The March of Anthropogenic Climate Disruption (Truthout)

Monday, 24 February 2014 09:11

By Dahr JamailTruthout | News Analysis

The March of Anthropogenic Climate Disruption

(Image: Jared Rodriguez / Truthout)

Last year marked the 37th consecutive year of above-average global temperature, according to data from NASA.

The signs of advanced Anthropogenic Climate Disruption (ACD) are all around us, becoming ever more visible by the day.

At least for those choosing to pay attention.

An Abundance of Signs

While the causes of most of these signs cannot be solely attributed to ACD, the correlation of the increasing intensity and frequency of events to ACD is unmistakable.

Let’s take a closer look at a random sampling of some of the more recent signs.

Sao Paulo, South America’s largest city (over 12 million people), will see its biggest water-supply system run dry soon if there is no rain. Concurry, a town in Australia’s outback, is so dry after two rainless years that their mayor is now looking at permanent evacuation as a final possibility. Record temperatures in Australia have been so intense that in January, around 100,000 bats literally fell from the sky during an extreme heat wave.

A now-chronic drought in California, which is also one of the most important agricultural regions in the United States, has reached a new level of severity never before recorded on the US drought monitor in the state. In an effort to preserve what little water remained, state officials there recently announced they would cut off water that the state provides to local public water agencies that serve 25 million residents and about 750,000 acres of farmland. Another impact of the drought there has 17 communities about to run out of water. Leading scientists have discussed how California’s historic drought has been worsened by ACD, and a recent NASA report on the drought, by some measures the deepest in over a century, adds:

“The entire west coast of the United States is changing color as the deepest drought in more than a century unfolds. According to the US Dept. of Agriculture and NOAA, dry conditions have become extreme across more than 62% of California’s land area – and there is little relief in sight.

“Up and down California, from Oregon to Mexico, it’s dry as a bone,” comments JPL climatologst Bill Patzert. “To make matters worse, the snowpack in the water-storing Sierras is less than 20% of normal for this time of the year.”

“The drought is so bad, NASA satellites can see it from space. On Jan. 18, 2014 – just one day after California governor Jerry Brown declared a state of emergency – NASA’s Terra satellite snapped a sobering picture of the Sierra Nevada mountain range. Where thousands of square miles of white snowpack should have been, there was just bare dirt and rock.”

During a recent interview, a climate change scientist, while discussing ACD-induced drought plaguing the US Southwest, said that he had now become hesitant to use the word drought, because “the word drought implies that there is an ending.”

Meanwhile, New Mexico’s chronic drought is so severe the state’s two largest rivers are now regularly drying up. Summer 2013 saw the Rio Grande drying up only 18 miles south of Albuquerque, with the drying now likely to spread north and into the city itself. By September 2013, nearly half of the entire US was in moderate to extreme drought.

During a recent interview, a climate change scientist, while discussing ACD-induced drought plaguing the US Southwest, said that he had now become hesitant to use the word drought, because “the word drought implies that there is an ending.”

As if things aren’t already severe enough, the new report Hydraulic Fracturing and Water Stress: Water Demand by the Numbers shows that much of the oil and gas fracking activity in both the United States and Canada is happening in “arid, water stressed regions, creating significant long-term water sourcing risks” that will strongly and negatively impact the local ecosystem, communities and people living nearby.

The president of the organization that produced this report said, “Hydraulic fracturing is increasing competitive pressures for water in some of the country’s most water-stressed and drought-ridden regions. Barring stiffer water-use regulations and improved on-the-ground practices, the industry’s water needs in many regions are on a collision course with other water users, especially agriculture and municipal water use.”

Recent data from NASA shows that one billion people around the world now lack access to safe drinking water.  Last year at an international water conference in Abu Dhabi, the UAE’s Crown Prince Sheikh Mohammed bin Zayed al-Nahyan said: “For us, water is [now] more important than oil.” Experts now warn that the world is “standing on a precipice” when it comes to growing water scarcity.

Looking northward, Alaska, given its Arctic geo-proximity, regularly sees the signs of advanced ACD. According to a recent NASA report on the northernmost US state:

“The last half of January was one of the warmest winter periods in Alaska’s history, with temperatures as much as 40°F (22°C) above normal on some days in the central and western portions of the state, according to Weather Underground’s Christopher Bart. The all-time warmest January temperature ever observed in Alaska was tied on January 27 when the temperature peaked at 62°F (16.7°C) at Port Alsworth. Numerous other locations – including Nome, Denali Park Headquarters, Palmer, Homer, Alyseka, Seward, Talkeetna, and Kotzebue – all set January records. The combination of heat and rain has caused Alaska’s rivers to swell and brighten with sediment, creating satellite views reminiscent of spring and summer runoff.”

Another recent study published in The Cryosphere shows that Alaska’s Arctic icy lakes are losing their thickness and fewer are freezing all the way through to the bottom during winter. This should not come as a surprise, given that the reflective capacity of Arctic sea ice has is disappearing at twice the rate previously shown.

(Photo: Subhankar Banerjee)

Polar bear on Bernard Harbor, along the Beaufort Sea coast, Arctic Alaska, June 2001. (Photo: Subhankar Banerjee)

As aforementioned, science now shows that global temperatures are rising every year. In addition to this overall trend, we are now in the midst of a 28-year streak of summer records above the 20th century average.

In another indicator from the north, a new study by the UC Boulder Institute of Arctic and Alpine Research showed that average summer temperatures in the Eastern Canadian Arctic during the last 100 years are higher now than during any century in the past 44,000 years, and indications are that Canadian Arctic temperatures today have not been matched or exceeded for roughly 120,000 years. Research leader Gifford Miller added, “The key piece here is just how unprecedented the warming of Arctic Canada is. This study really says the warming we are seeing is outside any kind of known natural variability, and it has to be due to increased greenhouse gases in the atmosphere.”

As ACD progresses, weather patterns come to resemble a heart-rate chart for a heart in defibrillation. Hence, rather than uniform increases in drought or temperatures, we are experiencing haphazard chaotic extreme weather events all over the planet, and the only pattern we might safely assume to continue is an intensification of these events, in both strength and frequency.

Iran’s Lake Urmia, once the largest lake in the country, has shrunk to less than half its normal size, causing Iran to face a crisis of water supply. The situation is so dire, government officials are making contingency plans to ration water in Tehran, a city of 22 million. Iran’s President Hassan Rouhani has even named water as a “national security issue,” and when he gives public speeches in areas impacted by water shortages he is now promising residents he will “bring the water back.”

In other parts of the world, while water scarcity is heightening already strained caste tensions in India, the UK is experiencing the opposite problems with water. January rains brought parts of England their wettest January since records began more than 100 years ago. The UK’s Met Office reported before the end of that month that much of southern England and parts of the Midlands had already seen twice the average rainfall for January, and there were still three days left in the month. January flooding across the UK went on to surpass all 247 years of data on the books, spurring the chief scientist at Britain’s Met Office to say that “all the evidence” suggests that the extreme weather in the UK is linked to ACD.

Another part of the world facing a crisis from too much water is Fiji, where residents from a village facing rising sea levels that are flooding their farmlands and seeping into their homes are having to flee. The village is the first to have its people relocated under Fiji’s “climate change refugee” program.

More bad news comes from a recently published study showing that Earth’s vegetation could be saturated with carbon by the end of this century, and would thus cease acting as a break on ACD.

More bad news comes from a recently published study showing that Earth’s vegetation could be saturated with carbon by the end of this century, and would thus cease acting as a break on ACD. However, this study could be an under-estimate of the phenomenon, as it is based on a predicted 4C rise in global temperature by 2100, and other studies and modeling predict a 4C temperature increase far sooner. (The Hadley Centre for Meteorological Researchsuggests a 4C temperature increase by 2060. The Global Carbon Project, which monitors the global carbon cycle, and the Copenhagen Diagnosis, a climate science report, predict 6C and 7C temperature increases, respectively, by 2100. The UN Environment Program predicts up to a 5C increase by 2050.)

Whenever we reach the 4C increase, whether it is by 2050, or sooner, this shall mark the threshold at which terrestrial trees and plants are no longer able to soak up any more carbon from the atmosphere, and we will see an abrupt increase in atmospheric carbon, and an even further acceleration of ACD.

And it’s not just global weather events providing the signs. Other first-time phenomena abound as well.

For the first time, scientists have discovered species of Atlantic Ocean zooplankton reproducing in Arctic waters. German researchers say the discovery indicates a possible shift in the Arctic zooplankton community as the region warms, one that could be detrimental to Arctic birds, fish, and marine mammals.

Another study shows an increase in both the range and risk for malaria due to ACD, and cat parasites have even been found in Beluga whales in the Arctic, in addition to recently published research showing other diseases in seals and other Arctic life.

Distressing signs of ACD’s increasing decimation of life continue unabated. In addition to between 150-200 species going extinct daily, Monarch butterflies are now in danger of disappearing as well. Experts recently reported that the numbers of Monarch butterflies have dropped to their lowest levels since record-keeping began. At their peak, the butterflies covered an area of Mexican pine and fir forests of 44.5 acres. Now, after steep and persistent declines in the last three years, they only cover 1.65 acres. Extreme weather trends, illegal logging, and a dramatic reduction of the butterflies’ habitat are all to blame.

recently published study that spanned 27-years showed that ACD is “killing Argentina’s Magellanic penguin chicks.” Torrential rainstorms and extreme heat are killing the young birds in significant numbers.

Distressingly, the vast majority of these citations and studies are only from the last six weeks.

More Pollution, More Denial

Meanwhile, the polluting continues as global carbon emissions only continue to increase.

Another recent study shows that black carbon emissions in India and China could be two to three times more concentrated than previously estimated. Black carbon is a major element of soot, and comes from the incomplete combustion of fossil fuels. The study showed that parts of India and China could have as much as 130 percent higher black carbon concentrations than shown in standard country models.

India is now rated as having some of the worst air quality in the world, and is tied with China for exposing its population to hazardous air pollution.

Meanwhile, Australian government authorities recently approved a project that will dump dredged sediment near the Great Barrier Reef, a so-called World Heritage Site, to create one of the world’s largest coal ports.

Also on the front lines of the coal industry, miners now want to ignite deep coal seams to capture the gases created from the fires to use them for power generation. It’s called underground coal gasification, it is on deck for what comes next after the fracking blitz, and it is a good idea for those wishing to turn Earth into Venus.

Then we have BP’s “Energy Outlook” for the future, an annual report where the oil giant plots trends in global energy production and consumption. With this, we can expect nothing less than full steam ahead when it comes to vomiting as much carbon into the atmosphere in as short a time as possible.

BP CEO Bob Dudley announced at a January press conference that his company’s Outlook sees carbon emissions projected to rise “29% by 2035.”

Speaking of BP, the corporate-driven government of the United States continues to serve its masters well.

The US State Department recently released its environmental impact statement that found “no major climate impact” from a continuation in the construction of the Keystone XL pipeline, a pipeline that will transport tar sands oil – the dirtiest fossil fuel on Earth, produced by the most environmentally destructive fossil fuel extraction process ever known.

US President Barack Obama claims he has yet to make a decision on the pipeline, but we can guess what his decision shall be.

In late January, the US House Energy and Commerce Committee voted down an amendment that would have stated conclusively that ACD is occurring, despite recent evidence that ACD has literally shifted the jet stream, the main system that helps determine all of the weather in North America and Northern Europe. The 24 members of the committee who voted down the amendment, all of them Republicans and more overtly honest about who they are working for than is Obama, have accepted approximately $9.3 million in career contributions from the oil, gas, and coal industries.

Systemic problems require systemic solutions, and thinking the radical change necessary to preserve what life remains on the planet is possible without the complete removal of the system that is killing us, is futile.

The fact that the planet is most likely long past having gone over the cliff when it comes to passing the point of no returnregarding ACD is a fact most people prefer not to contemplate.

And who can blame them? The relentless onslaught of distress signals from the planet, coupled with the fact that the governments of the countries generating the most emissions are those marching lock-step with the fossil fuel industries are daunting, to say the least.

Oil, gas, and coal are the fuels the capitalist system uses to generate the all-important next quarterly profit on the road toward infinite growth, as required by the capitalist system.

Systemic problems require systemic solutions, and thinking the radical change necessary to preserve what life remains on the planet is possible without the complete removal of the system that is killing us, is futile.

Half measures, as we have seen all too often, avail us nothing.

Copyright, Truthout. May not be reprinted without permission.

Mudança climática já é parte dos modelos estratégicos centrais de empresas globais (Ecopolítica)

25/2/2014 – 11h55

por Sérgio Abranches, da Ecopolítica

mudancasclimaticas 300x209 Mudança climática já é parte dos modelos estratégicos centrais de empresas globais

As maiores empresas globais estão mudando de atitude com relação à mudança climática. Já incluíram a mudança climática como um fator de risco real em suas decisões. A maioria já avalia seu risco climático e desenvolve mecanismos de gestão desse risco. A primeira reação, havido sido a de negar sua existência ou a possibilidade de levá-la em consideração em seus cálculos e estratégias centrais. Depois, passaram a tratar a mudança climática como uma incerteza sobre a qual nada podiam fazer. Agora ela está no centro de suas decisões estratégicas.

Como se dá essa gestão de risco? Do mesmo modo que as empresas manejam seus riscos financeiros, econômicos, regulatórios e políticos. Tomam medidas preventivas, tentam se adaptar ao ambiente de risco, tornando-se mais resilientes, mudam suas estratégias para considerar o impacto possível desses riscos. Investem em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias e métodos de operação que lhes permitam reduzir sua vulnerabilidade aos riscos.

Pesquisa revelou recentemente que 29 grandes empresas usam preço sombra para o carbono em seus modelos financeiros para avaliar o risco climático. O governo Obama também usa um preço para o carbono, um custo social do carbono, para orientar as decisões regulatórias da agência ambiental EPA, que fixou em US$ 36.00 a tonelada. A lei do ar limpo obriga a regulação a se basear em análise de custo-benefício e uma ordem executiva (espécie de decreto presidencial) regulamentou esse processo pelas agências, ficando a “filosofia regulatória do governo federal”, segundo a qual cada agência deve fazer estimativas que lhe permitam arrazoada determinação de que a regulação justifica seus custos.

Por que as empresas estão fazendo isso? Porque quando elas examinam o que os cenários de mudança climática mostram como futuro provável e verificam que alguns deles afetariam diretamente sua lucratividade. Eventos extremos cada vez mais frequentes, variabilidade climática imprevisível são fatores concretos de risco que rompem frequentemente as cadeias de suprimentos. Empresas, por exemplo, que dependem de água, já perderam muito com a escassez de água em várias regiões, com o aumento e a severidade da seca desde 2004 e com enchentes cada vez mais violentas, a cada dois anos. Empresas que usam algodão, no vestuário e na produção de equipamentos esportivos, ou milho e soja, para ração ou como matéria prima alimentar, estão em alerta após oito anos consecutivos de quebras de safra em vários países grandes produtores por causa de eventos climáticos extremos. E podemos estar entrando no nono ano em que essas perdas podem voltar a acontecer. Outro exemplo é o de empresas em áreas de de furacões e tornados, que estão ficando mais destrutivos. Esses eventos extremos reduzem a oferta de produtos agrícolas de que dependem, interrompendo as cadeias de suprimento e os fluxos logísticos (por causa de danos no sistema de transporte e interrupção do tráfego), elevando significativamente os custos de produção e, consequentemente, o preço final. Elas vêem o que está acontecendo como uma prévia dos extremos climáticos que vêm por aí.

O risco climático acendeu, definitivamente, uma forte luz amarela no painel de controle das maiores empresas globais. Tudo começou com as seguradoras, que já perderam muito com o pagamento de seguros por danos materiais associados a eventos climáticos extremos. Elas começaram a pressionar seus clientes para avaliar seu risco climático e tomar medidas a respeito. As empresas que não avaliam seus riscos têm dificuldade em comprar seguros ou devem pagar um prêmio proibitivo. Depois vieram os investidores que olham a mais longo prazo, como os fundos institucionais e os grandes fundos de pensão independentes. Também começaram a ameaçar retirar de seu portfólio as empresas que não avaliassem adequadamente seu risco climático e não o incorporassem ao seu bottom line, a linha que determina sua taxa de retorno. O risco climático é visto, hoje, como disruptivo das operações das empresas, danoso às suas taxas de retorno e passíveis de reduzir seu horizonte de vida rentável.

Por outro lado, do ponto de vista da equação financeira, as empresas já não têm dúvida de que o custo do carbono se imporá e aumentará, elevando, também, o custo da energia. Na última reunião do Fórum Econômico Mundial, houve uma sessão inteira, toda a sexta-feira, dedicada apenas à ameaça climática.

As práticas de gestão de risco das maiores empresas globais já estão contribuindo para a formação de um preço de carbono de mercado que, no futuro, pode vir a ser usado para calcular impostos sobre o carbono. Entre os economistas que colocaram a mudança climática em seu radar, já não há mais dúvidas sobre seu impacto econômico negativo e sobre o efeito econômico positivo das ações de gestão do risco climático, que aumentam o investimento em tecnologias e energias de baixo carbono ou carbono-zero. São as áreas de maior dinamismo da economia em várias países, e com melhores perspectivas de longo prazo, e geram mais e melhores empregos. Agora é uma questão de investir para reduzir os efeitos econômicos e financeiros e aumentar os benefícios decorrentes das mudanças que acabam tornando as empresas mais resilientes, mais competitivas e mais eficientes.

As empresas não estão ficando boazinhas. Falhas de mercado também têm impacto negativo sobre cadeias produtivas, cadeias de suprimento e cadeias logísticas. As grandes corporações globais continuam operando com a filosofia do interesse próprio e da ideologia empresarial do “lean and mean”, do tamanho ótimo e da máxima agressividade empresarial. É da natureza do animal e do seu ambiente, o capitalismo. Mas, quando algo de alto interesse coletivo atinge seus interesses particulares centrais, passa a ser problema delas e não apenas da sociedade. Elas preferem resolver o problema por conta própria a ter que enfrentar intervenções regulatórias cada vez mais exigentes.

* Publicado originalmente no site Ecopolítica.

What Alexander The Great Teaches Brazil About Inequality (Worldcrunch)

Eduardo Giannetti (2014-02-21) Article illustrative image

In Parque do Gato, favela life for Brazil’s huge underclass

For the Greek philosopher Diogenes, self-control and self-sufficiency were the essential values. He lived a life with no possessions, except for a cloak, a purse and a barrel made out of clay in which he would sleep.

Intrigued, the emperor Alexander The Great went to visit him. “I’m the most powerful man in the world. Ask what you want and I will give it to you.” Diogenes did not falter: “Yes. Step out of my light, you’re blocking the sun.”

The philosopher and the Emperor are examples of the extreme, and have been used to illustrate Socrates’s theory that, among mortals, those with the fewer possessions are those closest to the gods.

Alexander, a former pupil and patron of Aristotle’s, learned his lesson. When one of his courtiers mocked the philosopher for “turning down” the offer that was put to him, the Emperor replied: “If I were not Alexander, I would like to be Diogenes.” Extremes share much in common.

And so from an ethical point of view, what is wrong with inequality? Our ancient example reminds us that inequality is not bad in itself. What matters instead is the legitimacy of the process that may create it.

The justice — or lack thereof — of the end result depends on the means that brought us there. The crucial question therefore should be: Is the observed inequality essentially a reflection of the difference in talents, efforts and values, or is it the result of a game that was rigged to begin with. In other words, does the disparity come from a deep lack of equity in the initial conditions of life, of the deprivation of basic rights and/or of racial, sexual or religious discrimination?

Billions (and billions) wasted

In the last 20 years, Brazil has made real progress thanks to achievement of economic stability and policies of social inclusion. Still, despite that, the country remains one of the most unequal on the planet. As far as income distribution is concerned, Brazil is the second worst in the G20, the fourth in Latin America and the 12th in the world.

But we must not confuse the symptom with the virus. Brazil’s poor income distribution is the fruit of a grave anomaly: the brutal disparity in the initial conditions of life as well as in the opportunities for young children and teenagers to develop according to their abilities and talents, which would allow them to widen their range of possible choices and more often realize dreams for their future.

Brazil’s “new middle class” gained access to consumption, but not to true civic goods. In the 21st century, half of the population has no sewer system, public education and health are in an appalling state, public transport is a daily nightmare for commuters, about 5% of all deaths — mostly of the poor, the young and black people — are homicides. Finally, one-third of those who have left superior education (if the term actually applies) are functional illiterates.

This doesn’t seem due to a lack of resources, or at least, there is no shortage of resources when the government spends $4.5 billion on Swedish fighter jets, or when it finances the construction of football stadiums for the World Cup, or when it plans to build a bullet-train for $16.7 billion, or $6.7 billion on nuclear submarines. The total amount of subsidies granted by the Brazilian Development Bank (BNDES) to a selected group of partners and companies surpasses the amount spent in the whole Family Allowance welfare program.

No, what is lacking here is simply common sense!

Brazil will continue being a violent and absurdly unjust country, put to shame by its inequality, for as long as the conditions of the family in which a child has the good or bad luck to be born plays the overriding role in defining his future.

Human diversity gave us Diogenes and Alexander The Great. But the lack of a minimum of equity in the initial conditions of life limits greatly the room for choice, rigs the game of income distribution and poisons our society.

Inequality in opportunity to succeed, I dare to believe, is the root of what’s wrong with Brazil.

*Eduardo Giannetti is an economist, lecturer at Cambridge University and writer.

Read the full article: What Alexander The Great Teaches Brazil About Inequality – All News Is Global
Worldcrunch – top stories from the world’s best news sources

Hershey’s Is Hiring a Chocolate Futurist (The Atlantic)

Adapting to climate change, one candy bar at a time

, FEB 21 2014, 3:12 PM ET

Reuters

The Hershey Company—makers of the eponymous candy bar, York Peppermint Patties, and Reese’s Cups—is a big, complex organization. Not only is it the largest chocolate manufacturer in the United States, selling 40 percent of domestic dark chocolate, but it also operates a store/museum in Hershey, Pennsylvania. And one in Times Square. And one in Las Vegas.

And, oh, also an amusement park.

Now—in response to all this bigness, all this complexity, all these diversified models—it has prepared for a changing world. The Hershey Company is hiring a futurist.

That’s not what companies call it, exactly. Hershey’s is hiring a “Senior Manager” in “Foresight Activation,” someone with experience converting “existing foresight (trends, forecasts, scenarios) into strategic opportunities (SOs).”

The company’s posting never breaks down just what “foresight” means, though it does specify applicants should be “collaborate with and align multi-functional stakeholders.” But let me be clear, foresight means trying to understand the future. Hershey’s is hiring a chocolate futurist.

Of course, this is not an outlandish position, even if it will require regular excisions of jargon. Companies everywhere analyze trends, try to figure out what imperils their business, and make plans accordingly. If they depend on products of the land, they specifically try to plan for the big, amorphous future risk of climate change.

Little wonder: A 2011 Gates Foundation-funded study found that even small amounts of climate change could ravage the cocoa market, sending “yields crashing and prices soaring.” And Starbucks has long insisted that climate change, more than anything else, threatens the global supply chain of coffee, and, thus, its business.

Brasil consome 14 agrotóxicos proibidos no mundo (Portal IG)

JC e-mail 4901, de 24 de fevereiro de 2014

Especialista indica que pelo menos 30% de 20 alimentos analisados não poderiam estar na mesa do brasileiro

Os indicadores que apontam o pujante agronegócio como a galinha dos ovos de ouro da economia não incluem um dado relevante para a saúde: o Brasil é maior importador de agrotóxicos do planeta. Consome pelo menos 14 tipos de venenos proibidos no mundo, dos quais quatro, pelos riscos à saúde humana, foram banidos no ano passado, embora pesquisadores suspeitem que ainda estejam em uso na agricultura.

Em 2013 foram consumidos um bilhão de litros de agrotóxicos no País – uma cota per capita de 5 litros por habitante e movimento de cerca de R$ 8 bilhões no ascendente mercado dos venenos.

Assita Agrotóxicos afetam a saúde de 12 milhões na Argentina

Dos agrotóxicos banidos, pelo menos um, o Endosulfan, prejudicial aos sistemas reprodutivo e endócrino, aparece em 44% das 62 amostras de leite materno analisadas por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) no município de Lucas do Rio Verde, cidade que vive o paradoxo de ícone do agronegócio e campeã nacional das contaminações por agrotóxicos. Lá se despeja anualmente, em média, 136 litros de venenos por habitante.

Na pesquisa coordenada pelo médico professor da UFMT Wanderlei Pignati, os agrotóxicos aparecem em todas as 62 amostras do leite materno de mães que pariram entre 2007 e 2010, onde se destacam, além do Endosulfan, outros dois venenos ainda não banidos, o Deltametrina, com 37%, e o DDE, versão modificada do potente DDT, com 100% dos casos. Em Lucas do Rio Verde, aparecem ainda pelo menos outros três produtos banidos, o Paraquat, que provocou um surto de intoxicação aguda em crianças e idosos na cidade, em 2007, o Metamidofóis, e o Glifosato, este, presente em 70 das 79 amostras de sangue e urina de professores da área rural junto com outro veneno ainda não proibido, o Piretroides.

Veja também: Agrotóxico contamina leite materno

Na lista dos proibidos em outros países estão ainda em uso no Brasil estão o Tricolfon, Cihexatina, Abamectina, Acefato, Carbofuran, Forato, Fosmete, Lactofen, Parationa Metílica e Thiram.

Chuva de lixo tóxico
“São lixos tóxicos na União Europeia e nos Estados Unidos. O Brasil lamentavelmente os aceita”, diz a toxicologista Márcia Sarpa de Campos Mello, da Unidade Técnica de Exposição Ocupacional e Ambiental do Instituto Nacional do Câncer (Inca), vinculado ao Ministério da Saúde. Conforme aponta a pesquisa feita em Lucas do Rio Verde, os agrotóxicos cancerígenos aparecem no corpo humano pela ingestão de água, pelo ar, pelo manuseio dos produtos e até pelos alimentos contaminados.

Mais:Estudante morre após tomar agrotóxico vendido como emagrecedor

Venenos como o Glifosato são despejados por pulverização aérea ou com o uso de trator, contaminam solo, lençóis freáticos, hortas, áreas urbanas e depois sobem para atmosfera. Com as precipitações pluviométricas, retornam em forma de “chuva de agrotóxico”, fenômeno que ocorre em todas as regiões agrícolas mato-grossenses estudadas. Os efeitos no organismo humano são confirmados por pesquisas também em outros municípios e regiões do país.

O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), segundo a pesquisadora do Inca, mostrou níveis fortes de contaminação em produtos como o arroz, alface, mamão, pepino, uva e pimentão, este, o vilão, em 90% das amostras coletadas. Mas estão também em praticamente toda a cadeia alimentar, como soja, leite e carne, que ainda não foram incluídas nas análises.

O professor Pignati diz que os resultados preliminares apontam que pelo menos 30% dos 20 alimentos até agora analisados não poderiam sequer estar na mesa do brasileiro. Experiências de laboratórios feitas em animais demonstram que os agrotóxicos proibidos na União Europeia e Estados Unidos são associados ao câncer e a outras doenças de fundo neurológico, hepático, respiratórios, renais e má formação genética.

Câncer em alta
A pesquisadora do Inca lembra que os agrotóxicos podem não ser o vilão, mas fazem parte do conjunto de fatores que implicam no aumento de câncer no Brasil cuja estimativa, que era de 518 mil novos casos no período 2012/2013, foi elevada para 576 mil casos em 2014 e 2015. Entre os tipos de câncer, os mais suscetíveis aos efeitos de agrotóxicos no sistema hormonal são os de mama e de próstata. No mesmo período, segundo Márcia, o Inca avaliou que o câncer de mama aumentou de 52.680 casos para 57.129.

Na mesma pesquisa sobre o leite materno, a equipe de Pignati chegou a um dado alarmante, discrepante de qualquer padrão: num espaço de dez anos, os casos de câncer por 10 mil habitantes, em Lucas do Rio Verde, saltaram de três para 40. Os problemas de malformação por mil nascidos saltaram de cinco para 20. Os dados, naturalmente, reforçam as suspeitas sobre o papel dos agrotóxicos.

Pingati afirma que os grandes produtores desdenham da proibição dos venenos aqui usados largamente, com uma irresponsável ironia: “Eles dizem que não exportam seus produtos para a União Europeia ou Estados Unidos, e sim para mercados africanos e asiáticos.”

Apesar dos resultados alarmantes das pesquisas em Lucas do Rio Verde, o governo mato-grossense deu um passo atrás na prevenção, flexibilizando por decreto, no ano passado, a legislação que limitava a pulverização por trator a 300 metros de rios, nascentes, córregos e residências. “O novo decreto é um retrocesso. O limite agora é de 90 metros”, lamenta o professor.

“Não há um único brasileiro que não esteja consumindo agrotóxico. Viramos mercado de escoamento do veneno recusado pelo resto do mundo”, diz o médico Guilherme Franco Netto, assessor de saúde ambiental da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz). Na sexta-feira, diante da probabilidade de agravamento do cenário com o afrouxamento legal, a Fiocruz emitiu um documento chamado de “carta aberta”, em que convoca outras instituições de pesquisa e os movimentos sociais do campo ligados à agricultura familiar para uma ofensiva contra o poder (econômico e político) do agronegócio e seu forte lobby em toda a estrutura do governo federal.

Reação da Ciência
A primeira trincheira dessa batalha mira justamente o Palácio do Planalto e um decreto assinado, no final do ano passado, pela presidente Dilma Rousseff. Regulamentado por portaria, a medida é inspirada numa lei específica e dá exclusividade ao Ministério da Agricultura _ histórico reduto da influente bancada ruralista no Congresso _ para declarar estado de emergência fitossanitária ou zoossanitária diante do surgimento de doenças ou pragas que possam afetar a agropecuária e sua economia.

Essa decisão, até então era tripartite, com a participação do Ministério da Saúde, através da Anvisa, e do Ministério do Meio Ambiente, pelo Ibama. O decreto foi publicado em 28 de outubro. Três dias depois, o Ministério da Agricultura editou portaria declarando estado de emergência diante do surgimento de uma lagarta nas plantações, a Helicoverpaarmigera, permitindo, então, para o combate, a importação de Benzoato de Emamectina, agrotóxico que a multinacional Syngenta havia tentado, sem sucesso, registrar em 2007, mas que foi proibido pela Anvisa por conter substâncias tóxicas ao sistema neurológico.

Na carta, assinada por todo o conselho deliberativo, a Fiocruz denuncia “a tendência de supressão da função reguladora do Estado”, a pressão dos conglomerados que produzem os agroquímicos, alerta para os inequívocos “riscos, perigos e danos provocados à saúde pelas exposições agudas e crônicas aos agrotóxicos” e diz que com prerrogativa exclusiva à Agricultura, a população está desprotegida.

A entidade denunciou também os constantes ataques diretos dos representantes do agronegócio às instituições e seus pesquisadores, mas afirma que com continuará zelando pela prevenção e proteção da saúde da população. A entidade pede a “revogação imediata” da lei e do decreto presidencial e, depois de colocar-se à disposição do governo para discutir um marco regulatório para os agrotóxicos, fez um alerta dramático:

“A Fiocruz convoca a sociedade brasileira a tomar conhecimento sobre essas inaceitáveis mudanças na lei dos agrotóxicos e suas repercussões para a saúde e a vida.”

Para colocar um contraponto às alegações da bancada ruralista no Congresso, que foca seu lobby sob o argumento de que não há nexo comprovado de contaminação humana pelo uso de veneno nos alimentos e no ambiente, a Fiocruz anunciou, em entrevista ao iG, a criação de um grupo de trabalho que, ao longo dos próximos dois anos e meio, deverá desenvolver a mais profunda pesquisa já realizada no país sobre os efeitos dos agrotóxicos – e de suas inseparáveis parceiras, as sementes transgênicas – na saúde pública.

O cenário que se desenha no coração do poder, em Brasília, deve ampliar o abismo entre os ministérios da Agricultura, da Fazenda e do Planejamento, de um lado, e da Saúde, do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário, de outro. Reflexo da heterogênea coalizão de governo, esta será também uma guerra ideológica em torno do modelo agropecuário. “Não se trata de esquerdismo desvairado e nem de implicância com o agronegócio. Defendemos sua importância para o país, mas não podemos apenas assistir à expansão aguda do consumo de agrotóxicos e seus riscos com a exponencial curva ascendente nos últimos seis anos”, diz Guilherme Franco Netto. A queda de braços é, na verdade, para reduzir danos do modelo agrícola de exportação e aumentar o plantio sem agrotóxicos.

Caso de Polícia
“A ciência coloca os parâmetros que já foram seguidos em outros países. O problema é que a regulação dos agrotóxicos está subordinada a um conjunto de interesses políticos e econômicos. A saúde e o ambiente perderam suas prerrogativas”, afirma o pesquisador Luiz Cláudio Meirelles, da Fiocruz. Até novembro de 2012, durante 11 anos, ele foi o organizador gerente de toxicologia da Anvisa, setor responsável por analisar e validar os agrotóxicos que podem ser usados no mercado.

Meirelles foi exonerado uma semana depois de denunciar complexas falcatruas, com fraude, falsificação e suspeitas de corrupção em processos para liberação de seis agrotóxicos. Num deles, um funcionário do mesmo setor, afastado por ele no mesmo instante em que o caso foi comunicado ao Ministério Público Federal, chegou a falsificar sua assinatura.

“Meirelles tinha a função de banir os agrotóxicos nocivos à saúde e acabou sendo banido do setor de toxicologia”, diz sua colega do Inca, Márcia Sarpa de Campos Mello. A denúncia resultou em dois inquéritos, um na Polícia Federal, que apura suposto favorecimento a empresas e suspeitas de corrupção, e outro cível, no MPF. Nesse, uma das linhas a serem esclarecidas são as razões que levaram o órgão a afastar Meirelles.

As investigações estão longe de terminar, mas forçaram já a Anvisa – pressionada pelas suspeitas -, a executar a maior devassa já feita em seu setor de toxicologia, passando um pente fino em 796 processos de liberação avaliados desde 2008. A PF e o MPF, por sua vez, estão debruçados no órgão regulador que funciona como o coração do agronegócio e do mercado de venenos.

(Vasconcelo Quadros/Portal IG)

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2014-02-24/brasil-consome-14-agrotoxicos-proibidos-no-mundo.html

Domadores de catástrofes (Fapesp)

Brasileiros ajudam a testar teoria sobre a previsão e o controle de crises financeiras globais

IGOR ZOLNERKEVIC | Edição 216 – Fevereiro de 2014

© NELSON PROVAZILE

As piores crises, os piores acidentes, as piores catástrofes naturais e humanas são as que mais causam surpresa. Parece que quanto mais intenso o evento – de um tsunâmi devastador a uma guerra mundial – mais imprevisível e incontrolável ele é. No entanto, o físico e economista francês Didier Sornette, do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique (ETH), acredita no contrário. Depois de duas décadas comparando a frequência e a intensidade de situações extremas observadas em áreas tão distintas quanto a economia e a geologia, Sornette está convencido de que, embora a sociedade e a natureza sejam complexas demais para permitir prever muitos dos eventos extremos, justamente os piores desses eventos, chamados por ele de dragon kings (dragões reis), teriam características únicas que permitiriam antecipá-los e evitá-los. Em uma palestra na conferência TED Global, realizada em junho do ano passado em Edimburgo, Escócia, Sornette afirmou que aplicar a teoria dos dragon kings na regulação do mercado financeiro poderia evitar crises econômicas como a que se iniciou em 2007 e causou prejuízos de centenas de bilhões de dólares nas bolsas de valores norte-americanas – até 2008 a perda no produto interno bruto global havia alcançado US$ 5 trilhões.

Embora sua teoria seja pouco aceita pelos economistas, as ideias de Sornette têm sido adotadas por pesquisadores de outras áreas, que já encontraram evidências de eventos do tipo dragon kings, e de sinais que os precedem nas ciências naturais, na medicina e na engenharia. A prova mais conclusiva já observada foi divulgada no final do ano passado. Uma equipe internacional de físicos, liderada por pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e integrada por Sornette, conseguiu pela primeira vez gerar, observar, prever e eliminar dragon kings em experimentos totalmente controlados em laboratório.

Na Paraíba, os pesquisadores brasileiros construíram um aparelho capaz de gerar oscilações elétricas caóticas e desenvolveram técnicas que permitiram manipular essas oscilações. Eles esperam que estratégias semelhantes às usadas no experimento sejam úteis no controle de eventos extremos em geral. “Desenvolvemos um sistema eletrônico, relativamente fácil de construir, com o qual testamos experimentalmente as hipóteses do Sornette”, explica o físico Hugo Cavalcante, da UFPB, primeiro autor do estudo, publicado em novembro de 2013 na Physical Review Letters. O segundo autor do artigo, o físico Marcos Oriá, da mesma universidade, acrescenta que o resultado “abre uma perspectiva de que se torne possível identificar e antecipar situações extremas em sistemas complexos, como o mercado financeiro ou o clima do planeta”.

Especialista em óptica e em física atômica, Oriá se interessava havia tempos por situações em que equipamentos de laser relativamente simples geravam comportamentos caóticos, semelhantes aos de sistemas mais complexos como o mercado financeiro. Mas Oriá somente se aprofundou no assunto após a chegada de Cavalcante à UFPB em 2011. Cavalcante passara três anos e meio na Universidade Duke, nos Estados Unidos, trabalhando no laboratório do físico Daniel Gauthier, que ganhou notoriedade nos anos 1990 pesquisando a sincronização de sistemas caóticos.

Para estudar os fenômenos da teoria do caos, Gauthier projetou circuitos eletrônicos simples, do tamanho de cartões de crédito, nos quais era possível fazer oscilar tanto a corrente elétrica quanto a voltagem de maneira aleatória e imprevisível. O comportamento desses osciladores eletrônicos é descrito por equações matemáticas simples e bem definidas, mas as oscilações são extremamente sensíveis a pequenas mudanças. Por essa razão, uma pequena interferência eletrônica no início da operação do oscilador pode alterar completamente o seu comportamento posterior. Na prática, essa característica impede que se obtenham previsões precisas dos valores que a corrente e a voltagem podem alcançar depois do início do experimento. Mesmo assim, Gauthier descobriu como conectar dois desses osciladores, de modo que um deles, o mestre, oscilasse de maneira livre e caótica, enquanto o outro, o escravo, seguia o mestre de modo sincronizado.

Sincronia caótica
Dependendo de como os osciladores mestre e escravo eram acionados, porém, a sincronia entre eles podia desaparecer momentaneamente, para ser retomada em seguida, em uma série de eventos aleatórios breves que Gauthier chamou de borbulhamento. Gauthier, Cavalcante e Oriá notaram que, na maioria desses eventos de dessincronização, a diferença entre as correntes e as voltagens dos dois osciladores era pequena. Mas perceberam também que, em alguns poucos eventos, essa diferença aumentava muito.

Eles, então, buscaram uma relação entre o número de borbulhamentos (frequência) e a magnitude que alcançavam. Concluíram que, na maioria das vezes, a frequência era proporcional à magnitude elevada a um expoente cujo valor era comum a todos os eventos. Essa relação matemática é conhecida como lei de potência. Em um gráfico especialmente desenhado para acomodar números de várias ordens de grandeza, uma lei de potência assume a forma de uma simples linha reta.

Por onde quer que olhem, seja na natureza, seja na sociedade, os físicos costumam encontrar fenômenos oscilatórios com frequência e magnitude que obedecem leis de potência. São situações que vão da flutuação de ações de uma bolsa de valores à ocorrência de terremotos ou à propagação de sinais elétricos no cérebro humano. As similaridades entre fenômenos que acontecem em situações tão distintas levaram os pesquisadores a batizar os sistemas em que eles ocorrem como sistemas complexos. Cada um desses fenômenos tem um grande número de componentes – pense, por exemplo, nos agentes de um mercado comprando e vendendo ações ou nos neurônios do cérebro realizando sinapses – e funciona de um modo muito característico: as partes interagem de maneira quase aleatória, mas a soma dessas interações pode gerar regularidades espantosas como as leis de potência.

E, para os físicos, o fato de um fenômeno se comportar segundo uma lei de potência pode significar muita coisa. É que, de acordo com essa lei, todas as manifestações de um fenômeno – no caso do experimento da Paraíba, as oscilações de voltagem e corrente – são provocadas por uma mesma causa. Isso significa, por exemplo, que as origens de um grande terremoto são qualitativamente as mesmas que as de um pequeno abalo sísmico. A única distinção entre os eventos é sua magnitude ou tamanho. “Como não se sabe de antemão se a magnitude de um evento será grande ou pequena”, explica Oriá, “disseminou-se a ideia de que todos os sistemas complexos são intrinsecamente imprevisíveis”.

Físicos que aplicaram essa ideia ao estudo do mercado financeiro – fundando uma disciplina conhecida como econofísica – chegaram à conclusão de que grandes flutuações nos preços não precisam ser causadas necessariamente por uma grande mudança político-econômica. Muitas vezes, uma crise financeira pode se originar como uma flutuação de preço normal que, por acaso, toma grandes proporções. Crises financeiras, portanto, seriam inevitáveis. “Essa é uma visão particularmente pessimista e até perigosa, já que promove uma atitude de irresponsabilidade”, defende Sornette, que vem alertando seus colegas físicos desde os anos 1990 para o fato de que nem todas oscilações financeiras seguem leis de potência, especialmente as maiores.

O que Sornette falou do mercado financeiro Gauthier e os dois colegas brasileiros observaram com os osciladores caóticos. De modo geral, os eventos de dessincronização até seguiam uma lei de potência. Mas os eventos mais extremos transgrediam a lei, acontecendo numa frequência muito maior. Esses eventos desenhavam um pico proeminente em uma das extremidades dos gráficos, para o qual os pesquisadores não tinham explicação.

Foras da lei
Gauthier, Cavalcante e Oriá, no entanto, logo se deram conta de que os eventos de dessincronização extremos se encaixavam perfeitamente na definição do que Sornette chama de dragon kings: são os eventos mais extremos que podem acontecer em um sistema complexo e que ocorrem em uma frequência muito maior que a esperada pela lei de potência, que rege os demais eventos do sistema.

A ideia de que o surgimento de dragon kings seria mais previsível e controlável do que outros eventos extremos nasceu com a primeira aplicação bem-sucedida da teoria de Sornette: a prevenção da ruptura da fuselagem dos foguetes Ariane, usados pela Agência Espacial Europeia. Durante os lançamentos, engenheiros registravam com sensores acústicos variações de ruído causadas por estresse na estrutura do foguete. Ao analisar esses dados, Sornette observou que o barulho dos eventos de ruptura aparecia em seus gráficos como dragon kings. A partir daí ele e seus colaboradores descobriram como detectar na série de emissões acústicas do foguete os sinais iniciais do desenvolvimento dessas rupturas e como usá-los para prevenir os acidentes.

Em seguida, Sornette adaptou seu método, usado até hoje nos lançamentos do foguete, ao monitoramento da economia, em busca de sinais precursores do estouro de bolhas financeiras. Há cinco anos ele coordena o Observatório de Crises Financeiras da ETH, um projeto que monitora os preços de milhares de ações negociadas em diversas bolsas de valores, inclusive na brasileira Bovespa. Uma bolha sempre começa em uma atmosfera de otimismo, em que ocorre uma supervalorização dos bens negociados. Sornette acredita que a melhor maneira de prever a chegada de uma bolha é procurar sinais de que os preços e demais índices financeiros do mercado estão passando por aquilo que ele chama de crescimento superexponencial. É quando, por exemplo, um investimento que em um mês rende 10% passa a oferecer o dobro no mês seguinte (20%) e o dobro do dobro (40%) dois meses mais tarde. Embora pareça óbvio que esse crescimento não pode durar para sempre, no calor dos negócios os investidores tendem a apresentar um comportamento de rebanho: ansiosos por lucrar com as oportunidades que todos a sua volta parecem estar aproveitando, eles – às vezes, até os mais cautelosos – se deixam levar pela euforia. Em algum momento, porém, quando a artificialidade da situação se torna insustentável, os preços despencam, levando a uma desvalorização em cascata em toda a economia.

Em seu observatório, Sornette e sua equipe detectam crescimentos superexponenciais nos índices monitorados e analisam sua evolução. O objetivo é obter informações que permitam prever o instante crítico em que o crescimento é substituído por um novo regime – de queda ou estagnação. Sornette afirma detectar o surgimento de bolhas de tamanhos variados e ser capaz de estimar quando elas têm mais chance de estourar. Um exemplo é a bolha do milagre econômico chinês, em que as ações do país cresceram 300% em poucos anos. Em setembro de 2007, durante uma conferência para investidores, Sornette os alertou de que uma mudança de regime estava prestes a ocorrer. A maioria não deu ouvidos, confiando que o governo chinês faria de tudo para manter o crescimento, com os preparativos para os Jogos Olímpicos de Pequim, que aconteceriam no ano seguinte. Três semanas depois da conferência o mercado chinês começou a despencar, até perder 70% de seu valor no fim de 2007.

De fato, a frequência e a magnitude das variações dos mercados globais dos últimos 30 anos se comportam segundo uma lei de potência, com alguns pontos extremos fora da curva, representando as piores crises financeiras do período, como a “segunda-feira negra” de 1987, quando o índice Dow Jones desvalorizou US$ 500 bilhões em um único dia, e a recessão global de 2007 e 2008, desencadeada por uma crise no mercado imobiliário norte-americano. Para Sornette, essas crises seriam dragon kings, causados por uma série de políticas de facilitação excessiva da expansão de crédito pelos bancos centrais de todo o mundo, que reforçaria crescimentos superexponenciais e outros mecanismos pelos quais dragon kings podem surgir.

Em pânico: observadores acompanham queda de ações da bolsa de Hong Kong na crise de 1997

Em pânico: observadores acompanham queda de ações da bolsa de Hong Kong na crise de 1997. © JONATHAN UTZ / AFP

Atratores estranhos
Além do crescimento superexponencial, Sornette explica que já identificou três outros mecanismos dinâmicos de formação de dragon kings. Um deles é o fenômeno do borbulhamento, observado em detalhe pela primeira vez no par de osciladores construído por Cavalcante e Oriá.

Os pesquisadores contaram com um modelo teórico desenvolvido pelo físico Edward Ott, da Universidade de Maryland, Estados Unidos, outro especialista no comportamento caótico de sistemas eletrônicos, para entender como os dragon kings se formavam nos osciladores e o que exatamente fazia com que esses eventos de dessincronização extrema crescessem muito mais que os demais eventos.

De trabalhos anteriores de Gauthier e Ott, os pesquisadores já sabiam que as oscilações caóticas desses circuitos eletrônicos desenham em um espaço abstrato, onde a largura, a altura e o comprimento representam propriedades que caracterizam o par de osciladores em certo instante, uma figura de linhas infinitas conhecida como atrator estranho.

Quando em sincronia, as oscilações caóticas dos dois circuitos, apesar de erráticas, permanecem restritas às linhas que compõem o atrator estranho, cuja forma lembra um par de asas de borboleta. “Descobrimos, no entanto, que existe um ponto específico do atrator com uma instabilidade tão forte que domina a dinâmica do sistema”, explica Cavalcante.

Esse ponto de forte instabilidade, localizado na junção das asas de borboleta, é o responsável por todos os eventos de dessincronização. Quanto mais os valores de oscilação dos circuitos se aproximam desse ponto, maior a chance de a trajetória que descreve o sistema saltar momentaneamente para fora do plano do atrator. Quanto maior o salto, maior a dessincronização entre os osciladores. A maioria das aproximações do ponto de instabilidade provoca as dessincronizações descritas por uma lei de potência. Mas, em circunstâncias especiais, quando a trajetória se aproxima demais do ponto instável, ruídos eletrônicos e pequenas diferenças entre os componentes dos circuitos podem ser amplificados até gerarem os dragon kings.

“A diferença entre os eventos da lei de potência e os dragon kings é complicada e ainda estamos tentando entender os detalhes”, diz Cavalcante. Mesmo assim a compreensão qualitativa da diferença entre os dois tipos de dessincronização já permitiu aos pesquisadores identificar certa combinação de voltagens e correntes dos osciladores cujo valor serve como um alarme contra dragon kings. Nos testes feitos na UFPB, quando essa variável alcançava um valor limite, sinalizando que um dragon kings estava prestes a se formar, os pesquisadores realizavam uma pequena intervenção na eletrônica dos osciladores. Como resultado, conseguiam manter a trajetória do sistema no plano do atrator, impedindo a dessincronização extrema. Assim, os dragon kingsdesapareciam completamente (ver gráficos na página 53) “Essa intervenção pequena era aplicada em apenas 1,5% do tempo de operação dos osciladores e era 100% eficaz”, diz Cavalcante.

Ovos de Dragão
Embora o sucesso do experimento empolgue, os pesquisadores têm noção da distância gigantesca que existe entre a complexidade de um par de osciladores eletrônicos e um mercado financeiro. “Aplicar esse procedimento a sistemas reais não é trivial”, comenta o economista Daniel Cajueiro, da Universidade de Brasília. Ele, que tem experiência na aplicação de modelos da física em economia e já colaborou com o Banco Central, diz que, por ora, “esse trabalho pode ser tomado como ponto de partida para uma nova linha de pesquisa”.

A esperança dos pesquisadores é que os mercados financeiros possam, ao menos em certas circunstâncias, se comportar como um sistema de osciladores caóticos interligados. Os osciladores, no caso, seriam os agentes do mercado, comprando e vendendo. Suas decisões estariam ligadas por meio do comportamento de rebanho. Nesse cenário, uma crise poderia ser evitada identificando os pontos de instabilidade do atrator estranho do sistema e criando regras no mercado que impeçam que sua evolução passe muito perto deles.

“Trabalho com previsões e sei como é difícil fazê-las”, afirma o economista Pedro Valls, diretor do Centro de Estudos Quantitativos em Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo. “Acreditar em regularidades é acreditar no determinístico, o que não faz sentido em economia, estatística e finanças.”

Valls acha pouco provável que a economia siga leis deterministas. Para ele, aliás, ocorre o contrário: a maioria dos modelos econométricos usados por pesquisadores, governos e investidores são estocásticos, isto é, baseados em probabilidades determinadas por processos aleatórios. Sornette rebate afirmando que modelos estocásticos também podem exibir dragon kings e que o melhor método de previsão de bolhas financeiras seria um modelo híbrido, com componentes determinísticos e estocásticos. O problema, segundo Sornette, é que muitos economistas insistem em acreditar que as soluções matemáticas dos modelos criados por eles deveriam valer o tempo todo. Já os modelos de Sornette, argumenta o próprio físico, valem apenas em alguns momentos críticos, quando o sistema se torna momentaneamente determinístico e previsível. Valls nota, entretanto, que os modelos de Sornette não são os únicos capazes de fazer isso. Existe uma vasta literatura em econometria, segundo ele, discutindo modelos estocásticos capazes de incorporar mudanças determinísticas ou estocásticas. Esses modelos, chamados modelos de mudança markoviana, podem ter diferentes regimes, sendo que um deles pode descrever uma crise. Esses modelos permitem quantificar as probabilidades de o mercado entrar e sair do regime de crise, ajudando, assim, a prever bolhas.

Embora considere que a teoria de Sornette tem muitos méritos, Cajueiro aponta pelo menos duas dificuldades para tornar viável o controle desses sistemas complexos. A primeira é que, diferentemente do experimento de Calvancante e Oriá, em que a estatística dos eventos extremos foi identificada pela tomada de milhões de dados, as crises financeiras não são tão frequentes assim. “Nesse caso, seria necessário construir um modelo para o sistema fora da normalidade a partir de uma amostra pequena de eventos”, explica Cajueiro.

E ainda que um modelo inspire confiança suficiente para ser adotado, por exemplo, na regulação do mercado pelo Banco Central, pode ser que as intervenções sugeridas pela teoria sejam simplesmente impossíveis de ser implementadas, por questões práticas e até éticas. “Pouco se sabe qual seria a resposta dos agentes econômicos a uma intervenção e o que ocorreria se esses agentes antecipassem a resposta do Banco Central”, diz Cajueiro. Como o mercado financeiro não é um sistema isolado, uma mudança feita para impedir a formação de uma bolha poderia ter consequências inesperadas em variáveis como inflação, taxas de câmbio e desemprego.

Além disso, o próprio Sornette reconhece que as bolhas financeiras têm seu lado positivo. Quando movidas por aumentos reais na produtividade, consequência da descoberta de novas fontes de recursos ou de inovações tecnológicas promissoras, elas fomentam um clima de otimismo que toma conta das atividades econômicas, levando a sociedade a assumir riscos e a alcançar sucessos que seriam impossíveis de outra forma.

O modelo da UFPB pode ajudar a testar métodos de intervenções mais realistas, que levem em conta a fascinação pelas bolhas e a resistência da sociedade de interromper o crescimento delas antes de um colapso. “O que fizemos até agora nos osciladores foi usar um método de controle ótimo, que mata os dragon kings  ainda nos ovos, antes de nascerem e crescerem”, explica Sornette. “Podemos usar esse sistema para estudar outras intervenções, mais atrasadas e limitadas, de maneira a quantificar os custos e as consequências de nossas ações.”

Artigo científico
CAVALCANTE, H.L.D.S. et alPredictability and suppression of extreme events in a chaotic systemPhysical Review Letters. v. 111, n. 19. 4 nov. 2013.

O mundo é para poucos (Carta Capital)

11/2/2014 – 12h57

por Luiz Antonio Cintra, da Carta Capital

criancas1 O mundo é para poucos

Foto: Reprodução/Internet

Em alta desde os anos 70, a concentração da riqueza bate recordes, para a alegria de 1% da população global

Divulgada na abertura do encontro anual da elite econômica global em Davos, na Suíça, a pesquisa “Trabalhando para Poucos”, da ONG inglesa Oxfam, bem poderia se chamar “Vejam o Que os Senhores Conseguiram”. Ganhou manchetes mundo afora ao apontar para a hiperconcentração de riqueza em andamento na quase totalidade dos países ocidentais. Sete em cada dez indivíduos vivem em países onde a desigualdade avançou nas últimas três décadas, informa a Oxfam.

Segundo o estudo, a crise financeira detonada em setembro de 2008 veio a calhar para os mais ricos. O 1% do topo da pirâmide, anota a pesquisa, detém hoje metade da riqueza gerada no planeta. O financista norte-americano Warren Buffett é um exemplo da turma ganhadora: acumulava patrimônio de 40 bilhões de dólares antes da quebra do Lehman Brothers, e nada atualmente em uma piscina recheada de 59 bilhões de moedas. O quarto mais rico do planeta, segundo a lista da Forbes, Buffett é um dos 85 afortunados que, aponta a Oxfam, possuem patrimônio equivalente ao da metade mais pobre da população mundial, ou 3,5 bilhões de cidadãos. “Alguma desigualdade econômica é essencial para conduzir o crescimento e o progresso”, escrevem os responsáveis pela pesquisa. “Os níveis extremos de concentração da riqueza atuais, entretanto, ameaçam excluir centenas de milhões de obter os ganhos de seus talentos e trabalho duro.”

Não é outra coisa o que tem acontecido desde o crash, com maior intensidade nos dois polos mais afetados pela crise, os EUA e a Zona do Euro (exceto a Alemanha). O quadro retratado espelha as opções feitas para enfrentar a crise, desenhadas de acordo com os interesses dos bilionários, constata a ONG. A saída escolhida foi salvar bancos e companhias consideradas “grandes demais para quebrar”, ao mesmo tempo que os gastos públicos eram cortados indiscriminadamente.

O resultado foi uma onda avassaladora de desemprego e a falência de empresas cuja quebra, para as autoridades, teria o efeito positivo de ampliar a eficiência da economia como um todo. Nesse sentido, as políticas adotadas deram certo. O levantamento mais recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) contabiliza 202 milhões de desempregados no mundo, 5 milhões a mais do que no fim de 2012. Mantida a tendência, algo bastante provável, serão 215 milhões sem empregos no fim de 2017, estima Guy Rider, diretor da OIT.

O estudo da Oxfam enumera algumas das causas da concentração crescente. Há décadas a falta de limites minou a representação popular nos Parlamentos. E o lobby das maiores corporações aos poucos tirou do caminho regras e leis forjadas para garantir (ou ampliar, conforme o caso) a concorrência nas economias. Estima-se que os bancos norte-americanos gastaram 1 bilhão de dólares em lobby nos últimos anos para enfraquecer e adiar a legislação em discussão para tornar o sistema financeiro menos arriscado.

A corrupção, a perversidade de sistemas tributários como o brasileiro, que taxa proporcionalmente mais quem tem menos, os subsídios, a redução dos gastos em saúde e educação públicas, a perda de espaço dos sindicatos de trabalhadores e uma rede internacional de paraísos fiscais (em que, estima a ONG, cerca de 18 trilhões de dólares são escondidos para não pagar impostos) também explicam o processo em andamento.

O marco zero dessa tendência, contudo, não tem nada de novo. Especialistas o situam no período que vai do fim da década de 1970 ao início dos anos 80, sob os auspícios da onda neoliberal e da desregulação dos mercados, particularmente o financeiro, sob a batuta ideológica da dupla Ronald Reagan e Margaret Thatcher.

A resultante constatada agora não é um efeito colateral inesperado. Ao contrário. A cartilha Reagan-Thatcher recomendava deliberadamente o corte dos impostos dos mais ricos, em paralelo à redução dos direitos sociais e salários dos mais pobres, com o argumento de que o primeiro movimento garantiria fôlego para o consumo, enquanto o segundo ampliaria a competividade da economia ao reduzir o custo do trabalho. Uma parcela considerável das palavras de ordem pró-desregulação foi tecida, por sinal, justamente no Fórum Econômico de Davos, que nesta edição, diante da escala da tragédia social nos países ricos, procura convencer a opinião pública de que, no fundo, estão preocupados com a distância crescente entre ricos e pobres. Ao custo de 40 mil dólares por participante, vale notar.

Na ponta do lápis, o quadro evoluiu nos EUA conforme o esperado pelos formuladores de tais políticas: a renda dos 10% mais pobres avançou, desde meados dos anos 1980, apenas 0,1% ao ano. Já aquela dos mais ricos cresceu, pela mesma métrica, 1,5%. No Reino Unido, o mesmo movimento: a renda avançou, em média, 0,9% na base da pirâmide e 2,5% entre os 10% do topo. Estudo da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, realizado em 2011, apontou os EUA, o Reino Unido e Israel como “pioneiros” da regressão social entre os mais ricos. A partir dos anos 2000, anota a pesquisa, a tendência incluiu as nações tradicionalmente menos desiguais, caso da Alemanha, Dinamarca, Suécia e outros países nórdicos.

A partir do crash de 2008, a concentração da riqueza ganhou força, resultado da opção de salvar os grandes bancos e corporações. No estudo da Oxfam, o caso norte-americano é mais uma vez destaque: 95% do ganho de renda registrado a partir de 2009 no país foi para o 1% mais rico. E, quanto mais no topo, maiores os ganhos proporcionalmente. Em 2012, por exemplo, enquanto o 1% mais rico ficou com 22% da renda do país, o 0,1% mais afortunado abocanhou 11% do bolo. Um norte-americano do sexo masculino e graduado recebe atualmente, em média, 40% do que recebia quatro décadas atrás.

No artigo “A desigualdade é uma opção”, publicado em outubro de 2013, o Nobel de Economia Joseph Stiglitz, professor da Universidade Columbia, comenta a hiperconcentração em curso. De 1988 a 2008, anota o economista, a renda do 1% mais rico do planeta cresceu cerca de 60%. No mesmo período, a dos 5% mais pobres manteve-se estagnada. “Os ganhos de renda têm sido maiores entre aqueles da elite mundial – executivos financeiros e corporativos dos países ricos – e as amplas ‘classes médias emergentes’ de China, Índia, Indonésia e Brasil. Quem perdeu? Africanos, alguns latino-americanos e cidadãos do Leste Europeu pós-comunista e da antiga União Soviética.”

Apesar de bem-vinda, a discussão em torno da desigualdade em Davos está longe de ser sinal de uma nova postura – e seria loucura supor que haverá ali uma guinada ideológica. Em 2005, o tema ocupou o topo das preocupações dos milionários reunidos na Suíça, àquela altura em companhia dos debates sobre o terrorismo. Em 1994, o tema também foi abordado, quando Klaus Schwab, presidente do fórum, definiu o encontro como uma oportunidade para “um gigantesco brainstorm para líderes empresariais, políticos, científicos e culturais, para analisar todos os pressupostos básicos da humanidade”.

Então, os ouvintes saíram de Davos, embarcaram em seus jatos particulares e foram cultivar suas fortunas.

* Publicado originalmente no site Carta Capital.

The 1% Should Be Afraid: The New Norm in the Workplace Is Unstable (Truthout)

Tuesday, 11 February 2014 10:16

By Laura FlandersTruthout | Interview and Video

(Photo<a href="http://www.shutterstock.com/pic-141695929/stock-photo-businessman-pulling-empty-pocket-out-of-pants.html?src=CpjJzVJBmUOWc1T_GhEcmg-1-7" target="_blank"> via Shutterstock</a>)(Photo via Shutterstock)

A new study from Oxfam published just ahead of this year’s World Economic Forum meeting in Davos, reported that just one percent of the world’s population controls nearly half of the planet’s wealth and 70 percent of the world’s people live in countries where income inequality has been growing in the last 30 years. In the US, the gap between rich and poor has grown faster than in any other developed country. The top one percent has captured 95 percent of all growth since the putative “recovery” of 2009. This is the “new normal.” Is it sustainable?

Barbara Garson is the author of a series of books describing American working lives at historically important turning points. If this is one of those turning points, it’s one in which the one percent have won:

“That the so-called recovery that everyone is bragging about is this,” Garson told GRITtv in a recent interview. “We’ve recovered, we’ve taken your full-time job away and given you a part-time job, and we’ve given the difference to our stockholders.”

The trouble is, this cockeyed situation is not stable, and even the capitalists, maybe especially the capitalists, should be worried.

“There are capitalist solutions, like redistribution, but they’re not doing it. That may be why we have a socialist solution this time,” she concludes. “If seventeen percent of the houses are vacant, we’ll just move into them.”

Garson’s new book is Down the Up Escalator: How the 99% LiveYou can watch our conversation at GRITtv.org.

Laura Flanders: So, Barbara, would you call this one of those historically important turning points?

Barbara Garson: Yes, well, we’ve been moving down. Well, that is to say, the wealth gap has been growing since about the seventies in this country, and in the world, too. We’re kind of the leaders in that and brought that model around the world. But the ruling class doesn’t seem to care anymore. They used to be Keynesian; they used to say, uh-oh! wait a minute. If we have fifty percent of the wealth, they can’t buy back what’s produced, we’d better rebalance it and keep going for a while. They seem to have forgotten that.

In a way we’re in a dangerous situation. [The elite] seem to be taking the same attitude on the economy that they’re taking on the environment.

But look at the statistics that they’re looking at. At Davos, people would have heard about growth and GDP going up, about productivity going up, about the stock market having the best record in years. So by their indices, nothing is wrong.

Even they know that a lot of that is in [loaned] money. A lot of their growth is in the same type of derivatives that they were investing in before. They are lending money to people who cannot pay back. They know (I think some of them know), that when you come out of he recession with even greater inequality than when you went into it, they know that they have to keep making the same kind of loans that they made before. Namely, lending money to people to buy houses they cannot afford. Lending money to students to go to college, and the students will never earn enough to pay the money back. That’s dangerous in the long run.

And you think they know this at some level?

I don’t know what each individual knows, but they all used to be the Keynesians. I used to be the socialist, and say, but it isn’t nice. I know you can keep going that way with reoccurring crises, but it isn’t nice. Now I’m the one that’s reminding them that it’s also impossible unless they do the usual Keynesian redistribution, which they used to do every few decades. Now they are just taking more, and more and more.

Let’s talk about the people you followed in your book, Down the Up Escalator, and why you decided to follow these folks in the first place. In your last book, you were following a dollar bill around the world. This time you decided to follow a group of people. Let’s start with the “Pink Slip Club.”

Well, when the recession hit, the publisher wanted a quickie on the recession. So I started interviewing people who lost their jobs, but I gave him a little more than he wanted, which is to say what I discovered is that these people have been going down economically for a long time. They had nothing to fall back on.

[The Pink Slip Club] was a group of friends who met in their church. They were people who earned about fifty thousand dollars a year as a graphics artist, as an insurnace adjuster, those kind of jobs. They lived in Manhattan and they could just make it on their fifty thousand dollars. They thought it would be over very quickly.

They thought the recession would be over quickly.

Yes, they thought the recession would be over quickly and they would find new jobs. They had all found jobs when they first started working – they found jobs quickly [but this time] it just dragged on and on and on.

What finally happened is that two are now working, two aren’t. But this is characteristic of what’s going on since the seventies: The person who had a full-time job as a graphics person in a textbook company now works catch-as-catch-can for those same kinds of companies. In fact, he works through a contractor, so he has no benefits; he’s making a little less an hour; he has no benefits; he has no guarantee of any work; he works when he can. I said to him, did you ever get a job from your old company … And he said no, somebody who still works there in the management told him that they’re sending the work abroad now. They’re not doing it through contractors in New York City. He will never have that kind of job again, nor will new people coming into that industry.

So you’ve got long-term unemployed, then you have people whose jobs have completely transformed.

Some people thought that the downturn that they personally suffered was temporary. I met a woman who had been the top salesperson for a very fancy Fifth Avenue clothing store – the kind that when you go in, you spend thousands of dollars at a time, and she would dress certain women every year. She was their highest grossing saleswoman. Very often, she had a commission. During the recession, they started laying people off. They started giving them shorter hours and then their commission disappeared. She thought it would come back afterwards and then she noticed that they were actually hiring new people during this recession and the new people were coming on with no commissions, and they were young people making $11 an hour. Her position was reduced to that, too. The store did have somewhat of a downturn, but all the time it was planning on what it was going to do afterwards.

I talked to a stockbroker who said, “Oh, I am very glad to hear about that company, because a lot of good developments like that come on during a recession.” That company did lose business, but I mentioned to you the person before who worked for a textbook company? Their business went up continuously, and they also used the recession as an opportunity to make all their permanent people temporary – and that is the new norm.

Let’s talk about the numbers. The numbers I just read from the Oxfam report, do you think this is the new normal in terms of gap between rich and poor?

Unless we do something about it, yes, that’s the direction it’s moving in.

As people talk about “recovery” – we hear a lot about returning to normal. Based on your research, what does the “new normal” in the workplace look like?

We’re coming back, in that there are some more jobs, [but for corporations] a victory has been had during that recession. Those jobs are the jobs I just mentioned: the saleslady who now gets no more commissions. In fact, the company has hired more people, only giving them fewer hours. Those jobs are like the graphic designer that I just mentioned, only now he’s working through contractors and getting a part-time job, and much less pay.

[It all adds up to] more and more money [for the employer]. Those companies are making the same profit; they may be doing a little less business, but they’re making the same profit or a little more. Profit went up about twenty-five percent for American corporations from the beginning of the recession, to its official end in 2009. It’s very unusual during a recession. When we talk about profit, we talk about money that went to the investor.

We heard that ninety percent of all the gains since 2009 have gone directly to that top one percent.

The top one percent not of salary earners, but of investors. That’s money that they have to reinvest.

So [tell me again] why should they be concerned?

If productivity is up, and by the way, it went up ninety-nine percent between 1971 and the beginning of the recession in 2007 and salaries went up just four percent – that means people can’t buy back what they produce. These companies say, okay I have a good idea: Instead of paying you to buy back what you produce, I’ll lend you the money. And they lent us money to buy cars; they lent us money to buy houses that we couldn’t afford.

The other point you raise in this book as in 2009, in the years running up to 2009, so too, today, there’s still an enormous pile of money that that elite one percent doesn’t know what to do with.

Right, when we’re talking about profits increasing by twenty-five percent by the end of the recession, that means that you and I are not worried about money being such a big problem, but if profits that great are going to investors, they put it in brokerage accounts or banks and a bank cannot keep its money in the bank; a bank has to do something with it. If people can’t buy products, then they have to start investing – not in companies that are making more [stuff] – they have to start investing in the derivatives of derivatives.

They are putting money back into the stock market, but the companies aren’t actually producing more. You put money in the stock market, the stock goes up …

You ask the question, why are they doing the same thing again? They have to do something with the profits. If inequality meant, I make thirty thousand dollars a year, you make a million dollars a year, that’s not very nice. You spend a million on a yacht; I take care of your yacht. I sweep it up and I’m still worrying about my children getting into college; that’s not nice, but unfortunately, it’s stable. Capitalism could run this way, but that’s not the million dollars we’re talking about, spending millions of dollars because you earn more than me. When we say, they got more, unequally, their share went up. Their share is of money they made in interest, money they made in investments and they just put that back into brokerage funds, back into banks, and those banks and brokerage funds have to do something with it. They’re doing the same [with] derivatives that they did before.

A man who kind of invented the math for derivatives, Ed Thorp, [someone] asked him after the crash, do you think that the stock market is still safe? He said, well, if we could move the money to Mars that would be better, but we can’t move it to Mars, so we have to put it back into the stock market even though it’s a Ponzi scheme.

So let’s talk about us. You, like Studs Terkel forty years ago, went and interviewed people and came away with a portrait that wasn’t just about numbers, but was really about a reality of life that many of us in the media are kind of numb to, or maybe we’re just not aware of … There’s actually less joy in your book than there was in Studs’ and Studs’ time was hard then. What is it doing to people to be in the situation they’re in?

What’s increasing is their insecurity, and the sense that they should be doing better. People who graduate from college and think that [the problem is] them. “Why am I – graduating from college – only earning $35,000? I was an intern last year. I have all of these bills from college, and my mother thinks I’m stupid; why did I do it this way?” And maybe I’m living back at home. It’s going to take awhile before the parents realize that oh my goodness, the child made the best decision she could. She invested in herself, or she bought a house that was a fixer-upper and it’s just the dollars and cents don’t add up. You’re not being paid enough, and you’re indebted. …We’re doing a bad job of helping them realize that it’s not just them, that this is thenew norm. That the so-called recovery that everyone is bragging about is this: We’ve recovered; we’ve taken your full-time job away and given you a part-time job – and we’ve given the difference to our stockholders. We’ve recovered; let’s breathe a sigh of relief.

What about the people?

What do you think it feels like? It will feel better, I hope, I think. I hope it will feel a little better when you say hey, they did it to us; this is universal; this is not just me, I didn’t choose a stupid school to go to, and a stupid major. I didn’t choose a stupid job. I didn’t fall behind on technology and that’s why I’m a part-timer …

It’s not like we’re too poor to have houses. As a matter of fact, there is a huge vacancy crisis. We don’t have to chop down trees to house everybody. Seventeen percent of housing is vacant right now. There is a place for all of us to move into if we just redistribute our ability to pay for it.

I’m a socialist. I’m frightened because I don’t see our capitalists saying, oops you better have a temporary redistribution. They learned to do that in the ’30s. In fact, they even learned to do that in the 1870s. I don’t see them doing it. We should all be frightened just as we are all frightened about the environment. There are capitalist solutions – redistribution – but they’re not doing it. That may be why we have a socialist solution this time. If 17% of the houses are vacant, we’ll just move into them.

Down the Up Escalator: How the 99% Live: I recommend it. Great stories, great read. Barbara Garson, thank you.

In conjunction with this conversation, GRITtv interviewed six New Yorkers about their work lives: “Juggling Jobs, Fighting Fear.” With work or looking for work, they all had one thing in common, they’re working too damn hard. If you’re working too damn hard – GRITtv wants to hear about it! Post your video, audio, or text at our Facebook page. We’re not ok with the “new normal.”

Copyright, Truthout. May not be reprinted without permission.

Transposição do Rio São Francisco: via de mão única (Agência Pública)

07/2/2014 – 12h13

por Marcia Dementshuk, para a Agência Pública

sertanejos Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Sertanejos convivem com a obra há quase sete anos sem soluções para as consequências da seca. Foto: Mano Carvalho

Na primeira matéria do projeto Reportagem Pública, a repórter viaja ao Eixo Leste – e mostra como a população está sendo afetada pelas obras

“Sem dúvida, com a transposição do rio São Francisco será oferecida segurança hídrica para o Nordeste”, garantiu o diretor-presidente da Agência Nacional das Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, durante nossa entrevista. A aposta do governo federal é alta: o orçamento atual da transposição é de R$ 8.158.024.630,97 (o dobro do previsto inicialmente), financiados pelo Programa de Aceleração ao Crescimento (PAC I e II). Trata-se do maior empreendimento de infraestrutura hídrica já construído no Brasil, que mudará para sempre a cara da região.

Menos de 5% das reservas hídricas do país estão no Nordeste do país, que detém entre 12% e 16% das reservas de água doce no planeta. O clima semiárido, seco, quente e com poucas chuvas domina o sertão, território com mais de 22,5 milhões de habitantes (Censo IBGE/2010).

Neste cenário, a notícia de que seria possível transportar a água do Rio São Francisco para regiões mais secas transformou-se em esperança para os nordestinos de todas as épocas. Fala-se nessa obra desde os tempos do Império, quando, em 1877, o intendente do Crato, no Ceará, apresentou para dom Pedro II um projeto que levaria águas do Rio São Francisco até o rio Jaguaribe, no seu estado.

A obra foi iniciada 130 anos depois, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, com base no projeto elaborado no governo de Fernando Henrique Cardoso. Depois do investimento inicial, de cerca de R$ 4 bilhões, o rendimento dos trabalhos diminuiu em 2010 por problemas de adequação do Projeto-Base à realidade da execução , e novas licitações precisaram ser feitas. Somente no final de 2013, conforme o Ministério da Integração Nacional, responsável pelo projeto, as obras foram 100% retomadas.

Hoje, o empreendimento aponta 51% de avanço, e o orçamento dobrou. A nova previsão para a conclusão é em dezembro de 2015, quando as águas deverão alcançar afinal o leito do rio Paraíba, no Eixo Leste, e o reservatório Engenheiro Ávidos, pelo Eixo Norte, ambos na Paraíba.

Ali do lado, falta água

O projeto prevê que as águas captadas do Rio São Francisco em dois canais de aproximação (no Eixo Norte, em Cabrobó e no Eixo Leste, no reservatório de Itaparica, em Floresta,ambos em Pernambuco) serão conduzidas pelos canais até os reservatórios, de onde abastecerão dezenas de municípios dos estados de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte, aproveitando a rede de saneamento existente. Projetos referentes a tomadas para uso difuso (pontos de tomada de água captadas ao longo dos canais para abastecer as comunidades instaladas nas proximidades) ainda estão em fase de elaboração. O Ministério da Integração ainda não definiu que pontos serão esses, nem os locais exatos de captação. Da mesma forma, os valores finais do custo desta água para a população ainda estão em estudo por parte do governo federal.

A realidade, porém, é que há mais de dois anos, muitos moradores dos municípios do semiárido nem sequer têm água nas torneiras; usam a água distribuída por caminhões-pipa, de poços particulares ou públicos (a maioria com água salobra) ou da chuva (quando chove).

Manoel Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Em Caiçara, distrito de Custódia, Maria Célia Rodrigues da Silva disse que falta água nas torneiras desde o início das obras do PISF. Foto: Mano Carvalho

Em Caiçara, distrito de Custódia, Pernambuco, próximo ao Lote 10, que corresponde a atual Meta 2L, da construção (veja o mapa), a população toma a água enviada pelo Exército, em caminhões-pipa, uma vez por semana. Toda semana é a mesma cena: a água é despejada em uma cisterna central, e cada morador tem que ir buscar – há carroceiros que cobram em torno de R$ 5,00 ou R$ 7,00 por viagem.

O riacho Custódia passa próximo da casa de Manoel Rodrigues de Melo, agricultor de 52 anos, mas o fio de água que resta é salobra, e só serve para lavar a casa ou os estábulos. “A água boa vem de Fátima, a uns 40 quilômetros daqui. O que a gente mais precisa aqui é água, que não tem”, suplica o agricultor. Nessas condições, ele e a esposas criaram oito filhos. Todos partiram em busca de melhores condições de vida. “É muito filho, até parece mentira! Mas antigamente os invernos eram melhores, chovia mais”.

Manoel Rodrigues de Melo, que nunca saiu da região onde nasceu, viu seu terreno ser dividido pelo canal do Eixo Leste: ficou com seis quilômetros de um lado do canal e com a mesma medida do outro. Dono de um sotaque sertanejo carregado, com poucos dentes na boca, as mãos calejadas e a pele castigada pelo sol, Manoel conta que agora os bichos têm de usar a ponte sobre o canal para passar. “Senão, eles ficam ou do lado de cá, ou do lado de lá, ou tem que fazer um volta tremenda lá por baixo, onde tem um lugar pra passar. Mas o que mais a gente espera é essa água que ‘tá’ pra vir. Isso vai mudar a nossa vida aqui. Vai ser muito bom”, diz o agricultor, ansioso.

“A gente tinha água pela torneira, era ruim, mas dava pra limpeza. Mas desde que começou essa construção (referindo-se à transposição) ela foi cortada”, lembra-se a vizinha de Manoel, a dona de casa Maria Célia Rodrigues da Silva, que cuida da mãe doente, com 82 anos. “Nem as cisternas não enchem. Estamos com dois anos de seca”, completou. A água encanada provinha de um poço escavado em outro vilarejo próximo de Caiçara, Fiúza, mas ela não sabe dizer se foi cortada em função das obras da transposição, ou se o poço secou. Mesmo com o encanamento de sua casa enferrujado e sem saber se terá água para beber no dia seguinte, a vida de Maria Célia continua. Ela não teve filhos. Cria alguns bodes, cabras e galinhas no quintal da casa e conta com o dinheiro da aposentadoria de sua mãe para o sustento das duas. Trabalhava na roça, mas nada mais resistiu à seca de dois anos.

Tradicional como a seca, o pífano de Zabé

Zabe Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Zabé da Loca. Foto: Mano de Carvalho

A tocadora de pífano Zabé da Loca nos recebeu às vésperas de completar 90 anos. Quando tinha 79 anos, 25 dos quais passados em uma gruta, na Serra do Tungão, próximo a Monteiro (PB), Zabé se tornou conhecida no mercado de música regional. Chegou a dividir o palco com músicos como Hermeto Pascoal e Gabriel Pensador em shows no Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Paraíba e Brasília.

Típica sertaneja, que jamais conheceu o conforto de abrir uma torneira de onde corresse água em abundância, Zabé teve 14 irmãos, oito dos quais morreram por doenças originadas pela falta de água e desnutrição. Fumante inveterada, persistiu no hábito mesmo depois do tratamento de combate a um enfisema pulmonar e à pneumonia e não deixou de enrolar um cigarrinho durante a visita, enquanto lembrava: “Nessa serra sempre teve água da chuva que empoçava nas pedras. Mas tinha anos que não encontrávamos água em canto nenhum. A gente tinha que ir até o rio (afluente do rio Paraíba, próximo da nascente) pegar”.

Quando comentamos sobre a transposição do rio São Francisco ela reagiu: “esse negócio existe mesmo?”

Para o ex-presidente da Associação Brasileira de Recursos Hídricos, Luiz Gabriel Azevedo, o custo de operação da água da transposição é elevado e requer investimentos vultosos, quando comparado a outras alternativas. “Parte do pacto, quando se pensou esse projeto, é de que os estados fariam um trabalho forte de racionalizar o uso dentro de seus territórios, de melhorar o sistema de gestão; e os estados estão aquém dessa expectativa”, analisa. Ele alega que os estados deveriam investir mais em obras que garantissem os recursos hídricos, como manutenção e construção de açudes, estudos para perfurações de poços e principalmente em obras de saneamento e rede de distribuição de água.

“Não valerá à pena trazer uma água cara para se desperdiçar do outro lado. Não dá para executar um projeto complexo se os recursos dos açudes não forem bem usados, se não houver um sistema de distribuição, se não se tem um sistema de gestão eficiente nos estados que vão receber para gerir a água”, complementou Luiz Gabriel Azevedo.

Por Lei, o órgão competente que determinará como a água será distribuída é o Conselho Gestor do Projeto de Integração do Rio São Francisco, instituído pelo Decreto 5.995/2006. Esse Conselho é formado por representantes dos estados beneficiados com o empreendimento – Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará – e tem por objetivo, entre outros, tratar da alocação das águas e dos rateios dos custos correspondentes.

moradores Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Desalentados pela seca, moradores de cidades do Sertão nordestino aguardam a chegada das águas da transposição. Foto: Mano Carvalho

Para o diretor-presidente da Agência Nacional das Águas (ANA) destaca que o Nordeste ainda carece de um conjunto de soluções hídricas, como aproveitamento máximo da escassa água da chuva, o controle do uso das águas dos reservatórios ou a transposição de águas de outras bacias hidrográficas, já que a escavação de poços do semiárido é considerada inviável. De acordo com o relatório de impacto Ambiental do PISF, (RIMA), “a maioria do território semiárido (70% da região) dispõe de pouca água subterrânea e possui solo impermeável, ou seja, absorve pouca água, limitando sua capacidade de disponibilidade. Além desse aspecto, a água, em geral, é de baixa qualidade”.

Realocação de moradores e uma vila partida ao meio

Cerca de 800 famílias foram deslocadas e receberam indenizações entre cerca de R$ 10 mil a R$ 15 mil para dar passagem às obras da transposição – de acordo com a gerência de Comunicação da CMT Engenharia, empresa responsável pelo acompanhamento das ações de compensação socioambiental do PISF – ao longo dos eixos Norte e Leste, em Pernambuco e no Ceará. De acordo com o supervisor de obras da empresa Ecoplan, Adilson Leal, porém, as terras não entraram na avaliação das propriedades a serem indenizadas por possuírem baixo valor de mercado, segundo a empresa, em função da pouca qualidade da terra para o plantio ou para o pasto, em uma região onde a chuva é escassa. Só as benfeitorias foram ressarcidas.

abastecimento Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Abastecimento de água potável para a população em Rio da Barra (PE), por onde passam os canais da transposição, ocorre duas vezes por semana. Foto: Mano de Carvalho

Em Rio da Barra, distrito de Sertânia, em Pernambuco, comunidade que beira o canal na altura do Lote 11, que corresponde à Meta 2L, (veja o mapa), a população se encontra duas vezes por semana na cisterna pública para se abastecer de água potável proveniente de um poço artesiano cavado pela Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Um funcionário da prefeitura de Sertânia controla o abastecimento gratuito dos galões trazidos pela população na noite anterior. O local acaba se tornando o ponto de encontro do povoado. Mães carregando baldões chegam com as crianças arrastando baldes menores, carroças carregadas de galões estacionam ao lado e todos aguardam com paciência pelo precioso líquido. Maria José Araújo Pinheiro, uma dona de casa tímida, mas de olhos atentos, aguardava sua vez quando comentou que sua mãe, Creusa Davi da Silva, aceitou a oferta do governo para desocupar suas terras no sítio Chique-Chique. “Eles ofereceram pra ela R$ 14.400, ela pegou e foi morar em Sertânia. Como ela ganha aposentadoria, está bem. Mas pagaram só pela casa”, disse Maria José.

Marcia Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

O marido de Márcia Freire, Adilson Salvador, de Rio da Barra (PE,) é técnico ambiental nas obras da transposição. Foto: Mano de Carvalho

Márcia Maria Freire Araújo vem do outro lado do canal do Eixo Leste da transposição pegar água na cisterna pública de Rio da Barra. Ela chega sempre antes das seis da manhã, na companhia do cunhado que conduz uma carroça puxada a burro onde transportam os galões de água. Andam cerca de dois quilômetros, atravessam o canal por uma ponte provisória e os depositam em uma fila de recipientes que começou a ser formar no dia anterior. Sua família mora em outra propriedade pequena, que teve uma parte indenizada pelo Ministério da Integração Nacional. “Eu não acho que é justo perder um pedaço de terra, mas se é para fazer o bem pra tanta gente, então aceitamos”, conforma-se. Ela vê o lado bom: seu marido, Adilson Salvador, é empregado na construtora SA Paulista como técnico ambiental na transposição. “Ele conseguiu emprego desde o início da obra, primeiro por outra empresa, e agora pela Paulista”, orgulha-se Márcia Maria.

Em outra localidade, na zona rural de Sertânia, os moradores do Sítio Brabo Novo ficaram divididos pelo canal. Pelo menos treze famílias preferiram a remoção para terras acima do reservatório Barro Branco, ainda em fase de retirada da vegetação. Um número bem maior de famílias permaneceu do outro lado do reservatório.

Maria da Conceição Siqueira, viúva, de 51 anos, e seu filho, de 18 anos, deixarão a antiga moradia para trás e irão para Sertânia. “Já recebi R$ 7.500,00 por aquela casinha ali”, diz, apontando para uma casa que ficará submersa pelo reservatório, “e ganhei essa casa aqui. Mas vamos fechá-la e ir embora”. “Fiquei com um pedaço de terra muito pequeno, (cerca de 50m²) não dá pra nada. Meu filho está em tratamento, ele teve um derrame no cérebro e é melhor a gente ficar lá”, diz.

Lucineia Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

Lucinéia ferreira Florêncio não acredita em distribuição justa das águas da transposição. Foto: Mano de Carvalho

A família das irmãs Lucicléia e Lucinéia Ferreira Florêncio, vizinhas de Maria da Conceição, tomou uma decisão diferente. “Nossa primeira casa era onde agora vai ser o reservatório, e já foi indenizada em 2007. Mas esse reservatório ocupou quase a metade do nosso terreno. Como ainda sobraram terras desse outro lado e esta é uma área liberada, decidimos construir aqui, com o dinheiro da indenização”, contou Lucinéia. Ela não soube informar o tamanho do sítio, mas a nova casa é grande. No terreno persiste uma plantação de palmas (um tipo de cactos que serve para alimentar os animais) e algumas árvores frutíferas. O resto foi perdido: abacaxi, macaxeira, milho, feijão… A irmã, Luciclélia, casou-se e construiu uma casa menor ao lado, onde vive com o marido e uma bebê de nove meses.

Lucinéia, professora, duvida que no futuro haja uma distribuição justa das águas da transposição. “Tem os pontos positivos, mas acho que vão ter os negativos também. Eu penso que com essa água toda vão começar a fazer mais obras por aqui e eu não sei se toda a comunidade vai ter acesso a essa água quando quiser. O pequeno produtor nunca é beneficiado como os grandes proprietários, nunca tem igualdade. E acho que o crescimento vai ser desordenado. A comunidade já tem uma associação de moradores, mas ainda não sabe como abordar esse assunto”, lamentou Lucinéia, dizendo que não há orientação nenhuma dos governos sobre isso.

sitio Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

O Sítio Passagem da Pedra, em Sertânia, dividido para a construção do túnel; zeladores recuam cerca que delimita área da propriedade. Foto: Mano de Carvalho

Na área onde será construído o túnel entre Sertânia e Monteiro, no Lote 12, atual Meta 3L (veja mapa), a retomada das obras em dezembro significou a perda de mais 100 metros de terreno pelos agricultores, além dos 100 metros que já tinham recuado. “Fazer o quê? Os donos já receberam a indenização e agora que vieram construir pediram mais esse pedaço de terra”, explicam Lenilton Cordeiro dos Santos e Quitéria Araújo da Silva, zeladores do sítio Passagem da Pedra, cortado tanto pelo canal da transposição quanto pelo túnel.

Ailton Transposição do Rio São Francisco: via de mão única

“Ninguém sabe”, afirmou o capataz Aílton Ferreira falando sobre a data que deverá chegar as águas da transposição no túnel na divisa entre Pernambuco e Paraíba. Foto: Mano de Carvalho

No sítio ao lado, Aílton Ferreira de Oliveira cuida do terreno da sogra, que também foi reduzido. “Agora, o gado que sobrou, cinco cabeças, está no curral e come mandacaru, pois não tem mais o que comer por causa da seca, e o terreno ficou pequeno pro pasto”.

“E essa água, quando chega?”, interrompe o capataz do sítio, que prossegue, num monólogo: “Ninguém sabe…”.

Leia também as outras quatro reportagens da série e ainda um relato da repórter Márcia Dementshuk, onde ela conta os bastidores da reportagem.

Uma viagem ao canteiro de obras

Na Contramão da Transposição

O povo contra os areeiros

Leia os bastidores da reportagem

A Transposição, um projeto dos tempos do Império

* Publicado originalmente no site Agência Pública.

Uma lei para salvar o planeta (O Globo)

JC e-mail 4889, de 06 de fevereiro de 2014

EUA debatem iniciativa histórica, que forçaria o corte nas emissões de gases-estufa por usinas a carvão

Enfrentando maratonas de reuniões, dezenas de advogados, economistas e engenheiros da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) lutam para criar o que pode vir a se tornar uma peça histórica no legado do presidente Barack Obama para o combate às mudanças climáticas. Se os autores forem bem sucedidos na elaboração de uma regulamentação forte e eficaz na determinação de cortes de emissões de carbono em 1.500 usinas a carvão americanas – a maior fonte de gases do efeito estufa do país -, o resultado pode ser a mais significativa ação já tomada pelos EUA no combate às mudanças climáticas. O país é um dos maiores responsáveis pelo aquecimento global.

Se a regulamentação for muito frouxa, o impacto ambiental pode ser mínimo. Mas, se for muito dura, pode levar ao fechamento de usinas antes que haja alternativas energéticas para substituí-las, o que poderia ocasionar blecautes de energia e anos de batalhas legais.

- O fracasso não é uma opção – afirmou o diretor-executivo da Associação Nacional de Limpeza, William Becker.

Em seu pronunciamento “Estado da União”, Obama deixou clara a intenção de usar sua autoridade – garantida pela Lei do Ar Limpo e por uma decisão de 2007 da Suprema Corte – para sancionar as novas regulamentações de redução das emissões de CO2. Ele está pressionando a agência a concluir os debates o mais rápido possível.

O presidente ordenou à EPA que apresente um rascunho da regulamentação já em 1º de junho. A nova lei deve orientar os estados a criar e executar planos para atender às metas nacionais para emissões de gases-estufa. Em princípio, as usinas poderiam não apenas cortar emissões, mas, por exemplo, usar tecnologias mais limpas, investir em fontes renováveis de energia e ainda fazer parte de um mercado de carbono – financiando, por exemplo, projetos em outros países.

Num primeiro momento, a nova lei atingiria as 600 usinas dos EUA que são movidas a carvão e pode, simplesmente, levá-las ao fechamento, dependendo de como a legislação for escrita. Estados em que a maior parte das usinas é movida a carvão estão fazendo um lobby pesado contra determinações mais radicais, alegando que ela pode levar ao colapso do fornecimento de energia.

Em geral, o carvão responde por 40% da energia elétrica produzida nos EUA. Mas em estados como Kentucky, Ohio e Missouri, o percentual vai de 80% a 90%. Por outro lado, se a legislação deixar muita abertura para cada estado decidir por si, corre o risco de não conseguir alcançar meta alguma e se tornar ineficaz.

(Coral Davenport do New York Times/O Globo)

http://oglobo.globo.com/ciencia/uma-lei-para-salvar-planeta-11516781#ixzz2sXw5gcLh

Agropecuária brasileira torna-se mais produtiva, porém mais excludente (Fapesp)

Artigo publicado na revista Nature Climate Change analisa mudanças no padrão brasileiro de uso do solo nos últimos 20 anos e ressalta “comoditização” da agricultura (foto:Margi Moss/Projeto Brasil das Águas)

04/02/2014

Por Karina Toledo

Agência FAPESP – As mudanças no padrão brasileiro de uso do solo nas duas últimas décadas são destaque da capa da edição de janeiro da revista Nature Climate Change.

A boa notícia apontada pelo artigo é que, nos últimos dez anos, ocorreu no país uma dissociação entre expansão agrícola e desmatamento – o que resultou em queda nas emissões totais de gases de efeito estufa. O fenômeno, segundo os autores, pode ser atribuído tanto a políticas públicas dedicadas à conservação da mata como à “profissionalização” do setor agropecuário, cada vez mais voltado ao mercado externo.

Mas essa “comoditização” da produção rural brasileira trouxe também impactos negativos, entre os quais se destacam o aumento da concentração de terras e o consequente êxodo rural.

“As grandes propriedades – maiores que 1 mil hectares – representam hoje apenas 1% das fazendas do país. No entanto, ocupam praticamente 50% das terras agrícolas”, ressaltou David Montenegro Lapola, professor do Departamento de Ecologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Rio Claro e autor principal do artigo.

As conclusões são baseadas na análise de mais de cem estudos publicados nos últimos 20 anos. Entre os 16 autores – todos brasileiros – estão Jean Pierre Henry Balbaud Ometto e Carlos Afonso Nobre, ambos pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e integrantes do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PRPMCG).

Também participaram Carlos Alfredo Joly (Universidade Estadual de Campinas) e Luiz Antonio Martinelli (Universidade de São Paulo), do Programa de Pesquisas em Caracterização, Conservação, Recuperação e Uso Sustentável da Biodiversidade do Estado de São Paulo (BIOTA), da FAPESP.

“Os dados mostram, em 1995, um pico de expansão na agricultura coincidindo com um pico de desmatamento na Amazônia e no Cerrado. Isso volta a ocorrer entre os anos de 2004 e 2005, quando também houve pico de crescimento do rebanho bovino do Brasil. Após esse período, porém, a expansão agropecuária se desacoplou do desmatamento, que vem caindo em todos os biomas brasileiros”, disse Lapola à Agência FAPESP.

Se na Amazônia é claro o impacto de políticas públicas voltadas à preservação da floresta – como criação de áreas protegidas, intensificação da fiscalização feita pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e pela Polícia Federal e corte de crédito para municípios campeões do desmate –, nos demais biomas brasileiros a queda parece ser resultante de iniciativas do próprio setor produtivo.

“As culturas que mais cresceram são as voltadas ao mercado externo, como soja, milho, cana-de-açúcar e carne. É o que chamamos no artigo de ‘comoditização’ da agropecuária brasileira. De olho no mercado estrangeiro, o setor passou a se preocupar mais com os passivos ambientais incorporados em seus produtos. O mercado europeu, principalmente, é muito exigente em relação a essas questões”, avaliou Lapola.

Também na Amazônia há exemplos de ações de conservação capitaneadas pelo setor produtivo, como é o caso da Moratória da Soja – acordo firmado em 2006, por iniciativa da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e da Associação Brasileira dos Exportadores de Cereais (Anec), para impedir a comercialização e o financiamento de grãos produzidos em áreas desmatadas.

“Na Amazônia, a soja tem avançado sobre áreas antes usadas como pastagem. O mesmo pode ser observado no Estado de São Paulo, no caso das plantações de cana. A maior parte da expansão canavieira dos últimos anos ocorreu sobre áreas de pastagem”, afirmou Lapola.

Tal mudança no padrão de uso do solo teve um efeito positivo no clima local, apontou o estudo. Em regiões de Cerrado no norte de São Paulo, por exemplo, foi registrada uma redução na temperatura de 0,9° C.

“A maior cobertura vegetal aumenta a evapotranspiração, libera mais água para a atmosfera e acaba resfriando o clima localmente. Mas a temperatura ainda não voltou ao que era antes de ocorrer o desmatamento para dar lugar ao pasto. Nessa época, o aquecimento local foi de 1,6° C”, disse Lapola.

Êxodo rural

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam que as áreas dedicadas à pecuária no Brasil estão diminuindo. No entanto, o número de cabeças de gado continua crescendo no país, o que significa um maior número de animais por hectare e maior eficiência na pecuária (o uso do solo predominante no país).

De acordo com Lapola, o mesmo pode ser observado no caso de outras culturas voltadas à alimentação, como arroz e feijão, que tiveram suas áreas de plantio reduzidas embora a produção total tenha aumentado. Graças a esse incremento na produtividade, a segurança alimentar brasileira – por enquanto – parece não ter sido afetada pela “comoditização” da agricultura.

O artigo revela, no entanto, que a concentração de terras em grandes propriedades voltadas ao cultivo de commodities intensificou a migração para as áreas urbanas. Atualmente, apenas 15% da população brasileira vive na zona rural.

Em locais onde a produção de commodities predomina, como é o caso do cinturão da cana no interior paulista, cerca de 98% da população vive em áreas urbanas. “Essa migração causou mudança desordenada de uso do solo nas cidades. O resultado foi o aumento no número de favelas e outros tipos de moradias precárias”, afirmou Lapola.

As mudanças no uso do solo afetaram também o padrão brasileiro de emissão de gases do efeito estufa. Em 2005, o desmatamento representava cerca de 57% das emissões totais do país e, em 2010, esse número já havia caído para 22%. Hoje, o setor agropecuário assumiu a liderança, contabilizando 37% das emissões nacionais em 2010, advindas principalmente da digestão de ruminantes, da decomposição de dejetos animais e da aplicação de fertilizantes.

Novo paradigma

No artigo, os autores defendem o estabelecimento no Brasil de um sistema inovador de uso do solo apropriado para regiões tropicais. “O país pode se tornar a maior extensão de florestas protegidas e, ao mesmo tempo, ser uma peça-chave na produção agrícola mundial”, defendeu Lapola.

Entre as recomendações para que esse ideal seja alcançado os pesquisadores destacam a adoção de práticas de manejo já há muito tempo recomendadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), como o plantio na palha, além do fortalecimento do Código Florestal (que estabelece limites de uso da propriedade) e a adoção de medidas complementares para assegurar que a legislação ambiental seja cumprida.

“Defendemos mecanismos de pagamento por serviços ambientais, nos moldes do programa de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD), por meio do qual proprietários rurais recebem incentivos financeiros pela conservação da biodiversidade e outros recursos naturais”, explicou Lapola.

Os autores também apontam a necessidade de políticas públicas – entre elas a reforma agrária – que favoreçam um modelo de agricultura mais eficiente e sustentável. “Até mesmo alguns grandes proprietários não têm, atualmente, segurança sobre a posse da terra. Por esse motivo, muitas vezes, colocam meia dúzia de cabeças de gado no terreno apenas para mostrar que está ocupado. Mas, se pretendemos de fato fechar as fronteiras do desmatamento, precisamos aumentar a produtividade nas áreas já disponíveis para a agropecuária”, concluiu Lapola.

O artigo Pervasive transition of the Brazilian land-use system (doi:10.1038/nclimate2056), de David Lapola e outros, pode ser lido por assinantes da Nature Climate Changeem www.nature.com/nclimate/journal/v4/n1/full/nclimate2056.html

David Simon at the Festival of Dangerous Ideas (Moyers and Co.)

By Bill Moyers and Co.

January 30, 2014

David Simon, journalist and creator of the TV series The Wire and Treme, spoke about the divide between the rich and poor in America at the Festival of Dangerous Ideas in Sydney last November.

Simon began his speech by saying: “I come from a country that is now utterly schizophrenic when it comes to its society, its economy, its politics. There are definitely two Americas. I live in one, on one block in Baltimore that is part of the viable America, the America that is connected to its own economy, where there is a plausible future for the people born into it.” He then went on to take questions from the audience.

Países desenvolvidos exportam emissões de carbono (Folha de São Paulo)

JC e-mail 4882, de 28 de janeiro de 2014

Matéria do “The New York Times” sobre efeitos climáticos publicada na Folha de São Paulo

Durante sua vida útil, o iPhone 5S emite o equivalente a 70 kg de dióxido de carbono. A boa notícia: isso é 4 kg a menos do que o iPhone 5.

Seja como for, cerca de três quartos desse dióxido de carbono são considerados de responsabilidade não dos Estados Unidos, mas de lugares como China, Taiwan, Coreia do Sul e Mongólia Interior (região autônoma da China), onde o telefone e seus componentes são fabricados.

A globalização -a qual, no processo de “exportar” produção e emprego dos países ricos para os pobres, “exportou” também o dióxido de carbono emitido para a fabricação dos produtos- adiciona um novo aspecto à alocação das responsabilidades pela emissão de carbono na atmosfera: será que essas emissões devem ser de responsabilidade dos países fabricantes ou dos países para os quais os produtos se destinam?

Dois anos atrás, algumas das localidades mais ambientalmente corretas dos EUA solicitaram à seção americana do Instituto Ambiental de Estocolmo que calculasse suas emissões de carbono. Em vez de contabilizar o carbono que produziam, elas queriam um inventário das emissões geradas na fabricação, no transporte, na utilização e na eliminação do que é consumido nesses lugares.

O resultado surpreendeu. San Francisco, por exemplo, gerou em 2008 apenas 8 milhões de toneladas de CO2 ou equivalente. O consumo da cidade, por outro lado, acrescentou quase 22 milhões de toneladas de carbono à atmosfera. Usando medições baseadas no consumo, as emissões do Oregon saltaram em 2005 de 53 milhões para 78 milhões de toneladas. “As pessoas que nos contrataram se viam como muito ‘verdes’ e inovadoras”, disse Frank Ackerman, que na época chefiava o Grupo de Economia Climática da entidade nos EUA. “Eles achavam que, por terem boas iniciativas em andamento, teriam um resultado menor, apesar de muitos dos produtos industriais por eles consumidos serem fabricados no exterior.”

O foco no consumo faz sentido. Compreender o seu impacto sobre a mudança climática é um primeiro passo necessário para que as pessoas e as cidades, grandes ou pequenas, tomem medidas concretas para reduzir as emissões de carbono. Este novo tipo de cálculo, no entanto, pode ter um efeito imprevisto sobre a política internacional de mudança climática, deslocando a responsabilidade em escala global.

Enquanto a concentração de CO2 disparou no primeiro semestre de 2013 para o seu maior nível desde que os mastodontes vagavam pela Terra, há 3 milhões de anos, as Nações Unidas, contrariando todas as probabilidades, esperam que 2014 finalmente traga os avanços necessários para que as grandes nações cuspidoras de carbono cheguem a um acordo sobre um plano climático até 2015.

“Desafio os senhores a trazer promessas ousadas para a cúpula”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ao convidar líderes mundiais para uma reunião em setembro próximo, em Nova York.

Um estudo publicado há dois anos na revista “PNAS”, da Academia Nacional de Ciências dos EUA, observou que, entre 1990 e 2008, a globalização exportou o equivalente a 1,2 bilhão de toneladas de emissões de carbono por ano do mundo desenvolvido para nações em desenvolvimento.

Cálculos com critérios estritamente geográficos dão a impressão de que os países industriais avançados conseguiram estabilizar suas emissões de carbono.

Mas eles apenas transferiram o aumento para fora das suas fronteiras. As emissões de carbono criadas pelo consumo dos americanos são cerca de 8% superiores às emissões produzidas nos EUA, de acordo com os cientistas do Projeto Global do Carbono. Por outro lado, cerca de um quinto das emissões da China são de produtos consumidos fora de suas fronteiras.

A União Europeia, satisfeita com seus resultados ambientais nos cálculos habituais, com base no lugar onde o carbono é emitido, parece menos virtuosa sob uma lente baseada no consumo. Em 2011, os europeus emitiram apenas 3,6 bilhões de toneladas de CO2, mas 4,8 bilhões de toneladas foram jogados na atmosfera para a produção das coisas que os europeus consumiram.

Aqui está o dilema. A abordagem habitual, a qual está sendo considerada para contabilizar o custo do carbono “comercializado”, consistiria em taxar as emissões registradas nas fronteiras. Não surpreende que países exportadores, como a China, não gostem dessa abordagem.

Um estudo recente corroborou a imposição de um imposto de carbono sobre as importações. Mas “a China tem tudo a perder”, disse GlenPeters, do Centro para o Clima Internacional e a Pesquisa Ambiental, em Oslo. “Se a China trouxesse isso para as negociações, estaria permitindo que os EUA e Europa regulamentassem as exportações chinesas.”

Outra pesquisa concluiu que a imposição de uma penalidade na fronteira incentivaria a China e outros países em desenvolvimento a tributarem suas próprias emissões de carbono -ficando com o dinheiro- em vez de deixar que outros as tributem. Mas, se o mundo quiser evitar uma mudança climática catastrófica, alguém -em algum lugar- deve arcar com o custo de consumir menos carbono. E ninguém está se voluntariando.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/newyorktimes/149511-paises-desenvolvidos-exportam-emissoes-de-carbono.shtml

 

Up the Financier: Studying the California Carbon Market (AAA, Anthropology and Environment Society Blog)

Posted on January 26, 2014

ENGAGEMENT co-editor Chris Hebdon catches up with University of Kentucky geographer Patrick Bigger.

Patrick Bigger at the Chicago Board of Trade

Patrick Bigger at the Chicago Board of Trade

How would you explain your dissertation research on the California carbon market?

At the broadest level, my research is about understanding how a brand new commodity market tied to environmental improvement is brought into the world, and then how it functions once it is in existence. Taking as a starting point Polanyi’s (1944) observation that markets are inherently social institutions, my work sorts though the social, geographical, and ideological relationships that are being mobilized in California and brought from across the world to build the world’s second largest carbon market. And those constitutive processes and practices are no small undertaking.

Making a multi-billion dollar market from scratch is a process that entails the recruitment and hiring of a small army of bureaucrats and lawyers, the creation of new trading and technology firms, the involvement of offset developers and exchange operators who had been active in other environmental commodities markets, and learning from more than fifty years of environmental economics and the intellectual work of think tanks and NGOs. There are literally tens of thousands of hours of people’s time embodied in the rule-making process, which result in texts (in the form of regulatory documents) that profoundly influence how California’s economy is performed every day. These performances range from rice farmers considering how much acreage to sow in the Sacramento Delta to former Enron power traders building new trading strategies based on intertemporal price differences of carbon futures for different compliance periods in California’s carbon market.

My work uses ethnographic methods such as participant-observation in public rule-making workshops and semi-structured interviews with regulators, industry groups, polluters, NGOs, and academics to try to recreate the key socio-geographical relationships that have had the most impact on market design and function. It’s about how regulatory and financial performances are intertwined, as events in the market (and in other financial markets, most notably the deregulated electric power market in California) are brought back to bear on rule-making, and then how rule-making impacts how the market and the associated regulated industrial processes are enacted. And the key thing is that there isn’t some isolated cabal of carbon’s ‘masters of the universe’ pulling the strings––it’s bureaucrats in cubicles, academics writing books, and offset developers planting trees out there making a market. And they’re people you can go observe and talk with.


Who are buying and selling these carbon credits?

That’s a trickier question than it seems. Most of the credits (aka allowances) are effectively created out of thin air by the California Air Resources board which then distributes them via either free allocation or by auction to anyone who requests authorization to bid. A significant proportion of those are given away directly to regulated industries to ease their transition to paying for their carbon output. Another way the auction works is that electric utilities are given almost all the credits they need to fulfill their obligation, but they are required to sell (consign) those permits in the auction, while they are typically also buyers. This is to prevent windfall profits, like what happened in the EU, for the electric utilities. The utilities must return the value of what they make selling their permits at auction to ratepayers, which they have done to the tune of $1.5 billion so far.

More to the spirit of the question though, it’s a pretty big world. Literally anyone can buy California Carbon on the Intercontinental Exchange (ICE), based in Chicago. From what I’ve been told, a lot of allowances pass through Houston because there is a major agglomeration of energy traders there, and carbon is often bundled into transactions like power purchase agreements that are traded over-the-counter (OTC). There’s an interesting division in who buys their credits where––companies that must comply with climate regulations tend to buy through the auction, while people trading for presumably speculative purposes tend to buy on the exchange. This isn’t even getting into who produces, sells, and buys carbon offsets, which is another market entirely unto itself. To attempt to be succinct, I’d say there is a ‘carbon industry’ in the same sense that Leigh Johnson (2010) talks about a ‘risk industry’; a constellation of brokers, lawyers, traders, insurers, and industrial concerns, and the size of these institutional actors range from highly specialized carbon traders to the commodities desk at transnational investment banks.


Would you be able to outline some ways your research could affect public policy? And how is it in dialogue with environmental justice literature and engaged scholarship?

There are a number of ways that my work could be taken up by policy makers, though to be clear I did not set out to write a dissertation that would become a how-to-build-a-carbon-market manual. Just being around regulators and market interlocutors has provided insights into the most challenging aspects to market creation and maintenance, like what sorts of expertise a bureaucracy needs, how regulators can encourage public participation in seemingly esoteric matters, or the order which regulator decisions need to be made. Beyond the nuts-and-bolts, there’s a fairly substantial literature on ‘fast policy transfer’ in geography that critiques the ways certain kinds of policy become wildly popular and are then plopped down anywhere regardless of geographical and political-economic context; I am interested in contributing to that literature because California’s carbon market was specifically designed to ‘travel’ through linkages with other sub-national carbon markets. I would also note that there are aspects of what I’m thinking about that problematize the entire concept of the marketization of nature in ways that would also be applicable to the broader ecosystem service literature and the NGOs and regulators who are trying to push back against that paradigm.

As far as the EJ literature is concerned, I’ll admit to having a somewhat fraught relationship. I set out to do a project on the economic geography of environmental finance, not to explicitly document the kinds injustices that environmental finance has, or has the potential, to produce. As a result some critics have accused me of being insufficiently justice-y. I’d respond by noting that my work is normative, even if it isn’t framed in the language of environmental justice; it certainly isn’t Kuhnian normal science. But EJ arguments, if they are any good, do depend on empirical grounding and I would hope that my work provides that.

At the Chicago Board of Trade.

“I’d be really happy if scholars of other markets could find parallels to my work that demonstrated that all markets, not just environmental ones, were as much about the state as they are about finance.”

Your advisor Morgan Robertson has written about “oppositional research,” and research “behind enemy lines,” drawing on his experience working inside the Environmental Protection Agency. What has oppositional research meant for you?

I think about it as using ethnographic methods to poke and prod at the logics and practices that go into building a carbon market. I think for Morgan it was more about the specific problems and opportunities of being fully embedded in an institution whose policies you want to challenge. That position of being fully ‘inside’ isn’t where I’m at right now, and it’s a difficult position to get into either because you just don’t have access, because the researcher doesn’t want to or isn’t comfortable becoming a full-fledged insider, or because academics often just don’t have time to do that sort research. It’s also contingent on what sort of conversational ethnographic tact you want to take––when you’re fully embedded you lose the option of performing the research space as a neophyte, which can be a very productive strategy. One thing that I will mention is that oppositional research is based on trust. You must have established some rapport with your research participants before you challenge them head-on, or they may just walk away and then you’ve done nothing to challenge their practices or world view, you’ve potentially sewn ill will with future research participants, and you won’t get any of the interesting information that you might have otherwise.


How about the method of “studying up”?

For starters, the logistics of ‘studying up’ (Nader 1969) are substantially different than other kinds of fieldwork. There’s lots of downtime (unless you’re in a situation where you’ve got 100% access to whatever you’re studying, e.g.  having a job as a banker or regulator) because there aren’t hearings or rule-making workshops everyday, or even every week, and the people making the market are busy white-collar people with schedules. I feel like I’ve had a really productive week if I can get 3 interviews done.

Beyond the logistics, one of the most challenging parts of studying a regulatory or financial process you’re not fully onboard with is walking the line between asking tough questions of your research participants and yet not alienating them. It has been easy for me to go in the other direction as well––even though I think carbon markets are deeply problematic and emblematic of really pernicious global trends toward the marketization of everything, I really like most of my research participants. They’re giving me their time, they tell me fascinating stories, and they’ve really bent over backward to help me connect with other people or institutions it never would have occurred to me to investigate. And that can make it tough to want to challenge them during interviews. After a while, it’s also possible to start feeling you’re on the inside of the process, at least as far as sharing a language and being part of a very small community. There aren’t many people in the world that I can have a coffee with and make jokes about one company’s consistently bizarre font choices in public comments documents. So even though the market feels almost overwhelmingly big in one sense, it’s also very intimate in another. I’m still working out how to write a trenchant political-economic critique with a much more sympathetic account of regulatory/market performance. Even many guys in the oil-refining sector are deeply concerned about climate change.


Would you ever take a job in a carbon trading firm?

Absolutely. There’s a rich literature developing that gets into the nuts and bolts of many aspects of finance, including carbon trading in the social studies of finance/cultural economics that overlaps with scholarship in critical accounting and even work coming out of some business schools. Some of those folks, like Ekaterina Svetlova (see especially 2012), have worked or done extended participant observation in the financial institutions that are being unpacked in broader literatures around performative economics and have provided useful critiques or correctives that is helping this literature to mature.

However, much of this work is subject to the same pitfalls as other work in the social studies of finance, especially the sense that scholars ‘fall in love’ with the complexity of their research topic and the ingenuity of their research participants qua coworkers and ultimately fail to link them back to meaningful critiques of the broader world. All that said, I’m not sure I’ve got the chops to work in finance. I’d be more interested in, and comfortable with, working in the environmental and economic governance realm where I could see, on a daily basis, how the logics of traders meet the logics of regulation and science.


What advice would you give to scholars who may do research on carbon markets in the future?

Get familiar with the language and logics of neoclassical economics. Really familiar. Take some classes. If you’re studying neoliberal environmental policy, it shouldn’t come as a surprise that regulation is shot through with the logics of market triumphalism at a level that just reading David Harvey (2003, 2005) probably wouldn’t prepare you for. A little engineering, or at least familiarity with engineers, wouldn’t be amiss either.

On a really pragmatic level, if you can get access, get familiar with being in an office setting if you haven’t spent much time in one. Being in a new kind of space can be really stressful and if you’re not comfortable in your surroundings you might not be getting the most out of your interviews.

If you’re studying a carbon market specifically, take the time to understand how the electricity grid works. I lost a lot of time sitting through workshops that were well over my head dealing with how the electric power industry would count its carbon emissions. I would have gotten much more out of them if I’d had even a cursory understanding of how the electricity gets from the out-of-state coal-fired power plant to my toaster.

Don’t expect to just pop in-and-out of fieldwork. Make yourself at home. Take some time to figure out what the points of tension are. That’s not to say you must do an ‘E’thnography, but taking the time at the beginning to understand the playing field will make it easier to understand the maneuvering later.

Read the specialist and general press every single day. Set up some news aggregator service to whatever market or regulation you’re looking at. It’s what your participants will be reading, and if they aren’t then you’ll really look like you know what you’re doing.


What are broad implications of your research?

I think starting to come to grips on the creation, from nothing, of a commodity market worth more than a billion dollars could have all sorts of impacts I can’t even imagine. I’d be really happy if scholars of other markets could find parallels to my work that demonstrated that all markets, not just environmental ones, were as much about the state as they are about finance, and not just in the way that Polanyi wrote about them. I’d also like to help people think through the relationship between the economic structures that people build, and then how they inhabit them through economic ideology, the performance of that ideology and their modern representation, the economic model. In some ways this is reopening the structure-agency debates that have been simmering for a long time. I also want to provide more grist for the mill in terms of unpacking variegated neoliberalisms––there are quite a few examples I’ve run across in my work where discourses about the efficiencies of markets run up against either therealpolitik of institutional inertia or perceived risks to the broader economy (which can be read as social reproduction).

In terms of policy, I hope that regulatory readers of my work will think about the relative return on investment (if I can appropriate a financial concept) in deploying market-based environmental policy as opposed to direct regulation, particularly around climate change. We’re in a situation that demands urgency to curb the worst impacts of carbon pollution, so it is of the utmost importance that the state take dramatic action, and soon. That said, wouldn’t it be interesting if this carbon market ended up accomplishing its goals? If it does, then I hope my work would take on different kinds of significance.

* * *

Harvey, David. 2003. The New Imperialism. New York: Oxford University Press.

Harvey, David. 2005. A Brief History of Neoliberalism. New York: Oxford University Press.

Johnson, Leigh. 2010. Climate Change and the Risk Industry: The Multiplication of Fear and Value. Richard Peet, Paul Robbins and Michael Watts, eds. Global Political Ecology. London: Routledge.

Nader, Laura. 1969. Up the Anthropologist: Perspectives Gained from Studying Up. Dell Hymes, ed. Reinventing Anthropology. New York: Random House.

Polanyi, Karl. 1944. The Great Transformation. Boston: Beacon.

Svetlova, Ekaterina. 2012. On the Performative Power of Financial Models. Economy and Society 41(3): 418-434.

Falling for the Anarchy She Was Sent to Fight (New York Times)

‘The East,’ Written by Zal Batmanglij and Brit Marling

Published: May 30, 2013

“The East” is a neat little thriller about ends and means and ethical quandaries. The title refers to a mysterious network of anti-corporate militants whose activities — called “jams” — shade from prankish agitprop toward outright terrorism. The members of the group, who live off the grid in an abandoned house in the wilderness somewhere near the Mason-Dixon line, are determined to hold the poisoners and polluters of the executive class accountable for their actions. Sometimes, as in the case of a pharmaceutical company that has peddled dangerous antibiotics, this means giving the bosses a literal taste of their own medicine.

Written by Zal Batmanglij and Brit Marling and directed by Mr. Batmanglij, “The East” follows Jane, an undercover operative for a private security-consulting firm, played by Ms. Marling, as she progresses from Dumpster diving and freight train hopping to the inner circle where the jams are planned. Jane, known to her new comrades as Sarah, is a former F.B.I. agent who reports back to her boss, a serenely chillyPatricia Clarkson. The parameters of Jane’s mission are not as clear as her almost instantly divided loyalty.

Back home in Washington, Jane has a scruffy, sensitive, bland boyfriend. Out in the woods, she falls under the spell of Benji (Alexander Skarsgard), who is scruffy, sensitive and dangerous. While the East, being a group of anarchists, has no formal leader, Benji is clearly the alpha dog. His main lieutenants are an elfin zealot named Izzy (Ellen Page) and Doc (Toby Kebbell), a troubled former medical student. All of them come from relatively privileged backgrounds and have painful, intimate reasons for taking up the cause.

In general, “The East” is a bit more persuasive on the psychology of its characters than on the politics of their actions. Ms. Marling is a sympathetic presence, in part because her slack-jawed, glassy-eyed passivity is an effective mirror of the audience’s ambivalence. She is initially appalled by Benji and his followers — by their hygiene as much as by their self-righteousness — but gradually finds comfort in the rough simplicity of their thrifty, communal approach to life. The world of work, stability and consumerism feels increasingly sterile and false to her. Mr. Batmanglij and the cinematographer, Roman Vasyanov, register this evolution with subtle visual cues, as the forest and the old dark house become less scary and more enchanted, and everywhere else is drained of color.

Jane’s goodness is as axiomatic as that of a fairy tale princess. While we suspect that she will stray into morally dangerous territory, real evil seems beyond her capacities. In their previous collaboration — the cult film (in both senses) “Sound of My Voice” — Ms. Marling and Mr. Batmanglij played with her aura of guileless blond sweetness to haunting and troubling effect. “The East,” while more conventional in style and structure than that film (or “Another Earth,” which Ms. Marling also helped write and starred in), has some of its spookiness, a sense of ambient vulnerability that extends from the individuals on screen into the very universe they inhabit.

This intimation of large, lurking danger is appropriate to this movie’s vague environmental theme. The damaged, idealistic young people plotting to terrorize the wealthy and comfortable are seen as canaries in the coal mine, their rage a sign that something is terribly wrong. But their animus is also explained in ways that strain credibility and undermine the film’s topicality. Benji, Izzy and Doc are motivated by grief, filial resentment and a desire for revenge. For them the political is personal, which makes it a little less urgent for everybody else.

But it may be asking too much of “The East” — which is, after all, a twisty, breathless genre film — to wish that it would frame the contradictions of contemporary capitalism more rigorously. The movie is aware that they exist, and wishes that they could be resolved more or less happily, which is hard to argue with, though also hard to believe.

“The East” is rated PG-13 (Parents strongly cautioned). Restrained violence, sex and profanity.

The East

Opens on Friday in Manhattan.

Directed by Zal Batmanglij; written by Mr. Batmanglij and Brit Marling; director of photography, Roman Vasyanov; edited by Andrew Weisblum and Bill Pankow; music by Halli Cauthery; production design by Alex DiGerlando; costumes by Jenny Gering; produced by Ridley Scott, Michael Costigan and Jocelyn Hayes-Simpson; released by Fox Searchlight Pictures. Running time: 1 hour 56 minutes.

WITH: Brit Marling (Jane/Sarah), Alexander Skarsgard (Benji), Ellen Page (Izzy), Toby Kebbell (Doc), Shiloh Fernandez (Luca), Julia Ormond (Paige Williams) and Patricia Clarkson (Sharon).

O Brasil ‘bipolar’ vem a Davos (Folha de S.Paulo)

23/01/2014  03h26

Clóvis Rossi

DAVOS – Marcelo Neri, o economista que chefia a Secretaria de Assuntos Estratégicos, lamenta que o Brasil viva o que chama de “situação bipolar”: uma boa parte do empresariado está pessimista com os rumos da economia, ao passo que o que Elio Gaspari chamaria de “andar de baixo” está satisfeito com a inclusão ocorrida nos últimos anos.

O ideal, para Neri, seria que “pessimistas fossem menos pessimistas, e otimistas menos otimistas”.

A segunda parte da equação é inalcançável, brinca o ministro, na medida em que “o brasileiro foi heptacampeão mundial de otimismo” (ficou em primeiro lugar na pesquisa Gallup sobre a satisfação com a própria vida, entre 2006 e 2012).

Em 2013, no entanto, as coisas mudaram ligeiramente: houve uma queda na satisfação, para o 18º lugar no mundo, coincidindo com as manifestações de junho. Mas, já em outubro, de 0 a 10, o brasileiro dava 7 para a sua satisfação com a vida, o terceiro lugar no planeta.

O ministro tem uma explicação para a “bipolaridade”: economistas e executivos costumam olhar muito para o PIB, que, de fato, está crescendo mediocremente, como disse ontem a mexicana Alícia Bárcenas, secretária-executiva da Cepal, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

Já o comum dos mortais olha para a sua própria vida e vê que ela melhorou nos últimos anos, inclusive no ano passado: enquanto o PIB per capita, até novembro, crescia apenas 1,8%, a renda mediana subia 5,2%.

Como, então, explicar os protestos de junho? Para Neri, “a casa melhorou, mas o seu entorno [leia-se: serviços públicos] não. As pessoas querem uma outra agenda, após o crescimento com redução da desigualdade”.

Neste ponto, uma observação pessoal que já fiz várias vezes ao hoje ministro e da qual ele não discorda: caiu a desigualdade entre salários, mas não entre o rendimento do capital e do trabalho, até porque é muito difícil medir o primeiro desses rendimentos.

E os rolezinhos? Neri admitiu, em mesa-redonda ontem em Davos: “Não acho que saibamos o que está acontecendo”.

Mas, em conversa com jornalistas, arriscou palpites: primeiro, a sociedade está muito mais interligada, do que decorre o uso das redes sociais como ponto de referência para os rolezinhos, e “a população jovem nunca foi e nunca mais será tão grande como agora”.

É desse Brasil “bipolar” que Dilma embarcou ontem para se apresentar amanhã a uma parte do público, inclusive estrangeiro, que está majoritariamente entre inquieta e pessimista sobre o Brasil.

Palpite meu: se ela focar sua fala na sessão plenária e na conversa reservada com executivos no “feel good factor”, esse sentir-se bem do andar de baixo, não vai desfazer o mal-estar. O que o povo de Davos quer são certezas sobre a situação fiscal brasileira, ou seja, sobre as sobras para pagar a dívida.

Não por acaso, esse tema apareceu no primeiro lugar entre os riscos globais medidos por uma grupo de peritos para o Fórum Econômico Mundial, ao lado do crescimento da desigualdade.

An insider’s story of the global attack on climate science (The Conversation)

23 January 2014, 6.40am AEST

Stormy weather hits New Zealand’s capital, Wellington. Flickr.com/wiifm69 (Sean Hamlin)

A recent headline – Failed doubters trust leaves taxpayers six-figure loss – marked the end of a four-year epic saga of secretly-funded climate denial, harassment of scientists and tying-up of valuable government resources in New Zealand.It’s likely to be a familiar story to my scientist colleagues in Australia, the UK, USA and elsewhere around the world.But if you’re not a scientist, and are genuinely trying to work out who to believe when it comes to climate change, then it’s a story you need to hear too. Because while the New Zealand fight over climate data appears finally to be over, it’s part of a much larger, ongoing war against evidence-based science.

From number crunching to controversy

In 1981 as part of my PhD work, I produced a seven-station New Zealand temperature series, known as 7SS, to monitor historic temperature trends and variations from Auckland to as far south as Dunedin in southern New Zealand.A decade later, in 1991-92 while at the NZ Meteorological Service, I revised the 7SS using a new homogenisation approach to make New Zealand’s temperature records more accurate, such as adjusting for when temperature gauges were moved to new sites.

The Kelburn Cable Car trundles up into the hills of Wellington. Shutterstock/amorfati.art

For example, in 1928 Wellington’s temperature gauge was relocated from an inner suburb near sea level up into the hills at Kelburn, where – due to its higher, cooler location – it recorded much cooler temperatures for the city than before.With statistical analysis, we could work out how much Wellington’s temperature has really gone up or down since the city’s temperature records began back in 1862, and how much of that change was simply due to the gauge being moved uphill. (You can read more about re-examining NZ temperatures here.) So far, so uncontroversial.But then in 2008, while working for a NZ government-owned research organisation, theNational Institute of Water and Atmospheric Research (NIWA), we updated the 7SS. And we found that at those seven stations across the country, from Auckland down to Dunedin, between 1909 and 2008 there was a warming trend of 0.91°C.Soon after that, things started to get heated.The New Zealand Climate Science Coalition, linked to a global climate change denial group, the International Climate Science Coalition, began to question the adjustments I had made to the 7SS.And rather than ever contacting me to ask for an explanation of the science, as I’ve tried to briefly cover above, the Coalition appeared determined to find a conspiracy.

“Shonky” claims

The attack on the science was led by then MP for the free market ACT New Zealand party, Rodney Hide, who claimed in the NZ Parliament in February 2010 that:

NIWA’s raw data for their official temperature graph shows no warming. But NIWA shifted the bulk of the temperature record pre-1950 downwards and the bulk of the data post-1950 upwards to produce a sharply rising trend… NIWA’s entire argument for warming was a result of adjustments to data which can’t be justified or checked. It’s shonky.

Mr Hide’s attack continued for 18 months, with more than 80 parliamentary questions being put to NIWA between February 2010 and July 2011, all of which required NIWA input for the answers.The science minister asked NIWA to re-examine the temperature records, which required several months of science time. In December 2010, the results were in. After the methodology was reviewed and endorsed by the Australian Bureau of Meteorology, it was found that at the seven stations from Auckland to Dunedin, between 1909 and 2008 there was a warming trend of 0.91°C.That is, the same result as before.But in the meantime, before NIWA even had had time to produce that report, a new line of attack had been launched.

Off to court

In July 2010, a statement of claim against NIWA was filed in the High Court of New Zealand, under the guise of a new charitable trust: the New Zealand Climate Science Education Trust (NZCSET). Its trustees were all members of the NZ Climate Science Coalition.The NZCSET challenged the decision of NIWA to publish the adjusted 7SS, claiming that the “unscientific” methods used created an unrealistic indication of climate warming.The Trust ignored the evidence in the Meteorological Service report I first authored, which stated a particular adjustment methodology had been used. The Trust incorrectly claimed this methodology should have been used but wasn’t.In July 2011 the Trust produced a document that attempted to reproduce the Meteorological Service adjustments, but failed to, instead making lots of errors.On September 7 2012, High Court Justice Geoffrey Venning delivered a 49-page ruling, finding that the NZCSET had not succeeded in any of its challenges against NIWA.

The NZ weather wars in the news. The New Zealand Herald

The judge was particularly critical about retired journalist and NZCSET Trustee Terry Dunleavy’s lack of scientific expertise.Justice Venning described some of the Trust’s evidence as tediously lengthy and said “it is particularly unsuited to a satisfactory resolution of a difference of opinion on scientific matters”.

Taxpayers left to foot the bill

After an appeal that was withdrawn at the last minute, late last year the NZCSET was ordered to pay NIWA NZ$89,000 in costs from the original case, plus further costs from the appeal.But just this month, we have learned that the people behind the NZCSET have sent it into liquidation as they cannot afford the fees, leaving the New Zealand taxpayer at a substantial, six-figure loss.Commenting on the lost time and money involved with the case, NIWA’s chief executive John Morgan has said that:

On the surface it looks like the trust was purely for the purpose of taking action, which is not what one would consider the normal use of a charitable trust.

This has been an insidious saga. The Trust aggressively attacked the scientists, instead of engaging with them to understand the technical issues; they ignored evidence that didn’t suit their case; and they regularly misrepresented NIWA statements by taking them out of context.Yet their attack has now been repeatedly rejected in Parliament, by scientists, and by the courts.The end result of the antics by a few individuals and this Trust is probably going to be a six-figure bill for New Zealanders to pay.My former colleagues have had valuable weeks tied up with wasted time in defending these manufactured allegations. That’s time that could have profitably been used investigating further what is happening with our climate.But there is a bigger picture here too.

Merchants of doubt

Doubt-mongering is an old strategy. It is a strategy that has been pursued before to combat the ideas that cigarette smoking is harmful to your health, and it has been assiduously followed by climate deniers for the past 20 years.One of the best known international proponents of such strategies is US think tank, the Heartland Institute.

The first in a planned series of anti-global warming billboards in the US, comparing “climate alarmists” with terrorists and mass murderers. The campaign was canned after a backlash. The Heartland Institute

Just to be clear: there is no evidence that the Heartland Institute helped fund the NZ court challenge. In 2012, one of the Trustees who brought the action against NIWA said Heartland had not donated anything to the case.

However, Heartland is known to have been active in NZ in the past, providing funding to theNZ Climate Science Coalition and a related International Coalition, as well as financially backing prominent climate “sceptic” campaigns in Australia.

An extract from a 1999 letter from the Heartland Institute to tobacco company Philip Morris.University of California, San Francisco, Legacy Tobacco Documents Library

The Heartland Institute also has a long record ofworking with tobacco companies, as the letter on the right illustrates. (You can read that letter and other industry documents in full here. Meanwhile, Heartland’s reply to critics of its tobacco and fossil fuel campaigns is here.)

Earlier this month, the news broke that major tobacco companies will finally admit they “deliberately deceived the American public”, in “corrective statements”that would run on prime-time TV, in newspapers and even on cigarette packs.

It’s taken a 15-year court battle with the US government to reach this point, and it shows that evidence can trump doubt-mongering in the long run.

A similar day may come for those who actively work to cast doubt on climate science.

Industry Awakens to Threat of Climate Change (New York Times)

A Coke bottling plant in Winona, Minn. The company has been affected by global droughts. Andrew Link/Winona Daily News, via Associated Press

By CORAL DAVENPORT

JAN. 23, 2014

WASHINGTON — Coca-Cola has always been more focused on its economic bottom line than on global warming, but when the company lost a lucrative operating license in India because of a serious water shortage there in 2004, things began to change.

Today, after a decade of increasing damage to Coke’s balance sheet as global droughts dried up the water needed to produce its soda, the company has embraced the idea of climate change as an economically disruptive force.

“Increased droughts, more unpredictable variability, 100-year floods every two years,” said Jeffrey Seabright, Coke’s vice president for environment and water resources, listing the problems that he said were also disrupting the company’s supply of sugar cane and sugar beets, as well as citrus for its fruit juices. “When we look at our most essential ingredients, we see those events as threats.”

Coke reflects a growing view among American business leaders and mainstream economists who see global warming as a force that contributes to lower gross domestic products, higher food and commodity costs, broken supply chains and increased financial risk. Their position is at striking odds with the longstanding argument, advanced by the coal industry and others, that policies to curb carbon emissions are more economically harmful than the impact of climate change.

“The bottom line is that the policies will increase the cost of carbon and electricity,” said Roger Bezdek, an economist who produced a report for the coal lobby that was released this week. “Even the most conservative estimates peg the social benefit of carbon-based fuels as 50 times greater than its supposed social cost.”

Some tycoons are no longer listening.

At the Swiss resort of Davos, corporate leaders and politicians gathered for the annual four-day World Economic Forum will devote all of Friday to panels and talks on the threat of climate change. The emphasis will be less about saving polar bears and more about promoting economic self-interest.

In Philadelphia this month, the American Economic Association inaugurated its new president, William D. Nordhaus, a Yale economist and one of the world’s foremost experts on the economics of climate change.

“There is clearly a growing recognition of this in the broader academic economic community,” said Mr. Nordhaus, who has spent decades researching the economic impacts of both climate change and of policies intended to mitigate climate change.

In Washington, the World Bank president, Jim Yong Kim, has put climate change at the center of the bank’s mission, citing global warming as the chief contributor to rising global poverty rates and falling G.D.P.’s in developing nations. In Europe, the Organization for Economic Cooperation and Development, the Paris-based club of 34 industrialized nations, has begun to warn of the steep costs of increased carbon pollution.

Nike, which has more than 700 factories in 49 countries, many in Southeast Asia, is also speaking out because of extreme weather that is disrupting its supply chain. In 2008, floods temporarily shut down four Nike factories in Thailand, and the company remains concerned about rising droughts in regions that produce cotton, which the company uses in its athletic clothes.

“That puts less cotton on the market, the price goes up, and you have market volatility,” said Hannah Jones, the company’s vice president for sustainability and innovation. Nike has already reported the impact of climate change on water supplies on its financial risk disclosure forms to the Securities and Exchange Commission.

Both Nike and Coke are responding internally: Coke uses water-conservation technologies and Nike is using more synthetic material that is less dependent on weather conditions. At Davos and in global capitals, the companies are also lobbying governments to enact environmentally friendly policies.

But the ideas are a tough sell in countries like China and India, where cheap coal-powered energy is lifting the economies and helping to raise millions of people out of poverty. Even in Europe, officials have begun to balk at the cost of environmental policies: On Wednesday, the European Union scaled back its climate change and renewable energy commitments, as high energy costs, declining industrial competitiveness and a recognition that the economy is unlikely to rebound soon caused European policy makers to question the short-term economic trade-offs of climate policy.

In the United States, the rich can afford to weigh in. The California hedge-fund billionaire Thomas F. Steyer, who has used millions from his own fortune to support political candidates who favor climate policy, is working with Michael R. Bloomberg, the former New York mayor, and Henry M. Paulson Jr., a former Treasury secretary in the George W. Bush administration, to commission an economic study on the financial risks associated with climate change. The study, titled “Risky Business,” aims to assess the potential impacts of climate change by region and by sector across the American economy.

“This study is about one thing, the economics,” Mr. Paulson said in an interview, adding that “business leaders are not adequately focused on the economic impact of climate change.”

Also consulting on the “Risky Business” report is Robert E. Rubin, a former Treasury secretary in the Clinton administration. “There are a lot of really significant, monumental issues facing the global economy, but this supersedes all else,” Mr. Rubin said in an interview. “To make meaningful headway in the economics community and the business community, you’ve got to make it concrete.”

Last fall, the governments of seven countries — Colombia, Ethiopia, Indonesia, South Korea, Norway, Sweden and Britain — created the Global Commission on the Economy and Climate and jointly began another study on how governments and businesses can address climate risks to better achieve economic growth. That study and the one commissioned by Mr. Steyer and others are being published this fall, just before a major United Nations meeting on climate change.

Although many Republicans oppose the idea of a price or tax on carbon pollution, some conservative economists endorse the idea. Among them are Arthur B. Laffer, senior economic adviser to President Ronald Reagan; the Harvard economist N. Gregory Mankiw, who was economic adviser to Mitt Romney’s presidential campaign; and Douglas Holtz-Eakin, the head of the American Action Forum, a conservative think tank, and an economic adviser to the 2008 presidential campaign of Senator John McCain, the Arizona Republican.

“There’s no question that if we get substantial changes in atmospheric temperatures, as all the evidence suggests, that it’s going to contribute to sea-level rise,” Mr. Holtz-Eakin said. “There will be agriculture and economic effects — it’s inescapable.” He added, “I’d be shocked if people supported anything other than a carbon tax — that’s how economists think about it.”

David Graeber: Sobre o Fenômeno dos Empregos de Merda

Um texto do antropólogo David Graeber que explica porque é que em vez de diminuir, o horário de trabalho não pára de crescer.

constructivist-job-illustration-e1379098388568

Nos últimos anos na Europa e nos Estados Unidos o horário de trabalho tem vindo a aumentar. Em Portugal a jornada de trabalho para a Função Pública amentou das 35 para as 40 horas perante a passividade quase total dos sindicatos oficiais. Em Espanha, a CNT e a CGT reivindicam há muito as 30 horas semanais. Há pouco mais de 80 anos os economistas acreditavam que na viragem do século XX para o XXI, devido aos progressos tecnológicos (que continuam a verificar-se) o tempo de trabalho diário não ultrapassaria as 3 ou as 4 horas. O antropólogo anarquista e membro do Occupy Wall Street, David Graeber, explica a inutilidade dos empregos (e dos trabalhos) de merda criados nas últimas décadas. Que só servem para nos prender aos locais de trabalho, não para produzir ou fazer quaisquer trabalhos socialmente relevantes.

David Graeber

No ano de 1930 John Maynard Keynes previu que, até ao final do século XX, a tecnologia teria avançado o suficiente para que países como a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos pudessem implementar a semana laboral de 15 horas. Não faltam motivos para acreditar que tinha razão, dado que a nossa tecnologia actual o permitiria. E, no entanto, isso não aconteceu. Em vez disso, a tecnologia inventou novas formas para que trabalhemos mais. A fim de alcançar este objectivo, foram criados novos trabalhos, que não têm, efectivamente, nenhum sentido. Enormes quantidades de pessoas, especialmente na Europa e nos Estados Unidos, passam toda a sua vida profissional na execução de tarefas que, no fundo, consideram completamente desnecessárias. É uma situação que provoca um dano moral e espiritual profundo. É uma cicatriz que marca a nossa alma colectiva. Mas quase ninguém fala disso.

Por que é que nunca se materializou a utopia prometida por Keynes – uma utopia ainda aguardada com grande expectativa nos anos 60? A explicação mais generalizada hoje em dia é que Keynes não soube prever o aumento massivo do Consumismo. Face à alternativa entre menos horas de trabalho ou mais brinquedos e prazeres, teríamos escolhido colectivamente a segunda opção. É uma fábula muito bonita, mas basta apenas um momento de reflexão para vermos que isso não pode ser realmente verdade. De facto temos assistido à criação de uma variedade infinita de novos empregos e indústrias, desde a década de 20, mas muito poucos têm alguma coisa a ver com a produção e distribuição de sushi, iPhones ou de calçado desportivo de moda.

Então, quais são, precisamente, esses novos postos de trabalho? Um relatório comparando o emprego nos EUA entre 1910 e 2000, dá-nos uma imagem muito clara (que, sublinho se vê praticamente reflectida no Reino Unido). Ao longo do século passado, diminuiu drasticamente o número de trabalhadores empregados no serviço doméstico, na indústria e no sector agrícola. Ao mesmo tempo, “a nível profissional, os directores, os administrativos, os vendedores e os trabalhadores dos serviçostriplicaram, crescendo de um quarto a três quartos do emprego total. Por outras palavras, os empregos no sector produtivo, tal como previsto, muitos trabalhos produtivos automatizaram-se (ainda que se conte a totalidade dos trabalhadores da indústria a nível mundial, incluindo a grande massa de trabalhadores explorados da Índia e da China, estes trabalhadores já não representam uma percentagem da população mundial tão elevada como era habitual).

Mas ao contrário de possibilitar uma redução massiva do horário laboral de maneira a que todas as pessoas tenham tempo livre para se ocuparem dos seus próprios projectos, prazeres, visões e ideias, temos visto um aumento do tempo de trabalho tanto no “sector de serviços” como no administrativo. Isto inclui a criação de novas indústrias, como os serviços financeiros ou de telemarketing e a expansão de sectores como o direito empresarial, a gestão do ensino e da saúde, os recursos humanos e as relações públicas. E estes números nem sequer reflectem todas as pessoas cujo trabalho é fornecer serviços administrativos, técnicos, ou de segurança para essas indústrias, para não mencionar toda uma gama de sectores secundários (tratadores de cães, entregadores de pizza 24 horas) que devem a sua existência ao facto do resto da população passar tanto tempo a trabalhar noutros sectores.  <!–more–>

Estes são os trabalhos a que proponho chamar de “empregos de merda.”

É como se alguém estivesse a inventar trabalhos apenas para nos terem ocupados. É aqui, precisamente, que reside o mistério. E isso é exactamente o que não devia acontecer no capitalismo. Claro que, nos antigos e ineficientes estados socialistas como a União Soviética, onde o emprego era considerado tanto um direito como uma obrigação sagrada, o sistema criava todos os empregos que fizessem falta, (era este o motivo que levava a que nas lojas soviéticas fossem “precisos” três empregados para vender um só bife). Mas, é claro, este é o tipo de problema que é suposto ser corrigido com a concorrência dos mercados. De acordo com a teoria económica dominante, desperdiçar dinheiro em postos de trabalho desnecessários é o que menos interessa a uma companhia que queira ter lucro. Mas ainda assim, e sem se perceber muito bem porquê, é isso que acontece.

Ainda que muitas empresas se dediquem a reduzir o número de trabalhadores de forma cruel, estes despedimentos – e o aumento de responsabilidade para os que permanecem -, recaem invariavelmente sobre os que se dedicam a fabricar, transportar, reparar e manter as coisas.

Devido a uma estranha metamorfose, que ninguém é capaz de explicar, o número de administrativos assalariados parece continuar a aumentar.  O resultado, e isto acontecia também com os trabalhadores soviéticos, é que cada vez há mais empregados que, teoricamente, trabalham 40 ou 50 horas semanais, mas que, na prática, só trabalham as 15 horas previstas por Keynes, já que levam o resto do dia a organizarem ou a participarem em seminários motivacionais, actualizando os seus perfis do Facebook ou fazendo downloads de vídeos e musica.

É claro que a reposta não é económica, mas sim moral e política. A classe dirigente descobriu que uma população feliz e produtiva com abundante tempo livre nas suas mãos representa um perigo mortal (recordemos o que começou a acontecer na primeira vez em que houve uma pequena aproximação a algo deste tipo, nos anos 60). Por outro lado, o sentimento de que o trabalho é um valor moral em si mesmo e que quem não esteja disposto a submeter-se a uma disciplina laboral intensa durante a maior parte da sua vida não merece nada, é algo que lhes é muito conveniente.

Certa vez, ao contemplar o crescimento aparentemente interminável de responsabilidades administrativas nos departamentos académicos britânicos, imaginei uma possível visão do inferno. O inferno é um conjunto de indivíduos que passam a maior parte do seu desempenhando tarefas de que nem gostam nem fazem especialmente bem. Imaginemos que se contratam uns marceneiros altamente qualificados e que, de repente, descobrem que o seu trabalho consistirá em passarem grande parte do dia a fritarem peixe. Não é que a tarefa realmente necessite de ser feita – há apenas um número muito limitado de peixes que é preciso fritar. Ainda assim, todos eles tornam-se obcecados com a suspeita de que alguns dos seus companheiros possam passar mais tempo a talhar madeira do que a cumprirem as suas responsabilidade como fritadores de peixe que, rapidamente, vamos encontrar pilhas intermináveis de inútil peixe mal frito, acumulado por toda a oficina, acabando, todos eles, por se dedicarem exclusivamente a isso.

Acho que esta é realmente uma descrição bastante precisa da dinâmica moral da nossa própria economia.

CapturarEstou consciente de que argumentos como este vão ter objecções imediatas. “Quem és tu para determinar quais os trabalhos que são ‘necessários’? O que é necessário, afinal? És professor de antropologia, explica-me a ‘necessidade’ disso? “. (E, na verdade muitos leitores de imprensa cor-de-rosa classificariam o meu trabalho como a definição por excelência de um investimento social desperdiçado). E, em certo sentido, isso é obviamente verdadeiro. Não há uma forma objectiva de medir o valor social.

Não me atreveria a dizer a uma pessoa que está convencida de estar a contribuir com algo importante para a humanidade, de que, na verdade, está equivocada. Mas o que se passa com aqueles que têm a certeza de que os seus trabalhos não servem para nada? -Não há muito tempo atrás retomei o contacto com um amigo de escola que não via desde os meus 12 anos. Fiquei espantado ao descobrir que nesse intervalo de tempo, ele se tinha tornado poeta, e, foi vocalista de uma banda de rock indie. Inclusivamente, tinha ouvido algumas das suas músicas na rádio sem ter ideia que o cantor era meu amigo de infância. Ele era, obviamente, uma pessoa inovadora e genial, e o seu trabalho tinha, sem dúvida, melhorado e alegrado a vida de muitas pessoas em todo o mundo. No entanto, depois de um par de álbuns sem sucesso, perdeu o contrato com a editora e atormentado com dívidas e uma filha recém-nascida, acabou, como ele descreveu, por “tomar a opção que, por exclusão, muitas pessoas sem rumo escolhem: a Faculdade de Direito”. Agora é um advogado de negócios e trabalha numa proeminente empresa de Nova York. Ele foi o primeiro a admitir que o seu trabalho era totalmente sem sentido, não contribuindo em nada para a humanidade e que, na sua própria opinião, nem sequer deveria existir.

Chegados aqui há uma série de perguntas que podemos fazer. A primeira seria: o que é que isto revela sobre a nossa sociedade que parece gerar uma procura extremamente limitada para poetas e músicos talentosos, mas uma procura aparentemente infinita de especialistas em direito empresarial. (Resposta: Se 1% da população controla a maior parte da riqueza disponível, o denominado “mercado” reflectirá o que essa ínfima minoria, e ninguém a não serem eles, acha que é útil ou importante). Mas, ainda mais, isto mostra que a maioria das pessoas nesses empregos estão conscientes desta realidade. Na verdade, creio que nunca conheci nenhum advogado corporativo que não achasse que o seu trabalho é uma estupidez. O mesmo é válido para quase todos os novos sectores anteriormente mencionados. Há toda uma classe de profissionais assalariados que se os encontrarmos numa festa e lhes confessarmos que nos dedicamos a algo que pode ser considerado interessante (como, por exemplo, a antropologia) evitam falar da sua profissão. Mas, depois de algumas bebidas, é vê-los a fazerem discursos inflamados sobre a estupidez e a inutilidade do seu trabalho.

Há aqui uma profunda violência psicológica. Como é que podemos fazer uma discussão séria sobre a dignidade laboral quando há tanta gente que, no fundo, acha que o seu trabalho nem sequer deveria existir? Inevitavelmente, isto dá lugar ao ressentimento e a uma raiva muito profunda. No entanto, é no engenho peculiar da nossa sociedade que os governantes encontraram uma maneira – como no exemplo dos fritadores de peixe – de garantir que a raiva é dirigida precisamente contra aqueles que realizam tarefas úteis. Parece mesmo haver na nossa sociedade uma regra geral segundo a qual quanto um trabalho é mais benéfico para os outros, pior é a sua remuneração. Mais uma vez é difícil encontrar uma avaliação objectiva, mas uma maneira fácil de ter uma ideia seria perguntarmo-nos: que aconteceria se todo este grupo de trabalhadores simplesmente desaparecesse?  Diga o que se disser sobre enfermeiros, empregados do lixo ou mecânicos, é óbvio que se eles desaparecessem numa nuvem de fumo, os resultados seriam imediatos e catastróficos. Um mundo sem professores ou trabalhadores portuários não tardaria a estar em apuros e um mundo sem escritores de ficção científica ou músicos de ska seria, sem dúvida, um mundo pior. Ainda não está totalmente claro quanto sofreria a humanidade se todos os investidores de capital privado, lobyistas, investigadores, seguradores, operadores de telemarketing, oficiais de justiça ou consultores legais se esfumassem da mesma forma. (Há quem suspeite que tudo melhoraria sensivelmente). No entanto, para além de um punhado de bem elogiadas excepções, como, por exemplo, os médicos, a “regra” mantém-se com surpreendente frequência.

Ainda mais perversa é a noção generalizada de que é assim que as coisas devem ser. Este é um dos segredos do êxito do populismo de direita. Podemos comprová-lo quando a imprensa sensacionalista suscita o ressentimento contra os trabalhadores do metro por paralisarem Londres durante um conflito laboral. O simples facto de que os trabalhadores do metro possam paralisar toda a cidade de Londres demonstra a necessidade do trabalho que desempenham, mas é precisamente isso que parece incomodar tantas pessoas. Nos Estados Unidos vão ainda mais longe; os Republicanos tiveram muito êxito propagando o ressentimento relativamente aos professores ou aos operários do sector automóvel ao chamar a atenção para os seus salários e prestações sociais supostamente excessivos (e não contra os administradores escolares e gestores da indústria automóvel que são quem realmente causa os problemas, o que é significativo).

É como se eles nos estivessem a dizer: “mas sim, tens a sorte de poder ensinar crianças! Ou fazer carros! Fazeis trabalhos de verdade! E, como se fosse pouco, tendes a desfaçatez de reclamar pensões de reforma e cuidados de saúde equivalentes às da classe média!?”

Se alguém tivesse desenhado um regime de trabalho com o fim exclusivo de manter os privilégios do mundo financeiro dificilmente podia ter feito melhor. Os trabalhadores que realmente produzem sofrem uma exploração e uma precariedade constantes. Os restantes dividem-se entre o estrato aterrorizado e universalmente desprezado dos desempregados e outro estrato maior, que basicamente recebe um salário em troca de não fazer nada, em lugares desenhados para que se identifiquem com a sensibilidade e a perspectiva da classe dirigente (directores, administradores, etc.) – e em particular dos seus avatares financeiros – a qual, ao mesmo tempo, promove o crescente ressentimento contra aqueles cujo trabalho tem um valor social claro e indiscutível. Evidentemente que este sistema não é fruto de um plano inicialmente previsto, mas emergiu como o resultado de quase um século de tentativas e erros. E é a única explicação possível para o facto de, apesar da nossa capacidade tecnológica, não se ter implantado ainda a jornada laboral de três ou quatro horas.

“On the Phenomenon of Bullshit Jobs” by David Graeber, aqui http://www.strikemag.org/the-summer-of/

Traduzido pelo CLE a partir da versão espanhola. http://guerrillatranslation.com/2013/09/24/el-fenomeno-de-los-curros-inutiles/

Notícias relacionadas à polêmica ao redor do gás de xisto

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Extensa audiência pública sobre a exploração do gás de xisto causa polêmica

Encontro foi promovido ontem pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados

Os constantes debates acerca da exploração do gás de xisto no Brasil continuam gerando polêmica. O cerne da questão gira em torno dos graves impactos sobre o ambiente e a saúde pública. A contaminação de lençóis freáticos e o uso excessivo da água são as maiores críticas feitas pela forma como o gás é explorado.

Hoje é realizada uma técnica chamada fraturação hidráulica. Nesse processo, toneladas de água misturadas a produtos químicos e areia são injetadas na rocha para se extrair o gás, após furos verticais e horizontais. A água usada volta à superfície já poluída por hidrocarbonetos, metais e aditivos químicos.

Para debater a questão, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados promoveu mais uma audiência pública, realizada na manhã desta quinta-feira (5/12), em Brasília.

Contra a exploração, o Partido Verde quer impedir o procedimento no Brasil. “Não temos segurança tecnológica para explorar isso. Por que não damos ênfase nas energias renováveis?”, criticou o deputado Sarney Filho (PV/MA),líder do partido na Câmara dos Deputados. Ele afirmou que o PV vai propor uma moratória de cinco anos de prospecção do recurso. O parlamentar informou que o partido tomará a decisão como exemplo de países da União Européia, como a França.

“A exploração do xisto é relativamente nova. Tem ocorrido com bastante intensidade nos países afora. É preciso que se façam estudos cautelosamente”, afirmou o parlamentar. “E o Brasil, ao contrário dos Estados Unidos e França, tem alternativas. Temos produção de energia elétrica limpa, quase toda ela de hidrelétrica, temos potencial da energia solar e eólica, que está sendo subaproveitado”, explicou Sarney Filho.

Segundo Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha de Energia da ONG Greenpeace, o uso do gás de xisto não é imprescindível neste momento. “Ainda que a demanda energética nacional aumente mais de duas vezes até 2050, temos fontes renováveis e reservas de gás convencional suficientes para suprir a demanda do setor industrial e elétrico”, defendeu.

Para Carlos Alberto Bocuhy, do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, o País “não pode embarcar em uma aventura tecnológica (exploração de gás de xisto) ainda sem respostas”.

O professor da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Scheibe alertou que a exploração de gás não convencional, ou de xisto no País, deve ser submetida a uma avaliação ambiental estratégica antes de autorizada. A avaliação, prevista legalmente, é um instrumento mais amplo do que os estudos de impacto ambiental normalmente utilizados para o licenciamento de empreendimentos energéticos.

Também pesquisador do tema e Conselheiro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Jailson de Andrade lembrou que a maioria dos estudos sobre o assunto aponta a necessidade de estudos prévios locais para exploração. Segundo ele, ainda há muita controvérsia científica quanto à questão.

“Há um estudo da National Academy of Science, nos Estados Unidos, que mostra que, em 141 poços de água potável na Pensilvânia, quanto mais próximo de áreas de exploração de gás não convencional, maior a quantidade de metano (tóxico e inflamável) na água”, informou Jailson. “A controvérsia na literatura é se isso já existia antes ou se é resultado da perfuração para obtenção de gás”, observou o pesquisador.

E acrescenta “O Brasil está em uma posição muito confortável em relação à energia, sua matriz energética é majoritamente hídrica, renovável, tem um programa de bicombustível que é o melhor do mundo, então porque entrar nesta nova era sem a menor necessidade energética que justifique isto?”.

Nomenclatura
Apesar de chamar de gás de xisto, os especialistas da área esclareceram durante o debate que a questão é em relação ao gás natural extraído de folhelho (shale gas, em inglês). Folheto é uma rocha argilosa de origem sedimentar; xisto é uma rocha metamórfica, de outra origem, portanto. Mas, há uma longa e equivocada tradição brasileira de chamar folhelho (shale) de xisto (schist), daí se falar muito em gás de xisto.

Carta
A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Academia Brasileira de Ciências (ABC) enviaram uma carta à presidente Dilma Rousseff, solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto, até que estudos mais conclusivos sobre a questão sejam realizados.

No documento, a presidente da SBPC, Helena Nader, e o presidente da ABC, Jacob Palis, justificam sua preocupação pelo fato de que a exploração econômica do gás de xisto vir sendo muito questionada pelos danos ambientais irreversíveis que pode causar.

Por isso, eles pedem que antes da realização da licitação sejam realizados novos estudos por universidades e institutos de pesquisa públicos, sobre a real potencialidade da utilização do método da fratura hidráulica para a retirada do produto das rochas e os possíveis prejuízos ambientais causados por isso.

Governo
Otaviano da Cruz Pessoa, gerente-geral da Gerência Executiva de Exploração da Petrobras, reconheceu que, de fato, há riscos na exploração de gás de xisto. Mas, segundo ele, são riscos inerentes a qualquer atividade energética, inclusive de gás convencional.

” A única diferença do gás de xisto em relação ao tradicional é que, no caso do xisto, as rochas onde está o gás têm menos fluidos e, por isso, você tem que perfurar milhares de poços”, explicou Pessoa.

De acordo com Luciano Teixeira, representante da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), os riscos inerentes à exploração de gás de xisto são reais e devem ser melhor conhecidos e mitigados. Mas, segundo ele, a exploração comercial do produto dependerá de autorização prévia, a partir de critérios que devem ser divulgados pela agência em janeiro em uma nova regulamentação.

“Essa regulamentação tem uma base forte na questão da apresentação de estudos e documentações que venham a demonstrar que aquele operador está em condições de realizar aquela atividade e que o ambiente onde ele vai realizar a atividade vai estar protegido da melhor forma possível”, afirmou.

No entanto, Luciano Teixeira explicou que “E, com isso, conta-se com a apresentação de licenciamentos ambientais, estratégia de utilização e disposição de efluentes gerais e o monitoramento de toda a região com relação à possível degradação dos recursos hídricos.”

Segundo o representante da ANP, a atual fase de pesquisa não depende de autorização prévia. Essa etapa pode levar até oito anos, prorrogáveis por mais seis.

Leilão
Em leilão realizado, no dia 28 de novembro, pela ANP, foram arrematados 72 de 240 blocos ofertados com possibilidade de exploração de gás de xisto.A Petrobras participará da exploração em 70% das áreas, localizadas, principalmente, em Sergipe, Alagoas, Bahia e Paraná. Em um primeiro momento, as empresas estão autorizadas apenas a fazer pesquisas para avaliar a segurança econômica, ambiental e social da exploração.

(Camila Cotta, com informações de Beatriz Bulhões e da Agência Câmara)

Matérias de arquivo do Jornal da Ciência:

SBPC e ABC enviam carta à presidente Dilma Rousseff solicitando a suspensão da licitação para a exploração do gás de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=88545

Cientistas querem adiar exploração de xisto
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=90623

*   *   *

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Petrobras diz que pode devolver blocos de xisto se a exploração for inviável

A Petrobras arrematou 70% dos 72 blocos leiloados pela ANP, na última semana

Questionado por representantes da sociedade civil presentes à audiência pública sobre exploração de gás de xisto, na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira, o representante da Petrobras, Otaviano da Cruz Pessoa, disse que, se a pesquisa indicar insegurança econômica, regulatória ou ambiental, a empresa poderá devolver blocos arrematados para exploração de gás não convencional. A Petrobras arrematou 70% dos 72 blocos leiloados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), na última semana.

“Embora áreas tenham potencial de existência de recurso não convencional, a Petrobras prioriza o convencional”, disse. “Se, ao fim da fase exploratória (pesquisa), os recursos se mostrarem viáveis economicamente e a produção, segura e regulada, a Petrobras poderá fazer. Caso isso não se verifique, a Petrobras poderá devolver áreas”, completou.

Também questionado por parlamentares e representantes da sociedade civil sobre a necessidade de leilão para gás de xisto neste momento, mesmo com o potencial do país em outras matrizes energéticas, inclusive renováveis, o representante da ANP, Luciano Teixeira, afirmou que, nesse campo, quanto antes os estudos começarem, melhor.

“A gente não tem muito margen para esperar tudo acontecer para realizer estudos. Parte dos estudos implica ver o que temos lá e se ele é viável”, destacou Teixeira.

A audiência pública sobre a exploração de gás de xisto já se encerrou.

(Ana Raquel Macedo/Agência Câmara)

*   *   *

JC e-mail 4870, de 06 de dezembro de 2013

Conselho Nacional de Recursos Hídricos quer mais pesquisa sobre exploração de xisto

O gás de xisto ou folhelho está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade

O Conselho Nacional de Recursos Hídricos deve votar, no próximo dia 17 de dezembro, moção pedindo mais ênfase nas pesquisas antes que a exploração comercial de gás de xisto (tecnicamente, chamado de gás de folhelho) seja liberada no País. A informação é de Marcelo Medeiros, da Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, que participa de audiência pública sobre o assunto na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira.

De acordo com Medeiros, o edital do leilão da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP) realizado para exploração do gás não convencional ou de xisto, na última semana, prevê que os estudos devem ser feitos por um período de cinco a oito anos, podendo ser estendido por mais seis anos. Dos 240 blocos oferecidos no leilão, 72 foram arrematados, principalmente em Sergipe, Alagoas, Bahia e Paraná.

“Não somos contra perfuração para pesquisa, tem que haver nível de conhecimento sobre questão. A exploração para pesquisa deve ser feita e, se for o caso, estendida,” avaliou Medeiros.

O representante do Ministério do Meio Ambiente destacou que, no curto prazo, os efeitos da exploração comercial de gás de xisto, a partir da técnica de fraturamento hidráulico de rochas subterrâneas, podem levar à contaminação de lençóis freáticos por gás metano (que é tóxico e explosivo) ou substâncias químicas, inclusive radioativas, usadas no processo. Há, de acordo com Marcelo Medeiros, uma preocupação sobre a quantidade de água gasta no processo e uma indefinição sobre meios seguros de destinação do líquido residual do fraturamento, possivelmente contaminado.

O gás de xisto ou folhelho está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade. Para extraí-lo, as rochas são quebradas ou fraturadas, com a injeção de grandes quantidades de água, areia e produtos químicos.

Mais avaliação
Segundo Fernando Roberto de Oliveira, gerente de Águas Subterrâneas da Superintendência de Implementação e Projetos da Agência Nacional de Águas (ANA), os impactos da obtenção do gás não convencional ainda precisam ser melhor avaliado antes da liberação comercial dos recursos.

“Se não tivermos conhecimento geológica local, a possibilidade de avançarmos com segurança fica comprometida. Temos que conhecer melhor a hidrogeologia”, explicou.

Um dos autores do pedido de realização da audiência, o deputado Sarney Filho (PV-MA) alertou que falta regulamentação sobre o setor. “Não sabemos efeitos que exploração pode causar nos aquíferos, meio ambiente e no social”, disse.

A audiência pública continua no Plenário 8.

(Ana Raquel Macedo/ Agência Câmara)

* * *

JC e-mail 4869, de 05 de dezembro de 2013

Comissão discute exploração de xisto e seus efeitos sobre o meio ambiente

Há preocupação com riscos de vazamentos subterrâneos, contaminação de aquíferos, danos aos reservatórios e possibilidade de abalos sísmicos

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável promove audiência pública hoje, às 10 horas, para discutir a exploração do xisto em território nacional e seus efeitos sobre o meio ambiente. O evento foi solicitado pelos deputados Sarney Filho (PV-MA), Penna (SP) e Pedro Uczai (PT-SC).

Os parlamentares estão preocupados com o leilão de gás de xisto proposto pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP): “A exploração desse gás no Brasil ocorre no Paraná, mas em pequena escala. Não serve de parâmetro para os projetos em grande escala que estão sendo anunciados pela ANP”.

Também chamado de gás não convencional, o gás de xisto está armazenado entre rochas no subsolo, geralmente a mais de mil metros de profundidade. Para extraí-lo, as rochas são explodidas, ou fraturadas, com a injeção de grandes quantidades de água, areia e produtos químicos. O método é chamado de fraturamento hidráulico.

Aumento do consumo nos EUA
Nos Estados Unidos, o gás de xisto corresponde, hoje, a 16% da demanda nacional de gás natural; em 2000, era apenas 1% desse total. Os empresários estimam que em 2035 essa fonte possa ocupar 46% do consumo de gás nos EUA.

Os deputados argumentam que os problemas ambientais relacionados à exploração do gás de xisto são imensos: “Conforme estudiosos há riscos de vazamentos subterrâneos; contaminação de aquíferos; danos aos reservatórios produtores de água; possibilidade de abalos sísmicos”.

Eles ressaltam que a tecnologia usual faz uso de uma grande quantidade de água e, consequentemente, também gera um grande volume de rejeitos líquidos poluídos: “O processo industrial é extremamente perigoso. Existe a grande possibilidade de explosões, incêndios, vazamentos de fluidos contaminando solo, e danos aos poços perfurados”.

Convidados
Foram convidados para discutir o tema com os deputados:
- o representante da área de Segurança Operacional e Meio Ambiente da Agência Nacional do Petróleo (ANP) Luciano Silva Pinto Teixeira;
- o gerente de Águas Subterrâneas da Superintendência de Implementação e Projetos da Agência Nacional de Águas, Fernando Roberto de Oliveira;
- o gerente geral de Interpretação e Avaliação das Bacias Terrestres da área de Exploração e Produção da Petrobras, Otaviano da Cruz Pessoa;
- o professor da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Shceibe;
- o especialista em efeitos ambientais na prospecção do gás de xisto Jailson de Andrade;
- o coordenador da Campanha de Energias Renováveis do Greenpeace Brasil, Ricardo Baitelo; e
- o presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Alberto HailerBocuhy.
A audiência ocorrerá no Plenário 8.

(Agência Câmara)

* * *

JC e-mail 4865, de 29 de novembro de 2013

Preocupações de indígenas com exploração de gás e petróleo serão levadas a autoridades

A Funai denunciou que a ANP não levou em conta o relatório feito pela Fundação sobre o leilão de 240 blocos de petróleo e gás que está sendo realizado hoje no Rio

As sugestões e preocupações apresentadas pelos participantes da audiência que discutiu o leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação serão colocadas em um documento e levados a diversas autoridades, como o Ministério de Minas e Energia e a Presidência da República. A iniciativa será apoiada pelo presidente da Comissão de Legislação Participativa, deputado Lincoln Portela (PR-MG).

No debate realizado nesta quinta-feira, encerrado há pouco, a Funai denunciou que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) não levou em conta o relatório feito pela Fundação sobre o leilão de 240 blocos de petróleo e gás que está sendo realizado hoje no Rio de Janeiro.

Já representantes de comunidades indígenas disseram estar preocupados com a preservação ambiental das áreas de exploração em que há comunidades indígenas e disseram estar dispostos a entrar em guerra pela causa.

(Silvia Mugnatto/Agência Câmara)

Fifa proíbe o São João em Salvador (Tribuna da Bahia)

Por Alessandra Nascimento

Publicada em 25/04/2013 01:23:24

Foto: Mateus Pereira/Secom

A partir do mês de junho, quando acontecem os jogos da Copa das Confederações e Salvador abrigará algumas partidas, estão proibidas a realização de festas na cidade. A situação chegou ao conhecimento da Tribuna da Bahia por intermédio de dois moradores – um planejava realizar uma festa junina no bairro do Barbalho e o segundo em Periperi – as festas tiveram as licenças negadas pela Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo, Sucom, por conta de uma ordem da Fifa.

A TB entrou em contato com a assessoria do órgão municipal que confirmou a suspensão de eventos na cidade no mês de junho. “A Prefeitura de Salvador irá publicar um decreto dando maiores detalhes, mas a orientação é não liberar eventos na cidade em junho”, alega.

A Tribuna entrou em contato com a Assessoria Geral de Comunicação, Agecom, e teve como informação que isso faz parte de um acordo firmado entre a Fifa, o governo federal e as cidades sedes dos jogos. “O governo brasileiro assinou o acordo com a entidade e tem que aceitar as regras. Foi assim nos Estados Unidos e na África do Sul. Nos circuitos oficiais como Avenida Paralela, Avenida Bonocô, Orla, Dique do Tororó, Vitória, Ribeira, dentre outros pontos da cidade terão que exibir toda a comunicação visual com os patrocinadores da Copa. A Sucom deverá apreender quem estiver desrespeitando as regras”, alerta a assessoria.

Celeuma - Não é a primeira vez que ocorre episódios emblemáticos envolvendo a Fifa. A entidade havia proibido a comercialização de acarajés no entorno do estádio. A regra da Fifa recomendava o afastamento desse tipo de comércio num perímetro de até dois quilômetros das praças de jogos.

A atitude foi tomada porque o acarajé não deveria ser concorrente aos hambúrgueres produzidos pela rede McDonald’s, patrocinadora oficial da Fifa. Aparentemente a entidade teria voltado atrás e liberado a comercialização do bolinho, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Iphan, como patrimônio imaterial.

Escritório da Copa se manifesta

A Tribuna da Bahia entrou em contato com o Escritório da Copa, Ecopa, que disse desconhecer a informação de restrição a eventos na cidade durante o mês de junho. “Cada evento é analisado individualmente pelos órgãos competentes e a sua aprovação leva em conta todas as condições necessárias, de acordo com a regulamentação vigente. Não há nenhum impedimento em relação à realização de eventos na cidade. Pelo contrario, tanto a Prefeitura, quanto o Governo de Estado estão elaborando uma ampla programação de eventos que oportunamente será divulgada, para que todo o cidadão soteropolitano possa ter lazer, cultura e entretenimento durante a realização dos jogos em nossa cidade”, informou a nota da assessoria da Ecopa.

Questionada se a Fifa teria “alugado” a cidade, a Ecopa se manifestou. “Salvador, bem como todas as cidades-sede, tem recebido investimentos em diversas áreas (infraestrutura, requalificação de espaços urbanos, mobilidade, segurança, capacitação de mão de obra, saúde, equipamentos públicos, cultura, turismo), o que tem dinamizado a sua economia, através da geração de emprego e renda para os mais variados setores, trazendo benefícios para toda a população. Tudo isso vem gerando oportunidades que impulsionam o desenvolvimento da cidade e elas estão acontecendo justamente por conta da realização dos jogos. Uma vez bem sucedidos, Salvador poderá se posicionar cada vez mais como uma cidade apta a receber novos eventos em inúmeras áreas”, sinaliza e acrescenta: “Salvador está cumprindo rigorosamente o que determina a Lei Geral da Copa (Lei Federal nº. 12.663/12), no sentido de garantir a realização de todas as atividades previstas com pleno êxito. Assim, estamos trabalhando intensamente para que a capital baiana se torne uma cidade cada vez melhor e seja ainda mais desfrutada por todos os soteropolitanos”.

Veja mais
– A posição oficial da Fifa e as restrições que faz

Fronteiras da biotecnologia (O Estado de S.Paulo)

JC e-mail 4872, de 10 de dezembro de 2013

Artigo de Xico Graziano publicado no Estadão

Plantas transgênicas vieram para ficar. E prevalecer. Suas variedades passaram a dominar a safra de grãos no Brasil. Na corrida tecnológica, ninguém segura a engenharia genética. A ciência vence o medo obscurantista.

Lavouras geneticamente modificadas de soja, milho e algodão, nessa ordem, lideram, com dois terços, a semeadura da área nacional. Produtividade, facilidade no trato, economia de defensivos: aqui as razões principais que explicam seu notável desempenho. Problemas agronômicos, como resistência de ervas invasoras a herbicidas ou ressurgência de pragas, existem, mas se assemelham aos das lavouras convencionais. Não se comprovou alguma tragédia ambiental, tampouco dano à saúde humana, decorrente do uso específico de transgênicos.

Há séculos o melhoramento genético tradicional tem modificado os organismos. As variedades atualmente plantadas ou criadas pouco se parecem com suas ancestrais: o frango deixou de ser caipira, o milho tornou-se ereto, as frutas perdem suas sementes. Nenhum alimento continua “natural”. O patamar da evolução mudou, porém, quando os cientistas descobriram a possibilidade de modificar artificialmente o DNA das espécies. Sem cruzamento sexual.

Tudo começou em 1972. Pesquisadores perceberam que parasitas do gênero Agrobacterium transferiam partes de seu germoplasma para as plantas hospedeiras, estimulando nestas a produção de açúcar, do qual se alimentavam. Quer dizer, ocorria na natureza um mecanismo de transgenia. Dez anos depois, em Gent (Bélgica), cientistas conseguiram pioneiramente efetuar a transgênese em laboratório. Em seguida, certas bactérias foram geneticamente modificadas visando à produção de insulina humana. Os diabéticos comemoraram. A ciência havia dado um tremendo salto no conhecimento.

Desde então as equipes de ponta, em oficinas públicas e privadas, passaram a investir na engenharia genética, turbinando mundialmente a biotecnologia. Esta se destacou, inicialmente, na manipulação de microrganismos. Depois, em 1996, chegou ao campo, com o lançamento de uma variedade de soja resistente à aplicação de herbicida. Começou a grande polêmica. Ativistas ambientais denunciaram a “comida Frankenstein”. Religiosos condenaram os cientistas por manipularem a vida. A opinião pública ficou confusa.

Tal temor, compreensível, resultou na proposta de uma “moratória” de cinco anos, precaução adotada pela União Europeia em 1999. Esse período se considerava suficiente para buscar o esclarecimento das dúvidas sobre a nova tecnologia. O tempo passou, a engenharia genética evoluiu, os preconceitos religiosos e ideológicos cederam lugar às evidências científicas. Novas transgenias surgiram, barreiras foram caindo. Hoje, na agricultura, as variedades modernas, geneticamente alteradas, se fazem presentes em 50 países, plantadas por 17,3 milhões de agricultores, ocupando 10% da terra arável do mundo. Não é mais uma experiência.

Novidades biotecnológicas continuam surgindo. Entre animais, desenvolvem-se cabras transgênicas que produzem em seu leite uma proteína típica da teia de aranha, capaz de gerar polímeros altamente resistentes. Nos vegetais, entusiasma a possibilidade da geração de plantas que suportam “stress hídrico”. Na Embrapa, um gene de cafeeiros resistentes à seca foi introduzido em plantas de fumo, fazendo-as suportar a falta de água no solo. Em Israel, cientistas do Instituto de Tecnologia alteraram os genes de alface, impedindo que suas folhas murchem após a colheita. Sensacional.

Técnicas chamadas “DNA recombinante” invadem a medicina. Utilizando-as, o Instituto Butantã (São Paulo) desenvolveu recente vacina contra a hepatite B; também pela intervenção no genoma viral surgem vacinas contra influenza, dengue, coqueluche e tuberculose. Na Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto estuda-se uma vacina transgênica para combater câncer. Porcos geneticamente modificados em Munique (Alemanha) provocaram fraca reação do sistema imunológico humano, abrindo caminho para os xenotransplantes.

Bactérias, leveduras e fungos geneticamente modificados têm sido utilizados na fabricação de alimentos há tempos. Esses microrganismos atuam diretamente nos processos de fermentação, gerando queijos, massas, cerveja; ajudam até na definição do aroma em bebidas e comidas. Etanol celulósico, a partir do bagaço da cana ou de capim, virá de leveduras geneticamente modificadas. Na indústria, o sabão em pó contêm enzimas, oriundas de bactérias transgênicas, que facilitam a degradação de gordura nos tecidos.

Na fronteira da biotecnologia desenvolve-se aqui, na Embrapa, uma incrível técnica – dos promotores constitutivos – capaz de restringir a manifestação de certas proteínas transgênicas em folhas e frutos das plantas modificadas. Ou seja, a planta será transgênica, mas seus frutos, ou grãos, escapam do DNA alterado. O avanço da engenharia genética, base da biotecnologia, é extraordinário em todos os ramos, dando a impressão de que o melhor ainda está por vir.

Por que, então, diante de tanto sucesso ainda há restrições contra os transgênicos, taxando-os de produtos do mal? Boa pergunta. A resposta encontra-se no preconceito criado lá atrás. A rigor, hoje em dia os produtos transgênicos, submetidos a legislação super-rigorosa, são bastante seguros para o consumo. Já outros alimentos, embora “convencionais”, mais parecem uma bomba química: salgadinhos, latarias, maioneses, doces insossos, essas gororobas, sim, impunemente destroem nossa saúde.

Conclusão: transgênico ou convencional, pouco importa. Vale o alimento ser saudável.

Xico Graziano é agrônomo, foi secretário de Agricultura e secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,fronteiras–da-biotecnologia-,1106577,0.htm

Crônicas do Consumismo, à entrada de dezembro (Envolverde)

03/12/2013 – 12h14

por George Monbiot*

consumo Crônicas do Consumismo, à entrada de dezembro

Grafite anti-consumista. Foto: Edgar Fabiano

Publicidade ensina crianças a acariciar… o plástico. Jornais anunciam skates de mogno. E se “Admirável Mundo Novo” já não for ficção?

A culpa cumpre um papel. É o que distingue o resto da população dos psicopatas. Trata-se do sentimento que você tem quando é capaz de sentir empatia. Mas a culpa inibe o consumo. Para sufocá-la, surgiu uma indústria global que usa celebridades, personagens de desenhos animados e música de elevador. Ela procura nos convencer a não ver e a não sentir. Parece funcionar.

Os resultados da pesquisa Greendex 2012 (“Consumers Choice and the Environment”, ou “As Opções dos Consumidores e o Meio-ambinte”) mostram que nos países mais pobres as pessoas sentem-se, em geral, mais culpadas com relação aos impactos causados na natureza do que as populações dos países ricos. Os países onde as pessoas sentem menos culpa são Alemanha, Estados Unidos, Austrália e Grã-Bretanha, nessa ordem – enquanto Índia, China, México e Brasil são os países onde as pessoas estão mais preocupadas. Nossa culpa, revela o estudo, acontece na proporção inversa ao tamanho dos danos causados pelo consumo. Isso é o contrário do que nos dizem milhares de editoriais da imprensa corporativa: que as pessoas não podem dar-se ao luxo de cuidar da natureza até que se tornem ricas. As evidências sugerem que deixamos de cuidar justamente quando nos tornamos ricos.

“Consumidores em países como México, Brasil, China e Índia”, diz o estudo, “tendem a ser mais preocupados com as questões das mudanças climáticas, poluição do ar e da água, desaparecimento de espécies e escassez de água doce … Por outro lado, a economia e os custos de energia e combustível suscitam a maior preocupação entre os consumidores norte-americanos, franceses e britânicos.” Quanto mais dinheiro se tem, mais importante ele se torna. Meu palpite é que nos países mais pobres a empatia não foi tão entorpecida por décadas de consumo irracional.

Assista ao mais recente anúncio da Toys R Us nos EUA. Um homem vestido como guarda florestal arrebanha crianças em um ônibus verde em que se lê “Encontre a Fundação Árvores”. “Hoje nós estamos levando as crianças à viagem de campo que mais poderiam desejar”, diz o guarda dirigindo-se a nós. “E eles nem sabem disso.”

No ônibus ele começa a ensiná-las, mal, sobre as folhas. As crianças bocejam e se mexem nos bancos. De repente, ele anuncia: “Mas nós não estamos indo à floresta hoje …” Ele tira a camisa de guarda florestal. “Estamos indo para a Toys R Us, pessoal!” As crianças ficam alucinadas. “Vamos brincar com todos os brinquedos, e vocês podem escolher o brinquedo que quiserem!” As crianças correm, em câmera lenta, pelos corredores da loja, e quase desmaiam enquanto acariciam os brinquedos.

A natureza é um tédio, já o plástico é emocionante. Crianças que vivem no centro da cidade e que levei a um bosque, semanas atrás, contariam uma história diferente; mas a mensagem, martelada com suficiente frequência, acaba por tornar-se verdadeira.

O Natal permite que a indústria global de besteiras recrute os valores com os quais muitos de nós gostaríamos que a data estivesse associada – o amor, a vivacidade, uma comunidade espiritual –, com o único objetivo de vender coisas de que ninguém necessita ou mesmo deseja. Infelizmente, como todos os jornais, The Guardian participa dessa orgia. A revista de sábado trazia o que parecia ser uma lista de compras para os últimos dias do Império Romano. Há um relógio cuco inteligente para os que têm familiares estúpidos o suficiente, uma chaleira operada remotamente, um distribuidor de sabão líquido por 55 libras [R$ 210]; um skate de mogno (vergonhosamente, a origem da madeira não é mencionada nem pelo Guardian, nem pelo varejista), um “pino pappardelle de rolamento”, seja lá que diabo for isso, bugigangas de chocolate a 25 libras [R$ 96], uma caixa de… barbante de jardim (!) por 16 libras [R$ 61].

Estaremos tão entediados, tão carentes de afeto, que precisamos ganhar essas porcarias para acender uma última centelha de satisfação hedonista? Terão as pessoas se tornado tão imunes ao sentimento de irmandade a ponto de se prontificarem a gastar 46 libras [R$ 177] num pacote de petiscos para cães ou 6,50 libras [R$ 20] em incríveis biscoitos personalizados, em vez de dar o dinheiro a uma causa melhor? Ou isso é o potlatch do mundo ocidental, no qual gastam-se quantias ridículas em presentes ostensivamente inúteis, para melhorar nosso status social? Se assim for, devemos ter esquecido que aqueles que se deixam impressionar por dinheiro não merecem ser impressionados.

Para atender a essa forma peculiar de doença mental, devemos retalhar a Terra, abrir grandes buracos na superfície do planeta, ocupar-se fugazmente com os produtos da destruição e então despejar os materiais em outros buracos.Relatório da Fundação Gaia revela um crescimento explosivo no ritmo da mineração: a produção de cobalto aumentou 165% em 10 anos, a doo minério de ferro em 180% e, entre 2010 e 2011, houve um aumento de 50% na exploração de metais não-ferrosos.

Os produtos dessa destruição estão em tudo: eletroeletrônicos, plásticos, cerâmicas, tintas, corantes, a embalagem em que nossas besteiras vão chegar. À medida que os depósitos mais ricos se esgotam, cada vez mais terra deve ser rasgada para manter a produção. Mesmo os materiais mais preciosos e destrutivos são sucateados quando um novo nível de dopamina torna-se necessário: o governo do Reino Unido informa que uma tonelada de ouro, embutido em equipamentos eletrônicos, é depositada nos aterros a cada ano, neste país.

Em agosto, uma briga das mais instrutivas inflamou o Partido Conservador. O ministro do Meio Ambiente, Lord de Mauley, pediu às pessoas para consertar suas engenhocas em vez de atirá-las no lixo. Isso era necessário, argumentou, para reduzir a quantidade de aterros, seguindo as diretrizes da política europeia de resíduos. Para o The Telegraph, “as propostas poderiam alarmar as empresas que lutam para aumentar a demanda por seus produtos.” O parlamentar do Partido Conservador Douglas Carswell bradou: “desde quando precisamos do governo para nos dizer o que fazer com torradeiras quebradas?”…

Para ele, o programa de recuperação econômica do governo depende de consumo incessante: se as pessoas começarem a consertar as coisas, o esquema entra em colapso; skates de mogno e chaleiras wifi são respostas necessárias a um mercado saturado; o deus de ferro do crescimento, ao qual nos devemos curvar, demanda que gastemos o mundo dos vivos até o esquecimento fim dos tempos.

“‘Mas roupas velhas são estupidez’, continuou o sussurro incansável. ‘Nós sempre jogamos fora as roupas velhas. Descartar é melhor que consertar, descartar é melhor que consertar.’” O Admirável Mundo Novo parece menos fantástico, a cada ano.

George Monbiot é jornalista é escritor, acadêmico e ambientalista do Reino Unido. Escreve uma coluna semanal no jornal The Guardian./ Tradução: Inês Castilho.

** Publicado originalmente no site Outras Palavras.

The India Problem (Slate)

Why is it thwarting every international climate agreement?

NOV. 27 2013 12:44 PM

By 

Haze in Mumbai, 2009

India has stalled international greenhouse gas accords because climate change isn’t a winning election issue in the developing country. 

Photo by Arko Datta/Reuters

Apowerful but unpredictable force is rising in the battle over the future of the climate. It’s the type of powerful force that’s felt when 1.2 billion people clamor for more electricity—many of them trying to light, heat, and refrigerate their ways out of poverty; others throwing rupees at excessive air conditioning and other newfound luxuries. And it’s the type of unpredictable force that’s felt when the government of those 1.2 billion is in election mode, clamoring for votes by brazenly blocking progress at international climate talks.

Hundreds of millions of Indians live in poverty, wielding a tiny per-person carbon footprint when compared with residents of the West and coming out on top of environmental sustainability surveys. But the country is home to so many people that steady economic growth is turning it into a climate-changing powerhouse. It has developed a gluttonous appetite for coal, one of the most climate-changing fuels and the source of nearly two-thirds of the country’s power. India recently overtook Russia to become the world’s third-biggest greenhouse gas polluter, behind China and the United States. (If you count the European Union as a single carbon-belching bloc, then India comes in fourth).

India has been obstructing progress on international climate talks, culminating during the two weeks of U.N. Framework Convention on Climate Change negotiations that ended Saturday in Warsaw. The Warsaw talks were the latest annual get-together for nearly 200 countries trying to thrash out a new climate treaty to replace the Kyoto Protocol.

India’s erraticism at international climate talks is frustrating the West. But it is also starting to anger some developing nations struggling to cope with violent weather, droughts, and floods blamed on climate change.

India’s stance during climate talks is that developed countries should be legally committed to addressing global warming by reducing their greenhouse gas emissions, and that developing countries should do what they say they can do to help out.

But once-clear distinctions between developed and developing countries are blurring. A growing number of developing countries—including low-lying island states in the Pacific and some countries in Africa and Latin America with which India has long been allied—are eyeing the vast, growing, climate-changing pollution being pumped out by China and India. They are wondering why those two countries, and others in the “developing” camp, shouldn’t also be committed to reducing their emissions.

The Warsaw meetings ended with India and China thwarting efforts by the United States, Europe, and others to commit all countries to measures to address greenhouse gas pollution. Instead, countries agreed in Warsaw to announce their “intended contributions” to slow down global warming in 2015, in advance of final meetings planned in Paris to agree on the new climate treaty.

“Developing countries are a varied group at this stage, and there is a growing frustration about the inability to move forward from some of these countries,” said Jake Schmidt, international climate policy director for the Natural Resources Defense Council, who attended the Warsaw meetings. “Some of their anger is directed at the U.S. and Europe, but more and more of their anger is quietly being directed at friends in the developing world that they see as stalling progress.”

And no country has done more than India to stall progress on international climate negotiations during the past two months.

It began last month in Bangkok, when negotiators met to update the Montreal Protocol. Signed in the late 1980s, the protocol saved the ozone layer by ending the use of chlorofluorocarbons in refrigerants, household goods, and industrial products. The problem was, manufacturers often swapped out CFCs for a closely related group of chemicals called hydrofluorocarbons. HFCs don’t hurt the ozone layer, but it turns out that they are potent greenhouse gases. With climate change now the most important global environmental challenge, the United States and a long list of other countries have proposed amending the Montreal Protocol to phase out the use of HFCs.

All seemed to be going well with the plans for those amendments. India and the other members of the Group of 20 endorsed the proposal during September meetings in Russia. A couple of weeks later, Indian Prime Minister Manmohan Singh reiterated the country’s support for the amendments during meetings with President Obama.

But when international representatives gathered for meetings in Bangkok to actually make the amendments, they were surprised and angered to find the negotiations blocked by India. The country’s environment officials told Indian media that they were worried about the costs associated with switching over to new coolants. What may have worried them even more was the fear of being accused of opening the door for foreign air conditioning and fridge companies to take over domestic markets.

If there’s one thing that no Indian government up for re-election in the current political climate would want, it’s to be seen giving an inch to America on trade.

Then came Warsaw. Extensive negotiations around agriculture had been scheduled for the first of the two weeks of meetings. Farming causes about a fifth of greenhouse gas emissions, due in part to land clearing, energy use, and the methane that bubbles up from rice paddies and is belched out by cattle.

But that’s not what drew farming representatives to Warsaw. Farmers are the hardest hit by changes in the weather—which should help them secure a chunk of the hundreds of billions of dollars in climate aid that a new climate treaty is expected to deliver for poor countries. But India, which is home to farms that are struggling to cope with changing rainfall patterns, spearheaded a maneuver that blocked agricultural negotiations from moving forward. Its negotiators feared that negotiations over farmer adaptation efforts would lead to requests that those farmers also reduce their carbon footprints.

“India has been very clear that agriculture is the mainstay of our population, and we don’t want any mitigation targets there,” said Indrajit Bose, a climate change program manager at the influential Delhi-based Centre for Science and Environment, who attended the Warsaw meetings. “It’s a red line for India, and I think we agree with that.”

During the second week of Warsaw talks, India again blocked progress on HFC reductions, and it worked with China to water down the meeting’s most important agreement on the final day of talks.

Despite instances of Chinese obstructionism at Warsaw, China and the United States have been making headlines during the past week for their blossoming mutual commitment to tackling climate change. Now India appears to be supplanting China as the developing world’s chief climate agitator, even as it takes real steps to boost renewable energy production at home and meet voluntary goals to reduce the “emission intensity” of its economy. (Meanwhile, Japan, Australia, and Canada are taking America’s mantle as the developed world’s chief climate antagonists.)

The India problem isn’t limited to climate talks. Early this year India helped dilute an international agreement that had been crafted to reduce mercury pollution—a major problem with coal-fired power plants.

Before the country’s environment minister was replaced during a mid-2011 Cabinet reshuffle, India had been hailed as a constructive leader during international climate talks. Now it’s being accused of foot-dragging, obstructionism, and flip-flopping.

Recent Indian shenanigans on the global climate stage are partly a reflection of the fact that a federal election will be held in the spring. Such elections are held every five years, and frantic campaigning by long lists of parties occupies many of the months that precede them. In India, despite the country’s acute vulnerability to climate change, the climate is simply not an election issue. BBC polling suggests that 39 percent of Indians have never heard about “climate change.” Indian voters are calling for more affordable energy—not for a reduction in greenhouse gas emissions.

And India, like other developing countries, has been angered by what appears to be reluctance by developed countries to lend a meaningful financial hand as the climate goes awry. A cruel irony of climate change is that the poor countries that did the least to warm the planet are often the hardest hit, vulnerable to rising tides, crop-wilting droughts, and powerful storms. During the talks in Warsaw, Western countries were suddenly balking at previously promised climate aid that would have been worth $100 billion a year by 2020. And developed countries have fobbed off developing countries’ appeals for additional compensation, so-called loss-and-damage payments, when climate change has harmed their people and economies.

It’s not just the electioneering in India that’s causing problems for global climate talks. Another problem seems to be how little press attention the country receives on foreign shores. “There’s not a lot of focus on India anywhere,” said Manish Ram, a renewable-energy analyst for Greenpeace India who attended the Warsaw meetings. “That’s one of the reasons India gets away with doing what it’s been doing.”