Brief History of Neoliberalism. New York: Oxford University Press.

Johnson, Leigh. 2010. Climate Change and the Risk Industry: The Multiplication of Fear and Value. Richard Peet, Paul Robbins and Michael Watts, eds. Global Political Ecology. London: Routledge.

Nader, Laura. 1969. Up the Anthropologist: Perspectives Gained from Studying Up. Dell Hymes, ed. Reinventing Anthropology. New York: Random House.

Polanyi, Karl. 1944. The Great Transformation. Boston: Beacon.

Svetlova, Ekaterina. 2012. On the Performative Power of Financial Models. Economy and Society 41(3): 418-434.

Falling for the Anarchy She Was Sent to Fight (New York Times)

‘The East,’ Written by Zal Batmanglij and Brit Marling

Published: May 30, 2013

“The East” is a neat little thriller about ends and means and ethical quandaries. The title refers to a mysterious network of anti-corporate militants whose activities — called “jams” — shade from prankish agitprop toward outright terrorism. The members of the group, who live off the grid in an abandoned house in the wilderness somewhere near the Mason-Dixon line, are determined to hold the poisoners and polluters of the executive class accountable for their actions. Sometimes, as in the case of a pharmaceutical company that has peddled dangerous antibiotics, this means giving the bosses a literal taste of their own medicine.

Written by Zal Batmanglij and Brit Marling and directed by Mr. Batmanglij, “The East” follows Jane, an undercover operative for a private security-consulting firm, played by Ms. Marling, as she progresses from Dumpster diving and freight train hopping to the inner circle where the jams are planned. Jane, known to her new comrades as Sarah, is a former F.B.I. agent who reports back to her boss, a serenely chillyPatricia Clarkson. The parameters of Jane’s mission are not as clear as her almost instantly divided loyalty.

Back home in Washington, Jane has a scruffy, sensitive, bland boyfriend. Out in the woods, she falls under the spell of Benji (Alexander Skarsgard), who is scruffy, sensitive and dangerous. While the East, being a group of anarchists, has no formal leader, Benji is clearly the alpha dog. His main lieutenants are an elfin zealot named Izzy (Ellen Page) and Doc (Toby Kebbell), a troubled former medical student. All of them come from relatively privileged backgrounds and have painful, intimate reasons for taking up the cause.

In general, “The East” is a bit more persuasive on the psychology of its characters than on the politics of their actions. Ms. Marling is a sympathetic presence, in part because her slack-jawed, glassy-eyed passivity is an effective mirror of the audience’s ambivalence. She is initially appalled by Benji and his followers — by their hygiene as much as by their self-righteousness — but gradually finds comfort in the rough simplicity of their thrifty, communal approach to life. The world of work, stability and consumerism feels increasingly sterile and false to her. Mr. Batmanglij and the cinematographer, Roman Vasyanov, register this evolution with subtle visual cues, as the forest and the old dark house become less scary and more enchanted, and everywhere else is drained of color.

Jane’s goodness is as axiomatic as that of a fairy tale princess. While we suspect that she will stray into morally dangerous territory, real evil seems beyond her capacities. In their previous collaboration — the cult film (in both senses) “Sound of My Voice” — Ms. Marling and Mr. Batmanglij played with her aura of guileless blond sweetness to haunting and troubling effect. “The East,” while more conventional in style and structure than that film (or “Another Earth,” which Ms. Marling also helped write and starred in), has some of its spookiness, a sense of ambient vulnerability that extends from the individuals on screen into the very universe they inhabit.

This intimation of large, lurking danger is appropriate to this movie’s vague environmental theme. The damaged, idealistic young people plotting to terrorize the wealthy and comfortable are seen as canaries in the coal mine, their rage a sign that something is terribly wrong. But their animus is also explained in ways that strain credibility and undermine the film’s topicality. Benji, Izzy and Doc are motivated by grief, filial resentment and a desire for revenge. For them the political is personal, which makes it a little less urgent for everybody else.

But it may be asking too much of “The East” — which is, after all, a twisty, breathless genre film — to wish that it would frame the contradictions of contemporary capitalism more rigorously. The movie is aware that they exist, and wishes that they could be resolved more or less happily, which is hard to argue with, though also hard to believe.

“The East” is rated PG-13 (Parents strongly cautioned). Restrained violence, sex and profanity.

The East

Opens on Friday in Manhattan.

Directed by Zal Batmanglij; written by Mr. Batmanglij and Brit Marling; director of photography, Roman Vasyanov; edited by Andrew Weisblum and Bill Pankow; music by Halli Cauthery; production design by Alex DiGerlando; costumes by Jenny Gering; produced by Ridley Scott, Michael Costigan and Jocelyn Hayes-Simpson; released by Fox Searchlight Pictures. Running time: 1 hour 56 minutes.

WITH: Brit Marling (Jane/Sarah), Alexander Skarsgard (Benji), Ellen Page (Izzy), Toby Kebbell (Doc), Shiloh Fernandez (Luca), Julia Ormond (Paige Williams) and Patricia Clarkson (Sharon).

O Brasil ‘bipolar’ vem a Davos (Folha de S.Paulo)

23/01/2014  03h26

Clóvis Rossi

DAVOS – Marcelo Neri, o economista que chefia a Secretaria de Assuntos Estratégicos, lamenta que o Brasil viva o que chama de “situação bipolar”: uma boa parte do empresariado está pessimista com os rumos da economia, ao passo que o que Elio Gaspari chamaria de “andar de baixo” está satisfeito com a inclusão ocorrida nos últimos anos.

O ideal, para Neri, seria que “pessimistas fossem menos pessimistas, e otimistas menos otimistas”.

A segunda parte da equação é inalcançável, brinca o ministro, na medida em que “o brasileiro foi heptacampeão mundial de otimismo” (ficou em primeiro lugar na pesquisa Gallup sobre a satisfação com a própria vida, entre 2006 e 2012).

Em 2013, no entanto, as coisas mudaram ligeiramente: houve uma queda na satisfação, para o 18º lugar no mundo, coincidindo com as manifestações de junho. Mas, já em outubro, de 0 a 10, o brasileiro dava 7 para a sua satisfação com a vida, o terceiro lugar no planeta.

O ministro tem uma explicação para a “bipolaridade”: economistas e executivos costumam olhar muito para o PIB, que, de fato, está crescendo mediocremente, como disse ontem a mexicana Alícia Bárcenas, secretária-executiva da Cepal, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

Já o comum dos mortais olha para a sua própria vida e vê que ela melhorou nos últimos anos, inclusive no ano passado: enquanto o PIB per capita, até novembro, crescia apenas 1,8%, a renda mediana subia 5,2%.

Como, então, explicar os protestos de junho? Para Neri, “a casa melhorou, mas o seu entorno [leia-se: serviços públicos] não. As pessoas querem uma outra agenda, após o crescimento com redução da desigualdade”.

Neste ponto, uma observação pessoal que já fiz várias vezes ao hoje ministro e da qual ele não discorda: caiu a desigualdade entre salários, mas não entre o rendimento do capital e do trabalho, até porque é muito difícil medir o primeiro desses rendimentos.

E os rolezinhos? Neri admitiu, em mesa-redonda ontem em Davos: “Não acho que saibamos o que está acontecendo”.

Mas, em conversa com jornalistas, arriscou palpites: primeiro, a sociedade está muito mais interligada, do que decorre o uso das redes sociais como ponto de referência para os rolezinhos, e “a população jovem nunca foi e nunca mais será tão grande como agora”.

É desse Brasil “bipolar” que Dilma embarcou ontem para se apresentar amanhã a uma parte do público, inclusive estrangeiro, que está majoritariamente entre inquieta e pessimista sobre o Brasil.

Palpite meu: se ela focar sua fala na sessão plenária e na conversa reservada com executivos no “feel good factor”, esse sentir-se bem do andar de baixo, não vai desfazer o mal-estar. O que o povo de Davos quer são certezas sobre a situação fiscal brasileira, ou seja, sobre as sobras para pagar a dívida.

Não por acaso, esse tema apareceu no primeiro lugar entre os riscos globais medidos por uma grupo de peritos para o Fórum Econômico Mundial, ao lado do crescimento da desigualdade.

An insider’s story of the global attack on climate science (The Conversation)

23 January 2014, 6.40am AEST

Stormy weather hits New Zealand’s capital, Wellington. Flickr.com/wiifm69 (Sean Hamlin)

A recent headline – Failed doubters trust leaves taxpayers six-figure loss – marked the end of a four-year epic saga of secretly-funded climate denial, harassment of scientists and tying-up of valuable government resources in New Zealand.It’s likely to be a familiar story to my scientist colleagues in Australia, the UK, USA and elsewhere around the world.But if you’re not a scientist, and are genuinely trying to work out who to believe when it comes to climate change, then it’s a story you need to hear too. Because while the New Zealand fight over climate data appears finally to be over, it’s part of a much larger, ongoing war against evidence-based science.

From number crunching to controversy

In 1981 as part of my PhD work, I produced a seven-station New Zealand temperature series, known as 7SS, to monitor historic temperature trends and variations from Auckland to as far south as Dunedin in southern New Zealand.A decade later, in 1991-92 while at the NZ Meteorological Service, I revised the 7SS using a new homogenisation approach to make New Zealand’s temperature records more accurate, such as adjusting for when temperature gauges were moved to new sites.

The Kelburn Cable Car trundles up into the hills of Wellington. Shutterstock/amorfati.art

For example, in 1928 Wellington’s temperature gauge was relocated from an inner suburb near sea level up into the hills at Kelburn, where – due to its higher, cooler location – it recorded much cooler temperatures for the city than before.With statistical analysis, we could work out how much Wellington’s temperature has really gone up or down since the city’s temperature records began back in 1862, and how much of that change was simply due to the gauge being moved uphill. (You can read more about re-examining NZ temperatures here.) So far, so uncontroversial.But then in 2008, while working for a NZ government-owned research organisation, theNational Institute of Water and Atmospheric Research (NIWA), we updated the 7SS. And we found that at those seven stations across the country, from Auckland down to Dunedin, between 1909 and 2008 there was a warming trend of 0.91°C.Soon after that, things started to get heated.The New Zealand Climate Science Coalition, linked to a global climate change denial group, the International Climate Science Coalition, began to question the adjustments I had made to the 7SS.And rather than ever contacting me to ask for an explanation of the science, as I’ve tried to briefly cover above, the Coalition appeared determined to find a conspiracy.

“Shonky” claims

The attack on the science was led by then MP for the free market ACT New Zealand party, Rodney Hide, who claimed in the NZ Parliament in February 2010 that:

NIWA’s raw data for their official temperature graph shows no warming. But NIWA shifted the bulk of the temperature record pre-1950 downwards and the bulk of the data post-1950 upwards to produce a sharply rising trend… NIWA’s entire argument for warming was a result of adjustments to data which can’t be justified or checked. It’s shonky.

Mr Hide’s attack continued for 18 months, with more than 80 parliamentary questions being put to NIWA between February 2010 and July 2011, all of which required NIWA input for the answers.The science minister asked NIWA to re-examine the temperature records, which required several months of science time. In December 2010, the results were in. After the methodology was reviewed and endorsed by the Australian Bureau of Meteorology, it was found that at the seven stations from Auckland to Dunedin, between 1909 and 2008 there was a warming trend of 0.91°C.That is, the same result as before.But in the meantime, before NIWA even had had time to produce that report, a new line of attack had been launched.

Off to court

In July 2010, a statement of claim against NIWA was filed in the High Court of New Zealand, under the guise of a new charitable trust: the New Zealand Climate Science Education Trust (NZCSET). Its trustees were all members of the NZ Climate Science Coalition.The NZCSET challenged the decision of NIWA to publish the adjusted 7SS, claiming that the “unscientific” methods used created an unrealistic indication of climate warming.The Trust ignored the evidence in the Meteorological Service report I first authored, which stated a particular adjustment methodology had been used. The Trust incorrectly claimed this methodology should have been used but wasn’t.In July 2011 the Trust produced a document that attempted to reproduce the Meteorological Service adjustments, but failed to, instead making lots of errors.On September 7 2012, High Court Justice Geoffrey Venning delivered a 49-page ruling, finding that the NZCSET had not succeeded in any of its challenges against NIWA.

The NZ weather wars in the news. The New Zealand Herald

The judge was particularly critical about retired journalist and NZCSET Trustee Terry Dunleavy’s lack of scientific expertise.Justice Venning described some of the Trust’s evidence as tediously lengthy and said “it is particularly unsuited to a satisfactory resolution of a difference of opinion on scientific matters”.

Taxpayers left to foot the bill

After an appeal that was withdrawn at the last minute, late last year the NZCSET was ordered to pay NIWA NZ$89,000 in costs from the original case, plus further costs from the appeal.But just this month, we have learned that the people behind the NZCSET have sent it into liquidation as they cannot afford the fees, leaving the New Zealand taxpayer at a substantial, six-figure loss.Commenting on the lost time and money involved with the case, NIWA’s chief executive John Morgan has said that:

On the surface it looks like the trust was purely for the purpose of taking action, which is not what one would consider the normal use of a charitable trust.

This has been an insidious saga. The Trust aggressively attacked the scientists, instead of engaging with them to understand the technical issues; they ignored evidence that didn’t suit their case; and they regularly misrepresented NIWA statements by taking them out of context.Yet their attack has now been repeatedly rejected in Parliament, by scientists, and by the courts.The end result of the antics by a few individuals and this Trust is probably going to be a six-figure bill for New Zealanders to pay.My former colleagues have had valuable weeks tied up with wasted time in defending these manufactured allegations. That’s time that could have profitably been used investigating further what is happening with our climate.But there is a bigger picture here too.

Merchants of doubt

Doubt-mongering is an old strategy. It is a strategy that has been pursued before to combat the ideas that cigarette smoking is harmful to your health, and it has been assiduously followed by climate deniers for the past 20 years.One of the best known international proponents of such strategies is US think tank, the Heartland Institute.

The first in a planned series of anti-global warming billboards in the US, comparing “climate alarmists” with terrorists and mass murderers. The campaign was canned after a backlash. The Heartland Institute

Just to be clear: there is no evidence that the Heartland Institute helped fund the NZ court challenge. In 2012, one of the Trustees who brought the action against NIWA said Heartland had not donated anything to the case.

However, Heartland is known to have been active in NZ in the past, providing funding to theNZ Climate Science Coalition and a related International Coalition, as well as financially backing prominent climate “sceptic” campaigns in Australia.

An extract from a 1999 letter from the Heartland Institute to tobacco company Philip Morris.University of California, San Francisco, Legacy Tobacco Documents Library

The Heartland Institute also has a long record ofworking with tobacco companies, as the letter on the right illustrates. (You can read that letter and other industry documents in full here. Meanwhile, Heartland’s reply to critics of its tobacco and fossil fuel campaigns is here.)

Earlier this month, the news broke that major tobacco companies will finally admit they “deliberately deceived the American public”, in “corrective statements”that would run on prime-time TV, in newspapers and even on cigarette packs.

It’s taken a 15-year court battle with the US government to reach this point, and it shows that evidence can trump doubt-mongering in the long run.

A similar day may come for those who actively work to cast doubt on climate science.

Industry Awakens to Threat of Climate Change (New York Times)

A Coke bottling plant in Winona, Minn. The company has been affected by global droughts. Andrew Link/Winona Daily News, via Associated Press

By CORAL DAVENPORT

JAN. 23, 2014

WASHINGTON — Coca-Cola has always been more focused on its economic bottom line than on global warming, but when the company lost a lucrative operating license in India because of a serious water shortage there in 2004, things began to change.

Today, after a decade of increasing damage to Coke’s balance sheet as global droughts dried up the water needed to produce its soda, the company has embraced the idea of climate change as an economically disruptive force.

“Increased droughts, more unpredictable variability, 100-year floods every two years,” said Jeffrey Seabright, Coke’s vice president for environment and water resources, listing the problems that he said were also disrupting the company’s supply of sugar cane and sugar beets, as well as citrus for its fruit juices. “When we look at our most essential ingredients, we see those events as threats.”

Coke reflects a growing view among American business leaders and mainstream economists who see global warming as a force that contributes to lower gross domestic products, higher food and commodity costs, broken supply chains and increased financial risk. Their position is at striking odds with the longstanding argument, advanced by the coal industry and others, that policies to curb carbon emissions are more economically harmful than the impact of climate change.

“The bottom line is that the policies will increase the cost of carbon and electricity,” said Roger Bezdek, an economist who produced a report for the coal lobby that was released this week. “Even the most conservative estimates peg the social benefit of carbon-based fuels as 50 times greater than its supposed social cost.”

Some tycoons are no longer listening.

At the Swiss resort of Davos, corporate leaders and politicians gathered for the annual four-day World Economic Forum will devote all of Friday to panels and talks on the threat of climate change. The emphasis will be less about saving polar bears and more about promoting economic self-interest.

In Philadelphia this month, the American Economic Association inaugurated its new president, William D. Nordhaus, a Yale economist and one of the world’s foremost experts on the economics of climate change.

“There is clearly a growing recognition of this in the broader academic economic community,” said Mr. Nordhaus, who has spent decades researching the economic impacts of both climate change and of policies intended to mitigate climate change.

In Washington, the World Bank president, Jim Yong Kim, has put climate change at the center of the bank’s mission, citing global warming as the chief contributor to rising global poverty rates and falling G.D.P.’s in developing nations. In Europe, the Organization for Economic Cooperation and Development, the Paris-based club of 34 industrialized nations, has begun to warn of the steep costs of increased carbon pollution.

Nike, which has more than 700 factories in 49 countries, many in Southeast Asia, is also speaking out because of extreme weather that is disrupting its supply chain. In 2008, floods temporarily shut down four Nike factories in Thailand, and the company remains concerned about rising droughts in regions that produce cotton, which the company uses in its athletic clothes.

“That puts less cotton on the market, the price goes up, and you have market volatility,” said Hannah Jones, the company’s vice president for sustainability and innovation. Nike has already reported the impact of climate change on water supplies on its financial risk disclosure forms to the Securities and Exchange Commission.

Both Nike and Coke are responding internally: Coke uses water-conservation technologies and Nike is using more synthetic material that is less dependent on weather conditions. At Davos and in global capitals, the companies are also lobbying governments to enact environmentally friendly policies.

But the ideas are a tough sell in countries like China and India, where cheap coal-powered energy is lifting the economies and helping to raise millions of people out of poverty. Even in Europe, officials have begun to balk at the cost of environmental policies: On Wednesday, the European Union scaled back its climate change and renewable energy commitments, as high energy costs, declining industrial competitiveness and a recognition that the economy is unlikely to rebound soon caused European policy makers to question the short-term economic trade-offs of climate policy.

In the United States, the rich can afford to weigh in. The California hedge-fund billionaire Thomas F. Steyer, who has used millions from his own fortune to support political candidates who favor climate policy, is working with Michael R. Bloomberg, the former New York mayor, and Henry M. Paulson Jr., a former Treasury secretary in the George W. Bush administration, to commission an economic study on the financial risks associated with climate change. The study, titled “Risky Business,” aims to assess the potential impacts of climate change by region and by sector across the American economy.

“This study is about one thing, the economics,” Mr. Paulson said in an interview, adding that “business leaders are not adequately focused on the economic impact of climate change.”

Also consulting on the “Risky Business” report is Robert E. Rubin, a former Treasury secretary in the Clinton administration. “There are a lot of really significant, monumental issues facing the global economy, but this supersedes all else,” Mr. Rubin said in an interview. “To make meaningful headway in the economics community and the business community, you’ve got to make it concrete.”

Last fall, the governments of seven countries — Colombia, Ethiopia, Indonesia, South Korea, Norway, Sweden and Britain — created the Global Commission on the Economy and Climate and jointly began another study on how governments and businesses can address climate risks to better achieve economic growth. That study and the one commissioned by Mr. Steyer and others are being published this fall, just before a major United Nations meeting on climate change.

Although many Republicans oppose the idea of a price or tax on carbon pollution, some conservative economists endorse the idea. Among them are Arthur B. Laffer, senior economic adviser to President Ronald Reagan; the Harvard economist N. Gregory Mankiw, who was economic adviser to Mitt Romney’s presidential campaign; and Douglas Holtz-Eakin, the head of the American Action Forum, a conservative think tank, and an economic adviser to the 2008 presidential campaign of Senator John McCain, the Arizona Republican.

“There’s no question that if we get substantial changes in atmospheric temperatures, as all the evidence suggests, that it’s going to contribute to sea-level rise,” Mr. Holtz-Eakin said. “There will be agriculture and economic effects — it’s inescapable.” He added, “I’d be shocked if people supported anything other than a carbon tax — that’s how economists think about it.”

David Graeber: Sobre o Fenômeno dos Empregos de Merda

Um texto do antropólogo David Graeber que explica porque é que em vez de diminuir, o horário de trabalho não pára de crescer.

constructivist-job-illustration-e1379098388568

Nos últimos anos na Europa e nos Estados Unidos o horário de trabalho tem vindo a aumentar. Em Portugal a jornada de trabalho para a Função Pública amentou das 35 para as 40 horas perante a passividade quase total dos sindicatos oficiais. Em Espanha, a CNT e a CGT reivindicam há muito as 30 horas semanais. Há pouco mais de 80 anos os economistas acreditavam que na viragem do século XX para o XXI, devido aos progressos tecnológicos (que continuam a verificar-se) o tempo de trabalho diário não ultrapassaria as 3 ou as 4 horas. O antropólogo anarquista e membro do Occupy Wall Street, David Graeber, explica a inutilidade dos empregos (e dos trabalhos) de merda criados nas últimas décadas. Que só servem para nos prender aos locais de trabalho, não para produzir ou fazer quaisquer trabalhos socialmente relevantes.

David Graeber

No ano de 1930 John Maynard Keynes previu que, até ao final do século XX, a tecnologia teria avançado o suficiente para que países como a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos pudessem implementar a semana laboral de 15 horas. Não faltam motivos para acreditar que tinha razão, dado que a nossa tecnologia actual o permitiria. E, no entanto, isso não aconteceu. Em vez disso, a tecnologia inventou novas formas para que trabalhemos mais. A fim de alcançar este objectivo, foram criados novos trabalhos, que não têm, efectivamente, nenhum sentido. Enormes quantidades de pessoas, especialmente na Europa e nos Estados Unidos, passam toda a sua vida profissional na execução de tarefas que, no fundo, consideram completamente desnecessárias. É uma situação que provoca um dano moral e espiritual profundo. É uma cicatriz que marca a nossa alma colectiva. Mas quase ninguém fala disso.

Por que é que nunca se materializou a utopia prometida por Keynes – uma utopia ainda aguardada com grande expectativa nos anos 60? A explicação mais generalizada hoje em dia é que Keynes não soube prever o aumento massivo do Consumismo. Face à alternativa entre menos horas de trabalho ou mais brinquedos e prazeres, teríamos escolhido colectivamente a segunda opção. É uma fábula muito bonita, mas basta apenas um momento de reflexão para vermos que isso não pode ser realmente verdade. De facto temos assistido à criação de uma variedade infinita de novos empregos e indústrias, desde a década de 20, mas muito poucos têm alguma coisa a ver com a produção e distribuição de sushi, iPhones ou de calçado desportivo de moda.

Então, quais são, precisamente, esses novos postos de trabalho? Um relatório comparando o emprego nos EUA entre 1910 e 2000, dá-nos uma imagem muito clara (que, sublinho se vê praticamente reflectida no Reino Unido). Ao longo do século passado, diminuiu drasticamente o número de trabalhadores empregados no serviço doméstico, na indústria e no sector agrícola. Ao mesmo tempo, “a nível profissional, os directores, os administrativos, os vendedores e os trabalhadores dos serviçostriplicaram, crescendo de um quarto a três quartos do emprego total. Por outras palavras, os empregos no sector produtivo, tal como previsto, muitos trabalhos produtivos automatizaram-se (ainda que se conte a totalidade dos trabalhadores da indústria a nível mundial, incluindo a grande massa de trabalhadores explorados da Índia e da China, estes trabalhadores já não representam uma percentagem da população mundial tão elevada como era habitual).

Mas ao contrário de possibilitar uma redução massiva do horário laboral de maneira a que todas as pessoas tenham tempo livre para se ocuparem dos seus próprios projectos, prazeres, visões e ideias, temos visto um aumento do tempo de trabalho tanto no “sector de serviços” como no administrativo. Isto inclui a criação de novas indústrias, como os serviços financeiros ou de telemarketing e a expansão de sectores como o direito empresarial, a gestão do ensino e da saúde, os recursos humanos e as relações públicas. E estes números nem sequer reflectem todas as pessoas cujo trabalho é fornecer serviços administrativos, técnicos, ou de segurança para essas indústrias, para não mencionar toda uma gama de sectores secundários (tratadores de cães, entregadores de pizza 24 horas) que devem a sua existência ao facto do resto da população passar tanto tempo a trabalhar noutros sectores.  <!–more–>

Estes são os trabalhos a que proponho chamar de “empregos de merda.”

É como se alguém estivesse a inventar trabalhos apenas para nos terem ocupados. É aqui, precisamente, que reside o mistério. E isso é exactamente o que não devia acontecer no capitalismo. Claro que, nos antigos e ineficientes estados socialistas como a União Soviética, onde o emprego era considerado tanto um direito como uma obrigação sagrada, o sistema criava todos os empregos que fizessem falta, (era este o motivo que levava a que nas lojas soviéticas fossem “precisos” três empregados para vender um só bife). Mas, é claro, este é o tipo de problema que é suposto ser corrigido com a concorrência dos mercados. De acordo com a teoria económica dominante, desperdiçar dinheiro em postos de trabalho desnecessários é o que menos interessa a uma companhia que queira ter lucro. Mas ainda assim, e sem se perceber muito bem porquê, é isso que acontece.

Ainda que muitas empresas se dediquem a reduzir o número de trabalhadores de forma cruel, estes despedimentos – e o aumento de responsabilidade para os que permanecem -, recaem invariavelmente sobre os que se dedicam a fabricar, transportar, reparar e manter as coisas.

Devido a uma estranha metamorfose, que ninguém é capaz de explicar, o número de administrativos assalariados parece continuar a aumentar.  O resultado, e isto acontecia também com os trabalhadores soviéticos, é que cada vez há mais empregados que, teoricamente, trabalham 40 ou 50 horas semanais, mas que, na prática, só trabalham as 15 horas previstas por Keynes, já que levam o resto do dia a organizarem ou a participarem em seminários motivacionais, actualizando os seus perfis do Facebook ou fazendo downloads de vídeos e musica.

É claro que a reposta não é económica, mas sim moral e política. A classe dirigente descobriu que uma população feliz e produtiva com abundante tempo livre nas suas mãos representa um perigo mortal (recordemos o que começou a acontecer na primeira vez em que houve uma pequena aproximação a algo deste tipo, nos anos 60). Por outro lado, o sentimento de que o trabalho é um valor moral em si mesmo e que quem não esteja disposto a submeter-se a uma disciplina laboral intensa durante a maior parte da sua vida não merece nada, é algo que lhes é muito conveniente.

Certa vez, ao contemplar o crescimento aparentemente interminável de responsabilidades administrativas nos departamentos académicos britânicos, imaginei uma possível visão do inferno. O inferno é um conjunto de indivíduos que passam a maior parte do seu desempenhando tarefas de que nem gostam nem fazem especialmente bem. Imaginemos que se contratam uns marceneiros altamente qualificados e que, de repente, descobrem que o seu trabalho consistirá em passarem grande parte do dia a fritarem peixe. Não é que a tarefa realmente necessite de ser feita – há apenas um número muito limitado de peixes que é preciso fritar. Ainda assim, todos eles tornam-se obcecados com a suspeita de que alguns dos seus companheiros possam passar mais tempo a talhar madeira do que a cumprirem as suas responsabilidade como fritadores de peixe que, rapidamente, vamos encontrar pilhas intermináveis de inútil peixe mal frito, acumulado por toda a oficina, acabando, todos eles, por se dedicarem exclusivamente a isso.

Acho que esta é realmente uma descrição bastante precisa da dinâmica moral da nossa própria economia.

CapturarEstou consciente de que argumentos como este vão ter objecções imediatas. “Quem és tu para determinar quais os trabalhos que são ‘necessários’? O que é necessário, afinal? És professor de antropologia, explica-me a ‘necessidade’ disso? “. (E, na verdade muitos leitores de imprensa cor-de-rosa classificariam o meu trabalho como a definição por excelência de um investimento social desperdiçado). E, em certo sentido, isso é obviamente verdadeiro. Não há uma forma objectiva de medir o valor social.

Não me atreveria a dizer a uma pessoa que está convencida de estar a contribuir com algo importante para a humanidade, de que, na verdade, está equivocada. Mas o que se passa com aqueles que têm a certeza de que os seus trabalhos não servem para nada? -Não há muito tempo atrás retomei o contacto com um amigo de escola que não via desde os meus 12 anos. Fiquei espantado ao descobrir que nesse intervalo de tempo, ele se tinha tornado poeta, e, foi vocalista de uma banda de rock indie. Inclusivamente, tinha ouvido algumas das suas músicas na rádio sem ter ideia que o cantor era meu amigo de infância. Ele era, obviamente, uma pessoa inovadora e genial, e o seu trabalho tinha, sem dúvida, melhorado e alegrado a vida de muitas pessoas em todo o mundo. No entanto, depois de um par de álbuns sem sucesso, perdeu o contrato com a editora e atormentado com dívidas e uma filha recém-nascida, acabou, como ele descreveu, por “tomar a opção que, por exclusão, muitas pessoas sem rumo escolhem: a Faculdade de Direito”. Agora é um advogado de negócios e trabalha numa proeminente empresa de Nova York. Ele foi o primeiro a admitir que o seu trabalho era totalmente sem sentido, não contribuindo em nada para a humanidade e que, na sua própria opinião, nem sequer deveria existir.

Chegados aqui há uma série de perguntas que podemos fazer. A primeira seria: o que é que isto revela sobre a nossa sociedade que parece gerar uma procura extremamente limitada para poetas e músicos talentosos, mas uma procura aparentemente infinita de especialistas em direito empresarial. (Resposta: Se 1% da população controla a maior parte da riqueza disponível, o denominado “mercado” reflectirá o que essa ínfima minoria, e ninguém a não serem eles, acha que é útil ou importante). Mas, ainda mais, isto mostra que a maioria das pessoas nesses empregos estão conscientes desta realidade. Na verdade, creio que nunca conheci nenhum advogado corporativo que não achasse que o seu trabalho é uma estupidez. O mesmo é válido para quase todos os novos sectores anteriormente mencionados. Há toda uma classe de profissionais assalariados que se os encontrarmos numa festa e lhes confessarmos que nos dedicamos a algo que pode ser considerado interessante (como, por exemplo, a antropologia) evitam falar da sua profissão. Mas, depois de algumas bebidas, é vê-los a fazerem discursos inflamados sobre a estupidez e a inutilidade do seu trabalho.

Há aqui uma profunda violência psicológica. Como é que podemos fazer uma discussão séria sobre a dignidade laboral quando há tanta gente que, no fundo, acha que o seu trabalho nem sequer deveria existir? Inevitavelmente, isto dá lugar ao ressentimento e a uma raiva muito profunda. No entanto, é no engenho peculiar da nossa sociedade que os governantes encontraram uma maneira – como no exemplo dos fritadores de peixe – de garantir que a raiva é dirigida precisamente contra aqueles que realizam tarefas úteis. Parece mesmo haver na nossa sociedade uma regra geral segundo a qual quanto um trabalho é mais benéfico para os outros, pior é a sua remuneração. Mais uma vez é difícil encontrar uma avaliação objectiva, mas uma maneira fácil de ter uma ideia seria perguntarmo-nos: que aconteceria se todo este grupo de trabalhadores simplesmente desaparecesse?  Diga o que se disser sobre enfermeiros, empregados do lixo ou mecânicos, é óbvio que se eles desaparecessem numa nuvem de fumo, os resultados seriam imediatos e catastróficos. Um mundo sem professores ou trabalhadores portuários não tardaria a estar em apuros e um mundo sem escritores de ficção científica ou músicos de ska seria, sem dúvida, um mundo pior. Ainda não está totalmente claro quanto sofreria a humanidade se todos os investidores de capital privado, lobyistas, investigadores, seguradores, operadores de telemarketing, oficiais de justiça ou consultores legais se esfumassem da mesma forma. (Há quem suspeite que tudo melhoraria sensivelmente). No entanto, para além de um punhado de bem elogiadas excepções, como, por exemplo, os médicos, a “regra” mantém-se com surpreendente frequência.

Ainda mais perversa é a noção generalizada de que é assim que as coisas devem ser. Este é um dos segredos do êxito do populismo de direita. Podemos comprová-lo quando a imprensa sensacionalista suscita o ressentimento contra os trabalhadores do metro por paralisarem Londres durante um conflito laboral. O simples facto de que os trabalhadores do metro possam paralisar toda a cidade de Londres demonstra a necessidade do trabalho que desempenham, mas é precisamente isso que parece incomodar tantas pessoas. Nos Estados Unidos vão ainda mais longe; os Republicanos tiveram muito êxito propagando o ressentimento relativamente aos professores ou aos operários do sector automóvel ao chamar a atenção para os seus salários e prestações sociais supostamente excessivos (e não contra os administradores escolares e gestores da indústria automóvel que são quem realmente causa os problemas, o que é significativo).

É como se eles nos estivessem a dizer: “mas sim, tens a sorte de poder ensinar crianças! Ou fazer carros! Fazeis trabalhos de verdade! E, como se fosse pouco, tendes a desfaçatez de reclamar pensões de reforma e cuidados de saúde equivalentes às da classe média!?”

Se alguém tivesse desenhado um regime de trabalho com o fim exclusivo de manter os privilégios do mundo financeiro dificilmente podia ter feito melhor. Os trabalhadores que realmente produzem sofrem uma exploração e uma precariedade constantes. Os restantes dividem-se entre o estrato aterrorizado e universalmente desprezado dos desempregados e outro estrato maior, que basicamente recebe um salário em troca de não fazer nada, em lugares desenhados para que se identifiquem com a sensibilidade e a perspectiva da classe dirigente (directores, administradores, etc.) – e em particular dos seus avatares financeiros – a qual, ao mesmo tempo, promove o crescente ressentimento contra aqueles cujo trabalho tem um valor social claro e indiscutível. Evidentemente que este sistema não é fruto de um plano inicialmente previsto, mas emergiu como o resultado de quase um século de tentativas e erros. E é a única explicação possível para o facto de, apesar da nossa capacidade tecnológica, não se ter implantado ainda a jornada laboral de três ou quatro horas.

“On the Phenomenon of Bullshit Jobs” by David Graeber, aqui http://www.strikemag.org/the-summer-of/

Traduzido pelo CLE a partir da versão espanhola. http://guerrillatranslation.com/2013/09/24/el-fenomeno-de-los-curros-inutiles/

Notícias relacionadas à polêmica ao redor do gás de xisto

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Extensa audiência pública sobre a exploração do gás de xisto causa polêmica

Encontro foi promovido ontem pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados

Os constantes debates acerca da exploração do gás de xisto no Brasil continuam gerando polêmica. O cerne da questão gira em torno dos graves impactos sobre o ambiente e a saúde pública. A contaminação de lençóis freáticos e o uso excessivo da água são as maiores críticas feitas pela forma como o gás é explorado.

Hoje é realizada uma técnica chamada fraturação hidráulica. Nesse processo, toneladas de água misturadas a produtos químicos e areia são injetadas na rocha para se extrair o gás, após furos verticais e horizontais. A água usada volta à superfície já poluída por hidrocarbonetos, metais e aditivos químicos.

Para debater a questão, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados promoveu mais uma audiência pública, realizada na manhã desta quinta-feira (5/12), em Brasília.

Contra a exploração, o Partido Verde quer impedir o procedimento no Brasil. “Não temos segurança tecnológica para explorar isso. Por que não damos ênfase nas energias renováveis?”, criticou o deputado Sarney Filho (PV/MA),líder do partido na Câmara dos Deputados. Ele afirmou que o PV vai propor uma moratória de cinco anos de prospecção do recurso. O parlamentar informou que o partido tomará a decisão como exemplo de países da União Européia, como a França.

“A exploração do xisto é relativamente nova. Tem ocorrido com bastante intensidade nos países afora. É preciso que se façam estudos cautelosamente”, afirmou o parlamentar. “E o Brasil, ao contrário dos Estados Unidos e França, tem alternativas. Temos produção de energia elétrica limpa, quase toda ela de hidrelétrica, temos potencial da energia solar e eólica, que está sendo subaproveitado”, explicou Sarney Filho.

Segundo Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha de Energia da ONG Greenpeace, o uso do gás de xisto não é imprescindível neste momento. “Ainda que a demanda energética nacional aumente mais de duas vezes até 2050, temos fontes renováveis e reservas de gás convencional suficientes para suprir a demanda do setor industrial e elétrico”, defendeu.

Para Carlos Alberto Bocuhy, do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, o País “não pode embarcar em uma aventura tecnológica (exploração de gás de xisto) ainda sem respostas”.

O professor da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Scheibe alertou que a exploração de gás não convencional, ou de xisto no País, deve ser submetida a uma avaliação ambiental estratégica antes de autorizada. A avaliação, prevista legalmente, é um instrumento mais amplo do que os estudos de impacto ambiental normalmente utilizados para o licenciamento de empreendimentos energéticos.

Também pesquisador do tema e Conselheiro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Jailson de Andrade lembrou que a maioria dos estudos sobre o assunto aponta a necessidade de estudos prévios locais para exploração. Segundo ele, ainda há muita controvérsia científica quanto à questão.

“Há um estudo da National Academy of Science, nos Estados Unidos, que mostra que, em 141 poços de água potável na Pensilvânia, quanto mais próximo de áreas de exploração de gás não convencional, maior a quantidade de metano (tóxico e inflamável) na água”, informou Jailson. “A controvérsia na literatura é se isso já existia antes ou se é resultado da perfuração para obtenção de gás”, observou o pesquisador.

E acrescenta “O Brasil está em uma posição muito confortável em relação à energia, sua matriz energética é majoritamente hídrica, renovável, tem um programa de bicombustível que é o melhor do mundo, então porque entrar nesta nova era sem a menor necessidade energética que justifique isto?”.

Nomenclatura
Apesar de chamar de gás de xisto, os especialistas da área esclareceram durante o debate que a questão é em relação ao gás natural extraído de folhelho (shale gas, em inglês). Folheto é uma rocha argilosa de origem sedimentar; xisto é uma rocha metamórfica, de outra origem, portanto. Mas, há uma longa e equivocada tradição brasileira de chamar folhelho (shale) de xisto (schist), daí se falar muito em gás de xisto.

Carta
A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Academia Brasileira de Ciências (ABC) enviaram uma carta à presidente Dilma Rousseff, solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto, até que estudos mais conclusivos sobre a questão sejam realizados.

No documento, a presidente da SBPC, Helena Nader, e o presidente da ABC, Jacob Palis, justificam sua preocupação pelo fato de que a exploração econômica do gás de xisto vir sendo muito questionada pelos danos ambientais irreversíveis que pode causar.

Por isso, eles pedem que antes da realização da licitação sejam realizados novos estudos por universidades e institutos de pesquisa públicos, sobre a real potencialidade da utilização do método da fratura hidráulica para a retirada do produto das rochas e os possíveis prejuízos ambientais causados por isso.

Governo
Otaviano da Cruz Pessoa, gerente-geral da Gerência Executiva de Exploração da Petrobras, reconheceu que, de fato, há riscos na exploração de gás de xisto. Mas, segundo ele, são riscos inerentes a qualquer atividade energética, inclusive de gás convencional.

” A única diferença do gás de xisto em relação ao tradicional é que, no caso do xisto, as rochas onde está o gás têm menos fluidos e, por isso, você tem que perfurar milhares de poços”, explicou Pessoa.

De acordo com Luciano Teixeira, representante da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), os riscos inerentes à exploração de gás de xisto são reais e devem ser melhor conhecidos e mitigados. Mas, segundo ele, a exploração comercial do produto dependerá de autorização prévia, a partir de critérios que devem ser divulgados pela agência em janeiro em uma nova regulamentação.

“Essa regulamentação tem uma base forte na questão da apresentação de estudos e documentações que venham a demonstrar que aquele operador está em condições de realizar aquela atividade e que o ambiente onde ele vai realizar a atividade vai estar protegido da melhor forma possível”, afirmou.

No entanto, Luciano Teixeira explicou que “E, com isso, conta-se com a apresentação de licenciamentos ambientais, estratégia de utilização e disposição de efluentes gerais e o monitoramento de toda a região com relação à possível degradação dos recursos hídricos.”

Segundo o representante da ANP, a atual fase de pesquisa não depende de autorização prévia. Essa etapa pode levar até oito anos, prorrogáveis por mais seis.

Leilão
Em leilão realizado, no dia 28 de novembro, pela ANP, foram arrematados 72 de 240 blocos ofertados com possibilidade de exploração de gás de xisto.A Petrobras participará da exploração em 70% das áreas, localizadas, principalmente, em Sergipe, Alagoas, Bahia e Paraná. Em um primeiro momento, as empresas estão autorizadas apenas a fazer pesquisas para avaliar a segurança econômica, ambiental e social da exploração.

(Camila Cotta, com informações de Beatriz Bulhões e da Agência Câmara)

Matérias de arquivo do Jornal da Ciência:

SBPC e ABC enviam carta à presidente Dilma Rousseff solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=88545

Cientistas querem adiar exploração de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=90623

*   *   *

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Petrobras diz que pode devolver blocos de xisto se a exploração for inviável

A Petrobras arrematou 70% dos 72 blocos leiloados pela ANP, na última semana

Questionado por representantes da sociedade civil presentes à audiência pública sobre exploração de gás de xisto, na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira, o representante da Petrobras, Otaviano da Cruz Pessoa, disse que, se a pesquisa indicar insegurança econômica, regulatória ou ambiental, a empresa poderá devolver blocos arrematados para exploração de gás não convencional. A Petrobras arrematou 70% dos 72 blocos leiloados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), na última semana.

“Embora áreas tenham potencial de existência de recurso não convencional, a Petrobras prioriza o convencional”, disse. “Se, ao fim da fase exploratória (pesquisa), os recursos se mostrarem viáveis economicamente e a produção, segura e regulada, a Petrobras poderá fazer. Caso isso não se verifique, a Petrobras poderá devolver áreas”, completou.

Também questionado por parlamentares e representantes da sociedade civil sobre a necessidade de leilão para gás de xisto neste momento, mesmo com o potencial do país em outras matrizes energéticas, inclusive renováveis, o representante da ANP, Luciano Teixeira, afirmou que, nesse campo, quanto antes os estudos começarem, melhor.

“A gente não tem muito margen para esperar tudo acontecer para realizer estudos. Parte dos estudos implica ver o que temos lá e se ele é viável”, destacou Teixeira.

A audiência pública sobre a exploração de gás de xisto já se encerrou.

(Ana Raquel Macedo/Agência Câmara)

*   *   *

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Conselho Nacional de Recursos Hídricos quer mais pesquisa sobre exploração de xisto

O gás de xisto ou folhelho está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade

O Conselho Nacional de Recursos Hídricos deve votar, no próximo dia 17 de dezembro, moção pedindo mais ênfase nas pesquisas antes que a exploração comercial de gás de xisto (tecnicamente, chamado de gás de folhelho) seja liberada no País. A informação é de Marcelo Medeiros, da Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, que participa de audiência pública sobre o assunto na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira.

De acordo com Medeiros, o edital do leilão da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP) realizado para exploração do gás não convencional ou de xisto, na última semana, prevê que os estudos devem ser feitos por um período de cinco a oito anos, podendo ser estendido por mais seis anos. Dos 240 blocos oferecidos no leilão, 72 foram arrematados, principalmente em Sergipe, Alagoas, Bahia e Paraná.

“Não somos contra perfuração para pesquisa, tem que haver nível de conhecimento sobre questão. A exploração para pesquisa deve ser feita e, se for o caso, estendida,” avaliou Medeiros.

O representante do Ministério do Meio Ambiente destacou que, no curto prazo, os efeitos da exploração comercial de gás de xisto, a partir da técnica de fraturamento hidráulico de rochas subterrâneas, podem levar à contaminação de lençóis freáticos por gás metano (que é tóxico e explosivo) ou substâncias químicas, inclusive radioativas, usadas no processo. Há, de acordo com Marcelo Medeiros, uma preocupação sobre a quantidade de água gasta no processo e uma indefinição sobre meios seguros de destinação do líquido residual do fraturamento, possivelmente contaminado.

O gás de xisto ou folhelho está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade. Para extraí-lo, as rochas são quebradas ou fraturadas, com a injeção de grandes quantidades de água, areia e produtos químicos.

Mais avaliação
Segundo Fernando Roberto de Oliveira, gerente de Águas Subterrâneas da Superintendência de Implementação e Projetos da Agência Nacional de Águas (ANA), os impactos da obtenção do gás não convencional ainda precisam ser melhor avaliado antes da liberação comercial dos recursos.

“Se não tivermos conhecimento geológica local, a possibilidade de avançarmos com segurança fica comprometida. Temos que conhecer melhor a hidrogeologia”, explicou.

Um dos autores do pedido de realização da audiência, o deputado Sarney Filho (PV-MA) alertou que falta regulamentação sobre o setor. “Não sabemos efeitos que exploração pode causar nos aquíferos, meio ambiente e no social”, disse.

A audiência pública continua no Plenário 8.

(Ana Raquel Macedo/ Agência Câmara)

* * *

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Comissão discute exploração de xisto e seus efeitos sobre o meio ambiente

Há preocupação com riscos de vazamentos subterrâneos, contaminação de aquíferos, danos aos reservatórios e possibilidade de abalos sísmicos

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável promove audiência pública hoje, às 10 horas, para discutir a exploração do xisto em território nacional e seus efeitos sobre o meio ambiente. O evento foi solicitado pelos deputados Sarney Filho (PV-MA), Penna (SP) e Pedro Uczai (PT-SC).

Os parlamentares estão preocupados com o leilão de gás de xisto proposto pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP): “A exploração desse gás no Brasil ocorre no Paraná, mas em pequena escala. Não serve de parâmetro para os projetos em grande escala que estão sendo anunciados pela ANP”.

Também chamado de gás não convencional, o gás de xisto está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade. Para extraí-lo, as rochas são explodidas, ou fraturadas, com a injeção de grandes quantidades de água, areia e produtos químicos. O método é chamado de fraturamento hidráulico.

Aumento do consumo nos EUA
Nos Estados Unidos, o gás de xisto corresponde, hoje, a 16% da demanda nacional de gás natural; em 2000, era apenas 1% desse total. Os empresários estimam que em 2035 essa fonte possa ocupar 46% do consumo de gás nos EUA.

Os deputados argumentam que os problemas ambientais relacionados à exploração do gás de xisto são imensos: “Conforme estudiosos há riscos de vazamentos subterrâneos; contaminação de aquíferos; danos aos reservatórios produtores de água; possibilidade de abalos sísmicos”.

Eles ressaltam que a tecnologia usual faz uso de uma grande quantidade de água e, consequentemente, também gera um grande volume de rejeitos líquidos poluídos: “O processo industrial é extremamente perigoso. Existe a grande possibilidade de explosões, incêndios, vazamentos de fluidos contaminando solo, e danos aos poços perfurados”.

Convidados
Foram convidados para discutir o tema com os deputados:
- o representante da área de Segurança Operacional e Meio Ambiente da Agência Nacional do Petróleo (ANP) Luciano Silva Pinto Teixeira;
- o gerente de Águas Subterrâneas da Superintendência de Implementação e Projetos da Agência Nacional de Águas, Fernando Roberto de Oliveira;
- o gerente geral de Interpretação e Avaliação das Bacias Terrestres da área de Exploração e Produção da Petrobras, Otaviano da Cruz Pessoa;
- o professor da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Shceibe;
- o especialista em efeitos ambientais na prospecção do gás de xisto Jailson de Andrade;
- o coordenador da Campanha de Energias Renováveis do Greenpeace Brasil, Ricardo Baitelo; e
- o presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Alberto HailerBocuhy.
A audiência ocorrerá no Plenário 8.

(Agência Câmara)

* * *

JC e-mail 4865, de 29 de novembro de 2013

Preocupações de indígenas com exploração de gás e petróleo serão levadas a autoridades

A Funai denunciou que a ANP não levou em conta o relatório feito pela Fundação sobre o leilão de 240 blocos de petróleo e gás que está sendo realizado hoje no Rio

As sugestões e preocupações apresentadas pelos participantes da audiência que discutiu o leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação serão colocadas em um documento e levados a diversas autoridades, como o Ministério de Minas e Energia e a Presidência da República. A iniciativa será apoiada pelo presidente da Comissão de Legislação Participativa, deputado Lincoln Portela (PR-MG).

No debate realizado nesta quinta-feira, encerrado há pouco, a Funai denunciou que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) não levou em conta o relatório feito pela Fundação sobre o leilão de 240 blocos de petróleo e gás que está sendo realizado hoje no Rio de Janeiro.

Já representantes de comunidades indígenas disseram estar preocupados com a preservação ambiental das áreas de exploração em que há comunidades indígenas e disseram estar dispostos a entrar em guerra pela causa.

(Silvia Mugnatto/Agência Câmara)

Fifa proíbe o São João em Salvador (Tribuna da Bahia)

Por Alessandra Nascimento

Publicada em 25/04/2013 01:23:24

Foto: Mateus Pereira/Secom

A partir do mês de junho, quando acontecem os jogos da Copa das Confederações e Salvador abrigará algumas partidas, estão proibidas a realização de festas na cidade. A situação chegou ao conhecimento da Tribuna da Bahia por intermédio de dois moradores – um planejava realizar uma festa junina no bairro do Barbalho e o segundo em Periperi – as festas tiveram as licenças negadas pela Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo, Sucom, por conta de uma ordem da Fifa.

A TB entrou em contato com a assessoria do órgão municipal que confirmou a suspensão de eventos na cidade no mês de junho. “A Prefeitura de Salvador irá publicar um decreto dando maiores detalhes, mas a orientação é não liberar eventos na cidade em junho”, alega.

A Tribuna entrou em contato com a Assessoria Geral de Comunicação, Agecom, e teve como informação que isso faz parte de um acordo firmado entre a Fifa, o governo federal e as cidades sedes dos jogos. “O governo brasileiro assinou o acordo com a entidade e tem que aceitar as regras. Foi assim nos Estados Unidos e na África do Sul. Nos circuitos oficiais como Avenida Paralela, Avenida Bonocô, Orla, Dique do Tororó, Vitória, Ribeira, dentre outros pontos da cidade terão que exibir toda a comunicação visual com os patrocinadores da Copa. A Sucom deverá apreender quem estiver desrespeitando as regras”, alerta a assessoria.

Celeuma - Não é a primeira vez que ocorre episódios emblemáticos envolvendo a Fifa. A entidade havia proibido a comercialização de acarajés no entorno do estádio. A regra da Fifa recomendava o afastamento desse tipo de comércio num perímetro de até dois quilômetros das praças de jogos.

A atitude foi tomada porque o acarajé não deveria ser concorrente aos hambúrgueres produzidos pela rede McDonald’s, patrocinadora oficial da Fifa. Aparentemente a entidade teria voltado atrás e liberado a comercialização do bolinho, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Iphan, como patrimônio imaterial.

Escritório da Copa se manifesta

A Tribuna da Bahia entrou em contato com o Escritório da Copa, Ecopa, que disse desconhecer a informação de restrição a eventos na cidade durante o mês de junho. “Cada evento é analisado individualmente pelos órgãos competentes e a sua aprovação leva em conta todas as condições necessárias, de acordo com a regulamentação vigente. Não há nenhum impedimento em relação à realização de eventos na cidade. Pelo contrario, tanto a Prefeitura, quanto o Governo de Estado estão elaborando uma ampla programação de eventos que oportunamente será divulgada, para que todo o cidadão soteropolitano possa ter lazer, cultura e entretenimento durante a realização dos jogos em nossa cidade”, informou a nota da assessoria da Ecopa.

Questionada se a Fifa teria “alugado” a cidade, a Ecopa se manifestou. “Salvador, bem como todas as cidades-sede, tem recebido investimentos em diversas áreas (infraestrutura, requalificação de espaços urbanos, mobilidade, segurança, capacitação de mão de obra, saúde, equipamentos públicos, cultura, turismo), o que tem dinamizado a sua economia, através da geração de emprego e renda para os mais variados setores, trazendo benefícios para toda a população. Tudo isso vem gerando oportunidades que impulsionam o desenvolvimento da cidade e elas estão acontecendo justamente por conta da realização dos jogos. Uma vez bem sucedidos, Salvador poderá se posicionar cada vez mais como uma cidade apta a receber novos eventos em inúmeras áreas”, sinaliza e acrescenta: “Salvador está cumprindo rigorosamente o que determina a Lei Geral da Copa (Lei Federal nº. 12.663/12), no sentido de garantir a realização de todas as atividades previstas com pleno êxito. Assim, estamos trabalhando intensamente para que a capital baiana se torne uma cidade cada vez melhor e seja ainda mais desfrutada por todos os soteropolitanos”.

Veja mais
– A posição oficial da Fifa e as restrições que faz

Fronteiras da biotecnologia (O Estado de S.Paulo)

JC e-mail 4872, de 10 de dezembro de 2013

Artigo de Xico Graziano publicado no Estadão

Plantas transgênicas vieram para ficar. E prevalecer. Suas variedades passaram a dominar a safra de grãos no Brasil. Na corrida tecnológica, ninguém segura a engenharia genética. A ciência vence o medo obscurantista.

Lavouras geneticamente modificadas de soja, milho e algodão, nessa ordem, lideram, com dois terços, a semeadura da área nacional. Produtividade, facilidade no trato, economia de defensivos: aqui as razões principais que explicam seu notável desempenho. Problemas agronômicos, como resistência de ervas invasoras a herbicidas ou ressurgência de pragas, existem, mas se assemelham aos das lavouras convencionais. Não se comprovou alguma tragédia ambiental, tampouco dano à saúde humana, decorrente do uso específico de transgênicos.

Há séculos o melhoramento genético tradicional tem modificado os organismos. As variedades atualmente plantadas ou criadas pouco se parecem com suas ancestrais: o frango deixou de ser caipira, o milho tornou-se ereto, as frutas perdem suas sementes. Nenhum alimento continua “natural”. O patamar da evolução mudou, porém, quando os cientistas descobriram a possibilidade de modificar artificialmente o DNA das espécies. Sem cruzamento sexual.

Tudo começou em 1972. Pesquisadores perceberam que parasitas do gênero Agrobacterium transferiam partes de seu germoplasma para as plantas hospedeiras, estimulando nestas a produção de açúcar, do qual se alimentavam. Quer dizer, ocorria na natureza um mecanismo de transgenia. Dez anos depois, em Gent (Bélgica), cientistas conseguiram pioneiramente efetuar a transgênese em laboratório. Em seguida, certas bactérias foram geneticamente modificadas visando à produção de insulina humana. Os diabéticos comemoraram. A ciência havia dado um tremendo salto no conhecimento.

Desde então as equipes de ponta, em oficinas públicas e privadas, passaram a investir na engenharia genética, turbinando mundialmente a biotecnologia. Esta se destacou, inicialmente, na manipulação de microrganismos. Depois, em 1996, chegou ao campo, com o lançamento de uma variedade de soja resistente à aplicação de herbicida. Começou a grande polêmica. Ativistas ambientais denunciaram a “comida Frankenstein”. Religiosos condenaram os cientistas por manipularem a vida. A opinião pública ficou confusa.

Tal temor, compreensível, resultou na proposta de uma “moratória” de cinco anos, precaução adotada pela União Europeia em 1999. Esse período se considerava suficiente para buscar o esclarecimento das dúvidas sobre a nova tecnologia. O tempo passou, a engenharia genética evoluiu, os preconceitos religiosos e ideológicos cederam lugar às evidências científicas. Novas transgenias surgiram, barreiras foram caindo. Hoje, na agricultura, as variedades modernas, geneticamente alteradas, se fazem presentes em 50 países, plantadas por 17,3 milhões de agricultores, ocupando 10% da terra arável do mundo. Não é mais uma experiência.

Novidades biotecnológicas continuam surgindo. Entre animais, desenvolvem-se cabras transgênicas que produzem em seu leite uma proteína típica da teia de aranha, capaz de gerar polímeros altamente resistentes. Nos vegetais, entusiasma a possibilidade da geração de plantas que suportam “stress hídrico”. Na Embrapa, um gene de cafeeiros resistentes à seca foi introduzido em plantas de fumo, fazendo-as suportar a falta de água no solo. Em Israel, cientistas do Instituto de Tecnologia alteraram os genes de alface, impedindo que suas folhas murchem após a colheita. Sensacional.

Técnicas chamadas “DNA recombinante” invadem a medicina. Utilizando-as, o Instituto Butantã (São Paulo) desenvolveu recente vacina contra a hepatite B; também pela intervenção no genoma viral surgem vacinas contra influenza, dengue, coqueluche e tuberculose. Na Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto estuda-se uma vacina transgênica para combater câncer. Porcos geneticamente modificados em Munique (Alemanha) provocaram fraca reação do sistema imunológico humano, abrindo caminho para os xenotransplantes.

Bactérias, leveduras e fungos geneticamente modificados têm sido utilizados na fabricação de alimentos há tempos. Esses microrganismos atuam diretamente nos processos de fermentação, gerando queijos, massas, cerveja; ajudam até na definição do aroma em bebidas e comidas. Etanol celulósico, a partir do bagaço da cana ou de capim, virá de leveduras geneticamente modificadas. Na indústria, o sabão em pó contêm enzimas, oriundas de bactérias transgênicas, que facilitam a degradação de gordura nos tecidos.

Na fronteira da biotecnologia desenvolve-se aqui, na Embrapa, uma incrível técnica – dos promotores constitutivos – capaz de restringir a manifestação de certas proteínas transgênicas em folhas e frutos das plantas modificadas. Ou seja, a planta será transgênica, mas seus frutos, ou grãos, escapam do DNA alterado. O avanço da engenharia genética, base da biotecnologia, é extraordinário em todos os ramos, dando a impressão de que o melhor ainda está por vir.

Por que, então, diante de tanto sucesso ainda há restrições contra os transgênicos, taxando-os de produtos do mal? Boa pergunta. A resposta encontra-se no preconceito criado lá atrás. A rigor, hoje em dia os produtos transgênicos, submetidos a legislação super-rigorosa, são bastante seguros para o consumo. Já outros alimentos, embora “convencionais”, mais parecem uma bomba química: salgadinhos, latarias, maioneses, doces insossos, essas gororobas, sim, impunemente destroem nossa saúde.

Conclusão: transgênico ou convencional, pouco importa. Vale o alimento ser saudável.

Xico Graziano é agrônomo, foi secretário de Agricultura e secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,fronteiras–da-biotecnologia-,1106577,0.htm

Crônicas do Consumismo, à entrada de dezembro (Envolverde)

03/12/2013 – 12h14

por George Monbiot*

consumo Crônicas do Consumismo, à entrada de dezembro

Grafite anti-consumista. Foto: Edgar Fabiano

Publicidade ensina crianças a acariciar… o plástico. Jornais anunciam skates de mogno. E se “Admirável Mundo Novo” já não for ficção?

A culpa cumpre um papel. É o que distingue o resto da população dos psicopatas. Trata-se do sentimento que você tem quando é capaz de sentir empatia. Mas a culpa inibe o consumo. Para sufocá-la, surgiu uma indústria global que usa celebridades, personagens de desenhos animados e música de elevador. Ela procura nos convencer a não ver e a não sentir. Parece funcionar.

Os resultados da pesquisa Greendex 2012 (“Consumers Choice and the Environment”, ou “As Opções dos Consumidores e o Meio-ambinte”) mostram que nos países mais pobres as pessoas sentem-se, em geral, mais culpadas com relação aos impactos causados na natureza do que as populações dos países ricos. Os países onde as pessoas sentem menos culpa são Alemanha, Estados Unidos, Austrália e Grã-Bretanha, nessa ordem – enquanto Índia, China, México e Brasil são os países onde as pessoas estão mais preocupadas. Nossa culpa, revela o estudo, acontece na proporção inversa ao tamanho dos danos causados pelo consumo. Isso é o contrário do que nos dizem milhares de editoriais da imprensa corporativa: que as pessoas não podem dar-se ao luxo de cuidar da natureza até que se tornem ricas. As evidências sugerem que deixamos de cuidar justamente quando nos tornamos ricos.

“Consumidores em países como México, Brasil, China e Índia”, diz o estudo, “tendem a ser mais preocupados com as questões das mudanças climáticas, poluição do ar e da água, desaparecimento de espécies e escassez de água doce … Por outro lado, a economia e os custos de energia e combustível suscitam a maior preocupação entre os consumidores norte-americanos, franceses e britânicos.” Quanto mais dinheiro se tem, mais importante ele se torna. Meu palpite é que nos países mais pobres a empatia não foi tão entorpecida por décadas de consumo irracional.

Assista ao mais recente anúncio da Toys R Us nos EUA. Um homem vestido como guarda florestal arrebanha crianças em um ônibus verde em que se lê “Encontre a Fundação Árvores”. “Hoje nós estamos levando as crianças à viagem de campo que mais poderiam desejar”, diz o guarda dirigindo-se a nós. “E eles nem sabem disso.”

No ônibus ele começa a ensiná-las, mal, sobre as folhas. As crianças bocejam e se mexem nos bancos. De repente, ele anuncia: “Mas nós não estamos indo à floresta hoje …” Ele tira a camisa de guarda florestal. “Estamos indo para a Toys R Us, pessoal!” As crianças ficam alucinadas. “Vamos brincar com todos os brinquedos, e vocês podem escolher o brinquedo que quiserem!” As crianças correm, em câmera lenta, pelos corredores da loja, e quase desmaiam enquanto acariciam os brinquedos.

A natureza é um tédio, já o plástico é emocionante. Crianças que vivem no centro da cidade e que levei a um bosque, semanas atrás, contariam uma história diferente; mas a mensagem, martelada com suficiente frequência, acaba por tornar-se verdadeira.

O Natal permite que a indústria global de besteiras recrute os valores com os quais muitos de nós gostaríamos que a data estivesse associada – o amor, a vivacidade, uma comunidade espiritual –, com o único objetivo de vender coisas de que ninguém necessita ou mesmo deseja. Infelizmente, como todos os jornais, The Guardian participa dessa orgia. A revista de sábado trazia o que parecia ser uma lista de compras para os últimos dias do Império Romano. Há um relógio cuco inteligente para os que têm familiares estúpidos o suficiente, uma chaleira operada remotamente, um distribuidor de sabão líquido por 55 libras [R$ 210]; um skate de mogno (vergonhosamente, a origem da madeira não é mencionada nem pelo Guardian, nem pelo varejista), um “pino pappardelle de rolamento”, seja lá que diabo for isso, bugigangas de chocolate a 25 libras [R$ 96], uma caixa de… barbante de jardim (!) por 16 libras [R$ 61].

Estaremos tão entediados, tão carentes de afeto, que precisamos ganhar essas porcarias para acender uma última centelha de satisfação hedonista? Terão as pessoas se tornado tão imunes ao sentimento de irmandade a ponto de se prontificarem a gastar 46 libras [R$ 177] num pacote de petiscos para cães ou 6,50 libras [R$ 20] em incríveis biscoitos personalizados, em vez de dar o dinheiro a uma causa melhor? Ou isso é o potlatch do mundo ocidental, no qual gastam-se quantias ridículas em presentes ostensivamente inúteis, para melhorar nosso status social? Se assim for, devemos ter esquecido que aqueles que se deixam impressionar por dinheiro não merecem ser impressionados.

Para atender a essa forma peculiar de doença mental, devemos retalhar a Terra, abrir grandes buracos na superfície do planeta, ocupar-se fugazmente com os produtos da destruição e então despejar os materiais em outros buracos.Relatório da Fundação Gaia revela um crescimento explosivo no ritmo da mineração: a produção de cobalto aumentou 165% em 10 anos, a doo minério de ferro em 180% e, entre 2010 e 2011, houve um aumento de 50% na exploração de metais não-ferrosos.

Os produtos dessa destruição estão em tudo: eletroeletrônicos, plásticos, cerâmicas, tintas, corantes, a embalagem em que nossas besteiras vão chegar. À medida que os depósitos mais ricos se esgotam, cada vez mais terra deve ser rasgada para manter a produção. Mesmo os materiais mais preciosos e destrutivos são sucateados quando um novo nível de dopamina torna-se necessário: o governo do Reino Unido informa que uma tonelada de ouro, embutido em equipamentos eletrônicos, é depositada nos aterros a cada ano, neste país.

Em agosto, uma briga das mais instrutivas inflamou o Partido Conservador. O ministro do Meio Ambiente, Lord de Mauley, pediu às pessoas para consertar suas engenhocas em vez de atirá-las no lixo. Isso era necessário, argumentou, para reduzir a quantidade de aterros, seguindo as diretrizes da política europeia de resíduos. Para o The Telegraph, “as propostas poderiam alarmar as empresas que lutam para aumentar a demanda por seus produtos.” O parlamentar do Partido Conservador Douglas Carswell bradou: “desde quando precisamos do governo para nos dizer o que fazer com torradeiras quebradas?”…

Para ele, o programa de recuperação econômica do governo depende de consumo incessante: se as pessoas começarem a consertar as coisas, o esquema entra em colapso; skates de mogno e chaleiras wifi são respostas necessárias a um mercado saturado; o deus de ferro do crescimento, ao qual nos devemos curvar, demanda que gastemos o mundo dos vivos até o esquecimento fim dos tempos.

“‘Mas roupas velhas são estupidez’, continuou o sussurro incansável. ‘Nós sempre jogamos fora as roupas velhas. Descartar é melhor que consertar, descartar é melhor que consertar.’” O Admirável Mundo Novo parece menos fantástico, a cada ano.

George Monbiot é jornalista é escritor, acadêmico e ambientalista do Reino Unido. Escreve uma coluna semanal no jornal The Guardian./ Tradução: Inês Castilho.

** Publicado originalmente no site Outras Palavras.

The India Problem (Slate)

Why is it thwarting every international climate agreement?

NOV. 27 2013 12:44 PM

By 

Haze in Mumbai, 2009

India has stalled international greenhouse gas accords because climate change isn’t a winning election issue in the developing country. 

Photo by Arko Datta/Reuters

Apowerful but unpredictable force is rising in the battle over the future of the climate. It’s the type of powerful force that’s felt when 1.2 billion people clamor for more electricity—many of them trying to light, heat, and refrigerate their ways out of poverty; others throwing rupees at excessive air conditioning and other newfound luxuries. And it’s the type of unpredictable force that’s felt when the government of those 1.2 billion is in election mode, clamoring for votes by brazenly blocking progress at international climate talks.

Hundreds of millions of Indians live in poverty, wielding a tiny per-person carbon footprint when compared with residents of the West and coming out on top of environmental sustainability surveys. But the country is home to so many people that steady economic growth is turning it into a climate-changing powerhouse. It has developed a gluttonous appetite for coal, one of the most climate-changing fuels and the source of nearly two-thirds of the country’s power. India recently overtook Russia to become the world’s third-biggest greenhouse gas polluter, behind China and the United States. (If you count the European Union as a single carbon-belching bloc, then India comes in fourth).

India has been obstructing progress on international climate talks, culminating during the two weeks of U.N. Framework Convention on Climate Change negotiations that ended Saturday in Warsaw. The Warsaw talks were the latest annual get-together for nearly 200 countries trying to thrash out a new climate treaty to replace the Kyoto Protocol.

India’s erraticism at international climate talks is frustrating the West. But it is also starting to anger some developing nations struggling to cope with violent weather, droughts, and floods blamed on climate change.

India’s stance during climate talks is that developed countries should be legally committed to addressing global warming by reducing their greenhouse gas emissions, and that developing countries should do what they say they can do to help out.

But once-clear distinctions between developed and developing countries are blurring. A growing number of developing countries—including low-lying island states in the Pacific and some countries in Africa and Latin America with which India has long been allied—are eyeing the vast, growing, climate-changing pollution being pumped out by China and India. They are wondering why those two countries, and others in the “developing” camp, shouldn’t also be committed to reducing their emissions.

The Warsaw meetings ended with India and China thwarting efforts by the United States, Europe, and others to commit all countries to measures to address greenhouse gas pollution. Instead, countries agreed in Warsaw to announce their “intended contributions” to slow down global warming in 2015, in advance of final meetings planned in Paris to agree on the new climate treaty.

“Developing countries are a varied group at this stage, and there is a growing frustration about the inability to move forward from some of these countries,” said Jake Schmidt, international climate policy director for the Natural Resources Defense Council, who attended the Warsaw meetings. “Some of their anger is directed at the U.S. and Europe, but more and more of their anger is quietly being directed at friends in the developing world that they see as stalling progress.”

And no country has done more than India to stall progress on international climate negotiations during the past two months.

It began last month in Bangkok, when negotiators met to update the Montreal Protocol. Signed in the late 1980s, the protocol saved the ozone layer by ending the use of chlorofluorocarbons in refrigerants, household goods, and industrial products. The problem was, manufacturers often swapped out CFCs for a closely related group of chemicals called hydrofluorocarbons. HFCs don’t hurt the ozone layer, but it turns out that they are potent greenhouse gases. With climate change now the most important global environmental challenge, the United States and a long list of other countries have proposed amending the Montreal Protocol to phase out the use of HFCs.

All seemed to be going well with the plans for those amendments. India and the other members of the Group of 20 endorsed the proposal during September meetings in Russia. A couple of weeks later, Indian Prime Minister Manmohan Singh reiterated the country’s support for the amendments during meetings with President Obama.

But when international representatives gathered for meetings in Bangkok to actually make the amendments, they were surprised and angered to find the negotiations blocked by India. The country’s environment officials told Indian media that they were worried about the costs associated with switching over to new coolants. What may have worried them even more was the fear of being accused of opening the door for foreign air conditioning and fridge companies to take over domestic markets.

If there’s one thing that no Indian government up for re-election in the current political climate would want, it’s to be seen giving an inch to America on trade.

Then came Warsaw. Extensive negotiations around agriculture had been scheduled for the first of the two weeks of meetings. Farming causes about a fifth of greenhouse gas emissions, due in part to land clearing, energy use, and the methane that bubbles up from rice paddies and is belched out by cattle.

But that’s not what drew farming representatives to Warsaw. Farmers are the hardest hit by changes in the weather—which should help them secure a chunk of the hundreds of billions of dollars in climate aid that a new climate treaty is expected to deliver for poor countries. But India, which is home to farms that are struggling to cope with changing rainfall patterns, spearheaded a maneuver that blocked agricultural negotiations from moving forward. Its negotiators feared that negotiations over farmer adaptation efforts would lead to requests that those farmers also reduce their carbon footprints.

“India has been very clear that agriculture is the mainstay of our population, and we don’t want any mitigation targets there,” said Indrajit Bose, a climate change program manager at the influential Delhi-based Centre for Science and Environment, who attended the Warsaw meetings. “It’s a red line for India, and I think we agree with that.”

During the second week of Warsaw talks, India again blocked progress on HFC reductions, and it worked with China to water down the meeting’s most important agreement on the final day of talks.

Despite instances of Chinese obstructionism at Warsaw, China and the United States have been making headlines during the past week for their blossoming mutual commitment to tackling climate change. Now India appears to be supplanting China as the developing world’s chief climate agitator, even as it takes real steps to boost renewable energy production at home and meet voluntary goals to reduce the “emission intensity” of its economy. (Meanwhile, Japan, Australia, and Canada are taking America’s mantle as the developed world’s chief climate antagonists.)

The India problem isn’t limited to climate talks. Early this year India helped dilute an international agreement that had been crafted to reduce mercury pollution—a major problem with coal-fired power plants.

Before the country’s environment minister was replaced during a mid-2011 Cabinet reshuffle, India had been hailed as a constructive leader during international climate talks. Now it’s being accused of foot-dragging, obstructionism, and flip-flopping.

Recent Indian shenanigans on the global climate stage are partly a reflection of the fact that a federal election will be held in the spring. Such elections are held every five years, and frantic campaigning by long lists of parties occupies many of the months that precede them. In India, despite the country’s acute vulnerability to climate change, the climate is simply not an election issue. BBC polling suggests that 39 percent of Indians have never heard about “climate change.” Indian voters are calling for more affordable energy—not for a reduction in greenhouse gas emissions.

And India, like other developing countries, has been angered by what appears to be reluctance by developed countries to lend a meaningful financial hand as the climate goes awry. A cruel irony of climate change is that the poor countries that did the least to warm the planet are often the hardest hit, vulnerable to rising tides, crop-wilting droughts, and powerful storms. During the talks in Warsaw, Western countries were suddenly balking at previously promised climate aid that would have been worth $100 billion a year by 2020. And developed countries have fobbed off developing countries’ appeals for additional compensation, so-called loss-and-damage payments, when climate change has harmed their people and economies.

It’s not just the electioneering in India that’s causing problems for global climate talks. Another problem seems to be how little press attention the country receives on foreign shores. “There’s not a lot of focus on India anywhere,” said Manish Ram, a renewable-energy analyst for Greenpeace India who attended the Warsaw meetings. “That’s one of the reasons India gets away with doing what it’s been doing.”

Pan-Amazônia à brasileira (Agência Pública)

Ambiente
02/12/2013 – 11h07

por Bruno Fonseca e Jessica Mota, para a Agência Pública

gasoduto Pan Amazônia à brasileira

Gasoduto de Camisea no Peru. Foto: Divulgação Skanska

Obras negociadas pelo BNDES na Amazônia sul-americana incluem hidrelétrica com rachaduras, gasoduto com vazamentos e rodovia que estremeceu a presidência da Bolívia.

Na vertente leste da Cordilheira dos Andes, início da Amazônia Peruana, o dinheiro brasileiro começa a erguer uma barragem de 200 metros de altura – e trata-se de muito dinheiro. São mais de US$ 320 milhões em empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), quantia que representa mais de um quarto do custo total da bilionária hidrelétrica de La Chaglla, que será uma das três maiores usinas do Peru em 2015, quando deve ser concluída.

Quem toca as obras, no Rio Huallaga, a mais de 400 km da capital, Lima, é a gigante brasileira Odebrecht. A usina é uma peça importante para a Odebrecht, que tem olhos especiais para o território peruano, onde atua há 33 anos e possui ao menos outros nove empreendimentos (AQUI AQUI) em execução, desde rodovias a gasodutos e portos.

Há razões de sobra para justificar o interesse da Odebrecht no Peru. As licitações para megaempreendimentos são menos concorridas no país vizinho que em terras brasileiras, onde há mais empreiteiras a disputar o filão. Tomemos como exemplo a própria usina de La Chaglla. Simplesmente não houve concorrência na licitação. Segundo reportagem da revista Carta Capital, o único adversário possível, a empresa peruana Chancadora Centauro, desistiu ainda na fase de estudos, alegando não ter condições de cumprir o prazo.

A conexão com a costa oeste do Peru é também um caminho precioso para os produtos brasileiros atingirem o Oceano Pacífico. Assim, uma empreiteira como a Odebrecht passa a contar com o apoio de outras empresas brasileiras que, por sua vez, ainda podem trazer consigo o suporte de financiadores públicos para grandes empreendimentos. É este o caso dos investimentos no porto de Bayovar, construído pela Odebrecht a partir de dinheiro da mineradora Vale para escoar sua produção de fosfato a partir de uma mina cujos investimentos chegaram a mais de US$ 560 milhões de dólares. (AQUI) A Vale, por sua vez, trouxe a Andrade Gutierrez, que conseguiu dinheiro do BNDES para construção de uma usina de dessalinização da água fornecida à mina. O BNDES, como de costume, não revela quanto repassou à Andrade Gutierrez através do fomento à contratação pós-embarque (leia mais sobre a falta de transparência do BNDES aqui).

Já na costa leste, a Amazônia Peruana é uma área estratégica para a produção de energia. Estratégica porque a alta declividade em algumas regiões permite represas com menor área de inundação e maior potencial energético. Mas também porque possibilita a venda de energia para o Brasil e, com isso, conquista o coração de financiadores públicos do porte do BNDES. Tanto é que, em 2010, Brasil e Peru firmaram um acordo energético para construção de hidrelétricas em território peruano para exportar energia para o Brasil (AQUI), consolidação de um namoro que começou em 1997 a partir de um memorando de entendimento sobre cooperação em energia (AQUI).

Em contato com a Pública, o BNDES, entretanto, se recusou a comentar quais projetos de hidrelétricas peruanas estariam sendo avaliados pelo banco. “O BNDES não faz comentários sobre se um projeto está ou não sendo analisado pela instituição. Podemos dizer apenas que nenhum daqueles projetos foi até o momento aprovado ou contratado pelo BNDES”, informou a assessoria, depois de uma evasiva troca de 27 e-mails com a Pública.

Fato é que, em 2011, a pressão de comunidades indígenas levou a Odebrecht a desistir da construção da usina de Tambo 40, na região Central do país, que seria financiada pelo BNDES. Os grupos populares contestavam a previsão de alagamento de 73 mil hectares de florestas amazônicas e o deslocamento de 14 mil pessoas (AQUI). A hidrelétrica seria construída pela brasileira OAS.

perfuracao Pan Amazônia à brasileira

Perfuração de túnel nas obras da Hidrelétrica-de Chaglla, no Peru. Foto: Divulgação Odebrecht

BNDES financia exploração de gás e tragédia ambiental no Peru

O projeto de gás Camisea, no departamento de Cuzco, na Amazônia peruana, próxima ao estado do Acre, foi iniciado em 2003 por uma parceria público-privada, com grande aporte de financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Localizado em uma região próxima a comunidades indígenas – como a Reserva Territorial Kugapakori, Nahua, Nanti (RTKN), onde vivem os índios Nahua, Nanti, Matsigenka e Mashco-Piro – o projeto foi visto com preocupação por ambientalistas. O objetivo era transportar gás natural e líquidos de gás natural até a área costeira do Peru, no Oceano Pacífico.

O Consórcio Camisea é liderado pela argentina Pluspetrol, junto à Repsol-YPF, Sonatrach, Hunt Oil, Techpetrol e SK Energy. Durante os primeiros anos de desenvolvimento do projeto, ocorrerm seis vazamentos de gás. Glenn Shepard, antropólogo e etno-botânico convidado pelo Import-Export Bank, dos Estados Unidos a integrar um painel de estudo – o South Peru Panel – sobre o projeto, como condição de empréstimo do banco à Hunt Oil, esteve na região durante duas semanas no final de 2011. Em seu blog, o especialista comentou o descaso com infraestrutura na região, que não tem nem saneamento básico, e ressaltou o que lhe disse um morador local: “não há vida para viver. Sem peixe, não há nada. A água está contaminada. Há muitas doenças”. (Leia o informe do antropólogo AQUIe o último relatório lançado pelo painel AQUI, ambos em inglês)

O BID chegou a realizar duas auditorias, e fez um empréstimo de US$5 milhões para o governo, destinado a fortalecer seu sistema de proteção ambiental e social associado ao projeto, de acordo com o próprio banco. A segunda parte do projeto recebeu aprovação de financiamento do Banco Interamericano em 2007 – não sem protestos de organizações ambientais, que alegaram omissão a certos critérios nas auditorias realizadas pelo BID, referentes a danos à biodiversidade e comunidades indígenas.

Em 2009, o BNDES aprovou um empréstimo para exportação da Confab Industrial S/A com destino à Transportadora de Gás do Peru, na modalidade de buyer’s credit, na qual o banco estabelece o contrato diretamente com a empresa importadora, por meio do exportador. Como sempre, o valor não é divulgado pelo banco. Este ano, o caso culminou em uma crise no governo peruano, com pedido de demissão do então vice-ministro de Interculturalidade do Peru, Paulo Vilca (leia mais AQUI).

BNDES na Bolívia: ex-ministro aponta má fama de empresas brasileiras

Os problemas envolvendo obras de empreiteiras brasileiras financiadas pelo BNDES se estendem pela região amazônica de outros países da América do Sul. Talvez um dos mais notórios exemplos é a construção da estrada San Ignacio de Moxos / Villa Tunari, na Bolívia – obra que se tornou um fiasco político e diplomático.

A estrada, também conhecida como rodovia Cochabamba-Beni, é um antigo antigo projeto do governo boliviano que cobria mais de 300 km, mas tomou corpo depois do BNDES firmar um contrato de US$ 332 milhões, através da aliança do então presidente Lula e o mandatário boliviano Evo Morales (AQUI). Faltaria à Bolívia apenas completar US$ 80 milhões para bancar a obra.

A construção da estrada foi entregue à empreiteira brasileira OAS em meio a uma delicada situação: pouco antes, a construtora brasileira Queiroz Galvão havia sido expulsa por não cumprir especificações do projeto de construção de duas rodovias no sul da Bolívia. As estradas apresentavam rachaduras nas obras e utilização de asfalto no lugar de cimento, segundo apontou o governo boliviano em 2007. A Bolívia chegou a decretar a prisão de um dos diretores da companhia, que escapou do país.

A situação foi revertida após negociações entre Brasil e Bolívia, mas novamente a Queiroz Galvão foi expulsa após divergências no custo de conserto das duas rodovias. A empresa afirmou por nota, na época, que iria buscar ressarcimento pelos danos pela “rescisão unilateral e injustificada do contrato pela Administradora Boliviana de Estradas”.

Após a desastrosa operação, a OAS assumiu o contrato de reparo das estradas e, coincidentemente, venceu a licitação para a construção da rodovia San Ignacio de Moxos / Villa Tunari na mesma época.

Apenas dois anos depois, em 2009, a OAS passou a ser investigada pela Controladoria-Geral da Bolívia após avaliações oficiais apontarem superfaturamento na estrada de Villa Tunari. Um estudo da Sociedade dos Engenheiros da Bolívia (SIB, em espanhol) afirmou que o preço de cada quilômetro era o dobro de outras obras na Bolívia, em locais de topografia similar. Além disso, a OAS foi a única empresa a participar da licitação.

Como se não bastasse, um trecho da rodovia passava dentro das terras do Parque Nacional y Territorio Indígena Isiboro-Secure (TIPNIS). O resultado: em agosto de 2011, a Confederação de Povos Indígenas da Bolívia (CIDOB) e outras organizações iniciaram uma marcha em oposição ao projeto, que durou meses e enfrentou prisões e espancamentos de manifestantes. A pressão popular foi tão intensa que balançou o primeiro governo de um indígena no país vizinho e, em outubro do mesmo ano, Evo Morales acabou promulgando uma Lei que impedia a rodovia de passar por TIPNIS e o declarava como território intangível.

O imbróglio acabou com o cancelamento do contrato com a OAS e o desgaste foi tamanho que, através da sua assessoria de imprensa, a empresa afirmou que atualmente não possui nenhum outro empreendimento na Bolívia.

O BNDES também foi afetado pela polêmica, e teve de publicar nota oficial afirmando que o banco havia determinado o cumprimento de todas as exigências ambientais cabíveis para que fosse firmado o contrato de financiamento à exportação de bens e serviços utilizados na estrada boliviana. “A assinatura do contrato foi condicionada às exigências usuais do BNDES, além de requisitos adicionais, elaborados em coordenação com o governo boliviano e fiscalizados por auditoria independente. Nos trechos da estrada que não passam por reserva indígena, o licenciamento ambiental já foi concluído, o que permitiu o início das obras”. Nenhum desembolso foi realizado pelo banco, visto que o contrato foi cancelado.

Mas, para Alejandro Almaraz, que foi vice-ministro de Terras do governo de Evo Morales até 2010 – e hoje é um dos maiores opositores da obra – todo o caso envolvendo a estrada do TIPNIS demonstra uma postura prejudicial das empresas brasileiras para com o povo boliviano, com conivência do governo local. “A imagem da empresa brasileira ficou muito desgastada, entretanto não é algo tão chamativo por não se tratar de nenhuma novidade. Está é a tradicional imagem das empresas construtoras brasileiras na Bolívia. Há várias décadas as empresas brasileiras têm uma espécie de monopólio na construção de estradas bolivianas, ao menos das grandes. Sempre houve esse tipo de denúncias, com bastante fundamento, mostrando superfaturamentos que beneficiam as empresas brasileiras. Isto é uma história eterna”, critica.

Para Almaraz, há pouca transparência sobre o tema na Bolívia. “Se abriu um processo judicial que, como tantos outros que envolvem agentes do governo, está congelado. Recentemente, pouco se fala [sobre o caso] na Bolívia e na imprensa. Tampouco há transparência sobre os ressarcimentos [entre a empresa brasileira e o governo boliviano] e na resolução do contrato” avalia.

Atualmente, a rodovia San Ignacio de Moxos / Villa Tunari segue em construção – exceto pelo trecho que passaria por TIPNIS – por empresas bolivianas. Entretanto, o governo boliviano vem realizando consultas com as populações afetadas para tentar retomar a construção do trecho (leia mais AQUI).

Imbróglios diplomáticos

Em 2004, o BNDES aprovou financiamento referente à exportação de bens e serviços da Odebrecht para a construção da hidrelétrica de San Francisco, na província amazônica de Pastaza, no Equador. O consórcio construtor contou também com as internacionais Alstom e Vatech.

A usina começou a operar em 2007, e no ano seguinte apresentou as primeiras falhas, que incluíam rachaduras em um dos túneis e defeitos em uma turbina. De seu lado, a Odebrecht afirmou que “durante seu primeiro ano de operação, a Central (hidrelétrica) trabalhou continuamente, sob a responsabilidade de empresa do governo equatoriano, e acima da capacidade projetada”, segundo comunicado. A empresa ainda alegou que as falhas se deviam a um aumento significativo de sedimentos” nas águas do rio Pastaza devido à erupção do vulcão Tungurahua, a 20 quilômetros da usina. Por outro lado, o governo equatoriano de Rafael Correa afirmou que a usina hidrelétrica apresentava “falhas estruturais” e exigiu uma indenização de US$ 43 milhões pelas perdas, além da reparação da obra.

A crise culminou com a emissão de dois decretos de Correa que pediam a tomada dos bens da construtora, o término de todos os contratos da empresa no país e expulsão de seus funcionários do território equatoriano. Foi o início de uma crise bilateral entre o Equador e o Brasil, com a declaração de que o governo de Correa não pagaria o crédito fornecido pelo BNDES para a importação dos serviços da Odebrecht para a concessionária equatoriana. Ao fim, o Equador voltou atrás, pagou o financiamento e, em 2010, entrou em acordo com a Odebrecht, que retomou suas operações no país.

mapa Pan Amazônia à brasileira

Mapa Investimentos negociados pelo BNDES na Pan-Amazônia

Como saber o que o BNDES faz na Pan-Amazônia?

Os diversos casos de conflitos socioambientais envolvendo os megaempreendimentos tocados por empresas brasileiras vêm se acumulando, e lançando dúvidas sobre a atuação das corporações brasileiras na Amazônia sulamericana – problema que se estende aos financiadores, sobretudo às instituições públicas como o BNDES, que, supostamente, deveria primar pelo desenvolvimento regional antes de abraçar tais projetos.

A situação se torna ainda mais dramática devido à dimensão dos investimentos do BNDES na região. Desde o início do governo Lula, o banco investiu mais de US$ 2 bilhões em apoios à exportação de empresas brasileiras somente para países que abarcam a Amazônia internacional (Bolívia, Colômbia, Equador, Bolívia e Venezuela). O principal país beneficiado é a Venezuela, que recebeu mais de dois terços desse valor (cerca de US$ 1,4 bi).

Toda essa quantia pode ser ainda maior, visto que o BNDES divulga apenas os números das exportações da modalidade de pós-embarque (quando o banco apoia a comercialização de bens e serviços nacionais no exterior), deixando de divulgar as cifras da modalidade de pré-embarque (quando o banco apoia a produção no Brasil das mercadorias que serão exportadas).

Além disso, o BNDES não disponibiliza uma lista clara de quais projetos no exterior foram ou estão sendo apoiados ou negociados pela instituição. A Pública enviou uma lista ao banco com quase 30 projetos, apenas da Pan-Amazônia (veja abaixo), que em algum momento haviam sido assinalados pela imprensa como destinos de financiamento do BNDES. Apenas o projeto da hidrelétrica de Chaglla foi confirmado pelo banco – a todos os demais, o BNDES se recusou a comentar, ainda que alguns deles tivessem documentos do Itamaraty que comprovavam o interesse do Governo Brasileiro em financiar obras bilaterais através do banco. O BNDES também se recusou a comentar quais motivos poderiam ter levado ao cancelamento do financiamento desses projetos e até mesmo se o banco ainda estaria em processo de avaliação dos contratos. Ou seja, o BNDES e o Governo Federal argumentam sigilo bancário para negar uma gama gigantesca de informações – desde negociações em curso até valores e projetos beneficiadas – e defender que o sigilo tem supremacia sobre o direito à informação da sociedade brasileira.

Veja a lista de projetos enviada à assessoria de imprensa do BNDES no link original da matéria.

A série BNDES na Amazônia é uma parceria da Agência Pública com O Eco.

** Publicado originalmente no site Agência Pública.

Brazilian Soccer Is Too Big To Fail (Bloomberg)

Brazil Soccer

Brazil’s Sao Paulo players react after losing their 2013 Copa Sudamericana semifinal first leg football match against Brazil’s Ponte Preta at Morumbi stadium on Nov. 20, 2013. Photographer: Nelson Almeida/AFP via Getty Images

By Raul Gallegos Nov 22, 2013 4:22 PM GMT-0200

To understand Brazil’s economic woes, one should consider how politics has ruined the country’s most venerated sport.

It’s no secret that the economics of the Brazilian soccer world are dysfunctional. For the most part, teams are poorly run, member-controlled organizations with histories of financial mismanagement, run by overpaid managers with little accountability. For years, soccer clubs stopped paying taxes and evaded social security obligations. And the government often rescued them from financial failure — as it may be about to do again.

According to an October piece in the Folha de S. Paulo newspaper, Brazil’s soccer clubs have run up a 4.8 billion reais ($2.1 billion) tab with the federal government. Approximately 36 percent of the total debt owed by clubs is due in the short term, according to an Oct. 25 analysis by consulting firm Pluri Consultoria. Soccer teams are heavily leveraged, and their profitability (the average profitability of the top 25 teams is 0.7 percent of annual sales) is almost nonexistent. “It is possible to say, with no shadow of a doubt, that soccer clubs would not be standing” if they operated as companies, Pluri warned.

As Vilson Ribeiro de Andrade, president of the Coritiba Foot Ball Club – a debtor – said in the Folha article, the government’s bill is “virtually unrecoverable.” This is not flattering for a country that boasts five FIFA World Cup titles and is set to host the event next year.

And so, legislators are considering a controversial new proposal that would absolve the game’s worst tax cheats. The disarmingly named “Program for the Strengthening of Olympic Sports” law proposal would apparently wipe out about 90 percent of the clubs’ fiscal debts and allow teams as long as 20 years to pay off the remainder of what they owe. In exchange, soccer clubs would be obligated to help train Olympic athletes.

Letting clubs off so easily does not sit well with some. In an editorial Monday, Folha demanded that the teams should at least agree to adopt standard business-management practices and make officials accountable for mismanagement in exchange for debt forgiveness. “The debts are not responsible for causing the administrative negligence of the clubs — but the other way around,” the editorial said.

Henrique Alves, president of Brazil’s Chamber of Deputies, gave a rather weak excuse for the proposed bailout last week: “Soccer, especially, is a source of happiness, socialization and integration of the Brazilian family.” Alves’s transparent move to rescue the sector suggests that Brazil’s soccer teams have also mastered the game of politics.

In a soccer-obsessed nation, politicians fear losing voters if they push teams to own up to their fiscal mistakes. Squeezing clubs financially could hurt their ability to hire talent and weaken their performance. This could prove unpopular with Brazil’s poor, for whom soccer is not just entertainment, but also a means of upward social mobility for talented players from the slums. Teams understand this political reality and have long taken advantage of it.

This partly explains why having the state lend a hand to troubled teams is a Brazilian tradition. In 2008, Brazil’s government introduced Timemania (Team Mania), a lottery game that includes 80 teams and is meant to generate enough proceeds to help pay what clubs owe the government. In addition, Brazil has led three refinancing programs for financially strapped clubs over the past 15 years. The bill under consideration by legislators is the latest version of a recurring story.

Attempts to professionalize the sport have failed. Even legendary soccer star Pele went nowhere fast with the “Pele Law” he helped usher in when he became the country’s sports minister in the 1990s. The legislation was meant to push teams to become professional sports businesses and to regulate the relationship between players and employers. But interest groups managed to water down the law over time.

These days, even the richest teams have trouble with cash flow. When Rio de Janeiro’s Flamengo — Brazil’s fourth-largest club as ranked by 2012 revenue — struggled to pay soccer star Ronaldinho last year, the player’s agent and brother, Roberto de Assis Moreira, apparently attempted to take more than 40 items without paying, including shirts and hats, from the club’s store in protest. “Flamengo aren’t paying my brother, so I’m not paying, either,” he allegedly told the store’s staff.

Brazil’s soccer teams now feel empowered to make their own rules. The Confederacao Brasileira de Futebol, or CBF, a member organization controlled by soccer teams, suggested earlier this year that in exchange for longer repayment times, it would offer to penalize member teams that default on tax debt or delay wage payments to players. CBF suggested it could go so far as to bar noncompliant teams from games. That’s about as realistic as expecting a World Cup final to run smoothly without referees present.

Romario, the World Cup player turned lawmaker, took a shot at the absurdity of that proposal: “Do you really think that the CBF has the moral courage and the ability to make Vasco, Flamengo or Corinthians fall because they did not pay debts?” His answer: “That’s a lie. This won’t happen. This is a utopia and will not exist.”

An amendment to the Pele Law that President Dilma Rousseff signed in October, intended to increase sports teams’ financial transparency and limit the tenure of executives running sports institutions, is a good call. But rewarding clubs for their notorious incompetence is not. Brazilian politicians managed to botch the country’s economic resurgence by not getting out of the way. But on the soccer field, Brazil’s role as a strong referee is not just desirable, but also necessary.

(Raul Gallegos is the Latin American correspondent for the World View blog. Follow him on Twitter. E-mail him at rgallegos5@bloomberg.net.)

Something Is Rotten at the New York Times (Huff Post)

By Michael E. Mann

Director of Penn State Earth System Science Center; Author of ‘Dire Predictions’ and ‘The Hockey Stick and the Climate Wars’

Posted: 11/21/2013 7:20 pm

Something is rotten at the New York Times.

When it comes to the matter of human-caused climate change, the Grey Lady’s editorial page has skewed rather contrarian of late.

A couple months ago, the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) publishedits 5th scientific assessment, providing the strongest evidence to date that climate change is real, caused by us, and a problem.

Among other areas of the science where the evidence has become ever more compelling, is the so-called “Hockey Stick” curve — a graph my co-authors and I published a decade and a half ago showing modern warming in the Northern Hemisphere to be unprecedented for at least the past 1000 years. The IPCC further strengthened that original conclusion, finding that recent warmth is likely unprecedented over an even longer timeframe.

Here was USA Today on the development:

The latest report from the Intergovernmental Panel on Climate Change, the internationally accepted authority on the subject, concludes that the climate system has warmed dramatically since the 1950s, and that scientists are 95% to 100% sure human influence has been the dominant cause. In the Northern Hemisphere, 1983 to 2012 was likely the warmest 30-year period of the past 1,400 years, the IPCC found.

And here was the Washington Post:

The infamous “hockey stick” graph showing global temperatures rising over time, first slowly and then sharply, remains valid.

And the New York Times? Well we instead got this:

The [Hockey Stick] graph shows a long, relatively unwavering line of temperatures across the last millennium (the stick), followed by a sharp, upward turn of warming over the last century (the blade). The upward turn implied that greenhouse gases had become so dominant that future temperatures would rise well above their variability and closely track carbon dioxide levels in the atmosphere….I knew that wasn’t the case.

Huh?

Rather than objectively communicating the findings of the IPCC to their readers, the New York Times instead foisted upon them the ill-informed views of Koch Brothers-fundedclimate change contrarian Richard Muller, who used the opportunity to deny the report’s findings.

In fact, in the space of just a couple months now, the Times has chosen to grant Muller not just one, but two opportunities to mislead its readers about climate change and the threat it poses.

The Times has now published another op-ed by Muller wherein he misrepresented the potential linkages between climate change and extreme weather–tornadoes to be specific, which he asserted would be less of a threat in a warmer world. The truth is that the impact of global warming on tornadoes remains uncertain, because the underlying science is nuanced and there are competing factors that come into play.

The Huffington Post published an objective piece about the current state of the science earlier this year in the wake of the devastating and unprecedented Oklahoma tornadoes.

That piece accurately quoted a number of scientists including myself on the potential linkages. I pointed out to the journalist that there are two key factors: warm, moist air is favorable for tornadoes, and global warming will provide more of it. But important too is the amount of “shear” (that is, twisting) in the wind. And whether there will, in a warmer world, be more or less of that in tornado-prone regions, during the tornado season, depends on the precise shifts that will take place in the jet stream–something that is extremely difficult to predict even with state-of-the-art theoretical climate models. That factor is a “wild card” in the equation.

So we’ve got one factor that is a toss-up, and another one that appears favorable for tornado activity. The combination of them is therefore slightly on the “favorable” side, and if you’re a betting person, that’s probably what you would go with. And this is the point that I made in the Huffington Post piece:

Michael Mann, a climatologist who directs the Earth System Science Center at Pennsylvania State University, agreed that it’s too early to tell.

“If one factor is likely to be favorable and the other is a wild card, it’s still more likely that the product of the two factors will be favorable,” said Mann. “Thus, if you’re a betting person – or the insurance or reinsurance industry, for that matter — you’d probably go with a prediction of greater frequency and intensity of tornadoes as a result of human-caused climate change.”

Now watch the sleight of hand that Muller uses when he quotes me in his latest Times op-ed:

Michael E. Mann, a prominent climatologist, was only slightly more cautious. He said, “If you’re a betting person — or the insurance or reinsurance industry, for that matter — you’d probably go with a prediction of greater frequency and intensity of tornadoes as a result of human-caused climate change.”

Completely lost in Muller’s selective quotation is any nuance or context in what I had said, let alone the bottom line in what I stated: that it is in fact too early to tell whether global warming is influencing tornado activity, but we can discuss the processes through which climate change might influence future trends.

Muller, who lacks any training or expertise in atmospheric science, is more than happy to promote with great confidence the unsupportable claim that global warming will actuallydecrease tornado activity. His evidence for this? The false claim that the historical data demonstrate a decreasing trend in past decades.

Actual atmospheric scientists know that the historical observations are too sketchy and unreliable to decide one way or another as to whether tornadoes are increasing or not (see this excellent discussion by weather expert Jeff Masters of The Weather Underground).

So one is essentially left with the physical reasoning I outlined above. You would think that a physicist would know how to do some physical reasoning. And sadly, in Muller’s case, you would apparently be wrong…

To allow Muller to so thoroughly mislead their readers, not once, but twice in the space of as many months, is deeply irresponsible of the Times. So why might it be that the New York Times is so enamored with Muller, a retired physicist with no training in atmospheric or climate science, when it comes to the matter of climate change?

I discuss Muller’s history as a climate change critic and his new-found role as a media favorite in my book “The Hockey Stick and the Climate Wars” (the paperback was just released a couple weeks ago, with a new guest foreword by Bill Nye “The Science Guy”).

Muller is known for his bold and eccentric, but flawed and largely discredited astronomical theories. But he rose to public prominence only two years ago when he cast himself in theirresistible role of the “converted climate change skeptic”.

Muller had been funded by the notorious Koch Brothers, the largest current funders of climate change denial and disinformation, to independently “audit” the ostensibly dubious science of climate change. This audit took the form of an independent team of scientists that Muller picked and assembled under the umbrella of the “Berkeley Earth Surface Temperature” (unashamedly termed “BEST” by Muller) project.

Soon enough, Muller began to unveil the project’s findings: First, in late 2011, he admitted that the Earth was indeed warming. Then, a year later he concluded that the warming was not only real, but could only be explained by human influence.

Muller, in short, had rediscovered what the climate science community already knew long ago.

summarized the development at the time on my Facebook page:

Muller’s announcement last year that the Earth is indeed warming brought him up to date w/ where the scientific community was in the the 1980s. His announcement this week that the warming can only be explained by human influences, brings him up to date with where the science was in the mid 1990s. At this rate, Muller should be caught up to the current state of climate science within a matter of a few years!

The narrative of a repentant Koch Brothers-funded skeptic who had “seen the light” andappeared to now endorse the mainstream view of human-caused climate change, was simply too difficult for the mainstream media to resist. Muller predictably was able to position himself as a putative “honest broker” in the climate change debate. And he was granted a slew of op-eds in the New York Times and Wall Street Journal, headline articles in leading newspapers, and interviews on many of the leading television and radio news shows.

Yet Muller was in reality seeking to simply take credit for findings established by otherscientists (ironically using far more rigorous and defensible methods!) literally decades ago. In 1995 the IPCC had already concluded, based on work by Ben Santer and other leading climate scientists working on the problem of climate change “detection and attribution”, that there was already now a “discernible human influence” on the warming of the planet.

And while Muller has now admitted that the Earth had warmed and that human-activity is largely to blame, he has used his new-found limelight and access to the media to:

1. Smear and misrepresent other scientists, including not just me and various other climate scientists like Phil Jones of the UK’s University of East Anglia, but even the President of the U.S. National Academy of Sciences himself, Ralph Cicerone.

2. Misrepresent key details of climate science, inevitably to downplay the seriousness of climate change, whether it is the impacts on extreme weather and heat, drought, Arctic melting, or the threat to Polar Bears. See my own debunking of various falsehoods that Muller has promoted in his numerous news interviews e.g. here or here.

3. Shill for fossil fuel energy, arguing that the true solution to global warming isn’t renewable or clean energy. No, not at all! Muller is bullish on fracking and natural gas as the true solution.

To (a) pretend to accept the science, but attack the scientists and misrepresent so many important aspect of the science, downplaying the impacts and threat of climate change, while (b) acting as a spokesman for natural gas, one imagines that the petrochemical tycoon Koch Brothers indeed were probably quite pleased with their investment. Job well done. As I put it in an interview last year:

It would seem that Richard Muller has served as a useful foil for the Koch Brothers, allowing them to claim they have funded a real scientist looking into the basic science, while that scientist– Muller—props himself up by using the “Berkeley” imprimatur (UC Berkeley has not in any way sanctioned this effort) and appearing to accept the basic science, and goes out on the talk circuit, writing op-eds, etc. systematically downplaying the actual state of the science, dismissing key climate change impacts and denying the degree of risk that climate change actually represents. I would suspect that the Koch Brothers are quite happy with Muller right now, and I would have been very surprised had he stepped even lightly on their toes during his various interviews, which he of course has not. He has instead heaped great praise on them, as in this latest interview.

The New York Times does a disservice to its readers when it buys into the contrived narrative of the “honest broker”–Muller as the self-styled white knight who must ride in to rescue scientific truth from a corrupt and misguided community of scientists. Especially when that white knight is in fact sitting atop a Trojan Horse–a vehicle for the delivery of disinformation, denial, and systematic downplaying of what might very well be the greatest threat we have yet faced as a civilization, the threat of human-caused climate change.

Shame on you New York Times. You owe us better than this.

Michael Mann is Distinguished Professor of Meteorology at Pennsylvania State University and author of The Hockey Stick and the Climate Wars: Dispatches from the Front Lines (now available in paperback with a new guest foreword by Bill Nye “The Science Guy”)

Is BP “Trolling” Its Facebook Critics? (Aljazeera)

Wednesday, 20 November 2013 13:04

By Dahr JamailAljazeera English

BP.BP Critics using BP America’s Facebook page allege they have been harassed. (Erika Blumenfeld / Al Jazeera)

New Orleans - BP has been accused of hiring internet “trolls” to purposefully attack, harass, and sometimes threaten people who have been critical of how the oil giant has handled its disaster in the Gulf of Mexico.

The oil firm hired the international PR company Ogilvy & Mather to run the BP America Facebook page during the oil disaster, which released at least 4.9 million barrels of oil into the Gulf in what is to date the single largest environmental disaster in US history.

The page was meant to encourage interaction with BP, but when people posted comments that were critical of how BP was handling the crisis, they were often attacked, bullied, and sometimes directly threatened.

“Marie” was deeply concerned by the oil spill, and began posting comments on the BP America Facebook page. Today, she asks that she remain anonymous out of what she described to Al Jazeera as “fear for my personal safety should the BP trolls find out that I am the whistleblower in this case”.

In internet slang, a troll is someone who sows online discord by starting arguments or upsetting people, often posting inflammatory messages in an online community, or even issuing physical threats.

Marie sought assistance from the Government Accountability Project (GAP) in Washington DC, and has produced boxes of documents and well-researched information that may show that the people harassing BP’s critics online worked for BP or Ogilvy.

“We’d been hearing of this kind of harassment by BP when we were working on our health project [in the Gulf of Mexico], so it sparked our interest,” GAP investigator Shanna Devine told Al Jazeera. “We saw Marie’s documentation of more serious threats made on the BP page, and decided to investigate.”

According to both Marie and Devine, some of the threats began on the page, but then escalated off the page.

Threats included identifying where somebody lived, an internet troll making reference to having a shotgun and making use of it, and “others just being more derogatory”, according to Devine. “We’ve seen all this documentation and that’s why we thought it was worth bringing to the ombudsman’s office of BP, and we told them we thought some of it even warranted calling the police about.”

Death Threats

“We have thousands of documents regarding communications posted through various Facebook websites,” said certified legal investigator Steve Lockman of Levin, Papantonio, Thomas, Mitchell, Rafferty & Proctor. “In addtion, we are in possession of communications between the federal government and the ombudsman’s office of BP regarding the [harassment] Internet communications, and the federal government requesting BP to control the harassment through their Facebook page and their interactions.”

“The harassment communications are not something that BP and their people are not aware of,” Lockman told Al Jazeera. “It’s not a hidden secret that the personal attacks, broadcast abuse, and type-written harassment were happening and continue to go on.”

Marie provided the firm and Al Jazeera with files of complaint letters, computer screenshots of the abuse, and a list of Facebook profiles used by the people who harassed her and others.

According to Marie, the harassment didn’t remain on the BP page. Trolls often followed users to their personal Facebook pages and continued to harass them there.”I was called a lot of names,” Marie added. “I was called a streetwalker and a lot of things like that, and eventually had gun threats.”

“They resorted to very demeaning methods of abuse,” Marie said. “They were racist, sexist, and threatened me and others with legal action and violence. They’ve insinuated that some commenters are ‘child molesters’, and have often used the tactic of mass reporting with the goal of having their targets completely removed from Facebook.”

One troll using the name “Griffin” makes several allusions to gun violence in order to distress and harass users, even going so far as to edit a photo of a BP critic’s pet bird into the crosshairs of a gunsight, before posting the photo online - along with photos of an arsenal of semi-automatic weapons.

Another instance occurred involving “Griffin” and an environmentalist who posted a picture of a rendition of Mother Earth saying “Mother Earth Has Been Waiting for Her Day in Court, BP”. “Griffin” posted a comment to the picture that read, “A few rounds from a .50 cal will stop that b**ch”.

According to Marie, Lockman and GAP, BP’s “astroturfing” efforts and use of “trolls” have been reported as pursuing users’ personal information, then tracking and posting IP addresses of users, contacting their employers, threatening to contact family members, and using photos of critics’ family members to create false Facebook profiles, and even threatening to affect the potential outcome of individual claims.

Marie, along with several other targets of harassment, wrote and sent two letters to BP America, asking the company to respond to the allegations and deal with the matter.  Neither letter received a response, which is why Marie decided to contact GAP, as well as the law firm.

While Marie’s evidence appears to tie Ogilvy and BP together via the trolls, the law firm Lockman works for is investigating further in order to conclusively determine the extent of BP’s involvement.

Spinning the Disaster

Stephen Marino worked for Ogilvy during the BP disaster. BP had been a client of Ogilvy for five years before the spill, and when the disaster occurred, “we were responsible for all the social media for BP during the spill”, Marino said during a lecture he gave at the University of Texas, Austin, on April 19, 2012.

His team, which he called the “digital influence team”, was “responsible for the crisis response”.  Marino told the audience that his job during the BP disaster was to run a ” reputation management campaign ” and gave this specific example of the depths to which Ogilvy worked to maintain a positive appearance for BP:

“We were putting out ads, if you guys remember those ads that came out where it would be Iris in the Gulf of Mexico and she’d be talking about how she grew up there and she wasn’t going to go away,” he explained . “The way we were working with the strategy on that was we would cut the ads one day, we would edit them overnight, we’d air them on Tuesday let’s say, and then we’d look at social media to see what the response was to the ads – and based upon the feedback we were getting on social media, the advertising agency would then go back and re-cut the ads to fix the message to make it resonate more with what the constituents wanted… that was the first key strategy.”

Chris Paulos, an attorney with the firm investigating Marie’s case, believes this is a perfect example of “subversive attempts by corporations to put forward their ideology of what we should think about them, and doing it in a way that is not decipherable to the average person”.

According to Paulos, the public should be concerned about this because we can no longer tell if people online are truly who they say they are, “or are working for a corporation and talking their script to control the dialogue about whatever issue they are addressing”.

“We are in unprecedented times with technology, and [in] the disparity between the power of corporations and autonomous consumers,” Paulos told Al Jazeera. ” Citizens United has basically emboldened corporations with their ability to speak as individuals with First Amendment rights. Ever since that decision, corporations have been outspoken and vigorously protecting themselves while doing it.”

BP’s Response

Billie Garde, BP’s deputy ombudsman, in a letter to the Government Accountability Project dated December 18, 2012, stated clearly that “BP America contracts management of its Facebook page to Ogilvy Public Relations” and added, “Ogilvy manages all of BP America’s social media matters”.

2013 1120-51

2013 1120-52

2013 1120-53

“According to BP America, Ogilvy has a group of 10 individuals in different time zones that perform comment screening of the page,” wrote Garde.

Interestingly, Garde’s letter addressed the fact that, at that time, according to Ogilvy’s data, 91 percent of all the comments on BP’s Facebook page were considered to be “unsupportive” of BP, while only nine percent were considered “supportive”.  She added that “i n previous years, the number of comments that were ‘unsupportive ‘ of BP was larger than the present 91 per cent “.

Her letter stated that Ogilvy follows a “three strike” policy for all comments, “meaning if they find a comment to be in violation of the commenting policy, they delete the comment and record a ‘strike’ against the user, and three strikes means a user is no longer able to comment on the page. It is also noted that Ogilvy will delete offending comments and send a note to the user indicating the comment was inappropriate”.

Garde added: “BP America has informed our office that Ogilvy strictly adheres to the Commenting Policy as stated on the BP America Facebook page. This policy serves as the guidelines that Ogilvy follows when evaluating the appropriateness of comments. Ogilvy does not evaluate a comment with respect to it being a positive or negative statement towards BP. Likewise, they do not delete any comments based on either of these qualifiers.”

According to Garde, BP America’s Director of Employee Concerns Oversight, Mike Wilson, was apprised of the situation. Wilson was provided examples of harassment and was asked if the examples were reviewed by Ogilvy. “The discussion is ongoing, and Mr Wilson is addressing these specific concerns internally, ” Garde added.

A BP spokesman provided the following statement for Al Jazeera: “The BP America Facebook page, and its moderators, do not endorse or dictate any user activity. All users’ comments and actions are their own. BP created the BP America Facebook page to engage the public in an informative conversation about our ongoing commitment to America and to facilitate constructive dialogue for any and all who wish to participate. No users are compensated for participating in the Facebook community. More information on our commenting policy can be found here .”

Marie, however, staunchly believes that BP is responsible for the pro-BP Facebook trolls.

“I have no doubt that they are, and I’ve found the links between the trolls and their friends who work for BP,” she told Al Jazeera. “The Government Accountability Project, through the inquiry they’re conducting for me, is still trying to find out. But we are being stonewalled on the other end, as far as BP doing some type of an internal investigation into these connections that I’ve uncovered.”

According to Marie, the harassment “almost ceased completely at around the same time GAP received Garde’s letter. I say ‘almost’ because at least two of the people who were involved in the prior harassment are still allowed to comment on BP’s page to this day, and [one of those] was still checking on people’s profiles to obtain their state of residence, and would use this against them on the page.”

“Terroristic Threats”

Lockman’s investigation continues, as do efforts of recovering additional documentation and sifting through information on hand that links the trolls to both BP and Ogilvy as well as other subcontracted companies used by BP as creative storytellers.

“The information we possess regarding Marie’s claims, printed out, fills two file boxes, and that does not include all the DVDs which are currently being duplicated at this time,” Lockman said. “It is an unbelievable amount of documentation that has been developed. This documentation, support materials, and information is coming from several different sources. It is like a spider web and we just got started.”

Al Jazeera asked the firm Lockman works for what the possible legal ramifications would be for the alleged actions of BP and Ogilvy.

“What these guys are doing is bordering on illegal,” Paulos told Al Jazeera. “Marie’s allegations are that these guys have made overt acts beyond what they did online, and it does sound like people who’ve been the victims of these actions believe they are in imminent danger of bodily harm, and that can become the basis for a claim of assault.”

Paulos went on to say that if money were involved, like if the threats made by the trolls were against people who had pending claims against BP, or offered to cease the harassment in exchange for funds or other benefits, “it can become a claim of extortion or fraud, depending on how the money is being used”.

Yet these are not the worst possible crimes.

“They [BP/Ogilvy] are obviously trying to silence folks who are opposed or critical of what they are doing,” Paulos claimed. “But it appears as though it has moved into threats that can be considered terroristic threats depending on the intent behind them, so there are a lot of laws they can be treading on, including stalking, and tortious interference with someone’s businesses. I understand they’ve called the workplaces of people on the websites, and depending on what’s being said that may become actionable under US civil law. So there are a lot of ways they could be breaching the law based on the intent of their communication and how that has been received.” Paulos believes Marie’s case is an example of how corporations such as BP use their money and power to take advantage of a lack of adequate legal regulations over the use of internet trolls and vigorous PR campaigns, and that this should give the general public pause.

“Marie’s story shows that corporations do not refrain from cyber-bullying, and they are doing it in a very aggressive fashion.”

Other Harassment

Linda Hooper Bui, an associate professor of entomology at Louisiana State University, experienced a different form of harassment from BP while working on a study about the impact of the oil disaster on spiders and insects.

“BP was desperately trying to control the science, and that was what I ran into,” Bui told Al Jazeera. According to her, BP’s chief science officer “tried to intimidate me”, and the harassment included BP “bullying my people” who were working in the field with her on her study that revealed how “insects and spiders in the oiled areas were completely decimated”.

While collecting data for the study, Bui and her colleagues regularly ran into problems with BP, she said.

“Local sheriffs working under the auspices of BP, as well as personnel with Wildlife and Fisheries, the US Coast Guard – all of these folks working under BP were preventing us from doing our job,” Bui explained. “We were barred from going into areas to collect data where we had previous data.”

Bui said personnel from the USCG, Fish and Wildlife, and even local sheriffs departments, always accompanied by BP staff, worked to prevent her from entering areas to collect data, confiscated her samples, and “if I’d refused to oblige they would have arrested me” – despite her having state permits to carry out her work.

Bui has also been harassed online, by what she thinks was “a BP troll”, but she remained primarily concerned about what BP was doing to block her science. Her frustration about this prompted her to write an opinion article for The New York Times , titled A Gulf Science Blackout .

That is when she received a call from BP.

“August 24, 2010, at 7:15am the morning my op-ed was published, I received a call from BP’s chief science officer who tried to get me to be quiet,” Bui said. “He said he’d solve my problem, and asked me how much money I needed.”

Bui explained to him she was only interested in being allowed to conduct her studies, and was not interested in working with BP, “that I was publishing science and it involved the entire scientific community”, and she never heard back from him.

She believes her method of dealing with the overall situation was a success. “When somebody starts to mess with me, I publicise it and say: ‘Don ‘ t f**k with me,’” she concluded. “And if you do, I’m going to go very public with it, and that’s what I did.”

BP did not respond to Al Jazeera for comment regarding her specific allegation.

GAP’s Shanna Devine told Al Jazeera she believes the onus is on BP to investigate the possibility that there is a connection between the harassment and Ogilvy and BP employees.

“But so far they’ve taken a very hands-off approach,” she explained. “They’ve not taken responsibility and they are not willing to share information with us. So if it’s through BP’s silence that the public is willing to draw their conclusions, I think that is legitimate.”

Hence, Devine concluded: “The BP America Facebook page is not a safe place to be.”

2013 1120-5aInternet troll “Griffin” here complains to Facebook that “D**” is a troll, making up fabrications about BP. “Griffin” posts a link to “D**”‘s profile page, next to a picture of a gun.

2013 1120-5bA second internet troll, “Ken Smith”, is understood to have taken a photo of “D**”‘s pet bird from the BP critic’s profile, printed it out, superimposed a rifle’s crosshairs upon the image – and shot it several times.

2013 1120-5c“Griffin”‘s profile, using an anonymised portrait, also features images of target practice. It is understood that his message has a threatening tone.

2013 1120-5d“Ken Smith”, who posted the previous image of a BP critic’s pet bird being used as target practice, here posts a picture of his considerable arsenal.

2013 1120-5e“Ken Smith” goes on to call BP critics “haters”, and one in particular a “drunken moron”.

2013 1120-5hOthers leave comments on BP America’s Facebook page supportive of the oil giant, claiming that scientists and others critical of the spill are attention-seeking drug users.

This piece was reprinted by Truthout with permission or license. It may not be reproduced in any form without permission or license from the source.

By DAHR JAMAIL

Dahr Jamail, a journalist for Al Jazeera’s Human Rights Department, is the author of “The Will to Resist: Soldiers Who Refuse to Fight in Iraq and Afghanistan,” (Haymarket Books, 2009), and “Beyond the Green Zone: Dispatches From an Unembedded Journalist in Occupied Iraq,” (Haymarket Books, 2007). Jamail reported from Iraq for more than a year, as well as from Lebanon, Syria, Jordan and Turkey over the last ten years, and has won the Martha Gellhorn Award for Investigative Journalism, among other awards.

Just 90 companies caused two-thirds of man-made global warming emissions (The Guardian)

Chevron, Exxon and BP among companies most responsible for climate change since dawn of industrial age, figures show

, US environment correspondent

theguardian.com, Wednesday 20 November 2013 16.07 GMT

 Sandbag’s report into the emergence of emissions trading in China : carbon pollutionOil, coal and gas companies are contributing to most carbon emissions, causing climate change and some are also funding denial campaigns. Photograph: David Gray/Reuters
The climate crisis of the 21st century has been caused largely by just 90 companies, which between them produced nearly two-thirds of the greenhouse gas emissions generated since the dawning of the industrial age, new research suggests.The companies range from investor-owned firms – household names such as Chevron, Exxon and BP – to state-owned and government-run firms.The analysis, which was welcomed by the former vice-president Al Goreas a “crucial step forward” found that the vast majority of the firms were in the business of producing oil, gas or coal, found the analysis, which has been accepted for publication in the journal Climatic Change.”There are thousands of oil, gas and coal producers in the world,” climate researcher and author Richard Heede at the Climate Accountability Institute in Colorado said. “But the decision makers, the CEOs, or the ministers of coal and oil if you narrow it down to just one person, they could all fit on a Greyhound bus or two.”Half of the estimated emissions were produced just in the past 25 years – well past the date when governments and corporations became aware that rising greenhouse gas emissions from the burning of coal and oil were causing dangerous climate change.Many of the same companies are also sitting on substantial reserves of fossil fuel which – if they are burned – puts the world at even greater risk of dangerous climate change.Climate change experts said the data set was the most ambitious effort so far to hold individual carbon producers, rather than governments, to account.The United Nations climate change panel, the IPCC, warned in September that at current rates the world stood within 30 years of exhausting its “carbon budget” – the amount of carbon dioxide it could emit without going into the danger zone above 2C warming. The former US vice-president and environmental champion, Al Gore, said the new carbon accounting could re-set the debate about allocating blame for the climate crisis.Leaders meeting in Warsaw for the UN climate talks this week clashed repeatedly over which countries bore the burden for solving the climate crisis – historic emitters such as America or Europe or the rising economies of India and China.Gore in his comments said the analysis underlined that it should not fall to governments alone to act on climate change.”This study is a crucial step forward in our understanding of the evolution of the climate crisis. The public and private sectors alike must do what is necessary to stop global warming,” Gore told the Guardian. “Those who are historically responsible for polluting our atmosphere have a clear obligation to be part of the solution.”Between them, the 90 companies on the list of top emitters produced 63% of the cumulative global emissions of industrial carbon dioxide and methane between 1751 to 2010, amounting to about 914 gigatonne CO2 emissions, according to the research. All but seven of the 90 wereenergy companies producing oil, gas and coal. The remaining seven were cement manufacturers.The list of 90 companies included 50 investor-owned firms – mainly oil companies with widely recognised names such as Chevron, Exxon, BP , and Royal Dutch Shell and coal producers such as British Coal Corp, Peabody Energy and BHP Billiton.Some 31 of the companies that made the list were state-owned companies such as Saudi Arabia’s Saudi Aramco, Russia’s Gazprom and Norway’s Statoil.Nine were government run industries, producing mainly coal in countries such as China, the former Soviet Union, North Korea and Poland, the host of this week’s talks.Experts familiar with Heede’s research and the politics of climate change said they hoped the analysis could help break the deadlock in international climate talks.”It seemed like maybe this could break the logjam,” said Naomi Oreskes, professor of the history of science at Harvard. “There are all kinds of countries that have produced a tremendous amount of historical emissions that we do not normally talk about. We do not normally talk about Mexico or Poland or Venezuela. So then it’s not just rich v poor, it is also producers v consumers, and resource rich v resource poor.”Michael Mann, the climate scientist, said he hoped the list would bring greater scrutiny to oil and coal companies’ deployment of their remaining reserves. “What I think could be a game changer here is the potential for clearly fingerprinting the sources of those future emissions,” he said. “It increases the accountability for fossil fuel burning. You can’t burn fossil fuels without the rest of the world knowing about it.”Others were less optimistic that a more comprehensive accounting of the sources of greenhouse gas emissions would make it easier to achieve the emissions reductions needed to avoid catastrophic climate change.John Ashton, who served as UK’s chief climate change negotiator for six years, suggested that the findings reaffirmed the central role of fossil fuel producing entities in the economy.”The challenge we face is to move in the space of not much more than a generation from a carbon-intensive energy system to a carbonneutral energy system. If we don’t do that we stand no chance of keeping climate change within the 2C threshold,” Ashton said.”By highlighting the way in which a relatively small number of large companies are at the heart of the current carbon-intensive growth model, this report highlights that fundamental challenge.”Meanwhile, Oreskes, who has written extensively about corporate-funded climate denial, noted that several of the top companies on the list had funded the climate denial movement.”For me one of the most interesting things to think about was the overlap of large scale producers and the funding of disinformation campaigns, and how that has delayed action,” she said.The data represents eight years of exhaustive research into carbon emissions over time, as well as the ownership history of the major emitters.The companies’ operations spanned the globe, with company headquarters in 43 different countries. “These entities extract resources from every oil, natural gas and coal province in the world, and process the fuels into marketable products that are sold to consumers on every nation on Earth,” Heede writes in the paper.The largest of the investor-owned companies were responsible for an outsized share of emissions. Nearly 30% of emissions were produced just by the top 20 companies, the research found.By Heede’s calculation, government-run oil and coal companies in the former Soviet Union produced more greenhouse gas emissions than any other entity – just under 8.9% of the total produced over time. China came a close second with its government-run entities accounting for 8.6% of total global emissions.ChevronTexaco was the leading emitter among investor-owned companies, causing 3.5% of greenhouse gas emissions to date, with Exxon not far behind at 3.2%. In third place, BP caused 2.5% of global emissions to date.The historic emissions record was constructed using public records and data from the US department of energy’s Carbon Dioxide Information and Analysis Centre, and took account of emissions all along the supply chain.The centre put global industrial emissions since 1751 at 1,450 gigatonnes.

Mosquitos transgênicos no céu do sertão (Agência Pública)

Saúde

10/10/2013 – 10h36

por Redação da Agência Pública

armadilhas 300x199 Mosquitos transgênicos no céu do sertão

As armadilhas são instrumentos instalados nas casas de alguns moradores da área do experimento. As ovitrampas, como são chamadas, fazem as vezes de criadouros para as fêmeas. Foto: Coletivo Nigéria

Com a promessa de reduzir a dengue, biofábrica de insetos transgênicos já soltou 18 milhões de mosquitos Aedes aegypti no interior da Bahia. Leia a história e veja o vídeo.

No começo da noite de uma quinta-feira de setembro, a rodoviária de Juazeiro da Bahia era o retrato da desolação. No saguão mal iluminado, funcionavam um box cuja especialidade é caldo de carne, uma lanchonete de balcão comprido, ornado por salgados, biscoitos e batata chips, e um único guichê – com perturbadoras nuvens de mosquitos sobre as cabeças de quem aguardava para comprar passagens para pequenas cidades ou capitais nordestinas.

Assentada à beira do rio São Francisco, na fronteira entre Pernambuco e Bahia, Juazeiro já foi uma cidade cortada por córregos, afluentes de um dos maiores rios do país. Hoje, tem mais de 200 mil habitantes, compõe o maior aglomerado urbano do semiárido nordestino ao lado de Petrolina – com a qual soma meio milhão de pessoas – e é infestada por muriçocas (ou pernilongos, se preferir). Os cursos de água que drenavam pequenas nascentes viraram esgotos a céu aberto, extensos criadouros do inseto, tradicionalmente combatidos com inseticida e raquete elétrica, ou janelas fechadas com ar condicionado para os mais endinheirados.

Mas os moradores de Juazeiro não espantam só muriçocas nesse início de primavera. A cidade é o centro de testes de uma nova técnica científica que utiliza Aedes aegypti transgênicos para combater a dengue, doença transmitida pela espécie. Desenvolvido pela empresa britânica de biotecnologia Oxitec, o método consiste basicamente na inserção de um gene letal nos mosquitos machos que, liberados em grande quantidade no meio ambiente, copulam com as fêmeas selvagens e geram uma cria programada para morrer. Assim, se o experimento funcionar, a morte prematura das larvas reduz progressivamente a população de mosquitos dessa espécie.

A técnica é a mais nova arma para combater uma doença que não só resiste como avança sobre os métodos até então empregados em seu controle. A Organização Mundial de Saúde estima que possam haver de 50 a 100 milhões de casos de dengue por ano no mundo. No Brasil, a doença é endêmica, com epidemias anuais em várias cidades, principalmente nas grandes capitais. Em 2012, somente entre os dias 1º de janeiro e 16 de fevereiro, foram registrados mais de 70 mil casos no país. Em 2013, no mesmo período, o número praticamente triplicou, passou para 204 mil casos. Este ano, até agora, 400 pessoas já morreram de dengue no Brasil.

Em Juazeiro, o método de patente britânica é testado pela organização social Moscamed, que reproduz e libera ao ar livre os mosquitos transgênicos desde 2011. Na biofábrica montada no município e que tem capacidade para produzir até 4 milhões de mosquitos por semana, toda cadeia produtiva do inseto transgênico é realizada – exceção feita à modificação genética propriamente dita, executada nos laboratórios da Oxitec, em Oxford. Larvas transgênicas foram importadas pela Moscamed e passaram a ser reproduzidas nos laboratórios da instituição.

Os testes desde o início são financiados pela Secretaria da Saúde da Bahia – com o apoio institucional da secretaria de Juazeiro – e no último mês de julho se estenderam ao município de Jacobina, na extremidade norte da Chapada Diamantina. Na cidade serrana de aproximadamente 80 mil habitantes, a Moscamed põe à prova a capacidade da técnica de “suprimir” (a palavra usada pelos cientistas para exterminar toda a população de mosquitos) o Aedes aegypti em toda uma cidade, já que em Juazeiro a estratégia se mostrou eficaz, mas limitada por enquanto a dois bairros.

“Os resultados de 2011 e 2012 mostraram que [a técnica] realmente funcionava bem. E a convite e financiados pelo Governo do Estado da Bahia resolvemos avançar e irmos pra Jacobina. Agora não mais como piloto, mas fazendo um teste pra realmente eliminar a população [de mosquitos]”, fala Aldo Malavasi, professor aposentado do Departamento de Genética do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e atual presidente da Moscamed. A USP também integra o projeto.

Malavasi trabalha na região desde 2006, quando a Moscamed foi criada para combater uma praga agrícola, a mosca-das-frutas, com técnica parecida – a Técnica do Inseto Estéril. A lógica é a mesma: produzir insetos estéreis para copular com as fêmeas selvagens e assim reduzir gradativamente essa população. A diferença está na forma como estes insetos são esterilizados. Ao invés de modificação genética, radiação. A TIE é usada largamente desde a década de 1970, principalmente em espécies consideradas ameaças à agricultura. O problema é que até agora a tecnologia não se adequava a mosquitos como o Aedes aegypti, que não resistiam de forma satisfatória à radiação

O plano de comunicação

As primeiras liberações em campo do Aedes transgênico foram realizadas nas Ilhas Cayman, entre o final de 2009 e 2010. O território britânico no Caribe, formado por três ilhas localizadas ao Sul de Cuba, se mostrou não apenas um paraíso fiscal (existem mais empresas registradas nas ilhas do que seus 50 mil habitantes), mas também espaço propício para a liberação dos mosquitos transgênicos, devido à ausência de leis de biossegurança. As Ilhas Cayman não são signatárias do Procolo de Cartagena, o principal documento internacional sobre o assunto, nem são cobertas pela Convenção de Aarthus – aprovada pela União Europeia e da qual o Reino Unido faz parte – que versa sobre o acesso à informação, participação e justiça nos processos de tomada de decisão sobre o meio ambiente.

Ao invés da publicação e consulta pública prévia sobre os riscos envolvidos no experimento, como exigiriam os acordos internacionais citados, os cerca de 3 milhões de mosquitos soltos no clima tropical das Ilhas Cayman ganharam o mundo sem nenhum processo de debate ou consulta pública. A autorização foi concedida exclusivamente pelo Departamento de Agricultura das Ilhas. Parceiro local da Oxitec nos testes, a Mosquito Research & Control Unit (Unidade de Pesquisa e Controle de Mosquito) postou um vídeo promocional sobre o assunto apenas em outubro de 2010, ainda assim sem mencionar a natureza transgênica dos mosquitos. O vídeo foi divulgado exatamente um mês antes da apresentação dos resultados dos experimentos pela própria Oxitec no encontro anual daAmerican Society of Tropical Medicine and Hygiene (Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene), nos Estados Unidos.

A comunidade científica se surpreendeu com a notícia de que as primeiras liberações no mundo de insetos modificados geneticamente já haviam sido realizadas, sem que os próprios especialistas no assunto tivessem conhecimento. A surpresa se estendeu ao resultado: segundo os dados da Oxitec, os experimentos haviam atingido 80% de redução na população de Aedes aegypti nas Ilhas Cayman. O número confirmava para a empresa que a técnica criada em laboratório poderia ser de fato eficiente. Desde então, novos testes de campo passaram a ser articulados em outros países – notadamente subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, com clima tropical e problemas históricos com a dengue.

Depois de adiar testes semelhantes em 2006, após protestos, a Malásia se tornou o segundo país a liberar os mosquitos transgênicos entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011. Seis mil mosquitos foram soltos num área inabitada do país. O número, bem menor em comparação ao das Ilhas Cayman, é quase insignificante diante da quantidade de mosquitos que passou a ser liberada em Juazeiro da Bahia a partir de fevereiro de 2011. A cidade, junto com Jacobina mais recentemente, se tornou desde então o maior campo de testes do tipo no mundo, com mais de 18 milhões de mosquitos já liberados, segundo números da Moscamed.

“A Oxitec errou profundamente, tanto na Malásia quanto nas Ilhas Cayman. Ao contrário do que eles fizeram, nós tivemos um extenso trabalho do que a gente chama de comunicação pública, com total transparência, com discussão com a comunidade, com visita a todas as casas. Houve um trabalho extraordinário aqui”, compara Aldo Malavasi.

Em entrevista por telefone, ele fez questão de demarcar a independência da Moscamed diante da Oxitec e ressaltou a natureza diferente das duas instituições. Criada em 2006, a Moscamed é uma organização social, sem fins lucrativos portanto, que se engajou nos testes do Aedes aegypti transgênico com o objetivo de verificar a eficácia ou não da técnica no combate à dengue. Segundo Malavasi, nenhum financiamento da Oxitec foi aceito por eles justamente para garantir a isenção na avaliação da técnica. “Nós não queremos dinheiro deles, porque o nosso objetivo é ajudar o governo brasileiro”, resume.

Em favor da transparência, o programa foi intitulado “Projeto Aedes Transgênico” (PAT), para trazer já no nome a palavra espinhosa. Outra determinação de ordem semântica foi o não uso do termo “estéril”, corrente no discurso da empresa britânica, mas empregada tecnicamente de forma incorreta, já que os mosquitos produzem crias, mas geram prole programada para morrer no estágio larval. Um jingle pôs o complexo sistema em linguagem popular e em ritmo de forró pé-de-serra. E o bloco de carnaval “Papa Mosquito” saiu às ruas de Juazeiro no Carnaval de 2011.

No âmbito institucional, além do custeio pela Secretaria de Saúde estadual, o programa também ganhou o apoio da Secretaria de Saúde de Juazeiro da Bahia. “De início teve resistência, porque as pessoas também não queriam deixar armadilhas em suas casas, mas depois, com o tempo, elas entenderam o projeto e a gente teve uma boa aceitação popular”, conta o enfermeiro sanitarista Mário Machado, diretor de Promoção e Vigilância à Saúde da secretaria.

As armadilhas, das quais fala Machado, são simples instrumentos instalados nas casas de alguns moradores da área do experimento. As ovitrampas, como são chamadas, fazem as vezes de criadouros para as fêmeas. Assim é possível colher os ovos e verificar se eles foram fecundados por machos transgênicos ou selvagens. Isso também é possível porque os mosquitos geneticamente modificados carregam, além do gene letal, o fragmento do DNA de uma água-viva que lhe confere uma marcação fluorescente, visível em microscópios.

Desta forma, foi possível verificar que a redução da população de Aedes aegypti selvagem atingiu, segundo a Moscamed, 96% em Mandacaru – um assentamento agrícola distante poucos quilômetros do centro comercial de Juazeiro que, pelo isolamento geográfico e aceitação popular, se transformou no local ideal para as liberações. Apesar do número, a Moscamed continua com liberações no bairro. Devido à breve vida do mosquito (a fêmea vive aproximadamente 35 dias), a soltura dos insetos precisa continuar para manter o nível da população selvagem baixo. Atualmente, uma vez por semana um carro deixa a sede da organização com 50 mil mosquitos distribuídos aos milhares em potes plásticos que serão abertos nas ruas de Mandacaru.

“Hoje a maior aceitação é no Mandacaru. A receptividade foi tamanha que a Moscamed não quer sair mais de lá”, enfatiza Mário Machado.

O mesmo não aconteceu com o bairro de Itaberaba, o primeiro a receber os mosquitos no começo de 2011. Nem mesmo o histórico alto índice de infecção pelo Aedes aegypti fez com que o bairro periférico juazeirense, vizinho à sede da Moscamed, aceitasse de bom grado o experimento. Mário Machado estima “em torno de 20%” a parcela da população que se opôs aos testes e pôs fim às liberações.

“Por mais que a gente tente informar, ir de casa em casa, de bar em bar, algumas pessoas desacreditam: ‘Não, vocês estão mentindo pra gente, esse mosquito tá picando a gente’”, resigna-se.

Depois de um ano sem liberações, o mosquito parece não ter deixado muitas lembranças por ali. Em uma caminhada pelo bairro, quase não conseguimos encontrar alguém que soubesse do que estávamos falando. Não obstante, o nome de Itaberaba correu o mundo ao ser divulgado pela Oxitec que o primeiro experimento de campo no Brasil havia atingido 80% de redução na população de mosquitos selvagens.

Supervisora de campo da Moscamed, a bióloga Luiza Garziera foi uma das que foram de casa em casa explicando o processo, por vezes contornando o discurso científico para se fazer entender. “Eu falava que a gente estaria liberando esses mosquitos, que a gente liberava somente o macho, que não pica. Só quem pica é a fêmea. E que esses machos quando ‘namoram’ – porque a gente não pode falar às vezes de ‘cópula’ porque as pessoas não vão entender. Então quando esses machos namoram com a fêmea, os seus filhinhos acabam morrendo”.

Este é um dos detalhes mais importantes sobre a técnica inédita. Ao liberar apenas machos, numa taxa de 10 transgênicos para 1 selvagem, a Moscamed mergulha as pessoas numa nuvem de mosquitos, mas garante que estes não piquem aqueles. Isto acontece porque só a fêmea se alimenta de sangue humano, líquido que fornece as proteínas necessárias para sua ovulação.

A tecnologia se encaixa de forma convincente e até didática – talvez com exceção da “modificação genética”, que requer voos mais altos da imaginação. No entanto, ainda a ignorância sobre o assunto ainda campeia em considerável parcela dos moradores ouvidos para esta reportagem. Quando muito, sabe-se que se trata do extermínio do mosquito da dengue, o que é naturalmente algo positivo. No mais, ouviu-se apenas falar ou arrisca-se uma hipótese que inclua a, esta sim largamente odiada, muriçoca.

A avaliação dos riscos

Apesar da campanha de comunicação da Moscamed, a ONG britânica GeneWatch aponta uma série de problemas no processo brasileiro. O principal deles, o fato do relatório de avaliação de riscos sobre o experimento não ter sido disponibilizado ao público antes do início das liberações. Pelo contrário, a pedido dos responsáveis pelo Programa Aedes Transgênico, o processo encaminhado à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio, órgão encarregado de autorizar ou não tais experimentos) foi considerado confidencial.

“Nós achamos que a Oxitec deve ter o consentimento plenamente informado da população local, isso significa que as pessoas precisam concordar com o experimento. Mas para isso elas precisam também ser informadas sobre os riscos, assim como você seria se estivesse sendo usado para testar um novo medicamento contra o câncer ou qualquer outro tipo de tratamento”, comentou, em entrevista por Skype, Helen Wallace, diretora executiva da organização não governamental.

Especialista nos riscos e na ética envolvida nesse tipo de experimento, Helen publicou este ano o relatório Genetically Modified Mosquitoes: Ongoing Concerns (“Mosquitos Geneticamente Modificados: atuais preocupações”), que elenca em 13 capítulos o que considera riscos potenciais não considerados antes de se autorizar a liberação dos mosquitos transgênicos. O documento também aponta falhas na condução dos experimentos pela Oxitec.

Por exemplo, após dois anos das liberações nas Ilhas Cayman, apenas os resultados de um pequeno teste haviam aparecido numa publicação científica. No começo de 2011, a empresa submeteu os resultados do maior experimento nas Ilhas à revista Science, mas o artigo não foi publicado. Apenas em setembro do ano passado o texto apareceu em outra revista, a Nature Biotechnology, publicado como “correspondência” – o que significa que não passou pela revisão de outros cientistas, apenas pela checagem do próprio editor da publicação.

Para Helen Wallace, a ausência de revisão crítica dos pares científicos põe o experimento da Oxitec sob suspeita. Mesmo assim, a análise do artigo, segundo o documento, sugere que a empresa precisou aumentar a proporção de liberação de mosquitos transgênicos e concentrá-los em uma pequena área para que atingisse os resultados esperados. O mesmo teria acontecido no Brasil, em Itaberaba. Os resultados do teste no Brasil também ainda não foram publicados pela Moscamed. O gerente do projeto, Danilo Carvalho, informou que um dos artigos já foi submetido a uma publicação e outro está em fase final de escrita.

Outro dos riscos apontados pelo documento está no uso comum do antibiótico tetraciclina. O medicamento é responsável por reverter o gene letal e garantir em laboratório a sobrevivência do mosquito geneticamente modificado, que do contrário não chegaria à fase adulta. Esta é a diferença vital entre a sorte dos mosquitos reproduzidos em laboratório e a de suas crias, geradas no meio ambiente a partir de fêmeas selvagens – sem o antibiótico, estão condenados à morte prematura.

A tetraciclina é comumente empregada nas indústrias da pecuária e da aquicultura, que despejam no meio ambiente grandes quantidades da substância através de seus efluentes. O antibiótico também é largamente usado na medicina e na veterinária. Ou seja, ovos e larvas geneticamente modificados poderiam entrar em contato com o antibiótico mesmo em ambientes não controlados e assim sobreviverem. Ao longo do tempo, a resistência dos mosquitos transgênicos ao gene letal poderia neutralizar seu efeito e, por fim, teríamos uma nova espécie geneticamente modificada adaptada ao meio ambiente.

laboratorio 300x186 Mosquitos transgênicos no céu do sertãoA hipótese é tratada com ceticismo pela Oxitec, que minimiza a possibilidade disto acontecer no mundo real. No entanto, documento confidencial tornado público mostra que a hipótese se mostrou, por acaso, real nos testes de pesquisador parceiro da empresa. Ao estranhar uma taxa de sobrevivência das larvas sem tetraciclina de 15% – bem maior que os usuais 3% contatos pelos experimentos da empresa –, os cientistas da Oxitec descobriram que a ração de gato com a qual seus parceiros estavam alimentando os mosquitos guardava resquícios do antibiótico, que é rotineiramente usado para tratar galinhas destinadas à ração animal.

O relatório da GeneWatch chama atenção para a presença comum do antibiótico em dejetos humanos e animais, assim como em sistemas de esgotamento doméstico, a exemplo de fossas sépticas. Isto caracterizaria um risco potencial, já que vários estudos constataram a capacidade do Aedes aegypti se reproduzir em águas contaminadas – apesar de isso ainda não ser o mais comum, nem acontecer ainda em Juazeiro, segundo a Secretaria de Saúde do município.

Além disso, há preocupações quanto a taxa de liberação de fêmeas transgênicas. O processo de separação das pupas (último estágio antes da vida adulta) é feito de forma manual, com a ajuda de um aparelho que reparte os gêneros pelo tamanho (a fêmea é ligeiramente maior). Uma taxa de 3% de fêmeas pode escapar neste processo, ganhando a liberdade e aumentando os riscos envolvidos. Por último, os experimentos ainda não verificaram se a redução na população de mosquitos incide diretamente na transmissão da dengue.

Todas as críticas são rebatidas pela Oxitec e pela Moscamed, que dizem manter um rigoroso controle de qualidade – como o monitoramento constante da taxa de liberação de fêmeas e da taxa de sobrevivências das larvas sem tetraciclina. Desta forma, qualquer sinal de mutação do mosquito seria detectado a tempo de se suspender o programa. Ao final de aproximadamente um mês, todos os insetos liberados estariam mortos. Os mosquitos, segundo as instituições responsáveis, também não passam os genes modificados mesmo que alguma fêmea desgarrada pique um ser humano.

Mosquito transgênico à venda

Em julho passado, depois do êxito dos testes de campo em Juazeiro, a Oxitec protocolou a solicitação de licença comercial na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Desde o final de 2012, a empresa britânica possui CNPJ no país e mantém um funcionário em São Paulo. Mais recentemente, com os resultados promissores dos experimentos em Juazeiro, alugou um galpão em Campinas e está construindo o que será sua sede brasileira. O país representa hoje seu mais provável e iminente mercado, o que faz com que o diretor global de desenvolvimento de negócios da empresa, Glen Slade, viva hoje numa ponte aérea entre Oxford e São Paulo.

“A Oxitec está trabalhando desde 2009 em parceria com a USP e Moscamed, que são parceiros bons e que nos deram a oportunidade de começar projetos no Brasil. Mas agora acabamos de enviar nosso dossiê comercial à CTNBio e esperamos obter um registro no futuro, então precisamos aumentar nossa equipe no país. Claramente estamos investindo no Brasil. É um país muito importante”, disse Slade numa entrevista por Skype da sede na Oxitec, em Oxford, na Inglaterra.

A empresa de biotecnologia é uma spin-out da universidade britânica, o que significa dizer que a Oxitec surgiu dos laboratórios de uma das mais prestigiadas universidades do mundo. Fundada em 2002, desde então vem captando investimentos privados e de fundações sem fins lucrativos, tais como a Bill & Melinda Gates, para bancar o prosseguimento das pesquisas. Segundo Slade, mais de R$ 50 milhões foram gastos nesta última década no aperfeiçoamento e teste da tecnologia.

O executivo espera que a conclusão do trâmite burocrático para a concessão da licença comercial aconteça ainda próximo ano, quando a sede brasileira da Oxitec estará pronta, incluindo uma nova biofábrica. Já em contato com vários municípios do país, o executivo prefere não adiantar nomes. Nem o preço do serviço, que provavelmente será oferecido em pacotes anuais de controle da população de mosquitos, a depender o orçamento do número de habitantes da cidade.

“Nesse momento é difícil dar um preço. Como todos os produtos novos, o custo de produção é mais alto quando a gente começa do que a gente gostaria. Acho que o preço vai ser um preço muito razoável em relação aos benefícios e aos outros experimentos para controlar o mosquito, mas muito difícil de dizer hoje. Além disso, o preço vai mudar segundo a escala do projeto. Projetos pequenos não são muito eficientes, mas se tivermos a oportunidade de controlar os mosquitos no Rio de Janeiro todo, podemos trabalhar em grande escala e o preço vai baixar”, sugere.

A empresa pretende também instalar novas biofábricas nas cidades que receberem grandes projetos, o que reduzirá o custo a longo prazo, já que as liberações precisam ser mantidas indefinidamente para evitar o retorno dos mosquitos selvagens. A velocidade de reprodução do Aedes aegypti é uma preocupação. Caso seja cessado o projeto, a espécie pode recompor a população em poucas semanas.

“O plano da empresa é conseguir pagamentos repetidos para a liberação desses mosquitos todo ano. Se a tecnologia deles funcionar e realmente reduzir a incidência de dengue, você não poderá suspender estas liberações e ficará preso dentro desse sistema. Uma das maiores preocupações a longo prazo é que se as coisas começarem a dar errado, ou mesmo se tornarem menos eficientes, você realmente pode ter uma situação pior ao longo de muitos anos”, critica Helen Wallace.

O risco iria desde a redução da imunidade das pessoas à doença, até o desmantelamento de outras políticas públicas de combate à dengue, como as equipes de agentes de saúde. Apesar de tanto a Moscamed quanto a própria secretaria de Saúde de Juazeiro enfatizarem a natureza complementar da técnica, que não dispensaria os outros métodos de controle, é plausível que hajam conflitos na alocação de recursos para a área. Hoje, segundo Mário Machado da secretaria de Saúde, Juazeiro gasta em média R$ 300 mil por mês no controle de endemias, das quais a dengue é a principal.

A secretaria negocia com a Moscamed a ampliação do experimento para todo o município ou mesmo para toda a região metropolitana formada por Juazeiro e Petrolina – um teste que cobriria meio milhão pessoas –, para assim avaliar a eficácia em grandes contingentes populacionais. De qualquer forma e apesar do avanço das experiências, nem a organização social brasileira nem a empresa britânica apresentaram estimativas de preço pra uma possível liberação comercial.

“Ontem nós estávamos fazendo os primeiros estudos, pra analisar qual é o preço deles, qual o nosso. Porque eles sabem quanto custa o programa deles, que não é barato, mas não divulgam”, disse Mário Machado.

Em reportagem do jornal britânico The Observer de julho do ano passado, a Oxitec estimou o custo da técnica em “menos de” £6 libras esterlinas por pessoa por ano. Num cálculo simples, apenas multiplicando o número pela contação atual da moeda britânia frente ao real e desconsiderando as inúmeras outras variáveis dessa conta, o projeto em uma cidade de 150 mil habitantes custaria aproximadamente R$ 3,2 milhões por ano.

Se imaginarmos a quantidade de municípios de pequeno e médio porte brasileiros em que a dengue é endêmica, chega-se a pujança do mercado que se abre – mesmo desconsiderando por hora os grandes centros urbanos do país, que extrapolariam a capacidade atual da técnica. Contudo, este é apenas uma fatia do negócio. A Oxitec também possui uma série de outros insetos transgênicos, estes destinados ao controle de pragas agrícolas e que devem encontrar campo aberto no Brasil, um dos gigantes do agronegócio no mundo.

Aguardando autorização da CTNBio, a Moscamed já se preparara para testar a mosca-das-frutas transgênica, que segue a mesma lógica do Aedes aegypti. Além desta, a Oxitec tem outras 4 espécies geneticamente modificadas que poderão um dia serem testadas no Brasil, a começar por Juazeiro e o Vale do São Francisco. A região é uma das maiores produtoras de frutas frescas para exportação do país. 90% de toda uva e manga exportadas no Brasil saem daqui. Uma produção que requer o combate incessante às pragas. Nas principais avenidas de Juazeiro e Petrolina, as lojas de produtos agrícolas e agrotóxicos se sucedem, variando em seus totens as logos das multinacionais do ramo.

“Não temos planos concretos [além da mosca-das-frutas], mas, claro, gostaríamos muito de ter a oportunidade de fazer ensaios com esses produtos também. O Brasil tem uma indústria agrícola muito grande. Mas nesse momento nossa prioridade número 1 é o mosquito da dengue. Então uma vez que tivermos este projeto com recursos bastante, vamos tentar acrescentar projetos na agricultura.”, comentou Slade.

Ele e vários de seus colegas do primeiro escalão da empresa já trabalharam numa das gigantes do agronegócio, a Syngenta. O fato, segundo Helen Wallace, é um dos revelam a condição do Aedes aegypti transgênico de pioneiro de todo um novo mercado de mosquitos geneticamente modificados: “Nos achamos que a Syngenta está principalmente interessada nas pragas agrícolas. Um dos planos que conhecemos é a proposta de usar pragas agrícolas geneticamente modificadas junto com semestres transgênicas para assim aumentar a resistências destas culturas às pragas”.

“Não tem nenhum relacionamento entre Oxitec e Syngenta dessa forma. Talvez tenhamos possibilidade no futuro de trabalharmos juntos. Eu pessoalmente tenho o interesse de buscar projetos que possamos fazer com Syngenta, Basf ou outras empresas grandes da agricultura”, esclarece Glen Slade.

Em 2011, a indústria de agrotóxicos faturou R$14,1 bilhões no Brasil. Maior mercado do tipo no mundo, o país pode nos próximos anos inaugurar um novo estágio tecnológico no combate às pestes. Assim como na saúde coletiva, com o Aedes aegypti transgênico, que parece ter um futuro comercial promissor. Todavia, resta saber como a técnica conviverá com as vacinas contra o vírus da dengue, que estão em fase final de testes – uma desenvolvida por um laboratório francês, outra pelo Instituto Butantan, de São Paulo. As vacinas devem chegar ao público em 2015. O mosquito transgênico, talvez já próximo ano.

Dentre as linhagens de mosquitos transgênicos, pode surgir também uma versão nacional. Como confirmou a professora Margareth de Lara Capurro-Guimarães, do Departamento de Parasitologia da USP e coordenadora do Programa Aedes Transgênico, já está sob estudo na universidade paulista a muriçoca transgênica. Outra possível solução tecnológica para um problema de saúde pública em Juazeiro da Bahia – uma cidade na qual, segundo levantamento do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) de 2011, a rede de esgoto só atende 67% da população urbana.

* Publicado originalmente no site Agência Pública.

(Agência Pública)

Explosive Dynamic Behavior On Twitter and in the Financial Market (Science Daily)

Oct. 7, 2013 — Over the past 10 years, social media has changed the way that people influence each other. By analysing data from the social networking service, Twitter, and stock trading in the financial market, researchers from the Niels Bohr Institute have shown that events in society bring rise to common behaviour among large groups of people who do not otherwise know each other The analysis shows that there are common features in user activity on Twitter and in stock market transactions in the financial market.

The results are published in the scientific journal, PNAS, Proceedings of the National Academy of Sciences.

The figure shows how often the international brands IBM, Pepsi and Toyota have been mentioned during a five-week period on Twitter. The activity is during long periods relatively steady and is then interrupted by sudden activity spikes. The research from NBI shows that there are common features in user activity on Twitter and in stock market transactions in the financial market. (Credit: Niels Bohr Institute)

“The whole idea of the study is to understand how social networks function. The strength of using the popular social media, Twitter, is that they are more than 200 million users worldwide, who write short messages about immediate experiences and impressions. This means that you can directly study human behaviour in crowds on the web. Twitter can be seen as a global social sensor,” explains Joachim Mathiesen, Associate Professor of physics at the Niels Bohr Institute at the University of Copenhagen.

Dynamic Twitter behaviour

Joachim Mathiesen developed a programme that could follow the use of Twitter constantly. He could see that there were periods with relatively steady activity and then there would be a very abrupt and intense upswing in activity. Suddenly there was an event that everyone had to respond to and there was an explosion in the amount of online activity.

“There arises a collective behaviour between people who otherwise do not know each other, but who are coupled together via events in society,” explains Joachim Mathiesen.

The analysis also took into account how frequently approximately 100 international brands, like Pepsi, IBM, Apple, Nokia, Toyota, etc. occurred in messages on Twitter. Here too, the level is characterised by days of steady activity, which is interrupted by sudden, but brief explosions of activity.

“Something happens that encourages people to write on Twitter, and suddenly the activity explodes. This is a kind of horde behaviour that is driven by an external even and gets crowds to react,” says Joachim Mathiesen.

But why is a physicist concerning himself with social behaviour?

“As physicists, we are good at understanding large amounts of complex data and we can create systems in this sea of coincidences. Complex systems are seen in many contexts and are simply learning about human behaviour in large social groups,” he explains.

The model calculations shed light on the statistical properties of large-scale user activity on Twitter and the underlying contexts. Similarly, he analysed the fluctuations in the activity of trading shares on the financial market.

“We saw prolonged intervals with steady activity, after which there was sudden and almost earthquake like activity. An even starts an avalanche in the trading. Statistically, we see the same characteristic horde behaviour in the financial markets as we do on Twitter, so the two social systems are not that different,” concludes Joachim Mathiesen.

Journal Reference:

  1. J. Mathiesen, L. Angheluta, P. T. H. Ahlgren, M. H. Jensen.Excitable human dynamics driven by extrinsic events in massive communitiesProceedings of the National Academy of Sciences, 2013; DOI: 10.1073/pnas.1304179110

As causas da grande mobilização indígena (Outras Palavras)

Ambiente

07/10/2013 – 11h49

por Marcelo Degrazia*

 As causas da grande mobilização indígena

Quais os projetos de mineradoras, madeireiras e ruralistas para avançar sobre territórios e direitos dos índios. Como tramitam, em silêncio, no Congresso Nacional

A Mobilização Nacional Indígena, deflagrada ao longo desta semana, é uma luta pela defesa dos direitos indígenas adquiridos e para barrar uma avalanche devastadora, liderada pela Frente Parlamentar do Agronegócio. A luta é pela terra, sua posse e uso. A convocação foi da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e envolve organizações indígenas e indigenistas de diversas partes do país, agora articuladas e em luta.

A linha do tempo vai até as caravelas de Cabral, mas vamos tomá-la a partir deste ano, para compreender melhor o contexto atual. Em 16 de abril, cerca de 300 índios ocuparam o plenário da Câmara, em protesto contra a instalação de Comissão Especial para analisar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que torna praticamente impossível a demarcação das terras indígenas, ao tirar esta prerrogativa da Fundação Nacional do Índio (Funai) e transferi-la ao Congresso Nacional.

Na ocasião o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), prometeu não instalar a comissão antes do final de agosto. A Casa criou então um grupo de trabalho para discutir a condição dos índios no Brasil, cujo relatório seria um subsídio importante para a decisão de constituir ou não a comissão. Integraram o grupo lideranças indígenas, deputados ruralistas e parlamentares que defendem os direitos dos índios. Segundo Lincoln Portela (PR-MG), mediador do grupo, “basicamente aprovamos a rejeição da PEC 215.” A rejeição, concluindo pela inconstitucionalidade do projeto, foi por unanimidade dos presentes, já que nenhum parlamentar da frente do agronegócio compareceu às reuniões.

Na noite de 10 de setembro, contrariando o parecer do grupo de trabalho criado por ele mesmo, Henrique Eduardo Alves instituiu a Comissão Especial para analisar a PEC 215. Alves estaria atendendo compromisso assumido com a bancada ruralista durante sua campanha para a presidência da Câmara. Muitos dos 27 deputados indicados então para a Comissão Especial integram a frente do agronegócio e são autores de projetos que suprimem direitos dos índios, como veremos.

Nessa semana da Mobilização, Alves pretendia instalar a Comissão Especial, com a indicação do relator e do presidente – mas teve de recuar diante das manifestações.

A PEC 215, de 2000, é de autoria do ex-deputado Almir Sá (PRB-RR), atualmente presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Roraima. Ela estabelece a competência exclusiva do Congresso Nacional para aprovar a demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos indígenas e ratificar as demarcações já homologadas – hoje atribuições exclusivas do Executivo, que as executa por meio da Fundação Nacional do Índio (Funai). Na avaliação de organizações indígenas e indigenistas, na prática significará o fim de novas demarcações. O risco não seria apenas para o futuro, mas também para hoje, pois das 1.046 terras já demarcadas apenas 363 estão regularizadas. As demais, ainda em processo por vários fatores, ficariam com sua homologação na dependência do Congresso. “Como contamos nos dedos quantos congressistas defendem a causa indígena, com certeza nenhuma terra será demarcada”, considera Ceiça Pitaguary, líder do movimento indígena do Ceará.

“A PEC é flagrantemente inconstitucional”, afirmou Dalmo Dallari, professor de direito da Universidade de São Paulo, ao Instituto Socioambiental (ISA): ela não respeita a separação dos poderes. As demarcações e homologações são atribuições do Executivo, procedimentos de natureza administrativa; ao Legislativo compete legislar e fiscalizar. Para alguns antropólogos, o direito à ocupação dessas terras é originário, e está assegurado na Constituição – as demarcações são apenas reconhecimento desse direito pré-existente.

A opinião de Carlos Frederico Maré, professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná vai na mesma direção. Ex-presidente da Funai, ele sustenta que a demarcação é um procedimento eminentemente técnico. Em entrevista ao ISA, disse que “a Constituição não deu direito à demarcação. Deu direito à terra. A demarcação é só o jeito de dizer qual é a terra. Quando se coloca todo o direito sobre a demarcação retira-se o direito à terra, porque então ele só existirá se houver demarcação. É isso que está escrito na PEC: que não há mais direitos originários sobre a terra. Muda-se a Constituição, eliminando-se um direito nela inscrito.”

O Projeto de Lei (PL) 1.610, de 1996, de autoria do senador Romero Jucá (PMDB-RR), dispõe sobre a exploração e o aproveitamento de recursos minerais em terras indígenas. Foi apresentado a pretexto de defender o “interesse nacional” (a ser explorado pela iniciativa privada, conforme o Código de Mineração). Se aprovado, irá se converter em lei complementar ao artigo 231 (Capítulo VIII) da Constituição. O senador pediu regime de urgência. Quer votar, portanto, sem muita discussão, e a matéria só não foi submetida à apreciação da Casa devido à mobilização em torno do tema. Na prática, talvez seja tão ou ainda mais danosa que a PEC 215. E não seria de duvidar que esta estaria sendo o boi de piranha, já que o governo mostrou-se receptivo ao PL 1.610.

Já o PL 227, de 2012, retrata cruamente um dos aspectos centrais do chamado “sequestro da democracia” pelas instituições que deveriam expressá-la. Foi proposto pelo deputado Homero Pereira (PSD-MT), ex-presidente da Frente Parlamentar do Agronegócio, a princípio com redação que visava dificultar as futuras demarcações de terras indígenas. Fazia-o diluindo atribuições da Funai e incluindo, entre as comissões encarregadas de definir novos territórios, os proprietários de terra. Já em sua origem era, portanto, anti-indígena.

Mas tornou-se muito pior, ao tramitar pela comissão de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural da Câmara. Sem que tenha havido debate algum com a sociedade, os deputados que integram a comissão transformaram inteiramente sua redação. Converteram-no num projeto de lei que, se aprovado, revogará na prática, pela porta dos fundos, o Artigo 231 da Constituição.

Tal dispositivo trata dos direitos indígenas. Reconhece “sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam”. Estabelece uma única exceção: em situações extremas, em que houvesse “relevante interesse público da União”a exclusividade dos indígenas seria flexibilizada e seus territórios poderiam conviver com outros tipos de uso. Esta possibilidade, rara, precisaria ser definida em lei complementar.

Na redação inteiramente nova que assumiu, o PL 227/2012 é transformado nesta lei complementar. E estabelece, já em seu artigo 1º, um vastíssimo leque de atividades que poderão ser praticadas nas terras indígenas. Estão incluídas mineração, construção de hidrelétricas, rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, oleodutos, gasodutos, campos de treinamento militar e muitos outros.

Um inciso (o VIII), de redação obscura, procura ampliar ainda mais as possibilidades de violação dos territórios índios. Estabelece que é também “de relevante interesse público da União” a “legítima ocupação, domínio e posse de terras privadas em 5 de outubro de 1988”. Embora pouco claro, o texto dá margem a uma interpretação radical. A data mencionada é a da entrada em vigor da Constituição – quando foram reconhecidos os atuais direitos indígenas. Estariam legitimados, portanto, os “domínios e posses de terras privadas” existentes antes da Carta atual. Em outras palavras, a legislação recuaria no tempo, para anular na prática as demarcações que reconheceram território indígena e afastaram deles os ocupantes ilegítimos.

A PEC 237, de 2013, é de iniciativa do deputado Nelson Padovani (PSC-PR), titular do PSC na Comissão Especial da PEC 215, integrante da comissão do PL 1.610 e um dos signatários do pedido de criação da CPI da Funai, uma das estratégias da Frente para enfraquecer o órgão federal, já penalizado por redução de verbas. Essa PEC, se aprovada, tornará possível a posse indireta de terras indígenas a produtores rurais na forma de concessão. Será a porta de entrada do agronegócio aos territórios demarcados, e essa possibilidade tem tirado o sono de indígenas e indigenistas.

portaria 303, de iniciativa da Advocacia Geral da União (AGU) em 16/07/2012, é outro dispositivo que tolhe direitos indígenas, com tom autoritário, em especial no inciso V do art. 1º, em que o usufruto dos índios não se sobrepõe ao interesse da política de defesa nacional (!), à instalação de bases, unidades e postos militares e demais intervenções militares, à expansão estratégica da malha viária, à exploração de alternativas energéticas de cunho estratégico e ao resguardo das riquezas de cunho estratégico, a critério dos órgãos competentes (Ministério da Defesa e Conselho de Defesa Nacional), projetos esses que serão implementados independentemente de consulta às comunidades indígenas envolvidas ou à Funai (grifo nosso).

É a pavimentação para o avanço econômico do capitalismo sem fronteiras, além de contrariar a Convenção 169 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), de 1989, assinada pelo Brasil, a qual assegura o direito de os povos indígenas serem consultados, de forma livre e informada, antes de serem tomadas decisões que possam afetar seus bens ou direitos.

Todas essas iniciativas legais têm por objetivo possibilitar o avanço do agronegócio e da exploração de lavras minerais sobre as terras indígenas. Assim se permitiria inclusive a intrusão em territórios de nações não contatadas. Basta um simples olhar na autoria dos projetos, na trajetória negocial de seus autores e apoiadores, em suas relações comerciais com o agronegócio nacional e estrangeiro e na sua atuação articulada através de uma Frente Parlamentar para se ter certeza de que o interesse econômico é privado, setorista e excludente, em nada aparentado ao interesse nacional, do bem comum ou da União. Se há diversificação de interesses nos projetos, é na razão direta da fome, mas de lucros, do agronegócio, da bancada ruralista, das mineradoras, das madeireiras e empreiteiras.

Marcelo Degrazia é escritor. Autor de A Noite dos Jaquetas-Pretas e do blog Concerto de Letras.

** Publicado originalmente no site Outras Palavras.

Contra o mugido das vacas, por José Ribamar Bessa Freire (Racismo Ambiental)

Por , 06/10/2013 06:26

Guarani no monumento SP

Em Taqui Pra Ti

No momento em que a Constituição Federal comemora 25 anos de existência, se ouve o mugido das vacas, o relincho dos cavalos e o trote das mulas que invadem o plenário do Congresso Nacional e se misturam ao zumbido estridente da moto serra. É possível sentir o bufo agressivo que sai em jatos de ar pelas narinas de parlamentares. Essa é a voz da bancada ruralista formada por 214 deputados e 14 senadores, que querem anular os direitos constitucionais dos índios. Seus “argumentos” são relinchos, bater de cascos, coices no ar e, por isso, não conseguem convencer os brasileiros.

Nas principais cidades do país ocorreram manifestações contra esta ofensiva do agronegócio. Nesta semana, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) organizou Mobilização Nacional em defesa dos direitos indígenas. A parte sadia do país disse um rotundo “não” ao pacote de dezenas de Projetos de Emenda Constitucional (PEC) ou Projetos de Lei Complementar (PLP) que tramitam no Congresso apresentados pela bancada ruralista e pela bancada da mineração.

Esses parlamentares querem exterminar as culturas indígenas não por serem gratuitamente malvados, perversos e cruéis, mas porque pretendem abocanhar as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. Para ampliar a oferta de terras ao agronegócio, lançam ofensiva destinada a mudar até cláusulas pétreas da Constituição. Exibem despudoradamente seus planos em discursos e através da mídia como os artigos na Folha de São Paulo da senadora Kátia Abreu (PSD-TO vixe, vixe), a muuuusa da bancada ruralista e do deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS vixe vixe).

Causa inconfessável

Quase todos os parlamentares da bancada ruralista tiveram suas campanhas financiadas por empresas de capital estrangeiro como Monsanto, Cargill e Syngente, além da indústria de armas e frigorífico, conforme dados da Transparência Brasil. Afinal, é disso que eles vivem, dessa promiscuidade com o capital estrangeiro, sem o qual não poderiam exportar e comprar produtos. Querem agora liberar as terras indígenas para grandes empresas brasileiras e estrangeiras plantarem monoculturas com agrotóxicos, construir barragens no rios e extrair minérios para a exportação.

No entanto, os ruralistas não podem confessar aos eleitores que seu objetivo é o lucro, apenas o lucro, nada mais que o lucro. Inventam, então, que estão defendendo “os interesses nacionais” e classificam como “anti-Brasil” os que não concordam com eles. Essa é uma velha tática, usada no século XIX, quando o agronegócio da época acusava os que defendiam a abolição dos escravos de representarem interesses estrangeiros. Trata-se de ganhar para uma causa indefensável os brasileiros crédulos que amam sua Pátria. Aí exploram o nacionalismo e apostam na desinformação.

No artigo com título sugestivo - “Causa Inconfessável” - a senadora Kátia Abreu tenta desqualificar os índios e seus aliados com uma argumentação esdrúxula. Sem citar fontes, sem dizer de onde tirou a informação, ela jura que “são mais de 100 mil ONGs, a maioria estrangeira, associadas a dois organismos ligados à Igreja Católica: o CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e a CPT (Comissão Pastoral da Terra)”.

E por que cargas d’água milhares de ONGs estrangeiras defenderiam as terras indígenas? Na maior cara de pau, ofendendo a inteligência do leitor, a senadora Kátia Abreu, ousa dizer que elas querem destruir a agricultura brasileira. Comete um erro vergonhoso para uma parlamentar ao confundir nação com estado. Exibe sua ignorância deixando no chinelo o Tiririca:

Os financiadores são países que competem com a agricultura brasileira e que cobiçam nossas riquezas minerais e vegetais. São os mesmos que, reiteradamente, defendem que essa parte do território nacional deve ser cedida, e os brasileiros índios, transformados em nações independentes da ONU”.

Tudo nebuloso, deseducativo, desinformativo. A senadora não dá nomes nem aos bois nem às vacas, não diz quais são esses países, não diz quem quer decepar os territórios indígenas do Brasil e omite que as terras indígenas pertencem, constitucionalmente, à União e não aos índios. A “causa” dos ruralistas é, realmente, “inconfessável”: cada vez que uma medida prejudica seus lucros, dizem que “é ruim para o Brasil”, quando favorece “é bom para o Brasil”. O Brasil é a conta bancária deles. Sem confessar a origem dos recursos que financiam os ruralistas, a senadora faz dos índios um tábua de tiro ao alvo:

“É do mais alto interesse nacional – sobretudo do interesse dos próprios índios – saber quando, de onde vêm e como são gastos os millhões de dólares que sustentam a ação deletéria dessas organizações, que fazem dos índios escudos humanos de uma causa inconfessável”.

Cavaleira da desesperança

“É hora de defender o Brasil” berra o deputado Luis Carlos Heinze no título de seu artigo (3/10), que reproduz o mesmo papo furado, a mesma lenga-lenga, excluindo os índios da comunhão nacional. Ataca a FUNAI – Fundação Nacional do Índio – por identificar “pretensas terras indígenas” contra os ruralistas que ele diz serem “os legítimos detentores de terras”. E faz eternas juras de que está defendendo a pátria ameaçada por índios e por ONGs.

Nunca foi tão apropriada a conhecida frase do escritor inglês do século XVIII, Samuel Johnson, aclimatada por Millor Fernandes, no século XX, ao nosso contexto: “O patriotismo é o último refúgio dos canalhas” - escreveu Johnson. “No Brasil, é o primeiro”, acrescentou Millor.

A senadora, que se diz católica, bate na mesma tecla. Escreve que os defensores dos direitos indígenas “exercem notória militância política, de cunho ideológico, sob a inspiração da Teologia da Libertação, de fundo marxista”. Está zangada com a Igreja, que ela quer defendendo os interesses dos ruralistas e não dos despossuídos, dos injustiçados, dos espoliados. Esculhamba ainda com a FUNAI “aparelhada por antropólogos que compartilham a mesma ideologia“.

Mas não se limita aí a cavaleira da desesperança. De arma em riste, ataca outros “inimigos”. Ela está convencida de que “além das ONGs e das instituições como o CIMI e a CPT, há dois órgãos voltados para a defesa dos índios: a já citada Funai e a FUNASA, incumbida da saúde e da ação sanitária nas tribos”. Kátia é do tempo em que ainda se dizia que índios vivem em tribos.

“Seriam as terras destinadas à agricultura a causa do sofrimento dos índios?” - pergunta em seu artigo. E ela mesma responde: “Quem quiser que tire suas conclusões: os índios brasileiros dispõem de extensão de terra de dar inveja a muitos países”. Se um país que é um país sente inveja, imaginem os ruralistas. Por isso, a voz dela, que é a mais estridente  no Senado clama:

- Os índios não precisam de terra e sim de assistência social.

Ela chama de “invasão” a resistência dos índios em não permitir que seus territórios sejam apropriados pelo agronegócio e anuncia:

“Para reagir ao avanço dessas invasões, apresentei ao Senado projeto de lei que suspende processos demarcatórios de terras indígenas sobre propriedades invadidas pelos dois anos seguintes à sua desocupação”.

Guarani na paulista

Foi contra essas medidas do agronegócio e contra esses argumentos preconceituosos e retrógrados que manifestantes se insurgiram em manifestações pacíficas realizadas em Brasília, no Rio, em Belo Horizonte e nas principais cidades brasileiras.  Em São Paulo, a manifestação foi aberta pelos txondaro guarani e contou com a adesão de muitos antropólogos, estudantes, professores.

As imagens da manifestação em São Paulo foram registradas e editadas por Marcos Wesley de Oliveira para o Instituto Socioambiental. Em plena Avenida Paulista, ele entrevistou lideranças indígenas – Megaron Txucarramãe (kayapó), Renato Silva (guarani), Natan Gacán (xokleng), antropólogos – Manuela Carneiro da Cunha e Márcio Silva (USP), Maria Elisa Ladeira (CTI), Lúcia Helena Rangel (PUC/SP), Beto Ricardo (ISA) e os líderes quilombolas do Vale da Ribeira – Nilce Pereira e Ditão.

- Vocês não estão sozinhos – disse a mestranda em Antropologia, Ana Maria Antunes Machado, se dirigindo aos Yanomami, enquanto apontava os manifestantes da Avenida Paulista. Ela falou com bastante fluência em língua Yanomami, pois viveu com eles, com quem trabalhou mais de cinco anos como assessora pedagógica, antes de atuar no Observatório de Educação Indígena coordenado pela pesquisadora Ana Gomes (UFMG). O fato tem forte carga simbólica, por se tratar de alguém tão brasileira quanto a Katia Abreu, mas que, para ouvir os índios e com eles dialogar, aprendeu a língua Yanomami e foi capaz de reverenciá-los.

FAO reafirma o impacto devastador da produção de carne para o clima (Terra)

Em 03/10/2013

Amália Safatle

Não, nem todo ambientalista é vegetariano. Mas que reduzir o consumo de carne ajuda – e muito – isso é inegável. Diante das graves constatações divulgadas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês),  uma das maneiras mais à mão – ou da mão à boca –  para contribuir com a redução de emissões é mexer nas formas de produzir e consumir alimentos, especialmente os de origem animal. Focalizando mais: sobretudo os de origem bovina.

O novo relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), intitulado Tackling Climate Change Through Livestock, ou Combatendo as Mudanças Climáticas por Meio da Pecuária, é contundente em reafirmar o efeito devastador da criação de dezenas de bilhões de animais. As palavras são da Human Society Internacional (HSI), organização voltada à proteção animal, que pegou uma carona no relatório da FAO para defender não somente a redução no consumo, mas o tratamento mais ético e digno na produção animal – causa das mais nobres.

No estudo, a FAO expõe que somente a criação de animais responde por 14,5% dos gases de efeito estufa gerados por atividades humanas (acesse em http://www.fao.org/docrep/018/i3437e/i3437e.pdf). De acordo com um estudo de 2012, a pegada hídrica dos produtos de origem animal é seis vezes maior para a carne bovina, e uma vez e meia maior para carne de frango, ovos e laticínios, comparada à pegada dos legumes.

Além disso, a  expansão de pastos para animais de produção é uma das principais causas do desmatamento, especialmente no Brasil. Em todo o mundo, segundo a HSI, utilizamos mais terras para alimentar animais de produção do que para qualquer outro fim. Mais de 97% do farelo de soja e 60% da produção global de cevada e milho são usadas para alimentar animais de produção.

O impacto é tamanho que uma família americana de renda média que deixe de consumir carne vermelha e laticínios e os substitua por produtos de origem vegetal apenas um dia por semana terá, ao final de um ano, reduzido suas emissões anuais gases-estufa em volume equivalente ao emitido ao dirigir 1.600 quilômetros.

A partir de cálculos como esse surgiu a campanha Segunda Sem Carne, que propõe às pessoas evitar carne vermelha ao menos uma vez por semana.

É uma tentativa de refrear o aumento da demanda: de 1980 e 2005, o consumo deper capita de carnes no Brasil praticamente dobrou, alcançando níveis similares ao de países desenvolvidos, segundo a FAO. O consumo de laticínios e ovos também cresceu significativamente, em 40% e 20%, respectivamente.

Mas reduzir consumo não é a única alternativa. Para os carnívoros inveterados, o novo relatório da FAO mostra como a produção de carnes pode diminuir seus impactos e emissões se adotar novas tecnologias, técnicas mais avançadas de manejo e elevar a produtividade. Mais que isso, apresenta propostas para formuladores de políticas públicas.

O relatório ainda aponta que programas com objetivo de reduzir as emissões do setor devem também levar em consideração o bem-estar animal. Além de se submeter a regras mais rígidas para um tratamento humanitário dos animais no lado da oferta, na ponta da demanda o consumidor pode dar preferência a produtos que tenham padrões de bem-estar animal mais elevados.

“No Brasil, cerca de 90% da produção de ovos é proveniente do sistema de gaiolas em bateria convencional, tão intensivo que os animais praticamente não podem se mover. Na indústria suína, a maioria das porcas reprodutoras passam praticamente suas vidas inteiras em celas de gestação, que têm praticamente o mesmo tamanho do corpo dos animais e não permitem que as porcas sequer se virem dentro delas ou deem mais do que um passo para frente ou para trás”, informa a HSI.

Segundo a organização, o confinamento de poedeiras nas gaiolas em bateria convencional e o confinamento contínuo de porcas reprodutoras em celas de gestação já foram proibidos em toda a União Europeia e em vários estados dos EUA. Líderes de mercado como McDonald’s, Burger King, Wendy’s e Costco anunciaram que eliminarão o uso de celas de gestação em suas cadeias de fornecimento nos EUA.

Resta saber por que essas redes têm políticas diferenciadas nos países em que atuam, em vez de enfrentar o assunto de forma global, partindo do simples respeito à vida, seja ela qual for.

Antropólogos x ruralistas

JC e-mail 4826, de 03 de Outubro de 2013.

A Constituição em perigo

Ruralistas tentam tornar legais as transgressões da lei. Primeiro foi o Código Florestal. Agora querem legalizar o esbulho de terras indígenas

Artigo de Manuela Carneiro da Cunha* publicado na Folha. Há 25 anos, em 1988, uma nova Constituição afirmou que o país queria novos rumos

O capítulo dos direitos dos índios na Constituição de 1988 foi emblemático dessa postura. Não tanto pelo reconhecimento do direito dos índios à terra, que já figurava em todas as Constituições do século 20. Mais significativo foi o abandono da ideia –esta do século 19– de que a missão da chamada civilização consistia em fazer os índios deixarem de ser índios. Em vez disso, pela primeira vez, celebrou-se a diversidade como um valor a ser preservado.

Em 1988, as expectativas de mineração e construção de hidrelétricas em áreas indígenas já eram contrárias à afirmação dos direitos dos índios. No entanto, a Confederação Nacional dos Geólogos se opôs aos interesses das mineradoras e entendeu que as terras indígenas constituíam uma reserva mineral. Ou seja, elas deveriam ser as últimas a serem consideradas para mineração, quando o minério fosse de interesse estratégico indiscutível e não houvesse alternativa no território nacional.

Na Constituinte, chegou-se finalmente a um acordo: exceções às garantias de usufruto exclusivo dos índios sobre suas terras, somente em caso de relevante interesse da União. Foi o parágrafo 6º do artigo 231 da CF. O entendimento era de que cada caso seria debatido e sua excepcionalidade comprovada.

Agora, 25 anos mais tarde, as exceções pretendem se tornar a regra. Como? Definindo –a pretexto de regulamentar o tal parágrafo– o “relevante interesse da União” de uma forma tão genérica e tão ampla que tudo caiba nela. Pasme: passa a ser de “relevante interesse nacional” qualquer mineração e hidrelétrica, é claro, além de estradas, oleodutos, gasodutos, aeroportos, portos fluviais e até assentamentos agrários. E no final, a pérola que trai a origem da manobra: podem ser “de relevante interesse da União” até terras indígenas intrusadas, com títulos contestáveis.

Esse é o teor de um projeto de lei complementar na Câmara, de origem ruralista, o PLP 227/2012. Outro projeto, de redação mais sutil, mas com efeitos até piores, foi apresentado recentemente pelo senador Romero Jucá do PMDB de Roraima, e, sem sequer ainda ter número, deve ter rápida tramitação. Deve-se reconhecer a esperteza da manobra, que pretende acabar de uma vez com todas as restrições.

O que está acontecendo? A bancada ruralista, aliada à bancada da mineração, está tomando conta do nosso Congresso. Por outro lado, desde 1988, as terras públicas remanescentes foram sendo destinadas para se garantir o que interessa ao Brasil como um todo, por exemplo a conservação ambiental.

A investida dos ruralistas, agora em posição de força no Congresso –e, portanto, no governo também– é no sentido de tornar legais todas as transgressões da lei que já eram praticadas. Primeiro foi o Código Florestal, desfigurado há dois anos, que anistiou os desmatamentos irregulares. Agora querem legalizar o esbulho de terras indígenas.

Na tentativa de influenciar a opinião pública, os ruralistas usam como fachada os pequenos agricultores. A situação hoje é a seguinte: a definição de áreas de conservação ambiental e a demarcação de terras indígenas e de quilombolas estão paradas. Multiplicaram-se os projetos de lei e de emendas constitucionais que lhes são hostis.

Um exemplo gritante é a proposta de emenda constitucional (PEC) 215, que quer tirar do Executivo e passar para o Congresso a demarcação das terras indígenas, o que, na prática, significa o fim das demarcações.

Por toda esta semana, índios e não índios protestam contra o desmantelamento do capítulo “Dos Índios” na Constituição Federal. Mas esse não é só um ataque aos índios. É todo o nosso projeto de futuro que está em jogo.

*Manuela Carneiro da Cunha é antropóloga, é membro da Academia Brasileira de Ciências e professora titular aposentada da Universidade de São Paulo e da Universidade de Chicago

(Folha de S.Paulo)

 

É hora de defender o Brasil

Artigo de Luis Carlos Heinze* publicado na Folha. Demarcações fundamentadas em estudos antropológicos superficiais e sem isenção e laudos tendenciosos prevalecem na farsa indigenista

O princípio da legalidade no Brasil é o de que a administração nada pode fazer senão o que a lei determina –e essa é justamente uma das principais garantias do cidadão.

Esse preceito, porém, não é observado pela Fundação Nacional do Índio (Funai), que, de forma arbitrária e ideológica, desrespeita até a Constituição. Impedir que seus atos sejam analisados por outros órgãos, como faz com o apoio do Ministério Público, é ainda uma afronta ao sistema democrático.

Com insistência, a Funai identifica pretensas terras indígenas por meio de procedimentos administrativos de natureza inquisitória. O resultado é a insegurança jurídica.

O direito ao contraditório e à defesa foram extintos. A perda da propriedade é a pena imposta a legítimos detentores de terras de forma afrontosa à cláusula pétrea do dispositivo constitucional.

Demarcações fundamentadas em estudos antropológicos superficiais, sem a necessária isenção, e laudos tendenciosos e fraudulentos prevalecem na farsa indigenista. A evidência é tanta que a Procuradoria-Geral da República firmou acordo com a Associação Brasileira de Antropólogos, e a Funai contrata apenas os profissionais sugeridos para desenvolver seus estudos, que são, claro, favoráveis aos indígenas.

Apoiada por interesses de ONGs, do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e por setores do Ministério Público, a Funai se porta como um poder judiciário paralelo –ela mesma denuncia, julga e condena.

Com tantas irregularidades, apropriação de poderes e interpretações equivocadas, defendemos a aprovação da PEC 215 para esclarecer o que a Carta Magna estipula: é o Congresso Nacional que disciplina os bens da União. E o que são terras indígenas? Bens da União. Resta óbvio que os limites desses territórios são de competência do Legislativo. A PEC só faz reafirmar esse poder.

Também discutimos a regulamentação do artigo 231 da lei suprema para impor um marco temporal às demarcações, por meio do projeto de lei complementar (PLP) 227/12. Que mais uma vez é redundante: a Carta de 88 é claríssima ao expor que “a União concluirá as demarcações das terras indígenas no prazo de cinco anos a partir da promulgação da Constituição”. Constitucionalmente, esse é o prazo legal para as delimitações e deve ser respeitado rigorosamente. Hoje, 25 anos após a promulgação, existem mais de 500 processos em andamento e, a cada dia, surge um novo.

Segundo a Funai, no Brasil, há 110 milhões de hectares reconhecidos como terras indígenas –13% do território brasileiro– para atender uma população que não ultrapassa 900 mil índios –0,4% da população. Não bastasse, a Funai ainda quer mais 40 milhões de hectares –e não haverá limites, se não barrarmos o abuso.

Mais estranho ainda é o apoio do Ministério Público à Funai, ao desmerecer seu papel institucional de guardião da Constituição. É chegada a hora de defendermos o Brasil. Nós, deputados e senadores da Frente Parlamentar da Agropecuária, vamos impor esse respeito, para o bem do país e de seus cidadãos.

LUIS CARLOS HEINZE* é engenheiro agrônomo, deputado federal (PP-RS) e líder da Frente Parlamentar da Agropecuária

(Folha de S.Paulo)

“O REDD+ está pedindo socorro”, alerta Conservação Internacional (CarbonoBrasil)

Economia

01/10/2013 – 11h51

por Fabiano Ávila, do CarbonoBrasil

florestanew 300x208 O REDD+ está pedindo socorro, alerta Conservação Internacional

ONG afirma que mecanismo está ameaçado pelo grande desequilíbrio entre oferta e demanda; enquanto mais de 22 milhões de créditos podem ser gerados anualmente, apenas 6,8 milhões teriam compradores. 

A demora para criar instrumentos que estimulem, ou obriguem, países e empresas a comprar créditos florestais de carbono e a falta de vontade política para incluir o REDD+ (clique aqui e saiba mais sobre o conceito de REDD+)  em mercados já estabelecidos, como o EU ETS, estão resultando no excesso de créditos no mercado voluntário, causando a queda dos preços e diminuindo o interesse para o desenvolvimento de projetos de conservação florestal.

Essa é a mensagem central que a Conservação Internacional (CI) tenta passar com o relatório “REDD+ Market: Sending Out an SOS” (algo como Mercado de REDD+: pedindo socorro).

De acordo com a ONG, apenas considerando a certificação Verified Carbon Standard (VCS), até 22 milhões de créditos podem ser gerados anualmente, porém, a demanda do mercado voluntário atualmente não passaria de 6,8 milhões. Desde 2010, a procura por esse tipo de crédito teria caído 65%.

Esse desequilíbrio entre oferta e demanda fez com que o preço médio dos créditos do REDD+ passasse de US$ 12 em 2011 para US$ 6 no ano passado.

A CI aponta que o REDD+ já ajudou a proteger mais de 14 milhões de hectares de florestas. Além disso, trouxe ganhos para mais de 70 mil pessoas em comunidades locais, evitou as emissões de quatro milhões de toneladas de CO2 equivalente desde 2009 e protegeu 139 espécies que estão ameaçadas de extinção.

situacaoredd 133x300 O REDD+ está pedindo socorro, alerta Conservação Internacional“A falta de recompensas financeiras para esses casos de sucesso envia um sinal forte e preocupante para todos os países desenvolvendo esforços para reduzir o desmatamento. Suas ações não têm recebido apoio, mas indiferença e incertezas. Esse sinal não gera a motivação necessária para promover as reformas políticas complexas que o REDD+ tanto precisa”, afirma o relatório.

Como podem apenas ser negociados no mercado voluntário, os créditos do REDD+ são muito dependentes de doadores e de ferramentas internacionais que ainda não possuem a abrangência para estimular novos projetos de forma sustentável.

O relatório cita a Forest Carbon Partnership Facility’s do Banco Mundial (FCPF), o fundo de ação antecipada de REDD+ da Alemanha e o futuro Fundo Climático Verde como exemplos de mecanismos que têm buscado aumentar a demanda por créditos, mas que, no entanto, ainda são muito limitados em termos de disponibilização de financiamentos, de escopo geográfico e de velocidade de implementação.

Propostas

Uma das soluções óbvias citadas pela CI passa por garantir um preço justo para os créditos de REDD+.

Isso poderia ser conseguido de diversas formas: maior interesse dos fundos climáticos pelo REDD+, expansão dos programas de compensação voluntária do setor privado e a criação de compromissos para países doadores.

“Essas ações ajudariam a catalisar novos investimentos assim como estabilizariam a situação dos atuais projetos para os próximos anos, reduzindo a vulnerabilidade das comunidades devido à queda dos preços do REDD+”, afirma o relatório.

Outro ponto que precisa receber atenção seria o reconhecimento dos benefícios múltiplos dos projetos de REDD+.

Segundo a CI, as iniciativas de conservação florestal melhoram a vida de povos nativos, protegem a biodiversidade e garantem os serviços ecossistêmicos.

Assim, programas governamentais que tenham objetivos semelhantes aos que são alcançados pelo REDD+ deveriam considerar o financiamento desse tipo de projeto. Dessa forma, o mecanismo seria encarado não apenas como uma ferramenta para “compensar emissões”, mas também como um modelo de desenvolvimento inteligente.

O relatório destaca que muitos projetos já começam a ser desenvolvidos pelos próprios povos nativos, como é o caso do Projeto de Carbono Florestal Suruí, da Terra Indígena Sete de Setembro do povo Paiter Suruí, localizado nos estados de Rondônia e Mato Grosso.

Inclusive, no mês passado, o projeto Suruí vendeu seus primeiros créditos de REDD+; foram 120 mil unidades compradas pela Natura.

A CI conclui que a importância de manter o REDD+ funcionando em um alto nível de qualidade não pode ser subestimada. Não apenas para lidar com o desmatamento e com as emissões de gases do efeito estufa, mas também para evitar os impactos negativos que projetos mal elaborados podem produzir.

“Para alcançar os resultados esperados, está claro que o REDD+ deve melhorar em escala, mas também em questões como legislação (…) Isso deve ser feito para evitar que estímulos perversos sejam criados”, explica o relatório.

A ONG está neste caso se referindo aos riscos muitas vezes associados ao REDD+, como a exploração dos povos nativos e os conflitos por terras.

“Estabelecer estruturas institucionais é necessário para implementar a gestão local que facilitará o desenvolvimento de mecanismos de REDD+ nacionais e internacionais”, conclui a CI.

* Publicado originalmente no site CarbonoBrasil.

O que é e como surgiu o REDD? (ipam.org.br)

Florestas tropicais representam hoje 15% da superfície terrestre (FAO, 2006 apud GCP, 2008) e contém cerca de 25% de todo o carbono contido na biosfera terrestre (BONAN, 2008 apud GCP, 2008). Além disso, 90% dos cerca de 1,2 bilhões de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza dependem dos recursos florestais para sobreviverem (GCP, 2008).

Segundo a FAO (Food and Agriculture Organization), das Nações Unidas (2006), aproximadamente 13 milhões de hectares de florestas tropicais são desmatados todos os anos (uma área equivalente ao Peru).

Preservar florestas, além da redução nas emissões de gases do efeito estufa, tem o potencial de gerar co-benefícios substanciais, como impactos positivos sobre a biodiversidade e sobre a conservação de recursos hídricos.  A floresta em pé também auxilia na estabilização do regime de chuvas e, conseqüentemente, do clima (Angelsen, 2008).

O relatório do IPCC publicado em 2007 (IPCC, 2007) estimou as emissões por desmatamento nos anos 1990 como sendo de aproximadamente 20% do total, fazendo da “mudança no uso da terra” a segunda atividade que mais contribui para o aquecimento global (GCP, 2008).

Conceito e desenvolvimento

O conceito de REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal), basicamente, parte da idéia de incluir na contabilidade das emissões de gases de efeito estufa aquelas que são evitadas pela redução do desmatamento e a degradação florestal.  Nasceu de uma parceria entre pesquisadores brasileiros e americanos, que originou uma proposta conhecida como “Redução Compensada de Emissões” (Santilli et al, 2000), que foi apresentada durante a COP-9, em Milão, Itália (2003), por IPAM e parceiros. Segundo este conceito, os países em desenvolvimento detentores de florestas tropicais, que conseguissem promover reduções das suas emissões nacionais oriundas de desmatamento receberiam compensação financeira internacional correspondente às emissões evitadas. O conceito de redução compensada tornou-se a base da discussão de REDD nos anos seguintes.

Em seguida, durante a COP-11, em Montreal, Canadá (2005) a chamada “Coalition of Rainforest Nations” ou “Coalizão de Nações Tropicais”, liderados por  Papua Nova Guiné e Costa Rica, apresentou uma proposta similar que tem por objetivo discutir formas de incentivar economicamente a redução do desmatamento nos países em desenvolvimento, detentores de florestas tropicais (Pinto et al, 2009).

O argumento colocado é que os países tropicais são responsáveis por estabilizar o clima por meio de suas florestas e, assim, os custos para mantê-las em pé devem ser divididos por todos. Esta iniciativa fez com que, oficialmente, o assunto REDD fosse incluído na pauta de negociações internacionais.

Um ano depois, na COP-12, em Nairobi, Nigéria (2006), o governo brasileiro anunciou publicamente uma proposta para tratar da questão do desmatamento, também muito parecida com as anteriores, só que sem considerar o mecanismo de mercado de créditos de carbono e sim as doações voluntárias.

A COP-13, realizada em Bali, Indonésia, em 2007, culminou com a Decisão 1/ CP 13, conhecida como “Mapa do Caminho de Bali”, para discutir como inserir o tema REDD num mecanismo que será estruturado para iniciar em 2012, ano em que chega ao fim o primeiro período de compromisso do Protocolo de Quioto.

É imprescindível notar que este mecanismo foi inicialmente concebido para os países em desenvolvimento que detêm florestas tropicais, permitindo-os participar efetivamente dos esforços globais de redução de emissões de gases de efeito estufa.

Necessário também salientar que a discussão sobre o desmatamento evitado evoluiu de um mecanismo que tinha foco somente no desmatamento evitado (COP 11, 2005), para ser ampliado e incluir a degradação de florestas (COP 13, 2007),

e REDD+?

Hoje o conceito foi ampliado e é conhecido como REDD+, se refere à construção de um mecanismo, ou uma política, que deverá contemplar formas de prover incentivos positivos aos países em desenvolvimento que tomarem uma ou mais das seguintes ações para a mitigação das mudanças climáticas:

1. Redução das emissões derivadas de desmatamento e degradação das florestas;

2. Aumento das reservas florestais de carbono;

3. Gestão sustentável das florestas;

4. Conservação florestal. (Pinto et al, 2009).

—————

Referências:

ANGELSEN, Arild. (org.). Moving Ahead with REDD: Issues, Options and Implications. CIFOR. Poznan, Polônia. 2008.

GLOBAL CANOPY PROGRAM. The Little REDD Book: A guide to Governmental and non-governmental proposals for Reducing Emissions from Deforestation and Degradation. 2008. Disponível em: http://www.the littleREDDbook.org

INTERNATIONAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (IPCC). Climate Change Synthesis Report. Summary for Policymakers. Switzerland. 2007.

PINTO, Erika; MOUTINHO, Paulo; RODRIGUES, Liana; OYO FRANÇA, Flavia Gabriela; MOREIRA, Paula Franco; DIETZSCH, Laura. Cartilha: Perguntas e Respostas Sobre Aquecimento Global. 4a edição. Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia. Belém. 2009.

SANTILLI, Márcio; MOUTINHO, Paulo; SCHWARTZMAN, Stephan; NEPSTAD, Daniel; CURRAN, Lisa; NOBRE, Carlos. Tropical deforestation and the Kyoto Protocol: an editorial essay. Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia. 2000.

Contribuição de conteúdo por Ricardo Rettmann (ricardo.rettmann@ipam.org.br)

————–

Acesse publicação REDD no Brasil: um enfoque amazônico

O livro apresenta e discute as condições favoráveis do Brasil à implementação de um regime nacional de REDD+ e propõe dois modelos de estrutura institucional para a repartição de benefícios: um baseado na distribuição por estados e outra por cate-gorias fundiárias. REDD+ é aqui discutido como um elemento importante na transição do modelo de desenvolvimento da Amazônia para um de baixas emissões de carbono, com distribuição de renda e justiça social. A alteração mais importante desta 3a edição foi a utilização da metodologia de cálculo do desmatamento evitado proposta pelo Comitê Técnico do Fundo Amazônia, juntamente com parâmetros fixados pelo Decreto 7.390/2010, que regulamenta a Política Nacional sobre Mudança do Clima. Esta alteração nos cálculos não altera a mensagem central do livro, porém pode ser percebida em algumas figuras chaves que demonstram o valor total do desmatamento evitado no Brasil.

Faça download da publicação

Pesquisadores alertam sobre necessidade urgente de proteger os oceanos (Fapesp)

Artigo de brasileiro e uruguaio será publicado como editorial no periódico Marine Pollution Bulletin(Wikipedia)

02/10/2013

Por José Tadeu Arantes

Agência FAPESP – Estima-se que 41% dos mares e oceanos do planeta se encontrem fortemente impactados pela ação humana, segundo estudos. Trata-se de um problema grave que não tem recebido a merecida atenção. Um exemplo está no ritmo de implementação da diretriz relativa à proteção marinha definida pela Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), da Organização das Nações Unidas (ONU).

Aprovada por 193 países mais a União Europeia durante a 10ª Conferência das Partes da CDB, realizada em Nagoya, Japão, em outubro de 2010, essa diretriz estabeleceu que, até 2020, pelo menos 10% das áreas costeiras e marinhas, especialmente aquelas importantes por sua biodiversidade, deveriam estar protegidas.

Decorrido quase um terço do prazo, porém, as chamadas Áreas de Proteção Marinha (APMs) não cobrem mais do que 1,17% da superfície dos mares e oceanos do planeta. Dos 151 países com linha de costa, apenas 12 excederam os 10%. E a maior potência do mundo, os Estados Unidos, dotada de extensos litorais tanto no Atlântico como no Pacífico, não aderiu ao protocolo.

As informações, que configuram um alerta urgente, estão no artigo Politics should walk with Science towards protection of the oceans (“A política deve caminhar com a ciência na proteção dos oceanos”), assinado pelo brasileiro Antonio Carlos Marques, professor associado do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, e pelo uruguaio Alvar Carranza, pesquisador do Museu Nacional de História Natural, do Uruguai. Enviado ao Marine Pollution Bulletin, o texto, que será publicado como editorial da versão impressa do periódico, está disponível on-line em www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0025326X13004530.

O artigo também destaca que, com uma das mais extensas costas do mundo – de 9.200 quilômetros, se forem consideradas as saliências e reentrâncias –, o Brasil possui apenas 1,5% de seu litoral protegido por APMs. Além disso, 9% das áreas consideradas prioritárias para conservação já foram concedidas a companhias petroleiras para exploração. As costas altamente povoadas dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro concentram a maioria das reservas de petróleo do país.

Os dados publicados são derivados de dois projetos apoiados pela FAPESP e coordenados por Marques: um projeto de Auxílio à Pesquisa – Regular, que apoia a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha (Sisbiota Mar), e um Projeto Temático para pesquisar fatores que geram e regulam a evolução e diversidade marinhas.

“Como um expediente para cumprir a meta, alguns governos têm criado Áreas de Proteção Marinha gigantescas, mas em torno de ilhas ou arquipélagos praticamente desabitados, muito distantes do próprio país”, disse Marques à Agência FAPESP.

“A maior APM do mundo, situada no arquipélago de Chagos, tem mais de meio milhão de quilômetros quadrados. É uma área enorme, que cumpre, com sobra, a meta do Reino Unido”, disse. O arquipélago faz parte do Território Britânico do Oceano Índico.

“Porém a população dessa área se resume ao contingente rotativo de uma base britânica. A ninguém mais. Além disso, as características da área, situada no meio do Oceano Índico, em nada correspondem à biodiversidade do Reino Unido”, prosseguiu.

Embora reconheça o valor de uma APM como essa, Marques argumenta que sua criação não é necessariamente efetiva em termos de preservação ambiental. Segundo ele, cumpre-se o aspecto quantitativo, mas não o qualitativo, ou seja, não oferece proteção efetiva ao litoral do país onde está a maior parte de sua população. E o que é mais grave, segundo Marques, é que o mesmo expediente foi adotado em todas as outras grandes APMs criadas recentemente.

“Verificamos, e divulgamos em nosso artigo, que a população média das 10 maiores APMs do mundo, computada em raios de 10 quilômetros em torno das mesmas, é de apenas 5.038 pessoas”, informou Marques. E essa média é puxada para cima por apenas duas APMs, a Reserva Marinha de Galápagos (Equador) e o Parque Nacional da Grande Barreira de Corais (Austrália), ambas com pouco mais de 25 mil habitantes. A população total das demais APMs não chega a 4 mil indivíduos, sendo nula em três delas.

“Para os governos, é uma medida muito cômoda criar áreas de proteção ambiental em regiões como essas, porque o desgaste socioeconômico de tal implementação é baixíssimo. Exceto por uma ou outra indústria pesqueira, ninguém vai reclamar muito. É uma situação muito diferente da que ocorreria se as APMs fossem criadas nos litorais dos respectivos países”, disse Marques.

O pesquisador ressalta que essas áreas remotas são úteis, como nas APMs de Galápagos e da Barreira de Corais, pela especialidade dos ecossistemas protegidos. Mas as APMs não seriam representativas da gama de ambientes dos países.

Fracassos e sucessos

“Nossa principal intenção ao escrever o artigo foi destacar que existe uma necessidade de proteção, que pode ser parcialmente atendida pela meta de 10%, mas essa proteção tem que respeitar os ambientes reais dos países. Não basta alcançar o número sem que haja uma correspondência entre quantidade e qualidade”, disse Marques.

O pesquisador conta que, ao enviar o artigo para o Marine Pollution Bulletin, um de seus objetivos foi estabelecer uma interlocução com o editor do periódico, Charles Sheppard, da University of Warwick, no Reino Unido. Sheppard é considerado uma das maiores autoridades em conservação marinha do mundo e foi um dos mentores da APM britânica do arquipélago de Chagos.

“A resposta do professor Sheppard foi a mais positiva que eu poderia esperar, tanto que ele decidiu publicar nosso artigo como editorial do Marine Pollution Bulletin.

De acordo com Marques, os dados básicos e as análises gerados pelos cientistas são vitais para o melhor uso dos recursos, ao estabelecer áreas de preservação.

“É necessário entender se a área é a ideal para ser protegida do ponto de vista evolutivo, genético, biogeográfico, ecológico etc. Há exemplos de sucesso em que isso foi observado e exemplos de fracassos em que foi ignorado. O melhor cenário possível é aquele em que cientistas, técnicos e políticos participam francamente do processo”, disse.